BPMN. Business Process Modeling Notation. Outubro/2006. Rafael Bortolini Cryo Technologies

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "BPMN. Business Process Modeling Notation. Outubro/2006. Rafael Bortolini rafael@cryo.com.br Cryo Technologies www.cryo.com.br"

Transcrição

1 BPMN Business Process Modeling Notation Outubro/2006 Rafael Bortolini Cryo Technologies 1

2 Agenda Introdução História Especificação Swinlanes Atividades Eventos Gateways Conexões Exemplos 2

3 Introdução 3

4 O que é BPMN? O BPMN éuma notação gráfica que tem por objetivo prover instrumentos para mapear, de uma maneira padrão, todos os processos de negócio da organização; O BPMN pode e deve ser compreendido por analistas de negócio, técnicos, usuários e, eventualmente, sistemas; O diagrama BPMN pode servir como um novo contrato entre as áreas técnicas e os usuários; 4

5 O que é BPMN? O BPMN diminui a distância entre o mapeamento de processos da organização e a implementação técnica destes processos; O BPMN deve ser um padrão simples e flexível, não-técnico e expansível; 5

6 Características do BPMN Simples O BPMN pode começar a ser utilizado com elementos básicos de fluxograma ( core elements ) e evoluir para elementos mais complexos Flexível O BPMN deve ser capaz de mapear os processos da organização, internos e externos (B2B) 6

7 Características do BPMN Não-técnico Os analistas de BPMN não precisam ser necessariamente profissionais técnicos Expansível A organização deve poder expandir o modelo de acordo com regras e interesses próprios, criando novos instrumentos de modelagem, sem prejudicar a especificação já existente; 7

8 Exemplo de BPMN 8

9 BPMN Ex. Visio: quantidade excessiva de diagramas e notações. Qual utilizar? 9

10 O BPMN não serve para mapear: Organogramas Telas de sistemas Regras de negócio de aplicativos Mapas estratégicos Esquemas 10

11 BPMN e padrões técnicos O BPMN pode ser traduzido para padrões técnicos de processos, como BPEL ou XPDL; Para cada objeto no BPMN, pode existir um correspondente técnico em BPEL; A correspondência técnica entre o padrão visual (BPMN) e o padrão técnico (XPDL, BPEL) é o que irá permitir, no futuro, que os analistas desenhem processos e os sistemas gerem códigos; 11

12 BPMN BPEL/XDPL 12

13 História e evolução 13

14 História O BPMN foi lançado inicialmente em maio de 2004 pela associação internacional BPMI (Business Process Management Initiative); O BPMN foi criado por representantes de empresas como IBM, igrafx (Corel), Pega, Onix e Lombardi (empresas de Workflow) O BPMN não encontrou especificações concorrentes e passou a chamar muito a atenção do mercado; 14

15 História Em 2005, o BPMI anunciou sua junção a OMG (Object Management Group) A OMG é uma associação aberta e não lucrativa que existe desde 1989; O objetivo da OMG é desenvolver e manter padrões e especificações técnicas para a indústria de software; 15

16 História Entre os padrões que a OMG mantém está o UML. Para discutir Como o padrão BPMN se relaciona ao UML? Existe concorrência ou sinergia entre os dois? O que teremos no futuro? 16

17 História Atualmente, o BPMN continua em sua versão 1.0, porém a revisão final da OMG, com correções e melhorias, é recente (fevereiro de 2006) 17

18 História Hoje, de acordo com a OMG, existem 39 produtos homologados que implementam, no todo ou em parte, a notação BPMN; São produtos de modelagem ou mesmo de execução (Workflow-BPM); De acordo com a OMG existem mais 4 produtos em desenvolvimento; 18

19 História É pouco ainda. Porém, dentro de todo o mercado de BPM e gestão por processos, o BPMN parece ser hoje a única unanimidade e, por não ter concorrentes, com certeza será um padrão real daqui a algum tempo. 19

20 Algumas ferramentas ilog (java-free): ammer/bpmnmodeler/. Visual Paradigm: (US$ 100,00) Visio (free) (US$ ) 20

21 Especificação 21

22 Download da especificação A especificação completa do BPMN, assim como diversas informações relacionadas, pode ser achada em: 22

23 Business Process Diagram (BPD) BPD é o diagrama padrão, o espaço de trabalho único para o desenho de processos de negócio seguindo a modelagem BPMN; Dentro do BPD, através do desenho de elementos gráficos, montamos nosso processo de negócio; 23

24 Processo Para o BPMN, processo é uma atividade realizada por uma organização e composta por uma série de etapas e controles que permitem o fluxo de informações; O conceito de processo é extremamente hierárquico, indo desde macro-processos da organização até processos realizados por somente 1 pessoa; Já um Processo de Negócio (business process) é conceituado como uma série de atividades que são realizadas por uma organização ou através de diversas organizações; 24

25 Processo Um BPD, portanto, é o ambiente para mapear 1 processo de negócio que, por sua vez, pode ser constituído por 1 ou mais processos; Estes processos dentro do processo de negócio podem, por sua vez, serem constituídos por sub-processos; Processo de Negócio Processo BPD Processo 25

26 Usos do BPMN O BPMN pode ser utilizado para mapear os seguintes tipos de processos: Processos internos (Private (Internal) Business Process) Processos abstratos (Abstract (Public) Process) Processos de colaboração (Collaboration (Global) Process) 26

27 Processos Internos É o tipo de processo mapeado mais comum, composto por uma série de atividades que são realizadas unicamente dentro de nossa organização EMPRESA 27

28 Processos Abstratos Muitas vezes, nosso processo inclui ações que são realizadas fora do âmbito de nossa organização por pessoas que não trabalham conosco e cuja atividade não podemos gerenciar; Essas pessoas podem realizar suas atividades em um processo interno, mas nós não podemos ver este processo; Neste caso, utilizamos um modelo abstrato para representar uma entidade independente, com processos próprios mas que não nos interessa mapear; 28

29 Processos Abstratos No exemplo abaixo, a autorização do pagamento é feito dentro de um processo interno da instituição financeira, processo esse que desconhecemos ou não nos interessa; EMPRESA Autorizar Pagamento Processar pedido Empacotar Enviar INSTITUIÇÃO FINANCEIRA 29

30 Processos de Colaboração Neste modelo, dois ou mais processos independentes e reutilizáveis se comunicam e estão dentro do nosso escopo de visão (ainda assim, não necessariamente dentro de nossa organização); Neste caso, mapeamos os dois processos e, principalmente, o relacionamento entre os dois; 30

31 Processo de Colaboração Neste caso, o processo interno da Instituição Financeira é conhecido e nos interessa EMPRESA Autorizar Pagamento Processar pedido Empacotar Enviar INSTITUIÇÃO FINANCEIRA Autorização do Cartão de Crédito 31

32 Elementos do BPMN A especificação BPMN é divida em três áreas de informações: Core Elements Full Elements Atributtes 32

33 Elementos do BPMN Core Elements: Conjunto de elementos comuns e simplificados, capazes de mapearem grande parte dos processos das empresas e utilizado por profissionais iniciantes; Full Elements: Conjunto de todos os elementos da especificação, inclusive Core Elements, capazes de mapearem qualquer processo de negócio; 33

34 Elementos do BPMN Atributos: Conjunto de propriedades e informações de cada elemento (informações não-gráficas) Nome Descrição Categoria Tipo Responsável Serviço (WebService) Etc... 34

35 Categorias de Elementos Os elementos são divididos em: Objetos (Flow Objects) Conexões (Connections Objects) Swinlanes Artefatos (Artifacts) 35

36 Objetos Eventos Atividades Gateways 36

37 Conexões Seqüência (Sequence Flow) Mensagem (Message Flow) Associação (Association) 37

38 Swinlanes Pools Lanes 38

39 Artefatos Dados (Data) Texto (Text) Grupo (Group) 39

40 Regras para modelagem 40

41 Regras O desenho do processo pode ser na horizontal, ou na vertical. O mais comum é na horizontal; Os objetos podem ter ou não ter títulos associados; Se possuir título, ele pode ser dentro ou fora do elemento (acima, abaixo ou ao lado); Os elementos podem ser de qualquer tamanho, desde que se siga um padrão; 41

42 Tamanho e posição do título 42

43 Regras A cor padrão dos elementos é branca; Os elementos poderão ser coloridos a vontade para representar regras de negócio própria, segmentar informações ou enfatizar objetos; Os elementos poderão ter ícones especiais associados, desde que não se confundam com os ícones do padrão; 43

44 Regras É permitido criar novos tipos de artefatos; As fontes do texto poderão ser selecionadas a vontade; A conexões igualmente poderão ser coloridas; As conexões poderão se encaixar em qualquer posição dos objetos; 44

45 Conexões Realizar compra Receber material Realizar compra Receber material Realizar compra Receber material 45

46 Atentar Após selecionado um padrão (posição do título, tamanho, cor, fonte, etc.) manter este padrão ao longo de todo o BPD, e se possível ao longo de todos os processos da organização; Jamais modificar ou influenciar na forma dos elementos (ex.: nas atividades as bordas são SEMPRE arredondadas) 46

47 Atentar Por ser a especificação bastante aberta, é necessário um projeto de padronização da implantação do padrão na empresa 47

48 Swinlanes 48

49 Pool Um Pool representa um participante do processo; Um participante pode ser uma entidade (a própria empresa) ou um elemento mais genérico ( cliente, vendedor, fornecedor ) independente; Pool não representa os departamentos de uma empresa; Em um modelo B2B, cada Pool representa uma empresa separada e independente; Dentro de um BPD, posso ter 1 ou mais Pools; Dentro de 1 Pool, tenho 1 ou mais Processos; 49

50 Pool No exemplo abaixo, temos 2 Pools, cada um com processos independentes, mas que se comunicam EMPRESA Autorizar Pagamento Processar pedido Empacotar Enviar INSTITUIÇÃO FINANCEIRA Autorização do Cartão de Crédito 50

51 Pool O mesmo diagrama porém no modelo Caixa Preta (Processo Abstrato), onde não conhecemos os detalhes do Pool Autorizar Pagamento Processar pedido Empacotar Enviar 51

52 Pool Para discutir Note como as flechas que ligam elementos em diferentes Pools são pontilhadas, ao contrário das demais, que são contínuas. 52

53 Lanes As Lanes são utilizados para organizar e categorizar os objetos do fluxo, facilitando a leitura e interpretação do desenho do processo; São comumente utilizadas para representar os setores ou departamentos da empresa; 53

54 Lanes A especificação não define o formato, tamanho ou posição dos títulos das Lanes; 54

55 Atividades 55

56 Atividades Atividade é um trabalho que é realizado dentro de um processo de negócio; A atividade pode ser atômica ou não-atômica (composta); As atividades podem ser do seguinte tipo: Tarefa Sub-Processo 56

57 Tarefa A tarefa é a unidade atômica de um processo, é o objeto que não pode ser quebrado em mais objetos; A tarefa geralmente é executada por uma pessoa ou por um sistema; Através da execução de tarefas, o processo encaminha-se de seu início até o fim; 57

58 Tipos de Tarefas Tarefa de Serviço Representa a execução de um serviço automatizado, como conexão a um WebService ou execução de um aplicativo na rede; Tarefa de Recebimento Esta tarefa aguarda de maneira automática e controlada o recebimento de uma mensagem (uma informação) vinda de um aplicativo externo; uma vez recebida a mensagem, a tarefa é finalizada. Ex.: aguardar o ERP gerar o arquivo de finanças Tarefa de Envio Esta tarefa envia uma mensagem a aplicativo externo. Uma vez enviada a mensagem a tarefa finaliza. Ex.: chamada simples a um WebService 58

59 Tipos de Tarefas Tafefa de Usuário Processo aguarda usuário executar tarefa dentro de um sistema (Ex.: aprovar compra ) Tarefa de Script Um script de comando é executado; Tarefa Manual A tarefa manual é realizada por um usuário fora de qualquer sistema (Ex.: telefonar para fornecedor ) 59

60 Tipos de Tarefas Tarefa de Referência Quando duas tarefas são iguais, é possível determinar uma tarefa de referência que será padrão para as demais. Importante Esses são somente exemplos. O BPMN não determina nomemclatura ou simbologia específica para cada tipo de tarefa. 60

61 Conexões e Tarefas As tarefas podem receber nenhuma, uma ou mais conexões; As tarefas podem dar origem a nenhuma, uma ou mais conexões; Para discutir O que significa quando a tarefa não recebe nenhuma conexão? O que significa quando a tarefa não dá oriem a nenhuma conexão? 61

62 Conexões e Tarefas 62

63 Sub-Processo Um sub-processo, dentro de um BPD, é conhecido como uma atividade composta por um série de outras atividades, formando um novo fluxo; Nós podemos olhar o sub-processo como uma atividade única, um bloco único, semelhante a uma tarefa, ou podemos olhar internamente, desvendando os seus detalhes; 63

64 Sub-Processo Dentro de um desenho de fluxo, um subprocesso pode ser mostrado em sua forma aberta ou fechada ; Forma Fechada 64

65 Sub-Processo Receber Pedido Verificar crédito Verificar SERASA Forma Aberta Empacotar 65

66 Sub-Processo Um sub-processo fechado caracteriza-se por um caixa igual a Atividade, porém com o símbolo [+]; Já o sub-processo aberto é uma caixa igual a atividade, porém com o desenho do novo processo internamente (logicamente, neste caso, precisamos usar uma caixa maior para representar todo o fluxo internamente); 66

67 Sub-Processos O desenho completo de um sub-processo fechado pode estar ou não dentro do mesmo Pool do processo-pai; Pode ser um proceso mapeado em outro BPD (arquivo); Pode estar no mesmo BPD em outra página ou outra posição; No caso de um sub-processo aberto, o desenho completo estará sempre no mesmo Pool. 67

68 Dependente X Independente Os sub-processos podem ser do tipo Dependente (Embedded), quando são totalmente dependentes do processo-pai e devem ser desenhados dentro do mesmo Pool; Ou podem ser independentes, quando são reutilizáveis atráves de diferentes processos e possuem um BPD próprio (e até mesmo Pools diferentes); 68

69 Usos de sub-processos Os sub-processos podem ser utilizados: Para representar processos reutilizáveis; Para controle e tratamento de erros em processos; Para ações de compensão em processos; Para controle de transações de processos; 69

70 Transação O conceito de transação dentro do mapeamento de um processo é moderno e ainda fonte de muitas dúvidas; Uma transação é um tipo de sub-processo que força que todas as atividades dentro dele sejam completadas com sucesso ou canceladas; Dentro do BPMN, um sub-processo transacional é representado por uma retângulo de bordas arredondadas e linha dupla.; 70

71 71

72 Transação No exemplo do fluxo anterior, é necessário que tanto a reserva do voô quanto a reserva do hotel sejam completadas com sucesso para o fluxo prosseguir; Se a reserva do voô é concluída e a reserva do hotel não, a reserva do voô deve ser cancelada, e vice-versa. 72

73 Sub-Processos Todas as demais regras de caracterização e desenho de Tarefas se aplicam também a Sub- Processos; Na prática, devemos compreender o subproceso como uma tarefa composta. 73

74 Atividade Loop Padrão Uma Atividade Loop Padrão possui uma condição associada que é verificada após cada execução; se a condição é verdadeira, a tarefa é reiniciada automaticamente! O loop ocorre até a condição ser falsa; 74

75 Atividade Loop Multi-Instância Atividade Multi-Instância possui uma expressão ou condição padrão associada que é preavaliada para pré-determinar a quantidade de vezes que a tarefa será executada. Aprovação Chefes de Departamento Lista de chefes de departamento relacionados ao projeto 75

76 Loops e Sub-Processos Sub-Processos são atividades, por isso estas regras aplicam-se aqui também: 76

77 Loops Importante Não é possível que uma atividade (uma tarefa ou um sub-processo) seja Loop Padrão e Loop Multi-Instância ao mesmo tempo 77

78 Eventos 78

79 Eventos Evento é alguma coisa que acontece durante o andamento de um processo de negócio; Os eventos interferem no curso do fluxo e geralmente possuem uma causa (trigger) e/ou um impacto (result); O início de uma atividade, o fim de uma atividade, uma mudança de status, o recebimento de uma mensagem: tudo pode ser considerado um evento; 79

80 Eventos Os eventos podem ser de três tipos: Início Intermediário Fim Os eventos são de uso opcional, mas são altamente recomendáveis para modelagens completas; Os eventos são sempre representados por um círculo: 80

81 Evento de Início O evento de ínicio representa o start de um processo; Sua utilização é opcional, porém altamente recomendável; Se não existe evento de início no diagrama, então todas as tafefas que NÃO POSSUEM conectores que chegam nelas são iniciadas ao mesmo tempo; Se existe um elemento de fim, então o elemento de início é obrigatório; 81

82 Evento de Início A definição da causa (trigger) do início do processo pode ser melhor detalhada através de ícones plotados dentro do elemento de início; 82

83 Evento de Início: Padrão O objeto padrão do evento de ínicio é um círculo sem desenho (trigger) interno; Ele é utilizado quando não desejamos representar a causa de início ou para representar inícios em sub-processos; 83

84 Evento de Início: Mensagem O recebimento de uma mensagem dá início ao processo Ex.: chamada de um WebService, fechamento do balanço do mês, geração do arquivo de usuários, etc... 84

85 Evento de Início: Timer Uma determinada regra de tempo associada (dia 31/12 as 14:00) ou um clico de tempo (toda segunda-feira as 14:00) dá início ao processo; 85

86 Evento de Início: Regra Uma determinada regra de negócio (algoritmo) dá início ao processo; Ex.: quando a temperatura passar dos 30 graus, quando o sadvo em caixa baixar de R$10k, etc... 86

87 Evento de Início : Link Um link é um mecanismo para conectar o final de um processo com o início de outro processo; Ex.: conectar dois sub-processos de um mesmo processo pai; 87

88 Evento de Início: Múltiplo Significa que existem diversas maneiras de iniciar um processo; Se uma das maneiras tornar-se verdadeira o processo inicia; A descrição de atributos do elemento irá definir quais são essas condições/triggers; 88

89 Evento de Início: Conexões Um evento de início não pode receber nenhum tipo de conexão; Um evento de início deve obrigatoriamento dar origem a 1 ou mais conexões; 89

90 Evento de Fim Como o nome indica, o evento de fim representa o final de um processo; Um evento de fim possui a mesma forma circular de um evento de início, porém sua borda deve ser mais GROSSA. Fim 90

91 Evento de Fim Um processo pode ter nenhum, 1 ou mais eventos de fim; É altamente recomendável que possua ao menos 1 evento de fim; Se o processo possui evento de início, então é obrigatório ao menos 1 fim; O processo como um todo não necessariamente finaliza quando este é alcançado, e sim quando todos os tokens pendentes alcançam algum evento de fim; 91

92 Evento de Fim Em processos sem evento de fim, o processo é finalizado tão logo todas as atividades pendentes são finalizadas; 92

93 Evento de Fim: Padrão Utilizado quando não desejamos representar o tipo de fim ou em eventos de fim de subprocessos; 93

94 Evento de Fim: Mensagem Uma mensagem é enviada para um participante do processo ao final do fluxo; 94

95 Evento de Fim: Erro Este tipo de fim deve ser utilizado para representar que um erro foi gerado e deverá ser tratado; Ex.: Throw Exception 95

96 Evento de Fim: Cancelamento Este tipo de evento de fim deve ser utilizado somente em sub-processos transacionais; Ele significa que todo o sub-processo deve ser cancelado por alguma de suas etapas não ter alcançado resultado satisfatório; Ex.: não foi possível reservar o hotel para a viagem, é necessário cancelar toda a viagem; 96

97 Evento de Fim: Compensação Este tipo de fim indica que uma compensação deverá ser lançada; Veremos mais sobre compensação mais a frente; 97

98 Evento de Fim: Link Este tipo de fim indica que um mecanismo de conexão entre o fim deste processo com o início de outro processo; 98

99 Evento de Fim: Término Este tipo de fim indica que todas as atividades do processo independente de status ou posição devem ser finalizadas imediatamente; 99

100 Evento de Fim: Múltiplo Este tipo de evento indica que há múltiplas conseqüencia para o fim deste processo; Estas conseqüências devem ser descritas junto com a documentação de atributos do elemento; 100

101 Evento de Fim: Conexões O evento de fim pode receber uma ou mais conexões de seqüência; O evento de fim não pode receber conexões de mensagem; O evento de fim não pode dar origem a uma conexão de seqüência, mas pode dar origem a uma conexão de mensagem; 101

102 Teste: O que isso significa? 102

103 Evento Intermediário O evento intermediário ocorre entre o início e o fim do processo; É utilizado para: Mostrar onde mensagens são enviadas ou esperadas dentro do processo; Mostrar tempos de espera no processo (ex.: aguardar 1 dia); Mudar o curso normal do fluxo através do tratamento de exceções; Mostrar o trabalho extra necessário para compensação; 103

104 Evento Intermediário O evento intermediário é representado por um círculo de linha dupla; Dentro de um fluxograma, o evento intermediário pode estar de maneira independente interligado por conexões, ou pode estar atachado a uma atividade, seja tarefa ou sub-processo; 104

105 Evento Intermediário Quando ligado a uma atividade, o evento intermediário pode ser atachado em qualquer posição da tarefa (acima, abaixo, ao lado), mas é recomendável padronizar; A ligação de um evento intermediário a uma atividade é utilizada para tratamentos de exceção e eventos de compensação, somente. 105

106 Evento Intermediário: Padrão Válido somente para eventos que estão dentro do curso normal do processo (NÃO atachados a atividades); Utilizado em técnicas de modelagem para indicar alguma mudança no status do processo; 106

107 Evento Intermediário: Mensagem Dentro do fluxo normal, pode significar o aguarde pelo recebimento de uma mensagem ou o envio de uma mensagem para um participante (ex.: envio de ) Atachado a uma atividade, representa uma exceção que é lançada ao recebimento de uma mensagem; 107

108 Evento Intermediário: Timer Dentro do fluxo normal, será utilizado como um mecanismo de espera do fluxo (ex.: aguardar 5 dias para continuar); Atachado a uma atividade, representa uma exceção que é lançada ao estouro de um tempo ou alcance de uma data; 108

109 Evento Intermediário: Erro Dentro do fluxo normal, será utilizado para lançar um erro no processo (throw exception); Atachado a uma atividade, representa a captura de um erro ocorrido (catch) para possível tratamento; 109

110 Evento Intermediário: Cancelamento Este tipo de evento deve ser utilizado somente em sub-processos transacionais, atachado a caixa do sub-processo; Este evento será lançado no momento que o sub-processo alcançar um evento de fim de cancelamento; 110

111 Evento Intermediário: Compensação Atachado a uma atividade, irá significar a chamada por uma atividade de compensação; Dentro de uma atividade, representa o tratamento de um evento de compensação lançado; 111

112 Compensação A compensação faz parte das modernas técnicas de modelagem de processos, e ainda é um tópico pouco explorado; Ela refere-se ao conjunto de atividades necessárias para cancelar o que foi realizado em uma dada outra atividade; Por exemplo, em uma tarefa de reservar hotel, a compensação, lançada por uma determinada condição do processo (ex.: viagem cancelada), será cancelar a reserva do hotel 112

113 113

114 Evento Intermediário: Regra Utilizado somente para tratamento de erros; Uma regra de negócio é avaliada para verificar se o erro será lançado ou não; 114

115 Evento Intermediário: Link Utilizado no curso normal do processo para representar um link com outro processo ou outra parte do processo, principalmente em modelagens com mais de uma página; 115

116 Evento Intermediário: Múltiplo Indica que há múltiplas maneiras de lançar o evento; Estas maneiras devem ser descritas junto com a documentação de atributos do elemento; 116

117 Evento Intermediário: Resumo Eventos Mensagem, Timer, Erro, Cancelamento, Compensação, Regra e Múltiplo podem estar atachados ao corpo de uma atividade; Evento de Cancelamento pode estar atachado ao corpo de um sub-processo se este for transacional; Eventos Padrão, Mensagem, Timer, Erro, Compensação, Regra e Link podem estar no curso normal do processo; 117

118 Gateways 118

119 Gateways Gateways são elementos utilizados para controlar como fluxo diverge ou converge ao longo de sua execução; Se o fluxo não precisa ser controlado, não precisamos utilizar Gateways; eles são opcionais (fluxo não-controlado); Gateways têm o seguinte formato: 119

120 Gateways Ao contrário de outras técnicas de modelagem, no BPMN, o mesmo tipo de Gateway pode ser utilizado tanto para divergir quanto para convergir o fluxo, possuindo características especiais em cada caso

121 Gateway de Decisão Exclusiva (XOR) Como elemento divergente, este Gateway dá origem a duas ou mais conexões, cada uma com uma condição associada; Durante o percurso do processo, as condições das conexões serão avaliadas em uma determinada ordem; ao achar uma conexão com condição verdadeira, as demais condições são ignoradas e o processo segue o fluxo normal, ou seja, somente 1 condição pode ser verdadeira. 121

122 Gateway de Decisão Exclusiva (XOR) O BPMN não especifica eventos ou erros quando nenhuma condição é verdadeira; ele parte do princípio de que sempre terá 1 condição verdadeira e se isso não ocorrer o fluxo está modelado errado; O Gateway de decisão exclusiva pode ser representado de duas maneiras, como mostrado abaixo; é indicado padronizar a escolha; ou 122

123 Gateway de Decisão Exclusiva (XOR) 123

124 Gateway de Decisão Exclusiva (XOR) Os exemplos que vimos até agora são do chamado Data-Based Gateway. Este gateway também possui uma variância chamada Event- Based Gateway; Neste caso, o Gateway está ligado a 2 ou mais eventos e a condição, ao invés de estar ligada na conexão, está relacionada a ocorrência de um dos eventos conectados; Este mesmo Event-Based Gateway pode estar conectado também a uma tarefa do Tipo Recebimento 124

125 Gateway de Decisão Exclusiva (XOR) No caso de Event-Based, o ícone representativo também muda, conforme imagem abaixo: 125

126 Gateway de Decisão Exclusiva (XOR) 126

127 Gateway de Decisão Inclusiva Neste gateways, as condições são as mesmas do gateway anterior, porém é permitido que mais de uma condição associada a conexão seja verdadeira ao mesmo tempo, dando origem a fluxos em paralelo; Se nenhuma condição for verdadeira, o fluxo é considerado errado; 127

128 Gateway de Decisão Inclusiva 128

129 Gateway de Decisão Inclusiva Como elemento convergente, este Gateway irá aguardar que os processos que estão andando em pararelo sejam sincronizados para prosseguir com o fluxo; Isso não significa que todas as conexões liagadas deverão ter concluído, e sim que todas as conexões que efetivamente foram ou estão sendo utilizadas, com tokens próprios, têm que estar concluídas; 129

130 Gateway de Decisão Inclusiva No exemplo abaixo, o gateway irá esperar por 1, 2 ou 3 tarefas, dependendo de quais foram realmente inicializadas; 130

131 Gateways Complexos Gateways complexos foram criados para dar maior flexibilidade ao BPMN, permitindo que o analista de processo determine a regra de negócio que irá dar origem ou não as atividades subseqüententes; Ex.: das 5 atividades conectadas, iremos sortear 3 para serem executadas, dos 3 tipos de aprovadores existentes, iremos verificar as condições do fluxo e determinar 1 131

132 Gateways Complexos 132

133 Gateways Complexos A regra de negócio deve estabelecer, SEMPRE, que pelo menos 1 caminho será verdadeiro e o fluxo terá continuidade; 133

134 Gateways Complexos Quando utilizado para convergência, ocorre a mesma coisa: é estabelecida uma regra de negócio específica para determinar quais conexões serão finalizadas para continuidade do fluxo (ex.: esperar 3 dos 5 aprovadores para continuar o fluxo) 134

135 Gateways Paralelos Estes elementos são utilizados para criar fluxos paralelos ou sincronizar totalmente fluxos que estão em paralelo; O Gateway Paralelo possui uma cruz dentro de seu objeto: 135

136 Gateways Paralelos Quando utilizados para divergência, dão início a fluxos paralelos iniciando todas as atividades interliagadas; Quando utilizados para convergência, aguardam a finalização de todas as atividades ligadas para continuar o fluxo; 136

137 Artefatos 137

138 Artefatos Artefatos são elementos que ajudam os analistas a proverem mais informações sobre o processo, visando seu entendimento mais amplo, e que não estão diretamente ligados ao fluxo normal do processo; Atualmente existem somente 3 tipos de artefatos mapeados; A organização pode criar novas artefatos para uso próprio; 138

139 Dados Dados podem representar um documento (eletrônico ou não), uma informação ou outro objeto qualquer que são utilizados ou modificados ao longo do processo; Os Dados se ligam ao processo através de linhas de Associação, que são pontilhadas; 139

140 Dados 140

141 Anotações Anotações são textos e informações genéricas sobre o processo ou um elemento do processo; 141

142 Grupos Grupos são uma maneira informal de agrupar atividades do processo, com objetivo de melhorar o entendimento do fluxograma; Grupos não interferem no andamento do processo; Grupos podem cruzar Pools; 142

143 Grupos 143

144 Conexões 144

145 Conexão de Seqüência A conexão de seqüência é utilizada para determinar a ordem em que as atividades do fluxo serão executadas; É a ferramenta de conexão mais comum e utilizado na maior parte do fluxo; Sua característica principal é ser uma linha sólida, sem pontilhamentos; 145

146 Conexão de Seqüência Existem diversas regras de uso das conexões de seqüência, que apontam sua utilização em cada elemento da especificação BPMN; Um característica interessante é que o uso destas conexões pode, muitas vezes, substituir o uso de gateways, como vemos nos exemplos abaixo: 146

147 Conexão de Seqüência Nos casos em que utilizamos conexões para convergir ou divergir processos, sem utilizar gateways, dizemos que o processo é não controlado, ou seja, não temos controle absoluto sobre o fluxo de informações ao longo do processo; 147

148 Conexão de Seqüência Existem, além da conexão tradicional, duas variâncias desta conexão: Condicional: existe uma condição lógica intrinsicamente relacionada à conexão; Default: trata-se de uma conexão padrão cujo condição sérá sempre verdadeira; 148

149 Conexão de Seqüência 149

150 Conexão de Mensagem As conexões de mensagem são utilizadas para mostrar a troca de informações (envio e recebimento) entre diferentes entidades de processo, ou seja, diferentes Pools do BPD; Na prática, representa a comunicação que ocorre em processos de organizações diferentes; Esta conexão, dentro do diagrama, somente pode estar conectando atividades que estejam em Pools diferentes 150

151 Conexão de Mensagem 151 INSTITUIÇÃO FINANCEIRA EMPRESA

152 Conexão de Associação Este tipo de conexão é utilizado em dois momentos: Conectar artefatos a objetos do fluxo ; Conectar atividades a outras atividades de compensação; ou 152

153 Exemplos 153

154 154

155 155

156 156

157 O que há de errado neste fluxo? 157

158 O que há de errado neste fluxo? 158

159 Obrigado! BPMN- Business Process Modeling Notation Rafael Bortolini Cryo Technologies 159

BPMN. Business Process Modeling Notation. Leandro C. López Agosto - 2015

BPMN. Business Process Modeling Notation. Leandro C. López Agosto - 2015 BPMN Business Process Modeling Notation Leandro C. López Agosto - 2015 Objetivos Conceitos Boas práticas de modelagem Elementos do BPMN Tipos de processos Apresentar os conceitos e elementos da notação

Leia mais

BPMN (Business Process. George Valença gavs@cin.ufpe.br

BPMN (Business Process. George Valença gavs@cin.ufpe.br BPMN (Business Process Modeling Notation) George Valença gavs@cin.ufpe.br 31/10/2012 Introdução Modelagem de processos No ciclo de vida BPM, a etapa de modelagem de processos consiste em um conjunto de

Leia mais

Adm. Vinicius Braga admviniciusbraga@gmail.com. Prof. Msc. Wilane Carlos da Silva Massarani wilane@cercomp.ufg.br

Adm. Vinicius Braga admviniciusbraga@gmail.com. Prof. Msc. Wilane Carlos da Silva Massarani wilane@cercomp.ufg.br Adm. Vinicius Braga admviniciusbraga@gmail.com Prof. Msc. Wilane Carlos da Silva Massarani wilane@cercomp.ufg.br Objetivos Contextualização Conceitos Boas práticas de modelagem Elementos do BPMN Tipos

Leia mais

DISSEMINAÇÃO DE CONHECIMENTO FERRAMENTA BIZAGI

DISSEMINAÇÃO DE CONHECIMENTO FERRAMENTA BIZAGI DISSEMINAÇÃO DE CONHECIMENTO FERRAMENTA BIZAGI Harley Caixeta Seixas Márcia Lúcia Borges de Melo Gomes Roberta A. de Mello Bezerra Silvana Dias Soares FERRAMENTA BIZAGI BPMN Business Process Modeling Notation

Leia mais

Tutorial de BPMN. Visão Geral. Escopo. Elementos

Tutorial de BPMN. Visão Geral. Escopo. Elementos Tutorial de BPMN Visão Geral É um padrão para modelagem de processos de negócio que fornece uma notação gráfica para especificação de processos de negócio em um DPN (Diagrama de Processo de Negócios).

Leia mais

Guia de utilização da notação BPMN

Guia de utilização da notação BPMN 1 Guia de utilização da notação BPMN Agosto 2011 2 Sumário de Informações do Documento Documento: Guia_de_utilização_da_notação_BPMN.odt Número de páginas: 31 Versão Data Mudanças Autor 1.0 15/09/11 Criação

Leia mais

Sistemas de Informação I

Sistemas de Informação I + Sistemas de Informação I BPMN I Ricardo de Sousa Britto rbritto@ufpi.edu.br 1 + Processo de Negócio 2 n Coleção de atividades relacionadas e estruturadas que produzem um serviço ou produto específico.

Leia mais

BPMN - Business Process Modeling and Notation

BPMN - Business Process Modeling and Notation BPMN - Business Process Modeling and Notation AGENDA Notação Conceito Visão Geral da Notação BPMN Notação BPMN no Escritório de Processos NOTAÇÃO - CONCEITO Segundo o dicionário: Ação de indicar, de representar

Leia mais

BPM Definições e Contexto Prática Aula 1

BPM Definições e Contexto Prática Aula 1 BPM Definições e Contexto Prática Aula 1 BP Business Process Algumas definições sobre o que é Processos de Negócio (BP) Um processo é um fluxo coordenado e padronizado de atividades executadas por pessoas

Leia mais

Decanato de Planejamento e Orçamento DPO Diretoria de Processos Organizacionais - DPR. Business Process Modeling Notation BPMN

Decanato de Planejamento e Orçamento DPO Diretoria de Processos Organizacionais - DPR. Business Process Modeling Notation BPMN Decanato de Planejamento e Orçamento DPO Diretoria de Processos Organizacionais - DPR Business Process Modeling Notation BPMN BPMN Business Process Modeling Notation A especificação da notação de modelagem

Leia mais

Curso de BPMN - II. Desenho de processo

Curso de BPMN - II. Desenho de processo Curso de BPMN - II Glauco Reis (gsrt@terra.com.br) é Consultor em Java e metodologias OO, e especializado em plataforma IBM. Têm o título de SCJP 1.1 e 1.4, SCJWCD 1.4, e IBM CSE e IBM Websphere Application

Leia mais

BPMN. Business Process Modeling Notation

BPMN. Business Process Modeling Notation BPMN Business Process Modeling Notation Montar viagem UML (diagrama de atividades) Montar viagem BPMN Tipos de diagrama 1) Private Business Process ou Diagramas de processos privados: usado quando não

Leia mais

BPMN Business Process Modeling Notation

BPMN Business Process Modeling Notation BPMN Business Process Modeling Notation Business Process Modeling Notation Página 1 Objetivo O objetivo deste curso é apresentar os elementos da notação de modelagem de processos de negócio BPMN 1.1 (Business

Leia mais

INTRODUÇÃO A MODELAGEM DE PROCESSOS UTILIZANDO BPMN 1 FÁBIO RODRIGUES CRUZ 2 2.1 CONCEITO DE MODELAGEM DE PROCESSOS UTILIZANDO BPMN

INTRODUÇÃO A MODELAGEM DE PROCESSOS UTILIZANDO BPMN 1 FÁBIO RODRIGUES CRUZ 2 2.1 CONCEITO DE MODELAGEM DE PROCESSOS UTILIZANDO BPMN INTRODUÇÃO A MODELAGEM DE PROCESSOS UTILIZANDO BPMN 1 FÁBIO RODRIGUES CRUZ 2 1 INTRODUÇÃO A Business Process Modeling Notation (BPMN), ou Notação de Modelagem de Processos de Negócio, é um conjunto de

Leia mais

BEM-VINDO!!! Apresentação Inicial. Por favor, descreva o seu atual conhecimento sobre Mapeamento de Processos

BEM-VINDO!!! Apresentação Inicial. Por favor, descreva o seu atual conhecimento sobre Mapeamento de Processos Apresentação Inicial BEM-VINDO!!! Por favor, descreva o seu atual conhecimento sobre Mapeamento de Processos 1 Mapeamento de Processos Mapeamento de Processos e Negócios com BPM 2 Ementa Introdução Definição

Leia mais

Gestão de Processos de Negócios

Gestão de Processos de Negócios Gestão Operacional da TI Gestão de Processos de Negócios Business Process Management (BPM) Professor: Rômulo César romulodandrade@gmail.com www.romulocesar.com.br Professor NOME: RÔMULO CÉSAR DIAS DE ANDRADE

Leia mais

Conceitos de Processos & BPM

Conceitos de Processos & BPM http://rogerioaraujo.wordpress.com Série Rações Semanais Conceitos de Processos & BPM Parte I Rogério Araújo http://rogerioaraujo.wordpress.com Série Rações Semanais Conceitos de Processos & BPM Parte

Leia mais

Manual BizAgi Sistema de Gestão da Qualidade

Manual BizAgi Sistema de Gestão da Qualidade Página 1 de 6 1. INTRODUÇÃO Este manual apresenta alguns elementos básicos da Notação BPMN (Business Process Modeling Notation Notação para Modelagem de Processos de Negócio) que é a representação gráfica

Leia mais

Manual de Convenções. BPMN Business Process Modelling Notation. 2009 GFI Portugal

Manual de Convenções. BPMN Business Process Modelling Notation. 2009 GFI Portugal Manual de Convenções BPMN Business Process Modelling Notation 2009 GFI Portugal O que é o BPMN? O BPMN é uma notação gráfica para a definição de processos de negócio É o standard internacional para modelação

Leia mais

Renata Alves Campos (CoInfo) Sandra Maria Peron de Lima (DP) Março/2012

Renata Alves Campos (CoInfo) Sandra Maria Peron de Lima (DP) Março/2012 Renata Alves Campos (CoInfo) Sandra Maria Peron de Lima (DP) Março/2012 O que é um processo? Um processo é um grupo de atividades realizadas numa seqüência lógica com o objetivo de produzir um bem ou um

Leia mais

BPMN: Identificando vantagens e desvantagens do uso desta ferramenta para modelagem de processos.

BPMN: Identificando vantagens e desvantagens do uso desta ferramenta para modelagem de processos. BPMN: Identificando vantagens e desvantagens do uso desta ferramenta para modelagem de processos. Franciele da Costa Canello 1 RESUMO As organizações estão cada vez mais necessitando de sistemas que aliem

Leia mais

Business Process Integration Architecture

Business Process Integration Architecture Business Process Integration Architecture Definição, Motivações e Conceitos Base 3/2/2005 José Alves Marques 1 Processo de Negócio A modelação de processos está focada em: Criar e optimizar modelos de

Leia mais

Dominando o Mapeamento de Processos com BPMN 2.0

Dominando o Mapeamento de Processos com BPMN 2.0 Treinamentos em Gestão por Processos Dominando o Mapeamento de Processos com BPMN 2.0 Representando processos de negócio com a notação mais poderosa do Mercado. BPMN (Business Process Model and Notation)

Leia mais

Nos artigos anteriores apresentamos. Desenvolvimento de Software Dirigido por Caso de Uso Parte III: Caso de Uso de Negócio

Nos artigos anteriores apresentamos. Desenvolvimento de Software Dirigido por Caso de Uso Parte III: Caso de Uso de Negócio Desenvolvimento de Software Dirigido por Caso de Uso Parte III: Caso de Uso de Negócio Vinicius Lourenço de Sousa vinicius.lourenco.sousa@gmail.com Atua no ramo de desenvolvimento de software há mais de

Leia mais

Curso de Modelagem de Processos CURSO DE MODELAGEM DE PROCESSOS. Tradução e Organização Adinilson Martins

Curso de Modelagem de Processos CURSO DE MODELAGEM DE PROCESSOS. Tradução e Organização Adinilson Martins CURSO DE MODELAGEM DE PROCESSOS Tradução e Organização Adinilson Martins 1 Sumário Introdução... 3 1. Conceito de Processo... 3 2. Análise de Processos... 5 2.1 Identificação dos processos institucionais...5

Leia mais

UML - Unified Modeling Language

UML - Unified Modeling Language UML - Unified Modeling Language Casos de Uso Marcio E. F. Maia Disciplina: Engenharia de Software Professora: Rossana M. C. Andrade Curso: Ciências da Computação Universidade Federal do Ceará 24 de abril

Leia mais

Disciplina: GESTÃO DE PROCESSOS E QUALIDADE Prof. Afonso Celso M. Madeira

Disciplina: GESTÃO DE PROCESSOS E QUALIDADE Prof. Afonso Celso M. Madeira Disciplina: GESTÃO DE PROCESSOS E QUALIDADE Prof. Afonso Celso M. Madeira 3º semestre CONCEITOS CONCEITOS Atividade Ação executada que tem por finalidade dar suporte aos objetivos da organização. Correspondem

Leia mais

PADRÃO DE MODELAGEM DE PROCESSOS

PADRÃO DE MODELAGEM DE PROCESSOS PADRÃO DE MODELAGEM DE PROCESSOS - 1 - Sumário 1. INTRODUÇÃO 6 2. BASE CONCEITUAL 7 3. DIAGRAMAS PARA GESTÃO DE PROCESSOS NO INSTITUTO DO PATRIMÔNIO HISTÓRICO E ARTÍSTICO NACIONAL 9 3.1. Cadeia de Valor

Leia mais

Engenharia de Software I

Engenharia de Software I Engenharia de Software I Rogério Eduardo Garcia (rogerio@fct.unesp.br) Bacharelado em Ciência da Computação Aula 05 Material preparado por Fernanda Madeiral Delfim Tópicos Aula 5 Contextualização UML Astah

Leia mais

UM CATÁLOGO DE BOAS PRÁTICAS, ERROS SINTÁTICOS E SEMÂNTICOS EM MODELOS BPMN

UM CATÁLOGO DE BOAS PRÁTICAS, ERROS SINTÁTICOS E SEMÂNTICOS EM MODELOS BPMN UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO CENTRO DE INFORMÁTICA GRADUAÇÃO EM CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO UM CATÁLOGO DE BOAS PRÁTICAS, ERROS SINTÁTICOS E SEMÂNTICOS EM MODELOS BPMN Cynthia Raphaella da Rocha Franco

Leia mais

Professor: Rômulo César romulodandrade@gmail.com www.romulocesar.com.br BPMN

Professor: Rômulo César romulodandrade@gmail.com www.romulocesar.com.br BPMN Professor: Rômulo César romulodandrade@gmail.com www.romulocesar.com.br BPMN Benefícios da modelagem Em uma organização orientada a processos, modelos de processos são o principal meio para medir o desempenho

Leia mais

REQUISITOS DE SISTEMAS

REQUISITOS DE SISTEMAS REQUISITOS DE SISTEMAS MÓDULO 2 PROCESSOS DE NEGÓCIOS CONTEÚDO 1. PROCESSOS DE NEGÓCIO IDENTIFICAÇÃO CONCEITOS MODELAGEM (BPM e UML) PROCESSOS X REQUISITOS 1. PROCESSOS DE NEGÓCIO IDENTIFICAÇÃO CONCEITOS

Leia mais

Secretaria de Estado de Gestão e Planejamento Superintendência de Modernização Institucional Gerência de Escritório de Processos

Secretaria de Estado de Gestão e Planejamento Superintendência de Modernização Institucional Gerência de Escritório de Processos SUMÁRIO PADRONIZAÇÃO DO DESENHO DE PROCESSOS NO BIZAGI... 2 1. CONFIGURANDO A FERRAMENTA... 2 2. GLOSSÁRIO... 2 3. OBJETIVO... 3 4. NOTAÇÃO... 3 5. REGRAS DE DESENHO... 3 5.1. Macroprocesso... 3 5.2. Sub-processo......

Leia mais

MODELAGEM DE PROCESSOS USANDO BPMN (BUSINESS PROCESS MODEL AND NOTATION) E IOT (INTERNET DAS COISAS)

MODELAGEM DE PROCESSOS USANDO BPMN (BUSINESS PROCESS MODEL AND NOTATION) E IOT (INTERNET DAS COISAS) WHITE PAPPER Rafael Fazzi Bortolini Diretor, Cryo Technologies Orquestra BPMS rafael@cryo.com.br Internet das Coisas e Gerenciamento de Processos de Negócio (BPM) são duas disciplinas ou tendências à primeira

Leia mais

Software de Compras. Manual de treinamento para usuários do OutBuyCenter

Software de Compras. Manual de treinamento para usuários do OutBuyCenter Software de Compras Manual de treinamento para usuários do OutBuyCenter OutBuyCenter Software para o gerenciamento de compras integradas (eprocurement e supply chain), objetiva a rápida tramitação de compras

Leia mais

CURSO PARA GESTÃO DE PROCESSOS MÓDULO I - MAPEAMENTO E MELHORIA DE PROCESSOS DO MP-PR

CURSO PARA GESTÃO DE PROCESSOS MÓDULO I - MAPEAMENTO E MELHORIA DE PROCESSOS DO MP-PR CURSO PARA GESTÃO DE PROCESSOS MÓDULO I - MAPEAMENTO E MELHORIA DE PROCESSOS DO MP-PR 2ª Oficina 2ª Reunião Mapeamento de Processos e Identificação de Séries Documentais OBJETIVO Harmonizar o conhecimentos

Leia mais

Treinamento BPM e BPMN Apresentação Executiva

Treinamento BPM e BPMN Apresentação Executiva Apresentação Executiva 1 O treinamento de BPM e BPMN tem como premissa capacitar o aluno a captar as atividades relativas a determinado processo da empresa, organizá-las, gerando um fluxograma de atividades/processos,

Leia mais

silviaheld@usp.br Italiano, Isabel Cristina. Profa. Dra. - Têxtil e Moda - Escola de Artes, Ciências e RESUMO ABSTRACT

silviaheld@usp.br Italiano, Isabel Cristina. Profa. Dra. - Têxtil e Moda - Escola de Artes, Ciências e RESUMO ABSTRACT MAPEAMENTO DE PROCESSOS DE CONFECÇÃO PARA IDENTIFICAÇÃO DE PONTOS CRÍTICOS DA PRODUÇÃO Espinosa, Caroline Stagi - Bacharel em Têxtil e Moda - Escola de Artes, Ciências e Humanidades - Universidade de São

Leia mais

A R P O BPMN++ MODELER KLUG PROCESSO PARA DOWNLOAD E INSTALAÇÃO VERSÃO FREEWARE. Verificar requisitos para instalação. Testar instalação do software

A R P O BPMN++ MODELER KLUG PROCESSO PARA DOWNLOAD E INSTALAÇÃO VERSÃO FREEWARE. Verificar requisitos para instalação. Testar instalação do software A R P O KLUG BPMN++ MODELER PROCESSO PARA DOWNLOAD E INSTALAÇÃO VERSÃO FREEWARE Verificar requisitos para instalação Iniciar procedimento de instalação Executar procedimento de instalação Efetuar primeiro

Leia mais

Versão 6.04.00 Setembro/2013. Manual de Processos. Módulo Protocolo

Versão 6.04.00 Setembro/2013. Manual de Processos. Módulo Protocolo Versão 6.04.00 Setembro/2013 Manual de Processos Módulo Protocolo 1 1 2 2 Sumário Sumário... 3 Introdução ao Manual de Processos... 4 Conceituado os Processos de Negócio... 5 Estrutura do Manual de Processos...

Leia mais

Modelagem do Processo de Negócio

Modelagem do Processo de Negócio Análise e Projeto 1 Modelagem do Processo de Negócio Modelos de processos de negócios descrevem as diferentes atividades que, quando combinados, oferecem suporte a um processo de negócio. Processos de

Leia mais

CURSO DE MAPEAMENTO DE PROCESSOS DE TRABALHO COM BPMN E BIZAGI

CURSO DE MAPEAMENTO DE PROCESSOS DE TRABALHO COM BPMN E BIZAGI INSTITUTO SERZEDELLO CORRÊA CURSO DE MAPEAMENTO DE PROCESSOS DE TRABALHO COM BPMN E BIZAGI Exercícios JANEIRO, 2013 Copyright 2013, Tribunal de Contas de União www.tcu.gov.br Permite-se a reprodução desta

Leia mais

GUIA DE REFERÊNCIA EM GESTÃO DE PROCESSOS

GUIA DE REFERÊNCIA EM GESTÃO DE PROCESSOS GUIA DE REFERÊNCIA EM GESTÃO DE PROCESSOS CONTROLE DE REVISÃO Data Versão Descrição Autor 11/03/2013 1.0 Elaboração do documento Andrea Lelis Prado 13/05/2013 1.1 Atualização do documento Andrea Lelis

Leia mais

PADRONIZAÇÃO DO DESENHO DE PROCESSOS NO BIZAGI

PADRONIZAÇÃO DO DESENHO DE PROCESSOS NO BIZAGI PADRONIZAÇÃO DO DESENHO DE PROCESSOS NO BIZAGI 1. GLOSSÁRIO 1.1. Processo / sub-processo descritivo: abstrato, alto nível, resumido. 1.2. Processo / sub-processo analítico: mais detalhado, mostrando todos

Leia mais

PROJETO DE COOPERAÇÃO TÉCNICA INTERNACIONAL. Projeto 914 BRA5065 - PRODOC-MTC/UNESCO DOCUMENTO TÉCNICO Nº 01

PROJETO DE COOPERAÇÃO TÉCNICA INTERNACIONAL. Projeto 914 BRA5065 - PRODOC-MTC/UNESCO DOCUMENTO TÉCNICO Nº 01 PROJETO DE COOPERAÇÃO TÉCNICA INTERNACIONAL Diretrizes e Estratégias para Ciência, Tecnologia e Inovação no Brasil Projeto 914 BRA5065 - PRODOC-MTC/UNESCO DOCUMENTO TÉCNICO Nº 01 LEVANTAMENTO, MODELAGEM

Leia mais

Wilson Moraes Góes. Novatec

Wilson Moraes Góes. Novatec Wilson Moraes Góes Novatec Copyright 2014 Novatec Editora Ltda. Todos os direitos reservados e protegidos pela Lei 9.610 de 19/02/1998. É proibida a reprodução desta obra, mesmo parcial, por qualquer processo,

Leia mais

Orientações Básicas Repom.

Orientações Básicas Repom. Orientações Básicas Repom. Considerações importantes: 1 A viagem deverá estar autorizada para depois solicitar o pagamento. 2 É obrigatório informar o campo NCM da mercadoria, que está em tabela>auxiliares>mercadoria.

Leia mais

CURSO DE MAPEAMENTO DE PROCESSOS DE TRABALHO COM BPMN E BIZAGI

CURSO DE MAPEAMENTO DE PROCESSOS DE TRABALHO COM BPMN E BIZAGI INSTITUTO SERZEDELLO CORRÊA CURSO DE MAPEAMENTO DE PROCESSOS DE TRABALHO COM BPMN E BIZAGI Aula 2 Notação BPMN para mapeamento de processos de trabalho JANEIRO, 2013 Copyright 2013, Tribunal de Contas

Leia mais

Justificativas para Adoção de BPM Melhores Práticas deseleção de Casos e Metodologia de Desenvolvimento

Justificativas para Adoção de BPM Melhores Práticas deseleção de Casos e Metodologia de Desenvolvimento Justificativas para Adoção de BPM Melhores Práticas deseleção de Casos e Metodologia de Desenvolvimento Leonardo Vieiralves Azevedo CMO Habber Tec 15 de Agosto de 2013 AGENDA 1. JUSTIFICATIVAS E CRITÉRIOS

Leia mais

Concepção e Elaboração

Concepção e Elaboração UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA INSTITUTO DE BIOCIÊNCIAS, LETRAS E CIÊNCIAS EXATAS DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS DE COMPUTAÇÃO E ESTATÍSTICA Análise e Projeto Orientado a Objetos Concepção e Elaboração Estudo

Leia mais

Guia Básico de Processos Corporativos do Sistema Indústria

Guia Básico de Processos Corporativos do Sistema Indústria Guia Básico de Processos Corporativos TUTORIAL 1 ÍNDICE 1 INTRODUÇÃO 2 DEFINIÇÃO DO ESCOPO E INTERFACES DO PROCESSO 3 FLUXOGRAMA 4 ATIVIDADES CRÍTICAS 5 INDICADORES DE DESEMPENHO 6 LEGENDA BPMN UTILIZADA

Leia mais

A Linguagem de Modelagem Unificada (UML)

A Linguagem de Modelagem Unificada (UML) Aécio Costa A Linguagem de Modelagem Unificada (UML) Percebeu-se a necessidade de um padrão para a modelagem de sistemas, que fosse aceito e utilizado amplamente. Surge a UML (Unified Modeling Language)

Leia mais

MODELAGEM DE PROCESSOS

MODELAGEM DE PROCESSOS MODELAGEM DE PROCESSOS a a a PRODUZIDO POR CARLOS PORTELA csp3@cin.ufpe.br AGENDA Definição Objetivos e Vantagens Linguagens de Modelagem BPMN SPEM Ferramentas Considerações Finais Referências 2 DEFINIÇÃO:

Leia mais

Desenvolvimento de uma Etapa

Desenvolvimento de uma Etapa Desenvolvimento de uma Etapa A Fase Evolutiva do desenvolvimento de um sistema compreende uma sucessão de etapas de trabalho. Cada etapa configura-se na forma de um mini-ciclo que abrange as atividades

Leia mais

COMPARATIVO ENTRE AS VERSÕES 1.2 E 2.0 DA NOTAÇÃO BPMN E SUA APLICAÇÃO EM DIAGRAMAS DE PROCESSOS DE NEGÓCIOS

COMPARATIVO ENTRE AS VERSÕES 1.2 E 2.0 DA NOTAÇÃO BPMN E SUA APLICAÇÃO EM DIAGRAMAS DE PROCESSOS DE NEGÓCIOS UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ UTFPR DIRETORIA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO ESPECIALIZAÇÃO EM ENGENHARIA DE SOFTWARE JÉSSICA GALLO COMPARATIVO ENTRE AS VERSÕES 1.2 E 2.0 DA NOTAÇÃO BPMN E SUA

Leia mais

UML 2. Guia Prático. Gilleanes T.A. Guedes. Novatec. Obra revisada e ampliada a partir do título Guia de Consulta Rápida UML 2

UML 2. Guia Prático. Gilleanes T.A. Guedes. Novatec. Obra revisada e ampliada a partir do título Guia de Consulta Rápida UML 2 UML 2 Guia Prático Gilleanes T.A. Guedes Obra revisada e ampliada a partir do título Guia de Consulta Rápida UML 2 Novatec capítulo 1 Introdução à UML A UML (Unified Modeling Language ou Linguagem de Modelagem

Leia mais

Guia de Modelagem de Casos de Uso

Guia de Modelagem de Casos de Uso Guia de Modelagem de Casos de Uso Sistema de e-commerce de Ações Versão 1.1 1 Histórico da Revisão. Data Versão Descrição Autor 13 de Setembro de 2008 1.0 Criação do documento Antonio Marques 28 de Setembro

Leia mais

Gestão inteligente de documentos eletrônicos

Gestão inteligente de documentos eletrônicos Gestão inteligente de documentos eletrônicos MANUAL DE UTILIZAÇÃO VISÃO DE EMPRESAS VISÃO EMPRESAS - USUÁRIOS (OVERVIEW) No ELDOC, o perfil de EMPRESA refere-se aos usuários com papel operacional. São

Leia mais

Modelagem OO com UML. Vítor E. Silva Souza (vitorsouza@inf.ufes.br) http://www.inf.ufes.br/ ~ vitorsouza

Modelagem OO com UML. Vítor E. Silva Souza (vitorsouza@inf.ufes.br) http://www.inf.ufes.br/ ~ vitorsouza Modelagem OO com UML Vítor E. Silva Souza (vitorsouza@inf.ufes.br) http://www.inf.ufes.br/ ~ vitorsouza Departamento de Informática Centro Tecnológico Universidade Federal do Espírito Santo Modelos Maneira

Leia mais

Eduardo Bezerra. Editora Campus/Elsevier

Eduardo Bezerra. Editora Campus/Elsevier Princípios de Análise e Projeto de Sistemas com UML 2ª edição Eduardo Bezerra Editora Campus/Elsevier Capítulo 11 Arquitetura do sistema Nada que é visto, é visto de uma vez e por completo. --EUCLIDES

Leia mais

Introdução à Bonita BPM

Introdução à Bonita BPM WHITE PAPER Introdução à Bonita BPM Como começar a usar o Bonita BPM para capturar um processo conceitual e transformá-lo em um diagrama de processo Charlotte Adams, Alexandre Bricout e Maria Picard, Bonitasoft

Leia mais

TRANSMISSOR ECF. Sistema de transmissão de arquivos Nota Fiscal Paulista. Manual de Utilização

TRANSMISSOR ECF. Sistema de transmissão de arquivos Nota Fiscal Paulista. Manual de Utilização TRANSMISSOR ECF Sistema de transmissão de arquivos Nota Fiscal Paulista Manual de Utilização 1. Histórico de alterações Data Versão Alteração 04/12/2012 1 Criação do documento 28/02/2013 2 Revisão 2. Proposta

Leia mais

BPM X Workflow. Business Process Management BPM ou Modelagem de Processos de negócio

BPM X Workflow. Business Process Management BPM ou Modelagem de Processos de negócio Business Process Management BPM ou Modelagem de Processos de negócio Metodologia Conjunto de práticas Controle, gerenciamento e integração dos processos Permite a análise, definição, execução, monitoramento

Leia mais

Glossário. Anúncios no Facebook

Glossário. Anúncios no Facebook Glossário Anúncios no Facebook Ações O número de vezes que as pessoas curtiram sua Página, curtiram publicações em sua Página, comentaram, @ mencionaram, fizeram o check-in em um local, marcaram sua marca

Leia mais

Modelagem de Processos de Negócio

Modelagem de Processos de Negócio Treinamentos em Gestão por Processos Modelagem de Processos de Negócio Documentando o conhecimento sobre processos de negócio de forma clara e completa Conhecida como a base para iniciativas de processos,

Leia mais

Micro Mídia Informática Fevereiro/2009

Micro Mídia Informática Fevereiro/2009 Micro Mídia Informática Fevereiro/2009 1 UML Introdução Fases de Desenvolvimento Notação Visões Análise de Requisitos Casos de Uso StarUML Criando Casos de Uso Orientação a Objetos Diagrama de Classes

Leia mais

Manual de utilização do STA Web

Manual de utilização do STA Web Sistema de Transferência de Arquivos Manual de utilização do STA Web Versão 1.1.7 Sumário 1 Introdução... 3 2 Segurança... 3 2.1 Autorização de uso... 3 2.2 Acesso em homologação... 3 2.3 Tráfego seguro...

Leia mais

WebSphere_Integration_Developer_D_Jan06 Script

WebSphere_Integration_Developer_D_Jan06 Script WebSphere_Integration_Developer_D_Jan06 Script 1a Nesta demonstração, Will Dunlop, um programador de integração da JK, utiliza o IBM, [ IBM], ou WID para construir um novo serviço orientado para os processos

Leia mais

Felipe Denis M. de Oliveira. Fonte: Alice e Carlos Rodrigo (Internet)

Felipe Denis M. de Oliveira. Fonte: Alice e Carlos Rodrigo (Internet) UML Felipe Denis M. de Oliveira Fonte: Alice e Carlos Rodrigo (Internet) 1 Programação O que é UML? Por quê UML? Benefícios Diagramas Use Case Class State Interaction Sequence Collaboration Activity Physical

Leia mais

1. INTRODUÇÃO 3 2. ESCOPO DO SERVIÇO DE CUSTOMIZAÇÃO 3

1. INTRODUÇÃO 3 2. ESCOPO DO SERVIÇO DE CUSTOMIZAÇÃO 3 2 ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO 3 2. ESCOPO DO SERVIÇO DE CUSTOMIZAÇÃO 3 2.1. OBJETIVO DOS SERVIÇOS DE CUSTOMIZAÇÕES 3 2.2. NÃO SE COMPREENDE COMO SERVIÇOS DE CUSTOMIZAÇÕES 3 2.3. RESPONSABILIDADE SOBRE ARTEFATOS

Leia mais

Módulo e-rede VirtueMart v1.0. Manual de. Instalação do Módulo. estamos todos ligados

Módulo e-rede VirtueMart v1.0. Manual de. Instalação do Módulo. estamos todos ligados Módulo e-rede VirtueMart v1.0 Manual de Instalação do Módulo estamos todos ligados 01 02 03 04 Introdução 3 Versão 3 Requerimentos 3 Manual de instalação 4 05 06 4.1 Permissões 4 4.2 Instalação e ativação

Leia mais

Material para nivelamento de informações sobre Mapeamento de Processos

Material para nivelamento de informações sobre Mapeamento de Processos Material para nivelamento de informações sobre Mapeamento de Processos 1 Objetivo Nivelar informações e conceitos sobre mapeamento de processos na UFABC. O que é um processo?? É um conjunto de atividades

Leia mais

PORTAL DE COMPRAS SÃO JOSÉ DO RIO PRETO

PORTAL DE COMPRAS SÃO JOSÉ DO RIO PRETO Compra Direta - Guia do Fornecedor PORTAL DE COMPRAS SÃO JOSÉ DO RIO PRETO Página As informações contidas neste documento, incluindo quaisquer URLs e outras possíveis referências a web sites, estão sujeitas

Leia mais

Planejamento da disciplina: Modelagem de processos de negócio

Planejamento da disciplina: Modelagem de processos de negócio UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS / INSTITUTO DE CIÊNCIAS EXATAS DEPARTAMENTO DE CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO Planejamento da disciplina: Modelagem de processos de negócio Professor: Clarindo Isaías Pereira

Leia mais

Gerenciamento de Projetos Modulo II Ciclo de Vida e Organização do Projeto

Gerenciamento de Projetos Modulo II Ciclo de Vida e Organização do Projeto Gerenciamento de Projetos Modulo II Ciclo de Vida e Organização do Projeto Prof. Walter Cunha falecomigo@waltercunha.com http://waltercunha.com PMBoK Organização do Projeto Os projetos e o gerenciamento

Leia mais

Modelagemde Software Orientadaa Objetos com UML

Modelagemde Software Orientadaa Objetos com UML Modelagemde Software Orientadaa Objetos com UML André Maués Brabo Pereira Departamento de Engenharia Civil Universidade Federal Fluminense Colaborando para a disciplina CIV 2802 Sistemas Gráficos para

Leia mais

1 UML (UNIFIED MODELING LANGUAGE)

1 UML (UNIFIED MODELING LANGUAGE) 1 UML (UNIFIED MODELING LANGUAGE) Segundo Tonsig (2003), para conseguir desenvolver um software capaz de satisfazer as necessidades de seus usuários, com qualidade, por intermédio de uma arquitetura sólida

Leia mais

CPEE Coordenadoria de Planejamento e Estudos Estratégicos. Treinamento sobre Mapeamento de Processos

CPEE Coordenadoria de Planejamento e Estudos Estratégicos. Treinamento sobre Mapeamento de Processos CPEE Coordenadoria de Planejamento e Estudos Estratégicos Treinamento sobre Mapeamento de Processos O que é um processo? É um conjunto de atividades relacionadas que aplicadas às entradas ou inputs do

Leia mais

SAP VENDAS E DISTRIBUIÇÃO O curso completo abrange quatro módulos:

SAP VENDAS E DISTRIBUIÇÃO O curso completo abrange quatro módulos: SAP VENDAS E DISTRIBUIÇÃO O curso completo abrange quatro módulos: - SAP FOUNDATIONS (40 horas EAD) - SD Vendas e Distribuição (40 horas presenciais), tendo como pré requisito o módulo SAP FOUNDATIONS

Leia mais

Boas Práticas de Desenvolvimento Seguro

Boas Práticas de Desenvolvimento Seguro Boas Práticas de Desenvolvimento Seguro Julho / 2.012 Histórico de Revisões Data Versão Descrição Autor 29/07/2012 1.0 Versão inicial Ricardo Kiyoshi Página 2 de 11 Conteúdo 1. SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO

Leia mais

Módulo e-rede VirtueMart v1.0. Manual de. Instalação do Módulo. estamos todos ligados

Módulo e-rede VirtueMart v1.0. Manual de. Instalação do Módulo. estamos todos ligados Módulo e-rede VirtueMart v1.0 Manual de Instalação do Módulo estamos todos ligados ÍNDICE 01 02 03 04 Introdução 3 Versão 3 Requerimentos 3 Manual de instalação 4 05 06 4.1 Permissões 4 4.2 Instalação

Leia mais

Novidades da Versão 3.0.0.30

Novidades da Versão 3.0.0.30 Novidades da Versão 3.0.0.30 Alteração Equipamento Unidade Instalação Inserida informação Telemetria na Tela de Alteração de Equipamento Unidade de Instalação (326). A informação Roaming Internacional

Leia mais

SAP SISTEMAS DE PROJETOS O curso completo abrange quatro módulos:

SAP SISTEMAS DE PROJETOS O curso completo abrange quatro módulos: SAP SISTEMAS DE PROJETOS O curso completo abrange quatro módulos: - SAP FOUNDATIONS (40 horas EAD) - PS Sistemas de Projetos (40 horas presenciais), tendo como pré requisito o módulo SAP FOUNDATIONS *

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ UFPR Bacharelado em Ciência da Computação

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ UFPR Bacharelado em Ciência da Computação SOFT DISCIPLINA: Engenharia de software AULA NÚMERO: 08 DATA: / / PROFESSOR: Andrey APRESENTAÇÃO O objetivo desta aula é apresentar e discutir conceitos relacionados a modelos e especificações. Nesta aula

Leia mais

COMERCIAL) 1. 2. 3. 4. 5. 6. 7. 8. 9. 10. E-

COMERCIAL) 1. 2. 3. 4. 5. 6. 7. 8. 9. 10. E- 2014 ÍNDICE 1. Cadastros básicos 2. Módulos básicos (Incluso em todas as versões) CMC BASE 3. Agenda 4. Arquivos 5. Empresas ou Cadastros de empresas 6. Pessoas ou cadastro de pessoas 7. Módulos que compõem

Leia mais

BPMN (Exemplos e Exercícios) e UDDI

BPMN (Exemplos e Exercícios) e UDDI DAS5316 BPMN (Exemplos e Exercícios) e UDDI Prof. Ricardo J. Rabelo (rabelo@das.ufsc.br) Responsável pela elaboração dos slides Alexandre Perin (perin@das.ufsc.br) Florianópolis (SC), 2010. Roteiro BPMN

Leia mais

Guia do usuário GLPI. Versão 0.78.5 Modificada- Thiago Passamani

Guia do usuário GLPI. Versão 0.78.5 Modificada- Thiago Passamani Guia do usuário GLPI Versão 0.78.5 Modificada- Thiago Passamani 1 -O que é GLPI? GLPI(Gestionnaire Libre de Parc Informatique ) é a uma sigla em Francês, que significa Gestão de Parque de Informática Livre.

Leia mais

Modelagem de Processos. Prof.: Fernando Ascani

Modelagem de Processos. Prof.: Fernando Ascani Modelagem de Processos Prof.: Fernando Ascani Bibliografia UML Guia de consulta rápida Douglas Marcos da Silva Editora: Novatec UML Guia do usuário Grady Booch James Rumbaugh Ivair Jacobson Editora: Campus

Leia mais

Gerenciamento de Processos de Negócio

Gerenciamento de Processos de Negócio Gestão por Processos By Alan Lopes +55 22-99202-0433 alopes.campos@mail.com http://prof-alan-lopes.weebly.com Gerenciamento de Processos de Negócio - Conceitos e fundamentos - Modelagem de processo - Análise

Leia mais

Manual de Integração Redirecionamento. Versão 1.3

Manual de Integração Redirecionamento. Versão 1.3 Manual de Integração Redirecionamento Versão 1.3 Janeiro de 2012 Histórico de versões Data Versão Descrição Responsável 28/10/11 1.0 Criação do documento Erivelton Oliveira 19/12/11 1.1 Adição dos campos

Leia mais

UNICO... 3. Clientes/Fornecedores/Técnicos/Transportadoras/Vendedores... 5. Produtos... 6. Serviços... 6. Outros... 6. Vendas... 7. Notas Fiscais...

UNICO... 3. Clientes/Fornecedores/Técnicos/Transportadoras/Vendedores... 5. Produtos... 6. Serviços... 6. Outros... 6. Vendas... 7. Notas Fiscais... Sumário UNICO...... 3 Cadastros... 4 Clientes/Fornecedores/Técnicos/Transportadoras/Vendedores... 5 Produtos...... 6 Serviços...... 6 Outros...... 6 Vendas... 7 Notas Fiscais... 7 Estoque...8 Financeiro......

Leia mais

Gerenciamento de Projetos Modulo II Clico de Vida e Organização

Gerenciamento de Projetos Modulo II Clico de Vida e Organização Gerenciamento de Projetos Modulo II Clico de Vida e Organização Prof. Walter Cunha falecomigo@waltercunha.com http://waltercunha.com Bibliografia* Project Management Institute. Conjunto de Conhecimentos

Leia mais

Quadrado duplo = Entidade Externa/Origem ou destino de Dados.

Quadrado duplo = Entidade Externa/Origem ou destino de Dados. DIAGRAMA DE FLUXO DE DADOS O Diagrama de Fluxo de Dados (DFD) é uma das principais ferramentas utilizadas no projeto de sistemas de informação. O DFD é um diagrama gráfico, baseado apenas em quatro símbolos,

Leia mais

MDMS-ANAC. Metodologia de Desenvolvimento e Manutenção de Sistemas da ANAC. Superintendência de Tecnologia da Informação - STI

MDMS-ANAC. Metodologia de Desenvolvimento e Manutenção de Sistemas da ANAC. Superintendência de Tecnologia da Informação - STI MDMS-ANAC Metodologia de Desenvolvimento e Manutenção de Sistemas da ANAC Superintendência de Tecnologia da Informação - STI Histórico de Alterações Versão Data Responsável Descrição 1.0 23/08/2010 Rodrigo

Leia mais

Ajuda On-line - Sistema de Relacionamento com o Cliente. Versão 1.1

Ajuda On-line - Sistema de Relacionamento com o Cliente. Versão 1.1 Ajuda On-line - Sistema de Relacionamento com o Cliente Versão 1.1 Sumário Sistema de Relacionamento com Cliente 3 1 Introdução... ao Ambiente do Sistema 4 Acessando... o Sistema 4 Sobre a Tela... do Sistema

Leia mais

UML Linguagem de Modelagem Unificada

UML Linguagem de Modelagem Unificada Modelagem de Sistemas UML Linguagem de Modelagem Unificada Prof. Mauro Lopes 1-25 Objetivos Nesta aula iremos apresentar os elementos conceituais da Linguagem de Modelagem Unificada (UML). Boa aula a todos.

Leia mais

PROCESSOS PODEROSOS DE NEGÓCIO. ideiaconsultoria.com.br 43 3322 2110 comercial@ideiaconsultoria.com.br

PROCESSOS PODEROSOS DE NEGÓCIO. ideiaconsultoria.com.br 43 3322 2110 comercial@ideiaconsultoria.com.br PROCESSOS PODEROSOS DE NEGÓCIO ideiaconsultoria.com.br 43 3322 2110 comercial@ideiaconsultoria.com.br POR QUE ESCREVEMOS ESTE E-BOOK? Nosso objetivo com este e-book é mostrar como a Gestão de Processos

Leia mais

Business Process Management [BPM] Get Control. Empower People.

Business Process Management [BPM] Get Control. Empower People. Business Process Management [BPM] Get Control. Empower People. O SoftExpert BPM Suite é uma suíte abrangente de módulos e componentes perfeitamente integrados, projetados para gerenciar todo o ciclo de

Leia mais

Engenharia de Requisitos Estudo de Caso

Engenharia de Requisitos Estudo de Caso Engenharia de Requisitos Estudo de Caso Auxiliadora Freire Fonte: Engenharia de Software 8º Edição / Ian Sommerville 2007 Slide 1 Engenharia de Requisitos Exemplo 1 Reserva de Hotel 1. INTRODUÇÃO Este

Leia mais