NIB >

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "NIB > 0038.0000.9735.9236.301.06"

Transcrição

1 circular 8 GUIA DE HISTÓRIA NATURAL DA ILHA DO PICO Acaba de ser editada a obra acima indicada, em formato A4, deitado e com capa dura. Trata-se de obra que se distribui por 400 páginas, profusamente ilustradas, a côres e que regista,em capítulos individualizados, a Geologia, a Zoologia e a Botânica da ilha mais enigmática e recente dos Açores ; antecede-os um preâmbulo historico-geográfico - climatológico. As campanhas sobre o terreno e uma parte substancial da edição foram patrocinadas pela Direcção Regional do Turismo do Governo dos Açores. Os autores do livro são Vulcanólogos, Biólogos, Climatologistas,Cartógrafos e Técnicos de Geologia, colaboradores do OVGA - Observatório Vulcanológico dos Açores. A obra pode ser adquirida na sede do OVGA, na Avenida Vulcanológica nº 5, Atalhada,Lagoa ao preço de custo, 22, reserva via telefone Pelo correio são aceites encomendas, em envelope acolchoado, pelo custo de 23,70,sendo o envelope gratuito. Solicita-se o pagamento prévio de 23,70 através da conta BANIF NIB > As encomendas podem ser executadas através do e.mail >> solicitando-se o envio de : > data da transferência de 23,70 > nome, morada e nº de contribuinte do requesitante, visando a remessa de recibo

2 GUIA DE HISTÓRIA NATURAL DA ILHA DO PICO PICO ISLAND NATURAL HISTORY HANDBOOK AUTORES/AUTHORS: Zilda Melo França, Victor-Hugo Forjaz, Carlos Alberto Ribeiro, Amélia Matias Vaz, Elvira Ribeiro, Eduardo Brito de Azevedo, Jorge Miguel Tavares e Luís Miguel Almeida EDITOR/EDITOR: Victor-Hugo Forjaz EDIÇÃO/EDITION: OBSERVATÓRIO VULCANOLÓGICO E GEOTÉRMICO DOS AÇORES PONTA DELGADA, 2014

3 II Ficha Técnica / Technical File Autores / Authors: Zilda Melo França, Victor-Hugo Forjaz, Carlos Alberto Ribeiro, Amélia Matias Vaz, Elvira Ribeiro, Eduardo Brito de Azevedo, Jorge Miguel Tavares e Luís Miguel Almeida GUIA DE HISTÓRIA NATURAL DA ILHA DO PICO PICO ISLAND NATURAL HISTORY HANDBOOK Título / Title: Guia de História Natural da Ilha do Pico / Pico Island Natural History Handbook Editor / Editor: Victor-Hugo Forjaz Créditos fotográficos / Photography: Alan Leslie Amélia Maria Matias Vaz Ana Cristina Figueiredo Carlos Alberto Gomes Ribeiro Carlos Pereira Donald A. Swanson Daniel Zachary Elvira Conceição Fernandes G. Ribeiro Enésima Mendonça Fernando Abreu Fernando Decq Mota Foto Pico James D. Grigg João Brum José Manuel Neto Azevedo Joel Bried José António Rodrigues K. Shickman Composições gráficas e Montagem / Text design and Layout: p. I-122, Pedro Melo; p Amélia Vaz e Carlos Ribeiro Lurdes Bettencout Oliveira Luís Silva Maria João Pereira Marc Fernandez Masatoshi Ohi Marco Full Nelson Raposo Paulo Borges Paulo Oliveira Traduções / Translations: p. I-16, Editorial, Preâmbulo, Enquadramentos gerais / Editorial, Preamble, General Overviews, OVGA; p , Enquadramento Climático, Geologia, Biologia / Climate Overview, Geology, Biology, Amélia Vaz & Carlos Ribeiro. Impressão e Acabamento / Printing and Assembly: Nova Gráfica, Lda. - Açores; 400pp. Capa / Front cover - fotografias / photographs: 1- Foto Pico, 2- Silene uniflora ssp. cratericola [AMMV] Montanha do Pico / Pico Mountain [Foto Pico], 3- Juniperus brevifolia [ECFR], 4- Thalassoma pavo [ JB-DB], 5- Sterna hirundo hirundo [ JB], 6- Physeter macrocephalus [FDM] Pedro Rodrigues Sérgio Ávila SIARAM (siaram.azores.gov.pt) United States Geological Survey (USGS) United States Air Force (USAF) Victor Hugo Forjaz Vítor Manuel da Costa Gonçalves Virgílio Vieira Zilda França Contracapa / Back cover - fotografia / photograph: José António Rodrigues Agradecimentos técnicos / Technical aknowledgements: Dra. Maria João Rafoto e Guias Milton Medeiros, César Gonçalves (da Gruta das Torres), Dr. Luís São Bento (Diretor da Biblioteca Pública e Arquivo da Horta), Professora Doutora Rute Dias Gregório e Dra. Iva Matos (Biblioteca Pública e Arquivo de Ponta Delgada), Dr. Manuel Francisco Costa Jr e Dra. Maria de Fátima Rodrigues (Museu do Pico, Lajes), Whale Museum - New Bedford - USA, Professora Doutora Luísa Pinto Ribeiro (EMPEC), Eng.ª Valéria P. Pires (OVGA), José António Rodrigues e Mestre Pintor Emanuel Carreiro. Copyright: 2014, Todos os direitos reservados. As imagens inseridas nesta obra são propriedade dos respectivos autores e destinaram-se exclusivamente a esta edição, encontrando-se cobertas pelos direitos de copyright adestritos à marca Observatório Vulcanológico e Geotérmico dos Açores / All rights reserved. All the images used in this book are the sole property of their respective owners and permission for their use was granted exclusively for this edition, being therein covered by the copyrights associated with the Observatório Vulcanológico e Geotérmico dos Açores brand. 1ª Edição / 1 st Edition - Contacto / Contact: ISBN: Depósito Legal / Legal Deposit: /14 Financiamento / Financing: GRA /Azores Government / Direção Regional de Turismo / Tourism Regional Direction, 85%; OVGA, 15%.

4 III PREÂMBULO PREAMBLE Carta de Abrãao Cresques de The Abrãao Cresques map of 1375: Açores, Canárias e Madeira. Em detalhe - in detail: Terceira ou Jnsula de brazil, Pico ou li columbj, Faial ou la uentura, S. Jorge ou zan zorzo, Flores ou li conigi e Corvo ou Jinsule de coruj marini.

5 IV Índice / Table of Contents GUIA DE HISTÓRIA NATURAL DA ILHA DO PICO PICO ISLAND NATURAL HISTORY HANDBOOK EDITORIAL EDITORIAL 3 I - PREÂMBULO PREAMBLE 7 II - GEOLOGIA DA ILHA DO PICO PICO ISLAND GEOLOGY 31 GEOMORFOLOGIA GEOMORPHOLOGY 32 VULCANISMO VOLCANISM 43 Vulcanismo Histórico Historical Volcanism 55 LITOLOGIA LITHOLOGY 58 TECTÓNICA TECTONICS 62 SISMICIDADE HISTÓRICA HISTORICAL SEISMICITY 64 PONTOS DE OBSERVAÇÃO (1-31) OBSERVATION POINTS (1-31) 75 ESPELEOLOGIA SPELEOLOGY 116 GLOSSÁRIO SUCINTO SUCCINT GLOSSARY 117 REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS BIBLIOGRAPHIC REFERENCES 121 III BIOLOGIA E ECOLOGIA DA ILHA DO PICO PICO ISLAND BIOLOGY AND ECOLOGY 123 BIODIVERSIDADE E CONSERVAÇÃO DA NATUREZA BIODIVERSITY AND NATURE CONSERVATION 124 A FLORA FLORA 126 A FAUNA FAUNA 128 Invertebrados Marinhos Marine Invertebrates 128 Vertebrados Marinhos Marine Vertebrates 129 Invertebrados Terrestres Terrestrial Invertebrates 131 Vertebrados Terrestres Terrestrial Vertebrates 132 REDE NATURA 2000 NATURA 2000 NETWORK 134 PARQUE NATURAL DA ILHA DO PICO PICO ISLAND NATURAL PARK 136 PERCURSOS DA NATUREZA NATURE TRAILS 140 Conselhos úteis aos caminheiros Useful advice for hikers 141 Código de ética e conduta dos ambientalistas Environmentalists code of ethic and conduct 142 Segurança Safety 143 Mais informações uteis More useful information 144 PERCURSOS PEDESTRES DA ILHA DO PICO PICO ISLAND PESDESTRIAN TRAILS 145 PLANTAS DOS HABITATS COSTEIROS PLANTS FROM THE COASTAL HABITATS 274 PLANTAS DOS HABITATS MONTANHOSOS PLANTS FROM THE MOUNTAIN HABITATS 316 GLOSSÁRIO GLOSSARY 382 REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS BIBLIOGRAPHIC REFERENCES 391

6 V PREÂMBULO PREAMBLE Açores Insulae (1584) de / by Luís Teixeira in Theatrum Orbis Terrarum de / by Abrãao Ortélio, uma dos melhores mapas dessas ilhas / one of the best maps about the islands. Cópia / copy in Portugaliae Monumenta Cartographica, vol. 3, coord. Armando Cortesão & Avelino Teixeira da Mota, Lisboa, 1960.

7 VI GUIA DE HISTÓRIA NATURAL DA ILHA DO PICO PICO ISLAND NATURAL HISTORY HANDBOOK Dois tipos de desenhos de avistamento do Pico, de sul para norte / Two types of Pico profiles, from south to north: um de / one of 1755, in Carte Réduite Des Isles Açores (Paris) e outro de / and other of 1844, Cap. Alexander Vidal (cf. p. 14).

8 VII PREÂMBULO PREAMBLE Açores, 1755, carta francesa confidencial / confidential french chart - Carte Réduite des Isles Açores pour servir aux vaisseaux du Roi, Paris.

9 VIII GUIA DE HISTÓRIA NATURAL DA ILHA DO PICO PICO ISLAND NATURAL HISTORY HANDBOOK A Nova Carta dos Açores ou Ilhas Ocidentais / A new chart of the Azores or Western Islands by / por William Heather.

10 1 PREÂMBULO PREAMBLE Pico Volcano, 1819 in A description of the island of Saint Michael, comprising an account of its geological structure; with remains on the other Azores or Western Islands por / by John White Webster, Boston, 1821 (Primeiro livro de geologia sobre a ilha de S. Miguel. First book about S. Miguel geology). Colecção de / collection of Victor-Hugo Forjaz.

11 2 GUIA DE HISTÓRIA NATURAL DA ILHA DO PICO PICO ISLAND NATURAL HISTORY HANDBOOK A montanha do Pico é uma fabulosa estação meteorológica - Pico Mountain is a fabulous weather forecasting station: o vulgar chapéu de nuvens / the common hat of stratocumulus lenticularis opacus clouds / anuncia a chegada de uma superfície frontal / announces the arrival of a frontal surface.

12 3 PREÂMBULO EDITORIAL EDITORIAL PREAMBLE EDITORIAL EDITORIAL Os visitantes das ilhas Canárias deparam,em diversas livrarias, centros culturais e organismos turísticos com abundante bibliografia temática - história, geografia, geologia, botânica, zoologia, etc. Nos Açores passa-se exactamente o contrário, facto possivelmente explicável pela iliteracia local e pelo diminuto fluxo turístico açoreano, bem mais modesto e vulnerável do que o canarino. Enquanto que em ilhas com forte densidade turística, como Tenerife e Lanzarote, existem boas livrarias, onde se podem adquirir álbuns fotográficos das mais variadas tipologias, do mais económico ao mais majestoso, ou edições quase enciclopédicas sobre a natureza das ilhas - geologia, climatologia, flora, fauna, paisagismo terrestre e submarino - nas ilhas dos Açores a pobreza editorial é exasperante (em termos de variedade temática, pois existem algumas obras de evidente valor). Por esse motivo, querendo acompanhar o plano editorial dos nossos colegas e velhos amigos dos Cabildos De Las Islas Canárias, este observatório concorreu, em 2011, a uma linha de financiamento editorial que visava colmatar lacunas das Ciências Naturais, iniciando- -se pela ilha do Pico, a mais recente e enigmática de todas, incluindo as desaparecidas e que se transformaram em bancos e baixios. O Canary Islands visitors can find, in different bookshops, cultural centres and tourist organisms, abundant thematic bibliography history, geography, geology, botany, zoology, etc. In the Azores it exactly happens the opposite, what can be possibly explained, either by the local illiteracy, or by the small Azorean influx of tourists, which is more modest and vulnerable than the Canary Islands one. While in islands with a high tourist density, like Tenerife and Lanzarote, there are good bookshops, where you can buy photo albums of different typologies, from the cheapest to the most expensive one, or almost encyclopaedic editions about the islands nature geology, climatology, flora and fauna and terrestrial and undersea landscaping, in the Azores islands the editorial poverty is exasperating (in what concerns thematic diversity because there are some works of evident value). For this reason, wishing to keep the pace with our colleagues and old friends from Cabildos from the Canary Islands, this observatory applied, in 2011, to an editorial funding line, which aimed to fill Natural history s gaps, beginning by Pico island, the most recent and enigmatic from all the islands, including the disappeared ones, which were transformed in banks and shallows. The then-regional Secretary

13 4 GUIA DE HISTÓRIA NATURAL DA ILHA DO PICO PICO ISLAND NATURAL HISTORY HANDBOOK então Secretário Regional da Economia Dr Vasco Alves Cordeiro (actual Presidente do Governo dos Açores) aceitou o nosso desafio e honrou-nos com o deferimento do Projecto DRT-OVGA ref. GeoTurBio, tomando como modelos as ilhas do Pico, da Terceira e de S. Miguel (Vulcão do Fogo ou Serra de Água de Pau). Infelizmente, em 2012 e 2013, dois dos principais autores, incluindo o editor, atravessaram graves reveses de saúde pelo que o projecto sofreu um longo e doloroso atraso de 2 anos. O incumprimento dos prazos editoriais tornou-se inevitável, embora medicamente justificado. A iniciativa teria perecido se não fosse a compreensão da equipa liderada pelo Director Regional do Turismo, Dr João Bettencourt, na Horta, que aceitou prolongar o plano de trabalho, sabendo que se encontrava concretizada a fase denominada de campo,sobre o terreno, bastante violenta e muito condicionada pelas estações do ano. Como editor, manifesto os meus agradecimentos às entidades oficiais, patrocinadoras e fiscalizadoras, às equipas científicas de campo e de gabinete do OVGA e à firma Nova Gráfica, empresa que aceitou imprimir esta obra baseando-se no precioso e pontual apoio da DRT, manifestamente insuficiente, mas que serviu de adiantamento para trabalhos quase que dobrados (na Natureza desconhecida é assim e não se pode decepar, eliminar). Realço, ainda como editor, que o grafismo da empresa NG apenas se reflete desde o Editorial até ao final da Geologia p. 122); daí em diante,a pedido dos autores da Biologia, concedi-lhes total liberdade, quer de apresentação e de montagem, quer de grafismo. Aceitei, excepcionalmente, transferirlhes essa responsabilidade porque ainda me encontro a 1 ano e meio de uma recuperação de cirurgia cardiológica bastante complexa e pretendo cumprir, como coordenador do projecto GeoTurBio, os compromissos assumidos perante a Direcção Regional de Turismo, ou seja, editar a primeira fase em Pressenti uns riscos. for the Economy, Dr. Vasco Alves Cordeiro, (current President of the Regional Government of the Azores) accepted our challenge and honoured us accepting the Project DRT-OVGA ref. GeoTurBio, using as a reference Pico, Terceira and São Miguel s islands (Fogo or Água de Pau mountain s volcano). Unhappily in 2012 and 2013 two of the main authors, including the editor, suffered such severe health setbacks, that the project suffered a long and painful delay of two years. The default of the editorial deadlines was inevitable, although it was medically justified. The initiative would have perished if there hadn t been understanding by the team led by the Regional of Tourism, Dr. João Bettencout, in Horta, who accepted to extend the work plan, knowing that the so called field stage, on the ground, which had been extremely violent and conditioned by the seasons, had been achieved. As editor, I express my thanks to the official, sponsored and supervisor entities, to the OVGA s scientific field and office teams and Nova Gráfica firm, company that accepted to print this work, based on Regional Direction of Tourism s precious and one-off support, which is clearly insufficient, but it served as advance payment for almost doubled works (in the unknown nature it works like that and it can t be mutilated, eliminated). I still underline, as editor, that the Nova Gráfica firm s graphics is only reflected since the editorial till the end of the Geology page 122; thereafter, on the request of the Biology authors, I accepted, exceptionally, to transfer some responsibility to them, because I have been recovering for one and half year from a very difficult heart surgery and I intend to honour the commitments to the Regional Direction of Tourism, that is, to edit the first part in I predicted some risks. The dissemination of Azores Natural History is still in the drawers of scientific culture, eternal poor relative of science. But this

14 A divulgação da História Natural dos Açores ainda se encontra nas gavetas da cultura científica, eterno parente pobre da Ciência. Mas desta obra ressalta que as particularidades das geologias das várias ilhas tudo condicionou - desde o achamento, à ocupação natural (flora e fauna), aos sucessivos povoamentos e até ao actual desmantelamento antrópico (o desflorestamento e as desenfreadas pedreiras de antanho são um triste exemplo ). Como nos Açores vulcânicos e recentes a Natureza intrínseca e envolvente é o seu mais valioso Bem, perante o exposto concluiu-se que estas ilhas requerem, talvez utopicamente, um novo repovoamento Não se trata de novidade!! work highlights that the geological characteristics of the different islands conditioned everything since their discovery, their natural occupation (flora and fauna), their successive settlements and, even the current anthropic destruction (deforestation, and the once unbridled quarries are sad examples...). As in the volcanic and recent Azores the intrinsic and surrounding nature is its most valuable treasure, according to what has been written you can conclude that these islands need, perhaps idealistically, a new settlement... And this is nothing new! Victor Hugo Forjaz 5 PREÂMBULO EDITORIAL EDITORIAL PREAMBLE Vapor / Steam Ship Lima, 1950, Lajes do Pico. Lajes do Pico, 2012

15 6 GUIA DE HISTÓRIA NATURAL DA ILHA DO PICO PICO ISLAND NATURAL HISTORY HANDBOOK curiosos detalhes da carta inglesa / curious details of the british chart - History of the Azores or Western Islands; cointaining na account of government, laws, and religion, the manners, ceremonies, and character of the inhabitants: and demonstrating the importance of these valuable islands to the British Empire. London.

16 I I. PREÂMBULO PREAMBLE Autores: / Authors: Victor-Hugo Forjaz Eduardo Brito de Azevedo Jorge Miguel Tavares Luís Miguel Almeida Créditos cartográficos: / Maping credits: Bibliotecas Públicas e Arquivos da Região Autónoma dos Açores Eduardo Brito de Azevedo Centro de Estudos do Clima, Meteorologia e Mudanças Globais da Universidade dos Açores / Research Center for Climate, Meteoroly and Global Change of the Azores University, Angra do Heroísmo. Luísa Pinto Ribeiro EMEPC-Estrutura de Missão pªextensão da Plataforma Continental Portuguesa /Portuguese Task Group for the Extension of the Continental Shelf, Paço d Arcos. Victor-Hugo Forjaz OVGA - Observatório Vulcanológico e Geotémico dos Açores / Azores Volcanological and Geothermal Observatory, Ponta Delgada. 7 PREÂMBULO PREAMBLE

17 8 GUIA DE HISTÓRIA NATURAL DA ILHA DO PICO PICO ISLAND NATURAL HISTORY HANDBOOK 17 Pormenor batimétrico da Região Açores / Bathymetric detail of the Azores Region Ilhas e relevos submarinos / Islands and submarine topography Campos hidrotermais submarinos / Submarine hydrothermal fields Hipsobatimetria / Hypsobathymetre 1. Santa Maria 2. Formigas 3. São Miguel 4. Bacia Hirondelle 5. B. D. João de Castro 6. Terceira 7. Graciosa 8. São Jorge 9. Pico 10. Faial 11. Flores 12. Corvo 13. Menez Gwen 14. Lucky Strike 15. Saldanha 16. Rainbow 17. Mid-Atlantic Ridge High:1828m Low: -5821m Referências principais / Main references Ribeiro, L. P. (2008) (1) EMEPC; (2) OVGA (PIC-CHRONOS) Smith, W. H. F., and D. T. Sandwell, Global seafloor topography from satellite altimetry and ship depth soundings, Science, v. 277, p

18 9 PREÂMBULO PREAMBLE A - ENQUADRAMENTOS GERAIS A - GENERAL OVERVIEWS 1 A ilha do Pico geograficamente insere-se na denominada Região da Macaronésia (ou Ilhas Afortunadas do séc. XIV - Açores, Madeira, Canárias e Cabo-Verde) e situa-se no Grupo Central do Arquipélago dos Açores, ocupando o segmento mais a sul dessa divisão insular da União Europeia. A ilha do Pico encontra-se enquadrada pelas seguintes coordenadas: = a norte - o paralelo 38º 33 41,9 N, na Ponta da Baixa dos Arcos do Lajido = a sul - o paralelo 38º 22 55,7 N, na Ponta da Queimada das Lajes = a poente - o meridiano 28º 32 51,3 W, na ponta da Madalena (ou ,3 no centro dos ilhéus da Madalena) = a nascente - o meridiano 28º 01 45,1 W, na Ponta da Piedade A ilha do Pico, sendo a segunda mais extensa dos Açores, ocupa uma área de 445 km 2 e tem um perímetro costeiro de 126 km; a costa é agreste sendo raras as praias de areia (basáltica). O ponto mais alto da ilha (aliás o mais elevado do país) denomina-se Piquinho, tem a cota de m e as coordenadas de 38º 28 07,6 N e 28º 24 01,6 W. Trata- -se de uma estrutura geológica pouco vulgar, como adiante se explica, ou seja, um pequeno e quase perfeito cone de lavas basálticas, muito fluidas, 1 Pico s island is geographically part of the so called Macaronesia Region (or Fortunate Isles from the 16 th century Azores, Madeira, Canary Islands and Cape Verde) and it is situated in the Central Group of Azorean Archipelago, occupying the southernmost part from that insular division of the European Union. It is framed in the following geographical coordinates: = north the parallel 38º N, in Ponta da Baixa dos Arcos do Lajido = south the parallel 38º N, in Ponta da Baixa dos Arcos do Lajido = west - the meridian 28º W, in Ponta da Madalena (or in the middle of Madalena s islets) = east - the meridian 28º W, in Ponta da Piedade Pico s island is the second largest of the Azores, it has an area of 445 square kilometres and it has a coastal perimeter of 126 kilometres, the coast is wild with few sandy beaches (basaltic). The highest point of the island (which is also the highest point of the country) is called Piquinho, it is 2,350 metre high and its coordinates are 38º N and 28º W. It has

19 10 GUIA DE HISTÓRIA NATURAL DA ILHA DO PICO PICO ISLAND NATURAL HISTORY HANDBOOK vítreas, enraizado na última fase da grande cratera da Montanha do Pico. O Piquinho, embora seja uma paisagem valiosa, encontra-se em infeliz fase de destruição acelerada porque todo o mundo esmaga, pisoteia, calca com botas, todos os anos, cada vez em maior número, feroz e inconscientemente, sem lei protectora, aquelas excepcionais lavas vítreas do cume do belo vulcão-montanha! E o guias ajudam Dos céus, a ilha do Pico assemelha-se à de S. Jorge, longilínea mas com uma inopinada montanha, quase cónica, soerguendo-se do oceano, no extremo ocidental dos diversos alinhamentos de dezenas de cones vulcânicos (o que não acontece na vizinha S. Jorge ). 2 Não se conhece a data certa da descoberta do Pico. Contudo na carta catalã de 1375 do judeu maiorquino Abrãao Cresques (p. III) grosseiramente orientadas segundo norte - sul em vez de noroeste - sueste, já se distinguem 6 ilhas, ou seja, a ilha da Terceira (Insula de brasil), a do Pico (li colunbj), a do Faial (Insula de la uentura), a de S.Jorge (san zorzo), a das Flores (li conigi) e a do Corvo (Insule de coruj marinj). A carta de Abrãao Cresques é uma das peças mais impressionantes da cartografia mundial uma vez que abrange territórios deste o norte ao Cabo Bojador, entrando pelo Atlântico adentro. Estranhamente não se encontram representadas as ilhas de São Miguel (ou caprara) e de Santa Maria (ou luouo), já assinaladas em outra cartografia. Segundo comunicação pessoal do historiador Carlos Melo Bento, o Infante D. Pedro, encontrando-se mal relaccionado com o pai, o Rei D. João I, decidiu-se por longa viagem europeia. Quando na Itália, interessado em cartografia, adquiriu por elevado custo o raro mapa de 1375, de Abrãao Cresques; e regressou ao reino em 1429 com tão precioso documento. Porém, antes dessa carta catalã, já se conheciam cartas, os portulanos, assinalando as diversas ilhas atlânticas (Carta de Angelino Dulcert de 1339, Carta dos Pizigani de 1367; Atlas Medeci de ~ an unusual geological structure, as it will be further explained, that is a small and almost perfect cone of very fluid and vitreous basaltic lavas, rooted on the last phase of the big crater of Pico s mountain. The Piquinho, despite being a valuable landscape, is in an unhappy phase of quick destruction because every year more and more people crush, step and trample with their boots, fiercely and unconsciously, without a protective law, those exceptional vitreous lavas of the top of the beautiful mountain-volcano. And the guides help that process Seen from the sky Pico s island looks like São Jorge s, long lined, but with an unexpectedly, almost conic mountain, raising from the ocean, at the western end of the different alignments of dozens of volcanic cones (what doesn t happen in São Jorge s island). 2 You don t know the accurate date of Pico s discovery. However, in the Catalan map of 1375 of the Jewish Majorcan Abrãao Cresques (page III), grossly oriented north south instead of northwest southeast, you can already see 6 islands, that is, Terceira s (Insula debrasil), Pico s (li colunbj), Faial s (Insula de la uentura), São Jorge s (san zorzo), Flores (li conigi) and Corvo s island (Insule de coruj marinj). Abrãao Cresques s map is one of the most impressive pieces of world s cartography, once it covers territories since the north of Cape Bojador, entering into the Atlantic Ocean. Strangely you can t see São Miguel (ou caprara) and Santa Maria s islands (ou luouo), which were already reported in another map. According to the historian Carlos Melo Bento s personal communication, Infante D. Pedro, who was angry with his father, the king D. João I, decided to do a long trip through Europe. As he was interested in cartography, he decided to buy Abrãao Cresques s rare map of 1375 when he was in Italy; and he returned to the Portuguese kingdom in 1429 with that precious document. However, before that Catalan map, there were already maps, the portolans, showing the different Atlantic islands, (Angelino Dulcert s map from 1339, Pizigani s maps from 1367; Medeci s Atlas from

20 1370, Atlas de Pinelli-Walckenaer de ~ 1384, Carta de Mecia de Viladestes de 1413 e a Carta Náutica de 1424 (cf. Armando Cortesão, 1975). A cartografia coleccionada pelo Infante D. Henrique e outros interesses entretanto surgidos aceleraram o povoamento (ou ocupação, segº. José Hermano Saraiva) de todas as ilhas do Atlântico, incluindo as Canárias, ilhas portuguesas. Assim, em 1431 Gonçalo Velho identifica os ilhéus das Formigas (de onde bem se avista Stª Maria e S.Miguel) e no verão de 1439 inicia- -se o povoamento de Stª Maria a mando do Infante. Alguns historiadores admitem que S. Miguel foi povoado após 1444 (?!) mas é quase unânime que em 1432 já estariam reconhecidas (avistadas) 7 das 9 ilhas dos Açores. Na carta de Cristoforo Soligo, de ~1475, encontram-se desenhadas as ilhas de S. Jorge, do Pico e do Faial com os designativos henriquinos (ou nomes actuais; a ilha do Pico também é referida como Insula Columbi ou então ilha de D. Diniz ou ilha de S. Diniz, conforme a fonte ). O ano de 1481 é considerado como referência da primeira documentação escrita sobre o Pico mas apenas em 1507 é que surge uma cartografia criteriosa, com amplas citações toponímicas, elaborada por Valentim Fernandes (De insulis et peregrinatione lusitanoricum). Em 1587 surge a preciosa cartografia de Luís Teixeira, copiada em inúmeras obras, geograficamente rigorosa mas geomorfologicamente deformada, obra consultável na famosa Biblioteca Nazionale di Firenze (cf. Descripcam das Ylhas de Sam Iorge e do Piqo, 1587). Contudo é nesse ano de 1587 que o Doutor Gaspar Frutuoso escreve o Livro 4º das Saudades da Terra, o dedicado aos Açores, impressionante nos detalhes, gigantesca nos temas e única na atlanticidade, obra mater descritiva e analítica dos territórios insulares. Frutuoso foi apontado como o primeiro vulcanólogo do mundo ocidental e de facto descreve as ilhas com paixão mas também sabedoria. Naturalmente narra o Pico com excepcional fervor -( ) cujo cume às vezes aparece sobre as nuvens ( ). ~1370, Pinelli-Walckenaer s Atlas from ~1384, Mecia de Viladestes s map from 1413 and Nautical Charter from 1424 (referred in Armando Cortesão, 1975). The Cartography collected by Infante D. Henrique and other interests that appeared meanwhile, accelerated the settlement (or occupation, according to José Hermano Saraiva), in all the Atlantic s islands, including the Canary Islands, Portuguese islands. So, in 1431, Gonçalo Velho, identifies Formigas islets (from where you can see Santa Maria and São Miguel) and in the Summer of 1439 the settlement of Santa Maria started ordered by the Infante. Some historians admit that São Miguel was settled after 1444 (?!), but it is almost unanimous that, in 1432, 7 from the 9 Azores s islands were already known (seen). In Cristoforo Soligo s map from ~1475, São Jorge, Pico and Faial s islands are already drawn with Henrique s designative (or current names; Pico s island is also referred as Insula Columbi, or then Dom Diniz s island, or São Diniz s island, according to the source ). The year of 1481 is considered as a reference about Pico s first written documents, but only in 1507 the first detailed cartography appears, with many topographical quotations, drawn by Valentim Fernandes (De insulis et peregrinatione lusitanoricum). In 1587 the precious map by Luís Teixeira appears, copied in many works, it was geographically rigorous, but geomorphologically deformed, work that is available in the famous Library Nazionale di Firenze (Descripcam das Ylhas de Sam Iorge e do Piqo, 1587). However, it is in the year 1587 that Doctor Gaspar Frutuoso writes the 4 th volume from Saudades da Terra, dedicated to the Azores, impressive in the details, gigantic in the topics and unique in the Atlantic aspects, descriptive and analytical mater work about the insular territories. Frutuoso was seen as the western world s first volcanologist and he describes in fact the islands not only with passion, but also with knowledge. He describes Pico naturally with special fervour--- ( ) whose top sometimes appears over the clouds ( ) 11 PREÂMBULO PREAMBLE

21 12 GUIA DE HISTÓRIA NATURAL DA ILHA DO PICO PICO ISLAND NATURAL HISTORY HANDBOOK 3 Como atrás citámos, antes de 1375 a ilha do Pico já era conhecida. Mas o respectivo povoamento, pelos portugueses, apenas se processou após As embarcações desses heróicos povoadores abordaram a ilha na zona das Lajes - mais abrigada e de enseadas baixas - e ali se estabeleceram e irradiaram para o interior dos nortes, para nascente (Ribeiras e Piedade) e para poente (Madalena). Crê-se que nunca tenham visto cone vulcânico tão alto e até fumegante; decerto que ficaram extasiados com a topografia picoense porque Luís Teixeira, em 1587, em portulano memorável, desenha a cratera, o Piquinho, as rasgadas e dantescas grotas de águas temporárias e os deslizamentos de areeiros de piroclastos instáveis. E esse fantástico Luís Teixeira nem se esqueceu do famoso anel de nuvens que frequentemente glorifica as grandes montanhas! Em tal data deveriam existir no Pico cerca de 500 habitantes, essencialmente concentrados nas Lajes. 4 A ilha do Pico encontra-se administrativamente dividida em 3 concelhos (Madalena, São Roque e Lajes) que englobam 17 freguesias (cf. p. 19). Actualmente o Pico é uma das nove ilhas da Região Autónoma dos Açores, desde Setembro de 1976 ( constituição do actual figurino autonómico dos Açores - Assembleia Legislativa, Governo Regional e Representante da República - e o correspondente fim da reforma administrativa de Marcello Caetano). Até 1974 o Pico integrava o Distrito Autónomo da Horta, em sintonia com o Faial, as Flores e o Corvo; o Governador Civil era a entidade política principal, sendo escolhido pelo governo de Lisboa. A Junta Geral do Distrito Autónomo da Horta administrava as 4 ilhas citadas. Além da inerente separação físico-insular do oceano, nas ilhas existiam, durante anos a fio, inacreditáveis divisões político-administrativas: assim, como exemplo, do Pico para a vizinha ilha de S. Jorge, a escassas 10 milhas náuticas, por esta integrar outro Distrito Autónomo, o de Angra do Heroísmo, existia con- 3 As we have already said Pico s Island was already known before1375. But its respective settlement by Portuguese people only started after Those heroic settlers vessels arrived at the island at Lajes s area the most sheltered and of low coves and they settled themselves there and they moved to the northern inner, to the eastern (Ribeiras e Piedade), to the western part of the island (Madalena). It is believed that they had never seen such a high and burning volcanic cone before; they must have been ecstatic with Pico s topography, because Luís Teixeira draws, in 1587, in memorable portolan, the crater, the Piquinho, the torn and dantesque temporary water caves and the sandy landslides of unstable pyroclasts. And this memorable Luís Teixeira didn t even forget the cloudy ring, which often glorifies the big mountains. In those times there should be, in Pico, about 500 inhabitants, who were essentially concentrated in Lajes. 4 Pico s Island is administratively divided in 3 town councils (Madalena, São Roque and Lajes), which have 17 civil parishes (page 19). Nowadays Pico is one of the nine islands of the Autonomous Region of the Azores, since September 1976 (undertaking of the current autonomous pattern of Azores - Legislative Assembly, Regional Government and a Representative of Republic and the corresponding end of Marcelo Caetano s administrative reform). Until 1974 Pico incorporated Horta s Autonomous District as well as Faial, Flores and Corvo s islands; the Perfect was the main political body and he was chosen by Lisbon s government. The General Council of Horta s Autonomous District administered the 4 referred islands. Besides the ocean s inherent physical insular distance, there were for many years, in the islands, unbelievable political administrative divisions: so, for instance: from Pico to its neighbour island, São Jorge, whose distance is only 10 nautical miles, as the last one belonged to another Autonomous District,

Comparação entre Variáveis Meteorológicas das Cidades de Fortaleza (CE) e Patos (PB)

Comparação entre Variáveis Meteorológicas das Cidades de Fortaleza (CE) e Patos (PB) Comparação entre Variáveis Meteorológicas das Cidades de Fortaleza (CE) e Patos (PB) F. D. A. Lima 1, C. H. C. da Silva 2, J. R. Bezerra³, I. J. M. Moura 4, D. F. dos Santos 4, F. G. M. Pinheiro 5, C.

Leia mais

Geografia - Clima e formações vegetais

Geografia - Clima e formações vegetais Geografia - Clima e formações vegetais O MEIO NATURAL Clima e formações vegetais 1. Estado do tempo e clima O que é a atmosfera? A atmosfera é a camada gasosa que envolve a Terra e permite a manutenção

Leia mais

Escola E.B. 2,3 de António Feijó. Ano letivo 2014 2015. Planificação anual. 7º ano de escolaridade

Escola E.B. 2,3 de António Feijó. Ano letivo 2014 2015. Planificação anual. 7º ano de escolaridade Escola E.B.,3 de António Feijó Ano letivo 04 05 Planificação anual 7º ano de escolaridade A Terra. Estudos e representações A representação da superfície terrestre A Geografia e o território Compreender

Leia mais

Clima e Formação Vegetal. O clima e seus fatores interferentes

Clima e Formação Vegetal. O clima e seus fatores interferentes Clima e Formação Vegetal O clima e seus fatores interferentes O aquecimento desigual da Terra A Circulação atmosférica global (transferência de calor, por ventos, entre as diferentes zonas térmicas do

Leia mais

Boletim Climatológico Mensal Maio de 2014

Boletim Climatológico Mensal Maio de 2014 Boletim Climatológico Mensal Maio de 2014 CONTEÚDOS Detalhe do posto meteorológico de Angra do Heroísmo, instalado na Igreja do Colégio (c. 1927). 01 Resumo Mensal 02 Resumo das Condições Meteorológicas

Leia mais

ANÁLISE DO REGIME PLUVIOMÉTRICO DA ILHA DE SANTIAGO CABO VERDE DURANTE 1981 A 2009 E SUA RELAÇÃO COM A ZCIT

ANÁLISE DO REGIME PLUVIOMÉTRICO DA ILHA DE SANTIAGO CABO VERDE DURANTE 1981 A 2009 E SUA RELAÇÃO COM A ZCIT ANÁLISE DO REGIME PLUVIOMÉTRICO DA ILHA DE SANTIAGO CABO VERDE DURANTE 1981 A 2009 E SUA RELAÇÃO COM A ZCIT Gerson E. V. Lopes 1 3, Rosiberto S. da Silva Júnior 1, Diogo N da S. Ramos 1, Danielson J. D.

Leia mais

Boletim Climatológico Mensal Fevereiro de 2010

Boletim Climatológico Mensal Fevereiro de 2010 Boletim Climatológico Mensal Fevereiro de 2010 CONTEÚDOS Observatório José Agostinho 01 Resumo Mensal 02 Resumo das Condições Meteorológicas 03 Caracterização Climática Mensal 03 Precipitação total 04

Leia mais

CLIMATOLOGIA. Profª Margarida Barros. Geografia - 2013

CLIMATOLOGIA. Profª Margarida Barros. Geografia - 2013 CLIMATOLOGIA Profª Margarida Barros Geografia - 2013 CLIMATOLOGIA RAMO DA GEOGRAFIA QUE ESTUDA O CLIMA Sucessão habitual de TEMPOS Ação momentânea da troposfera em um determinado lugar e período. ELEMENTOS

Leia mais

CARACTERÍSTICAS CLIMÁTICAS DOS SISTEMAS FRONTAIS NA CIDADE DE SÃO PAULO. Guilherme Santini Dametto¹ e Rosmeri Porfírio da Rocha²

CARACTERÍSTICAS CLIMÁTICAS DOS SISTEMAS FRONTAIS NA CIDADE DE SÃO PAULO. Guilherme Santini Dametto¹ e Rosmeri Porfírio da Rocha² CARACTERÍSTICAS CLIMÁTICAS DOS SISTEMAS FRONTAIS NA CIDADE DE SÃO PAULO Guilherme Santini Dametto¹ e Rosmeri Porfírio da Rocha² PALAVRAS CHAVES: Climatologia; frente fria; sistemas frontais; sinótica;

Leia mais

VARIAÇÃO DA AMPLITUDE TÉRMICA EM ÁREAS DE CLIMA TROPICAL DE ALTITUDE, ESTUDO DO CASO DE ESPIRITO SANTO DO PINHAL, SP E SÃO PAULO, SP

VARIAÇÃO DA AMPLITUDE TÉRMICA EM ÁREAS DE CLIMA TROPICAL DE ALTITUDE, ESTUDO DO CASO DE ESPIRITO SANTO DO PINHAL, SP E SÃO PAULO, SP VARIAÇÃO DA AMPLITUDE TÉRMICA EM ÁREAS DE CLIMA TROPICAL DE ALTITUDE, ESTUDO DO CASO DE ESPIRITO SANTO DO PINHAL, SP E SÃO PAULO, SP Maria Cecilia Manoel Universidade de São Paulo maria.manoel@usp.br Emerson

Leia mais

Boletim Climatológico Mensal Junho de 2014

Boletim Climatológico Mensal Junho de 2014 Boletim Climatológico Mensal Junho de 2014 CONTEÚDOS Observatório Magnético e Sismológico de S. Miguel (c. 1944). 01 Resumo Mensal 02 Resumo das Condições Meteorológicas 02 Caracterização Climática Mensal

Leia mais

PROGRAM FOR 3 DAYS in Faial and S. Jorge Islands, Azores

PROGRAM FOR 3 DAYS in Faial and S. Jorge Islands, Azores PROGRAM FOR 3 DAYS in Faial and S. Jorge Islands, Azores THIS PROGRAM AIMS TO TOAST OUR CUSTOMERS WITH THE OPPORTUNITY TO DISCOVER AND EXPLORE THE FAIAL AND S. JORGE ISLANDS. WE HAVE A WIDE RANGE OF CULTURAL

Leia mais

Preposições em Inglês: www.napontadalingua.hd1.com.br

Preposições em Inglês: www.napontadalingua.hd1.com.br Preposições na língua inglesa geralmente vem antes de substantivos (algumas vezes também na frente de verbos no gerúndio). Algumas vezes é algo difícil de se entender para os alunos de Inglês pois a tradução

Leia mais

REVISÃO PARA AV1 Unidade 1 Cap. 1

REVISÃO PARA AV1 Unidade 1 Cap. 1 REVISÃO PARA AV1 Unidade 1 Cap. 1 Continente Americano Prof. Ivanei Rodrigues Teoria sobre a formação dos continentes Transformação da crosta terrestre desde a Pangeia até os dias atuais. A Teoria da

Leia mais

O CLIMA PORTUGUÊS: Noções básicas e fatores geográficos Regiões climáticas portuguesas

O CLIMA PORTUGUÊS: Noções básicas e fatores geográficos Regiões climáticas portuguesas UC História e Geografia de Portugal II Geografia de Portugal 3. O CLIMA PORTUGUÊS: Noções básicas e fatores geográficos Regiões climáticas portuguesas IPS-ESE ME12C André Silva O Clima Português: Elementos

Leia mais

PADRÕES SINÓTICOS ASSOCIADOS A SITUAÇÕES DE DESLIZAMENTOS DE ENCOSTAS NA SERRA DO MAR. Marcelo Enrique Seluchi 1

PADRÕES SINÓTICOS ASSOCIADOS A SITUAÇÕES DE DESLIZAMENTOS DE ENCOSTAS NA SERRA DO MAR. Marcelo Enrique Seluchi 1 PADRÕES SINÓTICOS ASSOCIADOS A SITUAÇÕES DE DESLIZAMENTOS DE ENCOSTAS NA SERRA DO MAR Marcelo Enrique Seluchi 1 RESUMO A região da Serra do Mar é freqüentemente atingida por chuvas intensas que costumam

Leia mais

Estudo de Caso : Configuração da Atmosfera na Ocorrência de Baixo Índice da Umidade Relativa do Ar no Centro-Oeste do Brasil

Estudo de Caso : Configuração da Atmosfera na Ocorrência de Baixo Índice da Umidade Relativa do Ar no Centro-Oeste do Brasil Estudo de Caso : Configuração da Atmosfera na Ocorrência de Baixo Índice da Umidade Relativa do Ar no Centro-Oeste do Brasil 1 Elizabete Alves Ferreira, Mamedes Luiz Melo 1, Josefa Morgana Viturino de

Leia mais

Elementos Climáticos CLIMA

Elementos Climáticos CLIMA CLIMA Elementos Climáticos O entendimento e a caracterização do clima de um lugar dependem do estudo do comportamento do tempo durante pelo menos 30 anos: das variações da temperatura e da umidade, do

Leia mais

Plano Curricular de Geografia- 3º Ciclo -7ºAno 2014/2015

Plano Curricular de Geografia- 3º Ciclo -7ºAno 2014/2015 Terra: Estudos e Representações Plano Curricular de Geografia- 3º Ciclo -7ºAno 2014/2015 Domínio Subdomínios /Objetivos Gerais Descritores Nº de Aulas Previstas 1- A Geografia e o Território 1.1-Compreender

Leia mais

Clima e Diferenciação Climática das Ilhas dos Açores

Clima e Diferenciação Climática das Ilhas dos Açores Clima e Diferenciação Climática das Ilhas dos Açores Museu de Angra do Heroísmo, 12 de Dezembro de 2005 Eduardo M. V. Brito de Azevedo Créditos: Ana Bettencourt; Ludgero Costa Clima e a diferenciação do

Leia mais

Interacção Oceano-Atmosfera. O transporte de calor pelos oceanos. Os oceanos como reguladores do clima.

Interacção Oceano-Atmosfera. O transporte de calor pelos oceanos. Os oceanos como reguladores do clima. Interacção Oceano-Atmosfera. O transporte de calor pelos oceanos. Os oceanos como reguladores do clima. Vimos como o oceano, através da influência que exerce no conteúdo de humidade da atmosfera afecta

Leia mais

Rotas de aprendizagem - Projetos

Rotas de aprendizagem - Projetos Página1 Rotas de aprendizagem - Projetos Domínio - A Terra: Estudos e Representações Subdomínio: A e o Território 1/2 Quinzenas (Inicio: 1.º período) 1) Reconhecer a como a ciência que estuda os territórios

Leia mais

O MEIO AMBIENTE CLIMA E FORMAÇÕES VEGETAIS

O MEIO AMBIENTE CLIMA E FORMAÇÕES VEGETAIS 2011/2012 Geografia 7º Ano de escolaridade O MEIO AMBIENTE CLIMA E FORMAÇÕES VEGETAIS Estado do tempo e clima Elementos e fatores do clima A ATMOSFERA: Invólucro gasoso (camada de ar) que envolve a Terra;

Leia mais

CARACTERIZAÇÃO DA VELOCIDADE E DIREÇÃO DO VENTO NA REGIÃO SUL NA CIDADE DE GOIÂNIA GOIÁS

CARACTERIZAÇÃO DA VELOCIDADE E DIREÇÃO DO VENTO NA REGIÃO SUL NA CIDADE DE GOIÂNIA GOIÁS CARACTERIZAÇÃO DA VELOCIDADE E DIREÇÃO DO VENTO NA REGIÃO SUL NA CIDADE DE GOIÂNIA GOIÁS Rosidalva Lopes Feitosa da Paz 1, Andre de Oliveira Amorim 2 e Raimundo Mainar de Medeiros 3 1 Física e Coordenadora

Leia mais

RESUMO TEÓRICO (CLIMA E FORMAÇÕES VEGETAIS)

RESUMO TEÓRICO (CLIMA E FORMAÇÕES VEGETAIS) RESUMO TEÓRICO (CLIMA E FORMAÇÕES VEGETAIS) 1. QUAL A DIFERENÇA ENTRE ESTADO DO TEMPO E CLIMA? Estado do tempo É o conjunto de condições atmosféricas que se verificam num determinado lugar, num curto período

Leia mais

ATUAÇÃO DO VÓRTICE CICLÔNICO DE ALTOS NÍVEIS SOBRE O NORDESTE DO BRASIL NO MÊS DE JANEIRO NOS ANOS DE 2004 E 2006.

ATUAÇÃO DO VÓRTICE CICLÔNICO DE ALTOS NÍVEIS SOBRE O NORDESTE DO BRASIL NO MÊS DE JANEIRO NOS ANOS DE 2004 E 2006. ATUAÇÃO DO VÓRTICE CICLÔNICO DE ALTOS NÍVEIS SOBRE O NORDESTE DO BRASIL NO MÊS DE JANEIRO NOS ANOS DE 2004 E 2006. Maria Marle Bandeira 1 & Ewerton Cleudson de Sousa Melo 2 RESUMO Foram utilizados dados

Leia mais

ASPECTOS SINOTICOS E TtRMICOS DO INVERNO EUROPEU 86/87. Marcos Anderson Duffles Andrade

ASPECTOS SINOTICOS E TtRMICOS DO INVERNO EUROPEU 86/87. Marcos Anderson Duffles Andrade 711 ASPECTOS SINOTICOS E TtRMICOS DO INVERNO EUROPEU 86/87 Marcos Anderson Duffles Andrade Escola Paulista de Medicina - Disciplina de Genética Abstract It has been estableshed.:1 relation between anomalies

Leia mais

Sazonalidade da temperatura do ar e radiação solar global em cidades de diferentes portes na Amazônia Brasileira.

Sazonalidade da temperatura do ar e radiação solar global em cidades de diferentes portes na Amazônia Brasileira. Sazonalidade da temperatura do ar e radiação solar global em cidades de diferentes portes na Amazônia Brasileira. Ingrid Monteiro Peixoto de Souza 1, Antonio Carlos Lôla da Costa 1, João de Athaydes Silva

Leia mais

ESCOLA SECUNDÁRIA DE CAMARATE

ESCOLA SECUNDÁRIA DE CAMARATE ESCOLA SECUNDÁRIA DE CAMARATE PLANIFICAÇÃO A LONGO PRAZO Grupo GEOGRAFIA (420) Ano letivo 2014/2015 Ano de Escolaridade 7º Disciplina Geografia Conteúdos Metas curriculares Estratégias - Recursos Avaliação

Leia mais

Análise do comportamento da temperatura e da umidade relativa do ar em diferentes locais da cidade de Mossoró-RN durante as quatro estações do ano.

Análise do comportamento da temperatura e da umidade relativa do ar em diferentes locais da cidade de Mossoró-RN durante as quatro estações do ano. Análise do comportamento da temperatura e da umidade relativa do ar em diferentes locais da cidade de Mossoró-RN durante as quatro estações do. JOSÉ ESPÍNOLA SOBRINHO 1, HIDERALDO BEZERRA DOS SANTOS 2,

Leia mais

Boletim climatológico mensal maio 2012

Boletim climatológico mensal maio 2012 Boletim climatológico mensal maio 2012 CONTEÚDOS IM,I.P. 01 Resumo Mensal 04 Resumo das Condições Meteorológicas 05 Caracterização Climática Mensal 05 Temperatura do Ar 07 Precipitação Total 09 Insolação

Leia mais

DEPARTAMENTO DE LETRAS INGLÊS TÉCNICO E CIENTÍFICO PROFESSOR: WELLINGTON BORGES

DEPARTAMENTO DE LETRAS INGLÊS TÉCNICO E CIENTÍFICO PROFESSOR: WELLINGTON BORGES Palavras cognatas, palavras repetidas e marcas tipográficas UNIVERSIDADE FEDERAL DO PIAUÍ DEPARTAMENTO DE LETRAS INGLÊS TÉCNICO E CIENTÍFICO PROFESSOR: WELLINGTON BORGES Fatos: A língua inglesa teve origem

Leia mais

TEMA 6 CIRCULAÇÃO GERAL DA ATMOSFERA

TEMA 6 CIRCULAÇÃO GERAL DA ATMOSFERA TEMA 6 CIRCULAÇÃO GERAL DA ATMOSFERA Como já foi visto no estudo dos movimentos atmosféricos, a distribuição dos ventos na superfície deve ser aproximadamente as das Figuras da página seguinte. Os ventos

Leia mais

EVOLUÇÃO DA TEMPERATURA NA REGIÃO DE GUARATINGUETÁ - SÃO PAULO - BRASIL

EVOLUÇÃO DA TEMPERATURA NA REGIÃO DE GUARATINGUETÁ - SÃO PAULO - BRASIL 1 EVOLUÇÃO DA TEMPERATURA NA REGIÃO DE GUARATINGUETÁ - SÃO PAULO - BRASIL João Ubiratan de Lima e Silva; Milton César Marques RESUMO O presente trabalho está fundamentado em uma pesquisa com base nos dados

Leia mais

PLANO DE ESTUDOS DE GEOGRAFIA - 7.º ANO

PLANO DE ESTUDOS DE GEOGRAFIA - 7.º ANO DE GEOGRAFIA - 7.º ANO Ano Letivo 2014 2015 PERFIL DO ALUNO Dentro do domínio da geografia e o território, o aluno deve compreender o objeto e o método da Geografia. No dominio da representação da superfície

Leia mais

CAPÍTULO 13 OS CLIMAS DO E DO MUNDOBRASIL

CAPÍTULO 13 OS CLIMAS DO E DO MUNDOBRASIL CAPÍTULO 13 OS CLIMAS DO E DO MUNDOBRASIL 1.0. Clima no Mundo A grande diversidade verificada na conjugação dos fatores climáticos pela superfície do planeta dá origem a vários tipos de clima. Os principais

Leia mais

Massas de ar do Brasil Centros de ação Sistemas meteorológicos atuantes na América do Sul Breve explicação

Massas de ar do Brasil Centros de ação Sistemas meteorológicos atuantes na América do Sul Breve explicação Massas de ar do Brasil Centros de ação Sistemas meteorológicos atuantes na América do Sul Breve explicação Glauber Lopes Mariano Departamento de Meteorologia Universidade Federal de Pelotas E-mail: glauber.mariano@ufpel.edu.br

Leia mais

75, 8.º DTO 1250-068 LISBOA

75, 8.º DTO 1250-068 LISBOA EAbrief: Medida de incentivo ao emprego mediante o reembolso da taxa social única EAbrief: Employment incentive measure through the unique social rate reimbursement Portaria n.º 229/2012, de 03 de Agosto

Leia mais

TENDÊNCIA DE MUDANÇAS DA TEMPERATURA EM IGUATU, CEARÁ 1

TENDÊNCIA DE MUDANÇAS DA TEMPERATURA EM IGUATU, CEARÁ 1 TENDÊNCIA DE MUDANÇAS DA TEMPERATURA EM IGUATU, CEARÁ 1 ELIAKIM M. ARAÚJO 2, JOAQUIM B. DE OLIVEIRA 3, ITALO N. SILVA 4, EDMILSON G. CAVALCANTE JÚNIOR 4, BRUNO M. DE ALMEIDA 4 1 Parte do TCC do primeiro

Leia mais

Os diferentes climas do mundo

Os diferentes climas do mundo Os diferentes climas do mundo Climas do Mundo Mapa dos climas do mundo Climas quentes Equatoriais Tropical húmido Tropical seco Desértico quente Climas temperados Temperado Mediterrâneo Temperado Marítimo

Leia mais

Boletim Climatológico Mensal Fevereiro de 2015

Boletim Climatológico Mensal Fevereiro de 2015 Boletim Climatológico Mensal Fevereiro de 2015 CONTEÚDOS Estação climatológica das Furnas (Fevereiro de 2015) 01 Resumo Mensal 02 Resumo das Condições Meteorológicas 02 Caracterização Climática Mensal

Leia mais

Prova de Seleção Mestrado LINGUA INGLESA 15/02/2016

Prova de Seleção Mestrado LINGUA INGLESA 15/02/2016 Prova de Seleção Mestrado LINGUA INGLESA 15/02/2016 Instruções aos candidatos: (1) Preencher somente o número de inscrição em todas as folhas. (2) Usar caneta preta ou azul. 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12

Leia mais

Classificações climáticas

Classificações climáticas Classificações climáticas Glauber Lopes Mariano Departamento de Meteorologia Universidade Federal de Pelotas E-mail: glauber.mariano@ufpel.edu.br glaubermariano@gmail.com O clima do Brasil pode ser classificado

Leia mais

OS CLIMAS DO BRASIL Clima é o conjunto de variações do tempo de um determinado local da superfície terrestre.

OS CLIMAS DO BRASIL Clima é o conjunto de variações do tempo de um determinado local da superfície terrestre. OS CLIMAS DO BRASIL Clima é o conjunto de variações do tempo de um determinado local da superfície terrestre. Os fenômenos meteorológicos ocorridos em um instante ou em um dia são relativos ao tempo atmosférico.

Leia mais

A tangibilidade de um serviço de manutenção de elevadores

A tangibilidade de um serviço de manutenção de elevadores A tangibilidade de um serviço de manutenção de elevadores Tese de Mestrado em Gestão Integrada de Qualidade, Ambiente e Segurança Carlos Fernando Lopes Gomes INSTITUTO SUPERIOR DE EDUCAÇÃO E CIÊNCIAS Fevereiro

Leia mais

Climatologia. humanos, visto que diversas de suas atividades

Climatologia. humanos, visto que diversas de suas atividades Climatologia É uma parte da que estuda o tempo e o clima cientificamente, utilizando principalmente técnicas estatísticas na obtenção de padrões. É uma ciência de grande importância para os seres humanos,

Leia mais

O CASO DE CABO VERDE. Abegond o Galiza 2008 Carlos Pina Geográfo

O CASO DE CABO VERDE. Abegond o Galiza 2008 Carlos Pina Geográfo O CASO DE CABO VERDE Abegond o Galiza 2008 Carlos Pina Geográfo Cabo Verde é um micro-estado, insular, arquipelágico de clima árido e ecossistemas frágeis. Foi povoado no século XV por colonos portugueses,

Leia mais

Intellectual Property. IFAC Formatting Guidelines. Translated Handbooks

Intellectual Property. IFAC Formatting Guidelines. Translated Handbooks Intellectual Property IFAC Formatting Guidelines Translated Handbooks AUTHORIZED TRANSLATIONS OF HANDBOOKS PUBLISHED BY IFAC Formatting Guidelines for Use of Trademarks/Logos and Related Acknowledgements

Leia mais

Planificação a longo prazo

Planificação a longo prazo A Terra: Estudos e Representações 1º Período / 2º Período Planificação a longo prazo Professores: Carlos Naré e Isabel Rodrigues Ano letivo: 2015-2016 Número de aulas previstas (3 x 45 minutos / semana)

Leia mais

Tendência Sazonal das Temperaturas mínimas e máximas no Rio Grande do Sul. Amazônia, Manaus, AM.

Tendência Sazonal das Temperaturas mínimas e máximas no Rio Grande do Sul. Amazônia, Manaus, AM. Tendência Sazonal das Temperaturas mínimas e máximas no Rio Grande do Sul Cláudia da Costa 1, Júlio Renato Marques 2 1 Large Scale Biosphere-Atmosphere Experiment in Amazônia/Instituto Nacional de Pesquisas

Leia mais

ANÁLISE DA DISTRIBUIÇÃO SAZONAL E ESPACIAL DA PRECIPITAÇÃO NO SUL DO ESTADO DO ESPÍRITO SANTO

ANÁLISE DA DISTRIBUIÇÃO SAZONAL E ESPACIAL DA PRECIPITAÇÃO NO SUL DO ESTADO DO ESPÍRITO SANTO ANÁLISE DA DISTRIBUIÇÃO SAZONAL E ESPACIAL DA PRECIPITAÇÃO NO SUL DO ESTADO DO ESPÍRITO SANTO Neri Ellen Fernandes da Nóbrega 1, José Geraldo Ferreira da Silva 2, Hugo Ely dos Anjos Ramos 3, Franklim dos

Leia mais

O Clima do Brasil. É a sucessão habitual de estados do tempo

O Clima do Brasil. É a sucessão habitual de estados do tempo O Clima do Brasil É a sucessão habitual de estados do tempo A atuação dos principais fatores climáticos no Brasil 1. Altitude Quanto maior altitude, mais frio será. Não esqueça, somente a altitude, isolada,

Leia mais

PLANO DE ESTUDOS DE GEOGRAFIA 7.º ANO

PLANO DE ESTUDOS DE GEOGRAFIA 7.º ANO DE GEOGRAFIA 7.º ANO Ano Letivo 2015 2016 PERFIL DO ALUNO Dentro do domínio da geografia e o território, o aluno deve compreender o objeto e o método da Geografia. No dominio da representação da superfície

Leia mais

Influência dos fenômenos ENOS na ocorrência de frentes frias no litoral sul do Brasil

Influência dos fenômenos ENOS na ocorrência de frentes frias no litoral sul do Brasil Influência dos fenômenos ENOS na ocorrência de frentes frias no litoral sul do Brasil Natalia Pereira, Andrea de Lima Ribeiro, Fernando D Incao Instituto de Oceanografia Universidade Federal do Rio Grande,

Leia mais

GEOGRAFIA. Professora Bianca

GEOGRAFIA. Professora Bianca GEOGRAFIA Professora Bianca TERRA E LUA MOVIMENTO DA LUA MOVIMENTOS DA TERRA TEMPO E CLIMA Tempo é o estado da atmosfera de um lugar num determinado momento. Ele muda constantemente. Clima é o conjunto

Leia mais

INFLUÊNCIA DA ZONA DE CONVERGÊNCIA INTERTROPICAL NA VARIABILIDADE DA PRECIPITAÇÃO EM MACAPÁ - BRASIL 1

INFLUÊNCIA DA ZONA DE CONVERGÊNCIA INTERTROPICAL NA VARIABILIDADE DA PRECIPITAÇÃO EM MACAPÁ - BRASIL 1 CAMINHOS DE GEOGRAFIA - revista on line http://www.ig.ufu.br/revista/caminhos.html ISSN 1678-6343 Instituto de Geografia ufu Programa de Pós-graduação em Geografia INFLUÊNCIA DA ZONA DE CONVERGÊNCIA INTERTROPICAL

Leia mais

ANÁLISE DE UM CASO DE CHUVA INTENSA NO SERTÃO ALAGOANO NO DIA 19 DE JANEIRO DE 2013

ANÁLISE DE UM CASO DE CHUVA INTENSA NO SERTÃO ALAGOANO NO DIA 19 DE JANEIRO DE 2013 ANÁLISE DE UM CASO DE CHUVA INTENSA NO SERTÃO ALAGOANO NO DIA 19 DE JANEIRO DE 2013 Ricardo Antonio Mollmann Junior 1, Natalia Parisotto Sinhori 1, Yasmin Uchôa da Silva 1, Heliofábio Barros Gomes¹, Rosiberto

Leia mais

Climatologia GEOGRAFIA DAVI PAULINO

Climatologia GEOGRAFIA DAVI PAULINO Climatologia GEOGRAFIA DAVI PAULINO Efeito no clima sobre fatores socioeconômicos Agricultura População Diversidade global de climas Motivação! O Clima Fenômeno da atmosfera em si: chuvas, descargas elétricas,

Leia mais

ANÁLISE DA DISTRIBUIÇÃO DA FREQUÊNCIA DE PRECIPITAÇÃO EM DIFERENTES INTERVALOS DE CLASSES PARA RIO DO SUL/SC

ANÁLISE DA DISTRIBUIÇÃO DA FREQUÊNCIA DE PRECIPITAÇÃO EM DIFERENTES INTERVALOS DE CLASSES PARA RIO DO SUL/SC ANÁLISE DA DISTRIBUIÇÃO DA FREQUÊNCIA DE PRECIPITAÇÃO EM DIFERENTES INTERVALOS DE CLASSES PARA RIO DO SUL/SC Katiani Eli 1, Joabe Weber Pitz 1, Leonardo de Oliveira Neves 2, Roberto Haveroth 3,Evandro

Leia mais

Mudança da Linha de Costa à Médio Prazo das Praias do Pina e da Boa Viagem (Recife PE) 1961-2007

Mudança da Linha de Costa à Médio Prazo das Praias do Pina e da Boa Viagem (Recife PE) 1961-2007 Mudança da Linha de Costa à Médio Prazo das Praias do Pina e da Boa Viagem (Recife PE) 1961-2007 MARIA DAS NEVES GREGÓRIO TEREZA CRISTINA MEDEIROS DE ARAÚJO RAFAEL LOPES MENDONÇA ICLEIBER NASCIMENTO LIMA

Leia mais

o seu futuro apartamento em Albufeira your future apartment in Albufeira

o seu futuro apartamento em Albufeira your future apartment in Albufeira Praialgarve, SA Praia da Oura, Apartado 827 8200-911 Albufeira Tel.: +351 289 543 108 freeholdsales@leisuredimensions.com http://www.petcheyleisure.com/bayview/ o seu futuro apartamento em Albufeira your

Leia mais

Consumo de água na cidade de São Paulo. Cláudia Cristina dos Santos 1 Augusto José Pereira Filho 2

Consumo de água na cidade de São Paulo. Cláudia Cristina dos Santos 1 Augusto José Pereira Filho 2 Consumo de água na cidade de São Paulo Cláudia Cristina dos Santos 1 Augusto José Pereira Filho 2 1 Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais INPE Caixa Postal 515 - CEP 12245-970 São José dos Campos SP,

Leia mais

GUIÃO Domínio de Referência: CIDADANIA E MULTICULTURALISMO

GUIÃO Domínio de Referência: CIDADANIA E MULTICULTURALISMO PROJECTO PROVAS EXPERIMENTAIS DE EXPRESSÃO ORAL DE LÍNGUA ESTRANGEIRA - 2005-2006 Ensino Secundário - Inglês, 12º ano - Nível de Continuação 1 1º Momento GUIÃO Domínio de Referência: CIDADANIA E MULTICULTURALISMO

Leia mais

Hotel Cruz Alta Repouse com serenidade e conforto / Rest with serenity and comfort

Hotel Cruz Alta Repouse com serenidade e conforto / Rest with serenity and comfort A MAIOR OFERTA hoteleira em fátima FATIMA S LARGEST HOTEL GROUP Localização / Location (N39 o 37 42 W8 o 40 30 ) Junto ao jardins do Santuário de Fátima e da nova Basílica da Santíssima Trindade muita

Leia mais

Escola Básica e Secundária da Graciosa

Escola Básica e Secundária da Graciosa Escola Básica e Secundária da Graciosa Disciplina: Geografia Ano letivo 2014/2015 Planificação Anual Longo Prazo 7º Ano Conteúdos Metas Curriculares Avaliação TEMA 1: A TERRA: ESTUDOS E REPRESENTAÇÕES

Leia mais

UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO FACULDADE DE EDUCAÇÃO JOÃO FÁBIO PORTO. Diálogo e interatividade em videoaulas de matemática

UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO FACULDADE DE EDUCAÇÃO JOÃO FÁBIO PORTO. Diálogo e interatividade em videoaulas de matemática UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO FACULDADE DE EDUCAÇÃO JOÃO FÁBIO PORTO Diálogo e interatividade em videoaulas de matemática São Paulo 2010 JOÃO FÁBIO PORTO Diálogo e interatividade em videoaulas de matemática

Leia mais

Câmbio MONEY CHANGER. I d like to exchange some money. Gostaria de cambiar um pouco de dinheiro. Where can I find a money changer?

Câmbio MONEY CHANGER. I d like to exchange some money. Gostaria de cambiar um pouco de dinheiro. Where can I find a money changer? MONEY CHANGER Câmbio I d like to exchange some money. Where can I find a money changer? Gostaria de cambiar um pouco de dinheiro. Onde posso encontrar um câmbio? I d like to exchange (I would) Where can

Leia mais

ÁNALISE DAS OCORRÊNCIAS DE EVENTOS EXTREMOS DE PRECIPITAÇÃO NA REGIÃO DE RIO LARGO, ALAGOAS

ÁNALISE DAS OCORRÊNCIAS DE EVENTOS EXTREMOS DE PRECIPITAÇÃO NA REGIÃO DE RIO LARGO, ALAGOAS ÁNALISE DAS OCORRÊNCIAS DE EVENTOS EXTREMOS DE PRECIPITAÇÃO NA REGIÃO DE RIO LARGO, ALAGOAS André Luiz de Carvalho 1 José Leonaldo de Souza 2, Mônica Weber Tavares 3 1 Doutorando em Tecnologias Energéticas

Leia mais

RcPDV. 2015 Rica Informática

RcPDV. 2015 Rica Informática RcPDV Note: To change the product logo for your ow n print manual or PDF, click "Tools > Manual Designer" and modify the print manual template. Title page 1 Use this page to introduce the product by Rica

Leia mais

Capital Humano e Capital Social: Construir Capacidades para o Desenvolvimento dos Territórios

Capital Humano e Capital Social: Construir Capacidades para o Desenvolvimento dos Territórios UNIVERSIDADE DE LISBOA FACULDADE DE LETRAS DEPARTAMENTO DE GEOGRAFIA Capital Humano e Capital Social: Construir Capacidades para o Desenvolvimento dos Territórios Sandra Sofia Brito da Silva Dissertação

Leia mais

ES C O L A S U PERI O R A G RÁ RI A

ES C O L A S U PERI O R A G RÁ RI A Licenciatura em Ecoturismo Ref.ª : 1810002 Ano lectivo: 2012-13 DESCRITOR DA UNIDADE CURRICULAR GEOGRAFIA GEOGRAPHY 1. Unidade Curricular: 1.1 Área científica: 44 - Ciências Físicas 1.2 Tipo (Duração):

Leia mais

OCORRÊNCIAS DE GRANIZO E SARAIVA NO ESTADO DO PARANÁ

OCORRÊNCIAS DE GRANIZO E SARAIVA NO ESTADO DO PARANÁ OCORRÊNCIAS DE GRANIZO E SARAIVA NO ESTADO DO PARANÁ RAONI PUNTEL URQUIZA 1, PAULO H. CARAMORI, WILIAN S. RICCE 3, DEISE F. ELY, LÍVIA M. P. PEREIRA 1, ÂNGELA B. F. COSTA 5 1 Graduando do curso de geografia

Leia mais

PERFIL TOPOCLIMÁTICO DO CERRO COMPRIDO NO MUNICÍPIO DE FAXINAL DO SOTURNO/ RS UMA ANÁLISE TERMO-HIGROMÉTRICA

PERFIL TOPOCLIMÁTICO DO CERRO COMPRIDO NO MUNICÍPIO DE FAXINAL DO SOTURNO/ RS UMA ANÁLISE TERMO-HIGROMÉTRICA PERFIL TOPOCLIMÁTICO DO CERRO COMPRIDO NO MUNICÍPIO DE FAXINAL DO SOTURNO/ RS UMA Ismael Luiz Hoppe UFSM/RS ismael.hoppe@hotmail.com Jakeline Baratto UFSM/RS jekeline.jake@hotmail.com Cássio Arthur Wollmann

Leia mais

01-A GRAMMAR / VERB CLASSIFICATION / VERB FORMS

01-A GRAMMAR / VERB CLASSIFICATION / VERB FORMS 01-A GRAMMAR / VERB CLASSIFICATION / VERB FORMS OBS1: Adaptação didática (TRADUÇÃO PARA PORTUGUÊS) realizada pelo Prof. Dr. Alexandre Rosa dos Santos. OBS2: Textos extraídos do site: http://www.englishclub.com

Leia mais

CLIMATOLOGIA SINÓTICA DE EVENTOS EXTREMOS DE CHUVA NA REGIÃO METROPOLITANA DO RIO DE JANEIRO

CLIMATOLOGIA SINÓTICA DE EVENTOS EXTREMOS DE CHUVA NA REGIÃO METROPOLITANA DO RIO DE JANEIRO CLIMATOLOGIA SINÓTICA DE EVENTOS EXTREMOS DE CHUVA NA REGIÃO METROPOLITANA DO RIO DE JANEIRO Carlos R. W. Moura 1, Gustavo C. J. Escobar 1 1 Centro de Previsão de Tempo e Estudos Climáticos CPTEC/INPE

Leia mais

INFORMAÇÃO -PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA DO ENSINO BÁSICO

INFORMAÇÃO -PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA DO ENSINO BÁSICO GEOGRAFIA - Prova 18 1. INTRODUÇÃO O presente documento visa divulgar as características da prova de equivalência à frequência do ensino básico, a realizar em 2016 pelos alunos que se encontram abrangidos

Leia mais

VISUALIZAÇÃO TRIDIMENSIONAL DE SISTEMAS FRONTAIS: ANÁLISE DO DIA 24 DE AGOSTO DE 2005.

VISUALIZAÇÃO TRIDIMENSIONAL DE SISTEMAS FRONTAIS: ANÁLISE DO DIA 24 DE AGOSTO DE 2005. VISUALIZAÇÃO TRIDIMENSIONAL DE SISTEMAS FRONTAIS: ANÁLISE DO DIA 24 DE AGOSTO DE 2005. Aline Fernanda Czarnobai 1 Daniel Augusto de Abreu Combat 2 Jorge Bortolotto 3 Rafaelle Fraga de Santis 4 Carlos Eduardo

Leia mais

15º Congresso Brasileiro de Geologia de Engenharia e Ambiental

15º Congresso Brasileiro de Geologia de Engenharia e Ambiental 15º Congresso Brasileiro de Geologia de Engenharia e Ambiental Comparação da temperatura de brilho de superfície do período seco com o chuvoso no Distrito Federal calculada a partir de imagens do Landsat

Leia mais

Boletim climatológico mensal novembro 2011

Boletim climatológico mensal novembro 2011 Boletim climatológico mensal novembro 2011 CONTEÚDOS 14:50 UTC 14:55 UTC 15:00 UTC 15:05 UTC 15:10 UTC 15:15 UTC IM,I.P. 01 Resumo Mensal 04 Resumo das Condições Meteorológicas 05 Caracterização Climática

Leia mais

Arqueologia de emergência em Portugal Dissertação apresentada com vista à obtenção do grau de mestre em Arqueologia

Arqueologia de emergência em Portugal Dissertação apresentada com vista à obtenção do grau de mestre em Arqueologia Universidade do Algarve Faculdade de Ciências Humanas e Sociais Departamento de História, Arqueologia e Património Mestrado em Teoria e Métodos da Arqueologia Dissertação apresentada com vista à obtenção

Leia mais

Domínio - A Terra: Estudos e Representações

Domínio - A Terra: Estudos e Representações Agrupamento de Escolas de Moura Planificação Anual Geografia 7. Ano 2014-2015 Domínio - A Terra: Estudos e Representações Conteúdos Metas Curriculares Estratégias/ Calendarização 1. Compreender o objeto

Leia mais

ESTUDO PRELIMINAR DA RESSURGÊNCIA NA REGIÃO DE CABO FRIO

ESTUDO PRELIMINAR DA RESSURGÊNCIA NA REGIÃO DE CABO FRIO ESTUDO PRELIMINAR DA RESSURGÊNCIA NA REGIÃO DE CABO FRIO Gustavo Leite da Silva 1 ; M.S. Dourado 2 ; R. N. Candella 3 RESUMO. Ressurgência é o processo de afloramento das massas de água profundas e frias

Leia mais

ANÁLISE SINÓTICA DA ESTIAGEM NO VERÃO 2004/2005 NO OESTE E MEIO-OESTE CATARINENSE

ANÁLISE SINÓTICA DA ESTIAGEM NO VERÃO 2004/2005 NO OESTE E MEIO-OESTE CATARINENSE ANÁLISE SINÓTICA DA ESTIAGEM NO VERÃO 2004/2005 NO OESTE E MEIO-OESTE CATARINENSE 1 Gilsânia Cruz 1 Maria Laura Rodrigues 1 Elaine Canônica 1 Marcelo Moraes 1 RESUMO Neste trabalho é analisada a estiagem

Leia mais

MATERIAIS E METODOLOGIA

MATERIAIS E METODOLOGIA QUANTIFICAÇÃO DA PRECIPITAÇÃO E A RELAÇÃO COM A PRESSÃO ATMOSFÉRICA EM UMA ÁREA DE CULTIVO DE MANGA NO MUNICÍPIO DE CUIARANA-PA SILVA, F. M. 1 ; TORRES, C.S.C. 2 ; SOUSA, A. M. L. 3 ; NUNES, H. G. G. C.

Leia mais

Guião A. Descrição das actividades

Guião A. Descrição das actividades Proposta de Guião para uma Prova Grupo: Ponto de Encontro Disciplina: Inglês, Nível de Continuação, 11.º ano Domínio de Referência: Um Mundo de Muitas Culturas Duração da prova: 15 a 20 minutos 1.º MOMENTO

Leia mais

Bárbara Rodrigues da Silva 3ALEN, 2015

Bárbara Rodrigues da Silva 3ALEN, 2015 Pets reality There are about 30 millions abandoned pets only in Brazil. Among these amount, about 10 millions are cats and the other 20 are dogs, according to WHO (World Health Organization). In large

Leia mais

VARIAÇÃO DA RADIAÇÃO SOLAR AO LONGO DO ANO EM PORTUGAL

VARIAÇÃO DA RADIAÇÃO SOLAR AO LONGO DO ANO EM PORTUGAL VARIAÇÃO DA RADIAÇÃO SOLAR AO LONGO DO ANO EM PORTUGAL O regime térmico de Portugal acompanha a variação da radiação solar global ao longo do ano. Ao longo do ano, os valores da temperatura média mensal

Leia mais

Distinguir os conjuntos

Distinguir os conjuntos A UU L AL A Distinguir os conjuntos Nesta aula, vamos acompanhar como os geógrafos distinguem conjuntos espaciais diferenciados na superfície da Terra. Vamos verificar que tais conjuntos resultam de diferentes

Leia mais

01- O que é tempo atmosférico? R.: 02- O que é clima? R.:

01- O que é tempo atmosférico? R.: 02- O que é clima? R.: PROFESSOR: EQUIPE DE GEOGRAFIA BANCO DE QUESTÕES - GEOGRAFIA - 6º ANO - ENSINO FUNDAMENTAL ============================================================================================= TEMPO ATMOSFÉRICO

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DA CAMADA LIMITE INTERNA NO CENTRO DE LANÇAMENTO DE ALCÂNTARA

DESENVOLVIMENTO DA CAMADA LIMITE INTERNA NO CENTRO DE LANÇAMENTO DE ALCÂNTARA DESENVOLVIMENTO DA CAMADA LIMITE INTERNA NO CENTRO DE LANÇAMENTO DE ALCÂNTARA Luciana B. M. Pires 1, Gilberto Fisch 2, Ralf Gielow. RESUMO - Esse trabalho tem como objetivo estudar a estrutura da turbulência

Leia mais

Os principais tipos climáticos mundiais

Os principais tipos climáticos mundiais Os principais tipos climáticos mundiais Os principais tipos climáticos mundiais 1 massas de ar -Definição - Origens - Tipos - Frentes (fria e quente) 2 Climas -O que define os climas? - Tipos de climas

Leia mais

DOENÇAS RESPIRATÓRIAS E O CLIMA EM JATAÍ-GO

DOENÇAS RESPIRATÓRIAS E O CLIMA EM JATAÍ-GO DOENÇAS RESPIRATÓRIAS E O CLIMA EM JATAÍ-GO Zilda de Fátima Mariano 1 ; Clarissa Cardoso Pereira ; Daiana Rodrigues Sousa 3 ; Ivone Alves de Assis 3 ; Rangell Camillo Nunes de Oliveira 3 1 Coordenadora

Leia mais

NORMAS PARA AUTORES. As normas a seguir descritas não dispensam a leitura do Regulamento da Revista Portuguesa de Marketing, disponível em www.rpm.pt.

NORMAS PARA AUTORES. As normas a seguir descritas não dispensam a leitura do Regulamento da Revista Portuguesa de Marketing, disponível em www.rpm.pt. NORMAS PARA AUTORES As normas a seguir descritas não dispensam a leitura do Regulamento da Revista Portuguesa de Marketing, disponível em www.rpm.pt. COPYRIGHT Um artigo submetido à Revista Portuguesa

Leia mais

Expansão Agrícola e Variabilidade Climática no Semi-Árido

Expansão Agrícola e Variabilidade Climática no Semi-Árido Expansão Agrícola e Variabilidade Climática no Semi-Árido Fabíola de Souza Silva 1, Magaly de Fatima Correia 2, Maria Regina da Silva Aragão 2 1 Bolsista PIBIC/CNPq/UFCG, Curso de Graduação em Meteorologia,

Leia mais

Distribuição e caraterização do clima e das formações vegetais

Distribuição e caraterização do clima e das formações vegetais Distribuição e caraterização do clima e das formações vegetais Distribuição e caraterização do clima e das formações vegetais Início Zonas climáticas No planeta Terra existem cinco grandes zonas climáticas:

Leia mais

TEMPERATURAS MÍNIMAS NO RIO GRANDE DO SUL. PARTE I: COMPARAÇÃO ENTRE ESTAÇÕES E DEPENDÊNCIA COM A TOPOGRAFIA

TEMPERATURAS MÍNIMAS NO RIO GRANDE DO SUL. PARTE I: COMPARAÇÃO ENTRE ESTAÇÕES E DEPENDÊNCIA COM A TOPOGRAFIA TEMPERATURAS MÍNIMAS NO RIO GRANDE DO SUL. PARTE I: COMPARAÇÃO ENTRE ESTAÇÕES E DEPENDÊNCIA COM A TOPOGRAFIA Adriano Battisti 1 Bruno Vidaletti Brum 1 Otavio Costa Acevedo² Vagner Anabor² 1 Faculdade de

Leia mais

Mestrado em Ciências Jurídicas Especialização em História do Direito 2015-16

Mestrado em Ciências Jurídicas Especialização em História do Direito 2015-16 Mestrado em Ciências Jurídicas Especialização em História do Direito Unidade curricular História do Direito Português I (1º sem). Docente responsável e respectiva carga lectiva na unidade curricular Prof.

Leia mais

Welcome to Lesson A of Story Time for Portuguese

Welcome to Lesson A of Story Time for Portuguese Portuguese Lesson A Welcome to Lesson A of Story Time for Portuguese Story Time is a program designed for students who have already taken high school or college courses or students who have completed other

Leia mais

ESTUDO DO CONFORTO TÉRMICO SAZONAL NAS CIDADES DE MACAPÁ-AP E SANTARÉM-PA NA REGIÃO AMAZONICA BRASILEIRA-ANO-2009.

ESTUDO DO CONFORTO TÉRMICO SAZONAL NAS CIDADES DE MACAPÁ-AP E SANTARÉM-PA NA REGIÃO AMAZONICA BRASILEIRA-ANO-2009. ESTUDO DO CONFORTO TÉRMICO SAZONAL NAS CIDADES DE MACAPÁ-AP E SANTARÉM-PA NA REGIÃO AMAZONICA BRASILEIRA-ANO-2009. MAGANO JÚNIO, H. 1 ; ANTÔNIO C. LÔLA DA COSTA 2 ; JOÃO DE A. SILVA JUNIOR 3 ; INGRID M.

Leia mais