IV ENCONTRO ESTADUAL DE HISTÓRIA - ANPUH-BA HISTÓRIA: SUJEITOS, SABERES E PRÁTICAS. 29 de Julho a 1 de Agosto de Vitória da Conquista - BA.

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "IV ENCONTRO ESTADUAL DE HISTÓRIA - ANPUH-BA HISTÓRIA: SUJEITOS, SABERES E PRÁTICAS. 29 de Julho a 1 de Agosto de 2008. Vitória da Conquista - BA."

Transcrição

1 IV ENCONTRO ESTADUAL DE HISTÓRIA - ANPUH-BA HISTÓRIA: SUJEITOS, SABERES E PRÁTICAS. 29 de Julho a 1 de Agosto de Vitória da Conquista - BA. A HISTÓRIA DO TEMPO PRESENTE EM ÉLIO GASPARI Wlamir N. dos Santos Júnior Graduando em História pela Universidade Federal do Recôncavo da Bahia (UFRB) Palavras-chave: Élio Gaspari. Ditadura militar. História do tempo presente. Fontes. Introdução As Ilusões Armadas e O Sacerdote e o Feiticeiro são um conjunto de obras do jornalista que aborda o período militar ocorrido no Brasil de 1964 a O autor começou a trabalhar no projeto em 1984, decidido a escrever um ensai o de 100 páginas, no máximo, sobre o motivo de Ernest Geisel e Golbery do Couto e Silva, que ajudaram o regime a se estabelecer entre 1964 e 1967, resolveram começar a transição (ainda que de forma lenta e gradual) para um regime democrático quando Geisel tornou-se presidente em Entretanto, Gaspari percebeu que teria de escrever muito mais se fosse fazer algo bom dessa forma, considerou em fazer um livro, que longo do tempo em função da necessidade do trabalho, transformou -se em cinco livros. Para escrever esta obra, o autor utilizou de depoimentos e conversas com o próprio Geisel e Golbery, civis e militares da ativa e da reserva que participaram dos governos militares. Golbery cedeu seu arquivo conjunto com Heitor Ferreira (secretário), que cedeu seu diário, no qual registrou eventos relevantes para se entender a história do período. História do presente e o sucesso editorial Vivemos atualmente um boom historiográfico em obras que abordam a história recente, mas em nosso caso discutirem os apenas as obras que abrangem o tema da ditadura militar no Brasil. Tivemos logo após o golpe de 1964, diversos personagens que viveram o momento e se interessaram em registrar suas memórias ou escrever uma interpretação do que havia acontecido. E entre 2002 e 2004 foram publicados as obras As Ilusões Armadas e O Sacerdote e o Feiticeiro cuja repercussão foi enorme e acarretando em um sucesso de vendas. Um dos motivos do sucesso das obras de Gaspari é o interesse dos leitores no que tange a história do T empo Presente. E a grande procura por esse tipo de livros é uma

2 2 necessidade de respostas, já que como exemplo a ditadura militar no Brasil deixou diversas lacunas. E a procura dessas obras se dá pela tentativa de preenchimento destas lacunas. Segundo Jean- François Sirinelli, o historiador trabalha sobre o passado, mesmo que próximo, isto é, sobre o que está abolido. O historiador do presente trabalha sobre um passado mais próximo, com os acontecimentos indefinidos ou até mesmo no meio dele (SANTOS, 2008). De acordo com o historiador Antônio Fernando de Araújo Sá (2006), a questão da história do Tempo Presente é um debate em aberto, e a idéia de história do tempo presente, considerando-a como um conceito em construção, que, por sua vez, expressa uma hist ória também em construção. Bédarida (1996, p. 221) propõe que o caráter inacabado e em constante movimento é, mais do que qualquer outra, constitutivo da história do tempo presente e é esse o desafio que temos que enfrentar quando nos deparamos com a quest ão da responsabilidade social do historiador na abordagem de temas controversos e que ainda tocam indelevelmente a vida das pessoas, em nosso caso podemos citar a ditadura militar. Ainda na obra de Sá (2006) o autor expõe um debate acerca da História do Tempo presente, de forma que o autor afirma que a história do presente se identifica aqui como a história escrita por historiadores que testemunharam os acontecimentos do seu tempo e que esta participação nos acontecimentos é enriquecedora. E segundo o Araújo Sá (2006), Mateos (2000) distingue a história do tempo presente da história do passado recente ou da história imediata. Pois para ele, a história do tempo presente estuda preferencialmente processos históricos que, ainda que sejam recentes, estão já encerrados ou para os quais existe uma mínima distância cronológica. Já Mudrovic (2000) entende por história do tempo presente aquela historiografia que tem pó objeto acontecimentos ou fenômenos sociais que constituem recordações de pelo menos três gerações que compartilham o mesmo presente histórico. Na mesma direção, Frank (1999, p. 117) também critica a noção de história imediata, pois se há imediatismo entre o historiador do presente e a testemunha, é necessária uma mediação na qual passa a reflexão crítica sobre o tempo e pela colocação do depoimento na perspectiva da espessura da duração, tanto do passado próximo, quanto longínquo. Segundo ele, essa é a diferença fundamental entre a história do presente e o trabalho sobre a atualidade, entre o h istoriador e o jornalista. Não entraremos aqui no debate entre história imediata e a do Tempo Presente, pois entedemos neste trabalho como conceitos semelhantes que tratam de uma história recente. O Tempo presente propõe um outro grande debate que é a c onfusão entre jornalistas e historiadores, a briga é sobre a invasão de território. E esta obra de Gaspari pode ser um

3 3 exemplo deste debate, pois historiadores como Marcos Napolitano (2004) apesar de elogiar o jornalista Élio Gaspari em sua intensa pesquis a sobre a ditadura militar e o seu talento narrativo de recompor os detalhes da vida palaciana durante o regime militar, o jornalista quase não problematiza e suas preciosas fontes são transformadas em monumento, conforme a expressão de Jacques Le Goff, sendo pouco problematizadas pelo autor. Observamos que a história após um longo diálogo com as Ciências Sociais, a partir dos Annales agora se vê dialogando com o Jornalismo, de forma que está sendo um intercâmbio bastante proveitoso no que tange a inter disciplinaridade na qual tem sido uma das principais bases para a história do presente e a produção bibliográfica. E esse diálogo com o jornalismo, ainda segundo Araújo S á (2006) confluem ante ao mesmo fato, porém muitas vezes seus métodos são distintos. C omo podemos observar a metodologia de Gaspari com as fontes as quais teve acesso, pois o autor ao que parece nas obras aqui explicitadas, não coteja as fontes de modo a ter uma visão crítica e proporcionar ao leitor um debate teórico, o que difere totalmente do historiador que tem como um dos ofícios vê a legitimidade das fontes e cotejá-las. A história da ditadura militar do Brasil podemos dizer que ainda são veias abertas e que o os respingos de sangue ainda jorram até hoje, de forma que diversos pro tagonistas dessa recente história ainda estão vivos e suas memórias acerca do evento permanecem. E isso dá a peculiaridade da história imediata ou do Tempo Presente, onde uma das suas principais fontes é a história oral, já que é um complemento que pode substituir as fontes que ainda não foram liberadas ou que outras fontes como o escrito, gravado, etc. não conseguiu representar. Observamos que a memória é um fator extremamente presente nesse tipo de História onde os seus personagens vivenciaram essa histór ia e produzem acerca de sua experiência e isso cada vez mais está freqüente no mercado editorial. O autor das obras As Ilusões Armadas e O Sacerdote e o Feiticeiro logo no prefácio expõe as impressionantes fontes ao qual teve acesso e isso em nosso po nto de Vista é um dos principais fatores que diferenciam essas obras de outras do mesmo período. As fontes orais foram preciosicissimas para a realização destas obras, de forma que segundo o autor Somam-se cerca de duzentas as pessoas com as quais busquei informações ao longo de dezoito anos. Algumas em demoradas conversas, outras em telefonemas breves. GASPARI, 2002, pg. 16 E o que é mais interessante nestas obras é que as fontes são todas citadas, nome por nome. Realmente o acervo de fontes a qual o j ornalista Gaspari teve acesso é incrível. Mas de todas as fontes orais, a mais importante foram as longas entrevistas e conversas com o

4 4 General Geisel e o general Golbery do Couto e Silva, cuja longa convivência com ambos, talvez tenha tornado a narrativa muito tendenciosa no que tange ao papel desses militares na ditadura militar. Pois Gaspari mostra os generais Geisel e Golbery como quem fizeram o que deviam ter feito para devolver o povo a democracia e os seus exageros são justificáveis por um bem maior. Observamos a partir das fontes orais tão utilizadas por Gaspa ri, que nenhum outro documento daria ao pesquisador a subjetividade que a que ela propicia. E que ela deve ser tratada com todos os cuidados da profissão por bons historiadores, o depoimento é a arma por excelência do historiador do tempo presente (SANTOS, 2008). Segundo Napolitano (2004), ele argumenta que apesar de Gaspari tratar com estilo o tema do golpe e do regi me militar no debate público, os livros, no entanto, correm o risco de ensejar uma leitura acrítica e cheia de armadilhas metodológicas. Ocupando, de maneira legitima o vácuo deixado pela historiografia política que abriu mão de contar a história em prol de uma hiper teorização nem sempre acessível ao leitor cul to, mas leigo, As Ilusões Armadas e O Sacerdote e o Feiticeiro demandam uma leitura crítica que faça saltar, da bela articulação narrativa, os problemas teórico -metodológica e as escolhas ideológicas do autor, cuja força sedutora da narrativa consegue ocultar. Considerações finais Os fatores do sucesso das obras de Gaspari se dá por diversos outros motivos, que devem ser analisados crite riosamente, tais como a narrativa jornalística cuja produção tem sido vista como mais atraente por apresentar uma narrativa de leitu ra mais agradável e de mais fácil compreensão, a intensa publicidade feita acerca das obras e isso gera uma curiosidade do público, o papel da Editora, que no caso das obras de Gaspari a Companhia das Letras que é uma das maiores do Brasil deu um grande su porte e finalmente o interesse do público que é nos últimos tempos tem sido crescente a demanda pela história vivida recentemente e a valorização do Tempo Presente. Referências BÉDARIDA, François. Tempo presente e presença na histór ia. In: FERREIRA, Mar ieta de M.; AMADO, Janaína (Org.). Usos e abusos da História Oral. Rio de Janeiro: Editora da FGV, p. 221.

5 5 FRANK, Robert. Questões para as fontes do presente. In: CHAVEAU, A. ; TÉTARD, Ph. (Org.). Questões para a história do presente. Bauru/SP: EDUSC, p GASPARI, E. A ditadura envergonhada. São Paulo: Companhia das Letras, (Coleção As Ilusões Armadas, v. 1).. A ditadura escancarada. São Paulo: Companhia das Letras, (Coleção As Ilusões Armadas, v. 2).. A ditadura encurralada. São Paulo: Companhia das Letras, (Coleção O Sacerdote e o Feiticeiro, v. 3).. A ditadura derrotada. São Paulo: Companhia das Letras, (Coleção O Sacerdote e o Feiticeiro, v. 4). MATEOS, Abdón. Hist ória, memória, tempo presente. Hispania Nova: Revista de História Contemporánea. Disponível em: <http://hispanianova.rediris.es >. Acesso em: 13 abr MUDROVCIC, Maria In és. Alguns consideraciones epistemológicas para una Historia Del Presente. Hispania Nova: Revista de H istória Contemporánea, Madri, , n. 1. Disponível em: <http://hispanianova.rediris.es >. Acesso em: 13 abr NAPOLITANO, Marcos. Historiografia, memória e história do regime militar brasileiro. Revista de Sociologia e Política, Curitiba, n. 23, p , nov SÁ, Antônio Fernando de A. A história do presente como tempo da memória. Semina, Passo Fundo/RS, v. 4, p. 1-14, SANTOS, Jean Mac Cole Tavares. Es posible una historia inmediata? História Imediata/Debates. Disponível em: <http://www.h-debate.com/spanish/debateesp/hinmediata/tavares.htm >. Acesso em: 12 abr

Os Direitos Humanos no debate parlamentar da Câmara dos Deputados nos anos da ditadura militar (1964-1985)

Os Direitos Humanos no debate parlamentar da Câmara dos Deputados nos anos da ditadura militar (1964-1985) RÓBINSON TAVARES DE ARAÚJO Os Direitos Humanos no debate parlamentar da Câmara dos Deputados nos anos da ditadura militar (1964-1985) Projeto de pesquisa apresentado ao Programa de Pós- Graduação do Cefor,

Leia mais

História Oral: panorama histórico e reflexões para o presente. Profa. Dra. Suzana Lopes Salgado Ribeiro

História Oral: panorama histórico e reflexões para o presente. Profa. Dra. Suzana Lopes Salgado Ribeiro História Oral: panorama histórico e reflexões para o presente Profa. Dra. Suzana Lopes Salgado Ribeiro O que é História Oral? Processo de trabalho que privilegia o diálogo e a colaboração de sujeitos considerando

Leia mais

Golpe Militar: A Psicologia e o Movimento Estudantil do Rio Grande do Sul

Golpe Militar: A Psicologia e o Movimento Estudantil do Rio Grande do Sul 1919 X Salão de Iniciação Científica PUCRS Golpe Militar: A Psicologia e o Movimento Estudantil do Rio Grande do Sul Pâmela de Freitas Machado 1, Helena B.K.Scarparo 1 (orientadora) 1 Faculdade Psicologia,

Leia mais

CONCEITOS. Geografia Democracia. * Cultura. Inserção social exclusão social.

CONCEITOS. Geografia Democracia. * Cultura. Inserção social exclusão social. CONCEITOS Geografia Democracia. * Cultura. Inserção social exclusão social. História Democracia. * Representação política. Sistemas de governo. Anistia política. Mobilização social. Movimentos populares.

Leia mais

PROGRAMA DA DISCIPLINA

PROGRAMA DA DISCIPLINA UPE Campus Petrolina PROGRAMA DA DISCIPLINA Curso: Licenciatura em História Disciplina: Métodos e técnicas de pesquisa Histórica Carga Horária: 45h Teórica: 45h Prática: Semestre: 23.2 Professor: Reinaldo

Leia mais

Dicionário. Conceitos. Históricos

Dicionário. Conceitos. Históricos Dicionário de Conceitos Históricos Kalina Vanderlei Silva Maciel Henrique Silva Dicionário de Conceitos Históricos Copyright 2005 Kalina Vanderlei Silva e Maciel Henrique Silva Todos os direitos desta

Leia mais

COMUNICAÇÃO INDIVIDUAL JORNALISMO, HISTÓRIA E OPINIÃO: A DITADURA DE 64 EM DEBATE

COMUNICAÇÃO INDIVIDUAL JORNALISMO, HISTÓRIA E OPINIÃO: A DITADURA DE 64 EM DEBATE II ENCONTRO NACIONAL DE PESQUISADORES EM JORNALISMO SOCIEDADE BRASILEIRA DE PESQUISADORES EM JORNALISMO SBPJor FACULDADE DE COMUNICAÇÃO - UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA 26 E 27 DE NOVEMBRO DE 2004 SALVADOR

Leia mais

NO TEMPO DA MINHA AVÓ: REFLEXÃO E USO DA HISTÓRIA ORAL EM SALA DE AULA

NO TEMPO DA MINHA AVÓ: REFLEXÃO E USO DA HISTÓRIA ORAL EM SALA DE AULA NO TEMPO DA MINHA AVÓ: REFLEXÃO E USO DA HISTÓRIA ORAL EM SALA DE AULA Juliana de Oliveira Meirelles Camargo Universidade Candido Mendes/ Instituto Prominas e-mail: Ju_meirelles@yahoo.com.br Léa Mattosinho

Leia mais

A QUERELA JORNALISMO/HISTORIA NA OBRA DE ELIO GASPARI: PROBLEMATIZANDO O USO DAS FONTES 1.

A QUERELA JORNALISMO/HISTORIA NA OBRA DE ELIO GASPARI: PROBLEMATIZANDO O USO DAS FONTES 1. 1 A QUERELA JORNALISMO/HISTORIA NA OBRA DE ELIO GASPARI: PROBLEMATIZANDO O USO DAS FONTES 1. Marcos Manoel Silva Severiano 2 Sônia Meneses 3 Resumo: Este artigo pretende pontuar alguns elementos introdutórios

Leia mais

ANÁLISE DAS CATEGORIAS SUBVERSÃO E RESISTÊNCIA A PARTIR DA RELAÇÃO IGREJA- ESTADO DURANTE A DITADURA MILITAR NO BRASIL Camila da Silva Portela *

ANÁLISE DAS CATEGORIAS SUBVERSÃO E RESISTÊNCIA A PARTIR DA RELAÇÃO IGREJA- ESTADO DURANTE A DITADURA MILITAR NO BRASIL Camila da Silva Portela * ANÁLISE DAS CATEGORIAS SUBVERSÃO E RESISTÊNCIA A PARTIR DA RELAÇÃO IGREJA- ESTADO DURANTE A DITADURA MILITAR NO BRASIL Camila da Silva Portela * Este artigo traz indagações referentes a uma pesquisa mais

Leia mais

A MENINA DOS OLHOS DA REPRESSÃO : DISCUTINDO DITADURA MILITAR E MÚSICA POPULAR BRASILEIRA NO ENSINO DE HISTÓRIA EM SALA DE AULA.

A MENINA DOS OLHOS DA REPRESSÃO : DISCUTINDO DITADURA MILITAR E MÚSICA POPULAR BRASILEIRA NO ENSINO DE HISTÓRIA EM SALA DE AULA. A MENINA DOS OLHOS DA REPRESSÃO : DISCUTINDO DITADURA MILITAR E MÚSICA POPULAR BRASILEIRA NO ENSINO DE HISTÓRIA EM SALA DE AULA. Autora: Mestra Rosicleide Henrique da Silva Universidade Federal de Campina

Leia mais

EMENTAS DAS DISCIPLINAS

EMENTAS DAS DISCIPLINAS EMENTAS DAS DISCIPLINAS CURSO DE GRADUAÇÃO DE PEDAGOGIA Disciplina: Comunicação e Expressão Ementa: A leitura como vínculo leitor/texto através do conhecimento veiculado pelo texto escrito. Interpretação:

Leia mais

ABERTURA DOS ARQUIVOS DA DITADURA (CIVIL) MILITAR

ABERTURA DOS ARQUIVOS DA DITADURA (CIVIL) MILITAR CONGRESSO INTERNACIONAL INTERDISCIPLINAR EM SOCIAIS E HUMANIDADES Niterói RJ: ANINTER-SH/ PPGSD-UFF, 03 a 06 de Setembro de 2012, ISSN 2316-266X ABERTURA DOS ARQUIVOS DA DITADURA (CIVIL) MILITAR Cesar

Leia mais

Geyso D. Germinari Universidade Estadual do Centro-Oeste

Geyso D. Germinari Universidade Estadual do Centro-Oeste O ENSINO DE HISTÓRIA LOCAL E A FORMAÇÃO DA CONSCIÊNCIA HISTÓRICA DE ALUNOS DO 6º ANO DO ENSINO FUNDAMENTAL: UMA EXPERIÊNCIA COM A UNIDADE TEMÁTICA INVESTIGATIVA Geyso D. Germinari Universidade Estadual

Leia mais

Circuito de Oficinas: Mediação de Leitura em Bibliotecas Públicas

Circuito de Oficinas: Mediação de Leitura em Bibliotecas Públicas Circuito de Oficinas: Mediação de Leitura em Bibliotecas Públicas outubro/novembro de 2012 A leitura mediada na formação do leitor. Professora Marta Maria Pinto Ferraz martampf@uol.com.br A leitura deve

Leia mais

Palavras-chave: Mediação Cultural; Autonomia; Diversidade.

Palavras-chave: Mediação Cultural; Autonomia; Diversidade. Um olhar sobre a diversidade dos educativos da Fundaj 1 Maria Clara Martins Rocha Unesco / MG Maria José Gonçalves Fundaj / PE RESUMO Os programas educativos nos diferentes equipamentos culturais da Fundação

Leia mais

EIXOS TEMÁTICOS REFERENCIAS BIBLIOGRÁFICAS

EIXOS TEMÁTICOS REFERENCIAS BIBLIOGRÁFICAS EIXOS TEMÁTICOS 1. Cultura, saberes e práticas escolares e pedagógicas na educação profissional e tecnológica: arquivos escolares, bibliotecas e centros de documentação. Para este eixo temático espera

Leia mais

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE SÃO PAULO Faculdade de Educação PROJETO DE PESQUISA

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE SÃO PAULO Faculdade de Educação PROJETO DE PESQUISA PROJETO DE PESQUISA INSTITUIÇÕES E INTELECTUAIS DA EDUCAÇÃO NO BRASIL: HISTÓRIA, IDEIAS E TRAJETÓRIAS Responsável: Prof. Dr. Mauro Castilho Gonçalves O projeto investiga a história de instituições educativas

Leia mais

O MUSEU E SUA FUNÇÃO SOCIAL PELO MAPEAMENTO DAS REDES SOCIAIS DOS MUSEUS Weidson Leles GOMES 1

O MUSEU E SUA FUNÇÃO SOCIAL PELO MAPEAMENTO DAS REDES SOCIAIS DOS MUSEUS Weidson Leles GOMES 1 O MUSEU E SUA FUNÇÃO SOCIAL PELO MAPEAMENTO DAS REDES SOCIAIS DOS MUSEUS Weidson Leles GOMES 1 Resumo: O presente Artigo busca abordar a pretensão dos museus de cumprir uma função social e a emergência

Leia mais

Fernando Novais: Braudel e a " missão francesa"

Fernando Novais: Braudel e a  missão francesa Fernando Novais: Braudel e a " missão francesa" Estudos Avançados Qual a contribuição dos historiadores franceses e dos cientistas da França para a evolução da Faculdade de Filosofia, Ciências e Letras

Leia mais

JORNALISMO RETROSPECTIVO E QUASE-HISTÓRIA

JORNALISMO RETROSPECTIVO E QUASE-HISTÓRIA JORNALISMO RETROSPECTIVO E QUASE-HISTÓRIA (IMAGINEM SE A DITADURA FOSSE DESAVERGONHADA!) Marcos Silva Professor no Departamento de História da FFLCH-USP Resenhar o livro A Ditadura Envergonhada, de Elio

Leia mais

Memórias e trajetórias do golpe militar pelo Brasil

Memórias e trajetórias do golpe militar pelo Brasil Arquivo Público do Estado de São Paulo APESP Núcleo de Ação Educativa NAE Luciana Oliveira Correia Sequencia Didática: Memórias e trajetórias do golpe militar pelo Brasil São Paulo SP 2013 1 Apresentação

Leia mais

Fundação Escola de Sociologia e Política de São Paulo FESPSP PROGRAMA DE DISCIPLINA

Fundação Escola de Sociologia e Política de São Paulo FESPSP PROGRAMA DE DISCIPLINA 1 Fundação Escola de Sociologia e Política de São Paulo FESPSP PROGRAMA DE DISCIPLINA No equilíbrio entre as várias partes do livro, dei maior peso à fase que se inicia nos fins do século XIX e vai até

Leia mais

A fotografia como testemunho material das reflexões de alunos do ensino médio na aula de arte.

A fotografia como testemunho material das reflexões de alunos do ensino médio na aula de arte. A fotografia como testemunho material das reflexões de alunos do ensino médio na aula de arte. Doutorando: Laudo Rodrigues Sobrinho Universidade Metodista de Piracicaba-UNIMEP e-mail: laudinho@bol.com.br

Leia mais

Título: Conflitos teológicos e políticos da Igreja Católica Brasileira presente nos artigos das revistas: Hora Presente e Permanência.

Título: Conflitos teológicos e políticos da Igreja Católica Brasileira presente nos artigos das revistas: Hora Presente e Permanência. Título: Conflitos teológicos e políticos da Igreja Católica Brasileira presente nos artigos das revistas: Hora Presente e Permanência. Nome: Glauco Costa de Souza (Graduando Unesp/Assis). e-mail: glaucojerusalem@hotmail.com

Leia mais

A GESTÃO DEMOCRÁTICA DO PROJETO POLÍTICO-PEDAGÓGICO NA ESCOLA PÚBLICA DE EDUCAÇÃO BÁSICA

A GESTÃO DEMOCRÁTICA DO PROJETO POLÍTICO-PEDAGÓGICO NA ESCOLA PÚBLICA DE EDUCAÇÃO BÁSICA A GESTÃO DEMOCRÁTICA DO PROJETO POLÍTICO-PEDAGÓGICO NA ESCOLA PÚBLICA DE EDUCAÇÃO BÁSICA Adriano Ribeiro¹ adrianopercicotti@pop.com.br Resumo: A gestão democrática do Projeto Político-Pedagógico na escola

Leia mais

PRÁTICAS DE LEITURAS SIGNIFICATIVAS NOS ANOS INICIAIS DO ENSINO FUNDAMENTAL

PRÁTICAS DE LEITURAS SIGNIFICATIVAS NOS ANOS INICIAIS DO ENSINO FUNDAMENTAL PRÁTICAS DE LEITURAS SIGNIFICATIVAS NOS ANOS INICIAIS Resumo DO ENSINO FUNDAMENTAL MARTINS, Esilda Cruz UEPG maria.esilda@hotmail.com Eixo Temático: Práticas e Estágios nas Licenciaturas. Agência Financiadora:

Leia mais

SANTOS, Emille Ribeiros 1 Email: emilleribeiro87@gmail.com Orientadora: Profa. Dra. Avanete Pereira Sousa 2

SANTOS, Emille Ribeiros 1 Email: emilleribeiro87@gmail.com Orientadora: Profa. Dra. Avanete Pereira Sousa 2 ACERVO, PATRIMÔNIO E MEMÓRIA: A DOCUMENTAÇÃO DA JUSTIÇA DO TRABALHO DE VITÓRIA DA CONQUISTA EXISTENTE NO LABORATÓRIO DE HISTÓRIA SOCIAL DO TRABALHO (LHIST/UESB) SANTOS, Emille Ribeiros 1 Email: emilleribeiro87@gmail.com

Leia mais

Um Estudo Histórico Sobre o Ensino de Matemática em Cursos de EJA

Um Estudo Histórico Sobre o Ensino de Matemática em Cursos de EJA Um Estudo Histórico Sobre o Ensino de Matemática em Cursos de EJA Ana Rafaela Correia Ferreira 1 GD5 História da Matemática e Cultura Resumo do trabalho: Este trabalho apresenta considerações de uma pesquisa

Leia mais

O COLÉGIO MILITAR DE BRASÍLIA (de 1978 a 2010): 32 ANOS FORMANDO O CIDADÃO BRASILIENSE. 1

O COLÉGIO MILITAR DE BRASÍLIA (de 1978 a 2010): 32 ANOS FORMANDO O CIDADÃO BRASILIENSE. 1 O COLÉGIO MILITAR DE BRASÍLIA (de 1978 a 2010): 32 ANOS FORMANDO O CIDADÃO BRASILIENSE. 1 Jorge Luiz Pereira Felix 2 RESUMO: Com o objetivo de compreender o processo de construção e institucionalização

Leia mais

OLIVEIRA, Luciano Amaral. Coisas que todo professor de português precisa saber: a teoria na prática. São Paulo: 184 Parábola Editorial, 2010.

OLIVEIRA, Luciano Amaral. Coisas que todo professor de português precisa saber: a teoria na prática. São Paulo: 184 Parábola Editorial, 2010. Resenha OLIVEIRA, Luciano Amaral. Coisas que todo professor de português precisa saber: a teoria na prática. São Paulo: 184 Parábola Editorial, 2010. Leticia Macedo Kaeser * leletrasufjf@gmail.com * Aluna

Leia mais

Palavras-chave: PIBID; Ditadura civil-militar; História Oral; memória; entrevistas.

Palavras-chave: PIBID; Ditadura civil-militar; História Oral; memória; entrevistas. A DITADURA LÁ EM CASA : APRENDENDO HISTÓRIA A PARTIR DE ENTREVISTAS Heloisa Pires Fazion Rebecca Carolline Moraes da Silva (PIBID/História/UEL) Resumo: A ditadura militar tornou-se um fato marcante na

Leia mais

UMA HISTÓRIA EM COMUM ENTRE CUBA E ESPANHA

UMA HISTÓRIA EM COMUM ENTRE CUBA E ESPANHA RESENHAS UMA HISTÓRIA EM COMUM ENTRE CUBA E ESPANHA Por Diogo Roiz 1 FRAGINALS, Manuel Moreno. Cuba/Espanha, Espanha/Cuba. Uma história comum. Tradução de Ilka Stern Cohen. Bauru/SP: Edusc, 2005, 374p.

Leia mais

A DITADURA BRASILEIRA DE 1964

A DITADURA BRASILEIRA DE 1964 A DITADURA BRASILEIRA DE 1964 Dalmo A. Dallari * 1. A DITADURA E SUAS VARIANTES A história da humanidade tem sido uma confirmação reiterada do acerto da advertência do eminente político e historiador inglês

Leia mais

Curso de Relações Internacionais

Curso de Relações Internacionais UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA CÂMPUS DE MARÍLIA Faculdade de Filosofia e Ciências Curso de Relações Internacionais 1 º. ano Disciplina: Introdução à História Profª Lidia M. V. Possas Lidia. M. V. Possas

Leia mais

OS MEDIADORES NAS HISTÓRIAS DE LEITURA DOS PROFESSORES Jeovana Alves de Lima Oliveira Secretaria de Educação do Estado da Bahia

OS MEDIADORES NAS HISTÓRIAS DE LEITURA DOS PROFESSORES Jeovana Alves de Lima Oliveira Secretaria de Educação do Estado da Bahia OS MEDIADORES NAS HISTÓRIAS DE LEITURA DOS PROFESSORES Jeovana Alves de Lima Oliveira Secretaria de Educação do Estado da Bahia INTRODUÇÃO: A proposta desse trabalho é apresentar a pesquisa de Mestrado,

Leia mais

Frei Liberdade Luiz Antonio Aguiar PROJETO DE LEITURA. O autor

Frei Liberdade Luiz Antonio Aguiar PROJETO DE LEITURA. O autor Frei Liberdade Luiz Antonio Aguiar PROJETO DE LEITURA 1 O autor Luiz Antonio Aguiar nasceu em 1955, no Rio de Janeiro. Mestre em Literatura Brasileira, pela PUC-RJ, com tese sobre leitura na cultura de

Leia mais

PROCESSOS CRIMES: SUA IMPORTÂNCIA COMO FONTE PRIMÁRIA. 1

PROCESSOS CRIMES: SUA IMPORTÂNCIA COMO FONTE PRIMÁRIA. 1 199 PROCESSOS CRIMES: SUA IMPORTÂNCIA COMO FONTE PRIMÁRIA. 1 FERIOTO, Diego Gomes. 2 RESUMO Apresentaremos resultados parciais da pesquisa que pretende enfatizar a importância dos processos criminais como

Leia mais

NARCIZO, Makchwell Coimbra; BERBERT JUNIOR, Carlos Oiti.

NARCIZO, Makchwell Coimbra; BERBERT JUNIOR, Carlos Oiti. A negação do holocausto vista à luz da Teoria da História: Uma análise dos trabalhos negacionistas enquanto História e suas conseqüências para a epistemologia. (De Rassinier ao Historical Review). NARCIZO,

Leia mais

SITUAÇÃO DE PRODUÇÃO DA RESENHA NO ENSINO SUPERIOR

SITUAÇÃO DE PRODUÇÃO DA RESENHA NO ENSINO SUPERIOR RESENHA Neste capítulo, vamos falar acerca do gênero textual denominado resenha. Talvez você já tenha lido ou elaborado resenhas de diferentes tipos de textos, nas mais diversas situações de produção.

Leia mais

1 REGISTRO, Tânia Cristina. O arranjo de fotografias em unidades de informação: fundamentos teóricos e

1 REGISTRO, Tânia Cristina. O arranjo de fotografias em unidades de informação: fundamentos teóricos e Michelle Cartolano de Castro Ribeiro. Catolicismo e Espiritismo: potenciais de pesquisa a partir do Fundo José Pedro Miranda (Centro Universitário Barão de Mauá pós-graduando) O espaço de estudo usado

Leia mais

ARQUIVOS E FONTES DE HISTÓRIA DA EDUCAÇÃO E A PRESERVAÇÃO DA MEMÓRIA EDUCATIVA

ARQUIVOS E FONTES DE HISTÓRIA DA EDUCAÇÃO E A PRESERVAÇÃO DA MEMÓRIA EDUCATIVA ARQUIVOS E FONTES DE HISTÓRIA DA EDUCAÇÃO E A PRESERVAÇÃO DA MEMÓRIA EDUCATIVA Autor(es) ALLINE CRISTINA BASSO; LUCCAS ESCHER GUARASEMINI Introdução Dominando a produção histórica de 1880 a 1945, o positivismo

Leia mais

As propostas do. Dimensão Histórica Cívica Artística Social Pedagógica

As propostas do. Dimensão Histórica Cívica Artística Social Pedagógica As propostas do LIVRO Livre Dimensão Histórica Cívica Artística Social Pedagógica Dimensão Histórica: Conhecimento do passado histórico: 25 de Abril, Estado Novo, Guerra Colonial, Descolonização e Democracia;

Leia mais

O PROJETO PIBID: PRÁTICA PEDAGÓGICA INOVADORA DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE.

O PROJETO PIBID: PRÁTICA PEDAGÓGICA INOVADORA DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE. O PROJETO PIBID: PRÁTICA PEDAGÓGICA INOVADORA DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE. Joelma Carvalho Vilar(UFS) 1 Cleverton dos Santos(UFS) 2 Érica Santos de Jesus(UFS) 3 Vera Lúcia Mendes de Farias(UFS)

Leia mais

PEDAGOGIA. 1. ATIVIDADES COMPLEMENTARES O aluno deve comprovar 100h de atividades no decorrer do curso.

PEDAGOGIA. 1. ATIVIDADES COMPLEMENTARES O aluno deve comprovar 100h de atividades no decorrer do curso. PEDAGOGIA Ementas das Disciplinas 1. ATIVIDADES COMPLEMENTARES O aluno deve comprovar 100h de atividades no decorrer do curso. 2. COMUNICAÇÃO E EXPRESSÃO Leitura e compreensão de textos. Gêneros textuais.

Leia mais

Palavras-chave: Leitura. Oralidade. (Re)escrita. Introdução

Palavras-chave: Leitura. Oralidade. (Re)escrita. Introdução 12. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ÁREA TEMÁTICA: ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA (X ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( ) SAÚDE ( ) TRABALHO ( ) TECNOLOGIA OS TEXTOS

Leia mais

EMENTAS DAS DISCIPLINAS

EMENTAS DAS DISCIPLINAS EMENTAS DAS DISCIPLINAS CURSO DE GRADUAÇÃO DE PEDAGOGIA Comunicação e Expressão: Leitura e compreensão de textos. Gêneros textuais. Linguagem verbal e não verbal. Linguagem literária. Variação da língua,

Leia mais

Arcoverde: Páginas que Ninguém Leu 1. Aline de Souza Silva SIQUEIRA 2 Adriana Xavier Dória MATOS 3 Universidade Católica de Pernambuco, Recife, PE

Arcoverde: Páginas que Ninguém Leu 1. Aline de Souza Silva SIQUEIRA 2 Adriana Xavier Dória MATOS 3 Universidade Católica de Pernambuco, Recife, PE Arcoverde: Páginas que Ninguém Leu 1 Aline de Souza Silva SIQUEIRA 2 Adriana avier Dória MATOS 3 Universidade Católica de Pernambuco, Recife, PE RESUMO Este trabalho se propõe uma jornada Arcoverde adentro

Leia mais

1 Doutora em História Social pela Universidade Federal do Rio de Janeiro; Professora Adjunta I do Núcleo de

1 Doutora em História Social pela Universidade Federal do Rio de Janeiro; Professora Adjunta I do Núcleo de 1 1 Doutora em História Social pela Universidade Federal do Rio de Janeiro; Professora Adjunta I do Núcleo de Museologia da Universidade Federal de Sergipe; Líder do Grupo de Estudos e Pesquisas em Memória

Leia mais

JORGE BORGES DE MACEDO (1921-1996) Por Álvaro Costa de Matos 1. 1. Bibliografia activa essencial

JORGE BORGES DE MACEDO (1921-1996) Por Álvaro Costa de Matos 1. 1. Bibliografia activa essencial JORGE BORGES DE MACEDO (1921-1996) Por Álvaro Costa de Matos 1 1. Bibliografia activa essencial É vastíssima a obra de Jorge Borges de Macedo. Ao todo engloba aproximadamente 400 títulos, ou talvez mais

Leia mais

Jaime Wright por Dom Paulo Evaristo Arns

Jaime Wright por Dom Paulo Evaristo Arns Jaime Wright por Dom Paulo Evaristo Arns "Éramos dois contratados de Deus" JOSÉ MARIA MAYRINK (Jornal do Brasil - 13/6/99) SÃO PAULO - Campeão da defesa dos direitos humanos durante os anos da ditadura

Leia mais

BOLETIM CEDES JULHO-AGOSTO 2015 ISSN 1982-1522. Diálogo institucional?

BOLETIM CEDES JULHO-AGOSTO 2015 ISSN 1982-1522. Diálogo institucional? BOLETIM CEDES JULHO-AGOSTO 2015 ISSN 1982-1522 Diálogo institucional? Igor Suzano Machado * Há algumas semanas, estive num congresso em que se discutiu a ideia de "diálogo institucional" como possível

Leia mais

EDUCAÇÃO, LETRAMENTO E ALFABETIZAÇÃO A PARTIR DO FILME NARRADORES DE JAVÉ

EDUCAÇÃO, LETRAMENTO E ALFABETIZAÇÃO A PARTIR DO FILME NARRADORES DE JAVÉ EDUCAÇÃO, LETRAMENTO E ALFABETIZAÇÃO A PARTIR DO FILME NARRADORES DE JAVÉ Geane Apolinário Oliveira Graduada em Pedagogia pela Universidade Estadual da Paraíba (UEPB) - Geane-cg@hotmail.com RESUMO: Este

Leia mais

EDUCAÇÃO AMBIENTAL EM GEOGRAFIA: O USO DA CHARGE COMO INSTRUMENTO DE ANÁLISE PARA AS NECESSIDADES ATUAIS

EDUCAÇÃO AMBIENTAL EM GEOGRAFIA: O USO DA CHARGE COMO INSTRUMENTO DE ANÁLISE PARA AS NECESSIDADES ATUAIS EDUCAÇÃO AMBIENTAL EM GEOGRAFIA: O USO DA CHARGE COMO INSTRUMENTO DE ANÁLISE PARA AS NECESSIDADES ATUAIS Kaio Santos Diniz Graduado em Geografia pela Universidade Estadual da Paraiba, professor da disciplina

Leia mais

Como citar este artigo Número completo Mais artigos Home da revista no Redalyc

Como citar este artigo Número completo Mais artigos Home da revista no Redalyc Diálogos - Revista do Departamento de História e do Programa de Pós-Graduação em História ISSN: 1415-9945 rev-dialogos@uem.br Universidade Estadual de Maringá Brasil de Melo Salgueiro, Eduardo "O MAIOR

Leia mais

OFICINA DE ESCRITA E REESCRITA DE TEXTOS PARA ALUNOS DO ENSINO FUNDAMENTAL

OFICINA DE ESCRITA E REESCRITA DE TEXTOS PARA ALUNOS DO ENSINO FUNDAMENTAL OFICINA DE ESCRITA E REESCRITA DE TEXTOS PARA ALUNOS DO ENSINO FUNDAMENTAL Profª Drª Suzana Lima Vargas UFJF suzana_lima@uol.com.br Aida do Amaral Antunes UFJF amaral.aida@yahoo.com.br Andreza de Souza

Leia mais

MEMÓRIA: TEORIA E PRÁTICA EM UMA ANTIGA ESCOLA AGROTÉCNICA FEDERAL DO SUL DE MINAS

MEMÓRIA: TEORIA E PRÁTICA EM UMA ANTIGA ESCOLA AGROTÉCNICA FEDERAL DO SUL DE MINAS MEMÓRIA: TEORIA E PRÁTICA EM UMA ANTIGA ESCOLA AGROTÉCNICA FEDERAL DO SUL DE MINAS Raquel Puttini Aluna do Curso Técnico em Alimentos IFSULDEMINAS Câmpus Inconfidentes MG Bolsista GPPEX IFSULDEMINAS Roberto

Leia mais

Matriz de referência DE CIÊNCIAS HUMANAS E SUAS TECNOLOGIAS AVALIE BA 2012 - ENSINO MÉDIO

Matriz de referência DE CIÊNCIAS HUMANAS E SUAS TECNOLOGIAS AVALIE BA 2012 - ENSINO MÉDIO D01 (H) - Reconhecer a História como produto histórico, social e cultural e suas implicações na produção historiográfica. D02 (H) - Reconhecer o ofício do historiador como produtor do conhecimento histórico.

Leia mais

[REVISTA CONTEMPORÂNEA DOSSIÊ 1964-2014: 50 ANOS DEPOIS, A CULTURA AUTORITÁRIA EM QUESTÃO]

[REVISTA CONTEMPORÂNEA DOSSIÊ 1964-2014: 50 ANOS DEPOIS, A CULTURA AUTORITÁRIA EM QUESTÃO] 1 Os incontáveis matizes de cinza (NAPOLITANO, Marcos. 1964: História do Regime Militar Brasileiro. São Paulo: Contexto, 2014.) Luisa Quarti Lamarão * A julgar por sua aparência, o livro 1964: História

Leia mais

A RELAÇÃO ENTRE A GESTÃO ADOTADA NA ESCOLA E A CONSTRUÇÃO DO PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO

A RELAÇÃO ENTRE A GESTÃO ADOTADA NA ESCOLA E A CONSTRUÇÃO DO PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO A RELAÇÃO ENTRE A GESTÃO ADOTADA NA ESCOLA E A CONSTRUÇÃO DO PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO Maribel Manfrim Rohden PUCPR Ana Maria Eyng PUCPR Este trabalho apresenta a reflexão desenvolvida num projeto de

Leia mais

A história oral como metodologia de pesquisa: um olhar sobre a Escola Normal em Campo Grande 1

A história oral como metodologia de pesquisa: um olhar sobre a Escola Normal em Campo Grande 1 A história oral como metodologia de pesquisa: um olhar sobre a Escola Normal em Campo Grande 1 Ana Carolina de S. R. dos Reis Acadêmica do Programa de Pós-Graduação em Educação Matemática da UFMS anacarol.ribas@hotmail.com

Leia mais

Crack: o drama de uma escolha 1. Isadora Nicastro Schwanke JULIÃO 2 Ana Paula MIRA 3 Universidade Positivo, PR

Crack: o drama de uma escolha 1. Isadora Nicastro Schwanke JULIÃO 2 Ana Paula MIRA 3 Universidade Positivo, PR Crack: o drama de uma escolha 1 Isadora Nicastro Schwanke JULIÃO 2 Ana Paula MIRA 3 Universidade Positivo, PR RESUMO Esse trabalho se propõe a explicar o processo de produção da reportagem Crack: o drama

Leia mais

Em busca do arquivo perdido: a Assessoria Especial de Segurança e Informação da Universidade Federal do Espírito Santo (AESI/Ufes).

Em busca do arquivo perdido: a Assessoria Especial de Segurança e Informação da Universidade Federal do Espírito Santo (AESI/Ufes). Em busca do arquivo perdido: a Assessoria Especial de Segurança e Informação da Universidade Federal do Espírito Santo (AESI/Ufes). RESUMO: O principal objetivo deste artigo é apresentar os problemas relacionados

Leia mais

A DIVERSIDADE CULTURAL A PARTIR DO FILME URGA UMA PAIXÃO NO FIM DO MUNDO : UMA (RE)LEITURA DE ATITUDES, VALORES E CULTURA

A DIVERSIDADE CULTURAL A PARTIR DO FILME URGA UMA PAIXÃO NO FIM DO MUNDO : UMA (RE)LEITURA DE ATITUDES, VALORES E CULTURA A DIVERSIDADE CULTURAL A PARTIR DO FILME URGA UMA PAIXÃO NO FIM DO MUNDO : UMA (RE)LEITURA DE ATITUDES, VALORES E CULTURA 1 Maria Lindaci Gomes de Souza Universidade Estadual da Paraíba lindaci26@hotmail.com

Leia mais

Uma história de pioneirismo: as entrevistas de Simão Willemann e a constituição de um arquivo de fontes orais em Santa Catarina.

Uma história de pioneirismo: as entrevistas de Simão Willemann e a constituição de um arquivo de fontes orais em Santa Catarina. Uma história de pioneirismo: as entrevistas de Simão Willemann e a constituição de um arquivo de fontes orais em Santa Catarina. KARLA SIMONE WILLEMANN SCHÜTZ Este trabalho, pequeno recorte do Trabalho

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL FACULDADE DE EDUCAÇÃO CURSO DE PEDAGOGIA - LICENCIATURA. Lia Gonçalves Gurgel. Projeto de pesquisa

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL FACULDADE DE EDUCAÇÃO CURSO DE PEDAGOGIA - LICENCIATURA. Lia Gonçalves Gurgel. Projeto de pesquisa 1 UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL FACULDADE DE EDUCAÇÃO CURSO DE PEDAGOGIA - LICENCIATURA Lia Gonçalves Gurgel Projeto de pesquisa AQUISIÇÃO DA LÍNGUA DE SINAIS A PARTIR DE UMA PERSPECTIVA BILÍNGÜE

Leia mais

DIVERSIDADE HISTÓRICA, CULTURAL E LINGUÍSTICA NA EDUCAÇÃO

DIVERSIDADE HISTÓRICA, CULTURAL E LINGUÍSTICA NA EDUCAÇÃO 1 DIVERSIDADE HISTÓRICA, CULTURAL E LINGUÍSTICA NA EDUCAÇÃO INTRODUCÃO Patrícia Edí Ramos Escola Estadual Maria Eduarda Pereira Soldera São José dos Quatro Marcos Este trabalho tem por objetivo uma pesquisa

Leia mais

ENSINO DA MATEMÁTICA EM AMARGOSA: LEMBRANÇAS DAS EX-ALUNAS DO GINÁSIO SANTA BERNADETE (1946-1973)

ENSINO DA MATEMÁTICA EM AMARGOSA: LEMBRANÇAS DAS EX-ALUNAS DO GINÁSIO SANTA BERNADETE (1946-1973) ENSINO DA MATEMÁTICA EM AMARGOSA: LEMBRANÇAS DAS EX-ALUNAS DO GINÁSIO SANTA BERNADETE (1946-1973) Silmary Silva Santos Silmaryumni@yahoo.com.br Diogo Franco Rios Universidade Federal do Recôncavo da Bahia

Leia mais

LICENCIATURA EM HISTÓRIA. fgv.br/vestibular

LICENCIATURA EM HISTÓRIA. fgv.br/vestibular LICENCIATURA EM HISTÓRIA fgv.br/vestibular IDEALISMO, EXCELÊNCIA E CREDIBILIDADE A Fundação Getulio Vargas surgiu em 20 de dezembro de 1944 com o objetivo de preparar profissionais qualificados em Administração

Leia mais

Índice. 1. Metodologia na Educação de Jovens e Adultos...3

Índice. 1. Metodologia na Educação de Jovens e Adultos...3 GRUPO 6.1 MÓDULO 4 Índice 1. Metodologia na Educação de Jovens e Adultos...3 1.1. Desenvolvimento e Aprendizagem de Jovens e Adultos... 4 1.1.1. Educar na Diversidade... 5 1.2. Os Efeitos da Escolarização/Alfabetização

Leia mais

ENSINO JURÍDICO E EDUCAÇÃO PARA A ALTERIDADE: RESOLUÇÃO DE CONFLITOS E UMA EXPERIÊNCIA DE SALA DE AULA 1

ENSINO JURÍDICO E EDUCAÇÃO PARA A ALTERIDADE: RESOLUÇÃO DE CONFLITOS E UMA EXPERIÊNCIA DE SALA DE AULA 1 ENSINO JURÍDICO E EDUCAÇÃO PARA A ALTERIDADE: RESOLUÇÃO DE CONFLITOS E UMA EXPERIÊNCIA DE SALA DE AULA 1 Adriana Goulart de Sena 2 Mila Batista Leite Corrêa da Costa 3 O papel desempenhado pela universidade,

Leia mais

edgar allan poe a filosofia da composição p r e fá c i o pedro süssekind t r a d u ç ã o léa viveiros de castro

edgar allan poe a filosofia da composição p r e fá c i o pedro süssekind t r a d u ç ã o léa viveiros de castro edgar allan poe a filosofia da composição p r e fá c i o pedro süssekind t r a d u ç ã o léa viveiros de castro sumário 9 prefácio. A lição aristotélica de Poe [Pedro Süssekind] 17 A filosofia da composição

Leia mais

1. O feminino e a publicidade: em busca de sentido

1. O feminino e a publicidade: em busca de sentido 1. O feminino e a publicidade: em busca de sentido No estudo da Comunicação, a publicidade deve figurar como um dos campos de maior interesse para pesquisadores e críticos das Ciências Sociais e Humanas.

Leia mais

O USO DA IMAGEM NAS AULAS DE HISTÓRIA: AS PINTURAS DO SÉCULO XIX

O USO DA IMAGEM NAS AULAS DE HISTÓRIA: AS PINTURAS DO SÉCULO XIX O USO DA IMAGEM NAS AULAS DE HISTÓRIA: AS PINTURAS DO SÉCULO XIX Ricardo Barros Aluno do curso de Pós graduação (mestrado) da Faculdade de Educação da Universidade de São Paulo Sendo as coisas que pensamos

Leia mais

A PRESENÇA NEGRA NO PARÁ: RESENHA DE UM

A PRESENÇA NEGRA NO PARÁ: RESENHA DE UM R E S E N H A A PRESENÇA NEGRA NO PARÁ: RESENHA DE UM TRABALHO PIONEIRO SALLES, VICENTE. O NEGRO NO PARÁ. SOB O REGIME DA ESCRAVIDÃO. 3ª EDIÇÃO. BELÉM: INSTITUTO DE ARTES DO PARÁ, 2005. JOSÉ MAIA BEZERRA

Leia mais

DE MÃOS DADAS COM MNEMOSINE E CLIO 1 Narradores de memórias e sujeitos históricos no filme Narradores de Javé

DE MÃOS DADAS COM MNEMOSINE E CLIO 1 Narradores de memórias e sujeitos históricos no filme Narradores de Javé 1 DE MÃOS DADAS COM MNEMOSINE E CLIO 1 Narradores de memórias e sujeitos históricos no filme Narradores de Javé Sol Fressato é graduada e mestre em História pela Universidade Federal do Paraná, pesquisadora

Leia mais

PALAVRAS-CHAVE: Formação de professor, Estágio, Identidade.

PALAVRAS-CHAVE: Formação de professor, Estágio, Identidade. RELATÓRIOS DE ESTÁGIO: CONTRIBUIÇÕES PARA A CONSTITUIÇÃO DA IDENTIDADE DO PROFESSOR DE PORTUGUÊS BORGES, Ana Maria de Miranda Marques/UFG anamariademiranda2@gmail.com MORAES, Eliana Melo Machado/CAJ-UFG

Leia mais

O ensino de História Antiga e as inovações metodológicas

O ensino de História Antiga e as inovações metodológicas A transposição didática nas salas de aula: O ensino de História Antiga e as inovações metodológicas DANIEL FRANCISCO DA SILVA 1 DEIZE CAMILA DIAS SALUSTIANO 2 Resumo: Um dos maiores desafios enfrentados

Leia mais

CONTOS DA MATA VISÕES DE VIDA: UM DESAFIO FRENTE À CULTURA INDÍGENA RESUMO

CONTOS DA MATA VISÕES DE VIDA: UM DESAFIO FRENTE À CULTURA INDÍGENA RESUMO CONTOS DA MATA VISÕES DE VIDA: UM DESAFIO FRENTE À CULTURA INDÍGENA RESUMO OLIVEIRA, Luiz Antonio Coordenador/Orientador ARAÚJO, Roberta Negrão de Orientadora O artigo tem como objetivo apresentar o Projeto

Leia mais

Ementário do Curso de Pedagogia, habilitações: Educação Infantil e Séries Iniciais 2010.2

Ementário do Curso de Pedagogia, habilitações: Educação Infantil e Séries Iniciais 2010.2 01 BIOLOGIA EDUCACIONAL Fase: 1ª Carga Horária: 30 h/a Prática: 30 h/a Créditos: 4 A biologia educacional e os fundamentos da educação. As bases biológicas do crescimento e desenvolvimento humano. A dimensão

Leia mais

O PIBID NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES: CONTRIBUIÇOES E AÇÕES DO PIBID PARA FORMAÇÃO INICIAL DOS BOLSISTAS.

O PIBID NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES: CONTRIBUIÇOES E AÇÕES DO PIBID PARA FORMAÇÃO INICIAL DOS BOLSISTAS. O PIBID NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES: CONTRIBUIÇOES E AÇÕES DO PIBID PARA FORMAÇÃO INICIAL DOS BOLSISTAS. 1 Marcos Antonio de Sousa Rodrigues Bolsista/ PIBID/ UESPI 2 Sara Juliana Lima Ferreira Bolsista/

Leia mais

CURSOS PRECISAM PREPARAR PARA A DOCÊNCIA

CURSOS PRECISAM PREPARAR PARA A DOCÊNCIA Fundação Carlos Chagas Difusão de Idéias novembro/2011 página 1 CURSOS PRECISAM PREPARAR PARA A DOCÊNCIA Elba Siqueira de Sá Barretto: Os cursos de Pedagogia costumam ser muito genéricos e falta-lhes um

Leia mais

Acesso aos Arquivos da Ditadura: Nem Perdão, nem Talião: Justiça!

Acesso aos Arquivos da Ditadura: Nem Perdão, nem Talião: Justiça! Acesso aos Arquivos da Ditadura: Nem Perdão, nem Talião: Justiça! Tânia Miranda * A memória histórica constitui uma das mais fortes e sutis formas de dominação. A institucionalização da memória oficial

Leia mais

Comunicacoes ~ Modernidade, Instituicoes e Historiografia Religiosa no Brasil ~

Comunicacoes ~ Modernidade, Instituicoes e Historiografia Religiosa no Brasil ~ Comunicacoes ~ Modernidade, Instituicoes e Historiografia Religiosa no Brasil ~ O COMPORTAMENTO DAS CEB S NO MARANHÃO NO PERÍODO DE DITADURA MILITAR Camila da Silva Portela Graduanda em História pela UFMA

Leia mais

5 Peço licença para este erro gramatical: utilizo os blogs foram sendo construídos porque é impossível pensar na

5 Peço licença para este erro gramatical: utilizo os blogs foram sendo construídos porque é impossível pensar na REFLEXÃO ENTRE PROFESSORES EM BLOGS : PASSOS PARA NOVAS EDUCAÇÕES 1 Adriane Lizbehd Halmann 2 Maria Helena Silveira Bonilla 3 Em certo momento do processo traçado pela pesquisa de mestrado que gera esta

Leia mais

As Diferentes Interpretações da História 1. Resumo

As Diferentes Interpretações da História 1. Resumo As Diferentes Interpretações da História 1 Professor Dr. Gilmar Mantovani Maroso 2 Professora M.Sc. Cristina M. Zanferrari 3 Resumo Este artigo é uma discussão teórica sobre o fazer história, e objetiva

Leia mais

O aluno que estiver com disciplina pendente no currículo antigo, poderá cursar a sua equivalente, que for oferecida no período, do currículo novo.

O aluno que estiver com disciplina pendente no currículo antigo, poderá cursar a sua equivalente, que for oferecida no período, do currículo novo. Equivalências das disciplinas obrigatórias do currículo antigo do curso de Social (cinema, jornalismo e publicidade) vinculadas ao Departamento de Estudos Culturais e Mídia. O aluno que estiver com disciplina

Leia mais

Curso: Serviço Social

Curso: Serviço Social PLANO DE DISCIPLINA Curso: Serviço Social Coordenação: Naiara Magalhães Professor : Manoel Jaime Filho Disciplina: História da Formação Social e Econômica do Brasil Período: 1º Semestre/2014 Carga Horária:

Leia mais

LEVANTAMENTO DE FONTES PARA O DICIONÁRIO BRASILEIRO DA GUERRA DO PARAGUAI

LEVANTAMENTO DE FONTES PARA O DICIONÁRIO BRASILEIRO DA GUERRA DO PARAGUAI LEVANTAMENTO DE FONTES PARA O DICIONÁRIO BRASILEIRO DA GUERRA DO PARAGUAI Thasley Westanyslau Alves Pereira 1 ; Marcelo Santos Rodrigues 2. 1 Aluno do Curso de História; Campus de Porto Nacional; e-mail:thasley_uft@hotmail.com

Leia mais

O advento das mídias sociais digitais e o mercado de trabalho para o profissional de relações públicas

O advento das mídias sociais digitais e o mercado de trabalho para o profissional de relações públicas O advento das mídias sociais digitais e o mercado de trabalho para o profissional de relações públicas Julie Caroline de Alcântara Universidade do Sagrado Coração, Bauru/SP E-mail: juliealcantara.31@gmail.com

Leia mais

12 Guia prático de história oral

12 Guia prático de história oral parte i Fundamentos 12 Guia prático de história oral 1. TEMA Ao longo dos últimos anos, muitas abordagens se somam à chamada história oral, termo, contudo pouco explicado e confundido com gravações de

Leia mais

PLANO DE ENSINO 2º/2009. Médio Profissionalizante ( ) Profissionalizante ( )

PLANO DE ENSINO 2º/2009. Médio Profissionalizante ( ) Profissionalizante ( ) PLANO DE ENSINO 2º/2009 Fundamental I ( ) Fundamental II ( ) Médio ( ) Médio Profissionalizante ( ) Profissionalizante ( ) Graduação ( x ) Pós-graduação ( ) I. Dados Identificadores Curso Pedagogia Disciplina

Leia mais

Portanto, a conjuntura pós-1970 foi marcada pelo protagonismo de entidades e pessoas que

Portanto, a conjuntura pós-1970 foi marcada pelo protagonismo de entidades e pessoas que Os vigilantes da ordem: a cooperação DEOPS/SP e SNI e a suspeição aos movimentos pela anistia (1975-1983). Pâmela de Almeida Resende 1 Mestrado em História Social pela Universidade Estadual de Campinas

Leia mais

HISTÓRIA ORAL NO ENSINO FUNDAMENTAL: O REGIME MILITAR NO EX- TERRITÓRIO DE RORAIMA

HISTÓRIA ORAL NO ENSINO FUNDAMENTAL: O REGIME MILITAR NO EX- TERRITÓRIO DE RORAIMA HISTÓRIA ORAL NO ENSINO FUNDAMENTAL: O REGIME MILITAR NO EX- TERRITÓRIO DE RORAIMA LYSNE NÔZENIR DE LIMA LIRA, 1 HSTÉFFANY PEREIRA MUNIZ 2 1. Introdução Este trabalho foi criado a partir da experiência

Leia mais

Gravando falas, tecendo fontes: problematizando o uso de entrevistas realizadas por terceiros

Gravando falas, tecendo fontes: problematizando o uso de entrevistas realizadas por terceiros Gravando falas, tecendo fontes: problematizando o uso de entrevistas realizadas por terceiros A presente comunicação pretende problematizar o uso pelos historiadores de entrevistas realizadas por outros

Leia mais

O revisionismo sobre a ditadura brasileira: a obra de Elio Gaspari 1

O revisionismo sobre a ditadura brasileira: a obra de Elio Gaspari 1 Segle XX. Revista catalana d història, 7 (2014), 99-126 ISSN: 1889-1152 O revisionismo sobre a ditadura brasileira: a obra de Elio Gaspari 1 Gilberto Grassi Calil Universidade Estadual do Oeste do Paraná

Leia mais

Reportagem radiofônica - Festas Populares: a identidade amazonense retratada por músicas e danças 1

Reportagem radiofônica - Festas Populares: a identidade amazonense retratada por músicas e danças 1 Reportagem radiofônica - Festas Populares: a identidade amazonense retratada por músicas e danças 1 Édria Caroline de Melo PIMENTE 2 Rosianne Cristina COUTO da Silva 3 David Simplício dos SANTOS 4 Isabelle

Leia mais

A TRAJETÓRIA DA FORMAÇÃO DO PEDAGOGO NA CONTEMPORANEIDADE: DILEMAS E INDEFINIÇÕES

A TRAJETÓRIA DA FORMAÇÃO DO PEDAGOGO NA CONTEMPORANEIDADE: DILEMAS E INDEFINIÇÕES A TRAJETÓRIA DA FORMAÇÃO DO PEDAGOGO NA CONTEMPORANEIDADE: DILEMAS E INDEFINIÇÕES Introdução Vilma Fernandes Neves Maria Auxiliadora Cavazotti Patrícia Andréia Fonseca de Carvalho Pitta Programa de Pós-Graduação

Leia mais

Jovem Guarda além do iê-iê-iê: Estilo de vida jovem nos anos 1960. Maíra Zimmermann. No período relativo ao segundo pós-guerra, com o avanço da

Jovem Guarda além do iê-iê-iê: Estilo de vida jovem nos anos 1960. Maíra Zimmermann. No período relativo ao segundo pós-guerra, com o avanço da Jovem Guarda além do iê-iê-iê: Estilo de vida jovem nos anos 1960 Maíra Zimmermann Data da defesa: 15/MAIO/2009 Instituição: Centro Universitário Senac No período relativo ao segundo pós-guerra, com o

Leia mais