Os pracinhas na Itália

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Os pracinhas na Itália"

Transcrição

1 16 Aureliano Moura A luta antes da guerra Desfile da 1ª DIE, em março de Na foto, um grupo de normalistas acompanhava atentamente a primeira exibição pública da tropa expedicionária, no Rio de Janeiro O Brasil penou para transformar, em tempo recorde, um exército obsoleto e mal treinado numa força moderna, apta a enfrentar uma guerra na Europa Q uando o Brasil se envolveu na Segunda Guerra Mundial e começou a se preparar para participar ativamente, pela primeira vez na sua história, de um conflito armado em outro continente, teve antes de tudo que superar a sua dura realidade de nação subdesenvolvida. Contava, naquele momento, com um exército pequeno, mal armado e pouco adestrado. Eram muitos, enfim, os obstáculos a serem vencidos. Nomeado comandante da Primeira Divisão de Infantaria Expedicionária (1ª DIE), a primeira das três divisões inicialmente previstas, o general João Batista Mascarenhas de Moraes recebeu a missão de organizar a tropa, dando-lhe condições de combate para enfrentar uma das mais eficientes máquinas bélicas do mundo: a alemã. Não foi uma tarefa fácil. Nosso exército, na época, adotava uma organização e uma doutrina baseadas nos cânones da Missão Militar Francesa, que prestou assessoria ao exército brasileiro nas primeiras décadas do século XX, até Os militares franceses continuavam apegados a velhos conceitos que remontavam à Primeira Guerra Mundial, enquanto os americanos se modernizavam, dispondo inclusive de armamento muito mais sofisticado. Além de ter de agüentar críticas freqüentes de companheiros de farda germanófilos, como eram chamados os simpatizantes do III Reich e os adeptos da ideologia fascista. Mascarenhas teve de organizar uma divisão, nos moldes norte-americanos, de uma hora para outra.

2 nossa H 17 janeiro 2005 Não se tratava de reciclar o Exército, mas sim de formar e adestrar um novo exército, dentro de princípios totalmente diferentes. Manuais escritos em inglês tiveram que ser traduzidos às pressas. Todo o material bélico e os equipamentos de fabricação norte-americana que seriam usados pela tropa brasileira na Itália eram, até então, desconhecidos dos oficiais. Para complicar a situação, as unidades designadas para integrar a 1ª DIE estavam dispersas por vários estados. Algumas organizações militares tiveram que ser criadas, como foi o caso do 1º Batalhão de Saúde, do 1º Esquadrão de Reconhecimento Mecanizado e da Companhia de Manutenção. Tudo isso foi feito com muita dificuldade e lentidão. Faltavam motoristas, eletricistas, radiotelegrafistas, mecânicos de automóvel, mecânicos de rádio e outros profissionais que tinham de ser formados em prazo recorde. Os uniformes e os equipamentos usados pela nossa tropa também não eram apropriados para o clima europeu, e os militares brasileiros desconheciam, até então, os veículos de transporte que seriam usados na Itália. Tudo, enfim, era novidade, e este fato dificultou muito o adestramento da tropa. Houve necessidade de reciclagem de oficiais e formação de graduados especialistas, alguns mandados para cursos e estágios nos Estados Unidos. Militares norte-americanos, por sua vez, foram enviados ao Rio de Janeiro, a fim de assessorarem a nosso exército, em colaboração com os oficiais e sargentos brasileiros. Poucos desses instrutores falavam português ou espanhol, o que exigia a presença de intérpretes. Muitos deles eram oficiais da reserva, sem a mínima experiência de combate, motivo de discordâncias e desavenças com oficiais brasileiros, de boa formação e hierarquicamente superiores. O número insuficiente de capitães e tenentes para completar a tropa fez com que aspirantes da Academia Militar e oficiais formados pelos Centros de Preparação de Oficiais da Reserva fossem convocados e ingressassem diretamente na Força Expedicionária Brasileira (FEB). Os oficiais da reserva eram quase todos profissionais liberais. Assim, médicos e dentistas, entre outros profissionais, viraram de repente oficiais combatentes. Cursos de emergência para médicos civis foram organizados na Escola de Saúde do Exército e em algumas universidades. Um pequeno número de mulheres também foi convocado, recebendo patente de sargento de saúde e logo promovidas a tenentes. Professores de medicina se transformaram em oficiais superiores. Para melhor conhecer a situação e ter a oportunidade de realizar contatos com os comandos norteamericanos e franceses no teatro de operações, o general Mascarenhas, acompanhado por oficiais de seu estado-maior, seguiu para uma visita ao norte da África e à Itália. No continente africano visitaram campos de treinamento onde as tropas norte-americanas eram recicladas, antes de entrar em combate. Essa oportunidade nunca foi dada aos nossos soldados. Na realidade, eles foram adestrados em combate. Apenas os integrantes do primeiro contingente brasileiro (o 1º Escalão) realizaram curtos estágios em divisões norte-americanas, após chegarem na Itália. Pouco tempo lhes foi dado para se familiarizarem com o novo armamento e os veículos que teriam de usar. Em março de 1944, a 1ª DIE foi concentrada na capital da República, para fins de instrução e treinamento, com todas as deficiências existentes. No dia 31, a Divisão desfilou no centro do Rio de Janeiro, quando foi delirantemente aplaudida pelo povo ao longo da Avenida Rio Branco. ACERVO CASA DA FEB Médicos da FEB, entre eles o tenente-médico Lutero Vargas, filho de Getúlio Vargas (o 3º, em pé, da direita para a esquerda). Abaixo: na chegada do 1º Escalão à Itália, em julho de 1944, o general Mascarenhas de Moraes (à esquerda) cumprimenta um militar representante das forças aliadas

3 18 Soldados brasileiros desembarcam do navio General Mann, em Nápoles. Em solo italiano, a tropa não tardou a se defrontar com penúrias: barracas e agasalhos ficaram no Brasil, calçados e uniformes não resistiriam muito tempo Franzinos, doentes, desnutridos. Mas sabiam lutar Coube à Diretoria de Saúde do Exército, no início de 1943, a missão de selecionar os combatentes que seriam enviados ao front na Itália. Deveriam ser escolhidos cerca de 200 mil homens, num prazo de noventa dias. As dificuldades fizeram no entanto com que essas diretrizes iniciais fossem alteradas, pelo próprio Estado-Maior: o efetivo a ser selecionado foi reduzido para 100 mil homens e o prazo ampliado. À ficha de seleção médica, semelhante à usada pelo exército dos Estados Unidos, deveria ser anexado um laudo relativo a exame psiquiátrico. Este desde logo foi abandonado, pelos atritos causados entre os selecionados e os componentes das juntas médicas. Aqueles ficavam ofendidos com perguntas relativas a sexo, que consideravam indiscretas, e com certos exames, como de hemorróidas ou varicocele, que segundo eles feriam sua masculinidade. Como a grande maioria dos convocados era oriunda da área rural do interior do país, trazendo consigo muitos preconceitos, houve necessidade de adaptar os exames às peculiaridades da cultura regional. Na proporção em que milhares de jovens brasileiros foram sendo selecionados, o elevado número de incapazes causou surpresa e preocupação. Houve cortes por dentadura deficiente (cerca de 70% na Amazônia); por incapacidade física (de 8% a 10% na Amazônia e Nordeste); por doenças sexualmente transmissíveis (principalmente a blenorragia); por parasitoses e outras moléstias infecciosas. Apesar de todas as limitações, aqueles homens, na maioria caboclos, alguns com dentaduras maltratadas, quase sempre de pequena estatura e sem o físico avantajado dos anglo-saxões, souberam superar a sua própria condição em terreno e clima a que não estavam habituados. Com freqüência improvisando proteções, como foi o caso do uso de palha ou papel jornal nos galochões, para proteger os pés do frio e da umidade. A adoção dos índices e coeficientes dos norte-americanos foi um erro. Faltou percepção de uma realidade nacional específica, o que hoje certamente não se repetiria. O homem brasileiro não possui um biótipo padrão, em face de sua diversidade étnica e suas origens, e, portanto, sua avaliação terá sempre de se basear em critérios e índices puramente brasileiros.

4 nossa H 19 janeiro 2005 Devido à presença permanente de submarinos inimigos nas costas brasileiras, o embarque da FEB cobriu-se do maior sigilo. Tudo foi planejado, com muito cuidado, em conjunto com os norte-americanos, de modo que nenhuma informação pudesse chegar aos ouvidos dos espiões alemães em serviço no Rio de Janeiro. Para transportar-se, a FEB foi dividida em cinco escalões distintos que partiram em datas diferentes. O êxito do embarque condicionavase à rapidez com que os homens e o material fossem acomodados e à manutenção do segredo. Entre os dias 28 a 30 de junho, sempre à noite, embarcou o 1º Escalão, no Cais do Porto do Rio de Janeiro. A tropa só foi saber que não se tratava de mais um exercício quando se viu diante do General Mann,o navio de transporte norte-americano que a levaria para a Itália. Na manhã de 2 de julho o General Mann deixava a Guanabara, rumo a Nápoles. Seguiu protegido por navios brasileiros e norte-americanos até Gibraltar, onde houve troca de escolta. Dois dias após a partida, seria sustada a organização das outras duas divisões inicialmente previstas pelo governo brasileiro. Quatorze dias depois o navio entrava na baía de Nápoles. A tropa permaneceu em Astroni, sua primeira escala, por 15 dias, quatro deles alimentando-se com enlatados, dormindo ao relento e à mercê das intempéries. É que parte da bagagem dos nossos soldados tinha ficado no Brasil. Não tinham vindo com eles barracas, material bélico e os agasalhos. Conforme havia sido combinado, tudo deveria ser fornecido pelos norte-americanos (e indenizado pelo Brasil). Mas nada foi providenciado, sob alegação de os oficiais não terem sido alertados para essa previsão. Já nos primeiros dias, os calçados começaram a dar sinal de que não resistiriam por muito tempo. O mesmo ocorreu com os uniformes, esgarçados por causa dos exercícios físicos. Eram realmente de má qualidade, não só pelo tipo do tecido mas também pela confecção mal cuidada, fruto da pressa e de uma economia descabida. Procurando sanar essas deficiências, Mascarenhas dirigiu-se pessoalmente à Base de Suprimento (PBS) mais próxima, onde apresentou ao comandante extensa lista de equipamentos indispensáveis para atender às necessidades brasileiras. Não tardaram as decepções. Para começar, muitos itens foram riscados da relação. No tocante a armamento, o compromisso era dotar a 1ª DIE com fuzis Garrand, semi-automáticos. Mas a remessa que deveria ter sido distribuída para os brasileiros fora remetida a unidades norte-americanas de soldados negros. Os brasileiros tiveram que se contentar com os Springfield, inferiores aos Mauser 1908 até então usados pelo nosso Exército, continuando a divisão com poder de fogo inferior às unidades aliadas. Ao deixar Astroni os brasileiros deveriam devolver o acampamento aos norte-americanos devidamente limpo, mas acabaram deixando-o numa situação lastimável. É que muitos dos nossos soldados não se Por que o Brasil entrou na guerra Foi a invasão da Polônia pela Alemanha, no dia 1º de setembro de 1939, que deu início à Segunda Guerra Mundial, com reflexos não só na Europa mas em todo o mundo. Os chanceleres das nações americanas, inclusive o Brasil, se reuniram em outubro no Panamá, onde adotaram posição de neutralidade diante do conflito. Mas os sucessos das tropas alemãs nos anos de 1939 a 1940 prenunciavam uma nova ordem mundial, de cunho totalitário. A queda da França e as ameaças alemãs levaram os mesmos chanceleres a uma nova reunião, ocorrida em Havana, em julho de Foi estabelecido aí que uma agressão a qualquer nação americana devia envolver forçosamente todas as outras na guerra. Com o ataque japonês a Pearl Harbor, em 7 de dezembro de 1941, representantes dos países da América se reuniram na capital do Brasil, em 28 de janeiro de 1942, e decidiram romper relações diplomáticas com os chamados países do Eixo (Alemanha, Itália e Japão). Já em meados de agosto, cerca de dez navios brasileiros tinham sido alvos de torpedeamento (ver Nossa História, número 11), por submarinos alemães e italianos, em ações que foram consideradas atentados à nossa soberania. A reação, incluindo uma forte mobilização popular, não se fez por esperar. Em 22 de agosto, o presidente Getúlio Vargas declarou estado de guerra contra as nações do Eixo foi quando surgiu a idéia da participação direta de tropas brasileiras no conflito. ARQUIVO NACIONAL Para saber mais BRAYNER, Floriano de Lima. A verdade sobre a FEB. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, CAMPOS, Aguinaldo J. Senna. Com a FEB na Itália páginas do meu diário. Rio de Janeiro: Imprensa do Exército, GONÇALVES, Carlos Paiva. Seleção médica do pessoal da FEB. Rio de Janeiro: Biblioteca do Exército, MORAES, J.B. Mascarenhas de. A FEB pelo seu comandante. São Paulo: Instituto Progresso Editorial S.A., 1947.

5 20 Integrada ao efetivo do V Exército, a 1ª DIE passou a receber, antes de entrar em combate, instruções e treinamentos com materiais bélicos americanos, até então desconhecidos pelos oficiais brasileiros, como a arma 57mm antitanque (acima) e o fuzil Springfield (abaixo) adaptaram às latrinas de campanha e preferiram fazer suas necessidades no mato. A tropa brasileira viajou por ferrovia até Litória, seguindo depois, em caminhões com reboques, até o destino final, Tarquínia. No dia 5 de agosto, o V Exército norte-americano tomou conhecimento oficial da presença da tropa brasileira na Itália e a 1ª DIE foi incluída em seu efetivo, passando a integrar o IV Corpo de Exército. Na verdade, devido à retirada dos soldados franceses, que haviam saído da Itália rumo ao sul da França, havia grande interesse, por parte do V Exército, em ver a FEB empenhada no combate o mais breve possível. Por isso, a 1ª DIE recebeu ordens para se deslocar em direção a Vada, cidade que ficava a 25 quilômetros da linha de frente. A viagem, realizada com caminhões e motoristas brasileiros, não deixou de ser problemática, pois não houvera tempo para que nossos soldados se familiarizassem com a condução de veículos para eles até então desconhecidos. Haviam tido apenas dois dias para se preparar e não foram informados das regras rígidas de circulação local, o que complicou o deslocamento. Apesar dos pesares, a FEB chegou no dia 20 de agosto a Vada, situada numa região descampada e de grandes vinhedos. Durante três dias, cerca de 270 oficiais e muitos sargentos norte-americanos, das 85ª e 88ª divisões de infantaria, examinaram minuciosamente o armamento e testaram a habilidade da tropa brasileira, afinal considerada apta. O Brasil estava, então, pronto para entrar na guerra. H Aureliano Moura é general-de-divisão médico reformado e presidente do Instituto de Geografia e História Militar do Brasil.

Analista diz que bases instaladas no território brasileiro tiveram importância fundamental na 2ª Guerra Mundial

Analista diz que bases instaladas no território brasileiro tiveram importância fundamental na 2ª Guerra Mundial 2ª GUERRA MUNDIAL Novos estudos feitos por um historiador norte americano, revelam que os Estados Unidos teriam cogitado que as forças militares brasileiras, então em combate na Italia, ocupassem a Austria

Leia mais

DODGE ¾ Ton. WC-51 UMA EXPERIÊNCIA REAL NA FEB 1944 1945

DODGE ¾ Ton. WC-51 UMA EXPERIÊNCIA REAL NA FEB 1944 1945 DODGE ¾ Ton. WC-51 UMA EXPERIÊNCIA REAL NA FEB 1944 1945 Este pequeno caminhão de ¾ de toneladas foi desenvolvido pela companhia Dodge Brothers Corporation nos Estados Unidos e largamente empregado na

Leia mais

Avaliação da unidade II Pontuação: 7,5 pontos

Avaliação da unidade II Pontuação: 7,5 pontos Avaliação da unidade II Pontuação: 7,5 pontos QUESTÃO 01 (1,0 ponto) A Segunda Grande Guerra (1939-1945), a partir de 7 de dezembro de 1941, adquire um caráter mundial quando os a) ( ) russos tomam a iniciativa

Leia mais

TEMA 6 O AVANÇO DOS ALIADOS. Os combates decisivos entre as tropas do Eixo e as forças aliadas foram travados em território soviético.

TEMA 6 O AVANÇO DOS ALIADOS. Os combates decisivos entre as tropas do Eixo e as forças aliadas foram travados em território soviético. TEMA 6 O AVANÇO DOS ALIADOS Os combates decisivos entre as tropas do Eixo e as forças aliadas foram travados em território soviético. A operação Barbarossa A operação Barbarossa era a invasão da União

Leia mais

INÍCIO DA PREPARAÇÃO DO BRABATT 2/14 BRABATT 2/14 REALIZA O EPCOEM NO CCOPAB

INÍCIO DA PREPARAÇÃO DO BRABATT 2/14 BRABATT 2/14 REALIZA O EPCOEM NO CCOPAB Pelotas, RS, 8 de janeiro de 2011 Edição Especial INÍCIO DA PREPARAÇÃO DO BRABATT 2/14 Brasília - DF. No período de 5 a 9 de julho de 2010 ocorreu, no Ministério da Defesa, o estágio para comandantes e

Leia mais

Raphael Pereira de Morais

Raphael Pereira de Morais Raphael Pereira de Morais Cidade: Brasilia - DF Data de Nascimento: 20/07/1987 Estado Civil: Solteiro Telefone: (61) 3465-1047 (61) 8176-5855 E-mail: rp.morais2013@bol.com.br FORMAÇÃO ACADÊMICA Superior

Leia mais

Brasil planeja envio de soldados para Força da ONU no Líbano

Brasil planeja envio de soldados para Força da ONU no Líbano Brasil planeja envio de soldados para Força da ONU no Líbano O Brasil planeja o envio de tropas do Exército para serem incorporadas à missão de paz das Nações Unidas no sul do Líbano, junto à fronteira

Leia mais

Marcel Gromaire, A Guerra. A partida de soldados portugueses para a guerra.

Marcel Gromaire, A Guerra. A partida de soldados portugueses para a guerra. Marcel Gromaire, A Guerra. A partida de soldados portugueses para a guerra. No início de agosto de 1914, as potências europeias desencadearam um conflito militar que ficou conhecido, entre os contemporâneos,

Leia mais

TEMA I A EUROPA E O MUNDO NO LIMIAR DO SÉC. XX

TEMA I A EUROPA E O MUNDO NO LIMIAR DO SÉC. XX TEMA I A EUROPA E O MUNDO NO LIMIAR DO SÉC. XX A supremacia Europeia sobre o Mundo A Europa assumia-se como 1ª potência Mundial DOMÍNIO POLÍTICO Inglaterra, França, Alemanha, Portugal e outras potências

Leia mais

BLINDADOS SOBRE LAGARTAS MODERNIZAR, PRODUZIR OU IMPORTAR

BLINDADOS SOBRE LAGARTAS MODERNIZAR, PRODUZIR OU IMPORTAR BLINDADOS SOBRE LAGARTAS MODERNIZAR, PRODUZIR OU IMPORTAR O Exército Brasileiro através do Plano Básico de Estruturação do Exército, cuja execução abrange o período de 2003 a 2007 vem realizando grandes

Leia mais

História B Aula 21. Os Agitados Anos da

História B Aula 21. Os Agitados Anos da História B Aula 21 Os Agitados Anos da Década de 1930 Salazarismo Português Monarquia portuguesa foi derrubada em 1910 por grupos liberais e republicanos. 1ª Guerra - participação modesta ao lado da ING

Leia mais

VEÍCULOS BLINDADOS DO MUSEU MILITAR DO C. M. S.

VEÍCULOS BLINDADOS DO MUSEU MILITAR DO C. M. S. VEÍCULOS BLINDADOS DO MUSEU MILITAR DO C. M. S. Criado em 1999 na cidade de Porto Alegre, RS, o Museu Militar do Comando Militar do Sul (MMCMS) ocupa a sede do antigo Arsenal de Guerra da Província, num

Leia mais

VESTIBULAR 2011 1ª Fase HISTÓRIA GRADE DE CORREÇÃO

VESTIBULAR 2011 1ª Fase HISTÓRIA GRADE DE CORREÇÃO VESTIBULAR 2011 1ª Fase HISTÓRIA GRADE DE CORREÇÃO A prova de História é composta por três questões e vale 10 pontos no total, assim distribuídos: Questão 1 3 pontos (sendo 1 ponto para o subitem A, 1,5

Leia mais

Centro de Treinamento de Combate Sul. Santa Maria / RS Brasil.

Centro de Treinamento de Combate Sul. Santa Maria / RS Brasil. Centro de Treinamento de Combate Sul Santa Maria / RS Brasil. OBJETIVO Apresentar aos participantes do de Demandas Logísticas da Guarnição de Santa Maria/RS o projeto do Centro de Treinamento de Combate

Leia mais

DIREITOS HUMANOS COMO CONTRAVENÇÃO E ARMA

DIREITOS HUMANOS COMO CONTRAVENÇÃO E ARMA HISTÓRIA CULTURAL: ESCRITAS, CIRCULAÇÃO, LEITURAS E RECEPÇÕES Universidade de São Paulo USP São Paulo SP 10 e 14 de Novembro de 2014 DIREITOS HUMANOS COMO CONTRAVENÇÃO E ARMA RETÓRICA : CRÍTICA E RECEPÇÃO

Leia mais

A era dos impérios. A expansão colonial capitalista

A era dos impérios. A expansão colonial capitalista A era dos impérios A expansão colonial capitalista O século XIX se destacou pela criação de uma economia global única, caracterizado pelo predomínio do mundo industrializado sobre uma vasta região do planeta.

Leia mais

O COMBATE DE MONTE CASTELO - 70º ANIVERSÁRIO

O COMBATE DE MONTE CASTELO - 70º ANIVERSÁRIO O COMBATE DE MONTE CASTELO - 70º ANIVERSÁRIO Cel Cláudio Moreira Bento(X) HOMENAGEM AOS HERÓIS DA CONQUISTA DE MONTE CASTELO No transcurso, em 21 fevereiro de 2015 do 67º aniversário da vitória brasileira

Leia mais

REPÚBLICA DEMOCRÁTICA DE TIMOR-LESTE GABINETE DO PRIMEIRO-MINISTRO

REPÚBLICA DEMOCRÁTICA DE TIMOR-LESTE GABINETE DO PRIMEIRO-MINISTRO REPÚBLICA DEMOCRÁTICA DE TIMOR-LESTE GABINETE DO PRIMEIRO-MINISTRO ALOCUÇÃO DE SUA EXCELÊNCIA O PRIMEIRO-MINISTRO, MINISTRO DA DEFESA E SEGURANÇA KAY RALA XANANA GUSMÃO POR OCASIÃO DA VISITA À ACADEMIA

Leia mais

Doutrina e Estratégia Militar. Ações de Caráter Sigiloso. Emprego da Força Terrestre em Operações. Logística de Material de Aviação

Doutrina e Estratégia Militar. Ações de Caráter Sigiloso. Emprego da Força Terrestre em Operações. Logística de Material de Aviação Programa 0620 Preparo e Emprego da Força Terrestre Ações Orçamentárias Número de Ações 16 24490000 Doutrina e Estratégia Militar Produto: Evento realizado Unidade de Medida: unidade UO: 52121 Comando do

Leia mais

CADERNO DE EXERCÍCIOS 3C

CADERNO DE EXERCÍCIOS 3C CADERNO DE EXERCÍCIOS 3C Ensino Fundamental Ciências Humanas Questão Conteúdo Habilidade da Matriz da EJA/FB 1 África: Colonização e Descolonização H40 2 Terrorismo H46 3 Economia da China H23 4 Privatizações

Leia mais

2 Por que a Alemanha nazista rompeu com o Pacto Germano Soviético no ano de 1941? Explique.

2 Por que a Alemanha nazista rompeu com o Pacto Germano Soviético no ano de 1941? Explique. 2 Lista exercícios 2ª Guerra Mundial 1 Os Estados Unidos entraram fundamentalmente na Segunda Guerra Mundial no ano de 1941. Quais foram os principais fatores que causaram a entrada dos Estados Unidos

Leia mais

TEMA 3 UMA EXPERIÊNCIA

TEMA 3 UMA EXPERIÊNCIA TEMA 3 UMA EXPERIÊNCIA DOLOROSA: O NAZISMO ALEMÃO A ascensão dos nazistas ao poder na Alemanha colocou em ação a política de expansão territorial do país e o preparou para a Segunda Guerra Mundial. O saldo

Leia mais

Participação de Portugal na 1.ª Guerra Mundial. Pressupostos. Portugal tinha obrigações no âmbito da Aliança Inglesa (Luso-Britânica)

Participação de Portugal na 1.ª Guerra Mundial. Pressupostos. Portugal tinha obrigações no âmbito da Aliança Inglesa (Luso-Britânica) Pressupostos Portugal tinha obrigações no âmbito da Aliança Inglesa (Luso-Britânica) Portugal tinha fronteiras comuns com a Alemanha no Sul de Angola e no Norte de Moçambique As Colónias portuguesas eram

Leia mais

Tributo aos Combatentes Africanos

Tributo aos Combatentes Africanos Tributo aos Combatentes Africanos Foto Google Zona Leste Sector L 3 ( a zona a sul do Rio Corubal foi abandonada em 6 de Fevereiro de 1969, durante a Operação Mabecos Bravios) Após terminado o 2º ciclo

Leia mais

Ensino Fundamental II

Ensino Fundamental II Ensino Fundamental II Valor do trabalho: 2.0 Nota: Data: /dezembro/2014 Professora: Angela Disciplina: Geografia Nome: n o : Ano: 8º Trabalho de Recuperação Final de Geografia ORIENTAÇÕES: Leia atentamente

Leia mais

Proposta de Prestação de Serviço de Consultoria Arsenal, O Jogo de Guerra - Liderança e Trabalho em Equipe

Proposta de Prestação de Serviço de Consultoria Arsenal, O Jogo de Guerra - Liderança e Trabalho em Equipe 1. Apresentação Nas duas guerras mundiais do século passado, os líderes militares das principais nações envolvidas utilizavam jogos de guerra para definição de estratégias e táticas de combate. Os jogos

Leia mais

A MARINHA DO BRASIL E SUA PROJEÇÃO NO CONTINENTE AFRICANO

A MARINHA DO BRASIL E SUA PROJEÇÃO NO CONTINENTE AFRICANO A MARINHA DO BRASIL E SUA PROJEÇÃO NO CONTINENTE AFRICANO Com o fim da Guerra Fria e o colapso da União Soviética, os conflitos africanos em sua grande maioria deixaram de ter aquele cunho ideológico leste-oeste

Leia mais

Terceiro dia de jogo do Brasil em comunidade carente haitiana

Terceiro dia de jogo do Brasil em comunidade carente haitiana Porto Príncipe / Haiti, 11 de julho de 2014 Informativo Nº 07 Terceiro dia de jogo do Brasil em comunidade carente haitiana No dia 23 de junho, durante o terceiro dia de jogo do Brasil, a localidade de

Leia mais

Exercícios de Guerra Civil Espanhola e 2ª Guerra Mundial

Exercícios de Guerra Civil Espanhola e 2ª Guerra Mundial Exercícios de Guerra Civil Espanhola e 2ª Guerra Mundial 1. (Ufes) A Guerra Civil Espanhola (1936-1939), em que perderam a vida mais de 1 milhão de pessoas, terminou com a derrota dos Republicanos e com

Leia mais

A nova centralização: o Estado Novo - II

A nova centralização: o Estado Novo - II A nova centralização: o Estado Novo - II A UU L AL A Na aula anterior, você viu como Getúlio Vargas organizou o regime do Estado Novo, em sua face política, cultural e social. Nesta aula, você verá em

Leia mais

MUSEU MILITAR CONDE DE LINHARES

MUSEU MILITAR CONDE DE LINHARES MUSEU MILITAR CONDE DE LINHARES Origem Localização Localizado no bairro de São Cristóvão, no antigo aquartelamento da 5º Brigada de Cavalaria Blindada (5º Bda C Bld), o Museu Militar Conde de Linhares

Leia mais

PARQUE REGIONAL DE MANUTENÇÃO DA 1ª RM 60 ANOS 1944/2004

PARQUE REGIONAL DE MANUTENÇÃO DA 1ª RM 60 ANOS 1944/2004 PARQUE REGIONAL DE MANUTENÇÃO DA 1ª RM 60 ANOS 1944/2004 Neste mês de junho está sendo comemorado os 60 anos de criação do Parque Regional de Manutenção da 1ª Região Militar PqRMnt/1, no Rio de Janeiro.

Leia mais

A Guerra dos Seis Dias

A Guerra dos Seis Dias A Guerra dos Seis Dias Desde o fim da Segunda Guerra Mundial e da criação do Estado de Israel em 1948 que o Oriente Médio vive em uma constante tensão bélica por conta das inúmeras discordâncias entre

Leia mais

Provão. História 5 o ano

Provão. História 5 o ano Provão História 5 o ano 61 Os reis portugueses governaram o Brasil à distância, até o século XIX, porém alguns acontecimentos na Europa mudaram essa situação. Em que ano a família real portuguesa veio

Leia mais

EM JULHO DE 1941, o Gen George S.

EM JULHO DE 1941, o Gen George S. A Harmonia em Combate: Como Treinar a Brigada de Combate para a Manobra de Armas Combinadas Coronel Michael R. Fenzel e Tenente-Coronel Shane Morgan, Exército dos EUA EM JULHO DE 1941, o Gen George S.

Leia mais

CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA CELSO SUCKOW DA FONSECA

CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA CELSO SUCKOW DA FONSECA CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA CELSO SUCKOW DA FONSECA ENSINO MÉDIO ÁREA CURRICULAR: CIÊNCIAS HUMANAS E SUAS TECNOLOGIAS DISCIPLINA: HISTÓRIA SÉRIE 1.ª CH 68 ANO 2012 COMPETÊNCIAS:. Compreender

Leia mais

Discurso do Presidente da República, Luiz Inácio Lula da Silva, na cerimônia em comemoração ao Dia Internacional da Mulher

Discurso do Presidente da República, Luiz Inácio Lula da Silva, na cerimônia em comemoração ao Dia Internacional da Mulher , Luiz Inácio Lula da Silva, na cerimônia em comemoração ao Dia Internacional da Mulher Palácio do Planalto, 12 de março de 2003 Minha cara ministra Emília Fernandes, Minha cara companheira Benedita da

Leia mais

VETERANOS E VIGILANTES: O CASO DA ASSOCIAÇÃO DOS EX- COMBATENTES DA REGIÃO CACAUEIRA - UM RECORTE HISTORIOGRAFICO. Novas perspectivas historiográficas

VETERANOS E VIGILANTES: O CASO DA ASSOCIAÇÃO DOS EX- COMBATENTES DA REGIÃO CACAUEIRA - UM RECORTE HISTORIOGRAFICO. Novas perspectivas historiográficas VETERANOS E VIGILANTES: O CASO DA ASSOCIAÇÃO DOS EX- COMBATENTES DA REGIÃO CACAUEIRA - UM RECORTE HISTORIOGRAFICO SANTOS, Claudney Silva dos E-mail: claudney21@hotmail.com Novas perspectivas historiográficas

Leia mais

A MODERNIZAÇÃO DO COMANDO E CONTROLE DA AAAe

A MODERNIZAÇÃO DO COMANDO E CONTROLE DA AAAe A MODERNIZAÇÃO DO COMANDO E CONTROLE DA AAAe Cap João André França da Silva 1 RESUMO O presente trabalho visa apresentar alguns aspectos relacionados a modernização da artilharia antiaérea. Esta modernização

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Coordenação de Biblioteca RIO DE JANEIRO, 25 DE NOVEMBRO DE

Leia mais

"Brasil é um tipo de país menos centrado nos EUA"

Brasil é um tipo de país menos centrado nos EUA "Brasil é um tipo de país menos centrado nos EUA" Neill Lochery, pesquisador britânico, no seu livro Brasil: os Frutos da Guerra mostrou os resultados da sua investigação histórica de um dos períodos mais

Leia mais

PRESENÇA FEMININA DAS FORÇAS ARMADAS

PRESENÇA FEMININA DAS FORÇAS ARMADAS PRESENÇA FEMININA DAS FORÇAS ARMADAS AS MARCO ANTONIO DAMASCENO VIEIRA Consultor Legislativo da Área XVII Defesa Nacional, Segurança Pública Forças Armadas DEZEMBRO/2001 2 2001 Câmara dos Deputados. Todos

Leia mais

Regimento de Guarnição N.º1

Regimento de Guarnição N.º1 NEWSLETTER Edição N.º 05 / 2015 Participação do RG1 na XXV Meia Maratona dos Bravos - 01 de maio de 2015; Participação de militar do RG1 no Campeonato Militar de Tiro Desportivo / Fase Exército - 04 a

Leia mais

PROC. Nº 6203/07 PLL Nº 183/07 EXPOSIÇÃO DE MOTIVOS

PROC. Nº 6203/07 PLL Nº 183/07 EXPOSIÇÃO DE MOTIVOS EXPOSIÇÃO DE MOTIVOS Irani Flôres de Siqueira nasceu em Montenegro/RS, em 11 de fevereiro de 1936, filho de Mozart Noronha de Siqueira e de Cassilda Flôres de Siqueira. É casado com Lourdes Beatriz Pereira

Leia mais

Inglaterra-1ºpais industrializado X Alemanha (aceleradamente desenvolvida após a unificação);

Inglaterra-1ºpais industrializado X Alemanha (aceleradamente desenvolvida após a unificação); 1. Fatores que contribuíram para a eclosão do conflito: 1.1 - Concorrência econômica ( choque de imperialismos): Inglaterra-1ºpais industrializado X Alemanha (aceleradamente desenvolvida após a unificação);

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Coordenação de Biblioteca OS TEMAS DO DIÁLOGO "Mudando os temas

Leia mais

LIGA DOS COMBATENTES

LIGA DOS COMBATENTES LIGA DOS COMBATENTES NÚCLEO DISTRITAL DE VIANA DO CASTELO DISCURSO EVOCATIVO DO 95º ANIVERSÁRIO DO ARMISTÍCIO DA 1ª GUERRA MUNDIAL, O 90º ANIVERSÁRIO DA FUNDAÇÃO DA LIGA DOS COMBATENTES E O 39º ANIVERSÁRIO

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ DANILO DE MAURO PRANDI A REINTEGRAÇÃO SOCIAL DOS EX-COMBATENTES BRASILEIROS: AS CONDIÇÕES DE VIDA DOS VETERANOS

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ DANILO DE MAURO PRANDI A REINTEGRAÇÃO SOCIAL DOS EX-COMBATENTES BRASILEIROS: AS CONDIÇÕES DE VIDA DOS VETERANOS UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ DANILO DE MAURO PRANDI A REINTEGRAÇÃO SOCIAL DOS EX-COMBATENTES BRASILEIROS: AS CONDIÇÕES DE VIDA DOS VETERANOS Curitiba 2013 DANILO DE MAURO PRANDI A REINTEGRAÇÃO SOCIAL

Leia mais

Na atual Polônia, como na maioria dos países europeus,

Na atual Polônia, como na maioria dos países europeus, Unidades Especializadas de Polícia do Exército Polonês General Boguslaw Pacek, Exército Polonês Na atual Polônia, como na maioria dos países europeus, não há medo de agressão armada por parte de estados

Leia mais

INFORMATIVO DOZE DE OURO

INFORMATIVO DOZE DE OURO INFORMATIVO DOZE DE OURO ABRIL 2013/24 EDITORIAL O IDO do início de abril destaca algumas das atividades que conferem ao Btl o conhecido reconhecimento no âmbito da 4ª RM: Capacitação dos Quadros para

Leia mais

Entrevista com o Chefe do DECEx

Entrevista com o Chefe do DECEx Entrevista com o Chefe do DECEx OGeneral de Exército Ueliton José Montezano Vaz é natural da Cidade do Rio de Janeiro. Foi declarado aspirante a oficial da Arma de Comunicações em 15 de dezembro de 1973

Leia mais

Vade-Mécum de Cerimonial Militar do Exército Valores, Deveres e Ética Militares (VM 10)

Vade-Mécum de Cerimonial Militar do Exército Valores, Deveres e Ética Militares (VM 10) MINISTÉRIO DA DEFESA EXÉRCITO BRASILEIRO SECRETARIA - GERAL DO EXÉRCITO COMISSÃO DE CERIMONIAL MILITAR DO EXÉRCITO Vade-Mécum de Cerimonial Militar do Exército Valores, Deveres e Ética Militares (VM 10)

Leia mais

CAMINHÕES FNM UM GENUÍNO MADE IN BRAZIL NO EXÉRCITO

CAMINHÕES FNM UM GENUÍNO MADE IN BRAZIL NO EXÉRCITO CAMINHÕES FNM UM GENUÍNO MADE IN BRAZIL NO EXÉRCITO A Fábrica Nacional de Motores (FNM) foi criada em plena segunda guerra mundial (1942), com a finalidade de produzir motores de aviões, o que fez com

Leia mais

EUA: Expansão Territorial

EUA: Expansão Territorial EUA: Expansão Territorial Atividades: Ler Livro didático págs. 29, 30 e 81 a 86 e em seguida responda: 1) Qual era a abrangência do território dos Estados Unidos no final da guerra de independência? 2)

Leia mais

2 Apoio Logístico no Teatro de Operações Terrestres

2 Apoio Logístico no Teatro de Operações Terrestres 2 Apoio Logístico no Teatro de Operações Terrestres O objetivo deste trabalho é estudar a localização dos grupamentos logísticos no Exército de Campanha. No entanto, para ocorrer o entendimento da modelagem

Leia mais

O IMPERIALISMO EM CHARGES. Marcos Faber www.historialivre.com marfaber@hotmail.com. 1ª Edição (2011)

O IMPERIALISMO EM CHARGES. Marcos Faber www.historialivre.com marfaber@hotmail.com. 1ª Edição (2011) O IMPERIALISMO EM CHARGES 1ª Edição (2011) Marcos Faber www.historialivre.com marfaber@hotmail.com Imperialismo é a ação das grandes potências mundiais (Inglaterra, França, Alemanha, Itália, EUA, Rússia

Leia mais

PLANO DE AULA/ROTINA DIÁRIA

PLANO DE AULA/ROTINA DIÁRIA EJA - Ensino Fundamental 2º Segmento PLANO DE AULA/ROTINA DIÁRIA Fase/Ano: 4ª Fase -6º e 7º Ano Ano Letivo: 2014 Componente Curricular: História Professora do Estúdio: Isabel Saraiva Silva Carga Horária:

Leia mais

A defesa militar da Amazônia. Quem defendia a Amazônia brasileira, antes de o Brasil existir como nação

A defesa militar da Amazônia. Quem defendia a Amazônia brasileira, antes de o Brasil existir como nação A defesa militar da Amazônia Celso Castro e Adriana Barreto de Souza Quem defendia a Amazônia brasileira, antes de o Brasil existir como nação independente? A pergunta, contraditória em seus próprios termos,

Leia mais

210 ANOS DO NASCIMENTO DE CAXIAS 70 ANOS DA CRIAÇÃO DA FEB

210 ANOS DO NASCIMENTO DE CAXIAS 70 ANOS DA CRIAÇÃO DA FEB ÓRGÃO DE DIVULGAÇÃO DAS ATIVIDADES DA ACADEMIA DE HISTÓRIA MILITAR TERRESTRE DO BRASIL/RIO GRANDE DO SUL (AHIMTB/RS) - ACADEMIA GENERAL RINALDO PEREIRA DA CÂMARA - E DO INSTITUTO DE HISTÓRIA E TRADIÇÕES

Leia mais

BITTENCOURT, Carlos Machado *militar; gov. RS. 1890; min. STM 1896-1897; min. Guerra 1897.

BITTENCOURT, Carlos Machado *militar; gov. RS. 1890; min. STM 1896-1897; min. Guerra 1897. BITTENCOURT, Carlos Machado *militar; gov. RS. 1890; min. STM 1896-1897; min. Guerra 1897. Carlos Machado Bittencourt nasceu em Porto Alegre, na então província do Rio Grande do Sul, no dia 12 de abril

Leia mais

Construção do Espaço Africano

Construção do Espaço Africano Construção do Espaço Africano Aula 2 Colonização Para melhor entender o espaço africano hoje, é necessário olhar para o passado afim de saber de que forma aconteceu a ocupação africana. E responder: O

Leia mais

Fichamento. Texto: O Terceiro Mundo

Fichamento. Texto: O Terceiro Mundo Fichamento Texto: O Terceiro Mundo I Descolonização e a revolução transformaram o mapa politico do globo. Consequência de uma espantosa explosão demográfica no mundo dependente da 2º Guerra Mundial, que

Leia mais

VEÍCULO FORÇAS ESPECIAIS 4x4 PARA O EB UMA SOLUÇÃO CASEIRA É POSSÍVEL

VEÍCULO FORÇAS ESPECIAIS 4x4 PARA O EB UMA SOLUÇÃO CASEIRA É POSSÍVEL VEÍCULO FORÇAS ESPECIAIS 4x4 PARA O EB UMA SOLUÇÃO CASEIRA É POSSÍVEL Na recente edição da EUROSATORY 2004 ocorrida em Paris, no mês passado, foi anunciado que o novo veículo leve de emprego rápido para

Leia mais

Os Impérios e o Poder Naval. Apresentação cedida, organizada e editada pelos profs. Rodrigo Teixeira e Rafael Ávila

Os Impérios e o Poder Naval. Apresentação cedida, organizada e editada pelos profs. Rodrigo Teixeira e Rafael Ávila Os Impérios e o Poder Naval Apresentação cedida, organizada e editada pelos profs. Rodrigo Teixeira e Rafael Ávila Considerações Iniciais Esse capítulo discutirá a importância que o poder naval teve na

Leia mais

POLÍCIA MILITAR DE SANTA CATARINA 5ª REGIÃO DE POLÍCIA MILITAR 14º BATALHÃO DE POLÍCIA MILITAR

POLÍCIA MILITAR DE SANTA CATARINA 5ª REGIÃO DE POLÍCIA MILITAR 14º BATALHÃO DE POLÍCIA MILITAR POLÍCIA MILITAR DE SANTA CATARINA 5ª REGIÃO DE POLÍCIA MILITAR 14º BATALHÃO DE POLÍCIA MILITAR Maslow e as necessidades humanas: A preocupação com a segurança. Qualificando a palavra segurança : Conceito

Leia mais

TESTE DE APTIDÃO FÍSICA Durante o mês de outubro, todo o

TESTE DE APTIDÃO FÍSICA Durante o mês de outubro, todo o Informativo do 20º Regimento de Cavalaria Blindado - Campo Grande-MS - Outubro de 2014 - Ano 2 - Nº 21 Prezados leitores, Como sempre ocorre no ʺVINTE DE CAVALARIAʺ o mês de outubro foi marcado por intensas

Leia mais

CIÊNCIAS HUMANAS E SUAS TECNOLOGIAS Próximo HISTÓRIA GUERRAS E CRISES: MARCAS DO SÉCULO XX. Caderno 9» Capítulo 1. www.sejaetico.com.

CIÊNCIAS HUMANAS E SUAS TECNOLOGIAS Próximo HISTÓRIA GUERRAS E CRISES: MARCAS DO SÉCULO XX. Caderno 9» Capítulo 1. www.sejaetico.com. CIÊNCIAS HUMANAS E SUAS TECNOLOGIAS HISTÓRIA GUERRAS E CRISES: MARCAS DO SÉCULO XX Caderno 9» Capítulo 1 www.sejaetico.com.br CIÊNCIAS HUMANAS E SUAS TECNOLOGIAS A Primeira Guerra Mundial (1914-1918) Caderno

Leia mais

VI CAMPEONATO SUL AMERICANO DE KARATE JKA BELÉM PARÁ BRASIL 18 E 19 DE SETEMBRO DE 2010

VI CAMPEONATO SUL AMERICANO DE KARATE JKA BELÉM PARÁ BRASIL 18 E 19 DE SETEMBRO DE 2010 VI CAMPEONATO SUL AMERICANO DE KARATE JKA BELÉM PARÁ BRASIL 18 E 19 DE SETEMBRO DE 2010 SÁBADO 18 de Setembro - Eliminatórias todas as categorias - Masculino e Feminino Início: 09 horas DOMINGO 19 de Setembro

Leia mais

O Comitê Internacional da Cruz Vermelha (CICV) e o Programa para Forças Policiais

O Comitê Internacional da Cruz Vermelha (CICV) e o Programa para Forças Policiais O Comitê Internacional da Cruz Vermelha (CICV) e o Programa para Forças Policiais Antes de falar sobre o trabalho com as forças de segurança, acho interessante apresentar o Comitê Internacional da Cruz

Leia mais

Informativo do 20º Regimento de Cavalaria Blindado - Campo Grande-MS - Março de 2014 - Ano 2 - Nº 14 EDITORIAL ENTREGA DE DOAÇÕES

Informativo do 20º Regimento de Cavalaria Blindado - Campo Grande-MS - Março de 2014 - Ano 2 - Nº 14 EDITORIAL ENTREGA DE DOAÇÕES Informativo do º Regimento de Cavalaria Blindado - Campo Grande-MS - Março de 14 - Ano 2 - Nº 14 Prezados leitores, O mês de março teve início com a incorporação dos novos soldados recrutas do Regimento

Leia mais

Exercícios Migrações Internacionais

Exercícios Migrações Internacionais Exercícios Migrações Internacionais Material de apoio do Extensivo 1. Nas últimas décadas do século XX, o número de migrantes internacionais aumentou de forma significativa [ ] por causa das disparidades

Leia mais

Dia de Portugal, de Camões e das Comunidades Portuguesas 10 de Junho de 2010

Dia de Portugal, de Camões e das Comunidades Portuguesas 10 de Junho de 2010 INTERVENÇÃO DO SENHOR PRESIDENTE DA CÂMARA MUNICIPAL DE OEIRAS Dr. Isaltino Afonso Morais Dia de Portugal, de Camões e das Comunidades Portuguesas 10 de Junho de 2010 LOCAL: Figueirinha, Oeiras REALIZADO

Leia mais

Art. 1º Aprovar as Instruções Gerais de Segurança da Informação para o Exército Brasileiro (IG 20-19).

Art. 1º Aprovar as Instruções Gerais de Segurança da Informação para o Exército Brasileiro (IG 20-19). PORTARIA Nº 483, DE 20 DE SETEMBRO DE 2001. Aprova as Instruções Gerais de Segurança da Informação para o Exército Brasileiro (IG 20-19). O COMANDANTE DO EXÉRCITO, no uso da competência que lhe é conferida

Leia mais

DÉCADA DE 70. Eventos marcantes: Guerra do Vietnã Watergate Crise do Petróleo Revolução Iraniana

DÉCADA DE 70. Eventos marcantes: Guerra do Vietnã Watergate Crise do Petróleo Revolução Iraniana Eventos marcantes: Guerra do Vietnã Watergate Crise do Petróleo Revolução Iraniana GUERRA DO VIETNÃ Após o fim da Guerra da Indochina (1954), Vietnã é dividido na altura do paralelo 17: Norte: república

Leia mais

MINISTÉRIO DA DEFESA EXÉRCITO BRASILEIRO DEPARTAMENTO DE ENSINO E PESQUISA DIRETORIA DE ESPECIALIZAÇÃO E EXTENSÃO (C Aprf Esp do Realengo/1945)

MINISTÉRIO DA DEFESA EXÉRCITO BRASILEIRO DEPARTAMENTO DE ENSINO E PESQUISA DIRETORIA DE ESPECIALIZAÇÃO E EXTENSÃO (C Aprf Esp do Realengo/1945) MINISTÉRIO DA DEFESA EXÉRCITO BRASILEIRO DEPARTAMENTO DE ENSINO E PESQUISA DIRETORIA DE ESPECIALIZAÇÃO E EXTENSÃO (C Aprf Esp do Realengo/1945) NORMAS PARTICULARES PARA GESTÃO ESCOLAR NO ÂMBITO DA DIRETORIA

Leia mais

SÉRIE 9ª ETAPA 3ª. ENSINO Fundamental. Marta Moura

SÉRIE 9ª ETAPA 3ª. ENSINO Fundamental. Marta Moura Revisão História SÉRIE 9ª ENSINO Fundamental ETAPA 3ª Marta Moura 1. A geração explosiva dos anos 60, conhecidos como anos rebeldes, protestava contra as guerras, a corrida armamentista, o racismo, o poder

Leia mais

CRISE E RUPTURA NA REPÚBLICA VELHA. Os últimos anos da República Velha

CRISE E RUPTURA NA REPÚBLICA VELHA. Os últimos anos da República Velha CRISE E RUPTURA NA REPÚBLICA VELHA Os últimos anos da República Velha Década de 1920 Brasil - as cidades cresciam e desenvolviam * Nos grandes centros urbanos, as ruas eram bem movimentadas, as pessoas

Leia mais

VASQUES, Bernardo * militar; min. STM 1893-1902; min. Guerra. 1894-1896.

VASQUES, Bernardo * militar; min. STM 1893-1902; min. Guerra. 1894-1896. VASQUES, Bernardo * militar; min. STM 1893-1902; min. Guerra. 1894-1896. Bernardo Vasques nasceu em Magé, na antiga província do Rio de Janeiro, no dia 9 de agosto de 1837, filho de Bernardo José Vasques.

Leia mais

O 5º BIL NA OPERAÇÃO SÃO FRANCISCO FORÇA DE PACIFICAÇÃO MARÉ

O 5º BIL NA OPERAÇÃO SÃO FRANCISCO FORÇA DE PACIFICAÇÃO MARÉ INFORMATIVO DO 4 TRIMESTRE DE 2014 MISSÃO CUMPRIDA! O 5 BIL NA OPERAÇÃO SÃO FRANCISCO FORÇA DE PACIFICAÇÃO MARÉ 2 O 5 BIL é uma das mais antigas e tradicionais Unidades do Exército Brasileiro. Os seus

Leia mais

CENTRO EDUCACIONAL CHARLES DARWIN. b) Cite duas características do Estado Novo. Resposta: Ditadura, censura, nacionalismo, etc.

CENTRO EDUCACIONAL CHARLES DARWIN. b) Cite duas características do Estado Novo. Resposta: Ditadura, censura, nacionalismo, etc. 2ª série Ens. Médio EXERCÍCIOS DE MONITORIA HISTÓRIA - OBJETIVA Professora: Higor David Lopes Prucoli 1. (Fuvest 1987) Como se expressa a ação do governo na economia brasileira no período do Estado Novo?

Leia mais

Vade-Mécum de Cerimonial Militar do Exército Valores, Deveres e Ética Militares (VM 10)

Vade-Mécum de Cerimonial Militar do Exército Valores, Deveres e Ética Militares (VM 10) VADE-MÉCUM 10 MINISTÉRIO DA DEFESA EXÉRCITO BRASILEIRO SECRETARIA - GERAL DO EXÉRCITO COMISSÃO DE CERIMONIAL MILITAR DO EXÉRCITO Vade-Mécum de Cerimonial Militar do Exército Valores, Deveres e Ética Militares

Leia mais

Disputa pela hegemonia mundial entre Estados Unidos e URSS após a II Guerra Mundial. É uma intensa guerra econômica, diplomática e tecnológica pela conquista de zonas de influência. Ela divide o mundo

Leia mais

Editora M.books lança o livro "A HISTÓRIA DA MÁFIA"

Editora M.books lança o livro A HISTÓRIA DA MÁFIA Editora M.books lança o livro "A HISTÓRIA DA MÁFIA" O livro A História da Máfia do autor Jo Durden Smith, apresenta os personagens obscuros por trás do mito da Máfia. Rastreia a história da organização

Leia mais

Folha Informativa nº 135

Folha Informativa nº 135 Folha Informativa nº 135 VISITA DA AACDN AO MUSEU DO AR EM SINTRA No seguimento do XII Congresso da AACDN, teve lugar, no dia 27 de Outubro, uma visita às instalações do Museu do Ar, situado na Base Aérea

Leia mais

BLOQUEIO NAVAL CONTRA O CHILE.

BLOQUEIO NAVAL CONTRA O CHILE. -------------------------- Edição nº 006 Ano 01 ------------------------------------------------------------ janeiro de 2011 -- www.redteam.com.br ---------------- FORÇAS NAVAIS PRONTAS PARA A GUERRA.

Leia mais

Capítulo 2 Método 81 A variável independente e a sua aplicação 81 O método institucional: o primado da instituição Estado sobre a ordem

Capítulo 2 Método 81 A variável independente e a sua aplicação 81 O método institucional: o primado da instituição Estado sobre a ordem índice Agradecimentos 15 Prefácio 17 Introdução 23 Capítulo 1 Que forma de Estado previne melhor os golpes militares? 27 Golpes de Igreja, golpes de Estado, golpes militares 27 Que é a forma do Estado

Leia mais

Questão 1. b) Na visão de Anderson, qual era o grupo social dominante nos quadros do Estado absolutista? Justifique.

Questão 1. b) Na visão de Anderson, qual era o grupo social dominante nos quadros do Estado absolutista? Justifique. VESTIBULAR 2012 1ª Fase HISTÓRIA Instruções Gerais: Hoje você deverá responder às questões de Artes Visuais e Literatura, História, Geografia e de Raciocínio Lógico- Matemático. Você terá 4 horas para

Leia mais

ANSB SAPADORES- BOMBEIROS DO BRASIL

ANSB SAPADORES- BOMBEIROS DO BRASIL ANSB SAPADORES- BOMBEIROS DO BRASIL Por que "Sapadores-Bombeiros"? O excelente blog de Leonardo Aparecido Baldo Ferraz, disponível em http://diariobombeirocivil.blogspot.com.br/ aponta, já há algum tempo,

Leia mais

A vinda da família real e o governo joanino no Brasil

A vinda da família real e o governo joanino no Brasil A vinda da família real e o governo joanino no Brasil A Europa no século XIX Napoleão realizou uma série de batalhas para a conquista de novos territórios para a França. O exército francês aumentou o número

Leia mais

até hoje ecoem como verdades absolutas na Arte da Guerra

até hoje ecoem como verdades absolutas na Arte da Guerra INTRODUÇÃO Sun Tsu um filosofo que se tornou general mostra neste livro que dominar A Arte da Guerra é fundamental para o Estado, conhece-la bem é questão de vida ou morte e que a diferença entre segurança

Leia mais

Doi: 10.4025/7cih.pphuem.1302 O 1º GRUPO DE AVIAÇÃO DE CAÇA DO BRASIL NA SEGUNDA GUERRA MUNDIAL: MISSÕES.

Doi: 10.4025/7cih.pphuem.1302 O 1º GRUPO DE AVIAÇÃO DE CAÇA DO BRASIL NA SEGUNDA GUERRA MUNDIAL: MISSÕES. Doi: 10.4025/7cih.pphuem.1302 O 1º GRUPO DE AVIAÇÃO DE CAÇA DO BRASIL NA SEGUNDA GUERRA MUNDIAL: MISSÕES. Heitor Esperança Henrique Mestre e Graduado em História pela UEM Professor na Fafiman Resumo: O

Leia mais

LEI Nº 1.842, DE 13 DE ABRIL DE 1953

LEI Nº 1.842, DE 13 DE ABRIL DE 1953 CÂMARA DOS DEPUTADOS Centro de Documentação e Informação LEI Nº 1.842, DE 13 DE ABRIL DE 1953 Dispõe e fixa normas para a prestação do serviço militar, pelos médicos, farmacêuticos e dentistas e pelos

Leia mais

Anexo L (MODELOS DE DOCUMENTOS REFERENTES AO PREPARO) à Diretriz de Preparação Específica de Tropa para Missão de Paz

Anexo L (MODELOS DE DOCUMENTOS REFERENTES AO PREPARO) à Diretriz de Preparação Específica de Tropa para Missão de Paz MINISTÉRIO DA DEFESA EXÉRCITO BRASILEIRO COMANDO DE OPERAÇÕES TERRESTRES Anexo L (MODELOS DE DOCUMENTOS REFERENTES AO PREPARO) à Diretriz de Preparação Específica de Tropa para Missão de Paz RELAÇÃO DOS

Leia mais

INFORMATIVO DO 2º TRIMESTRE DE

INFORMATIVO DO 2º TRIMESTRE DE INFORMATIVO DO 2º TRIMESTRE DE 2015 5º BIL na operação anhanguera-2015 2 EDITORIAL Nesta edição do nosso Informativo O Itororó apresentaremos as principais atividades realizadas pelo 5º Batalhão de Infantaria

Leia mais

IMAGENS DA FORÇA EXPEDICIONÁRIA BRASILEIRA NA

IMAGENS DA FORÇA EXPEDICIONÁRIA BRASILEIRA NA HISTÓRIA CULTURAL: ESCRITAS, CIRCULAÇÃO, LEITURAS E RECEPÇÕES Universidade de São Paulo USP São Paulo SP 10 e 14 de Novembro de 2014 IMAGENS DA FORÇA EXPEDICIONÁRIA BRASILEIRA NA IMPRENSA COMUNISTA Rodrigo

Leia mais

COMENTÁRIO DA PROVA DE HISTÓRIA

COMENTÁRIO DA PROVA DE HISTÓRIA COMENTÁRIO DA PROVA DE HISTÓRIA Mais uma vez a prova de História da UFPR distribuiu muito bem os assuntos, abordando temas importantes e esperados, como a educação em Esparta, o nascimento das universidades,

Leia mais

A CENSURA POSTAL MILITAR: A POLÍTICA DO ESTADO NOVO NA CORRESPONDÊNCIA DE GUERRA DA FEB. MARCOS ANTONIO TAVARES DA COSTA*

A CENSURA POSTAL MILITAR: A POLÍTICA DO ESTADO NOVO NA CORRESPONDÊNCIA DE GUERRA DA FEB. MARCOS ANTONIO TAVARES DA COSTA* 1 A CENSURA POSTAL MILITAR: A POLÍTICA DO ESTADO NOVO NA CORRESPONDÊNCIA DE GUERRA DA FEB. MARCOS ANTONIO TAVARES DA COSTA* INTRODUÇÃO A Censura Postal Militar é um instrumento já bem conhecido e utilizado

Leia mais

F.E.B. Verás que um filho teu não foge à luta

F.E.B. Verás que um filho teu não foge à luta F.E.B. Verás que um filho teu não foge à luta Analice Sauerbronn Reina AGRADECIMENTOS: Obrigada Senhor por me capacitar e permitir que essa pesquisa se tornasse possível. Obrigada a todos que colaboraram

Leia mais

LEVANTAMENTO DE FONTES PARA O DICIONÁRIO BRASILEIRO DA GUERRA DO PARAGUAI

LEVANTAMENTO DE FONTES PARA O DICIONÁRIO BRASILEIRO DA GUERRA DO PARAGUAI LEVANTAMENTO DE FONTES PARA O DICIONÁRIO BRASILEIRO DA GUERRA DO PARAGUAI Thasley Westanyslau Alves Pereira 1 ; Marcelo Santos Rodrigues 2. 1 Aluno do Curso de História; Campus de Porto Nacional; e-mail:thasley_uft@hotmail.com

Leia mais

Exercícios de Guerra Fria: Guerra da Coreia ao Vietnã

Exercícios de Guerra Fria: Guerra da Coreia ao Vietnã Exercícios de Guerra Fria: Guerra da Coreia ao Vietnã 1. As mudanças no panorama internacional representadas pela vitória socialista de Mao-Tsé-tung na China, pela eclosão da Guerra da Coréia e pelas crescentes

Leia mais