ESPELHO DE CLIO: DAS ILUSÕES DA PERFEIÇÃO À CONSCIÊNCIA ESTÉTICA.

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "ESPELHO DE CLIO: DAS ILUSÕES DA PERFEIÇÃO À CONSCIÊNCIA ESTÉTICA."

Transcrição

1 ESPELHO DE CLIO: DAS ILUSÕES DA PERFEIÇÃO À CONSCIÊNCIA ESTÉTICA. ROBERVAL AMARAL NETO 1 RESUMO: Clio: na mitologia grega, é filha de Zeus com Mnemósine e musa da história. Neste trabalho, propomos uma investigação sobre a real imagem de Clio refletida no espelho. Comumente ela é considerada esteticamente perfeita/linda; a mais perfeita entre as musas. Porém, ao longo do percurso histórico, existem fortes indícios de que a imagem refletida de Clio, no espelho, apresenta algum(s) problema(s) físico/estético(s). É exatamente essa investigação que propomos neste trabalho: analisar se Clio apresenta uma imagem perfeita e/ou deformada no espelho do tempo. Clio, nesta perspectiva, marcaria a ligação entre os homens e sua experiência no tempo. Para tanto, alicerçamos esta pesquisa em torno de debates, discussões e autores contemporâneos sobre as possibilidades, características, perspectivas e limites do conhecimento histórico do tempo presente. E a partir deste recorte temático (a tessitura da história do presente), propõem-se o debate sobre grandes temas historiográficos da atualidade: modernidade, pós-modernidade, história, literatura, linguagens, testemunho oral e a reescrita constante da história. E para consubstanciar a discussão faremos o diálogo com diferentes pensadores como, por exemplo: François Hartog, Durval Muniz, Clifford Geertz e François Lyotard na tentativa de buscarmos respostas às indagações apontadas em forma de hipóteses, como: (01) Clio, apresenta, sim, problemas físico/estéticos verificados ao longo do tempo. (02) os homens, fascinados pela beleza de Clio, não perceberão as deformações da musa da história. (03) verificamos, a partir da década de 1980, uma curva ascendente da testemunha comparada à época do início da Era Cristã. PALAVRAS-CHAVE: História; teoria; epistemologia; história oral; testemunho. 1 INTRODUÇÃO Na definição usual/coloquial espelho é: s.m. Qualquer superfície de vidro, metal polido, que reflete imagens. (BUENO, 2013, p. 319) 2. Clio: na mitologia grega, é filha de Zeus com Mnemósine e musa da história. Neste trabalho, propomos uma investigação sobre a 1 Professor/EBTT do IFMA; mestrando em História pela PUC/GO; bolsista da FAPEG. 2 BUENO, Silveira. Dicionário da língua portuguesa. São Paulo: FTD, 2013.

2 real imagem de Clio refletida no espelho. Comumente, ela é considerada esteticamente perfeita/linda; a mais perfeita entre as musas. Porém, ao longo do percurso histórico, existem fortes indícios de que a imagem refletida de Clio, no espelho, apresenta algum(s) problema(s) físico/estético(s). É exatamente essa investigação que propomos neste trabalho: analisar se Clio apresenta uma imagem perfeita e/ou deformada no espelho do tempo. Para iniciar essa aventura, das mais difíceis no campo das análises epistemológicas, podemos observar que o título deste ensaio não é original. O excelente trabalho de Francois Hartog, o Espelho de Heródoto (1999) 3, vem antes desta investigação e de forma magistral trabalha a idéia de alteridade e representação do outro na historiografia ocidental, buscando os limites e nuances da narrativa histórica. Nas pegadas de Hartog, buscamos as características, possibilidades e limites da deusa-musa da história: Clio 4 - filha majestosa dos deuses, criada para lembrar os homens do papel da história: decifre-me ou lanço-te no mar do esquecimento, atirando-o ao limbo. Clio, nesta perspectiva, marcaria a ligação entre os homens e sua experiência no tempo. Ao promover a relação entre deuses e homens, os deuses não queriam ser esquecidos pelos humanos, mas lembrados ao longo dos tempos. Porém, ao figurar a importância dos deuses, nas suas concepções/respostas míticas, os homens, não representaram apenas suas qualidades/defeitos, mas também aquilo que mais se assemelhavam aos homens: seus conflitos, perguntas e respostas para o mundo e também, todos os conflitos existenciais. Ao promover a simetria mítica, entre homens e deuses, os imortais não só abriram caminho para o esquecimento das divindades antigas, como abriram uma brecha para a superação histórico/existencial dos deuses mitológicos. Isso ocorreu por meio da força de mudança dos mortais: incrível capacidade de adaptação e mudança comportamental e natural, instrumentalizada pela técnica, ciência e razão. Em fim, do espírito crítico/inventivo dos humanos. Sobre essa relação mítica a professora Pesavento esclarece que, No Monte Parnaso, morada das Musas, uma delas se destaca. Fisionomia serena, olhar franco, beleza incomparável. Nas mãos, o clarinete da escrita, a trombeta da fama. Seu nome é Clio, a musa da História. Neste tempo sem tempo que é o tempo do mito, as musas, esses seres divinos, filhos de Zeus e de Mnemósine, a Memória, têm o dom de dar existência àquilo que cantam. E, no Monte Parnaso, cremos que Clio era uma filha dileta entre as Musas, pois partilhava com sua mãe o mesmo 3 HARTOG, François. O espelho de Heródoto. Belo Horizonte: Ed. UFMG, Clio era uma musa filha de Mynemosine (memória). Ela patrocinava a literatura exemplificada pelos hinos e panegíricos. Com sua trombeta, proclama aos ares os nomes dos heróis, como suas façanhas. No Império Romano, Clio tornou-se musa inspiradora da história. (QUADROS, 2007, p. 15). Musa da história e da criatividade, conhecida como a proclamadora, cujo nome representa celebrações e perpetuidade. Personificada em uma jovem com uma coroa de louros, trazendo em sua mão direita uma trombeta e na esquerda um livro de Tucídides ou um pergaminho. Ademais, têm como símbolos o clarim e a clepsidra e descansa serenamente sobre o globo terrestre ao lado do tempo. (SOARES, 2012, p. 01)

3 campo do passado e a mesma tarefa de fazer lembrar. Talvez, até, Clio superasse Mnemósine, uma vez que, com o estilete da escrita, fixava em narrativa aquilo que cantava e a trombeta da fama conferia notoriedade ao que celebrava. No tempo dos homens, e não mais dos deuses, Clio foi eleita rainha das ciências, confirmando seus atributos de registrar o passado e deter a autoridade da fala sobre fatos, homens e datas de um outro tempo, assinalando o que deve ser lembrado e celebrado. Quais seriam hoje, neste novo milênio, os atributos e o perfil de Clio, a favorita das musas? Cremos que, hoje, sua faceta mais recente e difundida seja aquela da chama História Cultural. (PESAVENTO, p. 07, 2004). Quais seriam, então, os novos desafios para Clio, nossa musa perfeita? Seria passar da história social para a história cultural? Ou a tarefa seria mais desafiadora ainda? Ou seja, a interligação das diversas dimensões do real, buscando a conjugação da cultura, em rede de significados, como propõe Gertez (2000) 5, para que possamos navegar na barca da história, não excluindo os pólos da natureza e cultura, mas interligando-os, oscilando nas interseções, no entre lugar, da história; na terceira margem 6 do rio caudaloso e infinito da história? Cremos que esse seja um dos caminhos, a ser trilhado e defendido, pela nossa deusa-musa neste começo de século. 1.1 A AVENTURA EPISTEMOLÓGICA: CLIO EM BUSCA DE UMA IDENTIDADE Ao longo do percurso temporal da humanidade, os homens tiveram êxito com as lições históricas de Clio: instrumentalizaram a memória, em narrativas pessoais e épicas, na tentativa de estabelecer um sentido para a existência humana: conectar experiência/passado com sentido/presente. E para isso estabeleceu diversas formas de organização no espaçotempo. Uma dessas organizações, que chegaram aos nossos dias e se tornou a forma dominante de organizarmos as idéias no ocidente, foi à organização do saber grego e, por conseguinte, a lógica platônica das essências, a organização e instrumentalização do Estadonas suas diversas roupagens-, o surgimento do cristianismo- alterando toda a forma de concebermos a idéia do sagrado e da salvação humana. Essas idéias, da construção do pensamento ocidental, chegaram até a nossa época: a modernidade 7 - esta nova era histórica 5 GERTEEZ, Clifford. Interpretação das Culturas. Buscamos analisar a cultura articulada nas redes de significados. A partir das concepções de Gerteez percebemos que sem a cultura não acordamos, não falamos, não estabelecemos signos de comunicação. A cultura não existe, ela faz parte da nossa invenção, da invenção do próprio homem. 6 Nesse sentido, concorda-se com as idéias de Durval Muniz (2007) sobre a terceira margem do rio. Na metáfora estabelecida entre o rio e a história percebe-se uma sintonia fina entre as águas, o leito do rio, os processos históricos e as ações humanas na construção da história. 7 A idéia de modernidade, aqui ancorada, é a concepção construída a partir de Kant. Onde se alojou um abismo entre o sujeito do conhecimento e o próprio real ; onde a realidade (construída pelo pensamento e linguagem) não corresponde ao simples reflexo do real estudado. A Modernidade trouxe um grande problema

4 trouxe, consigo, toda a força do pensamento ocidental formado, séculos antes, no mundo clássico. Essas idéias, da antiguidade clássica, entraram em simbiose 8 com o mundo novo que estava se formando. È resgatado, nesse momento, idéias gregas de objetividade, racionalização e um poderoso pensamento platônico das essências das coisas. Incluí-se, também, a construção da história como ciência do passado- com todos os rigores e estatutos de uma ciência exata, onde sua idéia mais cientificista encontra-se na Escola Metódica Alemã. No atual momento histórico, com a crise das grandes metanarrativas- onde a história se encontra em uma de suas maiores encruzilhadas epistemológicas: a reconstrução e/ou invenção do conhecimento histórico não corresponde mais à cópia fiel do real (como acreditavam os racionalistas do século XVII e XVIII), sendo, portanto, uma imagem desfigurada/estranha da realidade. Porém, contrário a essa visão- que trabalha a distorção plena do real, com o conhecimento que se constrói a respeito desse real- chamada de pósmoderna; destacamos a fragilidade epistemológica de afirmarmos o surgimento, e alojamento permanente, dessa nova condição histórica. Seguindo o viés epistemológico, contrário àqueles que defendem a pósmodernidade, expomos as contradições máximas de nossa época- a modernidade: a distorção plena entre o real estudado e o conhecimento produzido sobre o real. Sobre essa assimetria entre passado e presente Durval nos afirma que, Nasce uma nova cosmovisão, uma nova teoria do conhecimento, em que este não é a imagem do mundo, mas chave para possíveis mundos. Eles enunciam o fim do realismo metafísico que, durante muito tempo, afirmou a capacidade do homem de conhecer o mundo tal como ele é, que pensou a verdade como uma operação de correspondência entre a representação, o enunciado e a realidade independente do sujeito, uma realidade como dado objetivo. (DURVAL, 2007, p. 59). 9 epistemológico para a construção/criação do saber. A concepção desta pesquisa, aqui exposta, transita na contramão daquelas que vislumbram que a crise do conhecimento histórico começou a partir da década de 1950/60, com o desenvolvimento das armas de destruição em massa, da corrida espacial durante a guerra fria, protótipos de computadores, robótica, a química fina, comunicação de longa distância, a era do microchip, a crise do padrão fordista e a conseqüente acumulação flexível e os movimentos sócio-culturais e a crise do marxismo real. O problema da construção do conhecimento detectado por Kant e Hegel (século XIX) ainda não foi superado, portanto, não devemos deslocar a idéia de modernidade para a suposta idéia/condição histórica da pós-modernidade, que inclusive, não tem consenso acadêmico. 8 Termo da biologia: associação de dois seres vivos (especialmente vegetais) na qual há benefícios recíprocos; vida em comum. (BUENO, 2013, p. 715). Procura-se evidenciar a construção da modernidade a partir da conjunção de diversos elementos que formam o tecido do nosso tempo. 9 ALBUQUERQUE JR., Durval. História: a arte de inventar o passado. Bauru. São Paulo: EDUSC, Neste texto (cap.02), Durval Muniz analisa a constituição contemporânea de invenção do saber histórico. Porém, dar o melhor de sua analítica para fundamentar distância máxima entre o real e a realidade analisada/ criada pelo historiador para afirmar que tais distorções na apreensão do real é algo novo, recente, isto e, provém do início da Segunda Guerra Mundial. Ao referenciar o filme de Akira Kurosawa, Rapsódias de Agosto, ele coloca a Segunda Grande Guerra como divisor de águas entre a modernidade e uma nova condição histórica. Todo o abalo simbólico provocado pelos cogumelos atômicos, durante a Segunda Grande Guerra, levou a falência do projeto humanista/modernidade e a conseqüente gestação de uma nova era histórica: a pós-modernidade. Porém,

5 Ora, a crise do sujeito do conhecimento não começou na década de 1950/60 como esboçado, anteriormente, por Durval Muniz. Afirmamos sim, que ela começou bem antes, no século XIX. Ankersmit (2012) nos expõem sua visão consciente, que percorre o sentido contrario àqueles que defendem a existência a pós-modernidade, pela constatação da existência de um vazio entre o sujeito do conhecimento e o real: Pense no próprio Hegel. Graças a sua convicção idealista de que a história foi formada pelo mesmo instrumento que o indivíduo em sua disposição para entender a realidade sócio-histórica- a Razão Hegel foi bem sucedido em construir uma ponte no vazio que ele demonstrou existir entre a realidade e o indivíduo. Contudo, em certo sentido, a suposição está correta. Paradoxalmente, foi precisamente esta transição das certezas do Iluminismo para a atormentada luta do Romantismo com a natureza da realidade sócio-histórica que deu à luz a historiografia moderna. O passado se tornou estranho, irrevogavelmente fechado em si mesmo e, por conseguinte, interessante. A descoberta da distância entre indivíduo e a realidade sócio-histórica fez o homem ocidental consciente de seu passado com uma intensidade até então desconhecida. O passado tornou-se um enigma, e a historiografia moderna foi criada para ir de encontro ao desafio. (ANKERSMIT, 2012, p ) 10. Uma vez colocada a visão da historiografia moderna, e não pós-moderna do conhecimento histórico ocidental, podemos caminhar para outra estação de nossa argumentação, na tentativa de saber/compreender se a musa-deusa da história, Clio, tem de fato um problema físico/estético que comprometa sua observação/fruição do saber histórico: a constante reescrita do conhecimento historiográfico. Fazemos e reelaboramos a escrita histórica por duas razões, que são ao mesmo tempo peculiares e característicos ao metier historiográfico. Em primeiro lugar, porque os homens e as sociedades humanas mudam ao longo do tempo, isto é, há questões na história que só se faz compreender ao longo da sucessão temporal. Portanto, [...] Os homens e as sociedades humanas, por serem temporais, não permitem um conhecimento imediato, total, absoluto e definitivo. A história só se torna visível e apreensível com a sucessão temporal. [...]. (REIS, 2002, p. 07), trazendo a necessidade de se reescrever a história a partir do momento histórico específico (tempo presente) e do lugar social (instituição) em que se produz a pesquisa. Em segundo, porque o não observamos argumentos filosóficos fortes nem referências a grandes pensadores para firmar e fundamentar sua tese de pós-modernidade. 10 ANKERSMIT. Flankflin Rudolf. A escrita da história: a natureza da representação histórica. Londrina: Eduel, Texto riquíssimo na construção da teoria e metodologia da história por tematizar questões de grande relevância para o estatuto da historiografia moderna. Questões como história, tempo, uso da linguagem na escrita da história, romantismo, paradigma iluminista e construtivismo. Expõem de forma muito clara argumentos que afirmam a solidez da nossa condição moderna.

6 conhecimento muda, isto é, novos documentos, teorias, metodologias e novos pontos de vista levam à reavaliação do passado e das suas interpretações são estabelecidas. Há uma transposição para essa nova linguagem do patrimônio do passado. O passado é, então, repensado e ressignificado de forma renovada e fecunda. [...]. (Id. p ). Toda essa avalanche, de novas expectativas em torno da reelaboração da história, é incorporada ao novo estatuto da historiografia e, conseqüentemente, à reescrita da história, fazendo surgir novos questionamentos, problemas, perguntas e, por sua vez, tentativas de respostas. Seguindo esse raciocínio, a primeira grande tentativa na Era Moderna, de responder aos grandes desafios propostos pela história foi tentada pela Escola Metódica, no século XIX 11. Essa escola historiográfica mesmo tratando o conhecimento histórico como científico imutável e fixo, nos legou pontos de ancoragem e referências metodológicas, ainda hoje usadas por muitos pesquisadores, foram construídas nos embates efervescentes do ambiente europeu da época moderna como expressão da racionalidade moderna de controlar e explicar questões seculares. Outras correntes historiográficas como: Marxismo, Estruturalismo, Escola de Frankfurt e Escola dos Annales foram, também, desenvolvidas e/ou criadas na transição do século XIX para o século XX. E, conseqüentemente, construíram respostas/soluções na tentativa de responder as angústias contemporâneas, como por exemplo: as imagens criadas em torno do real que se mostrava cada vez mais desfocado, embaçado e longe de ser apreendido na sua lógica interna. A crise provocada pelas guerras mundiais e pelo desdobramento dos conflitos entre socialistas e capitalistas, incluindo as reformas sociais capitalistas conhecidas como Welfare State 12 e as variadas formas de violências contra os homens (crimes contra a humanidade: prisões ilegais, torturas e massacres de inimigos do Estado) cometidas tanto por capitalistas quanto por comunistas que chegaram ao poder 11 O texto, aqui analisado, MARTINS, Estevão de Rezende. (org.). A História pensada: teoria e método na historiografia européia do Século XIX. São Paulo: Contexto, 2010., parte da premissa de que Leopold Von Ranke foi fundamental na construção da história como campo de conhecimento estabelecendo seus pressupostos metodológicos, teóricos, temáticos e seu lugar no panteão das ciências modernas, buscando construir algo novo tentando ir além do racionalismo cartesiano e do idealismo hegeliano na tentativa de criar uma ciência imparcial, objetiva e no contexto do éculo XIX não se contaminasse com as paixões revolucionárias atrapalhando, assim, o resultado da pesquisa. Porém, a conseqüência que adveio dos seguidores de Ranke foi catastrófica: cristalizaram a história como uma ciência exata e perderam a nossa processual e dinâmico do conhecimento histórico. 12 Na obra: Problemas Estruturais do Capitalismo (2002), o pensador contemporâneo alemão Clauss Offe trabalha a incompatibilidade da democracia com o capitalismo. O curto período histórico em que isso foi possível foi nas décadas de 1950/60 em que o bloco capitalista, liderado pelos Estados Unidos da América, impôs o padrão de consumo/democracia para os países do Primeiro Mundo e criou way of life. Porém, essa compatibilidade foi em decorrência do perigo vermelho que o bloco comunista impôs aos dirigentes capitalistas, com a idéia de revolução mundial. Quando esse perigo passou, e veio à Nova Ordem Mundial, à compatibilidade se transformou em extrema incompatibilidade.

7 corroboraram com a presença, cada vez mais angustiantes, da falta de referências concretas e seguras para firmar às certezas homem contemporâneo. Uma das alternativas, ao modelo de sociedade vigente e forma de construção de novos paradigmas, se deu logo após a Segunda Guerra. A grande revolução comportamental do século XX, maio de 1968, trouxe os movimentos de juventude 13, na Europa e Estados Unidos, que buscavam atender às novas demandas sociais, principalmente, das minorias e dos excluídos, saindo do binômio capitalismo x socialismo. Esses movimentos buscaram soluções pragmáticas para problemas emergenciais, tais como: a descolonização/incorporação do terceiro mundo, luta dos negros americanos pelos direitos civis, movimento ecológico e feminista. Esses movimentos, na sua lógica interna, contribuíram para a construção de um novo tipo de historiografia: os estudos históricos que valorizam a cultura como dimensão que entrelaçava todos os níveis do real, buscando alternativas ao sectarismo acadêmico. Porém, persistem, ainda, na acadêmica nos dias atuais, tendências e posturas historiográficas ligadas às grandes metanarrativas 14 que nada avançam no debate nem na superação dos grandes problemas epistemológicos das ciências humanas. 1.2 O FIM DAS CERTEZAS ABSOLUTAS: CLIO EM BUSCA DE UM ELO O momento em que os grandes paradigmas entraram em crise 15, na segunda metade do século XX, as correntes epistemológicas do conhecimento se voltaram para o passado (século XIX) na tentativa de entender/compreender o estatuto das ciências humanasas matrizes epistemológicas, do conhecimento da realidade. Seguindo esse viés interpretativo, busca-se compor, no presente, o quadro teórico-metodológico que melhor compreenda, na nossa visão, os grandes problemas histórico/filosófico do nosso tempo, a saber: o deslocamento/desfiguração total entre o real e o conhecimento produzido sobre essas 13 HOBSBAWM, Eric. A Era dos Extremos. São Paulo: Companhia das Letras, 1998.p Coloca os limites dos movimentos de maio de 1968 e a não deflagração da revolução, na Europa, foi pelo fato dos estudantes, por mais numerosos que fossem não podiam fazê-la sozinhos. O grande mérito, desses movimentos, seria em servir de fonte detonadora para iniciar movimentos maiores em escala continental. Porém, a dinâmica interna desses movimentos e a cooptação, da força de transformação dos estudantes, pelos governos capitalistas europeus, ao longo dessa década,tornou a idéia de revolução social uma idéia pálida e desbotada,levando potencialmente essas forças sociais a se adequarem ao status quo vigente. 14 [...] A metanarrativa se faz a partir de um sujeito de discurso que, a pretexto de falar do lugar da ciência, sobrevoaria a História e poderia falar de fora dela, ter uma visão global, de conjunto e não comprometida com os embates do momento. Ilusões que Bouvard e Pécuchet podiam ainda ter no século no século passado, mas os historiadores hoje já admitem que o se alojar no passado não é nenhuma garantia de imparcialidade, simplesmente porque ela é impossível. (Id., 2007, p. 62) 1515 Refere-se, aqui, às grandes correntes teóricas e epistemológicas, do pensamento ocidental, que dominaram as formas de construção das narrativas historiográficas dos últimos séculos, isto é, a Escola Metódica e Marxismo.

8 instâncias da realidade. Daí que [...] A história se torna visível e apreensível com a sucessão temporal. [...]. (Id. p. 07)., onde nós, historiadores, de tempo em tempos somos assaltados por uma nova leva de problemas, perguntas e questionamentos sobre [...] os homens e as sociedades humanas no tempo. [...]. (id. p. 07). Na tentativa de oferecer a melhor história, alguns historiadores enfatizam a dimensão temporal de formas diferenciadas, uns enfatizam o passado, outros o futuro e alguns o tempo presente- posição teórica e metodológica em que este trabalho se sustenta. Sobre a importância do tempo presente, o eminente professor Quadros comenta: O tempo presente é o mais importante, segundo Paul Ricoeur, porque reúne as temporalidades do passado e do futuro. Retomando os conceitos de Reinhart Koselleck (1979), ele demonstra como é fundamental alargar nosso espaço de experiência para aproximá-lo de nosso horizonte de expectativa. (QUADROS, 2007, p. 15). Seguindo essa premissa, visões do tempo histórico são reelaboradas enfocando temporalidades próprias de cada tendência historiográfica, que pode, em geral, ser regressivas, conservadoras ou progressivas. [...] A renovação teórico- metodológica não abole o condicionamento da produção histórica em um presente e lugar social. [...]. (REIS, 2002, p. 10). Os contemporâneos são impulsionados a se localizarem e tomarem partido, mesmo que seja inconsciente essa escolha, aglutinando, assim, os pesquisadores em diversas escolas teóricas de pensamento, levando à avalanche de novas obras que, marcam uma determinada época histórica, com sua tendência específica e peculiar de produzir uma determinada forma de escrita historiográfica, caracterizando um determinado período da historiografia. A história [...] Não cria um efeito de neutralidade, imparcialidade, que abolia a condição temporal do objeto e da pesquisa com o seu sujeito. [...]. (Id., 2002, p. 10). Isso entra em harmonia com os pressupostos levantados anteriormente: [...] o objeto temporal e a renovação teóricometodológico e de quadros humanos [...] (Id.,2002, p. 11) leva a mudança contínua da pesquisa histórica, possibilitando,em épocas históricas específicas, a revisão de temas importantes como: objetividade, subjetividade, imparcialidade, parcialidade 16, maior ou menor independência do sujeito do conhecimento,onde essas categorias são articuladas de forma diferenciada levando os contemporâneos a um olhar diferenciado e específico do passado e presente e de sua articulação com o futuro. 16 Com relação às idéias de objetividade, imparcialidade e cientificidade na metanarrativa histórica, Durval Muniz nos oferece sua visão lúcida: [...] A metanarrativa se faz a partir de um sujeito de discurso que, [...] sobrevoaria a História e poderia falar de fora dela, [...] não comprometida com os embates do momento. [...] o se alojar no passado não é nenhuma garantia de imparcialidade, simplesmente porque ela é impossível. (Id., 2007, p. 62).

9 Neste contexto, discutir os próximos dois temas abaixo é fundamental na tessitura dos argumentos epistemológicos desta pesquisa, para neste percurso buscarmos a resposta para pergunta que direciona/norteia este trabalho: a musa-deusa majestosa da história tem algum problema físico/estético? Dentro desse impasse, há questões que merecem análises profundas. O primeiro tema é a emergência dos estudos do tempo presente na atualidade; e o segundo tema, não menos importante, é a investigação da relação entre objeto de estudo e pesquisador (metodologia e teoria) na construção do tecido cultural, mais especificamente a relação entre a testemunha e o historiador e, por conseguinte, na fértil relação entre fontes escritas e fontes orais. Retomando o tema anterior brevemente tocando- o tempo presente. Pode-se, agora, apresentar algumas idéias importantes acerca desse fértil tema na historiografia contemporânea. Sobre a profundidade e inteligibilidade da temática do tempo presente, o prestigioso historiador francês Jean- Pierre Rioux nos oferece uma visão lúcida sobre o presente: Um vibrato do inacabado que anima repentinamente todo o passado, um presente pouco a pouco aliviado de seu autismo, uma inteligibilidade perseguida fora de alamedas percorridas: é um pouco isto, a história do presente. (RIOUX, 1992, p. 50). Assim Rioux termina seu artigo intitulado: Pode-se Fazer Uma História Do Presente?. (RIOUX, 1992, p. 39). O estudo do presente é uma das temáticas mais ricas e debatidas na historiografia contemporânea. As limitações, obstáculos e desafios do estudo do tempo presente não se limita à famosa assertiva de Roger Chartier (1996) 17 sobre o presente: o estudo do tempo presente desperta um mau sentimento- a inveja. Alicerçar o debate e a construção epistemológica, em torno desse tema, em posições dessa natureza é incorrer em anacronismo elementar e traz pouca ou nenhuma contribuição a este tema; que é um dos mais debatidos e profundos das últimas décadas. Porém, com relação ao sentido da frase de Chartier, entendo a provocação e ao mesmo tempo a fina ironia desse que é, uma das mais importantes vozes e luz de entendimento, um dos maiores nomes da historiografia ocidental da atualidade. A maior contestação e crítica, invocada pelos conservadores da historiografia, ao estudo do tempo presente é a proximidade entre o sujeito do conhecimento (pesquisador) com seu objeto de estudo. Essa armadilha de fato é um dos principais e mais forte argumentos 17 CHARTIER. Roger. A visão do historiador modernista. In: FERREIRA, Marieta de Moraes; AMADO, Janaína. [coords.]. Usos & abusos da história oral. Rio de Janeiro: FGV, 1996.

10 contra os historiadores dos estudos do presente. As impressões, a imersão, a poluição de informações e o sentido de imparcialidade e objetividade são alterados em oposição ao historiador. Aliás, essa posição, segundo alguns críticos da historia do tempo presente, compara os historiadores aos jornalistas. Para esses críticos, tudo isso comprometeria o juízo e a análise da história. Porém, Durval Muniz (2007), nos alerta que, o conhecimento é perspectivista. [...] mas os historiadores hoje já admitem que o se alojar no passado não é nenhuma garantia de imparcialidade, simplesmente porque ela é impossível [...] (ALBUQUERQUE JR., 2007, p.62). Nessa mesma linha epistemológica como nos alerta Foucault 18, toda narrativa é pessoal, parcial e temporal, e conseqüentemente a visão aqui exposta é interessada, nasceu de lutas políticas, de embates de poder, portanto é uma prática totalmente ideológica, mesmo que o pesquisador se proteja com os métodos e teorias acadêmicas. Por essas razões, estamos do lado daqueles que acreditam na teoria do perspectivismo, onde o conhecimento é parcial, subjetivo e histórico. Mas o grande desafio desse tipo de análise é conjugar comprometimento, responsabilidade teórico-metodológico, manejo documental com distanciamento metodológico-temporal na construção narrativa dos temas do tempo presente. Dessa maneira podemos [...] esclarecer o presente pelo passado e o passado pelo presente [...]. (LE GOFF, 2002, p. 93) e se possa, dessa maneira, articular essas dimensões temporais, recusando o efêmero apesar das armadilhas lançadas pelo sangue quente do momento, contribuindo para desenvolver/aprimorar essa rica experiência, ainda embrionária, de estudar o próprio tempo do historiador. E que a ambição de uma história científica do século XIX, que ainda tem raios poderosos na iluminação da historiografia moderna, não sirva de obstáculo ao desenvolvimento dessa temática rica em temporalidades, personagens e enredos que renova e amplia a noção de espaço-tempo na época atual. Tudo que é importante é repetido, dizia Ernest Labrousse [...]. (RIOUX, 2002, p. 47), e durante muito tempo e diferentes escolas teóricas não admitiram a atualidade dessa assertiva, secundarizando os eventos e fatos do tempo próximo. E contrariamente, no seu lugar, a historiografia tradicional ergueu a idéia de longa duração, por temer a proximidade do pesquisador com seu objeto e conseqüentemente a formação de uma idéia de passado cristalizado e de captura da sua essência. Foi precisamente, por isso, que Ginzburg nos alerta para o principio de realidade. [...] Ao empreender sua resposta ao desafio cético, dito pós- 18 FOUCAULT, Michel. A Microfísica do Poder. São Paulo: Graal, Refiro-me à concepção de Foucault que trabalha a idéia de poder, não como coisa, mas como relação; onde o poder não está contido em algo específico, mas está presente em todas as relações sociais.

11 moderno, Carlo Ginzburg alerta para a necessidade de maior precisão do método e das pesquisas documentais [...]. (ROIZ, 2009, p.10), como forma qualitativa de evitar anacronismos na pesquisa e manter, ao mesmo tempo, seu compromisso social e acadêmico com a sociedade e com a história. Dentro da arquitetura do tempo proposto por Fernand Brundel (longa, duração, conjuntura e acontecimento), é necessário um entendimento básico: essas temporalidades são dinâmicas, processuais e dialéticas. Isto é, uma existe dentro da outra, determinando e sendo determinada uma pela outra. O tempo do acontecimento, da história imediata, precisa estar articulada com o tempo da história macro, de forma não mecânica como numa relação causaefeito, para que a abordagem do historiador não se perca em devaneios, muito menos em um idealismo cego que procure essências, sentidos teleológicos e totalidades sistêmicas do passado. Com isso, podemos abordar o último aspecto da anatomia da nossa musa exuberante, na tentativa de saber se há ou não problema físico/estético com Clio: a relação entre o pesquisador e a testemunha na metodologia da história oral O RETORNO DA TESTEMUNHA: (IN) CERTEZAS IDENTITÁRIAS DE CLIO Como nos alerta François Hartog 20 - usando para isso, o paradigma indiciário; o problema da relação entre a testemunha e o historiador já foi resolvido há muito tempo. [...] do ponto de vista prático e epistemológico. A testemunha não é um historiador, e o historiador- se ele pode ser, em função de necessidade, uma testemunha- não deve assumir tal função [...]. (HARTOG, 2011, p. 203). Ora, podemos observar que o historiador na condição de testemunha compromete em muito a análise do fato, seja pela falta de distanciamento metodológico, didaticamente necessário, quanto pelo poder de autoridade/certificação, que é impossível não ser arrolado no processo testemunhal, que socialmente é atribuído ao pesquisador. [...] Assim, ser testemunha nunca foi uma condição suficiente, nem sequer uma condição necessária, para ser historiador. Mas tal constatação já nos tinha sido ensinada por Tucídides. A própria autópsia (o fato de ver por si mesmo) deveria ser, previamente, pelo filtro da crítica. Se, agora, nos deslocarmos do historiador para 19 A história oral, no século XX, desenvolve-se, pioneiramente, na universidade dos Estados Unidos associada à pré-história da micro-história, como objetivo de compilar os testemunhos dos combatentes da Segunda Guerra. 20 Para tal construção teórica, da relação entre historiador e testemunha, usa-se como referência o texto de: HARTOG, François. Evidências da história: o que os historiadores vêem. Belo Horizonte: Autêntica Editora, 2011.

12 sua narrativa, a questão torna-se a seguinte: de que modo narrar como se eu tivesse visto (para fazer ver ao leitor) o que não vi, nem podia ter visto? Velhas questões que não deixam de acompanhar a história e sua evidência. (Id., 2011, p. 203). Como podemos observar a relação historiador x testemunha acompanham a historiografia desde os tempos antigos. A relação nem sempre simétrica entre autópsia (Tucídides) e testemunha (Heródoto) marcam diferenças profundas no processo de tessitura da narrativa histórica, que remontam a Grécia Antiga, e marcou profundamente a nossa maneira de construir os diversos gêneros historiográficos. Ao analisar a curva ascendente da testemunha 21, na historiografia ocidental, Hartog faz um recuou temporal para nos mostrar, de forma didática, as diferenças e possibilidades do conhecimento histórico a partir da testemunha. Para isso, ele faz as assimetrias da construção da centralidade da testemunha, da Grécia Antiga aos dias atuais, para o conhecimento da história das sociedades. Ao evidenciar as mudanças no sentido do testemunhar: da testemunha que escuta a testemunha que vê; Hartog nos mostrar a operação histórico-epistemológica 22 dessa mudança de sentido. O grego antigo criou um vínculo entre ver e saber, estabelecendo como uma evidência que, para saber, é necessário ver, de preferência a ouvir. Os ouvidos- diz um personagem de Heródoto- são menos confiáveis que os olhos (HERÓDOTO, I. Clio, 8). Idein, ver, e oida, eu sei, remetem, de fato, a uma raiz comum: wid. Já evocamos esse assunto. Ora, a epopéia homérica conhece um personagem designado como histor, em que se encontra, portanto, a mesma raiz. Assim, de acordo com Émile Beneviste, este último seria uma testemunha pelo fato da saber, mas, acima de tudo, pelo fato de ter visto ( BENEVISTE, 1969, p. 173). No entanto, o historque intervém em duas situações de disputa- nada tinha efetivamente visto, nem escutado. Ajax e Idomeneu, por ocasião das cerimônias fúnebres de Pátroclo, disputam em relação a quem, após ter contornado a baliza, havia tomado a dianteira na corrida de carros puxados por cavalos. Ajax desafia Idomeneu e propõem Agamenon como histor (HOMERO, Iliade, 23, ; HARTOG, 2004, p ). Qualquer que seja o papel exato de Agamenon, é certo que ele nada tinha visto da cena em questão. No extraordinário escudo forjado por Hefesto para Aquiles, está representado uma cena em que dois homens, ás voltas com um grave desentendimento (em relação ao autor de um assassinato), decidem recorrer a um histor (HOMERO, id., 18, ); este último não é, obviamente uma testemunha desse ato. (Id., 2011, p ). 21 O entendimento desta pesquisa com relação à testemunha, na historiografia contemporânea, é aquela que tem conhecimento de algum fato- como participante (testemunha ocular) ou apenas conhecedor distanciado de tal fato. E por intermédio do pesquisador desnuda o seu conhecimento, empírico e teórico, sobre determinado tema e deixa sua mente se explorada pelo pesquisador. Contudo, a testemunha- fonte viva, não é portadora da verdade. Cabe ao pesquisador/historiador fazer o manejo dessas informações e transformá-las em narrativas históricas. 22 Entende-se que, neste começo de século, o maior desafio da história é a construção epistemológica de seu estatuto do conhecimento. As disputas de paradigmas e os caminhos e descaminhos da história passa pelo filtro da construção epistemológica da história.

13 Portanto, ao intervir nas duas situações descritas acima, o histor não é aquele que vai por fim ao litígio, caso este venha a acontecer. É sim, aquele que é o depositário, principalmente no futuro, do que foi acordado pelas partes em disputa. Isto é, antes de ter olhos, o histor, tem principalmente ouvidos. Porém, na trilha da análise de Hartog, percebe-se que, a testemunha tem um papel de suma importância entre os gregos. Então qual o papel da testemunha entre os gregos? A testemunha em grego é chamada de martus; [...] A etimologia nos leva ao radical de um verbo que significa lembrar-se; em sâncrito, smarati; em grego merimna; w, em latim, memor(ia) (KITTEL, 199, v. 4)[...]. (Id., 2011, p. 213).Isso permite entendermos a seguinte operação histórica: da testemunha que escuta para a testemunha que vê, [...] Quando, no momento de prestar juramento, sempre na epopéia, os deuses são invocados como testamento, theoi marturoi, eles são convidados, não a ver, mas a ouvir os termos do pacto.[...]. (Id., 2011, p. 213). Nessa operação historiográfica a testemunha é levada a ouvir e guardar, na memória, aquilo que ouve e é depositário. Observamos que o martus tem principalmente ouvidos. É necessário, porém, estabelecermos a diferença entre histor e martus na tradição grega na tentativa de identificarmos a curva ascendente da valoração da testemunha, uma vez que ambos têm acima de tudo ouvidos. Pontuando essa diferença, observamos que o histor, na sua condição de fiel depositário do acordo das partes em litígio, ouve os dois lados, isto é, torna-se conhecedor das duas versões da contenda 23. Já o martus, é conhecedor e se preocupa com um lado, porque ele (martus) surgiu e existe para saber e preocupar-se com apenas um dos lados da disputa. A intervenção do martus é no presente e para o futuro; enquanto o histor preocupa-se, além das duas dimensões anteriores, com a dimensão do passado. [...] já que sua intervenção no presente repercute no futuro em relação a uma disputa no tempo passado (até mesmo recente) [...]. (Id., 2011, p. 213). Heródoto, na Antiguidade, nos fala da transformação do martus em testemunha como autoridade. Para evidenciar essa transformação Hartog nos fornece exemplo basilar. Tucídides há de fornecer-nos um último exemplo quando ele opõe essas testemunhas que são narrativas sobre acontecimentos antigos ao que tinha visto pelos ouvintes do discurso que está em via de lhes ser dirigido: De que serve falar a vocês de acontecimentos muito antigos quando eles são confirmados, de preferência, por narrativas (martures logon) que chegaram a nossos ouvidos, e não pelo viram nossos ouvintes (opsis ton akousomenon) (TUCÍDIDES, 1, 73). As testemunhas 23 Entende-se que o historiador contemporâneo tem o compromisso ético e social de mostrar todasas versões do fato estudado. O historiador, socialmente responsável, não pode apontar apenas uma versão ou ponto de vista unilateral daquilo de estuda. [...] enquanto a história dos vencedores limita-se a olhar um só lado, o próprio, a história dos vencidos deve levar em consideração, para compreender o que se passou, os dois lados [...]. (Id., 2011, p. 228).

14 estão, assim, do lado das falas e do passado: do lado do que não se viu ou não se pôde ver. (Id., 2011, p. 214). Como nos alerta Hartog, na impossibilidade de reconstruir todos os passos do primeiro histor, é necessário colocá-lo ao lado do mnemon, o homem-memória. Para ele é necessário coadunarmos os testemunhos (orais e escritos) com a prática da autópsia. [...] Ao empenhar-se em resolver a controversa questão da nascente do Nilo, ele indica com precisão: Fui e vi com meus olhos (autopes) até a cidade de Elefantina; [...]. (Id., 2011, p. 214). Como se vê, o trabalho do histor precisa está associado à prática da autópsia (ver por dentro, com os próprios olhos) como alternativa e possibilidades ampliarmos o horizonte da pesquisa. Precisamos abandonar ou redimensionar a posição da testemunha na tradição de Heródoto: o historiador precisa ver os dois lados. È preciso, isto sim, ver os dois lados e, também, ver por si mesmo, com o olhar de pesquisador, ver por dentro, tomar posição crítica com relação à testemunha e fazer, como nos ensina Tucídides, a autópsia 24. Para finalizar o entrelaçamento epistemológico, entre o historiador e testemunha, gostaríamos de mostrar as conexões entre os dois momentos de ascendência da testemunha, dentro do pensamento historiográfico ocidental. No inicio da Era Cristã a testemunha torna-se crucial na validação de fatos sociais e históricos, construindo, assim, uma cadeia de tradição baseada em pressupostos cristãos e bíblicos. Isso levou a penetração do espaço das Religiões Reveladas 25 e do Livro permitindo uma apartação radical entre testemunho e autopsia. O testemunho se torna algo imprescindível na validação das verdades religiosas. Flávio Josefo opera uma conjunção entre a testemunha e a verdade, estabelecendo o poder de autenticação na testemunha - ver com os próprios olhos. Ele promove o regime de autópsia, mas estabelece uma distinção com relação à Tucídides; adotando a testemunha ocular- aquele que ver com os próprios olhos, com o poder de autenticidade. Isto é, a melhor testemunha é aquela que vê (testemunha ocular) e tem maior autoridade (política, social, militar e etc.) no seu tempo. Sobre essa a testemunha ocular, com poder de autenticidade, Josefo no mostra que, [...] Ao assistir ao cerco de Jerusalém, Tito é declarado, de fato, por Josefo autoptes kai martus :o general romano viu com os próprios olhos (ele poderia ser o historiador) e é testemunha (ele tem o poder de autenticação). Com efeito, martus 24 Autópsia, s. f. Exame médico de um cadáver. (Id., 2013, p. 103). O sentido de autópsia é utilizado de maneira mais profunda do que do exposto no filólogo. Autopsiar um fato é ver os detalhes, os microvasos, os microporos e toda a composição interna e externa do fato estudado. Nesse sentido que Tucídides utiliza o conceito em questão, no qual concordamos plenamente. 25 As religiões reveladas: Judaísmo, Cristianismo e Islamismo; são aquelas que esperaram a revelação do messias e o dia da volta do Deus criador para redimir a humanidade dos seus pecados e erigir um novo mundo. Nessa tradição, as testemunhas (na Torá, na Bíblia e no Corão) são colocadas como pedra angular e central na validação dos dogmas religiosos.

15 não ésimplesmente redundante, mas acrescenta uma dimensão de autoridade. Flavio Josefo sublinha imediatamente que Tito é o administrador soberano das punições e das recompensas (Ibid., 6, 34). Excelente exemplo de expressão com ressonâncias tanto gregas quanto judaicas. (Id., 2011, p. 218). Como observado, anteriormente, Josefo faz a perfeita simbiose entre testemunha, autópsia e autenticidade. Isso marcará profundamente a historiografia ocidental durante séculos. No inicio da Era Cristã, portanto, a testemunha é colocada como pedra central da história cristã 26 e, por conseguinte, na história teológica do período medieval. Dentro desse pensamento, a(s) testemunha(s) é/são colocadas como eixo central no processo de autenticidade- da prova, não sendo condição sine qua non a autópsia- a análise clínica, o olhar do historiador. E essa poderosa força do pensamento cristão perpassou todo o período medieval, chegando mesmo a se alojar, pelo menos em parte, no início do pensamento moderno. Entretanto, grande diferença (e algo positivo) do pensamento moderno, com relação ao período medieval, é que a(s) testemunha (a) não terá o poder máximo de autenticidade: comprovar por si só um determinado fenômeno 27. Na arquitetura do pensamento moderno, a testemunha vai tomando posição secundária e, até mesmo silenciada, lentamente dispensada em detrimento do olhar do pesquisador/historiador. A testemunha, de acordo com os pressupostos da Lei Deuteronômica, torna-se obsoleta na construção da história moderna. A autópsia, na perspectiva de Tucídides, das fontes escritas oficiais torna-se o ponto de partida e a referência do historiador. Observamos, aí, uma assimetria da história moderna com a grega: para Heródoto a referência era a testemunha- o histor; para Tucídides, o ponto de partida era a autópsia- ver por dentro. Nessa mesma linha, Flavio Josefo opera a conjunção entre testemunha e autópsia, estabelecendo dessa maneira, a fala total das testemunhas retiradas por Tucídides. Nessa perspectiva, a de Josefo, o historiador aparece como compilador de vozes e testemunhos, ficando, dessa maneira, silenciado pela testemunha. No início da modernidade, a postura de compilador, não de vozes e testemunhos orais, mas de fontes escritas oficiais torna-se a práxis e a direção do trabalho do historiador. A autenticidade do acontecimento desloca-se do testemunho para o documento escrito de base oficial. O profissional que trabalha e faz o manejo dessas fontes e, portanto, estabelece o sentido das transformações temporais não é mais o compilador de relatos e testemunhos orais. Isto é, o profissional que se incube, da 26 Refiro-me ao livro específico da Bíblia- Deuteronômio (19:15 SS)que estabelece a Lei Deuteronômica das Testemunhas, onde para um fato ser provado é necessário, no mínimo, duas ou três testemunhas. 27 A historiografia moderna nasceu sob o signo da prova documental de base oficial. Nesses termos, o documento escrito é colocado nos altar da deusa história e relegou à testemunha os esconderijos dos hereges.

16 tarefa da história, de forma científica, racional, imparcial e objetiva é o historiador- formado na academia, com métodos e teorias científicas. Nesse momento, século XIX, a era da testemunha chega ao fim. Ela, a testemunha, é alijada da história e fica presa aos relatos da literatura e do mundo da imaginação dos memorialistas, não mais da história científica 28. Mas, mesmo afastada dos grandes paradigmas de construção da realidade, do século XIX e XX, adeptos da testemunha e do testemunho vão buscar, mais uma vez, a introdução da testemunha, pelo menos de forma secundária, caso não fosse possível a construção de um sistema de significados 29 alicerçado no testemunho oral. Sobre essas vozes dissonantes Hartog comentar que, [...] de uma forma ou de outra, procuraram reintroduzir a testemunha e o testemunho. Não, evidentemente, como sistema de autoridades, regulamentando o que é admissível, nem como elemento constitutivo de um indício, mas como presença: como voz e como memória. Na primeira fila, seria possível Michelet, evocado precisamente como antecessor da história das mentalidades. Nas galerias do prédio dos Arquivos (ver supra, p. 151) pelas quais perambulei durante vinte anos, alguns murmúrios, apesar do profundo silêncio, chegavam a meus ouvidos. Os sofrimentos longínquos de tantas almas sufocadas dessas antigas eras se queixavam em voz baixa (MICHELET, Préface de 1869, 1974, p. 24, e supra, p ). Os documentos são vozes exigentes e portadoras de uma dívida a pagar. Mas, para ouvir esses testemunhos, o historiador deve dirigir-se aos arquivos, ou seja, mergulhar nas profundezas de uma época. Ele deve atravessar e voltar a atravessar o rio dos mortos, transgredir deliberadamente a fronteira entre o passado e o presente. Resta-lhe, na seqüência, fazer ouvir essas vozes, o que não significa, de modo algum desaparecer à frente delas. É, pelo contrario, essa operação de acordo com Michelet, revela o verdadeiro historiador. (Id., 2011, p. 224). Embora, com toda a distância que a Escola Metódica, do século XIX, manteve com relação à testemunha, as vozes dissonantes de muitos historiadores conseguiram abrir uma brecha para o testemunho, mesmo de forma marginal, nos esquemas explicativos da realidade. Porém, a partir da década de 1970/80 com terceira geração da Escola dos Annales e a crise das metanarrativas, abriram-se uma avalanche de estudos sobre as mentalidades e o imaginário. A partir desse período, a testemunha volta com muita força nos estudos 28 Entende-se por história científica aquela criada pelo alemão Leopold Von Ranke, estabelecendo as bases para uma história objetiva, imparcial, documental e presa aos eventos políticos do Estado Nacional. 29 Tomamos de empréstimo, aqui, a compreensão do sistema de significado de Geertz; onde no processo de construção do saber são valorizados as diversas linguagens semióticas (linguagens verbais e não verbais) e os processos de significação (semiose) entre objeto e sujeito.

17 sociológicos e históricos, ao ponto de Hartog chamar este momento de a Era da Testemunha nos estudos acadêmicos. Mais perto de nós, a partir de meados da década de 1970, o brusco interesse pela história oral, à qual Philippe Joutard dedicou um livro- sob o título Ces voix qui nous viennent du passe[...]. (Id., 2011, p. 225).Engrossando, com isso, as fileiras daqueles que percebem a importância e a curva ascendente da testemunha na historiografia contemporânea no mundo ocidental. Porem, mais uma vez, Hartog nos chama atenção para o cuidado com o trato com o testemunho oral. A testemunha não é a história, mas a fonte pela qual a história desliza e percorre no rio caudaloso para construir sua visão, sempre incompleta e parcial, do passado buscando, sempre, não esquecer os métodos e teorias- sempre articulada com a prática, para que façamos uma história que além de buscar a autópsia de Tucídides (ver por dentro) veja também os dois lados, do histor, na tradição de Homero. CONSIDERAÇÕES FINAIS Bem, depois de percorremos uma longa estrada, um tempo longo e experimentarmos diferentes visões da testemunha, chegou a hora de retomar a idéia primeira apontada neste raciocínio epistemológico: Clio, nossa musa inspiradora, tem algum problema físico/estético que comprometa a visão e entendimento da história? Clio, confirmada pela tradição, era a musa mais exuberante do Olimpo; com seu clarim, imortalizava e glorificava com sua música, todos àqueles que eram dignos da glória dos deuses. Porém, toda beleza, majestade e poder foram tomados como perfeição pelos antigos e, ao longo da nossa existência temporal, não percebemos que Clio- a musa da história não é assim tão linda e maravilhosa, como pensávamos até agora. A limitação temporal dos homens, os métodos, teorias, temáticas e a consciência do processo histórico, oferecida aos homens por Clio, refletem no espelho mítico do tempo/memória a limitação e imperfeição física e/ou estética da nossa musa. Entretanto, não sabemos em qual parte, do seu corpo mítico-histórico, há essa imperfeição, nem o grau dessa deformação, nem por quanto tempo perdurará essa imperfeição/limitação. Mas hoje sabemos que àquela que surgiu para nos oferecer a compreensão das mudanças no tempo (História) não é perfeita. Cabe aos homens deste tempo, principalmente os historiadores, amparar, cuidar e oferecer ajuda- mesmo que seja através de uma muleta (teórico-metodológica) das outras ciências humanas e sociais-, à nossa musa,

18 Clio, para que ela consiga realizar a sua gloriosa e divina missão: possibilitar a compreensão/transformação das ações humanas no tempo Nessa concepção, tempo é considerado a matéria-prima fundamental dos fenômenos da sociedade, da história e dos homens. E os profissionais que trabalham com as idéias, os homens, a sociedade e com o mundo em movimento não podem prescindir de observarem as transformações da sociedade na tessitura do tempo.

19 REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS ALBUQUERQUE JÚNIOR. Durval Muniz de. História: a arte de inventar o passado. Bauro, SP: EDUSC, p. 59, 62. ANKERSMIT. Flankflin Rudolf. A escrita da história: a natureza da representação histórica. Londrina: Eduel, p. 59. BUENO. Silveira. Dicionário da língua portuguesa. São Paulo: FTD, p BURKE, Peter (Org.). A escrita da historia: novas perspectivas. SP: UNESP, CHARTIER. Roger. A visão do historiador modernista. In: FERREIRA, Marieta de Moraes; AMADO, Janaína. [coords.]. Usos & abusos da história oral. Rio de Janeiro: FGV, QUADROS. Eduardo Gusmão de. Quando Clio se apaixonou por Hermes: Paul Ricouer e as práticas historiográficas. Liberintellectus, vol. 1, num. 1, p. 15. FOUCAULT, Michel. A Microfísica do Poder. São Paulo: Graal, GEERTZ, Clifford. A Interpretação das Culturas. Rio de Janeiro: LTC, HARTOG, François. Evidência da história: o que os historiadores vêem. Belo Horizonte: Autêntico, HARTOG, François. O espelho de Heródoto. Belo Horizonte: Ed. UFMG, HOBSBAWM, Eric. A Era dos Extremos. São Paulo: Companhia das Letras, p MARTINS, Estevão de Rezende. (org.). A História pensada: teoria e método na historiografia européia do Século XIX. São Paulo: Contexto, 2010 REIS, José Carlos. Identidades do Brasil. Rio de Janeiro: FGV, p. 07, 09, 10, 11. RIOUX, Jean- Pierre. Questões para a história do presente. 1992, p. 39 SOARES. Fagno da Silva. Entre Clio e Mnemósine: Historiando memória identidades em Açailândia Dissertação (mestrado) - Programa de Pós-Graduação em História, Universidade Federal do Piauí. p. 01. PESAVENTO, Sandra Jatahy. História e História Cultural. Belo Horizonte: Autêntica, p. 07. VAINFAS, Ronaldo. Caminhos e descaminhos da historia. In: Domínios da historia: ensaios de teoria e metodologia. CARDOSO, Ciro Flaniarion/NAINFAS; Ronaldo (Org.). Rio de Janeiro: Elsevier, 1997.

HISTÓRIA: UMA CIÊNCIA EM CONSTRUÇÃO

HISTÓRIA: UMA CIÊNCIA EM CONSTRUÇÃO HISTÓRIA: UMA CIÊNCIA EM CONSTRUÇÃO Elias da Silva Maia Doutorando HCTE esmaia@ig.com.br UMA VISÃO DE CIÊNCIA Podemos considerar e definir ciência como as atividades, as instituições e os métodos ligados

Leia mais

3.360 H/AULA (*) CURRÍCULO PLENO/

3.360 H/AULA (*) CURRÍCULO PLENO/ MATRIZ CURRICULAR Curso: Graduação: Regime: Duração: HISTÓRIA LICENCIATURA PLENA SERIADO ANUAL 3 (TRÊS) ANOS LETIVOS Integralização: A) TEMPO TOTAL - MÍNIMO = 03 (TRÊS) ANOS LETIVOS - MÁXIMO = 05 (CINCO)

Leia mais

Leituras rebeldes: a presença de Maria Helena Souza Patto na História da Psicologia e da Educação

Leituras rebeldes: a presença de Maria Helena Souza Patto na História da Psicologia e da Educação Mnemosine Vol.8, nº2, p. 331-336 (2012) Biografia Leituras rebeldes: a presença de Maria Helena Souza Patto na História da Psicologia e da Educação Marcelo de Abreu Maciel Roger Chartier é um historiador

Leia mais

PROGRAMA DA DISCIPLINA

PROGRAMA DA DISCIPLINA PROGRAMA DA DSCPLNA Disciplina: Prática Código da Disciplina: Carga Horária Semestral: 45 Obrigatória: sim Eletiva: não Número de Créditos: 03 Pré-Requisitos: não EMENTA Refletir sobre a produção da prática

Leia mais

Canguilhem e as ciências da vida

Canguilhem e as ciências da vida Canguilhem e as ciências da vida 679 CANGUILHEM, G. Estudos de História e de Filosofia das Ciências: concernentes aos vivos e à vida Rio de Janeiro: Forense Universitária, 2012 1 Lizandro Lui 1 Instituto

Leia mais

OS DOZE TRABALHOS DE HÉRCULES

OS DOZE TRABALHOS DE HÉRCULES OS DOZE TRABALHOS DE HÉRCULES Introdução ao tema A importância da mitologia grega para a civilização ocidental é tão grande que, mesmo depois de séculos, ela continua presente no nosso imaginário. Muitas

Leia mais

Resenha Resenha Psicologia em Revista, Belo Horizonte, v. 8, n. 11, p. 133-135, jun. 2002 131

Resenha Resenha Psicologia em Revista, Belo Horizonte, v. 8, n. 11, p. 133-135, jun. 2002 131 Resenha 131 132 LÉVY, André. Ciências clínicas e organizações sociais. Belo Horizonte: Autêntica, 2001. 224p. Lançado por ocasião do VIII Colóquio Internacional de Psicossociologia e Sociologia Clínica,

Leia mais

IMAGEM TÉCNICA, PRODUÇÃO DE SUBJETIVIDADE E PESQUISA EM CIÊNCIAS HUMANAS: DESAFIOS METODOLÓGICOS

IMAGEM TÉCNICA, PRODUÇÃO DE SUBJETIVIDADE E PESQUISA EM CIÊNCIAS HUMANAS: DESAFIOS METODOLÓGICOS IMAGEM TÉCNICA, PRODUÇÃO DE SUBJETIVIDADE E PESQUISA EM CIÊNCIAS HUMANAS: DESAFIOS METODOLÓGICOS Aluno: Lucas Boscacci Pereira Lima da Silva Orientadora: Solange Jobim e Souza Introdução Câmera como Instrumento

Leia mais

Filosofia - Introdução à Reflexão Filosófica

Filosofia - Introdução à Reflexão Filosófica Filosofia - Introdução à Reflexão Filosófica 0 O que é Filosofia? Essa pergunta permite muitas respostas... Alguns podem apontar que a Filosofia é o estudo de tudo ou o nada que pretende abarcar tudo.

Leia mais

(Re)pensando o Lugar da Educação em Direitos Humanos. na Educação de Surdos

(Re)pensando o Lugar da Educação em Direitos Humanos. na Educação de Surdos (Re)pensando o Lugar da Educação em Direitos Humanos na Educação de Surdos Por MARIA DE FÁTIMA DA SILVA CAVALCANTE Resumo: O presente artigo tem por objetivo discutir a Educação em Direitos Humanos como

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS FACULDADE DE EDUCAÇÃO PESQUISA OBSERVATÓRIO DA EDUCAÇÃO REDE MUNICIPAL DA EDUCAÇÃO DE GOIÂNIA

UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS FACULDADE DE EDUCAÇÃO PESQUISA OBSERVATÓRIO DA EDUCAÇÃO REDE MUNICIPAL DA EDUCAÇÃO DE GOIÂNIA UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS FACULDADE DE EDUCAÇÃO PESQUISA OBSERVATÓRIO DA EDUCAÇÃO REDE MUNICIPAL DA EDUCAÇÃO DE GOIÂNIA ESCOLA MUNICIPAL JALLES MACHADO DE SIQUEIRA PROFESSORA BOLSISTA ROSA CRISTINA

Leia mais

PROGRAMA DA DISCIPLINA

PROGRAMA DA DISCIPLINA UPE Campus Petrolina PROGRAMA DA DISCIPLINA Curso: Licenciatura em História Disciplina: Métodos e técnicas de pesquisa Histórica Carga Horária: 45h Teórica: 45h Prática: Semestre: 23.2 Professor: Reinaldo

Leia mais

O PARADIGMA DA COMPLEXIDADE: DESAFIOS PARA O CO HECIME TO. Maria Auxiliadora de Resende Braga. MARQUES Centro Universitário Moura Lacerda

O PARADIGMA DA COMPLEXIDADE: DESAFIOS PARA O CO HECIME TO. Maria Auxiliadora de Resende Braga. MARQUES Centro Universitário Moura Lacerda O PARADIGMA DA COMPLEXIDADE: DESAFIOS PARA O CO HECIME TO Maria Auxiliadora de Resende Braga. MARQUES Centro Universitário Moura Lacerda RESUMO: este texto tem por objetivo compreender a importância da

Leia mais

Mosaicos #2 Um Novo e superior Testamento Hb 1:1-3 Introdução: Se desejamos compreender o hoje, muitas vezes precisaremos percorrer o passado.

Mosaicos #2 Um Novo e superior Testamento Hb 1:1-3 Introdução: Se desejamos compreender o hoje, muitas vezes precisaremos percorrer o passado. 1 Mosaicos #2 Um Novo e superior Testamento Hb 1:1-3 Introdução: Se desejamos compreender o hoje, muitas vezes precisaremos percorrer o passado. Neste sentido a Carta aos Hebreus é uma releitura da lei,

Leia mais

O apelo contemporâneo por laços narcísicos

O apelo contemporâneo por laços narcísicos O apelo contemporâneo por laços narcísicos Ângela Buciano do Rosário Psicóloga, Doutoranda em Psicologia PUC-MG. Bolsista da Fundação de Amparo a Pesquisa do Estado de Minas Gerais - FAPEMIG. Mestre em

Leia mais

PARÂMETROS CURRICULARES NACIONAIS ENSINO RELIGIOSO

PARÂMETROS CURRICULARES NACIONAIS ENSINO RELIGIOSO PARÂMETROS CURRICULARES NACIONAIS DO ENSINO RELIGIOSO Parâmetros Curriculares Nacionais do Ensino Religioso Resumo: Os Parâmetros Curriculares Nacionais do Ensino Religioso constituem-se num marco histórico

Leia mais

CURSO: LICENCIATURA EM CIÊNCIAS DA RELIGIÃO EMENTA DAS DISCIPLINAS

CURSO: LICENCIATURA EM CIÊNCIAS DA RELIGIÃO EMENTA DAS DISCIPLINAS CURSO: LICENCIATURA EM CIÊNCIAS DA RELIGIÃO EMENTA DAS DISCIPLINAS PRODUÇÃO E RECEPÇÃO DE TEXTOS Lingüística Textual : Recepção e Produção de Textos Visão Sistemática e Particular. Gêneros e Estruturas

Leia mais

Como citar este artigo Número completo Mais artigos Home da revista no Redalyc

Como citar este artigo Número completo Mais artigos Home da revista no Redalyc Diálogos - Revista do Departamento de História e do Programa de Pós-Graduação em História ISSN: 1415-9945 rev-dialogos@uem.br Universidade Estadual de Maringá Brasil Perosa Junior, Edson José Como mudar

Leia mais

FILOSOFIA A DISTÂNCIA: CONSIDERAÇÕES SOBRE AS PRINCIPAIS DIFICULDADES DE UM CURSO DE FILOSOFIA NA MODALIDADE EAD.

FILOSOFIA A DISTÂNCIA: CONSIDERAÇÕES SOBRE AS PRINCIPAIS DIFICULDADES DE UM CURSO DE FILOSOFIA NA MODALIDADE EAD. FILOSOFIA A DISTÂNCIA: CONSIDERAÇÕES SOBRE AS PRINCIPAIS DIFICULDADES DE UM CURSO DE FILOSOFIA NA MODALIDADE EAD. Márcia Marques Damasceno Mestrado em Ética e Filosofia Política pela UFC Tutora à Distância

Leia mais

Roteiro 8. FEDERAÇÃO ESPÍRITA BRASILEIRA Estudo Aprofundado da Doutrina Espírita Programa Filosofia e Ciência Espíritas

Roteiro 8. FEDERAÇÃO ESPÍRITA BRASILEIRA Estudo Aprofundado da Doutrina Espírita Programa Filosofia e Ciência Espíritas Roteiro 8 FEDERAÇÃO ESPÍRITA BRASILEIRA Estudo Aprofundado da Doutrina Espírita Programa Filosofia e Ciência Espíritas 1 Objetivos Realizar estudo sobre Jesus, com base nos critérios históricos. Analisar

Leia mais

Nas Margens da Educação: imprensa feminina e urbanidade moderna na Ribeirão Preto das primeiras décadas do século XX

Nas Margens da Educação: imprensa feminina e urbanidade moderna na Ribeirão Preto das primeiras décadas do século XX Nas Margens da Educação: imprensa feminina e urbanidade moderna na Ribeirão Preto das primeiras décadas do século XX Jorge Luiz de FRANÇA * Nesta comunicação, pretendemos, por intermédio das publicações

Leia mais

RESUMO. Palavras-chave fenomenologia; método; mística

RESUMO. Palavras-chave fenomenologia; método; mística RESUMO FENOMENOLOGIA E MÍSTICA Uma abordagem metodológica Elton Moreira Quadros Professor substituto na Univ. Estadual do Sudoeste da Bahia (UESB), Faculdade Juvência Terra (FJT) Instituto de Filosofia

Leia mais

Docente: Gilberto Abreu de Oliveira (Mestrando em Educação UEMS/UUP) Turma 2012/2014 Email: oliveira.gilbertoabreu@hotmail.

Docente: Gilberto Abreu de Oliveira (Mestrando em Educação UEMS/UUP) Turma 2012/2014 Email: oliveira.gilbertoabreu@hotmail. Docente: Gilberto Abreu de Oliveira (Mestrando em Educação UEMS/UUP) Turma 2012/2014 Email: oliveira.gilbertoabreu@hotmail.com Blog: http://historiaemdebate.wordpress.com 1 Principais Conceitos sobre os

Leia mais

O USO DA IMAGEM NAS AULAS DE HISTÓRIA: AS PINTURAS DO SÉCULO XIX

O USO DA IMAGEM NAS AULAS DE HISTÓRIA: AS PINTURAS DO SÉCULO XIX O USO DA IMAGEM NAS AULAS DE HISTÓRIA: AS PINTURAS DO SÉCULO XIX Ricardo Barros Aluno do curso de Pós graduação (mestrado) da Faculdade de Educação da Universidade de São Paulo Sendo as coisas que pensamos

Leia mais

Boletim Goiano de Geografia E-ISSN: 1984-8501 boletimgoianogeo@yahoo.com.br Universidade Federal de Goiás Brasil

Boletim Goiano de Geografia E-ISSN: 1984-8501 boletimgoianogeo@yahoo.com.br Universidade Federal de Goiás Brasil Boletim Goiano de Geografia E-ISSN: 1984-8501 boletimgoianogeo@yahoo.com.br Universidade Federal de Goiás Brasil Messias Bonjardim, Solimar Guindo GIL FILHO, Sylvio Fausto. Espaço sagrado: estudo em geografia

Leia mais

(Re)buscando Pêcheux: algumas reflexões in-certas 1

(Re)buscando Pêcheux: algumas reflexões in-certas 1 (Re)buscando Pêcheux: algumas reflexões in-certas 1 Beatriz Maria ECKERT-HOFF 2 Doutoranda em Lingüística Aplicada/UNICAMP Este texto se insere no painel 04, intitulado Mises au point et perspectives à

Leia mais

CHEVITARESE, André Leonardo e FUNARI, Pedro Paulo A. Jesus Histórico. Uma brevíssima introdução. Rio de Janeiro, Kliné, 2012. 1

CHEVITARESE, André Leonardo e FUNARI, Pedro Paulo A. Jesus Histórico. Uma brevíssima introdução. Rio de Janeiro, Kliné, 2012. 1 CHEVITARESE, André Leonardo e FUNARI, Pedro Paulo A. Jesus Histórico. Uma brevíssima introdução. Rio de Janeiro, Kliné, 2012. 1 Juliana B. Cavalcanti 2 André Leonardo Chevitarese e Pedro Paulo Funari André

Leia mais

REIS, José Carlos. História e Teoria. Historicismo, Modernidade, Temporalidade e Verdade. 3ª ed. Rio de Janeiro: ed. FGV, 2006. [1ª ed.

REIS, José Carlos. História e Teoria. Historicismo, Modernidade, Temporalidade e Verdade. 3ª ed. Rio de Janeiro: ed. FGV, 2006. [1ª ed. REIS, José Carlos. História e Teoria. Historicismo, Modernidade, Temporalidade e Verdade. 3ª ed. Rio de Janeiro: ed. FGV, 2006. [1ª ed. 2003] * MAURO DILMANN 1 Mestrando em História UNISINOS - Universidade

Leia mais

(Re)Conhecendo a Geografia Humana de Paul Vidal de la Blache

(Re)Conhecendo a Geografia Humana de Paul Vidal de la Blache HAESBAERT, Rogério; PEREIRA, Sergio Nunes; RIBEIRO, Guilherme (Orgs.). Vidal, Vidais: textos de Geografia Humana, Regional e Política. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2012. 464p. (Re)Conhecendo a Geografia

Leia mais

12 Teoria de Vigotsky - Conteúdo

12 Teoria de Vigotsky - Conteúdo Introdução Funções psicológicas superiores Pilares da teoria de Vigotsky Mediação Desenvolvimento e aprendizagem Processo de internalização Níveis de desenvolvimento Esquema da aprendizagem na teoria de

Leia mais

ENTRE A LEI, OS COSTUMES E O DESENVOLVIMENTO: O PROJETO URBANÍSTICO DE 1970 EM MONTES CLAROS/MG.

ENTRE A LEI, OS COSTUMES E O DESENVOLVIMENTO: O PROJETO URBANÍSTICO DE 1970 EM MONTES CLAROS/MG. ENTRE A LEI, OS COSTUMES E O DESENVOLVIMENTO: O PROJETO URBANÍSTICO DE 1970 EM MONTES CLAROS/MG. Michael Jhonattan Delchoff da Silva. Universidade Estadual de Montes Claros- Unimontes. maicomdelchoff@gmail.com

Leia mais

Por Prof. Manoel Ricardo. Os caminhos da Educação e a Modelagem Matemática

Por Prof. Manoel Ricardo. Os caminhos da Educação e a Modelagem Matemática Por Prof. Manoel Ricardo Os caminhos da Educação e a Modelagem Matemática A sociedade do século XXI é cada vez mais caracterizada pelo uso intensivo do conhecimento, seja para trabalhar, conviver ou exercer

Leia mais

As narrativas de fronteira e a construção de identidades

As narrativas de fronteira e a construção de identidades As narrativas de fronteira e a construção de identidades Diogo da Silva Roiz * Recebida em agosto e qprovada em outubro de HARTOG, François. Memória de Ulisses: narrativas sobre a fronteira na Grécia Antiga.

Leia mais

MOURA, Marisa Decat de (ORG). Psicanálise e hospital 3 Tempo e morte: da urgência ao ato analítico. Revinter: Rio de Janeiro, 2003.

MOURA, Marisa Decat de (ORG). Psicanálise e hospital 3 Tempo e morte: da urgência ao ato analítico. Revinter: Rio de Janeiro, 2003. MOURA, Marisa Decat de (ORG). Psicanálise e hospital 3 Tempo e morte: da urgência ao ato analítico. Revinter: Rio de Janeiro, 2003. Prefácio Interessante pensar em um tempo de começo. Início do tempo de

Leia mais

AS FONTES DOCUMENTAIS: o entrelaçamento dos vestígios na produção da história educativa

AS FONTES DOCUMENTAIS: o entrelaçamento dos vestígios na produção da história educativa V CONGRESSO DE ENSINO E PESQUISA DE HISTÓRIA DA EDUCAÇÃO EM MINAS GERAIS 1 AS FONTES DOCUMENTAIS: o entrelaçamento dos vestígios na produção da história educativa Luiz Miguel Galvão Queiroz 1 Paulo Sérgio

Leia mais

"Roda mundo, roda gigante, roda moinho, roda pião, o tempo rodou num instante, nas voltas do meu coração"

Roda mundo, roda gigante, roda moinho, roda pião, o tempo rodou num instante, nas voltas do meu coração "Roda mundo, roda gigante, roda moinho, roda pião, o tempo rodou num instante, nas voltas do meu coração" 2 Meta da aula AULA Apresentar os processos de mudança dos valores, dos padrões sociais e das ciências,

Leia mais

FÁVERO, Altair A.; TONIETO, Carina. Leituras sobre John Dewey e a educação. Campinas, SP: Mercado de Letras, 2011. RESENHA

FÁVERO, Altair A.; TONIETO, Carina. Leituras sobre John Dewey e a educação. Campinas, SP: Mercado de Letras, 2011. RESENHA FÁVERO, Altair A.; TONIETO, Carina. Leituras sobre John Dewey e a educação. Campinas, SP: Mercado de Letras, 2011. RESENHA Marta Marques 1 O livro Leituras sobre John Dewey e a educação, do Prof. Dr. Altair

Leia mais

IACR ASSOCIAÇÃO INTERNACIONAL PARA O REALISMO CRÍTICO XII CONFERÊNCIA INTERNACIONAL da IACR Texto de Priscila Silva Araújo.

IACR ASSOCIAÇÃO INTERNACIONAL PARA O REALISMO CRÍTICO XII CONFERÊNCIA INTERNACIONAL da IACR Texto de Priscila Silva Araújo. IACR ASSOCIAÇÃO INTERNACIONAL PARA O REALISMO CRÍTICO XII CONFERÊNCIA INTERNACIONAL da IACR Texto de Priscila Silva Araújo. Rorty e o realismo como instrumento da emancipação humana Alguns filósofos 1

Leia mais

NO TEMPO DA MINHA AVÓ: REFLEXÃO E USO DA HISTÓRIA ORAL EM SALA DE AULA

NO TEMPO DA MINHA AVÓ: REFLEXÃO E USO DA HISTÓRIA ORAL EM SALA DE AULA NO TEMPO DA MINHA AVÓ: REFLEXÃO E USO DA HISTÓRIA ORAL EM SALA DE AULA Juliana de Oliveira Meirelles Camargo Universidade Candido Mendes/ Instituto Prominas e-mail: Ju_meirelles@yahoo.com.br Léa Mattosinho

Leia mais

FORMAÇÃO IDEOLÓGICA: O CONCEITO BASILAR E O AVANÇO DA TEORIA

FORMAÇÃO IDEOLÓGICA: O CONCEITO BASILAR E O AVANÇO DA TEORIA UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL IV SEAD - SEMINÁRIO DE ESTUDOS EM ANÁLISE DO DISCURSO 1969-2009: Memória e história na/da Análise do Discurso Porto Alegre, de 10 a 13 de novembro de 2009 FORMAÇÃO

Leia mais

MITO. De MÝEIN se fez a palavra MÝSTES, iniciado nos mistérios, de onde derivou MYSTÉRION, doutrina secreta, arcano, culto secreto.

MITO. De MÝEIN se fez a palavra MÝSTES, iniciado nos mistérios, de onde derivou MYSTÉRION, doutrina secreta, arcano, culto secreto. MITO Mito vem do Grego MYTHÓS, que tinha um grande número de significados dentro de uma idéia básica: discurso, mensagem palavra, assunto, invenção, lenda, relato imaginário. Modernamente está fixada nestes

Leia mais

UMA ESTÉTICA PARA A ESTÉTICA

UMA ESTÉTICA PARA A ESTÉTICA UMA ESTÉTICA PARA A ESTÉTICA Por Homero Alves Schlichting Doutorando no PPGE UFSM homero.a.s@gmail.com Quando falares, procura que tuas palavras sejam melhores que teus silêncios. (Provérbio da cultura

Leia mais

A CRIANÇA E O TEATRO - DE QUE CRIANÇAS FALAMOS?

A CRIANÇA E O TEATRO - DE QUE CRIANÇAS FALAMOS? A CRIANÇA E O TEATRO - DE QUE CRIANÇAS FALAMOS? É uma contradição, ainda pouco comentada, o fato de a ação educativa e cultural visando a infância e adolescência não serem, como deveriam, prioridade nas

Leia mais

O PROJETO DA ECONOMIA SOLIDÁRIA E A FORMAÇÃO DA IDENTIDADE DE GRUPO DE UMA COOPERATIVA POPULAR 1

O PROJETO DA ECONOMIA SOLIDÁRIA E A FORMAÇÃO DA IDENTIDADE DE GRUPO DE UMA COOPERATIVA POPULAR 1 O PROJETO DA ECONOMIA SOLIDÁRIA E A FORMAÇÃO DA IDENTIDADE DE GRUPO DE UMA COOPERATIVA POPULAR 1 Simone Aparecida Lisniowski Mestre em Direito Cooperativo pela UFPR, professora substituta no Departamento

Leia mais

A PERMANÊNCIA DO REGIONALISMO NO ROMANCE BRASILEIRO: O CERRADO DE CARMO BERNARDES. Palavras-chave: Regionalismo Evolução Estética - Permanência

A PERMANÊNCIA DO REGIONALISMO NO ROMANCE BRASILEIRO: O CERRADO DE CARMO BERNARDES. Palavras-chave: Regionalismo Evolução Estética - Permanência A PERMANÊNCIA DO REGIONALISMO NO ROMANCE BRASILEIRO: O CERRADO DE CARMO BERNARDES Vanilde Gonçalves dos Santos LEITE; Rogério SANTANA F L - UFG vanildegsl@hotmail.com Palavras-chave: Regionalismo Evolução

Leia mais

A ONTOLOGIA MARXIANA COMO REFERENCIAL PARA A PESQUISA SOBRE A PSICOLOGIA HISTÓRICO-CULTURAL

A ONTOLOGIA MARXIANA COMO REFERENCIAL PARA A PESQUISA SOBRE A PSICOLOGIA HISTÓRICO-CULTURAL 1 A ONTOLOGIA MARXIANA COMO REFERENCIAL PARA A PESQUISA SOBRE A PSICOLOGIA HISTÓRICO-CULTURAL JÉSSICA OLIVEIRA MUNIZ 1 NATÁLIA AYRES DA SILVA 2 Resumo: O presente trabalho trata-se de um estudo teórico-bibliográfico

Leia mais

Titulo do Trabalho: Fundamentação da metodologia de pesquisa teórica em

Titulo do Trabalho: Fundamentação da metodologia de pesquisa teórica em Titulo do Trabalho: Fundamentação da metodologia de pesquisa teórica em psicanálise Autor: Érico Campos RESUMO Este trabalho discute questões gerais envolvidas na leitura de textos e discursos nas ciências

Leia mais

A PRESENÇA NEGRA NO PARÁ: RESENHA DE UM

A PRESENÇA NEGRA NO PARÁ: RESENHA DE UM R E S E N H A A PRESENÇA NEGRA NO PARÁ: RESENHA DE UM TRABALHO PIONEIRO SALLES, VICENTE. O NEGRO NO PARÁ. SOB O REGIME DA ESCRAVIDÃO. 3ª EDIÇÃO. BELÉM: INSTITUTO DE ARTES DO PARÁ, 2005. JOSÉ MAIA BEZERRA

Leia mais

A educação geográfica na escola: elementos para exercício desafiante da cidadania

A educação geográfica na escola: elementos para exercício desafiante da cidadania A educação geográfica na escola: elementos para exercício desafiante da cidadania Prof. Manoel Martins de Santana Filho[1] Nosso objetivo e desejo face às mediações do trabalho docente A proposta e necessidade

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA LINGUAGEM NA DIFUSÃO DA PROPOSTA PEDAGÓGICA CRISTÃ NA ALTA IDADE MÉDIA, SÉCULOS V E VI.

A IMPORTÂNCIA DA LINGUAGEM NA DIFUSÃO DA PROPOSTA PEDAGÓGICA CRISTÃ NA ALTA IDADE MÉDIA, SÉCULOS V E VI. A IMPORTÂNCIA DA LINGUAGEM NA DIFUSÃO DA PROPOSTA PEDAGÓGICA CRISTÃ NA ALTA IDADE MÉDIA, SÉCULOS V E VI. BORTOLI, Bruno de (PIC/UEM) MARQUIOTO, Juliana Dias (PIC/UEM) OLIVEIRA, Terezinha (UEM) INTRODUÇÃO

Leia mais

O texto a seguir é referência para as questões 01 e 02.

O texto a seguir é referência para as questões 01 e 02. Comentário Geral Foi uma boa prova! A UFPR manteve o bom nível das questões e manteve também sua qualidade. Apresentou-se uma prova que foi além do conhecimento básico dos textos aludidos. Exigiu-se boa

Leia mais

Dicionário. Conceitos. Históricos

Dicionário. Conceitos. Históricos Dicionário de Conceitos Históricos Kalina Vanderlei Silva Maciel Henrique Silva Dicionário de Conceitos Históricos Copyright 2005 Kalina Vanderlei Silva e Maciel Henrique Silva Todos os direitos desta

Leia mais

As Diferentes Interpretações da História 1. Resumo

As Diferentes Interpretações da História 1. Resumo As Diferentes Interpretações da História 1 Professor Dr. Gilmar Mantovani Maroso 2 Professora M.Sc. Cristina M. Zanferrari 3 Resumo Este artigo é uma discussão teórica sobre o fazer história, e objetiva

Leia mais

DUNN, James D. G. Jesus em nova perspectiva: o que os estudos sobre o Jesus histórico deixaram para trás. São Paulo: Paulus, 2013.

DUNN, James D. G. Jesus em nova perspectiva: o que os estudos sobre o Jesus histórico deixaram para trás. São Paulo: Paulus, 2013. DUNN, James D. G. Jesus em nova perspectiva: o que os estudos sobre o Jesus histórico deixaram para trás. São Paulo: Paulus, 2013. Resenhado por Bruno Ribeiro Nascimento 1 PPGCOM/UFPB http://lattes.cnpq.br/4210778274129446

Leia mais

O discurso sobre a profissão docente: construindo sentidos. Luciana Aleva Cressoni. PPGPE/UFSCar

O discurso sobre a profissão docente: construindo sentidos. Luciana Aleva Cressoni. PPGPE/UFSCar O discurso sobre a profissão docente: construindo sentidos Luciana Aleva Cressoni PPGPE/UFSCar Depois de uma palavra dita. Às vezes, no próprio coração da palavra se reconhece o Silêncio. Clarice Lispector

Leia mais

IMAGINANDO O RURAL: AS REPRESENTAÇÕES DE CAMPO DE MAURICIO DE SOUZA EM CHICO BENTO

IMAGINANDO O RURAL: AS REPRESENTAÇÕES DE CAMPO DE MAURICIO DE SOUZA EM CHICO BENTO IMAGINANDO O RURAL: AS REPRESENTAÇÕES DE CAMPO DE MAURICIO DE SOUZA EM CHICO BENTO 27 Introdução CONEGLIAN, Flavio Marcelo MONASTIRSKY, Leonel Brizolla Considerando que os modos de vida do rural e do urbano

Leia mais

SERVIÇO SOCIAL. Disciplina: Metodologia Científica. Número de créditos: 04. Carga horária: 80

SERVIÇO SOCIAL. Disciplina: Metodologia Científica. Número de créditos: 04. Carga horária: 80 Disciplina: Metodologia Científica SERVIÇO SOCIAL Ementa: Finalidade da metodologia científica. Importância da metodologia Número âmbito das ciências. Metodologia de estudos. O conhecimento e suas formas.

Leia mais

DE MÃOS DADAS COM MNEMOSINE E CLIO 1 Narradores de memórias e sujeitos históricos no filme Narradores de Javé

DE MÃOS DADAS COM MNEMOSINE E CLIO 1 Narradores de memórias e sujeitos históricos no filme Narradores de Javé 1 DE MÃOS DADAS COM MNEMOSINE E CLIO 1 Narradores de memórias e sujeitos históricos no filme Narradores de Javé Sol Fressato é graduada e mestre em História pela Universidade Federal do Paraná, pesquisadora

Leia mais

Gestalt. Gestalt é o termo intradutível do alemão utilizado para abarcar a teoria da percepção visual baseada na psicologia da forma.

Gestalt. Gestalt é o termo intradutível do alemão utilizado para abarcar a teoria da percepção visual baseada na psicologia da forma. Gestalt 29 de setembro de 2006 Gestalt é o termo intradutível do alemão utilizado para abarcar a teoria da percepção visual baseada na psicologia da forma. '''ORIGEM DA PSICOLOGIA DA FORMA''' Durante o

Leia mais

A EPISTEMOLOGIA DA PRÁTICA NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES E SUAS CONSEQUÊNCIAS NA RELAÇÃO TEORIA E PRÁTICA

A EPISTEMOLOGIA DA PRÁTICA NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES E SUAS CONSEQUÊNCIAS NA RELAÇÃO TEORIA E PRÁTICA A EPISTEMOLOGIA DA PRÁTICA NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES E SUAS CONSEQUÊNCIAS NA RELAÇÃO TEORIA E PRÁTICA Amarildo Luiz Trevisan Eliana Regina Fritzen Pedroso - UFSM Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico

Leia mais

Trabalho apresentado no VI Congresso Internacional sobre as Festas do Divino Espírito Santo Winnipeg/Canadá 11 a 15 de junho 2014

Trabalho apresentado no VI Congresso Internacional sobre as Festas do Divino Espírito Santo Winnipeg/Canadá 11 a 15 de junho 2014 Trabalho apresentado no VI Congresso Internacional sobre as Festas do Divino Espírito Santo Winnipeg/Canadá 11 a 15 de junho 2014 Festa do Divino Espírito Santo e seu registro fotográfico. Jairton Ortiz

Leia mais

SOBRE A PRODUÇÃO DE PESQUISAS EM EDUCAÇÃO MATEMÁTICA COM VIÉS FINANCEIRO ESCOLAR.

SOBRE A PRODUÇÃO DE PESQUISAS EM EDUCAÇÃO MATEMÁTICA COM VIÉS FINANCEIRO ESCOLAR. ISSN 2316-7785 SOBRE A PRODUÇÃO DE PESQUISAS EM EDUCAÇÃO MATEMÁTICA COM VIÉS FINANCEIRO ESCOLAR. Rodrigo Martins de Almeida Instituo Estadual de Educação de Juiz de Fora (IEE/JF) rodrigomartinsdealmeida@yahoo.com.br

Leia mais

A SOCIEDADE E O MEIO AMBIENTE

A SOCIEDADE E O MEIO AMBIENTE INTRODUÇÃO A SOCIEDADE E O MEIO AMBIENTE Tomando-se como base o texto de Ferreira (1999) 1, neste material apresentam-se algumas questões que circundam o debate do ambientalismo, especialmente quando pensado

Leia mais

SOCIOLOGIA. Max Weber.

SOCIOLOGIA. Max Weber. SOCIOLOGIA. Max Weber. 1 - Assinale a opção que contenha as categorias básicas da sociologia de Max Weber: a) função social, tipo ideal, mais-valia b) expropriação, compreensão, fato patológico c) ação

Leia mais

EMENTAS DAS DISCIPLINAS

EMENTAS DAS DISCIPLINAS EMENTAS DAS DISCIPLINAS CURSO DE GRADUAÇÃO DE SERVIÇO SOCIAL INTRODUÇÃO AO SERVIÇO SOCIAL EMENTA: A ação profissional do Serviço Social na atualidade, o espaço sócioocupacional e o reconhecimento dos elementos

Leia mais

O ENSINO DE FILOSOFIA NA ESCOLA BÁSICA: UMA LEITURA FOUCAULTIANA Liliana Souza de Oliveira - UFSM

O ENSINO DE FILOSOFIA NA ESCOLA BÁSICA: UMA LEITURA FOUCAULTIANA Liliana Souza de Oliveira - UFSM O ENSINO DE FILOSOFIA NA ESCOLA BÁSICA: UMA LEITURA FOUCAULTIANA Liliana Souza de Oliveira - UFSM Introdução O artigo 36 da Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional (Lei n. 9.394/96) determina que

Leia mais

Palavras-chave: Representação. Homem. Publicidade. Semântica Argumentativa.

Palavras-chave: Representação. Homem. Publicidade. Semântica Argumentativa. REPRESENTAÇÃO MASCULINA NA PUBLICIDADE BRASILEIRA: UM ESTUDO SEMÂNTICO-ARGUMENTATIVO Maria Eliane Gomes Morais (PPGFP-UEPB) Linduarte Pereira Rodrigues (DLA/PPGFP-UEPB) Resumo: A publicidade, assim como

Leia mais

CURSO DE PEDAGOGIA EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS 2015.1 BRUSQUE (SC) 2015 1 EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE PEDAGOGIA

CURSO DE PEDAGOGIA EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS 2015.1 BRUSQUE (SC) 2015 1 EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE PEDAGOGIA 1 CURSO EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS 2015.1 BRUSQUE (SC) 2015 2 SUMÁRIO 1ª FASE... 4 01 INVESTIGAÇÃO DA PRÁTICA DOCENTE I... 4 02 LEITURA E PRODUÇÃO DE TEXTO... 4 03 PROFISSIONALIDADE DOCENTE... 4 04 RESPONSABILIDADE

Leia mais

O CAMINHO PARA A ESPIRITUALIDADE

O CAMINHO PARA A ESPIRITUALIDADE José Carlos Pezini Luis Alexandre Ribeiro Branco O CAMINHO PARA A ESPIRITUALIDADE Uma Espiritualidade Cristocêntrica 1 Revisão: Bruna Perrella Brito 2 Prefácio Introdução 1 Índice O Que é Espiritualidade

Leia mais

Geyso D. Germinari Universidade Estadual do Centro-Oeste

Geyso D. Germinari Universidade Estadual do Centro-Oeste O ENSINO DE HISTÓRIA LOCAL E A FORMAÇÃO DA CONSCIÊNCIA HISTÓRICA DE ALUNOS DO 6º ANO DO ENSINO FUNDAMENTAL: UMA EXPERIÊNCIA COM A UNIDADE TEMÁTICA INVESTIGATIVA Geyso D. Germinari Universidade Estadual

Leia mais

Jusnaturalismo ou Positivismo Jurídico:

Jusnaturalismo ou Positivismo Jurídico: 1 Jusnaturalismo ou Positivismo Jurídico: Uma breve aproximação Clodoveo Ghidolin 1 Um tema de constante debate na história do direito é a caracterização e distinção entre jusnaturalismo e positivismo

Leia mais

Karl Marx e a Teoria do Valor do Trabalho. Direitos Autorais: Faculdades Signorelli

Karl Marx e a Teoria do Valor do Trabalho. Direitos Autorais: Faculdades Signorelli Karl Marx e a Teoria do Valor do Trabalho Direitos Autorais: Faculdades Signorelli "O caminho da vida pode ser o da liberdade e da beleza, porém, desviamo-nos dele. A cobiça envenenou a alma dos homens,

Leia mais

Ministério da Educação Secretaria de Educação Profissional e Tecnológica Instituto Federal Catarinense - Campus Sombrio MARIA EMÍLIA MARTINS DA SILVA

Ministério da Educação Secretaria de Educação Profissional e Tecnológica Instituto Federal Catarinense - Campus Sombrio MARIA EMÍLIA MARTINS DA SILVA MARIA EMÍLIA MARTINS DA SILVA RESENHA CRÍTICA SOBRE O FILME O PONTO DE MUTAÇÃO Referência da Obra: CAPRA, Fritijof. O Ponto de Mutação. Atlas: 1990, 135 min. O nome do livro foi extraído de um hexagrama

Leia mais

II ENCONTRO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO DO MINISTÉRIO PÚBLICO DA BAHIA A EDUCAÇÃO COMO MATRIZ DE TODAS AS RELAÇÕES HUMANAS E SOCIAIS SALVADOR, BA 2013

II ENCONTRO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO DO MINISTÉRIO PÚBLICO DA BAHIA A EDUCAÇÃO COMO MATRIZ DE TODAS AS RELAÇÕES HUMANAS E SOCIAIS SALVADOR, BA 2013 II ENCONTRO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO DO MINISTÉRIO PÚBLICO DA BAHIA A EDUCAÇÃO COMO MATRIZ DE TODAS AS RELAÇÕES HUMANAS E SOCIAIS SALVADOR, BA 2013 TEMÁTICA: EDUCAÇÃO, QUESTÃO DE GÊNERO E DIVERSIDADE EDUCAÇÃO

Leia mais

O ESTÁGIO SUPERVISIONADO NO CURSO DE FORMAÇÃO DE PROFESSORES

O ESTÁGIO SUPERVISIONADO NO CURSO DE FORMAÇÃO DE PROFESSORES 1 O ESTÁGIO SUPERVISIONADO NO CURSO DE FORMAÇÃO DE PROFESSORES GUEDES, Shirlei Terezinha Roman 1 SCHELBAUER, Analete Regina 2 A proposta deste texto é compartilhar algumas idéias a título de primeiros

Leia mais

Jorge Dantas Amorim É POSSÍVEL CONHECER A VERDADE?

Jorge Dantas Amorim É POSSÍVEL CONHECER A VERDADE? Jorge Dantas Amorim É POSSÍVEL CONHECER A VERDADE? É importante deixar claro que este texto tratará do problema da verdade a partir de uma abordagem filosófica, mais especificamente esta problemática será

Leia mais

TEXTO RETIRADO DO LIVRO: RESILIÊNCIA COMO SUPERAR PRESSÕES E ADVERSIDADES NO TRABALHO

TEXTO RETIRADO DO LIVRO: RESILIÊNCIA COMO SUPERAR PRESSÕES E ADVERSIDADES NO TRABALHO TEXTO RETIRADO DO LIVRO: RESILIÊNCIA COMO SUPERAR PRESSÕES E ADVERSIDADES NO TRABALHO O QUE PODEMOS APRENDER com a experiência de vida de pessoas resilientes é que, para enfrentar situações difíceis, é

Leia mais

Curso de Relações Internacionais

Curso de Relações Internacionais UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA CÂMPUS DE MARÍLIA Faculdade de Filosofia e Ciências Curso de Relações Internacionais 1 º. ano Disciplina: Introdução à História Profª Lidia M. V. Possas Lidia. M. V. Possas

Leia mais

RESENHA. Max Weber e a racionalização da vida: categorias weberianas em análise

RESENHA. Max Weber e a racionalização da vida: categorias weberianas em análise 1 RESENHA Max Weber e a racionalização da vida: categorias weberianas em análise Resenha de Sell, Carlos Eduardo. Max Weber e a Racionalização da Vida. Petrópolis: Vozes, 2013 1. Márcio J. R. de Carvalho

Leia mais

FILOSOFIA COMENTÁRIO DA PROVA DE FILOSOFIA

FILOSOFIA COMENTÁRIO DA PROVA DE FILOSOFIA COMENTÁRIO DA PROVA DE FILOSOFIA A prova de filosofia se mostrou abrangente em relação aos conteúdos propostos. Destacamos algumas pequenas observações nas questões envolvendo o livro X da República de

Leia mais

Dicionário. Conceitos. Históricos

Dicionário. Conceitos. Históricos Dicionário de Conceitos Históricos Kalina Vanderlei Silva Maciel Henrique Silva Dicionário de Conceitos Históricos Copyright 2005 Kalina Vanderlei Silva e Maciel Henrique Silva Todos os direitos desta

Leia mais

FILOSOFIA. Fernando Pessoa FILOSOFIA

FILOSOFIA. Fernando Pessoa FILOSOFIA Fernando Pessoa FILOSOFIA FILOSOFIA Se há um assunto eminentemente filosófico é a classificação das ciências. Pertence à filosofia e a nenhuma outra ciência. É só no ponto de vista mais genérico que podemos

Leia mais

NÚCLEO DE ESTUDOS E PESQUISAS HISTÓRIA DA EDUCAÇÃO EM PERNAMBUCO: 13 ANOS DE HISTÓRIA

NÚCLEO DE ESTUDOS E PESQUISAS HISTÓRIA DA EDUCAÇÃO EM PERNAMBUCO: 13 ANOS DE HISTÓRIA NÚCLEO DE ESTUDOS E PESQUISAS HISTÓRIA DA EDUCAÇÃO EM PERNAMBUCO: 13 ANOS DE HISTÓRIA Margarete Maria da Silva meghamburgo@yahoo.com.br Graduanda em Pedagogia e membro do NEPHEPE Universidade Federal de

Leia mais

ESPIRITUALIDADE: Como um valor imprescindível para a educação

ESPIRITUALIDADE: Como um valor imprescindível para a educação ESPIRITUALIDADE: Como um valor imprescindível para a educação Janaina Guimarães 1 Paulo Sergio Machado 2 Resumo: Este trabalho tem por objetivo fazer uma reflexão acerca da espiritualidade do educador

Leia mais

Religião, Cristianismo e os significados

Religião, Cristianismo e os significados Religião, Cristianismo e os significados Religião: 1 - Crença na Carlos Alberto Iglesia Bernardo das existência palavras Manifestação dicionário Aurélio de - tal editora crença Nova pela Fronteira doutrina

Leia mais

4ª. Apostila de Filosofia História da Filosofia: Filosofia Grega: Período Helenístico Filosofia Medieval. Introdução

4ª. Apostila de Filosofia História da Filosofia: Filosofia Grega: Período Helenístico Filosofia Medieval. Introdução 1 4ª. Apostila de Filosofia História da Filosofia: Filosofia Grega: Período Helenístico Filosofia Medieval Introdução O último período da Filosofia Grega é o Helenístico (Sec. III a.c.-vi d.c.). É um período

Leia mais

TEORIA SOCIAL CRÍTICA: DO QUE SE TRATA?

TEORIA SOCIAL CRÍTICA: DO QUE SE TRATA? TEORIA SOCIAL CRÍTICA: DO QUE SE TRATA? 1 Ivo Tonet* 1. Introdução Costuma-se associar o termo teoria crítica à Escola de Frankfurt. Contudo, no presente texto, nosso objetivo não é discorrer sobre a teoria

Leia mais

A) o dualismo ontológico é uma impossibilidade, enquanto o mundo sensível traz em si a causa da sua própria existência.

A) o dualismo ontológico é uma impossibilidade, enquanto o mundo sensível traz em si a causa da sua própria existência. QUESTÃO 01 Em Platão, as questões metafísicas mais importantes e a possibilidade de serem solucionadas estão vinculadas aos grandes problemas da geração, da corrupção e do ser das coisas. Para Platão,

Leia mais

Perguntas e Concepções presentes sobre a natureza do Psicológico e da Psicologia. I Natureza Humana

Perguntas e Concepções presentes sobre a natureza do Psicológico e da Psicologia. I Natureza Humana Perguntas e Concepções presentes sobre a natureza do Psicológico e da Psicologia I Natureza Humana * Qual a natureza humana? Ou seja, qual é a ontologia humana? - Uma teoria da natureza humana busca especificar

Leia mais

TEMAS TRANSVERSAIS, PEDAGOGIA DE PROJETOS E AS MUDANÇAS NA EDUCAÇÃO

TEMAS TRANSVERSAIS, PEDAGOGIA DE PROJETOS E AS MUDANÇAS NA EDUCAÇÃO TEMAS TRANSVERSAIS, PEDAGOGIA DE PROJETOS E AS MUDANÇAS NA EDUCAÇÃO ULISSES F. ARAÚJO TEMAS TRANSVERSAIS, PEDAGOGIA DE PROJETOS E AS MUDANÇAS NA EDUCAÇÃO Copyright 2004, 2014 by Ulisses F. Araújo Direitos

Leia mais

EMENTAS DAS DISCIPLINAS

EMENTAS DAS DISCIPLINAS EMENTAS DAS DISCIPLINAS CURSO DE GRADUAÇÃO DE PEDAGOGIA Disciplina: Comunicação e Expressão Ementa: A leitura como vínculo leitor/texto através do conhecimento veiculado pelo texto escrito. Interpretação:

Leia mais

A TRAJETÓRIA DA FORMAÇÃO DO PEDAGOGO NA CONTEMPORANEIDADE: DILEMAS E INDEFINIÇÕES

A TRAJETÓRIA DA FORMAÇÃO DO PEDAGOGO NA CONTEMPORANEIDADE: DILEMAS E INDEFINIÇÕES A TRAJETÓRIA DA FORMAÇÃO DO PEDAGOGO NA CONTEMPORANEIDADE: DILEMAS E INDEFINIÇÕES Introdução Vilma Fernandes Neves Maria Auxiliadora Cavazotti Patrícia Andréia Fonseca de Carvalho Pitta Programa de Pós-Graduação

Leia mais

Fernando de Araujo Penna *

Fernando de Araujo Penna * Negociando a distância entre passado, presente e futuro em sala de aula: a relação entre o tempo histórico e a aprendizagem significativa no ensino de história Fernando de Araujo Penna * O presente trabalho

Leia mais

AS CRIANÇAS E SUAS NARRATIVAS AUDIOVISUAIS: UMA PESQUISA EM PROCESSO Renata Gazé UNIRIO

AS CRIANÇAS E SUAS NARRATIVAS AUDIOVISUAIS: UMA PESQUISA EM PROCESSO Renata Gazé UNIRIO AS CRIANÇAS E SUAS NARRATIVAS AUDIOVISUAIS: UMA PESQUISA EM PROCESSO Renata Gazé UNIRIO Resumo Hoje muitas crianças convivem com narrativas audiovisuais na tv, no cinema e na Internet. Como se relacionam

Leia mais

Prisma Jurídico ISSN: 1677-4760 prismajuridico@uninove.br Universidade Nove de Julho Brasil

Prisma Jurídico ISSN: 1677-4760 prismajuridico@uninove.br Universidade Nove de Julho Brasil Prisma Jurídico ISSN: 1677-4760 prismajuridico@uninove.br Universidade Nove de Julho Brasil Cesarino Pessôa, Leonel; Fernandes, Pádua Reseña de "Sofrimento de indeterminação: uma reatualização da Filosofia

Leia mais

Relações de força: história, retórica, prova

Relações de força: história, retórica, prova resenhas 223 Relações de força: história, retórica, prova autor Carlo Ginzburg cidade São Paulo editora Companhia das Letras ano 2002 O historiador Carlo Ginzburg configura-se com destaque no cenário internacional,

Leia mais

Quando o historiador deixa de assistir e começa a analisar: Reflexões sobre a relação história e cinema

Quando o historiador deixa de assistir e começa a analisar: Reflexões sobre a relação história e cinema 1 Quando o historiador deixa de assistir e começa a analisar: Reflexões sobre a relação história e cinema Carlos Adriano F. de Lima Quando os irmãos Augusthe e Lois Lumiere apresentaram seu cinematógrafo

Leia mais

A Dimensão Cultural e o Espaço uma leitura geográfica. Elis Miranda

A Dimensão Cultural e o Espaço uma leitura geográfica. Elis Miranda A Dimensão Cultural e o Espaço uma leitura geográfica Elis Miranda Professora do Mestrado em Planejamento Regional e Gestão de Cidades Universidade Cândido Mendes - Campos. O livro Introdução à Geografia

Leia mais

OFICINA DE ENTREVISTAS: MEMÓRIAS NA SALA DE AULA

OFICINA DE ENTREVISTAS: MEMÓRIAS NA SALA DE AULA OFICINA DE ENTREVISTAS: MEMÓRIAS NA SALA DE AULA Taiane Vanessa da Silva (História/ UEL; bolsista PROEXT) Felipe Augusto Leme de Oliveira (História/ UEL; bolsista PROEXT) Regina Célia Alegro (Orientadora)

Leia mais

O ACERVO DO GEEMPA COMO FONTE PARA A ESCRITA DA HISTÓRIA DA EDUCAÇÃO MATEMÁTICA EM PORTO ALEGRE, AO TEMPO DA MATEMÁTICA MODERNA

O ACERVO DO GEEMPA COMO FONTE PARA A ESCRITA DA HISTÓRIA DA EDUCAÇÃO MATEMÁTICA EM PORTO ALEGRE, AO TEMPO DA MATEMÁTICA MODERNA O ACERVO DO GEEMPA COMO FONTE PARA A ESCRITA DA HISTÓRIA DA EDUCAÇÃO MATEMÁTICA EM PORTO ALEGRE, AO TEMPO DA MATEMÁTICA MODERNA Maria Cecilia Bueno Fischer 1 Fabiane Carpes 2 Resumo A pesquisa que apresentamos,

Leia mais