ÍNDICE . HISTÓRIAS ELABORADAS SEM APOIO DE GRAVURAS . PARA UM NOVO OLHAR SOBRE A PROBLEMÁTICA DA APRENDIZAGEM DA LEITURA

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "ÍNDICE . HISTÓRIAS ELABORADAS SEM APOIO DE GRAVURAS . PARA UM NOVO OLHAR SOBRE A PROBLEMÁTICA DA APRENDIZAGEM DA LEITURA"

Transcrição

1 ÍNDICE. INTRODUÇÃO. COMUNICAÇÃO ORAL. PRIMEIRO DEIXAR FALAR. ETAPAS DE DESENVOLVIMENTO DA LINGUAGEM. METODOLOGIAS. DESENVOLVIMENTO DAS ACTIVIDADES. HISTÓRIAS. TÉCNICAS PARA CONTAR HISTÓRIAS. SUGESTÕES. HISTÓRIAS ELABORADAS A PARTIR DE GRAVURAS. HISTÓRIAS ELABORADAS SEM APOIO DE GRAVURAS. AS DIFICULDADES DA LINGUAGEM ORAL. PARA UM NOVO OLHAR SOBRE A PROBLEMÁTICA DA APRENDIZAGEM DA LEITURA. ALGUMAS FORMAS PROGRESSIVAS DE TIRAR PARTIDO DAS ACTIVIDADES. CONSCIÊNCIA METALINGUÍSTICA. COMPREENSÃO DAS RELAÇÕES ENTRE A LINGUAGEM ORAL E A LINGUAGEM ESCRITA. ESTRATÉGIAS DA LEITURA. ALGUNS JOGOS PARA O ESTÍMULO A UMA LEITURA COM SENTIDO. FIGURAS PARA JOGOS DE LEITURA. UMA BREVE ABORDAGEM ÀS QUESTÕES DA ESCRITA. A MALA DA ESCRITA E DA LEITURA. REFERÊNCIA BIBLIOGRÁFICA

2 INTRODUÇÃO A palavra falada e/ou a palavra escrita devem aparecer em primeiro lugar, da actividade espontânea da criança, da sua necessidade de se situar no mundo e comunicar. É deste entendimento que partimos; é suportando-nos nele que olhamos a relação "precoce" com a fala, com os jogos, com os livros, com os mais diversos materiais que permitam a expressão livre, com o pincel e as aguarelas, com os vários objectos do envolvimento próximo ou com as outras crianças, com a sua vida toda sem outros obstáculos que não sejam os ditados pelo bom senso. Como vemos a escrita como um instrumento, como outros que permitem a comunicação, tão rico e tão profundo de consequências, tão natural como a fala ou a pintura, como a modelagem ou o jogo, não a subtraímos ao envolvimento da criança. Pelo contrário, organizamos este trabalho nessa prespectiva com o objectivo de ajudar a criança a apropriar-se e a integrar a escrita e o escrito na sua experiência quotidiana pelo menos desde a idade pré-escolar. Quanto ao argumento de que a criança pequena não tem maturidade para o escrito, pensamos sinceramente que é uma falsa questão. A criança aos 3/4 anos (em situação de desenvolvimento normal) domina minuciosamente a linguagem, "usando já as estruturas sintácticas básicas". Estudos levados a cabo por diversos especialistas têm demonstrado que a confrontação tardia da criança com o escrito é a principal responsável pelo insucesso, na aprendizagem e no desenvolvimento das competências linguísticas, sobretudo no quadro dos objectivos da escolaridade. Aos 6 anos já é muito tarde para a criança descobrir o escrito, demasiado tarde, e as consequências poderão ser dramáticas, se lhe acrescentarmos os factores da inadequação da grande maioria dos "métodos da leitura e da escrita" usados no 1º Ciclo. Sendo assim, é urgente e fundamental "descolarizar" a inicição da escrita e da leitura. A pedra angular do processo é a atenção à criança e a construção de uma atitude, por parte do educador, que motive a curiosidade e o interesse, para que a relação com a escrita e a leitura surjam naturalmente num processo mais vasto e diversificado de comunicação. Não se pode ensinar a escrever e a ler. É a criança que aprende a escrever e a ler. Daí os estímulos à leitura e à escrita que abordamos neste livro é o de facilitar as condições, para o percurso acontecer. Esperamos que neste quadro a didáctica reencontre o seu sentido. E o educador reinvente o seu papel.

3 CONDIÇÕES INDISPENSÁVEIS A UMA BOA COMUNICAÇÃO Para que o falar e o escutar sejam uma realidade no jardim de infância, é necessário que se reunam condições específicas de entre as quais se destacam: a) O clima de afectividade - O estabelecimento de um clima de afectividade depende fundamentalmente da atitude do educador. " A espontaneidade infantil não pode desabrochar senão num meio permissivo, caloroso, e, se o educador estiver atento, a expressão afirma-se, aprofunda-se. A criança torna-se mais sensível ao mundo, mais desperta à curiosidade do que a rodeia, mais aberta aos outros. Ela cultiva-se" b) O clima de liberdade - O desenvolvimento da expressão oral requer um clima de liberdade. "Dar à criança o direito e o meio de dizer o que está no fundo de si mesma é conceder-lhe uma alegria muito grande. Este direito é a liberdade de se expressar, de descobrir, de dizer muito simplesmente o que sente, o que deseja, o que vive, o que pensa". c) O respeito pela linguagem da criança - Esta liberdade de expressão exige do educador e da turma o respeito pela linguagem da criança. "Inicialmente, deve o educador preocupar-se mais com o que os alunos dizem do que com a forma com que o fazem. O aperfeiçoamento desse aspecto vem aos poucos, pelo esforço consciente de cada criança para conseguir falar de maneira usualmente aceite e considerada certa pela classe. Os padrões de linguagem que serão atingidos gradativamente pelas crianças de uma turma devem ser estabelecidos cooperativamente entre eles e o educador através da observação e análise de formas correctas de expressão oral e da avaliação periódica do progresso dos alunos". d) A adequação do nível de linguagem do educador - O nível de linguagem utilizado pelo educador deve ter em conta a possibilidade de compreensão de cada criança. "Logo que chega ao jardim de infância, a criança fala de acordo com os padrões estabelecidos no seu lar. Se encontra na classe o mesmo tipo de linguagem, não há grandes problemas de ajustamento e passa a imitar inconscientemente a maneira de falar do educador. Quando há muita diferença nos padrões de linguagem entre o lar e a escola, a criança demora um pouco a aceitar os novos padrões a que não está habituada. É preciso, neste caso, grande cuidado do educador para levá-la a sentir-se feliz, ajustada e segura no meio escolar para que ela aceite as novas formas de linguagem que lhe são apresentadas e passe então a esforçar-se para atingir esse novo modelo". Não se defende que a linguagem do educador desça ao nível da linguagem da criança; fazê-lo, seria limitar ou mesmo cercear o indispensável progresso da linguagem infantil.

4 TÉCNICAS PARA CONTAR HISTÓRIAS Existem várias técnicas que podem ser utilizadas para contar histórias: livros, gravuras (organizadas em acordeão, álbuns seriados ou livros de argola), cinema, flanelógrafo, quadro de pregas e teatro (de sombra, de vara ou de fantoches). Livros - Escolher os mais adequados à idade do grupo, que tenham gravuras grandes (no minimo em tamanho A4) e coloridas. É importante contar a história, e não lê-la, mantendo o livro sempre voltado para as crianças. Acordeão - Cortar rectângulos de cartolina ou papelão, um pouco maiores que a folha de papel A4. Marcar em cada rectângulo o tamanho do papel e dar cortes em diagonal nos cantos para a introdução das gravuras da história (figura1). FIG. 1 Em seguida, unir os rectângulos de cartolina com fita cola ou tiras de tecido, deixando cerca de 3 mm entre eles (figura 2). FIG. 2 Finalmente colocar as figuras por ordem e mostrar uma de cada vez, contando a história.

5 SUGESTÕES TÉCNICA UTILIZADA: FLANELÓGRAFO ACTIVIDADES: DRAMATIZAR COM MÍMICA OS MORADORES DA CASA INVENTAR NOVOS MORADORES DESCOBRIR PALAVRAS QUE RIMEM

6 SUGESTÕES TÉCNICA UTILIZADA: FLANELÓGRAFO Um sapato sorridente Que luta com um pente ACTIVIDADES: DRAMATIZAR COM MÍMICA OS MORADORES DA CASA INVENTAR NOVOS MORADORES DESCOBRIR PALAVRAS QUE RIMEM

Colégio Valsassina. Modelo pedagógico do jardim de infância

Colégio Valsassina. Modelo pedagógico do jardim de infância Colégio Valsassina Modelo pedagógico do jardim de infância Educação emocional Aprendizagem pela experimentação Educação para a ciência Fatores múltiplos da inteligência Plano anual de expressão plástica

Leia mais

Resumo e Reflexão do artigo: Descobrir o princípio alfabético, por Ana Cristina Silva

Resumo e Reflexão do artigo: Descobrir o princípio alfabético, por Ana Cristina Silva Instituto Politécnico de Setúbal Escola Superior de Educação Licenciatura em Educação Básica - 3º ano, turma B U.C.: Introdução à Didáctica do Português Docentes: Helena Camacho 2009/2010 Resumo e Reflexão

Leia mais

PROJETO DO 3º BIMESTRE PROJETO ALIMENTAÇÃO SAUDÁVEL E ESTAÇÕES DO ANO

PROJETO DO 3º BIMESTRE PROJETO ALIMENTAÇÃO SAUDÁVEL E ESTAÇÕES DO ANO CRECHE MUNICIPAL TERTULIANA MARIA DE ARRUDA SOUZA MÂE NHARA PROJETO DO 3º BIMESTRE PROJETO ALIMENTAÇÃO SAUDÁVEL E ESTAÇÕES DO ANO CUIABÁ 2015 INTRODUÇÃO Partindo do pressuposto de que a creche é um espaço

Leia mais

Critérios de Avaliação na educação pré-escolar

Critérios de Avaliação na educação pré-escolar Critérios de Avaliação na educação pré-escolar 1 - Modalidades de avaliação e suas funções O ato de avaliar contempla duas vertentes fundamentais: A avaliação da ação educativa - avaliação da qualidade

Leia mais

Planificação a médio/ longo prazo

Planificação a médio/ longo prazo Planificação a médio/ longo prazo 1º Ano de Escolaridade Ano Letivo 2012/2013 Ano letivo 2012/2013 1 PORTUGUÊS Manual adotado: ALFA Editora: Porto Editora Oralidade Oralidade Oralidade - Respeitar as regras

Leia mais

CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO DO PRÉ-ESCOLAR

CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO DO PRÉ-ESCOLAR CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO DO PRÉ-ESCOLAR ANO LETIVO DE 2014/2015 Expressões 1- Educação Pré-escolar 1.1 - Objecto da avaliação 1.1.1 - Parâmetros de avaliação, por áreas curriculares Na educação pré-escolar

Leia mais

1º Ciclo. Competências Gerais do Ensino Básico

1º Ciclo. Competências Gerais do Ensino Básico 1º Ciclo Ao longo do 1º ciclo do Ensino Básico, todos os alunos devem desenvolver as competências gerais do Ensino Básico. Competências Gerais do Ensino Básico 1. Mobilizar saberes culturais, científicos

Leia mais

REFERENCIAL DO PERFIL DE COMPETÊNCIAS AVALIAÇÃO 3 ANOS. Aprendizagens. Construção da identidade e da autoestima

REFERENCIAL DO PERFIL DE COMPETÊNCIAS AVALIAÇÃO 3 ANOS. Aprendizagens. Construção da identidade e da autoestima ANO LETIVO 2016/217 REFERENCIAL DO PERFIL DE COMPETÊNCIAS AVALIAÇÃO 3 ANOS Área de Construção da identidade e da autoestima Sabe o seu primeiro nome Sabe a idade Tem consciência de si e do outro Reconhece

Leia mais

Formação Pessoal e Social-Independência/Autonomia

Formação Pessoal e Social-Independência/Autonomia Formação Pessoal e Social-Independência/Autonomia 9% 91% EA- em aquisição A- adquirido Gráfico 2 Formação Pessoal e Social- Convivência Democrática/ Cidadania 9% 91% EA- em aquisição A- adquirido Gráfico

Leia mais

PROGRAMA DE MÉTODOS E HÁBITOS DE ESTUDO

PROGRAMA DE MÉTODOS E HÁBITOS DE ESTUDO PROGRAMA DE MÉTODOS E HÁBITOS DE ESTUDO MOTIVAR PARA O SUCESSO PRESSUPÕE INTERESSE, INVESTIMENTO, DISPONIBILIDADE, VONTADE, COMPETÊNCIA E ENVOLVIMENTO DE TODOS OS INTERVENIENTES NO PROCESSO EDUCATIVO!

Leia mais

CRECHE. Educadora Responsável. Cristiana Andias. 24 aos 36 meses sala A A CONTEXTUALIZAÇÃO DO PROJECTO PEDAGÓGICO

CRECHE. Educadora Responsável. Cristiana Andias. 24 aos 36 meses sala A A CONTEXTUALIZAÇÃO DO PROJECTO PEDAGÓGICO Educadora Responsável Cristiana Andias A CONTEXTUALIZAÇÃO DO 24 aos 36 meses sala A A Creche constitui uma das primeiras experiências da criança num sistema organizado, exterior ao seu circulo familiar,

Leia mais

Testes de diagnóstico de Português. Fausto Caels

Testes de diagnóstico de Português. Fausto Caels Testes de diagnóstico de Português Língua Não Materna Fausto Caels Equipa Grupo Língua e Diversidade Linguística ILTEC Maria Helena Mira Mateus Fausto Caels Nuno Carvalho Dulce Pereira (FLUL ILTEC) Ana

Leia mais

ACTIVIDADES PARA O 1º CICLO

ACTIVIDADES PARA O 1º CICLO ACTIVIDADES PARA O 1º CICLO Actividade 1 Diário dos Sentimentos Através do diálogo, o professor deve ajudar as crianças a identificar os sentimentos que vivenciam nas diversas situações do dia a dia. Poderá

Leia mais

PROJETO APRENDENDO E BRINCANDO COM CANTIGAS DE INFANTIS. Escola Municipal Alfabeto. Série: 2ª. Professor: Edilza Ferreira de Lima Correia

PROJETO APRENDENDO E BRINCANDO COM CANTIGAS DE INFANTIS. Escola Municipal Alfabeto. Série: 2ª. Professor: Edilza Ferreira de Lima Correia PROJETO APRENDENDO E BRINCANDO COM CANTIGAS DE INFANTIS Escola Municipal Alfabeto Série: 2ª Professor: Edilza Ferreira de Lima Correia Arcoverde PE Quando uma criança brinca, joga e finge, está criando

Leia mais

Escola Básica Integrada de Angra do Heroísmo

Escola Básica Integrada de Angra do Heroísmo Escola Básica Integrada de Angra do Heroísmo Área: Língua Portuguesa Programa de Recuperação de Escolaridade 2º/3º ANO Blocos/Conteúdos Objectivos Avaliação Comunicação Oral - Comunica oralmente, com progressiva

Leia mais

Ensino fundamental. Ciclo 1. Balanços intermédios. do desenvolvimento das competências

Ensino fundamental. Ciclo 1. Balanços intermédios. do desenvolvimento das competências Ensino fundamental Ciclo 1 Balanços intermédios do desenvolvimento das competências Caros pais e encarregados de educação: O balanço intermédio que acabam de receber permite acompanhar o desenvolvimento

Leia mais

PERFIL DE DESEMPENHO. PRÉ-ESCOLAR 4 anos

PERFIL DE DESEMPENHO. PRÉ-ESCOLAR 4 anos PRÉ-ESCOLAR 4 anos O aluno deverá ser capaz de: ÁREAS DE CONTEÚDO DOMÍNIO/COMPONENTES DESCRITOR Construção da identidade e autoestima - Saber dizer o seu nome próprio e a sua idade - Verbalizar as necessidades

Leia mais

Escola Básica Integrada de Angra do Heroísmo. 1º Ciclo do Ensino Básico

Escola Básica Integrada de Angra do Heroísmo. 1º Ciclo do Ensino Básico Escola Básica Integrada de Angra do Heroísmo 1º Ciclo do Ensino Básico Ano lectivo 2009/2010 1 I. Introdução De acordo com a legislação em vigor (Portaria 72/2006 de 24 de Agosto), a avaliação deverá incidir

Leia mais

PLANIFICAÇÃO CURRICULAR Educação Pré-escolar Ano lectivo 2016/2017

PLANIFICAÇÃO CURRICULAR Educação Pré-escolar Ano lectivo 2016/2017 PLANIFICAÇÃO CURRICULAR Educação Pré-escolar Ano lectivo 2016/2017 ÁREAS COMPONENTES APRENDIZAGENS A PROMOVER Construção da identidade e da auto estima *Conhecer e aceitar as suas caraterísticas pessoais

Leia mais

PROGRAMA AEC s Atividades Lúdico Expressivas 2015/2016

PROGRAMA AEC s Atividades Lúdico Expressivas 2015/2016 PROGRAMA AEC s Atividades Lúdico Expressivas 2015/2016 1º, 2º e 3º anos de escolaridade I-INTRODUÇÃO Segundo o Decreto-Lei nº 139/2012, de 5 de julho, as atividades lúdico-expressivas integram uma ou mais

Leia mais

Perfil do Aluno Final do 1.º Ciclo Ano letivo 2016/2017

Perfil do Aluno Final do 1.º Ciclo Ano letivo 2016/2017 Perfil do Aluno Final do 1.º Ciclo Ano letivo 2016/2017 Perfil de aprendizagens específicas do aluno à saída 1.º Ciclo do Ensino Básico Tendo em atenção as características estruturais e humanas das Escolas

Leia mais

Fonte: - Reedição gráfica: Luís Franco. Guia de Pesquisa na Web

Fonte: -  Reedição gráfica: Luís Franco. Guia de Pesquisa na Web Fonte: Ciências@TIC - http://ciencias.crie.fc.ul.pt Reedição gráfica: Luís Franco Guia de Pesquisa na Web De modo a ajudar os alunos a desenvolver competências no âmbito da literacia digital é indispensável

Leia mais

DISCIPLINA DE LÍNGUA PORTUGUESA 9.º Ano Turmas A e B

DISCIPLINA DE LÍNGUA PORTUGUESA 9.º Ano Turmas A e B 1. COMPETÊNCIAS ESSENCIAIS DISCIPLINA DE LÍNGUA PORTUGUESA 9.º Ano Turmas A e B COMPETÊNCIAS GERAIS CG1- Mobilizar saberes culturais, científicos e tecnológicos para compreender a realidade e para abordar

Leia mais

CONTAR UMA HISTÓRIA É DAR UM PRESENTE DE AMOR.

CONTAR UMA HISTÓRIA É DAR UM PRESENTE DE AMOR. CONTAR UMA HISTÓRIA É DAR UM PRESENTE DE AMOR. LEWIS CARROL Elaborado pelas assessoras Patrícia Ribeiro e Rosinara Nascimento, em 2011, nas oficinas pedagógicas para as educadoras, ocorridas nas Livrarias

Leia mais

PROJECTO PEDAGÓGICO 2010/2011 TALENTOSOS

PROJECTO PEDAGÓGICO 2010/2011 TALENTOSOS 1. Caracterização do grupo 2. Organização do Espaço e do Tempo PROJECTO PEDAGÓGICO 2010/2011 TALENTOSOS INDICE 3. Tema e fundamentação teórica do projecto da «Sala dos Talentosos» «Vamos Descobrir os Alimentos»

Leia mais

ARTE DE CONTAR HISTÓRIA Vânia Morais Cavalcanti

ARTE DE CONTAR HISTÓRIA Vânia Morais Cavalcanti ARTE DE CONTAR HISTÓRIA Vânia Morais Cavalcanti Flanelógrafo 1- Corto um pedaço de papelão, exemplo 100 cm x 33 cm. (Sempre peço caixas grandes nos supermercados, lojas de doces,...) E corto o feltro uns

Leia mais

Instituto Politécnico da Guarda. Escola Superior de Educação, Comunicação e Desporto. Catarina José Camacho de Caires nº 6509

Instituto Politécnico da Guarda. Escola Superior de Educação, Comunicação e Desporto. Catarina José Camacho de Caires nº 6509 Instituto Politécnico da Guarda Escola Superior de Educação, Comunicação e Desporto Didáctica da Expressões Expressão Dramática Plano de sessão Catarina José Camacho de Caires nº 6509 Sessão n.º 25 Idade

Leia mais

ROTEIRO DE AVALIAÇÃO

ROTEIRO DE AVALIAÇÃO PLANIFICAÇÃO DO PROCESSO DE AVALIAÇÃO (Recolha de informação por referência à CIF CJ) ROTEIRO DE AVALIAÇÃO DADOS DE IDENTIFICAÇÃO DO ALUNO Nome: Matilde Data de Nascimento: 4/02/2006 Idade: 4 anos Ano

Leia mais

Seminário A infância em debate. Uma leitura a partir de Portugal: resposta educativa para as crianças dos 3 aos 6 anos. Salamanca 27 a 30 Abril 2015

Seminário A infância em debate. Uma leitura a partir de Portugal: resposta educativa para as crianças dos 3 aos 6 anos. Salamanca 27 a 30 Abril 2015 Seminário A infância em debate. Uma leitura a partir de Portugal: resposta educativa para as crianças dos 3 aos 6 anos. Salamanca 27 a 30 Abril 2015 Amélia de Jesus Marchão ameliamarchao@esep.pt 1 Objetivo

Leia mais

A escrita que faz a diferença

A escrita que faz a diferença A escrita que faz a diferença Inclua a Olimpíada de Língua Portuguesa Escrevendo o Futuro em seu planejamento de ensino A Olimpíada de Língua Portuguesa Escrevendo o Futuro é uma iniciativa do Ministério

Leia mais

COMPETENCIAS ESPECÍFICAS/ APRENDIZAGENS A PROMOVER. Fazer perguntas sobre novas palavras e usar novo vocabulário.

COMPETENCIAS ESPECÍFICAS/ APRENDIZAGENS A PROMOVER. Fazer perguntas sobre novas palavras e usar novo vocabulário. Linguagem Oral AGRUPAMENTO de ESCOLAS de SANTIAGO do CACÉM PRÉ-ESCOLAR Ano Letivo 2017/2018 PLANIFICAÇÃO ANUAL Documento Orientador: Orientações Curriculares para a Educação Pré-escolar Na Educação Pré-escolar

Leia mais

CURRÍCULO DISCIPLINAR

CURRÍCULO DISCIPLINAR CURRÍCULO DISCIPLINAR 1º CEB 4º ANO 1º CEB 4º Ano de escolaridade Número de aulas previstas no ano letivo 2017/18: 1º Período 64 2º Período 55 170 dias letivos 3º Período 51 PORTUGUÊS DOMÍNIO: ORALIDADE

Leia mais

Atena Cursos - Curso de Capacitação - AEE PROJETO DEFICIÊNCIA DA LEITURA NA APRENDIZAGEM INFANTIL

Atena Cursos - Curso de Capacitação - AEE PROJETO DEFICIÊNCIA DA LEITURA NA APRENDIZAGEM INFANTIL Atena Cursos - Curso de Capacitação - AEE PROJETO DEFICIÊNCIA DA LEITURA NA APRENDIZAGEM INFANTIL Aluna: Iara Escandiel Colussi Data: 12/06/2015 Introdução Este projeto apresenta algumas situações de dificuldade

Leia mais

PLANIFICAÇÃO A LONGO/

PLANIFICAÇÃO A LONGO/ PLANIFICAÇÃO A LONGO/ MÉDIO PRAZO 2012/2013 3.º ANO Manual adotado: Alfa - Porto Editora PORTUGUÊS Oralidade -Escutar para aprender e construir conhecimentos; - Produzir um discurso oral com correção;

Leia mais

Curso: Educação de Infância. Tema: Ida à livraria / Planetas Data : 3/ Objectivos Específicos. Actividade proposta 2/3/4/5 anos

Curso: Educação de Infância. Tema: Ida à livraria / Planetas Data : 3/ Objectivos Específicos. Actividade proposta 2/3/4/5 anos Ano lectivo: 2005/2006 Estagiária: Curso: Educação de Infância 4º Ano Educadora Cooperante: Tema: Ida à livraria / Planetas Data : 3/4.04.06 Áreas Domínios Objectivos Gerais Objectivos Específicos Actividade

Leia mais

REFERENCIAL DE RVCC PROFISSIONAL

REFERENCIAL DE RVCC PROFISSIONAL REFERENCIAL DE RVCC PROFISSIONAL Código e Designação da Qualificação 761174 - Acompanhante de Crianças Nível de qualificação do QNQ: 2 Nível de qualificação do QEQ: 2 Unidades de Competencia (UC) Designação

Leia mais

Laboratório de ensino de matemática e materiais didáticos manipuláveis. Fernanda Trevisol Ramoni Silvano

Laboratório de ensino de matemática e materiais didáticos manipuláveis. Fernanda Trevisol Ramoni Silvano Laboratório de ensino de matemática e materiais didáticos manipuláveis Fernanda Trevisol Ramoni Silvano INTRODUÇÃO Muitos foram os educadores que nos últimos séculos, ressaltaram a importância do apoio

Leia mais

PLANIFICAÇÃO DIÁRIA 19/01/2011

PLANIFICAÇÃO DIÁRIA 19/01/2011 INSTITUIÇÃO FORMADORA: ISEC CURSO: Mestrado de Qualificação para a Docência em Educação Pré-Escolar e Ensino do 1º ciclo do ensino Básico PLANIFICAÇÃO DIÁRIA 19/01/2011 INSTITUIÇÃO DE INTERVENÇÃO: Jardim

Leia mais

Wynne Harlen. Lisboa, Setembro

Wynne Harlen. Lisboa, Setembro Wynne Harlen Lisboa, Setembro 15 2012 Agenda Quais são as competências IBSE e por que são importantes? Como desenvolvê-las (5 aos 13 anos ) Ajudar os alunos a: Colocar questões e planificar investigações

Leia mais

Contando e Recontando histórias na Educação Infantil...

Contando e Recontando histórias na Educação Infantil... ESTADO DE MATO GROSSO PREFEITURA MUNICIPAL DE CAMPOS DE JÚLIO SECRETARIA MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO CRECHE MUNICIPAL PEQUENO PRINCIPE Contando e Recontando histórias na Educação Infantil... CAMPOS DE JÚLIO

Leia mais

PLANEJAMENTO. NOME IDENTIDADE Competências Linguagem oral, leitura, escrita, atenção Identificar o próprio nome, sua identidade; Objetivos

PLANEJAMENTO. NOME IDENTIDADE Competências Linguagem oral, leitura, escrita, atenção Identificar o próprio nome, sua identidade; Objetivos Professora: Nelcí Sganzerla Girelli PLANEJAMENTO NOME IDENTIDADE Competências Linguagem oral, leitura, escrita, atenção Identificar o próprio nome, sua identidade; Objetivos Identificar a importância de

Leia mais

Aprender a ler: Dos sons às letras. Fernanda Leopoldina P. Viana Universidade do Minho

Aprender a ler: Dos sons às letras. Fernanda Leopoldina P. Viana Universidade do Minho Aprender a ler: Dos sons às letras Fernanda Leopoldina P. Viana Universidade do Minho fviana@iec.uminho.pt Leitura: PÁ-TÓ (para PATO) PAU (para RUA) RUA ( para RIO) J: Não gosto de ler, gosto mais de escrever

Leia mais

Programa de Português 2º Ano

Programa de Português 2º Ano Programa de Português 2º Ano Introdução Reconhece-se a Língua Materna como o elemento mediador que permite a nossa identificação, a comunicação com os outros e a descoberta e compreensão do mundo que nos

Leia mais

Modelo Curricular High/Scope

Modelo Curricular High/Scope Modelo Curricular High/Scope Origem e Evolução Década de 60: David Weikart inicia Perry Preschool Project Combate ao Insucesso Escolar Intervenção precoce Escolha do modelo curricular Investigação Década

Leia mais

MESTRADO DE QUALIFICAÇÃO PARA A DOCÊNCIA EM EDUCAÇÃO PRÉ-ESCOLAR Planificação Curricular Anual

MESTRADO DE QUALIFICAÇÃO PARA A DOCÊNCIA EM EDUCAÇÃO PRÉ-ESCOLAR Planificação Curricular Anual Identificação do Estagiário: Ana Catarina Tarré Simões Pedro Ano lectivo 2013/2014 Tema do PCT: Do bairro ao espaço, um mundo por descobrir Nº de crianças 15 Idades 3/4/5/6 anos PROBLEMÁTICA/CAMPO DE AÇÃO

Leia mais

PLANEJAMENTO (Ditados Populares) Leitura, interpretação, atenção, oralidade, comunicação; vocabulário e criatividade.

PLANEJAMENTO (Ditados Populares) Leitura, interpretação, atenção, oralidade, comunicação; vocabulário e criatividade. PLANEJAMENTO (Ditados Populares) Professor (a): Sonaira Schultz Competências Leitura, interpretação, atenção, oralidade, comunicação; vocabulário e criatividade. Objetivo Geral Desenvolver atividades orais,

Leia mais

AULAS DE INFORMÁTICA E INGLÊS PARA CRIANÇAS

AULAS DE INFORMÁTICA E INGLÊS PARA CRIANÇAS AULAS DE INFORMÁTICA E INGLÊS PARA CRIANÇAS ANO LECTIVO 2010/2011 O QUE É A NAVEGADORES? A Navegadores é uma empresa jovem que se dedica ao ensino de Informática e Inglês a crianças e jovens, a partir

Leia mais

Análise de software. 1 o software analisado: Workshop Vila Sésamo

Análise de software. 1 o software analisado: Workshop Vila Sésamo Análise de software 1 o software analisado: Workshop Vila Sésamo Este software estimula a criatividade da criança, também desenvolve noções de espaço e distribuição na tela. Nele, a criança dispõe de diversos

Leia mais

Oralidade. Leitura e escrita

Oralidade. Leitura e escrita 1º PERÍODO AGRUPAMENTO DE ESCOLAS JOSÉ ESTÊVÃO DEPARTAMENTO DO PRIMEIRO CICLO Planificação Anual da disciplina de PORTUGUÊS 1º ano Manuais adotados: ALFA / Nova CAIXINHA DE PALAVRAS Ano Letivo de 2015/2016

Leia mais

KIT CICLO PEDAGÓGICO ESTUDO DO MEIO. Propostas de investigação sobre o ambiente natural. Pedro Reis ISBN 978-111-11-2499-1

KIT CICLO PEDAGÓGICO ESTUDO DO MEIO. Propostas de investigação sobre o ambiente natural. Pedro Reis ISBN 978-111-11-2499-1 1. o CICLO KIT PEDAGÓGICO Pedro Reis ESTUDO DO MEIO 2 Propostas de investigação sobre o ambiente natural ISBN 978-111-11-2499-1 9 781111 124991 Introdução Num mundo caracterizado por uma exploração descontrolada

Leia mais

Questionário. 1. Tem algum projeto pedagógico escrito? Sim: Não: Se não em que documento baseia o seu trabalho:

Questionário. 1. Tem algum projeto pedagógico escrito? Sim: Não: Se não em que documento baseia o seu trabalho: Questionário Projeto pedagógico 1. Tem algum projeto pedagógico escrito? Sim: Não: Se não em que documento baseia o seu trabalho: 2. O projeto pedagógico inclui objetivos para o domínio da linguagem oral

Leia mais

As TIC em quê e para quê? Algumas perguntas para nenhuma resposta.

As TIC em quê e para quê? Algumas perguntas para nenhuma resposta. .1.2 1º Congresso Internacional de Investigação em Educação de Infância As TIC em quê e para quê? Algumas perguntas para nenhuma resposta. .3.4 1º Congresso Internacional de Investigação em Educação de

Leia mais

NA EDUCAÇÃO INFANTIL, A TAREFA DE ENSINAR É MUITO SÉRIA. entusiasmo pela

NA EDUCAÇÃO INFANTIL, A TAREFA DE ENSINAR É MUITO SÉRIA. entusiasmo pela NA EDUCAÇÃO INFANTIL, A TAREFA DE ENSINAR É MUITO SÉRIA. desco entusiasmo pela berta só o é anglo. ENSINAR É UMA TAREFA MUITO SÉRIA. MAS ISSO NÃO QUER DIZER QUE NÃO POSSA VIR ACOMPANHADA DE AFETO E DE

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DE UM PROGRAMA DE TREINO FONOLÓGICA DA CONSCIÊNCIA. Inês Ferraz - Alexandra Pereira.

DESENVOLVIMENTO DE UM PROGRAMA DE TREINO FONOLÓGICA DA CONSCIÊNCIA. Inês Ferraz - Alexandra Pereira. DESENVOLVIMENTO DE UM PROGRAMA DE TREINO DA CONSCIÊNCIA FONOLÓGICA Inês Ferraz - inesferraz@netmadeira.com Alexandra Pereira Margarida Pocinho Armando Correia Congresso da Associação Educação & Psicologia

Leia mais

Escola: AVALIAÇÃO DAS APRENDIZAGENS

Escola: AVALIAÇÃO DAS APRENDIZAGENS e Comunicação Formação Pessoal e Social Escola: AVALIAÇÃO DAS APRENDIZAGENS Nome: Idade: 4 anos Sala: Educação pré-escolar Ano letivo / 1º período Assiduidade Presenças: Faltas: Sabe o seu nome e idade.

Leia mais

AGRUPAMENTO de ESCOLAS de SANTIAGO do CACÉM Ano Letivo 2015/2016 PLANIFICAÇÃO ANUAL

AGRUPAMENTO de ESCOLAS de SANTIAGO do CACÉM Ano Letivo 2015/2016 PLANIFICAÇÃO ANUAL AGRUPAMENTO de ESCOLAS de SANTIAGO do CACÉM Ano Letivo 2015/2016 PLANIFICAÇÃO ANUAL Documento Orientador: Orientações Curriculares para a Educação Pré-escolar PRÉ-ESCOLAR Na Educação Pré-escolar os conteúdos

Leia mais

Da Escola ao Bairro... do Bairro à Escola Um percurso rumo à mudança

Da Escola ao Bairro... do Bairro à Escola Um percurso rumo à mudança Da Escola ao Bairro... do Bairro à Escola Um percurso rumo à mudança Conversando sobre Intervenção Social com Comunidades Ciganas CLDS+ Coruche Investe Coruche, 7 de novembro de 2014 Objetivos centrais

Leia mais

ÁREA DE FORMAÇÃO PESSOAL E SOCIAL

ÁREA DE FORMAÇÃO PESSOAL E SOCIAL PLANO CURRICULAR ÁREA DE FORMAÇÃO PESSOAL E SOCIAL Componentes Construção da identidade e da autoestima Conhecer e aceitar as suas características pessoais e a sua identidade social e cultural, situando-as

Leia mais

GESTÃO DE CONTEÚDOS 2017/2018

GESTÃO DE CONTEÚDOS 2017/2018 GESTÃO DE CONTEÚDOS 2017/2018 Ensino Básico 1.º Ciclo EXPRESSÕES ARTÍSTICAS 1.º ANO Domínios Subdomínios Conteúdos programáticos Modelagem e Escultura -Desenvolver a motricidade fina. - Explorar e tirar

Leia mais

Ser capaz de planificar e desenvolver um projecto de Expressão Dramática.

Ser capaz de planificar e desenvolver um projecto de Expressão Dramática. Curso Animação Sociocultural Ano letivo 2015/2016 Unidade Curricular Ateliê de Expressão Dramática ECTS 6 Regime Obrigatório Ano 3.º Semestre 2.º semestre Horas de trabalho globais Docente (s) Marisa Filipa

Leia mais

PEDAGOGIA DA AUTONOMIA Saberes necessários à prática educativa Paulo Freire. Observações Angélica M. Panarelli

PEDAGOGIA DA AUTONOMIA Saberes necessários à prática educativa Paulo Freire. Observações Angélica M. Panarelli PEDAGOGIA DA AUTONOMIA Saberes necessários à prática educativa Paulo Freire. Observações Angélica M. Panarelli Freire inicia sua obra esclarecendo o alvo (docentes formados ou em formação), colocando que

Leia mais

Competências gerais. Princípios e valores orientadores do currículo. Competências gerais

Competências gerais. Princípios e valores orientadores do currículo. Competências gerais Currículo Nacional do Ensino Básico Competências Essenciais Competências gerais Princípios e valores orientadores do currículo A clarificação das competências a alcançar no final da educação básica toma

Leia mais

Pretende-se com esta comunicação apresentar o Projecto Ideia/O Nosso Sonho na sua dimensão mais criativa.

Pretende-se com esta comunicação apresentar o Projecto Ideia/O Nosso Sonho na sua dimensão mais criativa. Pretende-se com esta comunicação apresentar o Projecto Ideia/O Nosso Sonho na sua dimensão mais criativa. A Cooperativa de Ensino O Nosso Sonho e a Ideia são duas Instituições associadas, sediadas na Freguesia

Leia mais

CONCEPÇÕES DE ALFABETIZAÇÃO, LEITURA E ESCRITA

CONCEPÇÕES DE ALFABETIZAÇÃO, LEITURA E ESCRITA CONCEPÇÕES DE ALFABETIZAÇÃO, LEITURA E ESCRITA VAZ, Patrícia Nogueira da Silva. Discente da Faculdade de Ciências Humanas/ACEG E-mail: nega_nogueira@hotmail.com MORAES, Mônica Rodrigues. Discente da Faculdade

Leia mais

Benefícios da leitura

Benefícios da leitura A importância da Parceria Família e Escola da Formação de Cidadãos Leitores Júlio Furtado www.juliofurtado.com.br Benefícios da leitura Quem lê adquire cultura, passa a escrever melhor, tem mais senso

Leia mais

Projeto Natal - Qual o significado do natal? - Educação Infantil.

Projeto Natal - Qual o significado do natal? - Educação Infantil. Projeto Natal - Qual o significado do natal? - Educação Infantil. Confira a seguir o projeto natal para alunos da educação infantil. O que o aluno poderá aprender com esta aula Conhecer o significado e

Leia mais

Projeto: Os 3 porquinhos

Projeto: Os 3 porquinhos Projeto: Os 3 porquinhos Este projeto surgiu do desenvolvimento do projeto anterior A casa e uma das histórias que surgiu foi Os 3 porquinhos. Através desta história,todo o grupo mostrou grande entusiasmo

Leia mais

Fonética e Fonologia: modos de operacionalização

Fonética e Fonologia: modos de operacionalização Fonética e Fonologia: modos de operacionalização Encontro sobre Terminologia Linguística: das teorias às práticas Faculdade de Letras da Universidade do Porto 12 e 13 de Setembro de 2005 Sónia Valente

Leia mais

Programa Educativo Individual

Programa Educativo Individual Programa Educativo Individual Ano Lectivo 2007/2008 Estabelecimento de Ensino: Escola Básica do 1º ciclo Agrupamento de Escolas: Agrupamento de Escolas Pedro Eanes Lobato Nome: Data de Nascimento: Morada:

Leia mais

Departamento Curricular de Línguas

Departamento Curricular de Línguas Escola Básica Integrada c/ji Fialho de Almeida- Cuba Departamento Curricular de Línguas Ano Lectivo de 2007/2008 Critérios de avaliação Em reunião de Departamento Curricular de Línguas e de acordo com

Leia mais

COMUNICAÇÃO APLICADA MÓDULO 4

COMUNICAÇÃO APLICADA MÓDULO 4 COMUNICAÇÃO APLICADA MÓDULO 4 Índice 1. Significado...3 1.1. Contexto... 3 1.2. Intertextualidade... 3 1.2.1. Tipos de intertextualidade... 3 1.3. Sentido... 4 1.4. Tipos de Significado... 4 1.4.1. Significado

Leia mais

Escola Secundária com 3º Ciclo D. Manuel I de Beja

Escola Secundária com 3º Ciclo D. Manuel I de Beja Escola Secundária com 3º Ciclo D. Manuel I de Beja Psicologia B 12º ano Ano lectivo 2011/2012 Critérios de avaliação Competências: Equacionar a Psicologia no panorama geral das ciências; Capacidades de

Leia mais

Escola EB1/PE da Nazaré

Escola EB1/PE da Nazaré Escola EB1/PE da Nazaré Projeto Clube da Matemática Atividade de Enriquecimento Curricular Docentes: Adelaide Dória Carla Sofia Oliveira Ano lectivo 2011/2012 A escola pode e deve proporcionar aos alunos

Leia mais

CRECHE MUNICIPAL MARIANA FERNANDES MACEDO

CRECHE MUNICIPAL MARIANA FERNANDES MACEDO Secretaria Municipal de Educação Diretoria de Politicas Educacionais Coordenadoria de Organização Curricular Gerencia de Educação Infantil CRECHE MUNICIPAL MARIANA FERNANDES MACEDO PROJETO ALIMENTAÇÃO

Leia mais

ÁREAS OBJETIVOS ATIVIDADES

ÁREAS OBJETIVOS ATIVIDADES Ano lectivo 2015/2016 Departamento de Educação Pré-escolar PLANIFICAÇÃO 3º PERÍODO 3 e 4 ANOS ÁREAS OBJETIVOS ATIVIDADES - Atividades na sala e no exterior; - Pequenos registos individuais e coletivos;

Leia mais

Perguntas frequentes. Rede de Bibliotecas Escolares Plano Nacional de Leitura Direção-Geral da Saúde

Perguntas frequentes. Rede de Bibliotecas Escolares Plano Nacional de Leitura Direção-Geral da Saúde Perguntas frequentes 20172018 Rede de Bibliotecas Escolares Plano Nacional de Leitura Direção-Geral da Saúde projeto SOBE Quais as escolas que podem aderir ao projeto Saúde Oral, Bibliotecas Escolares

Leia mais

As descobertas da primeira infância

As descobertas da primeira infância As descobertas da primeira infância Uma característica natural dos seres humanos é o prazer pela descoberta. Ao nos depararmos com o novo, imediatamente sentimos o desejo de nos apropriarmos da novidade,

Leia mais

Avaliação na primeira infância: Informação para os pais

Avaliação na primeira infância: Informação para os pais Avaliação na primeira infância: Informação para os pais 1 Síntese O quê e porquê Envolvimento dos pais Comparação entre a avaliação na primeira infância e a avaliação K-12 (do jardim de infância ao 12º

Leia mais

REUNIÃO DE ARTICULAÇÃO PRÉ- ESCOLAR E DOCENTES DO 1º ANO DO 1ºCEB

REUNIÃO DE ARTICULAÇÃO PRÉ- ESCOLAR E DOCENTES DO 1º ANO DO 1ºCEB REUNIÃO DE ARTICULAÇÃO PRÉ- ESCOLAR E DOCENTES DO 1º ANO DO 1ºCEB DIA 11 DE SETEMBRO DE 2013 O9H30 Os saberes atuais só têm sentido se estiverem articulados com os anteriores e perspetivarem os posteriores

Leia mais

PROGRAMA MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO FISCAL. PROJETO: CIDADANIA: APRENDENDO PARA A VIDA Profª Medianeira Garcia Geografia

PROGRAMA MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO FISCAL. PROJETO: CIDADANIA: APRENDENDO PARA A VIDA Profª Medianeira Garcia Geografia PROGRAMA MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO FISCAL PROJETO: CIDADANIA: APRENDENDO PARA A VIDA Profª Medianeira Garcia Geografia INTRODUÇÃO O projeto foi organizado por acreditarmos que o papel da escola e sua função

Leia mais

Escola Superior de Educação Instituto Politécnico de Bragança. Mestrado Educação Pré-Escolar e Professor do 1.º Ciclo do Ensino Básico

Escola Superior de Educação Instituto Politécnico de Bragança. Mestrado Educação Pré-Escolar e Professor do 1.º Ciclo do Ensino Básico Escola Superior de Educação Instituto Politécnico de Bragança Mestrado Educação Pré-Escolar e Professor do 1.º Ciclo do Ensino Básico Unidade Curricular Didáctica da Matemática Algumas Tarefas 2008 / 2009

Leia mais

PROJETO DE EDUCAÇÃO AFETIVO- SEXUAL E REPRODUTIVA

PROJETO DE EDUCAÇÃO AFETIVO- SEXUAL E REPRODUTIVA PROJETO DE EDUCAÇÃO AFETIVO- SEXUAL E REPRODUTIVA Tema: Relações interpessoais e sexualidade 4º Ano- EB1/JI DE SA Turma-1 Objetivos Conteúdos Atividades Reconhecer sentimentos: amor familiar; amizade;

Leia mais

Área: Formação Pessoal e Social. Domínio: Identidade / Auto - estima (5anos)

Área: Formação Pessoal e Social. Domínio: Identidade / Auto - estima (5anos) Domínio: Identidade / Auto - estima (5anos) - No final da educação pré-escolar, a criança identifica as suas características individuais, manifestando um sentimento positivo de identidade e tendo consciência

Leia mais

Fotografar olhos e dedos de alunos (formas de ler visão e Braille)

Fotografar olhos e dedos de alunos (formas de ler visão e Braille) Ação 1 Leio-te Promover a formação do utilizador. Integrar os novos alunos na dinâmica das BE. Criar uma dinâmica renovada no espaço das bibliotecas. Renovar o ambiente, tornando-o mais apelativo e sugestivo.

Leia mais

TIC e Inovação Curricular História de algumas práticas

TIC e Inovação Curricular História de algumas práticas TIC e Inovação Curricular História de algumas práticas Era uma vez um processo de investigação Agora vão a www.pensamentocritico.com e clicam em Respostas!!! AVALIAÇÃO FORMATIVA E APRENDIZAGEM DA LÍNGUA

Leia mais

Do que as crianças sabem ao que. João Costa (FCSH-UNL)* Jornadas sobre o ensino do português FCSH, Maio de 2008

Do que as crianças sabem ao que. João Costa (FCSH-UNL)* Jornadas sobre o ensino do português FCSH, Maio de 2008 Do que as crianças sabem ao que temos de lhes ensinar João Costa (FCSH-UNL)* Jornadas sobre o ensino do português FCSH, Maio de 2008 *POCI/LIN/57377/2004 Objectivo Apresentar contributo da sintaxe teórica

Leia mais

Trabalho 3: Visionamento de uma sessão no Webinars

Trabalho 3: Visionamento de uma sessão no Webinars Departamento de Matemática Mestrado em Ensino de Matemática no 3º Ciclo do Ensino Básico e no Ensino Secundário Trabalho 3: Visionamento de uma sessão no Webinars Meios Computacionais no Ensino Professor:

Leia mais

CURSO PROFISSIONAL DE TÉCNICO DE APOIO À INFÂNCIA Planificação Anual

CURSO PROFISSIONAL DE TÉCNICO DE APOIO À INFÂNCIA Planificação Anual Planificação Anual Disciplina: TÉCNICA PEDAGÓGICA E INTERVENÇÃO EDUCATIVA Turma 12ºH Professora: Carla Amaral 1 - Estrutura e Finalidades da disciplina A disciplina de Técnica Pedagógica e Intervenção

Leia mais

Agrupamento de Escolas Amadeo de Souza-Cardoso

Agrupamento de Escolas Amadeo de Souza-Cardoso ANO LETIVO: 2016/2017 Amadeo de Souza-Cardoso Critérios Gerais de Avaliação do Agrupamento Dando cumprimento ao disposto no Decreto-Lei 139/2012, na sua redação atual, e no Despacho normativo nº 1-F/2016,

Leia mais

BIBLIOTECA ESCOLAR Organização do acervo. Maria da Luz Antunes Escola Superior de Tecnologia da Saúde de Lisboa

BIBLIOTECA ESCOLAR Organização do acervo. Maria da Luz Antunes Escola Superior de Tecnologia da Saúde de Lisboa BIBLIOTECA ESCOLAR Organização do acervo Maria da Luz Antunes Escola Superior de Tecnologia da Saúde de Lisboa mluz.antunes@estesl.ipl.pt Missão da Biblioteca Escolar A biblioteca escolar oferece um serviço

Leia mais

Perfil de aprendizagens específicas 1.º Ciclo

Perfil de aprendizagens específicas 1.º Ciclo Perfil de aprendizagens específicas 1.º Ciclo 1 Objetivos gerais 1º CICLO A primeira fase da escolaridade formal de uma criança vai ser determinante no seu futuro. O desenvolvimento dos aspetos cognitivo,

Leia mais

AVALIAÇÃO DIFERENCIADA PARCIAL 2 ROTEIRO DE LÍNGUA PORTUGUESA, ENSINO RELIGIOSO E ARTE 3º ANO

AVALIAÇÃO DIFERENCIADA PARCIAL 2 ROTEIRO DE LÍNGUA PORTUGUESA, ENSINO RELIGIOSO E ARTE 3º ANO AVALIAÇÃO DIFERENCIADA PARCIAL 2 ROTEIRO DE LÍNGUA PORTUGUESA, ENSINO RELIGIOSO E ARTE 3º ANO http://mariaotilha.com/acesso em 03/03/16 http://dicasderoteiro.com/acesso em 03/03/16 http://flaviamelissa.com.br/acesso

Leia mais

O TREINADOR DE JOVENS

O TREINADOR DE JOVENS O TREINADOR DE JOVENS Jorge Adelino DOIS TEMAS DUAS PERGUNTAS Um jogador com bola em progressão, deve segurar a bola com as duas mãos, ou apenas com uma mão? Para onde se dirige o olhar do defensor do

Leia mais

Plano Curricular Expressão Plástica Expressão Dramática - 1º Ciclo -

Plano Curricular Expressão Plástica Expressão Dramática - 1º Ciclo - Plano Curricular Expressão Plástica Expressão Dramática - 1º Ciclo - EXPRESSÃO PLÁSTICA BLOCO 1 DESCOBERTA E ORGANIZAÇÃO PROGRESSIVA DE VOLUMES MODELAGEM E ESCULTURA Explorar e tirar partido da resistência

Leia mais

Além disso, saber onde seus funcionários precisam melhorar vai ajudar e muito na criação de planos de desenvolvimento.

Além disso, saber onde seus funcionários precisam melhorar vai ajudar e muito na criação de planos de desenvolvimento. Este conteúdo faz parte da série: Avaliação de Desempenho Ver 3 posts dessa série O que é Quando o assunto é gestão de pessoas um dos tópicos mais importantes e falados é a avaliação de desempenho. Esse

Leia mais

FORMAÇÃO EDUCACIONAL: NOVA DIDÁTICA E FORMAÇÃO DO PROFESSOR DO ENSINO FUNDAMENTAL

FORMAÇÃO EDUCACIONAL: NOVA DIDÁTICA E FORMAÇÃO DO PROFESSOR DO ENSINO FUNDAMENTAL FORMAÇÃO EDUCACIONAL: NOVA DIDÁTICA E FORMAÇÃO DO PROFESSOR DO ENSINO FUNDAMENTAL Arthur Henrique Teixeira Faustino 1 Universidade Estadual da Paraíba (UEPB) Arthurtfaustino@gmail.com Auricélia Lopes Pereira

Leia mais

1. A comunicação e a argumentação em sala de aula

1. A comunicação e a argumentação em sala de aula COMUNICAÇÃO, ARGUMENTAÇÃO E A APRENDIZAGEM DA MATEMÁTICA NAS SÉRIES INICIAIS Profª Drª Regina Maria Pavanello Universidade Estadual de Maringá reginapavanello@hotmail.com Resumo: Os professores mostram,

Leia mais

UNIDADE DE ESTUDO - 3ª ETAPA

UNIDADE DE ESTUDO - 3ª ETAPA OBJETIVOS GERAIS: UNIDADE DE ESTUDO - 3ª ETAPA - 2016 Disciplina: Linguagem Oral e Escrita Professoras: Anália, Carla, Fabiana e Roberta Período: 2º Segmento: Educação Infantil Mostrar autonomia na utilização

Leia mais

FAMÍLIA E ESCOLA: UMA PARCERIA DE SUCESSO

FAMÍLIA E ESCOLA: UMA PARCERIA DE SUCESSO FAMÍLIA E ESCOLA: UMA PARCERIA DE SUCESSO Maria Isabel Francisco da Silva 1 FIP- Faculdades Integradas de Patos Isabelsilva04@hotmail.com RESUMO Neste trabalho apresenta-se uma discussão e reflexão sobre

Leia mais

GESTÃO DE CONTEÚDOS 2017/2018

GESTÃO DE CONTEÚDOS 2017/2018 GESTÃO DE CONTEÚDOS 2017/2018 Ensino Básico 1.º Ciclo EXPRESSÕES ARTÍSTICAS 3.º ANO Domínios Subdomínios Conteúdos programáticos Nº Tempos previstos (Horas) Modelagem e escultura. Construções. - Estimular

Leia mais