UNIVERSIDADE ESTADUAL DE GOIÁS UNIDADE UNIVERSITÁRIA DE MORRINHOS LICENCIATURA PLENA EM HISTÓRIA CARMEM LUCIA CABRAL

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "UNIVERSIDADE ESTADUAL DE GOIÁS UNIDADE UNIVERSITÁRIA DE MORRINHOS LICENCIATURA PLENA EM HISTÓRIA CARMEM LUCIA CABRAL"

Transcrição

1 UNIVERSIDADE ESTADUAL DE GOIÁS UNIDADE UNIVERSITÁRIA DE MORRINHOS LICENCIATURA PLENA EM HISTÓRIA CARMEM LUCIA CABRAL HISTÓRIA, MODERNIZAÇÃO, AGRICULTURA E PECUÁRIA NO SUL DE GOIÁS: UM ESTUDO DE CASO SOBRE O DESENVOLVIMENTO DA AGROPECUÁRIA EM MORRINHOS-GO 1970/2000 Morrinhos 2008

2 Cabral, Carmem Lucia. UNIVERSIDADE ESTADUAL DE GOIÁS - UEG Biblioteca Professor Sebastião França Ficha Catalográfica na Fonte História, modernização, agricultura e pecuária no Sul de Goiás: um estudo de caso sobre o desenvolvimento da agropecuária em Morrinhos-GO 1970/2000. Carmem Lucia Cabral. Morrinhos, f. il. Trabalho de conclusão de curso apresentado à Universidade Estadual de Goiás UEG, Unidade de Morrinhos como requisito parcial para a obtenção do grau de Licenciado no Curso de Licenciatura Plena em História. Orientador: Professor Doutor Hamilton Afonso de Oliveira. 1. Agricultura, Goiás. 2. Agropecuária, Goiás, 3. Desenvolvimento agropecuário, Goiás. 4. Trabalho de Conclusão de Curso. 5. TCC. cdu: 631/635:33(817.3) cutter: C117h

3 CARMEM LUCIA CABRAL HISTÓRIA, MODERNIZAÇÃO, AGRICULTURA E PECUÁRIA NO SUL DE GOIÁS: UM ESTUDO DE CASO SOBRE O DESENVOLVIMENTO DA AGROPECUÁRIA EM MORRINHOS-GO 1970/2000 Monografia apresentada como parte dos requisitos indispensáveis à conclusão do Curso de Licenciatura Plena em História, pela Universidade Estadual de Goiás - Unidade Morrinhos. Orientador: Prof. Dr. Hamilton Afonso de Oliveira Morrinhos 2008

4 CARMEM LUCIA CABRAL A ECONOMIA NO SUL DE GOIÁS NA SEGUNDA METADE DO SÉCULO XX: O DESENVOLVIMENTO AGROPECUÁRIO NA REGIÃO DE MORRINHOS Monografia apresentada A Universidade Estadual de Goiás Unidade Morrinhos para obtenção do título de Graduação. Área de Concentração: Econômica. Banca Examinadora: Morrinhos (GO), de de Profº. Dr. Hamilton Afonso de Oliveira. Profª. MS. Maria de Fátima Palhares Alexandre.

5 Aos meus pais Jorge Cabral e Lazara Martins Cabral (In memória) por tem me concedido o dom da vida.

6 AGRADECIMENTOS Agradeço primeiramente a Deus por estar sempre me abençoando e fazendo de mim ima fortaleza para que eu pudesse superar todas as dificuldades que ocorreram durante minha vida acadêmica. A toda minha família por estar sempre presente ao meu lado nos momentos mais difíceis. Ao meu amado esposo e cúmplice, Ricardo Jesus de Almeida, que sempre esteve ao meu lado incentivando para que eu cursasse esta faculdade, com a finalidade de me tornar uma pessoa mais preparada para encarar o mundo de uma forma mais tranqüila. Aos meus irmãos Ailton, Abadio, Fátima e Amilton que me incentivaram e colaboraram dando força e coragem para que eu pudesse concluir esta jornada. Agradeço ainda a todos os professores da instituição pertencentes ao curso de História que me ajudaram a tornar uma pessoa mais instruída e preparada para a vida e ainda por terem me ajudado no momento mais difícil de minha vida. Agradeço portanto, o carinho, a solidariedade e a amizade prestados naqueles momentos e durante todo o curso. Um agradecimento muito especial ao meu Professor Dr. Hamilton Afonso de Oliveira, por ter aceitado ser meu orientador para a elaboração deste trabalho, sendo paciente, dedicado, verdadeiro e estando sempre pronto para ajudar. Também agradeço aos meus pais Jorge Pedro Cabral e Lázara Martins Cabral (in memória) por terem me proporcionado a alegria de pertencer a uma família tão linda com alicerces construídos à base do amor, da compreensão, do carinho e da honestidade. Agradeço de forma especial e carinhosa à minha querida mamãe que me acompanhou durante uma parte da minha vida acadêmica, mas que, atendendo a vontade de nosso pai celestial não pode estar aqui neste momento para me abraçar. Espero ainda que ela esteja muito feliz ao lado de Deus, torcendo pra que o sucesso almejado seja alcançado. Por fim agradeço a todos os amigos, colegas que ajudaram durante os quatro anos, a todos meu muito obrigado.

7 A História é a êmula do tempo, depósito das ações, testemunha do passado, ávido do presente advertência do porvir. Cervantes.

8 RESUMO Este trabalho visa levar a comunidade questões relacionado ao processo de modernização que ocorreu em todo mundo e repercutiu em Goiás, sobretudo, a partir da década de Dentro desta perspectiva, o presente trabalho abordará o desenvolvimento econômico de Goiás, que foi impulsionado pelo processo de modernização da agricultura e pecuária, cujos reflexos imediatos foram à mecanização do campo e, conseqüentemente, o êxodo rural. Dessa forma, as pessoas ao deixarem o campo encontravam nas cidades alguns requisitos básicos para a sobrevivência como, saúde, educação e trabalho renumerado, mas nem sempre essa era a situação encontrada, com o acúmulo de pessoas, esses requisitos vão se tronando cada vez mais difíceis e esse sonho de uma vida moderna se torna um pesadelo. As análises empíricas do trabalho centram-se no município de Morrinhos-GO, cuja atividade econômica está centrada na agropecuária, e que, em decorrência do processo modernização do campo, projetouse neste começo de século na 10º cidade mais importante do Estado de Goiás. Palavras-chave: Goiás, Economia, Modernização e Êxodo Rural.

9 SUMÁRIO INTRODUÇÃO RETROSPECTIVA HISTÓRICA ACERCA DA ECONOMIA BRASILEIRA A SOCIEDADE AGRÁRIA BRASILEIRA E SUA IMPORTÂNCIA PARA AECONOMIA DO PAÍS MORRINHOS E SUA ECONOMIA AGROPECUÁRIA CONSIDERAÇÕES FINAIS REFERÊNCIAS... 49

10 LISTA DE ABREVIATURAS E SIGLAS PLADESCO Plano de Desenvolvimento do Centro-Oeste. SUDECO Superintendência de Desenvolvimento do Centro-Oeste. PMDB Partido Movimento Democrata Brasileiro. PSDB Partido Social Democrata Brasileiro. COMPLEM Cooperativa Mista dos Produtores de Leite de Morrinhos. IBGE Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística.

11 LISTA DE TABELAS TABELA 1 - População residente por situação do domicílio no estado de Goiás TABELA 2 - Aumento do preço do boi de TABELA 3 - A perda de peso e valor do boi segundo o destino. TABELA 4 - Produção de arroz, feijão, milho e soja do Estado de Goiás (1960, 1970, 1975, 1980, 1985). TABELA 5 - Evolução do efetivo bovino (mil cabeças). TABELA 6 - População residente na zona urbana e rural TABELA 7 - Morrinhos: utilização de terras. TABELA 8 - Morrinhos: classe da atividade econômica. TABELA 9 - Morrinhos: máquinas e instrumentos agrícolas. TABELA 10 - Morrinhos: grupos de áreas de lavouras. TABELA 11- Morrinhos: uso de fertilizantes, defensivos e práticas de conservação do solo. TABELA 12 - Morrinhos: uso de irrigação e área irrigada. TABELA 13 - Morrinhos: Total do efetivo bovino-leiteiro de

12 LISTA DE GRÁFICOS Gráfico 1 Crescimento do Produto Interno Bruto do Brasil, GRÁFICO 2 Evolução da taxa de urbanização de Goiás, GRÁFICO 3 A Inflação no Brasil GRÁFICO 4 - Participação de Goiás no PIB nacional,

13 INTRODUÇÃO O trabalho em questão tem como finalidade abordar a questão agropecuária nas esferas Federal, Estadual e Municipal priorizando, porém, o município de Morrinhos que tem na agropecuária sua base econômica. Serão apresentados os incentivos proporcionados pelos Governos Federal e Estadual com a finalidade de fazer com que a agropecuária nos municípios cresçam a partir da obtenção de divisas da União e do Estado. Dessa forma podemos os salientar que o desenvolvimento agropecuário está associado a mudanças que foram impulsionadas primeiramente com construção e transferência da capital estadual de Goiás para Goiânia e, posteriormente, no final da década de 1950 com a construção e transferência da capital federal do Rio de Janeiro para Brasília. Fatos estes que foram determinantes para o desbravamento de fronteiras que trouxeram para Goiás povos e culturas diferentes. No primeiro capítulo serão discutidos aspectos como êxodo rural e suas principais características, bem como a expansão de fronteiras e ainda o desenvolvimento dos meios de comunicação que se tornaram importantíssimos para o desenvolvimento do Estado. Serão abordadas questões como a estrada de ferro, que se tornou uma das principais vias de acesso existente em Goiás com conexão com todo país, e ainda analisaremos a importância da estrada de rodagem que interligavam os municípios goianos à capital. No segundo capítulo abordará a economia de Goiás a nível nacional, apoiadas em programas de incentivo à agropecuária que acontece precisamente nas décadas de 1960 e 1980 com planos direcionados a cada região do país. Trataremos sobre as áreas de cerrado que aos poucos foram sendo ocupadas para a criação de gado aproveitando as pastagens naturais e posteriormente utilizadas para a plantação de grãos. Será abordado o desempenho da economia goiana frente à economia nacional e conseqüentemente seus reflexos internacionalmente. No terceiro capítulo será trabalhada a história de Morrinhos priorizando os anos de 1975 a 2003, onde serão apresentados os números da agropecuária local através de tabelas. Será abordada a importância do município dentro da economia goiana, onde serão apresentados os produtos de destaque, a quantidade o efetivo bovino leiteiro implantado no município morrinhense.

14 Assim pretendemos realizar um trabalho que desperte na sociedade o interesse pela história econômica do município, estado ou país que as vezes passa despercebida aos olhos de muitos. Esperamos ainda que futuramente este trabalho possa ser lido e utilizado como referência.

15 1 RETROSPECTIVA HISTÓRICA ACERCA DA ECONOMIA BRASILEIRA A partir de 1930 a economia brasileira passa por um processo de transformação, onde a industrialização da região sudeste possibilitou a criação de uma economia nacional. Com a industrialização, São Paulo se tornou o centro das transformações estruturais da sociedade brasileira. Desta forma podemos observar que: a abolição das barreiras aduaneiras interestaduais e intermunicipais, após 1930, foi o primeiro passo no sentido de operacionizar a formação do mercado interno e a integração capitalista das economias regionais. (BORGES, 2000, p. 16). Com base nas citações de Borges, a formação do mercado interno, seria a distribuição ou repasse de outras tarefas ligadas ao setor agropecuário para outras regiões que não estivessem plenamente ligadas ao setor industrial. Assim, a região paulista utiliza de fronteiras para que a economia capitalista estivesse também ligadas à agricultura. A expansão da fronteira agrícola paulista, nos moldes e na intensidade em que se deu a partir de 1930, deve ser vinculada, mais ao avanço das relações capitalistas de produção e ao novo padrão de acumulação do que a um eventual dinamismo no setor agrário (BORGES, 2000, p. 18). A expansão de fronteiras promoveu um desenvolvimento no setor urbanoindustrial, essa medida foi tomada graças à política adotada por Vargas, o qual era favorável à industrialização. Dessa forma o produtor rural seria obrigado a utilizar produtos industrializados que geraria mais capital para as indústrias. Assim podemos observar que esta expansão de fronteiras se deu até enquanto havia terras livres, sendo então utilizadas para a agricultura. No governo Dutra a agricultura era vista como um setor importante, que era responsável pela produção de alimentos para o setor urbano, mas mesmo assim se tornava uma economia secundária, que tinha como proposta principal: O lançamento de estímulos à atividade agrícola no sentido de gerar respostas adequadas em termos de extrair melhores taxas de performance produtiva sem sequer entrar na discussão da própria organização socioeconômica da produção agrária. (BORGES, 2000, p. 19). No período de ( ) época do segundo governo de Vargas, a expansão de fronteiras era um fator principal para a política do Estado, pois somente assim a industrialização adquire forças. Com base na política instalada por Vargas

16 nesse período é notório que a preocupação fundamental do governo, era fazer com que a população comprasse muitos alimentos a preços baixos, visando então reduzir os custos da reprodução da força de trabalho urbano-insdustrial. (BORGES, 200, p. 19). Diante das políticas instaladas por Vargas e Dutra há de se observar que o governo de JK tinha como meta à industrialização acelerada, enquanto que a agricultura não foi beneficiada com nenhuma política que fortalecesse o setor economicamente, pelo contrário, o programa de metas estimulou as atividades industriais enquanto estrangulava as atividades agrícolas pela política cambial, pela ação dos órgãos de controle de preços e pelos cortes nas verbas do Ministério da Agricultura. (BORGES, 2000, p. 19). Mesmo com políticas não favoráveis à agricultura instaladas pelos governos. Vargas, Dultra e JK, a agricultura manteve-se de pé e ainda mesmo na década de 1950, as áreas de lavouras se ampliaram, mesmo não acontecendo mudanças significativas nesse setor. O crescimento da agricultura se deu graças às novas áreas de fronteiras que se efetivou fortemente nos anos 70. Com a introdução do cultivo de arroz e, logo depois da soja utilizada como a propulsora da fronteira agrícola. Na pecuária ocorreu o plantio de pastagens, com o cultivo de forrageiras e capim brachiária, aumentando a produção e a produtividade do rebanho por hectare. (MENDOÇA e JUNIOR, 2003, p. 104). Diante dos pressupostos apresentados, Goiás é definido como região somente quando começou a ter relações com o centro hegemônico da economia capitalista no sudeste do país, principalmente com o Estado de São Paulo. Com a divisão do trabalho entre agricultura e indústria, Goiás se tornou não só produtor e exportador de gêneros alimentícios, mas também, importador de manufaturados, isso porque a produção industrial continua inexpressiva. Conforme o que foi apresentado sobre a economia brasileira, podemos observar que no início do século XX, Goiás era um Estado inviável no sentido de atrair grandes empreendimentos. Somente a partir da década de 1950, com a construção de Brasília e desenvolvimento do transporte rodoviário, e principalmente, com as construções de grandes rodovias federais e estaduais, cortando o Estado e interligando-o com outras regiões do Brasil, é que, começou a atrair grandes investimentos, sobretudo, no setor agropecuário através da modernização do campo e desenvolvimento da agroindústria.

17 A modernização do campo provocou profundas transformações nas relações de trabalho e na sociedade, uma vez que, estimulou a migração do homem do campo para a cidade e, já na década de 1980, a população urbana já superava em termos quantitativos a população residente no campo. Estas transformações abriram-se frestas e o leque de miséria cobriu mais espaços em face do êxodo rural provocado pela expectativa de um novo estado. (MAIA, 1986, p. 36). TABELA 1: População residente por situação do domicílio no Estado de Goiás Ano Total Urbano Rural Fonte: Anuário Estatístico de Goiás, 2003, p.102. Com base na tabela acima podemos observar o aumento gradativo da população a partir da década de Entre os anos de 1940 a 1970, a população se concentrava na zona rural, enquanto que, a partir de 1980, acompanhando a modernidade e em busca de melhores condições de vida a população deixa o campo se mudando para as cidades aumentando o índice de pessoas residentes na zona urbana. A modernização do campo contribuiu desta forma para acelerar o êxodo rural, fazendo com que milhares de famílias deixassem o campo, ou por falta de emprego, uma vez que, as máquinas estavam substituindo o trabalho humano, ou se dirigiam às cidades em busca de novas perspectivas de vida que a vida urbana poderia oferecer. É importante ressaltar que o êxodo rural não aconteceu por acaso, mas foi resultado das políticas econômicas empreendidas a partir da década de 1960, principalmente, durante o regime militar.

18 Ao entrar na fase de modernização Goiás deixa de lado aquela agricultura de sobrevivência, passando então a comercializar o excedente já que este seria a principal base econômica de subsistência. Com base nos processos de modernização observa-se que: a modernização da agricultura no Planalto Central do Brasil, alterou profundamente a dinâmica de trabalho, expressando uma nova processualidade, assim como um novo desenho societal na relação cidade campo. A tecnificação promoveu a migração compulsória de famílias que viviam do trabalho da terra para os centros urbanos e no caso em estudo com destaque para Goiânia e Brasília (MENDOÇA e JUNIOR, 2003, p. 97). Baseado nesta citação observou que a modernização se tornou um motivo pelo qual o campo é trocado pela cidade, onde o homem foi substituído pela nova tecnologia implantada no campo. As cidades que mais atraíram o homem do campo foram Brasília e Goiânia, cidades capitais que poderiam oferecer-lhes outros meios de sobrevivência. Desta forma evidencia, porém que: [...] além de perderem o meio de produção proprietários de terra e a possibilidade de acesso a terra (arrendatários, agregados etc) não dispuseram de apoio oficial para o desenvolvimento das atividades urbanas, sendo pois então, privados dos meios essenciais para a sobrevivência, amontoando-se na periferia das cidades, sem qualquer alternativa de trabalho que não fosse o trabalho temporário (bóia-fria) em algumas épocas do ano e/ou trabalho domésticos e braçais na cidade. (MENDONÇA E JUNIOR, 2003, p. 97). Diante do que foi proposto por Mendonça e Júnior com o desenvolvimento nas áreas rurais, além das pessoas perderem a terra ao se mudar para as cidades sofreram também com o desemprego. Sem a mão-de-obra especializada para se adaptar às transformações ocorridas, ficaram desempregados se sustentando apenas de trabalhos temporários. No que se refere à agricultura, Borges mostra-nos que: [...] o desenvolvimento nessa área aconteceu ou forma desigual, baseada em uma economia que favorecia aos grandes proprietários que tinham condições financeiras de implantar em suas novas técnicas agrícolas: O crescimento do índice de mecanização das lavouras ocorreu primeiro nas culturas de exportação e nos grandes e médios estabelecimentos agrícolas. (BORGES, 2000, p. 99) Borges ainda faz um comentário referente a esse pressuposto onde a tecnologia foi levada primeiro à área de exportação: essa diferenciação, na verdade refletia a dinâmica dos níveis de integração capitalista sa economia agrária regional, tornando o estado economicamente bastante heterogêneo como totalidade espacial, substituindo simultaneamente diversos processos de produção. (BORGES, 2000, p. 99).

19 Apesar das dificuldades encontradas na agricultura, como a falta de política de crédito ao produtor rural; a falta de transportes e os baixos preços dos grãos, a agricultura em Goiás se desperta conforme Borges (2000, p. 106): com o crescimento da urbanização em Goiás o que, aumentaria naturalmente o consumo interno de Gêneros alimentício. A agricultura comercial que produzia essencialmente para o mercado externo passou a se organizar, também em demanda local. Devido ao crescimento da urbanização e ao aumento do consumo de produtos ligados à agricultura, tem-se a necessidade de expandir as áreas de plantio para atender a demanda. É nesse momento que a modernização assume de vez sua influência sobre a agricultura, estimulando um crescimento de modo a expandir o capital rumo às áreas pouco explorados devido a necessidade da produção ser ampliada. (MENDONÇA e JÚNIOR, 2003, p. 109). Com o avanço de novas áreas para o plantio os efeitos da modernização apresentam seus primeiros sintomas, onde os efeitos dessa modernização sobre a força de trabalho no campo foram à ampliação da proletarização do camponês, o aumento de emprego temporário e a conseqüente deterioração das relações sociais de trabalho. (MENDONÇA e JÚNIOR, 2003, p. 109). Partindo, porém desse pressuposto, evidencia-se que a agricultura abre portas também para outros setores da economia, pois a partir do momento em que se expande a agricultura, cresce também a necessidade do produtor investir em máquinas, equipamentos, fertilizantes, defensivos e outros materiais e insumo, investindo também em outras fontes ligadas ao setor de serviços como transportes, comunicações e sistema financeiro. (NÓBREGA, 1985, p. 143). A economia agrícola assume um papel importante na solução de problemas relacionados com o programa de ajustamento, onde supri o mercado com alimentos em grande quantidade e preços, compatíveis com o objetivo da política antiinflacionária. (NÓBREGA, 1985, p. 143). Dentro do processo, cabe à agricultura aumentar as oportunidades de trabalho no campo evitando assim o crescimento indesejável do êxodo rural, que viria agravar o quadro do desemprego urbano.em relação ao êxodo rural e ao processo de industrialização tem-se a idéia de que as pessoas foram atraídas pelas cidades devido às facilidades que lá encontrariam, desta forma, a industrialização criou alternativas de emprego vantajosas em relação ao campo: melhores salários, facilidade de acesso à educação e à medicina,

20 proteção das leis trabalhistas, relacionamento impessoal entre empregado e patrão e, enfim, as luzes da cidade. (NÓBREGA, 1985, p. 139). Mediante citação acima, podemos observar que a ideologia do progresso, associado à uma vida urbana contribuíram para que o homem aos poucos fosse trocando o campo pela cidades, e que nem sempre, o avanço tecnológico chegava em todas as propriedades rurais, somente as proprietários mais abastados equiparam suas fazendas com máquinas, o que conseqüentemente, reduziu os custos de produção com mão-de-obra braçal. Fato este que foi determinante para acelerar o êxodo rural a partir da década de 1970 em Goiás. Com a migração em massa da população rural para as cidades, consta-se que: a intensidade do êxodo rural provocou aumento sensível nos índices de crescimento urbano e uma queda ou diminuição da atividade urbana, medida como população economicamente ativa e a população total. (NÓBREGA, 1985, p. 141). Com o aumento em grande número da população urbana, a quantidade de emprego oferecido pelas indústrias não foi suficiente, então, com o campo já tomado por máquinas para a realização das atividades rurais muita gente não teve onde trabalhar ficando, portanto, marginalizados. No que se refere à pecuária, podemos observar que mesmo com o desenvolvimento da agricultura, essa atividade nunca deixou de ser a principal fonte econômica do estado goiano e continuou sendo a base mais consistente da economia agrária regional. À medida que as fazendas de gado foram se expandindo, novas áreas de terras foram sendo ocupadas, principalmente, nas áreas de cerrado. O gado que adentrara o território Goiano partira dos currais nordestinos e paulistas, fazendeiros do Piauí e da Bahia conduziram suas boiadas, subindo o São Francisco e, depois de percorrer o Oeste baiano e ultrapassar a fronteira natural do Espigão Mestre alcançaram o território Goiano [...]. O gado que partiu de São Paulo e Minas Gerais, palmilhou a mesma trilha dos mineradores, após atravessar o Triângulo Mineiro, adentrou o Estado de Goiás. (BORGES, 2000, p ). Pode-se observar que com a penetração do gado vindo dessas regiões muitas fazendas passaram a dedicar à criação, o que fez com que o rebanho bovino se multiplicasse nos locais da antiga rota do ouro, e se expandiu por todo território goiano durante o século XIX.

21 O principal motivo dessa expansão se deve ao fato de que o capital utilizado para que se desenvolvesse a atividade pastoril era pouco. O clima e a vegetação eram adequados à pecuária, devido a esse fator, as pastagens do cerrado eram favoráveis à criação, reduzindo então os custos dessa atividade. Outros fatores também foram consideráveis nesse processo de expansão da pecuária, dentre estes se destaca: a abertura da fronteira agrícola e a imensa quantidade de terras de fácil acesso que não eram habitados pelo homem, com todos esses indicadores, o Estado oferecia ótimas condições para se formar grandes propriedades de criação, com uma quantidade mínima de mão-de-obra. Com isso, o proprietário gastaria pouco e a criação de gado seria expressiva e lucrativa. Além de região ser favorável à criação de gado, nos lugares propícios à agricultura o fazendeiro o cultivava produtos como arroz, milho, feijão, mandioca, que economicamente, gerava lucro ao fazendeiro, que não precisaria comprar esses produtos nas cidades ou nos lugarejos próximos de sua fazenda. Diante de todos esses indicadores, o criador de gado encontrava uma dificuldade em relação à importação do sal, que chegava caro às fazendas devido à distância e às deficiências dos meios de transportes. (BORGES, 200, p. 109). Mas as dificuldades encontradas não paravam por aí, o criador de gado encontrava também problemas com as doenças, que se tornava um agravante, além de fazer com que o gado perdesse peso, muitas vezes o levava à morte, e ainda prejudicava o aumento do rebanho. Mesmo passando por deficiências em relação ao sal e enfrentando problemas sérios como doenças a pecuária goiana se manteve de pé e alcançou um lugar de destaque, atingindo seu papel na economia goiana e ainda fazendo sua parte de contribuição dentro da receita global. Porém, observando, o que vinha sendo a pecuária, há de se concordar que do capital que girava em Goiás mais da metade era referente à criação de gado, ou seja, era propiciado pela pecuária. Com esse destaque que a pecuária atingirá não receita global há de se considerar que outros fatores contribuíram para que esse destaque fosse alcançado conforme o que nos informa Borges: o aumento das exportações brasileiras de alimentos durante a Segunda Guerra Mundial, sobretudo de proteína animal, resultou uma substancial recuperação do preço do boi produzindo em Goiás. Segundo o Boletim Estatístico do IBGE de fevereiro de 1945, a arroba da carne subiu em torno de 60% nos mercados de São Pulo, onde se encontravam instalações os grandes frigoríficos. (BORGES, 2000, p ).

22 TABELA 2: Aumento do preço do boi de Ano Cabeças Valor (CR$) % , , , , , ,00 65 Fonte: BORGES, 2000, p Observando a tabela acima, nota-se que a queda no número de animais, gradativamente aumenta o valor em moedas, isso porque, com a guerra, o número de exportações cresceu, ou seja, é necessário o aumento no abate de animais, e como a procura pela carne bovina cresce, é necessário que o preço do produto aumente, já que a demanda de animais a diminui. A predominância da pecuária em Goiás está relacionada também a outros fatores, como a falta de transportes para os produtos agrícolas e ainda o difícil acesso aos centros comerciais, esses agravantes contribuíram para o crescimento da pecuária, isso porque o gado é um produto que se auto-transportava, com isso seu comércio nunca sofreu sérias conseqüências, mesmo que na maioria das vezes, durante as viagens o gado perdesse peso, mesmo assim, o comércio e o lucro era garantido. Desse modo, podemos observar também que o comércio bovino passa a ser dirigido de outra forma onde sofreu algumas perdas. As perdas na comercialização do gado agravavam-se à medida que a pecuária goiana estava submetida a uma divisão regional do trabalho, entre criadores e invernistas. [...] Como possibilidade de eliminar a intermediação comercial dos invernistas, os criadores poderiam vender o boi diretamente à indústria frigorífica, reduzindo, assim, parte das perdas da comercialização do gado em pé. (BORGES, 2000, p. 115). Conforme o que nos é relatado Borges (2000, p.115) esses invernistas eram fazendeiros ricos que levaram seu gado para outros lugares para a engorda, assim seu rebanho estaria próximo aos frigoríficos de São Paulo e Minas que causaria mais lucros na hora do abate por terem sofrido com a perda de peso, pois não percorreriam longos caminhos, e continuariam com o peso do invernado.

23 Mas o mesmo não acontecia com outros produtores menos abastados, que transportavam seu rebanho em pé, o qual perdia peso e às vezes quando chegava aos frigoríficos tinham que ficar algum tempo recuperando seu peso para depois ser abatido, diante a essa situação o criador obtenha prejuízos, e o comércio bovino se tornava cada vez mais difícil. Para evidenciar esse fato, contamos com a tabela abaixo. TABELA 3: A perda de peso e valor do boi segundo o destino. Destino Peso Kg Valor (CR$) Uberlândia Barretos Presidente Prudente Araçatuba Fonte: BORGES, 2000, p. 117 Diante da tabela acima se observa que quanto mais longe o gado andava, mais perdia peso e, por conseguinte, seu valor tendia somente a diminuir. Com todo o processo que vinha passando a pecuária goiana, algumas providências precisariam ser tomadas, era necessário que fosse implantados frigoríficos no estado, o que geraria mais lucro para o produtor. Com a instalação do frigorífico o produtor poderia ser transformado por via rodoviária, mas só que pra isso o produtor teria alguns impostos a pagar, mas essa melhoria tinha seus objetivos, onde a indústria frigorífica estatal, projetada durante a ditadura Vargas, visava melhorar o abastecimento interno e controlar a produção no Centro-Oeste. (BORGES, 2000, p. 118). Com a modernização na pecuária exigia-se ainda um transporte eficiente para que a mercadoria chegasse a seu destino no tempo certo para não haver mais perdas. Dessa forma podemos certificar de que a trajetória da agropecuária em Goiás aconteceu de forma extraordinária assumindo o papel econômico do estado. Desde o surgimento desta atividade várias etapas foram se construindo ao longo do tempo, transformações estas que nunca pararam. No que se refere à agricultura houve mudança grandessíssimas tanto na forma do plantio como também da

24 colheita e principalmente o escoamento dos grãos. Já na pecuária as mudanças ocorridas fizeram com que o gado tivesse um melhoramento elevado no preço, devido ao fato de chegar ao seu destino sem perder peso. Todas as transformações ocorridas na agropecuária se devem ao fator modernizacional que com o avanço tecnológico foram construídas máquinas que se aliaram ao campo promovendo então a construção de estradas que favoreceram o comércio tanto do gado como dos grãos, fazendo com que os mesmos chegassem com mais rapidez aos grandes centros comerciais que se encontravam em São Paulo e Minas Gerais.

Atlas Digital de MINAS GERAIS 1 de 18

Atlas Digital de MINAS GERAIS 1 de 18 Atlas Digital de MINAS GERAIS 1 de 18 Características Agropecuárias A sociedade brasileira viveu no século XX uma transformação socioeconômica e cultural passando de uma sociedade agrária para uma sociedade

Leia mais

Brasil e suas Organizações políticas e administrativas. Brasil Atual 27 unidades político-administrativas 26 estados e distrito federal

Brasil e suas Organizações políticas e administrativas. Brasil Atual 27 unidades político-administrativas 26 estados e distrito federal Brasil e suas Organizações políticas e administrativas GEOGRAFIA Em 1938 Getúlio Vargas almejando conhecer o território brasileiro e dados referentes a população deste país funda o IBGE ( Instituto Brasileiro

Leia mais

O espaço rural brasileiro 7ºano PROF. FRANCO AUGUSTO

O espaço rural brasileiro 7ºano PROF. FRANCO AUGUSTO O espaço rural brasileiro 7ºano PROF. FRANCO AUGUSTO Agropecuária É o termo utilizado para designar as atividades da agricultura e da pecuária A agropecuária é uma das atividades mais antigas econômicas

Leia mais

Século XVIII e XIX / Europa

Século XVIII e XIX / Europa 1 I REVOLUÇÃO AGRÍCOLA Século XVIII e XIX / Europa! O crescimento populacional e a queda da fertilidade dos solos utilizados após anos de sucessivas culturas no continente europeu, causaram, entre outros

Leia mais

Situação da Armazenagem no Brasil 2006

Situação da Armazenagem no Brasil 2006 Situação da Armazenagem no Brasil 2006 1. Estática de Armazenagem A capacidade estática das estruturas armazenadoras existentes no Brasil, registrada em dezembro de 2006 é de até o mês de novembro de 2006

Leia mais

Moacyr Bernardino Dias-Filho Embrapa Amazônia Oriental www.diasfilho.com.br Importância das pastagens na pecuária brasileira A maioria (> 90%) do rebanho é criado a pasto Pastagem é a forma mais econômica

Leia mais

FORMAÇÃO DO TERRITÓRIO BRASILEIRO

FORMAÇÃO DO TERRITÓRIO BRASILEIRO FORMAÇÃO DO TERRITÓRIO BRASILEIRO É claro que o Brasil não brotou do chão como uma planta. O Solo que o Brasil hoje ocupa já existia, o que não existia era o seu território, a porção do espaço sob domínio,

Leia mais

Crescimento urbano e industrial dos anos 20 ao Estado Novo

Crescimento urbano e industrial dos anos 20 ao Estado Novo A UA UL LA MÓDULO 7 Crescimento urbano e industrial dos anos 20 ao Estado Novo Nesta aula O café foi o principal produto de exportação durante a República Velha. Os cafeicultores detinham o controle da

Leia mais

Avaliação das Contas Regionais do Piauí 2008

Avaliação das Contas Regionais do Piauí 2008 Avaliação das Contas Regionais do Piauí 2008 A economia piauiense, em 2008, apresentou expansão em volume do Produto Interno Bruto (PIB) de 8,8% em relação ao ano anterior. Foi a maior taxa de crescimento

Leia mais

6 A cadeia de suprimentos da soja no Mato Grosso sob o ponto de vista dos atores da cadeia

6 A cadeia de suprimentos da soja no Mato Grosso sob o ponto de vista dos atores da cadeia 6 A cadeia de suprimentos da soja no Mato Grosso sob o ponto de vista dos atores da cadeia Complementando o que foi exposto sobre a gerência da cadeia de suprimentos analisada no Capítulo 3, através de

Leia mais

A EXPANSÃO AGRÍCOLA DA REGIÃO CENTRO OESTE E SUA INSERÇÃO ECONÔMICA NO TERRITÓRIO NACIONAL

A EXPANSÃO AGRÍCOLA DA REGIÃO CENTRO OESTE E SUA INSERÇÃO ECONÔMICA NO TERRITÓRIO NACIONAL UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO FACULDADE DE ARQUITETURA E URBANISMO AUP 0270 - PLANEJAMENTO DE ESTRUTURAS URBANAS E REGIONAIS II PROF ANDREÍNA NIGRIELLO A EXPANSÃO AGRÍCOLA DA REGIÃO CENTRO OESTE E SUA INSERÇÃO

Leia mais

Produzir Leite é Bom Negócio? Alto Paranaíba. Sebastião Teixeira Gomes

Produzir Leite é Bom Negócio? Alto Paranaíba. Sebastião Teixeira Gomes Produzir Leite é Bom Negócio? Alto Paranaíba Sebastião Teixeira Gomes Viçosa Novembro 1996 1 Índice Especificação Página 1. Introdução... 2 2. Notas Metodológicas... 2 3. Recursos Disponíveis... 3 4. Raça

Leia mais

Políticas públicas e o financiamento da produção de café no Brasil

Políticas públicas e o financiamento da produção de café no Brasil Políticas públicas e o financiamento da produção de café no Brasil Organização Internacional do Café - OIC Londres, 21 de setembro de 2010. O Sistema Agroindustrial do Café no Brasil - Overview 1 Cafés

Leia mais

O Cerrado brasileiro: geopolítica e economia

O Cerrado brasileiro: geopolítica e economia O Cerrado brasileiro: geopolítica e economia Bernardo Campolina Universidade Federal do Tocantins Seminário Crise Mundial e Desenvolvimento Regional: Desafios e Oportunidades para o Brasil BNDES Rio de

Leia mais

CRESCIMENTO DO AGRONEGÓCIO SEGUE FIRME NO ANO

CRESCIMENTO DO AGRONEGÓCIO SEGUE FIRME NO ANO CRESCIMENTO DO AGRONEGÓCIO SEGUE FIRME NO ANO O Produto Interno Bruto (PIB) do agronegócio brasileiro estimado pela Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil (CNA) e pelo Centro de Estudos Avançados

Leia mais

GRAZIANO DA SILVA, J. A Nova Dinâmica da Agricultura Brasileira. 2.ed.rev. Campinas, Unicamp.IE,1996.

GRAZIANO DA SILVA, J. A Nova Dinâmica da Agricultura Brasileira. 2.ed.rev. Campinas, Unicamp.IE,1996. Acesso a Tecnologias, Capital e Mercados, quanto à Agricultura Familiar x Agricultura Patronal (Texto auxiliar preparado para discussão no Primeiro Curso Centralizado da ENFOC) I No Brasil, a agricultura

Leia mais

Mudanças percebidas nos ecossistemas rurais do município de Bambuí/MG, face à implantação de uma usina alcooleira na região¹

Mudanças percebidas nos ecossistemas rurais do município de Bambuí/MG, face à implantação de uma usina alcooleira na região¹ IV Semana de Ciência e Tecnologia do IFMG campus Bambuí, IV Jornada Científica, 06 a 09 de dezembro de 2011 Mudanças percebidas nos ecossistemas rurais do município de Bambuí/MG, face à implantação de

Leia mais

O papel do engenheiro agrônomo no desenvolvimento das plantas medicinais

O papel do engenheiro agrônomo no desenvolvimento das plantas medicinais O papel do engenheiro agrônomo no desenvolvimento das plantas medicinais Alexandre Sylvio Vieira da Costa 1 1.Engenheiro Agrônomo. Professor Universidade Vale do Rio Doce/Coordenador Adjunto da Câmara

Leia mais

Palestras Scot Consultoria

Palestras Scot Consultoria Palestras Scot Consultoria índice palestras scot consultoria As melhores e mais fiéis informações de mercado vão até você temas 3 pecuária de corte e seus derivados temas 5 pecuária de leite e derivados

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO MEC Secretaria de Educação Superior - SESu Departamento de Modernização e Programas da Educação Superior DEPEM

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO MEC Secretaria de Educação Superior - SESu Departamento de Modernização e Programas da Educação Superior DEPEM MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO MEC Secretaria de Educação Superior - SESu Departamento de Modernização e Programas da Educação Superior DEPEM Programa de Educação Tutorial PET 2006 MEC/SESu/DEPEM ANEXO I Proposta

Leia mais

III CONGRESSO BRASILEIRO DO CACAU: INOVAÇÃO TECNOLÓGICA E SUSTENTABILIDADE

III CONGRESSO BRASILEIRO DO CACAU: INOVAÇÃO TECNOLÓGICA E SUSTENTABILIDADE III CONGRESSO BRASILEIRO DO CACAU: INOVAÇÃO TECNOLÓGICA E SUSTENTABILIDADE Painel 8: O papel de Instituições Públicas para Desenvolvimento da Cacauicultura Brasileira O Cacau e a Agricultura Familiar Adriana

Leia mais

O COMÉRCIO EXTERIOR BRASILEIRO DE SEMENTES FORRAGEIRAS

O COMÉRCIO EXTERIOR BRASILEIRO DE SEMENTES FORRAGEIRAS O COMÉRCIO EXTERIOR BRASILEIRO DE SEMENTES FORRAGEIRAS Tomás Lérisson da Silva Augusto Hauber Gameiro 1. INTRODUÇÃO A semente forrageira tem amparo legal conforme a Lei n o 10.711, de 05 de agosto de 2003

Leia mais

A EVOLUÇÃO DA CULTURA DO CAFÉ E DA CANA-DE-AÇUCAR NO MUNICIPIO DE FRANCA: UM ESTUDO NOS ANOS DE 1990 A 2007

A EVOLUÇÃO DA CULTURA DO CAFÉ E DA CANA-DE-AÇUCAR NO MUNICIPIO DE FRANCA: UM ESTUDO NOS ANOS DE 1990 A 2007 344 A EVOLUÇÃO DA CULTURA DO CAFÉ E DA CANA-DE-AÇUCAR NO MUNICIPIO DE FRANCA: UM ESTUDO NOS ANOS DE 1990 A 2007 Jordanio Batista Maia da Silva (Uni-FACEF) Hélio Braga Filho (Uni-FACEF) 1 INTRODUÇÃO Vivemos

Leia mais

O PROCESSO DE REESTRUTURAÇÃO PRODUTIVA NO BRASIL E AS MODIFICAÇÕES DA ECONOMIA GOIANA PÓS DÉCADA DE 1960.

O PROCESSO DE REESTRUTURAÇÃO PRODUTIVA NO BRASIL E AS MODIFICAÇÕES DA ECONOMIA GOIANA PÓS DÉCADA DE 1960. O PROCESSO DE REESTRUTURAÇÃO PRODUTIVA NO BRASIL E AS MODIFICAÇÕES DA ECONOMIA GOIANA PÓS DÉCADA DE 1960. Glauber Lopes Xavier 1, 3 ; César Augustus Labre Lemos de Freitas 2, 3. 1 Voluntário Iniciação

Leia mais

Palestra: História da Cana-de. de-açúcar no Centro-Oeste Professora: Ana Paula PROJETO: PRODUÇÃO DO AÇÚCAR ORGÂNICO NA JALLES MACHADO S/A

Palestra: História da Cana-de. de-açúcar no Centro-Oeste Professora: Ana Paula PROJETO: PRODUÇÃO DO AÇÚCAR ORGÂNICO NA JALLES MACHADO S/A Palestra: História da Cana-de de-açúcar no Centro-Oeste Professora: Ana Paula PROJETO: PRODUÇÃO DO AÇÚCAR ORGÂNICO NA JALLES MACHADO S/A ORIGEM DA CANA-DE-AÇÚCAR A cana-de de-açúcar é uma planta proveniente

Leia mais

PROGRAMA ESTADUAL FÁBRICA DO AGRICULTOR: UMA AVALIAÇÃO DOS RESULTADOS

PROGRAMA ESTADUAL FÁBRICA DO AGRICULTOR: UMA AVALIAÇÃO DOS RESULTADOS PROGRAMA ESTADUAL FÁBRICA DO AGRICULTOR: UMA AVALIAÇÃO DOS RESULTADOS Área: ADMINISTRAÇÃO José Lindomir Pezenti EMATER, Cascavel-PR, pezenti@yahoo.com.br Geysler Rogis Flor Bertolini UNIOESTE, Cascavel-PR,

Leia mais

AGRICULTURA FAMILIAR NO MUNICÍPIO DE MOGI MIRIM-SP: Principais políticas publicas. Arthur Moriconi harthus94@gmail.com.

AGRICULTURA FAMILIAR NO MUNICÍPIO DE MOGI MIRIM-SP: Principais políticas publicas. Arthur Moriconi harthus94@gmail.com. AGRICULTURA FAMILIAR NO MUNICÍPIO DE MOGI MIRIM-SP: Principais políticas publicas Arthur Moriconi harthus94@gmail.com. Acadêmico do Curso de Ciências Econômicas/UNICENTRO Fabio Junior Penteado fabioturvo@gmail.com.

Leia mais

Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária Embrapa Arroz e Feijão Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento.

Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária Embrapa Arroz e Feijão Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento. ISSN 1678-9644 Dezembro, 2007 Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária Embrapa Arroz e Feijão Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento Documentos 213 Produção Comunitária de Sementes: Segurança

Leia mais

PLANEJAMENTO E ESTRATÉGIAS 1. O CENÁRIO DO SETOR AGROPECUÁRIO BRASILEIRO

PLANEJAMENTO E ESTRATÉGIAS 1. O CENÁRIO DO SETOR AGROPECUÁRIO BRASILEIRO PLANEJAMENTO E ESTRATÉGIAS 1. O CENÁRIO DO SETOR AGROPECUÁRIO BRASILEIRO A economia brasileira tem passado por rápidas transformações nos últimos anos. Neste contexto ganham espaço novas concepções, ações

Leia mais

GEOGRAFIA / 2º ANO PROF. SÉRGIO RICARDO

GEOGRAFIA / 2º ANO PROF. SÉRGIO RICARDO GEOGRAFIA / 2º ANO PROF. SÉRGIO RICARDO BRASIL 1) Aspectos Gerais: Território: 8 547 403 Km 2. 5 0 maior país do mundo em extensão e população. País continental devido a sua dimensão territorial. Ocupa

Leia mais

Catalão nas Fronteiras do Capitalismo: do desenvolvimento produtivo a construção da sociabilidade

Catalão nas Fronteiras do Capitalismo: do desenvolvimento produtivo a construção da sociabilidade Catalão nas Fronteiras do Capitalismo: do desenvolvimento produtivo a construção da sociabilidade Leonardo César PEREIRA 1 ; Revalino Antonio FREITAS (orientador) Palavras-chave: trabalho, migração, fronteira,

Leia mais

Sumário Executivo. Climate Policy Initiative. Dezembro 2013

Sumário Executivo. Climate Policy Initiative. Dezembro 2013 PRODUÇÃO E PROTEÇÃO: IMPORTANTES DESAFIOS PARA O BRASIL Climate Policy Initiative Dezembro 2013 No Brasil, assim como em outros países, há frequente tensão entre objetivos econômicos, sociais e ambientais,

Leia mais

ASPECTOS GERAIS DO CULTIVO DE ALGODÃO EM SANTA HELENA DE GOIÁS (1960 1980)

ASPECTOS GERAIS DO CULTIVO DE ALGODÃO EM SANTA HELENA DE GOIÁS (1960 1980) 0 PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA PUC-GOIÁS DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS HUMANAS PROFª. DRª. RENATA CRISTINA NASCIMENTO RENATA DE FREITAS MATOS ASPECTOS GERAIS DO CULTIVO DE ALGODÃO EM SANTA HELENA DE GOIÁS

Leia mais

Alta do dólar reforça aumento dos custos de produção

Alta do dólar reforça aumento dos custos de produção Alta do dólar reforça aumento dos custos de produção Por Prof. Dr. Sergio De Zen e Graziela Correr; Equipe Pecuária de Corte Se, de um lado, a forte alta do dólar frente ao Real tem contribuído para elevar

Leia mais

Fundo Constitucional de Financiamento do Centro-Oeste

Fundo Constitucional de Financiamento do Centro-Oeste Fundo Constitucional de Financiamento do Centro-Oeste O que é FCO? O Fundo de Financiamento do Centro-Oeste (FCO) é um fundo de crédito criado pela Constituição Federal de 1988 com o objetivo de promover

Leia mais

10º LEVANTAMENTO DE SAFRAS DA CONAB - 2012/2013 Julho/2013

10º LEVANTAMENTO DE SAFRAS DA CONAB - 2012/2013 Julho/2013 10º LEVANTAMENTO DE SAFRAS DA CONAB - 2012/2013 Julho/2013 1. INTRODUÇÃO O Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (MAPA), por meio da Companhia Nacional de Abastecimento (Conab), realiza sistematicamente

Leia mais

AS TRANSFORMAÇÕES OCORRIDAS NO ESPAÇO AGRÁRIO BRASILEIRO A PARTIR DO PROCESSO DE MODERNIZAÇÃO DA AGRICULTURA

AS TRANSFORMAÇÕES OCORRIDAS NO ESPAÇO AGRÁRIO BRASILEIRO A PARTIR DO PROCESSO DE MODERNIZAÇÃO DA AGRICULTURA AS TRANSFORMAÇÕES OCORRIDAS NO ESPAÇO AGRÁRIO BRASILEIRO A PARTIR DO PROCESSO DE MODERNIZAÇÃO DA AGRICULTURA Jane Carla Burin Mestranda em Geografia UFSM RESUMO O processo de modernização agrícola iniciado

Leia mais

Palmeiras de Goiás. 13º Lugar. População: 21.199 hab. Área do Município: 1.539,68 km² Localização: Região Oeste Goiano PIB (2005):

Palmeiras de Goiás. 13º Lugar. População: 21.199 hab. Área do Município: 1.539,68 km² Localização: Região Oeste Goiano PIB (2005): Palmeiras de Goiás População: 21.199 hab. Área do Município: 1.539,68 km² Localização: Região Oeste Goiano PIB (2005): R$ 209,1 milhões PIB per capita: R$ 11.260,00 Principais distâncias: Goiânia: 76 km

Leia mais

O MATOPIBA e o desenvolvimento "destrutivista" do Cerrado

O MATOPIBA e o desenvolvimento destrutivista do Cerrado O MATOPIBA e o desenvolvimento "destrutivista" do Cerrado Paulo Rogerio Gonçalves* No dia seis de maio de 2015 o decreto n. 8447 cria o Plano de Desenvolvimento Agropecuário do Matopiba e seu comitê gestor.

Leia mais

Courobusiness em Alagoas

Courobusiness em Alagoas Courobusiness em Alagoas Descrição Atração e instalação de empreendimentos de curtumes para o desenvolvimento e consolidação da cadeia produtiva do couro no Estado de Alagoas. Entidades responsáveis Célula

Leia mais

Redução do preço de alimentos básicos continua pelo terceiro mês

Redução do preço de alimentos básicos continua pelo terceiro mês 1 São Paulo, 04 de agosto de 2010. NOTA À IMPRENSA Redução do preço de alimentos básicos continua pelo terceiro mês Desde maio, na maioria das capitais onde é realizada mensalmente a Pesquisa Nacional

Leia mais

MIGRAÇÃO E RELAÇÃO CAMPO-CIDADE 1

MIGRAÇÃO E RELAÇÃO CAMPO-CIDADE 1 MIGRAÇÃO E RELAÇÃO CAMPO-CIDADE 1 Débora Aparecida Tombini* Marcos Aurélio Saquet** INTRODUÇÃO Desde o surgimento da vida humana na Terra até o início do século XIX, a população cresceu em ritmo lento

Leia mais

OS ARRENDAMENTOS DE TERRA PARA A PRODUÇÃO DE CANA- DE- AÇÚCAR

OS ARRENDAMENTOS DE TERRA PARA A PRODUÇÃO DE CANA- DE- AÇÚCAR Tamires Silva Gama Acadêmica do Curso de Geografia da UEM. Bolsista do CNPq Tamires_gama@hotmail.com OS ARRENDAMENTOS DE TERRA PARA A PRODUÇÃO DE CANA- DE- AÇÚCAR INTRODUÇÃO Frente os avanços da modernização

Leia mais

Roteiro de visita a campo

Roteiro de visita a campo Roteiro de visita a campo 4Fs Brasil - The Forest Dialogue (TFD) 11-14 Novembro 2012, Capão Bonito, Brasil Dia 1 Domingo, 11 de Novembro 8:00 Saída dos hotéis 8:30 Chegada ao IDEAS e informações sobre

Leia mais

Sebastião Wilson Tivelli Eng. Agr., Dr., PqC da UPD São Roque do Centro de Insumos Estratégicos e Serviços Especializados/APTA tivelli@apta.sp.gov.

Sebastião Wilson Tivelli Eng. Agr., Dr., PqC da UPD São Roque do Centro de Insumos Estratégicos e Serviços Especializados/APTA tivelli@apta.sp.gov. ORGÂNICOS SÃO CAROS. POR QUÊ? Sebastião Wilson Tivelli Eng. Agr., Dr., PqC da UPD São Roque do Centro de Insumos Estratégicos e Serviços Especializados/APTA tivelli@apta.sp.gov.br Quem nunca ouviu ou falou

Leia mais

Cana de açúcar para indústria: o quanto vai precisar crescer

Cana de açúcar para indústria: o quanto vai precisar crescer Cana de açúcar para indústria: o quanto vai precisar crescer A demanda crescente nos mercados interno e externo por combustíveis renováveis, especialmente o álcool, atrai novos investimentos para a formação

Leia mais

A RECUPERAÇÃO DA PRODUÇÃO DO ALGODÃO NO BRASIL. Joffre Kouri (Embrapa Algodão / joffre@cnpa.embrapa.br), Robério F. dos Santos (Embrapa Algodão)

A RECUPERAÇÃO DA PRODUÇÃO DO ALGODÃO NO BRASIL. Joffre Kouri (Embrapa Algodão / joffre@cnpa.embrapa.br), Robério F. dos Santos (Embrapa Algodão) A RECUPERAÇÃO DA PRODUÇÃO DO ALGODÃO NO BRASIL Joffre Kouri (Embrapa Algodão / joffre@cnpa.embrapa.br), Robério F. dos Santos (Embrapa Algodão) RESUMO - Graças a incentivos fiscais, ao profissionalismo

Leia mais

IV Congresso Brasileiro de Mamona e I Simpósio Internacional de Oleaginosas Energéticas, João Pessoa, PB 2010 Página 316

IV Congresso Brasileiro de Mamona e I Simpósio Internacional de Oleaginosas Energéticas, João Pessoa, PB 2010 Página 316 Página 316 ALGODÃO ORGÂNICO: DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO E PROMOÇÃO DA SUSTENTABILIDADE NO MUNICÍPIO DE REMÍGIO PB Luciana Gomes da Silva 1, Perla Joana Souza Gondim 2, Márcia Maria de Souza Gondim 2, Rosemare

Leia mais

NEIVA SALETE DE OLIVEIRA ROMAN

NEIVA SALETE DE OLIVEIRA ROMAN NEIVA SALETE DE OLIVEIRA ROMAN A AGRICULTURA FAMILIAR, AS CONTRIBUIÇÕES DO PROJOVEM CAMPO E O CONTEXTO DA PRODUÇÃO AGRÍCOLA NO MUNICÍPIO DE LINDOESTE - PR Trabalho de Conclusão de Curso apresentado à banca

Leia mais

O papel da APROSOJA na promoção da sustentabilidade na cadeia produtiva da soja brasileira

O papel da APROSOJA na promoção da sustentabilidade na cadeia produtiva da soja brasileira O papel da APROSOJA na promoção da sustentabilidade na cadeia produtiva da soja brasileira Clusters para exportação sustentável nas cadeias produtivas da carne bovina e soja Eng Agrônomo Lucas Galvan Diretor

Leia mais

Origem da agricultura. META Mostrar a importância da agricultura para o processo de formação econômica do Brasil.

Origem da agricultura. META Mostrar a importância da agricultura para o processo de formação econômica do Brasil. Origem da agricultura AGRICULTURA E FORMAÇÃO ECONÔMICA DO BRASIL META Mostrar a importância da agricultura para o processo de formação econômica do Brasil. OBJETIVOS Ao final da aula, o aluno deverá: compreender

Leia mais

PROJETO DE LEI DO SENADO Nº, DE 2005

PROJETO DE LEI DO SENADO Nº, DE 2005 PROJETO DE LEI DO SENADO Nº, DE 2005 Cria a Zona Franca de São Luís, no Estado do Maranhão. O CONGRESSO NACIONAL decreta: Art. 1º Fica criada a Zona Franca de São Luís, no Estado do Maranhão, definida

Leia mais

DEPARTAMENTO DE ECONOMIA, ADMINISTRAÇÃO E SOCIOLOGIA UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO ESCOLA SUPERIOR DE AGRICULTURA "LUIZ DE QUEIROZ"

DEPARTAMENTO DE ECONOMIA, ADMINISTRAÇÃO E SOCIOLOGIA UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO ESCOLA SUPERIOR DE AGRICULTURA LUIZ DE QUEIROZ Na média, pecuarista ganha da inflação em setembro Em setembro, o custo efetivo da pecuária, pesquisado pela CNA/Cepea-USP, teve alta de apenas 0,22%, enquanto que a inflação medida pelo IGP-M alcançou

Leia mais

Tabela 2 - População residente, segundo as unidades da federação 1991/2000/2010

Tabela 2 - População residente, segundo as unidades da federação 1991/2000/2010 A distribuição populacional de Goiás frente aos dados do Censo demográfico 2010 Daniel da Silva Souza 1 Resumo: A configuração da rede demográfica goiana está em processo de forte alteração. A taxa de

Leia mais

Guilherme Leite da Silva Dias, FEA/USP

Guilherme Leite da Silva Dias, FEA/USP Seminário Risco e Gestão do Seguro Rural no Brasil Mesa Redonda III Aquecimento global e impactos sobre o seguro agrícola Palestra: Aquecimento global e possíveis impactos econômicos sobre a agricultura

Leia mais

Serviço Nacional de Aprendizagem Rural PROJETO FIP-ABC. Produção sustentável em áreas já convertidas para o uso agropecuário (com base no Plano ABC)

Serviço Nacional de Aprendizagem Rural PROJETO FIP-ABC. Produção sustentável em áreas já convertidas para o uso agropecuário (com base no Plano ABC) Serviço Nacional de Aprendizagem Rural Serviço Nacional de Aprendizagem Rural PROJETO FIP-ABC Produção sustentável em áreas já convertidas para o uso agropecuário (com base no Plano ABC) Descrição do contexto

Leia mais

Trabalho de pesquisa: Como se explica a intensificação e diversificação da produção agrícola e exportações no Brasil?

Trabalho de pesquisa: Como se explica a intensificação e diversificação da produção agrícola e exportações no Brasil? O que podem os países africanos aprender com o crescimento e desenvolvimento inclusivo do Brasil? Trabalho de pesquisa: Como se explica a intensificação e diversificação da produção agrícola e exportações

Leia mais

Universidade Federal de Uberlândia

Universidade Federal de Uberlândia Universidade Federal de Uberlândia Relatório Visita técnica Embrapa Gado de Corte-MS Grupo de estudos e pesquisa em forragicultra UFU GEPFOR Guilherme Amorim Soares da Silva Zootecnia Uberlândia 2014 I

Leia mais

Desempenho da Agroindústria em 2004. histórica iniciada em 1992. Como tem sido freqüente nos últimos anos (exceto em 2003), os

Desempenho da Agroindústria em 2004. histórica iniciada em 1992. Como tem sido freqüente nos últimos anos (exceto em 2003), os Desempenho da Agroindústria em 2004 Em 2004, a agroindústria obteve crescimento de 5,3%, marca mais elevada da série histórica iniciada em 1992. Como tem sido freqüente nos últimos anos (exceto em 2003),

Leia mais

PLANO DE ESTUDOS 3º trimestre 2012

PLANO DE ESTUDOS 3º trimestre 2012 PLANO DE ESTUDOS 3º trimestre 2012 ano: 9º disciplina: geografia professor: Meus caros (as) alunos (as): Durante o 2º trimestre, você estudou as principais características das cidades globais e das megacidades

Leia mais

BALANÇO DE INVESTIMENTOS DO PRONAF EM MINAS GERAIS: uma tentativa de inserção da agricultura familiar no mercado. Resumo

BALANÇO DE INVESTIMENTOS DO PRONAF EM MINAS GERAIS: uma tentativa de inserção da agricultura familiar no mercado. Resumo 1 BALANÇO DE INVESTIMENTOS DO PRONAF EM MINAS GERAIS: uma tentativa de inserção da agricultura familiar no mercado Álisson Riceto 1 João Cleps Junior 2 Eduardo Rozetti de Carvalho 3 Resumo O presente artigo

Leia mais

PLANO SAFRA DA AGRICULTURA FAMILIAR 2010/2011

PLANO SAFRA DA AGRICULTURA FAMILIAR 2010/2011 PLANO SAFRA DA AGRICULTURA FAMILIAR 2010/2011 Mais crédito, mais segurança e juros menores. Do Plano Safra 2002/2003 ao Plano Safra 2010/2011, o volume de recursos oferecidos por meio do Pronaf para custeio

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Coordenação de Biblioteca 3 DE OUTUBRO DE 1975 ABERTURA DO

Leia mais

Índice de Confiança do Agronegócio. Realização Parceiros Pesquisa

Índice de Confiança do Agronegócio. Realização Parceiros Pesquisa Índice de Confiança do Agronegócio Realização Parceiros Pesquisa Motivações Motivações Medir, trimestralmente, as expectativas dos diferentes agentes do agronegócio, como indústria de insumos, cooperativas,

Leia mais

MINISTÉRIO DA INTEGRAÇÃO NACIONAL SECRETARIA DE DESENVOLVIMENTO REGIONAL ROTAS DE INTEGRAÇÃO NACIONAL

MINISTÉRIO DA INTEGRAÇÃO NACIONAL SECRETARIA DE DESENVOLVIMENTO REGIONAL ROTAS DE INTEGRAÇÃO NACIONAL MINISTÉRIO DA INTEGRAÇÃO NACIONAL SECRETARIA DE DESENVOLVIMENTO REGIONAL ORIENTAÇÕES PARA ELABORAÇÃO DE PROJETOS DE INCLUSÃO PRODUTIVA ROTAS DE INTEGRAÇÃO NACIONAL O presente documento tem por objetivo

Leia mais

Estratégia financeira de uma empresa agropecuária no Estado do Mato Grosso

Estratégia financeira de uma empresa agropecuária no Estado do Mato Grosso Estratégia financeira de uma empresa agropecuária no Estado do Mato Grosso RESUMO - Um dos alicerces da economia do Estado do Mato Grosso é a pecuária, que tem o maior rebanho de bovinos do país, são aproximadamente

Leia mais

ROTAS INTERNAS DE PRODUTOS DE EXPORTAÇÃO: O CASO DA SOJA

ROTAS INTERNAS DE PRODUTOS DE EXPORTAÇÃO: O CASO DA SOJA 1 Outubro 2009 ROTAS INTERNAS DE PRODUTOS DE EXPORTAÇÃO: O CASO DA SOJA Fernando Raphael Ferro de Lima * INTRODUÇÃO Este trabalho busca compreender como se modificaram, no período recente, os fluxos internos

Leia mais

Palavras-chave: Cana-de-açúcar; Bem-estar; Goiatuba; Expansão agrícola.

Palavras-chave: Cana-de-açúcar; Bem-estar; Goiatuba; Expansão agrícola. Implicações da Expansão do cultivo da cana-deaçúcar sobre o município de Goiatuba Washington Pereira Campos8 Márcio Caliari9 Marina Aparecida da Silveira10 Resumo: A partir de 2004, ocorreu um aumento

Leia mais

Jornal Brasileiro de Indústrias da Biomassa Biomassa Florestal no Estado de Goiás

Jornal Brasileiro de Indústrias da Biomassa Biomassa Florestal no Estado de Goiás Jornal Brasileiro de Indústrias da Biomassa Biomassa Florestal no Estado de Goiás O Estado de Goiás está situado na Região Centro-Oeste do Brasil e, segundo dados oficiais, ocupa área territorial de 340.111,783

Leia mais

FICHA DE GEOGRAFIA CAFEICULTURA E INDUSTRIALIZAÇÃO A INDÚSTRIA NO PERÍODO DA REPÚBLICA VELHA (1889 1930) Prof. Dario Alencar Ensino Médio

FICHA DE GEOGRAFIA CAFEICULTURA E INDUSTRIALIZAÇÃO A INDÚSTRIA NO PERÍODO DA REPÚBLICA VELHA (1889 1930) Prof. Dario Alencar Ensino Médio 1 FICHA DE GEOGRAFIA CAFEICULTURA E INDUSTRIALIZAÇÃO Prof. Dario Alencar Ensino Médio CAFEICULTURA E INDUSTRIALIZAÇÃO A cafeicultura criou condições necessárias ao desenvolvimento da indústria. Esta, por

Leia mais

Plano Agrícola e Pecuário PAP 2013/2014 Ações estruturantes para a Agropecuária Brasileira

Plano Agrícola e Pecuário PAP 2013/2014 Ações estruturantes para a Agropecuária Brasileira Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil Plano Agrícola e Pecuário PAP 2013/2014 ROSEMEIRE SANTOS Superintendente Técnica Plano Agrícola e Pecuário PAP 2013/2014 Ações estruturantes para a Agropecuária

Leia mais

redução dos preços internacionais de algumas commodities agrícolas; aumento dos custos de

redução dos preços internacionais de algumas commodities agrícolas; aumento dos custos de Desempenho da Agroindústria No fechamento do primeiro semestre de 2005, a agroindústria registrou crescimento de 0,3%, taxa bastante inferior à assinalada pela média da indústria brasileira (5,0%) no mesmo

Leia mais

Por que o Agronegócio é o Negócio do Brasil?

Por que o Agronegócio é o Negócio do Brasil? Por que o Agronegócio é o Negócio do Brasil? Prof. Samuel Ribeiro Giordano, Dr.Sc. Coordenador de Projetos do Pensa Programa de Agronegócios da Universidade de São Paulo-Brasil srgiorda@usp.br www.fia.com.br/pensa

Leia mais

CP/CAEM/2004 2ª AVALIAÇÃO SOMATIVA FICHA AUXILIAR DE CORREÇÃO

CP/CAEM/2004 2ª AVALIAÇÃO SOMATIVA FICHA AUXILIAR DE CORREÇÃO CP/CAEM/2004 2ª AVALIAÇÃO SOMATIVA FICHA AUXILIAR DE CORREÇÃO GEOGRAFIA 1ª QUESTÃO ( 4,0 ) Comparar os sistemas de transportes da Região Norte com os da Região Centro-Oeste, concluindo sobre as medidas

Leia mais

Produção de grãos na Bahia cresce 14,64%, apesar dos severos efeitos da seca no Estado

Produção de grãos na Bahia cresce 14,64%, apesar dos severos efeitos da seca no Estado AGROSSÍNTESE Produção de grãos na Bahia cresce 14,64%, apesar dos severos efeitos da seca no Estado Edilson de Oliveira Santos 1 1 Mestre em Economia, Gestor Governamental da SEAGRI; e-mail: edilsonsantos@seagri.ba.gov.br

Leia mais

o mapa da mina de crédito Figura 1 - Passos para decisão de tomada de crédito

o mapa da mina de crédito Figura 1 - Passos para decisão de tomada de crédito crédito rural: o mapa da mina Por: Felipe Prince Silva, Ms. Desenvolvimento Econômico, Espaço e Meio Ambiente UNICAMP. Economista Agrosecurity Gestão de Agro-Ativos LTDA e Agrometrika Informática e Serviços

Leia mais

GUSTAVO ROBERTO CORRÊA DA COSTA SOBRINHO E JOSÉ MACIEL DOS SANTOS EFEITOS DA CRISE FINANCEIRA GLOBAL SOBRE A AGRICULTURA BRASILEIRA.

GUSTAVO ROBERTO CORRÊA DA COSTA SOBRINHO E JOSÉ MACIEL DOS SANTOS EFEITOS DA CRISE FINANCEIRA GLOBAL SOBRE A AGRICULTURA BRASILEIRA. EFEITOS DA CRISE FINANCEIRA GLOBAL SOBRE A AGRICULTURA BRASILEIRA. GUSTAVO ROBERTO CORRÊA DA COSTA SOBRINHO E JOSÉ MACIEL DOS SANTOS Consultores Legislativos da Área X Agricultura e Política Rural MARÇO/2009

Leia mais

TRATADO SOBRE AGRICULTURA SUSTENTÁVEL PREÂMBULO

TRATADO SOBRE AGRICULTURA SUSTENTÁVEL PREÂMBULO [25] TRATADO SOBRE AGRICULTURA SUSTENTÁVEL PREÂMBULO Entendendo que: 1. O sistema sócio-econômico e político internacionalmente dominante, ao qual se articula o modelo industrial de produção agrícola e

Leia mais

Linhas de Crédito PISCICULTURA INVESTIMENTO CUSTEIO. Obs.: As informações atinentes às linhas de crédito estão sujeitas a alterações.

Linhas de Crédito PISCICULTURA INVESTIMENTO CUSTEIO. Obs.: As informações atinentes às linhas de crédito estão sujeitas a alterações. PISCICULTURA CUSTEIO INVESTIMENTO Obs.: As informações atinentes às linhas de crédito estão sujeitas a alterações. financiar as despesas normais de custeio da produção agrícola e pecuária. Linhas de Crédito

Leia mais

alimentos para o brasil APRESENTAÇÃO

alimentos para o brasil APRESENTAÇÃO 2014-2015 alimentos para o brasil APRESENTAÇÃO O Plano Safra da Agricultura Familiar 2014/2015 Alimentos Para o Brasil vem consolidar mais de uma década de políticas públicas que melhoram a vida de quem

Leia mais

PIB DO ESTADO DE SÃO PAULO 2005

PIB DO ESTADO DE SÃO PAULO 2005 PIB DO ESTADO DE SÃO PAULO 2005 A Fundação Seade, em parceria com o IBGE, divulga os resultados do PIB do Estado de São Paulo, em 2005. Simultaneamente, os órgãos de estatística das demais Unidades da

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Coordenação de Biblioteca 13 DE MARÇO ANHEMBI SÃO PÀULO-SP

Leia mais

Indústria avícola paranaense

Indústria avícola paranaense Indústria avícola paranaense Evoluçã o do consumo de fãrelo de sojã e milho pãrã criãçã o de frãngos no Pãrãnã Ana Luiza Lodi analuiza.lodi@intlfcstone.com Thadeu Silva thadeu.silva@intlfcstone.com Natália

Leia mais

fls. 776 Se impresso, para conferncia acesse o site http://esaj.tjsc.jus.br/esaj, informe o processo 0300287-79.2015.8.24.0175 e o cdigo 353F682.

fls. 776 Se impresso, para conferncia acesse o site http://esaj.tjsc.jus.br/esaj, informe o processo 0300287-79.2015.8.24.0175 e o cdigo 353F682. fls. 776 fls. 777 fls. 778 fls. 779 fls. 780 fls. 781 fls. 782 fls. 783 1/107 LAUDODEAVALIAÇÃO ECONÔMICA fls. 784 2/107 Códigodoimóvel NomedoImóvel Endereço Bairro Cidade UF Proprietário Documento RegistrodeImóveis

Leia mais

CARACTERIZAÇÃO DOS PRODUTORES FAMILIARES NO MUNICÍPIO DE MONÇÕES, ESTADO DE SÃO PAULO 1.

CARACTERIZAÇÃO DOS PRODUTORES FAMILIARES NO MUNICÍPIO DE MONÇÕES, ESTADO DE SÃO PAULO 1. CARACTERIZAÇÃO DOS PRODUTORES FAMILIARES NO MUNICÍPIO DE MONÇÕES, ESTADO DE SÃO PAULO 1. MARIA AP. ANSELMO TARSITANO 2 JULIANO A. FABRÍCIO 3, ANTONIO LÁZARO SANT'ANA 2, ERCIO R. PROENÇA 2, SILVIA M. A.

Leia mais

Respostas das questões sobre as regiões do Brasil

Respostas das questões sobre as regiões do Brasil Respostas das questões sobre as regiões do Brasil Região Norte 1. Qual a diferença entre região Norte, Amazônia Legal e Amazônia Internacional? A região Norte é um conjunto de 7 estados e estes estados

Leia mais

FORMAÇÃO DO TERRITORIO BRASILEIRO. Prof. Israel Frois

FORMAÇÃO DO TERRITORIO BRASILEIRO. Prof. Israel Frois FORMAÇÃO DO TERRITORIO BRASILEIRO Prof. Israel Frois SÉCULO XV Território desconhecido; Era habitado por ameríndios ; Natureza praticamente intocada Riqueza imediata: Pau-Brasil (Mata Atlântica) Seus limites

Leia mais

ESPAÇO RURAL ALIMENTOS PARA OS BRASILEIROS E PARA O MUNDO

ESPAÇO RURAL ALIMENTOS PARA OS BRASILEIROS E PARA O MUNDO ESPAÇO RURAL ALIMENTOS PARA OS BRASILEIROS E PARA O MUNDO Introdução O modelo de desenvolvimento rural nos últimos tempos, baseado na modernização agrícola conservou muitas das características históricas

Leia mais

URBANIZAÇÃO LUGAR É A BASE

URBANIZAÇÃO LUGAR É A BASE URBANIZAÇÃO LUGAR É A BASE. DA REPRODUÇÃO DA VIDA E PODE SER ANALISADO PELA TRÍADE HABITANTE- IDENTIDADE-LUGAR. OBJETIVOS ESPECÍFICOS A. Caracterizar o fenômeno da urbanização como maior intervenção humana

Leia mais

CONTRIBUIÇÃO PARA IMPLANTAÇÃO DA QUALIDADE TOTAL NA. EMATER Paraná

CONTRIBUIÇÃO PARA IMPLANTAÇÃO DA QUALIDADE TOTAL NA. EMATER Paraná ODÍLIO SEPULCRI CONTRIBUIÇÃO PARA IMPLANTAÇÃO DA QUALIDADE TOTAL NA EMATER Paraná Projeto apresentado a Universidade Federal do Paraná, Confederação Nacional da Indústria, Serviço Nacional de Aprendizagem

Leia mais

Concentração de serviços (hospitais, escolas, centros de pesquisas, transportes etc.);

Concentração de serviços (hospitais, escolas, centros de pesquisas, transportes etc.); ESPAÇO URBANO E ESPAÇO RURAL O espaço urbano é o espaço das cidades e se caracteriza pelo predomínio das atividades secundárias e te r- ciárias, ou seja, as atividades industriais, comerciais e de serviços.

Leia mais

CPS CP/ECEME - 2008 2ª AVALIAÇÃO SOMATIVA FICHA AUXILIAR DE CORREÇÃO GEOGRAFIA

CPS CP/ECEME - 2008 2ª AVALIAÇÃO SOMATIVA FICHA AUXILIAR DE CORREÇÃO GEOGRAFIA CPS CP/ECEME - 2008 2ª AVALIAÇÃO SOMATIVA FICHA AUXILIAR DE CORREÇÃO GEOGRAFIA Al nº 1ª QUESTÃO (Valor 6,0) Estudar a retomada do Programa Nuclear Brasileiro, com o enfoque nos aspectos econômico e científico-tecnológico,

Leia mais

COMO A GIR NA CRI $E 1

COMO A GIR NA CRI $E 1 1 COMO AGIR NA CRI$E COMO AGIR NA CRISE A turbulência econômica mundial provocada pela crise bancária nos Estados Unidos e Europa atingirá todos os países do mundo, com diferentes níveis de intensidade.

Leia mais

Dados do Censo Agropecuário Confirmam Concentração da Atividade Leiteira no Brasil

Dados do Censo Agropecuário Confirmam Concentração da Atividade Leiteira no Brasil Dados do Censo Agropecuário Confirmam Concentração da Atividade Leiteira no Brasil Ézio José Gomes Os dados do último Censo Agropecuário do IBGE - Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística, de 2006

Leia mais

Evolução Recente do Pronaf-Crédito 1999 a 2013

Evolução Recente do Pronaf-Crédito 1999 a 2013 1 Evolução Recente do Pronaf-Crédito 1999 a 2013 Fernando Gaiger Silveira Alexandre Arbex Valadares Resumo: O PRONAF está prestes a completar 20 anos, tendo seu carro chefe, o crédito, apresentado um desempenho,

Leia mais

SETOR EQÜINO MOVIMENTA R$ 7,3 BILHÕES POR ANO

SETOR EQÜINO MOVIMENTA R$ 7,3 BILHÕES POR ANO SETOR EQÜINO MOVIMENTA R$ 7,3 BILHÕES POR ANO Pio Guerra 1, Sidney Almeida Filgueira de Medeiros 2 A importância dos eqüinos para o desenvolvimento do Brasil pode ser observada desde os tempos do Brasil-Colônia,

Leia mais

A atividade agrícola e o espaço agrário. Prof. Bruno Batista

A atividade agrícola e o espaço agrário. Prof. Bruno Batista A atividade agrícola e o espaço agrário Prof. Bruno Batista A agropecuária É uma atividade primária; É obtida de forma muito heterogênea no mundo países desenvolvidos com agricultura moderna, e países

Leia mais

Integração Lavoura Pecuária

Integração Lavoura Pecuária Integração Lavoura Pecuária A B E A S CONVÊNIO Nº 420013200500139/SDC/MAPA A B E A S Apresentação Esta cartilha, produto do esforço do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento MAPA, em parceria

Leia mais