Ciclos de Treinamento. Ricardo L. Pace Jr.

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Ciclos de Treinamento. Ricardo L. Pace Jr."

Transcrição

1 Ciclos de Treinamento Ricardo L. Pace Jr.

2 MICROCICLO DE CHOQUE Cargas altas; 80% - 90% da carga máxima; Estímulo ao processo ativo de adaptação; 2-5 cargas de choque por semana; Aplicação da carga no fim da sub-recuperação; Controle rigoroso do estado do atleta; Cuidado com a sobrecarga excessiva.

3 MICROCICLO ESTABILIZADOR Objetivo de assegurar a estabilidade do organismo do atleta; Substitui os microciclos ordinários e de choque; Estabilizar os ganhos; Carga entre 40% - 60% da carga máxima

4 MICROCICLO DE MANUTENÇÃO Tarefa de recuperar o atleta; O microciclo de manutenção auxilia na redução dos ritmos de perda de preparação dos atletas; Carga de 30%-40% da máxima; Redução da grandeza da soma de cargas; Após competições;

5 MICROCICLO RECUPERATIVO Cargas mínimas; 10%-30% da carga máxima; Recuperação eficiente e completa do atleta; Explica a presença do microciclo com grandes números de cargas baixas.

6 MICROCICLO DE CONTROLE Final dos Mesociclos e Macrociclos; Verificar o nível de preparação dos atletas; Possui características do microciclo de competição; Exames e testes; Cargas podem alcançar 100% da capacidade máxima.

7 MICROCICLO PRÉ-COMPETITIVO Estruturado de acordo com a competição principal; Assegurar o estado de ótima prontidão para o dia da competição; 5-10 dias antes das competições principais; Recuperação válida; Não utiliza-se carga máxima; Psicológica/tática

8 MICROCICLO COMPETITIVO Estrutura e duração dependem do regulamento da competição; Cargas forte nos jogos e moderadas/leves nos treinamentos;

9 Microciclos Ordinário Choque Choque Pre-competitivo Regenerativo

10 MESOCICLO Estrutura de carga que varia de 3-6 semanas, representa o elemento da estrutura de preparação do atleta orientado para a solução de tarefas de determinado macrociclo.

11 MESOCICLO INICIAL Inicia o período preparatório; Estado reduzido para estado de treinamento; 2-3 microciclos ordinários/recuperativos; Baixa intensidade; Aumento gradual do volume;

12 MESOCICLO BÁSICO Reúne alguns tipos de microciclos; Divide-se em preparatório geral e preparatório especial no que se diz respeito aos meios de treinamento; Divide-se em desenvolvimento e estabilizador quando leva-se em consideração a grandeza das cargas.

13 Mesociclo de Desenvolvimento Caracteriza-se pela grandeza da carga; Elevação do nível de treino do atleta;

14 Mesociclo Estabilizador Visa à consolidação das mudanças obtidas anteriormente, que são asseguradas pela redução insignificante ou pela estabilização de cargas atingidas anteriormente.

15 Mesociclo Recuperativo Aplica-se no período transitório de preparação, quando têm importância predominantemente as tarefas de recuperação completa do atleta. Previne esgotamento; Redução do volume e intensidade; 20%-30% do mesociclo básico; Descanso ativo Avaliar o estado de saúde do atleta.

16 Mesociclo de Controle Geralmente conclui o período preparatório. Assegurar controle multiforme da eficiência dos mesociclos básicos anteriores; O treinamento é combinado com a participação em competições e desempenha a função preparatória e de controle; Corrigir deficiências

17 Mesociclo Pré-competitivo Componente estrutural que assegura a preparação imediata para a competição principal do macrociclo; Recuperação de competições seletivas; Eliminação de pequenos defeitos; Preparação tática e psíquica dos atletas;

18 Mesociclo Competitivo Especificidade da modalidade; 6-8 meses de duração; 4-6 mesociclos competitivos; Principal, seletivo, preparatório; Tem a função de contribuir para a recuperação e assegurar a manutenção do alto nível de capacidade de trabalho do atleta durante todo o mesociclo competitivo.

19 MESOCICLOS MICROCICLOS INICIAL R O R BÁSICO CH O CH R DESENVOLVIMENTO CH CH CH O CH CH R EST - CH - R ESTABILIZADOR EST O EST R RECUPERATIVO R R R CONTROLE R PC EST PC PRÉ-COMPETITIVO CH CH CH CO R PC COMPET. COMPET. COMPETITIVO C R C EST PC C - - R = Recuperativo; CH = Choque; O = Ordinário; EST = Estabilizador; CO = Controle; PC = Pré-competitivo; C = Competitivo

Combinação das cargas de treinamento no processo de preparação desportiva Carga ondulatória durante o processo de preparação desportiva...

Combinação das cargas de treinamento no processo de preparação desportiva Carga ondulatória durante o processo de preparação desportiva... Treinamento desportivo 13 Sumário INTRoDUÇÃO...19 1 Princípios científicos da preparação desportiva...21 preparação desportiva, leis e regras... 21 princípios pedagógicos da preparação desportiva... 21

Leia mais

Prof. Dr. Bruno Pena Couto PLANEJAMENTO A LONGO PRAZO (PERIODIZAÇÃO) Encontro Multiesportivo de Técnicos Formadores Solidariedade Olímpica / COI

Prof. Dr. Bruno Pena Couto PLANEJAMENTO A LONGO PRAZO (PERIODIZAÇÃO) Encontro Multiesportivo de Técnicos Formadores Solidariedade Olímpica / COI Prof. Dr. Bruno Pena Couto PLANEJAMENTO A LONGO PRAZO (PERIODIZAÇÃO) Encontro Multiesportivo de Técnicos Formadores Solidariedade Olímpica / COI Visão Geral - Importância do Planejamento a Longo Prazo

Leia mais

I CLÍNICA OLÍMPICA DE NATAÇÃO MARISTA PARTE 3

I CLÍNICA OLÍMPICA DE NATAÇÃO MARISTA PARTE 3 I CLÍNICA OLÍMPICA DE NATAÇÃO MARISTA PARTE 3 PRINCÍPIOS DA NATAÇÃO (KURT WILKE) - Máximo aproveitamento da flutuabilidade estática - Redução da resistência frontal - Constante pegada de águas - Paradas

Leia mais

O macrociclo. Teoria de Matveiev Prof.: Msd.: Ricardo Luiz Pace Júnior

O macrociclo. Teoria de Matveiev Prof.: Msd.: Ricardo Luiz Pace Júnior O macrociclo Teoria de Matveiev Prof.: Msd.: Ricardo Luiz Pace Júnior O macrociclo É um constituinte do plano de expectativa. Consiste em o atleta: Construir * P. preparatório Manter * P. competitivo Perder

Leia mais

Estrutura do Processo de Treino

Estrutura do Processo de Treino Estrutura do Processo de Treino http://www.cdnacional.pt/press.asp Índice do tema: 1- Passos Antecedentes à Elaboração de Planeamento de Treino; 2 Modelos de Periodização do Treino; 3 Organização das Estruturas

Leia mais

SECTOR DE MARCHA ATLÉTICA

SECTOR DE MARCHA ATLÉTICA SECTOR DE MARCHA ATLÉTICA Ansião (Casa da Amizade) 28 Novembro a 1 de Dezembro 2008 Federação Portuguesa de Atletismo Paulo Murta Questões fundamentais Nível da Atleta Condições / Disponibilidade para

Leia mais

CONCEITOS DA TEORIA DO TREINO

CONCEITOS DA TEORIA DO TREINO CONCEITOS DA TEORIA DO TREINO 1. A Sessão de Treino A Sessão de Treino é a unidade estrutural que serve de base para toda a organização do treino. O treinador deve individualizar o treino, adaptando a

Leia mais

COMO É UM TREINO DE CORRIDA BEM PLANEJADO. Entenda os princípios que não podem faltar na planilha de quem quer evoluir com a corrida:

COMO É UM TREINO DE CORRIDA BEM PLANEJADO. Entenda os princípios que não podem faltar na planilha de quem quer evoluir com a corrida: COMO É UM TREINO DE CORRIDA BEM PLANEJADO Entenda os princípios que não podem faltar na planilha de quem quer evoluir com a corrida: Você já ouviu falar que a corrida é um dos esportes mais democráticos

Leia mais

MODELOS DE PLANIFICAÇÃO DESPORTIVA *

MODELOS DE PLANIFICAÇÃO DESPORTIVA * MODELOS DE PLANIFICAÇÃO DESPORTIVA * Vicente GINER COSTAGLIOLA O planejamento do treinamento experimentou significativas modificações nos últimos anos. Estas mudanças se manifestaram sobre tudo nos conteúdos

Leia mais

O Planeamento o Treino de Rui Silva

O Planeamento o Treino de Rui Silva O Planeamento o Treino de Rui Silva Professor Bernardo Manuel Licenciado em Educação Física Mestre em Ciências do Desporto na área do treino de alto rendimento Professor Auxiliar Convidado FMH Treinador

Leia mais

Fases de uma Periodização 23/8/2010. Processo de Recuperação Fosfagênio Sist. ATP-CP. 1 Macrociclo = 6 meses Jan. Fev. Mar. Abr. Mai. Jun.

Fases de uma Periodização 23/8/2010. Processo de Recuperação Fosfagênio Sist. ATP-CP. 1 Macrociclo = 6 meses Jan. Fev. Mar. Abr. Mai. Jun. Sistemas Energéticos Recuperação pós-exercício Processo de Recuperação Fosfagênio Sist. ATP-CP Glicogênio Muscular após ativ. intervalada Glicogênio muscular após ativ. contínuas e prolongadas Remoção

Leia mais

DISCIPLINA: TREINAMENTO ESPORTIVO II Professor: Paulo César Neves

DISCIPLINA: TREINAMENTO ESPORTIVO II Professor: Paulo César Neves DISCIPLINA: TREINAMENTO ESPORTIVO II Professor: Paulo César Neves 2012 PLANEJAMENTO DE TRABALHO PERIODIZAÇÃO Periodização é o planejamento geral do tempo disponível para o treinamento, de acordo com as

Leia mais

Jornadas Técnicas da ADAL Novembro 2009

Jornadas Técnicas da ADAL Novembro 2009 Jornadas Técnicas da ADAL Novembro 2009 Planeamento do Treino do Jovem Marchador Carlos Carmino Leiria, 21 Novembro 09 Introdução O Atletismo é uma modalidade com uma variedade de experiências motoras

Leia mais

RESUMO O Fisiologista do exercício e o controle da carga

RESUMO O Fisiologista do exercício e o controle da carga RESUMO O Fisiologista do exercício e o controle da carga O papel do fisiologista é monitorar as variáveis fisiológicas que cercam o treinamento, permitindo avaliar o estado do atleta e realizar prognósticos

Leia mais

Bases do treinamento aeróbio para Corrida e Emagrecimento. Profª Ma. Kamilla Bolonha Gomes Profº Dr. Anselmo José Perez

Bases do treinamento aeróbio para Corrida e Emagrecimento. Profª Ma. Kamilla Bolonha Gomes Profº Dr. Anselmo José Perez Bases do treinamento aeróbio para Corrida e Emagrecimento Profª Ma. Kamilla Bolonha Gomes Profº Dr. Anselmo José Perez Unidade 3 - Plano de treinamento para a corrida 3.1 Processo do treinamento: metas,

Leia mais

Masters - Andebol. Julho Rui Resende

Masters - Andebol. Julho Rui Resende Masters - Andebol Julho 2012 Rui Resende rresende@ismai.pt Quem foi o responsável pela sua entrada no Andebol Nome, onde e com que idade Subtrair à idade e colocar por baixo do nome Quem foi o primeiro

Leia mais

CURSO: Metodologia de Treino e Preparação Física

CURSO: Metodologia de Treino e Preparação Física CURSO: Metodologia de Treino e Preparação Física MÓDULO 03: Alto Rendimento 961923009 / 228331303 www.altorendimento.net info@altorendimento.net 1. Planeamento- Introdução 2. Unidade de Treino 1) Objetivos

Leia mais

11/04/2011 Prof. José Figueiredo Minicurso um: UFRN NA COPA

11/04/2011 Prof. José Figueiredo Minicurso um: UFRN NA COPA 11/04/2011 Prof. José Figueiredo Minicurso um: UFRN NA COPA Estudo Prévio Definição de Objetivos Calendário de Competições Periodização Escolha dos meios de treinamento Distribuição das cargas de treinamento

Leia mais

Periodização Táctica

Periodização Táctica Periodização Táctica Do Paradigma da simplicidade ao da complexidade A.N.T.F Carlos Carvalhal Fevereiro de 2006 Edgar Morin Conhecer, cientificamente falando, até metade deste séc., fazia-se (e faz-se?!!)

Leia mais

Prof. Esp. Ricardo de Barros

Prof. Esp. Ricardo de Barros Prof. Esp. Ricardo de Barros Riccardo Rambo Potencial motor do organismo humano Sistema nervoso central, sistema neuromuscular e sistema de abastecimento energético Estrutura morfo-funcionalespecializada

Leia mais

Bases Metodológicas do Treinamento Desportivo

Bases Metodológicas do Treinamento Desportivo Bases Metodológicas do Treinamento Desportivo Unidade I Princípios do Treinamento Prof. Esp. Jorge Duarte Princípios do Treinamento A teoria e a metodologia do treinamento desportivo possuem princípios

Leia mais

ESTRUTURA E PREPARAÇÃO DO TREINAMENTO RICARDO LUIZ PACE JR.

ESTRUTURA E PREPARAÇÃO DO TREINAMENTO RICARDO LUIZ PACE JR. ESTRUTURA E PREPARAÇÃO DO TREINAMENTO RICARDO LUIZ PACE JR. Todo planejamento deve iniciar-se através da identificação das variáveis intervenientes no processo de preparação da estrutura do treinamento.

Leia mais

PRINCÍPIOS DO TREINAMENTO

PRINCÍPIOS DO TREINAMENTO PRINCÍPIOS DO TREINAMENTO A teoria e metodologia do treinamento esportivo têm princípios específicos baseados nas ciências biológicas, psicológicas e pedagógicas. Esses princípios refletem as particularidades

Leia mais

Periodização na Musculação. Prof. Dra. Bruna Oneda 2013

Periodização na Musculação. Prof. Dra. Bruna Oneda 2013 Periodização na Musculação Prof. Dra. Bruna Oneda 2013 Periodização Compreende a divisão da temporada de treino, com períodos particulares de tempo, contendo objetivos e conteúdos muito bem determinados.

Leia mais

Velocidade, coordenação, ritmo, etc. Muscular Força Cardio-respiratório Resistência Aeróbia Enzimático (LDH) Resistência Anaeróbia

Velocidade, coordenação, ritmo, etc. Muscular Força Cardio-respiratório Resistência Aeróbia Enzimático (LDH) Resistência Anaeróbia Treino com Jovens Meio-fundo (infantis Iniciados e Juvenis) Associação Distrital de Atletismo de Leiria Concentração de Meio-fundo Jovem Introdução Etapas do Plano de Carreira Que objetivos? Que treino?

Leia mais

Etapas para Planeamento do Treino

Etapas para Planeamento do Treino Etapas para Planeamento do Treino Planeamento do Treino Análise prévia Distância-alvo Métodos de treino Dinâmica da Carga Controlo do Treino Plano de carreira, Macrociclos, Períodos, Mesociclos e Microciclos

Leia mais

O TREINAMENTO DA VELOCIDADE PARA AS CORRIDAS DE FUNDO: CONSIDERAÇÃO SOBRE O MÉTODO FARTLEK *

O TREINAMENTO DA VELOCIDADE PARA AS CORRIDAS DE FUNDO: CONSIDERAÇÃO SOBRE O MÉTODO FARTLEK * O TREINAMENTO DA VELOCIDADE PARA AS CORRIDAS DE FUNDO: CONSIDERAÇÃO SOBRE O MÉTODO FARTLEK * Prof. Marcelo Augusti Técnico em Corridas de Fundo Especialização em Fisiologia do Exercício e Treinamento Desportivo

Leia mais

Planejamento plurianual. Formação do atleta e Plano de expectativa

Planejamento plurianual. Formação do atleta e Plano de expectativa Planejamento plurianual Formação do atleta e Plano de expectativa Planejamento de longo prazo Procedimento determinante na formação de um atleta de alto desempenho É comum estruturações de treinamentos

Leia mais

PLANEAMENTO PARA ATLETAS DE MARCHA EM RIO MAIOR. Jorge Miguel Treinador

PLANEAMENTO PARA ATLETAS DE MARCHA EM RIO MAIOR. Jorge Miguel Treinador PLANEAMENTO PARA ATLETAS DE MARCHA EM RIO MAIOR PLANEAMENTO PARA ATLETAS DE MARCHA EM RIO MAIOR ASPECTOS A CONSIDERAR: A motivação do treinador e as oportunidades. Os atletas e a sua motivação. Como chegar

Leia mais

Crescimento e Desenvolvimento Humano

Crescimento e Desenvolvimento Humano Crescimento e Desenvolvimento Humano Capacidades física e Motoras durante o processo de crescimento e Desenvolvimento Humano Desenvolvimento e Crescimento Humano Para se entender o processo de desenvolvimento

Leia mais

TREINAMENTO Processo repetitivo e sistemático composto de exercícios progressivos que visam o aperfeiçoamento da performance.

TREINAMENTO Processo repetitivo e sistemático composto de exercícios progressivos que visam o aperfeiçoamento da performance. TREINAMENTO Processo repetitivo e sistemático composto de exercícios progressivos que visam o aperfeiçoamento da performance. TREINAMENTO FÍSICO Repetição sistemática de exercícios que produz fenômenos

Leia mais

PERIODIZAÇÃO é a divisão do ano de treinamento em períodos particulares de tempo, com objetivos e conteúdos definidos. (Gomes e Souza, 2008).

PERIODIZAÇÃO é a divisão do ano de treinamento em períodos particulares de tempo, com objetivos e conteúdos definidos. (Gomes e Souza, 2008). PERIODIZAR é dividir de forma organizada o ciclo anual ou semestral de treinamento dos atletas, em períodos e etapas, buscando prepará-los para atingir objetivos pré-estabelecidos, na direção de encontrar

Leia mais

Processo para o ensino e desenvolvimento do futebol e futsal: ESTÁGIOS DE INICIANTES, AVANÇADOS E DE DOMÍNIO

Processo para o ensino e desenvolvimento do futebol e futsal: ESTÁGIOS DE INICIANTES, AVANÇADOS E DE DOMÍNIO Processo para o ensino e desenvolvimento do futebol e futsal: ESTÁGIOS DE INICIANTES, AVANÇADOS E DE DOMÍNIO Processo para o ensino do futebol/ futsal A metodologia para o ensino do futebol até a especialização

Leia mais

Centro Universitário Moura Lacerda Curso de Educação Física Treinamento Desportivo. Professor: Osvaldo Luis Milani

Centro Universitário Moura Lacerda Curso de Educação Física Treinamento Desportivo. Professor: Osvaldo Luis Milani Centro Universitário Moura Lacerda Curso de Educação Física Treinamento Desportivo Professor: Osvaldo Luis Milani PRINCÍPIOS CIENTÍFICOS BÁSICOS DO TREINAMENTO DESPORTIVO Princípio da Individualidade Biológica

Leia mais

PROJETO DE ACOMPANHAMENTO DO DESPORTO ESCOLAR

PROJETO DE ACOMPANHAMENTO DO DESPORTO ESCOLAR Faculdade de Motricidade Humana Agrupamento de Escolas D. Maria II Escola Básica e Secundária de Gama Barros Ano Letivo 2012/2013 PROJETO DE ACOMPANHAMENTO DO DESPORTO ESCOLAR NÚCLEO DE FUTSAL INFANTIS

Leia mais

TEORIA GERAL DO TREINO DESPORTIVO

TEORIA GERAL DO TREINO DESPORTIVO TEORIA GERAL DO TREINO DESPORTIVO AULA 1 LICENCIATURA EM CIÊNCIAS DA ACTIVIDADE FÍSICA HUMANA Organização da Disciplina Repartição Lectiva Carga Horária Semestral (S2) Aulas Teórica- Práticas 4ª Feira

Leia mais

Periodização do Treinamento. Vitor Leandro da Silva Profeta Mestrando em Ciências do Esporte

Periodização do Treinamento. Vitor Leandro da Silva Profeta Mestrando em Ciências do Esporte Periodização do Treinamento Esportivo aplicada ao TaeKwon-Do Vitor Leandro da Silva Profeta Mestrando em Ciências do Esporte Exercício Homeostase Síndrome da Adaptação Geral Estresse Resistência Exaustão

Leia mais

PREPARAÇÃO FÍSICA NO BASQUETEBOL

PREPARAÇÃO FÍSICA NO BASQUETEBOL PREPARAÇÃO FÍSICA NO BASQUETEBOL Prof.Dr. João Paulo Borin Conhecimento Acadêmico X Prática Desportiva UNIVERSIDADE QUADRA PESQUISADOR LABORATÓRIO TEORIA TREINADOR ATLETA PRÁTICA Ciência do Desporto Resultado

Leia mais

Personalizando seu treinamento. Educação WKO4 Prof. Dr. Fabiano Araujo, médico do esporte

Personalizando seu treinamento. Educação WKO4 Prof. Dr. Fabiano Araujo, médico do esporte Personalizando seu treinamento Educação WKO4 Prof. Dr. Fabiano Araujo, médico do esporte Um pouco de embasamento 2 Evolução dos dados Tempo / Pace Frequência cardíaca Potência Segue Segue Conduz 3 Medida

Leia mais

Aspectos Gerais do Treinamento Aeróbio: Planificação, Periodização e Capacidades Biomotoras

Aspectos Gerais do Treinamento Aeróbio: Planificação, Periodização e Capacidades Biomotoras Aspectos Gerais do Treinamento Aeróbio: Planificação, Periodização e Capacidades Biomotoras Curso Internacional de Meio Fundo e Fundo, 6 e 7 Junho 2015 Assunção, PAR Junho 2015 no esporte, como atleta,

Leia mais

AF Aveiro Formação de Treinadores. Fisiologia do Exercício

AF Aveiro Formação de Treinadores. Fisiologia do Exercício Fisiologia do Exercício Fisiologia do Exercício Fisiologia? A fisiologia = natureza, função ou funcionamento, ou seja, é o ramo da biologia que estuda as múltiplas funções mecânicas, físicas e bioquímicas

Leia mais

Licenciatura em MOTRICIDADE HUMANA

Licenciatura em MOTRICIDADE HUMANA INSTITUTO PIAGET Campus Universitário de Almada Instituto Superior de Estudos Interculturais e Transdisciplinares (ISEIT) / Almada Despacho Nº14446/2012 REGULAMENTO DE ESTÁGIO E RELATÓRIO FINAL Treino

Leia mais

Metodologia do Treino

Metodologia do Treino Metodologia do Treino 6 ECTS 1.º Ano, 2.º Semestre Área Científica Educação Física e Desporto (EFD) Objetivos de Aprendizagem Conhecer e fundamentar conceitos essenciais da metodologia do treino; Desenvolver

Leia mais

Título: Uma breve abordagem sobre periodização e sua transformação no futebol.

Título: Uma breve abordagem sobre periodização e sua transformação no futebol. Título: Uma breve abordagem sobre periodização e sua transformação no futebol. Do componente físico ao tático. Autor: Samuel Bertolini. A periodização no futebol teve um avanço significativo nos últimos

Leia mais

Exercícios Aquáticos. Princípios NATAÇÃO. Teste máximo de corrida realizado na água PROGRAMAÇÃO

Exercícios Aquáticos. Princípios NATAÇÃO. Teste máximo de corrida realizado na água PROGRAMAÇÃO Exercícios Aquáticos NATAÇÃO Natação Esportes aquáticos Hidroginástica Deep water Acqua jogger Hidrobike Hidroginástica Deep Water Teste máximo de corrida realizado na água PROGRAMAÇÃO Princípios do treinamento

Leia mais

REFERENCIAL DE FORMAÇÃO

REFERENCIAL DE FORMAÇÃO Federação: Federação Portuguesa de Alex Ryu Jitsu Modalidade/Disciplina: Alex Ryu Jitsu Conversão de Treinadores de Grau em Treinadores de Grau II Componente Prática: 6 horas Componente Teórica: 26 horas

Leia mais

Aspetos importantes na organização da sessão de treino

Aspetos importantes na organização da sessão de treino Aspetos importantes na organização da sessão de treino António Vasconcelos Raposo Treinador de Mérito de Natação Pura Desportiva Formador da Solidariedade Olímpica Internacional Formador da FINA Formador

Leia mais

TER AS IDEIAS CLARAS!!!

TER AS IDEIAS CLARAS!!! TER AS IDEIAS CLARAS!!! O jogo de Andebol poderá resumir-se a uma atividade acíclica cujos principais movimentos são abertos e realizados com intervalos de pausas de recuperação incompleta (3 a7 ), a uma

Leia mais

V Fórum da Natação Açores 2014 OPERACIONALIZAÇÃO DE UM MACROCICLO DE TREINO

V Fórum da Natação Açores 2014 OPERACIONALIZAÇÃO DE UM MACROCICLO DE TREINO OPERACIONALIZAÇÃO DE UM MACROCICLO DE TREINO A organização do processo de treino é uma tarefa complexa, onde múltiplos aspetos relacionados com atletas, infraestruturas, objetivos, métodos e meio, têm

Leia mais

MÉTODO DE REGISTRO E ANALISE DA CARGA DE TREINAMENTO NO LANÇAMENTO DO DISCO

MÉTODO DE REGISTRO E ANALISE DA CARGA DE TREINAMENTO NO LANÇAMENTO DO DISCO MÉTODO DE REGISTRO E ANALISE DA CARGA DE TREINAMENTO NO LANÇAMENTO DO DISCO JOSE AUGUSTO RODRIGUES PEREIRA 2 LESZEK ANTONI SZMUCHOROSWSKI 1- Universidade Federal de Juiz de Fora, Juiz de Fora, Minas Gerais,

Leia mais

Periodização do Treino no Futebol

Periodização do Treino no Futebol Curso de Preparadores Físicos 9 de Fevereiro de 2013 Periodização do Treino no Futebol João Aroso Periodizar Modelo Teórico Desenvolvimento do processo de treino no tempo A periodização do treino tem vindo

Leia mais

Apontamentos da prelecção de Miguel Escalona Expósito sobre o treino de Natalia Rodríguez Martínez na época de 2004/2005

Apontamentos da prelecção de Miguel Escalona Expósito sobre o treino de Natalia Rodríguez Martínez na época de 2004/2005 Apontamentos da prelecção de Miguel Escalona Expósito sobre o treino de Natalia Rodríguez Martínez na época de 2004/2005 XII Jornadas Técnicas de Escola Nacional de Treinadores Espanhóis, realizada em

Leia mais

Os exercícios pliométricos podem ser divididos em:

Os exercícios pliométricos podem ser divididos em: PLIOMETRIA Por João Coutinho INTRODUÇÃO 1 O termo pliometria refere-se a exercícios específicos que envolvam o Ciclo Alongamento-Encurtamento (CAE), isto é, um rápido alongamento da musculatura seguido

Leia mais

DA PREPARAÇÃO DESPORTIVA

DA PREPARAÇÃO DESPORTIVA 1 Princípios científicos da preparação desportiva PREPARAÇÃO DESPORTIVA, LEIS E REGRAS O treinamento desportivo moderno como um processo pedagógico ocorre sob a orientação dos conhecidos princípios científicos,

Leia mais

CAPACIDADES FÍSICAS CAPACIDADE

CAPACIDADES FÍSICAS CAPACIDADE CAPACIDADES FÍSICAS CAPACIDADE = latim Capacitate, que significa qualidade que pessoa ou coisa tem de satisfazer para um determinado fim; habilidade; aptidão Segundo Gundlach (1968), as Capacidades Motoras

Leia mais

Módulo III. Modelos de periodização. Progressão. Progressão. Progressão. Progressão. Prescrição de Exercício. I Estágio Inicial

Módulo III. Modelos de periodização. Progressão. Progressão. Progressão. Progressão. Prescrição de Exercício. I Estágio Inicial Módulo III Prescrição de Exercício valiação Modelos de periodização Interpretação Prescrição Modalidade Freqüência Precauções Duração Intensidade CSM, Guidelines for exercise testing and prescription,(006).

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO CENTRO DE EDUCAÇÃO FÍSICA E DESPORTOS DEPARTAMENTO DE DESPORTOS ANEXO I. Plano de ensino

UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO CENTRO DE EDUCAÇÃO FÍSICA E DESPORTOS DEPARTAMENTO DE DESPORTOS ANEXO I. Plano de ensino Universidade Federal do Espírito Santo Curso: Educação Física / Licenciatura UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO ANEXO I Plano de ensino Departamento responsável: Departamento de Desportos Data de Aprovação

Leia mais

Justificativa para novas abordagens de treinamento de força no futebol.

Justificativa para novas abordagens de treinamento de força no futebol. Justificativa para novas abordagens de treinamento de força no futebol. Introdução. De alguns anos para cá, muitas metodologias importadas da Europa vêm tomando conta do cenário de treinamento no futebol

Leia mais

Educação Física. Atividade desportiva. Processo de Elevação e manutenção da Condição Física TREINO

Educação Física. Atividade desportiva. Processo de Elevação e manutenção da Condição Física TREINO Educação Física Atividade desportiva 1. Processo de Elevação da Professor João Pedro Salvador Processo de Elevação e manutenção da Através de que processo uma pessoa pode elevar a? TREINO Capacidade Funcional

Leia mais

Congresso Internacional de Ciclismo Objetivo 2012 Plataforma de Desenvolvimento do BTT. Anadia, Julho 2012 Pedro Vigário

Congresso Internacional de Ciclismo Objetivo 2012 Plataforma de Desenvolvimento do BTT. Anadia, Julho 2012 Pedro Vigário Congresso Internacional de Ciclismo Objetivo 2012 Plataforma de Desenvolvimento do BTT Anadia, Julho 2012 Pedro Vigário Objetivo 1 apuramento para os jogos Objetivo 2 desenvolvimento geral da vertente

Leia mais

Curso de Treinadores de Futebol UEFA C - Raízes / Grau I. Componente de Formação Geral Didática do Desporto (2)

Curso de Treinadores de Futebol UEFA C - Raízes / Grau I. Componente de Formação Geral Didática do Desporto (2) Curso de Treinadores de Futebol UEFA C - Raízes / Grau I Componente de Formação Geral Didática do Desporto (2) Rui Pedro Lima Pinho Rui.pedro.pinho84@gmail.com Curso de Treinadores de Futebol UEFA C -

Leia mais

Maria Tereza Silveira Böhme

Maria Tereza Silveira Böhme Maria Tereza Silveira Böhme terbohme@usp.br Início e desenvolvimento Objetivos Fundamentos teóricos Programas canadense e alemão de TLP Realidade brasileira Produção científica do GEPETIJ Dissertações

Leia mais

INICIAÇÃO DESPORTIVA INICIAÇÃO AO FUTSAL Prof.: Msd.: Ricardo Luiz Pace Jr.

INICIAÇÃO DESPORTIVA INICIAÇÃO AO FUTSAL Prof.: Msd.: Ricardo Luiz Pace Jr. INICIAÇÃO DESPORTIVA INICIAÇÃO AO FUTSAL Prof.: Msd.: Ricardo Luiz Pace Jr. INICIAÇÃO DESPORTIVA Primeiro contato da criança com o esporte de interesse. Suas regras, fundamentos, movimentações vão sendo

Leia mais

VELOCIDADE VELOCIDADE - SÍNTESE 13/04/2015 PRINCÍPIOS METODOLÓGICOS OPERACIONALIZAÇÃO PRÁTICA. Introdução. Definição. A Velocidade no Futebol

VELOCIDADE VELOCIDADE - SÍNTESE 13/04/2015 PRINCÍPIOS METODOLÓGICOS OPERACIONALIZAÇÃO PRÁTICA. Introdução. Definição. A Velocidade no Futebol 13/04/2015 VELOCIDADE PRINCÍPIOS METODOLÓGICOS OPERACIONALIZAÇÃO PRÁTICA Bruno Romão 13/04/2015 VELOCIDADE - SÍNTESE 1. Introdução 2. Definição 3. A no Futebol 4. Formas de Manifestação de 5. Factores

Leia mais

Agrupamento de Escolas Sá da Bandeira - Santarém - Curso Profissional de Tec. Apoio Gestão Desportiva PAFD Módulo 2 Metodologia do Treino

Agrupamento de Escolas Sá da Bandeira - Santarém - Curso Profissional de Tec. Apoio Gestão Desportiva PAFD Módulo 2 Metodologia do Treino Conceito de TREINO Por treino desportivo entende-se o conjunto de processos que, através de variadas formas de exercício, visam preparar o atleta a nível físico, técnico-táctico, intelectual, ético e psicológico,

Leia mais

Exercício 1: Dica Importante: Muita gente fica empancada nesta tarefa porque usa a desculpa de. Olá ciclista!

Exercício 1: Dica Importante: Muita gente fica empancada nesta tarefa porque usa a desculpa de. Olá ciclista! Olá ciclista! Este é um PDF de apoio que te vai ajudar a cumprir os primeiros passos necessários para prescreveres o teu treino. Nada é feito por acaso, e por detrás de cada decisão de: O que vou treinar

Leia mais

RESISTÊNCIA SÍNTESE. 1. A resistência. 2. Caraterização do esforço no Futebol. 3. Treino de jovens. 4. Princípios metodológicos. 5. Síntese 13/04/2015

RESISTÊNCIA SÍNTESE. 1. A resistência. 2. Caraterização do esforço no Futebol. 3. Treino de jovens. 4. Princípios metodológicos. 5. Síntese 13/04/2015 13/04/2015 RESISTÊNCIA OPERACIONALIZAÇÃO PRÁTICA Bruno Romão 13/04/2015 SÍNTESE 1. A resistência 2. Caraterização do esforço no Futebol 3. Treino de jovens 4. Princípios metodológicos 5. Síntese 1 A RESISTÊNCIA...

Leia mais

Navarro, F. In Planificacion del entrenamiento a largo plazo

Navarro, F. In Planificacion del entrenamiento a largo plazo Um programa de treino bem organizado e planificado, durante um período de tempo prolongado, aumenta a eficácia da preparação para as competições futuras mais importantes, uma vez que: introduz uma utilização

Leia mais

Agrupamento Escolas de Figueiró dos Vinhos

Agrupamento Escolas de Figueiró dos Vinhos Agrupamento Escolas de Figueiró dos Vinhos Disciplina de Estudo do Movimento Professor Ricardo Ramos Ano letivo 2014/2015 Módulo 4 Qualidades Físicas Técnico de Apoio à Gestão Desportiva Aluno: N.º : Classificação:

Leia mais

3.Resistência Anaeróbia

3.Resistência Anaeróbia Treinamento de Valências Físicas e Modelo Tridimensional Valências Físicas 1. 2.Resistência Aeróbia 3.Resistência Anaeróbia 1 Valências Físicas 1. É a quantidade máxima de força que um músculo ou grupamento

Leia mais

TIPOS DE MACROCICLOS EXISTENTES

TIPOS DE MACROCICLOS EXISTENTES TIPOS DE MACROCICLOS EXISTENTES Variante Macrociclo Periodização Utilizado para: I Quadrimestral Simples Atletas adolescentes ou iniciantes Tripla Necessidade de 3 peaks acentuados II Semestral Simples

Leia mais

III Seminário de Treino de Atletismo

III Seminário de Treino de Atletismo Lisboa 26 de Novembro 2011 - Mundial de Daegu 2011 Lisboa 26 de Novembro 2011 - Mundial de Daegu 2011 Planeamento da Época 2010/2011 Dupla Periodização Maio Taça da Europa de Marcha (Olhão) Agosto Campeonato

Leia mais

ESCOLA NACIONAL DE PISTA

ESCOLA NACIONAL DE PISTA CONGRESSO INTERNACIONAL DE CICLISMO ESCOLA NACIONAL DE PISTA ANADIA, JULHO 2012 GABRIEL MENDES UVP-FPC RESUMO ESCOLA DE CICLISMO DE PISTA O CONTEXTO OS OBJECTIVOS MODELO DE DESENVOLVIMENTO BASE DO SUCESSO

Leia mais

Rede Nacional de Treinamento Atletismo. Centro Nacional de Treinamento Atletismo São Paulo. Relatório março Elaborado: Lázaro Pereira Velázquez

Rede Nacional de Treinamento Atletismo. Centro Nacional de Treinamento Atletismo São Paulo. Relatório março Elaborado: Lázaro Pereira Velázquez Rede Nacional de Treinamento Atletismo Centro Nacional de Treinamento Atletismo São Paulo Relatório março 2017 Elaborado: Lázaro Pereira Velázquez Gerente de Esporte I CNTA São Paulo Treinadores: Anísio

Leia mais

PROJETO RIO MAIOR 2016 DESMOR CONFEDERAÇÃO BRASILEIRA DE TRIATHLON APRESENTAÇÃO PROCESSO DE SELEÇÃO DE ATLETAS SETEMBRO 2010

PROJETO RIO MAIOR 2016 DESMOR CONFEDERAÇÃO BRASILEIRA DE TRIATHLON APRESENTAÇÃO PROCESSO DE SELEÇÃO DE ATLETAS SETEMBRO 2010 PROJETO RIO MAIOR 2016 DESMOR CONFEDERAÇÃO BRASILEIRA DE TRIATHLON APRESENTAÇÃO PROCESSO DE SELEÇÃO DE ATLETAS SETEMBRO 2010 1. INTRODUÇÃO A Confederação Brasileira de Triathlon (CBTri) criada no ano de

Leia mais

TEORIA E METODOLOGIA DO TREINO ESPECÍFICO

TEORIA E METODOLOGIA DO TREINO ESPECÍFICO TEORIA E METODOLOGIA DO TREINO ESPECÍFICO AULA 2 LICENCIATURA EM CIÊNCIAS DA ACTIVIDADE FÍSICA HUMANA BASES CONCEPTUAIS PARA A CONSTRUÇÃO DOS EXERCÍCIOS DE TREINO Fundamentação Biológica do Treino Na temática

Leia mais

A minha Filosofia de Treino em Atletismo

A minha Filosofia de Treino em Atletismo A minha Filosofia de Treino em Atletismo Por Jorge Miguel Treinador de Atletas Olimpicos Como treinador de Atletismo há mais de trinta anos,a minha experiência nesta modalidade leva-me a afirmar que no

Leia mais

FORMAÇÃO DE TREINADORES GRAU I METODOLOGIA DE TREINO

FORMAÇÃO DE TREINADORES GRAU I METODOLOGIA DE TREINO FORMAÇÃO DE TREINADORES GRAU I DEFINIÇÃO DE ADAPTAÇÃO ADAPTAÇÃO PROCESSO PROGRESSIVO PROCESSO REGRESSIVO Reorganização após estimulo TÉCNICOS TÁTICOS FÍSICOS PSICO-COGNITIVOS Específica Limitada DEFINIÇÃO

Leia mais

Estrutura e planificação do treinamento desportivo

Estrutura e planificação do treinamento desportivo Estrutura e planificação do treinamento desportivo Licenciado en Educación Física. Especialista en Fisiología del ejercicio (UniFMU - Brasil). Especialista en Metodología del entrenamineto deportivo (

Leia mais

ASSUNTOS: POFFTE VOLUME II PARTE I CAPÍTULO I Formação de Treinadores de Dressage

ASSUNTOS: POFFTE VOLUME II PARTE I CAPÍTULO I Formação de Treinadores de Dressage NEF NEF nº 24/ENE/08 Lisboa, 19 de Setembro de 2008 ASSUNTOS: POFFTE VOLUME II PARTE I CAPÍTULO I Formação de Treinadores de Dressage a) Designação Treinador de Dressage b) Área / Domínio de Actividade

Leia mais

Orientações para o Treino da Resistência no Montanhismo

Orientações para o Treino da Resistência no Montanhismo Orientações para o Treino da Resistência no Montanhismo Vantagens da Adequação do Treino aos Objectivos Desempenho aumento da capacidade física e rendimento; Eficiência melhoria da relação entre o esforço

Leia mais

O Contrato de Trabalho Desportivo

O Contrato de Trabalho Desportivo O Contrato de Trabalho Desportivo A Lei de Bases do Sistema Desportivo (lei n.º 1/90, de Janeiro, alterada pela Lei n.º19/96, de 25 de Junho) encarregou o legislador de criar um regime próprio de contrato

Leia mais

Unidades de Formação e Cargas Horárias Andebol - Grau III

Unidades de Formação e Cargas Horárias Andebol - Grau III Unidades de Formação e Cargas Horárias Andebol - Grau III UNIDADES DE FORMAÇÃO HORAS 1. CARACTERIZAÇÃO DO JOGO 6 2. REGRAS DO JOGO E REGULAMENTOS ESPECÍFICOS 4 3. MEIOS DE ENSINO DO JOGO 20 4. COMPONENTES

Leia mais

Treino com Jovens Meio-fundo (infantis Iniciados e Juvenis)

Treino com Jovens Meio-fundo (infantis Iniciados e Juvenis) Treino com Jovens Meio-fundo (infantis Iniciados e Juvenis) Sector de Meio-fundo da Federação Portuguesa de Atletismo Introdução Etapas do Plano de Carreira Que objectivos? Que treino? Que participação

Leia mais

Curso de Treinadores de Futebol UEFA C - Raízes / Grau I Cursos Novo Regime /2016. Componente de Formação Geral Didática do Desporto

Curso de Treinadores de Futebol UEFA C - Raízes / Grau I Cursos Novo Regime /2016. Componente de Formação Geral Didática do Desporto Curso de Treinadores de Futebol UEFA C - Raízes / Grau I Cursos Novo Regime - 2015/2016 Componente de Formação Geral Didática do Desporto (2) 2016.01.20 e 21 Rui Pedro Lima Pinho ruipinho@essps.pt Curso

Leia mais

MICROCICLOS - Modelos

MICROCICLOS - Modelos O MICROCICLO É A MENOR FRAÇÃO DO PROCESSO DE TREINAMENTO. COMBINANDO FASES DE ESTÍMULO E RECUPERAÇÃO, CRIA AS CONDIÇÕES NECESSÁRIAS PARA QUE OCORRA O FENÔMENO DA SUPER- COMPENSAÇÃO, MELHORANDO O NÍVEL

Leia mais

Faculdade de Motricidade Humana Unidade Orgânica de Ciências do Desporto TREINO DA RESISTÊNCIA

Faculdade de Motricidade Humana Unidade Orgânica de Ciências do Desporto TREINO DA RESISTÊNCIA Faculdade de Motricidade Humana Unidade Orgânica de Ciências do Desporto TREINO DA RESISTÊNCIA A capacidade do organismo de resistir à fadiga numa actividade motora prolongada. Entende-se por fadiga a

Leia mais

Referenciais de FORMAÇÃO

Referenciais de FORMAÇÃO Versão 1.00 Referenciais de FORMAÇÃO HÓQUEI PATINS Grau II Versão 1.00 Referenciais de FORMAÇÃO HÓQUEI PATINS Grau II Edição: Conteúdos: Data: Instituto Português do Desporto e Juventude, I.P. Federação

Leia mais

Associação de Futebol da Guarda

Associação de Futebol da Guarda Cronograma: Curso de Treinadores de Futsal 1º Nível Aulas Teóricas Dezembro/08 Janeiro/09 As Capacidades Motoras 17 / Janeiro 19 / Janeiro 21 / Janeiro Avaliação Teórica Avaliação Prática 04 / Fevereiro

Leia mais

Conselho da União Europeia Bruxelas, 11 de julho de 2016 (OR. en)

Conselho da União Europeia Bruxelas, 11 de julho de 2016 (OR. en) Conselho da União Europeia Bruxelas, 11 de julho de 2016 (OR. en) 10796/16 ECOFIN 678 UEM 264 ATOS LEGISLATIVOS E OUTROS INSTRUMENTOS Assunto: DECISÃO DO CONSELHO que estabelece que Portugal não tomou

Leia mais

Calendário: agosto a maio Pré-temporada: junho Volume de treinamento: 20 a 25 horas semanais

Calendário: agosto a maio Pré-temporada: junho Volume de treinamento: 20 a 25 horas semanais PERIODIZAÇÃO DE TREINAMENTO CSKA Competição: temporada 2007/2008 Calendário: agosto a maio Pré-temporada: junho Volume de treinamento: 20 a 25 horas semanais Duração de cada sessão de treinamento: 90'

Leia mais

Bioquímica Aplicada ao Exercício Físico e Princípios do Treinamento

Bioquímica Aplicada ao Exercício Físico e Princípios do Treinamento Universidade de São Paulo Escola de Educação Física e Esporte Bioquímica Aplicada ao Exercício Físico e Princípios do Treinamento André Casanova Silveira João Lucas Penteado Gomes Ago/2016 Referência Bibliografia

Leia mais

PREPARAÇÃO FÍSICA. Qualidades físicas e métodos de treinamento. 30/09/2014 Anselmo Perez

PREPARAÇÃO FÍSICA. Qualidades físicas e métodos de treinamento. 30/09/2014 Anselmo Perez PREPARAÇÃO FÍSICA Qualidades físicas e métodos de treinamento PREPARAÇÃO FÍSICA ou Treinamento Físico Conceito: componente que compreende os meios utilizados para o desenvolvimento das qualidades físicas

Leia mais

Época 2013/2014. Ginásio Clube de Santo Tirso Secção Natação Pura Competição

Época 2013/2014. Ginásio Clube de Santo Tirso Secção Natação Pura Competição Época 2013/2014 Ginásio Clube de Santo Tirso Secção Natação Pura Competição Filosofia e Objetivos O ensino, a promoção, divulgação e prática de natação Filosofia e Objetivos Secção Natação Pura (Competição)

Leia mais

Artigo. Desporto Escolar

Artigo. Desporto Escolar Artigo Desporto Escolar 1. O desporto escolar é uma atividade extracurricular de complemento à disciplina de Educação Física. Só pode ser dado por professores de Educação Física ou por professores que,

Leia mais

Quanto mais se tem, mais se busca!!!!!

Quanto mais se tem, mais se busca!!!!! Velocidade Quanto mais se tem, mais se busca!!!!! Carros Aviação Internet Esportes Velocidade Mecanicamente, a velocidade é demonstrada por meio da relação entre espaço e tempo. Velocidade No TKD, a velocidade

Leia mais

Período de Preparação Período de Competição Período de Transição

Período de Preparação Período de Competição Período de Transição PERIODIZAÇÃO Desde que a chamada "Ciência do Esporte" passou a sistematizar e metodizar o Treinamento Desportivo, a periodização passou a ser a única forma de se organizar todo o trabalho realizado durante

Leia mais

Apostila Power Pole. Aprenda Montar Aulas Incríveis!

Apostila Power Pole. Aprenda Montar Aulas Incríveis! Aprenda Montar Aulas Incríveis! Índice 1. O que é Power Pole Como surgiu A quem se destina O que você aprenderá com esta apostila 2. Informações Sobre a Aula Divisões da aula Objetivos das séries Organização

Leia mais

TEMA 5: Preparação física na formação de 11 a 17 anos Palestrante: Beto Carnevale

TEMA 5: Preparação física na formação de 11 a 17 anos Palestrante: Beto Carnevale Xxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxx TEMA 5: Preparação física na formação de 11 a 17 anos Palestrante: Beto Carnevale O técnico bem sucedido é aquele que transmite Xxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxx

Leia mais