Engenharia de Produção Logística Empresarial e Cadeia de Suprimentos Logística e seus subsistemas Edelvino Razzolini Filho

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Engenharia de Produção Logística Empresarial e Cadeia de Suprimentos Logística e seus subsistemas Edelvino Razzolini Filho"

Transcrição

1 Projeto Curso Disciplina Tema Professor Coordenadora Pós-graduação Engenharia de Produção Logística Empresarial e Cadeia de Suprimentos Logística e seus subsistemas Edelvino Razzolini Filho Luizete Fabris Introdução Neste encontro, conheceremos os cinco subsistemas da logística, analisando com mais detalhes um deles: a logística de suprimentos, a fim de verificar sua importância para desenvolvimento dos processos dentro da organização. Bons estudos! Acesse o material on-line e assista à videoaula do professor Edelvino para ver os conteúdos que serão trabalhados neste tema. A logística empresarial é um conceito amplo, que inclui as atividades logísticas executadas para atingir um nível de serviço elevado, por um preço que os clientes estejam dispostos a pagar. Assim, perpassa toda a organização, já que todo o sistema organizacional é afetado pelas atividades logísticas, distribuídas em subsistemas responsáveis por cada uma das etapas existentes. Os subsistemas logísticos são divisões funcionais dentro de um sistema mais amplo. Assim, para que o sistema logístico funcione, existem alguns subsistemas que se incumbem de executar atividades específicas dentro da cadeia de suprimentos, são eles: logística de suprimentos; logística de produção; logística de distribuição; logística de pós-venda e logística reversa. A 1

2 figura a seguir ilustra a relação entre a logística e o ambiente organizacional, veja: Figura 1: Os Subsistemas Logísticos e seu Ambiente. Nela, é possível perceber que o sistema logístico faz parte do ambiente organizacional devendo, portanto, interagir com os demais subsistemas organizacionais (marketing, produção, finanças, recursos humanos etc.) e, ainda, com o ambiente operacional externo (operadores logísticos, bancos, seguradoras, concorrentes, clientes, canal de distribuição etc.). Nas próximas seções, trataremos de cada um desses subsistemas isoladamente. Mas, antes de prosseguir, clique no link a seguir e assista a um vídeo que vai ajudar você a entender o conceito de logística. Acesse o material on-line e assista à videoaula do professor Edelvino. Ele vai trazer mais informações a respeito da gestão da logística e seus fluxos. 2

3 Logística de Suprimentos A logística é composta por três grandes subsistemas: de suprimentos, de produção (ou transformação) e de distribuição. A primeira atividade do processo de abastecimento é a identificação de fontes de fornecimento de matérias-primas e/ou componentes. Numa etapa seguinte, deve-se estabelecer uma avaliação destes e selecionar os que têm capacidade de oferecer os itens na quantidade desejada, dentro do que foi especificado, nos prazos estabelecidos e com preços competitivos. Na grande maioria das empresas, essa atividade é exercida por uma área especializada denominada compras ou aquisições. De forma geral, essa área busca suprir as organizações com os itens necessários para seu pleno funcionamento. Os principais tipos de aquisições ou compras que encontramos são: 1. Matérias-primas, suprimentos e insumos: trata-se da aquisição de bens e serviços para produção, voltados ao negócio principal da organização, como itens que integram a composição de produtos na linha de produção, que precisam ser comprados frequentemente; Materiais de consumo: materiais necessários para o pleno funcionamento da organização, basicamente no apoio das operações. São itens que não integram o processo produtivo (como papel para impressoras numa indústria de alimentos) e precisam ser comprados frequentemente; Bens patrimoniais ou de capital: trata-se da aquisição de terrenos, prédios, equipamentos industriais etc., que integrarão o capital da empresa. Itens assim são adquiridos eventualmente. 3

4 Gestão de Compras Compras é a atividade logística que visa assegurar a disponibilidade dos materiais corretos (com todas as características de qualidade desejáveis), no momento certo, no lugar certo ao preço mais adequado (melhor relação custobenefício). Em virtude do elevado número de itens geralmente comprados, sua representatividade em termos financeiros é elevada e, com isso, ocupa um papel estratégico no gerenciamento organizacional. O volume de compras impacta sobre o fluxo de caixa das organizações, podendo comprometer seus demais compromissos financeiros. A função compras é parte integrante da cadeia de suprimentos e deve ocupar-se da previsibilidade da necessidade de repor materiais, estimando o impacto de eventuais faltas e tendo como principais objetivos: Administrar os níveis de estoques; Suprir as necessidades da produção; Investir em compras o mínimo indispensável (gerenciando os volumes comprados); Obter condições de compras que apresentem uma boa relação custobenefício; Desenvolver os fornecedores; Cuidar dos aspectos da qualidade; Monitorar tendências. Isso significa que o responsável pelas compras da organização deve administrar corretamente as necessidades de materiais em relação ao tempo de reabastecimento, mantendo organizados os arquivos com registros históricos do comportamento da demanda; realizando as aquisições de patrimônio e pesquisando permanentemente novos fornecedores. 4

5 A função de pesquisa na área de compras implica na investigação permanente como uma condição básica, que deve realizar, entre outras atividades: Estudo dos materiais; Estudo dos processos; Análise econômica; Análise de custos e preços; Análise de embalagens; Estudo de modais de transporte. Isso implica a necessidade de manter um sistema de informações com o controle de inventário; os registros históricos dos materiais comprados e das ordens de compra, os pedidos de fornecimento; os relatórios gerenciais e operacionais; as fichas de fornecedores etc. Em síntese, o planejamento de compras deve seguir um esquema como o representado na figura a seguir: 1. Analisar a necessidade de materiais 2. Analisar a restrição de recursos 3. Equilibrar a necessidade de materiais com a capacidade de suprimento 4. Elaborar o plano de suprimento Figura 2: Planejamento de Suprimentos. Fonte: Bertaglia (2003, p. 152). A figura permite perceber que tudo se inicia com informações sobre a demanda, analisando as necessidades de materiais que devem ser comprados, para em seguida realizar um estudo das restrições de recursos existentes na 5

6 organização, a fim de equilibrar as necessidades de materiais com a capacidade de suprir essa demanda. Tendo todas essas informações, é possível elaborar o plano de suprimento. Compras é a parte do processo logístico na qual se planeja, implementa e coordena as atividades de identificação e seleção de fornecedores, bem como se estabelece relacionamentos comerciais com estes. Isso pode acontecer no sistema tradicional (no qual é feito uma aquisição para cada necessidade) ou no estabelecimento de relações mais duradouras (como processos de abastecimento frequente). A unidade de compras é responsável pelos custos dos materiais adquiridos e toda sua composição adjunta, como transporte, armazenamento etc. Portanto, esta é uma área de grande importância, não somente pelos recursos financeiros envolvidos, mas pela responsabilidade da gerência do processo no que concerne à pontualidade, qualidade e quantidade dos pedidos entregues. Quando se fala em suprimentos, imediatamente nos vem à mente a questão do abastecimento. Ou seja, pensamos em como fazer para garantir os recursos necessários aos sistemas de produção. Portanto, a logística de suprimentos é o subsistema responsável por garantir que os sistemas de produção terão à sua disposição as matérias-primas e demais insumos, no momento em que necessitarem, com a qualidade desejada e com os menores custos possíveis. O processo de suprimento inicia quando alguma outra área da organização emite uma solicitação de materiais de escritório, peças de reposição, matérias-primas, insumos, equipamentos, máquinas e outros. Esse processo somente se encerra quando a área solicitante recebe o material, informa que o mesmo foi entregue conforme as especificações estabelecidas e autoriza o pagamento. As principais atividades desse subsistema são pesquisar, escolher, desenvolver e manter cadastrados fornecedores que possam atender à 6

7 demanda da organização em termos de materiais necessários para o sistema de produção (matérias-primas, materiais auxiliares e todos os demais insumos utilizados na organização). Outra atividade fundamental no subsistema logística de suprimentos é elaborar e gerenciar processos de avaliação de desempenho que permitam acompanhar o desempenho dos fornecedores para assegurar que eles possam acompanhar a evolução da organização de forma estável e contínua. Além disso, a logística de suprimentos deve controlar e gerenciar os armazéns e seus respectivos estoques, tanto na entrada quanto durante o processo produtivo, gerenciando os estoques de produtos em processo (WIPs) 1. Seleção, Desenvolvimento e Manutenção de Fornecedores Uma das atividades mais importantes da logística de suprimentos é garantir que a organização conte com fornecedores capacitados, prontos para atender às necessidades da produção em termos de matérias-primas e insumos com a qualidade necessária e no momento em que a organização precise. Assim, é fundamental que se realize a seleção, o desenvolvimento e a manutenção de fornecedores qualificados. Segundo Bertaglia (2003, p. 159), selecionar os provedores e manter relacionamentos duradouros é de fundamental importância para obter vantagem competitiva nesse processo. Assim, o processo deve iniciar com uma análise permanente do ambiente em que a organização atua, visando monitorar possíveis fornecedores. Identificando-se esses possíveis fornecedores, eles devem ser selecionados segundo critérios preestabelecidos pela organização. Aqueles eventuais fornecedores que não atendam aos prérequisitos podem passar por um processo de desenvolvimento, com o objetivo de qualificá-los segundo as necessidades da organização. 1 WIP Work in Process ou Work in Progress, refere-se aos produtos que estão em elaboração dentro do processo produtivo. 7

8 Tendo os fornecedores devidamente qualificados, cabe à logística de suprimentos a sua manutenção em condições permanentes de atendimento. Isso significa que eles devem ser avaliados permanentemente, o que significa que a organização deve possuir um sistema de avaliação de desempenho. Acesse o material on-line e assista à videoaula do professor Edelvino. Ele vai trazer mais informações a respeito dos níveis de serviços logísticos. Avaliação do Desempenho de Fornecedores Avaliar o desempenho dos fornecedores é fundamental para saber se eles estão atendendo a contento as necessidades da organização, a partir de indicadores que permitam mensurar a performance dos fornecedores. Segundo Razzolini Filho (2006, p. 51), os indicadores de desempenho são medidas que buscam medir a eficiência de um dado processo ou operação em relação à utilização de recursos. Ou seja, é necessário avaliar se os fornecedores estão possibilitando à organização racionalizar os recursos envolvidos no processo de suprir as demandas da produção em relação aos objetivos preestabelecidos. A figura a seguir permite compreender como funciona o processo de avaliação de desempenho: Figura 3: A Origem e os Fluxos do Processo de Avaliação. Fonte: Razzolini Filho (2006, p. 85). 8

9 Analisando a figura, é possível perceber que o processo de avaliação inicia a partir da definição de objetivos e metas a serem atingidos e das práticas de benchmarking, as quais permitem construir os padrões de referência que servirão como orientadores para a avaliação do desempenho dos sistemas logísticos (no caso, dos fornecedores). Os serviços logísticos são então executados e avalia-se seu desempenho, buscando identificar eventuais desvios em relação ao que foi estabelecido como meta a ser atingida. Caso sejam constatados desvios em relação ao planejado, analisam-se as causas dos desvios e isso realimenta o processo para redesenhar os serviços logísticos, se necessário, e redefinir os padrões de referência, também caso necessário. Alguns aspectos importantes a serem considerados no desempenho dos fornecedores são a capacidade; a flexibilidade operacional e de processos; o atendimento (nível de serviço); o tempo dos serviços (de processamento, entrega etc.) e os custos. Adotando-se critérios de avaliação de desempenho, a perspectiva é de melhoramentos na cadeia de suprimentos como um todo, agregando-se valor aos clientes finais. Gerenciamento e Controle de Estoque Outra importante função da logística de suprimentos é gerenciar e controlar adequadamente os estoques à disposição da organização, uma vez que os estoques representam o maior volume de recursos financeiros no ativo circulante. Essencialmente, os estoques funcionam como reguladores de fluxo, uma vez que os tempos de ciclo em cada elo da cadeia de suprimentos são diferentes. Funcionam, também, como reservas de tempo, ou seja, enquanto se aguarda o recebimento de materiais do elo imediatamente antecessor na cadeia de suprimentos, consome-se os materiais disponíveis no estoque. Porém, existem várias razões para manter os estoques: 9

10 Economia de escala; Estabelecimento do equilíbrio entre a oferta e a demanda; Especialização; Proteção contra incertezas; Regulação do fluxo nas interfaces da cadeia de suprimentos. Para se obter uma economia de escala, compra-se quantidades economicamente vantajosas, ou seja, volumes que permitem ganhos no transporte e no próprio processo de compras. Assim, para o estabelecimento do equilíbrio entre a oferta e a demanda, é necessário que as duas coisas não aconteçam simultaneamente, exigindo a formação de estoques para equilibrar as diferenças de tempo entre os dois momentos. Existem situações em que as organizações instalam unidades especializadas na produção de determinados itens, exigindo estoques também especializados. Os estoques formados como proteção contra incertezas são decorrência das inúmeras possibilidades que podem impactar nos tempos de ciclo de ressuprimento, como greves (internas ou externas), falta de matériaprima, eventuais aumentos de preços e de demanda não previstos, sazonalidade na oferta de matérias-primas entre outros motivos. Como elemento regulador do fluxo, conforme já comentado, os estoques agem nas seguintes interfaces: Fornecedor Suprimentos Produção Vendas Distribuição Figura 4 Interfaces do estoque. Isso acontece em virtude das diferenças entre cada um dos tempos de ciclo nessas interfaces. 10

11 A partir da necessidade de se formar estoques, é necessário um adequado controle desses, utilizando-se métodos adequados para a armazenagem e para a entrada e saída dos materiais. Uma das principais dificuldades dentro da gestão de estoques está em buscar conciliar da melhor maneira possível os diferentes objetivos de cada departamento para os estoques, sem prejudicar a operacionalidade da empresa. Você ainda tem alguma dúvida a respeito do controle de estoque? Então clique no link a seguir e assista a um vídeo no qual o professor Paulo Resende, especialista em infraestrutura e cadeia de suprimentos, conversa com Roberto Sagot sobre a gestão da cadeia de suprimentos. Síntese Neste tema vimos com detalhes a logística de suprimentos, analisando como a gestão de compras, o gerenciamento e controle de estoque e avaliação do desempenho de fornecedores podem auxiliar no desenvolvimento e na organização da empresa. Acesse o material on-line e assista à videoaula do professor Edelvino. Ele vai apresentar uma síntese dos assuntos que foram trabalhados neste tema. 11

12 Referências BERTAGLIA, P. R. Logística e gerenciamento da cadeia de abastecimento. São Paulo: Saraiva, RAZZOLINI FILHO, E. Logística a Evolução Na Administração desempenho e flexibilidade. Curitiba: Juruá,

13 Atividades 1. As grandes áreas de estudo da chamada logística empresarial podem ser sintetizadas em três subsistemas que são: a. Armazenamento, transporte e fabricação. b. Abastecimento (ou suprimentos), transformação (ou produção) e distribuição. c. Fabricação, controle de estoque e frota de veículos. d. Armazenamento, depósitos e manutenção. 2. Analise se as alternativas a seguir, referentes à importância do gerenciamento de estoques, são verdadeiras ou falsas. I. Caso não exista esse gerenciamento, tem-se um gasto elevado com custo do capital parado e demais custos associados, como espaço de armazenagem, movimentação e segurança. II. Os produtos podem perder a validade, o que implica perda do seu valor e gasto com descarte. III. Quanto maior o volume de material estocado, mais espaço, móveis, pessoas e equipamentos de movimentação são necessários, além do aumento no custo de seguro. IV. Os produtos podem ficar obsoletos tecnologicamente e perder valor. V. Esse gerenciamento reduz a flexibilidade de algumas empresas, pois tem que continuar utilizando determinados insumos quando o mercado deseja outros componentes. 13

14 Assinale a alternativa correta: a. Todas as opções são verdadeiras. b. Todas as opções são falsas. c. Apenas as alternativas IV e V são verdadeiras. d. Apenas a alternativa I é falsa. 3. Os subsistemas logísticos são divisões funcionais dentro de um sistema mais amplo. Assim, para que o sistema logístico funcione, existem alguns subsistemas que se incumbem de executar atividades específicas dentro da cadeia de suprimentos. São exemplos desses subsistemas: I. Logística de suprimentos; logística de produção; logística de distribuição. II. Logística de pós-venda e logística reversa. III. Logística integrada e logística interna. IV. Logística de processos e logística integrada. Assinale a alternativa correta: a. As alternativas I e IV estão corretas. b. As alternativas I e II estão corretas. c. As alternativas II e III estão corretas. d. As alternativas III e IV estão corretas. 4. A atividade logística que engloba todas as atividades necessárias para deslocar materiais dentro do espaço físico de uma unidade produtiva (uma planta industrial, entendida como uma fábrica, um complexo industrial ou outra instalação do gênero) é denominada: 14

15 a. Armazenagem de materiais. b. Transporte de materiais. c. Manuseio de materiais. d. Movimentação de materiais. 5. Os estoques para proteção contra incertezas são formados em decorrência de quê? a. Da necessidade de armazenagem de materiais nos pontos de ressuprimento e de comercialização (no canal de distribuição). b. Das inúmeras possibilidades que podem impactar no tempo de ciclo de ressuprimento, como greves (internas ou externas), falta de matéria-prima, eventuais aumentos de preço e de demanda não previstos, sazonalidade na oferta de matérias-primas entre outros motivos. c. Da necessidade de realizar o transporte de materiais desde o ponto de origem até o ponto de consumo, o que implica que o tempo de trânsito é fundamental para determinar o custo de formação dos estoques. d. Do fato que o manuseio de materiais pode significar necessidade de retrabalho, pela falta de qualidade da mão de obra que realiza esse manuseio no ciclo de ressuprimento. Acesse o material on-line para ter acesso ao gabarito das atividades! 15

Prof. Marcelo Mello. Unidade IV GERENCIAMENTO DE SERVIÇOS

Prof. Marcelo Mello. Unidade IV GERENCIAMENTO DE SERVIÇOS Prof. Marcelo Mello Unidade IV GERENCIAMENTO DE SERVIÇOS Gerenciamento de serviços Nas aulas anteriores estudamos: 1) Importância dos serviços; 2) Diferença entre produtos x serviços; 3) Composto de Marketing

Leia mais

FAMEBLU Engenharia Civil

FAMEBLU Engenharia Civil Disciplina LOGÍSTICA EMPRESARIAL FAMEBLU Engenharia Civil Aula 5: Revisão Geral Professor: Eng. Daniel Funchal, Esp. Estratégia Corporativa Estratégia corporativa é o processo essencial dentro das organizações,

Leia mais

Matriz de Especificação de Prova da Habilitação Técnica de Nível Médio. Habilitação Técnica de Nível Médio: Técnico em Logística

Matriz de Especificação de Prova da Habilitação Técnica de Nível Médio. Habilitação Técnica de Nível Médio: Técnico em Logística : Técnico em Logística Descrição do Perfil Profissional: Planejar, programar e controlar o fluxo de materiais e informações correlatas desde a origem dos insumos até o cliente final, abrangendo as atividades

Leia mais

GST0045 GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTO Aula 03: Logística Empresarial e Competitividade - Evolução da Supply Chain

GST0045 GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTO Aula 03: Logística Empresarial e Competitividade - Evolução da Supply Chain GST0045 GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTO Aula 03: Logística Empresarial e Competitividade - Evolução da Supply Chain Conflito Marketing X Logística O aluno deverá ser capaz de: Conhecer os níveis de serviço

Leia mais

Objetivos do curso. Objetivo Geral

Objetivos do curso. Objetivo Geral Objetivos do curso O Projeto Pedagógico, sempre em consonância com as Diretrizes Curriculares Nacionais (DCNs), define objetivos geral e específicos, visando propiciar o processo de tomada de decisão e

Leia mais

Missão e objetivos da empresa X X X X X. Objetivos por área X X Qualidade das informações X X X X X Integração dos orçamentos por área

Missão e objetivos da empresa X X X X X. Objetivos por área X X Qualidade das informações X X X X X Integração dos orçamentos por área Visão por meio das atividades de valor) Preço Prazo Assistência Técnica Modelo de gestão Análise de aspectos políticos governamentais, econômicos e legais Planejamento estratégico Orçamento empresarial

Leia mais

Engenharia de Produção Logística Empresarial e Cadeia de Suprimentos Cadeia de Suprimentos Edelvino Razzolini Filho

Engenharia de Produção Logística Empresarial e Cadeia de Suprimentos Cadeia de Suprimentos Edelvino Razzolini Filho Projeto Curso Disciplina Tema Professor Coordenadora Pós-graduação Engenharia de Produção Logística Empresarial e Cadeia de Suprimentos Cadeia de Suprimentos Edelvino Razzolini Filho Luizete Fabris Introdução

Leia mais

Logística Empresarial

Logística Empresarial Logística Empresarial Profª Esp. Mônica Suely Guimarães de Araujo Conceito Logística são os processos da cadeia de suprimentos (supply chain) que planejam, estruturam e controlam, de forma eficiente e

Leia mais

Logística: gerenciando a cadeia de suprimentos. Prof Annibal Affonso Neto Doutor em Estratégia Competitiva

Logística: gerenciando a cadeia de suprimentos. Prof Annibal Affonso Neto Doutor em Estratégia Competitiva Logística: gerenciando a cadeia de suprimentos Prof Annibal Affonso Neto Doutor em Estratégia Competitiva Objetivo Esta palestra tratou do gerenciamento logístico e da cadeia de suprimentos. Logística:

Leia mais

Graduação em Administração

Graduação em Administração Graduação em Administração Disciplina: Planejamento Estratégico Aula 7 Cadeia de Valor São José dos Campos, março de 2011 Cadeia de Valor A vantagem competitiva de uma empresa não resulta simplesmente

Leia mais

LOGÍSTICA DE DISTRIBUIÇÃO GESTÃO DE LOGÍSTICA

LOGÍSTICA DE DISTRIBUIÇÃO GESTÃO DE LOGÍSTICA LOGÍSTICA DE DISTRIBUIÇÃO GESTÃO DE LOGÍSTICA PERGUNTA O que entendo por Logística? E qual sua importância para as empresas no cenário atual? Porque estudar Logística? EVOLUÇÃO Logística Uma função essencial

Leia mais

16/02/2010. MSe. Paulo Cesar C. Rodrigues Mestre em Engenharia de Produção

16/02/2010. MSe. Paulo Cesar C. Rodrigues Mestre em Engenharia de Produção MSe. Paulo Cesar C. Rodrigues paulo.rodrigues@usc.br Mestre em Engenharia de Produção A logística integrada envolve o gerenciamento de informações, transporte, estoque, armazenamento, manuseio de materiais

Leia mais

Sistemas de Informação Gerenciais

Sistemas de Informação Gerenciais Sistemas de Informação Gerenciais Seção 1.2 Conceitos e perspectivas em SI Seção 1.3 Classificação dos SI 1 EMPRESA E TECNOLOGIA 2 Contexto Já perceberam que as empresas no mundo moderno estão relacionadas

Leia mais

GST0045 GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTO Aula 02: Cadeias de Valor

GST0045 GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTO Aula 02: Cadeias de Valor GST0045 GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTO Aula 02: Cadeias de Valor Objetivos O aluno deverá ser capaz de: Entender a visão cíclica de uma Cadeia de Suprimentos. Conhecer os ciclos de processos de uma Cadeia

Leia mais

Administração de Materiais e Recursos Patrimoniais

Administração de Materiais e Recursos Patrimoniais Administração de Materiais e Recursos Patrimoniais Empresa Deve: Ser organizada: padronização administrativa (planejamento e controle) Ter qualidade: atender a necessidade dos consumidores (prazo, preço,

Leia mais

Logística E gerenciamento da cadeia de abastecimento

Logística E gerenciamento da cadeia de abastecimento Logística E gerenciamento da cadeia de abastecimento Conceitos básicos Logística e Varejo Entendendo a cadeia de abastecimento integrada OBJETIVOS Os conceitos, definições e importância da cadeia de abastecimento;

Leia mais

FAMEBLU Engenharia Civil

FAMEBLU Engenharia Civil Disciplina LOGÍSTICA EMPRESARIAL FAMEBLU Engenharia Civil Aula 3: Logística Integrada Atividades da Logística Professor: Eng. Daniel Funchal, Esp. Logística Integrada Logística Integrada LOGÍSTICA DE ABASTECIMENTO

Leia mais

Como manter um nível adequado de estoques?

Como manter um nível adequado de estoques? Como manter um nível adequado de estoques? 1 INTRODUÇÃO Sabe-se que ao manter grandes volumes de estoques a empresa irá arcar com custos desnecessários em armazenagem, movimentações e controles, além de

Leia mais

AULA 2/4 ASSUNTOS ABORDADOS: Gestão da cadeia de suprimentos. Gestão de estoques. 04/05/ :30 12:00

AULA 2/4 ASSUNTOS ABORDADOS: Gestão da cadeia de suprimentos. Gestão de estoques. 04/05/ :30 12:00 AULA 2/4 ASSUNTOS ABORDADOS: Gestão da cadeia de suprimentos. Gestão de estoques. 04/05/2013 10:30 12:00 Assunto: Gestão da cadeia de suprimentos. Consiste em gerenciar estrategicamente diferentes fluxos

Leia mais

AULA 2 GERENCIAMENTO DE PROJETOS

AULA 2 GERENCIAMENTO DE PROJETOS AULA 2 GERENCIAMENTO DE PROJETOS Gestão de Projetos O que é um Projeto? O que é Gerência de Projeto? O que é um Projeto? Um empreendimento único e não-repetitivo, de duração determinada, formalmente organizado

Leia mais

Gestão da cadeia de suprimentos. GST0045 GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTO Aula 11: Gestão de Estoques AULA 11: GESTÃO DE ESTOQUES

Gestão da cadeia de suprimentos. GST0045 GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTO Aula 11: Gestão de Estoques AULA 11: GESTÃO DE ESTOQUES GST0045 GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTO Aula 11: Gestão de Estoques Gestão de Estoques Ao final desta aula o aluno deverá ser capaz de: Conhecer os termos mais usados sobre o tema. Conhecer os métodos e

Leia mais

PLANEJAMENTO E AGREGAÇÃO DE VALOR EM EMPREENDIMENTOS RURAIS

PLANEJAMENTO E AGREGAÇÃO DE VALOR EM EMPREENDIMENTOS RURAIS PLANEJAMENTO E AGREGAÇÃO DE VALOR EM EMPREENDIMENTOS RURAIS Profª Caroline P. Spanhol CONTEXTUALIZAÇÃO Necessidade de eficiência e eficácia; Competitividade A gerência do negócio assume grande importância,

Leia mais

Administração. Processo de Gestão de Materiais. Professor Rafael Ravazolo.

Administração. Processo de Gestão de Materiais. Professor Rafael Ravazolo. Administração Processo de Gestão de Materiais Professor Rafael Ravazolo www.acasadoconcurseiro.com.br Administração Aula XX ADMINISTRAÇÃO DE RECURSOS MATERIAIS Materiais A Instrução Normativa 205/88 da

Leia mais

FAMEBLU Engenharia Civil

FAMEBLU Engenharia Civil Disciplina LOGÍSTICA EMPRESARIAL FAMEBLU Engenharia Civil Aula 4: Atividades da Logística Professor: Eng. Daniel Funchal, Esp. ATIVIDADES PRIMÁRIAS As atividades primárias da Logística são as seguintes:

Leia mais

Sistemas de Informação na Empresa

Sistemas de Informação na Empresa Universidade Federal do Vale do São Francisco Curso de Administração Tecnologia e Sistemas de Informação - 04 Prof. Jorge Cavalcanti jorge.cavalcanti@univasf.edu.br www.univasf.edu.br/~jorge.cavalcanti

Leia mais

22/08/2014. Planejamento e Controle da Produção: Conceito, Finalidades, Funções e Princípios. Conceito de Planejamento. Conceito de Controle

22/08/2014. Planejamento e Controle da Produção: Conceito, Finalidades, Funções e Princípios. Conceito de Planejamento. Conceito de Controle Planejamento e Controle da Produção: Conceito, Finalidades, Funções e Princípios Conceito de Planejamento É a função administrativa que determina antecipadamente quais os objetivos a serem atingidos e

Leia mais

Universidade de São Paulo. Faculdade de Economia, Administração e Contabilidade Departamento de Contabilidade e Atuária EAC FEA - USP

Universidade de São Paulo. Faculdade de Economia, Administração e Contabilidade Departamento de Contabilidade e Atuária EAC FEA - USP Universidade de São Paulo Faculdade de Economia, Administração e Contabilidade Departamento de Contabilidade e Atuária EAC FEA - USP AULA 10 Supply Chain Management (SCM) Prof. Dr. Joshua Onome Imoniana

Leia mais

Reduções de Custos Logísticos na Cadeia de Suprimentos

Reduções de Custos Logísticos na Cadeia de Suprimentos Reduções de Custos Logísticos na Cadeia de Suprimentos Ricardo Amadeu Da Silva Coordenador Comitê de Logística CEISE Br Diretor Presidente - TransEspecialista 1 Gestão de Suprimentos A gestão da cadeia

Leia mais

Apresentação. Nesta aula discutiremos a gestão de operações no contexto da cadeia de suprimentos.

Apresentação. Nesta aula discutiremos a gestão de operações no contexto da cadeia de suprimentos. Apresentação Nesta aula discutiremos a gestão de operações no contexto da cadeia de suprimentos. Unidade 1 Cadeia de suprimentos ou SC (supply chain) Segundo Chopra e Meindl (2003, p. 15), a cadeia de

Leia mais

Administração Logística

Administração Logística INTRODUÇÃO A LOGÍSTICA AULA PARA A TURMA DE ADMINISTRAÇÃO 2º SEMESTRE DE 2010 2 Administração Logística Processo de planejar, implementar e controlar o fluxo e armazenamento eficiente e eficaz em termos

Leia mais

GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS NÍVEL DE SERVIÇO E ESTRATÉGIA LOGÍSTICA. Prof. Dr. Daniel Caetano

GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS NÍVEL DE SERVIÇO E ESTRATÉGIA LOGÍSTICA. Prof. Dr. Daniel Caetano GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS NÍVEL DE SERVIÇO E ESTRATÉGIA LOGÍSTICA Prof. Dr. Daniel Caetano 2016-1 Objetivos Avaliar diferentes perspectivas de medição de nível de serviço Entender a importância do

Leia mais

Cadeia de Suprimentos. Aula 1. Contextualização. O que é Supply Chain Management? Prof. Luciano José Pires

Cadeia de Suprimentos. Aula 1. Contextualização. O que é Supply Chain Management? Prof. Luciano José Pires Cadeia de Suprimentos Aula 1 Contextualização Prof. Luciano José Pires O que é Supply Chain Management? Atual e futuro A Logística é uma das atividades econômicas mais antigas e também um dos conceitos

Leia mais

Gestão de sistemas em energia:

Gestão de sistemas em energia: MESTRADO EM ENERGIA Gestão de sistemas em energia: - Planejamento da Operação - Projeto de sistemas de energia Prof. Manuel Jarufe manueljarufe@ceunes.ufes.br Disciplina: Gestão de sistemas em energia

Leia mais

Sistemas de Informação e Decisão II. Douglas Farias Cordeiro

Sistemas de Informação e Decisão II. Douglas Farias Cordeiro Sistemas de Informação e Decisão II Douglas Farias Cordeiro Processos As empresas são grandes coleções de processo! Todo trabalho importante realizado nas empresas faz parte de algum processo. Não existe

Leia mais

Gestão da Produção Logística

Gestão da Produção Logística UNIESP Campus Butantã Gestão da Produção Logística LOGÍSTICA EMPRESARIAL SUPPLY CHAIN MANAGEMENT FACULDADE DE EDUCAÇÃO E CIÊNCIAS GERENCIAIS DE SÃO PAULO Rubens Vieira da Silva LOGÍSTICA EMPRESARIAL LOGÍSTICA

Leia mais

Plano de Trabalho Docente Ensino Técnico. Componente Curricular: LOGÍSTICA EMPRESARIAL E NEGOCIAÇÃO

Plano de Trabalho Docente Ensino Técnico. Componente Curricular: LOGÍSTICA EMPRESARIAL E NEGOCIAÇÃO Unidade de Ensino Médio e Técnico - Cetec Plano de Trabalho Docente 2015 Ensino Técnico ETEC MONSENHOR ANTONIO MAGLIANO Código: 088 Município: GARÇA Eixo Tecnológico: GESTÃO E NEGÓCIOS Habilitação Profissional:

Leia mais

INTRODUÇÃO A LOGÍSTICA

INTRODUÇÃO A LOGÍSTICA PROF. ADM ENDERSON FABIAN INTRODUÇÃO A LOGÍSTICA AULA PARA AS TURMAS DE ADMINISTRAÇÃO 2010 1 Conteúdo 1 O Que é o 2 Por Que o Nível de Serviço é Importante 3 Administração do Nível de Serviço 4 Fixação

Leia mais

Administração de Materiais e Recursos Patrimoniais

Administração de Materiais e Recursos Patrimoniais Administração de Materiais e Recursos Patrimoniais Gestão de Compras Antes da Primeira Guerra Mundial papel burocrático Década de 70 crise do petróleo Insumos raros e preços em alta Cenário de dúvidas

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO. Lista de Exercícios 02. Luiz Leão

ADMINISTRAÇÃO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO. Lista de Exercícios 02. Luiz Leão Luiz Leão luizleao@gmail.com http://www.luizleao.com Exercício 01 Conceitue e-business e quais o seu principal objetivo? Exercício 01 Resposta Conceitue e-business e quais o seu principal objetivo? É todo

Leia mais

Visão Geral. Compras

Visão Geral. Compras Compras Sumário Sumário... 2 1 Conceitos Básicos... 3 1.1 Objetivos Instrucionais... 3 2 Compras... 3 3 Gerenciamento de Compra... 4 4 Integrações... 4 5 Macrofluxo... 5 6 Conclusão... 5 2 TOTVS - Visão

Leia mais

GESTÃO DA MANUTENÇÃO

GESTÃO DA MANUTENÇÃO Na manutenção moderna, é extremamente necessário pensar e agir estrategicamente, para que a atividade de manutenção se integre de maneira eficaz ao processo produtivo contribuindo, efetivamente, para que

Leia mais

FAMEBLU Engenharia Civil

FAMEBLU Engenharia Civil Disciplina LOGÍSTICA EMPRESARIAL FAMEBLU Engenharia Civil Aula 6: Cadeia de Abastecimento Logística Interna na Construção Civil Supply Chain Management Professor: Eng. Daniel Funchal, Esp. Cadeia de Abastecimento

Leia mais

Plano de Trabalho Docente Ensino Técnico

Plano de Trabalho Docente Ensino Técnico Plano de Trabalho Docente 2016 Ensino Técnico Plano de Curso nº 246 aprovado pela portaria Cetec nº 181 de 26/09/2013 Etec Paulino Botelho Código: 091 Município: São Carlos Eixo Tecnológico: Gestão e Negócios

Leia mais

Armazenamento. Administração de Logística e da Cadeia de Suprimento. Profa. Márcia Mazzeo Grande

Armazenamento. Administração de Logística e da Cadeia de Suprimento. Profa. Márcia Mazzeo Grande Armazenamento Administração de Logística e da Cadeia de Suprimento Profa. Márcia Mazzeo Grande Importância Fabricantes Estratégia JIT redução dos estoques nas instalações fabris Varejo Criar sortimento

Leia mais

SÍNTESE PROJETO PEDAGÓGICO. Missão

SÍNTESE PROJETO PEDAGÓGICO. Missão SÍNTESE PROJETO PEDAGÓGICO Curso Superior de Tecnologia em Logística Campus: Nova Iguaçu Missão O Curso Superior de Tecnologia em Logística da Universidade Estácio de Sá tem por missão a formação de gestores

Leia mais

Mais controle. Maior rendimento

Mais controle. Maior rendimento Mais controle Maior rendimento REdUção de custos com FERRaMEntaS EM até 30% 60% MaiS RáPido na LocaLização de FERRaMEntaS MEnoR tempo PaRa SoLicitaR FERRaMEntaS MEnoR tempo de implantação do MERcado Atualmente

Leia mais

GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS CADEIAS DE VALOR: LOGÍSTICA INTEGRADA X SCM

GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS CADEIAS DE VALOR: LOGÍSTICA INTEGRADA X SCM GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS CADEIAS DE VALOR: LOGÍSTICA INTEGRADA X SCM Prof. Dr. Daniel Caetano 2016-1 Objetivos Compreender a diferença entre Logística Integrada e Gestão da Cadeia de Suprimentos

Leia mais

Sumário. PARTE 1 Gestão logística da cadeia de suprimentos. Capítulo 2. Capítulo 1

Sumário. PARTE 1 Gestão logística da cadeia de suprimentos. Capítulo 2. Capítulo 1 Sumário PARTE 1 Gestão logística da cadeia de suprimentos Capítulo 1 Cadeias de suprimentos no século xxi... 2 A revolução da cadeia de suprimentos... 4 Integração gera valor... 6 Modelo geral de cadeia

Leia mais

Prof. Marcelo Mello. Unidade II DISTRIBUIÇÃO E

Prof. Marcelo Mello. Unidade II DISTRIBUIÇÃO E Prof. Marcelo Mello Unidade II DISTRIBUIÇÃO E TRADE MARKETING Centro de Distribuição - CD Centro de Distribuição - CD Centro de Distribuição (CD) é um armazém cuja operação é realizar a gestão dos estoques

Leia mais

Logística e Distribuição. Conceito

Logística e Distribuição. Conceito Logística e Distribuição Logística Reversa 1 Logística e Distribuição 2 Logística e Distribuição Conceito É uma nova área da logística empresarial que atua de forma a gerenciar e operacionalizar o retorno

Leia mais

Aquisição de Recursos Materiais Administração de Materiais e Recursos Patrimoniais Martins & Alt Editora Saraiva

Aquisição de Recursos Materiais Administração de Materiais e Recursos Patrimoniais Martins & Alt Editora Saraiva 5 CAPÍTULO Aquisição de Recursos Materiais 1 Recursos Materiais São os itens ou componentes que uma empresa utiliza nas suas operações do dia a dia, na elaboração do seu produto final ou na consecução

Leia mais

Ementário EMBA em Gestão de Projetos

Ementário EMBA em Gestão de Projetos Ementário EMBA em Gestão de Projetos Grade curricular Disciplina MATEMÁTICA FINANCEIRA - N FUNDAMENTOS DE GERENCIAMENTO DE PROJETOS E GERENCIAMENTO DE ESCOPO - N GERENCIAMENTO DE RISCOS EM PROJETOS GESTÃO

Leia mais

FAMEBLU Engenharia Civil

FAMEBLU Engenharia Civil Disciplina LOGÍSTICA EMPRESARIAL FAMEBLU Engenharia Civil Aula 2: Introdução Histórico Definição Logística Integrada Professor: Eng. Daniel Funchal, Esp. Introdução O conceito de Logística tem sido bastante

Leia mais

A Implantação do Sistema do Sistema da Qualidade e os requisitos da Norma ISO NBR 9001:2000

A Implantação do Sistema do Sistema da Qualidade e os requisitos da Norma ISO NBR 9001:2000 1. A Norma NBR ISO 9001:2000 A Implantação do Sistema do Sistema da Qualidade e os requisitos da Norma ISO NBR 9001:2000 A ISO International Organization for Standardization, entidade internacional responsável

Leia mais

Plano de Trabalho Docente Ensino Técnico

Plano de Trabalho Docente Ensino Técnico Plano de Trabalho Docente 2016 Ensino Técnico Plano de Curso nº 246 aprovado pela portaria Cetec nº 181 de 26/09/2013 Etec Paulino Botelho Código: 091 Município: São Carlos Eixo Tecnológico: Gestão e Negócios

Leia mais

Sistemas de Informação. Alberto Felipe Friderichs Barros

Sistemas de Informação. Alberto Felipe Friderichs Barros Sistemas de Informação Alberto Felipe Friderichs Barros Introdução Como consumidor você precisa lidar com os sistemas de informações que dão suporte às operações de muitas lojas de varejo em que você faz

Leia mais

Lean e a Gestão Integrada da Cadeia de Suprimentos

Lean e a Gestão Integrada da Cadeia de Suprimentos O problema da gestão descentralizada na cadeia de valor SISTEMAS MÚLTIPLOS ESTÁGIOS ANALOGIA HIDRÁULICA Processamento e Transporte Processo de Fabricação e Transporte JOGO DA CERVEJA Experimento 1: Soluções

Leia mais

COMPETIÇÃO DE PRODUÇÃO SEMANA DE ENGENHARIA 2016 / 2 BEER GAME

COMPETIÇÃO DE PRODUÇÃO SEMANA DE ENGENHARIA 2016 / 2 BEER GAME COMPETIÇÃO DE PRODUÇÃO SEMANA DE ENGENHARIA 2016 / 2 BEER GAME APRESENTAÇÃO Com a competitividade atual dos mercados as empresas estão buscando otimizar as suas operações com o objetivo de reduzir custo

Leia mais

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Prof. Esp. Fabiano Taguchi

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Prof. Esp. Fabiano Taguchi SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Prof. Esp. Fabiano Taguchi fabianotaguchi@gmail.com http://fabianotaguchi.wordpress.com ANTIGAMENTE... Administradores não precisam saber muito como a informação era coletada, processada

Leia mais

Unidade I PROCESSOS ORGANIZACIONAIS. Prof. Léo Noronha

Unidade I PROCESSOS ORGANIZACIONAIS. Prof. Léo Noronha Unidade I PROCESSOS ORGANIZACIONAIS Prof. Léo Noronha Introdução aos processos organizacionais Qualquer tamanho de empresa, até as informais ou do terceiro setor. Visão moderna de gestão organizacional,

Leia mais

Cap. 1. Logística Empresarial e Redes Logísticas -Introdução. Redes Logísticas. Antonio Martins Lima Filho

Cap. 1. Logística Empresarial e Redes Logísticas -Introdução. Redes Logísticas. Antonio Martins Lima Filho Cap. 1 Logística Empresarial e Redes Logísticas -Introdução Conteúdo deste Resumo Indicações Bibliográficas 1.2 Conceito de Redes Logísticas Bibliografia da disciplina Indicações bibliográficas para este

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO DE MATERIAL I STA 04041

ADMINISTRAÇÃO DE MATERIAL I STA 04041 Departamento de Administração ADMINISTRAÇÃO DE MATERIAL I STA 04041 Prof. Aurélio Lamare Soares Murta DECISÕES DE TRANSPORTES SUMÁRIO 1. Introdução 2. Seleção de Alternativas de Transporte 3. Terceirização

Leia mais

PESQUISA INFORMATIVO SENAI 5.5. Sua participação é importante para o SENAI continuar elevando o nível de qualidade da Educação Profissional

PESQUISA INFORMATIVO SENAI 5.5. Sua participação é importante para o SENAI continuar elevando o nível de qualidade da Educação Profissional INFORMATIVO SENAI 5.5 TUDO QUE VOCÊ PRECISA SABER SOBRE O MUNDO SENAI PESQUISA INSTITUCIONAL S E N A I - R O. 2 01 5 MOSTRAR SEU SORRISO DE SATISFAÇÃO Sua participação é importante para o SENAI continuar

Leia mais

Sistemas de Informação. Alberto Felipe Friderichs Barros

Sistemas de Informação. Alberto Felipe Friderichs Barros Sistemas de Informação Alberto Felipe Friderichs Barros Introdução Como consumidor você precisa lidar com os sistemas de informações que dão suporte às operações de muitas lojas de varejo em que você faz

Leia mais

Administração de Recursos Materiais e Patrimoniais I

Administração de Recursos Materiais e Patrimoniais I Administração de Recursos Materiais e Patrimoniais I Recursos e PRP (Processo de Realização do Produto) Prof. Marcos César Bottaro Os Recursos RECURSOS: é tudo que gera ou tem a capacidade de gerar riqueza

Leia mais

TEMA 3 ETAPAS DA MONTAGEM DO ORÇAMENTO: CONTEÚDOS, CONCEITOS E ASPECTOS RELEVANTES

TEMA 3 ETAPAS DA MONTAGEM DO ORÇAMENTO: CONTEÚDOS, CONCEITOS E ASPECTOS RELEVANTES TEMA 3 ETAPAS DA MONTAGEM DO ORÇAMENTO: CONTEÚDOS, CONCEITOS E ASPECTOS RELEVANTES 1 PRINCÍPIOS GERAIS DE PLANEJAMENTO DIRETRIZES CENÁRIOS PREMISSAS PRÉ-PLANEJAMENTO MARKETING PSPE INVESTIMENTOS RECURSOS

Leia mais

Gestão da cadeia de suprimentos. GST0045 GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTO Aula 13: Estratégias Logísticas de Transporte

Gestão da cadeia de suprimentos. GST0045 GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTO Aula 13: Estratégias Logísticas de Transporte GST0045 GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTO Aula 13: Estratégias Logísticas de Transporte Estratégias Logísticas de Transporte Ao final desta aula o aluno deverá ser capaz de: Compreender o papel e as estratégias

Leia mais

Gestão de estoques

Gestão de estoques Gestão de estoques 1 2 0 1 5 1. Relato das visitas Agenda 08 de maio de 2015 Estruturação do plano de ação e busca de informações pendentes 2. Entrega das provas e correção conjunta (revisão) 3. Fechamento

Leia mais

GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS ESTRATÉGIA LOGÍSTICA E POLÍTICA DE PRODUÇÃO

GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS ESTRATÉGIA LOGÍSTICA E POLÍTICA DE PRODUÇÃO GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS ESTRATÉGIA LOGÍSTICA E POLÍTICA DE PRODUÇÃO Prof. Dr. Daniel Caetano 2016-1 Objetivos Conhecer o que são estratégias de posicionamento logístico Compreender as políticas

Leia mais

Administração de Sistemas de Informação. Aula 5- Desafios Gerenciais da Tecnologia da Informação.

Administração de Sistemas de Informação. Aula 5- Desafios Gerenciais da Tecnologia da Informação. Aula 5- Desafios Gerenciais da Tecnologia da Informação. Conteúdo Programático desta aula Perceber o ambiente em transformação contínua e a necessidade de que a TI seja encarada na organização como um

Leia mais

Etec Gustavo Teixeira

Etec Gustavo Teixeira ETEC GUSTAVO TEIXEIRA SÃO PEDRO Etec Gustavo Teixeira PROCESSO SELETIVO DE DOCENTES, NOS TERMOS DO COMUNICADO CEETEPS N 1/2009, E SUAS ALTERAÇÕES. AVISO N 236/03/2016 de 27/06/2016. Processo n /2016 AVISO

Leia mais

Unidade I PLANEJAMENTO E OPERAÇÃO. Prof. Clesio Landini Jr.

Unidade I PLANEJAMENTO E OPERAÇÃO. Prof. Clesio Landini Jr. Unidade I PLANEJAMENTO E OPERAÇÃO POR CATEGORIA DE PRODUTO Prof. Clesio Landini Jr. Planejamento e operação por categoria de produto Fabricante> Distribuidor> Cliente Fazer os produtos e serviços chegarem

Leia mais

Desafios da Cadeia de valor Suprimentos e Logística

Desafios da Cadeia de valor Suprimentos e Logística Desafios da Cadeia de valor Suprimentos e Logística Jose Henrique Germann Diretoria de Consultoria e Gestão Gestão de Suprimentos e Logística CONTEXTO DE SUPRIMENTOS Dilema na Elaboração da Política de

Leia mais

O papel dos estoques nas empresas

O papel dos estoques nas empresas 7 CAPÍTULO O papel dos estoques nas empresas 1 Estoques Os estoques têm a função de atuar como reguladores do fluxo de negócios 2 Tipos de Demanda Independente: Demanda independente: são itens que dependem,

Leia mais

Gestão da Produção Logística

Gestão da Produção Logística UNIESP Campus Butantã Gestão da Produção Logística LOGÍSTICA EMPRESARIAL SUPPLY CHAIN MANAGEMENT GESTÃO DE DEPÓSITOS OPERADOR LOGÍSTICO ORGANIZAÇÃO PAULISTANA EDUCACIONAL E CULTURAL FACULDADE DE EDUCAÇÃO

Leia mais

APLICAÇÃO DE ecr EFFICIENT CONSUMER RESPONSE À REDE SUBWAY COM BASE NA LOGISTICA DE SUPRIMENTO

APLICAÇÃO DE ecr EFFICIENT CONSUMER RESPONSE À REDE SUBWAY COM BASE NA LOGISTICA DE SUPRIMENTO UNIVERSIDADE DE BRASILIA DEPARTAMENTO DE ADMINISTAÇÃO LOGISTICA EMPRESARIAL APLICAÇÃO DE ecr EFFICIENT CONSUMER RESPONSE À REDE SUBWAY COM BASE NA LOGISTICA DE SUPRIMENTO GRUPO 19Z ARTHUR BIOCALTI ILO

Leia mais

Prova 01. Cadeia de Suprimentos 01

Prova 01. Cadeia de Suprimentos 01 Prova 01 Acadêmico(a): 24/11/2014 Matrícula: Assinatura: Obs: Rubricar cada página da avaliação Pergunta 01 Em toda a cadeia de suprimentos, a utilização de equipamentos e de dispositivos de movimentação

Leia mais

COMPETIÇÃO DE PRODUÇÃO SEMANA DE ENGENHARIA 2017 / 2 BEER GAME 2.0

COMPETIÇÃO DE PRODUÇÃO SEMANA DE ENGENHARIA 2017 / 2 BEER GAME 2.0 COMPETIÇÃO DE PRODUÇÃO SEMANA DE ENGENHARIA 2017 / 2 BEER GAME 2.0 APRESENTAÇÃO Com a competitividade atual dos mercados as empresas estão buscando otimizar as suas operações com o objetivo de reduzir

Leia mais

Gestão Negócios OBJETIVO NESTA AULA. Gestão eficaz - Aula 18

Gestão Negócios OBJETIVO NESTA AULA. Gestão eficaz - Aula 18 eficaz - Aula 18 Utilizar os diferentes conhecimentos adquiridos até aqui em de para planejar e implantar um modelo de gestão eficaz. OBJETIVO NESTA AULA Conhecimento científico A universidade que queremos

Leia mais

Logística Empresarial. Aula 11

Logística Empresarial. Aula 11 Logística Empresarial Aula 11 Os direitos desta obra foram cedidos à Universidade Nove de Julho Este material é parte integrante da disciplina oferecida pela UNINOVE. O acesso às atividades, conteúdos

Leia mais

UNIVERSIDADE PAULISTA CURSOS SUPERIORES DE TECNOLOGIA. MANUAL ESPECÍFICO Projeto Integrado Multidisciplinar II PIM II

UNIVERSIDADE PAULISTA CURSOS SUPERIORES DE TECNOLOGIA. MANUAL ESPECÍFICO Projeto Integrado Multidisciplinar II PIM II UNIVERSIDADE PAULISTA CURSOS SUPERIORES DE TECNOLOGIA MANUAL ESPECÍFICO Projeto Integrado Multidisciplinar II PIM II LOGÍSTICA 2º semestre, turmas ingressantes em Agosto. São Paulo 2011 1 PIM II PROJETO

Leia mais

Prof. Jean Cavaleiro. Unidade III LOGÍSTICA INTEGRADA:

Prof. Jean Cavaleiro. Unidade III LOGÍSTICA INTEGRADA: Prof. Jean Cavaleiro Unidade III LOGÍSTICA INTEGRADA: PRODUÇÃO E COMÉRCIO Introdução Conceituar planejamento e controle da produção; Relação produção e demanda; Relação produção e outras áreas da empresa;

Leia mais

Sistemas Integrados de Gestão

Sistemas Integrados de Gestão Sistemas Integrados de Gestão SISTEMAS INTEGRADOS Uma organização de grande porte tem muitos tipos diferentes de Sistemas de Informação que apóiam diferentes funções, níveis organizacionais e processos

Leia mais

Telefone: (11) Whatsapp: (11) Rua Bonifácio Cubas, 511 / 513 Vila Albertina - São Paulo SP

Telefone: (11) Whatsapp: (11) Rua Bonifácio Cubas, 511 / 513 Vila Albertina - São Paulo SP Nossa maior preocupação é prezar pelo cuidado e controle dos materiais transportados e nosso maior compromisso é respeitar os prazos e as condições de entregas. Sendo assim, desenvolvemos serviços que

Leia mais

MELHORIA DO DESEPENHO A PARTIR DA GESTÃO POR INDICADORES DE DESEMPENHO. Alexandre Fanfa Ribas Sócio

MELHORIA DO DESEPENHO A PARTIR DA GESTÃO POR INDICADORES DE DESEMPENHO. Alexandre Fanfa Ribas Sócio MELHORIA DO DESEPENHO A PARTIR DA GESTÃO POR INDICADORES DE DESEMPENHO Alexandre Fanfa Ribas Sócio alexandrefanfa@falconi.com Pensamento Sistêmico Indicadores de Desempenho Lacunas e Metas Planos de Ação

Leia mais

Tópicos que Serão Abordados na Aula: Tópicos em Logística. Aula 5. Contextualização. A Matriz de Transporte. Gestão da Distribuição Física

Tópicos que Serão Abordados na Aula: Tópicos em Logística. Aula 5. Contextualização. A Matriz de Transporte. Gestão da Distribuição Física Tópicos em Logística Tópicos que Serão Abordados na Aula: Aula 5 subsistemas envolvidos: 1. transporte e distribuição Profa. Rosinda Angela da Silva 2. armazenagem e controle 1. Transporte e Distribuição

Leia mais

6 Análise e Expectativas Contratantes X Contratados

6 Análise e Expectativas Contratantes X Contratados 6 Análise e Expectativas Contratantes X Contratados Este capítulo oferece a análise e as expectativas das empresas contratantes e contratadas com base nas informações adquiridas na pesquisa de campo objeto

Leia mais

PLANO DE ESTAGIO INTEGRADO A PROPOSTA PEDAGOGICA DO CURSO. Curso: TECNOLOGIA EM LOGISTICA Nivel: Superior

PLANO DE ESTAGIO INTEGRADO A PROPOSTA PEDAGOGICA DO CURSO. Curso: TECNOLOGIA EM LOGISTICA Nivel: Superior PLANO DE ESTAGIO INTEGRADO A PROPOSTA PEDAGOGICA DO CURSO Curso: 001308 - TECNOLOGIA EM LOGISTICA Nivel: Superior Area Profissional: GESTAO DA ADMINISTRACAO Area de Atuacao: LOGISTICA/GESTAO Planejar,

Leia mais

Programa Operações Logísticas e Supply Chain ESPM/SENAI-MS. Manual do Curso

Programa Operações Logísticas e Supply Chain ESPM/SENAI-MS. Manual do Curso Programa Operações Logísticas e Supply Chain ESPM/SENAI-MS Manual do Curso São Paulo Educação Executiva 2017 Apresentação Oferece aos profissionais, que atuam nas indústrias e serviços, visão ampla de

Leia mais

Planejamento e Controle da Produção I

Planejamento e Controle da Produção I Planejamento e Controle da Produção I Atividades do Prof. M.Sc. Gustavo Meireles 2012 Gustavo S. C. Meireles 1 Introdução Sistemas produtivos: abrange produção de bens e de serviços; Funções básicas dos

Leia mais

UFF - UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE

UFF - UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE UFF - UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE MBA ENGENHARIA DE PRODUÇÃO DISCIPLINA : MODELAGEM E GESTÃO DE PROCESSOS TÓPICO: - SISTEMAS DE INFORMAÇÃO GERENCIAL PROFESSOR: Dr. Ruben H. Gutierrez (D.Sc.) rubenhg@uol.com.br

Leia mais

ISO 9001: Abordagem de processo

ISO 9001: Abordagem de processo ISO 9001:2008 0.2. Abordagem de processo Apesar dos requisitos da ISO 9001 propriamente ditos só começarem no item 4 da norma, o item 0.2 Abordagem de processo, é uma exigência básica para a aplicação

Leia mais

INTRODUÇÃO À LOGISTICA

INTRODUÇÃO À LOGISTICA INTRODUÇÃO À LOGISTICA Danillo Tourinho Sancho da Silva, MSc VAMOS NOS CONHECER Danillo Tourinho Sancho da Silva, M.Sc Bacharel em Administração, UNEB Especialista em Gestão da Produção e Logística, SENAI

Leia mais

adequadas ao contexto econômico-financeiro e institucional das empresas;

adequadas ao contexto econômico-financeiro e institucional das empresas; 1. Objetivo Aumentar a eficiência e competitividade das empresas do Sistema Eletrobrás, através da integração da logística de suprimento de bens e serviços, visando o fortalecimento de seu poder de compra

Leia mais

_mais de empreendimentos entregues

_mais de empreendimentos entregues _+16 milhões de m² construídos _mais de 1.000 empreendimentos entregues _mais de 1 milhão de moradores _5,3 BI de VGV lançado nos últimos 5 anos _Consolidação Estratégica SP+ RJ Inovação É quando uma ideia

Leia mais

Curso do Superior de Tecnologia em Marketing

Curso do Superior de Tecnologia em Marketing Curso do Superior de Tecnologia em Objetivos do curso 1.5.1 Objetivo Geral O Curso Superior de Tecnologia em na modalidade EaD da universidade Unigranrio, tem por objetivos gerais capacitar o profissional

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO. Lista de Exercícios 03. Luiz Leão

ADMINISTRAÇÃO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO. Lista de Exercícios 03. Luiz Leão Luiz Leão luizleao@gmail.com http://www.luizleao.com Exercício 01 É o sistema de informações desenvolvido para atender às necessidades do nível estratégico da corporação. auxilia a direção da corporação

Leia mais

Aula 5 Sistemas de Informações Gerenciais. Conquistando excelência operacional e intimidade com o cliente: aplicações integradas

Aula 5 Sistemas de Informações Gerenciais. Conquistando excelência operacional e intimidade com o cliente: aplicações integradas Aula 5 Sistemas de Informações Gerenciais Conquistando excelência operacional e intimidade com o cliente: aplicações integradas slide 1 Conquistando excelência operacional e intimidade com o cliente: aplicações

Leia mais

Sistemas de Informação Gerenciais

Sistemas de Informação Gerenciais Sistemas de Informação Gerenciais Seção 2.2 Sistemas Empresariais: ERP SCM 1 Sistema empresarial Constitui uma estrutura centralizada para uma organização e garante que as informações possam ser compartilhadas

Leia mais

CURSO: ENGENHARIA DE PRODUÇÃO EMENTAS º PERÍODO

CURSO: ENGENHARIA DE PRODUÇÃO EMENTAS º PERÍODO CURSO: ENGENHARIA DE PRODUÇÃO EMENTAS - 2016.1 1º PERÍODO DISCIPLINA: INTRODUÇÃO AO CÁLCULO DISCIPLINA: FUNDAMENTOS DE FÍSICA DISCIPLINA: REPRESENTAÇÃO GRÁFICA DISCIPLINA: INTRODUÇÃO À ENGENHARIA DISCIPLINA:

Leia mais