CURSO: ARQUITETURA E URBANISMO

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "CURSO: ARQUITETURA E URBANISMO"

Transcrição

1 CURSO: ARQUITETURA E URBANISMO OBJETIVOS DO CURSO Objetivos Gerais O objetivo geral do Curso de Arquitetura e Urbanismo é propiciar ao aluno o desenvolvimento de habilidades e competências com sólida base teórico-prática e formação profissional generalista, capacitá-los para atuar crítica e criativamente no campo da arquitetura e do urbanismo, norteado por valores éticos, pessoais e sociais, visando à prática profissional competente reflexiva e responsável. Objetivos Específicos O Curso de Arquitetura e Urbanismo pretende que, com as vivências e os conhecimentos adquiridos ao final do Curso, os alunos estejam aptos a: Aplicar conhecimentos tecnológicos e científicos na identificação, formulação e proposição de projetos de arquitetura e urbanismo; Elaborar, executar e gerenciar projetos de arquitetura; Integrar e atuar em equipes multidisciplinares; Identificar e analisar criticamente as influências das decisões arquitetônicas no meio ambiente; Avaliar e aprimorar a integração técnico-científica, ecológica e cultural de conhecimentos e projetos da área de arquitetura e urbanismo com áreas afins.

2 Aplicar atitude investigatória favorável ao próprio processo contínuo de construção de conhecimentos; Adotar uma atitude de autocrítica permanente, ciente da necessidade de se manter sempre atualizado na vida profissional; Atuar em um ambiente de competitividade na internacionalização do campo profissional; Desenvolver consciência ética, responsável e com cunho social em suas atividades profissionais. PERFIL DO EGRESSO O egresso do Curso de Arquitetura e Urbanismo tem como perfil ser um profissional humanista, crítico, reflexivo, ético e apto a atuar no planejamento de espaços interiores e exteriores, traduzindo as necessidades de indivíduos, grupos sociais e comunidades, nos diversos cenários do mundo contemporâneo, com consciência ambiental. Deve colocar-se no mundo como agente de aperfeiçoamento e transformação, contribuindo para a ampliação do campo teórico das disciplinas específicas e para a melhoria das práticas profissionais. ESTRUTURA CURRICULAR Eixos Temáticos

3 A matriz curricular do Curso de Arquitetura e Urbanismo é estruturada em torno de quatro eixos temáticos: 1) Eixo Temático de Teoria e História: reúne as disciplinas que ajudam a fundamentar a transformação da Arquitetura e fomentar sua percepção através de novas visões. Período Código Disciplina 1 CCE0036 TEORIA CRÍTICA DA ARQUITETURA I 1 CCE0020 HISTÓRIA DA ARTE I 1 CEL001 METODOLOGIA CIENTÍFICA 2 CCE000 TEORIA CRÍTICA DA ARQUITETURA II 2 CCE0062 HISTÓRIA DA ARTE II 3 CEL001 ANÁLISE TEXTUAL 3 CCE0220 HISTÓRIA DA ARQUITETURA I CCE0221 HISTÓRIA DA ARQUITETURA II CCE0336 SEMINÁRIOS DE ARQUITETURA E URBANISMO I CCE03 TEORIA E HISTÓRIA DO URBANISMO CCE033 TEORIA E HISTÓRIA DO PAISAGISMO 9 CCE033 SEMINÁRIOS DE ARQUITETURA E URBANISMO II 2) Eixo Temático de Estrutura: concentra as disciplinas que dão o apoio tecnológico indispensável à boa arquitetura, reunindo em especial as seqüências de disciplinas de estrutura, tecnologia e instalações. Paralelamente, as questões ambientais são o foco central das disciplinas de conforto ambiental e eficiência energética e Ciências do Ambiente. Período Código Disciplina CCE031 TOPOGRAFIA

4 CCE023 INTRODUÇÃO À ESTRUTURA CCE019 ESTRUTURA I 6 CCE0 ESTRUTURA II CCE016 ESTRUTURA DE CONCRETO CCE019 FUNDAÇÕES PARA ARQUITETURA ELE0001 ELETIVA 2 CRÉDITOS PRESENCIAL CCE011 ESTRUTURA METÁLICA CCE0226 INSTALAÇÕES PREDIAIS - HIDRÁULICAS CCE022 INSTALAÇÕES ESPECIAIS 3) Eixo Temático de Projeto: norteia todo o processo de aprendizagem do aluno, nas diversas áreas do projeto tais como arquitetura, interiores, paisagismo e urbanismo, deslocando-se da simples representação do projeto como o desenho de arquitetura e a arquitetura digital até as disciplinas instrumentais para a totalidade da concepção arquitetônica e urbanística. Período Código Disciplina 1 CCE000 ATELIÊ DE PROJETO I 1 CCE000 DESENHO DE ARQUITETURA I 1 CCE0003 ARQUITETURA DIGITAL I 2 CCE001 ATELIÊ DE PROJETO II 2 CCE00 DESENHO DE ARQUITETURA II 2 CCE000 ARQUITETURA DIGITAL II 3 CCE009 ATELIÊ DE PROJETO III 3 CCE0266 MODELAGEM DIGITAL 3 CCE013 CONFORTO AMBIENTAL E EFICIÊNCIA ENERGÉTICA I CCE009 ATELIÊ DE PROJETO IV

5 CCE036 TECNOLOGIA DA CONSTRUÇÃO CCE0136 CONFORTO AMBIENTAL E EFICIÊNCIA ENERGÉTICA II CCE0099 ATELIÊ DE PROJETO V CCE010 DETALHAMENTO ARQUITETÔNICO CCE0233 INTERIORES RESIDENCIAIS 6 CCE00 ATELIÊ DE PROJETO VI 6 CCE03 ATELIÊ DE URBANISMO 6 CCE0096 ATELIÊ DE PAISAGISMO 6 CCE0231 INTERIORES COMERCIAIS CCE01 ATELIÊ DE PROJETO VII CCE02 PLANEJAMENTO URBANO E REGIONAL CCE0232 INTERIORES CORPORATIVOS CCE022 INSTALAÇÕES PREDIAIS - ELÉTRICAS CCE02 ATELIÊ DE PROJETO VIII CCE0363 TÉCNICAS RETROSPECTIVAS CCE0093 ARQUITETURA EFÊMERA CCE016 ESTÁGIO SUPERVISIONADO I EM ARQUITETURA E URBANISMO 9 CCE019 FUNDAMENTOS PARA O TFG 9 ELE0001 ELETIVA 2 CRÉDITOS PRESENCIAL 9 CCE0090 APRESENTAÇÃO DE PROJETOS CCE0391 TCC EM ARQUITETURA ) Eixo Temático de Estudo da Forma: procura desenvolver a percepção estética e as habilidades de representação artística dos alunos. Período Código Disciplina Eixo Temático

6 1 CCE0033 REPRESENTAÇÃO E ANÁLISE DA FORMA I Estudo da Forma 2 CCE006 REPRESENTAÇÃO E ANÁLISE DA FORMA II Estudo da Forma 3 CCE026 PERCEPÇÃO, ESTÉTICA E PLÁSTICA Estudo da Forma A carga horária total obrigatória do Curso é de horas. O aluno poderá realizar a integralização do Curso de forma flexível, não havendo carga horária mínima ou máxima definida por período. Os prérequisitos são estabelecidos nos casos em que atendem à compreensão mínima de conteúdos. Há uma distribuição entre disciplinas de conteúdo de formação básica e disciplinas de aprimoramento nos campos de conhecimento específico, porém elas não formam qualquer núcleo rígido. A ampliação do conceito de currículo exige viabilizar, também, a flexibilização curricular horizontal, ou seja, possibilitar ao aluno a aproveitamento para fins de integralização do curso de várias atividades acadêmicas. Essas atividades são atualmente tão importantes para a formação do aluno que devem constituir o pilar de apoio para diversidade, proporcionando o cenário no qual o aluno possa, de fato, ter à disposição as variadas alternativas de percurso curricular. Assim, são oferecidas aos alunos atividades acadêmicas complementares tais como: seminários, conferências, exposições, cursos, visitas guiadas, viagens de estudo etc. Integralização A integralização do Curso se dá no mínimo de (cinco) anos e após o aluno completar horas de disciplinas obrigatórias e 66 horas de atividades acadêmicas complementares. O Trabalho de Conclusão de Curso (Trabalho Final de Graduação) é desenvolvido isoladamente no último período, após a integralização da carga horária obrigatória, excluindo-se as horas estabelecidas para o atendimento ao aluno em TFG. MATRIZ CURRICULAR DO CURSO DE ARQUITETURA E URBANISMO

7 Períod o CódIGO Disciplina Crédito s CH PR CCE000 ATELIÊ DE PROJETO I 2 CCE000 DESENHO DE ARQUITETURA I 2 CCE003 3 REPRESENTAÇÃO E ANÁLISE DA FORMA I 2 CCE000 3 ARQUITETURA DIGITAL I 2 CCE003 6 TEORIA CRÍTICA DA ARQUITETURA I 2 36 CCE002 0 HISTÓRIA DA ARTE I CEL001 METODOLOGIA CIENTÍFICA CCE00 1 ATELIÊ DE PROJETO II 2 CCE00 DESENHO DE ARQUITETURA II 2 CCE00 6 REPRESENTAÇÃO E ANÁLISE DA FORMA II 2 CCE00 0 ARQUITETURA DIGITAL II 2 CCE00 0 TEORIA CRÍTICA DA ARQUITETURA II 2 36 CCE006 2 HISTÓRIA DA ARTE II 2 36 CCE000 CCE000 CCE003 3 CCE000 3 CCE003 6 CCE CEL001 ANÁLISE TEXTUAL CCE009 ATELIÊ DE PROJETO III CCE02 6 PERCEPÇÃO, ESTÉTICA E PLÁSTICA 2 36 CCE026 6 MODELAGEM DIGITAL 2

8 3 3 CCE022 0 HISTÓRIA DA ARQUITETURA I 2 36 CCE013 CONFORTO AMBIENTAL E EFICIÊNCIA ENERGÉTICA I 2 CCE009 ATELIÊ DE PROJETO IV 6 CCE036 TECNOLOGIA DA CONSTRUÇÃO 2 36 CCE022 1 HISTÓRIA DA ARQUITETURA II 2 36 CCE013 6 CONFORTO AMBIENTAL E EFICIÊNCIA ENERGÉTICA II 2 CCE03 1 TOPOGRAFIA 2 CCE023 INTRODUÇÃO À ESTRUTURA 3 ELE0001 ELETIVA 2 CRÉDITOS PRESENCIAL 2 36 CCE009 9 ATELIÊ DE PROJETO V 6 CCE033 6 SEMINÁRIOS DE ARQUITETURA E URBANISMO I 2 36 CCE01 9 ESTRUTURA I 2 36 CCE03 TEORIA E HISTÓRIA DO URBANISMO 2 36 CCE03 3 TEORIA E HISTÓRIA DO PAISAGISMO 2 36 CCE01 0 DETALHAMENTO ARQUITETÔNICO 2 36 CCE023 3 INTERIORES RESIDENCIAIS 2 6 CCE0 0 ATELIÊ DE PROJETO VI 6

9 CCE01 0 ESTRUTURA II 2 36 CCE0 3 ATELIÊ DE URBANISMO 2 CCE009 6 ATELIÊ DE PAISAGISMO 2 CCE023 1 INTERIORES COMERCIAIS 2 CCE0 1 ATELIÊ DE PROJETO VII 6 CCE01 6 ESTRUTURA DE CONCRETO 2 36 CCE02 PLANEJAMENTO URBANO E REGIONAL 2 CCE023 2 INTERIORES CORPORATIVOS 2 CCE019 FUNDAÇÕES PARA ARQUITETURA 2 36 ELE0001 ELETIVA 2 CRÉDITOS PRESENCIAL 2 36 CCE022 INSTALAÇÕES PREDIAIS - ELÉTRICAS 2 36 CCE0 2 ATELIÊ DE PROJETO VIII 6 CCE01 1 ESTRUTURA METÁLICA 2 36 CCE022 6 INSTALAÇÕES PREDIAIS - HIDRÁULICAS 3 CCE022 INSTALAÇÕES ESPECIAIS 2 36 CCE036 3 TÉCNICAS RETROSPECTIVAS 2 CCE009 3 ARQUITETURA EFÊMERA 2 36 CCE01 6 ESTÁGIO SUPERVISIONADO I EM ARQUITETURA E URBANISMO 16

10 9 CCE019 FUNDAMENTOS PARA O TFG 6 9 CCE033 SEMINÁRIOS DE ARQUITETURA E URBANISMO II 2 9 ELE0001 ELETIVA 2 CRÉDITOS PRESENCIAL ELE0003 ELETIVA 2 CRÉDITOS ONLINE CCE009 0 APRESENTAÇÃO DE PROJETOS 2 36 CCE039 1 TCC EM ARQUITETURA 6 ATIVIDADES DE ESTÁGIO O estágio não é entendido apenas como uma exigência legal para a formação, mas como uma atividade que tem uma função pedagógica precípua, ou seja, é visto como uma oportunidade para aplicar os conhecimentos de forma supervisionada, propiciando ao estudante a realimentação do processo ensino-aprendizagem e sua vinculação ao mundo do trabalho. Com base nessa compreensão, foram formulados princípios que respeitam integralmente a Resolução CNE/CES n 0 6, de 2 de fevereiro de 2006: a) O Estágio Curricular Supervisionado é parte do conteúdo curricular obrigatório. b) As modalidades de conteúdo válido para o Estágio Curricular Supervisionado são: Participação no Escritório Modelo por um período mínimo de seis meses. Neste caso, caberá ao aluno respeitar as normas expressas no Regimento Interno do Escritório Modelo.

11 Estágio externo, atividades profissionais na área e participação em escritório de professor do Curso. Estágio Não Obrigatório O Estágio não obrigatório é a oportunidade proporcionada ao aluno como atividade opcional, acrescida à carga horária regular obrigatória do curso. Assim, esta atividade deve ser complementar ao estágio curricular supervisionado previsto nas Diretrizes Curriculares Nacionais para os cursos de graduação. Como o objetivo principal reside no desenvolvimento de atividades de práticas profissionais pelo aluno como complemento à sua formação acadêmica, as atividades desenvolvidas pelos alunos no estágio não obrigatório deverão ser compatíveis com sua maturidade acadêmica pertinentes às competências e habilidades já alcançadas pelo mesmo. Dessa forma, deve-se zelar pelo cumprimento da jornada de atividades em estágio não obrigatório, atendendo ao disposto na Lei nº 11, de 2 de setembro de 200. ESTÁGIOS E EMPREGOS A IES, por meio de um serviço gratuito e informatizado, integrado ao mercado de trabalho, oferece estágios e empregos a seus graduandos ou já graduados, utilizando um banco atualizado de empresas parceiras, com sucessivas boas ofertas. De acordo com a legislação em vigor, foram estabelecidas diretrizes, normas e procedimentos, unificando processos e atendimentos. Funções principais:

12 Incentivar o acesso de alunos e de formados à prática profissional; Estabelecer ligação entre os programas de Graduação e de Pós- Graduação com as expectativas do mercado; Propor parcerias que colaborem para a melhoria constante da qualificação dos graduandos e graduados. O acesso, tanto para o aluno (graduando ou formado) quanto para as empresas se cadastrarem, deve ser feito pela Internet, bastando para isso login e senha. O processamento de avaliação é feito através do sistema, pelo estudante, e validado pelo Coordenador do Curso ou pelo Orientador do Estágio, a partir de 90 (noventa) dias. Escritório Modelo O Escritório Modelo é uma atividade de extensão do Curso de Arquitetura e Urbanismo, que tem como objetivo a preparação dos alunos para a realidade multidisciplinar do campo profissional além, especificamente, de promover o debate de idéias no que se refere ao binômio teoria e prática da Arquitetura e do Urbanismo. Os projetos desenvolvidos têm caráter experimental, com grande preocupação ambiental e, preferencialmente, forte interesse social. São fruto de convênios institucionais com órgãos governamentais, ONGs, instituições culturais e entidades afins.

SÍNTESE PROJETO PEDAGÓGICO

SÍNTESE PROJETO PEDAGÓGICO SÍNTESE PROJETO PEDAGÓGICO Curso de Arquitetura e Urbanismo Campus: Niterói Missão Formar o arquiteto e urbanista capaz de atuar no planejamento de espaços internos e externos, traduzindo as necessidades

Leia mais

CURSO: ENGENHARIA CIVIL

CURSO: ENGENHARIA CIVIL CURSO: ENGENHARIA CIVIL OBJETIVOS DO CURSO Objetivos Gerais Formar engenheiros civis com sólida base teórica-prática, através de um currículo dinâmico que proporcione uma moderna visão do exercício profissional

Leia mais

SÍNTESE PROJETO PEDAGÓGICO

SÍNTESE PROJETO PEDAGÓGICO Curso: Engenharia Civil Cabo Frio SÍNTESE PROJETO PEDAGÓGICO Missão O Curso de Engenharia Civil da Universidade Estácio de Sá tem por missão formar profissionais com sólidos conhecimentos tecnológicos

Leia mais

SÍNTESE PROJETO PEDAGÓGICO

SÍNTESE PROJETO PEDAGÓGICO Curso: Engenharia Elétrica Campus: Campos dos Goytacazes SÍNTESE PROJETO PEDAGÓGICO Missão O Curso de Engenharia Elétrica da Universidade Estácio de Sá tem por missão formar engenheiros capazes de atender

Leia mais

CURSO DE ARQUITETURA E URBANISMO

CURSO DE ARQUITETURA E URBANISMO CURSO DE ARQUITETURA E URBANISMO TRILHAS ARTICULADAS À AGILIDADE DAS MUDANÇAS GLOBAIS. O curso de Arquitetura e Urbanismo da maior universidade privada do Estado entra nessa linha de transformações do

Leia mais

BACHARELADO EM ARQUITETURA E URBANISMO ATO AUTORIZATIVO DO CURSO DE ARQUITETURA E URBANISMO

BACHARELADO EM ARQUITETURA E URBANISMO ATO AUTORIZATIVO DO CURSO DE ARQUITETURA E URBANISMO BACHARELADO EM ARQUITETURA E URBANISMO ATO AUTORIZATIVO DO CURSO DE ARQUITETURA E URBANISMO Arquitetura e Urbanismo autorizado pela Portaria MEC n 295 de 09 de julho de 2013, publicada no D.O.U. em 10/07/2013;

Leia mais

CURSO: ENGENHARIA AMBIENTAL

CURSO: ENGENHARIA AMBIENTAL CURSO: ENGENHARIA AMBIENTAL OBJETIVOS DO CURSO Objetivos Gerais O curso de Engenharia Ambiental tem como objetivo geral dotar o profissional de uma formação científica e técnica, generalista, humanistica,

Leia mais

N Disciplina Nº CR C. H. Conteúdo Natureza. Introdução a EAD 4 60 DP Mód. 1 Obrigatória. Introdução à Filosofia 4 60 FG Mód.

N Disciplina Nº CR C. H. Conteúdo Natureza. Introdução a EAD 4 60 DP Mód. 1 Obrigatória. Introdução à Filosofia 4 60 FG Mód. Apresentação O curso de Filosofia licenciatura, na modalidade a distância, é resultado do desejo de iniciar um trabalho inter e multidisciplinar na qualificação de profissionais que atuam ou atuarão na

Leia mais

SÍNTESE PROJETO PEDAGÓGICO

SÍNTESE PROJETO PEDAGÓGICO Curso: ENGENHARIA QUÍMICA Campus: MACAÉ SÍNTESE PROJETO PEDAGÓGICO Missão O Curso de Engenharia Química da Universidade Estácio de Sá, campus Macaé, tem por missão formar profissionais com sólidos conhecimentos

Leia mais

RESUMO DO PROJETO PEDAGÓGIO CURSO DE ARQUITETURA E URBANISMO

RESUMO DO PROJETO PEDAGÓGIO CURSO DE ARQUITETURA E URBANISMO RESUMO DO PROJETO PEDAGÓGIO CURSO DE ARQUITETURA E URBANISMO 1. APRESENTAÇÃO A formação do arquiteto e urbanista, em função das características da profissão, requer o desenvolvimento de competências para

Leia mais

SÍNTESE PROJETO PEDAGÓGICO. Missão

SÍNTESE PROJETO PEDAGÓGICO. Missão SÍNTESE PROJETO PEDAGÓGICO Curso: ENGENHARIA DE PETRÓLEO Campus: NITERÓI Missão O Curso de Engenharia de Petróleo da Universidade Estácio de Sá tem por missão formar profissionais com sólida formação técnica

Leia mais

SÍNTESE PROJETO PEDAGÓGICO. Missão

SÍNTESE PROJETO PEDAGÓGICO. Missão SÍNTESE PROJETO PEDAGÓGICO Curso: TURISMO NOVA IGUAÇU Missão Formar profissionais humanistas, críticos, reflexivos, capacitados para planejar, empreender e gerir empresas turísticas, adaptando-se ao mercado,

Leia mais

Grade Curricular INTRODUÇÃO À ENGENHARIA CIVIL

Grade Curricular INTRODUÇÃO À ENGENHARIA CIVIL INTRODUÇÃO À ENGENHARIA CIVIL Grade Curricular O que o discente de engenharia precisa fazer para concluir o curso? Estágio ENADE Atividades complementares Integralização das disciplinas TCC Integralização

Leia mais

Engenharia de Petróleo e Gás/ CST em Petróleo e Gás/ Engenharia Química

Engenharia de Petróleo e Gás/ CST em Petróleo e Gás/ Engenharia Química Engenharia de Petróleo e Gás/ CST em Petróleo e Gás/ Engenharia Química Curso de Engenharia de Petróleo e Gás - Objetivo do curso O objetivo geral do Curso de Engenharia de Petróleo é formar engenheiros

Leia mais

OBJETIVOS DO CURSO DE ENFERMAGEM

OBJETIVOS DO CURSO DE ENFERMAGEM FACULDADE DO NORTE GOIANO OBJETIVOS DO CURSO DE ENFERMAGEM Objetivos do curso O Curso de Graduação em Enfermagem tem por objetivo formar bacharel em enfermagem (enfermeiro) capaz de influenciar na construção

Leia mais

SÍNTESE PROJETO PEDAGÓGICO. Missão

SÍNTESE PROJETO PEDAGÓGICO. Missão SÍNTESE PROJETO PEDAGÓGICO Curso: Engenharia de Petróleo Missão O Curso de Engenharia de Petróleo da Universidade Estácio de Sá tem por missão formar profissionais com sólida formação técnica nas áreas

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO RESOLUÇÃO N , DE 27 DE ABRIL DE 2011

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO RESOLUÇÃO N , DE 27 DE ABRIL DE 2011 SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO RESOLUÇÃO N. 4.114, DE 27 DE ABRIL DE 2011 Aprova o Projeto Pedagógico do Curso de Graduação em Engenharia

Leia mais

REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES

REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES 1.2.4.3.1 REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES Art. 1º - As Atividades Complementares são componentes curriculares que possibilitam o reconhecimento, por avaliação, de habilidades, conhecimentos e

Leia mais

UNIVERSIDADE DO ESTADO DO AMAZONAS CONSELHO UNIVERSITÁRIO RESOLUÇÃO N. 39/ CONSUNIV Aprova o Projeto Pedagógico do Curso de Superior de

UNIVERSIDADE DO ESTADO DO AMAZONAS CONSELHO UNIVERSITÁRIO RESOLUÇÃO N. 39/ CONSUNIV Aprova o Projeto Pedagógico do Curso de Superior de UNIVERSIDADE DO ESTADO DO AMAZONAS CONSELHO UNIVERSITÁRIO RESOLUÇÃO N. 39/2012 - CONSUNIV Aprova o Projeto Pedagógico do Curso de Superior de Tecnologia em Gestão de. O REITOR DA UNIVERSIDADE DO ESTADO

Leia mais

SÍNTESE PROJETO PEDAGÓGICO. Missão

SÍNTESE PROJETO PEDAGÓGICO. Missão SÍNTESE PROJETO PEDAGÓGICO Curso: Administração Campus: Teresópolis Missão O curso de Graduação em Administração tem como missão formar profissionais, éticos, criativos e empreendedores, com competências

Leia mais

SÍNTESE PROJETO PEDAGÓGICO. Missão

SÍNTESE PROJETO PEDAGÓGICO. Missão SÍNTESE PROJETO PEDAGÓGICO Curso Superior de Tecnologia em Design de Moda Campus: Niterói Missão O Curso Superior de Tecnologia em Design de Interiores busca a formação de profissionais generalistas, críticos,

Leia mais

CENTRO DE CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS - CCHS CURSO DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO REGULAMENTO DE ATIVIDADES COMPLEMENTARES

CENTRO DE CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS - CCHS CURSO DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO REGULAMENTO DE ATIVIDADES COMPLEMENTARES UNIVERSIDADE DE CRUZ ALTA CENTRO DE CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS - CCHS CURSO DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO REGULAMENTO DE ATIVIDADES COMPLEMENTARES Capítulo I - Do Conceito e das Finalidades Art. 1º. O presente

Leia mais

INSTITUTO NACIONAL DE ESTUDOS E PESQUISAS EDUCACIONAIS ANÍSIO TEIXEIRA

INSTITUTO NACIONAL DE ESTUDOS E PESQUISAS EDUCACIONAIS ANÍSIO TEIXEIRA Página 1 de 5 INSTITUTO NACIONAL DE ESTUDOS E PESQUISAS EDUCACIONAIS ANÍSIO TEIXEIRA PORTARIA Nº 237, DE 4 DE AGOSTO DE 2011 A Presidenta do Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio

Leia mais

Diretrizes curriculares nacionais e os projetos pedagógicos dos cursos de graduação

Diretrizes curriculares nacionais e os projetos pedagógicos dos cursos de graduação Diretrizes curriculares nacionais e os projetos pedagógicos dos cursos de graduação Curso de Atualização Pedagógica Julho de 2010 Mediador: Adelardo Adelino Dantas de Medeiros (DCA/UFRN) Diretrizes Curriculares

Leia mais

Curso: ARQUITETURA E URBANISMO Curriculo: /16 DISCIPLINAS EM OFERTA 2ºº Semestre de MATUTINO

Curso: ARQUITETURA E URBANISMO Curriculo: /16 DISCIPLINAS EM OFERTA 2ºº Semestre de MATUTINO GR03413 GR03407 GR02559 GR01285 GR03408 GR03411 1º PERÍODO Carga Horária Docentes Ateliê de Composição e Plástica Básica 72.00 Não ofertada no 2º semestre de 2017 Ateliê de Expressão e Representação 72.00

Leia mais

SÍNTESE PROJETO PEDAGÓGICO. Missão

SÍNTESE PROJETO PEDAGÓGICO. Missão SÍNTESE PROJETO PEDAGÓGICO Curso: Licenciatura em Matemática Missão O Curso de Licenciatura em Matemática tem por missão a formação de docentes com um novo perfil fundamentado na conexão de dois eixos,

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO RESOLUÇÃO N , DE 22 DE JANEIRO DE 2014

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO RESOLUÇÃO N , DE 22 DE JANEIRO DE 2014 SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO RESOLUÇÃO N. 4.478, DE 22 DE JANEIRO DE 2014 Aprova o Projeto Pedagógico do Curso de Licenciatura em

Leia mais

ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO (cursos presenciais e à distância)

ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO (cursos presenciais e à distância) FACULDADE DE CIÊNCIAS BIOMÉDICAS DE CACOAL DIREÇÃO ACADÊMICA REGULAMENTO INSTITUCIONAL DE ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO (cursos presenciais e à distância) CACOAL 2015 CAPÍTULO I DO CONCEITO, FINALIDADE

Leia mais

Curso Superior de Tecnologia em Gestão Empresarial. Prof. Me. Vitor Paulo Boldrin Organizador. ATIVIDADES ACADÊMICO-CIENTÍFICO-CULTURAIS Regulamento

Curso Superior de Tecnologia em Gestão Empresarial. Prof. Me. Vitor Paulo Boldrin Organizador. ATIVIDADES ACADÊMICO-CIENTÍFICO-CULTURAIS Regulamento Curso Superior de Tecnologia em Gestão Empresarial Prof. Me. Vitor Paulo Boldrin Organizador ATIVIDADES ACADÊMICO-CIENTÍFICO-CULTURAIS Regulamento Jales 2016 APRESENTAÇÃO E EMENTA O presente texto visa

Leia mais

MATRIZ CURRICULAR DO CURSO DE ENGENHARIA CIVIL

MATRIZ CURRICULAR DO CURSO DE ENGENHARIA CIVIL MATRIZ CURRICULAR DO CURSO DE ENGENHARIA CIVIL 1º TERMO Aulas Teóricas Práticas Total Comunicação e Expressão 40-40 Cálculo Diferencial e Integral I 80-80 Fundamentos da Administração 40-40 Introdução

Leia mais

FACULDADE DE PRESIDENTE VENCESLAU

FACULDADE DE PRESIDENTE VENCESLAU REGULAMENTO GERAL DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO CAPÍTULO I Das Disposições Legais Art.1º - O estágio deve propiciar a complementação do ensino e da aprendizagem e ser planejado, executado, acompanhado e avaliado

Leia mais

REGULAMENTO INSTITUCIONAL Estágio Curricular

REGULAMENTO INSTITUCIONAL Estágio Curricular REGULAMENTO INSTITUCIONAL Estágio Curricular CAPITULO I DA DEFINIÇÃO DE ESTÁGIO CURRICULAR E SUAS FINALIDADES Art. 1º Este regulamento tem por finalidade orientar a operacionalização do Estágio Curricular

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO NACIONAL DE ESTUDOS E PESQUISAS EDUCACIONAIS ANÍSIO TEIXEIRA

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO NACIONAL DE ESTUDOS E PESQUISAS EDUCACIONAIS ANÍSIO TEIXEIRA Página 1 de 5 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO NACIONAL DE ESTUDOS E PESQUISAS EDUCACIONAIS ANÍSIO TEIXEIRA PORTARIA Nº 469, DE 6 DE JUNHO DE 2017 A PRESIDENTE DO INSTITUTO NACIONAL DE ESTUDOS E PESQUISAS

Leia mais

Curso do Superior de Tecnologia em Marketing

Curso do Superior de Tecnologia em Marketing Curso do Superior de Tecnologia em Objetivos do curso 1.5.1 Objetivo Geral O Curso Superior de Tecnologia em na modalidade EaD da universidade Unigranrio, tem por objetivos gerais capacitar o profissional

Leia mais

FUNDAÇÃO PRESIDENTE ANTÔNIO CARLOS-FUPAC FACULDADE PRESIDENTE ANTONIO CARLOS DE UBERLÂNDIA

FUNDAÇÃO PRESIDENTE ANTÔNIO CARLOS-FUPAC FACULDADE PRESIDENTE ANTONIO CARLOS DE UBERLÂNDIA FUNDAÇÃO PRESIDENTE ANTÔNIO CARLOS-FUPAC FACULDADE PRESIDENTE ANTONIO CARLOS DE UBERLÂNDIA REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES Capítulo I Das Disposições Gerais ARTIGO 1º O presente Regulamento tem

Leia mais

CURSO DE GRADUAÇÃO TECNOLÓGICA EM SECRETARIADO EXECUTIVO. Regulamento de Atividades Complementares

CURSO DE GRADUAÇÃO TECNOLÓGICA EM SECRETARIADO EXECUTIVO. Regulamento de Atividades Complementares CURSO DE GRADUAÇÃO TECNOLÓGICA EM SECRETARIADO EXECUTIVO Regulamento de Atividades Complementares O presente Regulamento disciplina o funcionamento e o registro acadêmico das Atividades Complementares

Leia mais

CAPÍTULO I - Conceituação e Objetivos

CAPÍTULO I - Conceituação e Objetivos REGULAMENTO GERAL TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO TCC Ensino Técnico do Centro Paula Souza CAPÍTULO I - Conceituação e Objetivos Art. 1º O Trabalho de Conclusão de Curso - TCC constitui-se numa atividade

Leia mais

CURSO: CST EM SEGURANÇA DO TRABALHO

CURSO: CST EM SEGURANÇA DO TRABALHO CURSO: CST EM SEGURANÇA DO TRABALHO OBJETIVOS DO CURSO Objetivos Gerais Formar profissionais com conhecimentos teóricos e práticos, críticos e reflexivos capazes de desenvolver e implementar projetos de

Leia mais

REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES BIOMEDICINA - BACHARELADO

REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES BIOMEDICINA - BACHARELADO REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES BIOMEDICINA - BACHARELADO Ji-Paraná Rondônia Junho, 2014 REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES BIOMEDICINA - BACHARELADO TÍTULO I CONSIDERAÇÕES PRELIMINARES

Leia mais

CURSO DE GRADUAÇÃO TECNOLÓGICA EM SECRETARIADO EXECUTIVO Regulamento de Atividades Complementares

CURSO DE GRADUAÇÃO TECNOLÓGICA EM SECRETARIADO EXECUTIVO Regulamento de Atividades Complementares CURSO DE GRADUAÇÃO TECNOLÓGICA EM SECRETARIADO EXECUTIVO Regulamento de Atividades Complementares O presente Regulamento disciplina o funcionamento e o registro acadêmico das Atividades Complementares

Leia mais

A FORMAÇÃO DOCENTE: PIBID E O ESTÁGIO SUPERVISIONADO

A FORMAÇÃO DOCENTE: PIBID E O ESTÁGIO SUPERVISIONADO A FORMAÇÃO DOCENTE: PIBID E O ESTÁGIO SUPERVISIONADO Regina Célia Cola Rodrigues Mestranda em Educação: Currículo PUC/SP Profª Drª Neide de Aquino Noffs Professora Orientadora da Pesquisa Resumo O presente

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO RESOLUÇÃO N , DE 22 DE MARÇO DE 2012

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO RESOLUÇÃO N , DE 22 DE MARÇO DE 2012 SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO RESOLUÇÃO N. 4.262, DE 22 DE MARÇO DE 2012 Institui o Regulamento para a realização dos Estágios Supervisionados,

Leia mais

FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE DO TOCANTINS REGULAMENTO DE ESTÁGIO OBRIGATÓRIO E ESTÁGIO NÃO-OBRIGATÓRIO

FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE DO TOCANTINS REGULAMENTO DE ESTÁGIO OBRIGATÓRIO E ESTÁGIO NÃO-OBRIGATÓRIO FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE DO TOCANTINS REGULAMENTO DE ESTÁGIO OBRIGATÓRIO E ESTÁGIO NÃO-OBRIGATÓRIO PALMAS/2011 SUMÁRIO CAPÍTULO I - DA NATUREZA...03 CAPÍTULO II - DO ESTÁGIO OBRIGATÓRIO...03 Seção I - Da

Leia mais

Administração. Carga Horária Microeconomia 74 Cálculo 74 Estatística 74 Fundamentos de Administração 74 Macroeconomia 74

Administração. Carga Horária Microeconomia 74 Cálculo 74 Estatística 74 Fundamentos de Administração 74 Macroeconomia 74 Administração 1º semestre Microeconomia Cálculo Estatística Fundamentos de Administração Macroeconomia 2º semestre Laboratório de Negócios Mercados e Concorrência Ciências Políticas e Sociais Inferência

Leia mais

FACULDADE DE CIÊNCIAS BIOMÉDICAS DE CACOAL-FACIMED Autorizado Portaria Nº 306, de 20 de maio de Regulamento de Estágio Curricular Supervisionado

FACULDADE DE CIÊNCIAS BIOMÉDICAS DE CACOAL-FACIMED Autorizado Portaria Nº 306, de 20 de maio de Regulamento de Estágio Curricular Supervisionado FACULDADE DE CIÊNCIAS BIOMÉDICAS DE CACOAL-FACIMED Autorizado Portaria Nº 306, de 20 de maio de 2014 CURSO DE BACHARELADO EM ARQUITETURA E URBANISMO Cacoal - RO 2016 2 REGULAMENTO DO ESTÁGIO CURRICULAR

Leia mais

REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO

REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES GERAIS DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO Art. 1º - O Estágio Supervisionado é um componente

Leia mais

IV- PERFIL DO CURSO E REPRESENTAÇÃO GRÁFICA

IV- PERFIL DO CURSO E REPRESENTAÇÃO GRÁFICA IV- PERFIL DO CURSO E REPRESENTAÇÃO GRÁFICA A concepção de educação pautada numa visão crítica, de forma que a articulação da dimensão profissional com a dimensão sócio-política vai se concretizando em

Leia mais

SÍNTESE PROJETO PEDAGÓGICO. Missão

SÍNTESE PROJETO PEDAGÓGICO. Missão SÍNTESE PROJETO PEDAGÓGICO Curso: ENGENHARIA DE PRODUÇÃO CAMPUS: NITERÓI Missão A missão do curso de Engenharia de Produção da UNESA é formar Engenheiros de Produção de alto nível técnico e metodológico

Leia mais

CURSO SUPERIOR TECNOLÓGICO EM SECRETARIADO Regulamento de Atividades Complementares

CURSO SUPERIOR TECNOLÓGICO EM SECRETARIADO Regulamento de Atividades Complementares CURSO SUPERIOR TECNOLÓGICO EM SECRETARIADO Regulamento de Atividades Complementares O presente Regulamento disciplina o funcionamento e o registro acadêmico das Atividades Complementares no curso superior

Leia mais

Texto referência para a audiência pública sobre as Diretrizes Curriculares Nacionais para o curso de graduação em Relações Internacionais

Texto referência para a audiência pública sobre as Diretrizes Curriculares Nacionais para o curso de graduação em Relações Internacionais CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO Texto referência para a audiência pública sobre as Diretrizes Curriculares Nacionais para o curso de graduação em Relações Internacionais Comissão da Câmara de Educação Superior

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 3, DE 8 DE MARÇO DE 2004

RESOLUÇÃO Nº 3, DE 8 DE MARÇO DE 2004 RESOLUÇÃO Nº 3, DE 8 DE MARÇO DE 2004 Aprova as Diretrizes Curriculares Nacionais do Curso de Graduação em Dança e dá outras providências. O Presidente da Câmara de Educação Superior do Conselho Nacional

Leia mais

ESTÁGIO SUPERVISIONADO REGULAMENTO CAPÍTULO I APRESENTAÇÃO

ESTÁGIO SUPERVISIONADO REGULAMENTO CAPÍTULO I APRESENTAÇÃO ESTÁGIO SUPERVISIONADO REGULAMENTO CAPÍTULO I APRESENTAÇÃO Artigo 1º O presente regulamento disciplina as atividades de Estágio Supervisionado dos cursos de graduação oferecidos pela Faculdade Jauense.

Leia mais

REGULAMENTO DE ESTÁGIO OBRIGATÓRIO CURSO DE LICENCIATURA EM GEOGRAFIA EAD/UFMS TÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES INICIAIS CAPÍTULO I DA NATUREZA DO ESTÁGIO

REGULAMENTO DE ESTÁGIO OBRIGATÓRIO CURSO DE LICENCIATURA EM GEOGRAFIA EAD/UFMS TÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES INICIAIS CAPÍTULO I DA NATUREZA DO ESTÁGIO REGULAMENTO DE ESTÁGIO OBRIGATÓRIO CURSO DE LICENCIATURA EM GEOGRAFIA EAD/UFMS TÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES INICIAIS CAPÍTULO I DA NATUREZA DO ESTÁGIO Art. 1º - O Estágio Obrigatório, pela sua natureza, é

Leia mais

REGIMENTO GERAL DOS ESTÁGIOS CURRICULARES DE CURSOS DE GRADUAÇÃO, E DE ENSINO TÉCNICO TÍTULO I DA NATUREZA E DOS OBJETIVOS CAPÍTULO I DA NATUREZA

REGIMENTO GERAL DOS ESTÁGIOS CURRICULARES DE CURSOS DE GRADUAÇÃO, E DE ENSINO TÉCNICO TÍTULO I DA NATUREZA E DOS OBJETIVOS CAPÍTULO I DA NATUREZA 1 REGIMENTO GERAL DOS ESTÁGIOS CURRICULARES DE CURSOS DE GRADUAÇÃO, E DE ENSINO TÉCNICO TÍTULO I DA NATUREZA E DOS OBJETIVOS CAPÍTULO I DA NATUREZA Art. 1º. Estas normas regulamentam os estágios dos cursos

Leia mais

SÍNTESE PROJETO PEDAGÓGICO. Missão

SÍNTESE PROJETO PEDAGÓGICO. Missão SÍNTESE PROJETO PEDAGÓGICO Curso Design de Moda - Bacharelado Campus: Tom Jobim Missão Formar profissionais reflexivos e com sensibilidade artística para a construção do pensamento e cultura de moda, aptos

Leia mais

Capítulo I Das Disposições Gerais

Capítulo I Das Disposições Gerais 18 ATIVIDADES COMPLEMENTARES Todos os alunos do curso de agronomia deverão cumprir 200 horas de atividades complementares para atenderem as exigências curriculares visando a obtenção de título. As atividades

Leia mais

A Reforma do Ensino Médio e a Educação Profissional

A Reforma do Ensino Médio e a Educação Profissional Fórum da Educação Profissional do Estado de São Paulo A Reforma do Ensino Médio e a Educação Profissional Francisco Aparecido Cordão facordao@uol.com.br Diretrizes e orientações curriculares do Ensino

Leia mais

REGULAMENTAÇÃO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES DO CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS CMRV/UFPI

REGULAMENTAÇÃO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES DO CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS CMRV/UFPI REGULAMENTAÇÃO DAS S COMPLEMENTARES DO CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS CMRV/UFPI Art. 1º - As Atividades Complementares têm por objetivo enriquecer o conhecimento propiciado pelo curso de Ciências Contábeis,

Leia mais

DIRETRIZES PARA ATIVIDADES COMPLEMENTARES (ACG s) DO CURSO DE CIÊNCIAS ECONÔMICAS DA FACULDADE HORIZONTINA

DIRETRIZES PARA ATIVIDADES COMPLEMENTARES (ACG s) DO CURSO DE CIÊNCIAS ECONÔMICAS DA FACULDADE HORIZONTINA DIRETRIZES PARA ATIVIDADES COMPLEMENTARES (ACG s) DO CURSO DE CIÊNCIAS ECONÔMICAS DA FACULDADE HORIZONTINA HORIZONTINA SETEMBRO DE 2011 O aluno do Curso de Ciências Econômicas da Faculdade Horizontina,

Leia mais

COLEGIADO DE CURSOS FACULDADE UNA DE BETIM. Resolução nº 16 de 21 de novembro de 2016

COLEGIADO DE CURSOS FACULDADE UNA DE BETIM. Resolução nº 16 de 21 de novembro de 2016 COLEGIADO DE CURSOS Resolução nº 16 de 21 de novembro de 2016 Institui a Política de Extensão no âmbito da Faculdade Una de Betim e dá outras providências. A Presidente do Colegiado de Cursos da Faculdade

Leia mais

ISES INSTITUTO SUMARÉ DE EDUCAÇÃO SUPERIOR FACULDADE SUMARÉ REGULAMENTO DO ESTÁGIO CURRICULAR

ISES INSTITUTO SUMARÉ DE EDUCAÇÃO SUPERIOR FACULDADE SUMARÉ REGULAMENTO DO ESTÁGIO CURRICULAR ISES INSTITUTO SUMARÉ DE EDUCAÇÃO SUPERIOR FACULDADE SUMARÉ REGULAMENTO DO ESTÁGIO CURRICULAR CAPÍTULO I DA CONCEPÇÃO E FINALIDADE Art. 1º Respeitada a legislação vigente e as normas específicas aplicáveis

Leia mais

REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES CURSO DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO (ANO LETIVO 2014)

REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES CURSO DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO (ANO LETIVO 2014) (35) 3690-8900 / 3690-8958 (fax) REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES CURSO DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO (ANO LETIVO 2014) 1 Caracterização Os cursos de Engenharia de Produção do Brasil são regidos pelas

Leia mais

MATRIZ CURRICULAR DO CURSO DE ENGENHARIA CIVIL

MATRIZ CURRICULAR DO CURSO DE ENGENHARIA CIVIL MATRIZ CURRICULAR DO CURSO DE ENGENHARIA CIVIL 1º TERMO Aulas Teóricas Práticas Total Comunicação e Expressão 36-36 Direito 36-36 Cálculo Diferencial e Integral I 72-72 Fundamentos da Administração 36-36

Leia mais

SÍNTESE PROJETO PEDAGÓGICO. Missão. Objetivo Geral

SÍNTESE PROJETO PEDAGÓGICO. Missão. Objetivo Geral SÍNTESE PROJETO PEDAGÓGICO Curso Superior de Tecnologia em Design de Moda Campus: Tom Jobim Missão Formar profissionais reflexivos e com sensibilidade artística para a construção do pensamento e cultura

Leia mais

CURRICULUM SIMPLIFICADO

CURRICULUM SIMPLIFICADO Série: 1-1 Semestre 7AQ110 ANTROPOMETRIA 2.0 0 7AQ104 DESENHO ARQUITETÔNICO I 4.0 0 7AQ101 DESENHO DE OBSERVAÇÃO 4.0 0 7AQ102 DESENHO GEOMÉTRICO 4.0 0 7AQ106 HISTÓRIA DA ARTE ANTIGA 2.0 0 7AQ103 LINGUAGEM

Leia mais

REGULAMENTO DE REALIZAÇÃO DE ESTÁGIO Faculdade de Enfermagem Luiza de Marillac

REGULAMENTO DE REALIZAÇÃO DE ESTÁGIO Faculdade de Enfermagem Luiza de Marillac REGULAMENTO DE REALIZAÇÃO DE ESTÁGIO Faculdade de Enfermagem Luiza de Marillac 2 TÍTULO I DAS CONSIDERAÇÕES GERAIS Artigo 1º - Os Cursos da FELM mantém estágios curriculares supervisionados que se constituem

Leia mais

Regulamento das Atividades Complementares. Faculdade Paulus de Comunicação

Regulamento das Atividades Complementares. Faculdade Paulus de Comunicação Faculdade Paulus de Comunicação CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES GERAIS Art. 1 O presente Regulamento tem por finalidade normatizar as Atividades Complementares, práticas acadêmicas obrigatórias cujo cumprimento

Leia mais

UNIVERSIDADE ALTO VALE DO RIO DO PEIXE UNIARP CURSO DE ARQUITETURA E URBANISMO

UNIVERSIDADE ALTO VALE DO RIO DO PEIXE UNIARP CURSO DE ARQUITETURA E URBANISMO UNIVERSIDADE ALTO VALE DO RIO DO PEIXE UNIARP CURSO DE ARQUITETURA E URBANISMO REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO MATRIZ CURRICULAR 2017 Fabieli Spessatto Coordenadora do Curso Caçador, 2016

Leia mais

REGULAMENTO - ATIVIDADES COMPLEMENTARES DO CURSO DE ENGENHARIA CIVIL

REGULAMENTO - ATIVIDADES COMPLEMENTARES DO CURSO DE ENGENHARIA CIVIL Dispõe sobre as Atividades Complementares do Curso de Engenharia Civil do Centro Universitário do Cerrado- Patrocínio UNICERP. Capítulo I Das Disposições Gerais Art. 1º. Este Regulamento dispõe sobre as

Leia mais

REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES

REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES Curso de Graduação em Pedagogia - Licenciatura - Piracanjuba-GO 2016 SUMÁRIO CAPÍTULO I - DAS FINALIDADES... 5 CAPITULO II - DO LOCAL DE REALIZAÇÃO... 6 CAPÍTULO

Leia mais

Curso: ARQUITETURA E URBANISMO Curriculo: /16 DISCIPLINAS EM OFERTA 1ºº Semestre de MATUTINO

Curso: ARQUITETURA E URBANISMO Curriculo: /16 DISCIPLINAS EM OFERTA 1ºº Semestre de MATUTINO 1ºº Semestre de 2017 - MATUTINO GR03413 GR03407 GR02559 GR01285 GR03408 GR03411 1º PERÍODO Carga Horária Docentes Ateliê de Composição e Plástica Básica 72.00 Adriane Cordoni Savi Ateliê de Expressão e

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO CENTRO DE CIÊNCIAS HUMANAS E NATURAIS COLEGIADO DE CURSO DE CIÊNCIAS SOCIAIS

UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO CENTRO DE CIÊNCIAS HUMANAS E NATURAIS COLEGIADO DE CURSO DE CIÊNCIAS SOCIAIS UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO CENTRO DE CIÊNCIAS HUMANAS E NATURAIS COLEGIADO DE CURSO DE CIÊNCIAS SOCIAIS Anexo 4 Regulamento do Estágio Curricular Supervisionado Não-obrigatório do Curso de

Leia mais

CETRO CONSULTORIA EDUCACIONAL E PARTICIPAÇÕES LTDA FACULDADE DE ITAPECERICA DA SERRA FIT

CETRO CONSULTORIA EDUCACIONAL E PARTICIPAÇÕES LTDA FACULDADE DE ITAPECERICA DA SERRA FIT CETRO CONSULTORIA EDUCACIONAL E PARTICIPAÇÕES LTDA FACULDADE DE ITAPECERICA DA SERRA FIT Regulamento de Estágio Supervisionado REGULAMENTO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO CAPÍTULO I Das Disposições da Lei Artigo

Leia mais

SÍNTESE PROJETO PEDAGÓGICO. Curso: CURSO SUPERIOR DE TECNOLGIA EM AUTOMAÇÃO INDUSTRIAL. Missão

SÍNTESE PROJETO PEDAGÓGICO. Curso: CURSO SUPERIOR DE TECNOLGIA EM AUTOMAÇÃO INDUSTRIAL. Missão SÍNTESE PROJETO PEDAGÓGICO Curso: CURSO SUPERIOR DE TECNOLGIA EM AUTOMAÇÃO INDUSTRIAL Campus: SANTA CRUZ Missão O Curso Superior de Tecnologia em Automação Industrial da Universidade Estácio de Sá tem

Leia mais

Macapá-2011 REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES

Macapá-2011 REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES Macapá-2011 REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES CAPÍTULO I DA CARACTERIZAÇÃO Art. 1º As Atividades Complementares

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO RESOLUÇÃO N , DE 13 DE JUNHO DE 2012

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO RESOLUÇÃO N , DE 13 DE JUNHO DE 2012 SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO RESOLUÇÃO N. 4.295, DE 13 DE JUNHO DE 2012 Aprova o Projeto Pedagógico do Curso de Licenciatura em,

Leia mais

HORÁRIOS 2018/1 Curso de Arquitetura e Urbanismo

HORÁRIOS 2018/1 Curso de Arquitetura e Urbanismo HORÁRIOS 2018/1 Curso de Arquitetura e Urbanismo DISCIPLINAS DE PROJETOS 481. 48115-03 Introdução à Arquitetura e Urbanismo 260 4 FGH 20 301/30B 270 4 FGH 20 301/30B 280 4 FGH 20 301/30B 48116-06 Ateliê

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO UNIRIO RESOLUÇÃO N.º 2628, DE 08 DE SETEMBRO DE 2005

UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO UNIRIO RESOLUÇÃO N.º 2628, DE 08 DE SETEMBRO DE 2005 RESOLUÇÃO N.º 2628, DE 08 DE SETEMBRO DE 2005 Dispõe sobre a regulamentação das Atividades Complementares nos currículos dos Cursos de Graduação da UNIRIO. O Conselho de Ensino, Pesquisa e Extensão, em

Leia mais

FACULDADE DE HORTOLÂNDIA

FACULDADE DE HORTOLÂNDIA INSTITUTO EDUCACIONAL DO ESTADO DE SÃO PAULO Faculdade de Hortolândia REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURSO SUPERIOR DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO Hortolândia 2015 1 REGULAMENTO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO CAPÍTULO I

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 034/ CEPE DE 23 de Agosto de 2006.

RESOLUÇÃO Nº 034/ CEPE DE 23 de Agosto de 2006. RESOLUÇÃO Nº 034/2006 - CEPE DE 23 de Agosto de 2006. APROVA A ALTERAÇÃO DA RESOLUÇÃO CEPE N.º 003- A/2003 NORMAS DE ESTÁGIO. O Reitor da Universidade Castelo Branco, usando de suas atribuições legais

Leia mais

REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES/ATIVIDADES ACADÊMICO-CIENTÍFICO-CULTURAIS CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES

REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES/ATIVIDADES ACADÊMICO-CIENTÍFICO-CULTURAIS CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES/ATIVIDADES CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES Art. 1 O presente conjunto de normas tem por finalidade regulamentar as Atividades Complementares e Atividades

Leia mais

Centro Universitário Estácio/FIC Curso de Arquitetura e Urbanismo Unidade Via Corpvs SEMINÁRIOS INTEGRADOS EM ARQUITETURA E URBANISMO CCE0736

Centro Universitário Estácio/FIC Curso de Arquitetura e Urbanismo Unidade Via Corpvs SEMINÁRIOS INTEGRADOS EM ARQUITETURA E URBANISMO CCE0736 Centro Universitário Estácio/FIC Curso de Arquitetura e Urbanismo Unidade Via Corpvs CCE0736 Profa.: Larissa Porto EMENTA Integração interdisciplinar entre os conteúdos do Núcleo de Conhecimentos Profissionais

Leia mais

REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES DOS CURSOS DE GRADUAÇÃO DO UGB. Capítulo I Das Disposições Gerais

REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES DOS CURSOS DE GRADUAÇÃO DO UGB. Capítulo I Das Disposições Gerais REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES DOS CURSOS DE GRADUAÇÃO DO UGB Capítulo I Das Disposições Gerais Art. 1º. Este Regulamento dispõe sobre as Atividades Complementares nos Cursos de Graduação do

Leia mais

Faculdade De Quatro Marcos REGULAMENTO DE ATIVIDADES COMPLEMENTARES

Faculdade De Quatro Marcos REGULAMENTO DE ATIVIDADES COMPLEMENTARES REGULAMENTO DE ATIVIDADES COMPLEMENTARES 2014 SUMÁRIO CAPÍTULO I... 3 Disposições preliminares... 3 CAPÍTULO II... 3 Das atividades complementares... 3 Seção I... 4 Atividades de iniciação científica...

Leia mais

Capítulo I - Da caracterização. Capítulo II - Do objetivo

Capítulo I - Da caracterização. Capítulo II - Do objetivo REGULAMENTO DO ESTÁGIO CURRICULAR OBRIGATÓRIO SUPERVISIONADO Capítulo I - Da caracterização Art. 1º. O Estágio Curricular Obrigatório Supervisionado (ECOS) é atividade individual obrigatória do Currículo

Leia mais

Regulamento de Estágio do Curso de Engenharia Elétrica

Regulamento de Estágio do Curso de Engenharia Elétrica Regulamento de Estágio do Curso de Engenharia Elétrica Estágio Curricular Supervisionado Obrigatório no curso de Engenharia Elétrica é uma atividade curricular obrigatória aos acadêmicos do curso dividida

Leia mais

REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES OBRIGATÓRIAS DO CURSO DE DIREITO DA FACULDADE ARTHUR THOMAS

REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES OBRIGATÓRIAS DO CURSO DE DIREITO DA FACULDADE ARTHUR THOMAS REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES OBRIGATÓRIAS DO CURSO DE DIREITO DA FACULDADE ARTHUR THOMAS Art. 1º. As Atividades Complementares Obrigatórias para o Curso de Graduação em Direito totalizam 240

Leia mais

MANUAL DE ATIVIDADES COMPLEMENTARES DA ESCOLA DE NEGÓCIOS

MANUAL DE ATIVIDADES COMPLEMENTARES DA ESCOLA DE NEGÓCIOS 1 MANUAL DE ATIVIDADES COMPLEMENTARES DA ESCOLA DE NEGÓCIOS PALMAS TO, 2015 2 1. AS ATIVIDADES COMPLEMENTARES Este manual define as orientações básicas das Atividades Complementares da Escola de Negócios

Leia mais

Capítulo I Das Atividades Complementares

Capítulo I Das Atividades Complementares página 1 de 5 FACULDADE DE ENGENHARIA, ARQUITETURA E URBANISMO REGIMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES Capítulo I Das Atividades Complementares Art. 1º O presente Regimento trata das Atividades Complementares

Leia mais

RESOLUÇÃO N o 256 de 30/05/ CAS

RESOLUÇÃO N o 256 de 30/05/ CAS RESOLUÇÃO N o 256 de 30/05/2017 - CAS Aprova o Regulamento dos Estágios Não Obrigatórios Remunerados (ENOR) e dos Estágios Curriculares Obrigatórios (ECO) dos alunos da Universidade Positivo (UP). O CONSELHO

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO RESOLUÇÃO N , DE 22 DE ABRIL DE 2014

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO RESOLUÇÃO N , DE 22 DE ABRIL DE 2014 SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO RESOLUÇÃO N. 4.550, DE 22 DE ABRIL DE 2014 Aprova o Projeto Pedagógico do Curso de Licenciatura em

Leia mais

Promoção da Saúde na Educação Básica

Promoção da Saúde na Educação Básica UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO ESCOLA DE ENFERMAGEM DE RIBEIRÃO PRETO Promoção da Saúde na Educação Básica Projeto de Extensão submetido ao Programa Unificado de Bolsas de Estudo para Estudantes de Graduação,

Leia mais

FACULDADES INTEGRADAS DESEMBARGADOR SÁVIO BRANDÃO - FAUSB

FACULDADES INTEGRADAS DESEMBARGADOR SÁVIO BRANDÃO - FAUSB FACULDADES INTEGRADAS DESEMBARGADOR SÁVIO BRANDÃO - FAUSB REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES VÁRZEA GRANDE - 2015 A Diretora Acadêmica da Faculdade Integradas Desembargador Sávio Brandão - FAUSB,

Leia mais

2

2 REGULAMENTO INSTITUCIONAL DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO DA UNIVERSIDADE IBIRAPUERA 2 REGULAMENTO INSTITUCIONAL DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO DA UNIVERSIDADE IBIRAPUERA CAPÍTULO I DO ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO

Leia mais

BACHARELADO EM ARQUITETURA E URBANISMO

BACHARELADO EM ARQUITETURA E URBANISMO 10º Período de Arquitetura e Urbanismo Trabalho de Conclusão de Curso AU Trabalho de Conclusão de Curso AU Tópicos Especiais em Projeto Arquitetônico Prof. Wagner Rezende Tópicos Especiais em Projeto Arquitetônico

Leia mais

R E S O L U Ç Ã O. Art. 2º Esta Resolução entra em vigor nesta data, revogando a Resolução CONSEACC/BP 76/2009 e demais disposições contrárias.

R E S O L U Ç Ã O. Art. 2º Esta Resolução entra em vigor nesta data, revogando a Resolução CONSEACC/BP 76/2009 e demais disposições contrárias. RESOLUÇÃO CONSEACC/BP 20/2017 ALTERA O REGULAMENTO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO DO CURSO DE PEDAGOGIA DO CAMPUS BRAGANÇA PAULISTA DA UNIVERSIDADE SÃO FRANCISCO USF. A Presidente do Conselho Acadêmico de Campus

Leia mais

REGULAMENTO DO ESTÁGIO DO CURSO DE GRADUAÇÃO TECNOLÓGICA EM PROCESSOS GERENCIAIS

REGULAMENTO DO ESTÁGIO DO CURSO DE GRADUAÇÃO TECNOLÓGICA EM PROCESSOS GERENCIAIS REGULAMENTO DO ESTÁGIO DO CURSO DE GRADUAÇÃO TECNOLÓGICA EM PROCESSOS GERENCIAIS EMENTA: Estabelece normas para o funcionamento do Estágio do Curso de Graduação Tecnológica em Processos Gerenciais. O Colegiado

Leia mais

CULDADE CNEC ILHA DO GOVERNADOR

CULDADE CNEC ILHA DO GOVERNADOR s REGULAMENTO DE PROJETO INTEGRADOR FACULDADE CNEC ILHA DO GOVERNADOR Página 1 de 9 2016 Sumário CAPÍTULO I... 3 DISPOSIÇÕES PRELIMINARES... 3 CAPITULO II... 5 CARACTERIZAÇÃO DOS PROJETOS INTEGRADORES...

Leia mais

REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES PREVISTAS PARA OS CURSOS DE GRADUAÇÃO DA FACULDADE ALDETE MARIA ALVES FAMA CAPÍTULO I DAS FINALIDADES

REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES PREVISTAS PARA OS CURSOS DE GRADUAÇÃO DA FACULDADE ALDETE MARIA ALVES FAMA CAPÍTULO I DAS FINALIDADES REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES PREVISTAS PARA OS CURSOS DE GRADUAÇÃO DA FACULDADE ALDETE MARIA ALVES FAMA CAPÍTULO I DAS FINALIDADES Art. 1º. O presente Regulamento disciplina as Atividades

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO RESOLUÇÃO N DE 22 DE JUNHO DE 2009

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO RESOLUÇÃO N DE 22 DE JUNHO DE 2009 SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO RESOLUÇÃO N. 3.866 DE 22 DE JUNHO DE 2009 Aprova o Projeto Político Pedagógico do Curso de Engenharia

Leia mais