INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA - IBGE

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA - IBGE"

Transcrição

1

2 Presidente da República Luiz Inácio Lula da Silva Ministro do Planejamento, Orçamento e Gestão Paulo Bernardo Silva INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA - IBGE Presidente Eduardo Pereira Nunes Diretor-Executivo Sérgio da Costa Côrtes ÓRGÃOS ESPECÍFICOS SINGULARES Diretoria de Pesquisas Wasmália Socorro Barata Bivar Diretoria de Geociências Luiz Paulo Souto Fortes Diretoria de Informática Paulo César Moraes Simões Centro de Documentação e Disseminação de Informações David Wu Tai Escola Nacional de Ciências Estatísticas Sérgio da Costa Côrtes (interino) UNIDADE RESPONSÁVEL Diretoria de Pesquisas Coordenação de População e Indicadores Sociais Luiz Antônio Pinto de Oliveira

3 Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística - IBGE Estatísticas do Registro Civil volume ISSN Estat. Reg. civ., Rio de Janeiro, v. 36, p.- 86, 009

4 Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística - IBGE Av. Franklin Roosevelt, 66 - Centro Rio de Janeiro, RJ - Brasil ISSN X (CD-ROM) ISSN (meio impresso) IBGE. 00 Elaboração do arquivo PDF Roberto Cavararo Produção de multimídia Marisa Sigolo Mendonça Márcia do Rosário Brauns Capa Marcos Balster Fiore e Renato Aguiar - Coordenação de Marketing/Centro de Documentação e Disseminação de Informações - CDDI.

5 Sumário Apresentação Notas técnicas Introdução Conceitos e definições Análise dos resultados Registros de nascimentos Análise das informações sobre óbitos Casamentos Divórcios e separações Tabelas de resultados Nascidos vivos. - Nascidos vivos, por ano do nascimento, segundo o lugar de residência da mãe - antes de 00 e Nascidos vivos, ocorridos no ano, por local do nascimento, número de nascidos por parto e sexo, segundo o lugar de residência da mãe Nascidos vivos, ocorridos no ano, por sexo e local do nascimento, segundo a idade da mãe na ocasião do parto Nascidos vivos, ocorridos no ano, por grupos de idade da mãe na ocasião do parto, segundo o lugar de residência da mãe - 009

6 .5 - Nascidos vivos, ocorridos no ano, por lugar de nascimento do pai, segundo o lugar de nascimento da mãe Nascidos vivos, ocorridos no ano, por grupos de idade da mãe na ocasião do parto, segundo o lugar de nascimento e residência da mãe Óbitos. - Óbitos, por ano de ocorrência e sexo, segundo o lugar de residência do falecido - antes de 008 e Óbitos, por ano de ocorrência e sexo, segundo os grupos de idade - antes de 008 e Óbitos, ocorridos no ano, por natureza do óbito e sexo, segundo o lugar de residência do falecido Óbitos, ocorridos no ano, por natureza do óbito e sexo, segundo a idade e os grupos de idade Óbitos, ocorridos no ano, por local de ocorrência e sexo, segundo o lugar de residência do falecido Óbitos, ocorridos no ano, por local de ocorrência e sexo, segundo a idade e os grupos de idade Óbitos, ocorridos no ano, por estado civil e sexo, segundo o lugar de residência do falecido Óbitos, ocorridos no ano, por grupos de idade, segundo o lugar de residência do falecido Óbitos de menores de ano, ocorridos no ano, por grupos de idade e sexo, segundo o lugar de residência do falecido Óbitos fetais 3. - Óbitos fetais, ocorridos e registrados no ano, por local do nascimento, número de nascidos por parto e sexo, segundo o lugar de residência da mãe Óbitos fetais com 8 semanas ou mais, ocorridos e registrados no ano, por local do nascimento, número de nascidos por parto e sexo, segundo o lugar de residência da mãe Óbitos fetais com 8 semanas ou mais, ocorridos e registrados no ano, por grupos de idade da mãe na ocasião do parto, segundo o lugar de residência da mãe Óbitos fetais com 8 semanas ou mais, ocorridos e registrados no ano, por local de nascimento e sexo, segundo a idade da mãe na ocasião do parto Óbitos fetais, ocorridos e registrados no ano, por duração da gestação, segundo o lugar de residência da mãe Estatísticas do Registro Civil, v.36, 009

7 4 Casamentos 4. - Casamentos, por mês de ocorrência, segundo o lugar do registro Casamentos, por grupos de idade do homem, segundo os grupos de idade da mulher Casamentos entre solteiros, por grupos de idade do homem, segundo os grupos de idade da mulher Casamentos, por estado civil dos cônjuges, segundo o lugar do registro Casamentos, por estado civil dos cônjuges, segundo a idade do homem Casamentos, por estado civil dos cônjuges, segundo a idade da mulher Separações 5. - Processos de separação judicial encerrados em a instância, por natureza e fundamento da ação, segundo o lugar da ação do processo Processos de separação judicial encerrados em a instância, por sentença proferida e regime de bens do casamento, segundo o lugar da ação do processo Separações judiciais concedidas em a instância, por natureza e fundamento da ação, segundo o lugar da ação do processo Separações judiciais concedidas em a instância, por natureza e fundamento da ação, segundo os grupos de idade dos cônjuges na data da abertura do processo Separações judiciais concedidas em a instância, por tipo de família e total de filhos, segundo o lugar da ação do processo Separações judiciais concedidas em a instância, por número de filhos do casal e total de filhos, segundo o lugar da ação do processo Separações judiciais concedidas em a instância, a casais com filhos menores de idade, por número de filhos e total de filhos menores de idade, segundo o lugar da ação do processo Separações judiciais concedidas em a instância, a casais com filhos menores de idade e número de filhos menores de idade, por responsável pela guarda dos filhos, segundo o lugar da ação do processo Sumário

8 5.9 - Separações judiciais concedidas em a instância, por tempo transcorrido entre as datas do casamento e da sentença, segundo o lugar da ação do processo Separações judiciais concedidas em a instância, por tempo transcorrido entre as datas do casamento e da sentença, segundo os grupos de idade dos cônjuges na data da sentença Escrituras de separação, por regime de bens do casamento, segundo o lugar da lavratura da escritura Escrituras de separação, por tempo transcorrido entre as datas do casamento e da escritura, segundo o lugar da lavratura da escritura Separações judiciais concedidas em a instância sem recursos e escrituras de separação, por tempo transcorrido entre as datas do casamento e da separação ou da escritura, segundo os grupos de idade dos cônjuges nas datas da sentença ou da escritura Divórcios 6. - Processos de divórcios encerrados em a instância, por tipo, natureza, sentença proferida e regime de bens do casamento, segundo o lugar da ação do processo Divórcios concedidos em a instância, por tipo e natureza, segundo o lugar da ação do processo Divórcios concedidos em a instância, por tipo e natureza, segundo os grupos de idade dos cônjuges na data da sentença Divórcios concedidos em a instância, por tipo de família e total de filhos, segundo o lugar da ação do processo Divórcios concedidos em a instância, por número de filhos do casal e total de filhos, segundo o lugar da ação do processo Divórcios concedidos em a instância, a casais com filhos menores de idade, por número de filhos e total de filhos menores de idade, segundo o lugar da ação do processo Divórcios concedidos em a instância, a casais com filhos menores de idade e número de filhos menores de idade, por responsável pela guarda dos filhos, segundo o lugar da ação do processo Divórcios concedidos em a instância, por grupos de idade do marido na data da sentença, segundo os grupos de idade da mulher na data da sentença Estatísticas do Registro Civil, v.36, 009

9 6.9 - Divórcios concedidos em a instância, por tempo transcorrido entre as datas do casamento e da sentença, segundo o lugar da ação do processo Divórcios concedidos em a instância, por tempo transcorrido entre as datas do casamento e da sentença, segundo os grupos de idade dos cônjuges na data da sentença Escrituras de divórcio, por tipo e regime de bens do casamento, segundo o lugar da lavratura da escritura Escrituras de divórcio, por tempo transcorrido entre as datas do casamento e da escritura, segundo o lugar da lavratura da escritura Divórcios concedidos em a instância sem recursos e escrituras de divórcio, por tempo transcorrido entre as datas do casamento e do divórcio ou da escritura, segundo os grupos de idade dos cônjuges nas datas da sentença ou da escritura Referências Anexos Questionários do Registro Civil Nascidos Vivos - RC. Óbitos - RC.3 Óbitos Fetais - RC.4 Casamento - RC. Separações Judiciais - SJ Separações Extrajudiciais - SE Divórcios - DS Divórcios Extrajudiciais - DE Folha de Cadastro - RC.0 Convenções - Dado numérico igual a zero não resultante de arredondamento;.. Não se aplica dado numérico;... Dado numérico não disponível; x Dado numérico omitido a fim de evitar a individualização da informação; 0; 0,0; 0,00 Dado numérico igual a zero resultante de arredondamento de um dado numérico originalmente positivo; e -0; -0,0; -0,00 Dado numérico igual a zero resultante de arredondamento de um dado numérico originalmente negativo. Sumário

10 Apresentação Com a presente publicação, o IBGE divulga as Estatísticas do Registro Civil relativas ao ano de 009, resultado da coleta das informações prestadas pelos Cartórios de Registro Civil de Pessoas Naturais, Varas de Família, Foros ou Varas Cíveis e os Tabelionatos de Notas do País. Destaca-se, nesta edição da pesquisa, os resultados que mostram a melhoria da cobertura dos registros de nascimentos. A qualidade das informações produzida através dos registros públicos permite observar as áreas do País onde houve evolução significativa do registro de nascimento, identificada pelo percentual de nascidos vivos registrados até 90 dias após o nascimento, bem como revela a proporção daqueles cujas mães buscaram assistência hospitalar para o parto em município diferente do de sua residência. A pesquisa retrata também as características dos arranjos formais existentes no País e suas dissoluções, com destaque para a análise das taxas de nupcialidade calculadas para a série histórica do IBGE que se inicia com o ano de 974. Os resultados da pesquisa ressaltam ainda o crescimento dos divórcios entre as famílias com filhos maiores de idade. A publicação é composta por uma parte analítica na qual se discorreu sobre alguns aspectos das variáveis pesquisadas e por um conjunto de tabelas que agregam os dados em diversos níveis espaciais. Registre-se que os dados do Estado de São Paulo, incorporados nesta publicação, são fruto de convênio firmado entre o IBGE e a Fundação Sistema Estadual de Análises de Dados - SEADE, que coleta e apura as informações. Wasmália Bivar Diretora de Pesquisas

11 Notas técnicas Introdução As Estatísticas do Registro Civil são publicadas desde 974 e fornecem um elenco de informações relativas aos fatos vitais, casamentos, separações e divórcios ocorridos no País. Os resultados apresentados refletem os assentos de nascidos vivos, casamentos, óbitos e óbitos fetais informados pelos Cartórios de Registro Civil de Pessoas Naturais, e de separações e divórcios declarados pelas Varas de Família, Foros ou Varas Cíveis e os Tabelionatos de Notas, que por força da Lei n o.44, de janeiro de 007, passaram a realizar as separações e os divórcios consensuais que não envolvessem filhos menores ou incapazes. As estatísticas, ora publicadas, constituem um importante instrumento no acompanhamento da evolução populacional no País, proporcionando, além de estudos demográficos, subsídios para a implementação de políticas públicas e o monitoramento do exercício da cidadania. Por outro lado, os registros de casamentos e dissoluções das uniões legais contribuem para que se possa observar as mudanças ocorridas na sociedade brasileira no que se refere aos arranjos conjugais oficiais do País. O uso das Estatísticas do Registro Civil pelos estudiosos vem se ampliando, sobretudo nos períodos intercensitários, quando as estatísticas vitais tornam-se imprescindíveis para o acompanhamento da evolução demográfica no Brasil. O avanço observado na cobertura dos registros de nascimentos permite maior qualidade e precisão no uso dessas informações para os estudos demográficos. Entretanto, a redução dos níveis de sub-registro de óbitos ainda é uma meta a ser atingida.

12 A seguir, serão apresentados os conceitos adotados neste levantamento estatístico, bem como comentados os resultados das Estatísticas do Registro Civil, para o ano de 009, abordando-se os temas nascimentos, óbitos, óbitos fetais, casamentos, separações e divórcios. Conceitos e definições A fim de permitir a correta interpretação das informações divulgadas, apresentamos, a seguir, os principais conceitos e definições utilizados nos levantamentos das Estatísticas do Registro Civil. Nascidos vivos nascido vivo É a expulsão ou a extração completa de um produto da concepção do corpo materno, independentemente da duração da gestação, o qual, depois da separação do corpo materno, respire ou dê qualquer outro sinal de vida, tais como: batimento do coração, pulsação do cordão umbilical ou movimentos efetivos dos músculos da contração voluntária, estando ou não cortado o cordão umbilical e estando ou não desprendida a placenta (PRINCÍPIOS..., 974). idade da mãe na ocasião do parto É a idade, em completos, que a mãe tinha na ocasião do parto. local do nascimento - É a determinação física do local de ocorrência do nascimento. Foram considerados três possíveis locais de nascimento: domicílio, hospital (casa de saúde, maternidade, etc.) ou outro local (veículo, via pública, a bordo, etc.). lugar de registro É a localização geográfica (Unidade da Federação e Município) do Cartório do Registro Civil de Pessoas Naturais onde foi efetuado o registro do nascido vivo. lugar de residência da mãe É a localização geográfica (Unidade da Federação e Município ou país estrangeiro) da moradia habitual da mãe na ocasião do parto. mês do registro É o mês em que foi efetuado em Cartório o registro do nascido vivo. Óbitos óbito É o desaparecimento definitivo de algum sinal de vida em qualquer momento posterior ao nascimento, ou seja, a cessação das funções vitais sem a possibilidade de ressuscitamento. ano de ocorrência É o ano em que ocorreu o óbito. idade É o tempo de vida em minutos, horas, dias, meses ou completos que a pessoa tinha na data do falecimento. local de ocorrência É a determinação física do local onde ocorreu o óbito. São consideradas as seguintes determinações: domicílio, hospital (casa de saúde, maternidade, etc.) ou outro local (veículo, via pública, a bordo, etc.). lugar do registro É a localização geográfica (Unidade da Federação e Município) do Cartório do Registro Civil de Pessoas Naturais onde foi efetuado o registro do óbito. Estatísticas do Registro Civil, v.36, 009

13 lugar de residência do falecido É a localização geográfica (Unidade da Federação e Município ou país estrangeiro) da moradia habitual do falecido por ocasião do óbito. mês de ocorrência É o mês em que se deu o óbito. natureza do óbito É a circunstância em que se deu o falecimento que foi classificado em: natural (devido a causas biológicas) ou violenta (devido a causas externas, tais como: acidentes de trânsito, afogamentos, suicídios, homicídios, quedas acidentais, etc.). Óbitos fetais óbito fetal De acordo com a Organização Mundial de Saúde - OMS, é a morte de um produto da concepção ocorrida antes da expulsão ou de sua extração completa do corpo materno, independentemente da duração da gestação. A indicação do óbito fetal é dada pelo fato de que, após a separação do corpo materno, o feto não respire ou mostre qualquer outra evidência de vida, tais como: batimento do coração, pulsação do cordão umbilical ou movimento efetivo dos músculos de contração voluntária. óbito fetal tardio ou nascido morto ou natimorto É o óbito ocorrido com 8 semanas ou mais de gestação. duração da gestação É o período de tempo observado de desenvolvimento do embrião no útero materno, desde a sua concepção até a ocasião do parto. A duração da gestação é investigada em número de semanas completas. idade da mãe na ocasião do parto É a idade, em completos, que a mãe tinha na ocasião do parto. local do nascimento É a determinação física do local de ocorrência do parto que gerou óbito fetal. Foram considerados três possíveis locais de nascimento: domicílio, hospital (casa de saúde, maternidade, etc.) ou outro local (veículo, via pública, a bordo, etc.). lugar do registro É a localização geográfica (Unidade da Federação e Município) do Cartório do Registro Civil de Pessoas Naturais onde foi efetuado o registro do óbito fetal. lugar de residência da mãe É a localização geográfica (Unidade da Federação e Município ou país estrangeiro) da moradia habitual da mãe na ocasião do parto. mês do registro É o mês em que foi efetuado o registro do óbito fetal. Casamentos casamento É o ato, cerimônia ou processo pelo o qual é constituída a relação legal entre o homem e a mulher. A legalidade da união pode ser estabelecida no casamento civil ou religioso com efeito civil e reconhecida pelas leis de cada país. No Brasil, um indivíduo só poderá casar legalmente se o seu estado civil for solteiro, viúvo ou divorciado. A dissolução da união legal pode ocorrer de duas maneiras: pela morte de um dos cônjuges ou pelo divórcio. Notas técnicas

14 A anulação do casamento resulta do processo legal em que se comprova a nulidade do ato matrimonial, isto é, apesar de ter sido celebrado, não constitui uma união legal. Geralmente, verifica-se a coincidência entre a data da celebração do casamento e a data do registro no Cartório. No entanto, nos casos de casamentos religiosos com efeito civil pode existir uma diferença entre essas datas, pois o prazo legal para a confirmação do casamento religioso no Cartório de Registro Civil de Pessoas Naturais é de 30 (trinta) dias, podendo esse prazo ser ampliado, em casos excepcionais, com a devida autorização da autoridade competente. Uma consequência disto é a ocorrência de casamentos num determinado mês que são registrados em Cartório nos meses seguintes ou até mesmo nos seguintes. mês de ocorrência É o mês em que foi celebrado o casamento (civil ou religioso com efeito civil). mês do registro É o mês em que foi efetuado o registro do casamento (civil ou religioso com efeito civil) no Cartório de Registro Civil de Pessoas Naturais. idade É a idade, em completos, que a pessoa tinha na data do registro do casamento. lugar do registro É a localização geográfica (Unidade da Federação e Município) do Cartório de Registro Civil de Pessoas Naturais onde foi efetuado o registro do casamento (civil ou religioso com efeito civil). Separações separação É a dissolução legal da sociedade conjugal, ou seja, a separação legal do marido e da mulher, desobrigando as partes de certos compromissos, como o dever de vida em comum ou coabitação, mas não permitindo direito de novo casamento civil, religioso e/ou outras cláusulas de acordo com a legislação de cada país. Esta definição é válida tanto para as separações judiciais como para aquelas ocorridas nos tabelionatos. A definição acima é válida também para o desquite (termo utilizado para as separações legais anteriores à promulgação da Lei n o 6.55, de 6 de dezembro de 977). Dar-se-á a separação judicial por mútuo consentimento dos cônjuges, se forem casados a mais de dois, manifestado perante o juiz e devidamente homologado. A sentença de separação judicial autoriza a separação de corpos e põe termo ao regime matrimonial de bens, como se o casamento fosse dissolvido. Os resultados apresentados referem-se aos processos de separação judicial julgados, encerrados e concedidos em a instância sem que houvesse recurso. fundamento da ação É o motivo alegado pelo cônjuge requerente na petição da ação de separação judicial de natureza não consensual. O fundamento da ação foi classificado em três categorias: a) Conduta desonrosa ou grave violação dos deveres do casamento; b) Separação de fato; ou c) Grave doença mental. Estatísticas do Registro Civil, v.36, 009

15 idade dos cônjuges na data da abertura do processo É a idade, em completos, que os cônjuges tinham na ocasião da abertura do processo de separação judicial. lugar da ação do processo É a localização geográfica (Unidade da Federação e Município) da Vara de Família, Foro ou Vara Cível onde se deu entrada à petição da ação de separação judicial. natureza da ação É a forma pela qual se deu a petição da ação da separação judicial e que pode ser: a) Consensual - quando a ação é decorrente da petição conjunta dos cônjuges; ou b) Não consensual - quando a ação é decorrente da petição de um só doscônjuges. regime de bens do casamento É o processo que regulamenta a propriedade de bens pelos cônjuges após o casamento. Os três regimes de bens atualmente vigentes em nosso País são os seguintes: a) Regime de comunhão universal de bens - regime de bens onde nenhum dos dois cônjuges tem propriedade individual, inclusive dívidas (com certas exceções); b) Regime de comunhão parcial de bens - regime de bens onde cada cônjuge pode ter bens particulares afora os que constituírem propriedade comum do casal; ou c) Regime de separação de bens - regime de bens onde os bens de um cônjuge não pertencem ao outro: são bens individuais como se ambos estivessem na condição de solteiros. responsável pela guarda dos filhos É a pessoa em cuja companhia ficam os filhos menores de 8 de idade do casal separado judicialmente, ficando esta pessoa responsável pela criação e educação dos mesmos. Esta responsabilidade, da guarda dos filhos menores, pode caber a qualquer dos cônjuges separadamente, a ambos os cônjuges, ou até mesmo a outra pessoa, conforme decisão judicial. sentença proferida É a resposta dada pelo juiz ao pedido de separação judicial e que pode ser a concessão ou denegação do pedido, podendo haver, posteriormente, recurso ou não contra a decisão judicial. tempo transcorrido entre as datas do casamento e da sentença É o tempo, em completos, de duração legal da sociedade conjugal. tipo de família É a caracterização da família do casal pela existência ou não de filhos (maiores e/ou menores). Divórcios divórcio É a dissolução do casamento, ou seja, a separação do marido e da mulher conferindo às partes o direito de novo casamento civil, religioso e/ou outras cláusulas de acordo com a legislação de cada país. Os resultados apresentados referem-se aos processos de divórcio julgados, encerrados e concedidos em a instância sem que houvesse recurso. Notas técnicas

16 idade dos cônjuges na data da abertura do processo É a idade, em completos, que os cônjuges tinham na ocasião da abertura do processo de divórcio. lugar da ação do processo É a localização geográfica (Unidade da Federação e Município) da Vara de Família, Foro ou Vara Cível onde se deu entrada à petição de divórcio. natureza da ação É a forma pela qual se deu a petição da ação do divórcio e que pode ser: a) Consensual - quando a ação é decorrente da petição conjunta dos cônjuges; ou b) Não consensual - quando a ação é decorrente da petição de um só dos cônjuges. regime de bens do casamento É o processo que regulamenta a propriedade de bens pelos cônjuges após o casamento. Os três regimes de bens atualmente vigentes em nosso País são os seguintes: a) Regime de comunhão universal de bens - regime de bens onde nenhum dos dois cônjuges tem propriedade individual, inclusive dívidas (com certas exceções); b) Regime de comunhão parcial de bens - regime de bens onde cada cônjuge pode ter bens particulares afora os que constituíram propriedade comum do casal; ou c) Regime de separação de bens - o regime de bens onde os bens de um cônjuge não pertencem ao outro: são bens individuais como se ambos estivessem na condição de solteiros. responsável pela guarda dos filhos É a pessoa em cuja companhia ficam os filhos menores de 8 do casal divorciado, ficando esta pessoa responsável pela criação e educação dos mesmos. Esta responsabilidade, de guarda dos filhos menores, pode caber a qualquer dos cônjuges separadamente, a ambos os cônjuges, ou até mesmo a outra pessoa, conforme decisão judicial. sentença proferida É a resposta dada pelo juiz ao pedido do divórcio e que pode ser a concessão ou denegação do pedido, podendo haver, posteriormente, recurso ou não contra a decisão judicial. tempo transcorrido entre as datas do casamento e da sentença É o tempo, em completos, de duração legal do casamento. tipo de divórcio É o modo pelo qual pode se dar o divórcio. No Brasil, temos dois tipos de divórcio, que são: a) Divórcio direto - é o divórcio, transitoriamente admissível no Brasil, decorrente da separação de fato por mais de dois ; ou b) Divórcio indireto - é o divórcio resultante da conversão da separação judicial ou do desquite. Esta conversão só se pode dar após um ano de prévia separação, contado da data da decisão ou da que concedeu a medida cautelar correspondente. tipo de família É a caracterização da família do casal pela existência ou não de filhos (maiores e/ou menores). Estatísticas do Registro Civil, v.36, 009

17 Análise dos resultados Registros de nascimentos Avaliação da cobertura de registros de nascimentos do ano e extemporâneos As informações sobre nascimentos obtidas a partir dos registros realizados nos Cartórios de Registro Civil de Pessoas Naturais do País e informadas ao IBGE têm ampliado de modo significativo a sua cobertura ao longo dos. O entendimento pela sociedade e por órgãos públicos das diversas esferas administrativas do registro de nascimento como documento primordial à cidadania impulsionou um conjunto de políticas públicas sobre o assunto, as quais visam o acesso com rapidez ao documento público de registro civil. Trata-se de iniciativas como: a) aprovação, da Lei n o 9.534, de 0 de dezembro de 997, de gratuidade da primeira via dos registros de nascimentos e de óbitos; b) Lei n o 0.69, de 9 de dezembro de 000, que trata da compensação aos registradores civis das pessoas naturais pelos atos gratuitos por eles praticados; c) estabelecimento, em 00, de gratificações, pelo Ministério da Saúde, para as unidades de assistência à saúde que estimulem as famílias a registrarem seus filhos antes da alta hospitalar da mãe; d) campanhas nacionais do registro civil, corroboradas pelo Plano Nacional de Registro Civil de Nascimento, de 004, coordenado pela Secretaria Especial de Direitos Hum; e) instalação de postos dos Cartórios do Registro Civil de Pessoas Naturais nas maternidades; f) produção pela Secretaria Especial de Direitos Hum de vídeos e cartilhas que tratam da importância e da gratuidade do registro civil para os brasileiros; g) a solicitação do registro de nascimento pelos programas de assistência social e de transferência de renda; h) criação por

18 meio do Decreto n o 6.89, de 6 de dezembro de 007, do compromisso nacional pela erradicação do sub-registro de nascimento e ampliação do acesso à documentação civil básica, cujos propósitos são universalizar o acesso ao registro de nascimento e reformular o Sistema Brasileiro de Registro Civil; i) criação do Comitê Gestor Nacional do Registro Civil; e j) pactos estabelecidos com os governos estaduais de regiões com maiores problemas de sub-registro para a redução do número de nascimentos cujos registros são postergados. A continuidade das medidas e o conjunto de valores que cada uma delas agregou ao longo dos últimos dez são os fatores que explicam a queda do subregistro de nascimento observada entre 999 e 009. Neste período, as estimativas de sub-registro de nascimentos para o conjunto do País variaram de 0,7%, em 999, para 8,%, em 009, tendo ocorrido elevação para 3,0%, em 00 e, declínio, a partir daquele ano até o patamar atual. Ressalte-se que na comparação com o ano anterior, a alteração para menos foi de 0,7 ponto percentual (Gráfico ). % Gráfico - Estimativas de subregistro de nascimentos - Brasil ,7,9 3,0 0,9 8,9 6,9,9,7, 8,9 8, Fontes: IBGE, Diretoria de Pesquisas, Coordenação de População e Indicadores Sociais, Estatísticas do Registro Civil ; e Projeto UNFPA/BRASIL (BRA/0/P0) - População e Desenvolvimento, Projeções Preliminares. Por sub-registro de nascimento, entende-se o conjunto de nascimentos ocorridos no ano de referência da pesquisa Estatísticas do Registro Civil e não registrados no próprio ano ou até o fim do primeiro trimestre do ano subsequente. A aplicação do conceito de sub-registro se restringe à população nascida no ano para a qual se tem como parâmetro os nascimentos estimados, por métodos demográficos. O uso do sub-registro de nascimento como um indicador social deve considerar as possíveis variações dos pressupostos implícitos na aplicação de técnicas demográficas indiretas para estimar os nascimentos, que podem ocorrer por mudanças no comportamento reprodutivo da população e no seu deslocamento espacial. Ao longo dos, as estatísticas de nascimentos provenientes da pesquisa Estatísticas do Registro Civil se consolidaram como um conjunto de dados relevantes aos estudos demográficos, que junto aos dados de óbitos e óbitos fetais formam as chamadas estatísticas vitais. Conforme estudos da Rede Interagencial de Informações para a Saúde - RIPSA, coordenada pela Organização Pan-Americana da Saúde - OPAS e Ministério da Saúde, dados com percentuais de subregistro abaixo de 0% podem seu utilizados para os cálculos diretos de indicadores demográficos e de saúde. Contudo, objetiva-se universalizar este percentual abaixo de 0% para as diversas regiões do País. Estatísticas do Registro Civil, v.36, 009

19 Cabe ainda destacar que a redução do sub-registro ocorre em um cenário de redução das taxas de fecundidade e do volume de nascimentos, por ano. Deste modo, ainda que haja queda no total de registros na comparação entre um ano e outro, proporcionalmente, pode haver crescimento da cobertura dos registros de nascimentos. Isto significa que a redução no total de registros foi menor que a redução dos nascimentos estimados para aquele ano. A Tabela evidencia a evolução dos registros de nascimentos em números absolutos para o período Os dados, por lugar de residência da mãe, para o ano de 009, tiveram redução em relação ao ano anterior em todas Grandes Regiões do País. Tabela - Evolução dos registros de nascimentos ocorridos no ano, por Grandes Regiões de residência da mãe Evolução dos registros de nascimentos ocorridos no ano Ano Grandes Regiões de residência da mãe Brasil Norte Nordeste Sudeste Sul Centro-Oeste Fonte: IBGE, Diretoria de Pesquisas, Coordenação de População e Indicadores Sociais, Estatísticas do Registro Civil Os nascimentos não notificados nos cartórios, dentro do período considerado pela pesquisa, são incorporados às Estatísticas do Registro Civil nos posteriores, como registros extemporâneos. Parte significativa destes dados tem sido recuperada logo no primeiro ano após o nascimento 3. Em 009, na análise dos dados por lugar de residência da mãe, 65 5 registros foram extemporâneos. Houve significativa redução, do total destes registros no Brasil, indicando que é cada vez menor o estoque de populações sem o registro de nascimento. Destaque-se a queda dos registros extemporâneos ocorrida no Maranhão, que foi de 76,6%, em 999, para 5%, em 009 (Gráfico ). Observa-se ainda que houve redução dos percentuais em todas as Unidades da Federação na comparação feita com o ano de 004 e que, em 009, os Estados de São Paulo, Paraná e Santa Catarina foram os que tiveram as menores proporções observadas, respectivamente,,6%,,% e,%. Os maiores percentuais foram observados no Amazonas (34,%), Pará (30,8%) e Roraima (6,8%), conforme os dados do mesmo gráfico. 3 Sob a ótica da cidadania, dimensão do registro civil de nascimento que tem sido destacada na última década, é fundamental a recuperação dos registros de nascimentos quanto mais rápido possível, visto que as crianças e, às vezes, até adultos precisam estabelecer uma relação formal com o Estado e legitimar o acesso aos seus serviços. Análise dos resultados

20 85,0 80,0 75,0 70,0 65,0 60,0 55,0 50,0 45,0 40,0 35,0 30,0 5,0 0,0 5,0 0,0 5,0 0,0 Gráfico - Proporção de registros extemporâneos de nascimentos, segundo as Unidades da Federação de residência da mãe - 999/009 % Brasil Rondônia Acre Amazonas Roraima Pará Amapá Tocantins Maranhão Piauí Ceará Rio Grande do Norte Paraíba Pernambuco Alagoas Sergipe Bahia Minas Gerais Espírito Santo Rio de Janeiro São Paulo Paraná Santa Catarina Rio Grande do Sul Mato Grosso do Sul Mato Grosso Goiás Distrito Federal Fonte: IBGE, Diretoria de Pesquisas, Coordenação de População e Indicadores Sociais, Estatísticas do Registro Civil 999/009. As razões que permitem a compreensão da melhoria da cobertura dos registros de nascimentos realizados no ano de ocorrência do evento também explicam a recuperação dos registros que foram postergados em anteriores. De modo geral, a qualidade das estatísticas vitais também está atrelada à possibilidade dos assentamentos de nascimentos serem incorporados, cada vez em quantidade e velocidade menores. Na Tabela, é possível visualizar a quantidade de registros de nascimentos, por lugar de residência da mãe, que foram realizados extemporaneamente e o seu impacto na cobertura desses eventos, no período A correção do sub-registro de nascimento advinda desta incorporação de registro reafirma a tendência de redução dos nascimentos não registrados em cartório. Ressalte-se que para o ano de 008, a correção do sub-registro com a inclusão dos nascimentos daquele ano, registrados em 009, atinge o percentual de 6%. Este foi um dos percentuais mais baixos obtidos com apenas um ano de correção das estimativas de sub-registro. Outra medida para avaliação dos avanços na cobertura do registro civil é demonstrada através da proximidade em que os registros dos nascimentos do ano são realizados em relação ao próprio evento vital. A mensuração do intervalo entre o nascimento e o seu registro em dias permite observar o comportamento das populações em relação ao prazo determinado pela Lei n o 605, de 3 de dezembro de 973, de 90 dias, no máximo para os registros de nascimentos, adotado como referência na pesquisa. Assim, analisando os registros do ano por tempo transcorrido em dias entre o nascimento e a data do registro comparou-se a proporção de registros que obedecem ao prazo acima descrito. Estatísticas do Registro Civil, v.36, 009

21 Tabela - Recuperação de registros extemporâneos e evolução dos sub-registros de nascimentos, por ano do nascimento, segundo os de registro e de correção do sub-registro Ano de registro e de correção do subregistro Ano do nascimento Recuperação de registros extemporâneos Evolução dos sub-registros de nascimentos (%) 999 0, ,8, ,7 5, 3, ,7 0, 5,8 0, ,5 8,5 3, 5,8 8, ,8 7,5,9 3,4 4,4 6, ,3 6,9,,,3,6, ,0 6,5 0,6,6, 0,7 9,5, ,8 6,3 0,3, 0,6 9,9 7,9 9,3, ,7 6, 0, 0,9 0,3 9,3 7, 7,8 9, 8, ,6 6,0 0,0 0,7 0,0 9,0 6,7 7, 7,8 6,0 8, Fontes: IBGE, Diretoria de Pesquisas, Coordenação de População e Indicadores Sociais, Estatísticas do Registro Civil ; e Projeto UNFPA/BRASIL (BRA/0/PO) - População e Desenvolvimento, Projeções Preliminares. Constatou-se o aumento de registros realizados no prazo e identificou-se as microrregiões com as menores proporções de registros até 90 dias de nascimento. Em 999, a menor proporção de registros no prazo estabelecido era de 3,0%, observada na microrregião Serrana do Sertão Alagoano. Em 009, o menor percentual foi de 54,7%, o que por si demonstra a elevação dos percentuais de registros, dentro do prazo. Os Cartogramas, e 3 dão visibilidade também às melhorias de cobertura em regiões que já eram consideradas com boa qualidade da informação e o avanço nas demais microrregiões do País. As áreas com as menores proporções de registros no prazo de 90 dias, em 009, estão localizadas no Pará, Amazonas, Maranhão, Acre e Roraima. Todas as microrregiões com menos de 80% de registros realizados até 90 dias transcorridos da data do nascimento são das Regiões Norte e Nordeste do País. Análise dos resultados

22 Cartograma - Percentual de registros de nascimento realizados no prazo de até 90 dias, por microrregião - Brasil Fonte: IBGE, Diretoria de Pesquisas, Coordenação de População e Indicadores Sociais, Estatísticas do Registro Civil 999. Estatísticas do Registro Civil, v.36, 009

23 Cartograma - Percentual de registros de nascimento realizados no prazo de até 90 dias, por microrregião - Brasil *8<$$ 9((=8(/$ 6 8 5, $ 0 (* 8 < $ ( &/0%,$ 3(58 %/Ì9,$ R $ W Ok R LF QW 3$5$*8$< F DFtILFR QR 3 HD FHDQ &+,/( /LPLWHV,QWHUQDFLRQDO (VWDGXDO $5*(7,$ 0LFURUUHJLDR =RQD HFRQ{PLFD H[FOXVLYD 0DU WHUULWRULDO 5HJLVWURV GH QDVFLPHQWR 858*8$< (VFDOD.P 3URMHomR 3ROLF{QLFD Fonte: IBGE, Diretoria de Pesquisas, Coordenação de População e Indicadores Sociais, Estatísticas do Registro Civil 004. Análise dos resultados D D D D D

24 Cartograma 3 - Percentual de registros de nascimento realizados no prazo de até 90 dias, por microrregião - Brasil *8<$$ 9((=8(/$ 6 8 5, $ 0 (* 8 < $ ( &/0%,$ 3(58 %/Ì9,$ R $ W Ok R LF QW FHDQ F 3$5$*8$< DFtILFR QR 3 HD &+,/( /LPLWHV,QWHUQDFLRQDO (VWDGXDO $5*(7,$ 0LFURUUHJLDR =RQD HFRQ{PLFD H[FOXVLYD 0DU WHUULWRULDO 5HJLVWURV GH QDVFLPHQWRV 858*8$< (VFDOD 3URMHomR 3ROLF{QLFD.P D D D D D Fonte: IBGE, Diretoria de Pesquisas, Coordenação de População e Indicadores Sociais, Estatísticas do Registro Civil 009. Registros de nascimentos por local de ocorrência Os dados de 009 sobre o local de ocorrência dos nascimentos confirmam uma situação estabelecida em anteriores, na qual a quase totalidade desses eventos (97,7%) ocorreram em hospitais. Observa-se que existem algumas diferenças, conforme as Unidades da Federação de residência da mãe. No Acre, Amazonas, Pará e Roraima, por exemplo, foram registradas as maiores proporções de nascimentos ocorridos em Estatísticas do Registro Civil, v.36, 009

25 domicílios, respectivamente, 0,8%, 0,7%, 6,% e 6,% dos totais destas Unidades da Federação. Destaque-se, ainda, os 7,% de registros de nascimentos ocorridos na Paraíba em estabelecimentos sem internação. Quando a análise abordou apenas os registros extemporâneos, constatou-se um crescimento significativo dos nascimentos ocorridos em domicílios, passando de,3%, nos registrados durante o ano de referência da pesquisa, para 3,0%, entre os que haviam sido postergados em anteriores. Amazonas (60,) e Mato Grosso do Sul (59,0%) foram as Unidades da Federação com mais elevados percentuais de registros extemporâneos de nascimentos ocorridos em domicílios (Tabela 3). Tabela 3 - Proporção de registros de nascimentos do ano e extemporâneos, por local de ocorrência, segundo as Unidades da Federação de residência da mãe Proporção de registros de nascimentos, por local de ocorrência (%) Unidades da Federação de residência da mãe Do ano Hospital Extemporâneos Do ano Extem- Estabelecimento de saúde sem internação Do ano Extemporâneos Domicílio Do ano Extemporâneos Outros Do ano Extemporâneos Ignorado porâneos Brasil 97,7 63, 0,9,3,3 3,0 0,,7 0,0,9 Rondônia 94,5 75, 4,,9 0,4 3, 0, 4,4 0,7 5,5 Acre 88, 49,8 0,8 0,5 0,8 48,3 0,,0 0,0 0,3 Amazonas 87,7 36,9,3 0,8 0,7 60, 0,3,0 0,0 0, Roraima 93,3 49,4 0, 0, 6, 45,4 0,,7 0,,4 Pará 9,6 55,5,9,8 6, 40,9 0,3, 0,0 0,7 Amapá 93,8 65,8 0,9,7 5, 30,3 0,,9 0,0 0,3 Tocantins 97,8 73,0 0,8,7, 3,5 0, 0,6 0,0, Maranhão 9,8 58,8,6,4 5,3 38,9 0, 0,7 0,0 0, Piauí 96, 83,4,3,0,5 3,6 0, 0,7 0,0 0,3 Ceará 98,6 8,9 0,6 0,4 0,6 3,8 0,,5 0,,5 Rio Grande do Norte 96,8 80,4,8, 0,,9 0, 4, 0,0,4 Paraíba 9,4 83,8 7,0 3,5 0,5,4 0,0 0,4 0,0,0 Pernambuco 97,7 76,8,5,5 0,6 7,9 0,,9 0,0,9 Alagoas 96,4 69,5,9,4,6 8,0 0, 0,5 0,0 0,5 Sergipe 96,5 83,0,3,9 0,6,4 0,5 0,7 0,0,0 Bahia 97,6 67,4 0,7 0,9,5 7,4 0, 0,9 0,0 3,4 Minas Gerais 99,0 60,5 0,3 0,9 0,5 34, 0,,0 0,0,5 Espírito Santo 98,8 74,4 0,5 0, 0,,8 0,4,6 0,,0 Rio de Janeiro 98,7 9, 0,6 0,5 0, 5,3 0,3,6 0,,6 São Paulo 99,6 69,3 0,,6 0, 6, 0, 4, 0,0 8,7 Paraná 99,4 74,7 0, 0, 0,3 0, 0, 0,7 0,0 4, Santa Catarina 98,5 77,0, 0,9 0, 0,8 0, 3,3 0,0 8,0 Rio Grande do Sul 99,7 85,6 0, 0, 0, 9,4 0,0,0 0,0,8 Mato Grosso do Sul 97,6 33,6 0,9 0,8,4 59,0 0, 5,9 0,0 0,7 Mato Grosso 98, 66,4 0,5,9 0,7 3,8 0,5 7,0 0,0 0,9 Goiás 98,7 7,5,0,0 0,3 3,7 0,,4 0,0,4 Distrito Federal 99,5 93,8 0, 0,4 0, 3, 0,,0 0,0 0,7 Fonte: IBGE, Diretoria de Pesquisas, Coordenação de População e Indicadores Sociais, Estatísticas do Registro Civil 009. O Cartograma 4 evidencia as microrregiões do País com maiores percentuais de registros de nascimentos ocorridos em domicílios, destacando áreas da Região Norte, já observadas no Cartograma 3 como aquelas de menores proporções de registros até os 90 dias de nascimento. Esses fatores são, portanto, indícios de que a ocorrência do parto fora do ambiente hospitalar, especialmente os ocorridos em domicílios, é um fator que faz com que as famílias posterguem o registro. É razoável conceber também que este motivo esteja associado às questões de distâncias e deslocamento das residências aos hospitais e aos Cartórios de Registro Civil de Pessoas Naturais. Análise dos resultados

26 Cartograma 4 - Percentual de registros de nascimento ocorridos em domicílios, por microrregião - Brasil *8<$$ 9((=8(/$ 6 8 5, $ 0 (* 8 < $ ( &/0%,$ 3(58 %/Ì9,$ R $ W Ok R LF QW F 3$5$*8$< DFtILFR QR 3 HD &+,/( /LPLWHV,QWHUQDFLRQDO (VWDGXDO $5*(7,$ 0LFURUUHJLDR =RQD HFRQ{PLFD H[FOXVLYD 0DU WHUULWRULDO 5HJLVWURV GH QDVFLPHQWR 858*8$< (VFDOD FHDQ 3URMHomR 3ROLF{QLFD.P D D D D D 6HP UHJLVWUR Fonte: IBGE, Diretoria de Pesquisas, Coordenação de População e Indicadores Sociais, Estatísticas do Registro Civil 009. A análise dos dados mostra, ainda, que, para o conjunto do País, 6,% dos nascimentos de 009 ocorridos em hospitais e registrados no ano, se deram fora do município de residência da mãe. Nota-se no Cartograma 5 que houve significativa variação por município e que áreas de menor deslocamento para o nascimento no Amazonas e no Pará são também regiões identificadas como as de maiores proporções de ocorrências em domicílios. Estatísticas do Registro Civil, v.36, 009

27 Cartograma 5 - Percentual de registros de nascimento ocorridos em hospitais fora do município de residência da mãe, por município - Brasil *8<$$ 9((=8(/$ 6 8 5, $ 0 (* 8 < $ ( &/0%,$ 3(58 %/Ì9,$ R $ W Ok R LF QW FHDQ F 3$5$*8$< DFtILFR QR 3 HD &+,/( /LPLWHV $5*(7,$,QWHUQDFLRQDO (VWDGXDO =RQD HFRQ{PLFD H[FOXVLYD 0DU WHUULWRULDO 'HVORFDPHQWR 858*8$< (VFDOD 3URMHomR 3ROLF{QLFD.P $Wp D D D D Fonte: IBGE, Diretoria de Pesquisas, Coordenação de População e Indicadores Sociais, Estatísticas do Registro Civil 009. As capitais estaduais e o Distrito Federal tiveram percentuais de registros de nascidos vivos de mães residentes em seu território, ocorridos em hospitais de outros municípios bem abaixo da média nacional. O maior percentual foi observado em Recife (4,%), seguido de Belo Horizonte (9,5%). Análise dos resultados

28 Dentre os municípios com mais de habitantes, os maiores percentuais de nascimentos ocorridos em hospitais fora do município de residência da mãe foram observados em Contagem (MG), Jaboatão dos Guararapes (PE) e Aparecida de Goiânia (GO), respectivamente, 73,3%, 69,% e 57,9%. Esses municípios localizam-se em linha imediata de contiguidade com as capitais de seus respectivos estados. Tabela 4 - População e registros de nascimentos no ano ocorridos em municípios de residência da mãe e em hospitais fora do município de residência da mãe, segundo os municípios com população acima de habitantes Registro de nascimentos no ano Municípios com população acima de habitantes População (A) Ocorridos em municípios de residência da mãe Absoluto (B) Em hospitais Percentual (%) (B/A) Ocorridos em hospitais fora do município de residência da mãe Absoluto (C) Percentual (%) (C/B) Porto Velho ,8 45 4,4 Rio Branco ,3 68, Manaus ,4 65,8 Boa Vista ,6 94,8 Ananindeua , , Belém , 78 3,5 Macapá ,8 73, Palmas ,8 3 5, São Luís , 4,4 Teresina ,8 87,9 Fortaleza ,0 90 3,3 Natal ,6 6,3 João Pessoa ,5 40, Jaboatão dos Guararapes , , Recife , , Maceió , 07,5 Aracaju ,5 8,3 Feira de Santana ,5 73 3, Salvador ,8 958,6 Belo Horizonte , ,5 Contagem , ,3 Juiz de Fora ,5 9 0,3 Uberlândia ,8 7 0,9 Vitória , ,9 Belford Roxo , ,6 Duque de Caxias ,7 39 0,0 Nova Iguaçu , ,0 Rio de Janeiro , , São Gonçalo , ,5 Campinas ,9 30, Guarulhos , ,5 Osasco , ,4 Ribeirão Preto ,6 83, Santo André ,7 36 5,7 São Bernardo do Campo , , São José dos Campos ,8 84,0 São Paulo , , Sorocaba ,9 7,9 Curitiba ,7 80, Londrina ,7 63 3,8 Florianópolis ,5 3 6,5 Porto Alegre ,8 6 0,9 Campo Grande ,9 68 0,6 Cuiabá ,7 5,0 Aparecida de Goiânia , ,9 Goiânia , 966 5, Brasília ,5 33,6 Fonte: IBGE, Diretoria de Pesquisas, Coordenação de População e Indicadores Sociais, Estatísticas do Registro Civil 009; e Estimativas de População em º de julho de 009. Estatísticas do Registro Civil, v.36, 009

29 Registros de nascimentos por grupos de idade da mãe A análise dos dados de registros de nascimentos por grupos de idade destaca um importante aspecto do comportamento reprodutivo das mulheres brasileiras, qual seja, aquele que se refere aos volumes de nascimentos em diferentes etapas da vida. O padrão de fecundidade das brasileiras com concentração no grupo etário de 0 a 4, observado a partir dos de 980, vem apresentando alterações que decorrem do declínio acentuado da fecundidade. Segundo Simões (006), a redução da fecundidade ocorrida, nas últimas décadas, afetou mulheres de todas as idades. Esta característica inicialmente levou a um padrão rejuvenescido da fecundidade no Brasil e, atualmente, à redução da população em idades mais jovens. O estreitamento da pirâmide etária nos grupos mais jovens, a redução das taxas de fecundidade em todos os segmentos etários e a postergação da maternidade, em especial no caso de mulheres com maior escolaridade, são elementos que explicam a redução absoluta e relativa dos nascimentos, principalmente, entre a população feminina de 5 a 9 e 0 a 4. Em estudo apresentado no XVI Encontro da Associação Brasileira de Estudos Populacionais, Wong e Bonifácio (008), com base nos resultados da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios - PNAD, do IBGE, do período de 004 a 006, e em dados do Sistema de Informações de Nascidos Vivos - SINASC, do Ministério da Saúde, de 000 a 005, descrevem o comportamento por idade da fecundidade em diversas regiões metropolitanas do País, mostrando um processo de mudança devido à acentuada diminuição das taxas das mulheres mais jovens. Constataram a aceleração da queda da fecundidade no quinquênio , a diminuição do volume de nascimentos e, consequentemente, a redução no tamanho das novas coortes que passam a compor a pirâmide etária da atual população brasileira. Segundo as autoras, a maior queda ocorreu no grupo etário 0-4, mas houve quedas significativas no grupo 5 a 9. O Gráfico 3 abaixo mostra que, em 999, a proporção de registros de nascimentos de mães cuja idade estava entre 5 e 9, era de 0,8% do total. Em 009, esse percentual foi de 8,%. Observa-se, ainda, que houve redução do volume de nascimentos também no grupo de 0 a 4 e aumento do total de registros dos demais grupos etários. % Gráfico 3 - Proporção de registros de nascimentos do ano, segundo os grupos de idade da mãe - Brasil - 999/009 0,7 0,7 0,8 6,7 7,3 8,0,9,,3,3 0,8 0,5 0,8 9,9 8, 30,8 30,7 8,3 3,3 3,7 5, 4,4 4,8 6,8 Menos de 5 5 a 9 0 a 4 5 a 9 30 a a ou mais Idade ignorada Fonte: IBGE, Diretoria de Pesquisas, Coordenação de População e Indicadores Sociais, Estatísticas do Registro Civil 999/009. Análise dos resultados

Notas técnicas. Introdução

Notas técnicas. Introdução Notas técnicas Introdução As Estatísticas do Registro Civil são publicadas desde 1974 e fornecem um elenco de informações relativas aos fatos vitais, casamentos, separações e divórcios ocorridos no País.

Leia mais

idade da mãe na ocasião do parto Idade, em anos completos, da mãe na ocasião do parto.

idade da mãe na ocasião do parto Idade, em anos completos, da mãe na ocasião do parto. Glossário A pesquisa abrange os assentamentos de nascidos vivos, casamentos, óbitos e óbitos fetais informados pelos Cartórios de Registro Civil de Pessoas Naturais, e de separações e divórcios declarados

Leia mais

Estatísticas do Registro Civil

Estatísticas do Registro Civil Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística - IBGE Estatísticas do Registro Civil volume 34 007 ISSN 00-07 Estat. Reg. civ., Rio de Janeiro, v. 34, p.-

Leia mais

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA - IBGE

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA - IBGE Presidenta da República Dilma Rousseff Ministra do Planejamento, Orçamento e Gestão Miriam Belchior INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA - IBGE Presidenta Wasmália Bivar Diretor-Executivo Nuno

Leia mais

Estatísticas do Registro Civil 2013

Estatísticas do Registro Civil 2013 Diretoria de Pesquisas Coordenação de População e Indicadores Sociais Gerência de Estatísticas Vitais e Estimativas Populacionais Estatísticas do Registro Civil 2013 Dezembro de 2014 Estatísticas do Registro

Leia mais

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA - IBGE

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA - IBGE Presidente da República Luiz Inácio Lula da Silva Ministro do Planejamento, Orçamento e Gestão Paulo Bernardo Silva INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA - IBGE Presidente Eduardo Pereira Nunes

Leia mais

SÍNTESE DE INDICADORES SOCIAIS

SÍNTESE DE INDICADORES SOCIAIS ESTUDOS & pesquisas INFORMAÇÃO DEMOGRÁFICA E SOCIoeconômica 5 SÍNTESE DE INDICADORES SOCIAIS 2000 IBGE Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística Presidente da República Fernando Henrique Cardoso

Leia mais

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA - IBGE

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA - IBGE Presidente da República Luiz Inácio Lula da Silva Ministro do Planejamento, Orçamento e Gestão Paulo Bernardo Silva INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA - IBGE Presidente Eduardo Pereira Nunes

Leia mais

Pesquisa Nacional de Saúde Módulo de Cobertura de Plano de Saúde Notas Técnicas

Pesquisa Nacional de Saúde Módulo de Cobertura de Plano de Saúde Notas Técnicas Pesquisa Nacional de Saúde Módulo de Cobertura de Plano de Saúde Notas Técnicas Sumário Origem dos dados... 2 Descrição das variáveis disponíveis para tabulação... 3 Variáveis de conteúdo... 3 %Pessoas

Leia mais

MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE ATENÇÃO À SAÚDE DEPARTAMENTO DE ATENÇÃO BÁSICA COORDENAÇÃO-GERAL DE ALIMENTAÇÃO E NUTRIÇÃO

MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE ATENÇÃO À SAÚDE DEPARTAMENTO DE ATENÇÃO BÁSICA COORDENAÇÃO-GERAL DE ALIMENTAÇÃO E NUTRIÇÃO Nota Técnica elaborada em 01/2014 pela CGAN/DAB/SAS. MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE ATENÇÃO À SAÚDE DEPARTAMENTO DE ATENÇÃO BÁSICA COORDENAÇÃO-GERAL DE ALIMENTAÇÃO E NUTRIÇÃO NOTA TÉCNICA Nº15/2014-CGAN/DAB/SAS/MS

Leia mais

Pesquisa de Orçamentos Familiares 2008-2009

Pesquisa de Orçamentos Familiares 2008-2009 Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística - IBGE Diretoria de Pesquisas Coordenação detrabalho e Rendimento Pesquisa de Orçamentos Familiares 2008-2009

Leia mais

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA - IBGE

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA - IBGE Presidente da República Luiz Inácio Lula da Silva Ministro do Planejamento, Orçamento e Gestão Paulo Bernardo Silva INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA - IBGE Presidente Eduardo Pereira Nunes

Leia mais

OS MUNICÍPIOS BILIONÁRIOS EM 2012

OS MUNICÍPIOS BILIONÁRIOS EM 2012 OS MUNICÍPIOS BILIONÁRIOS EM 2012 (Estudo Técnico nº 175) François E. J. de Bremaeker Salvador, julho de 2012 2 OS MUNICÍPIOS BILIONÁRIOS EM 2012 François E. J. de Bremaeker Economista e Geógrafo Associação

Leia mais

HIV/aids no Brasil - 2012

HIV/aids no Brasil - 2012 HIV/aids no Brasil - 2012 Departamento de DST, Aids e Hepatites Virais Secretaria de Vigilância em Saúde Ministério da Saúde Novembro de 2012 HIV Dados gerais Prevalência do HIV maior entre homens (15

Leia mais

Comentários sobre os Indicadores de Mortalidade

Comentários sobre os Indicadores de Mortalidade C.1 Taxa de mortalidade infantil O indicador estima o risco de morte dos nascidos vivos durante o seu primeiro ano de vida e consiste em relacionar o número de óbitos de menores de um ano de idade, por

Leia mais

Saúde. reprodutiva: gravidez, assistência. pré-natal, parto. e baixo peso. ao nascer

Saúde. reprodutiva: gravidez, assistência. pré-natal, parto. e baixo peso. ao nascer 2 Saúde reprodutiva: gravidez, assistência pré-natal, parto e baixo peso ao nascer SAÚDE BRASIL 2004 UMA ANÁLISE DA SITUAÇÃO DE SAÚDE INTRODUÇÃO No Brasil, as questões relativas à saúde reprodutiva têm

Leia mais

Sumário PNAD/SIMPOC 2001 Pontos importantes

Sumário PNAD/SIMPOC 2001 Pontos importantes Sumário PNAD/SIMPOC 2001 Pontos importantes Sistema de pesquisas domiciliares existe no Brasil desde 1967, com a criação da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios PNAD; Trata-se de um sistema de pesquisas

Leia mais

Pesquisa Nacional de Saúde Módulo de Pessoas com Deficiências Notas Técnicas

Pesquisa Nacional de Saúde Módulo de Pessoas com Deficiências Notas Técnicas Pesquisa Nacional de Saúde Módulo de Pessoas com Deficiências Notas Técnicas Sumário Origem dos dados... 3 Descrição das variáveis disponíveis para tabulação... 4 Variáveis de conteúdo... 4 %Pessoas c/alguma

Leia mais

Analfabetismo no Brasil

Analfabetismo no Brasil Analfabetismo no Brasil Ricardo Paes de Barros (IPEA) Mirela de Carvalho (IETS) Samuel Franco (IETS) Parte 1: Magnitude e evolução do analfabetismo no Brasil Magnitude Segundo estimativas obtidas com base

Leia mais

MIGRAÇÃO MIGRAÇÃO INTERNA

MIGRAÇÃO MIGRAÇÃO INTERNA MIGRAÇÃO Os resultados da migração interna e internacional apresentados foram analisados tomando por base a informação do lugar de residência (Unidade da Federação ou país estrangeiro) há exatamente cinco

Leia mais

Grandes Regiões e Unidades da Federação: Esperança de vida ao nascer segundo projeção populacional: 1980, 1991-2030 - Ambos os sexos

Grandes Regiões e Unidades da Federação: Esperança de vida ao nascer segundo projeção populacional: 1980, 1991-2030 - Ambos os sexos e Unidades da Federação: Esperança de vida ao nascer segundo projeção populacional: 1980, 1991-2030 - Ambos os sexos Unidades da Federação 1980 1991 1992 1993 1994 1995 1996 1997 1998 1999 2000 2001 2002

Leia mais

PESQUISA NACIONAL POR Amostra de domicílios IBGE. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística

PESQUISA NACIONAL POR Amostra de domicílios IBGE. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística PESQUISA NACIONAL POR Amostra de domicílios T RABALHO I NFANTIL 2 0 0 1 IBGE Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística Presidente da República Luiz Inácio Lula da Silva Ministro do Planejamento,

Leia mais

Pesquisa Nacional de Saúde Módulo de Saúde Bucal Notas Técnicas

Pesquisa Nacional de Saúde Módulo de Saúde Bucal Notas Técnicas Pesquisa Nacional de Saúde Módulo de Saúde Bucal Notas Técnicas Sumário Origem dos dados... 3 Descrição das variáveis disponíveis para tabulação... 4 Variáveis de conteúdo... 4 %Escova dentes 2x ou + p/dia...

Leia mais

Dimensão social. Educação

Dimensão social. Educação Dimensão social Educação 218 Indicadores de desenvolvimento sustentável - Brasil 2004 36 Taxa de escolarização Representa a proporção da população infanto-juvenil que freqüenta a escola. Descrição As variáveis

Leia mais

Censo Demográfico 2010 Retratos do Brasil e do Piauí

Censo Demográfico 2010 Retratos do Brasil e do Piauí Censo Demográfico 2010 Retratos do Brasil e do Piauí Eduardo Pereira Nunes Presidente do IBGE Teresina, 12 de Agosto de 2011 Brasil Todos os domicílios residenciais particulares foram recenseados A coleta

Leia mais

FLUXO ATIVIDADES DOS SERVIÇOS DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO, POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA 2009

FLUXO ATIVIDADES DOS SERVIÇOS DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO, POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA 2009 FLUXO ATIVIDADES DOS DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO, POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA 2009 Entradas e Saídas de Mercadorias Base 2009 FLUXO, POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA - 2009

Leia mais

Comentários sobre os Indicadores de Mortalidade

Comentários sobre os Indicadores de Mortalidade C.9 Taxa de mortalidade por causas externas O indicador mede o número de óbitos por causas externas (conjunto de acidentes e violências) por 1. habitantes, estimando o risco de morrer por essas causas.

Leia mais

Redução de Homicídios no Brasil

Redução de Homicídios no Brasil Ministério da Saúde MS Secretaria de Vigilância em Saúde - SVS Redução de Homicídios no Brasil SUMÁRIO INTRODUÇÃO... 1 METODOLOGIA DE ANÁLISE... 1 RESULTADOS... 2 Homicídios no Brasil... 2 Óbitos por Arma

Leia mais

11.1. INFORMAÇÕES GERAIS

11.1. INFORMAÇÕES GERAIS ASPECTOS 11 SOCIOECONÔMICOS 11.1. INFORMAÇÕES GERAIS O suprimento de energia elétrica tem-se tornado fator indispensável ao bem-estar social e ao crescimento econômico do Brasil. Contudo, é ainda muito

Leia mais

Censo Demográfico 2010. Resultados gerais da amostra

Censo Demográfico 2010. Resultados gerais da amostra Censo Demográfico 2010 Resultados gerais da amostra Rio de Janeiro, 27 de abril de 2012 População e distribuição relativa População e distribuição relativa (%) para o Brasil e as Grandes Regiões 2000/2010

Leia mais

ANÁLISE DA MORTE VIOLENTA SEGUNDO RAÇA /COR

ANÁLISE DA MORTE VIOLENTA SEGUNDO RAÇA /COR 8 ANÁLISE DA MORTE VIOLENTA SEGUNDO RAÇA /COR Secretaria de Vigilância em Saúde/MS 435 ANÁLISE DA MORTE VIOLENTA SEGUNDO RAÇA/COR MORTALIDADE POR CAUSAS EXTERNAS Evolução da mortalidade por causas externas

Leia mais

Pesquisa Nacional de Saúde Módulo de Atendimento Médico Notas Técnicas

Pesquisa Nacional de Saúde Módulo de Atendimento Médico Notas Técnicas Pesquisa Nacional de Saúde Módulo de Atendimento Médico Notas Técnicas Sumário Origem dos dados... 3 Descrição das variáveis disponíveis para tabulação... 4 Variáveis de conteúdo... 4 %Sentiram discriminação...

Leia mais

PROJEÇÃO DA POPULAÇÃO DO BRASIL PROJEÇÃO DA POPULAÇÃO DAS UNIDADES DA FEDERAÇÃO POR SEXO E IDADE PARA O PERÍODO 2000/2030

PROJEÇÃO DA POPULAÇÃO DO BRASIL PROJEÇÃO DA POPULAÇÃO DAS UNIDADES DA FEDERAÇÃO POR SEXO E IDADE PARA O PERÍODO 2000/2030 PROJEÇÃO DA POPULAÇÃO DO BRASIL POR SEXO E IDADE PARA O PERÍODO 2000/2060 PROJEÇÃO DA POPULAÇÃO DAS UNIDADES DA FEDERAÇÃO POR SEXO E IDADE PARA O PERÍODO 2000/2030 Agosto de 2013 1 Presidenta da República

Leia mais

Síntese de Indicadores Sociais 2003

Síntese de Indicadores Sociais 2003 Comunicação Social 13 de abril de 2004 Síntese de Indicadores Sociais 2003 Em 2030, cerca de 40% da população brasileira deverá ter entre 30 e 60 anos O estudo tem capítulos específicos sobre Educação,

Leia mais

FLUXO TRANSPORTE AQUAVIÁRIO POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA - 2009

FLUXO TRANSPORTE AQUAVIÁRIO POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA - 2009 FLUXO POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA - 2009 Entradas e Saídas de Mercadorias Base 2009 FLUXO, POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA - 2009 Estados Norte 0 0,00 0 0 0 0,00 Rondônia

Leia mais

FLUXO ATIVIDADES DE SEDES DE EMPRESAS E DE CONSULTORIA EM GESTÃO EMPRESARIAL POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO DO ESTADO DA PARAÍBA 2009

FLUXO ATIVIDADES DE SEDES DE EMPRESAS E DE CONSULTORIA EM GESTÃO EMPRESARIAL POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO DO ESTADO DA PARAÍBA 2009 FLUXO ATIVIDADES DE SEDES DE EMPRESAS E DE CONSULTORIA EM GESTÃO EMPRESARIAL POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO DO ESTADO DA PARAÍBA 2009 Entradas e Saídas de Mercadorias Base 2009 FLUXO ATIVIDADES DE SEDES DE EMPRESAS

Leia mais

Tabela 1 - Conta de produção por operações e saldos, segundo as Grandes Regiões e as Unidades da Federação - 2004-2008

Tabela 1 - Conta de produção por operações e saldos, segundo as Grandes Regiões e as Unidades da Federação - 2004-2008 (continua) Produção 5 308 622 4 624 012 4 122 416 3 786 683 3 432 735 1 766 477 1 944 430 2 087 995 2 336 154 2 728 512 Consumo intermediário produtos 451 754 373 487 335 063 304 986 275 240 1 941 498

Leia mais

Pnad: Um em cada cinco brasileiros é analfabeto funcional

Pnad: Um em cada cinco brasileiros é analfabeto funcional 08/09/2010-10h00 Pesquisa visitou mais de 150 mil domicílios em 2009 Do UOL Notícias A edição 2009 da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios (Pnad), realizada pelo IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia

Leia mais

FLUXO DE ATIVIDADES DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DE INFORMAÇÃO POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA 2009

FLUXO DE ATIVIDADES DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DE INFORMAÇÃO POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA 2009 FLUXO DE ATIVIDADES DE PRESTAÇÃO DE DE INFORMAÇÃO POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA 2009 Entradas e Saídas de Mercadorias Base 2009 FLUXO DE, POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA -

Leia mais

A Importância do Fortalecimento Fiscal dos Municípios

A Importância do Fortalecimento Fiscal dos Municípios A Importância do Fortalecimento Fiscal dos Municípios Maria Cristina Mac Dowell Diretora-Geral Adjunta Escola de Administração Fazendária Esaf/MF maria-macdowell.azevedo@fazenda.gov.br macdowell.azevedo@fazenda.gov.br

Leia mais

INTRODUÇÃO. As análises de impacto e de vidas poupadas foram realizadas desagregando Unidades da Federação, Capitais e Regiões Metropolitanas.

INTRODUÇÃO. As análises de impacto e de vidas poupadas foram realizadas desagregando Unidades da Federação, Capitais e Regiões Metropolitanas. UNESCO INTRODUÇÃO O presente documento sintetiza os resultados da análise dos dados de mortalidade por armas de fogo divulgados no Ministério da Saúde em 2 de setembro de 2005. A análise foi realizada

Leia mais

PNAD - Segurança Alimentar 2004 2009. Insegurança alimentar diminui, mas ainda atinge 30,2% dos domicílios brasileiros

PNAD - Segurança Alimentar 2004 2009. Insegurança alimentar diminui, mas ainda atinge 30,2% dos domicílios brasileiros 1 of 5 11/26/2010 2:57 PM Comunicação Social 26 de novembro de 2010 PNAD - Segurança Alimentar 2004 2009 Insegurança alimentar diminui, mas ainda atinge 30,2% dos domicílios brasileiros O número de domicílios

Leia mais

Regiões Metropolitanas do Brasil

Regiões Metropolitanas do Brasil Instituto Nacional de Ciência e Tecnologia IPPUR/UFRJ CNPQ FAPERJ Regiões Metropolitanas do Brasil Equipe responsável Sol Garson Luiz Cesar de Queiroz Ribeiro Juciano Martins Rodrigues Regiões Metropolitanas

Leia mais

GERAÇÃO DE EMPREGOS FORMAIS

GERAÇÃO DE EMPREGOS FORMAIS GERAÇÃO DE EMPREGOS FORMAIS no Estado do Rio de Janeiro JULHO DE 2014 BRASIL O mês de julho de 2014 fechou com um saldo líquido positivo de 11.796 novos empregos em todo país, segundo dados do Cadastro

Leia mais

Indicadores IBGE Pesquisa Mensal de Emprego Março 2005

Indicadores IBGE Pesquisa Mensal de Emprego Março 2005 Indicadores IBGE Pesquisa Mensal de Emprego Março 2005 Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística - IBGE Presidente da República Luiz Inácio Lula da Silva Ministro de Estado do Planejamento, Orçamento

Leia mais

Odesenvolvimento da pesquisa Assistência Médico-Sanitária - AMS,

Odesenvolvimento da pesquisa Assistência Médico-Sanitária - AMS, Análise de alguns indicadores da pesquisa Odesenvolvimento da pesquisa Assistência Médico-Sanitária - AMS, com seu caráter censitário junto aos estabelecimentos de saúde, tem sido um elemento valioso para

Leia mais

RANKING NACIONAL DO TRABALHO INFANTIL (5 a 17 ANOS) QUADRO COMPARATIVO DOS DADOS DA PNAD (2008 e 2009)

RANKING NACIONAL DO TRABALHO INFANTIL (5 a 17 ANOS) QUADRO COMPARATIVO DOS DADOS DA PNAD (2008 e 2009) NACIONAL DO TRABALHO INFANTIL (5 a 17 ANOS) QUADRO COMPARATIVO DOS DADOS DA PNAD (2008 e 2009) População Ocupada 5 a 17 anos 2008 Taxa de Ocupação 2008 Posição no Ranking 2008 População Ocupada 5 a 17

Leia mais

2014 SETEMBRO. Caderno de Informação da Saúde Suplementar. Beneficiários, Operadoras e Planos

2014 SETEMBRO. Caderno de Informação da Saúde Suplementar. Beneficiários, Operadoras e Planos 2014 SETEMBRO Caderno de Informação da Saúde Suplementar Beneficiários, Operadoras e Planos MINISTÉRIO DA SAÚDE Agência Nacional de Saúde Suplementar Caderno de Informação da Saúde Suplementar Beneficiários,

Leia mais

Pesquisa Nacional de Saúde Módulo de Doenças Crônicas hipertensão arterial Notas Técnicas

Pesquisa Nacional de Saúde Módulo de Doenças Crônicas hipertensão arterial Notas Técnicas Pesquisa Nacional de Saúde Módulo de Doenças Crônicas hipertensão arterial Notas Técnicas Sumário Origem dos dados... 3 Descrição das variáveis disponíveis para tabulação... 4 Variáveis de conteúdo...

Leia mais

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA - IBGE

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA - IBGE Presidente da República Luiz Inácio Lula da Silva Ministro do Planejamento, Orçamento e Gestão Paulo Bernardo Silva INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA - IBGE Presidente Eduardo Pereira Nunes

Leia mais

MINISTÉRIO DA SAÚDE. Hanseníase no Brasil DADOS E INDICADORES SELECIONADOS

MINISTÉRIO DA SAÚDE. Hanseníase no Brasil DADOS E INDICADORES SELECIONADOS MINISTÉRIO DA SAÚDE Hanseníase no Brasil DADOS E INDICADORES SELECIONADOS Brasília DF 2009 MINISTÉRIO DA SAÚDE Secretaria de Vigilância em Saúde Departamento de Vigilância Epidemiológica Hanseníase no

Leia mais

FLUXO FABRICAÇÃO DE VEÍCULOS AUTOMOTORES, REBOQUES E CARROCERIAS POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA 2009

FLUXO FABRICAÇÃO DE VEÍCULOS AUTOMOTORES, REBOQUES E CARROCERIAS POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA 2009 FLUXO FABRICAÇÃO DE VEÍCULOS AUTOMOTORES, REBOQUES E CARROCERIAS POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA 2009 Entradas e Saídas de Mercadorias Base 2009 FLUXO, POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO

Leia mais

Taxa de analfabetismo

Taxa de analfabetismo B Taxa de analfabetismo B.1................................ 92 Níveis de escolaridade B.2................................ 94 Produto Interno Bruto (PIB) per capita B.3....................... 96 Razão de

Leia mais

DISTRIBUIÇÃO DO CAPITAL SOCIAL NO BRASIL: UMA ANÁLISE DOS PADRÕES RECENTES

DISTRIBUIÇÃO DO CAPITAL SOCIAL NO BRASIL: UMA ANÁLISE DOS PADRÕES RECENTES DISTRIBUIÇÃO DO CAPITAL SOCIAL NO BRASIL: UMA ANÁLISE DOS PADRÕES RECENTES Barbara Christine Nentwig Silva Professora do Programa de Pós Graduação em Planejamento Territorial e Desenvolvimento Social /

Leia mais

Estado da motorização individual no Brasil Relatório 2015. Coordenação: Juciano Martins Rodrigues. Observatório das Metrópoles

Estado da motorização individual no Brasil Relatório 2015. Coordenação: Juciano Martins Rodrigues. Observatório das Metrópoles Estado da motorização individual no Brasil Relatório 2015 Estado da motorização individual no Brasil Relatório 2015 Coordenação: Juciano Martins Rodrigues Observatório das Metrópoles Luiz Cesar de Queiroz

Leia mais

RESULTADOS DO ÍNDICE DE VULNERABILIDADE SOCIAL DO PARANÁ - 2010 *

RESULTADOS DO ÍNDICE DE VULNERABILIDADE SOCIAL DO PARANÁ - 2010 * RESULTADOS DO ÍNDICE DE VULNERABILIDADE SOCIAL DO PARANÁ - 2010 * Os resultados aqui apresentados foram extraídos do Atlas da Vulnerabilidade Social nos Municípios Brasileiros, elaborado pelo Instituto

Leia mais

Pesquisa Mensal de Emprego Dezembro 2005

Pesquisa Mensal de Emprego Dezembro 2005 Indicadores IBGE Pesquisa Mensal de Emprego Dezembro 2005 Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística - IBGE Presidente da República Luiz Inácio Lula da Silva Ministro de Estado do Planejamento, Orçamento

Leia mais

F.19 - Cobertura de coleta de lixo

F.19 - Cobertura de coleta de lixo Comentários sobre os Indicadores de Cobertura até 6 F.19 - Cobertura de coleta de lixo Limitações: Requer informações adicionais sobre as condições de funcionamento (freqüência, assiduidade, volume transportado

Leia mais

Boletim Informativo* Agosto de 2015

Boletim Informativo* Agosto de 2015 Boletim Informativo* Agosto de 2015 *Documento atualizado em 15/09/2015 (Erratas páginas 2, 3, 4 e 9) EXTRATO GERAL BRASIL 1 EXTRATO BRASIL 396.399.248 ha 233.712.312 ha 58,96% Número de Imóveis Cadastrados²:

Leia mais

Apesquisa suplementar sobre acesso à Internet e posse de telefone

Apesquisa suplementar sobre acesso à Internet e posse de telefone Análise dos resultados Apesquisa suplementar sobre acesso à Internet e posse de telefone móvel celular para uso pessoal ampliou a investigação rotineira da PNAD, que restringe o levantamento sobre o assunto

Leia mais

Acesso à Internet e Posse de Telefone Móvel Celular para Uso Pessoal

Acesso à Internet e Posse de Telefone Móvel Celular para Uso Pessoal Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão Instituto eiro de Geografia e Estatística - IBGE Diretoria de Pesquisas Coordenação de Trabalho e Rendimento Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios Acesso

Leia mais

ATLAS. de Desenvolvimento Sustentável e Saúde. Brasil 1991 a 2010

ATLAS. de Desenvolvimento Sustentável e Saúde. Brasil 1991 a 2010 ATLAS de Desenvolvimento Sustentável e Saúde Brasil 1991 a 2010 Organização Pan-Americana da Saúde Organização Mundial da Saúde Representação no Brasil Atlas de Desenvolvimento Sustentável e Saúde Brasil

Leia mais

BOLETIM COMÉRCIO VAREJISTA

BOLETIM COMÉRCIO VAREJISTA BOLETIM COMÉRCIO VAREJISTA ISSN 2319-0205 Edição: 01/14 COMÉRCIO VAREJISTA PARAENSE EM JANEIRO DE 2014 O Instituto de Desenvolvimento Econômico, Social e Ambiental do Pará (IDESP), com base nas informações

Leia mais

FLUXO ATIVIDADES FINANCEIRAS, DE SEGUROS E SERVIÇOS RELACIONADOS POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA 2009

FLUXO ATIVIDADES FINANCEIRAS, DE SEGUROS E SERVIÇOS RELACIONADOS POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA 2009 FLUXO ATIVIDADES FINANCEIRAS, DE SEGUROS E RELACIONADOS POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA 2009 Entradas e Saídas de Mercadorias Base 2009 FLUXO, POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA

Leia mais

Apresentação. A AMIB (Associação de Medicina Intensiva. Brasileira) elaborou o primeiro estudo que visa. apresentar uma visão do cenário das Unidades

Apresentação. A AMIB (Associação de Medicina Intensiva. Brasileira) elaborou o primeiro estudo que visa. apresentar uma visão do cenário das Unidades Apresentação A AMIB (Associação de Medicina Intensiva Brasileira) elaborou o primeiro estudo que visa apresentar uma visão do cenário das Unidades de Terapias Intensivas (UTI) no país. Objetivos Elaborar

Leia mais

2013 Março. Caderno de Informação da Saúde Suplementar. Beneficiários, Operadoras e Planos

2013 Março. Caderno de Informação da Saúde Suplementar. Beneficiários, Operadoras e Planos 2013 Março Caderno de Informação da Saúde Suplementar Beneficiários, Operadoras e Planos MINISTÉRIO DA SAÚDE Agência Nacional de Saúde Suplementar Caderno de Informação da Saúde Suplementar Beneficiários,

Leia mais

Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios PNAD 2011

Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios PNAD 2011 Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios PNAD 2011 Rio de Janeiro, 21/09/2012 1 Abrangência nacional Temas investigados: Características Características gerais dos moradores Educação Migração Trabalho

Leia mais

* Trabalho Apresentado no XV Encontro Nacional de Estudos populacionais, ABEP, realizado em Caxambu MG Brasil, de 18 a 22 de setembro de 2006.

* Trabalho Apresentado no XV Encontro Nacional de Estudos populacionais, ABEP, realizado em Caxambu MG Brasil, de 18 a 22 de setembro de 2006. DEMOGRAFIA E EDUCAÇÃO NO BRASIL: AS DESIGUALDADES REGIONAIS* FERNANDA R. BECKER UERJ Resumo: A População brasileira está se transformando, passando por mudanças significativas nas últimas décadas. Estas

Leia mais

Inventar com a diferenca,

Inventar com a diferenca, Inventar com a diferenca, cinema e direitos humanos PATROCÍNIO APOIO REALIZAÇÃO Fundação Euclides da Cunha O que é Inventar com a diferença: cinema e direitos humanos O projeto visa oferecer formação e

Leia mais

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA - IBGE

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA - IBGE Presidente da República Luiz Inácio Lula da Silva Ministro do Planejamento, Orçamento e Gestão Paulo Bernardo Silva INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA - IBGE Presidente Eduardo Pereira Nunes

Leia mais

SISTEMA NACIONAL DE PESQUISA DE CUSTOS E ÍNDICES DA CONSTRUÇÃO CIVIL S I N A P I RESULTADOS DE AGOSTO/2014

SISTEMA NACIONAL DE PESQUISA DE CUSTOS E ÍNDICES DA CONSTRUÇÃO CIVIL S I N A P I RESULTADOS DE AGOSTO/2014 SISTEMA NACIONAL DE PESQUISA DE CUSTOS E ÍNDICES DA CONSTRUÇÃO CIVIL S I N A P I RESULTADOS DE AGOSTO/2014 COMENTÁRIOS Índice Nacional da Construção Civil varia 0,52% em agosto O Índice Nacional da Construção

Leia mais

NOTA TÉCNICA 63 2011 PROPOSTA DE AMPLIAÇÃO DO PROJETO VIDA NO TRÂNSITO

NOTA TÉCNICA 63 2011 PROPOSTA DE AMPLIAÇÃO DO PROJETO VIDA NO TRÂNSITO NOTA TÉCNICA 63 2011 PROPOSTA DE AMPLIAÇÃO DO PROJETO VIDA NO TRÂNSITO Repasse financeiro do Fundo Nacional de Saúde aos Fundos de Saúde Estaduais, Municipais e do Distrito Federal, por meio do Piso Variável

Leia mais

SISTEMA NACIONAL DE PESQUISA DE CUSTOS E ÍNDICES DA CONSTRUÇÃO CIVIL S I N A P I RESULTADOS DE JUNHO/2014

SISTEMA NACIONAL DE PESQUISA DE CUSTOS E ÍNDICES DA CONSTRUÇÃO CIVIL S I N A P I RESULTADOS DE JUNHO/2014 SISTEMA NACIONAL DE PESQUISA DE CUSTOS E ÍNDICES DA CONSTRUÇÃO CIVIL S I N A P I RESULTADOS DE JUNHO/2014 COMENTÁRIOS Índice Nacional da Construção Civil varia 0,59% em Junho O Índice Nacional da Construção

Leia mais

MAIOR POPULAÇÃO NEGRA DO PAÍS

MAIOR POPULAÇÃO NEGRA DO PAÍS MAIOR POPULAÇÃO NEGRA DO PAÍS A população brasileira foi estimada em 184,4 milhões de habitantes, em 2005, segundo a PNAD, sendo que 91 milhões de pessoas se declararam de cor/raça parda ou preta, aproximando-se

Leia mais

Brasil é 2º em ranking de redução de mortalidade infantil 3

Brasil é 2º em ranking de redução de mortalidade infantil 3 Publicação Científica do Curso de Bacharelado em Enfermagem do CEUT. Ano 2011(3). Edição 38 Aline da Silva Oliveira 1 Cristiana Maria de Sousa Macedo 1 Mércia da Silva Sousa 1 Márcia Andrea Lial Sertão

Leia mais

Acidentes fatais com motocicleta param de crescer no Estado de São Paulo

Acidentes fatais com motocicleta param de crescer no Estado de São Paulo Resenha de Estatísticas Vitais do Estado de São Paulo Ano 11 nº 4 Maio 2011 Acidentes fatais com motocicleta param de crescer no Estado de São Paulo O número de mortes por acidentes de motocicleta manteve-se

Leia mais

Acesso à internet e posse de telefone. óvel elular para so essoal

Acesso à internet e posse de telefone. óvel elular para so essoal p a esquisa n mostra de acional por d omicílios Acesso à internet e posse de telefone M C óvel elular para so essoal 2005 u p Presidente da República Luiz Inácio Lula da Silva Ministro do Planejamento,

Leia mais

Ministério da Educação Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Diretoria de Estatísticas Educacionais

Ministério da Educação Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Diretoria de Estatísticas Educacionais Ministério da Educação Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Diretoria de Estatísticas Educacionais RESULTADO DO CENSO DA EDUCAÇÃO BÁSICA 2009 O Censo Escolar, realizado anualmente pelo

Leia mais

Saúde Suplementar em Números

Saúde Suplementar em Números Saúde Suplementar em Números Edição nº 9-2015 Setembro de 2015 Sumário Executivo Número de beneficiários de planos médico-hospitalares (setembro/15): 50.261.602; Taxa de crescimento do número de beneficiários

Leia mais

IBGE. Ministério da Saúde. Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística

IBGE. Ministério da Saúde. Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística p a esquisa n mostra de acional por d omicílios A cesso e u tilização de S erviços de s aúde 2003 Ministério da Saúde IBGE Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística Ministério do Planejamento, Orçamento

Leia mais

BOLETIM. Produto Interno Bruto paulista continua no patamar de um trilhão de reais

BOLETIM. Produto Interno Bruto paulista continua no patamar de um trilhão de reais patamar de um trilhão Em ano atípico, o PIB do Estado de São apresentou redução real em 2009, mas ampliou sua participação no PIB brasileiro. Em 2009, o PIB, calculado pela Fundação Seade em parceria com

Leia mais

Pesquisa de Informações Básicas Estaduais 2012

Pesquisa de Informações Básicas Estaduais 2012 Pesquisa de Informações Básicas Estaduais 2012 Informações Básicas Recursos Humanos Foram pesquisadas as pessoas que trabalhavam na administração direta e indireta por vínculo empregatício e escolaridade;

Leia mais

1. DISTRIBUIÇÃO DAS INSTITUIÇÕES DE ENSINO SUPERIOR NO TERRITÓRIO NACIONAL POR REGIÕES

1. DISTRIBUIÇÃO DAS INSTITUIÇÕES DE ENSINO SUPERIOR NO TERRITÓRIO NACIONAL POR REGIÕES Nº 72 Fevereiro 2014 Análise da Distribuição Espacial das Instituições de Ensino Superior Brasileiras a partir dos Dados do Censo da Educação Superior de 2011 GOVERNO DO ESTADO DO CEARÁ Cid Ferreira Gomes

Leia mais

Pesquisa Nacional de Saúde Módulo de Percepção do estado de saúde Notas Técnicas

Pesquisa Nacional de Saúde Módulo de Percepção do estado de saúde Notas Técnicas Pesquisa Nacional de Saúde Módulo de Percepção do estado de saúde Notas Técnicas Sumário Origem dos dados... 3 Descrição das variáveis disponíveis para tabulação... 4 Variáveis de conteúdo... 4 %Autoavaliação

Leia mais

Parceiros. Apoio. Consed Rede Andi Brasil Todos pela Educação. Canal Futura Congemas Undime

Parceiros. Apoio. Consed Rede Andi Brasil Todos pela Educação. Canal Futura Congemas Undime Objetivo : Identificar, reconhecer, dar visibilidade e estimular o trabalho de ONGs que contribuem, em articulação com as políticas públicas de educação e de assistência social, para a educação integral

Leia mais

5.4 Transplantes. 1 Rim. Os dados dos transplantes serão analisados por grupos de órgãos.

5.4 Transplantes. 1 Rim. Os dados dos transplantes serão analisados por grupos de órgãos. 5.4 Transplantes Os dados dos transplantes serão analisados por grupos de órgãos. 1 Rim Entre 1995 e 2001, o número de transplantes renais realizados anualmente cresceu cerca de 66,7% no país (TABELA 150).

Leia mais

FLUXO ATIVIDADES ADMINISTRATIVAS E SERVIÇOS COMPLEMENTARES POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA 2009

FLUXO ATIVIDADES ADMINISTRATIVAS E SERVIÇOS COMPLEMENTARES POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA 2009 FLUXO ATIVIDADES ADMINISTRATIVAS E COMPLEMENTARES POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA 2009 Entradas e Saídas de Mercadorias Base 2009 FLUXO, POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA - 2009

Leia mais

Acidentes de transportes passam a ser a principal causa de morte não natural do Estado de São Paulo

Acidentes de transportes passam a ser a principal causa de morte não natural do Estado de São Paulo Resenha de Estatísticas Vitais do Estado de São Paulo Ano 10 nº 2 Março 2010 Acidentes de transportes passam a ser a principal causa de morte não natural do Estado de São Paulo Hoje, os acidentes de transporte

Leia mais

VOLUME 3. Projeção Demográfica; Projeção de Matrículas, Taxas de Atendimento e Taxas de Transição; Indicadores do Censo Escolar.

VOLUME 3. Projeção Demográfica; Projeção de Matrículas, Taxas de Atendimento e Taxas de Transição; Indicadores do Censo Escolar. VOLUME 3 Projeção Demográfica; Projeção de Matrículas, Taxas de Atendimento e Taxas de Transição; Indicadores do Censo Escolar. 69 PARTE I PROJEÇÃO DEMOGRÁFICA 70 1 Introdução A atualização de projeções

Leia mais

Taxa de desocupação foi de 9,3% em janeiro

Taxa de desocupação foi de 9,3% em janeiro Taxa de desocupação foi de 9,3% em janeiro A taxa de desocupação registrada pela Pesquisa Mensal de Emprego do IBGE, nas seis principais Regiões Metropolitanas do país (Recife, Salvador, Belo Horizonte,

Leia mais

Informações sobre salários e escolaridade dos professores e comparativo com não-professores

Informações sobre salários e escolaridade dos professores e comparativo com não-professores Informações sobre salários e escolaridade dos professores e comparativo com não-professores Total de profissionais, independentemente da escolaridade 2003 2007 2008 Professores da Ed Básica (públicas não

Leia mais

Figura 1: Distribuição de CAPS no Brasil, 25. RORAIMA AMAPÁ AMAZONAS PARÁ MARANHÃO CEARÁ RIO GRANDE DO NORTE PAIUÍ PERNAMBUCO ACRE ALAGOAS SERGIPE TOCANTINS RONDÔNIA PARAÍBA BAHIA MATO GROSSO DISTRITO

Leia mais

ÍNDICE DE CONFIANÇA DOS PEQUENOS NEGÓCIOS NO BRASIL. ICPN Outubro de 2015

ÍNDICE DE CONFIANÇA DOS PEQUENOS NEGÓCIOS NO BRASIL. ICPN Outubro de 2015 ÍNDICE DE CONFIANÇA DOS PEQUENOS NEGÓCIOS NO BRASIL ICPN Outubro de 2015 ÍNDICE DE CONFIANÇA DOS PEQUENOS NEGÓCIOS NO BRASIL ICPN Outubro de 2015 Sumário Executivo Indicadores de confiança são indicadores

Leia mais

2014 DEZEMBRO. Caderno de Informação da Saúde Suplementar. Beneficiários, Operadoras e Planos

2014 DEZEMBRO. Caderno de Informação da Saúde Suplementar. Beneficiários, Operadoras e Planos 2014 DEZEMBRO Caderno de Informação da Saúde Suplementar Beneficiários, Operadoras e Planos Elaboração, distribuição e informações: MINISTÉRIO DA SAÚDE Agência Nacional de Saúde Suplementar (ANS) Diretoria

Leia mais

PORTO ALEGRE E DEMAIS CAPITAIS BRASILEIRAS

PORTO ALEGRE E DEMAIS CAPITAIS BRASILEIRAS Equipe de Vigilância de Eventos Vitais, Doenças e Agravos não Transmissíveis Coordenadoria Geral de Vigilância em Saúde Secretaria Municipal da Saúde da Prefeitura Municipal de Porto Alegre PORTO ALEGRE

Leia mais

Pesquisa Nacional de Saúde Módulo de Estilo de Vida Consumo de alimentos Notas Técnicas

Pesquisa Nacional de Saúde Módulo de Estilo de Vida Consumo de alimentos Notas Técnicas Pesquisa Nacional de Saúde Módulo de Estilo de Vida Consumo de alimentos Notas Técnicas Sumário Origem dos dados... 3 Descrição das variáveis disponíveis para tabulação... 4 Variáveis de conteúdo... 4

Leia mais

Pesquisa sobre municipalização do trânsito e regulamentação do exercício da atividade de moto taxista e de moto boy

Pesquisa sobre municipalização do trânsito e regulamentação do exercício da atividade de moto taxista e de moto boy Pesquisa sobre municipalização do trânsito e regulamentação do exercício da atividade de moto taxista e de moto boy Tabulação dos Resultados da Pesquisa Objetivos: Diagnosticar a situação atual dos municípios

Leia mais

Pesquisa Mensal de Emprego - PME

Pesquisa Mensal de Emprego - PME Pesquisa Mensal de Emprego - PME Dia Internacional da Mulher 08 de março de 2012 M U L H E R N O M E R C A D O D E T R A B A L H O: P E R G U N T A S E R E S P O S T A S A Pesquisa Mensal de Emprego PME,

Leia mais

FLUXO TELECOMINICAÇÕES SEM FIO POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA - 2009

FLUXO TELECOMINICAÇÕES SEM FIO POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA - 2009 FLUXO TELECOMINICAÇÕES SEM FIO POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA - 2009 Entradas e Saídas de Mercadorias Base 2009 FLUXO TELECOMINICAÇÕES SEM FIO, POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA

Leia mais