ANÁLISE E DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS. Índices Padrão

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "ANÁLISE E DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS. Índices Padrão"

Transcrição

1 ANÁLISE E DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS Índices Padrão

2 Considerações Preliminares A análise de índices simplesmente não pode precisamente apontar os problemas da empresa. É razoável esperar que ela aponte para uma direção numa análise mais detalhada. Os índices financeiros por si só não tem maiores significados senão comparado com um critério. Critérios podem ser os índices financeiros de uma empresa rival ou a média do setor da atividade. Algumas vezes os problemas da empresa podem ser disfarçados com os assim chamados bons índices. Por exemplo, um alto giro de estoque pode ser indicador do perigosamente baixo nível de estoque da empresa. Revistas especializadas em negócios publicam periodicamente edições especiais em que são apurados os padrões de alguns indicadores econômico-financeiros das empresas (liquidez geral, liquidez corrente, etc.).

3 Considerações Preliminares Sabendo que devemos comparar os índices calculados com os das outras empresas, a pergunta é: com quais empresas devo comparar? Digamos que num determinado ramos de atividades (comercial), existam 200 empresas, como comparar um determinado índice (liquidez, por exemplo) com os outros 200 índices do mesmo tipo dessas empresas? Neste momento só se tem uma alternativa: pedir auxílio à Estatística que diz ser possível extrair medidas de determinado universo de elementos. Dentre essas medidas há a média, a moda e a mediana.

4 Revisão de Estatística Média: é usada para indicar algo que é característico do universo de dados indica a eficiência média Exemplo: a média de gols, por partida assinalados num campeonato por uma equipe. Em 8 jogos, determinado time marcou 3, 5, 0, 0, 1, 0, 5, 2 e 3 gols, da primeira à última partida da primeira fase do campeonato. A média dessa equipe é:

5 Revisão de Estatística Moda: é o valor mais frequente numa dada distribuição. Exemplo: no seguinte conjunto de dados referentes às notas de estudantes em determinada prova: 2, 2, 3, 4, 5, 5, 6, 6, 6, 6, 6, 7, 7, 8, 9, 9, 10, a moda será 6, visto ser o valor verificado com maior frequência.

6 Revisão de Estatística Mediana: é o valor tal que, colocados os elementos do universo em ordem crescente, metade fica abaixo e metade fica acima dele. O papel da mediana é possibilitar a comparação de um elemento do universo com os demais, a fim de se conhecer sua posição relativa, na ordem de grandeza do universo. Exemplo: Se entre os operários de determinada fábrica a mediana de salários for de R$ 3.800,00, aquele que recebe remuneração acima disso estará entre a metade de operários mais bem remunerados.

7 A Estatística Ajudando a Analisar Demonstrações Suponha-se existirem, em determinado ramo de atividades, 200 empresas. Como comparar determinado índice com os 200 índices de mesmo tipo dessas 200 empresas? Existem algumas técnicas estatísticas que permitem extrair algumas medidas de determinado universo de elementos. Estas técnicas estão baseadas no uso de medidas de posição como a mediana, quartis e decis. Se, por exemplo, forem tomados os decis, distribui-se o universo em fatias, cada uma com 10% dos elementos do universo. Assim, através dos decis, obtém-se uma ideia muito próxima de como se distribuem os elementos em determinado universo. Os 200 índices podem ser dispensados, e passa-se a trabalhar com apenas 10 decis.

8 Decis 10% 10% 10% 10% 10% 10% 10% 10% 10% 10% Mediana 1º decil 2º decil 3º decil 4º decil 6º decil 7º decil 8º decil 9º decil

9 Construção de Padrões Basicamente, a determinação dos índices-padrão processa-se pelo cálculo da mediana, ou seja, o índice do meio da série de valores calculados. A mediana é obtida da seguinte maneira: colocam-se os elementos do conjunto em ordem crescente de grandeza; a mediana será o elemento que estiver exatamente no meio, isto é, aquele que possuir o mesmo número de elementos acima e abaixo de si.

10 Construção de Padrões Exemplo, os índices de Liquidez Corrente de 30 empresas de um mesmo setor: 1,76 0,89 1,01 1,40 1,80 1,05 1,14 1,22 1,13 1,66 1,80 1,54 1,34 1,43 1,60 1,20 1,26 1,09 1,50 1,82 1,07 0,93 1,11 1,21 1,70 0,82 1,47 1,24 1,18 1,30 1º Passo: distribuir índices em ordem de grandeza crescente:. 0,80 0,82 0,89 0,93 1,01 1,05 1,07 1,09 1,11 1,13 1,14 1,18 1,20 1,21 1,22 1,24 1,26 1,30 1,34 1,40 1,43 1,47 1,50 1,54 1,60 1,66 1,70 1,76 1,80 1,82

11 Construção de Padrões 2º Passo: calcular a mediana: Mediana = 1,23 [(1,22+1,24)/2] A mediana distingue-se da média por dividir os valores exatamente no meio, permanecendo 50% da distribuição antes e após a mediana. Assim, com base nos valores acima, a mediana situa-se na décima quinta posição, ou seja, entre o índice 1,22 e 1,24. A mediana nessa colocação é de 1,23, a qual serve de comparação, como indicadorpadrão do setor, para análise das empresas. O uso da mediana nos fornece APENAS uma só medida. Por esta razão é desenvolvido também o cálculo dos decis como valores padrões da distribuição. Tendo os dados dispostos em ordem crescente, o 1º decil será aquele valor que estiver acima de 10% dos índices e abaixo de 90% dos mesmos.

12 Construção de Padrões 3º Passo: calculando os decis: Distribuir os valores em decis, dividindo-se esses 30 números em 10 partes. O 1º decil (índice que deixa 10% dos valores do conjunto abaixo e 90% acima) - no exemplo tem 30 elementos, o 1º decil deixa 3 elementos abaixo (30 X 10% = 3) e 27 elementos acima. Assim, deve ser um número superior a 0,89 (3º elemento do 1º grupo do conjunto) e inferior a 0,93 (a fim de deixar 27 elementos acima de si). O 1º decil é obtido através da média aritmética: 1º Decil = 0,91 [(0,89+0,93)/2] O 2º decil será a média aritmética entre o 3º elemento do 2º grupo e 1º elemento do 3º grupo, e assim por diante. Lembre-se que o 5º decil é a mediana. 2º Decil = 1,06 [(1,05+1,07)/2]

13 Construção de Padrões Tabela dos decis: Ordem Decil Cálculo 1º decil = 0,91 Média entre 0,89 e 0,93 2º decil = 1,06 Média entre 1,05 e 1,07 3º decil = 1,12 Média entre 1,11 e 1,13 4º decil = 1,19 Média entre 1,18 e 1,20 5º decil = 1,23 Média entre 1,22 e 1,24 6º decil = 1,32 Média entre 1,30 e 1,34 7º decil = 1,45 Média entre 1,43 e 1,47 8º decil = 1,57 Média entre 1,54 e 1,60 9º decil = 1,73 Média entre 1,70 e 1,76

14 Construção de Padrões Resumo: para se obter índices-padrão é obedecida os seguintes procedimentos: 1) Separam-se as empresas em ramos de atividade; 2) Criar subdivisões dentro desses ramos, de maneira que uma empresa possa ser comparada a outras de atividade mais ou menos semelhante à sua; 3) Separar grandes, pequenas e médias empresas; 4) De cada empresa, toma-se determinado índice financeiro; 5) Os índices assim obtidos são colocados em ordem crescente de grandeza; e 6) Os índices padrão são dados pelos decis.

15 Conceitos atribuídos aos índices segundo sua posição relativa Grupo quanto Menor, Melhor 1º decil 2º decil 3º decil 4º decil 5º decil 6º decil 7º decil 8º decil 9º decil Conceito e Nota Ótimo Bom Satisfatório Razoável Fraco Deficiente Péssimo Participação de Capitais de Terceiros Composição das Exigibilidades Imobilização do PL Imobilização dos Recursos Correntes

16 Conceitos atribuídos aos índices segundo sua posição relativa Grupo quanto Maior, Melhor 1º decil 2º decil 3º decil 4º decil 5º decil 6º decil 7º decil 8º decil 9º decil Conceito e Nota Péssimo Deficiente Fraco Razoável Satisfatório Bom Ótimo Liquidez Geral Liquidez Corrente Liquidez Seca Giro do Ativo Margem Líquida Rentabilidade do Ativo Rentabilidade do Patrimônio Líquido

17 Tabela de Índices Padrão 1º Decil 2º Decil 3º Decil 4º Decil Mediana 6º Decil 7º Decil 8º Decil 9º Decil Estrutura CT/PL 47% 66% 85% 114% 146% 171% 218% 262% 430% PC/CT 52% 64% 73% 80% 86% 93% 100% 100% 100% AP/PL 22% 33% 42% 51% 57% 67% 81% 98% 130% AP/PL + ELP 20% 27% 34% 41% 47% 53% 61% 68% 83% Liquidez LG 0,84 0,97 1,06 1,13 1,23 1,37 1,55 1,74 2,22 LC 1,04 1,19 1,3 1,43 1,54 1,7 1,93 2,22 2,76 LS 0,5 0,66 0,76 0,87 0,98 1,08 1,22 1,38 1,47 Rentabilidade V/AT 0,71 0,92 1,14 1,21 1,3 1,42 1,59 1,71 2,12 LL/V 2,8% 0,2% 1,3% 2,3% 3,4% 4,5% 6,7% 8,4% 12,2% LL/AT 5,00% 0,30% 1,50% 3,20% 5,01% 6,87% 8,31% 11,06% 15,97% LL/PL 8,50% 2,00% 5,13% 9,20% 13,41% 16,63% 23,35% 32,07% 48,80% Para se conseguir o universo de índice padrão, pode recorrer a fonte de dados como Serasa, revista Exame, Sites de Internet, etc.

18 Modelo de Avaliação de Empresa DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS CIA BIG BALANÇOS EM X X X3 ATIVO CIRCULANTE FINANCEIRO Disponível Aplicações Financeiras Subsoma OPERACIONAL Clientes Estoques Subsoma TOTAL DO ATIVO CIRCULANTE PERMANENTE Investimentos Imobilizado Diferido TOTAL DO ATIVO NÃO CIRCULANTE TOTAL DO ATIVO PASSIVO CIRCULANTE OPERACIONAL Fornecedores Outras obrigações Subsoma FINANCEIRO Empréstimos Bancários Duplicatas Descontadas Subsoma TOTAL DO PASSIVO CIRCULANTE EXIGÍVEL A LONGO PRAZO Empréstimos Financiamentos TOTAL DO PASSIVO NÃO CIRCULANTE CAPITAIS DE TERCEIROS PATRIMÔNIO LÍQUIDO Capital e Reservas Lucros Acumulados TOTAL DO PATRIMÔNIO LÍQUIDO TOTAL DO PASSIVO

19 Exercício Findo em X X x3 RECEITA LÍQUIDA Custo dos Produtos Vendidos Lucro Bruto Despesas Operacionais Outras Rec./Desp. Operacionais LUCRO OPERACIONAL (antes dos Resultados Financeiros) Receitas Financeiras Despesas Financeiras LUCRO OPERACIONAL Resultado não Operacional LUCRO ANTES DO I.R LUCRO LÍQUIDO

20 1º Passo: Listagem dos Índices PARTICIPAÇÃO DE CAPITAIS DE TERCEIROS X1 Capitais de Terceiros Patrimônio Líquido Índice de Participação de Capitais de Terceiros CAPITAIS DE TERCEITOS 155% X 100 PATRIMÔNIO LÍQUIDO Indica Quanto a empresa tomou de capitais de terceiros para cada $ 100 de capital próprio investido Interpretação Quanto Menor, Melhor

21 1º Passo: Listagem dos Índices COMPOSIÇÃO DO ENDIVIDAMENTO X1 Passivo Circulante Capitais de Terceiros Índice de Participação de Composição do Endividmento PASSIVO CIRCULANTE 81% X 100 CAPITAIS DE TERCEIROS Indica Qual percentual de obrigações de curto prazo em relação às obrigações totais. Interpretação Quanto Menor, Melhor

22 1º Passo: Listagem dos Índices IMOBILIZAÇÃO DO PATRIMÔNIO LÍQUIDO X1 Ativo Permanente Patrimônio Líquido Índice de Imobilização do Patrimônio Líquido ATIVO PERMANENTE 72% X 100 PATRIMÔNIO LÍQUIDO Indica Quanto a empresa aplicou no Ativo Permanente para cada $ 100 de Patrimônio Líquido. Interpretação Quanto Menor, Melhor

23 1º Passo: Listagem dos Índices IMOBILIZAÇÃO DOS RECURSOS NÃO CORRENTES X1 Ativo Permanente Patrimônio Líquido Exigível a Longo Prazo Índice de Imobilização dos Recrusos Não Correntes ATIVO PERMANENTE 55% X 100 PL + ELP Indica Que percentual de Recursos não Correntes a empresa aplicou no Ativo Permanente. Interpretação Quanto Menor, Melhor

24 1º Passo: Listagem dos Índices LIQUIDEZ GERAL X1 Ativo Circulante Realizável a Longo Prazo - Passivo Circulante Exigível a Longo Prazo Índice de Liquidez Geral AC + RLP 1,18 PC + ELP Indica Quanto a empresa possui no Ativo Circulante e Realizável a Longo Prazo para cada $ 1,00 de dívida total. Interpretação Quanto Maior, Melhor

25 1º Passo: Listagem dos Índices LIQUIDEZ CORRENTE X1 Ativo Circulante Passivo Circulante Índice de Liquidez Corrente AC 1,46 PC Indica Quanto a empresa possui no Ativo Circulante para cada $ 1,00 de Passivo Circulante. Interpretação Quanto Maior, Melhor

26 1º Passo: Listagem dos Índices LIQUIDEZ SECA X1 Disponível Aplicação Financeira Clientes de Rápida Conversibilidade em Dinheiro - EM NÃO TENDO ESSE DADO - ZERA Passivo Circulante Índice de Liquidez Seca DISP + APL.FINANC+CLIENTES RÁP CONVERS 0,90 PC Indica Quanto a empresa possui de Ativo Liquido para cada $ 1,00 de Passivo Circulante (dívidas a curto prazo). Interpretação Quanto Maior, Melhor

27 1º Passo: Listagem dos Índices GIRO DO ATIVO X1 Vendas Líquidas Ativo Giro do Ativo Vendas Líquidas 1,76 Ativo Indica Quanto a empresa vendeu para cada $ 1,00 de investimento total. Interpretação Quanto Maior, Melhor

28 1º Passo: Listagem dos Índices MARGEM LÍQUIDA X1 Lucro Líquido Vendas Líquidas Margem Líquida Lucro Líquido 4,67% Vendas Líquidas Indica Quanto a empresa obtém de lucro para cada $ 100 vendidos Interpretação Quanto Maior, Melhor

29 1º Passo: Listagem dos Índices RENTABILIDADE DO ATIVO X1 Lucro Líquido Ativo Rentabilidade do Ativo Lucro Líquido 8,21% Ativo Indica Quanto a empresa obtém de lucro para cada $ 100 de investimento total. Interpretação Quanto Maior, Melhor

30 1º Passo: Listagem dos Índices RENTABILIDADE DO PATRIMÔNIO LÍQUIDO X1 Lucro Líquido Patrimônio Líquido Inicial Patrimônio Líquido Final Patrimônio Líquido Médio Rentabilidade do Patrimônio Líquido Lucro Líquido 23,64% PL Médio Indica Quanto a empresa obteve de lucro para cada $ 1,00 de capital próprio investido. Interpretação Quanto Maior, Melhor

31 1º Passo: Listagem dos Índices LISTAGEM DOS ÍNDICES CT/PL Participação de capitais de terceiros 155% PC/CT Composição do endividamento 81% AP/PL Imobilização do patrimônio líquido 72% AP/PL + ELP Imobilização dos recursos não-correntes 55% LG Liquidez geral 1,18 LC Liquidez corrente 1,46 LS Liquidez seca 0,90 V/AT Giro do ativo 1,76 LL/V Margem líquida 4,67% LL/AT Rentabilidade do ativo 8,2% LL/PL Rentabilidade do patrimônio líquido 23,64%

32 2º Passo: Tabelas de Índices-Padrão 1º Decil 2º Decil 3º Decil 4º Decil Mediana 6º Decil 7º Decil 8º Decil 9º Decil Estrutura CT/PL 47% 66% 85% 114% 146% 171% 218% 262% 430% PC/CT 52% 64% 73% 80% 86% 93% 100% 100% 100% AP/PL 22% 33% 42% 51% 57% 67% 81% 98% 130% AP/PL + ELP 20% 27% 34% 41% 47% 53% 61% 68% 83% Liquidez LG 0,84 0,97 1,06 1,13 1,23 1,37 1,55 1,74 2,22 LC 1,04 1,19 1,3 1,43 1,54 1,7 1,93 2,22 2,76 LS 0,5 0,66 0,76 0,87 0,98 1,08 1,22 1,38 1,47 Rentabilidade V/AT 0,71 0,92 1,14 1,21 1,3 1,42 1,59 1,71 2,12 LL/V 2,8% 0,2% 1,3% 2,3% 3,4% 4,5% 6,7% 8,4% 12,2% LL/AT 5,00% 0,30% 1,50% 3,20% 5,01% 6,87% 8,31% 11,06% 15,97% LL/PL 8,50% 2,00% 5,13% 9,20% 13,41% 16,63% 23,35% 32,07% 48,80%

33 3º Passo: Posição Relativa de Cada Índice 1º Decil 2º Decil 3º Decil 4º Decil Mediana 6º Decil 7º Decil 8º Decil 9º Decil Estrutura CT/PL 47% 66% 85% 114% 146% 171% 218% 262% 430% PC/CT 52% 64% 73% 80% 86% 93% 100% 100% 100% AP/PL 22% 33% 42% 51% 57% 67% 81% 98% 130% AP/PL + ELP 20% 27% 34% 41% 47% 53% 61% 68% 83% Liquidez LG 0,84 0,97 1,06 1,13 1,23 1,37 1,55 1,74 2,22 LC 1,04 1,19 1,3 1,43 1,54 1,7 1,93 2,22 2,76 LS 0,5 0,66 0,76 0,87 0,98 1,08 1,22 1,38 1,47 Rentabilidade V/AT 0,71 0,92 1,14 1,21 1,3 1,42 1,59 1,71 2,12 LL/V 2,8% 0,2% 1,3% 2,3% 3,4% 4,5% 6,7% 8,4% 12,2% LL/AT 5,00% 0,30% 1,50% 3,20% 5,01% 6,87% 8,31% 11,06% 15,97% LL/PL 8,50% 2,00% 5,13% 9,20% 13,41% 16,63% 23,35% 32,07% 48,80% LISTAGEM DOS ÍNDICES Índices X1 Posição em Relação aos Padrões (Posição Relativa) CT/PL Participação de capitais de terceiros 155% Pouco acima da mediana 5º PC/CT Composição do endividamento 81% Pouco acima do 4º decil 4º AP/PL Imobilização do patrimônio líquido 72% Acima do 6º decil 6º AP/PL + ELP Imobilização dos recursos não-corrente 55% Pouco acima do 6º decil 6º LG Liquidez geral 1,18 Pouco abaixo da mediana 5º LC Liquidez corrente 1,46 Pouco acima do 4º decil 4º LS Liquidez seca 0,90 Pouco acima do 4º decil 4º V/AT Giro do ativo 1,76 Acima do 8º decil 8º LL/V Margem líquida 4,67% Acima do 6º decil 6º LL/AT Rentabilidade do ativo 8,2% Pouco abaixo do 7º decil 7º LL/PL Rentabilidade do patrimônio líquido 23,64% Pouco acima do 7º decil 7º Decil Mais Próximo

34 4º Passo: Avaliação dos Índices (segue próximo slide)

35 Conceito e Nota 4º Passo: Avaliação dos Índices (segue próximo slide) CT/PL PC/CT AP/PL AP/PL + ELP Piso 1º decil 2º decil 3º decil 4º decil 5º decil 6º decil 7º decil 8º decil 9º decil Teto Ótimo Bom Satisfatório Razoável Fraco Deficiente Péssimo Piso 1º decil 2º decil 3º decil 4º decil 5º decil 6º decil 7º decil 8º decil 9º decil Teto Conceito e Nota LG LC LS V/AT LL/V LL/AT LL/PL Péssimo Deficiente Fraco Razoável Satisfatório Bom Ótimo

36 4º Passo: Avaliação dos Índices RESUMO NOTAS E CONCEITOS LISTAGEM DOS ÍNDICES Nota Conceito CT/PL Participação de capitais de terceiros 5 Satisfatório PC/CT Composição do endividamento 6 Satisfatório AP/PL Imobilização do patrimônio líquido 4 Razoável AP/PL + ELP Imobilização dos recursos não-correntes 4 Razoável LG Liquidez geral 5 Satisfatório LC Liquidez corrente 4 Satisfatório LS Liquidez seca 4 Satisfatório V/AT Giro do ativo 8 Ótimo LL/V Margem líquida 6 Bom LL/AT Rentabilidade do ativo 7 Bom LL/PL Rentabilidade do patrimônio líquido 7 Bom

37 5º Passo: Avaliações Gerais OBSERVAÇÕES: 1. Nas fórmulas devem ser usadas as notas de cada índice, ou grupo, e não o valor do índice diretamente; 2. O uso profissional de fórmulas de avaliação é extremamente dinâmico e deve se basear em permanente atualização de pesquisas; 3. A importância de cada índice (representada pelos pesos) depende, de quem é o usuário; e 4. Fórmulas sugeridas por MATARAZZO (1997).

38 5º Passo: Avaliações Gerais 1. NE = Nota da Estrutura: Nota da Estrutura (NE) Fórmula: NE = 0,6 * (CT/PL) + 0,1 * (PC/CT) + 0,2 * (AP/PL) + 0,1 * [(AP)/(PL+RLP)] Índices Peso Nota Parcial CT/PL 0,6 5 3 PC/CT 0,1 6 0,6 AP/PL 0,2 4 0,8 AP/PL + ELP NE (Somatória dos Parciais) 0,1 4 0,4 4,8

39 5º Passo: Avaliações Gerais 2. NL = Nota da Liquidez: Nota da Liquides (NL) Fórmula: NL = 0,3 * LG + 0,5 * LC + 0,2 LS Índices Peso Nota Parcial LG 0,3 5 1,5 LC 0,5 4 2 LS NL (Somatória dos Parciais) 0,2 4 0,8 4,3

40 5º Passo: Avaliações Gerais 3. NR = Nota da Rentabilidade: Nota da Rentabilidade Fórmula: NR = 0,2 * (V/A) + 0,1 * (LL/V) + 0,1 * (LL/AT) + 0,6 * (LL/PL) Índices Peso Nota Parcial V/AT 0,2 8 1,6 LL/V 0,1 6 0,6 LL/AT 0,1 7 0,7 LL/PL NR (Somatória dos Parciais) 0,6 7 4,2 7,1

41 5º Passo: Avaliações Gerais 4. NGE = Nota Geral da Empresa: Nota Geral da Empresa Fórmula: NGE = 0,4 * NE + 0,2 * NL + 0,4 * NR Índices Peso Nota Parcial NE 0,4 4,8 1,92 NL 0,2 4,3 0,86 NR NGE (Somatória dos Parciais) 0,4 7,1 2,84 5,62

42 5º Passo: Avaliações Gerais Com o uso do gráfico, as notas encontradas podem ser convertidas em conceitos Nota Conceito Péssimo Deficiente Fraco Razoável Satisfatório Bom Ótimo

43 5º Passo: Avaliações Gerais ATRIBUIÇÃO DE CONCEITOS Categoria de Índices da Cia Big em 19X1 Conceito Estrutura Razoável Liquidez Razoável Rentabilidade Satisfatória Global Razoável

44 BIBLIOGRAFIA MATARAZZO, Carmine Dante. Análise Financeira de Balanços. 4ª ed. São Paulo: Editora Atlas, IUDÍCIBUS, Sérgio de. Análise de Balanços. 10ª ed. São Paulo: Editora Atlas, 2009

ELEMENTOS FUNDAMENTAIS PARA ANÁLISE DAS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS

ELEMENTOS FUNDAMENTAIS PARA ANÁLISE DAS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS ELEMENTOS FUNDAMENTAIS PARA ANÁLISE DAS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS DADOS SÃO NÚMEROS OU DESCRIÇÃO DE OBJETOS OU EVENTOS QUE, ISOLADAMENTE, NÃO PROVOCAM NENHUMA REAÇÃO AO LEITOR. INFORMAÇÕES REPRESENTAM,

Leia mais

Fórmula Du Pont. Última aula. Última aula. Alguns índices das empresa brasileiras. Como avaliar os índices. Aula 5

Fórmula Du Pont. Última aula. Última aula. Alguns índices das empresa brasileiras. Como avaliar os índices. Aula 5 Última aula Aula Andréa Aparecida da Costa Mineiro Contabilidade Gerencial 23/9/29 Análise Através de Índices Matarazzo (28) Aspectos da empresa revelados pelos índices: Situação financeira de capital

Leia mais

Prof. Ronaldo Frederico

Prof. Ronaldo Frederico Prof. Ronaldo Frederico Módulo 2 Finanças e Economias Aplicadas a Compras Framework Valor Strategic Sourcing Gestão de Fornecedores Gestão por Categorias Planejamento, Estrutura e Gestão de Compras Finanças

Leia mais

Prof. Ronaldo Frederico

Prof. Ronaldo Frederico Prof. Ronaldo Frederico Módulo 3 Gestão Econômica e Financeira Gestão do Pipeline Projeção de Vendas MBA GESTÃO COMERCIAL Estratégia e Inteligência Universo Competitiva Geração Suspects e Qualificação

Leia mais

FACULDADE ANHANGUERA ESTRUTURA E ANÁLISE DAS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS

FACULDADE ANHANGUERA ESTRUTURA E ANÁLISE DAS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS FACULDADE ANHANGUERA ESTRUTURA E ANÁLISE DAS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS Prof. RÉGIO FERREIRA 1 Análise por índices Base Fundamentada: PLT 2a. Ed n. 219 pagina 57 Análise das Demonstrações Financeiras Dante

Leia mais

Contabilidade Gerencial

Contabilidade Gerencial Departamento de Produção Contabilidade Gerencial Prof. Edson Pamplona http://www. iem.efei.br/edson Slides baseados no livro do Matarazzo, em slides dos Profs J. Arnaldo, Marion e Fábio Fowler Escândalo

Leia mais

Indicadores Padrão. Administração Financeira Prof. Silvia Flores

Indicadores Padrão. Administração Financeira Prof. Silvia Flores Indicadores Padrão Administração Financeira Prof. Silvia Flores Para que se possa ter uma visão mais abrangente da empresa, deve-se conhecer o comportamento econômico e financeiro do seu setor de atuação.

Leia mais

ANÁLISE DE DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS. Análise Através de Índices

ANÁLISE DE DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS. Análise Através de Índices ANÁLISE DE DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS Análise Através de Índices PRINCIPAIS ASPECTOS REVELADOS PELOS ÍNDICES FINANCEIROS Situação Financeira ESTRUTURA LIQUIDEZ Situação Econômica RENTABILIDADE QUADRO RESUMO

Leia mais

ANÁLISE E DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS. Análise Vertical/Horizontal

ANÁLISE E DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS. Análise Vertical/Horizontal ANÁLISE E DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS Análise Vertical/Horizontal Uma das técnicas de aplicação mais simples, entretanto entre as mais importantes, consiste nas avaliação do desempenho empresarial, através

Leia mais

Resumo Aula-tema 05: Estrutura e Análise das Demonstrações Financeiras I.

Resumo Aula-tema 05: Estrutura e Análise das Demonstrações Financeiras I. Resumo Aula-tema 05: Estrutura e Análise das Demonstrações Financeiras I. Nessa aula, vamos relembrar os métodos de análise do Balanço Patrimonial e da Demonstração do Resultado do Exercício, através da

Leia mais

ANÁLISE E DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS. Índices de Rotação ou Atividades Índices de Prazos Médios

ANÁLISE E DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS. Índices de Rotação ou Atividades Índices de Prazos Médios ANÁLISE E DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS Índices de Rotação ou Atividades Índices de Prazos Médios Objetivos Identificar as políticas adotadas pela administração de empresa, relativas aos prazos de recebimentos,

Leia mais

ANÁLISE ATRAVÉS DA EXTRAÇÃO DE ÍNDICES

ANÁLISE ATRAVÉS DA EXTRAÇÃO DE ÍNDICES ANÁLISE RAVÉS DA EXTRAÇÃO DE ÍNDICES Prof. Flávio Smania Ferreira 5 termo ADMINISTRAÇÃO GERAL e-mail: flavioferreira@live.estacio.br blog: http://flaviosferreira.wordpress.com Análise por Índices: É uma

Leia mais

ANÁLISE DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS

ANÁLISE DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS ANÁLISE DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS PROFESSOR BERNARDO BOTH Conteúdo Programático OBJETIVOS: Analisar as Demonstrações Contábeis para fins de interpretação e avaliação das situações financeiras e econômicas.

Leia mais

RESPOSTAS CTB03MA - 1 NPC

RESPOSTAS CTB03MA - 1 NPC Questões solicitadas na avaliação 1ª NPC - 11 de abril de 2016 QUESTÃO 1: (1,0 ponto) RA = Rentabilidade do Ativo RPL = Rentabilidade do Patrimônio Líquido Qual a RA e a RPL da Cia. Excursão, sabendo-se

Leia mais

SUMÁRIO. I INTRODUÇÃO 2 I.1 - Objetivo 2 I.2 Justificativa 2 I.3 Estrutura do Trabalho 2

SUMÁRIO. I INTRODUÇÃO 2 I.1 - Objetivo 2 I.2 Justificativa 2 I.3 Estrutura do Trabalho 2 SUMÁRIO I INTRODUÇÃO 2 I.1 - Objetivo 2 I.2 Justificativa 2 I.3 Estrutura do Trabalho 2 II FUNDAMENTOS TEÓRICOS 4 II.1 DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS 4 II.2 ÍNDICES 5 II.2.1 Estrutura de Capitais 6 II.2.1.1

Leia mais

Demonstrações Contábeis

Demonstrações Contábeis Demonstrações Contábeis Análise Horizontal do Balanço Patrimonial - É um dos indicadores da análise financeira. - Calcula-se o percentual de cada conta em relação ao demonstrativo do período (ano) anterior.

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE ITAJUBÁ. Telemig Celular S.A. Alexandre Kenji Yamane EPR

UNIVERSIDADE FEDERAL DE ITAJUBÁ. Telemig Celular S.A. Alexandre Kenji Yamane EPR UNIVERSIDADE FEDERAL DE ITAJUBÁ Telemig Celular S.A. Alexandre Kenji Yamane 10642 EPR Itajubá Junho de 2004 SUMÁRIO 1 INTRODUÇÃO 1.1 - Objetivo 1.2 Justificativa 1.3 Estrutura do Trabalho 2 FUNDAMENTOS

Leia mais

ANÁLISE DAS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS. Aula 9- Unidade II - A análise tradicional das demonstrações contábeis. Prof.

ANÁLISE DAS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS. Aula 9- Unidade II - A análise tradicional das demonstrações contábeis. Prof. ANÁLISE DAS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS Aula 9- Unidade II - A análise tradicional das demonstrações contábeis Prof.: Marcelo Valverde Unidade II. Análise tradicional das demonstrações contábeis 2.4. Análise

Leia mais

Demonstração de Fluxo de Caixa (DFC) Contabilidade Intermediária II Fucamp/2017

Demonstração de Fluxo de Caixa (DFC) Contabilidade Intermediária II Fucamp/2017 Demonstração de Fluxo de Caixa (DFC) Contabilidade Intermediária II Fucamp/2017 Correção Exercícios de Fixação 2- Utilizando os dados apresentados pela Cia ABC no exemplo, na data de 20X0, considere que

Leia mais

Unidade IV CONTABILIDADE. Prof. Jean Cavaleiro

Unidade IV CONTABILIDADE. Prof. Jean Cavaleiro Unidade IV CONTABILIDADE Prof. Jean Cavaleiro Objetivo Essa unidade tem como objetivo interpretar as informações contábeis. Análise e tomada de decisão a partir de dados contábeis. Conhecer os índices

Leia mais

Unidade IV ANÁLISE DE DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS. Prof. Jean Cavaleiro

Unidade IV ANÁLISE DE DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS. Prof. Jean Cavaleiro Unidade IV ANÁLISE DE DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS Prof. Jean Cavaleiro Introdução Essa unidade tem como objetivo abordar mais alguns índices importantes para a análise das demonstrações financeiras. Indicadores

Leia mais

ANÁLISE DE BALANÇOS MÓDULO 2

ANÁLISE DE BALANÇOS MÓDULO 2 ANÁLISE DE BALANÇOS MÓDULO 2 Índice Análise Através de Índices...3 1. Introdução...3 2. Índices financeiros...3 2.1 Índices de liquidez... 3 2.1.1 Liquidez corrente... 4 2.1.2 Liquidez seca... 4 2.1.3

Leia mais

Suzano Petrouímica SUMÁRIO

Suzano Petrouímica SUMÁRIO SUMÁRIO 1 INTRODUÇÃO... 3 2 - OBJETIVO... 4 3 DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS... 5 3.1 Demonstrações Financeiras da Coteminas... 14 4 ÍNDICES... 6 4.1 Estrutura de Capitais... 6 4.1.1 Participação de Capitais

Leia mais

Capítulo 12. Tema 10: Análise das demonstrações contábeis/financeiras: noções iniciais. Noções de Contabilidade para Administradores EAC 0111

Capítulo 12. Tema 10: Análise das demonstrações contábeis/financeiras: noções iniciais. Noções de Contabilidade para Administradores EAC 0111 1 Capítulo 12 Tema 10: Análise das demonstrações contábeis/financeiras: noções iniciais Noções de Contabilidade para Administradores EAC 0111 Prof: Márcio Luiz Borinelli Monitor: Wilson Tarantin Junior

Leia mais

ANÁLISE DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS

ANÁLISE DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS ANÁLISE DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS Objetivo: ANÁLISE DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS Analise de Balanços: Estudo da situação patrimonial da entidade, através da decomposição, comparação e interpretação do

Leia mais

Resumo Aula-tema 05: Gestão Contábil

Resumo Aula-tema 05: Gestão Contábil Resumo Aula-tema 05: Gestão Contábil Um dos grandes fatores limitantes ao crescimento e desenvolvimento das micro e pequenas empresas é a falta de conhecimento e do uso de informações gerenciais no negócio.

Leia mais

ÍNDICES DE ESTRUTURA PATRIMONIAL - Estáticos 2. PARTICIPAÇÃO DO CAPITAL DE TERCEIRO (%)

ÍNDICES DE ESTRUTURA PATRIMONIAL - Estáticos 2. PARTICIPAÇÃO DO CAPITAL DE TERCEIRO (%) ÍNDICES DE ESTRUTURA PATRIMONIAL - Estáticos DAS FONTES - Que proporção cada tipo de recurso está financiando o ativo. 1.PARTICIPAÇÃO DO CAPITAL PRÓPRIO (%) Capital Pr óprio PL + REF = Ativo Ativo 2. PARTICIPAÇÃO

Leia mais

Análise das Demonstrações Contábeis

Análise das Demonstrações Contábeis Análise das Demonstrações Contábeis José Carlos Marion Apresentação elaborada pelo prof. Luciano Guerra lucianoga@bnb.gov.br Introdução TRIPÉ DE DECISÕES DA EMPRESA LIQUIDEZ LIQUIDEZ ENDIVIDAMENTO ENDIVIDAMENTO

Leia mais

Indice de Liquidez Corrente

Indice de Liquidez Corrente ASSOCIAÇÃO DOS FUNCIONARIOS BANCO DO NORDESTE DO BRASIL CNPJ 10.490.464/0001-87 Nº de Ordem 1054 DEMONSTRAÇÃO DOS INDICADORES DE CAPACIDADE DE PAGAMENTO Demonstrações Contábeis Realizadas em 31 de dezembro

Leia mais

ANÁLISE DE DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS

ANÁLISE DE DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS ANÁLISE DE DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS Material Adicional Distribuído (Borinelli e Pimentel, 2010) Prof. Renê Coppe Pimentel Prof. Renê Coppe Pimentel Pg. 1 PROGRAMA 1. Apresentação - Objetivo Corporativo

Leia mais

Etapas da análise das demonstrações

Etapas da análise das demonstrações Etapas da Análise das Demonstrações Financeiras Etapas da análise das demonstrações Coleta de dados Conferência dos dados coletados Preparação dos dados para análise Processamento dos dados Análise dos

Leia mais

Análise dos indicadores econômicos e financeiros de um projeto de investimento

Análise dos indicadores econômicos e financeiros de um projeto de investimento Análise dos indicadores econômicos e financeiros de um projeto de investimento Verificar até que ponto um projeto de investimento é de fato rentável, passa necessariamente pela análise da taxa interna

Leia mais

ANÁLISE DAS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS em IFRS

ANÁLISE DAS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS em IFRS ANÁLISE DAS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS em 27/06/2013 LUCIANO PERRONE Introdução Enquadramento conforme as Novas Normas Contábeis. SOCIEDADES ANÔNIMAS DE CAPITAL ABERTO SOCIEDADES DE GRANDE PORTE INTEGRAL

Leia mais

CQH. 2ª Reunião do Grupo de Indicadores Financeiros Hospitalares

CQH. 2ª Reunião do Grupo de Indicadores Financeiros Hospitalares CQH 2ª Reunião do Grupo de Indicadores Financeiros Hospitalares EDUARDO REGONHA São Paulo 2.017 CONTABILIDADE Dados compra venda salários impostos água/luz Processamento Caixa Salários D C D Relatórios

Leia mais

FUNDAMENTOS DE CAPITAL DE GIRO. João Victor

FUNDAMENTOS DE CAPITAL DE GIRO. João Victor FUNDAMENTOS DE CAPITAL DE GIRO João Victor Outubro, 2013 Contextualização do Capital de Giro FINANÇAS Fluxos Internacionais de Capital ÂMBITO Sistema Financeiro Nacional MACRO Mercados Financeiros ÂMBITO

Leia mais

COMO POSICIONAR SUA EMPRESA PERANTE SEUS CONCORRENTES ATRAVÉS DA ANÁLISE POR ÍNDICES-PADRÃO (Índices Padrão são índices ideais?)

COMO POSICIONAR SUA EMPRESA PERANTE SEUS CONCORRENTES ATRAVÉS DA ANÁLISE POR ÍNDICES-PADRÃO (Índices Padrão são índices ideais?) COMO POSICIONAR SUA EMPRESA PERANTE SEUS CONCORRENTES ATRAVÉS DA ANÁLISE POR ÍNDICES-PADRÃO (Índices Padrão são índices ideais?)! Índices Padrão são índices ideais Francisco Cavalcante (francisco@fcavalcante.com.br)

Leia mais

Cód. Disciplina Período Créditos Carga Horária

Cód. Disciplina Período Créditos Carga Horária Cód. Disciplina Período Créditos Carga Horária 0200008 2º 04 Semanal Mensal 04 60 Nome da Disciplina CONTABILIDADE E ANÁLISE DE BALANÇOS Curso CIÊNCIAS ECONOMICAS 2006 Matemática O Patrimônio. Procedimentos

Leia mais

Alfredo Preto Neto Complexo Hospitalar Edmundo Vasconcelos

Alfredo Preto Neto Complexo Hospitalar Edmundo Vasconcelos Alfredo Preto Neto Complexo Hospitalar Edmundo Vasconcelos Medindo Resultados Medir o desempenho da empresa é fundamental para o sucesso e a boa gestão. Não se trata apenas de uma boa prática gerencial,

Leia mais

IMPACTO DA ANÁLISE DOS INDICADORES FINANCEIROS DAS EMPRESAS DO RAMO DE COMÉRCIO LISTADAS NA BMF&BOVESPA.

IMPACTO DA ANÁLISE DOS INDICADORES FINANCEIROS DAS EMPRESAS DO RAMO DE COMÉRCIO LISTADAS NA BMF&BOVESPA. IMPACTO DA ANÁLISE DOS INDICADORES FINANCEIROS DAS EMPRESAS DO RAMO DE COMÉRCIO LISTADAS NA BMF&BOVESPA. Anderson Luis de Santana Rodrigues* Juscelino Medeiros Gonçalves** Eduardo Ferrufino Guzman ***

Leia mais

EXERCICIOS SOBRE DFC. As demonstrações contábeis da Empresa Cosmos, sociedade anônima de capital aberto, em X2, eram os seguintes:

EXERCICIOS SOBRE DFC. As demonstrações contábeis da Empresa Cosmos, sociedade anônima de capital aberto, em X2, eram os seguintes: EXERCICIOS SOBRE DFC As demonstrações contábeis da Empresa Cosmos, sociedade anônima de capital aberto, em 31.12.X2, eram os seguintes: ATIVO X1 X2 PASSIVO X1 X2 Disponível 3.000 1.500 Fornecedores 54.000

Leia mais

INDICADORES FINANCEIROS. Eduardo Regonha

INDICADORES FINANCEIROS. Eduardo Regonha INDICADORES FINANCEIROS Eduardo Regonha Unimed Parana (PR)( Hospital de Base de São José do Rio Preto S J Rio Preto (SP) Hospital e Maternidade Sofia Feldman Belo Horizonte (MG) IBCC Instituto Brasileiro

Leia mais

1 BALANÇO PATRIMONIAL BP Atividades Práticas

1 BALANÇO PATRIMONIAL BP Atividades Práticas 1 BALANÇO PATRIMONIAL BP Atividades Práticas 1. Questões: 1 - Comente os principais grupos de contas do Balanço, com exemplos. 2 - Explique o que são curto e longo prazo para a contabilidade. 3 - Quais

Leia mais

ÍNDICES DE LIQUIDEZ MÚLTIPLA ESCOLHA

ÍNDICES DE LIQUIDEZ MÚLTIPLA ESCOLHA ÍNDICES DE LIQUIDEZ MÚLTIPLA ESCOLHA 1. Um índice de liquidez geral de 1,3 indica que para garantir cada $ 1 de dívidas, a firma possui, na data do balanço: a. $ 1, de valores disponíveis e realizáveis

Leia mais

Cód. Disciplina Período Créditos Carga Horária

Cód. Disciplina Período Créditos Carga Horária e Cód. Disciplina Período Créditos Carga Horária 2012/2º 4 Semanal Mensal 4 16 Nome da Disciplina Contabilidade e Análise de Balanço Curso Ciências Econômicas O Patrimônio. Procedimentos Contábeis Básicos.

Leia mais

Prof Flávio S. Ferreira

Prof Flávio S. Ferreira Prof Flávio S. Ferreira flavioferreira@live.estacio.br http://flaviosferreira.wordpress.com 1 O Balanço Patrimonial É o mais importante relatório da contabilidade. DEMONSTRA o patrimônio de uma entidade

Leia mais

Indicadores Econômicos de Desempenho

Indicadores Econômicos de Desempenho Indicadores Econômicos de Desempenho Rentabilidade sobre Vendas - RV RV = LL acum VL acum LL = Lucro Líquido VL = Venda Líquida Lucro da Atividade sobre Vendas - LA LA = (LO - DA + RA) VL acum LO = Lucro

Leia mais

1. Elaborar a Demonstração dos Fluxos de Caixa (Método Direto e Indireto). BALANÇO PATRIMONIAL Ativo X1 X2 Variação ATIVO CIRCULANTE

1. Elaborar a Demonstração dos Fluxos de Caixa (Método Direto e Indireto). BALANÇO PATRIMONIAL Ativo X1 X2 Variação ATIVO CIRCULANTE 1. Elaborar a Demonstração dos Fluxos de Caixa (Método Direto e Indireto). C I A. E X E M P L O BALANÇO PATRIMONIAL Ativo X1 X2 Variação ATIVO CIRCULANTE Caixa 2.500 18.400 15.900 Clientes 15.600 13.400

Leia mais

Turno/Horário Noturno PROFESSOR: Salomão Dantas Soares AULAS Apostila nº.

Turno/Horário Noturno PROFESSOR: Salomão Dantas Soares AULAS Apostila nº. Disciplina Estrutura e Análise das Demonstrações Contábeis CENTRO DE ENSINO SUPERIOR DO AMAPÁ CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS TURMA 6º CCN Turno/Horário Noturno PROFESSOR: Salomão Dantas Soares AULAS Apostila

Leia mais

Como fazer avaliação econômico financeira de empresas. Este conteúdo faz parte da série: Balanço Patrimonial Ver 3 posts dessa série

Como fazer avaliação econômico financeira de empresas. Este conteúdo faz parte da série: Balanço Patrimonial Ver 3 posts dessa série Este conteúdo faz parte da série: Balanço Patrimonial Ver 3 posts dessa série O que é: Basicamente, é uma metodologia de análise que você pode usar para entender a estrutura econômico e financeira da empresa

Leia mais

Turno/Horário Noturno PROFESSOR: Salomão Dantas Soares AULAS Apostila nº. 004

Turno/Horário Noturno PROFESSOR: Salomão Dantas Soares AULAS Apostila nº. 004 Disciplina Estrutura e Análise das Demonstrações Contábeis CENTRO DE ENSINO SUPERIOR DO AMAPÁ CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS TURMA 6º CCN Turno/Horário Noturno PROFESSOR: Salomão Dantas Soares AULAS Apostila

Leia mais

Análise das Demonstrações Contábeis. Fabrício J. do Prado

Análise das Demonstrações Contábeis. Fabrício J. do Prado Análise das Demonstrações Contábeis Fabrício J. do Prado Conteúdo Programático Objetivo e metodologia da análise de balanços; Estrutura da demonstrações contábeis (balanço patrimonial e demonstração do

Leia mais

Balanço Patrimonial. Circulante Compreende obrigações exigíveis que serão liquidadas até o final do próximo exercício social.

Balanço Patrimonial. Circulante Compreende obrigações exigíveis que serão liquidadas até o final do próximo exercício social. Demonstrações Financeiras Demonstrações Financeiras Professor: Roberto César Balanço Patrimonial ATIVO Circulante Compreende contas que estão constantemente em giro - em movimento, sua conversão em dinheiro

Leia mais

A UTILIZAÇÃO DOS INDICADORES DE LIQUIDEZ COMO INSTRUMENTO DE ANÁLISE FINANCEIRA

A UTILIZAÇÃO DOS INDICADORES DE LIQUIDEZ COMO INSTRUMENTO DE ANÁLISE FINANCEIRA 1 A UTILIZAÇÃO DOS INDICADORES DE LIQUIDEZ COMO INSTRUMENTO DE ANÁLISE FINANCEIRA RODRIGO GONÇALVES DE OLIVEIRA Graduando do Curso de Ciências Contábeis da UFPA. rodrigoliveira23@hotmail.com HEBER LAVOR

Leia mais

Sumário. Capítulo 1. Demonstrações Contábeis...1

Sumário. Capítulo 1. Demonstrações Contábeis...1 Sumário Capítulo 1 Demonstrações Contábeis...1 1. Conceito e Finalidade das Demonstrações Contábeis...1 2. Elaboração e Divulgação das Demonstrações Contábeis...3 3. Conjunto das Demonstrações Contábeis...4

Leia mais

Avaliação da demonstração financeira da Sadia. 1. Introdução

Avaliação da demonstração financeira da Sadia. 1. Introdução 1. Introdução 1.1 Origem e relevância Este presente relatório vem por meio de ferramentas apresentadas durante o curso de EPR-30 Contabilidade Gerencial e Teleduc apresentar a análise financeira da Sadia

Leia mais

Unidade IV ESTRUTURA DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS

Unidade IV ESTRUTURA DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS ESTRUTURA DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS Unidade IV 20 RESOLUÇÃO DE UM EXERCÍCIO COMPLETO 5 Resolução de um exercício completo elaborado conforme a legislação em vigor. Todos os demonstrativos contábeis já

Leia mais

27/3/2008. Normalmente são analisados em blocos de análises e inter-relacionados entre blocos.

27/3/2008. Normalmente são analisados em blocos de análises e inter-relacionados entre blocos. A análise do capital de giro por meio dos índices é uma técnica que consiste em confrontar as contas e os grupos de contas visando interpretar a situação econômico-financeira da empresa, num determinado

Leia mais

Conceitos Introdutórios. A Inflação nas Finanças. Demonstrações Contábeis

Conceitos Introdutórios. A Inflação nas Finanças. Demonstrações Contábeis Conceitos Introdutórios Mercado Financeiro Brasileiro A Inflação nas Finanças Demonstrações Contábeis Conceitos Introdutórios Retornar Conceitos Introdutórios ADMINISTRAÇÃO A administração é o processo

Leia mais

Análise Financeira de Curto Prazo

Análise Financeira de Curto Prazo AULA/TEMA Análise Financeira de Curto Prazo Indicadores de Liquidez Profa. Me. Vanessa Anelli Borges Conteúdo Programático Introdução Indicadores de liquidez Geral Corrente Seca Imediata 2 Indicadores

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA. Gestão Financeira 1 Prof.ª Thays Silva Diniz 1º Semestre 2010

ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA. Gestão Financeira 1 Prof.ª Thays Silva Diniz 1º Semestre 2010 ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA Gestão Financeira 1 Prof.ª Thays Silva Diniz 1º Semestre 2010 INTRODUÇÃO À ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA Cap.1 A decisão financeira e a empresa 1. Introdução 2. Objetivo e Funções da

Leia mais

c) Pressupõe-se que a empresa esteja atrasando um tipo de obrigação. Qual seria, mais provavelmente?

c) Pressupõe-se que a empresa esteja atrasando um tipo de obrigação. Qual seria, mais provavelmente? 1-Estruture o Balanço Patrimonial da Cia Alfa com os dados a seguir (em $ milhões - empresa comercial): (não há problema se sobrarem linhas...) Caixa 100; Ações de Outras Companhias 1.000; Fornecedores

Leia mais

Balanço Patrimonial consolidado Cia Camilo e Santos S.A e Cia Silva e Silva S.A 31/3/2016 Em R$ Controladora Cia Camilo e Santos S.

Balanço Patrimonial consolidado Cia Camilo e Santos S.A e Cia Silva e Silva S.A 31/3/2016 Em R$ Controladora Cia Camilo e Santos S. O balanço em sequência apresenta a posição final de duas entidades, na data do dia. Cia R$ 200,000,00 Fornecedores - Terceiros R$ 450,000,00 Clientes - Terceiros R$ 150,000,00 R$ 200,000,00 R$ 400,000,00

Leia mais

ANÁLISE DA LIQUIDEZ: TROCANDO INDICADORES PONTUAIS POR INDICADORES DINÂMICOS

ANÁLISE DA LIQUIDEZ: TROCANDO INDICADORES PONTUAIS POR INDICADORES DINÂMICOS ANÁLISE DA LIQUIDEZ: TROCANDO INDICADORES PONTUAIS POR INDICADORES DINÂMICOS Os 3 indicadores de liquidez pontuais: suas limitações Os 2 indicadores de endividamento pontuais: suas limitações 1 (um) único

Leia mais

Fundamentos da Gestão do Capital de Giro. Paulo Diogo Remo Willame

Fundamentos da Gestão do Capital de Giro. Paulo Diogo Remo Willame Fundamentos da Gestão do Capital de Giro Paulo Diogo Remo Willame Finanças Empresarial: Âmbito Macro Macroeconomia Fluxos Internacionais de Capitais Sistemas Financeiros Mercados de Capitais Âmbito Micro

Leia mais

ESTRUTURA, ANÁLISE E INTERPRETAÇÃO DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS

ESTRUTURA, ANÁLISE E INTERPRETAÇÃO DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS O me nance intere das em mons as ins gestor ALEXANDRE ALCANTARA DA SILVA sobre patrim se, e a jam, a conce ou mu Este l duz o ESTRUTURA, ANÁLISE E INTERPRETAÇÃO DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS 4a EDIÇÃO AMPLIADA

Leia mais

Lista de Exercícios com Gabarito Indicadores de Liquidez e Indicadores de Atividade

Lista de Exercícios com Gabarito Indicadores de Liquidez e Indicadores de Atividade FUNDAÇÃO EDUCACIONAL ROSEMAR PIMENTEL CENTRO UNIVERSITÁRIO GERALDO DI BIASE Faculdade de Administração Administração Financeira e Orçamentária I 1º semestre de 2011 Prof.: Tiago Sayão Email: tiagosayao@gmail.com

Leia mais

ANÁLISE DE DEMONSTRATIVOS CONTÁBEIS I

ANÁLISE DE DEMONSTRATIVOS CONTÁBEIS I ANÁLISE DE DEMONSTRATIVOS CONTÁBEIS I Alunos: 1 Carlos Alberto Almeida da Cruz e-mail: ligadocruz@yahoo.com.br Hinara Araújo Thé e-mail: hinarathe@yahoo.com.br 1 ÍNDICE ANÁLISE DE DEMOSNTRATIVOS CONTÁBEIS

Leia mais

1 - Introdução Objetivo

1 - Introdução Objetivo 1 1 - Introdução 1.1 - Objetivo O objetivo não foi aprender como se faz um balanço ou uma demonstração de resultado e sim entender o que são e o que significam cada item de controle financeiro da empresa

Leia mais

APLICAÇÃO DOS ÍNDICES E QUOCIENTES DE LIQUIDEZ, RENTABILIDADE E ENDIVIDAMENTO NA AVALIAÇÃO PRIMÁRIA DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS DA INDÚSTRIA BETA

APLICAÇÃO DOS ÍNDICES E QUOCIENTES DE LIQUIDEZ, RENTABILIDADE E ENDIVIDAMENTO NA AVALIAÇÃO PRIMÁRIA DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS DA INDÚSTRIA BETA APLICAÇÃO DOS ÍNDICES E QUOCIENTES DE LIQUIDEZ, RENTABILIDADE E ENDIVIDAMENTO NA AVALIAÇÃO PRIMÁRIA DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS DA INDÚSTRIA BETA Michele Storch Pinheiro do Santos¹ Cesar Augusto Bay² RESUMO

Leia mais

LIQUIDEZ. O ESTADO DE SOLVÊNCIA DAS EMPRESAS

LIQUIDEZ. O ESTADO DE SOLVÊNCIA DAS EMPRESAS LIQUIDEZ. O ESTADO DE SOLVÊNCIA DAS EMPRESAS LORENA DOS SANTOS MENDONÇA Graduanda do Curso de Ciências Contábeis da UFPA. Héber Lavor Moreira Professor Orientador heber@peritocontador.com.br Trabalho apresentado

Leia mais

Análise e custos para Analista Judiciário TRF 2ª Região - Aula 1 Gabriel Rabelo/Luciano Rosa/Julio Cardozo QUESTÕES COMENTADAS Por outro lado, a dívida de curto prazo (o Passivo Circulante) da empresa

Leia mais

Líquido (IPL), Imobilização dos Recursos Não Correntes (IRNC), Capital Circulante Líquido (CCL) e Capital Circulante Próprio (CCP) da GOL e da TAM.

Líquido (IPL), Imobilização dos Recursos Não Correntes (IRNC), Capital Circulante Líquido (CCL) e Capital Circulante Próprio (CCP) da GOL e da TAM. Correção do exercício 9 Estrutura de Capitais Professor: Renato Thiago Questão 1 Calcule os índice de Participação do capital de terceiros (PCT), Composição de Endividamento (CE), Imobilização do Patrimônio

Leia mais

1 BALANÇO PATRIMONIAL BP Atividades Práticas

1 BALANÇO PATRIMONIAL BP Atividades Práticas 1 BALANÇO PATRIMONIAL BP Atividades Práticas 1. Questões: 1 - Comente os principais grupos de contas do Balanço, com exemplos. 2 - Explique o que são curto e longo prazo para a contabilidade. 3 - Quais

Leia mais

Análise do Capital de Giro. Administração Financeira 4º Sem. Unipampa Prof. Silvia Flores

Análise do Capital de Giro. Administração Financeira 4º Sem. Unipampa Prof. Silvia Flores Análise do Capital de Giro Administração Financeira 4º Sem. Unipampa Prof. Silvia Flores Ciclos da Empresa Compra de Matéria Prima Recebimento Venda CICLO OPERACIONAL Venda Período Médio de Estoques Período

Leia mais

REVISTA EDUICEP- ano 2016

REVISTA EDUICEP- ano 2016 ANÁLISE FINANCEIRA COMO FERRAMENTA DE GESTÃO: UM ESTUDO DE CASO APLICADO EM UMA EMPRESA DO RAMO DE COMÉRCIO A VAREJO DE AUTOMÓVEIS Patrícia Fernanda Lohn 1 Juliane Vieira de Souza 2 RESUMO: O presente

Leia mais

Hotel Ibis Budget Manaus. Informações Financeiras Intermediárias de Propósito Especial Referente ao Segundo Trimestre de 2017.

Hotel Ibis Budget Manaus. Informações Financeiras Intermediárias de Propósito Especial Referente ao Segundo Trimestre de 2017. Hotel Ibis Budget Manaus Informações Financeiras Intermediárias de Propósito Especial Referente ao Segundo Trimestre de 2017. BALANÇO PATRIMONIAL EM 30 DE JUNHO DE 2017 ATIVOS 30/06/2017 31/12/2016 PASSIVOS

Leia mais

Elekeiroz S.A. Demonstrações contábeis de acordo com as práticas contábeis adotadas no Brasil e com o IFRS em 31 de dezembro de 2013

Elekeiroz S.A. Demonstrações contábeis de acordo com as práticas contábeis adotadas no Brasil e com o IFRS em 31 de dezembro de 2013 Elekeiroz S.. Demonstrações contábeis de acordo com as práticas contábeis adotadas no Brasil e com o IFRS em 31 de dezembro de 2013 Balanço patrimonial tivo Circulante Nota 31 de dezembro de 2013 31 de

Leia mais

Demonstrações Financeiras e sua Análise. Administração Financeira Prof. Fabini Hoelz Bargas Alvarez

Demonstrações Financeiras e sua Análise. Administração Financeira Prof. Fabini Hoelz Bargas Alvarez Demonstrações Financeiras e sua Análise Administração Financeira Prof. Fabini Hoelz Bargas Alvarez Relatório da Administração Carta aos acionistas: comunicação de iniciativa da administração da empresa.

Leia mais

Organização da Disciplina. Contabilidade Pública. Aula 6. Contextualização. Balanço Orçamentário. Instrumentalização.

Organização da Disciplina. Contabilidade Pública. Aula 6. Contextualização. Balanço Orçamentário. Instrumentalização. Contabilidade Pública Aula 6 Prof. Me. Ely Celia Corbari Organização da Disciplina Conteúdos da aula Análise e interpretação dos demonstrativos contábeis de gestão Contextualização O objetivo da contabilidade

Leia mais

Análises das Demonstrações Contábeis em uma indústria do ramo de mineração em Vitória da Conquista - BA.

Análises das Demonstrações Contábeis em uma indústria do ramo de mineração em Vitória da Conquista - BA. Análises das Demonstrações Contábeis em uma indústria do ramo de mineração em Vitória da Conquista - BA. RESUMO Este trabalho foi realizado em uma indústria do ramo de extração de minério no município

Leia mais

Organização da Aula. Análise de Investimentos e Financiamentos. Aula 5. Contextualização. Análise de Investimentos

Organização da Aula. Análise de Investimentos e Financiamentos. Aula 5. Contextualização. Análise de Investimentos Análise de Investimentos e Financiamentos Aula 5 Organização da Aula Índices econômico-financeiros e análise horizontal e vertical Prof. Cleverson Luiz Pereira Contextualização Os índices são relações

Leia mais

Balanço patrimonial em 31 de dezembro Em milhares de reais

Balanço patrimonial em 31 de dezembro Em milhares de reais Balanço patrimonial em 31 de dezembro Em milhares de reais Ativo 2016 2015 Passivo e patrimônio líquido 2016 2015 Circulante Circulante Caixa e equivalentes de caixa (Nota 6) 25.431 27.730 Fornecedores

Leia mais

A ANÁLISE DE BALANÇO EM EMPRESA COMERCIAL DE ELETRODOMÉSTICOS, MÓVEIS E BAZAR UM ESTUDO DE CASO.

A ANÁLISE DE BALANÇO EM EMPRESA COMERCIAL DE ELETRODOMÉSTICOS, MÓVEIS E BAZAR UM ESTUDO DE CASO. A ANÁLISE DE BALANÇO EM EMPRESA COMERCIAL DE ELETRODOMÉSTICOS, MÓVEIS E BAZAR UM ESTUDO DE CASO. Aírton Colpo Magnago 1 Deise Garcez 2 Fernanda Lima Evangelho 3 Maria Cecília Brum 4 Pâmela Belaguarda Ribeiro

Leia mais

Análise das Demonstrações Contábeis Aplicações Práticas

Análise das Demonstrações Contábeis Aplicações Práticas Introdução O capítulo desenvolverá aplicações práticas do processo de análise econômico-financeira com base nas demonstrações de uma empresa de eletroeletrônicos Todos os valores dos demonstrativos estão

Leia mais

O QUE É CAPITAL DE GIRO E DE QUE MANEIRA ELE AFETA A CRIAÇÃO (OU DESTRUIÇÃO) DE VALOR PARA O ACIONISTA

O QUE É CAPITAL DE GIRO E DE QUE MANEIRA ELE AFETA A CRIAÇÃO (OU DESTRUIÇÃO) DE VALOR PARA O ACIONISTA O QUE É CAPITAL DE GIRO E DE QUE MANEIRA ELE AFETA A CRIAÇÃO (OU DESTRUIÇÃO) DE VALOR! O que é e como calculá-lo! Utilidades da análise do capital de giro! De que maneira um maior ou menor capital de giro

Leia mais

Contabilidade Avançada Prof. João Domiraci Paccez Exercício Nº 17

Contabilidade Avançada Prof. João Domiraci Paccez Exercício Nº 17 Exercício Nº 17 1 Elaboração do Balanço Patrimonial de em moeda de ATIVO Valores Históricos Valores ajustados Quant. de Valores na moeda de Ativo circulante 350.000 105.132,3249 416.324 Caixa 80.000 80.000

Leia mais

ANÁLISE DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS

ANÁLISE DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS 0 ANÁLISE DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS Estudo das Demonstração e indicadores Contábeis das Lojas Renner S.A. Lucas Ribeiro Porto¹ Sara Alexssandra Gusmão Franca² Barreiras 2017 1 SUMÁRIO 1. INTRODUÇÃO...

Leia mais

ESTÁCIO PARTICIPAÇÕES S.A. 3ª Emissão de Debêntures. Série Única. Relatório Anual do Agente Fiduciário Exercício de 2015 Data Base 31/12/2015

ESTÁCIO PARTICIPAÇÕES S.A. 3ª Emissão de Debêntures. Série Única. Relatório Anual do Agente Fiduciário Exercício de 2015 Data Base 31/12/2015 ESTÁCIO PARTICIPAÇÕES S.A. 3ª Emissão de Debêntures Série Única Relatório Anual do Agente Fiduciário Exercício de 2015 Data Base 31/12/2015 PARTICIPANTES EMISSORA COORDENADOR(ES) ESCRITURADOR LIQUIDANTE

Leia mais

Ciclo Operacional e Ciclo de Caixa. Prof. Marcelo Delsoto

Ciclo Operacional e Ciclo de Caixa. Prof. Marcelo Delsoto Ciclo Operacional e Ciclo de Caixa Prof. Marcelo Delsoto Capital de Giro Entender a importância dos prazos de rotação dos Ativos na gestão das empresas. Elaborar os quadros de Ciclo Operacional e o Ciclo

Leia mais

Contabilidade CRISE. Planejamento Financeiro 25/08/2016. Escreve, oficializa É a ciência que registra os

Contabilidade CRISE. Planejamento Financeiro 25/08/2016. Escreve, oficializa É a ciência que registra os CRISE Contabilidade Escreve, oficializa É a ciência que registra os Possuem denominador financeiro comum acontecimentos verificados no patrimônio de uma entidade Conjunto de bens direitos e obrigações

Leia mais

Turno/Horário Noturno PROFESSOR: Salomão Dantas Soares AULA Apostila nº

Turno/Horário Noturno PROFESSOR: Salomão Dantas Soares AULA Apostila nº Disciplina Estrutura e Análise das Demonstrações Contábeis CENTRO DE ENSINO SUPERIOR DO AMAPÁ CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS TURMA 6º CCN Turno/Horário Noturno PROFESSOR: Salomão Dantas Soares AULA Apostila

Leia mais

ANÁLISE DAS DEMONSTRAÇÕES. Prof. Isidro

ANÁLISE DAS DEMONSTRAÇÕES. Prof. Isidro ANÁLISE DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS Prof. Isidro TRIPÉ DE DECISÕES DA EMPRESA RENTABILIADE NÍVEIS DE ANÁLISE NÍVEL INTERMEDIÁRIO ALAVANCAGM FINANCEIRA ESTRUTURA DE CAPITAL ANÁLISE DA DOAR ESTRUTURA DE

Leia mais

PADRONIZAÇÃO DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS

PADRONIZAÇÃO DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS PADRONIZAÇÃO DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS Prof. Flávio Smania Ferreira 5 termo ADMINISTRAÇÃO GERAL e-mail: flavioferreira@live.estacio.br blog: http://flaviosferreira.wordpress.com Etapas básicas do processo

Leia mais

Análise Financeira de. Balanços Perdigão S.A. Alunas: Livia Vilas Boas Calil Thais Moraes Lauer Curso: Engenharia de Produção Mecânica

Análise Financeira de. Balanços Perdigão S.A. Alunas: Livia Vilas Boas Calil Thais Moraes Lauer Curso: Engenharia de Produção Mecânica Análise Financeira de Tí Balanços Perdigão S.A. Alunas: Livia Vilas Boas Calil 11463 Thais Moraes Lauer 11475 Curso: Engenharia de Produção Mecânica Professor: Edson Pamplona Itajubá, Junho de 2005 Índice

Leia mais

Unidade I AVALIAÇÃO DE EMPRESAS. Prof. Rubens Pardini

Unidade I AVALIAÇÃO DE EMPRESAS. Prof. Rubens Pardini Unidade I AVALIAÇÃO DE EMPRESAS Prof. Rubens Pardini Introdução No curso dos negócios existem ocasiões em que é necessário estimar, total ou parcialmente, o valor de mercado de uma empresa. Entre essas

Leia mais

LIGHT SERVIÇOS DE ELETRICIDADE S/A 9ª Emissão de Debêntures. 1ª e 2ª Séries

LIGHT SERVIÇOS DE ELETRICIDADE S/A 9ª Emissão de Debêntures. 1ª e 2ª Séries LIGHT SERVIÇOS DE ELETRICIDADE S/A 9ª Emissão de Debêntures 1ª e 2ª Séries Relatório Anual do Agente Fiduciário Exercício de 2015 Data Base 31/12/2015 PARTICIPANTES EMISSORA COORDENADOR(ES) ESCRITURADOR

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CENTRO DE CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS FACULDADE DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CENTRO DE CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS FACULDADE DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CENTRO DE CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS FACULDADE DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS DISCIPLINA: ANÁLISE DE DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS I ALUNOS: VINICIUS FERNANDES BRICIO

Leia mais

Este trabalho tem como objetivo fazer uma analise financeira de balanço completa da empresa Semp Toshiba, analisando todos os aspectos financeiros.

Este trabalho tem como objetivo fazer uma analise financeira de balanço completa da empresa Semp Toshiba, analisando todos os aspectos financeiros. 1 1. Introdução Todas as empresas possuem um sistema Contábil, isto é um meio de coletar, resumir, analisar e relatar informações a cerca de seu negócio. Essas informações constituem-se nas Demonstrações

Leia mais

Disciplina: Noções de Contabilidade para Administradores (EAC0111) Turmas: 01 e 02 Tema 4: Balanço Patrimonial Prof.: Márcio Luiz Borinelli

Disciplina: Noções de Contabilidade para Administradores (EAC0111) Turmas: 01 e 02 Tema 4: Balanço Patrimonial Prof.: Márcio Luiz Borinelli USP/FEA/EAC Curso de Graduação em Administração Disciplina: Noções de Contabilidade para Administradores (EAC0111) Turmas: 01 e 02 Tema 4: Balanço Patrimonial Prof.: Márcio Luiz Borinelli 1 DEMONSTRAÇÕES

Leia mais

MAKRO ATACADISTA S/A. 1ª Emissão Pública de Debêntures

MAKRO ATACADISTA S/A. 1ª Emissão Pública de Debêntures MAKRO ATACADISTA S/A 1ª Emissão Pública de Debêntures Relatório Anual do Agente Fiduciário Exercício de 2013 Makro Atacadista S/A 1ª Emissão Pública de Debêntures Relatório Anual do Agente Fiduciário Exercício

Leia mais