Preparados para trabalhar?

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Preparados para trabalhar?"

Transcrição

1 Preparados para trabalhar? Conheça o que os empregadores valorizam e saiba no que investir durante a formação Diana Aguiar Vieira Politécnico do Porto Portugal UNICAMP, 21 de março de estudantes trabalhadores Ensino Superior Público 1

2 Saúde Música Gestão Engenharia Turismo Educação 7 escolas 5 cidades Agenda Empregabilidade e inserção profissional Quais as competências mais valorizadas pelo mercado de trabalho? Que atividades realizar durante o curso para desenvolver essas competências? O que é possível fazer para potenciar a empregabilidade/inserção profissional? 2

3 Formação e trabalho (No passado ) Infância Adolescência Vida adulta Tempo de formação Tempo de trabalho Tipo de trabalho Formação e trabalho (No presente ) Infância Adolescência Vida adulta Tempo de formação Tempo de trabalho Tipo de trabalho 3

4 Formação e trabalho (No futuro ) Infância Adolescência Vida adulta Tempo de formação?? Tempo de trabalho Tipo de trabalho Sociedade do conhecimento Desequilíbrios constantes entre oferta/procura o mercado de trabalho move-se e altera-se Necessidade de atualização profissional e desenvolvimento pessoal contínuo TIC, competências sociais,... Necessidade de ser generalista, mas também especialista Necessidade de inovar e de usar a criatividade 4

5 Empregabilidade? Contexto Empregabilidade Indivíduo Empregabilidade do contexto Capacidade do contexto (região, país ) para criar emprego Fatores que influenciam a empregabilidade do contexto Estado da economia Perfis + procurados pelo mercado de trabalho 5

6 Empregabilidade do indivíduo Conjunto de competências, conhecimentos e atributos pessoais que aumentam a probabilidade de obtenção de trabalho remunerado e de ter sucesso profissional (Yorke, 2006) Empregabilidade do indivíduo Conhecimentos? Competências? Atributos Pessoais? Empregabilidade do Indivíduo 6

7 Soft Skills e competências transversais Soft skills Competências pessoais (ex. adaptação e flexibilidade) e interpessoais (ex. relacionamento interpessoal) Competências transversais Competências que podem ser utilizadas e são importantes para o desempenho em múltiplas profissões, independentemente da área de formação académica Competências transversais Soft Skills (ex. domínio de línguas estrangeiras) Competências para o trabalho ou profissionais Competências transversais Soft skills Competências Pessoais Competências Interpessoais Competências Técnicas Competências técnicas específicas da área de formação Hard skills 7

8 Estudo Preparados para trabalhar? (Vieira & Marques, 2014) Questionário online 6444 Diplomados 781 Empregadores Entrevistas de grupo 11 entrevistas 83 Diplomados 10 entrevistas - 72 Empregadores Quais as competências mais valorizadas pelos empregadores? Análise e resolução de problemas 1º ( 51%) Criatividade e inovação 2º (47%) Adaptação e flexibilidade 3º (45%) Planeamento e organização 4º (40%) Motivação para a excelência 5º (33%) Competências técnico-científicas da área 6º (31%) (781 empregadores; Vieira & Marques, 2014) 8

9 Competências transversais e profissionais ANALISE E RESOLUÇÃO DE PROBLEMAS Identificar e priorizar problemas; fazer as perguntas certas para analisar várias faces de um problema; contribuir com ideias e/ou respostas para resolver problemas; apetência para questionar as próprias ideias e as dos outros CRIATIVIDADE E INOVAÇÃO Criar novas soluções ou ideias no trabalho; demonstrar originalidade e criatividade; sugerir propostas inovadoras Competências transversais e profissionais ADAPTAÇÃO E FLEXIBILIDADE Lidar bem com imprevistos; adaptar-se a situações de mudança; trabalhar bem sob stresse; responder adequadamente a críticas construtivas PLANEAMENTO E ORGANIZAÇÃO Definir as tarefas necessárias para se alcançar os objetivos traçados; delegar tarefas monitorizando o progresso de acordo com o plano; atualizá-lo perante imprevistos 9

10 Competências transversais e profissionais MOTIVAÇÃO PARA A EXCELÊNCIA Manter uma atitude positiva e ser persistente face às dificuldades; ser proactivo/a na procura da melhoria contínua; estar atento/a aos pormenores sem perder de vista o objetivo final COMPETENCIAS TECNICAS E CIENTÍFICAS Mobilizar conhecimento teórico e prático da sua área de formação Quais as competências mais valorizadas pelos empregadores? Competências + importantes (36 empregadores; 2004) Responsabilidade; Autonomia; Iniciativa 1º Relacionamento interpessoal 2º Adaptação e flexibilidade 3º Criatividade 4º Interesse/Vontade de aprender 5º Competências técnicas 6º Vieira (2004) 10

11 Quais as 10 competências mais valorizadas? Empregadores Diplomados Analise e resolução de problemas 1º ( 51%) 1º (53%) Criatividade e inovação 2º (47%) 2º (49%) Adaptação e flexibilidade 3º (45%) 3º (39%) Planeamento e organização 4º (40%) 4º (38%) Motivação para a excelência 5º (33%) 10º (28%) Competências técnicas da área formativa 6º (31%) 7º (32%) Relacionamento interpessoal 7º (29%) 9º (29%) Línguas estrangeiras 8º (28%) 5º (38%) Trabalho em equipe 9º (27%) 6º (33%) Tecnologias de informação e comunicação 10º (25%) 8º (31%) (781 empregadores e 6444 diplomados; Vieira & Marques, 2014) 5,00 Avaliação dos empregadores sobre as competências dos diplomados (n= 781 empregadores) 4,50 4,00 3,50 3,00 2,50 2,00 1,50 1,00 Análise e resolução de problemas Criatividade e inovação Adaptação e flexibilidade Planeamento e organização Motivação para a excelência Competências técnicas da área formativa 11

12 Mais boas notícias As soft skills não são inatas As soft skills são aprendidas e podem ser intencionalmente praticadas As soft skills desenvolvem-se através da ação em contexto Como desenvolver essas competências? Foco nas 6 competências mais valorizadas Análise e resolução de problemas Criatividade e inovação Adaptação e flexibilidade Planeamento e organização Motivação para a excelência Competências técnicas da área formativa Atividades extracurriculares (45%) Fonte: Questionários 6444 Diplomados (Vieira & Marques, 2014) Controlando os efeitos do sexo, da idade e do ano de conclusão do curso 12

13 Como desenvolver essas competências? Mas não só das 21 competências avaliadas, o grupo dos graduados que tinham participado em atividades extracurriculares durante o curso diferenciaram-se positivamente do outro grupo em 19 Competências!!! Fonte: Questionários 6444 Diplomados (Vieira & Marques, 2014) Controlando os efeitos do sexo, da idade e do ano de conclusão do curso Como desenvolver essas competências? Atividades extracurriculares - Voluntariado - Associação de Estudantes - Desporto - Tunas - Erasmus - Estágios - Cursos breves optativos, Workshops, Conferências - ( ) 13

14 Os graduados que trabalham diferenciam-se daqueles que procuram emprego? Sim, em 10 competências para o trabalho Análise e resolução de problemas Tomada de decisão Gestão do tempo Assunção do risco Expressão oral Criatividade e inovação Adaptação e flexibilidade Capacidade de conceptualizar Línguas estrangeiras Competências técnicas da área de conhecimento Empregabilidade do indivíduo Conhecimentos? Competências? Atributos Pessoais? Empregabilidade do Indivíduo 14

15 Empregabilidade do indivíduo Identidade vocacional O que gosto de fazer, o que sou capaz de fazer, o que quero fazer em termos profissionais (valores, objetivos )? Adaptabilidade pessoal Propensão p/ aprender, flexibilidade, confiança nas suas capacidades (autoeficácia) Capital humano e social Habilitações académicas e experiência profissional Rede de conhecimentos O que podem os estudantes fazer para aumentar a empregabilidade individual? Aumentar o autoconhecimento (interesses profissionais, competências, valores e objetivos profissionais) Envolver-se em contextos e atividades que potenciem as soft skills (ex. Atividades do SAE, Intercâmbios, Associação de Estudantes, Grupos desportivos ou musicais, workshops) Potenciar experiências (pré)profissionais (voluntariado, estágios, trabalho esporádico, ) Conhecer o mercado laboral (oportunidades ocultas) 15

16 O que podem os estudantes fazer para aumentar a empregabilidade individual? Transmitir nas entrevistas evidências de que possuem as competências mais valorizadas Agir de forma continuada e persistente na procura de emprego Aumentar as possibilidades de convívio com pessoas positivas e apoiantes - networking Frequentar eventos como este! Diana Aguiar Vieira Politécnico do Porto Slides Livro Empregabilidade e Soft Skills 16

17 Consórcio Maior Empregabilidade Estudo Alumni & Empregabilidade 17

Empregabilidade e Soft Skills na Perspetiva dos Empregadores

Empregabilidade e Soft Skills na Perspetiva dos Empregadores Auditório Nobre do IPS - 29 fevereiro 2016 Empregabilidade e Soft Skills na Perspetiva dos Empregadores Diana Aguiar Vieira Empregabilidade do contexto ou do indivíduo Contexto Empregabilidade Indivíduo

Leia mais

Preparados para trabalhar? Diana Vieira & Ana Paula Marques

Preparados para trabalhar? Diana Vieira & Ana Paula Marques + Preparados para trabalhar? Diana Vieira & Ana Paula Marques Consórcio Maior Empregabilidade (Coord. Fórum Estudante) Competências transversais: do Ensino Superior para o mundo do trabalho (elementos

Leia mais

Contributo da Psicologia para a Intervenção no contexto do Ensino Superior

Contributo da Psicologia para a Intervenção no contexto do Ensino Superior Contributo da Psicologia para a Intervenção no contexto do Ensino Superior Diana Aguiar Vieira Instituto Politécnico do Porto XIII Congresso Brasileiro de Orientação Profissional e de Carreira Universidade

Leia mais

221f1f. O Futuro faz-se Hoje Formação e Emprego outubro 2016

221f1f. O Futuro faz-se Hoje Formação e Emprego outubro 2016 221f1f O Futuro faz-se Hoje Formação e Emprego outubro 2016 População empregada no Turismo* (Mil) 284,5 292,1 297,3 221,7 224,6 230,3 327,9 258,4 306,2 305,4 239,4 233,8 295,3 285,4 223,1 222,0 299,1 231,2

Leia mais

HEADLINE TEXT SUBTITLE. Congresso Nacional de Práticas Pedagógicas no Ensino Superior 14 e 15 de Julho de 2016, Universidade de Lisboa

HEADLINE TEXT SUBTITLE. Congresso Nacional de Práticas Pedagógicas no Ensino Superior 14 e 15 de Julho de 2016, Universidade de Lisboa Congresso Nacional de Práticas Pedagógicas no Ensino Superior 14 e 15 de Julho de 2016, Universidade de Lisboa HEADLINE TEXT SUBTITLE Célia Figueira, Ana Galrão & Lília Aguardenteiro Pires Instituto de

Leia mais

A situação profissional dos recém-diplomados do IST

A situação profissional dos recém-diplomados do IST A situação profissional dos recém-diplomados do IST Observatório de Empregabilidade do IST OEIST janeiro 2015 O Técnico preparou-me bem para o mercado de trabalho. Diplomado em Engenharia Informática e

Leia mais

Mais do que um Centro de Estudos Um Centro de Aprendizagem e Desenvolvimento

Mais do que um Centro de Estudos Um Centro de Aprendizagem e Desenvolvimento Mais do que um Centro de Estudos Um Centro de Aprendizagem e Desenvolvimento O Centro 4Brain é um Projeto Pedagógico Inovador, que trabalha o aluno como um todo, centrando os esforços tanto na Aprendizagem

Leia mais

Soft-skills / Comportamental

Soft-skills / Comportamental Soft-skills / Comportamental Liderança e trabalho em equipa Comunicação, gestão de conflitos e negociação Técnicas de apresentação Gestão do tempo e Reuniões eficazes 1 Hire on attitude, Train the skills

Leia mais

ERASMUS+ OPÇÕES PARA O FUTURO DA EDUCAÇÃO E FORMAÇÃO. E d u c a ç ã o e F o r m a ç ã o

ERASMUS+ OPÇÕES PARA O FUTURO DA EDUCAÇÃO E FORMAÇÃO. E d u c a ç ã o e F o r m a ç ã o ERASMUS+ E d u c a ç ã o e F o r m a ç ã o OPÇÕES PARA O FUTURO DA EDUCAÇÃO E FORMAÇÃO SEMINÁRIO DESAFIO PORTUGAL 2020 EDUCAÇÃO, QUALIFICAÇÃO PROFISSIONAL E MERCADO DE TRABALHO: IMPACTO NA ECONOMIA PORTUGUESA

Leia mais

Volta de Apoio ao Emprego 2017 Empreendedorismo Social: uma alavanca no desenvolvimento das competências transversais

Volta de Apoio ao Emprego 2017 Empreendedorismo Social: uma alavanca no desenvolvimento das competências transversais Empreendedorismo Social: uma alavanca no desenvolvimento das competências transversais Isabel Ferreira (iferreira@ipca.pt) Guimarães, 25 maio de 2017 Volta de Apoio ao Emprego 2017 Agenda: 1. Enquadramento

Leia mais

Uma iniciativa da câmara municipal do porto e da fundação da juventude.

Uma iniciativa da câmara municipal do porto e da fundação da juventude. Uma iniciativa da câmara municipal do porto e da fundação da juventude. ÍNDICE NOTA INTRODUTÓRIA PROGRAMA EMPREENDE JOVEM Objetivos Para quem Iniciativas PLATAFORMA EMPREENDEJOVEM MOVE YOUR WAY @ PORTO

Leia mais

2012/13. Inquérito aos Estudantes de Mestrado e Doutoramento. Avaliaça o dos Cursos da Faculdade de Direito da Universidade de Lisboa

2012/13. Inquérito aos Estudantes de Mestrado e Doutoramento. Avaliaça o dos Cursos da Faculdade de Direito da Universidade de Lisboa 2012/13 Inquérito aos Estudantes de Mestrado e Doutoramento Avaliaça o dos Cursos da Faculdade de Direito da Universidade de Lisboa Faculdade de Direito da Universidade de Lisboa Julho 2013 Índice Introdução...

Leia mais

Universidade de Trás-os-Montes e Alto Douro

Universidade de Trás-os-Montes e Alto Douro Universidade de Trás-os-Montes e Alto Douro.: Plano de soft-skills :. 3º edição (ano letivo 2016/2017) - Regulamento - 1. INTRODUÇÃO A grande competitividade no mercado de trabalho faz com que os empregadores,

Leia mais

TRANSIÇÕES PARA O MERCADO DE TRABALHO DE ESTUDANTES NÃO TRADICIONAIS: PERSPETIVA DE GRADUADOS, EMPREGADORES E STAFF ACADÉMICO

TRANSIÇÕES PARA O MERCADO DE TRABALHO DE ESTUDANTES NÃO TRADICIONAIS: PERSPETIVA DE GRADUADOS, EMPREGADORES E STAFF ACADÉMICO Referência: 2014-1-UK01-KA203-001842. Programa Erasmus Plus, KA2 Educación Superior, Strategic Partnerships. Financiamento da Comissão Europeia: 430.870 novembro de 2014 a outubro de 2017 (36 meses) TRANSIÇÕES

Leia mais

MENTEE Mentoring, Networking e Formação para Empreendedores Europeus

MENTEE Mentoring, Networking e Formação para Empreendedores Europeus MENTEE Mentoring, Networking e Formação para Empreendedores Europeus Proj.n.º: 2014-1-PL01-KA202-003383 Quadro de Competências-Chave para o Empreendedorismo Maio 2015 Índice 1. Introdução...3 2. Quadro

Leia mais

PERFIL PROFISSIONAL TÉCNICO/A ESPECIALISTA EM TURISMO DE AR LIVRE

PERFIL PROFISSIONAL TÉCNICO/A ESPECIALISTA EM TURISMO DE AR LIVRE PERFIL PROFISSIONAL TÉCNICO/A ESPECIALISTA EM TURISMO DE AR LIVRE Publicado no Boletim do Trabalho do Emprego (BTE) nº 4 de 29 de janeiro de 2013 com entrada em vigor a 29 de janeiro de 2013. Publicação

Leia mais

PERFIL PROFISSIONAL E MERCADO DE TRABALHO

PERFIL PROFISSIONAL E MERCADO DE TRABALHO PERFIL PROFISSIONAL E MERCADO DE TRABALHO Perfil Profissional Revolução Verde Modernização da Agricultura (1960-1980) Produtividade e produção agrícolas especialistas / fragmentos da realidade tecnicista

Leia mais

Relatório sobre o Inquérito aos Candidatos ao Mestrado em Música da Escola Superior de Música de Lisboa: Ano letivo 2015/2016

Relatório sobre o Inquérito aos Candidatos ao Mestrado em Música da Escola Superior de Música de Lisboa: Ano letivo 2015/2016 Relatório sobre o Inquérito aos Candidatos ao Mestrado em Música da Escola Superior de Música de Lisboa: Ano letivo 2015/2016 Gabinete para a Cultura da Qualidade Dezembro de 2015 Índice Geral Índice Geral...

Leia mais

15/2/2012 GESTÃO DE PESSOAS. Profa. Adriana Duarte RELAÇÃO. Motivação Clima Integração Inclusão Confiança Comunicação Liderança... QUEM É VOCÊ TAREFA

15/2/2012 GESTÃO DE PESSOAS. Profa. Adriana Duarte RELAÇÃO. Motivação Clima Integração Inclusão Confiança Comunicação Liderança... QUEM É VOCÊ TAREFA 15/2/2012 Profa. Adriana Duarte GESTÃO DE PESSOAS Profa. Mary Pires Profa. Adriana Duarte 2 RELAÇÃO TAREFA Motivação Clima Integração Inclusão Confiança Comunicação Liderança... QUEM É VOCÊ 1 CONHECENDO

Leia mais

MENTEE Mentoring, Networking e Formação para Empreendedores Europeus. Quadro de Competências-chave para o Mentoring

MENTEE Mentoring, Networking e Formação para Empreendedores Europeus. Quadro de Competências-chave para o Mentoring MENTEE Mentoring, Networking e Formação para Empreendedores Europeus Proj. nº: 2014-1-PL01-KA202-003383 Quadro de Competências-chave para o Mentoring Maio 2015 Índice 1. Introdução... 3 2. Quadro de Competências-Chave

Leia mais

QUE COMPETÊNCIAS PRIVILEGIAR?

QUE COMPETÊNCIAS PRIVILEGIAR? APRENDIZAGEM AO LONGO DA VIDA QUE COMPETÊNCIAS PRIVILEGIAR? A quem compete definir as competências-chave necessárias a todos para viver no século XXI? Um especialista não pode limitar-se a apresentar um

Leia mais

Tendências de Empregabilidade e Competências do Futuro

Tendências de Empregabilidade e Competências do Futuro VOLTA DE APOIO AO EMPREGO 2017 Tendências de Empregabilidade e Competências do Futuro Paula Loureiro 25 maio 2017 Introdução http://portugalglorioso.blogspot.co.uk/2014/02/ahistoria-do-mundo-em-2-minutos.html

Leia mais

Balanço de Competências

Balanço de Competências Balanço de Competências Modelo em Árvore de desenvolvimento de competências empreendedoras José Soares Ferreira Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução deste documento, ou de qualquer uma

Leia mais

Entrevista Carreira Correio Braziliense

Entrevista Carreira Correio Braziliense Entrevista Carreira Correio Braziliense 1. Por que as habilidades pessoais (ou socioemocionais) são cada vez valorizadas? As pessoas são contratadas por seu currículo, ou seja, pela formação acadêmica

Leia mais

O ENSINO PROFISSIONAL NO SISTEMA EDUCATIVO PORTUGUÊS. José Manuel Castro 3.Abril.2013

O ENSINO PROFISSIONAL NO SISTEMA EDUCATIVO PORTUGUÊS. José Manuel Castro 3.Abril.2013 O ENSINO PROFISSIONAL NO SISTEMA EDUCATIVO PORTUGUÊS José Manuel Castro 3.Abril.2013 Temas de reflexão sobre o Ensino Profissional 1. Currículos Profissionais em 2013 2. Contextos de Trabalho lugares de

Leia mais

Forum AMP Empreendedorismo Social 2020

Forum AMP Empreendedorismo Social 2020 Forum AMP Empreendedorismo Social 2020 Porto 29 junho 2016 www.akdn.org 1 AGA KHAN DEVELOPMENT NETWORK AKDN geographic presence: 30 countries in 7 regions Fundação Aga Khan - Portugal A misão em Portugal

Leia mais

AVALIAÇÃO DA SATISFAÇÃO COM OS SERVIÇOS COLABORADORES

AVALIAÇÃO DA SATISFAÇÃO COM OS SERVIÇOS COLABORADORES AVALIAÇÃO DA SATISFAÇÃO COM OS SERVIÇOS COLABORADORES VERSÃO RESUMIDA NOTA INTRODUTÓRIA O Instituto Politécnico de Portalegre tem vindo a apostar estrategicamente num sistema de gestão de qualidade assente

Leia mais

CRIATIVIDADE E ECONOMIA INOVAÇÂO E INTERNACIONALIZAÇÃO

CRIATIVIDADE E ECONOMIA INOVAÇÂO E INTERNACIONALIZAÇÃO CRIATIVIDADE E ECONOMIA INOVAÇÂO E INTERNACIONALIZAÇÃO Criatividade e Economia Identificamos 4 pilares complementares que deveriam ter um papel dinamizador para a promoção do empreendedorismo e a articulação

Leia mais

I - Critérios de avaliação curricular

I - Critérios de avaliação curricular Trabalhador para a Carreira Técnica Especialista para Apoio ao Conselho de Administração (Ref.ª 01-CA/2016) I - Critérios de avaliação curricular São adotados os seguintes critérios de avaliação curricular:

Leia mais

Identificação da modalidade de contrato de trabalho a termo resolutivo: Termo Resolutivo Certo, duração anual (ano escolar)

Identificação da modalidade de contrato de trabalho a termo resolutivo: Termo Resolutivo Certo, duração anual (ano escolar) Agrupamento de Escolas Francisco de Holanda AVISO nº 3 Concurso a contrato de escola Código de recrutamento: técnico especializado Docente de Mecânica (Cursos profissionais) _ 22h O concurso de contratação

Leia mais

Gabinete de Apoio ao Estudante e Inserção na Vida Ativa (GAEIVA)

Gabinete de Apoio ao Estudante e Inserção na Vida Ativa (GAEIVA) (GAEIVA) O (GAEIVA) visa especialmente a integração dos estudantes, dá resposta às necessidades de aprendizagem no sentido de incrementar o sucesso escolar, e fornece apoio aos estudantes em termos de

Leia mais

Estrutura. 1. Enquadramento Objectivos Metodologia 7 4. Análise.. 11

Estrutura. 1. Enquadramento Objectivos Metodologia 7 4. Análise.. 11 Estrutura 1. Enquadramento.. 3 2. Objectivos.. 5 3. Metodologia 7 4. Análise.. 11 2 1. Enquadramento 3 De uma forma geral no Ensino Superior e, em particular no Ensino Superior Politécnico, a discussão

Leia mais

REDE DE MEDIADORES PARA O SUCESSO ESCOLAR

REDE DE MEDIADORES PARA O SUCESSO ESCOLAR REDE DE MEDIADORES PARA O SUCESSO ESCOLAR REDE DE MEDIADORES PRINCÍPIOS DE INTERVENÇÃO REDE DE MEDIADORES PRINCÍPIOS DE INTERVENÇÃO REDE DE MEDIADORES FASES DE INTERVENÇÃO REDE DE MEDIADORES EIXOS DE INTERVENÇÃO

Leia mais

O POTENCIAL HUMANO PARA de NOVEMBRO 2012

O POTENCIAL HUMANO PARA de NOVEMBRO 2012 O POTENCIAL HUMANO PARA 2013 28 de NOVEMBRO 2012 O POTENCIAL HUMANO PARA 2013 ORIENTAÇÕES ESTRATÉGICAS PARA O FUTURO - CAPITAL HUMANO PARA O CRESCIMENTO E O EMPREGO CONTRIBUTO DO POPH (ANOS 2013 E 2014)

Leia mais

desenvolva e utilize seu pleno potencial de modo coerente e convergente com os objetivos estratégicos da organização. Dentro da área de gestão de

desenvolva e utilize seu pleno potencial de modo coerente e convergente com os objetivos estratégicos da organização. Dentro da área de gestão de Gestão de Pessoas Hoje a sociedade busca desenvolver trabalhos para aprimorar o conhecimento das pessoas em um ambiente de trabalho. A capacitação e o preparo que uma organização deve ter para com os seus

Leia mais

Construção de Projetos de Vida em Situações de Vulnerabilidade Social: Apresentação de uma Investigação- Ação com técnicos da SCML Joana Carneiro

Construção de Projetos de Vida em Situações de Vulnerabilidade Social: Apresentação de uma Investigação- Ação com técnicos da SCML Joana Carneiro Construção de Projetos de Vida em Situações de Vulnerabilidade Social: Apresentação de uma Investigação- Ação com técnicos da SCML Joana Carneiro Pinto & Helena Rebelo-Pinto Faculdade de Ciências Humanas,

Leia mais

Engenharia Química: Empregabilidade FEUP Jornadas do Departamento de Engenharia Química

Engenharia Química: Empregabilidade FEUP Jornadas do Departamento de Engenharia Química 1 Engenharia Química: Empregabilidade FEUP Jornadas do Departamento de Engenharia Química 9 Novembro 2010 2 Agenda 1. Empresas Sonae 2. Sonae Indústria 3. Processo de Recrutamento e Selecção 4. O que valorizamos

Leia mais

Plano de Trabalho Docente Ensino Técnico

Plano de Trabalho Docente Ensino Técnico 21 Plano de Trabalho Docente 2016 Ensino Técnico Aprovado pela portaria Cetec nº 127 de 03/10/2012 Etec TIQUATIRA Código: 208 Município: São Paulo Eixo Tecnológico: Controle & Processos Industriais Habilitação

Leia mais

Matriz de ameaças/oportunidades

Matriz de ameaças/oportunidades - Necessidades de formação ao longo da vida - Transferência de tecnologia - Relações com PALOPs e outros como BRICs - Utilização de e-learning - Questões demográficas (redução da população jovem) - Situação

Leia mais

Matriz dos resultados da aprendizagem Versão em Português

Matriz dos resultados da aprendizagem Versão em Português Learning Outcomes Matrix, English Version Matriz dos resultados da aprendizagem Versão em Português Compilado por: LMETB Título do módulo Perfil pessoal Matriz dos resultados da aprendizagem Nível introdutório

Leia mais

- Copyright GRACE Maio Grupo de Reflexão e Apoio à Cidadania Empresarial Associação

- Copyright GRACE Maio Grupo de Reflexão e Apoio à Cidadania Empresarial Associação - Copyright GRACE Maio 2012 Grupo de Reflexão e Apoio à Cidadania Empresarial Associação Uni.Network Missão Promover a ligação e a aproximação entre as Entidades Académicas portuguesas e as Empresas na

Leia mais

ÉTICA. Se fundamenta em três pré-requisitos: requisitos: Consciência; Autonomia; Coerência;

ÉTICA. Se fundamenta em três pré-requisitos: requisitos: Consciência; Autonomia; Coerência; ÉTICA Se fundamenta em três pré-requisitos: requisitos: Consciência; Autonomia; Coerência; ÉTICA Ética e tudo aquilo que você não quer que façam com você Ética e individualismo O valor ético do esforço

Leia mais

DESPACHO. ASSUNTO: Regulamento de Candidatura - Programa Leonardo Da Vinci para diplomados ESTeSL

DESPACHO. ASSUNTO: Regulamento de Candidatura - Programa Leonardo Da Vinci para diplomados ESTeSL DESPACHO N.º 29/2013 Data: 2013/06/21 Para conhecimento de: Pessoal Docente, Discente e não Docente ASSUNTO: Regulamento de Candidatura - Programa Leonardo Da Vinci para diplomados ESTeSL 2012-2014. No

Leia mais

Adriana Cybele Ferrari

Adriana Cybele Ferrari Adriana Cybele Ferrari Coordenadora da Unidade de Bibliotecas e Leitura Secretaria de Estado da Cultura de São Paulo São Paulo, 12 de Março de 2013 Espaços vivos de interação das pessoas; O elemento central

Leia mais

Programa de Mentorado FPIE uma história de 10 anos

Programa de Mentorado FPIE uma história de 10 anos Programa de Mentorado FPIE uma história de 10 anos Gabinete de Apoio Psicopedagógico ao Estudante Faculdade de Psicologia e Instituto de Educação UNIVERSIDADE DE LISBOA D E Z E M B R O D E 20 16 MISSÃO

Leia mais

RESULTADOS DOS INQUÉRITOS ÀS ENTIDADES EMPREGADORAS DE DIPLOMADOS DA ESCOLA SUPERIOR DE DANÇA

RESULTADOS DOS INQUÉRITOS ÀS ENTIDADES EMPREGADORAS DE DIPLOMADOS DA ESCOLA SUPERIOR DE DANÇA Tabela 1. Entidades empregadoras Entidades Associações promotoras da dança / artes performativas 2 Companhias de Dança 3 Escolas de Dança 5 IPSS 1 Total 11 Tabela 1. As entidades empregadoras são maioritariamente

Leia mais

VISÃO DA FUNDAÇÃO GORCEIX EM RELAÇÃO À FORMAÇÃO DE ENGENHEIROS INTERAÇÃO ENTRE UNIVERSIDADES E EMPRESAS

VISÃO DA FUNDAÇÃO GORCEIX EM RELAÇÃO À FORMAÇÃO DE ENGENHEIROS INTERAÇÃO ENTRE UNIVERSIDADES E EMPRESAS FORMAÇÃO DE ENGENHEIROS PARA ACIARIA ADEQUADOS AOS PROCESSOS PRODUTIVOS VISÃO DA FUNDAÇÃO GORCEIX EM RELAÇÃO À FORMAÇÃO DE ENGENHEIROS INTERAÇÃO ENTRE UNIVERSIDADES E EMPRESAS CLASSIFICAÇÃO DO SISTEMA

Leia mais

Questionário: AUTO-AVALIAÇÃO DO FUNCIONÁRIO Campus: - Curso: - Avaliado(a): -

Questionário: AUTO-AVALIAÇÃO DO FUNCIONÁRIO Campus: - Curso: - Avaliado(a): - Página: 1 de 14 1) ORGANIZAÇÃO/LIMPEZA (Avalie o quanto você colabora para a manutenção da limpeza e organização da área de trabalho.) Atende Parcialmente 11% Atende Plenamente 68% Supera 20% Página: 2

Leia mais

16/11/2016. Gestão da Carreira. Tripé da Carreira. Know-whom Redes de relacionamento. Know-how Competências. Know-why Autoconhecimento

16/11/2016. Gestão da Carreira. Tripé da Carreira. Know-whom Redes de relacionamento. Know-how Competências. Know-why Autoconhecimento Gestão da Carreira Tripé da Carreira Know-how Competências Know-whom Redes de relacionamento Know-why Autoconhecimento 1 Redes de Relacionamento O que é networking? A desagradável tarefa de trocar favores

Leia mais

CIDADANIA E MUNDO ATUAL

CIDADANIA E MUNDO ATUAL CIDADANIA E MUNDO ATUAL COMPETÊNCIAS (1) TRANSVERSAIS Promoção da educação para a cidadania A língua materna enquanto dimensão transversal Utilização das novas tecnologias de informação Competências Transversais

Leia mais

INQUÉRITO À EMPREGABILIDADE DOS DIPLOMADOS DA ULISBOA EM 2013/14

INQUÉRITO À EMPREGABILIDADE DOS DIPLOMADOS DA ULISBOA EM 2013/14 INQUÉRITO À EMPREGABILIDADE DOS DIPLOMADOS DA ULISBOA EM 2013/14 - Edição 2016 - GABINETE DE ESTUDOS E PLANEAMENTO I. Aspetos Metodológicos II. Indicadores de Empregabilidade dos Diplomados da 1. Situação

Leia mais

RELATÓRIO DE CONCRETIZAÇÃO DO PROCESSO DE BOLONHA

RELATÓRIO DE CONCRETIZAÇÃO DO PROCESSO DE BOLONHA RELATÓRIO DE CONCRETIZAÇÃO DO PROCESSO DE BOLONHA ANO LECTIVO 2009/2010 Escola Superior de Saúde José Carlos Lopes RADIOLOGIA 1. INTRODUÇÃO (meia página máx.) Fazer referência, por exemplo: identificar

Leia mais

Manual do Aluno Engenharia Insper i

Manual do Aluno Engenharia Insper i Manual do Aluno Engenharia Insper i Capítulo 1 A visão do Insper para a Engenharia A missão dos cursos de engenharia do Insper é: Desenvolver jovens engenheiros que estarão preparados para reconhecer as

Leia mais

Agrupamento de Escolas Francisco de Holanda. Ensino Secundário CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO DA DISCIPLINA DE EDUCAÇÃO FÍSICA 2016/2017

Agrupamento de Escolas Francisco de Holanda. Ensino Secundário CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO DA DISCIPLINA DE EDUCAÇÃO FÍSICA 2016/2017 16/17 Ensino Secundário 1. DOMÍNIO SÓCIO-AFETIVO (Formação pessoal Atitudes e valores) Assiduidade Pontualidade Atitudes (espírito desportivo, participação, interesse, responsabilidade, relações inter-pessoais)..

Leia mais

Deveres do empregador no que respeita à Formação Profissional

Deveres do empregador no que respeita à Formação Profissional Formação Profissional O QUE DIZ A LEI Deveres do empregador no que respeita à Formação Profissional Contribuir para a elevação da produtividade e empregabilidade do trabalhador, nomeadamente proporcionando-lhe

Leia mais

EMPREENDEDO- RISMO E EMPREGABILIDADE

EMPREENDEDO- RISMO E EMPREGABILIDADE EMPREENDEDO- RISMO E EMPREGABILIDADE Programa de Ocupação de Jovens (POJ) Descrição: Programa que proporciona a jovens experiências iniciais de contacto com o mercado de trabalho facilitando o desenvolvimento

Leia mais

9º Encontro Estadual dos servidores Administrativos da Educação de Goiás - SINTEGO. Luiz Dourado CNE/UFG

9º Encontro Estadual dos servidores Administrativos da Educação de Goiás - SINTEGO. Luiz Dourado CNE/UFG 9º Encontro Estadual dos servidores Administrativos da Educação de Goiás - SINTEGO Luiz Dourado CNE/UFG Comissão Câmara Educação Superior CNE Composição; Eixo; Reuniões de trabalho ampliada; Realização

Leia mais

Gestão de Pessoas Prof (a): Mestre Patrícia Bellotti

Gestão de Pessoas Prof (a): Mestre Patrícia Bellotti Gestão de Pessoas Prof (a): Mestre Patrícia Bellotti As competências nas Problematizações das unidades d de aprendizagem UNID 2.1 Treinamento e Desenvolvimento de Pessoas. Como o treinamento atua no desenvolvimento

Leia mais

Carreiras. Luis M. Correia. Portfólio

Carreiras. Luis M. Correia. Portfólio Carreiras Luis M. Correia 1 Empregabilidade (1) A empregabilidade é a capacidade de um indivíduo encontrar um emprego e/ou de se manter no emprego em que se encontra. 2 Empregabilidade (2) 3 A empregabilidade

Leia mais

RELATÓRIO DE CONCRETIZAÇÃO DO PROCESSO DE BOLONHA

RELATÓRIO DE CONCRETIZAÇÃO DO PROCESSO DE BOLONHA RELATÓRIO DE CONCRETIZAÇÃO DO PROCESSO DE BOLONHA ANO LECTIVO 2009/2010 [DEPARTAMENTO DE EDUCAÇÃO] [Director de Curso: Carlos Fernandes da Silva] [PROGRAMA DOUTORAL EM PSICOLOGIA] 1. INTRODUÇÃO (meia página

Leia mais

Promoção de Experiências Positivas Crianças e Jovens PEP-CJ

Promoção de Experiências Positivas Crianças e Jovens PEP-CJ Positivas Crianças e Jovens PEP-CJ Universidade do Minho Escola de Psicologia rgomes@psi.uminho.pt www.psi.uminho.pt/ www.ardh-gi.com/ O que são? 2 Competências de vida Definição Potencialidades pessoais

Leia mais

Competências Transversais: Perceção de estudantes do 1º ano do ensino superior

Competências Transversais: Perceção de estudantes do 1º ano do ensino superior Competências Transversais: Perceção de estudantes do 1º ano do ensino superior Joana Rocha 17,Carlos Gonçalves 18 & Diana Aguiar Vieira 19 INTRODUÇÃO Considerando a Revolução Tecnológica e a Globalização

Leia mais

REGULAMENTO DE ESTÁGIOS (LICENCIATURAS)

REGULAMENTO DE ESTÁGIOS (LICENCIATURAS) REGULAMENTO DE ESTÁGIOS (LICENCIATURAS) CAPÍTULO I OBJETIVOS, TIPOLOGIA E CONCEITOS Artigo 1.º Objetivos Os estágios têm como finalidade proporcionar aos estudantes: a) Um contacto com métodos e técnicas

Leia mais

PROGRAMA TURISMO 4.0

PROGRAMA TURISMO 4.0 PROGRAMA TURISMO 40 Estrutura para a implementação do programa no setor do Turismo Potenciar Portugal como um hub global de inovação no Turismo, promovendo um ecossistema de cooperação tecnológica e empresarial

Leia mais

ESCOLA SECUNDÁRIA FERREIRA DIAS, AGUALVA SINTRA FORMAR PARA INOVAR MOTIVAR E INCLUIR PROGRAMA ERASMUS +

ESCOLA SECUNDÁRIA FERREIRA DIAS, AGUALVA SINTRA FORMAR PARA INOVAR MOTIVAR E INCLUIR PROGRAMA ERASMUS + ESCOLA SECUNDÁRIA FERREIRA DIAS, AGUALVA SINTRA FORMAR PARA INOVAR MOTIVAR E INCLUIR PROGRAMA ERASMUS + 2016-2018 SISTEMA EDUCATIVO NA FINLÂNDIA SISTEMA EDUCATIVO NA ESTÓNIA PRÓS / CONTRAS BOAS PRÁTICAS

Leia mais

48% dos jovens ibero-americanos encara o voluntariado como uma mais-valia para quem procura emprego. 51% já realizou algum tipo de voluntariado

48% dos jovens ibero-americanos encara o voluntariado como uma mais-valia para quem procura emprego. 51% já realizou algum tipo de voluntariado Opinião dos jovens sobre a importância do voluntariado 48% dos jovens ibero-americanos encara o voluntariado como uma mais-valia para quem procura emprego 51% já realizou algum tipo de voluntariado 95%

Leia mais

PROGRAMA TRAINEE 2017/2018

PROGRAMA TRAINEE 2017/2018 PROGRAMA TRAINEE 2017/2018 Voar mais alto é o nosso lema, fazer-te voar é a nossa missão! Com mais de nove décadas de história, a detém um papel de relevo a nível mundial no negócio da manutenção e fabricação

Leia mais

18-11-2015 ISEP - IPP ESE - IPP ESMAE - IPP ISCAP - IPP. IPP Politécnico do Porto > cidade do Porto. IPP Politécnico do Porto > cidade do Porto

18-11-2015 ISEP - IPP ESE - IPP ESMAE - IPP ISCAP - IPP. IPP Politécnico do Porto > cidade do Porto. IPP Politécnico do Porto > cidade do Porto Agrupamento de Escolas Coelho e Castro Auditório A, 18 Novembro 2015 Preparados para trabalhar? Um estudo com Diplomados do Ensino Superior e Empregadores Diana Aguiar Vieira Agenda Enquadramento do estudo

Leia mais

- Copyright GRACE Maio Grupo de Reflexão e Apoio à Cidadania Empresarial Associação

- Copyright GRACE Maio Grupo de Reflexão e Apoio à Cidadania Empresarial Associação - Copyright GRACE Maio 2012 Grupo de Reflexão e Apoio à Cidadania Empresarial Associação Uni.Network Missão Promover a ligação e a aproximação entre as Entidades Académicas portuguesas e as Empresas na

Leia mais

COMUNIDADE VIRTUAL DE APRENDIZAGEM

COMUNIDADE VIRTUAL DE APRENDIZAGEM COMUNIDADE VIRTUAL DE APRENDIZAGEM ATIVIDADES Atividade Extra - Fórum SIEPE (Compensação da carga horária do dia 08/09/2012) A atividade foi postada no módulo X Atividade Módulo X - Fórum Agenda O cursista

Leia mais

INQUÉRITO AOS ESTUDANTES ANÁLISE SWOT GT2

INQUÉRITO AOS ESTUDANTES ANÁLISE SWOT GT2 INQUÉRITO AOS ESTUDANTES ANÁLISE SWOT GT2 Nota introdutória No âmbito da análise SWOT realizada pelo GT2, e com o objectivo de avaliar a validade desta análise, foi preparado pelo GT2 um inquérito dirigido

Leia mais

IV. Questionário aos professores e outros funcionários da escola.

IV. Questionário aos professores e outros funcionários da escola. IV. Questionário aos professores e outros funcionários da escola. Ex.mo/a Senhores/as Este questionário faz parte dum estudo que pretendemos realizar no âmbito da conclusão da etapa de Licenciatura, do

Leia mais

Estágios curriculares e empregabilidade dos licenciados

Estágios curriculares e empregabilidade dos licenciados Estágios curriculares e empregabilidade dos licenciados Gonçalo Paiva Dias, Ana Isabel Melo, Betina Lopes, Dina Seabra, Elisabeth Brito, Marco Costa, Patrícia Silva Objetivos Identificar licenciaturas

Leia mais

www.jeve.pt O que é?

www.jeve.pt O que é? O que é? A Plataforma para a Educação do Empreendedorismo em Portugal (PEEP) em parceria com a K-Evolution desenvolveram o JEVE Jovens para o Empreendedorismo Verde e Empregabilidade, um projeto experimental

Leia mais

Ajustar as Competências Adquiridas no Ensino Superior às Necessidade das Empresas Caso de Estudo

Ajustar as Competências Adquiridas no Ensino Superior às Necessidade das Empresas Caso de Estudo Ajustar as Competências Adquiridas no Ensino Superior às Necessidade das Empresas Caso de Estudo Natércia Lima, Joaquim Alves e Gustavo Alves Instituto Superior de Engenharia do Porto (ISEP Politécnico

Leia mais

INFORMAÇÕES GERAIS DO PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO

INFORMAÇÕES GERAIS DO PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO INFORMAÇÕES GERAIS DO PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO Denominação do Curso: Administração Habilitação: Bacharel em Administração Modalidade de ensino: Presencial Regime de Matrícula: Seriado Semestral : 3.280

Leia mais

Mais do que um Centro de Estudos Um Centro de Aprendizagem e Desenvolvimento

Mais do que um Centro de Estudos Um Centro de Aprendizagem e Desenvolvimento Mais do que um Centro de Estudos Um Centro de Aprendizagem e Desenvolvimento O Centro 4Brain é um Projeto Pedagógico Inovador, que trabalha o aluno como um todo, centrando os esforços tanto na Aprendizagem

Leia mais

A Associação de Estudantes da Faculdade de Psicologia e de Ciências da

A Associação de Estudantes da Faculdade de Psicologia e de Ciências da Editorial A Associação de Estudantes da Faculdade de Psicologia e de Ciências da Educação da Universidade do Porto (AEFPCEUP), apresenta a primeira edição do Mês de Empregabilidade, a realizar-se nos dias

Leia mais

CAREER MANAGEMENT OFFICE ISEG CONSULTING DAY 17 Nov.2015

CAREER MANAGEMENT OFFICE ISEG CONSULTING DAY 17 Nov.2015 CONDIÇÕES PARTICIPAÇÃO e INSCRIÇÃO ALUNOS O Career Management Office (CMO) em parceria com a Associação de Estudantes organizam o ISEG Consulting Open Day. Este evento vai decorrer no dia 17 Novembro de

Leia mais

Colégio Valsassina. Modelo pedagógico do jardim de infância

Colégio Valsassina. Modelo pedagógico do jardim de infância Colégio Valsassina Modelo pedagógico do jardim de infância Educação emocional Aprendizagem pela experimentação Educação para a ciência Fatores múltiplos da inteligência Plano anual de expressão plástica

Leia mais

Organizações públicas, privadas, mistas, e do terceiro setor ou como autônomos e consultores.

Organizações públicas, privadas, mistas, e do terceiro setor ou como autônomos e consultores. TÉCNICO EM RECURSOS HUMANOS (RH) Perfil Profissional O TÉCNICO EM RECURSOS HUMANOS é o profissional que executa rotinas administrativas de pessoal com base na Legislação Trabalhista e Previdenciária. Auxilia

Leia mais

Quadro de Referência Europeu de Garantia da Qualidade para a Educação e Formação Profissionais (Quadro EQAVET)

Quadro de Referência Europeu de Garantia da Qualidade para a Educação e Formação Profissionais (Quadro EQAVET) Quadro de Referência Europeu de Garantia da Qualidade para a Educação e Formação Profissionais (Quadro EQAVET) O que é? Modelo para garantir a qualidade das escolas profissionais implementado em toda a

Leia mais

PROGRAMAS EXECUTIVOS ISAG

PROGRAMAS EXECUTIVOS ISAG PROGRAMAS EXECUTIVOS ISAG Executive Programs ISAG www.isag.pt VALORES DE FUTURO INSTITUTO SUPERIOR DE ADMINISTRAÇÃO E GESTÃO O COMPROMISSO DE UMA INSTITUIÇÃO Bem-vindo aos Programas Executivos do ISAG.

Leia mais

B. Listado de Competências Genéricas identificadas na América Latina

B. Listado de Competências Genéricas identificadas na América Latina B. Listado de Competências Genéricas identificadas na América Latina O objetivo do presente trabalho tem sido a elaboração de um listado de competências genéricas desde a perspectiva da América Latina.

Leia mais

Escolaridade e Transição Alguns Caminhos

Escolaridade e Transição Alguns Caminhos Escolaridade e Transição Alguns Caminhos RITA SERPA SOARES Outubro 2015 9º Ano Projeto de vida do aluno promotor de ações e atividades com o objetivo de uma inserção social adequada Perspetiva processo

Leia mais

Ricardo Carvalho de Almeida

Ricardo Carvalho de Almeida Ricardo Carvalho de Almeida Currículo resumido Mestre em Comunicação pela USCS Universidade Municipal de São Caetano do Sul. Linha de Pesquisa - Processos comunicacionais: inovação e comunidades; integra

Leia mais

CONTRIBUTOS DA TUTORIA PARA A IMPLEMENTAÇÃO DE BOLONHA

CONTRIBUTOS DA TUTORIA PARA A IMPLEMENTAÇÃO DE BOLONHA INSTITUTO SUPERIOR TÉCNICO Universidade Técnica de Lisboa Workshop: As Competências Transversais do MEEC no Modelo de Bolonha CONTRIBUTOS DA TUTORIA PARA A IMPLEMENTAÇÃO DE BOLONHA Gabinete de Estudos

Leia mais

Instituto de Educação

Instituto de Educação Instituto de Educação Universidade de Lisboa Oferta Formativa Pós-Graduada Doutoramento em Educação Especialização: Didática das Ciências Edição Instituto de Educação da Universidade de Lisboa maio de

Leia mais

Universidade da Beira Interior

Universidade da Beira Interior Fundação das Universidades Portuguesas Inquérito à Satisfação dos Estudantes do Ensino Superior Resultados globais por Instituição participante Universidade da Beira Interior Projecto financiado pela FCT-Fundação

Leia mais

26 vagas abertas para estágios profissionais IEFP 12 meses

26 vagas abertas para estágios profissionais IEFP 12 meses PROGRAMA ESTÁGIOS PROFISSIONAIS EM CASCAIS 26 vagas abertas para estágios profissionais IEFP 12 meses (atualizado a 16.08) Referência Área/função Entidade Habilitações Requisitos Candidatura 34/2013 EM

Leia mais

Educar para as competências do século 21

Educar para as competências do século 21 Fórum Internacional de Políticas Públicas Educar para as competências do século 21 Questões, conceitos, tópicos de discussão (Versão: 10 de janeiro de 2014) 24-25 de março de 2014 Renaissance Hotel, São

Leia mais

Plano de formação AEBA - ATEC 2017

Plano de formação AEBA - ATEC 2017 Plano de formação AEBA - ATEC 2017 Desenvolver as competências do Capital Humano, potenciar o Sucesso das Organizações e consequentemente o Desenvolvimento do Tecido Empresarial da região, é o objetivo

Leia mais

Cursos Recomendados TOPIC: COMMUNICATION SKILLS MANAGEMENT AND LEADERSHIP TIME MANAGEMENT

Cursos Recomendados TOPIC: COMMUNICATION SKILLS MANAGEMENT AND LEADERSHIP TIME MANAGEMENT Cursos Recomendados TOPICS: COMMUNICATION SKILLS MANAGEMENT AND LEADERSHIP TIME MANAGEMENT TOPIC: COMMUNICATION SKILLS Módulo: Competências relacionais do gestor M144 Duração 30 min. Adquirir as competências-base

Leia mais

I - Critérios de avaliação curricular

I - Critérios de avaliação curricular Trabalhador para a Carreira Técnica Especialista para o Departamento de Análise Económica e Financeira (Ref.ª 6-DEF/217) I - Critérios de avaliação curricular São adotados os seguintes critérios de avaliação

Leia mais

Do europeu ao nacional a perspectiva da sociedade civil

Do europeu ao nacional a perspectiva da sociedade civil Do europeu ao nacional a perspectiva da sociedade civil CONFERÊNCIA NACIONAL QUALIDADE AO SERVIÇO DA EDUCAÇÃO DE ADULTOS "REVISÃO POR PARES": UMA PROPOSTA INOVADORA? SUSANA OLIVEIRA 04 DE MAIO DE 2017

Leia mais

Capitalizar a formação técnica. Jorge Barata Marques

Capitalizar a formação técnica. Jorge Barata Marques Capitalizar a formação técnica Jorge Barata Marques Lisboa, 27 setembro 2016 Capitalizar a formação técnica Empregabilidade a nível global Empregabilidade a nível nacional Build Up Skills O papel da ADENE

Leia mais

O papel do técnico de acompanhamento

O papel do técnico de acompanhamento O papel do técnico de acompanhamento SANDRA PINHO Objetivos Reconhecer as mais valias da pessoa com deficiências e incapacidades no trabalho Reconhecer a importância do técnico especializado de acompanhamento

Leia mais

PLANEJAR: atividade intencional > tomada de decisões

PLANEJAR: atividade intencional > tomada de decisões PLANEJAMENTO INSTRUMENTO DE AÇÃO EDUCATIVA PLANEJAR: atividade intencional > tomada de decisões Busca determinar fins Torna presentes valores e crenças Explicita nossa compreensão (mundo, vida, sociedade,

Leia mais

CONTABILIDADE E FISCALIDADE

CONTABILIDADE E FISCALIDADE 2.ª Edição CONTABILIDADE E FISCALIDADE Desenvolver uma visão integrada sobre a contabilidade e a fiscalidade, com foco na versão mais recente das normas nacionais e internacionais de contabilidade e no

Leia mais

Questionário para os indivíduos com idade 50 + anos

Questionário para os indivíduos com idade 50 + anos Questionário para os indivíduos com idade 50 + anos A Organização Mundial da Saúde define Envelhecimento Activo como o processo de optimização das oportunidades para a saúde, participação e segurança,

Leia mais