para o setor industrial no Brasil Felipe Sgarbi

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "para o setor industrial no Brasil Felipe Sgarbi"

Transcrição

1 O avanço da gestão da energia e as oportunidades para o setor industrial no Brasil Felipe Sgarbi

2 Agenda O ICA/Procobre Gestão de Energia e a ISO O setor industrial brasileiro Conclusões O avanço da gestão da energia e as oportunidades para o setor industrial no Brasil 04/11/2015

3 O ICA/Procobre O avanço da gestão da energia e as oportunidades para o setor industrial no Brasil 04/11/2015

4 International Copper Association ICA / Procobre: apresentação Líder na promoção mundial do cobre Mais de 90 anos de atividade 43 empresas globais associadas (mineradoras e fabricantes) Cerca de 500 parceiros mundiais: Orçamento operacional: US$ 64,5 milhões em 2015, incluindo cofinanciamento

5 International Copper Association ICA / Procobre: iniciativas no Brasil Apoio ao desenvolvimento de normas técnicas: Motores elétricos e transformadores de alta eficiência Gestão de Energia - ISO e normas associadas Gestão de Ativos - ISO e normas associadas Sistemas fotovoltaicos Veículos elétricos Ações de promoção e incentivo à eficiência energética Fundador da Rede Latino-Americana de Eficiência Energética: Capacitação e disseminação de tecnologia Plataforma Leonardo Energy:

6 International Copper Association ICA / Procobre: iniciativas no Brasil Produto standard Cobre Produto de Alto Rendimento

7 International Copper Association ICA / Procobre: presença mundial AMÉRICA DO NORTE - Canadá - USA EUROPA - Reino Unido - Itália - França - Alemanha - Polônia - Hungria - Suécia - Espanha - Bélgica - Grécia - Russia AMÉRICA LATINA - México - Brasil - Perú - Chile ÁSIA - Singapura - Austrália - China - Índia - Japão

8 A gestão de energia e a ISO O avanço da gestão da energia e as oportunidades para o setor industrial no Brasil 04/11/2015

9 Gestão de energia: introdução Uso sistêmico de técnicas de gestão e tecnologias visando ao aumento do desempenho energético de uma organização Operação Tecnologia / equipamentos Comportamento

10 Gestão de energia: motivações globais Fonte: Energy and Climate Change: World Energy Outlook Special Report, 2015.

11 Gestão de energia: motivações globais 100% 80% 60% Unrealised energy efficiency potential Realised energy efficiency potential 40% 20% Industry Transport Power generation Fonte: World Energy Outlook, Buildings

12 Gestão de energia: histórico internacional da ISO UNIDO 2007 identifica necessidade de uma norma internacional sobre gestão da energia USA e Brasil assumem a liderança do desenvolvimento da ISO Publicada em 2011 participação de 56 países Desempenho energético novo padrão de sistemas de gestão com requisito específico para energia : primeira revisão - adaptação à estrutura comum dos sistemas de gestão de energia desenvolvido pela ISO

13 Gestão de energia: histórico nacional da ISO Instalação da ABNT CEE Publicação da ABNT ISO Instalação do ABNT CB 116 Gestão e Economia de Energia

14 O avanço global da ISO sites certificados até 2014 Alemanha é o principal país (3441) ISO Principais implementadores 3441 Brasil: 13 certificações Reinhard Peglau, Senior Scientific Officer on Environmental Management at the German Federal Environment Agency

15 Estudos de caso: Chrysler Motivação: redução de custos, benefícios ambientais Engajamento da alta direção: 40% da conta de energia referia-se a desperdícios Foco: eficiência energética de processos produtivos e edificações Destaques: Sistemas de iluminação Economia anual de US$ 110 mil Sistemas de aquecimento e ventilação Economia anual de US$ 2 milhões Principais ações: Redesenho de processos Mudança de comportamento Mudanças operacionais Fonte:

16 Estudos de caso: Harbec Indústria de protótipos plásticos de pequeno porte Motivação: reduzir emissões de carbono, oportunidades de negócios (cadeias de suprimentos globais) Destaques: Desempenho energético: melhoria de 16,5% Investimento: US$ ,00 Payback: menos de 2,5 anos Economia de GJ / ano Principais ações: Mudança operacionais em planta de cogeração Redesenho de processos energy.gov/betterbuildings/superior-energy-performance

17 Estudos de caso: IBM Planta de semicondutores Motivação: redução de custos, redução das emissões de carbono Visão corporativa: eficiência energética como vantagem competitiva Destaques: Redução de consumo de energia: 9.2% em 2013 Economia de US$ ,00 Principais ações: Otimização dos sistemas de HVAC Instalação de inversores de frequência Redesenho de processos Fonte:

18 Principais lições Comprometimento da alta direção Cultura energética corporativa Equipes de energia permanentes Envolvimento de todos os níveis hierárquicos da organização Foco inicial nos processos mais energo intensivos

19 O setor industrial brasileiro O avanço da gestão da energia e as oportunidades para o setor industrial no Brasil 04/11/2015

20 O setor industrial brasileiro: plantas industriais Eletrobrás, Pesquisa de posse de equipamentos e hábitos de uso ano base 2005;

21 O setor industrial brasileiro: intensidade energética Oshiro, A. Análise da intensidade energética: um estudo de caso para São Paulo. Dissertação de Mestrado, Programa de Pós-Graduação em Energia, USP.

22 O setor industrial brasileiro: consumo de energia Consumo total = x 10 3 toe EPE, Balanço Energético Nacional ano base 2014.

23 O setor industrial brasileiro: consumo de eletricidade Consumo total = GWh EPE, Balanço Energético Nacional ano base 2014.

24 O setor industrial brasileiro: oportunidades de promoção da eficiência Foco de ações principais Aquecimento direto Calor de processo Força motriz

25 O setor industrial brasileiro: oportunidades de promoção da eficiência Força motriz: 70% da eletricidade na indústria Motores antigos Sobredimensionamento Baixo uso de inversores de frequência Potencial de economia 15 TWh / ano (2,8% do consumo em 2014) EPE, Nota técnica 26/14.

26 O setor industrial brasileiro: custo de energia economizada CNI, Eficiência energética na indústria: o que foi feito no Brasil, oportunidades de redução de custos e experiência internacional.

27 Estudos de caso: Tupy Foco: força motriz (sistemas de exaustão, torres de resfriamento - 35% do consumo energético do parque fabril) Destaques: Aprox. R$ 10 milhões em investimento Retorno: 5 anos Economia de MWh / ano Redução de Demanda de Ponta: 400 kw Principais ações: Substituição de motores antigos Inversores de frequência Fonte: Programa Indústria + Eficiente. CELESC

28 Estudos de caso: BRF Foco: força motriz (geração de frio, tratamento de água) Destaques: Aprox. R$ 4 milhões em investimento (113 motores novos) Retorno: 2,6 e 2,3 anos Economia de MWh / ano Economia de R$ ,00 / ano Redução de Demanda de Ponta: 940 kw Principais ações: Substituição de motores antigos (alguns > 40 anos) Fonte: Programa Indústria + Eficiente. CELESC

29 Estudos de caso: Tigre Foco: força motriz Destaques: Aprox. R$ 4,5 milhões em investimento Retorno: 2,5 anos Economia de MWh / ano (11,2% do consumo) Redução de Demanda de Ponta: 750 kw Principais ações: Substituição de motores antigos Fonte: Programa Indústria + Eficiente. CELESC

30 Considerações finais Projetos de eficiência energética X Gestão de energia permanente Ampliação do mercado de gestão de energia Utilização dos recursos financeiros existentes para a promoção da gestão de energia

31 Obrigado Para mais informações, favor contatar: Presentation title and date

INTERNATIONAL COPPER ASSOCIATION ICA LATIN AMERICA. Engª Marisa Zampolli Sustainable Energy Consultant

INTERNATIONAL COPPER ASSOCIATION ICA LATIN AMERICA. Engª Marisa Zampolli Sustainable Energy Consultant INTERNATIONAL COPPER ASSOCIATION ICA LATIN AMERICA Engª Marisa Zampolli Sustainable Energy Consultant Sobre o ICA ICA - International Copper Association organização líder na promoção do uso racional e

Leia mais

Gestão de Ativos na América Latina

Gestão de Ativos na América Latina INTERNATIONAL COPPER ASSOCIATION, LATIN AMERICA - ICA Gestão de Ativos na América Latina 1 EGAESE Encontro de Gestão de Ativos para Empresas do Setor Elétrico Marisa Zampolli, Sustainable Energy Latin

Leia mais

14º Encontro de Energia - FIESP

14º Encontro de Energia - FIESP 14º Encontro de Energia - FIESP Aspectos Normativos e Legais da Eficiência Energética A contribuição da norma ISO 50001 para a Eficiência Energética São Paulo, 06 de agosto de 2013 Objetivo Promover a

Leia mais

Laboratório de Eficiência Energética Universidade Federal de Juiz de Fora

Laboratório de Eficiência Energética Universidade Federal de Juiz de Fora Combate ao Desperdício de Energia Elétrica Laboratório de Eficiência Energética Universidade Federal de Juiz de Fora Energia - É a capacidade de realizar trabalho. aquilo que permite a mudança a na configuração

Leia mais

O setor industrial destaca-se como o maior consumidor de energia elétrica no país, com 40,7% do total (EPE, 2012).

O setor industrial destaca-se como o maior consumidor de energia elétrica no país, com 40,7% do total (EPE, 2012). Programa Indústria +Eficiente Seleção de Projetos de Eficiência Energética através de Chamada Pública O setor industrial destaca-se como o maior consumidor de energia elétrica no país, com 40,7% do total

Leia mais

ACIJS. Uso Eficiente de Energia Outubro/2014

ACIJS. Uso Eficiente de Energia Outubro/2014 ACIJS Uso Eficiente de Energia Outubro/2014 Unidades de negócios Motores Automação Energia Transmissão & Distribuição Tintas Evolução da tarifa de energia elétrica Fonte: Aneel Tarifa de Energia; IBGE

Leia mais

Iniciativas da Eletrobras para Eficiência Energética no Setor industrial

Iniciativas da Eletrobras para Eficiência Energética no Setor industrial Iniciativas da Eletrobras para Eficiência Energética no Setor industrial São Paulo - SP 23/10/2012 ESTRUTURA DA APRESENTAÇÃO 1 - INTRODUÇÃO 2 - MOTIVAÇÃO TÉCNICA 3 PROCEL INDÚSTRIA 4 - CONCLUSÕES 1 INTRODUÇÃO

Leia mais

A Gestão da Energia & O impacto nas mudanças climáticas. Agosto - 2015. Alberto J. Fossa

A Gestão da Energia & O impacto nas mudanças climáticas. Agosto - 2015. Alberto J. Fossa A Gestão da Energia & O impacto nas mudanças climáticas Agosto - 2015 Alberto J. Fossa eficiência energética & mudanças climáticas gestão da energia & eficiência energética movimentos internacionais de

Leia mais

Energia Eólica. Elbia Melo. Presidente Executiva

Energia Eólica. Elbia Melo. Presidente Executiva Energia Eólica Elbia Melo Presidente Executiva 05/08/2013 Energia Eólica no Mundo Grande Porte 2 Ranking 1 China 75,56 2 EUA 60,01 3 Alemanha 31,33 4 Espanha 22,80 5 Índia 18,42 6 Reino Unido 8,45 7 Itália

Leia mais

Empresas e Consórcios do Grupo CEMIG

Empresas e Consórcios do Grupo CEMIG Empresas e Consórcios do Grupo CEMIG Roteiro 1. A EMPRESA EFFICIENTIA 2. CAMPOS DE ATUAÇÃO 3. PROJETOS TÍPICOS E CASOS DE SUCESSO A Efficientia na Holding CEMIG Empresa especializada em eficiência e Soluções

Leia mais

LAYOUT DO TÍTULO SUBTÍTULO

LAYOUT DO TÍTULO SUBTÍTULO LAYOUT DO TÍTULO SUBTÍTULO FORÇAS DO TURISMO BRASILEIRO 1 colocado na classificação de Recursos Naturais (Relatório de Competitividade em Viagem e Turismo 2017 Fórum Econômico Mundial) 8 colocado na classificação

Leia mais

Unidades de negócios. Transmissão & Distribuição. Motores Automação Energia. Tintas

Unidades de negócios. Transmissão & Distribuição. Motores Automação Energia. Tintas Unidades de negócios Motores Automação Energia Transmissão & Distribuição Tintas Fábricas e Filiais Do primeiro prédio ao parque instalado total Brasil Argentina Chile Colômbia Venezuela Peru México Estados

Leia mais

REFORMA DA PREVIDÊNCIA: POR QUE FAZER? EFEITOS DA DEMOGRAFIA EXIGEM AJUSTE DE REGRAS

REFORMA DA PREVIDÊNCIA: POR QUE FAZER? EFEITOS DA DEMOGRAFIA EXIGEM AJUSTE DE REGRAS REFORMA DA PREVIDÊNCIA: POR QUE FAZER? EFEITOS DA DEMOGRAFIA EXIGEM AJUSTE DE REGRAS 29 de março 217 198 9+ 8 8 7 7 6 6 4 4 3 3 2 2 2.. 1.. 1.... 1.. 1.. 2.. + 6 anos Fonte: IBGE (Projeção da População,

Leia mais

ANEXO B. DADOS MUNDIAIS DE ENERGIA

ANEXO B. DADOS MUNDIAIS DE ENERGIA ANEXO B. DADOS MUNDIAIS DE ENERGIA 1. OFERTA MUNDIAL DE ENERGIA GRÁFICO B.1: OFERTA MUNDIAL DE ENERGIA POR FONTE GRÁFICO B.2: OFERTA MUNDIAL DE ENERGIA POR REGIÃO (*) (*) Excluindo bunkers marítimos internacionais

Leia mais

Eficiência Energética em Sistemas Motrizes A Experiência da Eletrobrás no Âmbito do PROCEL

Eficiência Energética em Sistemas Motrizes A Experiência da Eletrobrás no Âmbito do PROCEL Eficiência Energética em Sistemas Motrizes A Experiência da no Âmbito do PROCEL São Paulo SP 22/07/2009 ESTRUTURA DA APRESENTAÇÃO 1 - INTRODUÇÃO 2 - MOTIVAÇÃO TÉCNICA 3 - PROCEL INDÚSTRIA 4 - RESULTADOS

Leia mais

EFICIÊNCIA ENERGÉTICA

EFICIÊNCIA ENERGÉTICA EFICIÊNCIA ENERGÉTICA EFICIÊNCIA ENERGÉTICA = Fazer mais (produção) com menos (recursos) PROTEÇÃO AO MEIO-AMBIENTE DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL ECONOMIA DE ENERGIA NECESSIDADES ECONÔMICAS A EFICIÊNCIA ENERGÉTICA

Leia mais

Prof. Edmar de Almeida Instituto de Economia - UFRJ

Prof. Edmar de Almeida Instituto de Economia - UFRJ 14 Encontro de Energia - FIESP GÁS NATURAL A PREÇO JUSTO: UMA ANÁLISE PELO LADO DA DEMANDA Prof. Edmar de Almeida Instituto de Economia - UFRJ São Paulo 5 de Agosto de 2013 PLANO DA APRESENTAÇÃO O que

Leia mais

Escola SENAI Comendador Santoro Mirone

Escola SENAI Comendador Santoro Mirone Escola SENAI Comendador Santoro Mirone NÚCLEO DE ENERGIA & EFICIÊNCIA ENERGÉTICA 16 ÁREAS INDUSTRIAIS 22 NÚCLEOS DE TECNOLOGIA ALIMENTOS & BEBIDAS ENERGIA AUTOMAÇÃO & ELETRÔNICA CERÂMICA CONSTRUÇÃO CIVIL

Leia mais

Eficiência energética nas políticas nacionais das maiores economias mundiais

Eficiência energética nas políticas nacionais das maiores economias mundiais Agenda 1 2 3 4 5 Panorama sobre eficiência energética Eficiência energética nas políticas nacionais das maiores economias mundiais Políticas brasileiras de eficiência energética Eficiência energética na

Leia mais

em gás e 25 de clientes no na atualidade eletricidade 18 mil 15 GW GNL 30 BCMs da Espanha Quem somos 3ºoperador mundial de na Espanha

em gás e 25 de clientes no na atualidade eletricidade 18 mil 15 GW GNL 30 BCMs da Espanha Quem somos 3ºoperador mundial de na Espanha Quem somos na atualidade Mais de 20 M 25 de clientes no países mundo Maior companhia integrada em gás e eletricidade 18 mil funcionários Capacidade instalada 3ºoperador mundial de GNL 30 BCMs O Grupo tem

Leia mais

ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DA INDÚSTRIA DE MÁQUINAS E EQUIPAMENTOS. Sede Nacional - SP

ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DA INDÚSTRIA DE MÁQUINAS E EQUIPAMENTOS. Sede Nacional - SP ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DA INDÚSTRIA DE MÁQUINAS E EQUIPAMENTOS Sede Nacional - SP Fundação: 1937 - origem em um sindicato têxtil; Possui 1.200 empresas associadas e representa 4,5 mil empresas; Sede nacional

Leia mais

Evolução da indústria farmacêutica brasileira

Evolução da indústria farmacêutica brasileira 7 o Encontro de Pesquisa Clínica do CEPIC Apoio à inovação no Brasil: a participação do BNDES 08/06/2013 Agenda Evolução da indústria farmacêutica brasileira Oportunidade em biotecnologia Cenário de pesquisa

Leia mais

Unidades de negócios. Eficiência Energética no Segmento Plástico. Sidnei Amano. Transmissão & Distribuição. Motores Automação Energia.

Unidades de negócios. Eficiência Energética no Segmento Plástico. Sidnei Amano. Transmissão & Distribuição. Motores Automação Energia. Unidades de negócios Eficiência Energética no Segmento Plástico Sidnei Amano Motores Automação Energia Transmissão & Distribuição Tintas Unidades de negócios Motores Automação Energia Transmissão & Distribuição

Leia mais

Oportunidades de Eficiência Energética na Indústria

Oportunidades de Eficiência Energética na Indústria Oportunidades de Eficiência Energética na Indústria Apresentador: Eng Dany de Moraes Venero Centro de Negócios de Eficiência Energética WEG cnee@weg.net 3. Digitem aqui 2. Espaço para apresentação pessoal,

Leia mais

II Workshop PROTENSÃO COMO SOLUÇÃO 04 a 06 de agosto de 2016 Protensão em Torres Eólicas Eng.º Ricardo Loiacono

II Workshop PROTENSÃO COMO SOLUÇÃO 04 a 06 de agosto de 2016 Protensão em Torres Eólicas Eng.º Ricardo Loiacono II Workshop PROTENSÃO COMO SOLUÇÃO 04 a 06 de agosto de 2016 Protensão em Torres Eólicas Eng.º Ricardo Loiacono ENERGIA EÓLICA NO BRASIL E NO MUNDO O Brasil tem alguns dos melhores ventos do mundo, três

Leia mais

São Paulo, 24 de novembro de 2014

São Paulo, 24 de novembro de 2014 São Paulo, 24 de novembro de 2014 Estrutura Acionária Estrutura Acionária Bloco de controle: 79,1% ON, 59,1% Total (1) InfraBrasil FIP Caixa Ambiental Santander Outros 21,2% ON 0,0% PN 15,9% Total 21,2%

Leia mais

Eficiência Energética no parque fabril WEG

Eficiência Energética no parque fabril WEG Eficiência Energética no parque fabril WEG Motores Tintas Unidades de Negócio Automação Energia Transmissão & Distribuição NEGÓCIO WEG A Solução Global com máquinas elétricas e automação para a indústria

Leia mais

Santander Asset Management

Santander Asset Management Santander Asset Management Fundos São Paulo, 08 de novembro de 2006 2 1 2 3 A internacionalização das empresas brasileiras Fundos de Investimento Fundos Multimercados 3 1 2 3 A internacionalização das

Leia mais

O impulso à energia solar no Brasil Renata Camargo

O impulso à energia solar no Brasil Renata Camargo O impulso à energia solar no Brasil Renata Camargo Seminário FGV EAESP São Paulo - Novembro 2016 1 - Contexto brasileiro O Brasil e sua matriz 4,4% 2,4% 2,6% 1,1% 7,6% 11,3% 70,6% Hydro Biomass Wind Natural

Leia mais

MB ASSOCIADOS. A agenda econômica internacional do Brasil. CINDES Rio de Janeiro 10 de junho de 2011

MB ASSOCIADOS. A agenda econômica internacional do Brasil. CINDES Rio de Janeiro 10 de junho de 2011 MB ASSOCIADOS A agenda econômica internacional do Brasil CINDES Rio de Janeiro 10 de junho de 2011 1 Cenário base 2011 2014 Crescimento mundial deverá ser da ordem de 4,0% a.a. Os países do G7 devem crescer

Leia mais

AQUA e RGMAT. Um caminho sustentável

AQUA e RGMAT. Um caminho sustentável AQUA e RGMAT Um caminho sustentável Expandindo a escala Qualidade Ambiental do Edifício A QUALIDADE AMBIENTAL DO EDIFÍCIO - QAE GERENCIAR OS IMPACTOS SOBRE O AMBIENTE EXTERIOR 1 ECO - CONSTRUÇÃO O EDIFÍCIO

Leia mais

AMEAÇAS E OPORTUNIDADES PARA O AGRONEGÓCIO BRASILEIRO

AMEAÇAS E OPORTUNIDADES PARA O AGRONEGÓCIO BRASILEIRO AMEAÇAS E OPORTUNIDADES PARA O AGRONEGÓCIO BRASILEIRO Junho/2008 Três Pontas/MG Secretaria de Estado de Agricultura, Pecuária e Abastecimento DIMENSÃO DEMOGRÁFICO DIMENSÃO SOCIOECONÔMICA DIMENSÃO SEGURANÇA

Leia mais

Produtividade e Eficiência. Pedro Cavalcanti Ferreira Fundação Getulio Vargas

Produtividade e Eficiência. Pedro Cavalcanti Ferreira Fundação Getulio Vargas Produtividade e Eficiência Pedro Cavalcanti Ferreira Fundação Getulio Vargas Introdução Países são pobres não só porque possuem relativamente menos (e piores) fatores de produção, mas porque organizam

Leia mais

PORTUGAL: COMÉRCIO INTERNACIONAL DE CONSERVAS DE FRUTOS E DE PRODUTOS HORTÍCOLAS

PORTUGAL: COMÉRCIO INTERNACIONAL DE CONSERVAS DE FRUTOS E DE PRODUTOS HORTÍCOLAS Balança Comercial de Conservas de Frutos e de Produtos Hortícolas (NC 20) (Milhares de Euros) Saídas 171.860 219.416 253.244 316.567 294.753 15,3-6,9 Entradas 186.911 215.700 237.052 246.592 256.774 8,4

Leia mais

Desafio 2020 a Saúde pelo Clima

Desafio 2020 a Saúde pelo Clima Oficina de Inventários de Emissões de Gases de Efeito Estufa São Paulo, 11 de agosto de 2016 Desafio 2020 a Saúde pelo Clima Vital Ribeiro Projeto Hospitais Saudáveis Centro de Vigilância Sanitária - SES

Leia mais

Ação Cultural Externa Relatório Anual 2014 Indicadores. 2. Número de iniciativas apoiadas por áreas geográficas

Ação Cultural Externa Relatório Anual 2014 Indicadores. 2. Número de iniciativas apoiadas por áreas geográficas Ação Cultural Externa Relatório Anual 2014 Indicadores 1. Iniciativas apoiadas pelo Camões, IP a) número (total): 1071 2. Número de iniciativas apoiadas por áreas geográficas Áreas Geográficas Nº Iniciativas

Leia mais

Plano de Promoção da Eficiência no Consumo de Energia Elétrica (PPEC)

Plano de Promoção da Eficiência no Consumo de Energia Elétrica (PPEC) Plano de Promoção da Eficiência no Consumo de Energia Elétrica (PPEC) Caracterização do PPEC Objetivos e promotores elegíveis O que é o PPEC O PPEC é estabelecido pela ERSE no Regulamento Tarifário do

Leia mais

Eficiência Energética e Mercado Livre: Como reduzir Custos sem Investimento

Eficiência Energética e Mercado Livre: Como reduzir Custos sem Investimento Eficiência Energética e Mercado Livre: Como reduzir Custos sem Investimento 2 EDP no Mundo EDP no mundo Video 14 países 11.992 colaboradores Geração: 25.223 MW Canada Estados Unidos Reino Unido Bélgica

Leia mais

FORMAÇÃO DE LÍDERES. Hilton José Da Veiga Faria (47) Cristiane Leal da Silva

FORMAÇÃO DE LÍDERES. Hilton José Da Veiga Faria (47) Cristiane Leal da Silva FORMAÇÃO DE LÍDERES Case WEG Hilton José Da Veiga Faria hiltonfaria@weg.net (47) 3276-4985 Cristiane Leal da Silva cristianes@weg.net (47) 3276-4997 Objetivos Mostrar os resultados e a relevância de ter

Leia mais

Mercado Liberalizado de Energia

Mercado Liberalizado de Energia Mercado Liberalizado de Energia BRAGA - 26/10/2012 1 ÍNDICE 1. PRESENÇA GLOBAL 2. NEGÓCIO LIBERALIZADO 3. IBERDROLA EM PORTUGAL 4. MERCADO LIVRE 5. CONTRATAÇÃO PÚBLICA 2 PRESENÇA GLOBAL 3 A IBERDROLA é

Leia mais

Empresa Brasileira 95 anos de história

Empresa Brasileira 95 anos de história Estratégia de Inovação para Tempos Incertos Grupo Votorantim Empresa Brasileira 95 anos de história Nossas operações industriais concentram-se nos setores de base da economia, que demandam capital intensivo,

Leia mais

Recursos Energéticos e Meio Ambiente (REMA) Engenharia Ambiental 1º semestre/2017

Recursos Energéticos e Meio Ambiente (REMA) Engenharia Ambiental 1º semestre/2017 Recursos Energéticos e Meio Ambiente (REMA) Engenharia Ambiental 1º semestre/2017 ENERGIA DE COMBUSTÍVEIS FÓSSEIS Capítulo 6 HINRICHS, R.A. e KLEINBACH, M. Energia e Meio Ambiente. 4ª. Ed. São Paulo:

Leia mais

PROFISSIONAL DE COMPRAS E OPORTUNIDADES. HAYS Recuiting experts worldwide

PROFISSIONAL DE COMPRAS E OPORTUNIDADES. HAYS Recuiting experts worldwide PROFISSIONAL DE COMPRAS PERFIL, MERCADO ATUAL E OPORTUNIDADES HAYS Recuiting experts worldwide Yun Young Cha February 2011 1 AGENDA Quem somos O que fazemos Perfil do profissional de compras e as oportunidades

Leia mais

Agenda. Mercado Têxtil Mundial (nos segmentos de cama e banho) Visão Geral da Empresa

Agenda. Mercado Têxtil Mundial (nos segmentos de cama e banho) Visão Geral da Empresa SPRINGS GLOBAL Agenda Mercado Têxtil Mundial (nos segmentos de cama e banho) Visão Geral da Empresa MERCADO TÊXTIL MUNDIAL (nos segmentos de cama e banho) A demanda de produtos de consumo é diretamente

Leia mais

ENERGIA SOLAR NO BRASIL

ENERGIA SOLAR NO BRASIL ENERGIA SOLAR NO BRASIL Prof. Paulo Cesar C. Pinheiro Universidade Federal de Minas Gerais UFMG Resistencia (Argentina), 27 de Abril de 2017 XXI Seminario Internacional de Energía y Biocombustibles CAE/AUGM

Leia mais

SETOR DE CELULOSE E PAPEL

SETOR DE CELULOSE E PAPEL SETOR DE CELULOSE E PAPEL 7º Encontro da Cadeia Produtiva de Madeira e Móveis BENTO GONÇALVES 12/11/2008 Pedro Vilas Boas Dados Gerais Cadeia Produtiva do Setor Florestal Lenha Carvão Vegetal PRODUÇÃO

Leia mais

Ações para redução de consumo de energia e formatos de negócio para implementação de projetos de eficiência Junho 2017

Ações para redução de consumo de energia e formatos de negócio para implementação de projetos de eficiência Junho 2017 Ações para redução de consumo de energia e formatos de negócio para implementação de projetos de eficiência Junho 2017 SUMÁRIO Capítulo 1 Eficiência Energética Capítulo 2 Nossa Solução Capítulo 3 Modelo

Leia mais

14º Encontro de Energia FIESP Observatório de Energias Renováveis para a América Latina e o Caribe

14º Encontro de Energia FIESP Observatório de Energias Renováveis para a América Latina e o Caribe 14º Encontro de Energia FIESP Observatório de Energias Renováveis para a América Latina e o Caribe Gustavo Aishemberg Agosto 2013 Energia e desenvolvimento sustentável Alcançar três objetivos simultaneamente

Leia mais

AVANÇOS EM TECNOLOGIA: - Investimentos crescentes em P&D - Aumento da capacidade não-letal e maior precisão das armas - Custos crescentes dos equipamentos - Automação e robotização - Atuação em rede x

Leia mais

Workshop de Energia da FIESP Setor Elétrico e Mecanismos de Resposta pela Demanda

Workshop de Energia da FIESP Setor Elétrico e Mecanismos de Resposta pela Demanda Workshop de Energia da FIESP Setor Elétrico e Mecanismos de Resposta pela Demanda Nelson Fonseca Leite- Presidente 1 São Paulo, 21 de junho de 2017 PAUTA. Panorama do Setor de Distribuição de Energia Elétrica

Leia mais

Encontro de Integradores Tendências e Inovação

Encontro de Integradores Tendências e Inovação Encontro de Integradores 2013 Tendências e Inovação Cases de Sucesso de Certificações Elétricas Eng. Eduardo Daniel Certiel do Brasil Associação membro da Associação civil de fins não econômicos, constituída

Leia mais

Carta IEDI nº 809 Indústria Mundial: O Brasil na contramão dos emergentes

Carta IEDI nº 809 Indústria Mundial: O Brasil na contramão dos emergentes Carta IEDI nº 809 Indústria Mundial: O Brasil na contramão dos emergentes ANEXO ESTATÍSTICO Crescimento anual do VTI e VTI per capita, 2005-2015, (em %, em U$ constante 2010). VTI total VTI per capita

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE JUIZ DE FORA DEPARTAMENTO DE QUÍMICA TEMA 4: FONTES DE ENERGIA E MEIO AMBIENTE

UNIVERSIDADE FEDERAL DE JUIZ DE FORA DEPARTAMENTO DE QUÍMICA TEMA 4: FONTES DE ENERGIA E MEIO AMBIENTE UNIVERSIDADE FEDERAL DE JUIZ DE FORA DEPARTAMENTO DE QUÍMICA TEMA 4: FONTES DE ENERGIA E MEIO AMBIENTE Alunas: Erika Martins dos Reis 1 Alessandra B. R. de Azevedo Disciplina: Química do Meio Ambiente

Leia mais

Eficiência Energética Como Vantagem Competitiva na Indústria

Eficiência Energética Como Vantagem Competitiva na Indústria Conservação de Água e Energia Elétrica 14 de outubro de 2014 Eficiência Energética Como Vantagem Competitiva na Indústria Rhodia/ Grupo Solvay Eficiência Energética como Vantagem Competitiva na Indústria

Leia mais

4. Líderes em Sustentabilidade 2017

4. Líderes em Sustentabilidade 2017 . Líderes em Sustentabilidade 207 The Sustainability Yearbook 207 RobecoSAM 33 Anualmente, mais de 3.00 das maiores empresas do mundo são convidadas a participar da Avaliação de Sustentabilidade Corporativa

Leia mais

Projeto de Investigação Aplicada Alojamento do Futuro

Projeto de Investigação Aplicada Alojamento do Futuro Projeto de Investigação Aplicada Alojamento do Futuro Universidade de Aveiro BTL 2014 Lisboa, 13.03.2014 01. Enquadramento da atividade Evolução da Oferta Instalada Enquadramento da atividade Evolução

Leia mais

REDUZIR O PROBLEMA - UMA MELHOR EFICIÊNCIA ENERGÉTICA

REDUZIR O PROBLEMA - UMA MELHOR EFICIÊNCIA ENERGÉTICA CONFERÊNCIA O FUTURO ENERGÉTICO EM PORTUGAL REDUZIR O PROBLEMA - UMA MELHOR EFICIÊNCIA ENERGÉTICA NOS EDIFÍCIOS Joaquim Borges Gouveia bgouveia@ua.pt DEGEI UAVEIRO 21 de Abril de 2009 Consumo de Energia

Leia mais

GLOBAL ENTREPRENEURSHIP MONITOR

GLOBAL ENTREPRENEURSHIP MONITOR GEM 2015 GLOBAL ENTREPRENEURSHIP MONITOR Fevereiro/2016 Objetivo: Estudo da atividade empreendedora no âmbito mundial 60 países em 2015 (83% do PIB mundial) No ano anterior participaram 70 países Criação

Leia mais

Relatório de Pesquisa Indicadores Mundiais do Setor Elétrico: Março Julho 2008

Relatório de Pesquisa Indicadores Mundiais do Setor Elétrico: Março Julho 2008 Projeto Provedor de Informações Econômico-Financeiro do Setor de Energia Elétrica Relatório de Pesquisa Indicadores Mundiais do Setor Elétrico: Março Julho 2008 Rio de Janeiro Relatório de Pesquisa Indicadores

Leia mais

Mercado Brasileiro de Software e Serviços Jorge Sukarie Neto Panorama e Tendências

Mercado Brasileiro de Software e Serviços Jorge Sukarie Neto Panorama e Tendências Mercado Brasileiro de Software e Serviços - 2013 Jorge Sukarie Neto jorge.sukarie@abes.org.br Panorama e Tendências A ABES PERFIL DAS EMPRESAS ASSOCIADAS - 1.478 Associados (*) - US$ 19,8 bilhões de dólares

Leia mais

Reichhold Três Décadas de Sucesso em Energia Eólica. Fortaleza, 07 de Abril de 2011 Antonio Carvalho Filho

Reichhold Três Décadas de Sucesso em Energia Eólica. Fortaleza, 07 de Abril de 2011 Antonio Carvalho Filho Reichhold Três Décadas de Sucesso em Energia Eólica Fortaleza, 07 de Abril de 2011 Antonio Carvalho Filho TÓPICOS Início do aproveitamento eólico Turbinas eólicas Capacidade Custo Fabricantes Perspectivas

Leia mais

O Projeto A promoção do gás natural no setor industrial Diagnóstico com a experiência dos cases da indústria Questões

O Projeto A promoção do gás natural no setor industrial Diagnóstico com a experiência dos cases da indústria Questões Usos inovadores do gás natural e a promoção da eficiência energética em Arranjos Produtivos Locais Diagnóstico tecnológico e energético dos setores cases com a experiência nacional das indústrias Agenda

Leia mais

A certificação SGCIE é obrigatória para a generalidade das instalações industriais com consumos igual ou superior a 500 tep (1) /ano.

A certificação SGCIE é obrigatória para a generalidade das instalações industriais com consumos igual ou superior a 500 tep (1) /ano. A energia é um elemento indispensável para o funcionamento das empresas, sendo a sua boa utilização fundamental para garantir a competitividade destas. Assim, o Sistema de Gestão dos Consumos de Energia

Leia mais

Agosto / Análise Conjuntural. Assessoria de Assuntos Estratégicos da Presidência

Agosto / Análise Conjuntural. Assessoria de Assuntos Estratégicos da Presidência Agosto / 2012 Análise Conjuntural Assessoria de Assuntos Estratégicos da Presidência 1 Mecanismos de crescimento da economia brasileira após 2003 2 Variação do PIB ((% a.a) China e Índia não acompanham

Leia mais

EXPORTAÇÃO BRASILEIRA DO CAPÍTULO 71 DA NCM. Por Principais Países de Destino. Janeiro - Dezembro. Bijuterias

EXPORTAÇÃO BRASILEIRA DO CAPÍTULO 71 DA NCM. Por Principais Países de Destino. Janeiro - Dezembro. Bijuterias Bijuterias Principais Países 2010 2011 2012 2013 2014 US$ mil 2014/ 2013 Estados Unidos 5.667 3.828 2.668 3.491 5.006 43 Colômbia 407 800 748 1.112 993-11 França 1.085 931 910 998 969-3 Argentina 2.112

Leia mais

Relatório dos Investimentos Estrangeiros no Brasil Fluxos de IED e sua contribuição para o comércio exterior brasileiro

Relatório dos Investimentos Estrangeiros no Brasil Fluxos de IED e sua contribuição para o comércio exterior brasileiro Relatório dos Investimentos Estrangeiros no Brasil - 2013 Fluxos de IED e sua contribuição para o comércio exterior brasileiro Unidade de Negociações Internacionais Confederação Nacional da Indústria -

Leia mais

Top 30 Líderes Mundiais em Importações de Produtos Farmacêuticos (valores de 2014)

Top 30 Líderes Mundiais em Importações de Produtos Farmacêuticos (valores de 2014) Top 30 Líderes Mundiais em Importações de Produtos Farmacêuticos (valores de 2014) No ranking dos principais importadores de produtos farmacêuticos do mundo, o Brasil se manteve na 16ª posição em 2013

Leia mais

Audiência Pública conjunta. Comissão de Minas e Energia Comissão de Defesa do Consumidor. Projeto de Lei nº 1917 Portabilidade da conta de luz

Audiência Pública conjunta. Comissão de Minas e Energia Comissão de Defesa do Consumidor. Projeto de Lei nº 1917 Portabilidade da conta de luz Audiência Pública conjunta Comissão de Minas e Energia Comissão de Defesa do Consumidor Projeto de Lei nº 1917 Portabilidade da conta de luz 1 Estabelece um cronograma para a portabilidade da conta de

Leia mais

Contexto Acordo de Paris Contribuições Nacionalmente Determinadas (NDC) Brasil

Contexto Acordo de Paris Contribuições Nacionalmente Determinadas (NDC) Brasil O acordo de mudanças climáticas: impactos na eficiência energética no Brasil Contexto Acordo de Paris Contribuições Nacionalmente Determinadas (NDC) Brasil uma meta de redução absoluta de emissões aplicável

Leia mais

Energia Fotovoltaica

Energia Fotovoltaica Róbson Rodrigues, Felipe Martins e Huendell Steinmetz Turma: Informática Tarde Energia Fotovoltaica Escolhemos esta energia, pois é uma energia limpa e renovável, se ser necessário a manutenção do equipamento.

Leia mais

Tecnologias Automotivas: Híbrida e Célula Combustível. Roberto Braun Gerente Sênior de Assuntos Governamentais Toyota do Brasil Vice-Presidente ABVE

Tecnologias Automotivas: Híbrida e Célula Combustível. Roberto Braun Gerente Sênior de Assuntos Governamentais Toyota do Brasil Vice-Presidente ABVE Tecnologias Automotivas: Híbrida e Célula Combustível Roberto Braun Gerente Sênior de Assuntos Governamentais Toyota do Brasil Vice-Presidente ABVE Grandes preocupações da humanidade Aquecimento Global

Leia mais

TABELA DE FRETES MÉDIO PRATICADOS PARA ANGOLA REFERENTE AO MÊS DE JANEIRO Moeda: USD

TABELA DE FRETES MÉDIO PRATICADOS PARA ANGOLA REFERENTE AO MÊS DE JANEIRO Moeda: USD REPÚBLICA DE ANGOLA MINISTÉRIO DOS TRANSPORTES BOLSA NACIONAL DE FRETE Sede: Palácio de Vidro, 5º andar; CX Postal 2223; Telefone +(244) 222-311339/40/41; Fax 222-310555- Luanda, Angola. TABELA DE FRETES

Leia mais

Presença da China na América do Sul

Presença da China na América do Sul Presença da China na América do Sul 1 1 Em 2008, 3% das exportações chinesas foram destinadas à América do Sul... Principais Destinos das Exportações Chinesas (2008) Estados Unidos 17,7% Japão 8,1% Coréia

Leia mais

Profa. Eliane Fadigas Prof. Alberto Bianchi

Profa. Eliane Fadigas Prof. Alberto Bianchi PEA 2200 Energia, Meio Ambiente e Sustentabilidade Profa. Eliane Fadigas Prof. Alberto Bianchi Aula 5 Conservação de Energia: Aspectos técnicos e econômicos slide 1 / 19 ATÉ ONDE SE SABE A ENERGIA PODE

Leia mais

PEA 3110 Energia, Meio Ambiente e Sustentabilidade

PEA 3110 Energia, Meio Ambiente e Sustentabilidade PEA 3110 Energia, Meio Ambiente e Sustentabilidade Aula 2 Usos finais de eletricidade e Conservação slide 1 / 30 O Processo de Uso Final da EE (1) Eletricidade Motor Força motriz Entrada de energia Tecnologia

Leia mais

Programa de Eficiência Energética PEE Ciclo 2002 / 2003

Programa de Eficiência Energética PEE Ciclo 2002 / 2003 Tipo: Iluminação Pública. Nome: Eficientização Energética em Sistema de Iluminação Pública. Reduzir o desperdício de energia elétrica, por meio da aplicação de equipamentos de iluminação mais eficientes,

Leia mais

A A DEMANDA de PAPEL MUNDIAL e SUSTENTABILIDADE. 2o. CONGRESSO FLORESTAL DO MATO GROSSO DO SUL 8 de Junho de 2010

A A DEMANDA de PAPEL MUNDIAL e SUSTENTABILIDADE. 2o. CONGRESSO FLORESTAL DO MATO GROSSO DO SUL 8 de Junho de 2010 A A DEMANDA de PAPEL MUNDIAL e SUSTENTABILIDADE 2o. CONGRESSO FLORESTAL DO MATO GROSSO DO SUL 8 de Junho de 2010 CONTEÚDO 1. PERFIL DO SETOR BRASILEIRO DE C&P 2. OVERVIEW DO SETOR BRASILEIRO DE C&P 3.

Leia mais

PERIGOS DA PERCEPÇÃO 2015 ESTUDO REALIZADO EM 33 PAÍSES

PERIGOS DA PERCEPÇÃO 2015 ESTUDO REALIZADO EM 33 PAÍSES PERIGOS DA PERCEPÇÃO 2015 ESTUDO REALIZADO EM 33 PAÍSES 1 Estas são as recentes descobertas da Ipsos com a pesquisa Perigos da Percepção. Os resultados destacam o quão equivocado o público de 33 países

Leia mais

Nilfisk-Advance. Visão Geral

Nilfisk-Advance. Visão Geral Nilfisk-Advance Visão Geral 2012 2 Somos um dos principais fornecedores mundiais de equipamentos de limpeza profissional 3 Nossas marcas são líderes de mercado 4 Nossa oferta é Ímpar! Nós atuamos em mais

Leia mais

Recursos e oferta de energia - petróleo e gás natural. Ano base 2004 (Resources and energy supplies - oil and natural gas.

Recursos e oferta de energia - petróleo e gás natural. Ano base 2004 (Resources and energy supplies - oil and natural gas. Recursos e Ofertas de Energia Recursos e oferta de energia - petróleo e gás natural. Ano base 2004 (Resources and energy supplies - oil and natural gas. Base year 2004) Eng. Doutoranda Vanessa Meloni Massara

Leia mais

O desafio da produtividade

O desafio da produtividade O desafio da produtividade 21º Seminário Dia da Qualidade Caxias CIC Renato da Fonseca Caxias do Sul, RS, 20/07/2015 Roteiro 1. O estado da indústria e da economia brasileira 2. Baixa competitividade:

Leia mais

RECEBA MAIS QUE TECNOLOGIA.

RECEBA MAIS QUE TECNOLOGIA. RECEBA MAIS QUE TECNOLOGIA. RECEBA MAIS QUE TECNOLOGIA. MELHORIA HARMONIA SIMPATIA SINERGIA CONSULTORIA Presente no Brasil desde 1967, a multinacional alemã ACE SCHMERSAL é líder mundial em sistemas de

Leia mais

Regeneração de Energia & Otimização de Custos

Regeneração de Energia & Otimização de Custos Regeneração de Energia & Otimização de Custos Cristiano L. Saito 27/11/2015 1 2 Alstom HESOP HESOP 27/11/2015 P 2 Alstom Oferta integrada para sistemas metro-ferroviários Gama Completa => Material Rodante

Leia mais

Planejamento nacional e Integração elétrica regional. Amilcar Guerreiro Diretor de Estudos de Energia Elétrica

Planejamento nacional e Integração elétrica regional. Amilcar Guerreiro Diretor de Estudos de Energia Elétrica Planejamento nacional e Integração elétrica regional Amilcar Guerreiro Diretor de Estudos de Energia Elétrica Foz do Iguaçu, Brasil 27 de novembro de 2015 Planejamento nacional e Integração elétrica regional

Leia mais

Inmetro Padrões e Especificações para Bioenergia. Gustavo Kuster Diretoria da Qualidade Rio de Janeiro, 22 de março de 2013

Inmetro Padrões e Especificações para Bioenergia. Gustavo Kuster Diretoria da Qualidade Rio de Janeiro, 22 de março de 2013 Inmetro Padrões e Especificações para Bioenergia Gustavo Kuster Diretoria da Qualidade Rio de Janeiro, 22 de março de 2013 Missão: Prover confiança à sociedade brasileira nas medições e nos produtos, através

Leia mais

Bioeconomia e e sua contribuição para a Economia Circular

Bioeconomia e e sua contribuição para a Economia Circular Bioeconomia e e sua contribuição para a Economia Circular Beatriz Luz Sustentabilidade Químicos Renováveis 3 Dezembro 2014 II Workshop Tecnológico Design for Environment (DfE): oportunidades e desafios

Leia mais

Inovação Tecnológica no Setor de Energia Elétrica

Inovação Tecnológica no Setor de Energia Elétrica Inovação Tecnológica no Setor de Energia Elétrica Agência Nacional de Energia Elétrica ANEEL Superintendência de Pesquisa e Desenvolvimento e Eficiência Energética SPE Máximo Luiz Pompermayer Superintendente

Leia mais

Substituição do antigo RSECE (Regulamento dos Sistemas Energéticos de Climatização em Edifícios) (1)

Substituição do antigo RSECE (Regulamento dos Sistemas Energéticos de Climatização em Edifícios) (1) A energia é indispensável para o funcionamento da generalidade das empresas, e em particular para os edifícios de comércio e serviços, responsáveis por mais de 40% do consumo de energia final na Europa.

Leia mais

Produz: Açúcar, Etanol, Energia Elétrica, Levedura e Derivados (Biorigin)

Produz: Açúcar, Etanol, Energia Elétrica, Levedura e Derivados (Biorigin) Zilor Estratégias de Retenção e Desenvolvimento Sobre a Zilor Industria de energia e alimentos que transforma recursos agrícolas e naturais de maneira sustentável, comprometida com o desenvolvimento social

Leia mais

Painel 1 Considerando o ciclo de vida na avaliação da sustentabilidade de edificações

Painel 1 Considerando o ciclo de vida na avaliação da sustentabilidade de edificações Painel 1 Considerando o ciclo de vida na avaliação da sustentabilidade de edificações Emissões de Carbono e a análise de ciclo de vida de produto Programa Brasileiro GHG PROTOCOL Centro de Estudos em Sustentabilidade

Leia mais

Seminário: Eficiência energética no sector Agropecuário e Agroindústrias

Seminário: Eficiência energética no sector Agropecuário e Agroindústrias Seminário: Eficiência energética no sector Agropecuário e Agroindústrias EDP Comercial 30 de Abril de 2014 A EDP tem uma abordagem sectorial para os serviços de energia e eficiência energética, por forma

Leia mais

Máquinas Térmicas: Cogeração

Máquinas Térmicas: Cogeração Máquinas Térmicas: Conceitos Básicos 1 Geração Distribuída Usina Usina Eólica MCI Área Rural Consumidores Célula Comb. Conservação de Energia Bateria Microturbina CF Geração Distribuída Geração distribuída

Leia mais

Ranking Mundial de Juros Reais Ago/13

Ranking Mundial de Juros Reais Ago/13 Ranking Mundial de Juros Reais Ago/13 O Ranking Mundial de Juros Reais é um comparativo entre as taxas praticadas em 40 países do mundo e os classifica conforme as taxas de juros nominais determinadas

Leia mais

IMOPLATAFORMA. Introdução

IMOPLATAFORMA. Introdução Introdução A Imoplataforma é uma ferramenta totalmente online onde pode gerir a sua carteira de imóveis e maximizar o investimento feito no Imovirtual. Não tem qualquer custo acrescido e permitelhe usufruir

Leia mais

JUROS E RISCO BRASIL

JUROS E RISCO BRASIL JUROS E RISCO BRASIL META DA TAXA SELIC FONTE: BANCO CENTRAL 13.75% 12.75% 11.25% 10.25% 8.75% 9.50% 10.25% 10.75% 11.25% 12.50% 11.00% 10.50% 9.75% 9.00% 8.50% 8.00% 7.25% 8.50% 9.00% 10.00% 10.50% 11.00%

Leia mais

COMPORTAMENTO DO RISCO BRASILEIRO

COMPORTAMENTO DO RISCO BRASILEIRO COMPORTAMENTO DO RISCO BRASILEIRO 11/09/12 11/10/12 11/11/12 11/12/12 11/01/13 11/02/13 11/03/13 11/04/13 11/05/13 11/06/13 11/07/13 11/08/13 11/09/13 11/10/13 11/11/13 11/12/13 11/01/14 11/02/14 11/03/14

Leia mais

PERFIL CORPORATIVO 2017

PERFIL CORPORATIVO 2017 PERFIL CORPORATIVO 2017 Corporate FILOSOFIA A Full Gauge Controls orienta a fabricação de seus produtos de acordo com as seguintes diretrizes: Desenvolver novas tecnologias em instrumentação eletrônica;

Leia mais

Aproveitar o calor libertado pela central de ar comprimido

Aproveitar o calor libertado pela central de ar comprimido Aproveitar o calor libertado pela central de ar comprimido 1 Aproveitar o calor libertado pela central de ar comprimido Características do projeto Investimento 77.473 Payback 2,2 anos Objetivos Ecoeficiência

Leia mais

Motores Eficientes Estado da Arte

Motores Eficientes Estado da Arte Motores Eficientes Estado da Arte Associação Brasileira da Indústria de Máquinas e Equipamentos - fundada em 1937, com o objetivo de mobilizar o setor de máquinas e equipamentos, defendendo os interesses

Leia mais

DIRETORIA DE MEIO AMBIENTE DO SISTEMA FIRJAN CENTRO DE TECNOLOGIA AMBIENTAL

DIRETORIA DE MEIO AMBIENTE DO SISTEMA FIRJAN CENTRO DE TECNOLOGIA AMBIENTAL DIRETORIA DE MEIO AMBIENTE DO SISTEMA FIRJAN CENTRO DE TECNOLOGIA AMBIENTAL - Serviços Analíticos Ambientais DMA - Serviços Analíticos Ocupacionais - Serviços Analíticos Especiais - Serviços Logísticos

Leia mais