UM CURSO BREVE DE HISTÓRIA DA EDUCAÇÃO POR PAUL MONROE

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "UM CURSO BREVE DE HISTÓRIA DA EDUCAÇÃO POR PAUL MONROE"

Transcrição

1 UM CURSO BREVE DE HISTÓRIA DA EDUCAÇÃO POR PAUL MONROE Marta Regina Gimenez Favaro i Universidade Estadual de Londrina Palavras-chave: Ensino de História da Educação, Manual de História da Educação, Formação de Professores. No século XX houve um grande movimento de produção e circulação de saberes relacionados à História da Educação no formato de manuais, no Brasil e no mundo. Uma produção contingenciada pelos saberes disponíveis, pelo acesso e uso das fontes e pelas relações de poder estabelecidas a partir de vínculos institucionais. Neste trabalho, o interesse foi colaborar com uma série de investimentos que vem sendo realizados pela historiografia da educação ao analisar uma experiência particular de escrita. Trata-se de A Brief Course in the History of Education, publicado nos Estados Unidos em 1907, cuja autoria é do norte-americano Paul Monroe ( ). Para a realização deste trabalho tomou-se como base o livro em sua décima primeira edição, publicado no ano de 1976, sendo realizado em momentos específicos do texto o cotejamento entre o texto da 11ª edição (1976) e da 1ª edição (1939), edições brasileiras. A escolha do livro História da Educação, título assumido na tradução brasileira, se justifica na medida em que estudos recentes ii apontam que ele teve uma significativa circulação no Brasil, especialmente nos espaços de formação de professores. O objetivo se definiu na tentativa de compreender a escrita empreendida por este sujeito em seu manual, o recurso metodológico utilizado, os vínculos institucionais por ele estabelecidos e os saberes que fez circular acerca da História da Educação, principalmente no que respeita à História da Educação na América. A metodologia utilizada foi fundamentalmente a análise documental, particularmente a bibliográfica. O texto foi organizado em dois núcleos de discussão, buscando apresentar, primeiramente o autor e num segundo núcleo, apresentar A Brief Course in the History of Education no Brasil, sua tradução, circulação e os saberes nele impressos que representaram a história da educação americana. Vários autores já se debruçaram num trabalho de análise do manual História da Educação de Paul Monroe iii, portanto, não foi assumida aqui a pretensão de ineditismo e sim de colaboração. PAUL MONROE: PROFESSOR E AUTOR O professor norte americano Paul Monroe ( ), nasceu em North Madison, Indiana. Graduado pelo Franklin College e pela Universidade de

2 Chicago especializou-se nos métodos dos estudos Sociológicos e Históricos sendo em 1897 nomeado docente de História numa escola profissional de educadores o Teachers College da Universidade de Columbia. Assumiu em 1902 a Cátedra de História da Educação. Suas contribuições no campo da educação e também da História da Educação, deram ao professor Paul Monroe uma reputação internacional, ele participou de diferentes organizações que tinham por objetivo discutir os rumos da educação pública. Os seus livros ajudaram a dar à educação e à História da Educação uma posição de grande importância nos Estados Unidos, no início do século XX. Segundo Henry Suzzallo ex-aluno de Monroe e também professor do Teachers College da Columbia University, Erraríamos, porém, se restringíssemos nossa visão da obra de Monroe à obra do Historiador da educação. Ele não foi um simples historiador que tivesse traçado a evolução de uma determinada instituição. Será muito mais exato dizer que o dr. Monroe é um educador com um interesse especializado nas fases históricas de sua profissão. Seu preparo sociológico e a inclinação de seu espírito não lhe permitiram jamais encarar de um modo fragmentário uma importante instituição social. Na realidade, a influência de seu espírito compreensivo e organizador se estendeu a todo o campo do saber educacional através das obras que dirigiu e editou, pondo ao alcance do leigo e do profissional os produtos do estudo científico da educação. (1976, p.xxvii, grifos meus) A caracterização de Monroe apresentada por Suzzallo fez aparecer um profissional comprometido com a reflexão educacional, uma reflexão baseada em fatos cuidadosamente verificados (1976, p.xxiii). Um profissional que influenciou pelo seu trabalho de pesquisa gerações de professores e pesquisadores, fundamentalmente, pelo rigor no desenvolvimento da pesquisa histórica. Esta referência ao trabalho de Monroe foi escrita por Suzzallo em 1925, composta em homenagem ao mestre por ocasião da passagem do seu jubileu de magistério. Importante observar no escrito o relevo dado ao procedimento de pesquisa empreendido pelo mestre: ele nunca trataria uma instituição social de modo fragmentário, buscava elaborar uma reflexão baseada em fatos cuidadosamente verificados. Elevou a História da Educação ao único setor da educação que possuía métodos satisfatórios de pesquisa, colocando em destaque o preparo sociológico do mestre. Segundo Monroe o grande problema no estudo da História da Educação está na coordenação do suficiente material histórico, a fim de dar corpo ao assunto em estudo e indicar a afinidade entre a história ou a vida social e a educação (1976, prefácio). Não foi possível precisar quais as características do método utilizado

3 por Monroe, é possível destacar do que ele mesmo afirma no texto, sua preocupação em tratar os fatos educacionais considerando o seu contexto, evitando as generalizações sem fundamento, observando com atenção e fazendo ver na escrita as fontes consultadas. Um exemplo disto pode ser observado no seu texto quando apresentou a Educação Oriental destacando deste conjunto a China. Diz ele: Consequentemente muitos sistemas históricos de educação têm de ser incluídos neste estádio. E como nosso interesse está na evolução histórica e não no estudo de pormenores [...] consideramos tãosomente um sistema, o da China, com breves referências a outros. Pois que, de todos estes sistemas, o chinês não é só o mais elaborado e o de mais longa duração, como também o que oferece, na atualidade, as melhores oportunidades de estudo. (MONROE, 1976, p. 12 grifos meus) O procedimento utilizado por Monroe para compor o livro, foi o de valorizar uma visada panorâmica da História da Educação, como afirmam Gondra & Silva, em que a organização da narrativa foi ancorada num ordenamento cronológico [...] e no enfoque enciclopédico (2011, p.709). Nesta perspectiva ele operou uma seleção de acontecimentos que na sua percepção expressariam o momento histórico de evolução, de organização dos espaços de transmissão da cultura letrada e das reflexões e soluções que aquela sociedade (contigenciada pela organização cultural, política, econômica e pelas relações de poder constituídas), alcançou. Esta operação poderia tornar-se referência para compreensão dos fatos educacionais no tempo, condição indispensável aos professores em formação. Parece então que a seleção proposta por Monroe considerou os acontecimentos mais expressivos e aqueles em que se pôde acessar o maior número de referências para a pesquisa, textos, documentos, imagens. Talvez uma preocupação com o acesso às fontes e por meio delas maior credibilidade da interpretação. Em relação às fontes utilizadas por Monroe na produção de seu livro, pode-se afirmar conforme Gondra & Silva que sua escrita, decorre fundamentalmente da leitura de outros livros, da produção intelectual dos líderes mencionados e de outras obras de História da Educação e de modo especial de enciclopédias (2011, p. 716). Afirmou que somente com a reunião do maior número de referências, de fontes a respeito de um determinado assunto, e da análise objetiva deste material é que seria possível dar à História da Educação a condição de aceitação acadêmica, de maior precisão e de um caráter científico. No que respeita às fontes é possível supor, primeiro, que as ilustrações iv utilizadas, para além de ser recurso de facilitação da leitura, serviram para

4 indicar que foram fontes de interpretação histórica, pois são representações das experiências vividas pelos homens num determinado tempo e lugar. Segundo, que o recurso às citações diretas de autores da época estudada, de estudiosos destes períodos, e também o trabalho com as teorias/ideias de pensadores que foram referência na elaboração de discursos sobre a formação humana e sobre as práticas pedagógicas, tenham servido como fonte e como dispositivo de legitimação de sua narrativa histórica. Ao falar da obra de Monroe, Suzzallo avalia o contexto em que viveu seu mestre, indicando as condições de mudança social e educacional vividas nos Estados Unidos no último quartel do século XIX e início do século XX, representado como período de extraordinário desenvolvimento da educação americana em que estão presentes novos debates sobre filosofia educacional, um debate ampliado que tornou obrigatório o estudo comparado das instituições educativas, pois tornou-se evidente que as escolas serviam em diferentes épocas e lugares a propósitos nacionais e sociais diferentes (SUZZALLO, 1976, p. XXIV). Esclarece que os estudos realizados à época restringiam-se ao momento atual, o que não era suficiente. Aí a importância assumida pela História da Educação como área de pesquisa e disciplina de ensino na apresentação de um novo recurso interpretativo do contexto educacional e de suas instituições. Não é possível afirmar, pelo menos nos limites deste trabalho, que Monroe tenha em seu livro História da Educação empreendido um esforço de educação comparada, ou um estudo comparado conforme Suzzallo, mas ele elege alguns territórios como referência de análise na elaboração de sua narrativa sobre a História da Educação. Por exemplo: ao falar do Renascimento e do Humanismo elegeu as escolas inglesas e as escolas da Colônia Americana; ao falar da Reforma e Contra-Reforma, fez menção às escolas puritanas da Nova Inglaterra (América) e as experiências da Alemanha, Holanda e Escócia; Ao falar do Realismo, tomou como referência as escolas Reais na Alemanha, as academias na Inglaterra e as academias na América, principalmente as academias das Colônias do Centro ; Ao falar do conceito disciplinar de John Locke, referiu-se a expressão da educação disciplinar na Inglaterra, na Alemanha e a experiência da educação disciplinar na América; Ao discutir o que ele chamou de tendência psicológica na educação destacando o trabalho de Pestalozzi, Herbart e Froebel, apresentou experiências relacionadas a estes estudos na Suiça, na Alemanha, na Inglaterra indicando que é pela Inglaterra que os Estados Unidos receberam a influência de Pestalozzi e fez menção também a experiência na França; Ao falar da Tendência Científica ele fez uma apresentação da influência desta tendência na composição

5 curricular nas Universidades e nos Colleges, na Educação Secundária e na Escola Elementar, destacou experiências nestes diferentes espaços de escolarização, na Alemanha, na Inglaterra e nos Estados Unidos. No capítulo em que tratou a tendência sociológica, fez a apresentação das ideias educacionais dos principais líderes políticos. O capítulo todo tomou por referência os Estados Unidos, citando também a realidade vivida na Alemanha, Inglaterra e França. A realidade educacional na Alemanha, na Inglaterra e na América, mais precisamente nos Estados Unidos, foram o foco da análise de Monroe. Foi possível perceber um esforço de apresentação, aos leitores principalmente aos professores/leitores, da História da Educação a partir da História das Sociedades, oferecendo uma representação da História da Educação do contexto geral e da realidade local, ao narrar aspectos da história da educação nos Estados Unidos. O final do século XIX e início do século XX, fase dos primeiros escritos de Monroe, foi um período que segundo Lorenz, houve uma ampliação significativa dos espaços de formação de professores, primeiramente as escolas normais v e depois a formação de professores no ensino superior vi. Neste campo destaca a importância do trabalho de Monroe, fundamentalmente por ter sido a História da Educação uma disciplina que ocupou espaço de destaque, em termos de presença e constância, nos currículos destas Instituições. Ao assumir a História da Educação como referência da sua pesquisa ele empreendeu um tratamento diferenciado do acontecimento histórico, comparativamente aos empreendimentos de sua época. Para Lorenz, ele Promoveu uma análise mais objetiva dos acontecimentos e pensamentos do passado, minimizando as considerações filosóficas e teológicas e acentuando a formulação indutiva de generalizações a respeito dos fatos históricos. Em 1905, publicou o livro A Text Book in the History of Education, que foi classificado em 1910 pela Enciclopaedia Britannica como a melhor história geral em inglês (CHAMBLISS, 1994, p.38). [...] Sua abordagem focalizou o método indutivo e não o dedutivo, que permeava as interpretações racionalistas da história educacional até então circulando. (LORENZ, 2009, p.151) Além do Text Book in History of Education (1905), alguns outros textos de autoria do professor Paul Monroe, 1901 Source Book in the History of Education for the Greek and Roman Period; 1904 Thomas Platter and the Educational Renaissance of the Sixteenth Century; 1907 A Brief-Course in the History of Education, referência deste trabalho; 1912 Cyclopedia of Education. Foi possível observar pelos registros constantes nos sites: archive.org, alibris.com, amazon.com, ebook.liv.hku.hk que o texto

6 A Brief-Course in the History of Education teve uma ampla e ainda recente circulação vii, considerando o texto na sua versão na língua inglesa. A BRIEF COURSE IN THE HISTORY OF EDUCATION NO BRASIL O texto A Brief Course in the History of Education foi traduzido para o português no Brasil pela primeira vez em Na 1ª e 2ª edições, 1939 viii e 1946 ix respectivamente, a tradução ficou sob a responsabilidade de Nelson Cunha de Azevedo x. Na 3ª edição de 1952 xi consta a tradução de Idel Becker e Terezinha G. Garcia, sendo indicado na folha de rosto que se tratava de uma nova tradução. Já na 11ª edição de 1976 xii, foi indicado somente o nome de Idel Becker xiii como responsável pela tradução e notas. A versão brasileira do texto de Monroe, contou com dezenove edições entre os anos de 1939 a 1987, alcançando uma tiragem de aproximadamente noventa mil exemplares xiv. O Livro História da Educação de Monroe fazia parte da Coleção Atualidades Pedagógicas, publicada pela Companhia Editora Nacional. A Nacional foi fundada em 1925, organizada a partir do fundo da Editora Monteiro Lobato e Cia que pediu falência, neste mesmo ano. Em 1974 a Companhia Editora Nacional (CEN) passa a ser administrada pelo Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico (BNDE) em função da morte de Octalles Marcondes Ferreira (1973) um de seus sócios, sendo em 1980, adquirida pelo Instituto Brasileiro de Edições Pedagógicas (IBEP) ainda proprietário xv. Com o crescimento do mercado escolar, a Companhia Editora Nacional passaria a trabalhar para diferentes públicos, principalmente por meio das coleções (Roballo, 2011, p. 2). São instituídos, segundo Toledo, dois níveis de intervenção no mundo editorial, um dos níveis a intervenção cultural, quando a ação editorial se prepara para a ampliação do mercado leitor, mais especificamente do professor/leitor. A ampliação e organização dos espaços de formação de professores contigencia a proposição de práticas de leituras adequadas a eles. Um outro nível de intervenção, foi a intervenção pedagógica, no sentido de seleção e adaptação de um conjunto de textos e autores adequados ao programa de formação de professores. A Coleção Atualidades Pedagógicas (CAP) foi fundada por Fernando de Azevedo em 1931 e compunha a Biblioteca Pedagógica Brasileira (BPB) que era um dos projetos editoriais da CEN. A BPB era composta também por outras 4 coleções, Literatura Infantil, Livros Didáticos, Iniciação Científica e Brasiliana. Azevedo dirigiu a CAP até Em 1946 é substituído por João Baptista Damasco Penna, que se

7 tornou tanto diretor da CAP (até 1978) como da coleção Iniciação Científica (também idealizada por Fernando de Azevedo). Segundo Roballo, referindo-se às edições do livro História da Educação de Monroe, apenas uma foi publicada Durante a gestão de Azevedo (1939), as demais tornar-se-iam parte da coleção permanente padrão azevediano, sendo publicadas na gestão de Damasco Penna (1946, 1952, 1953, 1956, 1958, 1968, 1969, 1970, 1972, 1974, 1976, 1977, 1978, 1979, 1983, 1984, 1985 e 1987) (ROBALLO, 2011, p.4) xvi. Segundo Toledo as duas direções, a de Azevedo e Damasco Penna imprimiram à Coleção orientações distintas. Em relação à primeira, do ponto de vista comercial, significou uma resposta editorial à demanda por livros de formação de professores, considerados de qualidade. Qualidade essa advinda do renome do Educador e da rede de autores que este mobilizou para publicar na Coleção. Mais especificamente, significou a sintonia entre o programa de leitura da Coleção e a demanda específica por uma nova literatura educacional produzida pelas reformas educacionais empreendidas pelo próprio Educador e por seus pares. (2006, p.131) O trabalho de Azevedo foi orientado por suas convicções a respeito da importância da formação do homem pelo acesso à cultura letrada, sendo a escola um espaço privilegiado deste acesso. Como um dos principais representantes do Movimento da Educação Renovada orientou seu trabalho na editora a partir da preocupação de propiciar aos professores em atuação e em formação a boa e adequada literatura pedagógica. Livros que tratassem das várias ciências da educação de maneira rigorosa e aprofundada. Este projeto perdurou até 1946, quando a direção da Coleção é assumida por Damasco Penna. Ele assume a Coleção, procurando adaptá-la ao mercado de livros para a educação, assim como às condições políticas do campo educacional, redesenhando o programa de formação do professor nela impresso. [...] Penna transforma a Coleção em um projeto editorial bem montado naquilo que se propôs a fazer: oferecer textos de reflexão sobre o problema fundamental da atividade educativa, em todas as suas formas; textos que oferecessem conhecimentos efetivos para o leitor (Penna, 1950). Daí a fórmula eficaz do compêndio ou manual traduzido que propunha visões panorâmicas dos diferentes âmbitos da pedagogia em linguagem fácil, oferecendo idéias utilizáveis pelos educadores e estudantes na sua atividade educativa. (TOLEDO, 2006, p. 132 e 133) Segundo Roballo, entre 1930 e 1980 seriam 58 manuais de História da Educação publicados pela CAP (entre primeiras impressões e reimpressões) (2011, p. 3). Dentre eles a História da Educação de Paul Monroe. O cotejamento da 1ª edição (1939) com a 11ª edição (1976) permitiu verificar, como apontado por Toledo (2006)

8 algumas diferenças na elaboração da tradução, muito provavelmente em função dos projetos distintos assumidos primeiro por Azevedo e posteriormente por Damasco Penna. No que se refere a sua materialidade observou-se que o livro apresentou a seguinte organização, respectivamente na 1ª edição 1939 e na 11ª edição de ª edição ª edição páginas 387 páginas, 14 quatorze capítulos 31 imagens ou ilustrações 14 quatorze capítulos 14 imagens ou ilustrações Apresenta na orelha do livro a série Apresenta na orelha o autor Paul Monroe e Atualidades Pedagógicas pertencente à o livro História da Educação Biblioteca Pedagógica Brasileira Informa: do original norte-americano A Brief Course in the History of Education. Não é informado o ano da edição que foi assumida como referência para a tradução. Índice indicando os principais temas, comparativamente à 11ª edição mais breve. Exemplo: Capítulo VIII Educação Realista Que é o realismo? 1 Realismo Humanista O conceito de Educação Representantes realistas-humanistas O efeito do realismo humanista sobre o trabalho escolar 2 Realismo social O conceito educacional Montaigne vs Ascham em referência à educação realista social O conceito de Montaigne sobre a educação O realismo social nas escolas 3 Realismo sensorial Os característicos gerais do realismo sensorial Alguns representantes do realismo sensorial Os efeitos do realismo sensorial nas escolas Sumario Referências (MONROE, 1939, p.xii) Informa: do original inglês A Brief Course in the History of Education publicado por The Macmillan Company, New York 1949 Índice detalhado indicando os vários temas tratados em cada capítulo. Exemplo: Capítulo VIII Educação Realista Que é o realismo? 1- Realismo Humanista O conceito de Educação Realistas-Humanistas representativos Rabelais Milton Efeito do realismo Humanista no trabalho escolar 2 Realismo Social O conceito educacional Montaigne vs. Ascham em relação à educação social realista. O conceito de Montaigne sobre a educação A finalidade da educação de acordo com Montaigne é a virtude O conteúdo da Educação O método da educação O realismo social nas escolas 3 Realismo Sensorial Características gerais do realismo sensorial Alguns representantes do realismo sensorial Richard Mulcaster Francis Bacon A influência educacional de Bacon Objetivo e conteúdo Método A posição de Bacon na educação Wolfgang Ratke João Amós Comênio A finalidade da educação O conteúdo da educação O método Livros didáticos

9 No cabeçalho de cada capítulo são reapresentadas as informações do índice. Ao final é disponibilizado o que o autor chamou de sumário, com a seleção dos principais pontos discutidos, na percepção do autor. Este recurso também esta presente na 11ª edição. Ainda são apresentadas referências bibliográficas xvii ao final de cada capítulo e quadros cronológicos no final dos capítulos: 2, 3, 4, 5, 9 e 10 xviii, num total de seis quadros. O livro também é composto por notas xix de rodapé de página. Organização da escolas A escola vernácula A Didáctica Magna Efeitos do realismo sensorial nas escolas As escolas reais As academias na Inglaterra Na América As Universidades Sumário (MONROE, 1976, p.xv) Todo capítulo é encerrado com um sumário indicando os principais temas abordados. Ao final do livro são apresentados os quadros cronológicos, num total de seis quadros. Nesta edição não são apresentadas referências bibliográficas ao final dos capítulos. O livro também é composto por notas xx de rodapé de página. A tradução feita por Nelson Cunha de Azevedo (1ª edição 1939) em relação a de Idel Becker (11ª 1976), primou pela apresentação de numerosa referência bibliográfica num total de 323, e também pela apresentação como recurso de facilitação da leitura um pouco mais do dobro de ilustrações, 31 no total. Numa comparação não muito detida entre as edições brasileiras e exemplares do original norte-americano de 1907 xxi pode-se perceber que o original A Brief Course in the History of Education (1907) xxii também não traz referências bibliográficas no final dos capítulos. Esta constatação apresenta um fato curioso, o professor Cunha de Azevedo realizou um trabalho de tradução, mais também de composição do texto no sentido de introdução de informações que não constavam no original traduzido. No particular deste livro talvez esta composição pudesse ser caracterizada como didática, porque propôs a apresentação de outros recursos de leitura para além daqueles expressos no original. As referências apresentadas por Nelson Cunha de Azevedo são idênticas às referências apresentadas no original norte americano do Text-Book in the History of Education xxiii, ele foi publicado em 1ª edição em O A Brief Course in the History of Education é um resumo do Text-Book. Parece que o tradutor brasileiro fez a opção por enriquecer as informações oferecendo ao professor/leitor as referências para complementação de estudos. Assim, é possível supor que o professor Cunha de Azevedo utilizou dos dois textos, a saber, o A Brief Course in the History of Education e o Text Book in the History of Education, como base para o seu exercício de tradução. Em relação aos aspectos apontados anteriormente, é possível afirmar que a tradução realizada pelo professor Idel Becker do original A Brief Course in the History

10 of Education (edição 1949) foi fiel a organização do texto original. É necessário destacar que mesmo não constando referências bibliográficas ao final do capítulo são apresentadas 15 notas de rodapé de página com referências bibliográficas, nesta tradução. Em relação à composição ou escrita do texto o que foi possível perceber comparativamente entre as duas traduções a de 1939 e a de 1976, foi uma variação de estilo literário. Não foram identificadas alterações nas informações nem tampouco ampliação ou redução do texto. Nas duas edições foram localizados 19 registros em que o autor apresentou informações referentes à América / Estados Unidos. Nos primeiros 4 registros Monroe desenvolve uma comparação ou aproximação entre aspectos da educação antiga e a de seu tempo, indicando permanências e distanciamentos. Ao falar dos Gregos e do que ele denominou de educação liberal, assim se expressou, Em matéria de liberdade política, de liberdade e capacidade intelectual, de liberdade moral e conceito de vida, de apreciação estética e poder de realização fizemos apenas uma grande modificação a de substituir a expressão estética da personalidade pela realização material. Tal modificação não é uma benção, nem um progresso a que não tenhamos de opor reservas. (p.29) Uma fase mais interessante da vida da criança, [...] é ilustrada pela literatura grega, que menciona ou descreve uma lista muito extensa de jogos para as crianças, incluindo praticamente todos os que temos hoje. (p.41) O contraste mais relevante entre a educação grega e a educação moderna acha-se, não na organização, mas no conteúdo, especialmente na importância dada à ginástica. [...] Não se entregavam a jogos e disputas físicas por simples acidente, como acontece com o jovem moderno, nem participava dessas competições um pequeno grupo para o entretenimento dos demais, nem os padrões de excelência eram os mesmos que os modernos. (1976, p. 43 e 44 grifo meu) Nos outros registros ao apresentar a organização educacional no contexto geral, traz a experiência desenvolvida na América / Estados Unidos, a partir daí, com exceção do capítulo 13, o que Monroe fez foi apresentar, a partir da seleção dos acontecimentos, a organização social e cultural e nesta, aspectos do desenvolvimento dos espaços de transmissão da cultura letrada, em determinados momentos da organização escolar. Na página170 apresenta a organização das Escolas de Gramática nas colônias americanas como sendo um processo de transplantação da escola pública inglesa. Ao falar do contexto da Reforma e Contra-Reforma indica que na América os sistemas de escolas mais antigos eram os das colônias puritanas da Nova Inglaterra, diz ele a primeira lei geral que dispôs sobre as escolas foi decretada em 1647, pela colônia da Baía de

11 Massachusetts (MONROE, p. 192). Ao tratar das implicações do Realismo na educação seleciona os exemplos de reorganização curricular xxiv implementada principalmente pelas Colônias do Centro (América) no sentido de atender aos interesses econômicos e práticos do povo (p.229). Ao avaliar o conceito disciplinar de educação refere-se à John Locke e busca identificar este conceito na organização escolar de alguns territórios. Ao falar da América refere-se aos Estados Unidos, informando que ali, por motivo de natureza social, o abandono das ideias antigas veio muito mais cedo (MONROE, p.245). Ele se refere à gradativa substituição da ideia disciplinar, das escolas antigas de gramática latina pelas academias e da instalação do sistema facultativo na organização pedagógico-curricular nas escolas americanas. Quando propõe a discussão sobre a tendência psicológica toma como mote de análise nos territórios escolhidos o método e a formação dos mestres, no caso dos Estados Unidos faz menção às condições da escola distrital (p.287), da influência pestalozziana exercida nos Estados Unidos por intermédio da Inglaterra (MONROE, p. 311). Indica as datas de publicação da literatura Herbartiana nos Estados Unidos ( ), ressaltando a importância neste contexto do Relatório do Comitê dos Quinze sobre Escolas Elementares, apresentado à Associação Nacional de Educação, em Esclarece que este relatório tinha a intenção de propor a unificação do trabalho da escola elementar e a sugestão de melhores métodos de estudos (MONROE, p. 313). Fala da experiência do primeiro jardim de infância nos Estados Unidos fundado em Boston em Ao referir-se à tendência científica ocupa-se da análise da revisão dos conteúdos e métodos empreendida pelos espaços escolares, com a ampliação dos chamados conhecimentos científicos. Apresenta o movimento de inserção dos conhecimentos científicos nas Universidades e Colégios, nas Escolas Secundárias e nas Elementares. Escolhe três territórios para esta análise, Estados Unidos, Alemanha e Inglaterra. No capítulo reservado ao tratamento da tendência sociológica, diz Monroe, Os sociólogos consideram a educação como processo de perpetuar e desenvolver a sociedade; encaram a matéria através do estudo da estrutura social, das atividades sociais, das necessidades sociais; consideram a finalidade da educação como sendo a preparação do indivíduo para a participação com êxito nas atividades econômicas, políticas e sociais de seus companheiros. [...] do ponto de vista de que a educação é o processo de desenvolvimento da sociedade [...] seguese o corolário de que todos os membros da sociedade devem participar deste desenvolvimento. À ampliação dos sistemas de escola pública baseados na ideia de educação universal e gratuita seguiu-se, como

12 uma consequência necessária, a aceitação destes princípios. (MONROE, 335 e 336) Neste contexto, o problema analisado foi a constituição dos sistemas públicos de ensino. Destaca então, as ideias educacionais dos líderes políticos citando os povos alemães, Frederico O Grande da Prussia, Maria Teresa da Áustria, Franklin, Washington, Thomas Jefferson e James Madison. Em quase todo o capítulo faz menção aos Estados Unidos, elegendo também os territórios da Alemanha, Inglaterra e França. O texto é um exercício de escrita histórica que mescla a História da Educação Geral com a narrativa de uma História da Educação local. Apresentou a partir de uma organização cronológica diferentes experiências relacionadas à formação humana, objetivos educacionais, organização curricular, métodos, práticas pedagógicas, os espaços de transmissão da cultura letrada e suas características em diferentes tempos e territórios. Esta história foi narrada a partir da análise do contexto social e cultural, dos discursos políticos e das teorias pedagógicas fincadas, na filosofia, na psicologia ou na sociologia. Prescrições? Modelos? Não é possível afirmar que tivesse sido esta intenção de Monroe, ao mesmo tempo, que não é possível negar que em seu livro ele tenha usado da seleção de exemplos que expressassem a evolução educacional das sociedades. Mais do que isso ele selecionou na sua narrativa histórica a experiência de alguns territórios, sendo privilegiada, a da Inglaterra, talvez em função do processo de colonização, a da Alemanha e o seu território, a da América, mais precisamente a experiência dos Estados Unidos. Elegeu como orientação da narrativa uma visada panorâmica sobre a organização da sociedade destacando ali aspectos do desenvolvimento e da organização dos espaços de transmissão da cultura letrada, buscando demonstrar que aquele desenvolvimento e organização são expressões de uma organização social mais ampla. Em alguns momentos do texto fez ver na escrita as fontes consultadas. Monroe caracterizou seu livro como um livro que possui mais material do que outros livros sobre o assunto e como um livro destinado às escolas normais. Talvez para Monroe a pergunta que tenha motivado a elaboração de seu livro, tenha sido: o que é indispensável que um professor em formação saiba sobre a história da sua profissão e do seu espaço de atuação? Num contexto em a escola, ou o sistema escolar ganhava força como o espaço adequado à formação para a cidadania e para a economia? e num contexto em que os espaços de formação de professores ganhava

13 visibilidade? Em resposta a este problema, e muito provavelmente como outros autores de manuais de História da Educação, em resposta às demandas do seu ofício, ele trouxe a público o resultado do seu trabalho de pesquisa. Como disse Suzzallo, toda vez que a influência educacional americana ultrapassa as fronteiras nacionais, lá achamos Paul Monroe, a aconselhar, a estudar e a sugerir (1976). REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS ASCOLANI, Adrián; GONDRA, José Gonçalves. Pela classe, pelo livro: a fundação de uma História da Educação para professores, no Brasil e na Argentina. In: VIDAL, Diana G.; ASCOLANI, Adrián. Reformas educativas no Brasil e na Argentina: ensaios de história comparada de educação ( ). (org.) São Paulo : Cortez, BASTOS, Maria Helena Camara. Uma Biografia dos Manuais de História da Educação adotados no Brasil ( ). Anais do VI COLUBHE, Acesso em 25/06/12. FOUCAULT, Michel. Ditos e Escritos II: Arqueologia das ciências e história dos sistemas de pensamento. Organização e seleção dos textos, Manuel Barros de Motta; tradução, Elisa Monteiro. 2.ed. Rio de Janeiro: Forense Universitária, GONDRA, José & SILVA, José Claudio S. Textbooks in the History of Education: Notas para pensar as narrativas de Paul Monroe, Stephen Duggan e Afranio Peixoto. Brasília: Revista Brasileira de Estudos Pedagógicos MEC/INEP, 2011a. GONDRA, José & SILY, Paulo. Narrativas da História e Representações do Estado: Um estudo do caso Stephen Duggan ( ). In Anais do 33ª ISCHE. San Luis de Potosi, Mexico, 2011b. GONDRA, José Gonçalves. Pesquisa em história da educação no Brasil. (org.) Rio de Janeiro : DP&A, GONDRA, José Gonçalves; SCHULER, Alessandra. Educação, poder e sociedade no Império brasileiro. São Paulo : Cortez, GONDRA, José & SILVA, José Cláudio (orgs). História da educação na América Latina: ensinar & escrever. Rio de Janeiro: EDUERJ, LORENZ, Karl. A História da Educação e o Ensino Pós-secundário nos Estados Unidos ( ). In: GATTI JUNIOR, Décio; MONARCHA, Carlos; BASTOS, Maria Helena Camara. (orgs) O Ensino de História da Educação em perspectiva internacional. Uberlândia : EDUFU, MONROE, Paul. História da Educação. Do original inglês A Brief Course in the History of Education. Tradução de Nelson Cunha de Azevedo. 1ª ed. São Paulo : Companhia Editora Nacional, MONROE, Paul. História da Educação. Do original inglês A Brief Course in the History of Education. Tradução de Idel Becker. 11ª ed. São Paulo : Companhia Editora Nacional, PROST, Antoine. Doze lições sobre a história. Tradução: Guilherme João de Freitas Teixeira. 2.ed. Belo Horizonte : Autêntica Editora, REVEL, Jacques. Proposições: ensaios de História e Historiografia. Tradução de Cláudia O Connor dos Reis. Revisão técnica: Francisco César Manhães Monteiro e José Gonçalves Gondra. Rio de Janeiro : EdUERJ, REVEL, Jacques. História e Historiografia: exercícios críticos. Tradução de Carmem Lúcia Druciak. Revisão da tradução: Serlei Maria Fischer Ranzi, Maclovia Correia da Silva. Curitiba : Ed. UFPR, ROBALLO, Roberlayne de Oliveira Borges. O manual Brief course in the history of education do professor norte americano Paul Monroe: subsídio para os processos de formação de professores a partir de 1930 no Brasil. Anais do X CONGRESSO NACIONAL DE EDUCAÇÃO EDUCERE. Curitiba, PUC/PR, 2011.

14 ROBALLO, Roberlayne de Oliveira Borges. Livros de História da Educação da Coleção Atualidades Pedagógicas ( ): um espaço de memória da formação docente. Anais do VI CBHE, ISSN ROBALLO, Roberlayne de Oliveira Borges. Manuais de História da Educação da Coleção Atualidades Pedagógicas ( ): verba volant, scripta manant. Tese de Doutorado defendida no Programa de Pós-Graduação em Educação da UFPR, Acesso em 09/08/12. TOLEDO, Maria Rita de Almeida. Coleção Atualidades Pedagógicas do Projeto Político ao Projeto Editorial ( ). Tese de doutorado apresenta ao Programa de Pós-Graduação em educação da PUC/SP, TOLEDO, Maria Rita de Almenida. A indústria de livros, a materialidade do impresso e o campo educacional: reflexões sobre a organização do acervo História da Companhia Editora Nacional. Congresso Brasileiro de História da Educação, eixo 1, Acesso em 25/08/2012. TOLEDO, Maria Rita de Almeida. Mediação Editorial e estratégia de intervenção no campo pedagógico: o caso das Atualidades Pedagógicas, sob a direção de J.B. Damasco Penna. Anais do COLUBHE, TOLEDO, Maria Rita de Almeida. Modelos de leitura em disputa: a concorrência entre as coleções Atualidades Pedagógicas e Cultura, Sociedade e Educação, nos bastidores da Companhia Editora Nacional (década de 1962). Acesso em 08/08/2012. i Professora de História da Educação na Universidade Estadual de Londrina / UEL. Doutoranda na Universidade do Estado do Rio de Janeiro / UERJ. Bolsista FAPERJ (Fundação Carlos Chagas Filho de Amparo à Pesquisa do Estado do Rio de Janeiro). ii Conferir: BASTOS, Maria Helena Camara. Uma biografia dos manuais de História da Educação adotados no Brasil ( ). Anais do VI COLUBHE, Acesso em 25/06/12. ROBALLO, Roberlayne de Oliveira Borges. Manuais de História da Educação da Coleção Atualidades Pedagógicas ( ) verba volant, scripta manent. Tese apresentada ao programa de pósgraduação em educação da UFPR, Acesso TOLEDO, Maria Rita de Almeida. Coleção Atualidades Pedagógicas do Projeto Político ao Projeto Editorial ( ). Tese de doutorado apresenta ao Programa de Pós-Graduação em educação da PUC/SP, iii Indico como referências nesta discussão: GONDRA, José & SILVA, José Claudio Sooma. Textbooks in the History of Education: Notas para pensar as narrativas de Paul Monroe, Stephen Duggan e Afranio Peixoto. Brasília: Revista Brasileira de Estudos Pedagógicos MEC/INEP, 2011ª. ROBALLO, Roberlayne de Oliveira Borges. O manual Brief course in the history of education do professor norte americano Paul Monroe: subsídio para os processos de formação de professores a partir de 1930 no Brasil. Anais do X CONGRESSO NACIONAL DE EDUCAÇÃO EDUCERE. Curitiba, PUC/PR, ROBALLO, Roberlayne de Oliveira Borges. Manuais de História da Educação da Coleção Atualidades Pedagógicas ( ): verba volant, scripta manant. Tese de Doutorado defendida no Programa de Pós-Graduação em Educação da UFPR, Acesso em 09/08/12. iv Exemplos das ilustrações: Representação do Túmulo Egípcio; pintura em vaso período antiguidade grega; gravura em madeira do século XV; gravura em madeira do século XVI; Representação da escola monitorial do manual das Escolas de Georgetown (1817). v Segundo Lorenz (2009) a primeira referência oficial ao ensino normal na rede pública nos Estados Unidos surgiu em vi Segundo Lorenz (2009) no período de 1880 a 1900 muitas Universidades transformaram seus Cursos Normais em Departamentos de Pedagogia e Departamentos de Educação. vii Foi possível verificar no site archive.org, 6 edições digitalizadas do a A Brief-Course in the History of Education (1907, 1912, 1914, 1916, 1924 e 1928); no alibris.com edições à venda de 1910, 1913, 2003 (pela editora University Press of the Pacific) e uma edição de 2010; no site ebook.liv.hku.hk em versão digitalizada uma edição de 1922, todas estas edições em inglês. Também no archive.org estão

15 digitalizados exemplares do Text-Book in the History of Education de 10 edições diferentes (1905, , 1910, 1911, 1914, 1916, 1926, 1930 e 1935). Mesmo que as informações apresentadas não sejam conclusivas no que respeita aos dados de publicação e circulação, pois o mapeamento não está completo, os dados indicam que houve um expressivo número de edições e que ainda no século XXI (2003 e 2010) o livro foi reeditado. viii Na edição de 1939 informado tradução de Nelson Cunha de Azevedo do original norte-americano A Brief Course in the History of Education. Não foi informada qual a edição norte-america tomada como referência para a tradução. ix Na edição de 1946 informado tradução de Nelson Cunha de Azevedo do original norte-americano A Brief Course in the History of Education. Não foi informada qual a edição norte-america tomada como referência para a tradução. x Na edição de 1939 informado como vinculação institucional do Professor Nelson Cunha de Azevedo Assistente da Secção de Educação da Faculdade de Filosofia Ciências e Letras da Universidade de São Paulo. Já na edição de 1946 foi informado como vinculação institucional Professor de Educação da Escola Normal de São Paulo. xi Na edição de 1952 informado que a tradução foi de Idel Becker e Therezinha G. Garcia a partir do original norte-americado A Brief Course in the History of Education. Publicado por Macmillan Company, New York, Não foi identificada a vinculação institucional dos tradutores. xii Na edição de 1976 informado que a tradução foi de Idel Becker a partir do original inglês A Brief Course in the History of Education. Publicado por Macmillan Company, New York, xiii Na edição de 1976 foi informada como vinculação institucional do professor Idel Becker: Da Faculdade de Filosofia, Ciências e Letras da Universidade Mackenzie (Secções Letras e Pedagogia). xiv Tiragem do livro História da Educação de Paul Monroe por edição: (1939); (1946); 4.050(1952); (1953); (1956); (1958); (1968); (1969); (1970); (1972); (1976); (1977); (1978); (1979); (1983); (1984); (1985); (1987). Fonte: TOLEDO (2001) citada por ROBALLO, xv Fonte: TOLEDO, Maria Rita de Almeida. A indústria de livros, a materialidade do impresso e o campo educacional: reflexões sobre a organização do acervo História da Companhia Editora Nacional. Congresso Brasileiro de História da Educação, eixo 1, Acesso em 25/08/2012. xvi ROBALLO, Roberlayne de Oliveira Borges. Livros de História da Educação da Coleção Atualidades Pedagógicas ( ): um espaço de memória da formação docente. Anais VI CBHE Vitória ES. ISSN xvii As referências bibliográficas são apresentadas ao final de cada capítulo. Alguns apenas num bloco, na grande maioria deles as referências estão indicadas por blocos de especificidades. No total são 323, assim distribuídas: cap.1 (6 referências); cap.2 (9 ref.); cap.3 (23 ref.); cap.4 (12 ref.); cap.5 (31 ref.); cap.6 (48 ref.); cap.7 (26 ref.); cap.8 (35 ref.); cap.9 (29 ref.); cap.10 (24 ref.); cap.11 (34 ref.); cap.12 (21 ref.); cap.13 (25 ref.) o capítulo 14 como conclusão não apresenta referências. xviii Esclarece-se que o exemplar consultado está em estado bastante precário, com duas páginas soltas, justamente a dos quadros cronológicos em função disto a indicação dos capítulos 9 e 10 foi feita por aproximação temporal e de conteúdo. xix O número de notas de rodapé nesta edição é menor do que na edição de nota dos editores p. XXI; 2 notas do tradutor (páginas 297 e 300) e uma nota do autor indicando uma referência de citação direta (p. 342). xx Nota dos editores 1 p. XXVII; notas do tradutor 18 (páginas 5; 12; 35; 36; 42; 43; 44; 47; 57; 60; 110; 212; 245; 249; 275; 278; 300 e 332); notas de esclarecimento apresentadas pelo autor 7 (páginas 3; 5; 83; 209; 344; 346 e 352) e notas de referências bibliográficas 15 (páginas 14; 57; 73; 90; 215; 217; 248; 252; 253; 271; 275; 333; 344; 346 e 352). xxi Tomou-se como referência para a comparação a edição de 1907 do A Brief Course in the History of Education e a Edição de 1935 do Text-Book in the History of Education acessado pelo em janeiro de xxii Foi realizada também a conferência do A Brief Course in the History of Education nas edições de 1912, 1914, 1916, 1924 e 1928, nestas também não constam referências bibliográficas. xxiii A comparação foi realizada do livro na edição publicada em 1935 (livro digitalizado pertencente ao acervo do archive.org). xxiv Introdução por exemplo, da matemática prática, agrimensura e navegação.

Lançamento de Livros e Sessão de Autógrafos 12 de Julho - 19h30

Lançamento de Livros e Sessão de Autógrafos 12 de Julho - 19h30 Lançamento de Livros e Sessão de Autógrafos 12 de Julho - 19h30 Ana Isabel Madeira (Apresentação pela autora - sala 1) Referência da Obra: Madeira, A. (2012). A Construção do Saber Comparado em Educação:

Leia mais

REGULAMENTO DA REVISTA ELETRÔNICA MULTIDISCIPLINAR CIÊNCIA & INOVAÇÃO DA FACULDADE DE AMERICANA

REGULAMENTO DA REVISTA ELETRÔNICA MULTIDISCIPLINAR CIÊNCIA & INOVAÇÃO DA FACULDADE DE AMERICANA REGULAMENTO DA REVISTA ELETRÔNICA MULTIDISCIPLINAR CIÊNCIA & INOVAÇÃO DA FACULDADE DE AMERICANA Art. 1º - A Revista Eletrônica Ciência & Inovação, em versão exclusivamente eletrônica, de orientação pluralista,

Leia mais

CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA

CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira INEP Diretoria de Avaliação da Educação Superior - DAES SISTEMA NACIONAL DE AVALIAÇÃO DA EDUCAÇÃO SUPERIOR

Leia mais

REGULAMENTO DOS PROGRAMAS DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU

REGULAMENTO DOS PROGRAMAS DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU REGULAMENTO DOS PROGRAMAS DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU Res. Consun nº 96/10, de 24/11/10. Art. 1º Art. 2º Art. 3º Art. 4º TÍTULO I DOS PROGRAMAS DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU CAPÍTULO I DAS FINALIDADES

Leia mais

Guia de utilização da Base de Dados

Guia de utilização da Base de Dados Guia de utilização da Base de Dados Introdução Este guia tem por objetivos a apresentação do conteúdo da base de dados relativa às traduções de textos de economia incluída no website do EE-T, bem como

Leia mais

Geyso D. Germinari Universidade Estadual do Centro-Oeste

Geyso D. Germinari Universidade Estadual do Centro-Oeste O ENSINO DE HISTÓRIA LOCAL E A FORMAÇÃO DA CONSCIÊNCIA HISTÓRICA DE ALUNOS DO 6º ANO DO ENSINO FUNDAMENTAL: UMA EXPERIÊNCIA COM A UNIDADE TEMÁTICA INVESTIGATIVA Geyso D. Germinari Universidade Estadual

Leia mais

PNBE Programa Nacional Biblioteca da Escola: análise descritiva e crítica de uma política de formação de leitores

PNBE Programa Nacional Biblioteca da Escola: análise descritiva e crítica de uma política de formação de leitores PNBE Programa Nacional Biblioteca da Escola: análise descritiva e crítica de uma política de formação de leitores EMENTA Apresentação e discussão do processo de avaliação e seleção de obras de literatura

Leia mais

EIXOS TEMÁTICOS REFERENCIAS BIBLIOGRÁFICAS

EIXOS TEMÁTICOS REFERENCIAS BIBLIOGRÁFICAS EIXOS TEMÁTICOS 1. Cultura, saberes e práticas escolares e pedagógicas na educação profissional e tecnológica: arquivos escolares, bibliotecas e centros de documentação. Para este eixo temático espera

Leia mais

FACULDADE FRUTAL - FAF REGULAMENTO DE TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO - TCC CURSO DE BACHAREL EM SERVIÇO SOCIAL

FACULDADE FRUTAL - FAF REGULAMENTO DE TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO - TCC CURSO DE BACHAREL EM SERVIÇO SOCIAL FACULDADE FRUTAL - FAF PERTENCENTE AO GRUPO EDUCACIONAL UNIESP REGULAMENTO DE TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO - TCC CURSO DE BACHAREL EM SERVIÇO SOCIAL Frutal/MG 2014 1 UNIÃO DAS INSTITUIÇÕES EDUCACIONAIS

Leia mais

Resenha do livro: GONDRA, José Gonçalves; SCHUELER, Alessandra. Educação, poder e sociedade no Império Brasileiro. Sao Paulo: Cortez, 2008.

Resenha do livro: GONDRA, José Gonçalves; SCHUELER, Alessandra. Educação, poder e sociedade no Império Brasileiro. Sao Paulo: Cortez, 2008. do livro: GONDRA, José Gonçalves; SCHUELER, Alessandra. Educação, poder e sociedade no Império Brasileiro. Sao Paulo: Cortez, 2008. de: Surya Aaronovich Pombo de Barros Universidade Federal da Paraíba/UFPB

Leia mais

LIVROS PARA A ESCOLA NORMAL NO PARANÁ: MODELOS E PROJETOS SOCIAIS SE VIABILIZAM NA ESCOLA

LIVROS PARA A ESCOLA NORMAL NO PARANÁ: MODELOS E PROJETOS SOCIAIS SE VIABILIZAM NA ESCOLA LIVROS PARA A ESCOLA NORMAL NO PARANÁ: MODELOS E PROJETOS SOCIAIS SE VIABILIZAM NA ESCOLA Marlete dos Anjos Silva Schaffrath 13 Maria Elisabeth Blanck Miguel 14 Faculdade de Artes do Paraná Área: História

Leia mais

POLÍTICA DE DESENVOLVIMENTO DE COLEÇÕES

POLÍTICA DE DESENVOLVIMENTO DE COLEÇÕES POLÍTICA DE DESENVOLVIMENTO DE COLEÇÕES A Biblioteca da Faculdade do Guarujá tem por objetivos: - Colaborar em pesquisas e projetos desenvolvidos pelo corpo docente e discente da Faculdade do Guarujá;

Leia mais

NÚCLEO DE ESTUDOS E PESQUISAS HISTÓRIA DA EDUCAÇÃO EM PERNAMBUCO: 13 ANOS DE HISTÓRIA

NÚCLEO DE ESTUDOS E PESQUISAS HISTÓRIA DA EDUCAÇÃO EM PERNAMBUCO: 13 ANOS DE HISTÓRIA NÚCLEO DE ESTUDOS E PESQUISAS HISTÓRIA DA EDUCAÇÃO EM PERNAMBUCO: 13 ANOS DE HISTÓRIA Margarete Maria da Silva meghamburgo@yahoo.com.br Graduanda em Pedagogia e membro do NEPHEPE Universidade Federal de

Leia mais

Universidade Federal de Uberlândia Av. João Naves de Ávila, 2121 Campus Santa Mônica CP 593 38400-902 Uberlândia MG

Universidade Federal de Uberlândia Av. João Naves de Ávila, 2121 Campus Santa Mônica CP 593 38400-902 Uberlândia MG RESOLUÇÃO N o ESTUDANTIS 05/2009, DO CONSELHO DE EXTENSÃO, CULTURA E ASSUNTOS Aprova alterações no Regimento da Revista EM EXTENSÃO, e dá outras providências. O CONSELHO DE EXTENSÃO, CULTURA E ASSUNTOS

Leia mais

LEÃO, Andréa Borges. Norbert Elias & a Educação. Belo Horizonte: Autêntica, 2007.

LEÃO, Andréa Borges. Norbert Elias & a Educação. Belo Horizonte: Autêntica, 2007. RESENHA LEÃO, Andréa Borges. Norbert Elias & a Educação. Belo Horizonte: Autêntica, 2007. Écio Antônio Portes* Letícia Pereira de Sousa** Andréa Borges Leão é professora e pesquisadora do Programa de Pós-Graduação

Leia mais

Presidência da República Federativa do Brasil Ministério da Educação Secretaria Executiva Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais

Presidência da República Federativa do Brasil Ministério da Educação Secretaria Executiva Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Presidência da República Federativa do Brasil Ministério da Educação Secretaria Executiva Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira INEP Diretoria de Avaliação da Educação

Leia mais

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ARQUITETURA E URBANISMO DA ESCOLA DE ARQUITETURA DA UFMG. TÍTULO I. Da Natureza e dos Objetivos

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ARQUITETURA E URBANISMO DA ESCOLA DE ARQUITETURA DA UFMG. TÍTULO I. Da Natureza e dos Objetivos 1 REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ARQUITETURA E URBANISMO DA ESCOLA DE ARQUITETURA DA UFMG TÍTULO I. Da Natureza e dos Objetivos Art. 1 o O Programa de Pós-Graduação em Arquitetura e Urbanismo

Leia mais

3.360 H/AULA (*) CURRÍCULO PLENO/

3.360 H/AULA (*) CURRÍCULO PLENO/ MATRIZ CURRICULAR Curso: Graduação: Regime: Duração: HISTÓRIA LICENCIATURA PLENA SERIADO ANUAL 3 (TRÊS) ANOS LETIVOS Integralização: A) TEMPO TOTAL - MÍNIMO = 03 (TRÊS) ANOS LETIVOS - MÁXIMO = 05 (CINCO)

Leia mais

SUMÁRIO O MUNDO ANTIGO

SUMÁRIO O MUNDO ANTIGO SUMÁRIO Apresentação Prefácio Introdução 1. Da história da pedagogia à história da educação 2. Três revoluções em historiografia 3. As muitas histórias educativas 4. Descontinuidade na pesquisa e conflito

Leia mais

4 EIXOS ORGANIZADORES DOS CONTEÚDOS HISTÓRIA GEOGRAFIA ENSINO RELIGIOSO. Informações, Comunicação e Interação

4 EIXOS ORGANIZADORES DOS CONTEÚDOS HISTÓRIA GEOGRAFIA ENSINO RELIGIOSO. Informações, Comunicação e Interação 1 TÍTULO DO PROJETO Bíblia Sagrada Livro de Provérbios. 2 SÉRIE/CICLO 3ª Série 1ª Etapa do 2º Ciclo 3 AUTORA Rosângela Cristina Novaes Balthazar Curso: Pedagogia 6º Período Noite E-mail: rocryss@yahoo.com.br

Leia mais

Programas de Formação Docente em Educação Musical na América Latina 1

Programas de Formação Docente em Educação Musical na América Latina 1 Programas de Formação Docente em Educação Musical na América Latina 1 Teresa Mateiro Universidade do Estado de Santa Catarina Silvia Málbran Universidad de La Plata Edith Cisneros-Cohernour Universidad

Leia mais

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM DESENVOLVIMENTO REGIONAL E MEIO AMBIENTE - UNIARA

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM DESENVOLVIMENTO REGIONAL E MEIO AMBIENTE - UNIARA REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM DESENVOLVIMENTO REGIONAL E MEIO AMBIENTE - UNIARA ÁREA DE CONCENTRAÇÃO: DINÂMICAS TERRITORIAIS E ALTERNATIVAS DE SUSTENTABILIDADE. CAPÍTULO I DA ORGANIZAÇÃO

Leia mais

EMENTÁRIO LETRAS EaD INGLÊS

EMENTÁRIO LETRAS EaD INGLÊS EMENTÁRIO LETRAS EaD INGLÊS 1ª FASE LLE 931 Introdução aos Estudos da Linguagem Total h/a Introdução aos conceitos de língua e língua(gem); características da língua(gem) humana; a complexidade da língua(gem)

Leia mais

EDUCAÇÃO E DESENVOLVIMENTO INTEGRAL DA CRIANÇA NA PRIMEIRA INFÂNCIA: O CAMPO DAS RESPONSABILIDADES

EDUCAÇÃO E DESENVOLVIMENTO INTEGRAL DA CRIANÇA NA PRIMEIRA INFÂNCIA: O CAMPO DAS RESPONSABILIDADES EDUCAÇÃO E DESENVOLVIMENTO INTEGRAL DA CRIANÇA NA PRIMEIRA INFÂNCIA: O CAMPO DAS RESPONSABILIDADES Ao longo de muitos séculos, a educação de crianças pequenas foi entendida como atividade de responsabilidade

Leia mais

A Educação Musical em atividades interdisciplinares: um relato de experiência em uma oficina 1

A Educação Musical em atividades interdisciplinares: um relato de experiência em uma oficina 1 A Educação Musical em atividades interdisciplinares: um relato de experiência em uma oficina 1 Fernanda de Assis Oliveira 2 Universidade Federal do Rio Grande do Sul UFRGS Resumo: Este relato descreve

Leia mais

O ordenamento da Pós- Graduação no Brasil: possibilidades para os IFET

O ordenamento da Pós- Graduação no Brasil: possibilidades para os IFET CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO Câmara de Educação Superior O ordenamento da Pós- Graduação no Brasil: possibilidades para os IFET IFET-RS Bento Gonçalves (RS), 15 de junho de 2009 Maria Beatriz Luce Conselheira

Leia mais

Aberta e a Distância - CEAD, da UNIFAL-MG.

Aberta e a Distância - CEAD, da UNIFAL-MG. RESOLUÇÃO Nº 023/2011, DE 28 DE ABRIL DE 2011 CONSELHO UNIVERSITÁRIO UNIVERSIDADE FEDERAL DE ALFENAS UNIFAL-MG O Conselho Universitário da UNIFAL-MG, no uso de suas atribuições regimentais e estatutárias,

Leia mais

ANÁLISE DOS CURRÍCULOS NAS CLASSES HOSPITALARES DO PROGRAMA SAREH-PARANÁ

ANÁLISE DOS CURRÍCULOS NAS CLASSES HOSPITALARES DO PROGRAMA SAREH-PARANÁ ANÁLISE DOS CURRÍCULOS NAS CLASSES HOSPITALARES DO PROGRAMA SAREH-PARANÁ Elismara Zaias Ercília Maria Angeli Teixeira de Paula Universidade Estadual de Ponta Grossa Programa de Pós Graduação em Educação-Mestrado

Leia mais

Mestrado em Educação Superior Menção Docência Universitária

Mestrado em Educação Superior Menção Docência Universitária Apresentação Mestrado em Educação Superior Menção Docência Universitária A Vice-Reitoria de Pesquisa, Inovação e Pósgraduação da Universidad Arturo Prat del Estado de Chile, ciente da importância dos estudos

Leia mais

Page 1 of 6. http://www2.unifap.br/borges

Page 1 of 6. http://www2.unifap.br/borges Page 1 of 6 Universidade Federal do Amapá Pró-Reitoria de Ensino de Graduação Curso de Licenciatura Plena em Pedagogia Disciplina: Filosofia da Educação I Educador: João Nascimento Borges Filho Pequena

Leia mais

Memória e discurso: reflexões sobre a trajetória do ensino de espanhol a. partir da análise de textos oficiais

Memória e discurso: reflexões sobre a trajetória do ensino de espanhol a. partir da análise de textos oficiais Memória e discurso: reflexões sobre a trajetória do ensino de espanhol a partir da análise de textos oficiais Maria Cecília do Nascimento Bevilaqua (UERJ) Apresentação Quem não se lembra da ênfase dada

Leia mais

Apresentação. Caicó/RN 2010

Apresentação. Caicó/RN 2010 Regimento Interno da Comissão Própria de Avaliação da Faculdade Católica Santa Teresinha CPA/FCST (Aprovado pela Resolução 001/2010-DG/FCST, datado de 14/07/2010) Caicó/RN 2010 Apresentação O Regimento

Leia mais

Literatura infantil e juvenil Formação de leitores

Literatura infantil e juvenil Formação de leitores Coleção educação em análise A literatura é um campo privilegiado para ocultar/desocultar sentidos, e os livros contemporâneos (muitas vezes plenos de mensagens que vão além do texto literário, estabelecendo

Leia mais

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM DESENVOLVIMENTO REGIONAL E MEIO AMBIENTE - UNIARA

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM DESENVOLVIMENTO REGIONAL E MEIO AMBIENTE - UNIARA REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM DESENVOLVIMENTO REGIONAL E MEIO AMBIENTE - UNIARA ÁREA DE CONCENTRAÇÃO: DINÂMICA REGIONAL E ALTERNATIVAS DE SUSTENTABILIDADE. CAPÍTULO I DA ORGANIZAÇÃO DO PROGRAMA

Leia mais

FACULDADE DE CUIABÁ FAUC CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU PSICOPEDAGOGIA CLÍNICA E INSTITUCIONAL. João Rodrigues de Souza

FACULDADE DE CUIABÁ FAUC CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU PSICOPEDAGOGIA CLÍNICA E INSTITUCIONAL. João Rodrigues de Souza FACULDADE DE CUIABÁ FAUC CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU PSICOPEDAGOGIA CLÍNICA E INSTITUCIONAL João Rodrigues de Souza A PSICOPEDAGOGIA E A INFORMÁTICA NA EDUCAÇÃO INFANTIL CUIABÁ- MT JULHO 2015 2 RESUMO

Leia mais

A FORMAÇÃO CONTINUADA DOS PROFESSORES DE GEOGRAFIA NO PARANÁ ATRAVÉS DO PROGRAMA DE DESENVOLVIMENTO EDUCACIONAL (PDE)

A FORMAÇÃO CONTINUADA DOS PROFESSORES DE GEOGRAFIA NO PARANÁ ATRAVÉS DO PROGRAMA DE DESENVOLVIMENTO EDUCACIONAL (PDE) A FORMAÇÃO CONTINUADA DOS PROFESSORES DE GEOGRAFIA NO PARANÁ ATRAVÉS DO PROGRAMA DE DESENVOLVIMENTO EDUCACIONAL (PDE) INTRODUÇÃO Ana Claudia Biz anaclaudiabiz@yahoo.com.br UNIOESTE-FBE O texto que segue

Leia mais

ASPECTOS QUALITATIVOS DA EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA: O CASO DO CURSO DE PEDAGOGIA EaD DA UFSM

ASPECTOS QUALITATIVOS DA EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA: O CASO DO CURSO DE PEDAGOGIA EaD DA UFSM ASPECTOS QUALITATIVOS DA EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA: O CASO DO CURSO DE PEDAGOGIA EaD DA UFSM AVINIO, Carina de S.¹; ENDERLE, Mariana G.²; VISENTINI, Lucas³. 1 Mestranda do Programa de Pós-Graduação em Educação

Leia mais

O CONSELHO UNIVERSITÁRIO da UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE, no uso de suas atribuições e considerando o que consta do Processo,

O CONSELHO UNIVERSITÁRIO da UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE, no uso de suas atribuições e considerando o que consta do Processo, Anteprojeto de RESOLUÇÃO Nº. Considerando a acelerada expansão verificada no ICHF nos últimos anos, por conta da expansão do numero de cursos de graduação, pós-graduação stricto e lato sensu Considerando

Leia mais

Análise sobre a circulação da história da ciência em revistas de divulgação científica

Análise sobre a circulação da história da ciência em revistas de divulgação científica Análise sobre a circulação da história da ciência em revistas de divulgação científica Tema: História da Eletricidade Episódio: Do primeiro motor elétrico à transmissão de eletricidade Fontes: revistas

Leia mais

A ORGANIZAÇÃO CURRICULAR DO CURSO DE FORMAÇÃO DE DOCENTES NO PARANÁ A PARTIR DOS DOCUMENTOS ORIENTADORES DE 2006 E 2014

A ORGANIZAÇÃO CURRICULAR DO CURSO DE FORMAÇÃO DE DOCENTES NO PARANÁ A PARTIR DOS DOCUMENTOS ORIENTADORES DE 2006 E 2014 A ORGANIZAÇÃO CURRICULAR DO CURSO DE FORMAÇÃO DE DOCENTES NO PARANÁ A PARTIR DOS DOCUMENTOS ORIENTADORES DE 006 E 014 Resumo Eduardo Marcomini UNINTER 1 Ligia Lobo de Assis UNINTER Grupo de Trabalho Políticas

Leia mais

Categoria Pôster 2 O NEI se constitui numa escola de Educação Infantil situada no Campus Central da UFRN- Natal, que

Categoria Pôster 2 O NEI se constitui numa escola de Educação Infantil situada no Campus Central da UFRN- Natal, que ARTE PRESENTE NA CONSTRUÇÃO DO PROJETO PEDAGÓGICO: UM RELATO DE CASO 1 PONTES, Gilvânia Maurício Dias de (Mestranda PPGEd-UFRN/ Prof. do NEI-UFRN) PERNAMBUCO, Marta Maria Castanho Almeida (DEPED- CCSA-

Leia mais

NORMAS PARA A APRESENTAÇÃO DOS ARTIGOS. Revista Interdisciplinaridade

NORMAS PARA A APRESENTAÇÃO DOS ARTIGOS. Revista Interdisciplinaridade NORMAS PARA A APRESENTAÇÃO DOS ARTIGOS Revista Interdisciplinaridade INTERDISCIPLINARIDADE é uma revista de periodicidade anual, cujo volume de cada ano será publicado em outubro e poderão ser realizadas

Leia mais

O CURSO DE PEDAGOGIA NO BRASIL E A SUA NORMATIZAÇÃO

O CURSO DE PEDAGOGIA NO BRASIL E A SUA NORMATIZAÇÃO O CURSO DE PEDAGOGIA NO BRASIL E A SUA NORMATIZAÇÃO Elisa Machado Matheussi elisa@rla01.pucpr.br Sirley Terezinha Filipak sirley@rla01.pucpr.br Pontifícia Universidade Católica do Paraná RESUMO Este estudo

Leia mais

UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO FACULDADE DE ECONOMIA, ADMINISTRAÇÃO E CONTABILIDADE

UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO FACULDADE DE ECONOMIA, ADMINISTRAÇÃO E CONTABILIDADE O roteiro e normas abaixo discriminados foram aprovados pela Congregação da FEA em 17.8.2005. ROTEIRO E NORMAS PARA ELABORAÇÃO DE UM MEMORIAL PADRÃO PARA CONCURSOS DA CARREIRA DOCENTE NA FEA SUMÁRIO (para

Leia mais

FONTES PRIMÁRIAS SOBRE A HISTÓRIA DA EDUCAÇÃO NO BRASIL: BOLETINS E CIRCULARES DO APOSTOLADO POSITIVISTA (1881-1927) APRESENTAÇÃO

FONTES PRIMÁRIAS SOBRE A HISTÓRIA DA EDUCAÇÃO NO BRASIL: BOLETINS E CIRCULARES DO APOSTOLADO POSITIVISTA (1881-1927) APRESENTAÇÃO FONTES PRIMÁRIAS SOBRE A HISTÓRIA DA EDUCAÇÃO NO BRASIL: BOLETINS E CIRCULARES DO APOSTOLADO POSITIVISTA (1881-1927) APRESENTAÇÃO João Carlos da Silva 1 A produção da IPB reúne uma farta publicação de

Leia mais

Grandes Exploradores

Grandes Exploradores Obras de referência para toda Grandes Exploradores A ousadia, a determinação e o espírito de aventura das figuras que marcam a descoberta e a exploração do Planeta. Do fundo do mar aos polos, do coração

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DAS ATIVIDADES LÚDICAS NO PPROCESSO DE ALFABETIZAÇÃO NOS ANOS INICIAIS DO ENSINO FUNDAMENTAL

A IMPORTÂNCIA DAS ATIVIDADES LÚDICAS NO PPROCESSO DE ALFABETIZAÇÃO NOS ANOS INICIAIS DO ENSINO FUNDAMENTAL A IMPORTÂNCIA DAS ATIVIDADES LÚDICAS NO PPROCESSO DE Resumo ALFABETIZAÇÃO NOS ANOS INICIAIS DO ENSINO FUNDAMENTAL NICOLITTO, Mayara Cristina UEPG maycris_nic@hotmail.com CAMPOS, Graziela Vaneza de UEPG

Leia mais

MARCOS RAFAEL TONIETTO A RELAÇÃO ENTRE CULTURA INFANTIL E SABERES DA EDUCAÇÃO FÍSICA NA PRÁTICA DOCENTE COM CRIANÇAS PEQUENAS

MARCOS RAFAEL TONIETTO A RELAÇÃO ENTRE CULTURA INFANTIL E SABERES DA EDUCAÇÃO FÍSICA NA PRÁTICA DOCENTE COM CRIANÇAS PEQUENAS MARCOS RAFAEL TONIETTO A RELAÇÃO ENTRE CULTURA INFANTIL E SABERES DA EDUCAÇÃO FÍSICA NA PRÁTICA DOCENTE COM CRIANÇAS PEQUENAS CURITIBA 2009 UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ MESTRADO EM EDUCAÇÃO A RELAÇÃO

Leia mais

EDUCAÇÃO COMPARADA NO BRASIL: COMPLEMENTANDO A ANÁLISE DA PRODUÇÃO ACADÊMICA

EDUCAÇÃO COMPARADA NO BRASIL: COMPLEMENTANDO A ANÁLISE DA PRODUÇÃO ACADÊMICA EDUCAÇÃO COMPARADA NO BRASIL: COMPLEMENTANDO A ANÁLISE DA PRODUÇÃO ACADÊMICA Msc. Nádia Estima de Castro nadia.castro@acad.pucrs.br +55 51 92388146 Doutoranda em Educação da Pontifícia Universidade Católica

Leia mais

Política Nacional de Museus Bases para a Política Nacional de Museus

Política Nacional de Museus Bases para a Política Nacional de Museus Política Nacional de Museus Bases para a Política Nacional de Museus APRESENTAÇÃO Ao se propor a sistematização de uma política pública voltada para os museus brasileiros, a preocupação inicial do Ministério

Leia mais

:: Cuidados na Elaboração de uma Redação Científica

:: Cuidados na Elaboração de uma Redação Científica :: Cuidados na Elaboração de uma Redação Científica José Mauricio Santos Pinheiro em 21/04/2005 Os princípios indispensáveis à redação científica podem ser resumidos em quatro pontos fundamentais: clareza,

Leia mais

Síntese do plano de atuação da CPA- ciclo avaliativo 2008/2010

Síntese do plano de atuação da CPA- ciclo avaliativo 2008/2010 Síntese do plano de atuação da CPA- ciclo avaliativo 2008/2010 O trabalho da CPA/PUCSP de avaliação institucional está regulamentado pela Lei federal nº 10.861/04 (que institui o SINAES), artigo 11 e pelo

Leia mais

FILOSOFIA. 1. TURNO: Vespertino HABILITAÇÃO: Licenciatura. PRAZO PARA CONCLUSÃO: Mínimo = 4 anos

FILOSOFIA. 1. TURNO: Vespertino HABILITAÇÃO: Licenciatura. PRAZO PARA CONCLUSÃO: Mínimo = 4 anos FILOSOFIA 1. TURNO: Vespertino HABILITAÇÃO: Licenciatura GRAU ACADÊMICO: Licenciado em Filosofia PRAZO PARA CONCLUSÃO: Mínimo = 4 anos Máximo = 8 anos 2. OBJETIVO/PERFIL DO PROFISSIONAL A SER FORMADO O

Leia mais

Pós-Graduação e Ensino de Ciências e Matemática

Pós-Graduação e Ensino de Ciências e Matemática Anais do VIII ENEM Mesa Redonda 1 Pós-Graduação e Ensino de Ciências e Matemática Tânia Maria Mendonça Campos - tania@pucsp.br A Pós-Graduação é a Unidade Universitária responsável pela formação de recurso

Leia mais

Artigo: Educação e Inclusão: Projeto Moral ou Ético. Autora: Sandra Dias ( Buscar na internet o texto completo)

Artigo: Educação e Inclusão: Projeto Moral ou Ético. Autora: Sandra Dias ( Buscar na internet o texto completo) Artigo: Educação e Inclusão: Projeto Moral ou Ético. Autora: Sandra Dias ( Buscar na internet o texto completo) Os ideais e a ética que nortearam o campo da educação Comenius: A educação na escola deve

Leia mais

Área de Ciências Humanas

Área de Ciências Humanas Área de Ciências Humanas Ciências Sociais Unidade: Faculdade de Ciências Humanas e Filosofia (FCHF) www.fchf.ufg.br Em Ciências Sociais estudam-se as relações sociais entre indivíduos, grupos e instituições,

Leia mais

CURSO DE PEDAGOGIA EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS 2015.1 BRUSQUE (SC) 2015 1 EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE PEDAGOGIA

CURSO DE PEDAGOGIA EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS 2015.1 BRUSQUE (SC) 2015 1 EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE PEDAGOGIA 1 CURSO EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS 2015.1 BRUSQUE (SC) 2015 2 SUMÁRIO 1ª FASE... 4 01 INVESTIGAÇÃO DA PRÁTICA DOCENTE I... 4 02 LEITURA E PRODUÇÃO DE TEXTO... 4 03 PROFISSIONALIDADE DOCENTE... 4 04 RESPONSABILIDADE

Leia mais

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE SÃO PAULO FACULDADE DE DIREITO JUSTIFICATIVA

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE SÃO PAULO FACULDADE DE DIREITO JUSTIFICATIVA 1 DOS ÓRGÃOS DELIBERATIVOS JUSTIFICATIVA Dois grandes órgãos de deliberação superior foram propostos: O Conselho Universitário e o Conselho de Administração e Finanças. Este último, com a missão de deliberar

Leia mais

Parâmetros para avaliação de mestrado profissional*

Parâmetros para avaliação de mestrado profissional* Parâmetros para avaliação de mestrado profissional* 1. Natureza do mestrado profissional A pós-graduação brasileira é constituída, atualmente, por dois eixos claramente distintos: o eixo acadêmico, representado

Leia mais

FIBRA Faculdade do Instituto Brasil Instituto Brasil de Ciência & Tecnologia Ltda

FIBRA Faculdade do Instituto Brasil Instituto Brasil de Ciência & Tecnologia Ltda REGULAMENTO DO TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO (TCC) CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES Art. 1º. O presente regulamento normatiza as atividades relacionadas à elaboração, apresentação e aprovação do

Leia mais

LUÍS REIS TORGAL. SUB Hamburg A/522454 ESTADO NOVO. Ensaios de História Política e Cultural [ 2. IMPRENSA DA UNIVERSIDADE DE COIMBRA

LUÍS REIS TORGAL. SUB Hamburg A/522454 ESTADO NOVO. Ensaios de História Política e Cultural [ 2. IMPRENSA DA UNIVERSIDADE DE COIMBRA LUÍS REIS TORGAL SUB Hamburg A/522454 ESTADOS NOVOS ESTADO NOVO Ensaios de História Política e Cultural [ 2. a E D I Ç Ã O R E V I S T A ] I u IMPRENSA DA UNIVERSIDADE DE COIMBRA 2 0 0 9 ' C O I M B R

Leia mais

Quando a educação constrói identidades: Brasil e Argentina no transcorrer dos séculos XIX e XX

Quando a educação constrói identidades: Brasil e Argentina no transcorrer dos séculos XIX e XX ASCOLANI, Adrián; VIDAL, Diana Gonçalves (orgs.). Reformas educativas no Brasil e na Argentina - ensaios de História Comparada da Educação (1820-2000). São Paulo: Cortez, 2009. Quando a educação constrói

Leia mais

CURSO DE POS-GRADUAÇÃO EM GESTÃO EM FOTOGRAFIA DIGITAL

CURSO DE POS-GRADUAÇÃO EM GESTÃO EM FOTOGRAFIA DIGITAL CURSO DE POS-GRADUAÇÃO EM GESTÃO EM FOTOGRAFIA DIGITAL INFORMAÇÕES GERAIS: Em um mercado como o Brasil, país com um enorme potencial de profissionais criativos, fotógrafos sem uma formação adequada, além

Leia mais

UNIVERSIDADE PRESBITERIANA MACKENZIE Centro de Comunicação e Letras Curso de Letras

UNIVERSIDADE PRESBITERIANA MACKENZIE Centro de Comunicação e Letras Curso de Letras ÁREAS DE ORIENTAÇÕES DOS PROFESSORES DO CURSO DE LETRAS (Licenciatura e Bacharelado) DOCENTE Área(s) de orientação Temas preferenciais de orientação Alexandre - Literatura - Elaboração de propostas Huady

Leia mais

EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE LETRAS INGLÊS E LITERATURAS DE LÍNGUA INGLESA (Currículo iniciado em 2010)

EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE LETRAS INGLÊS E LITERATURAS DE LÍNGUA INGLESA (Currículo iniciado em 2010) EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE LETRAS INGLÊS E LITERATURAS DE LÍNGUA INGLESA (Currículo iniciado em 2010) COMPREENSÃO E PRODUÇÃO ORAL EM LÍNGUA INGLESA I C/H 102 (2358) intermediário de proficiência

Leia mais

A importância dos projectos artísticos no desenvolvimento pessoal e social

A importância dos projectos artísticos no desenvolvimento pessoal e social Congresso de Psicologia Infantil Gente Pequena, Grandes Causas Promovido pela Associação Lumière Cinema S. Jorge, Lisboa A importância dos projectos artísticos no desenvolvimento pessoal e social Mais

Leia mais

Nas Margens da Educação: imprensa feminina e urbanidade moderna na Ribeirão Preto das primeiras décadas do século XX

Nas Margens da Educação: imprensa feminina e urbanidade moderna na Ribeirão Preto das primeiras décadas do século XX Nas Margens da Educação: imprensa feminina e urbanidade moderna na Ribeirão Preto das primeiras décadas do século XX Jorge Luiz de FRANÇA * Nesta comunicação, pretendemos, por intermédio das publicações

Leia mais

CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO EM DIREITO MESTRADO E DOUTORADO

CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO EM DIREITO MESTRADO E DOUTORADO UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA CENTRO DE CIÊNCIAS JURÍDICAS CURSO DE PÓS GRADUAÇÃO EM DIREITO Campus Universitário - Trindade 88040-900 Florianópolis SC - Brasil Fone : (048) 3721-9287 / Fax (048)

Leia mais

Faculdade La Salle Mantida pela Sociedade Porvir Científico Credenciada pela Portaria Ministerial nº. 2.653 de 07/12/01 D.O.U. de 10/12/01.

Faculdade La Salle Mantida pela Sociedade Porvir Científico Credenciada pela Portaria Ministerial nº. 2.653 de 07/12/01 D.O.U. de 10/12/01. FACULDADE DE LUCAS DO RIO VERDE SUPERVISÃO DE ESTÁGIO E TCC/TC REGULAMENTO DE PROJETO E VERSÃO FINAL DE TC/ TCC CURSOS DE ADMINISTAÇÃO E CIÊNCIAS CONTÁBEIS Lucas Do Rio Verde / MT 2009 SUMÁRIO CAPÍTULO

Leia mais

Uma Biblioteca e a vontade de formar leitores.

Uma Biblioteca e a vontade de formar leitores. Uma Biblioteca e a vontade de formar leitores. Prof. Ms. Deisily de Quadros (FARESC) deisily@uol.com.br Graduando Mark da Silva Floriano (FARESC) markfloriano@hotmail.com Resumo: Este artigo apresenta

Leia mais

Traçar um quadro histórico dos estudos de sânscrito desenvolvidos

Traçar um quadro histórico dos estudos de sânscrito desenvolvidos O curso de Sânscrito MARÍA VALíRIA ADERSON DE MELLO VARGAS Traçar um quadro histórico dos estudos de sânscrito desenvolvidos na Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas da Universidade de São

Leia mais

TECNOLOGIAS E EDUCAÇÃO: A CONSTITUIÇÃO DE UM CORPUS DE PESQUISA Moema Gomes Moraes PUC-GO/UFG Agência Financiadora: CAPES PROSUP

TECNOLOGIAS E EDUCAÇÃO: A CONSTITUIÇÃO DE UM CORPUS DE PESQUISA Moema Gomes Moraes PUC-GO/UFG Agência Financiadora: CAPES PROSUP TECNOLOGIAS E EDUCAÇÃO: A CONSTITUIÇÃO DE UM CORPUS DE PESQUISA Moema Gomes Moraes PUC-GO/UFG Agência Financiadora: CAPES PROSUP Resumo O propósito deste trabalho é apresentar o processo de constituição

Leia mais

Prof. Ms. Gleidson Salheb

Prof. Ms. Gleidson Salheb Prof. Ms. Gleidson Salheb Objetivo Geral Proporcionar conhecimentos teóricos e práticos sobre as situações didáticas, de maneira que os alunos compreendam de forma reflexiva, crítica e socialmente contextualizada

Leia mais

O PEDAGOGO ENQUANTO GESTOR ESCOLAR: UM ESTUDO BIBLIOGRÁFICO SOBRE AS ATRIBUIÇÕES PROFISSIONAIS

O PEDAGOGO ENQUANTO GESTOR ESCOLAR: UM ESTUDO BIBLIOGRÁFICO SOBRE AS ATRIBUIÇÕES PROFISSIONAIS O PEDAGOGO ENQUANTO GESTOR ESCOLAR: UM ESTUDO BIBLIOGRÁFICO SOBRE AS ATRIBUIÇÕES PROFISSIONAIS Kely-Anee de Oliveira Nascimento Graduanda em Pedagogia - UFPI Patrícia Sara Lopes Melo Mestre em Educação

Leia mais

ASSOCIAÇÃO TERESINENSE DE ENSINO S/C LTDA ATE FACULDADE SANTO AGOSTINHO FSA

ASSOCIAÇÃO TERESINENSE DE ENSINO S/C LTDA ATE FACULDADE SANTO AGOSTINHO FSA ASSOCIAÇÃO TERESINENSE DE ENSINO S/C LTDA ATE FACULDADE SANTO AGOSTINHO FSA XI SEMANA CIENTÍFICA DA FACULDADE SANTO AGOSTINHO SEC 2013 Tema: A ÉTICA NA PESQUISA NA ERA DAS INOVAÇÕES TECNOLÓGICAS EDITAL

Leia mais

Universidade Estadual de Londrina Centro de Educação, Comunicação e Artes Departamento de Educação Programa de Pós-Graduação em Educação

Universidade Estadual de Londrina Centro de Educação, Comunicação e Artes Departamento de Educação Programa de Pós-Graduação em Educação Universidade Estadual de Londrina Centro de Educação, Comunicação e Artes Departamento de Educação Programa de Pós-Graduação em Educação LINHA 1 - PERSPECTIVAS FILOSÓFICAS, HISTÓRICAS E POLÍTICAS DA EDUCAÇÃO

Leia mais

OS DOZE TRABALHOS DE HÉRCULES

OS DOZE TRABALHOS DE HÉRCULES OS DOZE TRABALHOS DE HÉRCULES Introdução ao tema A importância da mitologia grega para a civilização ocidental é tão grande que, mesmo depois de séculos, ela continua presente no nosso imaginário. Muitas

Leia mais

ESTADO DA ARTE SOBRE FORMAÇÃO DE OFICIAIS POLICIAIS MILITARES NO BRASIL (2003-2014)

ESTADO DA ARTE SOBRE FORMAÇÃO DE OFICIAIS POLICIAIS MILITARES NO BRASIL (2003-2014) ESTADO DA ARTE SOBRE FORMAÇÃO DE OFICIAIS POLICIAIS MILITARES NO BRASIL (2003-2014) MAINARDI, DIVA MARIA DE OLIVEIRA História e Filosofia da Educação Doutoranda Orientador: Prof. Dr. Cesar Romero Amaral

Leia mais

Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior - CAPES Diretoria de Avaliação - DAV DOCUMENTO DE ÁREA 2009

Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior - CAPES Diretoria de Avaliação - DAV DOCUMENTO DE ÁREA 2009 Identificação Área de Avaliação: EDUCAÇÃO Coordenadora de Área: CLARILZA PRADO DE SOUSA Coordenadora-Adjunta de Área: ELIZABETH FERNANDES DE MACEDO Modalidade: Acadêmica I. Considerações gerais sobre o

Leia mais

PLANEJAMENTO PARTICIPATIVO NA EDUCAÇÃO INFANTIL

PLANEJAMENTO PARTICIPATIVO NA EDUCAÇÃO INFANTIL PLANEJAMENTO PARTICIPATIVO NA EDUCAÇÃO INFANTIL Marta Quintanilha Gomes Valéria de Fraga Roman O planejamento do professor visto como uma carta de intenções é um instrumento articulado internamente e externamente

Leia mais

II Congresso Nacional de Formação de Professores XII Congresso Estadual Paulista sobre Formação de Educadores

II Congresso Nacional de Formação de Professores XII Congresso Estadual Paulista sobre Formação de Educadores II Congresso Nacional de Formação de Professores XII Congresso Estadual Paulista sobre Formação de Educadores LEVANTAMENTO E ANÁLISE DAS NECESSIDADES DOCENTES DOS PROFESSORES DE EDUCAÇÃO INFANTIL E SÉRIES

Leia mais

PACTO NACIONAL PELA ALFABETIZAÇÃO NA IDADE CERTA: Perspectivas da formação de professores no viés da Gestão de Conhecimento

PACTO NACIONAL PELA ALFABETIZAÇÃO NA IDADE CERTA: Perspectivas da formação de professores no viés da Gestão de Conhecimento PACTO NACIONAL PELA ALFABETIZAÇÃO NA IDADE CERTA: Perspectivas da formação de professores no viés da Gestão de Conhecimento Leonardo Rocha de Almeida Mestrando Profissional em Gestão Educacional Universidade

Leia mais

O SERVIÇO SOCIAL NA UNIVERSIDADE CASTELO BRANCO: ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO NA CONSTRUÇÃO DE UM PROJETO DE CIDADANIA.

O SERVIÇO SOCIAL NA UNIVERSIDADE CASTELO BRANCO: ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO NA CONSTRUÇÃO DE UM PROJETO DE CIDADANIA. O SERVIÇO SOCIAL NA UNIVERSIDADE CASTELO BRANCO: ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO NA CONSTRUÇÃO DE UM PROJETO DE CIDADANIA. Profa. Elizabeth Rodrigues Felix 1 I- INTRODUÇÃO Com dezoito anos de existência, o

Leia mais

O uso de cartilha paranaense nas Escolas do Estado do Paraná. Solange Apª de O. Collares/UEPG Drª Profª Maria Isabel Moura Nascimento/UEPG

O uso de cartilha paranaense nas Escolas do Estado do Paraná. Solange Apª de O. Collares/UEPG Drª Profª Maria Isabel Moura Nascimento/UEPG 1 O uso de cartilha paranaense nas Escolas do Estado do Paraná Solange Apª de O. Collares/UEPG Drª Profª Maria Isabel Moura Nascimento/UEPG O presente trabalho apresenta resultados preliminares de uma

Leia mais

EDITAL DE ABERTURA PARA SELEÇÃO DE DOCENTES PARA OS CURSOS DE GRADUAÇÃO DA FAL Nº. 01/2013

EDITAL DE ABERTURA PARA SELEÇÃO DE DOCENTES PARA OS CURSOS DE GRADUAÇÃO DA FAL Nº. 01/2013 Página 1 de 10 EDITAL DE ABERTURA PARA SELEÇÃO DE DOCENTES PARA OS CURSOS DE GRADUAÇÃO DA FAL Nº. 01/2013 1. DEFINIÇÃO: A FACULDADE AMÉRICA LATINA - FAL, através da Direção torna pública a abertura do

Leia mais

A Dimensão Cultural e o Espaço uma leitura geográfica. Elis Miranda

A Dimensão Cultural e o Espaço uma leitura geográfica. Elis Miranda A Dimensão Cultural e o Espaço uma leitura geográfica Elis Miranda Professora do Mestrado em Planejamento Regional e Gestão de Cidades Universidade Cândido Mendes - Campos. O livro Introdução à Geografia

Leia mais

A se acreditar no testemunho de seus contemporâneos, Maria Guilhermina Loureiro

A se acreditar no testemunho de seus contemporâneos, Maria Guilhermina Loureiro CONSIDERAÇÕES FINAIS A se acreditar no testemunho de seus contemporâneos, Maria Guilhermina Loureiro de Andrade foi uma mulher bastante conhecida na sociedade brasileira, pelo menos entre a imprensa e

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DO MUSEU DE ARQUEOLOGIA E ETNOLOGIA PROFESSOR OSWALDO RODRIGUES CABRAL/ UFSC (PROPOSTA APROVADA NO CONSELHO DO CFH)

REGIMENTO INTERNO DO MUSEU DE ARQUEOLOGIA E ETNOLOGIA PROFESSOR OSWALDO RODRIGUES CABRAL/ UFSC (PROPOSTA APROVADA NO CONSELHO DO CFH) 1 REGIMENTO INTERNO DO MUSEU DE ARQUEOLOGIA E ETNOLOGIA PROFESSOR OSWALDO RODRIGUES CABRAL/ UFSC (PROPOSTA APROVADA NO CONSELHO DO CFH) I DISPOSIÇÕES PRELIMINARES Art. 1º - Este Regimento dispõe sobre

Leia mais

ENTRE A LEI, OS COSTUMES E O DESENVOLVIMENTO: O PROJETO URBANÍSTICO DE 1970 EM MONTES CLAROS/MG.

ENTRE A LEI, OS COSTUMES E O DESENVOLVIMENTO: O PROJETO URBANÍSTICO DE 1970 EM MONTES CLAROS/MG. ENTRE A LEI, OS COSTUMES E O DESENVOLVIMENTO: O PROJETO URBANÍSTICO DE 1970 EM MONTES CLAROS/MG. Michael Jhonattan Delchoff da Silva. Universidade Estadual de Montes Claros- Unimontes. maicomdelchoff@gmail.com

Leia mais

EDUCAÇÃO E CIDADANIA: OFICINAS DE DIREITOS HUMANOS COM CRIANÇAS E ADOLESCENTES NA ESCOLA

EDUCAÇÃO E CIDADANIA: OFICINAS DE DIREITOS HUMANOS COM CRIANÇAS E ADOLESCENTES NA ESCOLA EDUCAÇÃO E CIDADANIA: OFICINAS DE DIREITOS HUMANOS COM CRIANÇAS E ADOLESCENTES NA ESCOLA Autores: FIGUEIREDO 1, Maria do Amparo Caetano de LIMA 2, Luana Rodrigues de LIMA 3, Thalita Silva Centro de Educação/

Leia mais

É necessário (re)ler Ferdinand de Saussure nos manuscritos originais. Entrevista de Laurent Wolf com Simon BOUQUET

É necessário (re)ler Ferdinand de Saussure nos manuscritos originais. Entrevista de Laurent Wolf com Simon BOUQUET É necessário (re)ler Ferdinand de Saussure nos manuscritos originais Entrevista de Laurent Wolf com Simon BOUQUET Nessa entrevista Simon Bouquet fala da importância de se retornar aos escritos originais

Leia mais

POLÍTICA DE DESENVOLVIMENTO DE COLEÇÕES BIBLIOTECA WILHELM HEINRICH

POLÍTICA DE DESENVOLVIMENTO DE COLEÇÕES BIBLIOTECA WILHELM HEINRICH POLÍTICA DE DESENVOLVIMENTO DE COLEÇÕES BIBLIOTECA WILHELM HEINRICH UNIDADE DE ENSINO SUPERIOR VALE DO IGUAÇU - UNIGUAÇU POLÍTICA DE DESENVILVIMENTO DE COLEÇÕES BIBLIOTECA WILHELM HEINRICH A implantação

Leia mais

A Câmara Superior de Ensino da Universidade Federal de Campina Grande, no uso de suas atribuições e,

A Câmara Superior de Ensino da Universidade Federal de Campina Grande, no uso de suas atribuições e, SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE CONSELHO UNIVERSITÁRIO CÂMARA SUPERIOR DE ENSINO RESOLUÇÃO Nº 16/2014 Aprova a estrutura curricular do Curso de Letras, modalidade licenciatura,

Leia mais

A FORMAÇÃO INICIAL DOS EDUCADORES AMBIENTAIS NAS LICENCIATURAS DAS UNIVERSIDADES FEDERAIS DE CURITIBA E AS POLÍTICAS DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL

A FORMAÇÃO INICIAL DOS EDUCADORES AMBIENTAIS NAS LICENCIATURAS DAS UNIVERSIDADES FEDERAIS DE CURITIBA E AS POLÍTICAS DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL Encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão, Presidente Prudente, 22 a 25 de outubro, 2012 553 A FORMAÇÃO INICIAL DOS EDUCADORES AMBIENTAIS NAS LICENCIATURAS DAS UNIVERSIDADES FEDERAIS DE CURITIBA E AS POLÍTICAS

Leia mais

O JORNAL ELETRÔNICO EXTRA-EXTRA: ALTERNATIVA PEDAGÓGICA NA ESCOLARIZAÇÃO EM CONTEXTO HOSPITALAR

O JORNAL ELETRÔNICO EXTRA-EXTRA: ALTERNATIVA PEDAGÓGICA NA ESCOLARIZAÇÃO EM CONTEXTO HOSPITALAR O JORNAL ELETRÔNICO EXTRA-EXTRA: ALTERNATIVA PEDAGÓGICA NA ESCOLARIZAÇÃO EM CONTEXTO HOSPITALAR GONÇALVES *, Carmem Lucia - SME carmem_clg@hotmail.com PORTELA **, Mariliza Simonete - SME mlizasim@hotmail.com

Leia mais

Diálogos intelectuais: a cooperação entre Brasil e Estados Unidos e a circulação das teorias psicológicas no campo da educação (1927-1935)

Diálogos intelectuais: a cooperação entre Brasil e Estados Unidos e a circulação das teorias psicológicas no campo da educação (1927-1935) Diálogos intelectuais: a cooperação entre Brasil e Estados Unidos e a circulação das teorias psicológicas no campo da educação (1927-1935) ANA CRISTINA S. M. ROCHA As décadas de 1920 e 1930 foram marcadas

Leia mais

Curso de Especialização Educação Infantil 2ª Edição EMENTA DAS DISCIPLINAS

Curso de Especialização Educação Infantil 2ª Edição EMENTA DAS DISCIPLINAS Curso de Especialização Educação Infantil 2ª Edição EMENTA DAS DISCIPLINAS Psicologia do Desenvolvimento e Aprendizagem da Criança de 0 a 5 anos Docente do Curso Gilza Maria Zauhy Garms Total da Carga

Leia mais

IESG - INSTITUTO DE ENSINO SUPERIOR DE GARÇA LTDA. Rua América, 281 Garça/SP CEP 17400-000 (14) 3407-2505 www.uniesp.edu.br/garca

IESG - INSTITUTO DE ENSINO SUPERIOR DE GARÇA LTDA. Rua América, 281 Garça/SP CEP 17400-000 (14) 3407-2505 www.uniesp.edu.br/garca IESG - INSTITUTO DE ENSINO SUPERIOR DE GARÇA LTDA. Rua América, 281 Garça/SP CEP 17400-000 (14) 3407-2505 www.uniesp.edu.br/garca PROGRAMA DE ACOMPANHAMENTO DOS EGRESSOS O Instituto de Ensino de Garça,

Leia mais

GERENCIAMENTO ELETRÔNICO DE DOCUMENTOS DO GEPHE - GRUPO DE ESTUDOS E PESQUISAS EM HISTÓRIA DA EDUCAÇÃO EM CAMPINA GRANDE PARAIBA

GERENCIAMENTO ELETRÔNICO DE DOCUMENTOS DO GEPHE - GRUPO DE ESTUDOS E PESQUISAS EM HISTÓRIA DA EDUCAÇÃO EM CAMPINA GRANDE PARAIBA GERENCIAMENTO ELETRÔNICO DE DOCUMENTOS DO GEPHE - GRUPO DE ESTUDOS E PESQUISAS EM HISTÓRIA DA EDUCAÇÃO EM CAMPINA GRANDE PARAIBA Autora: Regina Coelli Gomes Nascimento - Professora do curso de História

Leia mais