Web Services na plataforma.net

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Web Services na plataforma.net"

Transcrição

1 Web Services na plataforma.net Jackson Gomes de Souza 1 1 Curso de Sistemas de Informação Centro Universitário Luterano de Palmas (CEULP/ULBRA) Caixa Postal Palmas TO Brasil Abstract. This paper presents the.net framework Web Services technology, by Microsoft, e, specifically, it s utilization in the ASP.NET Internet programming model; there are demonstrated the Web Services characteristics and the related concepts, as SOAP and XML-RPC. Also, it presents an example of utilization of a Web Service inside a client application. Resumo. Este artigo apresenta a tecnologia de Web Services para a plataforma.net, da Microsoft, e, em específico, sua utilização com o modelo de programação para a Internet ASP.NET; são demonstradas as características de Web Services e os conceitos relacionados, como SOAP e XML-RPC. Ainda, apresenta um exemplo de utilização de um Web Service em uma aplicação cliente. 1. Introdução: O Web Services Model A definição mais básica para Web Services é a de uma aplicação que é acessível por programas através de protocolos web de uma maneira independente de plataforma [KALANI et. al. 2002] Esta definição apresenta elementos importantes que valem a pena ser detalhados: a) aplicação acessada por programas através de protocolos web : esta definição não é antiga, pois várias arquiteturas já prometiam e possibilizavam a realizam de execuções de métodos remotos através da Internet (como CORBA e DCOM). Além disso, o uso do protocolo HTTP, como padrão para transmissão de dados pela Internet, pode permitir a comunicação entre servidores (e entre clientes e sevidores) mesmo através de mecanismos de segurança de rede como firewalls. b) independente de plataforma : aqui entra a parte mais importante da criação de Web Services e já é bom trabalhar com o termo XML Web Services por causa da natureza da troca de mensagens entre aplicativos. A linguagem XML é utilizada para manter um padrão de forma de comunicação (troca de mensagens) entre as aplicações, ou seja, para a execução de métodos remotos (Remote Procedure Call RPC). De fato, o protocolo SOAP, sobre o qual XML Web Services se baseia, parte da definição de um projeto inicial chamado XML-RPC (chamada de procedimento remoto XML), criado por volta de 1998 por David Winer; na sua criação, ele foi definido como o básico sobre como XML poderia ser usada para descrever as informações da biblioteca de tipo de uma maneira neutra frente ao sistema operacional, que poderia tornar possível às tecnologias de componentes, então incompatíveis, falar umas com as outras pela Internet [AMUNDSEN e LITWIN 2002].

2 É essa característica de independência de sistema operacional (ou, de plataforma) que torna XML Web Services uma arquitetura tão interessante para a comunicação entre aplicações que são desenvolvidas em linguagens e plataformas diferentes. Em 1999 era criado o protocolo SOAP (Simple Objet Access Protocol) como resultado de uma solicitação de um consórcio liderado pela Microsoft, IBM e Sun para a W3C. 2. O protocolo SOAP O SOAP é um formato de mensagens baseado em XML, usado para passar informações entre duas localidades ou extremidades. As informações são armazenadas em um tipo de envelope [AMUNDSEN e LITWIN, 2002]. Este conjunto de elementos XML (um documento XML) realiza a tarefa de descrever as formas usadas para a transmissão de mensagens e a biblioteca de tipos. A Figura 1 ilustra os procedimentos realizados para troca de mensagens, utilizando SOAP, entre dois servidores (A e B). Figura 1. Modelo de estrutura da chamada de métodos entre servidores Os elementos do mecanismo de troca de mensagens apresentado pela Figura 1 podem ser explicados da seguinte maneira: 1) Servidor A envia solicitação SOAP ao servidor B para receber informações da biblioteca de tipos 2) Servidor B envia de volta a mensagem SOAP com a biblioteca de tipo 3) Servidor A envia envelope SOAP com o método que será chamado 4) Servidor B executa o método e envia de volta o resultado em um envelope SOAP 2.1. A Linguagem de Descrição de Web Service (WSDL) Para que os servidores consigam se comunicar, é necessário que eles entendam o mesmo vocabulário. Os métodos (e seus argumentos) e os tipos precisam ser entendidos por ambas as partes. Para isso existe a Web Services Description Language (WSDL), que disponibiliza as informações necessárias para compor as solicitações e as respostas SOAP [AMUNDSEN e LITWIN 2002]. A Figura 2 apresenta um exemplo de mensagem WSDL para o serviço Calculadora onde são descritos os tipos e a forma de comunicação a ser estabelecida com um serviço que tem um método ( Soma ) que realiza a soma de dois números reais.

3 <?xml version="1.0" encoding="utf-8"?> <definitions xmlns:http=" xmlns:soap=" xmlns:s=" <types> <s:schema elementformdefault="qualified" targetnamespace=" <s:element name="soma"> <s:complextype> <s:sequence> <s:element minoccurs="1" maxoccurs="1" name="a" type="s:float" /> <s:element minoccurs="1" maxoccurs="1" name="b" type="s:float" /> </s:sequence> </s:complextype> </s:element> <s:element name="somaresponse"> <s:complextype> <s:sequence> <s:element minoccurs="1" maxoccurs="1" name="somaresult" type="s:float" /> </s:sequence> </s:complextype> </s:element> </s:schema> </types> <message name="somasoapin"> <part name="parameters" element="s0:soma" /> </message> <message name="somasoapout"> <part name="parameters" element="s0:somaresponse" /> </message> <service name="calculadora"> <port name="calculadorasoap" binding="s0:calculadorasoap"> <soap:address location=" /> </port> </service> </definitions> Figura 2. Exemplo de trecho de mensagem WSDL para o serviço Calculadora Na Figura 2, o elemento <s:element name="soma"> contém uma série de elementos <s:element> que definem os tipos de dados dos parâmetros do método Soma. Os elementos <message name="somasoapin"> e <message name="somasoapout"> representam, respectivamente, as mensagens utilizadas para solicitação e envio de resposta A mensagem SOAP de solicitação Assim, que a máquina solicitante recebe a mensagem WSDL da descrição do serviço, já é possível compor uma mensagem SOAP de solicitação, pedindo ao servidor para executar um

4 determinado método e retornar algum resultado. A Figura 3 apresenta um exemplo de mensagem de solicitação que poderia ser utilizada para chamar o método Soma, passandose os parâmetros 3.5 e 6.5, do serviço Calculadora. <?xml version="1.0" encoding="utf-8"?> <soap:envelope xmlns:xsi=" xmlns:xsd=" xmlns:soap=" <soap:body> <Soma xmlns=" <a>3,5</a> <b>6,5</b> </Soma> </soap:body> </soap:envelope> Figura 3. Exemplo de mensagem SOAP de solicitação do método Soma do serviço Calculadora Na Figura 3, a mensagem inclui um elemento <soap:envelope>, que define um esquema para informações que estarão presentes no corpo da solicitação e um elemento <soap:body>, que é o corpo da mensagem de solicitação (representada pelo elemento <Soma>, descrito pela WSDL (Figura 2) pelo elemento <s:element name="soma"> A mensagem SOAP de resposta Após uma mensagem de solicitação, devidamente formatada, ser recebida pelo servidor, a mensagem de resposta é devolvida, contendo o resultado da execução do método. A Figura 4 apresenta um exemplo de mensagem de resposta a uma solicitação de execução do método Soma do serviço Calculadora. <?xml version="1.0" encoding="utf-8"?> <soap:envelope xmlns:xsi=" xmlns:xsd=" xmlns:soap=" <soap:body> <SomaResponse xmlns=" <SomaResult>10</SomaResult> </SomaResponse> </soap:body> </soap:envelope> Figura 4. Exemplo de mensagem SOAP de resposta à chamada do método Soma do serviço Calculadora Na Figura 4, no corpo da mensagem, está contido o elemento <SomaResponse> que contém a resposta à chamada do método Soma e está descrito na WSDL (Figura 2) pelo elemento <s:element name="somaresponse">, neste exemplo, contém o elemento <SomaResult> com valor 10.

5 Pelos exemplos das Figuras 2, 3 e 4, é possível perceber a relação entre as mensagens de solicitação e resposta e como os elementos enviados são disponibilizados pela WSDL. 3. Criação e publicação de ASP.NET Web Services Há várias maneiras de consumir web services. Já que são disponibilizados via rede, através do protocolo HTTP, qualquer cliente que consiga acessar recursos de rede (como TC`P/IP) poderá realizar uma interação com o Web Service [AMUNDSEN e LITWIN 2002]. Embora isso seja possível, não é a solução mais prática e viável, porque o programador necessitaria de um grande conhecimento das mensagens SOAP e de processamento de documentos XML (que, no caso, seriam retornados como strings e deveriam ser analisados para que os dados de interesse pudessem ser recuperados). ASP.NET fornece um mecanismo para acesso aos Web Service que diminui consideravelmente a necessidade de programação. Existem várias bibliotecas de classes que entendem o protocolo SOAP. Em ASP.NET, disponibilizar um Web Service está relacionado com a criação de um arquivo Active Server Method Extension (.asmx) que é publicado em um servidor web. ASP.NET cuidará do envio de mensagens no formato SOAP e produzirá documentos que descreverão o web service e os métodos possíveis de serem chamados [AMUNDSEN e LITWIN 2002]. A Figura 5 apresenta o código do Web Service Calculadora, que será elucidado posteriormente. 1: WebService Language="C#" Class="Calculadora" %> 2: 3: using System; 4: using System.Web.Services; 5: 6: public class Calculadora : WebService { 7: [WebMethod] public float Soma(float a, float b){ 8: return(a+b); 9: } 10: } Figura 5. Código, em linguagem C#, para o Web Service Calculadora Na Figura 5, linha 1, está a descrição inicial do Web Service. As palavras chave WebService, Language e Class definem, respectivamente, que o código representa um Web Service, que a linguagem a ser utilizada é a linguagem C# e que o nome da classe que descreve o serviço (e que será tornada de domínio público) é Calculadora. Nas linhas 3 e 4 são importados os espaços de nome (bibliotecas de classes) que serão utilizados. Estes espaços de nomes, em específico, contém as classes necessárias para a criação de Web Services. Na linha 6, é criada a definição da classe Calculadora e que ela herda da classe WebService.

6 Na linha 7, é criada a definição do método Soma, e a palavra-chave [WebMethod] define que este método será disponibilizado publicamente (como um método possível de ser executado). Podem existir métodos auxiliares, não marcados por esta palavrachave, neste caso, tais métodos só serão acessíveis internamente, pela classe que os contém (neste caso, Calculadora ). A Figura 6 apresenta como a descrição do Web Service é visualizado pelo browser. A Figura 7 apresenta o formulário HTML criado para realizar a interação com o Web Service (envio de mensagens de solicitação). Figura 6. Visualização do Web Service no browser O ASP.NET cria automaticamente o documento HTML das Figura 6 e 7. Na Figura 6, ao clicar sobre o link Soma, é possível executar o método; ao clicar sobre o link Service Description é possível visualizar o documento WSDL para o Web Service Calculadora (Figura 2). Na Figura 7, o usuário deve preencher os campos dos parâmetros do método Soma ( a e b ) e clicar sobre o botão Invoke ; ao clicar sobre o botão, uma mensagem de resposta, no formato XML, é enviada (Figura 8).

7 Figura 7. Interface para comunicação e execução do método Soma Figura 8. Documento XML enviado ao cliente como resposta à chamada (invocação) do método Soma (para a=3,5 e b=6,5) 3.1. Utilização do Web Service Calculadora Dentre as formas para utilização de Web Services estão: formulários HTML e a criação de classes proxy através do utilitário wsdl.exe (que acompanha o Microsoft.NET Framework SDK). Para utilizar formulários HTML, a tag form deve como valor para o atributo action a url para o recurso.asmx e o método a ser executado, como apresenta a Figura 9. <html> <body> <h1>utilização de Web Services através de formulários</h1> <form action="calculadora.asmx/soma" method="post"> a: <input type="text" name="a"><br> b: <input type="text" name="b"><br> <input type="submit" value="calcular">

8 </form> </html> Figura 9. Utilização de Web Services através de formulários HTML Quando o formulário da Figura 9 for enviado (o usuário clicar sobre o botão Calcular ) uma nova janela será aberta e a mesma tem a mesma aparência da apresentada pela Figura 8. O utilitário wsdl.exe pode acessar um documento.asmx, verificar seu WSDL e criar automaticamente uma classe proxy, que poderá ser acessada por qualquer aplicativo (web ou desktop) criado sobre a plataforma.net. A Figura 10 apresenta um exemplo de utilização do wsdl.exe de uma classe para o Web Service Calculadora, a Figura 11 apresenta o resultado da execução do comando e a Figura 12 apresenta o código, em linguagem C#, gerado automaticamente para o arquivo Calculadora.cs. wsdl /l:cs /o:calculadora.cs Figura 10. Geração da classe proxy para o Web Service Calculadora Figura 11. Resultado da execução do wsdl.exe para geração do arquivo CalculadoraProxy.cs // //<autogenerated> //This code was generated by a tool. //Runtime Version: //Changes to this file may cause incorrect behavior and will be lost //if the code is regenerated. // </autogenerated> // // // This source code was auto-generated by wsdl, Version= // using System.Diagnostics; using System.Xml.Serialization; using System; using System.Web.Services.Protocols;

9 using System.ComponentModel; using System.Web.Services; /// <remarks/> [System.Diagnostics.DebuggerStepThroughAttribute()] [System.ComponentModel.DesignerCategoryAttribute("code")] [System.Web.Services.WebServiceBindingAttribute(Name="CalculadoraSoap", Namespace=" public class Calculadora : System.Web.Services.Protocols.SoapHttpClientProtocol { /// <remarks/> public Calculadora() { this.url = " } /// <remarks/> [System.Web.Services.Protocols.SoapDocumentMethodAttribute(" puri.org/soma", RequestNamespace=" ResponseNamespace=" Use=System.Web.Services.Description.SoapBindingUse.Literal, ParameterStyle=System.Web.Services.Protocols.SoapParameterStyle.Wrappe d)] public System.Single Soma(System.Single a, System.Single b) { object[] results = this.invoke("soma", new object[] { a, b}); return ((System.Single)(results[0])); } /// <remarks/> public System.IAsyncResult BeginSoma(System.Single a, System.Single b, System.AsyncCallback callback, object asyncstate) { return this.begininvoke("soma", new object[] { a, b}, callback, asyncstate); } } /// <remarks/> public System.Single EndSoma(System.IAsyncResult asyncresult) { object[] results = this.endinvoke(asyncresult); return ((System.Single)(results[0])); } Figura 12. Código, em linguagem C#, para a classe proxy Calculadora (CalculadoraProxy.cs) Embora o código da Figura 12 se pareça confuso e difícil de se entender, o programador não precisa analisá-lo, ou, mesmo, entendê-lo. Como o código é gerado automaticamente pelo utilitário wsdl.exe o mesmo é criado exatamente de acordo com as classes da plataforma.net necessárias para prover acesso ao recurso através da Internet.

10 Após a geração do arquivo CalculadoraProxy.cs, este tem que ser compilado, para que possa ser gerada um arquivo.dll que conterá a definição de tipos para propiciar a utilização da classe Calculadora em uma aplicação cliente. Para gerar o arquivo.dll, o seguinte comando deve ser utilizado: csc /t:library CalculadoraProxy.cs Após a geração do arquivo.dll, a classe proxy está pronta para ser utilizada por outra aplicação. A Figura 13 apresenta o código, em linguagem C#, que utiliza a classe proxy Calculadora em um aplicativo de linha de comando para consumir o Web Service Calculadora. O arquivo deve ser compilado realizando uma referência à dll: csc /r:calculadoraproxy.dll CalculadoraConsole.cs 1: using System; 2: class CalculadoraConsole { 3: public static void Main(String[] args){ 4: Calculadora calculadora = new Calculadora(); 5: float a = 3.5f; 6: float b = 6.5f; 7: Console.WriteLine("O valor da soma é: {0}",calculadora.Soma(a,b).ToString()); 8: } 9: } Figura 13. Código, em linguagem C#, para o arquivo CalculadoraConsole.cs: um cliente que utiliza a classe proxy Calculadora para consumir o Web Service Calculadora Na Figura 13, na linha 3, é feita a instanciação do objeto Calculadora. As linhas 5 e 6 definem as variáveis que serão utilizadas na passagem de parâmetros para o método Soma (linha 7). 4. Considerações finais XML Web Services apresentam uma nova maneira de comunicação (envio de dados e mensagens) entre clientes e servidores e entre servidores e servidores. Explorando as potencialidades deste ambiente, aplicações cliente podem consultar bancos de dados públicos, apresentar informações de maneira específica (voltada para o contexto de sua própria aplicação) e, ainda, fornecer uma interface para outros clientes. Logo, uma aplicação não se torna apenas cliente, mas, dependendo da relação na qual está inserida, também pode se tornar uma aplicação servidora. Os Web Services ainda dispõem de outras características importantes para o meio comercial, como:?? Segurança: a aplicação pode solicitar autenticação do usuário para que o Web Service possa ser devidamente acessado.

11 ?? Gerenciamento de sessão: a aplicação pode manter o estado da aplicação para o usuário, facilitando, assim, a interação com o mesmo.?? Gerenciamento de transação: provavelmente, um dos recursos mais utilizados pelo meio comercial, principalmente porque é um mecanismo que consegue gerenciar a execução de métodos e verificar a ocorrência de falha ou sucesso. A publicação dos serviços na Internet se torna uma tarefa simplificada através da utilização de ASP.NET. Com isso, o ambiente de execução dos Web Services pode crescer exponencialmente à medida que novas aplicações (servidoras e clientes) surgem e são disponibilizadas na Internet. Este trabalho aprestou as características iniciais para o desenvolvimento e utilização de XML Web Services na plataforma.net. Outras potencialidades podem ser exploradas, não se atendo, é claro ao que foi apresentado aqui, como a utilização de classes personalizadas (no resultado da execução de métodos) e acesso a dados utilizando classes DataSet. 6. Referências Bibliográficas AMUNDSEN, Michael e LITWIN, Paul. ASP.NET para desenvolvedores de Web Sites p. Rio de Janeiro: Editora Ciência Moderna Ltda., KALANI, Amit et. al. ASP.NET 1.0 with C#. Namespace Reference. Wrox, 2002.

Programação para Internet Avançada. 4. Web Services. Nuno Miguel Gil Fonseca nuno.fonseca@estgoh.ipc.pt

Programação para Internet Avançada. 4. Web Services. Nuno Miguel Gil Fonseca nuno.fonseca@estgoh.ipc.pt Programação para Internet Avançada 4. Web Services Nuno Miguel Gil Fonseca nuno.fonseca@estgoh.ipc.pt São módulos de aplicações de negócios que expõem as regras do negócio como serviços na Internet através

Leia mais

Criação de um Web Services em.net

Criação de um Web Services em.net Web Service em.net 1 Criação de um Web Services em.net 1. Criar um novo Web Site com template ASP.NET Web Service, de acordo com a figura seguinte. O Visual studio cria um directório com os ficheiros indicados

Leia mais

Criação de um Web Services em.net

Criação de um Web Services em.net Web Service em.net 1 Criação de um Web Services em.net 1. Criar um novo projecto do tipo ASP.NET Web Service, de acordo com a figura seguinte. O.Net cria um directório virtual com os ficheiros indicados

Leia mais

Criando & Consumindo um WebService com ASP.NET 2.0 Publicado em: 25 de Agosto de 2007 Por Herman Ferdinando Arais

Criando & Consumindo um WebService com ASP.NET 2.0 Publicado em: 25 de Agosto de 2007 Por Herman Ferdinando Arais ASP.NET > WebService herman_arais@yahoo.com.br Introdução Um WebService é um componente, ou unidade lógica de aplicação, acessível através de protocolos padrões de Internet. Como componentes, esses serviços

Leia mais

UNIVERSIDADE. Sistemas Distribuídos

UNIVERSIDADE. Sistemas Distribuídos UNIVERSIDADE Sistemas Distribuídos Ciência da Computação Prof. Jesus José de Oliveira Neto Web Services Web Services Existem diferentes tipos de comunicação em um sistema distribuído: Sockets Invocação

Leia mais

Web services. Um web service é qualquer software que está disponível através da Internet através de uma interface XML.

Web services. Um web service é qualquer software que está disponível através da Internet através de uma interface XML. Web services Um web service é qualquer software que está disponível através da Internet através de uma interface XML. XML é utilizado para codificar toda a comunicação de/para um web service. Web services

Leia mais

Cálculo Remoto de Preços e Prazos de Encomendas

Cálculo Remoto de Preços e Prazos de Encomendas Cálculo Remoto de Preços e Prazos de Encomendas O cálculo remoto de preços e prazos de encomendas dos Correios é destinado aos clientes que possuem contrato de SEDEX, e-sedex e PAC, que necessitam calcular,

Leia mais

UFG - Instituto de Informática

UFG - Instituto de Informática UFG - Instituto de Informática Especialização em Desenvolvimento de Aplicações Web com Interfaces Ricas EJB 3.0 Prof.: Fabrízzio A A M N Soares professor.fabrizzio@gmail.com Aula 13 Web Services Web Services

Leia mais

MADALENA PEREIRA DA SILVA SLA Sociedade Lageana de Educação DCET Departamento de Ciências Exatas e Tecnológica

MADALENA PEREIRA DA SILVA SLA Sociedade Lageana de Educação DCET Departamento de Ciências Exatas e Tecnológica MADALENA PEREIRA DA SILVA SLA Sociedade Lageana de Educação DCET Departamento de Ciências Exatas e Tecnológica Desenvolvimento de Web Services com SOAP. 1. Introdução. Com a tecnologia de desenvolvimento

Leia mais

Web Services. Integração de aplicações na Web. Sistemas Distribuídos

Web Services. Integração de aplicações na Web. Sistemas Distribuídos Web Services Integração de aplicações na Web Integração de Aplicações na Web Interoperação entre ambientes heterogêneos desafios diversidade de componentes: EJB, CORBA, DCOM... diversidade de linguagens:

Leia mais

Unidade 14: Web Services Prof. Daniel Caetano

Unidade 14: Web Services Prof. Daniel Caetano Programação Servidor em Sistemas Web 1 Unidade 14: Web Services Prof. Daniel Caetano INTRODUÇÃO Na maior parte deste curso foram estudados serviços desenvolvidos com o uso de tecnologias Servlet. Entretato,

Leia mais

Microsoft.NET. Desenvolvimento Baseado em Componentes

Microsoft.NET. Desenvolvimento Baseado em Componentes Microsoft.NET Lirisnei Gomes de Sousa lirisnei@hotmail.com Jair C Leite jair@dimap.ufrn.br Desenvolvimento Baseado em Componentes Resolução de problemas específicos, mas que podem ser re-utilizados em

Leia mais

www.f2b.com.br 18/04/2006 Micropagamento F2b Web Services Web rev 00

www.f2b.com.br 18/04/2006 Micropagamento F2b Web Services Web rev 00 www.f2b.com.br 18/04/2006 Micropagamento F2b Web Services Web rev 00 Controle de Revisões Micropagamento F2b Web Services/Web 18/04/2006 Revisão Data Descrição 00 17/04/2006 Emissão inicial. www.f2b.com.br

Leia mais

3 Serviços na Web (Web services)

3 Serviços na Web (Web services) 3 Serviços na Web (Web services) 3.1. Visão Geral Com base na definição do Word Wide Web Consortium (W3C), web services são aplicações autocontidas, que possuem interface baseadas em XML e que descrevem

Leia mais

Manual de Integração. Tecnologia: WebServices SOAP XML. Área: CDC. Produto: CDC Pessoa Física NFE (RFB) Versão: 1.0. Autor: Angelo Bestetti Junior

Manual de Integração. Tecnologia: WebServices SOAP XML. Área: CDC. Produto: CDC Pessoa Física NFE (RFB) Versão: 1.0. Autor: Angelo Bestetti Junior Manual de Integração Tecnologia: WebServices SOAP XML Área: CDC Produto: CDC Pessoa Física NFE (RFB) Versão: 1.0 Autor: Angelo Bestetti Junior Conteúdo Introdução... 3 Considerações Iniciais... 4 Privacidade...

Leia mais

SOA Introdução. SOA Visão Departamental das Organizações

SOA Introdução. SOA Visão Departamental das Organizações 1 Introdução A Organização é a forma pela qual nós coordenamos nossos recursos de todos os tipos para realizar o trabalho que nos propusemos a fazer. A estrutura de nossas organizações manteve-se basicamente

Leia mais

Service Oriented Architecture SOA

Service Oriented Architecture SOA Service Oriented Architecture SOA Arquitetura orientada aos serviços Definição: Arquitetura de sistemas distribuídos em que a funcionalidade é disponibilizada sob a forma de serviços (bem definidos e independentes)

Leia mais

Web Services. Autor: Rômulo Rosa Furtado

Web Services. Autor: Rômulo Rosa Furtado Web Services Autor: Rômulo Rosa Furtado Sumário O que é um Web Service. Qual a finalidade de um Web Service. Como funciona o serviço. Motivação para o uso. Como construir um. Referências. Seção: O que

Leia mais

WSDL e UDDI. Pedro Miguel Martins Nunes WSDL. WSDL Exemplo prático Resumo UDDI. Serviço UDDI Estruturas de dados UDDI e WSDL API Resumo

WSDL e UDDI. Pedro Miguel Martins Nunes WSDL. WSDL Exemplo prático Resumo UDDI. Serviço UDDI Estruturas de dados UDDI e WSDL API Resumo e Serviço e e Tecnologias de Middleware 06/07 Curso de Especialização em Informática Departamento de Informática Faculdade de Ciências da Universidade de Lisboa 27.10.2006 e Serviço e 1 2 Serviço e 3 e...o

Leia mais

Consumindo um Web Service através de uma Aplicação Comercial em Android. Alex Malmann Becker www.alex.porthal.com.br alex@porthal.com.

Consumindo um Web Service através de uma Aplicação Comercial em Android. Alex Malmann Becker www.alex.porthal.com.br alex@porthal.com. Consumindo um Web Service através de uma Aplicação Comercial em Android Alex Malmann Becker www.alex.porthal.com.br alex@porthal.com.br 08/2014 Agenda Introdução Conceitos Web Service Por que utilizar

Leia mais

Introdução Serviços Web WSDL SOAP UDDI Ferramentas. Serviços Web. (Web Services) Emerson Ribeiro de Mello

Introdução Serviços Web WSDL SOAP UDDI Ferramentas. Serviços Web. (Web Services) Emerson Ribeiro de Mello 1/39 Serviços Web (Web Services) Emerson Ribeiro de Mello Departamento de Automação e Sistemas Universidade Federal de Santa Catarina 22 de Maio de 2007 2/39 Arquitetura Orientada a Serviços Arquitetura

Leia mais

Manual de Integração. Tecnologia: WebServices SOAP XML. Área: CDC. Produto: CDC Estendida (Física) Versão: 1.0. Autor: Angelo Bestetti Junior

Manual de Integração. Tecnologia: WebServices SOAP XML. Área: CDC. Produto: CDC Estendida (Física) Versão: 1.0. Autor: Angelo Bestetti Junior Manual de Integração Tecnologia: WebServices SOAP XML Área: CDC Produto: CDC Estendida (Física) Versão: 1.0 Autor: Angelo Bestetti Junior Conteúdo Introdução... 3 Considerações Iniciais... 4 Privacidade...

Leia mais

Sistemas Distribuídos

Sistemas Distribuídos Sistemas Distribuídos LICENCIATURA EM COMPUTAÇÃO Prof. Adriano Avelar Site: www.adrianoavelar.com Email: eam.avelar@gmail.com Mecanismos de Comunicação Protocolos de Aplicação Mecanismos de comunicação

Leia mais

Prática da Disciplina de Sistemas Distribuídos Serviços Web IFMA DAI Professor Mauro Lopes C. Silva

Prática da Disciplina de Sistemas Distribuídos Serviços Web IFMA DAI Professor Mauro Lopes C. Silva 1. O que são Serviços Web (Web Services)? Prática da Disciplina de Sistemas Distribuídos Serviços Web IFMA DAI Professor Mauro Lopes C. Silva A ideia central dos Web Services parte da antiga necessidade

Leia mais

A utilização do JSWDP para construção de Web Services

A utilização do JSWDP para construção de Web Services A utilização do JSWDP para construção de Web Services Fabiana Ferreira Cardoso 1, Francisco A. S. Júnior 1, Madianita Bogo 1 1 Centro de Tecnologia da Informação Centro Universitário Luterano de Palmas

Leia mais

Programação Cliente em Sistemas Web

Programação Cliente em Sistemas Web Programação Cliente em Sistemas Web WEBSERVICES Cap 18. - Sistemas distribuídos e serviços web em Deitel, H.M, Sistemas Operacionais, 3 ª edição, Pearson Prentice Hall, 2005 Fonte: Rodrigo Rebouças de

Leia mais

Serviços Web: Arquitetura

Serviços Web: Arquitetura Sistemas Distribuídos Mauro Lopes Carvalho Silva Professor EBTT DAI Departamento de Informática Campus Monte Castelo Instituto Federal de Educação Ciência e Tecnologia do Maranhão Objetivos Nesta aula

Leia mais

Manual de Integração WebService

Manual de Integração WebService Manual de Integração WebService Sumário 1. O que é a Integração WebService? 2. Envio Simples 3. Consultar Status da Mensagem 3.1 Consultar Mensagens Recebidas 4. Tecnologia do WebService Facilita 1. O

Leia mais

Introdução a Web Services

Introdução a Web Services Introdução a Web Services Mário Meireles Teixeira DEINF/UFMA O que é um Web Service? Web Service / Serviço Web É uma aplicação, identificada por um URI, cujas interfaces podem ser definidas, descritas

Leia mais

BC CORREIO SISTEMA DE CORREIO ELETRÔNICO DO BANCO CENTRAL DO BRASIL. Manual do Web Service

BC CORREIO SISTEMA DE CORREIO ELETRÔNICO DO BANCO CENTRAL DO BRASIL. Manual do Web Service BC CORREIO SISTEMA DE CORREIO ELETRÔNICO DO BANCO CENTRAL DO BRASIL Manual do Web Service SUMÁRIO Introdução... 3 Informações técnicas... 4 Serviços... 5 ConsultarPastasAutorizadas... 5 ConsultarCorreiosPorPasta...

Leia mais

SOAP. Web Services & SOAP. Tecnologias de Middleware 2004/2005. Simple Object Access Protocol. Simple Object Access Protocol SOAP

SOAP. Web Services & SOAP. Tecnologias de Middleware 2004/2005. Simple Object Access Protocol. Simple Object Access Protocol SOAP Web Services & SOAP Tecnologias de Middleware 2004/2005 SOAP Simple Object Access Protocol Os web services necessitam de comunicar entre eles e trocar mensagens. O SOAP define a estrutura e o processamento

Leia mais

Manual de Integração. Tecnologia: WebServices SOAP XML. Área: Serviços de Informação. Produto: CEP. Versão: 1.0. Autor: Angelo Bestetti Junior

Manual de Integração. Tecnologia: WebServices SOAP XML. Área: Serviços de Informação. Produto: CEP. Versão: 1.0. Autor: Angelo Bestetti Junior Manual de Integração Tecnologia: WebServices SOAP XML Área: Serviços de Informação Produto: CEP Versão: 1.0 Autor: Angelo Bestetti Junior Conteúdo Introdução... 3 Considerações Iniciais... 4 Privacidade...

Leia mais

World Wide Web e Aplicações

World Wide Web e Aplicações World Wide Web e Aplicações Módulo H O que é a WWW Permite a criação, manipulação e recuperação de informações Padrão de fato para navegação, publicação de informações e execução de transações na Internet

Leia mais

Universidade Federal de Juiz de Fora Ciência da Computação Sistemas Distribuídos Professor Ciro Barbosa

Universidade Federal de Juiz de Fora Ciência da Computação Sistemas Distribuídos Professor Ciro Barbosa Universidade Federal de Juiz de Fora Ciência da Computação Sistemas Distribuídos Professor Ciro Barbosa Web Service Plínio Antunes Garcia Sam Ould Mohamed el Hacen Sumário Introdução conceitual O Web Service

Leia mais

Conteúdo da Aula de Hoje. Web Services. Avaliação da Disciplina. O que é um web service? O que é um web service? Vantagens

Conteúdo da Aula de Hoje. Web Services. Avaliação da Disciplina. O que é um web service? O que é um web service? Vantagens Web Services Pós-Graduação em Tecnologias para o desenvolvimento de aplicações WEB Conteúdo da Aula de Hoje Conceitos básicos Teste com WS Implementação de WS (Provedor e usuário) Instrutor : Avaliação

Leia mais

Desenvolvimento de aplicações web com JSP

Desenvolvimento de aplicações web com JSP Desenvolvimento de aplicações web com JSP Leandro Soares de Sousa, Paulo Henrique de Sousa Sistemas de Informação Centro Universitário Luterano de Palmas (CEULP/ULBRA) Cx. Postal 160 77054-970 Palmas TO

Leia mais

Web Services. (Introdução)

Web Services. (Introdução) Web Services (Introdução) Agenda Introdução SOA (Service Oriented Architecture) Web Services Arquitetura XML SOAP WSDL UDDI Conclusão Introdução Comunicação distribuída Estratégias que permitem a comunicação

Leia mais

Web Services. Tópicos. Motivação. Tecnologias Web Service. Passo a passo Business Web Conclusão. Integração de aplicações SOAP, WSDL, UDDI, WSFL

Web Services. Tópicos. Motivação. Tecnologias Web Service. Passo a passo Business Web Conclusão. Integração de aplicações SOAP, WSDL, UDDI, WSFL Web Services Antonio Dirceu adrvf@cin.ufpe.br Tópicos Motivação Integração de aplicações Tecnologias Web Service SOAP, WSDL, UDDI, WSFL Passo a passo Business Web Conclusão Motivação Integração de Aplicações

Leia mais

Interfaces de Serviço na Prática. Luciano Oliveira Sr. Instructor, Consultant Global Field Services

Interfaces de Serviço na Prática. Luciano Oliveira Sr. Instructor, Consultant Global Field Services Interfaces de Serviço na Prática Luciano Oliveira Sr. Instructor, Consultant Global Field Services Antes de começarmos Iniciando do princípio 2 Antes de começarmos Let me tell you a story 3 Antes de começarmos

Leia mais

Trabalho de Sistemas Distribuídos

Trabalho de Sistemas Distribuídos Cássio de Olivera Ferraz Trabalho de Sistemas Distribuídos Petrópolis 2015, v-1.0 Cássio de Olivera Ferraz Trabalho de Sistemas Distribuídos Trabalho sobre sistemas distribuídos e suas tecnologias. Universidade

Leia mais

2.Consulta UDDI. 3.Obtém URL, WSDL. 1.Registra. 4.Invoca o serviço. 5.Retorno (opcional)

2.Consulta UDDI. 3.Obtém URL, WSDL. 1.Registra. 4.Invoca o serviço. 5.Retorno (opcional) WS-* Desenvolvimento 1 Definição Web services são aplicações modulares auto- descritas e auto-contidas, que podem ser conectadas e acopladas a outros web services [IBM] são componentes de software com

Leia mais

Grupo I [7v] 1. [1,0] Apresente o conteúdo do IDL relativo a este programa. Assuma PROGRAM=62015 e VERSION=1.

Grupo I [7v] 1. [1,0] Apresente o conteúdo do IDL relativo a este programa. Assuma PROGRAM=62015 e VERSION=1. Número: Nome: Página 1 de 6 LEIC/LETI, 2014/15, Repescagem do 1º Teste de Sistemas Distribuídos 30 de Junho de 2015 Responda no enunciado, apenas no espaço fornecido. Identifique todas as folhas. Duração:

Leia mais

Gerador de Web Services para cadeias de tranformações de documentos XML

Gerador de Web Services para cadeias de tranformações de documentos XML Gerador de Web Services para cadeias de tranformações de documentos XML José Carlos Ramalho, Pedro Taveira, Ricardo Ferreira e Vasco Rocha DI/UM jcr@di.uminho.pt pjstaveira@netcabo.pt ricardomiguel@myrealbox.com

Leia mais

Lista de Revisão. 3. Analise a afirmativa a seguir como verdadeira ou falsa e justifique.

Lista de Revisão. 3. Analise a afirmativa a seguir como verdadeira ou falsa e justifique. Lista de Revisão 1. Nos sistemas web, geralmente os usuários apresentam dois problemas típicos, a desorientação e a sobrecarga cognitiva. Discorra sobre esses problemas. 2. Apresente as principais diferenças

Leia mais

Introdução ao ASP.NET

Introdução ao ASP.NET Introdução ao ASP.NET Miguel Isidoro Agenda ASP ASP.NET Server Controls Separação de Código e Apresentação Acesso a Dados Web Services Aplicações Web ASP.NET 1 ASP Razões do Sucesso Modelo de programação

Leia mais

PADI 2015/16. Aula 1 Introdução à Plataforma.NET

PADI 2015/16. Aula 1 Introdução à Plataforma.NET PADI 2015/16 Aula 1 Introdução à Plataforma.NET 1 Sumário 1. Framework.NET Arquitectura 2. Linguagem C# 2.0 Sintaxe C# vs. Java vs. C++ 3. IDE: MS Visual Studio 2005 ou superior Ferramentas Console/Win

Leia mais

DOCUMENTAÇÃO DO FRAMEWORK - versão 2.0

DOCUMENTAÇÃO DO FRAMEWORK - versão 2.0 DOCUMENTAÇÃO DO FRAMEWORK - versão 2.0 Índice 1 - Objetivo 2 - Descrição do ambiente 2.1. Tecnologias utilizadas 2.2. Estrutura de pastas 2.3. Bibliotecas já incluídas 3 - Características gerais 4 - Criando

Leia mais

Criando Web Services. Palestrante: Daniel Destro do Carmo

Criando Web Services. Palestrante: Daniel Destro do Carmo Criando Web Services com Apache Axis Palestrante: Daniel Destro do Carmo Tópicos do Tutorial Introdução O que são Web Services? Padrões Web Services SOAP WSDL Web Services com Java O que é Apache Axis?

Leia mais

Web Services utilizando JAX-WS

Web Services utilizando JAX-WS Web Services utilizando JAX-WS JAX-WS Facilitar o uso da API JAX-RPC e do modelo de implantação Anotações baseados em JSR-181 Exemplo Básico: Anotações: @WebService @WebMethod @WebParam @WebResult Exemplo

Leia mais

Introdução ao C# . Visão geral do.net Framework

Introdução ao C# . Visão geral do.net Framework Introdução ao C# Microsoft.NET (comumente conhecido por.net Framework - em inglês: dotnet) é uma iniciativa da empresa Microsoft, que visa uma plataforma única para desenvolvimento e execução de sistemas

Leia mais

AJAX no GASweb. Mas e afinal, para que usamos o AJAX?

AJAX no GASweb. Mas e afinal, para que usamos o AJAX? Nível - Avançado AJAX no GASweb Por: Pablo Hadler AJAX (Asynchronous Javascript and XML) foi criado com o princípio de ser uma maneira rápida e otimizada de podermos fazer requisições Web, sendo esta totalmente

Leia mais

Kassius Vargas Prestes

Kassius Vargas Prestes Kassius Vargas Prestes Agenda 1. Introdução Web Services 2. XML, SOAP 3. Apache Tomcat 4. Axis 5. Instalação Tomcat e Axis 6. Criação de um Web Service 7. Criação de um cliente Baixar http://www.inf.ufrgs.br/~kvprestes/webservices/

Leia mais

Serviços Web: Introdução

Serviços Web: Introdução Sistemas Distribuídos Mauro Lopes Carvalho Silva Professor EBTT DAI Departamento de Informática Campus Monte Castelo Instituto Federal de Educação Ciência e Tecnologia do Maranhão Objetivos Nesta aula

Leia mais

Web Services XML SOAP WSDL UDDI Desenvolvimento Informações Adicionais 1 Web Services Definição Web services são aplicações modulares auto- descritas e auto-contidas, que podem ser conectadas e acopladas

Leia mais

Scriptlets e Formulários

Scriptlets e Formulários 2 Scriptlets e Formulários Prof. Autor: Daniel Morais dos Reis e-tec Brasil Programação Avançada Para Web Página1 Meta Permitir ao aluno aprender a criar um novo projeto Java para web no Netbeans IDE,

Leia mais

Ambientes Visuais. Ambientes Visuais

Ambientes Visuais. Ambientes Visuais Ambientes Visuais Inicialmente, apenas especialistas utilizavam os computadores, sendo que os primeiros desenvolvidos ocupavam grandes áreas e tinham um poder de processamento reduzido. Porém, a contínua

Leia mais

Integração de sistemas utilizando Web Services do tipo REST

Integração de sistemas utilizando Web Services do tipo REST Integração de sistemas utilizando Web Services do tipo REST Jhonatan Wilson Aparecido Garbo, Jaime Willian Dias Universidade Paranaense (Unipar) Paranavaí PR Brasil jhowgarbo@gmail.com jaime@unipar.br

Leia mais

2 Conceitos relativos a Web services e sua composição

2 Conceitos relativos a Web services e sua composição 15 2 Conceitos relativos a Web services e sua composição A necessidade de flexibilidade na arquitetura das aplicações levou ao modelo orientado a objetos, onde os processos de negócios podem ser representados

Leia mais

Projeto SNGPC para Farmácias e Drogarias

Projeto SNGPC para Farmácias e Drogarias Agência Nacional de Vigilância Sanitária Projeto SNGPC para Farmácias e Drogarias Conexão ao Webservice Manual do Desenvolvedor Versão 2.0.0 Brasília, fevereiro de 2013. Copyright 2012. Agência Nacional

Leia mais

Programando em PHP. Conceitos Básicos

Programando em PHP. Conceitos Básicos Programando em PHP www.guilhermepontes.eti.br lgapontes@gmail.com Conceitos Básicos Todo o escopo deste estudo estará voltado para a criação de sites com o uso dos diversos recursos de programação web

Leia mais

02 - Usando o SiteMaster - Informações importantes

02 - Usando o SiteMaster - Informações importantes 01 - Apresentação do SiteMaster - News Edition O SiteMaster foi desenvolvido para ser um sistema simples de gerenciamento de notícias, instalado em seu próprio computador e com configuração simplificada,

Leia mais

19/05/2009. Módulo 1

19/05/2009. Módulo 1 ASP.NET Módulo 1 Objetivo Mostrar os conceitos fundamentais da plataforma Microsoft.Net e suas ferramentas; Apresentar os conceitos fundamentais de aplicações web e seus elementos; Demonstrar de forma

Leia mais

Minicurso Web Services com PHP

Minicurso Web Services com PHP Minicurso Vinícius Costa de Souza viniciuscs@unisinos.br http://www.inf.unisinos.br/~vinicius julho de 2005 Apresentações Nome Conhecimentos sobre Web Services Conhecimentos sobre PHP Expectativas referentes

Leia mais

Conceitos e Funcionalidades dos Web Services

Conceitos e Funcionalidades dos Web Services .htc Explorer Internet Conceitos e Funcionalidades dos Web Services Poliana Alves de Leva Uberlândia, Dezembro/2002. Conceitos e Funcionalidades dos Web Services Poliana Alves de Leva Uberlândia, Dezembro/2002.

Leia mais

EAI Manual do Administrador

EAI Manual do Administrador EAI Manual do Administrador 1 Definição de Host Application O que é um Host Application? Significa Aplicativo Hospedeiro, é o nome dado ao ambiente EAI que estará executando no seu computador ou em um

Leia mais

Desenvolvimento de aplicação web com framework JavaServer Faces e Hibernate

Desenvolvimento de aplicação web com framework JavaServer Faces e Hibernate Desenvolvimento de aplicação web com framework JavaServer Faces e Hibernate Tiago Peres Souza 1, Jaime Willian Dias 1,2 ¹Universidade paranaense (Unipar) Paranavaí PR Brasil tiagop_ti@hotmail.com 2 Universidade

Leia mais

UNIVERSIDADE. Sistemas Distribuídos

UNIVERSIDADE. Sistemas Distribuídos UNIVERSIDADE Sistemas Distribuídos Ciência da Computação Prof. Jesus José de Oliveira Neto Web Services (continuação) WSDL - Web Service Definition Language WSDL permite descrever o serviço que será oferecido

Leia mais

Software e Serviços MANUAL DE HOMOLOGAÇÃO WEB SERVICE X SISTEMA DE AUTOMAÇÃO COMERCIAL

Software e Serviços MANUAL DE HOMOLOGAÇÃO WEB SERVICE X SISTEMA DE AUTOMAÇÃO COMERCIAL MANUAL DE HOMOLOGAÇÃO WEB SERVICE X SISTEMA DE AUTOMAÇÃO COMERCIAL CONSIDERAÇÕES INICIAIS Este manual tem como objetivo propiciar a integração do SISTEMA DE AUTOMAÇÃO COMERCIAL junto as ADMINISTRADORAS

Leia mais

ASP.NET. Guia do Desenvolvedor. Felipe Cembranelli. Novatec Editora. www.novateceditora.com.br

ASP.NET. Guia do Desenvolvedor. Felipe Cembranelli. Novatec Editora. www.novateceditora.com.br ASP.NET Guia do Desenvolvedor Felipe Cembranelli Novatec Editora www.novateceditora.com.br 1 Introdução à plataforma.net A plataforma Microsoft.NET.NET é uma nova plataforma de software para desenvolvimento

Leia mais

tecnologias web e gestão de identidade

tecnologias web e gestão de identidade tecnologias web e gestão de identidade histórico serviços da era inicial da Internet telnet ftp gopher - estruturas hierárquicas www - hipertexto estudos sobre hipertexto e hipermídia sistemas locais www

Leia mais

Ricardo R. Lecheta. Novatec

Ricardo R. Lecheta. Novatec Ricardo R. Lecheta Novatec Copyright 2015 da Novatec Editora Ltda. Todos os direitos reservados e protegidos pela Lei 9.610 de 19/02/1998. É proibida a reprodução desta obra, mesmo parcial, por qualquer

Leia mais

4 Desenvolvimento da ferramenta

4 Desenvolvimento da ferramenta direcionados por comportamento 38 4 Desenvolvimento da ferramenta Visando facilitar a tarefa de documentar requisitos funcionais e de gerar testes automáticos em uma única ferramenta para proporcionar

Leia mais

Aplicação Prática de Lua para Web

Aplicação Prática de Lua para Web Aplicação Prática de Lua para Web Aluno: Diego Malone Orientador: Sérgio Lifschitz Introdução A linguagem Lua vem sendo desenvolvida desde 1993 por pesquisadores do Departamento de Informática da PUC-Rio

Leia mais

Trabalho Prático Nº1 Introdução ao C#.NET

Trabalho Prático Nº1 Introdução ao C#.NET Trabalho Prático Nº1 Introdução ao C#.NET 1. OBJECTIVOS - Entender o contexto da plataforma.net - Desenvolver programas simples em C#.NET - Saber efectuar entradas de dados em modo Consola e Windows Forms

Leia mais

CORBA. Common Object Request Broker Architecture. Unicamp. Centro de Computação Rubens Queiroz de Almeida queiroz@unicamp.br

CORBA. Common Object Request Broker Architecture. Unicamp. Centro de Computação Rubens Queiroz de Almeida queiroz@unicamp.br CORBA Common Object Request Broker Architecture Unicamp Centro de Computação Rubens Queiroz de Almeida queiroz@unicamp.br Objetivos Apresentação Tecnologia CORBA Conceitos Básicos e Terminologia Considerações

Leia mais

Manual Integra S_Line

Manual Integra S_Line 1 Introdução O é uma ferramenta que permite a transmissão Eletrônica de Resultado de Exames, possibilitando aos Prestadores de Serviços (Rede Credenciada), integrarem seus sistemas com os das Operadoras

Leia mais

Objetivos do Curso. Você será capaz de:

Objetivos do Curso. Você será capaz de: Objetivos do Curso Ao término do curso você entenderá: Aplicativos Java e applets Tipos de dados primitivos Fluxo de Controle em Java Métodos Outros: exceções, multithreading, multimedia, I/O, redes. Objetivos

Leia mais

Conteúdo Dinâmico. Introdução. Interação Browser x Servidor Web. Interação Browser x Servidor Web

Conteúdo Dinâmico. Introdução. Interação Browser x Servidor Web. Interação Browser x Servidor Web Introdução Formulários rios & Conteúdo Dinâmico Mário Antonio Meireles Teixeira Dept o. de Informática - UFMA A Web surgiu inicialmente como uma nova forma de comunicação de informações, fazendo uso de

Leia mais

APLICAÇÃO DO ENSINO POR PESQUISA NO DESENVOLVIMENTO DE WEB SERVICE PARA MANIPULAÇÃO DE ARQUIVOS UTILIZANDO JAVA SERVLET PAGES.

APLICAÇÃO DO ENSINO POR PESQUISA NO DESENVOLVIMENTO DE WEB SERVICE PARA MANIPULAÇÃO DE ARQUIVOS UTILIZANDO JAVA SERVLET PAGES. APLICAÇÃO DO ENSINO POR PESQUISA NO DESENVOLVIMENTO DE WEB SERVICE PARA MANIPULAÇÃO DE ARQUIVOS UTILIZANDO JAVA SERVLET PAGES. Fredericko Xavier Gonçalves - fredericko.xg@hotmail.com Geshner Inagaki Martins

Leia mais

Tutorial de Integração HTML

Tutorial de Integração HTML Tutorial de Integração HTML Sumário Tutorial de Integração - HTML... 3 Configurando Envio... 4 Enviando Múltiplas SMS... 6 Enviando Múltiplos SMS a partir de um arquivo CSV... 7 Glossário... 8 2 Tutorial

Leia mais

A Estrutura de um Web Service

A Estrutura de um Web Service A Estrutura de um Web Service Paulo Vitor Antonini Orlandin paulovitor_e@hotmail.com Resumo Atualmente, o Serviço Web é a solução mais utilizada para integração entre sistemas, pois apresenta vantagens

Leia mais

Comparando Java e C#

Comparando Java e C# Por: Lincon Alexandre Marques Jonathan T. Dos Santos Ricardo Fumio Tanimoto Abril, 2009 Comparando Java e C# Introdução Escolhemos como tema deste artigo um comparativo entre as linguagens Java e C#, duas

Leia mais

Sistemas Distribuídos e Paralelos

Sistemas Distribuídos e Paralelos Sistemas Distribuídos e Paralelos Web Services Ricardo Mendão Silva Universidade Autónoma de Lisboa r.m.silva@ieee.org November 29, 2014 Ricardo Mendão Silva (UAL) Sistemas Distribuídos e Paralelos November

Leia mais

Universidade da Beira Interior

Universidade da Beira Interior Universidade da Beira Interior Relatório Apresentação Java Server Pages Adolfo Peixinho nº4067 Nuno Reis nº 3955 Índice O que é uma aplicação Web?... 3 Tecnologia Java EE... 4 Ciclo de Vida de uma Aplicação

Leia mais

Framework.NET, Microsoft Visual C# 2010 Express e Elementos da Linguagem C#

Framework.NET, Microsoft Visual C# 2010 Express e Elementos da Linguagem C# Linguagem de Programação 3 Framework.NET, Microsoft Visual C# 2010 Express e Elementos da Linguagem C# Prof. Mauro Lopes 1-31 35 Objetivos Nesta aula iremos apresentar a tecnologia.net, o ambiente de desenvolvimento

Leia mais

COMPARANDO APLICAÇÃO WEB SERVICE REST E SOAP

COMPARANDO APLICAÇÃO WEB SERVICE REST E SOAP COMPARANDO APLICAÇÃO WEB SERVICE REST E SOAP Cleber de F. Ferreira¹, Roberto Dias Mota¹. ¹Universidade Paranaense (Unipar) Paranavaí PR Brasil cleberferreirasi@hotmail.com, motaroberto@hotmail.com Resumo.

Leia mais

Gerenciamento e Interoperabilidade de Redes

Gerenciamento e Interoperabilidade de Redes EN-3610 Gerenciamento e Interoperabilidade de Redes Gerenciamento baseado na Web Prof. João Henrique Kleinschmidt Gerenciamento baseado na Web Web browser Acesso ubíquo Interface Web vs Gerenciamento baseado

Leia mais

Web Services: estudo de caso envolvendo uma aplicação B2B

Web Services: estudo de caso envolvendo uma aplicação B2B Web Services: estudo de caso envolvendo uma aplicação B2B Cristiano Fornari Colpani (FURB) cristiano.colpani@senior.com.br Alexander Roberto Valdameri (FURB) arv@furb.br Resumo. Este artigo descreve um

Leia mais

Manual Técnico de Utilização do WebService de Cadastro da Capa de Lote Eletrônica CL-e

Manual Técnico de Utilização do WebService de Cadastro da Capa de Lote Eletrônica CL-e Projeto Capa de Lote Eletrônica Manual Técnico de Utilização do WebService de Cadastro da Capa de Lote Eletrônica CL-e Versão 1.00 13 de Outubro de 2010 Página 1/9 Controle de Versões Versão Data 1.00

Leia mais

Linguagens de. Aula 02. Profa Cristiane Koehler cristiane.koehler@canoas.ifrs.edu.br

Linguagens de. Aula 02. Profa Cristiane Koehler cristiane.koehler@canoas.ifrs.edu.br Linguagens de Programação III Aula 02 Profa Cristiane Koehler cristiane.koehler@canoas.ifrs.edu.br Linguagens de Programação Técnica de comunicação padronizada para enviar instruções a um computador. Assim

Leia mais

LINGUAGEM DE PROGRAMAÇÃO ESTRUTURADA CAPÍTULO 1 APRESENTANDO O C#

LINGUAGEM DE PROGRAMAÇÃO ESTRUTURADA CAPÍTULO 1 APRESENTANDO O C# LINGUAGEM DE PROGRAMAÇÃO ESTRUTURADA CAPÍTULO 1 APRESENTANDO O C# 1.1 - Apresentação Quando fazemos nossas compras em um supermercado, é comum encontrarmos um código de barras impresso nos produtos expostos

Leia mais

Connection String usada por uma Class Library

Connection String usada por uma Class Library Connection String usada por uma Class Library Vamos considerar uma Class Library com o modelo de dados e com acesso à base de dados através do Entity Framework. Aonde deve ser colocada a connection string

Leia mais

Microsoft Office Outlook Web Access ABYARAIMOVEIS.COM.BR

Microsoft Office Outlook Web Access ABYARAIMOVEIS.COM.BR Microsoft Office Outlook Web Access ABYARAIMOVEIS.COM.BR 1 Índice: 01- Acesso ao WEBMAIL 02- Enviar uma mensagem 03- Anexar um arquivo em uma mensagem 04- Ler/Abrir uma mensagem 05- Responder uma mensagem

Leia mais

Web Services. José Mocito. Web Services. Tecnologias de Middleware 2004/2005. Universidade de Lisboa. 11 de Novembro, 2004

Web Services. José Mocito. Web Services. Tecnologias de Middleware 2004/2005. Universidade de Lisboa. 11 de Novembro, 2004 Tecnologias de 2004/2005 Universidade de Lisboa 11 de Novembro, 2004 ? Parte I Porquê os?? Importantes em cenários de integração entre negócios (B2B - business to business) Necessidade de automatização

Leia mais

ENTERPRISE JAVABEANS 3. Msc. Daniele Carvalho Oliveira

ENTERPRISE JAVABEANS 3. Msc. Daniele Carvalho Oliveira ENTERPRISE JAVABEANS 3 Msc. Daniele Carvalho Oliveira Apostila Servlets e JSP www.argonavis.com.br/cursos/java/j550/index.html INTRODUÇÃO Introdução Enterprise JavaBeans é um padrão de modelo de componentes

Leia mais

Manual Email marketing v.240215

Manual Email marketing v.240215 1º Passo Acessar a página www.marketing.vardigital.com.br e fazer login com os seguintes dados: Usuário: email@dominio Senha: var@emkt 2º Passo A página seguinte é o painel geral de administração, sendo

Leia mais

Consulta de endereço através do Cep

Consulta de endereço através do Cep --------------------------------------------------------------------------------------------- Por: Giancarlo Fim giancarlo.fim@gmail.com Acesse: http://giancarlofim.wordpress.com/ ---------------------------------------------------------------------------------------------

Leia mais

PROGRAMAÇÃO SERVIDOR WEBSERVICES EM SISTEMAS WEB. Prof. Dr. Daniel Caetano 2012-1

PROGRAMAÇÃO SERVIDOR WEBSERVICES EM SISTEMAS WEB. Prof. Dr. Daniel Caetano 2012-1 PROGRAMAÇÃO SERVIDOR EM SISTEMAS WEB WEBSERVICES Prof. Dr. Daniel Caetano 2012-1 Objetivos Compreender o que é um WebService e sua utilidade Compreender a lógica de funcionamento de um WebService Capacitar

Leia mais