OS QUILOMBOS REMANESCENTES DO TOCANTINS: ESTUDO DOS NOMES DAS COMUNIDADES COM FOCO NOS ESTUDOS LINGUÍSTICOS E NAS PRÁTICAS CULTURAIS E HISTÓRICAS

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "OS QUILOMBOS REMANESCENTES DO TOCANTINS: ESTUDO DOS NOMES DAS COMUNIDADES COM FOCO NOS ESTUDOS LINGUÍSTICOS E NAS PRÁTICAS CULTURAIS E HISTÓRICAS"

Transcrição

1 OS QUILOMBOS REMANESCENTES DO TOCANTINS: ESTUDO DOS NOMES DAS COMUNIDADES COM FOCO NOS ESTUDOS LINGUÍSTICOS E NAS PRÁTICAS CULTURAIS E HISTÓRICAS Lucília Paula de Azevedo Ferreira 1 Karylleila dos Santos Andrade 2 RESUMO: A proposta deste trabalho consiste em realizar um estudo dos nomes (topônimos) das comunidades remanescentes de quilombos do estado do Tocantins, com foco nos estudos linguísticos e nas práticas culturais e históricas. São 9 (nove) as comunidades, a saber: Malhadinha e Córrego Fundo, município de Brejinho de Nazaré; Morro de São João, município de Santa Rosa do Tocantins; Lagoa da Pedra, município de Arraias; Redenção, município de Natividade; Ambrósia, Formiga, Mumbuca e Carrapato, município de Mateiros. Esta pesquisa ainda faz parte do projeto Populações Tradicionais do Tocantins: cultura e saberes de comunidades quilombolas 3, seu objetivo consiste na compreensão dos saberes e práticas que orientam os modos e estratégias de reprodução da vida social (simbólica e material) de grupos tradicionais do Estado do Tocantins: os quilombos. Palavras-chave: Comunidades remanescentes de quilombos; ATT; Topônimos; Práticas culturais e Históricas. INTRODUÇÃO Toponímia vem do grego topos lugar e onoma nome, estuda o nome dos lugares. É uma área de investigação que se fundamenta na ideia de que a nomeação de um lugar não se dá de forma aleatória ou despropositada, mas que essa nomeação ao ser investigada como disciplina, pode revelar importantes informações referentes à língua, 1 Aluna do Curso de Letras; Campus de Porto Nacional; PIBIC/UFT. 2 Orientadora dos Cursos de Artes e Filosofia e da pós-graduação em Mestrado em Letras; Campus de Palmas e Araguaina; 3 Convênio CNPq/SECT/N /2008. As viagens de campo em 9 comunidades a saber: Malhadinha e Córrego Fundo, município de Brejinho de Nazaré; Morro de São João, município de Santa Rosa do Tocantins; Lagoa da Pedra, município de Arraias; Redenção, município de Natividade; Ambrósia, Formiga, Mumbuca e Carrapato, município de Mateiros, foram realizadas no período de agosto de 2011 a maio de 2012.

2 em uso, na região pesquisada, aos costumes e valores dominantes na conduta dos falantes, como também os acontecimentos históricos e as influências sofridas por meio dos contatos com outros grupos étnicos que ali viveram. Diferentes setores do conhecimento tem se posicionado em face das alternativas que a memória traz aos estudos. Ela tem sido considerada um espaço no qual o repertório das versões sobre o passado ainda não ganhou a dimensão escrita. A memória existe sempre a partir do conjunto social das demais memórias. Quanto às práticas culturais e históricas, a análise da toponímia merece atenção a respeito do seu significado cultural. Claval (2001, p. 189) citado por Seemann (2005, p. 209) afirma que: todos os lugares habitados e um grande número de sítios característicos na superfície da Terra têm nomes frequentemente há muito tempo. A toponímia é uma herança preciosa das culturas passadas. (CLAVAL, 2001, p. 189 citado por SEEMANN, 2005, p. 209). MATERIAL E MÉTODOS O percurso metodológico utilizado no estudo, apresentado por Dick (1990), é o plano onomasiológico de investigação. Durante o processo de análise dos topônimos, optaremos pelo método indutivo que consiste em analisar os fatos, comparados aos fenômenos, e depois são generalizadas as semelhanças encontradas entre eles, chegando a uma classificação quanto à relação observada. A análise desses fatos e fenômenos é feita em etapas divididas para evitar que se cometam equívocos, e para que, ao longo das descrições onomásticas, se construam hipóteses de trabalho. Caso sejam confirmadas, servirão de subsídios para comprovar as hipóteses levantadas acerca do objeto de estudo. Para analisar a origem/etimologia dos nomes das comunidades em estudo, quanto à sua motivação toponímica, nos pautaremos na memória oral dos moradores. A técnica de pesquisa que utilizamos é a pesquisa de campo. Para a coleta de dados, foram realizadas entrevistas que foram gravadas e, posteriormente, transcritas. Por fim, iremos classificar os nomes das comunidades, conforme a metodologia sugerida por Dick (1990). A autora divide os fatos que envolvem a cosmovisão de um dado grupo ou realidade em dois aspectos: físico e antropocultural.

3 A pesquisa tem uma abordagem qualitativa pela necessidade de compreender e interpretar fenômenos, a partir de seus significantes e contexto em que são tarefas sempre presentes na produção de conhecimento. Por meio da memória oral construiremos hipóteses de trabalho, pois todo grupo tem um saber cumulativo de si oriundo da memória, que é empregado na linguagem, uma vez que o tipo de cultura é determinado pelo uso que uma sociedade faz da memória. Para o levantamento dos topônimos das comunidades remanescentes de quilombos, utilizamos fichas classificatórias e explicativas que constituem uma análise detalhada do topônimo. RESULTADOS E DISCUSSÃO A partir da memória oral dos moradores tomamos conhecimento das vivências das comunidades quilombolas em estudo, e a história envolvida na escolha dos nomes. Sabemos que a memória vai se esvaindo no passar do tempo, e, em decorrência disso, teremos algumas informações incompletas, ou alguns moradores não saberão informar o que motivou na escolha do nome. Como exemplificação, seguem os dados analisados: Dados toponímicos Topônimo/no me atual da comunidade Morro de São João Folia do Divino Localização Origem (memória oral) Taxionomia toponímica Foto: Karylleila Andrade Município de Santa Rosa do Tocantins a) Segundo os depoimentos, nas redondezas da comunidade localiza um morro que serviu de cativeiro para esconder os negros. O nome São João foi escolhido devido ao padre Bernaldino (antigo dono das terras onde hoje localiza a comunidade) ser devoto de São João. b) O primeiro nome da comunidade foi Fazenda Roma. a) Geomorfotopônimo b) Corotopônimo

4 Classificamos o nome como Geomorfotopônimo (topônimo relativo à forma topográfica: morro ). Para Fazenda Roma, a taxionomia é Corotopônimo, dado que se relaciona ao nome da capital da Itália, Roma. A partir dos relatos dos moradores, já que não dispomos de documentos escritos sobre a origem da comunidade, podemos sugerir que esse nome esteja vinculado à história de sua formação com o padre Bernaldino Ferreira, dono das prováveis terras onde hoje a comunidade se encontra localizada. Dados toponímicos Topônimo/no me atual da comunidade Redenção Entrevista com morador Localização Origem (memória oral) Taxionomia toponímica Foto Karylleila Andrade Natividade Tocantins a) Segundo relatos, o primeiro nome dado foi Fazenda Custódio. b) Redenção é o seu nome atual. c) Conforme os depoimentos, a localidade é dividida em vários núcleos: Gameleira, Macabeira, Manoel Carvalho. Segundo os relatos, cada morador ou família tinha que nomear o seu lugar para se diferenciar das demais áreas, e assim poder trabalhar com o plantio para a subsistência e requere recursos públicos e financiamentos. a) Antropotopônimo (nome relativo a pessoas, Custódio ) b) Animatopônimo (topônimo relativo à vida psíquica, à cultura espiritual, Redenção ). c) Fitotopônimo: 1) Gameleira (topônimo relativo à índole vegetal); 2) supõe-se que o nome Macabeira seja a passagem de bacabeira para macabeira, isto é, em b > m a alteração se dá apenas pelo fato de uma ser oral e outra nasal (as duas são oclusivas e bilabiais), o que pode supor uma situação de similaridade fonética. Considerando essa hipótese, podemos classificar Macabeira como um Fitotopônimo (topônimo relativo à índole vegetal). ) Por fim, Manoel Carvalho (nome relativo a pessoas) pode ser classificado como um Antropotopônimo. Segundo o dicionário Houaiss (2001, p. 1424), gameleira significa: nome comum a árvores cuja madeira é usada para confecção de gamelas e objetos domésticos. E bacaba significa tipo de palmeira, vem do tupi iwa kawa de iwa (fruta) + kawa (gorda, graxa), cp macaba. (HOUAISS, 2001, p. 370). Para Sampaio (1987,

5 p. 203), bacaba é de origem tupi: Ybá-caba, a fruta oleosa ou gorda (Enocarpus bacaba, Mart.). Pará, Amazonas, Maranhão. E Redenção significa salvação moral ou religiosa (HOUAISS, 2001, p. 663). A escolha dos nomes, conforme relatos dos moradores, em sua maioria, foi influenciada por aspectos físicos, encontrados na região, tais como: morro, córregos, animais etc. Em seguida vêm as motivações relativas à natureza antropo-cultural: cultura espiritual, nome de santos e pessoas, etc. Os nomes de lugares não podem se restringir à função de mera referência, pois há identidades múltiplas por trás dos topônimos. Dessa maneira, como diz Bullock (2004) citado por Seemann (2005, p. 221), a análise da toponímia se aproxima dos valores humanos (ou melhor, humanísticos), porque os nomes se tornam um armazém histórico, social e cultural através das suas associações e valores variados, no contexto do seu fundo ontológico. (BULLOCK, 2004 citado por SEEMANN, 225, p. 221). LITERATURA CITADA DICK, Maria Vicentina de Paula do Amaral. A motivação toponímica e a realidade brasileira. Arquivo do Estado de São Paulo, São Paulo HOUAISS, Antônio; VILLAR, Mauro de Salles. Dicionário Houaiss da Língua Portuguesa. Rio de Janeiro: Objetiva, SEEMANN, Jörn. A Toponímia como construção histórico-cultural: o exemplo dos municípios do estado do Ceará. Vivência. Nº 29, 2005, p AGRADECIMENTOS O presente trabalho foi realizado com o apoio da UFT.

ESTUDO DOS NOMES DE LUGARES (ACIDENTES HUMANOS) E SUA RELAÇÃO COM O ENSINO DE HISTÓRIA EM LIVROS DIDÁTICOS DO ENSINO FUNDAMENTAL

ESTUDO DOS NOMES DE LUGARES (ACIDENTES HUMANOS) E SUA RELAÇÃO COM O ENSINO DE HISTÓRIA EM LIVROS DIDÁTICOS DO ENSINO FUNDAMENTAL ESTUDO DOS NOMES DE LUGARES (ACIDENTES HUMANOS) E SUA RELAÇÃO COM O ENSINO DE HISTÓRIA EM LIVROS DIDÁTICOS DO ENSINO FUNDAMENTAL Anna Inez Alexandre Reis 1 ; Karylleila dos Santos Andrade 2 ; RESUMO O

Leia mais

ATLAS TOPONÍMICO DO TOCANTINS (ATT): CRIAÇÃO DE UM SOFTWARE PARA A CATALOGAÇÃO DOS DADOS DAS FICHAS LEXICOGRÁFICO-TOPONÍMICAS

ATLAS TOPONÍMICO DO TOCANTINS (ATT): CRIAÇÃO DE UM SOFTWARE PARA A CATALOGAÇÃO DOS DADOS DAS FICHAS LEXICOGRÁFICO-TOPONÍMICAS ATLAS TOPONÍMICO DO TOCANTINS (ATT): CRIAÇÃO DE UM SOFTWARE PARA A CATALOGAÇÃO DOS DADOS DAS FICHAS LEXICOGRÁFICO-TOPONÍMICAS RESUMO Dr. ª Karylleila Santos Andrade. Esta proposta é um recorte do ATT Atlas

Leia mais

O mito paraupava na toponímia

O mito paraupava na toponímia Estudos da Língua(gem) O mito paraupava na toponímia The paraupava s myth in toponimic KARYLLEILA DOS SANTOS ANDRADE* UNIVERSIDADE FEDERAL DO TOCANTINS (UFT) CARLA BASTIANI* UNIVERSIDADE FEDERAL DO TOCANTINS

Leia mais

A VEGETAÇÃO NA TOPONÍMIA SUL-MATO- GROSSENSE: UM ESTUDO PRELIMINAR NAS MICRORREGIÕES DE CAMPO GRANDE E DO ALTO TAQUARI

A VEGETAÇÃO NA TOPONÍMIA SUL-MATO- GROSSENSE: UM ESTUDO PRELIMINAR NAS MICRORREGIÕES DE CAMPO GRANDE E DO ALTO TAQUARI A VEGETAÇÃO NA TOPONÍMIA SUL-MATO- GROSSENSE: UM ESTUDO PRELIMINAR NAS MICRORREGIÕES DE CAMPO GRANDE E DO ALTO TAQUARI Marineide Cassuci Tavares 1 1 Mestrado em Letras Universidade Federal de Mato Grosso

Leia mais

O BIBLIOTECÁRIO PESQUISADOR: UM ESTUDO COM TOPÔNIMOS TRANSPLANTADOS

O BIBLIOTECÁRIO PESQUISADOR: UM ESTUDO COM TOPÔNIMOS TRANSPLANTADOS O BIBLIOTECÁRIO PESQUISADOR: UM ESTUDO COM TOPÔNIMOS TRANSPLANTADOS GT5 Abordagem contemporânea RESUMO Maria Weilanny Pinheiro da Silva 1 Maria Odaisa Espinheiro de Oliveira² Apresenta um levantamento

Leia mais

196 Amazôn., Rev. Antropol. (Online) 5 (1): Notíc. em andame

196 Amazôn., Rev. Antropol. (Online) 5 (1): Notíc. em andame 196 Amazôn., Rev. Antropol. (Online) 5 (1): Notíc de pesq em andame ia uisa nto Notícia de pesquisa em andamento 197 TERRA DE NEGRO PRETA TERRA: O USO DA TERRA PRETA COMO INSTRUMENTO DE FORTALECIMENTO

Leia mais

TOPONÍMIA E ENSINO: OS NOMES DE LUGARES DE ORIGEM INDÍGENA NOS LIVROS DIDÁTICOS DE GEOGRAFIA DO ENSINO FUNDAMENTAL, CONSIDERAÇÕES INICIAIS

TOPONÍMIA E ENSINO: OS NOMES DE LUGARES DE ORIGEM INDÍGENA NOS LIVROS DIDÁTICOS DE GEOGRAFIA DO ENSINO FUNDAMENTAL, CONSIDERAÇÕES INICIAIS 609 TOPONÍMIA E ENSINO: OS NOMES DE LUGARES DE ORIGEM INDÍGENA NOS LIVROS DIDÁTICOS DE GEOGRAFIA DO ENSINO FUNDAMENTAL, CONSIDERAÇÕES INICIAIS Verônica Ramalho Nunes (UFT) vevethin@gmail.com 1. Introdução

Leia mais

CARACTERÍSTICAS LINGUÍSTICAS E SOCIOCULTURAIS DO LÉXICO GOIANO

CARACTERÍSTICAS LINGUÍSTICAS E SOCIOCULTURAIS DO LÉXICO GOIANO CARACTERÍSTICAS LINGUÍSTICAS E SOCIOCULTURAIS DO LÉXICO GOIANO Palavras-chave: Toponímia. Sociedade. Léxico. I Introdução Evanaide Alves DE SOUZA (UFG/PG) evanaideas@hotmail.com Tânia Ferreira REZENDE

Leia mais

PLANO DE AULA 06. Flávio Antônio de Souza França Mestrando do Programa do Mestrado Profissional do Ensino de História da UNIRIO

PLANO DE AULA 06. Flávio Antônio de Souza França Mestrando do Programa do Mestrado Profissional do Ensino de História da UNIRIO PLANO DE AULA 06 Flávio Antônio de Souza França Mestrando do Programa do Mestrado Profissional do Ensino de História da UNIRIO Tema: Os sentidos de quilombo ao longo de nossa História Objetivo Geral: Discutir

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO NACIONAL DE ESTUDOS E PESQUISAS EDUCACIONAIS ANÍSIO TEIXEIRA SAEB PRIMEIROS RESULTADOS:

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO NACIONAL DE ESTUDOS E PESQUISAS EDUCACIONAIS ANÍSIO TEIXEIRA SAEB PRIMEIROS RESULTADOS: MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO NACIONAL DE ESTUDOS E PESQUISAS EDUCACIONAIS ANÍSIO TEIXEIRA SAEB - PRIMEIROS RESULTADOS: Médias de desempenho do SAEB/ em perspectiva comparada Fevereiro de 2007 Presidente

Leia mais

Redação Oficial, Protocolo e Arquivamento AULA 11. Temas: Conceitos de Arquivamento

Redação Oficial, Protocolo e Arquivamento AULA 11. Temas: Conceitos de Arquivamento Redação Oficial, Protocolo e Arquivamento AULA 11 Temas: Conceitos de Arquivamento Até agora, estudamos sobre a forma correta de produzir e tramitar os documentos gerados em nosso dia-a-dia. A partir desta

Leia mais

MÍDIAS NA ESCOLA. Continuando nossos estudos... Agosto

MÍDIAS NA ESCOLA. Continuando nossos estudos... Agosto MÍDIAS NA ESCOLA Continuando nossos estudos... Agosto - 2015 PARA RECORDAR! LEITURA: UM ENFOQUE ALÉM DO TEXTO QUAL O GÊNERO? QUAL O SUPORTE? QUEM ESCREVEU? QUANDO ESCREVEU? PARA QUEM ESCREVEU? PARA QUE

Leia mais

ESTADO DO TOCANTINS CORPO DE BOMBEIROS MILITAR COORDENADORIA ESTADUAL DE DEFESA CIVIL ESTUDO CRONOLÓGICO DOS FOCOS DE CALOR NO ESTADO DO TOCANTINS

ESTADO DO TOCANTINS CORPO DE BOMBEIROS MILITAR COORDENADORIA ESTADUAL DE DEFESA CIVIL ESTUDO CRONOLÓGICO DOS FOCOS DE CALOR NO ESTADO DO TOCANTINS ESTADO DO TOCANTINS CORPO DE BOMBEIROS MILITAR COORDENADORIA ESTADUAL DE DEFESA CIVIL ESTUDO CRONOLÓGICO DOS FOCOS DE CALOR NO ESTADO DO TOCANTINS PALMAS 2012 LISTA DE FIGURAS Figura 1 Mapa do Tocantins

Leia mais

PPaisagens. Culturais. Banners 1 e 2 (90 x 190 cm) FRENTE - Suporte de madeira 1 (Próximo da entrada) e do léxico toponímico

PPaisagens. Culturais. Banners 1 e 2 (90 x 190 cm) FRENTE - Suporte de madeira 1 (Próximo da entrada) e do léxico toponímico do território FFormação e do léxico toponímico PPaisagens Culturais Expressões da Toponímia e da Cartogra a Histórica das n GruMEL Grupo Mineiro de Estudos do Léxico Mapa das Minas do Ouro e São Paulo

Leia mais

5 A pesquisa de campo

5 A pesquisa de campo 58 5 A pesquisa de campo Neste capítulo, apresenta-se a pesquisa qualitativa realizada junto a 9 mães, investigando, a partir das várias transformações pelas quais elas passaram, as representações que

Leia mais

A TOPONÍMIA DA REGIÃO CENTRAL DE MINAS GERAIS

A TOPONÍMIA DA REGIÃO CENTRAL DE MINAS GERAIS 614 A TOPONÍMIA DA REGIÃO CENTRAL DE MINAS GERAIS The Toponymy of Central Region of Minas Gerais Patrícia de Cássia Gomes Pimentel * RESUMO: Este artigo visa à descrição dos principais aspectos teórico-metodológicos

Leia mais

Construindo a memória e identidade no Tocantins

Construindo a memória e identidade no Tocantins Construindo a memória e identidade no Tocantins Resenha do Livro: SANTOS, José Vandilo. Memória e identidade. Curitiba: Appris, 2015. João Nunes da Silva 1 O professor José Vandilo dos Santos é antropólogo

Leia mais

PLANO DE CURSO DISCIPLINA:Geografia ÁREA DE ENSINO: Fundamental I SÉRIE/ANO: 3 ANO DESCRITORES CONTEÚDOS SUGESTÕES DE PROCEDIMENTOS METODOLÓGICOS

PLANO DE CURSO DISCIPLINA:Geografia ÁREA DE ENSINO: Fundamental I SÉRIE/ANO: 3 ANO DESCRITORES CONTEÚDOS SUGESTÕES DE PROCEDIMENTOS METODOLÓGICOS UNIDADE 1 OS LUGARES E SUAS PAISAGENS *Reconhecer semelhanças e diferenças entre as paisagens. *Perceber que as paisagens são constituídas por elementos naturais e culturais. *Compreender que a paisagem

Leia mais

APRENDER E ENSINAR EM ACAMPAMENTOS-MST- TOCANTINS: REFLEXÕES SOBRE SABERES CONSTRUÍDOS NA LUTA PELA TERRA.

APRENDER E ENSINAR EM ACAMPAMENTOS-MST- TOCANTINS: REFLEXÕES SOBRE SABERES CONSTRUÍDOS NA LUTA PELA TERRA. APRENDER E ENSINAR EM ACAMPAMENTOS-MST- TOCANTINS: REFLEXÕES SOBRE SABERES CONSTRUÍDOS NA LUTA PELA TERRA. Mariane Emanuelle da S.Lucena Orientador 2 ; Rejane C. Medeiros de Almeida. 1 Aluno do Curso de

Leia mais

FORMULÁRIO PARA APRESENTAÇÃO DE PROGRAMA GERAL DE DISCIPLINA - PGD

FORMULÁRIO PARA APRESENTAÇÃO DE PROGRAMA GERAL DE DISCIPLINA - PGD UNIVERSIDADE DO ESTADO DO RIO GRANDE DO NORTE UERN CAMPUS AVANÇADO PROFª. MARIA ELISA DE A. MAIA - CAMEAM DEPARTAMENTO DE LETRAS DL PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM LETRAS PPGL Curso de Mestrado Acadêmico

Leia mais

METÁFORA: ANALISANDO COMO A METAFORA É PRATICADA EM SALA DE AULA E COMO PODERIA SER TRABALHADA EM SALA DE AULA. COMPREENDENDO TEORIAS.

METÁFORA: ANALISANDO COMO A METAFORA É PRATICADA EM SALA DE AULA E COMO PODERIA SER TRABALHADA EM SALA DE AULA. COMPREENDENDO TEORIAS. METÁFORA: ANALISANDO COMO A METAFORA É PRATICADA EM SALA DE AULA E COMO PODERIA SER TRABALHADA EM SALA DE AULA. COMPREENDENDO TEORIAS. Nome dos autores: Leane da Silva Ferreira, Dieysa Kanyela Fossile.

Leia mais

NATUREZA DO CONHECIMENTO

NATUREZA DO CONHECIMENTO NATUREZA DO CONHECIMENTO CONHECER E PENSAR Conhecer e pensar são uma necessidade para o ser humano e indispensável para o progresso. Sabemos que existimos porque pensamos. Se nada soubéssemos sobre o universo

Leia mais

OS SABERES E PRÁTICAS AGRÍCOLAS DE ONTEM E DE HOJE NA COMUNIDADE QUILOMBOLA DE SÃO ROQUE/PRAIA GRANDE-SC

OS SABERES E PRÁTICAS AGRÍCOLAS DE ONTEM E DE HOJE NA COMUNIDADE QUILOMBOLA DE SÃO ROQUE/PRAIA GRANDE-SC OS SABERES E PRÁTICAS AGRÍCOLAS DE ONTEM E DE HOJE NA COMUNIDADE QUILOMBOLA DE SÃO ROQUE/PRAIA GRANDE-SC Ramon Generoso MARTINS, Bruno Leffa BORGES, Igor Antônio Gonçalves de ABREU, Diana Loch DUESSMANN,

Leia mais

CIDADE E CULTURA NO TOCANTINS: ASPECTOS ÉTNICO- CULTURAIS DA COMUNIDADE AFRO DESCENDENTE DA FAZENDA AÇUDE NO MUNICÍPIO DE SANTA ROSA-TO

CIDADE E CULTURA NO TOCANTINS: ASPECTOS ÉTNICO- CULTURAIS DA COMUNIDADE AFRO DESCENDENTE DA FAZENDA AÇUDE NO MUNICÍPIO DE SANTA ROSA-TO CIDADE E CULTURA NO TOCANTINS: ASPECTOS ÉTNICO- CULTURAIS DA COMUNIDADE AFRO DESCENDENTE DA FAZENDA AÇUDE NO MUNICÍPIO DE SANTA ROSA-TO Nome do autore: Valdina Gomes de Almeida Nome do Aluno; Valdina Gomes

Leia mais

PLANO DE CURSO Disciplina: LÍNGUA PORTUGUESA Série: 3º ano Ensino Fundamental

PLANO DE CURSO Disciplina: LÍNGUA PORTUGUESA Série: 3º ano Ensino Fundamental PLANO DE CURSO Disciplina: LÍNGUA PORTUGUESA Série: 3º ano Ensino Fundamental UNIDADE I: GÊNEROS LITERÁRIOS Poesias Trabalhar conceitos, estruturas e produções do gênero. Biografia Entrevista Texto informativo

Leia mais

A TOPONIMIA HUMANA DA ZONA RURAL DE MUNICÍPIOS DA MICRORREGIÃO DE NOVA ANDRADINA/MS

A TOPONIMIA HUMANA DA ZONA RURAL DE MUNICÍPIOS DA MICRORREGIÃO DE NOVA ANDRADINA/MS A TOPONIMIA HUMANA DA ZONA RURAL DE MUNICÍPIOS DA MICRORREGIÃO DE NOVA ANDRADINA/MS Gléberson Pires do Nascimento glebersongp_10@hotmail.com http://lattes.cnpq.br/4668397105383449 Renato Rodrigues Pereira

Leia mais

Círculo Fluminense de Estudos Filológicos e Linguísticos

Círculo Fluminense de Estudos Filológicos e Linguísticos A TOPONÍMICA DA ÁREA CENTRAL DA CIDADE DE TRÊS LAGOAS: UM ESTUDO PRELIMINAR Karla Bittencourt (UFMS) kpbittencourt@yahoo.com.br RESUMO A toponímia reflete aspectos históricos de um povo e do espaço onde

Leia mais

METODOLOGIA DA PESQUISA CIENTÍFICA

METODOLOGIA DA PESQUISA CIENTÍFICA METODOLOGIA DA PESQUISA CIENTÍFICA Profª. Drª. Joscely Galera UTFPR Campus Curitiba Pesquisa Científica: Pesquisar, significa procurar respostas para as indagações propostas. Para Gil, a pesquisa tem um

Leia mais

Manual para a elaboração do TCC em formato Monografia Curso de Publicidade e Propaganda 2º/2016

Manual para a elaboração do TCC em formato Monografia Curso de Publicidade e Propaganda 2º/2016 Manual para a elaboração do TCC em formato Monografia Curso de Publicidade e Propaganda 2º/2016 Realizar uma Monografia é uma das modalidades de pesquisa que o aluno dispõe como alternativa para o Trabalho

Leia mais

A VARIAÇÃO LEXICAL NA MICRORREGIÃO DE PORTO NACIONAL: UM ENFOQUE NAS BRINCADEIRAS INFANTIS

A VARIAÇÃO LEXICAL NA MICRORREGIÃO DE PORTO NACIONAL: UM ENFOQUE NAS BRINCADEIRAS INFANTIS A VARIAÇÃO LEXICAL NA MICRORREGIÃO DE PORTO NACIONAL: UM ENFOQUE NAS BRINCADEIRAS INFANTIS Bruna Lorraynne Dias Menezes 1 ; Greize Alves da Silva 2 RESUMO A Lexicologia trata-se de um campo de estudos

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DO ESTUDO TOPONÍMICO NO ENSINO DE GEOGRAFIA.

A IMPORTÂNCIA DO ESTUDO TOPONÍMICO NO ENSINO DE GEOGRAFIA. 58 A IMPORTÂNCIA DO ESTUDO TOPONÍMICO NO ENSINO DE GEOGRAFIA. Ana Carolina Santos e Silva Departamento de Geografia Universidade Federal De Viçosa Campus Universitário - Viçosa-MG 36570-000 Ana.c.e@ufv.br

Leia mais

1 Introdução. 1.1 Contextualização

1 Introdução. 1.1 Contextualização 1 Introdução 1.1 Contextualização Sabe-se que não é de hoje a grande exigência do mercado por produtos de qualidade e, com base nessa contínua exigência as empresas, cada vez mais, buscam meios de assegurar

Leia mais

REGULAMENTO DO LABORATÓRIO DE HISTÓRIA ORAL CAPÍTULO I DO OBJETO

REGULAMENTO DO LABORATÓRIO DE HISTÓRIA ORAL CAPÍTULO I DO OBJETO REGULAMENTO DO LABORATÓRIO DE HISTÓRIA ORAL CAPÍTULO I DO OBJETO Art. 1º. O Laboratório de História Oral (LHO) é um espaço destinado ao trabalho com a técnica da História Oral, onde também se constitui

Leia mais

PROGRAMA DE BOLSAS DE RESIDÊNCIA NO ÂMBITO DO INSTITUTO MARIA E JOÃO ALEIXO - IMJA

PROGRAMA DE BOLSAS DE RESIDÊNCIA NO ÂMBITO DO INSTITUTO MARIA E JOÃO ALEIXO - IMJA PROGRAMA DE BOLSAS DE RESIDÊNCIA NO ÂMBITO DO INSTITUTO MARIA E JOÃO ALEIXO - IMJA EDITAL 001/ 2017 DE SELEÇÃO DE BOLSISTAS PARA O PROGRAMA DE RESIDÊNCIA DO INSTITUTO MARIA E JOÃO ALEIXO O Instituto Maria

Leia mais

REVISTA ELETRÔNICA PERSPECTIVAS DA CIÊNCIA E TECNOLOGIA - ISSN:

REVISTA ELETRÔNICA PERSPECTIVAS DA CIÊNCIA E TECNOLOGIA - ISSN: REVISTA ELETRÔNICA PERSPECTIVAS DA CIÊNCIA E TECNOLOGIA - ISSN: 1984-5693 A Revista eletrônica "Perspectivas da Ciência e Tecnologia" é um periódico técnico-científico do Instituto Federal de Educação,

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO RITTER DOS REIS PRÓ-REITORIA ACADÊMICA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM LETRAS/MESTRADO EDITAL PARA PROCESSO SELETIVO DE DOCENTE

CENTRO UNIVERSITÁRIO RITTER DOS REIS PRÓ-REITORIA ACADÊMICA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM LETRAS/MESTRADO EDITAL PARA PROCESSO SELETIVO DE DOCENTE CENTRO UNIVERSITÁRIO RITTER DOS REIS PRÓ-REITORIA ACADÊMICA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM LETRAS/MESTRADO EDITAL PARA PROCESSO SELETIVO DE DOCENTE A Pró-Reitoria de Pesquisa, Pós-Graduação e Extensão UniRitter

Leia mais

ANÁLISE DAS RESOLUÇÕES DE PROBLEMAS ENVOLVENDO CÍRCULO E CIRCUNFERÊNCIA NA PRODUÇÃO DAS PEÇAS DE ARTESANATO COM CAPIM DOURADO

ANÁLISE DAS RESOLUÇÕES DE PROBLEMAS ENVOLVENDO CÍRCULO E CIRCUNFERÊNCIA NA PRODUÇÃO DAS PEÇAS DE ARTESANATO COM CAPIM DOURADO ANÁLISE DAS RESOLUÇÕES DE PROBLEMAS ENVOLVENDO CÍRCULO E CIRCUNFERÊNCIA NA PRODUÇÃO DAS PEÇAS DE ARTESANATO COM CAPIM DOURADO Luciana Tavares de Sousa; Rochelande Felipe Rodrigues Aluna do Curso de Licenciatura

Leia mais

AMPLIAÇÃO DO ENSINO FUNDAMENTAL NA EDUCAÇÃO MUNICIPAL EM PALMAS: DOCÊNCIA, GESTÃO, POLÍTICA, LEGISLAÇÃO

AMPLIAÇÃO DO ENSINO FUNDAMENTAL NA EDUCAÇÃO MUNICIPAL EM PALMAS: DOCÊNCIA, GESTÃO, POLÍTICA, LEGISLAÇÃO AMPLIAÇÃO DO ENSINO FUNDAMENTAL NA EDUCAÇÃO MUNICIPAL EM PALMAS: DOCÊNCIA, GESTÃO, POLÍTICA, LEGISLAÇÃO Alvenita Pereira dos Santos Maria José da Silva Morais Simone Bonfim Braga Chaves Universidade Federal

Leia mais

A coleção Português Linguagens e os gêneros discursivos nas propostas de produção textual

A coleção Português Linguagens e os gêneros discursivos nas propostas de produção textual A coleção Português Linguagens e os gêneros discursivos nas propostas de produção textual Marly de Fátima Monitor de Oliveira Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho - Unesp Araraquara e-mail:

Leia mais

3ª Priscila Marra. 1ª Série E.M.

3ª Priscila Marra. 1ª Série E.M. Artes 3ª Priscila Marra 1ª Série E.M. Competência Objeto de aprendizagem Habilidade COMPETÊNCIA 1 Compreender que a arte é uma linguagem que propicia o desenvolvimento da expressão, do senso crítico, estético,

Leia mais

Parte I Visão Geral do Processo de Pesquisa 21. Capítulo 1 Introdução à Pesquisa em Atividade Física 23

Parte I Visão Geral do Processo de Pesquisa 21. Capítulo 1 Introdução à Pesquisa em Atividade Física 23 SUMÁRIO Parte I Visão Geral do Processo de Pesquisa 21 Capítulo 1 Introdução à Pesquisa em Atividade Física 23 Natureza da pesquisa 23 Métodos não científicos e científicos de solução de problemas 30 Modelos

Leia mais

PROGRAMA DE BOLSAS DE RESIDÊNCIA NO ÂMBITO DO INSTITUTO MARIA E JOÃO ALEIXO - IMJA

PROGRAMA DE BOLSAS DE RESIDÊNCIA NO ÂMBITO DO INSTITUTO MARIA E JOÃO ALEIXO - IMJA PROGRAMA DE BOLSAS DE RESIDÊNCIA NO ÂMBITO DO INSTITUTO MARIA E JOÃO ALEIXO - IMJA EDITAL 001/2017 DE SELEÇÃO DE BOLSISTAS PARA O PROGRAMA DE RESIDÊNCIA DO INSTITUTO MARIA E JOÃO ALEIXO O Instituto Maria

Leia mais

Capítulo V. Apresentação inclusiva do COGSENTIDOS

Capítulo V. Apresentação inclusiva do COGSENTIDOS Capítulo V Apresentação inclusiva do COGSENTIDOS Neste capítulo, abordaremos o real significado da inclusão e o que é a ferramenta pedagógica inclusiva COGSENTIDOS e a sua contribuição para o surdo e o

Leia mais

3 Metodologia Tipo de Pesquisa

3 Metodologia Tipo de Pesquisa 3 Metodologia 3.1. Tipo de Pesquisa Para a classificação desta pesquisa foi adotada a taxonomia proposta por Vergara (2000). Segundo esta classificação, as pesquisas podem ser classificadas quanto aos

Leia mais

FACULDADE LEÃO SAMPAIO

FACULDADE LEÃO SAMPAIO PROCESSO DE SELEÇÃO DE PROFESSORES PARA O PERÍODO 2015.1 EDITAL 13/2014 O Diretor Presidente da Faculdade Leão Sampaio, no uso de suas atribuições, torna público que estão abertas as inscrições para seleção

Leia mais

CUBRA 12: CONTRIBUIÇÕES PARA O CÁLCULO MENTAL COM AS QUATRO OPERAÇÕES NO 6º ANO DO ENSINO FUNDAMENTAL

CUBRA 12: CONTRIBUIÇÕES PARA O CÁLCULO MENTAL COM AS QUATRO OPERAÇÕES NO 6º ANO DO ENSINO FUNDAMENTAL CUBRA 12: CONTRIBUIÇÕES PARA O CÁLCULO MENTAL COM AS QUATRO OPERAÇÕES NO 6º ANO DO ENSINO FUNDAMENTAL (Francinaldo de Meireles Silveira - Autor; Franciclaudio de Meireles Silveira - Coautor; Eduardo da

Leia mais

CUIDADOS DE ENFERMAGEM ÀS PESSOAS PORTADORAS DE COLOSTOMIA E/OU ILEOSTOMIA NA ESTRATÉGIA SAÚDE DA FAMÍLIA: NOTA PRÉVIA

CUIDADOS DE ENFERMAGEM ÀS PESSOAS PORTADORAS DE COLOSTOMIA E/OU ILEOSTOMIA NA ESTRATÉGIA SAÚDE DA FAMÍLIA: NOTA PRÉVIA CUIDADOS DE ENFERMAGEM ÀS PESSOAS PORTADORAS DE COLOSTOMIA E/OU ILEOSTOMIA NA ESTRATÉGIA SAÚDE DA FAMÍLIA: NOTA PRÉVIA Cláudia Bruna Perin¹ Érika Eberlline Pacheco dos Santos² Resumo O enfermeiro da Estratégia

Leia mais

Português. Língua Não Materna (B1) 1. Introdução. Informação n.º Data: Para: Prova 64/94/

Português. Língua Não Materna (B1) 1. Introdução. Informação n.º Data: Para: Prova 64/94/ Prova Final / Prova de Exame Nacional de Português Língua Não Materna (B1) Prova 64/94/839 2012 6.º Ano, 9.º Ano ou 12.º Ano de Escolaridade Para: Direção-Geral de Inovação e de Desenvolvimento Curricular

Leia mais

Índice. 1. O Alfabetizador Ao Desenhar, A Criança Escreve?...5

Índice. 1. O Alfabetizador Ao Desenhar, A Criança Escreve?...5 GRUPO 5.4 MÓDULO 2 Índice 1. O Alfabetizador...3 1.1. Contribuições ao Educador-Alfabetizador... 4 1.2. Ações do professor alfabetizador... 4 2. Ao Desenhar, A Criança Escreve?...5 2 1. O ALFABETIZADOR

Leia mais

Relatório: Vale do Paraíba

Relatório: Vale do Paraíba Relatório: Vale do Paraíba O estudo do meio realizado pelos alunos do 1º. Ano do Ensino Médio da Escola Villare envolveu uma viagem ao Vale do Paraíba, onde foi proposto aos alunos uma nova maneira de

Leia mais

UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO FACULDADE DE FILOSOFIA, LETRAS E CIÊNCIAS HUMANAS DEPARTAMENTO DE LETRAS CLÁSSICAS E VERNÁCULAS

UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO FACULDADE DE FILOSOFIA, LETRAS E CIÊNCIAS HUMANAS DEPARTAMENTO DE LETRAS CLÁSSICAS E VERNÁCULAS UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO FACULDADE DE FILOSOFIA, LETRAS E CIÊNCIAS HUMANAS DEPARTAMENTO DE LETRAS CLÁSSICAS E VERNÁCULAS DISCIPLINAS DE PÓS-GRADUAÇÃO OFERECIDAS NO 2º SEMESTRE DE 2017 Programa: 8156 ESTUDOS

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO NORTE UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DE PERNAMBUCO

UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO NORTE UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DE PERNAMBUCO UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO NORTE UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DE PERNAMBUCO DOUTORADO EM DESENVOLVIMENTO E INOVAÇÃO TECNOLÓGICA EM

Leia mais

EDITAL Nº 01/2016 PROCESSO DE SELEÇÃO PARA ALUNO REGULAR ENTRADA NO 2º SEMESTRE DE 2016

EDITAL Nº 01/2016 PROCESSO DE SELEÇÃO PARA ALUNO REGULAR ENTRADA NO 2º SEMESTRE DE 2016 UNIVERSIDADE FEDERAL DO TOCANTINS CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU ÉTICA E ENSINO DE FILOSOFIA CÂMPUS DE PALMAS Quadra 109 Norte, Av. NS 15, s/n ALCNO 14, Bloco BALA II, Sala 13, Coord. do curso de Filosofia

Leia mais

PALAVRAS-CHAVE:Comunidades Quilombolas. Práticas Pedagógicas. Diretrizes Curriculares.

PALAVRAS-CHAVE:Comunidades Quilombolas. Práticas Pedagógicas. Diretrizes Curriculares. 1 COMUNIDADES QUILOMBOLAS: DA ATUAÇÃO DOS PROFESSORES ÀS DIRETRIZES CURRICULARES NACIONAIS PARA EDUCAÇÃO ESCOLAR QUILOMBOLA Dalva de Araújo Menezes Pontifícia Universidade Católica do Paraná PUCPR RESUMO

Leia mais

COMUNIDADES QUILOMBOLAS: DA ATUAÇÃO DOS PROFESSORES ÀS DIRETRIZES CURRICULARES NACIONAIS PARA EDUCAÇÃO ESCOLAR QUILOMBOLA

COMUNIDADES QUILOMBOLAS: DA ATUAÇÃO DOS PROFESSORES ÀS DIRETRIZES CURRICULARES NACIONAIS PARA EDUCAÇÃO ESCOLAR QUILOMBOLA 1 COMUNIDADES QUILOMBOLAS: DA ATUAÇÃO DOS PROFESSORES ÀS DIRETRIZES CURRICULARES NACIONAIS PARA EDUCAÇÃO ESCOLAR QUILOMBOLA Dalva de Araújo Menezes Pontifícia Universidade Católica do Paraná PUCPR RESUMO

Leia mais

ENSINO DE LÍNGUA E ANÁLISE LINGUÍSTICA: PRESCRUTANDO OS DOCUMENTOS OFICIAIS

ENSINO DE LÍNGUA E ANÁLISE LINGUÍSTICA: PRESCRUTANDO OS DOCUMENTOS OFICIAIS ENSINO DE LÍNGUA E ANÁLISE LINGUÍSTICA: PRESCRUTANDO OS DOCUMENTOS OFICIAIS Maria Eliane Gomes Morais (PPGFP-UEPB) lia_morais.jta@hotmail.com Linduarte Pereira Rodrigues (DLA/PPGFP-UEPB) linduarte.rodrigues@bol.com.br

Leia mais

CARTOGRAFIA E ENSINO: PERSPECTIVAS DA REALIDADE

CARTOGRAFIA E ENSINO: PERSPECTIVAS DA REALIDADE CARTOGRAFIA E ENSINO: PERSPECTIVAS DA REALIDADE Edmar Martins de Oliveira 1, Cleidson Reginaldo Ferreira Ribeiro 2, Renata de Melo Paulino 3, Divino Ordones 4. 1 Graduando no Curso de Licenciatura Plena

Leia mais

O LÉXICO TOPONÍMICO MUNICIPAL DA MICRORREGIÃO DE PALMEIRA DOS ÍNDIOS: MOTIVAÇÃO, FORMAÇÃO E ORIGEM. Pedro Antonio Gomes de MELO

O LÉXICO TOPONÍMICO MUNICIPAL DA MICRORREGIÃO DE PALMEIRA DOS ÍNDIOS: MOTIVAÇÃO, FORMAÇÃO E ORIGEM. Pedro Antonio Gomes de MELO O LÉXICO TOPONÍMICO MUNICIPAL DA MICRORREGIÃO DE PALMEIRA DOS ÍNDIOS: MOTIVAÇÃO, FORMAÇÃO E ORIGEM 71 Pedro Antonio Gomes de MELO Resumo: o léxico onomástico-toponímico é um campo rico para investigações

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO RITTER DOS REIS PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ARQUITETURA E URBANISMO MESTRADO ASSOCIADO UNIRITTER/MACKENZIE

CENTRO UNIVERSITÁRIO RITTER DOS REIS PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ARQUITETURA E URBANISMO MESTRADO ASSOCIADO UNIRITTER/MACKENZIE CENTRO UNIVERSITÁRIO RITTER DOS REIS PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ARQUITETURA E URBANISMO MESTRADO ASSOCIADO UNIRITTER/MACKENZIE EDITAL PARA PROCESSO SELETIVO DOCENTE A Pró-Reitoria Acadêmica (ProAcad)

Leia mais

Professora: Jéssica Nayra Sayão de Paula

Professora: Jéssica Nayra Sayão de Paula Professora: Jéssica Nayra Sayão de Paula Conceitos básicos e importantes a serem fixados: 1- Sincronia e Diacronia; 2- Língua e Fala 3- Significante e Significado 4- Paradigma e Sintagma 5- Fonética e

Leia mais

CURSO DE GRADUAÇÃO EM LETRAS - DIURNO (CURRÍCULO EM IMPLANTAÇÃO PROGRESSIVA A PARTIR DE ) PORTARIA DE APROVAÇÃO Nº 240/PREG/2006 DE 7/11/06

CURSO DE GRADUAÇÃO EM LETRAS - DIURNO (CURRÍCULO EM IMPLANTAÇÃO PROGRESSIVA A PARTIR DE ) PORTARIA DE APROVAÇÃO Nº 240/PREG/2006 DE 7/11/06 CURSO DE GRADUAÇÃO EM LETRAS - DIURNO (CURRÍCULO EM IMPLANTAÇÃO PROGRESSIVA A PARTIR DE 2007-1) PORTARIA DE APROVAÇÃO Nº 240/PREG/2006 DE 7/11/06 CRIAÇÃO DO CURSO : DECRETO Nº 36658/54 RECONHECIMENTO DO

Leia mais

INSTITUIÇÃO GRADUAÇÃO MESTRADO DOUTORADO. Universidade do Minho 02 vagas 02 vagas 02 vagas

INSTITUIÇÃO GRADUAÇÃO MESTRADO DOUTORADO. Universidade do Minho 02 vagas 02 vagas 02 vagas EDITAL IRI/USP/04/2016, de 23.02.2016. Abertura de inscrições ao processo seletivo para realização de intercâmbio na Escola de Economia e Gestão da Universidade do Minho, Portugal, para estudantes de graduação

Leia mais

Cadernos do CNLF, Vol. XIII, Nº 04

Cadernos do CNLF, Vol. XIII, Nº 04 O ESTUDO DOS NOMES NO CONTEXTO DA BR BELÉM-BRASÍLIA: ANÁLISE DAS FICHAS LEXICOGRÁFICO-TOPONÍMICAS 27 Karylleila dos Santos Andrade (UFT) karylleila@gmail.com Lynara Raquel Cavalcante (UFT) lylly.raquel@hotmail.com

Leia mais

O ESTUDO DO AÇAÍ COMO ESTRATÉGIA DE ENSINO- APRENDIZAGEM E INICIAÇÃO CIENTÍFICA NA EDUCAÇÃO BÁSICA, EM BELÉM, PARÁ

O ESTUDO DO AÇAÍ COMO ESTRATÉGIA DE ENSINO- APRENDIZAGEM E INICIAÇÃO CIENTÍFICA NA EDUCAÇÃO BÁSICA, EM BELÉM, PARÁ O ESTUDO DO AÇAÍ COMO ESTRATÉGIA DE ENSINO- APRENDIZAGEM E INICIAÇÃO CIENTÍFICA NA EDUCAÇÃO BÁSICA, EM BELÉM, PARÁ Resumo GONÇALVES, Rosiane Ferreira 1 - CAER Grupo de Trabalho Educação e Meio Ambiente

Leia mais

O presente capítulo visa à exposição da metodologia empregada na pesquisa: os objetivos, as hipóteses, a organização dos dados e o método de análise.

O presente capítulo visa à exposição da metodologia empregada na pesquisa: os objetivos, as hipóteses, a organização dos dados e o método de análise. 2. METODOLOGIA O presente capítulo visa à exposição da metodologia empregada na pesquisa: os objetivos, as hipóteses, a organização dos dados e o método de análise. 2.1 Objetivos 2.1.1 Objetivo geral Este

Leia mais

Informação n.º Data: Para: Direção-Geral da Educação. Inspeção-Geral de Educação e Ciência. Direções Regionais de Educação CIREP

Informação n.º Data: Para: Direção-Geral da Educação. Inspeção-Geral de Educação e Ciência. Direções Regionais de Educação CIREP Prova Final / Prova de Exame Nacional de Português Língua Não Materna (B1) Prova 64/94/839 2013 6.º Ano, 9.º Ano ou 12.º Ano de Escolaridade Para: Direção-Geral da Educação Inspeção-Geral de Educação e

Leia mais

Informação Prova de Equivalência à Frequência - 15 Ano Letivo 2012/2013

Informação Prova de Equivalência à Frequência - 15 Ano Letivo 2012/2013 Ensino Básico Informação Prova de Equivalência à Frequência - 15 Disciplina: Espanhol Ano Letivo 2012/2013 9º Ano de escolaridade 1. Objeto de avaliação A prova tem por referência o Programa de Espanhol

Leia mais

PROGRAMA DE BOLSA ACADÊMICA DE EXTENSÃO PBAEX / EDIÇÃO 2016 CAMPUS ANEXO III

PROGRAMA DE BOLSA ACADÊMICA DE EXTENSÃO PBAEX / EDIÇÃO 2016 CAMPUS ANEXO III PROGRAMA DE BOLSA ACADÊMICA DE EXTENSÃO PBAEX / EDIÇÃO 2016 CAMPUS ANEXO III FORMULÁRIO DA VERSÃO ELETRÔNICA DO PROJETO / DA ATIVIDADE DE EXTENSÃO PBAEX 2016 01. Título do Projeto Diagnóstico da ovinocaprinocultura

Leia mais

Universidade Estadual de Alagoas UNEAL. Rua Governador Luiz Cavalcante, S/N CEP Arapiraca, AL Fone: (82) Fax.

Universidade Estadual de Alagoas UNEAL. Rua Governador Luiz Cavalcante, S/N CEP Arapiraca, AL Fone: (82) Fax. Universidade Estadual de Alagoas UNEAL Rua Governador Luiz Cavalcante, S/N CEP 57312-270 Arapiraca, AL Fone: (82) 3539 6083 Fax.(82) 3530 3382 EDITAL N.º 11/2014 REITORIA/ UNEAL SELEÇÃO DE ALUNO PARA O

Leia mais

O GÊNERO VIDEO TOUR COMO INSTRUMENTO DE ENSINO DE LÍNGUA INGLESA E DE VALORIZAÇÃO DA IDENTIDADE LOCAL

O GÊNERO VIDEO TOUR COMO INSTRUMENTO DE ENSINO DE LÍNGUA INGLESA E DE VALORIZAÇÃO DA IDENTIDADE LOCAL O GÊNERO VIDEO TOUR COMO INSTRUMENTO DE ENSINO DE LÍNGUA INGLESA E DE VALORIZAÇÃO DA IDENTIDADE LOCAL Jaqueline de Andrade Borges (Colégio Estadual Prof. Dulce Mashio/Paraná) Terezinha Marcondes Diniz

Leia mais

QUAIS OS TIPOS DE VISITANTES EM PORTO NACIONAL-TO?

QUAIS OS TIPOS DE VISITANTES EM PORTO NACIONAL-TO? QUAIS OS TIPOS DE VISITANTES EM PORTO NACIONAL-TO? Nome dos autores: Thalyta de Cássia da Silva Feitosa¹; Rosane Balsan² 1 Aluna do Curso de Geografia Bacharelado; Campus de Porto Nacional; e-mail:thalyta.feitosa@hotmail;

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE ALAGOAS PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM EDUCAÇÃO SELEÇÃO 2017 RESULTADO PRELIMINAR FINAL DA SELEÇÃO DE MESTRADO E DOUTORADO 2017

UNIVERSIDADE FEDERAL DE ALAGOAS PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM EDUCAÇÃO SELEÇÃO 2017 RESULTADO PRELIMINAR FINAL DA SELEÇÃO DE MESTRADO E DOUTORADO 2017 UNIVERSIDADE FEDERAL DE ALAGOAS PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM EDUCAÇÃO SELEÇÃO 2017 RESULTADO PRELIMINAR FINAL DA SELEÇÃO DE MESTRADO E DOUTORADO 2017 COTISTAS Nº CPF NÍVEL LINHA GRUPO COTA NOTA STATUS

Leia mais

3 METODOLOGIA 3.1 TIPO DE PESQUISA

3 METODOLOGIA 3.1 TIPO DE PESQUISA 3 METODOLOGIA 3.1 TIPO DE PESQUISA A pesquisa é do tipo descritiva, pois tem como função principal a análise do objeto, buscando descrever a situação, sem realizar qualquer tipo de influência. Segundo

Leia mais

Palavras-chave: Religiões de matriz africana. População negra no Ceará. Negro e Educação.

Palavras-chave: Religiões de matriz africana. População negra no Ceará. Negro e Educação. RELIGIÕES DE MATRIZ AFRICANA NO CEARÁ: EDUCAÇÃO E OCUPAÇÃO DE ESPAÇOS PÚBLICOS Resumo: Nico Augusto có, Professor Orientador, Ivan Costa Lima Esta investigação se desenvolve na Universidade Internacional

Leia mais

EDUCAÇÃO MATEMÁTICA E ENSINO DE HISTÓRIA E CULTURA AFRO-BRASILEIRA: O JOGO MANCALA COMO POSSIBILIDADE

EDUCAÇÃO MATEMÁTICA E ENSINO DE HISTÓRIA E CULTURA AFRO-BRASILEIRA: O JOGO MANCALA COMO POSSIBILIDADE EDUCAÇÃO MATEMÁTICA E ENSINO DE HISTÓRIA E CULTURA AFRO-BRASILEIRA: O JOGO MANCALA COMO POSSIBILIDADE José Sávio Bicho de Oliveira 1 Eixo Temático: Etnomatemática e educação para inclusão Resumo: Este

Leia mais

Sumário Prefácio 11 Apresentação 13 1 Introdução 15 2 O Método Científico O Conhecimento Científico Método de Pesquisa Método D

Sumário Prefácio 11 Apresentação 13 1 Introdução 15 2 O Método Científico O Conhecimento Científico Método de Pesquisa Método D Antonio Carlos de Souza Francisco Antonio Pereira Fialho Nilo Otani TCC: Métodos e Técnicas Visual Books Sumário Prefácio 11 Apresentação 13 1 Introdução 15 2 O Método Científico 17 2 1 O Conhecimento

Leia mais

PROJETO APRENDENDO E BRINCANDO COM CANTIGAS DE INFANTIS. Escola Municipal Alfabeto. Série: 2ª. Professor: Edilza Ferreira de Lima Correia

PROJETO APRENDENDO E BRINCANDO COM CANTIGAS DE INFANTIS. Escola Municipal Alfabeto. Série: 2ª. Professor: Edilza Ferreira de Lima Correia PROJETO APRENDENDO E BRINCANDO COM CANTIGAS DE INFANTIS Escola Municipal Alfabeto Série: 2ª Professor: Edilza Ferreira de Lima Correia Arcoverde PE Quando uma criança brinca, joga e finge, está criando

Leia mais

ESCOLA SUPERIOR DE CIÊNCIAS DA SANTA CASA DE MISERICÓDIA DE VITÓRIA-EMESCAM TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO ANA DEBORAH FERREIRA LIMA LOPES

ESCOLA SUPERIOR DE CIÊNCIAS DA SANTA CASA DE MISERICÓDIA DE VITÓRIA-EMESCAM TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO ANA DEBORAH FERREIRA LIMA LOPES ESCOLA SUPERIOR DE CIÊNCIAS DA SANTA CASA DE MISERICÓDIA DE VITÓRIA-EMESCAM TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO ANA DEBORAH FERREIRA LIMA LOPES PATERNIDADE E PATERNAGEM: A VISÃO DOS HOMENS CONTEMPORÂNEOS VITÓRA

Leia mais

(REPUBLICADA EM RAZÃO DE ALTERAÇÃO DO PARÁGRAFO ÚNICO DO ART. 14, CONSOANTE TEOR DO PARECER N 28/CUN/2008 E RESOLUÇÃO Nº 024/CUn/2008)

(REPUBLICADA EM RAZÃO DE ALTERAÇÃO DO PARÁGRAFO ÚNICO DO ART. 14, CONSOANTE TEOR DO PARECER N 28/CUN/2008 E RESOLUÇÃO Nº 024/CUn/2008) (REPUBLICADA EM RAZÃO DE ALTERAÇÃO DO PARÁGRAFO ÚNICO DO ART. 14, CONSOANTE TEOR DO PARECER N 28/CUN/2008 E RESOLUÇÃO Nº 024/CUn/2008) RESOLUÇÃO NORMATIVA Nº 008/CUN/2007, de 10 de julho de 2007. CRIA

Leia mais

EDITAL ESPECIALIZAÇÃO EM HISTÓRIA DA AMAZÔNIA DEPARTAMENTO DE HISTÓRIA UNIR /2010

EDITAL ESPECIALIZAÇÃO EM HISTÓRIA DA AMAZÔNIA DEPARTAMENTO DE HISTÓRIA UNIR /2010 EDITAL ESPECIALIZAÇÃO EM HISTÓRIA DA AMAZÔNIA DEPARTAMENTO DE HISTÓRIA UNIR /2010 O Departamento de História, da Fundação Universidade Federal de Rondônia, através da Comissão de Seleção específica, e

Leia mais

Português. 1. Signo natural

Português. 1. Signo natural Português Ficha de apoio 1 1 os anos João Cunha fev/12 Nome: Nº: Turma: Signos O signo é objeto de estudo de ciências como a Semiologia, a Semiótica e a Linguística, entre outras. Existem várias teorias

Leia mais

'Cachoeira da Onça' é opção de ecoturismo próximo a Manaus

'Cachoeira da Onça' é opção de ecoturismo próximo a Manaus 'Cachoeira da Onça' é opção de ecoturismo próximo a Manaus Reserva particular de proteção natural mantém preservadas flora e fauna. Local está situado no município de Presidente Figueiredo. A reserva particular

Leia mais

TOPONÍMIA URBANA DE TRÊS LAGOAS MS: RELAÇÃO ENTRE LÍNGUA E CULTURA

TOPONÍMIA URBANA DE TRÊS LAGOAS MS: RELAÇÃO ENTRE LÍNGUA E CULTURA TOPONÍMIA URBANA DE TRÊS LAGOAS MS: RELAÇÃO ENTRE LÍNGUA E CULTURA Renato Rodrigues PEREIRA (G/UEMS) 1 Ana Paula Tribesse Patrício DARGEL (UEMS-PG/UNESP-FCCLAR) 2 RESUMO: Nesta pesquisa, tivemos o objetivo

Leia mais

PÊCHEUX E A PLURIVOCIDADE DOS SENTIDOS 1

PÊCHEUX E A PLURIVOCIDADE DOS SENTIDOS 1 1 PÊCHEUX E A PLURIVOCIDADE DOS SENTIDOS 1 Silmara Cristina DELA-SILVA Universidade Estadual Paulista (Unesp)... as palavras, expressões, proposições etc., mudam de sentido segundo as posições sustentadas

Leia mais

OS ZOOTOPÔNIMOS DE ORIGEM INDÍGENA DA MICRORREGIÃO DE DOURADOS-MS

OS ZOOTOPÔNIMOS DE ORIGEM INDÍGENA DA MICRORREGIÃO DE DOURADOS-MS OS ZOOTOPÔNIMOS DE ORIGEM INDÍGENA DA MICRORREGIÃO DE DOURADOS-MS 1 Letícia Moraes Lima¹; Carla Regina de Souza Figueiredo² ¹Estudante do Curso de Letras Português/Inglês da UEMS, Unidade Universitária

Leia mais

Debora Carvalho Capella. Um estudo descritivo do vocativo em linguagem oral para Português L2. Dissertação de Mestrado

Debora Carvalho Capella. Um estudo descritivo do vocativo em linguagem oral para Português L2. Dissertação de Mestrado Debora Carvalho Capella Um estudo descritivo do vocativo em linguagem oral para Português L2 Dissertação de Mestrado Dissertação apresentada como requisito parcial para obtenção do grau de Mestre pelo

Leia mais

Modulo 5. Técnicas de análise e interpretação dos dados.

Modulo 5. Técnicas de análise e interpretação dos dados. Metodologia de Estudo e de Pesquisa em Administração Modulo 5 Técnicas de análise e interpretação dos dados. Estatística descritiva Estatística inferencial Análise de conteúdo Análise de discurso Analogias

Leia mais

Márcia S. Duarte de Oliveira USP/FAPESP

Márcia S. Duarte de Oliveira USP/FAPESP Márcia S. Duarte de Oliveira USP/FAPESP marcia.oliveira@usp.br Cresce o número de representantes da Linguística e das Ciências Sociais que ratificam sobre os ganhos da pesquisa ao se unir estudos de fatos

Leia mais

EDITAL Nº /2013 PGCS/UFT

EDITAL Nº /2013 PGCS/UFT UNIVERSIDADE FEDERAL DO TOCANTINS/UFT PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS DA SAÚDE PROCESSO DE SELEÇÃO PARA ALUNO DO MESTRADO PROFISSIONAL EM CIÊNCIAS DA SAÚDE EDITAL Nº /2013 PGCS/UFT A Universidade

Leia mais

Pós-Graduação em Educação

Pós-Graduação em Educação Pós-Graduação em Educação Aula 3 O currículo e seus desdobramentos Conteúdos desta aula: A cultura no currículo escolar A Nova Sociologia da Educação 2 Vídeo: Chico Bento em: Na roça é diferente http://www.youtube.com/watch?v=x588tux1wv0

Leia mais

PROVA DE LEITURA E INTERPRETAÇÃO DE TEXTOS

PROVA DE LEITURA E INTERPRETAÇÃO DE TEXTOS UNIVERSIDADE FEDERAL DO OESTE DO PARÁ PRÓ-REITORIA DE ENSINO DE GRADUAÇÃO COMISSÃO PERMANENTE DE PROCESSOS SELETIVOS PROCESSO SELETIVO ESPECIAL - QUILOMBOLA 2017 PROVA DE LEITURA E INTERPRETAÇÃO DE TEXTOS

Leia mais

A PESQUISA E SUAS CLASSIFICAÇÕES. Sâmia Araújo dos Santos Suelene S. Oliveira Nascimento

A PESQUISA E SUAS CLASSIFICAÇÕES. Sâmia Araújo dos Santos Suelene S. Oliveira Nascimento A PESQUISA E SUAS CLASSIFICAÇÕES Sâmia Araújo dos Santos Suelene S. Oliveira Nascimento PESQUISAS TEÓRICA PRÁTICA UNIVERSO GERAL DAS PESQUISAS ABORDAGEM OBJETIVOS PROCEDIMENTOS TÉCNICOS - Quantitativa

Leia mais

EDITAL N 103/2016 PROGRAD PROCESSO SELETIVO PARA MUDANÇA DE TURNO EM UM MESMO CURSO E MESMO CAMPUS 2016/1º SEMESTRE.

EDITAL N 103/2016 PROGRAD PROCESSO SELETIVO PARA MUDANÇA DE TURNO EM UM MESMO CURSO E MESMO CAMPUS 2016/1º SEMESTRE. UNIVERSIDADE FEDERAL DO TOCANTINS PRÓ-REITORIA DE GRADUAÇÃO DIRETORIA DE REGISTRO E CONTROLE ACADÊMICO Av. NS 15, Quadra 109 Norte, Sala 213, Bloco IV 77001-090 Palmas/TO (63) 3232-8032 www.uft.edu.br/prograd

Leia mais

Plano de Trabalho Docente Ensino Médio

Plano de Trabalho Docente Ensino Médio Plano de Trabalho Docente 2015 Ensino Médio ETEC Monsenhor Antônio Magliano Código: 088 Município: Garça Área de conhecimento: Linguagens, Códigos e suas Tecnologias Componente Curricular: Língua Estrangeira

Leia mais

NÚMERO MÁXIMO DE VEREADORES POR MUNICÍPIO, NA ELEIÇÃO DE 2012, SEGUNDO OS DADOS DO CENSO 2010 TOCANTINS

NÚMERO MÁXIMO DE VEREADORES POR MUNICÍPIO, NA ELEIÇÃO DE 2012, SEGUNDO OS DADOS DO CENSO 2010 TOCANTINS NÚMERO MÁXIMO DE VEREADORES POR MUNICÍPIO, NA ELEIÇÃO DE 2012, SEGUNDO OS DADOS DO CENSO 2010 TOCANTINS François E. J. de Bremaeker Consultor da Associação Brasileira de Câmaras Municipais A eleição municipal

Leia mais

COLÉGIO LA SALLE BRASÍLIA

COLÉGIO LA SALLE BRASÍLIA COLÉGIO LA SALLE BRASÍLIA SGAS Quadra 906 Conjunto E Brasília - DF Telefone: (61) 3443-7878 Site: www.lasalledf.com.br E-mail: lasalledf@lasalledf.com.br DIRETRIZES CURRICULARES Maternal 3 1º Período Conteúdo

Leia mais

Quantidade de Acessos / Plano de Serviço / Unidade da Federação - Novembro/2007

Quantidade de Acessos / Plano de Serviço / Unidade da Federação - Novembro/2007 Quantidade de Acessos / Plano de Serviço / Unidade da Federação - Novembro/2007 REGIÃO NORTE 5.951.408 87,35 861.892 12,65 6.813.300 RONDÔNIA 760.521 88,11 102.631 11,89 863.152 ACRE 298.081 85,86 49.094

Leia mais

Uma abordagem sobre a preservação da paisagem urbana do 4º Distrito. Secretaria Municipal de Urbanismo Secretaria Municipal da Cultura

Uma abordagem sobre a preservação da paisagem urbana do 4º Distrito. Secretaria Municipal de Urbanismo Secretaria Municipal da Cultura Uma abordagem sobre a preservação da paisagem urbana do 4º Distrito Secretaria Municipal de Urbanismo Secretaria Municipal da Cultura 1916 Acervo IHGRGS Reconversão Econômica do 4º Distrito Bairros Floresta,

Leia mais

Uma reconstrução da história de Parintins através de relatos de moradores antigos e da linguagem fotográfica

Uma reconstrução da história de Parintins através de relatos de moradores antigos e da linguagem fotográfica Uma reconstrução da história de Parintins através de relatos de moradores antigos e da linguagem fotográfica Rubia Maria Farias Cavalcante 1, Alice Nascimento Teixeira Rocha 2, Yasmim Fontinelly 3 1 Professora

Leia mais

LEITURA E INTERPRETAÇÃO DE PROJETOS DE CONSTRUÇÃO CIVIL

LEITURA E INTERPRETAÇÃO DE PROJETOS DE CONSTRUÇÃO CIVIL LEITURA E INTERPRETAÇÃO DE PROJETOS DE CONSTRUÇÃO CIVIL Prof: Helano Abreu hasantos@sfiec.org.br www.profhelanoabreu.wordpress.com 1 PROJETO TOPOGRÁFICO 2 O que é Topografia? ETIMOLOGIA: A palavra TOPOGRAFIA

Leia mais