Irene Tosi Ahmad CREA

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Irene Tosi Ahmad CREA"

Transcrição

1 Irene Tosi Ahmad CREA Av. 57, Jardim Itapuã Rio Claro SP Fones: Formação Graduada em Engenharia Florestal pela Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro UFRRJ, Experiências 2012 Consultora da Empresa FLORARI, Consultoria, Planejamento e Gestão Ambiental Ltda, atuando na capacitação de técnicos, concepção de projetos para obtenção de licenças ambientais, implantação e acompanhamento de atividades, obras e empreendimentos do ramo imobiliário, agropecuário, minerário, de silvicultura, de infraestrutura, entre outros Assessora da Diretoria de Controle e Licenciamento Ambiental - Companhia Ambiental do Estado de São Paulo - CETESB. Apoio às ações da Diretoria que engloba as 52 Agências Ambientais da CETESB, distribuídas no Estado de São Paulo, no licenciamento ambiental das atividades que envolvam intervenções nos recursos naturais, em especial nos aspectos referentes às intervenções na vegetação nativa e em Áreas de Preservação Permanente, bem como na elaboração de procedimentos e no treinamento do corpo técnico interno da Companhia e externo, através dos cursos oferecidos pela instituição; Gerente de Divisão - Companhia Ambiental do Estado de São Paulo - CETESB. Apoio e coordenação à Região Industrial do Estado de São Paulo, no licenciamento ambiental das atividades que envolvam intervenções nos recursos naturais, em especial na vegetação e áreas de preservação permanente, compreendendo 12 Agências Ambientais que abrangem as Bacias do PCJ (Piracicaba,Capivari e Jundiaí), Paraíba do Sul e Tietê-Sorocaba, bem como efetuando treinamento do corpo técnico interno da Companhia e externo, através dos cursos oferecidos pela instituição; 2009 Diretora do Centro Técnico Regional I do Departamento Estadual de Proteção de Recursos Naturais (DEPRN), procedendo a coordenação do licenciamento e a fiscalização de todas as atividades envolvendo a supressão de vegetação nativa, árvores isoladas e intervenções em Áreas de Preservação Permanente, bem como coordenando o atendimento as demandas do Ministério Público e Poder Judiciário na elaboração de laudos de danos ambientais, na Região Centro Paulista; Supervisora Regional - Projeto de Recuperação de Matas Ciliares da Secretaria do Meio Ambiente do Estado de São Paulo, projeto financiado pelo Global Environment Facility (GEF), organismo financeiro do Banco Mundial, contratada através da empresa Avalon Consultoria e Planejamento Ambiental, atuando na Bacia do Tietê- Jacaré como coordenadora das atividades relacionadas à implantação dos Projetos Demonstrativos de Recuperação da Vegetação Ciliar; Supervisora Regional, Departamento Estadual de Proteção de Recursos Naturais (DEPRN) em períodos sequentes, como responsável pelas Equipe Técnicas

2 de Andradina ( ), Piracicaba (1997 e 2005) e Rio Claro ( , ) procedendo o licenciamento e a fiscalização de todas as atividades envolvendo a supressão de vegetação nativa, árvores isoladas e intervenções em Áreas de Preservação Permanente, bem como coordenando e efetuando o atendimentos às demandas do Ministério Público e Poder Judiciário na elaboração de laudos de danos ambientais naqueles escritórios regionais; Assessora da Diretoria Regional Centro Paulista do Departamento Estadual de Proteção de Recursos Naturais (DEPRN), apoiando a coordenação do licenciamento e a fiscalização de todas as atividades envolvendo a supressão de vegetação nativa, árvores isoladas e intervenções em Áreas de Preservação Permanente, bem como coordenando o atendimento as demandas do Ministério Público e Poder Judiciário na elaboração de laudos de danos ambientais, na Região Centro Paulista; 1987 Auxiliar de Ensino, Instituto de Tecnologia da Amazônia - Curso de Engenharia Florestal, em Manaus - Amazonas. Cursos realizados Fundamentos de Recursos Minerais e da Atividade de Mineração Aplicados ao Licenciamento: Impactos Ambientais e Legislação Pertinente carga horária: 24 horas realização: CETESB - Floresta Estacional Bioma Mata Atlântica Caracterização e Classificação para Aplicação no Licenciamento Ambiental, carga horária: 32 horas realização: Introdução ao Sistema DOF carga horária: 04h:30 realização: SMA/SP; Oficina de Recuperação Ambiental através de técnicas de Nucleação, carga horária: 16 horas, realização: Projeto de Recuperação de Mata Ciliares-SMA; Capacitação para Monitoramento de plantios do Projeto de Recuperação de Matas Ciliares carga horária: 24 horas, realização: Floresta Estadual de Assis- Instituto Florestal-SMA; Atualização em Recuperação de Áreas Degradadas (RAD): com ênfase em Matas Ciliares do Interior Paulista- carga horária: 24 horas realização: Universidade Federal de São Carlos (UFSCar) e Instituto de Botânica de São Paulo; GPS e Estação Total- Soluções da Leica GeosYstems - carga horária: 08 horas, realização: Escritório de Desenvolvimento Rural/CATI Piracicaba e APTA Secretaria de Agricultura e Abastecimento de São Paulo; Difusão Tecnológica em Recursos Hídricos carga horária: 120 horas, realização: CNPq, Agência Nacional de Águas, Comitê de Bacias Hidrográficas dos Rios Piracicaba, Capivari e Jundiaí e Prefeitura Municipal de Rio Claro; Licenciamento de Atividade Minerária carga horária: 30 horas, realização: SMA e Atualização em Recuperação de Áreas Degradadas carga horária: 24 horas, realização: Departamento de Ciências Biológicas ESALQ/USP; Desenvolvimento Organizacional, Gestão e Racionalização no âmbito das Atividades da SMA-DEPRN carga horária: 48 horas, realização: Fundação Instituto de Administração - FIA, conveniada com a Faculdade de Economia, Administração e Contabilidade da Universidade de São Paulo; 1997 Direito Ambiental carga horária: 5 horas, realização: SMA; 1993 Aplicações de Sensoriamento Remoto em Vegetação carga horária: 48 horas,

3 realização: FUNCATE; 1993 Reciclagem Técnica Vegetação carga horária: 32 horas, realização: SMA. Congressos, Seminários e Workshops 2012 Alterações do Código Florestal e os Desafios do Desenvolvimento Sustentável, apoio técnico na organização do evento. Realização: ABES- Associação Brasileira de ngenharia Sanitária e Ambiental-Seção São Paulo; Workshop sobre Água, Agricultura e Meio Ambiente no Século XXI com a palestra Aspectos legais sobre a conservação dos recursos naturais no meio rural, ministrado pelo Deputado Federal Aldo Rebelo, Relator da Comissão Especial do Código Florestal Brasileiro. Realização: Comitês PCJ; º Workshop sobre Reserva Legal: Legislação, Uso Econômico e Importância Ambiental. Realização IPEF/ESALQ/USP; 2004 Workshop Reserva Legal: Legislação, Uso Econômico e Importância Ambiental. Realização IPEF/ESALQ/USP; Seminário Água, Solo e Floresta: Conservação e Recuperação de Recurso Naturais. Realização: Instituto Florestal; Balanço e perspectivas da Atividade Florestal Ecos da Rio Realização: SMA Prefeitura de Rio Claro; 2002 Seminário de Educação Ambiental e Sanitária. Realização: SMA 2000 I Fórum de Debate Ecologia da Paisagem e Planejamento Ambiental. Realização Sociedade de Ecologia do Brasil; º Congresso Nacional sobre Essências Nativas. Realização: SMA; 1991 II Encontro Nacional de Sensoriamento Remoto aplicado ao Planejamento Ambiental; º Congresso Florestal Brasileiro. Realização: SBS e SBEF; III Encontro Brasileiro/Peruano de Cooperação Amazônica em Ciência e Tecnologia. Realização: Instituo Nacional de Pesquisas da Amazônia e Instituo de Investigaciones de la Amazônia Peruana. Documentos e Trabalhos Publicados Ahmad, I. T.; Ramos R. I. Impactos das Alterações no Código Florestal in Ahmad, I. T.; Ramos R. I. Código Florestal - Apreciação Atualizada in Crestana, Marcelo de Souza Machado et al; Florestas Sistemas de Recuperação com Essências Nativas, Produção de Mudas e Legislações, 2ª ed. Campinas CATI, 2004, como colaboradora; SMA/CETESB - Subprojeto 2 Corumbataí Cerâmicas - Envolvimento dos Setores Sociais: uma experiência com a indústria cerâmica de Santa Gertrudes e região In: Seminário Internacional "Avaliação do Acordo de Cooperação Técnica entre o Governo do Estado de São Paulo e o Governo do Canadá - Gerenciamento de Bacias Hidrográficas, São Paulo, P ; OLIVEIRA, A. B.: VIANNA, A L. P. L..; SARTORI, A. F.; GODOI, E. J.; PINHEIRO, G. S.; AHMAD, I. T.; PAGANI, M. I. Proposta Preliminar do Plano de Manejo do 'Horto Floresta

4 Edmundo Navarro de Andrade". In: I Fórum de Debates Ecologia da Paisagem e Planejamento Ambiental, Rio Claro - SP, Cursos, Palestras e Treinamentos ministrados 2012 Restinga e Manguezal Bioma Mata Atlântica Caracterização e Classificação para Aplicação no Licenciamento Ambiental, carga horária: 23 horas Público alvo: técnicos da Floresta Estacional Bioma Mata Atlântica Caracterização e Classificação para Aplicação no Licenciamento Ambiental, carga horária: 32 horas Público alvo: técnicos da Floresta Ombrófila Densa Bioma Mata Atlântica Caracterização e Classificação para Aplicação no Licenciamento Ambiental, carga horária: 32 horas Público alvo: técnicos da Legislação Florestal Aplicada, carga horaria: 2 turmas de 28 horas, realização : Público alvo: profissionais que atuam na área ambiental e técnicos da Técnicos e Administrativos, carga horária: 4 horas, realização : CETESB, Público Alvo: Técnicos da Prefeitura de Capivari; Área de Preservação Permanente (APP) de Topo de Morro estabelecida pelo art. 2º do Código Florestal e regulamentada pela Resolução CONAMA 303/2002; carga horaria: 3 turmas de 8 horas, realização : CETESB, Público alvo: profissionais que atuam na área ambiental e técnicos da CETESB e da SMA Área de Preservação Permanente (APP) de Topo de Morro; carga horaria: 2 turmas de 8 horas, realização : CETESB, Público alvo: técnicos da SMA e da Legislação Florestal Aplicada, carga horaria: 2 turmas de 28 horas realização : Público alvo: técnicos da Áreas de Preservação Permanente (APP) estabelecidas pelo art. 2º do Código Florestal e regulamentada pela Resolução CONAMA 303/2002; carga horaria: 2 turmas de 8 horas, realização : CETESB, Público alvo: técnicos da SMA e da Técnicos e Administrativos, carga horária: 4 horas, realização : CETESB, Público Alvo: Técnicos da Prefeitura Municipal de Sorocaba, Tatuí e Hortolândia Capacitação em Licenciamento Ambiental, carga horária: 4 horas;, realização; Consórcio PCJ, Público alvo: profissionais que atuam na área ambiental; Técnicos e Administrativos, carga horária: 5 turmas de 4 horas, realização : CETESB, Público Alvo: Técnicos das Prefeituras Municipais de Paulínia, Porto Feliz, Vinhedo, Americana, Jundiaí e Indaiatuba Licenciamento Ambiental Unificado palestra ministrada durante o 2º Encontro APAEF de Atualização Profissional realização: Associação Paulista de Engenheiros Florestais. Público alvo: profissionais que atuam no licenciamento ambiental;

5 Legislação Ambiental, palestra ministrada no Programa Produtor de Água Bacia PCJ a proprietários rurais- realização: CATI, SMA e TNC; APPs Urbanas - Recursos Florestais e Hídricos na Região Metropolitana de Campinas, palestra ministrada a profissionais e interessados na área ambiental, realização: Pró- Ambiente º Treinamento em Licenciamento Ambiental, carga horária: 8 horas, realização: Fundação de Estudos Agrários Luiz de Queiroz FEALQ. Público alvo: profissionais que atuam no licenciamento ambiental Competências e Atribuições do DEPRN, palestra ministrada no curso de Licenciamento Ambiental: Aspectos Teóricos e Práticos realização CEA-UNESP º Curso de Formação de Agentes Ambientais, palestra ministrada para a formação do Pelotão Ambiental da Guarda Municipal de Limeira realização: Secretaria de Agricultura, Abastecimento, Meio Ambiente e Recurso Hídricos da Prefeitura de Limeira Aspectos da Legislação Florestal e a atuação do DEPRN, palestra ministrada na XVI Semana de Estudos da Biologia realização: Centro Acadêmico da Biologia UNESP A atuação do DEPRN e a Legislação Florestal, palestra ministrada aos proprietários rurais da Bacia do Rio Corumbataí realização Instituto de Biociências UNESP. Rio Claro, 06 de outubro de 2012

PROTEÇÃO DE NASCENTES. Pensando no amanhã

PROTEÇÃO DE NASCENTES. Pensando no amanhã PROTEÇÃO DE NASCENTES Pensando no amanhã Ciclo Hidrológico Nascentes de água Nascente sem acúmulo inicial Área de Preservação Permanente Área de Preservação Permanente Área destinada à Reserva Legal

Leia mais

Consórcio Intermunicipal das Bacias dos Rios Piracicaba, Capivari e Jundiaí

Consórcio Intermunicipal das Bacias dos Rios Piracicaba, Capivari e Jundiaí Consórcio Intermunicipal das Bacias dos Rios Piracicaba, Capivari e Jundiaí Projeto de capacitação com foco na sensibilização e conscientização voltado à racionalização do uso da água Contrato FEHIDRO

Leia mais

Manual para Elaboração dos Planos Municipais para a Mata Atlântica

Manual para Elaboração dos Planos Municipais para a Mata Atlântica Manual para Elaboração dos Planos Municipais para a Mata Atlântica Rede de ONGs da Mata Atlântica RMA Apoio: Funbio e MMA Papel do Município no meio ambiente Constituição Federal Art 23 Competência Comum,

Leia mais

PROJETO DE REVITALIZAÇÃO DE NASCENTES EM ÁREAS URBANAS

PROJETO DE REVITALIZAÇÃO DE NASCENTES EM ÁREAS URBANAS CONFEA / CREA E O PROJETO DE REVITALIZAÇÃO DE NASCENTES EM ÁREAS URBANAS William Alvarenga Portela Engenheiro Agrônomo Tel.: (12) 9 7408-5000 william@portelaambiental.com.br São José dos Campos - SP Arborização

Leia mais

CAPACITAÇÃO REGIONAL OPORTUNIDADES E REALIDADES DAS BACIAS PCJ

CAPACITAÇÃO REGIONAL OPORTUNIDADES E REALIDADES DAS BACIAS PCJ CAPACITAÇÃO REGIONAL OPORTUNIDADES E REALIDADES DAS BACIAS PCJ AS BACIAS PCJ CARACTERIZAÇÃO DAS BACIAS PCJ Área = 15.304 km² (SP: 14.138 km² = 92,6% + MG: 1.166 km² = 7,4%) Municípios com sede na região

Leia mais

Relatório de Atividades.

Relatório de Atividades. Relatório de Atividades 2016 www.apremavi.org.br Programa Matas Legais Objetivo: Desenvolver um programa de Conservação, Educação Ambiental e Fomento Florestal que ajude a preservar e recuperar os remanescentes

Leia mais

Processo de Manejo Arbóreo em Empreendimentos Metroviários. Victor Bassetti Martinho 20ª AEAMESP SEMANA DE TECNOLOGIA METROFERROVIÁRIA

Processo de Manejo Arbóreo em Empreendimentos Metroviários. Victor Bassetti Martinho 20ª AEAMESP SEMANA DE TECNOLOGIA METROFERROVIÁRIA Processo de Manejo Arbóreo em Empreendimentos Metroviários Victor Bassetti Martinho 20ª SEMANA DE TECNOLOGIA METROFERROVIÁRIA AEAMESP Curriculum vitae 2 Victor Bassetti Martinho Engenheiro Ambiental graduado

Leia mais

RECURSOS FLORESTAIS E HÍDRICOS NA RMC

RECURSOS FLORESTAIS E HÍDRICOS NA RMC CONSÓRCIO INTERMUNICIPAL DAS BACIAS PCJ RECURSOS FLORESTAIS E HÍDRICOS NA RMC Secretaria Executiva DIFERENÇAS ENTRE: COMITÊ DE BACIA, AGÊNCIA DE ÁGUA E CONSÓRCIO INTERMUNICIPAL CONCEITO DE COMITÊ DE BACIA

Leia mais

FICHA PROJETO - nº 059-P

FICHA PROJETO - nº 059-P FICHA PROJETO - nº 059-P PADEQ Grande Projeto 1) TÍTULO: Apoio a Alternativas Sustentáveis no Território Portal da Amazônia. 2)MUNICÍPIOS DE ATUAÇÃO DO PROJETO: Nova Guarita, Terra Nova do Norte MT. 3)LINHA

Leia mais

Curso de Engenharia Florestal

Curso de Engenharia Florestal Curso de Engenharia Florestal Dados Gerais sobre o curso Local: Campus Universitário de Gurupi Formação: Barechal Criação: Resolução CONSEPE/UFT N Implantação: 2 Sem./2007 05/2006, de 24/05/2006. Reconhecimento:

Leia mais

Engenharia Ambiental. Consolidação da Profissão e Perspectivas. Prof. Marcelo Zaiat EESC-USP

Engenharia Ambiental. Consolidação da Profissão e Perspectivas. Prof. Marcelo Zaiat EESC-USP Engenharia Ambiental Consolidação da Profissão e Perspectivas Prof. Marcelo Zaiat EESC-USP zaiat@sc.usp.br Engenharia Ambiental Que curso é esse? O que faz esse profissional? Qual a estrutura do curso?

Leia mais

SIMEXMIN 2012 A QUESTÃO AMBIENTAL NA MINERAÇÃO E SUAS CONSEQUÊNCIAS. Ricardo Carneiro

SIMEXMIN 2012 A QUESTÃO AMBIENTAL NA MINERAÇÃO E SUAS CONSEQUÊNCIAS. Ricardo Carneiro SIMEXMIN 2012 A QUESTÃO AMBIENTAL NA MINERAÇÃO E SUAS CONSEQUÊNCIAS Ricardo Carneiro APROVEITAMENTO DOS RECURSOS MINERAIS E DOS POTENCIAIS HIDRÁULICOS APROVEITAMENTO DOS RECURSOS MINERAIS E DOS POTENCIAIS

Leia mais

UFV Catálogo de Graduação ENGENHARIA AMBIENTAL. COORDENADORA Ana Augusta Passos Rezende

UFV Catálogo de Graduação ENGENHARIA AMBIENTAL. COORDENADORA Ana Augusta Passos Rezende UFV Catálogo de Graduação 2014 223 ENGENHARIA AMBIENTAL COORDENADORA Ana Augusta Passos Rezende ana.augusta@ufv.br 224 Currículos dos Cursos do CCE UFV Engenheiro Ambiental ATUAÇÃO O curso de Engenharia

Leia mais

Recuperação da cobertura florestal na bacia do rio Corumbataí

Recuperação da cobertura florestal na bacia do rio Corumbataí SÉRIE TÉCNICA IPEF v. 12, n. 32, p. 121-126, dez. 1998 Recuperação da cobertura florestal na bacia do rio Corumbataí Arlet Maria Almeida Nassif Prefeitura Municipal de Piracicaba Em 1887, a cidade de Piracicaba

Leia mais

LICITAÇÕES REALIZADAS EM 2016 MODALIDADE COLETA DE PREÇOS

LICITAÇÕES REALIZADAS EM 2016 MODALIDADE COLETA DE PREÇOS LICITAÇÕES REALIZADAS EM 2016 MODALIDADE COLETA DE PREÇOS NÚMERO DO PROCESSO 01/2016 NÚMERO DE PARTICIPANTES 2 PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DE CONSULTORIA TÉCNICA PARA ELABORAÇÃO DE PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO DE

Leia mais

Instituto O Direito Por Um Planeta Verde Projeto "Direito e Mudanças Climáticas nos Países Amazônicos"

Instituto O Direito Por Um Planeta Verde Projeto Direito e Mudanças Climáticas nos Países Amazônicos Instituto O Direito Por Um Planeta Verde Projeto "Direito e Mudanças Climáticas nos Países Amazônicos" Tema: Desmatamento Legislação Federal Lei nº 4.771, de 15.09.1965, que institui o novo Código Florestal

Leia mais

Treinamento: Gestão Ambiental da Propriedade Rural Cód. 294

Treinamento: Gestão Ambiental da Propriedade Rural Cód. 294 Código Ambiental Atualizado Santa Catarina Santa Catarina é o primeiro estado brasileiro em aprovar e fazer virar lei um código ambiental independente da legislação federal (é importante salientar que

Leia mais

Mobilização e Capacitação para Elaboração dos Planos Municipais de Conservação e Recuperação da Mata Atlântica Região Sudeste

Mobilização e Capacitação para Elaboração dos Planos Municipais de Conservação e Recuperação da Mata Atlântica Região Sudeste Mobilização e Capacitação para Elaboração dos Planos Municipais de Conservação e Recuperação da Mata Atlântica Região Sudeste Contexto do Projeto Lei da Mata Atlântica (Lei nº 11.428 de 22/12/2006) e Decreto

Leia mais

MANEJO FLORESTAL COMUNITÁRIO E FAMILIAR

MANEJO FLORESTAL COMUNITÁRIO E FAMILIAR MISSÃO Promover o conhecimento, o uso sustentável e a ampliação da cobertura florestal, tornando a agenda florestal estratégica para a economia do país. MANEJO FLORESTAL COMUNITÁRIO E FAMILIAR Diretoria

Leia mais

O Sistema de Gestão dos Recursos Hídricos Exemplo nas Bacias PCJ. Eduardo Cuoco Léo Gestor Ambiental

O Sistema de Gestão dos Recursos Hídricos Exemplo nas Bacias PCJ. Eduardo Cuoco Léo Gestor Ambiental O Sistema de Gestão dos Recursos Hídricos Exemplo nas Bacias PCJ Eduardo Cuoco Léo Gestor Ambiental Piracicaba, 16 de agosto de 2010 OS FUNDAMENTOS LEGAIS DO SISTEMA OS FUNDAMENTOS LEGAIS DO SISTEMA (BACIAS

Leia mais

Levantamento de conteúdo para o sistema WebAmbiente

Levantamento de conteúdo para o sistema WebAmbiente 45 Levantamento de conteúdo para o sistema WebAmbiente Meiry Helen Bordim 1 Alan Massaru Nakai 2 Resumo: O WebAmbiente é um sistema que está sendo desenvolvido pela Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária

Leia mais

GRUPO DE TRABALHO EDUCAÇÃO AMBIENTAL. Kharen Teixeira (coord.) Uberlândia, 29/04/15

GRUPO DE TRABALHO EDUCAÇÃO AMBIENTAL. Kharen Teixeira (coord.) Uberlândia, 29/04/15 GRUPO DE TRABALHO EDUCAÇÃO AMBIENTAL Kharen Teixeira (coord.) Uberlândia, 29/04/15 Portaria CTPI 23/2013 Atribuições: I Propor diretrizes e ações de Educação Ambiental relacionadas aos recursos hídricos

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO CATÓLICA DE SANTA CATARINA EM JARAGUÁ DO SUL PRÓ-REITORIA ACADÊMICA CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM GESTÃO AMBIENTAL

CENTRO UNIVERSITÁRIO CATÓLICA DE SANTA CATARINA EM JARAGUÁ DO SUL PRÓ-REITORIA ACADÊMICA CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM GESTÃO AMBIENTAL CENTRO UNIVERSITÁRIO CATÓLICA DE SANTA CATARINA EM JARAGUÁ DO SUL PRÓ-REITORIA ACADÊMICA CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM GESTÃO AMBIENTAL Matriz Curricular válida para os acadêmicos ingressantes a partir

Leia mais

AGROECOLOGIA TECNÓLOGO Oferta por meio do SiSU 2º semestre

AGROECOLOGIA TECNÓLOGO Oferta por meio do SiSU 2º semestre AGROECOLOGIA TECNÓLOGO Oferta por meio do SiSU 2º semestre DESCRIÇÃO DO CURSO: O Curso Superior de Tecnologia em Agroecologia forma profissionais para desenvolver, de modo pleno e inovador, as atividades

Leia mais

1.1.1 SECRETARIA DE ESTADO DO MEIO AMBIENTE

1.1.1 SECRETARIA DE ESTADO DO MEIO AMBIENTE BINETE DO SECRETÁRIO PUBLICADA NO DOE DE 04-01-2011 SEÇÃO I PÁG 70-71 RESOLUÇÃO SMA Nº 130 DE 30 DE DEZEMBRO DE 2010 Dispõe sobre a criação do Sistema de Informações de Recuperação de Áreas Mineradas -

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA PARA A CONTRATAÇÃO DE SERVIÇOS DE CONSULTORIA VISANDO A ELABORAÇÃO DE JOGO AMBIENTAL

TERMO DE REFERÊNCIA PARA A CONTRATAÇÃO DE SERVIÇOS DE CONSULTORIA VISANDO A ELABORAÇÃO DE JOGO AMBIENTAL TERMO DE REFERÊNCIA PARA A CONTRATAÇÃO DE SERVIÇOS DE CONSULTORIA VISANDO A ELABORAÇÃO DE JOGO AMBIENTAL 1. IDENTIFICAÇÃO DO TERMO DE REFERÊNCIA NÚMERO: 08/2010 2. IDENTIFICAÇÃO DO CONTRATANTE CONTRATANTE:

Leia mais

Disposições do Código Florestal Parte 2

Disposições do Código Florestal Parte 2 Instrumentos da legislação ambiental aplicáveis aos sistemas de infraestrutura Disposições do Código Florestal Parte 2 AUT 192 novembro de 2015 Principais determinações gerais do CF Florestas e demais

Leia mais

Diretoria de Meio Ambiente Atividades e ações desenvolvidas pela estrutura municipal

Diretoria de Meio Ambiente Atividades e ações desenvolvidas pela estrutura municipal Diretoria de Meio Ambiente Atividades e ações desenvolvidas pela estrutura municipal Luiz Carlos Seidenfus Gerente de Licenciamento Ambiental LEI COMPLEMENTAR N 140, DE 8 DE DEZEMBRO DE 2011 Fixa normas

Leia mais

Elaboração de Plano de Gerenciamento de Resíduos Sólidos para órgãos públicos e privados.

Elaboração de Plano de Gerenciamento de Resíduos Sólidos para órgãos públicos e privados. APRESENTAÇÃO Sustentare Engenharia e Consultoria Ambiental é uma empresa de consultoria ambiental fundada em 13 de março de 2012 e, desde então, prima por elaborar e executar projetos com soluções ambientais

Leia mais

LICENCIAMENTO COM AVALIAÇÃO DE IMPACTO AMBIENTAL

LICENCIAMENTO COM AVALIAÇÃO DE IMPACTO AMBIENTAL LICENCIAMENTO AMBIENTAL NO ESTADO DE SÃO PAULO LICENCIAMENTO COM AVALIAÇÃO DE IMPACTO AMBIENTAL ANA CRISTINA PASINI DA COSTA Diretora de Avaliação Ambiental CONTEÚDO 1. DEFINIÇÕES E CONCEITOS AVALIAÇÃO

Leia mais

AS FLORESTAS NO MUNDO

AS FLORESTAS NO MUNDO AS FLORESTAS NO MUNDO ÁREA - Naturais = 3,682 bilhões ha (95%) - Plantadas = 187 milhões ha (5%) - Total = 3,869 bilhões ha (100%) SUPRIMENTO DE MADEIRA - Naturais = 65% - Plantadas = 35% - Total = 100%

Leia mais

4. REVISÃO DAS METAS E AÇÕES DO PLANO DE BACIAS 2000/2003

4. REVISÃO DAS METAS E AÇÕES DO PLANO DE BACIAS 2000/2003 4. REVISÃO DAS METAS E AÇÕES DO PLANO DE BACIAS 2000/2003 4.1. AS METAS DE CURTO PRAZO PQA X PLANO DE BACIAS 2000-2003 Esse capítulo faz uma comparação e explicita ações e metas já definidas nos dois principais

Leia mais

4 Núcleos de Trabalho. 26 Colaboradores. Entidade civil sem fins lucrativos de caráter socioambiental, fundada em 1996, sediada na cidade de São Paulo

4 Núcleos de Trabalho. 26 Colaboradores. Entidade civil sem fins lucrativos de caráter socioambiental, fundada em 1996, sediada na cidade de São Paulo Entidade civil sem fins lucrativos de caráter socioambiental, fundada em 1996, sediada na cidade de São Paulo 4 Núcleos de Trabalho São Paulo Porto Feliz Pilar do Sul Capão Bonito 26 Colaboradores eng.

Leia mais

Secretaria Municipal de Conservação e Meio Ambiente SECONSERMA

Secretaria Municipal de Conservação e Meio Ambiente SECONSERMA Secretaria Municipal de e Meio Ambiente SECONSERMA Fundo de Fundo de Fundo Especial de Fundo Iluminação Especial de Pública Iluminação Pública Secretaria Municipal Secretaria de Municipal de e Meio Ambiente

Leia mais

Currículos dos Cursos UFV ENGENHARIA AMBIENTAL. COORDENADORA Ann Honor Mounteer

Currículos dos Cursos UFV ENGENHARIA AMBIENTAL. COORDENADORA Ann Honor Mounteer 100 Currículos dos Cursos UFV ENGENHARIA AMBIENTAL COORDENADORA Ann Honor Mounteer ann@ufv.br UFV Catálogo de Graduação 2012 101 Engenheiro Ambiental ATUAÇÃO O curso de Engenharia Ambiental da UFV habilita

Leia mais

MÓDULO IV PLANO DE AÇÃO

MÓDULO IV PLANO DE AÇÃO MÓDULO IV PLANO DE AÇÃO Etapas do PMMA Organização do processo de elaboração do Plano Municipal da Mata Atlântica MOBILIZAÇÃO QUE CO SO ANÁLISE PRON CO VO Definição da Visão de Futuro DIAGNÓSTICO QUE CO

Leia mais

UFPR- SCA - CURSO DE ENGENHARIA FLORESTAL GRADE HORÁRIA - 1º SEMESTRE 2016

UFPR- SCA - CURSO DE ENGENHARIA FLORESTAL GRADE HORÁRIA - 1º SEMESTRE 2016 1º PERÍODO AT141 FÍSICA I - 3 55 2F07:30-10:30 CD046 EXPRESSÃO GRÁFICA I - GEOMETRIA DESCRITIVA - 3 35 35 CENTRO 4F 09:30-12:30 4F 09:30-12:30 CM22 MATEMÁTICA I - 4 55 CENTRO 5F 07:30-09:30 6F 09:30-11:30

Leia mais

LEI Nº 9097/2012, de 18 de outubro de 2012.

LEI Nº 9097/2012, de 18 de outubro de 2012. LEI Nº 9097/2012, de 18 de outubro de 2012. Procedência: Vereador Edinon Manoel da Rosa (Dinho) Natureza: Projeto de Lei nº 13706/2009 DOM Edição nº 836 de 26/10/2012 Fonte: CMF/Gerência de Documentação

Leia mais

PORTARIA N o 29 DE 21 DE SETEMBRO DE 2006 (publicada no DOU de 22/09/2006, seção I, página 105) ARIOSTO ANTUNES CULAU

PORTARIA N o 29 DE 21 DE SETEMBRO DE 2006 (publicada no DOU de 22/09/2006, seção I, página 105) ARIOSTO ANTUNES CULAU PORTARIA N o 29 DE 21 DE SETEMBRO DE 2006 (publicada no DOU de 22/09/2006, seção I, página 105) O SECRETÁRIO DE ORÇAMENTO FEDERAL, tendo em vista a autorização constante do art. 62, inciso III, da Lei

Leia mais

Recursos Hídricos. A interação do saneamento com as bacias hidrográficas e os impactos nos rios urbanos

Recursos Hídricos. A interação do saneamento com as bacias hidrográficas e os impactos nos rios urbanos 74 a Semana Oficial da Engenharia e da Agronomia Recursos Hídricos A interação do saneamento com as bacias hidrográficas e os impactos nos rios urbanos SECRETARIA DE RECURSOS HÍDRICOS E QUALIDADE AMBIENTAL

Leia mais

ESTRUTURA CURRICULAR DO CURSO DE ENGENHARIA FLORESTAL

ESTRUTURA CURRICULAR DO CURSO DE ENGENHARIA FLORESTAL TOTAL ESTRUTURA CURRICULAR DO CURSO DE ENGENHARIA FLORESTAL NÚCLEO DE CONTEÚDOS ÁREA DE FORMAÇÃO MATÉRIAS DISCIPLINAS CH T P 1º PERÍODO Silvicultura Ecossistemas Florestais Introdução à Engenharia Florestal

Leia mais

CONTRATAÇÃO DE SERVIÇOS DE CONSULTORIA

CONTRATAÇÃO DE SERVIÇOS DE CONSULTORIA TERMO DE REFERÊNCIA Projeto - CGP/BRA/078/GFF Projeto de Gestão Integrada do Ecossistema da Baia da Ilha Grande Componente 02 CONTRATAÇÃO DE SERVIÇOS DE CONSULTORIA Contratação de consultor para sensibilização

Leia mais

BRASÍLIA/DF, 04 DE SETEMBRO DE NOVO CÓDIGO FLORESTAL 2. CAR

BRASÍLIA/DF, 04 DE SETEMBRO DE NOVO CÓDIGO FLORESTAL 2. CAR BRASÍLIA/DF, 04 DE SETEMBRO DE 2014 RESUMO: 1. NOVO CÓDIGO FLORESTAL 2. CAR 1 NÚMEROS, PROGRAMAS E INSTRUMENTOS 84 artigos 76 EXCEÇÕES - INV. GAS. 36 DECRETOS REGULAMENTARES - DECRETOS A PUBLICAR: CRA

Leia mais

Consideram-se integrantes do Bioma Mata Atlântica as seguintes formações florestais nativas e ecossistemas associados, com as respectivas

Consideram-se integrantes do Bioma Mata Atlântica as seguintes formações florestais nativas e ecossistemas associados, com as respectivas LEI DA MATA ATLÂNTICA Lei nº 11.428/2006 Estudo Dirigido Prof. MSc. Guilhardes Júnior 1. Que formações florestais fazem parte do Bioma Mata Atlântica? Consideram-se integrantes do Bioma Mata Atlântica

Leia mais

Restauração Ecológica

Restauração Ecológica Restauração Ecológica A importância das florestas Seres humanos e sociedade: uso de recursos direta e indiretamente Diretamente: madeira para móveis, lenha, carvão, frutos, sementes e castanhas, óleos,

Leia mais

GESTÃO E EDUCAÇÃO AMBIENTAL

GESTÃO E EDUCAÇÃO AMBIENTAL EMENTA GESTÃO E EDUCAÇÃO AMBIENTAL DISCIPLINA: Educação Ambiental EMENTA: Educação ambiental no contexto histórico do desenvolvimento da sociedade capitalista. História contemporânea da questão ambiental.

Leia mais

MINAS GERAIS Sistema Estadual de Gerenciamento de Recursos Hídricos SEGRH: Desafios da implementação dos Planos de Bacia e Financiamento de projetos

MINAS GERAIS Sistema Estadual de Gerenciamento de Recursos Hídricos SEGRH: Desafios da implementação dos Planos de Bacia e Financiamento de projetos MINAS GERAIS Sistema Estadual de Gerenciamento de Recursos Hídricos SEGRH: Desafios da implementação dos Planos de Bacia e Financiamento de projetos Novembro de 2016 ESTRUTURA DO SINGREH FORMULAÇÃO DA

Leia mais

Licenciamento Florestal: Biomas Mata Atlântica e Pampa

Licenciamento Florestal: Biomas Mata Atlântica e Pampa Licenciamento Florestal: Biomas Mata Atlântica e Pampa Diego Melo Pereira Eng. Agrônomo Msc. Chefe da Divisão de Flora (Licenciamento e Cadastro Florestal) SEMA/RS Lei Federal 11.428/2006 Art. 2 o Para

Leia mais

COMPANHIA AMBIENTAL DO ESTADO DE SÃO PAULO

COMPANHIA AMBIENTAL DO ESTADO DE SÃO PAULO COMPANHIA AMBIENTAL DO ESTADO DE SÃO PAULO Decisão de Diretoria, nº 025/2014/C/I, de 29-01-2014 Dispõe sobre a disciplina para o licenciamento ambiental das atividades minerárias no território do Estado

Leia mais

Proteção e recuperação de mananciais para abastecimento público de água

Proteção e recuperação de mananciais para abastecimento público de água Proteção e recuperação de mananciais para abastecimento público de água Proteção e recuperação de mananciais para abastecimento público de água Assegurar água bruta em quantidade e qualidade para o SAA

Leia mais

AÇÕES DA SUBSECRETARIA DE MINERAÇÃO PARA O FORTALECIMENTO DA POLÍTICA ESTADUAL DE MINERAÇÃO

AÇÕES DA SUBSECRETARIA DE MINERAÇÃO PARA O FORTALECIMENTO DA POLÍTICA ESTADUAL DE MINERAÇÃO AÇÕES DA PARA O FORTALECIMENTO DA POLÍTICA ESTADUAL DE MINERAÇÃO 2012-2015 Ações Institucionais De acordo com o Decreto Lei 57.394/11 Cabe ao corpo técnico da SSM/SEE: Coordenar e participar do planejamento

Leia mais

Secretaria. Secretaria. Municipal Meio de. Meio Ambiente. Meio Ambiente. Secretaria. Fundo Especial. Pública. Pública. Assessoria de Comunicação

Secretaria. Secretaria. Municipal Meio de. Meio Ambiente. Meio Ambiente. Secretaria. Fundo Especial. Pública. Pública. Assessoria de Comunicação Geral de Gestão Institucional Fundo de Fundo de Fundo Especial de Fundo Iluminação Especial de Pública Iluminação Pública Secretaria Municipal Secretaria de Municipal de e Meio Ambiente e Meio Ambiente

Leia mais

CONTRATOS FIRMADOS EM 2017

CONTRATOS FIRMADOS EM 2017 CONTRATOS FIRMADOS EM 2017 Nº DO CONTRATO 001/2017 2017/2020 (EDUCAÇÃO AMBIENTAL, CURSOS, CAPACITAÇÕES E COMUNICAÇÃO SOCIAL) LEI FEDERAL 8.666/1993 CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU, ESPECIALIZAÇÃO EM

Leia mais

DELIBERAÇÃO CBHSF Nº 88, de 10 de dezembro de 2015

DELIBERAÇÃO CBHSF Nº 88, de 10 de dezembro de 2015 DELIBERAÇÃO CBHSF Nº 88, de 10 de dezembro de 2015 Aprova o Plano de Aplicação Plurianual - PAP dos recursos da cobrança pelo uso de recursos hídricos na bacia hidrográfica do rio São Francisco, referente

Leia mais

COBRANÇA PELO USO DA ÁGUA Aplicação dos recursos arrecadados e sustentabilidade financeira da entidade delegatária CBH- PARANAIBA

COBRANÇA PELO USO DA ÁGUA Aplicação dos recursos arrecadados e sustentabilidade financeira da entidade delegatária CBH- PARANAIBA COBRANÇA PELO USO DA ÁGUA Aplicação dos recursos arrecadados e sustentabilidade financeira da entidade delegatária CBH- PARANAIBA 31/07/2014 - Brasília DF SERGIO RAZERA Diretor-Presidente Fundação Agência

Leia mais

Osvaldo Antonio R. dos Santos Gerente de Recursos Florestais - GRF. Instituto de Meio Ambiente de MS - IMASUL

Osvaldo Antonio R. dos Santos Gerente de Recursos Florestais - GRF. Instituto de Meio Ambiente de MS - IMASUL Osvaldo Antonio R. dos Santos Gerente de Recursos Florestais - GRF Instituto de Meio Ambiente de MS - IMASUL Secretaria de Meio Ambiente e Desenvolvimento Econômico - SEMADE Presidência da República Casa

Leia mais

COMITÊ DAS BACIAS HIDROGRÁFICAS DOS RIOS PIRACICABA, CAPIVARI E JUNDIAÍ

COMITÊ DAS BACIAS HIDROGRÁFICAS DOS RIOS PIRACICABA, CAPIVARI E JUNDIAÍ COMITÊ DAS BACIAS HIDROGRÁFICAS DOS RIOS PIRACICABA, CAPIVARI E JUNDIAÍ RELATÓRIO FINAL RELATÓRIO DA SITUAÇÃO DOS RECURSOS HÍDRICOS DAS BACIAS HIDROGRÁFICAS DOS RIOS PIRACICABA, CAPIVARI E JUNDIAÍ 2002/2003

Leia mais

Resolução SMA - 8, de

Resolução SMA - 8, de Resolução SMA - 8, de 7-3-2007 Altera e amplia as resoluções SMA 21 de 21-11-2001 e SMA 47 de 26-11-2003. Fixa a orientação para o reflorestamento heterogêneo de áreas degradadas e dá providências correlatas.

Leia mais

Receitas e Projetos Receitas e Projetos

Receitas e Projetos Receitas e Projetos Receitas e Projetos - 1999 FONTE 21,300.00 Fundação Francisco Recuperação de áreas degradadas da mata atlântica. Elaboração de banco de dados, registro e documentação e calendário 1999. 4,542.52 Stadt

Leia mais

Currículos dos Cursos do CCA UFV ENGENHARIA FLORESTAL. COORDENADOR Sílvio Nolasco de Oliveira

Currículos dos Cursos do CCA UFV ENGENHARIA FLORESTAL. COORDENADOR Sílvio Nolasco de Oliveira 106 Currículos dos Cursos do CCA UFV ENGENHARIA FLORESTAL COORDENADOR Sílvio Nolasco de Oliveira snolasco@ufv.br UFV Catálogo de Graduação 2014 107 Currículo do Curso de Engenharia Engenheiro ATUAÇÃO O

Leia mais

Manoel José Vaz Gonçalves

Manoel José Vaz Gonçalves Manoel José Vaz Gonçalves Secretário Contato: (24) 2252.9457 / 98143.3355 mvazgoncalves@yahoo.com.br Graduação Engenharia Civil Universidade Federal de Juiz de Fora, dezembro de 1976. Pós Graduação Engenharia

Leia mais

AVALIAÇÕES AMBIENTAIS

AVALIAÇÕES AMBIENTAIS AVALIAÇÕES AMBIENTAIS Avaliação Ambiental em Áreas Contaminadas Barreiras de Contenção Mobilização de Equipe Análise da Contaminação Avaliação de Impactos em APP AVALIAÇÕES AMBIENTAIS Avaliações Ambientais

Leia mais

AGEVAP ENTIDADE DELEGATÁRIA NAS FUNÇÕES DE AGÊNCIA DE BACIA

AGEVAP ENTIDADE DELEGATÁRIA NAS FUNÇÕES DE AGÊNCIA DE BACIA AGEVAP ENTIDADE DELEGATÁRIA NAS FUNÇÕES DE AGÊNCIA DE BACIA A INTEGRAÇÃO/PARCERIA ENTRE OS COMITÊS DE BACIAS HIDROGRÁFICAS E A SUA DELEGATÁRIA NO ESTADO DO RIO DE JANEIRO EXPOASEAC 2016 12 de maio de 2016

Leia mais

Cobrança pelo uso da Água, através da Agência de Água PCJ:

Cobrança pelo uso da Água, através da Agência de Água PCJ: Tema: Retrospectiva de atuação como Entidade Equiparada AGB / PJ Autores: Francisco Carlos Castro Lahóz Coordenador de Projetos do Consórcio PCJ e Coordenador do Contrato de Gestão do Comitê PJ Jussara

Leia mais

COMPENSAÇÕES AMBIENTAIS. Luciano Cota Diretor de Meio Ambiente Azurit Engenharia e Meio Ambiente

COMPENSAÇÕES AMBIENTAIS. Luciano Cota Diretor de Meio Ambiente Azurit Engenharia e Meio Ambiente COMPENSAÇÕES AMBIENTAIS Luciano Cota Diretor de Meio Ambiente Azurit Engenharia e Meio Ambiente POR QUE COMPENSAR? COMPENSAR (verbo transitivo direto) Equilibrar; balancear o efeito de uma coisa com outra;

Leia mais

Currículos dos Cursos do CCA ENGENHARIA FLORESTAL. COORDENADORA DO CURSO DE ENGENHARIA FLORESTAL Rita de Cássia Gonçalves Borges

Currículos dos Cursos do CCA ENGENHARIA FLORESTAL. COORDENADORA DO CURSO DE ENGENHARIA FLORESTAL Rita de Cássia Gonçalves Borges 48 ENGENHARIA FLORESTAL COORDENADORA DO CURSO DE ENGENHARIA FLORESTAL Rita de Cássia Gonçalves Borges borgerg@ufv.br Catálogo de Graduação 2002 49 ATUAÇÃO O Engenheiro estará habilitado a atuar em atividades

Leia mais

Mapeamento das Formações Florestais no Rio Grande do Sul com Dados e Técnicas de Sensoriamento Remoto Estado da Arte

Mapeamento das Formações Florestais no Rio Grande do Sul com Dados e Técnicas de Sensoriamento Remoto Estado da Arte Mapeamento das Formações Florestais no Rio Grande do Sul com Dados e Técnicas de Sensoriamento Remoto Estado da Arte Seminário de Avaliação dos Programas PCI do INPE Dra. María Silvia Pardi Lacruz Bolsista

Leia mais

Proposta de reestruturação do Sistema Estadual de Meio Ambiente e Recursos Hídricos

Proposta de reestruturação do Sistema Estadual de Meio Ambiente e Recursos Hídricos Proposta de reestruturação do Sistema Estadual de Meio Ambiente e Recursos Hídricos Secretário Gabinete COPAM e CERH Assessoria Jurídica Auditoria Setorial Assessoria de Comunicação Social Assessoria de

Leia mais

unesp UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA CAMPUS DE PRESIDENTE PRUDENTE FACULDADE DE CIÊNCIAS E TECNOLOGIA

unesp UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA CAMPUS DE PRESIDENTE PRUDENTE FACULDADE DE CIÊNCIAS E TECNOLOGIA unesp UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA CAMPUS DE PRESIDENTE PRUDENTE FACULDADE DE CIÊNCIAS E TECNOLOGIA PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO DE ENGENHARIA AMBIENTAL PROCESSO No: 00576/1998 O CURSO DE GRADUAÇÃO EM

Leia mais

FLORESTAS PARA PRODUÇÃO DE ÁGUA

FLORESTAS PARA PRODUÇÃO DE ÁGUA IV SIMPÓSIO INTERNACIONAL EM BACIAS HIDROGRÁFICAS FLORESTAS PARA PRODUÇÃO DE ÁGUA Dr. Valdir de Cicco Engenheiro Florestal Pesquisador Científico BOTUCATU - SP. 2013 SUMÁRIO Laboratório de Hidrologia Florestal.

Leia mais

A ECO-92 resultou na elaboração dos seguintes documentos oficiais: A Carta da Terra;

A ECO-92 resultou na elaboração dos seguintes documentos oficiais: A Carta da Terra; A ECO-92 resultou na elaboração dos seguintes documentos oficiais: A Carta da Terra; três convenções Biodiversidade, Desertificação e Mudanças climáticas; uma declaração de princípios sobre florestas;

Leia mais

para Mineração: Barragens e Auscultação mineral ao fechamento de mina. Elaboração Da pesquisa e Monitoramento

para Mineração: Barragens e Auscultação mineral ao fechamento de mina. Elaboração Da pesquisa e Monitoramento Plano Licenciamentos de Ação de Emergência Ambientais de Barragens e Auscultação para Mineração: Elaboração Da pesquisa e Monitoramento mineral ao fechamento de mina. contato@institutominere.com.br www.institutominere.com.br

Leia mais

PROJETO DE REVITALIZAÇÃO DE NASCENTES EM ÁREAS URBANAS

PROJETO DE REVITALIZAÇÃO DE NASCENTES EM ÁREAS URBANAS CONFEA / CREA E O PROJETO DE REVITALIZAÇÃO DE NASCENTES EM ÁREAS URBANAS William Alvarenga Portela Engenheiro Agrônomo Tel.: (12) 9 7408-5000 william@portelaambiental.com.br São José dos Campos - SP Arborização

Leia mais

S UMÁRIO. Capítulo 1 Meio Ambiente Doutrina e Legislação...1. Questões...6 Gabaritos comentados...8

S UMÁRIO. Capítulo 1 Meio Ambiente Doutrina e Legislação...1. Questões...6 Gabaritos comentados...8 S UMÁRIO Capítulo 1 Meio Ambiente...1 1. Doutrina e Legislação...1 1.1. Conceito de meio ambiente... 1 1.2. Classi icação didática do meio ambiente... 3 1.3. O meio ambiente no art. 225 da CF/88... 4 Questões...6

Leia mais

PROGRAMAS DE REUSO DE ÁGUA NAS BACIAS PCJ. Sergio Razera Diretor Presidente Fundação Agência das Bacias PCJ

PROGRAMAS DE REUSO DE ÁGUA NAS BACIAS PCJ. Sergio Razera Diretor Presidente Fundação Agência das Bacias PCJ PROGRAMAS DE REUSO DE ÁGUA NAS BACIAS PCJ Sergio Razera Diretor Presidente Fundação Agência das Bacias PCJ 16º Encontro Técnico de Alto Nível: Reúso de Água EPUSP, 07 de novembro de 2016 CONTEXTUALIZAÇÃO

Leia mais

Atribuições da FATMA no município de Florianópolis

Atribuições da FATMA no município de Florianópolis Seminário de Condicionantes Ambientais e Capacidade de Suporte IPUF / Prefeitura Municipal de Florianópolis Atribuições da FATMA no município de Florianópolis ELAINE ZUCHIWSCHI Analista Técnica em Gestão

Leia mais

POLÍTICAS PÚBLICAS NA ENGENHARIA

POLÍTICAS PÚBLICAS NA ENGENHARIA POLÍTICAS PÚBLICAS NA ENGENHARIA POLÍTICAS PÚBLICAS SÃO AÇÕES INTEGRADAS DAS TRÊS ESFERAS DE PODER: GOVERNOS: FEDERAL, ESTADUAL E MUNICIPAL EM CONJUNTO COM A SOCIEDADE CIVIL GERANDO ESFORÇOS ESPECÍFICOS

Leia mais

DESENVOLVIMENTO SOCIOAMBIENTAL DA REGIÃO HIDROGRÁFICA DO GUAÍBA

DESENVOLVIMENTO SOCIOAMBIENTAL DA REGIÃO HIDROGRÁFICA DO GUAÍBA DESENVOLVIMENTO SOCIOAMBIENTAL DA REGIÃO HIDROGRÁFICA DO GUAÍBA REGIÃO HIDROGRÁFICA DO GUAÍBA Alto Jacuí Taquari-Antas Pardo Caí Sinos Vacacaí- Vacacaí Mirim Baixo Jacuí Lago Guaíba Gravataí População:

Leia mais

ENGENHEIRO AGRÔNOMO: ATRIBUIÇÕES, FORMAÇÃO, PERFIL PROFISSIONAL E MERCADO DE TRABALHO

ENGENHEIRO AGRÔNOMO: ATRIBUIÇÕES, FORMAÇÃO, PERFIL PROFISSIONAL E MERCADO DE TRABALHO ENGENHEIRO AGRÔNOMO: ATRIBUIÇÕES, FORMAÇÃO, PERFIL PROFISSIONAL E MERCADO DE TRABALHO 0110113 INTRODUÇÃO À ENGENHARIA AGRONÔMICA PIRACICABA 22/02/2016 ATRIBUIÇÕES Biológicas (23%) 1. Biologia Geral 2.

Leia mais

Nível:Graduação Início: Fim: Legislação: Curso reconhecido através da Portaria n 1.098, de 24 de dezembro de 2015 Currículo

Nível:Graduação Início: Fim: Legislação: Curso reconhecido através da Portaria n 1.098, de 24 de dezembro de 2015 Currículo 1 de 8 Colegiado: Nível:Graduação Início: 20051 01 - - CCA024 - BIOLOGIA GERAL - Ativa desde: CCA029 - ZOOLOGIA GERAL - Ativa desde: CCA235 - FUNDAMENTOS DE FILOSOFIA - Ativa desde: CCA281 - FUNDAMENTOS

Leia mais

A Bacia Hidrográfica como Unidade de Gerenciamento para Ações Descentralizadas

A Bacia Hidrográfica como Unidade de Gerenciamento para Ações Descentralizadas Governo do Estado de São Paulo Secretaria do Meio Ambiente do Estado de São Paulo Coordenadoria de Recursos Hídricos A Bacia Hidrográfica como Unidade de Gerenciamento para Ações Descentralizadas UNIMEP/CBHs

Leia mais

A Câmara Superior de Ensino do Conselho Universitário da Universidade Federal de Campina Grande, no uso de suas atribuições;

A Câmara Superior de Ensino do Conselho Universitário da Universidade Federal de Campina Grande, no uso de suas atribuições; SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE CONSELHO UNIVERSITÁRIO CÂMARA SUPERIOR DE ENSINO RESOLUÇÃO Nº 10/2009 Aprova a Estrutura Curricular do Curso de Engenharia Ambiental, da Unidade

Leia mais

CÂMARA TÉCNICA DE PLANEJAMENTO E GERENCIAMENTO DE RECURSOS HÍDRICOS CT-PLAGRHI

CÂMARA TÉCNICA DE PLANEJAMENTO E GERENCIAMENTO DE RECURSOS HÍDRICOS CT-PLAGRHI DELIBERAÇÃO CBH-BPG N.º 117/2011, de 18/03/2011 Indica o órgão coordenador e os representantes das Câmaras Técnicas (CT-PLAGRHI, CT-OL e CT-EA) para o período de 01.04.2011 a 31.03.2013. O Comitê da Bacia

Leia mais

Currículos dos Cursos UFV ENGENHARIA FLORESTAL. COORDENADOR Silvio Nolasco de Oliveira

Currículos dos Cursos UFV ENGENHARIA FLORESTAL. COORDENADOR Silvio Nolasco de Oliveira 108 ENGENHARIA FLORESTAL COORDENADOR Silvio Nolasco de Oliveira snolasco@ufv.br UFV Catálogo de Graduação 2012 109 Currículo do Curso de Engenharia Engenheiro ATUAÇÃO O Engenheiro estará habilitado a atuar

Leia mais

LEI Nº , DE VELHAS NOVIDADES E NOVOS PROBLEMAS. Ricardo Carneiro

LEI Nº , DE VELHAS NOVIDADES E NOVOS PROBLEMAS. Ricardo Carneiro LEI Nº 20.922, DE 16.10.2013 VELHAS NOVIDADES E NOVOS PROBLEMAS Ricardo Carneiro youtu.be/_zmuohub3wo.webloc HISTÓRICO E ESTRUTURA DA LEGISLAÇÃO FLORESTAL BRASILEIRA QUATRO GRANDES NORMATIVAS FLORESTAIS

Leia mais

ENGENHARIA DE AGRIMENSURA

ENGENHARIA DE AGRIMENSURA ENGENHARIA DE AGRIMENSURA COORDENADOR Dalto Domingos Rodrigues dalto@ufv.br 186 Currículos dos Cursos do CCE UFV Currículo do Curso de Engenharia de Agrimensura Engenheiro Agrimensor ATUAÇÃO Fundamentalmente

Leia mais

ENGENHARIA FLORESTAL. COORDENADOR Sebastião Renato Valverde

ENGENHARIA FLORESTAL. COORDENADOR Sebastião Renato Valverde ENGENHARIA FLORESTAL COORDENADOR Sebastião Renato Valverde valverde@ufv.br 92 Currículos dos Cursos do CCA UFV Currículo do Curso de Engenharia Engenheiro ATUAÇÃO O Engenheiro estará habilitado a atuar

Leia mais

O Estado de Mato Grosso

O Estado de Mato Grosso Logística e Meio Ambiente no Estado de Mato Grosso Governo do Estado de Mato Grosso 6º Seminário Internacional em Logística Agroindustrial Abril 2009 O Estado de Mato Grosso 3 Biomas : Amazônia; Cerrado;

Leia mais

Fórum Fluminense realiza sua Assembleia Geral

Fórum Fluminense realiza sua Assembleia Geral Boletim Informativo Digital Quinzenal. 16 a 30 de junho de 2017 Fórum Fluminense realiza sua Assembleia Geral No dia 30 de junho, o Fórum Fluminense de Comitês de Bacia Hidrográfica (FFCBH) realizou sua

Leia mais

Roteiro Executivo. Extrato Geral do CAR. Benefícios do CAR. Capacitação e Formação de Técnicos. Recursos Investidos

Roteiro Executivo. Extrato Geral do CAR. Benefícios do CAR. Capacitação e Formação de Técnicos. Recursos Investidos Roteiro Executivo Extrato Geral do CAR Benefícios do CAR Capacitação e Formação de Técnicos Recursos Investidos Recursos e Projetos Captados pelo MMA para apoio à execução do CAR e PRA Arquitetura do SICAR

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA. Projeto de Reflorestamento com Espécies Nativas no Bioma Mata Atlântica Paraná Brasil

TERMO DE REFERÊNCIA. Projeto de Reflorestamento com Espécies Nativas no Bioma Mata Atlântica Paraná Brasil TERMO DE REFERÊNCIA Projeto de Reflorestamento com Espécies Nativas no Bioma Mata Atlântica Paraná Brasil Contextualização e justificativa A The Nature Conservancy (TNC) é uma organização sem fins lucrativos,

Leia mais

TÍTULO: DESENVOLVIMENTO DE PLANO DE CONTINGÊNCIA PARA SISTEMAS DE ABASTECIMENTO E ESGOTAMENTO.

TÍTULO: DESENVOLVIMENTO DE PLANO DE CONTINGÊNCIA PARA SISTEMAS DE ABASTECIMENTO E ESGOTAMENTO. Sociedade de Abastecimento de Água e Saneamento S/A TÍTULO: DESENVOLVIMENTO DE PLANO DE CONTINGÊNCIA PARA SISTEMAS DE ABASTECIMENTO E ESGOTAMENTO. TEMA: IV RECURSOS HÍDRICOS NOME DOS AUTORES: Engª Adriana

Leia mais

Propriedades rurais que possuam algum passivo ambiental, em termos de. reserva legal e áreas de preservação permanente, possivelmente terão

Propriedades rurais que possuam algum passivo ambiental, em termos de. reserva legal e áreas de preservação permanente, possivelmente terão Panorama Global Crescente preocupação com relação aos IMPACTOS AMBIENTAIS Panorama Nacional Propriedades rurais que possuam algum passivo ambiental, em termos de reserva legal e áreas de preservação permanente,

Leia mais

ANÁLISE INTERDISCIPLINAR DOS PROCESSOS DE REGULARIZAÇÃO AMBIENTAL EM MINAS GERAIS: CAUSAS E CONSEQUÊNCIAS

ANÁLISE INTERDISCIPLINAR DOS PROCESSOS DE REGULARIZAÇÃO AMBIENTAL EM MINAS GERAIS: CAUSAS E CONSEQUÊNCIAS UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE ANÁLISE INTERDISCIPLINAR DOS PROCESSOS DE REGULARIZAÇÃO AMBIENTAL EM MINAS GERAIS: CAUSAS E CONSEQUÊNCIAS SANTOS, Sara Vasconcelos dos PRATES,

Leia mais

MBA Gestão Ambiental Integrada PÓS-GRADUAÇÃO ESPECIALIZAÇÃO (LATO SENSU)

MBA Gestão Ambiental Integrada PÓS-GRADUAÇÃO ESPECIALIZAÇÃO (LATO SENSU) PÓS-GRADUAÇÃO ESPECIALIZAÇÃO (LATO SENSU) Raio-X O curso, com 390 horas de carga horária, será desenvolvido na modalidade semipresencial com 02 encontros para cada disciplina, um de abertura e outro de

Leia mais

Currículos dos Cursos UFV ENGENHARIA FLORESTAL. COORDENADOR Silvio Nolasco de Oliveira Neto

Currículos dos Cursos UFV ENGENHARIA FLORESTAL. COORDENADOR Silvio Nolasco de Oliveira Neto 102 ENGENHARIA FLORESTAL COORDENADOR Silvio Nolasco de Oliveira Neto snolasco@ufv.br UFV Catálogo de Graduação 2013 103 Currículo do Curso de Engenharia Engenheiro ATUAÇÃO O Engenheiro estará habilitado

Leia mais

PREVENÇÃO. You created this PDF from an application that is not licensed to print to novapdf printer (http://www.novapdf.com)

PREVENÇÃO. You created this PDF from an application that is not licensed to print to novapdf printer (http://www.novapdf.com) PREVENÇÃO I CONTEXTO II A PRÁTICA III DESAFIOS I CONTEXTO I CONTEXTO 1. LEI Nº 9.433/1997 - Política Nacional de Recursos Hídricos - PNR Art. 1º Fundamentos... Bacia hidrográfica unidade territorial para

Leia mais

O PRA em São Paulo SITUAÇÃO E PERSPECTIVAS 1 3 D E MAIO D E

O PRA em São Paulo SITUAÇÃO E PERSPECTIVAS 1 3 D E MAIO D E O PRA em São Paulo SITUAÇÃO E PERSPECTIVAS 1 3 D E MAIO D E 2 0 16 Principais pontos: Programa de parcerias para implantar o PRA Definição e aplicação de incentivos econômicos Complementar a regulamentação

Leia mais

104 Currículos dos Cursos do CCA UFV ENGENHARIA FLORESTAL. COORDENADOR Silvio Nolasco de Oliveira

104 Currículos dos Cursos do CCA UFV ENGENHARIA FLORESTAL. COORDENADOR Silvio Nolasco de Oliveira 104 Currículos dos Cursos do CCA UFV ENGENHARIA FLORESTAL COORDENADOR Silvio Nolasco de Oliveira snolasco@ufv.br UFV Catálogo de Graduação 2015 105 Currículo do Curso de Engenharia Engenheiro ATUAÇÃO O

Leia mais

Organização da Aula. Recuperação de Áreas Degradadas. Aula 6. Contextualização. Adequação Ambiental. Prof. Francisco W.

Organização da Aula. Recuperação de Áreas Degradadas. Aula 6. Contextualização. Adequação Ambiental. Prof. Francisco W. Recuperação de Áreas Degradadas Aula 6 Prof. Francisco W. von Hartenthal Organização da Aula Adequação Ambiental e Biologia da Conservação 1. Adequação Ambiental de Atividades Produtivas 2. Preservação,

Leia mais