Inventário das práticas de liderança: LPI JAMES M. KOUZES E BARRY Z. POSNER

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Inventário das práticas de liderança: LPI JAMES M. KOUZES E BARRY Z. POSNER"

Transcrição

1 Inventário das práticas de liderança: LPI JAMES M. KOUZES E BARRY Z. POSNER Relatório de feedback individual Preparado para Filipe Da Silva

2 CONTEÚDO The Five Practices of Exemplary Leadership e o relatório LPI Resumo das cinco práticas Gráficos de barras das cinco práticas Classificação de comportamentos de liderança Resumo de Trace o Caminho Gráfico de barras de Trace o Caminho Resumo de Inspire Visão Compartilhada Gráficos de barra de Inspire Visão Compartilhada Resumo de Desafie o Processo Gráficos de barras de Desafie o Processo Resumo de Capacite os outros a agir Gráficos de barra de Capacite os outros a agir Resumo de Encoraje o Coração Gráficos de barra de Encoraje o Coração Classificação percentual

3 The Five Practices of Exemplary Leadership Criadas pela James M. Kouzes e Barry Z. Posner no início da década de 1980 e identificadas pela primeira vez em seu best-seller internacional Desafio da Liderança, as "Five Practices of Exemplary Leadership" abordam a liderança como um conjunto de comportamentos mensuráveis, possíveis de aprender e de ensinar. Depois de realizar centenas de entrevistas, revisar milhares de estudos de caso e analisar mais de dois milhões de questionários de pesquisa para entender os momentos nos quais os líderes apresentaram seu melhor desempenho pessoal, cinco práticas comuns emergiram para fazer coisas extraordinárias acontecerem. São elas: O instrumento Inventário das Práticas de Liderança (LPI) é uma ferramenta essencial para ajudá-lo a obter uma perspectiva de como você se vê como líder, como os outros veem você, e que ações você pode realizar para aprimorar o uso das cinco práticas que, conforme demonstrado por pesquisas ano após ano, resultam em líderes mais eficazes. SOBRE O RELATÓRIO LPI O LPI mede a frequência de 30 comportamentos de liderança específicos em uma escala de 10 pontos, com seis declarações comportamentais para cada uma das Cinco Práticas. Você e os observadores que você selecionou classificam com que frequência você emprega cada um desses importantes comportamentos associados com as Cinco Práticas. A escala de resposta é: Nas próximas páginas do relatório, você verá as suas respostas de autoavaliação do LPI (S) e as respostas do seu observador, que são categorizadas em Gerente (G), Subordinado Direto (D), Colega de trabalho (C) e Outro (O). As respostas do observador serão categorizadas como "Outro" quando não houver respostas suficientes nas categorias de Subordinado Direto ou Colega de Trabalho, para preservar o anonimato do observador. A Avaliação Média do Observador (AVG) é uma média de todas as respostas do observador do LPI, incluindo o gerente. ABREVIAÇÕES DO AVALIADOR: Você solicitou um total de 9 observadores para avaliá-lo; destes, 9 apresentaram uma pesquisa de observadores a partir da data do relatório e estão incluídos nos resultados do relatório. PÁGINA 1

4 Resumo das cinco práticas Esta página resume as suas respostas ao LPI para cada prática de liderança. A coluna Auto mostra o total de suas próprias respostas às seis declarações comportamentais sobre cada prática. As colunas de observadores individuais mostram o total de cada uma das seis respostas do observador para a prática. A coluna AVG mostra a média do total de respostas dos seus observadores. O total de respostas para cada prática pode variar de 6 a 60; que representa a soma da pontuação das respostas (que varia de 1-Quase nunca a 10-Quase sempre) para cada uma das seis declarações comportamentais relacionadas com essa prática. INDIVÍDUO AVG OBSERVADORES INDIVIDUAIS M1 D1 D2 D3 D4 C1 C2 C3 O1 Modelo o Modo Inspire Visão compartilhada Desafio o Processo Permite Others to Act Encorajar o Coração PÁGINA 2

5 Gráficos de barras das cinco práticas Esse gráficos de barra, um conjunto para cada prática de liderança, fornecem uma representação gráfica dos dados numéricos registrados na página de resumo das Cinco práticas. Por prática, mostra o total de respostas para Auto e a média total para cada categoria de observador. Média refere-se à média para todas as categorias de observadores (inclusive Gerente). O total de respostas pode variar de 6 a 60; o que representa a soma de pontuações de respostas (que varia de 1-Quase nunca a 10-Quase sempre) para cada uma das seis declarações comportamentais relacionadas com essa prática. Trace o Caminho AUTOAVAL. 53 MÉDIA 45.8 GERENTE 51.0 RELATÓRIO DIRETO 45.3 COLEGA DE TRABALHO 44.7 OUTROS Inspire visão compartilhada AUTOAVAL. 45 MÉDIA 45.2 GERENTE 47.0 RELATÓRIO DIRETO 45.5 COLEGA DE TRABALHO 43.0 OUTROS Desafie o Processo AUTOAVAL. 54 MÉDIA 49.2 GERENTE 49.0 RELATÓRIO DIRETO 48.8 COLEGA DE TRABALHO 47.7 OUTROS Capacite os outros a agir AUTOAVAL. 53 MÉDIA 49.0 GERENTE 50.0 RELATÓRIO DIRETO 47.8 COLEGA DE TRABALHO 48.7 OUTROS Encoraje o Coração AUTOAVAL. 39 MÉDIA 40.6 GERENTE 47.0 RELATÓRIO DIRETO PÁGINA 3

6 Encoraje o Coração COLEGA DE TRABALHO 42.0 OUTROS PÁGINA 4

7 Classificação de comportamentos de liderança A página seguinte exibe a classificação, de mais frequente para menos frequente, de todos 30 os comportamentos de liderança, com base na média das respostas do seu observador. A média (AVG) inclui a resposta do gerente, que também é mostrada separadamente. As linhas horizontais separam os comportamentos mais frequentes 10 e os menos frequentes 10 do meio 10. Um sinal de mais (+) próximo a AVG ou Gerente (M) indica que a resposta é mais de 1,5 pontos mais alta que a sua própria resposta; um sinal de menos (-) indica que a resposta é mais de 1,5 pontos mais baixa que a sua própria resposta. Já que 1.5 é a diferença média entre a pontuação de indivíduos e observadores, qualquer diferença maior do que isso merece atenção. Quando a coluna +/- aparece em branco em uma dada linha, isso indica um grau razoável de concordância entre a pontuação do INDIVÍDUO e o AVG ou entre a pontuação do INDIVÍDUO e a do GERENTE. A escala da resposta varia entre 1-Quase nunca até 10-Quase sempre. PÁGINA 5

8 MAIS FREQUENTE PRÁTICA INDIVÍDUO AVG +/- M +/- 14. Trata os outros com dignidade e respeito Permite Cumpre suas promessas e compromissos. Modelo Busca oportunidades desafiadoras que testam suas habilidades e conhecimentos. Desafio Dá um exemplo pessoal do que espera dos outros. Modelo Fala sobre futuras tendências que influenciarão o modo de execução do nosso trabalho. Inspire Toma as medidas necessárias para garantir que estabeleçamos objetivos possíveis, façamos planos concretos e definamos metas mensuráveis para os projetos e programas em que trabalhamos. Desafio Experimenta e assume riscos, mesmo quando há possibilidade de fracasso. Desafio Desenvolve relações cooperativas entre as pessoas com as quais trabalha. Permite Ouve ativamente os diversos pontos de vista Permite Busca, fora dos limites formais da empresa, meios inovadores de melhorar o que fazemos. Desafio Dá bastante liberdade e opções para as pessoas decidirem como executar o trabalho. Permite Dedica tempo e energia para garantir que as pessoas com quem trabalha sigam os princípios e padrões adotados. Modelo Desafia as pessoas a usar meios novos e inovadores de realizar seu trabalho Desafio Apóia as decisões que os outros tomam por iniciativa própria. Permite Apresenta um "panorama geral" daquilo que almejamos conquistar. Inspire Descreve uma imagem estimulante de como o futuro poderá ser. Inspire É transparente sobre sua filosofia de liderança. Modelo Constrói consenso em torno de um conjunto comum de valores para a administração de nossa empresa. Modelo Demonstra reconhecimento e apoio aos membros da equipe por suas contribuições Encorajar Pergunta O que podemos aprender? quando as coisas não saem como esperado Desafio Envolve as pessoas em uma visão comum para mostrar como seus interesses de longo prazo podem ser realizados. Inspire Fala com convicção sincera sobre o significado e os objetivos mais importantes do trabalho Inspire Elogia as pessoas quando fazem um trabalho bem feito Encorajar Assegura uma recompensa para todos que contribuírem ao sucesso dos projetos Encorajar Faz questão de que os outros saibam que confia no conhecimento deles. Encorajar Faz com que os outros aprendam novas habilidades e se desenvolvam para progredir no seu trabalho. Permite Pede que os outros compartilhem um sonho empolgante sobre o futuro Inspire Reconhece publicamente aqueles que dão exemplo de compromisso com os valores compartilhados Encorajar Encontra maneiras de comemorar as conquistas Encorajar Pede feedback sobre como suas ações afetam o desempenho dos outros. Modelo MENOS FREQUENTE PÁGINA 6

9 Resumo de Trace o Caminho Esclarecer valores encontrando a sua voz e afirmando valores compartilhados Dar o exemplo alinhando ações com valores compartilhados Esta página mostra as respostas para cada um dos seis comportamentos de liderança relacionados com esta prática. A coluna Auto mostra as respostas que você se deu para cada comportamento. A coluna AVG mostra as médias das respostas do observador. As colunas Observadores Individuais mostram a resposta de cada observador para cada item comportamental. As respostas podem variar de 1-Quase nunca a 10-Quase sempre. 1. Dá um exemplo pessoal do que espera dos outros. INDIVÍDUO AVG OBSERVADORES INDIVIDUAIS M1 D1 D2 D3 D4 C1 C2 C3 O Dedica tempo e energia para garantir que as pessoas com quem trabalha sigam os princípios e padrões adotados Cumpre suas promessas e compromissos Pede feedback sobre como suas ações afetam o desempenho dos outros Constrói consenso em torno de um conjunto comum de valores para a administração de nossa empresa É transparente sobre sua filosofia de liderança PÁGINA 7

10 Gráfico de barras de Trace o Caminho Esclarecer valores encontrando a sua voz e afirmando valores compartilhados Dar o exemplo alinhando ações com valores compartilhados O conjunto de gráficos de barra para cada um dos seis comportamentos de liderança relacionados com esta prática fornece uma representação gráfica das suas respostas e da média de respotas dos seus observadores para esse comportamento. Por comportamento, mostra a resposta para Auto e a média de respostas para cada categoria de observador. Média refere-se à média de respostas para todas as categorias de observadores (incluindo o gerente). As respostas podem variar de 1-Quase nunca a 10-Quase sempre. 1. Dá um exemplo pessoal do que espera dos outros. S 10 AVG 8.7 D 8.5 C 8.0 M 10.0 O Dedica tempo e energia para garantir que as pessoas com quem trabalha sigam os princípios e padrões adotados. S 9 AVG 8.1 D 7.8 C Cumpre suas promessas e compromissos. S 10 AVG 9.0 D 8.8 C 8.7 M 10.0 O Pede feedback sobre como suas ações afetam o desempenho dos outros. 21. Constrói consenso em torno de um conjunto comum de valores para a administração de nossa empresa. 26. É transparente sobre sua filosofia de liderança. S 7 AVG 5.0 D 5.0 C 5.0 M 7.0 O 3.0 S 9 AVG 7.4 D 7.8 C 7.3 O 6.0 S 8 AVG 7.6 D 7.5 C 7.3 O 8.0 PÁGINA 8

11 Resumo de Inspire Visão Compartilhada Visualize o futuro imaginando possibilidades empolgantes e enobrecedoras Envolva os outros em uma visão comum retomando aspirações compartilhadas Esta página mostra as respostas para cada um dos seis comportamentos de liderança relacionados com esta prática. A coluna Auto mostra as respostas que você se deu para cada comportamento. A coluna AVG mostra as médias das respostas do observador. As colunas Observadores Individuais mostram a resposta de cada observador para cada item comportamental. As respostas podem variar de 1-Quase nunca a 10-Quase sempre. 2. Fala sobre futuras tendências que influenciarão o modo de execução do nosso trabalho. INDIVÍDUO AVG OBSERVADORES INDIVIDUAIS M1 D1 D2 D3 D4 C1 C2 C3 O Descreve uma imagem estimulante de como o futuro poderá ser Pede que os outros compartilhem um sonho empolgante sobre o futuro Envolve as pessoas em uma visão comum para mostrar como seus interesses de longo prazo podem ser realizados Apresenta um "panorama geral" daquilo que almejamos conquistar Fala com convicção sincera sobre o significado e os objetivos mais importantes do trabalho PÁGINA 9

12 Gráficos de barra de Inspire Visão Compartilhada Visualize o futuro imaginando possibilidades empolgantes e enobrecedoras Envolva os outros em uma visão comum retomando aspirações compartilhadas O conjunto de gráficos de barra para cada um dos seis comportamentos de liderança relacionados com esta prática fornece uma representação gráfica das suas respostas e da média de respotas dos seus observadores para esse comportamento. Por comportamento, mostra a resposta para Auto e a média de respostas para cada categoria de observador. Média refere-se à média de respostas para todas as categorias de observadores (incluindo o gerente). As respostas podem variar de 1-Quase nunca a 10-Quase sempre. 2. Fala sobre futuras tendências que influenciarão o modo de execução do nosso trabalho. S 10 AVG 8.6 D 8.5 C 8.0 M Descreve uma imagem estimulante de como o futuro poderá ser. 12. Pede que os outros compartilhem um sonho empolgante sobre o futuro 17. Envolve as pessoas em uma visão comum para mostrar como seus interesses de longo prazo podem ser realizados. 22. Apresenta um "panorama geral" daquilo que almejamos conquistar. 27. Fala com convicção sincera sobre o significado e os objetivos mais importantes do trabalho S 7 AVG 7.8 D 7.8 C 7.7 O 8.0 S 9 AVG 6.4 D 6.0 C 7.0 M 6.0 O 7.0 S 7 AVG 7.3 D 7.0 C 7.0 S 6 AVG 7.9 D 7.8 C 7.7 S 6 AVG 7.2 D 8.5 C 5.7 M 7.0 O 7.0 PÁGINA 10

13 experiência Resumo de Desafie o Processo Busque oportunidades aproveitando a iniciativa e procurando outras maneiras inovadoras de melhorar seu desempenho Experimente e corra riscos gerando pequenas e constantes vitórias e aprendendo com a Esta página mostra as respostas para cada um dos seis comportamentos de liderança relacionados com esta prática. A coluna Auto mostra as respostas que você se deu para cada comportamento. A coluna AVG mostra as médias das respostas do observador. As colunas Observadores Individuais mostram a resposta de cada observador para cada item comportamental. As respostas podem variar de 1-Quase nunca a 10-Quase sempre. 3. Busca oportunidades desafiadoras que testam suas habilidades e conhecimentos. INDIVÍDUO AVG OBSERVADORES INDIVIDUAIS M1 D1 D2 D3 D4 C1 C2 C3 O Desafia as pessoas a usar meios novos e inovadores de realizar seu trabalho Busca, fora dos limites formais da empresa, meios inovadores de melhorar o que fazemos Pergunta O que podemos aprender? quando as coisas não saem como esperado Toma as medidas necessárias para garantir que estabeleçamos objetivos possíveis, façamos planos concretos e definamos metas mensuráveis para os projetos e programas em que trabalhamos. 28. Experimenta e assume riscos, mesmo quando há possibilidade de fracasso PÁGINA 11

14 experiência Gráficos de barras de Desafie o Processo Busque oportunidades aproveitando a iniciativa e procurando outras maneiras inovadoras de melhorar seu desempenho Experimente e corra riscos gerando pequenas e constantes vitórias e aprendendo com a O conjunto de gráficos de barra para cada um dos seis comportamentos de liderança relacionados com esta prática fornece uma representação gráfica das suas respostas e da média de respotas dos seus observadores para esse comportamento. Por comportamento, mostra a resposta para Auto e a média de respostas para cada categoria de observador. Média refere-se à média de respostas para todas as categorias de observadores (incluindo o gerente). As respostas podem variar de 1-Quase nunca a 10-Quase sempre. 3. Busca oportunidades desafiadoras que testam suas habilidades e conhecimentos. 8. Desafia as pessoas a usar meios novos e inovadores de realizar seu trabalho S 10 AVG 8.9 D 8.5 C 9.0 M 9.0 O 10.0 S 9 AVG 7.9 D 7.8 C 7.3 O Busca, fora dos limites formais da empresa, meios inovadores de melhorar o que fazemos. S 8 AVG 8.2 D 8.5 C Pergunta O que podemos aprender? quando as coisas não saem como esperado S 8 AVG 7.3 D 6.5 C 7.3 O Toma as medidas necessárias para garantir que estabeleçamos objetivos possíveis, façamos planos concretos e definamos metas mensuráveis para os projetos e programas em que trabalhamos. 28. Experimenta e assume riscos, mesmo quando há possibilidade de fracasso. S 10 AVG 8.4 D 8.5 C 9.0 M 7.0 O 8.0 S 9 AVG 8.4 D 9.0 C 7.3 M 9.0 PÁGINA 12

15 PÁGINA 13

16 Resumo de Capacite os outros a agir Promova a colaboração estabelecendo confiança e facilitando relacionamentos Fortaleça outros aumentando a autodeterminação e desenvolvendo competência Esta página mostra as respostas para cada um dos seis comportamentos de liderança relacionados com esta prática. A coluna Auto mostra as respostas que você se deu para cada comportamento. A coluna AVG mostra as médias das respostas do observador. As colunas Observadores Individuais mostram a resposta de cada observador para cada item comportamental. As respostas podem variar de 1-Quase nunca a 10-Quase sempre. 4. Desenvolve relações cooperativas entre as pessoas com as quais trabalha. INDIVÍDUO AVG OBSERVADORES INDIVIDUAIS M1 D1 D2 D3 D4 C1 C2 C3 O Ouve ativamente os diversos pontos de vista Trata os outros com dignidade e respeito Apóia as decisões que os outros tomam por iniciativa própria Dá bastante liberdade e opções para as pessoas decidirem como executar o trabalho Faz com que os outros aprendam novas habilidades e se desenvolvam para progredir no seu trabalho PÁGINA 14

17 Gráficos de barra de Capacite os outros a agir Promova a colaboração estabelecendo confiança e facilitando relacionamentos Fortaleça outros aumentando a autodeterminação e desenvolvendo competência O conjunto de gráficos de barra para cada um dos seis comportamentos de liderança relacionados com esta prática fornece uma representação gráfica das suas respostas e da média de respotas dos seus observadores para esse comportamento. Por comportamento, mostra a resposta para Auto e a média de respostas para cada categoria de observador. Média refere-se à média de respostas para todas as categorias de observadores (incluindo o gerente). As respostas podem variar de 1-Quase nunca a 10-Quase sempre. 4. Desenvolve relações cooperativas entre as pessoas com as quais trabalha. 9. Ouve ativamente os diversos pontos de vista S 8 AVG 8.4 D 8.8 C 8.3 O 8.0 S 9 AVG 8.2 D 8.0 C 8.0 M Trata os outros com dignidade e respeito S 10 AVG 9.6 D 9.0 C 10.0 M 10.0 O Apóia as decisões que os outros tomam por iniciativa própria. 24. Dá bastante liberdade e opções para as pessoas decidirem como executar o trabalho. 29. Faz com que os outros aprendam novas habilidades e se desenvolvam para progredir no seu trabalho. S 8 AVG 7.9 D 8.0 C 7.3 S 10 AVG 8.1 D 8.0 C 7.7 M 9.0 S 8 AVG 6.8 D 6.0 C 7.3 M 6.0 PÁGINA 15

18 Resumo de Encoraje o Coração Reconheça as contribuições mostrando que aprecia a excelência de cada indivíduo Celebre os valores e as vitórias criando um espírito de comunidade Esta página mostra as respostas para cada um dos seis comportamentos de liderança relacionados com esta prática. A coluna Auto mostra as respostas que você se deu para cada comportamento. A coluna AVG mostra as médias das respostas do observador. As colunas Observadores Individuais mostram a resposta de cada observador para cada item comportamental. As respostas podem variar de 1-Quase nunca a 10-Quase sempre. 5. Elogia as pessoas quando fazem um trabalho bem feito INDIVÍDUO AVG OBSERVADORES INDIVIDUAIS M1 D1 D2 D3 D4 C1 C2 C3 O Faz questão de que os outros saibam que confia no conhecimento deles Assegura uma recompensa para todos que contribuírem ao sucesso dos projetos Reconhece publicamente aqueles que dão exemplo de compromisso com os valores compartilhados Encontra maneiras de comemorar as conquistas Demonstra reconhecimento e apoio aos membros da equipe por suas contribuições PÁGINA 16

19 Gráficos de barra de Encoraje o Coração Reconheça as contribuições mostrando que aprecia a excelência de cada indivíduo Celebre os valores e as vitórias criando um espírito de comunidade O conjunto de gráficos de barra para cada um dos seis comportamentos de liderança relacionados com esta prática fornece uma representação gráfica das suas respostas e da média de respotas dos seus observadores para esse comportamento. Por comportamento, mostra a resposta para Auto e a média de respostas para cada categoria de observador. Média refere-se à média de respostas para todas as categorias de observadores (incluindo o gerente). As respostas podem variar de 1-Quase nunca a 10-Quase sempre. 5. Elogia as pessoas quando fazem um trabalho bem feito 10. Faz questão de que os outros saibam que confia no conhecimento deles. 15. Assegura uma recompensa para todos que contribuírem ao sucesso dos projetos 20. Reconhece publicamente aqueles que dão exemplo de compromisso com os valores compartilhados 25. Encontra maneiras de comemorar as conquistas 30. Demonstra reconhecimento e apoio aos membros da equipe por suas contribuições S 6 AVG 7.1 D 6.3 C 7.7 O 8.0 S 9 AVG 7.0 D 6.8 C 6.7 M 7.0 S 5 AVG 7.1 D 6.0 C 8.3 O 7.0 S 5 AVG 6.0 D 5.0 C 6.0 O 8.0 S 6 AVG 5.9 D 5.5 C 5.3 O 7.0 S 8 AVG 7.4 D 6.5 C 8.0 PÁGINA 17

20 Classificação percentual Os líderes e observadores contidos no banco de dados LPI constituem uma combinação de homens e mulheres de todos os níveis, de todos os tipos de organizações e de todo o mundo. Esta página compara as suas próprias respostas e as dos seus observadores com mais de uma milhão de respostas de observadores a outros líderes que participaram do LPI. As linhas horizontais nos percentuais 30 e 70 dividem o gráfico em três segmentos, que aproximam-se grosseriamente de uma distribuição normal das marcações. Cada linha do gráfico mostra em que percentual se enquadra a sua própria resposta e a de um observador para cada prática. Por exemplo, se a sua pontuação para Auto para Trace o Caminho estiver no percentual 50, metade dos líderes do banco de dados teve classificação mais alta pelos observadores da prática e metade teve classificação mais baixa. 100 MODELO O CAMINHO INSPIRE UMA VISÃO COMPARTILHADA DESAFIO O PROCESSO CAPACITE OS OUTROS A AGIR ENCORAJE O CORAÇÃO MENOS FREQUENTE FREQUENTE MAIS FREQUENTE Autoaval. Gerente Relatório direto Colega de trabalho Outros Média dos observadores PÁGINA 18

Inventário de Práticas de Liderança: LPI JAMES M. KOUZES E BARRY Z. POSNER

Inventário de Práticas de Liderança: LPI JAMES M. KOUZES E BARRY Z. POSNER Inventário de Práticas de Liderança: JAMES M. KOUZES E BARRY Z. POSNER Relatório de feedback individual Preparado para Filipe da Silva Amostra Relatório CONTEÚDO As Cinco Práticas da Liderança Exemplar

Leia mais

Sumário. Introdução...4. As Cinco Práticas de Liderança...6. Modele o caminho...7. Inspire uma visão compartilhada...9. Desafie o processo...

Sumário. Introdução...4. As Cinco Práticas de Liderança...6. Modele o caminho...7. Inspire uma visão compartilhada...9. Desafie o processo... Sumário Introdução...4 As Cinco Práticas de Liderança...6 Modele o caminho...7 Inspire uma visão compartilhada...9 Desafie o processo...10 Deixe os outros agirem...15 Inspire o coração...15 Conclusão...15

Leia mais

Liderar a outros. Como eles nos escolher como líderes. Apresenta: Lic. Sergio Ledesma Autor: Thomás Köttner

Liderar a outros. Como eles nos escolher como líderes. Apresenta: Lic. Sergio Ledesma Autor: Thomás Köttner Liderar a outros Como eles nos escolher como líderes Apresenta: Lic. Sergio Ledesma Autor: Thomás Köttner Liderar-se a si mesmo Do "conheça a si mesmo..."... ao "descobrir os outros" Liderar outras pessoas

Leia mais

Unidade móvel (11) Base São Paulo (11) Base Rio de Janeiro (21)

Unidade móvel (11) Base São Paulo (11) Base Rio de Janeiro (21) Quem somos nós O Instituto Agoge é uma microempresa brasileira que tem por atividade principal o estudo e a pesquisa experimental multidisciplinar em áreas das ciências sociais e humanas, visando o desenvolvimento

Leia mais

Objetivo: Demonstrar ao aluno como identificar, medir e administrar o desempenho humano nas organizações.

Objetivo: Demonstrar ao aluno como identificar, medir e administrar o desempenho humano nas organizações. GESTÃO DE EQUIPES Objetivo: Demonstrar ao aluno como identificar, medir e administrar o desempenho humano nas organizações. Nesta aula: Conceitos Dimensões Condução de programa de gestão de desempenho

Leia mais

Inovação. Data: 12/04/2012. Inovação é a exploração com sucesso de novas idéias. United Kingdom Department of Trade & Industry

Inovação. Data: 12/04/2012. Inovação é a exploração com sucesso de novas idéias. United Kingdom Department of Trade & Industry Cursos: Administração / Ciências Contábeis Disciplina: Inovação Tecnológica Data: 12/04/2012 Inovação Inovação é a exploração com sucesso de novas idéias. United Kingdom Department of Trade & Industry

Leia mais

QUESTIONÁRIO AOS(ÀS) TRABALHADORES(AS) E DIRIGENTES INTERMÉDIOS DA DRAP ALGARVE. Apresentação de resultados - relatório CICLO DE GESTÃO 2014

QUESTIONÁRIO AOS(ÀS) TRABALHADORES(AS) E DIRIGENTES INTERMÉDIOS DA DRAP ALGARVE. Apresentação de resultados - relatório CICLO DE GESTÃO 2014 QUESTIONÁRIO AOS(ÀS) TRABALHADORES(AS) E DIRIGENTES INTERMÉDIOS DA DRAP ALGARVE Apresentação de resultados - relatório CICLO DE GESTÃO 2014 Março 2015 Conteúdo I. Nota Introdutória... 3 II. Metodologia

Leia mais

Sejam Bem-Vindos! Mary Kay Ash

Sejam Bem-Vindos! Mary Kay Ash Sejam Bem-Vindos! Vislumbrei uma companhia na qual qualquer mulher poderia ter tanto sucesso quanto desejasse. As portas estariam abertas às oportunidades para as mulheres que estiverem dispostas a pagar

Leia mais

O Executivo como Líder Empreendedor

O Executivo como Líder Empreendedor O Executivo como Líder Empreendedor Líder x Chefe Chefe Resultado Líder Pessoas Há, competências diferentes, o que significa dizer que em alguns momentos o chefe é a melhor solução, e em outros a liderança

Leia mais

Curso-Piloto de Formação de Consultores de Negócios. Módulo 2 Compreender o próprio negócio

Curso-Piloto de Formação de Consultores de Negócios. Módulo 2 Compreender o próprio negócio José Soares Ferreira Projecto financiado com apoio da Comissão Europeia. A informação contida nesta publicação vincula exclusivamente o autor, não sendo a Comissão responsável pela utilização que dela

Leia mais

Manual do Aluno Engenharia Insper i

Manual do Aluno Engenharia Insper i Manual do Aluno Engenharia Insper i Capítulo 1 A visão do Insper para a Engenharia A missão dos cursos de engenharia do Insper é: Desenvolver jovens engenheiros que estarão preparados para reconhecer as

Leia mais

Pesquisa de clima organizacional

Pesquisa de clima organizacional : Número de participantes: Nononononono Ltda 30.720 20-02-2005 15:02:33 geral da empresa: 3,83 3,99 3,79 3,99 4,05 3,90 3,83 3,79 3,89 Legenda (1) - Muito fraco ou discordo plenamente (2) - Fraco ou discordo

Leia mais

Programa de Gestão da Performance

Programa de Gestão da Performance Programa de Gestão da Performance O impulso para ir mais longe está em suas mãos. Cada dia do ano é um passo à frente no seu desenvolvimento. Movimente-se! Quer ir mais longe? O primeiro passo é ler este

Leia mais

"O QUE SEPARA OS GRANDES LÍDERES DE RH DO RESTO"

O QUE SEPARA OS GRANDES LÍDERES DE RH DO RESTO Acción Formativa "O QUE SEPARA OS GRANDES LÍDERES DE RH DO RESTO" Por Jack Zenger, Joseph Folkman y Pablo Riera Por vezes parece que os Recursos Humanos são um saco de boxe de todos os colaboradores e

Leia mais

Satisfação do Cliente

Satisfação do Cliente Identifique Identifique objetivos estratégicos Satisfação do Cliente O propósito final de um negócio é criar um cliente" Peter Druker O propósito de um negócio é criar e manter um cliente" Theodore Levitt

Leia mais

INTRODUÇÃO À ADMINISTRAÇÃO DE RECURSOS HUMANOS

INTRODUÇÃO À ADMINISTRAÇÃO DE RECURSOS HUMANOS INTRODUÇÃO À ADMINISTRAÇÃO DE RECURSOS HUMANOS Prof. Ms. Marco A. Arbex marco.arbex@fatecourinhos.edu.br Introdução ARH (Administração de Recursos Humanos) é a função na organização que está relacionada

Leia mais

Gestão em Saúde LIDERANÇA

Gestão em Saúde LIDERANÇA Gestão em Saúde LIDERANÇA Profa. Ms. Raquel J. Oliveira Lima A administração tinha como objetivos principais: alcançar a eficiência e eficácia, Hoje alcançar a excelência por meio da eficiência e eficácia

Leia mais

PAEX Parceiros para a Excelência. ESTRATÉGIA E GESTÃO Prof. Volnei P. Garcia

PAEX Parceiros para a Excelência. ESTRATÉGIA E GESTÃO Prof. Volnei P. Garcia PAEX Parceiros para a Excelência ESTRATÉGIA E GESTÃO Prof. Volnei P. Garcia A CRIAÇÃO DE VALOR PARA OS STAKEHOLDERS O melhor lugar para se trabalhar Sociedade Órgãos Reguladores O maior retorno sobre o

Leia mais

Gestão escolar: desafios e caminhos para o sucesso

Gestão escolar: desafios e caminhos para o sucesso Gestão escolar: desafios e caminhos para o sucesso Fonte: www.shutterstock.com A gestão escolar Identidade da escola Estratégias Pedagógico Recursos humanos Administrativo-financeiro Marketing Gestão escolar

Leia mais

Liderança Transpessoal para o Século XXI - Liderando Além do Ego -

Liderança Transpessoal para o Século XXI - Liderando Além do Ego - Liderança Transpessoal para o Século XXI - Liderando Além do Ego - John Knights www.leadershape.biz www.etiquetaempresarial.com.br ee@etiquetaempresarial.com.br Apr-15 1 CONSCIÊNCIA MUDANDO COMPORTAMENTOS

Leia mais

PESQUISA DE CLIMA ORGANIZACIONAL 2015

PESQUISA DE CLIMA ORGANIZACIONAL 2015 PESQUISA DE CLIMA ORGANIZACIONAL 2015 COOPERATIVA GERAL Quantidade de colaboradores: 1146 Quantidade de Respondentes: 835 Percentual de participação: 73% Dr. João Damasceno Porto Diretor Administrativo

Leia mais

processo contínuo, dinâmico;

processo contínuo, dinâmico; Avaliação de Desempenho/Performance é a avaliação do desempenho atual ou passado do funcionário em relação a padrões de desempenho. O Processo envolve: a) Estabelecer padrões de desempenho; b) Avaliar

Leia mais

Identificando e Preparando Líderes. Identificando e Preparando Líderes

Identificando e Preparando Líderes. Identificando e Preparando Líderes Identificando e Preparando Líderes 1 Reflexões sobre liderança Liderança é praticada não só com palavras, mas com atitudes e ações. Harold Geneen, Fundador da MCI Communications 2 Reflexões sobre liderança

Leia mais

O Futuro da Auditoria Interna: Tendências e requisitos fundamentais do Chief Audit Executive

O Futuro da Auditoria Interna: Tendências e requisitos fundamentais do Chief Audit Executive 1 O Futuro da Auditoria Interna: Tendências e requisitos fundamentais do Chief Audit Executive DEFINIÇÃO DE AUDITORIA INTERNA "A auditoria interna é uma atividade independente, de garantia objetiva e consultiva,

Leia mais

Capítulo 8 Avaliação e Gerenciamento do Desempenho

Capítulo 8 Avaliação e Gerenciamento do Desempenho Capítulo 8 Avaliação e Gerenciamento do Desempenho slide 1 Objetivos de aprendizagem 1. Explicar o propósito da avaliação de desempenho. 2. Responder à pergunta: Quem deve fazer a avaliação?. 3. Discutir

Leia mais

ATA Assistente Técnico Administrativo Trabalho em Equipe Gestão Pública Keyvila Menezes

ATA Assistente Técnico Administrativo Trabalho em Equipe Gestão Pública Keyvila Menezes ATA Assistente Técnico Administrativo Trabalho em Equipe Gestão Pública Keyvila Menezes 2012 Copyright. Curso Agora eu Passo - Todos os direitos reservados ao autor. Evolução do trabalho em equipe Grupos

Leia mais

Promover a competitividade e o desenvolvimento dos pequenos negócios e fomentar o empreendedorismo para fortalecer a economia nacional

Promover a competitividade e o desenvolvimento dos pequenos negócios e fomentar o empreendedorismo para fortalecer a economia nacional Excelência na Gestão Desafio dos Pequenos Negócios INSTITUCIONAL SEBRAE MISSÃO Promover a competitividade e o desenvolvimento dos pequenos negócios e fomentar o empreendedorismo para fortalecer a economia

Leia mais

MICHELL LOOGAN FAGUNDES IMPORTÂNCIA DA LIDERANÇA COMO FATOR DE SUCESSO PARA EMPREENDEDORES EM NEGÓCIOS EM TI LAVRAS MG

MICHELL LOOGAN FAGUNDES IMPORTÂNCIA DA LIDERANÇA COMO FATOR DE SUCESSO PARA EMPREENDEDORES EM NEGÓCIOS EM TI LAVRAS MG MICHELL LOOGAN FAGUNDES IMPORTÂNCIA DA LIDERANÇA COMO FATOR DE SUCESSO PARA EMPREENDEDORES EM NEGÓCIOS EM TI LAVRAS MG 2015 MICHELL LOOGAN FAGUNDES IMPORTÂNCIA DA LIDERANÇA COMO FATOR DE SUCESSO PARA EMPREENDEDORES

Leia mais

Nivelar e disseminar os principais conceitos e a metodologia sobre GESTÃO POR COMPETÊNCIAS no âmbito do Tribunal Regional do Trabalho da 12ª Região.

Nivelar e disseminar os principais conceitos e a metodologia sobre GESTÃO POR COMPETÊNCIAS no âmbito do Tribunal Regional do Trabalho da 12ª Região. Secretaria de Recursos Humanos 2014 metodologia missão atitude mapeamento mensurar metas valores gestão capacitar prestação missão CHA GAP conhecimentos Competências Objetivos estratégia gestão missão

Leia mais

Avaliação de Desempenho do Técnico Administrativo em Educação

Avaliação de Desempenho do Técnico Administrativo em Educação Avaliação de Desempenho do Técnico Administrativo em Educação ANEXO I CAMPUS AUTO AVALIAÇÃO DO SERVIDOR 2016 Nome do Servidor: Cargo: Classe: Nível: Padrão: Período de Avaliação: / / a / / Lotação: Função

Leia mais

Prêmio Nacional de Inovação

Prêmio Nacional de Inovação Prêmio Nacional de Inovação 2013 Caderno de Avaliação Categoria EMPRESA: Agentes Locais de Inovação Método: Esta dimensão visa facilitar o entendimento de como estão sendo utilizados sistemas, métodos

Leia mais

Uma avaliação de Jose Teste para o cargo de Tecnico em Automação Industrial

Uma avaliação de Jose Teste para o cargo de Tecnico em Automação Industrial Uma avaliação de para o cargo de Tecnico em Automação Industrial Preparada para Caliper Estrategias Humanas do Brasil Ltda. 26 de agosto de 205 Perfil Caliper concluído em 26 de agosto de 205 Caliper Estratégias

Leia mais

BSC. deve contar a história da estratégia, começando. relacionando-se depois à seqüência de ações que precisam ser tomadas em relação aos

BSC. deve contar a história da estratégia, começando. relacionando-se depois à seqüência de ações que precisam ser tomadas em relação aos BSC Para KAPLAN & NORTON (1997), o Scorecard deve contar a história da estratégia, começando pelos objetivos financeiros a longo prazo e relacionando-se depois à seqüência de ações que precisam ser tomadas

Leia mais

Controle - 3. Realizar o Controle da Qualidade Relatório de Desempenho. Mauricio Lyra, PMP

Controle - 3. Realizar o Controle da Qualidade Relatório de Desempenho. Mauricio Lyra, PMP Controle - 3 Realizar o Controle da Qualidade Relatório de Desempenho 1 Realizar o Controle da Qualidade Preocupa-se com o monitoramento dos resultados do trabalho, a fim de verificar se estão sendo cumpridos

Leia mais

A assembleia geral do PANLAR representou 21 países. Pensar a longo prazo

A assembleia geral do PANLAR representou 21 países. Pensar a longo prazo A assembleia geral do PANLAR representou 21 países Pensar a longo prazo Nesta última nota do ano gostaria de comentar sobre o plano de desenvolvimento que estamos fazendo no PANLAR e que nos permitirá

Leia mais

Soluções para a Educação Básica

Soluções para a Educação Básica Soluções para a Educação Básica Jornadas de aprendizagem personalizadas Acreditamos que o progresso está nas mãos das pessoas. Oferecemos as ferramentas para que uma nova geração de talentos possa aproveitar

Leia mais

Unidade IV. Avaliação de Desempenho. Profª. Ana Paula de Andrade Trubbianelli

Unidade IV. Avaliação de Desempenho. Profª. Ana Paula de Andrade Trubbianelli Unidade IV Avaliação de Desempenho Profª. Ana Paula de Andrade Trubbianelli A implantação do planejamento para a avaliação Estudo do processo de trabalho Aperfeiçoamento dos quadros gerenciais (conhecimentos,

Leia mais

PROSPECÇÃO DE NEGÓCIOS E TECNOLOGIA. Prof. Araken Patusca Linhares

PROSPECÇÃO DE NEGÓCIOS E TECNOLOGIA. Prof. Araken Patusca Linhares PROSPECÇÃO DE NEGÓCIOS E TECNOLOGIA Prof. Araken Patusca Linhares UNIDADE I Surgimento do Empreendedorismo Postura e comportamento do Empreendedor A importância do Empreendedor na sociedade Motivação do

Leia mais

Gestão de Pessoas e Avaliação por competências

Gestão de Pessoas e Avaliação por competências Gestão de Pessoas e Avaliação por competências quer a empresa que não existe! Funcionário quer o profissional que não existe! Empresa A visão evolutiva da área de Gestão de Pessoas... 1930 Surgem departamentos

Leia mais

CONSELHO GERAL. Critérios de Avaliação

CONSELHO GERAL. Critérios de Avaliação CONSELHO GERAL AVALIAÇÃO INTERNA DO DESEMPENHO DOCENTE AVALIAÇÃO DO DIRETOR Critérios de Avaliação De acordo com a Portaria 266/2012, de 30 de agosto, compete ao Conselho Geral definir os critérios de

Leia mais

LIDERANÇA. Bom dia! Sejam todos Bem Vindos!

LIDERANÇA. Bom dia! Sejam todos Bem Vindos! LIDERANÇA Bom dia! Sejam todos Bem Vindos! VAMOS REFLETIR O que é ser líder? Onde posso exercer minha liderança? ? Porque o assunto liderança é tão discutido no mundo corporativo? RÁPIDA LINHA DO TEMPO

Leia mais

19/07/2016. Aula 9. Gestão do Desempenho. Prof. Lucia B. Oliveira. Prof. Lucia B. Oliveira. Agenda. Seminário. Prof. Lucia B.

19/07/2016. Aula 9. Gestão do Desempenho. Prof. Lucia B. Oliveira. Prof. Lucia B. Oliveira. Agenda. Seminário. Prof. Lucia B. Aula 9 Gestão do Desempenho Agenda 1 Seminário 2 Gestão do Desempenho 1 Seminário 4 Getting 360-Degree Feedback Right Maury A. Peiperl Harvard Business Review, 2001. Gestão do Desempenho 2 Gestão Estratégica

Leia mais

Código de Boas Práticas de Impacto REPORTE EXECUTIVO

Código de Boas Práticas de Impacto REPORTE EXECUTIVO Nota Prévia O Código de Boas Práticas de foi produzido pelo NCVO, membro do Inspiring Impact. O Inspiring Impact é um programa que visa alterar até 2022 a forma como o setor voluntário no Reino Unido se

Leia mais

PROGRAMA DE COACHING & VOCÊ

PROGRAMA DE COACHING & VOCÊ LAIS SILVA Profissional coach &Leader Coach Analista comportamental & 360 graus Coach, Consultora, Palestrante. Especialista em Recursos Humanos e Gestão Auditoria em Serviços de Saúde. Atua há mais de

Leia mais

Identificar as habilidades e competências de um profissional de sucesso para a construção de um perfil Líder, Proativo e Criativo.

Identificar as habilidades e competências de um profissional de sucesso para a construção de um perfil Líder, Proativo e Criativo. Profº J.Vidal Objetivo Identificar as habilidades e competências de um profissional de sucesso para a construção de um perfil Líder, Proativo e Criativo. Conteúdos: Autoconhecimento Qual o seu diferencial

Leia mais

Recomendação de políticas Alfabetização digital

Recomendação de políticas Alfabetização digital Recomendação de políticas A oportunidade O conhecimento de informática e a alfabetização, a familiaridade com software de produtividade, a fluência no uso de uma ampla gama de dispositivos digitais, estas

Leia mais

global trainee program

global trainee program global trainee program SIstemA Industrial Global. 2 2 A Tenaris é líder global na produção e no fornecimento de tubos de aço e serviços relacionados para a indústria mundial de energia e para outras aplicações

Leia mais

Você é uma Mulher de Sonhos ou uma Mulher de Atitude? Crédito Diretora Rakell Aguiar

Você é uma Mulher de Sonhos ou uma Mulher de Atitude? Crédito Diretora Rakell Aguiar Você é uma Mulher de Sonhos ou uma Mulher de Atitude? Crédito Diretora Rakell Aguiar Murmuração... Eu não gosto do meu trabalho Não me sinto uma pessoa valorizada no que faço Preciso melhorar minha vida

Leia mais

Desenvolvimento de Liderança. Prof. M.e. Fernando Martins Silva

Desenvolvimento de Liderança. Prof. M.e. Fernando Martins Silva Desenvolvimento de Liderança Prof. M.e. Fernando Martins Silva fernando@professorfernandomartins.com.br Fernando Martins Silva Advogado Consultor empresarial Professor universitário Coordenador da pós-graduação

Leia mais

I - Critérios de avaliação curricular

I - Critérios de avaliação curricular Trabalhador para a Carreira Técnica Especialista para o Departamento Administrativo e Financeiro (Ref.ª 01-DAF/2016) I - Critérios de avaliação curricular São adotados os seguintes critérios de avaliação

Leia mais

Curso de Gerente de Loja - Ações Práticas que Geram Lucro

Curso de Gerente de Loja - Ações Práticas que Geram Lucro Curso de Gerente de Loja - Ações Práticas que Geram Lucro Módulo 1 Liderança e Gestão de Lojas de Varejo Tema 3 - Liderança Liderança Liderança: Como liderar uma equipe de vendas? Quais as habilidades

Leia mais

Teste de Competência Profissional Seu mapa de sucesso

Teste de Competência Profissional Seu mapa de sucesso Teste de Competência Profissional Seu mapa de sucesso Autor Jorge Penillo Teste de Competência profissional Muito mais que uma ferramenta, um verdadeiro mapa para seu sucesso. Olá meu amigo e minha amiga,

Leia mais

"Entrevistês" traduzido

Entrevistês traduzido Fonte: http://brasil247.com/pt/247/seudinheiro/63017/entrevist%c3%aas-traduzido.htm "Entrevistês" traduzido Foto: Shutterstock O QUE OS RECRUTADORES REALMENTE QUEREM SABER COM QUATRO DAS PERGUNTAS MAIS

Leia mais

Preciso saber se estou indo bem!

Preciso saber se estou indo bem! Preciso saber se estou indo bem! Autor: Richard L. Williams Alunos: Lubiana, Maiara, Pedro e Skalit Turma: 1º Administração Venda Nova do Imigrante, Maio de 2012. Qual o principal assunto do livro O livro

Leia mais

Aula 3. Princípios da Liderança

Aula 3. Princípios da Liderança Aula 3 Princípios da Liderança Profa. Ms. Daniela Cartoni daniela.cartoni@veris.edu.br Princípios da Liderança GAUDENCIO, Paulo. Superdicas para se tornar um verdadeiro líder. São Paulo: Saraiva, 2007.

Leia mais

Desenvolvimento de Negócios. Planejamento Estratégico Legal: da concepção à operacionalização Competências necessárias para o Gestor Legal

Desenvolvimento de Negócios. Planejamento Estratégico Legal: da concepção à operacionalização Competências necessárias para o Gestor Legal Desenvolvimento de Negócios Planejamento Estratégico Legal: da concepção à operacionalização Competências necessárias para o Gestor Legal Gestão Estratégica Para quê? Por Quê? Para fazer acontecer e trazer

Leia mais

PALESTRA COMO DESVENDAR E RETER TALENTOS. educare

PALESTRA COMO DESVENDAR E RETER TALENTOS. educare PALESTRA COMO DESVENDAR E RETER TALENTOS Maria de Lourdes Nogueira Psicóloga, Mestre Administração de Empresas e Pós-Graduada em ADM.RH e Psicologia Organizacional. É professora do curso de Pós - Graduação

Leia mais

Curso Superior de Tecnologia: Redes de Computadores. Disciplina: Dinâmica nas Organizações. Prof.: Fernando Hadad Zaidan. Unidade 3.

Curso Superior de Tecnologia: Redes de Computadores. Disciplina: Dinâmica nas Organizações. Prof.: Fernando Hadad Zaidan. Unidade 3. Faculdade INED Curso Superior de Tecnologia: Redes de Computadores Disciplina: Dinâmica nas Organizações Prof.: Fernando Hadad Zaidan Unidade 3.3 3 A DINÂMICA DAS ORGANIZAÇÕES E AS ORGANIZAÇÕES DO CONHECIMENTO

Leia mais

CURSO: BACHARELADO EM SISTEMAS DE INFORMAÇÃO. Professor ADERSON Castro, Me. MATERIAL DIDÁTICO 1º.sem/2013.

CURSO: BACHARELADO EM SISTEMAS DE INFORMAÇÃO. Professor ADERSON Castro, Me. MATERIAL DIDÁTICO 1º.sem/2013. BACHARELADO EM SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Disciplina: QUALIDADE EM TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO CURSO: BACHARELADO EM SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Professor ADERSON Castro, Me. MATERIAL DIDÁTICO 1º.sem/2013. Fonte:

Leia mais

Sete hábitos das pessoas muito eficazes

Sete hábitos das pessoas muito eficazes Sete hábitos das pessoas muito eficazes "Hábito é a intersecção entre o conhecimento, a capacidade e a vontade. O conhecimento é o que e o porquê fazer. A capacidade é o como fazer. E a vontade é a motivação,

Leia mais

A ESSÊNCIA DA LIDERANÇA

A ESSÊNCIA DA LIDERANÇA SUMÁRIO 1. As Definições 2. O Velho Paradigma e o Novo Paradigma 3. O Modelo da Liderança 4. O Legado do Líder Prof. Dr. Francisco Chaves 1. As Definições: Estar no poder é como ser uma dama. Se tiver

Leia mais

Competências Pessoais e Sociais I Inteligência Emocional Sessão 2 20 e 21 de Outubro. Isabel Paiva de Sousa

Competências Pessoais e Sociais I Inteligência Emocional Sessão 2 20 e 21 de Outubro. Isabel Paiva de Sousa Competências Pessoais e Sociais I Sessão 2 20 e 21 de Outubro Isabel Paiva de Sousa isabelmpsousa@netcabo.pt Outubro 2015 1 Alegria Confiança Apego Prazer Alivio Esperança Euforia Surpresa Raiva Tristeza

Leia mais

Regime de Avaliação do Plano de Formação

Regime de Avaliação do Plano de Formação Centro Centro de Formação da Associação de Escolas Bragança Norte Regime de Avaliação do Plano de Formação Escola-Sede: Escola Secundária Abade de Baçal Avenida General Humberto Delgado 5300-167 Bragança

Leia mais

Copyright 2012 Innoscience. Artigo publicado no Blog de Inovação 3M, em 18 de junho de 2012

Copyright 2012 Innoscience. Artigo publicado no Blog de Inovação 3M, em 18 de junho de 2012 Artigo Os primeiros 90 dias do CEO Inovador Parte II Por Maximiliano Carlomagno 1 Copyright 2012 Innoscience Artigo publicado no Blog de Inovação 3M, em 18 de junho de 2012 2 Os Primeiros 90 dias do CEO

Leia mais

O SEBRAE E O QUE ELE PODE FAZER PELO SEU NEGÓCIO

O SEBRAE E O QUE ELE PODE FAZER PELO SEU NEGÓCIO O SEBRAE E O QUE ELE PODE FAZER PELO SEU NEGÓCIO Competitividade Perenidade Sobrevivência Evolução Orienta na implantação e no desenvolvimento de seu negócio de forma estratégica e inovadora. O que são

Leia mais

De consultora a DIQ Conquistando TUDO com inícios qualificados constantes!

De consultora a DIQ Conquistando TUDO com inícios qualificados constantes! De consultora a DIQ Conquistando TUDO com inícios qualificados constantes! Diretora Sênior de Vendas Independente Zulma Ramires Sonhos e Metas Claras Sonhar Fé Decidida Planejamento Disciplina Um Negócio

Leia mais

CAPÍTULO 03 PERNAS QUE DÃO SUPORTE

CAPÍTULO 03 PERNAS QUE DÃO SUPORTE CAPÍTULO 03 PERNAS QUE DÃO SUPORTE Nossas pernas dão suporte ao nosso corpo inteiro e nos permitem andar, correr e pular. A facilitação na célula da suporte aos membros do grupo, capacitando-os a e x e

Leia mais

Resultados da Pesquisa de Clima Organizacional 2010

Resultados da Pesquisa de Clima Organizacional 2010 Resultados da Pesquisa de Clima Organizacional 2010 População e amostra da pesquisa 350 300 População Amostra 294 250 219 200 150 100 50 75 52 100 152 0 Técnicoadministrativos (69%) Docentes (46%) Geral

Leia mais

Mirar. Nichos.

Mirar. Nichos. Mirar Nichos 1 MIRAR IDENTIFICANDO SEU NICHO Nicho é Sobre Paixão e Negócios O ideal é que você tenha um nicho claro, mas você até pode trabalhar com dois: a) O Nicho Ganha Pão b) O Nicho Paixão Que fique

Leia mais

Avaliação do Capital Humano

Avaliação do Capital Humano Avaliação do Capital Humano Pleno século XXI, A quantidade de água salgada espalhada pelos quatro oceanos do mundo, ainda é incontável. Já imaginou se eles não estivessem em EQUIPE? Avaliação do capital

Leia mais

OPQ Perfil OPQ. Relatório de Inteligência Emocional. Nome Sample Candidate. Data 23 outubro

OPQ Perfil OPQ. Relatório de Inteligência Emocional. Nome Sample Candidate. Data 23 outubro OPQ Perfil OPQ Relatório de Inteligência Emocional Nome Sample Candidate Data www.ceb.shl.com INTRODUÇÃO Este relatório descreve as competências-chave para o da Inteligência Emocional (IE), que se pode

Leia mais

Intra empreendedorismo Eva Vieira

Intra empreendedorismo Eva Vieira Intra empreendedorismo Eva Vieira contato@evavieira.com.br Um empreendedor é uma pessoa imaginativa,caracterizada por uma capacidade de fixar alvos e objetivos Filion (1986) O empreendedor não perde a

Leia mais

2. Por que premiar ou reconhecer a equipe? Os prêmios e reconhecimentos corporativos reforçam comportamentos positivos, melhoram o nível de

2. Por que premiar ou reconhecer a equipe? Os prêmios e reconhecimentos corporativos reforçam comportamentos positivos, melhoram o nível de AÇÃO SUPERA 1. Ação Supera É uma ação de reconhecimentos e premiações que a Realtec adotara em seus setores com objetivo motivar, engajar e reconhecer seus colaboradores. Realtec sabe que colaboradores

Leia mais

1. Apresentar cenários em gestão de pessoas na nova economia.

1. Apresentar cenários em gestão de pessoas na nova economia. 1. Apresentar cenários em gestão de pessoas na nova economia. 2. Discorrer sobre o contexto do Coaching na identificação e desenvolvimento de competências. 3. Praticar uma ferramenta do Coaching Executivo

Leia mais

Ementas. Certificate in Business Administration CBA

Ementas. Certificate in Business Administration CBA Ementas Certificate in Business Administration CBA Agosto 2012 Módulo Fundamental Administração Financeira EMENTA: Disciplina desenvolve a capacidade de contribuição para as decisões gerenciais aplicando

Leia mais

Durante os últimos meses, a parceria tem trabalhado nos produtos finais do projecto T-STORY, a saber:

Durante os últimos meses, a parceria tem trabalhado nos produtos finais do projecto T-STORY, a saber: T- Story NEWSLETTER April 2014 June 2013 Edition N. Apresentamos a newsletter oficial do projeto T-Story - Storytelling Aplicado à Educação e Formação, um projeto financiado pela ação transversal Atividade-chave

Leia mais

APRIMORANDO A EXPERIÊNCIA NO CLUBE

APRIMORANDO A EXPERIÊNCIA NO CLUBE APRIMORANDO A EXPERIÊNCIA NO CLUBE A força do seu clube está nos associados. Ao pedir suas opiniões regularmente, você demonstra que está aberto a mudanças e possibilita que eles o ajudem a criar uma experiência

Leia mais

OS ESTILOS DE LIDERANÇA: COMO INFLUENCIAM NO CLIMA ORGANIZACIONAL

OS ESTILOS DE LIDERANÇA: COMO INFLUENCIAM NO CLIMA ORGANIZACIONAL II Congresso de Pesquisa e Extensão da FSG http://ojs.fsg.br/index.php/pesquisaextensao ISSN 2318-8014 OS ESTILOS DE LIDERANÇA: COMO INFLUENCIAM NO CLIMA ORGANIZACIONAL Fábio Beltrami a a Mestre em Filosofia

Leia mais

ESTILOS DA NEGOCIAÇÃO

ESTILOS DA NEGOCIAÇÃO ESTILOS DA NEGOCIAÇÃO Teste para Avaliação Marque com um X as características que mais aproxima-se de você. A Coluna A é o oposto da coluna B. Então, por exemplo, Você é uma pessoa mais organizada ou improvisadora?

Leia mais

PROGRAMA DE MÉTODOS E HÁBITOS DE ESTUDO

PROGRAMA DE MÉTODOS E HÁBITOS DE ESTUDO PROGRAMA DE MÉTODOS E HÁBITOS DE ESTUDO MOTIVAR PARA O SUCESSO PRESSUPÕE INTERESSE, INVESTIMENTO, DISPONIBILIDADE, VONTADE, COMPETÊNCIA E ENVOLVIMENTO DE TODOS OS INTERVENIENTES NO PROCESSO EDUCATIVO!

Leia mais

Workshop ToolsTM. Gazelles International. (Ferramentas para Gazelles International Workshop)

Workshop ToolsTM. Gazelles International. (Ferramentas para Gazelles International Workshop) Workshop ToolsTM Gazelles International (Ferramentas para Gazelles International Workshop) Melhor Educação. Melhores Ferramentas. Melhor Comunidade. Se podemos ajudá-lo com a aplicação do Rockefeller Habits

Leia mais

TRILHA. Sistema para empreendedores de Marketing de Relacionamento

TRILHA. Sistema para empreendedores de Marketing de Relacionamento TRILHA Sistema para empreendedores de Marketing de Relacionamento Código de Ética 1. Não falar mal da empresa, dos produtos, dos líderes ou de outros distribuidores; 2. Respeitar a concorrência; 3. Não

Leia mais

CCSQ. Relatório do Manager - Funções que lidam com o cliente. Nome Sample Candidate. Data 23 setembro

CCSQ. Relatório do Manager - Funções que lidam com o cliente. Nome Sample Candidate. Data 23 setembro CCSQ Relatório do Manager - Funções que lidam com o cliente Nome Sample Candidate Data 23 setembro 2013 www.ceb.shl.com INTRODUÇÃO Este relatório do SHL Manager lhe ajudará a estabelecer as chances de

Leia mais

Guia VOCÊ S/A As Melhores Empresas para Você Trabalhar

Guia VOCÊ S/A As Melhores Empresas para Você Trabalhar Guia VOCÊ S/A As Melhores Empresas para Você Trabalhar - 2013 Instruções para preenchimento: ESSE FORMULÁRIO NÃO DEVE SER EM HIPÓTESE ALGUMA ENTREGUE AO RH OU PARA QUALQUER FUNCIONÁRIO DA ÁREA DE RECURSOS

Leia mais

IV. Questionário aos professores e outros funcionários da escola.

IV. Questionário aos professores e outros funcionários da escola. IV. Questionário aos professores e outros funcionários da escola. Ex.mo/a Senhores/as Este questionário faz parte dum estudo que pretendemos realizar no âmbito da conclusão da etapa de Licenciatura, do

Leia mais

DuPont, sua Cultura de Segurança e PSM

DuPont, sua Cultura de Segurança e PSM DuPont, sua Cultura de Segurança e PSM Eduardo Francisco Gerente Corporativo SSMA Líder PSM América Latina A Cultura DuPont em Segurança, Saúde e Meio Ambiente 1802 Início das operações fábrica de pólvora

Leia mais

ADMINISTRAÇãO DE RECURSOS HUMANOS para farmácias

ADMINISTRAÇãO DE RECURSOS HUMANOS para farmácias ADMINISTRAÇãO DE RECURSOS HUMANOS para farmácias ADMINISTRAÇãO DE RECURSOS HUMANOS para farmácias SUMÁRIO 1. Introdução/ prefácio...9 2. O que faz o Gerente quando administra bem os Recursos Humanos da

Leia mais

Tema: O Desenvolvimento de Competências e o EAD

Tema: O Desenvolvimento de Competências e o EAD Tema: O Desenvolvimento de Competências e o EAD Maria Raimunda Mendes da Veiga Pedagoga. Especialista em Gestão de Pessoas veiga@enfam.jus.br Secretária Executiva da Enfam 7 de maio de 2015 1 Objetivo:

Leia mais

AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO FICHA DE AUTO AVALIAÇÃO ASSISTENTE OPERACIONAL

AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO FICHA DE AUTO AVALIAÇÃO ASSISTENTE OPERACIONAL AGRUPAMENTO DE ESCOLAS VIEIRA DE ARAÚJO ESCOLA EB/S VIEIRA DE ARAÚJO VIEIRA DO MINHO SIADAP 3 AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO FICHA DE AUTO AVALIAÇÃO ASSISTENTE OPERACIONAL Avaliado Carreira/Categoria Unidade

Leia mais

FORMULÁRIOS PARA AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO GERENCIAL SERVIDOR MATRÍCULA CARGO SETOR CAMPUS PERÍODO DE AVALIAÇÃO

FORMULÁRIOS PARA AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO GERENCIAL SERVIDOR MATRÍCULA CARGO SETOR CAMPUS PERÍODO DE AVALIAÇÃO FORMULÁRIOS PARA AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO GERENCIAL SERVIDOR MATRÍCULA CARGO SETOR CAMPUS PERÍODO DE AVALIAÇÃO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA BAIANO 1. IDENTIFICAÇÃO DO SERVIDOR Servidor

Leia mais

GUIA PARA ELABORAÇÃO DO PLANO DE DESENVOLVIMENTO INDIVIDUAL

GUIA PARA ELABORAÇÃO DO PLANO DE DESENVOLVIMENTO INDIVIDUAL GUIA PARA ELABORAÇÃO DO PLANO DE DESENVOLVIMENTO INDIVIDUAL Chegamos ao momento de construir um plano de desenvolvimento para as necessidades identificadas a partir de seu autodiagnóstico e reflexões iniciais.

Leia mais

Trabalhar com planos de carreira ajuda a reter talentos

Trabalhar com planos de carreira ajuda a reter talentos Trabalhar com planos de carreira ajuda a reter talentos O mapeamento de carreira contribui para a definição de metas de longo prazo. Qual é o meu próximo passo? Em algum momento da carreira, a maioria

Leia mais

http://www.youtube.com/watch?v=d0fptv_kq9s XII WORKSHOP DE PÓS-GRADUAÇÃO EM QUÍMICA 8º ENCONTRO DO FÓRUM DE COORDENADORES DE CURSOS DE GRADUAÇÃO EM QUÍMICA Aprendendo a Empreender Um novo desafio Mauricio

Leia mais

COMO APRESENTAR DADOS DE FORMA IMPACTANTE

COMO APRESENTAR DADOS DE FORMA IMPACTANTE 100% 100% 100% 50% 25% 75% 100% 50% 25% 75% A B C D COMO APRESENTAR DADOS DE FORMA IMPACTANTE ÍNDICE Introdução 3 O que não pode faltar em uma apresentação de dados 4 Roteiro de uma apresentação de dados

Leia mais

GESTÃO. 3.1-Liderança e estilos de liderança Gestão das Organizações DEG/FHC 1

GESTÃO. 3.1-Liderança e estilos de liderança Gestão das Organizações DEG/FHC 1 GESTÃO 3.1-Liderança e estilos de liderança Gestão das Organizações DEG/FHC 1 Liderança Capacidade para influenciar pessoas de forma a conseguir atingir os objectivos e metas da organização. Implica o

Leia mais

Entrevista de Início. Diretora Sênior de Vendas Independente Mary Kay Débora Azevedo

Entrevista de Início. Diretora Sênior de Vendas Independente Mary Kay Débora Azevedo Entrevista de Início Diretora Sênior de Vendas Independente Mary Kay Débora Azevedo Agendei uma entrevista e agora???????? Prepare seu material de maneira organizada, eficaz, objetiva e simples; Esteja

Leia mais

Capítulo 9 Metas e planos de ação

Capítulo 9 Metas e planos de ação Capítulo 9 Metas e planos de ação Objetivos de aprendizagem 1. Definir um objetivo de como você quer viver 2. Estabelecer metas para alcançar esse objetivo 3. Criar planos de ação para alcançar suas metas

Leia mais

PROGRAMA! COMPETÊNCIAS DIRETIVAS!! Desenvolvimento de Lideranças! aplicando ferramentas do! Coaching Ontológico Organizacional!

PROGRAMA! COMPETÊNCIAS DIRETIVAS!! Desenvolvimento de Lideranças! aplicando ferramentas do! Coaching Ontológico Organizacional! PROGRAMA COMPETÊNCIAS DIRETIVAS Desenvolvimento de Lideranças aplicando ferramentas do Coaching Ontológico Organizacional São Paulo, 20 de fevereiro a 15 de julho de 2017 Uma solução para responder às

Leia mais

Integrando Gestão de Pessoas à Gestão de Negócios

Integrando Gestão de Pessoas à Gestão de Negócios Nossa história Integrando Gestão de Pessoas 31 anos de existência Atua em 07 Estados + Distrito Federal 3355 colaboradores diretos Matriz RAO e 15 filiais 140 unidades de negócios 1300 colaboradores indiretos

Leia mais