PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO COPA 2014

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO COPA 2014"

Transcrição

1 PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO COPA 2014 Governo do Estado do Amazonas

2 Equipe Técnica COORDENAÇÃO Marcelo Lima Filho Rodrigo Camelo de Oliveira Ronney César Peixoto ELABORAÇÃO Bernardo Monteiro de Paula Elaine dos Santos Garcia e Silva Sigrid Marques Epifânio Victor Castelo Branco Cyrino

3 Sumário 1 Apresentação 6 2 Unidade Gestora do projeto - UGP COPA Planejamento Estratégico 8 4 Metodologia Utilizada 9 5 Identidade Organizacional 11 6 Análise de Ambiente 12 7 Mega Objetivos 13 8 Objetivos Estratégicos 13 9 Considerações Finais 14

4 1. Apresentação A partir da escolha de Manaus como cidade sede, concretizou-se a necessidade de uma revitalização profunda em torno de alguns setores estruturais do Estado: mobilidade urbana, segurança pública, estrutura hoteleira e aeroportuária, dentre outros. Diante do constante aumento de demanda das ações preparatórias à realização da Copa do mundo em 2014, o Grupo Copa 2014 foi estruturado sob responsabilidade da Secretaria de Planejamento e Desenvolvimento Econômico SE- PLAN, e hoje mantém o gerenciamento e controle de todos os projetos diretos e indiretos que envolvem o maior evento esportivo mundial. O Planejamento Estratégico do Grupo Copa para 2011 traça os objetivos estratégicos e os principais mega objetivos, visando trabalhar a Missão, Visão, objetivos e valores, no sentido de viabilizar com êxito este que é o maior evento esportivo do mundo. Marcelo Lima Filho Secretário de Estado de Planejamento e Desenvolvimento Econômico - SEPLAN 6

5 2. UNIDADE GESTORA DO PROJETO - UGP COPA 2014 O Grupo Copa 2014, originalmente constituído por portaria Nº 041/2010- GS/SEPLAN, tem a finalidade de monitorar, avaliar e prover suporte às ações relativas à organização da Copa do Mundo FIFA 2014 em Manaus. Para a excelência da execução deste portfolio de projetos, recomenda-se a criação da intitulada Unidade gestora do projeto - UGP COPA 2014 com o respectivo planejamento estratégico. Propõe-se a criação da unidade gestora do projeto - UGP COPA 2014, com vinculação direta ao Gabinete do Governador, criada com autonomia administrativa e financeira, tendo como finalidade gerenciar, implementar e acompanhar a execução dos programas, projetos e ações necessários ao atendimento dos requisitos contidos nas frentes estabelecidas pela Federação Internacional de Futebol Associado FIFA e pelo Comitê Organizador Local COL para a realização da Copa do Mundo 2014 em Manaus. São objetivos da UGP COPA 2014, conforme organograma a seguir: Planejar, gerenciar e avaliar as frentes da COPA 2014 em todas as suas etapas, compreendendo as atividades de ordem administrativa e financeira, a execução direta ou indireta das obras, serviços e demais tarefas concernentes ao Programa, necessários ao atendimento dos seus objetivos; Realizar atividades relacionadas à avaliação de desempenho, como: análise da documentação produzida, realização de inspeções de campo, monitoramento e auditoria das atividades desempenhadas, elaboração da prestação de contas e controle do cronograma físico-financeiro; Promover relacionamento institucional, organizar e publicar relatórios periódicos de todas as atividades. 7

6 8

7 UNIDADE GESTORA DO PROJETO UGP COPA 2014

8 3. Planejamento Estratégico O Planejamento Estratégico está voltado para a definição de objetivos de longo prazo a serem alcançados, identificando que recursos internos serão utilizados no enfrentamento do ambiente exterior à organização. Portanto, há duas principais variáveis na elaboração de planos: tempo e recursos. No trabalho de construção do Plano Estratégico, foram identificados, para o período de 2011, quais recursos serão necessários ao enfrentamento das condições impostas pelo ambiente, recursos que nem sempre estão disponíveis para o grupo COPA 2014, visto não possuir uma estrutura definida.

9 4. Metodologia Utilizada Na metodologia utilizada para a condução do processo de Planejamento Estratégico, os participantes utilizaram a ferramenta de Brainstorming, para a elaboração do material. O processo teve início com a construção da Identidade Organizacional da UGP COPA 2014, composta pela Missão, Visão de Futuro e Valores. A Missão procura responder à questão: Por que esta unidade existe? Qual é o seu papel na estrutura de governo e a que necessidades e expectativas do ambiente ela atende? A visão de futuro procura responder à questão: O que queremos ser? Como o grupo se vê no futuro? Em qual espaço estará inserido? Como serão seus métodos e processos de trabalho? Como o ambiente externo estará vendo este órgão? Os valores são os princípios que norteiam as relações internas da organização, assim como o seu relacionamento com o ambiente externo (principalmente clientes, fontes de recursos, órgãos regulamentadores e fiscalizadores). Envolvem questões de ética, respeito e outras, ligadas aos padrões de comportamento aprovados e esperados no órgão. Em seguida, foi feita a análise de ambiente, onde foram avaliados os ambientes externo e interno. Da análise de ambiente externo, resultou a identificação das ameaças e oportunidades. Já do ambiente interno, surgiu a identificação dos Pontos Fortes e Fracos da organização. As oportunidades são condições externas favoráveis ao cumprimento da Missão e ao alcance da Visão de Futuro, enquanto ameaças ou riscos são condições externas desfavoráveis que podem comprometer o sucesso da instituição.

10 Os Pontos Fortes são as forças internas que contribuem para o cumprimento da Missão e da Visão de Futuro, já os Pontos Fracos são as forças internas que as restringem. Após a definição dos Pontos Fortes e Fracos, das Ameaças e Oportunidades foram identificadas os mega objetivos, que são as premissas que estabelecem em grandes linhas as transformações fundamentais desejadas. Uma vez definidos os mega objetivos, foram identificados os objetivos estratégicos que são os resultados, com alto grau de agregação, que procuram expressar as prioridades máximas dos órgãos, baseados na análise de ambiente efetuada. Mega Objetivos Objetivo Estratégico

11 5. Identidade Organizacional Missão Garantir a execução das ações e atividades relacionadas ao projeto Copa do Mundo FIFA 2014 no Amazonas. Visão Ser referência nacional na excelência da gestão pública primando pela transparência, boas práticas e capacidade técnica sobre os projetos da Copa Valores Transparência Respeito Produtividade Bons Serviços

12 6. Análise do Ambiente Pontos Fortes 1. Proatividade 2. Pontualidade 3. Equipe Técnica Qualificada 4. Pontos Fracos 1. Estrutura física Inadequada 2. Grupo Técnico não oficialmente constituída 3. Quadro pessoal reduzido 4. Oportunidades 1. Continuidade na gestão 2. Formalização da equipe (Recursos Humanos) 3. Banco de talentos recrutado 4. Priorização na execução das ações e atividades da Copa Ameaças 1. Não Cumprimento de prazos 2. Não formalização da estrutura organizacional 3. Recursos Financeiros Escassos 4. Alta Rotatividade de servidores em cargos de comissão 5. Excesso de burocracia dos órgãos de fiscalização e controle da administração pública, em contraponto aos prazos estipulados para execução dos projetos 6. Exclusão de Manaus como sede da copa do mundo FIFA 2014

13 7. Mega Objetivos Os mega Objetivos identificados foram: Infra-Estrutura; Turismo; Serviços. 8. Objetivos Estratégicos MEGA OBJETIVOS OBJETIVOS ESTRATÉGICOS Construção e revitalização de parques e praças Centros de Treinamento Ampliação e modernização da rede Hoteleira; INFRA-ESTRUTURA Revitalização do Centro histórico de Manaus Implantação de um programa de mobilidade urbana Construção do estádio Arena da Amazônia Infra-estrutura aeroportuária Ampliação das matrizes Energética e de Comunicações TURISMO SERVIÇOS Promoção turística do Estado Disponibilização do legado de infra-estrutura Capacitação para a população relacionadas às ações e atividades da Copa do mundo FIFA 2014 Formação de grupos de pessoas aptas a participar dos programas de voluntariado da COPA 2014 Ampliação, capacitação e modernização da estrutura de segurança pública do Estado do Amazonas Ampliação e modernização da estrutura de saúde pública no Estado.

14 9. Considerações Finais O Planejamento Estratégico tem sido foco de atenção da alta administração das empresas, tanto públicas quanto privadas, pois direciona para medidas positivas que uma empresa poderá tomar para enfrentar ameaças e aproveitar as oportunidades encontradas em seu ambiente. No processo de aperfeiçoamento da gestão, a iniciativa de elaborar Planos Estratégicos coloca-se como uma ferramenta útil para direcionamento de ações que permitam o aumento da sua eficácia, eficiência e efetividade. O Planejamento Estratégico realizado e validado pelos Grupo COPA 2014 e Secretários da SEPLAN tem o intuito de servir de instrumento dinâmico de gestão, que deve ser seguido, visando atender às necessidades de excelência no curto prazo e às de mudança no longo prazo, tendo como objetivo central o cumprimento de sua missão. Com base neste documento, o próximo passo será detalhar a agenda, definindo as atribuições, o cronograma a as responsabilidades de cada frente de trabalho, com o intuito de estabelecer, no ano de 2011, as ações a serem implementadas.

PLANO ESTRATÉGICO E PLANO DE ATIVIDADES 2016

PLANO ESTRATÉGICO E PLANO DE ATIVIDADES 2016 PLANO ESTRATÉGICO E PLANO DE ATIVIDADES 2016 1. INTRODUÇÃO O Plano Estratégico 2016 visa atender as necessidades do Conselho de Medicina Veterinária do Estado do Pará perante aos Médicos Veterinários,

Leia mais

Riscos e Controles Internos

Riscos e Controles Internos Riscos e Controles Internos Ouvidoria: 0800-724-4010 ouvidoria@spinelli.com.br 1 Índice 1. Introdução 3 2. Objetivo 3 3. Estrutura de gerenciamento do risco operacional 4 4. Agentes da Estrutura de GRO

Leia mais

Av. Princesa Isabel, Fone (51) CEP Porto Alegre - RS - Brasil.

Av. Princesa Isabel, Fone (51) CEP Porto Alegre - RS - Brasil. PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO DO - 2016/2018 Apresentação da Técnica de Planejamento Estratégico Adotada O Cremers estará em 2016 dando segmento na implantação de seu Planejamento Estratégico segundo a filosofia

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO ORÇAMENTÁRIA E PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO

ADMINISTRAÇÃO ORÇAMENTÁRIA E PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO O processo de gestão das organizações pode ser dividido em 3 etapas: Planejamento ADMINISTRAÇÃO ORÇAMENTÁRIA E PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO Execução Controle Planejamento Planejamento e Controle É uma função

Leia mais

Gestão da Tecnologia da Informação

Gestão da Tecnologia da Informação TLCne-051027-P0 Gestão da Tecnologia da Informação Disciplina: Governança de TI São Paulo, Setembro de 2012 0 Sumário TLCne-051027-P1 Conteúdo desta Aula Conclusão do Domínio de Processos PO (PO7 e PO8)

Leia mais

Estrutura de Gerenciamento De Capital

Estrutura de Gerenciamento De Capital Estrutura de Gerenciamento De Capital Ouvidoria: 0800-724-4010 ouvidoria@spinelli.com.br 1 Índice 1. Introdução 3 2. Objetivo do documento 4 3. Aspectos regulamentares 5 4. Responsabilidades 6 4.1 Comitê

Leia mais

Aspectos Gerais do Planejamento

Aspectos Gerais do Planejamento PLANEJAMENTO Prof. Thiago Gomes Aspectos Gerais do Planejamento Conceito Planejamento é o processo sistemático de planejar o futuro, definindo objetivos e resultados que se quer atingir e o que vai se

Leia mais

Contrata Consultor na modalidade Produto

Contrata Consultor na modalidade Produto Contrata Consultor na modalidade Produto PROJETO 914BRA4007 EDITAL Nº 02/2010 1. Perfil: 1 3. Qualificação educacional: Pós-graduação em Turismo, Administração ou Marketing 4. Experiência profissional:

Leia mais

Unimed 2ª Opinião ACREDITE: ESTÁ SURGINDO UMA NOVA UNIMED!

Unimed 2ª Opinião ACREDITE: ESTÁ SURGINDO UMA NOVA UNIMED! ACREDITE: ESTÁ SURGINDO UMA NOVA UNIMED! CONCEITO O Inova Unimed é um movimento de renovação que visa a modernização estrutural, operacional e administrativa da Unimed Vale do Aço. OBJETIVOS SATISFAZER

Leia mais

4.6. ATENDIMENTO ÀS METAS DO PLANO/PROGRAMA/PROJETO

4.6. ATENDIMENTO ÀS METAS DO PLANO/PROGRAMA/PROJETO 4.6. ATENDIMENTO ÀS METAS DO PLANO/PROGRAMA/PROJETO A planilha de atendimento às metas do projeto é apresentada na sequência. Metas Proporcionar os elementos necessários para que seja definido o processo

Leia mais

Case Capacitação e Desenvolvimento Melhores Práticas Gestão de Pessoas 2012

Case Capacitação e Desenvolvimento Melhores Práticas Gestão de Pessoas 2012 Case Capacitação e Desenvolvimento Melhores Práticas Gestão de Pessoas 2012 A UNIMED NOVA IGUAÇU Abrangência Nova Iguaçu Belford Roxo Japeri Mesquita Nilópolis São João de Meriti Queimados Paracambi Posição

Leia mais

MINISTÉRIO DO PLANEJAMENTO, DESENVOLVIMENTO E GESTÃO SECRETARIA DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO DEPARTAMENTO DE GOVERNANÇA, SISTEMAS E INOVAÇÃO

MINISTÉRIO DO PLANEJAMENTO, DESENVOLVIMENTO E GESTÃO SECRETARIA DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO DEPARTAMENTO DE GOVERNANÇA, SISTEMAS E INOVAÇÃO MINISTÉRIO DO PLANEJAMENTO, DESENVOLVIMENTO E GESTÃO SECRETARIA DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO DEPARTAMENTO DE GOVERNANÇA, SISTEMAS E INOVAÇÃO MODELO DE GESTÃO Estratégia de Governança Digital 1. OBJETIVO

Leia mais

Missão. Visão. Objetivos Estratégicos (OE)

Missão. Visão. Objetivos Estratégicos (OE) Identidade Organizacional - Acesso à informação - IBAMA - Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos R O Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (Ibama) é uma autarquia

Leia mais

A DMA Consultoria e Treinamento é uma empresa que preza pelo desenvolvimento humano e pessoal, focado em diversas áreas da organização e do indivíduo.

A DMA Consultoria e Treinamento é uma empresa que preza pelo desenvolvimento humano e pessoal, focado em diversas áreas da organização e do indivíduo. A DMA Consultoria e Treinamento é uma empresa que preza pelo desenvolvimento humano e pessoal, focado em diversas áreas da organização e do indivíduo. A DMA acredita que um profissional capacitado e potencializado

Leia mais

Planejamento Estratégico de Tecnologia da Informação PETI

Planejamento Estratégico de Tecnologia da Informação PETI Planejamento Estratégico de Tecnologia da Informação PETI 2012 2013 APRESENTAÇÃO O Planejamento Estratégico tem como objetivo descrever a situação desejada de uma organização e indicar os caminhos para

Leia mais

Criando Conhecimento e Desenvolvendo Competências ESCOLA DE GESTÃO PÚBLICA MUNICIPAL

Criando Conhecimento e Desenvolvendo Competências ESCOLA DE GESTÃO PÚBLICA MUNICIPAL Criando Conhecimento e Desenvolvendo Competências ESCOLA DE GESTÃO PÚBLICA MUNICIPAL Plano de Trabalho 2013 PALAVRA DO PRESIDENTE Desde 2007, os municípios de Santa Catarina contam com a Escola de Gestão

Leia mais

LEI Nº /2013 CAPÍTULO I DO PLANEJAMENTO GOVERNAMENTAL E DO PLANO PLURIANUAL

LEI Nº /2013 CAPÍTULO I DO PLANEJAMENTO GOVERNAMENTAL E DO PLANO PLURIANUAL LEI Nº. 1.282/2013 Ementa: Institui o Plano Plurianual do Município de Ouricuri para o período de 2014 a 2017. O PREFEITO DO MUNICÍPIO DE OURICURI/PE, no uso de suas atribuições legais, faz saber que A

Leia mais

COMITÊ REGIONAL DA QUALIDADE DE CACHOEIRA DO SUL

COMITÊ REGIONAL DA QUALIDADE DE CACHOEIRA DO SUL COMITÊ REGIONAL DA QUALIDADE DE CACHOEIRA DO SUL Planejamento Estratégico 2007/2009 COMITÊ REGIONAL DA QUALIDADE DE CACHOEIRA DO SUL NEGÓCIO Disseminar o Modelo de Excelência em Gestão Fornecedores PGQP

Leia mais

POLÍTICA DE REGULAÇÃO DAS EMPRESAS ELETROBRAS. Política de Regulação das Empresas Eletrobras

POLÍTICA DE REGULAÇÃO DAS EMPRESAS ELETROBRAS. Política de Regulação das Empresas Eletrobras Política de Regulação das Empresas Eletrobras Versão 1.0 08/12/2014 1 Sumário 1. Objetivo... 3 2. Conceitos... 3 3. Princípios... 3 4. Diretrizes... 4 5. Responsabilidades... 5 6. Disposições Gerais...

Leia mais

Cíntia Maria Ribeiro Vilarinho - Gerente de Desenvolvimento da Excelência. Ações Estruturantes na Gestão de Perdas da SAE de Ituiutaba/MG

Cíntia Maria Ribeiro Vilarinho - Gerente de Desenvolvimento da Excelência. Ações Estruturantes na Gestão de Perdas da SAE de Ituiutaba/MG Cíntia Maria Ribeiro Vilarinho - Gerente de Desenvolvimento da Excelência Ações Estruturantes na Gestão de Perdas da SAE de Ituiutaba/MG Ituiutaba 114 anos (2015); 102.690 habitantes; 2.598,046 km² de

Leia mais

- REGIMENTO INTERNO. Secretaria de Esportes e Lazer. Leis nº 6.529/05 e nº 6.551/06, Decretos nº /06, nº /06 e nº 16.

- REGIMENTO INTERNO. Secretaria de Esportes e Lazer. Leis nº 6.529/05 e nº 6.551/06, Decretos nº /06, nº /06 e nº 16. - REGIMENTO INTERNO Secretaria de Esportes e Lazer Leis nº 6.529/05 e nº 6.551/06, Decretos nº 12.660/06, nº 12.979/06 e nº 16.385/15 I - Secretaria Executiva: - auxiliar e assessorar o Secretário Municipal

Leia mais

A RELEVÂNCIA DA AUDITORIA INTERNA PARA O GESTOR

A RELEVÂNCIA DA AUDITORIA INTERNA PARA O GESTOR A RELEVÂNCIA DA AUDITORIA INTERNA PARA O GESTOR Rodrigo Stigger Dutra CGE TOP A DIFÍCIL VIDA DE UM GESTOR A DIFÍCIL VIDA DE UM GESTOR Todo dia é dia de gestão de crise! A DIFÍCIL VIDA DE UM GESTOR Não

Leia mais

PROJETOS ESTRUTURANTES. COOPERAÇÃO TÉCNICA PARA DESENVOLVIMENTO INSTITUCIONAL DE ORGANIZAÇÕES PÚBLICAS EM CONCESSÕES E PPPs.

PROJETOS ESTRUTURANTES. COOPERAÇÃO TÉCNICA PARA DESENVOLVIMENTO INSTITUCIONAL DE ORGANIZAÇÕES PÚBLICAS EM CONCESSÕES E PPPs. PROJETOS ESTRUTURANTES COOPERAÇÃO TÉCNICA PARA DESENVOLVIMENTO INSTITUCIONAL DE ORGANIZAÇÕES PÚBLICAS EM CONCESSÕES E PPPs. AGENDA 1 2 3 4 5 Missão Contexto Benefícios Escopo Cronograma MISSÃO Desenvolver

Leia mais

PORTARIA Nº 2.164, 30 de Setembro de Aprova o Regimento Interno da Secretaria Extraordinária de Segurança para Grandes Eventos.

PORTARIA Nº 2.164, 30 de Setembro de Aprova o Regimento Interno da Secretaria Extraordinária de Segurança para Grandes Eventos. PORTARIA Nº 2.164, 30 de Setembro de 2011 Aprova o Regimento Interno da Secretaria Extraordinária de Segurança para Grandes Eventos. O MINISTRO DE ESTADO DA JUSTIÇA, no uso de suas atribuições que lhes

Leia mais

CICLO MCT. Mentoring, Coaching e Training. Coordenador Estratégico de IES

CICLO MCT. Mentoring, Coaching e Training. Coordenador Estratégico de IES CICLO MCT Mentoring, Coaching e Training Coordenador Estratégico de IES Ciclo MCT Mentoring, Coaching e Training Coordenador Estratégico de IES Mentoring Inspira o participante a melhorar seu desempenho

Leia mais

CURSO GESTÃO DA QUALIDADE. Disciplina Indicadores de Desempenho

CURSO GESTÃO DA QUALIDADE. Disciplina Indicadores de Desempenho 1 CURSO GESTÃO DA QUALIDADE Disciplina Indicadores de Desempenho 2 Visão estratégica, Missão, Visão, Valores e Fatores Críticos de Sucesso. (Aula 6) 3 Não se gerencia o que não se mede, não se mede o que

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA CONSULTORIA PARA A IMPLEMENTAÇÃO DO PLANO DE TRABALHO DA INICIATIVA DIÁLOGO EMPRESAS E POVOS INDIGENAS

TERMO DE REFERÊNCIA CONSULTORIA PARA A IMPLEMENTAÇÃO DO PLANO DE TRABALHO DA INICIATIVA DIÁLOGO EMPRESAS E POVOS INDIGENAS TERMO DE REFERÊNCIA CONSULTORIA PARA A IMPLEMENTAÇÃO DO PLANO DE TRABALHO DA INICIATIVA DIÁLOGO EMPRESAS E POVOS INDIGENAS (JULHO à DEZEMBRO DE 2017) I. Histórico e Contexto Em 2012, associações indígenas

Leia mais

PROJETO DE MODERNIZAÇÃO DA GESTÃO PÚBLICA ESTADUAL PROAGE

PROJETO DE MODERNIZAÇÃO DA GESTÃO PÚBLICA ESTADUAL PROAGE PROJETO DE MODERNIZAÇÃO DA GESTÃO PÚBLICA ESTADUAL PROAGE Transformando necessidade em serviço público A Bahia se prepara para inaugurar um novo ciclo de trabalho na gestão pública estadual, com ações

Leia mais

Padrão de Vencimento. João Pessoa, de maio de Cargo

Padrão de Vencimento. João Pessoa, de maio de Cargo INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DA PARAÍBA FICHA DE INSCRIÇÃO Curso: Excelência na Prestação de Serviços na Administração Pública Módulo I Excelência no Relacionamento e Atendimento

Leia mais

desenvolva e utilize seu pleno potencial de modo coerente e convergente com os objetivos estratégicos da organização. Dentro da área de gestão de

desenvolva e utilize seu pleno potencial de modo coerente e convergente com os objetivos estratégicos da organização. Dentro da área de gestão de Gestão de Pessoas Hoje a sociedade busca desenvolver trabalhos para aprimorar o conhecimento das pessoas em um ambiente de trabalho. A capacitação e o preparo que uma organização deve ter para com os seus

Leia mais

ANEXO I ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA

ANEXO I ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA ANEXO I ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA 1. OBJETO DE CONTRATAÇÃO A presente especificação tem por objeto a contratação de empresa Especializada de Consultoria para Planejamento da Estrutura Funcional e Organizacional

Leia mais

Perfil Caliper de Especialistas The Inner Potential Report

Perfil Caliper de Especialistas The Inner Potential Report Perfil Caliper de Especialistas The Inner Potential Report Avaliação de: Sr. Antônio Modelo Preparada por: Consultor Caliper consultor@caliper.com.br Data: Página 1 Perfil Caliper de Especialistas The

Leia mais

VALORES Ética Parceria Inovação Excelência

VALORES Ética Parceria Inovação Excelência MISSÃO Incentivar e disseminar o uso de modelos sistêmicos para gerenciamento de processos e gestão organizacional, através da sensibilização, capacitação e reconhecendo os melhores desempenhos do Estado

Leia mais

Gestão da Tecnologia da Informação

Gestão da Tecnologia da Informação TLCne-051027-P0 Gestão da Tecnologia da Informação Disciplina: Governança de TI São Paulo, Agosto de 2012 0 Sumário TLCne-051027-P1 Conteúdo desta Aula Continuação do Domínio de Processos PO (PO4, PO5

Leia mais

EAD SISTEMAS DE INFORMAÇÃO PLANO ESTRATÉGICO DE TI - PETI. Prof. Sérgio Luiz de Oliveira Assis

EAD SISTEMAS DE INFORMAÇÃO PLANO ESTRATÉGICO DE TI - PETI. Prof. Sérgio Luiz de Oliveira Assis H3 EAD - 5736 SISTEMAS DE INFORMAÇÃO PLANO ESTRATÉGICO DE TI - PETI Prof. Sérgio Luiz de Oliveira Assis sergioassis@usp.br 02 Agenda 1. Plano Estratégico de TI Etapas de execução ALINHAMENTO ESTRATÉGICO

Leia mais

RELATÓRIO DE AUDITORIA Nº 14/2016

RELATÓRIO DE AUDITORIA Nº 14/2016 RELATÓRIO DE AUDITORIA Nº 14/2016 Em consonância com o Plano Anual de Atividades de Auditoria Interna para o exercício de 2016 (PAINT 2016) e com as atividades definidas no Programa de Auditoria n o 25/2016,

Leia mais

Descrição da Estrutura de Gerenciamento Risco de Liquidez -

Descrição da Estrutura de Gerenciamento Risco de Liquidez - Descrição da Estrutura de Gerenciamento 2011 - Risco de Liquidez - Sumário: 1. Introdução:... 3 2. Objetivo:... 3 3. Diretrizes de Gestão:... 3 4. Responsabilidades:... 4 4.1. Conselho de Administração:...

Leia mais

Política de Sustentabilidade. Junho /2010. PI Rev. A

Política de Sustentabilidade. Junho /2010. PI Rev. A Junho /2010 PI.034.00000001 Rev. A SUMÁRIO 1. SUSTENTABILIDADE : ESSÊNCIA DA CAB AMBIENTAL 2. MISSÃO 3.VISÃO 4. OBEJTIVO 5. SUSTENTABILIDADE NA PRÁTICA 6. COMUNICAÇÃO E ENGAJAMENTO CHAVES PARA O SUCESSO

Leia mais

REGIMENTO DA SECRETARIA DE RELAÇÕES INSTITUCIONAIS - SERIN CAPÍTULO I -FINALIDADE E COMPETÊNCIAS

REGIMENTO DA SECRETARIA DE RELAÇÕES INSTITUCIONAIS - SERIN CAPÍTULO I -FINALIDADE E COMPETÊNCIAS DECRETO Nº 16.294 DE 26 DE AGOSTO DE 2015 Aprova o Regimento da Secretaria de Relações Institucionais - SERIN. O GOVERNADOR DO ESTADO DA BAHIA, no uso da atribuição que lhe confere o inciso XIX do art.

Leia mais

APRESENTAÇÃO DA CERTIFICAÇÃO OCUPACIONAL

APRESENTAÇÃO DA CERTIFICAÇÃO OCUPACIONAL APRESENTAÇÃO DA CERTIFICAÇÃO OCUPACIONAL A Agência de Certificação Ocupacional (ACERT) é parte integrante da Fundação Luís Eduardo Magalhães (FLEM) Centro de Modernização e Desenvolvimento da Administração

Leia mais

Ofício nº 003/2003 DGP Cáceres-MT., 31 de janeiro de Prezada Superintendente

Ofício nº 003/2003 DGP Cáceres-MT., 31 de janeiro de Prezada Superintendente Ofício nº 003/2003 DGP Cáceres-MT., 31 de janeiro de 2003. Prezada Superintendente Em atenção ao ofício circ. N 003/ESP/SAD, datado de 24 de janeiro do presente ano, estamos enviando em anexo, as necessidades

Leia mais

MINISTÉRIO DO PLANEJAMENTO, ORÇAMENTO E GESTÃO Secretaria de Logística e Tecnologia da Informação Departamento de Integração de Sistemas de Informação

MINISTÉRIO DO PLANEJAMENTO, ORÇAMENTO E GESTÃO Secretaria de Logística e Tecnologia da Informação Departamento de Integração de Sistemas de Informação MINISTÉRIO DO PLANEJAMENTO, ORÇAMENTO E GESTÃO Secretaria de Logística e Tecnologia da Informação Departamento de Integração de Sistemas de Informação ANÁLISE PRELIMINAR DE PDTI Órgão: IFE - Brasília Objeto:

Leia mais

NAGEH Pessoas. Eixo: Capacitação e Desenvolvimento de Pessoal 28/09/2015. Compromisso com a Qualidade Hospitalar

NAGEH Pessoas. Eixo: Capacitação e Desenvolvimento de Pessoal 28/09/2015. Compromisso com a Qualidade Hospitalar Eixo: Capacitação e Desenvolvimento de Pessoal 28/09/2015 Agenda: 28/09/2015 8:30 as 9:00 h Recepção dos participantes 9:00 as 11:00 h Eixo: Capacitação e Desenvolvimento 11:00 as 11:30 h Análise de Indicadores

Leia mais

20/11/2013. Regimento Interno CAPITULO I DAS DISPOSIÇÕES GERAIS CAPITULO II - INSTANCIAS DE GOVERNANÇA CAPITULO III DO CORPO DIRETIVO

20/11/2013. Regimento Interno CAPITULO I DAS DISPOSIÇÕES GERAIS CAPITULO II - INSTANCIAS DE GOVERNANÇA CAPITULO III DO CORPO DIRETIVO PROF. ÉRICO VALVERDE Regimento Interno CAPITULO I DAS DISPOSIÇÕES GERAIS CAPITULO II - INSTANCIAS DE GOVERNANÇA CAPITULO III DO CORPO DIRETIVO 1 Regimento Interno CAPITULO IV DO CONTRATO DE ADESÃO COM

Leia mais

Data de Publicação 23/02/2017. Prazo de Validade 23/02/2018. Política de Controles Internos e Risco Operacional

Data de Publicação 23/02/2017. Prazo de Validade 23/02/2018. Política de Controles Internos e Risco Operacional Política de Controles Internos e Risco Operacional Sumário 1. Objetivo... 3 2. Controle Internos... 3 3. Risco Operacional... 4 4. Estrutura de controles internos... 5 5. Papéis e Responsabilidades...

Leia mais

Situação das ações do Governo Brasileiro Rio de Janeiro

Situação das ações do Governo Brasileiro Rio de Janeiro Code-P0 Copa 204 Situação das ações do Governo Brasileiro Rio de Janeiro Rio de Janeiro, 7 de Junho de 20 Code-P O que o Brasil quer com a Copa do Mundo FIFA Mobilizar o país Promover o país no mundo Constituir

Leia mais

A importância da Gestão de Riscos. Marcelo de Sousa Monteiro

A importância da Gestão de Riscos. Marcelo de Sousa Monteiro A importância da Gestão de Riscos Marcelo de Sousa Monteiro Agenda Alguns comentários sobre Administração O que é risco? A importância da Gestão de Riscos Alguns comentários sobre Administração Administração

Leia mais

Por Carolina de Moura 1

Por Carolina de Moura 1 O desenvolvimento sistemático para a gestão de risco na empresa envolve um processo evolutivo. Nos últimos anos tenho testemunhado um forte interesse entre organizações, e as suas partes interessadas,

Leia mais

O Modelo de Gestão da Secretaria da Receita Federal do Brasil (RFB) 1. Breve histórico

O Modelo de Gestão da Secretaria da Receita Federal do Brasil (RFB) 1. Breve histórico O Modelo de Gestão da Secretaria da Receita Federal do Brasil (RFB) 1. Breve histórico Toda organização busca definir e implementar um modelo de gestão que traga melhores resultados e o cumprimento de

Leia mais

Plano Diretor de Informática. Prof. Marcos Argachoy

Plano Diretor de Informática. Prof. Marcos Argachoy Plano Diretor de Informática Prof. Marcos Argachoy Perguntas a serem respondidas: Onde estamos? Para onde vamos? Quando vamos? Como vamos? O que é: Plano estratégico para a área de TI. Curto, Médio e Longo

Leia mais

abril/2016 Planejamento Estratégico

abril/2016 Planejamento Estratégico abril/2016 Planejamento Estratégico 2016-2020 Modelo Utilizado I - Definições Estratégicas Missão Visão Valores II - Análise do Ambiente (Pontos Fortes, Pontos Fracos, Oportunidades e Ameaças) Em que somos

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE NÚCLEO DE EMPREENDEDORISMO

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE NÚCLEO DE EMPREENDEDORISMO EDITAL Nº 01, 10 DE MARÇO DE 2017 SELEÇÃO PARA BOLSISTAS O Núcleo de Empreendedorismo da Universidade Federal de Sergipe EMPREENDER UFS, torna público a chamada para a seleção de alunos que desejam participar

Leia mais

Sem fronteiras para o conhecimento. Pacote Formação Especialista em Lean Manufacturing

Sem fronteiras para o conhecimento. Pacote Formação Especialista em Lean Manufacturing 1 Sem fronteiras para o conhecimento Pacote Formação Especialista em Lean Manufacturing 2 Seja um Especialista Lean Manufacturing O pacote de Formação de Especialista em Lean Manufacturing une a filosofia

Leia mais

2. DESCRIÇÃO DAS FUNÇÕES...46

2. DESCRIÇÃO DAS FUNÇÕES...46 1 / 131 SÚMARIO 1.1 Cargo: Auxiliar Operacional...7 1.1.1 Missão do Cargo...7 1.1.2 Competência Necessária...8 a. Educação...8 b. Conhecimento/ Experiência...8 1.1.1 Fonte de recrutamento e seleção para

Leia mais

Manual de Governança Corporativa

Manual de Governança Corporativa Documento: Área Emitente: Manual de Governança Corporativa Assessoria de Planejamento, Orçamento, Controle e Regulatório HISTÓRICO DAS REVISÕES Rev. nº. Data Descrição 01 19/12/2012 Segregação do Manual

Leia mais

Projeto qualidade e agilidade dos TCs

Projeto qualidade e agilidade dos TCs Projeto qualidade e agilidade dos TCs 1 Antecedentes e histórico 2 SAI-PMF 3 MMD-TC 4 Principais características 5 Abordagens 6 Escopo e abrangência 7 Aplicação do MMD-TC (Resolução Atricon 01/15) 8 Cronograma

Leia mais

Política de Gestão Estratégica de Riscos e Controles Internos CELESC

Política de Gestão Estratégica de Riscos e Controles Internos CELESC Política de Gestão Estratégica de Riscos e Controles Internos CELESC Política de Gestão Estratégica de Riscos e Controles Internos CELESC SUMÁRIO SUMÁRIO... 1 INTRODUÇÃO... 2 OBJETIVOS... 3 CONCEITOS...

Leia mais

Copa do Mundo FIFA 2014

Copa do Mundo FIFA 2014 Code-P0 Copa do Mundo FIFA 2014 AGENDA DE MEIO AMBIENTE E SUSTENTABILIDADE Claudio Langone Coordenador da CTMAS/ME Code-P1 O QUE O BRASIL QUER COM A COPA DO MUNDO FIFA Mobilizar o país Promover o país

Leia mais

ESTRUTURA DA SECRETARIA NACIONAL DE SEGURANÇA PÚBLICA SENASP (1/5) (Decreto nº de 12 de fevereiro de 2016)

ESTRUTURA DA SECRETARIA NACIONAL DE SEGURANÇA PÚBLICA SENASP (1/5) (Decreto nº de 12 de fevereiro de 2016) ESTRUTURA DA SECRETARIA NACIONAL DE SENASP (1/5) SECRETARIA NACIONAL DE ASSESSOR DAS 102.4 DAS 101.6 Conselho Nacional de Segurança Pública CHEFE DE GABINETE DE INTELIGÊNCIA ENFRENTAMENTO ÀS AÇÕES CRIMINOSAS

Leia mais

Plano de Desenvolvimento Institucional

Plano de Desenvolvimento Institucional Plano de Desenvolvimento Institucional Âmbito de atuação Missão Visão Elementos Duráveis Princípios Elementos Mutáveis (periodicamente) Análise Ambiental Objetivos Estratégicos Metas Planos de Ação PDI

Leia mais

adequadas ao contexto econômico-financeiro e institucional das empresas;

adequadas ao contexto econômico-financeiro e institucional das empresas; 1. Objetivo Aumentar a eficiência e competitividade das empresas do Sistema Eletrobrás, através da integração da logística de suprimento de bens e serviços, visando o fortalecimento de seu poder de compra

Leia mais

Auditoria Governamental, Corregedoria, Controladoria, e Ouvidoria

Auditoria Governamental, Corregedoria, Controladoria, e Ouvidoria Grupos de Trabalho CONACI AL, CE, DF, ES, MT, PE, PI, RJ, SC e SE Auditoria Governamental, Corregedoria, Controladoria, e Ouvidoria Metodologia utilizada Contribuições e refinamentos às diretrizes Validação

Leia mais

Governança aplicada à Gestão de Pessoas

Governança aplicada à Gestão de Pessoas Governança de pessoal: aperfeiçoando o desempenho da administração pública Governança aplicada à Gestão de Pessoas Ministro substituto Marcos Bemquerer Brasília DF, 15 de maio de 2013 TCU Diálogo Público

Leia mais

Excelência na Gestão

Excelência na Gestão Mapa Estratégico 2012-2014 Visão Até 2014, ser referência no atendimento ao público, na fiscalização e na valorização das profissões tecnológicas, reconhecido pelos profissionais, empresas, instituições

Leia mais

SEPLAN TRANSPORTE COMO CHAVE PARA O SUCESSO DA COPA DE 2014 SEPLAN SECRETARIA DE ESTADO DE PLANEJAMENTO E DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO

SEPLAN TRANSPORTE COMO CHAVE PARA O SUCESSO DA COPA DE 2014 SEPLAN SECRETARIA DE ESTADO DE PLANEJAMENTO E DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO SEPLAN TRANSPORTE COMO CHAVE PARA O SUCESSO DA COPA DE 2014 AGENDA ESTRATÉGIA PERSPECTIVAS ECONÔMICAS MATRIZ DE RESPONSABILIDADES MONOTRILHO CONSIDERAÇÕES FINAIS ESTRATÉGIA Concepção Planejamento Execução

Leia mais

OBJETIVOS E INDICADORES ESTRATÉGICOS

OBJETIVOS E INDICADORES ESTRATÉGICOS OBJETIVOS E INDICADORES ESTRATÉGICOS PERSPECTIVA: TRE/RN e Sociedade Objetivo 1: Primar pela satisfação do cliente de Tecnologia da Informação e Comunicação (TIC) Descritivo: Conhecer e ouvir o cliente

Leia mais

PROGRAMA DE MONITORAMENTO, AVALIAÇÃO, CONTROLE E ATUALIZAÇÃO DO PLANO

PROGRAMA DE MONITORAMENTO, AVALIAÇÃO, CONTROLE E ATUALIZAÇÃO DO PLANO 9 PROGRAMA DE MONITORAMENTO, AVALIAÇÃO, CONTROLE E ATUALIZAÇÃO DO PLANO 120 121 9-PROGRAMA DE MONITORAMENTO, AVALIA- ÇÃO CONTROLE E ATUALIZAÇÃO DO PLANO 9.1-COMENTÁRIO O monitoramento de um Programa de

Leia mais

1. Esta Política Institucional de Comunicação e Marketing do Sicoob:

1. Esta Política Institucional de Comunicação e Marketing do Sicoob: 1. Esta Política Institucional de Comunicação e Marketing do Sicoob: a) visa estabelecer diretrizes sistêmicas aplicáveis à execução do Planejamento Estratégico em vigência, no que se refere às ações de

Leia mais

Desdobrando o Mapa Estratégico da Justiça Federal do Rio Grande do Sul

Desdobrando o Mapa Estratégico da Justiça Federal do Rio Grande do Sul Desdobrando o Mapa Estratégico da Justiça Federal do Rio Grande do Sul Marcelo De Nardi Porto Alegre, 04 de julho de 2011. CONTEXTUALIZAÇÃO Poder Judiciário no Contexto da Gestão Pública Nacional Processos

Leia mais

O ACORDO DE RESULTADOS E O PRÊMIO DE PRODUTIVIDADE EM MINAS GERAIS: FORTALECENDO O ALINHAMENTO ENTRE PESSOAS, ORGANIZAÇÕES E A ESTRATÉGIA

O ACORDO DE RESULTADOS E O PRÊMIO DE PRODUTIVIDADE EM MINAS GERAIS: FORTALECENDO O ALINHAMENTO ENTRE PESSOAS, ORGANIZAÇÕES E A ESTRATÉGIA O ACORDO DE RESULTADOS E O PRÊMIO DE PRODUTIVIDADE EM MINAS GERAIS: FORTALECENDO O ALINHAMENTO ENTRE PESSOAS, ORGANIZAÇÕES E A ESTRATÉGIA O que é o Acordo de Resultados Instrumento de pactuação de resultados

Leia mais

Ariane Ap. Gaspar Imperial

Ariane Ap. Gaspar Imperial CURSO DE ATUALIZAÇÃO Gestão das Condições de Trabalho e Saúde dos Trabalhadores da Saúde NÚCLEO DE ATENÇÃO Á SAÚDE DO SERVIDOR DA SAÚDE DE SÃO JOSÉ DO RIO PRETO/SP Ariane Ap. Gaspar Imperial São José do

Leia mais

POLÍTICA DE RESPONSABILIDADE SOCIOAMBIENTAL

POLÍTICA DE RESPONSABILIDADE SOCIOAMBIENTAL POLÍTICA DE RESPONSABILIDADE SOCIOAMBIENTAL 2 1. Introdução A Cooperativa de Economia e Crédito Mútuo dos Servidores Públicos dos Municípios da Região Metropolitana da Grande Vitória COOPMETRO é uma entidade

Leia mais

P.P.R.A. PROGRAMA DE PREVENÇÃO DE RISCOS AMBIENTAIS

P.P.R.A. PROGRAMA DE PREVENÇÃO DE RISCOS AMBIENTAIS P.P.R.A. PROGRAMA DE PREVENÇÃO DE RISCOS AMBIENTAIS ÍNDICE O que é PPRA? Estrutura mínima de um PPRA Desenvolvimento do PPRA Riscos ambientais Quem faz o PPRA? De quem é a responsabilidade? Dúvida sobre

Leia mais

I WORKSHOP DE PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO DA GESTÃO DE PESSOAS DA USP

I WORKSHOP DE PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO DA GESTÃO DE PESSOAS DA USP I WORKSHOP DE PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO DA GESTÃO DE PESSOAS DA USP NOVEMBRO 2010 Propostas de MISSÃO para a Gestão de Pessoas da USP Criar condições para o engajamento pessoal e profissional dos servidores

Leia mais

Portaria da Presidência

Portaria da Presidência 01 RESOLVE: O Presidente da Fundação Oswaldo Cruz, no uso das atribuições que lhe são conferidas pelo creto de 29 de dezembro de 2008 1.0 PROPÓSITO Instituir a Política de Segurança da Informação e Comunicações

Leia mais

Edital 02/2017 Processo Seletivo Para Admissão de Novos Membros

Edital 02/2017 Processo Seletivo Para Admissão de Novos Membros Edital 02/2017 Processo Seletivo Para Admissão de Novos Membros Diretoria-Presidência e Diretoria de Recursos Humanos Data: 16 de Setembro de 2017 Responsáveis: Iolanda Vila Nova e Luiza de Oliveira Donatiello

Leia mais

Reabilitação Integral: o desafio de uma política intersetorial. Conselho Nacional de Previdência Social

Reabilitação Integral: o desafio de uma política intersetorial. Conselho Nacional de Previdência Social Reabilitação Integral: o desafio de uma política intersetorial. Conselho Nacional de Previdência Social Junho 2016 Reabilitação Profissional Lei 8213/1991 Artigo 89 Decreto 3048/1999 Artigo 136 A prestação

Leia mais

PLANO MITIGADOR DOS RISCOS DA COPA 2014 NO BRASIL

PLANO MITIGADOR DOS RISCOS DA COPA 2014 NO BRASIL PLANO MITIGADOR DOS RISCOS DA COPA 2014 NO BRASIL O Brasil foi escolhido para sediar um dos maiores eventos esportivo do planeta: a Copa do Mundo de 2014. Além do esforço de articulação e negociação do

Leia mais

PROCESSO SELETIVO EDITAL Nº 01/201 7 CRESCER CONSULTORIAS

PROCESSO SELETIVO EDITAL Nº 01/201 7 CRESCER CONSULTORIAS ANEXO VI DAS ATRIBUIÇÕES GERAIS DOS CARGOS PERFIL DE COMPETÊNCIAS E DESEMPENHO CARGO ANALISTA / FUNÇÃO ANALISTA DE COOPERATIVISMO E MONITORAMENTO Missão do Cargo: Desenvolver atividades técnicas e prestar

Leia mais

AUDITORIA FEDERAL CONTROLE INTERNO PLANO ANUAL DE AUDITORIA INTERNA PAINT 2014

AUDITORIA FEDERAL CONTROLE INTERNO PLANO ANUAL DE AUDITORIA INTERNA PAINT 2014 INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO AMAZONAS AUDITORIA FEDERAL CONTROLE INTERNO PLANO ANUAL DE AUDITORIA INTERNA PAINT 204 Observância a IN 0/2007-CGU, quanto à elaboração e execução

Leia mais

Gestão de Pessoas: Fases Evolutivas

Gestão de Pessoas: Fases Evolutivas Gestão de Pessoas: Fases Evolutivas Transição: de Operacional para Estratégico Fischer (2002) 4 fases correntes teóricas: Departamento pessoal até 20s controle, eficiência, taylorismo, fordismo; Gestão

Leia mais

UNIVERSIDADE DO ESTADO DO AMAZONAS CONSELHO UNIVERSITÁRIO RESOLUÇÃO N. 39/ CONSUNIV Aprova o Projeto Pedagógico do Curso de Superior de

UNIVERSIDADE DO ESTADO DO AMAZONAS CONSELHO UNIVERSITÁRIO RESOLUÇÃO N. 39/ CONSUNIV Aprova o Projeto Pedagógico do Curso de Superior de UNIVERSIDADE DO ESTADO DO AMAZONAS CONSELHO UNIVERSITÁRIO RESOLUÇÃO N. 39/2012 - CONSUNIV Aprova o Projeto Pedagógico do Curso de Superior de Tecnologia em Gestão de. O REITOR DA UNIVERSIDADE DO ESTADO

Leia mais

Profª Mônica Suely G. de Araujo

Profª Mônica Suely G. de Araujo Profª Mônica Suely G. de Araujo Desempenho Características Confiabilidade Reputação 2 1 Durabilidade Utilidade Resposta Estética 3 Projeto Conformidade Capabi lidade Atendi mento ao Cliente Cultura da

Leia mais

Seminário Geral de Segurança da Copa do Mundo da FIFA Brasil Porto Alegre 10 e 11 outubro 2012

Seminário Geral de Segurança da Copa do Mundo da FIFA Brasil Porto Alegre 10 e 11 outubro 2012 Seminário Geral de Segurança da Copa do Mundo da FIFA Brasil 2014 Porto Alegre 10 e 11 outubro 2012 GLOSSÁRIO FIFA - Federação Internacional das Associações de Futebol COL Comitê Organizador Local. FCC

Leia mais

EFICIÊNCIA OPORTUNIDADES NO EAD. Roberto Valério

EFICIÊNCIA OPORTUNIDADES NO EAD. Roberto Valério EFICIÊNCIA OPORTUNIDADES NO EAD Roberto Valério Gestão da Eficiência Modelo de Gestão de Rede Etapas de Análise, Planejamento e Desenvolvimento da Rede de Polos 1 2 3 4 Análise e Identificação de Oportunidades:

Leia mais

Gestão de Pessoas Revisão: 02 Página 1 de 6

Gestão de Pessoas Revisão: 02 Página 1 de 6 PROCEDIMENTO PR 6.01 Gestão de Pessoas Revisão: 02 Página 1 de 6 CÓPIA CONTROLADA 1. HISTÓRICO DE REVISÕES DATA REVISÃO RESUMO DE ALTERAÇÕES 20/08/2013 00 Emissão inicial 29/07/2014 01 03/12/2015 02 Adequações

Leia mais

MATRIZ 4: ESTRATÉGIA NACIONAL DE ERRADICAÇÃO DO TRABALHO INFANTIL

MATRIZ 4: ESTRATÉGIA NACIONAL DE ERRADICAÇÃO DO TRABALHO INFANTIL PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA SECRETARIA DE DIREITOS HUMANOS SECRETARIA NACIONAL DE PROMOÇÃO DOS DIREITOS DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE MATRIZ 4: ESTRATÉGIA NACIONAL DE ERRADICAÇÃO DO TRABALHO INFANTIL CARTA

Leia mais

POLÍTICAS PÚBLICAS Aula 12. Prof. a Dr. a Maria das Graças Rua

POLÍTICAS PÚBLICAS Aula 12. Prof. a Dr. a Maria das Graças Rua POLÍTICAS PÚBLICAS Aula 12 Prof. a Dr. a Maria das Graças Rua FEDERALISMO E DESCENTRALIZAÇAO DE POLITICAS PÚBLICASNO BRASIL - PAC ARRANJO INSTITUCIONAL Art. 1º. parágrafo único Comitê Gestor do Programa

Leia mais

GESPÚBLICA - FMVZ/USP

GESPÚBLICA - FMVZ/USP Universidade de São Paulo Faculdade de Medicina Veterinária e Zootecnia GESPÚBLICA - FMVZ/USP Desburocratização & Excelência 2008 O que é GESPÚBLICA? É o programa do Ministério do Planejamento, Orçamento

Leia mais

POLÍTICA DE CONTINUIDADE DE NEGÓCIOS

POLÍTICA DE CONTINUIDADE DE NEGÓCIOS Política de Continuidade de Ne POLÍTICA DE CONTINUIDADE DE NEGÓCIOS 11/08/2017 INFORMAÇÃO PÚBLICA SUMÁRIO 1 OBJETIVO... 3 2 ABRANGÊNCIA... 3 3 REFERÊNCIAS... 3 4 CONCEITOS... 3 5 DIRETRIZES... 4 6 RESPONSABILIDADES...

Leia mais

PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO

PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ SETOR DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS DEPARTAMENTO DE PREVENÇÃO E REABILITAÇÃO EM FISIOTERAPIA PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO 2016-2018 CURITIBA 2016 Página 2 de 7 DEPARTAMENTO DE PREVENÇÃO

Leia mais

Gerência de Projetos e Qualidade de Software. Prof. Walter Gima

Gerência de Projetos e Qualidade de Software. Prof. Walter Gima Gerência de Projetos e Qualidade de Software Prof. Walter Gima 1 OBJETIVOS O que é Qualidade Entender o ciclo PDCA Apresentar técnicas para garantir a qualidade de software Apresentar ferramentas para

Leia mais

Auditoria Interna. Planejamento Estratégico 2015

Auditoria Interna. Planejamento Estratégico 2015 Auditoria Interna Planejamento Estratégico 2015 1 Sumário APRESENTAÇÃO... 3 METODOLOGIA DO PLANEJAMENTO... 4 MISSÃO... 5 VISÃO... 5 VALORES... 5 ANÁLISE AMBIENTAL... 6 OBJETIVOS ESTRATÉGICOS... 6 MACROPROCESSO

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA 2004 (TRT-RJ / ANALISTA JUDICIÁRIO-ÁREA ADMINISTRATIVA / CESPE /2008)

ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA 2004 (TRT-RJ / ANALISTA JUDICIÁRIO-ÁREA ADMINISTRATIVA / CESPE /2008) ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA 2004 51. Considerando convergências e divergências entre gestão pública e gestão privada, assinale a opção correta. a) A gestão privada sustenta-se na autonomia de vontade, ao passo

Leia mais

Auditoria de controles organizacionais. Prof. Dr. Joshua Onome Imoniana

Auditoria de controles organizacionais. Prof. Dr. Joshua Onome Imoniana Auditoria de controles organizacionais Prof. Dr. Joshua Onome Imoniana Definição de controles organizacionais Os controles organizacionais e operacionais são os controles administrativos instalados nos

Leia mais

SÍNTESE PROJETO PEDAGÓGICO. Missão

SÍNTESE PROJETO PEDAGÓGICO. Missão SÍNTESE PROJETO PEDAGÓGICO Curso: TURISMO NOVA IGUAÇU Missão Formar profissionais humanistas, críticos, reflexivos, capacitados para planejar, empreender e gerir empresas turísticas, adaptando-se ao mercado,

Leia mais

PORTARIA Nº 2.080, DE 31 DE OUTUBRO DE 2003

PORTARIA Nº 2.080, DE 31 DE OUTUBRO DE 2003 PORTARIA Nº 2.080, DE 31 DE OUTUBRO DE 2003 Institui o Programa Nacional para Prevenção e Controle das Hepatites Virais, o Comitê Técnico de Acompanhamento e Assessoramento do Programa e dá outras providências.

Leia mais

Professor Jaime Arturo Ramírez Presidente do Conselho Universitário

Professor Jaime Arturo Ramírez Presidente do Conselho Universitário RESOLUÇÃO N o 02/2015, DE 31 DE MARÇO DE 2015 Estabelece o Regimento do Centro Esportivo Universitário, reeditando, com alterações, a Resolução n o 13/1993, de 02 de setembro de 1993. O CONSELHO UNIVERSITÁRIO

Leia mais

SISTEMA CONFEA/CREA PORQUE, COMO E QUANDO MUDAR

SISTEMA CONFEA/CREA PORQUE, COMO E QUANDO MUDAR 1ª Reunião Conjunta da CON8CNP com as CORs SISTEMA CONFEA/CREA PORQUE, COMO E QUANDO MUDAR Edison Flavio Macedo Brasília, 25/03/2013 1 SISTEMA CONFEA/CREA: PORQUE, COMO E QUANDO MUDAR SUMÁRIO: 1. PRELIMINARES

Leia mais

DECRETO N , DE 24 DE MAIO DE 2004 Institui o Sistema de Desenvolvimento da Tecnologia da Informação e Comunicação em Pernambuco, e dá outras

DECRETO N , DE 24 DE MAIO DE 2004 Institui o Sistema de Desenvolvimento da Tecnologia da Informação e Comunicação em Pernambuco, e dá outras DECRETO N 26.754, DE 24 DE MAIO DE 2004 Institui o Sistema de Desenvolvimento da Tecnologia da Informação e Comunicação em Pernambuco, e dá outras providências. O GOVERNADOR DO ESTADO, no uso das atribuições

Leia mais