AeTAS DO. CONGRESSO HISTOR CO 150 ANOS DO NAS CIMENTO DE ALBERTO SAMPA 0

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "AeTAS DO. CONGRESSO HISTOR CO 150 ANOS DO NAS CIMENTO DE ALBERTO SAMPA 0"

Transcrição

1 AeTAS DO. / CONGRESSO HISTOR CO 150 ANOS DO NAS CIMENTO DE ALBERTO SAMPA

2 Alberto Sampaio Urna vida. uma obra Eng. moia 6voa Alberto Sampaio Um portugue ' no Minhu Eng. Faria Frasco RlljzCS Vimaranense de Alberto SaOlpaio Genealogisla D. Maria delaide Moraes rornaniza~ao no concelho de Vila do Conde. Algun apontamento sobre a ocupa~ao do territorio localizado entre os rio Ave e Este Dr. Carlos Alberto Brochado de Almeida A ocupac;ao romana da regiiio de Braga: Balanc;o e per peclivas d inve ligac;ao Prof. Doutora Manuela Martins o povoarnento romano e medic, al do Nordeste Transmontano. Aspecto de continuidade e rnudanc;a: perspectivas de investigac;ao... Dr. Froncisco Sande Lemo Sobre a toponimia das Villac rornanas eo Galkia n: Toponimos de po. essores Prof. Doulor Fermin Perez Losada Urn patrimonio lako do ec. XI: Os ben fundhirio de Pedro Love 'ende e de D. Aragunte Mides Dr. LUIs Carlo' Amaral J Aspect do po oamenlo do Norte de Portugal nos seculo Prof. DOLI lor JO'ie Marques XIII/XV A Pederneira, uma pavoa pl catoria no Litol'al Estremenho. durante a Idade Media Prof. Domor Pedro Gomes Barbosa A ' Qlliotas de Gominhaes e a coexistencia Medieval de urn lop6nimo... Ora. Conce i ~a o Falcao

3 Ah'orninha, uma vila do termo de ()bido e do. enhorio de Alcoba~a. durante a Idade Media Dr. Jose Manuel V aranda~ o Livro da Montaria Prof. Doulora Manuela Mend n\=a Alguns aspectos das cidades medievais. Os corpo. gratia Prof. DOlllor Baque r Moreno militares e a demo 293 Perspectivas obre Alberto Sampaio Prof. DOLIlor L ui ~ Anlol io de Ol ive ira Ramos 301 Alberto Sampaio - teoria e pratica de um historiador Prof. Doulo!" 1050 Marq ue o ideario politico de Alberto Sampaio Dr. Antonio Rafael Am aro A industria de cutelaria na regiao de Guimaraes: urn caso de prnlo-industrializal;ao? Dr. Jose Lopes ordciro Alberto Sampaio e a Historiea Economica Prof. Douto r Jose M. Amado Mende, o regime de prazos e a politiea de Anttlnio Ene Prof. Doutora Ben dila raujo ljomens e mcrcadorias do norte de Portugal no Brasil Pmf. Doutor Eugenio do: anto' Alberto Sampaio no pensamento hi t6rico portllgucs Prof. Dou tor Borges de Mac do

4 A OCUPA<; Ao ROMANA DA REGIAO DE BRAGA: BALAN<;O E PERSPEC - TIVAS DE INVESTIGA<;AO 1. I NTRODU<;Ao Mallllelli Marfim (I. Aceitand 0 enorme risco de ao ensaiannos um balanr;o crftico do povoamento romano no Noroc~te de Portugal repisarmo~ e lhos lugares comun. ou, na melhor das hipoteses, esbor;armos urn manifesto de inten ~6e para futuros trabulhos, en(enclemo~ que e urgente a valorizaya desta temutica. no quadro da invesligar;ao pre senl~. Com efeilo, as dificuldades de lralamento do lema sao inumerus, pela raridade de escavac;6es e pelo caracter parcial das informm;6es disponfvei. mau grado a exitencia de um elevado numero de sltios romanos '. e de uma documemar;ao epigr:ifica comidenivclna regia a Nort do Douro "". pesar do ' riscos, parece-nos indispensa el uma per pecti\(\ global do povoamento romano da regiuo 111, que arlicule diferentes tipos de informar;ao. Em primeiro lugar. porque a reajidade dos dado ' conhecido pcrmite que. tionar em muitos aspecto. a imagem de marginalidade da reg-iiio. no comexto do teitit6rio p rtugue!' penin ular. sugerida por Vclrios investigadores. Depois. porque nilo cremos que o~ conhccimentos ac[uai~ ~ejam substancial e qllulilat ivamente modificados :l breve Ire ho. Finalmente, porque 0 avanr;o da inve~tigar;ao exige uma defrni'rao e rev i 'ao de probjermhica.. quer em lace da~ j nroml a~6es disponfveis. quer de novas per pecliva~ de abordagem. Nete conlexto, 0 congresso de homenagcm a Albert ampai urglu-no, como uma boa oportlloidade para q lleslionar alguns dos problema relacionados com a ocupayuo sob domlnio romano no oroest pol1ugue.. I I I Un" laj~ d. Antu. "l"!!,,t du L " li 'C"' '' ~ ld. tin Mlnho. (2) Veja,,, a 0,1" p rnp'nlo n c~hll ug"..1e 'Ilin, rt'nlillll" puhhcacj" pur J'''8',, ~ AI.n: "" I I'lX I IIJ " hrj 'RomilN i'miur" r c Os dado, do, ;tl vo nt.lrio, do, Irabalh", tic arlos \ Iheno BrrlCh"do dc \l0,,,d.1 I I ~'K ) ) r rll (> vule.jo I OUl. de MUlIucJ. ~1 M1.; Il ' p.tnt u v Ie Lit! (':!,"Jdu ( 1 ~901 e de I. 'OClro pum " rel,tliio em n: ru ml'~'" c Suu",II\1H4). (3) Punt. cpigr.lllu,ic\ CIa cnn, uh.it--c J ohr.1 Uc Alam Tralloy ( 19R I ) W ill li m;{ lkl le, cllha d:. pnnn!"i;' inscri,ocs lfu '"n1't'iiiu,\ IfralurlllJ.'lu..,lfImo I~) E.,w p.:fsj'c -11\ a podena elll pane.:" m"lelltr. II urn oi''''.,in<lulilenlc re Inn.d II' ~ \C koi I",halhtl <.I,{lilA! suhre 0 dolll 1l1l0 rom""o r ill forlu.,,1 da. ulona de Jorge de -\1.",;Jo ( 1 ':188: I ' 1f101 73

5 Pela importancia do tema, ma tarnbem pelo fact do po oamento r mano ter tido um papel fundamental no deli neamcoto das Leses evolucionisla' daquele historiador. M uito embora a te e de Alberto Sampaio ( 1979), de que as paroquias medi vais teriam evolufdo dus I'i/lae romanas '~!, seja hoje considerada demasiado g nerali.'ta e si tematica, a verdade egu os avan~os da Ln vesliga~ao arqu 16gica no Norte de Portugal foram insuficientes para questionar em definitivo a sua tese eug rir uma inl rprela~ao temativa ao quadro do mundo rural roma 0 ava n ~ ado por aquele investigador 1"/, Neste sentido, lima valoriza~ao da ba e arqlleognlfi a di poniv I para car ct ri zar 0 povoamento romano no Norte de Portugal, eonstiluindo modesta homenagem a Alberto Sampaio, afi gura-~ e como lim p nto de partida nee s, ario para a comprcen ao do mundo rural, a, sunto que ocupa hoje um lugar de de. taque na bibliogralia arqueol6gica (7 2. OBJECTIVOS E PROBLEMAnCA Propomo-nos ne te breve trabalho analisar a upa<;iio ' b d mfnio romano na regino de Braga. a partir dos dado, disponfveis, a maior parte dos quais publicauo'. Todavia. nao 0 fazemos numa per'pectiva de caracteriza<;ao da cultura material, mas sim UO p nto de vi ta da organiza<;iio do terril6rio. o espac;o de trabalho foi escoihido em fun~ao da ' suas potencial idade infomlalivas. Priviieui,lmos a regino de Braga por e la constituir 0 espa 90 de interferencla directa da cidade romana, onde e maior a probabilidade de s documentarem novos modelos de p voamento. Por OUlro lado, tend em conla a polaridade caractcrfstica de um espa<;o urbano. partimos do princfpio que no ten-itorio da cidade deveriam ser perceptfv is a hierarquia e c 'nlralidade aractcrfstic~ da ociedade romana. Assim, este Lerritorio pode ser analisado enquanto "espac;o laboratoria''', uma vel al obs rvadas muila, d~ novidade' romanas a nfvel do habilat e um novo model0 de CS I J)no'u'hl",w,ireo; 'J"rda h ih io~rjfi~ un ~cu IcmIXI A!bcJlu Sumpuio "plieull au c'ra~o tlo urtc de t'onuc"j "-, I ' rl.t,:nl HI,,n " Il~jllli.l Eurtlpa. CU I p,,"i('utar 'm Franlta, t\oc vcihjl' 41J1l.r,c I"UI ~'nm liut.1(l900 \ em que Tmban de I~l I ~ IUJ puhhcliu 0 '\C.1I trilhdlho Lt' \ ar/glut'') r"lil\iru\("\ (ItJ h, Fn lll"t'. Lt'\ pllroi.\.(~, flud/r'i tlu \ ', tlu '(I,. 'i/()dt'" 1M \ 1()Srl, 19X.\_ 37 'b! ({II )01 t!l til\.".\ I.lrr;lll ( ll} ~O I7\)) 'tui!~l it}nou a lei) cl!nlrj i de Alberto SampaHl com ba nd redullcla c\' id ellt'~l tit: \,1/. 11 rn l 'un..: lit.: PltrtugJI. lemhi CIll l.:ontu ~ C~l:a:-.~t.l rep senl!h,lo lh:: mo~ail:o, nc...w rt!p,ifio. 171 lilul" d,..:,ci 'pin p, 1.:';""11' "fcrir orjguli lrab"llu" de gra nd~ Jlv u! j(a~ju.ceclilcmenle pu h!ic;ltjo em ttjn~a II 'i'.h I)!iJ(1 I'JXh. ClJO\ ' )J'LR" I '\VORY lin!) «1111 <'X I "",h,hloogralia.

6 o rganiza~ao ocio-economica, traduzido por novas ex igencia difundidas a partir ue centro. urbanos veiculada por novos agente economicos e ide logic s. Uma dificuidade de base re id iu, naturalmente, na deiimita91io do que p derfamos de ignal" por terril6rio de Brocara Augusta. Uma vez que a cidad desempenhava varias fun90es. havera que distinguir 0 Lerritorio ela <..:idude. enquanto capital de CO l1ven!us, do territ6rio polftico, enquanlo capital de civitas. e ainda 0 seu territorio eeon6mico. Na de l imjta~ao J este ("lim interferem. nu turalmente, varios fa LOre" d signadamente, a eslru IUra urbana da regiao e a existen ia de centros econ mico. ecundario, ainda a d terminar. A "Leoria dos lugares c ntrais", fundamental para a 'ompreensao das sociedades hierarquizadas I~I, pode revelar- ~e de aiguma ulijidade na defin i ~ao do terril61io da cidade, bern como de presumfveis centros secundarios. o entanto, nao nos arriscamos a definir para ja 0 lerritorio econ6mico d Bl'ocara Allgllsta. com base nos dados di, ponfveis. Por ssa raziio, privi legi,imos na nossa anajise a area comprecndida entre s vale), do Neiva eave Figs. 1 e 2). Presumimos que esta area e. taria intimamente dependente da cidade, ainda que dentro dela devam exi 'tir centro ' economicol secundciris. cujo papel importa valorizar. DificuJdade, maiore encontnimos, todavia, na amllise e interpreta~1io Ja inforrna~oe$ exist ntes para caraeterizar as eslu\oes romanas na regiao, muito panicularrnenle aquejas que a 'sinalam 0 povoamcnto dispers~. De fa t, s dado~ arqueo16gicos. ao na gen ralijade mu ito poueo reveladore, quer sobre a natureza das esta<r0e, romanas guer sobre n sua cronologia. Exi~tem largas dezena. de sftio ' invenlariados como habitats romano, mas a ua elas. il1cac;iio rcsulta problematica, como pr blcnuitica e lumbem H sua dat.a~ao, reduzidos qu estamos a trabalhar. na maior parte dos caso, com dado da pro pec9iio. No enlanto. esla massa de infonna<rao. que aden a a~ manchas do pov umento romano nu cartogralia arqueol6gica, referindo-se sobretudo a sftios implanlados em areas de vales e verlentes. ugere, por sio. uma intensa e precoce ocupa~ii de territ6rios marginai ' no povoanlenlo pre-romano. (R),Ia Icori,j\lemalil.ada por Wulth r Chri wller 11935). ~ ha lante familiar 3 gc(,!!r.tfo. c "rttucolo)!o'.,ohre l ud~ 0<" pru"" angl -""00101"', Soon: 3\ muillplas Iju<'llo.!' W\l'il ~ph<ah'htladc 311 INudo Lln.,,tiC i 'dad" hicnu\julililla, prot<>-hi I,inc,,-, C.I muntin I'OIIIWUI (l('<jerj "cr-..:. cnlt \lull1) lr:ilialhos. Il 1Xl'1-nll de Ene (;""11 "('Mlldl f'/uc rl '\rdltll %gl' "lid /Ill/Of)'. ( 11}l!(1l. "lfil v:in. c() l1 lribui~ "pre nlll'(; '"'!>,Ill Ik urn, IIl1nilnn nd t. n i\.r.itl;\~" de O.lord, 75

7 este sentido. a analise da e trutura do povoamenl nos primeiros seculos da nossa era implica uma arlicula~ao entre s djferenles tipos de habitat, ou seja uma analise interactiva entre os povoados indfgenas sobrevivenle ' e os novos habitat que se instalam na regiao, 3.0 SUBSTRATO CULTURAL [NDIGE A Muito emb ra 0 regi to urqueologico seja ainda largamente insufici ntc para gizar um modelo de desenv Ivimento das comunidades A proto-hi. t6ricas do NO portugu, e tendo em contu a' necessarias assimelrias regi nai~ que vern endo realr;ada '. julgamo, que U!) caracterfstica culturais apontada" para a fase imediatamenle anterior a presen<;a comana poderao ser val ri/adas como enquadramenlo global do povomenlo pre-romano. Nos inai ' do 1 mih!nio ae observa-. e urn denso povoamenlo da regiao do Entre-Douro-e-Minho. ceconhecfvel por dijerentes lipos de povoado', emb Ta lodos cles sejam rcconhecitlamente fortificados. Tendo em conta lipo tie assentamento verifica-se que os povoados ocupam csporoes au colina!'>, diferenciando-se estas ultimas pela altitude relaliva que pos uem em relarrao aos vales. S~ 0 Lipo de assenlamento c variavel. vari:ivel e lambcm 0 grau de desenvol v imento alingid pelo ' d i ferentes povoado!'>. Alguns atingem neste pedodo um aparalo defensivo e urbani lico noluvel. enquanto ulro, mantem ainda. no limiar do cambio dn era, conslru~oes de maleflais pereclv i. C"'. Considerando a complcxidade de cljgun p )Voado~ e a mode. tia de outros. e de prcsumir que as di erenle' comunidades do NO estivessem estruturaduj em re<.le~ hierarquizada e que 0 seu desiguaj descnvolvimento resullasse da sua imporlim ia relalivu, quer em temlos soc.:io-economicos, quer sociu-polfticos. E.unda adl11issfvcl umu relaliva cspecializa9ao econ6 111; a de alguns povoados, como poderia scr {) ca' do!'> cham ados "castros agricola"" 'lui. C<), l>luln de e.cmplfl poc.t:ri;1fl1o-rclcrir 0 ".1.",,10 pov<ladn lin L1!!O. em AmHrc (\1 RTI S I 9Sg,,), ( Hl) Tul t.lc,i!!na~;jo... ullcntcnde Ulll~l U""Ol:I.I.\a,\ inlrin"ict:a t.,k'lc povnaju\ ~ c. plnr~\\' ko IgntHI.... H l"nlalllo. Ihl G.JIi/.Ol L110'I.H3 d ~,, IJlrn:M <Ie fl<i\natl", de h.1i., ailrlulk 1'''-'IJIlIC.,"I'~n IC.\RBAI.LO I\RCLO IW01." <jue p:-mlllc 4ut:',lt,tnllr II lunc;an t: \ (C" I\'amcnh: ~~pe,, j~iiil...i1da dc. te IIrn de pnvuiit.](h. 7(1

8 Globalmente a regiao em estudo parece conhecer urn grande dinamismo econ6mico nos dois ultimoii se--ulos ant s cia nossa era, arqueolo icamente doclunenlado por profundas remode l a~oe, arquite t6nicas, por llma cullura rnaleri,u baslant di versificada bern como po l' inov a~6es iecnol6gicas que aceleram 0 dc senvolvimento regional, oolribui do para uma mal r lnteg ra~ ao e com ple x ifi ca~ a o socio-polflica. ESle quadro cultural, com eambiantes regionais, as ijlala cis obrellldo entre 0 inlerior e 0 litoral, mas tambem nlre zonas mais meridionais e selcntrionais e rn smo entr diferenles tipos de povoado'l, e correlaliv ) de uma erta inleracc,;ao da regiao com 0 avaj190 romano na PenInsula. o pr imei ro contaclo da populu\.roes do Norte do Douro com os roma nos deu -se com a expedi9iio de D../ull.ius Brutus ( aC), no <1mbi lo cia guerra c m os Lusilanos. Esta exped i ~ ao punitiva, referenciada nas fan tes escritas com ajgum dramatis mo, t ve amplas repereuss6 s a varios nfvei '. Por urn lado, a regiao fi col! sob controlo Ie' ric de R rna, facto que atrai u a regiao comcrciantcs. artesaos e i mi ~ra n te s de. outras areas penin ular. Por outro lado, a expcdi<;iio parcce ter desencadea 0 nalu rai reac<;6es entre os indfgenas, sendo perceptf el uma maior interae -<;ao regional e e lrulura~ao -oeial e politica rnais profunda. Ap6s a p acifj ca~ao da Lu silflllia a Galecia ficou ae " IV I, nao s6 por mar, mas sobretudo atraves de rolas tcrrestrcs. Por esta. ra tus chegaram as cam paniens s fill, 0 pri meiro llumerario conhec ido na rcgiao (Ill e, ma is tarde, nos finais do sec. L as anforas vinarias beticas e as sigillata ilalica' 1111 que alc a n ~aram numerosos po oados inl riores (MARTINS 1990; 1991). Estu ci rcul a9ao de produtos parecc documentar 0 ambient relal ivam nte pacffico em que sc de. envoi em a comunidad da circa mcridi nal da Gal cia, ao longo do sec. I a.e. Urn e rto entesourarnento observado na regiiio 11 4) par ce coincidi r com cris s qu afectarn 0 NO peninsul ar na sua globalidade e nao particujarmen te a regi ao em eausa (CENTENO 1987). t i l J o ~ ~K:ha t..l!) ') de I;umpanicn"lc.o; lcm um n ch',pcr'\jn ciltscn 'irtirnente litol JI (!5 t<tndll pn:.',t:jjtc5. n a ~ ria<; bai'{il' de Vigo ~~ Pnn tr \, t:uri.11:':,ljn d~1 n;, ('o ~ la port uguesu, nol'l POVlliH.lU,> J o COlO UOI Pena, S.jiltlt tu lia <; Rom i.u'it (I'), nnre ~ ddrioui c;uo c ciala,jo do numenirio rcr ubl i ano no None d ~ Ponuglll vcja-sc Pui Centeno (l ljr ( 13 ) j anfo l'a _'"1 vinaria<;, ern par1icular 9 forma llahem 70, c:,l aq rc p rc. s.c lltfld~ l ~ em liluncro.,o, L'USlro" do lilo",,1 db r, 'im) dt: Vigu e PUrl levednj (Vigo. Troi10. Barunn e Santa Tecla). ua costa pllrlugu.sa ( 010 da Pen;l. Sanla Lillia. Civ id:ldc de,.\ncura, Santo Estev.:lo tl u Fuchu, R(llllariz). illj ~ tamlh: rn 1:: 111 po\'o.oo'l ill te riore.'" (Faria. S. l uli. o. Barhudu. Hril ;>iro_t.., Sabroso, Monl ~ do Padrau. Santo Ovfdio e Ah.lrcl ho... 'nlre Ol.lI ro., ). Sub.\ d i "' lribu i ~rro tla l,, i.g illal'".talica no. de f'oi1ugal \t~j a -,e A. J e f\jartio ( ). l 14) De)(.':uU1 "illado JX' lo Icsoum de.san fi ns ~ sc.:o n d I<1o ~ Jll rc 25 e 2.3 u.e c comp0::ito por 111Oeda.s uclim llj ad ~. desd 1 3~ a.e. l: IIU ICsouro de Alvardho, cum l1i o~d a!< entre IlIlui, uo s6c. ljj a. e 29 a.c.(cen 1" ). 77

9 Por sua vez, 0 afluxo ao NO de p o p u la~6cs oriundas de o utras regioes mais dir ctam nte en olvida em guerra. parece ter fav orecido a assimilayuo de algumas novidades tecnicas e econ6micas, entre as quais se d lacam novo si ' tema de lraballlar a p dra. a organiz<t, ao protourbana no plano de alguns povoados. a roda de oleiro I ll) e. muil provavelmcnle, uma clrcul ac;ao mais alar 'ada de mat'ria prima.. de. ignad ment do ferro (I~', indispensavel a um arsenal mills sofi tieado de instrumentos agrfcolas 1171 e de trabalho da pedia mi. As implicat;6es tecnicas c econ6nlica desta in t erae~ao foram importl.lotes no desen olvimento das omunidad s indfgena. que atin",em durante 0 ec. I a.c., uma not,lvel prosperi dade ccon6mica percept[vel na eullura material c. muito parliculttrmentc. na arquitectura domestica e militar (SILVA 1986' MARTINS 1990). No entanlo. as mai. importanle' con'equencias do proeesso parecem situar-se a nfvel soei -politi co. arqueoi icamente mai diffci l d documentar. Apesar da regiao do NO ter side deixada em sos ego relativo peja ad min istra~a o e p 10 exercilo romano. posteriorment a carnpanha d ae, c ate aos finai do ee. J a.c., a verdade eque foi neste pe fodo de cerca de cento e trinta an s que a regiao mais meridional e ocidental do Noroeste demon ' tr u inai. de urn generalizado desenvolvimemo econ6mico (MARTINS 1990). Acentuaram-. e entao particu lari mds etnicdcu lrurai de ambito regional, bern represemado na organiza~a o dos povoados, nb decora9ao e eslilos c: ramico, na eslaluari.a (ALMEIDA 1986, L72). aspectos que se prolongaranl, Ilaturalmenle, duranle 0 sec. [ cia no." sn era. Nilo p, reee ler side lima sil Lm~ao de amea9a Oll perigo eminentes que juslificou a eomp l exi f ic a~ao dos di positivo. defen ivos de numerosos po ados. Estes parecem representar sobr tudo obras de prestfgio re eladora da prosperidade do, povoados. Aparenlemen diminuiu a relativa ( 15) 1',1;<, Ilv, id"de, poder; ler.ido inlrodu/'d" na rc ia,, " p"rurdo Sui (\" Perlin sula. (I lawkes 1984.,, 7-193). lrazida... pur pop u l a\l~ ;: que i,14u1.i..\! tc:rium ~fll W-ll.Jo na =,cqllcnc"13 da ~ cam ranh ~ ls ~ l) I HI4.1 elliocro) l' Lusitanos. ( 16) A~ j.li' id a..; de krro no None. de Portug.al "aoe~cn""i:)~ l(lc.1li l'a,ndo -sc q u;):\e todns na regiao d ~ Torr!! de 'loncorco_ A utili/_ac;ao ch.:sl t: meta) a partir du xplort1\'ao de lab ja L.lda~ il11p licava ~I.;;.xjslenc: ia de troc [(,s ala'i cia". Como ali... malivi.l 0 ferro pod ri'-1. ter hcgildo ~ regiun i1 panir tlo ~ uj. (1 7) Rekrcnciado ern "iri,,< eli'i C '. em ni e i, lardio d.w vd, do c["nili tla era (S ILVr\ 1986; MARTINS R I, 1l01 ~1 hs). ( IX) Ak 010 momento e... t{lo do <.: um en l ado ~ llh.lec to~ com cssa lunc inlulli\.l1d em unfin:s.!{(ullilrit. (S I A 198tio EST. LXXXVIII. (, e 7) e Sanlo Ovidio ( 1, RT IN 19Y I). 78

10 <1utarcia das comunidades. criando-. e e. f fa. de int rac ~a o mais <lmplas. por nde circujariam produlo e materias-primas, fundamentai a uma vida econ6mica e s cial mais complcxa. As comunidad s parec m igualmente manter uma profunda emulayao c mp ti riva, traduzida pol' obras que pre. ligialll 0 ' povoados, os seus ocupantes e os seus ch res. Um grau de inleracyno mais ejaborado pre supoe lambem um grau de consciencia emi a mais profundo II~ I. A P rtenrya a de terminado populi poderri entao Ler passado a ser significante, num universo em que. e t rao ampjiado e complexificado as reiayoe. inter-pe 0 is. inle r- famil iares e inter-sociais. A estrutura~ lio das olllunidades castrejas em unidad. suprafamhiares, CO IllO castella e popl/ Ii (ALARCAO 1 88, 15-48; 1990, ; SILVA 1990, ) modele em que a S ciedade pre-romana ' encontrolvn organizada. aquando das refonnas de Augusto podeni onstitui r uma reajidade 'ocio-cultural datavel dos do i.' ultimo seculo. anles da nos. a era, representando uma respo ta aos condici nali mos da regino, mas tambern ill press6es exteri ores. Embora posteriorm nte a campanha de D..llIl/illS Brutlls, se a.. ma Jem algumas expedi<;oes ao NO. de. ignadamente a de P. Crus lis ( 6/94 ae), a de Perpclla (74aC) a de Cesar a BrigalltiulI1. em 61a.C, elas nao parecem ler lido cankter punitivo (TRANOY 19R I), purecend ames ju ti ficar-se no ambito de um r conhecimento do' rec u r ~os regionais. Na verdade, nao temo prova ' da i n SLala~ao na regino de guurni<;5e. militar, Iudo indicando que os Galaicos mantem uma independcncia relat iva s b controlo le6rico de Roma. A permeahilidade it innuencia romana durante 0 sec. 1 a.e ' ligeira e nao parece afectar. nem 0 povoarnento. nem a e. trulu ra -ocio-politica da 'omunidades indfgenas. que se mantem ainda com a ref rma de Augusto. As Iran. fomlayoe., qu r a nlvel do povoamento, quer da strulura ocial. resullantes da inciusao d Slas comu nidade num nov modelo poiftic0 e admin istrativo, aparecem do wnentadas mais la rdiamentc, siluand -se g nericamentc a partir de meados do sec. Ida nossa era. Ate la, as comu nidades manlem a sua organiza<;ao tradicional e nil se distinguem cuhural m nle do perfodo imediatamente anterior a Augusto. As novidades nao (1 9) f\ ttnicidudc p"ret:" em rgir c mo,,,i rna de rclcrenciu quando a nticiad cu!turd i de urn (kh:nnin.d" gtup ~,,,~J;, pam ",anl ~r n c n()rd. n a~'10 d I1Iro do grupo c a co mpcli~ao cnlrc g:rtjixh ' " i"j dj,linl('" 1\ idclliida1 ' Ini n:prc: \'1a ~e ;)I.. ~ il11 mui, cljl.r.lmcli(c em S illl :l~oes de cornpeli~o L'utre ~OIHw l j d.t.d " Unl int rr c... deiinido'. pj.recc n ~ ",\ cnracl"nf.ar., nciail"""le as s(lc icdadc' curllplcxa, (BLA KMOR,./ a/li <I. -II I) 79

11 parecetn ultrapassar a presenc;:a de items exogenos, chcgados it regi ao atrayes d comerciantes ili neranles (MARTINS 1991), v lori 7ado obretudo peins elites indfgenas, que possu/am, aparcntemente, LIm razoavel poder econ6m ico. Contudo, a pre, enc;:a de tes item, m contexto de Illat riais indfgenas nao sugere transfom1ac;:6es dos habilos de vida das comuni dades castr jas. Numa area mai s restricta e pass/ el 4ue alguma comunidades tiv $ sem side afectadas mai directamente pela presenc;:a do meio oficial e militar. Referi m -no ', naluralmente, ao impacto que a fundar; ii.o de Bracara Augusta e 0 lanr;amento da red viaria deve te l' lido sobre certas fnuljas da popujac;:ao indfg na. Aceitando-se a fundac;:ao d Bracara Augusta entre 0 ano 3 ac e 4 da nossa era lzoj sent de pr, umir, a partir de entao, uma deslocac;:ao de mao-debra indigena para a cidad 1 ~ll nece, aria ao grande projecto de edif1car;ao de urn centro monum ntal. 4ue viria a c n:tituir 0 nu leo da ciclade. A pr senc;:a de agentes romanos e de imigrantes iuuicos, na regiao, docurnentada peja e igrafla te n} aj udado a de envolver varias act ividades, a difundir vos Mbitos e gostos, ravorecend a cliac;:ao duma lit soc ial e cultural de origem indf~ e na, que ira desempenhar urn importante pape!. Julgamos contud que a repercussao de 'le processo poden1 ter sido inicialmente circunscrita, nao afectando enao a regiao mai.' proxin a de BracGm A II/Susta, Alguns povoados poderao tel' sido abandonados de imedi uto e referimo-no.' aqui part iculam1ente aos que se encontravam na cercanias da cidade como 0 castro Maxi mo. No entanto, a persislencia de povoados important s na area envolvente da cidade, como SanLa Marta da Falperra (23 ), Castro das Caldas (24), ou Monte Redondo (25), sug rem a manut n9ao da eslrutu ra do povoamento indfgena, em part porque a sua sobre ivencia era indispensa el aprate 9ao do no vo e spa~. Bracara Augusta foi uma das tr~ s civitates criadas por Augu. to no NO peni n ulai'. IniciaIrnent si mples oppidul1l peregrina, promov ido a munictpio sob as Fltlvios (TRANOY 1974; 1981) Ill., Bracara Augusta inte (20) E~ t <t I.: fonulogia c ~ u ge rid a pclos mai" an(jgos tcslc::rnu nhos cpigt'jficos conhccidth 11<1 rcgl3u. designaci;]rn.cml' jjt.:jo nlollu nh.:n lo c(l n " a~ri.llju a J\1I1.! lj: t) pdo ~ BrJCaraugllS1UOOS. no dia do a.n ivcf"'arlo n:li a l r io de Paulo r~l bill M,i,irnll. ~ovcrnador tid Cilt'rinr. aq"""do do 'u. " ladi, em Rra~a. Cllln; 1 e '2 3, (EE, VlIl.:lSO=ILER, 1028; TR. NOY 19KI. J2XI (2 1) Na n ::rtenlt' d<:l colina de If a.minos rcccnlc., e..c nvu~oc:s pcmlltirarn cxumar..., b :. con~tru~~, romanal;l 31 implamada:- na ~p()c a fl~i\l ia, vanos molcte, de: sllulas com dec~o geometricii, ljuc sugcrem ;1 CX I ~ I ~'m':l!l de urn atcliei', Oll olieina (~'I!\RTINS 19XXb), (10

12 grava urn va 'to terri t6rio, cujas frooleiras exactas ao ainda mal conhecidas, Si multaneamente Augu t eriou os C OIII'l!ntus (2..11, que viriam a de cmpenbar um importante papel religioso acim inislr, ti vo, p is que, para ah!m dos julgamentos, asseguravam 0 cul to imperial (I~l. 0 COllvcnfus clim pria ai nda fun~oes fisc ais c rni litares, conslj tui ndo uma unidade de recl1itamento das tropas auxil iares,li,. A partir de uma no ~ ao territorial. as, ciuda it ideja de um agrupamento COIll fins judiciai s, 0 _ Convenfus parecem evoluir para um papel mai admi nistrativo, favorec ido pejas particulares condirroes d NO, onde () fcn6m 00 urbano foi relativamente pouco significati o. P r outro lado, esta o rgan i za~ ao servia a pe n elra~ ao do eulto imperial, kulo f'unchunental da. upremacia romana na r giao, A organiz ~ao poilliea e admi ni ' [rativa do NO, concebidn par Aug u to, f o i cons olid a d a co m os im pe rad res Jul ios-claudios. Imp rtanle contributo para 0 desenvoj im nto da regiao, com impaclo no po o ame nto, foi conlud) a pol ftica dos imperadores f1a ios. Mun icipaliz r;ao e ius latii (26' foram dois v clor ' des a politica qu' eim ntaram 0 poder roman n NO, conttibuindo para 0 desenv Ivimento urban,para 0 fl oresciment e on6mico e para 0 na cim nto d novas elite. ' ociais. Na pnitica. a romaniza~ao jurfdica, 'ubstituindo 0 indfaena p ' 10 cidada foi H forma mais eticaz de impor a ordem romana alraves cla ~ clites, que iegilimavam 0 domfn i imperial (MANUEL BASCAL e URBANO ESPINOSA 1989), As c rn plexas impl ic a~6cs do EdilO de Latinidade de V, pasiano (73/74) parecem arlieular-se com a e, pan sao d Bracal" Augusta e om o urbanism f1<lv io, 0 unico ale agora do um ntad na cidade (UELGA DO el alii 1986, MARTIN E DELGADO \989-90), Ela~ pod rao iguajmente er r conhecfvei s a nivel social. 0 aband no da designac;ao do ' costella e a passagem asimples referencia aos pofjuli, proc sso documen 21) A d (}c llm en!~\r a elc va ~~ln de /J racarll AURIMla J muni dpiu c a conc~ :.. <i o do IlIf lali" qu' lratiil L'OIl, igo a po,...ihi laladc d\: elcv;u;ao de l11 o!li,lrndos ioco is 1:t. dd.ujil.rl i.l follmna. ~ i ~ t l.! ~ITI Araga I 'urn llwlr ri d! epit!r.u lco que n..;ferc ind! v i d u o ~ i l\scrilo~ IHl lri bn Qui ri nu (ell II 24'371X: 245(): 2444). OUlra ", ill ~l- rl~' 5~, dotulllclllarn t:idac!uos de Hrat'oru,I dc"' lll pcnlwr "'''Su' ro ra ua "idnd,- «'II : ell 2424; AI:: ,3-(1). ( 2:~) CUIl,, 1I1craJa durullte muito tem po uma innvn<;[lu adjll JOistr:lii vq dil ' poc<j Iljvia. admite-se hojc q Ut (\\ I '(JII\ 'N""~ mnt/in lenltam, ido criado~ por u gu ~ [(). co nrom l~ parcce '\ugeridq pt: Ja d e~l tlbc ria d ~ lim;1 ((I/mln Jw.rpi ft1!j ~. tjllt: liitllc'iuno 0 ('mn"i1/iis Arae ;\1I~u.rtn~ (DOPICO CAINZOS 1 9~(J, ) 1241 "jo cn" hec idas pe lo menu, dllr, i J1 <cri ~Oc.',deri nuo s"ceru"" do cuho illll",ri.,1 (Cl ; ), flsi Sobre ~ presen\-u tlc l:ont i n gc lll l'~ Je B ut:i.jra ug, u ~ tanos no e... cn:ilu nlnlano \ ej[i -'\c P. Lc Roux ( 19. 2). f2h) Emboril, u.\ci tandu l:olhlcjvt!r;ia. 3 con" ~~ao do ill~r IUlfI e: ;1 L~.r (-'/m'ia j\1ullicipuli.\ tlevcrao ler ben fi iado () 10. (.:om impacto. pcjo me no... tul\ z.on as filai s descn ol\'idas. Entre fl ~ criti<.: ' ''' amunicipalint, ao 4,. Olllam, H. Gal-Ien'r (1'17 (). Delen-orcs de, l!.' bcncficio, Jo, c " lr~ UlHra', A. Tr"l1o)' C P. ll' Roux (1973, I ). 8/

13 tado na epigrafia. coincide, na opiniao de P. Menallt (1 982, ; 1983, ), com 0 EdilO, que teria beneficiado 0 pojjuli nao os '([slella como unidad social. o entanto, a i meg ra~ao jllrfdica do NO nao acom panhou a urbaniza ~ao. C m exeer~ao de Aquae Flaviac, nao se verificou a cri a~ao de novas estruturas urbanas. Se ate aos FJftvios a imposir;ao cia ordem romana aparec ass( eiada ~l urb,m iza<,;:ao. a partir de nt[lo adapta-se a ordcm romana a uma demografia concentrada d tradi~ao indfgena (C7I. 0 imp eto det inteb'ta~ao j llrfdica pode igualmente,er perc ptlvel na eslrulura~ao do povoament di sper 0 na regulo POVOAMENTO SOB DOMiNIO ROMA 0 No terrilorio do Norte de POf(ugal eneontramos dois tipos de povoamen to durante.1 ocupu<;:3.0 ram ana: um povoamento concentrado, e integramos aqui uma gama mui t variada de shios. designadamente raras cidades, poyoados fortificados e povoados aberto$ um povoamento dj per 0, earacterizad por novos ti pos de habitat, como villele. casai " unidades indllstriais e mansiolles. A analise destes diferentes tipos de habitat coloea dificuldades,.obr tudo relacionada ' c m a sua caracterizas,:ao funcional a sua data~ao, uma vez que a grande maioria nao foi objecto de qualquer intervenc;ao arqueo Jogica. Neste scntido, a defi nic;uo exacta dos ritmos de romaniza ao is t ar ~ fa impossfv I de momenta. pois exigi ria lim nu mero significativo de escavac;6es. Ja 0 estabelecimento de uma rela<.:ao en re povoados fort ific ados, povoauos abertos e quintas pode ser ensaiado, recorr ndo basicamcnte a cartografia dos sfti os conhecidos. Foi e ta a ab rdagem que privilegiamo, correndo todos os rio cos inerentes a uma percep91io truncada da realidude, pois a per pectiva possivel e inevitavelmente mais c. pacial que temporal poyoamento conceotrado e suas c.ate orias No ambito do poyoamento c ncentrado inciuem-se muilo pov ados d origem proto-historica, que per isl IT1 ob dominio romano, man tendo 0 seu cara tel' fortijieado. Estes povoados. que a epigrafia rcfere como castella, sobrevjvem ao de mantelamenlo da eslrulura socio-polltica pre C!7) S nos. C~ () S de Bracara All~ltJW e de I\quoc Flm jul' 0 u rba J\i ~mo p a l'c~c co iw:idir com a in... li lujcao Illun icipal. ~ o en I (1I1 to. ~Sl;l u Jssinaladu."" [1 U '0 vario'\ Fora, CiviJIlfI'" t: I(cipllhlinu' ljll " ptxil!r.lu t~ r po... ~u i < I Q 1!.\Ull1 ln rnunic'lp:lj. Esse podcro ~er () Cil!iO do Forum GiR1I J"YllrJtIll, da Cil ' II(1.~ Limfl"orum \;: ct.j Rf!..tJ'II/) /ica Illfi'/"um"ifu (RODRIG EZ COLM ERO 1987 ) 82

14 roman estrururando- e numa nova rede hienirqoi c.:a, quer de ambito I cal, (juer regional. imposla pela administra~ao romana, criada por Augusto e c n olidada, ao longo do 'cc. I, com s Julio. -Claud io. C s Flclvios. A par de te povoados sobreviventes encontramos OUlro., fundados d no vo, ja sob d mll1io romano. A esle 111 el a sit urrocs sao muilo dlspares. Algu n ~ adoptam a e "ITutura dos povoados pr ' -roman.., a urros organizam-se num modelo diferente, endo funda maim me aglomerado' abertos. Os novo. povoados que e eslruturam no ec. I, 'eguindo modelos inu[genas. nao se di. tingu 111 dos povoados pre-r manos (ALMEIDA 1990). Ap nas a sua es c ava~ao pennite data-los val rizar ad quadamente o seu papel em term s regionais. Os povoauos abertos. de fundarraa romana. estao bem representados em quase todas as provfncias ocidentai' do Imperio. designadam nte n<l Galia I~") na Gra.-Br tanha (19). EJes conslil uem cat goria ' int rmedias entre os grandes aglomerados urbano e as quinta que en ameiam 0 campo. Designado. p r aldeia., ou por peq uenas cidades, quando possuem um c ntro cfvic mais de envolvido. e tes aglomerados apar c m na Gt1lia quase s mpre referidos como vief. A xces iva aloriza9uo das viffae na interpr ta~ a o do espuy rural, minimizou durante muito tempo 0 pa el de tes aglomerados hoje r conh cidos como fundarncntais pcu'a lima COITecta c mpreen ao, quer cia e onomia. quer da soeiedade romana provi ncial. o aglom rados mais importantes, funcionando como cenlto de pr du<;:ao e distriblli rrao e servindo uma o p ula~ao basicamente rural, de enolvcm-se como mercados, ou como centros de PI' du<;:50 artesanal. Muitos oul ros, na c ram com a rede viaria e nao ra ro, a s iam-se tambem ~l explorarra de recursos tennai.. No entanto, nao e raro que estes aglom rados centralizem variadas fun90e ', facto que tende a aumentclf a : eu grau de central idade. No orte d Portugal, a deslocarrao de popu la~6es indfgena. do sells tradi ionais esparros de viv'ncia, as caslras, para aglom rados abcrtos, nao parece ter sido um regra. Essa desloch9iio parece t r oeorfido up nas (2 ) Suh re 0' Ilg1uIIlerados,. 'und:iri'j' I" G;\ li" vej"-m:. enl,,, Oulm. Edil h W1l,hlrnan ( I ')~ 5 ), E. l'n'/nuh ( I 'In ). M. Mall ' uin "I alii ( bern L"Omn '" cl,," do Coloquio sohrc "Le 'inll Gull o rtlll1"i,, Pnn\ ( 1971». (29, Oc'''a ',IITIO"', e.nlr~ OU IH )\ trnbalho'\. a c.\ celenlc '1I1lc~e de C. Burry O t lmh~ull l' Ie John (1cht:t.. me,"malll(l wns. or Roma n Bril.,i,," (1 990) e aindn os de Hobin 1IIJll ley ( D. Mile, \<d.) It), 2). II. II. Scullard (1 \179) e W. i{od"cll e 1. Rowley (cds) ( 1975). 83

15 no ambito de uma especi alila9ao economi a. inerenl ao novo cnquadramenl. Os novos aglomerados quc,urgem na regiao, em numer reduzido, sao alem do mai diffcei de caractelizar, pelo que se lorna problemarica u sua hierarquiza9ao. A categoria de p quena cidades parece diffc il de preencher na regiao do NO porlugues, tendo em visla os ve tigios arqueologicos conhecidos, com excep9ao de Tongobriga L~II. No enranto, alguns sllios designadamenle p voados Corti Cicado de razonvel d im nsao, poderiam ter de mpenhado um papel imporranle, Cuncionando como lugares celllral de segunda categoria, sobret udo se a sua Jocalizar,:ao tornasse poss lvel 0 descnv J im enlo de algun servi90s, adequados a nova conj untura.ocial e econ6mica. Esse poderia ser 0 ca.o de MonLe Mozinho, onde nu epoca flav iu se ergucu um templo (SOELRO 1984). Lugares centtais de segunda categoria forum certamenle alguns povoados aberto' que se instajam na regi50 e que poderao ter constit uldo uma rede de \'ici, tal como sugere Jorge de Alarcao ( 1988 ). SiLu' d s no e ixos das principais vias militares que salam de Bracam A ugll sta, multos deles p sum uma evidente anajogia com sltios conhecidos oa Galia e na Gra Bretanha Ilil. Numa regino que conheceu uma dim inuta malha urbana e tes ag lomerados abertos desempenharam certamente um importante papel, como c ntro econ6mjco. religiosos e h1dicos. AnaJi saremos de seguija as diferenles cat gorias de agjo merados referi os procuraildo-s interpretar 0 sell papel na eslru tura do povoamcnlo da regiao em estudo Povoado. for tificado Eurn dado adquirido que muilos castros obreviveram ainl gra9a da re<fiao L10 0 no Imperio romano. No entanlo, ' hoje tambem ponto as en I 4ue foram fundados novo. povoallo fortificad s duran te a oc upa~ao rou ana. N ste COnlexto. uma correcta avajia~ ao da romanizar,;ao dos castro. emai s problemalica do que 11 primeira vi ta.e pos'a imaninar. (.l ()) I... c.: l\'~l ~~, l'111pr L'l'IH.lid;.t'::;, ito longo d ~l d ';}(,I;I J e ~ O. n o ~(ll o ric. Freixo. Marco LIe './l nilvesc'lo, one! se iocali l4lnu To n.l.! () h n~ ~ I, p...:rmiliralll dc;:tl'clar ;1 t'x i,u!ncio til' urn c..:.nlru cl\' ico. compostq pot urn cdi ffcio lemlnl. fundndo no set..:. I..: uli l i,. I ~hl ak an SL-I.:. V. L' oexi ~h:n lt: coin urn e,p::u;u oblongo. CUJil func i,)nalidade c..x..u..:lct e: uinda dc!:'conhet,;id.l. EslC ( t'ntro lell illlpl.lillaull n<l ~ illll'dia<;oe' dt urn caslro. 0 "ftttl k m import nl;iu c"ilral gic"3. "'luando-. perto da iu U'IUuTuJtllJaira c: certain n~ rd iglo I. Ai foram c IH.:unt r;luos li' aj (,m.:, a JLi p llcfc III1l OUln) " F l1una. Tonsnbrig:1 1I1I P~lh\cl u i.d ' U I.~ \'il.: ;1 t: "l'tk tit- atim in i'l ral,; i.iu rt'~ i otl al. JuriJiGlr1lCnte rumen dev nil 'r uh ra pj.~~dtj I) c:.)fat li lo de cida,,," P~ f< pj ll " (l)ias 1'1. XIl-'jll, Al '\ RCAO 19 8). (.~ 11 R...:iL' lilllo-lhl' ":'pcl.:i011u1l'ii h.: 11 c:cno ~,'in t.cmhi~ du Gaira (PRrI:'1JR ). ou 11 pcq \l t: n a~ t.:i dadc'i r()llta n ~ I " II ~I Cr;:, n J"~ l a nha, como 13alll (BU HAM 1CJ90). 84

16 Os problemas comclfum quando 'e procura caract rizar a pr6prio cone il de "romaniza~o" poi. apesar do eleva nu mero de caslros conhecidos no Norle de Portugal, sao muilo poucos os que foram obje t de esea ay6es su fi ienlemente amplas para fo rnecerem uma cronologia fidedignn fill. A maioria dos ca!>tros considerado com roman izajo sa n. im designados porq ue neles OCOlTem materiai de c onstfl\~a (). ou ceram icas c muns de fabrieo romano, 'Ill embora pr cio o. elementos para silunr a ' ua sobrevivencia. nao fornecem ind icad r s cronologieo!> prccisos. Por outto lado, esse li po de materiais pouco diz quanto a xtensao da r maniznyao.. endo presli mfvel que nem Lodos os povoado. so[reram 0 mesmo grau de ac ulturayao ( MARTINS 1(91 ). Alem disso. sem e c a va ~6es pouco s p de a an9ar sabre eventuais alte ra~6e' inlroduzida nn eslrulura dos pov ados ao longo da epoca romana castros profundamenle romanizados qu nao altcraram a sua estru tura permane.ceram om uma organi7alfao si milar aquela que conheceram na sua fase pre-romana. mantendo as suas muralhas, a ' uas casas redonda, com ou sem vestj ulo. os eus pateos. aos quais se junlam, por vezes, con 'trurroes r ctangulares. Exemplos conhecidos desla categoria de povoados sao. na regiao t: tudada, (Fig. 2) as celebres eitanias de Bril iros ( 19), Sanri (36) (SILVA 1986) e S. Juliao (1) (MAR INS 1 8Se), o entanto. nem lodos os castros conhcceram uma evol u ~ao semclhante, A este proposito julgamo ' scr de real9ar 0 caso dos povoados do Monte do Padrao. em Santo Tirso (35 ) e cle Santa Marta da Falperra, em Braga (23) (Fig. 2), cuj, romaniza9uo u. sumc particularidudcs digna de de taque. o povoado do Monte do Padrao. ocupado desde 0 Bronze Final (MARTINS 1995, ). roi LOlaimente arrasado na sua plataforma superior. na ara interior da primeira linha de m uralha.. para implantalfiio, no. eculo I. de duas constni~6es de plant< romana. Uma. corre ponde a uma ea 'a com atrio, com p' teo lageado central envolvido por corrcdorcs que dao acesso a v<irios comparlimento!>. De planta quadrada, possui um acrescenlo. d configura9ao irregular. onde. c situaria uma area de serviyos, j,~ que um dos compartimentos possufa um fomo ( ANTAREM <.'2) A 1I1dut..Jo Ilt!'\tt: tr.thalho eli: uma lim,1 de l"ii_) lro \ rom.;'.iiii,l" Jo nil' oguin ~ tre Nciv;1 vc "rlo pode ucixar de rcprc-.,enlar lima ousadla. conmde rando (l '\CUde, adu Il Unlt:lO C.I inlipienlt.: in\lc,ligiu,:ao dc.st c~ huhlla'. A ~. dc(,. ~ u o do co Irll> canugr;".uo\. uc"in3ua a con.liluir limn oa,c de tmbalho. loi k il:l J panir.ie J"dc) LOIllI"lddu. n.l I>ihliog.rnfia. ~nt.lu nahlli.l l qul' Ilan corn:spondn ~C I1 [jo apm:lim;'ltbll J(,': l1 lc j renjjdadc. 85

17 ). A outra con tru ~50, d 1 ndencia rectangular, possui varios compartimentos lageados, aparenlemente d slinados a arm zenagem ao gado. Silua\=ao algo similar, emborn mais dineil de precisru' cronologicamen Ie, purece aeon r no povoad de Santa Marta da Falp rra,. obram;eiro a cidade de Braga. Neste p voado docum nla-se igual mente uma longa ocupacrao ioint rruptu a partir do Bronze Final. A uma ocup' r;ao da Idade do erro sobrepo - e uma outra da ep ca rom ana. que os antigos es(;uvadores datum do Baixo Imperio. 0 cntanlo, algun, ma!eriai do ec. I n. proc dent s du. anliga. e 'cava90 s, sugerem uma ocupa9iio continuada do sftio entre Alto e 0 Baixo Impcrio. Uma das constru~oes ai del ctada ' p de, er interpretada como uma ca 'el, embora de cronologia ind terminada m,. E taremo, perante I'i/loe de indfgenas imponames, que em vez de 'e instalaren no vales, preferiram manter-se nos antigos povoado de ori gem? Difieilmenle eonseguiremos responder a esta questlio, sem escava 5es mai amplas, que permitam d cumenlar S eslamo p rante stru tura ' excepei nais e se 0 pov ado terao continuado a func i nar como ca tros. Estes dois exemplos, que nao erao certain nle linieo pem1,item salientar, independentemente da interpreta9ao fllnc ional das constru90es referidas, a variabilidade assumida pela romaniza\=a do castros. Os povoados fu nciados de novo, sob domfnio romano, surgem-do" quer em zonas de vale, quer em 10 ais com boa I ealiza9uo geo- s rategiea, 0 primeiro ea o. incluem-se nllmero os pov ados de baixa allitude, designados par "castro' agrfcojas", documentados em praticamcnte todas as bacias hidrograficas do Entre-Douro-e-M inho. rna melhor e 'tudado nn bacia do Lima (ALMEIDA 1990). No segundo easo, podemo referir Monte Mozinho. 0 exemplo melhor conhecido deste li po de povoados (SOElRO 1(84). A funda9ao de povoados d baixa altitllde. nos vale dos grandes rios do NO portlltlues. em epoea romana, mai e pecificamente no s '. I da nos. a era, rai consid rada por alguns autares como decorrente de um prol:e so de,,"signorir ager, a pequenas comunidade. (ALMEIDA 1987, 22). Embora este processo pas. a ter ol:orrido pontualmente, najgwnas regioes, (3.1) Ullll.l uutra l'oilst"ru" :1o ~!-.c.u vud (j. de planlu naqilu,;'ili t orn Ire, lul VC:\ c.:: tlrlhuldll 4.10 pc riodo ::>ucvico-bi7:-lnlj no (SOt:. 1\ i'j/ih (4).. guml<t P. do PJ iol," I ~ <!Cli He;o enl1'"'i1ll)al omlivc l do..ec. I. "'pre"'"i"ri" urn (10' Pi; ' 11(! 1Ill' j... lclllunho:\ i\rqut'ui6~ icn mon,lc'ato medfev.:ti bi'ip;;uuco (PALO ( K).

18 u v rdade e que.ste lipo de povoado ' lem uma eron I gia mai ' an liga, com parece doeumentado no vale do Cavado (MARTfNS 1988). o cha Olalla ' "casu'os agrieolas" do vale do Lima, I'uodado. no cambio da era, parec m as 'im reproduzir urn modelo anterior. lulvez g ncralizado na segunda m lade do primeiro milenio, um polleo' semelhaih;a d qu parece oeorr r lambem na Galiza, onde este tipo de povoados ofcreee uma eronologia pre -romana e consideravclment mai amp\a (CARBALLO ARCEO 1990). A. im, e alguns povoados de baixa al titude, indep ndentemente da sua fun y3.o, se gl;neralizuin em cerla. area~ uurant seculo I. outros hci, exactamente com a ' mesmas caract ri li as, qu sao abandonad S. ne sa epoca. 'em se romanizarcm. Parcee assim di leil correlacionar de lim modo linear, as povoados de baixa altitude com a romanizar;ao. com H di P r. ao populacional pelo ale ' com uma hipolctica alri buir;ao oficial do agel'. Se e diffcil valorizar 0 problema da romanizayao dos castro.. quando estes nao f ram objecto de e cavac;;6e. mai dineil se tom a explicar a sua s brt:viveneia e as ruzoes que ju 'tificam que 0 pov amenlo de raiz indfgcna continue a represemar uma modalidad de ocupa~ao relevant. Numa e cala alargada, compreendenuo 0 conjunto do Noroe le portugues, poderemos afirmar que 0 abandono dos povoad reprc enlotl urn fen6meno tendencial que ruzou os se ul dn 0 tlpa~a romana. na~ sendo partieularmente caract r.fstico de nenhum deles, muito embora p. sa lei' lido motivacroe' difcrentes. consoante os seculo ea' regi6cs. Verilica ~c ainda que a funda~ao d novo ea ll'o, ejam eles de ba ixa altitude. (;omo aconteee no vale do Lima, ou de tipo mais c1assico, como no cas de Mozinho, s re tring ao sec. I. Por ua vez, a r cupa~1io de antigos povoados eapenas observav I no Baixo Imperio. o p voamento concenlrado em povoado ' fort ificados pareee as 'im repre enlth sempre uma allernaliva imporlante na organiza<rao do mundo rural durante a ocupa\=a romana. Os mecan ismos e motiva90es que levaram asobrevivencia de muitos povoado pre-romanos, foram certamenle muilo variavei. em termos regionais. Razoes que se prendem com uma 10caliza9fto geo-eslralegica privilegiada de alguns povoados. a importanciu geo-p Iftiea de outro.. n ambito da organiza9ao terrilorial do populi e conlrolo da rede viiria p derao justificar a sua persisten ia. P la negativa. poderfamos admi tir que foram abandonados sobreludo os que 0 upavam posi'roe. secundana 87

19 na organizavao socio-polftica pre-romana. ou que pelo seu afasl amento em rela~iio aos e ixos viarios do perfodo romano, viram dificullada a sua sobrevivenci a, numa nova estrutura hierarqu ica e ocio-econ6mica. Assim, para comprecndemlos a pers i 'tencia do castros, temos for~osa mente que articular 0 fen6meno com 0 novo enquadramenl o politico e con6rnico da regiuo. A organizavao administraliva de Augusto e a c rj a~ao de civitates parece nao ter desencadeado imediatas consequencia}' a nivel d povoamento. Pelo conlntrio. a organizayao do l~n ' i t6rio, respeitando as grandes unidade ' etnicas, tera me rno bcneficiado as elites locais. que encontraram na nova estrutura, oportunidade para se valorizarem e reorganizarem, A administracyao romana, ao rcspeitar 0 e tatulo reo'ional dos pequeno ' chcfados indigenas, parece Ler criado as condi.6es necessaria para que fosscm eles os principai ' agentes da paz romana na regiao e os principais defensores do poder imperial. Cone dendo regalias sociais e econ6micas e a parlir dos fluvios, a propria cidadania, desde que parlicipassem no governo da cidade, a nova eslrutura politi 'a apenas acrificava as unidades etnica, menores, muitas detas ja dilufdas no seio dos principais populi da regiao (SILVA 1990). e te sentido, 0 de manlelamento da estnltura do poder inclfgena lradicionaj fez-se de um modo pacifico e sublil e com notorios benel'fci os para as elites ind(genas, que vieram a dar corpo aarislocracia regional. Este processo podera ler justifieado 0 abandono de alguns ca'tros de menor importancia estralegica e socio-poiftica, 'obretudo a parlir dos fiavios. Os caslto abandonados sem vesligios de romuniza<;ao caberao certamente dentro de:ta conjuntura de reorganiza~ao regional e de redefini9ao de lima nova hierarquia s cial e econ6mica cert<'lmente com repercussoes na eslrulura do povoamento. De f- cto. os povoados que sobrevivem, e silo ainda muitos. ja pouco deveriam signifiear em temlos 'ocio-potfli 0 '. A sua importfincia podera ter sido fundamentalmente eslrarcgica e econorn ica, em temlos meramente regionais. a ar a em anilise ob ervam- 'e inul11ero. povoados forlificados que pod TIl considerar-se J'OmaniLad,'. Eles parecem oeupar os melhores locais em term s geo-estrategicos, quer no que e refere ao povoamcnlo preromano, que.. nll I!poca r mana.

20 Duas conslanle, sao de assinalar: por urn lado,.' povoados romanizados cupam o. rc levos mais significativo da r giao. dom inando. frequente mente, quando assentam em e, poroes, duas bacins fluv iais importanles, ganm ti ndo a sim 0 conlrolo dos va les' por outro lado, parccem s r igualmente important s os po oados qu asseguram 0 control das vias romanas. situando-s em portelas c zonas de passag m. A ~ma.lise dos terri tori os teoricos de 'le povoado', concebido ' como um area circular de 2km de raio (Fig. 2), parece demonstrar que os seus e. pa~os eeon mic s terao sido irtualmenle man tido. Os no 0 ass ntamentos surgem quase sempre na p riferia desses me mo. territorio, Cllpando areas mais baixas, preferenciaimente adaptaclas a uma agricultura de lip intensiv. Por outro Jado, com excep930 dos povoados da franja litor' I. com alli tides mais baixas, os castros romaoizados estlio implantados na bordadura J as franjas montanhosa mais sig ni ficat iv 11~ da regiao. Tal facto. podera si&,1jlificar que a explo ra~ao do r curso de montanha tent fi ado basicamem adstricta a estas comunidades. que a 's im leriam m. nt ido areas importantes para 0 past reio, controlando simultan amenle rec ursos en r- Lic s e ci eg'tico. significativo. Sera de. upor qu 0, aglomerados indlgcna nao tera a1lerado substancial menle a sua economia lradieional, cujo produto eria ab. orvido no propno consumo das po p ula~6cs. No entanto. algumn e p ci a l iza~ao seria de e 'p rar, indi <;p nsavel a cria~ao de excedentes e riqueza que garantis 'em a integra~ao desres aglomerados nllma con mia de mercado. Parece pos 'IV 1 admili r que ssa riqueza fosse obtida por uma explorarrao mai~ intensiva de recllrsos cineget icos. energetico,,em speciaj da madeira. elemento indispensavel como combu 'Llvel e materjal d constru ~ao C, evcntualmenle, peln explonu;ao de p dr iras. A inlegra9ao da popula9ao indlgena, resid nle no, c lro ', nn ec n lin regional. poderia ai nda ser feila por parte dela conslituir uma importanle reserva de mao-de-obra as alariada. util izavel nn c nstru~ao. uu no trabalho da terra, especialmente nas unidades agro-pecu{trias que se in talam nn peri feria dos territorios dos castros. LIma presumfvel especializa<;ao de actividades c a envolvencia de parte da popula9ao inllfgena numa eeon mta de troca mai alargada, cont"eri u certamente a e tas comunidades uma raz avel imp rtancia con mica no quadro cia romaniza~ao.

Estratégico. III Seminário de Planejamento. Rio de Janeiro, 23 a 25 de fevereiro de 2011

Estratégico. III Seminário de Planejamento. Rio de Janeiro, 23 a 25 de fevereiro de 2011 Estratégico III Seminário de Planejamento Rio de Janeiro, 23 a 25 de fevereiro de 2011 G es tão Em pre sa rial O rie nta ção pa ra om erc ado Ino vaç ão et

Leia mais

(Às Co missões de Re la ções Exteriores e Defesa Na ci o nal e Comissão Diretora.)

(Às Co missões de Re la ções Exteriores e Defesa Na ci o nal e Comissão Diretora.) 32988 Quarta-feira 22 DIÁRIO DO SENADO FEDERAL Ou tu bro de 2003 Art. 3º O Gru po Parlamentar reger-se-á pelo seu regulamento in ter no ou, na falta deste, pela decisão da ma i o ria absoluta de seus mem

Leia mais

Ac esse o sit e w w w. d e ca c lu b.c om.br / es t u dos 2 0 1 5 e f a ç a s u a insc riçã o cl ica nd o e m Pa r t i c i p e :

Ac esse o sit e w w w. d e ca c lu b.c om.br / es t u dos 2 0 1 5 e f a ç a s u a insc riçã o cl ica nd o e m Pa r t i c i p e : INSCRIÇÕES ABERTAS ATÉ 13 DE JULH DE 2015! Ac esse o sit e w w w. d e ca c lu b.c om.br / es t u dos 2 0 1 5 e f a ç a s u a insc riçã o cl ica nd o e m Pa r t i c i p e : Caso vo cê nunca t e nh a pa

Leia mais

P R E G Ã O P R E S E N C I A L N 145/2010

P R E G Ã O P R E S E N C I A L N 145/2010 P R E G Ã O P R E S E N C I A L N 145/2010 D A T A D E A B E R T U R A : 2 9 d e d e z e m b r o d e 2 0 1 0 H O R Á R I O : 9:0 0 h o r a s L O C A L D A S E S S Ã O P Ú B L I C A: S a l a d a C P L/

Leia mais

GASTRONOMIA. Cer ti fi que-se de que está es cre ven do de acor do com o tema pro pos to e dê um tí tu lo a seu tex to.

GASTRONOMIA. Cer ti fi que-se de que está es cre ven do de acor do com o tema pro pos to e dê um tí tu lo a seu tex to. GASTRONOMIA Instruções Cer ti fi que-se de que está es cre ven do de acor do com o tema pro pos to e dê um tí tu lo a seu tex to. Res pe i te mar gens e en tra das de pa rá gra fo. Use as in for ma ções

Leia mais

Resolução de Matemática da Prova Objetiva FGV Administração - 06-06-10

Resolução de Matemática da Prova Objetiva FGV Administração - 06-06-10 QUESTÃO 1 VESTIBULAR FGV 010 JUNHO/010 RESOLUÇÃO DAS 15 QUESTÕES DE MATEMÁTICA DA PROVA DA MANHÃ MÓDULO OBJETIVO PROVA TIPO A O mon i tor de um note book tem formato retangular com a di ag o nal medindo

Leia mais

Resolução feita pelo Intergraus! Módulo Objetivo - Matemática FGV 2010/1-13.12.2009

Resolução feita pelo Intergraus! Módulo Objetivo - Matemática FGV 2010/1-13.12.2009 FGV 010/1-13.1.009 VESTIBULAR FGV 010 DEZEMBRO 009 MÓDULO OBJETIVO PROVA TIPO A PROVA DE MATEMÁTICA QUESTÃO 1 (Prova: Tipo B Resposta E; Tipo C Resposta C; Tipo D Resposta A) O gráfico abaio fornece o

Leia mais

Questionário sobre o Ensino de Leitura

Questionário sobre o Ensino de Leitura ANEXO 1 Questionário sobre o Ensino de Leitura 1. Sexo Masculino Feminino 2. Idade 3. Profissão 4. Ao trabalhar a leitura é melhor primeiro ensinar os fonemas (vogais, consoantes e ditongos), depois as

Leia mais

REGULAMENTO DE INSTALAÇÃO E FUNCIONAMENTO DOS ESTABELECIMENTOS DE HOSPEDAGEM No u s o d a c o mp e t ê n c i a p r e v i s t a al í n e a v ) d o n. º 1 d o ar t i g o 64º d o De c r e t o -Le i n. º 1

Leia mais

PATR IMÔNIO PALEONTOLÓG IC O

PATR IMÔNIO PALEONTOLÓG IC O PATR IMÔNIO PALEONTOLÓG IC O O s depós itos fos s ilíferos, o s s ítios paleontológ icos (paleobiológicos ou fossilíferos) e o s fós s eis q u e a p r e s e n ta m valores científico, educativo o u cultural

Leia mais

O P a pel da M ídia no C o ntro le da s P o lític a s de S a úde

O P a pel da M ídia no C o ntro le da s P o lític a s de S a úde B ra s ília, 26 de s etem bro de 2009 C o ntro le da s P o lític a s de L uiz R ibeiro FU N Ç Ã O D O J O R N A L I S M O J o r n a lis m o é a a tiv id a d e p r o fis s io n a l q u e c o n s is te e

Leia mais

RESULTADOS DA PESQUISA DE SATISFAÇÃO DO USUÁRIO EXTERNO COM A CONCILIAÇÃO E A MEDIAÇÃO

RESULTADOS DA PESQUISA DE SATISFAÇÃO DO USUÁRIO EXTERNO COM A CONCILIAÇÃO E A MEDIAÇÃO RESULTADOS DA PESQUISA DE SATISFAÇÃO DO USUÁRIO EXTERNO COM A CONCILIAÇÃO E A MEDIAÇÃO 1. RESULTADOS QUESTIONÁRIO I - PARTES/ CONCILIAÇÃO 1.1- QUESTIONÁRIO I - PARTES/ CONCILIAÇÃO: AMOSTRA REFERENTE AS

Leia mais

P i s cina s : 2 P i s ci n a e x te rior de á g u a d e m a r a q u e cida P i s ci n a i n te ri or d e á g u a

P i s cina s : 2 P i s ci n a e x te rior de á g u a d e m a r a q u e cida P i s ci n a i n te ri or d e á g u a E M P R IM E I R A MÃO T h e O i ta v os é o e x c lu s i v o h o te l d e 5 e s tre la s q u e co m p le t a e v a l ori za a ofe rta d a Q u i n ta d a M a ri n h a, co n s olid a n d o -a c om o d e

Leia mais

Casa, acolhida e libertação para as primeiras comunidades

Casa, acolhida e libertação para as primeiras comunidades PNV 289 Casa, acolhida e libertação para as primeiras comunidades Orides Bernardino São Leopoldo/RS 2012 Centro de Estudos Bíblicos Rua João Batista de Freitas, 558 B. Scharlau Caixa Postal 1051 93121-970

Leia mais

10.1 Objetivos, Conceitos e Funções. Os obje ti vos prin ci pais do con tro le orça men tá rio são: Responsabilidade pelo Controle Orçamentário

10.1 Objetivos, Conceitos e Funções. Os obje ti vos prin ci pais do con tro le orça men tá rio são: Responsabilidade pelo Controle Orçamentário Capítulo 10 Controle Orçamentário Essa etapa acon te ce após a exe cu ção das tran sa ções dos even tos eco nô mi cos pre vis - tos no plano orça men tá rio. Não se con ce be um plano orça men tá rio sem

Leia mais

soluções sustentáveis soluções sustentáveis

soluções sustentáveis soluções sustentáveis soluções sustentáveis 1 1 1 2 3 KEYAS S OCIADOS UNIDADES DE NEGÓCIO ALGUNS CLIENTES 2 2 1 2 3 KEYAS S OCIADOS UNIDADES DE NEGÓCIO ALGUNS CLIENTES 3 3 APRES ENTAÇÃO A KEYAS S OCIADOS a tu a d e s d e 1

Leia mais

MÃE. M esmo q u e o s eu f ilho j á t enha sido regi strad o procu r e o cartóri o d e R egi stro Civil de

MÃE. M esmo q u e o s eu f ilho j á t enha sido regi strad o procu r e o cartóri o d e R egi stro Civil de APRESENTAÇÃO O T r i b u n a l d e J u st i ç a d e S ã o P a u l o d e s e n v o l ve, d e s d e 2 0 0 7, o P r o j e to P a t e r n i d a d e R e s p o n s á v e l. S u a d i s c i p l i n a e s t á

Leia mais

Fabiano Leoni. William Corbo

Fabiano Leoni. William Corbo Fabiano Leoni William Corbo O CURSO Este é um curso pensado especialmente para líderes inquietos e cheios de vontade de mergulhar fundo em PESSOAS. O curso Cultura & Encantamento pretende fornecer importantes

Leia mais

Oferta Significado 2011. Candidaturas POPH 3.2, 8.3.2 e 9.3.2 Formação para a Inovação e Gestão. Setembro 2011

Oferta Significado 2011. Candidaturas POPH 3.2, 8.3.2 e 9.3.2 Formação para a Inovação e Gestão. Setembro 2011 Oferta Significado 2011 Candidaturas POPH 3.2, 8.3.2 e 9.3.2 Formação para a Inovação e Gestão Setembro 2011 Data para submissão das Candidaturas: Até 10 de Outubro 2011 Financiamento Formação Geral Micro

Leia mais

PADRÕES DE VIDA DOS ESTUDANTES UNIVERSITÁRIOS NOS PROCESSOS DE TRANSIÇÃO PARA A VIDA ADULTA

PADRÕES DE VIDA DOS ESTUDANTES UNIVERSITÁRIOS NOS PROCESSOS DE TRANSIÇÃO PARA A VIDA ADULTA PADRÕES DE VIDA DOS ESTUDANTES UNIVERSITÁRIOS NOS PROCESSOS DE TRANSIÇÃO PARA A VIDA ADULTA Rosário Mauritti Resumo Este artigo começa por analisar a influência das origens sociais nas trajectórias de

Leia mais

Correção da Unicamp 2009 2ª fase - Matemática feita pelo Intergraus. 14.01.2009

Correção da Unicamp 2009 2ª fase - Matemática feita pelo Intergraus. 14.01.2009 MATEMÁTICA 1. O transporte de carga ao porto de Santos é feito por meio de rodovias, ferrovias e dutovias. A tabela abaixo for ne ce al guns da dos re la ti vos ao trans por te ao por to no pri me i ro

Leia mais

VESTIBULAR UNICAMP 2010-1ª FASE - NOVEMBRO/2009

VESTIBULAR UNICAMP 2010-1ª FASE - NOVEMBRO/2009 VESTIBULAR UNICAMP 2010-1ª FASE - NOVEMBRO/2009 Comentário da Redação Nes te ano, a pro va de Re da ção da Uni camp foi ex ce len te. Em pri me i ro lu gar, pelo res pe i to ao for ma to tra di ci o nal

Leia mais

MATERIAL DO ALUNO PARA RECORTAR

MATERIAL DO ALUNO PARA RECORTAR MATERIAL DO ALUNO PARA RECORTAR O Sonho de Renato O Sonho de Renato a e i o u A E I O U so nho de Re na to Eu sou Renato Valadares Batista. Tenho 14 anos. Sou filho de Pedro Batista e Luzia Valadares.

Leia mais

REFORMA POLÍTICA. Capítulo VI

REFORMA POLÍTICA. Capítulo VI REFORMA POLÍTICA Capítulo VI REFORMA QUE O GOVERNO LULA E O CONGRESSO NACIONAL DEVEM PRIORIZAR [espontânea e única, em %] Pe so 1 0 0 % Re fe rê ncia s a re form a s Re form a Agrá ria 7 Re form a Tra

Leia mais

n o m urd ne Hel e n o mis

n o m urd ne Hel e n o mis Em nosso cotidiano existem infinitas tarefas que uma criança autista não é capaz de realizar sozinha, mas irá torna-se capaz de realizar qualquer atividade, se alguém lhe der instruções, fizer uma demonstração

Leia mais

DATAPREV Divisão de Gestão Operacional e Controle - D1GC Serviço Técnico a Softwares de Produção STSP

DATAPREV Divisão de Gestão Operacional e Controle - D1GC Serviço Técnico a Softwares de Produção STSP GIS Gertran Integration Suite Guia de T ransferência de Arquivos Entidade x DATAPREV Versão 1.0 HTTPS G I S G ui a de T ra n sf er ên ci a d e Ar qu i vo s 1/ 8 ÍNDICE ANALÍT ICO 1. INTRODU ÇÃO......4

Leia mais

1. A cessan do o S I G P R H

1. A cessan do o S I G P R H 1. A cessan do o S I G P R H A c esse o en de reç o w w w.si3.ufc.br e selec i o ne a o p ç ã o S I G P R H (Siste m a I n te g ra d o de P la ne ja m e n t o, G estã o e R e c u rs os H u m a n os). Se

Leia mais

Embarque no Turismo O Papel do Turismo no Desenvolvimento do País

Embarque no Turismo O Papel do Turismo no Desenvolvimento do País Embarque no Turismo O Papel do Turismo no Desenvolvimento do País Belo Horizonte/MG, 21 de junho de 2010 Segmentação A s eg mentação es tá pres ente em todos os mercados, incluindo o mercado do turis mo;

Leia mais

andréa del fuego os malaquias

andréa del fuego os malaquias andréa del fuego os malaquias 1 Serra Morena é ín gre me, úmi da e fértil. Aos pés de la vi vem os Malaquias, ja ne la com ta manho de porta, porta com autoridade de madeira escura. Corre, Adolfo! Donana

Leia mais

Si Mesmo. Logosófica. Carlos Bernardo González Pecotche. Editora RAUMSOL

Si Mesmo. Logosófica. Carlos Bernardo González Pecotche. Editora RAUMSOL Carlos Bernardo González Pecotche RAUMSOL A Herança de Si Mesmo Editora Logosófica A HerAnçA de Si Mesmo Ao publicar o presente tra balho, o autor levou em conta a repercussão que ele pode alcançar no

Leia mais

O siste ma foi de se nvolvido e m C # atra vé s da fe rrame nta Microsoft Visual S tudio 2008. Banco de dados Microsoft S QL S e rve r 2008 r2

O siste ma foi de se nvolvido e m C # atra vé s da fe rrame nta Microsoft Visual S tudio 2008. Banco de dados Microsoft S QL S e rve r 2008 r2 His tó ric o O de s e nvolvime nto do S is te ma Voto E le trônico do Ministé rio P úblico do E stado de S ão P aulo te ve s e u início e m 2009 com a fina lidade de automatiza r os proce ssos e le itorais

Leia mais

Quadro de conteúdos. Eu Gosto M@is Integrado 1 o ano. Lição 1 As crianças e os lugares onde vivem

Quadro de conteúdos. Eu Gosto M@is Integrado 1 o ano. Lição 1 As crianças e os lugares onde vivem Quadro de conteúdos Eu Gosto M@is Integrado 1 o ano Língua Portuguesa Matemática História Geografia Ciências Naturais Arte Inglês ABC da passarinhada O alfabeto Quantidade A ideia de quantidade Eu, criança

Leia mais

A Gonçalves no México I N F O R M A

A Gonçalves no México I N F O R M A I N F O R M A Novembro de 2007 Depois de atuar por quase três anos no México com um escritório comercial, a Gonçalves investe em uma unidade industrial no país, que entrará em operação no início de 2008.

Leia mais

U N I V E R S I D A D E F E D E R A L D O P A R A N Á L E T Í C I A M A R I A G R O B É R I O

U N I V E R S I D A D E F E D E R A L D O P A R A N Á L E T Í C I A M A R I A G R O B É R I O U N I V E R S I D A D E F E D E R A L D O P A R A N Á L E T Í C I A M A R I A G R O B É R I O A B O R T O : U M A Q U E S T Ã O M O R A L, L E G A L, C U L T U R A L E E C O N Ô M I C A C U R I T I B A

Leia mais

White Paper. Boas Práticas de E-mail Marketing

White Paper. Boas Práticas de E-mail Marketing White Paper Boas Práticas de E-mail Marketing Saiba como alguns cuidados simples podem melhorar os resultados de suas campanhas de e-mail marketing Para garantir a qualidade no mix de comunicação atual,

Leia mais

Tópicos Quem é é a a PP aa nn dd ui t t?? PP oo rr qq ue um CC aa bb ea men tt oo PP er ff oo rr ma nn cc e? dd e AA ll tt a a Qua ll ii dd aa dd e e PP aa nn dd ui t t NN et ww oo rr k k II nn ff rr aa

Leia mais

Correção da Unicamp 2010 2ª fase - Física feita pelo Intergraus. 12.01.2010

Correção da Unicamp 2010 2ª fase - Física feita pelo Intergraus. 12.01.2010 da Unicamp 010 ª fase - Física 1.01.010 UNICAMP 010 - FÍSICA Esta prova aborda fenômenos físicos em situações do cotidiano, em experimentos científicos e em avanços tecnológicos da humanidade. Em algumas

Leia mais

NPQV Variável Educação Prof. Responsáv el : Ra ph a el B i c u d o

NPQV Variável Educação Prof. Responsáv el : Ra ph a el B i c u d o NPQV Variável Educação Prof. Responsáv v el :: Ra ph aa el BB ii cc uu dd o ATIVIDADES DESENVOLVIDAS NA ÁREA DE EDUCAÇÃO 2º Semestre de 2003 ATIVIDADES DESENVOLVIDAS NA ÁREA DE EDUCAÇÃO As atividades realizadas

Leia mais

UNICAMP 2012 (2ª Fase)

UNICAMP 2012 (2ª Fase) 1. Re so lu ção (se rá con si de ra do ape nas o que es ti ver den tro des te es pa ço). a)...in te res se do pú bli co (L1): Tra ta-se de um subs tan ti vo pos to que de ter mi na do pe lo ar ti go o,

Leia mais

RELAÇÕES ENTRE MUNDO RURAL E MUNDO URBANO Evolução histórica, situação actual e pistas para o futuro

RELAÇÕES ENTRE MUNDO RURAL E MUNDO URBANO Evolução histórica, situação actual e pistas para o futuro RELAÇÕES ENTRE MUNDO RURAL E MUNDO URBANO Evolução histórica, situação actual e pistas para o futuro João Ferrão Resumo As visões recentes sobre o mundo rural revelam grande permeabilidade à ideia de património

Leia mais

J u i n 2 0 0 9 L e ttr e d 'i n fo r m a ti o n n 1 9 E d i to r i al E p p u r si m u o ve «E t p o u r ta n t e l l e b o u g e» m u r m u r a G a l l i l é e s u r s o n c h a m p e s t l a r g e.

Leia mais

Prefeitura Municipal de Gavião-BA

Prefeitura Municipal de Gavião-BA Edição Nº Nº 024/2012 030/2012 Segunda-Feira Quinta-Feira 08 26 de Março Junho de 2012 Rua Irmã Dulce, nº 370 Gavião Bahia CEP: 44650-000. Tel/Fax: 75.3682 2271 CNPJ: 13.233.036/0001-67 www.gaviao.ba.gov.br

Leia mais

MODALIDADES DE INSERÇÃO PROFISSIONAL DOS QUADROS SUPERIORES NAS EMPRESAS

MODALIDADES DE INSERÇÃO PROFISSIONAL DOS QUADROS SUPERIORES NAS EMPRESAS MODALIDADES DE INSERÇÃO PROFISSIONAL DOS QUADROS SUPERIORES NAS EMPRESAS João Pedro Cordeiro Resumo O presente artigo versa sobre as práticas de gestão de recursos humanos pelas empresas, e mais especificamente

Leia mais

www.investorbrasil.com

www.investorbrasil.com Proposta curso preparatório para CPA 20 - ANBIMA www.investorbrasil.com Apresentação INVESTOR APRESENTAÇÃO A INVESTOR é uma escola que nasceu da necessidade das pessoas aprenderem as ferramentas e instrumentos

Leia mais

SISTEMA MODULAR DE FOLHA DE PAGAMENTO

SISTEMA MODULAR DE FOLHA DE PAGAMENTO SISTEMA MODULAR DE FOLHA DE PAGAMENTO TERMO DE ABERTURA DO PROJETO... 5 P A R T I C I P A N T E S... 5 I D E N T I F I C A Ç Ã O D O P R O J E T O... 5 Nome e Sigla do Projeto... 5 Cliente e Representante...

Leia mais

Prgrmçã O Mu s u Év r, p r l ém f rcr s s i g ns «vi s i t s cl áss i cs» qu cri m s p nt s c nt ct nt r s di v rs s p úb l ic s qu vi s it m s c nt ú d s d s u ri c s p ó l i, p r cu r, c nc m i t nt

Leia mais

C ontextualização his tórica da operacionalização da R es olução C onama 258/99 1/19

C ontextualização his tórica da operacionalização da R es olução C onama 258/99 1/19 C ontextualização his tórica da operacionalização da R es olução C onama 258/99 1/19 C iclo de vida : Do pneu novo ao pneu us ado FABRICAÇÃO IMPORTAÇÃO MERCADO Pneus Novos EXPORTADOS Pneus novos Fora do

Leia mais

Correção da Unicamp 2010 2ª fase - Geografia feita pelo Intergraus. 12.01.2010

Correção da Unicamp 2010 2ª fase - Geografia feita pelo Intergraus. 12.01.2010 UNICAMP 2010 - GEOGRAFIA 13. Ob serve o gráfico abaixo e responda às questões: a) Indi que a(s) re gião(ões) do glo bo com ta xa de es pe ran ça de vi da ao nas cer in fe ri or à mé dia mun di al, nos

Leia mais

w w w. v o c e s a. c o m. b r SEFAZ BAHIA

w w w. v o c e s a. c o m. b r SEFAZ BAHIA sumário executivo w w w. v o c e s a. c o m. b r w w w. e x a m e. c o m. b r melhores empresas para você trabalhar São Pau lo, setembro de 2010. Pre za do(a) Sr(a)., SEFAZ BAHIA Em pri mei ro lu gar,

Leia mais

lh e c o n fe re o in c is o II d o a rt. 4 º d o Re g u la m e n to d o D e p a rta m e n to -G e ra l d o Pe s s o a l (R-1 56 ), a p ro v a d o

lh e c o n fe re o in c is o II d o a rt. 4 º d o Re g u la m e n to d o D e p a rta m e n to -G e ra l d o Pe s s o a l (R-1 56 ), a p ro v a d o PORTARIA Nº 1 6 4 -D G P, D E 4 D E NOV E M B RO D E 2 0 1 1. Alte ra a d is trib u iç ã o d e e fe tiv o d e m ilita re s te m p o rá rio s, p a ra o a n o d e 2 0 1 1. O CHEFE DO DEPARTAMENTO-GERAL DO

Leia mais

EDITAL Nº 01 / 2 011 DE 2 8 DE FEVERE IRO DE 2 0 1 1 CONCURSO PARA I NGRES SO EM ESTÁG IO NA ÁREA DE D IRE ITO

EDITAL Nº 01 / 2 011 DE 2 8 DE FEVERE IRO DE 2 0 1 1 CONCURSO PARA I NGRES SO EM ESTÁG IO NA ÁREA DE D IRE ITO EDITAL Nº 01 / 2 011 DE 2 8 DE FEVERE IRO DE 2 0 1 1 CONCURSO PARA I NGRES SO EM ESTÁG IO NA ÁREA DE D IRE ITO A Co o r d e n a ç ã o d e E s t á g i o d a P r o c u r a d o r i a d a R e p ú b l i c a

Leia mais

. D A D O S I N I C I A I S 1.1 N a t u r e z a e fi n a l i d a d e d a e d i f i c a ç ã o : i n d i ca r o ti p o d e e d ifi ca ç ã o ( e x : e s c o l a r u r a l co m 0 2 s a l a s, e sc o la u r

Leia mais

KEITH CAMERON SMITH. As 10 principais diferenças entre os milionários e a classe média

KEITH CAMERON SMITH. As 10 principais diferenças entre os milionários e a classe média KEITH CAMERON SMITH As 10 principais diferenças entre os milionários e a classe média Prefácio Por que es cre vi es te livro? Três mo ti vos me le va ram a es cre ver es te li vro. O pri - meiro foi a

Leia mais

RESOLUÇÃO Matemática APLICADA FGV Administração - 24.10.10

RESOLUÇÃO Matemática APLICADA FGV Administração - 24.10.10 VESTIBULAR FGV 2011 OUTUBRO/2010 RESOLUÇÃO DAS 10 QUESTÕES DE MATEMÁTICA APLICADA QUESTÃO 1 O gráfico no plano cartesiano expressa a alta dos preços médios de televisores de tela plana e alta definição,

Leia mais

A N E X O P L A N O M U N I C I P A L D E E D U C A Ç Ã O 2 0 1 5 2024

A N E X O P L A N O M U N I C I P A L D E E D U C A Ç Ã O 2 0 1 5 2024 E S T A D O D E S A N T A C A T A R I N A P R E F E I T U R A M U N I C I P A L D E M A J O R V I E I R A S E C R E T A R I A M U N I C I P A L D E E D U C A Ç Ã O, C U L T U R A E D E S P O R T O C N

Leia mais

o bje tiv o f in a l d o C oa c h in g é fa z e r c o m qu e o s c lie n te s t o rn e m -s e a u tô no m o s.

o bje tiv o f in a l d o C oa c h in g é fa z e r c o m qu e o s c lie n te s t o rn e m -s e a u tô no m o s. O r ie n ta ç õ e s In i ci ai s E u, R ic k N e ls o n - P e rs on a l & P rof e s s io n al C o a c h - a c re dito qu e o o bje tiv o f in a l d o C oa c h in g é fa z e r c o m qu e o s c lie n te

Leia mais

Cadastro Territorial Multifinalitário no planejamento e gestão territorial urbana

Cadastro Territorial Multifinalitário no planejamento e gestão territorial urbana Mundo Geo Connect Seminário Geotecnologia na Gestão Municipal Sessão Desafios para as Prefeituras: o CTM como instrumento de política fiscal e urbana São Paulo, 16 de junho de 2011 Cadastro Territorial

Leia mais

IN S A In s titu t N a tio n a l

IN S A In s titu t N a tio n a l IN S A : U m a re d e d e 5 e s c o la s s u p e rio re s d e e n g e n h a ria O INS A de Rennes existe desde 1966 R ouen O INS A de Rouen existe desde 1985 O INS A de S trasbourg existe desde 2003 R

Leia mais

HABERMAS E A ESFERA PÚBLICA: RECONSTRUINDO A HISTÓRIA DE UMA IDEIA

HABERMAS E A ESFERA PÚBLICA: RECONSTRUINDO A HISTÓRIA DE UMA IDEIA HABERMAS E A ESFERA PÚBLICA: RECONSTRUINDO A HISTÓRIA DE UMA IDEIA Filipe Carreira da Silva Resumo Este artigo tem por objectivo discutir a noção de esfera pública proposta por Jürgen Habermas. Para tanto,

Leia mais

UM MODELO DE ANÁLISE DA DRAMATIZAÇÃO NA IMPRENSA ESCRITA

UM MODELO DE ANÁLISE DA DRAMATIZAÇÃO NA IMPRENSA ESCRITA UM MODELO DE ANÁLISE DA DRAMATIZAÇÃO NA IMPRENSA ESCRITA Pedro Diniz de Sousa Resumo Parte-se de uma definição do conceito de dramatização e da identificação das funções que o discurso dramático pode desempenhar

Leia mais

LEI Nº 5.869, DE 11 DE JANEIRO DE 1973. Insti tui o Código de Processo Ci vil.

LEI Nº 5.869, DE 11 DE JANEIRO DE 1973. Insti tui o Código de Processo Ci vil. Outubro de 2003 DIÁRIO DO SENADO FEDERAL Sexta-feira 31 34351 ares, me diante a exibição de ofí cio ou mandado em forma regular. 1º So men te se ex pe di rá pre ca tó ria, quando, por essa for ma, for

Leia mais

White Paper. Flexibilidade e economia na era IP

White Paper. Flexibilidade e economia na era IP White Paper Flexibilidade e economia na era IP Saiba como utilizar as tecnologias mais modernas de comunicação de voz pela internet para conseguir mais economia e rapidez em telefonia para sua empresa

Leia mais

AGÊNCIA AMBIENTAL FEDERAL AMERICANA - USEPA

AGÊNCIA AMBIENTAL FEDERAL AMERICANA - USEPA AGÊNCIA AMBIENTAL FEDERAL AMERICANA - USEPA Emenda ao 40 CFR Parts 261, 266, 268 e 271 Documento: FERTILIZANTES À BASE DE ZINCO PRODUZIDOS A PARTIR DE MATERIAL SECUNDÁRIO PERIGOSO Julho/2002 S U M Á R

Leia mais

A Prefeitura Municipal de Santa Barbara, Estado Da Bahia, Visando a Transparência dos Seus Atos Vem PUBLICAR.

A Prefeitura Municipal de Santa Barbara, Estado Da Bahia, Visando a Transparência dos Seus Atos Vem PUBLICAR. Edição Nº Nº 030/2012 00004 Sexta-Feira Quit-Feira 08 11 de Março Janeiro de de 2012 2013 A Prefeitura Municipal de Santa Barbara, Estado Da Bahia, Visando a Transparência dos Seus Atos Vem PUBLICAR. Nº

Leia mais

Uni ver si da de lan ça gri fe com a mar ca PUC Mi nas

Uni ver si da de lan ça gri fe com a mar ca PUC Mi nas Informativo mensal da unidade Contagem da PUC Minas nº 78 Agosto de 2008 Uni ver si da de lan ça gri fe com a mar ca PUC Mi nas Com três li nhas de pro du tos bá si ca, es cri tó rio e es por ti va, a

Leia mais

dos novos d e s e n v o I v i m e n t o s urbanos nas malhas i n f r a - e s t r u t u r a i s

dos novos d e s e n v o I v i m e n t o s urbanos nas malhas i n f r a - e s t r u t u r a i s REPUBLICA DEMOCRÁTICA WÍ DE SÃO TOME E PRÍNCIPE ( U nidade'disciplina-trabalho) GOVE RN O DECRETO-LEl N.' 029/2014 No âmbito do p roje cto de "Ap o io ao Desenvolvimento urbano em São Tomé e Príncìpe",

Leia mais

Programa Copa do Mundo 2014

Programa Copa do Mundo 2014 Programa Copa do Mundo 2014 Programa Copa do Mundo 2014 Gerente do Programa: Mario Queiroz Guimarães Neto Rede do Programa: Rede de Cidades Objetivo do Programa: Organizar com excelência os eventos FIFA

Leia mais

O USO DAS FÁBULAS NO ENSINO DE ESPANHOL COMO LÍNGUA ESTRANGEIRA (E/LE) Uma experiência com alunos do 3ª ano do fundamental I.

O USO DAS FÁBULAS NO ENSINO DE ESPANHOL COMO LÍNGUA ESTRANGEIRA (E/LE) Uma experiência com alunos do 3ª ano do fundamental I. O USO DAS FÁBULAS NO ENSINO DE ESPANHOL COMO LÍNGUA ESTRANGEIRA (E/LE) Uma experiência com alunos do 3ª ano do fundamental I. DAN TAS 1, Jessica Soares SILVA 2, Mykeline Vieira da CCHLA/ DLEM/ PROBEX RES

Leia mais

E mpresa B rasileira de S erviços Hospitalares EBS ER H. Plano de Ação

E mpresa B rasileira de S erviços Hospitalares EBS ER H. Plano de Ação E mpresa B rasileira de S erviços Hospitalares EBS ER H Plano de Ação 1 C O N T E X TO (R es ulta do s R E H U F) D es de s ua c o nc epç ã o o R E H U F tem a tua do : N a fo rm a de Fina nc ia m ento

Leia mais

IMPLICAÇÕES DEMOCRÁTICAS DAS ASSOCIAÇÕES VOLUNTÁRIAS O caso português numa perspectiva comparativa europeia

IMPLICAÇÕES DEMOCRÁTICAS DAS ASSOCIAÇÕES VOLUNTÁRIAS O caso português numa perspectiva comparativa europeia IMPLICAÇÕES DEMOCRÁTICAS DAS ASSOCIAÇÕES VOLUNTÁRIAS O caso português numa perspectiva comparativa europeia José Manuel Leite Viegas Introdução Na úl ti ma dé ca da do sé cu lo pas sa do as sis tiu-se

Leia mais

O trabalho com textos na alfabetização de crianças do 1º e 2º anos do ensino fundamental

O trabalho com textos na alfabetização de crianças do 1º e 2º anos do ensino fundamental O trabalho com textos na alfabetização de crianças do 1º e 2º anos do ensino fundamental Izac Trindade Coelho 1 1. I n t r o d u ç ão Ai de mim, ai das crianças abandonadas na escuridão! (Graciliano Ramos)

Leia mais

En si no de jor na lis mo no Bra sil: re fle xões so bre a for ma ção do jor na lis ta

En si no de jor na lis mo no Bra sil: re fle xões so bre a for ma ção do jor na lis ta QUÓ RUM ACA DÉ MI CO Vol. 11 Nº 1, ene ro-junio 2014, Pp. 11-23 Uni ver si dad del Zu lia ISSN 1690-7582 En si no de jor na lis mo no Bra sil: re fle xões so bre a for ma ção do jor na lis ta Ma ría Eli

Leia mais

Sa i ba mais so bre Fator Previdenciário Págs. 10 a 13. O que você pre ci sa saber sobre re ci cla gem de lixo Pág. 20

Sa i ba mais so bre Fator Previdenciário Págs. 10 a 13. O que você pre ci sa saber sobre re ci cla gem de lixo Pág. 20 Sa i ba mais so bre Fator Previdenciário Págs. 10 a 13 O que você pre ci sa saber sobre re ci cla gem de lixo Pág. 20 To dos so mos igua is, ape nas te - mos di fi cul da des di fe ren tes. Le o nar do

Leia mais

1 3Centrs e PP esq is II DD C n MM n Astr l i Astri C h i n Re. C h e H n g K n g F i n l n i I n i F rn 0 4 C n I n n si Al e m n h E st s U n i s I

1 3Centrs e PP esq is II DD C n MM n Astr l i Astri C h i n Re. C h e H n g K n g F i n l n i I n i F rn 0 4 C n I n n si Al e m n h E st s U n i s I 1 3Mr P e re s, R e s e r h D i re t r I D C B rs i l Br 0 0metr Cis e Bn L rg n Brsil, 2005-201 0 R e s l t s P ri m e i r T ri m e s t re e 2 0 0 7 Prer r Prer r Met e Bn Lrg em 2 0 1 0 n Brs i l : 10

Leia mais

REVIS TA CONTATO LEITOR GALERIA COLUNAS EDIÇÕES ANTIGAS ASSINATURA. 30/7/2014 Salão de Gramado encerra nesta quinta-feira.

REVIS TA CONTATO LEITOR GALERIA COLUNAS EDIÇÕES ANTIGAS ASSINATURA. 30/7/2014 Salão de Gramado encerra nesta quinta-feira. Q u a, 3 0 d e J u l h o d e 2 0 1 4 search... REVIS TA CONTATO LEITOR GALERIA COLUNAS EDIÇÕES Selecione a Edição ANTIGAS C l i q u e n o l i n k a b a i xo p a r a a c e s s a r a s e d i ç õ e s a n

Leia mais

======================== ˆ_ ˆ«

======================== ˆ_ ˆ« Noss fest com Mri (Miss pr os simpes e pequenos, inspirdo em Jo 2,112) ( Liturgi I Puus) 1) eebremos n egri (bertur) Rgtime & c m m.. _ m m.. _ e e bre mos n_ e gri, nos s fes t com M ri : & _.. _ º....

Leia mais

Construmat Barcelona

Construmat Barcelona Construmat Barcelona 20 a 24/04/2009 Realização Salvador Benevides Diretor de Rel açõ es Int ernaci onais e Co orden ad or do Pr oj et o de In ov açã o Tecn ológic a da CB IC Coordenação Alexandre Luis

Leia mais

In for má ti ca, ar qui vos, me mó ria, in ter net.

In for má ti ca, ar qui vos, me mó ria, in ter net. UMA MEMÓRIA PARA A TECNOLOGIA Fa us to Co lom bo Re su mo O tema da me mó ria, quan do as so ci a do ao das no vas tec no lo gi as, pro duz in te res san tes cor re la ções na me di da em que a in for

Leia mais

'!"( )*+%, ( -. ) #) 01)0) 2! ' 3.!1(,,, ".6 )) -2 7! 6)) " ) 6 #$ ))!" 6) 8 "9 :# $ ( -;!: (2. ) # )

'!( )*+%, ( -. ) #) 01)0) 2! ' 3.!1(,,, .6 )) -2 7! 6))  ) 6 #$ ))! 6) 8 9 :# $ ( -;!: (2. ) # ) !" #$%&& #% 1 !"# $%& '!"( )*+%, ( -. ) #) /)01 01)0) 2! ' 3.!1(,,, " 44425"2.6 )) -2 7! 6)) " ) 6 #$ ))!" 6) 4442$ ))2 8 "9 :# $ ( -;!: (2. ) # ) 44425"2 ))!)) 2() )! ()?"?@! A ))B " > - > )A! 2CDE)

Leia mais

Proposta de Revisão Metodológica

Proposta de Revisão Metodológica Proposta de Revisão Metodológica Gestão do Desempenho Dezembro de 20 DIDE/SVDC Propostas para 202 Nova sist em át ic a de pac t uaç ão e avaliaç ão de m et as set oriais e de equipe; Avaliaç ão de De s

Leia mais

White Paper. Datas Comemorativas. Calendário 2011 de datas comemorativas para campanhas sazonais

White Paper. Datas Comemorativas. Calendário 2011 de datas comemorativas para campanhas sazonais Datas Comemorativas White Paper Calendário 2011 de datas comemorativas para campanhas sazonais As datas comemorativas podem ser exploradas para rentabilizar o seu comércio, seja ele físico ou online. Dedique

Leia mais

O papel da mãe no desenvolvimento da criança

O papel da mãe no desenvolvimento da criança O papel da mãe no desenvolvimento da criança O pa pel d a m ãe no desenv olvim ento de um a cr i a n ça é i m portante pois esta é quem lhe v ai d ar as d efesas que n e cessita, assim como, tem o dever

Leia mais

10 motivos para investir e se apaixonar

10 motivos para investir e se apaixonar 10 motivos para investir e se apaixonar CONHEçA UM POUCO MAIS SObRE A CIDADE que NãO PARA DE CRESCER E que TEM TUDO PARA fazer O MESMO PELA SUA EMPRESA. o Brasil está se firmando como um gigante do desenvolvimento

Leia mais

CONHECIMENTOS TRADICIONAIS E PROPRIEDADE INTELECTUAL

CONHECIMENTOS TRADICIONAIS E PROPRIEDADE INTELECTUAL CONHECIMENTOS TRADICIONAIS E PROPRIEDADE INTELECTUAL Miguel Correia Pinto e Manuel Mira Godinho Resumo Com os avanços nos domínios da biotecnologia registados nas décadas mais recentes, os conhecimentos

Leia mais

Boa Pro va! INSTRUÇÕES

Boa Pro va! INSTRUÇÕES INSTRUÇÕES Escreva um texto argumentativo. Seu texto deve apresentar introdução, desenvolvimento e conclusão. Cer ti fi que-se de ha ver es co lhi do um dos te mas pro pos tos e dê um tí tu lo a seu tex

Leia mais

A Prefeitura Municipal de Conceição da Feira, Estado Da Bahia, Visando a Transparência dos Seus Atos Vem PUBLICAR.

A Prefeitura Municipal de Conceição da Feira, Estado Da Bahia, Visando a Transparência dos Seus Atos Vem PUBLICAR. Edição Nº Nº 030/2012 00034 Sexta-Feira Quit-Feira 22 08 de de Fevereiro Março de 2012 2013 A Prefeitura Municipal de Conceição da Feira, Estado Da Bahia, Visando a Transparência dos Seus Atos Vem PUBLICAR.

Leia mais

PLANOS DIRETORES REGIONAIS PLANEJAR UMA BH MELHOR PARA TODOS

PLANOS DIRETORES REGIONAIS PLANEJAR UMA BH MELHOR PARA TODOS PLANOS DIRETORES REGIONAIS PLANEJAR UMA BH MELHOR PARA TODOS Realização Secretaria Municipal de Governo Secretaria Municipal Adjunta de Gestão Compartilhada Secretaria Municipal de Desenvolvimento Secretaria

Leia mais

Q UA N TO ELA REALMENTE C U S TA PA RA A SUA EMPRESA?

Q UA N TO ELA REALMENTE C U S TA PA RA A SUA EMPRESA? Q UA N TO ELA REALMENTE C U S TA PA RA A SUA EMPRESA? I n d ú s t ri a, amiga do meio ambiente O uso dos mananciais hídri cos é de impo rtância e s t rat é g i ca para a Indústri a. Além de essencial à

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA INTERDISCIPLINARIDADE EM SAÚDE

A IMPORTÂNCIA DA INTERDISCIPLINARIDADE EM SAÚDE AUDITORIA IA CLÍNICA A IMPORTÂNCIA DA INTERDISCIPLINARIDADE EM SAÚDE Auditoria é em um exame cuidadoso e sistemático das atividades desenvolvidas em determinada empresa ou setor, cujo objetivo é averiguar

Leia mais

ÉTICA, LIBERDADE DE INFORMAÇÃO, DIREITO À PRIVACIDADE E REPARAÇÃO CIVIL PELOS ILÍCITOS DE IMPRENSA 1

ÉTICA, LIBERDADE DE INFORMAÇÃO, DIREITO À PRIVACIDADE E REPARAÇÃO CIVIL PELOS ILÍCITOS DE IMPRENSA 1 ÉTICA, LIBERDADE DE INFORMAÇÃO, DIREITO À PRIVACIDADE E REPARAÇÃO CIVIL PELOS ILÍCITOS DE IMPRENSA 1 Eládio Torret Rocha Ju iz de Direito do TJSC SUMÁRIO: 1. Intro du ção; 2. A im pren sa e a li mi ta

Leia mais

REVISÃO DO PLANO DE CONTROLE AMBIENTAL PCH PIEDADE JUNHO/2007

REVISÃO DO PLANO DE CONTROLE AMBIENTAL PCH PIEDADE JUNHO/2007 REVISÃO DO PLANO DE CONTROLE AMBIENTAL JUNHO/27 VOLUME II ANEXOS ANEXO I DESENHOS... 1 Revisão do Plano de Controle Ambiental PCH Piedade Junho/27 ANEXO I DESENHOS Sigla PIE-CAN-2 PIE-ACE-2 PIE-RESG-1

Leia mais

Vamos Subir Nova Voz

Vamos Subir Nova Voz c c Vamos Subir Nova Voz 2 Letra e Música: Lucas Pimentel Arr: Henoch Thomas 2 5 2 to Eu-pos tem - po te-nho ou vi - do a pro- 2 g g 8 mes - sa de que vi - rás pra res -ga -tar os fi-lhos Teus Nem sem-pre

Leia mais

P R E F E I T U R A M U N I C I P A L D E J A R D I M

P R E F E I T U R A M U N I C I P A L D E J A R D I M N Ú C L E O D E C O M P R A S E L I C I T A Ç Ã O A U T O R I Z A Ç Ã O P A R A R E A L I Z A Ç Ã O D E C E R T A M E L I C I T A T Ó R I O M O D A L I D A D E P R E G Ã O P R E S E N C I A L N 027/ 2

Leia mais

REGULAÇÃO POLÍTICA DOS MEIOS DE COMUNICAÇÃO SOCIAL

REGULAÇÃO POLÍTICA DOS MEIOS DE COMUNICAÇÃO SOCIAL REGULAÇÃO POLÍTICA DOS MEIOS DE COMUNICAÇÃO SOCIAL José Nuno Lacerda Fonseca Resumo Analisando vários indícios da existência de efeitos anti-sociais da actividade dos meios de comunicação social, reflecte-se

Leia mais

Padrões de lançamento para Estações de Tratamento de Esgotos Domésticos Reunião AESBE 10/02/09

Padrões de lançamento para Estações de Tratamento de Esgotos Domésticos Reunião AESBE 10/02/09 Companhia de Saneamento Básico do Estado de São Paulo - SABESP Associação das Empresas Estaduais de Saneamento Básico - AESBE Padrões de lançamento para Estações de Tratamento de Esgotos Domésticos Reunião

Leia mais

ABRI AS PORTAS A CRISTO (Hino ao Beato João Paulo II)

ABRI AS PORTAS A CRISTO (Hino ao Beato João Paulo II) Órg. 6 11 q = 60 me mf ortas a ris to! Não te mais, não te nhais do: 'scanca rai o vosso cora ção ao mor de Deus. RI POR RIO (Hino ao eato João Paulo II) ortas a ris to! Não te mais não te nhais me do;

Leia mais

Exmo. Sr. Des. Anto nio Lo yo la Vi e i ra do Órgão Espe ci al do Tri bu nal de Jus ti ça do Esta - do do Pa ra ná.

Exmo. Sr. Des. Anto nio Lo yo la Vi e i ra do Órgão Espe ci al do Tri bu nal de Jus ti ça do Esta - do do Pa ra ná. Advo ga dos Exmo. Sr. Des. Anto nio Lo yo la Vi e i ra do Órgão Espe ci al do Tri bu nal de Jus ti ça do Esta - do do Pa ra ná. Man da do de Se gu ran ça 768.003-5 Jul ga men to: Órgão Espe ci al. Rel.:

Leia mais

UNIDADE DE ENSINO SUPERIOR DO SUL DO MARANHÃO INSTITUTO DE ENSINO SUPERIOR DO SUL DO MARANHÃO IESMA PROGRAMA DE GRADUAÇÃO EM SERVIÇO SOCIAL

UNIDADE DE ENSINO SUPERIOR DO SUL DO MARANHÃO INSTITUTO DE ENSINO SUPERIOR DO SUL DO MARANHÃO IESMA PROGRAMA DE GRADUAÇÃO EM SERVIÇO SOCIAL UNIDADE DE ENSINO SUPERIOR DO SUL DO MARANHÃO INSTITUTO DE ENSINO SUPERIOR DO SUL DO MARANHÃO IESMA PROGRAMA DE GRADUAÇÃO EM SERVIÇO SOCIAL Reconhecido Pela Portaria Nº 1.705 De 18 de Outubro de 2010,

Leia mais

Ainda há Tempo, Volta

Ainda há Tempo, Volta Ainda há empo, Volta Letra e Música: Diogo Marques oprano ontralto Intro Envolvente (q = 60) enor aixo Piano Ó Œ. R.. F m7 2 A b 2 E b.. 2 Ó Œ É 2 Ó Œ F m7 2.. 2 2 A b 2 2 Ainda há empo, Volta Estrofe

Leia mais

Diretrizes e normas regulamentadoras de pesquisas envolvendo seres humanos

Diretrizes e normas regulamentadoras de pesquisas envolvendo seres humanos Pesqui Odontol Bras 2003;17(Supl 1):33-41 Diretrizes e normas regulamentadoras de pesquisas envolvendo seres humanos Conselho Nacional de Saúde - Resolução 196/96 Pes qui sa Qu a li fi ca ção do pesquisador

Leia mais