1.1 A Cia Contábil, no final do exercício em 31/12/X8, apresentava um saldo de R$ na conta de clientes.

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "1.1 A Cia Contábil, no final do exercício em 31/12/X8, apresentava um saldo de R$ na conta de clientes."

Transcrição

1 1- Exercícios 1.1 A Cia Contábil, no final do exercício em 31/12/X8, apresentava um saldo de R$ na conta de clientes. ATIVO Disponibilidades $ Clientes $ (-) Prov. Devedores Duvidosos ($ 2.000) Estoques $ Pede-se: Demonstre os cálculos e efetue os lançamentos de contabilização das operações abaixo: a) Constituir em 31/12/2008 PDD com base na taxa de 2,5%. R Débito: Despesas com Devedores Duvidosos (conta de resultado) Crédito: Provisão para Devedores Duvidosos (conta retificadora do crédito) R$ 3.750,00 Durante o primeiro semestre de 2009 ocorreram os seguintes fatos: b) A Cia Contábil considerou incobrável, em 01/06/X9, depois de esgotadas todas as possibilidades de cobrança, um título no valor de R$ vencido em 14/11/X7. R D- Provisão para Devedores Duvidosos (conta retificadora da conta clientes) C- Clientes R$ 1.800,00 H- Pela baixa definitiva do título c) Em 15/06/X9, a Cia Norte entra em concordata e propõe um acordo relativo a uma dívida do ano de X8. Do valor do título de R$ 2.000, a empresa propõe pagar $ e o restante, a Cia baixa com a PDD. R D- Provisão para Devedores Duvidosos (ativo) R$ 1.500,00 D- Perda Recebimento de Credito (despesa) R$ 500,00 C- Clientes R$ 2.000,00 H- Pela baixa definitiva do título d) Em 30/06/X9, o saldo da Conta Clientes era de R$ , sendo que a PDD deve ser ajustada com base em 2,5%. (5.500,00) R Débito: Despesas com Devedores Duvidosos (conta de resultado) Crédito: Provisão para Devedores Duvidosos (conta retificadora do crédito) R$ 5.050,00 Resolução: Devedores Duvidosos 3.750,00 31/ago

2 01/jun 1.800,00 15/jun 1.500,00 saldo 450, ,00 saldo 5.500,00 30/jun 1.2 Dados referente a Cia Evolução: a) O saldo da conta Provisão para Devedores Duvidosos em 31/12/x7 era de $ b) As vendas em X8 totalizaram R$ c) O saldo devedor da conta Clientes em 31/12/x8 é de R$ Pede-se: efetue o lançamento de ajuste em 31/12/2008, da provisão para devedores duvidosos, levando em consideração, as situações abaixo, isoladamente. 1) A Companhia adota a política de provisionar 0,2% do saldo total das vendas no ano à título de provisão para devedores duvidosos; Débito: Despesas com Devedores Duvidosos (conta de resultado) Crédito: Provisão para Devedores Duvidosos (conta retificadora do crédito) R$ 4.000,00 2) A Companhia fez estimativa que em X9, 2% do saldo de Clientes em 31/12/x8 tornar-se incobráveis. D- Provisão para Devedores Duvidosos (conta retificadora da conta clientes) C- Clientes R$ 10.00,00 3) A Companhia decide realizar a provisão anual mediante a aplicação de 2.5% sobre o saldo da conta clientes. Débito: Despesas com Devedores Duvidosos (conta de resultado) Crédito: Provisão para Devedores Duvidosos (conta retificadora do crédito) R$ ,00 PDD CLIENTES VENDAS DESP PDD b10.000, , ,00b ,00 a 4.000, ,00 a c , ,00c , , O Saldo em 01/01/X7 da conta Provisão para Devedores Duvidosos da Cia Sudeste era de R$ Durante o ano de X8 aconteceram os seguintes eventos: a) O cliente A, considerado incobrável há dois anos, pagou uma dívida de R$ 5.000; D- caixa C- Recuperação de PDD R$ 5.000,00

3 b) O cliente B foi considerado incobrável em 10/04/x7 em R$ 6.000; D- Provisão para Devedores Duvidosos (conta retificadora da conta clientes) C- Clientes R$ 6.000,00 c) O cliente C foi considerado incobrável em 15/05/x7 em R$ 7.000; D- Provisão para Devedores Duvidosos (conta retificadora da conta clientes) C- Clientes R$ 7.000,00 d) O cliente B, em 10/07/x7 apareceu e pagou R$ de sua dívida, alegando que não pagaria mais nada; D- caixa C- Recuperação de PDD R$ 5.000,00 e) O cliente D foi considerado incobrável em 10/08/x7, em R$ ; D- Provisão para Devedores Duvidosos (conta retificadora da conta clientes) C- Clientes R$ ,00 f) O cliente E foi considerado incobrável em 10/09/x7, em R$ 2.000; D- Provisão para Devedores Duvidosos (conta retificadora da conta clientes) C- Clientes R$ 2.000,00 g) O cliente E, em 30/11/x7 apareceu na empresa e liquidou sua dívida no valor de R$ D- caixa C- Recuperação de PDD R$ 2.000,00 h) O saldo da conta clientes em 31/12/X8 é de R$ , e a política adotada é constituir provisão com base na taxa de 3% sobre o total da conta clientes. Débito: Despesas com Devedores Duvidosos (conta de resultado) Crédito: Provisão para Devedores Duvidosos (conta retificadora do crédito) R$ ,00 Pede-se: Efetue todos os registros necessários em razonetes, considerando 31/12/x8 como data do encerramento do exercício. PDD CLIENTES CAIXA DESP PDD 6.000, , , , , , , , , , , , , , , , ,00 RECUPERAÇÃO PDD 5.000, , ,00

4 1.4 Escolha a alternativa correta: A baixa de um cliente incobrável é registrada: a) D- Devedores Duvidosos C- Clientes b) D- Devedores Duvidosos C- Devedores Incobráveis c) D- Clientes C- Devedores Incobráveis d) D- Provisão para Devedores Duvidosos C- Clientes e) D- Provisão para Devedores Duvidosos C-Apuração de Resultado do Exercício A constituição da Provisão para Devedores Duvidosos é constituída para atender: a) As diminuições de créditos por motivos de devolução b) Os riscos da insolvência dos clientes c) Os descontos e os abatimentos concedidos d) Os descontos e os abatimentos obtidos e) Nenhuma das hipóteses anteriores Uma companhia verifica que em 20/05/x8, um cliente tem uma dívida de R$ e que a mesma é incobrável. Não tendo sido constituída, em 31/12/x7, a Provisão para Devedores Duvidosos, o lançamento adequado em 20/05/x8 será: (AJUSTE) a) D- Provisão para Devedores Duvidosos C- Clientes R$ b) D- Clientes C-Prov. p/ Devedores Duvidosos R$ c) D-Apuração do Resultado do Exercício C-Prov. p/ Devedores Duvidosos R$ d) D-Prejuizos Eventuais (Devedores Incobráveis) C-Clientes R$ e) D-Nenhuma das hipóteses anteriores 1.5 No final do exercício, a Cia Alfa constituiu provisão para atender contas incobráveis A empresa fez a provisão para devedores duvidosos no montante de $ Assinale a alternativa que indica o lançamento correto. a) Débito em Despesa com Devedores Duvidosos de $ e Crédito em receita com Duplicatas a Receber de $ b) Débito em Duplicatas a Receber de $ e Crédito em Despesa com Provisão para Devedores Duvidosos de $ c) Débito em Despesa com Provisão para Devedores Duvidosos de $ e Crédito em Duplicatas a Receber de $ d) Débito em Duplicatas a Receber de $ e Crédito em Fornecedores de $ e) Débito em Despesa com Devedores Duvidosos de $ e Crédito em Provisão para Devedores Duvidosos de $ Ao fazer a Provisão para Devedores Duvidosos uma empresa pode usar: Critérios legais; ou Critérios próprios. No caso da companhia usar critérios próprios, e o montante exceder ao calculado de acordo com os critérios legais, o que deverá ser feito? Deverá contabilizar a diferença como perda (letra C da apostila lei)

5 D= Despesa com Perdas C= Clientes 1.7 Qual o tratamento contábil (lançamento contábil) que deverá ser feito quando um antigo cliente paga uma dívida de R$ , que em exercícios anteriores já havia sido considerada incobrável. D- caixa C- Recuperação de PDD R$ , A empresa XXL Ltda., em 31/12/x7 tinha valores a receber com saldo no valor de R$ e mandou fazer provisão para créditos de liquidação duvidosa no valor de R$ 810. Durante o exercício de x8 a empresa recebeu e deu quitação a 60% desses créditos e mandou dar baixa, por não recebimento, nos outros 40%. Ao findar o ano com novos saldos no valor de R$ , a empresa adotou procedimento igual ao anterior, mandando provisionar seus créditos para fins de balanço. Com base nessas informações, podemos dizer que a contabilização da provisão para créditos de liquidação duvidosa, referente ao exercício de X8, provocará na Demonstração do Resultado do Exercício uma redução do lucro final no valor de: a) R$ 774 b) R$1.746 c) R$ 450 d) R$1.260 e) R$ 936 RESOLUÇÃO: 810,00 REPRESENTA 3% DA CONTA CLIENTES, POR TANTO O NOVO SALDO ,000 x 3% = 1.260, Com relação à constituição da Provisão para Créditos de Liquidação Duvidosa (PCLD), é correto afirmar que: a) a existência de créditos com garantias reais não traz quaisquer impactos para efeito de cálculo da PCLD; b) a reversão da PCLD não é cabível; c) a legislação fiscal define anualmente o percentual a ser aplicado sobre o total dos Créditos a Receber, devendo ser utilizado obrigatoriamente por todas as empresas; d) apuração do valor da PCLD pode variar, conforme aspectos peculiares a respeito dos clientes, ramo de negócios, situação do crédito e a própria conjuntura econômica do momento; e) A constituição da PCLD é opcional, ainda que haja perdas estimadas na cobrança dos Créditos a Receber Considerando os aspectos fiscais da Lei nº 9.430/96, uma empresa apresentou em 31/12/x8 em seu balancete os seguintes valores a receber: a) Uma duplicata no valor de R$ vencida a mais de 6 meses; Sem garantias: até cinco mil reais, por operação, vencidos há mais de seis meses, independentemente de iniciados os procedimentos judiciais para o seu recebimento;

6 PDD b) Um crédito junto a uma companhia no valor de R$ , vencido a 18 meses, já realizados os procedimentos administrativos para tentar cobrar o débito; Sem garantias: acima de cinco mil reais, até trinta mil reais, por operação, vencidos há mais de um ano, independentemente de iniciados os procedimentos judiciais para o seu recebimento, porém, mantida a cobrança administrativa; PDD c) Créditos com Garantia de recebimento, vencidos há 12 meses, no valor total de R$ com garantia, vencidos há mais de dois anos, desde que iniciados e mantidos os procedimentos judiciais para o seu recebimento ou o arresto das garantias PDD não d) Créditos no valor de R$ , vencidos há mais de 2 anos, já iniciados os procedimentos judiciais para a sua cobrança. com garantia, vencidos há mais de dois anos, desde que iniciados e mantidos os procedimentos judiciais para o seu recebimento ou o arresto das garantias PDD e) Outros créditos no valor de R$ ainda não vencidos. Considerando ainda que a Companhia não havia reconhecido nenhuma provisão ou baixa relativa a esses créditos, qual o montante poderá contabilizar como despesa dedutível para fins de apuração de imposto de renda em 31/12x8? Montante de: letra a) 4.500,00 + b) ,00 + d) ,00 = ,00

7 Lista 02 exercícios: 1) A Provisão para Créditos de Liquidação Duvidosa de Paranapanema SA tinha um saldo de em 01-01x0. Durante este ano, ocorreram os seguintes fatos: a) Soube-se de fontes oficiais que José Ferreira Ltda abandonou os negócios e não deixou recursos para pagar suas dividas. Seu Debito de 4.200,00 foi considerando incobrável; D = PDD C = CLIENTE 4.200,00 b) Foram recebidos 1.150,00 de Souza Prado Ltda, correspondentes a uma divida considerada incobrável há dois anos; D = CAIXA C = RECUPERAÇÃO DE CREDITO 1.150,00 c) 1.650,00 devidos por José Eduardo & Irmão foram considerados incobráveis; D = PDD C = CLIENTE 1.650,00 d) A Cia Zeta devia 7.500,00 enviou um cheque no valor de 750,00 e uma carta informando que era tudo que poderia pagar. O restante foi dado como perdido; D = PERDA C/ CLIENTE 6.750,00 D =CAIXA 750,00 C = CLIENTE 7.500,00 e) José Eduardo & Irmão, cuja conta foi considerada incobrável, pagou 650,00 e disse que os negócios estavam melhorando e pagaria o saldo em futuro próximo; D = CAIXA C = RECUPERAÇÃO DE CREDITO 650,00 f) Foram feitos lançamentos nos valores de 3.450,00, 4.350,00 e 3.850,00 de vários clientes como incobráveis; D = PDD C = CLIENTE ,00 g) Foi feita uma provisão para o ano seguinte no valor de 3% sobre ,00 (saldo da conta Duplicatas a Receber em 31/12-x0). D = DESPESA C/ PDD C = PDD ,00

8 Pede-se: Fazer os lançamentos necessários e os razonetes. PDD DESPESA PDD CLEINTES A 4.200, ,00 SD INICIAL G 1.850,00 XXXXX 4.200,00 A C 1.650, ,00 C F , ,00 D 3.650,00 SALDO ,00 F G ,00 COMPLEMENTO SD FINAL , ,00 SD FINAL CAIXA RECUP CREDITO PERDA B 1.150, ,00 B D 6.750,00 D 750,00 650,00 E E 650,00 2) A cia Dia Feliz teve as seguintes vendas em ,00, ,00 e em ,00, em respectivamente os insolventes 1.200,00, 800,00 e 500,00. Calcule a taxa para constituição do PDD. Em seguida constitua a provisão de 2013, sabendo que a venda foi ,00. VENDAS INSOLVENTES MEDIA , ,00 0,75% ,00 800,00 0,80% ,00 500,00 0,63% MEDIA ,73% ,00 657,00 0,73% D = DESPESA COM PDD C = PDD 657,00

9 3) A Cia Gama, a partir de 31/12/x5, decidiu calcular a provisão para créditos de liquidação duvidosa com base na porcentagem dos prejuízos por não recebimento de clientes, aproveitando a experiência do passado. Entre as informações colhidas na contabilidade, destacam-se as seguintes: X1 X2 X3 X4 X5 Vendas a Prazo , , , , ,00 Clientes , , , , ,00 PCLD 31/12/x 414, , , ,00 Devedores Incobráveis 340,00 538, , , ,00 Pede-se: Fazer todos os lançamentos cabíveis, em razonetes, com relação a PCLD e Baixa de Créditos Incobráveis, desde 01-1-x2 VENDA X ,00 100% INCOBRAVEIS X2 538,00 1% VENDA X ,00 100% INCOBRAVEIS X ,00 1% VENDA X ,00 100% INCOBRAVEIS X ,00 1% A MEDIA PARA X5 PARA CONSTIRUIÇÃO PDD É 1% = 6.856,00 X2 PCLD CLIENTES PERDAS C/ CLIENTES (.1) 414,00 414,00 X1 X ,00 538,00 (.1) (.1) 124, ,00 (.2) SALDO ,00 (.3) ,00 TOTAL , ,00 (.4) SD FINAL ,00 DESPESA PDD VENDAS CAIXA (.2) 2.160, ,00 (.3) (.4) ,00

10 (.1) INCOBRAVEIS (.2) CONTITUIÇÃO PDD D= PERDA CLEINTES 124,00 D= DESPESA COM PDD D= PDD 414,00 C= PDD 2.160,00 C= CLIENTES 538,00 (.3) VENDAS (.4) RECEBIMENTO CLIENTES D= CLEINTES D= CAIXA C= VENDAS ,00 C= CLIENTES ,00 X3 PCLD CLIENTES DESPESAS PDD (.1) 2.160, ,00 X2 X , ,00 (.1) (.2) 4.800, ,00 (.2) SALDO ,00 (.3) ,00 TOTAL , ,00 (.4) SD FINAL ,00 VENDAS CAIXA ,00 (.3) (.4) ,00 (.1) INCOBRAVEIS (.2) CONTITUIÇÃO PDD D= PDD D= DESPESA COM PDD C= CLIENTES 2.160,00 C= PDD 4.800,00 (.3) VENDAS (.4) RECEBIMENTO CLIENTES

11 D= CLEINTES D= CAIXA C= VENDAS ,00 C= CLIENTES ,00 X4 PCLD CLIENTES DESPESAS PDD (.1) 3.948, ,00 X3 X , ,00 (.1) (.2) 3.096,00 852,00 SALDO SALDO , ,00 (.2) COMPL (.3) , ,00 TOTAL TOTAL , ,00 (.4) SD FINAL ,00 VENDAS CAIXA ,00 (.3) (.4) ,00 (.1) INCOBRAVEIS (.2) CONTITUIÇÃO PDD D= PDD D= DESPESA COM PDD C= CLIENTES 3.948,00 C= PDD 3.096,00 (.3) VENDAS (.4) RECEBIMENTO CLIENTES D= CLEINTES D= CAIXA C= VENDAS ,00 C= CLIENTES ,00 X5 PCLD CLIENTES DESPESAS PDD

12 (.1) 3.948, ,00 X4 X , ,00 (.1) (.2) 6.856, ,00 (.2) SD FINAL SALDO ,00 (.3) ,00 TOTAL , ,00 (.4) SD FINAL ,00 VENDAS CAIXA PERDAS C/ CLIENTES ,00 (.3) (.4) ,00 (.1) 3.902,00 (.1) INCOBRAVEIS (.2) CONTITUIÇÃO PDD D= PERDA 3.902,00 D= DESPESA COM PDD D= PDD 3.948,00 C= CLIENTES 7.850,00 C= PDD 6.856,00 (.3) VENDAS (.4) RECEBIMENTO CLIENTES D= CLEINTES D= CAIXA C= VENDAS ,00 C= CLIENTES ,00

PERDAS ESTIMADAS EM ATIVOS (Impairment de Ativos)

PERDAS ESTIMADAS EM ATIVOS (Impairment de Ativos) FEA / USP Departamento de PERDAS ESTIMADAS EM ATIVOS (Impairment de Ativos) 1 PERDAS ESTIMADAS EM ATIVOS e PROVISÕES Perdas estimadas em ativos: retificações de ativos decorrentes de perdas de benefícios

Leia mais

Importante! Provisão para Créditos de Liquidação Duvidosa (PCLD) ou Perda Estimada para Créditos de Líquida Duvidosa (PECLD)

Importante! Provisão para Créditos de Liquidação Duvidosa (PCLD) ou Perda Estimada para Créditos de Líquida Duvidosa (PECLD) Provisões Parte 1 Provisões Definição Provisão refere-se a despesas com perdas de ativos ou com a constituição de obrigações que, embora já tenham seu fato gerador contábil ocorrido, não podem ser medidas

Leia mais

PERDAS ESTIMADAS EM ATIVOS PROVISÕES

PERDAS ESTIMADAS EM ATIVOS PROVISÕES FEA / USP Departamento de Contabilidade e Atuária EAC-106 Contabilidade Introdutória PERDAS ESTIMADAS EM ATIVOS E PROVISÕES Prof. Fernando Dal-Ri Murcia 1 PERDAS ESTIMADAS EM ATIVOS Perdas estimadas em

Leia mais

CONTABILIDADE II: 01)

CONTABILIDADE II: 01) CONTABILIDADE II: 01) Uma Sociedade Empresária que possui um único estabelecimento apresentava, em 31.1.2017, após a apuração do Imposto sobre Circulação de Mercadorias ICMS, um saldo de ICMS a Recuperar

Leia mais

5 Os gastos com aquisição de uma marca devem ser classificadas no seguinte grupo de contas do balanço patrimonial:

5 Os gastos com aquisição de uma marca devem ser classificadas no seguinte grupo de contas do balanço patrimonial: FUCAMP Fundação Carmelitana Mário Palmério FACIHUS Faculdade de Ciências Humanas e Sociais Curso: Disciplina Ano Letivo: Semestre: Ciências Contábeis 1 Relacione a coluna da direita com a da esquerda:

Leia mais

$$$ FEA-USP-EAC Curso de Graduação em Ciências Contábeis Disciplina: EAC0546 -Contabilidade de Instituições Financeiras

$$$ FEA-USP-EAC Curso de Graduação em Ciências Contábeis Disciplina: EAC0546 -Contabilidade de Instituições Financeiras FEA-USP-EAC Curso de Graduação em Ciências Contábeis Disciplina: EAC0546 -Contabilidade de Instituições Financeiras TEMA 2.1 ESQUEMA CONTABILIZAÇÃO- OPERAÇÕES DE CRÉDITO E PDD Operações de Crédito: Empréstimos,

Leia mais

Contabilidade Geral Exercícios de fixação Escrituração 1. Aquisição de mercadorias à vista, em dinheiro, por $

Contabilidade Geral Exercícios de fixação Escrituração 1. Aquisição de mercadorias à vista, em dinheiro, por $ 1 Contabilidade Geral Exercícios de fixação Escrituração 1. Aquisição de mercadorias à vista, em dinheiro, por $ 10.000. 2. Aquisição de mercadorias, a prazo, por $ 10.000. 3. Aquisição de mercadorias,

Leia mais

18. Integralização de capital, no valor de $ , sendo $ , em espécie, e $ em mercadorias.

18. Integralização de capital, no valor de $ , sendo $ , em espécie, e $ em mercadorias. 1 Contabilidade Geral Exercícios de fixação Escrituração 1. Aquisição de mercadorias à vista, em dinheiro, por $ 10.000. 2. Aquisição de mercadorias, a prazo, por $ 10.000. 3. Aquisição de mercadorias,

Leia mais

Conteúdo: 11.2 Escrituração de operações típicas (provisões, obtenção e quitação de empréstimos e operações com duplicatas)

Conteúdo: 11.2 Escrituração de operações típicas (provisões, obtenção e quitação de empréstimos e operações com duplicatas) Módulo 2 Egbert 1 Conteúdo: 11.2 Escrituração de operações típicas (provisões, obtenção e quitação de empréstimos e operações com duplicatas) 2 1. Provisões São contas de natureza credora, que podem representar:

Leia mais

Conteúdo: 11.2 Escrituração de operações típicas (provisões, obtenção e quitação de empréstimos e operações com duplicatas)

Conteúdo: 11.2 Escrituração de operações típicas (provisões, obtenção e quitação de empréstimos e operações com duplicatas) Módulo 2 Egbert 1 Conteúdo: 11.2 Escrituração de operações típicas (provisões, obtenção e quitação de empréstimos e operações com duplicatas) 2 1. Provisões São contas de natureza credora, que podem representar:

Leia mais

Considerando-se apenas as informações apresentadas, apresente o registro contábil relativo à apuração do ICMS no mês de fevereiro de 2017:

Considerando-se apenas as informações apresentadas, apresente o registro contábil relativo à apuração do ICMS no mês de fevereiro de 2017: CONTABILIDADE INTERMEDIÁRIA: QUESTÕES DE REVISÃO 01) Uma Sociedade Empresária que possui um único estabelecimento apresentava, em 31.1.2017, após a apuração do Imposto sobre Circulação de Mercadorias ICMS,

Leia mais

Avaliação de Investimentos

Avaliação de Investimentos Avaliação de Investimentos 1) A Cia. Investidora adquiriu por $ 72.000, em 31-12-1, 60% das ações da Cia. Investida, cujo patrimônio líquido nessa data era de $ 120.000. Em 31-12-2, a Cia. Investida apurou

Leia mais

Exercícios de Fixação Estrutura do Balanço Patrimonial

Exercícios de Fixação Estrutura do Balanço Patrimonial Exercícios de Fixação Estrutura do Balanço Patrimonial 1- A seguir são apresentadas algumas informações sobre contas e saldos, organize tais informações em um Balanço Patrimonial utilizando a estrutura

Leia mais

Comentarei as questões 56 a 63 da prova de Contabilidade de Auditor Fiscal da Fazenda do Ceará 2007.

Comentarei as questões 56 a 63 da prova de Contabilidade de Auditor Fiscal da Fazenda do Ceará 2007. Comentarei as questões 56 a 63 da prova de Contabilidade de Auditor Fiscal da Fazenda do Ceará 2007. CONTABILIDADE GERAL 56 Na empresa Nutricional S/A, o resultado do exercício havia sido apurado acusando

Leia mais

OPERAÇÕES COM MERCADORIAS- PARTE II

OPERAÇÕES COM MERCADORIAS- PARTE II OPERAÇÕES COM MERCADORIAS- PARTE II Impostos nas operações com mercadorias Comércio Indústria Prestadora de serviços Contribuinte de ICMS Contribuinte de ICMS/ IPI Não é contribuinte do ICMS nem do IPI

Leia mais

(A) (B) (C) (D) (E)

(A) (B) (C) (D) (E) 01 FCC 2014 Um lote de mercadorias para revenda foi adquirido pelo valor total de R$ 200.000. Neste valor estavam inclusos tributos recuperáveis de R$ 30.000. A empresa ficou responsável pela retirada

Leia mais

DEMONSTRAÇÃO DO RESULTADO DO EXERCÍCIO - DRE

DEMONSTRAÇÃO DO RESULTADO DO EXERCÍCIO - DRE DEMONSTRAÇÃO DO RESULTADO DO EXERCÍCIO - DRE A atual legislação estabelece a sequencia de apresentação dos vários elementos da demonstração do resultado para efeitos de publicação. Uma estrutura baseada

Leia mais

CAPÍTULO 3 INVENTÁRIO DEMERCADORIAS

CAPÍTULO 3 INVENTÁRIO DEMERCADORIAS CAPÍTULO 3 INVENTÁRIO DEMERCADORIAS EXEMPLOS: A Empresa Villa Ltda, comercializa Móveis, passou em seu estoque setor de camas unidades no valor de $cada. Em Abril/15, neste setor efetuou as seguintes operações

Leia mais

UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO FACULDADE DE ECONOMIA, ADMINISTRAÇÃO E CONTABILIDADE DEPARTAMENTO DE CONTABILIDADE E ATUÁRIA

UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO FACULDADE DE ECONOMIA, ADMINISTRAÇÃO E CONTABILIDADE DEPARTAMENTO DE CONTABILIDADE E ATUÁRIA UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO FACULDADE DE ECONOMIA, ADMINISTRAÇÃO E CONTABILIDADE DEPARTAMENTO DE CONTABILIDADE E ATUÁRIA CURSO: ADMINISTRAÇÃO DE EMPRESAS DISCIPLINA: EAC0111 NOÇÕES DE CONTABILIDADE PARA

Leia mais

Prof. Jean Cavaleiro. Unidade III CONTABILIDADE

Prof. Jean Cavaleiro. Unidade III CONTABILIDADE Prof. Jean Cavaleiro Unidade III CONTABILIDADE Objetivos Praticar os conceitos até aqui discutidos. Enxergar a aplicação da legislação vigente na prática. Exercício completo Vimos em unidades anteriores

Leia mais

ATIVIDADES DE REVISÃO CONTABILIDADE II:

ATIVIDADES DE REVISÃO CONTABILIDADE II: ATIVIDADES DE REVISÃO CONTABILIDADE II: 01) Classifique as contas: Conta contábil Imóvel Imóvel para aluguel Obras de arte Marca Cliente Caixa Impostos a recolher Impostos a recuperar Fornecedores Veículos

Leia mais

Pede-se: Efetuar os lançamentos no livro diário e no livro razão, encerrando as contas de resultado.

Pede-se: Efetuar os lançamentos no livro diário e no livro razão, encerrando as contas de resultado. CONTABILIDADE BÁSICA I 2ª LISTA DE EXERCÍCIOS UNIDADE IV VARIAÇÕES DO PATRIMÔNIO LÍQUIDO 1) A seguir estão mencionadas as transações da Empresa Petrópolis Ltda., organizada em 1º de dezembro de 2015: 01

Leia mais

1266 Contabilidade Geral

1266 Contabilidade Geral 1266 ontabilidade Geral 59. (F - 2016 - Sefaz/MA - AFRE/Administração Tributária) Os saldos das contas do Balanço Patrimonial de uma empresa, em 31/12/2014, eram os seguintes, em reais: Fornecedores 30.000,00

Leia mais

RESOLUÇÃO EXERCÍCIOS PROCEDIMENTOS CONTÁBEIS BÁSICOS SEGUNDO O MÉTODO DAS PARTIDAS DOBRADAS 1

RESOLUÇÃO EXERCÍCIOS PROCEDIMENTOS CONTÁBEIS BÁSICOS SEGUNDO O MÉTODO DAS PARTIDAS DOBRADAS 1 RESOLUÇÃO EXERCÍCIOS PROCEDIMENTOS CONTÁBEIS BÁSICOS SEGUNDO O MÉTODO DAS PARTIDAS DOBRADAS 1 EXERCÍCIO 1: A seguir estão relacionadas as operações realizadas pela sociedade de prestação de serviços Remendão

Leia mais

CONTABILIDADE BÁSICA II

CONTABILIDADE BÁSICA II CONTABILIDADE BÁSICA II Profª. Msc. Nirlene Aparecida Carneiro Fernandes Centro de Ensino Superior de Conselheiro Lafaiete 2015 TÓPICOS PARA REVISÃO: CONTABILIDADE BÁSICA I Conceito, objetivo e objeto

Leia mais

1.01.x1: Formação do Capital, com $ 400 em dinheiro e uma perua no valor de $ 200

1.01.x1: Formação do Capital, com $ 400 em dinheiro e uma perua no valor de $ 200 CENTRO DE ENSINO SUPERIOR DO AMAPÁ CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS Disciplina Estrutura e Análise das Demonstrações Contábeis ALUNO(A): Exercício : a. preencha os balancetes: TURMA 6º CCN AULA 04 e 05 Turno/Horário

Leia mais

Unidade IV. xxxx. Unidade IV. yyyy. Método das partidas dobradas

Unidade IV. xxxx. Unidade IV. yyyy. Método das partidas dobradas Unidade IV Unidade IV 4 PARTIDAS DOBRADAS DÉBITO E CRÉDITO Método das partidas dobradas Em qualquer operação há um débito e um crédito de igual valor ou um débito (ou mais débitos) de valor idêntico a

Leia mais

CONTABILIDADE GERAL PARA CONCURSOS

CONTABILIDADE GERAL PARA CONCURSOS Edição 1ª 7 8 9 8 4 8 1 9 2 3 0 5 4 CONTABILIDADE GERAL PARA CONCURSOS Errata 01 de: 21/05/2013 Correção de gabarito que ocorreu na página citada. Errata 01 Contabilidade Geral para Concursos Página 99

Leia mais

PARTE 3 INVESTIMENTOS TEMPORÁRIOS

PARTE 3 INVESTIMENTOS TEMPORÁRIOS PARTE 3 INVESTIMENTOS TEMPORÁRIOS 3.1 CONCEITUAÇÃO Basicamente, há dois tipos de investimentos: Temporário e Permanente. Investimentos Temporários: Adquiridos com a intenção de revenda e tendo geralmente

Leia mais

VARIAÇÕES PATRIMÔNIO LÍQUIDO

VARIAÇÕES PATRIMÔNIO LÍQUIDO FEA / USP Departamento de Contabilidade e Atuária EAC-106 Contabilidade Introdutória VARIAÇÕES DO PATRIMÔNIO LÍQUIDO Prof. Fernando Dal-Ri Murcia 1 Variações no Patrimônio Líquido Receita: É a entrada

Leia mais

Exercício 1 Cia Revisão Balanço em 31/12/X0

Exercício 1 Cia Revisão Balanço em 31/12/X0 Exercício 1 Cia Revisão Balanço em 31/12/X0 Adiantamento de Salários 200,00 Aluguéis a Pagar 250,00 Caixa 1.050,00 Capital Social 12.000,00 Clientes 3.200,00 Contas a Pagar 350,00 Depósitos Judiciais (LP)

Leia mais

TEORIA DA CONTABILIDADE QUESTIONÁRIO 6

TEORIA DA CONTABILIDADE QUESTIONÁRIO 6 QUESTIONÁRIO 6 (Questões Exame de Suficiência 1 2013) 2. Relacione os grupos do Ativo descritos, na primeira coluna, com as suas respectivas propriedades, na segunda coluna, e, em seguida, assinale a opção

Leia mais

Procedimentos Contábeis Básicos Segundo o Método das Partidas Dobradas

Procedimentos Contábeis Básicos Segundo o Método das Partidas Dobradas Procedimentos Contábeis Básicos Segundo o Método das Partidas Dobradas Exercício 3.1 A seguir estão relacionadas as operações realizadas pela sociedade de prestação de serviços Remendão S/A, em janeiro/x2

Leia mais

Grupo I Múltipla Escolha

Grupo I Múltipla Escolha Grupo I Múltipla Escolha 1 A empresa XYZ, SA recebeu durante o ano de 2005 juros de depósitos a prazo no valor bruto de 250, sujeitos a retenção na fonte à taxa de 20%. Qual a conta a movimentar referente

Leia mais

AGENTE DA POLÍCIA FEDERAL. NOÇÕES DE CONTABILIDADE Profª. Camila Gomes

AGENTE DA POLÍCIA FEDERAL. NOÇÕES DE CONTABILIDADE Profª. Camila Gomes AGENTE DA POLÍCIA FEDERAL NOÇÕES DE CONTABILIDADE Profª. Camila Gomes Contas Natureza da Conta Saldo Aumenta Diminui Patrimoniais Ativo Devedora D C Passivo Credora C D PL Credora C D Resultado Receita

Leia mais

Curso Online Contabilidade Geral Analista Tributário da Receita Federal do Brasil - ATRFB Egbert Buarque Prezado(a) aluno(a),

Curso Online Contabilidade Geral Analista Tributário da Receita Federal do Brasil - ATRFB Egbert Buarque Prezado(a) aluno(a), Prezado(a) aluno(a), Meu nome é e atualmente ocupo o cargo de Auditor Federal de Controle Externo (AUFC) do Tribunal de Contas da União (TCU). Fui aprovado para este cargo no concurso de 2008. Antes, de

Leia mais

Contabilidade ESAF AMOSTRA DA OBRA. questões comentadas. 11ª edição. Agora organizadas por assunto. Ricardo J. Ferreira.

Contabilidade ESAF AMOSTRA DA OBRA. questões comentadas. 11ª edição. Agora organizadas por assunto. Ricardo J. Ferreira. AMOSTRA DA OBRA www.editoraferreira.com.br O sumário aqui apresentado é reprodução fiel do livro Contabilidade ESAF 11ª edição. Ricardo J. Ferreira Contabilidade ESAF questões comentadas 11ª edição Agora

Leia mais

CONTABILIDADE GERAL. Questões selecionadas da prova de Analista de Controle Interno MPU/2004

CONTABILIDADE GERAL. Questões selecionadas da prova de Analista de Controle Interno MPU/2004 CONTABILIDADE GERAL Questões selecionadas da prova de Analista de Controle Interno MPU/2004 01. A Firma Varejista Ltda. efetuou as seguintes transações: Compra de máquinas por R$ 5.000,00, pagando entrada

Leia mais

UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO FACULDADE DE ECONOMIA, ADMINISTRAÇÃO E CONTABILIDADE DEPARTAMENTO DE CONTABILIDADE E ATUÁRIA CURSO: ADMINISTRAÇÃO

UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO FACULDADE DE ECONOMIA, ADMINISTRAÇÃO E CONTABILIDADE DEPARTAMENTO DE CONTABILIDADE E ATUÁRIA CURSO: ADMINISTRAÇÃO UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO FACULDADE DE ECONOMIA, ADMINISTRAÇÃO E CONTABILIDADE DEPARTAMENTO DE CONTABILIDADE E ATUÁRIA CURSO: ADMINISTRAÇÃO DISCIPLINA: EAC0111 NOÇÕES DE CONTABILIDADE PARA ADMINISTRADORES

Leia mais

Contabilidade Introdutória

Contabilidade Introdutória FUCAMP Fundação Carmelitana Mário Palmério INTRODUÇÃO FACIHUS Faculdade de Ciências Humanas e Sociais Curso: Ciências Contábeis Disciplina Contabilidade Introdutória Ano Letivo: Semestre: 2016 1º A história

Leia mais

CONTAS DE RESULTADO OPERAÇÕES A VISTA A PRAZO RECEITA + CAIXA + DUPLICATAS A RECEBER DESPESA - CAIXA + CONTAS A PAGAR

CONTAS DE RESULTADO OPERAÇÕES A VISTA A PRAZO RECEITA + CAIXA + DUPLICATAS A RECEBER DESPESA - CAIXA + CONTAS A PAGAR 1/5 CONTAS DE RESULTADO RECEITAS As Receitas correspondem às vendas de produtos, mercadorias ou prestação de serviços. No Balanço Patrimonial, as receitas são refletidas através da entrada de dinheiro

Leia mais

Aula 07 Análise TCU III

Aula 07 Análise TCU III Sumário 1 TCRO Auditor CESPE 2013 - Questão 096 - Análise de Demonstrações Contábeis... 2 2 TCRO Auditor CESPE 2013 - Questão 097 - Análise de Demonstrações Contábeis... 2 3 TCU Analista (CESPE/ 2008)

Leia mais

Unidade I CONTABILIDADE EMPRESARIAL. Prof. Amaury Aranha

Unidade I CONTABILIDADE EMPRESARIAL. Prof. Amaury Aranha Unidade I CONTABILIDADE EMPRESARIAL Prof. Amaury Aranha Sumário Unidade I Unidade I Provisão para devedores duvidosos Operações financeiras (duplicatas) Unidade II Empréstimos (pré e pós) Aplicações financeiras

Leia mais

Um tempo razoável para resolução desse simulado é de 25 minutos, mais ou menos, tente trabalhar com essa meta.

Um tempo razoável para resolução desse simulado é de 25 minutos, mais ou menos, tente trabalhar com essa meta. 1 QUESTÕES COMENTADAS Pessoal, nosso primeiro simulado de 2018, aproveitem. Sempre é bom reforçar que isso é um exercício de autoavaliação, você não precisa provar nada para ninguém. Não se engane! Não

Leia mais

Olá, pessoal. Desta vez trago uma pequena aula sobre Reserva Legal, bem como algumas questões ilustrativas cobradas em provas da ESAF.

Olá, pessoal. Desta vez trago uma pequena aula sobre Reserva Legal, bem como algumas questões ilustrativas cobradas em provas da ESAF. Olá, pessoal. Desta vez trago uma pequena aula sobre Reserva Legal, bem como algumas questões ilustrativas cobradas em provas da ESAF. Antes disso, porém, gostaria de efetuar uma pequena correção na aula

Leia mais

TCU - Aula 03 C. Geral III

TCU - Aula 03 C. Geral III Sumário 1 TC RO Contador CESPE 2013 - Questão 051 Critérios de avaliação de ativos... 2 2 TC RO Contador CESPE 2013 - Questão 052 Critérios de Avaliação de Ativos... 2 3 TC RO Contador CESPE 2013 - Questão

Leia mais

Grupo I Múltipla Escolha

Grupo I Múltipla Escolha Grupo I Múltipla Escolha 1 A empresa XYZ, SA recebeu durante o ano de 2005 juros de depósitos a prazo no valor bruto de 250, sujeitos a retenção na fonte à taxa de 20%. Qual a conta a movimentar referente

Leia mais

VARIAÇÕES DO PATRIMÔNIO LÍQUIDO

VARIAÇÕES DO PATRIMÔNIO LÍQUIDO VARIAÇÕES DO PATRIMÔNIO LÍQUIDO (cap 3) Prof. Renê Coppe Pimentel Material e conteúdo padronizados elaborados por professores da FEA/USP Prof. Renê Coppe Pimentel Pg. 1 INTERLIGAÇÃO DE BALANÇOS PATRIMONIAIS

Leia mais

CADERNO DE QUESTÕES Contas.cnt

CADERNO DE QUESTÕES Contas.cnt Contas.cnt 01. Com relação à situação patrimonial, assinale a opção INCORRETA. a) A compra de matéria-prima a prazo provoca aumento no Ativo e no Passivo. b) A integralização de capital em dinheiro provoca

Leia mais

A seguir a correção da prova de contabilidade geral, aplicada pela FCC, neste final de semana passado.

A seguir a correção da prova de contabilidade geral, aplicada pela FCC, neste final de semana passado. Olá, meus amigos. A seguir a correção da prova de contabilidade geral, aplicada pela FCC, neste final de semana passado. Por enquanto, uma vez que ainda não temos gabarito, nenhuma possibilidade de recurso.

Leia mais

Questões da Prova CFC Questões da Prova CFC

Questões da Prova CFC Questões da Prova CFC Questões da Prova CFC 2013.2 43. Uma sociedade empresária contratou um seguro anual, em 1º de agosto de 2013, para cobertura de incêndio, avaliado no valor de R$180.000,00, com vigência a partir da assinatura

Leia mais

Prof. Felipe Mascara

Prof. Felipe Mascara 01 - Considere as afirmativas a seguir, com relação aos Princípios Fundamentais de (PFC), do Conselho Federal de (CFC). I. COMPETÊNCIA: As receitas e as despesas devem ser incluídas na apuração do resultado

Leia mais

Lista de Exercícios com Gabarito Indicadores de Liquidez e Indicadores de Atividade

Lista de Exercícios com Gabarito Indicadores de Liquidez e Indicadores de Atividade FUNDAÇÃO EDUCACIONAL ROSEMAR PIMENTEL CENTRO UNIVERSITÁRIO GERALDO DI BIASE Faculdade de Administração Administração Financeira e Orçamentária I 1º semestre de 2011 Prof.: Tiago Sayão Email: tiagosayao@gmail.com

Leia mais

AVALIAÇÃO DOS ESTOQUES

AVALIAÇÃO DOS ESTOQUES FEA / USP Departamento de Contabilidade e Atuária EAC-106 Contabilidade Introdutória AVALIAÇÃO DOS ESTOQUES Prof. Fernando Dal-Ri Murcia 1 Operações de compra e venda de mercadorias 1. APURAÇÃO DO RESULTADO

Leia mais

Unidade II $

Unidade II $ CONTABILIDADE TRIBUTÁRIA Unidade II 4 CONTABILIZAÇÃO DE OPERAÇÕES COM MERCADORIAS COM TRIBUTAÇÃO 4.1 Compra de mercadorias com incidência de ICMS / PIS / COFINS recuperáveis Exemplo Vamos considerar uma

Leia mais

ITG 1000 PME s Giovana Garcia

ITG 1000 PME s Giovana Garcia ITG 1000 PME s Giovana Garcia Você bem preparado para o futuro da profissão. 1 RESOLUÇÃO CFC N.º 1.418/12 Aprova a ITG 1000 Modelo Contábil para Microempresa e Empresa de Pequeno Porte. X RESOLUÇÃO CFC

Leia mais

AS VARIAÇÕES DO PATRIMÓNIO LÍQUIDO. Abaixo estão mencionadas as transações da Cia. Petrópolis, organizada em 1º de setembro de X1:

AS VARIAÇÕES DO PATRIMÓNIO LÍQUIDO. Abaixo estão mencionadas as transações da Cia. Petrópolis, organizada em 1º de setembro de X1: AS VARIAÇÕES DO PATRIMÓNIO LÍQUIDO Exercício 4.1 Abaixo estão mencionadas as transações da Cia. Petrópolis, organizada em 1º de setembro de X1: 1 - integralização, em dinheiro, do capital social, $ 10.000;

Leia mais

CONTABILIDADE II DATA PARA ENTREGA: 27/10/2017 PROTOCOLO DE ENTREGA:

CONTABILIDADE II DATA PARA ENTREGA: 27/10/2017 PROTOCOLO DE ENTREGA: CONTABILIDADE II DATA PARA ENTREGA: 27//17 PROTOCOLO DE ENTREGA: Data: Data: Ass. Do Aluno: Ass. Do Professor: INVENTÁRIO DE MERCADORIAS EXEMPLOS: A empresa Rio Sul Ltda comercializa Móveis, passou em

Leia mais

Sumário. Introdução. Patrimônio

Sumário. Introdução. Patrimônio Sumário Sumário Introdução 2 Objeto 3 Finalidade ou objetivo 4 Pessoas interessadas nas informações contábeis 5 Funções 6 Identificação dos aspectos patrimoniais 7 Campo de aplicação 8 Áreas ou ramos 9

Leia mais

SIMULADOS elaborados pelo Prof: Humberto Lucena

SIMULADOS elaborados pelo Prof: Humberto Lucena SIMULADOS elaborados pelo Prof: Humberto Lucena Em cada questão, marque o item correto: 1. O princípio contábil que atribui às entidades personalidade própria, distinta da dos sócios, é o princípio da:

Leia mais

EXERCÍCIOS TEORIA DA CONTABILIDADE Prof. Valbertone Fonte CFC. RESPONDA AS QUESTÕES ABAIXO: 1 - Podemos considerar como fato permutativo a transação:

EXERCÍCIOS TEORIA DA CONTABILIDADE Prof. Valbertone Fonte CFC. RESPONDA AS QUESTÕES ABAIXO: 1 - Podemos considerar como fato permutativo a transação: RESPONDA AS QUESTÕES ABAIXO: 1 - Podemos considerar como fato permutativo a transação: a) compra de galpão para a fábrica. b) venda de mercadoria a prazo. c) pagamento de salários administrativos. d) pagamento

Leia mais

Dessa forma, os investimentos podem ser classificados de caráter temporários ou permanentes, como define Viceconti e Neves (2013).

Dessa forma, os investimentos podem ser classificados de caráter temporários ou permanentes, como define Viceconti e Neves (2013). Avaliação de Investimentos Aspectos Iniciais Investimento pode ser definido como a aplicação de recursos empresarias (montante financeiro) em bens ou direito do quais se esperam algum tipo de retorno futuramente,

Leia mais

Razonetes. Capital Bancos c/ Movto Caixa , , ,00. Imóveis ,00

Razonetes. Capital Bancos c/ Movto Caixa , , ,00. Imóveis ,00 Página 1 Procedimentos Básicos de Escrituração Escrituração é a técnica que consiste em registrar nos livros próprios, todos os fatos contábeis ocorridos numa empresa. A escrituração inicia-se pelo livro

Leia mais

FECHAMENTO DE BALANÇO - PROCEDIMENTOS

FECHAMENTO DE BALANÇO - PROCEDIMENTOS 1 - INTRODUÇÃO FECHAMENTO DE BALANÇO - PROCEDIMENTOS Nesta matéria, abordaremos os procedimentos para fechamento de balanço. Em primeiro lugar deve ser levado em consideração o plano de contas utilizado

Leia mais

b) Fianças concedidas como conta de compensação. Contabilidade Exercícios Lista 9

b) Fianças concedidas como conta de compensação. Contabilidade Exercícios Lista 9 1 Contabilidade Exercícios Lista 9 1. (UNIVERSA Perito Criminal Ciências Contábeis PCDF 2012) Com relação às reservas formadas mediante transferência de lucros, assinale a alternativa correta. a) As reservas

Leia mais

Contabilidade Introdutória

Contabilidade Introdutória Contabilidade Introdutória Profa. Mara Jane Contrera Malacrida 1 Avaliação de Estoques CPC 16 Caracterização do Estoque Estoques são ativos: a)mantidos para venda no curso normal dos negócios; b)em processo

Leia mais

4. Apure o valor da depreciação acumulada em 31/12/20015, sendo dados:

4. Apure o valor da depreciação acumulada em 31/12/20015, sendo dados: 1. Classifique os itens abaixo em: bens, direitos ou obrigações item bens direito obrigação Empréstimos a receber Dinheiro em caixa Dinheiro depositado no banco veículos biblioteca Salários a pagar estoques

Leia mais

Sumário. Capítulo Conceito Bens Direitos Obrigações Patrimônio Líquido Estados Patrimoniais...

Sumário. Capítulo Conceito Bens Direitos Obrigações Patrimônio Líquido Estados Patrimoniais... Sumário Capítulo 1 Conceitos Básicos...1 1. Contabilidade...1 1.1. Conceitos...1 1.2. Campo de Aplicação...2 1.3. Funções da Contabilidade...2 1.4. Usuários da Informação Contábil...3 1.5. Técnicas Contábeis

Leia mais

XXXXX. Ao receber as duplicatas o banco comunica à empresa, que efetua o seguinte lançamento contábil:

XXXXX. Ao receber as duplicatas o banco comunica à empresa, que efetua o seguinte lançamento contábil: Operações Financeiras - O objetivo das empresas ao realizar estas operações é o de gerar recursos financeiros. Dentre as principais modalidades de operações financeiras destacam-se: - Operações com Duplicatas

Leia mais

Comentários Tropa. 1. Débito Caixa 860,00 Crédito Receita de Vendas 860, Débito Caixa 820,00 Crédito Banco Conta Movimento 820,00

Comentários Tropa. 1. Débito Caixa 860,00 Crédito Receita de Vendas 860, Débito Caixa 820,00 Crédito Banco Conta Movimento 820,00 Comentários Tropa Prof. Celso Fleming Contabilidade 1) Ao se fazer a auditoria da conta Caixa da Empresa Irmãos Metralhas S/C Ltda., forma identificadas as seguintes irregularidades: 1) Houve uma omissão

Leia mais

CONTABILIDADE BÁSICA I 1ª LISTA DE EXERCÍCIOS

CONTABILIDADE BÁSICA I 1ª LISTA DE EXERCÍCIOS CONTABILIDADE BÁSICA I 1ª LISTA DE EXERCÍCIOS UNIDADE I PANORAMA GERAL DA CONTABILIDADE 1) O que é contabilidade e qual o seu objetivo? 2) Onde a contabilidade pode ser aplicada? 3) Quais são os usuários

Leia mais

AVALIAÇÃO DOS ESTOQUES

AVALIAÇÃO DOS ESTOQUES AVALIAÇÃO DOS ESTOQUES (cap 5) Prof. Renê Coppe Pimentel Material e conteúdo padronizados elaborados por professores da FEA/USP 1 Avaliação de Estoques CPC 16 Caracterização do Estoque Estoques são ativos:

Leia mais

Exercício Contabilidade Básica Maratona 02

Exercício Contabilidade Básica Maratona 02 Sumário I Operações com Mercadorias... 2 1. CVM - Analista (ESAF- 2010) - Componentes do Custo... 2 2. BR Distribuidora - Técnico (Cesgranrio- 2009) - Apuração do CMV... 2 3. TCM/PA - Analista (FGV- 2008)

Leia mais

Sumário. Capítulo 2. Conceitos Básicos...1. Patrimônio Contabilidade_Geral_Resumida_cap_00.indd 9 14/10/ :44:34

Sumário. Capítulo 2. Conceitos Básicos...1. Patrimônio Contabilidade_Geral_Resumida_cap_00.indd 9 14/10/ :44:34 Sumário Capítulo 1 Conceitos Básicos...1 1. Contabilidade: Conceitos, Objeto, Objetivo, Finalidade e Campo de Aplicação...1 2. Usuários da Informação Contábil...2 3. Principais Tipos de Sociedades Existentes

Leia mais

Conteúdo Programático Contabilidade Geral Básica - CGB [2ª Edição]

Conteúdo Programático Contabilidade Geral Básica - CGB [2ª Edição] Conteúdo Programático Contabilidade Geral Básica - CGB [2ª Edição] CAPÍTULO I. Introdução ao Curso de Contabilidade Introdução ao Curso de Contabilidade 1. Contabilidade. 2. Contabiliza.se o quê. 3. O

Leia mais

OPERAÇÕES FINANCEIRA

OPERAÇÕES FINANCEIRA OPERAÇÕES FINANCEIRA (Cap 09) Prof. Renê Coppe Pimentel Material e conteúdo padronizados elaborados por professores da FEA/USP Renê Coppe Pg. 1 APLICAÇÃO DE RECURSOS (ATIVOS): APLICAÇÕES FINANCEIRAS Renê

Leia mais

Prof. Jean Cavaleiro. Unidade I CONTABILIDADE

Prof. Jean Cavaleiro. Unidade I CONTABILIDADE Prof. Jean Cavaleiro Unidade I CONTABILIDADE Objetivos Conhecer o papel da contabilidade. Conhecer aspectos legais da contabilidade. Conhecer aspectos técnicos de contabilidade. Conhecer as mudanças recentes

Leia mais

CONTABILIDADE INTRODUTÓRIA Profª Dilci Oliveira

CONTABILIDADE INTRODUTÓRIA Profª Dilci Oliveira CONTABILIDADE INTRODUTÓRIA Profª Dilci Oliveira Contabilidade é a ciência que estuda, registra, controla e interpreta os fatos ocorridos no patrimônio das entidades com fins lucrativos ou não. Objetivos

Leia mais

SUMÁRIO APRESENTAÇÃO DA COLEÇÃO...

SUMÁRIO APRESENTAÇÃO DA COLEÇÃO... SUMÁRIO APRESENTAÇÃO DA COLEÇÃO... 19 CAPÍTULO I ESTRUTURA CONCEITUAL BÁSICA DA CONTABILIDADE... 21 1. Conceito de contabilidade... 21 2. Objeto... 22 3. Campo de aplicação... 23 4. Objetivos... 23 5.

Leia mais

AFRFB 2014 Contabilidade Resolução da Prova

AFRFB 2014 Contabilidade Resolução da Prova AFRFB 2014 Contabilidade Resolução da Prova Prof. Marcelo Seco Vamos às questões? 1 Esaf 2014 AFRFB O lucro obtido na Venda de Imobilizado e o Resultado de Equivalência Patrimonial representam, na Demonstração

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO JOÃO DEL-REI NÚCLEO DE EDUCAÇÃO À DISTÂNCIA CURSO DE GRADUAÇÃO EM ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO JOÃO DEL-REI NÚCLEO DE EDUCAÇÃO À DISTÂNCIA CURSO DE GRADUAÇÃO EM ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO JOÃO DEL-REI NÚCLEO DE EDUCAÇÃO À DISTÂNCIA CURSO DE GRADUAÇÃO EM ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA PROVA DE SELEÇÃO DE TUTORES NA MODALIDADE À DISTÂNCIA GRUPO: CONTABILIDADE DATA: HORÁRIO:

Leia mais

Tribunais - Exercícios AFO e Direito Financeiro Exercício - Contabilidade Alexandre Américo

Tribunais - Exercícios AFO e Direito Financeiro Exercício - Contabilidade Alexandre Américo Tribunais - Exercícios AFO e Direito Financeiro Exercício - Contabilidade Alexandre Américo 2012 Copyright. Curso Agora Eu Passo - Todos os direitos reservados ao autor. MÓDULO DE QUESTÕES DE CONTABILIDADE

Leia mais

Contabilidade Geral Lista 06 Exercícios

Contabilidade Geral Lista 06 Exercícios 1 Contabilidade Geral Lista 06 Exercícios 1. (CESPE - PREVIC - ANALISTA CONTÁBIL 2011) Quando há previsão no estatuto de determinada companhia para a participação dos empregados no lucro apurado, essa

Leia mais

Capítulo 02: O Método das Partidas Dobradas

Capítulo 02: O Método das Partidas Dobradas Capítulo 02: O Método das Partidas Dobradas Livro Base: Contabilidade Básica César Augusto Tibúrcio Silva & Gilberto Tristão Universidade de Brasília - UnB Departamento de Ciências Contábeis e Atuariais

Leia mais

EXERCICIOS SOBRE DFC. As demonstrações contábeis da Empresa Cosmos, sociedade anônima de capital aberto, em X2, eram os seguintes:

EXERCICIOS SOBRE DFC. As demonstrações contábeis da Empresa Cosmos, sociedade anônima de capital aberto, em X2, eram os seguintes: EXERCICIOS SOBRE DFC As demonstrações contábeis da Empresa Cosmos, sociedade anônima de capital aberto, em 31.12.X2, eram os seguintes: ATIVO X1 X2 PASSIVO X1 X2 Disponível 3.000 1.500 Fornecedores 54.000

Leia mais

Contabilidade ESTRUTURA PATRIMONIAL SITUAÇÃO LÍQUIDA (PATRIMÔNIO LÍQUIDO) FLUXO DE RECURSOS. Fluxo dos recursos SÍNTESE DO FUNCIONAMENTO DAS CONTAS

Contabilidade ESTRUTURA PATRIMONIAL SITUAÇÃO LÍQUIDA (PATRIMÔNIO LÍQUIDO) FLUXO DE RECURSOS. Fluxo dos recursos SÍNTESE DO FUNCIONAMENTO DAS CONTAS ESTRUTURA PATRIMONIAL Patrimônio = Bens + Direitos ( ) Obrigações SITUAÇÃO LÍQUIDA (PATRIMÔNIO LÍQUIDO) Ativo ( ) Passivo = Situação Líquida (Patrimônio Líquido) FLUXO DE RECURSOS ATIVO Aplicação dos Recursos

Leia mais

Prova Comentada de Contabilidade Geral Técnico Judiciário - Contabilidade

Prova Comentada de Contabilidade Geral Técnico Judiciário - Contabilidade Prova Comentada de Contabilidade Geral Técnico Judiciário - Contabilidade Contabilidade Geral p/ TRT-MG Pessoal, a seguir comentamos as questões referentes ao cargo de Técnico Judiciário do TRT-MG. Tomei

Leia mais

U F F M B A P G G N GESTÃO CONTÁBIL GERENCIAL Araújo

U F F M B A P G G N GESTÃO CONTÁBIL GERENCIAL Araújo 1 Técnicas e Registro de Operações Contábeis 2 a) A Companhia Belém foi constituída em primeiro de setembro de 20X1 com capital social de $ 20.000 para atuar na revenda de produtos. Os eventos, que a empresa

Leia mais

CONTABILIDADE II CAPÍTULO 01 BALANÇO PATRIMONIAL BP

CONTABILIDADE II CAPÍTULO 01 BALANÇO PATRIMONIAL BP CONTABILIDADE II CAPÍTULO 01 BALANÇO PATRIMONIAL BP ATIVO PASSIVO CIRCULANTE CIRCULANTE Caixa Fornecedores Banco Conta Movimento Duplicatas a pagar Aplicações Financeiras ICMS a recolher Duplicatas a receber

Leia mais

Dersa Desenvolvimento Rodoviário S.A. Balanços patrimoniais

Dersa Desenvolvimento Rodoviário S.A. Balanços patrimoniais Balanços patrimoniais em 31 de dezembro de 2014 e 2013 Ativo Nota 2014 2013 Passivo Nota 2014 2013 (Ajustado) (Ajustado) Circulante Circulante Caixa e equivalentes de caixa 5 48.650 835 Fornecedores 10

Leia mais

Contabilidade Básica - Material 4 - Prof. Marcos César Bottaro

Contabilidade Básica - Material 4 - Prof. Marcos César Bottaro Contas Anteriormente registramos cada uma das operações contábeis diretamente no balanço patrimonial. Contudo, na prática, cada uma dessas operações ocorre inúmeras vezes no decorrer de um único dia, tornando

Leia mais

. Natureza de saldo das contas

. Natureza de saldo das contas . Natureza de saldo das contas Introdução Prezado candidato/aluno é de extrema importância entendermos a natureza de saldo das contas em contabilidade, em razão disse devemos separar as contas patrimoniais

Leia mais

UFF- UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU EM AUDITORIA E CONTABILIDADE PROF. RICARDO DAVI MORAES E SILVA ESTUDOS DE CASO

UFF- UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU EM AUDITORIA E CONTABILIDADE PROF. RICARDO DAVI MORAES E SILVA ESTUDOS DE CASO 1 UFF- UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU EM AUDITORIA E CONTABILIDADE PROF. RICARDO DAVI MORAES E SILVA ESTUDOS DE CASO 1 - Com base nas orientações, proceda a auditoria, elaborando

Leia mais

Contabilidade Geral Prova 2 Gabarito 1 Questão 01 A questão solicita que o candidato indique a afirmativa incorreta, que é encontrada na alternativa c : No ativo, as contas serão dispostas em ordem crescente

Leia mais

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS De acordo com as normas brasileiras de contabilidade (NBC), julgue os itens a seguir, relativos à escrituração contábil. CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS O balancete de verificação da empresa Solmaior, no fim

Leia mais

CONTABILIDADE GERAL

CONTABILIDADE GERAL CONTABILIDADE GERAL 01- José Rodrigues Mendes, Maria Helena Souza e Pedro Paulo Frota, tempos atrás, criaram uma empresa para comerciar chinelos e roupas, na forma de Sociedade por Quotas de Responsabilidade

Leia mais

Elekeiroz S.A. Demonstrações contábeis de acordo com as práticas contábeis adotadas no Brasil e com o IFRS em 31 de dezembro de 2013

Elekeiroz S.A. Demonstrações contábeis de acordo com as práticas contábeis adotadas no Brasil e com o IFRS em 31 de dezembro de 2013 Elekeiroz S.. Demonstrações contábeis de acordo com as práticas contábeis adotadas no Brasil e com o IFRS em 31 de dezembro de 2013 Balanço patrimonial tivo Circulante Nota 31 de dezembro de 2013 31 de

Leia mais

PROVISÕES, ATIVOS E PASSIVOS CONTINGÊNTES

PROVISÕES, ATIVOS E PASSIVOS CONTINGÊNTES PROVISÕES, ATIVOS E PASSIVOS CONTINGÊNTES (Cap 6 CPC 25) Prof. Renê Coppe Pimentel Renê Coppe Pg. 1 CARACTERIZAÇÃO Passivo é uma obrigação presente da entidade, derivada de eventos já ocorridos, cuja liquidação

Leia mais

1. Elaborar a Demonstração dos Fluxos de Caixa (Método Direto e Indireto). BALANÇO PATRIMONIAL Ativo X1 X2 Variação ATIVO CIRCULANTE

1. Elaborar a Demonstração dos Fluxos de Caixa (Método Direto e Indireto). BALANÇO PATRIMONIAL Ativo X1 X2 Variação ATIVO CIRCULANTE 1. Elaborar a Demonstração dos Fluxos de Caixa (Método Direto e Indireto). C I A. E X E M P L O BALANÇO PATRIMONIAL Ativo X1 X2 Variação ATIVO CIRCULANTE Caixa 2.500 18.400 15.900 Clientes 15.600 13.400

Leia mais

8.000 ATIVO CIRCULANTE

8.000 ATIVO CIRCULANTE BALANÇO PATRIMONIAL DEMONSTRAÇÃO DO RESULTADO Ativo X0 X1 Receita de Vendas 8.000 ATIVO CIRCULANTE 500 2.150 (-) CPV -5.000 Caixa 100 1.000 Lucro Bruto 3.000 Bancos 200 100 (-) Despesas financeiras -1.500

Leia mais