Organização de Computadores

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Organização de Computadores"

Transcrição

1 Organização de Computadores Aula 23 Entrada e Saída (I/O) Rodrigo Hausen 03 de novembro de /62

2 Apresentação 1. Bases Teóricas 2. Organização de computadores Estruturas de Interconexão 2.4. Sistema de Memórias 2.5. Subsistema de Entrada/Saída (I/O) Aula de hoje: Stallings (5a. Edição), 6.1. Dispositivos externos; 6.2. Módulos de E/S; 6.3. E/S programada; 6.4. E/S dirigida por interrupção 2/62

3 Entrada/Saída: Problemas Entrada/Saída = E/S = Input/Output = I/O 3/62

4 Entrada/Saída: Problemas Entrada/Saída = E/S = Input/Output = I/O Grande variedade de periféricos em uso Transmitem diferentes quantidades de dados Velocidades de transmissão e acesso diferentes Em formatos diferentes Todos os periféricos são mais lentos do que a CPU e memória principal (memória RAM) 4/62

5 Entrada/Saída: Problemas Entrada/Saída = E/S = Input/Output = I/O Grande variedade de periféricos em uso Transmitem diferentes quantidades de dados Velocidades de transmissão e acesso diferentes Em formatos diferentes Todos os periféricos são mais lentos do que a CPU e memória principal (memória RAM) Necessidade de módulos de I/O 5/62

6 Entrada/Saída: Problemas Entrada/Saída = E/S = Input/Output = I/O Grande variedade de periféricos em uso Transmitem diferentes quantidades de dados Velocidades de transmissão e acesso diferentes Em formatos diferentes Todos os periféricos são mais lentos do que a CPU e memória principal (memória RAM) Necessidade de módulos de I/O Circuitos lógicos que fazem a tradução entre os sinais elétricos apropriados à CPU/memória e o dispositivo Interface ao processador e memória principal através do barramento do sistema Interface para um ou mais dispositivos periféricos 6/62

7 Módulo de I/O: Modelo Genérico interface interna interface externa 7/62

8 Dispositivos Externos Para interação com o usuário (Human Interaction Devices): monitor de vídeo, impressora, teclado, mouse Para interação com outros dispositivos periféricos: fitas, discos, placa de captura de vídeo sensores de monitoramento e controle Para comunicação com dispositivos remotos: modem, placa de rede 8/62

9 Dispositivo Externo: Diagrama em Blocos Sinais de controle do módulo de I/O Sinais de estado p/ módulo de I/O Bits de dados de/para módulo de I/O Lógica de controle Buffer Transdutor Dados (esp. do dispositivo) de/para ambiente externo 9/62

10 Dispositivo Externo: Diagrama em Blocos Sinais de controle do módulo de I/O Sinais de estado p/ módulo de I/O Bits de dados de/para módulo de I/O Lógica de controle Buffer Transdutor determinam função a ser executada Dados (esp. do dispositivo) de/para ambiente externo 10/62

11 Dispositivo Externo: Diagrama em Blocos Sinais de controle do módulo de I/O Sinais de estado p/ módulo de I/O Bits de dados de/para módulo de I/O Lógica de controle Buffer Transdutor indicam o estado do dispositivo Dados (esp. do dispositivo) de/para ambiente externo 11/62

12 Dispositivo Externo: Diagrama em Blocos Sinais de controle do módulo de I/O Sinais de estado p/ módulo de I/O Bits de dados de/para módulo de I/O Lógica de controle Buffer Transdutor controla as operações do dispositivo Dados (esp. do dispositivo) de/para ambiente externo 12/62

13 Dispositivo Externo: Diagrama em Blocos Sinais de controle do módulo de I/O Sinais de estado p/ módulo de I/O Bits de dados de/para módulo de I/O Lógica de controle Buffer Transdutor converte sinais internos de/para formato adequado ao dispositivo Dados (esp. do dispositivo) de/para ambiente externo 13/62

14 Dispositivo Externo: Diagrama em Blocos Sinais de controle do módulo de I/O Sinais de estado p/ módulo de I/O Bits de dados de/para módulo de I/O Lógica de controle Buffer Transdutor área de armazenamento temporário de dados de/para dispositivo Dados (esp. do dispositivo) de/para ambiente externo 14/62

15 Dispositivo Externo: Diagrama em Blocos Sinais de controle do módulo de I/O Sinais de estado p/ módulo de I/O Bits de dados de/para módulo de I/O Lógica de controle Buffer Transdutor converte sinais internos de/para formato adequado ao dispositivo Dados (esp. do dispositivo) de/para ambiente externo 15/62

16 Módulo de I/O: Funções Controle e temporização Comunicação com a CPU Comunicação com o dispositivo Armazenamento temporário de dados (buffering) Detecção/correção de erros (opcional) 16/62

17 Controle e Temporização de I/O 1) CPU requisita estado do dispositivo ao módulo de I/O 2) Módulo de I/O retorna estado 3) Se estado = pronto CPU requisita transf. de dados enviando comando ao módulo de I/O 4) Módulo de I/O obtém uma unidade de dados do dispositivo 5) Dado é transferido do Módulo de I/O para CPU Variações para saída de dados, DMA, etc. 17/62

18 Comunicação com a CPU Decodificação de comandos: módulo de I/O aceita comandos através de sinais no barramento de controle Dados: transmitidos entre a CPU e o módulo de I/O pelo barramento de dados Informação de estado: comumente, pelo fato de periféricos serem lentos, é comum ter sinais do tipo ocupado (busy) ou pronto (ready). Reconhecimento de endereço: módulo de I/O deve reconhecer endereço único para cada periférico controlado por ele 18/62

19 Comunicação de um Módulo de I/O Comunicação com o dispositivo: comandos, informação de estado e dados Armazenamento temporário de dados (buffering): dados vêm da CPU/memória em alta velocidade (alta taxa de transferência) e precisam ser temporariamente armazenados pelo módulo de I/O para serem consumidos pelo dispositivo de acordo com a sua velocidade Detecção/correção de erros: responsável por reportar erros à CPU 19/62

20 Taxas de Transferência Típicas Memória típica (DDR2 PC3200, comum em 2011): 3200MB/s, aprox. 2.6 x bps 20/62

21 Módulo de I/O: Diagrama 21/62

22 Módulo de I/O: Diagrama conexão com barr. do sistema 22/62

23 Módulo de I/O: Diagrama armazenamento temporário (buffering) 23/62

24 Módulo de I/O: Diagrama armazenam informs. de estado e controle 24/62

25 Módulo de I/O: Diagrama módulo deve reconhecer e gerar endereços para dispositivos controlados por ele 25/62

26 Módulo de I/O: Diagrama CPU: envia comandos para o módulo de I/O módulo: retorna sinais de estado e interrupção 26/62

27 Módulo de I/O: Diagrama interpreta comandos da CPU, envia sinais de controle para interfaces de dispositivos, retorna sinais de estado 27/62

28 Módulo de I/O: Diagrama cada dispositivo possui uma interface diferente, por possuir características diferentes 28/62

29 Decisões do Módulo de I/O Funções do módulo de I/O permitem à CPU ver o dispositivo de uma maneira simples Módulo de I/O pode ocultar detalhes do dispositivo de tal forma que a CPU pode operar o dispositivo em termos de operações simples de leitura e escrita. Temporização, formatos, etc. podem ser todos traduzidos e controlados automaticamente pelo módulo (ou não!) Módulo de I/O pode escolher deixar o trabalho de controlar um dispositivo visível à CPU: rebobinar uma fita, ejetar um disco, etc. 29/62

30 Técnicas de I/O I/O programada: CPU tem controle direto sobre a entrada/saída. Mais simples, mas consome mais tempo da CPU. 30/62

31 Técnicas de I/O I/O programada: CPU tem controle direto sobre a entrada/saída. Mais simples, mas consome mais tempo da CPU. I/O por interrupção: CPU delega parte do controle ao controlador (módulo) do dispositivo. Um pouco mais elaborada, consome menos tempo da CPU. 31/62

32 Técnicas de I/O I/O programada: CPU tem controle direto sobre a entrada/saída. Mais simples, mas consome mais tempo da CPU. I/O por interrupção: CPU delega parte do controle ao controlador (módulo) do dispositivo. Um pouco mais elaborada, consome menos tempo da CPU. I/O por processadores: CPU delega quase, ou totalmente, o controle da entrada/saída a um processador. DMA I/O por canais 32/62

33 I/O Programada CPU tem controle direto sobre a entrada/saída Verificando estado dos dispositivos Enviando comandos de leitura/escrita Transferindo dados CPU aguarda término da operação, informado pelo módulo de I/O Desperdiça tempo da CPU 33/62

34 I/O Programada 34/62

35 I/O Programada desperdício de tempo da CPU (busy wait) 35/62

36 I/O Programada desperdício de tempo da CPU (busy wait) note que o módulo de I/O não informa a CPU diretamente sobre o estado do dispositivo 36/62

37 Comandos de Entrada/Saída CPU fornece endereço Identifica módulo (e dispositivo se há mais de um por módulo) CPU fornece comando Controle diz ao módulo o que fazer ex.: ligar motor do disco rígido Teste - verifica estado do dispositivo ex.: está ligado? ocorreu erro? Leitura/escrita Módulo transfere dados através do buffer de/para o dispositivo 37/62

38 Endereçamento de Dispositivos Do ponto de vista da CPU, I/O programada é bem parecida com acesso à memória Cada dispositivo possui um identificador único (endereço) comandos da CPU fornecem identificadores necessários I/O mapeada em memória (memory-mapped I/O): Dispositivos de I/O e memória compartilham o mesmo espaço de endereçamento I/O independente (ou I/O por portas): Espaços de endereçamento isolados 38/62

39 I/O mapeada em Memória Dispositivos e memória compartilham o mesmo espaço de endereçamento isto não quer dizer que os dispositivos copiem os dados diretamente para a memória nem que a CPU os acesse através da memória Os registradores de estado e de dados de cada módulo de I/O são vistos como endereços, indistintamente dos endereços da memória principal Linhas de controle também compartilhadas, portanto não é possível ter um mesmo endereço disponível para acessar a memória e um dispositivo. Não são necessários comandos especiais para I/O Se já há uma vasta gama de comandos de acesso à memória, aumenta a flexibilidade de programação 39/62

40 I/O independente (I/O por portas) Espaços de endereçamento separados para dispositivos e memória Linhas de controle separadas para memória e dispositivos (podemos ter o mesmo número de endereço para uma posição de memória e um dispositivo) Necessidade de comandos especiais para I/O Ou implementa-se uma variedade maior de comandos (complicando o projeto da CPU), ou restringe-se a variedade de métodos de acesso (menor flexibilidade) Geralmente, são implementados registradores especiais na CPU para lidar com I/O PCs com processadores da família Intel 32/64 bits usam tanto I/O mapeada em memória quanto por portas. 40/62

41 I/O por Interrupção Evita desperdiçar o tempo da CPU (busy wait) com tarefas menos nobres Não é necessário colocar instruções no programa para que que a CPU fique constantemente verificando o estado do dispositivo Módulo de I/O interrompe a CPU quando pronto Necessário alterar o ciclo de instrução da CPU: ao final de cada ciclo, a CPU verifica as linhas de estado automaticamente e entra em tratamento de interrupção caso haja interrupção 41/62

42 I/O por Interrupção 42/62

43 Processamento de Interrupção Controlador de dispositivo ou outro dispositivo de hardware lança uma interrupção Processador termina execução da instrução atual Salva o resto do contexto (estado atual de execução do processo, como conteúdo de regs. de dados) Processador sinaliza reconhecimento da interrupção Processa interrupção (handler) Processador salva o contexto (copia estado do PC e registradores de estado/endereç. para memória) Processador carrega PC com novo valor, baseado no tipo de interrupção Restaura contexto do processo Restaura estado anterior do PC e de registradores de estado e endereçamento 43/62

44 Interrupções: Questões de Projeto Como identificar o módulo que solicitou a interrupção Como lidar com múltiplas interrupções? p. ex. Um handler de interrupção sendo interrompido 44/62

45 Identificação do Módulo Múltiplas linhas de interrupção: Número limitado de linhas Geralmente, diversos módulos conectados numa mesma linha Geralmente, em cada linha, usa-se uma técnica diversa: Identificação por software (software polling) Identificação por hardware (hardware polling ou daisy chaining) Arbitração do barramento (bus mastering) 45/62

46 Identificação por Software Software polling: o handler de interrupção pergunta a cada módulo de I/O qual dispositivo gerou a interrupção Alternativamente, handler pode ler registradores de estado de cada módulo. Handler chama outro handler específico para o dispositivo que gerou interrupção. Consome muito tempo da CPU. 46/62

47 Identificação por Hardware Também chamado daisy chain ou hardware poll Reconhecimento de interrupção é enviado a uma cadeia de dispositivos Módulo responsável coloca uma palavra no barramento, chamada vetor de interrupção, que consiste de um identificador (endereço) CPU usa esse vetor para identificar dispositivo e handler 47/62

48 Arbitração do Barramento Também utiliza interrupção vetorada O módulo primeiramente obtém o controle do barramento (tornando-se mestre), depois ativa a linha de interrupção CPU detecta a linha de interrupção, depois responde pela linha de barramento Módulo coloca seu byte de dados no barramento Usado nos barramentos de expansão PCI e SCSI Se diversas linhas de interrupção são utilizadas, a CPU utiliza a de maior prioridade comparação: na identificação por software, a ordem de pesquisa determina a prioridade; na identificação por hardware, a ordem de conexão determina prioridade. 48/62

49 Interrupções Múltiplas Cada linha de interrupção tem uma prioridade Interrupções em linhas com maior prioridade podem interromper interrupções em linhas com maior prioridade Se identificação é feita por arbitração do barramento, apenas o mestre atual pode gerar interrupção 49/62

50 ... Exemplo: Barramento PC (legado) Processadores antigos da família 80x86 (do 8086 até o 80365) possuem apenas uma linha de interrupção (INTR) e uma linha de reconhecimento de interrupção (INTA) Sistemas baseados no 8086 usam controlador de interrupção 8259A, que tem 8 linhas de interrupção IRQ0 IRQ1 8259A INTR INTA 8086 CPU IRQ7 barr. dados 50/62

51 ... Exemplo: Barramento PC (legado) Modo de funcionamento: 1.1) 8259A recebe interrupções IRQ0 IRQ1 8259A INTR INTA 8086 CPU IRQ7 barr. dados 51/62

52 ... Exemplo: Barramento PC (legado) Modo de funcionamento: 1.2) 8259A determina prioridade IRQ0 IRQ1 8259A INTR INTA 8086 CPU IRQ7 barr. dados 52/62

53 ... Exemplo: Barramento PC (legado) Modo de funcionamento: 1.3) 8259A avisa a CPU (8086), colocando INTR em 1 IRQ0 IRQ1 8259A INTR INTA 8086 CPU IRQ7 barr. dados 53/62

54 ... Exemplo: Barramento PC (legado) Modo de funcionamento: 1.4) CPU reconhece, colocando INTA em 1 IRQ0 IRQ1 8259A INTR INTA 8086 CPU IRQ7 barr. dados 54/62

55 ... Exemplo: Barramento PC (legado) Modo de funcionamento: 1.5) 8259A coloca vetor correto no barramento de dados IRQ0 IRQ1 8259A INTR INTA 8086 CPU IRQ7 barr. dados 55/62

56 ... Exemplo: Barramento PC (legado) Modo de funcionamento: 1.6) CPU comunica-se diretamente com módulo de I/O para ler/escrever dados IRQ0 IRQ1 IRQ7 8259A barr. dados INTR INTA 8086 CPU end. ctrl.. 56/62

57 ... Exemplo: Barramento PC (legado) Modo de funcionamento: 1.7) 8259A prepara-se para próxima interrupção IRQ0 IRQ1 8259A INTR INTA 8086 CPU IRQ7 barr. dados 57/62

58 ... Exemplo: Barramento PC (legado) Modo de funcionamento: 2.3) 8259A avisa a CPU (8086), colocando INTR em 1 IRQ0 IRQ1 8259A INTR INTA 8086 CPU IRQ7 barr. dados 58/62

59 ... Exemplo: Barramento PC (legado) Modo de funcionamento: 2.4) CPU reconhece, colocando INTA em 1 IRQ0 IRQ1 8259A INTR INTA 8086 CPU IRQ7 barr. dados 59/62

60 ... Exemplo: Barramento PC (legado) Modo de funcionamento: 2.5) 8259A coloca vetor correto no barramento de dados IRQ0 IRQ1 8259A INTR INTA 8086 CPU IRQ7 barr. dados 60/62

61 ... Exemplo: Barramento PC (legado) Modo de funcionamento: 2.6) CPU comunica-se diretamente com módulo de I/O para ler/escrever dados IRQ0 IRQ1 IRQ7 8259A barr. dados INTR INTA 8086 CPU end. ctrl.. 61/62

62 Mais de 8 linhas de Interrupção 62/62

Dispositivos de Entrada e Saída

Dispositivos de Entrada e Saída Departamento de Ciência da Computação - UFF Dispositivos de Entrada e Saída Prof. Marcos A. Guerine mguerine@ic.uff.br 1 Dipositivos periféricos ou simplesmente periféricos permitem a comunicação da máquina

Leia mais

Organização de Computadores 1

Organização de Computadores 1 Organização de Computadores 1 3.4 SISTEMA DE ENTRADA E SAÍDA Prof. Luiz Gustavo A. Martins Arquitetura de von Newmann: Computadores atuais Componentes estruturais: Memória Principal Unidade de Processamento

Leia mais

Entrada e Saída (E/S)

Entrada e Saída (E/S) Organização e Arquitetura de Computadores Entrada e Saída (E/S) Givanaldo Rocha de Souza http://docente.ifrn.edu.br/givanaldorocha givanaldo.rocha@ifrn.edu.br Baseado no material do prof. Sílvio Fernandes

Leia mais

Barramento. Prof. Leonardo Barreto Campos 1

Barramento. Prof. Leonardo Barreto Campos 1 Barramento Prof. Leonardo Barreto Campos 1 Sumário Introdução; Componentes do Computador; Funções dos Computadores; Estrutura de Interconexão; Interconexão de Barramentos Elementos de projeto de barramento;

Leia mais

Universidade Federal de Minas Gerais. Sistemas Operacionais. Aula 19. Sistema de Entrada/Saída

Universidade Federal de Minas Gerais. Sistemas Operacionais. Aula 19. Sistema de Entrada/Saída Aula 19 Sistema de Entrada/Saída Sistema de E/S Por que estudar? Essenciais! Muitos tipos: - mouse - discos - impressora - scanner - rede - modem Cada fabricante complica de um jeito diferente. Tempos

Leia mais

Organização de Computadores

Organização de Computadores Organização de Computadores Aula 19 Barramentos: Estruturas de Interconexão Rodrigo Hausen 14 de outubro de 2011 http://cuco.pro.br/ach2034 1/40 Apresentação 1. Bases Teóricas 2. Organização de computadores

Leia mais

Sistema de entrada e saída (E/S)- Módulos de E/S; tipos de operações de E/S

Sistema de entrada e saída (E/S)- Módulos de E/S; tipos de operações de E/S Sistema de entrada e saída (E/S)- Módulos de E/S; tipos de operações de E/S Explicitar aos alunos os modelos de entrada e saída em um computador e quais barramentos se aplicam a cada componente: memória,

Leia mais

Arquitetura e Organização de Computadores

Arquitetura e Organização de Computadores UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO SEMI-ÁRIDO DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS EXATAS E NATURAIS CURSO DE CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO Arquitetura e Organização de Computadores Módulos de E/S Prof. Sílvio Fernandes Introdução

Leia mais

Os textos nestas caixas foram adicionados pelo Prof. Joubert

Os textos nestas caixas foram adicionados pelo Prof. Joubert William Stallings Arquitetura e Organização de Computadores 8 a Edição Capítulo 3 Visão de alto nível da função e interconexão do computador Os textos nestas caixas foram adicionados pelo Prof. Joubert

Leia mais

Entrada e Saída e Dispositivos

Entrada e Saída e Dispositivos Entrada e Saída e Dispositivos Uma das funções do Sistema Operacional é: - Gerência de dispositivos de E/S. Operações: - Tratamento de interrupções - Tratamento erros - Interfaceamento entre os dispositivos

Leia mais

UFRJ IM - DCC. Sistemas Operacionais I. Unidade IV Gerência de Recursos Entrada e Saída. 02/12/2014 Prof. Valeria M. Bastos

UFRJ IM - DCC. Sistemas Operacionais I. Unidade IV Gerência de Recursos Entrada e Saída. 02/12/2014 Prof. Valeria M. Bastos UFRJ IM - DCC Sistemas Operacionais I Unidade IV Gerência de Recursos Entrada e Saída 02/12/2014 Prof. Valeria M. Bastos 1 ORGANIZAÇÃO DA UNIDADE Gerência de Entrada e Saída Fundamentos Evolução Estrutura

Leia mais

William Stallings Arquitetura e Organização de Computadores 8 a Edição

William Stallings Arquitetura e Organização de Computadores 8 a Edição William Stallings Arquitetura e Organização de Computadores 8 a Edição Capítulo 3 Visão de alto nível da função e interconexão do computador slide 1 Conceito de programa Sistemas hardwired são inflexíveis.

Leia mais

Notas da Aula 14 - Fundamentos de Sistemas Operacionais

Notas da Aula 14 - Fundamentos de Sistemas Operacionais Notas da Aula 14 - Fundamentos de Sistemas Operacionais 1. Dispositivos de E/S Uma operação de entrada e saída é aquela que envolve a leitura ou escrita de dados a partir de dispositivos que estão fora

Leia mais

PCS-2529 Introdução aos Processadores. Prof. Dr. Paulo Sérgio Cugnasca

PCS-2529 Introdução aos Processadores. Prof. Dr. Paulo Sérgio Cugnasca PCS-2529 Introdução aos Processadores Prof. Dr. Paulo Sérgio Cugnasca 1 2 Existem 4 esquemas diferentes de E/S possíveis, cada um se aplicando em uma determinada situação. E/S Programada. E/S Acionada

Leia mais

SISTEMAS OPERACIONAIS ABERTOS Prof. Ricardo Rodrigues Barcelar

SISTEMAS OPERACIONAIS ABERTOS Prof. Ricardo Rodrigues Barcelar - Aula 1-1. ENTRADAS E SAIDAS Uma das principais funções dos sistemas operacionais é controlar os dispositivos de entrada e saída (E/S ou I/O). O Sistema Operacional (SO) deve ser capaz de enviar comando

Leia mais

Introdução a Tecnologia da Informação

Introdução a Tecnologia da Informação Introdução a Tecnologia da Informação Arquitetura de Computadores Hardware e Software Prof. Jeime Nunes p Tipos de memória n RAM (random access memory) - memória de acesso aleatório, é volátil e permite

Leia mais

O Sistema de Computação

O Sistema de Computação O Sistema de Computação Arquitetura de Computadores Prof. Vilson Heck Junior O Sistema de Computação INTRODUÇÃO Introdução Sistemas Computacionais podem ser divididos em camadas: Aplicativos Sistema Operacional

Leia mais

William Stallings Arquitetura e Organização de Computadores 8 a Edição

William Stallings Arquitetura e Organização de Computadores 8 a Edição William Stallings Arquitetura e Organização de Computadores 8 a Edição Capítulo 7 Entrada/saída Os textos nestas caixas foram adicionados pelo Prof. Joubert slide 1 Problemas de entrada/saída Grande variedade

Leia mais

Hardware: Componentes Básicos. Sistema de Computador Pessoal. Anatomia de um Teclado. Estrutura do Computador. Arquitetura e Organização

Hardware: Componentes Básicos. Sistema de Computador Pessoal. Anatomia de um Teclado. Estrutura do Computador. Arquitetura e Organização Hardware: Componentes Básicos Arquitetura dos Computadores Dispositivos de Entrada Processamento Dispositivos de Saída Armazenamento Marco Antonio Montebello Júnior marco.antonio@aes.edu.br Sistema de

Leia mais

Montagem e Manutenção de Computadores

Montagem e Manutenção de Computadores Montagem e Manutenção de Computadores Organização dos Computadores Aula de 04/03/2016 Professor Alessandro Carneiro Introdução Um computador consiste de vários dispositivos referidos como hardware: o teclado,

Leia mais

Organização de Computadores II

Organização de Computadores II Universidade Estácio de Sá Curso de Informática Organização de Computadores II Entrada e Saída Prof. Gabriel P. Silva 24.11.2004 Comunicação com o Processador A comunicação dos periféricos com o processador

Leia mais

INFORMÁTICA BÁSICA HARDWARE: COMPONENTES BÁSICOS E FUNCIONAMENTO.

INFORMÁTICA BÁSICA HARDWARE: COMPONENTES BÁSICOS E FUNCIONAMENTO. INFORMÁTICA BÁSICA HARDWARE: COMPONENTES BÁSICOS E FUNCIONAMENTO isabeladamke@hotmail.com Componentes de um Sistema de Computador HARDWARE: unidade responsável pelo processamento dos dados, ou seja, o

Leia mais

4.4. Chipset. Prof. Daniel Pezzi Arquitetura de Computadores II (UNICRUZ) 61

4.4. Chipset. Prof. Daniel Pezzi Arquitetura de Computadores II (UNICRUZ) 61 Prof. Daniel Pezzi Arquitetura de Computadores II (UNICRUZ) 61 4.4. Chipset O Chipset é o principal componente da placa-mãe, pois é ele quem comanda todo o fluxo de dados entre o processador, as memórias

Leia mais

ARQUITETURA DE COMPUTADORES

ARQUITETURA DE COMPUTADORES ARQUITETURA DE COMPUTADORES Arquitetura de Von Newmann Prof Daves Martins Msc Computação de Alto Desempenho Email: daves.martins@ifsudestemg.edu.br Vídeos Vídeo aula RNP http://edad.rnp.br/rioflashclient.php?xmlfile=/ufjf/licenciatura_com

Leia mais

Sistemas Operacionais

Sistemas Operacionais Sistemas Operacionais Sistemas de Entrada/Saída Princípios de Hardware Sistema de Entrada/Saída Visão Geral Princípios de Hardware Dispositivos de E/S Estrutura Típica do Barramento de um PC Interrupções

Leia mais

Sistemas Operacionais. Prof. MSc. André Yoshimi Kusumoto

Sistemas Operacionais. Prof. MSc. André Yoshimi Kusumoto Sistemas Operacionais Prof. MSc. André Yoshimi Kusumoto andrekusumoto.unip@gmail.com Princípios básicos de hardware Periférico é um dispositivo conectado a um computador de forma a possibilitar sua interação

Leia mais

Introdução a Tecnologia da Informação

Introdução a Tecnologia da Informação Introdução a Tecnologia da Informação Arquitetura de Computadores Aula 03 Prof. Msc Ubirajara Junior biraifba@gmail.com www.ucljunior.com.br Características do computador sistema eletrônico é rápido e

Leia mais

Arquitetura de Computadores

Arquitetura de Computadores Arquitetura de Computadores Componentes básicos de um computador Memória Processador Periféricos Barramento O processador (ou microprocessador) é responsável pelo tratamento de informações armazenadas

Leia mais

Modelo Genérico de Módulo de E/S Grande variedade de periféricos

Modelo Genérico de Módulo de E/S Grande variedade de periféricos Conteúdo Capítulo 7 Entrada/Saída Dispositivos externos Módulos E/S Técnicas de E/S E/S Programada E/S Conduzida por interrupções Processamento de interrupções Controlador Intel 82C59A Acesso Directo à

Leia mais

SISTEMAS DE E/S PORTAS SERIAL E PARALELA Aula 09 Arquitetura de Computadores Gil Eduardo de Andrade

SISTEMAS DE E/S PORTAS SERIAL E PARALELA Aula 09 Arquitetura de Computadores Gil Eduardo de Andrade SISTEMAS DE E/S PORTAS SERIAL E PARALELA Aula 09 Arquitetura de Computadores Gil Eduardo de Andrade O conteúdo deste documento é baseado no livro Princípios Básicos de Arquitetura e Organização de Computadores

Leia mais

Arquitetura de Computadores. Infraestrutura de TI: Hardware

Arquitetura de Computadores. Infraestrutura de TI: Hardware Arquitetura de Computadores Infraestrutura de TI: Hardware Computação Informação + Automação Tratamento dos dados em informação por meios automáticos Dispositivos eletrônicos Aplicados em Computadores,

Leia mais

Capítulo 7 - Interfaces de Entrada e Saída. Conceito

Capítulo 7 - Interfaces de Entrada e Saída. Conceito Conceito Uma das características básicas necessária de um computador é a capacidade de trocar dados com o mundo exterior (dispositivos periféricos). Para tornar os sinais internos à máquina compatíveis,

Leia mais

AGT0001 Algoritmos Aula 01 O Computador

AGT0001 Algoritmos Aula 01 O Computador AGT0001 Algoritmos Aula 01 O Computador Karina Girardi Roggia karina.roggia@udesc.br Departamento de Ciência da Computação Centro de Ciências Tecnológicas Universidade do Estado de Santa Catarina 2016

Leia mais

ARQUITETURA DE COMPUTADORES

ARQUITETURA DE COMPUTADORES 01001111 01110010 01100111 01100001 01101110 01101001 01111010 01100001 11100111 11100011 01101111 00100000 01100100 01100101 00100000 01000011 01101111 01101101 01110000 01110101 01110100 01100001 01100100

Leia mais

Organização de computadores. Segundo Bimestre CNAT Prof. Jean Galdino

Organização de computadores. Segundo Bimestre CNAT Prof. Jean Galdino Organização de computadores Segundo Bimestre CNAT 2015.2 Prof. Jean Galdino Sistemas de Interconexão BARRAMENTOS 2 Alguns pontos Um ciclo de instrução consiste: de uma busca de instrução seguida por zero

Leia mais

Arquitectura de Computadores MEEC (2013/14 2º Sem.)

Arquitectura de Computadores MEEC (2013/14 2º Sem.) Arquitectura de Computadores MEEC (2013/14 2º Sem.) Unidades de Entrada/Saída (I/O) Prof. Nuno Horta PLANEAMENTO Introdução Unidade de Processamento Unidade de Controlo Arquitectura do Conjunto de Instruções

Leia mais

Universidade Federal de Campina Grande Unidade Acadêmica de Sistemas e Computação Curso de Bacharelado em Ciência da Computação.

Universidade Federal de Campina Grande Unidade Acadêmica de Sistemas e Computação Curso de Bacharelado em Ciência da Computação. Universidade Federal de Campina Grande Unidade Acadêmica de Sistemas e Computação Curso de Bacharelado em Ciência da Computação Organização e Arquitetura de Computadores I Organização e Arquitetura Básicas

Leia mais

INTRODUÇÃO À ARQUITETURA E ORGANIZAÇÃO DE COMPUTADORES. Função e Estrutura. Introdução Organização e Arquitetura. Organização e Arquitetura

INTRODUÇÃO À ARQUITETURA E ORGANIZAÇÃO DE COMPUTADORES. Função e Estrutura. Introdução Organização e Arquitetura. Organização e Arquitetura Introdução Organização e Arquitetura INTRODUÇÃO À ARQUITETURA E ORGANIZAÇÃO DE COMPUTADORES Eduardo Max Amaro Amaral Arquitetura são os atributos visíveis ao programador. Conjunto de instruções, número

Leia mais

Subsistemas de E/S Device Driver Controlador de E/S Dispositivos de E/S Discos Magnéticos Desempenho, redundância, proteção de dados

Subsistemas de E/S Device Driver Controlador de E/S Dispositivos de E/S Discos Magnéticos Desempenho, redundância, proteção de dados Sistemas Operacionais Prof. Esp. André Luís Belini Bacharel em Sistemas de Informações MBA em Gestão Estratégica de Negócios Gerência de Dispositivos Subsistemas de E/S Device Driver Controlador de E/S

Leia mais

Hardware. Componentes Básicos e Funcionamento

Hardware. Componentes Básicos e Funcionamento 1 Hardware 2 2 Componentes Básicos e Funcionamento 1 Hardware 3 Conjunto de dispositivos elétricos/eletrônicos que englobam a CPU, a memória e os dispositivos de entrada/saída de um sistema de computador

Leia mais

Barramentos. Alguns sistemas reutilizam linhas de barramento para múltiplas funções; Dados Endereços Controle

Barramentos. Alguns sistemas reutilizam linhas de barramento para múltiplas funções; Dados Endereços Controle Aula 07 BARRAMENTOS Barramentos Para que as placas de expansão possam ser utilizados em qualquer micro, independentemente do processador instalado, utiliza-se diversos modelos de barramentos de expansão.

Leia mais

Gerência de Dispositivos. Adão de Melo Neto

Gerência de Dispositivos. Adão de Melo Neto Gerência de Dispositivos Adão de Melo Neto 1 Gerência de Dispositivos Gerência de Dispositivos Dispositivos de E/S Device Drivers Controladores Subsistema de E/S 2 Gerência de Dispositivos A gerência de

Leia mais

Exercícios de Sistemas Operacionais 3 B (1) Gerência de Dispositivos de Entrada e Saída

Exercícios de Sistemas Operacionais 3 B (1) Gerência de Dispositivos de Entrada e Saída Nome: Exercícios de Sistemas Operacionais 3 B (1) Gerência de Dispositivos de Entrada e Saída 1. A gerência de dispositivos de entrada e saída é uma das principais e mais complexas funções de um sistema

Leia mais

MICROPROCESSADORES. Unidade de Entrada/Saída (I/O) Nuno Cavaco Gomes Horta. Universidade Técnica de Lisboa / Instituto Superior Técnico

MICROPROCESSADORES. Unidade de Entrada/Saída (I/O) Nuno Cavaco Gomes Horta. Universidade Técnica de Lisboa / Instituto Superior Técnico MICROPROCESSADORES (I/O) Nuno Cavaco Gomes Horta Universidade Técnica de Lisboa / Instituto Superior Técnico Sumário Introdução Unidade de Processamento Unidade de Controlo Conjunto de Instruções Unidade

Leia mais

Arquitetura de Computadores. Revisão Volnys Bernal. Agenda. Revisão: Arquitetura de Computadores. Sobre esta apresentação

Arquitetura de Computadores. Revisão Volnys Bernal. Agenda. Revisão: Arquitetura de Computadores. Sobre esta apresentação 1998-2010 - Volnys Bernal 1 1998-2010 - Volnys Bernal 2 Agenda Revisão: Volnys Borges Bernal volnys@lsi.usp.br http://www.lsi.usp.br/~volnys Arquitetura Geral Espaço de Endereçamento Processador e s Laboratório

Leia mais

2ª Lista de Exercícios de Arquitetura de Computadores

2ª Lista de Exercícios de Arquitetura de Computadores 2ª Lista de Exercícios de Arquitetura de Computadores 1. Descreva as funções desempenhadas pelos escalonadores de curto, médio e longo prazo em um SO. 2. Cite três motivos pelos quais o controle do processador

Leia mais

INSTITUTO FEDERAL CATARINENSE Campus Ibirama

INSTITUTO FEDERAL CATARINENSE Campus Ibirama INSTITUTO FEDERAL CATARINENSE Campus Ibirama Arquitetura de Hardware Professor Eduardo Stahnke Arquiteturas Grande diversidade das arquiteturas de computadores Componentes básicos do computador Os Principais

Leia mais

CPUs e Barramentos. Sistemas da Computação Prof. Rossano Pablo Pinto, Msc. rossano at gmail com 2 semestre 2007

CPUs e Barramentos. Sistemas da Computação Prof. Rossano Pablo Pinto, Msc. rossano at gmail com 2 semestre 2007 Sistemas da Computação Prof. Rossano Pablo Pinto, Msc. rossano at gmail com 2 semestre 2007 Seção 3.4 do livro do Tanenbaum Copyleft Rossano Pablo Pinto 2 CPUs possuem um conjunto de pinos que servem para

Leia mais

16/8/2010. A arquitetura de um sistema computacional representa o modelo da organização e funcionamento de um sistema de processamento

16/8/2010. A arquitetura de um sistema computacional representa o modelo da organização e funcionamento de um sistema de processamento Arquitetura de es Organização de um Sistema Computacional Prof. Marcos Quinet Universidade Federal Fluminense P.U.R.O. Introdução A arquitetura de um sistema computacional representa o modelo da organização

Leia mais

FUNDAMENTOS DE ARQUITETURAS DE COMPUTADORES SISTEMAS DE COMPUTAÇÃO. Cristina Boeres

FUNDAMENTOS DE ARQUITETURAS DE COMPUTADORES SISTEMAS DE COMPUTAÇÃO. Cristina Boeres FUNDAMENTOS DE ARQUITETURAS DE COMPUTADORES SISTEMAS DE COMPUTAÇÃO Cristina Boeres Sistema de Computação! Conjunto de componentes integrados com o objetivo de manipular dados e gerar informações úteis.

Leia mais

Lista de Exercícios 2 Prof. Daniel Caetano Solução

Lista de Exercícios 2 Prof. Daniel Caetano Solução Unidade 4 Lista de Exercícios 2 Prof. Daniel Caetano Solução 4.1) Converta os seguintes números decimais para hexadecimal: 145, 226, 1043, 3456 91h, E2h, 413h, D80h 4.2) Sem converter as bases, faça as

Leia mais

SSC510 Arquitetura de Computadores 1ª AULA

SSC510 Arquitetura de Computadores 1ª AULA SSC510 Arquitetura de Computadores 1ª AULA REVISÃO DE ORGANIZAÇÃO DE COMPUTADORES Arquitetura X Organização Arquitetura - Atributos de um Sistema Computacional como visto pelo programador, isto é a estrutura

Leia mais

Circuitos Lógicos Aula 26

Circuitos Lógicos Aula 26 Circuitos Lógicos Aula 26 Aula passada Mais adição Circuito com maior largura Subtração Mais ULA Aula de hoje Memória Funcionamento e arquitetura ROM, RAM e variações Processador Intel Memória Memória:

Leia mais

4.3 - DMA & Chipset. CEFET-RS Curso de Eletrônica. Profs. Roberta Nobre & Sandro Silva. e

4.3 - DMA & Chipset. CEFET-RS Curso de Eletrônica. Profs. Roberta Nobre & Sandro Silva. e CEFET-RS Curso de Eletrônica 4.3 - DMA & Chipset Profs. Roberta Nobre & Sandro Silva robertacnobre@gmail.com e sandro@cefetrs.tche.br Unidade 04.3.1 DMA Dados podem ser transferidos entre dispositivos

Leia mais

Organização de computadores. Prof. Moisés Souto

Organização de computadores. Prof. Moisés Souto Organização de computadores Prof. Moisés Souto Moisés Souto docente.ifrn.edu.br/moisessouto professor.moisessouto.com.br moises,souto@ifrn.edu.br @moises_souto Aula 06 CICLO DE INSTRUÇÕES Unidade Central

Leia mais

Arquitetura e Organização de Computadores

Arquitetura e Organização de Computadores Arquitetura e Organização de Computadores Estrutura e Função do Processador Material adaptado, atualizado e traduzido de: STALLINGS, William. Arquitetura e Organização de Computadores. 5ª edição Organização

Leia mais

Capítulo 2 Livro do Mário Monteiro Componentes Representação das informações. Medidas de desempenho

Capítulo 2 Livro do Mário Monteiro Componentes Representação das informações. Medidas de desempenho Capítulo 2 Livro do Mário Monteiro Componentes Representação das informações Bit, Caractere, Byte e Palavra Conceito de Arquivos e Registros Medidas de desempenho http://www.ic.uff.br/~debora/fac! 1 2

Leia mais

Estrutura e Funcionamento dos Computadores (Conceitos Básicos)

Estrutura e Funcionamento dos Computadores (Conceitos Básicos) Estrutura e Funcionamento dos Computadores (Conceitos Básicos) Sistema Computacional Peopleware (usuário) Software (programas) Hardware (máquina) Hardware Corresponde à parte material, aos componentes

Leia mais

Organização de Computadores. (Aula 5) Entrada/Saída

Organização de Computadores. (Aula 5) Entrada/Saída Organização de Computadores (Aula 5) Entrada/Saída Entrada e Saída (Input/Output I/O) Computador: Processador, Memória (principal e secundária) Equipamentos (dispositivos, elementos, unidades,...) de Entrada/Saída

Leia mais

Sistemas Operacionais. Capítulo 5 Processos

Sistemas Operacionais. Capítulo 5 Processos Sistemas Operacionais Capítulo 5 Processos Baseado no Livro e Material de Apoio de Arquitetura de Sistemas Operacionais 3ª edição - LTC - 2004 Francis Berenger Machado Luiz Paulo Maia Cap. 5 Processo 1

Leia mais

Organização de Computadores

Organização de Computadores Organização de Computadores Aula 28 Operação da Unidade de Controle Rodrigo Hausen 17 de novembro de 2011 http://cuco.pro.br/ach2034 1/44 Apresentação 1. Bases Teóricas 2. Organização de computadores...

Leia mais

Entrada e Saída (Input/Output I/O) Organização de Computadores (Aula 5) Entrada/Saída. Diferentes Tipos de Dispositivos (1)

Entrada e Saída (Input/Output I/O) Organização de Computadores (Aula 5) Entrada/Saída. Diferentes Tipos de Dispositivos (1) Organização de Computadores (Aula 5) Entrada/Saída Roberta Lima Gomes - LPRM/DI/UFES Sistemas de Programação I Eng. Elétrica 2007/2 Entrada e Saída (Input/Output I/O) Computador: Processador, Memória (principal

Leia mais

Sistemas Operacionais. Rodrigo Rubira Branco

Sistemas Operacionais. Rodrigo Rubira Branco Sistemas Operacionais Rodrigo Rubira Branco rodrigo@kernelhacking.com rodrigo@fgp.com.br Dispositivos de E/S O acesso aos registradores de dispositivo apresenta se como uma questao do projeto da CPU e

Leia mais

Sistemas Operacionais

Sistemas Operacionais Sistemas Operacionais Cristina Boeres página do curso: http://www.ic.uff.br/~boeres/so.html boeres@ic.uff.br Sistemas Operacionais O que é um SO?! um gerenciador de recursos?! uma interface?! máquina virtual?

Leia mais

Introdução à Computação: Arquitetura von Neumann

Introdução à Computação: Arquitetura von Neumann Introdução à Computação: Arquitetura von Neumann Beatriz F. M. Souza (bfmartins@inf.ufes.br) http://inf.ufes.br/~bfmartins/ Computer Science Department Federal University of Espírito Santo (Ufes), Vitória,

Leia mais

4 Sistema Computacional:

4 Sistema Computacional: 4 Sistema Computacional: Hardware: são os componentes e dispositivos eletrônicos / eletromecânicos que operando em conjunto com outros componentes ou mesmo individualmente realizam uma das funções de um

Leia mais

Interrupções e DMA. Mecanismos de I/O

Interrupções e DMA. Mecanismos de I/O Universidade Federal do Rio Grande do Sul Escola de Engenharia Departamento de Engenharia Elétrica Curso de Extensão em Arquitetura de Computadores Pessoais Interrupções e DMA 1 Mecanismos de I/O Programmed

Leia mais

LIC. Organização e Estrutura Básica Computacional. Prof. Marcelo Costa Oliveira 2006, Marcelo Costa oliveira

LIC. Organização e Estrutura Básica Computacional. Prof. Marcelo Costa Oliveira 2006, Marcelo Costa oliveira LIC Organização e Estrutura Básica Computacional Prof. Marcelo Costa Oliveira licufal@gmail.com História 1946 Inventado o 1º computador eletrônico de grande porte ENIAC Universidade da Pensilvania: 18.000

Leia mais

4 Sistema Computacional:

4 Sistema Computacional: 4 Sistema Computacional: Hardware: são os componentes e dispositivos eletrônicos que operando em conjunto com outros componentes ou mesmo individualmente realizam uma das funções de um sistema de computação.

Leia mais

Organização e Arquitetura de Computadores INTRODUÇÃO

Organização e Arquitetura de Computadores INTRODUÇÃO Organização e Arquitetura de Computadores INTRODUÇÃO A Arquitetura de Computadores trata do comportamento funcional de um sistema computacional, do ponto de vista do programador (ex. tamanho de um tipo

Leia mais

Como os Processadores Funcionam

Como os Processadores Funcionam clubedohardware.com.br Por Gabriel Torres Editor executivo do Clube do Hardware Introdução Apesar de cada microprocessador ter seu próprio desenho interno, todos os microprocessadores compartilham do mesmo

Leia mais

1.3. CONCEITOS BÁSICOS DE INFORMÁTICA

1.3. CONCEITOS BÁSICOS DE INFORMÁTICA 1.3. CONCEITOS BÁSICOS DE INFORMÁTICA Informática pode ser considerada como significando informação automática, ou seja, a utilização de métodos e técnicas no tratamento automático da informação. Para

Leia mais

Arquitetura e Organização de Computadores

Arquitetura e Organização de Computadores Arquitetura e Organização de Computadores Entrada/Saída Material adaptado, atualizado e traduzido de: STALLINGS, William. Arquitetura e Organização de Computadores. 5ª edição Problemas Entrada/Saída Grande

Leia mais

Conceitos sobre Computadores

Conceitos sobre Computadores Conceitos sobre Computadores Prof. UNESP - São José do Rio Preto Linguagem Computacional Neste tópico veremos: Os Componentes físicos dos computadores O hardware: principais partes dos computadores atuais.

Leia mais

Introdução ao Gerenciamento de Entrada e Saída (E/S)

Introdução ao Gerenciamento de Entrada e Saída (E/S) Introdução ao Gerenciamento de Entrada e Saída (E/S) Adriano J Holanda 26/4/2016 Entrada e Saída: E/S teclado mouse impressora disco rígido monitor processador controladora controladora placa de de disco

Leia mais

Controladores do IBM-PC. Gustavo G. Parma

Controladores do IBM-PC. Gustavo G. Parma Controladores do IBM-PC Gustavo G. Parma IBM-PC baseado em ISA Sistema de interrupção do x86 Duas entradas de solicitação de interrupção NMI: Non-maskable interruption Erro de paridade da RAM Channel Check

Leia mais

Tecnólogo em Análise e Desenvolvimento de Sistemas. Sistemas Operacionais (SOP A2)

Tecnólogo em Análise e Desenvolvimento de Sistemas. Sistemas Operacionais (SOP A2) Tecnólogo em Análise e Desenvolvimento de Sistemas Sistemas Operacionais (SOP A2) Visão Geral Referências: Sistemas Operacionais Modernos. Andrew S. Tanenbaum. Editora Pearson. 3ª ed. 2010. Seção: 1.1

Leia mais

Prof. Leonardo Augusto Casillo

Prof. Leonardo Augusto Casillo UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO SEMI-ÁRIDO CURSO: CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO Aula 2 Estrutura de um processador Prof. Leonardo Augusto Casillo Arquitetura de Von Neumann: Conceito de programa armazenado; Dados

Leia mais

AULA 2. Prof.: Jadiel Mestre. Introdução à Informática. Introdução à Informática Componentes de um Sistema de Informação

AULA 2. Prof.: Jadiel Mestre. Introdução à Informática. Introdução à Informática Componentes de um Sistema de Informação AULA 2 Prof.: Jadiel Mestre. Componentes de um Sistema de Informação Os componentes de um sistema de informação são divididos em três partes 2 1 Componentes físicos do computador Dispositivos de Entrada/Saída

Leia mais

Introdução e Conceitos Básicos

Introdução e Conceitos Básicos Universidade Federal do Acre Centro de Ciências Exatas e Tecnológicas Bacharelado em Sistemas de Informação Introdução e Conceitos Básicos Macilon Araújo Costa Neto macilon@ufac.br Capítulo 1 do livro

Leia mais

Sistemas Operacionais I

Sistemas Operacionais I Sistemas Operacionais I Revisão de conceitos Sistemas Operacionais I Dionisio Gava Junior Componentes básicos Componentes Básicos da Tecnologia da Informação Hardware CPU, Memória e Periféricos de E/S.

Leia mais

Arquitetura e Organização de Computadores

Arquitetura e Organização de Computadores Arquitetura e Organização de Computadores Conjunto de Instruções Givanaldo Rocha de Souza http://docente.ifrn.edu.br/givanaldorocha givanaldo.rocha@ifrn.edu.br Material do prof. Sílvio Fernandes - UFERSA

Leia mais

COMPUTADOR 2. Professor Adão de Melo Neto

COMPUTADOR 2. Professor Adão de Melo Neto COMPUTADOR 2 Professor Adão de Melo Neto Modelo Barramento de Sistema É uma evolução do Modelo de Von Newman. Os dispositivos (processador, memória e dispositivos de E/S) são interligados por barramentos.

Leia mais

INFORMÁTICA. Professor: Venicio Paulo Mourão Saldanha Site:

INFORMÁTICA. Professor: Venicio Paulo Mourão Saldanha Site: INFORMÁTICA Professor: Venicio Paulo Mourão Saldanha Site: www.veniciopaulo.com Graduado em Análises e Desenvolvimento de Sistemas Analista de Sistemas (Seplag) Instrutor(Egp-Ce) Professor(CEPEP) CONCEITOS

Leia mais

Dr. Joaquim de Carvalho

Dr. Joaquim de Carvalho Planificação Anual 2016/2017 Curso Profissional de Técnico de Gestão de Equipamentos Informáticos Sistemas Digitais e Arquitectura de Computadores (SDAC) 12º ano 1 MÓDULO 7: Arquitectura de Computadores

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DO PARÁ UEPA LISTA DE EXERCÍCIOS DE INTRODUÇÃO A COMPUTAÇÃO. 2. O que diferencia os computadores de 1ª geração dos da 2ª.

UNIVERSIDADE ESTADUAL DO PARÁ UEPA LISTA DE EXERCÍCIOS DE INTRODUÇÃO A COMPUTAÇÃO. 2. O que diferencia os computadores de 1ª geração dos da 2ª. UNIVERSIDADE ESTADUAL DO PARÁ UEPA LISTA DE EXERCÍCIOS DE INTRODUÇÃO A COMPUTAÇÃO 1. Cite alguns problemas que o uso de válvulas provocava nos computadores de 1ª geração. 2. O que diferencia os computadores

Leia mais

ENTRADA E SAÍDA DE DADOS

ENTRADA E SAÍDA DE DADOS ENTRADA E SAÍDA DE DADOS Os dispositivos de um computador compartilham uma única via de comunicação BARRAMENTO. BARRAMENTO Elétrica/Mecânica + Protocolo. GERENCIAMENTO DE E/S O controle da troca de dados

Leia mais

Entrada e Saída. Prof. Leonardo Barreto Campos 1

Entrada e Saída. Prof. Leonardo Barreto Campos 1 Entrada e Saída Prof. Leonardo Barreto Campos 1 Sumário Introdução; Dispositivos Externos; E/S Programada; E/S Dirigida por Interrupção; Acesso Direto à Memória; Bibliografia. Prof. Leonardo Barreto Campos

Leia mais

Sistemas Operacionais

Sistemas Operacionais Sistemas Operacionais CAP 2: Conceitos de Hardware e Software Prof. MSc. Diego R. Moraes diegorm@anhanguera.com Download de todo conteúdo da disciplina https://sites.google.com/site/diegorafaelmoraes/downloads

Leia mais

Introdução ao Hardware Informática Básica e Aplicada PROFESSOR: DANIEL BRANDÃO

Introdução ao Hardware Informática Básica e Aplicada PROFESSOR: DANIEL BRANDÃO Introdução ao Hardware Informática Básica e Aplicada PROFESSOR: DANIEL BRANDÃO 1 Quem sou eu? Daniel Brandão Graduado em Sistemas para Internet Especialista em Tecnologia Para Aplicações Web Desenvolvedor

Leia mais

Modelo de Von Neumann: conceito do programa armazenado

Modelo de Von Neumann: conceito do programa armazenado Arquitetura de computador Modelo de Von Neumann: conceito do programa armazenado Arquitetura de Von Neuman A arquitetura de computador proposta por Von Neumann é composta basicamente por: Computadores

Leia mais

14/3/2016. Prof. Evandro L. L. Rodrigues

14/3/2016. Prof. Evandro L. L. Rodrigues SEL 433 APLICAÇÕES DE MICROPROCESSADORES I SEL-433 APLICAÇÕES DE MICROPROCESSADORES I Prof. Evandro L. L. Rodrigues Tópicos do curso Conceitos básicos - Aplicações e utilizações dos microcontroladores

Leia mais

http://www.ic.uff.br/~debora/fac! 1 Capítulo 4 Livro do Mário Monteiro Introdução Hierarquia de memória Memória Principal Organização Operações de leitura e escrita Capacidade 2 Componente de um sistema

Leia mais

Organização de Computadores

Organização de Computadores Organização de Computadores Aula 25 Conjunto de Instruções: Modos de Endereçamento e Formatos Rodrigo Hausen 11 de novembro de 2011 http://cuco.pro.br/ach2034 1/26 Apresentação 1. Bases Teóricas 2. Organização

Leia mais

Arquitetura e Organização de Computadores

Arquitetura e Organização de Computadores UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO SEMI-ÁRIDO DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS EXATAS E NATURAIS CURSO DE CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO Arquitetura e Organização de Computadores Conjunto de Instruções Prof. Sílvio Fernandes

Leia mais

Escola Secundária de Emídio Navarro

Escola Secundária de Emídio Navarro Escola Secundária de Emídio Navarro Curso Secundário de Carácter Geral (Agrupamento 4) Introdução às Tecnologias de Informação Bloco I 11.º Ano Ficha de avaliação sumativa n.º 1 Duração: 50 min. + 50 min.

Leia mais

ORGANIZAÇÃO DE COMPUTADORES CAPÍTULO4: MEMÓRIAPRINCIPAL

ORGANIZAÇÃO DE COMPUTADORES CAPÍTULO4: MEMÓRIAPRINCIPAL ORGANIZAÇÃO DE COMPUTADORES CAPÍTULO4: MEMÓRIAPRINCIPAL MEMÓRIA Componente de um sistema de computação cuja função é armazenar informações que são manipuladas pelo sistema para que possam ser recuperadas

Leia mais

Arquitetura de Computadores - Módulos de E/S. por Helcio Wagner da Silva

Arquitetura de Computadores - Módulos de E/S. por Helcio Wagner da Silva Arquitetura de Computadores - Módulos de E/S por Helcio Wagner da Silva Modelo Geral de um Módulo de E/S Barramento de Endereço Barramento de Dados Barramento de Controle Módulo de E/S Conexões com Dispositivos

Leia mais

FACULDADE LEÃO SAMPAIO

FACULDADE LEÃO SAMPAIO FACULDADE LEÃO SAMPAIO Microcontroladores Curso de Análise e Desenvolvimento de Sistemas 1 Componentes CPU Memórias Dispositivos de Entrada/Saída (E/S) Input/Output (I/O) 2 CPU A CPU busca informações

Leia mais

FUNDAMENTOS DE ARQUITETURAS DE COMPUTADORES MEMÓRIA CACHE CAPÍTULO 5. Cristina Boeres

FUNDAMENTOS DE ARQUITETURAS DE COMPUTADORES MEMÓRIA CACHE CAPÍTULO 5. Cristina Boeres FUNDAMENTOS DE ARQUITETURAS DE COMPUTADORES MEMÓRIA CACHE CAPÍTULO 5 Cristina Boeres Introdução! Diferença de velocidade entre Processador e MP O processador executa uma operação rapidamente e fica em

Leia mais