Capítulo 14. Expandindo as portas de comunicação 8031 com a PPI Interface PPI 8255

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Capítulo 14. Expandindo as portas de comunicação 8031 com a PPI Interface PPI 8255"

Transcrição

1 Capítulo 14 Expandindo as portas de comunicação 8031 com a PPI 8255 Como discutido ao longo do livro, o 8031 deixa 8 bits para controle genérico de dispositivos. Em situações nas quais se necessita um número muito maior de bits, pode-se lançar mão de dispositivos auxiliares como a PPI 8255 para multiplicar por 3 esse número Interface PPI é o código comercial de uma interface programável de periféricos (Peripheral Programmable Interface - PPI 8255) apresentada num circuito integrado (CI) de 40 pinos. O chip (parte interna do CI) é fabricado usando a tecnologia de portas canal-n de silício e funciona como uma interface paralela de entrada e saída (E/S). A configuração funcional do 8255 é composta por três portas de comunicação com o ambiente externo e é programada por software não requerendo nenhuma lógica externa para interfacear dispositivos periféricos. 148 Os três modos básicos de operação, selecionados por software são: Modo 0: o 8255 tem operações de entrada e saída simples para três portas de 8 bits cada. Os dados são lidos e escritos na porta especificada (Porta A, B ou C) sem o uso do sinal de handshaking ; Modo 1: a PPI habilita a transferência de dados de entrada e saída nas portas de 8 bits A e B, em conjunto com o sinal de handshaking.

2 Capítulo 14 Expandindo as portas de comunicação 8031 com a PPI As portas A e B neste modo, usam as linhas da porta C para gerar ou aceitar o sinal de handshaking com o dispositivo periférico; Modo 2: ele habilita a comunicação com dispositivos periféricos por via de um barramento bidirecional de 8 bits (Porta A). Os sinais de handshaking, são preparados sobrepondo as linhas da Porta C (a porta B, neste modo, não é utilizada). Características físicas: Alimentação: 0 e 5 Volts Fonte de saída: 1mA e 1,5 Volts Apresentação: pastilha de 40 pinos 24 pinos para portas de entrada e saída programáveis Capacidade de bit de set/reset direto Compatível com os níveis TTL Sistema de conexões Do lado esquerdo da Figura 14.1, observa-se os sinais que serão conectados ao barramento interno do computador, ou seja, os sinais de controle (RD, WR, Reset, CS), de endereçamento (A0, A1) e os oito pinos de entrada e saída de dados (D7-D0) através dos quais se efetuará a comunicação com a CPU. Do lado direito da Figura 14.1 pode-se observar os 24 pinos que compõem as portas de entrada e saída (PA, PB, PC) a serem conectadas com os periféricos do ambiente externo.

3 150 Sistemas Automáticos com Microcontroladores 8031/8051 controle do grupo A grupo A porta A A0 A1 RD WR buffer do barramento de dados Reset CS lógica de controle leitura e escrita controle do grupo B barramento interno de 8 bits 8255 grupo A porta C grupo B porta C grupo B porta B p e r i f é r i c o s barramento de dados barramento de endereço barramento de controle Figura 14.1 Diagrama em blocos do Definição funcional dos pinos de entrada e saída A distribuição física dos pinos presente no circuito integrado é mostrada na Figura PA3 PA2 PA1 PA0 RD CS Terra A1 A0 PC7 PC6 PC5 PC4 PC3 PC2 PC1 PC0 PB0 PB1 PB PA4 PA5 PA6 PA7 WR RST D0 D1 D2 D3 D4 D5 D6 D7 Vcc PB7 PB6 PB5 PB4 PB3 Figura 14.2 Pinagem da Interface paralela 8255.

4 Capítulo 14 Expandindo as portas de comunicação 8031 com a PPI Sinais de entrada Esta interface possui pinos que dão fluxo à entrada e saída de dados, endereços e controle. O primeiro grupo a ser estudado admite apenas a entrada de sinais de controle e endereço. Chip select (-CS), pino 6 Quando baixo, o chip é selecionado. Isto habilita a comunicação entre 8255 e o microprocessador. Read (-RD), pino 5 Quando baixo, permite à CPU ler dados ou informações de estado a partir do Write (-WR), pino 36 Quando baixo, permite à CPU escrever dados ou palavras de controle no Port Select (A0, A1), pinos 9 e 8 Estas duas entradas são normalmente conectadas aos bits menos significativos (LSB) do barramento de endereços do sistema, como exemplificado na Figura São utilizadas para selecionar um entre quatro registradores: porta A, B, C ou registrador da palavra interna de controle como indicado na Tabela A1 A0 barramento de endereços Figura 14.3 Ligação entre os pinos de seleção das portas e o barramento do computador. Tabela 14.1 Endereços das portas e registrador de controle A1 A0 Selecionado 0 0 Porta A 0 1 Porta B 1 0 Porta C 1 1 Registrador da palavra de controle Reset, pino 35 - Quando alto, limpa todos os registradores internos do chip e ajusta as portas A, B e C para o modo de entrada para alta impedância, conhecido como terceiro estado (tri-state). Esta técnica é utilizada para prevenir a destruição de circuitos eletrônicos conectados às portas, pois, em geral, dispositivos periféricos utilizam o mesmo método. Assim, poderia haver uma ligação de porta de saída após um Reset e isto poderia danificar um deles ou ambos (computador e periférico). Ground, PINO 7-0 Volts de referência.

5 152 Sistemas Automáticos com Microcontroladores 8031/ Sinais de entrada e saída Este grupo de pinos do chip admite entrada e saída de dados, não sendo utilizado para controle ou endereçamento. Data (D7-D0), pinos 27 a 34 Este barramento é composto de 8 linhas de entrada e saída em tri-state. O barramento possui comunicação bidirecional entre o 8255 e a CPU. Os dados são movimentados para (ou do) buffer de barramento de dados, logo após a execução da instrução OUT ou IN, respectivamente, pela CPU. As palavras de controle e informações de estado também são transferidas via buffer do barramento de dados. Port A (PA7-PA0), pinos 37 a 40, 1 a 4 Estas portas de entrada e saída de 8 bits formam um latch/buffer de saída de dados de 8 bits e/ou um latch de entrada de dados de 8 bits. Port B (PB7-PB0), pinos de 18 a 25 Esta porta de entrada e saída de 8 bits forma um latch/buffer de saída de dados de 8 bits ou um buffer de entrada de 8 bits. Port C (PC7-PC0), pinos 10 a 17 Esta porta de entrada e saída de 8 bits forma um latch/buffer de saída de dados de 8 bits ou um buffer de entrada de 8 bits. Esta última porta pode ser dividida em duas portas de 4 bits através do registrador de controle de modo. Cada uma destas portas de 4 bits possuem um latch de 4 bits que podem ser usados para sinais de controle e de estado, que por sua vez trabalham em conjunto com as portas A e B. Através de software pode-se incluir uma palavra de controle de set/reset para ligar ou desligar qualquer um dos 8 bits da porta C Formatos das palavras de controle Como mostra a Figura 14.4, a palavra de controle pode ter dois sentidos: O primeiro, quando o bit 7 é alto (MSB = 1), utilizado para definir o modo de operação das portas de entrada e saída desta PPI. Sempre que o modo é trocado, todas as saídas dos registradores (e flip/flops) são ajustadas para zero (desligadas). O segundo, quando o bit 7 é baixo (MSB = 0), utilizado para ligar ou desligar um bit da porta C, ou quando se quer habilitar os sinais de interrupção (saída) para transferência de dados para handshaking.

6 Capítulo 14 Expandindo as portas de comunicação 8031 com a PPI = set/reset dos bits da porta C 1 = definição de modo Figura 14.4 Destaque do bit 7 da palavra de controle e exemplo de programação. Como a palavra que controla a programação da PPI depende do bit 7, as Figuras 14.5 e 14.6, mostram as possíveis composições do conjunto de bits que definem o modo de operação das portas. D7 D6 D5 D4 D3 D2 D1 D0 Grupo A Grupo B Figura 14.5 Formato da palavra de controle e definição de modo. D7 D6 D5 D4 D3 D2 D1 D0 0 = set / reset não utilizados bits de seleção 000 = = = = = = = = 7 bit de set / reset ajusta o valor no bit selecionado Figura 14.6 Formato da palavra de controle para ajustar (set/reset) os bits da porta C Modos de operação O 8255 possui 3 modos de operação que podem utilizar sincronização dos dados através de handshaking ou leitura e escrita não sincronizada.

7 154 Sistemas Automáticos com Microcontroladores 8031/ Modo 0 Entrada e saída básicas Neste modo (Tabela 14.2) existem operações de entrada e saída simples para cada uma das três portas. O sinal de handshaking não é utilizado; os dados são simplesmente lidos ou escritos na porta especificada. Tabela 14.2 Definição das portas no Modo 0. n o D7 D6 D5 D4 D3 D2 D1 D0 A C(HI) B C(LO) saída saída saída saída saída saída saída entrada saída saída entrada saída saída saída entrada entrada saída entrada saída saída saída entrada saída entrada saída entrada entrada saída saída entrada entrada entrada entrada saída saída saída entrada saída saída entrada entrada saída entrada saída entrada saída entrada entrada entrada entrada saída saída entrada entrada saída entrada entrada entrada entrada saída entrada entrada entrada entrada Modo 1 Entrada e saída com strobe Este modo possui o recurso de transferência de dados de entrada e saída para ou de uma porta especificada, em conjunto com os sinais de strobe ou handshaking. As portas A e B são linhas de dados que utilizam as linhas da porta C para gerar ou aceitar os sinais de handshaking. O programa pode, por exemplo, ler o conteúdo da porta C para testar ou verificar o estado de cada dispositivo periférico. A seguir, dois exemplos (Figuras 14.7 e 14.8) baseados nos sinais de handshaking da porta C.

8 Capítulo 14 Expandindo as portas de comunicação 8031 com a PPI dispositivo externo dado -OBF -ACK INTR CPU Figura 14.7 Saída de dados com handshaking. Saída: O 8255 disponibiliza o dado no barramento e, logo após, envia um sinal OBF (output buffer full) baixo, para avisar o dispositivo que o dado está disponível. Este, por sua vez, retorna-lhe o sinal ACK (ackowledge) baixo, reconhecendo o protocolo e avisando que já pegou o dado. Logo após, o 8255 pode disparar um sinal para a CPU através da linha de interrupção, com o intuito de executar uma rotina específica, por exemplo, gerar novos dados dado IBF -STB INTR dispositivo externo CPU Figura 14.8 Entrada de dados com handshaking. Entrada: O dispositivo disponibiliza o dado no barramento e, logo após, envia um sinal IBF (input buffer full) para avisar o 8255 que o dado está disponível. Este, por sua vez, retorna-lhe o sinal STB (strobe) baixo, reconhecendo o protocolo e avisando que já pegou o dado. Logo após, o 8255 pode disparar um sinal para a CPU através da linha de interrupção, com o intuito de executar uma rotina específica, por exemplo, para tratar os novos dados Modo 2 Entrada e saída em barramento bidirecional com strobe Este modo habilita a comunicação com os dispositivos periféricos, através de um único barramento de 8 bits, tanto para transmissão quanto para recepção de dados (barramento de dados bidirecional). Os sinais de handshaking são utilizados de forma parecida com o modo 1, descrito no item anterior.

9 156 Sistemas Automáticos com Microcontroladores 8031/8051 A Tabela 14.3 apresenta um resumo de definição dos modos possíveis. Tabela 14.3 Descrição dos sinais em cada modo Modo 0 Modo 1 Modo 2 Bits das portas Entrada Saída Entrada Saída Entrada/Saída PA0 entrada saída entrada saída Bidirecional PA1 entrada saída entrada saída Bidirecional PA2 entrada saída entrada saída Bidirecional PA3 entrada saída entrada saída Bidirecional PA4 entrada saída entrada saída Bidirecional PA5 entrada saída entrada saída Bidirecional PA6 entrada saída entrada saída Bidirecional PA7 entrada saída entrada saída Bidirecional PB0 entrada saída entrada saída PB1 entrada saída entrada saída PB2 entrada saída entrada saída PB3 entrada saída entrada saída PB4 entrada saída entrada saída PB5 entrada saída entrada saída PB6 entrada saída entrada saída PB7 entrada saída entrada saída Somente no Modo 0 ou Modo 1 PC0 entrada saída INTR B INTR B E/S PC1 entrada saída IBF B -OBF B E/S PC2 entrada saída -STB B -ACK B E/S PC3 entrada saída INTR A INTR A INTR A PC4 entrada saída -STB A E/S -STB A PC5 entrada saída -IBF A E/S -IBF A PC6 entrada saída E/S -ACK A -ACK A PC7 entrada saída E/S -OBF A -OBF A

10 Capítulo 14 Expandindo as portas de comunicação 8031 com a PPI Projetando o decodificador de endereços Como o 8255 tem duas linhas de endereço (A1 e A0) para selecionar seus quatro registradores e o chip select (-CS) para ativar a sua pastilha, este circuito foi projetado para utilizar os últimos endereços do barramento de endereços (A-BUS) de dezesseis linhas (A15 a A0). Um barramento deste tipo pode endereçar de 0000h até FFFFh, portanto os quatro últimos valores são: CFFF, DFFF, EFFF e FFFF. Repare na Tabela 14.4 que, nestes quatro números, os bits A15, A14, A11 até A0 são sempre altos (1) e as linhas A13 e A12 variam seqüencialmente. Tabela 14.4 Conexões do 8031 com o 8255 Lado do 8031 C-BUS Endereços (A-BUS) RST -RD -WR A15 A14 A13 A12 A11-A8 A7-A4 A3-A0 HEXA FFF FFF FFF FFF FFF FFF FFF FFF FFF FFF AFFF BFFF CFFF DFFF EFFF FFFF RST -RD -WR -CS A1 A0 -CS Lado do 8255 As linhas A15, A14, A11 a A0 serão combinadas por duas portas NÃO E e uma porta E, para gerar o sinal chip select ( CS) do A Figura 14.9 apresenta o circuito resultante dessa análise.

11 158 Sistemas Automáticos com Microcontroladores 8031/8051 P0 parte P1 P2 P0 parte P3 Vcc Vcc A15 A14 A11 A10 A9 A8 A7 A6 A5 A4 A3 A2 A1 A0 A12 A13 -RD -WR RST CS A0 A1 -RD -WR RST D0-D7 P27 P26 P25 P24 P23 P22 P21 P20 P17 P16 P15 P14 P13 P12 P11 P10 P07 P06 P05 P04 P03 P02 P01 P00 barramento de dados Figura 14.9 Decodificador de endereços para o Outra forma de criar um decodificador de endereços para este chip é utilizar os endereços FFFF, FFFE, FFFD e FFFC para ativar o chip e endereçar seus quatro registradores. De forma semelhante, as linhas de endereço A13 até A0 devem compor o chip select e as linhas A15 e A14 são ligadas respectiva e diretamente aos pinos A1 e A0.

Memórias Parte 1. SEL-0415 Introdução à Organização de Computadores. Aula 4. Prof. Dr. Marcelo Andrade da Costa Vieira

Memórias Parte 1. SEL-0415 Introdução à Organização de Computadores. Aula 4. Prof. Dr. Marcelo Andrade da Costa Vieira Departamento de Engenharia Elétrica - EESC-USP SEL-0415 Introdução à Organização de Computadores Memórias Parte 1 Aula 4 Prof. Dr. Marcelo Andrade da Costa Vieira Memória Semicondutora Elemento Básico

Leia mais

Organização Básica III

Organização Básica III Barramento de endereços É unidirecional, porque a informação flui apenas em uma direção, da CPU para a memória ou para os elementos de E/S. Barramento de endereços Quando a CPU quer ler de ou escrever

Leia mais

Organização de Computadores Prof. Alex Vidigal Bastos

Organização de Computadores Prof. Alex Vidigal Bastos Organização de Computadores Prof. Alex Vidigal Bastos PRINCÍPIOS DE OPERAÇÃO DE MEMÓRIA Capacidade: Modo de especificar quantos bits são armazenados em determinado dispositivo ou sistema completo da memória.

Leia mais

Microcontrolador 8051

Microcontrolador 8051 Microcontrolador 8051 Inicialmente fabricado pela INTEL, atualmente fabricado por várias empresas; Possui uma grande variedade de dispositivos, com diversas características, porém compatíveis em software;

Leia mais

Trabalho Prático Nº3 Porta Paralela

Trabalho Prático Nº3 Porta Paralela Trabalho Prático Nº3 Porta Paralela 1. OBJECTIVOS - Utilização da porta paralela como porto genérico de Entrada e Saída. 2. INTRODUÇÃO A porta paralela é um meio frequentemente utilizado para efectuar

Leia mais

Endereçamento de Memórias e Lógica de Seleção

Endereçamento de Memórias e Lógica de Seleção Capítulo 6 Endereçamento de Memórias e Lógica de Seleção 6.1 Introdução... 85 6.2 LÓGICA DE SELEÇÃO... 85 6.2.1 Decodificação não absoluta... 85 6.2.2 Decodificação absoluta:... 86 6.3 Exemplos de Circuitos

Leia mais

Mapeamento em posição de Memória Interface com visor LCD 6

Mapeamento em posição de Memória Interface com visor LCD 6 Mapeamento em posição de Memória 6 Objectivos - Compreender os mapeamentos em Portos de I/O e de Memória dados externa. - Identificar os endereços na memória de dados externa em que se encontra o visor

Leia mais

FACULDADE LEÃO SAMPAIO

FACULDADE LEÃO SAMPAIO FACULDADE LEÃO SAMPAIO Microcontroladores Curso de Análise e Desenvolvimento de Sistemas 1 Componentes CPU Memórias Dispositivos de Entrada/Saída (E/S) Input/Output (I/O) 2 CPU A CPU busca informações

Leia mais

PCS-2529 Introdução aos Processadores. Prof. Dr. Paulo Sérgio Cugnasca

PCS-2529 Introdução aos Processadores. Prof. Dr. Paulo Sérgio Cugnasca PCS-2529 Introdução aos Processadores Prof. Dr. Paulo Sérgio Cugnasca 1 2 Existem 4 esquemas diferentes de E/S possíveis, cada um se aplicando em uma determinada situação. E/S Programada. E/S Acionada

Leia mais

Totem Pole, Coletor Aberto e Tristate

Totem Pole, Coletor Aberto e Tristate Departamento de Engenharia Elétrica e de Computação - EESC-USP SEL-415 Introdução à Organização dos Computadores Totem Pole, Coletor Aberto e Tristate Aula 2 Profa. Luiza Maria Romeiro Codá Autor: Dr.

Leia mais

DESCRIÇÃO DA PORTA PARALELA DA IMPRESSORA

DESCRIÇÃO DA PORTA PARALELA DA IMPRESSORA Professor: Carlos Sica - 27/11/98 Palavras Chave: Impressora, Porta Paralela, Entrada e Saída DESCRIÇÃO DA PORTA PARALELA DA IMPRESSORA Cada dispositivo paralelo tem sua própria interface e uma interface

Leia mais

Microcontrolador 8051:

Microcontrolador 8051: Microcontrolador 8051: Fonte: CORRADI 2009 O Microcontrolador 8051: Começou a ser produzido no início da década de 80, pela Intel; Hoje é fabricado por várias empresas e com muitas variações; Atualmente,

Leia mais

Memórias. Memórias: Utilização:

Memórias. Memórias: Utilização: 1 : São dispositivos que armazenam informações codificadas digitalmente que podem representar números, letras, caracteres quaisquer, comandos de operações, endereços ou ainda qualquer outro tipo de dado.

Leia mais

SEL-0415 Introdução à Organização de Computadores Aula 2 Prof. Dr. Marcelo Andrade da Costa Vieira

SEL-0415 Introdução à Organização de Computadores Aula 2 Prof. Dr. Marcelo Andrade da Costa Vieira SEL-0415 Introdução à Organização de Computadores Conceitos Básicos Aula 2 Prof. Dr. Marcelo Andrade da Costa Vieira INTRODUÇÃO n Organização Æ implementação do hardware, componentes, construção dos dispositivos

Leia mais

Organização e Arquitetura de Computadores I

Organização e Arquitetura de Computadores I Organização e Arquitetura de Computadores I Entrada e Saída Slide 1 Entrada e Saída Dispositivos Externos E/S Programada Organização e Arquitetura de Computadores I Sumário E/S Dirigida por Interrupção

Leia mais

SISTEMAS DE MULTIPLEXAÇÃO E DEMULTIPLEXAÇÃO ANÁLISE DOS CIs COMERCIAIS 74LS153 e 74LS155

SISTEMAS DE MULTIPLEXAÇÃO E DEMULTIPLEXAÇÃO ANÁLISE DOS CIs COMERCIAIS 74LS153 e 74LS155 INTRODUÇÃO TEÓRICA SISTEMAS DE MULTIPLEXAÇÃO E DEMULTIPLEXAÇÃO ANÁLISE DOS CIs COMERCIAIS 74LS153 e 74LS155 Os multiplexadores e demultiplexadores pertencem a classe dos circuitos lógicos combinacionais.

Leia mais

Barramento. Prof. Leonardo Barreto Campos 1

Barramento. Prof. Leonardo Barreto Campos 1 Barramento Prof. Leonardo Barreto Campos 1 Sumário Introdução; Componentes do Computador; Funções dos Computadores; Estrutura de Interconexão; Interconexão de Barramentos Elementos de projeto de barramento;

Leia mais

Entrada e Saída e Dispositivos

Entrada e Saída e Dispositivos Entrada e Saída e Dispositivos Uma das funções do Sistema Operacional é: - Gerência de dispositivos de E/S. Operações: - Tratamento de interrupções - Tratamento erros - Interfaceamento entre os dispositivos

Leia mais

Universidade Federal de Santa Catarina Centro Tecnológico Departamento de Informática e Estatística Curso de Graduação em Ciências da Computação

Universidade Federal de Santa Catarina Centro Tecnológico Departamento de Informática e Estatística Curso de Graduação em Ciências da Computação Universidade Federal de Santa Catarina Centro Tecnológico Departamento de Informática e Estatística Curso de Graduação em Ciências da Computação Aula 7-T 2. Máquinas Sequencias Síncronas. Estudo de Caso:

Leia mais

COMPUTADOR. Adão de Melo Neto

COMPUTADOR. Adão de Melo Neto COMPUTADOR Adão de Melo Neto 1 PROGRAMA É um conjunto de instruções LINGUAGEM BINÁRIA INTRODUÇÃO Os caracteres inteligíveis não são A, B, +, 0, etc., mas apenas zero(0) e um (1). É uma linguagem de comunicação

Leia mais

CAPÍTULO 5. Interfaces I 2 C e SPI. Interface I 2 C. Interfaces e Periféricos 37

CAPÍTULO 5. Interfaces I 2 C e SPI. Interface I 2 C. Interfaces e Periféricos 37 Interfaces e Periféricos 37 CAPÍTULO 5 Interfaces I 2 C e SPI Interface I 2 C Nos anos 80 a Philips desenvolveu um novo padrão de barramento chamado I²C, cujo objetivo era facilitar a comunicação entre

Leia mais

INTRODUÇÃO: MICROCONTROLADORES

INTRODUÇÃO: MICROCONTROLADORES INTRODUÇÃO: MICROCONTROLADORES MICROCONTROLADOR X MICROPROCESSADOR Baixa capacidade de processamento Freq. Operação em MHz Custo de R$ 7,00 a 30,00 Aplicações mais restrita Alta capacidade de processamento

Leia mais

Circuitos Sequenciais

Circuitos Sequenciais 1 Circuitos Sequenciais Elementos de estado ou elementos de memória Exemplos de circuitos sequenciais: Latches Flip-flops Registradores Conjunto de registradores Memória Conjunto de Registradores Parte

Leia mais

Prof. Adilson Gonzaga

Prof. Adilson Gonzaga Prof. Adilson Gonzaga Outras características importantes em Microprocessadores/Microcontroladores Redução de Potência de Operação As versões CHMOS (89C51, 89S52, etc ) da família MCS-51 possuem dois modos

Leia mais

Painel Luminoso com LEDs

Painel Luminoso com LEDs Painel Luminoso com LEDs Versão 2007 RESUMO Esta experiência consiste no projeto e na implementação do circuito de controle de um painel luminoso composto por LEDs (diodos emissores de luz). Através da

Leia mais

Painel Luminoso com LEDs

Painel Luminoso com LEDs Painel Luminoso com LEDs Edson T. Midorikawa/2006 RESUMO Esta experiência consiste no projeto e na implementação do circuito de controle de um painel luminoso composto por LEDs (diodos emissores de luz).

Leia mais

Porta de Impressora IEEE Walter Fetter Lages.

Porta de Impressora IEEE Walter Fetter Lages. Porta de Impressora IEEE-1284 Walter Fetter Lages w.fetter@ieee.org Universidade Federal do Rio Grande do Sul Escola de Engenharia Departamento de Engenharia Elétrica Microprocessadores II Copyright (c)

Leia mais

14/3/2016. Prof. Evandro L. L. Rodrigues

14/3/2016. Prof. Evandro L. L. Rodrigues SEL 433 APLICAÇÕES DE MICROPROCESSADORES I SEL-433 APLICAÇÕES DE MICROPROCESSADORES I Prof. Evandro L. L. Rodrigues Tópicos do curso Conceitos básicos - Aplicações e utilizações dos microcontroladores

Leia mais

Memórias. SEL-415 Introdução à Organização dos Computadores. Parte 1. Aula 4. Profa. Luiza Maria Romeiro Codá

Memórias. SEL-415 Introdução à Organização dos Computadores. Parte 1. Aula 4. Profa. Luiza Maria Romeiro Codá Departamento de Engenharia Elétrica e de Computação EESC-USP SEL-415 Introdução à Organização dos Computadores Aula 4 Memórias Parte 1 Profa. Luiza Maria Romeiro Codá Autores: Prof. Dr. Marcelo Andrade

Leia mais

Capítulo13 Arquiteturas de Dispositivos Lógicos Programáveis Pearson. Todos os direitos reservados.

Capítulo13 Arquiteturas de Dispositivos Lógicos Programáveis Pearson. Todos os direitos reservados. Capítulo13 Arquiteturas de Dispositivos Lógicos Programáveis slide 1 Temas abordados nesse capítulo: - Descrever as diferentes categorias de dispositivos de sistemas digitais. - Descrever os diferentes

Leia mais

Arduino Lab 08 Banco de teste para memória RAM HM6116 de 16k

Arduino Lab 08 Banco de teste para memória RAM HM6116 de 16k Arduino Lab 08 Banco de teste para memória RAM HM6116 de 16k Neste Lab iremos descrever a implementação de um sistema para testar antigas memórias RAM, estática, modelo HM6116LP-4 que ainda são utilizadas

Leia mais

Organização de Computadores

Organização de Computadores Organização de Computadores Aula 23 Entrada e Saída (I/O) Rodrigo Hausen 03 de novembro de 2011 http://cuco.pro.br/ach2034 1/62 Apresentação 1. Bases Teóricas 2. Organização de computadores... 2.3. Estruturas

Leia mais

Arduino Lab 08 Banco de teste para memória RAM HM6116 de 16k

Arduino Lab 08 Banco de teste para memória RAM HM6116 de 16k Arduino Lab 08 Banco de teste para memória RAM HM6116 de 16k Neste Lab iremos descrever a implementação de um sistema para testar antigas memórias RAM, estática, modelo HM6116LP-4 que ainda são utilizadas

Leia mais

Prof. Adilson Gonzaga. Técnicas de Interface

Prof. Adilson Gonzaga. Técnicas de Interface Prof. Adilson Gonzaga Técnicas de Interface Técnicas de Interface com Microcontroladores (8051) Estrutura das Portas do 8051: Todas as quatro Portas (P0,P1,P2,P3) da família de Microcontroladores MCS-51

Leia mais

Circuitos Lógicos. Profa. Grace S. Deaecto. Faculdade de Engenharia Mecânica / UNICAMP , Campinas, SP, Brasil.

Circuitos Lógicos. Profa. Grace S. Deaecto. Faculdade de Engenharia Mecânica / UNICAMP , Campinas, SP, Brasil. Circuitos Lógicos Profa. Grace S. Deaecto Faculdade de Engenharia Mecânica / UNICAMP 13083-860, Campinas, SP, Brasil. grace@fem.unicamp.br Segundo Semestre de 2013 Profa. Grace S. Deaecto ES572 DMC / FEM

Leia mais

SEL-433 APLICAÇÕES DE MICROPROCESSADORES I

SEL-433 APLICAÇÕES DE MICROPROCESSADORES I SEL 433 APLICAÇÕES DE MICROPROCESSADORES I SEL-433 APLICAÇÕES DE MICROPROCESSADORES I Apresentação do curso Critério de avaliação Média final = 0.8 * MP + 0.2 * ME onde MP = (P1 + P2) / 2 e ME = Notas

Leia mais

Introdução aos microcontroladores Microcontroladores e microprocessadores Tecnologia em Manutenção Industrial

Introdução aos microcontroladores Microcontroladores e microprocessadores Tecnologia em Manutenção Industrial Introdução aos microcontroladores Microcontroladores e microprocessadores Tecnologia em Manutenção Industrial 1 Definição de microcontroladores É um circuito integrado que pode ser programado para realização

Leia mais

Módulo de Cristal Líquido LCD

Módulo de Cristal Líquido LCD Módulo de Cristal Líquido LCD 1 Introdução Os módulos LCD são interfaces de saída muito utilizadas em sistemas microprocessados e microcontrolados. Estes módulos podem ser gráficos e alfanuméricos. Os

Leia mais

Jadsonlee da Silva Sá

Jadsonlee da Silva Sá Introdução aos Sistemas Microcontrolados Jadsonlee da Silva Sá Jadsonlee.sa@univasf.edu.br www.univasf.edu.br/~jadsonlee.sa Introdução aos Sistemas Microcontrolados Assembly, C, java,... Circuito Reset

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CEFET/SC - Unidade de São José. Curso Técnico em Telecomunicações REGISTRADORES. Marcos Moecke. São José - SC,

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CEFET/SC - Unidade de São José. Curso Técnico em Telecomunicações REGISTRADORES. Marcos Moecke. São José - SC, MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO - Unidade de São José Curso Técnico em Telecomunicações REGISTRADORES Marcos Moecke São José - SC, 24-2 SUMÁRIO 6. REGISTRADORES... 1 6.1 REGISTRADORES DO TIPO PORTA PARALELA...1

Leia mais

Fundamentos de hardware. David Déharbe DIMAp UFRN

Fundamentos de hardware. David Déharbe DIMAp UFRN Fundamentos de hardware David Déharbe DIMAp UFRN david@dimap.ufrn.br Plano da aula Motivação; Terminologia básica; Problemas de potência; Diagramas de temporização; Memórias; Sumário. Motivação Um projetista

Leia mais

Disciplina de Organização de Computadores I

Disciplina de Organização de Computadores I USP - ICMC - SSC SSC 0610 - Eng. Comp. - 2o. Semestre 2010 Disciplina de Prof. Fernando Santos Osório Email: fosorio [at] { icmc. usp. br, gmail. com } Página Pessoal: http://www.icmc.usp.br/~fosorio/

Leia mais

Os textos nestas caixas foram adicionados pelo Prof. Joubert

Os textos nestas caixas foram adicionados pelo Prof. Joubert William Stallings Arquitetura e Organização de Computadores 8 a Edição Capítulo 3 Visão de alto nível da função e interconexão do computador Os textos nestas caixas foram adicionados pelo Prof. Joubert

Leia mais

Memórias. EL68E Sistemas Embarcados. Tecnologias de Memórias. Conceitos. Profs. Douglas Renaux e Hugo Vieira Neto

Memórias. EL68E Sistemas Embarcados. Tecnologias de Memórias. Conceitos. Profs. Douglas Renaux e Hugo Vieira Neto EL68E Sistemas Embarcados Profs. Douglas Renaux e Hugo Vieira Neto Memórias Tecnologias de Memórias Voláteis x Não-Voláteis Estáticas x Dinâmicas Tipos: ROM PROM EPROM Flash SRAM SDRAM DDR Conceitos Organização

Leia mais

William Stallings Arquitetura e Organização de Computadores 8 a Edição

William Stallings Arquitetura e Organização de Computadores 8 a Edição William Stallings Arquitetura e Organização de Computadores 8 a Edição Capítulo 3 Visão de alto nível da função e interconexão do computador slide 1 Conceito de programa Sistemas hardwired são inflexíveis.

Leia mais

Introdução a Tecnologia da Informação

Introdução a Tecnologia da Informação Introdução a Tecnologia da Informação Arquitetura de Computadores Hardware e Software Prof. Jeime Nunes p Tipos de memória n RAM (random access memory) - memória de acesso aleatório, é volátil e permite

Leia mais

Memória SRAM 64x8 bits

Memória SRAM 64x8 bits UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ Leonardo H. Menezes André N. Makoski Memória SRAM 64x8 bits Artigo elaborado como parte da avaliação da Disciplina de Circuitos Integrados Digitais, ministrada pelos Profs.:

Leia mais

SISTEMAS OPERACIONAIS ABERTOS Prof. Ricardo Rodrigues Barcelar

SISTEMAS OPERACIONAIS ABERTOS Prof. Ricardo Rodrigues Barcelar - Aula 1-1. ENTRADAS E SAIDAS Uma das principais funções dos sistemas operacionais é controlar os dispositivos de entrada e saída (E/S ou I/O). O Sistema Operacional (SO) deve ser capaz de enviar comando

Leia mais

Sistemas Digitais II DISPOSITIVOS DE MEMÓRIA. Prof. Marlon Henrique Teixeira julho/2014

Sistemas Digitais II DISPOSITIVOS DE MEMÓRIA. Prof. Marlon Henrique Teixeira julho/2014 Sistemas Digitais II DISPOSITIVOS DE MEMÓRIA Prof. Marlon Henrique Teixeira julho/2014 Memórias Conteúdo Terminologia de memórias Princípios de operação Conexões CPU-Memória Memórias apenas de leitura

Leia mais

MULTIPLEXADORES E DEMULTIPLEXADORES

MULTIPLEXADORES E DEMULTIPLEXADORES MULTIPLEXADORES E DEMULTIPLEXADORES OBJETIVOS: Analisar o funcionamento de multiplexadores e demultiplexadores através de circuitos integrados comerciais. INTRODUÇÃO TEÓRICA Os multiplexadores e demultiplexadores

Leia mais

ci212 E/S (i): interface com CPU e SO Entrada e Saída

ci212 E/S (i): interface com CPU e SO Entrada e Saída Entrada e Saída Tipos e Características de Dispositivos Dispositivos, Interfaces com CPU e com Sist Operacional Modelo de dispositivo Espaços de endereçamento e hierarquia de barramentos Modos de acesso

Leia mais

Curso de Microcontroladores PIC 16F84A

Curso de Microcontroladores PIC 16F84A Curso de Microcontroladores PIC 16F84A João Neto Caetano Jnetcaetano@hotmail.com Marciel Gonçalves Azevedo Marcielgazevedo@hotmail.com Célio Rodrigues Pinto Treinamentos em geral, suporte a alunos universitários

Leia mais

Hardware. 5- Faça o fluxograma para efectuar o debounced de uma tecla por temporização(20ms). Implemente uma rotina para a leitura da tecla.

Hardware. 5- Faça o fluxograma para efectuar o debounced de uma tecla por temporização(20ms). Implemente uma rotina para a leitura da tecla. 1- Na ligação de Microprocessadores a periféricos são utilizados, básicamente dois métodos, I/O-polling e I/O-interrupt. Quais as vantagens e desvantages de cada método, exemplifique. 2- Qual a diferença

Leia mais

X Y Z A B C D

X Y Z A B C D 29) A seguinte tabela verdade corresponde a um circuito combinatório de três entradas e quatro saídas. Obtenha a tabela de programação para o circuito em um PAL e faça um diagrama semelhante ao apresentado

Leia mais

Eletrônica Digital. Prof. Gilson Yukio Sato sato[at]utfpr[dot]edu[dot]br

Eletrônica Digital. Prof. Gilson Yukio Sato sato[at]utfpr[dot]edu[dot]br Eletrônica Digital Prof. Gilson Yukio Sato sato[at]utfpr[dot]edu[dot]br Memórias Semicondutoras Prof. Gilson Yukio Sato sato[at]utfpr[dot]edu[dot]br Memórias Digitais Magnética Fitas K7, discos 3½, etc

Leia mais

ESTRUTURA E FUNCIONAMENTO DO COMPUTADOR

ESTRUTURA E FUNCIONAMENTO DO COMPUTADOR ESTRUTURA E FUNCIONAMENTO DO COMPUTADOR Prof. Filippo Valiante Filho http://prof.valiante.info Estrutura do Computador Computador CPU (Central Processing Unit) Sistema de Armazenamento (Memórias) Sistema

Leia mais

SSC0112 Organização de Computadores Digitais I

SSC0112 Organização de Computadores Digitais I SSC0112 Organização de Computadores Digitais I 23ª Aula Hierarquia de memória Profa. Sarita Mazzini Bruschi sarita@icmc.usp.br 1 Memória Memória Todo componente capaz de armazenar bits de informação Características

Leia mais

MICROCOMPUTADORES. Professor Adão de Melo Neto

MICROCOMPUTADORES. Professor Adão de Melo Neto MICROCOMPUTADORES Professor Adão de Melo Neto Sumário Organização Básica I (base) Organização Básica II (refinamento) Organização Básica III (Microcontrolador 8051) ORGANIZAÇÃO BÁSICA I Composição Unidade

Leia mais

Organização Básica de Computadores. Organização Básica de Computadores. Organização Básica de Computadores. Organização Básica de Computadores

Organização Básica de Computadores. Organização Básica de Computadores. Organização Básica de Computadores. Organização Básica de Computadores Ciência da Computação Arq. e Org. de Computadores Processadores Prof. Sergio Ribeiro Composição básica de um computador eletrônico digital: Processador Memória Memória Principal Memória Secundária Dispositivos

Leia mais

18/10/2010. Unidade de Controle Controle. UC Microprogramada

18/10/2010. Unidade de Controle Controle. UC Microprogramada Arquitetura de Computadores Unidade de Controle Controle Microprogramado Prof. Marcos Ribeiro Quinet de Andrade Universidade Federal Fluminense - UFF Pólo Universitário de Rio das Ostras - PURO UC Microprogramada

Leia mais

CPUs e Barramentos. Sistemas da Computação Prof. Rossano Pablo Pinto, Msc. rossano at gmail com 2 semestre 2007

CPUs e Barramentos. Sistemas da Computação Prof. Rossano Pablo Pinto, Msc. rossano at gmail com 2 semestre 2007 Sistemas da Computação Prof. Rossano Pablo Pinto, Msc. rossano at gmail com 2 semestre 2007 Seção 3.4 do livro do Tanenbaum Copyleft Rossano Pablo Pinto 2 CPUs possuem um conjunto de pinos que servem para

Leia mais

Problemas com Entrada e Saída

Problemas com Entrada e Saída Problemas com Entrada e Saída Periféricos possuem características diferentes Geram diferentes quantidades de dados Em velocidades diferentes Em formatos diferentes Periféricos são mais lentos que UCP e

Leia mais

Portas de entrada e saída; Interrupções; Interrupções externas; Temporizadores Contadores; Interface Serial

Portas de entrada e saída; Interrupções; Interrupções externas; Temporizadores Contadores; Interface Serial Periféricos Integrados do 8051 Portas de entrada e saída; Interrupções; Interrupções externas; Temporizadores Contadores; Interface Serial Periféricos Integrados do 8051 Portas de entrada e saída O 8051

Leia mais

Eletrônica Digital para Instrumentação. Herman Lima Jr.

Eletrônica Digital para Instrumentação. Herman Lima Jr. G03 Eletrônica Digital para Instrumentação Prof: hlima@cbpf.br Centro Brasileiro de Pesquisas Físicas Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovação (MCTI) Parâmetros de circuitos integrados lógicos Dispositivos

Leia mais

EL68E Sistemas Embarcados Prof. Douglas RENAUX

EL68E Sistemas Embarcados Prof. Douglas RENAUX EL68E Sistemas Embarcados Prof. Douglas RENAUX Memórias Tecnologias de Memórias Voláteis x Não-Voláteis Estáticas x Dinâmicas Tipos: ROM PROM EPROM Flash SRAM SDRAM DDR Conceitos Organização externa x

Leia mais

ORGANIZAÇÃO DE COMPUTADORES CAPÍTULO 6: PROCESSADORES. Prof. Juliana Santiago Teixeira

ORGANIZAÇÃO DE COMPUTADORES CAPÍTULO 6: PROCESSADORES. Prof. Juliana Santiago Teixeira ORGANIZAÇÃO DE COMPUTADORES CAPÍTULO 6: PROCESSADORES Prof. Juliana Santiago Teixeira julianasteixeira@hotmail.com INTRODUÇÃO INTRODUÇÃO O processador é o componente vital do sistema de computação, responsável

Leia mais

Aula 12: Memória: Barramentos e Registradores

Aula 12: Memória: Barramentos e Registradores Aula 12: Memória: Barramentos e Registradores Diego Passos Universidade Federal Fluminense Fundamentos de Arquiteturas de Computadores Diego Passos (UFF) Memória: Barramentos e Registradores FAC 1 / 34

Leia mais

Capítulo 7 - Interfaces de Entrada e Saída. Conceito

Capítulo 7 - Interfaces de Entrada e Saída. Conceito Conceito Uma das características básicas necessária de um computador é a capacidade de trocar dados com o mundo exterior (dispositivos periféricos). Para tornar os sinais internos à máquina compatíveis,

Leia mais

Entrada e Saída. Tópicos de E/S

Entrada e Saída. Tópicos de E/S Entrada e Saída Prof. Alexandre Beletti Cap. 3 Stallings, Cap. 10 Monteiro, Cap. 2 Tanenbaum, Cap. 15 -Weber Tópicos de E/S Introdução Tipos de E/S E/S por Programa (Programada) Interrupção DMA 1 Entrada:

Leia mais

Arquitetura Von Neumann Dados e instruções são obtidos da mesma forma, simplificando o desenho do microprocessador;

Arquitetura Von Neumann Dados e instruções são obtidos da mesma forma, simplificando o desenho do microprocessador; 1 Microprocessador Um microprocessador é um circuito eletrônico capaz de realizar diversas tarefas conforme os comandos específicos. Para isso ele deve ler esses comandos da memória de programa (ROM) e

Leia mais

Dispositivos de Entrada e Saída

Dispositivos de Entrada e Saída Departamento de Ciência da Computação - UFF Dispositivos de Entrada e Saída Prof. Marcos A. Guerine mguerine@ic.uff.br 1 Dipositivos periféricos ou simplesmente periféricos permitem a comunicação da máquina

Leia mais

MICROPROCESSADORES E MICROCONTROLADORES Parte 3 Microcontrolador 8051

MICROPROCESSADORES E MICROCONTROLADORES Parte 3 Microcontrolador 8051 MICROPROCESSADORES E MICROCONTROLADORES Parte 3 Microcontrolador 8051 José Wilson Lima Nerys Página: www.emc.ufg/~jwilson Emails: jwlnerys@gmail.com e jose_wilson_nerys@ufg.br 1 Prof. José Wilson Lima

Leia mais

Eletrônica Digital II. Engenharia de Computação

Eletrônica Digital II. Engenharia de Computação Eletrônica Digital II ELT013 Engenharia de Computação Aula 10 INTERFACE COM O MUNDO ANALÓGICO ELT013 - Eletrônica Digital II Aula 10 - Interface com o Mundo Analógico 2 Quantidade Digital Vs. Quantidade

Leia mais

Prof. Benito Piropo Da-Rin. Arquitetura, Organização e Hardware de Computadores - Prof. B. Piropo

Prof. Benito Piropo Da-Rin. Arquitetura, Organização e Hardware de Computadores - Prof. B. Piropo Prof. Benito Piropo Da-Rin UCP ou microprocessador: Circuito Integrado inteligente (capaz de cumprir diferentes funções determinadas por instruções ) CI capaz de efetuar todas as operações necessárias

Leia mais

Sistemas de Entrada e Saída

Sistemas de Entrada e Saída Sistemas de Entrada e Saída Eduardo Ferreira dos Santos Ciência da Computação Centro Universitário de Brasília UniCEUB Maio, 2016 1 / 33 Sumário 1 Dispositivos de E/S 2 Interrupções 3 Software de E/S 2

Leia mais

Circuitos Sequenciais Escola Naval - Dep. Armas e Electrónica v

Circuitos Sequenciais Escola Naval - Dep. Armas e Electrónica v CIRCUITOS SEQUENCIAIS ESTRUTURA GERAL Varáveis de entrada Variáveis de saída Variáveis de estado Circ. combinatório Memória Circuito Combinatório Memória Actual Seguinte CIRCUITOS SEQUENCIAIS Exemplo :

Leia mais

COMPUTADOR. Adão de Melo Neto

COMPUTADOR. Adão de Melo Neto COMPUTADOR Adão de Melo Neto 1 PROGRAMA É um conjunto de instruções LINGUAGEM BINÁRIA INTRODUÇÃO Os caracteres inteligíveis são apenas zero(0) e um (1). É uma linguagem de comunicação dos computadores.

Leia mais

Símbolos e abreviaturas utilizadas na descrição das instruções

Símbolos e abreviaturas utilizadas na descrição das instruções Símbolos e abreviaturas utilizadas na descrição das instruções acumulador registo A addr endereço de 16 bits data quantidade de 8 bits data 16 quantidade de 16 bits byte 2 segundo byte da instrução byte

Leia mais

Todo processador é constituído de circuitos capazes de realizar algumas operações primitivas:

Todo processador é constituído de circuitos capazes de realizar algumas operações primitivas: Todo processador é constituído de circuitos capazes de realizar algumas operações primitivas: Somar e subtrair Mover um dado de um local de armazenamento para outro Transferir um dado para um dispositivo

Leia mais

Aula 5: Introdução a Arquitetura do Microcontrolador 8051

Aula 5: Introdução a Arquitetura do Microcontrolador 8051 Microprocessadores - 2013-1 06/05/2013 Aula 5: Introdução a Arquitetura do Microcontrolador 8051 Professor: Eraldo Silveira e Silva eraldo@ifsc.edu.br 1 Objetivos da Aula apresentar as principais características

Leia mais

Decodificadores e Registradores

Decodificadores e Registradores epartamento de Engenharia Elétrica e de Computação - EESC-USP SEL-415 Introdução à Organização dos Computadores ecodificadores e Registradores Aula 3 Prof. r. Marcelo Andrade da Costa Vieira Profa. Luiza

Leia mais

BARRAMENTO DO SISTEMA. Adão de Melo Neto

BARRAMENTO DO SISTEMA. Adão de Melo Neto BARRAMENTO DO SISTEMA Adão de Melo Neto 1 BARRAMENTOS DO SISTEMA O mecanismo mais comum de interconexão dos componentes de um computador (processador, memória principal e módulos de E/S) usa um barramento

Leia mais

Organização de Computadores

Organização de Computadores Organização de Computadores Aula 19 Barramentos: Estruturas de Interconexão Rodrigo Hausen 14 de outubro de 2011 http://cuco.pro.br/ach2034 1/40 Apresentação 1. Bases Teóricas 2. Organização de computadores

Leia mais

Multiplexadores e Demultiplexadores Prof. Rômulo Calado Pantaleão Camara

Multiplexadores e Demultiplexadores Prof. Rômulo Calado Pantaleão Camara Multiplexadores e Demultiplexadores Prof. Rômulo Calado Pantaleão Camara Carga Horária: 2h/60h Multiplexadores 2 Multiplexadores 3 Multiplexadores 4 Multiplexadores 4 entradas de dados I0, I1, I2, I3 2

Leia mais

Barramentos. Alguns sistemas reutilizam linhas de barramento para múltiplas funções; Dados Endereços Controle

Barramentos. Alguns sistemas reutilizam linhas de barramento para múltiplas funções; Dados Endereços Controle Aula 07 BARRAMENTOS Barramentos Para que as placas de expansão possam ser utilizados em qualquer micro, independentemente do processador instalado, utiliza-se diversos modelos de barramentos de expansão.

Leia mais

4.3 - DMA & Chipset. CEFET-RS Curso de Eletrônica. Profs. Roberta Nobre & Sandro Silva. e

4.3 - DMA & Chipset. CEFET-RS Curso de Eletrônica. Profs. Roberta Nobre & Sandro Silva. e CEFET-RS Curso de Eletrônica 4.3 - DMA & Chipset Profs. Roberta Nobre & Sandro Silva robertacnobre@gmail.com e sandro@cefetrs.tche.br Unidade 04.3.1 DMA Dados podem ser transferidos entre dispositivos

Leia mais

ROM

ROM Capítulo 3 Sumário 3.1 Memórias... 38 3.2 Estrutura geral e organização de uma memória... 38 3.3 Tipos Básicos - ROM (Read Only Memory)... 39 3.3.1 Ampliação da capacidade da ROM... 41 3.3.2 ROMs Programáveis...

Leia mais

Entrada e Saída (E/S)

Entrada e Saída (E/S) Organização e Arquitetura de Computadores Entrada e Saída (E/S) Givanaldo Rocha de Souza http://docente.ifrn.edu.br/givanaldorocha givanaldo.rocha@ifrn.edu.br Baseado no material do prof. Sílvio Fernandes

Leia mais

Aula Expositiva 03. DCC 001 Programação de Computadores 2 o Semestre de 2011 Prof. Osvaldo Carvalho DCC

Aula Expositiva 03. DCC 001 Programação de Computadores 2 o Semestre de 2011 Prof. Osvaldo Carvalho DCC Aula Expositiva 03 2.2.5 Síntese de Circuitos Combinatórios (7 segmentos) 2.2.6 Multiplexadores e Demultiplexadores 2.3 Circuitos Sequenciais 2.3.1 Flip-flops e registradores 2.3.2 Barramentos e Controle

Leia mais

Periféricos possuem características diferentes. Periféricos são mais lentos que UCP e Memória Necessita-se de módulos de Entrada/Saída

Periféricos possuem características diferentes. Periféricos são mais lentos que UCP e Memória Necessita-se de módulos de Entrada/Saída Periféricos possuem características diferentes Geram diferentes quantidades de dados Em velocidades diferentes Em formatos diferentes Periféricos são mais lentos que UCP e Memória Necessita-se de módulos

Leia mais

Sistemas Operacionais

Sistemas Operacionais Sistemas Operacionais Cristina Boeres página do curso: http://www.ic.uff.br/~boeres/so.html boeres@ic.uff.br Sistemas Operacionais O que é um SO?! um gerenciador de recursos?! uma interface?! máquina virtual?

Leia mais

BARRAMENTOS DO SISTEMA FELIPE G. TORRES

BARRAMENTOS DO SISTEMA FELIPE G. TORRES BARRAMENTOS DO SISTEMA FELIPE G. TORRES BARRAMENTOS DO SISTEMA Um computador consiste em CPU, memória e componentes de E/S, com um ou mais módulos de cada tipo. Esses componentes são interconectados de

Leia mais

Microcontroladores 8051

Microcontroladores 8051 Microcontroladores 8051 1. Microcontroladores Microcontrolador é o nome dado ao componente que incorpora em um só "chip" todos os elementos necessários a um microcomputador. Deve ter : CPU, Memória e Interfaces

Leia mais

10.0 Conversores DA. Conceitos básicos:

10.0 Conversores DA. Conceitos básicos: 100 Conversores DA Monitorar grandezas físicas, coletar dados e armazena-los para possíveis tomadas de decisão é grande interesse da indústria A precisão dos sinais coletados é de extrema importância,

Leia mais

Fundamentos de Sistemas Operacionais

Fundamentos de Sistemas Operacionais Fundamentos de Sistemas Operacionais Aula 14: Entrada e Saída: Dispositivos e Tipos de Acesso Diego Passos Dispositivos de E/S Operação de E/S É qualquer operação que mova dados do contexto do processador

Leia mais

INTERFACE DE CONVERSORES E MICROPROCESSADORES

INTERFACE DE CONVERSORES E MICROPROCESSADORES INTERFACE DE CONVERSORES E MICROPROCESSADORES Métodos de transferência de dados: Conversores compatíveis com os microprocessadores. Conectam-se diretamente ao barramento. Conversores não-compatíveis com

Leia mais

FUNDAMENTOS DA PROGRAMAÇÃO DE COMPUTADORES O SISTEMA DE COMPUTAÇÃO

FUNDAMENTOS DA PROGRAMAÇÃO DE COMPUTADORES O SISTEMA DE COMPUTAÇÃO FUNDAMENTOS DA PROGRAMAÇÃO DE COMPUTADORES O SISTEMA DE COMPUTAÇÃO 1 Seu objetivo principal é realizar manipulações com dados, isto é, realizar algum tipo de operações com os dados de modo a obter uma

Leia mais

Notas da Aula 14 - Fundamentos de Sistemas Operacionais

Notas da Aula 14 - Fundamentos de Sistemas Operacionais Notas da Aula 14 - Fundamentos de Sistemas Operacionais 1. Dispositivos de E/S Uma operação de entrada e saída é aquela que envolve a leitura ou escrita de dados a partir de dispositivos que estão fora

Leia mais

Memória (conceitos) MEMÓRIA VOLÁTIL

Memória (conceitos) MEMÓRIA VOLÁTIL MEMÓRIA 1 MEMÓRIA VOLÁTIL Memória (conceitos) É aquela que perde a informação armazenada quando a energia elétrica desaparece MEMÓRIA DE SEMICONDUTORES Construídas com FLIP-FLOPS (que são construídas com

Leia mais

Disciplina: Arquitetura de Computadores

Disciplina: Arquitetura de Computadores Disciplina: Arquitetura de Computadores Estrutura e Funcionamento da CPU Prof a. Carla Katarina de Monteiro Marques UERN Introdução Responsável por: Processamento e execução de programas armazenados na

Leia mais