Fig. 1-1 Procura e oferta agregadas no longo prazo. Produto (Y)

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Fig. 1-1 Procura e oferta agregadas no longo prazo. Produto (Y)"

Transcrição

1 1. INTRODUÇÃO 1. A macroeconomia 1.1. Estuda o comportamento da economia como um todo as expansões e as recessões, o produto total da economia em bens e serviços, o crescimento do produto, as taxas de inflação e desemprego, a balança de pagamentos e as taxas de câmbio Considera tanto o crescimento económico de longo prazo como, no curto prazo, as flutuações que constituem o ciclo económico Centra-se no comportamento económico e nas políticas que afectam o consumo e o investimento, a moeda e a balança de pagamentos, os determinantes das variações de salários e preços, as políticas orçamental e monetária, o stock de moeda, o orçamento de Estado, as taxas de juro e a dívida pública. Em resumo, a macroeconomia trata das questões e problemas económicos actuais mais importantes. Para compreendê-los temos que reduzir os complicados pormenores da economia a pontos essenciais manuseáveis. Estes pontos essenciais encontram-se nas interacções entre bens, trabalho e mercado de activos da economia e nas interacções entre economias nacionais com trocas entre si. Ao tratar os pontos essenciais, ultrapassamos os pormenores relativos ao comportamento de unidades económicas individuais ou à determinação de preços em mercados particulares, que constituem o objecto de estudo da microeconomia. Em macroeconomia, tratamos o mercado de bens como um todo, analisando todos os mercados de diferentes bens como um único mercado. Também o mercado de trabalho é tratado como um todo. E o mesmo sucede com o mercado de activos. 2. O estudo da macroeconomia organiza-se em torno de três modelos que descrevem o mundo, tendo cada um deles uma maior aplicabilidade num enquadramento temporal diferente. A principal controvérsia da macroeconomia reside na questão: Qual é a inclinação da curva da oferta agregada? A figura 1-1 mostra um diagrama de oferta agregada-procura agregada no longo prazo. O nível geral de preços (P) na economia é representado no eixo vertical e o produto total (Y) encontra-se representado no eixo horizontal. As curvas da oferta agregada e da procura agregada fornecem, cada uma, uma relação entre o nível geral de preço na economia e o produto total. No longo prazo, a curva da oferta agregada é vertical. O produto encontra-se fixo na posição em que esta curva da oferta encontra o eixo horizontal. Pelo contrário, o nível dos preços pode assumir qualquer valor.

2 Fig. 1-1 Procura e oferta agregadas no longo prazo AS AD Desloque mentalmente a curva da procura agregada para a esquerda ou para a direita. Verá que a intersecção das duas curvas se move verticalmente (os preços variam) e não horizontalmente (o produto não varia). Depreende-se que, no longo prazo, o produto é determinado apenas pela oferta agregada e os preços são determinados tanto pela oferta agregada como pela procura agregada. Os modelos da teoria do crescimento e da oferta agregada no longo prazo encontram-se estreitamente relacionados: a posição da curva vertical da oferta agregada em determinado ano corresponde ao nível de produto para esse ano, no modelo a muito longo prazo. A teoria do crescimento centra-se no crescimento da capacidade produtiva e ignora as flutuações da economia. Estas os altos e baixos do desemprego, por exemplo compensam-se, em média, ao longo dos anos. Ao longo de períodos de tempo muito extensos, tudo o que interessa saber é a velocidade média de crescimento da economia. A teoria do crescimento procura explicar as taxas de crescimento médio ao longo de vários anos ou décadas A figura 1-2 mostra um diagrama de oferta agregada-procura agregada no médio prazo. No médio prazo, tratamos a capacidade produtiva como um dado. A curva da oferta agregada (AS) apresenta, para cada nível de preços, a quantidade de produto que as empresas estão dispostas a oferecer. A sua posição depende da capacidade produtiva da economia. A curva da procura agregada (AD) apresenta, para cada nível de preços, o nível de produto para o qual o mercado de bens e o mercado monetário se encontram simultaneamente em equilíbrio. A posição da curva da procura agregada depende das políticas monetária e orçamental e do nível de confiança dos consumidores. A intersecção da oferta e da procura agregadas determina o preço e a quantidade.

3 Fig. 1-2 Procura e oferta agregadas no médio prazo AS AD 2.3. As flutuações do produto no curto prazo são suficientemente grandes para serem importantes. A consideração das flutuações do produto no curto prazo constitui o domínio da procura agregada. No curto prazo, a curva da oferta agregada é horizontal, conforme mostra a figura 1-3. A curva da oferta agregada no curto prazo fixa o nível de preços no ponto em que se encontra o eixo vertical. Pelo contrário, o produto pode assumir qualquer valor. O pressuposto subjacente é o de que o nível de produto não afecta os preços no curto prazo. Fig. 1-3 Procura e oferta agregadas no curto prazo AS AD Repita o exercício acima sugerido: desloque mentalmente a curva da procura agregada na horizontal. A intersecção das duas curvas movimenta-se na horizontal (o produto varia) e não na vertical (o nível de preços não varia). Depreende-se que, no curto prazo, o produto é determinado apenas pela procura agregada e os preços não são afectados pelo nível do produto. Como é descrita a transição entre o curto e o longo prazo? Qual é o processo que leva a curva da oferta agregada da posição horizontal à vertical? Quando a procura agregada

4 elevada conduz o produto acima do nível sustentável segundo o modelo de longo prazo, as empresas começam a aumentar os preços e a curva da oferta agregada inicia o movimento ascendente. A velocidade à qual os preços se ajustam constitui um parâmetro crítico para a nossa compreensão da economia. Acontece que os preços se ajustam, geralmente, bastante devagar; assim, num horizonte de 1 ano, as variações da procura agregada fornecem uma boa, certamente imperfeita, descrição do comportamento da economia. A velocidade de ajustamento dos preços é sintetizada na curva de Phillips. 3. Objectivos da macroeconomia Produto e crescimento. O objectivo final da actividade económica é produzir os bens e serviços pretendidos pela população. A medida mais abrangente do produto total de uma economia é o produto interno bruto (PIB). O PIB é a quantificação do valor de todos os bens e serviços finais produzidos num país durante determinado período de tempo, usualmente 1 ano. Existem duas formas de medi-lo. O PIB nominal é medido a preços correntes de mercado. O PIB real é calculado a preços constantes ou invariáveis. As variações do PIB real são a melhor e mais difundida medida do nível de crescimento do produto. A taxa de crescimento da economia é a taxa à qual o Produto Interno Bruto (PIB) aumenta. O que faz o PIB crescer ao longo do tempo? A primeira razão pela qual o PIB varia consiste na variação da quantidade de recursos disponíveis na economia. Os principais recursos são o capital e o trabalho. A população activa, que consiste nas pessoas que trabalham ou se encontram à procura de emprego, cresce ao longo do tempo, fornecendo assim uma fonte de aumento da produção. O stock de capital também aumenta ao longo do tempo, fornecendo outra fonte de aumento do produto. A segunda razão para a variação do PIB prende-se com a variação da eficiência dos factores de produção. Às melhorias na eficiência chama-se aumentos de produtividade. Ao longo do tempo, os mesmos factores de produção podem produzir mais. As economias avançadas exibem, geralmente e no longo prazo, um crescimento sustentado do PIB e um melhoria dos níveis de vida processo conhecido como crescimento económico, o que não as impedem de, no curto prazo, registarem flutuações observadas nos ciclos económicos. O ciclo económico é o padrão, mais ou menos regular, de expansão (retoma) e contracção (recessão) da actividade económica em torno da trajectória do crescimento tendencial. A inflação, o crescimento e o desemprego encontram-se relacionados através do ciclo económico. Na crista do ciclo, a actividade económica é elevada em relação à tendência; numa cava, atinge-se o ponto mais baixo da actividade económica. A inflação, o crescimento e o desemprego têm padrões cíclicos claros.

5 Fig. 1-4 O ciclo económico A curva mais clara na figura 1-4 mostra a trajectória tendencial do PIB real. A trajectória tendencial do PIB é a que este seguiria se os factores de produção fossem plenamente empregues. Um aumento da disponibilidade de recursos permite à economia produzir mais bens e serviços, resultando no aumento do nível tendencial de produto. Mas os factores não são sempre plenamente empregues. Por isso, o produto nem sempre se encontra no seu nível tendencial, isto é, no nível correspondente ao pleno emprego dos factores de produção 1. Em vez disso, o produto flutua em torno do nível tendencial. Durante um expansão (ou retoma), o emprego dos factores de produção aumenta, logo a produção aumenta, podendo mesmo ir além da tendência. Ao invés, durante uma recessão, o desemprego aumenta e o produto diminui em relação ao que poderia ser produzido, tendo em conta os recursos e tecnologia disponíveis. A curva ondulada na figura 1-4 mostra esses afastamentos cíclicos do produto em relação à tendência, os quais se designam por hiato do produto. O hiato do produto mede o hiato existente entre o produto efectivo e o produto que a economia poderia produzir em condições de pleno emprego, tendo em conta os recursos existentes. Ou seja, Hiato do produto produto potencial produto efectivo 3.2. Emprego elevado, desemprego reduzido. De todos os indicadores macroeconómicos, o emprego e o desemprego são os mais sentidos pelas pessoas. Em termos macroeconómicos, um dos objectivos é o emprego elevado, contrapartida de um desemprego reduzido. A taxa de desemprego é a percentagem da população activa que está desempregada. A população activa inclui todos os empregados e todos os desempregados que estão à procura de emprego. Exclui os que não têm trabalho, não estando à procura de emprego Preços estáveis. O terceiro objectivo macroeconómico é a manutenção da estabilidade dos preços. A medida mais comum do nível geral de preços é o índice 1 O produto de pleno emprego é também chamado produto potencial.

6 de preços do consumidor (IPC). O IPC quantifica o custo de um cabaz fixo de bens, que inclui rubricas como a alimentação, habitação, vestuário e cuidados médicos comprados pelo consumidor típico. As variações do nível de preços designam-se por taxa de inflação e correspondem às taxas de crescimento ou de redução do nível de preços de um ano em relação ao seguinte: IPC IPC Taxa de inf lação t IPCt 1 t t 1 ( em %) = 100 Os aumentos de inflação encontram-se inversamente relacionados com o hiato do produto. As políticas de expansão da procura agregada tendem a causar inflação, excepto quando ocorrem numa situação em que a economia se encontra em níveis elevados de desemprego. Os períodos longos de baixa procura agregada tendem a reduzir a taxa de inflação, definida como a taxa de aumento dos preços. A inflação, assim como o desemprego, constitui um importante problema macroeconómico. No entanto, a vantagem da estabilidade dos preços é mais subtil do que para os outros objectivos. A rápida variação dos preços distorce as decisões económicas das empresas e dos indivíduos; com uma inflação elevada, os impostos tornam-se muito variáveis, o valor real das pensões fica deteriorado e as pessoas gastam recursos reais para evitarem a posse de moeda que se deprecia; os preços perdem o seu significado e o sistema de preços deixa de funcionar. 4. Instrumentos da política macroeconómica. Os governos dispõem de certos instrumentos que podem utilizar para influenciar a actividade económica. Um instrumento de política é uma variável económica sob o controlo do governo que pode afectar um ou mais objectivos económicos. Isto é, ao fazer variar as políticas orçamental, monetária e outras, os governos podem evitar os maiores excessos do ciclo económico e aumentar a taxa de crescimento Política orçamental. A política orçamental dá conta do uso dos impostos e da despesa pública. A despesa pública ocorre de dois modos distintos. De um lado estão as compras do Estado, que compreendem a despesa em bens e serviços; além disso, há as transferências do Estado, que ampliam os rendimentos de determinados grupos. A despesa pública determina a dimensão relativa dos sectores público e privado, isto é, qual a parcela do PIB que é consumida colectivamente e não de modo privado. Numa perspectiva macroeconómica, a despesa pública também afecta o nível global de despesa na economia e, dessa forma, o nível do PIB. A outra parte da política orçamental, os impostos, afecta a globalidade da economia de duas formas. Para começar, os impostos influenciam o rendimento dos indivíduos, deixando-os com mais ou menos disponibilidade para gastar. Eles tendem a reduzir o montante que as pessoas gastam em bens e serviços, bem como o montante da poupança. Ora, o consumo e a poupança têm importantes reflexos sobre o produto e o investimento no curto e longo prazo. Por outro lado, os

7 impostos afectam os preços dos bens e dos factores de produção e, desse modo, influenciam os incentivos e o comportamento Política monetária. O segundo instrumento mais importante da política macroeconómica é a política monetária, que o governo conduz através da gestão da moeda, do crédito e do sistema bancário do país. A moeda consiste nos meios de troca ou no método de pagamento. Ao realizar determinadas operações, o banco central pode regular a quantidade de moeda disponível na economia, o que vai afectar muitas variáveis económicas e financeiras, nomeadamente as taxas de juro e as taxas de câmbio. A restrição da oferta de moeda leva ao aumento das taxas de juro, que conduz à redução do investimento, com a consequente diminui do produto e da inflação. Portanto, se o banco central se defrontar com uma recessão pode aumentar a oferta de moeda para, através da baixa das taxas de juro, estimular a actividade económica. Bibliografia Recomendada: DORNBUSCH, capítulo 1. SAMUELSON, capítulo 20. Exercícios Relacionados: 1º Caderno prático, exercícios 1 19

Macroeconomia. 5. O Mercado de Bens e Serviços. Francisco Lima. 2º ano 1º semestre 2012/2013 Licenciatura em Engenharia e Gestão Industrial

Macroeconomia. 5. O Mercado de Bens e Serviços. Francisco Lima. 2º ano 1º semestre 2012/2013 Licenciatura em Engenharia e Gestão Industrial Macroeconomia 5. O Mercado de Bens e Serviços Francisco Lima 2º ano 1º semestre 2012/2013 Licenciatura em Engenharia e Gestão Industrial Oferta Agregada Nível de preços e custos Produto potencial Capital,

Leia mais

Macroeconomia. 5. O Mercado de Bens e Serviços. Francisco Lima. 2º ano 1º semestre 2013/2014 Licenciatura em Engenharia e Gestão Industrial

Macroeconomia. 5. O Mercado de Bens e Serviços. Francisco Lima. 2º ano 1º semestre 2013/2014 Licenciatura em Engenharia e Gestão Industrial Macroeconomia 5. O Mercado de Bens e Serviços Francisco Lima 2º ano 1º semestre 2013/2014 Licenciatura em Engenharia e Gestão Industrial Modelo Macroeconómico Procura Agregada Políticas macroeconómicas

Leia mais

MACROECONOMIA I 1E201

MACROECONOMIA I 1E201 MACROECONOMIA I 1E201 (2008-09) João Correia da Silva (joao@fep.up.pt) APRESENTAÇÃO JOÃO SILVA Atendimento: 2 as -feiras, das 11h às 12h, gabinete 606. joao@fep.up.pt http://www.fep.up.pt/docentes/joao

Leia mais

12 Flutuações de Curto Prazo

12 Flutuações de Curto Prazo 12 Flutuações de Curto Prazo Flutuações Econômicas de Curto Prazo A atividade econômica flutua de ano para ano. Em quase todos os anos, a produção aumenta. Nem toda flutuação é causada por variação da

Leia mais

Macroeconomia Equilíbrio Geral

Macroeconomia Equilíbrio Geral Macroeconomia 2 FEP, Licenciatura em Economia 8. Equilíbrio Geral 8.4. Ciclos Económicos Álvaro Almeida, Maio de 2007 8.4.1. Factos sobre ciclos económicos A. Identificação dos ciclos económicos 35.000

Leia mais

Ficha de Unidade Curricular (FUC) Unidade Curricular: Análise Macroeconómica

Ficha de Unidade Curricular (FUC) Unidade Curricular: Análise Macroeconómica INSTITUTO POLITÉCNICO DE COIMBRA INSTITUTO SUPERIOR DE CONTABILIDADE E ADMINISTRAÇÂO DE COIMBRA Aprovação do conselho Técnico-Científico 20/2/2013 Ficha de Unidade Curricular (FUC) Unidade Curricular:

Leia mais

Oferta Agregada, Inflação e Desemprego Inflação e Desemprego ; salários, preços e curva AS

Oferta Agregada, Inflação e Desemprego Inflação e Desemprego ; salários, preços e curva AS MACROECONOMIA I Aula 4.Nov.2003 > A restrição orçamental do Governo > Visualização gráfica (apenas gráfica) dos efeitos de financiamentos por emissão de moeda dos défices orçamentais. >Défices e Dívida

Leia mais

Recessões e expansões

Recessões e expansões Aula Teórica nº 13 Sumário: Ciclos Económicos Uma Introdução Recessões e expansões Clima económico: As condições económicas de longo-prazo são a determinante última do nível de vida Alterações no tempo

Leia mais

Introdução à Macroeconomia

Introdução à Macroeconomia Introdução à Macroeconomia Macroeconomia 61024 Esta apresentação não dispensa a leitura integral do capítulo 1 do livro Sotomayor, Ana Maria e Marques, Ana Cristina. (2007). Macroeconomia. Universidade

Leia mais

1. O que é a Macroeconomia?

1. O que é a Macroeconomia? 1. O que é a Macroeconomia? Gordon: Cap. 1 Setembro 2007, inesdrum@fep.up.pt 1 1.1. Objecto e Método Definição Perspectiva de análise da economia olhando para as grandezas (variáveis) agregadas ao nível

Leia mais

Macroeconomia Equilíbrio Geral

Macroeconomia Equilíbrio Geral Macroeconomia 2 FEP, Licenciatura em Economia 8. Equilíbrio Geral 8.2. Equilíbrio geral com rigidez nominal Álvaro Almeida, Maio de 2007 8.2.1. Determinação do equilíbrio geral em economias Rigidez nominal:

Leia mais

MACROECONOMIA I. Licenciatura em Economia 2006/2007. Mini-teste Versão 3-9 Outubro Normas e Indicações:

MACROECONOMIA I. Licenciatura em Economia 2006/2007. Mini-teste Versão 3-9 Outubro Normas e Indicações: MACROECONOMIA I LEC201 Licenciatura em Economia 2006/2007 Mini-teste Versão 3-9 Outubro 2006 Normas e Indicações: A prova tem a duração de 60 minutos. Não é permitida a consulta de elementos de estudo,

Leia mais

Apresentação 1. O que é a Macroeconomia?

Apresentação 1. O que é a Macroeconomia? Aula Teórica nº 1 Sumário: Apresentação 1. O que é a Macroeconomia? Objectivos da aula: No final desta aula o aluno deverá ser capaz de: Identificar os principais problemas abordados pela Macroeconomia.

Leia mais

Introdução à. Macroeconomia

Introdução à. Macroeconomia Introdução à Prof. Fabini Hoelz Bargas Alvarez IBMEC-RJ / UCP O que é? É o estudo da economia como um todo, pois analisa a economia através de suas variáveis fortemente agregadas. Abrange o comportamento

Leia mais

Programa de Unidade Curricular

Programa de Unidade Curricular Programa de Unidade Curricular Faculdade Ciências Empresariais Licenciatura Marketing Unidade Curricular Macroeconomia Semestre: 1 Nº ECTS: 6,0 Regente Maria Dolores Ferreira Nunes Cabral Assistente Carga

Leia mais

4. OS ELEMENTOS FUNDAMENTAIS DA OFERTA E DA PROCURA

4. OS ELEMENTOS FUNDAMENTAIS DA OFERTA E DA PROCURA Licenciatura em Comunicação Social, 2 ano 2002/2003 PROGRAMA de ECONOMIA 1. UNIDADE LECTIVA PRELIMINAR 1.1 Conceitos matemáticos 1.1.1 Conceito de função; funções lineares 1.1.2 Construção e leitura de

Leia mais

DOS MAIORES DE 23 ANOS NOME:

DOS MAIORES DE 23 ANOS NOME: Notas: Apresente o seu documento de identificação. Coloque o nome em todas as folhas. Leia atentamente cada questão antes de iniciar a sua resposta. Grupo 1 [10 VALORES] Relativamente a cada questão, assinale

Leia mais

Quadro 1a. Perspectivas Macroeconómicas nível (10 6 euros) taxa de variação. taxa de variação

Quadro 1a. Perspectivas Macroeconómicas nível (10 6 euros) taxa de variação. taxa de variação Quadro 1a. Perspectivas Macroeconómicas 2013 2013 2014 2015 2016 2017 nível (10 6 euros) 1. PIB (real) 1 B1*g 162852,2-1,4 1,2 1,5 1,7 1,8 1,8 2. PIB (nominal) B1*g 165666,3 0,3 2,0 2,4 3,4 3,7 3,7 Componentes

Leia mais

Macroeconomia. Capítulo 4 Dinâmica Macroeconómica

Macroeconomia. Capítulo 4 Dinâmica Macroeconómica Macroeconomia Capítulo 4 Dinâmica Macroeconómica 1 4.1 Interação entre Procura e Oferta Agregada 4.1.1 Flutuações na Oferta 4.1.1.1. Ajustamentos nos Fatores de Oferta com Salários Flexíveis Uma economia

Leia mais

INTRODUÇÃO À MACROECONOMIA Teste Intermédio

INTRODUÇÃO À MACROECONOMIA Teste Intermédio NOVA SCHOOL OF BUSINESS AND ECONOMICS INTRODUÇÃO À MACROECONOMIA Teste Intermédio Ana Balcão Reis Catarina Ângelo 24 de Novembro de 2012 Inácia Pimentel Simão Arouca Duração Total: 1h45m I ( 8,1 val) Nos

Leia mais

O Investimento e a Poupança. Enquadramento no Contexto da Oferta Agregada e Demanda Agregada e a Determinação das suas Funções

O Investimento e a Poupança. Enquadramento no Contexto da Oferta Agregada e Demanda Agregada e a Determinação das suas Funções O Investimento e a Poupança Enquadramento no Contexto da Oferta Agregada e Demanda Agregada e a Determinação das suas Funções A Poupança e o Investimento Refrescamento em relação a conceitos de base da

Leia mais

DEPARTAMENTO CURRICULAR DE CIÊNCIAS SOCIAIS E HUMANAS. PLANO CURRICULAR DA DISCIPLINA DE ECONOMIA MÓDULOS 1, 2, 3 e 4 10º ANO. Ano Letivo

DEPARTAMENTO CURRICULAR DE CIÊNCIAS SOCIAIS E HUMANAS. PLANO CURRICULAR DA DISCIPLINA DE ECONOMIA MÓDULOS 1, 2, 3 e 4 10º ANO. Ano Letivo DEPARTAMENTO CURRICULAR DE CIÊNCIAS SOCIAIS E HUMANAS PLANO CURRICULAR DA DISCIPLINA DE ECONOMIA MÓDULOS 1, 2, 3 e 4 10º ANO Ano Letivo 2017-2018 TEMAS/ CONTEÚDOS Módulo 1 A Economia e o Problema Económico

Leia mais

Exercícios de Macroeconomia

Exercícios de Macroeconomia Exercícios de Macroeconomia 1. Explique porque o PIB é tanto uma variável que mede tanto renda agregada, quanto a despesa agregada e produção. Por que PIB não mede riqueza? Qual a diferença entre PIB real

Leia mais

Faculdade de Economia do Porto Ano Lectivo de 2006/2007

Faculdade de Economia do Porto Ano Lectivo de 2006/2007 Faculdade de Economia do Porto Ano Lectivo de 2006/2007 LEC 201 Macroeconomia I A Macroeconomia no Curto Prazo: Modelo IS-LM Introdução Introdução MKS: nível de produto/rendimento é um múltiplo do nível

Leia mais

Flutuações Econômicas no Curto Prazo OA e DA CAPÍTULO 33

Flutuações Econômicas no Curto Prazo OA e DA CAPÍTULO 33 Flutuações Econômicas no Curto Prazo OA e DA CAPÍTULO 33 Segunda Prova Dia 01 de julho (quinta-feira) - 19:00 hs. Dúvidas 01/06 à tarde. Dia 24 e 25 de junho não haverá aula. Prova para os que faltaram

Leia mais

Quadro 1a. Perspectivas Macroeconómicas nível (10 6 euros) taxa de variação

Quadro 1a. Perspectivas Macroeconómicas nível (10 6 euros) taxa de variação Quadro 1a. Perspectivas Macroeconómicas 2012 2012 2013 2014 2015 2016 nível (10 6 euros) 1. PIB (real) 1 B1*g 165644,9-3,2-2,3 0,6 1,5 1,8 2,2 2. PIB (nominal) B1*g 165409,2-3,3-0,6 1,8 2,7 3,5 3,7 Componentes

Leia mais

Macroeconomia. 5. O Mercado de Bens e Serviços. Francisco Lima. 2º ano 1º semestre 2014/2015 Licenciatura em Engenharia e Gestão Industrial

Macroeconomia. 5. O Mercado de Bens e Serviços. Francisco Lima. 2º ano 1º semestre 2014/2015 Licenciatura em Engenharia e Gestão Industrial Macroeconomia 5. O Mercado de Bens e Serviços Francisco Lima 2º ano 1º semestre 2014/2015 Licenciatura em Engenharia e Gestão Industrial Modelo Macroeconómico Procura Agregada Políticas macroeconómicas

Leia mais

Inflação e Desemprego

Inflação e Desemprego Inflação e Desemprego Macroeconomia 61024 Esta apresentação não dispensa a leitura integral do capítulo 6 do livro Sotomayor, Ana Maria e Marques, Ana Cristina. (2007). Macroeconomia. Universidade Aberta.

Leia mais

(AVALIAÇÃO DO REGIME NÃO PRESENCIAL E AVALIAÇÃO DE RECURSO)

(AVALIAÇÃO DO REGIME NÃO PRESENCIAL E AVALIAÇÃO DE RECURSO) Escola Secundária Cacilhas-Tejo MATRIZ DE EXAME (AVALIAÇÃO DO REGIME NÃO PRESENCIAL E AVALIAÇÃO DE RECURSO) Disciplina: Economia A Módulo 1,2,3 (Um, Dois, Três) ENSINO RECORRENTE MÓDULOS CAPITALIZÁVEIS

Leia mais

Demanda Agregada salários e preços rígidos

Demanda Agregada salários e preços rígidos Demanda Agregada salários e preços rígidos Arranjos institucionais salários são periodicamente e não continuamente. revistos (1) comum em suporte para a rigidez de preços: custos associados com mudanças

Leia mais

[80] O efeito multiplicador em questão pressupõe que a economia esteja em desemprego.

[80] O efeito multiplicador em questão pressupõe que a economia esteja em desemprego. 1. (EBC, Analista de Empresa de Comunicação Pública Economia, 2011, CESPE) Considerando o fato de que um aumento do gasto governamental provoca um aumento proporcional da renda nacional e sabendo que a

Leia mais

Investimento, Poupança e Competitividade Os três pilares do crescimento

Investimento, Poupança e Competitividade Os três pilares do crescimento Investimento, Poupança e Competitividade Os três pilares do crescimento Teodora Cardoso Conferência Investimento em Portugal, Fundação Calouste Gulbenkian, 15 Março 2017 Princípios básicos: investimento

Leia mais

A diferença entre o curto e o longo prazo

A diferença entre o curto e o longo prazo Aula Teórica nº 13 Sumário: Procura e oferta agregada Procura agregada - inclinação - deslocação Oferta agregada de curto e de longo prazo O modelo procura agregada/oferta agregada - choques da procura

Leia mais

Capítulo 6. Política Macroeconómica no curto prazo com câmbios fixos. Política macro de curto prazo

Capítulo 6. Política Macroeconómica no curto prazo com câmbios fixos. Política macro de curto prazo Capítulo 6 Política Macroeconómica no curto prazo com câmbios fixos Política macro de curto prazo Quais os objectivos da política macroeconómica em economia aberta? Qual a eficácia das políticas macro

Leia mais

Crescimento Económico: experiência recente e perspectivas

Crescimento Económico: experiência recente e perspectivas Sessão de Homenagem ao Dr. Silva Lopes Crescimento Económico: experiência recente e perspectivas VÍTOR CONSTÂNCIO Maio de 2003 ÍNDICE I. Recessões e crises passadas de Balança de Pagamentos II. Problemas

Leia mais

Faculdade de Economia do Porto Ano Lectivo de 2005/2006. LEC 201 Macroeconomia I. A Macroeconomia no Curto Prazo: Modelo Keynesiano Simples

Faculdade de Economia do Porto Ano Lectivo de 2005/2006. LEC 201 Macroeconomia I. A Macroeconomia no Curto Prazo: Modelo Keynesiano Simples Faculdade de Economia do Porto Ano Lectivo de 2005/2006 LEC 201 Macroeconomia I A Macroeconomia no Curto Prazo: Modelo Keynesiano Simples Introdução Introdução No curto prazo, a Macroeconomia preocupa-se

Leia mais

FlutuaçõesEconômicasde Curto Prazo. Flutuações Econômicas de Curto Prazo. Três Fatos Sobre Flutuações. Flutuações PIB real. Flutuações - Investimento

FlutuaçõesEconômicasde Curto Prazo. Flutuações Econômicas de Curto Prazo. Três Fatos Sobre Flutuações. Flutuações PIB real. Flutuações - Investimento 31. e Demanda s FlutuaçõesEconômicasde Curto Prazo Flutuações econômicas ocorrem de ano para ano Na maioria dos anos a produção de bens e serviços aumenta Em alguns anos esse crescimento não acontece,

Leia mais

Demanda e oferta agregadas

Demanda e oferta agregadas Demanda e oferta agregadas Roberto Guena de Oliveira 16 de outubro de 2016 USP Flutuações econômicas de curto prazo A atividade econômica flutua de ano a ano. A taxa de crescimento anual médio da economia

Leia mais

Macroeconomia. Fundamentos 1. O Mercado e o Estado. Francisco Lima. 2º ano 1º semestre 2013/2014 Licenciatura em Engenharia e Gestão Industrial

Macroeconomia. Fundamentos 1. O Mercado e o Estado. Francisco Lima. 2º ano 1º semestre 2013/2014 Licenciatura em Engenharia e Gestão Industrial Macroeconomia Fundamentos 1. O Mercado e o Estado Francisco Lima 2º ano 1º semestre 2013/2014 Licenciatura em Engenharia e Gestão Industrial Plano As sociedades d e a actividade id d económica: produzir

Leia mais

Segundo Período, Prof. Dr. Wilson Luiz Rotatori Corrêa. Lista de Exercícios II GABARITO RESPONDA AS QUESTÕES ABAIXO JUSTIFICANDO A SUA RESPOSTA:

Segundo Período, Prof. Dr. Wilson Luiz Rotatori Corrêa. Lista de Exercícios II GABARITO RESPONDA AS QUESTÕES ABAIXO JUSTIFICANDO A SUA RESPOSTA: Segundo Período, 2017 Prof. Dr. Wilson Luiz Rotatori Corrêa Lista de Exercícios II GABARITO RESPONDA AS QUESTÕES ABAIXO JUSTIFICANDO A SUA RESPOSTA: 1) Suponha que esteja tramitando no Congresso uma emenda

Leia mais

EAE0111 Fundamentos de Macroeconomia. Lista 1. Prof: Danilo Igliori

EAE0111 Fundamentos de Macroeconomia. Lista 1. Prof: Danilo Igliori EAE0111 Fundamentos de Macroeconomia Lista 1 Prof: Danilo Igliori Questão 1 Qual das seguintes manchetes de jornal é mais estreitamente relacionado com o que microeconomistas estudam (e menos relacionado

Leia mais

Universidade Federal de Minas Gerais Faculdade de Filosofia e Ciências Humanas Ciclo Introdutório às Ciências Humanas

Universidade Federal de Minas Gerais Faculdade de Filosofia e Ciências Humanas Ciclo Introdutório às Ciências Humanas CARGA HORÁRIA: 60 (sessenta) hoas/aula CRÉDITOS: 04 (quatro) EMENTA: Economia: conceitos básicos. Caracterização do problema econômico. Ciências Econômicas em relação às demais ciências sociais. Linhas

Leia mais

UNIVERSIDADE DA MADEIRA Departamento de Gestão e Economia MACROECONOMIA II. Ficha de Exercícios 1 Revisão de Conceitos

UNIVERSIDADE DA MADEIRA Departamento de Gestão e Economia MACROECONOMIA II. Ficha de Exercícios 1 Revisão de Conceitos UNIVERSIDADE DA MADEIRA Departamento de Gestão e Economia MACROECONOMIA II Ficha de Exercícios 1 Revisão de Conceitos 1. Considere uma família que decide vender a casa onde vivia há 2 anos. Na venda, a

Leia mais

Unidade III ECONOMIA E MERCADO. Prof. Rodrigo Marchesin

Unidade III ECONOMIA E MERCADO. Prof. Rodrigo Marchesin Unidade III ECONOMIA E MERCADO Prof. Rodrigo Marchesin Introdução Macroeconomia: Grandes questões econômicas; Comportamento global do sistema; Análise dos grandes agregados econômicos. Estrutura básica

Leia mais

INSS Economia Macroeconomia Keynesiana Fábio Lobo

INSS Economia Macroeconomia Keynesiana Fábio Lobo INSS Economia Macroeconomia Keynesiana Fábio Lobo 2012 Copyright. Curso Agora eu Passo - Todos os direitos reservados ao autor. MACROECONOMIA KEYNESIANA Nesta aula, estudaremos que variáveis determinam

Leia mais

Desafios da Política Monetária e Cambial

Desafios da Política Monetária e Cambial Desafios da Política Monetária e Cambial 02 Índice I. Introdução II. Inflação e Estabilidade de Preços III. Política Monetária/Cambial e Seus Instrumentos IV. Eficácia da Política Monetária e Constrangimentos

Leia mais

Não vou apresentar uma intervenção estruturada, mas apenas uma reflexão baseada num conjunto de notas soltas segundo o esquema orientador seguinte:

Não vou apresentar uma intervenção estruturada, mas apenas uma reflexão baseada num conjunto de notas soltas segundo o esquema orientador seguinte: Não vou apresentar uma intervenção estruturada, mas apenas uma reflexão baseada num conjunto de notas soltas segundo o esquema orientador seguinte: 1. O Crescimento económico, a Produtividade e a Competitividade

Leia mais

Macroeconomia. Fundamentos 1. O Mercado e o Estado. Francisco Lima. 2º ano 1º semestre 2012/2013 Licenciatura em Engenharia e Gestão Industrial

Macroeconomia. Fundamentos 1. O Mercado e o Estado. Francisco Lima. 2º ano 1º semestre 2012/2013 Licenciatura em Engenharia e Gestão Industrial Macroeconomia Fundamentos 1. O Mercado e o Estado Francisco Lima 2º ano 1º semestre 2012/2013 Licenciatura em Engenharia e Gestão Industrial Plano As sociedades d e a actividade id d económica: produzir

Leia mais

Macroeconomia, FDUNL Exercícios. Escolha a resposta correcta de entre as alternativas colocadas.

Macroeconomia, FDUNL Exercícios. Escolha a resposta correcta de entre as alternativas colocadas. Macroeconomia, FDUNL Exercícios O Que é a Macroeconomia? Escolha a resposta correcta de entre as alternativas colocadas. 1. Qual dos seguintes pontos não é um assunto essencialmente macroeconómico? a)

Leia mais

MANUAL DE INTRODUÇÃO À ECONOMIA

MANUAL DE INTRODUÇÃO À ECONOMIA JEFFERSON MARIANO MANUAL DE INTRODUÇÃO À ECONOMIA Adaptado à realidade socioeconômica brasileira Rio de Janeiro, 2017 Sumário Introdução... 1 Capítulo 1: Definição: O que se estuda na disciplina... 3 Os

Leia mais

EXAME NACIONAL DO ENSINO SECUNDÁRIO VERSÃO 1

EXAME NACIONAL DO ENSINO SECUNDÁRIO VERSÃO 1 EXAME NACIONAL DO ENSINO SECUNDÁRIO 10.º/11.º ou 11.º/12.º Anos de Escolaridade (Decreto-Lei n.º 286/89, de 29 de Agosto Programas novos e Decreto-Lei n.º 74/2004, de 26 de Março) PROVA 712/12 Págs. Duração

Leia mais

Faculdade de Direito Universidade Nova de Lisboa. MACROECONOMIA Teste intermédio 11/4/08. Nome n.º. Grupo I (14 valores)

Faculdade de Direito Universidade Nova de Lisboa. MACROECONOMIA Teste intermédio 11/4/08. Nome n.º. Grupo I (14 valores) Faculdade de Direito Universidade Nova de Lisboa MACROECONOMIA Teste intermédio 11/4/08 Nome n.º Duração: 1 hora e 30 minutos Responda a todas as perguntas no enunciado de exame. Use as costas como folha

Leia mais

Mercados de Bens e Financeiros: Mercado de Bens e a

Mercados de Bens e Financeiros: Mercado de Bens e a C A P Í T U L O 5 Mercados de Bens e Financeiros: Prepared by: Fernando Quijano and Yvonn Quijano 5-1 Mercado de Bens e a Relação IS Existe equilíbrio no mercado de bens quando a produção, Y, é igual à

Leia mais

Macroeconomia, FDUNL Exercícios Escolha a resposta correcta de entre as alternativas colocadas.

Macroeconomia, FDUNL Exercícios Escolha a resposta correcta de entre as alternativas colocadas. Macroeconomia, FDUNL Exercícios 18.02.2015 O Que é a Macroeconomia? Escolha a resposta correcta de entre as alternativas colocadas. 1. Qual dos seguintes pontos não é um assunto essencialmente macroeconómico?

Leia mais

Demanda Agregada. Políticas Monetárias e a Demanda Agregada. Demanda Agregada. Teoria da Preferência da Liquidez

Demanda Agregada. Políticas Monetárias e a Demanda Agregada. Demanda Agregada. Teoria da Preferência da Liquidez 32. Inflluência das Políticas Fiscal e Monetária na Demanda Agregada Muitos fatores influenciam a demanda agregada além de políticas fiscal e/ou monetárias Em particular, o gasto desejado por indivíduos

Leia mais

Indicadores Económicos & Financeiros

Indicadores Económicos & Financeiros Indicadores Económicos & Financeiros Banco de Cabo Verde BANCO DE CABO VERDE Indicadores Económicos & Financeiros Maio 2001 INDICADORES ECONÓMICOS E FINANCEIROS ÍNDICE Indicadores Internacionais Área do

Leia mais

1G202 - MACROECONOMIA I

1G202 - MACROECONOMIA I LICENCIATURA EM GESTÃO (2008-09) 1G202 - MACROECONOMIA I Avaliação Distribuída 3º Teste (8 de Janeiro de 2009) Duração: 60 minutos. Não é permitida qualquer forma de consulta. Os telemóveis deverão ser

Leia mais

Índice ECONOMIA E NEGÓCIOS PARTE I. Índice de caixas, figuras e tabelas 13. Prefácio para os estudantes 19. Prefácio para os professores 21

Índice ECONOMIA E NEGÓCIOS PARTE I. Índice de caixas, figuras e tabelas 13. Prefácio para os estudantes 19. Prefácio para os professores 21 Índice Índice de caixas, figuras e tabelas 13 Prefácio para os estudantes 19 Prefácio para os professores 21 PARTE I ECONOMIA E NEGÓCIOS Capítulo 1 Ambiente empresarial 1.1. Âmbito da economia empresarial

Leia mais

INTRODUÇÂO À MACROECONOMIA. Programa. Ano Lectivo

INTRODUÇÂO À MACROECONOMIA. Programa. Ano Lectivo INTRODUÇÂO À MACROECONOMIA Programa Ano Lectivo 2006-07 Objectivos: Esta disciplina tem como objectivo ensinar os princípios básicos da macroeconomia com ênfase em economias de mercado aberto. Pretende-se

Leia mais

AULA 27 02/06/2010 CAP. 33 MANKIW DEMANDA AGREGADA E OFERTA AGREGADA. Três fatos chaves sobre flutuações econômicas

AULA 27 02/06/2010 CAP. 33 MANKIW DEMANDA AGREGADA E OFERTA AGREGADA. Três fatos chaves sobre flutuações econômicas AULA 27 02/06/2010 CAP. 33 MANKIW DEMANDA AGREGADA E OFERTA AGREGADA. Três fatos chaves sobre flutuações econômicas 1- Flutuações econômicas são Irregulares e Imprevisíveis São chamadas de ciclo de negócios.

Leia mais

b) Quais são os componentes do Investimento Agregado? A compra de ações constitui-se em Investimento, no sentido macroeconômico?

b) Quais são os componentes do Investimento Agregado? A compra de ações constitui-se em Investimento, no sentido macroeconômico? 1 1. Mostre como opera o fluxo circular de renda e como surge a identidade entre as três óticas de medição do resultado da atividade econômica de um país, conforme a Contabilidade Social. R: O fluxo circular

Leia mais

Necessidade de financiamento da economia diminui. Poupança das famílias aumenta.

Necessidade de financiamento da economia diminui. Poupança das famílias aumenta. 29 de junho de 2012 Contas Nacionais Trimestrais Por Sector Institucional (Base 2006) 1º Trimestre de 2012 Necessidade de financiamento da economia diminui. Poupança das famílias aumenta. No ano terminado

Leia mais

Economia dos Recursos Naturais. Agentes e Circuito Económico

Economia dos Recursos Naturais. Agentes e Circuito Económico Economia dos Recursos Naturais Agentes e Circuito Económico Agentes Económicos numa economia simplificada Famílias Empresas Engloba as famílias enquanto unidades de consumo e de fornecimento de trabalho

Leia mais

Macroeconomia para executivos de MKT. Lista de questões de múltipla escolha

Macroeconomia para executivos de MKT. Lista de questões de múltipla escolha Macroeconomia para executivos de MKT Lista de questões de múltipla escolha CAP. 3. Ambiente Externo, Cenário Macroeconômico e Mensuração da Atividade Econômica 5.1) A diferença entre Produto Nacional Bruto

Leia mais

MACROECONOMIA (Curso de Economia Brasileira, DEP)

MACROECONOMIA (Curso de Economia Brasileira, DEP) MACROECONOMIA (Curso de Economia Brasileira, DEP) Hildo Meirelles de Souza Filho PIB Produto Interno Bruto (PIB) é o valor total do fluxo de produção atual de bens e serviços finais obtido dentro do território

Leia mais

Economia do País. Análise de conjuntura económica trimestral. Produto Interno Bruto. Variações trimestrais homólogas

Economia do País. Análise de conjuntura económica trimestral. Produto Interno Bruto. Variações trimestrais homólogas Produto Interno Bruto Variações trimestrais homólogas Mediante reformas introduzidas na economia portuguesa, entre 2011 e 2015, nomeadamente quanto á competitividade das empresas, foi possível estimular

Leia mais

BOLETIM MENSAL JANEIRO DE 2017 Situação Monetária e Cambial. BANCO CENTRAL DE SÃO TOMÉ E PRÍNCIPE Disponível em:

BOLETIM MENSAL JANEIRO DE 2017 Situação Monetária e Cambial. BANCO CENTRAL DE SÃO TOMÉ E PRÍNCIPE Disponível em: BOLETIM MENSAL JANEIRO DE 2017 Situação Monetária e Cambial BANCO CENTRAL DE SÃO TOMÉ E PRÍNCIPE Disponível em: www.bcstp.st/publicações Banco Central de S. Tomé e Príncipe Índice 1. SITUAÇÃO MONETÁRIA

Leia mais

UNIVERSIDADE DA BEIRA INTERIOR

UNIVERSIDADE DA BEIRA INTERIOR UNIVERSIDADE DA BEIRA INTERIOR FACULDADE DE CIÊNCIAS SOCIAIS E HUMANAS DEPARTAMENTO DE GESTÃO E ECONOMIA MACROECONOMIA II Licenciaturas: Economia, Gestão 1º A/2º S CADERNO EXERCÍCIOS Nº 5 Modelo Mundell-Fleming

Leia mais

MACROECONOMIA I LEC /08

MACROECONOMIA I LEC /08 MACROECONOMIA I LEC201 2007/08 CAP. 3 A MACROECONOMIA NO CURTO PRAZO 3.3.5. MODELO IS-LM EM ECONOMIA ABERTA --- EXERCÍCIOS 1. EXERCÍCIO DA AULA Considere os seguintes dados relativos à economia A, que

Leia mais

DISCIPLINA: INTRODUÇÃO À ECONOMIA (CÓD. ENEX60075) PERÍODO: 1º PERÍODO

DISCIPLINA: INTRODUÇÃO À ECONOMIA (CÓD. ENEX60075) PERÍODO: 1º PERÍODO PLANO DE AULA DISCIPLINA: INTRODUÇÃO À ECONOMIA (CÓD. ENEX60075) PERÍODO: 1º PERÍODO TOTAL DE SEMANAS: 20 SEMANAS TOTAL DE ENCONTROS: 40 AULAS Aulas Conteúdos/ Matéria Tipo de aula Textos, filmes e outros

Leia mais

Macroeconomia - IGE. O mercado monetário:a função LM com oferta de moeda exógena. Março 2013

Macroeconomia - IGE. O mercado monetário:a função LM com oferta de moeda exógena. Março 2013 Macroeconomia - IGE O mercado monetário:a função LM com oferta de moeda exógena Março 2013 1 Moeda Origem, Funções e Características da Moeda 2 ( M d) 3 A oferta real de moeda (M s ) exógena 4 A função

Leia mais

Modelos Empresariais e Futuras Direcções

Modelos Empresariais e Futuras Direcções Modelos Empresariais e Futuras Direcções 1 Três Perspectivas: Modelo da Empresa Funcional - O que é que a empresa faz - Tradicionalmente analisado com recursos a DFDs. Descreve: Objectivos globais do todo

Leia mais

A Economia Portuguesa Dados Estatísticos Páginas DADOS ESTATÍSTICOS

A Economia Portuguesa Dados Estatísticos Páginas DADOS ESTATÍSTICOS DADOS ESTATÍSTICOS A Economia Portuguesa Dados Estatísticos Páginas I. DADOS NACIONAIS 1. POPULAÇÃO 1.1 População Residente por Sexo e Grupo Etário: Censos 1 1.2 População Residente - Estimativas 1 2.

Leia mais

Economia Pública. Cálculo Financeiro

Economia Pública. Cálculo Financeiro Economia Pública 1º Semestre 2010/11 Cálculo Financeiro Só se podem somar valores monetários que se reportem ao mesmo momento do tempo. Para isso deveremos actualizar todos os valores ou capitaliza-los

Leia mais

Macroeconomia. 4. Medição da atividade económica. Francisco Lima. 2º ano 1º semestre 2012/2013 Licenciatura em Engenharia e Gestão Industrial

Macroeconomia. 4. Medição da atividade económica. Francisco Lima. 2º ano 1º semestre 2012/2013 Licenciatura em Engenharia e Gestão Industrial Macroeconomia 4. Medição da atividade económica Francisco Lima 2º ano 1º semestre 2012/2013 Licenciatura em Engenharia e Gestão Industrial Introdução O Produto Componentes da Procura Índices de Preços

Leia mais

Introdução à Economia

Introdução à Economia Introdução à 1.1 Introdução Diariamente, nos deparamos com informações sobre economia nos jornais e noticiários na TV. Com a intensificação das relações econômicas internacionais, determinados fatos e

Leia mais

ANEXO 9.B. Análise Gráfica do Modelo Mundell-Fleming (IS-LM-BP)

ANEXO 9.B. Análise Gráfica do Modelo Mundell-Fleming (IS-LM-BP) ANEXO 9.B Análise Gráfica do Modelo Mundell-Fleming (IS-LM-BP) A apresentação gráfica desse modelo de macroeconomia aberta com concepção keynesiana ajuda a entender passo-a-passo as dezesseis situações

Leia mais

Macroeconomia, FDUNL Exercícios. O Que é a Macroeconomia? Escolha a resposta correcta de entre as alternativas colocadas.

Macroeconomia, FDUNL Exercícios. O Que é a Macroeconomia? Escolha a resposta correcta de entre as alternativas colocadas. Macroeconomia, FDUNL Exercícios Miguel St. Aubyn, 18.Fev.2009 O Que é a Macroeconomia? Escolha a resposta correcta de entre as alternativas colocadas. 1. Qual dos seguintes pontos não é um assunto essencialmente

Leia mais

ÁREA DE FORMAÇÃO: PLANEAR O ORÇAMENTO FAMILIAR IDENTIFICAR RENDIMENTOS E DESPESAS

ÁREA DE FORMAÇÃO: PLANEAR O ORÇAMENTO FAMILIAR IDENTIFICAR RENDIMENTOS E DESPESAS ÁREA DE FORMAÇÃO: PLANEAR O ORÇAMENTO FAMILIAR IDENTIFICAR RENDIMENTOS E DESPESAS Índice Planear o orçamento familiar Tipos de rendimentos Tipos de despesas Estrutura de despesas Saldo do orçamento familiar

Leia mais

Disciplina Economia A Módulo 4,5,6

Disciplina Economia A Módulo 4,5,6 Escola Secundária Cacilhas-Tejo MATRIZ DE EXAME (AVALIAÇÃO DO REGIME NÃO PRESENCIAL E AVALIAÇÃO DE RECURSO) Disciplina Economia A Módulo 4,5,6 ENSINO RECORRENTE MÓDULOS CAPITALIZÁVEIS Duração da Prova:

Leia mais

INTRODUÇÃO À MACROECONOMIA Exame 2ª época

INTRODUÇÃO À MACROECONOMIA Exame 2ª época NOVA SCHOOL OF BUSINESS AND ECONOMICS INTRODUÇÃO À MACROECONOMIA Exame 2ª época Ana Balcão Reis 2 de Julho de 2011 Erica Marujo Guilherme Oliveira João Almeida Marques Margarida Rodrigues Duração Total:

Leia mais

ECONOMIA E MERCADO MBA EM CONTROLADORIA E FINANÇAS PGCF PROF. JOÃO EVANGELISTA DIAS MONTEIRO

ECONOMIA E MERCADO MBA EM CONTROLADORIA E FINANÇAS PGCF PROF. JOÃO EVANGELISTA DIAS MONTEIRO ECONOMIA E MERCADO MBA EM CONTROLADORIA E FINANÇAS PGCF PROF. JOÃO EVANGELISTA DIAS MONTEIRO 1 OBJETIVOS DA AULA 3 Dinâmica dos Mercados em Macroeconomia Contas Nacionais - Quantificando o Desempenho da

Leia mais

2. A Medição da Actividade Económica

2. A Medição da Actividade Económica 2. A Medição da Actividade Económica Setembro 2007, inesdrum@fep.up.pt Slides baseados no guião disponível no site da cadeira 1 2.1. Agentes, Operações, Fluxos e Stocks A Macroeconomia analisa o comportamento

Leia mais

Finanças Internacionais - Macroeconomia Aberta: Teoria, Aplicações e Políticas

Finanças Internacionais - Macroeconomia Aberta: Teoria, Aplicações e Políticas Finanças Internacionais - Macroeconomia Aberta: Teoria, Aplicações e Políticas Capítulo 2: Como medir as transações internacionais Cristina Terra Roteiro 1 O balanço de pagamentos Estrutura Descrição das

Leia mais

MACROECONOMIA I Curso de Gestão 2008/09

MACROECONOMIA I Curso de Gestão 2008/09 MACROECONOMIA I Curso de Gestão 2008/09 Exercícios Esta compilação de exercícios foi gentilmente cedida pelo Prof. Doutor João Loureiro EXERCÍCIO 1 Os dados que se seguem dizem respeito ao PIB observado

Leia mais

6. Moeda, Preços e Taxa de Câmbio no Longo Prazo

6. Moeda, Preços e Taxa de Câmbio no Longo Prazo 6. Moeda, reços e Taxa de Câmbio no Longo razo 6. Moeda, reços e Taxa de Câmbio no Longo razo 6.1. Introdução 6.2. O rincípio da Neutralidade da Moeda 6.4. O rincípio da aridade dos oderes de Compra Burda

Leia mais

Economia Alimentar. Agentes e Circuito Económico

Economia Alimentar. Agentes e Circuito Económico Economia Alimentar Agentes e Circuito Económico Agentes Económicos numa economia simplificada Famílias Empresas Engloba as famílias enquanto unidades de consumo e de fornecimento de trabalho e capital

Leia mais

Introdução à Macroeconomia. Danilo Igliori Ciclos e Flutuações

Introdução à Macroeconomia. Danilo Igliori Ciclos e Flutuações Introdução à Macroeconomia Danilo Igliori (digliori@usp.br) Ciclos e Flutuações 1 P1 11 10 9 8 7 6 5 4 3 2 1 0 0 20 40 60 80 100 120 média 7,00625 mediana 7,15 maximo 10 min 0,5 Pessoas com nota abaixo

Leia mais

2. CONTABILIDADE NACIONAL

2. CONTABILIDADE NACIONAL 2. CONTABILIDADE NACIONAL 2.1. MEDIÇÃO DO PRODUTO 1. Uma boa contabilidade transforma dados em informação. Estudamos contabilidade nacional por duas razões. Em primeiro lugar, porque fornece a estrutura

Leia mais

QUESTÕES DE ECONOMIA - TCU. Prof. Daniel da Mata

QUESTÕES DE ECONOMIA - TCU. Prof. Daniel da Mata QUESTÕES DE ECONOMIA - TCU Prof. Daniel da Mata XI. O financiamento do setor público no Brasil 1. (CESPE DPU Economista 2010 - modificada). Acerca dos conceitos relativos ao déficit e à dívida públicos,

Leia mais

Economia I; 1º semestre 2008/2009; 3ª Prova Intercalar; Dezembro de 2008

Economia I; 1º semestre 2008/2009; 3ª Prova Intercalar; Dezembro de 2008 Nome Completo: (tal como consta do processo do aluno) Nº de Processo: Turma: Curso: Dispõe de 50 minutos para realizar a prova Não são permitidas saídas antes do final da prova Não é permitida a consulta

Leia mais

Variáveis Macroeconômicas nas Economia Aberta. 30. Teoria Macroeconômica das Economia Abertas. Mercado de Fundos. Mercado de Fundos.

Variáveis Macroeconômicas nas Economia Aberta. 30. Teoria Macroeconômica das Economia Abertas. Mercado de Fundos. Mercado de Fundos. 30. Teoria Macroeconômica das Economia Abertas Variáveis Macroeconômicas nas Economia Aberta As mais importantes variáveis macroeconômicas em uma economia aberta são: poupança nacional, investimento doméstico,

Leia mais

APOSTILA DE MACROECONOMIA Cap. 1

APOSTILA DE MACROECONOMIA Cap. 1 1 APOSTILA DE MACROECONOMIA Cap. 1 PROF. Ms. Fábio José Esguícero MACROECONOMIA: Ramo da economia que estuda os grandes agregados da economia como PIB, inflação, renda, emprego, consumo, crescimento econômico,

Leia mais

4. Flutuações Económicas

4. Flutuações Económicas 4. Flutuações Económicas Modelos explicativos das flutuações económicas de curto prazo e dos efeitos das políticas monetárias e fiscal. Questões de política económica. Introdução A actividade económica

Leia mais

ECONOMIA - LISTA DE EXERCÍCIOS 1

ECONOMIA - LISTA DE EXERCÍCIOS 1 1. Constitui um bem de capital: ECONOMIA - LISTA DE EXERCÍCIOS 1 a) os bens e serviços que se destinam ao atendimento direto das necessidades humanas. b) os bens que aumentam a eficiência do trabalho humano.

Leia mais

Economia e Sociologia. Agentes e Circuito Económico

Economia e Sociologia. Agentes e Circuito Económico Economia e Sociologia Agentes e Circuito Económico Agentes Económicos numa economia simplificada Famílias Empresas Engloba as famílias enquanto unidades de consumo e de fornecimento de trabalho e capital

Leia mais

Moeda, taxas de juros e taxas de câmbio

Moeda, taxas de juros e taxas de câmbio Moeda, taxas de juros e taxas de câmbio Referência: Cap. 15 de Economia Internacional: Teoria e Política, 6ª. Edição Paul R. Krugman e Maurice Obstfeld Economia Internacional II - Material para aulas (3)

Leia mais

MOEDA, TAXAS DE JUROS E TAXAS DE CÂMBIO TÓPICOS DO CAPÍTULO

MOEDA, TAXAS DE JUROS E TAXAS DE CÂMBIO TÓPICOS DO CAPÍTULO MOEDA, TAXAS DE JUROS E TAXAS DE CÂMBIO R e f e r ê n c i a : C a p. 15 d e E c o n o m i a I n t e r n a c i o n a l : T e o r i a e P o l í t i c a, 1 0 ª. E d i ç ã o P a u l R. K r u g m a n e M a

Leia mais

Aula 3 - Modelo Keynesiano Simples

Aula 3 - Modelo Keynesiano Simples Aula 3 - Modelo Keynesiano Simples 1. (ESAF) Considere: Y = C(Y) + I + G + X - M(Y) C(Y) = Co + 0,7.Y M(Y) = Mo + 0,5.Y I = 700 G = 200 X = 300 Co = 500 Mo = 100 Onde Y = produto; I = investimento; G =

Leia mais

Modelo de Factores Específicos

Modelo de Factores Específicos Modelo de Factores Específicos Introdução No modelo de Ricardo o comércio leva à especialização produtiva com cada país a deslocar os factores produtivos dos sectores em que são mais ineficientes para

Leia mais