LINGUAGEM E ARGUMENTAÇÃO JURÍDICA

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "LINGUAGEM E ARGUMENTAÇÃO JURÍDICA"

Transcrição

1 AULA 2 PG 1

2 Este material é parte integrante da disciplina Linguagem e Argumentação Jurídica oferecido pela UNINOVE. O acesso às atividades, as leituras interativas, os exercícios, chats, fóruns de discussão e a comunicação com o professor devem ser feitos diretamente no ambiente de aprendizagem on line. AULA 2 PG 2

3 Sumário AULA 02 MODALIDADES DA LÍNGUA...4 A linguagem jurídica...5 A questão argumentativa da linguagem jurídica...6 BIBLIOGRAFIA...8 AULA 2 PG 3

4 AULA 02 MODALIDADES DA LÍNGUA Nesta aula, retomaremos, de forma sintética, os elementos da comunicação e veremos que existem diversas modalidades de língua e de linguagem, diferenças cuja compreensão é importante na medida em que saber usar a linguagem formal ou informal, em seus vários níveis, garante um ato comunicacional eficaz. Veremos, ainda, a questão da linguagem jurídica e seu enquadramento nas classificações discutidas. Discutiremos os diversos níveis da linguagem jurídica, segundo a sua função criadora, aplicadora ou operacional do direito e começaremos a discutir a função argumentativa na linguagem jurídica. Acesse a plataforma e ouça o áudio sobre esse assunto. Se preferir você pode baixá lo para ouvir onde desejar. Pois bem, para se comunicar, e, portanto, para expressarem seus pensamentos, as pessoas ora usam a língua culta ora usam a língua popular. A língua culta ou língua padrão é aquela que é ensinada nas escolas, por meio da gramática e sua função é a de manter a unidade sócio cultural de uma comunidade. É também aquela usada nos textos acadêmicos, científicos, literários, jurídicos, nos jornais e revistas. Ao lado da língua culta, existe outra modalidade funcional da língua. Trata se da chamada língua popular ou linguagem cotidiana. Mais dinâmica e espontânea, ela não se sujeita às regras gramaticais impostas pela gramática. A língua coloquial ou comum pode se manifestar pela linguagem popular, tem na gíria sua expressão maior e como se sabe, é usada para expressar pensamentos dentro de uma comunidade menor ou pela linguagem familiar, isto é, aquela usada entre os integrantes de uma família, de que o uso do diminutivo ou de apelidos carinhosos são os exemplos mais significativos. Existe, ainda, ao lado da língua culta e da língua coloquial, outra modalidade denominada língua grupal, usada por grupos específicos. É o caso da linguagem empregada por comunidades afastadas dos grandes centros urbanos; das gírias empregadas por certas comunidades e da linguagem técnica empregada por profissionais do Direito, da Medicina, da informática, do futebol. AULA 2 PG 4

5 Vale observar que essas modalidades funcionais da língua são intercambiáveis entre si e seu uso depende do contexto e do ambiente em que as pessoas se encontram. É certo que um advogado não emprega a linguagem jurídica o tempo todo em que se comunica. No recesso do seu lar, conversando com seus familiares, a linguagem haverá de ser coloquial, poderá não empregar gírias, mas não se comunicará da mesma forma com que se comunica com um juiz ou um promotor. Acesse a plataforma e ouça o áudio sobre esse assunto. Se preferir você pode baixá lo para ouvir onde desejar. Até agora tratamos da língua e da linguagem, de suas modalidades e níveis, sem precisar o meio pela qual ela se manifesta, isto é, se escrita ou falada. A comunicação pode, pois, ser escrita ou falada e em certa medida podemos intuir que há diferenças bem acentuadas entre a língua escrita e a língua falada. Pense nas diferenças que há entre um texto escrito e uma mensagem falada. Você consegue identificar esses traços distintivos? Pois é, a língua escrita não é mera transcrição daquilo que se fala e requer mais atenção e cuidado de quem a usa, visto que ao produzir uma comunicação escrita, emissor e receptor não estão no mesmo contexto, por isso a linguagem escrita tende a ser mais descritiva. O uso do vocabulário precisa ser mais cuidado para que o interlocutor compreenda, assim, a linguagem escrita depende de planejamento e em certa medida está distanciada do interlocutor. A língua falada, de outro lado, é minimamente planejada e, porque envolve o interlocutor, sofre alterações constantes no curso. A linguagem jurídica E a linguagem jurídica? Onde, nesse emaranhado de classificações, é possível enquadrar a linguagem de um grupo específico de pessoas, denominadas de operadores do Direito. Já sabemos que o uso da linguagem depende do contexto que os interlocutores se encontram, por isso, vamos concentrar a nossa discussão no uso da linguagem jurídica no contexto da prática do Direito, mas precisamos fazer uma distinção entre a linguagem jurídica e a linguagem judiciária. A linguagem jurídica é aquela empregada pelo Direito, enquanto norma e a linguagem judiciária é aquela emprega pelos serventuários da Justiça. AULA 2 PG 5

6 Desde logo podemos dizer que a linguagem jurídica pode ser escrita ou falada. A linguagem escrita é aquela manifestada nos pareceres, petições, requerimentos, projetos de lei, resoluções, portarias, decretos, circulares. É por isso, formal e culta. A linguagem jurídica falada é, de outro lado, aquela que se vê nas audiências e sustentações orais nos Tribunais. É também, formal e culta, e, tanto quanto a linguagem escrita, é marcada por um vocabulário muito específico e próprio que compõe um verdadeiro repertório, estampado nos dicionários jurídicos. Vimos, pois, que a linguagem jurídica representa um modo de expressão de um grupo, isto é, o grupo de profissionais que editam o direito (legislador), que aplicam e dizem o direito (juízes) e que operam o direito (advogados) e, de um modo mais abrangente, de toda uma classe de pessoas que de alguma forma praticam o direito. É nesse sentido que temos, então, vários níveis de linguagem jurídica. A linguagem do legislador estampado nos códigos, a linguagem dos juízes e Tribunais, que se vê nas sentenças, despachos e decisões, a linguagem contratual, usada pelos advogados nos contratos, a linguagem dos registradores públicos, no vários documentos que produzem destinados a registrar e dar publicidade a certos atos jurídicos. Veja exemplo ilustrativo na plataforma de estudo. A questão argumentativa da linguagem jurídica De todas as perspectivas que vimos até agora a respeito da linguagem jurídica, uma não pode passar despercebida a função argumentativa do Direito. Falamos na função criadora, da função realizadora e até mesmo da função operacional do direito, mas todas elas passam de alguma forma pela função argumentativa. De fato, a argumentação está presente na linguagem jurídica empregada na fase de elaboração da norma, seja ela pré legislativa seja ela legislativa, nas discussões que ocorrem no interior das Comissões Parlamentares que examinam o conteúdo do projeto de lei proposto. Pense nas discussões que vêem travando acerca da descriminalização do aborto ou da maioridade penal. AULA 2 PG 6

7 A argumentação está presente, ainda, na fase de dicção do direito, ou melhor, na sua fase de aplicação pelos juízes ou pelos órgãos da Administração Pública que têm poder decisório. Falamos aqui dos processos administrativos. A argumentação empregada pelos juízes e órgãos de decisão ora passam pelo problema referente aos fatos apresentados, ora passam pelo problema relativo à norma a ser aplicada. O que interessa quanto à função argumentativa da aplicação do direito é a razão justificadora da aplicação de uma determinada norma jurídica em detrimento da outra, que resulta de um ato de interpretação da norma a ser eleita como aplicável a determinado caso concreto. É por isso que quando a questão é de operacionalização do direito nos Tribunais, não são poucas as vezes que se associa a imagem de um bom advogado àquele que é habilidoso no uso da linguagem jurídica, àquele que é capaz de argumentar, seja construindo argumentos seja manipulando os, isto é, usando os de acordo com as situações jurídicas que lhe são submetidas na busca de uma decisão favorável ou menos danosa. AULA 2 PG 7

8 BIBLIOGRAFIA pp PETRI, Maria José Constantino. Manual de Linguagem Jurídica. São Paulo: Saraiva, AULA 2 PG 8

LINGUAGEM E ARGUMENTAÇÃO JURÍDICA

LINGUAGEM E ARGUMENTAÇÃO JURÍDICA AULA 7 PG 1 Este material é parte integrante da disciplina Linguagem e Argumentação Jurídica oferecido pela UNINOVE. O acesso às atividades, as leituras interativas, os exercícios, chats, fóruns de discussão

Leia mais

LINGUAGEM E ARGUMENTAÇÃO JURÍDICA

LINGUAGEM E ARGUMENTAÇÃO JURÍDICA AULA 1 PG 1 Este material é parte integrante da disciplina Linguagem e Argumentação Jurídica oferecido pela UNINOVE. O acesso às atividades, as leituras interativas, os exercícios, chats, fóruns de discussão

Leia mais

LINGUAGEM E ARGUMENTAÇÃO JURÍDICA

LINGUAGEM E ARGUMENTAÇÃO JURÍDICA AULA 4 PG 1 Este material é parte integrante da disciplina Linguagem e Argumentação Jurídica oferecido pela UNINOVE. O acesso às atividades, as leituras interativas, os exercícios, chats, fóruns de discussão

Leia mais

LINGUAGEM E ARGUMENTAÇÃO JURÍDICA

LINGUAGEM E ARGUMENTAÇÃO JURÍDICA AULA 3 PG 1 Este material é parte integrante da disciplina Linguagem e Argumentação Jurídica oferecido pela UNINOVE. O acesso às atividades, as leituras interativas, os exercícios, chats, fóruns de discussão

Leia mais

LINGUAGEM E ARGUMENTAÇÃO JURÍDICA

LINGUAGEM E ARGUMENTAÇÃO JURÍDICA AULA 8 PG 1 Este material é parte integrante da disciplina Linguagem e Argumentação Jurídica oferecido pela UNINOVE. O acesso às atividades, as leituras interativas, os exercícios, chats, fóruns de discussão

Leia mais

LINGUAGEM E ARGUMENTAÇÃO JURÍDICA

LINGUAGEM E ARGUMENTAÇÃO JURÍDICA AULA 6 PG 1 Este material é parte integrante da disciplina Linguagem e Argumentação Jurídica oferecido pela UNINOVE. O acesso às atividades, as leituras interativas, os exercícios, chats, fóruns de discussão

Leia mais

LINGUAGEM E ARGUMENTAÇÃO JURÍDICA

LINGUAGEM E ARGUMENTAÇÃO JURÍDICA AULA 9 PG 1 Este material é parte integrante da disciplina Linguagem e Argumentação Jurídica oferecido pela UNINOVE. O acesso às atividades, as leituras interativas, os exercícios, chats, fóruns de discussão

Leia mais

LINGUAGEM E ARGUMENTAÇÃO JURÍDICA

LINGUAGEM E ARGUMENTAÇÃO JURÍDICA AULA 17 PG 1 Este material é parte integrante da disciplina Linguagem e Argumentação Jurídica oferecido pela UNINOVE. O acesso às atividades, as leituras interativas, os exercícios, chats, fóruns de discussão

Leia mais

LINGUAGEM E ARGUMENTAÇÃO JURÍDICA

LINGUAGEM E ARGUMENTAÇÃO JURÍDICA AULA 5 PG 1 Este material é parte integrante da disciplina Linguagem e Argumentação Jurídica oferecido pela UNINOVE. O acesso às atividades, as leituras interativas, os exercícios, chats, fóruns de discussão

Leia mais

LINGUAGEM E ARGUMENTAÇÃO JURÍDICA

LINGUAGEM E ARGUMENTAÇÃO JURÍDICA AULA 13 PG 1 Este material é parte integrante da disciplina Linguagem e Argumentação Jurídica oferecido pela UNINOVE. O acesso às atividades, as leituras interativas, os exercícios, chats, fóruns de discussão

Leia mais

Língua Falada e Língua Escrita

Língua Falada e Língua Escrita Língua Falada e Língua Escrita Língua Falada é a linguagem que usamos para nos comunicar, pronunciada pela boca, muitas vezes de modo informal, sem muitas regras e com algumas gírias; muito diferente da

Leia mais

Observações: este material não substitui as publicações na plataforma. Não contem anexos.

Observações: este material não substitui as publicações na plataforma. Não contem anexos. Observações: este material não substitui as publicações na plataforma. Não contem anexos. Sumário... 1 Introdução... 2 Modalidades da língua... 5 Qualidade da linguagem... 8 Introdução... 11 Introdução...

Leia mais

LINGUAGEM E ARGUMENTAÇÃO JURÍDICA

LINGUAGEM E ARGUMENTAÇÃO JURÍDICA AULA 18 PG 1 Este material é parte integrante da disciplina Linguagem e Argumentação Jurídica oferecido pela UNINOVE. O acesso às atividades, as leituras interativas, os exercícios, chats, fóruns de discussão

Leia mais

Normas Gramaticais da Língua Portuguesa AULA 1. Temas: Tipos de Textos Níveis de Linguagens

Normas Gramaticais da Língua Portuguesa AULA 1. Temas: Tipos de Textos Níveis de Linguagens Normas Gramaticais da Língua Portuguesa AULA 1 Temas: Tipos de Textos Níveis de Linguagens Como você deve recordar, iniciamos o módulo de Redação Oficial comentando sobre o que é o texto, isto é, uma unidade,

Leia mais

LINGUAGEM E ARGUMENTAÇÃO JURÍDICA

LINGUAGEM E ARGUMENTAÇÃO JURÍDICA AULA 20 PG 1 Este material é parte integrante da disciplina Linguagem e Argumentação Jurídica oferecido pela UNINOVE. O acesso às atividades, as leituras interativas, os exercícios, chats, fóruns de discussão

Leia mais

LINGUAGEM E ARGUMENTAÇÃO JURÍDICA

LINGUAGEM E ARGUMENTAÇÃO JURÍDICA AULA 14 PG 1 Este material é parte integrante da disciplina Linguagem e Argumentação Jurídica oferecido pela UNINOVE. O acesso às atividades, as leituras interativas, os exercícios, chats, fóruns de discussão

Leia mais

Em caso de egresso de curso lato sensu, este deve ser, obrigatoriamente, em estudos da língua portuguesa.

Em caso de egresso de curso lato sensu, este deve ser, obrigatoriamente, em estudos da língua portuguesa. LÍNGUA PORTUGUESA CEL0014 (14/07/2015) Perfil Docente Docente com formação em Letras na graduação e pós-graduação, ainda que lato sensu, mas preferencialmente stricto sensu, com o título de Doutor em Letras

Leia mais

Cód. Disciplina Período Créditos Carga Horária D-11 2º 04 Semanal Mensal Nome da Disciplina / Curso LINGUAGEM FORENSE

Cód. Disciplina Período Créditos Carga Horária D-11 2º 04 Semanal Mensal Nome da Disciplina / Curso LINGUAGEM FORENSE Cód. Disciplina Período Créditos Carga Horária Curso D-11 2º 04 Semanal Mensal 04 60 Nome da Disciplina / Curso DIREITO LINGUAGEM FORENSE Noções metodológicas de leitura e interpretação de textos técnicos.

Leia mais

CC8 Comunicação e colaboração

CC8 Comunicação e colaboração CC8 Comunicação e colaboração Uso da Língua e adequação linguística aos contextos de comunicação através da internet Diferentes usos da língua associados aos contextos de comunicação através da internet.

Leia mais

Não considerada: 0 pontos Precário: 40 pontos Insuficiente: 80 pontos Mediano: 120 pontos Bom: 160 pontos Ótimo: 200 pontos

Não considerada: 0 pontos Precário: 40 pontos Insuficiente: 80 pontos Mediano: 120 pontos Bom: 160 pontos Ótimo: 200 pontos Competências ENEM Antes de relacionarmos as cinco competências do ENEM, esclarecemos que a prova de redação vale 1000 pontos no total (dividindo esse valor entre os 5 aspectos, cada um deles tem peso de

Leia mais

Período Turma (s) Eixo de Formação Eixo de Formação Profissional Docente Professor Dr. Hamilton da Cunha Iribure Júnior

Período Turma (s) Eixo de Formação Eixo de Formação Profissional Docente Professor Dr. Hamilton da Cunha Iribure Júnior Página 1 de 5 Disciplina Curso Graduação DE GRADUACÃO Curso Semestral Código DIREITO PROCESSUAL PENAL III 106 Período Turma (s) 7º. Período A; B; D Eixo de Formação Eixo de Formação Profissional Docente

Leia mais

CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO E CLASSIFICAÇÃO Disciplina: Inglês

CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO E CLASSIFICAÇÃO Disciplina: Inglês Produção CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO E CLASSIFICAÇÃO Disciplina: Inglês Ensino Básico Ano letivo: 2017/2018 7º ANO Perfil de Aprendizagens Específicas O aluno é capaz: Compreender textos orais e audiovisuais

Leia mais

Planejamento Tributário Empresarial

Planejamento Tributário Empresarial Planejamento Tributário Empresarial Aula 09 Os direitos desta obra foram cedidos à Universidade Nove de Julho Este material é parte integrante da disciplina, oferecida pela UNINOVE. O acesso às atividades,

Leia mais

LINGUAGEM FORMAL E INFORMAL

LINGUAGEM FORMAL E INFORMAL Aula 14 Presencial LINGUAGEM FORMAL E INFORMAL A linguagem é a forma que usamos para nos comunicar uns com os outros. Temos a linguagem oral, escrita e visual, por exemplo, mas todas estas seguem padrões

Leia mais

Planejamento Tributário Empresarial

Planejamento Tributário Empresarial Planejamento Tributário Empresarial Aula 13 Os direitos desta obra foram cedidos à Universidade Nove de Julho Este material é parte integrante da disciplina, oferecida pela UNINOVE. O acesso às atividades,

Leia mais

COMUNICAÇÃO E LINGUAGEM (conceitos)

COMUNICAÇÃO E LINGUAGEM (conceitos) Faculdade de Tecnologia SENAC Pelotas Curso Superior de Tecnologia em Marketing/Processos Gerenciais UC: Comunicação e Expressão COMUNICAÇÃO E LINGUAGEM (conceitos) A comunicação verbal baseia-se na interação

Leia mais

UNIVERSIDAD MILITAR NUEVA GRANADA DEPARTAMENTO DE LÍNGUAS PROGRAMA PORTUGUÊS CONTEÚDO E CALENDÁRIO NÍVEL 5- SEGUNDO SEMESTRE DE 2014

UNIVERSIDAD MILITAR NUEVA GRANADA DEPARTAMENTO DE LÍNGUAS PROGRAMA PORTUGUÊS CONTEÚDO E CALENDÁRIO NÍVEL 5- SEGUNDO SEMESTRE DE 2014 UNIVERSIDAD MILITAR NUEVA GRANADA DEPARTAMENTO DE LÍNGUAS PROGRAMA PORTUGUÊS CONTEÚDO E CALENDÁRIO NÍVEL 5- SEGUNDO SEMESTRE DE 2014 Nivel 5 No português 5, continuará a realizar o trabalho iniciado no

Leia mais

Variação Linguística. Professora Camilla

Variação Linguística. Professora Camilla Variação Linguística Professora Camilla CONCEITUANDO: Não existe um único jeito de falar a língua portuguesa. VARIEDADES LINGUÍSTICAS: são as variações que uma língua apresenta em razão das condições sociais,

Leia mais

ATOS PROCESSUAIS. 2 - Forma dos atos processuais - CPC, art. 188/211

ATOS PROCESSUAIS. 2 - Forma dos atos processuais - CPC, art. 188/211 Curso Escrevente SP Atos processuais Código de Processo Civil - dos Atos Processuais (Livro IV): da Forma, do Tempo e do Lugar dos Atos Processuais (Título I), da Comunicação dos Atos Processuais (Título

Leia mais

TEORIA DA LINGUAGEM Prof ª Giovana Uggioni Silveira

TEORIA DA LINGUAGEM Prof ª Giovana Uggioni Silveira TEORIA DA LINGUAGEM Prof ª Giovana Uggioni Silveira COMUNICAÇÃO LINGUAGEM LÍNGUA FALA ESCRITA DISCURSO Forma de linguagem escrita (texto) ou falada (conversação no seu contexto social, político ou cultural).

Leia mais

Planejamento Tributário Empresarial

Planejamento Tributário Empresarial Planejamento Tributário Empresarial Aula 16 Os direitos desta obra foram cedidos à Universidade Nove de Julho Este material é parte integrante da disciplina, oferecida pela UNINOVE. O acesso às atividades,

Leia mais

Critérios Específicos de Avaliação. PORTUGUÊS ENSINO BÁSICO (7.º Ano) 2016/2017

Critérios Específicos de Avaliação. PORTUGUÊS ENSINO BÁSICO (7.º Ano) 2016/2017 Critérios Específicos de Avaliação PORTUGUÊS ENSINO BÁSICO (7.º Ano) 2016/2017 Domínio de Avaliação Saber e Saber Fazer Instrumentos de Avaliação. Atividades de planeamento de produções orais: grelhas

Leia mais

CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO E CLASSIFICAÇÃO Disciplina: FRANCÊS

CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO E CLASSIFICAÇÃO Disciplina: FRANCÊS Interação Produção Interação CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO E CLASSIFICAÇÃO Disciplina: FRANCÊS Ensino Básico Ano letivo: 2016/2017 7º ANO Perfil de Aprendizagens Específicas O aluno é capaz: O aluno identifica

Leia mais

Gêneros Textuais Acadêmicocientíficos. 3/6/5AD836_1.jpg

Gêneros Textuais Acadêmicocientíficos.  3/6/5AD836_1.jpg Gêneros Textuais Acadêmicocientíficos http://images.quebarato.com.br/photos/thumbs/ 3/6/5AD836_1.jpg Olá, Pessoal, Vamos acompanhar mais uma aula da prof. Alessandra. Hoje falaremos sobre alguns gêneros

Leia mais

Universidade Estadual do Centro-Oeste Reconhecida pelo Decreto Estadual nº 3.444, de 8 de agosto de 1997

Universidade Estadual do Centro-Oeste Reconhecida pelo Decreto Estadual nº 3.444, de 8 de agosto de 1997 RESOLUÇÃO Nº042-PROEC/UNICENTRO, DE 28 DE MAIO DE 2013. Altera o 2º, do art. 1º, e os anexos I e II da Resolução nº133-proec/unicentro, de 26 de outubro de 2012 e aprova o Relatório Final. A PRÓ-REITORA

Leia mais

Direito Empresarial. Aula 04. Os direitos desta obra foram cedidos à Universidade Nove de Julho

Direito Empresarial. Aula 04. Os direitos desta obra foram cedidos à Universidade Nove de Julho Direito Empresarial Aula 04 Os direitos desta obra foram cedidos à Universidade Nove de Julho Este material é parte integrante da disciplina oferecida pela UNINOVE. O acesso às atividades, conteúdos multimídia

Leia mais

redação e pleno desenvolvimento do tema, atendendo aos limites Atendimento à proposta de propostos. redação e desenvolvimento do

redação e pleno desenvolvimento do tema, atendendo aos limites Atendimento à proposta de propostos. redação e desenvolvimento do Critérios de Correção de Redação Ensino Médio ENSINO MéDIO TExTO DISSERTATIVO-ARGUMENTATIVO NÍVEL DE DESPENHO E NOTA CORRESPONDENTE Situações que dificultam a correção da produção textual: letra ilegível

Leia mais

PORTUGUÊS LÍNGUA NÃO MATERNA (PLNM) ENSINO SECUNDÁRIO 2016/2017

PORTUGUÊS LÍNGUA NÃO MATERNA (PLNM) ENSINO SECUNDÁRIO 2016/2017 Critérios Específicos de Avaliação PORTUGUÊS LÍNGUA NÃO MATERNA (PLNM) ENSINO SECUNDÁRIO 2016/2017 Domínio de Avaliação Saber e Saber Fazer Instrumentos de Avaliação Domínios a desenvolver Descritores

Leia mais

Direito Processual do Trabalho. Professor Raphael Maia

Direito Processual do Trabalho. Professor Raphael Maia Direito Processual do Trabalho Professor Raphael Maia 2.1 Funções dos Princípios no Processo do Trabalho: a) Função informadora: a) Tem por objetivo é orientar o legislador b) Função Interpretativa: a)

Leia mais

ESCOLA BÁSICA DE MAFRA

ESCOLA BÁSICA DE MAFRA Língua Estrangeira I- Inglês 5ºANO Oral / Listening Compreender sons, entoações e ritmos da língua. Leitura / Reading Compreender palavras, conceitos simples e frases isoladas. Compreender palavras, frases

Leia mais

PROGRAMA DE DISCIPLINA

PROGRAMA DE DISCIPLINA PROGRAMA DE DISCIPLINA Disciplina: LINGUAGEM E COMUNICAÇÃO JURÍDICA Código da Disciplina: JUR 311 Curso: DIREITO Semestre de Oferta da Disciplina: 2º Faculdade Responsável: DIREITO Programa em vigência

Leia mais

ROTEIRO DE REDAÇÃO. Professor da Disciplina: Mª Cristina Peixoto Data: / /2017 2º TRIMESTRE Aluno (a): Nº: Nota:

ROTEIRO DE REDAÇÃO. Professor da Disciplina: Mª Cristina Peixoto Data: / /2017 2º TRIMESTRE Aluno (a): Nº: Nota: ROTEIRO DE REDAÇÃO Professor da Disciplina: Mª Cristina Peixoto Data: / /2017 2º TRIMESTRE Aluno (a): Nº: Nota: 9º ano [A ] [B] Ensino Médio Período: Matutino Conteúdo: Artigo de opinião O que é o artigo

Leia mais

Informática Básica. Coordenação do Curso: Equipe de Formação: Andreia Prado Diva Mendonça Garcia Waléria Batista da Silva Vaz Mendes

Informática Básica. Coordenação do Curso: Equipe de Formação: Andreia Prado Diva Mendonça Garcia Waléria Batista da Silva Vaz Mendes GUIA DA DISCIPLINA Informática Básica Coordenação do Curso: Andreia Prado Diva Mendonça Garcia Waléria Batista da Silva Vaz Mendes Equipe de Formação: Fernanda Quaresma da Silva Hailton David Lemos Maurílio

Leia mais

PROGRAMA DE DISCIPLINA. Disciplina: TEORIA GERAL DO PROCESSO Código da Disciplina: JUR214 Curso: DIREITO Semestre de oferta da disciplina: 3º

PROGRAMA DE DISCIPLINA. Disciplina: TEORIA GERAL DO PROCESSO Código da Disciplina: JUR214 Curso: DIREITO Semestre de oferta da disciplina: 3º PROGRAMA DE DISCIPLINA Disciplina: TEORIA GERAL DO PROCESSO Código da Disciplina: JUR214 Curso: DIREITO Semestre de oferta da disciplina: 3º Faculdade responsável: DIREITO Programa em vigência a partir

Leia mais

Quando dividimos uma oração em partes para estudar as diferentes funções que as palavras podem desempenhar na oração e entre as orações de um texto, e

Quando dividimos uma oração em partes para estudar as diferentes funções que as palavras podem desempenhar na oração e entre as orações de um texto, e MORFOSSINTAXE Quando analisamos a que classe gramatical pertencem as palavras de determinada frase, estamos realizando sua análise morfológica. A morfologia é a parte da gramática que estuda a classificação,

Leia mais

PROGRAMA DE APERFEIÇOAMENTO DE LÍNGUA PORTUGUESA NA Á REA JURÍDICA (6. a EDIÇÃ O) PROGRAMA DA 2. a FASE

PROGRAMA DE APERFEIÇOAMENTO DE LÍNGUA PORTUGUESA NA Á REA JURÍDICA (6. a EDIÇÃ O) PROGRAMA DA 2. a FASE PROGRAMA DE APERFEIÇOAMENTO DE LÍNGUA PORTUGUESA NA Á REA JURÍDICA (6. a EDIÇÃ O) PROGRAMA DA 2. a FASE (Linguagem Jurídica) CALENDÁ RIO HORÁ RIO N. O DE HORAS 26/2 17/7/2015 9:00-13:00 horas (2 a, 3 a,

Leia mais

DIREITO. Conheça mais sobre o curso

DIREITO. Conheça mais sobre o curso DIREITO Conheça mais sobre o curso MITOS VERDADES 1 É um curso muito difícil. 1 Com esforço, foco, dedicação, persistência e fé tudo é possível. 2 Quem conclui a graduação se torna advogado. 2 Quem conclui

Leia mais

PLANO DE ENSINO DE GRADUACÃO Curso Semestral Disciplina. Código PRÁTICA FORENSE TRABALHISTA II 148 Curso. Período. 10º Período

PLANO DE ENSINO DE GRADUACÃO Curso Semestral Disciplina. Código PRÁTICA FORENSE TRABALHISTA II 148 Curso. Período. 10º Período Página 1 de 5 DE GRADUACÃO Curso Semestral Disciplina Código PRÁTICA FORENSE TRABALHISTA II 148 Curso Graduação Período 10º Período Turma (s) A, B e D Carga Horária 64 horas-aula relógio 77 horas-aula

Leia mais

SUMÁRIO. Língua Portuguesa. Articulação do texto: pronomes e expressões referenciais, nexos, operadores sequenciais...10

SUMÁRIO. Língua Portuguesa. Articulação do texto: pronomes e expressões referenciais, nexos, operadores sequenciais...10 Língua Portuguesa Leitura e análise de textos... 3 Estruturação do texto e dos parágrafos... 10 Articulação do texto: pronomes e expressões referenciais, nexos, operadores sequenciais...10 Significação

Leia mais

PLANO DE ENSINO IDENTIFICAÇÃO

PLANO DE ENSINO IDENTIFICAÇÃO PLANO DE ENSINO IDENTIFICAÇÃO ANO LETIVO SÉRIE TURNO 2017 5ª Série Matutino e Noturno NOME DA DISCIPLINA Direito Internacional Público e Privado CARGA HORÁRIA SEMANAL: horas-aula ANUAL: 100 horas-aula

Leia mais

REFLEXÕES SOBRE A LINGUAGEM

REFLEXÕES SOBRE A LINGUAGEM REFLEXÕES SOBRE A LINGUAGEM Olá, «Agora vamos assistir a uma Apresentação para fazermos algumas Reflexões sobre a Linguagem. Ao final desta unidade espera-se que você possa entender alguns aspectos que

Leia mais

Normas de Estágio Curricular Não Obrigatório Remunerado. Instituto de Ciências Sociais Aplicadas ICSA. - Curso de Direito Currículo 2014/01

Normas de Estágio Curricular Não Obrigatório Remunerado. Instituto de Ciências Sociais Aplicadas ICSA. - Curso de Direito Currículo 2014/01 Normas de Estágio Curricular Não Obrigatório Remunerado Instituto de Ciências Sociais Aplicadas ICSA - Curso de Direito Currículo 2014/01 Descrição do Curso: O curso de Direito é baseado na formação geral,

Leia mais

Lógica Proposicional Parte 2

Lógica Proposicional Parte 2 Lógica Proposicional Parte 2 Como vimos na aula passada, podemos usar os operadores lógicos para combinar afirmações criando, assim, novas afirmações. Com o que vimos, já podemos combinar afirmações conhecidas

Leia mais

Engenharia Cartográfica Comunicação e Expressão. Maria Cecilia Bonato Brandalize º Semestre

Engenharia Cartográfica Comunicação e Expressão. Maria Cecilia Bonato Brandalize º Semestre Engenharia Cartográfica Comunicação e Expressão Maria Cecilia Bonato Brandalize 2015 1º Semestre O que é gênero? São as características peculiares a cada tipo de texto ou fala, ou seja, a maneira como

Leia mais

Departamento de línguas Língua Estrangeira II (Francês) Critérios de avaliação 3.º ciclo

Departamento de línguas Língua Estrangeira II (Francês) Critérios de avaliação 3.º ciclo Departamento de línguas Língua Estrangeira II (Francês) Critérios de avaliação 3.º ciclo Edição: setembro 2016 Pilar de Aprendizagem Domínios Instrumentos de avaliação Classificação (Ponderação) Aprender

Leia mais

CONTROLE DE CONTEÚDO - TRIBUNAL REGIONAL ELEITORAL DE SÃO PAULO ANALISTA JUDICIÁRIO ÁREA: ASSISTÊNCIA SOCIAL (TRE-SP AJAS)

CONTROLE DE CONTEÚDO - TRIBUNAL REGIONAL ELEITORAL DE SÃO PAULO ANALISTA JUDICIÁRIO ÁREA: ASSISTÊNCIA SOCIAL (TRE-SP AJAS) CONTROLE DE CONTEÚDO - TRIBUNAL REGIONAL ELEITORAL DE SÃO PAULO ANALISTA JUDICIÁRIO ÁREA: ASSISTÊNCIA SOCIAL (TRE-SP AJAS) 1 Ortografia oficial. GRAMÁTICA E INTERPRETAÇÃO DE TEXTO DA LÍNGUA PORTUGUESA

Leia mais

O Conselho Geral delibera, nos termos do parecer jurídico que se anexa à presente deliberação e para o qual se remete: Tendo em conta a imposição

O Conselho Geral delibera, nos termos do parecer jurídico que se anexa à presente deliberação e para o qual se remete: Tendo em conta a imposição Deliberação pública Deliberação 20140510.11.5 Definição do procedimento adotado pela Câmara dos Solicitadores quando lhe é diretamente solicitado uma desassociação de agente de execução Tendo em consideração

Leia mais

Administração Central Unidade de Ensino Médio e Técnico - Cetec. Ensino Técnico

Administração Central Unidade de Ensino Médio e Técnico - Cetec. Ensino Técnico Plano de Trabalho Docente 2013 Ensino Técnico ETEC Professor Massuyuki Kawano Código: 136 Município: Tupã Eixo Tecnológico: Gestão e Negócios Habilitação Profissional: Técnica de Nível Médio de Técnico

Leia mais

PÔSTER/BANNER - ANÁLISE LINGUÍSTICA: UM NOVO OLHAR, UM OUTRO OBJETO. HÁ PRECONCEITO LINGUÍSTICO EM SEU ENTORNO SOCIAL?

PÔSTER/BANNER - ANÁLISE LINGUÍSTICA: UM NOVO OLHAR, UM OUTRO OBJETO. HÁ PRECONCEITO LINGUÍSTICO EM SEU ENTORNO SOCIAL? PÔSTER/BANNER - ANÁLISE LINGUÍSTICA: UM NOVO OLHAR, UM OUTRO OBJETO. HÁ PRECONCEITO LINGUÍSTICO EM SEU ENTORNO SOCIAL? ELAINE HELENA NASCIMENTO DOS SANTOS O objetivo deste trabalho é discutir sobre o preconceito

Leia mais

Plano de Trabalho Docente Ensino Técnico

Plano de Trabalho Docente Ensino Técnico Plano de Trabalho Docente 2013 Ensino Técnico ETEC PROFESSOR MASSUYUKI KAWANO EXTENSÃO E. E. INDIA VANUÍRE Código: 9136 Município: Estância Turística de Tupã Eixo Tecnológico: Gestão e Negócio Habilitação

Leia mais

Os cinco. redigir um texto RENAN GOMES DE LIMA. Docente no Senac/RO

Os cinco. redigir um texto RENAN GOMES DE LIMA. Docente no Senac/RO Os cinco erros mais comuns ao se redigir um texto RENAN GOMES DE LIMA Docente no Senac/RO Todo profissional deve, por meio de sua redação, ser alguém capaz de se fazer entendido, utilizando para isso argumentos

Leia mais

FACULDADE DE DIREITO DE FRANCA PLANO DE ENSINO INFORMAÇÕES GERAIS 2. EMENTA 3. OBJETIVOS GERAIS 4. OBJETIVOS ESPECÍFICOS

FACULDADE DE DIREITO DE FRANCA PLANO DE ENSINO INFORMAÇÕES GERAIS 2. EMENTA 3. OBJETIVOS GERAIS 4. OBJETIVOS ESPECÍFICOS 1. INFORMAÇÕES GERAIS 1.1 PROFESSOR: Edson Mendonça Junqueira 1.2 DEPARTAMENTO: Direito Público e Estágio Profissional 1.3 DISCIPLINA: PRÁTICA JURIDICA II - PENAL 1.4 SÉRIE: 5º TURMAS: A e B TURNOS: DIURNO

Leia mais

INFORMAÇÃO PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA. O presente documento dá a conhecer os seguintes aspetos relativos à prova:

INFORMAÇÃO PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA. O presente documento dá a conhecer os seguintes aspetos relativos à prova: INFORMAÇÃO PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA Prova de Equivalência à Frequência Inglês (L.E.I) 11º ano Prova final do Ensino Secundário 2016/ 2017 Modalidade da prova escrita e oral O presente documento

Leia mais

1. A comunicação e a argumentação em sala de aula

1. A comunicação e a argumentação em sala de aula COMUNICAÇÃO, ARGUMENTAÇÃO E A APRENDIZAGEM DA MATEMÁTICA NAS SÉRIES INICIAIS Profª Drª Regina Maria Pavanello Universidade Estadual de Maringá reginapavanello@hotmail.com Resumo: Os professores mostram,

Leia mais

CENTRO DE ENSINO SUPERIOR DO AMAPÁ

CENTRO DE ENSINO SUPERIOR DO AMAPÁ PLANO DE ENSINO CURSO: DIREITO MODALIDADE: Presencial DISCIPLINA: ESTÁGIO IV CARGA HORÁRIA: 76h/a ANO: 2010 SEMESTRE: 2º PROFESSOR: PAOLA JULIEN O. DOS SANTOS TURMAS: 9 DIV OBJETIVOS O objetivo precípuo

Leia mais

HISTÓRIA DA COMUNICAÇÃO ORGANIZACIONAL E PRINCIPAIS ELEMENTOS

HISTÓRIA DA COMUNICAÇÃO ORGANIZACIONAL E PRINCIPAIS ELEMENTOS HISTÓRIA DA COMUNICAÇÃO ORGANIZACIONAL E PRINCIPAIS ELEMENTOS A primeira necessidade? Comunicar-se. COMUNICAÇÃO É o processo que consiste em transmitir e receber uma mensagem, com a finalidade de afetar

Leia mais

Universidade Federal do Rio Grande do Norte Programa Institucional de Bolsas de Iniciação à Docência PIBID/Letras Escola Estadual Prof.

Universidade Federal do Rio Grande do Norte Programa Institucional de Bolsas de Iniciação à Docência PIBID/Letras Escola Estadual Prof. Universidade Federal do Rio Grande do Norte Programa Institucional de Bolsas de Iniciação à Docência PIBID/Letras Escola Estadual Prof. José Fernandes Machado Professor Supervisor: Ladmires Carvalho Bolsistas:

Leia mais

Aula Demonstrativa. Profs. Júnia Andrade e Marco Antônio Macarrão

Aula Demonstrativa. Profs. Júnia Andrade e Marco Antônio Macarrão REDAÇÃO PARA O TST Técnico Judiciário Áreas: administrativa e segurança judiciária Aulas em vídeo + PDFs Bônus: português da FCC com ênfase nas provas de 2017 *recomenda-se ao aluno a leitura atenta sobre

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA PRÓ-REITORIA DE GRADUAÇÃO DEPARTAMENTO DE ADMINISTRAÇÃO ESCOLAR

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA PRÓ-REITORIA DE GRADUAÇÃO DEPARTAMENTO DE ADMINISTRAÇÃO ESCOLAR Currículo: 0101 Documentação: jetivo: Titulação: Diplomado em: Curso reconhecido pelo Decreto Federal 033, de 07/01/196, publicado no Diário Oficial da União de 01/0/196 Decreto Criacao = 033-07/01/196

Leia mais

- PORTUGUÊS - Mapeamento dos estudos. Elaborado por Ricardo Beck - Orientador de Estudos - 1 de 5 -

- PORTUGUÊS - Mapeamento dos estudos. Elaborado por Ricardo Beck - Orientador de Estudos - 1 de 5 - 1. Compreensão e interpretação de textos de diferentes gêneros (literários, 1 jornalísticos, tiras, charges, entre outros): 1.1 Língua, linguagem, norma (padrão e não padrão), fala e desvio de 2 norma;

Leia mais

FUNÇÕES DA LINGUAGEM, FALA, ESCRITA E LEITURA ARGUMENTAÇÃO

FUNÇÕES DA LINGUAGEM, FALA, ESCRITA E LEITURA ARGUMENTAÇÃO AULA 1 e 2 FUNÇÕES DA LINGUAGEM, FALA, ESCRITA E LEITURA ARGUMENTAÇÃO Profa. Dra. Vera Vasilévski Comunicação Oral e Escrita UTFPR/Santa Helena A linguagem (oral e escrita) é um sistema de comunicação

Leia mais

PROGRAMA DE DISCIPLINA

PROGRAMA DE DISCIPLINA Faculdade Anísio Teixeira de Feira de Santana Autorizada pela Portaria Ministerial nº 552 de 22 de março de 2001 e publicada no Diário Oficial da União de 26 de março de 2001. Endereço: Rua Juracy Magalhães,

Leia mais

COLEGIADO DO CURSO DE DIREITO Autorizado pela Portaria no3.355 de 05/12/02-DOU de 06/12/02 PLANO DE CURSO

COLEGIADO DO CURSO DE DIREITO Autorizado pela Portaria no3.355 de 05/12/02-DOU de 06/12/02 PLANO DE CURSO COLEGIADO DO CURSO DE DIREITO Autorizado pela Portaria no3.355 de 05/12/02-DOU de 06/12/02 Componente Curricular:HERMENÊUTICA E LÓGICA JURÍDICA Código: DIR 164 CH Total: 60h Pré-requisito: Metodologia

Leia mais

LÍNGUA E LINGUAGEM. Tercia Tasso M. Pitta Pedagoga, Psicopedagoga e Mestre em Educação, Arte e História da Cultura

LÍNGUA E LINGUAGEM. Tercia Tasso M. Pitta Pedagoga, Psicopedagoga e Mestre em Educação, Arte e História da Cultura LÍNGUA E LINGUAGEM Tercia Tasso M. Pitta Pedagoga, Psicopedagoga e Mestre em Educação, Arte e História da Cultura O que é Língua? LÍNGUA Do filólogo, tradutor e crítico literário Antonio Houaiss Língua

Leia mais

Departamento de Pré-Escolar/1.ºciclo

Departamento de Pré-Escolar/1.ºciclo Departamento de Pré-Escolar/1.ºciclo CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO-1.º CICLO ANO LETIVO 2015 / 2016 Disciplina: Português 1.º Ano Introdução: A avaliação incide sobre as aprendizagens e capacidades definidas

Leia mais

Ensino Fundamental II 8º ano PLANO DE ENSINO DISCIPLINA Espanhol PROFESSORA Madhelene Pereira Gomes CARGA HORÁRIA TURMA ANO LETIVO 2017 TOTAL SEMANAL

Ensino Fundamental II 8º ano PLANO DE ENSINO DISCIPLINA Espanhol PROFESSORA Madhelene Pereira Gomes CARGA HORÁRIA TURMA ANO LETIVO 2017 TOTAL SEMANAL Ensino Fundamental II 8º ano PLANO DE ENSINO DISCIPLINA Espanhol PROFESSORA Madhelene Pereira Gomes CARGA HORÁRIA TURMA ANO LETIVO 2017 TOTAL SEMANAL EMENTA Pretérito pluscuamperfecto de indicativo; Conhecimento

Leia mais

PLANO DE CURSO 2012/1

PLANO DE CURSO 2012/1 Este Plano de Curso poderá sofrer alterações a critério do professor e/ou da Coordenação. PLANO DE CURSO 2012/1 DISCIPLINA: DIREITO TRIBUTÁRIO PROFESSOR: JOÃO CLAUDIO GONÇALVES LEAL TURMA: 5º ANO INTEGRAL

Leia mais

FACULDADE DE DIREITO DE FRANCA PLANO DE ENSINO

FACULDADE DE DIREITO DE FRANCA PLANO DE ENSINO FACULDADE DE DIREITO DE FRANCA PLANO DE ENSINO - 2015 1. INFORMAÇÕES GERAIS 1.1 PROFESSOR: Iara Marthos Águila 1.2 DEPARTAMENTO: Direito Privado 1.3 DISCIPLINA: Direito do Trabalho 1.4 SÉRIE: 5º. Ano TURMAS:

Leia mais

INFORMAÇÃO PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA. O presente documento dá a conhecer os seguintes aspetos relativos à prova:

INFORMAÇÃO PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA. O presente documento dá a conhecer os seguintes aspetos relativos à prova: INFORMAÇÃO PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA Prova de Equivalência à Frequência Inglês (L.E.I) 9º ano Prova final do 3.º Ciclo do Ensino Básico 2016 /2017 Modalidade da prova escrita e oral O presente

Leia mais

PLANO DE ENSINO. Promover o desenvolvimento das competências e habilidades definidas no perfil do egresso, quais sejam:

PLANO DE ENSINO. Promover o desenvolvimento das competências e habilidades definidas no perfil do egresso, quais sejam: PLANO DE ENSINO CURSO: Direito PERÍODO: 5º semestre DISCIPLINA: Ação Penal CARGA HORÁRIA SEMANAL: 1,5 horas/aula CARGA HORÁRIA SEMESTRAL: 30 horas I EMENTA Persecutio criminis. Inquérito policial. Ação

Leia mais

Direito Empresarial. Aula 17. Os direitos desta obra foram cedidos à Universidade Nove de Julho

Direito Empresarial. Aula 17. Os direitos desta obra foram cedidos à Universidade Nove de Julho Direito Empresarial Aula 17 Os direitos desta obra foram cedidos à Universidade Nove de Julho Este material é parte integrante da disciplina oferecida pela UNINOVE. O acesso às atividades, conteúdos multimídia

Leia mais

INFORMAÇÃO PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA INGLÊS 6.º ANO 2.º CICLO DO ENSINO BÁSICO

INFORMAÇÃO PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA INGLÊS 6.º ANO 2.º CICLO DO ENSINO BÁSICO 06 - INGLÊS O presente documento visa divulgar as características da prova de equivalência à frequência de Inglês, 6º ano, 2º ciclo, a realizar em 2017 pelos alunos que se encontram abrangidos pelos planos

Leia mais

OBJETO DIRETO E OBJETO INDIRETO EM UM LIVRO DIDÁTICO: GRAMÁTICA NORMATIVA VS. GRAMÁTICA EXPLICATIVA/GERATIVA

OBJETO DIRETO E OBJETO INDIRETO EM UM LIVRO DIDÁTICO: GRAMÁTICA NORMATIVA VS. GRAMÁTICA EXPLICATIVA/GERATIVA OBJETO DIRETO E OBJETO INDIRETO EM UM LIVRO DIDÁTICO: GRAMÁTICA NORMATIVA VS. GRAMÁTICA EXPLICATIVA/GERATIVA Jessé Pantoja SERRÃO (G-UFPA) Antônia Fernanda de Souza NOGUEIRA (UFPA) 120 Resumo Este artigo

Leia mais

Desenvolvimento de uma ferramenta de bate-papo com mecanismos de coordenação baseados na linguagem em ação

Desenvolvimento de uma ferramenta de bate-papo com mecanismos de coordenação baseados na linguagem em ação Desenvolvimento de uma ferramenta de bate-papo com mecanismos de coordenação baseados na linguagem em ação Janne Y. Y. Oeiras (DI/UFPA) Fernanda M. P. Freire(Nied/Unicamp) Ricardo Luís Lachi (UEMS) Heloísa

Leia mais

Plano de Trabalho Docente Ensino Técnico

Plano de Trabalho Docente Ensino Técnico Plano de Trabalho Docente 2016 Ensino Técnico Plano de Curso nº 294 aprovado pela portaria Cetec nº 774 de 24 / 09 / 2015. ETEC de Tiquatira Código: 208 Município: São Paulo Eixo Tecnológico: Controle

Leia mais

BuscaLegis.ccj.ufsc.br

BuscaLegis.ccj.ufsc.br BuscaLegis.ccj.ufsc.br Nome empresarial Theophilo de Azeredo Santos* 1. Promulgado pela Lei nº 556, de 25 de junho de 1850, publicado em 1º de julho, para entrar em vigor em 1º de janeiro de 1851, o Código

Leia mais

ESTUDOS DE LINGUAGEM I Período 1º Semestre. Eixo de Formação Eixo de Formação Fundamental

ESTUDOS DE LINGUAGEM I Período 1º Semestre. Eixo de Formação Eixo de Formação Fundamental Disciplina Curso Graduação DE GRADUACÃO Curso Semestral ESTUDOS DE LINGUAGEM I Período 1º Semestre Eixo de Formação Eixo de Formação Fundamental Turma (s) A, B e D Código 136 Carga Horária 48 horas-aula

Leia mais

CURSO: FISCALIZAÇÃO DE CONTRATOS DE SERVIÇOS TERCEIRIZADOS. Turma 1/2017

CURSO: FISCALIZAÇÃO DE CONTRATOS DE SERVIÇOS TERCEIRIZADOS. Turma 1/2017 CURSO: FISCALIZAÇÃO DE CONTRATOS DE SERVIÇOS TERCEIRIZADOS Turma 1/2017 TUTOR e CONTEUDISTA LÚCIO FLÁVIO FERRAZ Auditor Federal de Controle Externo do TCU PLANO DE CURSO Sumário 1. INFORMAÇÕES GERAIS...

Leia mais

PLANO DE ENSINO DE GRADUACÃO Curso Semestral Disciplina. Código PRÁTICA FORENSE TRABALHISTA II 143 Curso. Período

PLANO DE ENSINO DE GRADUACÃO Curso Semestral Disciplina. Código PRÁTICA FORENSE TRABALHISTA II 143 Curso. Período Página 1 de 6 DE GRADUACÃO Curso Semestral Disciplina Código PRÁTICA FORENSE TRABALHISTA II 143 Curso Graduação Período 10º Período Turma (s) A, B e D Carga Horária 64 horas-aula relógio 77 horas-aula

Leia mais

Língua, Linguagem e Comunicação O homem, ser de linguagem Sentido, significação e signo

Língua, Linguagem e Comunicação O homem, ser de linguagem Sentido, significação e signo Língua, Linguagem e Comunicação O homem, ser de linguagem Sentido, significação e signo Aula 1 Português 1 Faculdade Pitágoras Vale do Aço Jaider Fernandes Reis, Marcélia Marise Vieira dos Santos Martha

Leia mais

Período. 3º Período. Eixo de Formação Eixo de Formação Profissional

Período. 3º Período. Eixo de Formação Eixo de Formação Profissional Página 1 de 5 Disciplina DE GRADUACÃO Curso Semestral Código DIREITO CONSTITUCIONAL II 072 Curso Graduação Período 3º Período Turma (s) A, B e D Carga Horária 64 horas-relógio 77 horas-aula Eixo de Formação

Leia mais

Unidade III COMUNICAÇÃO EMPRESARIAL

Unidade III COMUNICAÇÃO EMPRESARIAL COMUNICAÇÃO EMPRESARIAL Unidade III 3 OS NÍVEIS DE FALA E A COMUNICAÇÃO EMPRESARIAL A língua é um código que permite uma diversidade de usos, e nós, falantes, adotamos o mais adequado às exigências situacionais

Leia mais

OBJETIVO GERAL ESPECÍFICOS

OBJETIVO GERAL ESPECÍFICOS Ensino Fundamental I 3º ano PLANO DE ENSINO DISCIPLINA Português PROFESSOR Priscila Monteiro Carvalho / Neisa CARGA HORÁRIA TURMA ANO LETIVO 2017 TOTAL SEMANAL A/B EMENTA A língua portuguesa oportunizara

Leia mais

Planejamento Tributário Empresarial

Planejamento Tributário Empresarial Planejamento Tributário Empresarial Aula 10 Os direitos desta obra foram cedidos à Universidade Nove de Julho Este material é parte integrante da disciplina, oferecida pela UNINOVE. O acesso às atividades,

Leia mais

Agrupamento de Escolas de São Pedro do Sul Escola sede Escola Secundária de S. Pedro do Sul

Agrupamento de Escolas de São Pedro do Sul Escola sede Escola Secundária de S. Pedro do Sul Agrupamento de Escolas de São Pedro do Sul Escola sede Escola Secundária de S. Pedro do Sul CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO: PORTUGUÊS LÍNGUA NÃO MATERNA 1º CICLO DO ENSINO BÁSICO 1. Enquadramento legal da avaliação

Leia mais

Apostila Digital. O QR Code se repetirá em cada página em formato digital/watermark

Apostila Digital. O QR Code se repetirá em cada página em formato digital/watermark - Todos os direitos reservados e protegidos pela Lei 9.610 de 19/02/98. Nenhuma parte deste livro, sem autorização prévia por escrito da editora, poderá ser reproduzida ou transmitida sejam quais forem

Leia mais

Faculdade de Direito de Franca

Faculdade de Direito de Franca PRÁTICA JURÍDICA CIVIL I PLANO DE ENSINO 2015 1. INFORMAÇÕES GERAIS: Professor Doutor José Antônio de Faria Martos Departamento: Direito Público Disciplina: Prática Jurídica I série: 4ª Turma (s): A e

Leia mais

I Atribuições e atividades profissionais relativas à qualificação ou à habilitação profissional, que justificam o desenvolvimento das competências pre

I Atribuições e atividades profissionais relativas à qualificação ou à habilitação profissional, que justificam o desenvolvimento das competências pre Plano de Trabalho Docente 2016 Ensino Técnico Plano de Curso nº 69 aprovado pela portaria Cetec nº 733 de 10 / 09 /2015 Etec Tiquatira Código: Município: São Paulo Eixo Tecnológico: CONTROLE E PROCESSOS

Leia mais

AULA 1) Ementa. Disposições administrativas:

AULA 1) Ementa. Disposições administrativas: Curso: DIREITO Disciplina: TEORIA GERAL DO PROCESSO (Matutino) quinta-feira 10:10 a 12:40 hs Ementa Direito Material e Direito Processual: conceito, natureza, posição enciclopédica, divisão. Fontes do

Leia mais

PLANIFICAÇÃO MODULAR ANO LETIVO 2012 / 2013

PLANIFICAÇÃO MODULAR ANO LETIVO 2012 / 2013 09-10-2012 PLANIFICAÇÃO MODULAR ANO LETIVO 2012 / 2013 N.º ORDEM N.º DE HORAS CURSO DE TÉCNICO DE GESTÃO EQUINA DISCIPLINA: FRANCÊS CONTINUAÇÃO N.º TOTAL DE MÓDULOS: 3 DESIGNAÇÃO DO MÓDULO 1 27 PARCOURS

Leia mais