POLÍTICA DE MANUTENÇÃO E AQUISIÇÃO DE EQUIPAMENTOS

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "POLÍTICA DE MANUTENÇÃO E AQUISIÇÃO DE EQUIPAMENTOS"

Transcrição

1 POLÍTICA DE MANUTENÇÃO E AQUISIÇÃO DE EQUIPAMENTOS Laboratórios da Área da Informática

2 Política de Manutenção e Aquisição de Equipamentos Laboratórios da Área de Informática Universidade Anhembi Morumbi 1. Política geral dos Laboratórios da Área de Informática Adotar medidas com vista à racionalização dos horários de aulas e do uso dos espaços físicos disponíveis; Melhorar as condições das instalações físicas e dos laboratórios existentes e propiciar os equipamentos de apoio necessário; Recuperar e modernizar as instalações e infra-estrutura dos laboratórios existentes; Ampliar as instalações laboratoriais de modo a atender as necessidades dos programas educacionais da instituição; Equipar os laboratórios, de modo a possibilitar sua modernização e efetivo funcionamento; Assegurar a manutenção e o perfeito funcionamento dos equipamentos. 2. Política de manutenção de equipamentos 2.1 Introdução É necessário que os equipamentos utilizados sejam submetidos a manutenções preventivas periódicas para se obter êxito nos trabalhos realizados. 2.2 Objetivo Esta seção tem por objetivo descrever a sistemática utilizada pelos Laboratórios da Área de Informática para o controle dos equipamentos, no que diz respeito à identificação, à manutenção e ao seu uso. 2.3 Identificação e inventário Identificação Os equipamentos existentes nos Laboratórios da Área de Informática são identificados de forma permanente por meio de chapas que são coladas a cada aparelho gravadas com um código de barras e um código composto por 5 números, denominado como seu número de patrimônio Inventário Os equipamentos dos Laboratórios da Área de Informática são registrados em planilhas separadas por laboratório específico em que os mesmos se localizam. Nesta planilha são registrados os nomes do equipamento, marca, modelo, número de série e número de patrimônio. Existe também um arquivo onde são guardadas todas as notas fiscais de compra separadas por fornecedores. 2.4 Controle dos Equipamentos O controle dos equipamentos é realizado através de acompanhamento periódico de manutenção preventiva e corretiva.

3 2.4.1 Manutenção Manutenção regular A manutenção dos laboratórios é realizada constantemente por uma equipe de funcionários qualificados. A equipe de manutenção é composta de vários técnicos e assistentes. Os técnicos possuem formação em eletrônica, curso superior ou em curso, realizando cursos de aperfeiçoamento e experiência na montagem de microcomputadores, redes estruturadas, Internet, conserto de monitores, cpu s, impressoras laser e jato de tinta, teclados, mouses e estabilizadores. Na maioria dos laboratórios, é realizada uma manutenção preventiva dos equipamentos pelos próprios técnicos. Em outros, mais específicos, mantemos um cadastro das assistências técnicas autorizadas para fazer reparos e manutenção de equipamentos Manutenção preventiva Contamos com monitores nos laboratórios que realizam manutenção nos microcomputadores no que se refere ao funcionamento de softwares e zelamos pelo bom funcionamento dos equipamentos existentes Manutenção de equipamentos danificados Será retirado de uso o aparelho que durante uma preventiva ou utilização: Sofrer danos ou sobrecarga; Apresentar mau funcionamento;ou O monitor que detectou o problema registra o fato no sistema dos Laboratórios da Área de Informática. O técnico verificar diariamente os chamados abertos e procura solucioná-los ou comunica aos Líderes de laboratórios para que providenciem o envio do equipamento para uma assistência técnica autorizada para conserto em garantia ou execução de orçamento. A saída do aparelho é acompanhada da emissão de uma carta de saída do equipamento em papel timbrado da instituição, emitida pelo Líder dos Laboratórios, que deve ser protocolada na empresa que está recebendo o equipamento, e de um documento de transferência descrevendo o tipo de equipamento, marca, modelo, número de série, número de patrimônio, quem autoriza a saída e quem retirou o equipamento. Após aprovação do orçamento pelo setor financeiro da Universidade, o serviço é autorizado e assim que o mesmo é executado, o equipamento consertado é recolocado em uso. Todas as manutenções são registradas e passam a ser arquivada para acompanhamento de manutenção de cada máquina ou equipamento dos Laboratórios da Área de Informática.

4 3. Política de Implantação, aquisição de equipamentos e softwares 3.1 Introdução Os estudos para implantação de novos laboratórios e aquisições softwares novos e ou atualização de versões são realizados anualmente com base no planejamento dos cursos, visando atender às necessidades didático-pedagógicas e de pesquisa. A partir daí é elaborado um plano de execução que é submetido à aprovação orçamentária e, uma vez aprovado, é direcionado à área administrativa que se encarregará da execução em conjunto com a coordenação de curso para orientação quanto às especificidades de cada área. O departamento de Arquitetura e Projetos em conjunto com a coordenação responsável pelos laboratórios, fazem uma pesquisa com outras instituições para efeito de benchmarking. 3.2 Objetivo Esta seção tem por objetivo descrever a sistemática utilizada pelos Laboratórios da Área de Informática para a aquisição de novos equipamentos, como parte da política de atualização dos mesmos. 3.3 Pedido de compras Todos os pedidos de equipamentos devem conter os seguintes itens: Descrição completa dos equipamentos solicitados a serem incorporados às especificações para a compra. Qual será a utilização nas aulas a serem ministradas. Data de utilização do equipamento; Identificação do setor, curso ou laboratório ao qual se destina o equipamento para débito no correspondente centro de custos. Os pedidos de compra devem ser entregues ao setor de compras com pelo menos 30 dias de antecedência da data de utilização do equipamento para que possa haver tempo hábil para a obtenção de pelo menos três orçamentos em diferentes empresas e aprovação do mesmo pelo setor financeiro. 3.4 Aquisição de novos equipamentos A cada novo curso implantado pela universidade é feito um planejamento da infra-estrutura necessária, desde o primeiro semestre letivo até a conclusão do curso. A área responsável pela administração dos diversos laboratórios deve buscar, em primeira instância, a otimização de uso e o compartilhamento dessas áreas pelos diversos cursos. A Anhembi Morumbi, por meio de uma política educacional alicerçada na inovação tecnológica, vem se tornando referência em termos de infra-estrutura para a prática do ensino. Desta forma, tem investido em tecnologia, criação e desenvolvimento de espaços multidisciplinares, que permitam a reprodução da realidade, além de manter parcerias com outras instituições. Os equipamentos devem ser fornecidos com nota fiscal, com a garantia de qualidade, com Certificado de garantia inicial e com o manual contendo instruções completas para instalação, manutenção e utilização. As notas fiscais e os manuais são mantidos em arquivo individualizado por fornecedores.

5 4 Responsabilidades Coordenador dos Laboratórios Com relação aos equipamentos, cabe ao Coordenador Informática: dos Laboratórios da Área de Acompanhar o processo de aquisição de novos equipamentos e softwares; Solicitar inclusão no patrimônio da Universidade dos aparelhos existentes e adquiridos; Elaborar os cronogramas de manutenção preventiva e assegurar seu cumprimento; Arquivo e manutenção das notas fiscais de compra, manuais dos equipamentos e históricos de manutenção de cada equipamento; Providenciar e acompanhar os processos de manutenção tanto preventiva quanto de aparelhos danificados pelo uso. Com relação aos equipamentos, cabe ao Monitor responsável por cada Laboratório da Área de Informática: Familiarizar-se com os procedimentos de manutenção, operação dos equipamentos; Assegurar o bom funcionamento dos equipamentos antes e durante o período da aula prática; Registrar no sistema de ocorrências dos Laboratórios da Área de Informática qualquer problema detectado nos equipamentos e comunicar ao Líder dos Laboratórios para que sejam tomadas as providências para reparo dos mesmos.

Infra-estrutura de Informática e formas de acesso às redes de informação

Infra-estrutura de Informática e formas de acesso às redes de informação Infra-estrutura de Informática e formas de acesso às redes de informação A FACULDADE DE TECNOLOGIA DE SÃO VICENTE entende que deve acompanhar as necessidades de atendimento da área acadêmica e administrativa

Leia mais

PROCESSO DE COMPRAS Revisão: 01 Página 1 de 8

PROCESSO DE COMPRAS Revisão: 01 Página 1 de 8 PROCEDIMENTO PR 7.02 PROCESSO DE COMPRAS Revisão: 01 Página 1 de 8 1. HISTÓRICO DE REVISÕES DATA REVISÃO RESUMO DE ALTERAÇÕES 20/08/2013 00 Emissão inicial 24/09/2014 01 Adequação da sistemática do processo

Leia mais

PLANO DE ATUALIZAÇÃO E MANUTENÇÃO DOS EQUIPAMENTOS

PLANO DE ATUALIZAÇÃO E MANUTENÇÃO DOS EQUIPAMENTOS PLANO DE ATUALIZAÇÃO E MANUTENÇÃO DOS EQUIPAMENTOS 1. INTRODUÇÃO A Faculdade Fleming dispõe atualmente de infraestrutura de Tecnologia da Informação com rede de computadores que interliga em torno de 300

Leia mais

INSTITUTO DE SERVIÇOS EDUCACIONAIS VALE DO PARANAPANEMA LTDA CNPJ: / FACULDADES INTEGRADAS DE TAGUAÍ

INSTITUTO DE SERVIÇOS EDUCACIONAIS VALE DO PARANAPANEMA LTDA CNPJ: / FACULDADES INTEGRADAS DE TAGUAÍ VALE DO PARANAPANEMA LTDA CNPJ: 19.412.711/0001-30 POLÍTICA DE AQUISIÇÃO, ATUALIZAÇÃO E MANUTENÇÃO DE EQUIPAMENTO DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO (TI) TAGUAÍ SP 2015 Política de Aquisição, Atualização e Manutenção

Leia mais

ABNT NBR ISO/IEC NÃO CONFORMIDADES MAIS FREQUENTES

ABNT NBR ISO/IEC NÃO CONFORMIDADES MAIS FREQUENTES ABNT NBR ISO/IEC 17025 NÃO CONFORMIDADES MAIS FREQUENTES Item 4.1 Organização Legalidade do laboratório Trabalhos realizados em instalações permanentes Atendimento aos requisitos da Norma, necessidades

Leia mais

PLANO DE AQUISIÇÃO, MANUTENÇÃO E ATUALIZAÇÃO DOS EQUIPAMENTOS DE LABORATÓRIO

PLANO DE AQUISIÇÃO, MANUTENÇÃO E ATUALIZAÇÃO DOS EQUIPAMENTOS DE LABORATÓRIO PLANO DE AQUISIÇÃO, MANUTENÇÃO E ATUALIZAÇÃO DOS EQUIPAMENTOS DE LABORATÓRIO Novembro/2016 Aprovado pela Resolução CONSEPE nº. 24/2016 em 24/11/2016. 1 SUMÁRIO 1 INTRODUÇÃO 03 2 OBJETIVOS 03 3 AQUISIÇÃO

Leia mais

FACULDADE DE CIÊNCIAS DA SAÚDE ARCHIMEDES THEODORO PLANO DE ATUALIZAÇÃO E MANUTENÇÃO DOS RECURSOS DE TECNOLOGIAS DE INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO

FACULDADE DE CIÊNCIAS DA SAÚDE ARCHIMEDES THEODORO PLANO DE ATUALIZAÇÃO E MANUTENÇÃO DOS RECURSOS DE TECNOLOGIAS DE INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO FACULDADE DE CIÊNCIAS DA SAÚDE ARCHIMEDES THEODORO PLANO DE ATUALIZAÇÃO E MANUTENÇÃO DOS RECURSOS DE TECNOLOGIAS DE INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO 2016 1.INTRODUÇÃO A Fundação Educacional de Além Paraíba FEAP,

Leia mais

2. Os Serviços de Suporte Técnico e Atualização da SOLUÇÃO compreenderão: Recepção e Resolução de Chamados de Suporte.

2. Os Serviços de Suporte Técnico e Atualização da SOLUÇÃO compreenderão: Recepção e Resolução de Chamados de Suporte. Este documento descreve como deverão ser prestados os serviços de suporte técnico e atualização da solução de Gestão do Risco Operacional e Controles Internos, doravante chamada SOLUÇÃO, compreendendo

Leia mais

Catálogo de Serviços

Catálogo de Serviços Catálogo de Serviços ID: SN17 Nome: Serviço de Desktops Descrição: Manutenção e Suporte em Informática Catalogado: 12/09/2013 Última revisão: 12/09/2013 Coordenação: Coordenação Técnica de Atendimento

Leia mais

INFORMAÇÕES SOBRE O PROJETO TERMO DE REFERÊNCIA SUGERIDO PESQUISA DE OBSERVAÇÃO DE PRÁTICAS PEDAGÓGICAS - STALLINGS

INFORMAÇÕES SOBRE O PROJETO TERMO DE REFERÊNCIA SUGERIDO PESQUISA DE OBSERVAÇÃO DE PRÁTICAS PEDAGÓGICAS - STALLINGS INFORMAÇÕES SOBRE O PROJETO TERMO DE REFERÊNCIA SUGERIDO PESQUISA DE OBSERVAÇÃO DE PRÁTICAS PEDAGÓGICAS - STALLINGS Objetivos Gerais do Trabalho Contratação de empresa especializada para realizar a Pesquisa

Leia mais

Manutenção Revisão: 02 Página 1 de 6

Manutenção Revisão: 02 Página 1 de 6 Manutenção Revisão: 02 Página 1 de 6 1. HISTÓRICO DE REVISÕES DATA REVISÃO RESUMO DE ALTERAÇÕES 20.08.2013 00 Emissão inicial. Revisão para maior clareza no texto do documento. Adequação da responsabilidade

Leia mais

Licenciatura em Ciências Exatas Revisão 3 REGULAMENTO DE ESTÁGIO NÃO OBRIGATÓRIO

Licenciatura em Ciências Exatas Revisão 3 REGULAMENTO DE ESTÁGIO NÃO OBRIGATÓRIO REGULAMENTO DE ESTÁGIO NÃO OBRIGATÓRIO O Projeto Pedagógico do Curso de Licenciatura em Ciências Exatas do Setor Palotina da UFPR prevê a realização de estágios nas modalidades de estágio obrigatório e

Leia mais

MANUAL DE PROCEDIMENTOS

MANUAL DE PROCEDIMENTOS MANUAL DE PROCEDIMENTOS ABRIL 2010 1 INTRODUÇÃO O Serviço Técnico de Informática STI é responsável pela prestação de serviços relacionados com a informática para as áreas de Ensino, Pesquisa, Extensão

Leia mais

CONTROLE DE EQUIPAMENTOS DE INSPEÇÃO, MEDIÇÃO E ENSAIOS DO LABORATÓRIO DE RADIOMETRIA AMBIENTAL PO-LRA

CONTROLE DE EQUIPAMENTOS DE INSPEÇÃO, MEDIÇÃO E ENSAIOS DO LABORATÓRIO DE RADIOMETRIA AMBIENTAL PO-LRA 1 Objetivo Este procedimento estabelece métodos para controle e calibração de equipamentos de inspeção, medição e ensaios. 2 Campo de Aplicação Aplica-se ao Laboratório de Radiometria Ambiental do Centro

Leia mais

BINS Indústria de Artefatos de Borracha Ltda. Questionário de Seleção e Homologação de Fornecedores

BINS Indústria de Artefatos de Borracha Ltda. Questionário de Seleção e Homologação de Fornecedores BINS Indústria de Artefatos de Borracha Ltda. Questionário de Seleção e Homologação de Fornecedores ESCOPO Este questionário de auto-avaliação tem como objetivo proporcionar um conhecimento geral do fornecedor,

Leia mais

MANUAL DE PROCEDIMENTOS POLÍTICA DE TREINAMENTO

MANUAL DE PROCEDIMENTOS POLÍTICA DE TREINAMENTO 1. INTRODUÇÃO A Política de Treinamento tem por objetivo estabelecer critérios para o tratamento das solicitações de Capacitação, Desenvolvimento, Cursos Intensivos, Seminários, Palestras, Congressos,

Leia mais

Procedimento Operacional Nome do procedimento: Calibração, Aferição, Instrumentação e Ferramentaria Data da Revisão: 24/04/2012

Procedimento Operacional Nome do procedimento: Calibração, Aferição, Instrumentação e Ferramentaria Data da Revisão: 24/04/2012 Data da 1/ 7 Nº revisão Descrição da Revisão 00 Elaboração inicial do documento 01 Alteração dos números dos Registros e inclusão do Item 4 Diretoria de Negócio Vendas Service SGI Qualidade Suprimentos

Leia mais

Para a Educação, a Ciência e a Cultura TERMO DE REFERÊNCIA 048 PARA CONTRATAÇÃO DE PESSOA FÍSICA

Para a Educação, a Ciência e a Cultura TERMO DE REFERÊNCIA 048 PARA CONTRATAÇÃO DE PESSOA FÍSICA Organização dos Estados Ibero-americanos Para a Educação, a Ciência e a Cultura TERMO DE REFERÊNCIA 048 PARA CONTRATAÇÃO DE PESSOA FÍSICA 1. Projeto: Projeto OEI/BRA/10/002 - Atualização dos Processos

Leia mais

Parágrafo único - As atividades desenvolvidas no Laboratório de Investigação

Parágrafo único - As atividades desenvolvidas no Laboratório de Investigação REGULAMENTO DO LABORATÓRIO DE INVESTIGAÇÃO DOS DESVIOS DA APRENDIZAGEM (LIDA) CAPÍTULO I DA NATUREZA E FINALIDADE Art. 1º - O Laboratório de Investigação dos Desvios da Aprendizagem (LIDA), da Faculdade

Leia mais

Art.2º O Laboratório de Ensino de Matemática (LABEMAT) tem por objetivos: I dar suporte ao desenvolvimento de disciplinas do curso de Licenciatura em

Art.2º O Laboratório de Ensino de Matemática (LABEMAT) tem por objetivos: I dar suporte ao desenvolvimento de disciplinas do curso de Licenciatura em INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO TOCANTINS Campus Palmas Coordenação do Curso de Licenciatura em Matemática LABORATÓRIO DE ENSINO DE MATEMÁTICA LABEMAT REGULAMENTO 01/2015 Regulamento

Leia mais

PLANO DE DESENVOLVIMENTO DE INFORMÁTICA

PLANO DE DESENVOLVIMENTO DE INFORMÁTICA PLANO DE DESENVOLVIMENTO DE INFORMÁTICA A proposta de um Plano para o desenvolvimento da informática da FAUUSP deverá compreender os três objetivos da USP: ensino, pesquisa e serviços à comunidade. GRUPO

Leia mais

PLANO ANUAL DE ATIVIDADES 2016 NÚCLEO DE ACESSIBILIDADE DA UFES

PLANO ANUAL DE ATIVIDADES 2016 NÚCLEO DE ACESSIBILIDADE DA UFES PLANO ANUAL DE ATIVIDADES 2016 Proposta aprovada em Reunião Ordinária de fechamento de exercício do NAUFES realizada no dia 15 de janeiro de 2015. Vitória (ES), 15 de dezembro de 2015. Introdução UNIVERSIDADE

Leia mais

ESPECIFICAÇÃO DE PROJETO AUTOR(ES) : João

ESPECIFICAÇÃO DE PROJETO AUTOR(ES) : João AUTOR(ES) : João AUTOR(ES) : João NÚMERO DO DOCUMENTO : VERSÃO : 1.1 ORIGEM STATUS : c:\projetos : Acesso Livre DATA DO DOCUMENTO : 22 novembro 2007 NÚMERO DE PÁGINAS : 13 ALTERADO POR : Manoel INICIAIS:

Leia mais

REGULAMENTO DAS ATIVIDADES DO PROGRAMA DE MONITORIA. CAPÍTULO I Do Conceito de Monitoria

REGULAMENTO DAS ATIVIDADES DO PROGRAMA DE MONITORIA. CAPÍTULO I Do Conceito de Monitoria REGULAMENTO DAS ATIVIDADES DO PROGRAMA DE MONITORIA CAPÍTULO I Do Conceito de Monitoria Art. 1º - Entende-se por Monitoria, uma modalidade de ensino e aprendizagem que contribui para a formação integrada

Leia mais

Regulamento do Programa de Monitoria Faculdade FIPECAFI

Regulamento do Programa de Monitoria Faculdade FIPECAFI Regulamento do Programa de Monitoria Faculdade FIPECAFI CAPÍTULO I DOS OBJETIVOS E DAS FINALIDADES Art. 1º - O programa de monitoria da Faculdade FIPECAFI apresenta como objetivos aprimorar e ampliar conhecimentos,

Leia mais

AVALIAÇÃO DA TECNOLOGIA MÉDICA ENGENHARIA CLÍNICA. Iliane Alencar por Yuri Araújo

AVALIAÇÃO DA TECNOLOGIA MÉDICA ENGENHARIA CLÍNICA. Iliane Alencar por Yuri Araújo AVALIAÇÃO DA TECNOLOGIA MÉDICA ENGENHARIA CLÍNICA Iliane Alencar por Yuri Araújo 1. INCORPORAÇÃO DE TECNOLOGIA Avaliação tecnológica Contrato de compra Processos de Aquisição Especificações Técnicas Recebimento

Leia mais

ANEXO I-MEMORIAL DESCRITIVO

ANEXO I-MEMORIAL DESCRITIVO ANEXO I-MEMORIAL DESCRITIVO 1. Objeto Contratação de serviços de impressão de imagens médicas e laudos no InCor, incluindo fornecimento de acessórios, insumos, equipamentos e assistência técnica. 2. Volumes

Leia mais

PDI UNIVASF Notas sobre questões legais-normativas e sobre o processo de elaboração

PDI UNIVASF Notas sobre questões legais-normativas e sobre o processo de elaboração UNIVERSIDADE FEDERAL DO VALE DO SÃO FRANCISCO Pró-Reitoria de Planejamento e Desenvolvimento Institucional Propladi Av. José de Sá Maniçoba, s/n, Centro Petrolina-PE - CEP.: 56.304-917 Fone: (87) 2101-6804

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DOS LABORATÓRIOS DO CURSO DE ENGENHARIA FLORESTAL DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS REGIONAL JATAÍ CAPÍTULO I

REGIMENTO INTERNO DOS LABORATÓRIOS DO CURSO DE ENGENHARIA FLORESTAL DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS REGIONAL JATAÍ CAPÍTULO I REGIMENTO INTERNO DOS LABORATÓRIOS DO CURSO DE ENGENHARIA FLORESTAL DA Este regimento estabelece as normas de organização e funcionamento dos Laboratórios do Curso de Engenharia Florestal da Universidade

Leia mais

ORIENTAÇÕES PARA COMPRAS E SOLICITAÇÕES DE SERVIÇO NO CCHSA/UFPB

ORIENTAÇÕES PARA COMPRAS E SOLICITAÇÕES DE SERVIÇO NO CCHSA/UFPB MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA COLÉGIO AGRÍCOLA VIDAL DE NEGREIROS ORIENTAÇÕES PARA COMPRAS E SOLICITAÇÕES DE SERVIÇO NO CCHSA/UFPB As compras de bens materiais, animais, serviços

Leia mais

QUADRO DE TEMPORALIDADE DE DOCUMENTOS DAS COORDENAÇÕES DOS CURSOS DA UNCISAL

QUADRO DE TEMPORALIDADE DE DOCUMENTOS DAS COORDENAÇÕES DOS CURSOS DA UNCISAL QUADRO DE TEMPORALIDADE DE DOCUMENTOS DAS COORDENAÇÕES DOS CURSOS DA UNCISAL Competências/atribuições das Coordenações de Curso. Documento que é gerado a partir da competência ou atribuição do setor. Prazo

Leia mais

CRONOGRAMA DE AQUISIÇÕES 2014 MATERIAL DE CONSUMO E MATERIAL PERMANENTE

CRONOGRAMA DE AQUISIÇÕES 2014 MATERIAL DE CONSUMO E MATERIAL PERMANENTE MATERIAL DE CONSUMO E MATERIAL PERMANENTE TIPO DE COMPRA Pregão Eletrônico Tradicional 2014 OBJETO DA Material de consumo ou permanente SO DE CADASTRO De 24 Fevereiro a 07 de Março AJUSTE DOS CADASTROS

Leia mais

COTAÇÃO ELETRÔNICA: 053/2012 COMPRASNET. Termo de Referência para Ar Condicionado DESINSTALAÇÃO E INSTALAÇÃO

COTAÇÃO ELETRÔNICA: 053/2012 COMPRASNET. Termo de Referência para Ar Condicionado DESINSTALAÇÃO E INSTALAÇÃO COTAÇÃO ELETRÔNICA: 053/2012 COMPRASNET Termo de Referência para Ar Condicionado DESINSTALAÇÃO E INSTALAÇÃO Unidade Pedro de Toledo Gerência de Serviços ESPECIFICAÇÃO TECNICA DO OBJETO 1- OBJETO Contratação

Leia mais

Projeto de Formatura I

Projeto de Formatura I Projeto de Formatura I Aulas e normas para elaboração e apresentação de trabalho Professor: Carlos Eduardo Thomaz Email: cet@fei.edu.br URL: http://www.fei.edu.br/~cet Normas e documentos on-line As Aulas

Leia mais

POLÍTICA CORPORATIVA 2. Vice-Presidência aprovação Vice-Presidência Administrativa, Financeira e Tecnologia. Não Aplicável HISTÓRICO DE REVISÕES

POLÍTICA CORPORATIVA 2. Vice-Presidência aprovação Vice-Presidência Administrativa, Financeira e Tecnologia. Não Aplicável HISTÓRICO DE REVISÕES POLÍTICA DE ATIVOS POLÍTICA CORPORATIVA 2 Área responsável Administrativa Vice-Presidência aprovação Vice-Presidência Administrativa, Financeira e Tecnologia Diretor responsável Vagner de Paula Guzella

Leia mais

CADERNO DE ENCARGOS E ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS REFEREN- TES À CONTRATAÇÃO DE SERVIÇOS DE MANUTENÇÃO PREVENTI- VA E CORRETIVA NAS BALANÇAS RODOVIÁRIAS

CADERNO DE ENCARGOS E ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS REFEREN- TES À CONTRATAÇÃO DE SERVIÇOS DE MANUTENÇÃO PREVENTI- VA E CORRETIVA NAS BALANÇAS RODOVIÁRIAS CADERNO DE ENCARGOS E ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS REFEREN- TES À CONTRATAÇÃO DE SERVIÇOS DE MANUTENÇÃO PREVENTI- VA E CORRETIVA NAS BALANÇAS RODOVIÁRIAS DO PORTO ORGA- NIZADO DE ARATU BA. COORDENAÇÃO DE INFRA-ESTRUTURA

Leia mais

SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE IT Instrução de Trabalho

SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE IT Instrução de Trabalho INSPETORIAS IT. 47 00 1 / 8 1 - OBJETIVO Estabelecer diretrizes para procedimentos referentes a manutenção das instalações das Inspetorias do Crea-GO. 2 - DOCUMENTOS DE REFERÊNCIA Lei n 8.666 de 21 de

Leia mais

Controle de Documentos e Registros Revisão: 00 Página 1 de 7

Controle de Documentos e Registros Revisão: 00 Página 1 de 7 Controle de Documentos e Registros Revisão: 00 Página 1 de 7 1. HISTÓRICO DE REVISÕES DATA REVISÃO RESUMO DE ALTERAÇÕES 20/08/2013 00 Emissão inicial 2. OBJETIVO Descrever o procedimento interno para o

Leia mais

PROCESSO SELETIVO EDITAL Nº 01/201 7 CRESCER CONSULTORIAS

PROCESSO SELETIVO EDITAL Nº 01/201 7 CRESCER CONSULTORIAS ANEXO VI DAS ATRIBUIÇÕES GERAIS DOS CARGOS PERFIL DE COMPETÊNCIAS E DESEMPENHO CARGO ANALISTA / FUNÇÃO ANALISTA DE COOPERATIVISMO E MONITORAMENTO Missão do Cargo: Desenvolver atividades técnicas e prestar

Leia mais

PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO

PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ SETOR DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS DEPARTAMENTO DE PREVENÇÃO E REABILITAÇÃO EM FISIOTERAPIA PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO 2016-2018 CURITIBA 2016 Página 2 de 7 DEPARTAMENTO DE PREVENÇÃO

Leia mais

PLANO DE ESTÁGIO PROFISSIONAL SUPERVISIONADO

PLANO DE ESTÁGIO PROFISSIONAL SUPERVISIONADO PLANO DE ESTÁGIO PROFISSIONAL SUPERVISIONADO Habilitação: Técnico em Química Área Profissional: Controle e Processos Industriais Carga horária total: 1.720 h/a - 5. Objetivos do Estágio: 1.433 horas mais

Leia mais

Resolução nº 95, de 21 de outubro de 2014.

Resolução nº 95, de 21 de outubro de 2014. SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL Ministério da Educação Secretaria de Educação Profissional e Tecnológica Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Rio Grande do Sul Conselho Superior Resolução nº

Leia mais

ACORDO DE N ÍVEL DE SERVÍÇO

ACORDO DE N ÍVEL DE SERVÍÇO ACORDO DE N ÍVEL DE SERVÍÇO Sumário ACORDO DE NÍVEL DE SERVIÇO... 1 1. OBJETIVO... 2 2. IMPLANTAÇÃO DO SISTEMA SERVICE... 2 3. SUPORTE TÉCNICO... 2 4. CATÁLOGO DE SERVIÇOS... 3 5. PRAZO E PRIORIDADE DE

Leia mais

ORIENTAÇÕES AVALIAÇÃO DA EQUIPE PRONATEC

ORIENTAÇÕES AVALIAÇÃO DA EQUIPE PRONATEC MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE RONDÔNIA PROGRAMA NACIONAL DE ACESSO AO ENSINO TÉCNICO E EMPREGO- PRONATEC

Leia mais

MANUAL DE PROCEDIMENTOS PARA ENVIO DE RELÓGIOS PARA ASSISTÊNCIA TÉCNICA.

MANUAL DE PROCEDIMENTOS PARA ENVIO DE RELÓGIOS PARA ASSISTÊNCIA TÉCNICA. MANUAL DE PROCEDIMENTOS PARA ENVIO DE RELÓGIOS PARA ASSISTÊNCIA TÉCNICA. Caro cliente, Com muita satisfação dividimos com você as conquistas e realizações atingidas em 2015 no que tange ao nosso pós-venda,

Leia mais

ANEXO I TERMO DE REFERÊNCIA SISTEMA DE GESTÃO PUBLICA MUNICIPAL

ANEXO I TERMO DE REFERÊNCIA SISTEMA DE GESTÃO PUBLICA MUNICIPAL ANEXO I TERMO DE REFERÊNCIA SISTEMA DE GESTÃO PUBLICA MUNICIPAL CONSIDERAÇÕES PRELIMINARES O presente termo de referência tem por objeto dar subsídio à Contratação de empresa especializada em implantação,

Leia mais

MANUAL DE ORIENTAÇÃO REGRAS E FLUXO PARA LICITAÇÕES E COMPRAS PÚBLICAS CAMPUS SÃO PAULO - CAPES PROAP E PNDP

MANUAL DE ORIENTAÇÃO REGRAS E FLUXO PARA LICITAÇÕES E COMPRAS PÚBLICAS CAMPUS SÃO PAULO - CAPES PROAP E PNDP MANUAL DE ORIENTAÇÃO REGRAS E FLUXO PARA LICITAÇÕES E COMPRAS PÚBLICAS - CAPES PROAP E PNDP 2017 São Paulo, 12 de abril de 2017. Prezado secretário e coordenador de programa de pós-graduação, A Portaria

Leia mais

Decreto n , de 31 de julho de 2000

Decreto n , de 31 de julho de 2000 Decreto n 21.397, de 31 de julho de 2000 Diário Oficial do Distrito Federal Publicado no DODF de 01.08.2000 Republicado no DODF de 14.09.2000 Dispõe sobre a estrutura orgânica da Secretaria de Estado de

Leia mais

MANUAL DE FORNECEDORES

MANUAL DE FORNECEDORES 1 de 9 DISTRIBUIDOR: Controle do Sistema de Gestão da Qualidade(CGQ) REV. DATA DESCRIÇÃO DA REVISÃO ELAB. VERIF. APR. 1ª 01/03/10 Edição Inicial OMV OMV MRP 2ª 20/04/14 IQS. Sistema Integrado da Qualidade

Leia mais

1. Número e Título do Projeto:

1. Número e Título do Projeto: MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO NACIONAL DE ESTUDOS E PESQUISAS EDUCACIONAIS ANÍSIO TEIXEIRA FUNDO NACINAL DE DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃO DIRETORIA DE ASSISTÊNCIA A PROGRAMAS ESPECIAIS 1. Número e Título

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO FUNDO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃO DIRETOIA DE ADMINISTRAÇÃO E TECNOLOGIA

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO FUNDO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃO DIRETOIA DE ADMINISTRAÇÃO E TECNOLOGIA MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO FUNDO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃO DIRETOIA DE ADMINISTRAÇÃO E TECNOLOGIA TERMO DE REFERÊNCIA PARA CONTRATAÇÃO DE PESSOA FÍSICA - CONSULTOR POR PRODUTO OEI/TOR/MEC/DTI

Leia mais

Termo de Abertura do Projeto

Termo de Abertura do Projeto [Inovar Recargas] 2016 Termo de Abertura do Projeto Baseado na 5ª edição do Guia PMBOK Modelo de documento de uso livre, desde que seja citada a fonte. Não se esqueça de sempre consultar o Guia PMBOK 5ª

Leia mais

PROCEDIMENTO DA QUALIDADE

PROCEDIMENTO DA QUALIDADE Pág.: 1 de 6 1. OBJETIVO Estabelecer procedimentos para identificação de não-conformidades, assim como a implantação de ação corretiva e ação preventiva, a fim de eliminar as causas das não-conformidades

Leia mais

Boas Práticas de Aquisição de Equipamentos Médico-Hospitalares Proposta de Resolução - Agosto/2000

Boas Práticas de Aquisição de Equipamentos Médico-Hospitalares Proposta de Resolução - Agosto/2000 Conteúdo: Boas Práticas de Aquisição de Equipamentos Médico-Hospitalares Proposta de Resolução - Agosto/2000 Parte A - Disposições Gerais 1. Abrangência 2. Objetivo 3. Não-Conformidade às Prescrições 4.

Leia mais

RELATÓRIO DAS ATIVIDADES DESENVOLVIDAS PELO NAI ANO LETIVO DE 2009

RELATÓRIO DAS ATIVIDADES DESENVOLVIDAS PELO NAI ANO LETIVO DE 2009 UNIVERSIDADE DANTA CECÍLIA COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO - NÚCLEO DE AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL É preciso avaliar para mudar RELATÓRIO DAS ATIVIDADES DESENVOLVIDAS PELO ANO LETIVO DE 2009 PERÍODO FEVEREIRO

Leia mais

NORMAS DE UTILIZAÇÃO DO LABORATÓRIO DIDÁTICO DE AUTOMAÇÃO E MODELAGEM DE SISTEMAS /01

NORMAS DE UTILIZAÇÃO DO LABORATÓRIO DIDÁTICO DE AUTOMAÇÃO E MODELAGEM DE SISTEMAS /01 NORMAS DE UTILIZAÇÃO DO LABORATÓRIO DIDÁTICO DE AUTOMAÇÃO E MODELAGEM DE SISTEMAS 2016.1/01 QUANTO A MISSÃO DO LADAMS Art.01º A missão do LADAMS é oferecer aos alunos infraestrutura de suporte à execução

Leia mais

Lista de Exercícios sobre Conceitos de Informática. Exercício 1: Correspondência

Lista de Exercícios sobre Conceitos de Informática. Exercício 1: Correspondência Lista de Exercícios sobre Conceitos de Informática Exercício 1: Correspondência Relacione os termos da tabela 1 abaixo com as definições da tabela 2. Para facilitar, os termos da tabela 1 estão colocados

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO AMAPÁ CAMPUS MACAPÁ CAPÍTULO I DO REGULAMENTO E SUA APLICAÇÃO

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO AMAPÁ CAMPUS MACAPÁ CAPÍTULO I DO REGULAMENTO E SUA APLICAÇÃO CAPÍTULO I DO REGULAMENTO E SUA APLICAÇÃO Art. 1º O presente documento contém a Regulamentação que regem e orientam as condições de utilização dos Laboratórios de Informática. Art. 2º Ficam sujeitos a

Leia mais

REGULAMENTO DE ATIVIDADES COMPLEMENTARES

REGULAMENTO DE ATIVIDADES COMPLEMENTARES CURSO DE DIREITO REGULAMENTO DE ATIVIDADES COMPLEMENTARES (Ingresso até 2014/2 200 horas) Elaborado por: Profa. Me. Andréia Ayres Gabardo da Rosa Profa. Me. Karine Alves Gonçalves Mota PALMAS 2015 As atividades

Leia mais

PROCESSO SELETIVO EXTERNO

PROCESSO SELETIVO EXTERNO ANEXO I EDITAL N /26, DE 19 DE MAIO DE 26 UNIDADE TERESINA CÓDIGO CARGO (PROFISSIONAL) A- Assessor Técnico III Coordenador/Supervisor Pedagógico Saúde A-02 Assessor Técnico III Planejamento PRÉ-REQUISITOS

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 05/2012 CONCECERES

RESOLUÇÃO Nº 05/2012 CONCECERES RESOLUÇÃO Nº 05/2012 CONCECERES Dispõe sobre o Regimento Interno do Laboratório de Criação de Projetos CRIAÇÃO, do Centro de Educação Superior da Região Sul - CERES. O Presidente do Conselho de Centro

Leia mais

1. OBJETIVO Estabelecer diretrizes para elaboração e controle dos documentos e registros do Sistema de Gestão da Qualidade (SGQ).

1. OBJETIVO Estabelecer diretrizes para elaboração e controle dos documentos e registros do Sistema de Gestão da Qualidade (SGQ). Sistema de Gestão da Qualidade SUPERINTENDÊNCIA DE VAPT VUPT E ATENDIMENTO AO PÚBLICO PROCEDIMENTO DE CONTROLE DE DOCUMENTOS E REGISTROS Responsável: Juliana Maria Gomes de Almeida Alves Cópia Controlada

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA INSTITUTO MULTIDISCIPLINAR EM SAÚDE - CAMPUS ANÍSIO TEIXEIRA COLEGIADO DE NUTRIÇÃO INSTRUÇÃO NORMATIVA 01/2010

UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA INSTITUTO MULTIDISCIPLINAR EM SAÚDE - CAMPUS ANÍSIO TEIXEIRA COLEGIADO DE NUTRIÇÃO INSTRUÇÃO NORMATIVA 01/2010 UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA INSTITUTO MULTIDISCIPLINAR EM SAÚDE - CAMPUS ANÍSIO TEIXEIRA COLEGIADO DE NUTRIÇÃO INSTRUÇÃO NORMATIVA 01/2010 Revoga a Instrução Normativa 02/2008 e estabelece as normas

Leia mais

ESCOLA DE ENFERMAGEM UFRGS LABORATÓRIO DE PRÁTICAS DE ENFERMAGEM

ESCOLA DE ENFERMAGEM UFRGS LABORATÓRIO DE PRÁTICAS DE ENFERMAGEM MANUAL DO APRESENTAÇÃO No Laboratório de Práticas de Enfermagem (LAPENF) são realizadas atividades de ensino teórico-práticas para o desenvolvimento de habilidades em um ambiente seguro, por meio de práticas

Leia mais

PO - Procedimento Operacional Revisão: 02 Folha: 1 de 6

PO - Procedimento Operacional Revisão: 02 Folha: 1 de 6 PO - Procedimento Operacional Revisão: 02 Folha: 1 de 6 1. OBJETIVO Orientar a condução dos processos de de forma a garantir a uniformidade e eficiência dos procedimentos, ferramentas e técnicas utilizadas,

Leia mais

AUDITORIA FEDERAL CONTROLE INTERNO PLANO ANUAL DE AUDITORIA INTERNA PAINT 2014

AUDITORIA FEDERAL CONTROLE INTERNO PLANO ANUAL DE AUDITORIA INTERNA PAINT 2014 INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO AMAZONAS AUDITORIA FEDERAL CONTROLE INTERNO PLANO ANUAL DE AUDITORIA INTERNA PAINT 204 Observância a IN 0/2007-CGU, quanto à elaboração e execução

Leia mais

Submódulo Acompanhamento de manutenção de equipamentos e linhas de transmissão

Submódulo Acompanhamento de manutenção de equipamentos e linhas de transmissão Submódulo 16.2 Acompanhamento de manutenção de equipamentos e linhas de transmissão Rev. Nº. 0.0 0.1 1.0 Motivo da revisão Este documento foi motivado pela criação do Operador Nacional do Sistema Elétrico.

Leia mais

MARKETING / DESIGN. Manual Operativo Rótulos

MARKETING / DESIGN. Manual Operativo Rótulos MARKETING / DESIGN Manual Operativo Rótulos Curitiba Abril/2000 MANUAL Marketing / Designer O QUE O PROGRAMA OFERECE Á SUA EMPRESA Os serviços oferecidos pelo programa são para o nivelamento e sintonia

Leia mais

Sistema Normativo Corporativo

Sistema Normativo Corporativo Sistema Normativo Corporativo ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA VERSÃO Nº ATA Nº DATAA DATA DA VIGÊNCIA 00-30/07/2012 30/07/2012 APROVADO POR Edson Hideki Takauti SUMÁRIO 1. RESUMO... 3 2. HISTÓRICO DAS REVISÕES...

Leia mais

INSTRUÇÕES PARA ELABORAÇÃO DE PLANO DE DESENVOLVIMENTO INSTITUCIONAL PDI

INSTRUÇÕES PARA ELABORAÇÃO DE PLANO DE DESENVOLVIMENTO INSTITUCIONAL PDI INSTRUÇÕES PARA ELABORAÇÃO DE PLANO DE DESENVOLVIMENTO INSTITUCIONAL PDI 2011-2015 1. PERFIL INSTITUCIONAL Com base no artigo 16 do Decreto Federal nº 5.773, de 09 de maio de 2006. 1.1 Missão (ASPLAN)

Leia mais

FACULDADES INTEGRADAS DESEMBARGADOR SÁVIO BRANDÃO - FAUSB MANUAL DE MONITORIA DO CURSO DE DIREITO

FACULDADES INTEGRADAS DESEMBARGADOR SÁVIO BRANDÃO - FAUSB MANUAL DE MONITORIA DO CURSO DE DIREITO FACULDADES INTEGRADAS DESEMBARGADOR SÁVIO BRANDÃO - FAUSB MANUAL DE MONITORIA DO CURSO DE DIREITO VÁRZEA GRANDE - 2015 MANUAL DE MONITORIA DO CURSO DE DIREITO - FAUSB, Elaborada pela Coordenadora em exercício

Leia mais

ORDEM DE SERVIÇO N 01/2016 PROAD

ORDEM DE SERVIÇO N 01/2016 PROAD ORDEM DE SERVIÇO N 01/2016 PROAD O Pró-Reitor de Administração da Fundação Universidade Federal de Ciências da Saúde de Porto Alegre UFCSPA, no uso de suas atribuições legais e estatutárias, divulga o

Leia mais

Normas Institucionais 1 REGULAMENTO E POLÍTICA DE USO DO ATELIÊ DO OBJETO. Eng. Umberto Palma FACULDADES OSWALDO CRUZ FAITER

Normas Institucionais 1 REGULAMENTO E POLÍTICA DE USO DO ATELIÊ DO OBJETO. Eng. Umberto Palma FACULDADES OSWALDO CRUZ FAITER 1 REGULAMENTO E POLÍTICA DE USO DO ATELIÊ DO OBJETO Eng. Umberto Palma FACULDADES OSWALDO CRUZ FAITER Faculdades Integradas Interamericanas FACULDADE DE DESENHO INDUSTRIAL DESIGN São Paulo / 2014 2 REGULAMENTO

Leia mais

SPED - Sistema Público de Escrituração Digital - Bases..

SPED - Sistema Público de Escrituração Digital - Bases.. SPED - Sistema Público de Escrituração Digital - Bases.. A Emenda Constitucional nº 42/2003 introduziu o inciso XXII ao artigo 37 da Constituição Federal, que determina que as administrações tributárias

Leia mais

MINUTA REGULAMENTO- DIRETRIZES OPERACIONAIS PARA INCLUSÃO DE CARGA HORÁRIA SEMIPRESENCIAL EM CURSOS PRESENCIAIS DO IFG

MINUTA REGULAMENTO- DIRETRIZES OPERACIONAIS PARA INCLUSÃO DE CARGA HORÁRIA SEMIPRESENCIAL EM CURSOS PRESENCIAIS DO IFG MINUTA REGULAMENTO- DIRETRIZES OPERACIONAIS PARA INCLUSÃO DE CARGA HORÁRIA SEMIPRESENCIAL EM CURSOS PRESENCIAIS DO IFG CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES INICIAIS O Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia

Leia mais

REGULAMENTO DE MONITORIA. CAPÍTULO I Das Considerações Preliminares

REGULAMENTO DE MONITORIA. CAPÍTULO I Das Considerações Preliminares F a c u l d a d e d e R e a b i l i t a ç ã o d a A S C E - F R A S C E REGULAMENTO DE MONITORIA CAPÍTULO I Das Considerações Preliminares Art.1º A Monitoria constitui-se em mais um espaço de aprendizagem

Leia mais

REGULAMENTO DO LABORATÓRIO DE ROTULAGEM DE ALIMENTOS - LABRA TÍTULO I DO REGULAMENTO E SEUS OBJETIVOS

REGULAMENTO DO LABORATÓRIO DE ROTULAGEM DE ALIMENTOS - LABRA TÍTULO I DO REGULAMENTO E SEUS OBJETIVOS UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO - UNIRIO CENTRO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E DA SAÚDE - CCBS ESCOLA DE NUTRIÇÃO - EN DEPARTAMENTO DE CIÊNCIA DOS ALIMENTOS - DCA REGULAMENTO DO LABORATÓRIO

Leia mais

Universidade Estadual do Centro-Oeste Reconhecida pelo Decreto Estadual nº 3.444, de 8 de agosto de 1997

Universidade Estadual do Centro-Oeste Reconhecida pelo Decreto Estadual nº 3.444, de 8 de agosto de 1997 RESOLUÇÃO Nº 22-CEPE/UNICENTRO, DE 15 DE JUNHO DE 2012. Aprova o Regulamento de Normas e Utilização dos Laboratórios do Campus CEDETEG da UNICENTRO. O VICE-REITOR, NO EXERCÍCIO DO CARGO DE REITOR DA UNIVERSIDADE

Leia mais

CURSO DE ENFERMAGEM MANUAL DE MONITORIA DO CURSO DE ENFERMAGEM - FAUC/AUM. Cuiabá 2010/02

CURSO DE ENFERMAGEM MANUAL DE MONITORIA DO CURSO DE ENFERMAGEM - FAUC/AUM. Cuiabá 2010/02 CURSO DE ENFERMAGEM MANUAL DE MONITORIA DO CURSO DE ENFERMAGEM - FAUC/AUM Cuiabá 2010/02 CURSO DE ENFERMAGEM MANUAL DE MONITORIA DO CURSO ENFERMAGEM - FAUC/AUM, Elaborada pela Coordenadora em exercício

Leia mais

REGULAMENTO TRABALHO FINAL DE GRADUAÇÃO TFG

REGULAMENTO TRABALHO FINAL DE GRADUAÇÃO TFG UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA JÚLIO DE MESQUITA FILHO Faculdade de Ciências e Tecnologia Campus Presidente Prudente REGULAMENTO TRABALHO FINAL DE GRADUAÇÃO TFG C U R S O D E A R Q U I T E T U R A E U

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE MATO GROSSO INSTITUTO DE EDUCAÇÃO CURSO DE PSICOLOGIA

UNIVERSIDADE FEDERAL DE MATO GROSSO INSTITUTO DE EDUCAÇÃO CURSO DE PSICOLOGIA UNIVERSIDADE FEDERAL DE MATO GROSSO INSTITUTO DE EDUCAÇÃO CURSO DE PSICOLOGIA REGULAMENTO DE ATIVIDADES COMPLEMENTARES ACADÊMICO-CIENTÍFICO-CULTURAIS CUIABA 2009 1 ATIVIDADES COMPLEMENTARES ACADEMICO-CIENTIFICO-CULTURAIS

Leia mais

REGULAMENTO DOS TRABALHOS DE CONCLUSÃO DE CURSO

REGULAMENTO DOS TRABALHOS DE CONCLUSÃO DE CURSO REGULAMENTO DOS TRABALHOS DE CONCLUSÃO DE CURSO CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES INICIAIS Art. 1º - O Trabalho de Conclusão de Curso (TCC) constitui-se como atividade facultativa e tem como objetivos: I - Desenvolver

Leia mais

SUMÁRIO MANUAL DE ORIENTAÇÃO E DE PROCEDIMENTOS. DELIBERAÇÃO CEE N 138/2016 / Nº 148/2016/ Resolução SE 51/2017

SUMÁRIO MANUAL DE ORIENTAÇÃO E DE PROCEDIMENTOS. DELIBERAÇÃO CEE N 138/2016 / Nº 148/2016/ Resolução SE 51/2017 SUMÁRIO MANUAL DE ORIENTAÇÃO E DE PROCEDIMENTOS DELIBERAÇÃO CEE N 138/2016 / Nº 148/2016/ Resolução SE 51/2017 Autorização de Funcionamento de Escola...01/02 Transferência de Mantenedor...03 Mudança de

Leia mais

ORIENTAÇÕES ESPECÍFICAS DE ESTÁGIO EDUCAÇÃO FÍSICA LICENCIATURA

ORIENTAÇÕES ESPECÍFICAS DE ESTÁGIO EDUCAÇÃO FÍSICA LICENCIATURA ORIENTAÇÕES ESPECÍFICAS DE ESTÁGIO EDUCAÇÃO FÍSICA LICENCIATURA ESTÁGIO SUPERVISIONADO Conforme previsto na Resolução n o 7 datada do ano de 2004 do CNE/CES, após finalizar a primeira metade do curso,

Leia mais

CTIC - Centro de Pesquisa e Desenvolvimento em Tecnologias. Digitais para Informação e Comunicação CHAMADA DE PROJETOS. Cidades Inteligentes

CTIC - Centro de Pesquisa e Desenvolvimento em Tecnologias. Digitais para Informação e Comunicação CHAMADA DE PROJETOS. Cidades Inteligentes CTIC - Centro de Pesquisa e Desenvolvimento em Tecnologias Digitais para Informação e Comunicação CHAMADA DE PROJETOS Cidades Inteligentes O Centro de Pesquisa e Desenvolvimento em Tecnologias Digitais

Leia mais

CONTROLE DE EQUIPAMENTOS DE MONITORAMENTO E MEDIÇÃO

CONTROLE DE EQUIPAMENTOS DE MONITORAMENTO E MEDIÇÃO Folha 1 de 7 Controle de revisão Revisão Data Item Descrição das alterações -- 01/09/2010 -- Emissão inicial 01 10/02/2012 6.5.2 Certificado de padrão utilizado 02 09/11/2012 6.0 Inclusão da Nota 2 03

Leia mais

REGULAMENTO DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO DO CURSOS DE LICENCIATURA EM CIÊNCIAS BIOLÓGICAS DA UTFPR-DV

REGULAMENTO DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO DO CURSOS DE LICENCIATURA EM CIÊNCIAS BIOLÓGICAS DA UTFPR-DV Ministério da Educação Universidade Tecnológica Federal do Paraná REGULAMENTO DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO DO CURSOS DE LICENCIATURA EM CIÊNCIAS BIOLÓGICAS DA UTFPR-DV APROVADO EM REUNIÃO ORDINÁRIA DO COLEGIADO

Leia mais

Universidade Severino Sombra

Universidade Severino Sombra Fundação Educacional Severino Sombra Universidade Severino Sombra Pró-Reitoria de Extensão Universitária Formulário para Proposta de Ação de Extensão Universitária Nº:. I. As propostas de Ação de Extensão,

Leia mais

Edital Nº 03/2017 Edital de Bolsas de Pesquisa para Servidores Técnico- Administrativos no NUPLAM/ UFRN - Processo Seletivo 2017

Edital Nº 03/2017 Edital de Bolsas de Pesquisa para Servidores Técnico- Administrativos no NUPLAM/ UFRN - Processo Seletivo 2017 Edital Nº 03/2017 Edital de Bolsas de Pesquisa para Servidores Técnico- Administrativos no NUPLAM/ UFRN - Processo Seletivo 2017 O Núcleo de Pesquisa em Alimentos e Medicamentos (NUPLAM) torna público

Leia mais

Módulo 4. Estrutura da norma ISO Sistemas de Gestão da Qualidade - Requisitos Requisitos 5.4, 5.5 e 5.6 Exercícios

Módulo 4. Estrutura da norma ISO Sistemas de Gestão da Qualidade - Requisitos Requisitos 5.4, 5.5 e 5.6 Exercícios Módulo 4 Estrutura da norma ISO 9001-2008 Sistemas de Gestão da Qualidade - Requisitos Requisitos 5.4, 5.5 e 5.6 Exercícios 5.4 - Planejamento 5.4.1 - Objetivos da qualidade Os objetivos da qualidade devem

Leia mais

REGULAMENTO DE ESTÁGIO OBRIGATÓRIO E NÃO OBRIGATÓRIO DO CURSO DE TURISMO CAPÍTULO I DA NATUREZA

REGULAMENTO DE ESTÁGIO OBRIGATÓRIO E NÃO OBRIGATÓRIO DO CURSO DE TURISMO CAPÍTULO I DA NATUREZA REGULAMENTO DE ESTÁGIO OBRIGATÓRIO E NÃO OBRIGATÓRIO DO CURSO DE TURISMO CAPÍTULO I DA NATUREZA Art. 1º O Projeto Pedagógico do Curso Turismo da UFPR prevê a realização de estágio nas modalidades de obrigatório

Leia mais

REGULAMENTO DE ESTÁGIO DO CURSO DE LICENCIATURA EM COMPUTAÇÃO

REGULAMENTO DE ESTÁGIO DO CURSO DE LICENCIATURA EM COMPUTAÇÃO REGULAMENTO DE ESTÁGIO DO CURSO DE LICENCIATURA EM COMPUTAÇÃO Capítulo I DA NATUREZA Art. 1º. O Projeto Pedagógico do Curso de Licenciatura em Computação do Câmpus Jandaia do Sul da UFPR prevê a realização

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO DE FUNCIONAMENTO DOS LABORATÓRIOS DIDÁTICOS DE COMPUTAÇÃO I E II (LDC)

REGULAMENTO INTERNO DE FUNCIONAMENTO DOS LABORATÓRIOS DIDÁTICOS DE COMPUTAÇÃO I E II (LDC) REGULAMENTO INTERNO DE FUNCIONAMENTO DOS LABORATÓRIOS DIDÁTICOS DE COMPUTAÇÃO I E II (LDC) Considera-se Laboratório Didático de Computação, o laboratório composto por microcomputadores agrupados num único

Leia mais

REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES DOS CURSOS DE LICENCIATURA

REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES DOS CURSOS DE LICENCIATURA Anexo à Portaria nº 19, de 12 de fevereiro de 2007. REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES DOS CURSOS DE LICENCIATURA CAPÍTULO I DA NATUREZA E DAS FINALIDADES 2 CAPÍTULO II DA REALIZAÇÃO DAS ATIVIDADES

Leia mais

9.4 Trabalho de Conclusão de Curso TCC

9.4 Trabalho de Conclusão de Curso TCC 9.4 Trabalho de Conclusão de Curso TCC O Trabalho de Conclusão de Curso (TCC) é uma atividade obrigatória no curso de Tecnologia em Análise e Desenvolvimento de Sistemas. Tal atividade é orientada por

Leia mais

Elaborado por: 19/06/2006 Revisado por: 19/06/2006 Aprovado por: 19/06/2006

Elaborado por: 19/06/2006 Revisado por: 19/06/2006 Aprovado por: 19/06/2006 01/05 Elaborado por: 19/06/2006 isado por: 19/06/2006 provado por: 19/06/2006 Eduardo Teixeira de Souza Ruas SMT/MTZ Gilmar Wagner Carvalho SMT/MTZ irton Ferreira DMT/MTZ Objetivos: Estabelecer ações para

Leia mais

Cidade UF CEP DDD/Telefone DDD/FAX. Município UF DDD/Celular

Cidade UF CEP DDD/Telefone DDD/FAX. Município UF DDD/Celular PLANO DE TRABALHO PROJETO CIDADES DIGITAIS (PAC2) 1 DADOS CADASTRAIS Nome da prefeitura CNPJ Endereço da sede da prefeitura Cidade UF CEP DDD/Telefone DDD/FAX E-mail da prefeitura Nome do prefeito C.I./Órgão

Leia mais

RELATÓRIO. Raimundo Gadelha Fontes Filho (Assessor de Suporte e Informática) Josinécia de Cássia Oliveira (Assessoria Web designer)

RELATÓRIO. Raimundo Gadelha Fontes Filho (Assessor de Suporte e Informática) Josinécia de Cássia Oliveira (Assessoria Web designer) RELATÓRIO Relatório das atividades do 1º trimestre/2016 do Setor de Suporte e Informática/UFPB. EQUIPE: Raimundo Gadelha Fontes Filho (Assessor de Suporte e Informática) Josinécia de Cássia Oliveira (Assessoria

Leia mais

CURSO DE GRADUAÇÃO TECNOLÓGICA EM SECRETARIADO EXECUTIVO. Regulamento de Atividades Complementares

CURSO DE GRADUAÇÃO TECNOLÓGICA EM SECRETARIADO EXECUTIVO. Regulamento de Atividades Complementares CURSO DE GRADUAÇÃO TECNOLÓGICA EM SECRETARIADO EXECUTIVO Regulamento de Atividades Complementares O presente Regulamento disciplina o funcionamento e o registro acadêmico das Atividades Complementares

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA PARA CONTRATAÇÃO DE PESSOA FÍSICA CONSULTOR POR PRODUTO

TERMO DE REFERÊNCIA PARA CONTRATAÇÃO DE PESSOA FÍSICA CONSULTOR POR PRODUTO Organização dos Estados Ibero-americanos Para a Educação, a Ciência e a Cultura TERMO DE REFERÊNCIA PARA CONTRATAÇÃO DE PESSOA FÍSICA CONSULTOR POR 1. Título do Projeto: Aprimoramento da sistemática de

Leia mais