Apoio do BNDES à Infraestrutura. Comissão de Obras Públicas, Privatização e Concessões da CBIC Brasília 17 de março de 2016

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Apoio do BNDES à Infraestrutura. Comissão de Obras Públicas, Privatização e Concessões da CBIC Brasília 17 de março de 2016"

Transcrição

1 Apoio do BNDES à Infraestrutura Comissão de Obras Públicas, Privatização e Concessões da CBIC Brasília 17 de março de 2016

2 BNDES

3 Desembolsos do BNDES Infraestrutura representa mais de 1/3 R$ bilhões % 12% 12% 13% 16% 7% 8% 6% 5% 6% 31% 36% 40% 39% 31% 21% 7% 28% 27% 28% 7% 10% 9% 22% 11% 40% 34% 33% 37% 38% 53% 41% 43% 47% 47% 32% 31% 30% 27% 29% S Indústria Infraestrutura Agropecuária Comércio, Serviços e Serviços e Setor Público

4 Apoio a infraestrutura no BNDES Os vários setores são atendidos por diferentes áreas A Área de Infraestrutura do BNDES compreende uma parte dos segmentos geralmente classificados como "Infraestrutura" Área Industrial (AI) Telecomunicação Área de Infraestrutura Social (AS) Mobilidade Urbana Área de Infraestrutura (AIE) Energia Elétrica Área de Insumos Básicos (AIB) Óleo e Gás Saneamento Energia Renovável Transportes e Logística

5 Energia Elétrica e Logística

6 O que apoiamos Projetos de Infraestrutura Energia elétrica; Fontes renováveis de energia; Logística e transportes.

7 Carteira de Projetos da AIE (em 13/01/16) SETOR Quant. Projetos Valor do Apoio Inv. Total Geração Hidrelétrica Valores em R$ Mil Geração Eólica Rodovias Transmissão E.E Distribuição E.E Portos Ferrovias Aeroportos Geração Nuclear Transporte Dutoviário Geração Termelétrica PCH Navegação Cogeração Terminais e Armazéns Inovação Racionalização Energia Transporte Aéreo Outros TOTAL Operações em desembolso e aprovadas (71%), em análise (23%) e com carta consulta (6%).

8 Evolução dos Desembolsos Hidrelétricas Térmicas Nuclear Energias Alternativas Distribuidoras Transmissoras Ferrovias Rodovias Portos Navegação Aeroportos Outros R$ milhões Variação Anual + 80% - 23% - 10% + 111% + 21% + 85% - 5% + 23% + 31% + 16% + 5% - 2%

9 Energia: Aprovações 2007 a 2015 Segmento Capacidade Nº de Projetos Financiamento BNDES (R$ Mil) Valores em R$ mil Investimento Previsto (R$ Mil) 1. Geração MW Hidrelétricas MW Eólicas MW Termelétricas MW PCH MW Nuclear MW Biomassa 573 MW Transmissão Km Distribuição Racionalização TOTAL

10 Logística: Aprovações 2007 a 2015 Segmento Capacidade Nº de Projetos Financiamento BNDES (R$ Mil) Valores em R$ mil Investimento Previsto (R$ Mil) Rodovias Km Ferrovias Portos Aeroportos e Transporte Aéreo 523 Km, Vagões e 501 Locomotivas Toneladas por Ano Passageiros por Ano Navegação 155 Embarcações Transporte Dutoviário Km Terminais e Armazéns Toneladas por Ano Outros TOTAL

11 Formas de Apoio

12 Estrutura do financiamento a concessões Adequada alocação de riscos // 12 o o Estabilidade econômica e jurídica Riscos não-gerenciáveis assumidos pela autoridade governamental o o Informações técnicas detalhadas (reduzindo o risco de construção) Risco de licenciamento ambiental Governo Investidores Equity/ Mezzanine investors Taxa de retorno compatível Equity Concessionária Usuários Dívida Garantias Obra Forte Demanda Serviço de qualidade e tarifa adequada BNDES Bancos Mercado de Capitais Adequada estrutura de financiamento (prazos adequados, taxas competitivas e garantias)

13 Corporate Finance Corporate Finance Garantias ligadas aos acionistas; Cálculo do rating do acionista; Cálculo do Limite de Crédito; Análise Cadastral; Análise econômico-financeira da empresa; Análise da Taxa Interna de Retorno e Capacidade de pagamento; Análise de mercado, competitividade e estratégia da empresa.

14 O Project Finance e a estruturação do funding Project Finance - Financiamento de um projeto específico e não de todos os negócios de uma empresa, segregando custos, receitas e riscos do projeto através de uma sociedade de propósito específico (SPE).

15 Project Finance: estruturação Poder concedente Acionistas Órgãos ambientais Financiadores/ Debenturistas SPE concessionária Clientes/ usuários Seguradoras Consórcio EPC Contrato de O&M

16 Project Finance: características SPE Segregação dos fluxos de caixa, patrimônio e riscos do projeto. Fluxo de caixa Previsibilidade da receita. Suficiência para saldar os compromissos do projeto autossustentabilidade econômica da concessão. Alavancagem Dimensionamento das dívidas devem observar a capacidade de pagamento do projeto, projetada mediante um Índice de Cobertura do Serviço da Dívida (ICSD) que acomode variações no fluxo de caixa: EBTIDA/Serviço da Dívida 1,2.

17 Project Finance: características Garantias do projeto Constituição diferenciada de garantias durante a fase de implantação e operação. Receitas futuras, ativos e direitos emergentes do projeto devem ser vinculados/cedidos aos financiadores. Acionistas Capital próprio dos acionistas compatível com o risco e retorno do projeto. Equity mínimo de 20% dos investimentos. Restrições a quaisquer retirada de recursos da SPE que possam comprometer a execução do projeto. Construção Contratos devem comprometer empreiteiros e/ou fornecedores com a conclusão do projeto dentro do orçamento, especificações técnicas, desempenho e cronograma predeterminado (EPC).

18 Condições de financiamento PO 2016 Alterações com relação à PO 2015 Setor Energia Hidrelétricas > 30 MW Energia Eólica, Solar, PCHs e outras energias alternativas Geração Não Renovável (Leilão) Geração Não Renovável (Fora Leilão) Custo Financeiro Condições da PO 2015 Condições da PO 2016 Remuner. Básica Particip. Máxima Custo Financeiro Remune r. Básica Particip. Máxima TJLP 1,2% 50% TJLP 1,5% 70% TJLP 1,2% 70% TJLP 1,5% 70% TJLP 1,5% 50% TJLP 1,5% 70% 50% TJLP 50% Merc 2,0% 30% 50% TJLP 50% Merc 1,5% 50% Transmissão TJLP 1,2% 50% TJLP 1,5% 70% Distribuição de Energia 50% TJLP 50% Merc (*) com emissão de Debentures Corporativas 1,5% 50% 70% TJLP 30% Merc (*) 1,5% 50%

19 Condições de financiamento PO 2016 Alterações com relação à PO 2015 // 19 Setor Pro-Logística Ferrovias e Hidrovias Rodovias (1º ciclo) Rodovias (2º ciclo) Portos Aeroportos (1º e 2º ciclos) Dutos Operadores Logísticos Custo Financeiro Condições da PO 2015 Condições da PO 2016 Remuner. Básica Particip. Máxima Custo Financeiro Remuner. Básica Particip. Máxima TJLP 1,2% 70% TJLP 1,5% 80% 50% TJLP 50% Merc 50% TJLP 50% Merc 50% TJLP 50% Merc 50% TJLP 50% Merc 50% TJLP 50% Merc 50% TJLP 50% Merc 1,5% 70% 70% TJLP 30% Merc 1,5% 70% 1,5% 30% TJLP 1,5% 40% 1,5% 50% 70% TJLP 30% Merc 1,5% 70% 1,5% 30% TJLP 1,5% 40% 1,5% 50% 1,5% 50% 70% TJLP 30% Merc 70% TJLP 30% Merc 1,5% 50% 1,5% 70%

20 Condições de financiamento PO 2016 Acréscimo de TJLP com a emissão de debêntures // 20 RODOVIAS (1º Ciclo) e PORTOS As proporções abaixo são meramente ilustrativas: para fins didáticos, foi adotada alavancagem de 80% dos itens financiáveis Sem debêntures Até 70% 49% 21% 10% 20% Mínimo debêntures 10% 49% 10% 11% 20% Máximo debêntures 10% 49% 21% 20% Obs: A participação em Equity/Geração de caixa está condicionada ao nível de alavancagem permitido para o projeto, de acordo com o índice de cobertura do serviço da dívida. 20% é a proporção mínima. Finem TJLP TJLP adicional (Pro-Logística) Finem Mercado Associado Debêntures de infraestrutura Equity/ Geração de caixa Finem Mercado Opcional (ou outras fontes)

21 Condições de financiamento PO 2016 Acréscimo de TJLP com a emissão de debêntures // 21 RODOVIAS (2º Ciclo) e AEROPORTOS As proporções abaixo são meramente ilustrativas: para fins didáticos, foi adotada alavancagem de 80% dos itens financiáveis Sem debêntures 40% 40% 20% Mínimo debêntures 40% 10% 10% 20% 20% Máximo debêntures 40% 10% 30% 20% Obs: A participação em Equity/Geração de caixa está condicionada ao nível de alavancagem permitido para o projeto, de acordo com o índice de cobertura do serviço da dívida. 20% é a proporção mínima. Finem TJLP TJLP adicional (Pro-Logística) Debêntures de infraestrutura Equity/ Geração de caixa Finem Mercado Opcional (ou outras fontes)

22 Condições de financiamento PO 2016 Setores com elevada participação em TJLP // 22 FERROVIAS e HIDROVIAS (inclusive material rodante e embarcações) As proporções abaixo são meramente ilustrativas: para fins didáticos, foi adotada alavancagem de 80% dos itens financiáveis Até 80% 80% 20% Obs: A participação em Equity/Geração de caixa está condicionada ao nível de alavancagem permitido para o projeto, de acordo com o índice de cobertura do serviço da dívida. 20% é a proporção mínima. Finem TJLP Equity/ Geração de caixa

23 BNDES e a Debênture de Projeto Possibilidade de agregar às fontes do projeto Debêntures com colocação pública; Compartilhamento de garantias entre credores de longo prazo e debenturistas; Cláusula de vencimento cruzado com o financiamento de longo prazo; Possibilidade de aumento na alavancagem dos projetos em cerca de 10%, com utilização do sistema de amortização de SAC para PRICE; Amortização das debêntures modulada de acordo com a amortização do financiamento do BNDES, observadas as características de cada projeto.

24 BNDES e a Debênture de Projeto Exemplo: Linha de Transmissão 1) Investimento = R$ 314,8 milhões Financiamento = R$ 142,2 milhões 2) Debênture = R$ 40 milhões

25 Valor (R$ Mil) Nº Projetos Debêntures de Projeto Aprovadas Anos 0

26 Mercado de Debêntures (Setor de Infraestrutura) // 26 Estatística Setorial: Debêntures Incentivadas Setor Volume (R$ Milhões) Nº de Emissões Volume Emitido por Setor Rodoviário Ferroviário Hidrelétrico Linhas de Transmissão Distribuição de Gás Aeroportos Parque Eólico Portos Parque Eólico 4% Aeroportos 6% Distribuição de Gás 6% Linhas de Transmissão 7% Portos 2% Termelétrico 2% Saneamento Básico 1% Rodoviário 34% Telecomunicações 1% Termelétrico Saneamento Básico Telecomunicações Total Hidrelétrico 15% Ferroviário 22% Fonte: Anbima (fev/2016) o o O volume total de emissões de debêntures de infraestrutura (art 2º da Lei ) já realizadas é de R$ 15,1 bilhões Os segmentos que mais emitiram foram rodovias, ferrovias e geração hidrelétrica

27 Mercado de Debêntures de Infraestrutura Participação do BNDES nas Emissões de Debêntures Incentivadas // 27 Das 52 ofertas de debêntures incentivadas já realizadas, o BNDES foi alocado em 16 operações, respondendo por apenas 9,2% do mercado em valor Investidor Volume Alocado (R$ milhões) % BNDES ,2% Alocação Debêntures Incentivadas BNDES 9,20% Pessoas Físicas ,1% Estrangeiros 215 1,4% Outros ,3% Total % *Outros: Assets, Entidades de Previdência Privada, Companhias Seguradoras, Bancos, Instituições Financeiras ligadas às Emissoras e Instituições Intermediárias da Oferta Estrangeiros 1,40% Outros 39,30% Pessoas Físicas 50,10% Fonte: BNDES (fev/2016) e 25ª Ed. Boletim Informativo de Debêntures Incentivadas da Secretaria de Acompanhamento Econômico

28 Mercado de Debêntures de Infraestrutura Pipeline de curto prazo // 28 O Pipeline de projetos para 2016 prevê 33 operações incentivadas, totalizando R$ 5 bilhões em volume de debêntures Setor Volume Estimado (R$ Milhões) Nº de Emissões Rodoviário Volume Estimado por Setor Aeroportos 8% Linhas de Transmissão 10% Hidrelétrico 3% Parque Eólico Linhas de Transmissão Aeroportos Rodoviário 55% Hidrelétrico Total Parque Eólico 24% Fonte: BNDES (fev/2016) Fonte: BNDES (fev/2016)

29 Perspectivas

30 Perspectivas de investimento // 30 Setores Investimento R$ bi Rodovias 38,0 Aeroportos 15% Ferrovias Portos 14,1 9,9 Portos 14% Rodovias 52% Aeroportos 11,0 Ferrovias 19% Total 73,0 BNDES, 2016

31 Portal do BNDES

32 Obrigado!

BNDES: Apresentação ABIMAQ - GAMESA

BNDES: Apresentação ABIMAQ - GAMESA BNDES: Apresentação ABIMAQ - GAMESA Fevereiro de 2016 Classificação: Documento Ostensivo Unidade Gestora: GP/DEDIV/GATE 1. Aspectos Institucionais Apoio a infraestrutura no BNDES Os vários setores são

Leia mais

Apoio do BNDES a projetos de Energia Elétrica

Apoio do BNDES a projetos de Energia Elétrica Apoio do BNDES a projetos de Energia Elétrica Eduardo Chagas Departamento de Energia Elétrica Área de Infraestrutura Maio de 2015 Papel da infraestrutura na retomada do crescimento Tendo em vista as dificuldades

Leia mais

O BNDES e o Setor Elétrico Jun / 2014

O BNDES e o Setor Elétrico Jun / 2014 O BNDES e o Setor Elétrico Jun / 2014 Quem somos Fundado em 20 de Junho de 1952 Empresa pública de propriedade integral da União Instrumento chave para implementação da Política Industrial, de Infraestrutura

Leia mais

QUALIDADE DE PROJETOS E FINANCIAMENTO: Como alavancar o investimento em infraestrutura?

QUALIDADE DE PROJETOS E FINANCIAMENTO: Como alavancar o investimento em infraestrutura? QUALIDADE DE PROJETOS E FINANCIAMENTO: Como alavancar o investimento em infraestrutura? Edson Dalto Departamento de Transportes e Logística (DELOG) Área de Infraestrutura São Paulo, mar/16 (o conteúdo

Leia mais

Apoio do BNDES à Infraestrutura. Rio de Janeiro Março de 2013

Apoio do BNDES à Infraestrutura. Rio de Janeiro Março de 2013 Apoio do BNDES à Infraestrutura Rio de Janeiro Março de 2013 Aspectos Institucionais Quem somos Fundado em 20 de Junho de 1952; Empresa pública de propriedade integral da União; Instrumento chave para

Leia mais

Apoio do BNDES ao Setor de Energia Solar Agosto 2016

Apoio do BNDES ao Setor de Energia Solar Agosto 2016 Apoio do BNDES ao Setor de Energia Solar Agosto 2016 O Apoio do BNDES ao Setor de Energia Solar 1. Aspectos Institucionais 2. Aspectos Setoriais 3. Critérios de análise Corporate Finance Project Finance

Leia mais

Infraestrutura logística: condições de financiamento e incentivos à participação do mercado de capitais

Infraestrutura logística: condições de financiamento e incentivos à participação do mercado de capitais Infraestrutura logística: condições de financiamento e incentivos à participação do mercado de capitais Cleverson Aroeira Chefe de Departamento de Transportes e Logística (DELOG) Área de Infraestrutura

Leia mais

Setor Elétrico Brasileiro: Crescimento e desafios. Márcia Leal Departamento de Energia Elétrica Área de Infraestrutura

Setor Elétrico Brasileiro: Crescimento e desafios. Márcia Leal Departamento de Energia Elétrica Área de Infraestrutura Setor Elétrico Brasileiro: Crescimento e desafios Márcia Leal Departamento de Energia Elétrica Área de Infraestrutura Matriz Elétrica Brasileira (31/08/2015) 13% 23% Térmicas 29% Eólicas 5% Outros 2% Hidro

Leia mais

Junho de Modelos de Financiamento aos Projetos de Energia Renovável

Junho de Modelos de Financiamento aos Projetos de Energia Renovável Junho de 2016 Modelos de Financiamento aos Projetos de Energia Renovável Líderes em Renováveis Investimentos em 2014 3 Source: Renewables 2015 Global Status Report (year base: 2014) Participação das renováveis

Leia mais

FIESP - Workshop Financiar para Crescer

FIESP - Workshop Financiar para Crescer 1 FIESP - Workshop Financiar para Crescer BNDES e o Financiamento à Infraestrutura 30 de novembro de 2016 Guilherme Montoro Conjuntura Macro Esgotamento do modelo de crescimento baseado na expansão do

Leia mais

BNDES e o apoio à Infraestrutura. Agosto de 2016

BNDES e o apoio à Infraestrutura. Agosto de 2016 BNDES e o apoio à Infraestrutura Agosto de 2016 Quem somos Fundado em 20 de Junho de 1952. Empresa pública de propriedade integral da União. Instrumento chave para implementação da política industrial,

Leia mais

Março de BNDES e a Energia Elétrica. Apresentação para ABRAPCH

Março de BNDES e a Energia Elétrica. Apresentação para ABRAPCH Março de 2017 BNDES e a Energia Elétrica Apresentação para ABRAPCH Sistema BNDES // 2 Financiamentos de longo prazo BNDESPAR FINAME Participações Societárias Produção e Aquisição de Máquinas e Equipamentos

Leia mais

Apoio do BNDES à Infraestrutura. Rio de Janeiro Junho de 2013

Apoio do BNDES à Infraestrutura. Rio de Janeiro Junho de 2013 Apoio do BNDES à Infraestrutura Rio de Janeiro Junho de 2013 Aspectos Institucionais Quem somos Fundado em 20 de Junho de 1952; Empresa pública de propriedade integral da União; Instrumento chave para

Leia mais

O Financiamento das Concessões

O Financiamento das Concessões O Financiamento das Concessões Marcos Brito Gerente do Depto de Transportes e Logística Área de Infraestrutura Salvador, 25/09/2015 (o conteúdo da apresentação é de responsabilidade exclusiva do palestrante

Leia mais

Cenários sobre programas especiais de financiamento para o setor de logística e do transporte rodoviário de cargas em 2016

Cenários sobre programas especiais de financiamento para o setor de logística e do transporte rodoviário de cargas em 2016 Cenários sobre programas especiais de financiamento para o setor de logística e do transporte rodoviário de cargas em 2016 Edson Dalto Gerente do Departamento de Transportes e Logística (DELOG) Área de

Leia mais

Apoio do BNDES à Infraestrutura

Apoio do BNDES à Infraestrutura Apoio do BNDES à Infraestrutura Seminário de Infraestrutura e Construção Pesada - FGV Setembro 2014 Aspectos Institucionais Quem somos Fundado em 20 de Junho de 1952 Empresa pública de propriedade integral

Leia mais

Alternativas para Financiamento em Projetos de Energia Elétrica VIEX 13/09/ 2017

Alternativas para Financiamento em Projetos de Energia Elétrica VIEX 13/09/ 2017 1 Alternativas para Financiamento em Projetos de Energia Elétrica VIEX 13/09/ 2017 Apoio do BNDES ao Setor Elétrico 2 3 Diretrizes de Atuação do BNDES Setor Elétrico é uma das infraestruturas prioritárias

Leia mais

Apoio do BNDES ao Setor Elétrico

Apoio do BNDES ao Setor Elétrico Apoio do BNDES ao Setor Elétrico Márcia Leal Chefe do Departamento de Energia Elétrica Área de Infraestrutura mleal@bndes.gov.br Maio 2012 O BNDES Evolução dos desembolsos 168,4 R$ bilhão 137,4 140,0 92,2

Leia mais

CONFERÊNCIA INTERNACIONAL DE AEROPORTOS

CONFERÊNCIA INTERNACIONAL DE AEROPORTOS CONFERÊNCIA INTERNACIONAL DE AEROPORTOS FIESP CIESP Ricardo Cunha da Costa Assessor da Área de Infraestrutura BNDES Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social 24 de Abril de 2009 1 Missão e Visão

Leia mais

Oficina de Integração Aérea Sulamericana

Oficina de Integração Aérea Sulamericana Oficina de Integração Aérea Sulamericana O apoio do BNDES aos projetos de integração e de infraestrutura aérea Cleverson Aroeira Chefe do Deptº de Transportes e Logística do BNDES Rio de Janeiro, Brasil

Leia mais

Financiabilidade de projetos voltados para o mercado livre

Financiabilidade de projetos voltados para o mercado livre FÓRUM ABRACEEL - CANALENERGIA Financiabilidade de projetos voltados para o mercado livre Nelson Siffert Chefe do Departamento de Energia Elétrica BNDES Rio de Janeiro, 05.10.2007 BRASIL: NOVO CICLO DE

Leia mais

O Apoio do BNDES ao Setor de PCHs. Campinas, 30 de Outubro de 2013.

O Apoio do BNDES ao Setor de PCHs. Campinas, 30 de Outubro de 2013. O Apoio do BNDES ao Setor de PCHs Campinas, 30 de Outubro de 2013. Evolução dos Desembolsos Hidrelétricas Térmicas Nuclear Energias Alternativas Distribuidoras Transmissoras Ferrovias Rodovias Portos,

Leia mais

Viabilização de Investimentos no Setor Elétrico. ABiNEE TEC Nelson Siffert São Paulo 24 de abril de Foto: Usina Hidrelétrica Barra Grande

Viabilização de Investimentos no Setor Elétrico. ABiNEE TEC Nelson Siffert São Paulo 24 de abril de Foto: Usina Hidrelétrica Barra Grande 1 Viabilização de Investimentos no Setor Elétrico ABiNEE TEC 2007 Foto: Usina Hidrelétrica Barra Grande Nelson Siffert São Paulo 24 de abril de 2007 Agenda BNDES Financiamentos do BNDES - Setor Elétrico

Leia mais

Apresentação Institucional BNDES Cadeia Fotovoltaica

Apresentação Institucional BNDES Cadeia Fotovoltaica Apresentação Institucional BNDES Cadeia Fotovoltaica Quem somos Fundado em 1952, O BNDES é uma empresa pública federal, cuja missão é o desenvolvimento sustentável e competitivo da economia brasileira,

Leia mais

8º Encontro de Logística e Transportes - FIESP. Roberto Zurli Machado

8º Encontro de Logística e Transportes - FIESP. Roberto Zurli Machado 8º Encontro de Logística e Transportes - FIESP Roberto Zurli Machado Maio, 2013 Agenda Ações do Governo Federal - Logística Atuação do BNDES Ações do Governo Federal Logística Logística e Transportes Posicionamento

Leia mais

Seminário e Oficina Técnica ABDE-BID: Papel das Instituições Financeiras de Desenvolvimento (IFDs) no Financiamento de Infraestrutura Sustentável

Seminário e Oficina Técnica ABDE-BID: Papel das Instituições Financeiras de Desenvolvimento (IFDs) no Financiamento de Infraestrutura Sustentável Seminário e Oficina Técnica ABDE-BID: Papel das Instituições Financeiras de Desenvolvimento (IFDs) no Financiamento de Infraestrutura Sustentável Instrumentos Inovadores de IFDs no financiamento de Infraestrutura

Leia mais

Necessidade de Adaptação dos Instrumentos de Financiamento de Energia Renovável ALBERTO C. TOMELIN UFRJ MIGUEL VAZQUEZ UFF MICHELLE HALLACK UFF

Necessidade de Adaptação dos Instrumentos de Financiamento de Energia Renovável ALBERTO C. TOMELIN UFRJ MIGUEL VAZQUEZ UFF MICHELLE HALLACK UFF Necessidade de Adaptação dos Instrumentos de Financiamento de Energia Renovável ALBERTO C. TOMELIN UFRJ MIGUEL VAZQUEZ UFF MICHELLE HALLACK UFF Gramado Setembro de 2016 2 3 /37 Sinal de possíveis limitações

Leia mais

Infraestrutura e Logística Reflexos na Competitividade

Infraestrutura e Logística Reflexos na Competitividade Infraestrutura e Logística Reflexos na Competitividade Enaex Agosto, 2013 Luciano Coutinho Presidente 1 Brasil apresenta fundamentos compatíveis com o crescimento sustentável de Longo Prazo País possui

Leia mais

Novas políticas OPERACIONAIS. Condições

Novas políticas OPERACIONAIS. Condições Novas políticas OPERACIONAIS Condições Destaques 02 Ampliação de ACESSO AO CRÉDITO Ampliação de ACESSO A GARANTIAS Ampliação de ACESSO A CAPITAL DE GIRO com operações diretas (sem intermediação de agente

Leia mais

BRDE. 1º Workshop Nacional de CGH s ABRAPCH 28/03/2017 Tatiana Henn Gerente de Planejamento PR

BRDE. 1º Workshop Nacional de CGH s ABRAPCH 28/03/2017 Tatiana Henn Gerente de Planejamento PR BRDE 1º Workshop Nacional de CGH s ABRAPCH 28/03/2017 Tatiana Henn Gerente de Planejamento PR O BRDE Banco Regional de Desenvolvimento do Extremo Sul O BRDE Fundação: 1961 562 funcionários 3 agências localizadas

Leia mais

Workshop de Logística e Transportes

Workshop de Logística e Transportes Workshop de Logística e Transportes 1 Retomada dos investimentos em rodovias APOIO DO BNDES AO SETOR RODOVIÁRIO E ARQUITETURA DE NOVO MODELO PARA O CONCESSIONAMENTO FIESP São Paulo, 11/04/2018 Edson Dalto

Leia mais

Favereiro de BNDES Apoio à Energia Solar. Adriano Zanetti Área de Energia do BNDES

Favereiro de BNDES Apoio à Energia Solar. Adriano Zanetti Área de Energia do BNDES Favereiro de 2017 BNDES Apoio à Energia Solar Adriano Zanetti Área de Energia do BNDES O BNDES na Estrutura da União // 2 República Federativa do Brasil Poder Legislativo Poder Executivo Poder Judiciário

Leia mais

VI Brasil nos Trilhos: PPP no financiamento da Mobilidade Urbana. Agosto/2014

VI Brasil nos Trilhos: PPP no financiamento da Mobilidade Urbana. Agosto/2014 VI Brasil nos Trilhos: PPP no financiamento da Mobilidade Urbana Agosto/2014 Características dos investimentos no setor Montante elevado de recursos Longo prazo de implantação Modicidade tarifária Solução

Leia mais

Novas políticas OPERACIONAIS. Condições

Novas políticas OPERACIONAIS. Condições Novas políticas OPERACIONAIS Condições Destaques 02 Ampliação de ACESSO AO CRÉDITO Ampliação de ACESSO A GARANTIAS Ampliação de ACESSO A CAPITAL DE GIRO com operações diretas (sem intermediação de agente

Leia mais

Financiamentos de Projetos de Infra-Estrutura

Financiamentos de Projetos de Infra-Estrutura Financiamentos de Projetos de Infra-Estrutura BNDES Nelson Siffert Chefe do Departamento de Energia Elétrica BNDES Abril de 2004 BNDES - Histórico 1950 1960 1970 1980 1990 2000 Infra-estrutura (Energia

Leia mais

Brasil Solar Power 2016

Brasil Solar Power 2016 Brasil Solar Power 2016 Aprovações de Financiamento: 2003 a 2015 Segmentos Capacidade Projetos Financiamento BNDES R$ bilhões Investimentos UHEs 34.728 MW 52 66,3 107,9 Térmicas 6.578 MW 18 6,5 14,1 PCHs

Leia mais

Diretoria Executiva de Saneamento e Infraestrutura

Diretoria Executiva de Saneamento e Infraestrutura Diretoria Executiva de Saneamento e Infraestrutura 1 Visão Geral do Setor Visão Geral Setor Saneamento Grandes Números Brasil Abastecimento de Água Representação espacial do índice médio de atendimento

Leia mais

Necessidade de Adaptação dos Instrumentos de Financiamento de Energia Renovável. Alberto C. Tomelin UFRJ Miguel Vazquez - UFF Michelle Hallack - UFF

Necessidade de Adaptação dos Instrumentos de Financiamento de Energia Renovável. Alberto C. Tomelin UFRJ Miguel Vazquez - UFF Michelle Hallack - UFF Necessidade de Adaptação dos Instrumentos de Financiamento de Energia Renovável Alberto C. Tomelin UFRJ Miguel Vazquez - UFF Michelle Hallack - UFF Conteúdo 1. Introdução 2. O financiamento da energia

Leia mais

BNDES/SEBRAE. Seminário de Crédito Teresina - PI Energias. 07 de dezembro de 2018

BNDES/SEBRAE. Seminário de Crédito Teresina - PI Energias. 07 de dezembro de 2018 BNDES/SEBRAE 1 Seminário de Crédito Teresina - PI Energias 07 de dezembro de 2018 2 Como apoiamos? e atuamos Operações Diretas Realizadas diretamente com o BNDES Operações Indiretas Realizadas por meio

Leia mais

O setor de infraestrutura no Brasil: Como retomar os investimentos em infraestrutura. Venilton Tadini Presidente Executivo ABDIB

O setor de infraestrutura no Brasil: Como retomar os investimentos em infraestrutura. Venilton Tadini Presidente Executivo ABDIB O setor de infraestrutura no Brasil: Como retomar os investimentos em infraestrutura. Venilton Tadini Presidente Executivo ABDIB 28.05.19 1 R$ Bilhões Situação da Infraestrutura Investimentos Realizados

Leia mais

O Regime Jurídico das SPEs, Sócios Estatais e Privados, Financiamento do setor. São Paulo 30 de outubro de 2014

O Regime Jurídico das SPEs, Sócios Estatais e Privados, Financiamento do setor. São Paulo 30 de outubro de 2014 O Regime Jurídico das SPEs, Sócios Estatais e Privados, Financiamento do setor. São Paulo 30 de outubro de 2014 Sociedade de Propósito Específico Legislação Antes 2004 Lei 8.666/93 (Lei de Licitações):

Leia mais

Infra Finance Latam Logística: investimentos e fontes de recursos

Infra Finance Latam Logística: investimentos e fontes de recursos Infra Finance Latam 2013 Logística: investimentos e fontes de recursos Dalmo Marchetti Gerente Setorial do Deptº de Transportes e Logística do BNDES São Paulo, 11/03/2013 Blue Tree Faria Lima (o conteúdo

Leia mais

Apoio do BNDES à Infraestrutura. Lisboa 31 de maio de 2012

Apoio do BNDES à Infraestrutura. Lisboa 31 de maio de 2012 Apoio do BNDES à Infraestrutura Lisboa 31 de maio de 2012 Aspectos Institucionais Quem somos Fundado em 20 de Junho de 1952; Empresa pública de propriedade integral da União; Instrumento chave para implementação

Leia mais

6º Seminário ANBIMA de Mercado de Capitais: Concessionária Rota das Bandeiras

6º Seminário ANBIMA de Mercado de Capitais: Concessionária Rota das Bandeiras 6º Seminário ANBIMA de Mercado de Capitais: Concessionária Rota das Bandeiras 2 Debênture Projeto ( Project Bond ): Breve Histórico Governo do Estado de São Paulo licitou à iniciativa privada 5 corredores

Leia mais

39º Congresso Brasileiro da Previdência Complementar Fechada Governança e política de investimento à Luz da Resolução 4.661/18

39º Congresso Brasileiro da Previdência Complementar Fechada Governança e política de investimento à Luz da Resolução 4.661/18 39º Congresso Brasileiro da Previdência Complementar Fechada Governança e política de investimento à Luz da Resolução 4.661/18 Eliane Lustosa Diretora de Mercado de Capitais 11.09.2018 O CENÁRIO DO INVESTIMENTO

Leia mais

Investimentos realizados na infraestrutura em 2011 (público e privado)

Investimentos realizados na infraestrutura em 2011 (público e privado) Investimentos realizados na infraestrutura em 2011 (público e privado) ENERGIA ELÉTRICA R$ 39,6 bi PETRÓLEO E GÁS (*) R$ 73,3 bi TRANSPORTES E LOGÍSTICA R$ 30,6 bi TELECOMUNICAÇÕES R$ 21,8 bi SANEAMENTO

Leia mais

O Apoio do BNDES ao Setor de Energias Renováveis. 05 de maio

O Apoio do BNDES ao Setor de Energias Renováveis. 05 de maio O Apoio do BNDES ao Setor de Energias Renováveis 05 de maio Agenda: A Área de Infraestrutura do BNDES Modalidades de Financiamento Linhas de financiamento a Projetos de Energia Elétrica Apoio ao setor

Leia mais

Infraestrutura e Fundos de Pensão Igino Mattos

Infraestrutura e Fundos de Pensão Igino Mattos Infraestrutura e Fundos de Pensão Igino Mattos PPI Governo Federal O que é PPI? O Programa de Parcerias de Investimentos ( PPI ) foi o 2º ato do Governo Temer em Maio de 2016, buscando coordenar os esforços

Leia mais

Financiamento e Garantias para a Infraestrutura

Financiamento e Garantias para a Infraestrutura Seminário Financiamento e Garantias para a Infraestrutura ABDIB Associação Brasileira da Infraestrutura e Indústrias de Base São Paulo, 23 de maio de 2017 Claudio Coutinho Mendes 2 Atuação do BNDES: Liberações

Leia mais

PROJECT FINANCE PARTE 1. Prof. Dr. Eduardo Luzio Blog: Linked In: Eduardo Luzio

PROJECT FINANCE PARTE 1. Prof. Dr. Eduardo Luzio Blog:   Linked In: Eduardo Luzio PROJECT FINANCE PARTE 1 Prof. Dr. Eduardo Luzio Blog: http:/eduardoluzio.wordpress.com Linked In: Eduardo Luzio REVISÃO CONCEITOS & ESSÊNCIA 2 Essência: Um projeto sem Alavancagem Exemplo: investindo R$

Leia mais

EDP Energias do Brasil Resultado do Leilão para Concessão do Serviço Público de Transmissão de Energia Elétrica nº 05/2016

EDP Energias do Brasil Resultado do Leilão para Concessão do Serviço Público de Transmissão de Energia Elétrica nº 05/2016 EDP Energias do Brasil Resultado do Leilão para Concessão do Serviço Público de Transmissão de Energia Elétrica nº 05/2016 1 Disclaimer - Esta apresentação pode incluir declarações que representem expectativas

Leia mais

Superintendência Executiva de Saneamento e Infraestrutura para Grandes Empresas - SP

Superintendência Executiva de Saneamento e Infraestrutura para Grandes Empresas - SP Superintendência Executiva de Saneamento e Infraestrutura para Grandes Empresas - SP 1 Visão Geral do Setor Visão Geral Setor Saneamento Grandes Números Brasil Abastecimento de Água Representação espacial

Leia mais

FINANCIAMENTO A INFRAESTRUTURA ADAILTON FERREIRA TRINDADE SUPERINTENDENTE NACIONAL PARA SANEAMENTO E INFRAESTRUTURA

FINANCIAMENTO A INFRAESTRUTURA ADAILTON FERREIRA TRINDADE SUPERINTENDENTE NACIONAL PARA SANEAMENTO E INFRAESTRUTURA FINANCIAMENTO A INFRAESTRUTURA ADAILTON FERREIRA TRINDADE SUPERINTENDENTE NACIONAL PARA SANEAMENTO E INFRAESTRUTURA Atuação da CAIXA 2 Áreas de Atuação Carteira Ativa por Macrosegmento Saneamento e Infraestrutura

Leia mais

A ATUAÇÃO DA CAIXA NAS OPERAÇÕES DE INFRAESTRUTURA - PAC

A ATUAÇÃO DA CAIXA NAS OPERAÇÕES DE INFRAESTRUTURA - PAC A ATUAÇÃO DA CAIXA NAS OPERAÇÕES DE INFRAESTRUTURA - PAC Seminário Sistema Nacional de Fomento e o Crédito do Desenvolvimento: Condições e Possibilidades Carlos André Lins Rodriguez Gerente de Clientes

Leia mais

Maio/16. Oportunidade em Infraestrutura no Brasil...

Maio/16. Oportunidade em Infraestrutura no Brasil... Maio/16 Oportunidade em Infraestrutura no Brasil... Infraestrutura Oferta A infraestrutura Brasileira está aquém das economias mais relevantes do mundo e América Latina... Fórum Econômico Mundial: Relatório

Leia mais

Novas políticas OPERACIONAIS. Condições Financeiras

Novas políticas OPERACIONAIS. Condições Financeiras Novas políticas OPERACIONAIS Condições Financeiras Destaques Ampliação de ACESSO AO CRÉDITO Ampliação de ACESSO A GARANTIAS Ampliação de ACESSO A CAPITAL DE GIRO com operações diretas (sem intermediação

Leia mais

Fundo InfraPaulista, para apoiar concessões e PPPs nos Municípios

Fundo InfraPaulista, para apoiar concessões e PPPs nos Municípios Fundo InfraPaulista, para apoiar concessões e PPPs nos Municípios Agosto de 2017 QUEM SOMOS A Desenvolve SP é a instituição financeira do Estado de São Paulo que promove o desenvolvimento da economia por

Leia mais

AS PERSPECTIVAS E O PAPEL DO BNDES NO ESTÍMULO AO FINANCIAMENTO DE LONGO PRAZO E NO MERCADO DE RENDA FIXA

AS PERSPECTIVAS E O PAPEL DO BNDES NO ESTÍMULO AO FINANCIAMENTO DE LONGO PRAZO E NO MERCADO DE RENDA FIXA 5º Seminário ANBIMA de Renda Fixa e Derivativos de balcão Painel I: //1 Evolução recente do mercado de títulos privados AS PERSPECTIVAS E O PAPEL DO BNDES NO ESTÍMULO AO FINANCIAMENTO DE LONGO PRAZO E

Leia mais

Os desafios da transmissão: Financiamento via Debêntures de Infraestrutura

Os desafios da transmissão: Financiamento via Debêntures de Infraestrutura Ministério da Fazenda Secretaria de Política Econômica Os desafios da transmissão: Financiamento via Abril, 2016 Financiamento à Infraestrutura Debêntures Bancos Privados Projetos de Infraestrutura Equity

Leia mais

Apresentação Institucional. Novembro de 2016

Apresentação Institucional. Novembro de 2016 Apresentação Institucional Novembro de 2016 Agenda Criação da Empresa Perfil Corporativo Investimentos 2 Agenda Criação da Empresa Perfil Corporativo Investimentos 3 Aliança Geração de Energia e Aliança

Leia mais

PROGRAMA DE PARCERIAS DE INVESTIMENTOS (PPI)

PROGRAMA DE PARCERIAS DE INVESTIMENTOS (PPI) PROGRAMA DE PARCERIAS DE INVESTIMENTOS (PPI) Dez 2016 1 O Programa PPI Apresentação a Investidores O Programa de Parcerias de Investimentos ( PPI ) teve início no Governo Temer em 12 de Maio de 2016, buscando

Leia mais

Aspectos Legais das Concessões/PPPs Reconstrução da Confiança

Aspectos Legais das Concessões/PPPs Reconstrução da Confiança Aspectos Legais das Concessões/PPPs Reconstrução da Confiança Massami Uyeda Junior Jun./2017 1. A volta aos anos 90 uma breve história da evolução das concessões 2. A necessária estabilidade regulatória:

Leia mais

7º Seminário sobre Ferrovias: Mobilização da Indústria para o Desenvolvimento do Setor Ferroviário

7º Seminário sobre Ferrovias: Mobilização da Indústria para o Desenvolvimento do Setor Ferroviário 7º Seminário sobre Ferrovias: Mobilização da Indústria para o Desenvolvimento do Setor Ferroviário A indústria metro-ferroviária brasileira: investimentos e perspectivas BNDES Departamento de Transportes

Leia mais

Novas Políticas Operacionais do BNDES - Apoio ao Setor de Petróleo e Gás. Luís André Sá D Oliveira Chefe de Departamento Gás e Petróleo Abril / 2017

Novas Políticas Operacionais do BNDES - Apoio ao Setor de Petróleo e Gás. Luís André Sá D Oliveira Chefe de Departamento Gás e Petróleo Abril / 2017 Novas Políticas Operacionais do BNDES - Apoio ao Setor de Petróleo e Gás Luís André Sá D Oliveira Chefe de Departamento Gás e Petróleo Abril / 2017 O BNDES na Estrutura da União República Federativa do

Leia mais

Novas Políticas Operacionais do BNDES - Apoio ao Setor de Petróleo e Gás

Novas Políticas Operacionais do BNDES - Apoio ao Setor de Petróleo e Gás Novas Políticas Operacionais do BNDES - Apoio ao Setor de Petróleo e Gás Mauricio dos Santos Neves Superintendente Área de Indústrias de Base Maio / 2017 Organização Interna Auditoria Interna Conselho

Leia mais

LIVRO VERDE DO ETANOL

LIVRO VERDE DO ETANOL III Workshop INFOSUCRO sobre Economia do Etanol e Indústria Sucroenergética O Apoio do BNDES ao Setor Sucroenergético Carlos Eduardo Cavalcanti Chefe do Dept de Biocombustíveis - BNDES Rio, 26/11/2010

Leia mais

Infraestrutura. Situação atual e Perspectivas

Infraestrutura. Situação atual e Perspectivas INFRAESTRUTURA Perspectivas para o Brasil Prof. Dr. Roberto Kochen Presidente e Diretor Técnico da GeoCompany Tecnologia, Engenharia & Meio Ambiente kochen@geocompany.com.br AGOSTO/2017 +55 11 2110-7211

Leia mais

Desempenho do BNDES em 2012

Desempenho do BNDES em 2012 Desempenho do BNDES em 2012 //1 22 de janeiro de 2013 1 AGENDA //2 Perspectivas do Investimento 2013 2016 Desempenho do BNDES em 2012 Conclusões //3 Perspectivas do Investimento 2013 2016 Perspectivas

Leia mais

Alternativas de financiamento para a energia solar fotovoltaica no Brasil

Alternativas de financiamento para a energia solar fotovoltaica no Brasil Alternativas de financiamento para a energia solar fotovoltaica no Brasil FRANcisco José Araújo BEZERRA Superintendente de Políticas de Desenvolvimento BANCO DO NORDESTE DO BRASIL S.A. Área de atuação

Leia mais

Carlos Campos Neto

Carlos Campos Neto V BRASIL NOS TRILHOS Investimentos e outras observações sobre o setor ferroviário brasileiro Carlos Campos Neto carlos.campos@ipea.gov.br Setembro de 2012 2 Crise/ajuste fiscal degrada/não amplia estoque

Leia mais

Privatizações- O modelo para o século XXI. Mercado de divida corporativa e o financiamento de investimentos de infraestrutura

Privatizações- O modelo para o século XXI. Mercado de divida corporativa e o financiamento de investimentos de infraestrutura Privatizações- O modelo para o século XXI Mercado de divida corporativa e o financiamento de investimentos de infraestrutura 12 de dezembro de 2016 Carlos A. Rocca 1. Diretrizes da nova politica de concessões

Leia mais

ABDE-BNDES-BID. Seminário e oficina Técnica ABDE-BNDES-BID: Políticas Ambientais como fonte de negócio para IFDs.

ABDE-BNDES-BID. Seminário e oficina Técnica ABDE-BNDES-BID: Políticas Ambientais como fonte de negócio para IFDs. ABDE-BNDES-BID Seminário e oficina Técnica ABDE-BNDES-BID: Políticas Ambientais como fonte de negócio para IFDs. Sessão V: Ampliando a atuação de IFDs no financiamento climático. Painel: O potencial na

Leia mais

Perspectivas para o futuro. uma visão da

Perspectivas para o futuro. uma visão da Perspectivas para o futuro uma visão da Motivação para o projeto O uso crescente do etanol como aditivo da gasolina China, União Européia, Índia, Tailândia, Califórnia, Estados Unidos, entre outros irá

Leia mais

O APOIO DO BNDES AO SETOR SOLAR: PERSPECTIVAS & NOVAS FRONTEIRAS. Marilene Ramos Diretora de Infraestrutura e Sustentabilidade Outubro de 2017

O APOIO DO BNDES AO SETOR SOLAR: PERSPECTIVAS & NOVAS FRONTEIRAS. Marilene Ramos Diretora de Infraestrutura e Sustentabilidade Outubro de 2017 1 O APOIO DO BNDES AO SETOR SOLAR: PERSPECTIVAS & NOVAS FRONTEIRAS Marilene Ramos Diretora de Infraestrutura e Sustentabilidade Outubro de 2017 2 Diretrizes de Atuação do BNDES Apoiar a implantação de

Leia mais

Infraestrutura vs. crescimento: obstáculos a superar

Infraestrutura vs. crescimento: obstáculos a superar Infraestrutura vs. crescimento: obstáculos a superar Evento Brasil Amanhã Revista Amanhã - RS Wilson Ferreira Jr. Presidente da CPFL Energia Porto Alegre, 2 de março de 2012 Agenda Principais determinantes

Leia mais

Brenco Companhia Brasileira de Energia Renovável

Brenco Companhia Brasileira de Energia Renovável Brenco Companhia Brasileira de Energia Renovável O desafio de produzir etanol com Sustentabilidade A Brenco é uma Companhia brasileira, que está implantando um projeto de escala mundial para a produção

Leia mais

A ABRAGEL Associação com sede em Brasília e mais de 50 Associados em seu quadro.

A ABRAGEL Associação com sede em Brasília e mais de 50 Associados em seu quadro. Fábio Sales Dias Geração Hidrelétrica na Região: Plano Oficial para o Desenvolvimento de Pequenas e Grandes Usinas na América Latina, Tendências, Desafios e Oportunidades Rio de Janeiro, 31 de janeiro

Leia mais

5º Seminário Anbima de Renda Fixa e Derivativos de Balcão Investimento e Financiamento de Longo Prazo no Brasil

5º Seminário Anbima de Renda Fixa e Derivativos de Balcão Investimento e Financiamento de Longo Prazo no Brasil 5º Seminário Anbima de Renda Fixa e Derivativos de Balcão Investimento e Financiamento de Longo Prazo no Brasil Dyogo Henrique de Oliveira Secretário Executivo Ministério da Fazenda 1 Expansão do investimento

Leia mais

Financiamento a Projetos: Mercado de Capitais. Seminário: Financiar para Crescer

Financiamento a Projetos: Mercado de Capitais. Seminário: Financiar para Crescer Financiamento a Projetos: Mercado de Capitais Seminário: Financiar para Crescer São Paulo 30 de Novembro, 2016 Financiamento a Infraestrutura O apoio de bancos comerciais ao financiamento de projetos de

Leia mais

Seminário Climatização & Cogeração a Gás Natural

Seminário Climatização & Cogeração a Gás Natural Seminário Climatização & Cogeração a Gás Natural Linhas de Financiamentos - BNDES 12 de julho de 2012. Nelson Granthon Barata Gerente Departamento de Fontes Alternativas de Energia Área de Infraestrutura

Leia mais

Participação do Privado no Saneamento Básico

Participação do Privado no Saneamento Básico Participação do Privado no Saneamento Básico 3º Encontro de Saneamento Básico Recuperar o Tempo Perdido Luciana Marques da Costa Jacomassi Gerente de Clientes e Negócios S.E. GN de Saneamento e Infraestrutura

Leia mais

Atuação da CAIXA em Saneamento Ambiental, Infra-estrutura e Mercado de Carbono

Atuação da CAIXA em Saneamento Ambiental, Infra-estrutura e Mercado de Carbono Seminário: Soluções Técnicas e Financeiras para Cidades Sustentáveis Atuação da CAIXA em Saneamento Ambiental, Infra-estrutura e Mercado de Carbono Rogério de Paula Tavares Superintendente Nacional de

Leia mais

Apoio do BNDES à Infraestrutura. Rio de Janeiro Maio de 2012

Apoio do BNDES à Infraestrutura. Rio de Janeiro Maio de 2012 Apoio do BNDES à Infraestrutura Rio de Janeiro Maio de 2012 Aspectos Institucionais Quem somos Fundado em 20 de Junho de 1952; Empresa pública de propriedade integral da União; Instrumento chave para implementação

Leia mais

Infraestrutura. Eixo Logístico Paraense

Infraestrutura. Eixo Logístico Paraense Eixo Logístico Paraense Pavan Infraestrutura Projetos de Infraestrutura Portos, ferrovias, rodovias, saneamento, plataforma logistica,... Greenfield Grande porte Projetos integrados Visão de longo prazo

Leia mais

Financiamento do BNDES às Pequenas Centrais Hidrelétricas (PCHs) Foto: PCH Cotiporã

Financiamento do BNDES às Pequenas Centrais Hidrelétricas (PCHs) Foto: PCH Cotiporã Financiamento do BNDES às Pequenas Centrais Hidrelétricas (PCHs) Ludmila Carvalho Colucci 06/04/2009 Foto: PCH Cotiporã 1 Agenda BNDES Carteira do BNDES Políticas Operacionais Operações Estruturadas Foto:

Leia mais

A Brookfield no Brasil

A Brookfield no Brasil A Brookfield no Brasil J U L H O / 2018 Brookfield Asset Management: Presença Global Somos uma investidora e operadora global de ativos reais +30 Países +80.000 funcionários +750 profissionais focados

Leia mais

Alternativas de Financiamento da IP, a partir da COSIP

Alternativas de Financiamento da IP, a partir da COSIP Alternativas de Financiamento da IP, a partir da COSIP 25.04.2017 Classificação: Documento ostensivo Unidade Gestora: AGS/DEGEP Agenda Contextualização Estrutura COSIP Modelos de Negócios em Iluminação

Leia mais

Carteira Recomendada Debêntures

Carteira Recomendada Debêntures Apresentação A carteira de debêntures será composta por 6 ativos com pagamentos em datas diferentes, para que o investidor tenha um fluxo de pagamento constante. As debêntures selecionadas são incentivadas

Leia mais

Financiamento a Infraestrutura no Brasil

Financiamento a Infraestrutura no Brasil Project Finance São Paulo, Maio 2017 Financiamento a Infraestrutura no Brasil Macro visão do passado, presente e futuro Índice 1 2 3 4 Sumario Executivo Financiamento em Infraestrutura no Brasil Banco

Leia mais

WORKSHOP DE INFRAESTRUTURA

WORKSHOP DE INFRAESTRUTURA WORKSHOP DE INFRAESTRUTURA CONCESSÕES PARA DESTRAVAR O BRASIL Implantação e Operação: Elementos Críticos nas Concessões José Ayres de Campos Sócio da CAMPOS INOVAÇÃO, Engenharia & Construção, e Diretor

Leia mais

Apresentação Institucional. Agosto de 2017

Apresentação Institucional. Agosto de 2017 Apresentação Institucional Agosto de 2017 Termo de Renúncia Algumas declarações e estimativas contidas neste material podem representar expectativas sobre eventos ou resultados futuros que estão sujeitas

Leia mais

Luciano Coutinho Presidente

Luciano Coutinho Presidente O papel do BNDES no desenvolvimento brasileiro nos próximos anos ANEFAC São Paulo, 30 de julho de 2012 Luciano Coutinho Presidente Papel dos Bancos de Desenvolvimento no mundo Apoiar e financiar o desenvolvimento

Leia mais

Indicadores do BNDES. Jun/2009 277,3 309,0. Ativos Totais 220,5 230,3. Carteira de Financiamentos 25,3. Patrimônio Líquido 24,7. Lucro Líquido 5,3 0,7

Indicadores do BNDES. Jun/2009 277,3 309,0. Ativos Totais 220,5 230,3. Carteira de Financiamentos 25,3. Patrimônio Líquido 24,7. Lucro Líquido 5,3 0,7 O BNDES Indicadores do BNDES R$ bilhões Ativos Totais Carteira de Financiamentos Patrimônio Líquido Lucro Líquido Impostos e Taxas 2008 277,3 220,5 25,3 5,3 2,0 Jun/2009 309,0 230,3 24,7 0,7 0,9 Evolução

Leia mais

PERSPECTIVAS PARA O DESENVOLVIMENTO SUSTENTADO DA INFRA-ESTRUTURA PORTUÁRIA. 08 de junho de 2006

PERSPECTIVAS PARA O DESENVOLVIMENTO SUSTENTADO DA INFRA-ESTRUTURA PORTUÁRIA. 08 de junho de 2006 PERSPECTIVAS PARA O DESENVOLVIMENTO SUSTENTADO DA INFRA-ESTRUTURA PORTUÁRIA 08 de junho de 2006 O BNDES e o Financiamento ao Setor de Transportes Carteira do setor de transportes: aéreo: R$ 19,0 bilhões

Leia mais

e a Energia Elétrica Setembro de 2018 Alexandre Siciliano Esposito Gerente Setorial de Energia Elétrica

e a Energia Elétrica Setembro de 2018 Alexandre Siciliano Esposito Gerente Setorial de Energia Elétrica 1 e a Energia Elétrica Setembro de 2018 Alexandre Siciliano Esposito Gerente Setorial de Energia Elétrica 2 Histórico Fontes de Recursos e Perspectiva de Investimentos Fonte: 3 BNDES Fontes de - Visão

Leia mais

Foto: PCH São Joaquim Ana Raquel Paiva Martins 24/04/2008

Foto: PCH São Joaquim Ana Raquel Paiva Martins 24/04/2008 Modelos de Financiamento do BNDES para Projetos de Geração de Energia e Condições de Acesso às Linhas Foto: PCH São Joaquim Ana Raquel Paiva Martins 24/04/2008 1 Agenda BNDES Carteira do BNDES Políticas

Leia mais

5º Encontro Anual Light e Investidores

5º Encontro Anual Light e Investidores 5º Encontro Anual Light e Investidores 1 Aquisições Aquisições 2 Aquisições Junho 2010: Aquisição de 51% da Axxiom para o desenvolvimento de soluções tecnológicas Agosto 2011: Entrada no Capital da Renova

Leia mais

Um Panorama da Produtividade e da Competitividade no Brasil: Experiências do BNDES

Um Panorama da Produtividade e da Competitividade no Brasil: Experiências do BNDES Um Panorama da Produtividade e da Competitividade no Brasil: Experiências do BNDES Mesa de Diálogo CIPC - 13 de junho de 2017 A Busca pela Competitividade O Global Competitiveness Report define a competitividade

Leia mais

Gerência de Executiva de Governo de Porto Alegre GIGOV/PO

Gerência de Executiva de Governo de Porto Alegre GIGOV/PO Gerência de Executiva de Governo de Porto Alegre GIGOV/PO Investimentos em Saneamento: cenário econômico-político atual DOCUMENTAÇÃO TÉCNICA Carta consulta Quadro de Composição de Investimento (QCI) Justificativa

Leia mais

A Gestão Ambiental no Setor Ferroviário Brasileiro: Sustentabilidade, Licenciamento Ambiental Federal

A Gestão Ambiental no Setor Ferroviário Brasileiro: Sustentabilidade, Licenciamento Ambiental Federal Ministério do Meio Ambiente Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis Diretoria de Licenciamento Ambiental - DILIC A Gestão Ambiental no Setor Ferroviário Brasileiro: Sustentabilidade,

Leia mais