[LINFOMA EPITELIOTRÓPICO]

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "[LINFOMA EPITELIOTRÓPICO]"

Transcrição

1 [LINFOMA EPITELIOTRÓPICO]

2 2 Linfoma Epiteliotrópico Anamnese: Canino, fêmea, Pit Bull, não castrada, branca e marrom, 4 anos Histórico: Cadela com histórico de dermatopatia desde Apresentava lesões eritematosas e levemente ulceradas nos jarretes e no ventre. Foi atendido por um colega que suspeitou de demodiciose e fez raspado de pele (NEGATIVO). Foi tratada, então, com antibióticos, AINE e pomada cicatrizante. Não houve melhora e foi feito histopatopatológico, cujo laudo foi de processo piogranulomatoso. Veio para consulta comigo. Proprietário relata que a cadela apresenta-se com claudicação do MPD e está em tratamento para Erlichiose, prescrito por outro colega. Entretanto, afirma que não fez a medicação corretamente. Reclama da permanência da dermatopatia. Hiporexia, normúria, normoquesia e normodipsia. Vacinação atrasada. Histórico de carrapatos. Fica em quintal e exposta a radiação solar. Exame clínico: Mucosas hipocoradas, desidratação 8%, linfonodos submandibulares e inguinais infartados, ausculta cardiopulmonar sem alteração, palpação abdominal sem alteração, t c 40,0, presença de carrapatos, peso: 23,0 kg Exame dermatológico: Presença de regiões alopécicas, eritematosas, com crostas hemáticas na região dos jarretes e membro anterior. Leve escoriação no lábio superior. Exames complementares: 1. Exame Parasitológico do Raspado Cutâneo: Negativo; 2. RX do MPD: sem alteração;

3 3 Linfoma Epiteliotrópico 3. Hemograma complete com pesquisa de hematozoários: Presença de anemia normocítica e normocrômica e trombocitopenia Obs: Foi solicitada avaliação citológica (PAAF dos linfonodos) e histopatológico das lesões, mas o proprietário não autorizou a realização dos exames. Suspeita clínica: Dermatite solar? Piogranuloma Estéril? Demodicose? Tratamento: Antibiótico por VO a base de Doxiciclina, Imidocarb SC, anti-anêmico VO a base de ferro quelado, dieta hipercalórica com hidratação VO, antitérmico a base de Dipirona, banhos com xampu antisséptico 2x/semana, spray cicatrizante e restrição a exposição solar. Obs: Foram marcadas revisões e o proprietário não compareceu a nenhuma delas. Em contato telefônico, informou melhora clínica do animal.

4 4 Linfoma Epiteliotrópico Histórico: Três meses após a última consulta, o proprietário retornou com o animal informando a piora do quadro clínico. Diz que o animal está anoréxico e prostrado. Emagrecimento progressivo.

5 5 Linfoma Epiteliotrópico Exame clínico: Mucosas hipocoradas, desidratação 9%, presença de ulceração na lateral esquerda da língua e palato com sialorréia e mau odor, linfonodos submandibulares e inguinais infartados, ausculta cardiopulmonar sem alteração, palpação abdominal sem alteração, t c 39,6, apatia e emagrecimento acentuado, peso: 18kg Exame dermatológico: Presença de regiões alopécicas, eritematosas na região dos jarretes e ventre. Presença de 1 nódulo subcutâneo na região intercostal esquerda e na cabeça. Comedos abdominais. Exames complementares: 1. Hemograma completo com pesquisa de hematozoários: Presença de anemia normocítica e normocrômica, linfopenia e trombocitopenia; 2. Função hepática: sem alteração; 3. Função renal: sem alteração. Obs: Novamente foi solicitada a avaliação citológica dos linfonodos (PAAF) e histopatológico do nódulo/ lesões proprietário não autorizou novamente. Suspeita clínica: Neoplasia? Doença auto-imune? Tratamento: Animal recebeu tratamento de suporte (fluidoterapia e medicação IV). Antibiótico por VO a base de Doxiciclina, anti-anêmico VO a base de ferro quelado, dieta hipercalórica forçada com hidratação VO, antitérmico a base de Dipirona, Ranitidina VO, antissético bucal e polivitamínicos VO. Banhos com xampu antisséptico.

6 6 Linfoma Epiteliotrópico Revisão em 7 dias: Melhora das lesões dermatológicas e da ulceração da língua. Entretanto, houve generalização dos nódulos cutâneos (firmes e aderidos), envolvendo cabeça, região torácica, região abdominal e membros. Cadela alimentando-se um pouco melhor, entretanto continua perdendo peso (16kg).

7 7 Linfoma Epiteliotrópico

8 8 Linfoma Epiteliotrópico Obs: Solicitada a colocação de sonda de esofagostomia e internação do animal proprietário não autorizou Solicitado histopatológico Exames complementares: 1. Histopatológico: NEOPLASIA MALIGNA INDIFERENCIADA, sugestivo de LINFOMA EPITELIOTRÓPICO; Planejamento: início da quimioterapia Revisão em 7 dias: Agravamento do quadro do animal. Apresentou-se urêmico e com alterações neurológicas (vocalização, convulsões, opistótono). Feita tentativa de reversão do quadro na internação. Infelizmente, veio a óbito.

[ERLICHIOSE CANINA]

[ERLICHIOSE CANINA] [ERLICHIOSE CANINA] 2 Erlichiose Canina A Erlichiose Canina é uma hemoparasitose causada pela bactéria Erlichia sp. Essa bactéria parasita, geralmente, os glóbulos brancos (neste caso, Erlichia canis)

Leia mais

[HIPERSENSIBILIDADE ALIMENTAR]

[HIPERSENSIBILIDADE ALIMENTAR] [HIPERSENSIBILIDADE ALIMENTAR] Animal apresenta quadro pruriginoso desde filhote e fez uso de corticoterapia de depósito IM a cada 3 meses por 4 anos e respondia absurdamente bem a essa terapia. Há 1 ano

Leia mais

PUBVET, Publicações em Medicina Veterinária e Zootecnia.

PUBVET, Publicações em Medicina Veterinária e Zootecnia. PUBVET, Publicações em Medicina Veterinária e Zootecnia. Relato de casos de Carcinoma Epidermóide em cães Pit Bulls, atendidos no Hospital Veterinário da Universidade Federal de Uberlândia Andressa Izabel

Leia mais

DERMATITE ALÉRGICA A PICADA DE PULGA RELATO DE CASO

DERMATITE ALÉRGICA A PICADA DE PULGA RELATO DE CASO DERMATITE ALÉRGICA A PICADA DE PULGA RELATO DE CASO NASCIMENTO, Viviane 1 ; MARTINS, Danieli² Palavras-Chave: Dermatite; Pulga; Caninos. Introdução A Dermatite Alérgica a Picada de Pulga (DAPP) é considerada

Leia mais

RESIDENCIA MÉDICA UFRJ

RESIDENCIA MÉDICA UFRJ 1. Homem 54 anos, em uso regular de diclofenaco sódico por dor lombar. Há 24h com náuseas, vômitos e soluços. Normocorado, hálito urêmico, pressão arterial (PA) = 140x72mmHg, frequência cardíaca (FC)=

Leia mais

Lesões e Condições Pré-neoplásicas da Cavidade Oral

Lesões e Condições Pré-neoplásicas da Cavidade Oral Disciplina: Semiologia Lesões e Condições Pré-neoplásicas da Cavidade Oral PARTE Parte 12 http://lucinei.wikispaces.com Prof.Dr. Lucinei Roberto de Oliveira 2012 2012 LESÕES E CONDIÇÕES CANCERIZÁVEIS DA

Leia mais

[DISPLASIA FOLICULAR DOS PÊLOS NEGROS]

[DISPLASIA FOLICULAR DOS PÊLOS NEGROS] [DISPLASIA FOLICULAR DOS PÊLOS NEGROS] 2 Anamnese: Canino, Yorkshire Terrier, preto e dourado, 5 meses, macho, não castrado; Histórico: Animal apresentando um quadro recidivante de piodermite acompanhado

Leia mais

Hemograma, plaquetas, creatinina, uréia. creatinina, uréia. Lúpus induzido por drogas, gestantes, lactantes e crianças devem ser tratados por médicos

Hemograma, plaquetas, creatinina, uréia. creatinina, uréia. Lúpus induzido por drogas, gestantes, lactantes e crianças devem ser tratados por médicos LÚPUS ERITEMATOSO SISTÊMICO Portaria SAS/MS n 100-7/02/2013 Medicamento AZATIOPRINA HIDROXICLOROQUINA METOTREXATO CID 10 L93.0, L93.1, M32.1, M32.8 Apresentação 50mg (comprimido) 400mg (comprimido) 2,5mg

Leia mais

Perguntas: Caso 3. Perguntas:

Perguntas: Caso 3. Perguntas: Atividades de discussão de casos clínicos em MFC II aulas 1 e 2. Caso 1. Durante um dia de atendimento em uma unidade da estratégia saúde da família, você é procurado por uma moradora de sua área de atuação

Leia mais

INSUFICIÊNCIA HEPÁTICA AGUDA EM CÃES

INSUFICIÊNCIA HEPÁTICA AGUDA EM CÃES INSUFICIÊNCIA HEPÁTICA AGUDA EM CÃES Rafael Fighera Laboratório de Patologia Veterinária Hospital Veterinário Universitário Universidade Federal de Santa Maria Quando se suspeita de insuficiência hepática

Leia mais

Caso clínico. Homem, 50 anos, desempregado, casado, sem filhos, Gondomar. parestesias diminuição da força muscular. astenia anorexia emagrecimento

Caso clínico. Homem, 50 anos, desempregado, casado, sem filhos, Gondomar. parestesias diminuição da força muscular. astenia anorexia emagrecimento Caso clínico Homem, 50 anos, desempregado, casado, sem filhos, Gondomar Setembro 2002 dor dorso-lombar esquerda parestesias diminuição da força muscular astenia anorexia emagrecimento tumefacção braço

Leia mais

UTILIZAÇÃO DA FLURALANER NO TRATAMENTO DE ESCABIOSE EM CÃO: RELATO DE CASO RESUMO

UTILIZAÇÃO DA FLURALANER NO TRATAMENTO DE ESCABIOSE EM CÃO: RELATO DE CASO RESUMO 198 UTILIZAÇÃO DA FLURALANER NO TRATAMENTO DE ESCABIOSE EM CÃO: RELATO DE CASO Marines de Castro 1 Mayara Heler Zimermann 2 RESUMO A sarna sarcóptica é uma doença que acomete a pele de cães, sendo causada

Leia mais

EXAME FÍSICO. Pandora

EXAME FÍSICO. Pandora CASOS CLÍNICOS M.V. Juliana Ferreiro Vieira Formada pela UNIPINHAL em 2002. Membro da Sociedade Brasileira de Dermatologia Veterinária ( SBDV) desde 2003. Membro da primeira turma do Curso de Especialização

Leia mais

INSUFICIÊNCIA HEPÁTICA CRÔNICA EM GATOS

INSUFICIÊNCIA HEPÁTICA CRÔNICA EM GATOS INSUFICIÊNCIA HEPÁTICA CRÔNICA EM GATOS Rafael Fighera Laboratório de Patologia Veterinária Hospital Veterinário Universitário Universidade Federal de Santa Maria SUSPEITANDO DE INSUFICIÊNCIA HEPÁTICA

Leia mais

Bárbara Ximenes Braz

Bárbara Ximenes Braz Bárbara Ximenes Braz Identificação Sexo masculino 26 anos Universitário Americano Queixa principal Dor abdominal há 1 semana. HDA O paciente apresentou queixa de dor latejante, constante há uma semana,

Leia mais

INSUFICIÊNCIA HEPÁTICA AGUDA EM GATOS

INSUFICIÊNCIA HEPÁTICA AGUDA EM GATOS INSUFICIÊNCIA HEPÁTICA AGUDA EM GATOS Rafael Fighera Laboratório de Patologia Veterinária Hospital Veterinário Universitário Universidade Federal de Santa Maria SUSPEITANDO DE INSUFICIÊNCIA HEPÁTICA AGUDA

Leia mais

PATOLOGIA DO SISTEMA HEMATOPOIÉTICO

PATOLOGIA DO SISTEMA HEMATOPOIÉTICO PATOLOGIA DO SISTEMA HEMATOPOIÉTICO Rafael Fighera Laboratório de Patologia Veterinária Hospital Veterinário Universitário Universidade Federal de Santa Maria LEUCEMIA LINFOBLÁSTICA AGUDA EM GATOS Rafael

Leia mais

Identificação J.J.S., masculino, 48 anos, caminhoneiro, negro, residente em Campo Grande, MS.

Identificação J.J.S., masculino, 48 anos, caminhoneiro, negro, residente em Campo Grande, MS. Caso clínico 6 Identificação J.J.S., masculino, 48 anos, caminhoneiro, negro, residente em Campo Grande, MS. História da doença atual Em 5/2/2005 procurou a UBS com quadro de febre não aferida, cefaléia,

Leia mais

Anais do Conic-Semesp. Volume 1, Faculdade Anhanguera de Campinas - Unidade 3. ISSN

Anais do Conic-Semesp. Volume 1, Faculdade Anhanguera de Campinas - Unidade 3. ISSN Anais do Conic-Semesp. Volume 1, 2013 - Faculdade Anhanguera de Campinas - Unidade 3. ISSN 2357-8904 TÍTULO: LEVANTAMENTO RETROSPECTIVO DE CASOS DE DEMODICOSE CANINA E FELINA, ATENDIDOS NO HOSPITAL VETERINÁRIO

Leia mais

METODOLOGIA DO EXAME CLÍNICO

METODOLOGIA DO EXAME CLÍNICO CURSO DE GRADUAÇÃO EM ODONTOLOGIA 3 o e 4 o Períodos Disciplina: SEMIOLOGIA METODOLOGIA DO EXAME CLÍNICO Parte I Prof.Dr. Lucinei Roberto de Oliveira http://lucinei.wikispaces.com 2014 Levantamentos Epidemiológicos

Leia mais

MARCO AURELIO VAMONDES KULCSAR CHEFE DE CLINICA ICESP

MARCO AURELIO VAMONDES KULCSAR CHEFE DE CLINICA ICESP Controvérsias no Tratamento de Câncer de Cabeça e Pescoço Localmente Avançado Devemos considerar o PET/CT como uma ferramenta diagnóstica para guiar a dissecção de linfonodo depois da radiação apenas ou

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ CIRURGIA DE CABEÇA E PESCOÇO LESÕES CANCERIZÁVEIS DA BOCA

UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ CIRURGIA DE CABEÇA E PESCOÇO LESÕES CANCERIZÁVEIS DA BOCA UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ CIRURGIA DE CABEÇA E PESCOÇO LESÕES CANCERIZÁVEIS DA BOCA Ubiranei Oliveira Silva INTRODUÇÃO Conceitos de Lesão e Condição Cancerizável Lesão cancerizável (pré-câncer, prémalignidade)

Leia mais

TÓRAX: Percussão. Auscultação: Resenha Anamnese Exame físico Inspeção Palpação Percussão Auscultação. Exames complementares.

TÓRAX: Percussão. Auscultação: Resenha Anamnese Exame físico Inspeção Palpação Percussão Auscultação. Exames complementares. Resenha Anamnese Exame físico Inspeção Palpação Percussão Auscultação Exames complementares Reflexo de tosse TÓRAX: Inspeção Padrão respiratório Palpação Fraturas, enfisema, aumento de volume Choque cardíaco

Leia mais

Leucemia Linfoblástica Aguda e aspectos microscópicos. Relato de caso

Leucemia Linfoblástica Aguda e aspectos microscópicos. Relato de caso Leucemia Linfoblástica Aguda e aspectos microscópicos Relato de caso Letícia da Silva, Médica Veterinária Residente em Patologia Clínica do HV-ULBRA César Augusto Soares Costa, Médico Veterinário Residente

Leia mais

PUBVET, Publicações em Medicina Veterinária e Zootecnia.

PUBVET, Publicações em Medicina Veterinária e Zootecnia. PUBVET, Publicações em Medicina Veterinária e Zootecnia. Sindrome nefrótica em cão secundária a Ehrlichia sp Álisson Souza Costa 1, Matheus Matioli Mantovani 2, Suzana Akemi Tsuruta 1, Pablo Gomes Noleto

Leia mais

RESIDÊNCIA MÉDICA SUPLEMENTAR 2015 PRÉ-REQUISITO (R1) / CLÍNICA MÉDICA PROVA DISCURSIVA

RESIDÊNCIA MÉDICA SUPLEMENTAR 2015 PRÉ-REQUISITO (R1) / CLÍNICA MÉDICA PROVA DISCURSIVA RESIDÊNCIA MÉDICA SUPLEMENTAR 0 PRÉ-REQUISITO (R) / CLÍNICA MÉDICA PROVA DISCURSIVA RESIDÊNCIA MÉDICA SUPLEMENTAR 0 PRÉ-REQUISITO (R) / CLÍNICA MÉDICA PROVA DISCURSIVA ) Idosa de 8 anos, ex-tabagista (carga

Leia mais

CIRURGIAS DO SISTEMA GENITAL FEMININO. João Moreira da Costa Neto

CIRURGIAS DO SISTEMA GENITAL FEMININO. João Moreira da Costa Neto CIRURGIAS DO SISTEMA GENITAL FEMININO João Moreira da Costa Neto CIRURGIAS DO OVÁRIO E ÚTERO Ovariosalpingohisterectomia Cesariana Ovariosalpingohisterectomia Indicações Inibição do ciclo estral Distúrbios

Leia mais

4. Que outros dados epidemiológicos seriam importantes para o caso?

4. Que outros dados epidemiológicos seriam importantes para o caso? Caso Clínico 1 Identificação - R.E.M.O, 42 anos, feminino, professora, natural dee São Paulo, residente em Belém há vários anos. História da Doença Atual - Procurou atendimento médico emm 15/5/2006, relatando

Leia mais

HISTOPLASMOSE SISTÊMICA EM FELINO DOMÉSTICO. Vagner R. Fink, médico veterinário autônomo. Iasmine B. Mottin, médica veterinária residente ULBRA/Canoas

HISTOPLASMOSE SISTÊMICA EM FELINO DOMÉSTICO. Vagner R. Fink, médico veterinário autônomo. Iasmine B. Mottin, médica veterinária residente ULBRA/Canoas Anais Expoulbra 20 22 Outubro 2015 Canoas, RS, Brasil HISTOPLASMOSE SISTÊMICA EM FELINO DOMÉSTICO Vagner R. Fink, médico veterinário autônomo Iasmine B. Mottin, médica veterinária residente ULBRA/Canoas

Leia mais

HIPOTIREOIDISMO CANINO METODOLOGIA DE APRENDIZAGEM

HIPOTIREOIDISMO CANINO METODOLOGIA DE APRENDIZAGEM HIPOTIREOIDISMO CANINO METODOLOGIA DE APRENDIZAGEM BERTOLINO, Jéssica Fernanda 1 ; SILVA, Nara Cristina 1 ; COSTA, Jackeline de Sousa 1 ; FIGUEIREDO, Karolyna Brito 1, LEHNEN, Paula Leticia 1 ; CRUZ, José

Leia mais

[DEMODICIOSE]

[DEMODICIOSE] [DEMODICIOSE] 2 Demodiciose É uma dermatose parasitária não contagiosa (ou seja, não há transmissão de um cão para o outro) muito comum da pele dos cães e um problema também reconhecido em gatos, embora

Leia mais

TABELA DE PREÇOS. BIOQUÍMICA SÉRICA VALOR MATERIAL PRAZO Ácidos biliares totais (jejum) 115,00 Soro sanguíneo 5 dias

TABELA DE PREÇOS. BIOQUÍMICA SÉRICA VALOR MATERIAL PRAZO Ácidos biliares totais (jejum) 115,00 Soro sanguíneo 5 dias TABELA DE PREÇOS ANÁLISE CITOLÓGICA VALOR MATERIAL PRAZO Líquidos cavitários (pleural, pericárdico e peritoneal) 100,00 Fluido em tubo seco e EDTA 24 horas Líquor 100,00 Fluido em tubo seco 24 horas Citologia

Leia mais

NOME GÊNERO IDADE ENDEREÇO TELEFONE

NOME GÊNERO IDADE ENDEREÇO TELEFONE HISTÓRIA CLÍNICA PARA INVESTIGAÇÃO DE URTICÁRIA DATA / / NOME GÊNERO IDADE ESTADO CIVIL RAÇA ENDEREÇO TELEFONE PROFISSÃO 1. ANTECEDENTES A) história familiar: Urticária angioedema Doenças da tireóide Asma,

Leia mais

Fluxo de atendimento e dados de alerta para qualquer tipo de cefaléia no atendimento do Primeiro Atendimento

Fluxo de atendimento e dados de alerta para qualquer tipo de cefaléia no atendimento do Primeiro Atendimento Fluxo de atendimento e dados de alerta para qualquer tipo de cefaléia no atendimento do Primeiro Atendimento Versão eletrônica atualizada em Fevereiro 2009 Fluxo de atendimento e dados de alerta para qualquer

Leia mais

CASO CLÍNICO. Medicina-UFC. Everton Rodrigues

CASO CLÍNICO. Medicina-UFC. Everton Rodrigues CASO CLÍNICO Medicina-UFC Everton Rodrigues 22.10.2008 Identificação MCS, 19 anos, sexo feminino, leucoderma, solteira, brasileira, natural e procedente de São Paulo SP, desempregada, alfabetizada e católica.

Leia mais

Curso Continuado de Cirurgia Geral

Curso Continuado de Cirurgia Geral Curso Continuado de Cirurgia Geral Aspectos Práticos de Cirurgia de Cabeça e Pescoço para o Cirurgião Geral 30/05/2015 TCBC Fábio Montenegro Afecções do Pescoço de Interesse ao Cirurgião Geral Avaliação

Leia mais

RELATO DE CASO Identificação: Motivo da consulta: História da Doença atual: História ocupacional: História patológica pregressa: História familiar:

RELATO DE CASO Identificação: Motivo da consulta: História da Doença atual: História ocupacional: História patológica pregressa: História familiar: RELATO DE CASO Identificação: V.L.G.E., 38 anos, branca, casada, natural e procedente de Canoas (RS). Motivo da consulta: diarréia e dor abdominal intensa. História da Doença atual: Paciente procurou o

Leia mais

CARCINOMA DE CÉLULAS ESCAMOSAS EM GATO 1

CARCINOMA DE CÉLULAS ESCAMOSAS EM GATO 1 CARCINOMA DE CÉLULAS ESCAMOSAS EM GATO 1 Jéssica Tomio 2, Andressa Raquel Irgang Dos Santos 3, Paulo Roberto Goi Filho 4. 1 Relato de Estágio Final do curso de Medicina Veterinária da UNIJUÍ 2 Médica Veterinária

Leia mais

BABESIOSE CANINA 1. Relato supervisionado da disciplina de Estágio Clínico II do curso de Medicina Veterinária da UNIJUÍ. 2

BABESIOSE CANINA 1. Relato supervisionado da disciplina de Estágio Clínico II do curso de Medicina Veterinária da UNIJUÍ. 2 BABESIOSE CANINA 1 Raquel Sangalli De Almeida 2, Bruna Salvati 3, Cristiane Elise Teichmann 4, Denize Da Rosa Fraga 5, Hellen Fialho Hartmann 6. 1 Relato supervisionado da disciplina de Estágio Clínico

Leia mais

Cuidados Pré, Trans e Pós-Operatório. Prof. Diogo Mayer Fernandes Técnica Cirúrgica Medicina veterinária Faculdade Anhanguera de Dourados

Cuidados Pré, Trans e Pós-Operatório. Prof. Diogo Mayer Fernandes Técnica Cirúrgica Medicina veterinária Faculdade Anhanguera de Dourados Cuidados Pré, Trans e Pós-Operatório Prof. Diogo Mayer Fernandes Técnica Cirúrgica Medicina veterinária Faculdade Anhanguera de Dourados RISCO CIRÚRGICO = INFECÇÃO 1. ÁREAS CIRÚRGICAS 2. PRINCÍPIOS DE

Leia mais

SEMIOLOGIA DA DOR. Curso de semiologia em Clínica Médica I. Medicina humana 2 ano

SEMIOLOGIA DA DOR. Curso de semiologia em Clínica Médica I. Medicina humana 2 ano SEMIOLOGIA DA DOR Curso de semiologia em Clínica Médica I Medicina humana 2 ano Prof. Luiz Shiguero Matsubara Departamento de Clínica Médica, Faculdade de Medicina de Botucatu 2008 DOR-DEFINIÇÃO Sintoma

Leia mais

Profª Isabella Martins DMVET/CCA/UFES

Profª Isabella Martins DMVET/CCA/UFES Profª Isabella Martins DMVET/CCA/UFES Ectoparasitos Moscas: Musca domestica Piolhos Ácaros: Argas, Ixodes, Dermanyssus, Ornitonyssus e Knemidocoptes Infestação por piolhos em aves PIOLHOS MASTIGADORES

Leia mais

Relatório de Caso Clínico

Relatório de Caso Clínico Universidade Federal do Rio Grande do Sul - Faculdade de Veterinária Departamento de Patologia Clínica Veterinária Disciplina de Bioquímica e Hematologia Clínicas (VET03/121) http://www.ufrgs.br/bioquimica

Leia mais

b) Cite 04 (quatro) outras síndromes epilépticas que cursam com regressão do desenvolvimento na infância. (4,0 pontos)

b) Cite 04 (quatro) outras síndromes epilépticas que cursam com regressão do desenvolvimento na infância. (4,0 pontos) 01 Concurso Menino de 10 meses, desenvolvimento normal até o início do quadro atual, quando aos oito meses apresentou crise convulsiva febril com duração de 25 minutos e apenas interrompida com benzodiazepínicos

Leia mais

INTERPRETAÇÃO DO HEMOGRAMA

INTERPRETAÇÃO DO HEMOGRAMA INTERPRETAÇÃO DO HEMOGRAMA HEMOGRAMA COMPLETO Exame laboratorial simples, de baixo custo Utilidade em relação ao estado geral de saúde do paciente Auxilia no diagnóstico de várias doenças hematológicas

Leia mais

TUMOR VENÉREO TRANSMISSÍVEL EM UM CANINO SEM RAÇA DEFINIDA 1

TUMOR VENÉREO TRANSMISSÍVEL EM UM CANINO SEM RAÇA DEFINIDA 1 TUMOR VENÉREO TRANSMISSÍVEL EM UM CANINO SEM RAÇA DEFINIDA 1 Gabriela Echer 2, Cristiane Beck 3, Denise Da Rosa Fraga 4, Renan Marcel Kruger 5. 1 Relato de Caso do Componente Curricular Estágio Clínico

Leia mais

Como Escrever a Anamnese e o Exame Físico no Prontuário Médico

Como Escrever a Anamnese e o Exame Físico no Prontuário Médico Como Escrever a Anamnese e o Exame Físico no Prontuário Médico GESEP - FEPAR Prof. Carlos Eduardo Cardoso Antes de falarmos como, devemos nos perguntar por quê? Os erros gramaticais podem até não prejudicar

Leia mais

ARTICULAÇÕES. Luxação Coxofemoral. Luxação Coxofemoral 12/09/2016. Saída da cabeça do fêmur do acetábulo. Sinais clínicos.

ARTICULAÇÕES. Luxação Coxofemoral. Luxação Coxofemoral 12/09/2016. Saída da cabeça do fêmur do acetábulo. Sinais clínicos. Luxação Coxofemoral ARTICULAÇÕES Saída da cabeça do fêmur do acetábulo Luxação Coxofemoral Sinais clínicos Membro menor e rotacionado p/ dentro Crepitação Dor súbita Diagnóstico: Radiográfico: VD (mostra

Leia mais

Peculiaridades do Hemograma. Melissa Kayser

Peculiaridades do Hemograma. Melissa Kayser Peculiaridades do Hemograma Melissa Kayser melissa.kayser@ifsc.edu.br Introdução Simplicidade Baixo custo Automático ou manual Muita informação Introdução eritrócitos Componentes celulares plaquetas linfócitos

Leia mais

APLV - O que é a Alergia à Proteína do Leite de Vaca: características, sinais e sintomas. Dra. Juliana Praça Valente Gastropediatra

APLV - O que é a Alergia à Proteína do Leite de Vaca: características, sinais e sintomas. Dra. Juliana Praça Valente Gastropediatra APLV - O que é a Alergia à Proteína do Leite de Vaca: características, sinais e sintomas Dra. Juliana Praça Valente Gastropediatra Reações Adversas a Alimentos Imunomediadas: Alergia alimentar IgE mediada

Leia mais

Unidade de Tratamento da Dor e Medicina Paliativa CHCB (H. Fundão)

Unidade de Tratamento da Dor e Medicina Paliativa CHCB (H. Fundão) Motivo de admissão Controlo sintomas Terminal Descanso Admitido por: DADOS DE ADMISSÃO DO DOENTE DATA DE ADMISSÃO : / / DIAGNÓSTICO PRINCIPAL: METÁSTASES: PROVENIÊNCIA: OUTRAS DOENÇAS RELEVANTES : 1. 2.

Leia mais

Lactente de 15 meses de idade com meningite Modulo de urgência

Lactente de 15 meses de idade com meningite Modulo de urgência CASO CLINICO Lactente de 15 meses de idade com meningite Objetivos da apresentação Avaliar o cumprimento das normas existentes relativas à abordagem da criança com processo infeccioso associado a convulsões

Leia mais

CONSULTA EM GASTROENTEROLOGIA CÓDIGO SIA/SUS:

CONSULTA EM GASTROENTEROLOGIA CÓDIGO SIA/SUS: CONSULTA EM GASTROENTEROLOGIA CÓDIGO SIA/SUS: 03.01.01.007-2 INDICAÇÕES: 1. DISPEPSIA OU DOENÇA DO REFLUXO 2. DIARRÉIA CRÔNICA 3. PANCREATITE CRÔNICA 4. NÓDULOS SÓLIDOS OU CÍSTICOS NO PÂNCREAS 5. FALHA

Leia mais

Orientações gerais RELATÓRIO DE ATIVIDADES DO ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO

Orientações gerais RELATÓRIO DE ATIVIDADES DO ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO FAJ Curso de Medicina Veterinária CURSO DE MEDICINA VETERINÁRIA Orientações gerais RELATÓRIO DE ATIVIDADES DO ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO JAGUARIÚNA, fevereiro de 2009 1 FAJ Curso de Medicina Veterinária

Leia mais

Confira se os dados contidos na parte inferior desta capa estão corretos e, em seguida, assine no espaço reservado para isso.

Confira se os dados contidos na parte inferior desta capa estão corretos e, em seguida, assine no espaço reservado para isso. 1 INSTRUÇÕES Confira se os dados contidos na parte inferior desta capa estão corretos e, em seguida, assine no espaço reservado para isso. 2 3 4 Caso se identifique em qualquer outro local deste Caderno,

Leia mais

13/03/2016. Dermatologia em Grandes Animais Prof. Me. Diogo Gaubeur de Camargo

13/03/2016. Dermatologia em Grandes Animais Prof. Me. Diogo Gaubeur de Camargo 1 2 3 4 5 6 7 8 Dermatologia em Grandes Animais Prof. Me. Diogo Gaubeur de Camargo Introdução: funções da pele Proteção contra injúrias externas prevenção de perdas excessivas de água, eletrólitos e outras

Leia mais

OSTEOSSARCOMA DE ESCÁPULA EM CÃO BOXER 1

OSTEOSSARCOMA DE ESCÁPULA EM CÃO BOXER 1 OSTEOSSARCOMA DE ESCÁPULA EM CÃO BOXER 1 Marcia Cordeiro 2, Samir Antonio Maboni Durlo 3, Cristiane Beck 4, Denize Da Rosa Fraga 5, Ana Claudia Tourrucoo 6. 1 Relato de Estágio Clínico I do curso de Medicina

Leia mais

Caso Clínico 5. Inês Burmester Interna 1º ano Medicina Interna Hospital de Braga

Caso Clínico 5. Inês Burmester Interna 1º ano Medicina Interna Hospital de Braga Caso Clínico 5 Inês Burmester Interna 1º ano Medicina Interna Hospital de Braga Apresentação do caso J.M.G.M.F. Homem, 40 anos de idade, psicólogo, casado e com 4 filhos Antecedente de enxaquecas Ex-fumador

Leia mais

Otimizar o manejo de pacientes com gengivoestomatite herpética..

Otimizar o manejo de pacientes com gengivoestomatite herpética.. TE-5e Suporte às Gengivoestomatite herpética em crianças INTRODUÇÃO A gengivoestomatite é a manifestação mais comum da primo infecção pelo vírus herpes simplex (HSV) na infância, ocorrendo em 1 a 0% das

Leia mais

CASO CLÍNICO 21/06 PET MEDICINA UFC DIEGO ORTEGA DOS SANTOS

CASO CLÍNICO 21/06 PET MEDICINA UFC DIEGO ORTEGA DOS SANTOS CASO CLÍNICO 21/06 PET MEDICINA UFC DIEGO ORTEGA DOS SANTOS ID: S.V.L, 19 anos, branca, feminina, estudante, natural e procedente de Fortaleza QP: diarreia e vômito desde 14/03/2012 HDA: A paciente foi

Leia mais

INTRODUÇÃO AO LINFOMA EM GATOS

INTRODUÇÃO AO LINFOMA EM GATOS INTRODUÇÃO AO LINFOMA EM GATOS Rafael Fighera Laboratório de Patologia Veterinária Hospital Veterinário Universitário Universidade Federal de Santa Maria Linfoma em gatos (sinônimos) Linfoma Século XXI

Leia mais

Esplenomegalia, com acentuada leucocitose, em decorrência de piometra

Esplenomegalia, com acentuada leucocitose, em decorrência de piometra Esplenomegalia, com acentuada leucocitose, em decorrência de piometra Autor(es): Apresentador: Orientador: Revisor 1: Revisor 2: Instituição: FERREIRA, Lílian das Neves; SOUZA, Juliana Graciela Machado;

Leia mais

CARCINOMA TUBULOPAPILAR DE MAMA EM FELINO RELATO DE CASO

CARCINOMA TUBULOPAPILAR DE MAMA EM FELINO RELATO DE CASO CARCINOMA TUBULOPAPILAR DE MAMA EM FELINO RELATO DE CASO SCOPEL, Débora¹; SILVA, Cristine Cioato da¹; FORTES, Tanise Pacheco¹; NUNES, Fernanda Camargo¹; SPRANDEL, Lucimara¹; N-GUIM, Tainã ²; FERNANDES,

Leia mais

Alessandra Comparotto de Menezes IHOC-2013

Alessandra Comparotto de Menezes IHOC-2013 Alessandra Comparotto de Menezes IHOC-2013 DEFINIÇÃO: - Proliferação neoplásica clonal de uma linhagem de células do sistema hematopoético Representam um grupo heterogêneo de desordens hematopoéticas malignas

Leia mais

PREVALÊNCIA E FATORES DE RISCO DAS PRINCIPAIS DERMATOPATIAS QUE AFETAM CÃES DA RAÇA BULDOGUE FRANCÊS NO NORTE DE SANTA CATARINA

PREVALÊNCIA E FATORES DE RISCO DAS PRINCIPAIS DERMATOPATIAS QUE AFETAM CÃES DA RAÇA BULDOGUE FRANCÊS NO NORTE DE SANTA CATARINA PREVALÊNCIA E FATORES DE RISCO DAS PRINCIPAIS DERMATOPATIAS QUE AFETAM CÃES DA RAÇA BULDOGUE FRANCÊS NO NORTE DE SANTA CATARINA Modalidade: ( ) Ensino (X) Pesquisa ( ) Extensão Nível: ( ) Médio ( X ) Superior

Leia mais

Múltiplos nódulos pulmonares, que diagnóstico?

Múltiplos nódulos pulmonares, que diagnóstico? Múltiplos nódulos pulmonares, que diagnóstico? Cecília Pacheco, João F Cruz, Daniela Alves, Rui Rolo, João Cunha 44º Curso Pneumologia para Pós-Graduados Lisboa, 07 de Abril de 2011 Identificação -A.F.O,

Leia mais

SABAA SISTEMATIZAÇÃO DO ATENDIMENTO BÁSICO DO ABDOME AGUDO

SABAA SISTEMATIZAÇÃO DO ATENDIMENTO BÁSICO DO ABDOME AGUDO SABAA SISTEMATIZAÇÃO DO ATENDIMENTO BÁSICO DO ABDOME AGUDO ANAMNESE - 1º PASSO SABAA Caracterização da dor abdominal: Evolução (início e duração) Localização Irradiação Intensidade e tipo Agravo Alivio

Leia mais

Necrose epidérmica metabólica em cães - NOTA -

Necrose epidérmica metabólica em cães - NOTA - Ciência Rural, Santa Maria, v.38, n.5, p.1463-1467, Necrose epidérmica ago, 2008 metabólica em cães. ISSN 0103-8478 1463 Necrose epidérmica metabólica em cães Metabolic epidermal necrosis in dogs Lissandro

Leia mais

INFECÇÃO DO TRATO URINÁRIO

INFECÇÃO DO TRATO URINÁRIO INFECÇÃO DO TRATO URINÁRIO Trato urinário superior Rins Ureteres Professora: Juliana Peloi Vides Trato urinário inferior Bexiga Uretra FREQUENTES!!! Parênquima renal Pelve renal Ureteres Bexiga Uretra

Leia mais

INSUFICIÊNCIA RENAL AGUDA EM GATOS

INSUFICIÊNCIA RENAL AGUDA EM GATOS INSUFICIÊNCIA RENAL AGUDA EM GATOS Rafael Fighera Laboratório de Patologia Veterinária Hospital Veterinário Universitário Universidade Federal de Santa Maria Definição da síndrome Insuficiência renal Insuficiência

Leia mais

CUIDADOS A TER COM O SEU CÃO

CUIDADOS A TER COM O SEU CÃO CUIDADOS A TER COM O SEU CÃO ALIMENTAÇÃO O cão é um animal que tem carências nutricionais diferentes das nossas. Por isso a sua dieta deve ser direccionada a atender estas necessidades. A ração é o melhor

Leia mais

Animais Internados na Clínica Bourgelat. Estão em tratamento e não podem ser adotados

Animais Internados na Clínica Bourgelat. Estão em tratamento e não podem ser adotados Animais Internados na Clínica Bourgelat Estão em tratamento e não podem ser adotados MAX Ficha: 134 Médico Veterinário: Dra.Cláudia Dt Entrada: 23/05/2012 Resgatado por: Daniele Bueno Cor: Marrom e Branco

Leia mais

DEMODICOSE CANINA: REVISÃO DE LITERATURA

DEMODICOSE CANINA: REVISÃO DE LITERATURA DEMODICOSE CANINA: REVISÃO DE LITERATURA SANTOS, Luana Maria MACHADO, Juliane de Abreu Campos Acadêmicos da Associação Cultural e Educacional de Garça - FAMED. NEVES, Maria Francisca Docente da Associação

Leia mais

Abordagem a Linfonodomegalia Periférica. Guilherme Medeiros Reunião Clínica Real Hospital Português

Abordagem a Linfonodomegalia Periférica. Guilherme Medeiros Reunião Clínica Real Hospital Português Abordagem a Linfonodomegalia Periférica. Guilherme Medeiros Reunião Clínica Real Hospital Português Caso Clínico: Masculino Diretor de escola. Proveniente de Garanhuns-PE Comorbidades: DM tipo 2. Caso

Leia mais

ANEMIA DA DOENÇA CRÔNICA

ANEMIA DA DOENÇA CRÔNICA ANEMIA DA DOENÇA CRÔNICA Sandra Regina Loggetto Congresso Brasileiro de Hematologia e Hemoterapia Hemo 2006 Recife-PE Definição ADC ou anemia da inflamação crônica Adquirida Doenças inflamatórias como

Leia mais

MANEJO DOS CASOS SUSPEITOS E CONFIRMADOS DE INFLUENZA NO HIAE E UNIDADES

MANEJO DOS CASOS SUSPEITOS E CONFIRMADOS DE INFLUENZA NO HIAE E UNIDADES MANEJO DOS CASOS SUSPEITOS E CONFIRMADOS DE INFLUENZA NO HIAE E UNIDADES AVANÇADAS Maio de 2013 Serviço de Controle de Infecção Hospitalar Conteúdo Definições atualmente utilizadas Diagnóstico Tratamento

Leia mais

SARCÓIDE EQUINO RELATO DE CASO

SARCÓIDE EQUINO RELATO DE CASO REVISTA CIENTÍFICA ELETRÔNICA DE MEDICINA VETERINÁRIA - ISSN 1679-7353 PUBLICAÇÃO CI ENTÍFICA DA FACULDADE DE MEDICINA VETERINÁRIA E ZOOTECNIA DE GARÇA/FAMED ANO IV, NÚMERO, 08, JANEIRO DE 2007. PERIODICIDADE:

Leia mais

RELATÓRIO DO ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO EM MEDICINA VETERINÁRIA

RELATÓRIO DO ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO EM MEDICINA VETERINÁRIA UNIVERSIDADE REGIONAL DO NOROESTE DO ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL DEPARTAMENTO DE ESTUDOS AGRÁRIOS CURSO DE MEDICINA VETERINÁRIA RELATÓRIO DO ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO EM MEDICINA VETERINÁRIA ÁREA

Leia mais

REVISTA CIENTÍFICA ELETRÔNICA DE MEDICINA VETERINÁRIA ISSN: Ano IX Número 18 Janeiro de 2012 Periódicos Semestral

REVISTA CIENTÍFICA ELETRÔNICA DE MEDICINA VETERINÁRIA ISSN: Ano IX Número 18 Janeiro de 2012 Periódicos Semestral ESTUDO RETROSPECTIVO DA APLICAÇÃO DO DIAGNÓSTICO CITOPATOLÓGICO E AVALIAÇÃO DA SOBREVIDA DAS NEOPLASIAS MAMÁRIAS DE CADELAS ATENDIDAS HOSPITAL VETERINÁRIO DA UNIVERSIDADE ESTADUAL DO NORTE DO PARANÁ UENP-CLM

Leia mais

Reunião de Casos. www.digimaxdiagnostico.com.br. Camilla Burgate Lima Oliveira Aperfeiçoando de RDI da DIGIMAX (A2)

Reunião de Casos. www.digimaxdiagnostico.com.br. Camilla Burgate Lima Oliveira Aperfeiçoando de RDI da DIGIMAX (A2) Reunião de Casos www.digimaxdiagnostico.com.br Camilla Burgate Lima Oliveira Aperfeiçoando de RDI da DIGIMAX (A2) CASO Paciente S. A., 26 anos. US Morfológico do 2º Trimestre G4 P1 A2 DUM: 20/03/2014 24

Leia mais

VIII - Doenças alérgicas

VIII - Doenças alérgicas VIII - Doenças alérgicas Douglas A. Rodrigues Jane Tomimori Marcos C. Floriano Sofia Mendonça SciELO Books / SciELO Livros / SciELO Libros RODRIGUES, DA., et al. Atlas de dermatologia em povos indígenas

Leia mais

Lisomuc Laboratório Farmacêutico Elofar Ltda. Xarope pediátrico e adulto 5 mg/ ml e 10 mg/ ml

Lisomuc Laboratório Farmacêutico Elofar Ltda. Xarope pediátrico e adulto 5 mg/ ml e 10 mg/ ml Lisomuc Laboratório Farmacêutico Elofar Ltda. Xarope pediátrico e adulto 5 mg/ ml e 10 mg/ ml I IDENTIFICAÇÃO DO MEDICAMENTO LISOMUC acebrofilina MEDICAMENTO SIMILAR EQUIVALENTE AO MEDICAMENTO DE REFERÊNCIA

Leia mais

RADIOGRAFIA ABDOMINAL. Profª Drª Naida Cristina Borges

RADIOGRAFIA ABDOMINAL. Profª Drª Naida Cristina Borges RADIOGRAFIA ABDOMINAL Profª Drª Naida Cristina Borges Produção de Radiografias Diagnósticas Preparo adequado jejum/enema Pausa da inspiração evita o agrupamento das vísceras Indicações para a Radiologia

Leia mais

Protocolo para controle glicêmico de paciente não crítico com diagnóstico prévio ou não de diabetes mellitus

Protocolo para controle glicêmico de paciente não crítico com diagnóstico prévio ou não de diabetes mellitus Protocolo para controle glicêmico de paciente não crítico com diagnóstico prévio ou não de diabetes mellitus A) PACIENTES SEM DIAGNÓSTICO DE DIABETES MELLITUS PRÉVIO B) PACIENTES COM DIABETES MELLITUS

Leia mais

Caixa de Primeiros Socorros

Caixa de Primeiros Socorros Primeiros Socorros em Medicina Veterinária Objetivos: Vias de administração de drogas nas diferentes espécies Noções básicas de fluidoterapia Noções básicas de transfusão sanguínea Objetivos Prática: Avaliação

Leia mais

FACULDADE DE MEDICINA UNIVERSIDADE DE PASSO FUNDO

FACULDADE DE MEDICINA UNIVERSIDADE DE PASSO FUNDO FACULDADE DE MEDICINA UNIVERSIDADE DE PASSO FUNDO MASSAS CERVICAIS Prof. Paulo Hochmüller Fogaça Especialista Cirurgia Cabeça e Pescoço-INCA RJ Mestre em Biologia Molecular-UNICAMP SP manifestação de doença

Leia mais

Palavras-Chave: Diarreia Aguda MAPA DE REVISÕES. Assinatura do(s) Responsável (eis) Revisão Página(s) Motivo

Palavras-Chave: Diarreia Aguda MAPA DE REVISÕES. Assinatura do(s) Responsável (eis) Revisão Página(s) Motivo Palavras-Chave: Diarreia Aguda Destinatários Médicos dos ACES da Unidade Coordenadora Funcional (UCF) de Leiria Elaboração Dr.ª Carmen Costa Aprovação Diretor do Serviço Dr. Bilhota Xavier Assinatura (s)

Leia mais

PIOMETRA ROMPIDA EM CADELA: RELATO DE CASO

PIOMETRA ROMPIDA EM CADELA: RELATO DE CASO PIOMETRA ROMPIDA EM CADELA: RELATO DE CASO MOZ, Mariane 1 ; QUADROS, Fernanda Andreatta de 1 ; ROTH 1, Fabiane da Silva Gruhn 1 ; KRUEL, Luiz Felipe Borges 2. Palavras-Chave: Piometra. Peritonite. Infecção

Leia mais

[DERMATITE ALÉRGICA A PICADA DE PULGAS - DAPP]

[DERMATITE ALÉRGICA A PICADA DE PULGAS - DAPP] www.drapriscilaalves.com.br [DERMATITE ALÉRGICA A PICADA DE PULGAS - DAPP] 2 É considerada a doença alérgica mais comum na rotina dermatológica, podendo corresponder a até 90% dos casos nos pacientes felinos

Leia mais

PACIENTE ACEBROFILINA

PACIENTE ACEBROFILINA ACEBROFILINA CIMED INDÚSTRIA DE MEDICAMENTOS LTDA. XAROPE 25 MG/ 5 ML e 50 MG/ 5 ML I- IDENTIFICAÇÃO DO MEDICAMENTO acebrofilina Medicamento genérico Lei n 9.787, de 1999 APRESENTAÇÕES USO ADULTO Xarope

Leia mais

acebrofilina Medley Farmacêutica Ltda. xarope 5 mg/ml

acebrofilina Medley Farmacêutica Ltda. xarope 5 mg/ml acebrofilina Medley Farmacêutica Ltda. xarope 5 mg/ml acebrofilina Medicamento Genérico, Lei nº 9.787, de 1999 APRESENTAÇÕES Xarope de 5 mg/ml: frasco com 120 ml + USO ORAL USO PEDIÁTRICO ACIMA DE 2 ANOS

Leia mais

tumores de pele não melanoma C I R U R G I A D E C A B E Ç A E P E S C O Ç O HU WC

tumores de pele não melanoma C I R U R G I A D E C A B E Ç A E P E S C O Ç O HU WC tumores de pele não melanoma SELINALDO AMORIM BEZERRA C I R U R G I A D E C A B E Ç A E P E S C O Ç O HU WC 2 0 1 0 Orlando Parise e col. Diagnóstico e Tratamento Câncer de Cabeça e Pescoço São Paulo:

Leia mais

9º ano em AÇÃO. Assunção contra o mosquito!

9º ano em AÇÃO. Assunção contra o mosquito! Paz e Bem 9º ano em AÇÃO Assunção contra o mosquito! Informações sobre o mosquito Mosquito doméstico Hábitos Reprodução Transmissão vertical DENGUE Transmissão: principalmente pela picada do mosquito

Leia mais

HIPERÊMESE GRAVÍDICA. Msc. Roberpaulo Anacleto

HIPERÊMESE GRAVÍDICA. Msc. Roberpaulo Anacleto HIPERÊMESE GRAVÍDICA Msc. Roberpaulo Anacleto Introdução A ocorrência ocasional de náuseas e vômitos até 14 semanas de gestação, mais comum no período da manhã, é rotulada como êmese gravídica e pode ser

Leia mais

CARCINOMA ESCAMOSO CERATINIZADO ORAL EM CÃO: A EFICÁCIA DO TRATAMENTO COM BASE NO DIAGNÓSTICO DIFERENCIAL

CARCINOMA ESCAMOSO CERATINIZADO ORAL EM CÃO: A EFICÁCIA DO TRATAMENTO COM BASE NO DIAGNÓSTICO DIFERENCIAL 1 CARCINOMA ESCAMOSO CERATINIZADO ORAL EM CÃO: A EFICÁCIA DO TRATAMENTO COM BASE NO DIAGNÓSTICO DIFERENCIAL KERATINIZED SQUAMOUS CARCINOMA ORAL: THE THERAPEUTIC EFFECTIVENESS BASED ON DIFFERENTIAL DIAGNOSIS

Leia mais

PROF. DIOGO MAYER FERNANDES CURSO DE MEDICINA VETERINÁRIA FACULDADES ANHANGUERA DOURADOS DISCIPLINA DE PATOLOGIA E CLÍNICA CIRÚRGICA I

PROF. DIOGO MAYER FERNANDES CURSO DE MEDICINA VETERINÁRIA FACULDADES ANHANGUERA DOURADOS DISCIPLINA DE PATOLOGIA E CLÍNICA CIRÚRGICA I PROF. DIOGO MAYER FERNANDES CURSO DE MEDICINA VETERINÁRIA FACULDADES ANHANGUERA DOURADOS DISCIPLINA DE PATOLOGIA E CLÍNICA CIRÚRGICA I INTRODUÇÃO - PATOLOGIA QUE SE DESENVOLVE À UM QUADRO DE ABDÔMEN AGUDO

Leia mais

Brondilat. Aché Laboratórios Farmacêuticos Xarope 5 mg/ml e 10 mg/ml

Brondilat. Aché Laboratórios Farmacêuticos Xarope 5 mg/ml e 10 mg/ml Brondilat Aché Laboratórios Farmacêuticos Xarope 5 mg/ml e 10 mg/ml BULA PARA PACIENTE Bula de acordo com a Resolução-RDC nº 47/2009 I- IDENTIFICAÇÃO DO MEDICAMENTO BRONDILAT acebrofilina APRESENTAÇÕES

Leia mais

acebrofilina Bula para paciente XAROPE 25 mg/ 5 ml 50 mg/ 5 ml

acebrofilina Bula para paciente XAROPE 25 mg/ 5 ml 50 mg/ 5 ml acebrofilina Bula para paciente XAROPE 25 mg/ 5 ml 50 mg/ 5 ml acebrofilina Medicamento genérico Lei nº 9.787, de 1999. Xarope FORMA FARMACÊUTICA E APRESENTAÇÕES: Xarope pediátrico 25 mg/5ml: Embalagem

Leia mais

MEDICAMENTO SIMILAR EQUIVALENTE AO MEDICAMENTO DE REFERÊNCIA

MEDICAMENTO SIMILAR EQUIVALENTE AO MEDICAMENTO DE REFERÊNCIA TARFIC tacrolimo monoidratado MEDICAMENTO SIMILAR EQUIVALENTE AO MEDICAMENTO DE REFERÊNCIA APRESENTAÇÕES Pomada dermatológica nas concentrações de 0,03% ou 0,1% em bisnagas contendo 10 g ou 30 g. TARFIC

Leia mais