PROTOTIPAGEM DE MICRORREATORES FOTOCATALÍTICOS E TESTES DE FOTODEGRADAÇÃO DE CORANTES ORGÂNICOS

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "PROTOTIPAGEM DE MICRORREATORES FOTOCATALÍTICOS E TESTES DE FOTODEGRADAÇÃO DE CORANTES ORGÂNICOS"

Transcrição

1 Quim. Nova, Vol. XY, No. 00, S1-S5, 200_ PROTOTIPAGEM DE MICRORREATORES FOTOCATALÍTICOS E TESTES DE FOTODEGRADAÇÃO DE CORANTES ORGÂNICOS Omar Pandoli a, *, Tommaso Del Rosso b, Vinicius Modolo Santos a,c, Renan de Siqueira Rezende a e Bojan A. Marinkovic c a Departamento de Química, Pontifícia Universidade Católica, Rio de Janeiro RJ, Brasil b Departamento de Física, Pontifícia Universidade Católica, Rio de Janeiro RJ, Brasil c Departamento de Engenharia Química e de Materiais, Pontifícia Universidade Católica Rio de Janeiro RJ, Brasil Material Suplementar Figura 1S. Molde mestre após o corte da fita adesiva com a impressora laser à CO 2 Figura 4S. Peel out de PDMS sólido retirado do molde mestre pronto para ser selado sob o vidro após o tratamento com plasma de O 2 Figura 2S. Molde mestre após a retirada da Fita adesiva Figura 5S. Interior do Plasma cleaner antes da geração da nuvem de plasma Figura 3S. Mistura de PDMS/agente polimerizante despejada na superfície do molde mestre e curada no forno a 60ºC por 1h Figura 6S. Uma nuvem de plasma de O 2 de cor roxa na fase de ativação das superfícies de PDMS e vidro *

2 S2 Pandoli et al. Quim. Nova Figura 7S. Selagem dos componentes PDMS e Vidro, após a cura a 60 C por 30 minutos na estufa Figura 9S. Interior da câmara escura, contendo bomba de seringa, microrreator fotocatalítico e duas lâmpadas de 6W Figura 8S. Câmara escura Figura 10S. Interior da câmara escura durante o teste fotocatalítico Figura 11S. Espectros UV-VIS da solução original da Rodamina B 10-6 mol L -1 (perfil preto) e das soluções irradiadas em presença de P25 em diferentes velocidades de fluxo: 3 ml h -1 (perfil vermelho) e 2 ml h -1 (perfil azul), como indicado na Tabela 1

3 Vol. XY, No. 00 Prototipagem de microrreatores fotocatalíticos e testes de fotodegradação de corantes orgânicos S3 Figura 12S. Espectros UV-VIS da solução original de Azul de metileno 10-5 mol L -1 (perfil preto) e das soluções irradiadas em presença de P25 em diferente velocidade de fluxo: 3 ml h -1 (perfil vermelho) e 2 ml h -1 (perfil azul) como indicado na Tabela 2 Figura 13S. Espectros UV-VIS da solução original de Rodamina B 10-6 mol L -1 (perfil preto) e das soluções irradiadas na ausência de P25 em diferentes velocidades de fluxo:4 ml h -1 (perfil verde), 3 ml h -1 (perfil vermelho) e 2 ml h -1 (perfil azul)

4 S4 Pandoli et al. Quim. Nova Figura 14S. Espectros UV-VIS da solução original de Azul de Metileno 10-5 mol L -1 (perfil preto) e das soluções irradiadas na ausência de P25 em diferentes velocidades de fluxo: 3 ml h -1 (perfil vermelho) e 2 ml h -1 (perfil azul) PROTOCOLO DE FABRICAÇÃO DE DISPOSITIVOS MICROFLUÍDICOS Preparação do molde mestre do dispositivo 1. Desenhe a geometria do reator no software AutoCAD; 2. Limpe as lâminas de vidro onde os modelos serão impressos com um detergente neutro (Extran MA02 comercializado pela Merk); 3. Cole as fitas nas lâminas já limpas e corte-as com auxílio de uma impressora à laser de CO 2 ; 4. Após o corte, retire a parte externa da fita do lâmina de vidro. Preparação do molde mestre 1. Limpe o recipiente que receberá os moldes mestre com detergente Extran MA02, em seguida, utilize etanol e seque os mesmos com nitrogênio. 2. Utilizando uma fita adesiva dupla face, cole os moldes mestre dentro do recipiente já limpo. Preparação do PDMS 1. Misture o PDMS com o agente polimerizante em uma razão mássica de 10:1 respectivamente, isto é: para cada 10g de PDMS, 1g de agente polimerizante é adicionado; 2. Com a ajuda de um bastão de vidro, misture a solução vigorosamente por 10 min; 3. Coloque a mistura do PDMS/agente polimerizante dentro de um dissecador e ligue o mesmo a uma bomba de vácuo, esperando 30 min ou até que todas as bolhas de ar desapareçam. Quando não houver a presença de bolhas no PDMS, abrir a válvula do dissecador lentamente; Impressão da geometria no PDMS 1. Despeje o PDMS lentamente e uniformemente dentro do sistema de moldes; 2. Coloque o sistema dentro do dissecador e ligue a bomba de vácuo para que possíveis bolhas, ainda presentes no PDMS, sejam retiradas; 3. Leve o sistema para o forno a uma temperatura de 60º C por min. Passado o tempo, desligar o forno e deixar esfriar naturalmente até o dia seguinte; 4. Com o auxílio de um bisturi, corte PDMS já sólido. Neste momento observar que o corte deve ser feito em cima do vidro, sem danificar o mesmo; 5. Com auxílio de uma pequena espátula, soltar o PDMS (com os canais já impressos) aos poucos, com cuidado para provocar o menor estresse possível (Peel out); Furando o PDMS 1. Com o auxílio de uma agulha de ponta plana, perfurar verticalmente os locais do PDMS por onde serão fluxadas as soluções; 2. Após sentir que a agulha chegou na superfície onde o PDMS foi apoiado, girará-la levemente esquerda e direita para promover o corte da última camada de PDMS; 3. Quando a agulha atravessar o PDMS, com a ajuda de uma pinça,

5 Vol. XY, No. 00 Prototipagem de microrreatores fotocatalíticos e testes de fotodegradação de corantes orgânicos S5 pegar o pedaço que fica preso no interior da agulha. Limpeza PDMS e lâminas de vidro 1. Limpe o PDMS e as lâminas de vidro com sabão Extran. 2. Após, coloque os moldes e as lâminas de vidro dentro da cuba com água destilada e leve a cuba para o ultrassom com aquecimento ligado por 5 min. 3. Com a ajuda de uma pinça, colocar o PDMS e lâminas de vidro dentro da segunda cuba, com etanol; 4. Colocar a cuba dentro do ultrassom e repetir o procedimento de limpeza; 5. Seque os vidros com nitrogênio; 6. Coloque o PDMS dentro do forno, para que o etanol absorvido pelo PDMS evapore. OBS: Para facilidade, neste momento, molde = PDMS com geometria já impressa. Tratamento com Air Plasma Cleaner e selagem do micro reator 1. Colocar os moldes e as lâminas de vidro em cima de um vidro pirex, tendo cuidado para observar que o lado voltado para cima seja o lado com os canais impressos; 2. Colocar o pirex dentro do Air Plasma Cleaner; 3. Ligar a bomba de vácuo e deixar o vácuo ligado por 2 min; 4. Após 2 min, desligar a bomba de vácuo e ativar o plasma de O 2 com uma rádio frequência de alta intensidade; 5. Observar a coloração do plasma no interior da câmara. Quando o mesmo estiver com um brilho rosa, contar 2 min. 6. Após 2 min, desligar as rádio frequência e abrir a válvula de vácuo; 7. Abrir a câmera de plasma e com o cuidado para não tocar na superfície do vidro e do PDMS, unir ambos, pressionando levemente para que a selagem seja resistente; 8. Com o dispositivo já selado, levar o mesmo para o forno à 60º por 30 min.

Aula Prática 1 - Gerador Van de Graaff e interação entre corpos carregados

Aula Prática 1 - Gerador Van de Graaff e interação entre corpos carregados Aula Prática 1 - Gerador Van de Graaff e interação entre corpos carregados Disciplinas: Física III (DQF 06034) Fundamentos de Física III (DQF 10079) Departamento de Química e Física- CCA/UFES Objetivo:

Leia mais

BC-1302 QUÍMICA DOS ELEMENTOS

BC-1302 QUÍMICA DOS ELEMENTOS PRÁTICA 5: Oxigênio e Enxofre Objetivos Preparar o gás oxigênio, por método laboratorial e estudar algumas de suas propriedades. Estudar o enxofre nas suas variações alotrópicas e algumas de suas reações.

Leia mais

Dados Técnicos Novembro/ 2011

Dados Técnicos Novembro/ 2011 Window Film FX-ST 20 Dados Técnicos Novembro/ 2011 Descrição A 3M oferece uma ampla opção de películas para vidros que rejeitam o calor e bloqueiam praticamente todos os raios ultravioletas prejudiciais

Leia mais

Window Film Neutral 35

Window Film Neutral 35 Window Film Neutral 35 Dados Técnicos Novembro/ 2011 Descrição A 3M oferece uma ampla opção de películas para vidros que rejeitam o calor e bloqueiam praticamente todos os raios infravermelhos e ultravioletas

Leia mais

SUPER PRESS GRILL INSTRUÇÕES. Ari Jr. DATA. Diogo APROV. Nayana. Super Press Grill. Folheto de Instrução - User Manual 940-09-05. Liberação do Arquivo

SUPER PRESS GRILL INSTRUÇÕES. Ari Jr. DATA. Diogo APROV. Nayana. Super Press Grill. Folheto de Instrução - User Manual 940-09-05. Liberação do Arquivo N MODIFICAÇÃO POR 0 Liberação do Arquivo Ari Jr 10-12-2012 1 Inclusão da informação sobe uso doméstico (certificação) Ari Jr 14-02-2013 PODERÁ SER UTILIZADO POR TERCEIROS DA BRITÂNIA ELETRODOMÉSTICOS LTDA.

Leia mais

TUTORIAL LIMPEZA DE ESPELHO DE TELESCÓPIO NEWTONIANO: PROCEDIMENTOS, MATERIAIS E ETAPAS. Por: James Solon

TUTORIAL LIMPEZA DE ESPELHO DE TELESCÓPIO NEWTONIANO: PROCEDIMENTOS, MATERIAIS E ETAPAS. Por: James Solon TUTORIAL LIMPEZA DE ESPELHO DE TELESCÓPIO NEWTONIANO: PROCEDIMENTOS, MATERIAIS E ETAPAS. Por: James Solon Com o passar do tempo e principalmente do uso, os espelhos dos telescópios de modelo Newtoniano

Leia mais

Experimento para Química. Velocidade da Reação

Experimento para Química. Velocidade da Reação Experimento para Química Velocidade da Reação A velocidade das reações químicas depende de muitos fatores. Este experimento visa demonstrar aos alunos a influência da temperatura e da superfície de contato

Leia mais

FORNO ELÉTRICO VCC-8028

FORNO ELÉTRICO VCC-8028 Manual de Instruções FORNO ELÉTRICO VCC-8028 SOMENTE PARA USO DOMÉSTICO Leia atentamente as informações contidas neste manual antes de usar o aparelho. INFORMAÇÕES DE SEGURANÇA: 1. Antes de utilizar o

Leia mais

PROTOTIPAGEM DE MICRORREATORES FOTOCATALÍTICOS E TESTES DE FOTODEGRADAÇÃO DE CORANTES ORGÂNICOS

PROTOTIPAGEM DE MICRORREATORES FOTOCATALÍTICOS E TESTES DE FOTODEGRADAÇÃO DE CORANTES ORGÂNICOS Quim. Nova, Vol. 38, No. 6, 859-863, 2015 http://dx.doi.org/10.5935/0100-4042.20150079 PROTOTIPAGEM DE MICRORREATORES FOTOCATALÍTICOS E TESTES DE FOTODEGRADAÇÃO DE CORANTES ORGÂNICOS Omar Pandoli a, *,

Leia mais

MANUAL DE INSTRUÇÕES PARA PERSONALIZAÇÃO DE BONECOS COM A MÁQUINA 3D FACE DOLL

MANUAL DE INSTRUÇÕES PARA PERSONALIZAÇÃO DE BONECOS COM A MÁQUINA 3D FACE DOLL MANUAL DE INSTRUÇÕES PARA PERSONALIZAÇÃO DE BONECOS COM A MÁQUINA 3D FACE DOLL Identificação dos elementos da Máquina 3D Face Doll: Antes de ligar a máquina 3D Face Doll e iniciar seu trabalho é indispensável

Leia mais

AULA PRÁTICA DE QUÍMICA GERAL Estudando a água parte 29

AULA PRÁTICA DE QUÍMICA GERAL Estudando a água parte 29 AULA PRÁTICA DE QUÍMICA GERAL Estudando a água parte 29 9º NO DO ENSINO FUNDAMENTAL - 1º ANO DO ENSINO MÉDIO OBJETIVO Diversos experimentos, usando principalmente água e materiais de fácil obtenção, são

Leia mais

phmetros e eletrodos eletrodos de ph¹ Características Especificações Técnicas Embalagem contém: equipamentos

phmetros e eletrodos eletrodos de ph¹ Características Especificações Técnicas Embalagem contém: equipamentos phmetros e eletrodos eletrodos de ph¹ Ideais para uso em rotinas de aferições de ph em soluções. Ampla possibilidade de uso em escolas, laboratórios, indústrias, universidades, centros de pesquisa, entre

Leia mais

ACTIVIDADE LABORATORIAL - QUÍMICA 12º ANO. Produção de BIODIESEL a partir de óleo alimentar usado

ACTIVIDADE LABORATORIAL - QUÍMICA 12º ANO. Produção de BIODIESEL a partir de óleo alimentar usado ACTIVIDADE LABORATORIAL - QUÍMICA 12º ANO Produção de BIODIESEL a partir de óleo alimentar usado 1. Objectivo: Reutilizar os óleos vegetais rejeitados 2. O que se pretende: 2.1 Seleccionar material adequado

Leia mais

APLICAÇÃO DA TÉCNICA DE TERMOGRAFIA ATIVA NA INSPEÇÃO NÃO-DESTRUTIVA DE TAMBORES DE REJEITO NUCLEAR

APLICAÇÃO DA TÉCNICA DE TERMOGRAFIA ATIVA NA INSPEÇÃO NÃO-DESTRUTIVA DE TAMBORES DE REJEITO NUCLEAR APLICAÇÃO DA TÉCNICA DE TERMOGRAFIA ATIVA NA INSPEÇÃO NÃO-DESTRUTIVA DE TAMBORES DE REJEITO NUCLEAR Aluno: Igor Szczerb Orientador: Marcos Venicius Soares Pereira Introdução A termografia ativa é um método

Leia mais

Determinação do poder rotatório específico das soluções

Determinação do poder rotatório específico das soluções Determinação do poder rotatório específico das soluções O poder rotatório específico vai ser determinado utilizando o polarímetro. É necessário proceder-se à calibração deste aparelho. Constituição e características

Leia mais

INÍCIO Instruções para a Aplicação

INÍCIO Instruções para a Aplicação INÍCIO Instruções para a Aplicação As advertências devem ser seguidas cuidadosamente para evitar lesões corporais DESEMBALANDO 1 Remover as lâmpadas da embalagem cuidadosamente 1. A máquina deve ser utilizada

Leia mais

Síntese do acetato de n-butilo ou etanoato de n-butilo

Síntese do acetato de n-butilo ou etanoato de n-butilo Projeto Ciência Viva INTRODUÇÃO À QUÍMICA VERDE, COMO SUPORTE DA SUSTENTABILIDADE, NO ENSINO SECUNDÁRIO PL 3.4 Identificação e síntese de substâncias com aromas e sabores especiais Síntese do acetato de

Leia mais

09/11 658-09-05 773987 REV.2. FRITADEIRA Frita-Fácil. Plus 3. www.britania.com.br/faleconosco.aspx MANUAL DE INSTRUÇÕES

09/11 658-09-05 773987 REV.2. FRITADEIRA Frita-Fácil. Plus 3. www.britania.com.br/faleconosco.aspx MANUAL DE INSTRUÇÕES 09/11 658-09-05 773987 REV.2 FRITADEIRA Frita-Fácil Plus 3 www.britania.com.br/faleconosco.aspx MANUAL DE INSTRUÇÕES INTRODUÇÃO Parabéns pela escolha de mais um produto da linha Britânia. Para garantir

Leia mais

Espectroscopia Atómica com uma Rede de Transmissão

Espectroscopia Atómica com uma Rede de Transmissão LABORATÓRIO DE FÍSICA ATÓMICA, ÓPTICA E FÍSICA DAS RADIAÇÕES Mestrado Integrado em Engenharia Física Tecnológica Espectroscopia Atómica com uma Rede de Transmissão 1. Objectivos O estudo de diversos espectros

Leia mais

AULA PRÁTICA DE QUÍMICA GERAL Estudando a água parte 30

AULA PRÁTICA DE QUÍMICA GERAL Estudando a água parte 30 AULA PRÁTICA DE QUÍMICA GERAL Estudando a água parte 30 9º N D ENSIN FUNDAMENTAL - 1º AN D ENSIN MÉDI BJETIV Diversos experimentos, usando principalmente água e materiais de fácil obtenção, são possíveis

Leia mais

FICHA TÉCNICA UNIFIX MS ESPELHO

FICHA TÉCNICA UNIFIX MS ESPELHO F.I.S.P.Q. N 13 - Página 1/5 MERCOTRADE IMP. E EXP. LTDA Matriz: Av. Panamericana, 641 91050-001 Porto Alegre - RS Fone: 51-3208.5000 Fax: 51-3208.5050 Fax:11-3796.6116 CNPJ: 94.583.788/0001-50 Informação

Leia mais

ESTADO DE RORAIMA Amazônia: Patrimônio dos Brasileiros SECRETARIA DE ESTADO DA SAÚDE ANEXO I DESCRIÇÃO E QUANTITATIVO

ESTADO DE RORAIMA Amazônia: Patrimônio dos Brasileiros SECRETARIA DE ESTADO DA SAÚDE ANEXO I DESCRIÇÃO E QUANTITATIVO ANEXO I DESCRIÇÃO E QUANTITATIVO ITEM ESPECIFICAÇÃO UNIDADE QTDE 1 Ácido Peracético 0,2%. Galão de 5 litros. Validade maior ou igual a 12 (doze) meses a contar GALÃO 800 Caneta marcadora atóxica, ideal

Leia mais

02/ REV 1 SOMENTE PARA USO DOMÉSTICO. Panquequeira. Manual de Instruções

02/ REV 1 SOMENTE PARA USO DOMÉSTICO. Panquequeira. Manual de Instruções 02/13 963-09-05 781955 REV 1 SOMENTE PARA USO DOMÉSTICO Panquequeira Manual de Instruções INTRODUÇÃO Parabéns pela escolha de mais um produto de nossa linha. Para garantir o melhor desempenho de seu produto,

Leia mais

Profissional que realiza: Técnico de Enfermagem e Auxiliar de Enfermagem. Material utilizado: detergente enzimático, detergente neutro e álcool á 70%.

Profissional que realiza: Técnico de Enfermagem e Auxiliar de Enfermagem. Material utilizado: detergente enzimático, detergente neutro e álcool á 70%. Divisão de Enfermagem CME Página 1 de 5 Freqüência que é realizado: Diariamente Profissional que realiza: Técnico de Enfermagem e Auxiliar de Enfermagem. Material utilizado: detergente enzimático, detergente

Leia mais

1ª QUESTÃO Valor 1,0 = 1. Dados: índice de refração do ar: n 2. massa específica da cortiça: 200 kg/m 3. 1 of :36

1ª QUESTÃO Valor 1,0 = 1. Dados: índice de refração do ar: n 2. massa específica da cortiça: 200 kg/m 3. 1 of :36 1ª QUESTÃO Valor 1,0 Uma lâmpada é colocada no fundo de um recipiente com líquido, diretamente abaixo do centro de um cubo de cortiça de 10 cm de lado que flutua no líquido. Sabendo que o índice de refração

Leia mais

Experiência 2. DETERMINAÇÃO DO PONTO DE FUSÃO DE SUBSTÂNCIAS

Experiência 2. DETERMINAÇÃO DO PONTO DE FUSÃO DE SUBSTÂNCIAS Experiência 2. DETERMINAÇÃO DO PONTO DE FUSÃO DE SUBSTÂNCIAS 1. Objetivos Ao final desta atividade experimental espera-se que o aluno seja capaz de: - Identificar compostos e determinar suas purezas usando

Leia mais

TELHAS DE POLICARBONATO

TELHAS DE POLICARBONATO TELHAS DE POLICARBONATO MANUAL DE INSTALAÇÃO As Telhas de Policarbonato BOLD proporcionam ótima transmissão de luz (praticamente idêntica ao vidro), favorecendo maior aproveitamento da luz natural, reduzindo

Leia mais

Atividade prática Estudo das misturas: fases e componentes Parte 1

Atividade prática Estudo das misturas: fases e componentes Parte 1 Atividade prática Estudo das misturas: fases e componentes Parte 1 9º ano do Ensino Fundamental/1º ano do Ensino Médio Objetivo Vivenciar conceitos importantes sobre a classificação dos diversos tipos

Leia mais

Teor de MO e Densidade de solos

Teor de MO e Densidade de solos Teor de MO e Densidade de solos 29/01/2012 Prof. Patrício Pires patricio.pires@gmail.com Introdução 2 1ª Parte Dia Mês Aula Programação Apresentação do Curso. 4 1ª Coleta e preparação de amostras. Caracterização

Leia mais

ARMACELL ACESSÓRIOS 2

ARMACELL ACESSÓRIOS 2 ARMACELL ACESSÓRIOS 2 ACESSÓRIOS 164 Os melhores acessórios para uma boa instalação Armaflex Gama completa de ferramentas e acessórios profissionais. Ampla gama de adesivos compatíveis com os diferentes

Leia mais

DETECÇÃO QUALITATIVA DE ARGILAS PREJUDICIAIS DO GRUPO ESMECTITA EM AGREGADOS UTILIZANDO AZUL DE METILENO

DETECÇÃO QUALITATIVA DE ARGILAS PREJUDICIAIS DO GRUPO ESMECTITA EM AGREGADOS UTILIZANDO AZUL DE METILENO DETECÇÃO QUALITATIVA DE ARGILAS PREJUDICIAIS DO GRUPO ESMECTITA EM AGREGADOS UTILIZANDO AZUL DE METILENO C D T - CENTRO DE DESENVOLVIMENTO TECNOLÓGICO Setembro de 2015 DESIGNAÇÃO - ARTERIS T- 330-07 (2011)¹

Leia mais

2-10. Espelho Banheiro. Iluminação e Desembaçador automáticos e indicadores de umidade do ar e temperatura. Criação:

2-10. Espelho Banheiro. Iluminação e Desembaçador automáticos e indicadores de umidade do ar e temperatura. Criação: Apresenta Espelho Banheiro 2-10 Iluminação e Desembaçador automáticos e indicadores de umidade do ar e temperatura Criação: Artesão/Engenheiro: Carlos Mury 3-10 Construção totalmente, tornando a peça única,

Leia mais

COMO FAZER OVOS DE PÁSCOA

COMO FAZER OVOS DE PÁSCOA COMO FAZER OVOS DE PÁSCOA Modo de preparo: 1. Comece preparando o recheio de trufa (veja a receita abaixo). Em seguida, separe os ingredientes pedidos na receita. 2. Coloque o chocolate meio-amargo sobre

Leia mais

Newton gostava de ler! 4ª Série Módulo II Pós sob investigação

Newton gostava de ler! 4ª Série Módulo II Pós sob investigação Newton gostava de ler! 4ª Série Módulo II Pós sob investigação Fábrica Centro Ciência Viva de Aveiro 14 janeiro 2014 Objetivos - Dinamização de uma sessão de leitura de excertos de um livro. - A partir

Leia mais

Muitos que não conhecem este sistema devem estar se perguntando, a água vai retornar por sucção após esfriamento? SIM! É isso mesmo.

Muitos que não conhecem este sistema devem estar se perguntando, a água vai retornar por sucção após esfriamento? SIM! É isso mesmo. Matheus Berçan matheusdutra89@gmail.com Um fato que deixa alguns proprietários de veículos antigos indignados é ter que completar a água do radiador com uma frequência muito grande. Nas trilhas ou antes

Leia mais

Acessórios de colagem a UV. Referência Máquina para colar a UV Entrada 220 V Potência 100W Cor da luz: Branca

Acessórios de colagem a UV. Referência Máquina para colar a UV Entrada 220 V Potência 100W Cor da luz: Branca Referência 008 75 310 Entrada 220 V Potência 100W Cor da luz: Branca Lâmpada recarregável Referência 008 75 319 Marca: Bohle 87 Referência 008 75 400 Entrada 230 V Potência 45W Cor da luz: Azul Comprimento

Leia mais

MANUAL DE conservação e limpeza

MANUAL DE conservação e limpeza MANUAL DE conservação e limpeza 1 MAnual de conservação e limpeza Uma boa conservação e uma limpeza correta pode aumentar a durabilidade e também a estética do seu móvel. Este manual visa dar dicas e sugestões

Leia mais

Apostila 2. Capítulo 9. Refração. Página 321. Gnomo

Apostila 2. Capítulo 9. Refração. Página 321. Gnomo Apostila 2 Capítulo 9 Página 321 Refração Refração Refração da luz é a passagem da luz de um meio para outro, acompanhada de variação em sua velocidade de propagação. O que caracteriza a refração é a variação

Leia mais

Proteção para veículos LY41200 CAP400 PRO90 CAP150 PRO200 PRO60

Proteção para veículos LY41200 CAP400 PRO90 CAP150 PRO200 PRO60 Proteção para veículos LY41200 CAP400 PRO90 CAP150 PRO200 PRO60 LY41200 - Proteção Interiores LYNX 4 em 1 Integral 4 em 1 Proteção ideal para o interior do veículo As vantagens do Integral 4 em 1 LY41200

Leia mais

CONTROLE DE QUALIDADE DE ALIMENTOS Instituto de Nutrição Annes Dias INFORMATIVO Nº05/2010 OUTUBRO

CONTROLE DE QUALIDADE DE ALIMENTOS Instituto de Nutrição Annes Dias INFORMATIVO Nº05/2010 OUTUBRO PICADOR DE CARNE DESCASCADOR PROCESSADOR DE ALIMENTOS A utilização destes equipamentos possibilita a execução das tarefas com menos desgaste para o manipulador de alimentos e uma maior qualidade na preparação

Leia mais

Bolo Saint Honoré. A receita é longa, mas não desanime! É possível fazer uma etapa por dia! I. Massa Folhada

Bolo Saint Honoré. A receita é longa, mas não desanime! É possível fazer uma etapa por dia! I. Massa Folhada Bolo Saint Honoré Essa é a minha versão para um clássico da gastronomia francesa, que se tornou conhecido em vários países, inclusive no Brasil, a Torta Saint Honoré, criada em homenagem a Santo Honório,

Leia mais

Creme de Milho Indiano Bhutte Ka Kees Bhutte Ka Kees wrap indiano

Creme de Milho Indiano Bhutte Ka Kees Bhutte Ka Kees wrap indiano Creme de Milho Bhutte Ka Kees Indiano Uma das coisas mais difíceis foi definir um título para esta receita. O nome indiano é Bhutte Ka Kees, mas só colocar esse nome fica vago e bem, para quem não conhece

Leia mais

ROTEIRO PARA O EXPERIMENTO PRÁTICO SISMÓGRAFO

ROTEIRO PARA O EXPERIMENTO PRÁTICO SISMÓGRAFO ROTEIRO PARA O EXPERIMENTO PRÁTICO SISMÓGRAFO ÁREA DO CONHECIMENTO Física CONTEÚDO Mecânica: oscilações; movimento harmônico simples; ondas mecânicas. OBJETIVO(S) Mostrar o princípio de funcionamento de

Leia mais

Abrir, cortar e assar a massa de biscoitos

Abrir, cortar e assar a massa de biscoitos Abrir, cortar e assar a massa de biscoitos 1 Abrir a massa Uma vez que temos a nossa massa preparada, dividimos em duas partes, pegamos uma porção e colocamos entre duas folhas de papel vegetal, utilizando

Leia mais

Departamento de Engenharia Química e de Materiais

Departamento de Engenharia Química e de Materiais FILMES DE NANOPARTÍCULAS LUMINESCENTES EM DISPOSITIVO MICROFLUÍDICOS VISANDO O DESENVOLVIMENTO EM MÉTODOS ANALÍTICOS PARA A DETERMINAÇÃO DE SUBSTÂNCIAS DE INTERESSE CLÍNICO BIOLÓGICO Alunos: Julia Jorge

Leia mais

IDENTIFICAÇÃO DE SUBSTÂNCIAS E AVALIAÇÃO DA SUA PUREZA

IDENTIFICAÇÃO DE SUBSTÂNCIAS E AVALIAÇÃO DA SUA PUREZA IDENTIFICAÇÃO DE SUBSTÂNCIAS E AVALIAÇÃO DA SUA PUREZA O que se pretende Utilizar técnicas experimentais de determinação de propriedades físicas características das substâncias como métodos de identificação

Leia mais

Processos físicos de separação de misturas

Processos físicos de separação de misturas Processos físicos de separação de misturas Misturas heterogêneas sólido-sólido Catação Peneiração Flutuação Separação Magnética Dissolução Fracionada Sublimação CATAÇÃO Baseia-se na identificação visual

Leia mais

COLÉGIO NOVO ANGLO DE JABOTICABAL (QUÍMICA) PROFESSOR: JOÃO MEDEIROS

COLÉGIO NOVO ANGLO DE JABOTICABAL (QUÍMICA) PROFESSOR: JOÃO MEDEIROS COLÉGIO NOVO ANGLO DE JABOTICABAL (QUÍMICA) PROCESSOS DE SEPARAÇÃO DE MISTURAS PROFESSOR: JOÃO MEDEIROS 2012 Natureza É raro encontrarmos substâncias puras, normalmente encontramos misturas de substâncias.

Leia mais

Símbolos de produto dos Sistemas de produção Xerox Nuvera 100/120/144/157 EA e MX Sistemas de produção Xerox Nuvera 200/288/314 EA e MX Perfecting

Símbolos de produto dos Sistemas de produção Xerox Nuvera 100/120/144/157 EA e MX Sistemas de produção Xerox Nuvera 200/288/314 EA e MX Perfecting s de produto dos Sistemas de produção Xerox Nuvera 100/120/144/157 EA e MX Sistemas de produção Xerox Nuvera 200/288/314 EA e MX Perfecting Consulte a tabela a seguir para obter os símbolos do produto

Leia mais

Substituindo o fusor. Imprimindo. Usando cores. Manuseio de papel. Manutenção. Solucionando problemas. Administração. Índice

Substituindo o fusor. Imprimindo. Usando cores. Manuseio de papel. Manutenção. Solucionando problemas. Administração. Índice Sua impressora monitora a vida útil do fusor. Quando o fusor alcança o final de sua vida útil, a impressora exibe a mensagem 80 Fusor Esgotado. Essa mensagem indica que está na hora de substituir o fusor.

Leia mais

Substituição HTC Droid DNA Bateria

Substituição HTC Droid DNA Bateria Substituição HTC Droid DNA Bateria Substituir a bateria do seu DNA HTC Droid. Redigido por: Madeline Tran INTRODUÇÃO Utilize este guia para substituir a bateria do seu HTC Droid DNA. FERRAMENTAS: Clipe

Leia mais

Manual de Instrucoes. Estufa Horizontal e Vertical. o futuro chegou a cozinha. refrigeracao coccao linha modular exposicao distribuicao apoio

Manual de Instrucoes. Estufa Horizontal e Vertical. o futuro chegou a cozinha. refrigeracao coccao linha modular exposicao distribuicao apoio Manual de Instrucoes Estufa Horizontal e Vertical o futuro chegou a cozinha refrigeracao coccao linha modular exposicao distribuicao apoio Obrigado por ter adquirido Equipamentos ELVI É com satisfação

Leia mais

3 Bonecos de sal E3-1

3 Bonecos de sal E3-1 3 Bonecos de sal E3-1 o que necessitas INGREDIENTES BÁSICOS uma medida de farinha uma medida de sal fino meia medida de água da torneira MATERIAL recipientes para os ingredientes chávenas para servirem

Leia mais

Manual de Instruções Trena Digital DUS 20 plus

Manual de Instruções Trena Digital DUS 20 plus Universidade Federal de Santa Catarina Centro Tecnológico Departamento de Engenharia Civil Laboratório de Eficiência Energética em Edificações www.labeee.ufsc.br Trena Digital DUS 20 plus Bolsista: Isis

Leia mais

Ligar cuidadosamente a fonte de alimentação.

Ligar cuidadosamente a fonte de alimentação. REALIZAÇÃO EXPERIMENTAL Objectivos Interpretar as reacções químicas que ocorrem quando se efectua a electrólise de uma solução aquosa de cloreto de cobre (II) com eléctrodos de grafite, ferro e zinco.

Leia mais

Pegar o berço duplo ou triplo e colocar o blister em cima. As cápsulas podem ser acomodadas no blister antes ou depois de colocar o blister no berço, de acordo com a sua necessidade de produção. ATENÇÃO:

Leia mais

RECOMENDAÇÕES DE UTILIZAÇÃO

RECOMENDAÇÕES DE UTILIZAÇÃO RECOMENDAÇÕES DE UTILIZAÇÃO ARMAZENAMENTO Os rolos de películas vinilo Teckwrap devem ser guardados em posição vertical nas suas embalagens de origem até à sua utilização efetiva. Se o rolo for colocado

Leia mais

Preparação do gel de poliacrilamida

Preparação do gel de poliacrilamida Preparação do gel de poliacrilamida Materiais: - álcool 70% (limpeza) - SDS 10% - água Milli-Q - APS 10% - acrilamida/ bisacrilamida 40% - TEMED - tampão Tris-HCl, ph 8,8 e 6,8 - vidros 1º Limpar os vidros

Leia mais

Adaptando um apontador laser. Introdução. Materiais Necessários

Adaptando um apontador laser. Introdução. Materiais Necessários dução Adapte um apontador laser, usando materiais simples, para funcionar em um suporte fixo, com pilhas e ser ligado através de um interruptor. Ideal para demonstrações utilizando laser. Materiais Necessários

Leia mais

CPV seu pé direito também na Medicina

CPV seu pé direito também na Medicina seu pé direito também na Medicina UNIFESP 17/dezembro/2010 QUÍMICA 06. Ligas metálicas são comuns no cotidiano e muito utilizadas nas indústrias automobilística, aeronáutica, eletrônica e na construção

Leia mais

QUÍMICA 12º ANO ACTIVIDADE DE PROJECTO CONSTRUÇÃO DE UMA PILHA PROPOSTA DA METODOLOGIA 2010/ º Período

QUÍMICA 12º ANO ACTIVIDADE DE PROJECTO CONSTRUÇÃO DE UMA PILHA PROPOSTA DA METODOLOGIA 2010/ º Período QUÍMICA 12º ANO ACTIVIDADE DE PROJECTO CONSTRUÇÃO DE UMA PILHA PROPOSTA DA METODOLOGIA Henrique Fernandes, número 9 Ricardo Cunha, número 20 Jéssica Lopes, número 26 Professor Ângelo Fernandes Turma B

Leia mais

Unidade V - Determinação de umidade e sólidos totais

Unidade V - Determinação de umidade e sólidos totais Unidade V - Determinação de umidade e sólidos totais O método empregado depende do objetivo. O que estou necessitando? Rapidez? Precisão? Exatidão? Medir em tempo real? Umidade: métodos Quantitativos Métodos

Leia mais

MEDIDOR DE PH ITPH 2300

MEDIDOR DE PH ITPH 2300 MEDIDOR DE PH ITPH 2300 Embora o ITPH 2300 é muito fácil de usar, aconselhamos ler o manual de instruções atentamente antes de usar o instrumento. 1. Especificação Técnica * Alcance de Medição: ph:0.00~14.00ph;

Leia mais

ÓCULOS 3D MANUAL DO UTILIZADOR. Antes de utilizar este equipamento, leia este manual atentamente e guarde-o para consultas futuras.

ÓCULOS 3D MANUAL DO UTILIZADOR. Antes de utilizar este equipamento, leia este manual atentamente e guarde-o para consultas futuras. MANUAL DO UTILIZADOR ÓCULOS 3D Antes de utilizar este equipamento, leia este manual atentamente e guarde-o para consultas futuras. AG-S100 REV.01 www.lge.com Atenção Leia estas instruções de segurança

Leia mais

Experimento 1: Efeito do íon comum equilíbrio de ionização da amônia

Experimento 1: Efeito do íon comum equilíbrio de ionização da amônia Experimento Deslocamento de equilíbrios químicos (Princípio de Le Chatelier) Objetivo: Estudar e compreender alguns fatores que deslocam equilíbrios químicos. Experimento 1: Efeito do íon comum equilíbrio

Leia mais

ESPELHO DE MESA ESFERA DE VIDRO. ESPECIFICAÇÕES 27cm x 10cm x 17cm. 2,5 kg. ESPECIFICAÇÕES 12cm x 14cm x 24cm. 2,5 kg.

ESPELHO DE MESA ESFERA DE VIDRO. ESPECIFICAÇÕES 27cm x 10cm x 17cm. 2,5 kg. ESPECIFICAÇÕES 12cm x 14cm x 24cm. 2,5 kg. ESPELHO DE MESA Espelhos práticos e resistentes, dupla face com aumento em 5x a imagem sem distorções, possui movimento de rotação vertical, ideal para o uso diário em sua ótica. CODE: 10142 CODE: 10348

Leia mais

NTI - Instrução de Trabalho

NTI - Instrução de Trabalho Classificação: Uso Interno Ver.: 00 Pág. 1/13 1. OBJETIVO Procedimentos para gerar relatório com informações das características de hardware e programas instalados em computador usado e desativado e procedimentos

Leia mais

CIÊNCIAS PROVA 3º BIMESTRE 9º ANO PROJETO CIENTISTAS DO AMANHÃ

CIÊNCIAS PROVA 3º BIMESTRE 9º ANO PROJETO CIENTISTAS DO AMANHÃ PREFEITURA DA CIDADE DO RIO DE JANEIRO SECRETARIA MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO SUBSECRETARIA DE ENSINO COORDENADORIA DE EDUCAÇÃO CIÊNCIAS PROVA 3º BIMESTRE 9º ANO PROJETO CIENTISTAS DO AMANHÃ 2010 01. A tabela

Leia mais

LÂMPADA LED SMART A67 10W BIVOLT MANUAL DE INSTRUÇÃO DE USO

LÂMPADA LED SMART A67 10W BIVOLT MANUAL DE INSTRUÇÃO DE USO LÂMPADA LED SMART A67 10W BIVOLT MANUAL DE INSTRUÇÃO DE USO www.flc.com.br I. Visão Geral Este é um produto ecológico, econômico e eficaz, economiza até 90% de energia e dura até 10 vezes mais em relação

Leia mais

LÂMPADA LED SMART A67 10W BIVOLT

LÂMPADA LED SMART A67 10W BIVOLT LÂMPADA LED SMART A67 10W BIVOLT I. Visão Geral II. Instruções Importantes Este é um produto ecológico, econômico e eficaz, economiza até 90% de energia e dura até 10 vezes mais em relação ás lâmpadas

Leia mais

I n s t r u ç ã o p a r a I n s t a l a ç ã o d e P r o d u t o s

I n s t r u ç ã o p a r a I n s t a l a ç ã o d e P r o d u t o s Recomendações Iniciais: Cuidados com o produto: A limpeza final dos banheiros feita após a obra comumente com ácidos (muriático ou similar), causam danos ao acabamento dos Sobre o local de instalação:

Leia mais

COLETA DE MATERIAIS PARA EXAMES

COLETA DE MATERIAIS PARA EXAMES COLETA DE MATERIAIS PARA EXAMES PROFESSOR ENFERMEIRO DIÓGENES TREVIZAN Definição Consiste em colher sangue, urina, fezes e secreções, solicitados pelo médico, durante a internação do paciente. Em muitos

Leia mais

Asus Zenfone 2 Motherboard Replacement

Asus Zenfone 2 Motherboard Replacement Asus Zenfone 2 Motherboard Replacement Se você tiver problemas com o telefone reiniciar em momentos aleatórios, você poderia ter uma placa-mãe com defeito no seu telefone. Redigido por: Eduardo Nodarse

Leia mais

[Manual do Usuário] é bem durável e resistente é multi-uso é super simples de usar fácil de programar usa peças importadas ele não enferruja!

[Manual do Usuário] é bem durável e resistente é multi-uso é super simples de usar fácil de programar usa peças importadas ele não enferruja! >> destaques ECONOTIMER: é bem durável e resistente é multi-uso é super simples de usar fácil de programar usa peças importadas ele não enferruja! [Manual do Usuário] I NDEX. Introdução... 01. Aplicações...

Leia mais

A.L. 1.2 ANALISE ELEMENTAR POR VIA SECA

A.L. 1.2 ANALISE ELEMENTAR POR VIA SECA A.L. 1.2 ANALISE ELEMENTAR POR VIA SECA QUÍMICA 10.ºANO QUESTÃO-PROBLEMA A que será devida a cor do fogo de artifício? Sais da mesma cor darão cor idêntica a uma chama? Com esta actividade experimental

Leia mais

3º Capítulo: Confecção de Modelo e do Troquel usando Sistema Giriform.

3º Capítulo: Confecção de Modelo e do Troquel usando Sistema Giriform. Autor: Rogério Goulart da Costa 3º Capítulo: Confecção de Modelo e do Troquel usando Sistema Giriform. Em ambiente laboratorial procede-se a desinfeção do molde no intuito prevenir contágio com doenças

Leia mais

MANUAL DE INSTALAÇÃO FCI INOX

MANUAL DE INSTALAÇÃO FCI INOX MANUAL DE INSTALAÇÃO FCI INOX Parabéns você acaba de adquirir um filtro central de inox. A seguir lhe mostraremos o passo a passo para fazer a correta instalação do seu filtro central de inox, garantindo

Leia mais

06/ REV. 2. imagem meramente ilustrativa SOMENTE PARA USO DOMÉSTICO. Manual de Instruções

06/ REV. 2. imagem meramente ilustrativa SOMENTE PARA USO DOMÉSTICO. Manual de Instruções 06/11 705-09-05 775361 REV. 2 imagem meramente ilustrativa SOMENTE PARA USO DOMÉSTICO Manual de Instruções INTRODUÇÃO Parabéns pela escolha do Ventilador Coluna Turbo 40 Inox. Para garantir o melhor desempenho

Leia mais

Exercícios de Programação CLP

Exercícios de Programação CLP Exercícios de Programação CLP 1 - Monte um esquema para acionar um contator, utilizando uma chave liga/desliga (knob) de duas posições. 2 - Monte um esquema para acionar um contator, utilizando push-bottoms,

Leia mais

PANELA ELÉTRICA DE ARROZ

PANELA ELÉTRICA DE ARROZ EPV-891 PANELA ELÉTRICA DE ARROZ Manual de Instruções Leia e siga todas as instruções deste manual e guarde-o para consultas futuras. INFORMAÇÕES DE SEGURANÇA Antes de utilizar o aparelho leia atentamente

Leia mais

MÁQUINAS DE AR CONDICIONADO

MÁQUINAS DE AR CONDICIONADO MÁQUINAS DE AR CONDICIONADO CARACTERISTICAS TÉCNICAS Funcionamento: Automático Funcionamento: Totalmente Automático Display: LCD 2x24 caracteres Display: LCD grafico 240x64 caracteres Base dados: 30 Base

Leia mais

PRÁTICA 1 - DISPOSITIVOS DE COMANDO DE ILUMINAÇÃO

PRÁTICA 1 - DISPOSITIVOS DE COMANDO DE ILUMINAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE JUIZ DE FORA FACULDADE DE ENGENHARIA ENE045 - LABORATÓRIO DE ELETROTÉCNICA PRÁTICA - DISPOSITIVOS DE COMANDO DE ILUMINAÇÃO Grupo: ) Matrícula ) Matrícula ) Matrícula Turma: ( )

Leia mais

Eco sustentável. Aromatizador de Ambientes; Reciclagem de sabonetes e sabonete líquido

Eco sustentável. Aromatizador de Ambientes; Reciclagem de sabonetes e sabonete líquido Eco sustentável Aromatizador de Ambientes; Reciclagem de sabonetes e sabonete líquido INTRODUÇÃO: A implementação do tema Eco Sustentável, abrange as oficinas; Aromatizantes de Ambientes, Sabonete Líquido

Leia mais

REFRAÇÃO DA LUZ PROFESSOR RODRIGO PENNA PRODUÇÃO E DESENVOLVIMENTO

REFRAÇÃO DA LUZ PROFESSOR RODRIGO PENNA PRODUÇÃO E DESENVOLVIMENTO REFRAÇÃO DA LUZ PROFESSOR RODRIGO PENNA PRODUÇÃO E DESENVOLVIMENTO RODRIGO RODRIGO PENNA: PENNA: o quadradinho quadradinho branco branco é um um ângulo ângulo reto. reto. Mostrar Mostrar os os ângulos

Leia mais

Resolução UNIFESP 2015

Resolução UNIFESP 2015 Resolução UNIFESP 2015 1-Utilizando o aparato indicado na figura, certo volume de solução aquosa de sulfato de cobre(ii) hidratado foi colocado dentro do béquer. Quando o plugue foi conectado à tomada

Leia mais

2. Considerando a figura dada na questão 2, explique a principal dificuldade de conformação da sílica fundida em relação ao vidro de borosilicato.

2. Considerando a figura dada na questão 2, explique a principal dificuldade de conformação da sílica fundida em relação ao vidro de borosilicato. Lista de Exercícios Materiais Cerâmicos 1. Num vidro, a deformação pode ocorrer por meio de um escoamento isotrópico viscoso se a temperatura for suficientemente elevada. Grupos de átomos, como por exemplo

Leia mais

ROTEIRO DE AULA PRÁTICA IMÃS, CAMPO MAGNÉTICO E FORÇA MAGNÉTICA

ROTEIRO DE AULA PRÁTICA IMÃS, CAMPO MAGNÉTICO E FORÇA MAGNÉTICA ROTEIRO DE AULA PRÁTICA IMÃS, CAMPO MAGNÉTICO E FORÇA MAGNÉTICA 1- IMÃS-PÓLOS MAGNÉTICOS - placa de acrílico; - imãs em forma de barra; - Iimalha de ferro: - haste de material isolante com apoio vertical;

Leia mais

BT 0023 BOLETIM TÉCNICO RESINA HEC 010_ENDURECEDOR HEH

BT 0023 BOLETIM TÉCNICO RESINA HEC 010_ENDURECEDOR HEH BT 0023 BOLETIM TÉCNICO RESINA HEC 010_ENDURECEDOR HEH 2000 Elaborador: Verificadores: Aprovador: Resina HEC 010_Endurecedor HEH 2000 Resina epóxi para laminação

Leia mais

- Modelo câmara simples com 30cm de altura - - Modelo câmara simples com 50cm de altura - - Modelo câmara dupla com 30cm de altura - Introdução

- Modelo câmara simples com 30cm de altura - - Modelo câmara simples com 50cm de altura - - Modelo câmara dupla com 30cm de altura - Introdução Reator de Enxofre (Denitrificador) - Modelo câmara simples com 30cm de altura - - Modelo câmara simples com 50cm de altura - - Modelo câmara dupla com 30cm de altura - Introdução Por Frederico Ramos Em

Leia mais

DELTRON SISTEMAS ACELERADOS D863 D818

DELTRON SISTEMAS ACELERADOS D863 D818 DELTRON SISTEMAS ACELERADOS D863 D818 DESCRIÇÃO DO PRODUTO Todos os primers, vernizes e acabamentos de dois componentes PPG são formulados para proporcionar secagem rápida e um curto tempo de processo

Leia mais

PROTOCOLO DE UTILIZAÇAO

PROTOCOLO DE UTILIZAÇAO PROTOCOLO DE UTILIZAÇAO Hibridação para cortes de tecidos preservados em parafina Materiais fornecidos: DNA marcado com moléculas fluorescentes (sonda). Buffer(tampão) de Hibridação Reativos para preparar

Leia mais

Substâncias puras e misturas; análise imediata

Substâncias puras e misturas; análise imediata Segmento: Pré-vestibular Resoluções Coleção: Alfa, Beta e Gama Disciplina: Química Volume: 1 Série: 5 Substâncias puras e misturas; análise imediata 1. C Considerando as ilustrações, temos: I. Mistura

Leia mais

COLETA E COLETA CONSERVAÇÃO E DAS FEZES CONSERVAÇÃO DAS FEZES

COLETA E COLETA CONSERVAÇÃO E DAS FEZES CONSERVAÇÃO DAS FEZES COLETA E COLETA CONSERVAÇÃO E DAS FEZES CONSERVAÇÃO DAS FEZES MÉTODOS DE EXAMES COPROLÓGICOS São inúmeros os métodos de exames coprológicos descritos na literatura, os quais

Leia mais

USO DO APARELHO DE TESTE DE EQUIPAMENTO AUXILIAR DE IP

USO DO APARELHO DE TESTE DE EQUIPAMENTO AUXILIAR DE IP 1/5 1. Objetivo Estabelecer procedimentos para testes de reator, ignitor e polaridade com o aparelho de teste de equipamento auxiliar de IP, para execução de trabalhos de construção e manutenção em iluminação

Leia mais

Manual de Instruções

Manual de Instruções BTC299 Manual de Instruções REPRODUTO DE MÍDIA DIGITAL Visão Geral das Funções O BTC299 é um reprodutor de MP4 com tela sensível ao toque, no qual o usuário pode tocar na tela e selecionar menus internos

Leia mais

SE245 Caster Gel Dupla

SE245 Caster Gel Dupla man ual usuário Português SE245 Caster Gel Dupla mu SE245-IM/Portuguese/Rev.I0/08-12 Conteúdo Caster função dupla Gel e descrição...1 Desempacotando...1 Prepare o rodízio gel...2 Construa a pilha sanduíche

Leia mais

ESCOLA SECUNDÁRIA 2/3 LIMA DE FREITAS 10.º ANO FÍSICA E QUÍMICA A 2010/2011 NOME: Nº: TURMA:

ESCOLA SECUNDÁRIA 2/3 LIMA DE FREITAS 10.º ANO FÍSICA E QUÍMICA A 2010/2011 NOME: Nº: TURMA: ESCOLA SECUNDÁRIA 2/3 LIMA DE FREITAS 0.º ANO FÍSICA E QUÍMICA A 200/20 NOME: Nº: TURMA: AVALIAÇÃO: Prof.. A energia eléctrica pode ser produzida em centrais termoeléctricas. Nessa produção há perdas de

Leia mais

This page should not be printed.

This page should not be printed. Nº MODIFICAÇÃO POR DATA 0 Liberação de Arquivo Ari Jr 24-04-2015 This page should not be printed. This document is property of Britannia AND CAN NOT BE USED BY A THIRD PARTY PROJ. DATA MATERIAL QUANTIDADE

Leia mais

Cardápio de almoço Viva Sua Casa Viva

Cardápio de almoço Viva Sua Casa Viva Cardápio de almoço Viva Sua Casa Viva Para quem for seguir este cardápio, sugiro que inicie o preparo pelo purê de maçã( que é mais demorado), depois os cogumelos, o molho de mostarda, arroz e a carne

Leia mais