PROTOTIPAGEM DE MICRORREATORES FOTOCATALÍTICOS E TESTES DE FOTODEGRADAÇÃO DE CORANTES ORGÂNICOS

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "PROTOTIPAGEM DE MICRORREATORES FOTOCATALÍTICOS E TESTES DE FOTODEGRADAÇÃO DE CORANTES ORGÂNICOS"

Transcrição

1 Quim. Nova, Vol. XY, No. 00, S1-S5, 200_ PROTOTIPAGEM DE MICRORREATORES FOTOCATALÍTICOS E TESTES DE FOTODEGRADAÇÃO DE CORANTES ORGÂNICOS Omar Pandoli a, *, Tommaso Del Rosso b, Vinicius Modolo Santos a,c, Renan de Siqueira Rezende a e Bojan A. Marinkovic c a Departamento de Química, Pontifícia Universidade Católica, Rio de Janeiro RJ, Brasil b Departamento de Física, Pontifícia Universidade Católica, Rio de Janeiro RJ, Brasil c Departamento de Engenharia Química e de Materiais, Pontifícia Universidade Católica Rio de Janeiro RJ, Brasil Material Suplementar Figura 1S. Molde mestre após o corte da fita adesiva com a impressora laser à CO 2 Figura 4S. Peel out de PDMS sólido retirado do molde mestre pronto para ser selado sob o vidro após o tratamento com plasma de O 2 Figura 2S. Molde mestre após a retirada da Fita adesiva Figura 5S. Interior do Plasma cleaner antes da geração da nuvem de plasma Figura 3S. Mistura de PDMS/agente polimerizante despejada na superfície do molde mestre e curada no forno a 60ºC por 1h Figura 6S. Uma nuvem de plasma de O 2 de cor roxa na fase de ativação das superfícies de PDMS e vidro *

2 S2 Pandoli et al. Quim. Nova Figura 7S. Selagem dos componentes PDMS e Vidro, após a cura a 60 C por 30 minutos na estufa Figura 9S. Interior da câmara escura, contendo bomba de seringa, microrreator fotocatalítico e duas lâmpadas de 6W Figura 8S. Câmara escura Figura 10S. Interior da câmara escura durante o teste fotocatalítico Figura 11S. Espectros UV-VIS da solução original da Rodamina B 10-6 mol L -1 (perfil preto) e das soluções irradiadas em presença de P25 em diferentes velocidades de fluxo: 3 ml h -1 (perfil vermelho) e 2 ml h -1 (perfil azul), como indicado na Tabela 1

3 Vol. XY, No. 00 Prototipagem de microrreatores fotocatalíticos e testes de fotodegradação de corantes orgânicos S3 Figura 12S. Espectros UV-VIS da solução original de Azul de metileno 10-5 mol L -1 (perfil preto) e das soluções irradiadas em presença de P25 em diferente velocidade de fluxo: 3 ml h -1 (perfil vermelho) e 2 ml h -1 (perfil azul) como indicado na Tabela 2 Figura 13S. Espectros UV-VIS da solução original de Rodamina B 10-6 mol L -1 (perfil preto) e das soluções irradiadas na ausência de P25 em diferentes velocidades de fluxo:4 ml h -1 (perfil verde), 3 ml h -1 (perfil vermelho) e 2 ml h -1 (perfil azul)

4 S4 Pandoli et al. Quim. Nova Figura 14S. Espectros UV-VIS da solução original de Azul de Metileno 10-5 mol L -1 (perfil preto) e das soluções irradiadas na ausência de P25 em diferentes velocidades de fluxo: 3 ml h -1 (perfil vermelho) e 2 ml h -1 (perfil azul) PROTOCOLO DE FABRICAÇÃO DE DISPOSITIVOS MICROFLUÍDICOS Preparação do molde mestre do dispositivo 1. Desenhe a geometria do reator no software AutoCAD; 2. Limpe as lâminas de vidro onde os modelos serão impressos com um detergente neutro (Extran MA02 comercializado pela Merk); 3. Cole as fitas nas lâminas já limpas e corte-as com auxílio de uma impressora à laser de CO 2 ; 4. Após o corte, retire a parte externa da fita do lâmina de vidro. Preparação do molde mestre 1. Limpe o recipiente que receberá os moldes mestre com detergente Extran MA02, em seguida, utilize etanol e seque os mesmos com nitrogênio. 2. Utilizando uma fita adesiva dupla face, cole os moldes mestre dentro do recipiente já limpo. Preparação do PDMS 1. Misture o PDMS com o agente polimerizante em uma razão mássica de 10:1 respectivamente, isto é: para cada 10g de PDMS, 1g de agente polimerizante é adicionado; 2. Com a ajuda de um bastão de vidro, misture a solução vigorosamente por 10 min; 3. Coloque a mistura do PDMS/agente polimerizante dentro de um dissecador e ligue o mesmo a uma bomba de vácuo, esperando 30 min ou até que todas as bolhas de ar desapareçam. Quando não houver a presença de bolhas no PDMS, abrir a válvula do dissecador lentamente; Impressão da geometria no PDMS 1. Despeje o PDMS lentamente e uniformemente dentro do sistema de moldes; 2. Coloque o sistema dentro do dissecador e ligue a bomba de vácuo para que possíveis bolhas, ainda presentes no PDMS, sejam retiradas; 3. Leve o sistema para o forno a uma temperatura de 60º C por min. Passado o tempo, desligar o forno e deixar esfriar naturalmente até o dia seguinte; 4. Com o auxílio de um bisturi, corte PDMS já sólido. Neste momento observar que o corte deve ser feito em cima do vidro, sem danificar o mesmo; 5. Com auxílio de uma pequena espátula, soltar o PDMS (com os canais já impressos) aos poucos, com cuidado para provocar o menor estresse possível (Peel out); Furando o PDMS 1. Com o auxílio de uma agulha de ponta plana, perfurar verticalmente os locais do PDMS por onde serão fluxadas as soluções; 2. Após sentir que a agulha chegou na superfície onde o PDMS foi apoiado, girará-la levemente esquerda e direita para promover o corte da última camada de PDMS; 3. Quando a agulha atravessar o PDMS, com a ajuda de uma pinça,

5 Vol. XY, No. 00 Prototipagem de microrreatores fotocatalíticos e testes de fotodegradação de corantes orgânicos S5 pegar o pedaço que fica preso no interior da agulha. Limpeza PDMS e lâminas de vidro 1. Limpe o PDMS e as lâminas de vidro com sabão Extran. 2. Após, coloque os moldes e as lâminas de vidro dentro da cuba com água destilada e leve a cuba para o ultrassom com aquecimento ligado por 5 min. 3. Com a ajuda de uma pinça, colocar o PDMS e lâminas de vidro dentro da segunda cuba, com etanol; 4. Colocar a cuba dentro do ultrassom e repetir o procedimento de limpeza; 5. Seque os vidros com nitrogênio; 6. Coloque o PDMS dentro do forno, para que o etanol absorvido pelo PDMS evapore. OBS: Para facilidade, neste momento, molde = PDMS com geometria já impressa. Tratamento com Air Plasma Cleaner e selagem do micro reator 1. Colocar os moldes e as lâminas de vidro em cima de um vidro pirex, tendo cuidado para observar que o lado voltado para cima seja o lado com os canais impressos; 2. Colocar o pirex dentro do Air Plasma Cleaner; 3. Ligar a bomba de vácuo e deixar o vácuo ligado por 2 min; 4. Após 2 min, desligar a bomba de vácuo e ativar o plasma de O 2 com uma rádio frequência de alta intensidade; 5. Observar a coloração do plasma no interior da câmara. Quando o mesmo estiver com um brilho rosa, contar 2 min. 6. Após 2 min, desligar as rádio frequência e abrir a válvula de vácuo; 7. Abrir a câmera de plasma e com o cuidado para não tocar na superfície do vidro e do PDMS, unir ambos, pressionando levemente para que a selagem seja resistente; 8. Com o dispositivo já selado, levar o mesmo para o forno à 60º por 30 min.

Liquidificador Due Sapore

Liquidificador Due Sapore Liquidificador Due Sapore INTRODUÇÃO Parabéns pela escolha do Liquidificador Britânia. Para garantir o melhor desempenho de seu produto, ler atentamente as instruções a seguir. Recomenda-se não jogar fora

Leia mais

AULA PRÁTICA 4 Série de sólidos

AULA PRÁTICA 4 Série de sólidos SANEAMENTO AMBIENTAL EXPERIMENTAL TH 758 DHS PPGERHA - UFPR AULA PRÁTICA 4 Série de sólidos 1. Série de sólidos Resíduos ou sólidos são todas as matérias suspensas ou dissolvidas na água, provenientes

Leia mais

1) O que aconteceu com o cubo de gelo no béquer 1? Que conclusão você tira desse resultado?...

1) O que aconteceu com o cubo de gelo no béquer 1? Que conclusão você tira desse resultado?... Nº da Prática: 01 Data: / / Título da Prática: Qual o líquido é mais denso: a água líquida ou o álcool? S Comparar as densidades da água líquida, do gelo e do álcool. 2 cubos de gelo; álcool; água. Coloque

Leia mais

UNIVERSIDADE DO ALGARVE ESCOLA SUPERIOR DE TECNOLOGIA ÁREA DEPARTAMENTAL DE ENGENHARIA CIVIL LABORATÓRIO

UNIVERSIDADE DO ALGARVE ESCOLA SUPERIOR DE TECNOLOGIA ÁREA DEPARTAMENTAL DE ENGENHARIA CIVIL LABORATÓRIO UNIVERSIDADE DO ALGARVE ESCOLA SUPERIOR DE TECNOLOGIA ÁREA DEPARTAMENTAL DE ENGENHARIA CIVIL LABORATÓRIO DETERMINAÇÃO DO TEMPO DE PRESA E DA EXPANSIBILIDADE DO CIMENTO. DOCENTE: Engº Elson Almeida 2006

Leia mais

AULA PRÁTICA DE QUÍMICA GERAL Estudando a água parte 30

AULA PRÁTICA DE QUÍMICA GERAL Estudando a água parte 30 AULA PRÁTICA DE QUÍMICA GERAL Estudando a água parte 30 9º N D ENSIN FUNDAMENTAL - 1º AN D ENSIN MÉDI BJETIV Diversos experimentos, usando principalmente água e materiais de fácil obtenção, são possíveis

Leia mais

COMO CULTIVAR COGUMELOS NO MILHO

COMO CULTIVAR COGUMELOS NO MILHO COMO CULTIVAR COGUMELOS NO MILHO Materiais Necessarios: 5 Tocas Descartáveis 5 Luvas Cirúrgicas Alcool 70 Laminas de Bisturi Seringa de 20 ml (Tampa Verde de preferência) Esparadrapo Micropore Água Destilada

Leia mais

Cargo: D-43 - Tecnólogo Laboratório Meio ambiente

Cargo: D-43 - Tecnólogo Laboratório Meio ambiente da Prova Prática QUESTÃO 1: Cargo: D-43 - Tecnólogo Laboratório Meio ambiente A titulometria volumétrica envolve a medida de volume de uma solução de concentração conhecida, necessária para reagir essencial

Leia mais

A Original-Gebrauchsanleitung V1/0516

A Original-Gebrauchsanleitung V1/0516 6L A100268 Original-Gebrauchsanleitung V1/0516 P Especificações técnicas Nome Nº de ref.: A100268 Execução: Conjunto de panelas térmicas 6L Conjunto composto de: panela com tampa em vidro, recipiente térmico:

Leia mais

Aula Prática 1 - Gerador Van de Graaff e interação entre corpos carregados

Aula Prática 1 - Gerador Van de Graaff e interação entre corpos carregados Aula Prática 1 - Gerador Van de Graaff e interação entre corpos carregados Disciplinas: Física III (DQF 06034) Fundamentos de Física III (DQF 10079) Departamento de Química e Física- CCA/UFES Objetivo:

Leia mais

MANUAL DE INSTRUÇÕES PARA PERSONALIZAÇÃO DE BONECOS COM A MÁQUINA 3D FACE DOLL

MANUAL DE INSTRUÇÕES PARA PERSONALIZAÇÃO DE BONECOS COM A MÁQUINA 3D FACE DOLL MANUAL DE INSTRUÇÕES PARA PERSONALIZAÇÃO DE BONECOS COM A MÁQUINA 3D FACE DOLL Identificação dos elementos da Máquina 3D Face Doll: Antes de ligar a máquina 3D Face Doll e iniciar seu trabalho é indispensável

Leia mais

Universidade Federal do Rio Grande do Sul. Instituto de Física Departamento de Física. FIS01184 Física IV-C Área 1 Lista 1

Universidade Federal do Rio Grande do Sul. Instituto de Física Departamento de Física. FIS01184 Física IV-C Área 1 Lista 1 Universidade Federal do Rio Grande do Sul Instituto de Física Departamento de Física FIS01184 Física IV-C Área 1 Lista 1 1.A luz do Sol no limite superior da atmosfera terrestre tem uma intensidade de

Leia mais

ESTADO DE RORAIMA Amazônia: Patrimônio dos Brasileiros SECRETARIA DE ESTADO DA SAÚDE ANEXO I DESCRIÇÃO E QUANTITATIVO

ESTADO DE RORAIMA Amazônia: Patrimônio dos Brasileiros SECRETARIA DE ESTADO DA SAÚDE ANEXO I DESCRIÇÃO E QUANTITATIVO ANEXO I DESCRIÇÃO E QUANTITATIVO ITEM ESPECIFICAÇÃO UNIDADE QTDE 1 Ácido Peracético 0,2%. Galão de 5 litros. Validade maior ou igual a 12 (doze) meses a contar GALÃO 800 Caneta marcadora atóxica, ideal

Leia mais

Transferência de imagem para a argila. Leonor Lopes

Transferência de imagem para a argila. Leonor Lopes Transferência de imagem para a argila Leonor Lopes A transferência de imagem para a argila é uma técnica e não uma impressão litográfica, embora existam algumas semelhanças. É uma técnica que imprime a

Leia mais

BC-1302 QUÍMICA DOS ELEMENTOS

BC-1302 QUÍMICA DOS ELEMENTOS PRÁTICA 5: Oxigênio e Enxofre Objetivos Preparar o gás oxigênio, por método laboratorial e estudar algumas de suas propriedades. Estudar o enxofre nas suas variações alotrópicas e algumas de suas reações.

Leia mais

NBR NM 65. CIMENTO PORTLAND Determinação do Tempo de Pega

NBR NM 65. CIMENTO PORTLAND Determinação do Tempo de Pega NBR NM 65 CIMENTO PORTLAND Determinação do Tempo de Pega OBJETIVO: CIMENTO TEMPO DE PEGA Determinar os tempos (intervalos) de início e fim de pega da pasta de cimento Portland; DEFINIÇÕES: CIMENTO TEMPO

Leia mais

BRUNA SIQUEIRA DANNENHAUER. TUTORIAL RHINOCEROS Celular Nokia 2760

BRUNA SIQUEIRA DANNENHAUER. TUTORIAL RHINOCEROS Celular Nokia 2760 UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL FACULDADE DE ARQUITETURA DESIGN VISUAL ARQ 03071 - COMPUTAÇÃO GRÁFICA 1 Prof. Sérgio L. dos Santos - Prof. José Luis Aymone BRUNA SIQUEIRA DANNENHAUER TUTORIAL

Leia mais

AULA PRÁTICA DE QUÍMICA GERAL Estudando a água parte 29

AULA PRÁTICA DE QUÍMICA GERAL Estudando a água parte 29 AULA PRÁTICA DE QUÍMICA GERAL Estudando a água parte 29 9º NO DO ENSINO FUNDAMENTAL - 1º ANO DO ENSINO MÉDIO OBJETIVO Diversos experimentos, usando principalmente água e materiais de fácil obtenção, são

Leia mais

Manual de Instrucoes. Forno Eletrico. o futuro chegou a cozinha. refrigeracao coccao linha modular exposicao distribuicao apoio

Manual de Instrucoes. Forno Eletrico. o futuro chegou a cozinha. refrigeracao coccao linha modular exposicao distribuicao apoio Manual de Instrucoes Forno Eletrico o futuro chegou a cozinha refrigeracao coccao linha modular exposicao distribuicao apoio Obrigado por ter adquirido Equipamentos ELVI É com satisfação que entregamos

Leia mais

VELAS COLORIDAS E PERFUMADAS

VELAS COLORIDAS E PERFUMADAS VELAS AROMÁTICAS VELAS COLORIDAS E PERFUMADAS Material: 1. Parafina 2. Panela grande 3. Colher de pau de cabo longo 4. Pavio ou barbante encerado 5. Forma no formato desejado (usei copo: pode ser de geléia

Leia mais

powerlux MANUAL de INSTRUÇÕES

powerlux MANUAL de INSTRUÇÕES powerlux MANUAL de INSTRUÇÕES Powerlux Manual de Instruções - Recebimento Lembre-se que os equipamentos viajam por conta e risco do comprador, portanto notando qualquer avaria na embalagem ou no equipamento

Leia mais

Sumário. Dados Técnicos Desembalar o equipamento Abastecimento Montagem da escova Ligar a Remover System IC2...

Sumário. Dados Técnicos Desembalar o equipamento Abastecimento Montagem da escova Ligar a Remover System IC2... Sumário Dados Técnicos... 5 1 Desembalar o equipamento... 6 2 Abastecimento... 6 3 Montagem da escova... 7 4 Ligar a Remover System IC2... 7 5 Funcionamento com vapor e produto químico... 8 6 Funcionamento

Leia mais

EXAMES TOXICOLÓGICOS PARA DETECÇÃO DE DROGAS DE ABUSO / APLICAÇÃO DO TESTE PELO MÉTODO MERGULHO E CONTA-GOTAS

EXAMES TOXICOLÓGICOS PARA DETECÇÃO DE DROGAS DE ABUSO / APLICAÇÃO DO TESTE PELO MÉTODO MERGULHO E CONTA-GOTAS EXAMES TOXICOLÓGICOS PARA DETECÇÃO DE DROGAS DE ABUSO / APLICAÇÃO DO TESTE PELO MÉTODO MERGULHO E CONTA-GOTAS LEMBRAR SEMPRE Medidas de segurança: 1 - Banheiro com mictório: lacrar as torneiras; 2 - Banheiro

Leia mais

Hoefer SG15, SG30, SG50 e SG100

Hoefer SG15, SG30, SG50 e SG100 man ual usuário Português Hoefer SG15, SG30, SG50 e SG100 Fabricantes de gradiente mu SG100-IM/Portuguese/Rev.C0/08-12 Conteúdo 1. Introdução: Hoefer SG15, SG30, SG50, e SG100 fabricantes de gradiente...1

Leia mais

SEAT MAKER PASSO A PASSO

SEAT MAKER PASSO A PASSO SEAT MAKER PASSO A PASSO 1- Avaliação do Paciente: Assim como todo e qualquer trabalho de adequação postural em cadeira de rodas o primeiro passo é a avaliação do paciente. Com base na avaliação o terapeuta

Leia mais

Manual de Instrucoes. Cafeteira Eletrica. o futuro chegou a cozinha. refrigeracao coccao linha modular exposicao distribuicao apoio

Manual de Instrucoes. Cafeteira Eletrica. o futuro chegou a cozinha. refrigeracao coccao linha modular exposicao distribuicao apoio Manual de Instrucoes Cafeteira Eletrica o futuro chegou a cozinha refrigeracao coccao linha modular exposicao distribuicao apoio Obrigado por ter adquirido Equipamentos ELVI É com satisfação que entregamos

Leia mais

PROTOTIPAGEM DE MICRORREATORES FOTOCATALÍTICOS E TESTES DE FOTODEGRADAÇÃO DE CORANTES ORGÂNICOS

PROTOTIPAGEM DE MICRORREATORES FOTOCATALÍTICOS E TESTES DE FOTODEGRADAÇÃO DE CORANTES ORGÂNICOS Quim. Nova, Vol. 38, No. 6, 859-863, 2015 http://dx.doi.org/10.5935/0100-4042.20150079 PROTOTIPAGEM DE MICRORREATORES FOTOCATALÍTICOS E TESTES DE FOTODEGRADAÇÃO DE CORANTES ORGÂNICOS Omar Pandoli a, *,

Leia mais

INÍCIO Instruções para a Aplicação

INÍCIO Instruções para a Aplicação INÍCIO Instruções para a Aplicação As advertências devem ser seguidas cuidadosamente para evitar lesões corporais DESEMBALANDO 1 Remover as lâmpadas da embalagem cuidadosamente 1. A máquina deve ser utilizada

Leia mais

FORNO ELÉTRICO EPV-8009

FORNO ELÉTRICO EPV-8009 Manual de Instruções FORNO ELÉTRICO EPV-8009 SOMENTE PARA USO DOMÉSTICO Leia atentamente as informações contidas neste manual antes de usar o aparelho. INFORMAÇÕES DE SEGURANÇA: 1. Antes de utilizar o

Leia mais

PR Manual de Instruções

PR Manual de Instruções PR Manual de Instruções INTRODUÇÃO Parabéns pela escolha do Liquidificador Paris Eletronic. Para garantir o melhor desempenho de seu produto, ler atentamente as instruções a seguir. Recomenda-se não jogar

Leia mais

Associação Brasileira de Química XIII Maratona Cearense de Química a Fase 1 o Ano 18/08/10. Experiência

Associação Brasileira de Química XIII Maratona Cearense de Química a Fase 1 o Ano 18/08/10. Experiência 2 a Fase 1 o Ano 18/08/10 Material e Reagentes: Experiência Açúcar (sacarose) Bicarbonato de sódio Álcool etílico Recipiente com graduação (proveta ou seringa) Almofariz com pistilo Fósforo ou isqueiro

Leia mais

MANUAL DE INSTRUÇÕES TERMOLAMINADORA TM-360

MANUAL DE INSTRUÇÕES TERMOLAMINADORA TM-360 MANUAL DE INSTRUÇÕES TERMOLAMINADORA TM-360 PAINEL DE CONTROLE 1. Indicador de velocidade do motor 2. Indicador de tempetaratura 3. Maior velocidade no motor 4. Menor velocidade no motor 5. Maior temperatura

Leia mais

phmetros e eletrodos eletrodos de ph¹ Características Especificações Técnicas Embalagem contém: equipamentos

phmetros e eletrodos eletrodos de ph¹ Características Especificações Técnicas Embalagem contém: equipamentos phmetros e eletrodos eletrodos de ph¹ Ideais para uso em rotinas de aferições de ph em soluções. Ampla possibilidade de uso em escolas, laboratórios, indústrias, universidades, centros de pesquisa, entre

Leia mais

COLÉGIO XIX DE MARÇO excelência em educação

COLÉGIO XIX DE MARÇO excelência em educação COLÉGIO XIX DE MARÇO excelência em educação 1ª PROVA PARCIAL DE CIÊNCIAS Aluno(a): Nº Ano: 9º Turma: Data: 02/04/2011 Nota: Professora: Egberto Valor da Prova: 50 pontos Assinatura do responsável: Orientações

Leia mais

Manual de Instrucoes. Frigideira Basculante Eletrica. o futuro chegou a cozinha. refrigeracao coccao linha modular exposicao distribuicao apoio

Manual de Instrucoes. Frigideira Basculante Eletrica. o futuro chegou a cozinha. refrigeracao coccao linha modular exposicao distribuicao apoio Manual de Instrucoes Frigideira Basculante Eletrica o futuro chegou a cozinha refrigeracao coccao linha modular exposicao distribuicao apoio Obrigado por ter adquirido Equipamentos ELVI É com satisfação

Leia mais

Dados Técnicos Novembro/ 2011

Dados Técnicos Novembro/ 2011 Window Film FX-ST 20 Dados Técnicos Novembro/ 2011 Descrição A 3M oferece uma ampla opção de películas para vidros que rejeitam o calor e bloqueiam praticamente todos os raios ultravioletas prejudiciais

Leia mais

Síntese do acetato de n-butilo ou etanoato de n-butilo

Síntese do acetato de n-butilo ou etanoato de n-butilo Síntese do acetato de n-butilo ou etanoato de n-butilo Realização experimental a microescala (baseado no protocolo de Williamson 1 ) A reacção entre o butan-1-ol e o ácido acético glacial (ou ácido etanoico)

Leia mais

REFRACTOMETRTIA. Medição do índice de refracção de um sólido e de um líquido com o Refractómetro de Abbe

REFRACTOMETRTIA. Medição do índice de refracção de um sólido e de um líquido com o Refractómetro de Abbe REFRACTOMETRTIA Medição do índice de refracção de um sólido e de um líquido com o Refractómetro de Abbe 1. OBJECTIVO PRINCIPAL: Determinação do índice de refracção de uma amostra sólida (lâmina de vidro)

Leia mais

Manual de Instruções

Manual de Instruções Liquidificador Power 750 Manual de Instruções INTRODUÇÃO Parabéns pela escolha do Liquidificador Philco. Para garantir o melhor desempenho de seu produto, ler atentamente as instruções a seguir. Recomenda-se

Leia mais

Window Film Neutral 35

Window Film Neutral 35 Window Film Neutral 35 Dados Técnicos Novembro/ 2011 Descrição A 3M oferece uma ampla opção de películas para vidros que rejeitam o calor e bloqueiam praticamente todos os raios infravermelhos e ultravioletas

Leia mais

Cursos de Enfermagem e Obstetrícia, Medicina e Nutrição. Disciplina Mecanismos Básicos de Saúde e Doença MCW 240. Aula Prática 3 Módulo Microbiologia

Cursos de Enfermagem e Obstetrícia, Medicina e Nutrição. Disciplina Mecanismos Básicos de Saúde e Doença MCW 240. Aula Prática 3 Módulo Microbiologia Cursos de Enfermagem e Obstetrícia, Medicina e Nutrição Disciplina Mecanismos Básicos de Saúde e Doença MCW 240 Aula Prática 3 Módulo Microbiologia Teste da eficácia de agentes físicos e químicos sobre

Leia mais

SUPER PRESS GRILL INSTRUÇÕES. Ari Jr. DATA. Diogo APROV. Nayana. Super Press Grill. Folheto de Instrução - User Manual 940-09-05. Liberação do Arquivo

SUPER PRESS GRILL INSTRUÇÕES. Ari Jr. DATA. Diogo APROV. Nayana. Super Press Grill. Folheto de Instrução - User Manual 940-09-05. Liberação do Arquivo N MODIFICAÇÃO POR 0 Liberação do Arquivo Ari Jr 10-12-2012 1 Inclusão da informação sobe uso doméstico (certificação) Ari Jr 14-02-2013 PODERÁ SER UTILIZADO POR TERCEIROS DA BRITÂNIA ELETRODOMÉSTICOS LTDA.

Leia mais

Window Film Night Vision 15

Window Film Night Vision 15 Window Film Night Vision 15 Dados Técnicos Novembro/ 2011 Descrição A 3M oferece uma ampla opção de películas para vidros que rejeitam o calor e bloqueiam praticamente todos os raios infravermelhos e ultravioletas

Leia mais

PROCEDIMENTO OPERACIONAL PADRÃO

PROCEDIMENTO OPERACIONAL PADRÃO SETOR: CENTRAL DE MATERIAL E ESTERILIZAÇÃO PROCEDIMENTO TAREFA: ESTERILIZAÇÃO Á VAPOR SATURADO SOB PRESSÃO (PROGRAMA DE AQUECIMENTO TERMODESINFECÇÃO DE ARTIGOS NÃO CRÍTICOS) LOCAL DE EXECUÇÃO: ÁREA DA

Leia mais

Construção. Sikadur-Combiflex SG -10/-20 M Tape. Fitas pré-fabricadas para Impermeabilização Parte do sistema Sikadur-Combiflex SG

Construção. Sikadur-Combiflex SG -10/-20 M Tape. Fitas pré-fabricadas para Impermeabilização Parte do sistema Sikadur-Combiflex SG Ficha do Produto Edição 03/02/2011 Identificação no: 02 07 03 02 002 0 000001 Sikadur-Combiflex SG-10/-20 M Tape Construção Sikadur-Combiflex SG -10/-20 M Tape Fitas pré-fabricadas para Impermeabilização

Leia mais

09/11 658-09-05 773987 REV.2. FRITADEIRA Frita-Fácil. Plus 3. www.britania.com.br/faleconosco.aspx MANUAL DE INSTRUÇÕES

09/11 658-09-05 773987 REV.2. FRITADEIRA Frita-Fácil. Plus 3. www.britania.com.br/faleconosco.aspx MANUAL DE INSTRUÇÕES 09/11 658-09-05 773987 REV.2 FRITADEIRA Frita-Fácil Plus 3 www.britania.com.br/faleconosco.aspx MANUAL DE INSTRUÇÕES INTRODUÇÃO Parabéns pela escolha de mais um produto da linha Britânia. Para garantir

Leia mais

Departamento de Zoologia da Universidade de Coimbra

Departamento de Zoologia da Universidade de Coimbra Departamento de Zoologia da Universidade de Coimbra MICROBIOLOGIA António Verissimo Paula Morais Coloração de Gram Esta técnica permite subdividir as bactérias em dois grandes grupos: as designadas Gram

Leia mais

1 INSTRUÇÕES IMPORTANTES DE SEGURANÇA

1 INSTRUÇÕES IMPORTANTES DE SEGURANÇA 1 INSTRUÇÕES IMPORTANTES DE SEGURANÇA É muito importante que você leia atentamente todas as instruções antes de utilizar o produto, pois elas garantirão sua segurança. Condições de Instalação Verifique

Leia mais

Aula 03: Aplicação de argamassas colantes e suas Patologias

Aula 03: Aplicação de argamassas colantes e suas Patologias Engenharia Civil - 9 P. Manutenção e estudos de Patologias I Aula 03: Aplicação de argamassas colantes e suas Patologias Prof.: Engenheiro Civil ESP, William Torres Histórico das Argamassas No início,

Leia mais

AULA PRÁTICA Nº / Abril / 2016 Profª Solange Brazaca DETERMINAÇÃO DE LIPÍDEOS

AULA PRÁTICA Nº / Abril / 2016 Profª Solange Brazaca DETERMINAÇÃO DE LIPÍDEOS LABORATÓRIO DE ANÁLISE DE ALIMENTOS E NUTRIÇÃO AULA PRÁTICA Nº - 05 31 / Abril / 2016 Profª Solange Brazaca DETERMINAÇÃO DE LIPÍDEOS FUNDAMENTO: Os lipídios constituem uma classe grande de compostos que

Leia mais

3 Scotchlite. Material Refletivo 5720 e 5721 Filme Transferível Prata. Descrição

3 Scotchlite. Material Refletivo 5720 e 5721 Filme Transferível Prata. Descrição 3 Scotchlite MR Material Refletivo 5720 e 5721 Filme Transferível Prata DADOS TÉCNICOS SETEMBRO/2004 Referencia: abril/2001 Revisão 01 Descrição Material Refletivo 3M Scotchlite - 5720 (com liner de poliéster)

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE JUIZ DE FORA Faculdade de Engenharia Engenharia Mecânica

UNIVERSIDADE FEDERAL DE JUIZ DE FORA Faculdade de Engenharia Engenharia Mecânica UNIVERSIDADE FEDERAL DE JUIZ DE FORA Faculdade de Engenharia Engenharia Mecânica Procedimentos do Laboratório de Metalografia Baseado no Procedimento Metalografia para preparação de amostra Juiz de Fora

Leia mais

ML-1049 MIXER DE MÃO

ML-1049 MIXER DE MÃO ML-1049 MIXER DE MÃO INTRODUÇÃO O Mixer ML-1049 Milano é um produto de alta tecnologia e qualidade. Para melhor entender todas as funções deste aparelho, e utilizá-lo com segurança, leia atentamente as

Leia mais

OS CILINDROS WESTEX SÃO GARANTIDOS CONTRA QUALQUER DEFEITO DE FABRICAÇÃO.

OS CILINDROS WESTEX SÃO GARANTIDOS CONTRA QUALQUER DEFEITO DE FABRICAÇÃO. 1 CERTIFIQUE-SE QUE O CILINDRO TEM A QUALIDADE WESTEX. Os cilindros WESTEX são fabricados e embalados em caixas de 10 peças, seguindo um rígido controle de qualidade e dentro de padrões internacionais

Leia mais

- ROTEIRO DE LABORATÓRIO -

- ROTEIRO DE LABORATÓRIO - DISCIPLINA: DATA : - ROTEIRO DE LABORATÓRIO - VISTO PROF: NOTA: Experimento: Semestre: GRUPO BANCADA 1. Objetivo: Este experimento possibilita a visualização de características morfológicas de alguns tipos

Leia mais

Experimento para Química. Velocidade da Reação

Experimento para Química. Velocidade da Reação Experimento para Química Velocidade da Reação A velocidade das reações químicas depende de muitos fatores. Este experimento visa demonstrar aos alunos a influência da temperatura e da superfície de contato

Leia mais

Oxidação térmica e processos PECVD

Oxidação térmica e processos PECVD 5 Oxidação térmica e processos PECVD 2012 5.1. Introdução Contexto (das aulas) Contexto (nosso processo) 5.2. Oxidação Térmica do Silício 5.3. Deposição de SiO 2 por PECVD 1 Contexto da aula Obtenção de

Leia mais

>>contramarco de concreto 42

>>contramarco de concreto 42 >>contramarco de concreto 42 A fim de fornecer maior abertura para iluminação e ventilação, foi desenvolvido o contramarco de concreto como extensão do modo e tecnologia do sistema. Com padrão de acabamento

Leia mais

Colégio Avanço de Ensino Programado

Colégio Avanço de Ensino Programado α Colégio Avanço de Ensino Programado Trabalho Bimestral 1º Semestre - 1º Bim. /2016 Nota: Professor (a): Cintia Disciplina: Química Turma: 3ª Série Médio Nome: Nº: Atividade deverá ser entregue em pasta

Leia mais

SÍNTESE DE NANOPARTÍCULAS DE PRATA EM FLUXO CONTÍNUO COMO FONTE DE SUBSTRATOS PARA ANÁLISE SERS (SURFACE ENHANCED RAMAN SCATTERING)

SÍNTESE DE NANOPARTÍCULAS DE PRATA EM FLUXO CONTÍNUO COMO FONTE DE SUBSTRATOS PARA ANÁLISE SERS (SURFACE ENHANCED RAMAN SCATTERING) Departamento de Quimica SÍNTESE DE NANOPARTÍCULAS DE PRATA EM FLUXO CONTÍNUO COMO FONTE DE SUBSTRATOS PARA ANÁLISE SERS (SURFACE ENHANCED RAMAN SCATTERING) Aluna Bolsista FAPERJ: Cecília Gomes Siqueira

Leia mais

02/ REV 1 SOMENTE PARA USO DOMÉSTICO. Panquequeira. Manual de Instruções

02/ REV 1 SOMENTE PARA USO DOMÉSTICO. Panquequeira. Manual de Instruções 02/13 963-09-05 781955 REV 1 SOMENTE PARA USO DOMÉSTICO Panquequeira Manual de Instruções INTRODUÇÃO Parabéns pela escolha de mais um produto de nossa linha. Para garantir o melhor desempenho de seu produto,

Leia mais

Laboratório de Citogenética Molecular de Plantas Departamento de Genética Escola Superior de Agricultura Luiz de Queiroz UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO

Laboratório de Citogenética Molecular de Plantas Departamento de Genética Escola Superior de Agricultura Luiz de Queiroz UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO Metodologia: COLORAÇÃO PELO MÉTODO DE FEULGEN Adaptado por: Mondin, M e Aguiar-Perecin MLR 1.) Retirar o material (raízes conservadas em álcool 70%) da geladeira com antecedência, deixando atingir a temperatura

Leia mais

Determinação da cor, turbidez, ph, salinidade, condutividade e O 2 dissolvido

Determinação da cor, turbidez, ph, salinidade, condutividade e O 2 dissolvido Experimento 1 Águas Determinação da cor, turbidez, ph, salinidade, condutividade e O 2 dissolvido Todos os parâmetros mencionados serão determinados de uma só vez in situ com um sensor portátil Hanna.

Leia mais

DESMOLDANTES CARACTERÍSTICAS E MÉTODOS DE APLICAÇÕES

DESMOLDANTES CARACTERÍSTICAS E MÉTODOS DE APLICAÇÕES DESMOLDANTES CARACTERÍSTICAS E MÉTODOS DE APLICAÇÕES APRESENTAÇÃO A ACMOS DO BRASIL é uma empresa fabricante de desmoldantes e lubrificantes para as indústrias de borrachas. A fábrica está localizada em

Leia mais

FORNO ELÉTRICO VCC-8028

FORNO ELÉTRICO VCC-8028 Manual de Instruções FORNO ELÉTRICO VCC-8028 SOMENTE PARA USO DOMÉSTICO Leia atentamente as informações contidas neste manual antes de usar o aparelho. INFORMAÇÕES DE SEGURANÇA: 1. Antes de utilizar o

Leia mais

CURSO PRÁTICO QUI 328 e 128 SÍNTESE DE COMPOSTOS ORGÂNICOS

CURSO PRÁTICO QUI 328 e 128 SÍNTESE DE COMPOSTOS ORGÂNICOS CURSO PRÁTICO QUI 328 e 128 SÍNTESE DE COMPOSTOS ORGÂNICOS Síntese I ( p-red) Nitrobenzeno Anilina Acetanilida p-nitro Acetanilida p-nitro Anilina p-red 1- OBTENÇÃO DA ANILINA -Estanho -Àcido clorídrico

Leia mais

Determinação cromatográfica de riboflavina em leite

Determinação cromatográfica de riboflavina em leite CROMATOGRAFIA Determinação cromatográfica de riboflavina em leite Marcela Segundo & Marcelo Osório FFUP MCQ MIA 2013/2014 Pág. 1 Introdução As vitaminas são nutrientes essenciais para a manutenção de uma

Leia mais

Material Suplementar. Quim. Nova, Vol. 38, No. 6, S1-S9, 2015

Material Suplementar. Quim. Nova, Vol. 38, No. 6, S1-S9, 2015 Quim. Nova, Vol. 38, No. 6, S1-S9, 2015 DESENVLVIMENT DE FÁRMACS PR HIBRIDAÇÃ MLECULAR: UMA AULA PRÁTICA DE QUÍMICA MEDICINAL USAND CMPRIMIDS DE PARACETAML E SULFADIAZINA E A FERRAMENTA VIRTUAL SciFinder

Leia mais

Síntese do acetato de n-butilo ou etanoato de n-butilo

Síntese do acetato de n-butilo ou etanoato de n-butilo Projeto Ciência Viva INTRODUÇÃO À QUÍMICA VERDE, COMO SUPORTE DA SUSTENTABILIDADE, NO ENSINO SECUNDÁRIO PL 3.4 Identificação e síntese de substâncias com aromas e sabores especiais Síntese do acetato de

Leia mais

ÍNDICE. 1 - Características. 2 Cuidados a ter na instalação do equipamento. 3 - Informação e dimensões. 4 Manutenção do equipamento

ÍNDICE. 1 - Características. 2 Cuidados a ter na instalação do equipamento. 3 - Informação e dimensões. 4 Manutenção do equipamento IPESA S.A. 9/2009 0 ÍNDICE 1 - Características 2 Cuidados a ter na instalação do equipamento 3 - Informação e dimensões 4 Manutenção do equipamento 5 - Funções de teclado 6 - Funções de operação 7 Pesagem

Leia mais

CJB1JM0LCAJA. Guia de iniciação rápida

CJB1JM0LCAJA. Guia de iniciação rápida CJB1JM0LCAJA Guia de iniciação rápida Conhecer o watch Altifalante Porta de carregamento Botão Ligar Prima sem soltar durante 3s para ligar/desligar. Prima sem soltar durante 10s para forçar a reinicialização.

Leia mais

ARGAMASSA BELACOLA AC-II BRANCA

ARGAMASSA BELACOLA AC-II BRANCA 1. Descrição A Argamassa Belacola AC-II Branca é recomendada para o assentamento de peças cerâmicas em pisos e paredes de áreas internas e externas. Revestimentos de até 60x60 cm. S 2. Classificação A

Leia mais

ASSUNTO: Uso do Microscópio Luminoso e Microscópio Estereoscópico

ASSUNTO: Uso do Microscópio Luminoso e Microscópio Estereoscópico AULA PRÁTICA 01 ASSUNTO: Uso do Microscópio Luminoso e Microscópio Estereoscópico Microscópio Luminoso Microscópio Estereoscópico AMOSTRA: com fragmentos Fragmentos em placas 1. Observar as lâminas no

Leia mais

Instruções de uso. revestimento micro fine Revestimento para fundição

Instruções de uso. revestimento micro fine Revestimento para fundição Instruções de uso revestimento micro fine 1700 Revestimento para fundição Informações Técnicas Proporção para pacote com 90 g e 23 ml (líquido + água destilada) Ligas não preciosas Ligas Cerâmicas Tilite

Leia mais

Pegar o berço duplo ou triplo e colocar o blister em cima. As cápsulas podem ser acomodadas no blister antes ou depois de colocar o blister no berço, de acordo com a sua necessidade de produção. ATENÇÃO:

Leia mais

Sistema de preços Taxom 800

Sistema de preços Taxom 800 Sistema de preços Taxom 800 1. O que é o Sistema de preços Taxom? É um sistema de marcação/visualização de preços. É um sistema de promoção de vendas e um meio de comunicação directo e eficaz com os clientes.

Leia mais

Prática de Laboratório 1

Prática de Laboratório 1 Prática de Laboratório 1 12 pontos Preparação do ácido 2-iodobenzóico [Tempo aprox: 1 hr] Essa prática de laboratório envolve a preparação do acido 2-iodobenzóico a partir do acido 2-aminobenzóico. O procedimento

Leia mais

Massa Específica. Massa Específica MASSA ESPECÍFICA. Massa Específica Aparente ou Unitária. Massa Específica Real ou Absoluta.

Massa Específica. Massa Específica MASSA ESPECÍFICA. Massa Específica Aparente ou Unitária. Massa Específica Real ou Absoluta. Associação Educativa Evangélica UniEvangélica Curso de Engenharia Civil Professora Moema Castro, MSc. MATERIAIS DE CONSTRUÇÃO CIVIL II AGREGADOS MASSA ESPECÍFICA 2 As definições de massa específica e massa

Leia mais

APLICAÇÃO DA TÉCNICA DE TERMOGRAFIA ATIVA NA INSPEÇÃO NÃO-DESTRUTIVA DE TAMBORES DE REJEITO NUCLEAR

APLICAÇÃO DA TÉCNICA DE TERMOGRAFIA ATIVA NA INSPEÇÃO NÃO-DESTRUTIVA DE TAMBORES DE REJEITO NUCLEAR APLICAÇÃO DA TÉCNICA DE TERMOGRAFIA ATIVA NA INSPEÇÃO NÃO-DESTRUTIVA DE TAMBORES DE REJEITO NUCLEAR Aluno: Igor Szczerb Orientador: Marcos Venicius Soares Pereira Introdução A termografia ativa é um método

Leia mais

Atividade prática Estudo das misturas: fases e componentes Parte 1

Atividade prática Estudo das misturas: fases e componentes Parte 1 Atividade prática Estudo das misturas: fases e componentes Parte 1 9º ano do Ensino Fundamental/1º ano do Ensino Médio Objetivo Vivenciar conceitos importantes sobre a classificação dos diversos tipos

Leia mais

Escola Secundária Alexandre Herculano 2009/2010

Escola Secundária Alexandre Herculano 2009/2010 Escola Secundária Alexandre Herculano 2009/2010 Curso Profissional de Programação e Gestão de Sistemas Informáticos Física e Química Teste de Avaliação - Módulo F3 11ºAno Turma M Número: Nome: Classificação:

Leia mais

Newton gostava de ler! 4ª Série Módulo II Pós sob investigação

Newton gostava de ler! 4ª Série Módulo II Pós sob investigação Newton gostava de ler! 4ª Série Módulo II Pós sob investigação Fábrica Centro Ciência Viva de Aveiro 14 janeiro 2014 Objetivos - Dinamização de uma sessão de leitura de excertos de um livro. - A partir

Leia mais

3 Limpeza Fácil Dados Técnicos Dezembro 2005 Substitui: Inicial

3 Limpeza Fácil Dados Técnicos Dezembro 2005 Substitui: Inicial 3 Limpeza Fácil Dados Técnicos Dezembro 2005 Substitui: Inicial Descrição: O aparelho 3M Limpeza Fácil é um aplicador de produtos químicos desenvolvido com a finalidade de obter um processo de limpeza,

Leia mais

BENTONITA PARA FUNDIÇÃO - DETERMINAÇÃO DA ADSORÇÃO DE AZUL DE METILENO E DO ÍNDICE DE ESTABILIDADE TÉRMICA APÓS CALCINAÇÃO A 550 C

BENTONITA PARA FUNDIÇÃO - DETERMINAÇÃO DA ADSORÇÃO DE AZUL DE METILENO E DO ÍNDICE DE ESTABILIDADE TÉRMICA APÓS CALCINAÇÃO A 550 C Método de Ensaio Folha : 1 de 7 SUMÁRIO 1_ Objetivo 2_ Documentos a consultar 3_ Princípio do método 4_ Definição 5_ Aparelhagem/reagentes 6_ Execução do ensaio 7_ Resultados 8_ Anexos A e B. 1_ OBJETIVO

Leia mais

Desenvolvimento de um sistema de aquecimento baseado em placa de Peltier para microdispositivos

Desenvolvimento de um sistema de aquecimento baseado em placa de Peltier para microdispositivos Desenvolvimento de um sistema de aquecimento baseado em placa de Peltier para microdispositivos G.B. SANCHEZ 1, H. S. SANTANA 1, D.S. TORTOLA 1 e O. P. TARANTO 1 1 Universidade Estadual de Campinas, Faculdade

Leia mais

Pode ser: Centralizada Semi-centralizada Descentralizada

Pode ser: Centralizada Semi-centralizada Descentralizada Unidade de apoio a todos os serviços assistenciais e de diagnóstico que necessitem de artigos odonto-médico-hospitalares para a prestação da assistência a seus clientes; Pode ser: Centralizada Semi-centralizada

Leia mais

Placas de circuito impresso

Placas de circuito impresso Placas de circuito impresso Métodos de produção Vitor Yano Terminologia Layer (camada) Via/blind via/buried via Pad (ilha) Drill/hole (furo) Wire (trilha/pista) Mask (máscara de soldagem) Silk screen (serigrafia)

Leia mais

TUTORIAL LIMPEZA DE ESPELHO DE TELESCÓPIO NEWTONIANO: PROCEDIMENTOS, MATERIAIS E ETAPAS. Por: James Solon

TUTORIAL LIMPEZA DE ESPELHO DE TELESCÓPIO NEWTONIANO: PROCEDIMENTOS, MATERIAIS E ETAPAS. Por: James Solon TUTORIAL LIMPEZA DE ESPELHO DE TELESCÓPIO NEWTONIANO: PROCEDIMENTOS, MATERIAIS E ETAPAS. Por: James Solon Com o passar do tempo e principalmente do uso, os espelhos dos telescópios de modelo Newtoniano

Leia mais

Introdução à Histologia e Técnicas Histológicas. Prof. Cristiane Oliveira

Introdução à Histologia e Técnicas Histológicas. Prof. Cristiane Oliveira Introdução à Histologia e Técnicas Histológicas Prof. Cristiane Oliveira Visão Geral Corpo humano organizado em 4 tecidos básicos: Epitelial Conjuntivo Muscular Nervoso Visão Geral - Tecidos consistem

Leia mais

CIÊNCIAS DA NATUREZA E SUAS TECNOLOGIAS

CIÊNCIAS DA NATUREZA E SUAS TECNOLOGIAS CIÊNCIAS DA NATUREZA E SUAS TECNOLOGIAS Lista de Exercícios de Física / 1º ano De sonhos e Professor(a): Renan Oliveira Data: / / 2016. Aluno(a): 1. (FUVEST SP/2014) Um prisma triangular desvia um feixe

Leia mais

3 Película Scotchcal MR Série BR 3700

3 Película Scotchcal MR Série BR 3700 3 Película Scotchcal MR Série BR 3700 Dados Técnicos Abril/2003 Substitui: nenhum Descrição Descrição e usos As películas Scotchcal MR Série BR 3700 são vinílicas, auto adesivas, translúcidas com acabamento

Leia mais

Manual de Instruções

Manual de Instruções Manual de Instruções Índice Breve introdução pg. 3 Princípio pg. 3 Características pg. 4 Principais parâmetros técnicos pg. 4 Instalação e avisos pg. 5 Manutenção pg. 5 Passos de operação pg. 6 Diagrama

Leia mais

AULA PRÁTICA DE QUÍMICA GERAL Estudando a água parte 37 Comparando os calores específicos da água e da areia

AULA PRÁTICA DE QUÍMICA GERAL Estudando a água parte 37 Comparando os calores específicos da água e da areia AULA PRÁTICA DE QUÍMICA GERAL Estudando a água parte 37 Comparando os calores específicos da água e da areia 9º NO DO ENSINO FUNDAMENTAL - 1º ANO DO ENSINO MÉDIO INTRODUÇÃO Uma das propriedades mais importantes

Leia mais

MANUAL DE LIMPEZA E MANUTENÇÃO INTERPARQUET

MANUAL DE LIMPEZA E MANUTENÇÃO INTERPARQUET Manual de limpeza MANUAL DE LIMPEZA E MANUTENÇÃO INTERPARQUET O piso de PVC se destaca devido às suas inúmeras vantagens. Além da beleza e praticidade de instalação, este material oferece facilidade de

Leia mais

JOÃO PAULO LOLLOBRIGIDA

JOÃO PAULO LOLLOBRIGIDA JOÃO PAULO LOLLOBRIGIDA É o processo utilizado antes de se efetuar a desinfecção e/ou esterilização dos materiais e instrumentais utilizados, ainda sujos, através da exposição ou imersão destes em solução

Leia mais

Aviso antes da instalação

Aviso antes da instalação Aviso antes da instalação Desligue a Câmara de Rede se vir fumo ou sentir cheiros estranhos. Consulte o manual do utilizador para obter informações sobre a temperatura de funcionamento. Contacte o distribuidor

Leia mais

2-10. Espelho Banheiro. Iluminação e Desembaçador automáticos e indicadores de umidade do ar e temperatura. Criação:

2-10. Espelho Banheiro. Iluminação e Desembaçador automáticos e indicadores de umidade do ar e temperatura. Criação: Apresenta Espelho Banheiro 2-10 Iluminação e Desembaçador automáticos e indicadores de umidade do ar e temperatura Criação: Artesão/Engenheiro: Carlos Mury 3-10 Construção totalmente, tornando a peça única,

Leia mais

Unidade V - Determinação de umidade e sólidos totais

Unidade V - Determinação de umidade e sólidos totais Unidade V - Determinação de umidade e sólidos totais O método empregado depende do objetivo. O que estou necessitando? Rapidez? Precisão? Exatidão? Medir em tempo real? Umidade: métodos Quantitativos Métodos

Leia mais

SUMÁRIO 2.1 INSTALAÇÃO PARAFUSOS NA PAREDE INSTALAÇÃO EM CAIXAS DE PASSAGENS ELETRICAS INSTALAÇÃO COM DISPOSITIVO DE FIXAÇÃO...

SUMÁRIO 2.1 INSTALAÇÃO PARAFUSOS NA PAREDE INSTALAÇÃO EM CAIXAS DE PASSAGENS ELETRICAS INSTALAÇÃO COM DISPOSITIVO DE FIXAÇÃO... SUMÁRIO SEÇÃO 1 DADOS GERAIS 1.1 INTRODUÇÃO... 3 1.2 APRESENTAÇÃO... 3 1.3 ASSISTÊNCIA TÉCNICA... 3 1.4 INSPEÇÃO NO ATO DO RECEBIMENTO... 3 1.5 CARACTERISTICAS TÉCNICAS... 4 SEÇÃO 2 - INSTALAÇÃO 2.1 INSTALAÇÃO

Leia mais

Práticas Laboratoriais de Diagnóstico e Teoria do Restauro II (Ciências da Arte e do Património)

Práticas Laboratoriais de Diagnóstico e Teoria do Restauro II (Ciências da Arte e do Património) Práticas Laboratoriais de Diagnóstico e Teoria do Restauro II (Ciências da Arte e do Património) Cromatografia de adsorção 1. Objectivo Separação de uma mistura de corantes (alaranjado de metilo e azul

Leia mais

Experiência 05 - DETERMINAÇÃO DA MASSA ATÔMICA DO MAGNÉSIO DETERMINAÇÃO DA MASSA ATÔMICA DO MAGNÉSIO

Experiência 05 - DETERMINAÇÃO DA MASSA ATÔMICA DO MAGNÉSIO DETERMINAÇÃO DA MASSA ATÔMICA DO MAGNÉSIO DETERMINAÇÃO DA MASSA ATÔMICA DO MAGNÉSIO 1 Objetivos No final dessa experiência o aluno deverá ser capaz de: Determinar a massa atômica do magnésio através do volume de gás desprendido na sua reação com

Leia mais