A. INFORMAÇÃO BÁSICA

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "A. INFORMAÇÃO BÁSICA"

Transcrição

1 SUÉCIA (1) ABORDAGEM EMPRESARIAL A. INFORMAÇÃO BÁSICA Calendário País : : (data de início e fim) Título da iniciativa : Coordenador(a)/ Organização : Competências essenciais abordadas : (na língua original e em inglês, se possível) Suécia [SE] Entreprenörskap i skolan [PT] Abordagem empresarial Skolverket (Agência Nacional para a Educação) [PT] Espírito de iniciativa e espírito empresarial [SE] Initiativförmåga och företagaranda [PT] Comunicação na língua materna [SE] Kommunikation på modersmålet [PT] Comunicação em línguas estrangeiras [SE] Kommunikation på främmande språk [PT] Competência matemática e competências básicas em ciência e tecnologia [SE] Matematiskt kunnande och grundläggande vetenskaplig och teknisk kompetens [PT] Competência digital [SE] Digital kompetens [PT] Aprender a aprender [SE] Lära att lära Tipo de iniciativa e canais de implementação usados (designadamente, reforma curricular introduzida por lei, etc.) Parceiros : Âmbito : (alunos/professores/escola; nível local/regional/nacional) Iniciativa nacional do governo, coordenada pela Agência Nacional para a Educação. A Agência Nacional disponibiliza financiamentos às escolas e a organizações sem fins lucrativos para organizar formação em serviço para professores, e realizar eventos e projetos. Agência Nacional para a Educação Alunos e professores Local e nacional

2 Contexto de aprendizagem : (formal ou não formal) Nível(is) de ensino : (ensino primário, ensino secundário inferior ou superior) Grupos-alvo : Calendário : (data de início e fim) Ligações relevantes : Formal Todos os níveis de ensino Grupo-alvo principal: professores em curso

3 B. INFORMAÇÕES DETALHADAS Fundamentação/contexto/motivação para lançar a iniciativa/reforma : O governo pretende que o empreendedorismo se torne numa escolha natural para os jovens, tão natural como o emprego. Para cumprir este objetivo, as escolas desempenham um papel importante na ajuda aos alunos e estudantes para que desenvolvam e tirem partido dos conhecimentos, competências e atitudes necessários. Grande parte do que faz um bom empresário a capacidade para resolver problemas, ser inovador, planificar o trabalho, assumir responsabilidade e trabalhar em equipa corresponde a características que os alunos, em diferentes níveis, precisam de desenvolver para enfrentar os estudos e ter sucesso na vida adulta. O governo gostaria que o empreendedorismo constituísse um fio condutor na educação e, como tal, espera que os profissionais ativos em diferentes áreas do sistema educativo se sintam inspirados a desenvolver o ensino nesta área. É esta a base da tarefa de que a Agência Nacional foi incumbida, a qual deu origem à iniciativa Abordagem Empresarial. Como parte da iniciativa, a Agência Nacional para a Educação visa prestar apoio e encorajar o trabalho na área do empreendedorismo. A agência promove igualmente cooperação entre as escolas e os empregadores, oferece formação de formadores, facilita o intercâmbio de experiências entre escolas e atribui recursos de desenvolvimento. Muitas regiões e escolas têm vindo já a trabalhar para desenvolver o espírito empresarial entre os alunos e parte da missão da Agência é identificar, analisar e difundir este trabalho. Objetivos : Os objetivos desta iniciativa são: encorajar o empreendedorismo nas escolas proporcionar às crianças e aos alunos professores e ambientes de aprendizagem que estimulem e desenvolvam competências empresariais e atitudes que fomentem o empreendedorismo, a inovação e o pensamento empresarial. Dimensões visadas pela iniciativa/reforma (designadamente, currículo, avaliação dos alunos, formação dos professores em serviço, autonomia escolar, etc.) : Formação em serviço de formadores, orientadores escolares e diretores Abordagem geral (designadamente, holística - existência de uma estratégia abrangente ou de uma abordagem direcionada, centrada numa dimensão específica, etc.) : A iniciativa centra-se na promoção da colaboração entre escolas e empregadores, prestando formação aos professores, facilitando o intercâmbio de experiências entre escolas e atribuindo fundos para desenvolvimento. 3

4 Explicação detalhada da(s) competência(s) essencial(is) em questão : O objetivo da formação em serviço é que os participantes desenvolvam uma compreensão do que significa a aprendizagem do empreendedorismo na escola e adquiram as atitudes e competências básicas necessárias para trabalhar em atividades empresariais nos estabelecimentos de ensino. Após conclusão do curso, os participantes contribuirão para a mudança das práticas na sua instituição e terão a oportunidade de partilhar os seus conhecimentos e experiência com os colegas. O curso de formação de formadores em serviço cobre as forças sociais, as decisões sobre política escolar e os documentos políticos que formam a base de trabalho sobre o empreendedorismo nas escolas. A aprendizagem do empreendedorismo é analisada e problematizada em relação ao ensino pré-escolar e escolar. A finalidade é dotar os alunos dos conhecimentos e experiência profissionais que os ajudarão a desenvolver a capacidade para lidar com situações de aprendizagem de uma perspetiva empresarial. Isto é realizado através da reflexão sobre os seus próprios conhecimentos e experiência e sobre os dos outros. O curso deve ser encarado como um primeiro curso sobre a aprendizagem do empreendedorismo. Disciplinas específicas implicadas ou abordagem transcurricular : Transcurricular De que modo a iniciativa/reforma está a ser implementada (designadamente, processo adotado, empenhamento político, consulta dos parceiros e respetivos papéis, incentivos aos parceiros, financiamento específico, materiais didáticos, definição de metas e modelos, mecanismos de avaliação, impacto sobre a formação de formadores/desenvolvimento profissional e práticas escolares/ liderança, intensificação da abordagem com base na pesquisa/factos, etc.) : A formação em serviço oferecida pela Agência Nacional para a Educação e diferentes organizações sem fins lucrativos, fundos para o desenvolvimento de projetos escolares da Agência Nacional para a Educação, intercâmbio de experiências entre professores através de conferências e relatórios. A Agência Nacional para a Educação também colabora com investigadores da Universidade de Umeå que prestam informação sobre a pesquisa na área da abordagem empresarial à educação (embora esta pesquisa não seja financiada pela iniciativa governamental). Etapa/fase atual de implementação : Em curso 4

5 5

6 Questões pedagógicas (questões relacionadas com a forma como as competências essenciais estão a ser ensinadas aos alunos e como os professores estão a ser preparados para ensiná-las) : A formação em serviço para formadores, orientadores e diretores proporciona uma compreensão da aprendizagem empresarial, assim como das atitudes e competências básicas necessárias para trabalhar em atividades empresariais nos estabelecimentos de ensino. Após conclusão do curso, os participantes contribuirão para a mudança das práticas na sua instituição e terão a oportunidade de partilhar os seus conhecimentos e experiência com os colegas. Aspetos positivos (para identificar facilitadores) : O interesse entre os professores parece ser positivo, mas ainda não estão disponíveis avaliações externas. Comunicação da iniciativa/disseminação dos resultados e atividades : Conferências, artigos sobre boas práticas nas escolas, relatórios de pesquisa sobre o modo como uma abordagem empresarial pode ser implementada na escola e através do sítio web da Skolverket (www.skolverket.se/skolutveckling/entreprenorskap) The KEYCONET project has been funded with support from the Lifelong Learning Programme of the European Commission. Responsibility for this publication lies solely with the author, and the Commission is not responsible for any use which may be made of the information contained therein.

7 C. RESUMO A iniciativa Entreprenörskap i skolan (Abordagem empresarial) é um projeto em curso, coordenado pela Skolverket (Agência Nacional para a Educação), o qual visa encorajar o empreendedorismo nas escolas. A iniciativa centra-se na prestação de formação em serviço para formadores, orientadores e diretores a fim de dotá-los de uma compreensão do que significa a aprendizagem empresarial nas escolas e das atitudes e competências básicas necessárias para trabalhar em atividades empresariais nos estabelecimentos de ensino. A iniciativa promove igualmente a colaboração entre escolas e empregadores, facilita o intercâmbio de experiências entre escolas e atribui recursos de desenvolvimento. O objetivo global é proporcionar às crianças e aos alunos professores e ambientes de aprendizagem que estimulem e desenvolvam competências empresariais e atitudes que fomentem o empreendedorismo, a inovação e o pensamento empresarial. Para mais informações sobre a iniciativa, consultar o sítio web: skolutveckling/entreprenorskap 7

A. INFORMAÇÃO BÁSICA

A. INFORMAÇÃO BÁSICA SUÉCIA (2) - 2012 COMPETÊNCIAS FUTURAS A. INFORMAÇÃO BÁSICA Calendário País : : (data de início e fim) Título da iniciativa : Coordenador(a)/ Organização : Competências essenciais abordadas : (na língua

Leia mais

A. INFORMAÇÃO BÁSICA

A. INFORMAÇÃO BÁSICA PORTUGAL (2) - 2012 CLUBE EUROPEU A. INFORMAÇÃO BÁSICA Calendário País : : (data de início e fim) Título da iniciativa : Coordenador(a)/ Organização : Competências essenciais abordadas : (na língua original

Leia mais

A. Informação básica. Irlanda (1) Irlanda. País : Competências Essenciais para o 2º Ciclo do Ensino Básico. Título da iniciativa :

A. Informação básica. Irlanda (1) Irlanda. País : Competências Essenciais para o 2º Ciclo do Ensino Básico. Título da iniciativa : Irlanda (1) - 2012 Competências Essenciais para o 2 e Ciclo do Ensino Básico A. Informação básica País : Título da iniciativa : Irlanda Competências Essenciais para o 2º Ciclo do Ensino Básico Coordenador(a)/

Leia mais

A. INFORMAÇÃO BÁSICA

A. INFORMAÇÃO BÁSICA ESTÓNIA (1) - 2012 MODELO DE AVALIAÇÃO E GESTÃO DAS TIC NAS ESCOLAS A. INFORMAÇÃO BÁSICA País : Título da iniciativa : Coordenador(a)/ Organização : Competências essenciais abordadas : (na língua original

Leia mais

A. INFORMAÇÃO BÁSICA

A. INFORMAÇÃO BÁSICA NORUEGA (1) - 2012 JUNIOR ACHIEVEMENT YOUNG ENTERPRISE A. INFORMAÇÃO BÁSICA Calendário País : : (data de início e fim) Título da iniciativa : Coordenador(a)/ Organização : Competências essenciais abordadas

Leia mais

A. Informação básica. Estónia (2) Estónia. País : Título da iniciativa :

A. Informação básica. Estónia (2) Estónia. País : Título da iniciativa : Estónia (2) - 2012 Com Inteligência na Web A. Informação básica País : Título da iniciativa : Coordenador(a)/ Organização : Competências essenciais abordadas : (na língua original e em inglês, se possível)

Leia mais

A. INFORMAÇÃO BÁSICA

A. INFORMAÇÃO BÁSICA POLÓNIA (1) - 2012 ACADEMIA DOS ALUNOS A. INFORMAÇÃO BÁSICA Calendário País : : (data de início e fim) Título da iniciativa : Coordenador(a)/ Organização : Competências essenciais abordadas : (na língua

Leia mais

A. Informação básica

A. Informação básica Bélgica (1) - 2012 Objetivos finais transcurriculares @ 2010 A. Informação básica País : Título da iniciativa : Coordenador(a)/ Organização : Competências essenciais abordadas : (na língua original e em

Leia mais

A. INFORMAÇÃO BÁSICA

A. INFORMAÇÃO BÁSICA NORUEGA (4) - 2012 A MOCHILA CULTURAL A. INFORMAÇÃO BÁSICA Calendário País : : (data de início e fim) Título da iniciativa : Coordenador(a)/ Organização : Competências essenciais abordadas : (na língua

Leia mais

A. Informação básica

A. Informação básica JA-YE (1) - 2012 Projeto Empresa Global (GEP) A. Informação básica Calendário País : : (data de início e fim) Título da iniciativa : 11 países europeus Projeto Empresa Global (GEP) Coordenador(a)/ Organização

Leia mais

Uma Rede Europeia de Políticas sobre Competências-Chave na Educação Escolar http://keyconet.eun.org Sobre o projeto KeyCoNet KeyCoNet (2012-14) é uma rede centrada na identificação e análise de iniciativas

Leia mais

WP8 Quality and Management/Governance National study Portuguese version 2012

WP8 Quality and Management/Governance National study Portuguese version 2012 With the support of the Lifelong Learning Programme of the European Union Identifying Barriers in Promoting the European Standards and Guidelines for Quality Assurance at Institutional Level IBAR Agreement

Leia mais

A. INFORMAÇÃO BÁSICA

A. INFORMAÇÃO BÁSICA PORTUGAL (3) - 2012 EDUSCRATCH A. INFORMAÇÃO BÁSICA Calendário País : : (data de início e fim) Título da iniciativa : Portugal EduScratch Coordenador(a)/ Organização : Miguel Figueiredo e Teresa Marques

Leia mais

A. INFORMAÇÃO BÁSICA

A. INFORMAÇÃO BÁSICA REINO UNIDO (1) - 2012 CONSTRUIR UMA CULTURA DE SUCESSO ESCOLAR ATRAVÉS DO CERTIFICADO DE EFICÁCIA PESSOAL DA ASDAN A. INFORMAÇÃO BÁSICA Calendário País : : (data de início e fim) Título da iniciativa

Leia mais

Tecnologia e pedagogia no ensino a distância de engenharia relato de uma experiência de sucesso. Manuel Gericota André Fidalgo Paulo Ferreira

Tecnologia e pedagogia no ensino a distância de engenharia relato de uma experiência de sucesso. Manuel Gericota André Fidalgo Paulo Ferreira Tecnologia e pedagogia no ensino a distância de engenharia relato de uma experiência de sucesso Manuel Gericota André Fidalgo Paulo Ferreira Instituto Superior de Engenharia do Porto This project has been

Leia mais

vai mais além NOS TEUS HORIZONTES

vai mais além NOS TEUS HORIZONTES Mobilidade E COOPERAÇÃO PROGRAMA COMENIUS vai mais além NOS TEUS HORIZONTES O Programa COMENIUS A O Programa setorial Comenius, que integra o Programa Aprendizagem ao Longo da Vida (PALV), visa melhorar

Leia mais

Estratégia Nacional de Educação para o Desenvolvimento. Documento de Apoio: Desagregação das medidas e das tipologias de atividades

Estratégia Nacional de Educação para o Desenvolvimento. Documento de Apoio: Desagregação das medidas e das tipologias de atividades Estratégia Nacional de Educação para o Desenvolvimento Documento de Apoio: Desagregação das medidas e das tipologias de atividades Desagregação das medidas e das tipologias de atividades ESTRATÉGIA NACIONAL

Leia mais

Taking relevant professional experience into account

Taking relevant professional experience into account Taking relevant professional experience into account Validation of non-formal and informal learning in the EQUAL-CLASS countries Summary Report Engineers Qualified in Higher Non-University VET Institutions

Leia mais

II Encontro de Boas Práticas Educativas Projeto SER (Super European Reader) Bragança, 8 setembro 2016

II Encontro de Boas Práticas Educativas Projeto SER (Super European Reader) Bragança, 8 setembro 2016 II Encontro de Boas Práticas Educativas Projeto SER (Super European Reader) Bragança, 8 setembro 2016 Motivação Projeto SER Descrição Implementação Kit de Leitura Aplicação do Kit Mobilidade Inglaterra

Leia mais

ESCOLA PORTUGUESA de MACAU RELATÓRIO DE ACOMPANHAMENTO

ESCOLA PORTUGUESA de MACAU RELATÓRIO DE ACOMPANHAMENTO ESCOLA PORTUGUESA de MACAU RELATÓRIO DE ACOMPANHAMENTO ANO LETIVO 2014/2015 I Enquadramento legal 1.1. Enquadramento jurídico da Escola Portuguesa de Macau Despacho Conjunto ME/MNE n.º 79/1997, de 24 de

Leia mais

EXPERIÊNCIA NUMA FORMAÇÃO DE PROFESSORES NUM PROJETO EUROPEU DE EDUCAÇÃO E EMPREENDEDORISMO

EXPERIÊNCIA NUMA FORMAÇÃO DE PROFESSORES NUM PROJETO EUROPEU DE EDUCAÇÃO E EMPREENDEDORISMO Cofinanciado pelo Programa Erasmus + da União Europeia Uma iniciativa EXPERIÊNCIA NUMA FORMAÇÃO DE PROFESSORES NUM PROJETO EUROPEU DE EDUCAÇÃO E EMPREENDEDORISMO Sérgio Leal 07/07/2016 Projeto Uma iniciativa

Leia mais

Descrição do Curso de Verão

Descrição do Curso de Verão Descrição do Curso de Verão Portugal - 1 de 7 - Introdução O BEST Board of European Students of Technology é uma associação sem fins lucrativos, políticos ou religiosos que reúne estudantes de Engenharia,

Leia mais

Grupo de Trabalho Temático para a Educação para o Empreendedorismo

Grupo de Trabalho Temático para a Educação para o Empreendedorismo Grupo de Trabalho Temático para a Educação para o Empreendedorismo Relatório Final Comissão Europeia, 2014 Sumário executivo Através do presente relatório, a Comissão Europeia pretende apoiar a implementação

Leia mais

INQUÉRITO AOS ESTUDANTES ANÁLISE SWOT GT2

INQUÉRITO AOS ESTUDANTES ANÁLISE SWOT GT2 INQUÉRITO AOS ESTUDANTES ANÁLISE SWOT GT2 Nota introdutória No âmbito da análise SWOT realizada pelo GT2, e com o objectivo de avaliar a validade desta análise, foi preparado pelo GT2 um inquérito dirigido

Leia mais

IESEC. Increasing Employability and Standards of Elderly Caregivers through Specialized Training and Innovative Empowerment

IESEC. Increasing Employability and Standards of Elderly Caregivers through Specialized Training and Innovative Empowerment IESEC Increasing Employability and Standards of Elderly Caregivers through Specialized Training and Innovative Empowerment [Framework to elderly caregivers] PT Project No: 2014-1-RO01-KA200-002868 This

Leia mais

EMPREENDEDORISMO E EDUCAÇÃO: Uma proposta para aplicação na Educação Básica

EMPREENDEDORISMO E EDUCAÇÃO: Uma proposta para aplicação na Educação Básica EMPREENDEDORISMO E EDUCAÇÃO: Uma proposta para aplicação na Educação Cristina Amboni da Silva João Bosco da Mota Alves Simone Meister Sommer Bilessimo 1. Introdução O ambiente escolar é considerado uma

Leia mais

2016/2018 PLANO DE FORMAÇÃO

2016/2018 PLANO DE FORMAÇÃO 2016/2018 PLANO DE FORMAÇÃO Aprovado em Conselho Pedagógico de 18 de novembro de 2015 ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO 2. OBJETIVOS 3. LEVANTAMENTO DE NECESSIDADES 4. MODALIDADES DE FORMAÇÃO 5. ÁREAS DE FORMAÇÃO 5.1.

Leia mais

Projecto de Plano de Actividades do CNE para Em 2008, a actividade do CNE centrar-se-á em quatro grandes áreas de intervenção:

Projecto de Plano de Actividades do CNE para Em 2008, a actividade do CNE centrar-se-á em quatro grandes áreas de intervenção: Projecto de Plano de Actividades do CNE para 2008 Em 2008, a actividade do CNE centrar-se-á em quatro grandes áreas de intervenção: - A escola, as suas finalidades, os seus contextos e parceiros; - Currículo

Leia mais

Recomendação de políticas Alfabetização digital

Recomendação de políticas Alfabetização digital Recomendação de políticas A oportunidade O conhecimento de informática e a alfabetização, a familiaridade com software de produtividade, a fluência no uso de uma ampla gama de dispositivos digitais, estas

Leia mais

NEWSLETTER. Nesta edição. Página de Internet do projeto Incub Training. Plataforma de Formação

NEWSLETTER. Nesta edição. Página de Internet do projeto Incub Training. Plataforma de Formação NEWSLETTER 2.ª edition May 2015 Nesta edição Página de Internet do projeto Incub Training PÁGINA DE INTERNET INCUB TRAINING Foi lançada em Maio de 2015 a página de internet do projeto com o seguinte endereço

Leia mais

DOCUMENTO ORIENTADOR DE AVALIAÇÃO

DOCUMENTO ORIENTADOR DE AVALIAÇÃO DOCUMENTO ORIENTADOR DE AVALIAÇÃO Legislação relativa à avaliação Orientação técnica nº 3/2016, de setembro (ANQEP) Cursos de Educação e Formação nível básico (ano letivo 2016/2017). Orientação técnica

Leia mais

REUNIÃO DE TRABALHO PI 10.i 30 de setembro, Coimbra

REUNIÃO DE TRABALHO PI 10.i 30 de setembro, Coimbra REUNIÃO DE TRABALHO PI 10.i 30 de setembro, Coimbra CENTRO 2020 POR EIXOS Eixo 1 Investigação, Desenvolvimento e Inovação (IDEIAS) 7,8% 169 M 2,5% 54 M Eixo 10 Assistência Técnica Eixo 2 Competitividade

Leia mais

PLANO DE ARTICULAÇÃO. Agrupamento de Escolas Rio Arade. Ano letivo 2012/2013 [Escolha a data] Plano de Articulação / 2013

PLANO DE ARTICULAÇÃO. Agrupamento de Escolas Rio Arade. Ano letivo 2012/2013 [Escolha a data] Plano de Articulação / 2013 Agrupamento de Escolas Rio Arade PLANO DE ARTICULAÇÃO Ano letivo 2012/2013 [Escolha a data] 1 / 9 Índice Nota introdutória... 3 Objetivos Gerais... 4 Estratégias de intervenção... 5 Organização... 6 Procedimentos

Leia mais

Erasmus+ Agência Nacional Erasmus+ - Educação e Formação Rui Gato

Erasmus+ Agência Nacional Erasmus+ - Educação e Formação  Rui Gato Erasmus+ Agência Nacional Erasmus+ - Educação e Formação www.erasmusmais.pt Rui Gato Erasmus+ O Erasmus+ é o programa da UE nos domínios da educação, da formação, da juventude e do desporto para o período

Leia mais

A introdução de quadros de garantia da qualidade no Ensino e Formação Profissionais (EFP) tornouse uma prioridade nos últimos anos.

A introdução de quadros de garantia da qualidade no Ensino e Formação Profissionais (EFP) tornouse uma prioridade nos últimos anos. A introdução de quadros de garantia da qualidade no Ensino e Formação Profissionais (EFP) tornouse uma prioridade nos últimos anos. Para efeitos de implementação do Quadro de Referência Europeu de Garantia

Leia mais

A ESCOLA PARA ALÉM DO CURRÍCULO

A ESCOLA PARA ALÉM DO CURRÍCULO A ESCOLA PARA ALÉM DO CURRÍCULO @ Maia A Maia está localizada a 11km do Porto, com 135 306 habitantes e 83,7 km 2 de território. As escolas estão organizadas em 7 agrupamentos, 43 estabelecimentos + 1

Leia mais

Caderno de apoio. Gestores Escolares

Caderno de apoio. Gestores Escolares Caderno de apoio Gestores Escolares 1 ÍNDICE Apresentação... 3 Escola Digital e os Gestores Escolares... 4 AÇÕES DO DIRETOR ESCOLAR Navegue pela plataforma... 4 Analise resultados e escolha projetos pedagógicos...

Leia mais

Plano de Actividades e Orçamento 2010

Plano de Actividades e Orçamento 2010 Plano de Actividades e Orçamento 2010 1 2 1. Missão A CooLabora é uma cooperativa de consultoria e intervenção social criada em 2008. Tem por missão contribuir para a inovação social no desenvolvimento

Leia mais

Alumni Survey Results

Alumni Survey Results Alumni Survey Results Comparing graduates labour market experience Summary Report Engineers Qualified in Higher Non-University VET Institutions Providing Arguments and Evidence for NQF/EQF Classification

Leia mais

Plano de Atividades 2013

Plano de Atividades 2013 Plano de Atividades Ano de 2013 Plano de Atividades 2013 Introdução No prosseguimento da sua missão consultiva, instituída no quadro da Lei de Bases do Sistema Educativo de 1986, e tendo por referência

Leia mais

Inquérito aos Estudantes - Análise SWOT Ensino Superior Português

Inquérito aos Estudantes - Análise SWOT Ensino Superior Português Inquérito aos Estudantes - Análise SWOT Ensino Superior Português O grupo da qualidade para o Ensino Superior (GT2) está a aplicar a análise SWOT ao Ensino Superior Português. A análise SWOT é uma ferramenta

Leia mais

Regulamento do Programa de Tutorias

Regulamento do Programa de Tutorias Regulamento do Programa de Tutorias Escola Secundária Ferreira Dias, Agualva- Sintra Artigo 1º Competências Específicas O professor tutor tem as seguintes competências: Desenvolver medidas de apoio aos

Leia mais

Agrupamento de Escolas de Mafra

Agrupamento de Escolas de Mafra CARTA DE MISSÃO (Portaria n.º 266/2012, de 30 de agosto) Nome da Diretora Maria de Jesus Azevedo dos Santos Roxo Geraldes Pires Escalão 6º Escola : Agrupamento de Escolas de Mafra Grupo de Recrutamento

Leia mais

ÁREA - PARTICIPAÇÃO DOS ALUNOS

ÁREA - PARTICIPAÇÃO DOS ALUNOS PLANO DE MELHORIA A avaliação externa à Escola Portuguesa de Macau (EPM), levada a cabo em dezembro de 2012 pela Inspeção Geral da Educação e Ciência, incidiu em três grandes domínios: resultados, prestação

Leia mais

Escolaridade e Transição Alguns Caminhos

Escolaridade e Transição Alguns Caminhos Escolaridade e Transição Alguns Caminhos RITA SERPA SOARES Outubro 2015 9º Ano Projeto de vida do aluno promotor de ações e atividades com o objetivo de uma inserção social adequada Perspetiva processo

Leia mais

PROTOCOLO DE COOPERAÇÃO. Entre. O Ministério da Educação e O Memorial da Shoah Museu e Centro de Documentação

PROTOCOLO DE COOPERAÇÃO. Entre. O Ministério da Educação e O Memorial da Shoah Museu e Centro de Documentação PROTOCOLO DE COOPERAÇÃO Entre O Ministério da Educação e O Memorial da Shoah Museu e Centro de Documentação Considerando que: O estudo do Holocausto é hoje um dever europeu comum, que se inscreve numa

Leia mais

ESCOLA SECUNDÁRIA FERREIRA DIAS, AGUALVA SINTRA FORMAR PARA INOVAR MOTIVAR E INCLUIR PROGRAMA ERASMUS +

ESCOLA SECUNDÁRIA FERREIRA DIAS, AGUALVA SINTRA FORMAR PARA INOVAR MOTIVAR E INCLUIR PROGRAMA ERASMUS + ESCOLA SECUNDÁRIA FERREIRA DIAS, AGUALVA SINTRA FORMAR PARA INOVAR MOTIVAR E INCLUIR PROGRAMA ERASMUS + 2016-2018 SISTEMA EDUCATIVO NA FINLÂNDIA SISTEMA EDUCATIVO NA ESTÓNIA PRÓS / CONTRAS BOAS PRÁTICAS

Leia mais

EUNIC. Redes e (mais) comunicação. Visibilidades

EUNIC. Redes e (mais) comunicação. Visibilidades 05/01/2015 EUNIC. Redes e (mais) comunicação. Visibilidades MOD20.3 PR07/V01 Ação cultural externa - operacionalização do trabalho em rede: o caso do CLP/ Camões I.P. em Praga 1. Contextualização 1.1.

Leia mais

Quais são os elementos das narrativas digitais?

Quais são os elementos das narrativas digitais? Open Professional Collaboration for Innovation Quais são os elementos das narrativas digitais? Universidade Aberta Elementos do Digital Storytelling 7 Elementos do Digital Storytelling Digital Storytelling

Leia mais

DESPACHO. ASSUNTO: Regulamento de Candidatura - Programa Leonardo Da Vinci para diplomados ESTeSL

DESPACHO. ASSUNTO: Regulamento de Candidatura - Programa Leonardo Da Vinci para diplomados ESTeSL DESPACHO N.º 29/2013 Data: 2013/06/21 Para conhecimento de: Pessoal Docente, Discente e não Docente ASSUNTO: Regulamento de Candidatura - Programa Leonardo Da Vinci para diplomados ESTeSL 2012-2014. No

Leia mais

DIREÇÃO REGIONAL DE QUALIFICAÇÃO PROFISSIONAL DIVISÃO DE ENCAMINHAMENTO E CERTIFICAÇÃO DE COMPETÊNCIAS

DIREÇÃO REGIONAL DE QUALIFICAÇÃO PROFISSIONAL DIVISÃO DE ENCAMINHAMENTO E CERTIFICAÇÃO DE COMPETÊNCIAS DIREÇÃO REGIONAL DE QUALIFICAÇÃO PROFISSIONAL DIVISÃO DE ENCAMINHAMENTO E CERTIFICAÇÃO DE COMPETÊNCIAS O que são? Centros para a Qualificação e o Ensino Profissional Os CQEP são estruturas do Sistema Nacional

Leia mais

AGRUPAMENTO ESCOLAS SANTOS SIMÕES PLANO DE MELHORIA

AGRUPAMENTO ESCOLAS SANTOS SIMÕES PLANO DE MELHORIA AGRUPAMENTO ESCOLAS SANTOS SIMÕES PLANO DE MELHORIA SETEMBRO 2014 Enquadramento O presente documento surge na sequência do processo de Avaliação Externa realizada ao Agrupamento de Escolas Santos Simões

Leia mais

Plano de Melhoria. Agrupamento de Escolas Joaquim Inácio da Cruz Sobral

Plano de Melhoria. Agrupamento de Escolas Joaquim Inácio da Cruz Sobral Agrupamento de Escolas Joaquim Inácio da Cruz Sobral julho 2015 Introdução O presente Plano de Melhoria insere-se no âmbito do Relatório elaborado pela Equipa de Avaliação Externa da IGEC, em resultado

Leia mais

Agrupamento de Escolas do Vale de Ovil. 1. Introdução

Agrupamento de Escolas do Vale de Ovil. 1. Introdução Procedimento simplificado para avaliação do desempenho dos docentes em regime de contrato a termo - Ano letivo 2011/2012 1. Introdução O presente documento decorre do referido no nº 5 do artigo 30º do

Leia mais

Instituto de Educação Universidade de Lisboa

Instituto de Educação Universidade de Lisboa Instituto de Educação Universidade de Lisboa Oferta Formativa Pós-Graduada Mestrado em Educação Especialização: Educação e Tecnologias Digitais 14 15 Edição Instituto de Educação da Universidade de Lisboa

Leia mais

Plano de Ações de Melhoria

Plano de Ações de Melhoria Plano de Ações de Escola Básica Elias Garcia Escola Básica Miquelina Pombo J. I. da Sobreda 2014/2015 1 INTRODUÇÃO O presente plano de ações de melhoria 2014/15 - resulta da avaliação do plano de ações

Leia mais

Construir o Futuro (I, II, III e IV) Pinto et al. Colectiva. Crianças e Adolescentes. Variável. Nome da prova: Autor(es): Versão: Portuguesa

Construir o Futuro (I, II, III e IV) Pinto et al. Colectiva. Crianças e Adolescentes. Variável. Nome da prova: Autor(es): Versão: Portuguesa Nome da prova: Autor(es): Versão: Tipo de aplicação: População: Tempo de aplicação: Objectivos: Materiais incluídos no jogo (kit) completo: Construir o Futuro (I, II, III e IV) Pinto et al. Portuguesa

Leia mais

Plano Nacional de Leitura

Plano Nacional de Leitura 2012-2014 Plano Nacional de Leitura 1 I. O que motivou o projeto? Centralidade da leitura Leitura como ponto de partida para: - Aprender (competência transversal ao currículo) - Colaborar - Interagir /

Leia mais

PLANO DE AÇÃO DO DEPARTAMENTO DE MATEMÁTICA E CIÊNCIAS EXPERIMENTAIS

PLANO DE AÇÃO DO DEPARTAMENTO DE MATEMÁTICA E CIÊNCIAS EXPERIMENTAIS PLANO DE AÇÃO DO DEPARTAMENTO DE MATEMÁTICA E CIÊNCIAS EXPERIMENTAIS OBJETIVOS EDUCAR EM CIDADANIA 1. RESULTADOS ESCOLARES Alcançar os resultados esperados de acordo com o contexto do agrupamento. Melhorar

Leia mais

Parceria para a formação financeira na Região Norte

Parceria para a formação financeira na Região Norte Parceria para a formação financeira na Região Norte Objetivos da formação financeira Elevar os conhecimentos financeiros da população Contribuir para a melhoria dos comportamentos financeiros Promover

Leia mais

PLANO ESTRATÉGICO OUI Aprovado pala Assembleia geral da OUI

PLANO ESTRATÉGICO OUI Aprovado pala Assembleia geral da OUI PLANO ESTRATÉGICO OUI 2017 2022 Aprovado pala Assembleia geral da OUI 25 de novembro de 2016 INSPIRAÇÃO OUI "Desejo estabelecer, além e livre de toda fronteira, seja esta política, geográfica, econômica,

Leia mais

PROJETO EDUCATIVO 2012/ /16

PROJETO EDUCATIVO 2012/ /16 ESCOLA SECUNDÁRIA/3º CEB POETA AL BERTO, SINES PROJETO EDUCATIVO 2012/13-2015/16 Aprovado pelo Conselho Geral a 8 de abril de 2013. ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO... 3 2. MISSÃO... 3 3. VISÃO... 3 4. VALORES..4

Leia mais

O Referencial de Educação para os Media: currículo, contexto, capacitação. Manuel Pinto CECS Universidade do Minho

O Referencial de Educação para os Media: currículo, contexto, capacitação. Manuel Pinto CECS Universidade do Minho O Referencial de Educação para os Media: currículo, contexto, capacitação Manuel Pinto CECS Universidade do Minho Trajetórias 1982: Declaração de Grünwald, UNESCO 1988: CRSE - Proposta de Reforma Global

Leia mais

Objetivo: propor recomendações para o trabalho efetivo dos NDE

Objetivo: propor recomendações para o trabalho efetivo dos NDE PROIAC Estudo sobre Núcleo Docente Estruturante (NDE) Objetivo: propor recomendações para o trabalho efetivo dos NDE Claudia Marcia Borges Barreto claudiamarcia@id.uff.br O que é NDE? Comissão de acompanhamento

Leia mais

RESULTADOS DO INQUÉRITO AOS EMPREGADORES. Caracterização das entidades empregadoras

RESULTADOS DO INQUÉRITO AOS EMPREGADORES. Caracterização das entidades empregadoras Aplicado em maio de 0 Total de respondentes: entidades (num universo de 06 convidadas a responder). Caracterização das entidades empregadoras Caracterização das entidades empregadoras Fundação/Instituição/Associação

Leia mais

Programa de Formação em Tecnologia Programa para Professores da Rede Pública Estadual

Programa de Formação em Tecnologia Programa para Professores da Rede Pública Estadual Programa de Formação em Tecnologia para Professores da Rede Pública Estadual 9 de outubro de 2008 Objetivos do Programa Visão: promover a habilidade no uso das TIC para enfrentar as demandas da sociedade

Leia mais

Medidas de combate ao insucesso e abandono escolar: Financiamentos Comunitários

Medidas de combate ao insucesso e abandono escolar: Financiamentos Comunitários Medidas de combate ao insucesso e abandono escolar: Financiamentos Comunitários Programa Operacional Norte 2020 Estrutura da Apresentação I. Eixo Prioritário/ Prioridade de Investimento/ Objetivo Específico

Leia mais

BIBLIOTECAS ESCOLARES

BIBLIOTECAS ESCOLARES PLANO DE AÇÃO BIBLIOTECAS ESCOLARES Agrupamento de Escolas da Moita 1 As Bibliotecas Escolares assumem, para além das funções informativa, educativa, cultural e recreativa, o papel de adjuvante do aluno,

Leia mais

Escola EB1/PE da Nazaré

Escola EB1/PE da Nazaré Escola EB1/PE da Nazaré Projeto Clube da Matemática Atividade de Enriquecimento Curricular Docentes: Adelaide Dória Carla Sofia Oliveira Ano lectivo 2011/2012 A escola pode e deve proporcionar aos alunos

Leia mais

XX CONGRESSO ENGENHARIA 2020 UMA ESTRATÉGIA PARA PORTUGAL 17 a 19 de outubro de 2014 ALFÂNDEGA DO PORTO

XX CONGRESSO ENGENHARIA 2020 UMA ESTRATÉGIA PARA PORTUGAL 17 a 19 de outubro de 2014 ALFÂNDEGA DO PORTO XX CONGRESSO ENGENHARIA 2020 UMA ESTRATÉGIA PARA PORTUGAL 17 a 19 de outubro de 2014 ALFÂNDEGA DO PORTO DESAFIOS DA EDUCAÇÃO E QUALIFICAÇÃO Fontainhas Fernandes UTAD 18 de outubro de 2014 Fontainhas Fernandes

Leia mais

GUIÃO PARA ELABORAÇÃO DO RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO/ACREDITAÇÃO DE CICLOS DE ESTUDO EM FUNCIONAMENTO (AACEF) (Ensino Universitário)

GUIÃO PARA ELABORAÇÃO DO RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO/ACREDITAÇÃO DE CICLOS DE ESTUDO EM FUNCIONAMENTO (AACEF) (Ensino Universitário) GUIÃO PARA ELABORAÇÃO DO RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO/ACREDITAÇÃO DE CICLOS DE ESTUDO EM FUNCIONAMENTO (AACEF) (Ensino Universitário) Versão de 17 de maio de 2012 1 CARACTERIZAÇÃO DO CICLO DE ESTUDOS A.1. Instituição

Leia mais

Critérios Gerais de Avaliação do 1º Ciclo ANO LETIVO

Critérios Gerais de Avaliação do 1º Ciclo ANO LETIVO Critérios Gerais de Avaliação do 1º Ciclo ANO LETIVO 2015-2016 Avaliação (Decreto-Lei n.º 139/2012 de 5 de julho; Despacho Normativo nº 17-A/2015 de 22 de Setembro e Despacho Normativo nº 13/2014 de 15

Leia mais

Ministério da Solidariedade, Emprego e Segurança Social. Programa EaSI. Antonieta Ministro

Ministério da Solidariedade, Emprego e Segurança Social. Programa EaSI. Antonieta Ministro Programa EaSI É um instrumento de financiamento, a nível europeu, gerido diretamente pela Comissão Europeia, para apoiar o emprego, a política social e a mobilidade profissional em toda a UE Visa contribuir

Leia mais

O POTENCIAL HUMANO PARA de NOVEMBRO 2012

O POTENCIAL HUMANO PARA de NOVEMBRO 2012 O POTENCIAL HUMANO PARA 2013 28 de NOVEMBRO 2012 O POTENCIAL HUMANO PARA 2013 ORIENTAÇÕES ESTRATÉGICAS PARA O FUTURO - CAPITAL HUMANO PARA O CRESCIMENTO E O EMPREGO CONTRIBUTO DO POPH (ANOS 2013 E 2014)

Leia mais

REGULAMENTO DE INVESTIGAÇÃO - ESCS. Artigo 1º. Missão

REGULAMENTO DE INVESTIGAÇÃO - ESCS. Artigo 1º. Missão REGULAMENTO DE INVESTIGAÇÃO - ESCS Artigo 1º Missão Os grupos de investigação têm como objetivo a promoção e desenvolvimento de atividades de investigação & desenvolvimento no âmbito das áreas científicas

Leia mais

Capítulo I Disposições Gerais. Preâmbulo. Artigo 1º - Objeto. Artigo 2º - Competências Gerais do Serviço de Relações Externas

Capítulo I Disposições Gerais. Preâmbulo. Artigo 1º - Objeto. Artigo 2º - Competências Gerais do Serviço de Relações Externas Capítulo I Disposições Gerais Preâmbulo De acordo com os estatutos do Instituto Politécnico de Viseu (IPV), e tal como referenciado no nº5 do Artigo 82º, os Serviços de Relações Externas, doravante designados

Leia mais

PROGRAMA EDUCATIVO INDIVIDUAL

PROGRAMA EDUCATIVO INDIVIDUAL PROGRAMA EDUCATIVO INDIVIDUAL Decreto-Lei nº 3/2008 de 7 de janeiro Pela 1ª vez: Revisão (final de ciclo) : ESCOLA: Ano Letivo: 1. Identificação do Aluno: Nome: Data de nascimento: / / Ano: Turma: Nível

Leia mais

ValueLinks Módulo 4 Facilitação das Cadeias de Valor. Facilitação de um projeto de melhoria. cadeia e estratégia. Análise da

ValueLinks Módulo 4 Facilitação das Cadeias de Valor. Facilitação de um projeto de melhoria. cadeia e estratégia. Análise da ValueLinks Módulo Facilitação das Cadeias de Valor Facilitação de um projeto de melhoria ValueLinks ValueLinks Módulos Delimitação do projeto Análise da cadeia e estratégia Implementação Monitoria 0 Decisão

Leia mais

Diretrizes para as bibliotecas escolares (IFLA/UNESCO)

Diretrizes para as bibliotecas escolares (IFLA/UNESCO) Diretrizes para as bibliotecas escolares (IFLA/UNESCO) 1.1 Missão Capítulo 1. Missão e Política A biblioteca escolar no ensino-aprendizagem para todos. A biblioteca escolar proporciona informação e ideias

Leia mais

PROTOCOLO DE COOPERAÇÃO

PROTOCOLO DE COOPERAÇÃO Proposta de PROTOCOLO DE COOPERAÇÃO Entre: Município de Guimarães, primeiro Outorgante, representado pelo Presidente da Câmara Municipal E Escola Profissional Profitecla / Pólo de Guimarães, Pessoa Colectiva,

Leia mais

CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO 2011 / Agrupamento de Escolas de Vila Nova de S. Bento

CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO 2011 / Agrupamento de Escolas de Vila Nova de S. Bento CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO 2011 / 2012 PRÉ-ESCOLAR Pontualidade / Assiduidade Autonomia / Independência Iniciativa Interacção com os adultos, com os pares e com o grupo Empenhamento em acabar as tarefas /

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS PROFESSOR PAULA NOGUEIRA

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS PROFESSOR PAULA NOGUEIRA AGRUPAMENTO DE ESCOLAS PROFESSOR PAULA NOGUEIRA Plano de Formação do Agrupamento 2015/2018 Índice 1. Nota Introdutória... 3 2. Enquadramento do Plano de Formação... 4 3. Diagnóstico... 6 4. Objetivos Gerais...

Leia mais

- estabelecer um ambiente de relações interpessoais que possibilitem e potencializem

- estabelecer um ambiente de relações interpessoais que possibilitem e potencializem O desenvolvimento social e cognitivo do estudante pressupõe que ele tenha condições, contando com o apoio dos educadores, de criar uma cultura inovadora no colégio, a qual promova o desenvolvimento pessoal

Leia mais

Prémio Redes para o Desenvolvimento

Prémio Redes para o Desenvolvimento CANDIDATURA B Prémio Redes para o Desenvolvimento Formulário Designação da ação: Os Outros Representar a Cidadania Global 1.1 Informação administrativa: Localização da ação: Nome do requerente: Estatuto

Leia mais

RESULTADOS DOS INQUÉRITOS ÀS ENTIDADES EMPREGADORAS DE DIPLOMADOS DA ESCOLA SUPERIOR DE DANÇA

RESULTADOS DOS INQUÉRITOS ÀS ENTIDADES EMPREGADORAS DE DIPLOMADOS DA ESCOLA SUPERIOR DE DANÇA Tabela 1. Entidades empregadoras Entidades Associações promotoras da dança / artes performativas 2 Companhias de Dança 3 Escolas de Dança 5 IPSS 1 Total 11 Tabela 1. As entidades empregadoras são maioritariamente

Leia mais

Preencha a folha de sinopse seguinte. Não deve ultrapassar uma folha A4 (aproximadamente 500 palavras).

Preencha a folha de sinopse seguinte. Não deve ultrapassar uma folha A4 (aproximadamente 500 palavras). Sinopse da Candidatura Preencha a folha de sinopse seguinte. Não deve ultrapassar uma folha A4 (aproximadamente 500 palavras). PRÉMIOS EUROPEUS DE PROMOÇÃO EMPRESARIAL 2016 Sinopse de Candidatura Enumere

Leia mais

A INVESTIGAÇÃO EM EDUCAÇÃO

A INVESTIGAÇÃO EM EDUCAÇÃO A INVESTIGAÇÃO EM EDUCAÇÃO MATEMÁTICA EM PORTUGAL Seminário I Educação Matemática Tema: Investigações Matemáticas Professora: Andréa Cardoso Alunas: Aline Maria Rodrigues e Daiane Cristina Buci Alfenas,

Leia mais

ANÁLISE SWOT DO ENSINO SUPERIOR PORTUGUÊS OPORTUNIDADES, DESAFIOS E ESTRATÉGIAS DE QUALIDADE

ANÁLISE SWOT DO ENSINO SUPERIOR PORTUGUÊS OPORTUNIDADES, DESAFIOS E ESTRATÉGIAS DE QUALIDADE PORTUGUÊS OPORTUNIDADES, DESAFIOS E ESTRATÉGIAS DE QUALIDADE AMBIENTE INTERNO: PONTOS FORTES E PONTOS FRACOS GT2 Gestão da Qualidade no Ensino Superior 13.11.2103 / IPAM Porto Introdução Trabalho fruto

Leia mais

Programa USP/U.Porto Edital 2015

Programa USP/U.Porto Edital 2015 1. Introdução A Universidade de São Paulo (USP) e a Universidade do Porto (U.Porto) Portugal celebraram um Acordo de Cooperação Internacional objetivando a cooperação acadêmica em todas as áreas do conhecimento

Leia mais

CURSO PARA FORMAÇÃO DE FACILITADORES EM COMPETÊNCIAS TIC INÍCIO DO CURSO:

CURSO PARA FORMAÇÃO DE FACILITADORES EM COMPETÊNCIAS TIC INÍCIO DO CURSO: TIC Tecnologia: uma aliada da Educação CURSO PARA FORMAÇÃO INÍCIO DO CURSO: 19 OUT 2015 Aplicação Pedagógica no uso das TIC Promoção: Introdução para a educação e a aprendizagem. O mais relevante deles

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO DA BIBLIOTECA ESCOLAR

REGULAMENTO INTERNO DA BIBLIOTECA ESCOLAR 1. A BIBLIOTECA ESCOLAR REGULAMENTO INTERNO DA BIBLIOTECA ESCOLAR 1.1. DEFINIÇÃO DA BIBLIOTECA ESCOLAR A Biblioteca Escolar (BE) constitui um espaço que proporciona a democratização do acesso a uma variada

Leia mais

Regulamento Interno de Funcionamento do Gabinete de Gestão e Qualidade (GGQ)

Regulamento Interno de Funcionamento do Gabinete de Gestão e Qualidade (GGQ) Regulamento Interno de Funcionamento do Gabinete de Gestão e Qualidade (GGQ) 1 Índice I Disposições Legais...3 Artigo 1º - Objecto e âmbito de aplicação... 3 II Modelo Organizacional... 3 Artigo 2º - Definição

Leia mais

REGULAMENTO DO GABINETE DE GESTÃO DA QUALIDADE DA ESCOLA SUPERIOR DE DANÇA

REGULAMENTO DO GABINETE DE GESTÃO DA QUALIDADE DA ESCOLA SUPERIOR DE DANÇA REGULAMENTO DO GABINETE DE GESTÃO DA QUALIDADE DA ESCOLA SUPERIOR DE DANÇA A integração no espaço europeu de ensino superior das instituições académicas portuguesas trouxe consigo a necessidade de adoptar

Leia mais

Artigo Científico: Universidade, EAD e Software Livre

Artigo Científico: Universidade, EAD e Software Livre Universidade Federal de Minas Gerais- UFMG Curso de Graduação em Aquacultura Artigo Científico: Universidade, EAD e Software Livre Elaborado por: Caroline Maria da Silva Belo Horizonte, 17 de Outubro de

Leia mais

ACOMPANHAMENTO DA AÇÃO EDUCATIVA RELATÓRIO DA 3ª INTERVENÇÃO. Início 21 de junho de Fim 23 de junho de 2016

ACOMPANHAMENTO DA AÇÃO EDUCATIVA RELATÓRIO DA 3ª INTERVENÇÃO. Início 21 de junho de Fim 23 de junho de 2016 RELATÓRIO DA 3ª INTERVENÇÃO Área territorial da IGEC SUL Agrupamento ou Escola Data da intervenção Código 170574 Designação AE Vale Aveiras Início 21 de junho de 2016 Fim 23 de junho de 2016 PLANEAMENTO

Leia mais

Diferenças entre os dois Diplomas

Diferenças entre os dois Diplomas Diferenças entre os dois Diplomas Regime jurídico em vigor (Decreto-lei 319/91) Novo Regime jurídico (Decreto-lei 3/08) Quanto ao âmbito da aplicação O diploma aplica-se aos alunos com necessidades educativas

Leia mais

Saúde Pessoal Helen Ellis (UK)

Saúde Pessoal Helen Ellis (UK) Saúde Pessoal Helen Ellis (UK) This project has been funded with the support of the Lifelong Learning Programme of the European Union. This publication reflects the views only of the author, and the Commission

Leia mais

POLÍTICA DE COESÃO

POLÍTICA DE COESÃO DESENVOLVIMENTO URBANO SUSTENTÁVEL INTEGRADO POLÍTICA DE COESÃO 2014-2020 A Comissão Europeia aprovou propostas legislativas no âmbito da política de coesão para 2014-2020 em outubro de 2011 Esta ficha

Leia mais

Lista de verificação antes da partida. Apoio à Mobilidade Europeia para o Emprego

Lista de verificação antes da partida. Apoio à Mobilidade Europeia para o Emprego Apoio à Mobilidade Europeia para o Emprego Lista de verificação antes da partida This project has been funded with support from the European Commission. This document reflects the views only of the author,

Leia mais

MODELO DE AUTO-AVALIAÇÃO DA BIBLIOTECA ESCOLAR - INSTRUMENTO PEDAGÓGICO DE MELHORIA CONTÍNUA

MODELO DE AUTO-AVALIAÇÃO DA BIBLIOTECA ESCOLAR - INSTRUMENTO PEDAGÓGICO DE MELHORIA CONTÍNUA MODELO DE AUTO-AVALIAÇÃO DA BIBLIOTECA ESCOLAR - INSTRUMENTO PEDAGÓGICO DE MELHORIA CONTÍNUA Luísa Correia. Modelos e práticas de Auto-avaliação de Bibliotecas Escolares RBE Outubro/Dezembro 2010 Pressupostos

Leia mais