ANEXO 18 A Regulamento Interno

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "ANEXO 18 A Regulamento Interno"

Transcrição

1 ANEXO 18 A Regulamento Interno REGIME DE FUNCIONAMENTO DOS CURSOS CIENTÍFICO- HUMANÍSTICOS DE NÍVEL SECUNDÁRIO DE EDUCAÇÃO, NA MODALIDADE DE ENSINO RECORRENTE AGRUPAMENTO DE ESCOLAS IBN MUCANA 2011/2014

2 ÍNDICE Introdução 2 1. Destinatários 2 2. Organização funcional Órgãos de Administração e Gestão 2 3. Órgãos e Estruturas de Orientação Educativa 3 4. Elementos da Comunidade Educativa / Professores Deveres Elementos da Comunidade Educativa / Alunos Assiduidade Direitos Deveres Recursos Educativos 8 ANEXO 18A Regime de Funcionamento Ensino Recorrente 1 /10

3 ANEXO 18 A - REGIME DE FUNCIONAMENTO DOS CURSOS CIENTÍFICO- HUMANÍSTICOS DE NÍVEL SECUNDÁRIO DE EDUCAÇÃO, NA MODALIDADE DE ENSINO RECORRENTE O presente regimento tem como objetivo a definição de um regime de organização, desenvolvimento e acompanhamento dos cursos científicohumanísticos de nível secundário de educação, na modalidade de ensino recorrente. INTRODUÇÃO Os cursos científico- humanísticos de nível secundário de educação, na modalidade de ensino recorrente, criados pelo Decreto-Lei nº139/2012 de 5 de junho e regulados pela Portaria nº242/2012 de 10 de agosto, organizam-se numa estrutura modular que permite aos alunos uma melhor gestão de seu percurso escolar. 1. DESTINATÁRIOS 2. Os cursos científico- humanísticos de nível secundário de educação, na modalidade de ensino recorrente, destinam-se a alunos que tiverem completado a idade atualmente estabelecida para a conclusão da escolaridade obrigatória. 3. Está consagrado, no entanto, a possibilidade de frequência da mesma, por alunos com idade inferior, desde que, tendo completado 16 anos de idade, pretendam frequentar o sistema modular. 2. ORGANIZAÇÃO FUNCIONAL ÓRGÃOS DE ADMINISTRAÇÃO E GESTÃO 1. A coordenação dos cursos de ensino recorrente de nível secundário de educação é da responsabilidade do órgão de gestão e administração da escola, que, para o efeito, designa um dos seus membros. 2. O coordenador dos cursos de ensino recorrente tem assento no conselho pedagógico. ANEXO 18A Regime de Funcionamento Ensino Recorrente 2 /10

4 3. As suas competências são exercidas em conjunto com os diretores de turma e com o coordenador do ensino no E. P. Linhó, competindo-lhe: a) Organizar um serviço de atendimento aos candidatos à frequência do curso que permita estabelecer, após entrevista, o itinerário individual de formação; b) Determinar a data de realização da avaliação diagnóstica globalizante, tendo em vista a constituição dos grupos/turma e o início do ano letivo; c) Designar um grupo de docentes para a elaboração da matriz e da prova, que será constituído por três docentes de diferentes disciplinas, um dos quais é obrigatoriamente da disciplina de Português; d) Promover e coordenar, no início do ano letivo, uma reunião com todos os professores que lecionam o ensino recorrente, destinada à formação e informação relativas às atividades a desenvolver nesta modalidade de ensino; e) Conferir e assinar os termos, quando o aluno conclui o conjunto de módulos de uma disciplina; f) Analisar as solicitações de alteração do regime de frequência. g) Compete ainda ao Coordenador dos Cursos, coadjuvado pelos diretores de turma e pelo coordenador do ensino no E. P. Linhó: h) Assegurar o funcionamento dos cursos a nível pedagógico e administrativo; i) Zelar pelo cumprimento da legislação aplicável; j) Assegurar os procedimentos relativos ao percurso escolar dos alunos do regime de frequência não presencial; k) Reunir com os diretores de turma, pelo menos uma vez por trimestre, a fim de articular estratégias e procedimentos, bem como promover a troca de experiências e a cooperação entre todos os seus membros. 3. ÓRGÃOS E ESTRUTURAS DE ORIENTAÇÃO EDUCATIVA 3.1. Conselho Pedagógico O Ensino Recorrente de nível secundário de educação é representado no Conselho Pedagógico pelo Coordenador dos cursos de ensino recorrente. ANEXO 18A Regime de Funcionamento Ensino Recorrente 3 /10

5 3.2. Áreas Disciplinares 1. São competências do coordenador de área disciplinar: a) Supervisionar a elaboração do(s) instrumento(s) de avaliação dos candidatos à frequência do ensino recorrente de nível secundário de avaliação, nomeadamente b) Prova de avaliação diagnóstica globalizante e respetiva matriz; c) Prova de avaliação sumativa interna na modalidade de frequência não presencial ou prova de recurso e respetiva matriz; d) Promover, em reuniões de grupo/disciplina, a discussão de opções metodológicas para o ensino recorrente Departamentos Curriculares São competências dos Coordenadores dos departamentos curriculares: a) Propor ao Conselho Pedagógico as matrizes das provas de avaliação diagnóstica globalizante e das provas de avaliação sumativa interna, na modalidade de frequência não presencial ou prova de recurso, a fim de serem aprovadas; b) Propor ao Conselho pedagógico os critérios de avaliação das disciplinas que coordena, tendo em conta o regime modular desta modalidade de ensino. c) Diretor de Turma d) A designação do diretor de turma é da responsabilidade do órgão de direção executiva do agrupamento de escolas, que, para o efeito, nomeia um dos professores da turma. e) As suas competências são exercidas em conjunto com o coordenador de curso e com o coordenador do ensino no E.P. Linhó. f) São competências do diretor de turma em colaboração com o coordenador do ensino no E. P. Linhó: g) Presidir aos conselhos de turma de avaliação; h) Colaborar com o coordenador do curso no que se refere à coordenação curricular e pedagógica; ANEXO 18A Regime de Funcionamento Ensino Recorrente 4 /10

6 i) Promover, junto dos professores da turma, a reflexão conjunta sobre as práticas pedagógicas; j) Esclarecer os alunos sobre as características e funcionamento dos cursos; k) Manter permanentemente atualizado o registo de faltas comunicando, por escrito, à entidade competente todos os dados referentes à assiduidade e aproveitamento desses alunos; l) Solicitar a colaboração dos outros professores que lecionam o curso, nomeadamente, na organização de atividades extra-escolares e extracurriculares, bem como na participação em reuniões; m) Motivar os alunos a participar, com assiduidade, nas atividades curriculares e extracurriculares; n) Providenciar para que sejam registados os resultados da avaliação; o) Contactar os alunos matriculados que apresentem falta de assiduidade a qualquer disciplina, a fim de confirmar a sua intenção de alterar o regime de frequência; p) Comunicar ao coordenador de curso e ao coordenador do ensino no E.P. Linhó casos em que: i. O aluno revele a sua intenção de abandono; ii. O aluno revele a sua intenção de alteração do regime de frequência; q) Prestar informação ou esclarecimento ao Conselho Pedagógico, sempre que considere oportuno ou para tal tenha sido solicitado pelo respetivo Presidente. r) As competências do diretor de turma deverão ser desempenhadas nas horas da componente não letiva do estabelecimento ou nos tempos de insuficiência horária inscrita no horário do docente. 4. ELEMENTOS DA COMUNIDADE EDUCATIVA / PROFESSORES 1. A atribuição de horários de ensino recorrente deve atender aos seguintes critérios: a) Professores pertencentes ao quadro de nomeação definitiva da Agrupamento; b) Experiência neste sistema de ensino; ANEXO 18A Regime de Funcionamento Ensino Recorrente 5 /10

7 c) Motivação para este sistema de ensino; d) Formação na área de ensino recorrente, através de cursos de formação especializada, ações de formação da iniciativa dos centros de formação de professores, dos organismos centrais, regionais ou locais do ministério da educação; 2. Quando não for possível aplicar os critérios acima definidos, o professor deve ser acompanhado pelo coordenador do curso e diretor de turma DEVERES Aos professores do ensino recorrente compete: a) Colaborar com os diretores de turma nas diferentes tarefas, nomeadamente, no serviço de atendimento aos candidatos à frequência desta modalidade de ensino; b) Atender os alunos, individualmente ou em grupo, nas sessões de apoio, para esclarecimento de dúvidas e estabelecimento de atividades diagnósticas de recuperação; c) Programar atividades e estratégias adequadas às necessidades de cada grupo/aluno e prestar apoio no desenvolvimento das mesmas; d) Fornecer materiais para um máximo de eficácia e autonomia; e) Analisar em conjunto com os professores que lecionam a disciplina e o coordenador de área disciplinar, os manuais escolares a adotar de acordo com os procedimentos e prazos previstos; f) Registar, em cada sessão, a falta dos alunos e manter informados os diretores de turma; g) Pôr à disposição do centro de recursos para o ensino recorrente todo o material complementar/alternativo que produzir. 5. ELEMENTOS DA COMUNIDADE EDUCATIVA / ALUNOS 5.1 ASSIDUIDADE 1. Os alunos que optaram pelo regime de frequência presencial estão sujeitos ao dever de assiduidade. O limite de faltas injustificadas em qualquer disciplina, ANEXO 18A Regime de Funcionamento Ensino Recorrente 6 /10

8 atividades de apoio ou complementares de inscrição ou de frequência facultativa corresponde ao dobro do número de tempos letivos semanais 2. Ultrapassado o limite de faltas injustificadas, definido no ponto anterior, em qualquer disciplina, o aluno é excluído da frequência dessa disciplina até final do ano letivo em curso. 3. No caso dos trabalhadores -estudantes, ocorre transição imediata para o regime de frequência não presencial logo que seja atingido o limite de faltas injustificadas. 5.2 DIREITOS Constituem direitos do candidato à frequência do ensino recorrente de nível secundário de educação: 1. Submeter-se, no caso de não possuir o nono ano de escolaridade ou outra habilitação equivalente, a uma avaliação diagnóstica globalizante, precedida de entrevista com o coordenador dos cursos e um diretor de turma, cujos resultados permitam determinar se o aluno tem os pré-requisitos necessários à frequência deste nível de ensino; 2. Dispor de um serviço de atendimento, antes da efetivação do ato de matrícula, que permita estabelecer, após entrevista, o itinerário individual de formação em que serão consideradas as disponibilidades e motivações; 3. Serem-lhe reconhecidos e creditados como equivalentes os conhecimentos anteriores conforme regulamentado; 4. Poder matricular-se, até 31 de Dezembro; 5. Efetivar no ato de matrícula, junto do respetivo diretor de turma, a sua opção pela modalidade de frequência presencial ou não presencial, relativamente a cada uma das disciplinas em que se inscrevem; 6. Renegociar, por sua iniciativa, em qualquer altura do ano, o seu itinerário individual de formação; 7. Dispor de materiais diversificados, oportunidades e modos diferentes de assimilar o programa de cada disciplina; 8. Dispor, permanentemente, de indicadores de sucesso que lhe permitam reforçar e melhorar as suas competências, aumentando o seu ritmo de aprendizagem; ANEXO 18A Regime de Funcionamento Ensino Recorrente 7 /10

9 9. Conhecer o resultado das provas de avaliação, num período máximo de dez dias úteis após a realização das mesmas; 10. Dispor de um centro de recursos, como espaço alternativo de aprendizagem, dotado de materiais pedagógicos facilitadores da autoformação e com um horário adequado às suas necessidades e disponibilidades; 11. Ter conhecimento das normas relativas ao Ensino Recorrente. 5.3 DEVERES Constituem deveres dos alunos do ensino recorrente de nível secundário de educação: 1. Frequentar, com assiduidade e aproveitamento, todas as atividades educativas organizadas em função do seu itinerário individual de formação; 2. Auto motivar-se para a máxima solicitação das suas possibilidades, de forma a aproximar-se, cada vez mais da autonomia; 3. Trabalhar, individualmente ou em grupo, de acordo com os níveis de consecução das aprendizagens, estilos cognitivos, níveis de interesse e outros; 4. Inscrever-se para a prova de avaliação sumativa interna na modalidade de frequência não presencial ou como prova de recurso; 5. Apresentar-se à prova oral ou prática das disciplinas cuja avaliação é constituída por duas provas, no prazo estipulado pela escola. O não cumprimento deste prazo determina que seja atribuída a classificação de zero valores à prova oral ou prática; 6. Renegociar por proposta do diretor de turma o seu itinerário individual de formação. 6. RECURSOS EDUCATIVOS Centro de Apoio 1. A dinamização e organização deste espaço está a cargo do coordenador do ensino no E. P. Linhó e do diretor de turma do ensino recorrente. 2. O centro de recursos para o ensino recorrente funciona no E.P. Linhó e deve conter todos os manuais e outros materiais de acordo com os programas do ensino recorrente de nível secundário de educação. ANEXO 18A Regime de Funcionamento Ensino Recorrente 8 /10

10 Nota: Em tudo o que não se refira neste regulamento, aplica-se à legislação em vigor. ANEXO 18A Regime de Funcionamento Ensino Recorrente 9 /10

Agrupamento de Escolas da Moita Sede Escola Secundária da Moita E S C O L A S E C U N D Á R I A D A M O I TA REGULAMENTO

Agrupamento de Escolas da Moita Sede Escola Secundária da Moita E S C O L A S E C U N D Á R I A D A M O I TA REGULAMENTO Agrupamento de Escolas da Moita 171311 Sede Escola Secundária da Moita E S C O L A S E C U N D Á R I A D A M O I TA REGULAMENTO CURSOS VOCACIONAIS DO ENSINO BÁSICO Regulamento dos Cursos Vocacionais do

Leia mais

Agrupamento de Escolas Dr.ª Laura Ayres

Agrupamento de Escolas Dr.ª Laura Ayres Agrupamento de Escolas Dr.ª Laura Ayres - Anexo IV Regulamento das Formações Modulares Artigo 1.º Objeto e âmbito 1. As formações modulares obedecem aos referenciais de competências e de formação associados

Leia mais

Câmara Municipal das Caldas da Rainha REGULAMENTO AEC 2011/201

Câmara Municipal das Caldas da Rainha REGULAMENTO AEC 2011/201 Câmara Municipal das Caldas da Rainha REGULAMENTO AEC 2011/201 /2012 Considerando a importância do desenvolvimento de atividades de enriquecimento curricular no 1º ciclo do ensino básico para o desenvolvimento

Leia mais

REGIMENTO Do Conselho de Turma

REGIMENTO Do Conselho de Turma REGIMENTO Do Conselho de Turma ÍNDICE Artigo 1.º Disposições gerais 3 Secção I Coordenação de diretores de turma 3 Artigo 2.º Composição 3 Artigo 3.º Exercício de funções do coordenador de diretores de

Leia mais

CRITÉRIOS GERAIS DE AVALIAÇÃO

CRITÉRIOS GERAIS DE AVALIAÇÃO CRITÉRIOS GERAIS DE AVALIAÇÃO (APROVADOS EM CP 2016/2017 ) 1 1.º Introdução A avaliação constitui um processo regulador do ensino, orientador do percurso escolar e certificador dos conhecimentos adquiridos

Leia mais

Critérios Gerais de Avaliação para o Ensino Secundário

Critérios Gerais de Avaliação para o Ensino Secundário Escola Secundária de Felgueiras 2014/2015 Critérios Gerais de Avaliação para o Ensino Secundário (Decreto-Lei 139/2012, de 5 de julho, e Portaria 243/2012, de 10 de agosto) O processo de avaliação de alunos

Leia mais

REGIMENTO DOS CONSELHOS DE DIRETORES DE TURMA DO 2º e 3º CICLOS DO ENSINO BÁSICO GERAL E DO ENSINO SECUNDÁRIO (CURSOS CIENTIFICO-HUMANÍSTICOS)

REGIMENTO DOS CONSELHOS DE DIRETORES DE TURMA DO 2º e 3º CICLOS DO ENSINO BÁSICO GERAL E DO ENSINO SECUNDÁRIO (CURSOS CIENTIFICO-HUMANÍSTICOS) REGIMENTO DOS CONSELHOS DE DIRETORES DE TURMA DO 2º e 3º CICLOS DO ENSINO BÁSICO GERAL E DO ENSINO SECUNDÁRIO (CURSOS CIENTIFICO-HUMANÍSTICOS) Preâmbulo De acordo com a legislação em vigor e o regulamento

Leia mais

Regulamento do Programa de Tutorias

Regulamento do Programa de Tutorias Regulamento do Programa de Tutorias Escola Secundária Ferreira Dias, Agualva- Sintra Artigo 1º Competências Específicas O professor tutor tem as seguintes competências: Desenvolver medidas de apoio aos

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS LEVANTE DA MAIA. Regulamento dos Cursos Vocacionais do Ensino Básico

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS LEVANTE DA MAIA. Regulamento dos Cursos Vocacionais do Ensino Básico AGRUPAMENTO DE ESCOLAS LEVANTE DA MAIA Regulamento dos Cursos Vocacionais do Ensino Básico 2015-2017 1 (Anexo X A) Regulamento dos Cursos Vocacionais do Ensino Básico Artigo 1º Âmbito 1- Os cursos vocacionais

Leia mais

CURSOS PROFISSIONAIS DE NÍVEL N. EMNOP 16 de Dezembro de 2008

CURSOS PROFISSIONAIS DE NÍVEL N. EMNOP 16 de Dezembro de 2008 CURSOS PROFISSIONAIS DE NÍVEL N SECUNDÁRIO DE EDUCAÇÃO EMNOP 16 de Dezembro de 2008 1 Legislação de referência Decreto-Lei n.º 74/2004, de 26 de Março, com as alterações introduzidas pelo Decreto-Lei n.º

Leia mais

Agrupamento de Escolas da Moita Sede Escola Secundária da Moita E S C O L A S E C U N D Á R I A D A M O I TA REGULAMENTO

Agrupamento de Escolas da Moita Sede Escola Secundária da Moita E S C O L A S E C U N D Á R I A D A M O I TA REGULAMENTO Agrupamento de Escolas da Moita 171311 Sede Escola Secundária da Moita E S C O L A S E C U N D Á R I A D A M O I TA REGULAMENTO CURSOS VOCACIONAIS DO ENSINO SECUNDÁRIO Regulamento dos Cursos Vocacionais

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS CIDADE DO ENTRONCAMENTO REGIMENTO 2013/2017 DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS SOCIAIS E HUMANAS

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS CIDADE DO ENTRONCAMENTO REGIMENTO 2013/2017 DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS SOCIAIS E HUMANAS AGRUPAMENTO DE ESCOLAS CIDADE DO ENTRONCAMENTO 170586 REGIMENTO 2013/2017 DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS SOCIAIS E HUMANAS REGIMENTO INTERNO Departamento de Ciências Sociais e Humanas SECÇÃO I CONSTITUIÇÃO E

Leia mais

CRITÉRIOS GERAIS DE AVALIAÇÃO

CRITÉRIOS GERAIS DE AVALIAÇÃO CRITÉRIOS GERAIS DE AVALIAÇÃO (APROVADOS EM CP 2014/2015)1 1.º Introdução A avaliação constitui um processo regulador do ensino, orientador do percurso escolar e certificador dos conhecimentos adquiridos

Leia mais

CAPÍTULO 3 ORGANIZAÇÃO PEDAGÓGICA SECÇÃO I ESTRUTURAS DE COORDENAÇÃO EDUCATIVA E SUPERVISÃO PEDAGÓGICA. Artigo 32.º

CAPÍTULO 3 ORGANIZAÇÃO PEDAGÓGICA SECÇÃO I ESTRUTURAS DE COORDENAÇÃO EDUCATIVA E SUPERVISÃO PEDAGÓGICA. Artigo 32.º CAPÍTULO 3 ORGANIZAÇÃO PEDAGÓGICA SECÇÃO I ESTRUTURAS DE COORDENAÇÃO EDUCATIVA E SUPERVISÃO PEDAGÓGICA Artigo 31.º Definição 1. São estruturas de coordenação educativa e supervisão pedagógica as estruturas,

Leia mais

PROPOSTA DE DELIBERAÇÃO DO CONSELHO PEDAGÓGICO APRESENTADA AO CONSELHO GERAL DO AGRUPAMENTO

PROPOSTA DE DELIBERAÇÃO DO CONSELHO PEDAGÓGICO APRESENTADA AO CONSELHO GERAL DO AGRUPAMENTO Direção Geral dos Estabelecimentos Escolares Direção de Serviços Região Alentejo Agrupamento de Escolas de Alcácer do Sal PROPOSTA DE DELIBERAÇÃO DO CONSELHO PEDAGÓGICO APRESENTADA AO CONSELHO GERAL DO

Leia mais

Jornadas Regionais Organização e Sucesso escolar. Sessão 4 Regime de Frequência e Avaliação dos Alunos

Jornadas Regionais Organização e Sucesso escolar. Sessão 4 Regime de Frequência e Avaliação dos Alunos Jornadas Regionais Organização e Sucesso escolar Sessão 4 Regime de Frequência e Avaliação dos Alunos Objetivos Promover o desenvolvimento adequado dos processos de avaliação dos alunos tendo em vista

Leia mais

CURSOS PROFISSIONAIS ANO LETIVO REGIME DE AVALIAÇÃO

CURSOS PROFISSIONAIS ANO LETIVO REGIME DE AVALIAÇÃO CURSOS PROFISSIONAIS ANO LETIVO 2013-2014 REGIME DE AVALIAÇÃO OBJETO E FINALIDADES 1 - A avaliação incide: a) Sobre as aprendizagens previstas no programa das disciplinas de todas as componentes de formação

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE REAL REGULAMENTO OFERTAS EDUCATIVAS ALTERNATIVAS AO ENSINO REGULAR ANEXO II

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE REAL REGULAMENTO OFERTAS EDUCATIVAS ALTERNATIVAS AO ENSINO REGULAR ANEXO II Ofertas Educativas Artigo 1.º Âmbito O presente regulamento estabelece as diretrizes essenciais ao funcionamento do curso vocacional, adequando, esclarecendo e integrando as normas legais presentes na

Leia mais

Regimento Grupo Disciplinar E. Visual e E. Tecnológica. Departamento de Expressões

Regimento Grupo Disciplinar E. Visual e E. Tecnológica. Departamento de Expressões Regimento Grupo Disciplinar E. Visual e E. Tecnológica Departamento de Expressões 2013/2017 2 REGIMENTO DE GRUPO DISCIPLINAR DE EDUCAÇÃO VISUAL e EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA O grupo disciplinar de EV-ET é constituído

Leia mais

Regimento do Conselho Pedagógico

Regimento do Conselho Pedagógico Regimento do Conselho Pedagógico CAPÍTULO I - DISPOSIÇÕES GERAIS Artigo 1º Finalidades O Conselho Pedagógico é o órgão de coordenação e supervisão pedagógica e orientação educativa do Agrupamento de escolas,

Leia mais

CURSOS EFA Educação e Formação de Adultos. Regulamento. I Legislação de referência

CURSOS EFA Educação e Formação de Adultos. Regulamento. I Legislação de referência CURSOS EFA Educação e Formação de Adultos Regulamento I Legislação de referência Os Cursos de Educação e Formação de Adultos, na Região Autónoma da Madeira, regem-se segundo o seguinte Enquadramento Legal:

Leia mais

Regulamento da Formação em Contexto de Trabalho

Regulamento da Formação em Contexto de Trabalho Regulamento da Formação em Contexto de Trabalho A Formação em Contexto de Trabalho (FCT) faz parte integrante do Plano Curricular de qualquer Curso Profissional e é indispensável para a obtenção de um

Leia mais

Agrupamento de Escolas Verde Horizonte Regulamento Interno (Anexo 5)

Agrupamento de Escolas Verde Horizonte Regulamento Interno (Anexo 5) Agrupamento de Escolas Verde Horizonte Regulamento Interno (Anexo 5) 2016-2017 Anexo 5 (Regulamento AEC(s)) Considerando a importância do desenvolvimento de atividades de enriquecimento curricular no 1º

Leia mais

DGEstE Direção de Serviços da Região Centro. Agrupamento de Escolas de Vouzela e Campia. Regulamento das Atividades de Enriquecimento Curricular

DGEstE Direção de Serviços da Região Centro. Agrupamento de Escolas de Vouzela e Campia. Regulamento das Atividades de Enriquecimento Curricular DGEstE Direção de Serviços da Região Centro Regulamento das Atividades de Enriquecimento Curricular 1º CICLO DO ENSINO BÁSICO Ano Letivo 2015/2016 Página2 Introdução Considerando: 1. A importância das

Leia mais

I - Regulamento para a constituição, funcionamento e avaliação de turmas com Percursos Curriculares Alternativos (PCA) para o ano letivo de 2015/2016

I - Regulamento para a constituição, funcionamento e avaliação de turmas com Percursos Curriculares Alternativos (PCA) para o ano letivo de 2015/2016 I - Regulamento para a constituição, funcionamento e avaliação de turmas com Percursos Curriculares Alternativos (PCA) para o ano letivo de 2015/2016 O Ministério da Educação e Ciência, através da publicação

Leia mais

PLANO DO DEPARTAMENTO DE LÍNGUAS

PLANO DO DEPARTAMENTO DE LÍNGUAS PLANO DO DEPARTAMENTO DE LÍNGUAS ANO LECTIVO 2010/2011 Introdução O Plano do Departamento de Línguas tem como pressupostos o Projecto Educativo em vigor da Escola Secundária da Baixa da Banheira cujos

Leia mais

REGULAMENTO DA SALA DE OCORRÊNCIA DISCIPLINAR

REGULAMENTO DA SALA DE OCORRÊNCIA DISCIPLINAR REGULAMENTO DA SALA DE OCORRÊNCIA DISCIPLINAR I. Disposições Gerais: Artigo 1º Objeto 1. O presente documento regulamenta a organização e o funcionamento da Sala de Ocorrência Disciplinar do Agrupamento

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS BELÉM RESTELO. Regimento / Regulamento das Atividades de Enriquecimento Curricular

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS BELÉM RESTELO. Regimento / Regulamento das Atividades de Enriquecimento Curricular AGRUPAMENTO DE ESCOLAS BELÉM RESTELO Regimento / Regulamento das Atividades de Enriquecimento Curricular 1º CICLO 2011 2012 ATIVIDADES DE ENRIQUECIMENTO CURRICULAR 1º Ciclo Ano Letivo 2011 / 2012 Regimento

Leia mais

Escola Básica e Secundária de Vale de Ovil. Regimento do Departamento de Ciências Experimentais

Escola Básica e Secundária de Vale de Ovil. Regimento do Departamento de Ciências Experimentais Escola Básica e Secundária de Vale de Ovil Regimento do Departamento de Ciências Experimentais 2013/2016 CAPÍTULO I - DISPOSIÇÕES GERAIS Artigo 1.º Identificação 1. Este Departamento Curricular adota a

Leia mais

Uma Escola de Cidadania Uma Escola de Qualidade RIA - AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DR. FRANCISCO SANCHES

Uma Escola de Cidadania Uma Escola de Qualidade RIA - AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DR. FRANCISCO SANCHES REGULAMENTO INTERNO AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DR. FRANCISCO SANCHES JANEIRO 2014 Índice Capítulo I... 1 Disposições Gerais... 1 Introdução... 1 Artigo 1.º --------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Leia mais

Regimento do Departamento Curricular do 1º Ciclo

Regimento do Departamento Curricular do 1º Ciclo Regimento do Departamento Curricular do 1º Ciclo 2013-2017 O departamento curricular do 1º ciclo, nos termos do Regulamento Interno, aprova o seguinte regimento, definindo as respetivas regras de organização

Leia mais

Critérios Gerais de Avaliação do 1º Ciclo ANO LETIVO

Critérios Gerais de Avaliação do 1º Ciclo ANO LETIVO Critérios Gerais de Avaliação do 1º Ciclo ANO LETIVO 2015-2016 Avaliação (Decreto-Lei n.º 139/2012 de 5 de julho; Despacho Normativo nº 17-A/2015 de 22 de Setembro e Despacho Normativo nº 13/2014 de 15

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE MOGADOURO REGIMENTO INTERNO DO CONSELHO DE DOCENTES DO PRÉ - ESCOLAR

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE MOGADOURO REGIMENTO INTERNO DO CONSELHO DE DOCENTES DO PRÉ - ESCOLAR AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE MOGADOURO REGIMENTO INTERNO DO CONSELHO DE DOCENTES DO PRÉ - ESCOLAR Ano Letivo: 2012 / 2013 ÍNDICE CAPÍTULO I PÁG. ÂMBITO 3 CAPÍTULO I I Conselho de Docentes 3 CAPÍTULO III Competências

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE MOGADOURO

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE MOGADOURO COORDENAÇÃO PEDAGÓGICA DO 1º CICLO DO ENSINO BÁSICO (GRUPO 110) 2012/2013 REGIMENTO DO CONSELHO DE DOCENTES DO 1º CICLO REGIMENTO DO DEPARTAMENTO CURRICULAR DO 1º CICLO REGIMENTO DO CONSELHO DE ANO 1º

Leia mais

Departamento de Matemática e Ciências Experimentais. Regimento Interno

Departamento de Matemática e Ciências Experimentais. Regimento Interno Departamento de Matemática e Ciências Experimentais Regimento Interno O Departamento Curricular é uma estrutura de gestão intermédia com o Conselho Pedagógico e com a Direção, que promove a articulação

Leia mais

LEGISLAÇÃO DE REFERÊNCIA

LEGISLAÇÃO DE REFERÊNCIA AGRUPAMENTO DE ESCOLAS VERGÍLIO FERREIRA LEGISLAÇÃO DE REFERÊNCIA Autonomia Avaliação externa dos estabelecimentos de educação e ensino Delegação de competências Professor bibliotecário Manuais escolares

Leia mais

Escola Secundária 3EB Dr. Jorge Correia Tavira Direcção Regional de Educação do Algarve CENTRO NOVAS OPORTUNIDADES

Escola Secundária 3EB Dr. Jorge Correia Tavira Direcção Regional de Educação do Algarve CENTRO NOVAS OPORTUNIDADES Regulamento Artigo 1º Definição O Centro Novas Oportunidades é uma estrutura que tem como missão proporcionar a todos os adultos uma oportunidade de qualificação e de certificação, de nível básico ou secundário,

Leia mais

2015/16. Critérios Gerais de Avaliação

2015/16. Critérios Gerais de Avaliação Agrupamento de Escolas de Portela e Moscavide Escola Secundária da Portela Escola EB 2,3 Gaspar Correia Escola EB1 Catela Gomes Escola EB1/JI Quinta da Alegria Escola EB1/JI Portela 2015/16 Critérios Gerais

Leia mais

DOCUMENTO ORIENTADOR DE AVALIAÇÃO

DOCUMENTO ORIENTADOR DE AVALIAÇÃO DOCUMENTO ORIENTADOR DE AVALIAÇÃO Legislação relativa à avaliação Orientação técnica nº 3/2016, de setembro (ANQEP) Cursos de Educação e Formação nível básico (ano letivo 2016/2017). Orientação técnica

Leia mais

DESPACHO N.º 34/2014

DESPACHO N.º 34/2014 DESPACHO N.º 34/2014 Assunto: Regulamento de Avaliação Devido a dúvidas surgidas, o Conselho Pedagógico considerou necessário aclarar o Artigo 7.º do Capítulo III do Regulamento de Avaliação, publicado

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE MARTIM DE FREITAS

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE MARTIM DE FREITAS AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE MARTIM DE FREITAS MEDIDAS DE PROMOÇÃO DO SUCESSO ESCOLAR ANO LETIVO 2015/2016 INDÍCE 1. Introdução.. 3 2. Medidas de promoção do sucesso escolar.....3 3. Apoio ao estudo no 1.º

Leia mais

REGULAMENTO DOS CURSOS PROFISSIONAIS

REGULAMENTO DOS CURSOS PROFISSIONAIS REGULAMENTO DOS CURSOS PROFISSIONAIS O presente regulamento define a organização, desenvolvimento e acompanhamento dos Cursos Profissionais. Os Cursos Profissionais constituem uma Modalidade de Educação,

Leia mais

É revogado o Despacho RT-21/2012 de 04 de abril. Universidade do Minho, 08 de fevereiro de 2013

É revogado o Despacho RT-21/2012 de 04 de abril. Universidade do Minho, 08 de fevereiro de 2013 Universidade do Minho Reitoria Despacho RT-15/2013 Sobre proposta da Escola Superior de Enfermagem, ouvido o Senado Académico, é homologado o Regulamento do Curso de Formação Especializada em Intervenção

Leia mais

Ensino Noturno Regulamento

Ensino Noturno Regulamento Ensino Noturno Regulamento Ensino Noturno Regulamento Secção A Cursos EFA: nível Básico e Secundário Os Cursos de Educação e Formação de Adultos (Cursos EFA) são uma oferta de educação e formação para

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE MOGADOURO REGIMENTO INTERNO DO DEPARTAMENTO DE LÍNGUAS

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE MOGADOURO REGIMENTO INTERNO DO DEPARTAMENTO DE LÍNGUAS AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE MOGADOURO REGIMENTO INTERNO DO DEPARTAMENTO DE LÍNGUAS Quadriénio 2009-2013 Segundo o artigo 68º do Regulamento Interno, aprovado em 4 de Janeiro de 2011, para o quadriénio 2009/2013,

Leia mais

REGIMENTO DOS CONSELHOS DE TURMA DO 2º e 3º CICLOS DO ENSINO BÁSICO GERAL E DO ENSINO SECUNDÁRIO (CURSOS CIENTíFICO-HUMANÍSTICOS)

REGIMENTO DOS CONSELHOS DE TURMA DO 2º e 3º CICLOS DO ENSINO BÁSICO GERAL E DO ENSINO SECUNDÁRIO (CURSOS CIENTíFICO-HUMANÍSTICOS) REGIMENTO DOS CONSELHOS DE TURMA DO 2º e 3º CICLOS DO ENSINO BÁSICO GERAL E DO ENSINO SECUNDÁRIO (CURSOS CIENTíFICO-HUMANÍSTICOS) Preâmbulo De acordo com a legislação em vigor e o regulamento interno,

Leia mais

REGULAMENTO DOS QUADROS DE EXCELÊNCIA E DE MÉRITO INTRODUÇÃO

REGULAMENTO DOS QUADROS DE EXCELÊNCIA E DE MÉRITO INTRODUÇÃO AGRUPAMENTO DE ESCOLAS JOÃO DA SILVA CORREIA REGULAMENTO DOS QUADROS DE EXCELÊNCIA E DE MÉRITO INTRODUÇÃO O presente Regulamento dos Quadros de Mérito e de Excelência do Agrupamento de Escolas João da

Leia mais

Critérios de Avaliação. 1º Ciclo. Ano Letivo 2016/2017. A Presidente do Conselho Pedagógico Felicidade Alves

Critérios de Avaliação. 1º Ciclo. Ano Letivo 2016/2017. A Presidente do Conselho Pedagógico Felicidade Alves Critérios de Avaliação 1º Ciclo Ano Letivo 2016/2017 A Presidente do Conselho Pedagógico Felicidade Alves Princípios Orientadores - Processo regulador das aprendizagens, orientador do percurso escolar

Leia mais

CRITÉRIOS GERAIS DE AVALIAÇÃO /16 Ensino Básico. 1 Insuficiente 20% a 49% Insuficiente 2 50% a 55% Suficiente Menos 56% a 69% Suficiente

CRITÉRIOS GERAIS DE AVALIAÇÃO /16 Ensino Básico. 1 Insuficiente 20% a 49% Insuficiente 2 50% a 55% Suficiente Menos 56% a 69% Suficiente CRITÉRIOS GERAIS DE AVALIAÇÃO - 2015/16 Ensino Básico Os procedimentos gerais a observar na avaliação dos alunos do ensino básico encontram-se regulamentados na seguinte legislação em vigor: Decreto-lei

Leia mais

CURSO DE COMÉRCIO ARTES E INFORMÁTICA

CURSO DE COMÉRCIO ARTES E INFORMÁTICA Direção-Geral dos Estabelecimentos Escolares Direção de Serviços da Região Centro SETOR DE COORDENAÇÃO E SUPERVISÃO PEDAGÓGICA CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO CURSOS VOCACIONAIS ANO LETIVO DE 2016/2017 CURSO DE

Leia mais

REGULAMENTO CURSO VOCACIONAL 3º CICLO DO ENSINO BÁSICO

REGULAMENTO CURSO VOCACIONAL 3º CICLO DO ENSINO BÁSICO Agrupamento de Escolas do Crato 2014/ 2016 REGULAMENTO CURSO VOCACIONAL 3º CICLO DO ENSINO BÁSICO Setembro 2014 (a incluir no RI 2013-2017) 1 REGULAMENTO DO CURSO VOCACIONAL DE 3º CICLO Conteúdo Artigo

Leia mais

REGULAMENTO DA SALA DE ESTUDO

REGULAMENTO DA SALA DE ESTUDO REGULAMENTO DA SALA DE ESTUDO I. Disposições Gerais: Artigo 1º Objeto 1. O presente documento regulamenta a organização e o funcionamento da Sala de Estudo (SE) do Colégio São Filipe (CSF). Artigo 2º Âmbito

Leia mais

Capítulo I. Composição/eleição do Delegado. Artº 1º. Definição

Capítulo I. Composição/eleição do Delegado. Artº 1º. Definição Regimento do Grupo de Recrutamento 530 Secretariado Capítulo I Composição/eleição do Delegado Artº 1º Definição O Grupo de Recrutamento 530 é uma estrutura pertencente ao Departamento Curricular de Ciências

Leia mais

COLÉGIO DE ALBERGARIA REGULAMENTO INTERNO MODELO DE AVALIAÇÃO DOS ALUNOS

COLÉGIO DE ALBERGARIA REGULAMENTO INTERNO MODELO DE AVALIAÇÃO DOS ALUNOS REGULAMENTO INTERNO MODELO DE AVALIAÇÃO DOS ALUNOS 1. INTRODUÇÃO De acordo com o Projecto Educativo do Colégio de Albergaria e a legislação em vigor sobre a avaliação das aprendizagens dos alunos nos vários

Leia mais

Nota Justificativa. Considerando que:

Nota Justificativa. Considerando que: Projeto de Regulamento Municipal para Funcionamento do Programa de Atividades de Animação e de Apoio à Família Acordo de Colaboração para a Educação Pré-Escolar Considerando que: Nota Justificativa - A

Leia mais

CRITÉRIOS GERAIS DE AVALIAÇÃO - ENSINO BÁSICO 2º E 3º CICLOS (2ª revisão)

CRITÉRIOS GERAIS DE AVALIAÇÃO - ENSINO BÁSICO 2º E 3º CICLOS (2ª revisão) CRITÉRIOS GERAIS DE AVALIAÇÃO - ENSINO BÁSICO 2º E 3º CICLOS (2ª revisão) Nos termos da alínea e) do art.º 33.º do Regime de Autonomia, Administração e Gestão, constante do Decreto-Lei nº 75/2008 de 22

Leia mais

PROGRAMA NACIONAL DE PROMOÇÃO DO SUCESSO ESCOLAR

PROGRAMA NACIONAL DE PROMOÇÃO DO SUCESSO ESCOLAR PROGRAMA NACIONAL DE PROMOÇÃO DO SUCESSO ESCOLAR Plano de Ação Estratégica 1. Agrupamento de Escolas de São Lourenço Valongo (Ermesinde) 2. Histórico de sucesso Metas de sucesso 2013/14 2014/15 2015/16

Leia mais

REGULAMENTO DO FUNCIONAMENTO DAS ATIVIDADES DE ENRIQUECIMENTO CURRICULAR NO 1º CICLO (AEC) (Anexo do Regulamento Interno)

REGULAMENTO DO FUNCIONAMENTO DAS ATIVIDADES DE ENRIQUECIMENTO CURRICULAR NO 1º CICLO (AEC) (Anexo do Regulamento Interno) REGULAMENTO DO FUNCIONAMENTO DAS ATIVIDADES DE ENRIQUECIMENTO CURRICULAR NO 1º CICLO (AEC) (Anexo do Regulamento Interno) Novembro/2015 Capítulo I Introdução Considerando a importância do desenvolvimento

Leia mais

CRITÉRIOS GERAIS DE AVALIAÇÃO - ENSINO BÁSICO 1º CICLO

CRITÉRIOS GERAIS DE AVALIAÇÃO - ENSINO BÁSICO 1º CICLO CRITÉRIOS GERAIS DE AVALIAÇÃO - ENSINO BÁSICO 1º CICLO Nos termos das disposições constantes da legislação em vigor, o Conselho Pedagógico do Agrupamento de Escolas Garcia de Orta aprovou, em sessão ordinária

Leia mais

REGULAMENTO DOS PRÉMIOS DE MÉRITO

REGULAMENTO DOS PRÉMIOS DE MÉRITO ESCOLA PROFISSIONAL DE DESENVOLVIMENTO RURAL DE GRÂNDOLA REGULAMENTO DOS PRÉMIOS DE MÉRITO (proposta elaborada pelos professores Filomena Nabeiro e Carlos Bigas) Aprovado pelo conselho pedagógico em ----/----/----

Leia mais

Manual do representante dos pais e encarregados de educação da turma e da sala

Manual do representante dos pais e encarregados de educação da turma e da sala Manual do representante dos pais e encarregados de educação da turma e da sala 1 FERSAP Reuniões de Turma e Eleição dos Representantes dos PEE As reuniões com os diretores de turma (no 2.º e 3.º ciclos

Leia mais

Exames Nacionais e de Equivalência à Frequência Ano Letivo 2016/2017

Exames Nacionais e de Equivalência à Frequência Ano Letivo 2016/2017 Exames Nacionais e de Equivalência à Frequência Ano Letivo 2016/2017 I - PROVAS FINAIS E DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA DO ENSINO BÁSICO 1.As provas finais de Português/PLNM/PL2 e de Matemática realizamse

Leia mais

3º CICLO 2015/2016. Rua Oliveira do Arco, nº Souselas. Telemóveis: Telefone:

3º CICLO 2015/2016. Rua Oliveira do Arco, nº Souselas. Telemóveis: Telefone: 3º CICLO 2015/2016 Rua Oliveira do Arco, nº 6-8 3020-871 Souselas Telemóveis: 916364499 961357103 Telefone: 239 913 4981 Artigo 1º - Âmbito e definição... pág.3 Artigo 2º - Destinatários e acesso... pág.3

Leia mais

Critérios Gerais de Avaliação

Critérios Gerais de Avaliação Critérios Gerais de Avaliação Ano letivo 2016/2020 Compete ao Conselho Pedagógico definir, no início de cada ano, os critérios gerais de avaliação e aprovar os critérios específicos de cada disciplina

Leia mais

Agrupamento de Escolas do Vale de Ovil. 1. Introdução

Agrupamento de Escolas do Vale de Ovil. 1. Introdução Procedimento simplificado para avaliação do desempenho dos docentes em regime de contrato a termo - Ano letivo 2011/2012 1. Introdução O presente documento decorre do referido no nº 5 do artigo 30º do

Leia mais

REGULAMENTO DAS ATIVIDADES DE MONITORIA DO CURSO DE DIREITO DO INSTITUTO DE EDUCAÇÃO SUPERIOR DE BOITUVA - FIB

REGULAMENTO DAS ATIVIDADES DE MONITORIA DO CURSO DE DIREITO DO INSTITUTO DE EDUCAÇÃO SUPERIOR DE BOITUVA - FIB REGULAMENTO DAS ATIVIDADES DE MONITORIA DO CURSO DE DIREITO DO INSTITUTO DE EDUCAÇÃO SUPERIOR DE BOITUVA - FIB CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES GERAIS Art. 1º. Entende-se por Monitoria as atividades de apoio

Leia mais

CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO 1º CICLO DO ENSINO BÁSICO

CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO 1º CICLO DO ENSINO BÁSICO Direção-Geral dos Estabelecimentos Escolares Direção de Serviços da Região Centro SETOR DE COORDENAÇÃO E SUPERVISÃO PEDAGÓGICA CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO 1º CICLO DO ENSINO BÁSICO ANO LETIVO DE 2017/2018 PORTUGUÊS

Leia mais

EXTERNATO S. JOÃO BOSCO VIANA DO CASTELO CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO 1º CICLO ANO LETIVO 2016/2017

EXTERNATO S. JOÃO BOSCO VIANA DO CASTELO CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO 1º CICLO ANO LETIVO 2016/2017 EXTERNATO S. JOÃO BOSCO VIANA DO CASTELO CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO 1º CICLO ANO LETIVO 2016/2017 Aprovado em Conselho de Docentes em julho de 2016 Diretora Pedagógica Rosa Cândida Gomes Princípios Orientadores

Leia mais

É premente no momento atual assegurar que todos os cidadãos até aos 18 anos possam receber uma educação e uma formação de qualidade.

É premente no momento atual assegurar que todos os cidadãos até aos 18 anos possam receber uma educação e uma formação de qualidade. DL 268/2012 2012.05.30 A Lei 85/2009, de 27 de agosto, veio estabelecer o alargamento da idade de cumprimento da escolaridade obrigatória até aos 18 anos e consagrar a universalidade da educação pré-escolar

Leia mais

Faculdade Adventista da Bahia. Regulamento de Monitoria Acadêmica Fisioterapia

Faculdade Adventista da Bahia. Regulamento de Monitoria Acadêmica Fisioterapia Faculdade Adventista da Bahia Regulamento de Monitoria Acadêmica Fisioterapia Cachoeira BA Abril de 2011 Capítulo I DISPOSIÇÕES PRELIMINARES Art. 1º O presente regulamento disciplina o Programa de Monitoria

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DOS DEPARTAMENTOS CURRICULARES, ÁREAS DISCIPLINARES, CONSELHOS DE DOCENTES, EQUIPAS PEDAGÓGICAS

REGIMENTO INTERNO DOS DEPARTAMENTOS CURRICULARES, ÁREAS DISCIPLINARES, CONSELHOS DE DOCENTES, EQUIPAS PEDAGÓGICAS REGIMENTO INTERNO DOS DEPARTAMENTOS CURRICULARES, ÁREAS DISCIPLINARES, CONSELHOS DE DOCENTES, EQUIPAS PEDAGÓGICAS Artigo 1.º Organização 1. O agrupamento de escolas possui quatro departamentos curriculares

Leia mais

PROGRAMA NACIONAL DE PROMOÇÃO DO SUCESSO ESCOLAR

PROGRAMA NACIONAL DE PROMOÇÃO DO SUCESSO ESCOLAR PROGRAMA NACIONAL DE PROMOÇÃO DO SUCESSO ESCOLAR Plano de Ação Estratégica 1. Agrupamento de Escolas de São Lourenço Valongo (Ermesinde) 2. Histórico de sucesso Metas de sucesso 2013/14 2014/15 2015/16

Leia mais

REGULAMENTO para o INGRESSO e para a FREQUÊNCIA

REGULAMENTO para o INGRESSO e para a FREQUÊNCIA Ano Escolar 2016-2017 Anexo ao Regulamento Interno da EPA REGULAMENTO para o INGRESSO e para a FREQUÊNCIA O presente Regulamento de Ingresso e Frequência aplica-se aos seguintes cursos: - Cursos Profissionais;

Leia mais

CONSELHO DO CURSO DE BIBLIOTECONOMIA COMISSÃO DE ESTÁGIO REGULAMENTO PARA O ESTÁGIO CURRICULAR DO CURSO DE BIBLIOTECONOMIA

CONSELHO DO CURSO DE BIBLIOTECONOMIA COMISSÃO DE ESTÁGIO REGULAMENTO PARA O ESTÁGIO CURRICULAR DO CURSO DE BIBLIOTECONOMIA REGULAMENTO PARA O ESTÁGIO CURRICULAR DO CURSO DE BIBLIOTECONOMIA CAPÍTULO I DOS OBJETIVOS E FINALIDADES ARTIGO 1º - Considera-se Estágio Curricular, o conjunto de atividades de aprendizagem social, profissional

Leia mais

Regulamento do Quadro de Mérito

Regulamento do Quadro de Mérito Regulamento do Quadro de Mérito Preâmbulo De acordo com o artigo 51º A da Lei 39/2010 de 2 de Setembro, o Quadro de Mérito do Agrupamento Vertical de Escolas Professor Ruy Luís Gomes visa reconhecer, valorizar

Leia mais

PLANO DE MELHORIA

PLANO DE MELHORIA PLANO DE MELHORIA 2013 2015 1 - Introdução Entende-se por Plano de Melhoria da Escola um conjunto de procedimentos e estratégias organizadas e implementadas com o objetivo de promover a melhoria dos processos

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DO RESTELO Sede - Escola Secundária do Restelo

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DO RESTELO Sede - Escola Secundária do Restelo AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DO RESTELO Sede - Escola Secundária do Restelo CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO 2014/2015 1º CICLO 1. Critérios Gerais Evolução da aquisição das aprendizagens; Utilização correta da língua

Leia mais

CURSO DE GRADUAÇÃO EM ENFERMAGEM REGIMENTO DO ESTÁGIO TÍTULO I. Do Estágio

CURSO DE GRADUAÇÃO EM ENFERMAGEM REGIMENTO DO ESTÁGIO TÍTULO I. Do Estágio UNVERSDADE FEDERAL DE JUZ DE FORA FACULDADE DE ENFERMAGEM Campus Universitário - Martelos - Juiz de Fora - MG - 36036-330 - Fone (032) 3229-3000 Ramais 3820/ 3821/ Tel. Fax: (0XX32) 3229-3822 - Fone (0XX32)

Leia mais

CRITÉRIOS GERAIS DE AVALIAÇÃO. EDUCAÇÃO PRÉ-ESCOLAR, ENSINOS BÁSICO e SECUNDÁRIO. NOTA INTRODUTÓRIA Ano letivo 2016/2017

CRITÉRIOS GERAIS DE AVALIAÇÃO. EDUCAÇÃO PRÉ-ESCOLAR, ENSINOS BÁSICO e SECUNDÁRIO. NOTA INTRODUTÓRIA Ano letivo 2016/2017 CRITÉRIOS GERAIS DE AVALIAÇÃO EDUCAÇÃO PRÉ-ESCOLAR, ENSINOS BÁSICO e SECUNDÁRIO NOTA INTRODUTÓRIA Ano letivo 2016/2017 Sendo a avaliação um «processo regulador do ensino, orientador do percurso escolar

Leia mais

Regulamento do Quadro de Valor e do Quadro de Excelência

Regulamento do Quadro de Valor e do Quadro de Excelência Regulamento do Quadro de Valor e do Quadro de Excelência Em conformidade com o Despacho Normativo n.º 102/90, de 12 de setembro de 1990 e a Lei n.º 51/2012, de 5 de setembro, artigo 7, alíneas d), e) e

Leia mais

CRITÉRIOS GERAIS DE AVALIAÇÃO 2017/2018

CRITÉRIOS GERAIS DE AVALIAÇÃO 2017/2018 CRITÉRIOS GERAIS DE AVALIAÇÃO 2017/2018 I INTRODUÇÃO De acordo com a legislação em vigor, a avaliação é um elemento integrante e regulador de todo o processo de ensino aprendizagem. A avaliação visa promover

Leia mais

PORTARIA N 71 DE 12 DE JANEIRO DE 2012

PORTARIA N 71 DE 12 DE JANEIRO DE 2012 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO COLÉGIO PEDRO II PORTARIA N 71 DE 12 DE JANEIRO DE 2012 Redefine as atribuições dos Chefes de Departamentos Pedagógicos e dos Coordenadores Pedagógicos/ Responsáveis por Coordenação

Leia mais

Carta de solicitação ao Instituto de Avaliação Educativa, I.P. (IAVE) n.º 1/2016

Carta de solicitação ao Instituto de Avaliação Educativa, I.P. (IAVE) n.º 1/2016 Carta de solicitação ao Instituto de Avaliação Educativa, I.P. (IAVE) n.º 1/2016 Foi aprovado a 17 de março de 2016, em Conselho de Ministros, o Decreto-Lei que procede à terceira alteração ao Decreto-Lei

Leia mais

DISTRIBUIÇÃO DE SERVIÇO DOCENTE

DISTRIBUIÇÃO DE SERVIÇO DOCENTE DISTRIBUIÇÃO DE SERVIÇO DOCENTE - A distribuição do serviço docente é da responsabilidade da Diretora, ouvidos os grupos de recrutamento, tendo em conta a defesa da qualidade do ensino e os legítimos interesses

Leia mais

Perguntas e Respostas Frequentes

Perguntas e Respostas Frequentes Perguntas e Respostas Frequentes (Portaria n.º 644-A/2015, de 24 de agosto) Ano letivo 2015/2016 Relativas a AEC: P1: Nos casos em que os agrupamentos/escolas não agrupadas sejam as entidades promotoras

Leia mais

DIREÇÃO REGIONAL DE QUALIFICAÇÃO PROFISSIONAL DIVISÃO DE ENCAMINHAMENTO E CERTIFICAÇÃO DE COMPETÊNCIAS

DIREÇÃO REGIONAL DE QUALIFICAÇÃO PROFISSIONAL DIVISÃO DE ENCAMINHAMENTO E CERTIFICAÇÃO DE COMPETÊNCIAS DIREÇÃO REGIONAL DE QUALIFICAÇÃO PROFISSIONAL DIVISÃO DE ENCAMINHAMENTO E CERTIFICAÇÃO DE COMPETÊNCIAS O que são? Centros para a Qualificação e o Ensino Profissional Os CQEP são estruturas do Sistema Nacional

Leia mais

CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO 2º CICLO DO ENSINO BÁSICO

CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO 2º CICLO DO ENSINO BÁSICO Direção-Geral dos Estabelecimentos Escolares Direção de Serviços da Região Centro CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO 2º CICLO DO ENSINO BÁSICO SETOR DE COORDENAÇÃO E SUPERVISÃO PEDAGÓGICA ANO LETIVO DE 2017 2018 PORTUGUÊS

Leia mais

Reitoria. É revogado o Despacho RT-37/2011, de 21 de junho. Universidade do Minho, 30 de outubro de O Reitor, António M.

Reitoria. É revogado o Despacho RT-37/2011, de 21 de junho. Universidade do Minho, 30 de outubro de O Reitor, António M. Reitoria despacho RT-51/2014 Na sequência das alterações ao funcionamento do Curso de Preparação e Avaliação de Capacidade para Frequência do Ensino Superior por Maiores de 23 anos, importa agora definir

Leia mais

Cursos gerais e Cursos tecnológicos (Decreto-Lei n.º 286/89, de 29 de Agosto)

Cursos gerais e Cursos tecnológicos (Decreto-Lei n.º 286/89, de 29 de Agosto) Este exame, ao nível do 1º ciclo, deverá consistir numa prova diagnóstico, tendo em consideração o nível de conhecimentos que um aluno português terá da língua portuguesa com aquela idade, devendo o aluno

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DO RESTELO Sede - Escola Secundária do Restelo

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DO RESTELO Sede - Escola Secundária do Restelo AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DO RESTELO Sede - Escola Secundária do Restelo CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO 2016/2017 1º CICLO 1. Critérios Gerais Evolução da aquisição das aprendizagens; Utilização correta da língua

Leia mais

FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE DO TOCANTINS REGULAMENTO DE ESTÁGIO OBRIGATÓRIO E ESTÁGIO NÃO-OBRIGATÓRIO

FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE DO TOCANTINS REGULAMENTO DE ESTÁGIO OBRIGATÓRIO E ESTÁGIO NÃO-OBRIGATÓRIO FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE DO TOCANTINS REGULAMENTO DE ESTÁGIO OBRIGATÓRIO E ESTÁGIO NÃO-OBRIGATÓRIO PALMAS/2011 SUMÁRIO CAPÍTULO I - DA NATUREZA...03 CAPÍTULO II - DO ESTÁGIO OBRIGATÓRIO...03 Seção I - Da

Leia mais

Departamento de Expressões. Regimento Interno

Departamento de Expressões. Regimento Interno Departamento de Expressões Regimento Interno O Departamento Curricular de Expressões é uma estrutura intermédia de gestão pedagógica, representada no Conselho Pedagógico pelo seu coordenador. Com a Diretora

Leia mais

Regulamento FCT. (Formação em Contexto de Trabalho) Cursos Profissionais

Regulamento FCT. (Formação em Contexto de Trabalho) Cursos Profissionais Regulamento Da FCT (Formação em Contexto de Trabalho) Cursos Profissionais (Portaria N.º 550-C/2004 de 21 de Maio) (Desp. N.º 14 758/2004 de 23 de Julho) Revisto pela Portaria nº 74-A/2013 de 15 de Fevereiro

Leia mais

Anteprojeto de decreto-lei sobre os consórcios entre. instituições de ensino superior públicas

Anteprojeto de decreto-lei sobre os consórcios entre. instituições de ensino superior públicas Anteprojeto de decreto-lei sobre os consórcios entre instituições de ensino superior públicas CAPÍTULO I Disposições gerais Artigo 1.º Artigo 2.º Objeto e âmbito Características gerais CAPÍTULO II SECÇÃO

Leia mais

Escola Profissional de Desenvolvimento Rural de Serpa Regulamento da Avaliação Operacionalização da Avaliação no Processo de Ensino Aprendizagem

Escola Profissional de Desenvolvimento Rural de Serpa Regulamento da Avaliação Operacionalização da Avaliação no Processo de Ensino Aprendizagem Escola Profissional de Desenvolvimento Rural de Serpa Regulamento da Avaliação Operacionalização da Avaliação no Processo de Ensino Aprendizagem Conforme o ponto 1 do artigo 128º do Regulamento Interno

Leia mais

INFORMAÇÕES GERAIS CURSOS PROFISSIONAIS. CALENDÁRIO ESCOLAR / HORA de ATENDIMENTO do DIRETOR de TURMA / AVALIAÇÃO / CONDIÇÕES de APROVAÇÃO

INFORMAÇÕES GERAIS CURSOS PROFISSIONAIS. CALENDÁRIO ESCOLAR / HORA de ATENDIMENTO do DIRETOR de TURMA / AVALIAÇÃO / CONDIÇÕES de APROVAÇÃO ESCOLA SECUNDÁRIA DE PEDRO ALEXANDRINO CALENDÁRIO ESCOLAR / HORA de ATENDIMENTO do DIRETOR de TURMA / AVALIAÇÃO / CONDIÇÕES de APROVAÇÃO TRABALHADOR ESTUDANTE COORDENAÇÃO DE DIRETORES DE TURMA 2012-2013

Leia mais

Centro de Estudos Filosóficos e Humanísticos

Centro de Estudos Filosóficos e Humanísticos Centro de Estudos Filosóficos e Humanísticos REGULAMENTO Artigo 1.º (Âmbito e natureza) 1. O Centro de Estudos Filosóficos e Humanísticos (CEFH) é uma Unidade de Investigação e Desenvolvimento da Faculdade

Leia mais

CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO

CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO ENSINOS BÁSICO E SECUNDÁRIO (Despacho Normativo Nº 13/2014 de 15 de setembro) A avaliação dos alunos do ensino básico e secundário incide sobre as aprendizagens e competências definidas

Leia mais

I Alunos com NEE que cumprem o currículo comum:

I Alunos com NEE que cumprem o currículo comum: Agrupamento de Escolas de Freamunde (Código 150769) Praceta da Escola Secundária, 21 4590-314 FREAMUNDE Avaliação dos alunos com NEE de carácter permanente, abrangidos pelas medidas educativas especiais

Leia mais

TÉCNICO DE PROTEÇÃO CIVIL 10º TPC CICLO DE FORMAÇÃO 2016/2018

TÉCNICO DE PROTEÇÃO CIVIL 10º TPC CICLO DE FORMAÇÃO 2016/2018 Direção-Geral dos Estabelecimentos Escolares Direção de Serviços da Região Centro Núcleo de Ofertas Formativas CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO CURSOS VOCACIONAIS ANO LETIVO DE 2016/2017 COMPONENTE DE FORMAÇÃO GERAL

Leia mais