CARACTERIZAÇÃO DO PRODUTOR

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "CARACTERIZAÇÃO DO PRODUTOR"

Transcrição

1 1 de 11 10/16/aaaa 10:57 Caracterização do produtor Operações que compõe o sistema Recomendações técnicas Especificação dos coeficientes técnicos do sistema para um apiário de 20 colméias Equipamentos Doenças e parasitoses CARACTERIZAÇÃO DO PRODUTOR Este sistema de produção destina-se a produtores que possuem bom nível de conhecimento em apicultura, acessíveis a inovações tecnológicas, podendo ser ou não proprietários de terra. Espera-se pela adoção deste sistema que a produção anual de mel, por colméia, seja de 50 quilogramas. Deve-se vender o mel centrifugado, e cada apiário ter de 15 a 20 colméias. OPERAÇÕES QUE COMPÕEM O SISTEMA 1. Posse da terra 2. Manejo 1.1. Localização do apiário 1.2. Flora apícola 1.3. Tipo de colméia 1.4. Colocação das colméias 2.1. Povoamento do apiário 2.2. Introdução de rainha 2.3. Manejo do apiário 3. Colheita do mel 4. Processamento 5. Distribuição dos equipamentos 6. Processamento da cera 6.1. Cera bruta 6.2. Cera alveolada 7. Equipamentos e indumentárias

2 2 de 11 10/16/aaaa 10:57 8. Alimentação artificial 9. Controle sanitário do apiário 10. Envasamento 11. Comercialização RECOMENDAÇÕES TÉCNICAS 1. Posse da terra 1.1. Localização do apiário - situá-lo no meio rural, em terreno previamente limpo e ao abrigo de predadores (formigas, tatus, etc.) e de outras abelhas. O apiário deverá estar localizado: no mínimo, a 300 metros de qualquer habitação humana, animais e estradas movimentadas ; no máximo, a 300 metros de uma fonte de água corrente; 5 quilômetros de outro apiário Flora apícola - é necessário o aproveitamento de áreas reflorestadas, de fruteiras (citros, pessegueiros, macieiras, mangueiras, etc) e plantas silvestres em plena florada (assa-peixe, cambará, astrapéia, cordão-de-frade, mata-pasto, etc.) Tipo de colméia - usar colméia tipo "Langstroh", composta de fundo ou assoalho, ninho, sobreninho, tampa, telhado individual e quadros ou caixilhos ( dez para cada ninho). As caixas ou colméias deverão ser pintadas com a primeira demão de zarcão ou similar e pintura final a óleo nas cores branca, azul, amarela ou verde-clara; cores que as abelhas distinguem melhor. As dimensões das caixas ou colméias encontram-se no anexo I Colocação das colméias - para evitar o ataque de predadores, nunca colocá-las diretamente no chão. Serão apoiadas em suportes individuais de madeira, ferro ou tijolo (anexo I). 2. Manejo 2.1. Povoamento do apiário - deverá ser feito por meio de enxames adquiridos, capturados ou desdobrados, até atingir o número de colméias preconizadas para aquela unidade. Adquirir enxames exclusivamente de apicultores idôneos, tendo-se ainda, o cuidado de certificar a presença da rainha nesses enxames. O enxame adquirido será formado de 4 quadros, sendo um com pólen e mel, 2 com cria e o último com cera alveolada, contendo uma população média de 10 mil indivíduos acondicionados na caixa de coleta e transporte, também chamada caixa núcleo, onde permanecerá até a transferência para a colméia definitiva. No caso de enxames desdobrados, procura-se escolher a melhor colméia, tendo-se como parâmetro a maior população, maior produtividade e menor agressividade.

3 3 de 11 10/16/aaaa 10:57 Os enxames encontrados em cupins, locas de pedras, oco de pau, árvores, telhado,etc., deverão ter suas rainhas trocadas, por outras selecionadas, tão logo estiverem na colméia definitiva. Com isso, evita-se introduzir no apiário linhagens de abelhas agressivas Introdução de rainha - quando houver necessidade de introdução de rainha, fazê-la com uma gaiola própria. Posteriormente, eliminar a gaiola de transporte assim como as operárias que acompanharem a rainha. É importante adquirir rainhas somente de produtores idôneos Manejo do apiário - fazer duas revisões anuais nos ninhos e revisões mensais nos sobreninhos (melgueiras ou alças), no período de produção, com finalidade de determinar o momento da colheita. A revisão nos ninhos consta de: verificação de existência de postura; substituição de quadros velhos ou defeituosos, caracterizados por enegrecimento do favo, alvéolos diminutos ou incompletos; introdução de quadros novos com cera alveolada que preencha todo o quadro; substituições eventuais de caixas e fundos estragados; prevenção de enxameação, caracterizado pela presença de realeiras. É importante a manutenção da limpeza da área do apiário a um raio de 10 metrôs, evitando-se o abrigo de predadores ou obstáculos à linha de vôo das abelhas. Antes de realizar qualquer atividade no apiário, preparar o esquema de fumaça, utilizando-se o fumegador e, como combustível, serragem grossa de madeira, trapos de algodão, sacos de aniagem, folhas secas, inclusive de eucalipto. Este procedimento, nas tarefas de manuseio da colméia, previne acidentes envolvendo a abelha e o apicultor. Apicultores habituados ao trato com as abelhas, às vezes, deixam de usar luvas, entretanto o seu uso é recomendado. 3. Colheita do mel - os favos completos e operculados são sinais indicadores de colheita e devem ser verificados na revisão dos sobreninhos. Nesse caso, retirar os quadros maduros, colocá-los em caixas de transporte e levá-los para o local de extração de mel. 4. Processamento - a sala para processamento do mel tem que ser higienicamente bem preparada e equipada de: tela de proteção nas janelas; piso impermeável e de fácil limpeza; água encanada; luz elétrica; ventilação adequada. 5. Distribuição dos equipamentos - dentro da sala, a distribuição dos equipamentos, abaixo relacionados, deverá obedecer o fluxo normal do processamento do mel: mesa para desoperculação; bandeja para coleta da cera desoperculada; faca e/ou garfo desoperculador; centrífuga (de 3 a 6 quadros);

4 4 de 11 10/16/aaaa 10:57 peneiras finas para filtrar o mel; depósitos para recolhimento do mel filtrado; depósitos maiores para decantação (100 litros) dotados com torneiras especiais, próprias para mel. 6. Processamento da cera 6.1. Cera bruta - a cera bruta é obtida de favos velhos, retirados nas revisões, do aproveitamento dos opérculos e das aparas de favos de enxames coletados. A cera extraída será, posteriormente, beneficiada, através da fusão por aquecimento em fogo brando ou derretedor solar, filtrada em saco do aniagem e colocada em formas. Nunca se deve misturar cera com parafina Cera alveolada - o apicultor poderá alveolar num cilindro próprio ou fazer a permuta com centros que alveolem cera, o que é mais recomendável. 7. Equipamentos e indumentárias - os equipamentos utilizados no apiário são: espátula ou formão, funegador e escova de cabo largo e cerdas finas, para retirar as abelhas dos favos podendo ser substituída por uns ramos de folhas miúdas: alecrim, etc. Sempre que tiver contato com as abelhas o apicultor deverá usar macacão, luva, véu do apicultor, chapéu e botas, de preferência, brancas. 8. Alimentação artificial - é recomendada somente em período crítico, mas deve ser evitada. O ideal é deixar sempre uma reserva de mel nos ninhos. 9. Controle sanitário do apiário - é feito, sistematicamente, durante as revisões ou quando houver alguma anormalidade aparente. O controle tem como objetivo evitar pragas, doenças e formigas. Em todas as revisões do ninho, deve-se dar atenção à incidência de traças e varroa jacobsoni. Além dessas parasitoses, podem ocorrer doenças de origem virótica e bacteriana cujo diagnóstico, controle e tratamento encontram-se no anexo II. 10. Envasamento - após todos os processos realizados, o mel será colocado em vasilhames próprios, higienicamente tratados e rotulados, usando-se selo de garantia. O envasamento pode ser feito em: vidros esterelizados ou plásticos virgens (o mel contido nesses recipientes pode ser líquido e/ou cristalizado, ou mel e favos juntos). em forma de favos, envelopados em plástico ou papel celofane. 11. Comercialização - o mel pode ser comercializado diretamente pelo produtor ou através de associações de classe. Ao atacadista, poderá ser vendido em latas de 18 litros. ESPECIFICAÇÃO DOS COEFICIENTES TÉCNICOS DO SISTEMA PARA UM APIÁRIO DE 20 COLMÉIAS MATERIAIS Colméia (fundo, ninho, 3 sobreninhos, tampa, 40 quadros de ninho e telha de amianto) Estaleiro individual

5 5 de 11 10/16/aaaa 10:57 Cera alveolada - 1,625 Kg/colméia Fulmegador Espátula Luva PVC Bota Garfo desoperculador Centrifugador (6 quadros) Chapéu e véu Macacões Tanques de decantação com torneira (capacidade para 200 litros) Vasilhame (de 1 litro cada) Rolhas Enxame SERVIÇOS Mão-de-obra no apiário - apicultor - auxiliar Mão-de-obra no processamento, limpeza em geral -auxiliar Transporte anual * depreciação das colméias e quadros * Tem como base uma vida útil de 5 anos. ud - unidade Kg - quilograma l - litro H/D - homem/dia

6 6 de 11 10/16/aaaa 10:57 COLMÉIA LANGSTROTH (ou Americana) aberta, mostrando os detalhes do seu interior. COLMÉIA OU CAIXA - é a casa onde as abelhas depositam o mel e se reproduzem. FAZEM PARTE DA CAIXA: a) O NINHO - que serve para desenvolver a família. b) SOBRENINHO - lugar destinado para as abelhas depositarem o mel. c) OS CAIXILHOS OU QUADROS - que protegem os favos e permitem examinar o interior da colméia, facilmente. - Ninho de colméia Langstroth (ou Americana).

7 7 de 11 10/16/aaaa 10:57 -Para estas medidas, a grossura das tábuas deve ser de 2 centímetros. Veja com atenção os detalhes (medidas em cm) - Medidas internas - Espessura das tábuas externas = 2 cm - Detalhe do encaixe dos quadros no Ninho

8 8 de 11 10/16/aaaa 10:57 - Detalhe da cabeceira dos ninhos. - Quadros tipo "Hoffman" de ninho e de colméia "Langstroth", montados com as medidas externas. EQUIPAMENTOS Centrífuga

9 9 de 11 10/16/aaaa 10:57 Fumegador Espátula Garfo Véu

10 10 de 11 10/16/aaaa 10:57 DOENÇAS E PARASITOSES - ANEXO II 1. DOENÇAS 1.1. Da cria CRIA PÚTRIDA EUROPÉIA CRIA ENSACADA Etiologia Streptococcus Vírus Grau de ataque Sério Pequeno de 5-25% da cria total Cor Há uma variação que vai da Amarela, parda-escura amarelada, à cinzenta, à parda Consistência da Mole Aquosa larva doente Cheiro Pouco intenso Nenhum Idade Ataca as larvas novas A partir do 2º. dia larval Contágio Por outras abelhas, o pólen e fezes Pelo mel Idade que morre Antes de ser operculada Depois de operculada Casta Operária, zangão e rainha Operárias, às vezes, rainhas e zangão Aparências dos Poucos furos Furados opérculos Tratamento Streptomicina e Terramicina. Profilático substituir os favos de cria. Profilático, substituir rainha por outra resistente Do Inseto Adulto PARALISIA NOSEMOSE Etiologia Vírus Protozoário Nosema apis vive na parede estomacal, interferindo na digestão. Sintomas Tremores, abdômen inchado, não voam, corpo desprovido de pêlos e fezes amare-ladas. A frente da colméia fica cheia de abelhas mortas. Diarréias, o fundo da colméia se apresenta muito sujo de fezes de cor branca-leitosa. A rainha, às vezes, suspende a postura. MAL-DE-OUTONO ACARIOSE Desconhecido (talvez envenenamento). Não voam se arrastam pelo chão. Língua de fora. Acarapis woodi se localiza na traquéia. Não voam se arrastam pelo chão, as asas parecem destroncadas.

11 11 de 11 10/16/aaaa 10:57 Tratamento 2. PARASITOSE Profilático seletivo Fumagilina Desconhecido Solução de Richard Frow VARROASIS A varroasis é uma doença parasitária das crias e das abelhas adultas. É provocada pelo ácaro Varroa jacobsoni oudemons, visível a olho nú. As fêmeas fecundadas colocam seus ovos, nas células da cria, que em oito dias chegam a inseto adulto. A fecundação da cria ocorre na própria célula e, quando a abelha sai da célula, já carrega junto de si de 1 a 7 fêmeas de varroa já fecundada. Esta infestação causa muitos danos às larvas e à abelha adulta. As larvas nascem defeituosas, e das abelhas adultas os ácaros sugam a hemolinfa, podendo estas perder, em duas horas, 48% do peso de seu corpo. Diagnóstico: Para localizar o ácaro na colméia, utilizar-se do seguinte processo. 1 frasco de boca larga de 500 ml; 200 ml de água; 3 ml de detergente diluído; mais ou menos 30 abelhas de um favo com cria. Apicultores habituados ao trato com as abelhas, às vezes, deixam de usar luva, entretanto, o seu uso é recomendado. Agita-se, durante algum tempo, e depois deixa-se descansar alguns instantes. As abelhas flutuam e o parasita se desprende e cai no fundo do frasco. Controle - é feito evitando-se a entrada de colméias e de rainhas contaminadas no apiário. Tratamento Existem vários medicamentos - como Fenotiazina, Dicofol, Tetradifon e outros. É bom lembrar que o ácaro se torna facilmente resistente. No caso de suspeita de acariose, é bom procurar os centros especializados. FALE COM O TÉCNICO DA EMATER

CARTILHA TÉCNICA DE APICULTURA

CARTILHA TÉCNICA DE APICULTURA CARTILHA TÉCNICA DE APICULTURA Maio de 2015 Patrocínio: LISTA DE FIGURAS Figura 1. Produtos da apicultura.... 4 Figura 2. Abelha Rainha.... 5 Figura 3. Operárias numa caixa de abelha.... 6 Figura 4. Zangões....

Leia mais

Comunicado Técnico 13

Comunicado Técnico 13 Comunicado Técnico 13 ISSN 2177-854X Junho. 2011 Uberaba - MG Planejamento e Implantação de um apiário Instruções Técnicas Responsáveis: Gisele Cristina Favero E-mail: giselefav82@yahoo.com.br Mestre em

Leia mais

Unipampa Campus Dom Pedrito Curso de Zootecnia Disciplina de Apicultura Profa. Lilian Kratz Semestre 2015/2

Unipampa Campus Dom Pedrito Curso de Zootecnia Disciplina de Apicultura Profa. Lilian Kratz Semestre 2015/2 Unipampa Campus Dom Pedrito Curso de Zootecnia Disciplina de Apicultura Profa. Lilian Kratz Semestre 2015/2 Limpeza e desinfecção das colméias Importante para: - qualidade de vida das abelhas - boa produção

Leia mais

1. INTRODUÇÃO 2. CONSTITUIÇÃO DA COLÔNIA. A constituição de uma colônia é a seguinte: 60000 a 80000 abelhas operárias; 1 rainha e 0 a 400 zangões.

1. INTRODUÇÃO 2. CONSTITUIÇÃO DA COLÔNIA. A constituição de uma colônia é a seguinte: 60000 a 80000 abelhas operárias; 1 rainha e 0 a 400 zangões. Obtenção do Mel Katiani Silva Venturini 1 (e-mail: katiani_sv@hotmail.com) Miryelle Freire Sarcinelli 1 (e-mail: miryelle@hotmail.com) Luís César da Silva 2 (website: www.agais.com) 1. INTRODUÇÃO Abelhas

Leia mais

[1º passo] [2º passo] [3º passo] [4º passo] [5º passo] [6º passo]

[1º passo] [2º passo] [3º passo] [4º passo] [5º passo] [6º passo] 1 de 5 10/16/aaaa 10:58 Apicultura Apicultura : Povoamento do apiário Nome Apicultura : povoamento do apiário Produto Informação Tecnológica Data Agosto -2000 Preço - Linha Apicultura Informações resumidas

Leia mais

Serviço Público Federal Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia Sul-rio-grandense Pró-Reitoria de Ensino

Serviço Público Federal Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia Sul-rio-grandense Pró-Reitoria de Ensino DISCIPLINA: Consórcios Zoofrutícola (Aves e Apicultura) Vigência: a partir de 2011/2 Período Letivo: 1º ano Carga horária Total: 60 h Código: VG_TEC032 E Ementa: Discussões e análises criteriosas das principais

Leia mais

Prof. Maria Cristina Lorenzon/UFRRJ

Prof. Maria Cristina Lorenzon/UFRRJ Prof. Maria Cristina Lorenzon/UFRRJ Apicultor de Hoje Deve ser atualizar Cultivar Bons Hábitos Monitorar seu Desempenho Ser Organizado Preocupar-se com a Saúde das Abelhas Deve Anotar (POR ANO) - Mel (kg),

Leia mais

ABELHAS. Capítulo 4. Apis mellifera. Autores Érica Weinstein Teixeira. Dejair Message. Agência Paulista de Tecnologia dos Agronegócios (APTA, SAA-SP)

ABELHAS. Capítulo 4. Apis mellifera. Autores Érica Weinstein Teixeira. Dejair Message. Agência Paulista de Tecnologia dos Agronegócios (APTA, SAA-SP) Capítulo 4 ABELHAS Apis mellifera Autores Érica Weinstein Teixeira Agência Paulista de Tecnologia dos Agronegócios (APTA, SAA-SP) Dejair Message Universidade Federal de Viçosa (UFV) 178 179 Material para

Leia mais

Monitoramento e controle do ácaro Varroa destructor em colmeias de abelhas Apis mellifera

Monitoramento e controle do ácaro Varroa destructor em colmeias de abelhas Apis mellifera Monitoramento e controle do ácaro Varroa destructor em colmeias de abelhas Apis mellifera Introdução As altas taxas de mortalidade de abelhas ocorridas nos últimos anos em Santa Catarina exigem uma nova

Leia mais

Plano de luta contra a varroose

Plano de luta contra a varroose Plano de luta contra a varroose Página 1 de 13 1. Introdução A varroose é uma doença da abelha melífera Apis mellifera L. causada pelos haplotipos da Coreia e do Japão do ácaro Varroa destructor, cujos

Leia mais

Projeto Rainha Solidária CEMIG D MEL NOBRE MEL NOBRE. dilzair@cemig.com.br melnobregv@hotmail.com mnunesmenezes@uol.com.br CEMIG D CEMIG D CEMIG D

Projeto Rainha Solidária CEMIG D MEL NOBRE MEL NOBRE. dilzair@cemig.com.br melnobregv@hotmail.com mnunesmenezes@uol.com.br CEMIG D CEMIG D CEMIG D XIX Seminário Nacional de Distribuição de Energia Elétrica SENDI 2010 22 a 26 de novembro São Paulo - SP - Brasil Projeto Rainha Solidária Dilzair Alvimar de Oliveira Nelson Gonçalves da Silva Marcos Nunes

Leia mais

ECOFOGÃO MODELO CAMPESTRE 3. Manual de instalação, uso e manutenção.

ECOFOGÃO MODELO CAMPESTRE 3. Manual de instalação, uso e manutenção. ECOFOGÃO MODELO CAMPESTRE 3 Manual de instalação, uso e manutenção. Parabéns, ao adquirir o Ecofogão, você tem em mãos uma das tecnologias mais simples, eficiente e limpa atualmente disponível, para o

Leia mais

DIRETORIA DA CÁRITAS DIOCESANA DE ALMENARA:

DIRETORIA DA CÁRITAS DIOCESANA DE ALMENARA: Jequitinhonha - MG, maio de 2014 Realização: Patrocínio: Expediente DIRETORIA DA CÁRITAS DIOCESANA DE ALMENARA: DIRETOR PRESIDENTE: Jorge Rodrigues Pereira DIRETOR VICE PRESIDENTE: Adão Pereira dos Santos

Leia mais

Sumário. 1. Objetivo 2. Manipulação na colheita de mel Manejo de campo. 3. Instalações. 4. Higiene Pessoal. 5. Higiene na Produção

Sumário. 1. Objetivo 2. Manipulação na colheita de mel Manejo de campo. 3. Instalações. 4. Higiene Pessoal. 5. Higiene na Produção SEBRAE DO RIO GRANDE DO SUL Presidente do Conselho Deliberativo Carlos Rivaci Sperotto Sumário Diretor-Superintendente Derly Cunha Fialho Diretora de Operações Susana Maria Kakuta Diretor de Gestão Eduardo

Leia mais

Métodos de monitorização da varroa nas colónias.

Métodos de monitorização da varroa nas colónias. Métodos de monitorização da varroa nas colónias. Filipe Nunes (Médico Veterinário, Hifarmax) Carlos Relva (Eng. Florestal e dos Recursos Naturais, Hifarmax) Na apicultura atual a monitorização e controlo

Leia mais

RECEITAS DE BOLOS ARQUITETÔNICOS SUSTENTÁVEIS Arquiteto Francisco Lima Arquiteto Edoardo Aranha

RECEITAS DE BOLOS ARQUITETÔNICOS SUSTENTÁVEIS Arquiteto Francisco Lima Arquiteto Edoardo Aranha RECEITAS DE BOLOS ARQUITETÔNICOS SUSTENTÁVEIS Arquiteto Francisco Lima Arquiteto Edoardo Aranha Lembrando que receitas sempre evoluem com nosso toque pessoal baseado em experimentações e pesquisas, então:

Leia mais

Curiosidades A Vida das Abelhas.

Curiosidades A Vida das Abelhas. Curiosidades A Vida das Abelhas. Se as abelhas desaparecessem da face da terra, a espécie humana teria somente mais 4 anos de vida. Sem abelhas não há polinização, ou seja, sem plantas, sem animais, sem

Leia mais

Fatores relacionados à criação de abelhas

Fatores relacionados à criação de abelhas Fatores relacionados à criação de abelhas Fábio Guilherme Mochiutti 1 (FECILCAM) - guigomochiutti@hotmail.com Carlos Diego Rosina 2 (FECILCAM) - diegorosina_170@hotmail.com Etienne Tainá Damaceno Ferreira

Leia mais

Cupins Subterrâneos: Métodos de Controle

Cupins Subterrâneos: Métodos de Controle Cupins Subterrâneos: Métodos de Controle Introdução As principais estratégias de controle de cupins serão apresentadas a seguir. É interessante frisar, neste momento, que os dados apresentados a seguir

Leia mais

NOÇÕES BÁSICAS DE APICULTURA

NOÇÕES BÁSICAS DE APICULTURA 1 NOÇÕES BÁSICAS DE APICULTURA Eliel Freitas Junior 1 A partir de agora estaremos estudando a própria atividade de aproveitamento da produção excedente de mel,cera, pólen, própolis e geleia real. A isso

Leia mais

EIXO TECNOLÓGICO: PRODUÇÃO ALIMENTÍCIA. Disciplinas da Formação Técnica Específica - FTE

EIXO TECNOLÓGICO: PRODUÇÃO ALIMENTÍCIA. Disciplinas da Formação Técnica Específica - FTE SECRETARIA DE EDUCAÇÃO DO E STADO DA BAHIA SUPERINTENDÊNCIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL- SUPROF DIRETORIA DE DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃO PROFISSIONAL DIRDEP EIXO TECNOLÓGICO: PRODUÇÃO ALIMENTÍCIA EMENTÁRIO:

Leia mais

Apicultura Básica. Apicultura Básica. Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento

Apicultura Básica. Apicultura Básica. Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento Apicultura Básica Apicultura Básica Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO Ministro: Jorge Alberto Portanova Mendes Ribeiro Filho COMISSÃO

Leia mais

Limpando a Caixa D'água

Limpando a Caixa D'água Limpando a Caixa D'água É muito importante que se faça a limpeza no mínimo 2 (duas) vezes ao ano. Caixas mal fechadas/tampadas permitem a entrada de pequenos animais e insetos que propiciam sua contaminação.

Leia mais

CASA DE MÁQUINAS MANUAL DE INSTALAÇÃO

CASA DE MÁQUINAS MANUAL DE INSTALAÇÃO CASA DE MÁQUINAS MANUAL DE INSTALAÇÃO CASA DE MÁQUINAS Item essencial para qualquer tipo de piscina. É nela que ficam acondicionados o Sistema Filtrante (Filtro e Bomba) registros, válvulas, fios e acionadores.

Leia mais

Vigilância em Saúde Ambiental

Vigilância em Saúde Ambiental Vigilância em Saúde Ambiental Informações em Saúde ROEDORES (Rodentia): - Gestão inadequada dos resíduos; - Maus hábitos de higiene; - Descuidos com o armazenamento de alimentos; - Facilidade de acesso

Leia mais

MANUAL DE INSTRUÇÕES WWW.ELGIN.COM.BR UMIDIFICADOR DE AR FGUA-03AZ-0 SAC: 0800 7035446 GDE. SÃO PAULO (11) 3383-5555

MANUAL DE INSTRUÇÕES WWW.ELGIN.COM.BR UMIDIFICADOR DE AR FGUA-03AZ-0 SAC: 0800 7035446 GDE. SÃO PAULO (11) 3383-5555 WWW.ELGIN.COM.BR MANUAL DE INSTRUÇÕES UMIDIFICADOR DE AR FGUA-03AZ-0 Atenção: antes de usar o produto leia cuidadosamente as instruções deste manual. SAC: 0800 7035446 GDE. SÃO PAULO (11) 3383-5555 VANTAGENS

Leia mais

MIMO KIT LATERAIS DO BERÇO 1,30 x 0,70cm

MIMO KIT LATERAIS DO BERÇO 1,30 x 0,70cm 10180070004-24/01/14-REV.01 Parabéns, você acaba de adquirir um produto de excelente qualidade! Saiba mais sobre seu móvel de madeira: Além de atender a todos os requisitos de qualidade e bom gosto, este

Leia mais

PRODUÇÃO DE PÓLEN APÍCOLA

PRODUÇÃO DE PÓLEN APÍCOLA PRODUÇÃO DE PÓLEN APÍCOLA Maria Luisa Teles Marques Florêncio Alves Zootecnista, Ms, PqC do Polo Regional Vale do Paraíba/APTA marialuisa@apta.sp.gov.br Os grãos de pólen ou simplesmente pólen, são estruturas

Leia mais

Oportunidade de Negócio: APIÁRIO

Oportunidade de Negócio: APIÁRIO Oportunidade de Negócio: APIÁRIO Maio/2007 1 PORTUNIDADE DE NEGÓCIO FICHA BÁSICA SEGMENTO: Apicultura DESCRIÇÃO: Fabricação de mel e própolis PÚBLICO ALVO: Supermercados, mercados, mercearias, farmácias,

Leia mais

Criação de Rainhas: Quadros Articulados para Nucléolo e Alça Joaquim Pífano ADERAVIS

Criação de Rainhas: Quadros Articulados para Nucléolo e Alça Joaquim Pífano ADERAVIS Criação de Rainhas: Quadros Articulados para Nucléolo e Alça Joaquim Pífano ADERAVIS Como o prometido é devido lá fui visitar o amigo Vicente Furtado, movido pela saudade e pela curiosidade acerca da misteriosa

Leia mais

Custo de produção de mel: uma proposta para abelhas africanizadas e meliponíneos

Custo de produção de mel: uma proposta para abelhas africanizadas e meliponíneos o SÉRIE MELIPONICULTURA - N 02 Custo de produção de mel: uma proposta para abelhas africanizadas e meliponíneos Rogério Marcos de Oliveira Alves Bruno de Almeida Souza Carlos Alfredo Lopes de Carvalho

Leia mais

Tobogã com Escalada Mega. Manual de instruções

Tobogã com Escalada Mega. Manual de instruções Tobogã com Escalada Mega Manual de instruções Código do produto: MT.10812 Recomendado para crianças de 03 a 15 anos Parabéns! Você acaba de adquirir um brinquedo da Mundi Toys. Prezando pela sua segurança

Leia mais

A seguir, sugerimos algumas formas de acondicionamento por tipo de material a ser enviado.

A seguir, sugerimos algumas formas de acondicionamento por tipo de material a ser enviado. Acondicionamento Para o cliente que deseja enviar um objeto via Correios, o correto acondicionamento dos objetos é muito importante para assegurar que as remessas cheguem bem a seus destinos. Recomenda-se

Leia mais

Apicultura Sustentável na Propriedade Familiar de Base Ecológica

Apicultura Sustentável na Propriedade Familiar de Base Ecológica ISSN 1981-5999 Apicultura Sustentável na Propriedade Familiar de Base Ecológica 64 Introdução Esta publicação tem o objetivo de orientar agricultores familiares, assentados da reforma agrária, apicultores

Leia mais

MANUAL DE INSTRUÇÕES

MANUAL DE INSTRUÇÕES MANUAL DE INSTRUÇÕES ASPIRADOR DE PÓ 800 W COM CABO TELESCÓPICO Equipamento somente para uso doméstico. Obrigado por escolher um produto com a marca Tramontina. Por favor, leia o Manual de Instruções por

Leia mais

CIA DA ABELHA REFERÊNCIA NA CADEIA DO AGRONEGÓCIO APÍCOLA DESDE 1983

CIA DA ABELHA REFERÊNCIA NA CADEIA DO AGRONEGÓCIO APÍCOLA DESDE 1983 CIA DA ABELHA REFERÊNCIA NA CADEIA DO AGRONEGÓCIO APÍCOLA DESDE 1983 CRIAÇÃO DE ABELHAS, COMÉRCIO DE PRODUTOS E MATERIAIS PARA APICULTURA EM GERAL Rua José Lobo Filho, Quadra 3, lote 23, Setor Parque Trindade

Leia mais

ECOFOGÃO MODELO CAMPESTRE 2. Manual de instalação, uso e manutenção.

ECOFOGÃO MODELO CAMPESTRE 2. Manual de instalação, uso e manutenção. ECOFOGÃO MODELO CAMPESTRE 2 Manual de instalação, uso e manutenção. Parabéns, ao adquirir o Ecofogão, você tem em mãos uma das tecnologias mais simples, eficiente e limpa atualmente disponível, para o

Leia mais

PROGRAMA MAIS MEL GESTÃO, TECNOLOGIA, INOVAÇÃO E PRODUTIVIDADE

PROGRAMA MAIS MEL GESTÃO, TECNOLOGIA, INOVAÇÃO E PRODUTIVIDADE TRBALHOS EXITOSOS EM ATER - 2014 PROGRAMA MAIS MEL GESTÃO, TECNOLOGIA, INOVAÇÃO E PRODUTIVIDADE EQUIPE RESPONSÁVEL: Juan farias / Gilvanio Benedito / Hidelberto TRINDADE PE 1 PROGRAMA MAIS MEL GESTÃO,

Leia mais

Olinda - Pernambuco - Brasil

Olinda - Pernambuco - Brasil XVIII Seminário Nacional de Distribuição de Energia Elétrica Olinda - Pernambuco - Brasil SENDI 2008-06 a 10 de outubro Relocação de Colméias de Abelhas Meloponíneas nas Instalações Elétricas da Cemig

Leia mais

Sika Marine Sistema de Conservação de Convés em Teca. Sistema de conservação de convés em teca A gama Sika Marine

Sika Marine Sistema de Conservação de Convés em Teca. Sistema de conservação de convés em teca A gama Sika Marine Sika Marine Sistema de Conservação de Convés em Teca Sistema de conservação de convés em teca A gama Sika Marine Os produtos de conservação Sika Marine protegem e embelezam os convés em teca novos ou antigos.

Leia mais

Prefeitura Municipal de Piratini

Prefeitura Municipal de Piratini MEMORIAL DESCRITIVO O presente Memorial Descritivo visa estabelecer as condições de materiais e execução referentes à construção de um Vestiário Esportivo, localizado na Av. 6 de julho s/n, em Piratini/RS,

Leia mais

Manual de Instruções

Manual de Instruções Manual de Instruções (Party Cooler s Thermomatic) Modelo: 40 litros & 77 litros Obrigado por escolher a série dos Party Cooler s da Thermomatic. Para garantir o uso correto das operações, por favor, leia

Leia mais

INSTALAÇÕES ELÉTRICAS PREDIAIS

INSTALAÇÕES ELÉTRICAS PREDIAIS INSTALAÇÕES ELÉTRICAS PREDIAIS Prof. MSc. Eng. Eduardo Henrique da Cunha Engenharia Civil 8º Período Turmas C01, C02 e C03 Disc. Construção Civil II 1 O PROJETO ASPECTOS IMPORTANTES PARA O ELETRICISTA

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO RIO GRANDE DO NORTE RETIFICAÇÃO 01 DO EDITAL Nº

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO RIO GRANDE DO NORTE RETIFICAÇÃO 01 DO EDITAL Nº SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO RIO GRANDE DO NORTE RETIFICAÇÃO 01 DO EDITAL Nº 36/2011-Reitoria/IFRN CONCURSO PÚBLICO GRUPO MAGISTÉRIO O REITOR DO INSTITUTO

Leia mais

LOTE 1 - MATERIAL DE LIMPEZA ITEM QUANT. UN. ESPECIFICAÇÃO MARCA

LOTE 1 - MATERIAL DE LIMPEZA ITEM QUANT. UN. ESPECIFICAÇÃO MARCA LOTE 1 - MATERIAL DE LIMPEZA 1 300 UN 2 200 L 3 100 UN 4 20 UN 5 2 UN 6 200 UN 7 200 UN 8 300 UN 9 250 UN 10 500 UN Água sanitária 1Lt, desinfetante e alvejante. Álcool Etílico Hidratado, 1Lt, mínimo de

Leia mais

Manual Básico para os Manipuladores de Alimentos

Manual Básico para os Manipuladores de Alimentos Secretaria Municipal de Saúde VISA Ponte Nova Manual Básico para os Manipuladores de Alimentos Elaborado pela Equipe da Vigilância Sanitária de Ponte Nova Índice: 1. Manipulador de Alimentos e Segurança

Leia mais

Fig.: Esquema de montagem do experimento.

Fig.: Esquema de montagem do experimento. Título do Experimento: Tratamento de água por Evaporação 5 Conceitos: Mudanças de fases Materiais: Pote de plástico de 500 ml ou 1L; Filme PVC; Pote pequeno de vidro; Atilho (Borracha de dinheiro); Água

Leia mais

V e t e r i n a r i a n D o c s www.veterinariandocs.com.br. Apicultura. -O apicultor pode escolher a qualidade do enxame;

V e t e r i n a r i a n D o c s www.veterinariandocs.com.br. Apicultura. -O apicultor pode escolher a qualidade do enxame; V e t e r i n a r i a n D o c s Apicultura Povoamento de Colméias: -Introdução: -Povoar uma colméia significa obter enxames e situá-los em colméias racionais para a exploração de seus produtos. Aumentar

Leia mais

Diante da atual situação de desabastecimento de água na cidade. Orientações à população para uso da Água. prefeitura.sp.gov.

Diante da atual situação de desabastecimento de água na cidade. Orientações à população para uso da Água. prefeitura.sp.gov. Prefeitura do Município de São Paulo Secretaria Municipal da Saúde Coordenação de Vigilância em Saúde - COVISA 08 de abril de 05 Orientações à população para uso da Água Diante da atual situação de desabastecimento

Leia mais

CISTERNA DE FERRO CIMENTO

CISTERNA DE FERRO CIMENTO APOSTILA CISTERNA CISTERNA DE FERRO CIMENTO 1) CAVAR A ÁREA DO PISO COM 1,00 A MAIS DOQUE O DIÂMETRO DA CISTERNA CISTERNA 16000 LITROS RAIO = 1,50 M DIÂMETRO = 3,00 M DIÂMETRO BASE = 4,00 M PROFUNDIDADE

Leia mais

INSTRUÇÕES NORMATIVAS PARA EXECUÇÃO DE SONDAGENS

INSTRUÇÕES NORMATIVAS PARA EXECUÇÃO DE SONDAGENS REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL ESTADO DE SANTA CATARINA SECRETARIA DE ESTADO DA INFRA-ESTRUTURA DEPARTAMENTO ESTADUAL DE INFRA-ESTRUTURA INSTRUÇÕES NORMATIVAS PARA SONDAGENS IN-04/94 Instrução Normativa

Leia mais

Suporte técnico a pequenos e médios apicultores do município de Cassilandia-MS

Suporte técnico a pequenos e médios apicultores do município de Cassilandia-MS Suporte técnico a pequenos e médios apicultores do município de Cassilandia-MS Wagner da Paz Andrade 1 ; Gustavo Haralampidou da Costa Vieira 2 1 Estudante do Curso de Agronomia da UEMS, Unidade Universitária

Leia mais

MANUAL TAM INSTRUÇÕES GERAIS. A - Introdução

MANUAL TAM INSTRUÇÕES GERAIS. A - Introdução MANUAL TAM INSTRUÇÕES GERAIS A - Introdução As instruções deste manual foram elaboradas para os usuários de nossos produtos, visando orientá-los quanto aos cuidados e procedimentos necessários para obtenção

Leia mais

ML-6622 CHURRASQUEIRA ELÉTRICA

ML-6622 CHURRASQUEIRA ELÉTRICA ML-6622 CHURRASQUEIRA ELÉTRICA INTRODUÇÃO A Churrasqueira Elétrica ML-6622 NKS Milano é um produto de alta tecnologia e qualidade. Para melhor entender todas as funções deste aparelho, e utilizá-lo com

Leia mais

Para impedir a propagação da dengue, você deve primeiramente impedir a reprodução de seu transmissor, o mosquito Aedes aegypti.

Para impedir a propagação da dengue, você deve primeiramente impedir a reprodução de seu transmissor, o mosquito Aedes aegypti. Cartilha de Dengue Para impedir a propagação da dengue, você deve primeiramente impedir a reprodução de seu transmissor, o mosquito Aedes aegypti. Conhecendo o ciclo biológico do mosquito O Aedes aegypti

Leia mais

BOAS PRÁTICAS. Fonte: Manual Boas Práticas Agrícolas para a Agricultura Familiar http://rlc.fao.org/es/agricultura/bpa

BOAS PRÁTICAS. Fonte: Manual Boas Práticas Agrícolas para a Agricultura Familiar http://rlc.fao.org/es/agricultura/bpa BOAS PRÁTICAS AGRÍCOLAS Fonte: Manual Boas Práticas Agrícolas para a Agricultura Familiar http://rlc.fao.org/es/agricultura/bpa O QUE SÃO AS BOAS PRÁTICAS AGRÍCOLAS (BPA)? Os consumidores estão cada vez

Leia mais

Plano de Ação. Vespa velutina

Plano de Ação. Vespa velutina Plano de Ação Vespa velutina Foto - wikipedia Direção de Serviços de Proteção Animal Página 1 de 10 O plano de ação para a vespa velutina foi elaborado pela Direção Geral de Alimentação e Veterinária (DGAV)

Leia mais

Manual de Segurança e Qualidade para Apicultura

Manual de Segurança e Qualidade para Apicultura Manual de Segurança e Qualidade para Apicultura Série Qualidade e Segurança dos Alimentos 2 0 0 9 Manual de Segurança e Qualidade para Apicultura CONFEDERAÇÃO NACIONAL DA INDÚSTRIA CNI Armando de Queiroz

Leia mais

MANUAL DO USUÁRIO MOTOBOMBA A GASOLINA VULCAN VMB552 / VMB552H / VMB653 ATENÇÃO ANTES DE UTILIZAR O EQUIPAMENTO LEIA ATENTAMENTE ESTAS INSTRUÇÕES.

MANUAL DO USUÁRIO MOTOBOMBA A GASOLINA VULCAN VMB552 / VMB552H / VMB653 ATENÇÃO ANTES DE UTILIZAR O EQUIPAMENTO LEIA ATENTAMENTE ESTAS INSTRUÇÕES. MANUAL DO USUÁRIO MOTOBOMBA A GASOLINA VULCAN VMB552 / VMB552H / VMB653 ATENÇÃO ANTES DE UTILIZAR O EQUIPAMENTO LEIA ATENTAMENTE ESTAS INSTRUÇÕES. ÍNDICE 1. Aplicações...3 2. Instalações hidráulicas...4

Leia mais

Especificação dos materiais e produtos de limpeza

Especificação dos materiais e produtos de limpeza Item Especificação dos materiais e produtos de limpeza Apres. Qtd/ mensal 03 06 07 ÁGUA SANITÁRIA, uso doméstico, a base de hipoclorito de sódio. Embalagem plástica de litro, com dados de identificação

Leia mais

ABC. da Agricultura Familiar. Criação de abelhas (apicultura)

ABC. da Agricultura Familiar. Criação de abelhas (apicultura) ABC da Agricultura Familiar Criação de abelhas (apicultura) Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária Embrapa Informação Tecnológica Embrapa Meio-Norte Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento

Leia mais

NORMAS AMBIENTAIS PARA SERVIÇOS DE MANUTENÇÃO (MONTAGEM E DESMONTAGEM) DE REDES DE DISTRIBUIÇÃO DE ENERGIA

NORMAS AMBIENTAIS PARA SERVIÇOS DE MANUTENÇÃO (MONTAGEM E DESMONTAGEM) DE REDES DE DISTRIBUIÇÃO DE ENERGIA NORMAS AMBIENTAIS PARA SERVIÇOS DE MANUTENÇÃO (MONTAGEM E DESMONTAGEM) DE REDES DE DISTRIBUIÇÃO DE ENERGIA A) OBJETIVO Diretrizes ambientais a serem seguidas durante os trabalhos de manutenção (construção/montagem

Leia mais

Controle Alternativo da Broca do Café

Controle Alternativo da Broca do Café Engº Agrº - Pablo Luis Sanchez Rodrigues Controle Alternativo da Broca do Café Trabalho realizado na região de Ivaiporã, na implantação de unidade experimental de observação que visa o monitoramento e

Leia mais

Hepatites B e C. são doenças silenciosas. VEJA COMO DEIXAR AS HEPATITES LONGE DO SEU SALÃO DE BELEZA.

Hepatites B e C. são doenças silenciosas. VEJA COMO DEIXAR AS HEPATITES LONGE DO SEU SALÃO DE BELEZA. Hepatites B e C são doenças silenciosas. VEJA COMO DEIXAR AS HEPATITES LONGE DO SEU SALÃO DE BELEZA. heto hepatite manucure.indd 1 Faça sua parte. Não deixe as hepatites virais frequentarem seu salão.

Leia mais

Agroindústria Processamento Artesanal de Frutas - Geléias

Agroindústria Processamento Artesanal de Frutas - Geléias 1 de 7 10/16/aaaa 10:34 Agroindústria Agroindústria: Processamento Artesanal de Frutas - Geléias Processamento Nome artesanal de frutas: Geléias Produto Informação Tecnológica Data Agosto -2000 Preço -

Leia mais

ULITEC-1000 LIMPA TANQUE

ULITEC-1000 LIMPA TANQUE MANUAL DE INSTRUÇÕES ULITEC-1000 LIMPA TANQUE MOTOR ELÉTRICO / MOTOR A GASOLINA APRESENTAÇÃO A DOCTOR DIESEL parabeniza-o(s) pela aquisição do(s) produto(s) de nossa fabricação, pois ao investir em tecnologia

Leia mais

O que é o lixo? Pastilha elástica

O que é o lixo? Pastilha elástica O que é a INOVA-EM? A INOVA-EM é a empresa responsável pela qualidade da água que chega às nossas torneiras, pelo tratamento das águas que vão para o saneamento, pela recolha do lixo, limpeza urbana, manutenção

Leia mais

BRICKA ALVENARIA ESTRUTURAL

BRICKA ALVENARIA ESTRUTURAL BRICKA ALVENARIA ESTRUTURAL BRICKA ALVENARIA ESTRUTURAL Indice ALVENARIA ESTRUTURAL MANUAL DE EXECUÇÃO E TREINAMENTO...1 O QUE É ALVENARIA ESTRUTURAL?...1 Seu trabalho fica mais fácil...1 CUIDADOS QUE

Leia mais

SISTEMA DE APROVEITAMENTO DE ÁGUA DE CHUVA - 3P TECHNIK

SISTEMA DE APROVEITAMENTO DE ÁGUA DE CHUVA - 3P TECHNIK SISTEMA DE APROVEITAMENTO DE ÁGUA DE CHUVA - 3P TECHNIK INSTALAÇÃO: Figura 1 Para instalação e montagem das conexões, siga os seguintes passos: 1) Os tubos que descem das calhas são conectados nas entradas

Leia mais

Simone de Souza Prado, pesquisadora da Embrapa Meio Ambiente

Simone de Souza Prado, pesquisadora da Embrapa Meio Ambiente Cupins subterrâneos Simone de Souza Prado, pesquisadora da Embrapa Meio Ambiente Os cupins são insetos da ordem Isoptera, também conhecidos por térmitas, siriris ou aleluias. Estes insetos são espécies

Leia mais

PAC 07. Controle Integrado de Pragas CIP

PAC 07. Controle Integrado de Pragas CIP Página 1 de 10 Controle Integrado de Pragas CIP Página 2 de 10 1. Objetivo----------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------03

Leia mais

Unidades de volume. Com esta aula iniciamos uma nova unidade. Nossa aula. Volume ou capacidade

Unidades de volume. Com esta aula iniciamos uma nova unidade. Nossa aula. Volume ou capacidade A UA UL LA Unidades de volume Introdução Com esta aula iniciamos uma nova unidade do Telecurso 2000: a Geometria Espacial. Nesta unidade você estudará as propriedades de figuras espaciais, tais como: o

Leia mais

COMO INSTALAR : MATERIAIS: IMPORTANTE. O contra piso deve estar:

COMO INSTALAR : MATERIAIS: IMPORTANTE. O contra piso deve estar: COMO INSTALAR : Importante para uma perfeita instalação, obter o resultado especificado pela Revitech Pisos e esperado pelo cliente, a utilização das ferramentas corretas. Ferramentas como a desempenadeira,

Leia mais

ATENÇÃO INFORMAÇÕES SOBRE A GARANTIA

ATENÇÃO INFORMAÇÕES SOBRE A GARANTIA ATENÇÃO INFORMAÇÕES SOBRE A GARANTIA Motor vertical 2 tempos LER O MANUAL DO PROPRIETÁRIO. TRABALHE SEMPRE COM ROTAÇÃO CONSTANTE, NO MÁXIMO 3.600 RPM EVITE ACELERAR E DESACELERAR O EQUIPAMENTO. NÃO TRABALHE

Leia mais

NORMAS DE SEGURANÇA EM LABORATÓRIO

NORMAS DE SEGURANÇA EM LABORATÓRIO NORMAS DE SEGURANÇA EM LABORATÓRIO 1. INTRODUÇÃO Toda e qualquer atividade prática a ser desenvolvida dentro de um laboratório apresentam riscos e estão propensas a acidentes. Devemos então utilizar normas

Leia mais

1 Boas Práticas de Utilização 1.1 Normas de Qualidade Higiene e Ambiente - Água

1 Boas Práticas de Utilização 1.1 Normas de Qualidade Higiene e Ambiente - Água 2 Conteúdos 1 Boas Práticas de Utilização... 1.1 Normas de Qualidade Higiene e Ambiente - Água... 1.2 Normas de Segurança... 1.3 Recomendações de Ergonomia... 1.4 Normas de Utilização... 2 Resolução de

Leia mais

REQUISITOS ZOOSANITÁRIOS PARA A IMPORTAÇÃO DE ABELHAS RAINHAS E PRODUTOS APÍCOLAS DESTINADOS AOS ESTADOS PARTES

REQUISITOS ZOOSANITÁRIOS PARA A IMPORTAÇÃO DE ABELHAS RAINHAS E PRODUTOS APÍCOLAS DESTINADOS AOS ESTADOS PARTES MERCOSUL/GMC/RES Nº 23/07 REQUISITOS ZOOSANITÁRIOS PARA A IMPORTAÇÃO DE ABELHAS RAINHAS E PRODUTOS APÍCOLAS DESTINADOS AOS ESTADOS PARTES TENDO EM VISTA: O Tratado de Assunção, o Protocolo de Ouro Preto

Leia mais

SANEAMENTO BÁSICO. Remoção e Tratamento de Resíduos - Dejectos

SANEAMENTO BÁSICO. Remoção e Tratamento de Resíduos - Dejectos SANEAMENTO BÁSICO Remoção e Tratamento de Resíduos - Dejectos SANEAMENTO BÁSICO Remoção e Tratamento de Resíduos = Dejectos = Módulo de Saneamento Disciplina de Enfermagem em Saúde Comunitária III Curso

Leia mais

VIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICA DAS DDA. Patrícia A.F. De Almeida Outubro - 2013

VIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICA DAS DDA. Patrícia A.F. De Almeida Outubro - 2013 VIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICA DAS DDA Patrícia A.F. De Almeida Outubro - 2013 INTRODUÇÃO DDA Síndrome causada por vários agentes etiológicos (bactérias, vírus e parasitos) 03 ou mais episódios com fezes líquidas

Leia mais

Caixa d Água. Materiais necessários. Anotações. 0800 771 0001 odebrechtambiental.com odebrecht.amb

Caixa d Água. Materiais necessários. Anotações. 0800 771 0001 odebrechtambiental.com odebrecht.amb Materiais necessários Separe todo o material que será utilizado para a limpeza do seu reservatório. Anotações Papai, precisamos separar o material de limpeza. Claro, filha! Caixa d Água SAIBA COMO LIMPAR

Leia mais

O painel solar que aqui te deixamos é muito simples e fácil de ser produzido em casa. Por tal motivo, mão à obra!

O painel solar que aqui te deixamos é muito simples e fácil de ser produzido em casa. Por tal motivo, mão à obra! Vamos aproveitar a energia do sol - Parte II - Painel Solar Ao abrirmos a torneira da água quente raramente nos lembramos que tal implica um consumo de energia, normalmente obtida através do uso de combustíveis

Leia mais

Anexo I-A: Serviços de reforma no alojamento de menores da P. J. de Samambaia

Anexo I-A: Serviços de reforma no alojamento de menores da P. J. de Samambaia Serviços de reforma no alojamento de menores da P. J. de Samambaia MEMORIAL DESCRITIVO Anexo I-A: Serviços de reforma no alojamento de menores da P. J. de Samambaia Sumário 1.Considerações gerais...1 2.Serviços

Leia mais

PAC 11. Controle da matéria-prima, ingredientes e material de embalagens

PAC 11. Controle da matéria-prima, ingredientes e material de embalagens PAC 11 Página 1 de 8 PAC 11 Controle da matéria-prima, ingredientes e material de embalagens PAC 11 Página 2 de 8 1. Objetivo----------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------03

Leia mais

Manipulação caseira de fitoterápicos. Módulo 5 Farm. Ms. Ana Cimbleris Alkmim

Manipulação caseira de fitoterápicos. Módulo 5 Farm. Ms. Ana Cimbleris Alkmim Manipulação caseira de fitoterápicos Módulo 5 Farm. Ms. Ana Cimbleris Alkmim Recomendações gerais Uso de plantas provenientes de modismos deve ser evitado. Duvide sempre das plantas tidas como milagrosas.

Leia mais

NR 35 TRABALHO EM ALTURA

NR 35 TRABALHO EM ALTURA Márcio F Batista Bombeiro e Tecnólogo de Segurança NR 35 TRABALHO EM ALTURA Objetivos Estabelecer os procedimentos necessários para a realização de trabalhos em altura, visando garantir segurança e integridade

Leia mais

BEBEDOURO COMPACTO COMPRESSOR MASTERFRIO MANUAL DE INSTRUÇÕES

BEBEDOURO COMPACTO COMPRESSOR MASTERFRIO MANUAL DE INSTRUÇÕES BEBEDOURO COMPACTO COMPRESSOR MASTERFRIO MANUAL DE INSTRUÇÕES Prezado Cliente, A Masterfrio cumprimenta-o pela escolha feita ao comprar nosso bebedouro. Tudo foi feito para que este aparelho preste bons

Leia mais

MANUAL DE MONTAGEM E MANUTENÇÃO DO AEROHOMOGENEIZADOR SPIRALAIR

MANUAL DE MONTAGEM E MANUTENÇÃO DO AEROHOMOGENEIZADOR SPIRALAIR MANUAL DE MONTAGEM E MANUTENÇÃO DO AEROHOMOGENEIZADOR SPIRALAIR ATENÇÃO: ANTES DE INICIAR A MONTAGEM LEIA ATENTAMENTE O CONTEÚDO DESTE MANUAL. A PRESSA PODE LEVAR A DANOS IRREPARÁVEIS NO EQUIPAMENTO. 1.

Leia mais

Aplicações Xadrez Pigmento em Pó

Aplicações Xadrez Pigmento em Pó Dê asas à sua imaginação nas diversas aplicações do Pó Xadrez. Aplicações Xadrez Pigmento em Pó O PÓ XADREZ é um pigmento concentrado que proporciona efeitos decorativos em diversas aplicações. Mais econômico,

Leia mais

6As áreas de abastecimento representam uma possível fonte de poluição ao meio

6As áreas de abastecimento representam uma possível fonte de poluição ao meio ÁREA DE ABASTECIMENTO E ARMAZENAMENTO DE COMBUSTÍVEL 6As áreas de abastecimento representam uma possível fonte de poluição ao meio ambiente e seu manuseio e armazenagem também apresentam considerável grau

Leia mais

Procedimento de Verificação da Presença do Mexilhão-Dourado em Reservatórios.

Procedimento de Verificação da Presença do Mexilhão-Dourado em Reservatórios. Procedimento de Verificação da Presença do Mexilhão-Dourado em Reservatórios. OBJETIVOS Verificar a existência de larvas do mexilhão-dourado na água. Verificar a presença de mexilhões-dourados adultos

Leia mais

XVIII SEMINARIO NORDESTINO DE PECUÁRIA

XVIII SEMINARIO NORDESTINO DE PECUÁRIA XVIII SEMINARIO NORDESTINO DE PECUÁRIA JOÃO LUIZ ALEIXO DA SILVA (LULA DO MEL) BIÓLOGO CRBIO: 19.365/5-D - PÓS-GRADUADO EM APICULTURA PÓS-GRADUADO EM SAÚDE PÚBLICA - MESTRANDO EM GESTÃO E AUDITORIAS AMBIENTAIS

Leia mais

PREFEITURA DO MUNICÍPIO DE SÃO PAULO SECRETARIA DA HABITAÇÃO E DESENVOLVIMENTO URBANO

PREFEITURA DO MUNICÍPIO DE SÃO PAULO SECRETARIA DA HABITAÇÃO E DESENVOLVIMENTO URBANO PREFEITURA DO MUNICÍPIO DE SÃO PAULO SECRETARIA DA HABITAÇÃO E DESENVOLVIMENTO URBANO DEPARTAMENTO DE CONTROLE DO USO DE IMÓVEL - CONTRU () - 1 - PROCEDIMENTOS E CUIDADOS 1. Verifique no lacre, no rótulo

Leia mais

158009.32015.72556.4678.4039841750.595

158009.32015.72556.4678.4039841750.595 158009.32015.72556.4678.4039841750.595 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Secretaria Executiva Subsecretaria de Planejamento e Orçamento INSTITUTO FEDERAL DO PARANÁ Ata de Realização do Pregão Eletrônico Nº 00003/2015

Leia mais

Nomes: Melissa nº 12 Naraiane nº 13 Priscila nº 16 Vanessa nº 20 Turma 202

Nomes: Melissa nº 12 Naraiane nº 13 Priscila nº 16 Vanessa nº 20 Turma 202 Nomes: Melissa nº 12 Naraiane nº 13 Priscila nº 16 Vanessa nº 20 Turma 202 A doença de chagas é assim denominada em homenagem ao seu descobridor, o médico brasileiro Dr. Carlos Justiniano Ribeiro das Chagas.

Leia mais

ATIVIDADES RECUPERAÇÃO PARALELA

ATIVIDADES RECUPERAÇÃO PARALELA ATIVIDADES RECUPERAÇÃO PARALELA Nome: Nº Ano: 6º Data: 14/11/2012 Bimestre: 4 Professor: Vanildo Disciplina: Química Orientações para estudo: Esta atividade deverá ser entregue no dia da avaliação de recuperação,

Leia mais

PRODUTOS ELABORADOS MADEIRA PLÁSTICA

PRODUTOS ELABORADOS MADEIRA PLÁSTICA MADEIRA PLÁSTICA A Madeira Plástica é uma opção sustentável para quem se preocupa com a causa ambiental. O grande diferencial deste produto é que sua fabricação dá-se a partir da reciclagem de toneladas

Leia mais

PRÁTICAS SILVICULTURAIS

PRÁTICAS SILVICULTURAIS CAPÍTULO 10 PRÁTICAS SILVICULTURAIS 94 Manual para Produção de Madeira na Amazônia APRESENTAÇÃO Um dos objetivos do manejo florestal é garantir a continuidade da produção madeireira através do estímulo

Leia mais

Ficha de Informação de Segurança de Produto Químico FISPQ Limpa Vidros Worker

Ficha de Informação de Segurança de Produto Químico FISPQ Limpa Vidros Worker Ficha de Informação de Segurança de Produto Químico FISPQ Limpa Vidros Worker 1. IDENTIFICAÇÃO Nome do Produto: Limpa Vidros Worker. Aplicação: Limpeza de Vidros e Acrílicos Fabricante: Ivan P. Ramos Produtos

Leia mais

Boa tarde! Sou Dr. Jose Verissimo Junior Assistente Clínico da Clínica Jorge Jaber

Boa tarde! Sou Dr. Jose Verissimo Junior Assistente Clínico da Clínica Jorge Jaber Boa tarde! Sou Dr. Jose Verissimo Junior Assistente Clínico da Clínica Jorge Jaber Sugiro começarmos desligando os celulares AEDES AEGYPTI DENGUE - nome de origem espanhola que significa manha- que caracteriza

Leia mais

EXERCÍCIOS DE REVISÃO 1ª VP4 de Ciências 6ª SÉRIE 1ª ETAPA. Professora: Alexsandra Ribeiro

EXERCÍCIOS DE REVISÃO 1ª VP4 de Ciências 6ª SÉRIE 1ª ETAPA. Professora: Alexsandra Ribeiro CONTEÚDO: CAP. 1, 2 e 3 EXERCÍCIOS DE REVISÃO 1ª VP4 de Ciências 6ª SÉRIE 1ª ETAPA Professora: Alexsandra Ribeiro 1. O esquema abaixo nos mostra como a vida está organizada no planeta. A complexidade da

Leia mais