Estatuto Social da Associação dos Revendedores de Veículos Automotores de Pernambuco A S S O V E P E. Capítulo I

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Estatuto Social da Associação dos Revendedores de Veículos Automotores de Pernambuco A S S O V E P E. Capítulo I"

Transcrição

1 Estatuto Social da Associação dos Revendedores de Veículos Automotores de Pernambuco A S S O V E P E Capítulo I DA DENOMINAÇÃO, SEDE, DURAÇÃO E OBJETO Art. 1º. A Associação dos Revendedores de Veículos Automotores de Pernambuco, é uma sociedade civil, sem fins lucrativos, com sede na Avenida Caxangá, 365 1º. Andar, João Alfredo, cidade do Recife, Capital do Estado de Pernambuco, criada por tempo indeterminado e tem por objeto social: I congregar os comerciantes de veículos legalmente constituídos, com seus atos constitutivos arquivados na Junta Comercial do Estado de Pernambuco (JUCEPE); II desenvolver os associados nas suas atividades fins, através de cursos, seminários, conclaves, publicação de periódicos e outros meios próprios, de modo atingir aos propósitos desejados; III zelar e fiscalizar, sempre que necessário, as atividades constantes e instituías no código de ética; IV fortalecer as atividades da revenda de veículos, inclusive colaborando com as autoridades; V prestar apoio logístico aos associados em suas atividades fins, através dos meios de comunicação modernos, prestação de serviços e assessoria jurídica; VI promover e divulgar através de campanhas institucionais a ASSOVEPE; VII associar-se, se for o caso a entidade congênere, de modo fortalecer as atividades da revenda de veículos. Capítulo II DOS ÓRGÃOS DA ASSOCIAÇÃO, COMPOSIÇÃO E ATRIBUIÇÕES Art. 2º. A Associação possui os seguintes órgãos: I Assembléia geral dos associados; II Diretoria Executiva; III Conselho Fiscal e Suplentes. DA ASSEMBLÉIA GERAL ORDINÁRIA Art. 3º. A Assembléia geral dos associados reunir-se-á ordinariamente até o último dia do terceiro mês de cada ano para: a) aprovar as contas da gestão anterior; b) eleger os Diretores Executivos e os Membros do Conselho Fiscal e respectivos suplentes, se for o caso; c) aprovar o orçamento financeiro básico da Associação para o exercício do ano.

2 DA ASSEMBLÉIA GERAL EXTRAORDINÁRIA Art. 4º. A Assembléia geral extraordinária reunir-se-á a qualquer tempo, mediante convocação do Presidente, por deliberação da Diretoria ou pelo Conselho Fiscal, ou por solicitação dos associados que representem 20% (vinte por cento) do total dos associados, quites com os cofres da entidade. Art. 5º. As Assembléias serão convocadas com antecedência mínima de cinco dias, através de um único edital em jornal de grande circulação ou por correspondência individual registrada, ou pelas maneiras aqui indicadas e suas deliberações serão tomadas pela maioria dos associados presentes em primeira convocação, e, em segunda convocação, uma hora depois, com qualquer número de associados presentes. DA DIRETORIA Art. 6º. A Associação será dirigida por uma Diretoria Executiva, eleita pelo voto secreto e direto dos Associados quites com o pagamento de suas mensalidades e será composta por sete membros, com as seguintes denominações: a) Presidente; b) Vice-Presidente; c) Primeiro Secretário; d) Segundo Secretário; e) Tesoureiro; f) Vice-Tesoureiro; g) Diretor de Marketing. Parágrafo Único Na hipótese de vacância por renúncia, ausência, morte ou impedimento de qualquer Diretor, a Diretoria reunir-se-á dentro de, no máximo em cinco dias, a fim de proceder a escolha do novo vice-diretor que irá substituir o cargo da diretoria vago em decorrência da substituição pelo vice do titular renunciante, ausente, falecido ou impedido. Art. 7º. Compete ao Presidente: a) representar a Associação ativa ou passivamente, em juízo ou fora dele, e, em todas as suas atividades sociais; b) presidir reuniões da Diretoria e convocar as Assembléias Gerais dos associados; c) abrir e encerrar contas correntes e movimentar fundos reais existentes em estabelecimentos bancários, juntamente com o Diretor Tesoureiro; d) cumprir as deliberações da Diretoria ou das Assembléias Gerais. Art. 8º. Compete ao Vice-Presidente: a) substituir o Presidente em suas ausências e impedimentos; b) cumprir as deliberações da Diretoria ou das Assembléias Gerais; c) coordenar os serviços ou atividades instituías por este Estatuto. Art. 9º. Compete ao Primeiro Secretário: a) secretariar as Assembléias Gerais e Reuniões da Diretoria; b) manter sob sua guarda os livros de atas das Assembléias Gerais e presença de associados; c) coordenar a secretaria no tocante as correspondências expedidas e recebidas; d) cumprir as deliberações da Diretoria e das Assembléias Gerais da Associação. Art. 10º. Compete ao Segundo Secretário: a) substituir o Primeiro Secretário em suas ausências e impedimentos; b) colaborar com o Primeiro Secretário no controle das reuniões, elaboração das atas e no cumprimento das deliberações da Diretoria e Assembléias Gerais. Art. 11º. Compete ao Tesoureiro: a) guarda e controle dos registros dos associados; b) arrecadar as mensalidades dos associados; c) abrir, encerrar e movimentar, juntamente com o Presidente, fundos reais existentes, em nome da associação nos estabelecimentos de crédito; d) manter a guarda e controle do patrimônio da associação;

3 e) cumprir as deliberações da Diretoria e das Assembléias Gerais da Associação. Art. 12º. Compete ao Vice-Tesoureiro: a) substituir o Tesoureiro em suas ausências e impedimentos; b) controlar os recebimentos de mensalidades dos associados e dos pagamentos a terceiros; c) cumprir as deliberações da Diretoria e das Assembléias Gerais da Associação. Parágrafo Primeiro Ao Diretor de Marketing caberá promover as ações necessárias a atualização e modernização da comercialização de veículos entre os associados, bem como, atuar no apoio das ações da associação em marketing. Parágrafo Segundo Para efetivar depósitos e saques contra fundos reais existentes em conta corrente bancária da Associação, a movimentação poderá ser realizada com a assinatura de dois Diretores em conjunto independentemente das respectivas ordens de nomeação. Art. 13º. Nas alienações de imóveis somente serão válidas através de deliberação da Assembléia Geral, tomada pela maioria dos associados presentes e convocada especificamente para esse fim, previamente aprovadas e encaminhadas pelo Conselho Fiscal da Associação. Art. 14º. Compete ao Conselho Fiscal: DO CONSELHO FISCAL a) fiscalizar a gestão financeira da Diretoria Executiva,encaminhando à aprovação da Assembléia Geral as contas verificadas; b) aprovar e encaminhar à Assembléia Geral a venda de qualquer bem da Associação; c) requerer e fundamentar perante a Diretoria Executiva a convocação de Assembléia Geral, com finalidade específica. Art. 15º. Compete aos membros Suplentes do Conselho Fiscal: a) substituir os membros Efetivos do Conselho Fiscal em seus impedimentos e ausências; b) colaborar com os membros efetivos nas atividades inerentes de fiscalização da gestão financeira da Associação. Art. 16º. O mandato da Diretoria Executiva, dos Membros do Conselho Fiscal e Suplentes será de dois anos, podendo ser reeleitos por igual período. Capítulo III DOS SÓCIOS Art. 17º. A Associação será composta dos seguintes sócios: a) fundadores; b) contribuintes; c) beneméritos e, d) honorários. Art. 18º. Os sócios fundadores são aqueles que assinaram a ata de fundação da Associação. Art. 19º. Os sócios contribuintes são aqueles que embora fundadores ou não, contribuem com pagamento de suas mensalidades a Associação. Art. 20º. Sócios beneméritos serão atribuídos aqueles que, através de serviços ou contribuições relevantes a associação tenha, por deliberação da Assembléia Geral aprovado seus nomes. Art. 21º. Sócios honorários serão atribuídos aqueles que, pela posição que ocupe e pelos relevantes serviços prestados à sociedade ou a Associação, mereça receber essa honraria, que será outorgada pela Diretoria, por deliberação da maioria de seus membros.

4 Capítulo IV DOS DIREITOS E DEVERES DOS ASSOCIADOS Art. 22º. São direitos dos associados: a) votar e ser votado nas Assembléias Gerais para preencher qualquer cargo na Diretoria Executiva Conselho Fiscal e Suplentes; b) peticionar em causa própria ou de outro associado perante qualquer órgão da Associação; c) participar das assembléias e reuniões da Associação; d) encaminhar à diretoria Executiva a proposta para admissão de novo sócio ou indicação de sócios beneméritos ou honorários; e) usufruir dos serviços prestados pela Associação; f) retirar-se da associação, independentemente de qualquer aviso. Art. 23º. São deveres dos associados: a) aceitar sua indicação para representar a Associação em qualquer conclave ou evento; b) cumprir as deliberações das Assembléias Gerais; c) deliberar nas Assembléias Gerais sobre aquisição, permuta e alienação de bens da associação; d) cumprir e fazer cumprir o presente Estatuto Social, inclusive o Código de Ética instituído pela Associação; e) pagar suas contribuições a Associação em dia. Capítulo V DAS PENALIDADES Art. 24º. As penalidades a serem aplicadas aos associados, serão as seguintes: a) Advertência; b) Suspensão temporária dos direitos de sócio, e c) Exclusão do quadro social. Art. 25º. As punições serão aplicadas pela Diretoria, mediante a concessão de prévia e ampla defesa ao associado acusado, devendo sua deliberação ser realizada em caráter secreto, facultado ao acusado, antes do momento da deliberação, apresentar defesa escrita ou verbal. Capítulo VI DO PATRIMÔNIO Art. 26º. O patrimônio da Associação se constituirá dos seguintes bens: a) contribuições dos sócios; b) doações incondicionais de qualquer natureza; c) dotações governamentais; d) rendas e juros de aplicações financeiras; e) a denominação social, o logotipo depositado e dísticos criados; f) bens adquiridos por compra ou permuta. Capítulo VII DA EXCLUSÃO DA RESPONSABILIDADE E DA DELEGAÇÃO DE PODERES

5 Art. 27º. A Diretoria Executiva e os sócios não respondem nem mesmo subsidiariamente pelas obrigações contratuais pela Associação. Art. 28º. A Diretoria poderá nomear procuradores para praticarem atos expressamente estabelecidos, ficando desde logo explicitado que não será permitido, sob pena de nulidade absoluta: a) a outorga de procuração para movimentação de numerário da sociedade; b) outorga de aval, fiança ou outro qualquer ônus obrigacional em favor de terceiros, seja a que título for. Capítulo VIII DA ADMISSÃO DE NOVO SÓCIO Art. 29º. A admissão de um novo sócio será realizada mediante a indicação do candidato, por qualquer sócio a Diretoria Executiva, em cuja Seção será apresentado por qualquer Diretor, que não votará, devendo sua aprovação ocorrer por deliberação pela maioria de 2/3 dos presentes. A comunicação do resultado da aprovação ou não da aceitação do candidato pela associação será realizada pessoalmente pelo Diretor que o indicou à apreciação da Diretoria, ou pelo Presidente. Capítulo IX DAS AUDITORIAS Art. 30º. Ficam os associados desde logo cientes que a Associação poderá fiscalizar suas atividades de modo detectar ou inibir práticas contrárias aos preceitos do Código de Ética objetivado pela Associação. Capítulo X DESPESAS EXTRAORDINÁRIAS Art. 31º. A Associação poderá adquirir equipamentos para a prestação dos serviços a seus associados e, para tanto, deverá convocar Assembléia Geral Extraordinária, devendo as despesas ser rateadas pelos associados em partes iguais. Capítulo XI DAS MULTAS Art. 32º. O atraso do pagamento de mensalidade acima de 5 dias acarretará na cobrança de multa correspondente a 20% (vinte por cento) a ser cobrada com a mensalidade. Art. 33º. O atraso de três mensalidades acarretará na suspensão temporária do associado, bem como dos serviços que são prestados pela Associação aos sócios. Capítulo XII DISPOSIÇÕES FINAIS Art. 34º. Dentro de sessenta (60) dias, após o arquivamento dos atos constitutivos da ASSOVEPE, a Diretoria criará uma Comissão integrada de membros da Diretoria e três associados, a fim de elaborar um anteprojeto do Código de Ética, que deverá ser submetido para aprovação da assembléia geral extraordinária e integrará ao presente estatuto.

6 Art. 35º. O presente estatuto somente poderá ser alterado no todo ou em parte através de assembléia geral extraordinária, convocada especialmente para este fim, devendo ser aprovada por maioria absoluta dos sócios existentes e presentes a assembléia, que deliberará também por maioria dos presentes em primeira ou segunda convocação. Capítulo XIII DO FORO Art. 36º. O foro da Associação é o da comarca da Cidade do Recife, Capital do Estado de Pernambuco. Capítulo XIV DA EXTINÇÃO, LIQUIDAÇÃO E DESTINAÇÃO DOS BENS Art. 37º. A assembléia geral, especialmente convocada para este fim, com antecedência de 30 dias, decretará a extinção, liquidação e destinação dos bens remanescentes e sua entrega a instituição de caridade ou sem fins lucrativos. Os sócios presentes, por maioria absoluta em qualquer convocação, escolherá a comissão de liquidantes, composta de três pessoas, que será coordenada por um presidente, escolhido pelos componentes da comissão. Recife, 18 de maio de 1993.

CAPÍTULO I DA DENOMINAÇÃO - SEDE - FINS E DURAÇÃO

CAPÍTULO I DA DENOMINAÇÃO - SEDE - FINS E DURAÇÃO - ESTATUTO DA ASSOCIAÇÃO DA JUVENTUDE RURAL DE ARROIO DO TIGRE - Arroio do Tigre/RS. CAPÍTULO I DA DENOMINAÇÃO - SEDE - FINS E DURAÇÃO Artigo 1 - A ASSOCIAÇÃO DA JUVENTUDE RURAL DE ARROIO DO TIGRE, fundada

Leia mais

ESTATUTO DO GRUPO DO LEITE UNIVERSIDADE FEDERAL DE LAVRAS CAPÍTULO I - DOS OBJETIVOS

ESTATUTO DO GRUPO DO LEITE UNIVERSIDADE FEDERAL DE LAVRAS CAPÍTULO I - DOS OBJETIVOS ESTATUTO DO GRUPO DO LEITE UNIVERSIDADE FEDERAL DE LAVRAS CAPÍTULO I - DOS OBJETIVOS Art.1 - O GRUPO DO LEITE, da Universidade Federal de Lavras (UFLA), entidade civil, apartidária, sem fins lucrativos,

Leia mais

ESTATUTO DA AAPCEU. ART. 2º - A ASSOCIAÇÃO tem sede e foro na cidade de Belo Horizonte, Minas Gerais.

ESTATUTO DA AAPCEU. ART. 2º - A ASSOCIAÇÃO tem sede e foro na cidade de Belo Horizonte, Minas Gerais. ESTATUTO DA AAPCEU TÍTULO I - DA ENTIDADE Capítulo Único - Da Denominação, Sede e Objeto ART. 1º - A Associação dos Aposentados e Pensionistas da Caixa dos Empregados da Usiminas, doravante denominada

Leia mais

Da Atividade da Associação. Dos Sócios

Da Atividade da Associação. Dos Sócios REGULAMENTO GERAL INTERNO Associação Trilhos da Boa Viagem (ATBV) Artigo 1º Da Atividade da Associação Objetivos e Atividades 1 A ATBV é uma associação de carácter desportivo, recreativo, cultural e educativo,

Leia mais

Estatuto da Associação dos Fabricantes de Placas para Veículos do Estado do Paraná

Estatuto da Associação dos Fabricantes de Placas para Veículos do Estado do Paraná 1 Estatuto da Associação dos Fabricantes de Placas para Veículos do Estado do Paraná Capítulo I A Associação dos Fabricantes de Placas para Veículos do Estado do Paraná e seus Fins Artigo 1º. A Associação

Leia mais

Centro da Memória da Eletricidade no Brasil MEMÓRIA DA ELETRICIDADE ESTATUTO. CAPÍTULO I. Da Denominação, Objeto, Sede e Duração.

Centro da Memória da Eletricidade no Brasil MEMÓRIA DA ELETRICIDADE ESTATUTO. CAPÍTULO I. Da Denominação, Objeto, Sede e Duração. Centro da Memória da Eletricidade no Brasil MEMÓRIA DA ELETRICIDADE ESTATUTO CAPÍTULO I. Da Denominação, Objeto, Sede e Duração. Art. 1º - O Centro da Memória da Eletricidade no Brasil - MEMÓRIA DA ELETRICIDADE

Leia mais

Associação Nacional de Pesquisa e PósGraduação em Música. ANPPOM - Associação Nacional de Pesquisa e Pós-Graduação em Música ESTATUTO SOCIAL

Associação Nacional de Pesquisa e PósGraduação em Música. ANPPOM - Associação Nacional de Pesquisa e Pós-Graduação em Música ESTATUTO SOCIAL ANPPOM - Associação Nacional de Pesquisa e Pós-Graduação em Música ESTATUTO SOCIAL CAPÍTULO l DA FUNDAÇÃO, DENOMINAÇÃO, FINS, DURAÇÃO, MANUTENÇÃO, SEDE E FORO Artigo 1º - Associação Nacional de Pesquisa

Leia mais

ESTATUTOS DA ACADEMIA DE LETRAS DE TRÁS-OS-MONTES CAPÍTULO I CONSTITUIÇÃO, DURAÇÃO E SEDE

ESTATUTOS DA ACADEMIA DE LETRAS DE TRÁS-OS-MONTES CAPÍTULO I CONSTITUIÇÃO, DURAÇÃO E SEDE ESTATUTOS DA ACADEMIA DE LETRAS DE TRÁS-OS-MONTES CAPÍTULO I CONSTITUIÇÃO, DURAÇÃO E SEDE Artigo 1º Constituição e denominação É constituída uma associação civil sem fins lucrativos denominada Academia

Leia mais

Estatuto da Associação Mães que Oram Pelos Filhos Arquidiocese de Vitoria/ES - AMOF-AVES

Estatuto da Associação Mães que Oram Pelos Filhos Arquidiocese de Vitoria/ES - AMOF-AVES Estatuto da Associação Mães que Oram Pelos Filhos Arquidiocese de Vitoria/ES - AMOF-AVES Capítulo I DA DENOMINAÇÃO, NATUREZA, SEDE, FINS E DURAÇÃO Art. 1º. A Associação de Mães que oram pelos Filhos doravante

Leia mais

ESTATUTO DO CENTRO DE PESQUISAS AVANÇADAS EM QUALIDADE DE VIDA CPAQV

ESTATUTO DO CENTRO DE PESQUISAS AVANÇADAS EM QUALIDADE DE VIDA CPAQV ESTATUTO DO CENTRO DE PESQUISAS AVANÇADAS EM QUALIDADE DE VIDA CPAQV Título I DA DENOMINAÇÃO, CRIAÇÃO, DURAÇÃO, OBJETIVO, FINALIDADES, SEDE E PATRIMÔNIO Artigo 1 º - O Centro de Pesquisas Avançadas em

Leia mais

ESTATUTO SOCIAL. CAPÍTULO I Da Denominação, Sede, Objeto e Duração

ESTATUTO SOCIAL. CAPÍTULO I Da Denominação, Sede, Objeto e Duração ESTATUTO SOCIAL CAPÍTULO I Da Denominação, Sede, Objeto e Duração Artigo 1º - A Cemig Participações Minoritárias S.A. (a Sociedade ) é uma sociedade anônima de capital fechado, subsidiária integral, que

Leia mais

RESOLUÇÃO CONSU Nº. 41/2013 DE 16 DE DEZEMBRO DE 2013

RESOLUÇÃO CONSU Nº. 41/2013 DE 16 DE DEZEMBRO DE 2013 RESOLUÇÃO CONSU Nº. 41/2013 DE 16 DE DEZEMBRO DE 2013 A Presidente do Conselho Superior Universitário da Universidade Estadual de Ciências da Saúde de Alagoas, no uso de suas atribuições regimentais, considerando

Leia mais

ESTATUTOS DA ASSOCIAÇÃO JUVENIL

ESTATUTOS DA ASSOCIAÇÃO JUVENIL ESTATUTOS DA ASSOCIAÇÃO JUVENIL CAPÍTULO I Princípios Gerais Artigo 1º - Natureza e Sede A Associação adopta a designação de (nome da Associação), e tem a sua sede provisória no Concelho de (designação

Leia mais

ESTATUTOS DENOMINAÇÃO, SEDE E FINS DA ASSOCIAÇÃO

ESTATUTOS DENOMINAÇÃO, SEDE E FINS DA ASSOCIAÇÃO ESTATUTOS I DENOMINAÇÃO, SEDE E FINS DA ASSOCIAÇÃO Art. 1 o A Associação Luso-Brasileira de Arabistas (ALBA) é uma sociedade civil, de caráter exclusivamente cultural, com sedes e foros nas cidades do

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 118, DE 22 DE OUTUBRO DE 2015

RESOLUÇÃO Nº 118, DE 22 DE OUTUBRO DE 2015 RESOLUÇÃO Nº 118, DE 22 DE OUTUBRO DE 2015 O CONSELHO UNIVERSITÁRIO da Universidade Federal do Pampa, em sua 68ª Reunião Ordinária, realizada no dia 22 de outubro de 2015, no uso das atribuições que lhe

Leia mais

NESC/UFG NÚCLEO DE ESTUDOS EM SAÚDE COLETIVA

NESC/UFG NÚCLEO DE ESTUDOS EM SAÚDE COLETIVA REGIMENTO CAPÍTULO I DA PERSONALIDADE, AUTONOMIA E SEDE Art. 1º O Núcleo de Estudos em Saúde Coletiva é uma entidade de trabalho interdisciplinar, sem fins lucrativos, com finalidades científicas na área

Leia mais

USINA TÉRMICA IPATINGA S. A. ESTATUTO SOCIAL. CAPÍTULO I Denominação, Sede, Objeto e Duração

USINA TÉRMICA IPATINGA S. A. ESTATUTO SOCIAL. CAPÍTULO I Denominação, Sede, Objeto e Duração USINA TÉRMICA IPATINGA S. A. O presente Estatuto Social é uma consolidação do aprovado pela Escritura Pública de Constituição, em 11-08-2000 - arquivada na JUCEMG em 16-08-2000, sob o nº 3130001496-7,

Leia mais

ESTATUTO DA ASSOCIAÇÃO AMIGOS DE SANTA RITA

ESTATUTO DA ASSOCIAÇÃO AMIGOS DE SANTA RITA ESTATUTO DA ASSOCIAÇÃO AMIGOS DE SANTA RITA Este Estatuto foi aprovado em Assembléia Extraordinária realizada em 18 de dezembro de 2004. Capítulo I Da Fundação - Denominação - Fins e Sede Art. 1º - A Associação

Leia mais

ESTATUTO DA ASSOCIAÇÃO DOS PROFISSIONAIS DE HIGIENIZAÇÃO E LAVANDERIA DA REGIÃO SUL - APHILAV. APROVADO EM ASSEMBLÉIA GERAL DO DIA 30/03/2005

ESTATUTO DA ASSOCIAÇÃO DOS PROFISSIONAIS DE HIGIENIZAÇÃO E LAVANDERIA DA REGIÃO SUL - APHILAV. APROVADO EM ASSEMBLÉIA GERAL DO DIA 30/03/2005 ESTATUTO DA ASSOCIAÇÃO DOS PROFISSIONAIS DE HIGIENIZAÇÃO E LAVANDERIA DA REGIÃO SUL - APHILAV. APROVADO EM ASSEMBLÉIA GERAL DO DIA 30/03/2005 Capítulo 1 TITULO, DESTINAÇÃO, SEDE, FORO Artigo 1 A ASSOCIAÇÃO

Leia mais

Estatuto da Associação dos Orquidofilos de

Estatuto da Associação dos Orquidofilos de Estatuto da Associação dos Orquidofilos de CAPITULO I DA DENOMINAÇÃO, SEDE E FINS Artigo 1º A Associação dos Orquidofilos de, designada pela sigla, fundada em de do ano., Estado de, na Rua, nº,, e foro

Leia mais

União Campineira de Aeromodelistas

União Campineira de Aeromodelistas ESTATUTO SOCIAL UNIÃO CAMPINEIRA DE AEROMODELISTAS UCA CAPÍTULO 1- DA DENOMINAÇÃO, SEDE E FINS Art. 1 - A União Campineira de Aeromodelistas UCA, também designada pela sigla UCA, fundada em 11 de outubro

Leia mais

ASSOCIAÇÃO DE AMIGOS DO JARDIM BOTÂNICO DO RIO DE JANEIRO - AAJB ESTATUTO

ASSOCIAÇÃO DE AMIGOS DO JARDIM BOTÂNICO DO RIO DE JANEIRO - AAJB ESTATUTO 1 ASSOCIAÇÃO DE AMIGOS DO JARDIM BOTÂNICO DO RIO DE JANEIRO - AAJB ESTATUTO Capítulo I - Denominação, sede, duração e objetivos Artigo 1 o A Associação de Amigos do Jardim Botânico do Rio de Janeiro, ou

Leia mais

ESTATUTOS DA ASSOCIAÇÃO OBRIGADO PORTUGAL. Capítulo I Princípios Gerais

ESTATUTOS DA ASSOCIAÇÃO OBRIGADO PORTUGAL. Capítulo I Princípios Gerais ESTATUTOS DA ASSOCIAÇÃO OBRIGADO PORTUGAL Capítulo I Princípios Gerais Artigo 1º Denominação, sede e duração 1. A Associação, sem fins lucrativos, adota a denominação ASSOCIAÇÃO OBRIGADO PORTUGAL. 2. A

Leia mais

ASSOCIAÇÃO DE ESCOLAS SUPERIORES DE FORMAÇÃO DE PROFISSIONAIS DO ENSINO - AESUFOPE ESTATUTO

ASSOCIAÇÃO DE ESCOLAS SUPERIORES DE FORMAÇÃO DE PROFISSIONAIS DO ENSINO - AESUFOPE ESTATUTO ASSOCIAÇÃO DE ESCOLAS SUPERIORES DE FORMAÇÃO DE PROFISSIONAIS DO ENSINO - AESUFOPE ESTATUTO TÍTULO I DA CARACTERIZAÇÃO DA ASSOCIAÇÃO CAPÍTULOI Da denominação, fins e meios Art. 1 - A Associação de Escolas

Leia mais

Estatutos da Musikarisma Associaça o

Estatutos da Musikarisma Associaça o Estatutos da Musikarisma Associaça o SECÇÃO I DA ASSOCIAÇÃO Artigo 1º A Musikarisma é uma Associação Cultural, Sem Fins Lucrativos, tendo a sua sede na Rua José Estêvão, com o número cento e treze, na

Leia mais

ASSOCIAÇÃO DE LOJISTAS DE SHOPPING DO ESTADO DE PERNAMBUCO

ASSOCIAÇÃO DE LOJISTAS DE SHOPPING DO ESTADO DE PERNAMBUCO ASSOCIAÇÃO DE LOJISTAS DE SHOPPING DO ESTADO DE PERNAMBUCO ESTATUTO SOCIAL CAPÍTULO I DA DENOMINAÇÃO, PRAZO, SEDE E OBJETIVOS. Art. 1º A ASSOCIAÇÃO DE LOJISTAS DE SHOPPING DO ESTADO DE PERNAMBUCO, é uma

Leia mais

ESTATUTO CDL JOVEM SALVADOR. Capítulo I Da Constituição e Finalidade

ESTATUTO CDL JOVEM SALVADOR. Capítulo I Da Constituição e Finalidade ESTATUTO CDL JOVEM SALVADOR Capítulo I Da Constituição e Finalidade Art. 1º- A Câmara de Dirigentes Lojistas Jovem de Salvador é um departamento oriundo e órgão estrutural da Câmara de Dirigentes Lojistas

Leia mais

ESTATUTO DO SINAGÊNCIAS Sindicato Nacional dos Servidores e Demais Agentes Públicos das Agências Nacionais de Regulação

ESTATUTO DO SINAGÊNCIAS Sindicato Nacional dos Servidores e Demais Agentes Públicos das Agências Nacionais de Regulação ESTATUTO DO SINAGÊNCIAS Sindicato Nacional dos Servidores e Demais Agentes Públicos das Agências Nacionais de Regulação (Aprovado em 22 de dezembro de 2004, em Brasília-DF) Capítulo I Do Sindicato e seus

Leia mais

COLÉGIO FRANCISCANO SANT ANNA SANTA MARIA - RS ESTATUTO ASSOCIAÇÃO DE PAIS E MESTRES APM

COLÉGIO FRANCISCANO SANT ANNA SANTA MARIA - RS ESTATUTO ASSOCIAÇÃO DE PAIS E MESTRES APM COLÉGIO FRANCISCANO SANT ANNA SANTA MARIA - RS ESTATUTO ASSOCIAÇÃO DE PAIS E MESTRES APM 2009 SUMÁRIO TÍTULO I Da denominação, caráter, duração, sede, foro e finalidades... 3 Capítulo I Da denominação,

Leia mais

ESTATUTO DAS LIGAS ACADÊMICAS Diretoria de Extensão e Assuntos Comunitários

ESTATUTO DAS LIGAS ACADÊMICAS Diretoria de Extensão e Assuntos Comunitários ESTATUTO DA LIGA DE MEDICINA ESPORTIVA Capítulo I da Liga e seus fins Art. 1º A Liga de Medicina Esportiva é uma entidade sem fins lucrativos, com duração ilimitada, sob a supervisão da da Universidade

Leia mais

ESTATUTO FUNDAÇÃO CULTURA ARTÍSTICA DE LONDRINA

ESTATUTO FUNDAÇÃO CULTURA ARTÍSTICA DE LONDRINA ESTATUTO FUNDAÇÃO CULTURA ARTÍSTICA DE LONDRINA CAPÍTULO I DA DENOMINAÇÃO, SEDE, PRAZO DE DURAÇÃO E FINALIDADES Art. 1º - Fundação Cultura Artística de Londrina, Funcart, com sede e foro na cidade de Londrina,

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE JUIZ DE FORA FACULDADE DE ENFERMAGEM REGULAMENTO DO COLEGIADO DO CURSO DE GRADUAÇÃO EM ENFERMAGEM

UNIVERSIDADE FEDERAL DE JUIZ DE FORA FACULDADE DE ENFERMAGEM REGULAMENTO DO COLEGIADO DO CURSO DE GRADUAÇÃO EM ENFERMAGEM UNIVERSIDADE FEDERAL DE JUIZ DE FORA FACULDADE DE ENFERMAGEM REGULAMENTO DO COLEGIADO DO CURSO DE GRADUAÇÃO EM ENFERMAGEM JUIZ DE FORA, JULHO DE 2014 REGULAMENTO DO COLEGIADO DO CURSO DE GRADUAÇÃO EM ENFERMAGEM

Leia mais

REDE PETRO - BACIA DE CAMPOS REGIMENTO INTERNO

REDE PETRO - BACIA DE CAMPOS REGIMENTO INTERNO REDE PETRO - BACIA DE CAMPOS REGIMENTO INTERNO CAPITULO I DA ORGANIZAÇÃO ADMINISTRATIVA Art. 1º - A Organização Administrativa corresponde à estrutura da REDE PETRO-BC que tem como finalidade garantir

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DA DIRETORIA DO INSTITUTO BRASILEIRO DE GOVERNANÇA CORPORATIVA

REGIMENTO INTERNO DA DIRETORIA DO INSTITUTO BRASILEIRO DE GOVERNANÇA CORPORATIVA REGIMENTO INTERNO DA DIRETORIA DO INSTITUTO BRASILEIRO DE GOVERNANÇA CORPORATIVA SUMÁRIO Capítulo I Objeto do Regimento Interno... 3 Capítulo II Missão da Diretoria... 3 Capítulo III Competência... 3 Capítulo

Leia mais

Olho Vivo - Associação para a Defesa do Património, Ambiente e Direitos Humanos

Olho Vivo - Associação para a Defesa do Património, Ambiente e Direitos Humanos Olho Vivo - Associação para a Defesa do Património, Ambiente e Direitos Humanos Estatutos Capítulo I (Princípios Gerais) Art.º1 (Denominação, Natureza e Duração) É constituída por tempo indeterminado,

Leia mais

FUNDAÇÃO DE APOIO AO ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO DE ITAJUBÁ ESTATUTO ITAJUBÁ MG

FUNDAÇÃO DE APOIO AO ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO DE ITAJUBÁ ESTATUTO ITAJUBÁ MG FUNDAÇÃO DE APOIO AO ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO DE ITAJUBÁ ESTATUTO ITAJUBÁ MG ÍNDICE I. Da Denominação, Regime Jurídico, Sede, Foro e Duração... 01 II. Dos Objetivos... 01 III. Do Patrimônio... 03 IV.

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS

UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS RESOLUÇÃO N o 14/2013, DE 02 DE JULHO DE 2013 Reedita, com alterações, a Resolução n o 03/2006, de 29 de junho de 2006, que aprovou o Regimento do Centro de Microscopia da UFMG. O CONSELHO UNIVERSITÁRIO

Leia mais

Regimento Interno da Comissão de Direito Marítimo e Portuário da Ordem dos Advogados do Brasil Seção São Paulo OAB/SP

Regimento Interno da Comissão de Direito Marítimo e Portuário da Ordem dos Advogados do Brasil Seção São Paulo OAB/SP Regimento Interno da Comissão de Direito Marítimo e Portuário da Ordem dos Advogados do Brasil Seção São Paulo OAB/SP Art. 1º - A Comissão de Direito Marítimo e Portuário é composta de: I - Membros Efetivos,

Leia mais

Art. 1º - Aprovar, no Centro de Ensino Superior Riograndense - CESURG MARAU, o Regulamento da Empreender Júnior, cujo inteiro teor se aplica a seguir:

Art. 1º - Aprovar, no Centro de Ensino Superior Riograndense - CESURG MARAU, o Regulamento da Empreender Júnior, cujo inteiro teor se aplica a seguir: RESOLUÇÃO Nº 002/2016 Regulamenta a Empreender Júnior, Empresa Júnior do Centro de Ensino Superior Riograndense CESURG MARAU 1, e dá outras providências. O Diretor Presidente do Centro de Ensino Superior

Leia mais

INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE PERNAMBUCO PRÓ-REITORIA DE ENSINO

INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE PERNAMBUCO PRÓ-REITORIA DE ENSINO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE PERNAMBUCO PRÓ-REITORIA DE ENSINO REGIMENTO INTERNO DO FÓRUM PERMANENTE DOS CURSOS TÉCNICOS DO IFPE RECIFE, 2014 INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA

Leia mais

NOVO ESTATUTO CAPÍTULO I DA SEDE, FORO, BASE TERRITORIAL, TEMPO DE DURAÇÃO E FINALIDADES

NOVO ESTATUTO CAPÍTULO I DA SEDE, FORO, BASE TERRITORIAL, TEMPO DE DURAÇÃO E FINALIDADES 1 ESTATUTO DO SINDICATO DOS SERVIDORES DO PODER LEGISLATIVO DO ESTADO DA PARAÍBA NOVO ESTATUTO CAPÍTULO I DA SEDE, FORO, BASE TERRITORIAL, TEMPO DE DURAÇÃO E FINALIDADES Art. 1º - O SINDICATO DOS SERVIDORES

Leia mais

Art. 2º São competências do Conselho Municipal de Esporte e Lazer:

Art. 2º São competências do Conselho Municipal de Esporte e Lazer: REGIMENTO INTERNO DO CONSELHO MUNICIPAL DE ESPORTE E LAZER CAPÍTULO I DO CONSELHO E SUAS ATRIBUIÇÕES Art. 1º O Conselho Municipal de Esporte e Lazer de Carlos Barbosa é um órgão colegiado de caráter, consultivo,

Leia mais

FUNDAÇÃO ABC CAPITULO I DA ENTIDADE

FUNDAÇÃO ABC CAPITULO I DA ENTIDADE FUNDAÇÃO ABC REGIMENTO INTERNO CAPITULO I DA ENTIDADE Art. 1º A FUNDAÇÃO ABC é uma entidade com personalidade jurídica de direito privado, sem fins lucrativos e sem fins econômicos, com duração indeterminada,

Leia mais

LEI COMPLEMENTAR Nº 20, DE 04 DE ABRIL DE

LEI COMPLEMENTAR Nº 20, DE 04 DE ABRIL DE LEI COMPLEMENTAR Nº 20, DE 04 DE ABRIL DE 2002-06-07 DISPÕE SOBRE A REESTRUTURAÇÃO DA FUNDAÇÃO DE AMPARO À PESQUISA DO ESTADO DE ALAGOAS FAPEAL, INSTITUÍDA PELA LEI COMPLEMENTAR Nº 05, DE 27 DE SETEMBRO

Leia mais

UNIÃO NACIONAL DOS CONSELHOS MUNICIPAIS DE EDUCAÇÃO

UNIÃO NACIONAL DOS CONSELHOS MUNICIPAIS DE EDUCAÇÃO 1 E S T A T U T O TÍTULO I DENOMINAÇÃO, SEDE, ABRANGÊNCIA E FINALIDADE CAPÍTULO I DA DENOMINAÇÃO E DA SEDE Art. 1º- A União Nacional dos Conselhos Municipais de Educação, doravante denominada UNCME, entidade

Leia mais

Estado de Alagoas Prefeitura Municipal de São Miguel dos Campos Gabinete do Prefeito

Estado de Alagoas Prefeitura Municipal de São Miguel dos Campos Gabinete do Prefeito Projeto de Lei nº, de de de 2016. Institui o Fórum Municipal de Educação de São Miguel dos Campos e adota outras providências. O Prefeito do Município de São Miguel dos Campos, Estado de Alagoas, no uso

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DO COMITÊ DE FINANÇAS

REGIMENTO INTERNO DO COMITÊ DE FINANÇAS REGIMENTO INTERNO DO COMITÊ DE FINANÇAS I DEFINIÇÃO Este Regimento Interno, organizado em conformidade com o Estatuto Social da Ser Educacional S.A. ( Companhia ), estabelece procedimentos a serem observados

Leia mais

ESTATUTO DA ASSOCIAÇÃO DE AMIGOS DA BIBLIOTECA E CULTURA DA UFV - ABC CAPÍTULO 1 DA NATUREZA E DOS OBJETIVOS

ESTATUTO DA ASSOCIAÇÃO DE AMIGOS DA BIBLIOTECA E CULTURA DA UFV - ABC CAPÍTULO 1 DA NATUREZA E DOS OBJETIVOS ESTATUTO DA ASSOCIAÇÃO DE AMIGOS DA BIBLIOTECA E CULTURA DA UFV - ABC CAPÍTULO 1 DA NATUREZA E DOS OBJETIVOS Art. 1º - A ASSOCIAÇÃO DOS AMIGOS DA BIBLIOTECA E CULTURA DA UFV - ABC é uma associação civil,

Leia mais

ESCOLA BÁSICA DOS 2º E 3º CICLOS DOS LOUROS ASSOCIAÇÃO DE PAIS E ENCAREGADOS DE EDUCAÇÃO

ESCOLA BÁSICA DOS 2º E 3º CICLOS DOS LOUROS ASSOCIAÇÃO DE PAIS E ENCAREGADOS DE EDUCAÇÃO CAPITULO I ARTIGO 1.º (Denominação, natureza, sede e âmbito) 1. A Associação adopta a designação de Associação de Pais e Encarregados de Educação da Escola Básica dos 2º e 3º Ciclos dos Louros. 2. É uma

Leia mais

ANPUH ASSOCIAÇÃO NACIONAL DE HISTÓRIA SEÇÃO MATO GROSSO ESTATUTO DA SEÇÃO. CAPÍTULO I Natureza, Sede e Objetivos

ANPUH ASSOCIAÇÃO NACIONAL DE HISTÓRIA SEÇÃO MATO GROSSO ESTATUTO DA SEÇÃO. CAPÍTULO I Natureza, Sede e Objetivos ESTATUTO DA ASSOCIAÇÃO NACIONAL DE HISTÓIRA SEÇÃO MATO GROSSO ANPUH ASSOCIAÇÃO NACIONAL DE HISTÓRIA SEÇÃO MATO GROSSO ESTATUTO DA SEÇÃO CAPÍTULO I Natureza, Sede e Objetivos Art. 1º - A Associação Nacional

Leia mais

CAPÍTULO I Da Natureza, Sede, Foro e Objetivos. CAPÍTULO II Dos Associados

CAPÍTULO I Da Natureza, Sede, Foro e Objetivos. CAPÍTULO II Dos Associados ESTATUTO DA SOCIEDADE BRASILEIRA DE ICTIOLOGIA Versão Revisada Aprovada na Assembléia Geral Extraordinária realizada em Manaus, AM, em 03 de fevereiro de 2011 durante o XIX Encontro Brasileiro de Ictiologia

Leia mais

UNEMAT - UNIVERSIDADE DO ESTADO DE MATO GROSSO CAEPA - CENTRO ACADÊMICO DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO AGROINDUSTRIAL

UNEMAT - UNIVERSIDADE DO ESTADO DE MATO GROSSO CAEPA - CENTRO ACADÊMICO DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO AGROINDUSTRIAL UNEMAT - UNIVERSIDADE DO ESTADO DE MATO GROSSO CAEPA - CENTRO ACADÊMICO DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO AGROINDUSTRIAL ESTATUTO CAPÍTULO I DA ENTIDADE ART. 1º. O Centro Acadêmico de Engenharia de Produção Agroindustrial,

Leia mais

ORDEM DOS PASTORES BATISTAS DO BRASIL ESTATUTO DA OPBB

ORDEM DOS PASTORES BATISTAS DO BRASIL ESTATUTO DA OPBB ESTATUTO DA OPBB CAPÍTULO I DO NOME, SEDE, ESTRUTURA E CONSTITUIÇÃO Art. 1º - A Ordem dos Pastores Batistas do Brasil, fundada em 1940, por tempo indeterminado, com sede e foro na comarca do Rio de Janeiro,

Leia mais

ESTATUTO SOCIAL. CAPÍTULO 1 Denominação, Sede, Objetivo, Duração e Personalidade Jurídica.

ESTATUTO SOCIAL. CAPÍTULO 1 Denominação, Sede, Objetivo, Duração e Personalidade Jurídica. ESTATUTO SOCIAL CAPÍTULO 1 Denominação, Sede, Objetivo, Duração e Personalidade Jurídica. Art. 1 - A UNIÃO DOS REPRESENTANTES COMERCIAIS DE CONFECÇÃO EM GERAL, ARTIGOS DE COURO, MATERIAL SINTETICOS E MATERIAL

Leia mais

COMISSÃO DE DIREITO SECURITÁRIO

COMISSÃO DE DIREITO SECURITÁRIO COMISSÃO DE DIREITO SECURITÁRIO Regimento Interno Art. 1 º A Comissão de Direito Securitário é composta de: I Membros Efetivos, dentre eles o Presidente, o Vice-Presidente, Secretário e Membros Consultores;

Leia mais

Estatutos. Capítulo I Disposições fundamentais. Art.1º (Denominação)

Estatutos. Capítulo I Disposições fundamentais. Art.1º (Denominação) Estatutos Capítulo I Disposições fundamentais Art.1º (Denominação) A Associação Portuguesa para o Controlo de Tiragem e Circulação, abreviadamente designada por APCT, é uma associação que se rege pelos

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 001/2011. A CONFEDERAÇÃO NACIONAL DE TURISMO CNTur, no âmbito das atribuições que lhe conferem os estatutos sociais,

RESOLUÇÃO Nº 001/2011. A CONFEDERAÇÃO NACIONAL DE TURISMO CNTur, no âmbito das atribuições que lhe conferem os estatutos sociais, RESOLUÇÃO Nº 001/2011 A CONFEDERAÇÃO NACIONAL DE TURISMO CNTur, no âmbito das atribuições que lhe conferem os estatutos sociais, CONSIDERANDO o interesse em divulgar nos estados brasileiros os seus ideais

Leia mais

PROPOSTA DE RESOLUÇÃO ATRICON Nº XX/2013

PROPOSTA DE RESOLUÇÃO ATRICON Nº XX/2013 PROPOSTA DE RESOLUÇÃO ATRICON Nº XX/2013 Altera o Estatuto da Associação dos Membros dos Tribunais de Contas do Brasil, visando, entre outras providências, a ampliação da sua fonte de financiamento Resumo:

Leia mais

ESTATUTO CONSELHO DA MULHER EXECUTIVA DE UBIRATÃ. Capitulo I. Denominação e criação

ESTATUTO CONSELHO DA MULHER EXECUTIVA DE UBIRATÃ. Capitulo I. Denominação e criação ESTATUTO CONSELHO DA MULHER EXECUTIVA DE UBIRATÃ. Capitulo I. Denominação e criação Artigo 1º. O Conselho da Mulher Executiva a Associação Comercial e Empresarial de Ubiratã, é um órgão de expressão da

Leia mais

Estatuto da Frente Parlamentar do Cooperativismo

Estatuto da Frente Parlamentar do Cooperativismo Estatuto da Frente Parlamentar do Cooperativismo CAPÍTULO I DA DENOMINAÇÃO, NATUREZA, DURAÇÃO, SEDE E FINALIDADE Art. 1º. A Frente Parlamentar do Cooperativismo, Frencoop, é uma entidade civil, de interesse

Leia mais

ESTATUTO SOCIAL ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE METALURGIA, MATERIAIS E MINERAÇÃO CAPÍTULO I - DA CONSTITUIÇÃO DA ASSOCIAÇÃO E SEUS OBJETIVOS

ESTATUTO SOCIAL ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE METALURGIA, MATERIAIS E MINERAÇÃO CAPÍTULO I - DA CONSTITUIÇÃO DA ASSOCIAÇÃO E SEUS OBJETIVOS ESTATUTO SOCIAL ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE METALURGIA, MATERIAIS E MINERAÇÃO CAPÍTULO I - DA CONSTITUIÇÃO DA ASSOCIAÇÃO E SEUS OBJETIVOS Art. 1.º - A Associação Brasileira de Metalurgia, Materiais e Mineração

Leia mais

Instituto Dignidade de Valorização da Vida

Instituto Dignidade de Valorização da Vida ESTATUTO da Organização da Sociedade Civil de Interesse Público INSTITUTO DIGNIDADE DE VALORIZAÇÃO DA VIDA Capítulo I DA DENOMINAÇÃO, SEDE E FINS Art. 1º. O Instituto Dignidade de Valorização da Vida,

Leia mais

FEDERAÇÂO PAULISTA DE FUTEBOL DIGITAL E VIRTUAL

FEDERAÇÂO PAULISTA DE FUTEBOL DIGITAL E VIRTUAL FEDERAÇÂO PAULISTA DE FUTEBOL DIGITAL E VIRTUAL São Paulo SP ESTATUTO CAPÍTULO I - DA FEDERAÇÃO E SEUS FINS Art. 1º - A FEDERAÇÃO PAULISTA DE FUTEBOL DIGITAL E VIRTUAL, também designada pela sigla FPFDV,

Leia mais

Associação Paulista de Saúde Pública ESTATUTO 1

Associação Paulista de Saúde Pública ESTATUTO 1 Associação Paulista de Saúde Pública ESTATUTO 1 CAPÍTULO I Da Denominação, Sede e Fins Art. 1 º. A Associação Paulista de Saúde Pública, APSP, fundada em 15 de dezembro de 1972, Sociedade Civil, sem fins

Leia mais

AMAPIJS Associação Municipal dos Aposentados e Pensionistas do ISSEM de Jaraguá do Sul

AMAPIJS Associação Municipal dos Aposentados e Pensionistas do ISSEM de Jaraguá do Sul AMAPIJS Associação Municipal dos Aposentados e Pensionistas do ISSEM de Jaraguá do Sul CAPÍTULO I DA DENOMINAÇÃO, SEDE E AFINS. Art. 1º- A Associação Municipal dos Aposentados e Pensionistas de Jaraguá

Leia mais

ESTATUTO SOCIAL. Clube Sul Mineiro de Voo Livre. CAPÍTULO I Da denominação, sede, fins e duração

ESTATUTO SOCIAL. Clube Sul Mineiro de Voo Livre. CAPÍTULO I Da denominação, sede, fins e duração ESTATUTO SOCIAL Clube Sul Mineiro de Voo Livre CAPÍTULO I Da denominação, sede, fins e duração ARTIGO 1º - O CLUBE SUL MINEIRO DE VÔO LIVRE C.S.M.V.L., fundado em 27 de junho de 1996, é uma sociedade civil

Leia mais

REGIMENTO DA DIRETORIA DO IBAPE/SP. Art. 19, 20, 21, 22, 23, 24, 25, 26, 27, 28, 29, 30, 31, 32 e 33 do Estatuto

REGIMENTO DA DIRETORIA DO IBAPE/SP. Art. 19, 20, 21, 22, 23, 24, 25, 26, 27, 28, 29, 30, 31, 32 e 33 do Estatuto REGIMENTO DA DIRETORIA DO IBAPE/SP Art. 19, 20, 21, 22, 23, 24, 25, 26, 27, 28, 29, 30, 31, 32 e 33 do Estatuto 1. OBJETIVO: A Diretoria do IBAPE/SP tem por objetivo: 1.1) Dirigir as atividades, administrar

Leia mais

GRUPO DE ESTUDOS E PESQUISA EM NUTRIÇÃO E DIETÉTICA ESTATUTO GEPNuDi

GRUPO DE ESTUDOS E PESQUISA EM NUTRIÇÃO E DIETÉTICA ESTATUTO GEPNuDi GRUPO DE ESTUDOS E PESQUISA EM NUTRIÇÃO E DIETÉTICA ESTATUTO GEPNuDi CAPÍTULO I DA FINALIDADE E CONSTITUIÇÃO Art. 1º - Ora em diante, o denominado GEPNuDi Grupo de Estudos e Pesquisa em Nutrição e Dietética

Leia mais

I - DA DEFINIÇÃO E OBJETIVOS II - DA COMPOSIÇÃO, DIREITOS E DEVERES DOS MEMBROS

I - DA DEFINIÇÃO E OBJETIVOS II - DA COMPOSIÇÃO, DIREITOS E DEVERES DOS MEMBROS REGIMENTO INTERNO DA COMISSÃO PERMANENTE DE ACOMPANHAMENTO DE AÇÕES JUDICIAIS RELEVANTES - COPAJURE DO CONSELHO NACIONAL DOS DIRIGENTES DE REGIMES PRÓPRIOS DE PREVIDÊNCIA SOCIAL - CONAPREV I - DA DEFINIÇÃO

Leia mais

BOTICÁRIO PREV SOCIEDADE DE PREVIDÊNCIA PRIVADA ESTATUTO ÍNDICE. I - Da Entidade II - Das Patrocinadoras III - Do Quadro Social...

BOTICÁRIO PREV SOCIEDADE DE PREVIDÊNCIA PRIVADA ESTATUTO ÍNDICE. I - Da Entidade II - Das Patrocinadoras III - Do Quadro Social... BOTICÁRIO PREV SOCIEDADE DE PREVIDÊNCIA PRIVADA ESTATUTO ÍNDICE I - Da Entidade... 2 II - Das Patrocinadoras... 2 III - Do Quadro Social... 3 IV Dos Benefícios... 3 V - Do Patrimônio e do Exercício Social...

Leia mais

ASSOCIAÇÃO DE DIRIGENTES CRISTÃOS DE EMPRESAS - RS ADCE Regional da Serra

ASSOCIAÇÃO DE DIRIGENTES CRISTÃOS DE EMPRESAS - RS ADCE Regional da Serra ESTATUTO DA ASSOCIAÇÃO DE DIRIGENTES CRISTÃOS DE EMPRESAS Regional da Serra CAPÍTULO I DA DENOMINAÇÃO, SEDE, FORO, DURAÇÃO E FINS Art. 1º. A Associação de Dirigentes Cristãos de Empresas Regional da Serra,

Leia mais

REGIMENTO INTERNO NORMA Nº 02/ DO REGULAMENTO ELEIÇÕES DA DIRETORIA EXECUTIVA E CONSELH0 FISCAL

REGIMENTO INTERNO NORMA Nº 02/ DO REGULAMENTO ELEIÇÕES DA DIRETORIA EXECUTIVA E CONSELH0 FISCAL REGIMENTO INTERNO NORMA Nº 02/2010 - DO REGULAMENTO ELEIÇÕES DA DIRETORIA EXECUTIVA E CONSELH0 FISCAL Art. 1º - Este Regulamento fixa normas para eleição da Diretoria Executiva e Conselho Fiscal da, de

Leia mais

ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE GEOLOGOS DE PETROLEO (THE BRAZILIAN ASSOCIATION OF PETROLEUM GEOLOGISTS)

ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE GEOLOGOS DE PETROLEO (THE BRAZILIAN ASSOCIATION OF PETROLEUM GEOLOGISTS) ESTATUTO ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE GEOLOGOS DE PETROLEO (THE BRAZILIAN ASSOCIATION OF PETROLEUM GEOLOGISTS) VERSÃO: 12 de Novembro de 2008. ESTATUTO DA ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE GEOLOGOS DE PETROLEO (THE

Leia mais

ESTATUTO SOCIAL DO INSTITUTO BRASILEIRO DE ESTUDOS DE RECUPERAÇÃO DE EMPRESAS IBR CAPÍTULO I DENOMINAÇÃO, SEDE, PRAZO, FINALIDADES E PATRIMÔNIO

ESTATUTO SOCIAL DO INSTITUTO BRASILEIRO DE ESTUDOS DE RECUPERAÇÃO DE EMPRESAS IBR CAPÍTULO I DENOMINAÇÃO, SEDE, PRAZO, FINALIDADES E PATRIMÔNIO 1 ESTATUTO SOCIAL DO INSTITUTO BRASILEIRO DE ESTUDOS DE RECUPERAÇÃO DE EMPRESAS IBR CAPÍTULO I DENOMINAÇÃO, SEDE, PRAZO, FINALIDADES E PATRIMÔNIO Art. 1º O INSTITUTO BRASILEIRO DE ESTUDOS DE RECUPERAÇÃO

Leia mais

ASSOCIAÇÃO DAS EMPRESAS DA CIDADE INDUSTRIAL DE CURITIBA A E C I C ESTATUTO SOCIAL

ASSOCIAÇÃO DAS EMPRESAS DA CIDADE INDUSTRIAL DE CURITIBA A E C I C ESTATUTO SOCIAL ASSOCIAÇÃO DAS EMPRESAS DA CIDADE INDUSTRIAL DE CURITIBA A E C I C ESTATUTO SOCIAL CAPÍTULO 1 Denominação, Prazo de Duração, Sede e Finalidades. Art. 1º - Sob a denominação de Associação das Empresas da

Leia mais

A P P Associação dos Portos de Portugal Estatutos

A P P Associação dos Portos de Portugal Estatutos A P P Associação dos Portos de Portugal Estatutos CAPÍTULO I DENOMINAÇÃO, SEDE, ÂMBITO E FINS Artigo 1º É constituída uma associação, sem fins lucrativos, denominada APP Associação dos Portos de Portugal,

Leia mais

SISTEMA ELEITORAL PARA ESCOLHA DOS COORDENADORES REGIONAIS E ESTADUAL DO COLÉGIO DE ENTIDADES DE CLASSE REGISTRADAS NO CREA-RS

SISTEMA ELEITORAL PARA ESCOLHA DOS COORDENADORES REGIONAIS E ESTADUAL DO COLÉGIO DE ENTIDADES DE CLASSE REGISTRADAS NO CREA-RS SISTEMA ELEITORAL PARA ESCOLHA DOS COORDENADORES REGIONAIS E ESTADUAL DO COLÉGIO DE ENTIDADES DE CLASSE REGISTRADAS NO CREA-RS CAPÍTULO I - DOS OBJETIVOS Art. 1º Este Regulamento Eleitoral estabelece normas

Leia mais

ESTATUTO Modelo de Organização da Sociedade Civil de Interesse Público - OSCIP CAPÍTULO I DA DENOMINAÇÃO, SEDE E FINS

ESTATUTO Modelo de Organização da Sociedade Civil de Interesse Público - OSCIP CAPÍTULO I DA DENOMINAÇÃO, SEDE E FINS LEGENDA Texto em NEGRITO: Claúsulas que devem necessariamente constar do Estatuto, por força da Lei nº 9.790/99. Texto em Itálico: observações pertinentes ESTATUTO Modelo de Organização da Sociedade Civil

Leia mais

ESTATUTO. - Associação Brasileira de Energia Nuclear - (Aben)

ESTATUTO. - Associação Brasileira de Energia Nuclear - (Aben) ESTATUTO - Associação Brasileira de Energia Nuclear - (Aben) CAPÍTULO I CONSTITUIÇÃO, DENOMINAÇÃO, SEDE E DURAÇÃO Art. 1º - A Associação Brasileira de Energia Nuclear (ABEN) é uma sociedade civil, de caráter

Leia mais

Registre no Cartório de Títulos e Documentos de sua cidade. Com o Estatuto registrado, tire o CNPJ, no órgão apropriado em sua cidade.

Registre no Cartório de Títulos e Documentos de sua cidade. Com o Estatuto registrado, tire o CNPJ, no órgão apropriado em sua cidade. ESTATUTO / ATA DE FUNDAÇÃO DE UMA ASSOCIAÇÃO DE AMIGOS Para criar uma Associação de Amigos de seu Município, que é a nossa recomendação para atuar economicamente no Programa As Minas Gerais, você poderá

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNINOVAFAPI. COMITÊ DE ÉTICA NO USO DE ANIMAIS CEUA REGIMENTO DA COMISSÃO DE ÉTICA NO USO DE ANIMAIS

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNINOVAFAPI. COMITÊ DE ÉTICA NO USO DE ANIMAIS CEUA REGIMENTO DA COMISSÃO DE ÉTICA NO USO DE ANIMAIS CENTRO UNIVERSITÁRIO UNINOVAFAPI. COMITÊ DE ÉTICA NO USO DE ANIMAIS CEUA REGIMENTO DA COMISSÃO DE ÉTICA NO USO DE ANIMAIS Teresina (PI), setembro de 2012. 1 SUMÁRIO Capítulo Página I. Das finalidades 03

Leia mais

ESTATUTO DO CENTRO ACADÊMICO DO CURSO DE ANÁLISE E DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS DA FACULDADE DE TECNOLOGIA DE CARAPICUÍBA FATEC CARAPICUÍBA

ESTATUTO DO CENTRO ACADÊMICO DO CURSO DE ANÁLISE E DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS DA FACULDADE DE TECNOLOGIA DE CARAPICUÍBA FATEC CARAPICUÍBA ESTATUTO DO CENTRO ACADÊMICO DO CURSO DE ANÁLISE E DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS DA FACULDADE DE TECNOLOGIA DE CARAPICUÍBA FATEC CARAPICUÍBA CAPÍTULO I - Da Entidade Art. 1º: O Centro Acadêmico do curso

Leia mais

SUGESTÃO PARA ELABORAÇÃO DO ESTATUTO DO CONSELHO DELIBERATIVO DAS ASSESSORIAS PEDAGÓGICAS - CDAP

SUGESTÃO PARA ELABORAÇÃO DO ESTATUTO DO CONSELHO DELIBERATIVO DAS ASSESSORIAS PEDAGÓGICAS - CDAP SUGESTÃO PARA ELABORAÇÃO DO ESTATUTO DO CONSELHO DELIBERATIVO DAS ASSESSORIAS PEDAGÓGICAS - CDAP 1 ESTATUTO DO CONSELHO DELIBERATIVO DA ASSESSORIA PEDAGÓGICA CAPÍTULO I DA DENOMINAÇÃO, CONSTITUIÇÃO, SEDE

Leia mais

ESTATUTO SOCIAL. CAPÍTULO I Da Denominação, Caráter, Sede, Finalidade e Duração

ESTATUTO SOCIAL. CAPÍTULO I Da Denominação, Caráter, Sede, Finalidade e Duração ESTATUTO SOCIAL CAPÍTULO I Da Denominação, Caráter, Sede, Finalidade e Duração Art 1º - Sob a denominação de CPDoc - Centro de Pesquisa e Documentação Espírita, fica constituída uma associação civil espírita

Leia mais

CONSOLIDAÇÃO ESTATUTÁRIA DA ASSOCIAÇÃO GRAMADENSE DE ESTUDANTES UNIVERSITÁRIOS AGEU CAPÍTULO 1 DA DENOMINAÇÃO, DOS FINS, DA SEDE E DA DURAÇÃO

CONSOLIDAÇÃO ESTATUTÁRIA DA ASSOCIAÇÃO GRAMADENSE DE ESTUDANTES UNIVERSITÁRIOS AGEU CAPÍTULO 1 DA DENOMINAÇÃO, DOS FINS, DA SEDE E DA DURAÇÃO CONSOLIDAÇÃO ESTATUTÁRIA DA ASSOCIAÇÃO GRAMADENSE DE ESTUDANTES UNIVERSITÁRIOS AGEU CAPÍTULO 1 DA DENOMINAÇÃO, DOS FINS, DA SEDE E DA DURAÇÃO Artigo 1º - Sob a denominação de ASSOCIAÇÃO GRAMADENSE DE ESTUDANTES

Leia mais

REGULAMENTO DA COMISSÃO DE BANCAS DA ESCOLA PAULISTA DE POLÍTICA, ECONOMIA E NEGÓCIOS (EPPEN)/UNIFESP

REGULAMENTO DA COMISSÃO DE BANCAS DA ESCOLA PAULISTA DE POLÍTICA, ECONOMIA E NEGÓCIOS (EPPEN)/UNIFESP REGULAMENTO DA COMISSÃO DE BANCAS DA ESCOLA PAULISTA DE POLÍTICA, ECONOMIA E NEGÓCIOS (EPPEN)/UNIFESP Dispõe sobre as atribuições Comissão de Bancas Examinadoras da EPPEN/UNIFESP, sua composição e condução

Leia mais

DECRETO Nº , DE 13 DE MARÇO DE

DECRETO Nº , DE 13 DE MARÇO DE DECRETO Nº 22.787, DE 13 DE MARÇO DE 2002 1 Dispõe sobre a regulamentação do Conselho de Recursos Hídricos do Distrito Federal e dá outras providências. O GOVERNADOR DO DISTRITO FEDERAL, no uso das atribuições

Leia mais

ESTATUTO DA ASSOCIAÇÃO DOS PRODUTORES DE LEITE DE MATO GROSSO- APROLEITE/MT

ESTATUTO DA ASSOCIAÇÃO DOS PRODUTORES DE LEITE DE MATO GROSSO- APROLEITE/MT ESTATUTO DA ASSOCIAÇÃO DOS PRODUTORES DE LEITE DE MATO GROSSO- APROLEITE/MT CAPÍTULO I DENOMINAÇÃO, FINALIDADE, OBJETIVOS, SEDE, FORO E PRAZO DE DURAÇÃO Art. 1º A Associação dos Produtores de Leite de

Leia mais

Regimento do Comitê Financeiro. Grupo NEOENERGIA

Regimento do Comitê Financeiro. Grupo NEOENERGIA Regimento do Comitê Financeiro Grupo NEOENERGIA Regimento do Comitê Financeiro do Grupo NEOENERGIA constituído por decisão do Conselho de Administração da NEOENERGIA S.A O presente Regimento foi aprovado

Leia mais

ESTATUTO DA ASSOCIAÇÃO COMUNITÁRIA CULTURAL DE COMUNICAÇÃO DE TIMÓTEO

ESTATUTO DA ASSOCIAÇÃO COMUNITÁRIA CULTURAL DE COMUNICAÇÃO DE TIMÓTEO ESTATUTO DA ASSOCIAÇÃO COMUNITÁRIA CULTURAL DE COMUNICAÇÃO DE TIMÓTEO CAPÍTULO I DA ASSOCIAÇÃO, SEUS FINS, SEDE E DURAÇÃO ARTIGO 1º Sob a denominação de ASSOCIAÇÃO COMUNITÁRIA CULTURAL DE COMUNICAÇÃO DE

Leia mais

ASSOCIAÇÃO DOS SERVIDORES E EMPREGADOS PÚBLICOS DO SERVIÇO DE ATENDIMENTO IMEDIATO AO CIDADÃO - NA HORA - ASSOSEHORA

ASSOCIAÇÃO DOS SERVIDORES E EMPREGADOS PÚBLICOS DO SERVIÇO DE ATENDIMENTO IMEDIATO AO CIDADÃO - NA HORA - ASSOSEHORA ASSOCIAÇÃO DOS SERVIDORES E EMPREGADOS PÚBLICOS DO SERVIÇO DE ATENDIMENTO IMEDIATO AO CIDADÃO - NA HORA - ASSOSEHORA REGULAMENTO DA ELEIÇÃO PARA CARGOS DA DIRETORIA EXECUTIVA E CONSELHO FISCAL Em atendimento

Leia mais

ESCOLA TÉCNICA DO VALE DO ITAJAÍ ETEVI Reconhecida pela SED/SC Portaria 390/86 e 233/88

ESCOLA TÉCNICA DO VALE DO ITAJAÍ ETEVI Reconhecida pela SED/SC Portaria 390/86 e 233/88 ESCOLA TÉCNCA DO VALE DO TAJAÍ ETEV Reconhecida pela SED/SC Portaria 390/86 e 233/88 GRÊMO ESTUDANTL ETEV CAPÍTULO 1 Da Denominação, Sede, Fins e Duração Art. 1 o - O Grêmio Estudantil da ETEV, assim denominado,

Leia mais

ESTATUTOS DO CÍRCULO TEIXEIRA GOMES ASSOCIAÇÃO PELO ALGARVE TÍTULO I. Denominação, Natureza, Sede e Fins da Associação. Artigo Primeiro.

ESTATUTOS DO CÍRCULO TEIXEIRA GOMES ASSOCIAÇÃO PELO ALGARVE TÍTULO I. Denominação, Natureza, Sede e Fins da Associação. Artigo Primeiro. ESTATUTOS DO CÍRCULO TEIXEIRA GOMES ASSOCIAÇÃO PELO ALGARVE TÍTULO I Denominação, Natureza, Sede e Fins da Associação Artigo Primeiro Denominação A Associação terá a denominação de CÍRCULO TEIXEIRA GOMES

Leia mais

ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NEUROLOGIA E PSIQUIATRIA INFANTIL E PROFISSÕES AFINS - CAPÍTULO RIO DE JANEIRO ABENEPI - RJ

ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NEUROLOGIA E PSIQUIATRIA INFANTIL E PROFISSÕES AFINS - CAPÍTULO RIO DE JANEIRO ABENEPI - RJ ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NEUROLOGIA E PSIQUIATRIA INFANTIL E PROFISSÕES AFINS - CAPÍTULO RIO DE JANEIRO ABENEPI - RJ CAPÍTULO I DA ASSOCIAÇÃO, SEUS FINS SEDE E DURAÇÃO Artigo 1º A ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA

Leia mais

Anexo I REGIMENTO INTERNO DO COMITÊ DE GESTÃO DE PESSOAS E GOVERNANÇA CORPORATIVA

Anexo I REGIMENTO INTERNO DO COMITÊ DE GESTÃO DE PESSOAS E GOVERNANÇA CORPORATIVA Anexo I REGIMENTO INTERNO DO COMITÊ DE GESTÃO DE PESSOAS E GOVERNANÇA CORPORATIVA Artigo 1 : O Comitê de Gestão de Pessoas e Governança Corporativa ( Comitê ) é um órgão de apoio ao Conselho de Administração

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DO COMITÊ DE GESTÃO DE PESSOAS

REGIMENTO INTERNO DO COMITÊ DE GESTÃO DE PESSOAS REGIMENTO INTERNO DO COMITÊ DE GESTÃO DE PESSOAS APROVADO EM RCA DE 27/07/2016 CAPÍTULO I DO COMITÊ DE GESTÃO DE PESSOAS Art. 1º. O Comitê de Gestão de Pessoas ( Comitê ) é um órgão não estatutário, subordinado

Leia mais

SOCIEDADE DE EDUCAÇÃO E CULTURA DE GOIANIA LTDA FACULDADE PADRÃO SUMÁRIO REGULAMENTO INSTITUCIONAL DOS ÓRGÃOS COLEGIADOS DOS CURSOS 2 CAPÍTULO I 2

SOCIEDADE DE EDUCAÇÃO E CULTURA DE GOIANIA LTDA FACULDADE PADRÃO SUMÁRIO REGULAMENTO INSTITUCIONAL DOS ÓRGÃOS COLEGIADOS DOS CURSOS 2 CAPÍTULO I 2 SUMÁRIO REGULAMENTO INSTITUCIONAL DOS ÓRGÃOS COLEGIADOS DOS CURSOS 2 CAPÍTULO I 2 DOS ÓRGÃOS COLEGIADOS 2 CAPITULO II 2 DO COLEGIADO DOS CURSOS 2 CAPITULO III 3 MANDATOS DO COLEGIADO DO CURSO 3 CAPÍTULO

Leia mais

CONSTITUIÇÃO DE UMA ASSOCIAÇÃO

CONSTITUIÇÃO DE UMA ASSOCIAÇÃO CONSTITUIÇÃO DE UMA ASSOCIAÇÃO MODELO DE ESTATUTOS CAPÍTULO I Princípios Gerais Artigo 1º (Natureza e Sede) 1 - A Associação X, adiante designada por Associação, é constituída por jovens 18 aos 30 anos

Leia mais

ESTATUTO SOCIAL DA AMA ASSOCIAÇÃO DO VOLUNTÁRIO AMIGO

ESTATUTO SOCIAL DA AMA ASSOCIAÇÃO DO VOLUNTÁRIO AMIGO ESTATUTO SOCIAL DA AMA ASSOCIAÇÃO DO VOLUNTÁRIO AMIGO CAPÍTULO I DENOMINAÇÃO E SEDE Artigo Primeiro A AMA ASSOCIAÇÃO DO VOLUNTÁRIO AMIGO é uma Associação civil, pessoa jurídica de direito privado, constituída

Leia mais

EDITAL DE CONVOCAÇÃO Nº 001/ASDEFIG/2016

EDITAL DE CONVOCAÇÃO Nº 001/ASDEFIG/2016 Associação dos Deficientes Físicos de Guajará-Mirim/ASDEFIG Endereço: Av. XV de Novembro nº 2607 Bairro: Tamandaré CNPJ: 04.393.088/0001-00. Fundada 20 de julho de 1991 Fone: 351-7166/9989-2538 EDITAL

Leia mais