Estatuto Social da Associação dos Revendedores de Veículos Automotores de Pernambuco A S S O V E P E. Capítulo I

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Estatuto Social da Associação dos Revendedores de Veículos Automotores de Pernambuco A S S O V E P E. Capítulo I"

Transcrição

1 Estatuto Social da Associação dos Revendedores de Veículos Automotores de Pernambuco A S S O V E P E Capítulo I DA DENOMINAÇÃO, SEDE, DURAÇÃO E OBJETO Art. 1º. A Associação dos Revendedores de Veículos Automotores de Pernambuco, é uma sociedade civil, sem fins lucrativos, com sede na Avenida Caxangá, 365 1º. Andar, João Alfredo, cidade do Recife, Capital do Estado de Pernambuco, criada por tempo indeterminado e tem por objeto social: I congregar os comerciantes de veículos legalmente constituídos, com seus atos constitutivos arquivados na Junta Comercial do Estado de Pernambuco (JUCEPE); II desenvolver os associados nas suas atividades fins, através de cursos, seminários, conclaves, publicação de periódicos e outros meios próprios, de modo atingir aos propósitos desejados; III zelar e fiscalizar, sempre que necessário, as atividades constantes e instituías no código de ética; IV fortalecer as atividades da revenda de veículos, inclusive colaborando com as autoridades; V prestar apoio logístico aos associados em suas atividades fins, através dos meios de comunicação modernos, prestação de serviços e assessoria jurídica; VI promover e divulgar através de campanhas institucionais a ASSOVEPE; VII associar-se, se for o caso a entidade congênere, de modo fortalecer as atividades da revenda de veículos. Capítulo II DOS ÓRGÃOS DA ASSOCIAÇÃO, COMPOSIÇÃO E ATRIBUIÇÕES Art. 2º. A Associação possui os seguintes órgãos: I Assembléia geral dos associados; II Diretoria Executiva; III Conselho Fiscal e Suplentes. DA ASSEMBLÉIA GERAL ORDINÁRIA Art. 3º. A Assembléia geral dos associados reunir-se-á ordinariamente até o último dia do terceiro mês de cada ano para: a) aprovar as contas da gestão anterior; b) eleger os Diretores Executivos e os Membros do Conselho Fiscal e respectivos suplentes, se for o caso; c) aprovar o orçamento financeiro básico da Associação para o exercício do ano.

2 DA ASSEMBLÉIA GERAL EXTRAORDINÁRIA Art. 4º. A Assembléia geral extraordinária reunir-se-á a qualquer tempo, mediante convocação do Presidente, por deliberação da Diretoria ou pelo Conselho Fiscal, ou por solicitação dos associados que representem 20% (vinte por cento) do total dos associados, quites com os cofres da entidade. Art. 5º. As Assembléias serão convocadas com antecedência mínima de cinco dias, através de um único edital em jornal de grande circulação ou por correspondência individual registrada, ou pelas maneiras aqui indicadas e suas deliberações serão tomadas pela maioria dos associados presentes em primeira convocação, e, em segunda convocação, uma hora depois, com qualquer número de associados presentes. DA DIRETORIA Art. 6º. A Associação será dirigida por uma Diretoria Executiva, eleita pelo voto secreto e direto dos Associados quites com o pagamento de suas mensalidades e será composta por sete membros, com as seguintes denominações: a) Presidente; b) Vice-Presidente; c) Primeiro Secretário; d) Segundo Secretário; e) Tesoureiro; f) Vice-Tesoureiro; g) Diretor de Marketing. Parágrafo Único Na hipótese de vacância por renúncia, ausência, morte ou impedimento de qualquer Diretor, a Diretoria reunir-se-á dentro de, no máximo em cinco dias, a fim de proceder a escolha do novo vice-diretor que irá substituir o cargo da diretoria vago em decorrência da substituição pelo vice do titular renunciante, ausente, falecido ou impedido. Art. 7º. Compete ao Presidente: a) representar a Associação ativa ou passivamente, em juízo ou fora dele, e, em todas as suas atividades sociais; b) presidir reuniões da Diretoria e convocar as Assembléias Gerais dos associados; c) abrir e encerrar contas correntes e movimentar fundos reais existentes em estabelecimentos bancários, juntamente com o Diretor Tesoureiro; d) cumprir as deliberações da Diretoria ou das Assembléias Gerais. Art. 8º. Compete ao Vice-Presidente: a) substituir o Presidente em suas ausências e impedimentos; b) cumprir as deliberações da Diretoria ou das Assembléias Gerais; c) coordenar os serviços ou atividades instituías por este Estatuto. Art. 9º. Compete ao Primeiro Secretário: a) secretariar as Assembléias Gerais e Reuniões da Diretoria; b) manter sob sua guarda os livros de atas das Assembléias Gerais e presença de associados; c) coordenar a secretaria no tocante as correspondências expedidas e recebidas; d) cumprir as deliberações da Diretoria e das Assembléias Gerais da Associação. Art. 10º. Compete ao Segundo Secretário: a) substituir o Primeiro Secretário em suas ausências e impedimentos; b) colaborar com o Primeiro Secretário no controle das reuniões, elaboração das atas e no cumprimento das deliberações da Diretoria e Assembléias Gerais. Art. 11º. Compete ao Tesoureiro: a) guarda e controle dos registros dos associados; b) arrecadar as mensalidades dos associados; c) abrir, encerrar e movimentar, juntamente com o Presidente, fundos reais existentes, em nome da associação nos estabelecimentos de crédito; d) manter a guarda e controle do patrimônio da associação;

3 e) cumprir as deliberações da Diretoria e das Assembléias Gerais da Associação. Art. 12º. Compete ao Vice-Tesoureiro: a) substituir o Tesoureiro em suas ausências e impedimentos; b) controlar os recebimentos de mensalidades dos associados e dos pagamentos a terceiros; c) cumprir as deliberações da Diretoria e das Assembléias Gerais da Associação. Parágrafo Primeiro Ao Diretor de Marketing caberá promover as ações necessárias a atualização e modernização da comercialização de veículos entre os associados, bem como, atuar no apoio das ações da associação em marketing. Parágrafo Segundo Para efetivar depósitos e saques contra fundos reais existentes em conta corrente bancária da Associação, a movimentação poderá ser realizada com a assinatura de dois Diretores em conjunto independentemente das respectivas ordens de nomeação. Art. 13º. Nas alienações de imóveis somente serão válidas através de deliberação da Assembléia Geral, tomada pela maioria dos associados presentes e convocada especificamente para esse fim, previamente aprovadas e encaminhadas pelo Conselho Fiscal da Associação. Art. 14º. Compete ao Conselho Fiscal: DO CONSELHO FISCAL a) fiscalizar a gestão financeira da Diretoria Executiva,encaminhando à aprovação da Assembléia Geral as contas verificadas; b) aprovar e encaminhar à Assembléia Geral a venda de qualquer bem da Associação; c) requerer e fundamentar perante a Diretoria Executiva a convocação de Assembléia Geral, com finalidade específica. Art. 15º. Compete aos membros Suplentes do Conselho Fiscal: a) substituir os membros Efetivos do Conselho Fiscal em seus impedimentos e ausências; b) colaborar com os membros efetivos nas atividades inerentes de fiscalização da gestão financeira da Associação. Art. 16º. O mandato da Diretoria Executiva, dos Membros do Conselho Fiscal e Suplentes será de dois anos, podendo ser reeleitos por igual período. Capítulo III DOS SÓCIOS Art. 17º. A Associação será composta dos seguintes sócios: a) fundadores; b) contribuintes; c) beneméritos e, d) honorários. Art. 18º. Os sócios fundadores são aqueles que assinaram a ata de fundação da Associação. Art. 19º. Os sócios contribuintes são aqueles que embora fundadores ou não, contribuem com pagamento de suas mensalidades a Associação. Art. 20º. Sócios beneméritos serão atribuídos aqueles que, através de serviços ou contribuições relevantes a associação tenha, por deliberação da Assembléia Geral aprovado seus nomes. Art. 21º. Sócios honorários serão atribuídos aqueles que, pela posição que ocupe e pelos relevantes serviços prestados à sociedade ou a Associação, mereça receber essa honraria, que será outorgada pela Diretoria, por deliberação da maioria de seus membros.

4 Capítulo IV DOS DIREITOS E DEVERES DOS ASSOCIADOS Art. 22º. São direitos dos associados: a) votar e ser votado nas Assembléias Gerais para preencher qualquer cargo na Diretoria Executiva Conselho Fiscal e Suplentes; b) peticionar em causa própria ou de outro associado perante qualquer órgão da Associação; c) participar das assembléias e reuniões da Associação; d) encaminhar à diretoria Executiva a proposta para admissão de novo sócio ou indicação de sócios beneméritos ou honorários; e) usufruir dos serviços prestados pela Associação; f) retirar-se da associação, independentemente de qualquer aviso. Art. 23º. São deveres dos associados: a) aceitar sua indicação para representar a Associação em qualquer conclave ou evento; b) cumprir as deliberações das Assembléias Gerais; c) deliberar nas Assembléias Gerais sobre aquisição, permuta e alienação de bens da associação; d) cumprir e fazer cumprir o presente Estatuto Social, inclusive o Código de Ética instituído pela Associação; e) pagar suas contribuições a Associação em dia. Capítulo V DAS PENALIDADES Art. 24º. As penalidades a serem aplicadas aos associados, serão as seguintes: a) Advertência; b) Suspensão temporária dos direitos de sócio, e c) Exclusão do quadro social. Art. 25º. As punições serão aplicadas pela Diretoria, mediante a concessão de prévia e ampla defesa ao associado acusado, devendo sua deliberação ser realizada em caráter secreto, facultado ao acusado, antes do momento da deliberação, apresentar defesa escrita ou verbal. Capítulo VI DO PATRIMÔNIO Art. 26º. O patrimônio da Associação se constituirá dos seguintes bens: a) contribuições dos sócios; b) doações incondicionais de qualquer natureza; c) dotações governamentais; d) rendas e juros de aplicações financeiras; e) a denominação social, o logotipo depositado e dísticos criados; f) bens adquiridos por compra ou permuta. Capítulo VII DA EXCLUSÃO DA RESPONSABILIDADE E DA DELEGAÇÃO DE PODERES

5 Art. 27º. A Diretoria Executiva e os sócios não respondem nem mesmo subsidiariamente pelas obrigações contratuais pela Associação. Art. 28º. A Diretoria poderá nomear procuradores para praticarem atos expressamente estabelecidos, ficando desde logo explicitado que não será permitido, sob pena de nulidade absoluta: a) a outorga de procuração para movimentação de numerário da sociedade; b) outorga de aval, fiança ou outro qualquer ônus obrigacional em favor de terceiros, seja a que título for. Capítulo VIII DA ADMISSÃO DE NOVO SÓCIO Art. 29º. A admissão de um novo sócio será realizada mediante a indicação do candidato, por qualquer sócio a Diretoria Executiva, em cuja Seção será apresentado por qualquer Diretor, que não votará, devendo sua aprovação ocorrer por deliberação pela maioria de 2/3 dos presentes. A comunicação do resultado da aprovação ou não da aceitação do candidato pela associação será realizada pessoalmente pelo Diretor que o indicou à apreciação da Diretoria, ou pelo Presidente. Capítulo IX DAS AUDITORIAS Art. 30º. Ficam os associados desde logo cientes que a Associação poderá fiscalizar suas atividades de modo detectar ou inibir práticas contrárias aos preceitos do Código de Ética objetivado pela Associação. Capítulo X DESPESAS EXTRAORDINÁRIAS Art. 31º. A Associação poderá adquirir equipamentos para a prestação dos serviços a seus associados e, para tanto, deverá convocar Assembléia Geral Extraordinária, devendo as despesas ser rateadas pelos associados em partes iguais. Capítulo XI DAS MULTAS Art. 32º. O atraso do pagamento de mensalidade acima de 5 dias acarretará na cobrança de multa correspondente a 20% (vinte por cento) a ser cobrada com a mensalidade. Art. 33º. O atraso de três mensalidades acarretará na suspensão temporária do associado, bem como dos serviços que são prestados pela Associação aos sócios. Capítulo XII DISPOSIÇÕES FINAIS Art. 34º. Dentro de sessenta (60) dias, após o arquivamento dos atos constitutivos da ASSOVEPE, a Diretoria criará uma Comissão integrada de membros da Diretoria e três associados, a fim de elaborar um anteprojeto do Código de Ética, que deverá ser submetido para aprovação da assembléia geral extraordinária e integrará ao presente estatuto.

6 Art. 35º. O presente estatuto somente poderá ser alterado no todo ou em parte através de assembléia geral extraordinária, convocada especialmente para este fim, devendo ser aprovada por maioria absoluta dos sócios existentes e presentes a assembléia, que deliberará também por maioria dos presentes em primeira ou segunda convocação. Capítulo XIII DO FORO Art. 36º. O foro da Associação é o da comarca da Cidade do Recife, Capital do Estado de Pernambuco. Capítulo XIV DA EXTINÇÃO, LIQUIDAÇÃO E DESTINAÇÃO DOS BENS Art. 37º. A assembléia geral, especialmente convocada para este fim, com antecedência de 30 dias, decretará a extinção, liquidação e destinação dos bens remanescentes e sua entrega a instituição de caridade ou sem fins lucrativos. Os sócios presentes, por maioria absoluta em qualquer convocação, escolherá a comissão de liquidantes, composta de três pessoas, que será coordenada por um presidente, escolhido pelos componentes da comissão. Recife, 18 de maio de 1993.

CAPÍTULO I DA DENOMINAÇÃO - SEDE - FINS E DURAÇÃO

CAPÍTULO I DA DENOMINAÇÃO - SEDE - FINS E DURAÇÃO - ESTATUTO DA ASSOCIAÇÃO DA JUVENTUDE RURAL DE ARROIO DO TIGRE - Arroio do Tigre/RS. CAPÍTULO I DA DENOMINAÇÃO - SEDE - FINS E DURAÇÃO Artigo 1 - A ASSOCIAÇÃO DA JUVENTUDE RURAL DE ARROIO DO TIGRE, fundada

Leia mais

ESTATUTO DO GRUPO DO LEITE UNIVERSIDADE FEDERAL DE LAVRAS CAPÍTULO I - DOS OBJETIVOS

ESTATUTO DO GRUPO DO LEITE UNIVERSIDADE FEDERAL DE LAVRAS CAPÍTULO I - DOS OBJETIVOS ESTATUTO DO GRUPO DO LEITE UNIVERSIDADE FEDERAL DE LAVRAS CAPÍTULO I - DOS OBJETIVOS Art.1 - O GRUPO DO LEITE, da Universidade Federal de Lavras (UFLA), entidade civil, apartidária, sem fins lucrativos,

Leia mais

ESTATUTO DA AAPCEU. ART. 2º - A ASSOCIAÇÃO tem sede e foro na cidade de Belo Horizonte, Minas Gerais.

ESTATUTO DA AAPCEU. ART. 2º - A ASSOCIAÇÃO tem sede e foro na cidade de Belo Horizonte, Minas Gerais. ESTATUTO DA AAPCEU TÍTULO I - DA ENTIDADE Capítulo Único - Da Denominação, Sede e Objeto ART. 1º - A Associação dos Aposentados e Pensionistas da Caixa dos Empregados da Usiminas, doravante denominada

Leia mais

Estatuto da Associação dos Fabricantes de Placas para Veículos do Estado do Paraná

Estatuto da Associação dos Fabricantes de Placas para Veículos do Estado do Paraná 1 Estatuto da Associação dos Fabricantes de Placas para Veículos do Estado do Paraná Capítulo I A Associação dos Fabricantes de Placas para Veículos do Estado do Paraná e seus Fins Artigo 1º. A Associação

Leia mais

ESTATUTO DO CENTRO ACADÊMICO DO CURSO DE SECRETARIADO EXECUTIVO TRILÍNGUE DA UNIVERSIDADE LUTERANA DO BRASIL - CAMPUS CANOAS TÍTULO I

ESTATUTO DO CENTRO ACADÊMICO DO CURSO DE SECRETARIADO EXECUTIVO TRILÍNGUE DA UNIVERSIDADE LUTERANA DO BRASIL - CAMPUS CANOAS TÍTULO I ESTATUTO DO CENTRO ACADÊMICO DO CURSO DE SECRETARIADO EXECUTIVO TRILÍNGUE DA UNIVERSIDADE LUTERANA DO BRASIL - CAMPUS CANOAS TÍTULO I DO CENTRO ACADÊMICO DO SECRETARIADO EXECUTIVO TRILÍNGUE Art. 1 O Centro

Leia mais

Centro da Memória da Eletricidade no Brasil MEMÓRIA DA ELETRICIDADE ESTATUTO. CAPÍTULO I. Da Denominação, Objeto, Sede e Duração.

Centro da Memória da Eletricidade no Brasil MEMÓRIA DA ELETRICIDADE ESTATUTO. CAPÍTULO I. Da Denominação, Objeto, Sede e Duração. Centro da Memória da Eletricidade no Brasil MEMÓRIA DA ELETRICIDADE ESTATUTO CAPÍTULO I. Da Denominação, Objeto, Sede e Duração. Art. 1º - O Centro da Memória da Eletricidade no Brasil - MEMÓRIA DA ELETRICIDADE

Leia mais

Da Atividade da Associação. Dos Sócios

Da Atividade da Associação. Dos Sócios REGULAMENTO GERAL INTERNO Associação Trilhos da Boa Viagem (ATBV) Artigo 1º Da Atividade da Associação Objetivos e Atividades 1 A ATBV é uma associação de carácter desportivo, recreativo, cultural e educativo,

Leia mais

ESTATUTO FUNDAÇÃO EDUARDO CARLOS PEREIRA

ESTATUTO FUNDAÇÃO EDUARDO CARLOS PEREIRA ESTATUTO FUNDAÇÃO EDUARDO CARLOS PEREIRA CAPITULO I Da Natureza, Denominação, Sede, Finalidade Artigo 1º A Fundação Eduardo Carlos Pereira, dotada e organizada pela Igreja Presbiteriana Independente do

Leia mais

ESTATUTO DO CONSELHO NACIONAL DOS CORREGEDORES- GERAIS DO MINISTÉRIO PÚBLICO DOS ESTADOS E DA UNIÃO CNCGMP

ESTATUTO DO CONSELHO NACIONAL DOS CORREGEDORES- GERAIS DO MINISTÉRIO PÚBLICO DOS ESTADOS E DA UNIÃO CNCGMP ESTATUTO DO CONSELHO NACIONAL DOS CORREGEDORES- GERAIS DO CNCGMP Conforme 103ª Reunião Ordinária do dia 05 de agosto de 2016, à unanimidade, o CONSELHO NACIONAL DOS CORREGEDORES-GERAIS DO aprovou a redação

Leia mais

Sociedade Brasileira de História da Ciência. Estatuto

Sociedade Brasileira de História da Ciência. Estatuto Sociedade Brasileira de História da Ciência Estatuto Art. 1 A SOCIEDADE BRASILEIRA DE HISTÓRIA DA CIÊNCIA (SBHC), fundada na cidade de São Paulo, estado de São Paulo, em 16 de dezembro de 1983, é uma associação

Leia mais

ALTERAÇÃO E CONSOLIDAÇÃO DOS ATOS CONSTITUTIVOS DA ASSOCIAÇÃO JOSÉ GABRIEL DA COSTA

ALTERAÇÃO E CONSOLIDAÇÃO DOS ATOS CONSTITUTIVOS DA ASSOCIAÇÃO JOSÉ GABRIEL DA COSTA ALTERAÇÃO E CONSOLIDAÇÃO DOS ATOS CONSTITUTIVOS DA ASSOCIAÇÃO JOSÉ GABRIEL DA COSTA CAPÍTULO I - DA DENOMINAÇÃO, SEDE E FINS. Art.1º A Associação José Gabriel da Costa, fundada em 07 de novembro de 2006

Leia mais

Estatuto Social da Sociedade Brasileira de Matemática

Estatuto Social da Sociedade Brasileira de Matemática Estatuto Social da Sociedade Brasileira de Matemática Capítulo I - Do Nome e das Finalidades Art. 1º - A Sociedade Brasileira de Matemática ( SBM ), com sede na cidade do Rio de Janeiro, na Estrada Dona

Leia mais

Estatuto da Associação Brasileira de Radiologia Veterinária

Estatuto da Associação Brasileira de Radiologia Veterinária Estatuto da Associação Brasileira de Radiologia Veterinária Capítulo I Da Denominação, Composição, Duração e Finalidades Artigo 1º Sob a denominação de Associação Brasileira de Radiologia Veterinária,

Leia mais

Associação Nacional de Pesquisa e PósGraduação em Música. ANPPOM - Associação Nacional de Pesquisa e Pós-Graduação em Música ESTATUTO SOCIAL

Associação Nacional de Pesquisa e PósGraduação em Música. ANPPOM - Associação Nacional de Pesquisa e Pós-Graduação em Música ESTATUTO SOCIAL ANPPOM - Associação Nacional de Pesquisa e Pós-Graduação em Música ESTATUTO SOCIAL CAPÍTULO l DA FUNDAÇÃO, DENOMINAÇÃO, FINS, DURAÇÃO, MANUTENÇÃO, SEDE E FORO Artigo 1º - Associação Nacional de Pesquisa

Leia mais

Estatuto Hemodinâmica

Estatuto Hemodinâmica Estatuto Hemodinâmica CAPÍTULO I Do Departamento, sua organização e finalidade Art. 1º - O Departamento de Hemodinâmica e Cardiologia Intervencionista da Sociedade de Cardiologia do Rio Grande do Sul (SBC/RS),

Leia mais

Estatuto da Associação Mães que Oram Pelos Filhos Arquidiocese de Vitoria/ES AM0

Estatuto da Associação Mães que Oram Pelos Filhos Arquidiocese de Vitoria/ES AM0 Estatuto da Associação Mães que Oram Pelos Filhos Arquidiocese de Vitoria/ES AM0 Capítulo I DA DENOMINAÇÃO, NATUREZA, SEDE, FINS E DURAÇÃO Art. 1º. A Associação de Mães que oram pelos Filhos doravante

Leia mais

Estatuto da Associação Mães que Oram Pelos Filhos Arquidiocese de Vitoria/ES - AMOF-AVES

Estatuto da Associação Mães que Oram Pelos Filhos Arquidiocese de Vitoria/ES - AMOF-AVES Estatuto da Associação Mães que Oram Pelos Filhos Arquidiocese de Vitoria/ES - AMOF-AVES Capítulo I DA DENOMINAÇÃO, NATUREZA, SEDE, FINS E DURAÇÃO Art. 1º. A Associação de Mães que oram pelos Filhos doravante

Leia mais

Prazo para as inscrições: 06 de janeiro de 2017 a 25 de janeiro de 2017.

Prazo para as inscrições: 06 de janeiro de 2017 a 25 de janeiro de 2017. Documento Orientador para a inscrição das chapas candidatas aos cargos da Diretoria Executiva (mandato 2017 2019) e aos Conselhos Fiscal e Deliberativo Atendendo ao que dispõe o Estatuto Social e o Regimento

Leia mais

ESTATUTO SOCIAL. CAPÍTULO I Da Denominação, Sede, Objeto e Duração

ESTATUTO SOCIAL. CAPÍTULO I Da Denominação, Sede, Objeto e Duração ESTATUTO SOCIAL CAPÍTULO I Da Denominação, Sede, Objeto e Duração Artigo 1º - A Cemig Participações Minoritárias S.A. (a Sociedade ) é uma sociedade anônima de capital fechado, subsidiária integral, que

Leia mais

PROPOSTA ESTATUTO DO CENTRO ACADÊMICO DE GESTÃO ESPORTIVA E LAZER_7

PROPOSTA ESTATUTO DO CENTRO ACADÊMICO DE GESTÃO ESPORTIVA E LAZER_7 ESTATUTO DO CENTRO ACADÊMICO DE GESTÃO ESPORTIVA E LAZER, DO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO RIO GRANDE DO SUL CÂMPUS RESTINGA CAGEL. TÍTULO I DO CENTRO ACADÊMICO DE GESTÃO ESPORTIVA

Leia mais

USINA TÉRMICA IPATINGA S. A. ESTATUTO SOCIAL. CAPÍTULO I Denominação, Sede, Objeto e Duração

USINA TÉRMICA IPATINGA S. A. ESTATUTO SOCIAL. CAPÍTULO I Denominação, Sede, Objeto e Duração USINA TÉRMICA IPATINGA S. A. O presente Estatuto Social é uma consolidação do aprovado pela Escritura Pública de Constituição, em 11-08-2000 - arquivada na JUCEMG em 16-08-2000, sob o nº 3130001496-7,

Leia mais

ESTATUTO DA ASSOCIAÇÃO AMIGOS DE SANTA RITA

ESTATUTO DA ASSOCIAÇÃO AMIGOS DE SANTA RITA ESTATUTO DA ASSOCIAÇÃO AMIGOS DE SANTA RITA Este Estatuto foi aprovado em Assembléia Extraordinária realizada em 18 de dezembro de 2004. Capítulo I Da Fundação - Denominação - Fins e Sede Art. 1º - A Associação

Leia mais

ESTATUTO DO CENTRO DE PESQUISAS AVANÇADAS EM QUALIDADE DE VIDA CPAQV

ESTATUTO DO CENTRO DE PESQUISAS AVANÇADAS EM QUALIDADE DE VIDA CPAQV ESTATUTO DO CENTRO DE PESQUISAS AVANÇADAS EM QUALIDADE DE VIDA CPAQV Título I DA DENOMINAÇÃO, CRIAÇÃO, DURAÇÃO, OBJETIVO, FINALIDADES, SEDE E PATRIMÔNIO Artigo 1 º - O Centro de Pesquisas Avançadas em

Leia mais

ESTATUTOS DA ACADEMIA DE LETRAS DE TRÁS-OS-MONTES CAPÍTULO I CONSTITUIÇÃO, DURAÇÃO E SEDE

ESTATUTOS DA ACADEMIA DE LETRAS DE TRÁS-OS-MONTES CAPÍTULO I CONSTITUIÇÃO, DURAÇÃO E SEDE ESTATUTOS DA ACADEMIA DE LETRAS DE TRÁS-OS-MONTES CAPÍTULO I CONSTITUIÇÃO, DURAÇÃO E SEDE Artigo 1º Constituição e denominação É constituída uma associação civil sem fins lucrativos denominada Academia

Leia mais

ESTATUTO DA ASSOCIAÇÃO DE BRASILEIROS ESTUDANTES DE PÓS- GRADUAÇÃO E PESQUISADORES NO REINO UNIDO (ABEP- UK)

ESTATUTO DA ASSOCIAÇÃO DE BRASILEIROS ESTUDANTES DE PÓS- GRADUAÇÃO E PESQUISADORES NO REINO UNIDO (ABEP- UK) ESTATUTO DA ASSOCIAÇÃO DE BRASILEIROS ESTUDANTES DE PÓS- GRADUAÇÃO E PESQUISADORES NO REINO UNIDO (ABEP- UK) 15 de Fevereiro de 2013 CAPÍTULO I DA DENOMINAÇÃO, SEDE, DURAÇÃO E FINALIDADES Art. 1 - A Associação

Leia mais

ESTATUTO DA ASSOCIAÇÃO DOS PROFISSIONAIS DE HIGIENIZAÇÃO E LAVANDERIA DA REGIÃO SUL - APHILAV. APROVADO EM ASSEMBLÉIA GERAL DO DIA 30/03/2005

ESTATUTO DA ASSOCIAÇÃO DOS PROFISSIONAIS DE HIGIENIZAÇÃO E LAVANDERIA DA REGIÃO SUL - APHILAV. APROVADO EM ASSEMBLÉIA GERAL DO DIA 30/03/2005 ESTATUTO DA ASSOCIAÇÃO DOS PROFISSIONAIS DE HIGIENIZAÇÃO E LAVANDERIA DA REGIÃO SUL - APHILAV. APROVADO EM ASSEMBLÉIA GERAL DO DIA 30/03/2005 Capítulo 1 TITULO, DESTINAÇÃO, SEDE, FORO Artigo 1 A ASSOCIAÇÃO

Leia mais

SOCIEDADE BRASILEIRA DE ESTUDOS CLÁSSICOS

SOCIEDADE BRASILEIRA DE ESTUDOS CLÁSSICOS SOCIEDADE BRASILEIRA DE ESTUDOS CLÁSSICOS Fundada em 13 de julho de 1985 CNPJ 21.943.618/0001-65 IE: isenta www.classica.org.br coorinfeu@classica.org.br ESTATUTO DA SOCIEDADE BRASILEIRA DE ESTUDOS CLÁSSSICOS

Leia mais

Regimento Interno Conselho de Consumidores Bandeirante Energia S.A.

Regimento Interno Conselho de Consumidores Bandeirante Energia S.A. Regimento Interno Conselho de Consumidores Bandeirante Energia S.A. 1. Da Natureza e Objetivo 1.1. O Conselho de Consumidores da área de concessão da Bandeirante Energia S.A. é um órgão sem personalidade

Leia mais

DO CENTRO ACADÊMICO DE ECONOMIA CAPÍTULO I

DO CENTRO ACADÊMICO DE ECONOMIA CAPÍTULO I DO CENTRO ACADÊMICO DE ECONOMIA CAPÍTULO I Da Entidade Art. 1º O Centro Acadêmico de Economia (CAE) fundado em 05-12-2013, constitui-se em sociedade civil sem fins lucrativos, apartidária, e é o órgão

Leia mais

NESC/UFG NÚCLEO DE ESTUDOS EM SAÚDE COLETIVA

NESC/UFG NÚCLEO DE ESTUDOS EM SAÚDE COLETIVA REGIMENTO CAPÍTULO I DA PERSONALIDADE, AUTONOMIA E SEDE Art. 1º O Núcleo de Estudos em Saúde Coletiva é uma entidade de trabalho interdisciplinar, sem fins lucrativos, com finalidades científicas na área

Leia mais

FUNDAÇÃO EDUCACIONAL DE ANDRADINA

FUNDAÇÃO EDUCACIONAL DE ANDRADINA FUNDAÇÃO EDUCACIONAL DE ANDRADINA ESTATUTO DO DIRETÓRIO ACADÊMICO DA AGRONOMIA 2016 ESTATUTO DO DIRETÓRIO ACADÊMICO CAPÍTULO I DA NATUREZA Art. 1º - O Diretório Acadêmico do curso de Agronomia das Faculdades

Leia mais

ESTATUTOS DA ASSOCIAÇÃO OBRIGADO PORTUGAL. Capítulo I Princípios Gerais

ESTATUTOS DA ASSOCIAÇÃO OBRIGADO PORTUGAL. Capítulo I Princípios Gerais ESTATUTOS DA ASSOCIAÇÃO OBRIGADO PORTUGAL Capítulo I Princípios Gerais Artigo 1º Denominação, sede e duração 1. A Associação, sem fins lucrativos, adota a denominação ASSOCIAÇÃO OBRIGADO PORTUGAL. 2. A

Leia mais

ESTATUTO DO SINAGÊNCIAS Sindicato Nacional dos Servidores e Demais Agentes Públicos das Agências Nacionais de Regulação

ESTATUTO DO SINAGÊNCIAS Sindicato Nacional dos Servidores e Demais Agentes Públicos das Agências Nacionais de Regulação ESTATUTO DO SINAGÊNCIAS Sindicato Nacional dos Servidores e Demais Agentes Públicos das Agências Nacionais de Regulação (Aprovado em 22 de dezembro de 2004, em Brasília-DF) Capítulo I Do Sindicato e seus

Leia mais

ATRIBUIÇÕES E COMPETÊNCIAS DOS CONSELHEIROS DO CAU/PR

ATRIBUIÇÕES E COMPETÊNCIAS DOS CONSELHEIROS DO CAU/PR ATRIBUIÇÕES E COMPETÊNCIAS DOS CONSELHEIROS DO CAU/PR O Regimento Interno do Conselho de Arquitetura e Urbanismo do Paraná, em seu Capítulo III, nas Seções I, II e III, estabelece as atribuições e competências

Leia mais

ASSOCIAÇÃO DE AMIGOS DO ARQUIVO PÚBLICO DO ESTADO DE SANTA CATARINA (AAA-SC)

ASSOCIAÇÃO DE AMIGOS DO ARQUIVO PÚBLICO DO ESTADO DE SANTA CATARINA (AAA-SC) ASSOCIAÇÃO DE AMIGOS DO ARQUIVO PÚBLICO DO ESTADO DE SANTA CATARINA (AAA-SC) ESTATUTOS CAPÍTULO I Da denominação, sede e duração Artigo I? Sob a denominação de ASSOCIAÇÃO DE AMIGOS DO ARQUIVO PÚBLICO DO

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 118, DE 22 DE OUTUBRO DE 2015

RESOLUÇÃO Nº 118, DE 22 DE OUTUBRO DE 2015 RESOLUÇÃO Nº 118, DE 22 DE OUTUBRO DE 2015 O CONSELHO UNIVERSITÁRIO da Universidade Federal do Pampa, em sua 68ª Reunião Ordinária, realizada no dia 22 de outubro de 2015, no uso das atribuições que lhe

Leia mais

Estatuto da Associação dos Orquidofilos de

Estatuto da Associação dos Orquidofilos de Estatuto da Associação dos Orquidofilos de CAPITULO I DA DENOMINAÇÃO, SEDE E FINS Artigo 1º A Associação dos Orquidofilos de, designada pela sigla, fundada em de do ano., Estado de, na Rua, nº,, e foro

Leia mais

ESTATUTO SOCIAL DA ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE CERÂMICA ABCERAM

ESTATUTO SOCIAL DA ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE CERÂMICA ABCERAM Estatuto alterado e aprovado na Assembleia Geral Extraordinária, realizada em 20 de maio de 2013. Registro no Cartório "1º Oficial de Registro de Títulos e Documentos e Civil de Pessoa Jurídica da Capital",

Leia mais

FUNDAÇÃO DE APOIO AO ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO DE ITAJUBÁ ESTATUTO ITAJUBÁ MG

FUNDAÇÃO DE APOIO AO ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO DE ITAJUBÁ ESTATUTO ITAJUBÁ MG FUNDAÇÃO DE APOIO AO ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO DE ITAJUBÁ ESTATUTO ITAJUBÁ MG ÍNDICE I. Da Denominação, Regime Jurídico, Sede, Foro e Duração... 01 II. Dos Objetivos... 01 III. Do Patrimônio... 03 IV.

Leia mais

ESTATUTOS DA ASSOCIAÇÃO JUVENIL

ESTATUTOS DA ASSOCIAÇÃO JUVENIL ESTATUTOS DA ASSOCIAÇÃO JUVENIL CAPÍTULO I Princípios Gerais Artigo 1º - Natureza e Sede A Associação adopta a designação de (nome da Associação), e tem a sua sede provisória no Concelho de (designação

Leia mais

ASSOCIAÇÃO DE LOJISTAS DE SHOPPING DO ESTADO DE PERNAMBUCO

ASSOCIAÇÃO DE LOJISTAS DE SHOPPING DO ESTADO DE PERNAMBUCO ASSOCIAÇÃO DE LOJISTAS DE SHOPPING DO ESTADO DE PERNAMBUCO ESTATUTO SOCIAL CAPÍTULO I DA DENOMINAÇÃO, PRAZO, SEDE E OBJETIVOS. Art. 1º A ASSOCIAÇÃO DE LOJISTAS DE SHOPPING DO ESTADO DE PERNAMBUCO, é uma

Leia mais

Estatuto da Sociedade Brasileira de Catálise

Estatuto da Sociedade Brasileira de Catálise 1 Estatuto da Sociedade Brasileira de Catálise CAPITULO I Da Associação Art. 1º. A Sociedade Brasileira de Catálise, doravante denominada apenas SBCat, fundada em 18 de setembro de 1997, é uma sociedade

Leia mais

Estatuto. Capítulo I - Denominação, Sede, Finalidade e Duração

Estatuto. Capítulo I - Denominação, Sede, Finalidade e Duração Estatuto Capítulo I - Denominação, Sede, Finalidade e Duração Artigo 1 - A "Empresa Júnior de Informática, doravante denominada No Bugs, é uma pessoa jurídica de direito privado, uma associação civil sem

Leia mais

ASSOCIAÇÃO DE AMIGOS DO JARDIM BOTÂNICO DO RIO DE JANEIRO - AAJB ESTATUTO

ASSOCIAÇÃO DE AMIGOS DO JARDIM BOTÂNICO DO RIO DE JANEIRO - AAJB ESTATUTO 1 ASSOCIAÇÃO DE AMIGOS DO JARDIM BOTÂNICO DO RIO DE JANEIRO - AAJB ESTATUTO Capítulo I - Denominação, sede, duração e objetivos Artigo 1 o A Associação de Amigos do Jardim Botânico do Rio de Janeiro, ou

Leia mais

ESTATUTO CDL JOVEM SALVADOR. Capítulo I Da Constituição e Finalidade

ESTATUTO CDL JOVEM SALVADOR. Capítulo I Da Constituição e Finalidade ESTATUTO CDL JOVEM SALVADOR Capítulo I Da Constituição e Finalidade Art. 1º- A Câmara de Dirigentes Lojistas Jovem de Salvador é um departamento oriundo e órgão estrutural da Câmara de Dirigentes Lojistas

Leia mais

ESTATUTO SOCIAL ASSOCIAÇÃO DOS AMIGOS DO TEMPLO DA HUMANIDADE

ESTATUTO SOCIAL ASSOCIAÇÃO DOS AMIGOS DO TEMPLO DA HUMANIDADE ESTATUTO SOCIAL ASSOCIAÇÃO DOS AMIGOS DO TEMPLO DA HUMANIDADE CAPÍTULO I: DENOMINAÇÃO, SEDE, FINALIDADE E DURAÇÃO ARTIGO 1º Denominação e duração A Associação dos Amigos do Templo da Humanidade é uma associação

Leia mais

ASSOCIAÇÃO NACIONAL DE ENSINO E PESQUISA DO CAMPO DE PÚBLICAS ESTATUTO

ASSOCIAÇÃO NACIONAL DE ENSINO E PESQUISA DO CAMPO DE PÚBLICAS ESTATUTO ASSOCIAÇÃO NACIONAL DE ENSINO E PESQUISA DO CAMPO DE PÚBLICAS ESTATUTO CAPÍTULO I DA DENOMINAÇÃO, SEDE, FORO, DURAÇÃO E FINALIDADES Art. 1º. A Associação Nacional de Ensino e Pesquisa do Campo de Públicas

Leia mais

ESTATUTO CONFRARIA SANTISTA DA CERVEJA (CONSCERVA)

ESTATUTO CONFRARIA SANTISTA DA CERVEJA (CONSCERVA) ESTATUTO DA CONFRARIA SANTISTA DA CERVEJA (CONSCERVA) CAPÍTULO I - DA DENOMINAÇÃO, SEDE E FINS Artigo 1º A CONFRARIA SANTISTA DA CERVEJA, também designada pela sigla CONSCERVA, fundada em 02 de dezembro

Leia mais

Estatuto da Sociedade Brasileira de Fitopatologia

Estatuto da Sociedade Brasileira de Fitopatologia Estatuto da Sociedade Brasileira de Fitopatologia CAPÍTULO I : - DA SOCIEDADE E SEUS FINS Artigo 1º - A Sociedade Brasileira de Fitopatologia (SBF), para efeito deste Estatuto e de publicidade em geral,

Leia mais

ESTATUTOS da ASSOCIAÇÃO dos DOCENTES da UNIVERSIDADE de CAXIAS do SUL - ADUCS CAPÍTULO I - DA SEDE, DO TEMPO DE DURAÇÃO E DOS FINS

ESTATUTOS da ASSOCIAÇÃO dos DOCENTES da UNIVERSIDADE de CAXIAS do SUL - ADUCS CAPÍTULO I - DA SEDE, DO TEMPO DE DURAÇÃO E DOS FINS ESTATUTOS da ASSOCIAÇÃO dos DOCENTES da UNIVERSIDADE de CAXIAS do SUL - ADUCS CAPÍTULO I - DA SEDE, DO TEMPO DE DURAÇÃO E DOS FINS Art. 1º A ASSOCIAÇÃO DOS DOCENTES DA UNIVERSIDADE DE CAXIAS DO SUL, com

Leia mais

ASSOCIAÇÃO DE ESCOLAS SUPERIORES DE FORMAÇÃO DE PROFISSIONAIS DO ENSINO - AESUFOPE ESTATUTO

ASSOCIAÇÃO DE ESCOLAS SUPERIORES DE FORMAÇÃO DE PROFISSIONAIS DO ENSINO - AESUFOPE ESTATUTO ASSOCIAÇÃO DE ESCOLAS SUPERIORES DE FORMAÇÃO DE PROFISSIONAIS DO ENSINO - AESUFOPE ESTATUTO TÍTULO I DA CARACTERIZAÇÃO DA ASSOCIAÇÃO CAPÍTULOI Da denominação, fins e meios Art. 1 - A Associação de Escolas

Leia mais

COMISSÃO BRASILEIRA DE BIBLIOTECAS UNIVERSITÁRIAS (CBBU) REGIMENTO INTERNO. Capítulo I

COMISSÃO BRASILEIRA DE BIBLIOTECAS UNIVERSITÁRIAS (CBBU) REGIMENTO INTERNO. Capítulo I COMISSÃO BRASILEIRA DE BIBLIOTECAS UNIVERSITÁRIAS (CBBU) REGIMENTO INTERNO Capítulo I DOS FINS, COMPETÊNCIA E FILIAÇÃO Art. 1º - A Comissão Brasileira de Bibliotecas Universitárias (CBBU), criada a partir

Leia mais

União Campineira de Aeromodelistas

União Campineira de Aeromodelistas ESTATUTO SOCIAL UNIÃO CAMPINEIRA DE AEROMODELISTAS UCA CAPÍTULO 1- DA DENOMINAÇÃO, SEDE E FINS Art. 1 - A União Campineira de Aeromodelistas UCA, também designada pela sigla UCA, fundada em 11 de outubro

Leia mais

Sociedade Amigos da Cidade Jardim

Sociedade Amigos da Cidade Jardim ESTATUTO CNPJ 57.349.094/0001-26 CAPÍTULO I DENOMINAÇÃO E FINALIDADE Art. 1º - A Sociedade Amigos da Cidade Jardim é uma entidade civil, com sede nesta capital na Rua Alvarenga, 700 sala 2 na cidade de

Leia mais

RESOLUÇÃO CONSU Nº. 41/2013 DE 16 DE DEZEMBRO DE 2013

RESOLUÇÃO CONSU Nº. 41/2013 DE 16 DE DEZEMBRO DE 2013 RESOLUÇÃO CONSU Nº. 41/2013 DE 16 DE DEZEMBRO DE 2013 A Presidente do Conselho Superior Universitário da Universidade Estadual de Ciências da Saúde de Alagoas, no uso de suas atribuições regimentais, considerando

Leia mais

ESTATUTO DA ASSOCIAÇÃO DE PAIS E MESTRES DA ESCOLA DE ENSINO FUNDAMENTAL LÁPIS DE COR - NOVA GERAÇÃO

ESTATUTO DA ASSOCIAÇÃO DE PAIS E MESTRES DA ESCOLA DE ENSINO FUNDAMENTAL LÁPIS DE COR - NOVA GERAÇÃO ESTATUTO DA ASSOCIAÇÃO DE PAIS E MESTRES DA ESCOLA DE ENSINO FUNDAMENTAL LÁPIS DE COR - NOVA GERAÇÃO CAPÍTULO I DA DENOMINAÇÃO, REGIME JURÍDICO, DURAÇÃO, SEDE E FORO Artigo 1º: A ASSOCIAÇÃO DE PAIS E MESTRES

Leia mais

UNIÃO NACIONAL DOS CONSELHOS MUNICIPAIS DE EDUCAÇÃO

UNIÃO NACIONAL DOS CONSELHOS MUNICIPAIS DE EDUCAÇÃO 1 E S T A T U T O TÍTULO I DENOMINAÇÃO, SEDE, ABRANGÊNCIA E FINALIDADE CAPÍTULO I DA DENOMINAÇÃO E DA SEDE Art. 1º- A União Nacional dos Conselhos Municipais de Educação, doravante denominada UNCME, entidade

Leia mais

Estatutos do Clube Bonsai do Algarve CAPITULO I

Estatutos do Clube Bonsai do Algarve CAPITULO I Estatutos do Clube Bonsai do Algarve CAPITULO I Disposições Gerais Artigo 1º-Designação O Clube Bonsai do Algarve, é um clube sem fins lucrativos, de duração ilimitada, e que se rege pelos presentes estatutos.

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DA DIRETORIA EXECUTIVA SOCIEDADE PREVIDENCIÁRIA DU PONT DO BRASIL

REGIMENTO INTERNO DA DIRETORIA EXECUTIVA SOCIEDADE PREVIDENCIÁRIA DU PONT DO BRASIL REGIMENTO INTERNO DA DIRETORIA EXECUTIVA SOCIEDADE PREVIDENCIÁRIA DU PONT DO BRASIL CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES Art. 1º Este Regimento sistematiza a composição, a competência e o funcionamento

Leia mais

ESTATUTO DA ASSOCIAÇÃO DE AMIGOS DA BIBLIOTECA E CULTURA DA UFV - ABC CAPÍTULO 1 DA NATUREZA E DOS OBJETIVOS

ESTATUTO DA ASSOCIAÇÃO DE AMIGOS DA BIBLIOTECA E CULTURA DA UFV - ABC CAPÍTULO 1 DA NATUREZA E DOS OBJETIVOS ESTATUTO DA ASSOCIAÇÃO DE AMIGOS DA BIBLIOTECA E CULTURA DA UFV - ABC CAPÍTULO 1 DA NATUREZA E DOS OBJETIVOS Art. 1º - A ASSOCIAÇÃO DOS AMIGOS DA BIBLIOTECA E CULTURA DA UFV - ABC é uma associação civil,

Leia mais

FEDERAÇÂO PAULISTA DE FUTEBOL DIGITAL E VIRTUAL

FEDERAÇÂO PAULISTA DE FUTEBOL DIGITAL E VIRTUAL FEDERAÇÂO PAULISTA DE FUTEBOL DIGITAL E VIRTUAL São Paulo SP ESTATUTO CAPÍTULO I - DA FEDERAÇÃO E SEUS FINS Art. 1º - A FEDERAÇÃO PAULISTA DE FUTEBOL DIGITAL E VIRTUAL, também designada pela sigla FPFDV,

Leia mais

REGIMENTO INTERNO. Casa dos Conselhos Rua Três de Maio, nº 1060 Pelotas,RS Telefone (53) E- mail -

REGIMENTO INTERNO. Casa dos Conselhos Rua Três de Maio, nº 1060 Pelotas,RS Telefone (53) E- mail - REGIMENTO INTERNO REGIMENTO INTERNO Capitulo I - DA CONSTITUIÇÃO E SEDE: Art.1- O Fórum dos Conselhos Municipais de Pelotas, adiante designado apenas Fórum, foi criado em 1995 a partir de um trabalho de

Leia mais

REGIMENTO INTERNO F A C T E. Fundação de Apoio à Ciência, Tecnologia e Educação. Para aprovação em reunião a ser realizada em: 06/05/2010

REGIMENTO INTERNO F A C T E. Fundação de Apoio à Ciência, Tecnologia e Educação. Para aprovação em reunião a ser realizada em: 06/05/2010 REGIMENTO INTERNO Fundação de Apoio à Ciência, Tecnologia e Educação F A C T E Para aprovação em reunião a ser realizada em: 06/05/2010 Araraquara-SP 1 A Fundação de Apoio à Ciência, Tecnologia e Educação

Leia mais

ESTATUTO FUNDAÇÃO CULTURA ARTÍSTICA DE LONDRINA

ESTATUTO FUNDAÇÃO CULTURA ARTÍSTICA DE LONDRINA ESTATUTO FUNDAÇÃO CULTURA ARTÍSTICA DE LONDRINA CAPÍTULO I DA DENOMINAÇÃO, SEDE, PRAZO DE DURAÇÃO E FINALIDADES Art. 1º - Fundação Cultura Artística de Londrina, Funcart, com sede e foro na cidade de Londrina,

Leia mais

MIINIISTÉRIIO DA EDUCAÇÃO UNIIVERSIIDADE FEDERAL DE IITAJUBÁ. Criada pela Lei nº , de 24 de abril de 2002

MIINIISTÉRIIO DA EDUCAÇÃO UNIIVERSIIDADE FEDERAL DE IITAJUBÁ. Criada pela Lei nº , de 24 de abril de 2002 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE ITAJUBÁ Criada pela Lei nº 10.435, de 24 de abril de 2002 MIINIISTÉRIIO DA EDUCAÇÃO UNIIVERSIIDADE FEDERAL DE IITAJUBÁ REGIMENTO DO CONSELHO CURADOR PREÂMBULO

Leia mais

REGULAMENTO DO CONSELHO DE REPRESENTANTES DA ADCFET-RJ

REGULAMENTO DO CONSELHO DE REPRESENTANTES DA ADCFET-RJ REGULAMENTO DO CONSELHO DE REPRESENTANTES DA ADCFET-RJ TÍTULO I Do Conselho de Representantes Art. 1º O Conselho de Representantes é um órgão consultivo, deliberativo e fiscalizador da Associação de Docentes

Leia mais

Estatuto do Grêmio Livre. Campus Avançado de São João del Rei. Capítulo 1

Estatuto do Grêmio Livre. Campus Avançado de São João del Rei. Capítulo 1 Estatuto do Grêmio Livre Instituto Federal de Educação Ciência e Tecnologia Sudeste de Minas Gerais Campus Avançado de São João del Rei Capítulo 1 Da denominação, sede, fins e duração. Art.1º- O Grêmio

Leia mais

ESTATUTO SOCIAL ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE METALURGIA, MATERIAIS E MINERAÇÃO CAPÍTULO I - DA CONSTITUIÇÃO DA ASSOCIAÇÃO E SEUS OBJETIVOS

ESTATUTO SOCIAL ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE METALURGIA, MATERIAIS E MINERAÇÃO CAPÍTULO I - DA CONSTITUIÇÃO DA ASSOCIAÇÃO E SEUS OBJETIVOS ESTATUTO SOCIAL ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE METALURGIA, MATERIAIS E MINERAÇÃO CAPÍTULO I - DA CONSTITUIÇÃO DA ASSOCIAÇÃO E SEUS OBJETIVOS Art. 1.º - A Associação Brasileira de Metalurgia, Materiais e Mineração

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DO COMITÊ DE RISCOS E DE CAPITAL

REGIMENTO INTERNO DO COMITÊ DE RISCOS E DE CAPITAL REGIMENTO INTERNO DO COMITÊ DE RISCOS E DE CAPITAL Capítulo I - Objeto Art. 1º O presente Regimento Interno disciplina o funcionamento do Comitê de Riscos e de Capital (Comitê), observadas as decisões

Leia mais

Capítulo I Natureza e fins. Artigo 1.º Denominação e duração

Capítulo I Natureza e fins. Artigo 1.º Denominação e duração Capítulo I Natureza e fins Artigo 1.º Denominação e duração A Associação, sem fins lucrativos, denominada INTERVIVER ASSOCIAÇÃO PARA A PROMOÇÃO DA SAÚDE, DO BEM-ESTAR E DA PAZ é constituída por tempo indeterminado.

Leia mais

REGIMENTO INTERNO Conselho Municipal dos Direitos Da Mulher CAPÍTULO I DA INSTITUIÇÃO, ATRIBUIÇÕES E COMPETÊNCIAS.

REGIMENTO INTERNO Conselho Municipal dos Direitos Da Mulher CAPÍTULO I DA INSTITUIÇÃO, ATRIBUIÇÕES E COMPETÊNCIAS. REGIMENTO INTERNO Conselho Municipal dos Direitos Da Mulher CAPÍTULO I DA INSTITUIÇÃO, ATRIBUIÇÕES E COMPETÊNCIAS. Art. 1 - O Conselho Municipal dos Direitos da Mulher CMDM de Rio do Sul, criado através

Leia mais

Olho Vivo - Associação para a Defesa do Património, Ambiente e Direitos Humanos

Olho Vivo - Associação para a Defesa do Património, Ambiente e Direitos Humanos Olho Vivo - Associação para a Defesa do Património, Ambiente e Direitos Humanos Estatutos Capítulo I (Princípios Gerais) Art.º1 (Denominação, Natureza e Duração) É constituída por tempo indeterminado,

Leia mais

ESTATUTO ASSOCIAÇÃO PAULISTA ORTOPEDIA E TRAUMATOLOGIA

ESTATUTO ASSOCIAÇÃO PAULISTA ORTOPEDIA E TRAUMATOLOGIA ESTATUTO DA ASSOCIAÇÃO PAULISTA DE ORTOPEDIA E TRAUMATOLOGIA 1 ESTATUTO DA ASSOCIAÇÃO PAULISTA DE ORTOPEDIA E TRAUMATOLOGIA CAPÍTULO I Título, Sede e Finalidades Art.1º - A Associação Paulista de Ortopedia

Leia mais

CLUBE DO GURGEL FLORIPA

CLUBE DO GURGEL FLORIPA CLUBE DO GURGEL FLORIPA FUNDADO EM 15 DE MARÇO DE 2010 CAPÍTULO I - DA DENOMINAÇÃO, SEDE E FINS Art. 1º - O CLUBE DO GURGEL FLORIPA, é uma associação, sem fins econômicos, fundada em 15 de março de 2010,

Leia mais

FUNDAÇÃO ITAÚ SOCIAL CNPJ /

FUNDAÇÃO ITAÚ SOCIAL CNPJ / FUNDAÇÃO ITAÚ SOCIAL CNPJ 59.573.030/0001-30 ESTATUTO SOCIAL I INSTITUIÇÃO, DENOMINAÇÃO, SEDE E DURAÇÃO Art. 1º - A pessoa jurídica de direito privado, sem fins lucrativos, instituída por Itaúsa Investimentos

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DA COMISSÃO DO CONTENCIOSO ADMINSITRATIVO TRIBUTÁRIO DA ORDEM DOS ADVOGADOS DO BRASIL, SEÇÃO DE SÃO PAULO.

REGIMENTO INTERNO DA COMISSÃO DO CONTENCIOSO ADMINSITRATIVO TRIBUTÁRIO DA ORDEM DOS ADVOGADOS DO BRASIL, SEÇÃO DE SÃO PAULO. REGIMENTO INTERNO DA COMISSÃO DO CONTENCIOSO ADMINSITRATIVO TRIBUTÁRIO DA ORDEM DOS ADVOGADOS DO BRASIL, SEÇÃO DE SÃO PAULO. Art. 1 º. A Comissão de Especial do Contencioso Administrativo Tributário é

Leia mais

ESTATUTOS DA ASSOCIAÇÃO PORTUGUESA PARA A DEFESA DO CONSUMIDOR DECO

ESTATUTOS DA ASSOCIAÇÃO PORTUGUESA PARA A DEFESA DO CONSUMIDOR DECO ESTATUTOS DA ASSOCIAÇÃO PORTUGUESA PARA A DEFESA DO CONSUMIDOR DECO 9 de outubro de 2014 ESTATUTOS CAPITULO I Nome, sede, âmbito e objeto Artigo 1º. A Associação, denominada Associação Portuguesa para

Leia mais

ESTATUTOS. Artigo 1.º NOME E SEDE

ESTATUTOS. Artigo 1.º NOME E SEDE ESTATUTOS Artigo 1.º NOME E SEDE 1. O "Moto Clube Castêlo da Maia" é uma associação sem fins lucrativos, durará por tempo indeterminado, e tem a sua sede em Rua São Salvador S/N, localidade de Gondim,

Leia mais

ESTATUTO SOCIAL. CAPÍTULO I Da Denominação, Sede, Duração e Finalidades.

ESTATUTO SOCIAL. CAPÍTULO I Da Denominação, Sede, Duração e Finalidades. ESTATUTO SOCIAL CAPÍTULO I Da Denominação, Sede, Duração e Finalidades. Art. 1 A Associação dos Jovens Empreendedores de Santa Maria, abreviadamente denominada AJESM, é uma associação, com personalidade

Leia mais

Instituto Dignidade de Valorização da Vida

Instituto Dignidade de Valorização da Vida ESTATUTO da Organização da Sociedade Civil de Interesse Público INSTITUTO DIGNIDADE DE VALORIZAÇÃO DA VIDA Capítulo I DA DENOMINAÇÃO, SEDE E FINS Art. 1º. O Instituto Dignidade de Valorização da Vida,

Leia mais

Da denominação, sede, objetivos e duração

Da denominação, sede, objetivos e duração 1 E S T A T U T O S O C I A L A S S O C I A Ç Ã O M U S E U D E A R T E S A C R A D E S Ã O P A U L O S A M A S C A P Í T U L O I Da denominação, sede, objetivos e duração Artigo 1º ASSOCIAÇÃO MUSEU DE

Leia mais

ESTATUTO SOCIAL DO INSTITUTO BRASILEIRO DE ESTUDOS DE RECUPERAÇÃO DE EMPRESAS IBR CAPÍTULO I DENOMINAÇÃO, SEDE, PRAZO, FINALIDADES E PATRIMÔNIO

ESTATUTO SOCIAL DO INSTITUTO BRASILEIRO DE ESTUDOS DE RECUPERAÇÃO DE EMPRESAS IBR CAPÍTULO I DENOMINAÇÃO, SEDE, PRAZO, FINALIDADES E PATRIMÔNIO 1 ESTATUTO SOCIAL DO INSTITUTO BRASILEIRO DE ESTUDOS DE RECUPERAÇÃO DE EMPRESAS IBR CAPÍTULO I DENOMINAÇÃO, SEDE, PRAZO, FINALIDADES E PATRIMÔNIO Art. 1º O INSTITUTO BRASILEIRO DE ESTUDOS DE RECUPERAÇÃO

Leia mais

ESTATUTOS DENOMINAÇÃO, SEDE E FINS DA ASSOCIAÇÃO

ESTATUTOS DENOMINAÇÃO, SEDE E FINS DA ASSOCIAÇÃO ESTATUTOS I DENOMINAÇÃO, SEDE E FINS DA ASSOCIAÇÃO Art. 1 o A Associação Luso-Brasileira de Arabistas (ALBA) é uma sociedade civil, de caráter exclusivamente cultural, com sedes e foros nas cidades do

Leia mais

COLÉGIO FRANCISCANO SANT ANNA SANTA MARIA - RS ESTATUTO ASSOCIAÇÃO DE PAIS E MESTRES APM

COLÉGIO FRANCISCANO SANT ANNA SANTA MARIA - RS ESTATUTO ASSOCIAÇÃO DE PAIS E MESTRES APM COLÉGIO FRANCISCANO SANT ANNA SANTA MARIA - RS ESTATUTO ASSOCIAÇÃO DE PAIS E MESTRES APM 2009 SUMÁRIO TÍTULO I Da denominação, caráter, duração, sede, foro e finalidades... 3 Capítulo I Da denominação,

Leia mais

Estatutos. Artigo 1º. Denominação, Sede, duração e Natureza Jurídica

Estatutos. Artigo 1º. Denominação, Sede, duração e Natureza Jurídica Estatutos Artigo 1º Denominação, Sede, duração e Natureza Jurídica 1 A Associação, sem fins lucrativos, adota a denominação MIMA MUSEU INTERNACIONAL DA MULHER, ASSOCIAÇÃO, e tem a sede na Urbanização Paço

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 001/2011. A CONFEDERAÇÃO NACIONAL DE TURISMO CNTur, no âmbito das atribuições que lhe conferem os estatutos sociais,

RESOLUÇÃO Nº 001/2011. A CONFEDERAÇÃO NACIONAL DE TURISMO CNTur, no âmbito das atribuições que lhe conferem os estatutos sociais, RESOLUÇÃO Nº 001/2011 A CONFEDERAÇÃO NACIONAL DE TURISMO CNTur, no âmbito das atribuições que lhe conferem os estatutos sociais, CONSIDERANDO o interesse em divulgar nos estados brasileiros os seus ideais

Leia mais

ESTATUTOS DO IDL INSTITUTO AMARO DA COSTA

ESTATUTOS DO IDL INSTITUTO AMARO DA COSTA ESTATUTOS DO IDL INSTITUTO AMARO DA COSTA CAPÍTULO PRIMEIRO CONSTITUIÇÃO, DENOMINAÇÃO, SEDE E OBJECTO ARTIGO PRIMEIRO (CONSTITUIÇÃO) Nos termos gerais de direito, nos do Decreto-Lei número quinhentos e

Leia mais

ESTATUTO SOCIAL CAPÍTULO I DA DENOMINAÇÃO, SEDE, OBJETIVO E DURAÇÃO. a) Coordenar, representar e defender os interesses dos Associados;

ESTATUTO SOCIAL CAPÍTULO I DA DENOMINAÇÃO, SEDE, OBJETIVO E DURAÇÃO. a) Coordenar, representar e defender os interesses dos Associados; ESTATUTO SOCIAL CAPÍTULO I DA DENOMINAÇÃO, SEDE, OBJETIVO E DURAÇÃO. Artigo 1º. A Associação adota a denominação de Associação Latino Americana de Geração de Energia Renovável doravante designada ALAGER.

Leia mais

INSTITUTO FRANCISCO SÁ CARNEIRO

INSTITUTO FRANCISCO SÁ CARNEIRO INSTITUTO FRANCISCO SÁ CARNEIRO ESTATUTOS (com as alterações aprovadas pelo Conselho Geral de 21 de Setembro de 1998) Artigo 1º Denominação É constituída uma associação sem fins lucrativos denominada Instituto

Leia mais

PROPOSTA DE RESOLUÇÃO ATRICON Nº XX/2013

PROPOSTA DE RESOLUÇÃO ATRICON Nº XX/2013 PROPOSTA DE RESOLUÇÃO ATRICON Nº XX/2013 Altera o Estatuto da Associação dos Membros dos Tribunais de Contas do Brasil, visando, entre outras providências, a ampliação da sua fonte de financiamento Resumo:

Leia mais

NOVO ESTATUTO CAPÍTULO I DA SEDE, FORO, BASE TERRITORIAL, TEMPO DE DURAÇÃO E FINALIDADES

NOVO ESTATUTO CAPÍTULO I DA SEDE, FORO, BASE TERRITORIAL, TEMPO DE DURAÇÃO E FINALIDADES 1 ESTATUTO DO SINDICATO DOS SERVIDORES DO PODER LEGISLATIVO DO ESTADO DA PARAÍBA NOVO ESTATUTO CAPÍTULO I DA SEDE, FORO, BASE TERRITORIAL, TEMPO DE DURAÇÃO E FINALIDADES Art. 1º - O SINDICATO DOS SERVIDORES

Leia mais

Estatutos da Associação Portuguesa de Avaliação 2009

Estatutos da Associação Portuguesa de Avaliação 2009 ESTATUTOS DA ASSOCIAÇÃO PORTUGUESA DE AVALIAÇÃO ARTIGO 1º Denominação É constituída, por tempo indeterminado, uma associação de direito privado sem fins lucrativos denominada, Associação Portuguesa de

Leia mais

FUNDAÇÃO ABC CAPITULO I DA ENTIDADE

FUNDAÇÃO ABC CAPITULO I DA ENTIDADE FUNDAÇÃO ABC REGIMENTO INTERNO CAPITULO I DA ENTIDADE Art. 1º A FUNDAÇÃO ABC é uma entidade com personalidade jurídica de direito privado, sem fins lucrativos e sem fins econômicos, com duração indeterminada,

Leia mais

ESTATUTO DA ASSOCIAÇÃO MINEIRA DOS PROFESSORES DE PORTUGUÊS COMO LÍNGUA ESTRANGEIRA - AMPPLIE. Capítulo I. Da Denominação, Fins e Sede da Associação

ESTATUTO DA ASSOCIAÇÃO MINEIRA DOS PROFESSORES DE PORTUGUÊS COMO LÍNGUA ESTRANGEIRA - AMPPLIE. Capítulo I. Da Denominação, Fins e Sede da Associação ESTATUTO DA ASSOCIAÇÃO MINEIRA DOS PROFESSORES DE PORTUGUÊS COMO LÍNGUA ESTRANGEIRA - AMPPLIE Capítulo I Da Denominação, Fins e Sede da Associação Artigo 1º: A Associação Mineira dos Professores de Português

Leia mais

Do Conceito. Da Criação

Do Conceito. Da Criação REGIMENTO DAS FAZENDAS DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO (FEPE) DA FACULDADE DE CIÊNCIAS AGRONÔMICAS DA UNESP, CAMPUS DE BOTUCATU, ELABORADO DE ACORDO COM A RESOLUÇÃO UNESP-59, DE 14-11-2008 Do Conceito Artigo

Leia mais

LEI COMPLEMENTAR Nº 20, DE 04 DE ABRIL DE

LEI COMPLEMENTAR Nº 20, DE 04 DE ABRIL DE LEI COMPLEMENTAR Nº 20, DE 04 DE ABRIL DE 2002-06-07 DISPÕE SOBRE A REESTRUTURAÇÃO DA FUNDAÇÃO DE AMPARO À PESQUISA DO ESTADO DE ALAGOAS FAPEAL, INSTITUÍDA PELA LEI COMPLEMENTAR Nº 05, DE 27 DE SETEMBRO

Leia mais

Regimento Geral da Sociedade Brasileira de Ortopedia e Traumatologia Regional Goiás SBOT-GO

Regimento Geral da Sociedade Brasileira de Ortopedia e Traumatologia Regional Goiás SBOT-GO Regimento Geral da Sociedade Brasileira de Ortopedia e Traumatologia Regional Goiás SBOT-GO CAPITULOI TÍTULO, FINALIDADES, SEDE E ORGANIZAÇÃO. Art. 1º - Este Regimento Geral regula o funcionamento da Sociedade

Leia mais

INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE PERNAMBUCO PRÓ-REITORIA DE ENSINO

INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE PERNAMBUCO PRÓ-REITORIA DE ENSINO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE PERNAMBUCO PRÓ-REITORIA DE ENSINO REGIMENTO INTERNO DO FÓRUM PERMANENTE DOS CURSOS TÉCNICOS DO IFPE RECIFE, 2014 INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA

Leia mais

ESTATUTO DA A.A.S.E.C - ASSOCIAÇÃO AMIGOS DO SUIÇO ESPORTE CLUBE CAPÍTULO I DA DENOMINAÇÃO, SEDE, DURAÇAO, FINALIDADE E EXERCÍCIO SOCIAL

ESTATUTO DA A.A.S.E.C - ASSOCIAÇÃO AMIGOS DO SUIÇO ESPORTE CLUBE CAPÍTULO I DA DENOMINAÇÃO, SEDE, DURAÇAO, FINALIDADE E EXERCÍCIO SOCIAL ESTATUTO DA A.A.S.E.C - ASSOCIAÇÃO AMIGOS DO SUIÇO ESPORTE CLUBE CAPÍTULO I DA DENOMINAÇÃO, SEDE, DURAÇAO, FINALIDADE E EXERCÍCIO SOCIAL Artigo 1º - Sob a denominação de ASSOCIAÇÃO AMIGOS DO SUIÇO ESPORTE

Leia mais

Estatutos da Sociedade COSTAPOLIS, Sociedade para o Desenvolvimento do Programa Polis na Costa de Caparica, S. A.

Estatutos da Sociedade COSTAPOLIS, Sociedade para o Desenvolvimento do Programa Polis na Costa de Caparica, S. A. Estatutos da Sociedade COSTAPOLIS, Sociedade para o Desenvolvimento do Programa Polis na Costa de Caparica, S. A. Artigo 1.º Forma e denominação A sociedade adopta a forma de sociedade anónima e a denominação

Leia mais