APLICATIVOS VW. DIGIFANT Mi

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "APLICATIVOS VW. DIGIFANT Mi"

Transcrição

1 Página 1 de 16 CAPITULO 70 APLICATIVOS VW DIGIFANT Mi GOLF GL/GLX Mi. COMO FUNCIONA O SISTEMA DIGIFANT Mi GOLF 2.0 Este sistema de injeção é digital multiponto ou seja com quatro válvulas injetoras de combustivel do tipo simultâneo ou seja todas válvulas injetoras são acionadas ao mesmo tempo. A determinação da quantidade de ar admitida pelo motor se dá em função da abertura da borboleta, da temperatura do ar na admissão e por valores pré estabelecidos gravados na memória da Centralina. O corpo de borboleta fica instalado junto ao coletor de admissão de admissão. As válvulas injetoras são montadas no coletor de admissão,

2 Página 2 de 16 realizam a injeção de combustivel. A Centralina analisa as informações vindas dos vários sensores distribuídos pelo motor, analisa e processa e comanda diversos atuadores distribuídos pelo carro, tais como: = - Válvulas injetoras, controle de ar da marcha lenta e bobina de ignição. Deste modo mantém o motor em ótimas condições de funcionamento diminui o consumo e os poluentes. Este sistema possui capacidade de autodiagnose de defeitos, ou seja, possui capacidade própria para identificar defeitos, os defeitos poderão ser identificado por um SCANNER. Este sistema também possui. - Recuperação dos vapores de combustivel. - Controle de detonação para motores Controle dos gases de combustão. - Ligação com o sistema de ar condicionado. Como resultado deste mapeamento oferece estas vantagens: } - Melhor queima do combustivel. } - Controle da mistura. } - Redução de poluentes. } - Eliminação de ajustes de marcha lenta e mistura. } - Economia de combustivel. } - Eliminação do afogador. } - Facilidades na partida. } - Melhor dirigibilidade. Como conseguir o códigos de falhas. A diagnose deste sistema de injeção pode ser feita através da obtenção dos códigos de falhas armazenados em sua memória. Estes códigos podem serem obtidos com o uso de um SCANNER. O SCANNER deverá ser ligado ao ALDL (conector de diagnóstico) do veiculo. Para eliminar os códigos de falhas é necessário o uso de um SCANNER. Somente apagar os códigos após o conserto do defeito. Localização do conector de Diagnóstico ALDL

3 Página 3 de 16 BUSCA DE DEFEITO PELO SINTOMA DEFEITO MOTOR NÃO PEGA 1. Filtro da ar e sua tubulação (obstrução ). 2. Tubulação de escape (obstrução ). 3. Sistema de alimentação de combustivel. 4. Alimentação da Centralina. 5. Carga da bateria 6. Sistema de ignição 7. Fusíveis e relés do sistema de injeção e da bomba. 8. Sensor Hall MOTOR DIFÍCIL DE PEGAR 1. Sensor de temperatura do ar 2. Sensor de temperatura de água. 3. Sistema de ignição 4. Sistema de alimentação de combustível 5. Carga da bateria. 6. Tubulação do escape (obstrução) 7. Filtro da ar e sua tubulação (obstrução ). 8. Sensor Hall MARCHA-LENTA 1. Sonda lambda

4 Página 4 de 16 IRREGULAR 2. Sensor de temperatura do ar 3. Sensor de temperatura de água. 4. Sistema de alimentação de combustível. 5. Motor de passo 6. Entrada falsa de ar no coletor de admissão. (estanqueidade). MARCHA LENTA MUITO ALTA 1. Carga da bateria 2. Sensor de temperatura do ar 3. Sensor de temperatura de água. 4. Motor de passo FALTA DE POTÊNCIA NO MOTOR 1. Alimentação da Centralina 2. Sensor de temperatura do ar 3. Sistema de alimentação de combustível. 4. Sistema de ignição 5. Carga da bateria 6. Tubulação de escape (obstrução) 7. Filtro de ar e sua tubulação (obstrução). MOTOR FALHANDO 1. Sensor de temperatura do ar 2. Válvulas injetoras. 3. Sistema de alimentação de combustível 4. Carga da bateria. 5. Sistema de ignição. CONSUMO EXCESSIVO DE COMBUSTÍVEL 1. Alimentação da Centralina. 2. Sonda lambda. 3. Sensor de temperatura do ar 4. Sensor de temperatura de água 5. Sistema de alimentação de combustível 6. Carga da bateria. 7. Tubulação de escape (obstrução )

5 Página 5 de Filtro de ar e sua tubulação (obstrução ). Localização dos Relés e Fuziveis Esquema Elétrico

6 Página 6 de 16

7 Página 7 de 16 A. COMO TESTAR SENSORES. 1-COMO TESTAR SENSOR DE TEMPERATURA DA ÁGUA. 1-Ignição ligada, motor parado, PONTA DE PROVA no fio ligado ao terminal 1 do conector do sensor. Negativo (-). 2-Ignição ligada, motor parado, MULTITESTE DIGITAL modo voltímetro no fio ligado ao terminal 3 do conector do sensor. Dados abaixo (motor quente :entre 80 C e 90 C. 0,4 a 0,5 v. Temperatura C Resistencia O Tensão v 2,4 1,9 1,5 0,9 0,5 0,3 2-COMO TESTAR SENSOR DE OXIGÊNIO - SONDA LAMBDA.

8 Página 8 de 16 1-Motor funcionando, PONTA DEPROVA no fio ligado ao terminal 1 do conector da sonda. Positivo (+) 12 v. 2-Motor funcionando, PONTA DE PROVA nos fios ligados aos terminais 2 e 3 do conector da sonda. Negativo (-). 3-Inição desligada, desconectar a sonda do chicote. Com o MULTITESTE DIGITAL, medir resistência de aquecimento da sonda, medir através dos terminais 1 e 2 do conector. Resistência de 4,3 a 4,7 Ω. 4-Motor funcionando e aquecido, MULTITESTE DIGITAL modo voltímetro no fio ligado ao terminal 4 do conector. Acelere o motor várias vezes. Tensão deve ficar oscilando entre 0,1 v a 0,9 v. 3-COMO TESTAR SENSOR HALL (rotação e PMS) 1- Ignição ligada, motor parado, PONTA DE PROVA no fio ligado ao terminal 3 do conector do sensor.positivo (+) 12V 2- Ignição ligada, motor parado, PONTA DE PROVA no fio ligado ao terminal 1 do conector do sensor> Negativo (-). 3- PONTA DE PROVA no fio ligado ao terminal 2 do conector do sensor. Dar partida no motor> Led deve piscar durante a partida ou com o motor funcionado. 4-COMO TESTAR SENSOR DA POSIÇÃO DA BORBOLETA

9 Página 9 de 16 1-Ignição ligada, motor parado, PONTA DE PROVA no fio ligado ao terminal 3 do conector do sensor. Negativo (-). 2-Ignição ligado, motor pardo, MUTLITESTE DIGITAL modo voltímetro no fio ligado ao terminal 1 do conector do sensor. Tensão de 5,0 v ± 5 %. 3-Ignição ligada, motor parado, MUTLITESE DIGITAL modo voltímetro no fio ligado ao terminal 2 do conector do sensor. Gire lentamente o eixo da borboleta até o final. As leituras devem estar de acordo com os dados abaixo. A variação de tensão entre fechada e aberta deverá ser linear. Posição da borboleta Tensão v Borboleta fechada 0,5 a 1,0 Borboleta totalmente aberta 4,0 a 5,0 5-COMO TESTAR SENSOR DA TEMPERATURA DO AR. 1-Ignição ligada, motor parado, PONTA DE PROVA no fio ligado ao terminal 2

10 Página 10 de 16 do conector do sensor. Negativo (-). 2-Ignição ligada, motor parado, MULTITESTA DIGITAL modo voltímetro no fio ligado ao terminal 1 do conector do sensor. Dados abaixo. Temperatura C Resistência Ω Tensão v 2,4 1,9 1,5 0,9 0,5 0,3 6-COMO TESTAR SENSOR DE VELOCIDADE. 1-Ignição ligada, motor parado, PPONTA DE PROVA no fio ligado ao terminal 3 do conector do sensor. Negativo (-). 2-Ignição ligada, motor parado, PONTA DE PROVA no fio ligado ao terminal 1 do conector. Positivo (+). 3-Ignição ligada, motor parado, PONTA DE PORVA no fio ligado ao terminal 2 o conector do sensor.levantar as rodas dianteiras do veiculo e girar uma das rodas. Os leds devem piscar enquanto a roda estiver girando. B. COMO TESTAR ATUADORES. 7-COMO TESTAR VÁVULAS INJETORAS.

11 Página 11 de 16 1-Ignição desligada, PONTA DE PROVA no fio ligado ao terminal 2 do conector de cada um dos injetores. Dar partida no motor. Positivo (+). 12 v durante a partida. 2-PONTA DE PROVA no fio ligado ao terminal 1 de cada um dos injetores. Dar partida no motor. Led (verde) pisca durante parida ou com motor funcionando. 3-MULTITESTE DIGITAL modo ohmímetro, medir resistência das válvulas injetoras. Resistencia de 13,7 a 15,2 Ω. 8-COMO TESTAR VÁLVULA DE CONTROLE DA MARCHA-LENTA. 1-Ignição ligada, motor parado, PONTA DE PROVA no terminal 1 do conector da válvula. Positivo (+). 2-MULTITESTE DIGITAL no modo voltímetro, opção para corrente alternada VAC. Ligar ao terminal 2 do conector da válvula dar partida no motor. Deve apresentar de 5,0 a 8,0 VAC em marcha-lenta. Ao acelerar o motor, deve ficar variando. 3-Medir a resistência elétrica da válvula. 8,0 a 11 Ω. 9-COMO TESTAR BOBINA transformador DE IGNIÇÃO.

12 Página 12 de 16 1-Colocar o centelhador na bobina. Dar partida no motor.centelhador forte mínimo 2 cm durante partida. 2-Ignição ligada, motor pardo, PONTA DE PROVA no fio ligado ao terminal 3 do conector. Positivo (+) 12 v. 3-PONTA DE PROVA no fio ligado ao terminal 2 do conector. Dar partida no motor. Led (verde) deve piscar durante partida ou com motor funcionando. 4-Ignição desligada, MULTITESTE DIGITAL no modo ohmímetro, medir resistência do primário e do secundário da bobina. Primário : 0,5Ω a 0,8 Ω ; Secundário : 7 K Ω a 9 K Ω. 10-COMO TESTAR BOMBA CIRCUITO DE COMBUSTÍVEL 1-PONTA DE PROVA no fio ligado ao terminal 1 do conector da bomba. Dar partida no motor. Positivo (+) 12 v durante a partida. 2-Ignição ligada, motor parado, PONTA DE PROVA no fio ligado ao terminal 4 do conector da bomba. Negativo (-).

13 Capitulo 70 Golf 2.0 bomba funcionar: fazer teste de pressão do sistema Página 13 de 16 1-Inastalar manômetro na válvula Schrader parecida om uma válvula de pneu, do tubo distribuidor combustível. Dar partida no motor. Mínimo de 2,5 bar durante partida ou em marcha-lenta. 2-Mesma situação anterior, com o motor funcionando, acelerar o motor. Máximo de 3,2 bar durante aceleração. 3-Motor funcionando, acelere o motor até 2500 rpm.pressão deve se manter constante entre 2,5 e 3,2 bar. 4-Motor funcionando, retire a mangueira que está ligada ao coletor de admissão. Pressão deve subir cerca de 0,5 bar. 5-Desligar o motor. A linha deve se manter pressurizada por 5 minutos pelo menos. 11-COMO TESTAR VÁLVULA DO CANISTER 1-Ignição desligada, PONTA DE PROVA no fio ligado ao terminal 2 do conector.

14 Página 14 de 16 Dar partida no motor. Positivo (+) 12 v durante partida ou com motor funcionando. 2-Ignição desligada, desconecte a válvula do chicote. Com MULTITESTE DIGITAL. medir resistência elétrica entre os terminais da válvula. Resistencia de 22 a 30 Ω. 3-Motor funcionando, aquecido, MULTITESTE DIGITAL modo duty-cycle no fio ligado ao terminal 1 do conector. Acelere o motor. A leitura deve variar entre 100% e 80% por alguns segundos. C. COMO TESTAR AUILIARES 12-COMO TESTAR RELÉ DA BOMBA DE COMBUSTÍVEL. 1-Ignição desligada, PONTA DE PROVA no terminal 30 do relé. Positivo (+) 2-Ignição ligada, motor pardo, PONTA DE PROVA no terminal 85 e 86 do relé. Espere desligar a bomba. Positivo (+)> 3-PONTA DE PROVA no terminal 85 do relé. Dê partida no motor. Negativo (-) durante partida ou com motor funcionando. 4-PONTA DE PROVA no terminal 87 do relé. Dê partida no motor. Positivo (+) durante partida ou com motor funcionando. D. COMO TESTAR UNIDADE DE COMANDO 13-COMO TESTAR ALIMENTAÇÃO DA CENTRALINA

15 Página 15 de 16 1-Ignição desligada, PONTA DE PROVA no terminal 30 do relé. Positivo (+). 2-Ignição desligada, PONTA DE PROVA no terminal 85 e 86 A do relé. Negativo (- ). 3-Ignição ligada, motor parado, PONTA DE PROVA no terminal 85 e 86 A do relé. Positivo (+). 4-Mesma situação anterior, PONTA DE PROVA no terminal 87 do relé. Positivo (+). 14-Como apagar a lâmpada de aviso da troca de óleo do Golf de 1991 a 1997? 1) - Com a chave na posição ON. 2) - Apertar e Manter Apertado o Botão de Resetar (A) 3)- Girar a chave a posição OFF 4)- Soltar o Botão de Resetar. 5) Se Junto ao velocímetro aparecer o Display Óleo. 6) Apertar o Botão de Resetar B por 10 minutos até o display apagar. 7)- Com a chave na posição ON.

16 Página 16 de 16 8) E verifique se o display mostra (IN00) 15) - Como apagar a lâmpada de aviso da Inspeção do Golf de 1991 a 1997 (IN01)? 1) - Com a chave na posição ON. 2) - Apertar e Manter Apertado o Botão de Resetar (A) 3)- Girar a chave a posição OFF 4)- Soltar o Botão de Resetar. 5) Se Junto ao velocímetro aparecer o Display (IN01) 6) Apertar o Botão de Resetar B por 10 minutos até o display apagar. 7)-Apertar o Botão de Resetar (A) ira visualizar o display OEL ou OLEO. 8) - Apertar o Botão de Resetar B até o display apagar 9)- Com a chave na posição ON. 10) E verifique se o display mostra (IN00). 16) -Como apagar a lâmpada de aviso da Inspeção do Golf de 1991 a 1997 (IN02)? 1) - Com a chave na posição ON. 2) - Apertar e Manter Apertado o Botão de Resetar (A) 3)- Girar a chave a posição OFF 4)- Soltar o Botão de Reseta (A)r. 5) Se Junto ao velocímetro aparecer o Display (IN02) 6) Apertar o Botão de Resetar B por 10 minutos até o display apagar. 7) -Apertar o Botão de Resetar (A) ira visualizar o display (IN01) 8) - Apertar o Botão de Resetar B até o display apagar 9) Repetir o procedimento para resetar a Lâmpada de Óleo. 10)- Com a chave na posição ON. 11) E verifique se o display mostra (IN00).

Aplicativos JEEP MPI. O Indicador de mau funcionamento (mil) no painel de instrumento iluminará se são reconhecidas certas falhas.

Aplicativos JEEP MPI. O Indicador de mau funcionamento (mil) no painel de instrumento iluminará se são reconhecidas certas falhas. 1 Aplicativos JEEP MPI JEEP CHEROKEE 4.0L Código de Falhas A unidade central incorpora uma função de diagnóstico O Indicador de mau funcionamento (mil) no painel de instrumento iluminará se são reconhecidas

Leia mais

CAPÍTULO 16. A unidade central opera no modo emergência quando um sensor falha, assim o motorista conseguirá levar o carro até a oficina.

CAPÍTULO 16. A unidade central opera no modo emergência quando um sensor falha, assim o motorista conseguirá levar o carro até a oficina. 1 of 32 21/07/2014 19:28 CAPÍTULO 16 AUDI A4 1.6 ADP 1995 em diante COMO FUNCIONA ESTE SISTEMA Este sistema é Mutliponto sequencial, com 4 válvulas injetoras que possui autodiagnose ou seja que caso tenha

Leia mais

PC-SCAN 2010 SISTEMA DE DIAGNÓSTICO VEICULAR

PC-SCAN 2010 SISTEMA DE DIAGNÓSTICO VEICULAR SISTEMA DE DIAGNÓSTICO VEICULAR Manual de Operação MARELLI IAW-6R TWINGO RENAULT Seção A : Versão : 1.00G / 99 A1 ÍNDICE Introdução... A3 Auto-Diagnóstico... A4 Conectando o seu PC-SCAN 2010... A4 Consultas

Leia mais

APLICATIVOS GM BOSCH MOTRONIC M1.5.4 P

APLICATIVOS GM BOSCH MOTRONIC M1.5.4 P CAPITULO 64 APLICATIVOS GM BOSCH MOTRONIC M1.5.4 P VECTRA 2.0-8V - 97 VECTRA 2.0-16V - 97 KADETT 2.0-97 S10 2.2 VECTRA 2.2 COMO FUNCIONA O SISTEMA. Este sistema de injeção eletrônica é um sistema digital

Leia mais

TCCS. APLICATIVOS Toyota. Capitulo 101. Corolla 1.6L Corolla 1.8L Localização dos Componentes

TCCS. APLICATIVOS Toyota. Capitulo 101. Corolla 1.6L Corolla 1.8L Localização dos Componentes Página 1 Capitulo 101 APLICATIVOS Toyota TCCS Corolla 1.6L 1993-1995 Corolla 1.8L 1993-95 Localização dos Componentes 10105.jpg (114979 bytes) 1 - Válvula de Controle de ar Adicional 2 - Sensor de posição

Leia mais

BOSCH MOTRONIC M2.8-16V

BOSCH MOTRONIC M2.8-16V CAPITULO 56 BOSCH MOTRONIC M2.8-16V APLICATIVOS GM VECTRA GSI CALIBRA 2.0 16V COMO FUNCIONA O SISTEMA MOTRONIC 2.8 DO VECTRA GSI 2.0 E CALIBRA 2.0 16V Como funciona injeção eletrónica de combustível MOTRONIC

Leia mais

AULA TÉCNICA INSTRUTOR: SCOPINO

AULA TÉCNICA INSTRUTOR: SCOPINO AULA TÉCNICA 34 2015 INSTRUTOR: SCOPINO GERENCIAMENTO ELETRÔNICO 307 1.6 16V FLEX BOSCH ME 7.4.9 SCOPINO TREINAMENTOS Já tivemos aula sobre: 307 PEDAL E BORBOLETA Agora veremos: 307 ME 7.4.9 - AULA 05

Leia mais

AULA TÉCNICA INSTRUTOR: SCOPINO

AULA TÉCNICA INSTRUTOR: SCOPINO AULA TÉCNICA 30 2015 INSTRUTOR: SCOPINO GERENCIAMENTO ELETRÔNICO 307 1.6 16V FLEX BOSCH ME 7.4.9 SCOPINO TREINAMENTOS Já tivemos aula sobre: 307 UNIDADE DE CONTROLE ELETRÔNICO ECU Agora veremos: 307 ME

Leia mais

AULA TÉCNICA INSTRUTOR: SCOPINO

AULA TÉCNICA INSTRUTOR: SCOPINO AULA TÉCNICA 42 2015 INSTRUTOR: SCOPINO GERENCIAMENTO ELETRÔNICO 307 1.6 16V FLEX BOSCH ME 7.4.9 SCOPINO TREINAMENTOS Já tivemos aula sobre: 307 IGNIÇÃO E PARTIDA A FRIO Agora veremos: 307 ME 7.4.9 - AULA

Leia mais

Chevrolet Omega/Suprema 2.0/2.2/3.0/4.1

Chevrolet Omega/Suprema 2.0/2.2/3.0/4.1 Diagnóstico da injeção eletrônica Chevrolet Omega/Suprema 2.0/2.2/3.0/4.1 Autoria: Fernando Furini Mauro Perides Colaboração: Gustavo Frezza Junior - Overspeed Helder Muller Versão 1.3-17/04/2006 Pág 1

Leia mais

BOSCH MOTRONIC 1.5.1 E 1.5.2

BOSCH MOTRONIC 1.5.1 E 1.5.2 CAPÍTULO 52 BOSCH MOTRONIC 1.5.1 E 1.5.2 APLICATIVO DA GM OMEGA 2.0 SUPREMA 2.0 OMEGA 3.0 SUPREMA 3.0 VECTRA 2.0 COMO FUNCIONA O SISTEMA MOTRONIC 1.5 Omega 2.0 e 3.0 Vectra 2.0 Como funciona injeção eletrónica

Leia mais

SUMÁRIO. Parte I. Capítulo 4 - Gerenciamento de Sistemas de Eletrônica Embarcada... 23

SUMÁRIO. Parte I. Capítulo 4 - Gerenciamento de Sistemas de Eletrônica Embarcada... 23 SUMÁRIO Parte I Capítulo 1 - Combustão... 3 Processo de combustão... 3 Motores de Combustão Interna... 4 Relação Ar/Combustível... 5 Relação Estequiométrica... 5 Tipos de misturas... 6 Fator Lambda...

Leia mais

AULA TÉCNICA INSTRUTOR: SCOPINO

AULA TÉCNICA INSTRUTOR: SCOPINO AULA TÉCNICA 19 2015 INSTRUTOR: SCOPINO GERENCIAMENTO ELETRÔNICO FIESTA 1.6 FLEX MARELLI IAW 4CFR SCOPINO TREINAMENTOS Já tivemos aula sobre: FIESTA 1.6 FLEX IGNIÇÃO, ELETROVENTILADOR E PARTIDA A FRIO

Leia mais

SLIDE PATROCINADOR 1

SLIDE PATROCINADOR 1 SLIDE PATROCINADOR 1 SLIDE PATROCINADOR 1 AULA TÉCNICA 21 2015 INSTRUTOR: SCOPINO GERENCIAMENTO ELETRÔNICO FIESTA 1.6 FLEX MARELLI IAW 4CFR SCOPINO TREINAMENTOS Já tivemos aula sobre: FIESTA 1.6 FLEX MARCHA

Leia mais

AULA TÉCNICA INSTRUTOR: SCOPINO

AULA TÉCNICA INSTRUTOR: SCOPINO AULA TÉCNICA 10 2015 INSTRUTOR: SCOPINO GERENCIAMENTO ELETRÔNICO ONIX 1.4 FLEX MULTEC H N14Y SCOPINO TREINAMENTOS Já tivemos aula sobre: ONIX 1.4 FLEX MAF E TEMPERATURA MOTOR Agora veremos: MULTEC H N14Y-

Leia mais

AULA TÉCNICA INSTRUTOR: SCOPINO

AULA TÉCNICA INSTRUTOR: SCOPINO AULA TÉCNICA 29 2015 INSTRUTOR: SCOPINO GERENCIAMENTO ELETRÔNICO ECOSPORT 1.6 16V FLEX MARELLI IAW 7GFR.CS SCOPINO TREINAMENTOS Já tivemos aula sobre: ECOSPORT - ECU Agora veremos: IAW 7GFR.CS - AULA 03

Leia mais

Índice. Introdução 03. Cuidados ao manusear o equipamento 05. Acessórios Inclusos 06. Definições do equipamento 07

Índice. Introdução 03. Cuidados ao manusear o equipamento 05. Acessórios Inclusos 06. Definições do equipamento 07 Manual 1 Índice. Introdução 03 Cuidados ao manusear o equipamento 05 Acessórios Inclusos 06 Definições do equipamento 07 Conectando o Pin Out 11 Fazendo medições 13 Testando com injetores e bobinas reais

Leia mais

Aplicativos JEEP MPI. O Indicador de mau funcionamento (mil) no painel de instrumento iluminará se são reconhecidas certas falhas.

Aplicativos JEEP MPI. O Indicador de mau funcionamento (mil) no painel de instrumento iluminará se são reconhecidas certas falhas. 1 Aplicativos JEEP MPI JEEP CHEROKEE 5.2L V8 Código de Falhas A unidade central incorpora uma função de diagnóstico O Indicador de mau funcionamento (mil) no painel de instrumento iluminará se são reconhecidas

Leia mais

Injeção eletrônica de combustíveis

Injeção eletrônica de combustíveis Injeção eletrônica de combustíveis É um sistema de dosagem de combustível nos motores ciclo Otto com o objetivo de controlar a relação estequiométrica (ar/combustível) de forma que a mesma seja sempre

Leia mais

Como funciona a injeção eletrônica - Pirituba Fusca Club. Escrito por Robson Luiz Braga. Injeção Eletrônica

Como funciona a injeção eletrônica - Pirituba Fusca Club. Escrito por Robson Luiz Braga. Injeção Eletrônica Injeção Eletrônica Devido à rápida evolução dos motores dos automóveis, além de fatores como controle de emissão de poluentes e economia de combustível, o velho carburador que acompanhou praticamente todo

Leia mais

Página 1 de 18. Jetta. Esquema de circuito de corrente Nº 36 / Motor de 2,0 l a gasolina, CCZA A partir de outubro de 2010

Página 1 de 18. Jetta. Esquema de circuito de corrente Nº 36 / Motor de 2,0 l a gasolina, CCZA A partir de outubro de 2010 Página 1 de 18 Esquema de circuito de corrente Nº 36 / 1 04.2012 Motor de 2,0 l a gasolina, CCZA A partir de outubro de 2010 Página 2 de 18 Esquema de circuito de corrente Nº 36 / 2 Bateria, Motor de partida,

Leia mais

AULA TÉCNICA INSTRUTOR: SCOPINO

AULA TÉCNICA INSTRUTOR: SCOPINO AULA TÉCNICA 15 2015 INSTRUTOR: SCOPINO GERENCIAMENTO ELETRÔNICO FIESTA 1.6 FLEX MARELLI IAW 4CFR SCOPINO TREINAMENTOS Já tivemos aula sobre: FIESTA 1.6 FLEX MAP E SENSORES DE OXIGÊNIO Agora veremos: IAW

Leia mais

TESTES MECÂNICOS SINAIS ELÉTRICOS CONFIGURAÇÕES. 1 Sinal Sonda Lâmbda Catalizador visto por Sinal de Duas Sondas. 2 Primário de bobina Ignição

TESTES MECÂNICOS SINAIS ELÉTRICOS CONFIGURAÇÕES. 1 Sinal Sonda Lâmbda Catalizador visto por Sinal de Duas Sondas. 2 Primário de bobina Ignição OSCILOSCÓPIO - GUIA RÁPIDO Guia do Utilizador 2016 SINAIS ELÉTRICOS 1 Sinal Sonda Lâmbda Catalizador visto por Sinal de Duas Sondas 2 Primário de bobina Ignição Avaliar o Sinal do módulo Injeção 3 Secundário

Leia mais

MAGNETI MARELLI IAW 08R Monoponto

MAGNETI MARELLI IAW 08R Monoponto CAPÍTULO 100 MAGNETI MARELLI IAW 08R Monoponto APLICATIVO DA FIAT Clio/Twingo/R19 1.6i COMO FUNCIONA INJEÇÃO MAGNETI MARELLI IAW 08R. Esta injeção é um sistema com uma única válvula injetora de combustível,

Leia mais

AULA TÉCNICA

AULA TÉCNICA AULA TÉCNICA 058 2014 INSTRUTOR: SCOPINO GERENCIAMENTO ELETRÔNICO UNO VIVACE 1.0 FLEX MARELLI IAW7GF SCOPINO TREINAMENTOS Já tivemos aula sobre: UNO VIVACE IGNIÇÃO E CANISTER Agora veremos: IAW 7GF - AULA

Leia mais

AULA TÉCNICA

AULA TÉCNICA AULA TÉCNICA 085 2014 INSTRUTOR: SCOPINO GERENCIAMENTO ELETRÔNICO PÁLIO E-TORQ FLEX MARELLI IAW7GF SCOPINO TREINAMENTOS Já tivemos aula sobre: E-TORQ 1.6 16V MAP, TEMPERATURA DO AR E DETONAÇÃO Agora veremos:

Leia mais

APLICATIVOS RENAULT BOSCH MONOPONTO

APLICATIVOS RENAULT BOSCH MONOPONTO CAPÍTULO 10 APLICATIVOS RENAULT BOSCH MONOPONTO CLIO 1.2 E7F 750 1995-96 CLIO 1.4 E7J 710/711/718/719/754 1990 em diante. EXTRA/EXPRESS 1.4 E7J724/720. COMO FUNCIONA ESTE SISTEMA Este sistema é monoponto

Leia mais

Diagnósticos Cambio dualogic 1.8/1.9 flex

Diagnósticos Cambio dualogic 1.8/1.9 flex Câmbio Dualogic Diagnósticos 21-001- Câmbio Dualogic 1.8 / 1.9 Flex INCONVENIENTE: Veículo em trânsito demora a desacoplar a embreagem. DIAGNOSE: 1) - Verificar se o interruptor de freio esta queimado

Leia mais

AULA TÉCNICA INSTRUTOR: SCOPINO

AULA TÉCNICA INSTRUTOR: SCOPINO AULA TÉCNICA 26 2015 INSTRUTOR: SCOPINO GERENCIAMENTO ELETRÔNICO 307 1.6 16V FLEX BOSCH ME 7.4.9 SCOPINO TREINAMENTOS Já tivemos aula sobre: ONIX - AJUSTES E SCANNER Agora veremos: 307 ME 7.4.9 - AULA

Leia mais

APLICATIVOS RENAUL Siemens/Fenix 5

APLICATIVOS RENAUL Siemens/Fenix 5 CAPÍTULO 14 APLICATIVOS RENAUL Siemens/Fenix 5 MEGANE 2.0 16V F7R D710 1996 em diante COMO FUNCIONA ESTE SISTEMA Este sistema é multiponto seqüencial, com 4 válvulas injetoras que possui autodiagnose ou

Leia mais

Diagnósticos Borboleta motorizada (drive by wire)

Diagnósticos Borboleta motorizada (drive by wire) Diagnósticos 55-002 - Borboleta motorizada (drive by wire) Características e funcionamento O NCM comanda a borboleta com base na solicitação de torque do motor. A solicitação de torque pode, por exemplo,

Leia mais

AULA TÉCNICA

AULA TÉCNICA AULA TÉCNICA 098 2014 INSTRUTOR: SCOPINO GERENCIAMENTO ELETRÔNICO: VW GOL G6 1.0 FLEX ME 17.5.20 SCOPINO TREINAMENTOS Já tivemos aula sobre: ME 17.5.20 CORPO ELETRÔNICO, AR CONDICIONADO E CANISTER Agora

Leia mais

CATÁLOGO TÉCNICO DE PRODUTO

CATÁLOGO TÉCNICO DE PRODUTO Equipamento de teste de pressão da bomba de combustível de veículos com injeção eletrônica O TVP s são equipamento para teste de pressão da bomba elétrica de combustível dos veículos com injeção eletrônica,

Leia mais

APLICATIVOS RENAULT. Siemens/Fênix 5

APLICATIVOS RENAULT. Siemens/Fênix 5 CAPÍTULO 13 APLICATIVOS RENAULT Siemens/Fênix 5 MEGANE 1.6 K7M 702/703/720 1995 em diante COMO FUNCIONA ESTE SISTEMA Este sistema é multiponto seqüencial, com 4 válvulas injetoras que possui autodiagnose

Leia mais

Aula 10 Sistema Trifuel

Aula 10 Sistema Trifuel Introdução Aula 10 O Trifuel sistema digital multiponto de gerenciamento de motor, possibilita o uso de Gás Natural Veicular (GNV), gasolina, álcool ou qualquer mistura destes dois últimos combustíveis

Leia mais

Simulador de sonda lambda inteligente

Simulador de sonda lambda inteligente t65 Simulador de sonda lambda inteligente APRESENTAÇÃO E CARACTERÍSTICAS O Simulador de sonda lambda inteligente T65 é um módulo eletrônico desenvolvido para efetuar a simulação do sinal do sensor de sonda

Leia mais

Controle Motor Flex Dificuldade de Partida e Falha no Reconhecimento de A/F

Controle Motor Flex Dificuldade de Partida e Falha no Reconhecimento de A/F 10 - e Falha no Reconhecimento de A/F MODELOS ENVOLVIDOS: Fiat T.T. com motorização Flex. DESCRIÇÃO: Para veículos que apresentarem dificuldade de partida, falha no reconhecimento de A/F ou funcionamento

Leia mais

Aula 8 Injeção Eletrônica Direta

Aula 8 Injeção Eletrônica Direta Introdução Aula 8 Injeção Eletrônica Direta Até o lançamento do sistema de injeção eletrônica MED, a mistura de ar e combustível era gerada no tubo de aspiração. A busca por novas possibilidades para melhorar

Leia mais

20. DIAGNOSE DE DEFEITOS

20. DIAGNOSE DE DEFEITOS 20. DIAGNOSE DE DEFEITOS MOTOR NAO PEGA/PARTIDA DIFÍCIL 20-1 MOTOR NÃO TEM FORÇA 20-2 MAU FUNCIONAMENTO EM BAIXAS ROTAÇÕES 20-3 MAU FUNCIONAMENTO EM ALTAS ROTAÇÕES 20-4 DIRIGIBILIDADE RUIM 20-4 MOTOR NÃO

Leia mais

INJEÇÃO ELETRÔNICA SISTEMA SPI G7

INJEÇÃO ELETRÔNICA SISTEMA SPI G7 INJEÇÃO ELETRÔNICA SISTEMA SPI G7 Qualificação SENAI - PR, 2002 CIP 0010XA0107402 Trabalho elaborado pela Diretoria de Educação e Tecnologia do Departamento Regional do SENAI - PR, através do LABTEC -

Leia mais

Sistema de Injeção Eletrônica de Combustível- GM Multec B22/MPFI

Sistema de Injeção Eletrônica de Combustível- GM Multec B22/MPFI 1. Introdução Esta apostila foi desenvolvida com a finalidade de mostrar descritivamente o sistema de Injeção Eletrônica Multec 700, aplicado aos veículos Omega 2.2, pick-up S10/ Blazer e Corsa 1.0/ 1.6

Leia mais

Localização dos Componentes

Localização dos Componentes 1 of 40 21/07/2014 18:54 CAPÍTULO 15 AUDI A4 1.8 ADR 1995 em diante AUDI A4 1.8 TURBO AEB 1995 em diante COMO FUNCIONA ESTE SISTEMA Este sistema é multiponto seqüencial, com 4 válvulas injetoras que possui

Leia mais

AULA TÉCNICA INSTRUTOR: SCOPINO

AULA TÉCNICA INSTRUTOR: SCOPINO AULA TÉCNICA 46 2015 INSTRUTOR: SCOPINO GERENCIAMENTO ELETRÔNICO 307 1.6 16V FLEX BOSCH ME 7.4.9 SCOPINO TREINAMENTOS Já tivemos aula sobre: 307 ELETROINJETORES, ELETROVENTILADOR E AR CONDICIONADO Agora

Leia mais

AULA TÉCNICA INSTRUTOR: SCOPINO

AULA TÉCNICA INSTRUTOR: SCOPINO AULA TÉCNICA 31 2015 INSTRUTOR: SCOPINO GERENCIAMENTO ELETRÔNICO ECOSPORT 1.6 16V FLEX MARELLI IAW 7GFR.CS SCOPINO TREINAMENTOS Já tivemos aula sobre: ECOSPORT - COMBUSTÍVEL Agora veremos: IAW 7GFR.CS

Leia mais

AULA TÉCNICA INSTRUTOR: SCOPINO

AULA TÉCNICA INSTRUTOR: SCOPINO AULA TÉCNICA 33 2015 INSTRUTOR: SCOPINO GERENCIAMENTO ELETRÔNICO ECOSPORT 1.6 16V FLEX MARELLI IAW 7GFR.CS SCOPINO TREINAMENTOS Já tivemos aula sobre: ECOSPORT ROTAÇÃO E FASE Agora veremos: IAW 7GFR.CS

Leia mais

MÁQUINAS E EQUIPAMENTOS TÉRMICOS

MÁQUINAS E EQUIPAMENTOS TÉRMICOS MÁQUINAS E EQUIPAMENTOS TÉRMICOS MOTORES ALTERNATIVOS DE COMBUSTÃO INTERNA Prof. Dr. Ramón Silva - 2015 MACI Alimentação - Carburador Carburador Elementar 1. Vazão de Ar 2. Valvula Borboleta Aceleradora

Leia mais

AULA TÉCNICA INSTRUTOR: SCOPINO

AULA TÉCNICA INSTRUTOR: SCOPINO AULA TÉCNICA 25 2015 INSTRUTOR: SCOPINO GERENCIAMENTO ELETRÔNICO ECOSPORT 1.6 16V FLEX MARELLI IAW 7GFR.CS SCOPINO TREINAMENTOS Já tivemos aula sobre: FIESTA - AJUSTES E SCANNER Agora veremos: IAW 7GFR.CS

Leia mais

Controle do regulador de volume de combustível - faixa/funcionamento do circuito

Controle do regulador de volume de combustível - faixa/funcionamento do circuito Todos os códigos EOBD que começam por P seguidos de zero possuem um significado padrão independentemente da marca ou modelo de veículo. Para obter o significado dos códigos EOBD que não começam por P seguidos

Leia mais

Aula 9 Sistema Flex. Introdução. Introdução UGA. Introdução UGA 23/04/2014

Aula 9 Sistema Flex. Introdução. Introdução UGA. Introdução UGA 23/04/2014 Introdução Aula 9 O sistema Flex Fuel é capaz de reconhecer e adaptar, automaticamente, as funções de gerenciamento do motor para qualquer proporção de mistura de álcool e de gasolina que esteja no tanque.

Leia mais

Para o perfeito funcionamento e conservação dos componentes instalados, siga as recomendações abaixo:

Para o perfeito funcionamento e conservação dos componentes instalados, siga as recomendações abaixo: t1200 apresentação e características A Micro comutadora t1200 é um módulo eletrônico desenvolvido para facilitar a instalação do Kit GNV. Essa comutadora é programada somente para veículos providos de

Leia mais

MANUAL DE TESTES - SDC 701

MANUAL DE TESTES - SDC 701 DG FLEX SENSOR DE TEMPERATURA DA ÁGUA - RESISTÊNCIA Verificar no conector da ECU, desconectado. Ligar a ponta de prova vermelha (+) do multímetro ao terminal 73-B da ECU. Ligar a ponta de prova preta (-)

Leia mais

AULA TÉCNICA

AULA TÉCNICA AULA TÉCNICA 097 2014 INSTRUTOR: SCOPINO GERENCIAMENTO ELETRÔNICO PÁLIO E-TORQ FLEX MARELLI IAW7GF SCOPINO TREINAMENTOS Já tivemos aula sobre: E-TORQ 1.6 16V IGNIÇÃO, ELETROVENTILADOR E PARTIDA A FRIO

Leia mais

Aula 13 - Circuitos Integrados para Automotiva UGA

Aula 13 - Circuitos Integrados para Automotiva UGA Aula 13 - Circuitos Integrados para Automotiva Introdução Nessa aula serão apresentados alguns circuitos utilizados em condicionadores de sensores automotivos e em circuitos de controles de atuadores.

Leia mais

Conector. Led. Botão de programação. Módulo. de ignição. Conectar o fio amarelo no sinal variável do sensor TPS (sinal típico: 0 a 5V ou 5 a 0V).

Conector. Led. Botão de programação. Módulo. de ignição. Conectar o fio amarelo no sinal variável do sensor TPS (sinal típico: 0 a 5V ou 5 a 0V). APRESENTAÇÃO E CARACTERÍSTICAS O Variador de Avanço T34 é um módulo eletrônico desenvolvido para ser aplicado em veículos que tenham o sistema de ignição com bobina e injeção eletrônica ou bobina e distribuidor.

Leia mais

Sistema de injeção para a motorização V Central de Injeção/Ignição HSFI2.3

Sistema de injeção para a motorização V Central de Injeção/Ignição HSFI2.3 Sistema de injeção para a motorização 1.8 16V Central de Injeção/Ignição HSFI2.3 O sistema Delphi HSFI 2.3 é uma central eletrônica Microhíbrida com borboleta motorizada que realiza a função Integrada

Leia mais

APLICATIVOS RENAULT. Siemens/Fênix 5

APLICATIVOS RENAULT. Siemens/Fênix 5 CAPÍTULO 11 APLICATIVOS RENAULT Siemens/Fênix 5 MEGANE 2.0 F3R 750/751 1996 em diante LAGUNA 1.8 F3P B670/S724 1996 em diante LAGUNA 2.0 F3R 722/723 1996 em diante LAGUNA 2.0 16V N7Q 700 1996 em diante

Leia mais

BANCADA DIDÁTICA PARA TREINAMENTO EM MOTORES (FLEX) DO TIPO CICLO OTTO

BANCADA DIDÁTICA PARA TREINAMENTO EM MOTORES (FLEX) DO TIPO CICLO OTTO BANCADA DIDÁTICA PARA TREINAMENTO EM MOTORES (FLEX) DO TIPO CICLO OTTO MODELO: EE0421 APRESENTAÇÃO A bancada didática para treinamento em motores de combustão interna do tipo CICLO OTTO Flex (motor vivo),

Leia mais

APLICATIVO VOLVO 240 2.3L (B230F) 1986-94 740 2.3L (B230F) 1991-92 940 2.3L (B230F) 1992-95. Localização dos Componentes AUTODIAGNOSTICO

APLICATIVO VOLVO 240 2.3L (B230F) 1986-94 740 2.3L (B230F) 1991-92 940 2.3L (B230F) 1992-95. Localização dos Componentes AUTODIAGNOSTICO APLICATIVO VOLVO 240 2.3L (B230F) 1986-94 740 2.3L (B230F) 1991-92 940 2.3L (B230F) 1992-95 Localização dos Componentes AUTODIAGNOSTICO - Modulo de controle do motor UC tem incorporado à função de autodiagnose.

Leia mais

16. SISTEMA DE IGNIÇÃO

16. SISTEMA DE IGNIÇÃO 16. SISTEMA DE IGNIÇÃO INFORMAÇÕES DE SERVIÇO 16-1 LOCALIZAÇÃO DOS COMPONENTES 16-2 DIAGRAMA DO SISTEMA 16-2 DIAGNOSE DE DEFEITOS 16-3 INSPEÇÃO DO SISTEMA DE IGNIÇÃO 16-4 16-5 BOBINA DE EXCITAÇÃO DO ALTERNADOR

Leia mais

Instalação. Leia todo o manual antes de iniciar a instalação. Informações e procedimentos para fazer a instalação e acerto do gerenciador Fast Turbo.

Instalação. Leia todo o manual antes de iniciar a instalação. Informações e procedimentos para fazer a instalação e acerto do gerenciador Fast Turbo. Instalação Leia todo o manual antes de iniciar a instalação Informações e procedimentos para fazer a instalação e acerto do gerenciador Fast Turbo. Precauções 1- Certifique-se que o veículo esteja em perfeitas

Leia mais

Diagnose do sistema de direção hidráulica Dispositivo para análise

Diagnose do sistema de direção hidráulica Dispositivo para análise FIAT TT Diagnósticos 44-006 Diagnose do sistema de direção hidráulica Dispositivo para análise Atenção Para prevenir danos corporais, é imprescindível a utilização de EPI s, (óculos e luvas de proteção)

Leia mais

CARACTERÍSTICAS TÉCNICAS

CARACTERÍSTICAS TÉCNICAS pág. 1 CARACTERÍSTICAS TÉCNICAS MODELOS Potência térmica máx. Potência térmica mín. Vazão máx. óleo Vazão mín. óleo Voltagem 60 Hz Motor Velocidade Capacitor Transformador de ignição Programador Programador

Leia mais

21. DIAGNOSE DE DEFEITOS

21. DIAGNOSE DE DEFEITOS NX-4 FALCON 21. DIAGNOSE DE DEFEITOS O MOTOR NÃO DÁ PARTIDA OU 21-1 A PARTIDA É DIFÍCIL FALTA DE POTÊNCIA DO MOTOR 21-2 BAIXO DESEMPENHO EM BAIXAS 21-3 ROTAÇÕES OU MARCHA LENTA BAIXO DESEMPENHO EM 21-4

Leia mais

Manual de Diagnóstico

Manual de Diagnóstico Manual de Diagnóstico Manual de Diagnóstico MWM-International Motores Unidade Santo Amaro Av. das Nações Unidas 22.002 CEP-04795-915 São Paulo SP Brasil Internet: www.mwm-international.com.br e-mail: mwm@mwm.com.br

Leia mais

Aula 12 -Sistemas de Gerenciamento Motores Diesel UGA

Aula 12 -Sistemas de Gerenciamento Motores Diesel UGA Aula 12 -Sistemas de Gerenciamento Motores Diesel Evolução dos Sistemas de Alimentação Motores Diesel Assim como os motoresciclo Otto, que no final da década de 1980 início da de 1990 tiveram o sistema

Leia mais

CAPITULO 20 APLICATIVOS PEUGEOT MAGNETI MARELLI MULTIPOINT 8P. 306 1.8/2.0 XU7JP (LFZ)/XU10J2 (RFX) 1993 em diante

CAPITULO 20 APLICATIVOS PEUGEOT MAGNETI MARELLI MULTIPOINT 8P. 306 1.8/2.0 XU7JP (LFZ)/XU10J2 (RFX) 1993 em diante CAPITULO 20 APLICATIVOS PEUGEOT MAGNETI MARELLI MULTIPOINT 8P 306 1.8/2.0 XU7JP (LFZ)/XU10J2 (RFX) 1993 em diante 806 2.0 XU10J2C/Z (RFU) 1994 em diante BOXER 2.0 XU10J2U/X3 (RFW) 1994 em diante COMO FUNCIONA

Leia mais

Análise de Modos de Falha e Efeitos

Análise de Modos de Falha e Efeitos Análise de Modos de Falha e Efeitos Patriota de Siqueira 3 Sistema de Resfriamento. Arrefecimento Falta ventilação Ventilador Aquecimento do motor Resfriar a água do sistema entre forçada quebrado Ventilador

Leia mais

21. DIAGNOSE DE DEFEITOS

21. DIAGNOSE DE DEFEITOS XR250 21. DIAGNOSE DE DEFEITOS O MOTOR NÃO DÁ PARTIDA OU A PARTIDA É DIFÍCIL 21-1 FALTA DE POTÊNCIA DO MOTOR 21-2 BAIXO DESEMPENHO EM BAIXAS ROTAÇÕES OU MARCHA LENTA 21-3 BAIXO DESEMPENHO EM ALTAS ROTAÇÕES

Leia mais

Motores válvulas

Motores válvulas Motores 1.6 16 válvulas Renault: Scénic 1.6 16V, Clio II 1.6 16V e Mégane 1.6 16V Particularidades do procedimento As principais particularidades do procedimento de troca da correia dentada desses veículos

Leia mais

VÁLVULA REGULADORA DE PRESSÃO

VÁLVULA REGULADORA DE PRESSÃO VÁLVULA REGULADORA DE PRESSÃO 1 - Com auxílio do diagrama elétrico correspondente, determinar: A) a pinagem dos conectores, lado válvula reguladora e ECM B) a polaridade dos fios 2 - Utilizando a ferramenta

Leia mais

Sistema de Gerenciamento do Motor EA111 1.6 GOLF 1.6 2009

Sistema de Gerenciamento do Motor EA111 1.6 GOLF 1.6 2009 Sistema de Gerenciamento do Motor EA111 1.6 GOLF 1.6 2009 Golf 1.6-2009 Apresentador Professor SCOPINO Técnico e Administrador da Auto Mecânica Scopino. Professor do Universo do Mecânico (UMEC). Consultor

Leia mais

Medidor de Fluxo de Ar MAF

Medidor de Fluxo de Ar MAF Medidor de Fluxo de Ar MAF O medidor de massa de ar - MAF (Mass Air Flow) mede diretamente a massa do ar admitido. Está localizado na entrada da tubulação de admissão junto ao suporte do filtro de ar.

Leia mais

Manual Do Usuário TSI Testador/Simulador de Sensores para Injeção Eletrônica TSI-2000

Manual Do Usuário TSI Testador/Simulador de Sensores para Injeção Eletrônica TSI-2000 Manual Do Usuário Testador/Simulador de Sensores para Injeção Eletrônica TSI-2000 O TSI-2000 é utilizado para testar e simular: sonda Lâmbda e outros sensores, contendo 3 escalas de voltagens: ( 0 1,0

Leia mais

TM 527 - INJEÇÃO VW INJEÇÃO ELETRÔNICA. 1 Menu Principal

TM 527 - INJEÇÃO VW INJEÇÃO ELETRÔNICA. 1 Menu Principal INJEÇÃO ELETRÔNICA TM 527 - INJEÇÃO VW VW - Marelli 4LV Linha Gol 1.0 EGAS, Gol 1.0 16V EGAS VW - Motronic 5.9.2v3 Linha Golf/Bora 2.0/Beetle 2.0 VW - Motronic ME7.5.10 Golf 1.6 EGAS 1 Menu Principal Opcao:

Leia mais

Manual do Usuário. TVP e 17 Mangueiras. Equipamento de teste de pressão/vazão da bomba de combustível TVP / 17

Manual do Usuário. TVP e 17 Mangueiras. Equipamento de teste de pressão/vazão da bomba de combustível TVP / 17 Manual do Usuário Equipamento de teste de pressão/vazão da bomba de combustível TVP-8700 13 / 17 Os TVP-8700 são equipamentos para análise instantânea de pressão, vazão e estanqueidade da bomba elétrica

Leia mais

PMC5617. Motores Flexíveis. Semana de Eng. Mackenzie. Eduardo S. Oliveira, José Maria Muniz, Luciana R. Colin José Mauro, Roger Guilherme.

PMC5617. Motores Flexíveis. Semana de Eng. Mackenzie. Eduardo S. Oliveira, José Maria Muniz, Luciana R. Colin José Mauro, Roger Guilherme. Apresentar: 1) Alguns conceitos de motores de combustão interna; 2) Funcionamento simplificado da tecnologia Total-Flex ; Motor Otto: Para cada 13,8g de ar você pode colocar 1g de combustível (gasohol);

Leia mais

Seção Reservatório e Linhas de Combustível APLICAÇÃO NO VEÍCULO: Ranger. Índice FERRAMENTAS ESPECIAIS DESCRIÇÃO E OPERAÇÃO

Seção Reservatório e Linhas de Combustível APLICAÇÃO NO VEÍCULO: Ranger. Índice FERRAMENTAS ESPECIAIS DESCRIÇÃO E OPERAÇÃO 1 de 19 15/07/2011 14:20 Seção 310-01 Reservatório e Linhas Seção 310-01 Reservatório e Linhas de Combustível APLICAÇÃO NO VEÍCULO: Ranger Índice Assunto Página FERRAMENTAS ESPECIAIS 310-01-02 DESCRIÇÃO

Leia mais

reehn 30.000 btus ERRO. Ao ligar e se deparar com o erro E4, devem ser feitos os testes abaixo indicados antes de trocar a placa da evaporadora:

reehn 30.000 btus
ERRO. Ao ligar e se deparar com o erro E4, devem ser feitos os testes abaixo indicados antes de trocar a placa da evaporadora: ERRO E-4 O erro ocorre quando o sensor de imersão da serpentina da evaporadora informa à placa principal da própria evaporadora que a serpentina está numa temperatura anormal (ou muito fria ou muito quente

Leia mais

Manual do Usuário. TVPA e 17 Mangueiras Mangueiras (2)- MG450

Manual do Usuário. TVPA e 17 Mangueiras Mangueiras (2)- MG450 Manual do Usuário Equipamento de teste de pressão/vazão simultânea e teste de estanqueidade da bomba elétrica de combustível para veículos com injeção eletrônica. O TVPA-4500 é um equipamento para análise

Leia mais

MOTOR 4 LD 2500 / 4 LDG 2500

MOTOR 4 LD 2500 / 4 LDG 2500 MOTOR LD 500 / LDG 500 ÍNDICE A 5 6 Bloco do Motor Carcaça Tampa do Motor LD 500 Tampa do Motor LDG 500 Cabeçote Tampa do Cabeçote Conjunto Pistão LD 500 6A Conjunto Pistão LDG 500 7 8 9 0 5 6 7 8 9 0

Leia mais

SUMÁRIO SEÇÃO 2.3 : MANUAL DE REPAROS - MULTEC H 1.0 - INTRODUÇÃO... 3 2.0 - CARACTERÍSTICAS GERAIS... 3 3.0 - ESQUEMAS ELÉTRICOS...

SUMÁRIO SEÇÃO 2.3 : MANUAL DE REPAROS - MULTEC H 1.0 - INTRODUÇÃO... 3 2.0 - CARACTERÍSTICAS GERAIS... 3 3.0 - ESQUEMAS ELÉTRICOS... Reparos MULTEC H SEÇÃO 2.3 : MANUAL DE REPAROS - MULTEC H SUMÁRIO 1.0 - INTRODUÇÃO... 3 2.0 - CARACTERÍSTICAS GERAIS... 3 2.1 - Conectores da UC e localizações... 4 3.0 - ESQUEMAS ELÉTRICOS... 5 4.0 -

Leia mais

4LD LDG Motor e Gerador

4LD LDG Motor e Gerador LD 00 LDG 00 Motor e Gerador MOTOR LD 00 / LDG 00 ÍNDICE A Bloco do Motor Bloco do Motor Cabeçote Conjunto Pistão Virabrequim Comando de Válvulas Trem de Válvulas Trem de Engrenagens Alimentação e Escape

Leia mais

GRF. Gerenciador de rotações por Frequência. Manual de instalação e configuração.

GRF. Gerenciador de rotações por Frequência. Manual de instalação e configuração. FR Indústria Eletromecânica Ltda. GRF Gerenciador de rotações por Frequência. Manual de instalação e configuração. www.fr.ind.br E-mail: contato@fr.ind.br / fr.eletromecanica@gmail.com Telefone: (45) 2031-0688

Leia mais

DEVE-SE SUBSTITUIR UM SOLENÓIDE SEMPRE QUE O CÓDIGO DE FALHAS ACUSAR DEFEITO NO SOLENÓIDE?

DEVE-SE SUBSTITUIR UM SOLENÓIDE SEMPRE QUE O CÓDIGO DE FALHAS ACUSAR DEFEITO NO SOLENÓIDE? DEVE-SE SUBSTITUIR UM SOLENÓIDE SEMPRE QUE O CÓDIGO DE FALHAS ACUSAR DEFEITO NO SOLENÓIDE? É uma ocorrência comum trocar-se um solenóide porque a definição do código de falhas contém a palavra solenóide...

Leia mais

PROVA ONLINE E GABARITO (2016)

PROVA ONLINE E GABARITO (2016) 1. Ao realizar o diagnóstico em um motor, constatou-se que a pressão na galeria de combustível estava abaixo do valor especifi cado. Pode-se afi rmar que o sintoma mais provável nesse caso é: A ( ) aumento

Leia mais

Desenvolvimento da Rede - Treinamento

Desenvolvimento da Rede - Treinamento Desenvolvimento da Rede - Treinamento ÍNDICE Introdução... 3 Dados técnicos... 4 Vantagens da utilização do sistema de gerenciamento eletrônico... 5 Inovações técnicas... 6 Componentes e sistemas... 7

Leia mais

TELE - VENDAS: (0xx41) FAX GRÁTIS:

TELE - VENDAS: (0xx41) FAX GRÁTIS: TELE - ENDAS: (0xx41) 2102-1100 - FAX GRÁTIS: 0800-704 2080 PROA DE LÂMPADAS Testando a Lâmpada Com a lâmpada fora do soquete, encoste uma ponta de prova no encaixe e a outra ponta no pólo como é mostrado

Leia mais

MOTOCULTIVADOR BUFFALO BFD

MOTOCULTIVADOR BUFFALO BFD ÍNDICE: Componentes do motocultivador... 1 1.0 Funcionamento do Motor Diesel... 2 1.1 Abastecimento de Óleo Lubrificante... 2 1.2 Abastecimento de Óleo Diesel... 2 1.3 Abastecimento de Óleo na Transmissão...

Leia mais

MT-526C CONTROLADOR DE TEMPERATURA PARA BOMBAS DE CALOR LIGHT TECH DESCRIÇÃO

MT-526C CONTROLADOR DE TEMPERATURA PARA BOMBAS DE CALOR LIGHT TECH DESCRIÇÃO MT-526C CONTROLADOR DE TEMPERATURA PARA BOMBAS DE CALOR LIGHT TECH DESCRIÇÃO O MT-526C Light Tech é um controlador e indicador de temperatura destinado ao controle de bombas de calor. Possui três sensores

Leia mais

MOTOR 3 LD 1500 / 3 LDG 1500

MOTOR 3 LD 1500 / 3 LDG 1500 MOTOR LD 00 / LDG 00 ÍNDICE 7 8 9 0 7 8 9 0 7 Bloco do Motor Tampa do Comando Cabeçote Tampa do Cabeçote Conjunto Pistão Virabrequim Comando de Válvulas Trem de Engrenagens Admissão Escapamento Carter

Leia mais

Atenção! Use sempre capacete e roupa apropriada. Obedeça a sinalização e limites de velocidade. Sua segurança é sua responsabilidade. Atenção!

Atenção! Use sempre capacete e roupa apropriada. Obedeça a sinalização e limites de velocidade. Sua segurança é sua responsabilidade. Atenção! Atenção! O é um dispositivo de alto desempenho destinado ao uso em competições ou testes controlados. O uso urbano em estradas e vias públicas é de inteira responsabilidade do usuário. O produto descrito

Leia mais

Câmbio Dualogic Diagnósticos 2110 Câmbio dualogic

Câmbio Dualogic Diagnósticos 2110 Câmbio dualogic Câmbio Dualogic Diagnósticos 2110 Câmbio dualogic Diagnóstico Características e funcionamento O câmbio Dualogic é um sistema de transmissão automática gerenciado por uma unidade eletrônica chamada de NCD

Leia mais

FIPM. Fuel Injector Pulse Modulator. Manual do usuário V1.2 SOLUCIONANDO PROBLEMAS. O led 05 do FIPM não se acende.

FIPM. Fuel Injector Pulse Modulator. Manual do usuário V1.2 SOLUCIONANDO PROBLEMAS. O led 05 do FIPM não se acende. SOLUCIONANDO PROBLEMAS O led 05 do FIPM não se acende. Positivo (fio vermelho), positivo ignição (fio laranja), negativo (fio preto) não estão corretamente ligados. Os leds 04 e 05 piscam juntos e o FIPM

Leia mais

Pré-chicote PR440 e PR440 Drag

Pré-chicote PR440 e PR440 Drag Aplicação O Pré-chicote PR440 é composto por conector principal, conector de comunicação e cabos com 2,5 metros de comprimento. Cada um dos fios contém identificação impressa em português e em inglês e

Leia mais

Modelo EP-03 i

Modelo EP-03 i Modelo EP-03 i EP-03 i B A Manual de Instruções MICROCONTROLADO SENSOR ULTRA-SOM com filtro CONTROLE REMOTO com 7 funções cadastra 3 CONTROLES c/ cód. diferentes dois TIPOS DE ATIVAÇÃO AVISO SONORO DE

Leia mais

17. SISTEMA DE IGNIÇÃO

17. SISTEMA DE IGNIÇÃO XLX350R 17. SISTEMA DE IGNIÇÃO INFORMAÇÕES DE SERVIÇO 17-1 DIAGNOSE DE DEFEITOS 17-2 INSPEÇÃO DO SISTEMA C.D.I. 17-3 BOBINA DE IGNIÇÃO 17-4 GERADOR DE PULSOS 17-5 BOBINA DE EXCITAÇÃO DO ALTERNADOR 17-5

Leia mais

Este produto deve ser instalado por oficinas especializadas ou pessoas capacitadas.

Este produto deve ser instalado por oficinas especializadas ou pessoas capacitadas. Índice 1. Atenção!... 3 2. Apresentação... 4 3. Características... 4 4. Sensor Lambda Wide Band Bosch LSU 4.2... 5 5. Instalação... 6 5.1 Instalação da Sonda... 6 5.2 Instalação Elétrica do WB-O2 Meter...

Leia mais

Modelo EP-02

Modelo EP-02 Modelo EP-02 Manual de Instruções EP-02 EP-02 Funcionamento Atenção Sr. Usuário Confirme com o instalador a localização do fusível 10A. - Função Chave Geral: Desativa o alarme. - Função cadastramento dos

Leia mais

BANCADA DIDÁTICA PARA TREINAMENTO DE TESTE E MANUTENÇÃO

BANCADA DIDÁTICA PARA TREINAMENTO DE TESTE E MANUTENÇÃO BANCADA DIDÁTICA PARA TREINAMENTO DE TESTE E MANUTENÇÃO MODELO: EE0576A A Bancada Didática para Treinamento de Teste e Manutenção de Bombas (EE0576A) é confeccionada em perfil de alumínio (40x40mm), contendo

Leia mais

Sensores de Pressão. Aplicações Automotivas

Sensores de Pressão. Aplicações Automotivas Aplicações Automotivas 1 pressão Aplicações Automotivas Sensor de Absoluta do coletor de admissão (MAP) para cálculo da injeção de combustível. (1 a 5 bar). nos freios em sistemas de freio eletropneumáticos(10

Leia mais