Diagnóstico de Vulnerabilidades através da Injecção de Ataques

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Diagnóstico de Vulnerabilidades através da Injecção de Ataques"

Transcrição

1 Diagnóstico de Vulnerabilidades através da Injecção de Ataques, Covilhã, Portugal João Antunes 1, Nuno Neves 1, Miguel Correia 1, Paulo Veríssimo 1, Rui Neves 2 1 Faculdade de Ciências da Universidade de Lisboa 2 Instituto Superior Técnico da Universidade Técnica de Lisboa 7 de Novembro de 2005

2 Conteúdo 1 2 da Ferramenta de Injecção de Ataques 3 da Ferramenta de Injecção de Ataques 4

3 Vulnerabilidades

4 Vulnerabilidades Vulnerabilidades Aplicações Maior dimensão e complexidade Envolvimento de mais pessoas (directa e indirectamente) maiores equipas de desenvolvimento fonte externa (e.g., bibliotecas de terceiros) Resulta na introdução de erros: em maior número de maior complexidade e as ferramentas de detecção não estão preparadas

5 Vulnerabilidades Modelo composto de faltas AVI (Ataque, Vulnerabilidade e Intrusão)

6 Vulnerabilidades Modelo composto de faltas AVI (Ataque, Vulnerabilidade e Intrusão) Intruso!"!# $ % #&')(!% *!+,- B; ; A D e f e i to.0/ #21 +3%2 #)( 4 #,%/ +!"!#)( 4 #,5 67!/!"!# 89! :0; <= = >??>? '

7 a W Vulnerabilidades Modelo composto de faltas AVI (Ataque, Vulnerabilidade e Intrusão) Intruso N O P Q P RS!TU!V S Q P XP VY'S)Z S!XP [!\]-O SQ DE F G HI J K F L E FM mg g n k F L l F D e f e i to ^0_ V2` \3X2O V)Z V ]X_ \O PRS!TU!V)Z a V ]b Pcd!_ S!TU!V e9h!l f0ig Fhi L i j?f?j?i J K F L E F'M

8 Œ Vulnerabilidades Modelo composto de faltas AVI (Ataque, Vulnerabilidade e Intrusão) Intruso y z { { }~!! ~ { ƒ{ '~) ~!ƒ{! ˆ-z ~ op q r st u v q w p qx q w q D e f e i to 0Š 2 3ƒ2z ) ˆƒŠ z { }~!! ) Œ ˆ { Ž!Š ~!! 9s!w 0t q w?q??t u v q w p q'x

9 Vulnerabilidades Modelo composto de faltas AVI (Ataque, Vulnerabilidade e Intrusão) Intruso!ª«! ' )! ±!²³- š œ žÿ œ œ Á ¼0 ½ ž!âã Ä Ç½ ½ Ä Å œ Æ œ œ œ' D e f e i to 0µ 2 ²3 2 ) ³ µ ²!ª«! ) ³ ¹º!µ!ª«!»9ž! ¼0Ÿ½ œ¾ À?œ?À?Ÿ œ œ'

10 å Û Vulnerabilidades Modelo composto de faltas AVI (Ataque, Vulnerabilidade e Intrusão) Intruso Ò Ó Ô Õ Ô Ö!ØÙ!Ú Õ Ô ÜÔ ÚÝ' )Þ!ÜÔ ß!àá-Ó Õ ÈÉ Ê Ë ÌÍ Î Ï Ê Ð É ÊÑ ï ê0é ë Ì!ðñ ò õë ë ò ó Ê Ð ô Ê Î Ï Ê Ð É Ê'Ñ D e f e i to â0ã Ú2ä à3ü2ó Ú)Þ Ú áüã àó Ô Ö!ØÙ!Ú)Þ å Ú áæ Ô çè!ã!øù!ú é9ì!ð ê0íë Êìí Ð í î?ê?î?í Î Ï Ê Ð É Ê'Ñ

11 Vulnerabilidades Modelo composto de faltas AVI (Ataque, Vulnerabilidade e Intrusão) Intruso ö ø ù úû ü ý ø þ øÿ * $0 % ú +, - 01% % -. ø þ / ø ü ý ø þ ø'ÿ D e f e i to!" #9ú!þ $0û% ø&' þ ' (?ø)(?û ü ý ø þ ø'ÿ

12 Vulnerabilidades Modelo composto de faltas AVI (Ataque, Vulnerabilidade e Intrusão) AJECT BC4D4E B F GIH BJKLME B N A D : 5; 3 5< _ Z3 [ 7 `a b 9 : 5; 3 5< e1[ [ b c?5; d 5 D e f e i t o QR M H BJA MS T?M G J R B A > U D KL MS T?M GV > WP R D KL M XY7 ; Z8[ 5\] ; ] ^)5)^)8 9 : 5; 3 5<

13 Vulnerabilidades Modelo composto de faltas AVI (Ataque, Vulnerabilidade e Intrusão) AJECT p?q rs tu4v4w t x yiz t{ }~w t s v t r f4g h i jk l m hn g ho Šg j l m hn g ho 1?hn h D e f e i t o ƒ ~ z t{s ~?~ y { ƒ t s q v } ~?~ y q ˆ ƒ v } ~ Yj n Šk hœ n Ž)h)Ž)k l m hn g ho

14 Vulnerabilidades Modelo composto de faltas AVI (Ataque, Vulnerabilidade e Intrusão) AJECT? 4 4 Iª «± 4 š œ ž Ÿ º» š ÀÁ  œ ž Ÿ Å1»»  Ã? ž Ä D e f e i t o ²³ ª «µ? «³ µ? ± ³ ¹Yš ž º» ¼½ ž ½ ¾) )¾) œ ž Ÿ

15 Vulnerabilidades Modelo composto de faltas AVI (Ataque, Vulnerabilidade e Intrusão) AJECT Ð?Ñ ÒÓ ÔÕ4Ö4 Ô Ø ÙIÚ ÔÛÜÝÞ Ô ß Ó Ö àáô Ò Æ4Ç È É ÊË Ì Í ÈÎ Ç ÈÏ ï êç ë Ê ðñ ò Ì Í ÈÎ Ç ÈÏ õ1ë ë ò ó?èî ô È D e f e i t o âã Þ Ú ÔÛÓ Þä å?þ Ù Û ã Ô Ó Ñ æ Ö ÜÝ Þä å?þ Ùç Ñ èá ã Ö ÜÝ Þ éyê Î êëë Èìí Î í î)è)î)ë Ì Í ÈÎ Ç ÈÏ

16 Vulnerabilidades Modelo composto de faltas AVI (Ataque, Vulnerabilidade e Intrusão) AJECT ö4 ø ù úû ü ý øþ øÿ - ' ( ú./10 ü ý øþ øÿ 45( ( 0 2?øþ 3 ø D e f e i t o! " #"! $ % &Yú þ 'û( ø)* þ * +)ø,+)û ü ý øþ øÿ

17 Vulnerabilidades Modelo composto de faltas AVI (Ataque, Vulnerabilidade e Intrusão) A B C D EFGD H IJ DKLMNGD O C FPQDB :; < = 8 > 7 8? a [7 \ :bc1d < = 8 > 7 8`? g5\ \ d e 8 > f18 D e f e i t o RS N J DKC NT U N I K S D"C A V"FLMNT U N IW A XQ S FLMN YZ:> [;\ 8]^ > ^ _,8,_,; < = 8 > 7 8`?

18 Arquitectura do AJECT Injecção Monitorização da Ferramenta de Injecção de Ataques

19 m M s q m qu vo q Arquitectura do AJECT Arquitectura do AJECT Injecção Monitorização Injector hijkl i o j n mopq y s w rs tuv q t jx q o j oni tor z {} {~ ƒ ˆ Š Œ ˆ Žˆ Ž Œ ƒ ˆ Š Ž ƒ1ˆ ˆ Ž S i s tem a -A l v o ƒ ˆ Š Œ ˆ Ž ` š Ž` Œ ƒˆ Š Ž ƒˆ ˆ Ž œ ž Ÿ ž

20 M µ ý  µ µ µ ý Arquitectura do AJECT (detalhe) Injector }± ì } } à ª ³ ³±} }±} ì } } î ß Î É Ê Ò Õ í Ô Õ Ó ÊÍ Ì Ï Ò Ï ï Î Ï Ó Ï Î Ô Õ Ó ð ï Ô Í Î Ï ï Arquitectura do AJECT Injecção  ³±} }±} Ã" ³ÄÅ Ã ª ³ ³}±} }± à ³Ä Å ñ Ì ï Ô ò Ì Î Í Ï Ò ÕË Ê Ô Õ ï Ô Õ ó Ü ß Ü ô õ ë Monitorização S i s tem a -A l v o oni tori z a d o ª ³}± }±} ² ³} } ª «} }±} ² ³} } µ ª ³}± }± 1 ª ¹ ³}º»} øùúûü ù ú ÿ þ ýÿ }½ ª ª à À ÿ ú ú ª ³}± }± 1 ª ¹ ³}º»} ¼ Å À}, ª ª ³± }±, ª ¹ ³}º» ÿ ö Ï Ó Ô ÕÒ Õ Ë Ê Ï Ô Ï Þ Ë Õó Ü Ø Ù ß ë Á Æ }Ç ª ±}³ È É Ê Ë Ì Í Î Ï Ð Ñ É Ò Ë Ó Ï Ì Ô Õ Ï Ö Ø Ù Ú Û Ü Ò Õ`Í Ì Ý É Ó Ê Ï Ð Ñ É Ò Õ Ë Ê1Ï Ô Ï Þ Ë Õ ¼ ½,³¾, ³ À È É Ê Ë Ì Í Î Ï Ð Ñ É Ò Ë Ó Ï Ì Ô Õ É ß Ö Ü ß Ü à" á ß Ù Ò ÕÍ Ì Ý É Ó ÊÏ Ð Ñ É Ò Õ Ë ÊÏ Ô Ï Þ Ë Õ`â ã ä å æ ç è é ê å é ê ë

21 Injecção de Ataques Arquitectura do AJECT Injecção Monitorização 1 Testes geram ataques (compostos por pacotes) 2 Inicialização (início de ataque) Sincronização do ataque Monitor reinicializa condições de teste Estabelec. de comunic. entre Injector e Aplicação-Alvo 3 Ataque (injecção de ataque) Envio dos pacotes (do ataque) à Aplicação-Alvo Recepção e registo das respostas Supervisão da Aplicação-Alvo 4 Finalização (fim de ataque) Fim de sincronização do ataque Registo do ataque Remoção dos efeitos do ataque

22 Injecção de Ataques Arquitectura do AJECT Injecção Monitorização 1 Testes geram ataques (compostos por pacotes) 2 Inicialização (início de ataque) Sincronização do ataque Monitor reinicializa condições de teste Estabelec. de comunic. entre Injector e Aplicação-Alvo 3 Ataque (injecção de ataque) Envio dos pacotes (do ataque) à Aplicação-Alvo Recepção e registo das respostas Supervisão da Aplicação-Alvo 4 Finalização (fim de ataque) Fim de sincronização do ataque Registo do ataque Remoção dos efeitos do ataque

23 Injecção de Ataques Arquitectura do AJECT Injecção Monitorização 1 Testes geram ataques (compostos por pacotes) 2 Inicialização (início de ataque) Sincronização do ataque Monitor reinicializa condições de teste Estabelec. de comunic. entre Injector e Aplicação-Alvo 3 Ataque (injecção de ataque) Envio dos pacotes (do ataque) à Aplicação-Alvo Recepção e registo das respostas Supervisão da Aplicação-Alvo 4 Finalização (fim de ataque) Fim de sincronização do ataque Registo do ataque Remoção dos efeitos do ataque

24 Injecção de Ataques Arquitectura do AJECT Injecção Monitorização 1 Testes geram ataques (compostos por pacotes) 2 Inicialização (início de ataque) Sincronização do ataque Monitor reinicializa condições de teste Estabelec. de comunic. entre Injector e Aplicação-Alvo 3 Ataque (injecção de ataque) Envio dos pacotes (do ataque) à Aplicação-Alvo Recepção e registo das respostas Supervisão da Aplicação-Alvo 4 Finalização (fim de ataque) Fim de sincronização do ataque Registo do ataque Remoção dos efeitos do ataque

25 Monitorização de Ataques Arquitectura do AJECT Injecção Monitorização Dependente do SO (rastreio de processos) Consiste na: observação do estado da Aplicação-Alvo registo da supervisão

26 Tipos de Testes do AJECT Aplicação-Alvo da Ferramenta de Injecção de Ataques

27 Tipos de Testes Tipos de Testes do AJECT Aplicação-Alvo Testes de sintaxe Testes de valor

28 Tipos de Testes Tipos de Testes do AJECT Aplicação-Alvo pacote exemplo [A] [B] [C] Teste de sintaxe [B] [C] [A] [C] [A] [B] [A] [A] [B] [C] [A] [B] [A] [C] [A] [B] [C] [A]...

29 Tipos de Testes Tipos de Testes do AJECT Aplicação-Alvo pacote exemplo [A: 1] [B: ] Teste de valor [1] [0] [1] [-1] [1] [1] [1] [1000] [1] [999] [1] [1001] [1] [ ] [1] [-1000]...

30 do AJECT Tipos de Testes do AJECT Aplicação-Alvo

31 Aplicação-Alvo Tipos de Testes do AJECT Aplicação-Alvo YPOPs! Permite descarregar de uma conta Yahoo! servidor POP3 local que medeia a comunicação com o Yahoo! Vulnerabilidade Teste de valor permitiu detectar vulnerabilidade de buffer overflow Vulnerabilidade descoberta em Setembro de 2004 (BugTraq n o 11256)

32 Conclusão Trabalho Futuro

33 Conclusão Conclusão Trabalho Futuro Desafios Sistema modular e independente Representação do protocolo-alvo e dos tipos de dados Representação e geração de testes/ataques Mecanismos de supervisão

34 Conclusão Conclusão Trabalho Futuro Resultados Sistema de detecção de vulnerabilidades Modularidade Independência Injector Plataforma Injector Sistema-Alvo Monitorizado Monitor Aplicação-Alvo (depende apenas do SO) Injector e Monitor Testes Detecção com sucesso de uma vulnerabilidade na Aplicação-Alvo

35 Trabalho Futuro Conclusão Trabalho Futuro A desenvolver Testes (maior quantidade e complexidade) Maior automatização na análise de vulnerabilidades Simplificação da especificação do protocolo-alvo

, 0-0 / 2 0 /.+ -,+ *+ % ) ( " " "! ' " " % # "!

, 0-0 / 2 0 /.+ -,+ *+ % ) (   ! '   % # ! 5 6 7 8 9 : 0 +, 0-0 / 2 0 /.+ -,+ *+ % ) ( " " "! ' " " % # "! 5 6 7 8 9 0 +, 0-0 / 2 0 /.+ -,+ *+ % ) ( " " "! ' " " % # "! [ M [ M R I RC Z O V O Z O N N = F? O r s u v l O g h l i l k m l k jg i hg

Leia mais

é êíé é çã é ê óééçú ê é çãá çíçã çã ã çã ê ã á íçõíá íí í çã ô ú ç ç çê ú á éé í çõ í ã ã ã ã é ü óéó É ç ã çõ â ã ç áãúé çã ê çõ ô ç ú ú çõ çààá àúç

é êíé é çã é ê óééçú ê é çãá çíçã çã ã çã ê ã á íçõíá íí í çã ô ú ç ç çê ú á éé í çõ í ã ã ã ã é ü óéó É ç ã çõ â ã ç áãúé çã ê çõ ô ç ú ú çõ çààá àúç Ó é ç í ó ó ó çõ ã ê ã á ã ú é á ê ç á çã ê íç éçãé çãé ê éé çúê í çã é êíé é çã é ê óééçú ê é çãá çíçã çã ã çã ê ã á íçõíá íí í çã ô ú ç ç çê ú á éé í çõ í ã ã ã ã é ü óéó É ç ã çõ â ã ç áãúé çã ê çõ

Leia mais

metros

metros ½ ½ ýä ÍÄÇ Ç Á ÆÇ Ê ËÁÄ ÓÖ Ñ Ö Ó ÑÓ ÐÓ ÓÒ ÙÐ Ó Ó Ð ÙØ Ð Þ Ò Ó Ø Ò Ö ÑÓÚ Ö¹ ÐÙÐ Ö¹ Ö ÔÓÖ Ë Ó º µ Ñ ÓÒ ÙÒØÓ ÓÑ ÑÓ Ó Ø Ö ØÓÒ Ú Ò ÇÐÐ Ú Ö ½ µ ÒÓ Ó Ó ÐÙÐÓ ÔÓÖ Ì Ë Ó º º¾µ Î Ò ÃÐ Ù Ö ½ µ ÒÓ Ó Ó ÐÙÐÓ ÔÓÖ Ñ Ó

Leia mais

ËÙÑ Ö Ó ÁÒ ÓÖÑ Ó Ô Ö ÓÒØ ØÓ ½¼ º½ ÓÑ Ó Ó Ó Ô Ö Ó Ö ØÓ ÀÙÑ ÒÓ Àʵ ÁÒØ ÖÒ ÓÒ Ð º º º º º º º ½¼ º¾ Ö Ø ÓÖ Ó ÀÊ Ñ Ú Ö Ò Ó º º º º º º º º º º º º º º º º

ËÙÑ Ö Ó ÁÒ ÓÖÑ Ó Ô Ö ÓÒØ ØÓ ½¼ º½ ÓÑ Ó Ó Ó Ô Ö Ó Ö ØÓ ÀÙÑ ÒÓ Àʵ ÁÒØ ÖÒ ÓÒ Ð º º º º º º º ½¼ º¾ Ö Ø ÓÖ Ó ÀÊ Ñ Ú Ö Ò Ó º º º º º º º º º º º º º º º º È ÕÙ ØÖ Å Ø Ö Ð Ø µ ÙÑ ÁÒ Ù ØÖ ÅÓÖØ Å ÒØ Ðµ ¹ ÁÒ ÓÖÑ Ó Ô Ö ÓÒØ ØÓ ËÙÔÐ Ñ ÒØÓ Ó ÓÙÑ ÒØ Ö Ó ÔÖ ÒØ Ó Ô Ð ÓÑ Ó Ó Ó Ô Ö Ó Ö ØÓ ÀÙÑ ÒÓ Ø Þ Ò ÓÑÑ ÓÒ ÓÒ ÀÙÑ Ò Ê Ø µ ÀÊ ÛÛÛº ÖºÓÖ ËÙÑ Ö Ó ÁÒ ÓÖÑ Ó Ô Ö ÓÒØ ØÓ ½¼

Leia mais

FICHA III. Semelhança de figuras. 1. As bonecas russas ( matryoshkas ) 1.1. Uma destas cinco bonecas não é semelhante às outras. Qual delas? Porquê?

FICHA III. Semelhança de figuras. 1. As bonecas russas ( matryoshkas ) 1.1. Uma destas cinco bonecas não é semelhante às outras. Qual delas? Porquê? FICHA III Semelhança de figuras 1 As bonecas russas ( matryoshkas 11 Uma destas cinco bonecas não é semelhante às outras Qual delas? Porquê? 12 Quantas formas estão representadas na figura? 2 Observe as

Leia mais

ËÙÑ Ö Ó ¾ ÈÖ Ø Ø Ù Û ½½ ¾º½ Ç ÕÙ Ô Ñ ÒØÓ Ó ÔÖÓØÓÓÐÓ Ù Û º º º º º º º º º º º º º º º º º º º º º º º º º º ½½ ¾º¾ Ø Ù Û ØÖ Ò Ó ½ µ º º º º º º º º º

ËÙÑ Ö Ó ¾ ÈÖ Ø Ø Ù Û ½½ ¾º½ Ç ÕÙ Ô Ñ ÒØÓ Ó ÔÖÓØÓÓÐÓ Ù Û º º º º º º º º º º º º º º º º º º º º º º º º º º ½½ ¾º¾ Ø Ù Û ØÖ Ò Ó ½ µ º º º º º º º º º Ù ÈÖ Ø Ó ÙÖ Æ ØÙÖ Ð Ó Ò Ö ¾ ¹ ÈÖ Ø Ø Ù Û Ó Ò ÙÖ Ø Ú Ø Ù Û Ê ¹ Ø Ó ÓÑ Ö Ø Ó È ÖØ Ö Ó Ä ÚÖÓ Ð ØÖ ÓÒ Ó ÇÖ Ò Ð Ù ÈÖ Ø Ó ÙÖ Æ ØÙÖ Ð Ó Ò Ö ÔÖ Ø» Ù ÈÖ Ø Ó¹ ¹Ê Ø ºÔ µ Ó ¹ Å Ö Ó ¾¼½½ ÛÛÛº ÙÖ Ó Ò ÖºÓÑ ËÙÑ Ö Ó ¾

Leia mais

O PROGRESSO. Gaeco deflagra Operação Fantoche na área cultural O TEMPO LOTERIA. Incra inicia 300 despejos com força policial em MS

O PROGRESSO. Gaeco deflagra Operação Fantoche na área cultural O TEMPO LOTERIA. Incra inicia 300 despejos com força policial em MS SS çã d c dg çã c á c w ƒ ƒ ƒ ˆ ƒ ƒ Š ƒ Š w ƒ ƒ ƒ Œ Œ w Ž ƒ Œ Œ ƒ Œ w d š œ c c d c ç c S c d çã gá c c d d dd ç c d ã c d g íc d c dcç d d 5 d c d d éc g d d d d dd d c g ã d é d cd çã ç c g cc ã d ã

Leia mais

do o de do Dn pr es i lha n har ac ord ad o... E co 1 0 uma

do o de do Dn pr es i lha n har ac ord ad o... E co 1 0 uma P R O P " E ) A D E DO C L U D L I T T E H A R I O S U MMARIO f ; õ E J ; õ E ; I \ ;; z Df < j ç f:t \ :f P ü Bz }? E CLOTIJ DE J x "? ú J f Lf P DI!; V: z z " I O PA F L ARÉNE S Pz: E:\H P HA RRC : A

Leia mais

Ano1 n. º1 2011 Ar t eee d uc aç ã o b Hi st ór i a e novosr umosno b Br asi l PÚLPITO: Ângela Ancora da Luz Historiadora e Critica da Arte UMA HOMENAGEM À ALMIR PAREDES CUNHA. UMA REFERÊNCIA

Leia mais

MAT 8A AULA L. a q. q a ; Razão =

MAT 8A AULA L. a q. q a ; Razão = MAT 8A AULA.0 L L x 4 4 L L x 4 L x L x L x L L q a a q q.0 l l ; 4... Razão =.0 x = x = 8.04 P.G. (;x;...;y;5) xy 5 xy 04.05 a, b, c PA b = a c b = c b = c PG b = a c a c = a c a + ac + c = 4ac a + ac

Leia mais

EDA. atualiz FOTO DESCRIÇÃO DO PRODUTO PREÇO VENDA ABRACADEIRA DE NYLON 2.5X100 C/100 PCS - EDA 8NC 3,00

EDA. atualiz FOTO DESCRIÇÃO DO PRODUTO PREÇO VENDA ABRACADEIRA DE NYLON 2.5X100 C/100 PCS - EDA 8NC 3,00 EDA atualiz- 21-04-2016 FOTO DESCRIÇÃO DO PRODUTO PREÇO VENDA ABRACADEIRA DE NYLON 2.5X100 C/100 PCS - EDA 8NC 3,00 ABRACADEIRA DE NYLON 2.5X150 C/100 PCS - EDA 8ND 4,00 ABRACADEIRA DE NYLON 2.5X200 C/100

Leia mais

Curso: Ciência da Computação Turma: 4ª Série. Probabilidade e Estatística. Aula 2

Curso: Ciência da Computação Turma: 4ª Série. Probabilidade e Estatística. Aula 2 Curso: Ciência da Computação Turma: 4ª Série Aula 2 Análise Combinatória: Arranjo, Permutação, Combinação Simples e com Repetição Motivação Quantas ordenações são possíveis fazer com um baralho de 52 cartas?

Leia mais

!"!#""" MESTRADO EM TEOLOGIA. Área de Concentração: Religião e Educação ()*+,-#""./

!!# MESTRADO EM TEOLOGIA. Área de Concentração: Religião e Educação ()*+,-#./ !"!#""" $%&&' MESTRADO EM TEOLOGIA Área de Concentração: Religião e Educação ()*+,-#""./ 0!"!#""" 1223445, 26,),7)2 8 9:;28 87767 26,;2

Leia mais

AULA 2 DO PLANO DE TRABALHO

AULA 2 DO PLANO DE TRABALHO AULA 2 DO PLANO DE TRABALHO Nº 9 Rosa Canelas EQUAÇÃO REDUZIDA DE UMA RETA Voltemos a uma das retas da aula anterior x,y 1,4 k 3,1,k IR (equação vetorial) 3,1 são as coordenadas de um vetor diretor desta

Leia mais

Latim-runas NUMERO 5:511 Sabbadrh-BQ de dezembro de O Fundador,

Latim-runas NUMERO 5:511 Sabbadrh-BQ de dezembro de O Fundador, 1 -\(^" - UR 11 S-Q 19 - F &-(P U? y - » T D!! &Jj / P - J óó PUÇS - PU-S QURTS-ÊHS SDS - - - 1 ñ 9 1 f - - - õ j w-- 1 PRSS PP D V F* " õ» -í ( (- f õ ~ f õí ( 1 " ÍÍÉ- f S J J &/ j - f f f j S f P-!

Leia mais

Faculdade de Economia Universidade Nova de Lisboa Semestre de Inverno 2010/2011. Cálculo I. Caderno de exercícios 2

Faculdade de Economia Universidade Nova de Lisboa Semestre de Inverno 2010/2011. Cálculo I. Caderno de exercícios 2 Faculdade de Economia Universidade Nova de Lisboa Semestre de Inverno 2010/2011 Cálculo I Caderno de exercícios 2 Paulo Corte-Real Ernesto Freitas Claudia Alves David Antunes Silvia Guerra 1 0 12,+,3,456)

Leia mais

9 JUNHO. Rua Cândido dos Reis, Vila Nova de Gaia Tel.: Fax:

9 JUNHO. Rua Cândido dos Reis, Vila Nova de Gaia Tel.: Fax: ÇÃÀ 9JUNHO í çõ úãá ÕÚ õ ú ã é çã é õéá é à Rua Cândido dos Reis, 545 4400-075 Vila Nova de Gaia Tel.: 22 374 67 20 - Fax: 22 374 67 29 www.jf-santamarinha.pt 1 õ á õ à çã çõ õ á çã áí é àí àçãçã ã Á à

Leia mais

ÁÒØÖÓ Ùô è Ó Á ÒØ Ö Ñ ØÖ Ò Ñ Ø Ó Ó Ò Ú Ñ Ö Ö Ó ÔÓÖ Ð ÙÑ ÓÒØ Á È Ö ÌÎ Ø Ð Ò ð Ù Ó Úð Ó Ó Á Ç Ó ÓÖ ÓÒØ ØÖ Ò ÓÖÑ Ó Ò Ð Ò ÐÓ Ó ÔØ Ó Ñ Ö µ Ñ Ò Ð Ø Ð ÑÓ Ó Õ

ÁÒØÖÓ Ùô è Ó Á ÒØ Ö Ñ ØÖ Ò Ñ Ø Ó Ó Ò Ú Ñ Ö Ö Ó ÔÓÖ Ð ÙÑ ÓÒØ Á È Ö ÌÎ Ø Ð Ò ð Ù Ó Úð Ó Ó Á Ç Ó ÓÖ ÓÒØ ØÖ Ò ÓÖÑ Ó Ò Ð Ò ÐÓ Ó ÔØ Ó Ñ Ö µ Ñ Ò Ð Ø Ð ÑÓ Ó Õ ÌÎ Ø Ð ÁÒØ Ö Ø Ú Ôð ØÙÐÓ ¾ Ó ô è Ó ÓÒØ ÈÖÓ º Ð Ô À ÒÖ ÕÙ Å Ê æ Ä ÓÖ Ø ðóö Ó ÅÙÐØ Ñð Ò Ñ ô è Ó Ê ÓÑÙÒ ô èó ̻ʠæ ÍÒ È ØÖ ðóôóð ÁÒØÖÓ Ùô è Ó Á ÒØ Ö Ñ ØÖ Ò Ñ Ø Ó Ó Ò Ú Ñ Ö Ö Ó ÔÓÖ Ð ÙÑ ÓÒØ Á È Ö ÌÎ Ø Ð Ò

Leia mais

ËÙÑ Ö Ó Ç Ñ Ò Ó Ô Ö ÙÑ Ø ÜÓ Ì ÓÖ ÓÖ ÙÖ ÕÙ ÈÖÓÑÓÚ Ë Ù ½¼½ º½ ÊÙ Ò Å Ð ÓÖ ÅÙ ØÓ Å Ð ÓÖ º º º º º º º º º º º º º º º º º º º º º º º º º º º º º ½¼½ º¾

ËÙÑ Ö Ó Ç Ñ Ò Ó Ô Ö ÙÑ Ø ÜÓ Ì ÓÖ ÓÖ ÙÖ ÕÙ ÈÖÓÑÓÚ Ë Ù ½¼½ º½ ÊÙ Ò Å Ð ÓÖ ÅÙ ØÓ Å Ð ÓÖ º º º º º º º º º º º º º º º º º º º º º º º º º º º º º ½¼½ º¾ Ê ÚÓÐÙ Ó ÒØ ÒÚ Ð Ñ ÒØÓ ¹ Ç Ñ Ò Ó Ô Ö ÙÑ Ø ÜÓ Ì ÓÖ ÓÖ ÙÖ ÕÙ ÈÖÓÑÓÚ Ë Ù ÍÑ ÈÖÓ Ö Ñ Ê Ð Ê ÙÚ Ò Ñ ÒØÓ Ú Ø Ó Ò Ö ÓÚ ÙÐ Ö ÙÑ ÒØ ËÙ Ò Ö ÒÓ Å Ð ÓÖ ËÙ Ô Å ÒØ Ð Ì ÑÓØ Ý Âº ËÑ Ø Åº º ËÙÑ Ö Ó Ç Ñ Ò Ó Ô Ö ÙÑ Ø ÜÓ Ì

Leia mais

EXCELENTÍSSIMO SENHOR DOUTOR JUIZ DE DIREITO DA 1ª VARA DE FALÊNCIAS E RECUPERAÇÕES JUDICIAIS DA COMARCA DE SÃO PAULO- SP

EXCELENTÍSSIMO SENHOR DOUTOR JUIZ DE DIREITO DA 1ª VARA DE FALÊNCIAS E RECUPERAÇÕES JUDICIAIS DA COMARCA DE SÃO PAULO- SP M EXCELENTÍSSIMO SENHOR DOUTOR JUIZ DE DIREITO DA 1ª VARA DE FALÊNCIAS E RECUPERAÇÕES JUDICIAIS DA COMARCA DE SÃO PAULO- SP Processo nº 18767-652148261 ALVAREZ MARSAL CONSULTORIA EMPRESARIAL DO BRASIL

Leia mais

ˆ ˆ Šˆ S- Š Š ˆ ƒšˆœˆ Œ Œˆ Ÿ Œˆ.. Ê μ Î ±μ

ˆ ˆ Šˆ S- Š Š ˆ ƒšˆœˆ Œ Œˆ Ÿ Œˆ.. Ê μ Î ±μ ˆ ˆŠ Œ ˆ ˆ Œ ƒ Ÿ 2011.. 42.. 2 ˆ ˆ Šˆ S- Š Š ˆ ƒšˆœˆ Œ Œˆ Ÿ Œˆ.. Ê μ Î ±μ É µë Î ± É ÉÊÉ ³.. ƒ. ±µ, ²³ - É, Š Ì É.. ±μ Ñ Ò É ÉÊÉ Ö ÒÌ ² µ, Ê ˆ 479 Œ œ ˆ Œ 481 Š² É Ö ³µ ²Ó. 481 É µë Î ± S-Ë ±Éµ Ò. 484

Leia mais

< ()& : 555>?

< ()& : 555>? P Ú s Pr s t Pr t Pr r str Pr ss t át P q çõ s r ç s çõ s s é s r r t r Pr r sé rt r P Ú s Pr s t Pr t Pr r str Pr ss t át P q çõ s r ç s çõ s s é s r ss rt çã r s t rt s r q s t s r t çã tít str t r r

Leia mais

P PÓ P. P r r P P Ú P P. r ó s

P PÓ P. P r r P P Ú P P. r ó s P PÓ P P r r P P Ú P P r ó s P r r P P Ú P P ss rt çã s t à rs r t t r rt s r q s t s r t çã r str ê t çã r t r r P r r Pr r r ó s Ficha de identificação da obra elaborada pelo autor, através do Programa

Leia mais

Controle do Professor

Controle do Professor Controle do Professor Compensou as faltas CURSO: CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO DISCIPLINA: GEOMETRIA ANALÍTICA VETORIAL E INTRODUÇÃO À ÁLGEBRA LINEAR SÉRIE: 2º ANO TRABALHO DE COMPENSAÇÃO DE FALTAS DOS ALUNOS

Leia mais

ý þ ü ü ü ü ý þ ü ÿ ý þ ü ü ü ü ü! þ " ÿ ÿ ý ý þ ü ü ÿ ü ý ü ÿ ý þ ý ü ÿ ÿ ý # $ % ÿ $ & þ ü þ ü þ ü ' þ ü þ ( ( ( O ) * +, -. / / 5 6

ý þ ü ü ü ü ý þ ü ÿ ý þ ü ü ü ü ü! þ  ÿ ÿ ý ý þ ü ü ÿ ü ý ü ÿ ý þ ý ü ÿ ÿ ý # $ % ÿ $ & þ ü þ ü þ ü ' þ ü þ ( ( ( O ) * +, -. / / 5 6 ! " # $ % & ' ( ) * +, -. /. 0 1 2 / 3 ' 4 / 3 5 5. 2 4 / 6-4 3 ) 7-3 2 3 0 4. 8 9 : ; < : > ; < :? @ A 8 > B C D E F G H I E J C K B L M N J < O P Q O P Q R S T S U V W X T X Y X Z [ S Y \ X ] T ^ \ _

Leia mais

Livros Grátis. Milhares de livros grátis para download.

Livros Grátis.  Milhares de livros grátis para download. Livros Grátis http://www.livrosgratis.com.br Milhares de livros grátis para download. !"#$%&' ($"$ ')#!*%&' +' #,#-.' +!! #"!!/ $0+! 0).1$ "'2"$/$+!3 4"$+-$%&'!/$0+!0).1$!*#"'+!5*1$ +$$0+! *6!" +$+!!+!"$.+!$*#$$#$"*$

Leia mais

f : N R u n (u+v) n = u n +v n (u v) n = u n v n. (uv) n = u n v n = (v n 0 n N). n f(n). n v n

f : N R u n (u+v) n = u n +v n (u v) n = u n v n. (uv) n = u n v n = (v n 0 n N). n f(n). n v n ÔÓÒØ Ñ ÒØÓ ÐÙÐÓ ÁÁ Ô Ö Ó ÙÖ Ó ÓÕÙ Ñ Ò Ò Ö Ó Ñ ÒØ Ò Ò Ö ÓÐ À ÖÑ Ò Ð Ó ÓÖ ÇÐ Ú Ö ÂÙÒ Ó ¾¼½ ÓÒØ Ó ½ ËÙ ÆÙÑ Ö ½ ½º½ ÁÒØÖÓ ÙÓ º º º º º º º º º º º º º º º º º º º º º º º º º º º º º º º º º º º º º º º ½

Leia mais

Sistemas Operativos. Luís Paulo Reis. Sistemas Operativos. Sumário

Sistemas Operativos. Luís Paulo Reis. Sistemas Operativos. Sumário Sistemas Operativos Luís Paulo Reis Slide Nº 1 Sistemas Operativos Sumário O que é um Sistema Operativo (SO)? Modelo em Camadas de um SO Abstracções Suportadas por um SO: Utilizador Processo Ficheiro /

Leia mais

INCRA N ovos Índices - Carlos A. Arantes

INCRA N ovos Índices - Carlos A. Arantes 011201002 - INCRA N ovos Índices - Carlos A. Arantes 26.11.02 Página pessoal de Serrano Neves - http://www.serrano.neves.nom.br O dos textos pertence aos autores que autorizaram a publicação neste site.

Leia mais

$ " ( % . &/0.1 (+ 2 / */ & 4*"53 7==78&9 +! :% 5 333A 3B4 3 >! % :3 (C!4"3 .?*9E=;F;#F=#<<F#"FE 3& &>! 4 3 C43 3%;3#%<=30.!

$  ( % . &/0.1 (+ 2 / */ & 4*53 7==78&9 +! :% 5 333A 3B4 3 >! % :3 (C!43 .?*9E=;F;#F=#<<F#FE 3& &>! 4 3 C43 3%;3#%<=30.! ! " $ " %!' ( % )*!+ %),-+. /0.1 (+ 2 / */ 2-3-2 4*"53 7==789 +! :% 5 333A 3B4 3 >! % :3 (C!4"3

Leia mais

Universidade Federal do Ceará Departamento de Física Física Fundamental Prof. Normando Lista de Exercícios 1

Universidade Federal do Ceará Departamento de Física Física Fundamental Prof. Normando  Lista de Exercícios 1 Universidade Federal do Ceará Departamento de Física Física Fundamental Prof. Normando (normandof@gmail.com/ normando@ufc.br) Lista de Exercícios 1 1ª) Achar o módulo e a direção dos vetores que cada um

Leia mais

A ESTRADA E A PAISAGEM: COMO A ANTROPIZAÇÃO ATUA SOBRE O RELEVO (UM ENSAIO DE GEOMORFOLOGIA AMBIENTAL)

A ESTRADA E A PAISAGEM: COMO A ANTROPIZAÇÃO ATUA SOBRE O RELEVO (UM ENSAIO DE GEOMORFOLOGIA AMBIENTAL) A ESTRADA E A PAISAGEM: COMO A ANTROPIZAÇÃO ATUA SOBRE O RELEVO (UM ENSAIO DE GEOMORFOLOGIA AMBIENTAL) Aô C Rb Aúj Jú Pgm Eã T Gg UFPA AGB-Bém j_bz@hm.m Eêvã Jé Sv Bb Pq vbb@yh.m.b 1 - INTRODUÇÃO O ém

Leia mais

MICROPROCESSADORES 2º TESTE - A

MICROPROCESSADORES 2º TESTE - A MICROPROCESSADORES 2º TESTE - A Ano Lectivo: 2005/2006 Data: 8 de Maio de 2006 Ano Curricular: 1º Ano 2º Semestre Duração: 2h00 INFORMAÇÕES GERAIS 1. Identifique todas as folhas do enunciado com nome e

Leia mais

Visor S ,3(6$%DODQoDVH%iVFXODV(OHFWUyQLFDV/GD 3DUTXHLQGXVWULDOGH&HOHLURV IDVH &HOHLURV%5* WHOID[ %UDJD3RUWXJDO

Visor S ,3(6$%DODQoDVH%iVFXODV(OHFWUyQLFDV/GD 3DUTXHLQGXVWULDOGH&HOHLURV IDVH &HOHLURV%5* WHOID[ %UDJD3RUWXJDO Visor S180 E-mail: ipesa@ipesa.pt,3(6$%dodqodvh%ivfxodv(ohfwuyqlfdv/gd 3DUTXHLQGXVWULDOGH&HOHLURV IDVH $Y-5RORQž &HOHLURV%5* WHOID[ %UDJD3RUWXJDO ! " #$% & 1. Tara 2. Fixação de Tara 3. Tara por teclado

Leia mais

RESIDENCIAL. Rua Garibaldi, 1300, Bom Fim - Porto Alegre, RS

RESIDENCIAL. Rua Garibaldi, 1300, Bom Fim - Porto Alegre, RS RESIDENCIAL Rua Garibaldi, 1300, Bom Fim - Porto Alegre, RS O B l u e P e n c e é u m do s sel o s mais raros da h i s tó r ia p o st a l. A p o sse de ste p e qu eno tes ouro, emit i do n a s I l h a

Leia mais

OBJETIVOS ATIVIDADES ESTRATÉGIAS DINAMIZA- DORES. - Canções mimadas; - Atividades livres na sala e exterior; - Jogos de interação; - Canções de roda;

OBJETIVOS ATIVIDADES ESTRATÉGIAS DINAMIZA- DORES. - Canções mimadas; - Atividades livres na sala e exterior; - Jogos de interação; - Canções de roda; 66 66 F 6 66 F 66 F 6 66 F F 66 F 6 66 F F F F 66 F 6 66 F F 66 F 6 66 F F 66 F 6 66 F 66 F 6 66 F 66 F 6 66 F F 66 F 6 66 F F F 66 F 6 66 F F F 66 F 6 6 Ÿ Ò Ï ß Ò Ï Ò ¼ ¼ F Ÿ ž ž µ Î ¼ Þ Ý Û Ò ¼ Î Ò µ

Leia mais

Š ˆ Œ Ÿ ˆ Š - ˆ Œ Š -4Œ

Š ˆ Œ Ÿ ˆ Š - ˆ Œ Š -4Œ Ó³ Ÿ. 2010.. 7, º 7(163).. 765Ä773 ˆ ˆŠ ˆ ˆŠ Š ˆ Š ˆ Œ Ÿ ˆ Š - ˆ Œ Š -4Œ.. ³ ÉÓ,.. Š,.. Š ÊÉ Ì, ƒ. Ÿ. ŠÊ ±,.. Œ ±μ,.. ŒμÉÒ,.. μ,. Œ. É μ,.. μéμ,.. ³ ²Õ±,.. ÊÌ μ,.. μ ˆ É ÉÊÉ Ö μ Ë ± ³. ƒ. ˆ. Ê ±, μ μ ±,

Leia mais

4. MATERIAL E MÉTODOS

4. MATERIAL E MÉTODOS 4. MATERIAL E MÉTODOS ! "#$% &% #'( ")'*) # +, #))&-$*, #$$) #'* ##)'* ' )),./#') 0),) '&',$)1 )#')( 0.!%'-) )#%&%) '$1* 0'$ 2')1 0),$'))%,))314 '$)''25'-%$' %),$'*,',,'$563*# $') -',$ ' '))) ), %'7 ))

Leia mais

A C T A N. º I V /

A C T A N. º I V / 1 A C T A N. º I V / 2 0 0 9 - - - - - - A o s d e z a s s e t e d i a s d o m ê s d e F e v e r e i r o d o a n o d e d o i s m i l e n o v e, n e s t a V i l a d e M o n c h i q u e, n o e d i f í c

Leia mais

Matemática A. Dezembro de 2009

Matemática A. Dezembro de 2009 Matemática A Dezembro de 2009 Matemática A Itens 10.º Ano de Escolaridade No Teste intermédio, que se irá realizar no dia 29 de Janeiro de 2010, os itens de grau de dificuldade mais elevado poderão ser

Leia mais

TERCEIRA SÉRIE ENSINO MÉDIO INTEGRADO. PROPRIEDADES DOS QUADRILÁTEROS Prof. Rogério Rodrigues NOME :... NÚMERO :... TURMA :...

TERCEIRA SÉRIE ENSINO MÉDIO INTEGRADO. PROPRIEDADES DOS QUADRILÁTEROS Prof. Rogério Rodrigues NOME :... NÚMERO :... TURMA :... 1 TRIR SÉRI NSINO MÉIO INTGRO PROPRIS OS QURILÁTROS Prof. Rogério Rodrigues NOM :... NÚMRO :... TURM :... 2 IV - QURILÁTROS IV. 1) Quadriláteros Notáveis - lassificação : hamamos de Quadrilátero todo polígono

Leia mais

!" # " $% $ : %. ( "- # 6 (( '.. '.. ( #5 (, (' 2!' 3 4 5 2 "! =!. # ( +!'! "!. # ( #! "!. # (9, 1( 9 1 9 + -. ' 6 "-! = 1( 9 1 9 % "(- ( E= + 2 F M. (( 6 (( 1 1 7 8 9 2; 22 # (' ' ". = 2 + 9 6 ( +

Leia mais

Os Cuidados Paliativos na Formação conducente ao exercício de Profissões na área da Saúde em Portugal

Os Cuidados Paliativos na Formação conducente ao exercício de Profissões na área da Saúde em Portugal Sessão de Apresentação Oficial do OPCP Os Cuidados Paliativos na Formação conducente ao exercício de Profissões na área da Saúde em Portugal Sandra Martins Pereira Pablo Hernández-Marrero e Ana Júlia Silva,

Leia mais

3 Geometria analítica no plano

3 Geometria analítica no plano Geometria analítica no plano.. Referencial ortonormado. Distâncias no plano Atividade de diagnóstico Pág... A(, ), B(, ), C(, ), D(, ), E(, ), F(, ), G(, ).. Não pertencem a qualquer quadrante os pontos

Leia mais

Atum grelhado com cogumelos e legumes

Atum grelhado com cogumelos e legumes Atm ghdo om ogmos gms Qm dss dt s s ht? Ess smn nts do nv sov mn m oo Ms nm o sso om m! Ontm no jnt mos m doso tm, om ogmos s stdos, svdos om nos snf ogânos! É s sms! E fo m dí! Ingdnts: Atm fso ( 2 osts

Leia mais

Neste módulo, não daremos a definição padrão de determinantes via somatório envolvendo sinais de permutações, pois não há necessidade de entrarmos em

Neste módulo, não daremos a definição padrão de determinantes via somatório envolvendo sinais de permutações, pois não há necessidade de entrarmos em Neste módulo, não daremos a definição padrão de determinantes via somatório envolvendo sinais de permutações, pois não há necessidade de entrarmos em tantos detalhes para os concursos desejados. Assim,

Leia mais

Pesquisa binária em árvores-b + Índices em SQL

Pesquisa binária em árvores-b + Índices em SQL Pesquisa binária em árvores-b + K= 5 5 K=9 7 8 5 6 7 8 9 Bases de Dados Fernando Silva / Departamento de Ciência de Computadores Índices em SQL criar um ficheiro de índices sobre um atributo de uma dada

Leia mais

Manual de Coleta de Dados: Projeto de Levantamento do Estoque de Palmiteiro na Região do Vale do Ribeira

Manual de Coleta de Dados: Projeto de Levantamento do Estoque de Palmiteiro na Região do Vale do Ribeira Manual de Coleta de Dados: Projeto de Levantamento do Estoque de Palmiteiro na Região do Vale do Ribeira João L. F. Batista Marcelo Marquesini Flaviana M. de Souza Maurício Gorenstein Andréa Vanini Carlos

Leia mais

Resultados de Pesquisa do Programa de Melhoramento de Soja: Ensaios de Avaliação Final

Resultados de Pesquisa do Programa de Melhoramento de Soja: Ensaios de Avaliação Final Resultados de Pesquisa do Programa de Melhoramento de Soja: Ensaios de Avaliação Final Resumo Alberto Francisco Boldt; Engenheiro agrônomo, pesquisador do Insituto Mato-Grossense do Algodão IMAmt; Caixa

Leia mais

Matemática F2 1 1 e 2

Matemática F2 1 1 e 2 Matemática F2 1 1 e 2 NOME SALA 1 - Seja A o conjunto dos números naturais maiores que 3 e menores que 11 e B o conjunto formado pelos elementos de A que são pares. Represente os conjuntos A e B simbolicamente:

Leia mais

P ET A g r o n o m i a & U n i v e r s i d a d e F e d e r a l d e L a v r a s U F L A / M G 1 R E S U M O 2 I N T R O D U Ç Ã O

P ET A g r o n o m i a & U n i v e r s i d a d e F e d e r a l d e L a v r a s U F L A / M G 1 R E S U M O 2 I N T R O D U Ç Ã O P RO G R A M A P ARA REDUÇÃ O D O I M P A C T O A M B I E N T A L C A U SA D O P ELA REVERS Ã O S E X U AL E M T I L Á P I A S ( O r e o c h r o m i s n i l o t i c u s ). P ET A g r o n o m i a & P ET

Leia mais

Criptografia simétrica e assimétrica

Criptografia simétrica e assimétrica Apresenta 13/06/17 Criptografia simétrica e assimétrica @anchisesbr @garoahc Agenda Criptogra fia chaves simétrica assimétri ca Criptogra fia CRIPTOGRAFIA chaves simétrica assimétri ca O que é criptografia?

Leia mais

E v o lu ç ã o d o c o n c e i t o d e c i d a d a n i a. A n t o n i o P a i m

E v o lu ç ã o d o c o n c e i t o d e c i d a d a n i a. A n t o n i o P a i m E v o lu ç ã o d o c o n c e i t o d e c i d a d a n i a A n t o n i o P a i m N o B r a s i l s e d i me nt o u - s e u ma v is ã o e r r a d a d a c id a d a n ia. D e u m mo d o g e r a l, e s s a c

Leia mais

ˆ ˆ ˆ. ƒ. ƒ. ³Ö,.. Éμ ±μ,.. Ì,.. μ²μ Ñ Ò É ÉÊÉ Ö ÒÌ ² μ, Ê. Š ˆŸ ƒ Ÿ ƒ ˆŸ ˆŸ: Š œ- ˆŸ Œ ƒˆ Š ƒ ƒ ˆ Z Š ˆ ˆ Ÿ ˆŸ Ÿ Ÿ 758 Z Ÿ Ÿ 766

ˆ ˆ ˆ. ƒ. ƒ. ³Ö,.. Éμ ±μ,.. Ì,.. μ²μ Ñ Ò É ÉÊÉ Ö ÒÌ ² μ, Ê. Š ˆŸ ƒ Ÿ ƒ ˆŸ ˆŸ: Š œ- ˆŸ Œ ƒˆ Š ƒ ƒ ˆ Z Š ˆ ˆ Ÿ ˆŸ Ÿ Ÿ 758 Z Ÿ Ÿ 766 ˆ ˆŠ Œ ˆ ˆ Œƒ Ÿ 2016.. 47.. 3 ˆŸˆ Ÿ Ÿ ˆ ˆ ˆ ƒ. ƒ. ³Ö,.. Éμ ±μ,.. Ì,.. μ²μ Ñ Ò É ÉÊÉ Ö ÒÌ ² μ, Ê ˆ 730 ˆ œ œ Ÿ Ÿ, - Š ˆŸ ƒÿ ƒ ˆŸˆŸ: Š œ- ˆŸ Œƒˆ Šƒ ƒ ˆ Z 120 734 Š ˆ ˆ Œ ŸˆŸ - Ÿ Ÿ : Š, ˆ ˆ 742 Š ˆ ˆ ŸˆŸ

Leia mais

Preçário LICO LEASING SA, ESTABLECIMIENTO FINANCIERO DE CREDITO - SUCURSAL INSTITUIÇÕES FINANCEIRAS DE CRÉDITO

Preçário LICO LEASING SA, ESTABLECIMIENTO FINANCIERO DE CREDITO - SUCURSAL INSTITUIÇÕES FINANCEIRAS DE CRÉDITO Preçário LICO LEASING SA, ESTABLECIMIENTO FINANCIERO DE CREDITO - SUCURSAL INSTITUIÇÕES FINANCEIRAS DE CRÉDITO Consulte o FOLHETO DE COMISSÕES E DESPESAS Data de O Preçário completo do Lico Leasing sa

Leia mais

ËÙÑ Ö Ó ½¾ Ç ÒÓ ÓÐ Ò ½ ½ ½¾ º½Ç ÑÓ Ë ÜØÓ ÒÓ ½¼ º ºµ º º º º º º º º º º º º º º º º º º º º º º º º º º º º º º ½ ½ ½¾ º¾Ç ÑÓ Ë Ø ÑÓ ÒÓ ½½ º ºµ º º º

ËÙÑ Ö Ó ½¾ Ç ÒÓ ÓÐ Ò ½ ½ ½¾ º½Ç ÑÓ Ë ÜØÓ ÒÓ ½¼ º ºµ º º º º º º º º º º º º º º º º º º º º º º º º º º º º º º ½ ½ ½¾ º¾Ç ÑÓ Ë Ø ÑÓ ÒÓ ½½ º ºµ º º º Ç Ä ÚÖÓ ÍÖ ÒØ ½¾ ¹ Ç ÒÓ ÓÐ Ò Á ÁÁ ÁÁÁ ÁÎ Ç ÍÒ Ú Ö Ó ÒØÖ Ð Ó ËÙÔ ÖÙÒ Ú Ö Ó Ç ÍÒ Ú Ö Ó ÄÓ Ð À Ø ÓÖ ÍÖ ÒØ Î Ó Ò Ò Ñ ÒØÓ Â Ù ÛÛÛºÙÖ ÒØ ºÓÖ ½ ÛÛÛºØÖÙØ ÓÓ ºÓÑ ¾ ½ ÁÒØ ÖÒ Ø ØØÔ»»ÛÛÛºÙÖ ÒØ ºÓÖ» º ¾ ÁÒØ ÖÒ Ø ØØÔ»»ÛÛÛºØÖÙØ

Leia mais

23. Resolva as seguintes equações matriciais: a) X. b) X. 24. Determine a matriz X, tal que (X A) t B, sendo:

23. Resolva as seguintes equações matriciais: a) X. b) X. 24. Determine a matriz X, tal que (X A) t B, sendo: Matrizes 9 Calcule: 5 7 9 6 5 8 5 7 5 6 6 8 7 5 7 Sejam A 9 5, B 8 6 e C 7 Determine as matrizes: A B C A B C A (B C) Sejam as matrizes A (a ij ), em que a ij i j, e B (b ij ), em que b ij i j Seja C A

Leia mais

Em Busca de um Roteiro Experimental de Curta Duração para

Em Busca de um Roteiro Experimental de Curta Duração para Em Busca de um Roteiro Experimental de Curta Duração para Avaliação de Sistemas de Detecção de Intrusão baseados em Rede Leonardo Lemes Fagundes 1, Luciano Paschoal Gaspary 2 Universidade do Vale do Rio

Leia mais

Controle de Processos Aula: Sistema em malha fechada

Controle de Processos Aula: Sistema em malha fechada 107484 Controle de Processos Aula: Sistema em malha fechada Prof. Eduardo Stockler Tognetti Departamento de Engenharia Elétrica Universidade de Brasília UnB 1 o Semestre 2016 E. S. Tognetti (UnB) Controle

Leia mais

EXERCÍCIOS RESOLVIDOS CURVAS CÔNICAS

EXERCÍCIOS RESOLVIDOS CURVAS CÔNICAS 1 EXERCÍCIOS RESOLVIDOS CURVAS CÔNICAS 1. ENCONTRAR OS FOCOS DE UMA ELIPSE SENDO DADOS O EIXO MAIOR E O MENOR. Sejam os eixos AA' e BB' dados que se intersectam no ponto O (centro da elipse). Coloque a

Leia mais

BANCO DE FÓRMULAS PROF. FRED MOURA. Movimento Circular 1 T. a cp. = velocidade angular. = espaço angular. Unidades de medida

BANCO DE FÓRMULAS PROF. FRED MOURA. Movimento Circular 1 T. a cp. = velocidade angular. = espaço angular. Unidades de medida O D ÓMUL O. D MOU MU & MU Moo ul Lço Oblíuo p = lo ul * opo l - MU y y y y y s y y y = lo é = ção spço = spço ul = o H s = Ilo po = üê * opo hozol - MU = spço (l) = píoo x os = spço Il = lo = lo l = lção

Leia mais

ETANOL E USO CORPORATIVO DO TERRITÓRIO

ETANOL E USO CORPORATIVO DO TERRITÓRIO a Q Q a I I I I 5 a a ETANO E USO CORPORATIVO DO TERRITÓRIO ethanol and corporative use of territory! " # $ & ' & ( ) & * $! + # $, " & ( ( -. / 0 1 2 3 4 5 6 7 6 8 9 : 6 ; 5 < = < > 4 6 6 8? @ > = 6 =

Leia mais

(estes diapositivos não constituem manual da disciplina de MacroI, não dispensam a frequência às aulas nem a consulta da bibliografia recomendada)

(estes diapositivos não constituem manual da disciplina de MacroI, não dispensam a frequência às aulas nem a consulta da bibliografia recomendada) !" &' # ' ( ) * * +*, -. /, +/0' '!"" % -". & -* * 3 0,. 4, -. 5*-. # $% & * ' $ * & ( % )*$ - 0 * 0 *$ 6., $ 7*8*9 2 -#:. + ') -5*. ' ; $ -. -. ' -5., #?@ &$/&9 A! #! - - B$. -. -.- # 0, =-7*8**

Leia mais

ACTIVIDADES NO GEOPLANO. 4. Desenha 2 figuras equivalentes e isoperimétricas, mas que não sejam geometricamente iguais.

ACTIVIDADES NO GEOPLANO. 4. Desenha 2 figuras equivalentes e isoperimétricas, mas que não sejam geometricamente iguais. 1. Usa só dois elásticos e desenha: 1.1 três triângulos; ACTIVIDADES NO GEOPLANO 1.2 um pentágono e quatro triângulos. 1. um pentágono e cinco triângulos. 2. Desenha 2 figuras equivalentes.. Desenha 2

Leia mais

TEOREMA DE CEVA E MENELAUS. Teorema 1 (Teorema de Ceva). Sejam AD, BE e CF três cevianas do triângulo ABC, conforme a figura abaixo.

TEOREMA DE CEVA E MENELAUS. Teorema 1 (Teorema de Ceva). Sejam AD, BE e CF três cevianas do triângulo ABC, conforme a figura abaixo. TEOREMA DE CEVA E MENELAUS Definição 1. A ceviana de um triângulo é qualquer segmento de reta que une um dos vértices do triângulo a um ponto pertencente à reta suporte do lado oposto a este vértice. Teorema

Leia mais

SÉRIE C 1 FOLHA / 2 FOLHAS CORRER TELESCÓPICA CORRER

SÉRIE C 1 FOLHA / 2 FOLHAS CORRER TELESCÓPICA CORRER SÉRIE C 1ª Edição Porseg - Sistemas de Segurança S.A. 2014 SÉRIE C 1 FOLHA / 2 FOLHAS CORRER TELESCÓPICA CORRER P O R S E G, S I S T E M A S D E S E G U R A N Ç A, S. A. P R O D U T O S C O R T A - F O

Leia mais

Permutadores de Calor para Piscinas

Permutadores de Calor para Piscinas Permutadores de Calor para s TECNOLOGIA BOWMAN Líder Mundial em Tecnologia Permutadores Calor Permutadores de calor s Para Caldeiras, Painéis Solares e Bombas de calor PERFORMANCE NA TRANSFERÊNCIA DE CALOR

Leia mais

Curso: 101-Medicina - integral

Curso: 101-Medicina - integral urso: 0-edicina - integral I IUII I OO OO OII O UIO O O IHO X OO X II IXI X OO I OIO I II I OIO O I UO IO I IO UII X O IZ IOO IOII OI OI OI I II OI O OI HO OIO II O I OU I O OZ UUO I I O HO IO HO O U I

Leia mais

!"#$ %&' ()*+, +,*-./( * ( (

!#$ %&' ()*+, +,*-./( * ( ( 1 3 1 7 1 7 1 7 /456 1 7 1 7 1 7 & & 1 7 1 7 1 7 1 7 1 7 1 7 1 7! 1 7" 1 7 1 7# 1 7 1 7 1 7$ 1 7 1 7%& 1 7 1 7 1 7 1 7 1 7 1 7 1 7 1 7 @ 1 7 1 7 1 7 1 7 1 7 1 7 1 7!"#$ 1 7 1 7 1 7%&' 1 7!" 78.+/ 0 9:

Leia mais

CAPÍTULO I INTRODUÇÃO

CAPÍTULO I INTRODUÇÃO Mestrado: Forense Disciplina: Operações Bancárias Docente: Paulo Câmara Ano lectivo: 2009-2010 Semestre: 1º Semestre -2º Trimestre 1. Programa da disciplina: 1.º Introdução CAPÍTULO I INTRODUÇÃO 1. Delimitação

Leia mais

Eletrônica Digital. Projeto de Circuitos Combinacionais. Alex Vidigal Bastos

Eletrônica Digital. Projeto de Circuitos Combinacionais. Alex Vidigal Bastos Eletrônica Digital Projeto de Circuitos Combinacionais Alex Vidigal Bastos Introdução O circuito combinacional é aquele em que a saída depende única e exclusivamente das combinações entre as variáveis

Leia mais

Edital de Divulgação de vagas para Designação

Edital de Divulgação de vagas para Designação 20/04/2017 controlequadropessoal.educacao.mg.gov.br/vagas/imprimir edital/438423 Endereço: R DOS ESTUDANTES, 351 PENHA Unidade de : 115568 EE NOSSA SENHORA DA PENHA Data: 24/04/2017 Horário: 10 hora(s)

Leia mais

Í n d i c e. I n t r o d u ç ã o C o m o e u c o n f i g u r o o S P A 9 3 2? I n f o r m a ç

Í n d i c e. I n t r o d u ç ã o C o m o e u c o n f i g u r o o S P A 9 3 2? I n f o r m a ç Í I t ç ã C m f g S P A 9 3 2? I f m ç õ s R l s Itçã Est tg é m m m sé p xl stlçã, tblshtg mtçã pts Cs Smll Bsss (tg Lksys Bsss Ss). Q. Cm fg SPA932? R. O SPA932 é m sl tmt 32-btt p SPA962. C SPA932 f

Leia mais

ENSINO PRÉ-UNIVERSITÁRIO PROFESSOR(A) TURNO. 01. Determine a distância entre dois pontos A e B do plano cartesiano.

ENSINO PRÉ-UNIVERSITÁRIO PROFESSOR(A) TURNO. 01. Determine a distância entre dois pontos A e B do plano cartesiano. SÉRIE ITA/IME ENSINO PRÉ-UNIVERSITÁRIO PROFESSOR(A) ALUNO(A) TURMA MARCELO MENDES TURNO SEDE DATA Nº / / TC MATEMÁTICA Geometria Analítica Exercícios de Fixação Conteúdo: A reta Parte I Exercícios Tópicos

Leia mais

Arquitectura de Computadores

Arquitectura de Computadores Nuno Cavaco Gomes Horta Universidade Técnica de Lisboa / Instituto Superior Técnico Sumário Introdução Unidade de Processamento Unidade de Controlo Conjunto de Instruções (CPU) Unidade de Entrada/Saída

Leia mais

Capítulo 7: Escoamento Interno

Capítulo 7: Escoamento Interno Capítulo 7: Escoamento Interno Trocadores de calor Temperatura de mistura Tm é a temperatura que se obtêm ao retirar uma amostra de fluido na seção transversal do duto, colocar em um copo e fazer uma mistura.

Leia mais

Processos. Um SO executa uma multiplicidade de programas, em batch ou time-sharing, que se designam por: ÈÖÓ Ó é um programa em execução.

Processos. Um SO executa uma multiplicidade de programas, em batch ou time-sharing, que se designam por: ÈÖÓ Ó é um programa em execução. Processos Um SO executa uma multiplicidade de programas, em batch ou time-sharing, que se designam por: ÔÖÓ Ó ou Ø Ö (processes/tasks/jobs). ÈÖÓ Ó é um programa em execução. A execução de um processo é

Leia mais

"Oswego": Um Surto Epidêmico de Gastroenterite

Oswego: Um Surto Epidêmico de Gastroenterite "Owg": Um Eêmc Excíc E Tçã: A: F: E Av Wm Ogzçã P-Amc ú Uv ã P (Pó-R çã Pó-çã) C D C Pv OWEO : UM URTO EPIDÊMICO DE ATROETERITE * OJETIVO Aó ém xcíc á cz : m m; b m cv êmc; cc cm x q c ív víc mã; m vgçã

Leia mais

Código G R$ 51,99 ICMS

Código G R$ 51,99 ICMS f O V - º37 - MO/JUHO/JULHO/2013 MEO 2013 Vh v E ( ul) 01 04 m x ul/ Há: 14h à 21h 15 18 m ul/ Há: 13h à 20h QUÍMEO L - Ml Quml - p 0-100 mm; - Lu 0,01 mm; - 0,02mm; - 3 õ: - lg/lg, - mm/plg, - z; - u

Leia mais

Escola Secundária/2,3 da Sé-Lamego Proposta de Resolução da Ficha de Trabalho de Matemática 23/01/2012 Circunferência e polígonos; Rotações. 9.

Escola Secundária/2,3 da Sé-Lamego Proposta de Resolução da Ficha de Trabalho de Matemática 23/01/2012 Circunferência e polígonos; Rotações. 9. Escola Secundária/,3 da Sé-Lamego Proposta de Resolução da Ficha de Trabalho de Matemática 3/01/01 Circunferência e polígonos; Rotações. 9.º Ano Nome: N.º: Turma: 1. Coloca, na figura, pela letra conveniente,

Leia mais

Escola Básica de Ribeirão (Sede) ANO LETIVO 2011/2012 Ficha de Trabalho Maio 2012 Nome: N.º: Turma: 9.º Ano Compilação de Exercícios de Exames Nacionais (EN) e de Testes Intermédios (TI) Tema: Espaço Outra

Leia mais

Cinemática Escalar. DEFINIÇÃO: estudo do movimento sem se

Cinemática Escalar. DEFINIÇÃO: estudo do movimento sem se Cinemática Escalar DEFINIÇÃO: estudo do movimento sem se preocupar com suas causas. REFERENCIAL: É o lugar onde está localizado de fato um observador em relação ao qual um dado fenômeno está sendo analisado.

Leia mais

TESTE INTERMÉDIO DE MATEMÁTICA A RESOLUÇÃO - VERSÃO 1

TESTE INTERMÉDIO DE MATEMÁTICA A RESOLUÇÃO - VERSÃO 1 TESTE INTERMÉDIO DE MATEMÁTICA A RESOLUÇÃO - VERSÃO 1 Grupo I 1. Se uma recta é paralela ao eixo SD, qualquer vector director dessa recta tem primeira e segunda coordenadas iguais a zero. Resposta B 2.

Leia mais

Os programas de ensino superior de engenharia e o futuro das instalações elétricas em Portugal

Os programas de ensino superior de engenharia e o futuro das instalações elétricas em Portugal Os programas de ensino superior de engenharia e o futuro das instalações elétricas em Portugal 26/04/2017 José Rui Ferreira Lei 14/2015 Artigo 5.º Técnico responsável pela execução 1 - Para o acesso e

Leia mais

CONFIGURAÇÃO DESKTOP OPEN SOURCE

CONFIGURAÇÃO DESKTOP OPEN SOURCE Fernando Rui Russell Pinto - ee09213 CONFIGURAÇÃO DESKTOP OPEN SOURCE CONFIGURAÇÃO DESKTOP OPEN SOURCE Introdução O estado da arte Parametrização do projecto Estudo e definição da especificação Prova de

Leia mais

TP2 Adriana Serrão. 6 1º 1 TPU Pedro Mesquita. 6 1º 1 TP1 José Barata-Moura TP2 Pedro Alves. 6 1º 2 TPU Luísa Ribeiro Ferreira

TP2 Adriana Serrão. 6 1º 1 TPU Pedro Mesquita. 6 1º 1 TP1 José Barata-Moura TP2 Pedro Alves. 6 1º 2 TPU Luísa Ribeiro Ferreira Departamento de da FLUL Licenciatura em Horas/Semana SEMESTRE ANO Turmas Docente Temas e 3 1º 1 TP1 Técnicas da TP2 Adriana Serrão Lógica 6 1º 1 TP1 António Zilhão TP2 Adriana Silva Graça Antiga 6 1º 1

Leia mais

P a l a v r a s - c h a v e s : l i n g u í s t i c a, l i n g u a g e m, s o c i a b i l i d a d e.

P a l a v r a s - c h a v e s : l i n g u í s t i c a, l i n g u a g e m, s o c i a b i l i d a d e. A V A R I E D A D E L I N G U Í S T I C A D E N T R O D A S O C I E D A D E C A M P O - G R A N D E N S E N O Â M B I T O D O M E R C A D Ã O M U N I C I P A L E F E I R A C E N T R A L D E C A M P O G

Leia mais

Capítulo Coordenadas no Espaço. Seja E o espaço da Geometria Euclidiana tri-dimensional.

Capítulo Coordenadas no Espaço. Seja E o espaço da Geometria Euclidiana tri-dimensional. Capítulo 9 1. Coordenadas no Espaço Seja E o espaço da Geometria Euclidiana tri-dimensional. Um sistema de eixos ortogonais OXY Z em E consiste de três eixos ortogonais entre si OX, OY e OZ com a mesma

Leia mais

PLASTIBORRACHA,LDA SUPORTE ESCAPE COROLLA PLASTIBORRACHA,LDA APOIO CX. VELOCIDADES PLASTIBORRACHA,LDA

PLASTIBORRACHA,LDA SUPORTE ESCAPE COROLLA PLASTIBORRACHA,LDA APOIO CX. VELOCIDADES PLASTIBORRACHA,LDA Y 1.200 UE EE E UE EE UE EE E-0029 E-0040 E-0188- EE 1200 ENE E. E (25MM) X. VEE 1.200 M-0942 QU MEE E FE J/ (1.3-1.5) 5/82-» (80Xd20X105MM) 43477.16031 43477.16016-0234 QU M Á FENE 1.200 (10X235X33) -1014

Leia mais

Apresentação. CAEd versão1.0. CAEd Cálculo Acústico de Edifícios. Jorge Patrício. Luís Santos Lopes

Apresentação. CAEd versão1.0. CAEd Cálculo Acústico de Edifícios. Jorge Patrício. Luís Santos Lopes CAEd Cálculo Acústico de Edifícios Autores: João Mariz Graça Jorge Patrício Luís Santos Lopes Lisboa, Junho de 2008 1 Introdução O programa CAEd foi desenvolvido por João Mariz da Graça, Jorge Patrício

Leia mais

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL Prefeitura Municipal de Manoel Viana Unidospor uma nova Manoel Viana

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL Prefeitura Municipal de Manoel Viana Unidospor uma nova Manoel Viana ESTAD D RI GRANDE D SUL Prefeitura Municipal de Manel Viana Unidspr uma nva Manel Viana LEI 1434, DE 25 DE ABRIL DE 2007. PREFEIT MUNICIPAL. Faç saber, em dispst n artig 56 da Lei rgânica Municipal, que

Leia mais

Sazonais da Floresta ENQUADRAMENTO GERAL. Sazonais da Floresta

Sazonais da Floresta ENQUADRAMENTO GERAL. Sazonais da Floresta ub ub ENQUADRAMENTO GERAL A f é um m u cm múp pu, qu ó é pív pv m m épc fc p um vgm qu pb m u p u u mm m p- pv m qu um cu f fm m cv g. Ex um g v u qu ó xm m m épc. T- pv m v pu f, qu mu v ã já u m m vu

Leia mais

Uso do PIN-Pad USB com o SCOPE Versão 1.0

Uso do PIN-Pad USB com o SCOPE Versão 1.0 Uso do PIN-Pad USB com o SCOPE Versão 1.0 Informações Gerais Leia antes de utilizar o software: O Manual de Instalação e Configuração descreve a configuração e instalação dos PIN-Pad s USB, Gertec PPC900

Leia mais

FC722 Central de detecção de incêndios

FC722 Central de detecção de incêndios FC722 Central de detecção de incêndios Série FS720 (MP3.0) Cerberus PRO Central de detecção de incêndios compacta, controlada por microprocessador para a ligação de até 252 endereços A central de detecção

Leia mais

Detecção de Intrusão. Intrusão. Intruso. É o processo pelo qual algo tenta violar uma sistema.

Detecção de Intrusão. Intrusão. Intruso. É o processo pelo qual algo tenta violar uma sistema. Detecção de Intrusão Disciplina: Auditoria de Sistemas Prof. Luiz Antonio Curso: Segurança Patrimonial Intrusão É o processo pelo qual algo tenta violar uma sistema. A intrusão pode ser de fora ou de elementos

Leia mais

Módulo Quadriláteros. Relação de Euler para Quadrilátero. 9 ano E.F. Professores Cleber Assis e Tiago Miranda

Módulo Quadriláteros. Relação de Euler para Quadrilátero. 9 ano E.F. Professores Cleber Assis e Tiago Miranda Módulo Quadriláteros Relação de Euler para Quadrilátero 9 ano E.F. Professores Cleber Assis e Tiago Miranda Quadriláteros Relação de Euler para Quadriláteros Exercícios de Fixação Exercício 6. No triângulo

Leia mais

PLASTIBORRACHA,LDA SUPORTE ESCAPE COROLLA PLASTIBORRACHA,LDA APOIO CX. VELOCIDADES PLASTIBORRACHA,LDA

PLASTIBORRACHA,LDA SUPORTE ESCAPE COROLLA PLASTIBORRACHA,LDA APOIO CX. VELOCIDADES PLASTIBORRACHA,LDA Y 1.200 UE EE IE UE EE UE EE, E-0029 E-0040 E-0188- I EE 1200 BENE B E. IE (25MM) I X. VEIE 1.200 M-0942 QUI MEE IE FE J/ I I (1.3-1.5) 5/82-» (80Xd20X105MM) 43477.16031 43477.16016 B-0234 QUI M Á FENE

Leia mais

Edital de Divulgação de vagas para Designação

Edital de Divulgação de vagas para Designação 11/05/2017 controlequadropessoal.educacao.mg.gov.br/vagas/imprimir edital/446685 Município: PASSOS Endereço: R JANAÚBA, 25 COHAB II Unidade de : 115495 EE DOUTOR TANCREDO DE ALMEIDA NEVES Data: 12/05/2017

Leia mais

Teses e dissertações. Uniformização do tratamento catalográfico e da terminologia. (texto provisório para discussão)

Teses e dissertações. Uniformização do tratamento catalográfico e da terminologia. (texto provisório para discussão) BASE SIIB/UC INFORMAÇÃO 3 2010 Teses e dissertações Uniformização do tratamento catalográfico e da terminologia (texto provisório para discussão) 1. Leader documentos electrónicos Tipo de registo: alterar

Leia mais