USO DO SOLO E ADENSAMENTO AO LONGO DOS CORREDORES DE TRANSPORTE DE BELO HORIZONTE

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "USO DO SOLO E ADENSAMENTO AO LONGO DOS CORREDORES DE TRANSPORTE DE BELO HORIZONTE"

Transcrição

1 USO DO SOLO E ADENSAMENTO AO LONGO DOS CORREDORES DE TRANSPORTE DE BELO HORIZONTE Land use and densification along mass transit corridors in Belo Horizonte Daniel Freitas Prefeitura Municipal de Belo Horizonte PARTE I. Problemas de Mobilidade x Uso do Solo PARTE II. Operações Urbanas Consorciadas

2 Área: 330 km2 População: 2,37 milhões Metropolitana: 4,88 milhões em 34 municípios Crescimento da frota particular Entre 4 e 7% ao ano Motos em 11,5% ao ano Frota carros em 2009: 1,1 milhão 1 veículo para 2,4 habitantes Taxa média: 1 veículo para 1,4 habitantes Transporte coletivo 300 linhas / 50 empresas 1,4 milhões passageiros dia

3 PARTE I. Problemas de Mobilidade x Uso do Solo em Belo Horizonte Sistema viário radial 1 sobrecarregado Uso do Solo Ocupação menor renda cada vez mais periférica impulsionada por preço da terra; Emprego, comércio e serviços (destinos pendulares) concentrados na área central; Infra estrutura ao redor do centro subutilizada (pouca densidade habitacional) x carência de infra-estrutura na periferia;

4 PARTE I. Problemas de Mobilidade x Uso do Solo em Belo Horizonte 2 Barreiras físicas: Anel Rodoviário e Ferrovia Uso do Solo Fragmentação regional gerando zonas isoladas e com economia local estagnada; Trechos com áreas residuais (insegurança, poucas transposições e grandes vazios subutilizados em locais de boa infra estrutura);

5 PARTE I. Problemas de Mobilidade x Uso do Solo em Belo Horizonte 3 Tráfego concentrado no Hipercentro e Complexo da Lagoinha Veículos Pessoas Complexo (35%) Hiprecentro (54%)

6 Uso do Solo Obras viárias de alto impacto gerando região degrada e subutilizada no entorno; Barreira física para pedestre, bicicleta isolando acesso ao centro (área mais atrativa a este tipo de transporte); Comprometimento da capacidade do sistema estrutural;

7 PARTE I. Problemas de Mobilidade x Uso do Solo em Belo Horizonte 4 Sistema viário transversal deficiente e sem continuidade Uso do Solo Desestimula a consolidação de novas centralidades regionais; Plano de integração de alto custo (VIURBS) devido ao adensamento lindeiros que geram gastos elevados com desapropriação; Desarticulações regionais e entre rotas de transporte coletivo;

8 PARTE I. Problemas de Mobilidade x Uso do Solo em Belo Horizonte 5 Desigualdade de utilização do espaço público ônibus 6% moto 12% caminhão 4% automóvel 78% Uso do Solo Privilégio ao transporte particular associado a ambientes urbanos degradados e sem uso público; Necessário pesquisar como uso e adensamento pode incentivar uso de transporte coletivo; moto 5% Veículos caminhão 2% ônibus 53% auto 40% Pessoas Transportadas

9 PARTE II. Operação Urbana Consorciada Operação Urbana Consorciada é o conjunto de intervenções e medidas coordenadas pelo Poder Público municipal, com a participação dos proprietários, moradores, usuários permanentes e investidores privados, com o objetivo de alcançar em uma determinada área transformações urbanísticas estruturais, melhorias sociais e valorização ambiental. Melhoria urbana estrutural Maior capacidade de adensamento e atração de novos usos Valorização do preço da terra e interesse do mercado Operação Urbana Porto Maravilha Rio de Janeiro Captação de recurso e recuperação de mais valia

10 Nas OUC podem ser previstos a modificação de índices e características de parcelamento, uso e ocupação do solo do local, as normas de edificações vigentes e mesmo a regularização de construções executadas em desacordo com a legislação vigente.

11 PARTE II. Operação Urbana Consorciada O Plano Diretor de Belo Horizonte apontou áreas para Operações Urbanas. Nestas áreas foi previsto restrição imediata dos parâmetros de ocupação (CA=1,0 ou 0,5) e direito de preempção (preferência de compra do terreno pelo Executivo). Objetivos Evitar que ocupação imediata da área com potencial de valorização inviabilize a implementação do plano urbanístico; Garantir que a valorização decorrente dos investimentos gere contrapartida ao poder público;

12 PARTE II. Operação Urbana Consorciada Objetivos gerais das Operações Urbanas do Entorno dos Corredores Viários Prioritários, Transporte Coletivo e Estações de Integração Objetivos Implantar novos espaços públicos e áreas verdes; Implantar equipamentos estratégicos e grandes empreendimentos; Ampliar rede viária estrutural e de transporte coletivo; Equilibrar infra estrutura existente com densidade de ocupação; Otimizar uso do sistema de BRT (atrair usuário, minimizar impacto e garantir boa inserção de estações)

13 PARTE II. Operação Urbana Consorciada CEPAC Possibilidade de maior adensamento associado a transformações estruturais (ex.obras viárias estruturais e sistema de BRT) Venda de potencial adicional de construção com potencial valorização do preço da terra Fundo exclusivo da Operação Urbana e investimentos na área

14 PARTE II. Operação Urbana Consorciada CEPAC O investimento privado nas OUC dá-se por meio da compra de Certificados de Potencial Adicional de Construção (CEPAC). O CEPAC é um título que paga a contrapartida por construir mais (outorga de potencial construtivo) ou pela concessão para atividade econômica específica. Cada CEPAC equivale a determinado valor de m² para utilização em área adicional de construção ou em modificação de usos e parâmetros de um terreno ou projeto.

15 CEPAC Uma vez alienados em leilão, os CEPAC podem ser negociados livremente no mercado secundário, até que sejam vinculados a um lote dentro do perímetro da Operação Urbana Consorciada. A implementação das obras e o conseqüente desenvolvimento da área aumentam o valor da terra local e o valor de mercado dos CEPAC. Essa valorização dos CEPAC e sua estratégia de comercialização/operacionalização gera possibilidade de recuperar a mais valia.

16 PARTE II. Operação Urbana Consorciada Processo de implantação das Operações Urbanas Consorciadas em Belo Horizonte Estudo Urbanístico O que se pretende para a área? Estudo de estoque Qual o potencial de adensamento? Estudo de mercado Quais as expectativas do mercado? Plano de intervenções Intenções, prioridade e viabilidade das propostas Estudo Econômico Operacionalização dos CEPACs EIV Estudo de Impacto da Operação Regulamentação Elaboração do projeto de lei

17 PARTE II. Operação Urbana Consorciada Estudo Urbanístico O que se pretende para a área? Método que está sendo adotado para a elaboração do Estudo Urbanístico OBJETIVOS GERAIS LEVANTAMENTO DE DADOS ESTRUTURA AMBIENTAL ESTRUTURA PÚBLICA ESTRUTURA DE OCUPAÇÃO DETALHAMENTO DE SETORES SÍNTESE DE PROPOSTAS Discussão e definição dos objetivos gerais da operação urbana do corredor da Antônio Carlos. Pesquisa e sistematização de dados secundários e visitas ao local. Identificação de áreas verdes relevantes, áreas de fragilidade e de risco ambiental. Integração entre áreas e espaços públicos Levantamento e projeto de obras viárias, consolidação de centros e ocupação de vazios urbanos. Definição dos locais para adensamento preferencial e dos locais para restrição e o tipo de uso mais adequado a cada local Projetos de desenho urbano e de micro inserção de equipamentos e estações Relação de custos de investimento e do potencial de arrecadação dos recursos obtidos com leilão de CEPACs

18 PARTE II. Operação Urbana Consorciada Principais desafios Estabelecer correlação entre uso do solo e uso do sistema de transporte coletivo; Identificar empreendimentos e equipamentos adequados á infra estrutura a ser implantada; Minimizar impacto da operação no processo de expansão urbana e expulsão de menor renda; Garantir permeabilidade do corredor e articulação entre bairros sem comprometer capacidade viária;

19 PARTE II. Operação Urbana Consorciada Principais desafios Obter (re)articulação regional da área e não apenas intervenções pontuais; Fugir da arrecadação de recurso e promover, de fato, espaço urbano inclusivo e sustentável; Estabelecer e monitorar limite de adensamento e impacto de novas atividades; Evitar enclaves especializados isolados e homogeneidade de ocupação (torres de escritório);

20 Muito obrigado Daniel Freitas Gerente de Projetos Urbanos Especiais Secretaria Adjunta de Planejamento Urbano Secretaria de Desenvolvimento Prefeitura de Belo Horizonte Contato:

OPERAÇÕES URBANAS CONSORCIADAS

OPERAÇÕES URBANAS CONSORCIADAS OPERAÇÕES URBANAS CONSORCIADAS como estratégia para a reabilitação urbana DEAP/SNAPU/MCIDADES MAIO/2015 O que são Operações Urbanas Consorciadas? PREMISSA: GESTÃO DA VALORIZAÇÃO DA TERRA O solo urbano

Leia mais

Instrumentos urbanísticos: alcances, limitações e possibilidades para Salvador

Instrumentos urbanísticos: alcances, limitações e possibilidades para Salvador Instrumentos urbanísticos: alcances, limitações e possibilidades para Salvador FÓRUM TEMÁTICO DO PLANO SALVADOR 500 Camila Maleronka camila@p3urb.com.br c.maleronka@gmail.com 17 de abril de 2015. OPERAÇÃO

Leia mais

Mobilidade e Políticas Urbanas em Belo Horizonte

Mobilidade e Políticas Urbanas em Belo Horizonte I Seminário Nacional de Política Urbana e Ambiental Conselho de Arquitetura e Urbanismo do Brasil Brasília abril 2016 Mobilidade e Políticas Urbanas em Belo Horizonte Tiago Esteves Gonçalves da Costa ESTRUTURA

Leia mais

Operação Urbana Porto Maravilha Reurbanização e Desenvolvimento Socioeconômico

Operação Urbana Porto Maravilha Reurbanização e Desenvolvimento Socioeconômico Operação Urbana Porto Maravilha Reurbanização e Desenvolvimento Socioeconômico São Paulo, Setembro de 2013 Alberto Silva CDURP Quebra de Paradigmas Modelagem financeira inovadora, sem aplicação de recurso

Leia mais

Operação Urbana Porto Maravilha Reurbanização e Desenvolvimento Socioeconômico

Operação Urbana Porto Maravilha Reurbanização e Desenvolvimento Socioeconômico Operação Urbana Porto Maravilha Reurbanização e Desenvolvimento Socioeconômico São Paulo, Setembro de 2013 Alberto Silva CDURP Quebra de Paradigmas Modelagem financeira inovadora, sem aplicação de recurso

Leia mais

PROJETO DE LEI Nº /2015

PROJETO DE LEI Nº /2015 Sumário PROJETO DE LEI Nº /2015 TÍTULO I DOS FUNDAMENTOS, ABRANGÊNCIA E FINALIDADES...7 CAPÍTULO I DOS FUNDAMENTOS E ABRANGÊNCIA... 7 CAPÍTULO II DA FINALIDADE E PROCEDIMENTOS DE AVALIAÇÃO... 7 TÍTULO

Leia mais

A importância da mudança modal para tirar São Paulo da contramão. Autora: Arqta. Melissa Belato Fortes Co-autora: Arqta. Denise H. S.

A importância da mudança modal para tirar São Paulo da contramão. Autora: Arqta. Melissa Belato Fortes Co-autora: Arqta. Denise H. S. A importância da mudança modal para tirar São Paulo da contramão Autora: Arqta. Melissa Belato Fortes Co-autora: Arqta. Denise H. S. Duarte Objeto da pesquisa Relação entre adensamento, multifuncionalidade

Leia mais

Macrozona 7 Caracterização Rodovias e Leitos Férreos

Macrozona 7 Caracterização Rodovias e Leitos Férreos Macrozona 7 Caracterização Rodovias e Leitos Férreos MONTE MOR MACROZONA 6 INDAIATUBA Barreiras físicas Rodovia Santos Dumont principal ligação com Viracopos; utilizada para tráfego urbano, opera já no

Leia mais

OUTORGA ONEROSA DO DIREITO DE CONSTRUIR E TRANSFERÊNCIA DO DIREITO DE CONSTRUIR

OUTORGA ONEROSA DO DIREITO DE CONSTRUIR E TRANSFERÊNCIA DO DIREITO DE CONSTRUIR OUTORGA ONEROSA DO DIREITO DE CONSTRUIR E TRANSFERÊNCIA DO DIREITO DE CONSTRUIR Constituição Federal Art. 182. A política de desenvolvimento urbano, executada pelo Poder Público municipal, conforme diretrizes

Leia mais

DTEA - Transportes, Energia e Ambiente Grupo de Investigação em Energia e Desenvolvimento Sustentável Instituto Superior Técnico

DTEA - Transportes, Energia e Ambiente Grupo de Investigação em Energia e Desenvolvimento Sustentável Instituto Superior Técnico DTEA - Transportes, Energia e Ambiente Grupo de Investigação em Energia e Desenvolvimento Sustentável Instituto Superior Técnico Projecto Mobilidade Sustentável Tiago Farias 20 de Junho de 2007 DTEA Transportes,

Leia mais

Comunidades Planejadas e Propostas em Mobilidade Urbana X A Política de Desenvolvimento Urbano

Comunidades Planejadas e Propostas em Mobilidade Urbana X A Política de Desenvolvimento Urbano Comunidades Planejadas e Propostas em Mobilidade Urbana X A Política de Desenvolvimento Urbano Brasília, 07 de maio de 2015 Roteiro 1. A Política Nacional de Desenvolvimento Urbano 2. Avanços institucionais

Leia mais

RAQUEL ROLNIK MARÇO 2015

RAQUEL ROLNIK MARÇO 2015 FACULDADE DE ARQUITETURA E URBANISMO UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO AUP 268 - PLANEJAMENTO DE ESTRUTURA URBANAS E REGIONAIS I RAQUEL ROLNIK MARÇO 2015 INSTRUMENTOS TRADICIONAIS DE PLANEJAMENTO URBANO NO BRASIL

Leia mais

Desenvolvimento da Zona Leste

Desenvolvimento da Zona Leste Cidade de Oportunidades Desenvolvimento da Zona Leste SEMINÁRIO PLANEJAMENTO, DESENVOLVIMENTO URBANO E SUSTENTABILIDADE Maria Teresa Oliveira Grillo ESCOLA DE FORMAÇÃO DO SERVIDOR PÚBLICO MUNICIPAL Março/

Leia mais

Porto Maravilha. Out/2013

Porto Maravilha. Out/2013 Porto Maravilha Out/2013 O Projeto Porto Maravilha Operação Urbana Consorciada A Operação Urbana Consorciada do Porto do Rio de Janeiro é o maior projeto de revitalização urbana do mundo na atualidade

Leia mais

PLANO DE MOBILIDADE URBANA DE SÃO PAULO

PLANO DE MOBILIDADE URBANA DE SÃO PAULO PLANO DE MOBILIDADE URBANA DE SÃO PAULO setembro 2014 Plano de Mobilidade Urbana de São Paulo Documentos de referência referências Plano Municipal de Circulação Viária e de Transporte - 2003 Consolidou

Leia mais

Urbanismo e Mobilidade

Urbanismo e Mobilidade Urbanismo e Mobilidade Área de Abrangência: 3,8 milhões de m² Inclui 5 bairros completos (Centro, São Domingos, Gragoatá, Boa Viagem e Morro do Estado) e parte de 2 bairros (Ponta D Areia e São Lourenço).

Leia mais

Diagnóstico do Parque Augusta

Diagnóstico do Parque Augusta Diagnóstico do Parque Augusta Bruno Massao Carolina Camargo Daniela Gomes Giuliana Takahashi Luciana Santiago ESCRITÓRIO MODELO 2013 Localização Próximo ao local há comércios, universidades (Mackenzie,

Leia mais

ATUALIDADE S. Prof. Roberto. Um desafio ATUAL.

ATUALIDADE S. Prof. Roberto. Um desafio ATUAL. ATUALIDADE S Prof. Roberto Um desafio ATUAL. MOBILIDADE URBANA Todas as atividades dependem de um bom deslocamento na cidade! Ir a escola; Ir ao Trabalho; Frequentar uma academia; Usar um posto de saúde;

Leia mais

Parcerias Público- Privadas do Rio de Janeiro. Rio Metropolitano. Jorge Arraes. 09 de julho 2015

Parcerias Público- Privadas do Rio de Janeiro. Rio Metropolitano. Jorge Arraes. 09 de julho 2015 Parcerias Público- Privadas do Rio de Janeiro Rio Metropolitano Jorge Arraes 09 de julho 2015 Prefeitura do Rio de Janeiro Secretaria Especial de Concessões e Parcerias Público-Privadas Em 2009, institucionalizou-se

Leia mais

Porto Maravilha do Rio de Janeiro

Porto Maravilha do Rio de Janeiro Porto Maravilha do Rio de Janeiro Participação, Transparência e Projeto 26/09/2013 Pedro da Luz Moreira Arquiteto e Urbanista Professor Adjunto da Eau-Uff Vice presidente do IAB Por uma Cidade Densa, com

Leia mais

PLENÁRIA LESTE 1. Residenciais Milton Santos / Santa Zita

PLENÁRIA LESTE 1. Residenciais Milton Santos / Santa Zita PLENÁRIA LESTE 1 Residenciais Milton Santos / Santa Zita 18 09 2016 DADOS DO PROJETO MINHA CASA MINHA VIDA ENTIDADES TERRENO DE 15.500 m² (adquirido de proprietário privado) BAIRRO CANGAÍBA (ZONA LESTE)

Leia mais

DIRETRIZES DA POLÍTICA DE TRANSPORTE COLETIVO SOBRE PNEUS

DIRETRIZES DA POLÍTICA DE TRANSPORTE COLETIVO SOBRE PNEUS DIRETRIZES DA POLÍTICA DE TRANSPORTE COLETIVO SOBRE PNEUS DEZEMBRO 2013 DENSIDADE DE EMPREGOS ÁREA CENTRAL Plano Diretor 2013 Referências Trata da política de transporte e mobilidade urbana integrada com

Leia mais

para uma cidade melhor

para uma cidade melhor PLANO DE MOBILIDADE URBANA DE SÃO CARLOS A participação da sociedade A participação da sociedade para uma cidade melhor Problemas urbanos Perda de tempo e dinheiro Viagens sem conforto Maior risco de

Leia mais

DISCIPLINAMENTO DA CIRCULAÇÃO DE VEÍCULOS DE CARGA CENTRO HISTÓRICO DE PORTO ALEGRE

DISCIPLINAMENTO DA CIRCULAÇÃO DE VEÍCULOS DE CARGA CENTRO HISTÓRICO DE PORTO ALEGRE DISCIPLINAMENTO DA CIRCULAÇÃO DE VEÍCULOS DE CARGA CENTRO HISTÓRICO DE PORTO ALEGRE Diagnóstico Perturbações na fluidez Grandes dimensões Manobras lentas Raio de giro restrito Remoção difícil em caso de

Leia mais

Como estaremos daqui a 25 anos? Estudo de Mobilidade Urbana Plano Diretor Regional de Mobilidade. Seminário SINAENCO / SC

Como estaremos daqui a 25 anos? Estudo de Mobilidade Urbana Plano Diretor Regional de Mobilidade. Seminário SINAENCO / SC Como estaremos daqui a 25 anos? Estudo de Mobilidade Urbana Plano Diretor Regional de Mobilidade Seminário SINAENCO / SC Guilherme Medeiros Engenheiro Coordenador Técnico SC Participações e Parcerias S.A.

Leia mais

Transporte Coletivo: Chegando mais rápido ao futuro. Repensar Mobilidade em Transporte Coletivo

Transporte Coletivo: Chegando mais rápido ao futuro. Repensar Mobilidade em Transporte Coletivo Repensar Mobilidade em Transporte Coletivo As Cidades mudaram População mudou A Economia mudou Os Meios de Transportes mudaram E nós? Ainda pensamos igual ao passado? Em TRANSPORTE COLETIVO chega-se ao

Leia mais

INTEGRAÇÃO DO TRANSPORTE PÚBLICO. Emiliano Affonso Presidente AEAMESP Associação dos Engenheiros e Arquitetos de Metrô Salvador, Agosto de 2015

INTEGRAÇÃO DO TRANSPORTE PÚBLICO. Emiliano Affonso Presidente AEAMESP Associação dos Engenheiros e Arquitetos de Metrô Salvador, Agosto de 2015 INTEGRAÇÃO DO TRANSPORTE PÚBLICO Emiliano Affonso Presidente AEAMESP Associação dos Engenheiros e Arquitetos de Metrô Salvador, Agosto de 2015 ASPECTOS A SEREM ABORDADOS 1. A Mobilidade na RMSP 2. Integração

Leia mais

ConCidade Reunião com segmentos da sociedade civil maio de 2011

ConCidade Reunião com segmentos da sociedade civil maio de 2011 ConCidade Reunião com segmentos da sociedade civil maio de 2011 1ª Parte: Pauta Conteúdos centrais da revisão do plano diretor (Prefeitura) 2ª Parte: Propostas do Segmento Macrozoneamento MACROZONAS Urbana

Leia mais

Brasília - Brasil Maio de 2006

Brasília - Brasil Maio de 2006 Brasília - Brasil Maio de 2006 Diagnóstico Início Diagnóstico Objetivos do Programa Intervenções Propostas Avanço das Atividades Tratamento Viário Diagnóstico Início Diagnóstico Objetivos do Programa Intervenções

Leia mais

SISTEMA BRT AV. JOÃO NAVES DE ÁVILA CORREDOR ESTRUTURAL SUDESTE

SISTEMA BRT AV. JOÃO NAVES DE ÁVILA CORREDOR ESTRUTURAL SUDESTE SISTEMA BRT AV. JOÃO NAVES DE ÁVILA CORREDOR ESTRUTURAL SUDESTE Inicialmente, o que é BRT? O BRT (Bus Rapid Transit), ou Transporte Rápido por Ônibus, é um sistema de transporte coletivo de passageiros

Leia mais

Zoneamento Santos (Porção Insular - Lei Complementar nº 730/2011)

Zoneamento Santos (Porção Insular - Lei Complementar nº 730/2011) Zona da Orla - ZO Área caracterizada pela predominância de empreendimentos residenciais verticais de uso fixo e de temporada, permeada pela instalação de atividades recreativas e turísticas onde se pretende

Leia mais

MBA EM DESENVOLVIMENTO IMOBILIÁRIO TURMA 8

MBA EM DESENVOLVIMENTO IMOBILIÁRIO TURMA 8 2011 MBA EM DESENVOLVIMENTO IMOBILIÁRIO TURMA 8 Prof. Dr. Emílio Haddad Para que serve o governo: fundamentos da regulação do mercado imobiliário Roteiro da apresentação Parte I Falhas de mercado Parte

Leia mais

TRAJETÓRIA DO MERCADO IMOBILIÁRIO E CENÁRIOS FUTUROS

TRAJETÓRIA DO MERCADO IMOBILIÁRIO E CENÁRIOS FUTUROS TRAJETÓRIA DO MERCADO IMOBILIÁRIO E CENÁRIOS FUTUROS Fonte:SMDU/SP Fonte:SMDU/SP Fonte:SMDU/SP Fonte:SMDU/SP Fonte:SMDU/SP CENÁRIO Apresentação do PL 688/13 na CMSP Promulgado o PDE Lei nº 16.050/14 Apresentação

Leia mais

APROVAÇÃO DE EMPREENDIMENTOS

APROVAÇÃO DE EMPREENDIMENTOS APROVAÇÃO DE EMPREENDIMENTOS HABITAÇÃO DE INTERESSE SOCIAL - H.I.S. HABITAÇÃO DO MERCADO POPULAR - H.M.P. SECRETARIA DA HABITAÇÃO DEP. DE APROVAÇÃO DAS EDIFICAÇÕES APROV LEGISLAÇÃO VIGENTE LEI 11.228 26/06/1992

Leia mais

Política de Combate a Inundações de Belo Horizonte. Prefeitura de Belo Horizonte

Política de Combate a Inundações de Belo Horizonte. Prefeitura de Belo Horizonte Política de Combate a Inundações de Belo Horizonte Prefeitura de Belo Horizonte Belo Horizonte, fevereiro/2011 ASPECTOS GERAIS DA CIDADE DE BELO HORIZONTE Área superficial : 330 km 2 População : 2,5 milhões

Leia mais

Plano de mobilidade urbana de carga: proposta e desafios para as cidades brasileiras. Leise Kelli de Oliveira UFMG

Plano de mobilidade urbana de carga: proposta e desafios para as cidades brasileiras. Leise Kelli de Oliveira UFMG Plano de mobilidade urbana de carga: proposta e desafios para as cidades brasileiras Leise Kelli de Oliveira UFMG Distribuição Urbana de Mercadorias n Entrega ou Coleta de mercadorias no ambiente urbano

Leia mais

São Paulo, setembro de 2010

São Paulo, setembro de 2010 16ª SEMANA DE TECNOLOGIA METRO-FERROVIÁRIA ASSOCIAÇÃO DOS ENGENHEIROS E ARQUITETOS DE METRÔ AEAMESP. SOLUÇÕES DE TRANSPORTE MAIS ADEQUADAS PARA AS CIDADES O BNDES E OS INVESTIMENTOS NO SETOR DE TRANSPORTES

Leia mais

CREA, RJ, 30 de novembro de Fabricio Leal de Oliveira (IPPUR/UFRJ)

CREA, RJ, 30 de novembro de Fabricio Leal de Oliveira (IPPUR/UFRJ) Seminário Diretrizes e propostas para a produção habitacional na Cidade do Rio de Janeiro Instrumentos para oferta de moradia nas áreas urbanas centrais e consolidadas CREA, RJ, 30 de novembro de 2011.

Leia mais

Localização Estratégica

Localização Estratégica Porto Maravilha Localização Estratégica Aeroporto Internacional Tom Jobim 11 km Aeroporto Santos Dumont Oceano Atlântico 2 km Maracanã 5 km Pão de Açúcar Corcovado 7 km 6 km Copacabana 8 km Perímetro Porto

Leia mais

MOBILIDADE METROPOLITANA E PROJETO URBANO

MOBILIDADE METROPOLITANA E PROJETO URBANO MOBILIDADE METROPOLITANA E PROJETO URBANO SEMINÁRIO RIO METROPOLITANO: DESAFIOS COMPARTILHADOS O FUTURO DA MOBILIDADE NA METRÓPOLE VERTICALIDADES Aspectos metropolitanos HORIZONTALIDADES Interações entre

Leia mais

Companhia de Engenharia de Tráfego CET

Companhia de Engenharia de Tráfego CET Secretaria Municipal de Transporte SMT Sec e a a u cpa de a spo e S Companhia de Engenharia de Tráfego CET Anhanguera Bandeirantes Fernão Dias Presidente Dutra Ayrton Senna MAIRIPORÃ Castello Branco CAIEIRAS

Leia mais

Proposta de diretrizes para elaboração de Plano Diretor de Ocupação da Área 2 do Campus de São Carlos

Proposta de diretrizes para elaboração de Plano Diretor de Ocupação da Área 2 do Campus de São Carlos 1 Comissão de Implantação do Campus 2 USP S. Carlos Proposta de diretrizes para elaboração de Plano Diretor de Ocupação da Área 2 do Campus de São Carlos Prof. Carlos Martins, Arq. Sérgio Assumpção, Prof.

Leia mais

TÍTULO: Campus da UFMG - Reflexões para uma política de estacionamento. AUTOR: Tomás Alexandre Ahouagi

TÍTULO: Campus da UFMG - Reflexões para uma política de estacionamento. AUTOR: Tomás Alexandre Ahouagi TÍTULO: Campus da UFMG - Reflexões para uma política de estacionamento. AUTOR: Tomás Alexandre Ahouagi ENDEREÇO: BHTRANS, Rua Engenheiro Carlos Goulart, 900 Buritis, Belo Horizonte/MG, CEP 30.455-902,

Leia mais

O MTUR e a Copa 2014 Copa do Mundo da FIFA 2014 Encontro Econômico Brasil- Alemanha 2009 Vitória ES - Brasil 30 de agosto a 1º de setembro

O MTUR e a Copa 2014 Copa do Mundo da FIFA 2014 Encontro Econômico Brasil- Alemanha 2009 Vitória ES - Brasil 30 de agosto a 1º de setembro Copa do Mundo da FIFA Encontro Econômico Brasil- Alemanha 2009 2014 Vitória ES - Brasil 30 de agosto a 1º de setembro O MTUR e a Ponto de partida : garantias oferecidas pelo governo federal, estados e

Leia mais

Mobilidade. Secretaria Municipal de Transporte, Trânsito e Mobilidade Urbana. Prefeitura de Nova Iguaçu SEMTMU

Mobilidade. Secretaria Municipal de Transporte, Trânsito e Mobilidade Urbana. Prefeitura de Nova Iguaçu SEMTMU Mobilidade Secretaria Municipal de Transporte, Trânsito e Mobilidade Urbana Prefeitura de Nova Iguaçu Principais Ações Criação do Centro de Operações de Nova Iguaçu CONIG 76 câmeras Principais Ações Centralização

Leia mais

Oportunidades para o Desenvolvimento Urbano Sustentável

Oportunidades para o Desenvolvimento Urbano Sustentável Oportunidades para o Desenvolvimento Urbano Sustentável Miguel Luiz Bucalem Secretário Municipal de Desenvolvimento Urbano Organização Agosto / 2009 Desenvolvimento Urbano Sustentável Desafios Oportunidades

Leia mais

MUNICÍPIO DE CASTELO BRANCO ÁREA DE ESTUDO

MUNICÍPIO DE CASTELO BRANCO ÁREA DE ESTUDO MUNICÍPIO DE CASTELO BRANCO ÁREA DE ESTUDO Castelo Branco Em 2001: População concelho: 55 708 População Sede concelho: 30 449 (55%) Área: 1438,2 km2 Freguesias: 25 Cidade de Castelo Branco População actual:

Leia mais

Workshop Regional de Disseminação do Pacote da Mobilidade

Workshop Regional de Disseminação do Pacote da Mobilidade Workshop Regional de Disseminação do Universidade do Minho - Braga -10 de Abril de 2012 GUIÃO Orientador da Temática dos Transportes nos Planos Municipais de Ordenamento do Território António Pérez Babo

Leia mais

CAPACITAÇÃO e LEITURA técnicos REVISÃO DO PLANO DIRETOR DE DESENVOLVIMENTO TERRITORIAL DO MUNICÍPIO DE CAMBORIÚ SC / 2011

CAPACITAÇÃO e LEITURA técnicos REVISÃO DO PLANO DIRETOR DE DESENVOLVIMENTO TERRITORIAL DO MUNICÍPIO DE CAMBORIÚ SC / 2011 CAPACITAÇÃO e LEITURA técnicos REVISÃO DO PLANO DIRETOR DE DESENVOLVIMENTO TERRITORIAL DO MUNICÍPIO DE CAMBORIÚ SC / 2011 CAPACITAÇÃO e ASSESSORIA: UNIVALI UNIVERSIDADE DO VALE DO ITAJAÍ CURSO DE ARQUITETURA

Leia mais

IV SIMT Pensando as cidades do futuro. Cidades inteligentes e inovação tecnológica 25 de Outubro de 2016

IV SIMT Pensando as cidades do futuro. Cidades inteligentes e inovação tecnológica 25 de Outubro de 2016 IV SIMT Pensando as cidades do futuro Cidades inteligentes e inovação tecnológica 25 de Outubro de 2016 Prefeitura do Rio de Janeiro Secretaria Especial de Concessões e Parcerias Público-Privadas AGENDA

Leia mais

ANTEPROJETO DE LEI N / 2015

ANTEPROJETO DE LEI N / 2015 ANTEPROJETO DE LEI N / 2015 Lei Complementar nº Institui o Macrozoneamento Municipal, parte integrante do Plano Diretor de Organização Físico-territorial de Jaraguá do Sul e dá outras providências. O PREFEITO

Leia mais

ANÁLISE DE EMPREENDIMENTO PÓLO GERADOR DE TRÁFEGO (PGT) A análise pela SETTRANS dos PGT utiliza-se da seguinte metodologia:

ANÁLISE DE EMPREENDIMENTO PÓLO GERADOR DE TRÁFEGO (PGT) A análise pela SETTRANS dos PGT utiliza-se da seguinte metodologia: ANÁLISE DE EMPREENDIMENTO PÓLO GERADOR DE TRÁFEGO (PGT) A análise pela SETTRANS dos PGT utiliza-se da seguinte metodologia: Projeto arquitetônico da edificação: além de observar, no que cabe, as leis de

Leia mais

ARCO METROPOLITANO. Ordenamento urbano e desenvolvimento social na Baixada Fluminense. Roberto Kauffmann Conselho Empresarial da Construção Civil

ARCO METROPOLITANO. Ordenamento urbano e desenvolvimento social na Baixada Fluminense. Roberto Kauffmann Conselho Empresarial da Construção Civil ARCO METROPOLITANO Ordenamento urbano e desenvolvimento social na Baixada Fluminense Roberto Kauffmann Conselho Empresarial da Construção Civil 29 de setembro de 2015 Baixada Fluminense I & II Municípios:

Leia mais

PLANOS DIRETORES REGIONAIS

PLANOS DIRETORES REGIONAIS PLANOS DIRETORES REGIONAIS INSTRUMENTOS URBANÍSTICOS OS INSTRUMENTOS URBANÍSTICOS TÊM O PAPEL DE INTERMEDIAR OS INTERESSES COLETIVOS E OS INDIVIDUAIS VIABILIZANDO A CIDADE PARA TODOS Direito de Preempção;

Leia mais

SALVANDO VIDAS. A importância de reduzir limites de velocidade em áreas urbanas

SALVANDO VIDAS. A importância de reduzir limites de velocidade em áreas urbanas SALVANDO VIDAS A importância de reduzir limites de velocidade em áreas urbanas MARTA OBELHEIRO COORDENADORA DE PROJETOS DE SAÚDE E SEGURANÇA VIÁRIA DO WRI BRASIL CIDADES SUSTENTÁVEIS Um produto do WRI

Leia mais

Mobilidade Urbana. Aspectos Gerais Infraestrutura PMUS Além de Infraestrutura Novos Caminhos

Mobilidade Urbana. Aspectos Gerais Infraestrutura PMUS Além de Infraestrutura Novos Caminhos Mobilidade Urbana Mobilidade Urbana Aspectos Gerais Infraestrutura PMUS Além de Infraestrutura Novos Caminhos Aspectos Gerais LEI Nº 12.587, DE 3 DE JANEIRO DE 2012, Política Nacional de Mobilidade Urbana

Leia mais

GESTÃO DO CRESCIMENTO URBANO: PROTEÇÃO DE MANANCIAIS E RECUPERAÇÃO URBANA. 5 de Dezembro de 2012

GESTÃO DO CRESCIMENTO URBANO: PROTEÇÃO DE MANANCIAIS E RECUPERAÇÃO URBANA. 5 de Dezembro de 2012 GESTÃO DO CRESCIMENTO URBANO: PROTEÇÃO DE MANANCIAIS E RECUPERAÇÃO URBANA 5 de Dezembro de 2012 GESTÃO DO CRESCIMENTO URBANO: PROTEÇÃO DE MANANCIAIS E RECUPERAÇÃO URBANA CONTEÚDO 1. A REGIÃO METROPOLITANA

Leia mais

Nova Rede de Ônibus de São Paulo

Nova Rede de Ônibus de São Paulo Nova Rede de Ônibus de São Paulo Tipologia de linhas Versão 28/05/15 Hierarquia viária do transporte coletivo NÍVEL DE CONTROLE (TRATAMENTO DE PREFERÊNCIA PARA OS ÔNIBUS) Estrutural Vias com maior gabarito

Leia mais

Manual para Elaboração dos Planos Municipais para a Mata Atlântica

Manual para Elaboração dos Planos Municipais para a Mata Atlântica Manual para Elaboração dos Planos Municipais para a Mata Atlântica Rede de ONGs da Mata Atlântica RMA Apoio: Funbio e MMA Papel do Município no meio ambiente Constituição Federal Art 23 Competência Comum,

Leia mais

Curso de Gestão de Mobilidade Urbana Ensaio Crítico Turma 18 Transporte Público coletivo como prioridade

Curso de Gestão de Mobilidade Urbana Ensaio Crítico Turma 18 Transporte Público coletivo como prioridade 1 Curso de Gestão de Mobilidade Urbana Ensaio Crítico Turma 18 Transporte Público coletivo como prioridade Fernando Soares dos Santos (*) O planejamento das cidades para as próximas décadas passa, necessariamente,

Leia mais

Regularização Fundiária

Regularização Fundiária Regularização Fundiária Aspectos Legais Beatriz Kauduinski Cardoso 3º. Seminário Estadual de Habitaçao Florianópolis, 29 outubro 2013 QUAL É A VERDADE? Querem, de todas as formas, impedir a construção

Leia mais

Mapa dos Corredores Estruturais

Mapa dos Corredores Estruturais Mapa dos es Estruturais Industrial Umuarama Norte Oeste Dona Zulmira Central Leste Novo Mundo Planalto Sudoeste Jardins Sul Sudeste Santa Luzia Universitário Anéis Oeste Planalto Norte Dona Zulmira Sudoeste

Leia mais

SÃO PAULO TRANSPORTE S.A.

SÃO PAULO TRANSPORTE S.A. SÃO PAULO TRANSPORTE S.A. Transporte Público: Origens, Evolução e Benefícios Sociais do Bilhete Único 05/04/2005 Antecedentes Bilhetagem Automática 1974: Metrô de São Paulo bilhete magnético Edmonson Seguem-se:

Leia mais

Mobilidade Urbana: tendências e desafios Apresentador: Carlos Henrique Ribeiro de Carvalho Pesquisador do IPEA.

Mobilidade Urbana: tendências e desafios Apresentador: Carlos Henrique Ribeiro de Carvalho Pesquisador do IPEA. Brasilia, Novembro/2013 Mobilidade Urbana: tendências e desafios Apresentador: Carlos Henrique Ribeiro de Carvalho Pesquisador do IPEA. Alterações do padrão de mobilidade urbana no Brasil Milhões de viagens/ano

Leia mais

SECRETÁRIA MUNICIPAL DO MEIO AMBIENTE PORTARIA Nº. 015, DE 21 DE OUTUBBRO DE 2004.

SECRETÁRIA MUNICIPAL DO MEIO AMBIENTE PORTARIA Nº. 015, DE 21 DE OUTUBBRO DE 2004. SECRETÁRIA MUNICIPAL DO MEIO AMBIENTE PORTARIA Nº. 015, DE 21 DE OUTUBBRO DE 2004. O SECRETÁRIO MUNICIPAL DO MEIO AMBIENTE, no uso de suas atribuições legais e regulamentares, conforme art. 27º, do Decreto

Leia mais

Entre Rios PROJETO ESTRATÉGICO

Entre Rios PROJETO ESTRATÉGICO Entre Rios PROJETO ESTRATÉGICO SOBRE O MUNICÍPIO domicílios com renda mensal até 2 s.m. 2010 Fonte: IBGE 2010 Base Cartográfica: MDC/SMDU; Emplasa, 2007 Elaboração: SMDU/SPurbanismo, 2013 3 domicílios

Leia mais

Título: Impactos derivados da implantação dos corredores metropolitanos.

Título: Impactos derivados da implantação dos corredores metropolitanos. Título: Impactos derivados da implantação dos corredores metropolitanos. Autores: Angelique Joseli de Oliveira 1 ; Tamara Crioruska Tarasiuk 1 ¹ Empresa Metropolitana de Transportes Urbanos de São Paulo

Leia mais

7º Gestão das Cidades

7º Gestão das Cidades 7º Gestão das Cidades INVESTIMENTO PRODUTIVO NOS MUNICÍPIOS Vitória, 21 de novembro de 2012 Walsey de Assis Magalhães O BNDES e a Administração Pública Objetivo estratégico: redução das desigualdades regionais

Leia mais

Meio Ambiente e Geoprocessamento SUMÁRIO EXECUTIVO

Meio Ambiente e Geoprocessamento SUMÁRIO EXECUTIVO Meio Ambiente e Geoprocessamento Estudo sócio, econômico e ambiental dos municípios de Cabo Verde/MG e Divisa Nova/MG para avaliação de eventual pavimentação viária SUMÁRIO EXECUTIVO Cabo Verde, 19 de

Leia mais

MOBILIDADE URBANA NO BRASIL: DESAFIOS E SOLUÇÕES DEPUTADO FEDERAL JORGE CÔRTE REAL NOVEMBRO/2013

MOBILIDADE URBANA NO BRASIL: DESAFIOS E SOLUÇÕES DEPUTADO FEDERAL JORGE CÔRTE REAL NOVEMBRO/2013 MOBILIDADE URBANA NO BRASIL: DESAFIOS E SOLUÇÕES DEPUTADO FEDERAL JORGE CÔRTE REAL NOVEMBRO/2013 O problema da mobilidade é comum a todos os grandes centros urbanos. Afeta o desenvolvimento do País ao

Leia mais

COMUNICAÇÕES TÉCNICAS 21º CONGRESSO BRASILEIRO DE TRANSPORTE E TRÂNSITO SÃO PAULO 28, 29 E 30 DE JUNHO DE 2017

COMUNICAÇÕES TÉCNICAS 21º CONGRESSO BRASILEIRO DE TRANSPORTE E TRÂNSITO SÃO PAULO 28, 29 E 30 DE JUNHO DE 2017 COMUNICAÇÕES TÉCNICAS 21º CONGRESSO BRASILEIRO DE TRANSPORTE E TRÂNSITO SÃO PAULO 28, 29 E 30 DE JUNHO DE 2017 A ANTP convida a todos os integrantes das entidades associadas, seus membros individuais e

Leia mais

Mobilidade urbana: tendências e desafios Apresentador: Carlos Henrique Ribeiro de Carvalho Pesquisador do IPEA.

Mobilidade urbana: tendências e desafios Apresentador: Carlos Henrique Ribeiro de Carvalho Pesquisador do IPEA. São Paulo, Novembro/2013 Mobilidade urbana: tendências e desafios Apresentador: Carlos Henrique Ribeiro de Carvalho Pesquisador do IPEA. Deslocamentos urbanos no Brasil: tendências recentes Fonte: Ipea

Leia mais

IMPLANTACAO VIARIA PARA CORREDOR EXCLUSIVO DE ONIBUS,LIGANDO SANTA CRUZ A BARRA DA TIJUCA - BRT TRANSOESTE

IMPLANTACAO VIARIA PARA CORREDOR EXCLUSIVO DE ONIBUS,LIGANDO SANTA CRUZ A BARRA DA TIJUCA - BRT TRANSOESTE 1 IMPLANTACAO VIARIA PARA CORREDOR EXCLUSIVO DE ONIBUS,LIGANDO SANTA CRUZ A BARRA DA TIJUCA - BRT TRANSOESTE AUDIÊNCIA PÚBLICA OUTRAS INFORMAÇÕES 2266-0369 SMTR www.rio.rj.gov.br 2589-0557 SMO Rio de Janeiro

Leia mais

ENGENHARIA DE TRÁFEGO

ENGENHARIA DE TRÁFEGO ENGENHARIA DE TRÁFEGO Capítulo 1: A ENGENHARIA DE TRÁFEGO trata de atividades presentes no nosso dia a dia: a mobilidade das pessoas, o transporte de bens e sua relação com o ambiente tem importante função

Leia mais

Companhia do Metropolitano do Distrito Federal. Audiência Pública

Companhia do Metropolitano do Distrito Federal. Audiência Pública Companhia do Metropolitano do Distrito Federal Audiência Pública Expansão da Linha I do Metrô-DF (Samambaia, Ceilândia e Asa Norte) e modernização do sistema Objetivo da Audiência Pública Dar início aos

Leia mais

AUDIÊNCIA PÚBLICA PROJETOS DE INFRAESTRUTURA

AUDIÊNCIA PÚBLICA PROJETOS DE INFRAESTRUTURA AUDIÊNCIA PÚBLICA PROJETOS DE INFRAESTRUTURA Junho/2015 O que é BRT? O que é BRT? 1) Faixas ou vias separadas e exclusivas Guangzhou (China) O que é BRT? 2) Tratamento prioritário nas interseções Cidade

Leia mais

AVENIDA DONA BELMIRA MARIN MELHORAMENTOS E ALARGAMENTO IMPLANTAÇÃO DE CORREDOR DE ÔNIBUS

AVENIDA DONA BELMIRA MARIN MELHORAMENTOS E ALARGAMENTO IMPLANTAÇÃO DE CORREDOR DE ÔNIBUS AVENIDA DONA BELMIRA MARIN MELHORAMENTOS E ALARGAMENTO IMPLANTAÇÃO DE CORREDOR DE ÔNIBUS OPORTUNIDADES PROMOVER ORGANIZAÇÃO DO SISTEMA VIÁRIO E ALÍVIO DOS VOLUMES DE TRÁFEGO IMPORTANTE VIA ESTRUTURAL.

Leia mais

MINISTÉRIO DAS CIDADES Secretaria Nacional de Transporte e da Mobilidade Urbana. O Brasil vai continuar crescendo

MINISTÉRIO DAS CIDADES Secretaria Nacional de Transporte e da Mobilidade Urbana. O Brasil vai continuar crescendo MINISTÉRIO DAS CIDADES Secretaria Nacional de Transporte e da Mobilidade Urbana O Brasil vai continuar crescendo O Brasil vai continuar crescendo PAVIMENTAÇÃO E QUALIFICAÇÃO DE VIAS URBANAS MINISTÉRIO

Leia mais

Programa Operacional Regional Alentejo 2014/2020. Identidade, Competitividade, Responsabilidade

Programa Operacional Regional Alentejo 2014/2020. Identidade, Competitividade, Responsabilidade Programa Operacional Regional Alentejo 2014/2020 Identidade, Competitividade, Responsabilidade Lezíria do Tejo Alto Alentejo Alentejo Central Alentejo Litoral Baixo Alentejo Planeamento Estratégico Regional

Leia mais

As influências das políticas e do planejamento urbano no desenho de cidades mais sustentáveis:

As influências das políticas e do planejamento urbano no desenho de cidades mais sustentáveis: ECOINOVAÇÃO PARA A MELHORIA AMBIENTAL DE PRODUTOS E SERVIÇOS: EXPERIÊNCIAS ESPANHOLAS E BRASILEIRAS NOS SETORES INDUSTRIAL, URBANO E AGRÍCOLA. As influências das políticas e do planejamento urbano no desenho

Leia mais

EMPREENDIMENTO DO VLT

EMPREENDIMENTO DO VLT SIM da RMBS Sistema Integrado Metropolitano Voltado à prestação do serviço de transporte público coletivo na Região Metropolitana da Baixada Santista RMBS Comitê técnico II - Desenvolvimento Socioeconômico,

Leia mais

Revisão do Plano Diretor Estratégico Desafios para a Revisão do PDE SMDU DEURB

Revisão do Plano Diretor Estratégico Desafios para a Revisão do PDE SMDU DEURB Revisão do Plano Diretor Estratégico Desafios para a Revisão do PDE SMDU DEURB 2013 O desafio de: - Fortalecer espaços produtivos - Aproximar a oferta de empregos dos locais de moradia Fonte: Pesquisa

Leia mais

Melhores práticas de mobilidade inteligente. Simone Gallo

Melhores práticas de mobilidade inteligente. Simone Gallo Melhores práticas de mobilidade inteligente Simone Gallo Nossas causas 3 cultura educação esporte mobilidade Definimos mobilidade urbana como uma causa dentro de nossa plataforma de sustentabilidade. Bicicleta

Leia mais

Secretaria de Urbanismo

Secretaria de Urbanismo Propostas e Diretrizes Prefeitura do Rio de Janeiro Maria Madalena Saint Martin de Astácio A ocupação urbana é condicionada à preservação dos maciços e morros; das florestas e demais áreas com cobertura

Leia mais

Melhoria da Mobilidade em Belo Horizonte. Projetos para a Copa 2014

Melhoria da Mobilidade em Belo Horizonte. Projetos para a Copa 2014 Melhoria da Mobilidade em Belo Horizonte Projetos para a Copa 2014 Indicadores da Mobilidade Urbana em BH Distribuição espacial da demanda de transporte Sistema Ônibus no Hipercentro % das linhas Ônibus/dia

Leia mais

GERAÇÃO DE EMPREGO VIA CONSTRUÇÃO CIVIL NA REGIÃOMETROPOLITANA DO RIO DE JANEIRO

GERAÇÃO DE EMPREGO VIA CONSTRUÇÃO CIVIL NA REGIÃOMETROPOLITANA DO RIO DE JANEIRO SEMINÁRIO MENOS GARGALOS E MAIS EMPREGOS. O QUE FAZER PARA RETOMAR AS OBRAS DE INFRAESTRUTURA NO RIO? GERAÇÃO DE EMPREGO VIA CONSTRUÇÃO CIVIL NA REGIÃOMETROPOLITANA DO RIO DE JANEIRO VICENTE DE PAULA LOUREIRO

Leia mais

CORREDOR METROPOLITANO VEREADOR BILÉO SOARES NOROESTE - RMC

CORREDOR METROPOLITANO VEREADOR BILÉO SOARES NOROESTE - RMC ESTRUTURA ORGANIZACIONAL ÁREA DE ATUAÇÃO: ESTADO DE SÃO PAULO REGIÕES METROPOLITANAS A EMTU é Responsável pelo gerenciamento do transporte coletivo intermunicipal metropolitano RMC RMVP RMBS - 1,8 milhão

Leia mais

Estrutura do Comunicado

Estrutura do Comunicado Comunicados do IPEA O Programa Minha Casa Minha Vida em municípios de até 50 mil habitantes: quadro institucional e prognósticos da provisão habitacional de interesse social Estrutura do Comunicado análise

Leia mais

LOTEAMENTO FONTE NOVA MEMÓRIA DESCRITIVA E JUSTIFICATIVA

LOTEAMENTO FONTE NOVA MEMÓRIA DESCRITIVA E JUSTIFICATIVA LOTEAMENTO FONTE NOVA MEMÓRIA DESCRITIVA E JUSTIFICATIVA ÍNDICE I. INTRODUÇÃO 3 II. LOCALIZAÇÃO 3 III. ENQUADRAMENTO PDM 3 VII. CEDÊNCIAS E INFRAESTRUTURAS 3 V. PROPOSTA 3 VI. ÍNDICES URBANÍSTICOS 4 VII.

Leia mais

Foi base para a estruturação da Lei Nº /2014 Estatuto da Metrópole. Criação: 1973 Lei LC14/1973; LCE 88/2006 e LCE 89/2006

Foi base para a estruturação da Lei Nº /2014 Estatuto da Metrópole. Criação: 1973 Lei LC14/1973; LCE 88/2006 e LCE 89/2006 1 SBC 09/06/2016 1 2 Criação: 1973 Lei LC14/1973; LCE 88/2006 e LCE 89/2006 Cidade Pólo: Belo Horizonte Foi base para a estruturação da Lei Nº 13.089 /2014 Estatuto da Metrópole Área: 9.472,4 Km 2 (1,6%

Leia mais

BALANÇO DA POLÍTICA HABITACIONAL URBANA PMCMV - ENTIDADES FUNDO DE DESENVOLVIMENTO SOCIAL - FDS

BALANÇO DA POLÍTICA HABITACIONAL URBANA PMCMV - ENTIDADES FUNDO DE DESENVOLVIMENTO SOCIAL - FDS BALANÇO DA POLÍTICA HABITACIONAL URBANA PMCMV - ENTIDADES 2009-2014 FUNDO DE DESENVOLVIMENTO SOCIAL - FDS MINHA CASA, MINHA VIDA - ENTIDADES PMCMV ENTIDADES/ FDS Produção e aquisição de unidades habitacionais

Leia mais

de Belo Horizonte Projeto BRT Do sistema tronco alimentado convencional aos corredores de BRT

de Belo Horizonte Projeto BRT Do sistema tronco alimentado convencional aos corredores de BRT Sistema IntegradodeTransporte de porônibus de Belo Horizonte Projeto BRT Do sistema tronco alimentado convencional aos corredores de BRT Sumário Premissas e condicionantes do Projeto Conceito e características

Leia mais

Política Nacional de Mobilidade Urbana (Lei /2012) e os Planos de Mobilidade

Política Nacional de Mobilidade Urbana (Lei /2012) e os Planos de Mobilidade Política Nacional de Mobilidade Urbana (Lei 12.587/2012) e os Planos de Mobilidade Criação da Política Nacional de Mobilidade Urbana Durante o século XX, o automóvel passou a dominar as cidades brasileiras,

Leia mais

Calçada Para Todos Mobilidade Urbana LONDRINA, PR

Calçada Para Todos Mobilidade Urbana LONDRINA, PR Calçada Para Todos Mobilidade Urbana LONDRINA, PR MUNICÍPIO DE LONDRINA CARACTERIZAÇÃO DO MUNICÍPIO DE LONDRINA Situado ao norte do estado do Paraná Município foi criado em dezembro de 1934 e acaba de

Leia mais

PLANO DIRETOR garagens, mobilidade e outras questões urbanas

PLANO DIRETOR garagens, mobilidade e outras questões urbanas PLANO DIRETOR garagens, mobilidade e outras questões urbanas EDUARDO DELLA MANNA DIRETOR-EXECUTIVO SECOVI-SP VICE-PRESIDÊNCIA DE ASSUNTOS LEGISLATIVOS E URBANISMO METROPOLITANO número mínimo de vagas LEI

Leia mais

JICA 2013 Urban Development (focused on Land Readjustment Measure) Artur Furtado Filho Instituto de Pesquisa e Planejamento Urbano de Curitiba - IPPUC

JICA 2013 Urban Development (focused on Land Readjustment Measure) Artur Furtado Filho Instituto de Pesquisa e Planejamento Urbano de Curitiba - IPPUC JICA 2013 Urban Development (focused on Land Readjustment Measure) Artur Furtado Filho Instituto de Pesquisa e Planejamento Urbano de Curitiba - IPPUC ESTRUTURA DA APRESENTAÇÃO Introdução Conceito Reajuste

Leia mais

Atuação da CAIXA em Saneamento Ambiental, Infra-estrutura e Mercado de Carbono

Atuação da CAIXA em Saneamento Ambiental, Infra-estrutura e Mercado de Carbono Seminário: Soluções Técnicas e Financeiras para Cidades Sustentáveis Atuação da CAIXA em Saneamento Ambiental, Infra-estrutura e Mercado de Carbono Rogério de Paula Tavares Superintendente Nacional de

Leia mais

Estratégia de Gestão da Demanda de Viagens no Município de Belo Horizonte

Estratégia de Gestão da Demanda de Viagens no Município de Belo Horizonte > > > > > > > > > > > > > > > > > > > > > Documento confidencial para uso e informação do cliente > > > > > > > > > > > > > > > > > > > > > Junho, 2016 Belo Horizonte Estratégia de Gestão da Demanda de

Leia mais