USO DO SOLO E ADENSAMENTO AO LONGO DOS CORREDORES DE TRANSPORTE DE BELO HORIZONTE

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "USO DO SOLO E ADENSAMENTO AO LONGO DOS CORREDORES DE TRANSPORTE DE BELO HORIZONTE"

Transcrição

1 USO DO SOLO E ADENSAMENTO AO LONGO DOS CORREDORES DE TRANSPORTE DE BELO HORIZONTE Land use and densification along mass transit corridors in Belo Horizonte Daniel Freitas Prefeitura Municipal de Belo Horizonte PARTE I. Problemas de Mobilidade x Uso do Solo PARTE II. Operações Urbanas Consorciadas

2 Área: 330 km2 População: 2,37 milhões Metropolitana: 4,88 milhões em 34 municípios Crescimento da frota particular Entre 4 e 7% ao ano Motos em 11,5% ao ano Frota carros em 2009: 1,1 milhão 1 veículo para 2,4 habitantes Taxa média: 1 veículo para 1,4 habitantes Transporte coletivo 300 linhas / 50 empresas 1,4 milhões passageiros dia

3 PARTE I. Problemas de Mobilidade x Uso do Solo em Belo Horizonte Sistema viário radial 1 sobrecarregado Uso do Solo Ocupação menor renda cada vez mais periférica impulsionada por preço da terra; Emprego, comércio e serviços (destinos pendulares) concentrados na área central; Infra estrutura ao redor do centro subutilizada (pouca densidade habitacional) x carência de infra-estrutura na periferia;

4 PARTE I. Problemas de Mobilidade x Uso do Solo em Belo Horizonte 2 Barreiras físicas: Anel Rodoviário e Ferrovia Uso do Solo Fragmentação regional gerando zonas isoladas e com economia local estagnada; Trechos com áreas residuais (insegurança, poucas transposições e grandes vazios subutilizados em locais de boa infra estrutura);

5 PARTE I. Problemas de Mobilidade x Uso do Solo em Belo Horizonte 3 Tráfego concentrado no Hipercentro e Complexo da Lagoinha Veículos Pessoas Complexo (35%) Hiprecentro (54%)

6 Uso do Solo Obras viárias de alto impacto gerando região degrada e subutilizada no entorno; Barreira física para pedestre, bicicleta isolando acesso ao centro (área mais atrativa a este tipo de transporte); Comprometimento da capacidade do sistema estrutural;

7 PARTE I. Problemas de Mobilidade x Uso do Solo em Belo Horizonte 4 Sistema viário transversal deficiente e sem continuidade Uso do Solo Desestimula a consolidação de novas centralidades regionais; Plano de integração de alto custo (VIURBS) devido ao adensamento lindeiros que geram gastos elevados com desapropriação; Desarticulações regionais e entre rotas de transporte coletivo;

8 PARTE I. Problemas de Mobilidade x Uso do Solo em Belo Horizonte 5 Desigualdade de utilização do espaço público ônibus 6% moto 12% caminhão 4% automóvel 78% Uso do Solo Privilégio ao transporte particular associado a ambientes urbanos degradados e sem uso público; Necessário pesquisar como uso e adensamento pode incentivar uso de transporte coletivo; moto 5% Veículos caminhão 2% ônibus 53% auto 40% Pessoas Transportadas

9 PARTE II. Operação Urbana Consorciada Operação Urbana Consorciada é o conjunto de intervenções e medidas coordenadas pelo Poder Público municipal, com a participação dos proprietários, moradores, usuários permanentes e investidores privados, com o objetivo de alcançar em uma determinada área transformações urbanísticas estruturais, melhorias sociais e valorização ambiental. Melhoria urbana estrutural Maior capacidade de adensamento e atração de novos usos Valorização do preço da terra e interesse do mercado Operação Urbana Porto Maravilha Rio de Janeiro Captação de recurso e recuperação de mais valia

10 Nas OUC podem ser previstos a modificação de índices e características de parcelamento, uso e ocupação do solo do local, as normas de edificações vigentes e mesmo a regularização de construções executadas em desacordo com a legislação vigente.

11 PARTE II. Operação Urbana Consorciada O Plano Diretor de Belo Horizonte apontou áreas para Operações Urbanas. Nestas áreas foi previsto restrição imediata dos parâmetros de ocupação (CA=1,0 ou 0,5) e direito de preempção (preferência de compra do terreno pelo Executivo). Objetivos Evitar que ocupação imediata da área com potencial de valorização inviabilize a implementação do plano urbanístico; Garantir que a valorização decorrente dos investimentos gere contrapartida ao poder público;

12 PARTE II. Operação Urbana Consorciada Objetivos gerais das Operações Urbanas do Entorno dos Corredores Viários Prioritários, Transporte Coletivo e Estações de Integração Objetivos Implantar novos espaços públicos e áreas verdes; Implantar equipamentos estratégicos e grandes empreendimentos; Ampliar rede viária estrutural e de transporte coletivo; Equilibrar infra estrutura existente com densidade de ocupação; Otimizar uso do sistema de BRT (atrair usuário, minimizar impacto e garantir boa inserção de estações)

13 PARTE II. Operação Urbana Consorciada CEPAC Possibilidade de maior adensamento associado a transformações estruturais (ex.obras viárias estruturais e sistema de BRT) Venda de potencial adicional de construção com potencial valorização do preço da terra Fundo exclusivo da Operação Urbana e investimentos na área

14 PARTE II. Operação Urbana Consorciada CEPAC O investimento privado nas OUC dá-se por meio da compra de Certificados de Potencial Adicional de Construção (CEPAC). O CEPAC é um título que paga a contrapartida por construir mais (outorga de potencial construtivo) ou pela concessão para atividade econômica específica. Cada CEPAC equivale a determinado valor de m² para utilização em área adicional de construção ou em modificação de usos e parâmetros de um terreno ou projeto.

15 CEPAC Uma vez alienados em leilão, os CEPAC podem ser negociados livremente no mercado secundário, até que sejam vinculados a um lote dentro do perímetro da Operação Urbana Consorciada. A implementação das obras e o conseqüente desenvolvimento da área aumentam o valor da terra local e o valor de mercado dos CEPAC. Essa valorização dos CEPAC e sua estratégia de comercialização/operacionalização gera possibilidade de recuperar a mais valia.

16 PARTE II. Operação Urbana Consorciada Processo de implantação das Operações Urbanas Consorciadas em Belo Horizonte Estudo Urbanístico O que se pretende para a área? Estudo de estoque Qual o potencial de adensamento? Estudo de mercado Quais as expectativas do mercado? Plano de intervenções Intenções, prioridade e viabilidade das propostas Estudo Econômico Operacionalização dos CEPACs EIV Estudo de Impacto da Operação Regulamentação Elaboração do projeto de lei

17 PARTE II. Operação Urbana Consorciada Estudo Urbanístico O que se pretende para a área? Método que está sendo adotado para a elaboração do Estudo Urbanístico OBJETIVOS GERAIS LEVANTAMENTO DE DADOS ESTRUTURA AMBIENTAL ESTRUTURA PÚBLICA ESTRUTURA DE OCUPAÇÃO DETALHAMENTO DE SETORES SÍNTESE DE PROPOSTAS Discussão e definição dos objetivos gerais da operação urbana do corredor da Antônio Carlos. Pesquisa e sistematização de dados secundários e visitas ao local. Identificação de áreas verdes relevantes, áreas de fragilidade e de risco ambiental. Integração entre áreas e espaços públicos Levantamento e projeto de obras viárias, consolidação de centros e ocupação de vazios urbanos. Definição dos locais para adensamento preferencial e dos locais para restrição e o tipo de uso mais adequado a cada local Projetos de desenho urbano e de micro inserção de equipamentos e estações Relação de custos de investimento e do potencial de arrecadação dos recursos obtidos com leilão de CEPACs

18 PARTE II. Operação Urbana Consorciada Principais desafios Estabelecer correlação entre uso do solo e uso do sistema de transporte coletivo; Identificar empreendimentos e equipamentos adequados á infra estrutura a ser implantada; Minimizar impacto da operação no processo de expansão urbana e expulsão de menor renda; Garantir permeabilidade do corredor e articulação entre bairros sem comprometer capacidade viária;

19 PARTE II. Operação Urbana Consorciada Principais desafios Obter (re)articulação regional da área e não apenas intervenções pontuais; Fugir da arrecadação de recurso e promover, de fato, espaço urbano inclusivo e sustentável; Estabelecer e monitorar limite de adensamento e impacto de novas atividades; Evitar enclaves especializados isolados e homogeneidade de ocupação (torres de escritório);

20 Muito obrigado Daniel Freitas Gerente de Projetos Urbanos Especiais Secretaria Adjunta de Planejamento Urbano Secretaria de Desenvolvimento Prefeitura de Belo Horizonte Contato:

Plano Diretor Estratégico

Plano Diretor Estratégico Plano Diretor Estratégico 2014-2024 PARTE I Lógicas de produção e transformação do espaço urbano e o planejamento urbano 3 processos simultâneos de produção e transformação das cidades Adensamento Consolidação

Leia mais

OPORTUNIDADES DE INVESTIMENTO EM OPERAÇÕES URBANAS CONSORCIADAS

OPORTUNIDADES DE INVESTIMENTO EM OPERAÇÕES URBANAS CONSORCIADAS OPORTUNIDADES DE INVESTIMENTO EM OPERAÇÕES URBANAS CONSORCIADAS Operação Urbana Consorciada Conceito / Estatuto da Cidade Camila Maleronka Recife, 15 de setembro de 2017. CONCEITO DA OPERAÇÃO URBANA CONSORCIADA

Leia mais

DOTS Aplicado nos instrumentos de planejamento urbano municipais. LUIZA DE OLIVEIRA SCHMIDT Coordenadora de Cidades, WRI Brasil

DOTS Aplicado nos instrumentos de planejamento urbano municipais. LUIZA DE OLIVEIRA SCHMIDT Coordenadora de Cidades, WRI Brasil DOTS Aplicado nos instrumentos de planejamento urbano municipais LUIZA DE OLIVEIRA SCHMIDT Coordenadora de Cidades, WRI Brasil O que é o DOTS? O Desenvolvimento Orientado ao Transporte Sustentável é uma

Leia mais

OPERAÇÕES URBANAS CONSORCIADAS

OPERAÇÕES URBANAS CONSORCIADAS OPERAÇÕES URBANAS CONSORCIADAS como estratégia para a reabilitação urbana DEAP/SNAPU/MCIDADES MAIO/2015 O que são Operações Urbanas Consorciadas? PREMISSA: GESTÃO DA VALORIZAÇÃO DA TERRA O solo urbano

Leia mais

Instrumentos urbanísticos: alcances, limitações e possibilidades para Salvador

Instrumentos urbanísticos: alcances, limitações e possibilidades para Salvador Instrumentos urbanísticos: alcances, limitações e possibilidades para Salvador FÓRUM TEMÁTICO DO PLANO SALVADOR 500 Camila Maleronka camila@p3urb.com.br c.maleronka@gmail.com 17 de abril de 2015. OPERAÇÃO

Leia mais

ARRANJOS PÚBLICOS-PRIVADOS NO MUNICÍPIO DE FORTALEZA

ARRANJOS PÚBLICOS-PRIVADOS NO MUNICÍPIO DE FORTALEZA ARRANJOS PÚBLICOS-PRIVADOS NO MUNICÍPIO DE FORTALEZA O DESAFIO DE FAZER CIDADE NO BRASIL 90% da população mora em cidades Saneamento, habitação, saúde, educação, transporte, meio ambiente. A CONTA NÃO

Leia mais

Mobilidade e Políticas Urbanas em Belo Horizonte

Mobilidade e Políticas Urbanas em Belo Horizonte I Seminário Nacional de Política Urbana e Ambiental Conselho de Arquitetura e Urbanismo do Brasil Brasília abril 2016 Mobilidade e Políticas Urbanas em Belo Horizonte Tiago Esteves Gonçalves da Costa ESTRUTURA

Leia mais

Instrução Normativa 33/2014 do Ministério das Cidades

Instrução Normativa 33/2014 do Ministério das Cidades OPERAÇÕES URBANAS CONSORCIADAS Instrução Normativa 33/2014 do MARCUS VINÍCIUS REGO Diretor de Gestão de Risco e Reabilitação Urbana reab@cidades.gov.br Brasília, 15 de setembro de 2017 OBJETIVO: IN 33/2014

Leia mais

A importância da mudança modal para tirar São Paulo da contramão. Autora: Arqta. Melissa Belato Fortes Co-autora: Arqta. Denise H. S.

A importância da mudança modal para tirar São Paulo da contramão. Autora: Arqta. Melissa Belato Fortes Co-autora: Arqta. Denise H. S. A importância da mudança modal para tirar São Paulo da contramão Autora: Arqta. Melissa Belato Fortes Co-autora: Arqta. Denise H. S. Duarte Objeto da pesquisa Relação entre adensamento, multifuncionalidade

Leia mais

Macrozona 7 Caracterização Rodovias e Leitos Férreos

Macrozona 7 Caracterização Rodovias e Leitos Férreos Macrozona 7 Caracterização Rodovias e Leitos Férreos MONTE MOR MACROZONA 6 INDAIATUBA Barreiras físicas Rodovia Santos Dumont principal ligação com Viracopos; utilizada para tráfego urbano, opera já no

Leia mais

PROJETO DE LEI Nº /2015

PROJETO DE LEI Nº /2015 Sumário PROJETO DE LEI Nº /2015 TÍTULO I DOS FUNDAMENTOS, ABRANGÊNCIA E FINALIDADES...7 CAPÍTULO I DOS FUNDAMENTOS E ABRANGÊNCIA... 7 CAPÍTULO II DA FINALIDADE E PROCEDIMENTOS DE AVALIAÇÃO... 7 TÍTULO

Leia mais

OUTORGA ONEROSA DO DIREITO DE CONSTRUIR E TRANSFERÊNCIA DO DIREITO DE CONSTRUIR

OUTORGA ONEROSA DO DIREITO DE CONSTRUIR E TRANSFERÊNCIA DO DIREITO DE CONSTRUIR OUTORGA ONEROSA DO DIREITO DE CONSTRUIR E TRANSFERÊNCIA DO DIREITO DE CONSTRUIR Constituição Federal Art. 182. A política de desenvolvimento urbano, executada pelo Poder Público municipal, conforme diretrizes

Leia mais

Operação Urbana Porto Maravilha Reurbanização e Desenvolvimento Socioeconômico

Operação Urbana Porto Maravilha Reurbanização e Desenvolvimento Socioeconômico Operação Urbana Porto Maravilha Reurbanização e Desenvolvimento Socioeconômico São Paulo, Setembro de 2013 Alberto Silva CDURP Quebra de Paradigmas Modelagem financeira inovadora, sem aplicação de recurso

Leia mais

Operação Urbana Porto Maravilha Reurbanização e Desenvolvimento Socioeconômico

Operação Urbana Porto Maravilha Reurbanização e Desenvolvimento Socioeconômico Operação Urbana Porto Maravilha Reurbanização e Desenvolvimento Socioeconômico São Paulo, Setembro de 2013 Alberto Silva CDURP Quebra de Paradigmas Modelagem financeira inovadora, sem aplicação de recurso

Leia mais

Metrô Leve de Goiânia. Projeto Modelo para Cidades Brasileiras

Metrô Leve de Goiânia. Projeto Modelo para Cidades Brasileiras Metrô Leve de Goiânia Projeto Modelo para Cidades Brasileiras 1 Projeto modelo para cidades médias 1. Estrutura Institucional Pacto Metropolitano instituindo órgão gestor do transporte coletivo na região

Leia mais

A POLÍTICA MUNICIPAL DAS MUDANÇAS CLIMÁTICAS E O PLANO DIRETOR ESTRATÉGICO DE SÃO PAULO Vereador Nabil Bonduki Prof. Titular de Planejamento da

A POLÍTICA MUNICIPAL DAS MUDANÇAS CLIMÁTICAS E O PLANO DIRETOR ESTRATÉGICO DE SÃO PAULO Vereador Nabil Bonduki Prof. Titular de Planejamento da A POLÍTICA MUNICIPAL DAS MUDANÇAS CLIMÁTICAS E O PLANO DIRETOR ESTRATÉGICO DE SÃO PAULO Vereador Nabil Bonduki Prof. Titular de Planejamento da FAU-USP Inventário das emissões (2011) 61% mobilidade 15%

Leia mais

PROGRAMA DE MESTRADO EM DIREITO

PROGRAMA DE MESTRADO EM DIREITO PROGRAMA DE MESTRADO EM DIREITO disciplina: Função socioambiental da propriedade pública e privada docente: Wallace Paiva Martins Junior discente: Renata Sioufi Fagundes dos Santos 2016 TUTELA DO MEIO

Leia mais

Comunidades Planejadas e Propostas em Mobilidade Urbana X A Política de Desenvolvimento Urbano

Comunidades Planejadas e Propostas em Mobilidade Urbana X A Política de Desenvolvimento Urbano Comunidades Planejadas e Propostas em Mobilidade Urbana X A Política de Desenvolvimento Urbano Brasília, 07 de maio de 2015 Roteiro 1. A Política Nacional de Desenvolvimento Urbano 2. Avanços institucionais

Leia mais

Adequação da Lei de Zoneamento, Uso e Ocupação do Solo ao Plano Diretor de Curitiba Audiência Pública de Lançamento 17 de março de 2016

Adequação da Lei de Zoneamento, Uso e Ocupação do Solo ao Plano Diretor de Curitiba Audiência Pública de Lançamento 17 de março de 2016 Adequação da Lei de Zoneamento, Uso e Ocupação do Solo ao Plano Diretor de Curitiba 2015 Audiência Pública de Lançamento 17 de março de 2016 Em dezembro de 2015, após 20 meses de debates, audiências, oficinas,

Leia mais

POLÍTICA DE ESTACIONAMENTO EM CIDADES BRASILEIRAS. DIEGO SILVA Coordenador de Gestão da Demanda, ITDP Brasil

POLÍTICA DE ESTACIONAMENTO EM CIDADES BRASILEIRAS. DIEGO SILVA Coordenador de Gestão da Demanda, ITDP Brasil POLÍTICA DE ESTACIONAMENTO EM CIDADES BRASILEIRAS DIEGO SILVA Coordenador de Gestão da Demanda, ITDP Brasil Objetivo da sessão e roteiro Objetivo da sessão Apresentar aspectos da política de estacionamento

Leia mais

RAQUEL ROLNIK MARÇO 2015

RAQUEL ROLNIK MARÇO 2015 FACULDADE DE ARQUITETURA E URBANISMO UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO AUP 268 - PLANEJAMENTO DE ESTRUTURA URBANAS E REGIONAIS I RAQUEL ROLNIK MARÇO 2015 INSTRUMENTOS TRADICIONAIS DE PLANEJAMENTO URBANO NO BRASIL

Leia mais

O Plano Diretor é o principal instrumento de política urbana do Município

O Plano Diretor é o principal instrumento de política urbana do Município O Plano Diretor é o principal instrumento de política urbana do Município É uma lei Municipal que orienta os agentes públicos e privados no crescimento e o desenvolvimento urbano em todo o Município É

Leia mais

DTEA - Transportes, Energia e Ambiente Grupo de Investigação em Energia e Desenvolvimento Sustentável Instituto Superior Técnico

DTEA - Transportes, Energia e Ambiente Grupo de Investigação em Energia e Desenvolvimento Sustentável Instituto Superior Técnico DTEA - Transportes, Energia e Ambiente Grupo de Investigação em Energia e Desenvolvimento Sustentável Instituto Superior Técnico Projecto Mobilidade Sustentável Tiago Farias 20 de Junho de 2007 DTEA Transportes,

Leia mais

Workshop Planejamento Urbano: saberes técnicos e demandas populares

Workshop Planejamento Urbano: saberes técnicos e demandas populares Workshop Planejamento Urbano: saberes técnicos e demandas populares Kazuo Nakano Curitiba - 2014 Sumário Trajetória histórica do planejamento urbano no Município de São Paulo ao longo da segunda metade

Leia mais

PUBLICADO DOC 29/09/2011, PÁG 92

PUBLICADO DOC 29/09/2011, PÁG 92 PUBLICADO DOC 29/09/2011, PÁG 92 PROJETO DE LEI 01-00470/2011 do Executivo (Encaminhado à Câmara pelo Sr. Prefeito com o ofício ATL 126/11). Institui o Projeto Estratégico de Intervenção Urbana - Parque

Leia mais

Porto Maravilha. Out/2013

Porto Maravilha. Out/2013 Porto Maravilha Out/2013 O Projeto Porto Maravilha Operação Urbana Consorciada A Operação Urbana Consorciada do Porto do Rio de Janeiro é o maior projeto de revitalização urbana do mundo na atualidade

Leia mais

ConCidade Reunião com segmentos da sociedade civil maio de 2011

ConCidade Reunião com segmentos da sociedade civil maio de 2011 ConCidade Reunião com segmentos da sociedade civil maio de 2011 1ª Parte: Pauta Conteúdos centrais da revisão do plano diretor (Prefeitura) 2ª Parte: Propostas do Segmento Macrozoneamento MACROZONAS Urbana

Leia mais

Desenvolvimento da Zona Leste

Desenvolvimento da Zona Leste Cidade de Oportunidades Desenvolvimento da Zona Leste SEMINÁRIO PLANEJAMENTO, DESENVOLVIMENTO URBANO E SUSTENTABILIDADE Maria Teresa Oliveira Grillo ESCOLA DE FORMAÇÃO DO SERVIDOR PÚBLICO MUNICIPAL Março/

Leia mais

Urbanismo e Mobilidade

Urbanismo e Mobilidade Urbanismo e Mobilidade Área de Abrangência: 3,8 milhões de m² Inclui 5 bairros completos (Centro, São Domingos, Gragoatá, Boa Viagem e Morro do Estado) e parte de 2 bairros (Ponta D Areia e São Lourenço).

Leia mais

TRAJETÓRIA DO MERCADO IMOBILIÁRIO E CENÁRIOS FUTUROS

TRAJETÓRIA DO MERCADO IMOBILIÁRIO E CENÁRIOS FUTUROS TRAJETÓRIA DO MERCADO IMOBILIÁRIO E CENÁRIOS FUTUROS Fonte:SMDU/SP Fonte:SMDU/SP Fonte:SMDU/SP Fonte:SMDU/SP Fonte:SMDU/SP CENÁRIO Apresentação do PL 688/13 na CMSP Promulgado o PDE Lei nº 16.050/14 Apresentação

Leia mais

IV Distrito Uma proposta de macrozoneamento e possíveis estratégias para a reabilitação da área

IV Distrito Uma proposta de macrozoneamento e possíveis estratégias para a reabilitação da área 4º DISTRITO: SOCIEDADE, INOVAÇÃO E DESENVOLVIMENTO FÓRUM DAS INSTITUIÇÕES DE ENSINO SUPERIOR FÓRUM DAS IES IV Distrito Uma proposta de macrozoneamento e possíveis estratégias para a reabilitação da área

Leia mais

ATUALIDADE S. Prof. Roberto. Um desafio ATUAL.

ATUALIDADE S. Prof. Roberto. Um desafio ATUAL. ATUALIDADE S Prof. Roberto Um desafio ATUAL. MOBILIDADE URBANA Todas as atividades dependem de um bom deslocamento na cidade! Ir a escola; Ir ao Trabalho; Frequentar uma academia; Usar um posto de saúde;

Leia mais

Plano e projeto em São Paulo. Instituto de Engenharia 20 de setembro de 2011 Paula Freire Santoro

Plano e projeto em São Paulo. Instituto de Engenharia 20 de setembro de 2011 Paula Freire Santoro Plano e projeto em São Paulo Instituto de Engenharia 20 de setembro de 2011 Paula Freire Santoro Estatuto da Cidade Lei Federal n o 10.257/01 Constituição Federal 1988 Art.182 e 183 Plano Diretor é instrumento

Leia mais

Como estaremos daqui a 25 anos? Estudo de Mobilidade Urbana Plano Diretor Regional de Mobilidade. Seminário SINAENCO / SC

Como estaremos daqui a 25 anos? Estudo de Mobilidade Urbana Plano Diretor Regional de Mobilidade. Seminário SINAENCO / SC Como estaremos daqui a 25 anos? Estudo de Mobilidade Urbana Plano Diretor Regional de Mobilidade Seminário SINAENCO / SC Guilherme Medeiros Engenheiro Coordenador Técnico SC Participações e Parcerias S.A.

Leia mais

Sustentável em Metrópoles

Sustentável em Metrópoles ..... ה ב Viabilidade da Mobilidade Sustentável em Metrópoles Agosto, 2017 Eng. Sergio Ejzenberg, M.Sc 55-11-99972-2476 sergio@ejzenberg.com.br MOBILIDADE EM METRÓPOLES SUMÁRIO 1. O modal individual é

Leia mais

PLANO DE MOBILIDADE URBANA DE SÃO PAULO

PLANO DE MOBILIDADE URBANA DE SÃO PAULO PLANO DE MOBILIDADE URBANA DE SÃO PAULO setembro 2014 Plano de Mobilidade Urbana de São Paulo Documentos de referência referências Plano Municipal de Circulação Viária e de Transporte - 2003 Consolidou

Leia mais

Secretaria do Desenvolvimento Urbano. Ações SEDU/PARANACIDADE Mobilidade Urbana no Estado do Paraná

Secretaria do Desenvolvimento Urbano. Ações SEDU/PARANACIDADE Mobilidade Urbana no Estado do Paraná Ações SEDU/PARANACIDADE Mobilidade Urbana no Estado do Paraná 19/05/2017 Ações Paranacidade Missão do PARANACIDADE prestar assistência institucional e técnica aos municípios, desenvolver atividades dirigidas

Leia mais

PLENÁRIA LESTE 1. Residenciais Milton Santos / Santa Zita

PLENÁRIA LESTE 1. Residenciais Milton Santos / Santa Zita PLENÁRIA LESTE 1 Residenciais Milton Santos / Santa Zita 18 09 2016 DADOS DO PROJETO MINHA CASA MINHA VIDA ENTIDADES TERRENO DE 15.500 m² (adquirido de proprietário privado) BAIRRO CANGAÍBA (ZONA LESTE)

Leia mais

13ª SEMANA DE TECNOLOGIA METROFERROVIÁRIA A E A M E S P

13ª SEMANA DE TECNOLOGIA METROFERROVIÁRIA A E A M E S P 13ª SEMANA DE TECNOLOGIA METROFERROVIÁRIA A E A M E S P SP 29.08.2007 EXPANDINDO E MODERNIZANDO O TRANSPORTE POPULAÇÃO: RMBH 5 MILHÕES. BELO HORIZONTE 2,3 MILHÕES. FROTA DE VEÍCULOS: RMBH 1,4 MILHÕES.

Leia mais

São Paulo 27 DE AGOSTO DE 2009

São Paulo 27 DE AGOSTO DE 2009 São Paulo 27 DE AGOSTO DE 2009 1 São Paulo 27 DE AGOSTO DE 2009 Sistema Integrado Metropolitano SIM e do Veículo Leve sobre Trilhos VLT (Metrô Leve) 2 Secretaria dos Transportes Metropolitanos STM Três

Leia mais

DESAFIOS E PERSPECTIVAS DOS CONSÓRCIOS PÚBLICOS DE REGIÕES METROPOLITANAS CONSÓRCIO DE TRANSPORTE DA REGIÃO METROPOLITANA DO RECIFE

DESAFIOS E PERSPECTIVAS DOS CONSÓRCIOS PÚBLICOS DE REGIÕES METROPOLITANAS CONSÓRCIO DE TRANSPORTE DA REGIÃO METROPOLITANA DO RECIFE DESAFIOS E PERSPECTIVAS DOS CONSÓRCIOS PÚBLICOS DE REGIÕES METROPOLITANAS CONSÓRCIO DE TRANSPORTE DA REGIÃO METROPOLITANA DO RECIFE REGIÃO METROPOLITANA DO RECIFE ITEM RMR RECIFE População 4.048.845 hab

Leia mais

X Seminário Nacional Metroferroviário Projetos em implantação

X Seminário Nacional Metroferroviário Projetos em implantação X Seminário Nacional Metroferroviário Projetos em implantação Jurandir Fernandes Secretário dos Transportes Metropolitanos Estado de São Paulo ANTP Rio de Janeiro, 12/03/2014 Rede metropolitana em andamento

Leia mais

Diagnóstico do Parque Augusta

Diagnóstico do Parque Augusta Diagnóstico do Parque Augusta Bruno Massao Carolina Camargo Daniela Gomes Giuliana Takahashi Luciana Santiago ESCRITÓRIO MODELO 2013 Localização Próximo ao local há comércios, universidades (Mackenzie,

Leia mais

DIRETRIZES DA POLÍTICA DE TRANSPORTE COLETIVO SOBRE PNEUS

DIRETRIZES DA POLÍTICA DE TRANSPORTE COLETIVO SOBRE PNEUS DIRETRIZES DA POLÍTICA DE TRANSPORTE COLETIVO SOBRE PNEUS DEZEMBRO 2013 DENSIDADE DE EMPREGOS ÁREA CENTRAL Plano Diretor 2013 Referências Trata da política de transporte e mobilidade urbana integrada com

Leia mais

Parcerias Público- Privadas do Rio de Janeiro. Rio Metropolitano. Jorge Arraes. 09 de julho 2015

Parcerias Público- Privadas do Rio de Janeiro. Rio Metropolitano. Jorge Arraes. 09 de julho 2015 Parcerias Público- Privadas do Rio de Janeiro Rio Metropolitano Jorge Arraes 09 de julho 2015 Prefeitura do Rio de Janeiro Secretaria Especial de Concessões e Parcerias Público-Privadas Em 2009, institucionalizou-se

Leia mais

PLANOS DIRETORES REGIONAIS

PLANOS DIRETORES REGIONAIS PLANOS DIRETORES REGIONAIS INSTRUMENTOS URBANÍSTICOS OS INSTRUMENTOS URBANÍSTICOS TÊM O PAPEL DE INTERMEDIAR OS INTERESSES COLETIVOS E OS INDIVIDUAIS VIABILIZANDO A CIDADE PARA TODOS Direito de Preempção;

Leia mais

para uma cidade melhor

para uma cidade melhor PLANO DE MOBILIDADE URBANA DE SÃO CARLOS A participação da sociedade A participação da sociedade para uma cidade melhor Problemas urbanos Perda de tempo e dinheiro Viagens sem conforto Maior risco de

Leia mais

TÍTULO: Campus da UFMG - Reflexões para uma política de estacionamento. AUTOR: Tomás Alexandre Ahouagi

TÍTULO: Campus da UFMG - Reflexões para uma política de estacionamento. AUTOR: Tomás Alexandre Ahouagi TÍTULO: Campus da UFMG - Reflexões para uma política de estacionamento. AUTOR: Tomás Alexandre Ahouagi ENDEREÇO: BHTRANS, Rua Engenheiro Carlos Goulart, 900 Buritis, Belo Horizonte/MG, CEP 30.455-902,

Leia mais

Oficinas de capacitação e diagnóstico De 17 de março a 03 de abril, 2014 IPPUC

Oficinas de capacitação e diagnóstico De 17 de março a 03 de abril, 2014 IPPUC Oficinas de capacitação e diagnóstico De 17 de março a 03 de abril, 2014 Oficina do Plano Diretor Esta oficina tem quatro objetivos principais: Capacitar a comunidade em Plano Diretor Colaborar com o diagnóstico

Leia mais

SISTEMA BRT AV. JOÃO NAVES DE ÁVILA CORREDOR ESTRUTURAL SUDESTE

SISTEMA BRT AV. JOÃO NAVES DE ÁVILA CORREDOR ESTRUTURAL SUDESTE SISTEMA BRT AV. JOÃO NAVES DE ÁVILA CORREDOR ESTRUTURAL SUDESTE Inicialmente, o que é BRT? O BRT (Bus Rapid Transit), ou Transporte Rápido por Ônibus, é um sistema de transporte coletivo de passageiros

Leia mais

INTEGRAÇÃO DO TRANSPORTE PÚBLICO. Emiliano Affonso Presidente AEAMESP Associação dos Engenheiros e Arquitetos de Metrô Salvador, Agosto de 2015

INTEGRAÇÃO DO TRANSPORTE PÚBLICO. Emiliano Affonso Presidente AEAMESP Associação dos Engenheiros e Arquitetos de Metrô Salvador, Agosto de 2015 INTEGRAÇÃO DO TRANSPORTE PÚBLICO Emiliano Affonso Presidente AEAMESP Associação dos Engenheiros e Arquitetos de Metrô Salvador, Agosto de 2015 ASPECTOS A SEREM ABORDADOS 1. A Mobilidade na RMSP 2. Integração

Leia mais

Título: Impactos derivados da implantação dos corredores metropolitanos.

Título: Impactos derivados da implantação dos corredores metropolitanos. Título: Impactos derivados da implantação dos corredores metropolitanos. Autores: Angelique Joseli de Oliveira 1 ; Tamara Crioruska Tarasiuk 1 ¹ Empresa Metropolitana de Transportes Urbanos de São Paulo

Leia mais

Como ações de planejamento transformam a cidade. Clarisse Cunha Linke, ITDP Brasil

Como ações de planejamento transformam a cidade. Clarisse Cunha Linke, ITDP Brasil Como ações de planejamento transformam a cidade Clarisse Cunha Linke, ITDP Brasil Sobre o ITDP Organização social sem fins lucrativos Sede em Nova Iorque, no Brasil desde 2003 Promove transporte sustentável

Leia mais

Projeto BRT. Projeto BRT Porto Alegre. Rede Atual de Transporte Coletivo Desenho Conceitual do BRT. ao Transmilenio. Abril

Projeto BRT. Projeto BRT Porto Alegre. Rede Atual de Transporte Coletivo Desenho Conceitual do BRT. ao Transmilenio. Abril Projeto BRT Porto Alegre Rede Atual de Transporte Coletivo Desenho Conceitual do BRT Projeto BRT Visita Técnica T ao Transmilenio Abril - 2010 Rede Atual de Transporte Coletivo Trem Metropolitano: (Dados

Leia mais

SALVANDO VIDAS. A importância de reduzir limites de velocidade em áreas urbanas

SALVANDO VIDAS. A importância de reduzir limites de velocidade em áreas urbanas SALVANDO VIDAS A importância de reduzir limites de velocidade em áreas urbanas MARTA OBELHEIRO COORDENADORA DE PROJETOS DE SAÚDE E SEGURANÇA VIÁRIA DO WRI BRASIL CIDADES SUSTENTÁVEIS Um produto do WRI

Leia mais

IV SIMT Pensando as cidades do futuro. Cidades inteligentes e inovação tecnológica 25 de Outubro de 2016

IV SIMT Pensando as cidades do futuro. Cidades inteligentes e inovação tecnológica 25 de Outubro de 2016 IV SIMT Pensando as cidades do futuro Cidades inteligentes e inovação tecnológica 25 de Outubro de 2016 Prefeitura do Rio de Janeiro Secretaria Especial de Concessões e Parcerias Público-Privadas AGENDA

Leia mais

MBA EM DESENVOLVIMENTO IMOBILIÁRIO TURMA 8

MBA EM DESENVOLVIMENTO IMOBILIÁRIO TURMA 8 2011 MBA EM DESENVOLVIMENTO IMOBILIÁRIO TURMA 8 Prof. Dr. Emílio Haddad Para que serve o governo: fundamentos da regulação do mercado imobiliário Roteiro da apresentação Parte I Falhas de mercado Parte

Leia mais

CREA, RJ, 30 de novembro de Fabricio Leal de Oliveira (IPPUR/UFRJ)

CREA, RJ, 30 de novembro de Fabricio Leal de Oliveira (IPPUR/UFRJ) Seminário Diretrizes e propostas para a produção habitacional na Cidade do Rio de Janeiro Instrumentos para oferta de moradia nas áreas urbanas centrais e consolidadas CREA, RJ, 30 de novembro de 2011.

Leia mais

DISCIPLINAMENTO DA CIRCULAÇÃO DE VEÍCULOS DE CARGA CENTRO HISTÓRICO DE PORTO ALEGRE

DISCIPLINAMENTO DA CIRCULAÇÃO DE VEÍCULOS DE CARGA CENTRO HISTÓRICO DE PORTO ALEGRE DISCIPLINAMENTO DA CIRCULAÇÃO DE VEÍCULOS DE CARGA CENTRO HISTÓRICO DE PORTO ALEGRE Diagnóstico Perturbações na fluidez Grandes dimensões Manobras lentas Raio de giro restrito Remoção difícil em caso de

Leia mais

Adaptação climática em megacidades: refletindo sobre impactos, demandas e capacidades de resposta de São Paulo

Adaptação climática em megacidades: refletindo sobre impactos, demandas e capacidades de resposta de São Paulo Adaptação climática em megacidades: refletindo sobre impactos, demandas e capacidades de resposta de São Paulo IAG/USP - OUTUBRO 2014 Mobilidade urbana: agenda ambiental LEI Nº 14.933, DE 5 DE JUNHO DE

Leia mais

ANÁLISE DE EMPREENDIMENTO PÓLO GERADOR DE TRÁFEGO (PGT) A análise pela SETTRANS dos PGT utiliza-se da seguinte metodologia:

ANÁLISE DE EMPREENDIMENTO PÓLO GERADOR DE TRÁFEGO (PGT) A análise pela SETTRANS dos PGT utiliza-se da seguinte metodologia: ANÁLISE DE EMPREENDIMENTO PÓLO GERADOR DE TRÁFEGO (PGT) A análise pela SETTRANS dos PGT utiliza-se da seguinte metodologia: Projeto arquitetônico da edificação: além de observar, no que cabe, as leis de

Leia mais

FINANCIAMENTO DO DOTS. Henrique Evers Coordenador de Desenvolvimento Urbano, WRI Brasil

FINANCIAMENTO DO DOTS. Henrique Evers Coordenador de Desenvolvimento Urbano, WRI Brasil FINANCIAMENTO DO DOTS Henrique Evers Coordenador de Desenvolvimento Urbano, WRI Brasil DO PLANO AO PROJETO IMPLEMENTAÇÃO DOTS 5 GRANDES PASSOS O QUE DEVE SER FINANCIADO: 3 ELEMENTOS ATIVOS FÍSICOS Terra

Leia mais

Proposta de diretrizes para elaboração de Plano Diretor de Ocupação da Área 2 do Campus de São Carlos

Proposta de diretrizes para elaboração de Plano Diretor de Ocupação da Área 2 do Campus de São Carlos 1 Comissão de Implantação do Campus 2 USP S. Carlos Proposta de diretrizes para elaboração de Plano Diretor de Ocupação da Área 2 do Campus de São Carlos Prof. Carlos Martins, Arq. Sérgio Assumpção, Prof.

Leia mais

Porto Maravilha do Rio de Janeiro

Porto Maravilha do Rio de Janeiro Porto Maravilha do Rio de Janeiro Participação, Transparência e Projeto 26/09/2013 Pedro da Luz Moreira Arquiteto e Urbanista Professor Adjunto da Eau-Uff Vice presidente do IAB Por uma Cidade Densa, com

Leia mais

Oportunidades para o Desenvolvimento Urbano Sustentável

Oportunidades para o Desenvolvimento Urbano Sustentável Oportunidades para o Desenvolvimento Urbano Sustentável Miguel Luiz Bucalem Secretário Municipal de Desenvolvimento Urbano Organização Agosto / 2009 Desenvolvimento Urbano Sustentável Desafios Oportunidades

Leia mais

ARCO METROPOLITANO. Ordenamento urbano e desenvolvimento social na Baixada Fluminense. Roberto Kauffmann Conselho Empresarial da Construção Civil

ARCO METROPOLITANO. Ordenamento urbano e desenvolvimento social na Baixada Fluminense. Roberto Kauffmann Conselho Empresarial da Construção Civil ARCO METROPOLITANO Ordenamento urbano e desenvolvimento social na Baixada Fluminense Roberto Kauffmann Conselho Empresarial da Construção Civil 29 de setembro de 2015 Baixada Fluminense I & II Municípios:

Leia mais

BRT NORTE SUL SISTEMAS ESTRUTURANTES DA REGIÃO METROPOLITANA DE GOIÂNIA

BRT NORTE SUL SISTEMAS ESTRUTURANTES DA REGIÃO METROPOLITANA DE GOIÂNIA BRT NORTE SUL SISTEMAS ESTRUTURANTES DA REGIÃO METROPOLITANA DE GOIÂNIA E METROPOLITANA DE TRANSPORTE COLETIVO RMTC A Região Metropolitana de Goiânia 1 PLANO DE NEGÓCIOS 18 Municípios Inhumas Nova Veneza

Leia mais

Planejamento Urbano e Mobilidade Urbana. II Ciclo de Debates sobre Mobilidade Urbana Tema: Integrando Bicicleta e Qualidade de Vida

Planejamento Urbano e Mobilidade Urbana. II Ciclo de Debates sobre Mobilidade Urbana Tema: Integrando Bicicleta e Qualidade de Vida Planejamento Urbano e Mobilidade Urbana II Ciclo de Debates sobre Mobilidade Urbana Tema: Integrando Bicicleta e Qualidade de Vida Ponta Grossa, 04 de outubro de 2012 A era do automóvel... Portal MEC A

Leia mais

MOBILIDADE METROPOLITANA E PROJETO URBANO

MOBILIDADE METROPOLITANA E PROJETO URBANO MOBILIDADE METROPOLITANA E PROJETO URBANO SEMINÁRIO RIO METROPOLITANO: DESAFIOS COMPARTILHADOS O FUTURO DA MOBILIDADE NA METRÓPOLE VERTICALIDADES Aspectos metropolitanos HORIZONTALIDADES Interações entre

Leia mais

POLÍTICAS PÚBLICAS NA ENGENHARIA

POLÍTICAS PÚBLICAS NA ENGENHARIA POLÍTICAS PÚBLICAS NA ENGENHARIA POLÍTICAS PÚBLICAS SÃO AÇÕES INTEGRADAS DAS TRÊS ESFERAS DE PODER: GOVERNOS: FEDERAL, ESTADUAL E MUNICIPAL EM CONJUNTO COM A SOCIEDADE CIVIL GERANDO ESFORÇOS ESPECÍFICOS

Leia mais

ANTEPROJETO DE LEI N / 2015

ANTEPROJETO DE LEI N / 2015 ANTEPROJETO DE LEI N / 2015 Lei Complementar nº Institui o Macrozoneamento Municipal, parte integrante do Plano Diretor de Organização Físico-territorial de Jaraguá do Sul e dá outras providências. O PREFEITO

Leia mais

Curso de Gestão de Mobilidade Urbana Ensaio Crítico Turma 18 Transporte Público coletivo como prioridade

Curso de Gestão de Mobilidade Urbana Ensaio Crítico Turma 18 Transporte Público coletivo como prioridade 1 Curso de Gestão de Mobilidade Urbana Ensaio Crítico Turma 18 Transporte Público coletivo como prioridade Fernando Soares dos Santos (*) O planejamento das cidades para as próximas décadas passa, necessariamente,

Leia mais

APROVAÇÃO DE EMPREENDIMENTOS

APROVAÇÃO DE EMPREENDIMENTOS APROVAÇÃO DE EMPREENDIMENTOS HABITAÇÃO DE INTERESSE SOCIAL - H.I.S. HABITAÇÃO DO MERCADO POPULAR - H.M.P. SECRETARIA DA HABITAÇÃO DEP. DE APROVAÇÃO DAS EDIFICAÇÕES APROV LEGISLAÇÃO VIGENTE LEI 11.228 26/06/1992

Leia mais

Companhia de Engenharia de Tráfego CET

Companhia de Engenharia de Tráfego CET Secretaria Municipal de Transporte SMT Sec e a a u cpa de a spo e S Companhia de Engenharia de Tráfego CET Anhanguera Bandeirantes Fernão Dias Presidente Dutra Ayrton Senna MAIRIPORÃ Castello Branco CAIEIRAS

Leia mais

SEUMA Secretaria Municipal de Urbanismo e Meio Ambiente

SEUMA Secretaria Municipal de Urbanismo e Meio Ambiente SEUMA Secretaria Municipal de Urbanismo e Meio Ambiente SOBRE FORTALEZA Cerca 50% vive em condição de extrema pobreza (renda familiar per capita mensal igual ou inferior a R$70,00) ou em condição de pobreza

Leia mais

Zoneamento Santos (Porção Insular - Lei Complementar nº 730/2011)

Zoneamento Santos (Porção Insular - Lei Complementar nº 730/2011) Zona da Orla - ZO Área caracterizada pela predominância de empreendimentos residenciais verticais de uso fixo e de temporada, permeada pela instalação de atividades recreativas e turísticas onde se pretende

Leia mais

PROJETO DE LEI Nº 108/09

PROJETO DE LEI Nº 108/09 PROJETO DE LEI Nº 108/09 "Dispõe sobre a criação do sistema cicloviário no Município de Santa Bárbara d Oeste e dá outras providências. Art. 1º - Fica criado o Sistema Cicloviário do Município de Santa

Leia mais

CAPACITAÇÃO e LEITURA técnicos REVISÃO DO PLANO DIRETOR DE DESENVOLVIMENTO TERRITORIAL DO MUNICÍPIO DE CAMBORIÚ SC / 2011

CAPACITAÇÃO e LEITURA técnicos REVISÃO DO PLANO DIRETOR DE DESENVOLVIMENTO TERRITORIAL DO MUNICÍPIO DE CAMBORIÚ SC / 2011 CAPACITAÇÃO e LEITURA técnicos REVISÃO DO PLANO DIRETOR DE DESENVOLVIMENTO TERRITORIAL DO MUNICÍPIO DE CAMBORIÚ SC / 2011 CAPACITAÇÃO e ASSESSORIA: UNIVALI UNIVERSIDADE DO VALE DO ITAJAÍ CURSO DE ARQUITETURA

Leia mais

ESTABELECE E REGULA A IMPLANTAÇÃO DAS OPERAÇÕES UR BANAS NO MUNICÍPIO DE SÃO LUÍS.

ESTABELECE E REGULA A IMPLANTAÇÃO DAS OPERAÇÕES UR BANAS NO MUNICÍPIO DE SÃO LUÍS. LEI N 3.254, DE 29 DE DEZEMBRO DE 1992 ESTABELECE E REGULA A IMPLANTAÇÃO DAS OPERAÇÕES UR BANAS NO MUNICÍPIO DE SÃO LUÍS. O PREFEITO DE SÃO LUÍS Capital do Estado do Maranhão: Faço saber a todos os seus

Leia mais

Prezado senhor gestor público do município de Florianópolis,

Prezado senhor gestor público do município de Florianópolis, Prezado senhor gestor público do município de Florianópolis, Entregamos este documento elaborado pela representação do Conselho Gestor do Plano Diretor Participativo (PDP) do bairro do Rio Vermelho junto

Leia mais

Mobilidade. Secretaria Municipal de Transporte, Trânsito e Mobilidade Urbana. Prefeitura de Nova Iguaçu SEMTMU

Mobilidade. Secretaria Municipal de Transporte, Trânsito e Mobilidade Urbana. Prefeitura de Nova Iguaçu SEMTMU Mobilidade Secretaria Municipal de Transporte, Trânsito e Mobilidade Urbana Prefeitura de Nova Iguaçu Principais Ações Criação do Centro de Operações de Nova Iguaçu CONIG 76 câmeras Principais Ações Centralização

Leia mais

PLANO DE TRANSPORTES E TRÂNSITO JOGOS PAN-AMERICANOS RIO a 29 de julho

PLANO DE TRANSPORTES E TRÂNSITO JOGOS PAN-AMERICANOS RIO a 29 de julho PLANO DE TRANSPORTES E TRÂNSITO JOGOS PAN-AMERICANOS RIO 2007 13 a 29 de julho FAMÍLIA PAN 5.500 atletas 2.000 árbitros 2.000 delegados 1.600 dirigentes 3.000 mídia FOCO ACESSO DE PÚBLICO 1.000.000 ingressos

Leia mais

Prospecto de Registro da OPERAÇÃO URBANA CONSORCIADA LINHA VERDE Emissor

Prospecto de Registro da OPERAÇÃO URBANA CONSORCIADA LINHA VERDE Emissor Prospecto de Registro da OPERAÇÃO URBANA CONSORCIADA LINHA VERDE Emissor PREFEITURA MUNICIPAL DE CURITIBA Av. Cândido de Abreu, 817, Centro Cívico Código ISIN n BRCTBACPA001 A Prefeitura Municipal de Curitiba

Leia mais

Localização estratégica

Localização estratégica Porto Maravilha Localização estratégica Aeroporto Internacional Tom Jobim 11 km Oceano Atlântico Maracanã 5 km Aeroporto Santos Dumont 2 km Corcovad o 7 km Copacabana 8 km Pão de Açúcar 6 km 1850 - Área

Leia mais

RECURSOS E FONTES ALTERNATIVAS PARA O TRANSPORTE PÚBLICO SÔBRE TRILHOS

RECURSOS E FONTES ALTERNATIVAS PARA O TRANSPORTE PÚBLICO SÔBRE TRILHOS RECURSOS E FONTES ALTERNATIVAS PARA O TRANSPORTE PÚBLICO SÔBRE TRILHOS Criar soluções para suprir nossas necessidades 9a. SEMANA DE TECNOLOGIA METROVIÁRIA - AEAMESP POR QUE INVESTIR EM TRANSPORTE PÚBLICO?

Leia mais

OPORTUNIDADES E DESAFIOS O PLANEJAMENTO DE MOBILIDADE URBANA NO BRASIL. ANA NASSAR Diretora de Programas, ITDP Brasil

OPORTUNIDADES E DESAFIOS O PLANEJAMENTO DE MOBILIDADE URBANA NO BRASIL. ANA NASSAR Diretora de Programas, ITDP Brasil OPORTUNIDADES E DESAFIOS O PLANEJAMENTO DE MOBILIDADE URBANA NO BRASIL ANA NASSAR Diretora de Programas, ITDP Brasil Sobre o ITDP Organização social sem fins lucrativos Sede em Nova Iorque, no Brasil desde

Leia mais

Universidade Presbiteriana Mackenzie Escola de Engenharia Depto. de Engenharia Civil 1 0 semestre de Aula 22.

Universidade Presbiteriana Mackenzie Escola de Engenharia Depto. de Engenharia Civil 1 0 semestre de Aula 22. Universidade Presbiteriana Mackenzie Escola de Engenharia Depto. de Engenharia Civil 1 0 semestre de 2017 Aula 22 Mobilidade urbana 22. Mobilidade urbana assuntos da aula a mobilidade urbana atualmente

Leia mais

III WTR PoP-BA RNP Salvador, set 2012 Cidades Digitais: Construindo um ecossistema de cooperação e inovação

III WTR PoP-BA RNP Salvador, set 2012 Cidades Digitais: Construindo um ecossistema de cooperação e inovação Cidades Digitais: Construindo um ecossistema de cooperação e inovação Américo T Bernardes Departamento de Infraestrutura para Inclusão Digital Secretaria de Inclusão Digital Ministério das Secretaria de

Leia mais

Mobilidade Urbana. Aspectos Gerais Infraestrutura PMUS Além de Infraestrutura Novos Caminhos

Mobilidade Urbana. Aspectos Gerais Infraestrutura PMUS Além de Infraestrutura Novos Caminhos Mobilidade Urbana Mobilidade Urbana Aspectos Gerais Infraestrutura PMUS Além de Infraestrutura Novos Caminhos Aspectos Gerais LEI Nº 12.587, DE 3 DE JANEIRO DE 2012, Política Nacional de Mobilidade Urbana

Leia mais

COMUNICAÇÕES TÉCNICAS 21º CONGRESSO BRASILEIRO DE TRANSPORTE E TRÂNSITO SÃO PAULO 28, 29 E 30 DE JUNHO DE 2017

COMUNICAÇÕES TÉCNICAS 21º CONGRESSO BRASILEIRO DE TRANSPORTE E TRÂNSITO SÃO PAULO 28, 29 E 30 DE JUNHO DE 2017 COMUNICAÇÕES TÉCNICAS 21º CONGRESSO BRASILEIRO DE TRANSPORTE E TRÂNSITO SÃO PAULO 28, 29 E 30 DE JUNHO DE 2017 A ANTP convida a todos os integrantes das entidades associadas, seus membros individuais e

Leia mais

PESQUISA DE MOBILIDADE URBANA

PESQUISA DE MOBILIDADE URBANA PESQUISA DE MOBILIDADE URBANA A Pesquisa de Mobilidade Urbana teve como objetivo levantar a opinião da população, para avaliar a situação da mobilidade urbana em Florianópolis, e dessa forma, auxiliar

Leia mais

DA CONVERSÃO DE CAMPO NATIVO E DO DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL WELLINGTON PACHECO BARROS

DA CONVERSÃO DE CAMPO NATIVO E DO DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL WELLINGTON PACHECO BARROS DA CONVERSÃO DE CAMPO NATIVO E DO DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL WELLINGTON PACHECO BARROS Desembargador aposentado do TJ/RS, professor da ESCOLA SUPERIOR DA MAGISTRATURA e do I - UMA, entre outros, advogado

Leia mais

Estratégia de Gestão da Demanda de Viagens no Município de Belo Horizonte

Estratégia de Gestão da Demanda de Viagens no Município de Belo Horizonte > > > > > > > > > > > > > > > > > > > > > Documento confidencial para uso e informação do cliente > > > > > > > > > > > > > > > > > > > > > Junho, 2016 Belo Horizonte Estratégia de Gestão da Demanda de

Leia mais

Apresentação Institucional. Engenharia de Infraestrutura

Apresentação Institucional. Engenharia de Infraestrutura Apresentação Institucional Engenharia de Infraestrutura Líder de Mercado em Engenharia de Infraestrutura 24 anos de atuação, desenvolvendo projetos nas áreas de: Transporte e Mobilidade Desenvolvimento

Leia mais

Regularização Fundiária

Regularização Fundiária Regularização Fundiária Aspectos Legais Beatriz Kauduinski Cardoso 3º. Seminário Estadual de Habitaçao Florianópolis, 29 outubro 2013 QUAL É A VERDADE? Querem, de todas as formas, impedir a construção

Leia mais

DIREITO IMOBILIÁRIO. Prof. Marcelino Fernandes

DIREITO IMOBILIÁRIO. Prof. Marcelino Fernandes DIREITO IMOBILIÁRIO Prof. Marcelino Fernandes Youtube.com/MarcelinoFernandesCoronel Perfil: fb.com/profmarcelino88 Fanpage: fb.com/profmarcelino Twitter: @profmarcelino professormarcelino@hotmail.com ESTATUTO

Leia mais

Melhoria da Mobilidade em Belo Horizonte. Projetos para a Copa 2014

Melhoria da Mobilidade em Belo Horizonte. Projetos para a Copa 2014 Melhoria da Mobilidade em Belo Horizonte Projetos para a Copa 2014 Indicadores da Mobilidade Urbana em BH Distribuição espacial da demanda de transporte Sistema Ônibus no Hipercentro % das linhas Ônibus/dia

Leia mais

8ª BIENAL INTERNACIONAL DE ARQUITETURA 2009 ESPACIALIDADE CONECTIVIDADE ORIGINALIDADE SUSTENTABILIDADE

8ª BIENAL INTERNACIONAL DE ARQUITETURA 2009 ESPACIALIDADE CONECTIVIDADE ORIGINALIDADE SUSTENTABILIDADE 8ª BIENAL INTERNIONAL DE ARQUITETURA 2009 ESPIALIDADE CONECTIVIDADE ORIGINALIDADE SUSTENTABILIDADE WORKSHOPS Qualificação Urbana em Cidades-Sede da Copa 2014 MANAUS OBJETIVOS GERAIS explorar as possibilidades

Leia mais

CORREDOR METROPOLITANO VEREADOR BILÉO SOARES NOROESTE - RMC

CORREDOR METROPOLITANO VEREADOR BILÉO SOARES NOROESTE - RMC ESTRUTURA ORGANIZACIONAL ÁREA DE ATUAÇÃO: ESTADO DE SÃO PAULO REGIÕES METROPOLITANAS A EMTU é Responsável pelo gerenciamento do transporte coletivo intermunicipal metropolitano RMC RMVP RMBS - 1,8 milhão

Leia mais

Brasília - Brasil Maio de 2006

Brasília - Brasil Maio de 2006 Brasília - Brasil Maio de 2006 Diagnóstico Início Diagnóstico Objetivos do Programa Intervenções Propostas Avanço das Atividades Tratamento Viário Diagnóstico Início Diagnóstico Objetivos do Programa Intervenções

Leia mais