Rua do Manifesto, Ipiranga - São Paulo Fone: +55 (11)

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Rua do Manifesto, 2216 - Ipiranga - São Paulo Fone: +55 (11) 2271-3211 www.internacionalferramentas.com.br"

Transcrição

1 ±.001 ¼ mm polegadas 559

2 Equivalência Milímetros e Métrica para 1 milímetro = 0,03937 polegadas 1 centímetro = 0,3937 polegadas 1 metro = 39,37 polegadas = 3,2808 pés = 1,0936 jardas 1 quilômetro = 0,6214 milha Medição Linear para Métrica 1 polegada = 25,4 milímetros = 2,54 centímetros 1 pé = 304,8 milímetros = 0,3048 metros 1 jarda = 0,9144 metros 1 milha = 1,609 quilômetros Métrica para 1 milímetro quadrado = 0,00155 polegadas quadradas 1 centímetro quadrado = 0,155 polegadas quadradas 1 metro quadrado = 10,764 pés quadrados = 1,196 jardas quadradas 1 are = 0,0247 acre = 1076,4 pés quadrados 1 hectare = 2,471 acres = 107,639 pés quadrados 1 quilômetro quadrado = 0,3861 milhas quadradas = 247,1 acres Medida Quadrada para Métrica 1 polegada quadrada = 6,452 centímetros quadrados = 645,2 milímetros quadrados 1 pé quadrado = 0,0929 metros quadrados = 929 centímetros quadrados 1 jarda quadrada = 0,836 metros quadrados 1 acre = 0,4047 hectares = 40,47 ares 1 milha quadrada = 2,5900 quilômetros quadrados Métrica para Inglesa 1 quarto americano = 0,946 litros 1 galão americano = 3,785 litros = 231 polegadas cúbicas 1 polegada cúbica = 16,38706 centímetros cúbicos 1 pé cúbico = 0,02832 metros cúbicos = 28,317 litros 1 jarda cúbica = 0,7646 metros cúbicos Medida Cúbica Inglesa para Métrica 1 litro = 0,2642 galão americano = 1,0567 quarto americano 1 litro (decímetro cúbico) = 0,0353 pé cúbico = 61,023 polegadas cúbicas 1 centímetro cúbico = 0,061 polegada cúbica 1 metro cúbico = 264,2 galões americanos 1 metro cúbico = 35,315 pés cúbicos = 1,308 jardas cúbicas Métrica para Inglesa 1 grama = 15,432 grãos 1 grama = 0,03527 onças avoirdupois (comercial) 1 quilo = 2,2046 libras = 35,274 onças avoirdupois (comercial) 1 tonelada = 0,9842 toneladas (de 2240 libras) = 2204,6 libras Peso Inglesa para Métrica 1 grão = 0,0648 gramas 1 onça avoirdupois = 28,35 gramas (comercial) 1 libra = 0,4536 quilos = 453,6 gramas 1 tonelada curta (2000 libras) = 0,907 toneladas = 907 quilos 1 tonelada longa (2240 libras) = 1,016 toneladas = 1016 quilos 560

3 Tabela de Conversão para Milímetros Decimal mm Decimal mm Fração Decimal mm Fração Decimal mm 0,001 0,002 0,003 0,004 0,005 0,006 0,007 0,008 0,009 0,010 0,020 0,030 0,040 0,050 0,060 0,070 0,080 0,090 0,0254 0,0508 0,0762 0,1016 0,1270 0,1524 0,1778 0,2032 0,2286 0,2540 0,5080 0,7620 1,0160 1,2700 1,5240 1,7780 2,0320 2,2860 0,500 0,510 0,520 0,530 0,540 0,550 0,560 0,570 0,580 0,590 0,600 0,610 0,620 0,630 0,640 0,650 0,660 0,670 0,680 0,690 12, , , , , , , , , , , , , , , , , , , ,5260 1/64 1/32 3/64 0,0156 0,0313 0,0469 0,3969 0,7938 1,1906 1/16 0,0625 1,5875 5/64 3/32 7/64 0,0781 0,0938 0,1094 1,9844 2,3812 2,7781 1/8 0,1250 3,1750 9/64 5/32 11/64 0,1406 0,1563 0,1719 3,5719 3,9688 4, /64 17/32 35/64 0,5156 0,5313 0, , , ,8906 9/16 0, , /64 19/32 39/64 0,5781 0,5938 0, , , ,4781 5/8 0, , /64 21/32 43/64 0,6406 0,6563 0, , , ,0656 0,100 0,110 0,120 0,130 0,140 0,150 0,160 0,170 0,180 0,190 2,5400 2,7940 3,0480 3,3020 3,5560 3,8100 4,0640 4,3180 4,5720 4,8260 0,700 0,710 0,720 0,730 0,740 0,750 0,760 0,770 0,780 0,790 17, , , , , , , , , ,0660 3/16 0,1875 4, /64 7/32 15/64 0,2031 0,2188 0,2344 5,1594 5,5562 5,9531 1/4 0,2500 6, /16 0, , /64 23/32 47/64 0,7031 0,7188 0, , , ,6531 3/4 0, ,0500 0,200 0,210 0,220 0,230 0,240 0,250 0,260 0,270 0,280 0,290 0,300 0,310 0,320 0,330 0,340 0,350 0,360 0,370 0,380 0,390 5,0800 5,3340 5,5880 5,8420 6,0690 6,3500 6,6040 6,8580 7,1120 7,3660 7,6200 7,8740 8,1280 8,3820 8,6360 8,8900 9,1440 9,3980 9,6520 9,9060 0,800 0,810 0,820 0,830 0,840 0,850 0,860 0,870 0,880 0,890 0,900 0,910 0,920 0,930 0,940 0,950 0,960 0,970 0,980 0,990 1,000 20, , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , /64 9/32 19/64 0,2656 0,2813 0,2969 6,7469 7,1438 7,5406 5/16 0,3125 7, /64 11/32 23/64 0,3281 0,3438 0,3594 8,3344 8,7312 9,1281 3/8 0,3750 9, /64 13/32 27/64 0,3906 0,4063 0,4219 9, , , /64 25/32 51/64 0,7656 0,7813 0, , , , /16 0, , /64 27/32 55/64 0,8281 0,8438 0, , , ,8281 7/8 0, , /64 29/32 59/64 0,8906 0,9063 0, , , ,4156 0,400 0,410 0,420 0,430 0,440 0,450 0,460 0,470 0,480 0,490 10, , , , , , , , , ,4460 7/16 0, , /64 15/32 31/64 0,4531 0,4688 0, , , ,3031 1/2 0, ,700 15/16 0, , /64 31/32 63/64 0,9531 0,9688 0, , , , , ,

4 Tabela de Conversão de Milímetros para Decimal de Polegada mm Decimal mm Decimal mm Decimal mm Decimal 0,01 0, ,51 0, , , ,02 0, ,52 0, , , ,03 0, ,53 0, , , ,04 0, ,54 0, , , ,05 0, ,55 0, , , ,06 0, ,56 0, , , ,07 0, ,57 0, , , ,08 0, ,58 0, , , ,09 0, ,59 0, , , ,10 0, ,60 0, , , ,11 0, ,61 0, , , ,12 0, ,62 0, , , ,13 0, ,63 0, , , ,14 0, ,64 0, , , ,15 0, ,65 0, , , ,16 0, ,66 0, , , ,17 0, ,67 0, , , ,18 0, ,68 0, , , ,19 0, ,69 0, , , ,20 0, ,70 0, , , ,21 0, ,71 0, , , ,22 0, ,72 0, , , ,23 0, ,73 0, , , ,24 0, ,74 0, , , ,25 0, ,75 0, , , ,26 0, ,76 0, , , ,27 0, ,77 0, , , ,28 0, ,78 0, , , ,29 0, ,79 0, , , ,30 0, ,80 0, , , ,31 0, ,81 0, , , ,32 0, ,82 0, , , ,33 0, ,83 0, , , ,34 0, ,84 0, , , ,35 0, ,85 0, , , ,36 0, ,86 0, , , ,37 0, ,87 0, , , ,38 0, ,88 0, , , ,39 0, ,89 0, , , ,40 0, ,90 0, , , ,41 0, ,91 0, , , ,42 0, ,92 0, , , ,43 0, ,93 0, , , ,44 0, ,94 0, , , ,45 0, ,95 0, , , ,46 0, ,96 0, , , ,47 0, ,97 0, , , ,48 0, ,98 0, , , ,49 0, ,99 0, , , ,50 0, ,00 0, , ,

5 Decimais Equivalentes a 8, 16, 32, 64 avos 8 avos 32 avos 64 avos 1/8 = 0,125 1/32 = 0, /64 = 0, /64 = 0, /4 = 0,250 3/32 = 0, /64 = 0, /64 = 0, /8 = 0,375 5/32 = 0, /64 = 0, /64 = 0, /2 = 0,500 7/32 = 0, /64 = 0, /64 = 0, /8 = 0,625 9/32 = 0, /64 = 0, /64 = 0, /4 = 0,750 11/32 = 0, /64 = 0, /64 = 0, /8 = 0,875 13/32 = 0, /64 = 0, /64 = 0, avos 15/32 = 0, /64 = 0, /64 = 0, /16 = 0, /32 = 0, /64 = 0, /64 = 0, /16 = 0, /32 = 0, /64 = 0, /64 = 0, /16 = 0, /32 = 0, /64 = 0, /64 = 0, /16 = 0, /32 = 0, /64 = 0, /64 = 0, /16 = 0, /32 = 0, /64 = 0, /64 = 0, /16 = 0, /32 = 0, /64 = 0, /64 = 0, /16 = 0, /32 = 0, /64 = 0, /64 = 0, /16 = 0, /32 = 0, /64 = 0, /64 = 0, Rosca Padrão Americano para Tubos e Bitola correspondente da Broca Bitola do Tubo Fios por Polegada Diâmetro da Raiz Extremidade Menor Do Tubo e Calibrador NPT Conica Broca p/ Macho NPS Paralela 1/8 27 0,3339" Q 11/32" 1/4 0,4329" 7/16" 7/16" 18 3/8 0,5676" 9/16" 37/64" 1/2 0,7013" 45/64" 23/32" 14 3/4 0,9105" 29/32" 59/64" 1 1,1441" 1-9/64" 1.5/32" 1.1/4 1,4876" 1-31/64" 1.1/2" 11.1/2 1.1/2 1,7265" 1-47/64" 1.3/4" 2 2,1995" 2-13/64" 2.7/32" 563

6 Dimensões das Roscas Americanas Unificadas Grossa e Fina e Bitolas Correspondentes das Brocas p = passo = 1 nº fios por polegada f p d = altura do filete = p X 0, º f d f = crista = p 8 diâmetro primitivo = D 0,6495 N Fios por Polegada NC NF Diâmetro Externo Diâmetro Primitivo Diâmetro Interno Broca Aprox. 75% da Decimal de Polegada Bitola UNC UNF Rosca Completa da Broca ,0600 0,0519 0,0438 3/64" 0, ,0730 0,0629 0, , ,0730 0,0640 0, , ,0860 0,0744 0, , ,0860 0,0759 0, , ,0990 0,0855 0, , ,0990 0,0874 0, , ,1120 0,0958 0, , ,1120 0,0985 0, , ,1250 0,1088 0, , ,1250 0,1102 0, , ,1380 0,1177 0, , ,1380 0,1218 0, , ,1640 0,1437 0, , ,1640 0,1460 0, , ,1900 0,1629 0, , ,1900 0,1697 0, , ,2160 0,1889 0, , ,2160 0,1928 0, ,1800 1/4" 20 0,2500 0,2175 0, ,2010 1/4" 28 0,2500 0,2268 0, ,2130 5/16" 18 0,3125 0,2764 0,2403 F 0,2570 5/16" 24 0,3125 0,2854 0,2584 I 0,2720 3/8" 16 0,3750 0,3344 0,2938 5/16" 0,3125 3/8" 24 0,3750 0,3479 0,3209 Q 0,3320 7/16" 14 0,4375 0,3911 0,3447 U 0,3680 7/16" 20 0,4375 0,4050 0, /64" 0,3906 1/2" 13 0,5000 0,4500 0, /64" 0,4219 1/2" 20 0,5000 0,4675 0, /64" 0,4531 9/16" 12 0,5625 0,5084 0, /64" 0,4844 9/16" 18 0,5625 0,5264 0, /64" 0,5156 5/8" 11 0,6250 0,5660 0, /32" 0,5312 5/8" 18 0,6250 0,5889 0, /64" 0,5781 3/4" 10 0,7500 0,6850 0, /32" 0,6562 3/4" 16 0,7500 0,7094 0, /16" 0,6875 7/8" 9 0,8750 0,8028 0, /64" 0,7656 7/8" 14 0,8750 0,8286 0, /16" 0,

7 Dimensões das Roscas Americanas Unificadas Grossa e Fina e Bitolas Correspondentes das Brocas (continuação) Bitola Fios por Polegada NC UNC NF UNF Diâmetro Externo Diâmetro Primitivo Diâmetro Interno Broca Aprox. 75% da Rosca Completa Decimal de Polegada da Broca 1" 8 1,0000 0,9188 0,8376 7/8" 0,8750 1" 12 1,0000 0,9459 0, /64" 0, /8" 7 1,1250 1,0322 0, /64" 0, /8" 12 1,1250 1,0709 1, /64" 1, /4" 7 1,2500 1,1572 1, /64" 1, /4" 12 1,2500 1,1959 1, /64" 1, /8" 6 1,3750 1,2667 1, /32" 1, /8" 12 1,3750 1,3209 1, /64" 1, /2" 6 1,5000 1,3917 1, /32" 1, /2" 12 1,5000 1,4459 1, /64" 1, /4" 5 1,7500 1,6201 1, /16" 1,5625 2" 4.1/2 2,0000 1,8557 1, /32" 1, /4" 4.1/2 2,2500 2,1057 1, /32" 2, /2" 4.1/2 2,5000 2,3376 2, /4" 2, /4" 4 2,7500 2,5876 2, /2" 2,5000 3" 4 3,0000 2,8376 2, /4" 2, /4" 4 3,2500 3,0876 2,9252 3" 3, /2" 4 3,5000 3,3376 3, /4" 3, /4" 4 3,7500 3,5876 3, /2" 3,5000 4" 4 4,0000 3,3786 3, /4" 3,7500 Bitolas das Brocas para Rosca Métrica Macho em mm Broca em mm Decimal Equiv. M1,6 x 0,35 1,25 0,0492 M1,8 x 0,35 1,45 0,0571 M2 x 0,4 1,60 0,0630 M2,2 x 0,45 1,75 0,0689 M2,5 x 0,45 2,05 0,0807 M3 x 0,5 2,50 0,0984 M3,5 x 0,6 2,90 0,1142 M4 x 0,7 3,30 0,1299 M4,5 x 0,75 3,70 0,1457 M5 x 0,8 4,20 0,1654 M6 x 1 5,00 0,1968 M7 x 1 6,00 0,2362 M8 x 1,25 6,70 0,2638 M8 x 1 7,00 0,2756 M10 x 1,5 8,50 0,3346 M10 x 1,25 8,70 0,3425 M12 x 1,75 10,20 0,4016 M12 x 1,25 10,80 0,4252 M14 x 2 12,00 0,4724 M14 x 1,5 12,50 0,4921 Macho em mm Broca em mm Decimal Equiv. M16 x 2 14,00 0,5512 M16 x 1,5 14,50 0,5709 M18 x 2,5 15,50 0,6102 M18 x 1,5 16,50 0,6496 M20 x 2,5 17,50 0,6890 M20 x 1,5 18,50 0,7283 M22 x 2,5 19,50 0,7677 M22 x 1,5 20,50 0,8071 M24 x 3 21,00 0,8268 M24 x 2 22,00 0,8661 M27 x 3 24,00 0,9449 M27 x 2 25,00 0,9843 M30 x 3,5 26,50 1,0433 M30 x 2 28,00 1,1024 M33 x 3,5 29,50 1,1614 M33 x 2 31,00 1,2205 M36 x 4 32,00 1,2598 M36 x 3 33,00 1,2992 M39 x 4 35,00 1,3780 M39 x 3 36,00 1,

8 Bitolas de Brocas para Roscas em Frações de Aproximadamente 65% da Profundidade / FORMATO DE ROSCA AMERICANA Fios por Diâmetro Bitola Polegada do Furo Broca 1/ ,049 3/64 1/ ,047 3/64 1/ , / , / ,063 1/16 5/ ,062 1/16 5/ , / ,077 5/64 3/ , / , / , / , / , / , /8 48 0, /8 40 0, /8 36 0, /8 32 0,095 3/32 9/ , / , / , / , / , / ,126 1/8 11/ , / ,141 9/64 3/ , / , / , / , / , / ,171 11/64 13/ , / , / , / , / , / , / , /4 32 0,220 7/32 Fios por Diâmetro Bitola Polegada do Furo Broca 1/4 28 0, /4 27 0, /4 24 0, /4 20 0, / ,282 9/32 5/ ,276 J 5/ ,272 I 5/ ,264 17/64 5/ ,258 F 3/8 27 0,339 R 3/8 24 0,334 Q 3/8 20 0,326 21/64 3/8 16 0,314 5/16 7/ ,401 Y 7/ ,397 X 7/ ,389 25/64 7/ ,368 U 1/2 27 0,464 15/32 1/2 24 0,460 29/64 1/2 20 0,451 29/64 1/2 13 0,425 27/64 1/2 12 0,419 27/64 9/ ,526 17/32 9/ ,508 33/64 9/ ,481 31/64 5/8 27 0,589 19/32 5/8 18 0,571 37/64 5/8 12 0,544 35/64 5/8 11 0,536 17/32 11/ ,627 5/8 11/ ,599 19/32 3/4 27 0,714 23/32 3/4 16 0,689 11/16 3/4 12 0,669 43/64 3/4 10 0,653 21/32 13/ ,731 47/64 13/ ,715 23/32 7/8 27 0,839 27/32 7/8 18 0,821 53/64 7/8 14 0,805 13/16 Fios por Diâmetro Bitola Polegada do Furo Broca 7/8 12 0,794 51/64 7/8 9 0,767 49/64 15/ ,856 55/64 15/16 9 0,829 53/ ,964 31/ ,930 15/ ,919 59/ ,878 7/8 1.1/16 8 0,941 15/16 1.1/8 12 1, /64 1.1/8 7 0,986 63/64 1.3/ /64 1.1/4 12 1, /64 1.1/4 7 1, /64 1.5/16 7 1, /64 1.3/8 12 1, /64 1.3/8 6 1, /32 1.1/2 12 1, /64 1.1/2 6 1, /32 1.5/8 5.1/2 1, /64 1.3/4 5 1, /16 1.7/8 5 1, / /2 1, /32 2.1/8 4.1/2 1, /32 2.1/4 4.1/2 2, /32 2.3/8 4 2, /8 2.1/2 4 2, /4 2.5/8 4 2, /8 2.3/4 4 2, /2 2.7/8 3.1/2 2, / /2 2, /32 3.1/8 3.1/2 2, /32 3.1/4 3.1/2 2, /32 3.3/8 3.1/4 3, /16 3.1/2 3.1/4 3, /16 3.5/8 3.1/4 3, /16 3.3/4 3 3, / , /16 566

9 Profundidade Dupla de Roscas Rosca Externa conforme ISO Ajuste Médio D.D. = 1,732 Para Rosca em V N D.D. = 1,299 Para Rosca Padrão Americano N D.D. = 1,28 N Para Rosca Padrão Whitworth f Padrão Métrico p 60º f d p = distância entre a crista de um filete e o próximo d = profundidade passo x 0,64952 f = crista passo x 0,125 Fios por Polegada Para Rosca em V Para Rosca Padrão Americano Para Rosca Padrão Whitworth N P. D. P. D. P. D. 2 0, , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , ,01600 Bitola Diâmetro (mm) Passo (mm) M2 x 0,4 2 0,4 M3 x 0,5 3 0,5 M4 x 0,7 4 0,7 M5 x 0,8 5 0,8 M6 x 1 6 1,0 M8 x 1,25 8 1,25 M10 x 1,5 10 1,5 M12 x 1, ,75 M16 x ,0 M20 x 2,5 20 2,5 M24 x ,0 M30 x 3,5 30 3,5 567

10 Dimensões da Rosca Trapezoidal Padrão Americano Acme h = Altura do filete básico da rosca h' = Altura do filete da rosca com folga K = Broca Diâmetro menor básico da porca Fc = Largura do chanfro na crista do filete Fr = Largura do chanfro no fundo do filete n = Número de fios por polegada p = Passo da rosca Kr = Menor diâmetro da rosca D = Maior diâmetro da rosca T = Maior diâmetro do macho PARA 10 ou MENos FIos PoR PoLEgADA h' = P mais 0,010 2 Fr = 0,3707 menos 0,0052 n T = D mais 0,020 PARA MAIs DE 10 FIos PoR PoLEgADA h' = P mais 0,005 2 Fr = 0,3707 menos 0,0026 n T = D mais 0,010 Fc p = 1 n K = D menos p p 29º Fr h' Fc = 0,3707 n Kr = D menos 2h' Nº de Fios por Polegada (n) Altura do Filete da Rosca com Folga (h') Chanfro na Crista do Filete (Fc) Chanfro no Fundo do Filete (Fr) Espaço no Topo do Filete Espessura da Raiz da Rosca 1 0,5100 0,3707 0,3655 0,6293 0, /3 0,3850 0,2780 0,2728 0,4720 0, ,2600 0,1854 0,1802 0,3146 0, ,1767 0,1236 0,1184 0,2097 0, ,1350 0,0927 0,0875 0,1573 0, ,1100 0,0741 0,0689 0,1259 0, ,0933 0,0618 0,0566 0,1049 0, ,0814 0,0530 0,0478 0,0899 0, ,0725 0,0463 0,0411 0,0787 0, ,0655 0,0412 0,0360 0,0699 0, ,0600 0,0371 0,0319 0,0629 0, ,0467 0,0309 0,0283 0,0524 0, ,0407 0,0265 0,0239 0,0449 0, ,0363 0,0232 0,0206 0,0393 0,0419 Sugestão de Velocidades de Corte e de Avanço para Brocas As informações que se seguem são um guia geral. Trabalhos específicos podem exigir modificações por causa da variação das condições de trabalho, tais como os requisitos de líquido refrigerante, equipamento etc. Sugestão para Avanços de Brocas os avanços de brocas são determinados pelo seu diâmetro como também pelo material a ser furado. os avanços menores devem ser aplicados para furar materiais relativamente duros como os de aços-liga. os avanços maiores devem ser aplicados ao furar materiais relativamente macios como alumínio e latão. Estes avanços estão baseados na velocidade periférica de uma broca. Diâmetro da Broca Avanço por Revolução Diâmetro da Broca Avanço por Revolução Abaixo 3mm 0,025 a 0,05mm Abaixo de 1/8" 0,0010 a 0,002" 3 a 6mm 0,05 a 0,100mm 1/80 a 1/4" 0,0020 a 0,004" 6 a 13mm 0,100 a 0,180mm 1/40 a 1/2" 0,0040 a 0,007" 13 a 25mm 0,180 a 0,370mm 1/20 a 1" 0,0070 a 0,015" Acima 25mm 0,370 a 0,630mm Acima de 1" 0,0150 a 0,025" 568

11 Sugestão para Velocidades Periféricas Metros por Minuto Pés por Minuto Material Broca Aço Carbono Broca Aço Rápido Broca Aço Carbono Broca Aço Rápido Aço 9m 24m 30' 80' Ferro Fundido 10,5m 30m 35' 100' Latão 18m 60m 60' 200' Aço Liga 15m 50' VELOCIDADES PERIFéRICAS METROS POR MINUTO (PéS POR MINUTO) Diâmetro da Broca 9m (30") 15m (50") 18m (60") 24m (80") 30m (100") 60m (200") 3mm 1/8" 917 rpm 1528 rpm 1833 rpm 2445 rpm 3056 rpm 6112 rpm 6mm 1/4" 458 rpm 764 rpm 917 rpm 1222 rpm 1528 rpm 3056 rpm 13mm 1/2" 229 rpm 382 rpm 458 rpm 611 rpm 764 rpm 1528 rpm 25mm 1" 115 rpm 191 rpm 229 rpm 306 rpm 382 rpm 764 rpm 38mm 1.1/2" 76 rpm 127 rpm 153 rpm 204 rpm 255 rpm 509 rpm 50mm 2" 57 rpm 96 rpm 115 rpm 153 rpm 191 rpm 382 rpm 75mm 3" 38 rpm 64 rpm 76 rpm 102 rpm 127 rpm 255 rpm Altas Temperaturas a Julgar pela Cor Graus Celsius Altas Temperaturas a Julgar pela Cor 400 Calor vermelho, visível no escuro 525 Calor vermelho, visível à luz do dia 700 Vermelho escuro 900 Vermelho cereja claro 1100 Vermelho alaranjado 1300 Amarelo claro 1500 Branco brilhante Cores para Revenimento Graus Celsius Cores para Revenimento 221,1 Amarelo bem pálido 237,8 Amarelo palha 254,4 Amarelo amarronzado 260,0 Marrom amarelado 271,1 Marrom roxo 282,2 Roxo pleno 293,3 Azul pleno Tabela de Conversão de Temperaturas Use esta tabela para converter graus Fahrenheit ( F) diretamente em Celsius ( C) e viceversa. Ela cobre uma gama de temperaturas normalmente usadas em têmpera, revenimento e recozimento. Conversões baixas, altas e intermediárias podem ser feitas substituindo-se um número conhecido de temperatura Celsius ( C) ou Fahrenheit ( F) numa das fórmulas seguintes: ºF = ºC x ºC = ºF - 32 x 5 9 F C

12 Tabela de Triângulos Para a Rápida Explicação de Triângulos com Ângulos Retos e Oblíquos 570

Cálculos de roscas. Nem sempre os parafusos usados nas máquinas. Formulários

Cálculos de roscas. Nem sempre os parafusos usados nas máquinas. Formulários A UU L AL A Cálculos de roscas Nem sempre os parafusos usados nas máquinas são padronizados (normalizados) e, muitas vezes, não se encontra o tipo de parafuso desejado no comércio. Nesse caso, é necessário

Leia mais

MACHOS FRESAS COSSINETES STD OSG. Folheto N º 1

MACHOS FRESAS COSSINETES STD OSG. Folheto N º 1 MACHOS FRESAS COSSINETES STD OSG Folheto N º 1 STD OSG MACHOS MÁQUINA ALTA PERFORMANCE Macho Ponta Helicoidal (POT) DIN 371 250/4 Métrica Grossa 6H rápido 280/4 Unificada Grossa UNC 2B 281/4 Unificada

Leia mais

Treinamento Técnico. 1. Sem acabamento 2. Zincado (branco) 3. Fosfatizado 4. Bicromatizado (amarelo) 6. Niquelado

Treinamento Técnico. 1. Sem acabamento 2. Zincado (branco) 3. Fosfatizado 4. Bicromatizado (amarelo) 6. Niquelado DIVERSOS 1 - T ipos de materiais Treinamento Técnico 1. Fibra celerom composto com resina 2. Alumínio 3. Cobre 4. Latão 5. Ferro 5. (definição na cabeça do parafuso) 6. Aço., 1.9 e 12.9 (definição na

Leia mais

TORNEIRO MECÂNICO TECNOLOGIA

TORNEIRO MECÂNICO TECNOLOGIA DEFINIÇÃO: TORNEIRO MECÂNICO TECNOLOGIA ROSCAS (NOÇÕES TIPOS NOMENCLATURA) É uma saliência, em forma helicoidal, que se desenvolve, externa ou internamente, ao redor de uma superfície cilíndrica ou cônica.

Leia mais

BOLETIM TÉCNICO Nº 04 PVC

BOLETIM TÉCNICO Nº 04 PVC NOTAS: Apth: diz respeito a medidas farmacêuticas Troy: diz respeito a medidas referentes a pedras preciosas (joalheria) Chain: medida equivalente a 22 jardas ou aproximadamente 20 m Rod: medida equivalente

Leia mais

Definições e Conversões

Definições e Conversões Definições e Conversões foot = ft = pé = 0,3048 m ~ 0,305 m = jarda/3 = yd/3 g n = 9,806 65 m/s 2 = 32,174 pé/s 2 ~ 32,2 pé/s 2 pound-mass = libra-massa = lb ~ 0,454 kg Força 1 poundal é a intensidade

Leia mais

Leitura e Interpretação de Desenho Técnico Mecânico

Leitura e Interpretação de Desenho Técnico Mecânico Leitura e Interpretação de Desenho Técnico Mecânico Módulo II Aula 04 Rosca Rosca é o conjunto de reentrâncias e saliências, com perfil constante, em forma helicoidal, que se desenvolvem. externa ou internamente,

Leia mais

Essa ferramenta pode ser fixada em máquinas como torno, fresadora, furadeira, mandriladora.

Essa ferramenta pode ser fixada em máquinas como torno, fresadora, furadeira, mandriladora. Brocas A broca é uma ferramenta de corte geralmente de forma cilíndrica, fabricada com aço rápido, aço carbono, ou com aço carbono com ponta de metal duro soldada ou fixada mecanicamente, destinada à execução

Leia mais

Metrologia Aplicada e Instrumentação e Controle

Metrologia Aplicada e Instrumentação e Controle 25/11/2012 1 2012 Metrologia Aplicada e Instrumentação e Controle A disciplina de Metrologia Aplicada e Instrumentação e Controle, com 40 horas/aulas, será dividida em 2 (duas) partes, sendo : Metrologia

Leia mais

MEDIDAS. O tamanho de uma régua, a distância entre duas cidades, a altura de um poste e a largura de uma sala tudo isso é medido em comprimento.

MEDIDAS. O tamanho de uma régua, a distância entre duas cidades, a altura de um poste e a largura de uma sala tudo isso é medido em comprimento. MEDIDAS Comprimento O tamanho de uma régua, a distância entre duas cidades, a altura de um poste e a largura de uma sala tudo isso é medido em comprimento. Existem várias unidades que podem ser utilizadas

Leia mais

Introdução aos conceitos de medidas. Prof. César Bastos

Introdução aos conceitos de medidas. Prof. César Bastos Introdução aos conceitos de medidas. Prof. César Bastos Prof. César Bastos 2009 pág. 1 Medidas 1.1 Sistema Internacional de Unidades Durante muito tempo cada reino estabelecia suas unidades (padrões) de

Leia mais

Regras de Conversão de Unidades

Regras de Conversão de Unidades Unidades de comprimento Regras de Conversão de Unidades A unidade de principal de comprimento é o metro, entretanto existem situações em que essa unidade deixa de ser prática. Se quisermos medir grandes

Leia mais

SISTEMA MÉTRICO DECIMAL

SISTEMA MÉTRICO DECIMAL 1 - Medida de comprimento SISTEMA MÉTRICO DECIMAL No sistema métrico decimal, a unidade fundamental para medir comprimentos é o metro, cuja abreviação é m. Existem os múltiplos e os submúltiplos do metro,

Leia mais

FAURGS HCPA Edital 02/2013 PS 26 TÉCNICO DE MANUTENÇÃO III (Usinagem) Pág. 1

FAURGS HCPA Edital 02/2013 PS 26 TÉCNICO DE MANUTENÇÃO III (Usinagem) Pág. 1 Pág. 1 HOSPITAL DE CLÍNICAS DE PORTO ALEGRE EDITAL N.º 02/2013 DE PROCESSOS SELETIVOS GABARITO APÓS RECURSOS PROCESSO SELETIVO 26 TÉCNICO DE MANUTENÇÃO III (Usinagem) 01. C 11. A 21. ANULADA 31. E 02.

Leia mais

Tabelas de conversões de velocidade, comprimento, área, peso/massa, volume/capacidade.

Tabelas de conversões de velocidade, comprimento, área, peso/massa, volume/capacidade. Tabelas de Conversões Tabelas de conversões de velocidade, comprimento, área, peso/massa, volume/capacidade. TABELAS DE CONVERSÕES VELOCIDADE /segundo 2,23694 /segundo 1,94384 Nós 0,44704 /segundo 0,868976

Leia mais

CATÁLOGO DE PRODUTOS ASSISPAR - IND. E COM. DE PARAFUSOS LTDA PARAFUSOS PORCAS ARRUELAS MAT. FIXAÇÃO

CATÁLOGO DE PRODUTOS ASSISPAR - IND. E COM. DE PARAFUSOS LTDA PARAFUSOS PORCAS ARRUELAS MAT. FIXAÇÃO CATÁLOGO DE PRODUTOS - IND. E COM. DE PARAFUSOS LTDA PARAFUSOS PORCAS ARRUELAS MAT. FIXAÇÃO A Assispar Indústria e Comércio de Parafusos Ltda., é uma empresa especializada na fabricação e comercialização

Leia mais

Algoritmos com Estrutura Sequencial

Algoritmos com Estrutura Sequencial Algoritmos com Estrutura Sequencial 1. A partir da diagonal de um quadrado, deseja-se elaborar um algoritmo que informe o comprimento do lado do quadrado. Construa um algoritmo que leia o valor da diagonal

Leia mais

informações técnicas

informações técnicas informações técnicas www.tdc-tools.com.br brocas helicoidais em metal duro brocas helicoidais em metal duro sem cobertura din 338 ref mcd 001 velocidade de corte (vc)para broca metal duro - base din 338

Leia mais

Medidas e conversões

Medidas e conversões Medidas e conversões Apesar de se chegar ao metro como unidade de medida, ainda são usadas outras unidades. Na Mecânica, por exemplo, é comum usar o milímetro e a polegada. O sistema inglês ainda é muito

Leia mais

C.N.C. Programação Torno

C.N.C. Programação Torno C.N.C. Programação Torno Módulo I Aula 03 Unidades de medidas ( Sistema Inglês) milímetros - polegadas Sistema Imperial Britânico Embora a unificação dos mercados econômicos da Europa, da América e da

Leia mais

Grandezas e Medidas no CAp UFRJ Introdução. Exercícios

Grandezas e Medidas no CAp UFRJ Introdução. Exercícios Grandezas e Medidas no CAp UFRJ Introdução Exercícios 1) Indique três aspectos diferentes que podem ser medidos num carro. Para cada aspecto identificado, informe a grandeza e a unidade de medida correspondente

Leia mais

TORNEIRO MECÂNICO TECNOLOGIA

TORNEIRO MECÂNICO TECNOLOGIA DEFINIÇÃO: TORNEIRO MECÂNICO TECNOLOGIA BROCAS (NOMENCLATURA,CARAC. TIPOS) São ferramentas de corte, de forma cilíndrica, com canais retos ou helicoidais, temperadas, terminam em ponta cônica e são afiadas

Leia mais

Como escolher sua broca

Como escolher sua broca pdrilling Content w Como escolher sua broca Como escolher sua broca 1 Defina o diâmetro da broca e profundidade do furo Procure as faixas de diâmetro e profundidade do furo para as brocas relacionadas

Leia mais

7 FURAÇÃO. 7.1 Furadeira

7 FURAÇÃO. 7.1 Furadeira 1 7 FURAÇÃO 7.1 Furadeira A furadeira é a máquina ferramenta empregada, em geral, para abrir furos utilizando-se de uma broca como ferramenta de corte. É considerada uma máquina ferramenta especializada

Leia mais

Algarismos Significativos

Algarismos Significativos Algarismos Significativos Neste texto você conhecerá melhor os algarismos significativos, bem como as Regras gerais para realização de operações com algarismos significativos e as regras para Conversão

Leia mais

CATÁLOGO DE METROLOGIA

CATÁLOGO DE METROLOGIA CATÁLOGO DE METROLOGIA 1 PAQUÍMETRO PAQUÍMETRO UNIVERSAL PAQUÍMETRO UNIVERSAL (MD) capacidade LEITURA 141-112 0-150mm / 0-6 0,02mm / 0,001 141-113 0-150mm / 0-6 0,05mm / 1/128 141-114 0-200mm / 0-8 0,02mm

Leia mais

Espigão Ø 6,5 mm... 11.6 Corte e Solda 11

Espigão Ø 6,5 mm... 11.6 Corte e Solda 11 VIAS NF Conexão /8 NPT.... VIAS COM FILTRO NF Conexão M 8 x,5mm (ISO 74/965.).... Conexão M 0 x,5mm (ISO 74/965.)....3 Conexão / UNF....5 Espigão Ø 6,5 mm....6 Corte e Solda 3 4 5 VÁLVULAS PARA CORTE

Leia mais

Matéria: Matemática Assunto: Sistema Métrico Decimal Prof. Dudan

Matéria: Matemática Assunto: Sistema Métrico Decimal Prof. Dudan Matéria: Matemática Assunto: Sistema Métrico Decimal Prof. Dudan Matemática Sistema Métrico Decimal Definição: O SISTEMA MÉTRICO DECIMAL é parte integrante do Sistema de Medidas. É adotado no Brasil tendo

Leia mais

Sistemas Unitários: Análise Dimensional e Similaridades

Sistemas Unitários: Análise Dimensional e Similaridades Física Industrial-FBT415 1 s Unitários: Análise Dimensional e Similaridades 1. Magnitude e sistemas unitários O valor de qualquer magnitude física é expressa como o produto de dois fatores: o valor da

Leia mais

www.meccomeletronica.com página 1

www.meccomeletronica.com página 1 Nem só o padeiro faz roscas Furação A furação é um processo de usinagem que tem por objetivo a geração de furos, na maioria das vezes cilíndricos, em uma peça, através do movimento relativo de rotação

Leia mais

METROLOGIA Escala e Paquímetro. Prof. João Paulo Barbosa, M.Sc.

METROLOGIA Escala e Paquímetro. Prof. João Paulo Barbosa, M.Sc. METROLOGIA Escala e Paquímetro Prof. João Paulo Barbosa, M.Sc. Regras de Arredondamento Quando o algarismo seguinte ao último algarismo a ser conservado for inferior a 5, o último algarismo a ser conservado

Leia mais

Grandeza superfície Outras medidas de comprimento

Grandeza superfície Outras medidas de comprimento Noções de medida As primeiras noções de medida foram adquiridas com o auxílio de algumas partes do corpo humano, tornandoseunidades de medida o pé, o passo, o palmo, os dedos. É importante ressaltar que

Leia mais

Manual de Treinamento Identificação de Roscas e Sedes Vedações

Manual de Treinamento Identificação de Roscas e Sedes Vedações Manual de Treinamento Identificação de Roscas e Sedes Vedações Manual 3002 BR Janeiro 2001 Introdução O objetivo deste programa é auxiliar os usuários de mangueiras, conexões para mangueiras e conexões

Leia mais

CADERNO DE PROVA 15 DE SETEMBRO DE 2012 INSTRUÇÕES PARA A REALIZAÇÃO DA PROVA

CADERNO DE PROVA 15 DE SETEMBRO DE 2012 INSTRUÇÕES PARA A REALIZAÇÃO DA PROVA 1 Cada candidato receberá: CADERNO DE PROVA 15 DE SETEMBRO DE 2012 INSTRUÇÕES PARA A REALIZAÇÃO DA PROVA - 01 (um) Caderno de Prova de 10 (dez) páginas, contendo 25 (vinte e cinco) questões de múltipla

Leia mais

Volumes Exemplo1: Exemplo2:

Volumes Exemplo1: Exemplo2: Volumes Exemplo1: Esta garrafa está cheia. Ela contém 90 mililitros (90 ml) de refrigerante: Volume 90 ml Isso significa que 90 ml é a quantidade de líquido que a garrafa pode armazenar: Capacidade 90

Leia mais

Identificação de Roscas e Sedes de Vedações

Identificação de Roscas e Sedes de Vedações Identificação de Roscas e Sedes de Vedações Roscas e Sedes Utiliziadas em Circuitos para Condução de Fluidos Índice Introdução...2 Principais tipos de roscas...3 Teoria sobre roscas...3 Ferramentas para

Leia mais

Catálogo de produtos 2013 / 2014

Catálogo de produtos 2013 / 2014 Catálogo de produtos 2013 / 2014 ÓLEO DE CORTE PARA METAIS Somos uma empresa especializada em suprimentos para a indústria Metal/Mecânica Brasileira. As melhores marcas, produtos com tecnologia de ponta,

Leia mais

Introduction for Milling Inserts Apresentação de pastilhas de fresamento

Introduction for Milling Inserts Apresentação de pastilhas de fresamento Introduction for Milling Inserts Apresentação de pastilhas de fresamento Classes recomendadas para pastilhas de fresamento Material a ser usinado Aço (Aço carbon, liga de aço) Aço inoxidável (Aço inoxidável,

Leia mais

CONEXÕES, ADAPTADORES PARA ALTA PRESSÃO

CONEXÕES, ADAPTADORES PARA ALTA PRESSÃO HIDRÁULICA DE ALTA PRESSÃO CONEXÕES, ADAPTADORES PARA ALTA PRESSÃO Linhas MP, HP, JIC, Engates Rápidos e Kits de Mangueiras Termoplásticas para Alta Pressão www.cejnbrasil.com.br Linha de Produtos CEJN

Leia mais

REBOLOS RESINÓIDES (LIGA RESINÓIDE)

REBOLOS RESINÓIDES (LIGA RESINÓIDE) Com o emprego de novas tecnologias e surgimento de novos materiais e equipamentos modernos, pode-se afirmar que a utilização de rebolos resinóides tornou-se indispensável nas operações de retificação e

Leia mais

A tabela abaixo mostra os múltiplos e submúltiplos do metro e os seus respectivos valores em relação à unidade padrão:

A tabela abaixo mostra os múltiplos e submúltiplos do metro e os seus respectivos valores em relação à unidade padrão: Unidades de Medidas e Conversões Medidas de comprimento Prof. Flavio Fernandes E-mail: flavio.fernandes@ifsc.edu.br Prof. Flavio Fernandes E-mail: flavio.fernandes@ifsc.edu.br O METRO E SEUS MÚLTIPLOS

Leia mais

Conexões Flangeadas SAE Balfit

Conexões Flangeadas SAE Balfit Conexões Flangeadas SAE Balfit Flanges SAE Balfit A gama de conexões flangeadas Balfit é produzida segundo especificações Balflex e de acordo com as normas ISO 6162, SAE J516 / J518 e outras. Cobre uma

Leia mais

Usando unidades de medida

Usando unidades de medida Usando unidades de medida O problema Q uando alguém vai à loja de autopeças para comprar alguma peça de reposição, tudo que precisa é dizer o nome da peça, a marca do carro, o modelo e o ano de fabricação.

Leia mais

I - Índice - INSTRUMENTOS DE MEDIDA II - NORMAS DE MEDIDA III - CODIFICAÇÃO DO PRODUTO FINK IV - TIPOS DE PARAFUSOS, PORCAS E ARRUELAS

I - Índice - INSTRUMENTOS DE MEDIDA II - NORMAS DE MEDIDA III - CODIFICAÇÃO DO PRODUTO FINK IV - TIPOS DE PARAFUSOS, PORCAS E ARRUELAS Manual Técnico I - Índice I - INSTRUMENTOS DE MEDIDA II - NORMAS DE MEDIDA III - CODIFICAÇÃO DO PRODUTO FINK IV - TIPOS DE PARAFUSOS, PORCAS E ARRUELAS V - COMO MEDIR E CODIFICAR PRODUTOS FINK VI - ANÉIS

Leia mais

ELABORADO POR: Antônio Carlos ICAI APROVADO POR: João Carlos Diretor Comercial

ELABORADO POR: Antônio Carlos ICAI APROVADO POR: João Carlos Diretor Comercial ELABORADO POR: Antônio Carlos ICAI APROVADO POR: João Carlos Diretor Comercial ASME B16.10M Tubos de Aço Carbono Com e Sem Costura METALLIC FÓRMULAS PARA CÁLCULOS DE PESOS POR METRO (BARRAS E TUBOS DE

Leia mais

UNIVERSIDADE ANHANGUERA UNIDERP E N G E N H A R I A C I V I L N 5 0. Aluno: R.A :

UNIVERSIDADE ANHANGUERA UNIDERP E N G E N H A R I A C I V I L N 5 0. Aluno: R.A : UNIVERSIDADE ANHANGUERA UNIDERP E N G E N H A R I A C I V I L N 5 0 Aluno: R.A : 1) Realize as operações abaixo: a) 45 45 59 + 86º54 12 = b) 128º42 57 + 325º41 52 = c) 120º00 00 56º24º03 = d) 178º20 30

Leia mais

Nesta aula, você vai estudar exatamente isso. E para acabar com o suspense, vamos a ela.

Nesta aula, você vai estudar exatamente isso. E para acabar com o suspense, vamos a ela. Mete broca! Nesta aula, vamos estudar uma operação muito antiga. Os arqueólogos garantem que ela era usada há mais de 4000 anos no antigo Egito, para recortar blocos de pedra. Ela é tão comum que você

Leia mais

Engrenagens V. A ponte rolante precisava de reparos. A coroa. Conceito

Engrenagens V. A ponte rolante precisava de reparos. A coroa. Conceito A UU L AL A Engrenagens V A ponte rolante precisava de reparos. A coroa e o parafuso com rosca sem-fim estavam com defeitos. Os dentes da coroa e os filetes da rosca do parafuso estavam desgastados. O

Leia mais

UNIDADES EM QUÍMICA UNIDADES SI COMPRIMENTO E MASSA

UNIDADES EM QUÍMICA UNIDADES SI COMPRIMENTO E MASSA UNIDADES EM QUÍMICA O sistema métrico, criado e adotado na França durante a revolução francesa, é o sistema de unidades de medida adotada pela maioria dos paises em todo o mundo. UNIDADES SI Em 1960, houve

Leia mais

METROLOGIA MEDIDAS E CONVERSÕES

METROLOGIA MEDIDAS E CONVERSÕES METROLOGIA MEDIDAS E CONVERSÕES Prof. Fagner Ferraz 1 Algarismos significativos Os algarismos significativos são os algarismos que têm importância na exatidão de um número, por exemplo, o número 2,67 tem

Leia mais

Conectores / Adaptadores

Conectores / Adaptadores Conectores / Adaptadores Rev.10 1/20 ÍNDICE CONECTORES/ADAPTADORES PARA SOLDA CBW CFSW CW LBW LW TSW UDS UFSW UMSW USW TÓPICO PÁGINAS CBW CONECTOR PARA SOLDA DE TOPO 4 CFSW CONECTOR FÊMEA PARA SOLDA DE

Leia mais

Exemplos das perguntas para Teste e defesas de Oficinas Gerais Serralharia

Exemplos das perguntas para Teste e defesas de Oficinas Gerais Serralharia Exemplos das perguntas para Teste e defesas de Oficinas Gerais Serralharia 1. Apresentar os esquemas de medição das dimensões a, b e c indicadas na figura 1 (desenhar as testeiras, orelhas e pé do paquímetro

Leia mais

Programa de Revisão Paralela 4º Bimestre

Programa de Revisão Paralela 4º Bimestre Educação Infantil, Ensino Fundamental e Ensino Médio Regular. Rua Cantagalo 313, 325, 337 e 339 Tatuapé Fones: 2293-9393 e 2293-9166 Diretoria de Ensino Região LESTE 5 Programa de Revisão Paralela 4º Bimestre

Leia mais

Disciplina: Matemática. Período: I. Professor (a): Liliane Cristina de Oliveira Vieira e Maria Aparecida Holanda Veloso

Disciplina: Matemática. Período: I. Professor (a): Liliane Cristina de Oliveira Vieira e Maria Aparecida Holanda Veloso COLÉGIO LA SALLE BRASILIA Associação Brasileira de Educadores Lassalistas ABEL SGAS Q. 906 Conj. E C.P. 320 Fone: (061) 3443-7878 CEP: 70390-060 - BRASÍLIA - DISTRITO FEDERAL Disciplina: Matemática Período:

Leia mais

Problemas de volumes

Problemas de volumes Problemas de volumes A UUL AL A Nesta aula, vamos resolver problemas de volumes. Com isso, teremos oportunidade de recordar os principais sólidos: o prisma, o cilindro, a pirâmide, o cone e a esfera. Introdução

Leia mais

Paquímetro: tipos e usos

Paquímetro: tipos e usos Paquímetro: tipos e usos Um problema Como a empresa fabricou muitas peças fora das dimensões, o supervisor suspendeu o trabalho e analisou a causa do problema. Concluiu que a maioria dos profissionais

Leia mais

CURSO TÉCNICO MPU Disciplina: Matemática Tema: Matemática básica: potenciação Prof.: Valdeci Lima Data: Novembro/Dezembro de 2006 POTENCIAÇÃO.

CURSO TÉCNICO MPU Disciplina: Matemática Tema: Matemática básica: potenciação Prof.: Valdeci Lima Data: Novembro/Dezembro de 2006 POTENCIAÇÃO. Data: Novembro/Dezembro de 006 POTENCIAÇÃO A n A x A x A... x A n vezes A Base Ex.: 5.... n Expoente Observação: Em uma potência, a base será multiplicada por ela mesma quantas vezes o expoente determinar.

Leia mais

Ferramentas especiais e de medição

Ferramentas especiais e de medição Ferramentas especiais e de medição COMPASSOS (INTERNO / EXTERNO / DE PONTA) CAIBRE DE FOGA CAIBRE DE ROSCA IMA PARA ROSCAS PAQUÍMETRO DIGITA ARCOS DE SERRA PARA META PINÇAS (PONTAS CURVAS / RETAS) PINÇA

Leia mais

TORNEIRO MECÂNICO TECNOLOGIA

TORNEIRO MECÂNICO TECNOLOGIA TORNEIRO MECÂNICO TECNOLOGIA ESMERILHADORAS DEFINIÇÃO: São máquinas em que o operador esmerilha materiais, é usado principalmente na afiação de ferramentas. CONSTITUIÇÃO: É constituída geralmente de um

Leia mais

Especificações Técnicas

Especificações Técnicas Especificações Técnicas TABELA DE ESCOLHA DO TIPO DE FRESA TIPO DE FRESA MATERIAL A SER CORTADO Com geometria de corte N aço com resistência até 80 kg/mm² aço beneficiado até 100 kg/mm² ferro fundido até

Leia mais

Guia de funções e características avançadas. Português

Guia de funções e características avançadas. Português Guia de funções e características avançadas Guia de funções e características avançadas Este manual contém instruções para o usos das funções adicionais (especialmente no modelo com a régua de cálculo

Leia mais

Estruturas de serrotes para metais

Estruturas de serrotes para metais Serração Serras alternativas As máquinas de serração e as serras RIDGID foram desenvolvidas por profissionais para profissionais. Quaisquer que sejam as suas exigências em questões de serração, o programa

Leia mais

Uma solução eficaz, económica e simples para prevenir as fugas nas junções do tubo rígido RACCORDS DIN 2353 EM AÇO CARBONO E AÇO INOXIDÁVEL AISI 316

Uma solução eficaz, económica e simples para prevenir as fugas nas junções do tubo rígido RACCORDS DIN 2353 EM AÇO CARBONO E AÇO INOXIDÁVEL AISI 316 V - 56 NOVIDADE Uma solução eficaz, económica e simples para prevenir as fugas nas junções do tubo rígido Informação Técnica Material Viton verde 70/80 sh Temperatura -35ºC + 100ºC Durabilidade 5 anos

Leia mais

CATÁLOGO DE PRODUTOS. Rua Des. Antonio de Paula, 848 Boqueirão Curitiba PR acossulnorte@acossulnorte.com.br www.acossulnorte.com.

CATÁLOGO DE PRODUTOS. Rua Des. Antonio de Paula, 848 Boqueirão Curitiba PR acossulnorte@acossulnorte.com.br www.acossulnorte.com. F o n e : ( 4 1 ) 3 0 9 1-6 9 0 0 Rua Des. Antonio de Paula 848 Boqueirão Curitiba PR acossulnorte@acossulnorte.com.br w w w. a c o s s u l n o r t e. c o m. b r CATÁLOGO DE PRODUTOS MATRIZ BARRAS CANTONEIRAS

Leia mais

Fixadores em aço inoxidável

Fixadores em aço inoxidável Fiadores em aço inoidável Parafuso cabeça Setavado DESENHO DESCRIÇÃO NORMA BITOLAS PÁG Parafuso cabeça setavada rosca inteira DIN 933 ANSI B1.2.1 M3 a M22 3/"a 1" 3 Parafuso Setavado Interno Prafuso cabeça

Leia mais

Matemática Régis Cortes SISTEMA MÉTRICO

Matemática Régis Cortes SISTEMA MÉTRICO SISTEMA MÉTRICO 1 Unidades de medida ou sistemas de medida Para podermos comparar um valor com outro, utilizamos uma grandeza predefinida como referência, grandeza esta chamada de unidade padrão. As unidades

Leia mais

JANEIRO CLIMATOLOGIA AERONÁUTICA 2003 A 2012 AEROPORTO DE BELO HORIZONTE

JANEIRO CLIMATOLOGIA AERONÁUTICA 2003 A 2012 AEROPORTO DE BELO HORIZONTE JANEIRO Precipitação total anual em milímetros 600 560,8 Precipitação (mm) 500 400 300 200 100 0 360,8 312,6 250,5 268,4 235,1 168,4 190,2 146,8 119,6 FEVEREIRO Temperatura em graus Celsius Precipitação

Leia mais

Medição, corte e cotagem de peças

Medição, corte e cotagem de peças capítulo 1 Medição, corte e cotagem de peças Este capítulo aborda a usinagem de peças dentro da área de mecânica, suas medidas, cortes e cotagem. Para atingir os objetivos, vamos contextualizar essa abordagem

Leia mais

Universidade Federal de Goiás Instituto de Informática

Universidade Federal de Goiás Instituto de Informática Universidade Federal de Goiás Instituto de Informática EXERCÍCIOS DE ESTRUTURAS SEQUÊNCIAIS 1. O coração humano bate em média uma vez por segundo. Desenvolver um algoritmo para calcular e escrever quantas

Leia mais

V Á L V U L A S SÉRIE 2700

V Á L V U L A S SÉRIE 2700 V Á L V U L A S SÉRIE 2700 Válvulas de agulha compactas de alta confiabilidade e versatilidade para controle de processos e uso geral na indústria. As modernas válvulas de agulha Série 2700 da Detroit

Leia mais

Furação NOMENCLATURA A B C D E F G H I J K L M N O P Q

Furação NOMENCLATURA A B C D E F G H I J K L M N O P Q NOMENCLATURA A B C D E F G H I J K L M N O P Q Comprimento Total Haste Corpo Extremidade cônica neste comprimento Largura do Campo Largura das Costas Ângulo da Ponta Aresta Principal de Corte Diâmetro

Leia mais

JANEIRO CLIMATOLOGIA AERONÁUTICA 2003 A 2012 AEROPORTO AUGUSTO SEVERO NATAL

JANEIRO CLIMATOLOGIA AERONÁUTICA 2003 A 2012 AEROPORTO AUGUSTO SEVERO NATAL JANEIRO FEVEREIRO Temperatura em graus Celsius Tem peratura ( C) 40,0 30,0 20,0 10,0 0,0 2003 2004 2005 2006 2007 2008 2009 2010 2011 2012 Máxima Média Mínima MARÇO ABRIL Temperatura em graus Celsius Precipitação

Leia mais

A RAWL, empresa pioneira em fixações a LOBO em parafusaria e a BÜLTE em produtos de nylon, são exemplo do cuidado que temos na escolha dos parceiros e produtos, que além de manterem em desenvolvimento

Leia mais

Educadora: Daiana Araújo C. Curricular:Ciências Naturais Data: / /2013 Estudante: 9º Ano. Unidade principal

Educadora: Daiana Araújo C. Curricular:Ciências Naturais Data: / /2013 Estudante: 9º Ano. Unidade principal Educadora: Daiana Araújo C. Curricular:Ciências Naturais Data: / /2013 Estudante: 9º Ano Medidas de massa Quilograma A unidade fundamental de massa chama-se quilograma. Apesar de o quilograma ser a unidade

Leia mais

NOÇÕES BÁSICAS SOBRE TUBOS DE AÇO CARBONO COM COSTURA

NOÇÕES BÁSICAS SOBRE TUBOS DE AÇO CARBONO COM COSTURA 1 NOÇÕES BÁSICAS SOBRE TUBOS DE AÇO CARBONO COM COSTURA 1. INTRODUÇÃO 2. FABRICAÇÃO DE TUBOS 3. NORMAS DE FABRICAÇÃO 4. INFORMAÇÕES TÉCNICAS 4.1 - Cálculo do Peso Teórico 4.2 - Raio de Canto teórico dos

Leia mais

BROCAS DIN 338 N - HSS M2 HASTE CILÍNDRICA DESCRIÇÃO DIÂMETRO APLICAÇÃO

BROCAS DIN 338 N - HSS M2 HASTE CILÍNDRICA DESCRIÇÃO DIÂMETRO APLICAÇÃO DIN 338 N - HSS M2 HASTE CILÍNDRICA Broca cilíndrica corte direito 100% retificado, HSS-M2 std afiada. 118 º. Tolerância Ø: h8. Concentricidade assegurada. acabamento brilhante. Dureza 63-66 HRc. Construção

Leia mais

FÍSICA. Do grego physis = natureza. E-mail: contato@profmueller.net. Site: www.profmueller.net

FÍSICA. Do grego physis = natureza. E-mail: contato@profmueller.net. Site: www.profmueller.net FÍSICA Do grego physis = natureza Objetivo da Física A Física, como ciência, tem como objetivo descrever e explicar os fenômenos físicos da natureza, ou seja, aqueles que não alteram a estrutura da matéria.

Leia mais

Paquimetro Digital especial. (Métrico) 0,01 ± 0,05. (Polegada/Métrico) .0005/0,01 ± 0,05. Paquimetro Digital especial com face em metal duro

Paquimetro Digital especial. (Métrico) 0,01 ± 0,05. (Polegada/Métrico) .0005/0,01 ± 0,05. Paquimetro Digital especial com face em metal duro Paquimetro Digital especial (Métrico) 0,01 ± 0,05 (Polegada/Métrico) pol/.0005/0,01 ± 0,05 Paquimetro Digital especial com face em metal duro 0,01 ± 0,02 Paquimetro Especial Paquimetro com bico tipo Lâmina

Leia mais

Janeiro / 2009. Catálogo de Produtos

Janeiro / 2009. Catálogo de Produtos Janeiro / 009 Catálogo de Produtos Co ndução Troca térmi ca Instalações elétricas Estruturais Julho 008 Introdução A Apolo é a primeira empresa industrial do Grupo Peixoto de Castro e pioneira na fabricação

Leia mais

BEDAMES. Bitola Espessura C. Total 3/32 1/8 1/8 5/8 1/8 3/32 3/4 1/8 3/4 3/4 1/8 3/4 5/32 5 1/8 3/16 1/8 3/16 5/32 1/2 1/8 1/8 1/2 1/8 5/8 3/16 6

BEDAMES. Bitola Espessura C. Total 3/32 1/8 1/8 5/8 1/8 3/32 3/4 1/8 3/4 3/4 1/8 3/4 5/32 5 1/8 3/16 1/8 3/16 5/32 1/2 1/8 1/8 1/2 1/8 5/8 3/16 6 BEDAMES NACIONAL -Co % Co Bitola Espessura C. Total.Co / / / /././ 9 7 / / / / / / / / / / / / / / / / 9 / / 7 / / / / / / / / 7 / / / / 9 / / 7 / / 0 7/ 7/ 7/ / / / / / / 7 790 0 7 0 IMPORTADO Bitola

Leia mais

Tabela de Pesos e Medidas

Tabela de Pesos e Medidas Tabela de Pesos e Medidas índice Bobinas de Bronze Bobinas de Cobre Bobinas de Latão Chapas Barra Retangulares Latão (Perfis L / T / U) Vergalhões Conexões Soldáveis para Tubos de Cobre Tubos de Cobre

Leia mais

Escola Técnica SENAI Caruaru Técnico em Eletromecânica TORNEARIA

Escola Técnica SENAI Caruaru Técnico em Eletromecânica TORNEARIA Escola Técnica SENAI Caruaru Técnico em Eletromecânica TORNEARIA Profº Carlos Eduardo ALUNO(A): TURMA: Caruaru 2011 Afiação de ferramentas Após algum tempo de uso, as ferramentas de corte geralmente se

Leia mais

Informações Gerais Trocadores de Calor / Chiller de Placas

Informações Gerais Trocadores de Calor / Chiller de Placas Informações Gerais Trocadores de Calor / Chiller de Placas Somos especializados em trocadores de calor e importamos desde 2009. Eles são fabricados sob a supervisão de um técnico nosso e foram adaptados

Leia mais

Emerson Marcos Furtado

Emerson Marcos Furtado Emerson Marcos Furtado Mestre em Métodos Numéricos pela Universidade Federal do Paraná (UFPR). Graduado em Matemática pela UFPR. Professor do Ensino Médio nos estados do Paraná e Santa Catarina desde 1992.

Leia mais

CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA DE SÃO PAULO CEFET-SP. Tecnologia Mecânica

CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA DE SÃO PAULO CEFET-SP. Tecnologia Mecânica CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA DE SÃO PAULO CEFET-SP Tecnologia Mecânica Tratamentos térmicos e termo-químicos Recozimento Normalização Têmpera Revenimento Cementação Nitretação Tratamentos Térmicos

Leia mais

Colégio Anglo de Sete Lagoas Professor: Luiz Daniel (31) 2106-1750

Colégio Anglo de Sete Lagoas Professor: Luiz Daniel (31) 2106-1750 Lista de exercícios de Geometria Espacial PRISMAS 1) Calcular a medida da diagonal de um paralelepípedo retângulo de dimensões 10 cm, 8 cm e 6 cm 10 2 cm 2) Determine a capacidade em dm 3 de um paralelepípedo

Leia mais

SENAI, SUA CONQUISTA PROFISSIONAL

SENAI, SUA CONQUISTA PROFISSIONAL METAL/MECÂNICA SENAI RR SENAI RR SENAI, SUA CONQUISTA PROFISSIONAL ORGANIZAÇÃO CURRICULAR DOS CURSOS 1. TÍTULO INTRODUÇÃO À HIDRÁULICA Proporcionar ao treinando a compreensão dos princípios básicos da

Leia mais

VÁLVULAS SISTEMAS DA QUALIDADE E AMBIENTAL CERTIFICADOS CONFORME ISO 9001:2000, ISO/TS 16949:2002 E ISO 14001:2004

VÁLVULAS SISTEMAS DA QUALIDADE E AMBIENTAL CERTIFICADOS CONFORME ISO 9001:2000, ISO/TS 16949:2002 E ISO 14001:2004 VÁLVULAS ÍNDICE Válvulas de agulha Série 2700... 02 Válvulas Manifold Série 2700... 08 Manifold 2 Vias... 10 Manifold 3 Vias... 13 Suporte para Manifold de 3 Vias... 16 Válvulas miniatura Série 1800...

Leia mais

Desenho e Projeto de Tubulação Industrial Nível II

Desenho e Projeto de Tubulação Industrial Nível II Desenho e Projeto de Tubulação Industrial Nível II Módulo I Aula 04 SUPERFÍCIE E ÁREA Medir uma superfície é compará-la com outra, tomada como unidade. O resultado da comparação é um número positivo, ao

Leia mais

Área e perímetro. O cálculo de área é feito, multiplicando os valores dos lados dos polígonos:

Área e perímetro. O cálculo de área é feito, multiplicando os valores dos lados dos polígonos: Nome: nº: 6º ano: do Ensino Fundamental Professores: Edilaine e Luiz Carlos TER Área e perímetro O cálculo de área é feito, multiplicando os valores dos lados dos polígonos: Área do quadrado: Lado x Lado

Leia mais

308 - Kit Elevador Modelix (Estrutura)

308 - Kit Elevador Modelix (Estrutura) 308 - Kit Elevador Modelix (Estrutura) 1 308 - Kit Elevador Modelix (Estrutura) 2x Viga 3D 7 Furos 11 4x Barra Dupla 5 Furos Lista de peças Os números em preto correspondem a quantidade de cada peça a

Leia mais

Unidades de Medidas e as Unidades do Sistema Internacional

Unidades de Medidas e as Unidades do Sistema Internacional Unidades de Medidas e as Unidades do Sistema Internacional Metrologia é a ciência da medição, abrangendo todas as medições realizadas num nível conhecido de incerteza, em qualquer dominio da atividade

Leia mais

Disciplina: Matemática. Período: I. Professor (a): Liliane Cristina de Oliveira Vieira e Maria Aparecida Holanda Veloso

Disciplina: Matemática. Período: I. Professor (a): Liliane Cristina de Oliveira Vieira e Maria Aparecida Holanda Veloso COLÉGIO LA SALLE BRASILIA Associação Brasileira de Educadores Lassalistas ABEL SGAS Q. 906 Conj. E C.P. 320 Fone: (061) 3443-7878 CEP: 70390-060 - BRASÍLIA - DISTRITO FEDERAL Disciplina: Matemática Período:

Leia mais

TERMORESISTÊNCIA. pote. resina. rabicho. solda do. rabicho. pote. resina. rabicho. solda do. rabicho

TERMORESISTÊNCIA. pote. resina. rabicho. solda do. rabicho. pote. resina. rabicho. solda do. rabicho TERMORESISTÊNCIA GRÁFICO DEMONSTRATIVO DOS DESVIOS NAS TERMORESISTÊNCIAS CLASSES A e B TOLERÂNCIA ºC,,,0,,,,,0,,,,,0 0, 0, 0, 0, TERMORESISTÊNCIA CLASSE B TERMORESISTÊNCIA CLASSE A -00-00 0,0 00 00 00

Leia mais

Informações Técnicas Uso Orientativo

Informações Técnicas Uso Orientativo Parafusos X Buchas de ylon Buchas º Auto-atarraxante s aplicáveis Madeira Sextavado soberba Parafusos mais utilizados 4 2,2 2,2 a 2,8 2,8 x 25-2,8 x 30 5 2,9 a 3,5 2,2 a 3,8 2,8 x 30-3,2 x 40-3,5 x 45

Leia mais

Sensores de temperatura e acessórios (português) Volume 1

Sensores de temperatura e acessórios (português) Volume 1 RTDs e termopares em modelos de sensores de elementos simples e duplos Poços termométricos em uma ampla gama de materiais e conexões de processo Recursos de calibração para aumentar a precisão de medições

Leia mais

MACHOS FRESAS COSSINETES STD OSG. Folheto N º 1

MACHOS FRESAS COSSINETES STD OSG. Folheto N º 1 MACHOS FRESAS COSSINETES STD OSG Folheto N º 1 STD OSG MACHOS MÁQUINA ALTA PERFORMANCE Macho Ponta Helicoidal (POT) D371 250/4 Métrica Grossa 6H rápido 280/4 Unificada Grossa UNC 2B 281/4 Unificada Fina

Leia mais

1- CARACTERÍSTICAS TÉCNICAS

1- CARACTERÍSTICAS TÉCNICAS 1- CARACTERÍSTICAS TÉCNICAS O sistema de conexões PUSH MERKANTIL foi desenvolvido para o uso em circuitos de freio a ar e suspensão pneumática com tubos PA 11 e PA 12 que devem estar conforme as normas

Leia mais

Minami Indústria de Aparelhos para a Lavoura Ltda. Estrada do Minami, Km 01 Bairro Hiroi Caixa Postal 75 Biritiba Mirim SP CEP 08940-000

Minami Indústria de Aparelhos para a Lavoura Ltda. Estrada do Minami, Km 01 Bairro Hiroi Caixa Postal 75 Biritiba Mirim SP CEP 08940-000 Minami Indústria de Aparelhos para a Lavoura Ltda. Estrada do Minami, Km 01 Bairro Hiroi Caixa Postal 75 Biritiba Mirim SP CEP 08940-000 E-mail: minami@minami.ind.br Site: www.minami.ind.br Tel./Fax.:

Leia mais

Engrenagens II. Nesta aula trataremos da representação das. Conceitos básicos. Representação dos dentes. engrenagens no desenho técnico.

Engrenagens II. Nesta aula trataremos da representação das. Conceitos básicos. Representação dos dentes. engrenagens no desenho técnico. A UU L AL A Engrenagens II Nesta aula trataremos da representação das engrenagens no desenho técnico. Introdução Conceitos básicos As engrenagens são representadas, nos desenhos técnicos, de maneira normalizada.

Leia mais