MAOTDR Ministério do Ambiente, Ordenamento do Território e Desenvolvimento Regional

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "MAOTDR Ministério do Ambiente, Ordenamento do Território e Desenvolvimento Regional"

Transcrição

1 MAOTDR Ministério do Ambiente, Ordenamento do Território e Desenvolvimento Regional

2

3 O IHRU, Instituto da Habitação e da Reabilitação Urbana, IP, resulta da redenominação do antigo Instituto Nacional de Habitação (INH), tendo nele sido integrados o Instituto de Gestão e Alienação do Património Habitacional do Estado (IGAPHE) e parte da Direcção-Geral dos Edifícios e Monumentos Nacionais (DGEMN). e da reabilitação urbana, de forma articulada com a política para as cidades e com outras políticas sociais e de Nuno Vasconcelos IHRU 3

4 Sede: Lisboa Telefone: Fax: Delegação do Porto: Porto Telefone: Fax: SIPA - Sistema de Informação para o Património: Rua do Forte do Monte Cintra SACAVÉM Telefone: Fax:

5 UMA ESTRATÉGIA NACIONAL PARA A HABITAÇÃO Projectos inovadores: Plano Estratégico de Habitação - território nacional. Código de Habitação - Observatório da Habitação e da Reabilitação Urbana - Conselho Consultivo Portal da Habitação - Novo Regime de Arrendamento Urbano - - Porta 65 Jovem - minadas características. de casal). inicial decorreu entre 3 e 28 de Dezembro de 2007). IHRU 5

6 VALORIZAR ACÇÕES DE REABILITAÇÃO URBANA REHABITA: os municípios na recuperação de zonas urbanas antigas. RECRIPH: Programas de reabilitação urbana em vigor: RECRIA: Estado e pelos municípios. A Política de Reabilitação Urbana encontra-se em fase de relançamento e - - SOLARH: (até 30 de Novembro) Processos comparticipações Valores empréstimos Processos comparticipações Valores empréstimos RECRIA , , REHABITA , , RECRIPH , , ,00 SOLARH ,

7 INTERVENÇÕES DE REABILITAÇÃO URBANA EM CURSO AO ABRIGO DOS FUNDOS EFTA (European Fair Trade Association) Rabo de Peixe, Ribeira Grande, Açores de Peixe, dinamizando um processo contínuo de planeamento participa- urbanismo e das capacidades empreendedoras das pessoas, e ainda das e IPSS. racional; Alagoas, Peso da Régua, Douro construída em 1979 para realojar famílias de baixo estatuto sócio-eco- - paços comerciais); IHRU 7

8 POLÍTICA SOCIAL DE HABITAÇÃO PROHABITA Programa de Financiamento para Acesso à Habitação Autónomas. Iniciativa Porta 65 mento social; Habitação de Custos Controlados - - Portaria nº 500/97, de 21 de Julho. Programa Especial de Realojamento (PER) O Programa Especial de Realojamento nas Áreas Metropolitanas e Lisboa e - - no PER.

9 INICIATIVA «BAIRROS CRÍTICOS» Visando a integração socioeconómica e urbanística de territórios crí- de projecto. Princípios Orientadores Projectos mobilizadores com capacidade de impacte estrutural; Projectos Integrados de base sócio-territorial Sustentabilidade e durabilidade dos resultados e efeitos. Cova da Moura (Amadora, Lisboa) um Centro Local de Apoio ao Imigrante. Áreas de intervenção - Lagarteiro (Porto); IHRU 9

10 Vale da Amoreira (Moita, Setúbal) - comunidade local e modo de abertura do Vale de Amoreira para o exterior como território cultural. apoio ao emprego e ao empreendimento. Lagarteiro (Porto) comunidade na gestão local. reinserção do bairro na Cidade.

11 CANDIDATURAS ONLINE, MESES DE ABRIL, SETEMBRO E DEZEMBRO Mais informações em: - das entre os 18 e os 30 anos, podendo, para os casais, um dos ele- - - para a resolução dos mesmos. O processo de actualização das rendas, O IHRU gere a plataforma tecnológica do NRAU, cujo acesso se produz IHRU 11

12 SISTEMA DE INFORMAÇÃO PARA O PATRIMÓNIO ARQUITECTÓNICO (SIPA) Forte de Sacavém - - e estruturas construídas, de aglomerados urbanos e de paisagens culturais, produzido e gerido pelo Instituto da Habitação e da Reabilitação Urbana. - Ficha técnica: Projecto: Costa Valença ex.

MAOTDR Ministério do Ambiente, Ordenamento do Território e Desenvolvimento Regional

MAOTDR Ministério do Ambiente, Ordenamento do Território e Desenvolvimento Regional MAOTDR Ministério do Ambiente, Ordenamento do Território e Desenvolvimento Regional O IHRU, Instituto da Habitação e da Reabilitação Urbana, IP, resulta da redenominação do antigo Instituto Nacional de

Leia mais

Habitação. Reabilitação Urbana. Ministério do ambiente e do Ordenamento do Território

Habitação. Reabilitação Urbana. Ministério do ambiente e do Ordenamento do Território Habitação Ministério do ambiente e do Ordenamento do Território A renovação da Política de Habitação e a afirmação da Política de, no actual contexto sócio-económico e orçamental, colocam ao IHRU novos

Leia mais

Legislação do Sector da Habitação Social. (HABÉVORA Gestão Habitacional, E.EM.)

Legislação do Sector da Habitação Social. (HABÉVORA Gestão Habitacional, E.EM.) 1 Legislação do Sector da Habitação Social (HABÉVORA Gestão Habitacional, E.EM.) A. REALOJAMENTO Decreto Lei 220/83, de 26 de Maio Estabelece condições especiais de acesso ao crédito por parte dos municípios

Leia mais

Informação de interesse público

Informação de interesse público JESSICA Iniciativa Jessica apresentada no Auditório do IHRU REABILITAÇÃO URBANA Concursos e adjudicações em património do Instituto, municípios e cooperativas PORTA 65 JOVEM Nova legislação regula o programa

Leia mais

APOIOS E INCENTIVOS À REABILITAÇÃO URBANA

APOIOS E INCENTIVOS À REABILITAÇÃO URBANA APOIOS E INCENTIVOS À REABILITAÇÃO URBANA RJRU REGIME JURÍDICO DA REABILITAÇÃO URBANA AS NOVAS POLÍTICAS Reabilitar em vez de construir Reabilitar a área urbana em vez do edifício Diferenciar a responsabilidade

Leia mais

DADOS PESSOAIS HABILITAÇÕES ACADÉMICAS

DADOS PESSOAIS HABILITAÇÕES ACADÉMICAS DADOS PESSOAIS Nome: Catarina Isabel Pimpão Lucas Residência: Rua Afonso de Albuquerque, nº 33-37. 2025-394 Amiais de Baixo Contacto: 934 259 376 E-mail: catarinapimpao@gmail.com Data de Nascimento: 10

Leia mais

ARQUIVOS DE ARQUITECTURA E SISTEMAS DE INFORMAÇÃO SOBRE ARQUITECTURA: UMA RELAÇÃO COOPERATIVA

ARQUIVOS DE ARQUITECTURA E SISTEMAS DE INFORMAÇÃO SOBRE ARQUITECTURA: UMA RELAÇÃO COOPERATIVA ARQUIVOS DE ARQUITECTURA E SISTEMAS DE INFORMAÇÃO SOBRE ARQUITECTURA: UMA RELAÇÃO COOPERATIVA João Vieira Instituto da Habitação e da Reabilitação Urbana jsvieira@ihru.pt www.monumentos.pt 1. Arquitectura

Leia mais

MUNICIPAL SUMÁRIO 3.º SUPLEMENTO AO BOLETIM MUNICIPAL N.º 793 RESOLUÇÕES DOS ÓRGÃOS DO MUNICÍPIO ASSEMBLEIA MUNICIPAL

MUNICIPAL SUMÁRIO 3.º SUPLEMENTO AO BOLETIM MUNICIPAL N.º 793 RESOLUÇÕES DOS ÓRGÃOS DO MUNICÍPIO ASSEMBLEIA MUNICIPAL MUNICIPAL C Â M A R A M U N I C I P A L D E L I S B O A 3.º SUPLEMENTO AO BOLETIM MUNICIPAL SUMÁRIO RESOLUÇÕES DOS ÓRGÃOS DO MUNICÍPIO ASSEMBLEIA MUNICIPAL Deliberações (Sessão de 28 de Abril de 2009):

Leia mais

PROGRAMA POLIS OUTUBRO

PROGRAMA POLIS OUTUBRO OUTUBRO 2008 1 PROGRAMA POLIS OUTUBRO 2008 2 O PROGRAMA POLIS Objectivos Desígnios Tipologias PLANO ESTRATÉGICO MODELO ORGANIZACIONAL GESTÃO DE PROJECTO OUTUBRO 2008 3 Objectivos Desenvolver grandes operações

Leia mais

JORNAL DA CONSTRUÇÃO. Lisboa, 28 de Maio de 2007

JORNAL DA CONSTRUÇÃO. Lisboa, 28 de Maio de 2007 JORNAL DA CONSTRUÇÃO Lisboa, 28 de Maio de 2007 1. LISBOA OCIDENTAL, SRU (ENQUADRAMENTO) O Município de Lisboa criou a Sociedade de Reabilitação Urbana Lisboa Ocidental, SRU, em Julho de 2004. A Empresa,

Leia mais

Plano de Pormenor Bairro da Liberdade Proposta Preliminar Proposta Preliminar Proposta Preliminar Proposta Preliminar Proposta Preliminar.

Plano de Pormenor Bairro da Liberdade Proposta Preliminar Proposta Preliminar Proposta Preliminar Proposta Preliminar Proposta Preliminar. Plano de Pormenor Bairro da Liberdade Proposta Preliminar Proposta Preliminar Proposta Preliminar Proposta Preliminar Proposta Preliminar e Serafina ENQUADRAMENTO LOCAL E REGIONAL IC 19 IC 17 RADIAL DE

Leia mais

PRINCIPAIS BENEFÍCIOS FISCAIS DE INCENTIVO À REABILITAÇÃO URBANA 2014

PRINCIPAIS BENEFÍCIOS FISCAIS DE INCENTIVO À REABILITAÇÃO URBANA 2014 PRINCIPAIS BENEFÍCIOS FISCAIS DE INCENTIVO À REABILITAÇÃO URBANA 2014 LEGISLAÇÃO DE REFERÊNCIA E ENQUADRAMENTO A leitura da presente informação não dispensa a consulta da legislação em vigor Estatuto dos

Leia mais

REGULAMENTO REGIME DE ACESSO À HABITAÇÃO

REGULAMENTO REGIME DE ACESSO À HABITAÇÃO REGULAMENTO REGIME DE ACESSO À HABITAÇÃO 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 Fundamentos Decisão Objectivos Genéricos Fundamentos Legais Instrumentos para a implementação Linhas Orientadoras Condições de Acesso Excepções

Leia mais

Lisboa, 25 de novembro de 2011

Lisboa, 25 de novembro de 2011 Lisboa, 25 de novembro de 2011 A reabilitação urbana constitui um fator essencial no desenvolvimento do setor do turismo, enquanto elemento integrante da nossa oferta turística A regeneração urbana estabelece

Leia mais

Mudar a política de habitação em Lisboa

Mudar a política de habitação em Lisboa Mudar a política de habitação em Lisboa Regras do jogo, caminho feito, novos desafios Helena Roseta Pelouro da Habitação da CML Abril de 2013 Enquadramento A experiência da habitação pública em Lisboa

Leia mais

UNIVERSIDADE DE COIMBRA FACULDADE DE DIREITO LORENA TORRES DE ARRUDA

UNIVERSIDADE DE COIMBRA FACULDADE DE DIREITO LORENA TORRES DE ARRUDA UNIVERSIDADE DE COIMBRA FACULDADE DE DIREITO LORENA TORRES DE ARRUDA A REGULARIZAÇÃO FUNDIÁRIA DE INTERESSE SOCIAL NO DIREITO BRASILEIRO LAND LEGALIZATION OF SOCIAL INTEREST IN BRAZILIAN LAW Dissertação

Leia mais

Repensar as políticas públicas e o acesso à habitação

Repensar as políticas públicas e o acesso à habitação Repensar as políticas públicas e o acesso à habitação REHURB Realojamento e Regeneração Urbana Jorge Malheiros, jmalheiros@campus.ul.pt, CEG - IGOT Marina Carreiras, marinacarreiras@campus.ul.pt, CEG IGOT

Leia mais

Informação de interesse público

Informação de interesse público RENDAS Portaria estabelece factores de correcção REABILITAÇÃO URBANA Publicado novo regime jurídico CONDOMÍNIOS Constituídos 57 no Vale da Amoreira 15 Informação de interesse público NOVEMBRO 2009, n.º

Leia mais

Delegações de competências e pelouros na Câmara Municipal

Delegações de competências e pelouros na Câmara Municipal Delegações de competências e pelouros na Câmara Municipal Competências delegadas pela Câmara no Presidente Por deliberação da Câmara Municipal são fixadas as competências delegadas no seu Presidente e

Leia mais

HABITAÇÃO E REABILITAÇÃO TRIÉNIO

HABITAÇÃO E REABILITAÇÃO TRIÉNIO HABITAÇÃO E REABILITAÇÃO TRIÉNIO 2009-2011 Intervenções: 349 Investimento: 698 Milhões de euros Total de Fogos: 20.000 Municípios abrangidos: 114 Impacte social directo: 20 mil famílias, (cerca de 80 mil

Leia mais

HABITAÇÃO PARA QUEM UNIVERSIDADE DE LISBOA INSTITUTO DE GEOGRAFIA E ORDENAMENTO DO TERRITÓRIO INSTITUTO DA HABITAÇÃO E DA REABILITAÇÃO URBANA

HABITAÇÃO PARA QUEM UNIVERSIDADE DE LISBOA INSTITUTO DE GEOGRAFIA E ORDENAMENTO DO TERRITÓRIO INSTITUTO DA HABITAÇÃO E DA REABILITAÇÃO URBANA UNIVERSIDADE DE LISBOA INSTITUTO DE GEOGRAFIA E ORDENAMENTO DO TERRITÓRIO INSTITUTO DA HABITAÇÃO E DA REABILITAÇÃO URBANA HABITAÇÃO PARA QUEM Mafalda Luiz de Mello Soares Cordeiro Veiros MESTRADO EM GESTÃO

Leia mais

Informação de interesse público

Informação de interesse público VALOR MÉDIO DE CONSTRUÇÃO FIXADO EM PORTARIA COVA DA MOURA PARCERIA LANÇA SITE BAIRROS DO INSTITUTO PEQUENAS OBRAS REALIZADAS EM 2009 17 Informação de interesse público FEVEREIRO 2010 A nova legislação

Leia mais

Resumo: A Iniciativa "Bairros Críticos" pretende promover uma abordagem territorial

Resumo: A Iniciativa Bairros Críticos pretende promover uma abordagem territorial Cidades- Comunidades e Territórios Jun. 2008, n.0 16, pp. 69-75 Iniciativa Bairros Críticos: Uma experiência em torno de modelos de governança na gestão do território. Susana Sousa 1 Resumo: A Iniciativa

Leia mais

Manter os edifícios em boas condições Uma responsabilidade de todos

Manter os edifícios em boas condições Uma responsabilidade de todos Manter os edifícios em boas condições Uma responsabilidade de todos A imagem do lugar onde habitamos depende, em muito, de nós. Através da Campanha Habitar é Conservar, a Câmara Municipal de Almada promove

Leia mais

ÍNDICE. O papel do BPI no financiamento da reabilitação urbana: o programa JESSICA. 1. Introdução. 2. O Programa JESSICA no BPI

ÍNDICE. O papel do BPI no financiamento da reabilitação urbana: o programa JESSICA. 1. Introdução. 2. O Programa JESSICA no BPI O papel do BPI no financiamento da reabilitação urbana: o programa JESSICA Conferência CPCI e AIP/CCI Confederação Portuguesa da Construção e do Imobiliário Associação Industrial Portuguesa / Câmara de

Leia mais

ARU Arganil. Projeto de delimitação da Área de Reabilitação Urbana do núcleo histórico da Vila de Arganil

ARU Arganil. Projeto de delimitação da Área de Reabilitação Urbana do núcleo histórico da Vila de Arganil ARU Arganil Projeto de delimitação da Área de Reabilitação Urbana do núcleo histórico da Vila de Arganil DGU OM Setembro de 2015 2/8 Sumário: Âmbito... 3 Enquadramento Legal... 3 Delimitação e enquadramento

Leia mais

Programa Polis Vila Real

Programa Polis Vila Real Mestrado em Riscos, Cidades e Ordenamento do território. UC-Cidades e Ordenamento do Território Programa Polis Vila Real Trabalho elaborado por: Bruno Vieira Catarina Pereira Pedro Silveira Docentes: Helena

Leia mais

Visão para o ordenamento do território e das cidades

Visão para o ordenamento do território e das cidades Visão para o ordenamento do território e das cidades Ganhos e Desafios Jeiza Barbosa Tavares Direcção Geral do Ordenamento do Território e Desenvolvimento Urbano 16 de Maio de 2014 WS 4.1 Visão para o

Leia mais

Mercado Social de Arrendamento Apresentação Pública

Mercado Social de Arrendamento Apresentação Pública Mercado Social de Arrendamento Apresentação Pública Auditório do Ministério da Solidariedade e Segurança Social Lisboa 26 de Junho de 2012 Mercado Social de Arrendamento: o que é? É uma das medidas previstas

Leia mais

Diplomas. Segunda alteração à Lei de Bases da Proteção Civil (Lei n.º 27/2006, de 3 de Julho)

Diplomas. Segunda alteração à Lei de Bases da Proteção Civil (Lei n.º 27/2006, de 3 de Julho) Diplomas Lei n.º 80/2015, de 3 de agosto Segunda alteração à Lei de Bases da Proteção Civil (Lei n.º 27/2006, de 3 de Julho) A alteração teve como finalidade a atualização da Lei de Bases atendendo à importância

Leia mais

plano regional para as alterações climáticas dos açores, Modelo de Ordenamento da Orla Costeira Alcobaça Cabo Espichel, I.P.

plano regional para as alterações climáticas dos açores, Modelo de Ordenamento da Orla Costeira Alcobaça Cabo Espichel, I.P. plano regional para as alterações climáticas dos açores, para a Secretaria Regional do Ambiente dos Açores - 2015 Modelo de Ordenamento da Orla Costeira Alcobaça Cabo Espichel, I.P. com a Biodesign - Ambiente

Leia mais

Prémios SIL do Imobiliário REGULAMENTO

Prémios SIL do Imobiliário REGULAMENTO Prémios SIL do Imobiliário REGULAMENTO Regulamento Prémios SIL do Imobiliário 1/6 Prémios SIL do Imobiliário REGULAMENTO Considerandos A Entidade Promotora do presente Concurso é a Associação Industrial

Leia mais

Mapa de pessoal da Câmara Municipal de Odivelas Técnico de informática. Coordenador técnico. Assistente técnico.

Mapa de pessoal da Câmara Municipal de Odivelas Técnico de informática. Coordenador técnico. Assistente técnico. de de Competências de coordenação das das unidades orgânicas Direcção Municipal de nível inferior, designadamente de Gestão e nas áreas jurídica, financeira, Administração Geral patrimonial e de recursos

Leia mais

MAPA XVII RESPONSABILIDADES CONTRATUAIS PLURIANUAIS DOS SERVIÇOS INTEGRADOS E DOS SERVIÇOS E FUNDOS AUTÓNOMOS, AGRUPADOS POR MINISTÉRIO (EM EURO)

MAPA XVII RESPONSABILIDADES CONTRATUAIS PLURIANUAIS DOS SERVIÇOS INTEGRADOS E DOS SERVIÇOS E FUNDOS AUTÓNOMOS, AGRUPADOS POR MINISTÉRIO (EM EURO) RESPONSABILIDADES CONTRATUAIS PLURIANUAIS DOS E DOS, AGRUPADOS POR MINISTÉRIO Página 1/8 01 - ENCARGOS GERAIS DO ESTADO CONSELHO ECONÓMICO E SOCIAL 20 981 20 981 20 981 20 981 ENTIDADE REGULADORA PARA

Leia mais

ASSEMBLEIA LEGISLATIVA DA REGIÃO AUTÓNOMA DOS AÇORES

ASSEMBLEIA LEGISLATIVA DA REGIÃO AUTÓNOMA DOS AÇORES RELATÓRIO E PARECER SOBRE A PROPOSTA DE LEI QUE APROVA O NOVO REGIME DO ARRENDAMENTO URBANO (NRAU), QUE ESTABELECE UM REGIME ESPECIAL DE ACTUALIZAÇÃO DAS RENDAS ANTIGAS, E PROCEDE À ALTERAÇÃO DO CÓDIGO

Leia mais

A liderança dos processos de regeneração urbana Bairros Críticos

A liderança dos processos de regeneração urbana Bairros Críticos A liderança dos processos de regeneração urbana Bairros Críticos FACTORES PARA A MUDANÇA Presidente da Câmara Municipal da Moita João Manuel de Jesus Lobo . Maior envolvimento, como autarcas e uma maior

Leia mais

O Paradigma da Habitação Social

O Paradigma da Habitação Social O Paradigma da Habitação Social A HABISOLVIS E.M., criada em 2004 tem como objecto social principal: A gestão social, patrimonial e financeira da habitação social património do município de Viseu; A gestão

Leia mais

SEMANA DA REABILITAÇÃO URBANA DE LISBOA

SEMANA DA REABILITAÇÃO URBANA DE LISBOA SEMANA DA REABILITAÇÃO URBANA DE LISBOA O arrendamento como base de uma sociedade mais dinâmica Lisboa, 14 de Abril de 2015 2 O esforço do Orçamento do Estado de 1987 a 2011 Nos 25 anos que decorreram

Leia mais

PLANO DE ACÇÃO REGIONAL ALENTEJO 2020

PLANO DE ACÇÃO REGIONAL ALENTEJO 2020 FORUM REGIONAL ALENTEJO 2020 DESAFIOS E OPORTUNIDADES PLANO DE ACÇÃO REGIONAL ALENTEJO 2020 COMISSÃO DE COORDENAÇÃO E DESENVOLVIMENTO REGIONAL DO ALENTEJO Joaquim Fialho joaquim.fialho@ccdr-a.gov.pt Vendas

Leia mais

Programa BIP/ZIP de Lisboa

Programa BIP/ZIP de Lisboa Programa BIP/ZIP de Lisboa Objectivos e âmbito O Programa BIP-ZIP Bairros e Zonas de Intervenção prioritária de Lisboa é criado pela Câmara Municipal de Lisboa, no quadro do Programa Local de Habitação

Leia mais

Levantamento da Situação Actual

Levantamento da Situação Actual Levantamento de requisitos e elaboração do caderno de especificações para o desenvolvimento de uma nova aplicação informática que substituirá o SIGA e o SGC Levantamento da Situação Actual Data: 06-10-2009

Leia mais

INCENTIVOS À REABILITAÇÃO URBANA. 8 de Março 2007

INCENTIVOS À REABILITAÇÃO URBANA. 8 de Março 2007 INCENTIVOS À REABILITAÇÃO URBANA 8 de Março 1 NOTA INTRODUTÓRIA A Porto Vivo, SRU tem como MISSÃO APOIAR OS PROPRIETÁRIOS RIOS nos processos de recuperação dos edifícios. Cabe-lhe AGIR COMO ENTIDADE FACILITADORA

Leia mais

RELATÓRIO DE VIAGEM A LISBOA, PORTUGAL. Período: 18 a 26 de setembro de 2010.

RELATÓRIO DE VIAGEM A LISBOA, PORTUGAL. Período: 18 a 26 de setembro de 2010. RELATÓRIO DE VIAGEM A LISBOA, PORTUGAL Período: 18 a 26 de setembro de 2010. Realização: Profª Drª Sheila Walbe Ornstein, Departamento de Tecnologia da Arquitetura, FAUUSP. Apoio: Instituto Superior de

Leia mais

PORTUGAL POLÍTICA DE CIDADES POLIS XXI

PORTUGAL POLÍTICA DE CIDADES POLIS XXI PORTUGAL POLÍTICA DE CIDADES POLIS XXI 2007-2013 Política de Cidades POLIS XXI Ambição Tornar as cidades portuguesas: _ territórios rios de inovação e competitividade _ territórios rios de cidadania e

Leia mais

4º Encontro do OLCP 14 de Dezembro de 2011 Espaço Santa Casa

4º Encontro do OLCP 14 de Dezembro de 2011 Espaço Santa Casa 4º Encontro do OLCP 14 de Dezembro de 2011 Espaço Santa Casa 1. Enquadramento O Observatório de Luta Contra a Pobreza na Cidade de (OLCPL) tem como objectivo geral contribuir para o conhecimento da realidade

Leia mais

direção municipal de urbanismo e ambiente. divisão de planeamento e reabilitação urbana. janeiro 2017

direção municipal de urbanismo e ambiente. divisão de planeamento e reabilitação urbana. janeiro 2017 estratégia de regeneração urbana vila nova de gaia proposta de retificação do Quadro de Benefícios Fiscais e Incentivos Financeiros das ARU Cidade de Gaia, Encostas do Douro, Zona Central dos Carvalhos,

Leia mais

NORMAS PARA OPERACIONALIZAÇÃO DAS ISENÇÕES E / OU REDUÇÕES DE TAXAS E BENEFICIOS FISCAIS

NORMAS PARA OPERACIONALIZAÇÃO DAS ISENÇÕES E / OU REDUÇÕES DE TAXAS E BENEFICIOS FISCAIS ANEXO III NORMAS PARA OPERACIONALIZAÇÃO DAS ISENÇÕES E / OU REDUÇÕES DE TAXAS E BENEFICIOS FISCAIS No âmbito da estratégia de reabilitação urbana serão concedidos os seguintes apoios: 1. TAXAS MUNICIPAIS

Leia mais

ENCONTROS DE ARQUITECTURA, ENSINO, DESAFIOS, PERSPECTIVAS E COOPERAÇÃO. coimbra. Mosteiro de Santa Clara-a-Velha

ENCONTROS DE ARQUITECTURA, ENSINO, DESAFIOS, PERSPECTIVAS E COOPERAÇÃO. coimbra. Mosteiro de Santa Clara-a-Velha ENCONTROS DE ARQUITECTURA, U R B A N I S M O E P A I S A G E M ENSINO, DESAFIOS, PERSPECTIVAS E COOPERAÇÃO coimbra Mosteiro de Santa Clara-a-Velha 14 de OUTUBRO de 2017 Este encontro nacional promove uma

Leia mais

Direito do Urbanismo e da Construção

Direito do Urbanismo e da Construção Direito do Urbanismo e da Construção Programa O ordenamento do território e as alterações climáticas Conferência inaugural do curso sobre O ordenamento do território e as alterações climáticas (Auditório

Leia mais

O PEDU é, ainda, o elemento agregador de três instrumentos de planeamento, que suportam cada uma daquelas prioridades de investimento:

O PEDU é, ainda, o elemento agregador de três instrumentos de planeamento, que suportam cada uma daquelas prioridades de investimento: APRESENTAÇÃO ENQUADRAMENTO Do Acordo de Parceria Portugal 2020, adotado entre Portugal e a Comissão Europeia, e dos Programas Operacionais Regionais resultou que os Municípios que correspondessem a centros

Leia mais

ASSSSUNTTO Cria Agência Nacional para a gestão das 2ªs fases dos programas de acção comunitária: Leonardo da Vinci e Socrates

ASSSSUNTTO Cria Agência Nacional para a gestão das 2ªs fases dos programas de acção comunitária: Leonardo da Vinci e Socrates DIÁRIOS DA REPUBLLI ICA DEESSI IGNAÇÇÃO: : PPrrooggrraamaass EEMI ITTI IDO PPOR: : Ministério do Emprego e da Segurança Social ASSSSUNTTO Aprova o regime de apoio técnico e financeiro a programas de reabilitação

Leia mais

Ministério das Cidades, Ordenamento do Território e Ambiente PLANO DE ORDENAMENTO DO PARQUE NATURAL DE SINTRA-CASCAIS 5. PLANO OPERACIONAL DE GESTÃO

Ministério das Cidades, Ordenamento do Território e Ambiente PLANO DE ORDENAMENTO DO PARQUE NATURAL DE SINTRA-CASCAIS 5. PLANO OPERACIONAL DE GESTÃO Ministério das Cidades, Ordenamento do Território e Ambiente PLANO DE ORDENAMENTO DO PARQUE NATURAL DE SINTRA-CASCAIS 1.. REGULAMENTO 2.. PLANTA DE ORDENAMENTO 3.. RELATÓRIO 4.. PLANTA DE CONDICIONANTES

Leia mais

FICHA DE CANDIDATURA AO PROGRAMA 2

FICHA DE CANDIDATURA AO PROGRAMA 2 A p o i o à A c ç ã o S o c i a l n o C o n c e l h o d e C o r u c h e Designação: Programa de Apoio a Infra- Estruturas FICHA DE CANDIDATURA AO PROGRAMA 2 Tipologia das Acções No âmbito desta modalidade

Leia mais

ECONOMIA E GESTÃO DE EMPREENDIMENTOS DE CONSTRUÇÃO

ECONOMIA E GESTÃO DE EMPREENDIMENTOS DE CONSTRUÇÃO ECONOMIA E GESTÃO DE EMPREENDIMENTOS DE CONSTRUÇÃO Armando Costa Manso Paula Couto António Cabaço Sónia Raposo Ana Brandão de Vasconcelos Filipa Salvado Lisboa LNEC 19 de junho de 2012 I.1 Atividade desenvolvida

Leia mais

O Programa Escolhas associou-se a um novoprojeto na área da dança que pretende a captação de novos talentos, com viaprofissionalizante

O Programa Escolhas associou-se a um novoprojeto na área da dança que pretende a captação de novos talentos, com viaprofissionalizante O Programa Escolhas associou-se a um novoprojeto na área da dança que pretende a captação de novos talentos, com viaprofissionalizante Trata-se do projeto Da Rua Para opalco, um projeto de Marco De Camillis

Leia mais

OS INSTRUMENTOS DE GESTÃO TERRITORIAL EM PORTUGAL: uma perspectiva histórica

OS INSTRUMENTOS DE GESTÃO TERRITORIAL EM PORTUGAL: uma perspectiva histórica OS INSTRUMENTOS DE GESTÃO TERRITORIAL EM PORTUGAL: uma perspectiva histórica II Os instrumentos de Ordenamento do Território José Manuel Simões Os Instrumentos de OT em Portugal segundo a LBOTU - Lei de

Leia mais

Conselho da CIP para a Construção e o Imobiliário

Conselho da CIP para a Construção e o Imobiliário Conselho da CIP para a Construção e o Imobiliário 8.novembro.2012 Tributação sobre o Património Imobiliário Tributação sobre o Património Lei n.º 55-A/2012, de 29 de outubro, cria uma nova taxa em sede

Leia mais

ESTÁGIOS EMPREGO IEFP,I.P. FORMULÁRIO DE CANDIDATURA MINISTÉRIO DA SOLIDARIEDADE, EMPREGO E SEGURANÇA SOCIAL DECLARAÇÃO DE EMPREGABILIDADE

ESTÁGIOS EMPREGO IEFP,I.P. FORMULÁRIO DE CANDIDATURA MINISTÉRIO DA SOLIDARIEDADE, EMPREGO E SEGURANÇA SOCIAL DECLARAÇÃO DE EMPREGABILIDADE IEFP,I.P. MINISTÉRIO DA SOLIDARIEDADE, EMPREGO E SEGURANÇA SOCIAL FORMULÁRIO DE CANDIDATURA ESTÁGIOS EMPREGO 1. DECLARAÇÃO DE EMPREGABILIDADE Para efeitos de candidatura à Medida Estágios Emprego, a entidade

Leia mais

II Conferência do Turismo e Hotelaria O Turismo em Portugal após 2009 [Oportunidades e Desafios]

II Conferência do Turismo e Hotelaria O Turismo em Portugal após 2009 [Oportunidades e Desafios] II Conferência do Turismo e Hotelaria O Turismo em Portugal após 2009 [Oportunidades e Desafios] Painel: Como é que os destinos turísticos se estão a preparar? O caso do Destino Douro Porto, 18 de Junho

Leia mais

Alagoas em. Peso da Régua, uma nova centralidade urbana. Habitação e Reabilitação Urbana. Arte Urbana no Bairro de Alagoas

Alagoas em. Peso da Régua, uma nova centralidade urbana. Habitação e Reabilitação Urbana. Arte Urbana no Bairro de Alagoas Habitação e Reabilitação Urbana Alagoas em Peso da Régua, uma nova centralidade urbana Lançamento da Edição da Revista Monumentos dedicada a Vila Viçosa Publicação da Responsabilidade de _ Arte Urbana

Leia mais

PLANO DE ACTIVIDADES PARA O ANO FINANCEIRO DE 2007

PLANO DE ACTIVIDADES PARA O ANO FINANCEIRO DE 2007 PARA O ANO FINANCEIRO 2007 SCRIÇÃO DA CLASSIFICAÇÃO FINIDA 01 EDUCAÇÃO 01 01 EDUCAÇÃO PRÉ-ESCOLAR 01 02 ENSINO BÁSICO - 1º CICLO DO PROGRAMA 01 0 0 0 56 Refeitórios escolares 0701-020104/05/06-04050102-040701-05010102

Leia mais

Revisão do regime de renda apoiada

Revisão do regime de renda apoiada Revisão do regime de renda apoiada Conselho Municipal de Habitação Lisboa, 24 de Setembro de 2012 Helena Roseta Enquadramento Durante 20 anos, a prioridade da política de habitação em Lisboa foi erradicação

Leia mais

C â m a r a M u n i c i p a l d e O d i v e l a s

C â m a r a M u n i c i p a l d e O d i v e l a s C â m a r a M u n i c i p a l d e O d i v e l a s TERMOS DE REFERÊNCIA PARA A ELABORAÇÃO DO PLANO DE PORMENOR DE REABILITAÇÃO URBANA DO SÍTIO DO BARRUNCHO Abril de 2009 ÍNDICE 1. Introdução 2. A Área Crítica,

Leia mais

Como Intervir. no Centro Histórico de Coimbra

Como Intervir. no Centro Histórico de Coimbra Câmara Municipal de Coimbra - Gabinete para o Centro Histórico Arco de Almedina, nº 14 3000-422 Coimbra centro_historico@cm-coimbra.pt Como Intervir no Centro Histórico de Coimbra CENTRO HISTÓRICO INTRA-MUROS

Leia mais

PLANO ANUAL DE ACTIVIDADES INVESTIMENTO E DESENVOLVIMENTO PARA Fundo do Baixo Sabor

PLANO ANUAL DE ACTIVIDADES INVESTIMENTO E DESENVOLVIMENTO PARA Fundo do Baixo Sabor PLANO ANUAL DE ACTIVIDADES INVESTIMENTO E DESENVOLVIMENTO PARA 2011 Fundo do Baixo Sabor I - INTRODUÇÃO O Plano Anual de Actividades constitui-se como o documento orientador da actividade do Fundo Baixo

Leia mais

SI INOVAÇÃO INOVAÇÃO PRODUTIVA E EMPREENDEDORISMO QUALIFICADO

SI INOVAÇÃO INOVAÇÃO PRODUTIVA E EMPREENDEDORISMO QUALIFICADO SI INOVAÇÃO INOVAÇÃO PRODUTIVA E EMPREENDEDORISMO QUALIFICADO CRITÉRIOS DE INSERÇÃO DE PROJECTOS NO PÓLO DE COMPETITIVIDADE E TECNOLOGIA TURISMO 2015 TIPOLOGIAS DE INVESTIMENTO ELEGÍVEIS 1. No âmbito dos

Leia mais

BALANCETE DO PLANO PLURIANUAL DE INVESTIMENTOS

BALANCETE DO PLANO PLURIANUAL DE INVESTIMENTOS Object. Descrição Dotação Pagamento Tx. Ex. 1 EDUCAÇÃO 1.450.930,00 205.541,04 14,17% 1.1 Educação Pré-Escolar 1.1.1 Reparação de Edifícios Escolares 2.900,00 304,92 10,51% 1.1.2 Aquisição Maquinaria e

Leia mais

APOIO AO ARRENDAMENTO JOVEM

APOIO AO ARRENDAMENTO JOVEM APOIO AO ARRENDAMENTO JOVEM 1. PREENCHIMENTO DOS RENDIMENTOS COM BASE NA DECLARAÇÃO DE IRS DESTE ANO 2. APOIO ATÉ 50% DAS RENDAS 3. MORADA DE RESIDÊNCIA NAS FINANÇAS DEVE SER A DA HABITAÇÃO ARRENDADA APRESENTAÇÃO

Leia mais

PLANO DE GESTÃO DO CENTRO HISTÓRICO DO PORTO PATRIMÓNIO MUNDIAL RUI LOZA IHRU E PORTO VIVO,SRU GESTÃO URBANA DE UMA CIDADE PATRIMÓNIO MUNDIAL

PLANO DE GESTÃO DO CENTRO HISTÓRICO DO PORTO PATRIMÓNIO MUNDIAL RUI LOZA IHRU E PORTO VIVO,SRU GESTÃO URBANA DE UMA CIDADE PATRIMÓNIO MUNDIAL DO CENTRO HISTÓRICO DO PORTO PATRIMÓNIO MUNDIAL RUI LOZA IHRU E PORTO VIVO,SRU PORTO VIVO, SRU SEMINÁRIO ALFÂNDEGA DO PORTO 4 E 5 DE DEZEMBRO DE 2009 CENTRO HISTÓRICO DO PORTO PORTO ESPAÇO HUMANO DE EXCELÊNCIA

Leia mais

Programa Reabilitar para Arrendar

Programa Reabilitar para Arrendar Programa Reabilitar para Arrendar Lisboa, 11 de novembro de 2016 A evolução da situação da construção, da reabilitação urbana e da habitação em Portugal em seis grandes dimensões 2 3 Desde 1970, o número

Leia mais

3. Execução Financeira do PIC URBAN II Amadora

3. Execução Financeira do PIC URBAN II Amadora 3. Execução Financeira do PIC URBAN II Amadora 3.1. PROGRAMAÇÃO DAS MEDIDAS DO PROGRAMA Durante o ano de 2004, e na sequência da Avaliação Intercalar, decorreu todo o processo de reprogramação, que contemplou

Leia mais

PROGRAMA BIP/ZIP LISBOA 2016 PARCERIAS LOCAIS CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO E PONTUAÇÃO DAS CANDIDATURAS

PROGRAMA BIP/ZIP LISBOA 2016 PARCERIAS LOCAIS CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO E PONTUAÇÃO DAS CANDIDATURAS PROGRAMA BIP/ZIP LISBOA 2016 PARCERIAS LOCAIS CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO E PONTUAÇÃO DAS CANDIDATURAS PARTICIPAÇÃO A este nível será avaliada a participação das populações dos BIP/ZIP no desenho, no desenvolvimento

Leia mais

4 QUADRO DOS BENEFÍCIOS FISCAIS/INCENTIVOS ASSOCIADOS À REABILITAÇÃO URBANA

4 QUADRO DOS BENEFÍCIOS FISCAIS/INCENTIVOS ASSOCIADOS À REABILITAÇÃO URBANA 4 QUADRO DOS BENEFÍCIOS FISCAIS/INCENTIVOS ASSOCIADOS À REABILITAÇÃO URBANA Na delimitação de área de reabilitação urbana, nos termos da alínea c) do n.º2 do artigo 13º e da alínea a) do artigo 14º do

Leia mais

1987-2011. 25 anos de esforço do Orçamento do Estado com a habitação

1987-2011. 25 anos de esforço do Orçamento do Estado com a habitação - 25 anos de esforço do Orçamento do Estado com a habitação Março de 2015 ÍNDICE I. NOTA INTRODUTÓRIA... 3 II. BONIFICAÇÕES DE JUROS NO CRÉDITO À HABITAÇÃO... 7 III. PROGRAMAS DE REALOJAMENTO... 8 IV.

Leia mais

ESTATÍSTICAS DA CONSTRUÇÃO E DA HABITAÇÃO. Caraterização da Habitação Social

ESTATÍSTICAS DA CONSTRUÇÃO E DA HABITAÇÃO. Caraterização da Habitação Social ESTATÍSTICAS DA CONSTRUÇÃO E DA HABITAÇÃO DA REGIÃO AUTÓNOMA DA MADEIRA Caraterização da Habitação Social Série Retrospetiva 2009-2015 Direção Regional de Estatística da Madeira Uma porta aberta para um

Leia mais

Alojamentos familiares clássicos

Alojamentos familiares clássicos Programa Reabilitar para Arrendar Arcos de Valdevez, 19 de janeiro de 2017 2 A evolução da situação da construção, da reabilitação urbana e da habitação em Portugal em seis grandes dimensões 3 Desde 1970,

Leia mais

PROCESSO DE REVISÃO DO PLANO DIRECTOR MUNICIPAL DE VILA NOVA DE GAIA ACTA DA REUNIÃO

PROCESSO DE REVISÃO DO PLANO DIRECTOR MUNICIPAL DE VILA NOVA DE GAIA ACTA DA REUNIÃO PROCESSO DE REVISÃO DO PLANO DIRECTOR MUNICIPAL DE VILA NOVA DE GAIA ACTA DA REUNIÃO 1.Realizou-se em 7 de Setembro de 2004, pelas 10,30 horas, através do sistema de videoconferência, uma reunião entre

Leia mais

mar 2020: Fazer acontecer o MAR

mar 2020: Fazer acontecer o MAR Onde a terra se acaba e o mar começa (in Os Lusíadas, Canto III) Portugal sempre foi mar. Mas agora, mais do que nunca, o mar pode ser uma infinidade de oportunidades para todos os portugueses. A extensão

Leia mais

Programa Reabilitar para Arrendar

Programa Reabilitar para Arrendar Programa Reabilitar para Arrendar Santarém, 28 de setembro de 2016 A evolução da situação da construção, da reabilitação urbana e da habitação em Portugal em seis grandes dimensões 2 3 Desde 1970, o número

Leia mais

Programa Reabilitar para Arrendar

Programa Reabilitar para Arrendar Programa Reabilitar para Arrendar Amadora, 8 de fevereiro de 2017 2 A evolução da situação da construção, da reabilitação urbana e da habitação em Portugal em seis grandes dimensões 3 Desde 1970, o número

Leia mais

Curriculum Vitae. António Cândido Monteiro Cabeleira

Curriculum Vitae. António Cândido Monteiro Cabeleira Curriculum Vitae António Cândido Monteiro Cabeleira Chaves, 2012 Identificação Nome: António Cândido Monteiro Cabeleira Data de nascimento: 4 de Dezembro de 1959 Nacionalidade: Portuguesa Naturalidade:

Leia mais

Valorização da pedra portuguesa Adding Value to portuguese dimension stone. Vitor Vasques, Associação Valor Pedra

Valorização da pedra portuguesa Adding Value to portuguese dimension stone. Vitor Vasques, Associação Valor Pedra INICIATIVA MATÉRIAS PRIMAS: RUMO AO FORNECIMENTO SEGURO E À GESTÃO SUSTENTÁVEL DOS RECURSOS MINERAIS EUROPEUS 23 de Fevereiro de 2010 Raw Materials Initiative: towards to mineral resources secure supply

Leia mais

Comissão Ministerial de Coordenação dos Programas Operacionais Regionais do Continente

Comissão Ministerial de Coordenação dos Programas Operacionais Regionais do Continente Comissão Ministerial de Coordenação dos Programas Operacionais Regionais do Continente Aprovação de alteração ao regulamento específico Reabilitação urbana Deliberação aprovada por consulta escrita em

Leia mais

PROTOCOLO ENTRE O INSTITUTO DA HABITAÇÃO E DA REABILITAÇÃO URBANA, I.P. E A CÂMARA MUNICIPAL DE CHAVES

PROTOCOLO ENTRE O INSTITUTO DA HABITAÇÃO E DA REABILITAÇÃO URBANA, I.P. E A CÂMARA MUNICIPAL DE CHAVES PROTOCOLO ENTRE O INSTITUTO DA HABITAÇÃO E DA REABILITAÇÃO URBANA, I.P. E A CÂMARA MUNICIPAL DE CHAVES Considerando que: - A reabilitação das áreas urbanas antigas, em especial os centros históricos, é

Leia mais

O Sistema Nacional de Indicadores de Ordenamento do Território e a sua articulação com outros sistemas de indicadores

O Sistema Nacional de Indicadores de Ordenamento do Território e a sua articulação com outros sistemas de indicadores O Sistema Nacional de Indicadores de Ordenamento do Território e a sua articulação com outros sistemas de indicadores Vitor Campos Director-Geral do Ordenamento do Território e Desenvolvimento Urbano Porquê

Leia mais

Desafios da Reabilitação Urbana Sustentável: o caso do Centro Histórico do Porto. Álvaro Santos Presidente Executivo do Conselho de Administração

Desafios da Reabilitação Urbana Sustentável: o caso do Centro Histórico do Porto. Álvaro Santos Presidente Executivo do Conselho de Administração Desafios da Reabilitação Urbana Sustentável: o caso do Centro Histórico do Porto Álvaro Santos Presidente Executivo do Conselho de Administração Funchal, 22 de maio de 2015 Cidade do Porto, Diagnóstico

Leia mais

ORDEM DO DIA A Câmara Municipal deliberou, por unanimidade, aprovar as actas apresentadas

ORDEM DO DIA A Câmara Municipal deliberou, por unanimidade, aprovar as actas apresentadas ------------------------------------------------------------------- ACTA DA REUNIÃO ORDINÁRIA DA CÂMARA -------------------------------------------------------------------- MUNICIPAL REALIZADA A CINCO

Leia mais

CURSO E-LEARNING NEWSLETTER 33. Introdução ao e-learning e às ferramentas colaborativas. Curso/ação ou formação contínua equivalente a 3 ECTS =78 h

CURSO E-LEARNING NEWSLETTER 33. Introdução ao e-learning e às ferramentas colaborativas. Curso/ação ou formação contínua equivalente a 3 ECTS =78 h NEWSLETTER 33 Directora: Ana Maria Morais - Presidente da Direcção Nacional CURSO E-LEARNING Introdução ao e-learning e às ferramentas colaborativas Curso/ação ou formação contínua equivalente a 3 ECTS

Leia mais

2º ENCONTRO DOS PROGRAMAS URBAN E REABILITAÇÃO URBANA

2º ENCONTRO DOS PROGRAMAS URBAN E REABILITAÇÃO URBANA DINÂMICA SÓCIO-ECONÓMICA : ANÁLISE TERRITORIAL Analisa diversos indicadores que ilustram os desequilíbrios regionais, ainda existentes e os índices de crescimento ou de desenvolvimento regional. Coord.:

Leia mais

Região do Médio Tejo. Características e Desafios

Região do Médio Tejo. Características e Desafios Região do Médio Tejo Características e Desafios 09 março 2015 A Comunidade Intermunicipal do Médio Tejo Território e Municípios A Comunidade Intermunicipal do Médio Tejo Atribuições e Competências das

Leia mais

PROTOCOLO. Núcleo de Planeamento e Intervenção Sem-Abrigo de Setúbal

PROTOCOLO. Núcleo de Planeamento e Intervenção Sem-Abrigo de Setúbal PROTOCOLO Núcleo de Planeamento e Intervenção Sem-Abrigo de Setúbal Preâmbulo A criação da Estratégia Nacional para a Integração de Pessoas Sem-Abrigo (ENIPSA) 2009-2015 decorreu fundamentalmente da necessidade

Leia mais

O Desafio da Promoção da Saúde no Município de Lisboa EP-PLHDS Maria Teresa Craveiro

O Desafio da Promoção da Saúde no Município de Lisboa EP-PLHDS Maria Teresa Craveiro O Desafio da Promoção da Saúde no Município de Lisboa EP-PLHDS Maria Teresa Craveiro EP-PLHDS - Equipa de Projecto do Programa Local de Habitação e Direitos Sociais Ana Cosme Ana Lúcia Antunes Ana Sofia

Leia mais

MEMÓRIA DESCRITIVA. I - Enquadramento

MEMÓRIA DESCRITIVA. I - Enquadramento MEMÓRIA DESCRITIVA I - Enquadramento A Delimitação da Área de Reabilitação Urbana de Lisboa (ARU), com enquadramento no Regime Jurídico da Reabilitação Urbana (RJRU) (Decreto-Lei 307/2009, de 23 de outubro)

Leia mais

NORMA DE PROCEDIMENTOS NºNº/MÊS/08

NORMA DE PROCEDIMENTOS NºNº/MÊS/08 NORMA DE PROCEDIMENTOS NºNº/MÊS/08 AL/10 FEVEREIRO/2009 TRAMITAÇÃO PARA O ACOMPANHAMENTO DO PROGRAMA DE RECUPERAÇÃO DE ÁREAS URBANAS DEGRADADAS (PRAUD-Obras) ÍNDICE: 1. APRESENTAÇÃO 2. LEGISLAÇÃO DE ENQUADRAMENTO

Leia mais

Guifões - Matosinhos Qualidade à dimensão humana

Guifões - Matosinhos Qualidade à dimensão humana Habitação e Reabilitação Urbana Guifões - Matosinhos Qualidade à dimensão humana Um filme diferente publicação da responsabilidade de_ artística artistica experimentação experimentação Inauguração do Complexo

Leia mais

UM CONTRIBUTO PARA UMA POLÍTICA DE JUVENTUDE NO ALGARVE

UM CONTRIBUTO PARA UMA POLÍTICA DE JUVENTUDE NO ALGARVE UM CONTRIBUTO PARA UMA POLÍTICA DE JUVENTUDE NO ALGARVE Acesso à Habitação Combate às Desigualdades de Oportunidade Interculturalidade e Solidariedade Inter-geracional Janeiro 2014 Revisão Outubro 2015

Leia mais

LABORATÓRIO ESTRATÉGICO NORTE

LABORATÓRIO ESTRATÉGICO NORTE LABORATÓRIO ESTRATÉGICO NORTE Museu do Douro PESO DA RÉGUA, 6 de setembro de 2016 Nuno Fazenda O Turismo nos últimos 10 anos ESTRUTURA Gestão e Monitorização Grandes Desafios Referencial Estratégico GRANDES

Leia mais

ANEXO I QUADRO DOS BENEFÍCIOS FISCAIS NA ÁREA DA REABILITAÇÃO URBANA DO CONCELHO DO CRATO ÁREA DE REABILITAÇÃO URBANA DO CENTRO HISTÓRICO DO CRATO

ANEXO I QUADRO DOS BENEFÍCIOS FISCAIS NA ÁREA DA REABILITAÇÃO URBANA DO CONCELHO DO CRATO ÁREA DE REABILITAÇÃO URBANA DO CENTRO HISTÓRICO DO CRATO ANEXO I QUADRO DOS BENEFÍCIOS FISCAIS NA ÁREA DA REABILITAÇÃO URBANA DO CONCELHO DO CRATO ÁREA DE REABILITAÇÃO URBANA DO CENTRO HISTÓRICO DO CRATO To os inseri na área de urbana do centro histórico do

Leia mais

O QUE SÃO OS BIP/ZIP?

O QUE SÃO OS BIP/ZIP? Bairros e Zonas de Intervenção Prioritária (BIP/ZIP) de Lisboa O QUE SÃO OS BIP/ZIP? Sessão de Capacitação Apoios financeiros para a área social 27 de Maio Miguel BRITO, Maio 2013 COMO SURGE A CARTA BIP/ZIP?

Leia mais