INTRODUÇÃO. Conforme disposto no artigo 45º do Decreto nº 5.731, de 20/3/2006, a audiência pública deve cumprir os seguintes objetivos:

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "INTRODUÇÃO. Conforme disposto no artigo 45º do Decreto nº 5.731, de 20/3/2006, a audiência pública deve cumprir os seguintes objetivos:"

Transcrição

1 Relatório de análise das contribuições referentes à Audiência Pública nº 10/ Proposta de resolução que estabelece critérios regulatórios quanto à implantação, operação e manutenção do Serviço de Prevenção, Salvamento e Combate a Incêndio em Aeródromos Civis (SESCINC). As contribuições foram recebidas pela ANAC por meio de formulário próprio, disponível no sitio da ANAC e por mensagem eletrônica, durante o período da audiência pública. 1

2 INTRODUÇÃO De acordo com o Aviso de Audiência Pública nº 10/2012, publicado no Diário Oficial da União nº 41, de 29 de fevereiro de 2012, página 4, seção 3, a Diretoria Colegiada da Agência Nacional de Aviação Civil (ANAC), conforme deliberado na reunião de diretoria realizada em 28 de fevereiro de 2012, resolveu submeter à audiência pública a edição de Resolução que substituirá a Resolução nº 115/2009, contendo critérios regulatórios quanto à implantação, operação e manutenção do Serviço de Prevenção, Salvamento e Combate a Incêndio em Aeródromos Civis (SESCINC). Os documentos foram colocados à disposição do público em geral no site desta Agência na internet, no endereço As contribuições foram encaminhadas à Agência por meio de formulário eletrônico próprio disponível no sítio acima indicado até as 18 horas do dia 30 de março de Conforme disposto no artigo 45º do Decreto nº 5.731, de 20/3/2006, a audiência pública deve cumprir os seguintes objetivos: I - recolher subsídios para o processo decisório da ANAC; II - assegurar aos agentes e usuários dos respectivos serviços o encaminhamento de seus pleitos e sugestões; III - identificar, da forma mais ampla possível, os aspectos relevantes da matéria objeto da audiência pública; e IV - dar publicidade à ação regulatória da ANAC. Este relatório contempla a apresentação e apreciação das manifestações recebidas dentro do período de audiência pública estabelecido, nos termos definidos no Aviso de Audiência Pública nº 10/

3 Contribuição nº 1 Nome: João Henrique de Santa Rosa Figueiredo Anexo da Resolução DISPOSIÇÕES PRELIMINARES Item 2.2 Termos e Definições É necessário corrigir: + Intervenção Imediata - Não existe intervenção imediata. Retirar da Norma + Posicionamento para Intervenção - Procedimento estratégico a ser realizado pela equipe de bombeiros tão logo a aeronave em situação de emergência se acidente ou pare de se deslocar, requerendo daquela equipe, o posicionamento de todos os recursos para uma possível intervenção na aeronave. É necessário incluir os verdadeiros procedimentos que os bombeiros de aeródromo realizam em função de uma situação de emergência com aeronave, quer seja em condição de socorro ou urgência: + Posicionamento para Aguardar o Pouso da Aeronave em Emergência - Procedimento a ser realizado pela equipe de bombeiros para aguardar o pouso das aeronaves em situação de emergência, requerendo o deslocamento das viaturas até as posições estabelecidas no Plano de Contraincêndio do Aeródromo. + Acompanhamento da Aeronave em Emergência - Procedimento de segurança a ser realizado pela equipe de bombeiros após o pouso da aeronave em situação de emergência, requerendo que as viaturas acompanhem o deslocamento da aeronave até o local onde o piloto efetue a parada e desligue o grupo motopropulsor, ou até o local onde ela se acidente. NOTA: O acompanhamento da aeronave em situação de emergência, conforme estabelecido acima, poderá ser dispensado pelo comandante da mesma, desde que explicitamente solicitado através do Serviço de Tráfego Aéreo. + Intervenção - Compreende uma série de procedimentos operacionais a serem realizados pela equipe de bombeiros com o objetivo de prevenir ou combater incêndios, resgatar vítimas, realizar o atendimento pré-hospitalar (APH), preservar o meio ambiente, além de outras atividades operacionais necessárias no local da emergência. Sugestão não acatada. Os termos são de uso comum em diversas normas aeronáuticas, inclusive de tráfego aéreo, e já difundidos entre os profissionais da área. 3

4 Não houve itens alterados por esta contribuição. 4

5 Contribuição nº 2 Nome: João Henrique de Santa Rosa Figueiredo Anexo da Resolução DISPOSIÇÕES PRELIMINARES Item 2.2 Termos e Definições O termo sede administrativa ficou com dupla interpletação: Seção Contraincêndio é o conjunto de dependências e instalações projetadas para servir de sede administrativa e operacional das atividades do SESCINC. Sede administrativa é o local onde a OE-SESCINC mantém a administração, material instrucional e registros dos cursos aprovados pela ANAC. Sugiro que na definição de Seção Contraincêndio seja alterada sede administrativa para base administrativa Sugestão parcialmente acatada. O texto será alterado para melhorar o entendimento. Anexo: Item Termos e Definições - Seção Contraincêndio (SCI) (alterado) 5

6 Contribuição nº 3 Nome: João Henrique de Santa Rosa Figueiredo Anexo da Resolução IMPLANTAÇÃO E OPERAÇÃO DO SESCINC O conteúdo dos subitens e não pertencem ao item 5.2 (DELEGAÇÃO). Ficam melhor colocados no item 5.1 (RESPONSABILIDADE). Sugestão parcialmente acatada. O item será eliminado, pois está redundante. O item será renumerado dentro do subitem responsabilidades. Anexo: Itens (excluído) e (alterado) 6

7 Contribuição nº 4 Nome: João Henrique de Santa Rosa Figueiredo Anexo da Resolução VEÍCULOS DE APOIO ÀS OPERAÇÕES DO SESCINC Tabela Características técnicas para ESCI É necessário estipular um reservatório de LGE e sua capacidade mínima. Sugiro 200 litros. No item 9.6.3, sugiro que os aeródromos classe 3 possuam 1 embarcação no mínimo e nos classe 4, 2 embarcações no mínimo. Estamos lidando com vidas. Sugestão não acatada. Os requisitos relativos a ESCI serão retirados da norma. Não houve itens alterados por esta contribuição. 7

8 Contribuição nº 5 Nome: João Henrique de Santa Rosa Figueiredo Anexo da Resolução PROTEÇÃO INDIVIDUAL DO BOMBEIRO DE AERÓDROMO No item O EPR tem... sempre que a equipe for acionada para atividades... Substituir por: O EPR tem... sempre que a equipe for realizar atividades... Sugestão acatada. O texto será alterado para melhorar o entendimento. Anexo: Item (alterado). 8

9 Contribuição nº 6 Nome: João Henrique de Santa Rosa Figueiredo Anexo da Resolução PROTEÇÃO INDIVIDUAL DO BOMBEIRO DE AERÓDROMO O conteúdo dos itens a não permitem um entendimento claro de quantos EPR necessitam ter no CRS, pois permitem interpretações diferentes. E se o EPR reserva é destinado a uma pronta reposição para uso imediato no local da emergência, não podemos admitir que ele fique na SCI. Obrigatoriamente terá que ficar numa viatura operacional, seja CRS ou CACE. Sugestão parcialmente acatada. Os conjuntos reserva de EPR dos CCI e do CRS em linha deverão ficar no CRS, quando este existir, e na SCI quando da ausência desse no aeródromo. Quando houver CACE, o conjunto reserva de EPR deste deverá ficar no mesmo. Anexo: Itens (alterado), (alterado), (alterado) e (alterado). 9

10 Contribuição nº 7 Nome: João Henrique de Santa Rosa Figueiredo Anexo da Resolução MATERIAIS DE APOIO AO RESGATE E AO COMBATE A INCÊNDIO Sugiro que a inexistência ou a inoperância do desencarcerador seja item de defasagem conforme EPI, no item , e EPR, no item na Tabela , Sugiro que o turbo-ventilador seja elétrico e não movido a água. Sugestão não acatada. 1) O desencarcerador é considerado um equipamento de apoio às operações de resgate, deste modo não considerado no estabelecimento do NPCE no aeródromo. 2) O ventilador deve ser movido à água, pois sua utilização deve estar estar diretamente relacionada à facilidade de utilização dos recursos disponíveis, nos CCI e hidrantes, sem necessidade de fontes de energia elétrica no local da emergência. Não houve itens alterados por esta contribuição. 10

11 Contribuição nº 8 Nome: João Henrique de Santa Rosa Figueiredo Anexo da Resolução PROVISÃO DE RECURSOS HUMANOS PARA O SESCINC 1) No item , faltou abordar as habilitações de BAPE e BAME. 2) O item possui um conteúdo que não pertence ao item Seu conteúdo é abordado no item Sugiro que o item seja excluído e seu conteúdo seja transportado para o item ) Tem alguma coisa estranha com os itens e Ambos abordam CAP-BA inicial em situações diferentes (habilitação no item e atualização no item ). 4) Os itens e que definem OE-SESCINC 1 e 2 estão em duplicidade com os itens e do Apêndice 1. Porém há necessidade de complementar o item com a palavra civil no final do texto. 5) O item não aborda as habilitações de BAPE e BAME 6) O item Os bombeiros de aeródromo em exercício das funções operacionais do SESCINC devem, em intervalos de tempo não superior a 4 (quatro) anos, em ciclos contados a partir da data de emissão do primeiro CAP-BA, participar de... Substituir por: Os bombeiros de aeródromo em exercício das funções operacionais do SESCINC devem, em intervalos de tempo estipulados no item ) Não concordo com o item É necessário que TODOS os bombeiros de aeródromo participem de curso de atualização. Estamos lidando com vidas!!! 8) Recomendo que o item seja excluído e seu conteúdo passe a complementar a letra b do item que passará a ter a seguinte redação: Abordar os conteúdos identificados no item deste Anexo pelo menos uma vez a cada 6 (seis) meses, exceto o conteúdo da letra m que deverá ser abordado como estabelecido no item 16 deste anexo. 9) Recomendo que o item fique na seqüência do item , pois são itens que se complementam. 11

12 1) Sugestão não acatada. As funções operacionais de Bombeiro de Aeródromo Piloto de ESCI e Bombeiro de Aeródromo Mergulhador além de não se configurarem em habilitações do bombeiro de aeródromo serão retiradas do texto. 2) Sugestão não acatada. O item trata da obtenção do certificado de especialização, estando, assim, vinculado ao item que trata de especialização de bombeiro de aeródromo. 3) Sugestão parcialmente acatada. O item aborda requisitos para obtenção de CAP-BA por profissional ainda não detentor de Habilitação de Bombeiro de Aeródromo. Já o item estabelece requisitos para a obtenção do CAP-BA por bombeiros de aeródromo detentores das habilitações de bombeiro de aeródromo reconhecidas pela ANAC, conforme o item Informamos, no entanto, que a redação do item será alterada para facilitar o entendimento. 4) Sugestão acatada. O item do Anexo será corrigido. 5) A contribuição não é uma sugestão. Ressaltamos que as funções operacionais de Bombeiro de Aeródromo Piloto de ESCI e Bombeiro de Aeródromo Mergulhador não se configuram em habilitações de bombeiro de aeródromo obtidas em OE-SESCINC. 6) Sugestão não acatada. O item trata de curso de atualização de bombeiro de aeródromo que inclua o combate a incêndios alimentados por combustível sob pressão. 7) Sugestão não acatada. Todos os bombeiros de aeródromo devem participar de cursos de atualização, no entanto, os bombeiros de aeródromo que atuam em aeródromos classe I, no qual operam aeronaves até categoria 5, estão isentos, por motivos de viabilidade econômica, de realizar treinamento que inclua o combate a incêndios alimentados por combustível sob pressão. 8) Sugestão acatada. O item será excluído e seu conteúdo complementará a letra b do item ) Sugestão acatada. O item será transformado no item Anexo: Itens (altera redação), (altera redação), (b) (altera redação), (excluído) e (alterado). 12

13 Contribuição nº 9 Nome: João Henrique de Santa Rosa Figueiredo Anexo da Resolução ORGANIZAÇÃO E FUNCIONAMENTO DO SESCINC 1) Recomendo complementar o item que passaria a ter nova redação: A composição das equipes de serviço deve atender à constituição abaixo, em função das habilitações e especialização do efetivo operacional do SESCINC, de acordo com o item 13. 2) Com a complementação citada no item anterior, o item , que está redigido de maneira estranha, e talvez, sem necessidade, pode ser excluído. 3) Os itens , e possuem conteúdo que é adequado e complementa as informações contidas no item Recomendo que sejam transferidos para o item ) Faltou incluir no item o BAME. 1) Sugestão não acatada. Entende-se que é necessário citar novamente as habilitações funções operacionais que compõem as equipes de serviço. 2) Sugestão acatada. O item será excluído. 3) Sugestão não acatada. Os itens , , tratam de equipes de serviço. 4) Sugestão não acatada. Os itens e serão excluídos da norma. Anexo: Itens (excluído), (excluído) e (excluído). 13

14 Contribuição nº 10 Nome: João Henrique de Santa Rosa Figueiredo Anexo da Resolução PROCEDIMENTOS OPERACIONAIS DO SESCINC É necessário corrigir os itens e , pois, conforme já citei, não existe intervenção imediata e a expressão posicionamento para intervenção está sendo usada de maneira que não corresponde à realidade operacional. É errado vincular a atividade do bombeiro com a condição de emergência. Para o bombeiro só interessa se a aeronave em emergência (socorro ou urgência) está no solo ou em vôo. E o fato da DIRENG ter redigido estas situações, não significa que está certo. Estamos providenciando esta correção. Assim os referidos itens passariam a ter a seguinte redação, condizente com a realidade operacional: Aeronave em Vôo Os bombeiros devem fazer as seguintes atividades operacionais: a. Posicionamento para aguardar o pouso da aeronave ou acidente; b. Acompanhamento da aeronave em emergência até o local onde ela parar (se não for dispensado) ou se acidentar; c. Posicionamento para intervenção; d. Intervir, se necessário Aeronave no Solo Os bombeiros devem fazer as seguintes atividades operacionais: a. Deslocamento até o local onde se encontra a aeronave; b. Posicionamento para intervenção; c. Intervir, se necessário. Sugestão não acatada. Os termos são de uso comum em diversas normas aeronáuticas, inclusive de tráfego aéreo, e já difundidos entre os profissionais da área. Não houve itens alterados por esta contribuição. 14

15 Contribuição nº 11 LUANA/GABI Nome: João Henrique de Santa Rosa Figueiredo Apêndice 1 ao Anexo da Resolução MANUAL DE INSTRUÇÃO E PROCEDIMENTOS - MIP Recomendo complementar o item Redução atual: A candidata a certificação... Redação sugerida: A empresa candidata a certificação... Sugestão acatada. O redação do item será alterada conforme sugerido. Apêndice 1: Item (alterado). 15

16 Contribuição nº 12 Nome: João Henrique de Santa Rosa Figueiredo Apêndice 1 ao Anexo da Resolução CURSOS OE-SESCINC Os itens 5.1.7, e 5.1.9, bem como o item não têm necessidade de existirem. Seus conteúdos levam o leitor a se dirigir para itens que estão imediatamente na seqüência lógica do texto. Se quiserem dar destaque à informação dos cursos, criem um item para isto. Recomendo a sua eliminação dos mencionados itens. Sugestão não acatada. Os itens permanecerão na norma tendo em vista facilitarem o entendimento do texto. Não houve itens alterados por esta contribuição. 16

17 Contribuição nº 13 Nome: EDUARDO FAGUNDES DE OLIVEIRA RAMOS Anexo da Resolução CARRO CONTRAINCÊNDIO DE AERÓDROMO Item - DIVERSOS TRECHOS DO ANEXO : APONTAMENTOS REALIZADOS PELO 2S RAMOS BACO NOMENCLATURA DE CARROS CONTRAINCÊNDIO 1) CARRO TANQUE ABASTECEDOR NBR VIATURAS DE COMBATE A INCÊNDIO 3.6 ABT; AUTOBOMBA DE TANQUE: Viatura equipada com bomba de combate a incêndio, com capacidade mínima de LPM (750 GPM), acionada pelo motor da viatura, tanque com capacidade de até L de água, acomodação para transporte de material e cabina única para acomodação de no mínimo cinco tripulantes ATB; AUTOTANQUE DE BOMBA: Viatura equipada com tanque de capacidade superior a L de água, bomba de combate a incêndio ou motobomba e acomodação para transporte de material. 2) Segundo o item O agente extintor principal para o uso em operações de salvamento e combate a incêndio em aeródromos é a Espuma de Eficácia Nível B (EENB), classe AV, solução a 1%, a 3% ou a 6%, conforme ABNT/NBR Líquido gerador de espuma (LGE), de baixa expansão, para combate a incêndios em combustíveis líquidos. Sugiro que se retire as concentrações de 1% e 3 %, haja vista que o previsto nessa aplicação é apenas 6%. Não se pode dar margem de dúvidas nessa operação; 3) Segundo a tabela apresenta as características técnicas mínimas que devem estar contempladas em um CCI. Conforme a NFPA Norma para Veículos de Salvamento e Combate a Incêndio em Aeronaves, Tabela 4.1.1(a) Parâmetros de Desempenho de Veículo Totalmente Carregado (Unidades SI). Os Veículos acima de litros de água devem perfazer uma aceleração mínima de 0 à 80Km/h em 35s; Os com capacidade de 1999l a 6000l = 25s; e Os com capacidade 1999l = 30s. 4) Segundo a Tabela Quantidade mínima de CCI por NPCR de aeródromo conforme a NFPA 403, a quantidade mínima de CCI para a categoria 5 são dois CCI S. 5) Segundo a Tabela Características técnicas para CCI - Todo o CCI é caracterizado pela EXISTÊNCIA de um Canhão Monitor, destinado ao Combate ao Incêndio, sendo o PRINCIPAL MEIO DE COMBATE a ser operado, remotamente ou não, pelo motorista a partir do interior da cabine. Por isso, os CCI S dos aeródromos de CAT 2 devem possuí-lo também, não sendo considerado um item opcional. A Possibilidade de OPÇÃO dada pela respectiva NFPA é de ser de Teto ou de Pára-choque. 6) Segundo o item 17

18 O operador de aeródromo deve manter, em estoque na SCI, 1 (um) ou 2 (dois) cilindro(s) reserva(s) de agente propulsor para cada CCI em linha, adequado para o sistema de PQ do CCI. Ao invés de Agente Propulsor deve ser usado Agente EXPELENTE 7) Segundo o item O operador de aeródromo deve se assegurar que cada CCI em linha possua 2 (dois) conjuntos de EPR operacionais disponíveis no próprio veículo e 1 (um) conjunto reserva de EPR na SCI ou no CRS. Sugiro que seja acrescentado no CACE (nos aeródromos aonde houver esse veículo) e no CRS em aeródromos que não possuam o CACE. O mesmo vale para os itens 10.2 (1) Sugestao não acatada. As definições já colocadas na norma atendem ao disposto na mesma, não havendo necessidade de outras definições relativas a tópicos não abordados. (2) Sugestão não acatada. Os três tipos de concentração de LGE são aceitos mundialmente e não há inadequação do requisito. (3) Sugestão acatada. A tabela será ajustada atendendo aos padrões constantes na normativa da NFPA, haja vista sua especialização técnica e larga utilização pelos fabricantes de CCI no mundo. (4) Sugestão não acatada. O aumento da quantidade mínima de CCI para aeródromos NPCR 5 traria ônus aos operadores de aeródromo, sem justificativa relacionada ao incremento nos niveis de segurança operacional. (5) Sugestão acatada. A tabela será ajustada atendendo aos padrões constantes na normativa da NFPA, haja vista sua especialização técnica e larga utilização pelos fabricantes de CCI no mundo. (6) Sugestão não acatada. A nomenclatura está adequada à sua destinação no texto normativo. (7) Sugestão não acatada. A proposta efetuada já está abordada no texto normativo. Anexo: Item (alterado) e Tabela (alterada). 18

19 Nome: Sérgio Quito Contribuição nº 14 Anexo da Resolução NÍVEL DE PROTEÇÃO CONTRAINCÊNDIO Página 18 do anexo a Resolução 115, em audiência pública: alterar o item a. e inserir o item d. Tabela 6.2.1: alterar o texto da 1ª. célula da tabela: substituir total por fuselagem DETERMINAÇÃO DA CATEGORIA DE CONTRAINCÊNDIO DE AERONAVE Categoria Contra incêndio de Aeronave de Asas Fixas (Avião) CAT AV: A CAT AV será obtida a partir da avaliação do seu comprimento total e da largura máxima da sua fuselagem, sendo determinada conforme roteiro abaixo, com a utilização da tabela 6.2.1: a. Enquadra-se o comprimento total da aeronave fuselagem com os limites constantes da coluna [1], obtendo-se na coluna [3] a categoria da mesma; b. Verificase a largura máxima da fuselagem e compara-se ao correspondente na coluna [2] para a categoria já selecionada; c. Se a largura máxima da fuselagem for superior à da coluna [2], a categoria da aeronave é uma acima da selecionada anteriormente; e d. Ponderar as medidas obtidas nos itens a. e c. com a capacidade máxima de combustível e de passageiros da aeronave; O que leva a empresa a essa proposta é o fato de que a experiência tem demonstrado que o que mais influencia a definição do Nível de Proteção Contra incêndio Requerido (NPCR) é a quantidade de passageiros e de combustível transportados, uma vez que esses elementos vão requerer maior ou menor atuação do serviço de combate a incêndio, tanto em termos de pessoal como de equipamentos. Apesar de não existirem estudos mais is elementos, quantidade de passageiros e combustível, poderiam então ser ponderados com as medidas das aeronaves, não em termos de comprimento total, mas sim de sua largura máxima e comprimento da fuselagem, que é a célula onde são transportados passageiros e tripulantes. Sérgio Quito Diretor de Segurança Operacional VRG Linhas Aéreas - Grupo GOL 19

20 Sugestão não acatada. A ANAC está adotando um novo modelo de flexibilizações que irá incrementar as operações com NPCE reduzido. Observamos ainda que a OACI está, com apoio direto do FAA, elaborando um novo método para classificação das aeronaves quanto a categoria contraincêndio, não havendo relatórios conclusivos até o momento. No estudo da correlação entre risco de incêndio, dimensões da aeronave e quantidade de combustível não se chegou a definições conclusivas. Com relação as quantidades atuais de agentes extintores, a OACI já sinaliza a adoção de parâmetros mais restritivos. Sendo assim, é temerário se adotar uma nova classificação menos restritiva em termos genéricos para categoria contraincêndio de aeronaves antes que se tenham estudos conclusivos a respeito. Ressalvamos que análises caso a caso poderão continuar a ser submetidas a ANAC para apreciação. Não houve itens alterados por esta contribuição. 20

21 Contribuição nº 15 Nome: João Henrique de Santa Rosa Figueiredo Anexo da Resolução DISPOSIÇÕES PRELIMINARES Eu já havia enviado algumas definições para os senhores, mas após ter retorno de nosso grupo de trabalho de bombeiros, as definições forma melhoradas. Lembrem-se que a legislação sobre emergências aeronáuticas deverão ser aplicadas em aeroportos e em helipontos e heliportos também. Assim, as definições que retratam as atividades operacionais dos bombeiros de aeródromo em função de situações de emergências aeronáutica são: + Posicionamento para Aguardar o Pouso da Aeronave em Emergência - Procedimento a ser realizado pela equipe de bombeiros para aguardar o pouso das aeronaves em situação de emergência declarada, requerendo o deslocamento dos recursos até as posições estabelecidas no Plano de Contraincêndio do Aeródromo. + Acompanhamento da Aeronave em Emergência - Procedimento de segurança a ser realizado pela equipe de bombeiros após o pouso da aeronave em situação de emergência, requerendo que as viaturas acompanhem o deslocamento da aeronave até o local onde o piloto efetue a parada e desligue o grupo motopropulsor, ou até o local onde ela se acidente. NOTA: O acompanhamento da aeronave em situação de emergência, conforme estabelecido acima, poderá ser dispensado pelo comandante da mesma, desde que explicitamente solicitado através do Serviço de Tráfego Aéreo. + Posicionamento para Intervenção - Procedimento estratégico a ser realizado pela equipe de bombeiros ao redor da aeronave em situação de emergência no local onde ela se encontra, seja após o acidente ou tão logo ela pare de se deslocar após um pouso de emergência, requerendo daquela equipe, o posicionamento de todos os recursos para uma possível intervenção na aeronave. + Intervenção - Série de procedimentos operacionais a serem realizados pela equipe de bombeiros com o objetivo de prevenir ou combater incêndios, resgatar vítimas, realizar o atendimento pré-hospitalar (APH), preservar o meio ambiente, entre outras atividades operacionais necessárias no local da emergência. 21

22 Sugestão não acatada. Os termos são de uso comum em diversas normas aeronáuticas, inclusive de tráfego aéreo, e já difundidos entre os profissionais da área. Não houve itens alterados por esta contribuição. 22

23 Contribuição nº 16 Nome: CONSTANTINO MODESTO MENTONE Anexo da Resolução PROVISÃO DE RECURSOS HUMANOS PARA O SESCINC BOMBEIRO DE AERÓDROMO (BA) Socorrista deve possuir certificado de conclusão de curso de atendimento pré-hospitalar de, no mínimo, 40 horas. Comentários 1) Incluir formação complementar como especialização a ser ministrada nas OE-SESCINC e estabelecer programa do curso; 2) Em caso de aceitação, o certificado definir o conteúdo do curso citado, bem como as entidades reconhecidas para fornecimento de certificados BA-1 habilita seu detentor a exercer funções operacionais de Bombeiro de Aeródromo, em aeródromos Classes I, II e III, categoria contra-incêndio 1 a 5; BA-2 idem para categorias contra-incêndio Comentários 1) Sugerimos que o BA Resgatista seja considerado uma habilitação a ser incluida neste item ou uma especialização a ser ministrada por OE-SESCINC; 2) Se, conforme Apêndice I, BA-1 e BA-C1 não recebem treinamento prático em mock-up, como serão treinados para manobras de penetração, resgate e salvamento? O operador de aeródrmo poderá ministrar o curso de especialização para o BA que seja vinculado ao SESCINC do mesmo, desde que formalmente autorizado pela ANAC Comentários As exigências para o operador serão as mesmas que para as OE-SESCINC em termos de recursos humanos e infraestrutura para ministrar instrução de BA? Isto não está esclarecido! Programa de treinamento recorrente para BA (PTR-BA) O PTR-BA tem por finalidade a manutenção do nível de competência... por meio de atividades que OBJETIVEM E APLICAÇÃO PRÁTICA DOS CONHECIMENTOS ADQUIRIDOS e das habilidades e atitudes desenvolvidas O operador do aeródromo deve garantir... o objetivo primordial desse programa e o DESENVOLVIMENTO E O USO DE MÉTODOS DE TREINAMENTO QUE CONTRIBUAM PARA A EFICIENTE PROVISÃO DOS SERVIÇOS O operador... ASSOCIE AOS TREINAMENTOS PRINCÍPIOS ATINENTES A FATORES HUMANOS,... POSSA LIDAR COM OS POTENCIAIS EFEITOS DO ESTRESSE 23

24 DECORRENTE... Comentários Considerando que a formulação apresentada nos itens citados demanda uma avaliação e desenvolvimento de projeto pedagógico e didático, assim como, o acompanhamento e supervisão da aplicação desses princípios, a menos que o operador tenha uma estrutura equivalente à exigida para as OE-SESCINC, apenas estas organizações possuem os requisitos necessários para dar suporte ao operador, ao contrário do que preconiza o item que exige do responsável, apenas formação e experiência operacional e Sugestões não acatadas. A formação de Socorrista é regulamentada pelo Ministério da Saúde, não sendo assunto de competência da ANAC. A OE-SESCINC que optar por ministrar este curso, deverá credenciar-se junto ao órgão responsável. Haverá um ajuste na carga horária do módulo de APH Sugestão acatada. Alterar o item Os requisitos para o operador de aeródromo ministrar o curso de especialização de Motorista/Operador de CCI serão estabelecidos no Apêndice à Resolução. 13.8, e Sugestões não acatadas. O PTR-BA é um programa de treinamento sob responsabilidade do operador de aeródromo que utiliza os recursos locais do SESCINC. Anexo: itens e (alterados) e item c (incluído). Apêndice: item 2.8 (inserido). 24

25 Contribuição nº 17 Nome: CONSTANTINO MODESTO MENTONE Anexo da Resolução DISPOSIÇÕES TRANSITÓRIAS E FINAIS 21.8 Até 31/12/2013 serão considerados válidos os certificados de CEOCIS, CATCIS, CECIS, EABA, CECIA, CACI, FTBA, EPB O operador de aeródromo, independente da classe em que se enquadre, pode, até 31/12/2013, admitir no efetivo do SESCINC, até 10% de profissionais oriundos das Corporações de Bombeiros Militares ou Bombeiros Profissionais Civis não habilitados como BA. Comentários Supondo que a demanda causada por não possa ser totalmente atendida por profissionais habilitados, conforme 21.8., deverão estar disponíveis profissionais habilitados por OE-SESCINC, a partir de 21/12/2013. Como serão preparados para aeroportos categorizados de 6 a 10 se a exigência de simulador ocorre somente a partir de 01/01/2014? (Vide item ) No caso da oferta de mão-deobra ser inferior à demanda, a sociedade acabaria penalizada de duas maneiras: 1) os reflexos desse desequilíbrio sobre o custo da mão-de-obra a ser absorvida pelos operadores; e, 2)a eventual falta de profissionais especializados podendo gerar insegurança aos usuários dos aeródromos. A contribuição não é uma sugestão. Esclarecemos que ainda não foi publicada pela ANAC a legislação complementar que estabelecerá as características técnicas mínimas do mock-up. Desta forma, o prazo estabelecido pelo item tem como finalidade conceder prazo para que as OE- SESCINC se adequem à norma a ser publicada. Por fim, informamos que a ausência do mock-up não inviabiliza a formação do Bombeiro de Aeródromo 2, sendo a capacitação realizada por meio de procedimentos alternativos. Não houve itens alterados por esta contribuição. 25

I - a Resolução nº 115, de 06 de outubro de 2009, publicada no Diário Oficial da União nº 192, de 07 de outubro de 2009, Seção 1, p.

I - a Resolução nº 115, de 06 de outubro de 2009, publicada no Diário Oficial da União nº 192, de 07 de outubro de 2009, Seção 1, p. RESOLUÇÃO N o 279, DE 10 DE JULHO DE 2013. Estabelece critérios regulatórios quanto à implantação, operação e manutenção do Serviço de Prevenção, Salvamento e Combate a Incêndio em Aeródromos Civis (SESCINC).

Leia mais

ESTADO DE GOIÁS SECRETARIA DA SEGURANÇA PÚBLICA CORPO DE BOMBEIROS MILITAR

ESTADO DE GOIÁS SECRETARIA DA SEGURANÇA PÚBLICA CORPO DE BOMBEIROS MILITAR ESTADO DE GOIÁS SECRETARIA DA SEGURANÇA PÚBLICA CORPO DE BOMBEIROS MILITAR COMANDO DE OPERAÇÕES DE DEFESA CIVIL Departamento de Proteção Contra Incêndio, Explosão e Pânico NORMA TÉCNICA n. 39/2009 Credenciamento

Leia mais

IMPLANTAÇÃO, OPERAÇÃO E MANUTENÇÃO DO SERVIÇO DE PREVENÇÃO, SALVAMENTO E COMBATE A INCÊNDIO EM AERÓDROMOS CIVIS (SESCINC), NO ÂMBITO DA ANAC.

IMPLANTAÇÃO, OPERAÇÃO E MANUTENÇÃO DO SERVIÇO DE PREVENÇÃO, SALVAMENTO E COMBATE A INCÊNDIO EM AERÓDROMOS CIVIS (SESCINC), NO ÂMBITO DA ANAC. Anexo à Resolução n o xxx, de xx de xxxxx de 2012 IMPLANTAÇÃO, OPERAÇÃO E MANUTENÇÃO DO SERVIÇO DE PREVENÇÃO, SALVAMENTO E COMBATE A INCÊNDIO EM AERÓDROMOS CIVIS (SESCINC), NO ÂMBITO DA ANAC. SUBSTITUI

Leia mais

AGÊNCIA NACIONAL DE AVIAÇÃO CIVIL -0> RESOLUÇÃO N 030, DE 21 DE MAIO DE 2008.

AGÊNCIA NACIONAL DE AVIAÇÃO CIVIL -0> RESOLUÇÃO N 030, DE 21 DE MAIO DE 2008. AGÊNCIA NACIONAL DE AVIAÇÃO CIVIL -0> RESOLUÇÃO N 030, DE 21 DE MAIO DE 2008. Institui o Regulamento Brasileiro da Aviação Civil RBAC e a Instrução Suplementar IS, estabelece critérios para a elaboração

Leia mais

MANUAL DE PROCEDIMENTOS MPR/SIA-201-R02

MANUAL DE PROCEDIMENTOS MPR/SIA-201-R02 MANUAL DE PROCEDIMENTOS MPR/SIA-201-R02 ANÁLISE DE SOLICITAÇÕES DE HOTRAN 02/2014 PÁGINA INTENCIONALMENTE EM BRANCO 2 Brasília, 28 de fevereiro de 2014. Aprovado, Fabio Faizi Rahnemay Rabbani 3 PÁGINA

Leia mais

PROPOSTA DE EDIÇÃO DO REGULAMENTO BRASILEIRO DA AVIAÇÃO CIVIL (RBAC) 140 CERTIFICAÇÃO E REQUISITOS OPERACIONAIS: ESCOLAS DE VOO JUSTIFICATIVA

PROPOSTA DE EDIÇÃO DO REGULAMENTO BRASILEIRO DA AVIAÇÃO CIVIL (RBAC) 140 CERTIFICAÇÃO E REQUISITOS OPERACIONAIS: ESCOLAS DE VOO JUSTIFICATIVA PROPOSTA DE EDIÇÃO DO REGULAMENTO BRASILEIRO DA AVIAÇÃO CIVIL (RBAC) 140 CERTIFICAÇÃO E REQUISITOS OPERACIONAIS: ESCOLAS DE VOO 1. APRESENTAÇÃO JUSTIFICATIVA 1.1 A presente Justificativa expõe as razões

Leia mais

FIRE FIGTHER CONSULTING

FIRE FIGTHER CONSULTING Artigo Técnico Referente quais profissionais e empresas podem exercer atividade de acordo com a norma da ABNT 14608 revisada em 2006 com validade em 29.11.2007. NORMA BRASILEIRA ABNT NBR 14608 Bombeiro

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 234, DE 30 DE MAIO DE 2012.

RESOLUÇÃO Nº 234, DE 30 DE MAIO DE 2012. RESOLUÇÃO Nº 234, DE 30 DE MAIO DE 2012. Estabelece critérios regulatórios quanto ao Sistema de Resposta à Emergência Aeroportuária (SREA) em aeródromos civis. A DIRETORIA DA AGÊNCIA NACIONAL DE AVIAÇÃO

Leia mais

CERTIFICAÇÃO OPERACIONAL DE AEROPORTOS

CERTIFICAÇÃO OPERACIONAL DE AEROPORTOS CERTIFICAÇÃO OPERACIONAL DE AEROPORTOS Objetivo Descrever o processo de certificação operacional dos aeroportos no Brasil, regido pelo RBAC 139. Roteiro 1. Apresentar as recomendações da OACI e as normas

Leia mais

Apêndice I ao Anexo à Resolução n o xxx, de xx de setembro de 2009

Apêndice I ao Anexo à Resolução n o xxx, de xx de setembro de 2009 Apêndice I ao Anexo à Resolução n o xxx, de xx de setembro de 2009 ORGANIZAÇÃO E FUNCIONAMENTO DOS SERVIÇOS DE PREVENÇÃO, SALVAMENTO E COMBATE A INCÊNDIO EM AERÓDROMOS CIVIS Sumário 1. NÍVEL DE PROTEÇÃO

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 236, DE 5 DE JUNHO DE 2012.

RESOLUÇÃO Nº 236, DE 5 DE JUNHO DE 2012. RESOLUÇÃO Nº 236, DE 5 DE JUNHO DE 2012. Estabelece requisitos de aderência para pistas de pouso e decolagem. A DIRETORIA DA AGÊNCIA NACIONAL DE AVIAÇÃO CIVIL - ANAC, no exercício da competência que lhe

Leia mais

REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL COMANDO DA AERONÁUTICA DEPARTAMENTO DE AVIAÇÃO CIVIL SUBDEPARTAMENTO DE SERVIÇOS AÉREOS DIVISÃO DE FISCALIZAÇÃO

REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL COMANDO DA AERONÁUTICA DEPARTAMENTO DE AVIAÇÃO CIVIL SUBDEPARTAMENTO DE SERVIÇOS AÉREOS DIVISÃO DE FISCALIZAÇÃO REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL COMANDO DA AERONÁUTICA DEPARTAMENTO DE AVIAÇÃO CIVIL SUBDEPARTAMENTO DE SERVIÇOS AÉREOS DIVISÃO DE FISCALIZAÇÃO INSTRUÇÃO DE AVIAÇÃO CIVIL IAC 200-1001 PLANO DE ASSISTÊNCIA

Leia mais

NORMA DE SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIO

NORMA DE SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIO ESTADO DE SANTA CATARINA SECRETARIA DE ESTADO DA SEGURANÇA PÚBLICA CORPO DE BOMBEIROS MILITAR DIRETORIA DE ATIVIDADES TÉCNICAS - DAT NORMA DE SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIO INSTRUÇÃO NORMATIVA (IN n 042/DAT/CBMSC)

Leia mais

REGULAMENTO DA DISCIPLINA ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO DOS CURSOS SUPERIORESDE GRADUAÇÃO DO CEFET-PR. Capítulo I DO ESTÁGIO E SUAS FINALIDADES

REGULAMENTO DA DISCIPLINA ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO DOS CURSOS SUPERIORESDE GRADUAÇÃO DO CEFET-PR. Capítulo I DO ESTÁGIO E SUAS FINALIDADES REGULAMENTO DA DISCIPLINA ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO DOS CURSOS SUPERIORESDE GRADUAÇÃO DO CEFET-PR Capítulo I DO ESTÁGIO E SUAS FINALIDADES Art. 1º - O Estágio Curricular, baseado na lei nº 6.494,

Leia mais

NORMAS DE SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIOS INSTRUÇÃO NORMATIVA (IN 031/DAT/CBMSC) PLANO DE EMERGÊNCIA

NORMAS DE SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIOS INSTRUÇÃO NORMATIVA (IN 031/DAT/CBMSC) PLANO DE EMERGÊNCIA ESTADO DE SANTA CATARINA SECRETARIA DE ESTADO DA SEGURANÇA PÚBLICA CORPO DE BOMBEIROS MILITAR DIRETORIA DE ATIVIDADES TÉCNICAS - DAT NORMAS DE SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIOS INSTRUÇÃO NORMATIVA (IN 031/DAT/CBMSC)

Leia mais

MINISTÉRIO DO TRABALHO E EMPREGO SECRETARIA DE INSPEÇÃO DO TRABALHO DEPARTAMENTO DE SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO

MINISTÉRIO DO TRABALHO E EMPREGO SECRETARIA DE INSPEÇÃO DO TRABALHO DEPARTAMENTO DE SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO MINISTÉRIO DO TRABALHO E EMPREGO SECRETARIA DE INSPEÇÃO DO TRABALHO DEPARTAMENTO DE SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO Trata-se de proposta de texto para criação de Norma Regulamentadora sobre Trabalho em Altura

Leia mais

SECRETARIA DE AVIAÇÃO CIVIL AGÊNCIA NACIONAL DE AVIAÇÃO CIVIL. RESOLUÇÃO No- 316, DE 9 DE MAIO DE 2014

SECRETARIA DE AVIAÇÃO CIVIL AGÊNCIA NACIONAL DE AVIAÇÃO CIVIL. RESOLUÇÃO No- 316, DE 9 DE MAIO DE 2014 SECRETARIA DE AVIAÇÃO CIVIL AGÊNCIA NACIONAL DE AVIAÇÃO CIVIL RESOLUÇÃO No- 316, DE 9 DE MAIO DE 2014 Dispõe sobre o Regime Especial da Copa do Mundo FIFA 2014 e dá outras providências. A DIRETORIA DA

Leia mais

Anderson Ribeiro Correia. Superintendente de Infraestrutura Aeroportuária

Anderson Ribeiro Correia. Superintendente de Infraestrutura Aeroportuária Superintendência de Infraestrutura Aeroportuária Helipontos em São Paulo: Segurança, Irregularidades e Caminhos para Regularização Anderson Ribeiro Correia Superintendente de Infraestrutura Aeroportuária

Leia mais

IS Nº 21.181-001 Revisão B

IS Nº 21.181-001 Revisão B s INSTRUÇÃO SUPLEMENTAR - IS IS Nº 21.181-001 Aprovação: Resolução nº 147, de 17 de março de 2010, publicada no Diário Oficial da União, N 54, Seção 1, p. 16, de 22/03/2010 Assunto: Revalidação de Certificados

Leia mais

AGÊNCIA NACIONAL DE AVIAÇÃO CIVIL RESOLUÇÃO Nº 113, DE 22 DE SETEMBRO DE 2009.

AGÊNCIA NACIONAL DE AVIAÇÃO CIVIL RESOLUÇÃO Nº 113, DE 22 DE SETEMBRO DE 2009. AGÊNCIA NACIONAL DE AVIAÇÃO CIVIL RESOLUÇÃO Nº 113, DE 22 DE SETEMBRO DE 2009. Estabelece critérios e procedimentos para a alocação de áreas aeroportuárias. A DIRETORIA DA AGÊNCIA NACIONAL DE AVIAÇÃO CIVIL

Leia mais

Manual de Procedimentos de Segurança e Medicina do Trabalho para Empresas Contratadas

Manual de Procedimentos de Segurança e Medicina do Trabalho para Empresas Contratadas Manual de Procedimentos de Segurança e Medicina do Trabalho para Empresas Contratadas Responsável: Diretoria de Administração (DA) Superintendência de Recursos Humanos (DARH) Gerência de Dinâmica Laboral

Leia mais

a) garantir a efetiva implementação das medidas de proteção estabelecidas nesta Norma;

a) garantir a efetiva implementação das medidas de proteção estabelecidas nesta Norma; TRABALHO EM ALTURA 36.1 Objetivo e Campo de Aplicação 36.1 Objetivo e Definição 36.1.1 Esta Norma tem como objetivo estabelecer os requisitos mínimos e as medidas de proteção para o trabalho em altura,

Leia mais

MANUAL DE PROCEDIMENTOS

MANUAL DE PROCEDIMENTOS ASSUNTO PADRONIZAÇÃO DAS ATIVIDADES DE SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO, A SEREM EXECUTADAS PELAS EMPRESAS CONTRATADAS PELA INFRAERO RESPONSÁVEL DIRETORIA DE ADMINISTRAÇÃO (DA) GERÊNCIA DE DINÂMICA LABORAL

Leia mais

RESOLUÇÃO CFP Nº 007/01 DE 01 DE JUNHO DE 2001.

RESOLUÇÃO CFP Nº 007/01 DE 01 DE JUNHO DE 2001. RESOLUÇÃO CFP Nº 007/01 DE 01 DE JUNHO DE 2001. Aprova o Manual para Credenciamento de Cursos com finalidade de Concessão do Título de Especialista e respectivo registro. O CONSELHO FEDERAL DE PSICOLOGIA,

Leia mais

REGULAMENTO DO ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO DOS CURSOS SUPERIORES DE TECNOLOGIA MINISTRADOS PELA FATEC-SOROCABA

REGULAMENTO DO ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO DOS CURSOS SUPERIORES DE TECNOLOGIA MINISTRADOS PELA FATEC-SOROCABA Fatec Sorocaba REGULAMENTO DO ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO DOS CURSOS SUPERIORES DE TECNOLOGIA MINISTRADOS PELA FATEC-SOROCABA Sorocaba, 2010 Reduza, Reutilize, Recicle REGULAMENTO DO ESTÁGIO CURRICULAR

Leia mais

NR 35 Trabalho em Altura

NR 35 Trabalho em Altura Professor Flávio Nunes NR 35 Trabalho em Altura CLT: Art.200 www.econcursando.com.br 1 35.1. Objetivo e Campo de Aplicação 35.1.1 Esta Norma estabelece os requisitos mínimos e as medidas de proteção para

Leia mais

NORMA TÉCNICA 39/2014

NORMA TÉCNICA 39/2014 ESTADO DE GOIÁS CORPO DE BOMBEIROS MILITAR NORMA TÉCNICA 39/2014 CREDENCIAMENTO DE EMPRESAS DE VENDA/REVENDA, MANUTENÇÃO E/OU RECARGA DE EXTINTORES DE INCÊNDIO, DE EMPRESAS DE FORMAÇÃO E/OU DE PRESTAÇÃO

Leia mais

NR-35 TRABALHO EM ALTURA

NR-35 TRABALHO EM ALTURA 35.1. Objetivo e Campo de Aplicação NR-35 TRABALHO EM ALTURA Publicação D.O.U. Portaria SIT n.º 313, de 23 de março de 2012 27/03/12 35.1.1 Esta Norma estabelece os requisitos mínimos e as medidas de proteção

Leia mais

BRASIL CERTIFICAÇÃO DE AERÓDROMOS

BRASIL CERTIFICAÇÃO DE AERÓDROMOS BRASIL CERTIFICAÇÃO DE AERÓDROMOS ROTEIRO SITUAÇÃO DA REDE AEROPORTUÁRIA. PROVISÕES DO CÓDIGO BRASILEIRO DE AERONÁUTICA E NORMAS. SISTEMA DE AVIAÇÃO CIVIL. DEPARTAMENTO DE AVIAÇÃO CIVL. PASSOS DA HOMOLOGAÇÃO

Leia mais

ESTUDO COMPARATIVO NBR ISO 13485:2004 RDC 59:2000 PORTARIA 686:1998 ITENS DE VERIFICAÇÃO PARA AUDITORIA

ESTUDO COMPARATIVO NBR ISO 13485:2004 RDC 59:2000 PORTARIA 686:1998 ITENS DE VERIFICAÇÃO PARA AUDITORIA ESTUDOCOMPARATIVO NBRISO13485:2004 RDC59:2000 PORTARIA686:1998 ITENSDEVERIFICAÇÃOPARAAUDITORIA 1. OBJETIVO 1.2. 1. Há algum requisito da Clausula 7 da NBR ISO 13485:2004 que foi excluída do escopo de aplicação

Leia mais

RESOLUÇÃO CNE/CEB Nº 1, DE 21 DE JANEIRO DE 2004.(*) CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CÂMARA DE EDUCAÇÃO BÁSICA

RESOLUÇÃO CNE/CEB Nº 1, DE 21 DE JANEIRO DE 2004.(*) CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CÂMARA DE EDUCAÇÃO BÁSICA RESOLUÇÃO CNE/CEB Nº 1, DE 21 DE JANEIRO DE 2004.(*) CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CÂMARA DE EDUCAÇÃO BÁSICA RESOLUÇÃO CNE/CEB Nº 1, DE 21 DE JANEIRO DE 2004.(*) Estabelece Diretrizes Nacionais para a

Leia mais

MANUAL DO USUÁRIO NÍVEL TÉCNICO PARTE I INFORMAÇÕES PARA BOLSISTA ALUNO

MANUAL DO USUÁRIO NÍVEL TÉCNICO PARTE I INFORMAÇÕES PARA BOLSISTA ALUNO PROGRAMA PETROBRAS DE FORMAÇÃO DE RECURSOS HUMANOS (PFRH) MANUAL DO USUÁRIO NÍVEL TÉCNICO PARTE I INFORMAÇÕES PARA BOLSISTA ALUNO Versão 04/02/2011 SUMÁRIO 1 APRESENTAÇÃO 2 INTRODUÇÃO 3 MODALIDADES DE

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 302, DE 5 DE FEVEREIRO DE 2014.

RESOLUÇÃO Nº 302, DE 5 DE FEVEREIRO DE 2014. RESOLUÇÃO Nº 302, DE 5 DE FEVEREIRO DE 2014. Estabelece critérios e procedimentos para a alocação e remuneração de áreas aeroportuárias. A DIRETORIA DA AGÊNCIA NACIONAL DE AVIAÇÃO CIVIL - ANAC, no exercício

Leia mais

NORMAS DE SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIO

NORMAS DE SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIO ESTADO DE SANTA CATARINA SECRETARIA DE ESTADO DA SEGURANÇA PÚBLICA CORPO DE BOMBEIROS MILITAR DIRETORIA DE ATIVIDADES TÉCNICAS - DAT NORMAS DE SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIO INSTRUÇÃO NORMATIVA (IN nº 040/DAT/CBMSC)

Leia mais

REGULAMENTO BRASILEIRO DA AVIAÇÃO CIVIL

REGULAMENTO BRASILEIRO DA AVIAÇÃO CIVIL Título: REGULAMENTO BRASILEIRO DA AVIAÇÃO CIVIL RBAC nº 11 EMENDA nº 00 PROCEDIMENTOS E NORMAS GERAIS PARA A ELABORAÇÃO DE REGRAS E EMENDAS AOS REGULAMENTOS BRASILEIROS DA AVIAÇÃO CIVIL Aprovação: Resolução

Leia mais

NORMAS DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO PARA OS CURSOS DE LICENCIATURA EM LETRAS DA PUCRS

NORMAS DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO PARA OS CURSOS DE LICENCIATURA EM LETRAS DA PUCRS NORMAS DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO PARA OS CURSOS DE LICENCIATURA EM LETRAS DA PUCRS CURSOS DE LICENCIATURA EM LETRAS: Habilitações: Língua Portuguesa e respectivas Literaturas Língua Espanhola e respectivas

Leia mais

PROGRAMA BRASILEIRO PARA A SEGURANÇA OPERACIONAL DA AVIAÇÃO CIVIL PSO-BR

PROGRAMA BRASILEIRO PARA A SEGURANÇA OPERACIONAL DA AVIAÇÃO CIVIL PSO-BR PROGRAMA BRASILEIRO PARA A SEGURANÇA OPERACIONAL DA AVIAÇÃO CIVIL PSO-BR PROGRAMA BRASILEIRO PARA A SEGURANÇA OPERA- CIONAL DA AVIAÇÃO CIVIL PSO-BR ANTECEDENTES A Organização de Aviação Civil Internacional

Leia mais

Programa de Treinamento de Profissionais de Aeroportos TREINAR CURSO BÁSICO DE BOMBEIRO DE AERÓDROMO CBBA

Programa de Treinamento de Profissionais de Aeroportos TREINAR CURSO BÁSICO DE BOMBEIRO DE AERÓDROMO CBBA PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA SECRETARIA DE AVIAÇÃO CIVIL SECRETARIA DE NAVEGAÇÃO AÉREA CIVIL Programa de Treinamento de Profissionais de Aeroportos TREINAR CURSO BÁSICO DE BOMBEIRO DE AERÓDROMO CBBA EDITAL

Leia mais

PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU

PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU R E G I M E N T O G E R A L PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU Regimento Geral PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU Este texto foi elaborado com as contribuições de um colegiado de representantes da Unidades Técnico-científicas,

Leia mais

PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA MECÂNICA - PPGEM

PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA MECÂNICA - PPGEM PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA MECÂNICA - PPGEM Regimento Interno do Curso de Mestrado Acadêmico em Engenharia Mecânica do Programa de Pós Graduação em Engenharia Mecânica Este programa de Pós-Graduação

Leia mais

EDITAL Nº 038 DE 13 DE AGOSTO DE 2014

EDITAL Nº 038 DE 13 DE AGOSTO DE 2014 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA COORDENADORIA DE EDUCAÇÃO BÁSICA, TECNICA E TECNOLÓGICA COLÉGIO TÉCNICO INDUSTRIAL DE SANTA MARIA EDITAL Nº 038 DE 3 DE AGOSTO DE 204 SELEÇÃO

Leia mais

PROCEDIMENTO OPERACIONAL

PROCEDIMENTO OPERACIONAL PO.GRH.01 01 1/9 1. OBJETIVO Descrever e fornecer informações quanto às atribuições, responsabilidades e pré-requisitos que constituem as funções da organização, e o levantamento da necessidade e realização

Leia mais

NPT 031 SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIO PARA HELIPONTO E HELIPORTO

NPT 031 SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIO PARA HELIPONTO E HELIPORTO Janeiro 2012 Vigência: 08 Janeiro 2012 NPT 031 Segurança Contra Incêndio para Heliponto e Heliporto CORPO DE BOMBEIROS BM/7 Versão: 02 Norma de Procedimento Técnico 5 páginas SUMÁRIO 1 Objetivo 2 Aplicação

Leia mais

IT - 35 SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIO EM EDIFICAÇÕES HISTÓRICAS

IT - 35 SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIO EM EDIFICAÇÕES HISTÓRICAS IT - 35 SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIO EM EDIFICAÇÕES HISTÓRICAS SUMÁRIO 1 - Objetivo 7 - Exposição ao risco de incêndio 2 - Referências normativas 8 - Risco de incêndio 3 - Símbolos 9 - Fatores de segurança

Leia mais

PRODUÇÃO DE ARTIGO CIENTÍFICO DE CONCLUSÃO DE CURSO DIREITO

PRODUÇÃO DE ARTIGO CIENTÍFICO DE CONCLUSÃO DE CURSO DIREITO PRODUÇÃO DE ARTIGO CIENTÍFICO DE CONCLUSÃO DE CURSO DIREITO Dispõe sobre a forma de operacionalização do Trabalho de Conclusão de Curso (TCC) do Curso de Direito. CAPITULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES

Leia mais

P 2: Quais os limites entre aspectos relativos ao meio ambiente e à segurança?

P 2: Quais os limites entre aspectos relativos ao meio ambiente e à segurança? INTERPRETAÇÃO NBR ISO 14001 (1996), JULHO 2001 CB-38/SC-01/GRUPO DE INTERPRETAÇÃO INTRODUÇÃO O CB-38, Comitê Brasileiro de Gestão Ambiental, da ABNT Associação Brasileira de Normas Técnicas, decidiu criar

Leia mais

ORGANIZAÇÕES AÉREAS DE SEGURANÇA PÚBLICA (Coloque o nome de sua Organização)

ORGANIZAÇÕES AÉREAS DE SEGURANÇA PÚBLICA (Coloque o nome de sua Organização) ORGANIZAÇÕES AÉREAS DE SEGURANÇA PÚBLICA (Coloque o nome de sua Organização) MANUAL DE INSTRUÇÃO E PROCEDIMENTOS PARA ESCOLA DE AVIAÇÃO DAS ORGANIZAÇÕES AÉREAS DE SEGURANÇA PÚBLICA (OASP) SÃO PAULO 2014

Leia mais

REGULAMENTO GERAL DE ESTÁGIOS

REGULAMENTO GERAL DE ESTÁGIOS REGULAMENTO GERAL DE ESTÁGIOS Dispõe sobre os estágios realizados pelos discentes do Instituto de Educação, Ciência e Tecnologia de Minas Gerais - IFMG, em cumprimento da Lei nº 11.788, de 25 de setembro

Leia mais

Departamento Estadual de Trânsito DETRAN

Departamento Estadual de Trânsito DETRAN Assessoria de Comunicação Social Departamento Estadual de Trânsito DETRAN Salvador, Bahia Quarta-Feira 17 de dezembro de 2014 Ano XCIX N o 21.598 Extrato de Portarias de 16 de dezembro de 2014 Diretoria

Leia mais

REGULAMENTO DO ESTÁGIO CURRICULAR OBRIGATÓRIO DO CURSO DE GRADUAÇÃO EM MEDICINA VETERINÁRIA

REGULAMENTO DO ESTÁGIO CURRICULAR OBRIGATÓRIO DO CURSO DE GRADUAÇÃO EM MEDICINA VETERINÁRIA REGULAMENTO DO ESTÁGIO CURRICULAR OBRIGATÓRIO DO CURSO DE GRADUAÇÃO EM MEDICINA VETERINÁRIA DAS FINALIDADES Artigo 1º - O estágio curricular obrigatório do curso de graduação em Medicina Veterinária é

Leia mais

IT - 16 SISTEMA DE PROTEÇÃO POR EXTINTORES DE INCÊNDIO

IT - 16 SISTEMA DE PROTEÇÃO POR EXTINTORES DE INCÊNDIO IT - 16 SISTEMA DE PROTEÇÃO POR EXTINTORES DE INCÊNDIO SUMÁRIO 1 Objetivo 2 Aplicação 3 Referências Normativas 4 Definições 5 Generalidades gerais 6- Procedimentos 7 Certificação e validade/garantia INSTRUÇÃO

Leia mais

REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR DO CURSO DE PEDAGOGIA

REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR DO CURSO DE PEDAGOGIA REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR DO CURSO DE PEDAGOGIA DA FACULDADE ANGLO-AMERICANO CAPÍTULO I DA CARACTERIZAÇÃO Art. 1º Este Regulamento disciplina as atividades do Estágio Curricular Supervisionado,

Leia mais

PROCESSO SELETIVO DE SERVIDORES PÚBLICOS FEDERAIS PARA ATUAÇÃO COMO INSTRUTORES NOS CURSOS GESTÃO DA ESTRATÉGIA COM O USO DO

PROCESSO SELETIVO DE SERVIDORES PÚBLICOS FEDERAIS PARA ATUAÇÃO COMO INSTRUTORES NOS CURSOS GESTÃO DA ESTRATÉGIA COM O USO DO PROCESSO SELETIVO DE SERVIDORES PÚBLICOS FEDERAIS PARA ATUAÇÃO COMO INSTRUTORES NOS CURSOS GESTÃO DA ESTRATÉGIA COM O USO DO BSC E MÓDULO 2 PLANEJAMENTO E GESTÃO ORGANIZACIONAL (PROGRAMA DE DESENVOLVIMENTO

Leia mais

GUIA DO CANDIDATO INSPETORES DE PINTURA INDUSTRIAL

GUIA DO CANDIDATO INSPETORES DE PINTURA INDUSTRIAL 1 de 9 1 OBJETIVO Fornecer as informações necessárias para a qualificação e certificação de Inspetores de Pintura Industrial níveis 1 e 2, segundo os critérios estabelecidos na norma ABNT NBR 15218 e demais

Leia mais

MANUAL DE PROCEDIMENTOS MPR/SIA-204-R00

MANUAL DE PROCEDIMENTOS MPR/SIA-204-R00 MANUAL DE PROCEDIMENTOS MPR/SIA-204-R00 ACOMPANHAMENTO DE SERVIÇOS DE RESPOSTA A EMERGÊNCIA EM AERÓDROMO 05/2014 PÁGINA INTENCIONALMENTE EM BRANCO 2 Brasília, 07 de maio de 2014. Aprovado, Fabio Faizi

Leia mais

MINISTÉRIO DA JUSTIÇA DEPARTAMENTO DE POLÍCIA FEDERAL DIRETORIA EXECUTIVA COORDENAÇÃO GERAL DE CONTROLE DE SEGURANÇA PRIVADA PORTARIA Nº- 12

MINISTÉRIO DA JUSTIÇA DEPARTAMENTO DE POLÍCIA FEDERAL DIRETORIA EXECUTIVA COORDENAÇÃO GERAL DE CONTROLE DE SEGURANÇA PRIVADA PORTARIA Nº- 12 MINISTÉRIO DA JUSTIÇA DEPARTAMENTO DE POLÍCIA FEDERAL DIRETORIA EXECUTIVA COORDENAÇÃO GERAL DE CONTROLE DE SEGURANÇA PRIVADA PORTARIA Nº- 12.620, DE 13 DEZEMBRO DE 2012 (Alterada pela Portaria nº 30.536/13

Leia mais

Universidade Federal da Bahia Escola Politécnica Programa de Pós-Graduação em Engenharia Elétrica

Universidade Federal da Bahia Escola Politécnica Programa de Pós-Graduação em Engenharia Elétrica Universidade Federal da Bahia Escola Politécnica Programa de Pós-Graduação em Engenharia Elétrica REGIMENTO INTERNO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA ELÉTRICA DA ESCOLA POLITÉCNICA DA UFBA TÍTULO

Leia mais

Faculdade de Tecnologia SENAI Roberto Simonsen

Faculdade de Tecnologia SENAI Roberto Simonsen 1 SUMÁRIO Conteúdo 1. APRESENTAÇÃO... 3 2. O CURSO... 3 3. PERFIL DO TECNÓLOGO EM MANUTENÇÃO INDUSTRIAL... 3 4. ATRIBUIÇÕES E RESPONSABILIDADES... 3 5. CONDIÇÕES GERAIS DO ESTÁGIO... 5 6. MATRÍCULA...

Leia mais

A SECRETARIA DE SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO, no uso de suas atribuições legais, e

A SECRETARIA DE SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO, no uso de suas atribuições legais, e PORTARIA SSST Nº 11, de 13/10/1994 "Publica a minuta do Projeto de Reformulação da Norma Regulamentadora nº 9 - Riscos Ambientais com o seguinte título: Programa de Proteção a Riscos Ambientais". A SECRETARIA

Leia mais

FACULDADE DE ENGENHARIA

FACULDADE DE ENGENHARIA FACULDADE DE ENGENHARIA CURSO DE ENGENHARIA CIVIL REGULAMENTO DO TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO (TCC) DOS CURSOS DA FACULDADE DE ENGENHARIA REGULAMENTO DO TRABALHO DE CONCLUSÃO DOS CURSOS DA FACULDADE

Leia mais

EDITAL Nº 006/RIFB, 17 DE ABRIL DE 2015

EDITAL Nº 006/RIFB, 17 DE ABRIL DE 2015 EDITAL Nº 006/RIFB, 17 DE ABRIL DE 2015 PROCESSO SELETIVO PARA CONSTITUIÇÃO DO BANCO DE FORMADORES/INSTRUTORES INTERNOS PARA ATUAÇÃO NOS EVENTOS DE CAPACITAÇÃO OFERTADOS NO PLANO ANUAL DE CAPACITAÇÃO -

Leia mais

Comando do Corpo de Bombeiros. Mód 5 Plano de Emergência Contra Incêndio e Brigada de Incêndio. Maj. QOBM Fernando

Comando do Corpo de Bombeiros. Mód 5 Plano de Emergência Contra Incêndio e Brigada de Incêndio. Maj. QOBM Fernando Comando do Corpo de Bombeiros Mód 5 Plano de Emergência Contra Incêndio e Brigada de Incêndio Maj. QOBM Fernando Plano de Emergência Requisitos para Elaboração e Aspectos a serem Observados; Implementação

Leia mais

Considerando que é dever do Estado instaurar condições para a existência de concorrência justa no País, resolve baixar as seguintes disposições:

Considerando que é dever do Estado instaurar condições para a existência de concorrência justa no País, resolve baixar as seguintes disposições: MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR - MDIC INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, NORMALIZAÇÃO E QUALIDADE INDUSTRIAL-INMETRO Portaria nº 109, de 13 de junho de 2005. O PRESIDENTE DO

Leia mais

CONSELHO REGIONAL DE ENFERMAGEM DE SÃO PAULO. PARECER COREN-SP 002/2012 CT PRCI n 99.073/2012 e Ticket 280.834

CONSELHO REGIONAL DE ENFERMAGEM DE SÃO PAULO. PARECER COREN-SP 002/2012 CT PRCI n 99.073/2012 e Ticket 280.834 PARECER COREN-SP 002/2012 CT PRCI n 99.073/2012 e Ticket 280.834 Assunto: Ações de resgate de vítimas em altura e em espaço confinado. Competência da equipe de bombeiros militares. 1. Do fato Solicitado

Leia mais

NORMAS DE SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIOS

NORMAS DE SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIOS ESTADO DE SANTA CATARINA SECRETARIA DE ESTADO DA SEGURANÇA PÚBLICA CORPO DE BOMBEIROS MILITAR DIRETORIA DE ATIVIDADES TÉCNICAS - DAT NORMAS DE SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIOS INSTRUÇÃO NORMATIVA (IN nº 041/DAT/CBMSC)

Leia mais

CURRÍCULO DO CURSO DE HABILITAÇÃO DE BOMBEIRO DE AERÓDROMO 1 (CBA-1)

CURRÍCULO DO CURSO DE HABILITAÇÃO DE BOMBEIRO DE AERÓDROMO 1 (CBA-1) (ANEXO 1) CURRÍCULO DO CURSO DE HABILITAÇÃO DE BOMBEIRO DE AERÓDROMO 1 (CBA-1) 1 Currículo do Curso de Habilitação de Bombeiro de Aeródromo 1: 1.1 O currículo do CBA-1 está estruturado em 6 (seis) módulos,

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 03/2009, DE 5 DE JANEIRO DE 2009

RESOLUÇÃO Nº 03/2009, DE 5 DE JANEIRO DE 2009 RESOLUÇÃO Nº 03/2009, DE 5 DE JANEIRO DE 2009 Altera o Regulamento do Trabalho de Conclusão de Curso - TCC do Curso de Economia, na forma do Anexo. O Reitor da Universidade Regional de Blumenau, no uso

Leia mais

MANUAL DE PROCEDIMENTOS MPR/SIA-001-R01

MANUAL DE PROCEDIMENTOS MPR/SIA-001-R01 MANUAL DE PROCEDIMENTOS MPR/SIA-001-R01 CONTROLE DE QUALIDADE DO PROCESSO DE NORMATIZAÇÃO 04/2013 PÁGINA INTENCIONALMENTE EM BRANCO 2 Brasília, 19 de abril de 2013. Aprovado, Fabio Faizi Rahnemay Rabbani

Leia mais

GERAL DOS CURSOS DE PÓS GRADUAÇÃO PROPe

GERAL DOS CURSOS DE PÓS GRADUAÇÃO PROPe REGULAMENTO GERAL DOS CURSOS DE PÓS GRADUAÇÃO PROPe Sumário Título I Dos Cursos de Pós Graduação e suas finalidades...1 Título II Dos Cursos de Pós Graduação em Sentido Lato...1 Título III Dos Cursos de

Leia mais

CONSELHO REGIONAL DE ENFERMAGEM DE SÃO PAULO PARECER COREN-SP GAB Nº 067 / 2011

CONSELHO REGIONAL DE ENFERMAGEM DE SÃO PAULO PARECER COREN-SP GAB Nº 067 / 2011 PARECER COREN-SP GAB Nº 067 / 2011 1. Do fato Solicitado parecer sobre atuação do profissional Enfermeiro no treinamento ministrado aos componentes de brigadas de incêndio, atendendo a Instrução Técnica

Leia mais

Procedimento Institucional Gestão de EPI

Procedimento Institucional Gestão de EPI Tipo de Documento Procedimento Institucional Título do Documento Equipamento de Proteção Individual Elaborado por Paulo Sérgio Bigoni Área Relacionada Saúde e Segurança do Trabalhador Processo ESTRUTURAÇÃO

Leia mais

EDITAL DO LEILÃO Nº 2/2011 ANEXO 9 DO CONTRATO PLANO DE TRANSFERÊNCIA OPERACIONAL (PTO)

EDITAL DO LEILÃO Nº 2/2011 ANEXO 9 DO CONTRATO PLANO DE TRANSFERÊNCIA OPERACIONAL (PTO) EDITAL DO LEILÃO Nº 2/2011 CONCESSÃO PARA AMPLIAÇÃO, MANUTENÇÃO E EXPLORAÇÃO DOS AEROPORTOS INTERNACIONAIS BRASÍLIA CAMPINAS GUARULHOS EDITAL DO LEILÃO Nº 2/2011 ANEXO 9 DO CONTRATO PLANO DE TRANSFERÊNCIA

Leia mais

O PAE, parte integrante do PGR, contempla também a prevenção do risco de acidentes com produtos perigosos e de combate a incêndio.

O PAE, parte integrante do PGR, contempla também a prevenção do risco de acidentes com produtos perigosos e de combate a incêndio. OBJETIVO O PGR - Programa de Gerenciamento de Risco e PAE - Plano de Ação de Emergências são parte integrante do PBA Plano Básico Ambiental da Estrada-Parque Visconde de Mauá, que compreende a identificação,

Leia mais

RESOLUÇÃO N 24, DE 08 DE JUNHO DE 2015

RESOLUÇÃO N 24, DE 08 DE JUNHO DE 2015 RESOLUÇÃO N 24, DE 08 DE JUNHO DE 2015 Dispõe sobre recolhimento de alimentos e sua comunicação à Anvisa e aos consumidores. A Diretoria Colegiada da Agência Nacional de Vigilância Sanitária, no uso das

Leia mais

ANEXO I FORMULÁRIO DE ANÁLISE PARA PROPOSIÇÃO DE ATO NORMATIVO

ANEXO I FORMULÁRIO DE ANÁLISE PARA PROPOSIÇÃO DE ATO NORMATIVO ANEXO I FORMULÁRIO DE ANÁLISE PARA PROPOSIÇÃO DE ATO NORMATIVO Processo nº: 00058.024009/2014-54 Unidade Responsável GCON/SRE (Sigla): Assunto do normativo: Regulamentar a aferição dos Indicadores de Qualidade

Leia mais

Proposta de alteração do RBAC 135 (Minuta de proposta de alteração do RBAC 135)

Proposta de alteração do RBAC 135 (Minuta de proposta de alteração do RBAC 135) RBAC 135 EMD 03 RBAC 135 EMD 04 para consulta pública SUBPARTE A SUBPARTE A GERAL GERAL 135.1 Aplicabilidade 135.1 Aplicabilidade (a) Este regulamento estabelece regras que regem: (a) Este regulamento

Leia mais

2. SUBSTITUIÇÃO DO COORDENADOR LOCAL

2. SUBSTITUIÇÃO DO COORDENADOR LOCAL Pacto 2014 Documento de Orientação Em 2014, iniciaremos o Ano 2 do Pacto Nacional pela Alfabetização na Idade Certa 2014. A principal diferença do programa refere-se aos conteúdos que serão trabalhados

Leia mais

Súmula: Regulamenta a Instituição do Programa Brigadas Escolares Defesa Civil na Escola.

Súmula: Regulamenta a Instituição do Programa Brigadas Escolares Defesa Civil na Escola. DECRETO QUE REGULAMENTA A LEI 18.424/2015 Súmula: Regulamenta a Instituição do Programa Brigadas Escolares Defesa Civil na Escola. O GOVERNADOR DO ESTADO DO PARANÁ, no uso das atribuições que lhe confere

Leia mais

Regulamento Estágio Curricular Obrigatório

Regulamento Estágio Curricular Obrigatório Regulamento Estágio Curricular Obrigatório CST em Fabricação Mecânica CST em Gestão de Recursos Humanos CST em Mecatrônica Industrial 1 CAPÍTULO I DA JUSTIFICATIVA E FINALIDADES Art. 1º - O programa de

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 01/2012 PRÓ-REITORIA DE ENSINO/IFMG/SETEC/MEC, DE 05 DE JUNHO DE 2012.

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 01/2012 PRÓ-REITORIA DE ENSINO/IFMG/SETEC/MEC, DE 05 DE JUNHO DE 2012. MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE MINAS GERAIS PRÓ-REITORIA DE ENSINO Av. Professor Mario Werneck, nº 2590,

Leia mais

Analise e Desenvolvimento de Sistemas

Analise e Desenvolvimento de Sistemas EDITAL FATEC DA ZONA LESTE Nº. 01/2015 DE 22 DE MAIO DE 2015. O Diretor da Faculdade de Tecnologia da Zona Leste no uso de suas atribuições legais faz saber que estão reabertas as inscrições para participação

Leia mais

MINISTÉRIO DA JUSTIÇA DEPARTAMENTO DE POLÍCIA FEDERAL DIRETORIA EXECUTIVA COORDENAÇÃO-GERAL DE CONTROLE DE SEGURANÇA PRIVADA

MINISTÉRIO DA JUSTIÇA DEPARTAMENTO DE POLÍCIA FEDERAL DIRETORIA EXECUTIVA COORDENAÇÃO-GERAL DE CONTROLE DE SEGURANÇA PRIVADA MINISTÉRIO DA JUSTIÇA DEPARTAMENTO DE POLÍCIA FEDERAL DIRETORIA EXECUTIVA COORDENAÇÃO-GERAL DE CONTROLE DE SEGURANÇA PRIVADA PORTARIA N.º 33.284, DE 4 DE FEVEREIRO DE 2015 (DOU de 06/02/2015 Seção I Pág.

Leia mais

Sistema de Gestão de SMS

Sistema de Gestão de SMS DESCRIÇÃO DA EMPRESA Nome SMART EXPRESS TRANSPORTES LTDA EPP CNPJ 12.103.225/0001-52 Insc.Est. 79.477.680 Atividade: transporte rodoviário de carga em geral Código: 206-2 Nº de funcionários (inclusive

Leia mais

FACULDADE ADVENTISTA DA BAHIA REGULAMENTO DE MONITORIA DO CURSO DE PEDAGOGIA

FACULDADE ADVENTISTA DA BAHIA REGULAMENTO DE MONITORIA DO CURSO DE PEDAGOGIA FACULDADE ADVENTISTA DA BAHIA REGULAMENTO DE MONITORIA DO CURSO DE PEDAGOGIA Cachoeira, março de 2011 REGULAMENTO DE MONITORIA ACADÊMICA DO CURSO DE PEDAGOGIA Capítulo I DISPOSIÇÕES PRELIMINARES Art. 1º

Leia mais

CURSOS MINISTRADOS PELA TREINAMENTOS & BRIGADA CONTEÚDO PROGRAMÁTICO

CURSOS MINISTRADOS PELA TREINAMENTOS & BRIGADA CONTEÚDO PROGRAMÁTICO CURSOS MINISTRADOS PELA TREINAMENTOS & BRIGADA Item Treinamentos C/H 01 Brigada de Incêndio 12 h/a 02 Brigada de Incêndio 16 h/a 03 Primeiros Socorros 08 h/a 04 Trabalho em Altura 08 h/a 05 CIPA 20 h/a

Leia mais

Secretaria do Estado de Meio Ambiente e Desenvolvimento Sustentável-SEMAD

Secretaria do Estado de Meio Ambiente e Desenvolvimento Sustentável-SEMAD Secretaria do Estado de Meio Ambiente e Desenvolvimento Sustentável-SEMAD Diretoria de Prevenção e Combate aos Incêndios Florestais e Eventos Críticos DPIFE Palestrante: JARBAS JORGE DE ALCÂNTARA Téc.

Leia mais

INSTRUÇÃO TÉCNICA Nº 16 2ª EDIÇÃO

INSTRUÇÃO TÉCNICA Nº 16 2ª EDIÇÃO INSTRUÇÃO TÉCNICA Nº 16 2ª EDIÇÃO SISTEMA DE PROTEÇÃO POR EXTINTORES DE INCÊNDIO SUMÁRIO 1 Objetivo 2 Aplicação 3 Referências normativas 4 Definições 5 Generalidades 6 Características e critérios para

Leia mais

PROFLETRAS R E G I M E N T O

PROFLETRAS R E G I M E N T O PROFLETRAS R E G I M E N T O CAPÍTULO I - CAPITULO II - CAPÍTULO III - CAPÍTULO IV - CAPÍTULO V - CAPÍTULO VI - CAPÍTULO VII - CAPÍTULO VIII - Das Finalidades Das Instituições Associadas Da Organização

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL DEPARTAMENTO DE AVIAÇÃO CIVIL

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL DEPARTAMENTO DE AVIAÇÃO CIVIL !" """ SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL DEPARTAMENTO DE AVIAÇÃO CIVIL PORTARIA N o 034/DGAC, DE 19 DE JANEIRO DE 2000 Aprova a Instrução de Aviação Civil que dispõe sobre alterações em vôos regulares e realização

Leia mais

PROCESSO SELETIVO PARA CADASTRO DE RESERVA Edital nº 03/2013

PROCESSO SELETIVO PARA CADASTRO DE RESERVA Edital nº 03/2013 PROCESSO SELETIVO PARA CADASTRO DE RESERVA Edital nº 03/2013 O Instituto Brasileiro de Administração Pública e Apoio Universitário IBAP-RJ torna público a realização do Processo Seletivo para Cadastro

Leia mais

RESOLUÇÃO CD/FNDE Nº 24 DE 04 DE JUNHO DE 2008

RESOLUÇÃO CD/FNDE Nº 24 DE 04 DE JUNHO DE 2008 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO FUNDO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃO CONSELHO DELIBERATIVO RESOLUÇÃO CD/FNDE Nº 24 DE 04 DE JUNHO DE 2008 Estabelece orientações e diretrizes para o apoio financeiro às

Leia mais

ANEXO Nº I. Liberação: ¾ Termo de Liberação dos gestores da área solicitante para inicio das atividades; Prorrogação:

ANEXO Nº I. Liberação: ¾ Termo de Liberação dos gestores da área solicitante para inicio das atividades; Prorrogação: ANEXO Nº I Item: SERVIÇO Unidade Requisitante: Código Cadastro: Empresa Contratada Especificações de Segurança, Higiene e Medicina do Trabalho para realização de integração na contratante. 1) Itens obrigatórios

Leia mais

Medida Provisória 652: Novo cenário para a Aviação Regional. Ana Cândida de Mello Carvalho amcarvalho@tozzinifreire.com.br

Medida Provisória 652: Novo cenário para a Aviação Regional. Ana Cândida de Mello Carvalho amcarvalho@tozzinifreire.com.br Medida Provisória 652: Novo cenário para a Aviação Regional Ana Cândida de Mello Carvalho amcarvalho@tozzinifreire.com.br Sumário 1. Dados da SAC sobre o Setor Aeroportuário 2. Plano Geral de Outorgas

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 263. Pôr em vigência, a partir da presente data, o REGIMENTO. DOS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU, que

RESOLUÇÃO Nº 263. Pôr em vigência, a partir da presente data, o REGIMENTO. DOS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU, que RESOLUÇÃO Nº 263 PÕE EM VIGÊNCIA O REGIMENTO DOS CURSOS DE PÓS- GRADUAÇÃO LATO SENSU O Reitor da Universidade Católica de Pelotas, no uso de suas atribuições, considerando os termos da proposta encaminhada

Leia mais

ESTADO DO MARANHÃO CORPO DE BOMBEIROS MILITAR COMANDO GERAL

ESTADO DO MARANHÃO CORPO DE BOMBEIROS MILITAR COMANDO GERAL ESTADO DO MARANHÃO CORPO DE BOMBEIROS MILITAR COMANDO GERAL Resolução nº 002 de 09 de maio de 2011. O Comandante Geral do Corpo de Bombeiros Militar do Estado do Maranhão, no uso de suas atribuições legais,

Leia mais

COMO ESCREVER UM MANUAL DE INSTRUÇÕES CONFORME A NR 12 (25/06/15):

COMO ESCREVER UM MANUAL DE INSTRUÇÕES CONFORME A NR 12 (25/06/15): COMO ESCREVER UM MANUAL DE INSTRUÇÕES CONFORME A NR 12 (25/06/15): Com a publicação do texto revisado da Norma Regulamentadora 12, em 25 de Junho de 2015 pela Portaria MTE 857 do Ministério do Trabalho

Leia mais

Art. 2º - Esta Instrução Normativa entra em vigor na data de sua publicação. Professora Sandra Denise Kruger Alves Chefe do DEC

Art. 2º - Esta Instrução Normativa entra em vigor na data de sua publicação. Professora Sandra Denise Kruger Alves Chefe do DEC RESOLUÇÃO DEC No 01/2013 Fixa normas para Elaboração e Apresentação dos Trabalhos de Conclusão do Curso de Graduação em Engenharia Civil. A Chefia do Departamento do Curso de Engenharia Civil, no uso de

Leia mais

PROCEDIMENTOS E NORMAS GE- RAIS PARA A ELABORAÇÃO DE REGRAS E EMENDAS AOS REGU- LAMENTOS BRASILEIROS DE AVIAÇÃO CIVIL

PROCEDIMENTOS E NORMAS GE- RAIS PARA A ELABORAÇÃO DE REGRAS E EMENDAS AOS REGU- LAMENTOS BRASILEIROS DE AVIAÇÃO CIVIL REGULAMENTO BRASILEIRO DE AVIAÇÃO CIVIL N 11 RBAC 11 PROCEDIMENTOS E NORMAS GE- RAIS PARA A ELABORAÇÃO DE REGRAS E EMENDAS AOS REGU- LAMENTOS BRASILEIROS DE AVIAÇÃO CIVIL APROVAÇÃO: RESOLUÇÃO XX ANAC,

Leia mais

10/04/2015 regeral_133_146

10/04/2015 regeral_133_146 Seção VI Da Transferência Art. 96. A UNIR aceita transferência de discentes oriundos de outras instituições de educação superior, de cursos devidamente autorizados, para cursos afins, na hipótese de existência

Leia mais