I RELATÓRIO NACIONAL SOBRE GESTÃO E USO SUSTENTÁVEL DA FAUNA SILVESTRE

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "I RELATÓRIO NACIONAL SOBRE GESTÃO E USO SUSTENTÁVEL DA FAUNA SILVESTRE"

Transcrição

1 I RELATÓRIO NACIONAL SOBRE GESTÃO E USO SUSTENTÁVEL DA FAUNA SILVESTRE

2 Objetivo Principal: Apresentar uma análise técnica sobre a atual situação da fauna silvestre e exótica no Brasil e suas implicações sociais, econômicas, ambientais e jurídicas, oferecendo um marco teórico para subsidiar a proposição de políticas públicas, objetivando a criação de um Código Nacional da Fauna Silvestre.

3 Objetivos Específicos: Analisar a gestão pública da fauna silvestre e exótica no país; Fortalecer os mecanismos de controle e fiscalização ambiental; Sugerir critérios para o manejo da fauna silvestre e exótica; Aperfeiçoar o modelo de gestão pública da fauna silvestre brasileira; Estimular o aprimoramento das técnicas de uso sustentável da fauna silvestre; Ampliar e fortalecer a contribuição dos criadouros, zoológicos, centros de manejo e demais mantenedores de fauna para a conservação biodiversidade; Contribuir para a implantação de uma política pública para a gestão e o uso da fauna silvestres no país.

4 Resultados esperados no âmbito governamental: Aplicação efetiva das normas e convenções internacionais sobre a gestão da biodiversidade, das quais o Brasil é signatário; Proposição e adoção de novos procedimentos sobre a gestão da fauna; Aprimoramento da política nacional para a proteção da biodiversidade; Disseminação da legislação ambiental vigente; Aperfeiçoamento dos programas de pesquisa e manejo de animais silvestres; Ampliação dos casos de sucesso dos programas de conservação da biodiversidade.

5 Resultados esperados no âmbito socioambiental: Redução da demanda nacional por animais silvestres de origem ilegal; Aperfeiçoamento da criação comercial e conservacionista no país; Maior participação dos responsáveis pelos programas de preservação da fauna silvestre nas ações de conservação ambiental; Maior divulgação na mídia sobre os casos de sucesso dos programas de conservação das espécies silvestres; Ampliação e aprimoramento da cooperação científica entre os gestores dos programas para o manejo da fauna; Acréscimo no êxito nas ações de conservação da biodiversidade brasileira.

6 Estrutura do Relatório: Cada capítulo está estruturado com uma introdução específica sobre o tema discutido, ao todo são 7 capítulos; Cada um dos capítulos possui um ou dois artigos de analistas e/ou pesquisadores com notório conhecimento sobre o conteúdo abordado, no total são 54 artigos; Para ilustrar cada um dos temas, foram eleitos 52 casos emplemáticos na área da conservação e uso sustentável de fauna selvagem em vários países do mundo, inclusive no Brasil; O capítulo 7 faz uma análise sobre da situação atual e apresenta medidas que podem ser adotadas para reverter o atual modelo de gestão da fauna no País.

7 Números do setor: 4 bilhões reais em faturamento (comércio de animais e produtos e serviços afins); 288 mil empregos diretos mil empregos indiretos; 307 mil empreendimentos devidamente licenciados nos órgão públicos de gestão; 3,63 milhões de espécimes em cativeiro; Mais de 500 espécies criadas (não incluídos vertebrados e invertebrados aquáticos); Brasil: 43 milhões de animais em domicílio (aves, peixes ornamentais e outros); 2º mercado de animais de estimação; 1º mercado em aves canoras e ornamentais; 9º em número de répteis e pequenos mamíferos; 10º em número de peixes ornamentais.

8 Potencial do setor: Criar o domínio sobre o conhecimento biológico, taxonômico e zoogeográfico das espécies silvestres, proporcionando o controle sobre a biodiversidade nacional; Salvaguardar as espécies em cativeiro para a conservação, formando bancos genéticos vivos a partir das coleções zoológicas; Alavancar as pesquisas com as espécies nacionais, visando a conservação; Desenvolver técnicas de manutenção e reprodução em cativeiro; Regulamentar o uso econômico de centenas de espécies silvestres; Identificar, avaliar e promover experiências práticas, tecnologias, negócios e mercados para produtos oriundos da utilização sustentável da biodiversidade; Combater o comércio ilícito através da oferta de animais vivos, partes, produtos e subprodutos como bens de origem legal e sustentável.

9 Amparo legal: A Lei n 5.197, de 3 de janeiro de 1967 (Art. 6, b ) ; Decreto n 4.339, de 22 de agosto de 2002, Institui os princípios e diretrizes para a implementação da Política Nacional da Biodiversidade (item 12.3 e seus subitens); A CITES Convenção Sobre o Comércio Internacional de Espécies da Flora e Fauna Ameaçadas de Extinção (Resolução n [Rev. CoP14]) e (Resolução n [Rev. CoP15]); implementado pelo Brasil através do Decreto n 3.607/00; A CDB Convenção da Diversidade Biológica, implementado pelo Brasil por meio do Decreto n 2.519, de 16 de março de 1998, (Artigo 10: Utilização sustentável de componentes da diversidade biológica); As Metas de Aichi, estabelecidas pela 10ª Conferência das Partes da Convenção da Diversidade Biológica, realizada em Nagóia, Japão. (Meta 12 Reduzir os riscos de extinção e 13 Salvaguardar a diversidade genética; Os Princípios e Diretrizes de Addis Abeba, estabelecidos pela CDB em 2004 (Princípio Prático n 1 determina que as políticas públicas e a leis de cada país signatário devem ser compatíveis com as determinações da CDB).

10 Desafios para o setor: Buscar segurança jurídica para a gestão das atividades do setor faunístico; Colocar em prática o incentivo e o fomento já previstos em leis; Enfrentar a burocratização nos procedimentos de licenciamento e gestão; Criar novas técnicas de criação e implementar novas tecnologias; Inserir novas espécies na criação objetivando a sua conservação, sobretudo aquelas ameaçadas e sem apelo econômico; Criar um código de ética amplo que norteiem os procedimentos das atividades de uso da fauna; Desempenhar papel de destaque e liderança na conservação das espécies nacionais, sobretudo as ameaçadas de extinção.

11 Necessidades para o crescimento: Criar e consolidar uma legislação específica (objetivando a segurança jurídica); Buscar e fortalecer os mecanismos de incentivos fiscais e de crédito para a criação e a aplicação de tecnologias, além de fomentar os empreendimentos e programas voltados para o uso sustentável da fauna; Identificar, avaliar e promover experiências, práticas, tecnologias, negócios e mercados para produtos oriundos do uso sustentável da biodiversidade, incentivando a certificação dos processos e produtos; Promover a inserção de espécies nativas com valor comercial no mercado interno e externo, bem como a diversificação da utilização sustentável destas espécies; Apoiar, de forma integrada, a domesticação e o uso sustentável das espécies nativas da fauna com potencial econômico, agregando valor social e cultural.

12 Perfil do Relatório: Expõe as deficiências concretas na gestão pública, danosas ao setor e a conservação; Qualifica a insegurança jurídica das atividades de uso da fauna silvestre e exótica, e os danos causados à pesquisa e ao domínio científico das espécies; Aborda cases de sucesso e insucessos na gestão de diversas atividades de uso da fauna silvestre e exótica, traçando comparativos de gestão pública da fauna internacional com as experiências nacionais; Cria panoramas possíveis para o mercado e empreendimentos de uso da fauna, mudando paradigmas obsoletos e retrógrados, corrompedores do uso sustentável; Quantifica em números consolidados a realidade das atividades de uso da fauna e a variação desta diante da governança nacional.

13 Propostas apresentadas pelo Relatório: Criar instrumentos de garantia para a perpetuação de espécies silvestres; Alertar e conscientizar o poder público e a sociedade sobre a importância estratégica da biodiversidade de fauna, seja nos quesitos de conservação, uso sustentável dos recursos e benefícios socioeconômicos advindos da atividade; Apontar ferramentas para a maior e melhor efetividade no combate ao comércio ilegal de fauna e seus produtos; Traçar comparativos de experiências de gestões internacionais com as nacionais, propondo procedimentos de correções na governança nacional; Propor uma minuta de um Projeto de Lei para a efetivação do licenciamento e gestão da fauna nos estados e no Distrito Federal, diante das competências criadas pela LC n 140/11.

14 Obrigado!

Missão. Visão. Objetivos Estratégicos (OE)

Missão. Visão. Objetivos Estratégicos (OE) Identidade Organizacional - Acesso à informação - IBAMA - Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos R O Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (Ibama) é uma autarquia

Leia mais

Programa Analítico de Disciplina ZOO495 Conservação da Fauna Silvestre

Programa Analítico de Disciplina ZOO495 Conservação da Fauna Silvestre 0 Programa Analítico de Disciplina Departamento de Zootecnia - Centro de Ciências Agrárias Número de créditos: Teóricas Práticas Total Duração em semanas: 15 Carga horária semanal 0 Períodos - oferecimento:

Leia mais

Departamento de Conservação da Biodiversidade - DCBio Secretaria de Biodiversidade e Florestas - SBF

Departamento de Conservação da Biodiversidade - DCBio Secretaria de Biodiversidade e Florestas - SBF A Décima Conferência das Partes ocorreu em Nagoya, Província de Aichi, Japão, de 18 a 29 de outubro de 2010 Site oficial: http://www.cbd.int/cop10/ Relatório Final: acesso via http://www.cbd.int/doc/meetings/cop/cop-

Leia mais

ESPÉCIES EXÓTICAS INVASORAS LEGISLAÇÃO AMBIENTAL BRASILEIRA E O CONTEXTO INTERNACIONAL. André Jean Deberdt Coordenação Geral de Fauna/IBAMA

ESPÉCIES EXÓTICAS INVASORAS LEGISLAÇÃO AMBIENTAL BRASILEIRA E O CONTEXTO INTERNACIONAL. André Jean Deberdt Coordenação Geral de Fauna/IBAMA ESPÉCIES EXÓTICAS INVASORAS LEGISLAÇÃO AMBIENTAL BRASILEIRA E O CONTEXTO INTERNACIONAL André Jean Deberdt Coordenação Geral de Fauna/IBAMA Convenção Sobre Diversidade Biológica Art. 8 Conservação in situ

Leia mais

PORTARIA INTERMINISTERIAL MDA e MDS e MMA Nº 239 DE 21 DE JULHO DE 2009

PORTARIA INTERMINISTERIAL MDA e MDS e MMA Nº 239 DE 21 DE JULHO DE 2009 PORTARIA INTERMINISTERIAL MDA e MDS e MMA Nº 239 DE 21 DE JULHO DE 2009 Estabelece orientações para a implementação do Plano Nacional de Promoção das Cadeias de Produtos da Sociobiodiversidade, e dá outras

Leia mais

Fitoterápicos no SUS. Arthur Chioro DMP/EPM/Unifesp

Fitoterápicos no SUS. Arthur Chioro DMP/EPM/Unifesp Fitoterápicos no SUS Arthur Chioro DMP/EPM/Unifesp Ministério da Saúde Política Nacional de Práticas Integrativas e Complementares (PNPIC) Política Nacional de Plantas Medicinais e Fitoterápicos Decreto

Leia mais

O GT de Conflitos Fundiários Urbanos do Conselho das Cidades apresenta para uma primeira discussão pública a seguinte proposta:

O GT de Conflitos Fundiários Urbanos do Conselho das Cidades apresenta para uma primeira discussão pública a seguinte proposta: DOCUMENTO DE REFERÊNCIA DA POLÍTICA NACIONAL DE PREVENÇÃO E MEDIAÇÃO DE CONFLITOS FUNDIÁRIOS URBANOS Esta proposta preliminar é resultado de um esforço coletivo do Grupo de Trabalho de Conflitos Fundiários

Leia mais

EVENTO RENCTAS-REBRAS-ABRASE NO JARDIM BOTÂNICO DO RIO DE JANEIRO DUROU TRÊS MESES E LEVOU QUASE 15 MIL PESSOAS AO MUSEU DO MEIO AMBIENTE DO JBRJ

EVENTO RENCTAS-REBRAS-ABRASE NO JARDIM BOTÂNICO DO RIO DE JANEIRO DUROU TRÊS MESES E LEVOU QUASE 15 MIL PESSOAS AO MUSEU DO MEIO AMBIENTE DO JBRJ EVENTO RENCTAS-REBRAS-ABRASE NO JARDIM BOTÂNICO DO RIO DE JANEIRO DUROU TRÊS MESES E LEVOU QUASE 15 MIL PESSOAS AO MUSEU DO MEIO AMBIENTE DO JBRJ - POR TRÊS MESES, DURANTE A OLIMPÍADA RIO 2016 E A PARAOLIMPÍADA-

Leia mais

SISBio/ICMBio - Autorização para coleta de material biológico p/ pesquisa científica e atividades didáticas

SISBio/ICMBio - Autorização para coleta de material biológico p/ pesquisa científica e atividades didáticas SISBio/ICMBio - Autorização para coleta de material biológico p/ pesquisa científica e atividades didáticas Diálogo entre o Brasil e a União Europeia sobre o protocolo de Nagoia - Intercâmbio de Recursos

Leia mais

Minuta para discussão (Versão de 05/08/2010)

Minuta para discussão (Versão de 05/08/2010) CARTA EMPRESARIAL PELA CONSERVAÇÃO E USO SUSTENTÁVEL DA BIODIVERSIDADE Minuta para discussão (Versão de 05/08/2010) A Organização das Nações Unidas declarou 2010 como o Ano Internacional da Biodiversidade,

Leia mais

BACHAREL OBJETIVO GERAL

BACHAREL OBJETIVO GERAL BACHAREL OBJETIVO GERAL Formar profissionais com competência técnica, compromisso político e conscientes de sua responsabilidade como Biólogo, respeitando a ética nos vários contextos de atuação profissional,

Leia mais

O FUTURO NÓS CONSTRUÍMOS

O FUTURO NÓS CONSTRUÍMOS O FUTURO NÓS CONSTRUÍMOS A importância do PBQP-H para as construtoras Arq. Marcos Galindo 12/05/2106 INSTITUIÇÃO DO PROGRAMA Portaria nº 134, de 18/12/1998, do Ministério do Planejamento e Orçamento Objetivo

Leia mais

Dec. nº 4.339, de 22/08/2002

Dec. nº 4.339, de 22/08/2002 POLÍTICA NACIONAL DA BIODIVERSIDADE Dec. nº 4.339, de 22/08/2002 Os princípios estabelecidos na PNBio (20 ao todo) derivam, basicamente, daqueles estabelecidos na Convenção sobre Diversidade Biológica

Leia mais

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL PREFEITURA MUNICIPAL DE CANOAS

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL PREFEITURA MUNICIPAL DE CANOAS Of. GP/CM/427/2009 Canoas, 15 de outubro de 2009. Senhor Presidente, Temos a honra de submeter ao exame dessa egrégia Câmara Municipal o Projeto de Lei nº 57/09, que Institui o Sistema Municipal de Segurança

Leia mais

MELIPONICULTURA/LEGISLAÇÃO - SÍNTESE

MELIPONICULTURA/LEGISLAÇÃO - SÍNTESE P á g i n a 1 MELIPONICULTURA/LEGISLAÇÃO - SÍNTESE LEGISLAÇÃO FEDERAL: 1967 ATÉ 2011 1967 Lei n. 5.197, de 03 de janeiro de 1967, dispõe sobre a proteção à fauna e dá outras providencias. (antigo Código

Leia mais

QUEM SOMOS. Associação civilsem fins lucrativos criada em 1997 para promover o desenvolvimento sustentável nas empresas que atuam no país.

QUEM SOMOS. Associação civilsem fins lucrativos criada em 1997 para promover o desenvolvimento sustentável nas empresas que atuam no país. QUEM SOMOS Associação civilsem fins lucrativos criada em 1997 para promover o desenvolvimento sustentável nas empresas que atuam no país. Tem hoje cerca de 70 empresas associadas que respondem por: 40%

Leia mais

Mecanismos Financeiros no contexto da COP-9. Pedro Leitão Seminário de Atualização para Jornalistas sobre a COP-9 da CDB 6 de maio de 2008

Mecanismos Financeiros no contexto da COP-9. Pedro Leitão Seminário de Atualização para Jornalistas sobre a COP-9 da CDB 6 de maio de 2008 Mecanismos Financeiros no contexto da COP-9 Pedro Leitão Seminário de Atualização para Jornalistas sobre a COP-9 da CDB 6 de maio de 2008 Quem paga a conta? Recursos e mecanismos financeiros é um dos tema

Leia mais

Decreto nº 5.813, de 22 de junho de 2006.

Decreto nº 5.813, de 22 de junho de 2006. Decreto nº 5.813, de 22 de junho de 2006. Aprova a Política Nacional de Plantas Medicinais e Fitoterápicos e dá outras providências. O PRESIDENTE DA REPÚBLICA, no uso da atribuição que lhe confere o inciso

Leia mais

Lei nº 6.938/81. Copyright Proibida Reprodução. Prof. Éder Clementino dos Santos

Lei nº 6.938/81. Copyright Proibida Reprodução. Prof. Éder Clementino dos Santos Lei nº 6.938/81 SINOPSE: a) Meio ambiente é PATRIMÔNIO PÚBLICO, devendo ser protegido, tendo em vista o uso coletivo; b) Planejar, fiscalizar e racionalizar o uso dos recursos ambientais; c) Proteger os

Leia mais

Licenciamento Ambiental. Rede Municipalista

Licenciamento Ambiental. Rede Municipalista Licenciamento Ambiental Rede Municipalista Definições Licenciamento procedimento administrativo pelo qual o órgão ambiental competente licencia a localização, instalação, ampliação e a operação de empreendimentos

Leia mais

PORTARIA Nº 22, DE 28 DE OUTUBRO DE 2009

PORTARIA Nº 22, DE 28 DE OUTUBRO DE 2009 PORTARIA Nº 22, DE 28 DE OUTUBRO DE 2009 O PRESIDENTE DO INSTITUTO BRASILEIRO DO MEIO AMBIENTE E DOS RECURSOS NATURAIS RENOVÁVEIS - IBAMA, no uso das atribuições que lhe são conferidas pelo Art. 22, do

Leia mais

PROTOCOLO DE INTENÇÕES

PROTOCOLO DE INTENÇÕES PROTOCOLO DE INTENÇÕES O presente documento tem por objetivo formalizar a participação das entidades abaixo assinadas na iniciativa do código de conduta voluntário para plantas ornamentais. CAPÍTULO I

Leia mais

Programa Municípios Sustentáveis

Programa Municípios Sustentáveis Programa Municípios Sustentáveis Objetivo geral: Promover o desenvolvimento sustentável dos municípios da Amazônia Mato-grossense, através do fortalecimento da economia local, da melhoria da governança

Leia mais

Organização da Aula. Recuperação de Áreas Degradadas. Aula 6. Contextualização. Adequação Ambiental. Prof. Francisco W.

Organização da Aula. Recuperação de Áreas Degradadas. Aula 6. Contextualização. Adequação Ambiental. Prof. Francisco W. Recuperação de Áreas Degradadas Aula 6 Prof. Francisco W. von Hartenthal Organização da Aula Adequação Ambiental e Biologia da Conservação 1. Adequação Ambiental de Atividades Produtivas 2. Preservação,

Leia mais

Política Nacional de Segurança Pública - PNaSP

Política Nacional de Segurança Pública - PNaSP MINISTÉRIO DA JUSTIÇA E SEGURANÇA PÚBLICA Política Nacional de Segurança Pública - PNaSP Novembro/2017 Página 1 de 9 POLÍTICA NACIONAL DE SEGURANÇA PÚBLICA INTRODUÇÃO CONSIDERANDO que compete ao Ministério

Leia mais

Disciplina: Manejo de Fauna Professor ANTÔNIO L. RUAS NETO

Disciplina: Manejo de Fauna Professor ANTÔNIO L. RUAS NETO Disciplina: Manejo de Fauna Professor ANTÔNIO L. RUAS NETO Exercício: cada grupo escolherá um exemplo de espécie exótica invasora importante no Rio Grande do Sul e trabalhará com os subtemas: Classificação;

Leia mais

SNUC - SISTEMA NACIONAL DE UNIDADES DE CONSERVAÇÃO

SNUC - SISTEMA NACIONAL DE UNIDADES DE CONSERVAÇÃO Prof. Dr. Thiago Leite Engenheiro Florestal (UnB-DF) Mestrado em Ciências Ambientais e Florestais com ênfase em Educação Ambiental (UnB-DF) Doutorado em Ciências Florestais com ênfase em Agroecologia (UnB-DF)

Leia mais

A floresta, a fauna e as populações tradicionais. Juarez Pezzuti NAEA/UFPA

A floresta, a fauna e as populações tradicionais. Juarez Pezzuti NAEA/UFPA A floresta, a fauna e as populações tradicionais Juarez Pezzuti NAEA/UFPA juca@ufpa.br Conservação da fauna amazônica em uma pesrpectiva histórica 10 milhões de habitantes antes da invasão européia (Prestes-Carneiro

Leia mais

Diretrizes da Nova Política de Comércio Exterior Medidas para Ampliar a Competitividade

Diretrizes da Nova Política de Comércio Exterior Medidas para Ampliar a Competitividade Diretrizes da Nova Política de Comércio Exterior Medidas para Ampliar a Competitividade Alessandro Golombiewski Teixeira Secretário-Executivo do MDIC Rio de Janeiro, Agosto de 2011 Introdução 1 Panorama

Leia mais

POLÍTICA DE RESPONSABILIDADE SOCIOAMBIENTAL - PRSA

POLÍTICA DE RESPONSABILIDADE SOCIOAMBIENTAL - PRSA POLÍTICA DE RESPONSABILIDADE SOCIOAMBIENTAL - PRSA A presente política foi elaborada pela PLANNER e é documento complementar ao procedimento interno, sendo proibida sua reprodução total ou parcial, de

Leia mais

PRODUÇÃO E CONSUMO SUSTENTÁVEIS. São Paulo, 19 de outubro de 2017

PRODUÇÃO E CONSUMO SUSTENTÁVEIS. São Paulo, 19 de outubro de 2017 PRODUÇÃO E CONSUMO SUSTENTÁVEIS São Paulo, 19 de outubro de 2017 LINHA DO TEMPO 2011 1992 2002 2012 2015 2003 LINHA DO TEMPO 1992 2002 2003 Consumo Sustentável é o uso de bens e serviços que atenda às

Leia mais

CARTA DA NATUREZA. CAMPINAS - FÓRUM BRASIL DE GESTÃO AMBIENTAL 10 a 12 de julho de 2017

CARTA DA NATUREZA. CAMPINAS - FÓRUM BRASIL DE GESTÃO AMBIENTAL 10 a 12 de julho de 2017 CARTA DA NATUREZA CAMPINAS - FÓRUM BRASIL DE GESTÃO AMBIENTAL 10 a 12 de julho de 2017 Como resultado do papel de destaque da ANAMMA na condução do Fórum Brasil de Gestão Ambiental, e da MAPAS na construção

Leia mais

EDUCAÇÃO, TRABALHO E DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL: CULTURA, CIÊNCIA, TECNOLOGIA, SAÚDE, MEIO AMBIENTE DOCUMENTO REFERÊNCIA

EDUCAÇÃO, TRABALHO E DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL: CULTURA, CIÊNCIA, TECNOLOGIA, SAÚDE, MEIO AMBIENTE DOCUMENTO REFERÊNCIA EIXO III EDUCAÇÃO, TRABALHO E DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL: CULTURA, CIÊNCIA, TECNOLOGIA, SAÚDE, MEIO AMBIENTE DOCUMENTO REFERÊNCIA SUGESTÃO Desde os anos 1980, observam-se transformações significativas

Leia mais

Ampliar e fortalecer as iniciativas de Segurança Alimentar e Economia Solidária, assegurando o direito de todos ao acesso regular e permanente a

Ampliar e fortalecer as iniciativas de Segurança Alimentar e Economia Solidária, assegurando o direito de todos ao acesso regular e permanente a 2017 SESAES A Secretaria Executiva da Segurança Alimentar e Economia Solidária SESAES é fruto da proposição da sociedade civil que vem pautando junto ao governo estadual a organização e implementação de

Leia mais

Política de Sustentabilidade. Junho /2010. PI Rev. A

Política de Sustentabilidade. Junho /2010. PI Rev. A Junho /2010 PI.034.00000001 Rev. A SUMÁRIO 1. SUSTENTABILIDADE : ESSÊNCIA DA CAB AMBIENTAL 2. MISSÃO 3.VISÃO 4. OBEJTIVO 5. SUSTENTABILIDADE NA PRÁTICA 6. COMUNICAÇÃO E ENGAJAMENTO CHAVES PARA O SUCESSO

Leia mais

CRIAÇÃO DE ANIMAIS SILVESTRES

CRIAÇÃO DE ANIMAIS SILVESTRES 21/08/2015 M.V. CHRISTIANO PAVAN MATEUS DISCIPLINA CRIAÇÃO COMERCIAL DE JACARÉS CRIAÇÃO COMERCIAL DE RATITAS CRIAÇÃO COMERCIAL DE CAPIVARAS AVESTRUZ EMA CRIAÇÃO COMERCIAL DE CATETO E QUEIXADA CRIAÇÃO COMERCIAL

Leia mais

Declaração de Posicionamento da Eletrobras Eletronuclear

Declaração de Posicionamento da Eletrobras Eletronuclear Declaração de Posicionamento da Eletrobras Eletronuclear Declaração de Posicionamento da Eletrobras Eletronuclear Missão Atuar nos mercados de energia de forma integrada rentável e sustentável. Visão Em

Leia mais

Decreto n 3607, de 21 de setembro de 2000.

Decreto n 3607, de 21 de setembro de 2000. Página 1 Decreto n 3607, de 21 de setembro de 2000. Dispõe sobre a implementação da Convenção sobre Comércio Internacional das Espécies da Flora e Fauna Selvagens em Perigo de Extinção - CITES, e dá outras

Leia mais

Compostagem em SP: marco legal e desafios. Patrícia Iglecias CERSOL Centro Multidisciplinar de Estudos em Resíduos Sólidos

Compostagem em SP: marco legal e desafios. Patrícia Iglecias CERSOL Centro Multidisciplinar de Estudos em Resíduos Sólidos Compostagem em SP: marco legal e desafios Patrícia Iglecias CERSOL Centro Multidisciplinar de Estudos em Resíduos Sólidos O ambiente e a economia têm vivido em tensão e até mesmo em antagonismo. Com efeito,

Leia mais

CARTILHA DE INSTRUÇÃO PARA ACESSO AO PATRIMÔNIO GENÉTICO OU CONHECIMENTO TRADICIONAL ASSOCIADO

CARTILHA DE INSTRUÇÃO PARA ACESSO AO PATRIMÔNIO GENÉTICO OU CONHECIMENTO TRADICIONAL ASSOCIADO RENATA PINHEIRO GONZALES TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO 2011 CARTILHA DE INSTRUÇÃO PARA ACESSO AO PATRIMÔNIO GENÉTICO OU CONHECIMENTO TRADICIONAL ASSOCIADO RENATA PINHEIRO GONZALES PANORAMA DO CONHECIMENTO

Leia mais

POLÍTICA DE RESPONSABILIDADE SOCIOAMBIENTAL

POLÍTICA DE RESPONSABILIDADE SOCIOAMBIENTAL POLÍTICA DE RESPONSABILIDADE SOCIOAMBIENTAL Cooperativa de Economia e Crédito Mútuo dos Empregados do Banrisul Sumário: 1. Introdução... 1 2. Objetivo... 1 3. Princípios e Diretrizes... 1 4. Governança...

Leia mais

Turismo Caminho indispensável para o desenvolvimento local e regional FEVEREIRO DE 2017

Turismo Caminho indispensável para o desenvolvimento local e regional FEVEREIRO DE 2017 Turismo Caminho indispensável para o desenvolvimento local e regional FEVEREIRO DE 2017 PANORAMA MUNDIAL Chegada de Turistas x Receita Cambial - Em 2015 6,3 milhões de turistas estrangeiros chegaram ao

Leia mais

A organização da ECO-92 foi solicitada pela resolução da Assembléia Geral das Nações Unidas (dezembro, 1989);

A organização da ECO-92 foi solicitada pela resolução da Assembléia Geral das Nações Unidas (dezembro, 1989); A organização da ECO-92 foi solicitada pela resolução da Assembléia Geral das Nações Unidas (dezembro, 1989); Essa reunião mundial (CNUMAD - 92) foi organizada para elaborar a estratégia para deter e reverter

Leia mais

Biblioteca Digital de Meio Ambiente

Biblioteca Digital de Meio Ambiente COMPARTILHAMENTO DE INFORMAÇÃO AMBIENTAL: QUESTÕES SOBRE DADOS AMBIENTAIS ABERTOS NA AMÉRICA LATINA 23 e 24 de agosto de 2012 Universidade Federal de Rio Grande do Sul (UFRGS) Porto Alegre, Brasil IBAMA

Leia mais

PODER EXECUTIVO DECRETO Nº DE 15 DE ABRIL DE 2013.

PODER EXECUTIVO DECRETO Nº DE 15 DE ABRIL DE 2013. DECRETO Nº 44.159 DE 15 DE ABRIL DE 2013. DISPÕE SOBRE A CONSTITUIÇÃO DO RIO CRIATIVO - PROGRAMA DE DESENVOLVIMENTO DA ECONOMIA CRIATIVA DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO. O GOVERNADOR DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO,

Leia mais

Introdução. Análise do Relatório

Introdução. Análise do Relatório COMENTÁRIO DO CONSELHO NACIONAL DO AMBIENTE E DO DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL SOBRE O 5º RELATÓRIO NACIONAL DE PORTUGAL À CONVENÇÃO SOBRE A DIVERSIDADE BIOLÓGICA Introdução 1. O Conselho Nacional do Ambiente

Leia mais

LEI Nº 760 DE 18 DE ABRIL DE 2011

LEI Nº 760 DE 18 DE ABRIL DE 2011 LEI Nº 760 DE 18 DE ABRIL DE 2011 Dispõe sobre o Fundo Municipal de Meio Ambiente do Município de Paranatinga. CAPÍTULO I Do Fundo Municipal de Meio Ambiente Art. 1º Fica instituído o Fundo Municipal de

Leia mais

Introdução a Acesso e Repartição de Benefícios

Introdução a Acesso e Repartição de Benefícios Convenção sobre Diversidade Biológica: ABS Introdução a Acesso e Repartição de Benefícios RECURSOS GENÉTICOS CONHECIMENTOS TRADICIONAIS PROVEDORES USOS CONSENTIMENTO PRÉVIO TERMOS MUTUAMENTE ACORDADOS

Leia mais

DIRETRIZES de Ação OFICINA I MANTIQUEIRA

DIRETRIZES de Ação OFICINA I MANTIQUEIRA DIRETRIZES de Ação OFICINA I MANTIQUEIRA 1. Implementação da trilha de longa distância que liga Monte Verde (SP) à Itatiaia (RJ), apelidada trans Mantiqueira. (Ver dissertação de mestrado do gestor Waldir

Leia mais

Diretoria de Meio Ambiente Atividades e ações desenvolvidas pela estrutura municipal

Diretoria de Meio Ambiente Atividades e ações desenvolvidas pela estrutura municipal Diretoria de Meio Ambiente Atividades e ações desenvolvidas pela estrutura municipal Luiz Carlos Seidenfus Gerente de Licenciamento Ambiental LEI COMPLEMENTAR N 140, DE 8 DE DEZEMBRO DE 2011 Fixa normas

Leia mais

1 Biodiversidade espécies brasileiras ameaçadas de extinção, sobreexplotadas exploração

1 Biodiversidade espécies brasileiras ameaçadas de extinção, sobreexplotadas exploração Sumário 1Biodiversidade...2 1.1Estados Unidos Também é Rico em Biodiversidade...3 2 Principais Animais em Extinção no Mundo...5 3Principais Animais em Extinção no Brasil...5 3.1.1Tabela com nível desmatamento

Leia mais

Manejo e Clínica de animais silvestres. aula: TRÁFICO DE ANIMAIS SILVESTRES. Prof. M.V. M.Sc. Oberdan Coutinho Nunes

Manejo e Clínica de animais silvestres. aula: TRÁFICO DE ANIMAIS SILVESTRES. Prof. M.V. M.Sc. Oberdan Coutinho Nunes Manejo e Clínica de animais silvestres aula: TRÁFICO DE ANIMAIS SILVESTRES Prof. M.V. M.Sc. Oberdan Coutinho Nunes TRÁFICO DE ANIMAIS SILVESTRES: A DIVERSIDADE BIOLÓGICA possui, além de seu valor intrínseco:

Leia mais

Curitiba Novembro de Nova Lei da Biodiversidade

Curitiba Novembro de Nova Lei da Biodiversidade Curitiba Novembro de 2016 Nova Lei da Biodiversidade Megabiodiverso e Sociodiverso O Brasil abriga a maior biodiversidade do planeta.. Mais de 305 etnias indígenas e diversos povos e comunidades tradicionais

Leia mais

Degradação da Diversidade Biológica

Degradação da Diversidade Biológica Degradação da Diversidade Biológica Guilherme Antonio Ferrari Scudeller Jaqueline R. de Almeida Nijima Novello Rumenos Ricieri Cioci Thalita Moraes da Silva Tópicos Abordados Conceito de diversidade biológica;

Leia mais

MATRIZ 4: ESTRATÉGIA NACIONAL DE ERRADICAÇÃO DO TRABALHO INFANTIL

MATRIZ 4: ESTRATÉGIA NACIONAL DE ERRADICAÇÃO DO TRABALHO INFANTIL PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA SECRETARIA DE DIREITOS HUMANOS SECRETARIA NACIONAL DE PROMOÇÃO DOS DIREITOS DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE MATRIZ 4: ESTRATÉGIA NACIONAL DE ERRADICAÇÃO DO TRABALHO INFANTIL CARTA

Leia mais

MINUTA EM CONSTRUÇÃO

MINUTA EM CONSTRUÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO OESTE DO PARÁ CONSELHO SUPERIOR UNIVERSITÁRIO MINUTA EM CONSTRUÇÃO RESOLUÇÃO POLÍTICA DE AÇÕES AFIRMATIVAS E PROMOÇÃO DA IGUALDADE ÉTNICO-RACIAL Institui a Política de Ações Afirmativas

Leia mais

Processo de Manejo Arbóreo em Empreendimentos Metroviários. Victor Bassetti Martinho 20ª AEAMESP SEMANA DE TECNOLOGIA METROFERROVIÁRIA

Processo de Manejo Arbóreo em Empreendimentos Metroviários. Victor Bassetti Martinho 20ª AEAMESP SEMANA DE TECNOLOGIA METROFERROVIÁRIA Processo de Manejo Arbóreo em Empreendimentos Metroviários Victor Bassetti Martinho 20ª SEMANA DE TECNOLOGIA METROFERROVIÁRIA AEAMESP Curriculum vitae 2 Victor Bassetti Martinho Engenheiro Ambiental graduado

Leia mais

RESUMO DO RELATORIO FINAL DA 1 a.cnsa CONFERENCIA NACIONAL DE SAUDE AMBIENTAL do Estado do Paraná.

RESUMO DO RELATORIO FINAL DA 1 a.cnsa CONFERENCIA NACIONAL DE SAUDE AMBIENTAL do Estado do Paraná. RESUMO DO RELATORIO FINAL DA 1 a.cnsa CONFERENCIA NACIONAL DE SAUDE AMBIENTAL do Estado do Paraná. A 1ª Conferência Nacional de Saúde Ambiental (CNSA) é uma iniciativa dos Conselhos Nacionais de Saúde,

Leia mais

Poder Judiciário Conselho Nacional de Justiça ESTRATÉGIA JUDICIÁRIO Poder Judiciário 2015/2020

Poder Judiciário Conselho Nacional de Justiça ESTRATÉGIA JUDICIÁRIO Poder Judiciário 2015/2020 Poder Judiciário Conselho Nacional de Justiça ESTRATÉGIA JUDICIÁRIO 2020 Poder Judiciário 2015/2020 ESTRATÉGIA JUDICIÁRIO 2020 Missão do Poder Judiciário - Realizar Justiça. Descrição - Fortalecer o Estado

Leia mais

Plano Nacional de Turismo

Plano Nacional de Turismo Plano Nacional de Turismo 2011-2015 Conceito Conjunto de diretrizes, metas e programas que orientam a atuação do Ministério do Turismo, em parceria com outros setores da gestão pública nas três esferas

Leia mais

POLÍTICA DE RESPONSABILIDADE SOCIOAMBIENTAL

POLÍTICA DE RESPONSABILIDADE SOCIOAMBIENTAL POLÍTICA DE RESPONSABILIDADE SOCIOAMBIENTAL 2 1. Introdução A Cooperativa de Economia e Crédito Mútuo dos Servidores Públicos dos Municípios da Região Metropolitana da Grande Vitória COOPMETRO é uma entidade

Leia mais

DIRECTIVA 1999/22/CE DO CONSELHO. de 29 de Março de relativa à detenção de animais da fauna selvagem em jardins zoológicos

DIRECTIVA 1999/22/CE DO CONSELHO. de 29 de Março de relativa à detenção de animais da fauna selvagem em jardins zoológicos Page 1 of 5 DIRECTIVA 1999/22/CE DO CONSELHO de 29 de Março de 1999 relativa à detenção de animais da fauna selvagem em jardins zoológicos O CONSELHO DA UNIÃO EUROPEIA, Tendo em conta o Tratado que institui

Leia mais

GESTÃO DA FAUNA SILVESTRE 159ª Reunião Ordinária do Plenário do COPAM

GESTÃO DA FAUNA SILVESTRE 159ª Reunião Ordinária do Plenário do COPAM GESTÃO DA FAUNA SILVESTRE 159ª Reunião Ordinária do Plenário do COPAM Gestão dos Recursos Faunísticos - IEF Sônia Cordebelle Gerente de Proteção à Fauna e Flora Instituto Estadual de Florestas ETAPA 1

Leia mais

VII FÓRUM CATARINENSE DE GESTORES MUNICIPAIS DE CULTURA

VII FÓRUM CATARINENSE DE GESTORES MUNICIPAIS DE CULTURA VII FÓRUM CATARINENSE DE GESTORES MUNICIPAIS DE CULTURA RODOLFO JOAQUIM PINTO DA LUZ PRESIDENTE DA FUNDAÇÃO CATARINENSE DE CULTURA Treze Tílias, 10 a 12 de maio de 2017. PAPEL DO ESTADO NA GESTÃO PÚBLICA

Leia mais

LEI Nº , DE 5 DE MARÇO DE 2012.

LEI Nº , DE 5 DE MARÇO DE 2012. LEI Nº 11.226, DE 5 DE MARÇO DE 2012. Institui o Plano Municipal do Livro e da Leitura (PMLL) no Município de Porto Alegre, cria o Conselho Municipal do Livro e da Leitura (CMLL) e dá outras providências.

Leia mais

CRIAÇÃO COMERCIAL DE ANIMAIS SILVESTRES

CRIAÇÃO COMERCIAL DE ANIMAIS SILVESTRES CRIAÇÃO COMERCIAL DE ANIMAIS SILVESTRES - FUNDAMENTOS E PRECEITOS JURÍDICOS, TÉCNICOS E SÓCIO-CULTURAIS VERSUS A LISTA PET DO IBAMA Por MSc. Luiz Paulo Meira Lopes do Amaral * 01-07-2013 Ainda que possua

Leia mais

"Institui o Plano Municipal de Cultura - PMC, cria o Sistema Municipal de Informações e Indicadores Culturais SMIIC, e dá outras providências".

Institui o Plano Municipal de Cultura - PMC, cria o Sistema Municipal de Informações e Indicadores Culturais SMIIC, e dá outras providências. "Institui o Plano Municipal de Cultura - PMC, cria o Sistema Municipal de Informações e Indicadores Culturais SMIIC, e dá outras providências". CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES PRELIMINARES Art. 1o Fica instituído

Leia mais

Municípios são essenciais para a conservação da Mata Atlântica

Municípios são essenciais para a conservação da Mata Atlântica Municípios são essenciais para a conservação da Mata Atlântica Categories : Colunistas Convidados A Mata Atlântica, um dos hotspots mundiais de biodiversidade, possui uma das mais atuantes redes institucionais

Leia mais

Seminário em prol do Desenvolvimento. Socioeconômico do Xingu. Agenda de Desenvolvimento Territorial do Xingu BNDES

Seminário em prol do Desenvolvimento. Socioeconômico do Xingu. Agenda de Desenvolvimento Territorial do Xingu BNDES Seminário em prol do Desenvolvimento Socioeconômico do Xingu Agenda de Desenvolvimento Territorial do Xingu BNDES 16/06/2015 1 Atuação do BNDES no Entorno de Projetos A Política de Atuação no Entorno busca

Leia mais

PROJETO DE LEI COMPLEMENTAR Nº, DE 2015

PROJETO DE LEI COMPLEMENTAR Nº, DE 2015 PROJETO DE LEI COMPLEMENTAR Nº, DE 2015 (Do Sr. Odelmo Leão) Dispõe sobre a cooperação entre os entes federados tendo em vista assegurar a elaboração e a implementação dos planos de saneamento básico e

Leia mais

Edital nº 002/ PNUD/BRA 01/ de Setembro de Republicação

Edital nº 002/ PNUD/BRA 01/ de Setembro de Republicação Editais e Convites 2010 - Serviços - IBAMA - Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Natura Editais antigos Editais 2010 Edital nº 002/2010 - PNUD/BRA 01/037-23 de Setembro de 2010 - Republicação

Leia mais

Sumário. 1. Política de Sustentabilidade da Rede D Or São Luiz Objetivos Abrangência Diretrizes...2

Sumário. 1. Política de Sustentabilidade da Rede D Or São Luiz Objetivos Abrangência Diretrizes...2 Rede D Or São Luiz Sumário 1. Política de Sustentabilidade da Rede D Or São Luiz...2 1.1. Objetivos...2 1.2. Abrangência...2 1.3. Diretrizes...2 Diretriz Econômica...2 Diretriz Social...3 Diretriz Ambiental...4

Leia mais

Desafogando as grandes cidades brasileira Seminário Transporte Interurbano de Passageiros AD=TREM

Desafogando as grandes cidades brasileira Seminário Transporte Interurbano de Passageiros AD=TREM Desafogando as grandes cidades brasileira Seminário Transporte Interurbano de Passageiros Agência de Desenvolvimento do Trem Rápido de Passageiros Entre Municípios Indústria Ferroviária Nacional A malha

Leia mais

Estratégias para a Redução das Vulnerabilidades da Biodiversidade da Caatinga

Estratégias para a Redução das Vulnerabilidades da Biodiversidade da Caatinga SECRETARIA DE EXTRATIVISMO E DESENVOLVIMENTO RURAL SUSTENTÁVEL SEDR/MMA DEPARTAMENTO DE DESENVOLVIMETNO RURAL SUSTENTÁVEL Estratégias para a Redução das Vulnerabilidades da Biodiversidade da Caatinga JOÃO

Leia mais

Licenciamento Ambiental de Grandes Empreendimentos, Povos Indígenas, Comunidades Tradicionais e Quilombolas

Licenciamento Ambiental de Grandes Empreendimentos, Povos Indígenas, Comunidades Tradicionais e Quilombolas Licenciamento Ambiental de Grandes Empreendimentos, Povos Indígenas, Comunidades Tradicionais e Quilombolas DIRETRIZES PARA POLI TICAS PU BLICAS E PRA TICAS EMPRESARIAIS PARA INSTALAC A O E OPERAC A O

Leia mais

Sistema Nacional de Meio Ambiente - SISNAMA

Sistema Nacional de Meio Ambiente - SISNAMA Lei 3.938/ 81, Art. 6º Os órgãos e entidades da União, dos Estados, do Distrito Federal, dos Territórios e dos Municípios, bem como as fundações instituídas pelo Poder Público, responsáveis pela proteção

Leia mais

PRODUÇÃO E CONSUMO SUSTENTÁVEIS

PRODUÇÃO E CONSUMO SUSTENTÁVEIS PRODUÇÃO E CONSUMO SUSTENTÁVEIS HISTÓRICO Agenda 21 (Rio de Janeiro, 1992): A maior causa da deterioração continuada do meio ambiente global são os padrões insustentáveis de consumo e produção. Plano de

Leia mais

Porque conservar fauna e flora?

Porque conservar fauna e flora? UNIVERSIDADE ESTADUAL DE FEIRA DE SANTANA DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS DISCIPLINA BIO-547: CONSERVAÇÃO E MANEJO DA BIODIVERSIDADE AULA 1 Porque conservar fauna e flora? Profs.: Evandro do Nascimento

Leia mais

Carta de Brasília. 1. Estratégia Brasileira das Cidades Históricas e Patrimônio Mundial

Carta de Brasília. 1. Estratégia Brasileira das Cidades Históricas e Patrimônio Mundial Carta de Brasília As cidades brasileiras que possuem bens declarados Patrimônio Mundial pela Unesco de natureza cultural e natural, assim como tombados em nível federal pelo Instituto do Patrimônio Histórico

Leia mais

LEI Nº /2013 CAPÍTULO I DO PLANEJAMENTO GOVERNAMENTAL E DO PLANO PLURIANUAL

LEI Nº /2013 CAPÍTULO I DO PLANEJAMENTO GOVERNAMENTAL E DO PLANO PLURIANUAL LEI Nº. 1.282/2013 Ementa: Institui o Plano Plurianual do Município de Ouricuri para o período de 2014 a 2017. O PREFEITO DO MUNICÍPIO DE OURICURI/PE, no uso de suas atribuições legais, faz saber que A

Leia mais

Capítulo 15 CONSERVAÇÃO DA DIVERSIDADE BIOLÓGICA

Capítulo 15 CONSERVAÇÃO DA DIVERSIDADE BIOLÓGICA Capítulo 15 CONSERVAÇÃO DA DIVERSIDADE BIOLÓGICA Introdução 15.1. Os objetivos e atividades deste capítulo da Agenda 21 têm o propósito de melhorar a conservação da diversidade biológica e o uso sustentável

Leia mais

LEGISLAÇÃO E ASPECTOS REGULATÓRIOS VOLTADOS À MELIPONICULTURA PECNORDESTE - 16 DE JUNHO DE 2015 FORTALEZA-CE

LEGISLAÇÃO E ASPECTOS REGULATÓRIOS VOLTADOS À MELIPONICULTURA PECNORDESTE - 16 DE JUNHO DE 2015 FORTALEZA-CE LEGISLAÇÃO E ASPECTOS REGULATÓRIOS VOLTADOS À MELIPONICULTURA PECNORDESTE - 16 DE JUNHO DE 2015 FORTALEZA-CE Ricardo Costa Rodrigues de Camargo Consultor Especial CSMEL-MAPA- Coordenador ABNT/CEE-87 Presidente

Leia mais

S UMÁRIO. Capítulo 1 Meio Ambiente Doutrina e Legislação...1. Questões...6 Gabaritos comentados...8

S UMÁRIO. Capítulo 1 Meio Ambiente Doutrina e Legislação...1. Questões...6 Gabaritos comentados...8 S UMÁRIO Capítulo 1 Meio Ambiente...1 1. Doutrina e Legislação...1 1.1. Conceito de meio ambiente... 1 1.2. Classi icação didática do meio ambiente... 3 1.3. O meio ambiente no art. 225 da CF/88... 4 Questões...6

Leia mais

Agenda. Contexto. O Nordeste Territorial. Fórum de Governança da Atividade Econômica. Formas de Financiamento

Agenda. Contexto. O Nordeste Territorial. Fórum de Governança da Atividade Econômica. Formas de Financiamento Agenda Contexto O Nordeste Territorial Fórum de Governança da Atividade Econômica Formas de Financiamento Área de atuação do BNB Nordeste: 1.554,4 mil Km 2 Semi-árido: 974,4 mil Km 2 (62,7% do território

Leia mais

SENADO FEDERAL Gabinete do Senador PAULO PAIM

SENADO FEDERAL Gabinete do Senador PAULO PAIM Da COMISSÃO DE EDUCAÇÃO, CULTURA E ESPORTE, em decisão terminativa, sobre o Projeto de Lei do Senado nº 212, de 2016, da Senadora Fátima Bezerra, que institui a Política Nacional de Leitura e Escrita.

Leia mais

Limites e possibilidades de uma política pública de avaliação da educação profissional e tecnológica na perspectiva emancipatória

Limites e possibilidades de uma política pública de avaliação da educação profissional e tecnológica na perspectiva emancipatória Limites e possibilidades de uma política pública de avaliação da educação profissional e tecnológica na perspectiva emancipatória Secretaria de Educação Profissional e Tecnológica Brasília/DF, jun. 2015

Leia mais

PORTARIA MMA Nº 445, DE 17 DE DEZEMBRO DE 2014

PORTARIA MMA Nº 445, DE 17 DE DEZEMBRO DE 2014 ALTERADA PELA PORTARIA MMA Nº 98/2015, PORTARIA MMA Nº 163/2015. PORTARIA MMA Nº 163, DE 08 DE JUNHO DE PORTARIA MMA Nº 445, DE 17 DE DEZEMBRO DE 2014 2015 A MINISTRA DE ESTADO DO MEIO AMBIENTE, no uso

Leia mais

Unimed 2ª Opinião ACREDITE: ESTÁ SURGINDO UMA NOVA UNIMED!

Unimed 2ª Opinião ACREDITE: ESTÁ SURGINDO UMA NOVA UNIMED! ACREDITE: ESTÁ SURGINDO UMA NOVA UNIMED! CONCEITO O Inova Unimed é um movimento de renovação que visa a modernização estrutural, operacional e administrativa da Unimed Vale do Aço. OBJETIVOS SATISFAZER

Leia mais

ATUALIZAÇÕES DA LEGISLAÇÃO DE SEMENTES E MUDAS

ATUALIZAÇÕES DA LEGISLAÇÃO DE SEMENTES E MUDAS XXXVI CICLO DE REUNIÕES CONJUNTAS DA CSM/PR SEMENTES DESAFIOS PARA O FUTURO ATUALIZAÇÕES DA LEGISLAÇÃO DE SEMENTES E MUDAS 20 de junho de 2017 Foz do Iguaçu - PR Virgínia Arantes Ferreira Carpi Coordenadora

Leia mais

Novas espécies de tubarão e raias manta listadas nos anexos da CITES: O que devem as Partes fazer até 14 setembro de 2014: Rastreabilidade

Novas espécies de tubarão e raias manta listadas nos anexos da CITES: O que devem as Partes fazer até 14 setembro de 2014: Rastreabilidade Novas espécies de tubarão e raias manta listadas nos anexos da CITES: O que devem as Partes fazer até 14 setembro de 2014: Rastreabilidade Registo e rastreamento do comércio do país de origem para o país

Leia mais

Protocolo de intenções para a implementação No brasil da Aliança brasileira para a extinção zero

Protocolo de intenções para a implementação No brasil da Aliança brasileira para a extinção zero Protocolo de intenções para a implementação No brasil da Aliança brasileira para a extinção zero A conservação da diversidade biológica, a utilização sustentável de seus componentes e a repartição justa

Leia mais

Plano Decenal da Assistência Social: Desafios para os Entes Federados

Plano Decenal da Assistência Social: Desafios para os Entes Federados Plano Decenal da Assistência Social: Desafios para os Entes Federados Proteção Social para todos/as os/as brasileiros/as II Plano Decenal - 2016/2026 CARACTERÍSTICAS DOS PLANOS São técnicos e políticos;

Leia mais

Prof. Mariana M Neves DIREITO AMBIENTAL

Prof. Mariana M Neves DIREITO AMBIENTAL Prof. Mariana M Neves DIREITO AMBIENTAL A POLÍTICA NACIONAL E O SISTEMA NACIONAL DO MEIO AMBIENTE PNMA Lei 6.938/1981 Regulamentada pelo Decreto 99.274/1990 Objetivo geral: preservação, melhoria e recuperação

Leia mais

D/P 03 D/P D/PEO - Educação/ D/P 05 /Formação/ /Treinamento D/P 06. (continua) (continua) D/P 07

D/P 03 D/P D/PEO - Educação/ D/P 05 /Formação/ /Treinamento D/P 06. (continua) (continua) D/P 07 Quadro/Tabela Q/T PMA.3 Estância de Atibaia POLÍTICA DE MEIO AMBIENTE DIRETRIZES/PROPOSIÇÕES Campo Diretrizes/ P Cód. Título Cód. - D/PIN - Institucional D/P 01 - D/PPL - Planejamento D/P 02 D/P 03 D/P

Leia mais

Certificação ISO

Certificação ISO Sistema de Gestão Ambiental SGA Certificação ISO 14.000 SISTEMA DE GESTÃO AMBIENTAL - SGA Definição: Conjunto de ações sistematizadas que visam o atendimento das Boas Práticas, das Normas e da Legislação

Leia mais

COMERCIALIZAÇÃO NO ÂMBITO DA ECONOMIA SOLIDARIA

COMERCIALIZAÇÃO NO ÂMBITO DA ECONOMIA SOLIDARIA COMERCIALIZAÇÃO NO ÂMBITO DA ECONOMIA SOLIDARIA Secretaria Nacional de Economia Solidária Ministério do Trabalho e Emprego Seu tamanho no Brasil 21.859 EES 1,7 Milhão de Pessoas 2.934 municípios (52%)

Leia mais

Ministério da Pesca e Aquicultura Secretaria de Monitoramento e Controle da Pesca e Aquicultura Departamento de Monitoramento e Controle

Ministério da Pesca e Aquicultura Secretaria de Monitoramento e Controle da Pesca e Aquicultura Departamento de Monitoramento e Controle Ministério da Pesca e Aquicultura Secretaria de Monitoramento e Controle da Pesca e Aquicultura Departamento de Monitoramento e Controle Coordenação-Geral de Sanidade Pesqueira e Aquícola o 2003 Secretaria

Leia mais

Salvador 27 de NOVEMBRO de 2008

Salvador 27 de NOVEMBRO de 2008 MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE INSTITUTO BRASILEIRO DO MEIO AMBIENTE E DOS RECURSOS NATURAIS RENOVÁVEIS VEIS - IBAMA SUPERINTENDÊNCIA NCIA NA BAHIA SUPES/BA ENCONTRO BAIANO DE ARTESANATO Salvador 27 de NOVEMBRO

Leia mais

nós estamos trabalhando firmemente para a preservação na medida que não mexemos e não manejamos silvestres

nós estamos trabalhando firmemente para a preservação na medida que não mexemos e não manejamos silvestres Pet ou Silvestre Há tempos que estamos solicitando a todos que não denominem passeriformes nascidos em ambientes domésticos de silvestre é uma questão de definição. Ora, silvestre é sinônimo de selvagem

Leia mais

Meio Ambiente. Ministério do Meio Ambiente FLORESTA NACIONAL DO TAPAJOS FLONA TAPAJÓS. Unidade de Conservação Federal

Meio Ambiente. Ministério do Meio Ambiente FLORESTA NACIONAL DO TAPAJOS FLONA TAPAJÓS. Unidade de Conservação Federal FLORESTA NACIONAL DO TAPAJOS FLONA TAPAJÓS Unidade de Conservação Federal A Gestão Socioambiental da Flona e a sua relacão com o Manejo Florestal e as Pesquisas na UC 2010 Floresta Nacional do Tapajós

Leia mais