PROTEÇÃO CONTRATUAL: UMA ANÁLISE DO CONTRATO DE ADESÃO* João Evangelista das Neves Araújo RESUMO

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "PROTEÇÃO CONTRATUAL: UMA ANÁLISE DO CONTRATO DE ADESÃO* João Evangelista das Neves Araújo RESUMO"

Transcrição

1 PROTEÇÃO CONTRATUAL: UMA ANÁLISE DO CONTRATO DE ADESÃO* João Evangelista das Neves Araújo Doutor em Letras com a tese Identidade Sociocultural e Práticas de Leitura Literária: O Processo de Construção Social do Leitor pela UFPE.Bacharel em Ciências Sociais (Sociologia, Política e Antropologia) pela UFPI; Licenciado em Pedagogia também pela UFPI; Licenciado em Letras pela UESPI; Graduando em Direito/ FAETE; Pós-graduado em Psicopedagogia (Escolar, Clínica, Hospitalar e Empresarial); Mestre em Educação pela UFPI. RESUMO O artigo proposto traz uma análise teórico- doutrinária sobre a proteção contratual, destacandose os aspectos relacionados ao contrato de adesão que, ainda vem revelando mutos problemas entre fornecedor e consumidor. O objetivo desta empreitada consiste em analisar e discutir os pontos de maior relevância determinados pelo CDC dentro das relações contratuais de compra e venda no ato da realização do negócio juridico. Assim objetivamos principalmente, contribuir com os conhecimentos dos consumidores, sobretudo os menos favorecidos da sociedade. Para tanto, recorremos a uma investigação bibliográfica especializada que trata sobre os artigos de aplicação e os princípios de orientação, regulamentação dos contratos de adesão. Os resultados da referida análise demonstram que a sociedade precisa avançar muito nessa área. Palavras- chaves: CDC. contrato. adesão. *Artigo produzido a partir da selação de um tópico da disciplina Direito do Consumidor no 3º período do curso de Direito da FAETE, ministrada pela professora Maria Laura Lopes Elias no 1º/ 2007

2 INTRODUÇÃO Ao olharmos as relações jurídico-comerciais entre fornecedor e consumidor no contexto mercadológico do Brasil atual, iremos perceber que a realidade do país ainda está longe do que se pode esperar de uma sociedade democrática de direitos. Pois, a idéia de que os cidadãos são livres e iguais para tutelar seus interesses financeiros, escolher o parceiro contratual e definir o conteúdo dos contratos, revela-se profundamente comprometida pelas relações de poder capitalista dos mais fortes sobre os mais fracos do ponto de vista econômico. que Conforme Bessa (2006 P.: 51) este fato pode ser comprovado na prática, uma vez Hoje é muito raro encontrar um contrato celebrado com consumidor que tenha sido elaborado a partir da discussão de cláusula por cláusula, de uma avaliação cuidadosa das conseqüências da assinatura do documento. A grande maioria dos contratos são de adesão, ou seja, já vêm prontos, elaborados unilateralmente pelo fornecedor. O consumidor não tem possibilidade real de alterar as condições apresentadas que são mais vantajosas para o fornecedor cabendo-lhe apenas assinar o documento. Além disso, por vezes, são utilizadas palavras complicadas, de difícil entendimento. Diante do fato acima exposto é que o Código de Defesa do Consumidor (CDC) no Brasil (a exemplo de outros países da Europa e Estados Unidos que a partir da segunda metade do século XX editam leis de Proteção ao Consumidor), através da Lei nº 8.078/90, dedica atenção especial ao CONTRATO DE COMPRA E VENDA de produtos e serviços entre fornecedor e consumidor. Mas o que venha a ser um contrato de compra e venda de bens e/ou serviços quando formalizado como negócio jurídico? Conforme Guimarães (2007 P. 211), contrato é acordo de vontades ajuste, convênios entre duas ou mais pessoas, sobre objeto lícito e possível pelo qual se adquirem, se criam, se modificam, se conservam ou se extinguem direitos. Ainda de acordo com o autor citado, os contratos têm os seguintes elementos: a) essenciais: são aqueles sem os quais não terá validade, como a capacidade do contratante, a coisa contratada, o preço e o consentimento; b) naturais: são aqueles que estão implícitos no ato, como a evicção e;

3 c) acidentais: são as cláusulas acessórias expressamente mencionadas, como a forma de pagamento, os juros, a multa, etc. Assim, o contrato não pode ser qualquer documento escrito sem a observância do Código Civil atual nem do CDC, mas deve ser aquele cujas cláusulas tenham sido aprovadas pela autoridade competente ou estabelecidas unilateralmente pelo fornecedor de produtos ou serviços, sem que o consumidor possa discutir ou modificar substancialmente seu conteúdo (artigo 54). Partindo dos conceitos de contrato, bem como de seus elementos formais, podemos inferir que o mesmo é celebrado de duas maneiras: a) BILATERAL: quando as obrigações expressas no documento contratual são recíprocas, neste há diálogo direto e efetivo entre fornecedor e consumidor, durante o processo de elaboração e assimetria do documento; b) UNILATERAL: quando as obrigações dizem respeito a uma das partes apenas, no caso, o consumidor, cabendo ao fornecedor a determinação do documento em toda a sua extensão sem nenhuma participação do fornecedor. Nos dois modos de contrato as partes precisam ser capazes de negociar, dialogar, chegar a um consenso através do concurso de vontades que possam ser realizadas sem prejuízos para nenhuma dos dois lados. Todavia, essa prática entre fornecedores e consumidores ao formalizarem o acordo de compra e venda nos documentos contratuais, vem acontecendo de modo muito arbitrário no contexto sócio-econômico e cultural da realidade brasileira. Esse fato configura a modalidade unilateral dos contratos de adesão enquanto documento. Imposto aos consumidores no ato de concretização dos negócios jurídicos, uma vez que apresenta as seguintes características da referida modalidade contratual: a) uniformidade: representada pela invariabilidade dos conteúdos das condições em todas as relações contratuais estabelecidas pelas atividades comerciais; b) predeterminação: os fornecedores preestabelecem unilateralmente as cláusulas dos contratos a serem estipulados, sendo admitido também, as condições gerais constantes de regulamento administrativo;

4 c) rigidez: as cláusulas são rígidas porque são uniformes e fixas. É partindo dos conceitos fundamentais de contrato e das características fundamentais do mesmo, bem como de seus elementos básicos que destacaremos abaixo os seguintes traços típicos do contrato de adesão: a) preexistência das condições gerais do contrato: sendo estas aprovadas e regulamentadas por autoridades competentes, ou ainda definidas unilateralmente pelos fornecedores que dispõem sozinhos sobre o teor de tal documento; b) o consentimento do consumidor: aqui entendido como ADESÃO ao conteúdo pronto e empacotado tendo o consumidor, apenas que aceitá-lo aleatoriamente em todos os seus aspectos. Mediante esta breve síntese de introdução e caracterização do tema Proteção Contratual, fica evidenciado a necessidade de desenvolvimento da temática delimitando-a na direção do contrato de adesão, dado a grande importância de uma maior compreensão e divulgação dos problemas críticos vivenciados pelos consumidores e levantados neste preâmbulo textual. Portanto, é a proteção do contrato de adesão o nosso objeto específico de reflexão aqui colocado com o objetivo de discutir alguns pontos relevantes sobre a questão em foco e percebida como assunto de grande relevância social e de interesse da população. Diante disso, passaremos a apresentar a questão em pauta sem grandes pretensões teóricas ou de qualquer outra ordem doutrinária mas tão somente esperando que possa contribuir com os conhecimentos dos consumidores cidadãos, sobretudo daqueles menos favorecidos cultural e economicamente. ANÁLISE E DISCUSSÃO DAS RELAÇÕES DE COMPRA E VENDA NO CONTRATO DE ADESÃO A Lei nº 8.078/90 que dispõe sobre o Código de Defesa do Consumidor (CDC), destaca os aspectos formais do denominado contrato de adesão, isto a fim de torná-lo mais claro e transparente, de modo a proteger os consumidores. Por isso o referido código estabelece que no caso dos contratos de adesão torna-se obrigatório a aplicação das regras

5 constantes nas disposições gerais, principalmente para interpretar as cláusulas abusivas e as seguintes regras especiais de proteção da modalidade contratual em foco: - os contratos de adesão serão redigidos de modo claro e com caracteres ostensivos e legíveis de modo a facilitar sua compreensão (art ). É de fundamental importância que a redação das condições gerais dos contratos seja claro e de fácil compreensão pelo consumidor de modo que ele tenha consciência das obrigações que irá assinar (art. 47). - o contrato de adesão deve ser apresentado em formulário impresso e quando necessário pode haver inserção ou acréscimo de novas cláusulas manuscritas ou datilografadas, desde que não modifique a natureza do contrato (art ). - o contrato de adesão admite cláusula resolutória quando esta não é prevista pelas partes, ou seja, não é escrita expressamente, mas definida tacitamente. Daí pode haver a incidência do disposto nos artigos 476 e 477 do código civil atual. Assim, o inadimplemento gera a resolução do contrato, não de modo automático, mas a pedido do prejudicado e pela via judicial solicitando o cumprimento do contrato ou a rescisão do mesmo com perdas e danos. Como seja expressa a cláusula resolutória o inadimplemento resulta na extinção automática do contrato por resolução, de pleno direito, sem a necessidade de se recorrer judicialmente. Nesse caso não existe para o consumidor, pelo menos em princípio, a opção de lutar pelo cumprimento do contrato. Por esse motivo o CDC enquanto lei específica altera esse regra geral, uma vez que estabelece em seu artigo 54 2º sendo lesado o consumidor, este poderá optar entre a rescisão contratual com perdas e danos e o cumprimento da obrigação. - as cláusulas que limitam os direitos do consumidor devem ser escritas e impressas com algum tipo de destaque, de modo que permita uma rápida percepção e compreensão (ver art ). Desse modo, a legislação impõe que as cláusulas restritivas sejam destacadas, a fim de que chamem atenção do consumidor, para que ele faça uma avaliação real e concreta, evitando erro e engano na contratação. - no contrato de adesão a nulidade de cláusula abusiva não invalida, a menos quando na ausência destas, decorrer ônus excessivo a qualquer uma das partes (art ).

6 A partir da vigência do CDC, o contrato passa a ter uma função social uma vez que ele não cuida de defender somente os interesses do fornecedor, mas também, e principalmente os cuidados com o consumidor. Nesse sentido, o referido código estabelece as seguintes mudanças nas relações entre fornecedor e consumidor no que se refere aos contratos: a) obrigatoriedade dos contratos admitindo, inclusive, modificações de cláusulas que estabelecem prestações desproporcionais (art. 6, V, 1ª parte); b) revisão de cláusulas em função de fatos supervenientes que têm como conseqüência a onerosidade excessiva (art. 6, V, 2ª parte); c) nulidade das cláusulas abusivas; d) a garantia do produto ou serviço passou a ser regulamentada e adequada pela lei (art. 50, parágrafo único), e tipificação penal (art. 74) Conforme o artigo 46 do CDC, os contratos não podem obrigar os clientes se os fornecedores não lhe derem oportunidade de conhecer previamente o conteúdo do mesmo ou se o referido documento estiver escrito de modo não compreensivo, isto é, sem clareza. Além da falta de clareza, transparência que podem anular um contrato, o CDC no seu artigo 51, IV, ainda considera como nulas, as cláusulas que estabeleçam obrigações consideradas iníquas, abusivas, que coloquem o consumidor em desvantagem exagerada, ou seja, incompatíveis com a boa-fé ou eqüidade. Nesse sentido é que Nunes (2006 p. 59) acrescenta: Mais do que isso, o CDC declara nulas as cláusulas contratuais que prejudiquem o consumidor, mesmo que ele tenha assinado o contrato consciente delas. Entre as cláusulas nulas estão as chamadas leoninas, isto é, aquelas que desequilibram o contrato, dando apenas direitos para o fornecedor e gerando só obrigações ao consumidor. Ainda com relação à nulidade de possíveis disposições contratuais, o CDC em muitos momentos chega a ser enfático como no artigo 51, I onde declara nulas as cláusulas que impossibilitem, exonerem ou atenuem a responsabilidade do fornecedor por vícios de qualquer

7 natureza dos produtos e serviços ou impliquem renúncia ou disposição de direitos. Sobre estes aspectos o disposto do inciso XI o mesmo artigo retira a validade jurídica dos contratos que autorizem o fornecedor a cancelar o contrato unilateralmente, sem que igual direito seja conferido ao consumidor. Portanto, além das normas gerais de proteção contratual dos consumidores, que vão do artigo 46 ao 50, o CDC, também apresenta normas específicas relacionadas à intervenção do cliente no conteúdo dos contratos, conforme podemos conferir no artigo 51 em toda a sua extensão. Desse modo, o sancionamento das cláusulas abusivas tem o objetivo de anulação completa dos artigos, incisos e parágrafos de contratos que possam restringir a autonomia e direitos de atuação contratual apenas ao fornecedor sem considerar o lado do consumidor. Com isso, o artigo 51 do CDC obriga o fornecedor a observar as normas das condutas por ocasião da formalização dos acordos contratuais. Esse fato garantido pelo artigo 51 confere ao consumidor um maior respeito de seus direitos e de sua cidadania que se sustentam nos parâmetros da honestidade e da moralidade dos fornecedores. (cf. ALMEIDA, 2006) Conforme Almeida (2006), além dos princípios gerais que abrangem toda a natureza positiva de garantia dos contratos, o CDC estabelece, ainda, os seguintes princípios básicos de aplicação específica na área de contratos: a) PRINCÍPIO DA TRANSPARÊNCIA: representado pela informação clara e correta em relação ao produto a ser vendido e em relação ao contrato a ser firmado. Consiste na lealdade e no respeito nas relações entre fornecedor desde a fase pré-contratual até a fase de materialização dos contratos. Por este princípio o fornecedor tem o dever de informar no momento da oferta (artigo 30 do CDC) e no momento da formalização do contrato, conforme prescreve o artigo 46 do referido código. b) PRINCÍPIO DA BOA-FÉ: representado pela honestidade, firmeza de propósito e ausência de esperteza em ambas as partes durante todo o processo de negociação contratual. Em termos contratuais este princípio reflete na tutela civil do consumidor

8 tendo em vista que protege-o da publicidade enganosa e permite o arrependimento mesmo depois de efetivada a contratação (ver artigo 49 do CDC). A boa-fé é limitadora do direito subjetivo, flexibiliza a estrutura material do documento contratual e produz insegurança em relação ao conteúdo do referido documento. Porém, o objetivo principal deste princípio é a manutenção e conservação do vínculo entre fornecedor e consumidor que devem manter entre si a confiança, a lealdade, a honestidade e a verdade; c) PRINCÍPIO DA EQUIDADE: representado pelo equilíbrio de direitos e deveres entre fornecedor e consumidor de modo que possa haver justiça contratual. Nesse sentido é que o CDC proíbe as cláusulas abusivas (que proporcionem vantagens ao fornecedor). Ainda, a esse respeito o mencionado código prever a possibilidade de modificação de cláusulas e revisão de contratos por onerosidade excessiva superveniente (ver artigo 6 inc. VI). Os contratos são protegidos pelo CDC e podem ter cláusulas vetadas pelo referido código quando o documento contratual formalizado apresenta as seguintes condições abusivas destacadas no artigo 51 e comentadas por Almeida (2006): a) Cláusula de não indenizar em situações fatídicas ou de vício do produto ou serviço, renúncia ou ainda disposição de direitos (inc. I); b) Cláusula de impedimento de reembolso (inc. II) de quantia já paga (uma vez que a restituição é uma opção do consumidor e deve ser respeitada juridicamente) (inc. II); c) Cláusula de transparência de responsabilidade do fornecedor (em relação aos fatos e vícios dos produtos ou serviços) para terceiros infringindo as normas jurídicas, de proteção ao consumidor e dificultando ao ressarcimento (inc. III); d) Cláusulas iníquias (perversas, injustas cruéis, contrárias à equidade), abusivas (que desrespeitam valores éticos da sociedade) e exageradas (excessiva onerosidade ao consumidor enquanto contratante hipossuficiente em relação ao poderio econômico do fornecedor) (inc. IV);

9 e) Cláusula de inversão do ônus da prova em favor do fornecedor colocando o consumidor em prejuízo (uma vez que o artigo 6, VIII do processo civil assegura a inversão do ônus da prova em favor do consumidor, inclusive nas hipóteses de publicidade enganosa ou abusiva) (inc. VI); f) Cláusula da arbitragem obrigando o consumidor a submeter-se judicial ou extrajudicialmente ao julgamento (fato que deve ser facultado às partes) (inc. VII); g) Cláusula da imposição de representante para concluir ou realizar outro negócio jurídico em nome do consumidor tornando-se vulnerável ao submeter-se ao poder econômico do representante imposto pelo fornecedor (inc. VIII); h) Cláusula da inversão de papéis em que deixem o fornecedor a opção de concluir ou não o contrato, embora obrigando o consumidor prejudicando-o portanto (inc. IX); i) Cláusulas de variação unilateral de preços determinados direta ou indiretamente pelo fornecedor e privilegiando a superioridade econômica deste em relação a hipossuficiência do consumidor (inc. X); j) Cláusula do cancelamento unilateral do contrato onde só o fornecedor dispõe da faculdade de cancelar o contrato sem dá o mesmo direito ao consumidor (quando na realidade tal faculdade deve ser outorgada a todos os contratantes) (inc. XI); k) Cláusula de ressarcimento de custos de cobrança da obrigação do consumidor, sem, contudo oferecer igual direito ao fornecedor (inc. XII); l) Cláusula de modificação unilateral do contrato por uma só das partes após sua celebração posto que para acontecer tal fato é preciso haver vontade e participação das partes (inc. XIII); m) Cláusulas de violação de normas ambientais por qualquer uma das partes que venha ferir a legislação que protege o meio ambiente (inc. XIX);

10 n) Cláusulas de desconformidade com o sistema protetivo do consumidor (pois estas não podem ser derrogadas pela vontade de nenhuma das partes) (inc. XV); o) Cláusulas de benfeitorias necessárias que têm por objetivo conservar a coisa ou evitar que esta venha sofrer deterioração sem prever indenização do correspondente valor como estabelece o código civil atual no seu artigo 1,219 (inc. XIV); p) Cláusulas de multa de mora e liquidação antecipada que estabeleça valores superior ao previsto no código (2% do valor da prestação e que o consumidor deverá liquidar antecipadamente o débito com redução proporcional de juros e de outros acréscimos) (ver artigo 52 1 e 2 ) Todo esse conjunto de condições podem aparecer nos contratos de compra e venda de bens e serviços são considerados pelo CDC como cláusulas abusivas, estando portando protegidos por lei. Ainda no que se refere a proteção contratual a lei de defesa do consumidor destaca o direito do arrependimento (desistência do produto ou serviço adquirido) nas seguintes condições: para os contratos de compra e venda em que os fornecimentos são realizados no próprio estabelecimento comercial mediante a presença dos consumidores ou de seus legítimos representantes (que tomam conhecimento prévio das cláusulas contratuais refletindo-as suficientemente), deve ser aplicado o PRINCÍPIO PACTA SUNT SERVANDA. Nesse caso o consumidor cumprirá aquilo que assinou no contrato e deve assumir as conseqüências do pacto firmado. Por outro lado, se a contratação do produto ou serviço for realizada fora da empresa ou instituição comercial (através da internet, telefone, reembolso postal ou ainda em domicílio) sem que o consumidor tenha refletido suficientemente nem examinado o produto ou serviço, aí ele terá o direito de desistir do contrato, caso esteja arrependido (ver artigo 49), sendo que para tanto devemos observar as seguintes regras: a) a desistência ou arrependimento só terá validade se a contratação do produto ou serviço tiver sido realizada fora do estabelecimento comercial; b) para ser válido o arrependimento deverá ocorrer no prazo máximo de sete dias a contar da assinatura do contrato no domicílio do consumidor ou do ato de recebimento do produto ou serviço (via reembolso postal, telefone ou internet);

11 c) os valores eventualmente pagos durante o prazo de reflexão, serão devolvidos ao consumidor sendo essa devolução imediata e corrigida monetariamente. Desse modo, concluímos que no caso do direito de devolução por arrependimento, o consumidor não deverá sofrer nenhuma perda posto que as despesas e eventuais prejuízos que venham recair sobre o fornecedor devem ser entendidas e recebidas por este, como algo inerente àqueles que lidam com vendas externas muitas vezes de modo até mesmo agressivos. Sobre o controle das condições gerais dos contratos destacamos os seguintes mecanismos aplicados em muitos países: a) controle preventivo ou abstrato: feito por via administrativa antes de terminar a relação de consumo, normalmente é realizado por um órgão indicado para essa tarefa. No caso brasileiro, o Ministério Público através do inquérito civil pode efetuar um tipo de controle buscando ao mesmo tempo, tanto ajuste de conduta quanto ajuizamento de ação civil público. Sendo que não confere caráter geral em relação às cláusulas contratuais em questão; b) controle repressivo ou concreto: consiste naquele realizado após a conclusão da relação de consumo durante a ação judicial discutindo-se as possíveis abusividades de cláusulas contratuais. Este tipo de mecanismo de controle é o que predomina em nosso país. Através do referido modo de fazer controle de causas abusivas, os consumidores podem ir diretamente em juiz, pleitear a nulidade das cláusulas abusivas. Por outro lado, os consumidores também podem requerer um controle junto ao Ministério Público (ver artigo 51 4 ) Este é o controle concreto feito via judicial, sendo que o Ministério Público tem legitimidade ativa para propor ação visando a nulidade de cláusulas de contrato de adesão. Contudo, é preciso que haja consciência desse fato por parte dos consumidores contratantes para que possam lutar pelos seus direitos no momento de assinar as responsabilidades contratuais. Portanto, este é o desafio atual ainda a ser enfrentadonpor nossa sociedade sem visão de desenvolvimento.

12 CONSIDERAÇÕES FINAIS A partir do CDC ocorre uma regulamentação dos contratos de compra e venda de bens e serviços e, sobretudo é regulamentado o contrato de adesão bem como, também, são estabelecidas as cláusulas consideradas abusivas dentro das relações jurídico-comerciais, conforme vimos no decorrer do corpo desse artigo. Fica evidenciado que a lei do referido código sob nº 8.078/90 outorga uma importante proteção aos contratos de compra e venda resguardando os direitos dos consumidores, principalmente daqueles pertencentes às classes populares que representam a grande massa da população brasileira. Esse grande segmento da população do país sofria e apesar do CDC, ainda vem sofrendo constantes abusos e prejuízos em decorrência de sua fragilidade tanto econômica quanto de formação escolar e informação dos seus direitos. Em relação à proteção dos contratos pela lei de defesa do consumidor, convém destacar que apesar da grande conquista dessa garantia legal, ela ainda vem se revelando insuficiente por não está regulamentado em termos precisos, mas apenas de modo bastante genérico deixando muitas brechas criadas pela natureza particular da especificidade de cada situação muito variada e dos tipos de produtos e serviços que fogem às determinações do código aqui analisado; portanto as cláusulas de proteção contratual, sobretudo no que se referem ao contrato de adesão tornam-se incapazes de manter o controle eficaz das relações contratuais entre fornecedores e consumidores. Ainda na perspectiva de destacar alguns pontos críticos em relação à proteção dos contratos de compra e venda, podemos perceber que essa proteção esta vinculada a uma garantia contratual não obrigatória, posto que varia de empresa para empresa, podendo até ser ignorada quando se trata de produtos que ainda serão produzidas no futuro. Sobre esta falta de padronização das normas de proteção contratual que pudesse alcançar o universo de todos os tipos de empresas e dos variados produtos, serviços e modalidades de produção dos mesmos, é que lembramos aqui das palavras de Almeida (2006 p. 125) quando diz:

13 Ideal seria a adição da lei fixando o prazo e a forma de garantia para cada categoria de produto. Tal medida tornaria mais efetiva a garantia legal e impediria manobras evasivas dos fornecedores, como retirar ou reduzir, para o futuro, a garantia contratual, o que, além de prejudicial ao consumidor, esvaziaria, de forma reflexa, a tipificação penal. Todas essas falhas no nosso CDC tornam problemática a situação contratual no Brasil, sobretudo os contratos de adesão, sendo por isso que os legisladores óptam pela possibilidade de novas construções doutrinárias e jurisprudenciais numa tentativa de estabelecer equilíbrio contratual, através da modificação de cláusulas ou de revisão de todo o documento mediante uma intervenção estatal. É nesse sentido que o atual Código Civil(2002) permite a negociação dos contratos quando a prestação de uma das partes se torna excessivamente onerosa. Para tanto, são criadas as figuras de lesão do estado de perigo quando por necessidade ou inexperiência, o sujeito assume uma obrigação excessivamente onerosa ou desproporcional. Sobre as possibilidades de renegociação dos contratos de adesão, o novo código civil ainda estabelece que a liberdade de contratar será exercida em razão e nos limites da função social dos contratos (art. 421). Também obriga os contratantes a respeitar os princípios de probidade e da boa-fé durante todo o processo de condução e execução dos contratos. Desse modo, o longo caminho ainda a ser percorrido no campo contratual, apesar dos problemas aqui apresentados, já aponta para novas relações de compra e venda em nossa sociedade. ABSTRACT This proposed article brings a doctrinaire theoretical analyze about contractual protection, standing out aspects related to contract of adhesion that, it is still coming out many problems between supplier and consumer. The aim of this contract consists in analyze and discuss the points of greater relevance determined by CDC(Consumer Defense Code) among contractual relations of buying and selling in the act of achievement of legal business. Thus intending especially, it contributes with consumer s knowledge, above all the least helped of society. For this, it appeals an specialized bibliographic investigation that tells about the articles of application and principles of orientation, regulamentation of adhesion s contracts. The results of described analyze shows that the society needs to advance a lot in that area. KEYWORDS: CDC; contract; adhesion

14 REFERÊNCIAS BESSA, Leonardo Roscole. O consumidor e seus direitos: ao alcance de todos. 3ª edição, revista, atualizada e ampliada. Brasília: Brasília Jurídica, ALMEIDA, João Batista de. Manual do Direito do Consumidor. 2ª edição, revista e atualizada. São Paulo: Saraiva, NUNES, Rizzalto. Be-a-bá do consumidor: dicas para compras e reclamações. São Paulo: Editora Método, SAAD, Eduardo Gabriel; SAAD, José Eduardo Duarte; BRANCO, Ana Maria Saad C. Código de Defesa do Consumidor Comentado. Lei nº de (com coletânea atualizada de jurisprudência). São Paulo: LTR, GUIMARÃES, Deocleciano Torrieri. Dicionário Técnico Jurídico. 9ª edição. São Paulo: Editora Rideel, DINIZ, Maria Helena. Código Civil Anotado. 12ª edição, revista e atualizada. São Paulo: Editora Saraiva, FRISO, Gisele de Lourdes. Código de Defesa do Consumidor Comentado. São Paulo: Editora Primeira Impressão, 2007.

Proteção Contratual. Contratos no CDC Princípios dos contratos Cláusulas Abusivas Garantia contratual

Proteção Contratual. Contratos no CDC Princípios dos contratos Cláusulas Abusivas Garantia contratual Proteção Contratual Contratos no CDC Princípios dos contratos Cláusulas Abusivas Garantia contratual Contratos de adesão Nas últimas décadas, a produção em massa e a comercialização em grande escala geraram

Leia mais

CURSO DE DIREITO DA INFORMÁTICA LUIZ MÁRIO MOUTINHO

CURSO DE DIREITO DA INFORMÁTICA LUIZ MÁRIO MOUTINHO 1 CURSO DE DIREITO DA INFORMÁTICA LUIZ MÁRIO MOUTINHO 03/09/2013 2 PROTEÇÃO DO CONSUMIDOR NO COMÉRCIO ELETRÔNICO E AS LIMITAÇÕES DO DECRETO 7.962/2013 3 Conclusões O CDC é mais do que suficiente para a

Leia mais

Proteção contratual. Disposições gerais. Ahyrton Lourenço Neto

Proteção contratual. Disposições gerais. Ahyrton Lourenço Neto Ahyrton Lourenço Neto Especialista em Administração Tributária pela Universidade Castelo Branco. Graduado em Direito pela Pontifícia Universidade Católica do Paraná (PUCPR). Atua como advogado e é professor

Leia mais

MENSALIDADES ESCOLARES

MENSALIDADES ESCOLARES MENSALIDADES ESCOLARES O aumento das mensalidades escolares deve obedecer a algum parâmetro legal? O assunto mensalidades escolares é regulado pela Lei 9870, de 23 de novembro de 1999. Esta Lei, dentre

Leia mais

RELAÇÃO DE CONSUMO DIREITO DO CONSUMIDOR

RELAÇÃO DE CONSUMO DIREITO DO CONSUMIDOR DIREITO DO CONSUMIDOR RELAÇÃO DE CONSUMO APLICABILIDADE O presente código estabelece normas de proteção e defesa do consumidor, de ordem pública e interesse social, nos termos dos arts. 5, inciso XXXII,

Leia mais

Cobrança de honorários advocatícios extrajudicial cláusula abusiva Código

Cobrança de honorários advocatícios extrajudicial cláusula abusiva Código Cobrança de honorários advocatícios extrajudicial cláusula abusiva Código do Consumidor Plínio Lacerda Martins Plínio Lacerda Martins é Titular da Promotoria do Consumidor/JF, Professor de Direito do Consumidor/UGF

Leia mais

PROJETO DE LEI DO SENADO Nº, DE 2011

PROJETO DE LEI DO SENADO Nº, DE 2011 Minuta PROJETO DE LEI DO SENADO Nº, DE 2011 Altera a Lei nº 8.078, de 11 de setembro de 1990 (Código de Defesa do Consumidor), para dispor sobre o comércio eletrônico. O CONGRESSO NACIONAL decreta: Art.

Leia mais

DIREITO DO CONSUMIDOR. Das práticas Comerciais

DIREITO DO CONSUMIDOR. Das práticas Comerciais DIREITO DO CONSUMIDOR AULA 02 Das práticas Comerciais 1. Da Oferta Toda informação ou publicidade, suficientemente precisa, veiculada por qualquer forma ou meio de comunicação com relação a produtos e

Leia mais

OS CONTRATOS PRIVADOS DE SAÚDE E O CDC

OS CONTRATOS PRIVADOS DE SAÚDE E O CDC OS CONTRATOS PRIVADOS DE SAÚDE E O CDC Daniela Maria Paludo 1 Uma das relações jurídicas mais discutidas na atualidade é a que envolve segurados e empresas de planos de saúde. As questões referentes aos

Leia mais

Contratos de Planos de Saúde: Princípios Básicos da Atividade

Contratos de Planos de Saúde: Princípios Básicos da Atividade Contratos de Planos de Saúde: Princípios Básicos da Atividade 305 Márcio Olmo Cardoso 1 O contrato é um acordo de vontade que gera obrigações (efeitos jurídicos) de natureza jurídica bilateral; ou seja,

Leia mais

www.direitofacil.com axz v É ]âü w vé @ `öüv t cxä áátü DIREITO CIVIL DO NEGÓCIO JURÍDICO

www.direitofacil.com axz v É ]âü w vé @ `öüv t cxä áátü DIREITO CIVIL DO NEGÓCIO JURÍDICO DIREITO CIVIL DO NEGÓCIO JURÍDICO 01 Quanto aos Negócios Jurídicos, podemos dizer que: a) são seus elementos essenciais: agente capaz, objeto lícito, possível determinado ou determinável, consentimento

Leia mais

DIREITO EMPRESARIAL - TEORIA GERAL DOS CONTRATOS MERCANTIS

DIREITO EMPRESARIAL - TEORIA GERAL DOS CONTRATOS MERCANTIS DIREITO EMPRESARIAL - TEORIA GERAL DOS CONTRATOS MERCANTIS Prof. Mauro Fernando de Arruda Domingues 1. Regimes jurídicos e conceito: O contrato é o instrumento pelo qual as pessoas contraem obrigação umas

Leia mais

PRODUTOS: FAÇA VALER SEUS DIREITOS NA HORA DA COMPRA E NO PÓS-VENDA!

PRODUTOS: FAÇA VALER SEUS DIREITOS NA HORA DA COMPRA E NO PÓS-VENDA! PRODUTOS: FAÇA VALER SEUS DIREITOS NA HORA DA COMPRA E NO PÓS-VENDA! CUIDADOS AO COMPRAR UM PRODUTO Houve um tempo em que o consumidor se sentia desamparado na hora de adquirir um produto. Sem contar com

Leia mais

RESOLUÇÃO EXTRAJUDICIAL DE PROMESSA DE COMPRA E VENDA IMOBILIÁRIA POR INADIMPLEMENTO ABSOLUTO DO QUESTÕES ATUAIS E OUTRAS NEM TÃO ATUAIS...

RESOLUÇÃO EXTRAJUDICIAL DE PROMESSA DE COMPRA E VENDA IMOBILIÁRIA POR INADIMPLEMENTO ABSOLUTO DO QUESTÕES ATUAIS E OUTRAS NEM TÃO ATUAIS... RESOLUÇÃO EXTRAJUDICIAL DE PROMESSA DE COMPRA E VENDA IMOBILIÁRIA POR INADIMPLEMENTO ABSOLUTO DO COMPRADOR QUESTÕES ATUAIS E OUTRAS NEM TÃO ATUAIS... Rubens Leonardo Marin SECOVI / SP 11/05/2015 O problema:

Leia mais

MINISTÉRIO DA JUSTIÇA SECRETARIA DE DIREITO ECONÔMICO DEPARTAMENTO DE PROTEÇÃO E DEFESA DO CONSUMIDOR

MINISTÉRIO DA JUSTIÇA SECRETARIA DE DIREITO ECONÔMICO DEPARTAMENTO DE PROTEÇÃO E DEFESA DO CONSUMIDOR MINISTÉRIO DA JUSTIÇA SECRETARIA DE DIREITO ECONÔMICO DEPARTAMENTO DE PROTEÇÃO E DEFESA DO CONSUMIDOR Escola Nacional de Defesa do Consumidor Oficina Desafios da Sociedade da Informação: comércio eletrônico

Leia mais

EXTRATO DO CONTRATO DE REPRESENTANTE DE SEGUROS

EXTRATO DO CONTRATO DE REPRESENTANTE DE SEGUROS EXTRATO DO CONTRATO DE REPRESENTANTE DE SEGUROS TOKIO MARINE SEGURADORA S.A., inscrita no CNPJ sob o número 33.164.021/0001-00 pessoa jurídica de direito privado com sede na Rua Sampaio Viana, 44 - Paraíso,

Leia mais

RESOLUÇÃO NORMATIVA - RN Nº 254, DE 5 DE MAIO DE 2011

RESOLUÇÃO NORMATIVA - RN Nº 254, DE 5 DE MAIO DE 2011 RESOLUÇÃO NORMATIVA - RN Nº 254, DE 5 DE MAIO DE 2011 Dispõe sobre a adaptação e migração para os contratos celebrados até 1º de janeiro de 1999 e altera as Resoluções Normativas nº 63, de 22 de dezembro

Leia mais

WWW.CONTEUDOJURIDICO.COM.BR

WWW.CONTEUDOJURIDICO.COM.BR » Cacildo Baptista Palhares Júnior Advogado em Araçatuba (SP) Questões comentadas de direito do consumidor da prova objetiva do concurso de 2010 para Defensor da Bahia Com referência ao CDC, julgue os

Leia mais

ATA DE REGISTRO DE PREÇOS ( MINUTA )

ATA DE REGISTRO DE PREÇOS ( MINUTA ) ATA DE REGISTRO DE PREÇOS ( MINUTA ) ATA DE REGISTRO DE PREÇOS Nº: - TERRACAP PROCESSO Nº: Pregão Presencial Nº: VALIDADE:, a partir da publicação no DODF. Aos dias do mês de do ano de dois mil e treze,

Leia mais

Scheer. Advogados Associados. Mauro Scheer Luís Carmen Rosa Nunes

Scheer. Advogados Associados. Mauro Scheer Luís Carmen Rosa Nunes Scheer Advogados Associados Mauro Scheer Luís Carmen Rosa Nunes GESTÃO DE CONTRATOS EMPRESARIAIS: DA NEGOCIAÇÃO À EXTINÇÃO Mauro Scheer Luís Carmen Rosa Nunes AHK S.P. 12/02/2014 Mini Currículo Carmen

Leia mais

Os Reajustes por Mudança de Faixa Etária nos Planos de Saúde

Os Reajustes por Mudança de Faixa Etária nos Planos de Saúde Os Reajustes por Mudança de Faixa Etária nos Planos de Saúde Luciana de Oliveira Leal Halbritter Juíza de Direito do TJ RJ Mestre em Justiça e Cidadania pela UGF Sumário: 1. Introdução; 2. Aspectos Gerais;

Leia mais

RESOLUCAO 2.878 R E S O L V E U:

RESOLUCAO 2.878 R E S O L V E U: RESOLUCAO 2.878 Dispõe sobre procedimentos a serem observados pelas instituições financeiras e demais instituições autorizadas a funcionar pelo Banco Central do Brasil na contratação de operações e na

Leia mais

Dos contratos em geral

Dos contratos em geral Dos contratos em geral Disposições gerais As Disposições Gerais, constantes no Título V (dos Contratos em Geral) do Código Civil brasileiro (CC) consistem em cláusulas gerais aplicáveis a todo tipo de

Leia mais

MJ ORIENTA CONSUMIDOR PARA COMPRAS PELA INTERNET

MJ ORIENTA CONSUMIDOR PARA COMPRAS PELA INTERNET MJ ORIENTA CONSUMIDOR PARA COMPRAS PELA INTERNET O Ministério da Justiça divulgou na sexta-feira (20/8), durante a 65ª reunião do Sistema Nacional de Defesa do Consumidor (SNDC), um documento com as diretrizes

Leia mais

RESOLUÇÃO CNSP N o 296, DE 2013.

RESOLUÇÃO CNSP N o 296, DE 2013. MINISTÉRIO DA FAZENDA CONSELHO NACIONAL DE SEGUROS PRIVADOS RESOLUÇÃO CNSP N o 296, DE 2013. Dispõe sobre as regras e os critérios para operação do seguro de garantia estendida, quando da aquisição de

Leia mais

EXTRATO DO CONTRATO DE REPRESENTANTE DE SEGUROS

EXTRATO DO CONTRATO DE REPRESENTANTE DE SEGUROS EXTRATO DO CONTRATO DE REPRESENTANTE DE SEGUROS TOKIO MARINE SEGURADORA S.A., inscrita no CNPJ sob o número 33.164.021/0001-00 pessoa jurídica de direito privado com sede na Rua Sampaio Viana, 44 - Paraíso,

Leia mais

TÍTULO V Dos Contratos em Geral. CAPÍTULO I Disposições Gerais. Seção I Preliminares

TÍTULO V Dos Contratos em Geral. CAPÍTULO I Disposições Gerais. Seção I Preliminares TÍTULO V Dos Contratos em Geral CAPÍTULO I Disposições Gerais Seção I Preliminares Art. 421. A liberdade de contratar será exercida em razão e nos limites da função social do contrato. Art. 422. Os contratantes

Leia mais

EXERCÍCIO 1. EXERCÍCIO 1 Continuação

EXERCÍCIO 1. EXERCÍCIO 1 Continuação Direito Civil Contratos Aula 1 Exercícios Professora Consuelo Huebra EXERCÍCIO 1 Assinale a opção correta com relação aos contratos. a) O contrato preliminar gera uma obrigação de fazer, no entanto não

Leia mais

Tópicos de Direito do Consumidor Carga Horária: 20 h/a

Tópicos de Direito do Consumidor Carga Horária: 20 h/a Faculdade de Direito Milton Campos Reconhecida pelo Ministério da Educação Curso de Pós-Graduação Lato Sensu em Direito Civil Tópicos de Direito do Consumidor Carga Horária: 20 h/a 1- Ementa Princípios

Leia mais

Os Reajustes por Mudança de Faixa Etária nos Planos de Saúde

Os Reajustes por Mudança de Faixa Etária nos Planos de Saúde 1 Os Reajustes por Mudança de Faixa Etária nos Planos de Saúde Publicado em Revista de Direito do Tribunal de Justiça do Estado do Rio de Janeiro /Cont. de/ RJRJ, Rio de Janeiro, n.80, p. 95-99, jul./set.

Leia mais

AULA 08 TEORIA GERAL DOS CONTRATOS

AULA 08 TEORIA GERAL DOS CONTRATOS Profª Helisia Góes Direito Civil III Contratos Turmas 5ºDIV, 5º DIN-1 e 5º DIN-2 DATA: 24/09/09 (5º DIV) e 29/09/09 (5º DIN-1 e 5º DIN-2) CENTRO DE ENSINO SUPERIOR DO AMAPÁ AULA 08 TEORIA GERAL DOS CONTRATOS

Leia mais

Contrato de Prestação de Serviços. Profª. MSc. Maria Bernadete Miranda

Contrato de Prestação de Serviços. Profª. MSc. Maria Bernadete Miranda Contrato de Prestação de Serviços Contrato de Prestação de Serviços Visão Geral dos Contratos: Formação dos Contratos;e Inadimplemento Contratual. Formação dos Contratos Validade do Negócio Jurídico: Agente

Leia mais

Quem são os Consumidores? - Pode ser uma pessoa, várias pessoas ou ainda empresas que compram ou utilizam produtos e serviços, para uso próprio.

Quem são os Consumidores? - Pode ser uma pessoa, várias pessoas ou ainda empresas que compram ou utilizam produtos e serviços, para uso próprio. GUIA PRÁTICO DO CONSUMIDOR O que é Código de Defesa do Consumidor? - É uma lei de ordem pública (8.078/90) que estabelece direitos e obrigações de consumidores e fornecedores, para evitar que os primeiros

Leia mais

FUTURAINVEST DISTRIBUIDORA DE TÍTULOS E VALORES MOBILIÁRIOS LTDA. CARTILHA DO CONSUMIDOR

FUTURAINVEST DISTRIBUIDORA DE TÍTULOS E VALORES MOBILIÁRIOS LTDA. CARTILHA DO CONSUMIDOR FUTURAINVEST DISTRIBUIDORA DE TÍTULOS E VALORES MOBILIÁRIOS LTDA. CARTILHA DO CONSUMIDOR 1 Sumário 1 - A origem do Código de Defesa do Consumidor...3 2 - Código de Defesa do Consumidor... 3 3 - Direitos

Leia mais

A ABUSIVIDADE NA QUESTÃO DA CORRETAGEM NA VENDA DE IMÓVEIS PELAS CONSTRUTORAS:

A ABUSIVIDADE NA QUESTÃO DA CORRETAGEM NA VENDA DE IMÓVEIS PELAS CONSTRUTORAS: A ABUSIVIDADE NA QUESTÃO DA CORRETAGEM NA VENDA DE IMÓVEIS PELAS CONSTRUTORAS: ANÁLISE DOUTRINÁRIA E A JURISPRUDÊNCIA DO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DE SÃO PAULO Rizzatto Nunes* Mestre e doutor em Filosofia do

Leia mais

OS DIREITOS DOS ADQUIRENTES DE IMÓVEIS NA PLANTA

OS DIREITOS DOS ADQUIRENTES DE IMÓVEIS NA PLANTA OS DIREITOS DOS ADQUIRENTES DE IMÓVEIS NA PLANTA Elaborado por Daniel Menegassi Reichel Advogado Fundador do Escritório de Advocacia Menegassi Reichel Advocacia Elaborado em 13/08/2013. Trabalho protegido

Leia mais

PROJETO DE LEI N.º 1.111, DE 2011 (Do Sr. Carlos Bezerra)

PROJETO DE LEI N.º 1.111, DE 2011 (Do Sr. Carlos Bezerra) CÂMARA DOS DEPUTADOS PROJETO DE LEI N.º 1.111, DE 2011 (Do Sr. Carlos Bezerra) Obriga a apresentação de documento de identidade do titular de cartão de crédito ou débito, ou de seu dependente, conforme

Leia mais

Planos de Saúde - Aspectos Controvertidos - Contrato Coletivo

Planos de Saúde - Aspectos Controvertidos - Contrato Coletivo 471 Planos de Saúde - Aspectos Controvertidos - Contrato Coletivo Sonia Maria Monteiro 1 O CÓDIGO DE DEFESA DO CONSUMIDOR NO CONTRATO DE PLANO DE SAÚDE COLETIVO No plano coletivo de assistência à saúde,

Leia mais

INSTRUMENTO PARTICULAR DE VENDA DE INGRESSOS POR MEIO ELETRÔNICO (INTERNET)!

INSTRUMENTO PARTICULAR DE VENDA DE INGRESSOS POR MEIO ELETRÔNICO (INTERNET)! INSTRUMENTO PARTICULAR DE VENDA DE INGRESSOS POR MEIO ELETRÔNICO (INTERNET)! Trata-se o presente instrumento de um contrato celebrado através de meio eletrônico (internet), para venda de ingresso pelo

Leia mais

Resumo Aula-tema 07: Direito do Consumidor.

Resumo Aula-tema 07: Direito do Consumidor. Resumo Aula-tema 07: Direito do Consumidor. O Direito do Consumidor estabelece as regras que regulam as relações de consumo entre consumidores e fornecedores de produtos ou serviços. Como vivemos em um

Leia mais

Questões Fundamentadas do Código Civil Lei 10.406/2002 - Arts. 104 a 232

Questões Fundamentadas do Código Civil Lei 10.406/2002 - Arts. 104 a 232 1 350 Art. 104 ao 232 Livro III Dos Fatos Jurídicos Título I Do Negócio Jurídico Título II Dos Atos Jurídicos lícitos Título III Dos Atos ilícitos Título IV Prescrição e Decadência Título V Da Prova Para

Leia mais

CONTRATO PARA REGISTRO DE DOMÍNIO "MM DOMINIO"

CONTRATO PARA REGISTRO DE DOMÍNIO MM DOMINIO CONTRATO PARA REGISTRO DE DOMÍNIO "MM DOMINIO" Esse instrumento regula a prestação de serviços estabelecida entre MACHADO SERVIÇOS DIGITAIS LTDA-ME (pessoa jurídica de direito privado, inscrita no CNPJ

Leia mais

Resolução CNSP Nº 315 DE 26/09/2014 Publicado no DO em 29 set 2014

Resolução CNSP Nº 315 DE 26/09/2014 Publicado no DO em 29 set 2014 Resolução CNSP Nº 315 DE 26/09/2014 Publicado no DO em 29 set 2014 Dispõe sobre as regras e os critérios para operação do seguro viagem. A Superintendência de Seguros Privados - SUSEP, no uso da atribuição

Leia mais

Questões de Concursos Tudo para você conquistar o seu cargo público

Questões de Concursos Tudo para você conquistar o seu cargo público ATENDIMENTO - Prof. Mariana Fittipaldi 1- Aurora contratou com determinada empresa de telefonia fixa um pacote de serviços de valor preestabelecido que incluía ligações locais de até 100 minutos e isenção

Leia mais

Mecanismo revisional nos contratos internacionais: cláusula hardship

Mecanismo revisional nos contratos internacionais: cláusula hardship Mecanismo revisional nos contratos internacionais: cláusula hardship Por Bruno Dias Carvalho, coordenador do núcleo Contratos do Marcelo Tostes Advogados O progressivo desenvolvimento da economia mundial

Leia mais

Processo: 0016178-37.2012.808.0347 Requerente: FABIANO CEZAR NEVES DE OLIVEIRA, JORGETE NEVES DE OLIVEIRA Requerido(a): UNIMED VITORIA SENTENÇA

Processo: 0016178-37.2012.808.0347 Requerente: FABIANO CEZAR NEVES DE OLIVEIRA, JORGETE NEVES DE OLIVEIRA Requerido(a): UNIMED VITORIA SENTENÇA RIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESPÍRITO SANTO PODER JUDICIÁRIO VITÓRIA VITÓRIA - 6º JUIZADO ESPECIAL CÍVEL AVENIDA João Baptista Parra - Ed Enseada Tower. - Sl 1401(Cartório e Sala de Instrução), Sl 1702-A(Sala

Leia mais

EXTRATO DO CONTRATO DE REPRESENTANTE DE SEGUROS CUMULADO COM CORRESPONDENTE DE MICROSSEGUROS SEGUROS

EXTRATO DO CONTRATO DE REPRESENTANTE DE SEGUROS CUMULADO COM CORRESPONDENTE DE MICROSSEGUROS SEGUROS EXTRATO DO CONTRATO DE REPRESENTANTE DE SEGUROS CUMULADO COM CORRESPONDENTE DE MICROSSEGUROS SEGUROS TOKIO MARINE SEGURADORA S.A., inscrita no CNPJ sob o número 33.164.021/0001-00 pessoa jurídica de direito

Leia mais

Questões Fundamentadas do Código Civil Lei 10.406/2002 - Arts. 104 a 232

Questões Fundamentadas do Código Civil Lei 10.406/2002 - Arts. 104 a 232 1 APOSTILA AMOSTRA Para adquirir a apostila de 350 Questões Fundamentadas do Código Civil Lei 10.406/2002 Art. 104 a 232 Acesse o site: www.concursoassistentesocial.com.br Atenção: A apostila, devidamente

Leia mais

OAB 140º - 1ª Fase Extensivo Final de Semana Disciplina: Direito Civil Professor Andre Barros Data: 19/09/2009

OAB 140º - 1ª Fase Extensivo Final de Semana Disciplina: Direito Civil Professor Andre Barros Data: 19/09/2009 Aula 3: Validades dos Atos, Vícios, Erro, Dolo, Coação, Estado de Perigo, Lesão, Fraude contra credores, Simulação, Efeitos dos Negócios Jurídicos, Condição, Termo, Encargo, Prescrição e Decadência. Validade

Leia mais

EXTRATO DO CONTRATO PARA REPRESENTAÇÃO DE SEGUROS

EXTRATO DO CONTRATO PARA REPRESENTAÇÃO DE SEGUROS EXTRATO DO CONTRATO PARA REPRESENTAÇÃO DE SEGUROS TOKIO MARINE SEGURADORA S.A., inscrita no CNPJ sob o número 33.164.021/0001-00 pessoa jurídica de direito privado com sede na Rua Sampaio Viana, 44 - Paraíso,

Leia mais

EXTRATO DE CONTRATO PARA REPRESENTAÇÃO DE SEGUROS CUMULADO COM CORRESPONDENTE DE MICROSSEGURO

EXTRATO DE CONTRATO PARA REPRESENTAÇÃO DE SEGUROS CUMULADO COM CORRESPONDENTE DE MICROSSEGURO EXTRATO DE CONTRATO PARA REPRESENTAÇÃO DE SEGUROS CUMULADO COM CORRESPONDENTE DE MICROSSEGURO TOKIO MARINE SEGURADORA S.A., inscrita no CNPJ sob o número 33.164.021/0001-00 pessoa jurídica de direito privado

Leia mais

CÓDIGO DE DEFESA DO CONSUMIDOR. Prof. Alexandre LIPP João PONTO 1: BASE CONSTITUCIONAL DO CDC. b) TEORIAS, INÍCIO DOS PRINCÍPIOS NO CDC

CÓDIGO DE DEFESA DO CONSUMIDOR. Prof. Alexandre LIPP João PONTO 1: BASE CONSTITUCIONAL DO CDC. b) TEORIAS, INÍCIO DOS PRINCÍPIOS NO CDC 1 CDC PONTO 1: BASE CONSTITUCIONAL DO CDC PONTO 2: a) DISTINÇÃO CONSUMIDOR E FORNECEDOR b) TEORIAS, INÍCIO DOS PRINCÍPIOS NO CDC 1) A BASE CONSTITUCIONAL DA DEFESA DO CONSUMIDOR: ART. 5º, XXXII 1, CF (Dir.

Leia mais

É DEVIDO REEMBOLSO POR CANCELAMENTO DE VIAGEM POR PROBLEMAS DE SAÚDE.

É DEVIDO REEMBOLSO POR CANCELAMENTO DE VIAGEM POR PROBLEMAS DE SAÚDE. É DEVIDO REEMBOLSO POR CANCELAMENTO DE VIAGEM POR PROBLEMAS DE SAÚDE. Apelação cível. Prestação de serviços. Contratação de pacote turístico. Autora que cancelou a viagem poucos dias antes do embarque

Leia mais

TRIBUNAL DE JUSTIÇA PODER JUDICIÁRIO São Paulo

TRIBUNAL DE JUSTIÇA PODER JUDICIÁRIO São Paulo fls. 91 Registro: 2014.0000560120 ACÓRDÃO Vistos, relatados e discutidos estes autos do Apelação nº 4008523-94.2013.8.26.0577, da Comarca de São José dos Campos, em que é apelante ULYSSES PINTO NOGUEIRA,

Leia mais

O Código de Defesa do Consumidor 7. Como ser um consumidor bem informado? 8. O que é relação de consumo? 10. Conheça os seus direitos 11

O Código de Defesa do Consumidor 7. Como ser um consumidor bem informado? 8. O que é relação de consumo? 10. Conheça os seus direitos 11 SUMÁRIO O Código de Defesa do Consumidor 7 Como ser um consumidor bem informado? 8 O que é relação de consumo? 10 Conheça os seus direitos 11 Prazos para reclamar 17 O que é cadastro 19 Dicas importantes

Leia mais

consumidor consulte seus direitos

consumidor consulte seus direitos Câmara dos Deputados consumidor consulte seus direitos com VINICIUS CARVALHO Deputado Federal Centro de Documentação e Informação Coordenação de Publicações BRASÍLIA 2008 05948.indd 1 25/04/2008 13:50:24

Leia mais

O SEBRAE E O QUE ELE PODE FAZER PELO SEU NEGÓCIO

O SEBRAE E O QUE ELE PODE FAZER PELO SEU NEGÓCIO O SEBRAE E O QUE ELE PODE FAZER PELO SEU NEGÓCIO Competitividade Perenidade Sobrevivência Evolução Orienta na implantação e no desenvolvimento de seu negócio de forma estratégica e inovadora. O que são

Leia mais

Ministério da Justiça - MJ Secretaria de Direito Econômico - SDE Departamento de Proteção de Defesa do Consumidor DPDC. Proteção ao Consumidor

Ministério da Justiça - MJ Secretaria de Direito Econômico - SDE Departamento de Proteção de Defesa do Consumidor DPDC. Proteção ao Consumidor Ministério da Justiça - MJ Secretaria de Direito Econômico - SDE Departamento de Proteção de Defesa do Consumidor DPDC CADERNOS DPDC Proteção ao Consumidor Tema II: Cartão de Crédito Noções Gerais Brasília/DF

Leia mais

LEI Nº 14.868, de 16 de dezembro de 2003 Dispõe sobre o Programa Estadual de Parcerias Público-Privadas.

LEI Nº 14.868, de 16 de dezembro de 2003 Dispõe sobre o Programa Estadual de Parcerias Público-Privadas. LEI Nº 14.868, de 16 de dezembro de 2003 Dispõe sobre o Programa Estadual de Parcerias Público-Privadas. O Povo de Minas Gerais, por seus representantes, decretou e eu, em seu nome, sanciono a seguinte

Leia mais

2ª Fase Direito Civil

2ª Fase Direito Civil 2ª Fase Direito Civil Professor Fabio Alves fabio@ferreiraecamposadv.com CONTRATOS E CDC PRINCÍPIOS AUTONOMIA DA VONTADE PACTA SUNT SERVANDA BOA-FÉ OBJETIVA 1 Formação dos contratos Proposta e Aceitação

Leia mais

O CÓDIGO DE DEFESA DO CONSUMIDOR NA IMPORTÂNCIA PARA O COMÉRCIO ELETRÔNICO

O CÓDIGO DE DEFESA DO CONSUMIDOR NA IMPORTÂNCIA PARA O COMÉRCIO ELETRÔNICO O CÓDIGO DE DEFESA DO CONSUMIDOR NA IMPORTÂNCIA PARA O COMÉRCIO ELETRÔNICO Carolina Cicarelli GUASTALDI 1 RESUMO: O presente trabalho tem como meta analisar o Código de Defesa do Consumidor como instrumento

Leia mais

ACAO CIVIL COLETIVA REQUERENTE: POLISDEC - INSTITUTO MINEIRO DE POLITICAS SOCIAIS DE PROTECAO E DEFESA DO CONSUMIDOR REQUERIDOS: OI MOVEL S/A E OUTROS

ACAO CIVIL COLETIVA REQUERENTE: POLISDEC - INSTITUTO MINEIRO DE POLITICAS SOCIAIS DE PROTECAO E DEFESA DO CONSUMIDOR REQUERIDOS: OI MOVEL S/A E OUTROS ACAO CIVIL COLETIVA REQUERENTE: POLISDEC - INSTITUTO MINEIRO DE POLITICAS SOCIAIS DE PROTECAO E DEFESA DO CONSUMIDOR REQUERIDOS: OI MOVEL S/A E OUTROS D E C I S Ã O Trata-se de AÇÃO CIVIL COLETIVA proposta

Leia mais

COMISSÃO DE CORRETAGEM: DA OBRIGAÇÃO DE PAGAMENTO

COMISSÃO DE CORRETAGEM: DA OBRIGAÇÃO DE PAGAMENTO COMISSÃO DE CORRETAGEM: DA OBRIGAÇÃO DE PAGAMENTO - Posição jurisprudencial Rayane Silva França Advogada A controvérsia que paira acerca da obrigação de pagamento da comissão de corretagem assume vários

Leia mais

PLANO DE OUTORGA DE OPÇÃO DE COMPRA OU SUBSCRIÇÃO DE AÇÕES DA CAMBUCI S.A. CAPÍTULO I DOS OBJETIVOS

PLANO DE OUTORGA DE OPÇÃO DE COMPRA OU SUBSCRIÇÃO DE AÇÕES DA CAMBUCI S.A. CAPÍTULO I DOS OBJETIVOS PLANO DE OUTORGA DE OPÇÃO DE COMPRA OU SUBSCRIÇÃO DE AÇÕES DA CAMBUCI S.A. CAPÍTULO I DOS OBJETIVOS Artigo 1º. Os objetivos deste Plano de Opção de Compra ou Subscrição de Ações (o "Plano") da Cambuci

Leia mais

TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE SÃO PAULO

TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE SÃO PAULO Registro: 2015.0000329XX ACÓRDÃO Vistos, relatados e discutidos estes autos de Apelação nº XXXXXX-42.2014.8.26.0565, da Comarca de São Caetano do Sul, em que é apelante LIBERTY INCORPORADORA LTDA, são

Leia mais

SENTENÇA. Processo nº: 1026847-91.2015.8.26.0100 Classe Assunto: Procedimento Ordinário - Rescisão do contrato e devolução do dinheiro

SENTENÇA. Processo nº: 1026847-91.2015.8.26.0100 Classe Assunto: Procedimento Ordinário - Rescisão do contrato e devolução do dinheiro fls. 375 SENTENÇA Processo nº: 1026847-91.2015.8.26.0100 Classe Assunto: Procedimento Ordinário - Rescisão do contrato e devolução do dinheiro Requerente: Luiz Eduardo Possagnolo Requerido: Gafisa Spe-127

Leia mais

PL 5196/2013. Acrescer Capítulo VIII ao Título Ido Código de Defesa do Consumidor: Das Medidas Corretivas

PL 5196/2013. Acrescer Capítulo VIII ao Título Ido Código de Defesa do Consumidor: Das Medidas Corretivas PL 5196/2013 Acrescer Capítulo VIII ao Título Ido Código de Defesa do Consumidor: Das Medidas Corretivas Medidas Corretivas: natureza jurídica. [redação original do PL] Art. 60-A. Sem prejuízo da sanções

Leia mais

CONTRATO DE REGISTRO DOMINIOS

CONTRATO DE REGISTRO DOMINIOS CONTRATO DE REGISTRO DOMINIOS I. PREÂMBULO De um lado, a empresa ORIONS SITES E HOST, com razão social denominada ORIONS Ltda, inscrita no CNPJ sob nº, estabelecida à rua Ítalo Cipro, 206, Beira Rio, Guaratinguetá,

Leia mais

AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA AGÊNCIA NACIONAL DE TELECOMUNICAÇÕES AGÊNCIA NACIONAL DO PETRÓLEO

AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA AGÊNCIA NACIONAL DE TELECOMUNICAÇÕES AGÊNCIA NACIONAL DO PETRÓLEO AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA AGÊNCIA NACIONAL DE TELECOMUNICAÇÕES AGÊNCIA NACIONAL DO PETRÓLEO RESOLUÇÃO CONJUNTA Nº 001, DE 24 DE NOVEMBRO DE 1999 (*) Vide alterações e inclusões no final do texto

Leia mais

Noções de Contratos Administrativos Lei 8.666/93

Noções de Contratos Administrativos Lei 8.666/93 Noções de Contratos Administrativos Lei 8.666/93 1 CONCEITO É um acordo de vontades em que o Estado, agindo em supremacia, firma com o particular para o desempenho de atividades de interesse público. Os

Leia mais

CADERNOS DPDC. Tema I: Título de Capitalização. Proteção ao Consumidor

CADERNOS DPDC. Tema I: Título de Capitalização. Proteção ao Consumidor Ministério da Justiça - MJ Secretaria de Direito Econômico - SDE Departamento de Proteção de Defesa do Consumidor DPDC CADERNOS DPDC Proteção ao Consumidor Tema I: Título de Capitalização Brasília/DF 2004

Leia mais

SISTEMA DE CONTROLE DE RISCO DO BANCO CENTRAL DO BRASIL

SISTEMA DE CONTROLE DE RISCO DO BANCO CENTRAL DO BRASIL SISTEMA DE CONTROLE DE RISCO DO BANCO CENTRAL DO BRASIL Autor: Luciano Duarte Peres, sócio diretor de Peres Advogados Associados, atuante na área de direito financeiro e mercado de capitais. Obrigatoriedade

Leia mais

PRÁTICAS COMERCIAS. Oferta Princípios da publicidade Publicidade abusiva e enganosa

PRÁTICAS COMERCIAS. Oferta Princípios da publicidade Publicidade abusiva e enganosa PRÁTICAS COMERCIAS Oferta Princípios da publicidade Publicidade abusiva e enganosa CONCEITO Práticas comerciais são os procedimentos, mecanismos, métodos e técnicas utilizados pelos fornecedores para,

Leia mais

CONTRATO DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS TRACKER AUTO

CONTRATO DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS TRACKER AUTO Página 1 de 1 CONTRATO DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS TRACKER AUTO ET DO BRASIL LTDA., empresa com sede à Rua Alexandre Dumas, 2200, térreo, Chácara Santo Antônio, São Paulo/SP, doravante denominada simplesmente

Leia mais

Contratação Padronizada e Desjudicialização do Mercado Imobiliário

Contratação Padronizada e Desjudicialização do Mercado Imobiliário Contratação Padronizada e Desjudicialização do Mercado Imobiliário Construindo novos relacionamentos Werson Rêgo Fórum de Advogados 86º Encontro Nacional da Indústria da Construção ENIC Goiânia - 2014

Leia mais

CONTRATO DE PARCERIA

CONTRATO DE PARCERIA CONTRATO DE PARCERIA 1. DAS PARTES INTOO SERVIÇOS FINANCEIROS E DE INFORMAÇÃO NA INTERNET LTDA., sociedade limitada inscrita no CNPJ/MF sob nº 18.027.353/0001-40, com sede na Praça Dom José Gaspar, 76,

Leia mais

Gestão de Contratos. Noções

Gestão de Contratos. Noções Gestão de Contratos Noções Contrato - Conceito Contrato é todo acordo de vontades, celebrado para criar, modificar ou extinguir direitos e obrigações de índole patrimonial entre as partes (Direito Civil).

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 098/2006-CAD/UNICENTRO

RESOLUÇÃO Nº 098/2006-CAD/UNICENTRO RESOLUÇÃO Nº 098/2006-CAD/UNICENTRO Celebra Termo de Convênio firmado entre a UNICENTRO e o Banco UNIBANCO. O REITOR DA UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CENTRO-OESTE, UNICENTRO: Faço saber que o Conselho de Administração,

Leia mais

A Visão do Desembargador Sergio Cavalieri Filho Sobre a Responsabilidade Civil nos 10 Anos do Código Civil na Construção da Doutrina e Jurisprudência

A Visão do Desembargador Sergio Cavalieri Filho Sobre a Responsabilidade Civil nos 10 Anos do Código Civil na Construção da Doutrina e Jurisprudência 222 Série Aperfeiçoamento de Magistrados 13 10 Anos do Código Civil - Aplicação, Acertos, Desacertos e Novos Rumos Volume 2 A Visão do Desembargador Sergio Cavalieri Filho Sobre a Responsabilidade Civil

Leia mais

Referem-se a preocupação com responsabilidades perante ao Tribunal de Contas do Estado de São Paulo e Ministério da Previdência Social.

Referem-se a preocupação com responsabilidades perante ao Tribunal de Contas do Estado de São Paulo e Ministério da Previdência Social. Questionamento: Dra Magadar, bom dia. A APEPREM está recebendo questionamentos acerca das providências possíveis e de competência dos Gestores cuja entidade mantém contrato de prestação de serviços com

Leia mais

Contrato de Empreitada. Profª. MSc. Maria Bernadete Miranda

Contrato de Empreitada. Profª. MSc. Maria Bernadete Miranda Contrato de Empreitada Contrato de Empreitada Empreiteiro é a designação dada a um indivíduo ou empresa que contrata com outro indivíduo ou organização (o dono da obra) a realização de obras de construção,

Leia mais

Vício de Informação nos Boletos de Cobrança Bancários Código de Defesa do Consumidor

Vício de Informação nos Boletos de Cobrança Bancários Código de Defesa do Consumidor Vício de Informação nos Boletos de Cobrança Bancários Código de Defesa do Consumidor PLÍNIO LACERDA MARTINS Mestre em Direito Promotor de Justiça Prof. de Direito do Consumidor UGF pliniolacerda@aol.com

Leia mais

MODELO DO CONTRATO DE ADESÃO AO SERVIÇO DE MANUTENÇÃO DE REDE INTERNA

MODELO DO CONTRATO DE ADESÃO AO SERVIÇO DE MANUTENÇÃO DE REDE INTERNA CONTRATO DE ADESÃO AO SERVIÇO DE MANUTENÇÃO DE REDE INTERNA São partes no presente instrumento, de um lado, (i) o usuário dos serviços de telecomunicações da Brasil Telecom S.A., doravante individualmente

Leia mais

PADRÃO DE RESPOSTAS DAS PROVAS SUBJETIVAS

PADRÃO DE RESPOSTAS DAS PROVAS SUBJETIVAS Pontuação conforme Edital: a) Juiz Leigo PADRÃO DE RESPOSTAS DAS PROVAS SUBJETIVAS PROVA ÁREA DE CONHECIMENTO NÚMERO DE QUESTÕES Direito Constitucional PONTUAÇÃO PARA CADA QUESTÃO Direito Administrativo

Leia mais

VIVA RIO REGULAMENTO PARA AQUISIÇÃO DE BENS E CONTRATAÇÃO DE OBRAS, SERVIÇOS E LOCAÇÕES

VIVA RIO REGULAMENTO PARA AQUISIÇÃO DE BENS E CONTRATAÇÃO DE OBRAS, SERVIÇOS E LOCAÇÕES VIVA RIO REGULAMENTO PARA AQUISIÇÃO DE BENS E CONTRATAÇÃO DE OBRAS, SERVIÇOS E LOCAÇÕES O PRESIDENTE DA VIVA RIO, no uso de suas atribuições regimentais, torna público o anexo Regulamento para Aquisição

Leia mais

PLANO DE ENSINO - Curso Semestral 2015

PLANO DE ENSINO - Curso Semestral 2015 21/02/2011 Página 1 de 6 PLANO DE ENSINO - Curso Semestral 2015 Disciplina DIREITO DOS CONTRATOS Curso Graduação Período 5º PERÍODO Eixo de Formação EIXO DE FORMAÇÃO PROFISSIONAL Turma A, B e D Código

Leia mais

Modelo de Petição inicial para o Juizado Especial Cível (para deferir depósito judicial com percentual de reajuste de 11,75%)

Modelo de Petição inicial para o Juizado Especial Cível (para deferir depósito judicial com percentual de reajuste de 11,75%) Modelo de Petição inicial para o Juizado Especial Cível (para deferir depósito judicial com percentual de reajuste de 11,75%) EXCELENTÍSSIMO SENHOR JUIZ DIRETOR DO JUIZADO ESPECIAL CÍVEL DA (indicar a

Leia mais

www.procon.rs.gov.br Produzido em:06/09. Governo do Estado do Rio Grande do Sul CARTILHA DO CONSUMIDOR Trabalhando em prol da cidadania Apresentação O PROCON-RS através desta cartilha visa orientar de

Leia mais

CONTRATO DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS EDUCACIONAIS NA MODALIDADE PRESENCIAL CURSOS LIVRES DE CURTA DURAÇÃO

CONTRATO DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS EDUCACIONAIS NA MODALIDADE PRESENCIAL CURSOS LIVRES DE CURTA DURAÇÃO CONTRATO DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS EDUCACIONAIS NA MODALIDADE PRESENCIAL CURSOS LIVRES DE CURTA DURAÇÃO Pelo presente instrumento particular, de um lado, GRUPO IBMEC EDUCACIONAL S.A., sociedade anônima

Leia mais

PRINCÍPIOS ADOTADOS PELO CÓDIGO DE DEFESA DO CONSUMIDOR

PRINCÍPIOS ADOTADOS PELO CÓDIGO DE DEFESA DO CONSUMIDOR PRINCÍPIOS ADOTADOS PELO CÓDIGO DE DEFESA DO CONSUMIDOR Daniela Maria Paludo 1 1 INTRODUÇÃO O presente artigo traz a apresentação dos princípios adotados pelo Código de Defesa do Consumidor CDC, bem como

Leia mais

SECRETARIA DA JUSTIÇA E DA DEFESA DA CIDADANIA FUNDAÇÃO DE PROTEÇÃO E DEFESA DO CONSUMIDOR

SECRETARIA DA JUSTIÇA E DA DEFESA DA CIDADANIA FUNDAÇÃO DE PROTEÇÃO E DEFESA DO CONSUMIDOR 1 1 DO PARECER CFM nº 39/12 Em resposta ao questionamento feito pelos interessados - ANS; S.A.R.G.; Cremesp; Cremepe; S.C.F.; Frebasgo - sobre a cobrança dos médicos obstetras de honorários particulares

Leia mais

MOARA AGRO MERCANTIL LTDA

MOARA AGRO MERCANTIL LTDA PLANO DE SAÚDE EMPRESARIAL INADIMPLÊNCIA RESCISÃO UNILATERAL IMPOSSIBILIDADE NECESSIDADE DE NOTIFICAÇÃO PARA PAGAMENTO DO DÉBITO DISPONIBILIZAÇÃO DE PLANO INDIVIDUAL AOS BENEFICIÁRIOS NOS MOLDES DO CONTRATO

Leia mais

Rio de Janeiro, setembro de 2003. APRESENTAÇÃO

Rio de Janeiro, setembro de 2003. APRESENTAÇÃO Rio de Janeiro, setembro de 2003. APRESENTAÇÃO A EMERJ está lançando o 2º volume da coletânea de sentenças dos Juízes dos Juizados Especiais Cíveis do Estado do Rio de Janeiro, que se denominou Direito

Leia mais

Contratos. Licitações & Contratos - 3ª Edição

Contratos. Licitações & Contratos - 3ª Edição Contratos 245 Conceito A A Lei de Licitações considera contrato todo e qualquer ajuste celebrado entre órgãos ou entidades da Administração Pública e particulares, por meio do qual se estabelece acordo

Leia mais

Princípios Gerais para a Prevenção dos Riscos Penais Endesa Brasil

Princípios Gerais para a Prevenção dos Riscos Penais Endesa Brasil Princípios Gerais para a Prevenção dos Riscos Penais Endesa Brasil Introdução 5 INTRODUÇÃO A seguir, são descritos os comportamentos e princípios gerais de atuação esperados dos Colaboradores da Endesa

Leia mais

1. (FCC/TRT3/Analista/2009) São exemplos de atuação concreta da Administração Pública fundada no poder de polícia em sentido estrito:

1. (FCC/TRT3/Analista/2009) São exemplos de atuação concreta da Administração Pública fundada no poder de polícia em sentido estrito: 1. (FCC/TRT3/Analista/2009) São exemplos de atuação concreta da Administração Pública fundada no poder de polícia em sentido estrito: (A) desapropriação de terras improdutivas. (B) penhora de bens em execução

Leia mais