MONITORIZAÇÃO DA DEGRADAÇÃO DO GLICOGÉNIO

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "MONITORIZAÇÃO DA DEGRADAÇÃO DO GLICOGÉNIO"

Transcrição

1 MONITORIZAÇÃO DA DEGRADAÇÃO DO GLICOGÉNIO 1. Objectivo Neste trabalho, ir-se-á observar a degradação do glicogénio ao longo tempo: i) em meio ácido e à temperatura de 100ºC (degradação química); ii) em meio neutro, à temperatura ambiente e na presença da enzima amilase (degradação enzimática). O trabalho integra também a construção de uma recta de calibração usando glucose como açúcar redutor de referência. 2. Introdução O glicogénio é um polímero de glucose que actua como reservatório de unidades glicosídicas no tecido animal. Num ser bem alimentado, a glucose é convertida em glicogénio no fígado, glicogénio esse que é hidrolizado a glucose durante o jejum, onde pode ser totalmente consumido em 24 a 48 horas; após este período, os níveis de glucose no sangue são mantidos a partir de fontes não glicídicas. Já a quantidade de glicogénio do músculo não é afectado pela dieta, permanecendo praticamente constante na ausência de exercício violento. O glicogénio muscular não contribui directamente para o teor de glucose do sangue (a enzima glucose-6-fosfatase não existe no músculo) mas pode fazêlo por via indirecta quando se forma lactato durante as contracções musculares em condições anaeróbias. O glicogénio é um polímero ramificado em que a cadeia principal tem ligações glicosídicas (α1 4) e com ramificações em (α1 6). Estruturalmente, é semelhante à amilopectina do amido, o que permite a sua degradação à temperatura ambiente na presença enzima amilase (α-1,4-d-glucan-4-glucanohydrolase, EC ) por hidrólise aleatória das ligações glicosídicas internas α-1,4, sendo o dissacárido maltose o produto final dominante. Na ausência de catalisador enzimático, a degradação só é conseguida em condições muito mais agressivas (temperatura elevada e meio fortemente ácido). A monitorização da degradação do glicogénio baseia-se no aumento de extremidades glicosídicas redutoras que acompanha necessariamente a reacção. De facto, cada cisão numa molécula de glicogénio dá origem a duas extremidades redutoras, a do glicogénio 1

2 remanescente, e a do sacárido entretanto removido. Assim, espera-se que haja um aumento do nº de extremidades redutoras em solução com o tempo da reacção de degradação, quer por via química quer por via enzimática. O teor em extremidades redutoras pode ser aferido através do teste do reagente DNS (ácido 3,5-dinitrosalicílico, DNS, amarelo), que reage com a extremidade redutora do sacárido formando-se ácido 3- amino-5-nitrosalicílico (vermelho acastanhado) e ácido glucónico, de acordo com a reacção: O produto da reacção absorve no visível a λ = 540nm, o que não acontece com o DNS nem com as restantes espécies no meio reaccional. 3. Reagentes e equipamento - Solução de NaOH 1.25M - Solução de HCl 1.5M - Solução de glucose 1mg/ml - Solução de glicogénio 3mg/ml - Solução de amilase comercial 0.5mg/ml diluída em H 2 O (1:120; 1:50; 1:100) - SOLUÇÃO A: Solução de ácido 3,5-dinitrosalicílico em meio básico (1 g ácido em 200 ml NaOH 2N) - SOLUÇÂO B: Solução de tartarato de sódio e potássio (300g de tartarato em 500 ml H 2 O) - Espectofotómetro do visível - Banhos de água - Vortex - Pipetas automáticas e respectivas pontas - Material corrente do laboratório 2

3 4. Procedimento experimental 4.1. Evolução no tempo da hidrólise do glicogénio em meio ácido a 100ºC (degradação química) Identifique 7 tubos (1-7Q). Junte, a cada um deles: 0.5ml sol. glicogénio 3 mg/ml 0.5 ml sol. HCl 1.5M Coloque 6 tubos num banho em ebulição e retire-os de 4 em 4 minutos aproximadamente (use o cronómetro; registe o tempo em min:seg.) como indicado na tabela abaixo. Adicione ao tubo não colocado no banho (tubo 1Q) 1 ml de NaOH 1.25M e depois 1ml DNS. Quando retirar cada tubo, arrefeça em gelo, junte rapidamente 1 ml de solução NaOH 1.25 M. Verifique se a solução já arrefeceu aprox. até à T amb e junte 1 ml de solução de DNS. Tubo 1Q 2Q 3Q 4Q 5Q 6Q 7Q Tempo (min) no banho em ebulição Após completar a experiência, reúna os tubos (1Q a 7Q). Coloque-os em simultâneo num banho de água em ebulição durante 5 minutos. Ao fim deste tempo retire todos os tubos e arrefeça-os em gelo. Leia a A 540 nm utilizando o tubo 1Q como branco Evolução no tempo da hidrólise do glicogénio em meio neutro à temperatura ambiente na presença de amilase (degradação enzimática) Identifique 7 tubos (1-7E). Junte, a cada um deles: 0.5ml sol. glicogénio 3mg/ml 0.5 ml H 2 O destilada 1 ml sol. amilase (última a ser adicionada) Prepare também uma amostra sem enzima (ASE), juntando num tubo 0.5ml solução de glicogénio e 1.5 ml de H 2 O. Adicione imediatamente 1 ml da solução de DNS ao tubo 1E. Retire os restantes tubos da série (2-7E) de 3 em 3 minutos (use o cronómetro; registe os tempos em min:seg.) como indicado na tabela abaixo e adicione 1 ml de reagente de DNS. 3

4 Tubo 1E 2E 3E 4E 5E 6E 7E ASE Tempo (min) aprox Após completar a experiência, reúna os tubos (1-7E e ASE). Leve todos os tubos, em simultâneo, à ebulição durante 5 minutos. Retire em simultâneo e arrefeça. Leia a A 540 nm contra o tubo 1, que funciona como branco. Meça também a absorvância da ASE. Caso tenha curiosidade, repita a experiência anterior substituindo a solução de amilase comercial por uma solução de saliva (1 gota) em ca. 10 ml de água destilada Construção da recta de calibração para determinação da concentração em açúcar redutor Identifique 6 tubos de ensaio e prepare-os de acordo com o indicado na tabela abaixo: Tubo Sol glucose 1mg/ml (V em µl) H 2 O (V em µl) Adicione a cada tubo 1 ml de reagente de DNS. Leve depois todos os tubos, em simultâneo, à ebulição durante 5 minutos. Retire em simultâneo e arrefeça. Leia as Absorvâncias a 540 nm contra o tubo 0, que funciona como branco. 4

5 5. Bibliografia Plummer DT (1987) An Introduction to practical biochemistry 3rd Ed, McGraw-Hill Book Co (London) pp Rawn J (1983) Biochemistry, Harper & Row Publishers Inc (NY), pp Bohinski RC(1983) Modern Concepts in Biochemistry 4 th Ed, Allyn&Bacon Inc (Boston) pp Protocolo Experimental Monitorização da degradação do Glicogénio DQ, FCT-UNL (2007) 6. Relatório e cálculos 1. Determinação das concentrações das soluções-padrão de glucose. Construção da recta de calibração 2. Construção do gráfico da concentração em açúcar redutor em função do tempo em segundos para as duas situações (hidrólise química e enzimática). Expressão do teor em extremidades redutoras em termos de equivalentes de glucose. 3. Discussão dos resultados tendo em conta: a absorção da ASE; a quantidade de produto formado por hidrólise química e enzimática após um dado período de tempo. 5

FISIOLOGIA ANIMAL II

FISIOLOGIA ANIMAL II DEPARTAMENTO DE ZOOLOGIA FACULDADE DE CIÊNCIAS E TECNOLOGIA UNIVERSIDADE DE COIMBRA FISIOLOGIA ANIMAL II AULA 1 DETERMINAÇÃO DA ACTIVIDADE DE ENZIMAS DIGESTIVAS ARMANDO CRISTÓVÃO, PAULO SANTOS 2006 1 Parte

Leia mais

PALAVRAS-CHAVE Bioquímica. Aula prática. Faseolamina. Atividade Enzimática.

PALAVRAS-CHAVE Bioquímica. Aula prática. Faseolamina. Atividade Enzimática. ISSN 2238-9113 ÁREA TEMÁTICA: ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( x ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( ) SAÚDE ( ) TRABALHO ( ) TECNOLOGIA INIBIÇÃO DA ATIVIDADE DA AMILASE SALIVAR

Leia mais

DETERMINAÇÃO DA ACTIVIDADE DE ENZIMAS DA GLICÓLISE EM EXTRACTOS DE CÉLULAS DE LEVEDURA. Glucose + 2Pi + 2ADP + 2NAD! 2CH COCOO " 2ATP " 2NADH " 2 H

DETERMINAÇÃO DA ACTIVIDADE DE ENZIMAS DA GLICÓLISE EM EXTRACTOS DE CÉLULAS DE LEVEDURA. Glucose + 2Pi + 2ADP + 2NAD! 2CH COCOO  2ATP  2NADH  2 H DETERMINAÇÃ DA ACTIVIDADE DE ENZIMAS DA GLICÓLISE EM EXTRACTS DE CÉLULAS DE LEVEDURA 1. Introdução A glicólise é um caminho metabólico quase universal no qual a glucose é convertida em piruvato com síntese

Leia mais

Atividade Laboratorial: Fatores que afetam a atividade enzimática. Biologia 12º ano. Nome: Data: / /

Atividade Laboratorial: Fatores que afetam a atividade enzimática. Biologia 12º ano. Nome: Data: / / Atividade Laboratorial: Fatores que afetam a atividade enzimática Biologia 12º ano Nome: Data: / / OBJETIVOS: Compreender o significado biológico das enzimas Conhecer o efeito de diversos fatores (concentração

Leia mais

FISIOLOGIA ANIMAL II

FISIOLOGIA ANIMAL II DEPARTAMENTO DE ZOOLOGIA FACULDADE DE CIÊNCIAS E TECNOLOGIA UNIVERSIDADE DE COIMBRA FISIOLOGIA ANIMAL II AULAS e 3 DETERMINAÇÃO DA CONCENTRAÇÃO DE GLICOSE E LÍPIDOS NO SANGUE POR COLORIMETRIA CAETANA CARVALHO,

Leia mais

Prática de Laboratório 1

Prática de Laboratório 1 Prática de Laboratório 1 12 pontos Preparação do ácido 2-iodobenzóico [Tempo aprox: 1 hr] Essa prática de laboratório envolve a preparação do acido 2-iodobenzóico a partir do acido 2-aminobenzóico. O procedimento

Leia mais

Cinética de Reações Químicas

Cinética de Reações Químicas Experiência 4: Cinética de Reações Químicas 1. Introdução A Cinética Química é a área da química que está relacionada com as velocidades das reações. A velocidade de uma reação química representa a variação

Leia mais

TESTES PARA A IDENTIFICAÇÃO DE GLÍCIDOS

TESTES PARA A IDENTIFICAÇÃO DE GLÍCIDOS TESTES PARA A IDENTIFICAÇÃO DE GLÍCIDOS INTRODUÇÃO Os glícidos constituem uma classe de compostos biológicos que engloba os monossacáridos e moléculas mais complexas obtidas por reacções de condensação

Leia mais

Hidratos de Carbono Reacções de identificação de açúcares

Hidratos de Carbono Reacções de identificação de açúcares Hidratos de Carbono Reacções de identificação de açúcares Grupo : Daniela Bessa Diana Sousa Telma Silva Bioquímica Metabólica II 3º Ano 1º semestre Planificação laboratorial Objectivo: -Entender as várias

Leia mais

DEFINIÇÃO. Carboidratos são compostos de função mista, polialcool-aldeídos ou polialcoolcetonas.

DEFINIÇÃO. Carboidratos são compostos de função mista, polialcool-aldeídos ou polialcoolcetonas. CARBOIDRATOS DEFINIÇÃO Carboidratos são compostos de função mista, polialcool-aldeídos ou polialcoolcetonas. São também chamados glucídeos, glicídeos, hidratos de carbono ou açucares. O termo glúcide vem

Leia mais

Experimento 03: Cinética Química

Experimento 03: Cinética Química Experimento 03: Cinética Química 1 OBJETIVO - Verificar alguns fatores que influenciam na velocidade das reações químicas: temperatura, superfície de contato e efeito do catalisador. 2 INTRODUÇÃO A cinética

Leia mais

Biossíntese e degradação de glicogênio. Integração entre o controle da glicólise e da glicogenólise em diferentes tipos celulares

Biossíntese e degradação de glicogênio. Integração entre o controle da glicólise e da glicogenólise em diferentes tipos celulares Biossíntese e degradação de glicogênio Regulação da via glicolítica Integração entre o controle da glicólise e da glicogenólise em diferentes tipos celulares O glicogênio é o polissacarídio de reserva

Leia mais

Detecção de proteínas. Proteínas são heteropolímeros de aminoácidos unidos por ligações peptídicas

Detecção de proteínas. Proteínas são heteropolímeros de aminoácidos unidos por ligações peptídicas Detecção de proteínas Proteínas são heteropolímeros de aminoácidos unidos por ligações peptídicas A detecção e quantificação de uma proteína através de espectrofotometria se baseia nas propriedades de

Leia mais

DETERMINAÇÃO DA CONCENTRAÇÃO PLASMÁTICA DAS BILIRRUBINAS (BILIRRUBINÉMIA) BILIRRUBINA. * Catabolismo do Heme e produção de Bilirrubina

DETERMINAÇÃO DA CONCENTRAÇÃO PLASMÁTICA DAS BILIRRUBINAS (BILIRRUBINÉMIA) BILIRRUBINA. * Catabolismo do Heme e produção de Bilirrubina DETERMINAÇÃO DA CONCENTRAÇÃO PLASMÁTICA DAS BILIRRUBINAS (BILIRRUBINÉMIA) BILIRRUBINA A bilirrubina refere-se à concentração de bilirrubina (Brb) no sangue. A bilirrubina é um produto do catabolismo do

Leia mais

Glicogênio. Glicogênese. Glicogenólise. Glicose-6-fosfato. Glicólise. Gliconeogênese. Lactato

Glicogênio. Glicogênese. Glicogenólise. Glicose-6-fosfato. Glicólise. Gliconeogênese. Lactato Glicogênio Glicogenólise Glicogênese Glicose-6-fosfato Glicólise Gliconeogênese Lactato Glicogênio: : polissacarídeo de reserva nas células animais hepatócito Glicogênio Principal polissacarídeo de reserva

Leia mais

Engenharia Biomédica. Relatório Cinética da Enzima Invertase

Engenharia Biomédica. Relatório Cinética da Enzima Invertase Engenharia Biomédica Bioquímica e Biologia Molecular Relatório Cinética da Enzima Invertase Relatório realizado por: Ana Calhau nº54605 Dárcio Silva nº54214 José Frazão nº54198 1º Semestre, Ano Lectivo

Leia mais

ESTUDO DA CINÉTICA DE HIDRÓLISE ÁCIDA DO COMPOSTO Trans-[(Co(en) 2 Cl 2 )Cl]

ESTUDO DA CINÉTICA DE HIDRÓLISE ÁCIDA DO COMPOSTO Trans-[(Co(en) 2 Cl 2 )Cl] TRABALHO 3 ESTUDO DA CINÉTICA DE HIDRÓLISE ÁCIDA DO COMPOSTO Trans-[(Co(en) 2 Cl 2 )Cl] 1. OBJECTIVO Estudo da cinética da reacção de hidrólise ácida do composto Trans-[Co(en) 2 Cl 2 ]Cl. Determinação

Leia mais

Actividade Enzimática enzima amilase

Actividade Enzimática enzima amilase Actividade Enzimática enzima amilase O que se pretende..seleccionar o material necessário tendo em conta o procedimento. 2.Verificar a alteração de cor do indicador Solução de Lugol (água iodada) na presença

Leia mais

APL 1.1 Amoníaco e compostos de amónio em materiais comuns NH 4 + NH 3 + H +

APL 1.1 Amoníaco e compostos de amónio em materiais comuns NH 4 + NH 3 + H + APL 1.1 Amoníaco e compostos de amónio em materiais comuns Grupo de Trabalho: Classificação Professor Certos produtos «lava-tudo» ou limpa-vidros e alguns adubos mencionam a presença de azoto amoniacal

Leia mais

AVALIAÇÃO DOS FATORES QUE INFLUENCIAM A VELOCIDADE DAS REAÇÕES QUÍMICAS: CONCENTRAÇÃO DE REAGENTES E TEMPERATURA DE REAÇÃO.

AVALIAÇÃO DOS FATORES QUE INFLUENCIAM A VELOCIDADE DAS REAÇÕES QUÍMICAS: CONCENTRAÇÃO DE REAGENTES E TEMPERATURA DE REAÇÃO. AVALIAÇÃO DOS FATORES QUE INFLUENCIAM A VELOCIDADE DAS REAÇÕES QUÍMICAS: CONCENTRAÇÃO DE REAGENTES E TEMPERATURA DE REAÇÃO. Aula 11 Glauber Silva Godoi META Desenvolver no aluno a capacidade de avaliar

Leia mais

Departamento de Bioquímica Instituto de Química USP EXERCÍCIOS BIOQUÍMICA EXPERIMENTAL QBQ 0316N Professores. Carlos T. Hotta Ronaldo B.

Departamento de Bioquímica Instituto de Química USP EXERCÍCIOS BIOQUÍMICA EXPERIMENTAL QBQ 0316N Professores. Carlos T. Hotta Ronaldo B. Departamento de Bioquímica Instituto de Química USP EXERCÍCIOS BIOQUÍMICA EXPERIMENTAL QBQ 0316N 2016 Professores Carlos T. Hotta Ronaldo B. Quaggio 1 1. Um extrato de proteínas foi obtido a partir da

Leia mais

Página 1 de 8. 1 Elaborar um protocolo experimental adequado ao assunto em estudo estudo de uma enzima.

Página 1 de 8. 1 Elaborar um protocolo experimental adequado ao assunto em estudo estudo de uma enzima. Página 1 de 8 ACTIVIDADE LABORATORIAL BIOLOGIA 12º Ano O que se pretende 1 Elaborar um protocolo experimental adequado ao assunto em estudo estudo de uma enzima. 2 Seleccionar material adequado ao estudo

Leia mais

Prática 10 Determinação da constante de equilíbrio entre íons Fe 3+ e SCN -

Prática 10 Determinação da constante de equilíbrio entre íons Fe 3+ e SCN - UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA CENTRO DE CIÊNCIAS TECNOLÓGICAS CCT DEPARTAMENTO DE QUÍMICA DQMC Disciplina: Química Geral Experimental QEX0002 Prática 10 Determinação da constante de equilíbrio

Leia mais

PRÁTICA 3 GRUPO 13. O objetivo desse procedimento é estudar a hidrólise do ácido bórico e do bórax.

PRÁTICA 3 GRUPO 13. O objetivo desse procedimento é estudar a hidrólise do ácido bórico e do bórax. PRÁTICA 3 GRUPO 13 Departamento de Química Inorgânica, IQ-UFF Responsável: Prof. Fabio da Silva Miranda Revisado: 04/05/2017 1. Introdução O presente procedimento experimental pretende abordar alguns aspectos

Leia mais

Transformações Químicas A reação entre a solução de nitrato de prata e o fio de cobre

Transformações Químicas A reação entre a solução de nitrato de prata e o fio de cobre Escola de Educação Básica Olavo Bilac Professora: Eliane Sandra H. Plucinscki Bolsistas: Fernanda Raulino e Solyane Fraga Transformações Químicas A reação entre a solução de nitrato de prata e o fio de

Leia mais

Metabolismo do glicogênio

Metabolismo do glicogênio Universidade Federal do Pampa Campus Itaqui Bioquímica Metabolismo do glicogênio (Glicogenólise e Glicogênese) Profa. Marina Prigol 1 Homopolissacarídeo (animal) de cadeia ramificada, formado exclusivamente

Leia mais

AULA PRÁTICA Nº / Maio / 2016 Profª Solange Brazaca DETERMINAÇÃO DE CARBOIDRATOS

AULA PRÁTICA Nº / Maio / 2016 Profª Solange Brazaca DETERMINAÇÃO DE CARBOIDRATOS AULA PRÁTICA Nº - 08 05 / Maio / 2016 Profª Solange Brazaca FUNDAMENTO: DETERMINAÇÃO DE CARBOIDRATOS Este método baseia-se na propriedade que alguns açúcares apresentam em reduzir o Cu+2 (Íon Cúprico)

Leia mais

GUIÃO PARA A REALIZAÇÃO DE UMA ACTIVIDADE LABORATORIAL

GUIÃO PARA A REALIZAÇÃO DE UMA ACTIVIDADE LABORATORIAL ESCOLA SECUNDÁRIA ENG. ACÁCIO CALAZANS DUARTE Utilização e organização dos laboratórios escolares Oficina de Formação GUIÃO PARA A REALIZAÇÃO DE UMA ACTIVIDADE LABORATORIAL FACTORES QUE INFLUENCIAM A ACTIVIDADE

Leia mais

Estudo das reações. Pércio Augusto Mardini Farias. Este documento tem nível de compartilhamento de acordo com a licença 3.0 do Creative Commons.

Estudo das reações. Pércio Augusto Mardini Farias. Este documento tem nível de compartilhamento de acordo com a licença 3.0 do Creative Commons. Pércio Augusto Mardini Farias Este documento tem nível de compartilhamento de acordo com a licença 3.0 do Creative Commons. http://creativecommons.org.br http://creativecommons.org/licenses/by-sa/3.0/br/legalcode

Leia mais

Faculdade de Medicina da Universidade de Coimbra Ano Lectivo 2007/2008. Disciplina de BIOQUÍMICA I Curso de MEDICINA 1º Ano

Faculdade de Medicina da Universidade de Coimbra Ano Lectivo 2007/2008. Disciplina de BIOQUÍMICA I Curso de MEDICINA 1º Ano Faculdade de Medicina da Universidade de Coimbra Ano Lectivo 2007/2008 Disciplina de BIOQUÍMICA I Curso de MEDICINA º Ano ENSINO PRÁTICO E TEORICO-PRÁTICO 8ª AULA PRÁTICA Determinação da actividade enzimática

Leia mais

SISTEMA DIGESTÓRIO 3ª SÉRIE BIOLOGIA PROF. GRANGEIRO 1º BIM

SISTEMA DIGESTÓRIO 3ª SÉRIE BIOLOGIA PROF. GRANGEIRO 1º BIM SISTEMA DIGESTÓRIO 3ª SÉRIE BIOLOGIA PROF. GRANGEIRO 1º BIM QUESTÃO 1 O gráfico abaixo se refere à atividade de uma enzima proteolítica que atua no trato digestório: A enzima em questão é a: a) Tripsina,

Leia mais

Associação Brasileira de Química XIII Maratona Cearense de Química a Fase 1 o Ano 18/08/10. Experiência

Associação Brasileira de Química XIII Maratona Cearense de Química a Fase 1 o Ano 18/08/10. Experiência 2 a Fase 1 o Ano 18/08/10 Material e Reagentes: Experiência Açúcar (sacarose) Bicarbonato de sódio Álcool etílico Recipiente com graduação (proveta ou seringa) Almofariz com pistilo Fósforo ou isqueiro

Leia mais

BIOQUÍMICA EXPERIMENTAL

BIOQUÍMICA EXPERIMENTAL Departamento de Bioquímica Instituto de Química USP Apostila de protocolos Parte A BIOQUÍMICA EXPERIMENTAL QBQ 036N 05 Professores Carlos T. Hotta Ronaldo B. Quaggio Esta apostila foi desenvolvida originalmente

Leia mais

Solução aquosa de tiossulfato de sódio 0,100 moldm. Ácido clorídrico concentrado: R: ; S: /37/ Realizar na hotte. Usar luvas.

Solução aquosa de tiossulfato de sódio 0,100 moldm. Ácido clorídrico concentrado: R: ; S: /37/ Realizar na hotte. Usar luvas. REALIZAÇÃO EXPERIMENTAL Objectivos Avaliar a velocidade da reacção química entre ácido clorídrico e o tiossulfato de sódio a diferentes concentrações, através do tempo que demora a formar-se uma determinada

Leia mais

BE066 - Fisiologia do Exercício BE066 Fisiologia do Exercício. Bioenergética. Sergio Gregorio da Silva, PhD

BE066 - Fisiologia do Exercício BE066 Fisiologia do Exercício. Bioenergética. Sergio Gregorio da Silva, PhD BE066 Fisiologia do Exercício Bioenergética Sergio Gregorio da Silva, PhD Objetivos Definir Energia Descrever os 3 Sistemas Energéticos Descrever as diferenças em Produção de Energia Bioenergética Estuda

Leia mais

Metabolismo dos Glicídios

Metabolismo dos Glicídios QUÍMCA E BIOQUÍMICA Curso Técnico em Nutrição e Dietética Metabolismo dos Glicídios Professor: Adriano Silva Os hidratos de carbono são as biomoléculas mais abundantes do nosso planeta 100b de toneladas

Leia mais

II - ELECTROFORESE DE AMINOÁCIDOS

II - ELECTROFORESE DE AMINOÁCIDOS II - ELECTROFORESE DE AMINOÁCIDOS Introdução Muitas moléculas biológicas apresentam carga eléctrica cujo valor e sinal depende das suas características e também do ph e da composição do meio em que se

Leia mais

Departamento de Química Inorgânica IQ / UFRJ IQG 128 / IQG CINÉTICA QUÍMICA

Departamento de Química Inorgânica IQ / UFRJ IQG 128 / IQG CINÉTICA QUÍMICA Departamento de Química Inorgânica IQ / UFRJ IQG 18 / IQG 31 6. CINÉTICA QUÍMICA I. INTRODUÇÃO O ozônio é um dos componentes naturais da estratosfera, onde absorve parte significativa da radiação ultravioleta.

Leia mais

Ba 2+ (aq) + CrO 4. 2 (aq)

Ba 2+ (aq) + CrO 4. 2 (aq) Experiência 9: ESTUDO DO EQUILÍBRIO CROMATO-DICROMATO 1. Objetivos Ao final desta atividade experimental espera-se que o aluno seja capaz de: - A partir da equação química de um sistema em equilíbrio escrever

Leia mais

Introdução à cinética enzimática. Cinética da catálise pela invertase. Termodinâmica MIB (2015)

Introdução à cinética enzimática. Cinética da catálise pela invertase. Termodinâmica MIB (2015) Instituto de Ciências Biomédicas de Abel Salazar - ICBAS-UP Departamento de Química José Augusto Pereira Introdução à cinética enzimática. Cinética da catálise pela invertase. Termodinâmica MIB (2015)

Leia mais

EQUIVALENTE ELÉCTRICO DO CALOR

EQUIVALENTE ELÉCTRICO DO CALOR EQUIVALENTE ELÉCTRICO DO CALOR 1. Resumo Neste trabalho, considerando que qualquer tipo de energia se pode transformar noutro, coloca-se em evidência que o calor é uma forma de energia estabelecendo uma

Leia mais

ROTEIRO PRÁTICO DE QUÍMICA GERAL

ROTEIRO PRÁTICO DE QUÍMICA GERAL ROTEIRO PRÁTICO DE QUÍMICA GERAL 1- Objetivo 1. Estimar o ph de água destilada e de soluções aquosas usando indicadores ácidobase. 2. Diferenciar o comportamento de uma solução tampão. 2 Introdução Eletrólitos

Leia mais

EXPERIÊNCIA 9 PRINCÍPIO DE LE CHATELIER E EQUILÍBRIO QUÍMICO

EXPERIÊNCIA 9 PRINCÍPIO DE LE CHATELIER E EQUILÍBRIO QUÍMICO EXPERIÊNCIA 9 PRINCÍPIO DE LE CHATELIER E EQUILÍBRIO QUÍMICO 1. OBJETIVOS No final desta experiência o aluno deverá ser capaz de: Dada a equação química de um equilíbrio, escrever a expressão para a constante

Leia mais

Curso: FARMÁCIA Disciplina: Bioquímica Clínica Título da Aula: Funcionamento do Espectrofotômetro. Glicemia. Professor: Dr.

Curso: FARMÁCIA Disciplina: Bioquímica Clínica Título da Aula: Funcionamento do Espectrofotômetro. Glicemia. Professor: Dr. Curso: FARMÁCIA Disciplina: Bioquímica Clínica Título da Aula: Funcionamento do Espectrofotômetro. Glicemia. Professor: Dr. Fernando Ananias NOME: RA: ATIVIDADE PRÁTICA 1 A- ESPECTROFOTOMETRIA Espectroscopia

Leia mais

QBQ 0316 Bioquímica Experimental. Carlos Hotta. Apresentação da disciplina

QBQ 0316 Bioquímica Experimental. Carlos Hotta. Apresentação da disciplina QBQ 0316 Bioquímica Experimental Carlos Hotta Apresentação da disciplina 12/08/2016 Objetivos Abordar de forma prática conceitos que são apresentados de forma teórica em outras disciplinas Exercitar a

Leia mais

defi departamento de física

defi departamento de física defi departamento de física Laboratórios de Física www.defi.isep.ipp.pt Coeficiente de dilatação térmica Instituto Superior de Engenharia do Porto Departamento de Física Rua Dr. António Bernardino de Almeida,

Leia mais

Preparação e padronização de soluções

Preparação e padronização de soluções INSTITUTO POLITÉCNICO DE TOMAR ESCOLA SUPERIOR DE TECNOLOGIA Departamento de Engenharia Química e do Ambiente QUÍMICA I (1º Ano 1º Semestre) Trabalho Prático nº 2 Preparação e padronização de soluções

Leia mais

V - SEPARAÇÃO DE DUAS ENZIMAS POR CROMATOGRAFIA DE PERMUTA IÓNICA

V - SEPARAÇÃO DE DUAS ENZIMAS POR CROMATOGRAFIA DE PERMUTA IÓNICA V - SEPARAÇÃO DE DUAS ENZIMAS POR CROMATOGRAFIA DE PERMUTA IÓNICA INTRODUÇÃO Cromatografia de permuta iónica A cromatografia é um conjunto de técnicas para a separação de compostos existentes numa mistura.

Leia mais

Tabela I - Ésteres encontrados em alguns aromas

Tabela I - Ésteres encontrados em alguns aromas 1º Ciclo Enologia Química rgânica I TRABALH PRÁTIC Nº2 SÍNTESE DE ÉSTERES CM ARMA INTRDUÇÃ s ésteres são compostos extremamente comuns. Por exemplo, os óleos vegetais, como o azeite, são misturas de diversos

Leia mais

NEUTRALIZAÇÃO: UMA REACÇÃO DE ÁCIDO BASE

NEUTRALIZAÇÃO: UMA REACÇÃO DE ÁCIDO BASE NEUTRALIZAÇÃO: UMA REACÇÃO DE ÁCIDO BASE O que se pretende Determinar a concentração desconhecida de uma solução aquosa de um ácido forte por titulação com uma base forte através de dois métodos. Num dos

Leia mais

Bioquímica: Componentes orgânicos e inorgânicos necessários à vida. Leandro Pereira Canuto

Bioquímica: Componentes orgânicos e inorgânicos necessários à vida. Leandro Pereira Canuto Bioquímica: orgânicos e inorgânicos necessários à vida Leandro Pereira Canuto Toda matéria viva: C H O N P S inorgânicos orgânicos Água Sais Minerais inorgânicos orgânicos Carboidratos Proteínas Lipídios

Leia mais

DETERMINAÇÃO DO ESPECTRO DE ABSORÇÃO DE SOLUÇÕES AQUOSAS DE PERMANGANATO DE POTÁSSIO, CROMATO DE POTÁSSIO, DICROMATO DE POTÁSSIO E SULFATO DE COBRE

DETERMINAÇÃO DO ESPECTRO DE ABSORÇÃO DE SOLUÇÕES AQUOSAS DE PERMANGANATO DE POTÁSSIO, CROMATO DE POTÁSSIO, DICROMATO DE POTÁSSIO E SULFATO DE COBRE ATIVIDADE EXPERIMENTAL N o 1 DETERMINAÇÃO DO ESPECTRO DE ABSORÇÃO DE SOLUÇÕES AQUOSAS DE PERMANGANATO DE POTÁSSIO, CROMATO DE POTÁSSIO, DICROMATO DE POTÁSSIO E SULFATO DE COBRE Materiais: 01 balão volumétrico

Leia mais

4) Balão Volumétrico: Recipiente calibrado de precisão, utilizado no preparo de soluções de concentrações definidas. PROVETA OU CILINDRO GRADUADO 5) P

4) Balão Volumétrico: Recipiente calibrado de precisão, utilizado no preparo de soluções de concentrações definidas. PROVETA OU CILINDRO GRADUADO 5) P QUÍMICA I AULA 03: MATÉRIA E MEDIDAS TÓPICO 01: MEDIDAS EM QUÍMICA: MASSA E VOLUME 1.1 MEDIDAS EM QUÍMICA: MASSA E VOLUME OBJETIVOS: 1. Identificar os principais equipamentos e recipientes volumétricos;

Leia mais

AULA PRÁTICA Nº / Março / 2016 Profª Solange Brazaca DETERMINAÇÃO DE TANINOS

AULA PRÁTICA Nº / Março / 2016 Profª Solange Brazaca DETERMINAÇÃO DE TANINOS AULA PRÁTICA Nº - 02 03 / Março / 2016 Profª Solange Brazaca DETERMINAÇÃO DE TANINOS FUNDAMENTO: Os taninos são determinados segundo metodologia descrita por Price, Hagerman e Buther (1980), que utiliza

Leia mais

Fisiologia: Digestão, Respiração e Circulação

Fisiologia: Digestão, Respiração e Circulação Fisiologia: Digestão, Respiração e Circulação Fisiologia: Digestão, Respiração e Circulação 1. Um laboratório analisou algumas reações ocorridas durante o processo de digestão do amido em seres humanos.

Leia mais

Medição de entalpia de neutralização. Química 12º Ano

Medição de entalpia de neutralização. Química 12º Ano Medição de entalpia de neutralização Química 12º Ano Unidade 2 Combustíveis, Energia e Ambiente Actividades de Projecto Laboratorial Janeiro 2006 Jorge R. Frade, Ana Teresa Paiva Dep. Eng. Cerâmica e do

Leia mais

FISIOLOGIA ANIMAL II

FISIOLOGIA ANIMAL II DEPARTAMENTO DE ZOOLOGIA FACULDADE DE CIÊNCIAS E TECNOLOGIA UNIVERSIDADE DE COIMBRA FISIOLOGIA ANIMAL II AULA 5 Teste ELISA para o VIH PAULO SANTOS 2006 1 OBJECTIVOS Consolidar conhecimentos relativos

Leia mais

Departamento de Bioquímica. Instituto de Química USP EXERCÍCIOS BIOQUÍMICA EXPERIMENTAL QBQ 0316N. Professores. Carlos Takeshi Hotta

Departamento de Bioquímica. Instituto de Química USP EXERCÍCIOS BIOQUÍMICA EXPERIMENTAL QBQ 0316N. Professores. Carlos Takeshi Hotta Departamento de Bioquímica Instituto de Química USP EXERCÍCIOS BIOQUÍMICA EXPERIMENTAL QBQ 0316N 2013 Professores Carlos Takeshi Hotta Guilherme Menegon Arantes 1 1. O ácido dinitrosalicílico (DNS) pode

Leia mais

ESTUDO DA CINÉTICA DA HIDRÓLISE ÁCIDA DO ACETATO DE ETILA.

ESTUDO DA CINÉTICA DA HIDRÓLISE ÁCIDA DO ACETATO DE ETILA. ESTUDO DA CINÉTICA DA HIDRÓLISE ÁCIDA DO ACETATO DE ETILA. Glauber Silva Godoi Aula 14 META Desenvolver no aluno a capacidade de extrair informações quanto aos parâmetros cinéticos de uma reação a partir

Leia mais

Escola Secundária / 3º CEB da Batalha ACTIVIDADE LABORATORIAL DE FÍSICA E QUÍMICA A FORMAÇÃO ESPECÍFICA ENSINO SECUNDÁRIO. Ano de Escolaridade : 11

Escola Secundária / 3º CEB da Batalha ACTIVIDADE LABORATORIAL DE FÍSICA E QUÍMICA A FORMAÇÃO ESPECÍFICA ENSINO SECUNDÁRIO. Ano de Escolaridade : 11 Escola Secundária / º CEB da Batalha ACTIVIDADE LABORATORIAL DE FÍSICA E QUÍMICA A FORMAÇÃO ESPECÍFICA ENSINO SECUNDÁRIO Ano de Escolaridade : 11 AL 1.1 Amoníaco e compostos de amónio em materiais de uso

Leia mais

Faculdade de Medicina da Universidade de Coimbra Ano Lectivo 2010/2011. Unidade Curricular de BIOQUÍMICA II Mestrado Integrado em MEDICINA 1º Ano

Faculdade de Medicina da Universidade de Coimbra Ano Lectivo 2010/2011. Unidade Curricular de BIOQUÍMICA II Mestrado Integrado em MEDICINA 1º Ano Faculdade de Medicina da Universidade de Coimbra Ano Lectivo 2010/2011 Unidade Curricular de BIOQUÍMICA II Mestrado Integrado em MEDICINA 1º Ano ENSINO PRÁTICO E TEORICO-PRÁTICO 8ª AULA PRÁTICA Determinação

Leia mais

Trabalho Prático nº 4. Complexos de metais de transição

Trabalho Prático nº 4. Complexos de metais de transição Trabalho Prático nº 4 Complexos de metais de transição 1. Introdução Um ião complexo pode ser definido como um ião que contém um átomo central ao qual se ligam outros átomos, os ligandos, em que na maior

Leia mais

Experimento 11 - Equilíbrio químico e sistema tampão

Experimento 11 - Equilíbrio químico e sistema tampão 1 Experimento 11 - Equilíbrio químico e sistema tampão 1. INTRODUÇÃO 1.1. EQUILÍBRIO QUÍMICO As reações estudadas em química não resultam de uma conversão completa de reagentes em produtos, pois todas

Leia mais

Doseamento do Fe 2+ por espectroscopia de absorção

Doseamento do Fe 2+ por espectroscopia de absorção Práticas Laboratoriais de Diagnóstico e Teoria do Restauro I (Ciências da Arte e do Património) Doseamento do Fe 2+ por espectroscopia de absorção Objectivo Determinar a concentração do ferro(ii) numa

Leia mais

AÇÚCARES OU CARBOIDRATOS

AÇÚCARES OU CARBOIDRATOS AÇÚCARES U CARBIDRATS FUNÇÕES DS CARBIDRATS N SER VIV ENERGÉTICA: os carboidratos são a principal fonte de energia para o ser vivo. Ex. Glicose. Podem ser armazenados na célula sob forma de polímeros (glicogênio,

Leia mais

UNIVERSIDADE ABERTA DO BRASIL UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAIBA - UFPB VIRTUAL LICENCIATURA EM CIÊNCIAS BIOLÓGICAS A DISTÂNCIA

UNIVERSIDADE ABERTA DO BRASIL UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAIBA - UFPB VIRTUAL LICENCIATURA EM CIÊNCIAS BIOLÓGICAS A DISTÂNCIA UNIVERSIDADE ABERTA DO BRASIL UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAIBA - UFPB VIRTUAL LICENCIATURA EM CIÊNCIAS BIOLÓGICAS A DISTÂNCIA DISCIPLINA BIOQUÍMICA ESTRUTURAL Ministrante: Prof. Dr. Carlos Alberto de Almeida

Leia mais

Reacções de precipitação

Reacções de precipitação Escola Básica do 2º e 3º ciclo de Santo António Ciências Físico-Química Ano lectivo: 2010/2011 Reacções de precipitação Docente: Eugénia Temtem Relatório elaborado por: Antonela Pereira nº1 Funchal, 28

Leia mais

Química 12º Ano. Unidade 2 Combustíveis, Energia e Ambiente. Actividades de Projecto Laboratorial. Janeiro Jorge R. Frade, Ana Teresa Paiva

Química 12º Ano. Unidade 2 Combustíveis, Energia e Ambiente. Actividades de Projecto Laboratorial. Janeiro Jorge R. Frade, Ana Teresa Paiva Calibração e utilização de um sensor de temperatura Química 12º Ano Unidade 2 Combustíveis, Energia e Ambiente Actividades de Projecto Laboratorial Janeiro 2006 Jorge R. Frade, Ana Teresa Paiva Dep. Eng.

Leia mais

BC-1302 QUÍMICA DOS ELEMENTOS

BC-1302 QUÍMICA DOS ELEMENTOS PRÁTICA 5: Oxigênio e Enxofre Objetivos Preparar o gás oxigênio, por método laboratorial e estudar algumas de suas propriedades. Estudar o enxofre nas suas variações alotrópicas e algumas de suas reações.

Leia mais

QBQ 0316 Bioquímica Experimental. Carlos Hotta. Análise de dados (P1 e P2)

QBQ 0316 Bioquímica Experimental. Carlos Hotta. Análise de dados (P1 e P2) QBQ 0316 Bioquímica Experimental Carlos Hotta Análise de dados (P1 e P2) 26/08/2016 Análise de resultados P2 Passo 1: calcular massa de glicose em cada pocinho 5 µmol glicose 1000 µl 5000 nmol glicose

Leia mais

Neste caso, diz-se que a reação é de primeira ordem, e a equação pode ser resolvida conforme segue abaixo:

Neste caso, diz-se que a reação é de primeira ordem, e a equação pode ser resolvida conforme segue abaixo: 1. Introdução Cinética Química A termodinâmica indica a direção e a extensão de uma transformação química, porém não indica como, nem a que velocidade, uma reação acontece. A velocidade de uma reação deve

Leia mais

Curso: FARMÁCIA Disciplina: Bioquímica Clínica Título da Aula: Doseamento de Uréia, Creatinina, AST e ALT. Professor: Dr.

Curso: FARMÁCIA Disciplina: Bioquímica Clínica Título da Aula: Doseamento de Uréia, Creatinina, AST e ALT. Professor: Dr. Curso: FARMÁCIA Disciplina: Bioquímica Clínica Título da Aula: Doseamento de Uréia, Creatinina, AST e ALT. Professor: Dr. Fernando Ananias NOME: RGM: ATIVIDADE PRÁTICA 2 1) DETERMINAÇÃO DE URÉIA E CREATININA

Leia mais

DETERMINAÇÃO DA ESPESSURA DE UM CABELO ATRAVÉS DE PADRÕES DE DIFRACÇÃO

DETERMINAÇÃO DA ESPESSURA DE UM CABELO ATRAVÉS DE PADRÕES DE DIFRACÇÃO 1 Trabalho nº 6 DETERMINAÇÃO DA ESPESSURA DE UM CABELO ATRAVÉS DE PADRÕES DE DIFRACÇÃO por A. J. Silvestre 2 1 Objectivo Determinar a espessura de um cabelo através do estudo do padrão de difracção gerado

Leia mais

Componente de Química

Componente de Química Componente de Química 1.5 Controlo da produção industrial Alteração do estado de equilíbrio de um sistema O carácter dinâmico do equilíbrio (num sistema em equilíbrio, a uma dada temperatura, as velocidades

Leia mais

Disciplina de BIOQUÍMICA do Ciclo Básico de MEDICINA Universidade dos Açores 1º Ano ENSINO PRÁTICO 7ª AULA PRÁTICA

Disciplina de BIOQUÍMICA do Ciclo Básico de MEDICINA Universidade dos Açores 1º Ano ENSINO PRÁTICO 7ª AULA PRÁTICA Disciplina de BOQUÍMCA do Ciclo Básico de MEDCNA Universidade dos Açores 1º Ano ENSNO PRÁTCO 7ª AULA PRÁTCA 1. PRNCÍPOS GERAS DE ESPECTROFOTOMETRA DE ABSORÇÃO - Lei de Beer-Lambert - Espectro de absorção

Leia mais

Todos os seres vivos são constituídos por células unidade estrutural.

Todos os seres vivos são constituídos por células unidade estrutural. Prof. Ana Rita Rainho Biomoléculas Todos os seres vivos são constituídos por células unidade estrutural. Para além da unidade estrutural também existe uma unidade bioquímica todos os seres vivos são constituídos

Leia mais

Determinação da Entalpia de uma Reacção

Determinação da Entalpia de uma Reacção INSTITUTO POLITÉCNICO DE TOMAR ESCOLA SUPERIOR DE TECNOLOGIA Departamento de Engenharia Química e do Ambiente QUÍMICA I (1º Ano 1º Semestre) Trabalho Prático n.º 6 Determinação da Entalpia de uma Reacção

Leia mais

Experimento N 3 DETERMINAÇÃO EXPERIMENTAL DA MASSA MOLAR DO GÁS BUTANO E DO MAGNÉSIO

Experimento N 3 DETERMINAÇÃO EXPERIMENTAL DA MASSA MOLAR DO GÁS BUTANO E DO MAGNÉSIO Experimento N 3 DETERMINAÇÃO EXPERIMENTAL DA MASSA MOLAR DO GÁS BUTANO E DO MAGNÉSIO 1) INTRODUÇÃO A maioria dos gases reais mostra um comportamento aproximado ao de um gás ideal, especialmente se a pressão

Leia mais

Biologia 12 Fermentação e actividade enzimática

Biologia 12 Fermentação e actividade enzimática Biologia 12 Fermentação e actividade enzimática Uma elevada percentagem de produtos que consumimos é produzida, mantida ou degradada por microorganismos. O conhecimento do metabolismo microbiano permitirá

Leia mais

PRÁTICA: EQUILÍBRIO QUÍMICO EM SOLUÇÕES. CH3COOCH2CH3 + H2O CH3COOH + CH3CH2OH (1) Acetato de etila água ácido acético etanol

PRÁTICA: EQUILÍBRIO QUÍMICO EM SOLUÇÕES. CH3COOCH2CH3 + H2O CH3COOH + CH3CH2OH (1) Acetato de etila água ácido acético etanol PRÁTICA: EQUILÍBRIO QUÍMICO EM SOLUÇÕES 1. Introdução Uma investigação experimental detalhada mostra que a maioria das reações químicas não avança até a realização completa, isto é, quantidades mensuráveis

Leia mais

Nome: BI: Data - Local Emissão: / / -

Nome: BI: Data - Local Emissão: / / - Prova de acesso para maiores de 23 anos Química Nome: BI: Data - Local Emissão: / / - Duração da prova: 75 minutos + 15 de tolerância Coloque o seu documento de identificação em cima da mesa. Coloque o

Leia mais

Problemas sobre o doseamento da actividade de enzimas

Problemas sobre o doseamento da actividade de enzimas Problemas sobre o doseamento da actividade de enzimas Perg. 1: Uma enzima E catalisa a transformação A P. Num tubo de ensaio colocou-se A, tampão e ao minuto zero adicionou-se uma determinada quantidade

Leia mais

Preparação de uma pilha baseada na oxidação em meio ácido. Química 12º Ano

Preparação de uma pilha baseada na oxidação em meio ácido. Química 12º Ano Preparação de uma pilha baseada na oxidação em meio ácido Química 12º Ano Unidade 1 Metais e ligas metálicas Actividades de Projecto Laboratorial Outubro 2005 Jorge R. Frade, Ana Teresa Paiva Dep. Eng.

Leia mais

Experimento 1: Efeito do íon comum equilíbrio de ionização da amônia

Experimento 1: Efeito do íon comum equilíbrio de ionização da amônia Experimento Deslocamento de equilíbrios químicos (Princípio de Le Chatelier) Objetivo: Estudar e compreender alguns fatores que deslocam equilíbrios químicos. Experimento 1: Efeito do íon comum equilíbrio

Leia mais

Síntese do acetato de n-butilo ou etanoato de n-butilo

Síntese do acetato de n-butilo ou etanoato de n-butilo Projeto Ciência Viva INTRODUÇÃO À QUÍMICA VERDE, COMO SUPORTE DA SUSTENTABILIDADE, NO ENSINO SECUNDÁRIO PL 3.4 Identificação e síntese de substâncias com aromas e sabores especiais Síntese do acetato de

Leia mais

A acção da catalase como função da temperatura

A acção da catalase como função da temperatura A acção da catalase como função da temperatura Barroso, F. - Escola Secundária de Fernão Mendes Pinto Farinha, R. - Colégio Militar Sobreira, A. - Escola Básica 2,3/S Michel Giacometti INTRODUÇÃO A presente

Leia mais

Bioquímica e Biologia Molecular. Cinética da Enzima Invertase

Bioquímica e Biologia Molecular. Cinética da Enzima Invertase Bioquímica e Biologia Molecular Cinética da Enzima Invertase 20 de Outubro de 2005 Realizado Por: Pedro Miguel Guerreiro Brito da Cruz nº54196 Nuno Miguel Barroso Monteiro nº54208 João Pedro da Silva Gonçalves

Leia mais

GABARITO - QUÍMICA - Grupo A

GABARITO - QUÍMICA - Grupo A GABARITO - QUÍMICA - Grupo A 1 a QUESTÃO: (2,0 pontos) Avaliador Revisor O teor do íon Cl - existente nos fluidos corporais pode ser determinado através de uma analise volumétrica do íon Cl - com o íon

Leia mais

AMONÍACO E COMPOSTOS DE AMÓNIO EM MATERIAIS DE USO COMUM

AMONÍACO E COMPOSTOS DE AMÓNIO EM MATERIAIS DE USO COMUM AMONÍACO E COMPOSTOS DE AMÓNIO EM MATERIAIS DE USO COMUM O que se preten Pesquisar a presença e compostos em produtos comerciais utilizados no quotidiano, através testes laboratoriais análise qualitativa.

Leia mais

ESTUDO DA ESTABILIDADE E PROPRIEDADES DE COMPOSTOS DE COORDENAÇÃO

ESTUDO DA ESTABILIDADE E PROPRIEDADES DE COMPOSTOS DE COORDENAÇÃO versão Fev 2007 TRABALHO 2 ESTUDO DA ESTABILIDADE E PROPRIEDADES DE COMPOSTOS DE COORDENAÇÃO 1. OBJECTIVOS 1) Determinação da estequiometria e do coeficiente de extinção molar do complexo [Ni- EDTA] 2-

Leia mais

PRÁTICA 5 GRUPO 15 (Pnictogênios)

PRÁTICA 5 GRUPO 15 (Pnictogênios) PRÁTICA 5 GRUPO 15 (Pnictogênios) Departamento de Química Inorgânica, IQ-UFF Responsável: Prof. Dr. Fabio da Silva Miranda Revisores: Prof. Dra. Maria Domingues Vargas, Bsc. Eloisa Borges e Borges Última

Leia mais

Física e Química A. Nomes: N.º s : T.ª: Como neutralizar resíduos de ácidos/bases do laboratório de Química da escola?

Física e Química A. Nomes: N.º s : T.ª: Como neutralizar resíduos de ácidos/bases do laboratório de Química da escola? Física e Química A 11ºAno - Química AL.2.3. Neutralização: uma reacção de ácido-base Ano lectivo: 2010/2011 Nomes: N.º s : T.ª: PARTE I - Introdução Questão problema Como identificar se os resíduos são

Leia mais

Resolução UNIFESP 2015

Resolução UNIFESP 2015 Resolução UNIFESP 2015 1-Utilizando o aparato indicado na figura, certo volume de solução aquosa de sulfato de cobre(ii) hidratado foi colocado dentro do béquer. Quando o plugue foi conectado à tomada

Leia mais

Suporte universal Tubo de borracha comprido Bureta de 25 ml Pipeta volumétrica de 5mL Gobelé de 500 ml Kitasato de 25 ml Rolha Material e reagentes.

Suporte universal Tubo de borracha comprido Bureta de 25 ml Pipeta volumétrica de 5mL Gobelé de 500 ml Kitasato de 25 ml Rolha Material e reagentes. REALIZAÇÃO EXPERIMENTAL Objectivos Avaliar a velocidade da reacção química entre o ácido clorídrico e o magnésio a partir do volume de hidrogénio molecular libertado em função do tempo. Verificar que a

Leia mais

Fuvest 2009 (Questão 1 a 8)

Fuvest 2009 (Questão 1 a 8) (Questão 1 a 8) 1. Água pode ser eletrolisada com a finalidade de se demonstrar sua composição. A figura representa uma aparelhagem em que foi feita a eletrólise da água, usando eletrodos inertes de platina.

Leia mais

DETERMINAÇÃO DE ALDEÍDOS E CETONAS EM ALIMENTOS POR VIA EXPERIMENTAL

DETERMINAÇÃO DE ALDEÍDOS E CETONAS EM ALIMENTOS POR VIA EXPERIMENTAL DETERMINAÇÃO DE ALDEÍDOS E CETONAS EM ALIMENTOS POR VIA EXPERIMENTAL Nome dos participantes: Ana Brígido, Chen Lin, João Costa e Tiago Inácio Professor responsável: Filipa Batalha Escola: Colégio Vasco

Leia mais

Carbohidratos. e alguns contêm azoto, fósforo ou enxofre. Estão divididos em 3 classes; Monossacáridos, Oligossacáridos e Polissacáridos.

Carbohidratos. e alguns contêm azoto, fósforo ou enxofre. Estão divididos em 3 classes; Monossacáridos, Oligossacáridos e Polissacáridos. Carbohidratos Os carbohidratos são as biomoléculas mais abundantes na terra. São predominantemente polihidroxi- aldeídos ou cetonas ciclizados ou substâncias que produzem este tipo de compostos por hidrólise.

Leia mais

ADAPTAÇÃO DE UMA METODOLOGIA DE PRODUÇÃO DE PIRUVATO PARA DESENVOLVIMENTO DE ROTEIRO DE AULA PRÁTICA EM BIOQUÍMICA

ADAPTAÇÃO DE UMA METODOLOGIA DE PRODUÇÃO DE PIRUVATO PARA DESENVOLVIMENTO DE ROTEIRO DE AULA PRÁTICA EM BIOQUÍMICA 11. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ÁREA TEMÁTICA: ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( X ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( ) SAÚDE ( ) TRABALHO ( ) TECNOLOGIA ADAPTAÇÃO

Leia mais

Preparar e fazer cálculos prévios para o preparo de soluções diluídas a partir de soluções estoque.

Preparar e fazer cálculos prévios para o preparo de soluções diluídas a partir de soluções estoque. AULA 6 Indicadores ácido-base e ph OBJETIVOS Verificar o ph de soluções ácidas e básicas, concentradas e diluídas; Entender os efeitos da diluição na concentração dos componentes; Preparar e fazer cálculos

Leia mais

DETERMINAÇÃO DA CONCENTRAÇÃO PLASMÁTICA DE TRIGLICÉRIDOS E COLESTEROL

DETERMINAÇÃO DA CONCENTRAÇÃO PLASMÁTICA DE TRIGLICÉRIDOS E COLESTEROL DETERMINAÇÃO DA CONCENTRAÇÃO PLASMÁTICA DE TRIGLICÉRIDOS E COLESTEROL Determinação da concentração plasmática de triglicéridos por um método enzimático O conteúdo em triglicéridos pode ser determinado

Leia mais