Regulação em Saúde no SUS e o Pacto Federativo.

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Regulação em Saúde no SUS e o Pacto Federativo."

Transcrição

1 Cláudio Tavares - Diretor de Regulação, Avaliação e Controle da Secretaria Municipal de Saúde de Goiânia (DRAC/SMS) Regulação em Saúde no SUS e o Pacto Federativo. Experiência do Município de Goiânia no Processo de Regulação.

2 Experiência do Município de Goiânia no Processo de Regulação. REGULAÇÃO NO MUNICÍPIO DE GOIÂNIA

3 Experiência do Município de Goiânia no Processo de Regulação. CONCEITOS REGULAÇÃO SIGNIFICADOS: sujeitar as regras, dirigir, regrar, encaminhar conforme a lei, regulamentar, estabelece ordem SETOR SAÚDE: O termo regulação, aplicado ao setor saúde no país, tem diversos entendimentos, concepções e práticas. A NOAS/SUS 01/2002 disseminou o conceito de regulação como sinônimo de regulação assistencial, vinculada à oferta de serviços, à disponibilidade de recursos financeiros e à Programação Pactuada Integrada (PPI). Essa é uma concepção restrita de regulação, que induz a iniciativa de controle do acesso e de adequação à oferta. REGULAÇÃO EM SAÚDE CONASS, 2007

4 Experiência do Município de Goiânia no Processo de Regulação SUS. Situação antes de iniciar o processo de Regulação em Goiânia antes de 2006 Internações eram realizadas através de sistema de vagas. Hospitais forneciam o que queriam de leitos. Não existia controle da origem do pedido de cirurgia eletiva. Ex.: Hospitais particulares. Não existia controle da origem do pedido de APAC. Ex.: consultórios particulares, consultórios de planos de Saúde com co-participação. Não existia controle da origem do pedido de Vale Exame. Ex.: Ambulatório de Sindicatos, Assembleia Legislativa e Hospitais filantrópicos. Não existia controle da oferta de consulta especializada dos Hospitais públicos e filantrópicos. Não existia o termo consulta regulada.

5 Experiência do Município de Goiânia no Processo de Regulação SUS. PROCESSO DE REGULAÇÃO EM GOIÂNIA CONDIÇÕES PROPRÍCIAS Central de Internação de Urgência existente e funcionando 24 horas; Autorização de exames de alta complexidade localizada em um mesmo ambiente com equipe de autorizadores; Equipe de auditoria formada; Equipe de faturamento formada; Sistema de liberação de vale exame de média complexidade existente; Gestão de todos os serviços SUS: públicos, filantrópicos e particulares conveniados.; Aquisição de computadores para rede própria através de convênio com Ministério da Saúde.

6 Experiência do Município de Goiânia no Processo de Regulação SUS. DECISÕES TOMADAS Uso de sistema informatizado próprio; Enfrentamento com os prestadores privados e filantrópicos; Enfrentamento com as unidades estaduais; Fortalecimento da equipe de auditoria; Fortalecimento da equipe de faturamento; Criação de equipes de autorizadores nos principais estabelecimentos. Criação de legislação municipal para regulamentar o processo. Ex.: Portaria 1234/2006.

7 Experiência do Município de Goiânia no Processo de Regulação SUS. PROCESSO DE REGULAÇÃO A PARTIR DE 2006 Inicia o processo de Regulação com a lógica da porta de entrada do usuário ser através de uma Consulta Regulada Criada portaria 1234 que deixa claro que os procedimentos com autorização prévia serão registrados, faturados e pagos. Sem autorização prévia não tem como registra, faturar e pagar. Inicia o processo de criação de Sistemas Informatizados por módulos que permitem identificar a origem do paciente e consequentemente autorizar os pedidos deste paciente. Ex.: vale exame, consulta especializada, cirurgia eletiva, sistema de internação de leitos, APAC.

8 Experiência do Município de Goiânia no Processo de Regulação SUS. SISTEMA INFORMATIZADO

9 Experiência do Município de Goiânia no Processo de Regulação SUS. HISTÓRICO Sistemas 2006 Novo sistema de vale exame do município de Goiânia. Consultas especializadas parte executante oferta de vagas Desenvolvido sistema de Cirurgias Eletivas. Iniciou em Janeiro de Alta complexidade Consultas especializadas parte solicitante de Goiânia. Internação por leitos projeto piloto na Santa Casa em Agosto Internação todos Hospitais passam a usar sistema de leitos Consulta especializada parte solicitação dos municípios do interior Disponibilização de acesso ao Sistema de internação aos SAMU regionais Sistema de liberação de exames de média complexidade parte solicitação dos municípios do interior. Criado o sistema de lista de espera para os exames de média complexidade. O paciente é contactado pelo serviço da prefeitura de Goiânia. Serviço centralizado que avisa pacientes sobre dados da consulta especializada e do agendamento de exames. 2013/2104 Desenvolvido sistema de cadastro prévio de procedimentos de alta complexidade e cirurgia eletiva pelos municípios interior Sistema de diária de leitos retaguarda e de UTI para monitorar e acompanhar prestadores qualificados na RUE.

10 Experiência do Município de Goiânia no Processo de Regulação SUS. REGULAÇÃO E ACESSO AOS SERVIÇOS DE SAÚDE

11 Experiência do Município de Goiânia no Processo de Regulação SUS. CONSULTAS EM ATENÇÃO BÁSICA Porta de entrada: 1 - Saúde da Família = Médico Generalista (Moradores em região com Estratégia Saúde da Família) 2 - Teleconsulta = Clínico, Pediatria e ginecologia (Moradores em região que não há Estratégia Saúde da Família) 3 Odontologia = Agendamento na própria Unidade CONSULTA REGISTRADA EM SISTEMA CONSULTA REGULADA

12 Experiência do Município de Goiânia no Processo de Regulação SUS. EXAMES DE MÉDIA COMPLEXIDADE LIBERADOS NOS CASOS DE CONSULTA REGULADA EMISSÃO DO VALE EXAME NAS UNIDADES DE SAÚDE JÁ CONSTANDO O PRESTADOR COM ENDEREÇO E TELEFONE EXAMES: hemograma, colesterol, raios x, ultrasonografia, etc NA AUSËNCIA DE PRESTADOR É EMITIDO UMA INFORMAÇÃO CONSTANDO O QUE O USUÁRIO DEVE FAZER. O PACIENTE É CADASTRADO NUMA LISTA DE ESPERA. QUANDO O EXAME FOR AGENDADO O USUÁRIO É AVISADO PELO SERVIÇO DA PREFEITURA DE GOIÂNIA.

13 Experiência do Município de Goiânia no Processo de Regulação SUS. EXAMES DE ALTA COMPLEXIDADE APAC O USUÁRIO DEVE LEVAR O PEDIDO COM CÓPIA DO ENDEREÇO, CARTEIRA DE INDENTIDADE OU NASCIMENTO E SE TIVER O CARTÃO SUS PARA A DIRETORIA DE REGULAÇÃO AVALIAÇÃO E CONTROLE. SERÃO CADASTRADOS SE TIVER CONSULTA REGULADA OU INTERNAÇÃO PRÉVIA DE URGËNCIA REGISTRADA EM SISTEMA ESTES EXAMES SÃO AVALIADOS PELO MÉDICO AUTORIZADOR SÃO LIBERADOS COM IMPRESSO COM CÓDIGO JÁ CONSTANDO O PRESTADOR COM ENDEREÇO E TELEFONE EXAMES: tomografia, arteriografia, ressonância, densitometria óssea, etc.

14 Experiência do Município de Goiânia no Processo de Regulação SUS. FISIOTERAPIA ANTIGAMENTE ERA EMITIDO NAS UNIDADES COMO EXAME DE MÉDIA COMPLEXIDADE MAS TORNOU-SE APAC PARA INIBIR FRAUDES E ABUSOS. VOLTOU A EMISSÃO DE VALE EXAME LIMITADO A 20 SESSOES POR PACIENTE EM CASO EXCEDENTE O USUÁRIO DEVE LEVAR O PEDIDO COM CÓPIA DO ENDEREÇO, CARTEIRA DE INDENTIDADE OU NASCIMENTO E SE TIVER O CARTÃO SUS PARA A DIRETORIA DE REGULAÇÃO AVALIAÇÃO E CONTROLE SERÃO CADASTRADOS SE TIVER CONSULTA REGULADA OU INTERNAÇÃO PRÉVIA DE URGËNCIA REGISTRADA EM SISTEMA ESTES EXAMES SÃO AVALIADOS PELO MÉDICO AUTORIZADOR SÃO LIBERADOS COM VALE EXAME IMPRESSO JÁ CONSTANDO O PRESTADOR COM ENDEREÇO E TELEFONE

15 Experiência do Município de Goiânia no Processo de Regulação SUS. CONSULTA ESPECIALIZADA APÓS CONSULTA REGULADA NA ATENÇÃO BÁSICA A SOLICITAÇÃO É INSERIDA NO SISTEMA INFORMATIZADO DE LISTA DE ESPERA PARA CONSULTA ESPECIALIZADA GERA PROTOCOLO. AGENDAMENTO VIA SISTEMA DIÁRIO E O SERVIÇO DA PREFEITURA DE GOIÂNIA AVISA OS USUÁRIOS SOBRE OS DADOS DA CONSULTA AGENDADA POSSUI TELA DE SOLICITAÇÃO DE PRIORIZAÇÃO QUE É AVALIADO POR AUTORIZADADORES COM NÍVEL SUPERIOR EM SAÚDE. NÃO TEM COMO DIRECIONAR.

16 Experiência do Município de Goiânia no Processo de Regulação SUS. CIRURGIA ELETIVA SOLICITAÇÃO DE CIRURGIA ELETIVA É ENVIADA PELAS UNIDADES DE SAÚDE PARA A DIRETORIA DE REGULAÇÃO AVALIAÇÃO E CONTROLE SENDO DA REDE MUNICIPAL ENVIADAS PELOS DISTRITOS SANITÁRIOS E DA REDE CONVENIADA PELOS HOSPITAIS SOLICITANTES SERÃO PROTOCOLADAS SE TIVER CONSULTA REGULADA CONSULTA REGISTRADA EM SISTEMA. AS AIH SÃO AVALIADAS PELO MÉDICO AUTORIZADOR SÃO ENVIADAS AOS PRESTADORES CONFORME CAPACIDADE DE SEREM REALIZADAS

17 Experiência do Município de Goiânia no Processo de Regulação SUS. INTERNAÇÃO DE URGÊNCIA SOLICITAÇÃO DE INTERNAÇÃO É FEITA ATRAVÉS DE SISTEMA INFORMATIZADO VIA WEB PELAS UNIDADES DE URGÊNCIA. SISTEMA POSSUI TELA DE PENDÊNCIA. LEITOS HOSPITALARES SÃO MAPEADOS EM SISTEMA. EQUIPE DE REGULAÇÃO CONFERE LEITOS EM SISTEMA COM LEITO FÍSICO IN LOCU. SISTEMA DE GOIÂNIA ESTA DISPONIBILIZADO PARA TODOS OS COMPLEXOS REGULADORES REGIONAIS E O ESTADUAL DE GOIÁS.

18 Experiência do Município de Goiânia no Processo de Regulação SUS. RESUMO DO ACESSO DOS MUNÍCIPIOS DO INTERIOR EM GOIÂNIA ATENÇÃO BÁSICA EXAMES DE MÉDIA COMPLEXIDADE CONSULTA ESPECIALIZADA ALTA COMPLEXIDADE CIRURGIA ELETIVA INTERNAÇÃO DE URGÊNCIA REGIÂO CENTRAL INTERNAÇÃO DE URGÊNCIA MUNÍCIPIOS DO INTERIOR DE OUTRAS REGIONAIS NO PRÓPRIO MUNÍCIPIO DISPONIBILIZADO SISTEMA PELA INTERNET PARA RETIRADA (PPI) SISTEMA DE LISTA DE ESPERA NA INTERNET (PPI) REPRESENTANTE DO MUNÍCIPIO REALIZA O PEDIDO NA DRAC (PPI) REPRESENTANTE DO MUNÍCIPIO REALIZA O PEDIDO NA DRAC (PPI E PNCE) SISTEMA VIA INTERNETE DA SMS DE GOIÂNIA 11 REGIONAIS COM CENTRAL DE INTERNAÇÃO OU SAMU E A CENTRAL DE REGULAÇÃO ESTADUAL

19 Experiência do Município de Goiânia no Processo de Regulação SUS. SISTEMA DE INTERNAÇÃO E ENCAMINHAMENTOS DE URGÊNCIA

20 Experiência do Município de Goiânia no Processo de Regulação SUS. Sistema implantado em Sistema atual Sistema de leitos mapeados em sistema Internações de cota direta registrada on line Autorização de troca de procedimento feita com médico regulador Liberação do Sequencial de AIH é feita em sistema Pendência e encaminhamento feitos em sistema on line. Solicitação disponível através da página da prefeitura Dados clínicos e exame físico parametrizados em sistema Liberdade do gestor definir particularidades no sistema; Registro de diária de leitos como UTI e leitos de Enfermaria de Retaguarda para monitorar o cofinanciamento da RUE do MS.

21 Experiência do Município de Goiânia no Processo de Regulação SUS. UNIDADES SOLICITANTES UNIDADES DA SMS QUE PODEM SER SOLICITANTES: 113 UNIDADES HOSPITALARES: 45 COMPLEXOS REGULADORES REGIONAIS SOLICITANTES: 12 COMPLEXO REGULADOR ESTADUAL: 01 MUNÍCIPOS DA REGIONAL DE GOIÂNIA: 25

22 Experiência do Município de Goiânia no Processo de Regulação SUS. ESTRUTURA DE RECURSOS HUMANOS COMPLEXO DE INTERNAÇÃO DE GOIÂNIA POSIÇÕES DE ATENDIMENTO PARA INTERNAÇÃO 9 MESAS DE APOIO DIURNO 6 MESAS DE APOIO NOTURNO 3 MÉDICOS DIURNO POR PLANTÃO DE 12 HORAS 4 MÉDICOS NOTURNO POR PLANTÃO DE 12 HORAS 3 AGENTES DE ATENDIMENTO MATUTINO 14 AGENTES DE ATENDIMENTO VESPERTINO 14 AGENTES DE ATENDIMENTO NOTURNO 9 AGENTES DE ATENDIMENTO MADRUGADA 8

23 SECRETARIA MUNICIPAL DE SAÚDE DE GOIÂNIA DIRETORIA DE REGULAÇÃO AVALIAÇÃO E CONTROLE SISTEMA DE LEITOS LEITOS MAPEADOS NA UNIDADE E COLOCADOS NO SISTEMA

24 SECRETARIA MUNICIPAL DE SAÚDE DE GOIÂNIA DIRETORIA DE REGULAÇÃO AVALIAÇÃO E CONTROLE

25 SECRETARIA MUNICIPAL DE SAÚDE DE GOIÂNIA DIRETORIA DE REGULAÇÃO AVALIAÇÃO E CONTROLE

26 SECRETARIA MUNICIPAL DE SAÚDE DE GOIÂNIA DIRETORIA DE REGULAÇÃO AVALIAÇÃO E CONTROLE

27 SECRETARIA MUNICIPAL DE SAÚDE DE GOIÂNIA DIRETORIA DE REGULAÇÃO AVALIAÇÃO E CONTROLE

28 SECRETARIA MUNICIPAL DE SAÚDE DE GOIÂNIA DIRETORIA DE REGULAÇÃO AVALIAÇÃO E CONTROLE

29 SECRETARIA MUNICIPAL DE SAÚDE DE GOIÂNIA DIRETORIA DE REGULAÇÃO AVALIAÇÃO E CONTROLE

30 SECRETARIA MUNICIPAL DE SAÚDE DE GOIÂNIA DIRETORIA DE REGULAÇÃO AVALIAÇÃO E CONTROLE

31 SECRETARIA MUNICIPAL DE SAÚDE DE GOIÂNIA DIRETORIA DE REGULAÇÃO AVALIAÇÃO E CONTROLE

32 SECRETARIA MUNICIPAL DE SAÚDE DE GOIÂNIA DIRETORIA DE REGULAÇÃO AVALIAÇÃO E CONTROLE

33 SECRETARIA MUNICIPAL DE SAÚDE DE GOIÂNIA DIRETORIA DE REGULAÇÃO AVALIAÇÃO E CONTROLE

34 SECRETARIA MUNICIPAL DE SAÚDE DE GOIÂNIA DIRETORIA DE REGULAÇÃO AVALIAÇÃO E CONTROLE

35 SECRETARIA MUNICIPAL DE SAÚDE DE GOIÂNIA DIRETORIA DE REGULAÇÃO AVALIAÇÃO E CONTROLE

36 SECRETARIA MUNICIPAL DE SAÚDE DE GOIÂNIA DIRETORIA DE REGULAÇÃO AVALIAÇÃO E CONTROLE

37 SECRETARIA MUNICIPAL DE SAÚDE DE GOIÂNIA DIRETORIA DE REGULAÇÃO AVALIAÇÃO E CONTROLE

38 SECRETARIA MUNICIPAL DE SAÚDE DE GOIÂNIA DIRETORIA DE REGULAÇÃO AVALIAÇÃO E CONTROLE

39 SECRETARIA MUNICIPAL DE SAÚDE DE GOIÂNIA DIRETORIA DE REGULAÇÃO AVALIAÇÃO E CONTROLE

40

41

42

43 Experiência do Município de Goiânia no Processo de Regulação SUS. DIFICULDADES MANUTENÇÃO DE EQUIPE DE TÉCNICOS DE INFORMÁTICA; INTEROPERABILIDADE COM OS SISTEMAS DO MINISTÉRIO DA SAÚDE; SUPORTE DE REDE E SERVIDOR; MANUTENÇÃO DE EQUIPAMENTOS DE INFORMÁTICA; MANUTENÇÃO DE EQUIPE DE ACOMPANHAMENTO E MONITORIZAÇÃO DE LEITOS E PROCEDIMENTOS.

44 Experiência do Município de Goiânia no Processo de Regulação SUS. RESUMO O sistema de regulação de Goiânia foi desenvolvido para resolver as seguintes questões: Controle da produção por parte dos prestadores; Controle da informação e dos relatórios necessários para o gestor ter conhecimento da rede assistencial; Criar sistema de fila de espera de consultas, exames e procedimentos; Controle por parte do gestão dos pacientes que serão atendidos;

45 Experiência do Município de Goiânia no Processo de Regulação SUS. LÓGICA UTILIZADA O registro dos procedimentos apenas com o consentimento prévio do gestor; Utilização do registro de consulta no sistema municipal. Este registro que permite o paciente a ter os acessos aos serviços de saúde; Centralização de um ambiente único autorizador para alimentar os Sistemas de Informação do Ministério da Saúde; Alimentação do SIA e SIH apenas do que foi autorizado previamente.

46 " Não venci todas às vezes que lutei.mas,perdi todas as vezes que deixei de lutar" Mário Quintana

CONGRESSO COSEMSRS/2016. Sistema de Gerenciamento de Consultas

CONGRESSO COSEMSRS/2016. Sistema de Gerenciamento de Consultas CONGRESSO COSEMSRS/2016 Oficina 1 Mudança do Sistema de Regulação do Rio Grande do Sul Sistema de Gerenciamento de Consultas GRUPO DE TRABALHO (Portaria 712 de 18/06/2015 - DOPA ) CR CMCE, GTI, CRAB, CRAE,

Leia mais

RELATÓRIO DE GESTÃO DA SAHUDES

RELATÓRIO DE GESTÃO DA SAHUDES RELATÓRIO DE GESTÃO DA SAHUDES A Sociedade de Apoio, Humanização e Desenvolvimento de Serviços de Saúde SAHUDES, devidamente qualificada como Organização Social, titulação deferida através do Decreto Municipal

Leia mais

REGULAÇÃO NO SISTEMA ÚNICO DE SAÚDE SUS. Setembro/2010

REGULAÇÃO NO SISTEMA ÚNICO DE SAÚDE SUS. Setembro/2010 MINISTÉRIO DA SAÚDE Secretaria de Atenção à Saúde Departamento de Regulação, Avaliação e Controle de Sistemas Coordenação Geral de Regulação e Avaliação REGULAÇÃO NO SISTEMA ÚNICO DE SAÚDE SUS Setembro/2010

Leia mais

PORTARIAS DE DIRETRIZES PARA REGULAÇÃO e INCENTIVO DE CUSTEIO PARA COMPLEXOS REGULADORES

PORTARIAS DE DIRETRIZES PARA REGULAÇÃO e INCENTIVO DE CUSTEIO PARA COMPLEXOS REGULADORES Secretaria de Atenção à Saúde Departamento de Regulação, Avaliação e Controle de Sistemas Coordenação-Geral de Regulação e Avaliação PORTARIAS DE DIRETRIZES PARA REGULAÇÃO e INCENTIVO DE CUSTEIO PARA COMPLEXOS

Leia mais

SECRETARIA DE ESTADO DA SAÚDE DE SÃO PAULO A POLÍTICA ESTADUAL DE REGULAÇÃO E A CROSS

SECRETARIA DE ESTADO DA SAÚDE DE SÃO PAULO A POLÍTICA ESTADUAL DE REGULAÇÃO E A CROSS A POLÍTICA ESTADUAL DE REGULAÇÃO E A CROSS 13/08/2013 Portaria GM/MS 399/2006 diretrizes do pacto pela saúde. Portaria GM/MS 1.559/2008 institui a Política Nacional de Regulação do Sistema Único de Saúde.

Leia mais

XXX CONGRESSO DE SECRETÁRIOS MUNICIPAIS DE SAÚDE DO ESTADO DE SÃO PAULO DESAFIOS DA POLÍTICA NACIONAL DE REGULAÇÃO

XXX CONGRESSO DE SECRETÁRIOS MUNICIPAIS DE SAÚDE DO ESTADO DE SÃO PAULO DESAFIOS DA POLÍTICA NACIONAL DE REGULAÇÃO Ministério da Saúde - MS Secretaria de Atenção à Saúde - SAS Departamento de Regulação, Avaliação e Controle de Sistemas - DRAC Coordenação Geral de Regulação e Avaliação - CGRA XXX CONGRESSO DE SECRETÁRIOS

Leia mais

SISTEMA NACIONAL DE REGULAÇÃO (SISREG)

SISTEMA NACIONAL DE REGULAÇÃO (SISREG) SISTEMA NACIONAL DE REGULAÇÃO (SISREG) COMISSÃO INTERGESTORES TRIPARTITE (CIT) João Marcelo B. Silva Coordenador-Geral de Regulação e Avaliação (CGRA/DRAC/SAS/MS) Brasília, janeiro de 2017 Sistema Nacional

Leia mais

Secretaria de Estado da Saúde SP Coordenadoria de Regiões de Saúde - CRS. Painel Santa Casa SUStentável

Secretaria de Estado da Saúde SP Coordenadoria de Regiões de Saúde - CRS. Painel Santa Casa SUStentável Painel Santa Casa SUStentável Em 11 de dezembro de 2013 foi realizado o lançamento do Programa de auxílio às Santas Casas e hospitais filantrópicos do Estado de São Paulo. O projeto, conhecido como Santa

Leia mais

PRESTAÇÃO DE CONTAS JULHO/2014

PRESTAÇÃO DE CONTAS JULHO/2014 PRESTAÇÃO DE CONTAS JULHO/2014 31/07/2014 COMPLEXO ESTADUAL DO CÉREBRO V Relatório de gestão dos serviços assistenciais do Complexo Estadual do Cérebro: Instituto Estadual do Cérebro Paulo Niemeyer e Hospital

Leia mais

SAIBA O QUE É TRATAMENTO FORA DO DOMICÍLIO TFD.

SAIBA O QUE É TRATAMENTO FORA DO DOMICÍLIO TFD. SAIBA O QUE É TRATAMENTO FORA DO DOMICÍLIO TFD. Instituído pela Portaria nº 55 da Secretaria de Assistência a Saúde (Ministério da Saúde), é um instrumento legal que visa garantir, através do SUS, tratamento

Leia mais

PORTARIA Nº 1.663, DE 6 DE AGOSTO DE 2012

PORTARIA Nº 1.663, DE 6 DE AGOSTO DE 2012 PORTARIA Nº 1.663, DE 6 DE AGOSTO DE 2012 Dispõe sobre o Programa SOS Emergências no âmbito da Rede de Atenção às Urgências e Emergências (RUE). O MINISTRO DE ESTADO DA SAÚDE, no uso das atribuições que

Leia mais

Experiência da Central de Regulação em Ubatuba

Experiência da Central de Regulação em Ubatuba Experiência da Central de Regulação em Ubatuba Departamento de Regulação Secretaria Municipal de Saúde de Ubatuba regulacaoubatuba@gmail.com Francine França Tel: (12) 3834-2307 Nossa Cidade Localizada

Leia mais

Tipologia dos Estabelecimentos de Saúde

Tipologia dos Estabelecimentos de Saúde Tipologia dos Estabelecimentos de Saúde O Cadastro Nacional de Estabelecimentos de Saúde - CNES foi implantado em 29 de dezembro de 2000, através da Portaria SAS n.º 511. O CNES abrange a todos os estabelecimentos

Leia mais

Objetivo. Melhorar a Eficiência Operacional Aumentar a produtividade sem aumentar o número de leitos

Objetivo. Melhorar a Eficiência Operacional Aumentar a produtividade sem aumentar o número de leitos Gestão de Leitos Objetivo Melhorar a Eficiência Operacional Aumentar a produtividade sem aumentar o número de leitos Contextualização Leitos de Retaguarda Núcleo de Acesso e Qualidade Hospitalar e Núcleo

Leia mais

Prestação de Contas. Maio/2017

Prestação de Contas. Maio/2017 Prestação de Contas Maio/2017 Índice Relatório de Atividades Atendimento P.A. Adulto & Pediatria Internações Internações & Cirurgias Partos Realizados Tipos de Partos Atendimentos G.O. Maternidade Teste

Leia mais

PORTARIA Nº 743, DE 22 DE DEZEMBRO DE 2005 (*)

PORTARIA Nº 743, DE 22 DE DEZEMBRO DE 2005 (*) Edição Número 65 de 04/04/2006 Ministério da Saúde Secretaria de Atenção à Saúde PORTARIA Nº 743, DE 22 DE DEZEMBRO DE 2005 (*) O Secretário de Atenção à Saúde, no uso de suas atribuições, Considerando

Leia mais

POLITICA NACIONAL DE ATENÇÃO HOSPITALAR PNHOSP M A R I A F Á T I M A D A C O N C E I Ç Ã O

POLITICA NACIONAL DE ATENÇÃO HOSPITALAR PNHOSP M A R I A F Á T I M A D A C O N C E I Ç Ã O POLITICA NACIONAL DE ATENÇÃO HOSPITALAR PNHOSP 1 M A R I A F Á T I M A D A C O N C E I Ç Ã O PRINCIPAIS ASPECTOS DAS PORTARIAS 3390/13 (PNHOSP); 3.410/13 (CONTRATUALIZAÇÃO); 142/14 (IGH); e, 2.839/14 (Prorrogação

Leia mais

Soluções que facilitam a gestão da saúde

Soluções que facilitam a gestão da saúde Soluções que facilitam a gestão da saúde A Hospidata Mais eficiência na gestão de saúde Empresa do grupo MV, líder brasileira em soluções de tecnologia para gestão da saúde, a Hospidata oferece um portfólio

Leia mais

REDE DE ATENÇÃO ÀS URGÊNCIAS E EMERGÊNCIAS. Programa SOS Emergências. Ministério da Saúde Brasil. Lançamento Nacional em 08/11/2011

REDE DE ATENÇÃO ÀS URGÊNCIAS E EMERGÊNCIAS. Programa SOS Emergências. Ministério da Saúde Brasil. Lançamento Nacional em 08/11/2011 REDE DE ATENÇÃO ÀS URGÊNCIAS E EMERGÊNCIAS Programa SOS Emergências Ministério da Saúde Brasil Ação Estratégica do Ministério da Saúde para as Portas de Entrada Hospitalares Prioritárias Lançamento Nacional

Leia mais

Experiência de implantação da regulação no município de São Carlos

Experiência de implantação da regulação no município de São Carlos Experiência de implantação da regulação no município de São Carlos Wander Roberto Bonelli Diretor do Departamento de Regulação, Controle e Avaliação da Secretaria Municipal de Saúde de São Carlos Juliana

Leia mais

!"#$% ""&' () *! * +,! -. /0!1 *2 /314 5#6#! "7 %* ""&' ) )8. * () *! *0!3*. ' 9*$ )4.* ') $ * :$* () *! *0!3)%;

!#$% &' () *! * +,! -. /0!1 *2 /314 5#6#! 7 %* &' ) )8. * () *! *0!3*. ' 9*$ )4.* ') $ * :$* () *! *0!3)%; !"#$% ""&' () *! * +,! -. /0!1 *2 /314 5#6#! "7 %* ""&' ) )8. * () *! *0!3*. ' 9*$ )4.* ') $ * :$* () *! *0!3)%; 5 ) < *. ) $ * 9 *.)* () *! *+,! -. 3' ?. *() *! *0!3 * )-) *-3 *:$* **)

Leia mais

4.2. GUIA DE SERVIÇO PROFISSIONAL / SERVIÇO AUXILIAR DIAGNÓSTICO E TERAPIA (SP / SADT)

4.2. GUIA DE SERVIÇO PROFISSIONAL / SERVIÇO AUXILIAR DIAGNÓSTICO E TERAPIA (SP / SADT) 4.2. GUIA DE SERVIÇO PROFISSIONAL / SERVIÇO AUXILIAR DIAGNÓSTICO E TERAPIA (SP / SADT) A Guia de Serviços Profissionais/ Serviço Auxiliar Diagnóstico e Terapia deve ser utilizada no atendimento a diversos

Leia mais

Superintendência de Gestão, Planejamento e Finanças Gerência de Contratos e Convênios ANEXO II METAS DE PRODUÇÃO

Superintendência de Gestão, Planejamento e Finanças Gerência de Contratos e Convênios ANEXO II METAS DE PRODUÇÃO ANEXO II METAS DE PRODUÇÃO 1. ATIVIDADES MÍNIMAS A REALIZAR 1.1. ASSISTÊNCIA HOSPITALAR Produção. 1.1.1. Realizar, no mínimo, 90% da meta estabelecida no Plano de Metas de 1.1.2. O indicador de aferição

Leia mais

POLÍTICA NACIONAL DE INTERNAÇÃO DOMICILIAR

POLÍTICA NACIONAL DE INTERNAÇÃO DOMICILIAR NOTA TÉCNICA 02 2006 POLÍTICA NACIONAL DE INTERNAÇÃO DOMICILIAR 1 Brasília, 10 de fevereiro de 2006. I. Introdução: NOTA TÉCNICA 02 2006 O Ministério da Saúde está propondo a implantação da Política Nacional

Leia mais

Ministério da Saúde Secretaria de Atenção à Saúde PORTARIA Nº 778, DE 31 DE DEZEMBRO DE 2004

Ministério da Saúde Secretaria de Atenção à Saúde PORTARIA Nº 778, DE 31 DE DEZEMBRO DE 2004 Ministério da Saúde Secretaria de Atenção à Saúde PORTARIA Nº 778, DE 31 DE DEZEMBRO DE 2004 O Secretário de Atenção à Saúde - Substituto, no uso de suas atribuições, Considerando a necessidade de garantir

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 237/11 CIB / RS. A Comissão Intergestores Bipartite/RS, no uso de suas atribuições legais, e considerando:

RESOLUÇÃO Nº 237/11 CIB / RS. A Comissão Intergestores Bipartite/RS, no uso de suas atribuições legais, e considerando: RESOLUÇÃO Nº 237/ CIB / RS A Comissão Intergestores Bipartite/RS, no uso de suas atribuições legais, e considerando: a necessidade de garantir o acesso à atenção secundária e terciária ambulatorial, a

Leia mais

REGULAÇÃO AMBULATORIAL. agendamento de consultas especializadas e exames complementares

REGULAÇÃO AMBULATORIAL. agendamento de consultas especializadas e exames complementares REGULAÇÃO LATO IAL REGULAÇÃO AMBULATORIAL agendamento de consultas especializadas e exames complementares Os Centros Municipais de Saúde e Clínicas da Família são as unidades responsá veis pelo seu cuidado.

Leia mais

Regulação e Integraçãodo da Rede de Atendimento ao SUS

Regulação e Integraçãodo da Rede de Atendimento ao SUS Seminário sobre Gestão de Hospitais que Formam a Rede do SUS no Brasil Regulação e Integraçãodo da Rede de Atendimento ao SUS Rio de Janeiro - Outubro/14 POLÍTICA NACIONAL DE REGULAÇÃO (PT GM/MS nº 1.559,

Leia mais

Departamento Regional de Saúde DRS XIII Ribeirão Preto REGULAÇÃO. Juliana Souza Diretora do Núcleo de Regulação Regional

Departamento Regional de Saúde DRS XIII Ribeirão Preto REGULAÇÃO. Juliana Souza Diretora do Núcleo de Regulação Regional Departamento Regional de Saúde DRS XIII Ribeirão Preto REGULAÇÃO Juliana Souza Diretora do Núcleo de Regulação Regional POLÍTICA NACIONAL DE REGULAÇÃO Portaria GM 1.559 01/08/08 Implementa ações que incidam

Leia mais

SECRETARIA MUNICIPAL DE SAÚDE PLANO REGIONAL DE ATENÇÃO AS URGÊNCIAS 21ª REGIÃO DE SAÚDE

SECRETARIA MUNICIPAL DE SAÚDE PLANO REGIONAL DE ATENÇÃO AS URGÊNCIAS 21ª REGIÃO DE SAÚDE SECRETARIA MUNICIPAL DE SAÚDE PLANO REGIONAL DE ATENÇÃO AS URGÊNCIAS 21ª REGIÃO DE SAÚDE Pelotas, julho de 2015 ESTRUTURAÇÃO DO PLANO DE ATENÇÃO ÀS URGÊNCIAS Plano Municipal Formação do Comitê Gestor Municipal

Leia mais

PROCEDIMENTO OPERACIONAL PADRÃO TÍTULO: AUTORIZAÇÃO E CANCELAMENTO DE PROCEDIMENTO NO SISTEMA SAFE

PROCEDIMENTO OPERACIONAL PADRÃO TÍTULO: AUTORIZAÇÃO E CANCELAMENTO DE PROCEDIMENTO NO SISTEMA SAFE I - CONTROLE 1. Introdução O SAFe é um sistema autorizador de procedimentos médicos on line. Através dele são faturadas as consultas de urgência/emergência realizadas no SMU. 2. Objetivo Autorizar o atendimento

Leia mais

Por determinação deste Conselho fomos ao estabelecimento acima identificado verificar suas condições de funcionamento.

Por determinação deste Conselho fomos ao estabelecimento acima identificado verificar suas condições de funcionamento. RELATÓRIO DE FISCALIZAÇÃO Hospital de Câncer de Pernambuco CNPJ 10.894.988/0001-33 Avenida Cruz Cabugá nº 1597 Santo Amaro Recife. Telefone: (81) 3217 8147, 3217 8026 Diretor Geral: Dr. Hélio de Araújo

Leia mais

Manual de emissão e impressão guias Padrão TISS 3.0.2

Manual de emissão e impressão guias Padrão TISS 3.0.2 Manual de emissão e impressão guias Padrão TISS 3.0.2 Pré requisito: O sistema WebPlan está homologado para os seguintes navegadores de internet: - Microsoft Internet Explorer Versão 9 ou superior. - Google

Leia mais

Manual de emissão e impressão guias Padrão TISS 3.0.2

Manual de emissão e impressão guias Padrão TISS 3.0.2 Manual de emissão e impressão guias Padrão TISS 3.0.2 Pré requisito: O sistema WebPlan está homologado para os seguintes navegadores de internet: - Microsoft Internet Explorer Versão 9 ou superior. - Google

Leia mais

Manual Portal TISS. Solicitação de Procedimento

Manual Portal TISS. Solicitação de Procedimento Manual Portal TISS Solicitação de Procedimento ACESSO À ÁREA RESTRITA DO PORTAL GOLDEN CROSS Referenciado, Para utilizar as funcionalidades disponíveis no Portal da Golden Cross, acesse o endereço eletrônico

Leia mais

PLANO DE SAÚDE MANUAL DO CREDENCIADO

PLANO DE SAÚDE MANUAL DO CREDENCIADO Vitallis PLANO DE SAÚDE MANUAL DO CREDENCIADO Apresentação É com grande satisfação que iniciamos parceria. A Vitallis Saúde é classificada na modalidade Medicina de Grupo, tem cobertura nacional e é uma

Leia mais

Fluxo Atendimento - Autorizador HILUM Hospital São José.

Fluxo Atendimento - Autorizador HILUM Hospital São José. Fluxo Atendimento - Autorizador HILUM Hospital São José. 1. Identificação do Cliente (beneficiário) Beneficiário não identificado: Cliente Unimed Santos: contatar a Central de Atendimento Unimed telefone:

Leia mais

Padrão de Terminologia/TISS

Padrão de Terminologia/TISS Padrão de Terminologia no âmbito da Saúde Suplementar Parte integrante da TISS Padrão de Terminologia/TISS Agência Nacional de Saúde Suplementar Autarquia vinculada ao Ministério da Saúde Finalidade institucional

Leia mais

Parte. Acesso a Bens de Saúde e a Outros Bens Sociais

Parte. Acesso a Bens de Saúde e a Outros Bens Sociais Parte I Acesso a Bens de Saúde e a Outros Bens Sociais Protocolo para Acesso aos Serviços do Sistema Único de Saúde 1 José Sebastião dos Santos INTRODUÇÃO E JUSTIFICATIVA De acordo com os princípios organizativos

Leia mais

Consensos da Comissão da PPI COSEMS SESAB. Reunião da CIB Auditório da AGERBA

Consensos da Comissão da PPI COSEMS SESAB. Reunião da CIB Auditório da AGERBA Consensos da Comissão da PPI COSEMS SESAB Reunião da CIB 30.06.09 Auditório da AGERBA Política de Gestão da Rede de Atenção Especializada I. Desenho de redes hierarquizadas, regionalizadas, integradas,

Leia mais

GUIA PRÁTICO DE ATENDIMENTO

GUIA PRÁTICO DE ATENDIMENTO GUIA PRÁTICO DE ATENDIMENTO BEM-VINDO À UNIMED-RIO! A Unimed é uma cooperativa de médicos presente em 83% do território nacional. São mais de 110 mil médicos cooperados e de 20 mil recursos credenciados

Leia mais

A Regulação da Atenção

A Regulação da Atenção XXVI CONGRESSO DO COSEMS Marília Março de 2012 Curso de Regulação A Regulação da Atenção Troccoli CONCEITOS Dicionário Houaiss 1. estabelecer regras, sujeitar a regras; 2. regrar; 3. dirigir em conformidade

Leia mais

TOTVS Gestão Hospitalar Manual Ilustrado Registro de Atendimento Externo x. março de Versão: 3.0

TOTVS Gestão Hospitalar Manual Ilustrado Registro de Atendimento Externo x. março de Versão: 3.0 TOTVS Gestão Hospitalar Manual Ilustrado Registro de Atendimento Externo 11.8.x março de 2015 Versão: 3.0 1 Sumário 1 Registro de Atendimento Externo... 3 2 Registrando o atendimento... 3 3 Atendimento

Leia mais

Processo de Autorização Unimed-Rio TIVIT

Processo de Autorização Unimed-Rio TIVIT T E C N O L O G I A Processo de Autorização Unimed-Rio TIVIT Autorizador - Captura On-line Prestadores Rio Sumário 0 1 C O N S I D E R A Ç Õ E S I N I C I A I S - 0 3 0 2 A C E S S O A O S I T E D E A

Leia mais

GRUPO HOSPITALAR CONCEIÇÃO

GRUPO HOSPITALAR CONCEIÇÃO GRUPO HOSPITALAR CONCEIÇÃO GERÊNCIA DE INFORMÁTICA Projetos de TI executados em 2015 Resultados esperados e valores dispendidos TI 2015 Jan.2016 Projetos de TI executados em 2015 Resultados esperados e

Leia mais

CENTRAL DE REGULAÇÃO DE OFERTAS DE SERVIÇOS DE SAÚDE

CENTRAL DE REGULAÇÃO DE OFERTAS DE SERVIÇOS DE SAÚDE CENTRAL DE REGULAÇÃO DE OFERTAS DE SERVIÇOS DE SAÚDE CROSS SECONCI SP OSS Rua Pedro Américo, 32-12º Andar Edifício Andraus - República CEP: 01045-010 - São Paulo/SP Missão: Viabilizar o acesso do cidadão

Leia mais

Manual Ilustrado Registro de Atendimento Externo

Manual Ilustrado Registro de Atendimento Externo Manual Ilustrado Registro de Atendimento Externo Fevereiro - 2014 Manual Ilustrado Registro de Atendimento Externos Indíce Título do documento 1. Registro de Atendimento Externo... 3 2. Registrando o atendimento...

Leia mais

Alessandro P. Acayaba de Toledo Diretor Presidente

Alessandro P. Acayaba de Toledo Diretor Presidente Alessandro P. Acayaba de Toledo Diretor Presidente GRUPO DE TRABALHO SOBRE PLANOS ACESSÍVEIS Grupo de Trabalho coordenado pelo Ministério da Saúde Instituído pela Portaria GM/MS nº 1.482, de 04 de agosto

Leia mais

Campinas. Amil Life O mesmo cuidado de antigamente com toda a tecnologia de hoje. O olho no olho com seu médico de confiança voltou. amil.com.

Campinas. Amil Life O mesmo cuidado de antigamente com toda a tecnologia de hoje. O olho no olho com seu médico de confiança voltou. amil.com. Amil Life O mesmo cuidado de antigamente com toda a tecnologia de hoje. O olho no olho com seu médico de confiança voltou. Tabela de Preços Julho-2016 amil.com.br Confira onde encontrar as unidades do

Leia mais

João Monlevade. A segunda Fase!

João Monlevade. A segunda Fase! A segunda Fase! Nesta segunda fase, o faturamento passa a ser feito de maneira eletrônica, através do arquivo eletrônico e webservices. Neste processo, as guias devem ser preenchidas de maneira eletrônica,

Leia mais

ORGANIZAÇÃO DAS REDES DE ATENÇÃO INTEGRAL ÀS URGÊNCIAS - QUALISUS

ORGANIZAÇÃO DAS REDES DE ATENÇÃO INTEGRAL ÀS URGÊNCIAS - QUALISUS NOTA TÉCNICA 16 2008 ORGANIZAÇÃO DAS REDES DE ATENÇÃO INTEGRAL ÀS URGÊNCIAS - QUALISUS Brasília, 10 de dezembro de 2008. 1. Antecedentes NOTA TÉCNICA 16 2008 Em 2002 o Ministério da Saúde publicou por

Leia mais

CANDIDATO A PREFEITO DO MUNICÍPIO DE BELO HORIZONTE

CANDIDATO A PREFEITO DO MUNICÍPIO DE BELO HORIZONTE Belo Horizonte, 08 de setembro de 2016. AO CANDIDATO A PREFEITO DO MUNICÍPIO DE BELO HORIZONTE Prezado senhor, Na oportunidade de sua visita à Santa Casa de Misericórdia de Belo Horizonte, instituição

Leia mais

Conselho Regional de Medicina do Estado do Rio Grande do Sul

Conselho Regional de Medicina do Estado do Rio Grande do Sul VAGA SEMPRE. Gerência de 100% dos leitos de instituição hospitalar que tenha aderido a programa governamental pela Central de Regulação. Omissão em relação aos casos de superlotação. Possibilidade de uso

Leia mais

Regulação do Acesso às Consultas Especializadas de Porto Alegre IMPLANTAÇÃO DO GERCON

Regulação do Acesso às Consultas Especializadas de Porto Alegre IMPLANTAÇÃO DO GERCON Regulação do Acesso às Consultas Especializadas de Porto Alegre Oferta para Não Residentes IMPLANTAÇÃO DO GERCON SECRETARIA ESTADUAL DE SAÚDE/RS DEPARTAMENTO DE REGULAÇÃO ESTADUAL DRE/RS Histórico do Acesso

Leia mais

OFICINA RRAS : atualização do processo de planejamento regional

OFICINA RRAS : atualização do processo de planejamento regional SES/SP COSEMS/SP OFICINA RRAS : atualização do processo de planejamento regional A Regulação da Assistência no Estado de São Paulo e a construção das redes de atenção Maio/12 SES/SP COSEMS/SP Redes Regionais

Leia mais

POLÍTICA NACIONAL DE ATENÇÃO ÀS URGÊNCIAS REDE DE ATENÇÃO ÀS URGÊNCIAS E EMERGÊNCIAS

POLÍTICA NACIONAL DE ATENÇÃO ÀS URGÊNCIAS REDE DE ATENÇÃO ÀS URGÊNCIAS E EMERGÊNCIAS POLÍTICA NACIONAL DE ATENÇÃO ÀS URGÊNCIAS REDE DE ATENÇÃO ÀS URGÊNCIAS E AS REDES DE ATENÇÃO À SAÚDE Conceito: São arranjos organizativos de ações e serviços de saúde, de diferentes densidades tecnológicas,

Leia mais

PERGUNTAS E RESPOSTAS

PERGUNTAS E RESPOSTAS PERGUNTAS E RESPOSTAS GUIAS ANEXAS E CONFIRMAÇÃO DA INTERNAÇÃO 1) Quais mudanças ocorreram com o processo de autorizações de procedimentos? A Postal Saúde implantou a versão TISS 3.03.02 Guias Anexas e

Leia mais

INTERNAÇÃO (Avenida do Contorno, 9530 )

INTERNAÇÃO (Avenida do Contorno, 9530 ) INTERNAÇÃO (Avenida do Contorno, 9530 ) Atualizado em 30/11/2015 INFORMAÇÕES IMPORTANTES Convênios Atendidos Todos listados no Manual do Faturamento O que compõe a Diária: Leito próprio (cama ou berço)

Leia mais

A difícil missão de informar e faturar com o volume de regras e tabelas vigentes A CERTIFICAÇÃO DE FILANTROPIA

A difícil missão de informar e faturar com o volume de regras e tabelas vigentes A CERTIFICAÇÃO DE FILANTROPIA Legislação Ministério da Saúde Secretaria de Atenção à Saúde Departamento de Certificação de Entidades Beneficentes de Assistência Social em Saúde A difícil missão de informar e faturar com o volume de

Leia mais

Ministério da Saúde Secretaria de Atenção à Saúde PORTARIA Nº 756, DE 27 DE DEZEMBRO DE 2005

Ministério da Saúde Secretaria de Atenção à Saúde PORTARIA Nº 756, DE 27 DE DEZEMBRO DE 2005 Ministério da Saúde Secretaria de Atenção à Saúde PORTARIA Nº 756, DE 27 DE DEZEMBRO DE 2005 O Secretário de Atenção à Saúde - Substituto, no uso de suas atribuições, e Considerando a Portaria nº 1.161/GM,

Leia mais

CUIDAR DE VOCÊ. ESSE É O PLANO

CUIDAR DE VOCÊ. ESSE É O PLANO Página 1 de 18 Manual do Reembolso Unimed Cerrado CUIDAR DE VOCÊ. ESSE É O PLANO 2016 1 Página 2 de 18 Sumário APRESENTAÇÃO... 3 DIRETRIZES DO REEMBOLSO... 4 PRINCIPAIS DÚVIDAS SOBRE O REEMBOLSO... 5 REEMBOLSO

Leia mais

ESTRUTURA E ABRANGÊNCIA DE ATUAÇÃO

ESTRUTURA E ABRANGÊNCIA DE ATUAÇÃO www.ints.org.br ESTRUTURA E ABRANGÊNCIA DE ATUAÇÃO Contando com uma equipe qualificada, o INTS possui um quadro de mais de 2.000 funcionários. Além da matriz, cada contrato conta com um escritório local

Leia mais

Dicas para. Autorizações

Dicas para. Autorizações Dicas para Autorizações Identidade Organizacional Negócio Promover saúde e qualidade de vida. Missão Promover saúde e qualidade de vida aos nossos clientes, gerando prosperidade e satisfação aos cooperados.

Leia mais

TERMO TÉCNICO PARA ELABORAÇÃO DE PROPOSTA

TERMO TÉCNICO PARA ELABORAÇÃO DE PROPOSTA TERMO TÉCNICO PARA ELABORAÇÃO DE PROPOSTA CONTRATAÇÃO DE PESSOA JURÍDICA ESPECIALIZADA PARA PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS MÉDICOS EM CLINICA MÉDICA E MEDICINA INTESIVA ADULTO PROCEDIMENTO DE CONTRATAÇÃO DE SERVIÇOS

Leia mais

PERGUNTAS E RESPOSTAS

PERGUNTAS E RESPOSTAS PERGUNTAS E RESPOSTAS GUIAS ANEXAS E CONFIRMAÇÃO DA INTERNAÇÃO 1) Quais mudanças ocorreram com o processo de autorizações de procedimentos? A Postal Saúde implantou a versão TISS 3.03.02 Guias Anexas e

Leia mais

3 INDICADORES QUANTITATIVOS

3 INDICADORES QUANTITATIVOS 3 INDICADORES QUANTITATIVOS Saídas Hospitalares Serviços Contratados Saídas Hospitalares Clínica Médica Clínica Cirúrgica TOTAL DE SAÍDAS Meta Média Meta Jul Ago Set Out Nov 136 163 150 228 228 217 154

Leia mais

Participação dos Consórcios Intermunicipais de Saúde de MG no processo de credenciamento/contratação de serviços no SUS/MG

Participação dos Consórcios Intermunicipais de Saúde de MG no processo de credenciamento/contratação de serviços no SUS/MG Participação dos Consórcios Intermunicipais de Saúde de MG no processo de credenciamento/contratação de serviços no SUS/MG Jacqueline D. B. Lobo Leite Autoridade Sanitária / Auditoria Assistencial GAA/SR

Leia mais

Circular 229/2013 São Paulo, 27 de maio de Provedor/Presidente Administrador

Circular 229/2013 São Paulo, 27 de maio de Provedor/Presidente Administrador 1 Circular 229/2013 São Paulo, 27 de maio de 2013. Provedor/Presidente Administrador REF.: Lei nº 12.732, de 22/11/2012; e Portaria MS/GM nº 876, de 16/05/2013 - Primeiro tratamento do paciente com câncer

Leia mais

Saúde para São Paulo

Saúde para São Paulo istock/getty Images Objetivos Ferramenta Integrada de Gestão e Governança Registro Eletrônico de Saúde RES Sistema para registro, recuperação e manipulação das informações de um Registro Eletrônico em

Leia mais

Código Descrição Código Descrição

Código Descrição Código Descrição VI - TABELA DE DOMÍNIO TABELAS Código Descrição Código Descrição 01 02 03 04 Lista de Procedimentos Médicos AMB 90 Lista de Procedimentos Médicos AMB 92 Lista de Procedimentos Médicos AMB 96 Lista de Procedimentos

Leia mais

A Gestão do Acesso Especializado em Florianópolis a partir do Pacto pela Saúde

A Gestão do Acesso Especializado em Florianópolis a partir do Pacto pela Saúde TÍTULO DA PRÁTICA: A Gestão do Acesso Especializado em Florianópolis a partir do Pacto pela Saúde CÓDIGO DA PRÁTICA: T63 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12 13 14 15 16 17 18 19 20 21 22 Durante o processo de habilitação

Leia mais

Perguntas e Respostas sobre as alterações realizadas no processo de autorização.

Perguntas e Respostas sobre as alterações realizadas no processo de autorização. Perguntas e Respostas sobre as alterações realizadas no processo de autorização. O que muda no processo de autorização? R: O processo de autorização ficará ainda mais fácil. O médico cooperado realizará

Leia mais

Sumário 1) Acessando o portal prestador ) Emissão de Guias Guia de Consulta Guia de SP/SADT Guia de Solicitação de

Sumário 1) Acessando o portal prestador ) Emissão de Guias Guia de Consulta Guia de SP/SADT Guia de Solicitação de Sumário 1) Acessando o portal prestador... 3 2) Emissão de Guias... 5 2.1 Guia de Consulta... 5 2.2 Guia de SP/SADT... 8 2.3 Guia de Solicitação de internação... 11 2.4 Solicitação de prorrogação de internação...

Leia mais

Acreditação Hospitalar e as Mudanças Benéficas para as Instituições Filantrópicas

Acreditação Hospitalar e as Mudanças Benéficas para as Instituições Filantrópicas Acreditação Hospitalar e as Mudanças Benéficas para as Instituições Filantrópicas Gestão de Processos Daniele L. Meneguzzi Superintendente Administrativa Hospital Pompéia Caxias do Sul Setembro 2017 Gestão

Leia mais

Ao Dep. de Gestão Hospitalar no Estado do Rio de Janeiro compete (Art.19 do Decreto nº 8.065 de 07/08/2013):

Ao Dep. de Gestão Hospitalar no Estado do Rio de Janeiro compete (Art.19 do Decreto nº 8.065 de 07/08/2013): Ao Dep. de Gestão Hospitalar no Estado do Rio de Janeiro compete (Art.19 do Decreto nº 8.065 de 07/08/2013): I - promover a integração operacional e assistencial dos serviços de saúde vinculados ao Ministério

Leia mais

RELATÓRIO DETALHADO DO QUADRIMESTRE ANTERIOR 1º E 2º QUADRIMESTRE

RELATÓRIO DETALHADO DO QUADRIMESTRE ANTERIOR 1º E 2º QUADRIMESTRE RELATÓRIO DETALHADO DO QUADRIMESTRE ANTERIOR 1º E 2º QUADRIMESTRE ANO 2013 Conforme previsto no art. 36 da Lei Complementar N.º 141/2012, o Relatório Detalhado do Quadrimestral Anterior contém informações

Leia mais

Manual de Preenchimento dos formulários da TISS. Versão

Manual de Preenchimento dos formulários da TISS. Versão Manual de Preenchimento dos formulários da TISS Versão 3.02.00 Agosto/2014 u Página 2 de 58 Sumário Instruções Gerais... 4 Guia de Consulta... 5 Guia de Serviço Profissional/Serviço Auxiliar de Diagnóstico

Leia mais

Resolução Normativa RN n 395/2016

Resolução Normativa RN n 395/2016 Resolução Normativa RN n 395/2016 Rodrigo Aguiar Gerente Geral de Assessoramento da Diretoria de Fiscalização Rio de Janeiro, janeiro de 2016. O que apresentamos aqui? Resolução Normativa RN n 395/2015,

Leia mais

ANEXO I NORMAS DE HABILITAÇÃO PARA A ATENÇÃO ESPECIALIZADA NO PROCESSO TRANSEXUALIZADOR

ANEXO I NORMAS DE HABILITAÇÃO PARA A ATENÇÃO ESPECIALIZADA NO PROCESSO TRANSEXUALIZADOR ANEXO I NORMAS DE HABILITAÇÃO PARA A ATENÇÃO ESPECIALIZADA NO PROCESSO TRANSEXUALIZADOR 1. NORMAS DE HABILITAÇÃO PARA A MODALIDADE AMBULATORIAL 1.1. A Modalidade Ambulatorial consiste nas ações de âmbito

Leia mais

MEMORIAL DE CREDENCIAMENTO - FUNDAÇÃO DO ABC - CENTRAL DE CONVÊNIOS PROCESSO N 331/2017

MEMORIAL DE CREDENCIAMENTO - FUNDAÇÃO DO ABC - CENTRAL DE CONVÊNIOS PROCESSO N 331/2017 MEMORIAL DE CREDENCIAMENTO - FUNDAÇÃO DO ABC - CENTRAL DE CONVÊNIOS PROCESSO N 331/2017 Memorial de Credenciamento contratação de empresa de serviços médicos, na forma de credenciamento, prestação de serviços

Leia mais

Hospital de Clínicas da UFTM. Macroproblema 1: falta de gestão adequada

Hospital de Clínicas da UFTM. Macroproblema 1: falta de gestão adequada Hospital de Clínicas da UFTM Macroproblema 1: falta de gestão adequada 2016 MP1. Falta de gestão adequada NC1. Falta de um projeto de comunicação interna NC2. Falta de fluxos e rotinas administrativas

Leia mais

PORTARIA Nº 688, DE 6 DE ABRIL DE 2017

PORTARIA Nº 688, DE 6 DE ABRIL DE 2017 PORTARIA Nº 688, DE 6 DE ABRIL DE 2017 Reformula o Regulamento Técnico da Central Nacional de Regulação de Alta Complexidade (CNRAC) e das Centrais Estaduais de Regulação de Alta Complexidade (CERAC).

Leia mais

Implementação do Sistema de Regulação (SISREG) para o Agendamento de Consultas e de Exames Especializados no Município de Garopaba

Implementação do Sistema de Regulação (SISREG) para o Agendamento de Consultas e de Exames Especializados no Município de Garopaba Implementação do Sistema de Regulação (SISREG) para o Agendamento de Consultas e de Exames Especializados no Município de Garopaba Aluna: Cátia de Lurdes Ferreira Marcon 1 Orientadora: Alessandra de Linhares

Leia mais

GUIA DE USO GESTOR ON LINE. Através do site na aba Gestor On-Line, digitar o Login e a Senha, clicar no botão Acessar.

GUIA DE USO GESTOR ON LINE. Através do site  na aba Gestor On-Line, digitar o Login e a Senha, clicar no botão Acessar. GUIA DE USO GESTOR ON LINE ACESSAR O GESTOR ON LINE CLIMEBA Através do site www.climeba.com.br, na aba Gestor On-Line, digitar o Login e a Senha, clicar no botão Acessar. * Caso ainda não tenha seus dados

Leia mais

GUIA PRÁTICO DE ATENDIMENTO

GUIA PRÁTICO DE ATENDIMENTO GUIA PRÁTICO DE ATENDIMENTO BEM-VINDO À UNIMED-RIO! A Unimed é uma cooperativa de médicos presente em 83% do território nacional. São mais de 110 mil médicos cooperados e de 20 mil recursos credenciados

Leia mais

Estratégias da Implantação para a Conquista da Certificação ONA no Hospital Municipal de Mogi das Cruzes

Estratégias da Implantação para a Conquista da Certificação ONA no Hospital Municipal de Mogi das Cruzes Estratégias da Implantação para a Conquista da Certificação ONA no Hospital Municipal de Mogi das Cruzes Nossa história Cenário Cenário Nossa história Setores Previsão segundo o Plano de Trabalho Quando

Leia mais

Por determinação deste Conselho, fomos ao estabelecimento acima identificado verificar suas condições de funcionamento.

Por determinação deste Conselho, fomos ao estabelecimento acima identificado verificar suas condições de funcionamento. RELATÓRIO DE FISCALIZAÇÃO Hospital Getúlio Vargas CNPJ 10.572.048/0005-51 Avenida San Martin, s/n Cordeiro Recife. Telefone: (81) 3184-5600, 3184-5607 Diretor Geral: Dr. Gustavo Sampaio de Souza Leão,

Leia mais

QUESTIONÁRIO REDE DE ATENÇÃO PSICOSSOCIAL

QUESTIONÁRIO REDE DE ATENÇÃO PSICOSSOCIAL Diagnóstico e Avaliação do Atual Estágio de Desenvolvimento das Redes Regionais da Atenção à Saúde nas regiões priorizadas pelo Projeto de Fortalecimento da Gestão Estadual da Saúde 2016 QUESTIONÁRIO REDE

Leia mais

CFM informa sobre os direitos dos pacientes no SUS.

CFM informa sobre os direitos dos pacientes no SUS. CFM informa sobre os direitos dos pacientes no SUS. O Sistema Único de Saúde (SUS) é a forma como o Governo deve prestar saúde pública e gratuita a todo o cidadão. A ideia é ter um sistema público de

Leia mais

Por determinação deste Conselho fomos ao estabelecimento acima citado verificar suas condições de funcionamento.

Por determinação deste Conselho fomos ao estabelecimento acima citado verificar suas condições de funcionamento. Relatório de Fiscalização Hospital Helena Moura (Unidade de Pediatria Helena Moura) CNPJ 41.090.291/0002-14 Rua Cônego Barata, s/nº - Tamarineira Recife. Telefone: 81 3355-1300 Diretora Geral: Drª Lúcia

Leia mais

I. Informações BásicaS

I. Informações BásicaS I. Informações BásicaS item Órgão municipal de saúde Plano Municipal Conselho Municipal Conselho Gestor de Unidade(s) de Saúde Fundo Municipal Cartão do Sistema Único de Saúde (SUS) Disque-Saúde Ouvidoria

Leia mais

Tema Controle em Saúde. Introdução. Problematização. Projeto Curso Disciplina Tema Professor

Tema Controle em Saúde. Introdução. Problematização. Projeto Curso Disciplina Tema Professor Tema Controle em Saúde Projeto Curso Disciplina Tema Professor Pós-graduação Saúde Pública com Ênfase em Saúde da Família Controle, Avaliação e Auditoria em Saúde Controle em Saúde Elaine Grácia de Quadros

Leia mais

UNIMED SANTA BARBÁRA D OESTE AMERICANA E NOVA ODESSA. Manual Secretária EMED Manual versão 1.1

UNIMED SANTA BARBÁRA D OESTE AMERICANA E NOVA ODESSA. Manual Secretária EMED Manual versão 1.1 UNIMED SANTA BARBÁRA D OESTE AMERICANA E NOVA ODESSA Manual Secretária EMED 2.2.6 Manual versão 1.1 Sumário 1. MÓDULO CLÍNICO... 3 1.1. Como acessar o sistema... 3 1.2. Alterar Senha... 3 2. MENUS... 4

Leia mais

Legenda da Guia de Serviços Profissionais/Serviço Auxiliar de Diagnóstico e Terapia (SP/SADT)

Legenda da Guia de Serviços Profissionais/Serviço Auxiliar de Diagnóstico e Terapia (SP/SADT) na Registro ANS 1 Registro ANS String 6 Registro da operadora de plano privado de assistência à saúde na Agência Nacional de Saúde Suplementar (ANS) Número da no prestador 2 Nº da no prestador 0 Número

Leia mais

1. IDENTIFICAÇÃO FUNDAÇÃO FIAT SAÚDE E BEM ESTAR

1. IDENTIFICAÇÃO FUNDAÇÃO FIAT SAÚDE E BEM ESTAR 1 1 2 1. IDENTIFICAÇÃO FUNDAÇÃO FIAT SAÚDE E BEM ESTAR Razão Social: FUNDAÇÃO FIAT SAÚDE E BEM ESTAR CNPJ: 12.838.821/0001-80 Registro ANS: 41828-5 Inscrição Municipal: 130973/001-6 Inscrição Estadual:

Leia mais

TERMO TÉCNICO PARA ELABORAÇÃO DE PROPOSTA CONTRATAÇÃO DE PESSOA JURÍDICA ESPECIALIZADA PARA PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS MÉDICOS EM ANESTESIOLOGIA

TERMO TÉCNICO PARA ELABORAÇÃO DE PROPOSTA CONTRATAÇÃO DE PESSOA JURÍDICA ESPECIALIZADA PARA PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS MÉDICOS EM ANESTESIOLOGIA TERMO TÉCNICO PARA ELABORAÇÃO DE PROPOSTA CONTRATAÇÃO DE PESSOA JURÍDICA ESPECIALIZADA PARA PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS MÉDICOS EM ANESTESIOLOGIA PROCEDIMENTO DE CONTRATAÇÃO DE SERVIÇOS TÉCNICOS ESPECIALIZADOS

Leia mais

PROCEDIMENTO DE CONTRATAÇÃO DE SERVIÇOS TÉCNICOS ESPECIALIZADOS Nº DT 02/2016

PROCEDIMENTO DE CONTRATAÇÃO DE SERVIÇOS TÉCNICOS ESPECIALIZADOS Nº DT 02/2016 TERMO TÉCNICO PARA ELABORAÇÃO DE PROPOSTA CONTRATAÇÃO DE PESSOA JURÍDICA ESPECIALIZADA PARA PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS MÉDICOS EM MEDICINA INTENSIVA PEDIÁTRICA PROCEDIMENTO DE CONTRATAÇÃO DE SERVIÇOS TÉCNICOS

Leia mais

Política Nacional de Saúde Mental

Política Nacional de Saúde Mental Política Nacional de Saúde Mental Coordenação de Saúde Mental, Álcool e Outras Drogas Departamento de Ações Programáticas e Estratégicas/DAPES Secretaria de Atenção à Saúde Brasília, Agosto de 2017 Política

Leia mais

EXECUÇÃO DE SADT HILUM

EXECUÇÃO DE SADT HILUM EXECUÇÃO DE SADT HILUM Todas as solicitações médicas continuarão sendo descritas nas Guias Tiss. A mudança mais significativa será no pedido de autorização. A partir de 01º de Agosto/2014, o pedido de

Leia mais

Política Estadual de Cirurgias Eletivas. SECRETARIA ESTADUAL DE SAÚDE/RS DEPARTAMENTO DE ASSISTÊNCIA HOSPITALAR E AMBULATORIAL DAHA Setembro/2012

Política Estadual de Cirurgias Eletivas. SECRETARIA ESTADUAL DE SAÚDE/RS DEPARTAMENTO DE ASSISTÊNCIA HOSPITALAR E AMBULATORIAL DAHA Setembro/2012 Política Estadual de Cirurgias Eletivas SECRETARIA ESTADUAL DE SAÚDE/RS DEPARTAMENTO DE ASSISTÊNCIA HOSPITALAR E AMBULATORIAL DAHA Setembro/2012 Marco Legal Portaria MS/GM Nº 1.340, de 29/06/12: define

Leia mais