O emprego assalariado nos anos 2000: mudanças de composição e de renda por idade e sexo

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "O emprego assalariado nos anos 2000: mudanças de composição e de renda por idade e sexo"

Transcrição

1 O emprego assalariado nos anos 2000: mudanças de composição e de renda por idade e sexo Eugenia Leone Paulo Baltar Palavras-chave: população ativa; mercado de trabalho; gênero Resumo Ao longo dos anos 2000 houve uma reativação do mercado de trabalho assalariado, consequência de um maior dinamismo da economia brasileira. A ampliação do emprego assalariado vem ocorrendo em meio a uma expressiva alteração na composição etária da população, juntamente com aumento da participação feminina e redução da participação masculina na atividade econômica. Usando dados dos Censos Demográficos de 2000 e 2010, este trabalho mostra as mudanças que ocorreram na absorção de homens e mulheres pela atividade econômica, bem como as alterações nas diferenças de renda por sexo. Assim, o trabalho foca o emprego assalariado em estabelecimento econômico e interpreta as mudanças na composição etária desses empregados argumentando que sua forte ampliação vem se processando por meio da absorção de jovens como empregados de estabelecimento e pela continuidade das pessoas nesse tipo de emprego com o avanço da idade, mais do que pelo deslocamento da população adulta desde outras formas de atividade econômica para o emprego em estabelecimento. Nesta dinâmica de ampliação do mercado de trabalho destaca-se a importância do aumento da participação das mulheres na atividade econômica: de um lado, o aumento da proporção de mulheres jovens que participam da atividade econômica e, de outro, a continuidade dessa participação quando as mulheres e os homens se tornam adultos. Trabalho apresentado no XIX Encontro Nacional de Estudos Populacionais, realizado em São Pedro/SP Brasil, de 24 a 28 de novembro de Esta pesquisa contou com o apoio do CNPq. Do Instituto de Economia da Unicamp e do Centro de Estudos Sindicais e de Economia do Trabalho (Cesit). Do Instituto de Economia da Unicamp e do Centro de Estudos Sindicais e de Economia do Trabalho (Cesit). 1

2 O emprego assalariado nos anos 2000: mudanças de composição e de renda por idade e sexo Eugenia Leone Paulo Baltar Introdução O objetivo deste trabalho é focar o emprego assalariado em estabelecimento econômico e mostrar, com base nos dados dos Censos Demográficos de 2000 e 2010, as mudanças que ocorreram na absorção de homens e mulheres pela atividade econômica, bem como as alterações nas diferenças de renda por idade. A primeira questão a ser enfrentada por este estudo é a da explicitação dos efeitos do maior crescimento do emprego de estabelecimento com contrato formalizado segundo as leis do trabalho no perfil ocupacional da população masculina e feminina, levando em conta a idade. Em particular, é importante contrastar, por sexo, a formalização dos contratos de trabalho no emprego juvenil e a diferença, também por sexo, na crescente permanência do adulto no mercado de trabalho. Com este objetivo é importante considerar as mudanças que ocorreram na estrutura etária da população economicamente ativa. Isto, porque o perfil ocupacional varia com a idade das pessoas. Assim, por exemplo, o emprego assalariado tem um peso maior na absorção de jovens enquanto que trabalhos realizados por conta própria pesam mais expressivamente na absorção da população adulta. Feita essa caracterização dos perfis ocupacionais de homens e de mulheres e das tendências de composição por idade e sexo do emprego assalariado em estabelecimento, a segunda questão deste estudo é a evolução da dispersão das rendas, destacando as diferenças por sexo. O presente texto está estruturado em seis itens. No primeiro deles, é realizada uma breve análise do desempenho do mercado de trabalho na primeira década do século vinte e um. No segundo item são apresentadas considerações sobre a desvantagem feminina na atividade econômica enquanto que o terceiro item mostra a importância do aumento da participação das mulheres no desempenho do mercado de trabalho dos anos O item Trabalho apresentado no XIX Encontro Nacional de Estudos Populacionais, realizado em São Pedro/SP - Brasil, de 24 a 28 de novembro de Esta pesquisa contou com o apoio do CNPq. Do Instituto de Economia da Unicamp e do Centro de Estudos Sindicais e de Economia do Trabalho (Cesit). Do Instituto de Economia da Unicamp e do Centro de Estudos Sindicais e de Economia do Trabalho (Cesit). 2

3 quarto trata especificamente do mercado de trabalho assalariado enquanto o item quinto destaca especialmente a formalização dos contratos de trabalho que marcou o desempenho do trabalho assalariado na primeira década do novo milênio. Finalmente, o sexto item se refere à evolução da remuneração do trabalho, destacando o emprego formalizado em conformidade com a legislação trabalhista e previdenciária. Por último são apresentadas as considerações finais. 1. Emprego assalariado e formalização dos empregos É importante salientar inicialmente que nem todas as pessoas que participam da atividade econômica têm um emprego assalariado. É o caso dos empregadores, dos trabalhadores por conta-própria, das pessoas que trabalham sem remuneração ajudando outro membro da família que é conta-própria, das pessoas que trabalham na produção agrícola exclusivamente para o consumo próprio, além das que trabalham exclusivamente na autoconstrução. No ano 2000, um terço das pessoas ocupadas estava nessa situação, trabalhando na atividade econômica, mas sem um emprego assalariado, sinalizando a existência de problemas de absorção das pessoas pela atividade econômica. Desde 2004, o mercado de trabalho assalariado ampliou-se com a retomada do crescimento da economia brasileira e 71,3% das pessoas ocupadas, em 2010, tinham um emprego assalariado. O emprego assalariado, propriamente dito, é aquele constituído pelas pessoas que trabalham para um empregador, seja este um estabelecimento ou uma família. Em outras palavras, os empregados assalariados são aqueles trabalhadores contratados por estabelecimentos (sejam ou não formalmente constituídos como pessoa jurídica) para realizar atividades econômicas, ou, são pessoas contratadas por famílias para prestar serviços domésticos remunerados. Nesta categoria de empregado assalariado incluem-se também os militares e os religiosos. No ano 2000, conforme dados do Censo Demográfico, de um total de 64,5 milhões de pessoas ocupadas (de 15 anos ou mais de idade), 43 milhões eram assalariadas (sendo que 38,1 milhões trabalhavam em estabelecimentos e 4,9 milhões eram contratadas por famílias). Independentemente de qual seja o tipo de empregador (família ou estabelecimento), nem todos os contratos de trabalho são formalizados de acordo com as Leis do Trabalho e da Previdência Social. No Brasil, para caracterizar um emprego formal, a pessoa que trabalha deve ter carteira profissional assinada pelo empregador conforme a Consolidação 3

4 das Leis do Trabalho (CLT), ou, deve ser contratada conforme o Estatuto do Servidor Público (Estatutários). Os militares são empregados formais com um regime especial de contratação. Todos aqueles trabalhadores contratados por estabelecimentos ou famílias que desrespeitam as normas existentes (CLT, Estatutos do Servidor Público e dos Militares) estão na ilegalidade. Uma aferição da frequência da ilegalidade dos contratos de trabalho é proporcionada pela fração dos empregos assalariados sem carteira de trabalho assinada pelo empregador e que não correspondem nem a militares nem a estatutários, ou seja, não são contratos de trabalho em conformidade com a CLT ou os Estatutos dos Servidores Públicos e dos Militares. No ano 2000, dos 38,1 milhões de trabalhadores que eram empregados de estabelecimento 27,6 tinham contrato formal (72,4%). Dos 4,9 milhões que trabalhavam no serviço doméstico, apenas 1,5 milhão tinham carteira de trabalho assinada pelo empregador (30,6%). O mercado de trabalho, entretanto, tem dado sinais de recuperação ao longo da década dos 2000, destacando-se a maior formalização dos empregos. A partir de 2004, principalmente, assistiu-se a uma inversão da tendência negativa de desempenho da economia e do mercado de trabalho, verificada na década anterior, com o crescimento significativo do emprego formal e a recuperação do poder de compra do nível médio da renda do trabalho que tinha ficado muito baixo com o fraco desempenho da economia brasileira (em termos de baixo crescimento do PIB e altas taxas de desemprego e de inflação) desde a crise da Ásia em A economia voltou a crescer, possibilitada por uma situação internacional favorável, refletindo-se no mercado de trabalho que deu claros sinais de recuperação, gerando número significativo de postos de trabalho em um processo visível de formalização do emprego 1. De fato, a partir de 2004 houve uma expressiva elevação da participação do emprego assalariado formal na ocupação das pessoas: a taxa de crescimento do emprego em estabelecimento que assina a carteira de trabalho foi superior à do emprego em estabelecimento que não assina a carteira de trabalho 2. A evolução positiva do número de empregos foi consequência do maior crescimento do PIB, associado inicialmente à ampliação das exportações e, posteriormente ao incremento no consumo das famílias, 1 Sobre fatores que contribuíram para o aumento do emprego formal, ver BALTAR, KREIN e MORETTO (2006) e CARDOSO JUNIOR (2007). 2 E também foi maior do que à do trabalho doméstico remunerado e à do trabalho por conta própria, principalmente em , período de maior crescimento do PIB desde o início da abertura econômica (BALTAR, 2013). Deve-se destacar que a melhora dos indicadores de mercado de trabalho não foi interrompida pela crise de

5 acentuado pela melhora na distribuição de renda e a ampliação do crédito e, finalmente, pela retomada dos investimentos (CARNEIRO, 2011; BALTAR e. al., 2010, TROVÃO e LEONE, 2011; KREIN e SANTOS, 2012). Nessa maior formalização do emprego, deve-se também chamar à atenção para a mudança de atitude do Estado brasileiro no esforço por obter superávit na arrecadação de impostos e contribuições sociais em relação às despesas públicas não financeiras. O Estado passou a cuidar mais da formalização das empresas e do cumprimento das leis tributárias e previdenciárias. Some-se a isto, um avanço na fiscalização por parte dos órgãos públicos responsáveis pelo cumprimento das leis do trabalho e da previdência social (Ministério do Trabalho e Emprego, Ministério da Previdência Social, Ministério Público do Trabalho, Justiça do Trabalho e Sindicatos) (BALTAR, KREIN e LEONE, 2009). Além disso, a própria retomada do crescimento da economia levou as grandes empresas a novamente ampliar o quadro de pessoal e induziu à formalização das empresas menores e dos contratos de trabalho. Entre 2000 e 2010, os Censos Demográficos indicam que o emprego formal em estabelecimento dedicado a realizar atividade econômica aumentou no ritmo anual de 4,8% enquanto o emprego sem carteira de trabalho aumentou 1,0% ao ano. O ritmo de crescimento do emprego total em estabelecimento (3,7%) foi bem maior do que o do número total de pessoas ocupadas (2,8%) e a população ocupada cresceu bem mais do que a população economicamente ativa (2,0%), fazendo diminuir a taxa de desemprego de 15% para 7,5%. Nesse expressivo desempenho do mercado de trabalho assalariado, o aumento da participação das mulheres na atividade econômica teve um papel importante, como será visto no item seguinte. 2. A mulher no mercado de trabalho As formas de absorção das mulheres pela atividade econômica indicam uma profunda desvantagem destas em relação aos homens associada, entre outros fatores, às dificuldades de articulação do trabalho remunerado com as responsabilidades familiares. As mulheres continuam arcando com a maior parte dos cuidados da família e os homens não têm aumentado suficientemente sua participação nessas responsabilidades. A desvantagem feminina na atividade econômica aparece na condição de atividade (menor participação e maior desemprego), na elevada frequência de mulheres nas piores 5

6 situações da informalidade (trabalho não remunerado e emprego doméstico sem carteira de trabalho) e nos empregos formais pior remunerados (LEONE, 2012). O desemprego feminino é muito maior que o masculino e a participação do emprego doméstico remunerado no trabalho assalariado de mulheres, assim como a participação do trabalho não remunerado nas ocupações não assalariadas femininas são muito expressivas. A taxa de desemprego das mulheres foi de 19,6% no ano 2000, superando a taxa de desemprego dos homens (11,9%) em 7,7 pontos percentuais. O trabalho doméstico remunerado participava com 25,4% dos empregos assalariados femininos e o contraste dos empregos domésticos e de estabelecimento em termos de grau de formalização dos contratos de trabalho continuava muito marcante. No ano 2000, somente 29,2% do emprego doméstico feminino tinha carteira de trabalho assinada pelo patrão, enquanto o emprego formal representava 74% do emprego feminino em estabelecimentos. O crescimento da economia, entretanto, tem permitido reduzir a taxa de desemprego e ampliar a participação do emprego assalariado em estabelecimento econômico na ocupação das pessoas. As grandes empresas que reduziram fortemente o emprego na década de 1990 voltaram a aumentar o emprego. Além disso, as pequenas empresas tornaram-se mais propensas à formalização de suas atividades, repercutindo na formalização dos contratos de trabalho (BALTAR, KREIN e MORETTO, 2006). Em consequência, em 2010, a taxa de desemprego feminino caiu para 10,1% e a masculina diminuiu para 5,6%, reduzindo a diferença para 4,5 pontos percentuais. A participação do trabalho doméstico remunerado no emprego assalariado feminino diminuiu de 25,4% para 20,2%, mas a proporção formal do trabalho doméstico remunerado era, ainda, de somente 33,7% enquanto o emprego formal passou a representar 78,1% dos empregos femininos em estabelecimento. A ampliação do emprego formal é importante para melhorar a qualidade do emprego dos trabalhadores em geral e da mulher em particular. A legislação brasileira prevê uma série de medidas com relação à articulação entre trabalho e responsabilidades familiares (licença maternidade e paternidade, intervalo para amamentação, assistência gratuita aos filhos e dependentes desde o nascimento até cinco anos de idade em creches e pré-escolas, salário-família, entre outros). É importante ressaltar que todos esses direitos são assegurados apenas para os trabalhadores formais o que implica numa cobertura relativamente restrita da legislação brasileira para os trabalhadores e suas famílias. 6

7 A distribuição das pessoas por posição na ocupação é diferente entre homens e mulheres. Em 2010, de um total de 49,2 milhões de homens ocupados 33,7 milhões eram assalariados (68,6%). No caso das mulheres, de um total de 36,1 milhões de trabalhadoras 27,1 milhões eram assalariadas (75,1%). Já o emprego assalariado formal era menor entre as mulheres (69,1%) do que entre os homens (74,1%) devido ao elevado peso do emprego doméstico remunerado sem carteira de trabalho entre as mulheres assalariadas. Mas, quando se considera somente o emprego assalariado de estabelecimentos a formalização das mulheres (78,1%) superava à dos homens (74,6%). No emprego formal as mulheres continuam excluídas das ocupações diretamente vinculadas à produção de bens que exigem menores níveis de escolaridade, enquanto nas ocupações de apoio administrativo, prestação de serviços, vendas, profissões de nível superior e técnicas de nível médio, as exigências de escolaridade mínima tendem a dificultar a inserção de mulheres de nível socioeconômico mais baixo. O emprego doméstico remunerado tem um peso desproporcional na absorção de mulheres de famílias de nível socioeconômico mais baixo. Já a elevada frequência feminina no emprego formal de ocupações administrativas, de prestação de serviços, de vendas, de profissões de nível superior e técnicos de nível médio absorve mulheres de nível socioeconômico intermediário e alto, contribuindo, inclusive, para ampliar o nível de renda dessas famílias (LEONE e BALTAR, 2012) 3. É justamente nesse último tipo de famílias onde a participação feminina na atividade econômica é maior e onde as mulheres também se defrontam com enormes dificuldades para articular o trabalho remunerado com as responsabilidades familiares, parcialmente contornadas pela contratação de empregadas domésticas. Essas dificuldades aparecem na enorme diferença de renda em favor dos homens e essa desvantagem feminina ocorre até mesmo no setor público que responde por grande parte dos empregos formais de profissões das ciências e das artes, onde predominam as mulheres (LEONE e MORETTO, 2012). Efetivamente, no emprego formal os rendimentos médios das mulheres são inferiores aos dos homens, qualquer que seja o nível de instrução, mas essa diferença é mais acentuada no nível superior de escolaridade. Essa desvantagem dos rendimentos das mulheres em relação aos homens ocorre, em simultâneo, a uma maior proporção de mulheres do que homens nos empregos em estabelecimentos de maior tamanho e com 3 Por esse motivo ao se comparar as situações de homens e de mulheres no emprego assalariado é importante considerar a totalidade do emprego assalariado (em estabelecimento e nas famílias). 7

8 vínculos mais estáveis no emprego. Essas duas características estão relacionadas à maior importância do setor publico para o emprego formal feminino (LEONE, 2012). As desvantagens femininas na atividade econômica continuam expressivas, embora os efeitos dessas desvantagens tenham diminuído com a ampliação do mercado de trabalho assalariado. A crescente participação das mulheres na atividade econômica foi muito importante para essa ampliação do mercado de trabalho, como será visto no próximo item. 3. Participação feminina na ampliação da população ocupada na década de 2000 Entre 2000 e 2010 o número de pessoas ocupadas aumentou 32,2% ou 2,8% ao ano. No mesmo período, o PIB aumentou 42,6% ou 3,6% ao ano, sinalizando uma elasticidade emprego relativamente alta, de 0,78, maior do que na época da industrialização do país (dos 50 aos 70), quando o PIB aumentava ao ritmo de 7% ao ano e o emprego a 3,5% ao ano, com uma elasticidade emprego de aproximadamente 0,5 e um aumento do PIB por pessoa ocupada de 3,5% ao ano, muito maior do que em , quando o PIB por pessoa ocupada aumentou somente 0,8% ao ano. A ampliação da ocupação de mulheres teve um papel importante na expansão do número de pessoas ocupadas. Em 2000 as mulheres representavam 37,8% das pessoas ocupadas e chegaram a 42,3% em O aumento do número de mulheres ocupadas correspondeu a 56% do aumento no total de pessoas ocupadas. Tanto a população masculina quanto a feminina de 15 anos ou mais de idade, cresceram a ritmos quase idênticos (2,0% e 1,9% ao ano, respectivamente), mas a taxa de ocupação (relação entre o número de pessoas ocupadas e o total de pessoas com 15 ou mais anos de idade) das mulheres aumentou muito mais (de 39,7% para 48,3%) do que a dos homens (de 69% para 70,2%). O maior aumento da taxa de ocupação feminina se deveu à combinação entre, de um lado, o aumento da taxa de participação (relação entre a população economicamente ativa e a população com 15 e mais anos de idade) e, de outro, a redução na taxa de desemprego (relação entre o número de desempregados e a população economicamente ativa). A taxa de participação feminina aumentou de 49,3% para 53,7% e a taxa de desemprego diminuiu de 19,6% para 10,1%. No caso dos homens, a taxa de desemprego diminuiu de 11,9% para 5,6%, mas a taxa de participação também diminuiu de 78,4% para 74,4%. Dessa forma, a retomada do crescimento da economia e do mercado de trabalho reduziu o desemprego de homens e de mulheres, mas a forte participação feminina na 8

9 ampliação da população ocupada se deve fundamentalmente à elevação da participação dessas mulheres na atividade econômica. O aumento da participação feminina compensou a redução da participação masculina e a população economicamente ativa cresceu em ritmo parecido com o do total da população de 15 anos ou mais de idade (2,0% e 1,9% ao ano, respectivamente). Porém, a PEA feminina cresceu 2,8% ao ano e a masculina somente a 1,4%. Em 2010 a população ativa tinha 16,4 milhões de pessoas a mais do que em 2000 e as mulheres participaram com 56,2% desse aumento, sendo que em 2000 as mulheres correspondiam a 40% da PEA. A Tabela 1 mostra a importância relativa do aumento da PEA feminina para a efetivação da ampliação do número de pessoas ocupadas entre os anos 2000 e Tabela 1 Variação da população ativa, da população ocupada e da população desempregada por sexo. Brasil, 2000 e 2010 População % Aumento da população ocupada ,0 Aumento da população ativa masculina ,7 Aumento da população ativa feminina ,1 Redução da população desempregada masculina ,1 Redução da população desempregada feminina ,1 Fonte: Censos Demográficos 2000 e 2010 O crescimento do número de pessoas ocupadas foi bem mais intenso do que o crescimento da população ativa (2,8% e 2,0% respectivamente), fazendo diminuir, expressivamente, a taxa de desemprego de 15% para 7,5%. Porém, na ampliação do número de pessoas ocupadas entre 2000 e 2010, a parcela correspondente à absorção do aumento da população ativa foi mais importante do que a redução do número de desempregados. O aumento da população ativa feminina correspondeu a quase metade do aumento da população ocupada (47%), enquanto o aumento da população ativa masculina correspondeu a menos de 1/3 (31,7%). Já a redução total do número de desempregados foi equivalente a 21,2% da ampliação da população ocupada. A Tabela 2 mostra a composição da ampliação da população ativa por sexo e idade. Observa-se que as pessoas com mais de 45 anos foram responsáveis por 57,2% do aumento total da população ativa, enquanto que o grupo constituído pelas pessoas de 15 a 29 anos foi, em 2010, somente 3,3% superior ao existente em Não foi desprezível, entretanto, o aumento da população ativa feminina com 15 a 29 anos (8,6% do aumento da PEA do 9

10 período), mas esse aumento foi parcialmente compensado pela redução da PEA masculina nessa mesma faixa etária. Em 2010, não obstante, 35% da PEA estava na faixa de 15 a 29 anos, enquanto 37% tinha idade entre 30 e 44 anos e somente 28% da PEA tinha mais de 45 anos. Tabela 2 Variações da população ativa por idade e sexo. Brasil, 2000 e 2010 População ativa por idade e sexo População % Aumento da população ativa ,0 Homens 15 a 29 anos ,2 Mulheres15 a 29 anos ,6 Total 15 a 29 anos ,4 Homens 30 a 44 anos ,6 Mulheres 30 a 44 anos ,8 Total 30 a 44 anos ,4 Homens 45 anos e mais ,8 Mulheres 45 anos e mais ,4 Total 45 anos e mais ,2 Fonte: Censos Demográficos 2000 e 2010 Assim, a maior parte do aumento da PEA, entre 2000 e 2010, correspondeu a pessoas com 30 ou mais anos de idade. A PEA com menos de 30 anos aumentou somente 3,3% nesses 10 anos, mas como em 2000 a fração da PEA com menos de 30 anos (41,5%) era bem maior do que a parcela com 30 a 44 anos (36,6%), esta última parcela da PEA aumentou substancialmente na primeira década do século vinte e um, mantendo sua participação de 36,6% em Em 2000, o contingente da PEA com 30 a 34 anos de idade também foi bem maior do que o com 45 anos ou mais, de modo que esta última parcela da PEA aumentou de participação na PEA total, passando de 21,9% para 28,2% entre 2000 e 2010, crescendo no ritmo desproporcional de 4,6% ao ano. É possível supor que na segunda década do século vinte e um a PEA com menos de 30 anos diminua, enquanto àquela com 30 a 44 anos aumente um pouco, concentrando-se todo o aumento da PEA na faixa de 45 anos ou mais de idade. Além disso, as mulheres serão maioria na composição da ampliação da PEA. Essa composição do aumento da PEA por idade e sexo deve ser levada em conta nos debates sobre as perspectivas do mercado de trabalho para a corrente década. 10

11 4. A ampliação do mercado de trabalho assalariado nos anos 2000 O emprego assalariado em estabelecimento foi 44,3% maior em 2010 do que em 2000, sinalizando aumento anual médio de 3,7%, muito maior do que o da população ocupada (2,8%) que por sua vez foi muito maior do que o da população ativa (2%). Ou seja, o núcleo básico do mercado de trabalho assalariado foi responsável pela ampliação da ocupação das pessoas na atividade econômica, reduzindo, substancialmente, a taxa de desemprego de 15% para 7,5% da PEA. O emprego doméstico que tinha se ampliado inicialmente vem diminuindo desde o final da década, mas em 2010 passou a ser 19,8% maior do que em 2000, sinalizando aumento médio anual de 1,8%, ritmo bem menor do que o do emprego assalariado em estabelecimento que realiza atividade econômica. O forte aumento do emprego em estabelecimento foi acompanhado de significativas mudanças na sua composição por idade e sexo. As mulheres mostraram aumentos muito maiores que o dos homens e, quanto maior a idade das pessoas, tanto maior o crescimento do emprego em estabelecimento (Tabela 3). Não obstante, mesmo no caso dos homens, com 15 a 29 anos de idade, o crescimento médio anual do emprego em estabelecimento foi de 2,5%. Como mencionado, a PEA masculina jovem foi, em 2010, menor do que em A redução no número de pessoas desempregadas e com outros tipos de ocupação (principalmente membros da família que trabalham sem remuneração para um trabalhador por conta própria) permitiu ampliar o emprego em estabelecimento de jovens do sexo masculino com 15 a 29 anos de idade. Tabela 3 Fontes de oferta de trabalho que permitiram a ampliação do emprego de estabelecimento por sexo e idade. Brasil, 2000 e 2020 Taxa de Aumento do Variação Redução Variação Crescim. Emprego PEA Desemprego Outras Ocup. Mulheres 15 a 29 anos 3,7 100,0 37,4 49,8 12,8 Homens de 15 a 29 anos 1,3 100,0-61,6 100,6 61,0 Mulheres de 30 a 44 anos 4,1 100,0 116,6 20,8-37,4 Homens de 30 a 44 anos 2,8 100,0 64,2 21,8 14,0 Mulheres de 45 anos ou mais 7,3 100,0 193,4 6,7 100,1 Homens de 45 anos ou mais 5,5 100,0 128,0 13,3-41,3 Fonte: Censos Demográficos 2000 e

12 A ampliação do número de mulheres na faixa dos 15 a 29 anos de idade empregadas em estabelecimento foi muito mais intensa (4,2% ao ano) e combinou aumento da PEA com reduções tanto no número de desempregados como no número de pessoas com outros tipos de ocupação (principalmente trabalho doméstico remunerado). A intensidade da ampliação do número de mulheres jovens com emprego em estabelecimento chegou a ser maior do que à dos homens adultos com 30 a 44 anos de idade (3,1% ao ano). A ampliação do número de homens adultos com emprego em estabelecimento também combinou aumentos da PEA com reduções no desemprego e em outros tipos de ocupação. Porém, enquanto entre as mulheres jovens pesou mais a redução do desemprego, no caso dos homens adultos foi maior a participação do aumento da PEA na ampliação do número de empregados de estabelecimento. Finalmente, foram desproporcionais os aumentos de emprego em estabelecimento de homens e de mulheres com 45 ou mais anos de idade. Nos dois casos, o aumento da PEA foi muito grande, permitindo ampliar tanto o emprego em estabelecimento quanto outros tipos de ocupação (principalmente trabalhadores por conta própria, mas também trabalhadores exclusivamente na produção para o consumo próprio e trabalhos no serviço doméstico remunerado, no caso das mulheres). A redução do número de adultos desempregados maiores de 45 anos foi significativa, mas nada comparável ao aumento da PEA com esta idade. Ocorreram, então, expressivas mudanças na composição e na absorção da PEA entre os anos 2000 e 2010, esta última, evidenciadas na Tabela 4. A ampliação da população ativa com emprego em estabelecimento ocorreu em detrimento da taxa de desemprego e também, dependendo do sexo e da idade das pessoas, de alguns outros tipos de ocupação. Houve redução generalizada do peso do trabalho não remunerado na absorção de todo tipo de pessoas. Além disso, houve redução da participação do trabalho doméstico remunerado no caso das jovens de 15 a 29 anos e do trabalho por conta própria no caso dos adultos masculinos de 30 a 44 anos e de 45 anos ou mais de idade. Em 2010, o número de empregadas domésticas com 15 a 29 anos era 30,8% menor que em 2000, enquanto que o número de trabalhadores por conta própria com 30 ou mais anos de idade era somente 12,7% maior, em 2010, do que em 2000, indicando crescimento no ritmo anual de somente 1,2%, em circunstancias de que a PEA masculina nesse grupo de idade cresceu no ritmo de 2,3% ao ano. 12

13 Tabela 4 Absorção da PEA por sexo e idade. Brasil, 2000 e a 29 anos 30 a 44 anos 45 anos e mais Posição na Ocupação Mulheres Homens Mulheres Homens Mulheres Homens Empregado 43,8 59,3 59,1 70,8 46,9 55,4 56,9 67,1 38,9 44,5 42,1 51,9 Trab. Doméstico 15,4 9,6 0,7 0,6 15,0 15,2 0,8 0,8 14,1 16,7 1,0 1,0 C. Própria/ Empregador 7,6 9,6 15,5 14,6 17,7 17,7 25,8 26,0 25,7 25,7 43,2 37,8 Não remun./ autocons. 5,3 4,6 7,1 4,2 5,5 3,9 2,5 2,4 11,0 8,9 5,9 6,5 Desemprego 27,9 16,9 17,6 9,8 14,9 7,8 3,8 3,7 10,3 4,2 7,8 2,8 PEA 100,0 100,0 100,0 100,0 100,0 100,0 100,0 100,0 100,0 100,0 100,0 100,0 Fonte: Censos Demográficos 2000 e 2010 As mudanças apontadas no perfil da absorção da PEA, por idade e sexo, indicam a maneira como vem se ampliando o emprego assalariado de estabelecimento com a retomada do crescimento da economia no início do século vinte e um. A PEA masculina jovem está diminuindo, mas o emprego de jovens em estabelecimentos não deixou de crescer, com redução da taxa de desemprego e do número de jovens com trabalho não remunerado. Já a PEA feminina jovem continuou a aumentar, diminuindo o desemprego dessas jovens bem como o emprego no serviço doméstico remunerado, alimentando fortíssimo aumento do emprego feminino jovem nos estabelecimentos. A PEA adulta, por sua vez, principalmente aquela com 45 ou mais anos de idade, aumentou muito, especialmente a PEA feminina, permitindo que outros tipos de ocupação aumentassem, em paralelo, com o forte crescimento do emprego em estabelecimento. A redução da taxa de desemprego e do número de pessoas que trabalham sem remuneração ajudou a viabilizar o crescimento do emprego em estabelecimento, mas o trabalho por conta própria continuou aumentando, embora menos que a PEA com essa idade, traduzindo o fato do forte aumento de adultos com emprego em estabelecimento dever-se muito mais à permanência nesse tipo de emprego com o avanço da idade, do que aos deslocamentos de adultos desde outros tipos de ocupação para empregos de estabelecimento. 13

14 5. Formalização dos contratos de trabalho no emprego em estabelecimento Nos empregos em estabelecimento, as mulheres apresentam grau de formalidade dos contratos de trabalho maior que o dos homens (Tabela 5). 4 Em 2000, a diferença era de 8,3 pontos percentuais, variando de 6,2 pontos para empregados com idades de 30 a 44 anos a 10,6 pontos para empregados com 45 ou mais anos de idade. Entre 2000 e 2010, o grau de formalidade dos contratos de trabalho em empregos de estabelecimento aumentou mais entre os homens do que entre as mulheres. A diferença, em favor das mulheres, diminuiu para 3,5 pontos percentuais variando de 2,7 pontos entre os empregados com 30 a 44 anos e 5,2 pontos para empregados com 45 ou mais anos de idade. Tabela 5 Grau de formalidade dos contratos de trabalho do emprego em estabelecimento por idade e sexo. Brasil, 2000 e 2010 Idade Mulher Homem a 29 anos 68,0 74,3 59,5 70,9 30 a 44 anos 78,8 81,1 72,6 78,4 45 anos e mais 77,1 79,6 66,5 74,4 15 anos e mais 74,0 78,1 65,7 74,6 Fonte: Censos Demográficos 2000 e 2010 Na primeira década do século vinte e um, o emprego formal de estabelecimento aumentou no ritmo médio anual de 4,8% enquanto o emprego sem carteira de trabalho cresceu nos estabelecimentos ao ritmo de 1% ao ano. Da ampliação total do emprego em estabelecimento 92,5% correspondeu a empregos formais. O emprego formal de estabelecimento aumentou 5,5% entre as mulheres e 4,3% ao ano entre os homens (Tabela 6). Já o emprego de estabelecimento sem carteira de trabalho aumentou 3,2% ao ano no caso das mulheres e manteve-se constante no caso dos homens. Ou seja, a forte ampliação do emprego feminino em estabelecimento ocorreu com intensa ampliação do emprego sem carteira de trabalho, enquanto o crescimento relativamente mais suave do emprego 4 Este fato reflete, de um lado, a dificuldade das mulheres de baixa condição socioeconômica ter acesso a empregos de estabelecimento quando predominavam ocupações manuais tipicamente masculinas e, do outro, a importância relativa do emprego público na absorção de mulheres em empregos de estabelecimento, principalmente as mulheres de melhor condição socioeconômica. Atualmente a situação a esse respeito está se modificando, pois as mulheres jovens de baixo nível socioeconômico estão evitando o emprego doméstico remunerado e acedendo a empregos de estabelecimento. A elevação do nível educacional da população jovem tem facilitado essas modificações no emprego das mulheres jovens, bem como a reativação do mercado de trabalho com o maior crescimento da economia. 14

15 masculino em estabelecimento ocorreu com a manutenção dos empregos sem carteira, resultando em maior aumento do grau de formalidade dos contratos de trabalho nos empregos masculinos em estabelecimentos. Tabela 6 Taxas de crescimento do emprego formal e sem carteira de trabalho no emprego em estabelecimento por idade e sexo. Brasil, 2000 e 2010 Idade Mulher Homem Formal Sem/cart. Formal Sem/cart. 15 a 29 anos 5,1 1,9 3,4 (-15,6) 30 a 44 anos 4,8 3,3 3,9 0,7 45 anos e mais 7,9 6,4 7,0 3,0 15 anos e mais 5,5 3,2 4,3 (-0,1) Fonte: Censos Demográficos 2000 e 2010 A tabela 6 também mostra que houve redução do emprego de estabelecimento masculino sem carteira de trabalho na faixa etária de 15 a 29 anos. Entre homens e entre mulheres, o ritmo de crescimento dos empregos de estabelecimento sem carteira de trabalho foi tanto maior quanto maior a idade dos empregados. Os dados sugerem que é mais difícil o deslocamento de empregos sem carteira para empregos formais em idades mais avançadas. A ampliação dos empregos formais de estabelecimento é especialmente forte nas idades mais avançadas dos empregados e reflete a intensificação do aumento do emprego formal de jovens, bem como a maior permanência desses jovens nesses empregos, com o avanço da idade. Os empregados sem carteira também permanecem nos empregos com o avanço da idade, mantendo também forte a ampliação do emprego sem carteira nas faixas de maior idade. Entre as mulheres jovens, o crescimento do emprego sem carteira de trabalho continuou intenso e o crescimento desses empregos nas faixas de maior idade foi muito maior entre as mulheres do que entre os homens, refletindo novamente a crescente dificuldade, com o avanço da idade, do deslocamento do emprego sem carteira para o emprego formal. Em síntese, a intensa ampliação do emprego em estabelecimento, com a retomada do crescimento da economia brasileira, na primeira década do século vinte e um, ocorreu em paralelo à formalização de pequenas empresas e à retomada do aumento de pessoal nas grandes empresas, resultando em forte crescimento do emprego formal, de forma desproporcional à intensidade do crescimento do PIB observado nesse período. Surgiram 15

16 muitos empregos formais para jovens, sendo possível continuar nesses empregos com o avanço da idade, mas também foi intenso o crescimento do emprego sem carteira de trabalho de mulheres jovens e muitos empregados sem carteira continuaram nesse tipo de emprego, com o avanço da idade, de modo que foi expressivo o crescimento do emprego sem carteira de trabalho de pessoas com 30 ou mais anos de idade, especialmente mulheres. 6. A remuneração do trabalho nos anos 2000 A retomada do crescimento da economia, em simultâneo à redução no ritmo da inflação, aumentou a renda do trabalho, a partir do nível muito baixo ao que tinha chegado em O aumento do desemprego e a elevação da inflação tinham diminuído o poder de compra dos trabalhadores entre 1998 e 2003 (BALTAR, 2013). Comparando 2010 com 2000, a renda média por hora trabalhada de todas as pessoas com rendimento positivo (não se consideraram os trabalhos não remunerado e exclusivamente para o consumo próprio) aumentou 33,4% equivalendo à média de 2,9% ao ano. O número de pessoas ocupadas e com rendimento também aumentou 34,5% no período e a jornada semanal de trabalho diminuiu de 44,1 para 40,5 horas, ou seja, uma redução de 8,2%. Em consequência, a massa total de renda do trabalho aumentou 64,7% ou 5,1% ao ano, para um aumento do PIB de 42,6% no conjunto da década (3,6% ao ano). A participação da renda do trabalho na renda nacional, que estava relativamente baixa em 2000, recuperou-se, parcialmente, com a retomada do crescimento da economia, a restauração do poder de compra dos trabalhadores e o aumento do número de pessoas ocupadas. Considerando somente as pessoas ocupadas com rendimento, o PIB por hora trabalhada aumentou 15,5% ou 1,5% ao ano, na primeira década do século vinte e um. A renda por hora dessas mesmas pessoas ocupadas teve um aumento maior, como já mencionado, 33,4% ou 2,9% ao ano. Não poderia ser de outra maneira já que houve uma recuperação da participação do trabalho na renda nacional. Deste modo, a ampliação da renda total das pessoas ocupadas foi expressiva e a Tabela 7 mostra que houve uma modificação na distribuição desta renda por posição das pessoas na ocupação. 16

17 Tabela 7 Distribuição da Renda do Trabalho por Posição na Ocupação. Brasil, 2000 e 2010 Posição na Ocupação Renda Total Variação Total Ocupados Jornada Renda Média Emprego Formal 44,7 54,7 95,9 59,8-5,5 29,7 Emprego sem/cart. 10,9 9,3 37,0 10,6-11,6 40,1 Total emprego estabelec. 55,7 64,0 87,7 44,3-7,1 40,0 Trab. Doméstico 2,5 2,8 81,5 19,8-13,3 74,7 Trab. Conta-própria 26,0 24,8 52,8 20,2-9,9 41,1 Empregador 15,9 8,4-15,5-10,3-7,7 2,1 Total 100,0 100,0 64,7 34,5-8,2 33,4 Fonte: Censos Demográficos 2000 e 2010 A participação da renda dos empregados formais na renda total aumentou 10 pontos percentuais, passando de 44,7% em 2000 para 54,7% em Segundo os dados do Censo Demográfico, a principal contrapartida no aumento da participação da renda do emprego formal foi a queda na participação da renda dos empregadores. Além disso, o aumento da participação dos empregados formais na renda do trabalho foi consequência, principalmente, do aumento do número de empregados formais, pois o aumento da renda média desses empregados foi menor do que os aumentos de renda média das outras posições na ocupação (com exceção dos empregadores). O forte aumento do número de empregados formais reflete a retomada da geração de emprego em grandes empresas e a formalização das empresas menores e de seus contratos de trabalho. O aumento da renda média do emprego formal foi expressivo (2,6% ao ano), porém menor do que o aumento de renda média de empregados sem carteira (3,4%), de trabalhadores por conta própria (3,5%) e de trabalhadores no serviço doméstico remunerado (5,7%). O emprego formal feminino (de agora em diante a soma do emprego formal de estabelecimento com o emprego formal no serviço doméstico remunerado) ampliou-se em um ritmo anual mais intenso que o emprego formal masculino (5,3% e 4,3%, 17

18 respectivamente) 5. A dispersão relativa da renda do emprego formal por idade era, em 2000, um pouco maior entre os homens. 6 Em 2010, a dispersão relativa da renda do emprego formal por idade das mulheres aumentou mais e ficou parecida à dos homens. As rendas médias tanto dos empregos formais masculinos quanto dos femininos aumentaram em ritmo parecido (2,7%, ao ano, no caso dos homens e, 2,9%, no das mulheres), mas o aumento do desvio padrão das rendas por idade foi de 4,2%, ao ano, no caso do emprego formal feminino e de 2,3%, ao ano, no caso do emprego formal masculino. O coeficiente de variação (relação entre o desvio padrão e a média) das rendas do emprego formal por idade aumentou de 0,238 para 0,271 no caso das mulheres e diminuiu ligeiramente de 0,329 para 0,315 no caso dos homens. A renda média por hora do emprego formal de homens na faixa dos 15 aos 29 anos aumentou mais do que a renda média das mulheres com essa idade (3,3% e 2,9%, ao ano, respectivamente), enquanto que o aumento foi menor e em ritmo semelhante para homens e mulheres de 30 a 44 anos (1,5% ao ano) e, bem maior, entre as mulheres do que dos homens de 45 anos ou mais de idade (4,0% e 2,8%, respectivamente). Esses aumentos diferentes de renda alteraram o padrão de diferenciação da renda do emprego formal por idade (Tabela 8). Tabela 8 Renda média por hora do emprego formal em estabelecimento e no serviço doméstico remunerado por idade e sexo. Brasil, 2000 e 2010 Idade Homens Taxa de Mulheres Taxa de crescimento crescimento 15 a 29 anos 62,3 66,2 3,3 70,9 71,1 2,9 30 a 44 anos 115,5 101,3 1,4 114,0 99,6 1,5 45 anos e mais 147,4 149,2 2,8 129,1 143,5 4,0 15 anos e mais 100,0 100,0 2,7 100,0 100,0 2,9 Fonte: Censos Demográficos 2000 e Como mencionado, na ocupação das mulheres de baixa condição socioeconômica o emprego doméstico remunerado tem um peso desproporcional. Por tanto, a comparação dos salários entre homens e mulheres tem que considerar todo o emprego assalariado e não somente o de estabelecimento econômico. 6 Neste ano não houve diferença de renda média do emprego formal entre homens e mulheres de 15 a 29 anos, enquanto que a diferença foi de 16% a favor dos homens na faixa de 30 a 44 anos e de 30% na de 45 anos e mais de idade. 18

19 No ano 2000, a maior diferença de renda do emprego formal por idade ocorria nas faixas de 30 a 44 e 15 a 29 anos (85,2% no caso dos homens e 60,6% no caso das mulheres), bem mais do que entre as faixas de 45 e mais anos e 30 e 44 anos (27,6% no caso dos homens e 13,3% no caso das mulheres). A maior incorporação de jovens no emprego formal e a maior permanência das pessoas nesse tipo de ocupação, com o avanço da idade, que provocou intenso aumento do emprego formal em todas as faixas de idade (principalmente de mulheres e de pessoas com 45 e mais anos de idade) foi acompanhada de redução na diferença de renda entre as faixas de 30 a 44 anos e 15 a 29 anos (passou para 53,0% no caso dos homens e 40,1% no caso das mulheres), ampliando a diferença entre as faixas de 30 a 44 e 45 ou mais anos de idade (passou para 47,1% no caso dos homens e 44,1% no caso das mulheres). Na comparação de renda do emprego formal entre homens e mulheres, a diferença continua muito pequena na faixa de 15 a 29 anos, tendo diminuído de 16% para 14% a diferença em favor dos homens na faixa de 30 a 44 anos e de 30% para 17% na faixa de 45 ou mais anos de idade. Ou seja, entre 2000 e 2010 diminuiu a diferença de renda entre homens e mulheres, na faixa de idade onde essa diferença era mais expressiva (45 ou mais anos). A diferença de renda do emprego formal entre as faixas de 15 a 29 e 45 ou mais passou de 82% para 102% no caso das mulheres e diminuiu de 136% para 125% no caso dos homens, confirmando que de fato a intensa ampliação do emprego formal de pessoas com 45 ou mais anos de idade foi acompanhada de expressivo aumento da remuneração média dessas pessoas, principalmente no caso das mulheres. A tabela 9 confirma, novamente, a elevada intensidade do aumento de renda do emprego formal de homens e de mulheres com 45 ou mais anos de idade. A comparação da renda do emprego formal com a renda do emprego sem carteira e com a renda dos não assalariados (o conjunto formado de trabalhadores por conta própria e empregadores) mostra que quando se considera faixas de maior idade aumenta a distancia da renda do emprego formal em relação à renda do emprego sem carteira e diminui a diferença em favor da renda do não assalariado. Além disso, entre 2000 e 2010, a faixa de 45 e mais anos de idade manteve a diferença de renda do emprego formal em relação ao emprego sem carteira 19

20 e a renda de homens e de mulheres de 45 ou mais anos de idade e emprego formal tornouse quase igual à renda dos não assalariados com essa idade 7. Tabela 9 Diferenças de renda por hora entre emprego formal, informal e ocupação por conta própria Tipo de Emprego Faixas de idade 15 a a e mais Homem 2000 Formal 100,0 100,0 100,0 Informal 58,2 51,2 46,0 Conta Própria e Empregador 122,7 119,7 115,6 Mulher 2000 Formal 100,0 100,0 100,0 Informal 55,8 49,0 47,5 Conta Própria e Empregador 153,4 132,8 121,9 Homem 2010 Formal 100,0 100,0 100,0 Informal 62,8 56,1 47,1 Conta Própria e Empregador 116,1 116,2 104,2 Mulher 2010 Formal 100,0 100,0 100,0 Informal 64,2 55,3 46,4 Conta Própria e Empregador 140,4 129,2 106,3 Fonte: Censos Demográficos 2000 e 2010 O intenso aumento do emprego formal de homens e de mulheres com 45 ou mais anos de idade, em simultâneo ao forte aumento do poder de compra da remuneração do emprego formal dessas pessoas sinaliza que a reativação do mercado de trabalho com a retomada do crescimento da economia brasileira na primeira década do século vinte e um significou um amadurecimento do trabalho assalariado no país. Este amadurecimento traduziu efeitos das mudanças na estrutura etária da população, com o inicio da diminuição dos contingentes de população mais jovem, mas também foi consequência do adiamento da entrada no mercado de trabalho da população juvenil, da formalização das empresas e dos 7 Isto se deve ao pequeno aumento da renda dos empregadores, pois a renda do trabalho por conta própria de pessoas com 45 anos ou mais de idade aumentou mais do que a renda média do emprego formal entre 2000 e

O EMPREGO ASSALARIADO NOS ANOS 2000: MUDANÇAS DE COMPOSIÇÃO POR IDADE E SEXO. Palavras-chave: população ativa; mercado de trabalho; gênero

O EMPREGO ASSALARIADO NOS ANOS 2000: MUDANÇAS DE COMPOSIÇÃO POR IDADE E SEXO. Palavras-chave: população ativa; mercado de trabalho; gênero O EMPREGO ASSALARIADO NOS ANOS 2000: MUDANÇAS DE COMPOSIÇÃO POR IDADE E SEXO Paulo Baltar Eugenia Leone Palavras-chave: população ativa; mercado de trabalho; gênero Resumo Este estudo analisa o emprego

Leia mais

Manutenção das desigualdades nas condições de inserção

Manutenção das desigualdades nas condições de inserção A INSERÇÃO DA MULHER NO MERCADO DE TRABALHO DA REGIÃO METROPOLITANA DE BELO HORIZONTE MARÇO 2014 Manutenção das desigualdades nas condições de inserção De maneira geral, as mulheres enfrentam grandes dificuldades

Leia mais

A presença feminina no mercado de trabalho na Região Metropolitana de São Paulo 2014

A presença feminina no mercado de trabalho na Região Metropolitana de São Paulo 2014 A INSERÇÃO DA MULHER NO MERCADO DE TRABALHO NA REGIÃO METROPOLITANA DE SÃO PAULO Março de 2015 A presença feminina no mercado de trabalho na Região Metropolitana de São Paulo 2014 Em 2014, a presença de

Leia mais

Melhora nos indicadores da presença feminina no mercado de trabalho não elimina desigualdades

Melhora nos indicadores da presença feminina no mercado de trabalho não elimina desigualdades A INSERÇÃO DA MULHER NO MERCADO DE TRABALHO DE PORTO ALEGRE NOS ANOS 2000 Boletim Especial: Dia Internacional das Mulheres MARÇO/2010 Melhora nos indicadores da presença feminina no mercado de trabalho

Leia mais

Dinamismo do mercado de trabalho eleva a formalização das relações de trabalho de homens e mulheres, mas a desigualdade persiste

Dinamismo do mercado de trabalho eleva a formalização das relações de trabalho de homens e mulheres, mas a desigualdade persiste Dinamismo do mercado de trabalho eleva a formalização das relações de trabalho de homens e mulheres, mas a desigualdade persiste Introdução De maneira geral, as mulheres enfrentam grandes dificuldades

Leia mais

Pesquisa Mensal de Emprego - PME

Pesquisa Mensal de Emprego - PME Pesquisa Mensal de Emprego - PME Dia Internacional da Mulher 08 de março de 2012 M U L H E R N O M E R C A D O D E T R A B A L H O: P E R G U N T A S E R E S P O S T A S A Pesquisa Mensal de Emprego PME,

Leia mais

PERFIL DOS TRABALHADORES NA CONSTRUÇÃO CIVIL NO ESTADO DA BAHIA

PERFIL DOS TRABALHADORES NA CONSTRUÇÃO CIVIL NO ESTADO DA BAHIA PERFIL DOS TRABALHADORES NA CONSTRUÇÃO CIVIL NO ESTADO DA BAHIA SETEMBRO /2012 ÍNDICE INTRODUÇÃO 3 1. Dimensão e características da ocupação no setor da construção civil no Brasil e na Bahia (2000 e 2010)...

Leia mais

O espaço dos jovens e dos idosos no mercado de trabalho atual. Resumo

O espaço dos jovens e dos idosos no mercado de trabalho atual. Resumo O espaço dos jovens e dos idosos no mercado de trabalho atual Amilton Moretto Palavras-chave:,, Ocupação, Mercado de trabalho. Resumo O artigo analisa o espaço que jovens e as pessoas idosas têm ocupado

Leia mais

Diferenças de rendimento do trabalho de homens e mulheres com educação superior nas metrópoles

Diferenças de rendimento do trabalho de homens e mulheres com educação superior nas metrópoles Diferenças de rendimento do trabalho de homens e mulheres com educação superior nas metrópoles Eugenia Troncoso Leone Paulo Baltar Palavras-chave: mercado de trabalho; rendimentos; gênero; escolaridade

Leia mais

I - A inserção dos trabalhadores negros nos mercados de trabalho metropolitanos entre 1998 e 2004

I - A inserção dos trabalhadores negros nos mercados de trabalho metropolitanos entre 1998 e 2004 DESIGUALDADE RACIAL EM MERCADOS DE TRABALHO METROPOLITANOS (ROTEIRO DE DIVULGAÇÃO) Embora a segregação racial esteja presente em várias manifestações e estruturas da sociedade brasileira, o mercado de

Leia mais

A INSERÇÃO DOS NEGROS NOS MERCADOS DE TRABALHO METROPOLITANOS

A INSERÇÃO DOS NEGROS NOS MERCADOS DE TRABALHO METROPOLITANOS OS NEGROS NOS MERCADOS DE TRABALHO METROPOLITANOS NOVEMBRO DE 2013 A INSERÇÃO DOS NEGROS NOS MERCADOS DE TRABALHO METROPOLITANOS A sociedade brasileira comemora, no próximo dia 20 de novembro, o Dia da

Leia mais

ANÁLISE CONJUNTURAL DA MULHER NO MERCADO DE TRABALHO CATARINENSE: 2012-2013

ANÁLISE CONJUNTURAL DA MULHER NO MERCADO DE TRABALHO CATARINENSE: 2012-2013 GOVERNO DO ESTADO DE SANTA CATARINA SECRETARIA DE ESTADO DA ASSISTÊNCIA SOCIAL, TRABALHO E HABITAÇÃO SST DIRETORIA DE TRABALHO E EMPREGO DITE COORDENAÇÃO ESTADUAL DO SISTEMA NACIONAL DE EMPREGO SINE SETOR

Leia mais

O MERCADO DE TRABALHO NO AGLOMERADO URBANO SUL

O MERCADO DE TRABALHO NO AGLOMERADO URBANO SUL O MERCADO DE TRABALHO NO AGLOMERADO URBANO SUL Abril /2007 O MERCADO DE TRABALHO NO AGLOMERADO URBANO SUL A busca de alternativas para o desemprego tem encaminhado o debate sobre a estrutura e dinâmica

Leia mais

OS NEGROS NOS MERCADOS DE TRABALHO METROPOLITANOS NOVEMBRO DE 2015

OS NEGROS NOS MERCADOS DE TRABALHO METROPOLITANOS NOVEMBRO DE 2015 OS NEGROS NOS MERCADOS DE TRABALHO METROPOLITANOS NOVEMBRO DE 2015 OS NEGROS NOS MERCADOS DE TRABALHO METROPOLITANOS E m comemoração ao 20 de novembro, consagrado como o Dia da Consciência Negra, o DIEESE

Leia mais

MULHERES NA EXPANSÃO DO MERCADO DE TRABALHO BRASILEIRO APÓS 2003

MULHERES NA EXPANSÃO DO MERCADO DE TRABALHO BRASILEIRO APÓS 2003 Centro de Estudos Sindicais e de Economia do Trabalho Instituto de Economia INSTITUTO DE ECONOMIA DA UNICAMP Diretor Fernando Sarti Direção Executiva do CESIT Denis Maracci Gimenez Anselmo Luis dos Santos

Leia mais

Pesquisa. Há 40 anos atrás nos encontrávamos discutindo mecanismos e. O setor privado de ensino sob um perspectiva de gênero.

Pesquisa. Há 40 anos atrás nos encontrávamos discutindo mecanismos e. O setor privado de ensino sob um perspectiva de gênero. Pesquisa O setor privado de ensino sob um perspectiva de gênero. Introdução Há 40 anos atrás nos encontrávamos discutindo mecanismos e políticas capazes de ampliar a inserção da mulher no mercado de trabalho.

Leia mais

Ano 3 Nº 24 setembro de 2006. A ocupação dos jovens nos mercados de trabalho metropolitanos

Ano 3 Nº 24 setembro de 2006. A ocupação dos jovens nos mercados de trabalho metropolitanos Ano 3 Nº 24 setembro de 2006 A ocupação dos jovens nos mercados de trabalho metropolitanos A ocupação dos jovens nos mercados de trabalho metropolitanos No Brasil, as profundas transformações pelas quais

Leia mais

Gênero e trabalho na terceira idade

Gênero e trabalho na terceira idade 97 Gênero e trabalho na terceira idade Norma Herminia Kreling* Com as transformações demográficas ocorridas nos últimos anos, o envelhecimento populacional deixa de ser um fenômeno restrito aos países

Leia mais

Anuário das Mulheres Empreendedoras e Trabalhadoras em Micro e Pequenas Empresas 2013

Anuário das Mulheres Empreendedoras e Trabalhadoras em Micro e Pequenas Empresas 2013 SEBRAE (Org.) Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas Anuário das Mulheres Empreendedoras e Trabalhadoras em Micro e Pequenas Empresas 2013 São Paulo, 2013 SEBRAE (Org.) S492a Anuário

Leia mais

Arrefecimento do mercado de trabalho penalizou mais as mulheres

Arrefecimento do mercado de trabalho penalizou mais as mulheres A INSERÇÃO DA MULHER NO MERCADO DE TRABALHO DA REGIÃO METROPOLITANA DE FORTALEZA MARÇO - 2014 Arrefecimento do mercado de trabalho penalizou mais as mulheres O mercado de trabalho metropolitano de Fortaleza,

Leia mais

PRINCIPAIS DESTAQUES DA EVOLUÇÃO DO MERCADO DE TRABALHO NAS SEIS REGIõES METROPOLITANAS ABRANGIDAS PELA PESQUISA MENSAL DE EMPREGO DO IBGE

PRINCIPAIS DESTAQUES DA EVOLUÇÃO DO MERCADO DE TRABALHO NAS SEIS REGIõES METROPOLITANAS ABRANGIDAS PELA PESQUISA MENSAL DE EMPREGO DO IBGE PRINCIPAIS DESTAQUES DA EVOLUÇÃO DO MERCADO DE TRABALHO NAS SEIS REGIõES METROPOLITANAS ABRANGIDAS PELA PESQUISA MENSAL DE EMPREGO DO IBGE (RECIFE, SALVADOR, BELO HORIZONTE, RIO DE JANEIRO, SÃO PAULO E

Leia mais

O TRABALHADOR E A INSERÇÃO OCUPACIONAL NA CONSTRUÇÃO E SUAS DIVISÕES

O TRABALHADOR E A INSERÇÃO OCUPACIONAL NA CONSTRUÇÃO E SUAS DIVISÕES Outubro 2012 Nº 7 O TRABALHADOR E A INSERÇÃO OCUPACIONAL NA CONSTRUÇÃO E SUAS DIVISÕES A Construção ocupa um contingente crescente de trabalhadores e pode ser apontada como um dos responsáveis pelo dinamismo

Leia mais

Ano 3 Nº 37 Novembro de 2007. Escolaridade e Trabalho: desafios para a população negra nos mercados de trabalho metropolitanos

Ano 3 Nº 37 Novembro de 2007. Escolaridade e Trabalho: desafios para a população negra nos mercados de trabalho metropolitanos Ano 3 Nº 37 Novembro de 2007 Escolaridade e Trabalho: desafios para a população negra nos mercados de trabalho metropolitanos Escolaridade e Trabalho: desafios para a população negra nos mercados de trabalho

Leia mais

EVIDÊNCIAS BASEADAS EM PESQUISAS DOMICILIARES DO IBGE

EVIDÊNCIAS BASEADAS EM PESQUISAS DOMICILIARES DO IBGE EVIDÊNCIAS BASEADAS EM PESQUISAS DOMICILIARES DO IBGE BRASIL Dinâmica demográfica Refletindo tendências demográficas delineadas há algumas décadas, a população brasileira cresceu a uma taxa anual estimada

Leia mais

Centro de Estudos Sindicais e de Economia do Trabalho S U M Á R I O ISSN 1980-5144. Apresentação Eduardo Fagnani... 1

Centro de Estudos Sindicais e de Economia do Trabalho S U M Á R I O ISSN 1980-5144. Apresentação Eduardo Fagnani... 1 Centro de Estudos Sindicais e de Economia do Trabalho Instituto de Economia ISSN 1980-5144 INSTITUTO DE ECONOMIA DA UNICAMP Diretor Mariano Francisco Laplane Diretor Executivo do CESIT Paulo Eduardo de

Leia mais

A inserção das mulheres nos mercados de trabalho metropolitanos e a desigualdade nos rendimentos

A inserção das mulheres nos mercados de trabalho metropolitanos e a desigualdade nos rendimentos A INSERÇÃO DA MULHER NO MERCADO DE TRABALHO MARÇO 2013 A inserção das mulheres nos mercados de trabalho metropolitanos e a desigualdade nos rendimentos De maneira geral, as mulheres enfrentam grandes dificuldades

Leia mais

Simon Schwartzman. A evolução da educação superior no Brasil diferenças de nível, gênero e idade.

Simon Schwartzman. A evolução da educação superior no Brasil diferenças de nível, gênero e idade. A educação de nível superior superior no Censo de 2010 Simon Schwartzman (julho de 2012) A evolução da educação superior no Brasil diferenças de nível, gênero e idade. Segundo os dados mais recentes, o

Leia mais

mhtml:file://e:\economia\ibge Síntese de Indicadores Sociais 2010.mht

mhtml:file://e:\economia\ibge Síntese de Indicadores Sociais 2010.mht Page 1 of 7 Comunicação Social 17 de setembro de 2010 Síntese de Indicadores Sociais 2010 SIS 2010: Mulheres mais escolarizadas são mães mais tarde e têm menos filhos Embora abaixo do nível de reposição

Leia mais

O mercado de trabalho no biênio 2011-2012. Dia Nacional da Consciência Negra

O mercado de trabalho no biênio 2011-2012. Dia Nacional da Consciência Negra PESQUISA DE EMPREGO E DESEMPREGO NA REGIÃO DO ABC 1 Novembro 2013 OS NEGROS NO MERCADO DE TRABALHO DA REGIÃO DO ABC O mercado de trabalho no biênio 2011-2012 Dia Nacional da Consciência Negra 1. Compreende

Leia mais

Crise, reestruturação e heterogeneidade no mercado de trabalho brasileiro. A importância das dimensões de idade, gênero e escolaridade.

Crise, reestruturação e heterogeneidade no mercado de trabalho brasileiro. A importância das dimensões de idade, gênero e escolaridade. XXVII Congreso de la Asociación Latinoamericana de Sociología. VIII Jornadas de Sociología de la Universidad de Buenos Aires. Asociación Latinoamericana de Sociología, Buenos Aires, 2009. Crise, reestruturação

Leia mais

Evolução do emprego formal na Região Metropolitana de Porto Alegre no período 1999-2010

Evolução do emprego formal na Região Metropolitana de Porto Alegre no período 1999-2010 Evolução do emprego formal na Região Metropolitana de Porto Alegre no período 1999-2010 Economista, Pesquisador da FEE 1 Introdução Considerando-se o mercado de trabalho no Brasil, verifica-se que enquanto

Leia mais

Autor. Ana Amélia Camarano. Artículo O IDOSO BRASILEIRO NO MERCADO DE TRABALHO

Autor. Ana Amélia Camarano. Artículo O IDOSO BRASILEIRO NO MERCADO DE TRABALHO Autor Ana Amélia Camarano Artículo O IDOSO BRASILEIRO NO MERCADO DE TRABALHO 1 O IDOSO BRASILEIRO NO MERCADO DE TRABALHO Ana Amélia Camarano * 1 - Introdução A análise da participação do idoso nas atividades

Leia mais

Trabalho no governo Lula: uma reflexão sobre a recente experiência brasileira

Trabalho no governo Lula: uma reflexão sobre a recente experiência brasileira GLOBAL LABOUR UNIVERSITY WORKING PAPERS PAPER NO. 9, May 2010 Trabalho no governo Lula: uma reflexão sobre a recente experiência brasileira Paulo Eduardo de Andrade Baltar Anselmo Luís dos Santos José

Leia mais

RENDA, POBREZA E DESIGUALDADE NOTA CONJUNTURAL JANEIRO DE 2014 Nº28

RENDA, POBREZA E DESIGUALDADE NOTA CONJUNTURAL JANEIRO DE 2014 Nº28 RENDA, POBREZA E DESIGUALDADE NOTA CONJUNTURAL JANEIRO DE 2014 Nº28 no Estado do Rio de Janeiro NOTA CONJUNTURAL JANEIRO DE 2014 Nº28 PANORAMA GERAL Na última década, o Brasil passou por profundas mudanças

Leia mais

Título: Características do trabalho por conta própria no Brasil

Título: Características do trabalho por conta própria no Brasil Área 4 Economia e Movimentos Sociais: mercado de trabalho e sindicalismo; política agrária e movimentos sociais no campo; economia solidária; desigualdade étnico-racial e de gênero; movimento estudantil

Leia mais

Sumário PNAD/SIMPOC 2001 Pontos importantes

Sumário PNAD/SIMPOC 2001 Pontos importantes Sumário PNAD/SIMPOC 2001 Pontos importantes Sistema de pesquisas domiciliares existe no Brasil desde 1967, com a criação da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios PNAD; Trata-se de um sistema de pesquisas

Leia mais

OS NEGROS NO MERCADO DE TRABALHO DA REGIÃO METROPOLITANA DE SÃO PAULO

OS NEGROS NO MERCADO DE TRABALHO DA REGIÃO METROPOLITANA DE SÃO PAULO Novembro 2013 OS NEGROS NO MERCADO DE TRABALHO DA REGIÃO METROPOLITANA DE SÃO PAULO O mercado de trabalho em 2012 Dia Nacional da Consciência Negra A rota de redução de desigualdades na RMSP O crescimento

Leia mais

AS CARACTERÍSTICAS DO TRABALHO DOMÉSTICO REMUNERADO NOS MERCADOS DE TRABALHO METROPOLITANOS

AS CARACTERÍSTICAS DO TRABALHO DOMÉSTICO REMUNERADO NOS MERCADOS DE TRABALHO METROPOLITANOS A MULHER NOS MERCADOS DE TRABALHO METROPOLITANOS MARÇO 2008 Especial - Abril 2011 AS CARACTERÍSTICAS DO TRABALHO DOMÉSTICO REMUNERADO NOS MERCADOS DE TRABALHO METROPOLITANOS Em homenagem ao Dia Nacional

Leia mais

Apesquisa suplementar sobre acesso à Internet e posse de telefone

Apesquisa suplementar sobre acesso à Internet e posse de telefone Análise dos resultados Apesquisa suplementar sobre acesso à Internet e posse de telefone móvel celular para uso pessoal ampliou a investigação rotineira da PNAD, que restringe o levantamento sobre o assunto

Leia mais

TEMA: A Mulher no Mercado de Trabalho em Goiás.

TEMA: A Mulher no Mercado de Trabalho em Goiás. TEMA: A Mulher no Mercado de Trabalho em Goiás. O Dia Internacional da Mulher, celebrado dia 8 de março, traz avanços do gênero feminino no mercado de trabalho formal. Segundo informações disponibilizadas

Leia mais

ipea 45 NOTA TÉCNICA Pobreza e crise econômica: o que há de novo no Brasil metropolitano anos

ipea 45 NOTA TÉCNICA Pobreza e crise econômica: o que há de novo no Brasil metropolitano anos ipea 45 anos NOTA TÉCNICA Pobreza e crise econômica: o que há de novo no Brasil metropolitano Rio de Janeiro, maio de 2009 1 Pobreza e crise econômica: o que há de novo no Brasil metropolitano Marcio Pochmann

Leia mais

EFEITOS DA POPULAÇÃO ECONOMICAMENTE ATIVA SOBRE A TAXA DE DESEMPREGO

EFEITOS DA POPULAÇÃO ECONOMICAMENTE ATIVA SOBRE A TAXA DE DESEMPREGO NOTA TÉCNICA EFEITOS DA POPULAÇÃO ECONOMICAMENTE ATIVA SOBRE A TAXA DE DESEMPREGO Maria Andréia Parente Lameiras* 1 INTRODUÇÃO Ao longo da última década, o mercado de trabalho no Brasil vem apresentando

Leia mais

Família, trabalho e renda: mudanças na primeira década do século XXI 1

Família, trabalho e renda: mudanças na primeira década do século XXI 1 MONTALI, L.; LIMA, T.. Família, trabalho e renda: mudanças na primeira década do século XXI. Artigo aprovado para ser publicado como capítulo de livro sobre a Região Metropolitana de São Paulo que integra

Leia mais

ÍNDICE INSTITUIÇÃO TÍPICA DO TERCEIRO SETOR DE BELO HORIZONTE...1. 1. A Instituição Típica do Terceiro Setor por Principal Área de Atividade...

ÍNDICE INSTITUIÇÃO TÍPICA DO TERCEIRO SETOR DE BELO HORIZONTE...1. 1. A Instituição Típica do Terceiro Setor por Principal Área de Atividade... ÍNDICE INSTITUIÇÃO TÍPICA DO TERCEIRO SETOR DE BELO HORIZONTE...1 1. A Instituição Típica do Terceiro Setor por Principal Área de Atividade...5 A Instituição Típica da Área de Cultura...5 A Instituição

Leia mais

Promover a igualdade entre os sexos e a autonomia das mulheres

Promover a igualdade entre os sexos e a autonomia das mulheres Promover a igualdade entre os sexos e a autonomia das mulheres META 3 Eliminar as disparidades entre os sexos no ensino fundamental e médio, se possível, até 2005, e em todos os níveis de ensino, o mais

Leia mais

Uma análise das condições de vida da população brasileira

Uma análise das condições de vida da população brasileira Diretoria de Pesquisas Coordenação de População e Indicadores Sociais Gerência de Indicadores Sociais SÍNTESE DE INDICADORES SOCIAIS 2013 Uma análise das condições de vida da população brasileira 29 de

Leia mais

Anuário das MULHERES. Empreendedoras. e Trabalhadoras em Micro e. Pequenas Empresas

Anuário das MULHERES. Empreendedoras. e Trabalhadoras em Micro e. Pequenas Empresas Anuário das MULHERES Empreendedoras e Trabalhadoras em Micro e Pequenas Empresas 2014 SEBRAE - Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas Presidente do Conselho Deliberativo Nacional Roberto

Leia mais

A qualidade do emprego agrícola/ não agrícola entre os residentes rurais nas regiões metropolitanas brasileiras: Uma análise por gênero 2009.

A qualidade do emprego agrícola/ não agrícola entre os residentes rurais nas regiões metropolitanas brasileiras: Uma análise por gênero 2009. A qualidade do emprego agrícola/ não agrícola entre os residentes rurais nas regiões metropolitanas brasileiras: Uma análise por gênero 2009. Taciana Letícia Boveloni Ciências Econômicas Centro de Economia

Leia mais

Aumento da participação de mulheres no mercado de trabalho: mudança ou reprodução da desigualdade?

Aumento da participação de mulheres no mercado de trabalho: mudança ou reprodução da desigualdade? Aumento da participação de mulheres no mercado de trabalho: mudança ou reprodução da desigualdade? Natália de Oliveira Fontoura * Roberto Gonzalez ** A taxa de participação mede a relação entre a população

Leia mais

O QUE ESTÃO FAZENDO OS JOVENS QUE NÃO ESTUDAM, NÃO TRABALHAM E NÃO PROCURAM TRABALHO?

O QUE ESTÃO FAZENDO OS JOVENS QUE NÃO ESTUDAM, NÃO TRABALHAM E NÃO PROCURAM TRABALHO? O QUE ESTÃO FAZENDO OS JOVENS QUE NÃO ESTUDAM, NÃO TRABALHAM E NÃO PROCURAM TRABALHO? Ana Amélia Camarano* Solange Kanso** 1 INTRODUÇÃO As fases da vida são marcadas tanto por eventos biológicos, como

Leia mais

na região metropolitana do Rio de Janeiro

na região metropolitana do Rio de Janeiro O PERFIL DOS JOVENS EMPREENDEDORES na região metropolitana do Rio de Janeiro NOTA CONJUNTURAL MARÇO DE 2013 Nº21 PANORAMA GERAL Segundo a Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios (PNAD/IBGE) de 2011,

Leia mais

Déficits de trabalho decente no Brasil

Déficits de trabalho decente no Brasil 4 41 2 Déficits de trabalho decente no Brasil 42 CEPAL PNUD OIT Capítulo 2 43 Déficits de trabalho decente no Brasil 1 Introdução Para mensurar desenvolvimento humano já há um conjunto consagrado e sintético

Leia mais

Estrutura Populacional e Indicadores socioeconômicos

Estrutura Populacional e Indicadores socioeconômicos POPULAÇÃO BRASILEIRA Estrutura Populacional e Indicadores socioeconômicos Desde a colonização do Brasil o povoamento se concentrou no litoral do país. No início do século XXI, a população brasileira ainda

Leia mais

Estudo Estratégico n o 5. Desenvolvimento socioeconômico na metrópole e no interior do Rio de Janeiro Adriana Fontes Valéria Pero Camila Ferraz

Estudo Estratégico n o 5. Desenvolvimento socioeconômico na metrópole e no interior do Rio de Janeiro Adriana Fontes Valéria Pero Camila Ferraz Estudo Estratégico n o 5 Desenvolvimento socioeconômico na metrópole e no interior do Rio de Janeiro Adriana Fontes Valéria Pero Camila Ferraz PANORAMA GERAL ERJ é o estado mais urbano e metropolitano

Leia mais

Pesquisa Mensal de Emprego

Pesquisa Mensal de Emprego Pesquisa Mensal de Emprego EVOLUÇÃO DO EMPREGO COM CARTEIRA DE TRABALHO ASSINADA 2003-2012 Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística - IBGE 2 Pesquisa Mensal de Emprego - PME I - Introdução A Pesquisa

Leia mais

O Emprego Doméstico na Região Metropolitana de Belo Horizonte em 2013

O Emprego Doméstico na Região Metropolitana de Belo Horizonte em 2013 PESQUISA DE EMPREGO E DESEMPREGO NA METROPOLITANA DE BELO HORIZONTE Ano 19 Nº 13 - O Emprego Doméstico na Região Metropolitana de Belo Horizonte em A partir da aprovação da Emenda Constitucional n 72,

Leia mais

Estatísticas de Gênero Uma análise dos resultados do Censo Demográfico 2010. Sistema Nacional de Informações de Gênero SNIG

Estatísticas de Gênero Uma análise dos resultados do Censo Demográfico 2010. Sistema Nacional de Informações de Gênero SNIG Diretoria de Pesquisas - Coordenação de População e Indicadores Sociais Gerência de Indicadores Sociais Estatísticas de Gênero Uma análise dos resultados do Censo Demográfico 2010 Sistema Nacional de Informações

Leia mais

Economista pela UFU e mestra em economia pela UFPE.

Economista pela UFU e mestra em economia pela UFPE. O Trabalho Autônomo e a Política de Inclusão Previdenciária dos Microempreendedores Individuais MEI 1 Juliana Bacelar de Araújo Milena A. P. Prado Introdução O desenvolvimento econômico brasileiro notabilizou-se

Leia mais

PED - PESQUISA DE EMPREGO E DESEMPREGO NA CIDADE DE SANTOS

PED - PESQUISA DE EMPREGO E DESEMPREGO NA CIDADE DE SANTOS PED - PESQUISA DE EMPREGO E DESEMPREGO NA CIDADE DE SANTOS MARÇO-2007 OBJETIVO Os principais objetivos desta pesquisa são: Conhecer e divulgar a situação do emprego e desemprego na cidade de Santos, de

Leia mais

O Jovem no Mercado de Trabalho: Clientes em potencial dos programas de primeiro emprego

O Jovem no Mercado de Trabalho: Clientes em potencial dos programas de primeiro emprego Ibmec MG Working Paper WP1 O Jovem no Mercado de Trabalho: Clientes em potencial dos programas de primeiro emprego André Braz Golgher (UFMG e UNI-BH) agolgher@hotmail.com Ari Francisco de Araujo Junior

Leia mais

APÓS CINCO MESES EM RELATIVA ESTABILIDADE, DESEMPREGO VOLTA A CRESCER

APÓS CINCO MESES EM RELATIVA ESTABILIDADE, DESEMPREGO VOLTA A CRESCER PESQUISA DE EMPREGO E DESEMPREGO NA REGIÃO METROPOLITANA DE FORTALEZA 1 AGOSTO DE 2015 Ano 8 Divulgação Nº 08 APÓS CINCO MESES EM RELATIVA ESTABILIDADE, DESEMPREGO VOLTA A CRESCER As informações da Pesquisa

Leia mais

Bônus demográfico, crescimento econômico e redução da pobreza no Brasil

Bônus demográfico, crescimento econômico e redução da pobreza no Brasil Bônus demográfico, crescimento econômico e redução da pobreza no Brasil José Eustáquio Diniz Alves i As eleições de 2 nem começaram de fato, mas já existe uma grande quantidade de textos circulando na

Leia mais

Atendência de forte ex

Atendência de forte ex ARTIGO Estudo traça o novo perfil do desemprego no Brasil A abertura comercial sem critérios, aliada ao contexto competitivo interno de altas taxas de juros e ausência de financiamento de médio e longo

Leia mais

Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios PNAD 2011

Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios PNAD 2011 Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios PNAD 2011 Rio de Janeiro, 21/09/2012 1 Abrangência nacional Temas investigados: Características Características gerais dos moradores Educação Migração Trabalho

Leia mais

O EMPREGO DOMÉSTICO NO PERÍODO DE 2000 A 2009

O EMPREGO DOMÉSTICO NO PERÍODO DE 2000 A 2009 Região Metropolitana de São Paulo Março 2010 O EMPREGO DOMÉSTICO NO PERÍODO DE 2000 A 2009 No ano em que a Organização Internacional do Trabalho OIT inclui o trabalho doméstico como tema de sua 99ª Conferência

Leia mais

Taxa de desocupação foi de 9,3% em janeiro

Taxa de desocupação foi de 9,3% em janeiro Taxa de desocupação foi de 9,3% em janeiro A taxa de desocupação registrada pela Pesquisa Mensal de Emprego do IBGE, nas seis principais Regiões Metropolitanas do país (Recife, Salvador, Belo Horizonte,

Leia mais

PESQUISA DE EMPREGO E DESEMPREGO

PESQUISA DE EMPREGO E DESEMPREGO PED Março DE 2014 PESQUISA DE EMPREGO E DESEMPREGO REGIÃO METROPOLITANA DE SÃO PAULO DIVULGAÇÃO N o 352 Em movimento típico para o período, cresce a taxa de desemprego Nível de ocupação se reduz na Indústria

Leia mais

Taxa de analfabetismo

Taxa de analfabetismo B Taxa de analfabetismo B.1................................ 92 Níveis de escolaridade B.2................................ 94 Produto Interno Bruto (PIB) per capita B.3....................... 96 Razão de

Leia mais

Anuário do Trabalho na Micro e Pequena Empresa 2012: análise dos principais resultados de Santa Catarina

Anuário do Trabalho na Micro e Pequena Empresa 2012: análise dos principais resultados de Santa Catarina Anuário do Trabalho na Micro e Pequena Empresa 2012: análise dos principais resultados de Santa Catarina A 5ª edição do Anuário do Trabalho na Micro e Pequena Empresa é um dos produtos elaborados por meio

Leia mais

I N F O R M E S E T O R I A L

I N F O R M E S E T O R I A L ÁREA DE DESENVOLVIMENTO SOCIAL I N F O R M E S E T O R I A L Gerência Setorial REALIDADE SOCIAL BRASILEIRA Principais Indicadores nº 1 janeiro de 2002 No final do ano de 2001 foram divulgados os estudos

Leia mais

AGOSTO DE 2014 * Taxa de desemprego em relativa estabilidade

AGOSTO DE 2014 * Taxa de desemprego em relativa estabilidade MERCADO DE TRABALHO NA REGIÃO METROPOLITANA DE SÃO PAULO AGOSTO DE 2014 * Taxa de desemprego em relativa estabilidade Nível de ocupação aumenta na Indústria de Transformação, mantém-se relativamente estável

Leia mais

TEMA: POPULAÇÃO JOVEM DE 16 A 24 ANOS

TEMA: POPULAÇÃO JOVEM DE 16 A 24 ANOS Em 5 de agosto de 2013 foi sancionado o Estatuto da Juventude que dispõe sobre os direitos da população jovem (a Cidadania, a Participação Social e Política e a Representação Juvenil, a Educação, a Profissionalização,

Leia mais

Mulheres trabalhadoras: 10 anos de mudanças no mercado de trabalho atenuam desigualdades

Mulheres trabalhadoras: 10 anos de mudanças no mercado de trabalho atenuam desigualdades Mulheres trabalhadoras: 10 anos de mudanças no mercado de trabalho atenuam desigualdades 9 Irene M. S. Galeazzi* Lúcia Garcia** Maria Munhoz Driemeier* Miriam De Toni*** Norma Hermínia Kreling*** Patrícia

Leia mais

Tópico: RBC e o Trabalho (questões éticas, políticas e empíricas relacionadas aos mercados laborais formais e informais).

Tópico: RBC e o Trabalho (questões éticas, políticas e empíricas relacionadas aos mercados laborais formais e informais). Tópico: RBC e o Trabalho (questões éticas, políticas e empíricas relacionadas aos mercados laborais formais e informais). Título: MERCADO DE TRABALHO NO BRASIL: EVOLUÇÃO RECENTE, DESAFIOS E COMBATE À POBREZA

Leia mais

Rio Grande do Sul: modificações na sua estrutura etária *

Rio Grande do Sul: modificações na sua estrutura etária * Rio Grande do Sul: modificações na sua estrutura etária * Olga Collinet Heredia UNISINOS Palavras chaves: estrutura etária, população ativa, envelhecimento. INTRODUÇÃO Modificações na dinâmica demográfica

Leia mais

PESQUISA DE EMPREGO E DESEMPREGO NA REGIÃO METROPOLITANA DE SÃO PAULO

PESQUISA DE EMPREGO E DESEMPREGO NA REGIÃO METROPOLITANA DE SÃO PAULO PESQUISA DE EMPREGO E DESEMPREGO NA REGIÃO METROPOLITANA DE SÃO PAULO 2007 O MERCADO DE TRABALHO SOB A ÓPTICA DA RAÇA/COR Os dados da Pesquisa de Emprego e Desemprego permitem diversos tipos de detalhamento

Leia mais

Analfabetismo no Brasil

Analfabetismo no Brasil Analfabetismo no Brasil Ricardo Paes de Barros (IPEA) Mirela de Carvalho (IETS) Samuel Franco (IETS) Parte 1: Magnitude e evolução do analfabetismo no Brasil Magnitude Segundo estimativas obtidas com base

Leia mais

Avaliando o Trabalho Decente no Brasil Um olhar sobre o Perfil do Trabalho Decente no país

Avaliando o Trabalho Decente no Brasil Um olhar sobre o Perfil do Trabalho Decente no país Avaliando o Trabalho Decente no Brasil Um olhar sobre o Perfil Decente no país O que é Trabalho Decente? A Agenda Decente é um sistema reconhecido globalmente para redução da pobreza e desenvolvimento

Leia mais

CADERNOS REGIONAIS SUDESTE

CADERNOS REGIONAIS SUDESTE CADERNOS REGIONAIS SUDESTE 2015 Apresentação Neste ano de 2015 se realiza o 12º CONCUT Congresso Nacional da Central Única dos Trabalhadores -, momento de suma importância para não só eleger a nova direção

Leia mais

O Mercado de Trabalho no Rio de Janeiro na Última Década

O Mercado de Trabalho no Rio de Janeiro na Última Década O Mercado de Trabalho no Rio de Janeiro na Última Década João Saboia 1 1) Introdução A década de noventa foi marcada por grandes flutuações na economia brasileira. Iniciou sob forte recessão no governo

Leia mais

Pesquisa. Há 40 anos atrás nos encontrávamos discutindo mecanismos e. A mulher no setor privado de ensino em Caxias do Sul.

Pesquisa. Há 40 anos atrás nos encontrávamos discutindo mecanismos e. A mulher no setor privado de ensino em Caxias do Sul. Pesquisa A mulher no setor privado de ensino em Caxias do Sul. Introdução Há 40 anos atrás nos encontrávamos discutindo mecanismos e políticas capazes de ampliar a inserção da mulher no mercado de trabalho.

Leia mais

O mercado de trabalho da RMPA a partir dos anos 90: precarização e (re)estruturação em duas décadas de transformações

O mercado de trabalho da RMPA a partir dos anos 90: precarização e (re)estruturação em duas décadas de transformações O mercado de trabalho da RMPA a partir dos anos 90: precarização e (re)estruturação em duas décadas de transformações André Luiz Leite Chaves Míriam De Toni Norma Hermínia Kreling *** INTRODUÇÃO O mercado

Leia mais

2 ASPECTOS DEMOGRÁFICOS

2 ASPECTOS DEMOGRÁFICOS 2 ASPECTOS DEMOGRÁFICOS Neste capítulo se pretende avaliar os movimentos demográficos no município de Ijuí, ao longo do tempo. Os dados que fomentam a análise são dos censos demográficos, no período 1920-2000,

Leia mais

Os gargalos para o ingresso e a permanência das mulheres no mercado de TI, no Brasil Bárbara Castro

Os gargalos para o ingresso e a permanência das mulheres no mercado de TI, no Brasil Bárbara Castro Os gargalos para o ingresso e a permanência das mulheres no mercado de TI, no Brasil Bárbara Castro Dra. em Ciências Sociais (UNICAMP) Bom dia, Primeiramente gostaria de cumprimentar a todos e a todas

Leia mais

Comunicado da. Presidência

Comunicado da. Presidência Número 7, agosto de 2008 Comunicado da Presidência Pobreza e riqueza no Brasil metropolitano Realização: Assessoria Técnica da Presidência 2 1. Apresentação 1 A economia brasileira, ao longo dos últimos

Leia mais

REESTRUTURAÇÃO EMPRESARIAL E EFEITOS SOBRE A ESTRUTURA DO EMPREGO E DO MERCADO DE TRABALHO NO BRASIL

REESTRUTURAÇÃO EMPRESARIAL E EFEITOS SOBRE A ESTRUTURA DO EMPREGO E DO MERCADO DE TRABALHO NO BRASIL REESTRUTURAÇÃO EMPRESARIAL E EFEITOS SOBRE A ESTRUTURA DO EMPREGO E DO MERCADO DE TRABALHO NO BRASIL Sumário Executivo Elaborado por José Márcio Camargo Denise de Pasqual Ernesto Moreira Guedes Filho Maio/

Leia mais

CRESCIMENTO POPULACIONAL NO BRASIL

CRESCIMENTO POPULACIONAL NO BRASIL GEOGRAFIA CRESCIMENTO POPULACIONAL NO BRASIL 1. ASPECTOS GERAIS O Brasil atualmente apresenta-se como o quinto país mais populoso do mundo, ficando atrás apenas da China, Índia, Estados Unidos e Indonésia.

Leia mais

Principais tendências do mercado de trabalho da região metropolitana de Curitiba RMC 2003 a 2007 1

Principais tendências do mercado de trabalho da região metropolitana de Curitiba RMC 2003 a 2007 1 Principais tendências do mercado de trabalho da região metropolitana de Curitiba RMC 2003 a 2007 1 Eron José Maranho 2 À luz de alguns indicadores gerados pela Pesquisa Mensal de Emprego PME para o período

Leia mais

Indicadores IBGE Pesquisa Mensal de Emprego Março 2005

Indicadores IBGE Pesquisa Mensal de Emprego Março 2005 Indicadores IBGE Pesquisa Mensal de Emprego Março 2005 Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística - IBGE Presidente da República Luiz Inácio Lula da Silva Ministro de Estado do Planejamento, Orçamento

Leia mais

OS NEGROS NO MERCADO DE TRABALHO DA RMBH EM 2007

OS NEGROS NO MERCADO DE TRABALHO DA RMBH EM 2007 MERCADO DE TRABALHO DA REGIÃO METROPOLITANA DE BELO HORIZONTE ESPECIAL NEGROS Novembro de 2008 NOVEMBRO de 2008 OS NEGROS NO MERCADO DE TRABALHO DA RMBH EM 2007 Na Região Metropolitana de Belo Horizonte

Leia mais

Mercado de Trabalho nas Regiões Metropolitanas em 2015

Mercado de Trabalho nas Regiões Metropolitanas em 2015 Mercado de Trabalho nas Regiões Metropolitanas em 2015 As informações captadas pela Pesquisa de Emprego e Desemprego mostram que a taxa de desemprego cresceu nas regiões metropolitanas pesquisadas. O DIEESE

Leia mais

Dezembro de 2014 * INTERROMPE-SE A RECUPERAÇÃO DO NÍVEL OCUPACIONAL

Dezembro de 2014 * INTERROMPE-SE A RECUPERAÇÃO DO NÍVEL OCUPACIONAL MERCADO DE TRABALHO NA REGIÃO METROPOLITANA DE PORTO ALEGRE Ano 23 - Número 12 Dezembro de 2014 * INTERROMPE-SE A RECUPERAÇÃO DO NÍVEL OCUPACIONAL As informações captadas pela Pesquisa de Emprego e Desemprego

Leia mais

Relatório produzido em conjunto por três agências das Nações Unidas

Relatório produzido em conjunto por três agências das Nações Unidas Relatório produzido em conjunto por três agências das Nações Unidas Comissão Econômica para a América Latina e o Caribe (CEPAL) Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD) Organização Internacional

Leia mais

O EMPREGO DOMÉSTICO. Boletim especial sobre o mercado de trabalho feminino na Região Metropolitana de São Paulo. Abril 2007

O EMPREGO DOMÉSTICO. Boletim especial sobre o mercado de trabalho feminino na Região Metropolitana de São Paulo. Abril 2007 O EMPREGO DOMÉSTICO Boletim especial sobre o mercado de trabalho feminino na Abril 2007 Perfil de um emprego que responde por 17,7% do total da ocupação feminina e tem 95,9% de seus postos de trabalho

Leia mais

Sobre a queda recente na desigualdade de renda no Brasil

Sobre a queda recente na desigualdade de renda no Brasil Sobre a queda recente na desigualdade de renda no Brasil Ricardo Paes de Barros (IPEA) Mirela de Carvalho (IPEA) Samuel Franco (IPEA) Rosane Mendonça (UFF) Brasília, agosto de 2006 Entre 2001 e 2004 a

Leia mais

PESQUISA DE EMPREGO E DESEMPREGO REGIÃO METROPOLITANA DE SÃO PAULO

PESQUISA DE EMPREGO E DESEMPREGO REGIÃO METROPOLITANA DE SÃO PAULO PESQUISA DE EMPREGO E DESEMPREGO REGIÃO METROPOLITANA DE SÃO PAULO MARÇO DE 2009 DIVULGAÇÃO DIVULGAÇÃO N o 292 N o 266 Desemprego cresce, mas indústria e serviços param de demitir Demissões no Comércio

Leia mais

MICRORREGIÃO GEOGRÁFICA DE ARAXÁ: ANÁLISE DO MERCADO DE TRABALHO

MICRORREGIÃO GEOGRÁFICA DE ARAXÁ: ANÁLISE DO MERCADO DE TRABALHO CENTRO UNIVERSITÁRIO DO PLANALTO DE ARAXÁ NÚCLEO DE PESQUISAS ECONÔMICAS E SOCIAIS INFORMATIVO ANO II Nº V AGOSTO 2008 MICRORREGIÃO GEOGRÁFICA DE ARAXÁ: ANÁLISE DO MERCADO DE TRABALHO Prof. Dr. Vitor Alberto

Leia mais

ISSN 1519-9568. INFORMATIVO MENSAL Ano 1 Número 20 Março de 2002 APRESENTAÇÃO

ISSN 1519-9568. INFORMATIVO MENSAL Ano 1 Número 20 Março de 2002 APRESENTAÇÃO ISSN 119-968 INFORMATIVO MENSAL Ano 1 Número Março de APRESENTAÇÃO O Boletim apresenta uma síntese do documento Panorama Social de América Latina -1, uma publicação da Comissão Especial para a América

Leia mais

3Apesar dos direitos adquiridos pelas

3Apesar dos direitos adquiridos pelas objetivo. promover a igualdade entre os sexos e a autonomia das mulheres mulheres ao longo do século 20, ainda há considerável desigualdade entre os gêneros no mundo. Em geral, as mulheres sofrem com a

Leia mais

Painel: Mulheres no mundo do trabalho no contexto atual

Painel: Mulheres no mundo do trabalho no contexto atual Painel: Mulheres no mundo do trabalho no contexto atual Seminário Desafios para a Autonomia Econômica das Mulheres na Contemporaneidade Secretaria de Políticas para as Mulheres Camila Almeida Oficial de

Leia mais