Filosofia (aula 7) Dimmy Chaar Prof. de Filosofia. SAE

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Filosofia (aula 7) Dimmy Chaar Prof. de Filosofia. SAE"

Transcrição

1 Filosofia (aula 7) Prof. de Filosofia SAE

2 Linguagem Existe entre o poder da palavra e a disposição da alma a mesma relação entre a disposição dos remédios e a natureza do corpo. Alguns remédios interrompem a doença e outros interrompem a vida. Assim também são os discursos: alguns produzem dor, outros, deleite, outros, medo, outros inspiram coragem aos ouvintes, outros, enfim, com alguma persuasão perversa, envenenam a alma e enfeitiçam (PLATÃO apud DIMENSTEIN, Roberto. Dez lições de Filosofia para um Brasil cidadão. São Paulo: FTD, p. 135)

3 Linguagem Os outros animais também possuem a linguagem?

4 Linguagem Os outros animais também possuem a linguagem? SIM

5 Linguagem Os outros animais também possuem a linguagem? SIM Mas utilizam como instrumento de sobrevivência!

6 Linguagem E o homem...

7 Linguagem E o homem... Usa com outras finalidades e de modos variados.

8 Linguagem E o homem... Usa com outras finalidades e de modos variados. Como instrumento de Expressão - de si mesmo

9 Linguagem E o homem... Usa com outras finalidades e de modos variados. Como instrumento de Expressão - de si mesmo; - dos próprios sentimentos, desejos e ideias

10 Linguagem E o homem... Usa com outras finalidades e de modos variados. Como instrumento de Expressão - de si mesmo; - dos próprios sentimentos, desejos e ideias; - para descrever coisas;

11 Linguagem E o homem... Usa com outras finalidades e de modos variados. Como instrumento de Expressão - de si mesmo; - dos próprios sentimentos, desejos e ideias; - para descrever coisas;...

12 Linguagem E o homem... Usa com outras finalidades e de modos variados. Como instrumento de Expressão - de si mesmo; - dos próprios sentimentos, desejos e ideias; - para descrever coisas;...

13 O problema da Linguagem nas ciências

14 O problema da Linguagem nas ciências HISTORIADOR estuda a origem e o desenvolvimento.

15 O problema da Linguagem nas ciências HISTORIADOR estuda a origem e o desenvolvimento; FISIÓLOGO estuda os organismos implicados na emissão dos sons;

16 O problema da Linguagem nas ciências HISTORIADOR estuda a origem e o desenvolvimento; FISIÓLOGO estuda os organismos implicados na emissão dos sons; PSICÓLOGO estuda a linguagem no consciente e no inconsciente humano;

17 O problema da Linguagem nas ciências HISTORIADOR estuda a origem e o desenvolvimento; FISIÓLOGO estuda os organismos implicados na emissão dos sons; PSICÓLOGO estuda a linguagem no consciente e no inconsciente humano; SOCIÓLOGO estuda a influência da linguagem nos movimentos sociais, ideias, usos e costumes de uma sociedade.

18 O problema da Linguagem na Filosofia E o filósofo?

19 O problema da Linguagem na Filosofia Estuda:

20 O problema da Linguagem na Filosofia Estuda: - Origem;

21 O problema da Linguagem na Filosofia Estuda: - Origem; - Natureza;

22 O problema da Linguagem na Filosofia Estuda: - Origem; - Natureza; - Função;

23 O problema da Linguagem na Filosofia Estuda: - Origem; - Natureza; - Função; - Valor... da linguagem.

24 Terminologia na Linguagem LINGUAGEM Todo sistema de signos que possa servir como meio de comunicação. Há intenção comunicativa. (SIGNO Elementos que indicam, designam ou representam as coisas)

25 Terminologia na Linguagem LINGUAGEM Todo sistema de signos que possa servir como meio de comunicação. Há intenção comunicativa. (SIGNO Elementos que indicam, designam ou representam as coisas) LÍNGUA Sistema linguístico utilizado por determinada sociedade. É algo supra-individual, necessita de regras.

26 Terminologia na Linguagem LINGUAGEM Todo sistema de signos que possa servir como meio de comunicação. Há intenção comunicativa. (SIGNO Elementos que indicam, designam ou representam as coisas) LÍNGUA Sistema linguístico utilizado por determinada sociedade. É algo supra-individual, necessita de regras. FALA Forma concreta e individual assumida de um sistema linguístico (língua). Maneira pela qual se expõe aspectos subjetivos.

27 Terminologia na Linguagem SIGNIFICANTE A realidade caracterizada e estruturada pela linguagem;

28 Terminologia na Linguagem SIGNIFICANTE A realidade caracterizada e estruturada pela linguagem; SIGNIFICADO O modo pelo qual a língua falada atualiza o significante. É a atuação do significante em um discurso ou contextualizado em uma cultura.

29 Terminologia na Linguagem SIGNIFICANTE A realidade caracterizada e estruturada pela linguagem; SIGNIFICADO O modo pelo qual a língua falada atualiza o significante. É a atuação do significante em um discurso ou contextualizado em uma cultura. EXEMPLO DO PAI...

30 Origem da Linguagem RECEBIDA Da natureza ou de Deus.

31 Origem da Linguagem RECEBIDA Da natureza ou de Deus. x

32 Origem da Linguagem RECEBIDA Da natureza ou de Deus. X INVENTADA PELO HOMEM Imitando a natureza ou por convenção.

33 Origem da Linguagem Recebida da natureza ou de Deus Teoria mais aceita antigamente. Para Humboldt a linguagem não pode ter sido inventada pelo próprio homem.

34 Origem da Linguagem Inventada pelo homem Teoria mais aceita atualmente. A origem se deu por evolução: - Determinada pela onomatopeia; ou - Atribuída ao acaso e à convenção.

35 Origem da Linguagem Inventada pelo homem Determinada pela ONOMATOPEIA: A linguagem se originou na imitação dos sons da natureza.

36 Origem da Linguagem Inventada pelo homem Determinada pela ONOMATOPEIA: A linguagem se originou na imitação dos sons da natureza. Teoria ventilada pelos estóicos e por Leibiniz, mas estudada cientificamente por Herder, Bruni e Merlo.

37 Origem da Linguagem Inventada pelo homem Determinada pela ONOMATOPEIA: As s primeiras palavras criadas pelos homens foram onomatopéicas, imitativas de sons que ecoaram em nossos ouvidos; onomatopéicas são as primeiras palavras que a criança produz e que logo esquece, substituindo pelas hereditárias. F. BRUNI

38 Origem da Linguagem Inventada pelo homem Por CONVENÇÃO: O homem é quem inventa os sons para determinadas operações.

39 Origem da Linguagem Inventada pelo homem Por CONVENÇÃO: O homem é quem inventa os sons para determinadas operações. A atribuição dos nomes às coisas é algo arbitrário, bem como as regras da língua.

40 Origem da Linguagem Inventada pelo homem Por CONVENÇÃO: O homem é quem inventa os sons para determinadas operações. A atribuição dos nomes às coisas é algo arbitrário, bem como as regras da língua. Há um JOGO LINGUÍSTICO. (Wittgenstein)

41 Origem da Linguagem Inventada pelo homem Por CONVENÇÃO: Suponha que uma ferramenta utilizada por um pedreiro na construção leva determinado sinal, uma etiqueta. Quando o pedreiro mostra o sinal (etiqueta) ao servente, este lhe traz a ferramenta que tem aquele sinal. É mais ou menos desse modo que um nome significa e é atribuído a alguma coisa WITTGENSTEIN

42 Origem da Linguagem Mas...

43 Origem da Linguagem Mas... Estas teorias são contraditórias?

44 Origem da Linguagem Mas... Estas teorias são contraditórias? onomatopéicas X por convenção?

45 Origem da Linguagem Mas... Estas teorias são contraditórias? NÃO

46 Origem da Linguagem Mas... Estas teorias são contraditórias? NÃO Inicialmente, foram onomatopaicas, com a imitação dos sons emitidos pelos animais e pelas coisas. Posteriormente, o homem a trabalhou, convencionando-a.

47 Origem da Linguagem Mas... Estas teorias são contraditórias? NÃO Inicialmente,, foram onomatopaicas,, com a imitação dos sons emitidos pelos animais e pelas coisas. Posteriormente,, o homem a trabalhou, convencionando-a.

48 Origem da Linguagem ANALOGIA COM A CRIANÇA:

49 Origem da Linguagem ANALOGIA COM A CRIANÇA: Primeiro imita o som da mãe;

50 Origem da Linguagem ANALOGIA COM A CRIANÇA: Primeiro imita o som da mãe; Depois, segue a convenção.

51 Para Refletir... O O homem fala sempre. Nós falamos na vigília e no sono. Falamos sempre. ( ) Com isto não se quer unicamente afirmar que o homem possui, além de outras capacidades, também a de falar. Quer-se dizer que é a linguagem que torna o homem o ser vivo que ele é enquanto homem (HEIDEGGER apud MONDIN, Battista. Introdução à Filosofia.. São Paulo: Paulus, p. 40)

Aula 5 ESTRUTURALISMO

Aula 5 ESTRUTURALISMO Aula 5 ESTRUTURALISMO MARTELOTTA, Mário Eduardo. Manual de Linguística. São Paulo: Contexto, 2012, p. 113-126 Prof. Cecília Toledo- cissa.valle@hotmail.com Sistema, estrutura, estruturalismo SISTEMA: resultado

Leia mais

Filosofia (aula 9) Dimmy Chaar Prof. de Filosofia. SAE

Filosofia (aula 9) Dimmy Chaar Prof. de Filosofia. SAE Filosofia (aula 9) Prof. de Filosofia SAE leodcc@hotmail.com Lógica O problema lógico, embora para alguns possa parecer artificial, impõe-se por si. Ele surge logo que se nota que alguns conhecimentos

Leia mais

Psicologia Aplicada à Nutrição

Psicologia Aplicada à Nutrição Psicologia Aplicada à Nutrição Objetivos Abordar alguns conceitos da psicologia existentes no contexto social e da saúde. De psicólogo e louco todo mundo tem um pouco Psicologia e o conhecimento do Senso

Leia mais

Aula 6 GERATIVISMO. MARTELOTTA, Mário Eduardo. Manual de Linguística. São Paulo: Contexto, 2012, p

Aula 6 GERATIVISMO. MARTELOTTA, Mário Eduardo. Manual de Linguística. São Paulo: Contexto, 2012, p Aula 6 GERATIVISMO MARTELOTTA, Mário Eduardo. Manual de Linguística. São Paulo: Contexto, 2012, p. 113-126 Prof. Cecília Toledo- cissa.valle@hotmail.com Linguística Gerativa Gerativismo Gramática Gerativa

Leia mais

A ORALIDADE NA CONSTRUÇÃO DA ESCRITA

A ORALIDADE NA CONSTRUÇÃO DA ESCRITA A ORALIDADE NA CONSTRUÇÃO DA ESCRITA Daiane de Abreu Ribeiro Jeane Silva Freire Jucilene Aparecida Ribeiro da Silva Procópio Daiane de Abreu Ribeiro Faculdade Sumaré Ex-aluna de Pós-Graduação Jeane Silva

Leia mais

COMUNICAÇÃO APLICADA MÓDULO 4

COMUNICAÇÃO APLICADA MÓDULO 4 COMUNICAÇÃO APLICADA MÓDULO 4 Índice 1. Significado...3 1.1. Contexto... 3 1.2. Intertextualidade... 3 1.2.1. Tipos de intertextualidade... 3 1.3. Sentido... 4 1.4. Tipos de Significado... 4 1.4.1. Significado

Leia mais

Professora: Jéssica Nayra Sayão de Paula

Professora: Jéssica Nayra Sayão de Paula Professora: Jéssica Nayra Sayão de Paula Conceitos básicos e importantes a serem fixados: 1- Sincronia e Diacronia; 2- Língua e Fala 3- Significante e Significado 4- Paradigma e Sintagma 5- Fonética e

Leia mais

Filosofia (aula 15) Dimmy Chaar Prof. de Filosofia. SAE

Filosofia (aula 15) Dimmy Chaar Prof. de Filosofia. SAE Filosofia (aula 15) Prof. de Filosofia SAE leodcc@hotmail.com Teoria do Conhecimento Teoria do Conhecimento A crise da Razão Blaise Pascal (1623-1662) Soren Kierkegaard (1813-1855) Pascal (séc. XVII)

Leia mais

A Alma Uma perspectiva bíblica e luterana. Jörg Garbers Ms. de Teologia

A Alma Uma perspectiva bíblica e luterana. Jörg Garbers Ms. de Teologia A Alma Uma perspectiva bíblica e luterana Jörg Garbers Ms. de Teologia A alma A palavra alma é a tradução das palavras: Nefesch (hebraico no AT) Psyche(grego no NT) Popularmente a alma......é uma parte

Leia mais

Pensamento e linguagem

Pensamento e linguagem Pensamento e linguagem Função da linguagem Comunicar o pensamento É universal (há situações que nem todos sabem fazer), mas todos se comunicam Comunicação verbal Transmissão da informação Características

Leia mais

Discurso e texto. L. PORTUGUESA 1ª série do Ensino Médio Professora Marianna Aguiar

Discurso e texto. L. PORTUGUESA 1ª série do Ensino Médio Professora Marianna Aguiar Discurso e texto L. PORTUGUESA 1ª série do Ensino Médio Professora Marianna Aguiar Discurso e texto: contexto de produção, circulação e recepção de textos. A linguagem é uma prática social humana de interação

Leia mais

Linguagem e comunicação interpessoal

Linguagem e comunicação interpessoal Linguagem e comunicação interpessoal Aspectos pragmáticos uso da linguagem Aspectos contextuais Significado social do sentido Elementos não verbais da comunicação COMUNICAÇÃO INTERPESSOAL Design de Comunicação,

Leia mais

Linguagem Coloquial e Culta. Prof.: Michele Nasu Tomiyama Bucci

Linguagem Coloquial e Culta. Prof.: Michele Nasu Tomiyama Bucci Linguagem Coloquial e Culta Prof.: Michele Nasu Tomiyama Bucci Introdução Os critérios que determinam a norma (padrões de uso)de uma língua se estabelecem ao longo do tempo principalmente pela ação da

Leia mais

TEORIA DA LINGUAGEM Prof ª Giovana Uggioni Silveira

TEORIA DA LINGUAGEM Prof ª Giovana Uggioni Silveira TEORIA DA LINGUAGEM Prof ª Giovana Uggioni Silveira COMUNICAÇÃO LINGUAGEM LÍNGUA FALA ESCRITA DISCURSO Forma de linguagem escrita (texto) ou falada (conversação no seu contexto social, político ou cultural).

Leia mais

Comunicação Visual. Introdução

Comunicação Visual. Introdução Comunicação Visual Introdução Comunicar é a capacidade de partilhar, pôr em comum, o que pensamos ou sentimos; é transmitir uma determinada mensagem. Para que a comunicação exista é necessária a existência

Leia mais

REFERENCIAL DO PERFIL DE COMPETÊNCIAS AVALIAÇÃO 3 ANOS. Aprendizagens. Construção da identidade e da autoestima

REFERENCIAL DO PERFIL DE COMPETÊNCIAS AVALIAÇÃO 3 ANOS. Aprendizagens. Construção da identidade e da autoestima ANO LETIVO 2016/217 REFERENCIAL DO PERFIL DE COMPETÊNCIAS AVALIAÇÃO 3 ANOS Área de Construção da identidade e da autoestima Sabe o seu primeiro nome Sabe a idade Tem consciência de si e do outro Reconhece

Leia mais

Disciplina: Comunicação e Extensão Rural O PROCESSO DE COMUNICAÇÃO EM EXTENSÃO RURAL ANTONIO LÁZARO SANT ANA

Disciplina: Comunicação e Extensão Rural O PROCESSO DE COMUNICAÇÃO EM EXTENSÃO RURAL ANTONIO LÁZARO SANT ANA UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA JÚLIO DE MESQUITA FILHO CAMPUS DE ILHA SOLTEIRA Disciplina: Comunicação e Extensão Rural O PROCESSO DE COMUNICAÇÃO EM EXTENSÃO RURAL ANTONIO LÁZARO SANT ANA OUTUBRO 2016

Leia mais

A contribuição do movimento humano para a ampliação das linguagens

A contribuição do movimento humano para a ampliação das linguagens A contribuição do movimento humano para a ampliação das linguagens Movimento humano e linguagens A linguagem está envolvida em tudo o que fazemos, ela é peça fundamental para a expressão humana. Na Educação

Leia mais

O Tom na fala: estratégias prosódicas

O Tom na fala: estratégias prosódicas O Tom na fala: estratégias prosódicas Marígia Ana de Moura Aguiar marigia.aguiar@gmail.com Agradeço a contribuição de meus alunos e companheiros do Grupo de Prosódia da UNICAP na construção desta apresentação.

Leia mais

O fonema como unidade básica da semiose Sebastião Elias Milani

O fonema como unidade básica da semiose Sebastião Elias Milani O fonema como unidade básica da semiose Sebastião Elias Milani No Curso de Linguística Geral, Ferdinand de Saussure (1854-1913) explicou muitas coisas importantes para todos os pensadores da linguagem.

Leia mais

COMUNICAÇÃO E LINGUAGEM (conceitos)

COMUNICAÇÃO E LINGUAGEM (conceitos) Faculdade de Tecnologia SENAC Pelotas Curso Superior de Tecnologia em Marketing/Processos Gerenciais UC: Comunicação e Expressão COMUNICAÇÃO E LINGUAGEM (conceitos) A comunicação verbal baseia-se na interação

Leia mais

Pensar de modo autônomo e A filosofia, a curiosidade e o Capítulo 1: Decifra-me ou te devoro

Pensar de modo autônomo e A filosofia, a curiosidade e o Capítulo 1: Decifra-me ou te devoro PRIMEIRO ANO DO ENSINO MÉDIO QUADRO CURRICULAR FILOSOFIA TEMAS NOÇÕES/CONCEITOS HABILIDADES O olhar filosófico Pensar de modo autônomo e A filosofia, a curiosidade e o Capítulo 1: Decifra-me ou te devoro

Leia mais

CONSCIÊNCIA E EXPRESSÃO CORPORAL

CONSCIÊNCIA E EXPRESSÃO CORPORAL FAAC Faculdade Afonso Cláudio Pólo Tijuca Rio de Janeiro Pós-graduação em Educação Psicomotora CONSCIÊNCIA E EXPRESSÃO CORPORAL Rosane Tesch rosanetesch@gmail.com Diferente do que ocorre com as crianças,

Leia mais

Exemplo: sinal NOME. VARIAÇÃO REGIONAL: representa as variações de sinais de uma região para outra, no mesmo país. Exemplo: sinal VERDE

Exemplo: sinal NOME. VARIAÇÃO REGIONAL: representa as variações de sinais de uma região para outra, no mesmo país. Exemplo: sinal VERDE Estruturas linguisticas da Libras Car@ alun@, já sabe como é a gramática da Libras, então vai observar como é a estrutura linguistica da Libras. Variação linguística A comunicação da comunidade surda do

Leia mais

Linguagem Publicitária

Linguagem Publicitária Linguagem Publicitária Evolução da Linguagem Publicitária O advento do jornalismo no Brasil nos anos 1800, tudo aquilo que se fazia na Europa, em termos de propaganda impressa, foi logo assimilado e posto

Leia mais

Ajudá-lo a conhecer sua voz

Ajudá-lo a conhecer sua voz Desenvolvimento de linguagem > 0 a 18 meses > 2. FONÉTICA e FONOLOGIA Percepção e segmentação da fala. Ajudá-lo a conhecer sua voz 1 Desenvolvimento de linguagem > 0 a 18 meses > 2. FONÉTICA e FONOLOGIA

Leia mais

O que é Linguagem? PROF. RONALDO PINHO

O que é Linguagem? PROF. RONALDO PINHO O que é Linguagem? PROF. RONALDO PINHO Linguagem Sistema de signos que da nome as coisas do mundo. Organiza o pensamento. Possibilita a comunicação. Reflete sentimentos, valores, paixões e pensamentos.

Leia mais

A PRÉ-HISTÓRIA DA LINGUAGEM ESCRITA

A PRÉ-HISTÓRIA DA LINGUAGEM ESCRITA A PRÉ-HISTÓRIA DA LINGUAGEM ESCRITA Disciplina: Desenvolvimento Psicológico III Profª Ms. Luciene Blumer Pois nisto de criação literária cumpre não esquecer guardada a infinita distância que o mundo também

Leia mais

Leitura Compartilhada da reflexão coletiva às práticas de linguagem

Leitura Compartilhada da reflexão coletiva às práticas de linguagem Leitura Compartilhada da reflexão coletiva às práticas de linguagem UME PROF. ANTÔNIO DEMÓSTENES DE SOUZA BRITTO Professor(es) Apresentador(es): CARLA BERRETTINI MANSUR Realização: Foco do Projeto Este

Leia mais

Diferentes abordagens de alfabetização

Diferentes abordagens de alfabetização ALFABETIZAÇÃO Diferentes abordagens de alfabetização MODELO 1 (MÉTODO FONÉTICO OU DIRETO) Identificar oralmente os fonemas da língua (sons). Corresponder o fonema ao grafema: mostrar a letra e a pronuncia

Leia mais

PORTUGUÊS LÍNGUA NÃO MATERNA (PLNM) ENSINO SECUNDÁRIO 2016/2017

PORTUGUÊS LÍNGUA NÃO MATERNA (PLNM) ENSINO SECUNDÁRIO 2016/2017 Critérios Específicos de Avaliação PORTUGUÊS LÍNGUA NÃO MATERNA (PLNM) ENSINO SECUNDÁRIO 2016/2017 Domínio de Avaliação Saber e Saber Fazer Instrumentos de Avaliação Domínios a desenvolver Descritores

Leia mais

EBSERH E D I I T T R A

EBSERH E D I I T T R A EBSERH E D I T R A APRESENTAÇÃO...3 INTERPRETAÇÃO DE TEXTO...5 1. Informações Literais e Inferências possíveis...6 2. Ponto de Vista do Autor...7 3. Significado de Palavras e Expressões...7 4. Relações

Leia mais

PROJETO APRENDENDO E BRINCANDO COM CANTIGAS DE INFANTIS. Escola Municipal Alfabeto. Série: 2ª. Professor: Edilza Ferreira de Lima Correia

PROJETO APRENDENDO E BRINCANDO COM CANTIGAS DE INFANTIS. Escola Municipal Alfabeto. Série: 2ª. Professor: Edilza Ferreira de Lima Correia PROJETO APRENDENDO E BRINCANDO COM CANTIGAS DE INFANTIS Escola Municipal Alfabeto Série: 2ª Professor: Edilza Ferreira de Lima Correia Arcoverde PE Quando uma criança brinca, joga e finge, está criando

Leia mais

Revista do Centro de Educação e Letras TEXTOS BÁSICOS DE LINGUAGEM. DE PLATÃO A FOUCAULT.

Revista do Centro de Educação e Letras TEXTOS BÁSICOS DE LINGUAGEM. DE PLATÃO A FOUCAULT. Ideação Revista do Centro de Educação e Letras TEXTOS BÁSICOS DE LINGUAGEM. DE PLATÃO A FOUCAULT. MARCONDES, Danilo. Textos básicos de linguagem em.. De Platão a Foucault. Rio de Janeiro: o: Zahar,, 2010.

Leia mais

Filosofia (aula 20) Dimmy Chaar Prof. de Filosofia. SAE

Filosofia (aula 20) Dimmy Chaar Prof. de Filosofia. SAE Filosofia (aula 20) Prof. de Filosofia SAE leodcc@hotmail.com Teorias Éticas - Antropocentrismo; - Reflexão Filosófica; - Ascensão da Burguesia; - Surgimento do Capitalismo; - Visa tornar-se senhor da

Leia mais

INFORMAÇÃO E TECNOLOGIA: diferentes fases de comunicação

INFORMAÇÃO E TECNOLOGIA: diferentes fases de comunicação Modelagem conceitual para sistemas de hipertexto INFORMAÇÃO E TECNOLOGIA: diferentes fases de comunicação Profa. glima@eci.ufmg.br A Tradição Oral A fala enunciada pela voz humana é rica em informações

Leia mais

A CONSTRUÇÃO DO SISTEMA DA ESCRITA COMO PROCESSO COGNITIVO

A CONSTRUÇÃO DO SISTEMA DA ESCRITA COMO PROCESSO COGNITIVO A CONSTRUÇÃO DO SISTEMA DA ESCRITA COMO PROCESSO COGNITIVO SILVIA FERNANDES DE OLIVEIRA 1 INTRODUÇÃO Este projeto pretende enfocar a especificidade da construção do sistema da escrita como processo cognitivo.

Leia mais

ANEXO I UNIVERSIDADE DA REGIÃO DE JOINVILLE UNIVILLE COLÉGIO DA UNIVILLE PLANEJAMENTO DE ENSINO E APRENDIZAGEM

ANEXO I UNIVERSIDADE DA REGIÃO DE JOINVILLE UNIVILLE COLÉGIO DA UNIVILLE PLANEJAMENTO DE ENSINO E APRENDIZAGEM ANEXO I UNIVERSIDADE DA REGIÃO DE JOINVILLE UNIVILLE COLÉGIO DA UNIVILLE PLANEJAMENTO DE ENSINO E APRENDIZAGEM 1. Curso: Missão do Colégio: Promover o desenvolvimento do cidadão e, na sua ação educativa,

Leia mais

TESTE SEUS CONHECIMENTOS sobre o MESTRE GENEBRINO! Faça o teste, conte os pontos e veja no final comentários sobre a sua pontuação.

TESTE SEUS CONHECIMENTOS sobre o MESTRE GENEBRINO! Faça o teste, conte os pontos e veja no final comentários sobre a sua pontuação. TESTE SEUS CONHECIMENTOS sobre o MESTRE GENEBRINO! Faça o teste, conte os pontos e veja no final comentários sobre a sua pontuação. Você encontra as leituras de apoio ao exercício neste link: http://www.revel.inf.br/pt/edicoes/?mode=especial&id=13

Leia mais

RELAÇÃO DA LINGUAGEM COM A FILOSOFIA E ANTROPOLOGIA FILOSÓFICA Miguél Eugenio Almeida (UEMS)

RELAÇÃO DA LINGUAGEM COM A FILOSOFIA E ANTROPOLOGIA FILOSÓFICA Miguél Eugenio Almeida (UEMS) FACULDADE DE FORMAÇÃO DE PROFESSORES RELAÇÃO DA LINGUAGEM COM A FILOSOFIA E ANTROPOLOGIA FILOSÓFICA Miguél Eugenio Almeida (UEMS) CONSIDERAÇÕES INICIAIS Pretendemos, aqui, apontar possível relação interdisciplinar

Leia mais

Semântica e Gramática

Semântica e Gramática Cadernos de Letras da UFF- GLC, n. 27, p. 181-185, 2003 181 Semântica e Gramática Monika Benttenmuller Amorim Maira Primo de Medeiros Lacerda RESUMO Esta resenha tem por objetivo apresentar as propostas

Leia mais

Direção Geral de Estabelecimentos Escolares - DSRN AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE PÓVOA DE LANHOSO

Direção Geral de Estabelecimentos Escolares - DSRN AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE PÓVOA DE LANHOSO ATITUDES E VALORES (5%) CONHECIMENTOS E CAPACIDADES (95%) Direção Geral de Estabelecimentos Escolares - DSRN 2016/2017 Português Leitura/ Educação Literária Componente escrita: Compreensão de textos escritos

Leia mais

Língua Inglesa e Formação Cidadã

Língua Inglesa e Formação Cidadã Língua Inglesa e Formação Cidadã Selma Moura selma.a.moura@gmail.com IEL-Unicamp / CNPq www.educacaobilingue.com II Simpósio de Práticas Pedagógicas do programa Linguagens e Educação, PUC-Campinas, 06/10/2011

Leia mais

Uma Introdução à Engenharia Semiótica: Conceitos e Métodos Slides Selecionados e adaptados para aula de INF2706

Uma Introdução à Engenharia Semiótica: Conceitos e Métodos Slides Selecionados e adaptados para aula de INF2706 1 Uma Introdução à Engenharia Semiótica: Conceitos e Métodos Slides Selecionados e adaptados para aula de INF2706 Carla Faria Leitão (PUC-Rio) Milene Selbach Silveira (PUCRS) Clarisse Sieckenius de Souza

Leia mais

Filosofia da Arte. Unidade II O Universo das artes

Filosofia da Arte. Unidade II O Universo das artes Filosofia da Arte Unidade II O Universo das artes FILOSOFIA DA ARTE Campo da Filosofia que reflete e permite a compreensão do mundo pelo seu aspecto sensível. Possibilita compreender a apreensão da realidade

Leia mais

Cursos Profissionais Disciplina: PORTUGUÊS Anos: 10º; 11º e 12º

Cursos Profissionais Disciplina: PORTUGUÊS Anos: 10º; 11º e 12º PARÂMETROS GERAIS DE AVALIAÇÃO Integração escolar e profissionalizante Intervenções e Atividades na sala de aula: PESOS PARÂMETROS ESPECÍFICOS INSTRUMENTOS Peso 2 Peso 5 Comportamento-assiduidade-pontualidadecumprimento

Leia mais

ÉTICA AULA 3 PROF. IGOR ASSAF MENDES

ÉTICA AULA 3 PROF. IGOR ASSAF MENDES ÉTICA AULA 3 PROF. IGOR ASSAF MENDES LUDWIG WITTGENSTEIN Texto 2 LUDWIG WITTGENSTEIN 1889-1951 Estudou o significado conceitos filosóficos através da análise lógica da natureza das proposições da linguagem.

Leia mais

Conscientização sociolinguística

Conscientização sociolinguística L.E. Semana 2 Segunda Feira Conscientização sociolinguística Relação entre a estrutura linguística e os aspectos sociais e culturais da produção linguística o português não é homogêneo Produção linguística

Leia mais

Língua Falada e Língua Escrita

Língua Falada e Língua Escrita Língua Falada e Língua Escrita Língua Falada é a linguagem que usamos para nos comunicar, pronunciada pela boca, muitas vezes de modo informal, sem muitas regras e com algumas gírias; muito diferente da

Leia mais

Fracasso Escolar: um olhar psicopedagógico

Fracasso Escolar: um olhar psicopedagógico Fracasso Escolar: um olhar psicopedagógico Profa. Dra. Nádia Aparecida Bossa Doutora em Psicologia e Educação USP, Mestre em Psicologia da Educação PUC-SP, Neuropsicóloga, Psicopedagoga, Psicóloga, Pedagoga.

Leia mais

Morfossintaxe: forma e função

Morfossintaxe: forma e função O Substantivo Substantivo são palavras que designam seres visíveis ou não -, ações, estados, sentimentos, desejos, idéias. Morfossintaxe: forma e função Falar é uma atividade tão habitual e natural, que

Leia mais

Aula 1 FUNDAMENTOS DA LINGUAGEM

Aula 1 FUNDAMENTOS DA LINGUAGEM Aula 1 FUNDAMENTOS DA LINGUAGEM LANGACKER, Ronald W. A linguagem e sua estrutura: alguns conceitos fundamentais. 4. ed. Petrópolis: Vozes, 1972. cap. 1 (p. 11-19). MARTELOTTA, Mário Eduardo. Manual de

Leia mais

Língua e Produção. 3º ano Francisco. Análise do discurso

Língua e Produção. 3º ano Francisco. Análise do discurso Língua e Produção 3º ano Francisco Análise do discurso Elementos básicos da comunicação; Texto e discurso/ a intenção no discurso; As funções intrínsecas do texto. ELEMENTOS DA COMUNICAÇÃO Emissor emite,

Leia mais

Professor Roberson Calegaro

Professor Roberson Calegaro Elevar? Libertar? O que é arte? Do latim ars, significando técnica e/ou habilidade) pode ser entendida como a atividade humana ligada às manifestações de ordem estética ou comunicativa, realizada por meio

Leia mais

Filosofia Grega Clássica - parte I: o período socrático séculos 5-4 a.c.

Filosofia Grega Clássica - parte I: o período socrático séculos 5-4 a.c. Filosofia Grega Clássica - parte I: o período socrático séculos 5-4 a.c. Atenas no séc. 5 a.c.: - centro da vida social, política e cultural da Grécia - época da democracia, quando os cidadãos participavam

Leia mais

A ORALIDADE NO ENSINO FUNDAMENTAL: REFLEXÕES SOBRE O USO DOS GÊNEROS ORAIS NAS AULAS DE LÍNGUA PORTUGUESA

A ORALIDADE NO ENSINO FUNDAMENTAL: REFLEXÕES SOBRE O USO DOS GÊNEROS ORAIS NAS AULAS DE LÍNGUA PORTUGUESA A ORALIDADE NO ENSINO FUNDAMENTAL: REFLEXÕES SOBRE O USO DOS GÊNEROS ORAIS NAS AULAS DE LÍNGUA PORTUGUESA Marcela Guimarães Alves marcelaguimaraespb@hotmail.com UEPB Resumo: Ramon do Nascimento Oliveira

Leia mais

AUTO-HIPNOSE REPROGRAMAÇÃO MENTAL

AUTO-HIPNOSE REPROGRAMAÇÃO MENTAL AUTO-HIPNOSE REPROGRAMAÇÃO MENTAL INTRODUÇÃO O que é Hipnose? É a ultrapassagem do fator crítico da mente consciente e estabelecimento de um pensamento ou sentimento aceitável e seletivo. Teorias de estado

Leia mais

Comunicação de Moda: Retórica da Palavra e Retórica da Imagem Fashion merchandising: Rhetoric of the word e Rhetoric of the image

Comunicação de Moda: Retórica da Palavra e Retórica da Imagem Fashion merchandising: Rhetoric of the word e Rhetoric of the image Comunicação de Moda: Retórica da Palavra e Retórica da Imagem Fashion merchandising: Rhetoric of the word e Rhetoric of the image Ricardo Brito Almeida 1 rbai@ig.com.br Resumo Comunicação de Moda: Retórica

Leia mais

Plano de ensino: CONTEÚDO, METODOLOGIA E PRÁTICA DE ENSINO DE LÍNGUA PORTUGUESA CONTEÚDO, METODOLOGIA E PRÁTICA DE ENSINO DE LÍNGUA PORTUGUESA

Plano de ensino: CONTEÚDO, METODOLOGIA E PRÁTICA DE ENSINO DE LÍNGUA PORTUGUESA CONTEÚDO, METODOLOGIA E PRÁTICA DE ENSINO DE LÍNGUA PORTUGUESA Plano de ensino: CONTEÚDO, METODOLOGIA E PRÁTICA DE ENSINO DE LÍNGUA PORTUGUESA Título Contextualização Ementa Objetivos gerais CONTEÚDO, METODOLOGIA E PRÁTICA DE ENSINO DE LÍNGUA PORTUGUESA A língua portuguesa,

Leia mais

Escolas de Educação Básica, na Modalidade Educação Especial Parecer 07/14

Escolas de Educação Básica, na Modalidade Educação Especial Parecer 07/14 Escolas de Educação Básica, na Modalidade Educação Especial Parecer 07/14 Anexo 5 Semana Pedagógica 1º semestre - 2016 Anexo 5 Trabalhando com textos na Alfabetização (Marlene Carvalho, 2005) Muitas professoras

Leia mais

FUNÇÕES DE LINGUAGEM

FUNÇÕES DE LINGUAGEM AULAS 1 À 4 Prof. Sabrina Moraes FUNÇÕES DE LINGUAGEM As funções de linguagem são recursos utilizados pelo emissor ou destinatário (pessoa que fala ou escreve) no momento de transmitir uma mensagem, com

Leia mais

1ª edição Projeto Timóteo Como Pregar Mensagens Bíblicas Apostila do Orientador

1ª edição Projeto Timóteo Como Pregar Mensagens Bíblicas Apostila do Orientador Como Pregar Mensagens Bíblicas Projeto Timóteo Apostila do Orientador Como Pregar Mensagens Bíblicas Projeto Timóteo Coordenador do Projeto Dr. John Barry Dyer Equipe Pedagógica Marivete Zanoni Kunz Tereza

Leia mais

Aula 2 A linguagem na sociedade

Aula 2 A linguagem na sociedade Aula 2 A linguagem na sociedade LANGACKER, Ronald W. A linguagem e sua estrutura: alguns conceitos fundamentais. 4. ed. Petrópolis: Vozes, 1972. cap. 3 (p. 51-74). Prof. Cecília Toledo- cissa.valle@hotmail.com

Leia mais

ONTOLOGIAS, TAXONOMIA E TESAUROS EM TEORIA DE SISTEMAS E SISTEMÁTICA

ONTOLOGIAS, TAXONOMIA E TESAUROS EM TEORIA DE SISTEMAS E SISTEMÁTICA ONTOLOGIAS, TAXONOMIA E TESAUROS EM TEORIA DE SISTEMAS E SISTEMÁTICA ONTOLOGÍAS, TAXONOMÍA E TESAUROS EM TEORIA DE SISTEMAS E SISTEMÁTICA CURRÁS, Emília. Ontologias, taxonomia e tesauros em teoria de sistemas

Leia mais

Curso: 1ºciclo Disciplina: Inglês Ano(s): 4º

Curso: 1ºciclo Disciplina: Inglês Ano(s): 4º Domínios Objetivos Instrumentos de avaliação Peso Domínio Intercultural Compreensão / Listening Interação Leitura / Reading e Escrita / Writing - Conhecer-se a si e ao outro. - Conhecer o dia a dia na

Leia mais

Filosofia (aula 10) Dimmy Chaar Prof. de Filosofia. SAE

Filosofia (aula 10) Dimmy Chaar Prof. de Filosofia. SAE Filosofia (aula 10) Prof. de Filosofia SAE leodcc@hotmail.com Lógica Tipos de Argumentação Dedução parte-se do Universal para o Particular Tipos de Argumentação Dedução parte-se do Universal para o Particular;

Leia mais

Doutora em Psicologia e Educação USP, Mestre em Psicologia da Educação PUC-SP, Neuropsicóloga, Psicopedagoga, Psicóloga, Pedagoga.

Doutora em Psicologia e Educação USP, Mestre em Psicologia da Educação PUC-SP, Neuropsicóloga, Psicopedagoga, Psicóloga, Pedagoga. Contribuições das Neurociências para a Qualidade e Inclusão na Educação Profa. Dra. Nádia Aparecida Bossa Doutora em Psicologia e Educação USP, Mestre em Psicologia da Educação PUC-SP, Neuropsicóloga,

Leia mais

Probabilidade - aula II

Probabilidade - aula II 2012/02 1 Interpretações de Probabilidade 2 3 Amostras Aleatórias e Objetivos Ao final deste capítulo você deve ser capaz de: Calcular probabilidades de eventos conjuntos. Interpretar e calcular probabilidades

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE MARCO DE CANAVESES Nº

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE MARCO DE CANAVESES Nº Informação-Prova Final a Nível de Escola de Português Prova 61 2016 2.º Ciclo do Ensino Básico 1. Introdução O presente documento visa divulgar as características da prova final do 2.º ciclo do ensino

Leia mais

Conceituação. Linguagem é qualquer sistema organizado de sinais que serve de meio de comunicação de ideias ou sentimentos.

Conceituação. Linguagem é qualquer sistema organizado de sinais que serve de meio de comunicação de ideias ou sentimentos. Linguagem e Cultura Conceituação Linguagem é qualquer sistema organizado de sinais que serve de meio de comunicação de ideias ou sentimentos. Cultura é todo saber humano, o cabedal de conhecimento de um

Leia mais

Estudo dos gêneros literários

Estudo dos gêneros literários Estudo dos gêneros literários Os gêneros literários são um conjunto de obras que apresentam características semelhantes tanto em termos de forma como conteúdo. Existem três categorias básicas de gênero:

Leia mais

PROJETO PEDAGÓGICO 1

PROJETO PEDAGÓGICO 1 PROJETO PEDAGÓGICO 1 Projeto Pedagógico Por Beatriz Tavares de Souza* Título: O fojo Autor: Fabiana Guimarães Ilustrações: Robson Araújo Formato: 24 cm x 22 cm Número de páginas: 16 Apresentação O livro

Leia mais

Educadora em Desenvolvimento Humano e Financeiro. valormaior.com.br

Educadora em Desenvolvimento Humano e Financeiro. valormaior.com.br Educadora em Desenvolvimento Humano e Financeiro valormaior.com.br EQUILÍBRIO FINANCEIRO Nosso equilíbrio financeiro é resultado da nossa forma de viver a vida. Imagem pixabay.com Refletir sobre suas necessidades

Leia mais

Descobrindo a intertextualidade a partir de Harry Potter e a Pedra Filosofal

Descobrindo a intertextualidade a partir de Harry Potter e a Pedra Filosofal Descobrindo a intertextualidade a partir de Harry Potter e a Pedra Filosofal Juliane de Souza Nunes de Moura A presente proposta foi elaborada para o 6o ano do Ensino Fundamental e pressupõe um trabalho

Leia mais

Probabilidade - aula II

Probabilidade - aula II 25 de Março de 2014 Interpretações de Probabilidade Amostras Aleatórias e Objetivos Ao final deste capítulo você deve ser capaz de: Calcular probabilidades de eventos conjuntos. Interpretar e calcular

Leia mais

a sinfonia de ronronia

a sinfonia de ronronia projeto pedagógico a sinfonia de ronronia A SINFONIA DE RONRONIA UMA PARÁBOLA ESCRITA E ILUSTRADA POR DEBBY CARMAN Rua Tito, 479 Lapa São Paulo SP CEP 05051-000 divulgação escolar (11) 3874-0884 divulga@melhoramentos.com.br

Leia mais

PARA QUEM A ESCOLA GAGUEJA?

PARA QUEM A ESCOLA GAGUEJA? Instituto de Desenvolvimento Educacional do Alto Uruguai - IDEAU Vol. 5 Nº 12 - Julho - Dezembro 2010 Semestral Artigo: PARA QUEM A ESCOLA GAGUEJA? Autora: Daniela Medeiros 1 1 Licenciada em Educação Especial;

Leia mais

ENEM 2012 Questões 108, 109, 110, 111, 112 e 113

ENEM 2012 Questões 108, 109, 110, 111, 112 e 113 Questões 108, 109, 110, 111, 112 e 113 108. Na leitura do fragmento do texto Antigamente constata-se, pelo emprego de palavras obsoletas, que itens lexicais outrora produtivos não mais o são no português

Leia mais

SEQUÊNCIA DIDÁTICA: UM MODELO DE TRABALHO

SEQUÊNCIA DIDÁTICA: UM MODELO DE TRABALHO SEQUÊNCIA DIDÁTICA: UM MODELO DE TRABALHO APRESENTAÇÃO DA SITUAÇÃO - Compreender o projeto com o gênero tirinhas da Turma da Mônica (TM); - Familiarizar-se com os elementos básicos da estrutura composicional

Leia mais

Papel: contribuir para a compreensão da natureza e funcionamento da tradição humana.

Papel: contribuir para a compreensão da natureza e funcionamento da tradição humana. 1 Antropologia, a Ciência do homem A ciência - antropologia divide-se em dois campos: 1) Antropologia Física - Refere-se à forma Física do Homem (biologia humana); 2) Antropologia Social - Comportamento

Leia mais

PLANO DE ENSINO FORMAÇÃO CONTINUADA: OFICINAS PEDAGÓGICAS. Profª. Msc. Clara Maria Furtado

PLANO DE ENSINO FORMAÇÃO CONTINUADA: OFICINAS PEDAGÓGICAS. Profª. Msc. Clara Maria Furtado PLANO DE ENSINO Profª. Msc. Clara Maria Furtado claramaria@terra.com.br Profª. Msc. Eliane Kormann Tomazoni eliane.kormann@unifebe.edu.br Profª. Msc. Márcia Junkes mmjunkes@unifebe.edu.br MISSÃO UNIDAVI

Leia mais

AULA 2. Texto e Textualização. Prof. Daniel Mazzaro Vilar de Almeida 2013/1º

AULA 2. Texto e Textualização. Prof. Daniel Mazzaro Vilar de Almeida 2013/1º AULA 2 Texto e Textualização Prof. Daniel Mazzaro Vilar de Almeida 2013/1º daniel.almeida@unifal-mg.edu.br O QUE É TEXTO? Para Costa Val, texto = discurso. É uma ocorrência linguística falada ou escrita,

Leia mais

VARIAÇÃO LINGUÍSTICA NA SALA DE AULA: UM RELATO DE EXPERIÊNCIAS NAS AULAS DE LÍNGUA PORTUGUESA

VARIAÇÃO LINGUÍSTICA NA SALA DE AULA: UM RELATO DE EXPERIÊNCIAS NAS AULAS DE LÍNGUA PORTUGUESA VARIAÇÃO LINGUÍSTICA NA SALA DE AULA: UM RELATO DE EXPERIÊNCIAS NAS AULAS DE LÍNGUA PORTUGUESA Ana Paula de Souza Fernandes Universidade Estadual da Paraíba. E-mail: Aplins-@hotmail.com Beatriz Viera de

Leia mais

Escola Secundária com 3º Ciclo do Ensino Básico de Amora PLANIFICAÇÃO ANUAL /2015 DISCIPLINA: Português CURSO: PROFISSIONAL

Escola Secundária com 3º Ciclo do Ensino Básico de Amora PLANIFICAÇÃO ANUAL /2015 DISCIPLINA: Português CURSO: PROFISSIONAL COMPETÊNCIAS GERAIS Compreensão oral / Leitura o Antecipar significados o Distinguir diferentes tipos de texto o Apreender sentidos explícitos o Inferir sentidos implícitos o Distinguir factos de opiniões

Leia mais

Linguagem Oral e Escrita

Linguagem Oral e Escrita FAAC Faculdade Afonso Cláudio Pólo Tijuca Rio de Janeiro Pós-graduação em Educação Linguagem Oral e Escrita Rosane Tesch rosanetesch@gmail.com Linguagem Oral e Linguagem Escrita - conceitos gerais Pensamento

Leia mais

Disciplina: Português Professor: Polly Freitas ASPECTOS RELACIONADOS AO TEXTO. Gêneros Textuais e Tipos Textuais Aula 01/07

Disciplina: Português Professor: Polly Freitas ASPECTOS RELACIONADOS AO TEXTO. Gêneros Textuais e Tipos Textuais Aula 01/07 Disciplina: Português Professor: Polly Freitas ASPECTOS RELACIONADOS AO TEXTO Gêneros Textuais e Tipos Textuais Aula 01/07 Gêneros Textuais Definição: Gênero textual é a forma como a língua é empregada

Leia mais

1ª Fase PROVA OBJETIVA FILOSOFIA DO DIREITO

1ª Fase PROVA OBJETIVA FILOSOFIA DO DIREITO 1ª Fase PROVA OBJETIVA FILOSOFIA DO DIREITO P á g i n a 1 QUESTÃO 1 - Admitindo que a história da filosofia é uma sucessão de paradigmas, a ordem cronológica correta da sucessão dos paradigmas na história

Leia mais

MÍDIAS NA ESCOLA. Continuando nossos estudos... Agosto

MÍDIAS NA ESCOLA. Continuando nossos estudos... Agosto MÍDIAS NA ESCOLA Continuando nossos estudos... Agosto - 2015 PARA RECORDAR! LEITURA: UM ENFOQUE ALÉM DO TEXTO QUAL O GÊNERO? QUAL O SUPORTE? QUEM ESCREVEU? QUANDO ESCREVEU? PARA QUEM ESCREVEU? PARA QUE

Leia mais

André Filipe dos Santos Coelho

André Filipe dos Santos Coelho 1 Em que consistem os processos conativos? A conação, os processos conativos, ligam-se, por sua vez, à dimensão do fazer, das maneiras como regulamos os nossos comportamentos e acções. Esta procura compreender

Leia mais

A construção do Sistema de Numeração Decimal SND e Testagem com criança de 6 a 9 anos

A construção do Sistema de Numeração Decimal SND e Testagem com criança de 6 a 9 anos A construção do Sistema de Numeração Decimal SND e Testagem com criança de 6 a 9 anos *as idades são referências, podem variar conforme o contexto Curso Construção de jogos, materiais e atividades de Matemática

Leia mais

RESENHA CRÍTICA O ÓBVIO E O OBTUSO

RESENHA CRÍTICA O ÓBVIO E O OBTUSO FACULDADE DE CIÊNCIA DA INFORMAÇÃO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM CIÊNCIA DA INFORMAÇÃO ISRAEL ANTONIO MANOEL PEREIRA O ÓBVIO E O OBTUSO Resenha Crítica apresentada como atividade parcial avaliativa da disciplina

Leia mais

A compreensão da psicologia do cliente como fator do trabalho eficaz do designer

A compreensão da psicologia do cliente como fator do trabalho eficaz do designer A compreensão da psicologia do cliente como fator do trabalho eficaz do designer Giselle Kossatz Lopes Universidade Estatal de São Petersburgo giselekossatz@hotmail.com Eixo Temático: Ciência, Tecnologia,

Leia mais

Capítulo 5 Involução e Ignorância. Evolução de matéria vida mente: só seria possível se estes princípios já estivessem involuídos

Capítulo 5 Involução e Ignorância. Evolução de matéria vida mente: só seria possível se estes princípios já estivessem involuídos Uma Introdução à Filosofia de Sri Aurobindo Joan Price 1 Capítulo 5 Involução e Ignorância Evolução de matéria vida mente: só seria possível se estes princípios já estivessem involuídos Ponto de partida

Leia mais

Diversidade. Linguística. na Escola Portuguesa. Projecto Diversidade Linguística na Escola Portuguesa (ILTEC)

Diversidade. Linguística. na Escola Portuguesa. Projecto Diversidade Linguística na Escola Portuguesa (ILTEC) Diversidade Linguística na Escola Portuguesa Projecto Diversidade Linguística na Escola Portuguesa (ILTEC) www.iltec.pt www.dgidc.min-edu.pt www.gulbenkian.pt Texto Narrativo Quadro Geral O que se entende

Leia mais

ANÁLISE DE DISCURSO de origem francesa. Circulação e textualização do conhecimento científico PPGECT maio 2015 Henrique César da Silva

ANÁLISE DE DISCURSO de origem francesa. Circulação e textualização do conhecimento científico PPGECT maio 2015 Henrique César da Silva ANÁLISE DE DISCURSO de origem francesa Circulação e textualização do conhecimento científico PPGECT maio 2015 Henrique César da Silva Por que análise de discurso no campo da educação científica? Análise

Leia mais

1º PROCESSO SELETIVO SIMPLIFICADO DE 2016 DO IFNMG DATA DA PROVA: 03/02/2016 LÍNGUA PORTUGUESA E MATEMÁTICA

1º PROCESSO SELETIVO SIMPLIFICADO DE 2016 DO IFNMG DATA DA PROVA: 03/02/2016 LÍNGUA PORTUGUESA E MATEMÁTICA 1º PROCESSO SELETIVO SIMPLIFICADO DE 2016 DO IFNMG PARA O CURSO TÉCNICO EM ADMINISTRAÇÃO PRESENCIAL DE NÍVEL MÉDIO NA MODALIDADE CONCOMITANTE E SUBSEQUENTE DO CÂMPUS ARINOS DATA DA PROVA: 03/02/2016 PROVAS

Leia mais

A noção agostiniana de Tempo. Colégio Cenecista Dr. José Ferreira Filosofia Professor Uilson Fernandes

A noção agostiniana de Tempo. Colégio Cenecista Dr. José Ferreira Filosofia Professor Uilson Fernandes A noção agostiniana de Tempo. Colégio Cenecista Dr. José Ferreira Filosofia Professor Uilson Fernandes Tempo como sucessão... A ideia de tempo surge a partir da distinção entre passado presente e futuro.

Leia mais

Afirmação verdadeira: frase, falada ou escrita, que declara um facto que é aceite no momento em que é ouvido ou lido.

Afirmação verdadeira: frase, falada ou escrita, que declara um facto que é aceite no momento em que é ouvido ou lido. Matemática Discreta ESTiG\IPB 2011.12 Cap1 Lógica pg 1 I- Lógica Informal Afirmação verdadeira: frase, falada ou escrita, que declara um facto que é aceite no momento em que é ouvido ou lido. Afirmação

Leia mais