PROGRESSÃO/PROMOÇÃO DOCENTE. Lei nº , de 28 de dezembro de2012.

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "PROGRESSÃO/PROMOÇÃO DOCENTE. Lei nº , de 28 de dezembro de2012."

Transcrição

1 PROGRESSÃO/PROMOÇÃO DOCENTE Lei nº , de 28 de dezembro de2012. FONAITec Foz do Iguaçu/PR 05 a 08 de junho de 2016

2 Base legal: Lei nº , de 28 de dezembro de2012. Arts. 12 e 14 da Lei nº /2012.

3 Progressão é a passagem do servidor para o nível de vencimento imediatamente superior dentro de uma mesma classe. Promoção a passagem do servidor de uma classe para outra subsequente, na forma desta Lei. 1º dos arts. 12 e 14 da Lei nº /2012.

4 A progressão nas Carreiras do MS e EBTT ocorrerá com base nos critérios gerais estabelecidos em lei e observará, cumulativamente: I - o cumprimento do interstício de 24 meses de efetivo exercício em cada nível; e II - aprovação em avaliação de desempenho individual. 2º dos arts. 12 e 14 da Lei nº /2012.

5 Regra de transitória para o EBTT: Aos servidores ocupantes de cargos da Carreira de Magistério do EBTT, na data de 1 o de março de 2013, será aplicado, para a primeira progressão a ser realizada, o interstício de 18 meses. Art. 34 da Lei nº /2012.

6 A promoção nas Carreiras do MS e EBTT ocorrerá observados o interstício mínimo de 24 (vinte e quatro) meses no último nível de cada Classe antecedente àquela para a qual se dará a promoção e, ainda, as seguintes condições: Para as Classes de B a D (MS) e Classes de D II a DIV (EBTT): aprovação em processo de avaliação de desempenho Para a Classe E - Professor Titular (MS) e Classe Titular (EBTT): a) possuir o título de doutor; b) ser aprovado em processo de avaliação de desempenho; e c) lograr aprovação de memorial que deverá considerar as atividades de ensino, pesquisa, extensão, gestão acadêmica e produção profissional relevante, ou de defesa de tese acadêmica inédita. 3º dos arts. 12 e 14 da Lei nº /2012.

7 As diretrizes gerais para o processo de avaliação de desempenho para fins de progressão e de promoção serão estabelecidas em ato do Ministério da Educação e deverão contemplar as atividades de ensino, pesquisa, extensão e gestão, cabendo aos conselhos competentes no âmbito de cada Instituição Federal de Ensino regulamentar os procedimentos do referido processo. Portaria 2013_554 de 21_06_2013_Diretrizes para Progressão.pdf 4º dos arts. 12 e 14 da Lei nº /2012.

8 O processo de avaliação para acesso à Classe E - Professor Titular (MS) e Classe Titular (EBTT) será realizado por comissão especial composta, no mínimo, por 75% (setenta e cinco por cento) de profissionais externos à IFE, e será objeto de regulamentação por ato do Ministro de Estado da Educação. Portaria-MEC nº Diretrizes promoção Professor Titular I.pdf Portaria-MEC nº Diretrizes promoção Professor Titular II.pdf 5º dos arts. 12 e 14 da Lei nº /2012.

9 Os cursos de mestrado e doutorado, para os fins progressão e promoção serão considerados somente se credenciados pelo Conselho Federal de Educação e, quando realizados no exterior, revalidados por instituição nacional competente. 6º dos arts. 12 e 14 da Lei nº /2012.

10 Os docentes aprovados no estágio probatório do respectivo cargo farão jus a processo de aceleração da promoção desde que sejam atendidos os seguintes requisitos de titulação : MS I - para o nível inicial da Classe B, (Professor Assistente), pela apresentação de titulação de mestre; II - para o nível inicial da Classe C, (Professor Adjunto), pela apresentação de titulação de doutor. EBTT I - de qualquer nível da Classe D I para o nível 1 da classe D II, pela apresentação de título de especialista; e II - de qualquer nível das Classes D I e D II para o nível 1 da classe D III, pela apresentação de título de mestre ou doutor. Arts. 13 e 15 da Lei nº /2012.

11 Aos servidores ocupantes de cargos da Carreira de MS e EBTT em 1º de março de 2013 ou na data de publicação desta Lei, se posterior, é permitida a aceleração da promoção de que trata este artigo ainda que se encontrem em estágio probatório no cargo. Parágrafo único dos arts. 13 e 15 da Lei nº /2012.

12 Constitui-se no processo de seleção pelo qual são reconhecidos e valorizados os conhecimentos e habilidades do professor da carreira do Ensino Básico, Técnico e Tecnológico (EBTT), desenvolvidos a partir da sua experiência individual e profissional e no exercício das atividades docentes. Art. 18 da Lei nº /2012.

13 Encontra amparo legal na Lei nº , de 29 de dezembro de 2012, assim como na regulamentação de funcionamento do Conselho Permanente de Reconhecimento de Saberes e Competências CPRSC. Art. 18 da Lei nº /2012.

14 No caso dos ocupantes de cargos da Carreira de Magistério do EBTT, para fins de percepção da RT, será considerada a equivalência da titulação exigida com o Reconhecimento de Saberes e Competências - RSC. Nível Exigência Equivalência RSC I Graduação Especialização RSC II Especialização Mestrado RSC III Mestrado Doutorado 1º e 2º Art. 18 da Lei nº /2012.

15 Criação do Conselho Permanente para Reconhecimento de Saberes e Competências no âmbito do Ministério da Educação, com a finalidade de estabelecer os procedimentos para a concessão do RSC. A composição do Conselho e suas competências serão estabelecidas em ato do Ministro da Educação. 3º, 4º e 5º Art. 18 da Lei nº /2012.

16 Conselho Permanente para RSC CPRSC As atribuições e o funcionamento do CPRSC constam nos seguintes documentos: Portaria MEC 491/2013, que cria o Conselho Permanente para o Reconhecimento de Saberes e Competências da carreira EBTT; portaria RSC.pdf Portaria MEC 844/2013, que designa os representantes por órgãos ou entidades integrantes do Conselho Permanente para o Reconhecimento de Saberes e Competências da Carreira EBTT; Portaria MEC 1.094/2013, que aprova o Regulamento do Conselho Permanente para Reconhecimento de Saberes e Competências da carreira EBTT. Regulamento do CPRSC - Portaria MEC pdf Regulamento do CPRSC - Portaria MEC ª página.pdf

17 Estabelece os pressupostos, as diretrizes e os procedimentos para a concessão de Reconhecimento de Saberes e Competências (RSC) aos docentes da Carreira do Magistério do EBTT, por meio de processo avaliativo especial. Resolução nº CPRSC.pdf Art. 1º da Resolução CPRSC nº 001/2014.

18 Perfis a serem observados: RSC I Reconhecimento das experiências individuais e profissionais, as atividades de docência e/ou orientação, e/ou produção de ambientes de aprendizagem, e/ou gestão e/ou formação complementar e deverão pontuar, preferencialmente, nas diretrizes relacionadas no 1º do art. 11, da resolução.

19 Perfis a serem observados: RSC II Reconhecimento da participação em programas e projetos institucionais, participação em projetos de pesquisa, extensão e/ou inovação e deverão pontuar, preferencialmente, nas diretrizes relacionadas no 2º. do art. 11, da resolução.

20 Perfis a serem observados: RSCIII Reconhecimento da destacada referência do professor, em programas e projetos institucionais e/ou de pesquisa, extensão e/ou inovação, na área de atuação e deverão pontuar, preferencialmente, nas diretrizes relacionadas no 3º. do art. 11, da resolução.

21 A avaliação dos critérios que serão adotados pelas Instituições Federais de Ensino (IFE) para contemplar as diretrizes propostas no inciso III do 1º e no inciso I do 2º, do art. 11, da resolução, deverá ser baseada nas atividades de docência e de orientações, e esses critérios deverão ser avaliados, obrigatoriamente, em todos os níveis.

22 A Comissão Especial: Será responsável pela avaliação do processo individual, para a concessão do Reconhecimento de Saberes e Competências aos docentes da Carreira do Magistério do EBTT, atendendo aos pressupostos e as diretrizes, constantes na referida resolução e no regulamento de cada IFE.

23 Serão consideradas para efeitos do RSC: A experiência profissional, a participação em programas institucionais e/ou em projetos de pesquisa e/ou extensão e/ou inovação. A apresentação de atividades para obtenção do RSC independe do tempo em que as mesmas foram realizadas. O professor poderá pontuar em quaisquer dos itens propostos nas diretrizes do RSC.

24 Serão consideradas para efeitos do RSC: Na pontuação definida pela IFE o docente deverá atingir 50% (cinquenta por cento) da pontuação prevista para o nível de certificação pretendido, sendo que, no mínimo, 50% (cinquenta por cento) destes pontos deverão estar contemplados no nível pretendido.

25 I - RSC- I: a) xperiência na área de formação e/ou atuação do docente, anterior ao ingresso na Instituição, contemplando o impacto de suas ações nas demais diretrizes dispostas para todos os níveis do RSC; b) Cursos de capacitação na área de interesse institucional; c) Atuação nos diversos níveis e modalidades de educação; d) Atuação em comissões e representações institucionais, de classes e profissionais, contemplando o impacto de suas ações nas demais diretrizes dispostas para todos os níveis do RSC; e) Produção de material didático e/ou implantação de ambientes de aprendizagem, nas atividades de ensino, pesquisa, extensão e/ou inovação; f) Atuação na gestão acadêmica e institucional, contemplando o impacto de suas ações nas demais diretrizes dispostas para todos os níveis do RSC; g) Participação em processos seletivos, em bancas de avaliação acadêmica e/ou de concursos; h) Outras graduações, na área de interesse, além daquela que o habilita e define o nível de RSC pretendido, no âmbito do plano de qualificação institucional.

26 II - RSC - II: a) Orientação do corpo discente em atividades de ensino, extensão, pesquisa e/ou inovação; b) Participação no desenvolvimento de protótipos, depósitos e/ou registros de propriedade intelectual; c) Participação em grupos de trabalho e oficinas institucionais; d) Participação no desenvolvimento de projetos, de interesse institucional, de ensino, pesquisa, extensão e/ou inovação; e) Participação no desenvolvimento de projetos e/ou práticas pedagógicas de reconhecida relevância; f) Participação na organização de eventos científicos, tecnológicos, esportivos, sociais e/ou culturais; g) Outras pós-graduações lato sensu, na área de interesse, além daquela que o habilita e define o nível de RSC pretendido, no âmbito do plano de qualificação institucional.

27 III - RSC-III: a) Desenvolvimento, produção e transferência de tecnologias; b) Desenvolvimento de pesquisas e aplicação de métodos e tecnologias educacionais que proporcionem a interdisciplinaridade e a integração de conteúdos acadêmicos na educação profissional e tecnológica ou na educação básica; c) Desenvolvimento de pesquisas e atividades de extensão que proporcionem a articulação institucional com os arranjos sociais, culturais e produtivos; d) Atuação em projetos e/ou atividades em parceria com outras instituições; e) Atuação em atividades de assistência técnica nacional e/ou internacional; f) Produção acadêmica e/ou tecnológica, nas atividades de ensino, pesquisa, extensão e/ou inovação. g) Outras pós-graduações stricto sensu, na área de interesse, além daquela que o habilita e define o nível de RSC pretendido, no âmbito do plano de qualificação institucional; A IFE, em sua regulamentação, poderá estabelecer pesos de 01 (um) a 03 (três) para cada item proposto, de acordo com a especificidade institucional.

28 Para concessão do RSC, a IFE deverá assegurar a coerência entre as atividades de ensino, pesquisa, extensão, gestão e inovação, na definição da pontuação dos critérios, considerando as finalidades institucionais e os perfis de RSC. Na definição da pontuação dos critérios para a concessão do RSC, a IFE deverá prever a avaliação, tanto qualitativa quanto quantitativa, de forma a garantir o atendimento dos pressupostos e das diretrizes desta resolução.

29 O Conselho Superior ou órgão equivalente das IFE deverá aprovar o regulamento interno, antes do seu encaminhamento ao CPRSC. A inscrição no processo de Reconhecimento de Saberes e Competências (RSC) se dará por meio de solicitação à CPPD ou à comissão análoga a CPPD, observando o regulamento institucional.

30 Os professores EBTT deverão apresentar relatório com documentação comprobatória das atividades à comissão especial. Na ausência de documentação comprobatória, para o período anterior a 1º de março de 2003, será facultado a apresentação de memorial, que deverá conter a descrição detalhada da trajetória acadêmica, profissional e intelectual do candidato ao RSC, ressaltando cada etapa de sua experiência.

31 Comissão Especial A Comissão Especial, constituída no âmbito de cada IFE, será composta por, no mínimo, 50% (cinquenta por cento) de profissionais externos, servidores da Carreira do Magistério do Ensino Básico, Técnico e Tecnológico.

32 Comissão Especial Os membros internos da Comissão Especial deverão ser sorteados pela Comissão Permanente de Pessoal Docente - CPPD, a partir do Banco de Avaliadores, constituído por servidores da Carreira do Magistério do Ensino Básico, Técnico e Tecnológico, assegurada a publicidade dos procedimentos de seleção. Nas Instituições que não possuírem CPPD ou que esta não seja formada, exclusivamente, por professores EBTT, será criada uma comissão análoga a CPPD, por membros eleitos por seus pares.

33 Comissão Especial Os membros externos deverão ser sorteados a partir do Banco de Avaliadores, constituído por um cadastro nacional e único de avaliadores, servidores da Carreira do Magistério do Ensino Básico, Técnico e Tecnológico, assegurada a publicidade dos procedimentos de seleção e de todos os avaliadores selecionados.

34 Comissão Especial Os membros externos são servidores da Carreira do Magistério EBTT, previamente cadastrados no Banco de Avaliadores, pelo SIMEC-RSC, conforme Edital- CPRSC nº 001/2014, identificados como: Professor Avaliador.

35 Banco de Avaliadores SIMEC Para acesso e utilização do Banco de Avaliadores a IFE terá que indicar: Administrador Institucional responsável pela validação do cadastro dos avaliadores da respectiva IFE; Interlocutor: realiza o sorteio dos membros externos e dos membros internos, quando for o caso. Link:

36 Concessão A concessão será efetivada com o ato administrativo emitido pela autoridade máxima do órgão ou pelo agente delegado de competência. Lançamento no SIAPE Pagamento

37 GECC Gratificação por Encargo de Cursos e Concurso. Art. 14. A participação de servidor docente como membro avaliador da Comissão Especial de que trata o art. 3º desta Resolução, poderá ser remunerada na forma de Gratificação por Encargo de Curso e Concurso, nos termos do inciso II, art. 76-A, da Lei nº 8.112/90, do Decreto nº 6.114/2007 e da Portaria MEC nº 1.084, de , publicada no D.O.U. de Parágrafo único. As despesas decorrentes de passagens e diárias nos deslocamentos dos avaliadores externos para eventual realização da seleção "in loco" serão custeadas pela Instituição de Ensino solicitante

38 Retroatividade Retroatividade Art. 15. A presente Resolução entra em vigor na data de sua publicação e seus efeitos retroagem a 1º de março de 2013.

39 Contatos:

Prof. Luciano Silva IFSP. Instruções para uso da tabela com proposta de critérios e de pontuação sobre RSC

Prof. Luciano Silva IFSP. Instruções para uso da tabela com proposta de critérios e de pontuação sobre RSC Prof. Luciano Silva IFSP Instruções para uso da tabela com proposta de critérios e de pontuação sobre RSC Novembro/2013. SUMÁRIO 1 DIRETRIZES PARA DEFINIÇÃO DOS CRITÉRIOS E PONTUAÇÃO SOBRE RSC... 3 2 PONTUAÇÃO

Leia mais

Comentários sobre a LEI Nº , DE 28 DE DEZEMBRO DE Na pratica a lei trouxe pouco benefício, exceto os aumentos.

Comentários sobre a LEI Nº , DE 28 DE DEZEMBRO DE Na pratica a lei trouxe pouco benefício, exceto os aumentos. Comentários sobre a LEI Nº 12.772, DE 28 DE DEZEMBRO DE 2012 Na pratica a lei trouxe pouco benefício, exceto os aumentos. Demais vantagens como Reconhecimento de Saberes e Competências RSC que permite

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE MINAS GERAIS

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE MINAS GERAIS MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE MINAS GERAIS. CONSELHO SUPERIOR Avenida Professor Mário Werneck, nº. 2590,

Leia mais

CARREIRA DOS DOCENTES DOS INSTITUTOS FEDERAIS

CARREIRA DOS DOCENTES DOS INSTITUTOS FEDERAIS Secretaria de Educação Profissional e Tecnológica SETEC CARREIRA DOS DOCENTES DOS INSTITUTOS FEDERAIS VEJA O RESUMO DA NOVA PROPOSTA APRESENTADA PELO MEC EM 4/07/01 O que Melhora? O que muda? Aumento mínimo

Leia mais

PROMOÇÃO DE DOCENTE. É a passagem do servidor do último nível de uma classe da Carreira de Magistério para outra subsequente.

PROMOÇÃO DE DOCENTE. É a passagem do servidor do último nível de uma classe da Carreira de Magistério para outra subsequente. DEFINIÇÃO PROMOÇÃO DE DOCENTE Cód.: PVD Nº: 94 Versão: 5 Data: 12/01/2014 É a passagem do servidor do último nível de uma classe da Carreira de Magistério para outra subsequente. REQUISITOS BÁSICOS 1.

Leia mais

Lei nº , de 28 de dezembro de Carreira do Magistério Superior Plano de Carreiras e Cargos de Magistério Federal

Lei nº , de 28 de dezembro de Carreira do Magistério Superior Plano de Carreiras e Cargos de Magistério Federal Lei nº 12.772, de 28 de dezembro de 2012 Carreira do Magistério Superior Plano de Carreiras e Cargos de Magistério Federal Plano de Carreiras e Cargos de Magistério Federal Carreira de Magistério Superior,

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS. Professor Jaime Arturo Ramírez Presidente do Conselho de Ensino, Pesquisa e Extensão

UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS. Professor Jaime Arturo Ramírez Presidente do Conselho de Ensino, Pesquisa e Extensão RESOLUÇÃO N o 01/2016, DE 22 DE MARÇO DE 2016 Aprova o Regulamento Interno relativo à avaliação e aos procedimentos para a concessão do Reconhecimento de Saberes e Competências (RSC) aos docentes da carreira

Leia mais

RESOLUÇÃO N 027, DE 25 DE OUTUBRO DE 2013

RESOLUÇÃO N 027, DE 25 DE OUTUBRO DE 2013 RESOLUÇÃO N 027, DE 25 DE OUTUBRO DE 2013 Aprova os procedimentos para avaliação de desempenho dos servidores docentes para fins de progressão e promoção na carreira, conforme o disposto na Lei nº 12.772/2012

Leia mais

Anexo II. Tabela de Pontuação do RSC do IF Baiano

Anexo II. Tabela de Pontuação do RSC do IF Baiano MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA BAIANO Anexo II Tabela de do RSC do IF Baiano RSC I - de 100 pontos Diretriz

Leia mais

(Lei nº , de 28 de dezembro de 2012)

(Lei nº , de 28 de dezembro de 2012) ANOTAÇÕES RELEVANTES SOBRE O PLANO DE CARREIRAS E CARGOS DE MAGISTÉRIO FEDERAL (Lei nº 12.772, de 28 de dezembro de 2012) Introdução 1. Neste documento destacamos alguns itens da nova Carreira e do Cargo

Leia mais

ANEXO IV FORMULÁRIO DE PONTUAÇÃO POR CRITÉRIO. Fator de pontuação

ANEXO IV FORMULÁRIO DE PONTUAÇÃO POR CRITÉRIO. Fator de pontuação RECONHECIMENTO DE SABERES E COMPETÊNCIAS RSC I ANEXO IV FORMULÁRIO DE PONTUAÇÃO POR CRITÉRIO Fator de pontuação Unidade Quantidade Máximas de unidades Quantidade de unidades comprovadas obtida I - Experiência

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO DE JANEIRO CONSELHO UNIVERSITÁRIO PROPOSTA DE RESOLUÇÃO

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO DE JANEIRO CONSELHO UNIVERSITÁRIO PROPOSTA DE RESOLUÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO DE JANEIRO CONSELHO UNIVERSITÁRIO PROPOSTA DE RESOLUÇÃO Estabelece normas e critérios para o desenvolvimento na Carreira do Magistério Superior da UFRJ. O CONSELHO UNIVERSITÁRIO

Leia mais

LEI Nº , DE 28 DE DEZEMBRO DE 2012

LEI Nº , DE 28 DE DEZEMBRO DE 2012 CÂMARA DOS DEPUTADOS Centro de Documentação e Informação LEI Nº 12.772, DE 28 DE DEZEMBRO DE 2012 Dispõe sobre a estruturação do Plano de Carreiras e Cargos de Magistério Federal; sobre a Carreira do Magistério

Leia mais

NORMA DE PESSOAL DOCENTE DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE CIÊNCIAS DA SAÚDE DE PORTO ALEGRE - UFCSPA

NORMA DE PESSOAL DOCENTE DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE CIÊNCIAS DA SAÚDE DE PORTO ALEGRE - UFCSPA NORMA DE PESSOAL DOCENTE DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE CIÊNCIAS DA SAÚDE DE PORTO ALEGRE - UFCSPA Regulamenta a Política de Pessoal Docente da Carreira do Magistério Superior da Universidade Federal de Ciências

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO VALE DO SÃO FRANCISCO CONSELHO UNIVERSITÁRIO RESOLUÇÃO N 02/2013

UNIVERSIDADE FEDERAL DO VALE DO SÃO FRANCISCO CONSELHO UNIVERSITÁRIO RESOLUÇÃO N 02/2013 RESOLUÇÃO N 02/2013 Aprova as normas para avaliação de desempenho funcional dos docentes da Universidade Federal do Vale do São Francisco, para fins de desenvolvimento na carreira.. O DA UNIVERSIDADE FEDERAL

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 001 CONSUPER/2014

RESOLUÇÃO Nº 001 CONSUPER/2014 Ministério da Educação Secretaria de Educação Profissional e Tecnológica Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia Catarinense Conselho Superior RESOLUÇÃO Nº 001 CONSUPER/2014 Dispõe sobre a

Leia mais

NORMA DE PESSOAL DOCENTE DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE CIÊNCIAS DA SAÚDE DE PORTO ALEGRE - UFCSPA

NORMA DE PESSOAL DOCENTE DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE CIÊNCIAS DA SAÚDE DE PORTO ALEGRE - UFCSPA NORMA DE PESSOAL DOCENTE DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE CIÊNCIAS DA SAÚDE DE PORTO ALEGRE - UFCSPA Regulamenta a Política de Pessoal Docente da Carreira do Magistério Superior da Universidade Federal de Ciências

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DA PARAÍBA CONSELHO SUPERIOR RESOLUÇÃO N 168, DE 18 DE JULHO DE 2014.

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DA PARAÍBA CONSELHO SUPERIOR RESOLUÇÃO N 168, DE 18 DE JULHO DE 2014. Alterar a Resolução 90 de 28 de abril de 2014 que dispõe sobre a regulamentação da avaliação e fluxo de procedimentos para a concessão do Reconhecimento de Saberes e Competências aos docentes pertencentes

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos 1 de 21 09/02/2017 16:47 Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos LEI Nº 12.772, DE 28 DE DEZEMBRO DE 2012. (Vide Medida Provisória nº 614, de Texto compilado Vide Decreto

Leia mais

RSC Reconhecimento Saberes e Competências

RSC Reconhecimento Saberes e Competências RSC Reconhecimento Saberes e Competências Prof.: Ricardo Moraes Comissão RSC e Professor Titular Objetivos: Apresentar Regulamento e Trâmites RSC; Nivelar Informações; Dirimir eventuais dúvidas; NFORMAÇÃO

Leia mais

Ingresso na Carreira. 1. O ingresso na Carreira continuará a respeitar o edital e a autonomia das Instituições Federais de Ensino Superior?

Ingresso na Carreira. 1. O ingresso na Carreira continuará a respeitar o edital e a autonomia das Instituições Federais de Ensino Superior? Ingresso na Carreira 1. O ingresso na Carreira continuará a respeitar o edital e a autonomia das Instituições Federais de Ensino Superior? Está previsto que as Universidades é que definirão em última instância

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 009, DE 02 DE JUNHO DE 2014

RESOLUÇÃO Nº 009, DE 02 DE JUNHO DE 2014 RESOLUÇÃO Nº 009, DE 02 DE JUNHO DE 2014 O PRESIDENTE DO CONSELHO SUPERIOR DO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE GOIÁS, no uso de suas atribuições legais e regimentais considerando

Leia mais

CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES PRELIMINARES

CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES PRELIMINARES Anexo da Resolução CEP 357/2015 REGULAMENTO DE CONCESSÃO DO RECONHECIMENTO DE SABERES E COMPETÊNCIAS (RSC) AOS DOCENTES PERTENCENTES À CARREIRA DE MAGISTÉRIO DO ENSINO BÁSICO, TÉCNICO E TECNOLÓGICO DA

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DO NORTE DE MINAS GERAIS

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DO NORTE DE MINAS GERAIS REGULAMENTO PARA AFASTAMENTO DE SERVIDORES DOCENTES DO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO NORTE DE MINAS GERAIS PARA QUALIFICAÇÃO EM PROGRAMAS DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU e PÓS-DOUTORADO.

Leia mais

Lei Complementar Nº 124 de 01/07/2009. Faço saber que o Poder Legislativo decreta e eu sanciono a seguinte Lei Complementar:

Lei Complementar Nº 124 de 01/07/2009. Faço saber que o Poder Legislativo decreta e eu sanciono a seguinte Lei Complementar: Lei Complementar Nº 124 de 01/07/2009 Altera a Lei Complementar nº 61, de 20 de dezembro de 2005, que dispõe sobre o Plano de Cargos, Carreiras e Remuneração do Magistério Superior da Universidade Estadual

Leia mais

RESOLUÇÃO N 02/2015. O CONSELHO UNIVERSITÁRIO DA UNIVERSIDADE FEDERAL DO VALE DO SÃO FRANCISCO no uso de suas atribuições legais e estatutárias;

RESOLUÇÃO N 02/2015. O CONSELHO UNIVERSITÁRIO DA UNIVERSIDADE FEDERAL DO VALE DO SÃO FRANCISCO no uso de suas atribuições legais e estatutárias; RESOLUÇÃO N 02/2015 Estabelece os critérios de avaliação do desempenho acadêmico dos docentes, para fins de promoção funcional à Classe de Professor Associado e progressão entre os níveis dessa Classe,

Leia mais

4 Perfil do Quadro de Servidores

4 Perfil do Quadro de Servidores 4 Perfil do Quadro de Servidores 4.1 Servidores Docentes O quadro de servidores docentes do IFRO é composto por Professores do Ensino Básico, Técnico e Tecnológico regidos pela Lei nº 8.112/90 e Lei nº

Leia mais

Perguntas Frequentes de Docentes

Perguntas Frequentes de Docentes SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA DE MINAS GERAIS SUPERINTENDÊNCIA DE ADMINISTRAÇÃO DE PESSOAL Tempo Residual Perguntas Frequentes de Docentes 1 - A

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos LEI Nº 2.772, DE 28 DE DEZEMBRO DE 202. (Vide Medida Provisória nº 64, de 203) Texto compilado Vide Decreto nº 8.239, de 204 Dispõe

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº. 59(B)/CONSUN/2017

RESOLUÇÃO Nº. 59(B)/CONSUN/2017 RESOLUÇÃO Nº. 59(B)/CONSUN/2017 O Conselho Universitário do Centro Universitário de Mineiros, Goiás, em sua 68ª Sessão Plenária Extraordinária, realizada em 26 de junho de 2017, com a finalidade de regulamentar

Leia mais

UNIVERSIDADE DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO

UNIVERSIDADE DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO RESOLUÇÃO Nº 08/2016 Altera a Lei nº 5.343/2008 e a Lei nº 6.328/2012, para aperfeiçoar a carreira docente da UERJ, e dá outras providências. O CONSELHO UNIVERSITÁRIO, no uso da competência que lhe atribui

Leia mais

PLANO DE CARGOS E CARREIRA DO MINISTÉRIO SUPERIOR EM ÂMBITO FEDERAL. Juliana Monteiro Pedro Presidente da CPPD/UNIFAP

PLANO DE CARGOS E CARREIRA DO MINISTÉRIO SUPERIOR EM ÂMBITO FEDERAL. Juliana Monteiro Pedro Presidente da CPPD/UNIFAP PLANO DE CARGOS E CARREIRA DO MINISTÉRIO SUPERIOR EM ÂMBITO FEDERAL Juliana Monteiro Pedro Presidente da CPPD/UNIFAP Introdução LEI ANTERIOR LEI ATUAL: Entrou em vigor no dia 01/03/2013 DEC. 94.662/87

Leia mais

MINISTERIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DA PARAÍBA CONSELHO SUPERIOR RESOLUÇÃO N 276, DE 10 DE OUTUBRO DE 2014.

MINISTERIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DA PARAÍBA CONSELHO SUPERIOR RESOLUÇÃO N 276, DE 10 DE OUTUBRO DE 2014. Alterar a Resolução 91/2014, de 28 de abril de 2014, que dispõe sobre a Regulamentação da Promoção de Professor Titular da Carreira do Magistério Superior e para a Classe Titular da Carreira do Magistério

Leia mais

ASPECTOS CONCEITUAIS DA PROPOSTA DE REESTRUTURAÇÃO DAS CARREIRAS DE DOCENTES

ASPECTOS CONCEITUAIS DA PROPOSTA DE REESTRUTURAÇÃO DAS CARREIRAS DE DOCENTES ASPECTOS CONCEITUAIS DA PROPOSTA DE REESTRUTURAÇÃO DAS CARREIRAS DE DOCENTES Plano de Carreiras de Magistério das Instituições Federais de Ensino subordinadas ou vinculadas ao Ministério da Educação e

Leia mais

Estágio Probatório - Legislação

Estágio Probatório - Legislação Estágio Probatório - Legislação Constituição Federal/88 Art. 41. São estáveis após três anos de efetivo exercício os servidores nomeados para cargo de provimento efetivo em virtude de concurso público.

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos LEI Nº 12.772, DE 28 DE DEZEMBRO DE 2012. Dispõe sobre a estruturação do Plano de Carreiras e Cargos de Magistério Federal; sobre a

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos LEI Nº 12.772, DE 28 DE DEZEMBRO DE 2012. Dispõe sobre a estruturação do Plano de Carreiras e Cargos de Magistério Federal; sobre a

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos LEI Nº 2.772, DE 28 DE DEZEMBRO DE 202. Dispõe sobre a estruturação do Plano de Carreiras e Cargos de Magistério Federal; sobre a Carreira

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL ETECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE SÃO PAULO

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL ETECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE SÃO PAULO MINUTA DA RESOLUÇÃO N. XXX DE XX DE XXXXX DE 2017 Aprova o processo de avaliação de desempenho dos servidores docentes. O PRESIDENTE DO CONSELHO SUPERIOR DO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA

Leia mais

EDITAL Nº 014/2017/GAB, de 20 de Março de 2017.

EDITAL Nº 014/2017/GAB, de 20 de Março de 2017. EDITAL Nº 014/2017/GAB, de 20 de Março de 2017. PROCESSO SELETIVO INTERNO PARA AFASTAMENTO INTEGRAL DO EXERCÍCIO DO CARGO PARA PARTICIPAÇÃO EM PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU O Diretor Geral do

Leia mais

EDITAL Nº 59/2017 PROGRAD/UAB/CIPEAD

EDITAL Nº 59/2017 PROGRAD/UAB/CIPEAD EDITAL Nº 59/2017 PROGRAD/UAB/CIPEAD CHAMADA PARA SELEÇÃO DE TUTORES DOS CURSOS DE PÓS- GRADUAÇÃO LATO SENSU EM GESTÃO PÚBLICA, GESTÃO PÚBLICA MUNICIPAL E GESTÃO DA SAÚDE A Universidade Federal do Paraná

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DA BAHIA CONSELHO SUPERIOR - CONSUP RESOLUÇÃO Nº 07 DE 23 DE ABRIL DE 2012

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DA BAHIA CONSELHO SUPERIOR - CONSUP RESOLUÇÃO Nº 07 DE 23 DE ABRIL DE 2012 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DA BAHIA CONSELHO SUPERIOR - CONSUP RESOLUÇÃO Nº 07 DE 23 DE ABRIL DE 2012 A PRESIDENTE DO CONSELHO SUPERIOR DO INSTITUTO FEDERAL

Leia mais

ANEXO II Resolução 23/2014 Conselho Superior COMISSÃO PERMANENTE DE PESSOAL DOCENTE MEMORIAL DESCRITIVO PARA AVALIAÇÃO DA CEA CLASSE TITULAR

ANEXO II Resolução 23/2014 Conselho Superior COMISSÃO PERMANENTE DE PESSOAL DOCENTE MEMORIAL DESCRITIVO PARA AVALIAÇÃO DA CEA CLASSE TITULAR ANEXO II Resolução 23/2014 Conselho Superior COMISSÃO PERMANENTE DE PESSOAL DOCENTE MEMORIAL DESCRITIVO PARA AVALIAÇÃO DA CEA CLASSE TITULAR NOME DO DOCENTE: MATRÍCULA SIAPE: CARGA HORÁRIA: ( ) 20h ( )

Leia mais

ANEXO I CARGOS DA ÁREA DE ATIVIDADES DE ASSISTÊNCIA SOCIAL DA PREFEITURA DE BELO HORIZONTE

ANEXO I CARGOS DA ÁREA DE ATIVIDADES DE ASSISTÊNCIA SOCIAL DA PREFEITURA DE BELO HORIZONTE LEI Nº xxxx DE 2016 Institui o Plano de Carreira dos Servidores da Área de Atividades de Assistência Social da Prefeitura de Belo Horizonte, estabelece a respectiva Tabela de Vencimentos e dá outras providências.

Leia mais

LEI Nº , DE 28 DE DEZEMBRO DE 2012

LEI Nº , DE 28 DE DEZEMBRO DE 2012 LEI Nº- 12.772, DE 28 DE DEZEMBRO DE 2012 Dispõe sobre a estruturação do Plano de Carreiras e Cargos de Magistério Federal; sobre a Carreira do Magistério Superior, de que trata a Lei nº 7.596, de 10 de

Leia mais

Art. 1º - Aprovar as normas que regulamentam os critérios para Promoção e Progressão na Carreira do Magistério Superior.

Art. 1º - Aprovar as normas que regulamentam os critérios para Promoção e Progressão na Carreira do Magistério Superior. Dispõe sobre Normas e Critérios para Promoção e Progressão na Carreira do Magistério Superior. O Conselho Superior de Ensino, Pesquisa e Extensão - CONSEPE, no uso de suas atribuições, de acordo com o

Leia mais

Sugestão das regras para concessão de RTQ

Sugestão das regras para concessão de RTQ Sugestão das regras para concessão de RTQ ART 1º. A Retribuição por Titulação/Qualificação RTQ dos titulares dos cargos de que trata esta Lei/decreto/MP será paga aos servidores que a ela por meritocracia

Leia mais

LEI Nº , DE 28 DE DEZEMBRO DE 2012 CAPÍTULO I DO PLANO DE CARREIRAS E CARGOS DE MAGISTÉRIO FEDERAL

LEI Nº , DE 28 DE DEZEMBRO DE 2012 CAPÍTULO I DO PLANO DE CARREIRAS E CARGOS DE MAGISTÉRIO FEDERAL CÂMARA DOS DEPUTADOS Centro de Documentação e Informação LEI Nº 12.772, DE 28 DE DEZEMBRO DE 2012 Dispõe sobre a estruturação do Plano de Carreiras e Cargos de Magistério Federal; sobre a Carreira do Magistério

Leia mais

RESOLUÇÃO 75, DE 31 DE JULHO DE 2014

RESOLUÇÃO 75, DE 31 DE JULHO DE 2014 RESOLUÇÃO 75, DE 31 DE JULHO DE 2014 O CONSELHO UNIVERSITÁRIO da Universidade Federal do Pampa, em sua 55ª Reunião Ordinária (Parte II), em 31 de julho de 2014, no uso das atribuições que lhe são conferidas

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 79, DE 28 DE AGOSTO DE 2014

RESOLUÇÃO Nº 79, DE 28 DE AGOSTO DE 2014 RESOLUÇÃO Nº 79, DE 28 DE AGOSTO DE 2014 O CONSELHO UNIVERSITÁRIO da Universidade Federal do Pampa, em sua 56ª Reunião Ordinária, realizada no dia 28 de agosto de 2014, no uso das atribuições que lhe são

Leia mais

REGULAMENTO GERAL DOS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO Lato sensu

REGULAMENTO GERAL DOS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO Lato sensu REGULAMENTO GERAL DOS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO Lato sensu COP - UNIG 1 Sumário Título I Dos Cursos de Pós-Graduação e suas finalidades...3 Título II Dos Cursos de Pós-Graduação em Sentido Lato...3 Título

Leia mais

EDITAL Nº 30/2017 PROGRAD/UAB/CIPEAD CHAMADA PARA SELEÇÃO DE TUTORES CURSO DE PÓS- GRADUAÇÃO LATO SENSU EM GESTÃO PÚBLICA MUNICIPAL

EDITAL Nº 30/2017 PROGRAD/UAB/CIPEAD CHAMADA PARA SELEÇÃO DE TUTORES CURSO DE PÓS- GRADUAÇÃO LATO SENSU EM GESTÃO PÚBLICA MUNICIPAL EDITAL Nº 30/2017 PROGRAD/UAB/CIPEAD CHAMADA PARA SELEÇÃO DE TUTORES CURSO DE PÓS- GRADUAÇÃO LATO SENSU EM GESTÃO PÚBLICA MUNICIPAL A Universidade Federal do Paraná (UFPR), através do Departamento de Administração

Leia mais

UNIVERSIDADE DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO

UNIVERSIDADE DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO DELIBERAÇÃO Nº 10/2014 Cria norma para progressão funcional do cargo de professor das categorias Assistente e Adjunto. O CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO, no uso da competência que lhe

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 730, DE 24 DE NOVEMBRO DE 1989

RESOLUÇÃO Nº 730, DE 24 DE NOVEMBRO DE 1989 RESOLUÇÃO Nº 730, DE 24 DE NOVEMBRO DE 1989 Dispõe sobre a aprovação de Normas para Progressão Funcional Docente. O Conselho de Ensino e Pesquisa, em sessão realizada no dia 23 de novembro de 1989, tendo

Leia mais

O Conselho do Campus Uruguaiana da Universidade Federal do Pampa, em. Sessão de 08 de junho de 2015, aprovou o Regimento: Afastamento para

O Conselho do Campus Uruguaiana da Universidade Federal do Pampa, em. Sessão de 08 de junho de 2015, aprovou o Regimento: Afastamento para O Conselho do Campus Uruguaiana da Universidade Federal do Pampa, em Sessão de 08 de junho de 2015, aprovou o Regimento: Afastamento para Qualificação de Servidor Professor do Campus Uruguaiana da Universidade

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇAO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE RONDÔNIA CONSELHO SUPERIOR RESOLUÇÃO Nº 054, DE 07 DE DEZEMBRO DE 2010 O

Leia mais

ANEXO V CRITÉRIOS DO RSC II, COM O PESO, FATOR DE PONTUAÇÃO E QUANTITATIVO MÁXIMO DE UNIDADES. Critérios

ANEXO V CRITÉRIOS DO RSC II, COM O PESO, FATOR DE PONTUAÇÃO E QUANTITATIVO MÁXIMO DE UNIDADES. Critérios Diretrizes a) Orientação do corpo discente em atividades de ensino, extensão, pesquisa e/ou inovação. b) Participação no desenvolvimento de protótipos, depósitos e/ou registros de propriedade intelectual.

Leia mais

ANEXO II. Distribuição de Pontos e Perfis Básicos para Progressão e Promoção de Docentes,

ANEXO II. Distribuição de Pontos e Perfis Básicos para Progressão e Promoção de Docentes, ANEXO II Distribuição de Pontos e Perfis Básicos para Progressão e Promoção de Docentes, na Carreira do Magistério Superior do Ministério de Educação e Cultura, no âmbito do Instituto de Química do Centro

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 154/2005-CEPE/UNICENTRO

RESOLUÇÃO Nº 154/2005-CEPE/UNICENTRO RESOLUÇÃO Nº 154/2005-CEPE/UNICENTRO Aprova o Regulamento de Criação, Organização e Funcionamento de Cursos, Programas e Disciplinas ofertados a Distância, na Universidade Estadual do Centro-Oeste, UNICENTRO.

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA CONSELHO DE COORDENAÇÃO RESOLUÇÃO 02/96

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA CONSELHO DE COORDENAÇÃO RESOLUÇÃO 02/96 SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA CONSELHO DE COORDENAÇÃO RESOLUÇÃO 02/96 Regulamenta o Artigo 9 o. da Resolução 004/89, estabelecendo os critérios e escalas para aferição de pontos

Leia mais

MANUAL DE EVOLUÇÃO FUNCIONAL VIA ACADÊMICA

MANUAL DE EVOLUÇÃO FUNCIONAL VIA ACADÊMICA MANUAL DE EVOLUÇÃO FUNCIONAL VIA ACADÊMICA CONCEITO Tem por objetivo reconhecer a formação acadêmica do profissional do magistério, no respectivo campo de atuação, como um dos fatores relevantes para a

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 008/2008 CONSEPE Revogada pela Resolução Nº 010/ CONSEPE

RESOLUÇÃO Nº 008/2008 CONSEPE Revogada pela Resolução Nº 010/ CONSEPE RESOLUÇÃO Nº 008/2008 CONSEPE Revogada pela Resolução Nº 010/2009 - CONSEPE Estabelece procedimentos e critérios para a Progressão por Desempenho, de que trata o artigo 15 da Lei Complementar n 345, de

Leia mais

Reconhecimento de Saberes e Competências - RSC Manual IFSP

Reconhecimento de Saberes e Competências - RSC Manual IFSP 1/143 Reconhecimento de Saberes e Competências - RSC Manual IFSP 25 de setembro de 2014 2/143 Introdução Introdução Créditos Linha do Tempo Base Legal Em dezembro de 2013 foi produzido de maneira colaborativa

Leia mais

Resolução nº 581, de 29 de agosto de 2013

Resolução nº 581, de 29 de agosto de 2013 Resolução nº 581, de 29 de agosto de 2013 Ementa: Institui o título de especialista profissional farmacêutico, sem caráter acadêmico, dispondo sobre os procedimentos e critérios necessários para a sua

Leia mais

Curso Vagas Habilidades e competências Habilidades e competências técnicas e teóricas nas áreas específicas:

Curso Vagas Habilidades e competências Habilidades e competências técnicas e teóricas nas áreas específicas: Edital 002/2017 SOBRESP FACULDADE DE CIÊNCIAS DA SAÚDE EDITAL DE SELEÇÃO DOCENTE O Diretor da SOBRESP Faculdade de Ciências da Saúde juntamente com a Diretoria Acadêmica, no uso de suas atribuições, torna

Leia mais

Ministério da Educação Secretaria de Educação Profissional e Tecnológica Instituto Federal Catarinense Conselho Superior

Ministério da Educação Secretaria de Educação Profissional e Tecnológica Instituto Federal Catarinense Conselho Superior RESOLUÇÃO Nº 023 CONSUPER/2017 Dispõe sobre sobre o Regulamento de Cursos Livres de Extensão do Instituto Federal Catarinense. A Presidente do do IFC, professora Sônia Regina de Souza Fernandes, no uso

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos DECRETO Nº 9.057, DE 25 DE MAIO DE 2017 Regulamenta o art. 80 da Lei nº 9.394, de 20 de dezembro de 1996, que estabelece as diretrizes

Leia mais

ATOS DO PODER EXECUTIVO MEDIDA PROVISÓRIA Nº 614, DE 14 DE MAIO DE

ATOS DO PODER EXECUTIVO MEDIDA PROVISÓRIA Nº 614, DE 14 DE MAIO DE TOS DO PODER EXECUTIVO MEDID PROVISÓRI Nº 64, DE 4 DE MIO DE 03 ltera a Lei nº.77, de 8 de dezembro de 0, que dispõe sobre a estruturação do Plano de Carreiras e Cargos de Magistério Federal; altera a

Leia mais

REGULAMENTO DO COLEGIADO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU

REGULAMENTO DO COLEGIADO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA ESCOLA DE ENFERMAGEM PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENFERMAGEM REGULAMENTO DO COLEGIADO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU SALVADOR 2014 2 CAPÍTULO I DOS OBJETIVOS Art.

Leia mais

REGULAMENTO PARA A PROMOÇÃO DE DOCENTES À CLASSE E, COM DENOMINAÇÃO DE PROFESSOR TITULAR DA CARREIRA DO MAGISTÉRIO SUPERIOR DA UFCSPA

REGULAMENTO PARA A PROMOÇÃO DE DOCENTES À CLASSE E, COM DENOMINAÇÃO DE PROFESSOR TITULAR DA CARREIRA DO MAGISTÉRIO SUPERIOR DA UFCSPA REGULAMENTO PARA A PROMOÇÃO DE DOCENTES À CLASSE E, COM DENOMINAÇÃO DE PROFESSOR TITULAR DA CARREIRA DO MAGISTÉRIO SUPERIOR DA UFCSPA Aprovado pela Resolução Consun nº 27/2014, de 23 de dezembro de 2014

Leia mais

RESOLUÇÃO nº 002/2014 CAPÍTULO I DO ACESSO À CLASSE TITULAR DA CARREIRA DE MAGISTÉRIO DO EBTT

RESOLUÇÃO nº 002/2014 CAPÍTULO I DO ACESSO À CLASSE TITULAR DA CARREIRA DE MAGISTÉRIO DO EBTT INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA SUL-RIO-GRANDENSE CONSELHO SUPERIOR RESOLUÇÃO nº 002/2014 Estabelece os critérios para promoção à classe titular dos docentes do Instituto Federal Sul-rio-grandense

Leia mais

PROPOSTA DE DIRETRIZES PARA PLANEJAMENTO DAS ATIVIDADES DOCENTES (DIPAD) DO IF SUDESTE MG Câmpus Juiz de Fora. CAPÍTULO I Das Disposições Gerais

PROPOSTA DE DIRETRIZES PARA PLANEJAMENTO DAS ATIVIDADES DOCENTES (DIPAD) DO IF SUDESTE MG Câmpus Juiz de Fora. CAPÍTULO I Das Disposições Gerais PROPOSTA DE DIRETRIZES PARA PLANEJAMENTO DAS ATIVIDADES DOCENTES (DIPAD) DO IF SUDESTE MG Câmpus Juiz de Fora CAPÍTULO I Das Disposições Gerais Art. 1º. Este documento orienta o Planejamento das Atividades

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 01/2016

RESOLUÇÃO Nº 01/2016 SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CAMPUS UNIVERSITÁRIO MARTELOS CONSELHO DE UNIDADE CEP:606-900 JUIZ DE FORA- MG TELEFONE: () 0-85 RESOLUÇÃO Nº 0/06 O CONSELHO DE UNIDADE DA FACULDADE DE MEDICINA

Leia mais

PORTARIA Nº 300 DE 30 DE JANEIRO DE 2006 (D. O nº 22 Seção I 31/01/2006 Pág. 5 a 7)

PORTARIA Nº 300 DE 30 DE JANEIRO DE 2006 (D. O nº 22 Seção I 31/01/2006 Pág. 5 a 7) PORTARIA Nº 300 DE 30 DE JANEIRO DE 2006 (D. O nº 22 Seção I 31/01/2006 Pág. 5 a 7) Aprova, em extrato, o Instrumento de Avaliação Externa de Instituições de Educação Superior do Sistema Nacional de Avaliação

Leia mais

PORTARIA Nº 2310/2013/GR. A REITORA DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA, no uso de suas atribuições estatutárias e regimentais, RESOLVE:

PORTARIA Nº 2310/2013/GR. A REITORA DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA, no uso de suas atribuições estatutárias e regimentais, RESOLVE: PORTARIA Nº 2310/2013/GR A REITORA DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA, no uso de suas atribuições estatutárias e regimentais, RESOLVE: Art. 1º Estabelecer, na forma do disposto no Anexo I desta

Leia mais

QUADRO DE REFERÊNCIA DE CRITÉRIOS PARA O RSC-I

QUADRO DE REFERÊNCIA DE CRITÉRIOS PARA O RSC-I ANEXO III FORMULÁRIO DE PONTUAÇÃO QUADRO DE REFERÊNCIA DE CRITÉRIOS PARA O RSC-I RECONHECIMENTO DE SABERES E COMPETÊNCIAS - RSC I Fator de Pontuação Unidade Quantidade Máxima de Ítens Quantidade I - Experiência

Leia mais

UNIVERSIDADE DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO

UNIVERSIDADE DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO DELIBERAÇÃO Nº 017/2011 Cria a avaliação para progressão funcional de professor da categoria Adjunto a Associado. O CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO, no uso da competência que lhe atribui

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE JUIZ DE FORA COLÉGIO DE APLICAÇÃO JOÃO XXIII CONSELHO DE UNIDADE RESOLUÇÃO Nº 01/2016

UNIVERSIDADE FEDERAL DE JUIZ DE FORA COLÉGIO DE APLICAÇÃO JOÃO XXIII CONSELHO DE UNIDADE RESOLUÇÃO Nº 01/2016 UNIVERSIDADE FEDERAL DE JUIZ DE FORA COLÉGIO DE APLICAÇÃO JOÃO XXIII CONSELHO DE UNIDADE RESOLUÇÃO Nº 01/2016 O CONSELHO DE UNIDADE DO COLÉGIO DE APLICAÇÃO JOÃO XXIII, no uso de suas atribuições, de acordo

Leia mais

Art.2º Esta Resolução entra em vigor na data da sua assinatura.

Art.2º Esta Resolução entra em vigor na data da sua assinatura. RESOLUÇÃO Nº 13, DE 07 DE JULHO DE 2011. Aprova o PROGRAMA BOLSA - AUXÍLIO À PÓS- GRADUAÇÃO AOS SERVIDORES DO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO AMAPÁ IFAP, que tem por finalidade prestar

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO DE JANEIRO CONSELHO UNIVERSITÁRIO RESOLUÇÃO Nº 08/2014

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO DE JANEIRO CONSELHO UNIVERSITÁRIO RESOLUÇÃO Nº 08/2014 UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO DE JANEIRO CONSELHO UNIVERSITÁRIO RESOLUÇÃO Nº 08/2014 Estabelece normas e critérios para o desenvolvimento na Carreira de Magistério Federal da UFRJ. O CONSELHO UNIVERSITÁRIO

Leia mais

MINUTA DE RESOLUÇÃO Nº XXX/2016 REITORIA/UNESPAR

MINUTA DE RESOLUÇÃO Nº XXX/2016 REITORIA/UNESPAR MINUTA DE RESOLUÇÃO Nº XXX/2016 REITORIA/UNESPAR Aprova o Regulamento para a promoção de Docentes à classe de Professor Associado. O Reitor da Universidade Estadual do Paraná - UNESPAR, no uso de suas

Leia mais

Curso Vagas Habilidades e competências Habilidades e competências técnicas e teóricas nas áreas específicas:

Curso Vagas Habilidades e competências Habilidades e competências técnicas e teóricas nas áreas específicas: Edital 003/2016 SOBRESP FACULDADE DE CIÊNCIAS DA SAÚDE EDITAL DE SELEÇÃO DOCENTE O Diretor da SOBRESP Faculdade de Ciências da Saúde juntamente com a Diretoria Acadêmica, no uso de suas atribuições, torna

Leia mais

DECRETO Nº 9.057, DE 25 DE MAIO DE

DECRETO Nº 9.057, DE 25 DE MAIO DE Atos do Poder Executivo DECRETO Nº 9.057, DE 25 DE MAIO DE 2017 Regulamenta o art. 80 da Lei nº 9.394, de 20 de dezembro de 1996, que estabelece as diretrizes e bases da educação nacional. O PRESIDENTE

Leia mais

Curso Vagas Habilidades e competências Habilidades e competências técnicas e teóricas nas áreas específicas:

Curso Vagas Habilidades e competências Habilidades e competências técnicas e teóricas nas áreas específicas: Edital 005/2017 SOBRESP FACULDADE DE CIÊNCIAS DA SAÚDE EDITAL DE SELEÇÃO DOCENTE O Diretor da SOBRESP Faculdade de Ciências da Saúde juntamente com a Diretoria Acadêmica, no uso de suas atribuições, torna

Leia mais

DO PROCESSO AVALIATIVO

DO PROCESSO AVALIATIVO UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL INSTITUTO DE PESQUISAS HIDRÁULICAS - IPH DEPARTAMENTO DE OBRAS HIDRÁULICAS - DOH EDITAL 02/2017 PROCESSO AVALIATIVO PARA PROMOÇÃO À CLASSE E - PROFESSOR TITULAR

Leia mais

EDITAL PPGHS/UEL SELEÇÃO E RENOVAÇÃO DE BOLSISTAS 2017

EDITAL PPGHS/UEL SELEÇÃO E RENOVAÇÃO DE BOLSISTAS 2017 EDITAL PPGHS/UEL SELEÇÃO E RENOVAÇÃO DE BOLSISTAS 17 INTRODUÇÃO: Estão abertas as inscrições para alunos interessados em participar da Seleção e Renovação de Bolsistas do PPGHS/UEL. A inscrição deve ser

Leia mais

PRÓ-REITORIA DE RECURSOS HUMANOS PROGRESSÃO / PROMOÇÃO NA CARREIRA DE MAGISTÉRIO SUPERIOR POR AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO

PRÓ-REITORIA DE RECURSOS HUMANOS PROGRESSÃO / PROMOÇÃO NA CARREIRA DE MAGISTÉRIO SUPERIOR POR AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO PCD 023.03 PRÓ-REITORIA DE RECURSOS HUMANOS PROGRESSÃO / PROMOÇÃO NA CARREIRA DE MAGISTÉRIO SUPERIOR POR AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO RH 550 Progressão: relatório de atividades do interstício de 24 meses desde

Leia mais

TABELA DE PONTUAÇÃO DE PROGRESSÃO FUNCIONAL

TABELA DE PONTUAÇÃO DE PROGRESSÃO FUNCIONAL TABELA DE PONTUAÇÃO DE PROGRESSÃO FUNCIONAL CATEGORIA ATIVIDADE MÉTRICA PESO PONTUAÇÃO 1. ENSINO SUPERIOR 500 1.1 Turmas em disciplinas com =5

Leia mais

REGULAMENTA O PLANO DE CARREIRA DOCENTE TÍTULO I DOS OBJETIVOS. O Plano de Carreira Docente da Universidade do Sagrado Coração tem por

REGULAMENTA O PLANO DE CARREIRA DOCENTE TÍTULO I DOS OBJETIVOS. O Plano de Carreira Docente da Universidade do Sagrado Coração tem por REGULAMENTA O PLANO DE CARREIRA DOCENTE TÍTULO I DOS OBJETIVOS Art. 1º objetivos: O Plano de Carreira Docente da Universidade do Sagrado Coração tem por I. valorização da qualificação docente, contribuindo

Leia mais

REGULAMENTO PARA PROMOÇÃO À CLASSE DE TITULAR Aprovado pela Resolução n.º 44/2016/CONSUP/IFTO, de 7 de outubro de 2016

REGULAMENTO PARA PROMOÇÃO À CLASSE DE TITULAR Aprovado pela Resolução n.º 44/2016/CONSUP/IFTO, de 7 de outubro de 2016 REGULAMENTO PARA PROMOÇÃO À CLASSE DE TITULAR Aprovado pela Resolução n.º 44/2016/CONSUP/IFTO, de 7 de outubro de 2016 Dispõe sobre o regulamento para promoção à classe Titular da Carreira do Magistério

Leia mais

INCENTIVO À QUALIFICAÇÃO SERVIDORES TÉCNICO-ADMINISTRATIVOS

INCENTIVO À QUALIFICAÇÃO SERVIDORES TÉCNICO-ADMINISTRATIVOS INCENTIVO À QUALIFICAÇÃO SERVIDORES TÉCNICO-ADMINISTRATIVOS O Incentivo à Qualificação é um benefício, na forma de retribuição financeira, calculado sobre o padrão de vencimento percebido pelo servidor,

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 027/2016, DE 28 DE JUNHO DE 2016.

RESOLUÇÃO Nº 027/2016, DE 28 DE JUNHO DE 2016. MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO SUL DE MINAS GERAIS Conselho Superior Avenida Vicente Simões, 1111 Bairro Nova Pouso Alegre 37550-000 - Pouso Alegre/MG Fone:

Leia mais

EDITAL 02/2015 PROCESSO AVALIATIVO PARA PROMOÇÃO À CLASSE E PROFESSOR TITULAR

EDITAL 02/2015 PROCESSO AVALIATIVO PARA PROMOÇÃO À CLASSE E PROFESSOR TITULAR EDITAL 02/2015 PROCESSO AVALIATIVO PARA PROMOÇÃO À CLASSE E PROFESSOR TITULAR A DIRETORA DA FABICO, no uso de suas atribuições, de acordo com a Lei nº 12.772/2012, de 28/12/2012, e com a Decisão nº 232/2014

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO FEDERAL DE ALAGOAS CONSELHO SUPERIOR

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO FEDERAL DE ALAGOAS CONSELHO SUPERIOR SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO FEDERAL DE ALAGOAS CONSELHO SUPERIOR RESOLUÇÃO Nº 44/CS, DE 2 DE DEZEMBRO DE 2013. Estabelece normas e procedimentos para reversão voluntária de

Leia mais

EDITAL Nº 46, DE 14 DE SETEMBRO DE 2016.

EDITAL Nº 46, DE 14 DE SETEMBRO DE 2016. EDITAL Nº 46, DE 14 DE SETEMBRO DE 2016. DO AFASTAMENTO COM SUBSTITUIÇÃO DE DOCENTES PARA CAPACITAÇÃO/QUALIFICAÇÃO EM PROGRAMAS DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU E PÓS-DOUTORADO O DIRETOR-GERAL do Instituto

Leia mais

REGULAMENTO ATIVIDADES ACADÊMICAS COMPLEMENTARES. Curso: Pedagogia. Nova Serrana Outubro de 2015

REGULAMENTO ATIVIDADES ACADÊMICAS COMPLEMENTARES. Curso: Pedagogia. Nova Serrana Outubro de 2015 REGULAMENTO ATIVIDADES ACADÊMICAS COMPLEMENTARES Curso: Pedagogia Nova Serrana Outubro de 2015 Curso de Pedagogia - Licenciatura: Autorizado conforme Portaria 601 de 29/10/2014 DOU 210 de 30/10/2014 Seção

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA CONSELHO UNIVERSITÁRIO RESOLUÇÃO Nº 03/2010

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA CONSELHO UNIVERSITÁRIO RESOLUÇÃO Nº 03/2010 SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA CONSELHO UNIVERSITÁRIO RESOLUÇÃO Nº 03/2010 Altera a Resolução 01/97 no que concerne às normas para ingresso na carreira do

Leia mais

CARTILHA DO SINASEFE GANHOS OBTIDOS COM A GREVE 2012 ENTENDA SUA CARREIRA E CONHEÇA SEUS DIREITOS: FAZ PARTE DA SUA VIDA!

CARTILHA DO SINASEFE GANHOS OBTIDOS COM A GREVE 2012 ENTENDA SUA CARREIRA E CONHEÇA SEUS DIREITOS: FAZ PARTE DA SUA VIDA! CARTILHA DO SINASEFE GANHOS OBTIDOS COM A GREVE 2012 ENTENDA SUA CARREIRA E CONHEÇA SEUS DIREITOS: FAZ PARTE DA SUA VIDA! MENSAGEM AOS SERVIDORES Esta cartilha tem o intuito de fornecer subsídios aos servidores

Leia mais