PROTOCOLO QUE ESTABELECE METAS PARA A GESTÃO DO RECIFE

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "PROTOCOLO QUE ESTABELECE METAS PARA A GESTÃO DO RECIFE"

Transcrição

1 PROTOCOLO QUE ESTABELECE METAS PARA A GESTÃO DO RECIFE PREÂMBULO O Instituto de Arquitetos do Brasil, Departamento de Pernambuco IAB-PE, representado por sua Presidente, Arquiteta e Urbanista Vitória Régia de Lima Andrade e o Sr , candidato ao cargo de Prefeito da Cidade do Recife, entendem que os desafios que se acumulam na cidade, ainda que revelados através de alguns setores críticos como: mobilidade; saneamento amento básico; habitação social; segurança; drenagem, destino de dejetos etc., estão mais associados à realidade urbana e à falta de planejamento que se perpetua no Município. Os gestores consideram, equivocadamente, que a cidade pode se desenvolver espontaneamente, através de empreendimentos privados, com operações imobiliárias que se concentram em áreas onde o retorno do investimento é mais garantido. Com essa política, o interesse público fica subordinado a determinados setores da sociedade e a cidade fica sujeita, apenas, a negócios imobiliários lucrativos. Áreas tornam-se destinadas a crescerem sempre, enquanto outras, mesmo quando bem localizadas e servidas de infraestrutura, se perpetuam estagnadas, com prejuízos para a população. A cidade acumula conflitos com essa política, porque não cresce homogeneamente e com o equilíbrio necessário para atender as expectativas de todas as pessoas, independentemente de condição social. Não se quer condenar a parceria do Município com a iniciativa privada, porque sem ela a cidade seria gravemente sacrificada no seu próprio dinamismo e potencial de desenvolvimento. Porém, acumular projetos privados sem base em precedente planejamento, condena o Recife e a sua região metropolitana à espontaneidade no seu crescimento urbano, opção nem sempre saudável como parece. A cidade, sem planejamento, vai se tornando refém dos impactos do seu crescimento voluntário, decididos apenas segundo interesses privados. O fator que mais contribui para tudo isto é a persistente omissão do Município pelo planejamento, sobretudo em setores urbanos mais críticos, em razões do dinamismo excessivo de determinadas áreas, ou pela própria carência desse dinamismo, em outras. Há mais de década essa omissão é notada e, sem planejamento, a Prefeitura não pode avaliar projetos privados que proliferam, porque não dispõe de referenciais sobre a cidade que se deseja, revelados em planos globais ou setoriais e numa configuração física e espacial organizada e coerente. Nenhum projeto deveria preceder ao planejamento da cidade, pois quando essa hierarquia é

2 quebrada, a iniciativa por negócios imobiliários cresce, mas a cidade perde com os previsíveis impactos resultantes. A problemática da mobilidade no Recife, por exemplo, resulta desse processo, a respeito do qual cabe ao Município correr atrás da mitigação de impactos, num processo casuístico e sempre improvisado. A arquitetura imobiliária que configura a cidade promove a utilização excessiva do automóvel, com os conseqüentes problemas de mobilidade urbana, favorece o individualismo e a exclusão social, desestimula o uso do espaço público e perpetua a degradação dos seus componentes, como calçadas, vegetação e mobiliário urbano. Além disso, facilita a violência urbana pela própria falta de usos mistos que promovem a vivência do espaço público, degrada o espaço urbano com sua configuração de muros, portões e guaritas e determina comportamentos sociais pautados pelo medo e a insegurança. Simultaneamente, as periferias carecem de projetos efetivos de integração social e urbana, situação que afasta seus habitantes de um contexto que promova o desenvolvimento de uma sociedade sadia e civilizada. Considerando a plena compreensão desta realidade, RESOLVEM celebrar este Protocolo que estabelece metas para a administração do Recife, a serem cumpridas no período de gestão do candidato, caso ele seja eleito. TÍTULO I DAS METAS A SEREM CUMPRIDAS DURANTE A GESTÃO MUNICIPAL O candidato à Prefeitura da Cidade do Recife compromete-se a adotar, se eleito, providências para a retomada do planejamento como instrumento essencial para a gestão da cidade. Do ponto de vista administrativo, esse esforço se inicia com o fortalecimento da estrutura do Município, envolvendo a Secretaria de Planejamento, a Urb-Recife, o controle urbanístico e as Regionais, tendo em vista: I. a imediata ampliação e qualificação dos quadros técnicos dessas entidades; II. a indispensável presença de profissionais da arquitetura e urbanismo nos contratos terceirizados que cubram o planejamento, obras e serviços urbanos; III. a opção por arquitetos e urbanistas, bons gestores, nos cargos de comando dessas mesmas entidades. IV. a prática do debate constante com a sociedade e as entidades de classe (IAB-PE CAU-PE) na procura e definição das políticas de planejamento urbano Além dessas providências administrativas acima, o candidato, se eleito, assume compromisso com as seguintes metas para o seu mandato:

3 META 1: TORNAR O RECIFE CENTRO METROPOLITANO DE EXCELÊNCIA Esta é a meta de qualificação da cidade e de todos os seus setores de atividades. É compromisso que exalta a centralidade que o Recife detém em relação à metrópole. Por esse compromisso, a administração pública se enriquece técnica e politicamente para perseguir níveis de excelência em todos os serviços e setores da cidade. Entretanto, essa perspectiva pode se tornar utópica com a persistência da característica monocêntrica da metrópole. Se o Recife não lutar por metrópole policêntrica, a cidade será cada vez mais sufocada por demandas externas, fato que dificultará todas as suas expectativas de excelência, pois sempre crescerão problemas na cidade, com causas importantes fora dela. O Município deverá apoiar novos polos de equilíbrio distribuídos pela metrópole e garantir, no Recife, condições de qualidade, não de quantidade, para não se perpetuar como tradicional receptáculo de excluídos, provenientes de outros centros, à procura de oportunidades que lhes são negadas nos seus locais de origem. Essas oportunidades precisam ser criadas em novos polos metropolitanos, benefício este que vem sendo exaustivamente manifestado pelo planejamento metropolitano. Considerando esses fatos, o candidato, quando eleito, se compromete: I. a administrar a cidade com a percepção plena de que o Recife é núcleo da metrópole e que com ela troca, permanentemente, influências e impactos, razão pela qual criará a Secretaria de Articulação Metropolitana,, com a finalidade de integrar as políticas do Recife à realidade metropolitana, esta reconhecidamente intermunicipal; II. a participar, intensamente, da gestão intergovernamental metropolitana, apoiando o planejamento e a busca de metrópole policêntrica equilibrada; III. a estabelecer expectativas de desenvolvimento para o Recife e adotar planejamento que persiga indicadores de excelência para: a. o espaço público, nele compreendendo as calçadas, praças e jardins, mobiliário urbano, arborização, iluminação, sinalização etc; b. o comércio diversificado; c. a mobilidade urbana no que concerne ao transporte público de qualidade, ciclovias, viagens a pé, estacionamentos dissuasivos, próximos aos núcleos de comércio e serviços etc; d. os serviços urbanos modernos; e. a valorização da cultura regional; f. a atração turística frente aos mercados nacional e internacional;

4 g. os eventos culturais e de negócios com abrangência nacional e internacional; h. a qualificação e inserção da cidade no calendário nacional e internacional dos esportes; i. a formação de pessoal em todas as categorias; j. a pesquisa aplicada em geral; k. a condição de polo médico nacional; l. a requalificação urbana dos centros de comércio e serviços; m. a oferta de saneamento ambiental a toda a população; n. a garantia de harmonia e qualidade de vida da população, não importando a condição social; IV. a instituir sistema de controle urbano sobre os indicadores de excelência perseguidos pela cidade. META 2: PLANEJAR O RECIFE PARA ORIENTAR PROJETOS URBANOS A gestão do Município abandonou o planejamento da cidade e agora aposta em projetos da iniciativa privada. No entanto, planejar é missão de Estado que tem compromisso com a cidade e as pessoas. Sem referenciais e indicadores extraídos do planejamento, o Município não pode avaliar projetos da iniciativa privada relativos a negócios imobiliários. Compreende-se, como já foi dito acima, que a iniciativa privada é boa parceira, desde que seus projetos sejam precedidos por planos e normas públicas de interesse da cidade, que lhes sirvam de referência. Normas estas, extraídas de planejamento baseado nas características urbanas e sociais da cidade, com a definição física e espacial da cidade que se deseja e que explora seus recursos e potencialidades. Nessa perspectiva, o candidato, se eleito adotará: I. o planejamento sistemático da cidade, para garantir: a. estímulos às edificações mistas, com comércio e serviços dimensionados em função da população pulação atraída pelo projeto, sobretudo quando destinado ao uso habitacional; b. maior conhecimento da capacidade de carga dos corredores urbanos, como forma de dimensionar, estimular ou congelar edificações lindeiras; c. atualizar o conhecimento sobre os deslocamentos entre origem e destino na cidade, para monitorar os adensamentos urbanos em termos de moradia e trabalho (áreas emissoras e áreas receptoras de carga populacional na mobilidade cotidiana);

5 d. a revisão e atualização da legislação urbana e dos índices urbanísticos vigentes; e. a integração dos setores sociais menos favorecidos, abrindo-lhes oportunidades de crescimento e desenvolvimento, segundo padrões de harmonia e qualidade estabelecidos para a sociedade como um todo; f. o estímulo ao desenvolvimento das centralidades de bairros; g. a preservação e valorização do patrimônio arquitetônico e urbano da cidade; h. a revitalização do centro da cidade, com usos mistos que incluam o residencial; i. a implementação de projetos urbanísticos e arquitetônicos que valorizem as periferias urbanas e estimulem a integração urbanística e social dos seus habitantes; j. a potencialização dos recursos urbanos e naturais que estimulem a qualificação ambiental da cidade; k. a definição de políticas de preservação do patrimônio vegetal da cidade, a promoção de ações de plantio de novas espécies e o estímulo à consciência social acerca do cuidado e valorização da arborização urbana; l. o compromisso político de defender o interesse geral acima do setorial, de estimular processos participativos e democráticos na definição das políticas urbanas, de favorecer a promoção e integração urbana e social dos habitantes menos favorecidos e de zelar pela sustentabilidade e preservação dos recursos naturais da cidade; II. o imediato planejamento de setores urbanos a serem ocupados ou revitalizados, a exemplo das áreas Estelita/Boa Vista, Santo Amaro e Bairro do Recife, com orientação aos empreendedores da iniciativa privada, por meio de desenho urbano, mix de atividades, volumetria, integração social e referenciais de estética, paisagismo e de valores culturais; III. o congelamento do crescimento espontâneo de áreas enquanto mantidas com: a. esgotada capacidade de carga; b. limitações em termos de infraestrutura; c. deficiência dos serviços públicos; d. precárias condições de mobilidade da população. e. riscos à preservação do patrimônio cultural e ambiental da cidade.

6 E, por estarem acordados com os termos deste Protocolo que estabelece metas para a gestão do Recife, os signatários se comprometem, ainda, a manterem mútua e permanente ente colaboração durante a gestão municipal do candidato, se eleito, no intuito de ampliar e valorizar o debate entre a autoridade municipal, os arquitetos e urbanistas do Estado. Recife, 03 de Setembro de Vitória Régia de Lima Andrade Presidente do IAB-PE Candidato a Prefeito do Recife

INSTRUMENTO DA OPERAÇÃO URBANA ÁGUA BRANCA

INSTRUMENTO DA OPERAÇÃO URBANA ÁGUA BRANCA INSTRUMENTO DA OPERAÇÃO URBANA ÁGUA BRANCA LOCALIZAÇÃO E CONTEXTO Jundiaí Campinas Rio de Janeiro Sorocaba Guarulhos OUC AB Congonhas CPTM E METRÔ: REDE EXISTENTE E PLANEJADA OUC AB SISTEMA VIÁRIO ESTRUTURAL

Leia mais

AS PRINCIPAIS MUDANÇAS PROPOSTAS PELA PREFEITURA DE SÃO PAULO PARA O NOVO PLANO DIRETOR ESTRATÉGICO DO MUNICÍPIO DE SÃO PAULO

AS PRINCIPAIS MUDANÇAS PROPOSTAS PELA PREFEITURA DE SÃO PAULO PARA O NOVO PLANO DIRETOR ESTRATÉGICO DO MUNICÍPIO DE SÃO PAULO AS PRINCIPAIS MUDANÇAS PROPOSTAS PELA PREFEITURA DE SÃO PAULO PARA O NOVO PLANO DIRETOR ESTRATÉGICO DO MUNICÍPIO DE SÃO PAULO Marcia Heloisa P. S. Buccolo, consultora jurídica de Edgard Leite Advogados

Leia mais

A importância do papel do gestor local na garantia da sustentabilidade do PMCMV

A importância do papel do gestor local na garantia da sustentabilidade do PMCMV A importância do papel do gestor local na garantia da sustentabilidade do PMCMV Mesa Técnica: Sustentabilidade do PMCMV da aprovação do projeto ao pós-ocupação, sob os aspectos da inserção urbana, trabalho

Leia mais

PREFEITURA DE SÃO JOSÉ DO RIO PRETO ESTADO DE SÃO PAULO SECRETARIA MUNICIPAL DE PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO, CIÊNCIA, TECNOLOGIA E INOVAÇÃO

PREFEITURA DE SÃO JOSÉ DO RIO PRETO ESTADO DE SÃO PAULO SECRETARIA MUNICIPAL DE PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO, CIÊNCIA, TECNOLOGIA E INOVAÇÃO PROGRAMA DE METAS Gestão 2013/2016 APRESENTAÇÃO... 2 I - VISÃO DO MUNICÍPIO... 3 II COMPROMISSO... 3 III PRINCÍPIOS DE GESTÃO... 3 IV DIRETRIZES ESTRATÉGIAS... 4 PROGRAMA DE METAS DESENVOLVIMENTO URBANO...

Leia mais

RECIFE 500 ANOS UMA VISÃO DE CIDADE. Recife 500 Anos uma visão de cidade

RECIFE 500 ANOS UMA VISÃO DE CIDADE. Recife 500 Anos uma visão de cidade RECIFE 500 ANOS UMA VISÃO DE CIDADE Recife 500 Anos uma visão de cidade 1 Não há nada como o sonho para criar o futuro. Utopia hoje, carne e osso amanhã. Victor Hugo 2 Recife 500 Anos uma visão de cidade

Leia mais

PLANOS DIRETORES REGIONAIS

PLANOS DIRETORES REGIONAIS PLANOS DIRETORES REGIONAIS ORIGEM DOS PLANOS DIRETORES REGIONAIS CONSTITUIÇÃO FEDERAL ESTABELECE O PLANO DIRETOR PARTICIPATIVO E A GESTÃO DEMOCRÁTICA II CONFERÊNCIA MUNICIPAL DE POLÍTICA URBANA PLANO DIRETOR

Leia mais

ARCO TIETÊ ESTRATÉGIAS DE PARCERIAS PARA O DESENVOLVIMENTO URBANO BRASÍLIA. DEZEMBRO 2013

ARCO TIETÊ ESTRATÉGIAS DE PARCERIAS PARA O DESENVOLVIMENTO URBANO BRASÍLIA. DEZEMBRO 2013 ARCO TIETÊ ESTRATÉGIAS DE PARCERIAS PARA O DESENVOLVIMENTO URBANO BRASÍLIA. DEZEMBRO 2013 CHAMAMENTO PÚBLICO OBJETIVO Realizar estudos para orientar um desenvolvimento urbano mais equilibradodo ponto

Leia mais

III Conferência Municipal de Política Urbana ESTUDOS URBANOS Transformações recentes na estrutura urbana

III Conferência Municipal de Política Urbana ESTUDOS URBANOS Transformações recentes na estrutura urbana III Conferência Municipal de Política Urbana ESTUDOS URBANOS Transformações recentes na estrutura urbana PBH/SMURBE Núcleo de Planejamento Urbano da Secretaria Municipal de Políticas Urbanas de Belo Horizonte

Leia mais

Planejamento Urbano Governança Fundiária

Planejamento Urbano Governança Fundiária Planejamento Urbano Governança Fundiária Instrumentos de Gestão, Conflitos Possibilidades de Inclusão Socioespacial Alexandre Pedrozo agosto. 2014 mobiliza Curitiba...... de antes de ontem...... de ontem......

Leia mais

Preservação e Desenvolvimento Resultados da Oficina de Planejamento Estratégico em Cidades Históricas: Aplicação dos resultados das maquetes

Preservação e Desenvolvimento Resultados da Oficina de Planejamento Estratégico em Cidades Históricas: Aplicação dos resultados das maquetes Preservação e Desenvolvimento Resultados da Oficina de Planejamento Estratégico em Cidades Históricas: Aplicação dos resultados das maquetes eletrônicas e levantamento cadastral- Belém-PA 1. UM TERRITÓRIO

Leia mais

INCLUSÃO DE HABITAÇÕES SOCIAIS PARA REQUALIFICAÇÃO DA ÁREA CENTRAL DE PRESIDENTE PRUDENTE

INCLUSÃO DE HABITAÇÕES SOCIAIS PARA REQUALIFICAÇÃO DA ÁREA CENTRAL DE PRESIDENTE PRUDENTE Encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão, Presidente Prudente, 22 a 25 de outubro, 2012 244 INCLUSÃO DE HABITAÇÕES SOCIAIS PARA REQUALIFICAÇÃO DA ÁREA CENTRAL DE PRESIDENTE PRUDENTE João Victor de Souza

Leia mais

INSTRUMENTOS DO PLANO DIRETOR CARTILHA LEI DE USO E OCUPAÇÃO DO SOLO LUOS

INSTRUMENTOS DO PLANO DIRETOR CARTILHA LEI DE USO E OCUPAÇÃO DO SOLO LUOS Secretaria Municipal de Urbanismo INSTRUMENTOS DO PLANO DIRETOR CARTILHA LEI DE USO E OCUPAÇÃO DO SOLO LUOS Lei de Uso e Ocupação do Solo: Introdução Estamos construindo uma cidade cada vez melhor A Lei

Leia mais

Projeto Nova Luz Visão e Diretrizes Urbanísticas

Projeto Nova Luz Visão e Diretrizes Urbanísticas SP-URBANISMO Projeto Nova Luz Visão e Diretrizes Urbanísticas Novembro 2010 ANTECEDENTES Determinação da Administração desde 2005 de transformar e desenvolver a área Ações multisetoriais: saúde, social,

Leia mais

Programa de Reabilitação de Áreas Urbanas Centrais. Secretaria Nacional de Programas Urbanos

Programa de Reabilitação de Áreas Urbanas Centrais. Secretaria Nacional de Programas Urbanos Programa de Reabilitação de Áreas Urbanas Centrais Secretaria Nacional de Programas Urbanos CONCEITOS Área Urbana Central Bairro ou um conjunto de bairros consolidados com significativo acervo edificado

Leia mais

INTERVENÇÕES DE REGENERAÇÃO URBANA EM PORTUGAL

INTERVENÇÕES DE REGENERAÇÃO URBANA EM PORTUGAL INTERVENÇÕES DE REGENERAÇÃO URBANA EM PORTUGAL JESSICA KICK-OFF MEETING FÁTIMA FERREIRA mrferreira@ihru.pt POLÍTICA DE CIDADES NO ÂMBITO DO QREN - PORTUGAL PO Regional Programas integrados de regeneração

Leia mais

DECRETO Nº 050, DE 11 DE MARÇO DE 2010

DECRETO Nº 050, DE 11 DE MARÇO DE 2010 DECRETO Nº 050, DE 11 DE MARÇO DE 2010 Define o Modelo Localizado de Gestão Urbana para o Projeto Parque Linear do Rio Ressaca. O Prefeito Municipal de São José dos Pinhais, Estado do Paraná, no uso de

Leia mais

Ministério das Cidades MCidades

Ministério das Cidades MCidades Ministério das Cidades MCidades Objetivos de Desenvolvimento Sustentável ODS São Paulo, 02 de junho de 2014 Roteiro 1. O processo de urbanização no Brasil: histórico. 2. Avanços institucionais na promoção

Leia mais

INTERVENÇÕES URBANÍSTICAS COMO AGENTES DE REDUÇÃO DA VIOLÊNCIA

INTERVENÇÕES URBANÍSTICAS COMO AGENTES DE REDUÇÃO DA VIOLÊNCIA INTERVENÇÕES URBANÍSTICAS COMO AGENTES DE REDUÇÃO DA VIOLÊNCIA HUMBERTO COSTA Secretário das Cidades Governo de Pernambuco 17 de setembro Recife / PE Prevenção da violência x ESPAÇO URBANO AS ESTATÍSTICAS

Leia mais

PALAVRAS-CHAVE Polos geradores de tráfego, mitigação, impacto de grandes empreendimentos.

PALAVRAS-CHAVE Polos geradores de tráfego, mitigação, impacto de grandes empreendimentos. Medidas Mitigatórias para Polos Geradores de Tráfego. Rovana Reale; Júlio Cezar Miranda; Isabel Cristina Guimarães Haifuch; Lúcia de Borba Maciel EPTC Empresa Pública de Transporte e Circulação (Porto

Leia mais

6. VALORIZAÇÃO IMOBILIÁRIA

6. VALORIZAÇÃO IMOBILIÁRIA 6. VALORIZAÇÃO IMOBILIÁRIA 6.1 INTRODUÇÃO E OBJETIVOS Este estudo visa avaliar a valorização imobiliária do solo urbano decorrente da urbanização do promovida pelo poder público municipal e da implantação

Leia mais

MONTIJO, CIDADE SAUDÁVEL E SUSTENTÁVEL DA CICLOVIA A UMA REDE PEDONAL E CICLÁVEL

MONTIJO, CIDADE SAUDÁVEL E SUSTENTÁVEL DA CICLOVIA A UMA REDE PEDONAL E CICLÁVEL MONTIJO, CIDADE SAUDÁVEL E SUSTENTÁVEL DA CICLOVIA A UMA REDE PEDONAL E CICLÁVEL Identificação do ponto de partida: O Município de Montijo: - Integra a Rede Portuguesa das Cidades Saudáveis, com quatro

Leia mais

Revisão Participativa dos Instrumentos de Planejamento e Gestão da Cidade de São Paulo Volume 1

Revisão Participativa dos Instrumentos de Planejamento e Gestão da Cidade de São Paulo Volume 1 Revisão Participativa dos Instrumentos de Planejamento e Gestão da Cidade de São Paulo Volume 1 Entenda quais são os Instrumentos de Planejamento e Gestão Urbana que serão revistos Revisão Participativa

Leia mais

Sustentabilidade na habitação de interesse social

Sustentabilidade na habitação de interesse social Sustentabilidade na habitação de interesse social Profa. Dra. Maria Augusta Justi Pisani Faculdade de Arquitetura e Urbanismo Universidade Presbiteriana Mackenzie FIMAI São Paulo, 2010 DÉFICIT HABITACIONAL

Leia mais

itabira diagnóstico e propostas

itabira diagnóstico e propostas itabira diagnóstico e propostas A CVRD foi constituída, em 1942, a partir de ativos minerários existentes, sobretudo as minas de Itabira. Cauê foi a maior mina de minério de ferro do Brasil As operações

Leia mais

O PREFEITO MUNICIPAL DE BELÉM, A CÂMARA MUNICIPAL DE BELÉM, estatui e eu sanciono a seguinte Lei: CAPÍTULO I - DAS DISPOSIÇÕES GERAIS

O PREFEITO MUNICIPAL DE BELÉM, A CÂMARA MUNICIPAL DE BELÉM, estatui e eu sanciono a seguinte Lei: CAPÍTULO I - DAS DISPOSIÇÕES GERAIS LEI Nº 8.068, DE 28 DE MAIO DE 2001 Estabelece normas gerais e critérios básicos para a promoção da acessibilidade das pessoas portadoras de deficiência ou com mobilidade reduzida, no Município de Belém,

Leia mais

SP-URBANISMO. Nova Luz Projeto Urbanístico Consolidado

SP-URBANISMO. Nova Luz Projeto Urbanístico Consolidado SP-URBANISMO Nova Luz Projeto Urbanístico Consolidado Setembro 2011 Perímetro da Nova Luz Sala São Paulo Parque da Luz Praça Princesa Isabel Largo do Arouche Igreja de Santa Ifigênia Praça da República

Leia mais

Esta apresentação foi realizada no âmbito do projeto Moradia é Central durante o seminário do projeto em Recife.

Esta apresentação foi realizada no âmbito do projeto Moradia é Central durante o seminário do projeto em Recife. Esta apresentação foi realizada no âmbito do projeto Moradia é Central durante o seminário do projeto em Recife. Data: dia 29 de abril de 2009 Local: sede da ONG Etapas no Recife PROGRAMA REABILITAÇÃO

Leia mais

ABORDAGEM DA HABITAÇÃO DE INTERESSE SOCIAL NA UNIVERSIDADE DE PASSO FUNDO

ABORDAGEM DA HABITAÇÃO DE INTERESSE SOCIAL NA UNIVERSIDADE DE PASSO FUNDO X ENCONTRO ANUAL DA UNIÃO LATINO-AMERICANA DE CÁTEDRAS DE VIVENDA Pelotas - 2004 Tema: A Universidade e a Habitação de Interesse Social Interdisciplinaridade e Inserção Sistemática nos Currículos ABORDAGEM

Leia mais

TÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES

TÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES ANÁLISE DO PLANO DIRETOR DE DESENVOLVIMENTO URBANO DO MUNICÍPIO DE SALVADOR PDDU/2006 LEI Nº 6.586/2004 Regulamenta a Lei Orgânica do Município nos Título III, Capítulos I e II, artigos 71 a 102, Título

Leia mais

Projeto Porto Maravilha

Projeto Porto Maravilha Projeto Porto Maravilha www.portomaravilhario.com.br LOCALIZAÇÃO PRIVILEGIADA Aeroporto Internacional Tom Jobim 11 km Características da região: Delimitação: Bairros completos (Santo Cristo, Gamboa e Saúde)

Leia mais

Diretrizes para o Plano de Urbanização da ZEIS 3 C 016

Diretrizes para o Plano de Urbanização da ZEIS 3 C 016 Diretrizes para o Plano de Urbanização da ZEIS 3 C 016 Aprovadas pelo Conselho Gestor em 27 de julho de 2011 LEGENDA: Diretrizes propostas pela PMSP Diretrizes propostas pelos membros da sociedade civil

Leia mais

De olho no futuro: como estará Porto Alegre daqui a 25 anos?

De olho no futuro: como estará Porto Alegre daqui a 25 anos? De olho no futuro: como estará Porto Alegre daqui a 25 anos? Mobilidade: projetar a cidade do futuro Sinaenco RS Hotel Deville, Porto Alegre 25 de setembro de 2013 Arq. Tiago Holzmann da Silva Presidente

Leia mais

CAIS JOSÉ ESTELITA. Diretrizes urbanísticas espacializadas a serem observadas no redesenho do Projeto Novo Recife e entorno

CAIS JOSÉ ESTELITA. Diretrizes urbanísticas espacializadas a serem observadas no redesenho do Projeto Novo Recife e entorno CAIS JOSÉ ESTELITA Diretrizes urbanísticas espacializadas a serem observadas no redesenho do Projeto Novo Recife e entorno Recife, 10 de setembro de 2014. SUMÁRIO: 1. Percurso metodológico 2. Sistematização

Leia mais

POLÍTICA URBANA E DINAMIZAÇÃO DO COMÉRCIO DE RUA

POLÍTICA URBANA E DINAMIZAÇÃO DO COMÉRCIO DE RUA POLÍTICA URBANA E DINAMIZAÇÃO DO COMÉRCIO DE RUA Seminário GVcev: Polos Varejistas de Rua: Oportunidades para o varejo e a revitalização das cidades Fernando de Mello Franco 11 novembro 2014 DOMINGO, 09

Leia mais

AUDIÊNCIA PÚBLICA ELABORAÇÃO LDO 2016 AVALIAÇÃO E PRIORIZAÇÃO DOS PROGRAMAS DE GOVERNO

AUDIÊNCIA PÚBLICA ELABORAÇÃO LDO 2016 AVALIAÇÃO E PRIORIZAÇÃO DOS PROGRAMAS DE GOVERNO Visando fazer gestão pública em sintonia com a sociedade, de modo democrático, a Prefeitura Municipal do Cabo de Santo Agostinho, através da Secretaria Municipal de Planejamento e Meio Ambiente, submete

Leia mais

PROJETO DE LEI Nº 70/2011. A CÂMARA MUNICIPAL DE IPATINGA aprova:

PROJETO DE LEI Nº 70/2011. A CÂMARA MUNICIPAL DE IPATINGA aprova: PROJETO DE LEI Nº 70/2011. Institui a Política Municipal de Mobilidade Urbana. A CÂMARA MUNICIPAL DE IPATINGA aprova: Mobilidade Urbana. Art. 1º Fica instituída, no Município de Ipatinga, a Política Municipal

Leia mais

A política urbana de Diadema: AEIS e Plano Diretor

A política urbana de Diadema: AEIS e Plano Diretor A política urbana de Diadema: AEIS e Plano Diretor DÉCADA DE 90 1990 - Criação do FUMAPIS Fundo Municipal de Apoio a Habitacão de Interesse Social que exerce, na prática, o papel de Conselho Municipal

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE CURITIBA. OPERAÇÃO URBANA CONSORCIADA LINHA VERDE - Setembro. 2012 -

PREFEITURA MUNICIPAL DE CURITIBA. OPERAÇÃO URBANA CONSORCIADA LINHA VERDE - Setembro. 2012 - PREFEITURA MUNICIPAL DE CURITIBA OPERAÇÃO URBANA CONSORCIADA LINHA VERDE - Setembro. 2012 - OPERAÇÃO URBANA CONSORCIADA - LINHA VERDE - Lei de criação : Lei Municipal n.º 13.919 de 19 de dezembro de 2011

Leia mais

PERFIL DO CURSO INFORMAÇÕES SOBRE AS ATRIBUIÇÕES DOS ARQUITETOS E URBANISTAS INFORMAÇÕES SOBRE O MERCADO DE TRABALHO

PERFIL DO CURSO INFORMAÇÕES SOBRE AS ATRIBUIÇÕES DOS ARQUITETOS E URBANISTAS INFORMAÇÕES SOBRE O MERCADO DE TRABALHO UNIÃO DE ENSINO E CULTURA DE GUARAPUAVA - UNIGUA FACULDADE GUARAPUAVA CURSO DE ARQUITETURA E URBANISMO PERFIL DO CURSO INFORMAÇÕES SOBRE AS ATRIBUIÇÕES DOS ARQUITETOS E URBANISTAS INFORMAÇÕES SOBRE O MERCADO

Leia mais

DOTS Desenvolvimento Orientado ao Transporte Sustentável

DOTS Desenvolvimento Orientado ao Transporte Sustentável DOTS Desenvolvimento Orientado ao Transporte Sustentável O que é DOTS? Desenvolvimento Orientado ao Transporte Sustentável: modelo de planejamento e desenho urbano Critérios de desenho para bairros compactos,

Leia mais

PARECER TÉCNICO FINAL

PARECER TÉCNICO FINAL SMPMA/DEPLAN Em 15/01/2014 Ref.: Processos n 2.532-1/2013 e 16.392-4/2013 PARECER TÉCNICO FINAL Trata-se de um empreendimento que corresponde à construção de um edifício vertical para uso misto, residencial

Leia mais

Reconstruindo o Conceito de Moradia: A Experiência do Plano Local de Habitação de Interesse Social em Paiçandu

Reconstruindo o Conceito de Moradia: A Experiência do Plano Local de Habitação de Interesse Social em Paiçandu Beatriz Fleury e Silva bfsilva@iem.br Msc. Engenharia Urbana. Docente curso de arquitetura Universidade Estadual de Maringá Reconstruindo o Conceito de Moradia: A Experiência do Plano Local de Habitação

Leia mais

DOTS - Desenvolvimento Urbano Orientado ao Transporte Sustentável. Nívea Oppermann Peixoto, Ms Coordenadora Desenvolvimento Urbano EMBARQ Brasil

DOTS - Desenvolvimento Urbano Orientado ao Transporte Sustentável. Nívea Oppermann Peixoto, Ms Coordenadora Desenvolvimento Urbano EMBARQ Brasil DOTS - Desenvolvimento Urbano Orientado ao Transporte Sustentável Nívea Oppermann Peixoto, Ms Coordenadora Desenvolvimento Urbano EMBARQ Brasil Contexto das cidades Expansão urbana Modelo de ocupação territorial

Leia mais

A REGIÃO METROPOLITA NA NA REVISÃO DO PLANO DIRETOR DE CURITIBA

A REGIÃO METROPOLITA NA NA REVISÃO DO PLANO DIRETOR DE CURITIBA A REGIÃO METROPOLITA NA NA REVISÃO DO PLANO DIRETOR DE CURITIBA SITUAÇÃO ATUAL INTEGRAÇÃO METROPOLITANA NA LEI ORGÂNICA DE CURITIBA TÍTULO IV - DA ORDEM ECONÔMICA E SOCIAL CAPÍTULO I - DA ORDEM ECONÔMICA

Leia mais

CIDADE DO CIDADE PARA AUTOMÓVEL PESSOAS

CIDADE DO CIDADE PARA AUTOMÓVEL PESSOAS MOBILIDADE URBANA Na região Metropolitana de Florianópolis e o PLAMUS Superintendência da Região Metropolitana da Grande Florianópolis CIDADE DO AUTOMÓVEL CIDADE PARA PESSOAS RACIONALIZAÇÃO DO ESPAÇO Espaço

Leia mais

Arborização no contexto do planejamento urbano

Arborização no contexto do planejamento urbano Arborização no contexto do planejamento urbano Eng. Florestal Edinilson dos Santos Prefeitura de Belo Horizonte Dr. Edinilson dos Santos Araçuaí - MG, 20 de maio de 2015 Prefeitura Municipal de Belo Horizonte

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE CURITIBA INSTITUTO DE PESQUISA E PLANEJAMENTO URBANO DE CURITIBA

PREFEITURA MUNICIPAL DE CURITIBA INSTITUTO DE PESQUISA E PLANEJAMENTO URBANO DE CURITIBA PREFEITURA MUNICIPAL DE CURITIBA INSTITUTO DE PESQUISA E PLANEJAMENTO URBANO DE CURITIBA OFICINA DE CAPACITAÇÃO PARA O PLANO DIRETOR: REGIONAL PINHEIRINHO 02/04/2014 CURITIBA MARÇO/2014 Realizações no

Leia mais

Aluno: Antero Vinicius Portela Firmino Pinto Orientadora: Regina Célia de Mattos. Considerações Iniciais

Aluno: Antero Vinicius Portela Firmino Pinto Orientadora: Regina Célia de Mattos. Considerações Iniciais AS TRANSFORMAÇÕES ESPACIAIS NA ZONA OESTE DA CIDADE DO RIO DE JANEIRO A PARTIR DOS INVESTIMENTOS EM INFRAESTRUTURA PARA COPA DO MUNDO EM 2014 E AS OLIMPÍADAS DE 2016 Aluno: Antero Vinicius Portela Firmino

Leia mais

População à deriva: entre o descaso urbano e a vertigem revitalizadora da zona portuária do Rio de Janeiro

População à deriva: entre o descaso urbano e a vertigem revitalizadora da zona portuária do Rio de Janeiro População à deriva: entre o descaso urbano e a vertigem revitalizadora da zona portuária do Rio de Janeiro Caroline dos Santos Santana caroline_santana@ymail.com Escola de Serviço Social 10 período Orientadora:

Leia mais

Revisão Participativa. dos Instrumentos de Planejamento e Gestão da Cidade de São Paulo

Revisão Participativa. dos Instrumentos de Planejamento e Gestão da Cidade de São Paulo Revisão Participativa dos Instrumentos de Planejamento e Gestão da Cidade de São Paulo Volume II Revisão Participativa do Plano Diretor Estratégico (PDE) 1. A importância do PDE (Plano Diretor Estratégico)

Leia mais

A CONSOLIDAÇÃO DO PROCESSO DE SEGREGAÇÃO SOCIOESPACIAL E A PERIFERIZAÇÃO DA MORADIA DAS CAMADAS POPULARES, NA ÁREA CONURBADA DE FLORIANÓPOLIS.

A CONSOLIDAÇÃO DO PROCESSO DE SEGREGAÇÃO SOCIOESPACIAL E A PERIFERIZAÇÃO DA MORADIA DAS CAMADAS POPULARES, NA ÁREA CONURBADA DE FLORIANÓPOLIS. A CONSOLIDAÇÃO DO PROCESSO DE SEGREGAÇÃO SOCIOESPACIAL E A PERIFERIZAÇÃO DA MORADIA DAS CAMADAS POPULARES, NA ÁREA CONURBADA DE FLORIANÓPOLIS. Eixo Temático: Políticas públicas, demandas sociais e a questão

Leia mais

Gestão Pública em BH Programa BH Metas e Resultados e BH 2030

Gestão Pública em BH Programa BH Metas e Resultados e BH 2030 Gestão Pública em BH Programa BH Metas e Resultados e BH 2030 5º Congresso de Gerenciamento de Projetos 10 de novembro de 2010 Belo Horizonte Planejamento Estratégico Longo Prazo período 2010-2030 - planejamento

Leia mais

[ ] Propostas para a revisão do Plano Diretor. Mobiliza Curitiba

[ ] Propostas para a revisão do Plano Diretor. Mobiliza Curitiba Propostas para a revisão do Plano Diretor Mobiliza Curitiba Curitiba, novembro de 2014 As propostas aqui contidas foram resultado de extensos debates ao longo do último ano, por uma articulação de atores

Leia mais

Lazer. Habitação. Requalificação. Desenvolvimento Social. Ambiental. Conservação. Urbanização. Ambiental. Patrimônio Cultural.

Lazer. Habitação. Requalificação. Desenvolvimento Social. Ambiental. Conservação. Urbanização. Ambiental. Patrimônio Cultural. Habitação Lazer Desenvolvimento Social Requalificação Ambiental Conservação Ambiental Urbanização Esportes Patrimônio Cultural O Projeto de Requalificação Urbana e Ambiental da Bacia do Cobre é fruto de

Leia mais

TURISMO. o futuro, uma viagem...

TURISMO. o futuro, uma viagem... TURISMO o futuro, uma viagem... PLANO NACIONAL DO TURISMO 2007-2010 OBJETIVOS Desenvolver o produto turístico brasileiro com qualidade, contemplando nossas diversidades regionais, culturais e naturais.

Leia mais

O PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO PARTICIPATIVO DENTRO DE UM MUNDO GLOBALIZADO

O PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO PARTICIPATIVO DENTRO DE UM MUNDO GLOBALIZADO O PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO PARTICIPATIVO DENTRO DE UM MUNDO GLOBALIZADO A EVOLUÇÃO HISTÓRICA E O SÉCULO XX 1- A MAIORIDADE DAS CIDADES LIMITES DE EXPANSÃO 2- A OPÇÃO URBANA EM TODOS OS NÍVEIS 3- A CIDADE

Leia mais

Texto para Coluna do NRE-POLI na Revista Construção e Mercado Pini Maio 2012 BAIRROS PLANEJADOS UMA REALIDADE NO BRASIL

Texto para Coluna do NRE-POLI na Revista Construção e Mercado Pini Maio 2012 BAIRROS PLANEJADOS UMA REALIDADE NO BRASIL Texto para Coluna do NRE-POLI na Revista Construção e Mercado Pini Maio 2012 BAIRROS PLANEJADOS UMA REALIDADE NO BRASIL Ivo Szterling, Arquiteto Urbanista Diretor de Urbanismo da Cipasa Desenvolvimento

Leia mais

Nº ALGUMAS DAS PROPOSTAS INDICAÇÃO DA ALTERAÇÃO 1 Aumento do tamanho dos lotes:

Nº ALGUMAS DAS PROPOSTAS INDICAÇÃO DA ALTERAÇÃO 1 Aumento do tamanho dos lotes: Instituto Defenda Sorocaba aponta contradição no Plano Diretor 2014: meta de projeção de uma cidade sustentável e a ampliação do parcelamento de lotes são incompatíveis O Instituto Defenda Sorocaba (entidade

Leia mais

Conhecendo a Fundação Vale

Conhecendo a Fundação Vale Conhecendo a Fundação Vale 1 Conhecendo a Fundação Vale 2 1 Apresentação Missão Contribuir para o desenvolvimento integrado econômico, ambiental e social dos territórios onde a Vale atua, articulando e

Leia mais

OPERAÇÃO 3 - CONSTRUIR UMA CENTRALIDADE - PRAÇA DAS MINAS

OPERAÇÃO 3 - CONSTRUIR UMA CENTRALIDADE - PRAÇA DAS MINAS EIXO 2 AMBIENTE E ESPAÇO PÚBLICO OPERAÇÃO 3 - CONSTRUIR UMA CENTRALIDADE - PRAÇA DAS MINAS Intervenção de ordenamento e requalificação do centro da vida social do bairro, criando condições para o seu desenvolvimento

Leia mais

LEI Nº 2.422, DE 08 DE ABRIL DE 2008 CERTIDÃO Certifico e dou fé que esta Lei foi publicada no placard do Município no dia- / /

LEI Nº 2.422, DE 08 DE ABRIL DE 2008 CERTIDÃO Certifico e dou fé que esta Lei foi publicada no placard do Município no dia- / / LEI Nº 2.422, DE 08 DE ABRIL DE 2008 CERTIDÃO Certifico e dou fé que esta Lei foi publicada no placard do Município no dia- / / JANE APARECIDA FERREIRA =Responsável pelo placard= Dispõe sobre a composição,

Leia mais

ORGANIZAÇÃO SOCIAL DO TERRITÓRIO E MOBILIDADE URBANA NA REGIÃO METROPOLITANA DE SALVADOR, BAHIA

ORGANIZAÇÃO SOCIAL DO TERRITÓRIO E MOBILIDADE URBANA NA REGIÃO METROPOLITANA DE SALVADOR, BAHIA ORGANIZAÇÃO SOCIAL DO TERRITÓRIO E MOBILIDADE URBANA NA REGIÃO METROPOLITANA DE SALVADOR, BAHIA Arq. Juan Pedro Moreno Delgado, DSc. Delgado, J. P. M., Organização social do território e mobilidade urbana

Leia mais

Dinamização imobiliária no entorno da unidade de conservação Mata de Santa Genebra, Campinas (SP)

Dinamização imobiliária no entorno da unidade de conservação Mata de Santa Genebra, Campinas (SP) Dinamização imobiliária no entorno da unidade de conservação Mata de Santa Genebra, Campinas (SP) Mariana Ferreira Cisotto maricisotto@yahoo.com.br IG/UNICAMP Antonio Carlos Vitte IG/UNICAMP Palavras-chave:

Leia mais

III Fórum Mobilize! Transformações urbanas e os megaeventos:

III Fórum Mobilize! Transformações urbanas e os megaeventos: oportunidade para uma metrópole sustentável? III Fórum Mobilize! Transformações urbanas e os megaeventos: Sergio Myssior Arquiteto e Urbanista, diretor da MYR projetos sustentáveis, Conselheiro CAU/MG,

Leia mais

Plano de Mobilidade Urbana de Belo Horizonte - PlanMob-BH. Marcelo Cintra do Amaral. 20 de novembro de 2012

Plano de Mobilidade Urbana de Belo Horizonte - PlanMob-BH. Marcelo Cintra do Amaral. 20 de novembro de 2012 Plano de Mobilidade Urbana de Belo Horizonte - PlanMob-BH Marcelo Cintra do Amaral 20 de novembro de 2012 Roteiro da apresentação: Contexto do PlanMob-BH: prognóstico, caráter de plano diretor, etapas

Leia mais

LEI COMPLEMENTAR Nº 717, DE 20 DE AGOSTO DE 2013.

LEI COMPLEMENTAR Nº 717, DE 20 DE AGOSTO DE 2013. LEI COMPLEMENTAR Nº 717, DE 20 DE AGOSTO DE 2013. Institui Área Especial de Interesse Ambiental sobre área do Morro Santa Teresa, com identificação de Área de Proteção do Ambiente Natural, de Área de Interesse

Leia mais

A MOBILIDADE EM CIDADES MÉDIAS ABORDAGEM NA PERSPECTIVA DA POLÍTICA DE CIDADES POLIS XXI

A MOBILIDADE EM CIDADES MÉDIAS ABORDAGEM NA PERSPECTIVA DA POLÍTICA DE CIDADES POLIS XXI Mobilidade em Cidades Médias e Áreas Rurais Castelo Branco, 23-24 Abril 2009 A MOBILIDADE EM CIDADES MÉDIAS ABORDAGEM NA PERSPECTIVA DA POLÍTICA DE CIDADES POLIS XXI A POLÍTICA DE CIDADES POLIS XXI Compromisso

Leia mais

Projeto Cidade da Copa : influência na mobilidade da Zona da Mata Norte do Estado de Pernambuco

Projeto Cidade da Copa : influência na mobilidade da Zona da Mata Norte do Estado de Pernambuco Danilo Corsino de Queiróz Albuquerque¹ Ana Regina Marinho Dantas Barboza da Rocha Serafim² ¹Graduando do 5º Período no Curso de Licenciatura em Geografia pela Universidade de Pernambuco (UPE), E-mail:

Leia mais

Plano de Fiscalização de Unidades de Conservação - SIM

Plano de Fiscalização de Unidades de Conservação - SIM Plano de Fiscalização de Unidades de Conservação - SIM Formação Socioambiental 3º Encontro Planejando intervenções Polo 6 P.E. Serra do Mar Núcleo Caraguatatuba Algo que pode provocar ou, também, inspirar...

Leia mais

PARQUE URBANO ORLA DA BARRA

PARQUE URBANO ORLA DA BARRA A BARRA: ESPAÇO MONUMENTO PATRIMÔNIO E CULTURA PARQUE URBANO ORLA DA BARRA A Vila Velha, conhecida também como a Vila do Porto da Barra ou Vila do Pereira uma alusão ao primeiro donatário da Capitania

Leia mais

Centro Cultural e de Exposições de Maceió

Centro Cultural e de Exposições de Maceió Centro Cultural e de Exposições de Maceió Descrição Administrar, explorar comercialmente e desenvolver eventos culturais, de lazer e de negócios no Centro Cultural e de Exposições de Maceió, localizado

Leia mais

Grupo WTB Experiência e solidez

Grupo WTB Experiência e solidez Grupo WTB Experiência e solidez Fundado em 1999, o Grupo WTB teve um crescimento sustentado e prosperou ao longo dos anos. Hoje, sua marca está presente em vários empreendimentos de sucesso, contando com

Leia mais

Cidade de São Paulo. 3ª CLÍNICA INTEGRADA ENTRE USO DO SOLO E TRANSPORTES Rio, out/2011

Cidade de São Paulo. 3ª CLÍNICA INTEGRADA ENTRE USO DO SOLO E TRANSPORTES Rio, out/2011 Cidade de São Paulo 3ª CLÍNICA INTEGRADA ENTRE USO DO SOLO E TRANSPORTES Rio, out/2011 LOCALIZAÇÃO POPULAÇÃO (Censo 2010) RMSP...19.683.975 habitantes Município de São Paulo...11.253.563 habitantes Estatuto

Leia mais

O envelope solar e o planejamento urbano Estudo prega que revisão da legislação urbanística incorpore acesso ao sol e à luz

O envelope solar e o planejamento urbano Estudo prega que revisão da legislação urbanística incorpore acesso ao sol e à luz 1 de 6 21/5/2013 08:56 Cidade Universitária, 21 de maio de 2013 VISITANTES ALUNOS DOCENTES SERVIDORES SERVIÇOS CONCURSOS Faça aqui sua busca... A Unicamp Faculdades e Institutos Pesquisa Hospitais Vestibular

Leia mais

O PREFEITO DE SÃO LUÍS, Capital do Estado do Maranhão.

O PREFEITO DE SÃO LUÍS, Capital do Estado do Maranhão. Lei 4.052, de 13 de março de 2002 Define condições para a instalação de pólos geradores de tráfego, estabelecendo-lhes exigências; critérios para quantidade de vagas de carga e descarga, embarque e desembarque,

Leia mais

HABITAR BELO HORIZONTE - HBH PROJETO HABITAR BELO HORIZONTE - OCUPANDO O CENTRO

HABITAR BELO HORIZONTE - HBH PROJETO HABITAR BELO HORIZONTE - OCUPANDO O CENTRO PROJETO HABITAR BELO HORIZONTE - OCUPANDO O CENTRO Objetivos específicos (1) Desenvolver métodos e técnicas para a recuperação e adaptação (para uso habitacional) de edificações existentes desocupadas.

Leia mais

SEMINÁRIO EFICIÊNCIA ENERGÉTICA E HABITAÇÃO DE INTERESSE SOCIAL NO ESTADO DE SÃO PAULO

SEMINÁRIO EFICIÊNCIA ENERGÉTICA E HABITAÇÃO DE INTERESSE SOCIAL NO ESTADO DE SÃO PAULO DIRETRIZES DE SUSTENTABILIDADE NO PROGRAMA HABITACIONAL DO ESTADO DE SÃO PAULO EDUARDO TRANI Chefe de Gabinete da Secretaria de Habitação SEMINÁRIO EFICIÊNCIA ENERGÉTICA E HABITAÇÃO DE INTERESSE SOCIAL

Leia mais

Prezados Senhores, Itacir e Marlene Feltrin e filhos. Farroupilha - RS

Prezados Senhores, Itacir e Marlene Feltrin e filhos. Farroupilha - RS Prezados Senhores, Itacir e Marlene Feltrin e filhos. Farroupilha - RS Registramos com carinho a aproximação com a família Feltrin, iniciada em 1982. Foram mais de três décadas de respeito recíproco e

Leia mais

Das diretrizes gerais

Das diretrizes gerais PROJETO DE LEI Nº, DE 2013 (Do Sr. Anderson Ferreira) Dispõe sobre o Estatuto da Família e dá outras providências. O Congresso Nacional decreta: Art. 1º Esta Lei institui o Estatuto da Família e dispõe

Leia mais

26º. Encontro Técnico AESABESP DIAGNÓSTICO DAS CONDIÇÕES DE SANEAMENTO AMBIENTAL NO MUNICÍPIO DE MACAPÁ- AP.

26º. Encontro Técnico AESABESP DIAGNÓSTICO DAS CONDIÇÕES DE SANEAMENTO AMBIENTAL NO MUNICÍPIO DE MACAPÁ- AP. 26º. Encontro Técnico AESABESP Izanilde Barbosa da Silva Elivania Silva de Abreu DIAGNÓSTICO DAS CONDIÇÕES DE SANEAMENTO AMBIENTAL NO MUNICÍPIO DE MACAPÁ- AP. São Paulo-SP INTRODUÇÃO O Brasil é um pais

Leia mais

Estação: Calçada Tipo de Estação: 01 Município: Salvador Trecho: Salvador/Alagoinhas Área de influência: 1km

Estação: Calçada Tipo de Estação: 01 Município: Salvador Trecho: Salvador/Alagoinhas Área de influência: 1km .5. Intervenções físicas e aplicação dos instrumentos urbanísticos visando potencializar a inserção e a dinâmica urbana nas estações do projeto Trem Regional. APÊNDICE I .5. Intervenções físicas e aplicação

Leia mais

Lazer. Habitação. Requalificação Ambiental. Desenvolvimento Social. Conservação Ambiental. Urbanização. Patrimônio Cultural.

Lazer. Habitação. Requalificação Ambiental. Desenvolvimento Social. Conservação Ambiental. Urbanização. Patrimônio Cultural. Habitação Desenvolvimento Social Conservação Ambiental Esportes Lazer Requalificação Ambiental Urbanização Patrimônio Cultural SIMÕES FILHO LAURO DE FREITAS BACIA DO COBRE SALVADOR Bacia do Rio do Cobre

Leia mais

Poder Executivo Edição Especial

Poder Executivo Edição Especial . Ano XV, Edição 3332 - R$ 18,00 Poder Executivo Edição Especial PLANO DIRETOR URBANO E AMBIENTAL DO MUNICÍPIO DE MANAUS LEI COMPLEMENTAR Nº 002, DE 16 DE JANEIRO DE 2014 DISPÕE sobre o Plano Diretor Urbano

Leia mais

A ÁREA CENTRAL DE PRESIDENTE PRUDENTE E A AUSÊNCIA DE VITALIDADE

A ÁREA CENTRAL DE PRESIDENTE PRUDENTE E A AUSÊNCIA DE VITALIDADE Encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão, Presidente Prudente, 22 a 25 de outubro, 2012 147 A ÁREA CENTRAL DE PRESIDENTE PRUDENTE E A AUSÊNCIA DE VITALIDADE Patricia de Fáccio Rissi¹, Juliane Sanches Vicente¹,

Leia mais

Mobilidade Urbana. Linhas gerais, resultados e desafios selecionados

Mobilidade Urbana. Linhas gerais, resultados e desafios selecionados Mobilidade Urbana Linhas gerais, resultados e desafios selecionados Apresentação A política de desenvolvimento urbano é estratégica para a promoção de igualdade de oportunidades, para a desconcentração

Leia mais

Plano de Mobilidade Sustentável. Por uma cidade amiga da bicicleta Abril 2011

Plano de Mobilidade Sustentável. Por uma cidade amiga da bicicleta Abril 2011 Plano de Mobilidade Sustentável. Por uma cidade amiga da bicicleta Abril 2011 Cronograma Índice Apresentação da TC Urbes Objetivos do Plano de Mobilidade Sustentável Cidade e Mobilidade Diagnóstico Planejamento

Leia mais

O IAB e a construção de viadutos na Agamenon Magalhães

O IAB e a construção de viadutos na Agamenon Magalhães O IAB e a construção de viadutos na Agamenon Magalhães Vitória Régia de Andrade * Mesmo que tardiamente, o Recife começou a debater, enfim, o futuro da cidade no que diz respeito às vias pelas quais transitam

Leia mais

PARQUE LINEAR EM BATAGUASSU/MS COMO PAISAGEM, PLANEJAMENTO E CONTROLE URBANOS

PARQUE LINEAR EM BATAGUASSU/MS COMO PAISAGEM, PLANEJAMENTO E CONTROLE URBANOS 493 PARQUE LINEAR EM BATAGUASSU/MS COMO PAISAGEM, PLANEJAMENTO E CONTROLE URBANOS Brysa Yanara de Mendonça Thomazini 1, Sibila Corral de Arêa Leão Honda 2 1 Discente do curso de Arquitetura e Urbanismo

Leia mais

Secretária Nacional de Habitação Ministério das Cidades. Porto Alegre, 23 de novembro de 2011 10º Congresso Mundial de Metrópoles

Secretária Nacional de Habitação Ministério das Cidades. Porto Alegre, 23 de novembro de 2011 10º Congresso Mundial de Metrópoles COOPERAÇÃO DAS CIDADES BRASILEIRAS PARA REDUÇÃO DA POBREZA URBANA MESA 2: PARCERIAS PARA APOIAR AS ESTRATÉGIAS DOS DIRIGENTES LOCAIS Inês Magalhães Secretária Nacional de Habitação Ministério das Cidades

Leia mais

DANIEL COELHO PROGRAMA DE GOVERNO JULHO DE 2012

DANIEL COELHO PROGRAMA DE GOVERNO JULHO DE 2012 DANIEL COELHO PROGRAMA DE GOVERNO JULHO DE 2012 QUEREMOS MAIS PARA O RECIFE DANIEL COELHO Ambientalista e Deputado Estadual 2 vezes Vereador do Recife Bacharel em Administração pela UPE Mestrado em Negócios

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE PRESIDENTE KUBITSCHEK Estado de Minas Gerais MENSAGEM Nº

PREFEITURA MUNICIPAL DE PRESIDENTE KUBITSCHEK Estado de Minas Gerais MENSAGEM Nº MENSAGEM Nº Senhores membros da Câmara Municipal, Submeto à elevada deliberação de V. Exªs. o texto do projeto de lei que institui o Plano Plurianual para o período de 2002 a 2005. Este projeto foi elaborado

Leia mais

PlanMob-BH: Plano de mobilidade sustentável de Belo Horizonte. Ramon Victor Cesar BHTRANS, Prefeitura de Belo Horizonte

PlanMob-BH: Plano de mobilidade sustentável de Belo Horizonte. Ramon Victor Cesar BHTRANS, Prefeitura de Belo Horizonte PlanMob-BH: Plano de mobilidade sustentável de Belo Horizonte Ramon Victor Cesar BHTRANS, Prefeitura de Belo Horizonte Sumário 1. Contexto do PlanMob-BH Fases de desenvolvimento Objetivos estratégicos

Leia mais

DEBATE DO PG SRETC 21/05/2015

DEBATE DO PG SRETC 21/05/2015 DEBATE DO PG SRETC 21/05/2015 Senhor Presidente da Assembleia Legislativa Regional, Excelência Senhor Presidente do Governo Regional da Madeira, Excelência Senhoras e Senhores Secretários Regionais Senhoras

Leia mais

ANEXO XXII POLÍTICA MUNICIPAL DE TURISMO DE FOZ DO IGUAÇU LEI Nº 4.291, DE 31 DE OUTUBRO DE 2014.

ANEXO XXII POLÍTICA MUNICIPAL DE TURISMO DE FOZ DO IGUAÇU LEI Nº 4.291, DE 31 DE OUTUBRO DE 2014. ANEXO XXII POLÍTICA MUNICIPAL DE TURISMO DE FOZ DO IGUAÇU LEI Nº 4.291, DE 31 DE OUTUBRO DE 2014. DISPÕE SOBRE A POLÍTICA MUNICIPAL DE TURISMO, PREVISTA NO CAPÍTULO X, DO TÍTULO V, DA LEI ORGÂNICA DO MUNICÍPIO,

Leia mais

RMBH Colegiado Metropolitano da Sociedade Civil

RMBH Colegiado Metropolitano da Sociedade Civil Colegiado Metropolitano da Sociedade Civil PROPOSTA ESTRUTURAÇÃO TERRITORIAL METROPOLITANA PARA O DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL Apresentada à Assembléia Metropolitana e ao Conselho Metropolitano; encaminhada

Leia mais

Texto para Coluna do NRE-POLI na Revista Construção e Mercado Pini Dezembro 2010

Texto para Coluna do NRE-POLI na Revista Construção e Mercado Pini Dezembro 2010 Texto para Coluna do NRE-POLI na Revista Construção e Mercado Pini Dezembro 2010 EMPREENDIMENTOS DE USO MISTO Profa.Dra.Eliane Monetti Prof. Dr. Sérgio Alfredo Rosa da Silva Empreendimentos de uso misto

Leia mais

INICIATIVAS INSPIRADORAS ESPAÇOS PÚBLICOS REQUALIFICAÇÃO DA PRAÇA SAVASSI BELO HORIZONTE MG

INICIATIVAS INSPIRADORAS ESPAÇOS PÚBLICOS REQUALIFICAÇÃO DA PRAÇA SAVASSI BELO HORIZONTE MG ESPAÇOS PÚBLICOS INICIATIVAS INSPIRADORAS REQUALIFICAÇÃO DA PRAÇA SAVASSI BELO HORIZONTE MG ÍNDICE INTRODUÇÃO PERFIL DA CIDADE OS PASSOS PARA A REQUALIFICAÇÃO DA PRAÇA DA SAVASSI DIRETRIZES DO PROJETO

Leia mais

Grandes Investimentos e seus impactos no acesso à moradia

Grandes Investimentos e seus impactos no acesso à moradia Grandes Investimentos e seus impactos no acesso à moradia Copa, Olimpíadas e Porto Maravilha Observatório das Metrópoles Profs. Mauro Santos e Erick Omena Megaeventos e planejamento A lógica do empreendedorismo

Leia mais

ZONAS ESPECIAIS DE INTERESSE SOCIAL E MEIO AMBIENTE: O CASO DE BRASÍLIA TEIMOSA

ZONAS ESPECIAIS DE INTERESSE SOCIAL E MEIO AMBIENTE: O CASO DE BRASÍLIA TEIMOSA Belo Horizonte/MG 24 a 27/11/2014 ZONAS ESPECIAIS DE INTERESSE SOCIAL E MEIO AMBIENTE: O CASO DE BRASÍLIA TEIMOSA Tatiana Cavalcanti Fonseca*, Elizabeth Amaral Pastich, Hélida Karla Philippini da Silva

Leia mais

Sessão Temática: Códigos da Cidade: construções normativas em projetos Coordenação : Rosângela Lunardelli Cavallazzzi

Sessão Temática: Códigos da Cidade: construções normativas em projetos Coordenação : Rosângela Lunardelli Cavallazzzi I Encontro Nacional da Associação Nacional de Pesquisa e Pós-graduação em Arquitetura e Urbanismo (I ENANPARQ): Arquitetura, Cidade, Paisagem e Território: percursos e prospectivas 29 de Novembro a 03

Leia mais