Actividade prática: Constrói os teus Kits de Genética!

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Actividade prática: Constrói os teus Kits de Genética!"

Transcrição

1 Actividade prática: Constrói os teus Kits de Genética! Mais uma vez vais vestir a tua bata de cientista e investigador e preparar o teu dia a dia no laboratório. Hoje é um dia especial, vais receber a visita de uma turma do secundário para dares a conhecer todas as técnicas de Eng.ª. Genética com que estás habituado(a) a trabalhar. Para isso tens de preparar vários kits com o material pronto a usar, para lhes dares as indicações do que eles precisam para cada uma dessas técnicas. Depois não te podes esquecer de lhes explicar o procedimento, para eles poderem realizar a actividade sozinhos. Como vês, não há tempo a perder! Nota - Fotografa todos os teus kits quando estiverem completos!

2 *Isolamento de DNA de uma célula eucariota (Taq) 1º Introduzem-se células eucariotas dentro de um tubo de ensaio com água (de modo a fazer uma suspensão), faz-se o abaixamento da temperatura com gelo para inibir as enzimas celulares (de restrição, ou outras, uma vez que a única defesa do DNA nuclear é a membrana nuclear) e promove-se a lise celular das células (rebentamento da membrana celular e nuclear). 2º Faz-se o mesmo procedimento que para o isolamento do DNA eucariota, mas com a finalidade de isolar o RNA: Introduz-se à suspensão fenol e clorofórmio para permitir a separação química dos vários componentes celulares (enzimas, proteínas, RNA e DNA), aquando da centrifugação. No final da centrifugação os componentes celulares vão encontrar-se separados no tubo de ensaio, distribuindo-se em 3fases distintas: Fase aquosa, interface e fase orgânica. Sendo a fase aquosa a menos densa, é aí que vamos encontrar o DNA, mais abaixo na interface vamos encontrar o RNA e na fase mais densa ou fase orgânica vamos ter as proteínas. Isola-se o RNA por decantação.

3 *Isolamento de DNA de uma célula procariota (Taq) 1º Introduzem-se células procariotas com plasmídeos (bactérias) dentro de um tubo de ensaio com água (de modo a fazer uma suspensão), e promove-se a lise celular das bactérias. Como o DNA destas bactérias está protegido com grupos metilo, não é digerido por enzimas de restrição (daí não ser necessária a inibição enzimática). 2º Introduz-se à suspensão fenol e clorofórmio para permitir a separação química dos vários componentes celulares (enzimas, proteínas, RNA, DNA do cromossoma principal e DNA do cromossoma secundário - plasmídeo), aquando da centrifugação. 3º No final da centrifugação os componentes celulares vão encontrar-se separados no tubo de ensaio, distribuindo-se em 3fases distintas: Fase aquosa, interface e fase orgânica. Sendo a fase aquosa a menos densa, é aí que vamos encontrar o DNA do cromossoma principal, e mais abaixo, na fase mais densa ou fase orgânica vamos ter o nosso DNA plasmídico e as proteínas. Na interface vamos encontrar o RNA. 4º Isola-se o DNA plasmídico por fraccionação (Outra forma de separação, de modo a isolar os plasmídeos das proteínas).

4 rdna CaCl 2 (com choque térmico) (Taq) 1º Isolamento do DNA eucariota*. 2º Isolamento do DNA plasmídico (procariota)*. 3º Adiciona-se uma enzima de restrição A ao DNA eucariota que vai segmentar todas as zonas de restrição A existentes, formando no final vários fragmentos de diversos tamanhos. 4º Adiciona-se a mesma enzima de restrição A, ao DNA plamídico, que só apresenta uma zona de restrição, apresentando no final apenas uma abertura. 5º Selecciona-se o segmento que contém o gene de interesse a clonar. 6º Coloca-se o plasmídeo aberto em contacto com o fragmento que se pretende clonar. Visto que ambos apresentam as mesmas extremidades coesivas, uma vez que formam cortados com a mesma enzima de restrição, apresentam extremidades complementares entre si, que se unem por complementaridade, no entanto, as ligações adjacentes (lado a lado) não se conseguem ligar uma vez que são ligações covalentes, muito fortes, necessitando de uma enzima interveniente, como a DNA ligase, uma enzima reparadora do DNA. Temos agora o nosso plasmídeo recombinado. 7º Coloca-se o plasmídeo recombinado em contacto cm bactérias sem plasmídeo e induz-se a sua entrada para dentro da célula através da adição de CaCl 2 com choque térmico e espera-se que a replicação celular ocorra, havendo clonagem de todos os genes existentes no interior destas bactérias com DNA recombinado.

5 cdna CaCl 2 (com choque térmico) (Taq) 1º Faz-se o mesmo procedimento que para o isolamento do DNA eucariota, mas com a finalidade de isolar o RNA: Introduzem-se células eucariotas dentro de um tubo de ensaio com água (de modo a fazer uma suspensão), faz-se o abaixamento da temperatura com gelo para inibir as enzimas celulares (de restrição, ou outras, uma vez que a única defesa do DNA nuclear é a membrana nuclear) e promove-se a lise celular das células (rebentamento da membrana celular e nuclear). Introduz-se à suspensão fenol e clorofórmio para permitir a separação química dos vários componentes celulares (enzimas, proteínas, RNA e DNA), aquando da centrifugação. No final da centrifugação os componentes celulares vão encontrar-se separados no tubo de ensaio, distribuindo-se em 3fases distintas: Fase aquosa, interface e fase orgânica. Sendo a fase aquosa a menos densa, é aí que vamos encontrar o DNA, mais abaixo na interface vamos encontrar o RNA e na fase mais densa ou fase orgânica vamos ter as proteínas. Isola-se o RNA por decantação. 3º A partir do RNA isolado vamos proceder à síntese da primeira cadeia de DNA complementar: Necessitamos da enzima, para fazer o processo inverso ao da transcrição, mas uma vez que esta não se consegue ligar a uma cadeia simples de RNA, vamos necessitar de um iniciador/primer para se ligar por complementaridade à extremidade 3 do RNA (como esta extremidade tem sempre uma sequência poli Adenínica, este segmento vai ser complementar, e portanto, constituído por várias Timinas), formando um pequeno fragmento de cadeia dupla, onde a Transcriptase já terá a capacidade de se ligar. Para a síntese desta cadeia necessitamos ainda de material nucleotídico (T, A, G, C), de forma à Transcriptase conseguir por deslizamento unir nucleótido a nucleótido, a cadeia de DNA oposta à do RNA. 4ºFaz-se a digestão da cadeia de RNA. 5ºFaz-se a síntese da 2ªcadeia de cdna: Para esta 2ª cadeia necessitamos de outra enzima - - que faz a síntese de uma cadeia de DNA a partir de outro molde de DNA. Esta enzima apresenta a mesma dificuldade da Transcriptase, não se pode ligar a uma cadeia simples, dessa forma também necessita de um iniciador que ao complementar-se com a extremidade 3 do DNA constitui a cadeia dupla necessária para a ligação da polimerase. Tal como na 1ªcadeia, também são necessários nucleótidos, para a construir a nova cadeia, complementar à cadeia oposta, e finalmente temos o cdna concluído.

6 Biblioteca Genómica (Taq) 1º Isolamento do DNA eucariota* de todo o genoma. 2º Isolamento do DNA plasmídico (procariota)*. 4º Faz-se a técnica do rdna* para todos os fragmentos de DNA resultantes do corte das enzimas de restrição (que podem apresentar vários tamanhos). 5º Colocam-se todas as bactérias expostas à absorção dos plasmídeos recombinados num meio com o antibiótico Ampicilina (ou outro, que também sirva de marcador ou seleccionador), de modo a eliminar todas as bactérias que não apresentam plasmídeos (só os plasmídeos é que apresentam os genes de resistência ao antibiótico, e permitem às células que os absorveram, sobreviver). 6º Colocam-se as bactérias em condições ideais para se multiplicarem (clonagem).

7 Biblioteca de cdna (Taq) 1º Faz-se a técnica do cdna* com todo o genoma. 2º Faz-se o isolamento do DNA plasmídico (procariótico)*. 3º Faz-se a técnica do rdna* mas com o cdna, e com todos os fragmentos resultantes do corte da enzima de restrição. 4º Colocam-se todas as bactérias expostas à absorção dos plasmídeos recombinados num meio com o antibiótico Ampicilina, de modo a eliminar todas as bactérias que não apresentam plasmídeos (só os plasmídeos é que apresentam os genes de resistência ao antibiótico, e permitem à células que os absorveram sobreviver). 5º Colocam-se as bactérias em condições ideais para se multiplicarem (clonagem) e fazerem a síntese proteica a dos genes de interesse.

8 Impressão Digital Genética (DNA fingerprint) (Taq) 1º Isolamento do DNA eucariota*. 2º Na suspensão com o DNA isolado de todo o genoma, introduz-se um único tipo de enzimas de restrição (por vezes pode ser utilizado mais do que um tipo, para melhorar a comparação entre duas impressões digitais genéticas), resultando em segmentos de vários tamanhos. 3ºIntroduz-se a suspensão com os fragmentos de DNA num dos poços de um campo de Electroforese (com pólos eléctricos), e espera-se que estes se distribuam nessa coluna de acordo com o seu tamanho e cargas iónicas. Os fragmentos maiores vão encontrar-se mais próximos das zonas dos poços e os tamanhos mais pequenos vão migrar para zonas mais afastadas. Nota Cada indivíduo vai apresentar fragmentos de tamanhos distintos, uma vez que o número e o local das zonas de restrição variam entre indivíduos. Nota 2 Esta técnica é utilizada acima de tudo para a comparação de DNA entre indivíduos, sendo possível saber a paternidade de um determinado indivíduo.

9 Reacção de Polimerização em cadeia (PCR) (Taq) 1º Faz-se o isolamento do DNA eucariota*. 2º Procede-se ao aquecimento da suspensão com uma pequena amostra de DNA, de modo a permitir a desnaturação do DNA (1ªetapa), ou seja, as quebras das ligações por pontes de hidrogénio entre as duas cadeias complementares anti paralelas, originando duas cadeias simples. 3º Necessitamos fazer a síntese das cadeias opostas, e tal como no caso da síntese da 2ªcadeia do cdna, vamos necessitar de uma enzima que a partir de uma cadeia de DNA, faça a síntese da sua cadeia oposta (de DNA). Para tal utilizamos a que necessita de uma cadeia dupla para se ligar ao DNA e fazer a síntese da nova cadeia. Para isso adicionamos 2iniciadores complementares às extremidades 3 das duas cadeias simples, de forma a formar um pequeno segmento de cadeia dupla para esta se poder ligar. A esta 2ªetapa denominamos de emparelhamento dos primers. 4º Como último material vamos necessitar de nucleótidos essenciais para última etapa do PCR, a polimerização, onde ocorre a síntese das cadeias opostas aos moldes de DNA de cadeia simples desnaturados inicialmente. 5º Este processo será repetido várias vezes até haverem materiais em suspensão e se estabelecerem as temperaturas ideais para cada etapa do ciclo.

Actividade prática: Constrói os teus Kits de Genética!

Actividade prática: Constrói os teus Kits de Genética! Actividade prática: Constrói os teus Kits de Genética! Mais uma vez vais vestir a tua bata de cientista e investigador e preparar o teu dia a dia no laboratório. Hoje é um dia especial, vais receber a

Leia mais

UN.2 -PATRIMÓNIO GENÉTICO E ALTERAÇÕES AO MATERIAL GENÉTICO Cap.2.1. Alterações do Material Genético Engenharia genética.

UN.2 -PATRIMÓNIO GENÉTICO E ALTERAÇÕES AO MATERIAL GENÉTICO Cap.2.1. Alterações do Material Genético Engenharia genética. UN.2 -PATRIMÓNIO GENÉTICO E ALTERAÇÕES AO MATERIAL GENÉTICO Cap.2.1. Alterações do Material Genético Engenharia genética Biologia 12º ano UN.2 -PATRIMÓNIO GENÉTICO E ALTERAÇÕES AO MATERIAL GENÉTICO Situação

Leia mais

Sessão 1: Os Princípios e as Técnicas da Biologia Molecular do Séc XXI

Sessão 1: Os Princípios e as Técnicas da Biologia Molecular do Séc XXI Sessão 1: Os Princípios e as Técnicas da Biologia Molecular do Séc XXI Menu do dia: -DNA RNA proteína - Sequenciação de genomas (Clonagem, electroforese em gel) - Transcritoma (Microarrays) - Organismos

Leia mais

Universidade Federal de Pelotas Centro de Biotecnologia Graduação em Biotecnologia REPLICAÇÃO DE DNA

Universidade Federal de Pelotas Centro de Biotecnologia Graduação em Biotecnologia REPLICAÇÃO DE DNA Universidade Federal de Pelotas Centro de Biotecnologia Graduação em Biotecnologia REPLICAÇÃO DE DNA Conteúdo... - Replicação do DNA e ciclo celular; -Origem de Replicação; -Mecanismos básicos de replicação

Leia mais

CLONAGEM MOLECULAR E TRANSFORMAÇÃO BACTERIANA. Atualmente é muito comum ouvirmos falar de clonagem em meios de

CLONAGEM MOLECULAR E TRANSFORMAÇÃO BACTERIANA. Atualmente é muito comum ouvirmos falar de clonagem em meios de CLONAGEM MOLECULAR E TRANSFORMAÇÃO BACTERIANA I - INTRODUÇÃO Atualmente é muito comum ouvirmos falar de clonagem em meios de comunicação que atingem o grande público. É também bastante comum assistirmos

Leia mais

Universidade de Évora ICAAM Laboratório de Microbiologia do Solo 18/07/ /07/2011

Universidade de Évora ICAAM Laboratório de Microbiologia do Solo 18/07/ /07/2011 Universidade de Évora ICAAM Laboratório de Microbiologia do Solo Ana Neves José Neto 18/07/2011-22/07/2011 Responsável: Solange Oliveira Investigadoras: Marta Laranjo Ana Alexandre Rizóbios são bactérias

Leia mais

Síntese de RNA e Proteínas

Síntese de RNA e Proteínas Síntese de RNA e Proteínas BCM I T.04 Transcrição e tradução são os meios da célula expressar as instruções génicas o fluxo de informação genética é do DNA para o RNA para as Proteínas Os genes podem ser

Leia mais

Replicação de DNA. Priscila M. M. de Leon. Universidade Federal de Pelotas CDTec - Graduação em Biotecnologia Disciplina de Biologia Molecular

Replicação de DNA. Priscila M. M. de Leon. Universidade Federal de Pelotas CDTec - Graduação em Biotecnologia Disciplina de Biologia Molecular Universidade Federal de Pelotas CDTec - Graduação em Biotecnologia Disciplina de Biologia Molecular Replicação de DNA Priscila M. M. de Leon Dra., Médica Veterinária Profa, PNDP Biotecnologia/UFPel Replicação

Leia mais

Bases e aplicações. da tecnologia do DNA recombinante

Bases e aplicações. da tecnologia do DNA recombinante Bases e aplicações da tecnologia do DNA recombinante Por quê entender a Tecnologia do DNA recombinante? y y Doenças: diagnóstico, prognóstico e tratamento Compreensão dos mecanismos biológicos y y y organismos

Leia mais

Sequenciamento de genoma e transcriptomas

Sequenciamento de genoma e transcriptomas Sequenciamento de genoma e transcriptomas Por que seqüenciar genomas? O seqüenciamento de genomas é o primeiro passo para obter uma descrição completa da composição molecular de cada organismo, pois todas

Leia mais

Exercícios de revisão

Exercícios de revisão Exercícios de revisão Mutações Génicas 1. O gene responsável pela codificação da hemoglobina S apresenta uma mutação pontual por substituição de um nucleótido na cadeia 3 5 do DNA, cujo nucleótido T é

Leia mais

IMPORTÂNCIA DA GENÉTICA PARA ÁREA DA SAÚDE: Diagnóstico clínico: alteração no número ou estrutura dos cromossomos (síndrome de Down)

IMPORTÂNCIA DA GENÉTICA PARA ÁREA DA SAÚDE: Diagnóstico clínico: alteração no número ou estrutura dos cromossomos (síndrome de Down) Aplicações: IMPORTÂNCIA DA GENÉTICA PARA ÁREA DA SAÚDE: Diagnóstico clínico: alteração no número ou estrutura dos cromossomos (síndrome de Down) Mapeamento genético e identificação: mapeamento de genes

Leia mais

DNA RNA Proteínas. Organização estrutural e funcional do núcleo 04/04/2017. Processamento (Splicing) Tradução (citoplasma) Replicação.

DNA RNA Proteínas. Organização estrutural e funcional do núcleo 04/04/2017. Processamento (Splicing) Tradução (citoplasma) Replicação. Organização estrutural e funcional do núcleo DNA RNA Proteínas Replicação Transcrição Processamento (Splicing) Tradução (citoplasma) Cromatina - Eucromatina - Heterocromatina Cromossomo - Mitose 1 DNA

Leia mais

Estratégias de clonagem

Estratégias de clonagem UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO DE JANEIRO PÓLO AVANÇADO DE XERÉM GRADUAÇÃO EM BIOTECNOLOGIA CURSO MELH. GEN. E OGMs (XBT353) TURMA 2015/2 Estratégias de clonagem Prof. Dr. Silas Pessini Rodrigues Rio de Janeiro,

Leia mais

Introdução à Bioquímica

Introdução à Bioquímica Introdução à Bioquímica Nucleotídeos e Ácidos Nucléicos Dra. Fernanda Canduri Laboratório de Sistemas BioMoleculares. Departamento de Física.. UNESP São José do Rio Preto - SP. Genoma! O genoma de um organismo

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE JUIZ DE FORA DEPARTAMENTO DE PARASITOLOGIA, MICROBIOLOGIA E IMUNOLOGIA

UNIVERSIDADE FEDERAL DE JUIZ DE FORA DEPARTAMENTO DE PARASITOLOGIA, MICROBIOLOGIA E IMUNOLOGIA UNIVERSIDADE FEDERAL DE JUIZ DE FORA DEPARTAMENTO DE PARASITOLOGIA, MICROBIOLOGIA E IMUNOLOGIA Genética Bacteriana Disciplina: Biologia de Microrganismos Professora: Alessandra Machado Genética Bacteriana

Leia mais

Replicação do DNA. Prof. Edimar

Replicação do DNA. Prof. Edimar Replicação do DNA Prof. Edimar PRINCIPAIS ENZIMAS ENVOLVIDAS (SISTEMA DE REPLICAÇÃO DO DNA) 1. DNA Polimerases 2. Endonucleases 3. Helicases 4. Topoisomerases 5. Primases 6. Telomerases ENDONUCLEASES HELICASE

Leia mais

Replicação do DNA e Cromossomos

Replicação do DNA e Cromossomos Replicação do DNA e Cromossomos Características básicas da replicação do DNA In Vivo É semiconservativa, Inicia-se em origens únicas Geralmente é bidirecional a partir de cada origem de replicação. A replicação

Leia mais

Prof. Dr. Júlio César Borges. Eduardo Nazaré Felipe Gonçalves Renato Capelo

Prof. Dr. Júlio César Borges. Eduardo Nazaré Felipe Gonçalves Renato Capelo Prof. Dr. Júlio César Borges Eduardo Nazaré Felipe Gonçalves Renato Capelo Introdução Método de Sanger Pirosequenciamento Ion Torrent Aplicações Desde a descoberta da dupla fita de DNA surgiram diversas

Leia mais

Prof. Marcelo Langer. Curso de Biologia. Aula 26 Genética

Prof. Marcelo Langer. Curso de Biologia. Aula 26 Genética Prof. Marcelo Langer Curso de Biologia Aula 26 Genética MATERIAL GENÉTICO A primeira atividade é a de orientação do DNA para formar a proteína, que será responsável pela característica genética. DNA é

Leia mais

Ficha Informativa nº11 Fundamentos de Engª.Genética

Ficha Informativa nº11 Fundamentos de Engª.Genética FICHA INFORMATIVA Nº11 FUNDAMENTOS DE ENGª.GENÉTICA Ficha Informativa nº11 Fundamentos de Engª.Genética Durante 25 anos, desde 1950 a 1957, a molécula de DNA foi considerada intocável. A partir da década

Leia mais

Profa. Dra. Viviane Nogaroto

Profa. Dra. Viviane Nogaroto ESTRUTURA DO GENE GENE: Região do DNA capaz de ser transcrita a fim de produzir uma molécula de RNA funcional ou uma proteína -inclui sequências codificadoras e regulatórias transcrição tradução DNA RNA

Leia mais

DOGMA CENTRAL DA BIOLOGIA MOLECULAR

DOGMA CENTRAL DA BIOLOGIA MOLECULAR Transcrição do DNA DOGMA CENTRAL DA BIOLOGIA MOLECULAR Replicação DNA Transcrição RNA Tradução PROTEÍNA Transcrição Processo pelo qual o DNA é copiado numa molécula de RNA (mrna, rrna e trna). Todos os

Leia mais

Avaliação Curso de Formação Pós-Graduada da Biologia Molecular à Biologia Sintética 15 de Julho de 2011 Nome

Avaliação Curso de Formação Pós-Graduada da Biologia Molecular à Biologia Sintética 15 de Julho de 2011 Nome 1 Avaliação Curso de Formação Pós-Graduada da Biologia Molecular à Biologia Sintética 15 de Julho de 2011 Nome 1 - As enzimas de restrição ou endonucleases recebem uma designação que provem (1 valor) a)

Leia mais

Replicação do DNA. Profa. Dra. Aline Maria da Silva Instituto de Química- USP

Replicação do DNA. Profa. Dra. Aline Maria da Silva Instituto de Química- USP Replicação do DNA Profa. Dra. Aline Maria da Silva Instituto de Química- USP Bibliografia: Genes VII - Benjamin Lewin Biologia Molecular Básica-Arnaldo Zaha Lenhinger Principles of Biochemistry (3a. Ed.)

Leia mais

Duplicação do DNA & Síntese de proteínas

Duplicação do DNA & Síntese de proteínas Duplicação do DNA & Síntese de proteínas Aula de Biologia Tema: Duplicação do DNA & Síntese Protéica Daniel Biólogo Planetabiologia.com ÁCIDOS NUCLÉICOS 1) Conceito: Os Ácidos Nucléicos são macromoléculas,

Leia mais

Sociedade, Tecnologia e Ciência. DR1 - O Elemento, Graça Mendonça. Núcleo Gerador 7 DNA

Sociedade, Tecnologia e Ciência. DR1 - O Elemento, Graça Mendonça. Núcleo Gerador 7 DNA DNA Trabalho realizado por: Rafael Lourenço Fábio Rodrigues Miguel Almeida Rodrigo Sambento 1 á g i n a Índice INTRODUÇÃO... 3 DNA... 4 Organização do DNA na célula... 4 Elementos básicos dos ácidos nucleicos...

Leia mais

Transcrição é a primeira etapa da expressão do gene. Envolve a cópia da sequência de DNA de um gene para produzir uma molécula de RNA

Transcrição é a primeira etapa da expressão do gene. Envolve a cópia da sequência de DNA de um gene para produzir uma molécula de RNA TRANSCRIÇÃO - Pontos Principais: Transcrição é a primeira etapa da expressão do gene. Envolve a cópia da sequência de DNA de um gene para produzir uma molécula de RNA A transcrição é realizada por enzimas

Leia mais

Electroforese de ácidos nucleicos

Electroforese de ácidos nucleicos Electroforese de ácidos nucleicos 1 A electroforese consiste em fazer migrar biomoléculas por uma matriz, sob a influência de um campo eléctrico, permitindo separá-las segundo as suas propriedades fisicoquímicas

Leia mais

TECNOLOGIA DO DNA RECOMBINANTE: HISTÓRICO, ENZIMAS DE RESTRIÇÃO E VETORES Aula 3

TECNOLOGIA DO DNA RECOMBINANTE: HISTÓRICO, ENZIMAS DE RESTRIÇÃO E VETORES Aula 3 TECNOLOGIA DO DNA RECOMBINANTE: HISTÓRICO, ENZIMAS DE RESTRIÇÃO E VETORES Aula 3 LGN0232 Genética molecular Maria Carolina Quecine Departamento de Genética mquecine@usp.br Homo sapiens: UMA ESPÉCIE TECNOLÓGICA

Leia mais

A síntese proteica envolve várias fases, que culminam na síntese de proteínas nos ribossomas, tendo como base a informação genética do DNA. Classifica

A síntese proteica envolve várias fases, que culminam na síntese de proteínas nos ribossomas, tendo como base a informação genética do DNA. Classifica BG 11 EPM 14/15 A síntese proteica envolve várias fases, que culminam na síntese de proteínas nos ribossomas, tendo como base a informação genética do DNA. Classifica como Verdadeira (V) ou Falsa (F) cada

Leia mais

Seleção de clones e screening de bibliotecas genômicas

Seleção de clones e screening de bibliotecas genômicas UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO DE JANEIRO PÓLO AVANÇADO DE XERÉM GRADUAÇÃO EM BIOTECNOLOGIA CURSO MELH. GEN. E OGMs (XBT353) TURMA 2015/2 Seleção de clones e screening de bibliotecas genômicas Prof. Dr. Silas

Leia mais

Livro Interactivo 3D Permite Fazer Anotações e Imprimir. Dúvidas Mais Comuns BIO 11. Flipping Book.

Livro Interactivo 3D Permite Fazer Anotações e Imprimir. Dúvidas Mais Comuns BIO 11. Flipping Book. Livro Interactivo 3D Permite Fazer Anotações e Imprimir Dúvidas Mais Comuns BIO 11 Flipping Book http://netxplica.com DÚVIDAS MAIS COMUNS :: BIOLOGIA E GEOLOGIA 11 http://netxplica.com 1. Crescimento e

Leia mais

Aplicações. Enzimas de restrição

Aplicações. Enzimas de restrição Engenharia genética - Capacidade de manipular ácidos núcleicos de forma bem definida e controlada. As ferramentas que o permitem são as enzimas capazes de actuarem sobre ácidos núcleicos. Enzimas de restrição

Leia mais

Universidade Federal do Espírito Santo Centro de Ciências Agrárias. Disciplina BIOLOGIA MOLECULAR

Universidade Federal do Espírito Santo Centro de Ciências Agrárias. Disciplina BIOLOGIA MOLECULAR Universidade Federal do Espírito Santo Centro de Ciências Agrárias Disciplina BIOLOGIA MOLECULAR DBI05366 CAMPUS: Centro de Ciências Agrárias CURSO: Ciências Biológicas HABILITAÇÃO: Bacharelado em Ciências

Leia mais

Nutrição. Prof. João Ronaldo Tavares de Vasconcellos Neto ABR/2011

Nutrição. Prof. João Ronaldo Tavares de Vasconcellos Neto ABR/2011 Introdução a Biologia i Molecular: DNA Nutrição Prof. João Ronaldo Tavares de Vasconcellos Neto ABR/2011 HISTÓRICO Organização Células DNA + Proteínas Corpo Informação das proteínas e RNAs que serão sintetizadas

Leia mais

Qual o nome das bases pirimídicas?. R: Timina e Citosina. Quais os constituintes dos nucleótidos?

Qual o nome das bases pirimídicas?. R: Timina e Citosina. Quais os constituintes dos nucleótidos? O que significam as siglas? R: Ácido desoxirribonucleico. A molécula de tem mensagens codificadas em sequências de que contêm bases púricas e pirimídicas. R: nucleótidos Qual o nome das bases pirimídicas?.

Leia mais

Objectivos educacionais DNA. Replicação. Replicação. Graça Salomé. DNA armazém de informação genética.

Objectivos educacionais DNA. Replicação. Replicação. Graça Salomé. DNA armazém de informação genética. Metabolismo do DNA Graça Salomé Outubro de 2013 maunda5@yahoo.com 1 Objectivos educacionais Explicar a importância do metabolismo do DNA Explicar as características gerais da replicação do DNA Listar os

Leia mais

Perguntas para o roteiro de aula. 1) Descreva as principais características estruturais gerais das moléculas de DNA e

Perguntas para o roteiro de aula. 1) Descreva as principais características estruturais gerais das moléculas de DNA e Perguntas para o roteiro de aula Professora: Drª Marilda S. Gonçalves Propriedades físico-químicas dos ácidos nucléicos 1) Descreva as principais características estruturais gerais das moléculas de DNA

Leia mais

Transcrição: Síntese de RNA Tradução: Síntese Proteica

Transcrição: Síntese de RNA Tradução: Síntese Proteica Transcrição: Síntese de RNA Tradução: Síntese Proteica A estrutura química da molécula de RNA apresenta pequenas diferenças em relação ao DNA. http://www.nature.com/scitable/learning-path/theelaboration-of-the-central-dogma-701886#url

Leia mais

Biologia Celular e Molecular:

Biologia Celular e Molecular: Disciplina: Biologia Celular e Molecular: Estrutura e Fisiologia da Célula Os Ácidos Nucleicos Os ácidos nucleicos são as maiores moléculas encontradas no mundo vivo e responsáveis pelo controle dos processos

Leia mais

Análises moleculares - DNA

Análises moleculares - DNA Análises moleculares - DNA Como o mapeamento genético contribui para a genética médica? A caracterização de um gene e suas mutações aumenta a compreensão da doença Aplicações: -Desenvolvimento de diagnóstico

Leia mais

Fases do Ciclo Celular

Fases do Ciclo Celular Ciclo Celular Fases do Ciclo Celular Todas as células passam por um ciclo de vida que, assim como a vida de um organismo complexo, apresenta diferentes fases e é irreversível. Duração do ciclo celular

Leia mais

Prof. Dr. Bruno Lazzari de Lima. Replicação do DNA

Prof. Dr. Bruno Lazzari de Lima. Replicação do DNA Prof. Dr. Bruno Lazzari de Lima Replicação do DNA Introdução Sistemas vivos tem a capacidade de fazer cópias de si mesmos. Capacidade associada ao material genético hereditário. Compreensão do processo

Leia mais

Replicação de DNA QBQ 204 Aula 2 (biomol)

Replicação de DNA QBQ 204 Aula 2 (biomol) Replicação de DNA QBQ 204 Aula 2 (biomol) Prof. João Carlos Setubal Site da disciplina http://www.iq.usp.br/setubal/qbq204/2016 Trabalho para entrega Grupos de 6 alunos Temas: processos bioquímicos relacionados

Leia mais

Resumo 2. Resultados Experimentais, Tratamento e Discussão 7. Bibliografia 14

Resumo 2. Resultados Experimentais, Tratamento e Discussão 7. Bibliografia 14 Páginas Resumo 2 Resultados Experimentais, Tratamento e Discussão 7 Bibliografia 14 2 Este relatório diz respeito aos trabalhos práticos: 2) Extracção do DNA cromossómico e extracção rápida e em pequena

Leia mais

ÁCIDOS NUCLÉICOS ESTRUTURA E FUNÇÕES

ÁCIDOS NUCLÉICOS ESTRUTURA E FUNÇÕES DNA ÁCIDOS NUCLÉICOS ESTRUTURA E FUNÇÕES Prof. Edimar Campos Antes de 1950 sabia-se apenas que qualquer que fosse a natureza do material genético, ele deveria possuir 3 características importantes: O MATERIAL

Leia mais

a) Baseando-se nos resultados acima, qual é a sequência mais provável desses 4 genes no cromossomo, a partir do gene A? b) Justifique sua resposta.

a) Baseando-se nos resultados acima, qual é a sequência mais provável desses 4 genes no cromossomo, a partir do gene A? b) Justifique sua resposta. CAP. 08: HERANÇA QUANTITATIVA OU POLIGENICA CAP. 09: MAPAS DE LIGAÇÃO GÊNICA - LINKAGE CAP. 10: O MATERIAL GENÉTICO E A GENÉTICA DO FUNCIONAMENTO DOS GENES 1. Considere dois genes e seus respectivos alelos:

Leia mais

DNA e RNA Replicação do DNA

DNA e RNA Replicação do DNA DNA e RNA Replicação do DNA 1953 1952 1952 1944 1928 1869 À descoberta do Material Genético Watson e Crick Modelo do DNA dupla hélice Hershey-Chase experiências com bacteriófagos confirmam o DNA como suporte

Leia mais

1 º Exame Engenharia Genética 11 de Janeiro de 2013 Duração: 2h30min.

1 º Exame Engenharia Genética 11 de Janeiro de 2013 Duração: 2h30min. Nome: Curso: Nº 1 º Exame Engenharia Genética 11 de Janeiro de 2013 Duração: 2h30min. A bactéria Edwardsiella tarda causa septicémia hemorrágica em peixes bem como infecções gastrointestinais em humanos.

Leia mais

Nome: Curso: Nº. 1 º Teste Engenharia Genética 22 de Novembro de 2012 Duração: 2h.

Nome: Curso: Nº. 1 º Teste Engenharia Genética 22 de Novembro de 2012 Duração: 2h. 1 Nome: Curso: Nº 1 º Teste Engenharia Genética 22 de Novembro de 2012 Duração: 2h. As proteínas sensoras dos sistemas reguladores de dois components são usadas por bactérias para detectar e responder

Leia mais

Unidade III: Tecnologia do DNA Recombinante

Unidade III: Tecnologia do DNA Recombinante Unidade III: Tecnologia do DNA Recombinante Disciplina: Biologia Molecular Centro de Ciências da Saúde Docente: Profa. Dra. Marilanda Ferreira Bellini Pró-Reitoria de Pesquisa e de Pós-graduação Bloco

Leia mais

Genes e Genomas Procarióticos

Genes e Genomas Procarióticos Universidade Federal de Pelotas CDTec - Graduação em Biotecnologia Disciplina de Biologia Molecular Genes e Genomas Procarióticos Priscila M. M. de Leon Dra., Médica Veterinária Profa, PNDP Biotecnologia/UFPel

Leia mais

introdução ao curso

introdução ao curso introdução ao curso http://www.ifsc.usp.br/~rdemarco/ffi0760/ffi0760.htm Cronograma aulas teóricas Aulas teóricas (Segundas-feiras - Sala 146) 30/07-introdução ao curso. 06/08-Busca em bancos de dados

Leia mais

Transcrição do DNA. Dogma central. O fluxo da informação é unidirecional. Refutação definitiva da herança dos caracteres adquiridos 26/04/2015

Transcrição do DNA. Dogma central. O fluxo da informação é unidirecional. Refutação definitiva da herança dos caracteres adquiridos 26/04/2015 Transcrição do DNA José Francisco Diogo da Silva Junior Mestrando CMANS/UECE Dogma central O fluxo da informação é unidirecional Refutação definitiva da herança dos caracteres adquiridos 1 A iniciação

Leia mais

A g r u p a m e n t o d e E s c o l a s A n t ó n i o S é r g i o V. N. G a i a E S C O L A S E C U N D Á R I A / 3 A N T Ó N I O S É R G I O GRUPO I

A g r u p a m e n t o d e E s c o l a s A n t ó n i o S é r g i o V. N. G a i a E S C O L A S E C U N D Á R I A / 3 A N T Ó N I O S É R G I O GRUPO I A g r u p a m e n t o d e E s c o l a s A n t ó n i o S é r g i o V. N. G a i a E S C O L A S E C U N D Á R I A / 3 A N T Ó N I O S É R G I O BIOLOGIA Módulo 2 12º CTec CURSO CIENTÍFICO-HUMANÍSTICO DE

Leia mais

Resoluções das atividades

Resoluções das atividades Resoluções das atividades Aula 8 Ácidos nucleicos Atividades para sala 01 D 02 B No DNA, ocorrem duas fitas de polinucleotídios. As duas fitas são unidas por pontes de hidrogênio estabelecidas entre os

Leia mais

Sequenciamento de genoma e transcriptomas

Sequenciamento de genoma e transcriptomas Sequenciamento de genoma e transcriptomas Durante décadas o método de Sanger foi praticamente a única opção utilizada para sequenciamento de DNA Nos últimos anos surgiram novas tecnologias de sequenciamento

Leia mais

1 º Teste de Engenharia Genética 7 de Novembro de 2015; Duração máxima: 2h

1 º Teste de Engenharia Genética 7 de Novembro de 2015; Duração máxima: 2h 1 Nome: Curso: Nº 1 º Teste de Engenharia Genética 7 de Novembro de 2015; Duração máxima: 2h As infecções contraídas em hospitais devido a bactérias resistentes a múltiplas drogas (MDR) são um dos maiores

Leia mais

Descoberta da Estrutura do DNA

Descoberta da Estrutura do DNA DNA Estrutura Descoberta da Estrutura do DNA James Watson (geneticista americano) Francis Crick (físico inglês) Esclareceram a estrutura do DNA em 1953 O que se sabia sobre os genes Fatores hereditários

Leia mais

EXERCÍCIOS DE MONITORIA 2º PERÍODO AGOSTO BIOLOGIA RECUP. PARCIAL

EXERCÍCIOS DE MONITORIA 2º PERÍODO AGOSTO BIOLOGIA RECUP. PARCIAL 1ª série Ens. Médio 1. A figura a seguir refere-se à hereditariedade: a) EXERCÍCIOS DE MONITORIA 2º PERÍODO AGOSTO BIOLOGIA RECUP. PARCIAL b) Explique de que forma a molécula de DNA atua no fenômeno da

Leia mais

INTRODUÇÃO ÀS TÉCNICAS DE CLONAGEM GÊNICA (PARTE B)

INTRODUÇÃO ÀS TÉCNICAS DE CLONAGEM GÊNICA (PARTE B) INTRODUÇÃO ÀS TÉCNICAS DE CLONAGEM GÊNICA (PARTE B) Para produzir 5mg de somatostatina, são necessários 500.000 cérebros de carneiro, ou por engenharia genética 7,5kg de E. coli com gene enxertado deste

Leia mais

DNA, Cromossomos e Replicação. Capítulos 5 e 6 (pág ) - Fundamentos da Biologia Celular - Alberts- 2ª edição

DNA, Cromossomos e Replicação. Capítulos 5 e 6 (pág ) - Fundamentos da Biologia Celular - Alberts- 2ª edição DNA, Cromossomos e Replicação Capítulos 5 e 6 (pág 199-210) - Fundamentos da Biologia Celular - Alberts- 2ª edição Ácidos ribonucléicos DNA e RNA Formado por nucleotídeos: uma base nitrogenada ligada a

Leia mais

Kit de Clonagem Flex-C

Kit de Clonagem Flex-C Kit de Clonagem Flex-C Instruções de Uso DESCRIÇÃO O Kit de Clonagem Flex-C é altamente eficiente, rápido e de fácil uso para clonagem por PCR. A enzima Flex-C permite a clonagem direta de qualquer fragmento

Leia mais

Replicação do DNA & Transposons

Replicação do DNA & Transposons Replicação do DNA & Transposons Enzimas e Mecanismos Envolvidos na Replicação e Transposição do DNA Prof. Henrique S. Costa, M.Sc. Replicação do DNA e ciclo celular Replicação e Ciclo Celular estão intimamente

Leia mais

MÓDULO 3 BIOLOGIA MOLECULAR

MÓDULO 3 BIOLOGIA MOLECULAR MÓDULO 3 BIOLOGIA MOLECULAR Aula 1 - Estrutura e Propriedades dos Ácidos Nucleicos Evidências de que o DNA constitui o material genético Experimento de Frederick Griffith (1928) Pneumococcus pneumoniae

Leia mais

GENÉTICA E BIOTECNOLOGIA

GENÉTICA E BIOTECNOLOGIA GENÉTICA E BIOTECNOLOGIA CONTROLO DA REPLICAÇÃO DE PLASMÍDEOS Trabalho elaborado por: Andrêa Gouvêa andrealeitegouvea@yahoo.com Ivânia Pereira Lara Bolito Magali Barbosa Grupo 8 biotecnologia A biotecnologia

Leia mais

Genética Molecular. Tema 1: Genética Molecular. Prof. Leandro Parussolo

Genética Molecular. Tema 1: Genética Molecular. Prof. Leandro Parussolo Instituto Federal de Santa Catarina Câmpus Florianópolis Unidade Curricular: Biologia I Tema 1: Genética Molecular Genética Molecular Prof. Leandro Parussolo leandro.parussolo@ifsc.edu.br Genética Estuda

Leia mais

Biologia. Código Genético. Professor Enrico Blota.

Biologia. Código Genético. Professor Enrico Blota. Biologia Código Genético Professor Enrico Blota www.acasadoconcurseiro.com.br Biologia CÓDIGO GENÉTICO NÚCLEO E SÍNTESE PROTEICA O núcleo é de fundamental importância para grande parte dos processos que

Leia mais

Assinale abaixo quais os processos que resultam na expressão das características individuais:

Assinale abaixo quais os processos que resultam na expressão das características individuais: Atividade extra Questão 1 O DNA é formado por pedaços capazes de serem convertidos em algumas características. Esses pedaços são chamados de genes. Assinale abaixo quais os processos que resultam na expressão

Leia mais

Bases da análise genômica: estado da arte

Bases da análise genômica: estado da arte Bases da análise genômica: estado da arte Cesar Martins cmartins@ibb.unesp.br Departamento de Morfologia Instituto de Biociências UNESP Universidade Estadual Paulista Botucatu, SP Avanços nas tecnologias

Leia mais

BIOQUÍMICA E BIOLOGIA MOLECULAR 1º S_2010_2011_2º Teste 12/01/2011

BIOQUÍMICA E BIOLOGIA MOLECULAR 1º S_2010_2011_2º Teste 12/01/2011 BIOQUÍMICA E BIOLOGIA MOLECULAR 1º S_2010_2011_2º Teste 12/01/2011 (Duração: 1,5 h) Nome do Aluno: Nº: Curso: Cada uma das questões de escolha múltipla (1 à 40) tem a cotação de 0,5 valores. Será descontado

Leia mais

Prof. Marcelo Langer. Curso de Biologia. Aula 16 Genética

Prof. Marcelo Langer. Curso de Biologia. Aula 16 Genética Prof. Marcelo Langer Curso de Biologia Aula 16 Genética FUNCIONAMENTO DO GENE Um gene não funciona em todas as células, mas somente em um tipo de célula, onde tem relação à sua função. Isso ocorre devido

Leia mais

CÉLULAS 2/14/2017 FACULDADE EDUCACIONAL DE MEDIANEIRA COMPOSIÇÃO MOLECULAR DAS CÉLULAS COMPOSIÇÃO QUÍMICA DAS CÉLULAS COMPOSIÇÃO MOLECULAR DAS CÉLULAS

CÉLULAS 2/14/2017 FACULDADE EDUCACIONAL DE MEDIANEIRA COMPOSIÇÃO MOLECULAR DAS CÉLULAS COMPOSIÇÃO QUÍMICA DAS CÉLULAS COMPOSIÇÃO MOLECULAR DAS CÉLULAS 2/14/2017 FACULDADE EDUCACIONAL DE MEDIANEIRA CÉLULAS Células são estruturas complexas e diversas; São capazes de autoreplicação; Realizam uma ampla variedade de papeis especializados em organismos multicelulares:

Leia mais

Bases da análise genômica: estado da arte

Bases da análise genômica: estado da arte Bases da análise genômica: estado da arte Cesar Martins (cmartins@ibb.unesp.br) Departamento de Morfologia Instituto de Biociências, UNESP Universidade Estadual Paulista Botucatu, SP Avanços nas tecnologias

Leia mais

Aula 6: Endonucleases de restrição de enzimas de modificação de DNA

Aula 6: Endonucleases de restrição de enzimas de modificação de DNA UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO DE JANEIRO PÓLO AVANÇADO DE XERÉM GRADUAÇÃO EM BIOTECNOLOGIA CURSO MELH. GEN. E OGMs (XBT353) TURMA 2014/1 Aula 6: Endonucleases de restrição de enzimas de modificação de DNA

Leia mais

REVISÃO: Terceira Unidade Nutrição

REVISÃO: Terceira Unidade Nutrição REVISÃO: Terceira Unidade Nutrição Prof. João Ronaldo Tavares de Vasconcellos Neto JUL/2011 HISTÓRICO 1957 CRICK e GAMOV Dogma Central da Biologia Molecular A Célula DIFERENCIAÇÃO Núcleo: DNA CRESCIMENTO

Leia mais

Aula 2 biologia molecular

Aula 2 biologia molecular Aula 2 biologia molecular Processo de cópia de uma molécula de DNA em duplas moléculas filhas Este processo ocorre a cada fase S do ciclo celular Apresenta processos gerais e particularidades entre procariotos

Leia mais

Armazenamento da informação genética

Armazenamento da informação genética Universidade Federal do Pampa Curso de Nutrição Biologia celular e molecular Armazenamento da informação genética Profª Ms. Vanessa Retamoso Prof Ms. Vanessa Retamoso NÚCLEO INTERFÁSICO: é o núcleo da

Leia mais

1.3 Explique a razão pela qual, na ausência de lactose, as enzimas necessárias à degradação desta molécula não se produzem.

1.3 Explique a razão pela qual, na ausência de lactose, as enzimas necessárias à degradação desta molécula não se produzem. A g r u p a m e n t o d e E s c o l a s A n t ó n i o S é r g i o - V. N. Gaia E S C O L A S E C U N D Á R I A / 3 A N T Ó N I O S É R G I O BIOLOGIA Módulo 2 12º CTec CURSO CIENTÍFICO-HUMANÍSTICO DE CIÊNCIAS

Leia mais

IDENTIFICAÇÃO DE SEQUÊNCIAS POR HIBRIDIZAÇÃO E SEQUENCIAMENTO. Aula 5. Maria Carolina Quecine Departamento de Genética

IDENTIFICAÇÃO DE SEQUÊNCIAS POR HIBRIDIZAÇÃO E SEQUENCIAMENTO. Aula 5. Maria Carolina Quecine Departamento de Genética IDENTIFICAÇÃO DE SEQUÊNCIAS POR HIBRIDIZAÇÃO E SEQUENCIAMENTO Aula 5 LGN232 Genética Molecular Maria Carolina Quecine Departamento de Genética mquecine@usp.br LEMBRANDO O DOGMA CENTRAL DA BIOLOGIA MOLECULAR

Leia mais

BacBio. Crescimento, Renovação Celular e Reprodução: da teoria à prática. Coimbra, 2012/2013. Sandra Gamboa Andreia Quaresma Fernando Delgado

BacBio. Crescimento, Renovação Celular e Reprodução: da teoria à prática. Coimbra, 2012/2013. Sandra Gamboa Andreia Quaresma Fernando Delgado BacBio Crescimento, Renovação Celular e Reprodução: da teoria à prática Coimbra, 2012/2013 Sandra Gamboa Andreia Quaresma Fernando Delgado Escolher Ciência PEC282 ESCOLA SUPERIOR AGRÁRIA DE COIMBRA BacBio

Leia mais

Prof. João Carlos Setubal

Prof. João Carlos Setubal Prof. João Carlos Setubal QBQ 102 Aula 3 (biomol) Transcrição e tradução Replicação Dogma Central da Biologia Molecular Transcrição RNA mensageiro Usa Uracila ao invés de Timina Tradução de mrnas Ocorre

Leia mais

Nucleotídeos e Ácidos Nucléicos

Nucleotídeos e Ácidos Nucléicos UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO Escola de Engenharia de Lorena EEL Programa de Aperfeiçoamento de Ensino - PAE Nucleotídeos e Ácidos Nucléicos Angela da Silva Machado Súmula da aula... Estrutura e função dos

Leia mais

Vamos iniciar o estudo da unidade fundamental que constitui todos os organismos vivos: a célula.

Vamos iniciar o estudo da unidade fundamental que constitui todos os organismos vivos: a célula. Aula 01 Composição química de uma célula O que é uma célula? Vamos iniciar o estudo da unidade fundamental que constitui todos os organismos vivos: a célula. Toda célula possui a capacidade de crescer,

Leia mais

MECANISMOS GENÉTICOS BÁSICOS: DO DNA À PROTEINA

MECANISMOS GENÉTICOS BÁSICOS: DO DNA À PROTEINA UNIVERSIDADE ESTADUAL DA BAHIA - UNEB DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS DA VIDA DCV MED049 - BIOLOGIA E BIOQUIMICA MECANISMOS GENÉTICOS BÁSICOS: DO DNA À PROTEINA Polyanna Carôzo 2016 Replicação Transcrição Tradução

Leia mais

Enunciado de Prova Escrita de Avaliação Sumativa

Enunciado de Prova Escrita de Avaliação Sumativa Enunciado de Prova Escrita de Avaliação Sumativa Ano Lectivo: 2007/200 Disciplina: Biologia e Geologia (ano 2) Ano: 11º Turma: CT Curso: C.H. - C.T. Duração: 0 min. Data: 31 / /2007 Docente: Catarina Reis

Leia mais

MARCADORES MOLECULARES: AFLP E RFLP

MARCADORES MOLECULARES: AFLP E RFLP Universidade Federal de Pelotas Programa de Pós Graduação em Agronomia Disciplina de Biotecnologia Aplicada ao Melhoramento MARCADORES MOLECULARES: AFLP E RFLP Prof. PhD. Antonio Costa de Oliveira Gabriela

Leia mais

Disciplina : Biologia Molecular: conceitos e Técnicas. Professora. Dra. Andrea Soares da Costa Fuentes

Disciplina : Biologia Molecular: conceitos e Técnicas. Professora. Dra. Andrea Soares da Costa Fuentes Disciplina : Biologia Molecular: conceitos e Técnicas Professora. Dra. Andrea Soares da Costa Fuentes Revisão Geral Sumário História da Genética Molecular DNA e RNA Dogma Central Replicação Transcrição

Leia mais

REGULAÇÃO DO MATERIAL GENÉTICO

REGULAÇÃO DO MATERIAL GENÉTICO REGULAÇÃO DO MATERIAL GENÉTICO Prof. Ana Rita Rainho Controlo da actividade celular Se todas as células de um organismo possuem a mesma informação genética, qual o mecanismo que permite às células diferenciar-se?

Leia mais

Análises de DNA. O DNA e sua história. DNA nos remete a Hereditariedade. -Hipócrates ( a.c.): pangênese

Análises de DNA. O DNA e sua história. DNA nos remete a Hereditariedade. -Hipócrates ( a.c.): pangênese Análises de DNA O DNA e sua história DNA nos remete a Hereditariedade -Hipócrates (460-377 a.c.): pangênese -Aristóteles (384-322 a.c.): transmissão das características pelo sêmen 1 O genoma e sua história

Leia mais

Estudo de um Polimorfismo no Gene da Cadeia Pesada β da Miosina (CPβM)

Estudo de um Polimorfismo no Gene da Cadeia Pesada β da Miosina (CPβM) Estudo de um Polimorfismo no Gene da Cadeia Pesada β da Miosina (CPβM) Ana Luísa Carvalho Departamento de Zoologia, Universidade de Coimbra Introdução: Neste trabalho pretende-se analisar um polimorfismo

Leia mais

DNA. Dados relevantes para a compreensão da sua estrutura.

DNA. Dados relevantes para a compreensão da sua estrutura. DN Dados relevantes para a compreensão da sua estrutura. DN: dados relevantes para a compreensão da sua estrutura. Em 1950, Erwin hargaff, ao estudar amostras de DN de diversas espécies, constatou que

Leia mais

14/02/2017. Genética. Professora Catarina

14/02/2017. Genética. Professora Catarina 14/02/2017 Genética Professora Catarina 1 A espécie humana Ácidos nucleicos Tipos DNA ácido desoxirribonucleico RNA ácido ribonucleico São formados pela união de nucleotídeos. 2 Composição dos nucleotídeos

Leia mais

Introdução à Bioquímica Celular

Introdução à Bioquímica Celular Pontifícia Universidade Católica de Goiás Departamento de Biologia Introdução à Bioquímica Celular Prof. Msc. Macks Wendhell Gonçalves mackswendhell@gmail.com O que é Biologia Celular? É o ramo da ciência

Leia mais

2 Contexto Biológico Genômica

2 Contexto Biológico Genômica 15 2 Contexto Biológico Neste capítulo abordaremos o contexto biológico para o entendimento deste trabalho. Serão abordados os aspectos gerais da genômica, expostos os processos do sequenciamento genético

Leia mais

Estudo Dirigido Sequenciamento de DNA

Estudo Dirigido Sequenciamento de DNA Estudo Dirigido Sequenciamento de DNA Professores Dra. Daniela Alves Silvestre OBJETIVOS Compreender a partir do estudo da técnica de sequenciamento do DNA através da utilização de didesoxinucleotídeos,

Leia mais