Aula 00. Aula 0 (DEMONSTRATIVA): apresentação do conteúdo programático, metodologia de ensino e resolução de exercícios.

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Aula 00. Aula 0 (DEMONSTRATIVA): apresentação do conteúdo programático, metodologia de ensino e resolução de exercícios."

Transcrição

1 Aula 00 Caro aluno, Bem vindo ao curso de Contabilidade de Custos em Teoria e Exercícios para o cargo de Auditor Federal de Controle Externo (AFCE) AUDITORIA GOVERNAMENTAL do Tribunal de Contas da União (TCU). É uma imensa satisfação tê-lo como meu aluno! Como este é o nosso primeiro encontro, peço a sua licença para uma breve apresentação sobre a minha formação e a minha experiência como professor para concursos. Obtive o grau de Bacharel em Ciências Navais com ênfase em Eletrônica pela Escola Naval e os de Engenheiro Elétrico com ênfase em Telecomunicações, Mestre e Doutor em Engenharia Elétrica pela Escola Politécnica da Universidade de São Paulo. Sou Auditor-Fiscal Tributário Municipal de São Paulo. Em paralelo, exerço o magistério universitário e ministro aulas de Contabilidade, Raciocínio Lógico-Quantitativo e Estatística para concursos. Aqui no Ponto, já tive a oportunidade de ministrar vários cursos de Contabilidade de Custos, Contabilidade Gerencial e de Custos, Contabilidade Geral, Estatística, Econometria e Raciocínio Lógico-Quantitativo. Sou autor do livro Contabilidade de Custos para Concursos e coautor, em parceria com o Moraes Jr., da obra Raciocínio Lógico Incluindo Matemática, Matemática Financeira e Estatística, ambos publicados pela Editora Método Neste curso, abordarei de forma clara e objetiva os tópicos relacionados à Contabilidade de Custos. Tenha em mente o seguinte: você não precisa saber toda a matéria para ser aprovado em um concurso. O meu objetivo é ensinar para você o que a banca examinadora normalmente exige do candidato em cada tópico do edital. O curso assumirá a premissa de que a banca do concurso será o CESPE, como em Assim, daremos um enfoque para essa banca, ok? Mas também serão resolvidas um grande número de questões de Contabilidade de Custos que foram cobradas recentemente por bancas relevantes tais como FCC, Cesgranrio, ESAF, Vunesp etc. Observe que todas as questões incluídas nas aulas são cuidadosamente selecionadas para que o seu aproveitamento seja máximo. As soluções apresentadas são resultantes de um longo processo evolutivo, fruto de uma intensa interação com os alunos via forum web. Segue-se o conteúdo programático (aulas às segundas): Aula 0 (DEMONSTRATIVA): apresentação do conteúdo programático, metodologia de ensino e resolução de exercícios. AULA 1: INTRODUÇÃO À CONTABILIDADE DE CUSTOS 1

2 Correlação com o edital: 1 Sistemas de custos: terminologia aplicada à Contabilidade de Custos, terminologia em entidades não industriais. 2 Classificação de custos. 2.1 Custos diretos: custos fixos e variáveis. 2.2 Distinção entre custos e despesas. AULA 2: PRINCÍPIOS PARA AVALIAÇÃO DE ESTOQUES - PARTE I Correlação com o edital: 3 Métodos de custeio: por absorção, direto ou variável. 3.1 Definição, principais características, diferenciação, vantagens e desvantagens de cada método. AULA 3: PRINCÍPIOS PARA AVALIAÇÃO DE ESTOQUES - PARTE II Correlação com o edital: 2.3 Custos indiretos: alocação e determinação da base para alocação. 2.4 Custos indiretos: custos fixos e variáveis. AULA 4: CUSTEIO ABC Correlação com o edital: 3 Métodos de custeio: ABC (Custeio Baseado em Atividades). 3.1 Definição, principais características, diferenciação, vantagens e desvantagens de cada método. AULA 5: Revisão da matéria: resumão. Aplicação de simulado. As dúvidas serão sanadas por meio do fórum do curso, ao qual todos os matriculados terão acesso. As críticas ou sugestões poderão ser enviadas para a caixa postal Deixo para você um provérbio bíblico: O preguiçoso deseja e nada consegue, mas os desejos do diligente são amplamente satisfeitos. Nunca desista do seu sonho. Deus nos deu o livre arbítrio para que possamos determinar nosso destino. Se você deseja ser aprovado em um concurso público, lute por isso, faça com dedicação, com sacrifício, sempre visando ao seu objetivo. Desta forma, você conseguirá ser aprovado! Março/

3 Exemplos de Exercícios Comentados e Resolvidos Nota: nesta aula demonstrativa serão apresentadas apenas questões comentadas; contudo, o curso será de teoria e exercícios. 1. (AFTE-RS/Fundatec/2009) Uma empresa fabricante de calçados em determinado mês consumiu R$ ,00 de couro para fabricar pares de sapatos. Esse valor será considerado: (A) Despesa. (B) Investimento. (C) Gasto. (D) Custo. (E) Desembolso. Custo corresponde ao gasto com bens ou serviços que serão consumidos na produção de outros bens ou serviços. Portanto, o gasto da quantia de R$ ,00 de couro consumido na fabricação de pares de sapatos será considerado custo. GABARITO: D 2. (AFTE-RS/Fundatec/2009) Considerando-se a relação existente entre os custos e os produtos fabricados, como os custos são classificados: (A) Diretos e Indiretos. (B) Fixos e Variáveis. (C) Fixos, Variáveis e Semi-Variáveis. (D) Fixos e Diretos. (E) Fixos e Semi-Fixos. Seguimos a linha de pensamento do prof. Eliseu Martins 1, que adota os seguintes critérios de classificação dos custos: em relação à apropriação aos produtos fabricados: custos diretos ou custos indiretos; e em relação aos níveis de produção: fixos ou variáveis. 1 MARTINS, Eliseu. Contabilidade de Custos. 9 a ed. São Paulo: Ed. Atlas S.A., 2008, págs. 48 a

4 Portanto, relativamente à apropriação aos produtos, os custos são diretos ou indiretos. Nota: é preciso esclarecer o que são os custos semivariáveis e custos semifixos que aparecem nas opções C e E. Vamos lá. Alguns gastos têm parte de sua natureza fixa e parte variável. Por exemplo, a depreciação é a perda de valor de um bem em função 2 : do desgaste pelo uso (parcela variável); da ação da natureza (parcela fixa); e da obsolescência (parcela fixa). No mundo real, a depreciação é classificada em função do que seja mais relevante e de acordo com o critério de cálculo. No Brasil, a depreciação geralmente é determinada pelo método linear em função do tempo de vida útil. Nesse caso, ela é tratada como um gasto fixo. Caso fosse calculada em função do tempo efetivo de utilização ou das unidades fabricadas (desgaste pelo uso), seria apropriada como gasto variável. Gastos dessa natureza são chamados, às vezes, semivariáveis ou semifixos, mas preferimos dizer que são gastos com parte fixa e parte variável. Outros exemplos de gastos semifixos ou semivariáveis são as contas mensais das tarifas públicas, como água, luz, telefone etc. Nessas contas mensais, é cobrada uma parcela fixa, que é a taxa mínima, e outra parcela variável, que aumenta com a utilização do serviço. GABARITO: A 3. (ICMS-PR/Cops-UEL/2012) Tendo uma indústria incorrido em custos totais fixos de R$ ,00 e variáveis de R$ ,00, para uma produção de unidades, com base no fato de que, no sistema de custeio por absorção, a quantidade produzida oscila para mais ou para menos, considere as afirmativas a seguir. I. O custo total fixo varia. II. O custo total variável não varia. III. O custo unitário fixo varia. IV. O custo unitário variável não varia. 2 OLIVEIRA, L. M. de; PEREZ JR., J. H. Contabilidade de Custos para Não Contadores: Textos e Casos Práticos com Solução. 5 a ed. São Paulo: Ed. Atlas S.A., 2012, págs.69 a

5 Assinale a alternativa correta. (A) Somente as afirmativas I e II são corretas. (B) Somente as afirmativas I e IV são corretas. (C) Somente as afirmativas III e IV são corretas. (D) Somente as afirmativas I, II e III são corretas. (E) Somente as afirmativas II, III e IV são corretas. Os Custos Variáveis (CV) são diretamente proporcionais à quantidade (Q) produzida pela fábrica, ou seja, CV =.Q, em que denota o parâmetro de proporcionalidade. Portanto, o Custo Variável Unitário (CVu) é fixo ou constante em que K é um valor constante. CVu = CV/Q = K O Custo Fixo (CF) é constante qualquer que seja o volume de produção. Porém, o Custo Fixo Unitário (CFu) é sempre decrescente (*), uma vez que é dado por CFu = CF/Q. A fórmula acima indica que o CFu é uma função potência, ou seja, do tipo y ax, em que a e são constantes reais. No caso do CFu, tem-se =-1, a=cf e x=q. Considere o caso da fabricação de um produto em que CF = 100 e CV = 10Q. Como CT = CV + CF, tem-se que CT = Q. Os Custos Fixos e Variáveis Unitários são dados por CFu = 100/Q CVu =10. Além disso, seja o Custo Médio seja definido por CMe = CT/Q ou 5

6 CMe = CFu + CVu. Então CMe = /Q. O gráfico da parte superior da figura acima mostra que CF é uma reta paralela ao eixo das quantidades Q (reta na cor preta). O CV, que está indicado pela reta azul, é zero se nada for produzido (e teríamos CT = CF neste caso) e aumenta linearmente com a produção (o coeficiente angular da reta CV é igual a 10). O CT também é uma reta de inclinação positiva, com o mesmo coeficiente angular da reta CV (portanto paralela à reta CV), só que deslocada verticalmente, para cima, em $ 100,00. O gráfico da parte inferior da figura mostra que CVu é uma reta paralela ao eixo das quantidades. As funções CFu e CMe decrescem à medida que Q aumenta, pois são funções do tipo potência (y=ax, com a e sendo constantes reais), definida somente para Q>0. Além disso, observe que a 6

7 distância entre as curvas CFu e CMe é sempre constante e igual ao valor de CVu. Análise das afirmativas: I. Incorreta, porque o custo total fixo não varia. II. Incorreta, porque o custo total variável varia. III. Correta, porque Cfu = CF/Q. IV. Correta, porque CVu = CV/Q = K, em que K denota um valor constante. GABARITO: C 4. (ICMS-PR/Cops-UEL/2012) Com relação às funções da contabilidade de custos, financeira e gerencial, considere as afirmativas a seguir. I. A contabilidade de custo tem um escopo mais amplo que a contabilidade gerencial. II. O uso da contabilidade de custos como instrumento gerencial é preocupação permanente dos contadores, auditores e fiscais. III. O sistema de custos pode subsidiar a decisão gerencial de administração de preço de venda. IV. Lucro bruto é o resultado do confronto do custo das mercadorias ou produtos vendidos ou dos serviços prestados aos clientes com a respectiva receita líquida. Assinale a alternativa correta. (A) Somente as afirmativas I e II são corretas. (B) Somente as afirmativas I e IV são corretas. (C) Somente as afirmativas III e IV são corretas. (D) Somente as afirmativas I, II e III são corretas. (E) Somente as afirmativas II, III e IV são corretas. Análise das afirmativas: I. Incorreta. A contabilidade de custo tem um escopo menos amplo que a contabilidade gerencial 7

8 II. Incorreta. O uso da contabilidade de custos como instrumento gerencial é preocupação permanente dos contadores de custos, administradores, gerentes e diretores da empresa. Contadores, auditores e fiscais usam a Contabilidade de Custos como uma forma de resolver seus problemas de mensuração monetária dos estoques e do resultado. III. Correta. O sistema de custos pode subsidiar a decisão gerencial de administração de preço de venda. Mas a decisão final sobre o preço de venda leva em conta outros fatores como o mercado, estratégias de marketing etc. IV. Correta, pois LB = V CPV, em que LB é o Lucro Bruto, V denota a receita líquida e CPV é o Custo do Produto Vendido. GABARITO: C 5. (ICMS-PR/Cops-UEL/2012) Quanto às terminologias contábeis básicas da contabilidade de custos, relacione a coluna da esquerda com a da direita. I. A contabilidade de custo tem um escopo mais amplo que a contabilidade gerencial. II. O uso da contabilidade de custos como instrumento gerencial é preocupação permanente dos contadores, auditores e fiscais. III. O sistema de custos pode subsidiar a decisão gerencial de administração de preço de venda. IV. Lucro bruto é o resultado do confronto do custo das mercadorias ou produtos vendidos ou dos serviços prestados aos clientes com a respectiva receita líquida. Assinale a alternativa correta. (A) Somente as afirmativas I e II são corretas. (B) Somente as afirmativas I e IV são corretas. (C) Somente as afirmativas III e IV são corretas. (D) Somente as afirmativas I, II e III são corretas. (E) Somente as afirmativas II, III e IV são corretas. Análise das afirmativas: I. Incorreta. A contabilidade de custo tem um escopo menos amplo que a contabilidade gerencial 8

9 II. Incorreta. O uso da contabilidade de custos como instrumento gerencial é preocupação permanente dos contadores de custos, administradores, gerentes e diretores da empresa. Contadores, auditores e fiscais usam a Contabilidade de Custos como uma forma de resolver seus problemas de mensuração monetária dos estoques e do resultado. III. Correta. O sistema de custos pode subsidiar a decisão gerencial de administração de preço de venda. Mas a decisão final sobre o preço de venda leva em conta outros fatores como o mercado, estratégias de marketing etc. IV. Correta, pois LB = V CPV, em que LB é o Lucro Bruto, V denota a receita líquida e CPV é o Custo do Produto Vendido. GABARITO: C (ANAC/CESPE-UnB/2012) Em relação à classificação e à terminologia de custos, julgue os itens a seguir. 6. O custo variável é uniforme por unidade, mas varia em relação ao total, na proporção direta das variações da atividade ou do volume de produção relacionado. A classificação dos custos em fixos e variáveis leva em conta a unidade de tempo, o valor total dos custos com um item nessa unidade de tempo e o volume de atividade. A matéria-prima consumida em um período é um custo variável, porque tem relação direta e proporcional com o volume de produção relacionado. A conta dos telefones da fábrica, cujo valor pode variar de mês para mês, é um custo fixo, pois seu valor independe do volume produzido em cada período, ou, dito de outra forma, porque seu montante não varia em função do volume de produção de cada período. O fato de os Custos Variáveis (CV) serem diretamente proporcionais à Quantidade produzida (Q) é equacionado pela fórmula CV = CVu x Q em que CVu denota o Custo Variável Unitário. O custo variável é uniforme por unidade, pois a relação CVu = CV/Q = K, em que K é um valor constante, é válida para a grandeza CVu, ou seja, o CVu é fixo. 9

10 GABARITO: C 7. O gasto com mão de obra durante um período de greve e a sobra de material proveniente da produção são considerados perda. A perda é um bem ou serviço consumido de forma anormal e involuntária. O gasto com a mão de obra durante um período de greve é um exemplo de perda. Não é considerado um custo de produção. A sobra de material proveniente da produção é um custo produtivo, pois é inerente ao processo de fabricação. Não se produz sem que haja sobras ou perdas de material (*). Como não é perda, o item é errado. Assim como as Despesas, as Perdas vão diretamente à conta de Resultado. (*) Não se confunda! Apesar de ser comum na prática o uso da expressão perdas de material, essas perdas são consideradas custos produtivos! GABARITO: E (ANAC/CESPE-UnB/2012) Custo variável unitário 30,00 Total de custos fixos ,00 Despesas variáveis de venda (por unidade) 2,50 R$ Em determinado ano, uma indústria iniciou a produção de 500 unidades de um produto, tendo concluído 80% dessas unidades. Os produtos em elaboração ficaram com 60% de acabamento médio e foram vendidas, no período, 300 unidades ao preço unitário de R$ 80,00. No mesmo período, foram coletadas as informações da indústria referentes a esse produto mostradas na tabela acima. Com base nessas informações e considerando que essa indústria não possuía estoques no início do ano e adota o custeio por absorção, julgue os itens a seguir. 8. O estoque final de produtos em elaboração é inferior a R$ 5.000,

11 Dados: - Custos Fixos (CF) = $ Custo Variável Unitário (CVu) = $ 30/un. Custos de Produção do Período (CPP) = Custos Fixos + Custos Variáveis = CF + CV CV = CVu x Equivalente de Produção do período = CVu x EP Cálculo do EP: 80% x 500 un. = 400 un. acabados 20% x 500 un. = 100 un. semiacabados x 60% processados = 60 un. equivalentes. EP = 400 un un. = 460 un. Cálculo do CV: CV = CVu x EP = $ 30/un. x 460 un. = $ Cálculo do CPP: CPP = CF + CV = $ $ = $ Cálculo do Custo Médio (CM): CM = CPP/EP = $ /460 un. = $ 80/un. Estoque Final de Produtos em Elaboração (EFPE): EFPE = 60 un. x $ 80/un. = $ inferior a $ Item certo. GABARITO: C 9. O custo dos produtos vendidos no período foi igual a R$ ,00. Custo dos Produtos Vendidos (CPV) = 300 un. x Custo Médio = 300 un. x $ 80/un. = $

12 Item certo. GABARITO: C 10. O equivalente de produção desse ano foi superior a 470 unidades. O equivalente de produção foi calculado em item anterior e é igual a 460 unidades. Item errado. GABARITO: E (ANAC/Cespe-UnB/2012/Adaptada) Uma fábrica que adota o custeio por absorção aplicou R$ ,00 de matéria-prima, R$ ,00 de mão de obra direta e R$ ,00 de custos indiretos de fabricação em sua produção do mês de setembro de O saldo inicial dos estoques de produtos em elaboração do referido mês foi de R$ 8.000,00 e a fábrica não possuía estoque de produtos acabados no início do mês. Considerando que a fábrica vende seu único produto por R$ 20,00 a unidade e que foi vendida a produção total de unidades, julgue o item que se segue. 11. Se o lucro bruto for de R$ ,00, o estoque final de produtos em elaboração será igual a R$ ,00. Dados: - Matéria-Prima (MD) = $ ; - Mão de Obra Direta (MOD) = $ ; - Custos Indiretos de Fabricação (CIF) = $ ; - Estoque Inicial de Produtos em Elaboração (EIPE) = $ 8.000; - Estoque Inicial de Produtos Acabados (EIPA) = $ 0; - Preço de Venda unitário (PVu) = $ 20; - A produção total de un. foi vendida. Isto quer dizer que o Estoque Final de Produtos Acabados (EFPA) é nulo, ou seja, EFPA = $ 0; e - Lucro Bruto = $ Custos de Produção do Período (CPP) = MD + MOD + CIF CPP = $ $ $ = $ Receita com Vendas (V) = PVu x Q = $ 20/un x un = $

13 LB = V CPV CPV = V LB = = CPA = CPP + EIPE EFPE = $ $8.000 EFPE = EFPE CPV = CPA + EIPA EFPA = ( EFPE) EFPE = $ $ = $ EFPE = $13.000, item certo. GABARITO: C (ANAC/Cespe-UnB/2012/Adaptada) Tendo em vista que a análise de custos é um dos principais fatores para a tomada de decisões em uma empresa, julgue os item que se segue. 12. Para se obter a margem de contribuição os custos fixos e variáveis devem ser subtraídos das vendas. Esquema da Demonstração do Resultado do Período pelo Custeio Variável: Vendas Líquidas (-) CPV (-) Despesas Variáveis Margem de Contribuição (-) Custos Fixos (-) Despesas Fixas Lucro Líquido O esquema acima mostra que os custos fixos não devem ser subtraídos das vendas para se obter a margem de contribuição. Item errado. GABARITO: E (TCE-ES/CESPE/2012) Com relação à contabilidade de custos, importante ferramenta para a apuração de resultados e para a gestão empresarial, julgue os itens que se seguem. 13. A mão de obra direta pode ser classificada como custo primário juntamente com a matéria-prima e como custo de conversão juntamente com os custos gerais de fabricação. 13

14 O Custo Primário (CPrim) pode ser definido como CPrim = MD + MOD em que MD denota os Materiais Diretos (matéria-prima, materiais secundários cujo valor compense apropriá-los diretamente ao produto e material de embalagem) e MOD é a Mão de Obra Direta (*). O Custo de Conversão ou Transformação (CTransf) é dado por Ctransf = MOD + CIF em que CIF denota os Custos Indiretos de Fabricação. Os CIF também recebem outros nomes, tais como Gastos Gerais de Fabricação, Custos Gerais de Fabricação, Gastos Gerais de Produção e Despesas Indiretas de Fabricação. Portanto, a mão de obra direta pode ser classificada como custo primário juntamente com a matéria-prima e como custo de conversão juntamente com os custos gerais de fabricação. Item certo. (*) O prof. Eliseu Martins 3 considera que o Custo Primário é dado pela soma da matéria-prima com a mão de obra direta, ou seja GABARITO: C CPrim = Matéria-Prima + MOD 14. Departamento consiste na unidade mínima administrativa representada, em geral, por homens e máquinas em que são contabilizados os custos e o setor em que são desenvolvidas atividades homogêneas. A afirmação está correta. O Departamento é a unidade mínima administrativa para a Contabilidade de Custos, representada em geral por pessoas e máquinas, em que se desenvolvem atividades homogêneas. Diz-se unidade mínima administrativa porque sempre há um responsável para cada Departamento. Os Departamentos podem ser divididos em dois grandes grupos: 3 Eliseu Martins, Contabilidade de Custos, 9ª edição, Ed. Atlas,

15 Departamentos de Produção, que são aqueles que atuam sobre os produtos; e Departamentos de Serviços, que são os que executam serviços auxiliares e não têm atuação direta sobre os produtos. Na maioria das vezes um Departamento é um Centro de Custos, ou seja, nele são acumulados os custos indiretos de fabricação para posterior alocação aos produtos. Mas podem existir diversos Centros de Custos dentro de um mesmo Departamento. Deste modo, podemos definir Centro de Custo como sendo a menor fração de atividade ou área de responsabilidade para a qual é realizada a acumulação de custos. GABARITO: C 15. A metodologia de custeio variável, apesar de amplamente utilizada para fins gerenciais, não pode ser utilizada no Brasil para fins de publicação societária ou de apuração fiscal. O método de custeio variável é vedado pela legislação do Imposto de Renda. Contudo, é considerado mais adequado que o método do custeio por absorção para fins gerenciais. É por esta razão que vem sendo amplamente usado no Brasil como ferramenta de apoio ao processo de tomada de decisões em uma empresa. Item certo. GABARITO: C 16. Define-se custeio integral como a metodologia de custeio em que tanto os custos variáveis como os custos fixos são atribuídos aos objetos de custo. Foi dada a definição de Custeio por Absorção. O Custeio Integral é uma extensão do conceito de Custeio por Absorção. O Custeio Integral consiste em ratear, aos produtos, todos os gastos da empresa; não só os custos, mas também despesas comerciais, administrativas e até mesmo as despesas financeiras. Item errado. GABARITO: E 15

16 Bons estudos e até a próxima aula, Alexandre Lima 16

17 Lista de Questões Comentadas na Aula 1. (AFTE-RS/Fundatec/2009) Uma empresa fabricante de calçados em determinado mês consumiu R$ ,00 de couro para fabricar pares de sapatos. Esse valor será considerado: (A) Despesa. (B) Investimento. (C) Gasto. (D) Custo. (E) Desembolso. 2. (AFTE-RS/Fundatec/2009) Considerando-se a relação existente entre os custos e os produtos fabricados, como os custos são classificados: (A) Diretos e Indiretos. (B) Fixos e Variáveis. (C) Fixos, Variáveis e Semi-Variáveis. (D) Fixos e Diretos. (E) Fixos e Semi-Fixos. 3. (ICMS-PR/Cops-UEL/2012) Tendo uma indústria incorrido em custos totais fixos de R$ ,00 e variáveis de R$ ,00, para uma produção de unidades, com base no fato de que, no sistema de custeio por absorção, a quantidade produzida oscila para mais ou para menos, considere as afirmativas a seguir. I. O custo total fixo varia. II. O custo total variável não varia. III. O custo unitário fixo varia. IV. O custo unitário variável não varia. Assinale a alternativa correta. (A) Somente as afirmativas I e II são corretas. (B) Somente as afirmativas I e IV são corretas. (C) Somente as afirmativas III e IV são corretas. (D) Somente as afirmativas I, II e III são corretas. (E) Somente as afirmativas II, III e IV são corretas. 17

18 4. (ICMS-PR/Cops-UEL/2012) Com relação às funções da contabilidade de custos, financeira e gerencial, considere as afirmativas a seguir. I. A contabilidade de custo tem um escopo mais amplo que a contabilidade gerencial. II. O uso da contabilidade de custos como instrumento gerencial é preocupação permanente dos contadores, auditores e fiscais. III. O sistema de custos pode subsidiar a decisão gerencial de administração de preço de venda. IV. Lucro bruto é o resultado do confronto do custo das mercadorias ou produtos vendidos ou dos serviços prestados aos clientes com a respectiva receita líquida. Assinale a alternativa correta. (A) Somente as afirmativas I e II são corretas. (B) Somente as afirmativas I e IV são corretas. (C) Somente as afirmativas III e IV são corretas. (D) Somente as afirmativas I, II e III são corretas. (E) Somente as afirmativas II, III e IV são corretas. 5. (ICMS-PR/Cops-UEL/2012) Quanto às terminologias contábeis básicas da contabilidade de custos, relacione a coluna da esquerda com a da direita. I. A contabilidade de custo tem um escopo mais amplo que a contabilidade gerencial. II. O uso da contabilidade de custos como instrumento gerencial é preocupação permanente dos contadores, auditores e fiscais. III. O sistema de custos pode subsidiar a decisão gerencial de administração de preço de venda. IV. Lucro bruto é o resultado do confronto do custo das mercadorias ou produtos vendidos ou dos serviços prestados aos clientes com a respectiva receita líquida. Assinale a alternativa correta. (A) Somente as afirmativas I e II são corretas. (B) Somente as afirmativas I e IV são corretas. (C) Somente as afirmativas III e IV são corretas. (D) Somente as afirmativas I, II e III são corretas. (E) Somente as afirmativas II, III e IV são corretas. 18

19 (ANAC/CESPE-UnB/2012) Em relação à classificação e à terminologia de custos, julgue os itens a seguir. 6. O custo variável é uniforme por unidade, mas varia em relação ao total, na proporção direta das variações da atividade ou do volume de produção relacionado. 7. O gasto com mão de obra durante um período de greve e a sobra de material proveniente da produção são considerados perda. (ANAC/CESPE-UnB/2012) Custo variável unitário 30,00 Total de custos fixos ,00 Despesas variáveis de venda (por unidade) 2,50 Em determinado ano, uma indústria iniciou a produção de 500 unidades de um produto, tendo concluído 80% dessas unidades. Os produtos em elaboração ficaram com 60% de acabamento médio e foram vendidas, no período, 300 unidades ao preço unitário de R$ 80,00. No mesmo período, foram coletadas as informações da indústria referentes a esse produto mostradas na tabela acima. Com base nessas informações e considerando que essa indústria não possuía estoques no início do ano e adota o custeio por absorção, julgue os itens a seguir. 8. O estoque final de produtos em elaboração é inferior a R$ 5.000, O custo dos produtos vendidos no período foi igual a R$ , O equivalente de produção desse ano foi superior a 470 unidades. (ANAC/Cespe-UnB/2012/Adaptada) Uma fábrica que adota o custeio por absorção aplicou R$ ,00 de matéria-prima, R$ ,00 de mão de obra direta e R$ ,00 de custos indiretos de fabricação em sua produção do mês de setembro de O saldo inicial dos estoques de produtos em elaboração do referido mês foi de R$ 8.000,00 e a fábrica não possuía estoque de produtos acabados no início do mês. Considerando que a fábrica vende seu único produto por R$ 20,00 a unidade e que foi vendida a produção total de unidades, julgue o item que se segue. R$ 19

20 11. Se o lucro bruto for de R$ ,00, o estoque final de produtos em elaboração será igual a R$ ,00. (ANAC/Cespe-UnB/2012/Adaptada) Tendo em vista que a análise de custos é um dos principais fatores para a tomada de decisões em uma empresa, julgue os item que se segue. 12. Para se obter a margem de contribuição os custos fixos e variáveis devem ser subtraídos das vendas. (TCE-ES/2012/CESPE-UnB) Com relação à contabilidade de custos, importante ferramenta para a apuração de resultados e para a gestão empresarial, julgue os itens que se seguem. 13. A mão de obra direta pode ser classificada como custo primário juntamente com a matéria-prima e como custo de conversão juntamente com os custos gerais de fabricação. 14. Departamento consiste na unidade mínima administrativa representada, em geral, por homens e máquinas em que são contabilizados os custos e o setor em que são desenvolvidas atividades homogêneas. 15. A metodologia de custeio variável, apesar de amplamente utilizada para fins gerenciais, não pode ser utilizada no Brasil para fins de publicação societária ou de apuração fiscal. 16. Define-se custeio integral como a metodologia de custeio em que tanto os custos variáveis como os custos fixos são atribuídos aos objetos de custo. 20

21 Gabarito 1 D 2 A 3 C 4 C 5 C 6 C 7 E 8 C 9 C 10 E 11 C 12 E 13 C 14 C 15 C 16 E 21

CONTABILIDADE DE CUSTOS PACOTE DE TEORIA E EXERCÍCIOS MPU 2013 PROF. ALEXANDRE LIMA

CONTABILIDADE DE CUSTOS PACOTE DE TEORIA E EXERCÍCIOS MPU 2013 PROF. ALEXANDRE LIMA Saudações! Bem vindo às aulas de Teoria e Exercícios de CONTABILIDADE DE CUSTOS para o PACOTE DO ANALISTA DO MPU. É uma imensa satisfação tê-lo como aluno. Como este é o nosso primeiro encontro, peço licença

Leia mais

Aula 00. Aula 0 (DEMONSTRATIVA): apresentação do conteúdo programático, metodologia de ensino e resolução de exercícios.

Aula 00. Aula 0 (DEMONSTRATIVA): apresentação do conteúdo programático, metodologia de ensino e resolução de exercícios. Aula 00 Caro aluno, Bem vindo ao curso de Contabilidade de Custos em Teoria e Exercícios para o cargo de Auditor-Fiscal da Receita Estadual do Estado do Ceará. É uma imensa satisfação tê-lo como meu aluno!

Leia mais

Curso Online Contabilidade de Custos Agente Fiscal de Rendas/SP 2012 Prof. Alexandre Lima. AULA 0 Apresentação do Curso

Curso Online Contabilidade de Custos Agente Fiscal de Rendas/SP 2012 Prof. Alexandre Lima. AULA 0 Apresentação do Curso AULA 0 Apresentação do Curso Caro colega, Tudo bem com você? Sou o professor Alexandre Lima. É uma imensa satisfação tê-lo como meu aluno. Como este é o nosso primeiro encontro, peço a sua licença para

Leia mais

Contabilidade de Custos

Contabilidade de Custos Sumário 1 SEFAZ/SP - Fiscal ICMS (FCC - 2009) Custo de Produção... 2 2 SEFAZ/RJ - Fiscal de Rendas (FGV - 2010) - Apuração do CPV... 2 3 SEFAZ/RJ Fiscal de Rendas (FGV - 2008) - Rateio de custos... 3 4

Leia mais

Curso Online Contabilidade de Custos em Exercícios Agente Fiscal de Rendas do Estado de São Paulo AFR/SP Prof. Alexandre Lima

Curso Online Contabilidade de Custos em Exercícios Agente Fiscal de Rendas do Estado de São Paulo AFR/SP Prof. Alexandre Lima Caro colega, AULA 0 Apresentação do Curso Tudo bem com você? Sou o professor Alexandre Lima. É uma imensa satisfação tê-lo como meu aluno. Como este é o nosso primeiro encontro, peço a sua licença para

Leia mais

Rodada #1 Análise das Demonstrações e Contabilidade de Custos

Rodada #1 Análise das Demonstrações e Contabilidade de Custos Rodada #1 Análise das Demonstrações e Contabilidade de Custos Professor Marcelo Seco Assuntos da Rodada Custo: conceito, classificação, sistemas, formas de custeio, sistemas de controle de custo e nomenclaturas

Leia mais

Aula Nº 5 Custeio por Absorção

Aula Nº 5 Custeio por Absorção Aula Nº 5 Custeio por Absorção Objetivos da aula: O Custeio por Absorção é muito importante para os contadores, pois as empresas são obrigadas a apresentar suas demonstrações para o fisco utilizando-se

Leia mais

CUSTEIOS. CUSTEIO significa apropriação de custos.

CUSTEIOS. CUSTEIO significa apropriação de custos. CUSTEIOS CUSTEIO significa apropriação de custos. Custeio por Absorção (Aceito pelos GAAP BR e Legislação do IR) Custeio por Departamentalização Custeio Variável Custeio ABC Custeio RKW Etc. 1 Estágio

Leia mais

Egbert Buarque

Egbert Buarque Egbert Buarque (egbert.buarque@yahoo.com.br) Custos Industrial Serviços Comercial Contabilidade Bancária Pública Comercial Industrial ATIVO Mercadorias em estoque RESULTADO CMV Mão-de-obra Direta - MOD

Leia mais

Métodos de Apuração do Resultado

Métodos de Apuração do Resultado Métodos de Apuração do Resultado Prof. Flávio Smania Ferreira 4 termo ADMINISTRAÇÃO GERAL e-mail: flavioferreira@live.estacio.br blog: http://flaviosferreira.wordpress.com Terminologias: Gasto: é todo

Leia mais

1) Os valores a seguir foram extraídos dos registros contábeis de uma empresa industrial:

1) Os valores a seguir foram extraídos dos registros contábeis de uma empresa industrial: 1) Os valores a seguir foram extraídos dos registros contábeis de uma empresa industrial: 2) Uma indústria apresentou, no mês de fevereiro de 2013, os seguintes custos de produção: 3) Uma sociedade empresária

Leia mais

SIMULADO DE CONTABILIDADE DE CUSTOS Prof. Manuel Piñon. Questão 01

SIMULADO DE CONTABILIDADE DE CUSTOS Prof. Manuel Piñon. Questão 01 SIMULADO DE CONTABILIDADE DE CUSTOS Prof. Manuel Piñon Tipo de questão: múltipla escolha diversas bancas Quantidade de questões: 20 Questão 01 Os itens que formam o custo primário são: a) Mão-de-obra indireta

Leia mais

CORREÇÃO PROVA AUDITOR FEDERAL DE CONTROLE EXTERNO TCU 2015

CORREÇÃO PROVA AUDITOR FEDERAL DE CONTROLE EXTERNO TCU 2015 CORREÇÃO PROVA AUDITOR FEDERAL DE CONTROLE EXTERNO TCU 2015 APRESENTAÇÃO Olá, meus amigos. Como estão?! Apresentamos, a seguir, a correção da prova de Contabilidade de Custos, bem como as possibilidades

Leia mais

Egbert Buarque

Egbert Buarque Egbert Buarque (egbert.buarque@yahoo.com.br) Custos Industrial Serviços Comercial Contabilidade Bancária Pública Comercial Industrial ATIVO Mercadorias em estoque RESULTADO CMV Mão-de-obra Direta - MOD

Leia mais

CONTABILIDADE DE CUSTO E GERENCIAL. Aula 9. Prof.: Marcelo Valverde

CONTABILIDADE DE CUSTO E GERENCIAL. Aula 9. Prof.: Marcelo Valverde CONTABILIDADE DE CUSTO E GERENCIAL Aula 9 Prof.: Marcelo Valverde Plano de Ensino da Disciplina: CONTABILIDADE GERENCIAL UNIDADE 05 Custeio Variável 5.1 Conceito de margem de contribuição 5.2 Custeio variável

Leia mais

Faculdade Carlos Drummond de Andrade Profa. Katia de Angelo Terriaga. CONTABILIDADE GERENCIAL Aula 01

Faculdade Carlos Drummond de Andrade Profa. Katia de Angelo Terriaga. CONTABILIDADE GERENCIAL Aula 01 Faculdade Carlos Drummond de Andrade Profa. Katia de Angelo Terriaga CONTABILIDADE GERENCIAL Aula 01 Quanto mais cedo se recebe informação, mais fácil é resolver algum problema. Principais Diferenças entre

Leia mais

Contabilidade de Custos Lista 02

Contabilidade de Custos Lista 02 1 Contabilidade de Custos Lista 02 1. (CESPE TRE-RJ Contador 2012) Se determinada entidade faz o levantamento de seus custos apenas pelo método de custeio por absorção, o valor correspondente aos custos

Leia mais

Unidade I CONTABILIDADE GERENCIAL. Profª Divane Silva

Unidade I CONTABILIDADE GERENCIAL. Profª Divane Silva Unidade I CONTABILIDADE GERENCIAL Profª Divane Silva Objetivos Gerais Desenvolver com os alunos conhecimentos necessários para as seguintes competências: Avaliar os fundamentos teóricos da contabilidade

Leia mais

Auditor Federal de Controle Externo/TCU Prova de Contabilidade de Custos Comentada

Auditor Federal de Controle Externo/TCU Prova de Contabilidade de Custos Comentada Auditor Federal de Controle Externo/TCU - 2015 Prova de Contabilidade de Custos Comentada Pessoal, a seguir comentamos as questões de Contabilidade de Custos aplicada na prova do TCU para Auditor de Controle

Leia mais

CONTABILIDADE DE CUSTOS

CONTABILIDADE DE CUSTOS CONTABILIDADE DE CUSTOS Elementos e Classificação de Custos: Com Relação aos Produtos, Com Relação ao Volume de Produção e Com Relação Progresso do Processo de Produção ELEMENTOS Custo Industrial (Custo

Leia mais

Rodada #1 Análise das Demonstrações e Contabilidade de Custos

Rodada #1 Análise das Demonstrações e Contabilidade de Custos Rodada #1 Análise das Demonstrações e Contabilidade de Custos Professor Marcelo Seco Assuntos da Rodada Conceitos iniciais de contabilidade de custos. Estrutura e Análise de Custos. Classificações. Reconhecimento

Leia mais

CONTABILIDADE GERENCIAL. Aula 16. Prof.: Marcelo Valverde

CONTABILIDADE GERENCIAL. Aula 16. Prof.: Marcelo Valverde CONTABILIDADE GERENCIAL Aula 16 Prof.: Marcelo Valverde Plano de Ensino da Disciplina: CONTABILIDADE GERENCIAL UNIDADE 5 - CUSTEIO VARIÁVEL 5.1 Conceito de margem de contribuição 5.2 Custeio variável 5.3

Leia mais

PONTO DE EQUILÍBRIO CONTABILIDADE DE CUSTOS. Revisão de conceitos... CONTABILIDADE DE CUSTOS. Revisão de conceitos... GASTOS

PONTO DE EQUILÍBRIO CONTABILIDADE DE CUSTOS. Revisão de conceitos... CONTABILIDADE DE CUSTOS. Revisão de conceitos... GASTOS PONTO DE EQUILÍBRIO CONTABILIDADE DE CUSTOS Revisão de conceitos... GASTOS é uma expressão mais genérica, significa aquisição de algo, compra. É o sacrifício financeirodespendido pela empresa na aquisição

Leia mais

Métodos de Custeio. Prof. Alan S. Fonseca. Fonseca, Alan Sales da. Métodos de custeio / Alan Sales da Fonseca. Varginha, slides; il.

Métodos de Custeio. Prof. Alan S. Fonseca. Fonseca, Alan Sales da. Métodos de custeio / Alan Sales da Fonseca. Varginha, slides; il. Métodos de Custeio F676m Fonseca, Alan Sales da. Métodos de custeio / Alan Sales da Fonseca. Varginha, 2015. 19 slides; il. Sistema requerido: Adobe Acrobat Reader Modo de Acesso: World Wide Web 1. Contabilidade

Leia mais

1 Introdução à Contabilidade de Custos

1 Introdução à Contabilidade de Custos Saudações, tudo bem com você? Pronto para começar o curso de Contabilidade de Custos? Duas observações antes de iniciarmos a exposição teórica. As notas explicativas estão indicadas pelos símbolos (*)

Leia mais

CSA1017 ESTRUTURA E ANÁLISE DE CUSTOS. Prof. Marcos Vinicius CON 2017/2

CSA1017 ESTRUTURA E ANÁLISE DE CUSTOS. Prof. Marcos Vinicius CON 2017/2 CSA1017 ESTRUTURA E ANÁLISE DE CUSTOS Prof. Marcos Vinicius CON 2017/2 A CONTABILIDADE Conceitos de Contabilidade Objetivos da Contabilidade Produtos da Contabilidade Atributos da Informação Contábil Usuários

Leia mais

Métodos de Custeio. Artigos da internet

Métodos de Custeio. Artigos da internet Método de Custeio por Absorção - (Custeio Integral) O Custeio por absorção, também chamado custeio integral, é aquele que faz debitar ao custo dos produtos todos os custos da área de fabricação, sejam

Leia mais

GESTÃO DE PESSOAS E PROJETOS. 7º semestre Eng. Produção. Prof. Luciel Henrique de Oliveira

GESTÃO DE PESSOAS E PROJETOS. 7º semestre Eng. Produção. Prof. Luciel Henrique de Oliveira GESTÃO DE PESSOAS E PROJETOS 7º semestre Eng. Produção Prof. Luciel Henrique de Oliveira luciel@fae.br Terminologia Contábil Prof. Luciel Henrique que Oliveira Gasto Sacrifício Financeiro para obtenção

Leia mais

CURSO DE CONTABILIDADE DE CUSTOS. Professora Ludmila Melo

CURSO DE CONTABILIDADE DE CUSTOS. Professora Ludmila Melo CURSO DE CONTABILIDADE DE CUSTOS Professora Ludmila Melo Conteúdo Programático INTRODUÇÃO Agenda Aula 1: Conceitos, objetivos e finalidades da Contabilidade de Custos Aula 2: Classificação e Nomenclatura

Leia mais

Contabilidade de Custos

Contabilidade de Custos Contabilidade de Custos PROFA. DRA. NATÁLIA DINIZ MAGANINI Agenda - Gestão de Custos e Tomada de Decisão - Custo x Volume x Lucro - Ponto de Equilíbrio (Contábil, Financeiro, Econômico) - Grau de Alavancagem

Leia mais

CONTABILIDADE DE CUSTOS PROFESSOR: Salomão Dantas Soares TURMA: 4º CCN1

CONTABILIDADE DE CUSTOS PROFESSOR: Salomão Dantas Soares TURMA: 4º CCN1 Classificação de custos: custos diretos, custos fixos e variáveis. Separação entre custos e despesas Custos diretos e indiretos: Custos diretos São custos diretos aqueles relacionados diretamente com a

Leia mais

Prof. Dr. Silvio Aparecido Crepaldi.

Prof. Dr. Silvio Aparecido Crepaldi. 1 2 O objetivo deste capítulo é ensinar a calcular o custo de um produto por meio do sistema de custeio variável, identificando a margem de contribuição, o ponto de equilíbrio e a margem de segurança para

Leia mais

CUSTOS INDUSTRIAIS.

CUSTOS INDUSTRIAIS. CUSTOS INDUSTRIAIS gleicilene@unifei.edu.br Introdução Revolução Industrial Empresas em geral comerciais Empresas industriais Cálculo do CMV, para apuração do Lucro. Poucas entidades jurídicas Preocupação

Leia mais

Fonseca, Alan Sales da. Contabilidade de custos: classificação de custos / Alan Sales da Fonseca. Varginha, slides; il.

Fonseca, Alan Sales da. Contabilidade de custos: classificação de custos / Alan Sales da Fonseca. Varginha, slides; il. Fonseca, Alan Sales da. F676c Contabilidade de custos: classificação de custos / Alan Sales da Fonseca. Varginha, 2015. 23 slides; il. Sistema requerido: Adobe Acrobat Reader Modo deacesso: World Wide

Leia mais

CUSTEIO POR ABSORÇÃO

CUSTEIO POR ABSORÇÃO CUSTEIO POR ABSORÇÃO Franciele Duarte 1 Julie Barbosa 2 Paula Cardoso Santos 3 Robson Souza 4 Guilherme Pressi 5 Luciano Severo 6 RESUMO Neste artigo abordaremos o método custeio por absorção, que considera

Leia mais

Prefácio. Rio de Janeiro, janeiro de Ricardo J. Ferreira

Prefácio. Rio de Janeiro, janeiro de Ricardo J. Ferreira Prefácio Neste livro, nosso principal objetivo é permitir a você o estudo da Contabilidade de Custos em linguagem simples, objetiva e de fácil assimilação, sem que haja perda na qualidade do conteúdo abordado.

Leia mais

CONTABILIDADE DE CUSTOS. Aula 3 - UNIDADE 2 - CUSTOS PARA AVALIAÇÃO DE ESTOQUES: CUSTEIO POR ABSORÇÃO. 2.1 Custos diretos e custos indiretos

CONTABILIDADE DE CUSTOS. Aula 3 - UNIDADE 2 - CUSTOS PARA AVALIAÇÃO DE ESTOQUES: CUSTEIO POR ABSORÇÃO. 2.1 Custos diretos e custos indiretos CONTABILIDADE DE CUSTOS Aula 3 - UNIDADE 2 - CUSTOS PARA AVALIAÇÃO DE ESTOQUES: CUSTEIO POR ABSORÇÃO 2.1 Custos diretos e custos indiretos Prof.: Marcelo Valverde CUSTOS Em relação a unidade produzida

Leia mais

Custos Industriais. Introdução. Introdução. Introdução à Contabilidade de Custos

Custos Industriais. Introdução. Introdução. Introdução à Contabilidade de Custos Custos Industriais Introdução à Contabilidade de Custos Prof. M.Sc. Gustavo Meireles 1 Introdução A apuração adequada, a análise, o controle e o gerenciamento dos custos de produção dos bens e serviços

Leia mais

Aula 1 - Questões Comentadas e Resolvidas

Aula 1 - Questões Comentadas e Resolvidas Aula 1 - Questões Comentadas e Resolvidas Funções da contabilidade de custos, financeira e gerencial. Custo: conceito, classificação, sistemas, formas de produção, formas de custeio, sistemas de controle

Leia mais

Custos Industriais. Introdução à Contabilidade de Custos. Prof. M.Sc. Gustavo Meireles/ Juliana Schmidt Galera

Custos Industriais. Introdução à Contabilidade de Custos. Prof. M.Sc. Gustavo Meireles/ Juliana Schmidt Galera Custos Industriais Introdução à Contabilidade de Custos Prof. M.Sc. Gustavo Meireles/ Juliana Schmidt Galera 1 Introdução Ø A apuração adequada, a análise, o controle e o gerenciamento dos custos de produção

Leia mais

Prof. Dr. Silvio Aparecido Crepaldi.

Prof. Dr. Silvio Aparecido Crepaldi. 1 2 Os objetivos deste capítulo são: Ensinar a calcular o custo de um produto ou serviço por meio do sistema de custeio por absorção. Justificar os critérios utilizados nesse cálculo, identificando suas

Leia mais

LISTA 01 - Contabilidade de Custos

LISTA 01 - Contabilidade de Custos LISTA 01 - Contabilidade de Custos Considerando os dados da tabela acima relativos a determinada indústria, julgue os itens subseqüentes, a respeito da relação custovolume-lucro dessa indústria. Considere

Leia mais

Métodos de Custeamento. Profª Ma. Máris de Cássia Ribeiro Vendrame

Métodos de Custeamento. Profª Ma. Máris de Cássia Ribeiro Vendrame Métodos de Custeamento Profª Ma. Máris de Cássia Ribeiro Vendrame Método de Custeamento RKW ou Pleno e Integral Também denominado método de custeio pleno ou integral, foi desenvolvido na Alemanha no início

Leia mais

Contabilidade de Custos 2016/1

Contabilidade de Custos 2016/1 Professor Gleison de Abreu Pontes Bacharel em Administração de Empresas (Faculdade Politécnica de Uberlândia, 2007) Especialista em Finanças (Universidade Federal de Uberlândia, 2010) Mestre em Ciências

Leia mais

Prof. Alexandre Lima 1

Prof. Alexandre Lima  1 1 Introdução à Contabilidade de Custos... 2 1.1 A Contabilidade Geral, a Contabilidade de Custos e a Contabilidade Gerencial... 2 1.2 Custeio por Absorção... 5 1.3 Terminologia Aplicável à Contabilidade

Leia mais

LISTA DE EXERCÍCIOS II

LISTA DE EXERCÍCIOS II CUSTEIO VARIÁVEL MARGEM DE CONTRIBUIÇÃO LISTA DE EXERCÍCIOS II ORIENTAÇÕES GERAIS: CUSTEIO VARIÁVEL E MARGEM DE CONTRIBUIÇÃO 1º Passo: Separação entre Custos e Despesas. Qual a diferença conceitual entre

Leia mais

Este é o método de custeio indicado para tomada de decisões, tais como:

Este é o método de custeio indicado para tomada de decisões, tais como: Fonte: Horngren Datar Foster bilidade de Custos Editora Pearson décima primeira Aula Adicional para complementação de Conteúdo - 08_11_2013 Custeio Variável Conceitos e Aplicações Custeio Variável (ou

Leia mais

FACULDADE SUMARÉ PLANO DE ENSINO

FACULDADE SUMARÉ PLANO DE ENSINO FACULDADE SUMARÉ PLANO DE ENSINO Curso: Ciências Contábeis Disciplina: Contabilidade de Custos Carga Horária: (horas/semestre) 50 aulas Semestre Letivo / Turno: 3º semestre Professor: Período: Ementa da

Leia mais

Exercício. Aula 09 Custos TCU I. Sumário

Exercício. Aula 09 Custos TCU I. Sumário Sumário 1 TCU Auditor CESPE 2014 - Questão 193 Contabilidade de Custos... 2 2 TCU Auditor CESPE 2014 - Questão 194 Contabilidade de Custos... 2 3 TCU Auditor CESPE 2014 - Questão 195 Contabilidade de Custos...

Leia mais

CONTABILIDADE DE CUSTOS E GERENCIAL. Aula 2- Unidade 01. Prof.: Marcelo Valverde

CONTABILIDADE DE CUSTOS E GERENCIAL. Aula 2- Unidade 01. Prof.: Marcelo Valverde E GERENCIAL Aula 2- Unidade 01 Prof.: Marcelo Valverde Plano de Ensino UNIDADE 1 CONTEXTUALIZAÇÃO DA CONTABILIDADE DE CUSTOS À CONTABILIDADE GERENCIAL 1.1 Contabilidade de Custos x Contabilidade Gerencial

Leia mais

Fonseca, Alan Sales da. F676e Esquema básico da contabilidade de custos / Alan Sales da Fonseca. Varginha, slides; il.

Fonseca, Alan Sales da. F676e Esquema básico da contabilidade de custos / Alan Sales da Fonseca. Varginha, slides; il. Fonseca, Alan Sales da. F676e Esquema básico da contabilidade de custos / Alan Sales da Fonseca. Varginha, 2015. 16 slides; il. Sistema requerido: Adobe Acrobat Reader Modo de Acesso: World Wide Web 1.

Leia mais

Unidade I CONTABILIDADE DE CUSTOS. Prof. Me. Alexandre Saramelli

Unidade I CONTABILIDADE DE CUSTOS. Prof. Me. Alexandre Saramelli Unidade I CONTABILIDADE DE CUSTOS Prof. Me. Alexandre Saramelli Tennis Ball Nancy Merkle - 2010 Introdução As atividades de negócios: Setor Comercial Setor Industrial Setor Serviços Introdução Contabilidade

Leia mais

Contabilidade de Custos para Auditor Fiscal de Rondônia Teoria e Exercícios Aula 00 Professor Marcelo Seco

Contabilidade de Custos para Auditor Fiscal de Rondônia Teoria e Exercícios Aula 00 Professor Marcelo Seco Aula 00 Contabilidade de Custos Conceitos Iniciais www.pontodosconcursos.com.br 1 Aula 00 Conceitos Iniciais Bem vindos!!! Alunas e alunos do Ponto, olá! É com muito prazer que passo a acompanhá-los em

Leia mais

RELAÇÃO CUSTO/VOLUME/LUCRO

RELAÇÃO CUSTO/VOLUME/LUCRO 1. CUSTOS / PLANEJAMENTO E DECISÓRIO 1.1 Relação Custo/Volume/Lucro A relação Custo/Volume/Lucro é a relação que o volume de vendas tem com os custos e lucros. 1.1.1 Custos e Despesas Variáveis Os custos

Leia mais

CONTABILIDADE DE CUSTOS. Aula 1- Contextualização. Prof.: Marcelo Valverde

CONTABILIDADE DE CUSTOS. Aula 1- Contextualização. Prof.: Marcelo Valverde Aula 1- Contextualização Prof.: Marcelo Valverde Plano de ensino: Contabilidade de Custo e Gerencial UNIDADE 1 CONTEXTUALIZAÇÃO DA CONTABILIDADE DE CUSTOS À CONTABILIDADE GERENCIAL 1.1 Contabilidade de

Leia mais

SUGESTÕES PARA RECURSOS. Apresentamos, a seguir, duas sugestões de recursos da prova do Ministério Público RN.

SUGESTÕES PARA RECURSOS. Apresentamos, a seguir, duas sugestões de recursos da prova do Ministério Público RN. Olá, meus amigos. Como estão?! Apresentamos, a seguir, duas sugestões de recursos da prova do Ministério Público RN. As questões de custos não estavam difíceis. Quem estudou pelo nosso material não encontrou

Leia mais

Continuação Aula 11 2

Continuação Aula 11 2 . 1 Continuação Aula 11 2 Conceitos Fundamentais sobre custos Figura Ilustração, ocorrência de despesas 3 CLASSIFICAÇÃO DOS CUSTOS Classificação pela facilidade de alocação Os custos podem ser classificados

Leia mais

3 CUSTEIO VARIÁVEL 4 MARGEM DE CONTRIBUIÇÃO LISTA DE EXERCÍCIOS II

3 CUSTEIO VARIÁVEL 4 MARGEM DE CONTRIBUIÇÃO LISTA DE EXERCÍCIOS II 3 CUSTEIO VARIÁVEL 4 MARGEM DE CONTRIBUIÇÃO LISTA DE EXERCÍCIOS II DIRECIONAMENTOS PARA O CÁLCULO DA MARGEM DE CONTRIBUIÇÃO: 1º: Separação entre Custos e Despesas. Qual a diferença conceitual entre custos

Leia mais

COMENTÁRIOS: CONTABILIDADE GERAL ISS JUNDIAÍ

COMENTÁRIOS: CONTABILIDADE GERAL ISS JUNDIAÍ COMENTÁRIOS: CONTABILIDADE GERAL ISS JUNDIAÍ A seguir, os comentários da Prova de Auditor Fiscal do ISS Jundiaí! Vislumbramos, a princípio, duas possibilidades de recursos. A questão 58, se confirmado

Leia mais

CONTABILIDADE DE CUSTOS

CONTABILIDADE DE CUSTOS CONTABILIDADE DE CUSTOS (Imbel/ 2008) Dado o gráfico a seguir, responda as questões de 01 a 05. 01- O Ponto A de interseção da curva de custo total com o eixo vertical representa: (A) ponto de equilíbrio.

Leia mais

CONTABILIDADE DE CUSTOS EXERCÍCIOS

CONTABILIDADE DE CUSTOS EXERCÍCIOS CONTABILIDADE DE CUSTOS EXERCÍCIOS 1. (UNIVERSA - SEJUS/DF ESPECIALISTA EM ASSISTÊNCIA SOCIAL CIÊNCIAS CONTÁBEIS 2010) Um sistema de custeio consiste em um critério por meio do qual os custos são apropriados

Leia mais

3 MÉTODOS DE CUSTEIO

3 MÉTODOS DE CUSTEIO 3 MÉTOOS E USTEIO 3.1 usteio por Absorção O método de custeio denominado de custeio por absorção é aquele que distribui todos os custos de produção de um período, sejam fixos ou variáveis, diretos ou indiretos,

Leia mais

Custos Industriais. Variações nos volumes de produção e vendas. Introdução. Classificação dos Gastos

Custos Industriais. Variações nos volumes de produção e vendas. Introdução. Classificação dos Gastos Custos Industriais Classificação dos Gastos Prof. M.Sc. Gustavo Meireles 1 Introdução Separação dos gastos em custos e despesas fundamental para a apuração do custo da produção e do resultado do período;

Leia mais

1. CONTABILIDADE DE CUSTOS

1. CONTABILIDADE DE CUSTOS 1. CONTABILIDADE DE CUSTOS A Contabilidade de Custos é o processo ordenado de usar os princípios da contabilidade geral para registrar os custos de operação de um negócio, de tal maneira que, com os dados

Leia mais

ORÇAMENTO EMPRESARIAL

ORÇAMENTO EMPRESARIAL ORÇAMENTO EMPRESARIAL Engenharia de Produção Prof. Flávio Smania Ferreira flavioferreira@live.estacio.br http://flaviosferreira.wordpress.com ORÇAMENTO DE CUSTO DE PRODUÇÃO Orçamento do Custo de Produção

Leia mais

Custos Diretos são facilmente alocados à produção. E os custos indiretos?

Custos Diretos são facilmente alocados à produção. E os custos indiretos? Custos Diretos são facilmente alocados à produção. E os custos indiretos? Custeio significa apropriação de custos. Custeio por absorção Custeio Variável Custeio ABC Custeio por absorção: é derivado de

Leia mais

Para ilustrar o tratamento de taxas CIP pré-fixadas consideraremos as atividades de um único mês na Ruger Corporation, uma empresa produtora de

Para ilustrar o tratamento de taxas CIP pré-fixadas consideraremos as atividades de um único mês na Ruger Corporation, uma empresa produtora de Para ilustrar o tratamento de taxas CIP pré-fixadas consideraremos as atividades de um único mês na Ruger Corporation, uma empresa produtora de medalhas comemorativas de ouro e prata. A Empresa possui

Leia mais

Aula 00. Contabilidade de Custos Curso Regular Teoria e Exercícios Aula 00 Professor Marcelo Seco

Aula 00. Contabilidade de Custos Curso Regular Teoria e Exercícios Aula 00 Professor Marcelo Seco Aula 00 Contabilidade de Custos Conceitos Iniciais www.pontodosconcursos.com.br 1 Aula 00 Conceitos Iniciais Bem vindos!!! Alunas e alunos do Ponto, olá! É com muito prazer que passo a acompanhá-los em

Leia mais

UTILIZAÇÃO DA MARGEM DE CONTRIBUIÇÃO

UTILIZAÇÃO DA MARGEM DE CONTRIBUIÇÃO 1º - EXERCÍCIO Uma determinada empresa, fabricante dos produtos X, Y e Z, na fabricação de 1.000 unidades mensais de cada produto, apresenta a seguinte estrutura de Custos e Despesas: CUSTOS DIRETOS R$

Leia mais

Gestão de Custos. Custo Contábil e Gestão. Aula 2. Organização da Aula. Contextualização. Contabilidade de Custo A Informação Útil

Gestão de Custos. Custo Contábil e Gestão. Aula 2. Organização da Aula. Contextualização. Contabilidade de Custo A Informação Útil Gestão de Custos Aula 2 Custo Contábil e Gestão Prof. Me. Ernani João Silva Organização da Aula Contabilidade de custo Evolução Terminologia básica Definição Natureza informacional Contextualização Contabilidade

Leia mais

Teleaula 2: Classificando os Gastos. Profª : Msc. Glenda Soprane

Teleaula 2: Classificando os Gastos. Profª : Msc. Glenda Soprane Contabilidade de Custos Teleaula 2: Classificando os Gastos Profª : Msc. Glenda Soprane Objetivos da Teleaula 2 Compreender os fundamentos da Contabilidade de Custos Compreender as nomenclaturas pertencentes

Leia mais

FECG-SP GESTÃO ESTRATÉGICA DE CUSTOS E FORMAÇÃO DO PREÇO DE VENDA PROF. EDUARDO ANTONIO STANISCI PEDRO

FECG-SP GESTÃO ESTRATÉGICA DE CUSTOS E FORMAÇÃO DO PREÇO DE VENDA PROF. EDUARDO ANTONIO STANISCI PEDRO FECG-SP GESTÃO ESTRATÉGICA DE CUSTOS E FORMAÇÃO DO PREÇO DE VENDA 2016 PROF. EDUARDO ANTONIO STANISCI PEDRO SUMÁRIO 1 INTRODUÇÃO 3 2 GESTÃO DE CUSTOS 4 2.1 Terminologia Usual 4 2.2 Classificação dos custos

Leia mais

Contabilidade de Custos Aula 1: Terminologias e Classificações. Professora: Caroline Camera

Contabilidade de Custos Aula 1: Terminologias e Classificações. Professora: Caroline Camera Contabilidade de Custos Aula 1: Terminologias e Classificações Professora: Caroline Camera Origens da Contabilidade de Custos A preocupação com a Contabilidade nasceu desde que o homem passou a possuir

Leia mais

Capítulo 1. Conceitos Gerais

Capítulo 1. Conceitos Gerais Capítulo 1 Conceitos Gerais 1. Conceito de Contabilidade de Custos A CONTABILIDADE DE CUSTOS é aquela aplicada às empresas industriais, prestadoras de serviços, rurais (pecuárias ou agrícolas) e às empresas

Leia mais

OS PRINCIPAIS ORÇAMENTOS

OS PRINCIPAIS ORÇAMENTOS OS PRINCIPAIS ORÇAMENTOS 1. Introdução Os orçamentos que podem ocorrer em um projeto durante sua vida útil serão apresentados a seguir. Portanto, é importante estabelecer, também, a determinação da vida

Leia mais

Gestão de Custos. Avaliação dos Custos. Aula 3. Organização da Aula. Contextualização. Contabilidade de Custo O Uso da Informação Útil

Gestão de Custos. Avaliação dos Custos. Aula 3. Organização da Aula. Contextualização. Contabilidade de Custo O Uso da Informação Útil Gestão de Custos Aula 3 Avaliação dos Custos Prof. Me. Ernani João Silva Organização da Aula Avaliação dos custos Ótica contábil Contextualização Ótica econômica Contabilidade de Custo O Uso da Informação

Leia mais

Custos Industriais. Aula 6. Contextualização. Profa. Me. Marinei Abreu Mattos

Custos Industriais. Aula 6. Contextualização. Profa. Me. Marinei Abreu Mattos Custos Industriais Aula 6 Contextualização Profa. Me. Marinei Abreu Mattos Dentro da legislação brasileira, no quesito referente a custos, temos que atender às normas vigentes, mas isso nos impede de usar

Leia mais

Contabilidade. História. Administração Prof.: Marcelo dos Santos. Contabilidade Gerencial 1

Contabilidade. História. Administração Prof.: Marcelo dos Santos. Contabilidade Gerencial 1 Administração Prof.: Marcelo dos Santos Contabilidade Gerencial 1 Contabilidade É a ciência teórica e prática que estuda os métodos de cálculo e registro da movimentação financeira e patrimônio das empresas.

Leia mais

UNIFEI Universidade Federal de Itajubá CUSTOS PARA DECISÃO. Prof. Edson de Oliveira Pamplona, Dr. Custos para Decisão

UNIFEI Universidade Federal de Itajubá CUSTOS PARA DECISÃO. Prof. Edson de Oliveira Pamplona, Dr.  Custos para Decisão UNIFEI Universidade Federal de Itajubá CUSTOS PARA DECISÃO Prof. Edson de Oliveira Pamplona, Dr. http://www.iem.efei.br/edson 71 Custos para Decisão Até agora vimos os conceitos utilizados para o cálculo

Leia mais

Contabilização dos Custos Critério Simples

Contabilização dos Custos Critério Simples Contabilização dos Custos Critério Simples Pelo critério simples, os custos são contabilizados de forma sintética, por totais, deixando de mostrar a origem dos custos nos estoques dos produtos. No entanto,

Leia mais

7ª Edição - Curso Preparatório para o Exame de Suficiência CFC

7ª Edição - Curso Preparatório para o Exame de Suficiência CFC 7ª Edição - Curso Preparatório para o Exame de Suficiência CFC 2017.2 Maratona de Contabilidade de Custos Prof.: Osvaldo Marques Prof. Osvaldo Marques 1 TERMINOLOGIA: GASTOS É todo sacrifício financeiro

Leia mais

Prova de Conhecimentos Específicos seleção março/2014 GABARITO 1 A B C D E 2 A B C D E 3 A B C D E 4 A B C D E 5 A B C D E 6 A B C D E 8 A B C D E

Prova de Conhecimentos Específicos seleção março/2014 GABARITO 1 A B C D E 2 A B C D E 3 A B C D E 4 A B C D E 5 A B C D E 6 A B C D E 8 A B C D E Prova de Conhecimentos Específicos seleção março/2014 GABARITO Questões Respostas 1 A B C D E 2 A B C D E 3 A B C D E 4 A B C D E 5 A B C D E 6 A B C D E 7 A B C D E 8 A B C D E 9 A B C D E 10 A B C D

Leia mais

Gostaríamos de dar algumas dicas para que você possa aproveitar melhor este mini simulado:

Gostaríamos de dar algumas dicas para que você possa aproveitar melhor este mini simulado: 1 MINI-SIMULADO GRATUITO PARA O EXAME DE SUFICIÊNCIA Olá, meus amigos. Nós, professores Julio Cardozo, Luciano Rosa e Gabriel Rabelo, preparamos este mini simulado para vocês, visando a preparação para

Leia mais

TEMA 3 ETAPAS DA MONTAGEM DO ORÇAMENTO: CONTEÚDOS, CONCEITOS E ASPECTOS RELEVANTES

TEMA 3 ETAPAS DA MONTAGEM DO ORÇAMENTO: CONTEÚDOS, CONCEITOS E ASPECTOS RELEVANTES TEMA 3 ETAPAS DA MONTAGEM DO ORÇAMENTO: CONTEÚDOS, CONCEITOS E ASPECTOS RELEVANTES 1 PLANO FINANCEIRO 2 PRINCÍPIOS GERAIS DE PLANEJAMENTO DIRETRIZES CENÁRIOS PREMISSAS PRÉ-PLANEJAMENTO PLANO DE MARKETING

Leia mais

Contabilidade de Custos

Contabilidade de Custos Sumário 1 Questões sobre Conceitos Básicos... 4 1.1 SEFAZ/SP - Fiscal ICMS (FCC- 2009) Custo de Produção... 4 1.2 SEFAZ/SP - Fiscal ICMS (FCC- 2009) Sucatas... 4 1.3 SEFAZ/SP - Fiscal ICMS (FCC- 2009)

Leia mais

UNIVERSIDADE DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO

UNIVERSIDADE DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO UNIVERSIDADE DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO CENTRO DE CIÊNCIAS SOCIAIS FACULDADE DE ADMINISTRAÇÃO E FINANÇAS PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS CONTÁBEIS MESTRADO EM CIÊNCIAS CONTÁBEIS PROVA ESCRITA PROCESSO

Leia mais

Nome do aluno: Nota:

Nome do aluno: Nota: CAMPUS NOVA CRUZ PROCESSO SELETIVO PARA TUTORIA DE APRENDIZAGEM EM LABORATÓRIO TAL ETAPA 1 PROVA ESCRITA DISCIPLINA: CONTABILIDADE DATA: 15/02/2013 HORÁRIO 10:30h.às 12:00h. Nome do aluno: Nota: QUESITO

Leia mais

CSA1017 ESTRUTURA E ANÁLISE DE CUSTOS

CSA1017 ESTRUTURA E ANÁLISE DE CUSTOS CSA1017 ESTRUTURA E ANÁLISE DE CUSTOS Prof. Marcos Vinicius CON 2015/2 DESEMBOLSOS Saídas de dinheiro do caixa ou das contas bancárias das empresas, ou seja, entrega a terceiros de parte dos numerários

Leia mais

5/9/2014. Análise gerencial de custos para empresas industriais de pequeno e médio porte

5/9/2014. Análise gerencial de custos para empresas industriais de pequeno e médio porte Análise gerencial de custos para empresas industriais de pequeno e médio porte Álvaro Paz Graziani 2014 1 Mini-currículo Experiência de 30 anos na gestão industrial/ logística de empresas líderes nos mercados

Leia mais

22/04/2013 ADMINISTRAÇÃO E FINANÇAS PARA ENGENHARIA. Professor: Luis Guilherme Magalhães (62) DEPRECIAÇÃO, CUSTOS FIXOS E CUSTOS VARIÁVEIS

22/04/2013 ADMINISTRAÇÃO E FINANÇAS PARA ENGENHARIA. Professor: Luis Guilherme Magalhães (62) DEPRECIAÇÃO, CUSTOS FIXOS E CUSTOS VARIÁVEIS ADMINISTRAÇÃO E FINANÇAS PARA ENGENHARIA Professor: Luis Guilherme Magalhães (62) 9607-2031 DEPRECIAÇÃO, CUSTOS FIXOS E CUSTOS VARIÁVEIS 1 CONCEITO Os Bens Patrimoniais, devido ao uso e pelo desgaste natural

Leia mais

Contabilidade de Custos Aula 0

Contabilidade de Custos Aula 0 Contabilidade de Custos Aula 0 Prof. Luiz Muniz Aula 0: Sistemas de custos: terminologia aplicada à Contabilidade de Custos, terminologia em entidades não industriais. Contabilidade de Custos Aula 1 Prof.

Leia mais

Exercícios - Prova TCU Auditor CESPE 2015

Exercícios - Prova TCU Auditor CESPE 2015 Questão 119 Notas Explicativas... 2 Questão 121 Remuneração por Ações *** RECURSO ***... 2 Questão 122 Provisões *** RECURSO ***... 2 Questão 123 Participações Societárias... 2 Questão 124 Lançamentos

Leia mais

CSA º C PLANO DE ENSINO

CSA º C PLANO DE ENSINO PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE GOIÁS ESCOLA DE GESTÃO E NEGÓCIOS CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS, ADMINISTRAÇÃO E ECONOMIA DISCIPLINA: ESTRUTURA E ANÁLISE DE CUSTO CÓDIGO CRÉDITOS PERÍODO PRÉ-REQUISITO

Leia mais

ANEXO I. Página 1 de 7

ANEXO I. Página 1 de 7 ANEXO I DETALHAMENTO DO CONTEÚDO PROGRAMÁTICO APLICÁVEL À PROVA DE BACHAREL EM CIÊNCIAS CONTÁBEIS (2ª EDIÇÃO II/2011 EDITAL EXAME DE SUFICIÊNCIA N.º 1/2011) 1. CONTABILIDADE GERAL a) A Escrituração Contábil:

Leia mais

7. Análise da Viabilidade Econômica de. Projetos

7. Análise da Viabilidade Econômica de. Projetos 7. Análise da Viabilidade Econômica de Projetos 7. Análise da Viabilidade Econômica de Terminologia em Custos: Gasto Investimento Custo Despesa Perda Desembolso 1 7. Análise da Viabilidade Econômica de

Leia mais

EVIDENCIAÇÃO DAS CONTAS PATRIMONIAIS, RESULTADOS E CUSTOS NAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS DAS INDÚSTRIAS. SISTEMAS DE CUSTEIO: CUSTEIO POR ABSORÇÃO

EVIDENCIAÇÃO DAS CONTAS PATRIMONIAIS, RESULTADOS E CUSTOS NAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS DAS INDÚSTRIAS. SISTEMAS DE CUSTEIO: CUSTEIO POR ABSORÇÃO AULA 01: EVIDENCIAÇÃO DAS CONTAS PATRIMONIAIS, RESULTADOS E CUSTOS NAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS DAS INDÚSTRIAS. SISTEMAS DE CUSTEIO: CUSTEIO POR ABSORÇÃO E CUSTEIO VARIÁVEL. AVALIAÇÃO DOS ESTOQUES DE PRODUTOS

Leia mais

2 MÉTODOS DE ACUMULAÇÃO DE CUSTOS

2 MÉTODOS DE ACUMULAÇÃO DE CUSTOS 2 MÉTODOS DE ACUMULAÇÃO DE CUSTOS 2.1 Os métodos de acumulação Em ambientes de produção de bens, os métodos de acumulação de custos típicos são o método de acumulação de custos por ordem de produção e

Leia mais

GASTO. Anotações. Introdução à Contabilidade de Custos. Terminologia da Contabilidade de Custos. Investimento. Custo. Despesa

GASTO. Anotações. Introdução à Contabilidade de Custos. Terminologia da Contabilidade de Custos. Investimento. Custo. Despesa Introdução à Contabilidade de Custos Contexto Histórico Revolução Industrial Diferença entre Contabilidade Financeira (Geral), Custos e Gerencial Contabilidade Financeira Usuários Externos Contabilidade

Leia mais

1 Classificações dos custos

1 Classificações dos custos 1 Classificações dos custos... 1 1.1 Relativamente à apropriação aos produtos fabricados... 2 1.1.1 Custos diretos... 2 1.1.2 Custos indiretos... 2 1.2 Relativamente aos níveis de produção... 3 1.2.1 Custos

Leia mais

EXERCÍCIOS DE EPR 002 Profª Gleicilene Siqueira de Mello

EXERCÍCIOS DE EPR 002 Profª Gleicilene Siqueira de Mello EXERCÍCIOS DE EPR 002 Profª Gleicilene Siqueira de Mello 1) Questão: João é proprietário de uma empresa geradora e distribuidora de energia termoelétrico em sua pequena cidade natal. João vende seu produto

Leia mais